Issuu on Google+

CONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

Esta terceira edição de Controladoria Estratégica e Operacional foi revisada e atualizada a fim de incorporar os recentes estudos e inovações na área. Apresenta visão abrangente e estruturada da atividade de Controladoria, considerando os aspectos teóricos que a fundamentam como ciência, ao mesmo tempo em que desenvolve todos os conceitos e técnicas para sua aplicação. O processo de gestão é o elemento condutor sobre o qual foi estruturada a obra. Isso deixa claro o papel da Controladoria dentro de toda a empresa e nas etapas que envolvem o planejamento, a execução e o controle das atividades empresariais. O foco do trabalho é o processo de criação de valor por meio da correta mensuração dos resultados da empresa e das atividades de negócio.

Aplicações: Livro-texto para as disciplinas de controladoria dos cursos de Ciências Contábeis, Administração de Empresas e Finanças Empresariais. Leitura complementar para as disciplinas contabilidade gerencial, planejamento e controle financeiro, contabilidade de custos e análise de demonstrativos contábeis. Manual de consulta para profissionais das áreas de Controladoria, Contabilidade Geral, Custos, Orçamentos, Análise Financeira e de Investimentos, Planejamento Estratégico e Gerência Financeira.

ISBN 13 978-85-221-1230-2 ISBN 10 85-221-1230-4

Para suas soluções de curso e aprendizado, visite www.cengage.com.br

9 788522 112302

ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

Além dos temas considerados clássicos em Controladoria, o texto apresenta outros tópicos mais avançados, como balanced scorecard, indicadores-chave de desempenho, introdução ao gerenciamento do risco, modelos de decisão para o planejamento operacional e execução dos eventos econômicos, política de redução de custos e análise de geração de lucros.

CONTROLADORIA

Clóvis Luís Padoveze é doutor em Contabilidade e Controladoria pela FEA-USP e mestre em Ciências Contábeis pela PUC-SP. É professor da Faculdade de Gestão e Negócios e do mestrado profissional em Administração da Universidade Metodista de Piracicaba-SP. Atua como controller em empresas de grande porte há mais de 25 anos. Tem mais de uma dezena de livros publicados nas áreas de Contabilidade, Custos, Administração Financeira e Controladoria.

Clóvis Luís Padoveze

Clóvis Luís Padoveze

SOBRE O AUTOR

OUTRAS OBRAS

Clóvis Luís Padoveze

CONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

Administração Financeira de Empresas Multinacionais: Abordagem Introdutória Clóvis Luís Padoveze

Análise das Demonstrações Financeiras – 3a edição Clóvis Luís Padoveze Gideon Carvalho de Benedicto

Controladoria Avançada Clóvis Luís Padoveze

Gerenciamento do Risco Corporativo em Controladoria: Enterprise Risk Management (ERM) Clóvis Luís Padoveze Ricardo Galinari Bertolucci


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page III

CONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL Conceitos - Estrutura - Aplicação 3ª edição revista e atualizada Clóvis Luís Padoveze

Austrália • Brasil • Japão • Coreia • México • Cingapura • Espanha • Reino Unido • Estados Unidos


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page IX

SUMÁRIO Prefácio à terceira edição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .XV Prefácio e plano da obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .XVI PARTE I – CONCEITOS, OBJETIVOS, ESTRUTURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Capítulo 1 – A Controladoria como Ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 1.1 Controladoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 1.2 Contabilidade/Controladoria como Ciência – As Raízes da Teoria Contábil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 1.3 Fases da Contabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 1.4 Contabilidade Gerencial e Contabilidade Financeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9

Capítulo 2 – O Sistema Empresa com o Objetivo da Eficácia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13 2.1 Eficiência e Eficácia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 2.2 Os Subsistemas do Sistema Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17 2.3 Eficácia e Controladoria: Planejamento e Controle com Enfoque em Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21

Capítulo 3 – O Modelo de Gestão e o Processo de Gestão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25 3.1 Visão Geral da Empresa: Missão, Crenças e Valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25 3.2 Modelo de Gestão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26 3.3 O Processo de Gestão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .27 3.4 O Processo de Tomada de Decisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30

Capítulo 4 – Missão e Estrutura da Controladoria e o Papel do Controller . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33 4.1 Missão da Controladoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33 4.2 A Controladoria na Organização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34 4.3 Estrutura da Controladoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37 4.4 Estrutura Administrativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40 4.5 Fundamentos para Implementação de uma Controladoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .41

Capítulo 5 – Sistema de Informação de Controladoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .45 5.1 Sistema de Informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .45 5.2 Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (Sige) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .46 5.3 A Contabilidade dentro do Sige . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .47 5.4 Sistema de Informação de Controladoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .48 5.5 As Informações no Sistema de Informação Contábil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49 5.6 Modelo Conceitual de Estruturação do Sistema de Informação Contábil no Sige . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49 5.7 Os Subsistemas do Sistema de Informação Contábil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .52 5.8 O Sistema de Informação Contábil/Controladoria no Processo de Gestão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .56

Capítulo 6 – Valor da Empresa: O Foco da Controladoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .59 6.1 O Processo Empresarial de Criação de Valor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .59 6.2 Criação de Valor – A Atividade Produtiva e Valor Agregado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .59 6.3 EVA – Economic Value Added (Valor Econômico Adicionado) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61 6.4 Valor da Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .64 6.5 Principais Critérios para Apurar o Valor da Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .65 IX


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page X

XMMCONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

6.6 Integração do Modelo de Lucro Contábil com o Modelo de Lucro Econômico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69 6.7 Evidenciação nas Demonstrações Contábeis dos Critérios de Apuração do Valor da Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .70 6.8 Valor da Empresa e Condução da Controladoria: Um Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .72

PARTE II – ESTRUTURA CONTÁBIL E ATIVIDADES REGULAMENTARES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75 Capítulo 7 – Gestões Complementares: Gestão de Impostos e Controle Patrimonial . . . . . . . . . . . . . .77 7.1 Gestão de Impostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .77 7.2 Controle Patrimonial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .82

Capítulo 8 – Relações com Investidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .87 8.1 Relatório da Administração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .87 8.2 Relações com Investidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90 8.3 Governança Corporativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .94

PARTE III – A CONTROLADORIA NA ESTRATÉGIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .95 Capítulo 9 – Planejamento Estratégico e Elaboração de Cenários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .97 9.1 Competitividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .97 9.2 Controladoria Estratégica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .98 9.3 Sistema de Informação de Controladoria Estratégica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .100 9.4 Planejamento Estratégico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .101 9.5 Leitura do Ambiente e Elaboração da Estratégia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .103 9.6 Elaboração de Cenários Empresariais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .107

Capítulo 10 – Sistema de Informação de Acompanhamento do Negócio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .109 10.1 Objetivos e Funcionamento do Sistema de Acompanhamento do Negócio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .109 10.2 Informações e Relatórios Gerados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .111

Capítulo 11 – Indicadores Chaves de Desempenho (KPI) e Balanced Scorecard (BSC) . . . . . . . . . . . . .127 11.1 Indicadores Chaves de Desempenho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .127 11.2 Balanced Scorecard e Relações de Causa e Efeito da Estratégia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .128 11.3 Os Quatro Processos do Balanced Scorecard . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .130 11.4 Exemplo de Mapa Estratégico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .132 11.5 Balanced Scorecard e Intangíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .133 11.6 Sistemas de Acompanhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .133

Capítulo 12 – Gerenciamento do Risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .137 12.1 Gerenciamento do Risco – Conceitos e Visão Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .137 12.2 Identificação e Avaliação dos Riscos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .140 12.3 Matriz ou Mapa de Risco: A Medida-Chave do Perfil do Risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .140 12.4 Identificando e Mensurando Riscos Específicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .141 12.5 Modelo de Acompanhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .143

PARTE IV – A CONTROLADORIA NO PLANEJAMENTO OPERACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .145 Capítulo 13 – Determinação da Estrutura do Ativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .147 13.1 Decisão de Investimento e Determinação da Estrutura do Ativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .147 13.2 Modelo de Decisão para Definição da Estrutura do Ativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .149


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XI

MMSumárioMMXI

13.3 Exemplo Numérico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .158 13.4 Estrutura do Ativo, Estrutura de Custos e Alavancagem Operacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .163 13.5 Modelos para Decisões de Modificação da Estrutura do Ativo e Estrutura de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .168 13.6 Internação de Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .173

Capítulo 14 – Determinação da Estrutura do Passivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .179 14.1 Estrutura do Passivo ou Estrutura de Capital – Definição e Conceitos Principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .179 14.2 Custo de Capital, Estrutura do Passivo e Valor da Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .183 14.3 Alavancagem Financeira e Alavancagem Combinada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .186 14.4 O Impacto Tributário na Alavancagem Financeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .191 14.5 Modelos de Decisão para Emprestar ou não Emprestar: Ponto de Indiferença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .192

PARTE V – A CONTROLADORIA NA PROGRAMAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .197 Capítulo 15 – Plano Orçamentário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .199 15.1 Definição e Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .199 15.2 Terminologias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .202 15.3 Conceitos de Orçamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .202 15.4 Tipos de Orçamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .203 15.5 Orçamento, Inflação e Moedas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .205 15.6 Organização e Processo de Elaboração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .206 15.7 Construção de Cenários e Elaboração de Premissas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .209 15.8 Estrutura do Plano Orçamentário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .213

Capítulo 16 – Orçamento de Vendas e Produção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .217 16.1 Aspectos Gerais do Orçamento de Vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .217 16.2 Previsão de Vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .218 16.3 Orçamento de Vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .219 16.4 Orçamento de Produção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .224 16.5 Orçamento de Capacidade e Logística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .225

Capítulo 17 – Orçamento de Materiais e Estoques . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .233 17.1 Aspectos Gerais do Orçamento de Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .233 17.2 Orçamento de Estoques de Produtos em Processo e Produtos Acabados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .240

Capítulo 18 – Orçamento de Despesas Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .247 18.1 Aspectos Gerais do Orçamento de Despesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .247 18.2 Características Comportamentais dos Gastos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .249 18.3 Despesas a Serem Orçadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .250 18.4 Premissas e Dados-Base . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .253

Capítulo 19 – Orçamento de Investimentos e Financiamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .263 19.1 Os Segmentos do Plano Orçamentário nos Demonstrativos Contábeis Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .263 19.2 Orçamento de Investimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .265 19.3 Orçamento de Financiamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .266

Capítulo 20 – Projeção dos Demonstrativos Contábeis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .271 20.1 Demonstrativos Contábeis a Serem Projetados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .271


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XII

XIIMMCONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

20.2 Metodologia das Projeções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .272 20.3 Receitas Financeiras Projetadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .273 20.4 Demonstrativos Contábeis Projetados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .274

Capítulo 21 – Controle Orçamentário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .283 21.1 Objetivos, Conceitos e Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .283 21.2 Relatórios de Controle Orçamentário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .283 21.3 Análise das Variações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .284 21.4 Controle Matricial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .287

PARTE VI – A CONTROLADORIA NA EXECUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .289 Capítulo 22 – Gestão Operacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .291 22.1 Responsabilidade pela Gestão Operacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .291 22.2 Ciclo Operacional, Ciclo Econômico e Ciclo Financeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .291 22.3 Mensuração e Gestão do Ciclo Operacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .293 22.4 Mensuração e Gestão dos Ciclos Econômico e Financeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .294 22.5 Gestão do Capital de Giro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .298 22.6 Principais Fatores que Afetam a Necessidade Líquida de Capital de Giro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .303 22.7 Gestão do Imobilizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .305 22.8 Gestão de Recursos Humanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .308

Capítulo 23 – Modelos de Decisão para Execução dos Eventos Econômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .313 23.1 Evento Econômico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .313 23.2 Modelos de Decisão para os Principais Eventos Econômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .316 23.3 Exemplo Numérico Integrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .320

PARTE VII – A CONTROLADORIA NO CONTROLE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .327 Capítulo 24 – Fundamentos de Contabilidade de Custos e os Métodos de Custeio . . . . . . . . . . . . . . .329 24.1 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .329 24.2 Outros Conceitos de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .333 24.3 Estruturação das Informações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .334 24.4 Esquema Geral da Contabilidade de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .335 24.5 Formas de Custeio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .338 24.6 Sistemas de Acumulação de Custo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .339 24.7 Métodos de Custeio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .339 24.8 Exemplo – Único Produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .340 24.9 Exemplo – Dois Produtos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .341 24.10 Custeio ABC ou Custeamento por Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .343 24.11 Contribuição da Produção (Throughput Contribution) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .347 24.12 Integração dos Métodos de Custeio: Modelo de Demonstração de Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .348 24.13 Custeio Variável/Direto: O Recomendado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .350 24.14 Custo de Serviços e Produtos Ampliados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .354

Capítulo 25 – Formas de Custeio: Custo-Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .363 25.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .363 25.2 Finalidades do Uso do Custo-Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .363


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XIII

MMSumárioMMXIII

25.3 Tipos de Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .364 25.4 Construção do Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .364 25.5 Periodicidade da Construção do Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .366 25.6 Análise das Variações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .367 25.7 Exemplo Conceitual de Análise das Variações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .368 25.8 Custo-Padrão em Novas Tecnologias de Produção e em Just-in-Time . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .371 25.9 Custo-Padrão e Sistema de Informação Contábil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .371

Capítulo 26 – Sistemas de Acumulação de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .373 26.1 Principais Sistemas de Acumulação de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .373 26.2 Custeamento por Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .374 26.3 Custeamento por Processo e Produção Contínua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .376 26.4 Custeamento por Operações – Sistema Híbrido de Acumulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .378

Capítulo 27 – Modelo de Decisão da Margem de Contribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .385 27.1 Principais Conceitos do Método de Custeio Variável/Direto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .385 27.2 Modelo de Decisão da Margem de Contribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .386 27.3 Ponto de Equilíbrio (Break-Even Point) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .387 27.4 Modelo de Decisão da Margem de Contribuição – Vários Produtos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .390 27.5 Utilização do Modelo de Decisão da Margem de Contribuição para Maximização do Lucro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .391 27.6 Margem de Contribuição e Fatores Limitativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .393

Capítulo 28 – Gestão de Preços de Venda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .399 28.1 Modelos de Decisão de Preços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .399 28.2 Formação de Preços de Venda com base no Mercado e na Teoria Econômica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .400 28.3 Formação Estratégica de Preços: Valor Percebido pelo Consumidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .402 28.4 Preços Estratégicos – Fatores a Considerar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .402 28.5 Formação de Preços de Venda com base no Custo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .403 28.6 Conceitos e Elementos Básicos para Formação de Preços de Venda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .405 28.7 Margem de Lucro Desejada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .406 28.8 Custo Financeiro e Custo de Financiamento da Venda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .407 28.9 Determinação da Margem Desejada para o Mark-up . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .408 28.10 Exemplo Numérico de Formação de Preço de Venda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .410 28.11 Fundamento Econômico para Gestão de Preços de Venda: O Modelo da Margem de Contribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .412 28.12 Formação de Preços de Venda e Ciclo de Vida dos Produtos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .413 28.13 Aspectos Adicionais na Gestão de Preços de Venda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .414

Capítulo 29 – Inflação da Empresa, Rentabilidade de Produtos, Custo-Meta e Custos para Servir . . . .419 29.1 Inflação da Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .419 29.2 Análise de Rentabilidade de Produtos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .426 29.3 Custo-Meta (Target Costing) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .430 29.4 Custos para Servir (Cost to Serve) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .432

Capítulo 30 – Política de Redução de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .437 30.1 Visão Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .437 30.2 Redução Estratégica de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .438


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XIV

XIVMMCONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

30.3 Tornando o Desperdício Visível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .439 30.4 Modelo de Decisão Geral para Política de Redução de Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .440 30.5 Estruturação Hierárquica da Política de Redução de Custos (PRC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .441 30.6 PRC em Nível Estratégico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .441 30.7 PRC em Nível Operacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .443 30.8 PRC em Nível de Execução e Controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .443 30.9 Programas e Equipes de Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .444

PARTE VIII – AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E INVESTIMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .447 Capítulo 31 – Avaliação Global do Resultado e Desempenho e Análise da Geração de Lucros . . . . . . .449 31.1 Análise Financeira ou de Balanço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .449 31.2 Análise da Rentabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .456 31.3 EVA® – Economic Value Added (Valor Econômico Agregado ou Adicionado) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .462 31.4 Análise de Geração de Lucros e EBITDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .463 31.5 Fluxo de Caixa Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .470 31.6 Política de Dividendos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .470

Capítulo 32 – Avaliação de Desempenho Setorial: Contabilidade por Responsabilidade e Unidades de Negócios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .475 32.1 Fundamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .475 32.2 Centros de Responsabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .476 32.3 Retorno do Investimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .477 32.4 Identificação dos Centros Geradores de Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .479 32.5 Preços de Transferência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .481 32.6 Exemplo Numérico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .482

Capítulo 33 – Avaliação de Empresas e Decisão de Investimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .489 33.1 Modelo Básico para Decisão de Investimento: Valor Presente Líquido (VPL) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .489 33.2 Análise das Variáveis do VPL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .492 33.3 Taxa de Juros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .495 33.4 Quantidade de Períodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .497 33.5 Valor da Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .498 33.6 MVA – Market Value Added (Valor de Mercado Adicionado) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .501

Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .505


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XV

PREFÁCIO À TERCEIRA EDIÇÃO

Renovamos nossa satisfação por termos a oportunidade de atualizar nosso trabalho. Para nós, é um grande indicativo da continuidade da aceitação de nosso livro, tanto em relação ao público acadêmico quanto ao público profissional. A estrutura original do livro foi mantida, já que as alterações não motivaram nenhuma modificação estrutural. Salientamos, contudo, que fizemos inserções significativas, que, temos certeza, será de utilidade para todos. As principais alterações nesta edição foram as seguintes: a) Adaptação das nomenclaturas das demonstrações financeiras nos diversos capítulos para a nova estrutura contábil brasileira nos padrões internacionais (IFRS – International Financial Reporting Standards); b) Como consequência desse evento, apresentamos, no Capítulo 31 – Análise Global do Resultado, um resumo das principais alterações ocorridas em função das novas práticas contábeis brasileiras, bem como dos novos critérios introduzidos para avaliação dos ativos e passivos. Também está inserido um quadro da nova estrutura de apresentação do Balanço Patrimonial; c) Introduzimos, no Capítulo 4 – Controladoria, o conceito de Qualidade dos Lucros, tendo como referência a missão do controller do compromisso com a mensuração correta do lucro, o foco condutor da controladoria com enfoque em gestão econômica; d) O Capítulo 11 – Balanced Scorecard foi expandido com o conceito de KPI – Key Performance Indicators – Indicadores Chaves de Desempenho para dar um caráter mais generalista aos modelos de acompanhamento da estratégia por indicadores; e) Alteração significativa foi feita no Capítulo 24 – Fundamentos de Contabilidade de Custos, com a inclusão de um novo item Custos de Serviços, com um painel resumido adaptando o custeamento dos produtos industriais para serviços; f) No Capítulo 29 dedicado às principais análises de custos, cobrimos uma lacuna, que já nos incomodava, com a inserção de um novo tópico Custos para Servir (Cost to Serve), para deixar clara a necessidade da expansão do conceito de custo de produto, indo até o cliente, para obter a rentabilidade por cliente; g) Outra inclusão que julgamos oportuna foi a inserção, no Capítulo 31, de uma análise mais aprofundada do modelo EBITDA, na qual inserimos seus objetivos e limitações, ao mesmo tempo que procuramos mostrar os cuidados na utilização desse modelo de avaliação em situações específicas, para não enviesar a avaliação de desempenho de gestores divisionais; h) Neste mesmo capítulo, no tópico Análise de Geração de Lucros, foi feita a inclusão dos modelos de Fluxo de Caixa Livre, para a empresa (OFCF – Operating Free Cash Flow) e para o acionista. As recomendações de alterações recebidas de colegas foram todas inseridas. Agradecemos novamente a oportunidade de reapresentarmos nosso trabalho e estamos à disposição para sugestões para as próximas edições. Clóvis Luís Padoveze cpadoveze@yahoo.com.br


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XVI

PREFÁCIO E PLANO DA OBRA

Temos notado recentemente um crescente interesse pela área de conhecimento da Controladoria. A base científica da Controladoria é a contabilidade, a ciência em que repousam os fundamentos da gestão econômica. Temos verificado, todavia, que há entendimentos diferentes do que seja Controladoria. Alguns a entendem como sendo o conjunto de procedimentos do plano orçamentário, com ênfase no controle entre o real e o orçado. Há quem entenda a Controladoria como um órgão de assessoria da diretoria da empresa, gerando relatórios gerenciais com base na contabilidade. Outros entendem-na como controle interno, auditoria interna e normalização de procedimentos administrativos, incluindo até o setor responsável pela autorização de pagamentos. Nosso entendimento é que Controladoria é o órgão administrativo responsável pela gestão econômica da empresa, com o objetivo de levá-la à maior eficácia. O foco da Controladoria é a criação de valor para o acionista, valor este que será obtido pelos gestores das diversas atividades desenvolvidas dentro da empresa, inseridas em um processo de gestão claramente definido. A medida da eficácia empresarial é o lucro, e, portanto, ponto-chave da Controladoria e da correta mensuração dos resultados empresariais. A Controladoria caracteriza-se por ser um órgão de apoio, não de assessoria. Tem papel ativo, com a responsabilidade bem definida de assegurar a obtenção do resultado planejado. Portanto, é sua função apoiar todos os gestores empresariais, em todas as etapas do processo de gestão. Podemos sintetizar a função de Controladoria nos seguintes aspectos: •Responsável pela gestão econômica do sistema empresa; portanto, gestão com foco em resultados. •Apoio a todos os gestores das atividades empresariais. •Construção de um sistema de informação que auxilie os gestores em todo o processo de gestão. O processo de gestão caracteriza-se pelo ciclo planejamento, execução e controle. O planejamento apresenta-se em três aspectos temporais distintos: planejamento estratégico ou de longo prazo, planejamento operacional (médio e curto prazos) e programação (curto prazo). A execução diz respeito às ações realizadas para efetivar o planejado. O controle é o instrumento administrativo necessário para mensurar a execução das transações realizadas e garantir a retroalimentação e eventual correção de rumos. Toda empresa tem uma série de obrigações criadas pela legislação que devem ser atendidas sob pena de impedir a continuidade do empreendimento, tais como obrigações legais, societárias, fiscais etc. Parte significativa dessas obrigações deve ser executada pela Controladoria, pois é o órgão que mais capacitação tem para uma série de atividades regulamentares. Desta maneira, além das atividades de gestão econômica, cabe à Controladoria desenvolver uma série de atividades consideradas regulamentares.

Plano da Obra O objetivo deste trabalho é apresentar uma visão completa de Controladoria, tanto em seus aspectos conceituais e estruturais, como em seus aspectos de utilização prática, dentro de uma arquitetura organizada, objetivando a não dispersão dos conceitos e técnicas.


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XVII

MMPrefácio e Plano da ObraMMXVII Escolhemos como elemento condutor desta obra o processo de gestão, pois, como já mencionamos, é nosso entendimento que a Controladoria deve participar de todas as etapas do processo de gestão das atividades empresariais. Desta maneira, o livro foi organizado em sete partes, compreendendo: Parte I – Conceitos, Objetivos, Estrutura Nesta parte inicial, o objetivo é apresentar as teorias que fundamentam a Controladoria, os principais conceitos, os objetivos, a função do controller, a estrutura administrativa da Controladoria, com ênfase nos sistemas de informações. Parte II – Estrutura Contábil e Atividades Regulamentares Nesta parte, estudaremos outras gestões complementares que pertencem às atividades regulatórias a que a Controladoria não pode se furtar. Partes III a VII – A Controladoria no Processo de Gestão Aqui apresentamos os conceitos e técnicas que fundamentam a atividade de Controladoria em todo o processo de gestão, planejamento, execução e controle. Parte III – A Controladoria na Estratégia Expomos o que entendemos por escopo da Controladoria estratégica: é a área da Controladoria que subsidia o planejamento estratégico. Abordamos nesta parte os fundamentos do planejamento estratégico, sistema de informação para a estratégia e o controle de metas estratégicas (balanced scorecard). Apresentamos também os fundamentos para avaliação de outros investimentos, bem como os princípios para a construção de um sistema de gerenciamento de risco. Parte IV – A Controladoria no Planejamento Operacional Apresentamos nesta etapa do livro os conceitos de Controladoria identificados com o planejamento operacional. O planejamento operacional caracteriza-se por dar corpo às estratégias definidas a serem postas em curso. Basicamente o planejamento operacional consubstancia-se no planejamento de unidades de negócios e seus produtos e serviços. Portanto, o foco da Controladoria nesta etapa do processo de gestão são os modelos decisórios para estruturação de ativos e passivos das unidades de negócio, bem como de suas modificações operacionais subsequentes. Parte V – A Controladoria na Programação A programação compreende o planejamento das necessidades e ações para o próximo exercício. É representada basicamente pelo processo orçamentário, tópico este desenvolvido nesta obra com um grau de detalhe que julgamos adequado, tanto em conceito quanto em aspectos práticos. Parte VI – A Controladoria na Execução Aqui o objetivo é apresentar os modelos de decisão mais avançados para a etapa da execução. A base conceitual utilizada nesta parte da obra foi extraída do Sistema de Gestão Econômica – GECON, trabalho desenvolvido na Fipecafi/USP liderado pelo Prof. Armando Catelli, na qual apresentamos os fundamentos para a gestão e mensuração dos principais eventos econômicos. Parte VII – A Controladoria no Controle Apresentamos nesta parte da obra o conjunto de teorias e conceitos para gestão do custo e preços dos produtos e serviços. Sabemos que o conceito de controle não é apenas de custos, mas a contabilidade de custos é que se caracteriza pelos critérios de gestão mais detalhados, razão por que os desenvolvemos conjuntamente nesta parte do trabalho. Parte VIII – Avaliação de Desempenho e Investimentos Complementando as necessidades de planejamento e controle, apresentamos na última parte do livro os principais métodos, conceitos e critérios de avaliação de resultados, desempenho e investimentos. Compreende a avaliação patrimonial e de lucratividade, tanto da empresa como um todo como das unidades de negócios.


cap0_cap0 08/02/12 16:07 Page XVIII

XVIIIMMPREFÁCIO E PLANO DA OBRA

Exemplo Integrado Para fundamentar os aspectos práticos de toda a Parte V – Plano Orçamentário, construímos um exemplo numérico completo e integrado. Procuramos utilizar o mesmo exemplo em todos os tópicos dos capítulos subsequentes que possibilitavam o seu uso, sempre no intuito de evidenciar os aspectos de aplicação dos conceitos, de forma integrada e sistêmica. Esperamos que nosso trabalho seja de utilidade e um referencial para o estudo estruturado da Controladoria.


cap1_cap1 07/02/12 10:42 Page 1

PARTE I

CONCEITOS, OBJETIVOS, ESTRUTURA O objetivo desta parte do trabalho é apresentar a base conceitual em que se fundamenta a Controladoria, para, em seguida, apresentar a sua estrutura administrativa e sua missão dentro da organização. O foco do processo de gestão, do qual a Controladoria deve participar em todas as etapas, é apresentado após análise da empresa dentro do enfoque sistêmico. Com isso, é possível definir a missão da Controladoria e o seu elemento condutor, que é a criação de valor por meio da otimização dos resultados empresariais. Dentro desta parte do trabalho apresentamos os fundamentos para implementação da Controladoria, sua estrutura administrativa, bem como os elementos indispensáveis de tecnologia da informação, como instrumento maior do controller no processo de monitoramento gerencial. Atenção especial será dada ao processo empresarial de criação de valor e aos conceitos necessários para o modelo de gestão da Controladoria com foco nos resultados empresariais e no valor da empresa.

1


cap1_cap1 07/02/12 10:42 Page 3

Capítulo 1 A Controladoria como Ciência

1.1 Controladoria Segundo Mosimann e outros1 “… a controladoria consiste em um corpo de doutrinas e conhecimentos relativos à gestão eco nô mi ca. Pode ser visua li za da sob dois enfoques: a) como um órgão administrativo com uma missão, funções e princípios norteadores definidos no modelo de gestão e sistema empresa e, b) como uma área do conhecimento humano com fundamentos, conceitos, princípios e métodos oriundos de outras ciências.” (Mosimann, p. 85) “Sob esse enfoque, a Controladoria pode ser conceituada como o conjunto de princípios, procedimentos e métodos oriundos das ciências da Administração, Economia, Psicologia, Estatística e principalmente da Contabilidade, que se ocupa da gestão econômica das empresas, com o fim de orientá-las para a eficácia.” (Mosimann, p. 96).

Para esses autores, a Controladoria é uma ciência autônoma e não se confunde com a Contabilidade, apesar de utilizar pesadamente o instrumental contábil. Consideramos questionável este aspecto da definição. Em nossa opinião, a Controladoria pode ser entendida como a ciência contábil evoluída. Como em todas as ciências, há o alargamento do campo de atuação; esse alargamento do campo de abrangência da Contabilidade conduziu a que ela seja mais bem representada semanticamente pela denominação de Controladoria. A Controladoria pode ser definida, então, como a unidade administrativa responsável pela utilização de todo o conjunto da Ciência Contábil dentro da empresa. Como a Ciência Contábil é a ciência do controle em

1

2

todos os aspectos temporais – passado, presente, futuro –, e como a Ciência Social exige a comunicação de informação, no caso a econômica, à Controladoria cabe a responsabilidade de implantar, desenvolver, aplicar e coordenar todo o ferramental da Ciência Contábil dentro da empresa, nas suas mais diversas necessidades. A Controladoria é a utilização da Ciência Contábil em toda a sua plenitude.

Controladoria e Contabilidade – Definições Tendo em vista a grande interação com a Contabilidade e a pouca informação sobre Controladoria como ciência, passamos, primeiramente, a apresentar a Contabilidade como ciência, e existem diversos estudos, artigos e obras sobre o assunto. As pesquisas sobre Contabilidade como ciência levam-nos à escola de pensamento contábil italiana, já que a escola americana não se preocupa profundamente com o assunto. Esta última busca tratar a Contabilidade mais como ferramenta administrativa e sua utilização nas empresas. A seguir, apresentamos definições selecionadas sobre a ciência contábil e damos, primeiramente, algumas definições que refletem a visão da escola italiana. “Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativos aos atos e fatos da administração econômica.” (Francisco D’Áuria apud D’Amore,2 p. 50) “Considerada em seu aspecto teórico, é a ciência que estuda e enuncia as leis do controle econômico das empresas de todas as classes e deduz as normas oportunas a seguir para que esse controle seja verdadeiramente eficaz, persuasivo e completo. Considerada em sua manifestação prática, é a aplicação ordenada

MOSIMANN, Clara Pellegrinello e outros. Controladoria: seu papel na administração de empresas. Florianópolis: UFSC, 1993. D’AMORE, Domingos e CASTRO, Adaucto de Souza. Curso de Contabilidade. 14a ed., São Paulo: Saraiva, 1967.

3


cap1_cap1 07/02/12 10:42 Page 4

4MMCONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL das ditas normas.” D’Amore, p. 51)

(Fábio

Besta

apud

“A Contabilidade, como ciência autônoma, tem por objeto o estudo do patrimônio aziendal sob o ponto de vista estático e dinâmico. Serve-se da escrituração como instrumento para demonstrar as variações patrimoniais. A Contabilidade não se confunde, nem com a organização, nem com a gestão.” (Herrmann Jr.,3 p. 29)

Da escola americana, destacamos as seguintes definições:

que é entendida como a abordagem da comunicação da Contabilidade (veja Iudícibus,6 p. 24). De acordo com Catelli,7 a Controladoria tem por objeto a identificação, mensuração, comunicação e a decisão relativas aos eventos econômicos.8 Ela deve ser a gestora dos recursos da empresa, respondendo pelo lucro e pela eficácia empresarial. Tomando como referencial a definição de Mosimann e outros sobre a Controladoria “...que se ocupa da gestão econômica das empresas, com o fim de orientá-las para a eficácia...”

a definição de Fábio Besta sobre Contabilidade

“Contabilidade é um processo de comunicação de informação econômica para propósitos de tomada de decisão tanto pela administração como por aqueles que necessitam fiar-se nos relatórios externos.” (Hendriksen,4 p. 100) “Contabilidade é o processo de identificação, mensuração e comunicação de informação econômica para permitir formação de julgamentos e decisões pelos usuários da informação.” (A.A.A. 1966, apud Glautier,5 p. 2)

Dessas definições apresentadas, podemos verificar duas vertentes conceituais sobre a Contabilidade: a primeira enfoca o conceito de controle econômico do patrimônio e de suas mutações (controle estático e dinâmico), e a segunda enfatiza o conceito de processo de comunicação de informação econômica.

Contabilidade e Controle

“...que estuda e enuncia as leis do controle econômico das empresas de todas as classes e deduz as normas oportunas a seguir para que esse controle seja verdadeiramente eficaz, persuasivo e completo”

e a visão de Catelli sobre Controladoria “…identificação, mensuração, comunicação e a decisão relativos aos eventos econômicos (...) respondendo pelo lucro e pela eficácia empresarial”

e entendendo que a gestão econômica se faz precipuamente por meio da decisão sobre os eventos econômicos, podemos compreender que, na realidade, Contabilidade e Controladoria têm o mesmo campo de atuação e estudam os mesmos fenômenos. Podemos confirmar isso pelas colocações de outros autores sobre a ciência contábil. Na concepção de Viana,9

O conceito de controle econômico está fundamentalmente ligado à escola italiana, precursora da contabilidade como ciência, e o de comunicação de informação econômica está mais ligado à escola norte-americana,

“…o controle assume maior amplitude no que diz respeito à administração econômica, isto é, às ações que visam à obtenção, à transforma ção, à circu la ção e ao con su mo de bens. O órgão que acompanha toda a atividade

3

HERRMANN JR., Frederico. Contabilidade superior. 10a ed., São Paulo: Atlas, 1978.

4

HENDRIKSEN, Eldon S. Accounting theory. 3a ed., Homewood: Richard D. Irwin, 1977.

5

GLAUTIER, M. W. E. e UNDERDOWN, B. Accounting theory and practice. Londres: Pitman, 1977.

6

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1980.

7

CATELLI, Armando. Apontamentos de sala de aula. Disciplina Controladoria. Doutorado, São Paulo: FEA/USP, jun. 94.

Evento econômico é uma ocorrência no ambiente da empresa, tanto interno como externo, que tem uma significância econômica para os tomadores de decisão da empresa. COLANTONI, Claude S. et al. A Unified Approach to the Theory of Accounting and Information Systems. The Accounting Review, January 1971. É uma ocorrência que modifica a estrutura patrimonial da empresa e é uma representação genérica do processo maior da execução das atividades empresariais.

8

9

VIANA, Cibilis da Rocha. Teoria geral de contabilidade. 3a ed., Porto Alegre: Sulina, 1966, p. 48-9.


cap1_cap1 07/02/12 10:42 Page 5

MMA Controladoria como CiênciaMM5 econômica, que estuda os fenômenos que lhe são inerentes, suas causas e seus efeitos, pondo-os em evidência, que demonstra os efeitos da administração sobre o patrimônio da ‘azienda’ e que desta forma constrange os órgãos da administração a atuarem em consonância com o programa estabelecido, denomina-se o órgão de contabilidade, ou seja, aquele que exerce a função da contabilidade.”

É interessante notar, nesta conceituação, uma visão muito abrangente e objetiva sobre o que se entende por Controladoria. Para Herrmman Jr. (p. 31), “… Fayol enquadrou a Contabilidade entre as seis operações administrativas fundamentais, emitindo a esse respeito os seguintes conceitos: É o órgão visual das empresas. Deve permitir que se saiba a todo instante onde estamos e para onde vamos. Deve fornecer sobre a situação econômica da empresa ensinamentos exatos, claros e precisos. Uma boa contabilidade, simples e clara, fornecendo uma ideia exata das condições da empresa, é um poderoso meio de direção.”

As funções de controle econômico constituem, consoante Besta, o objetivo principal da Contabilidade. Subdividem-se nas seguintes espécies: antecedente, concomitante e subsequente. Vê-se que a visão italiana, por intermédio de um de seus maiores expoentes, é extremamente abrangente, positiva e de largo alcance da Contabilidade, antevendo o que se convenciou hoje chamar de Controladoria.

1.2 Contabilidade/Controladoria como Ciência – As Raízes da Teoria Contábil Uma ciência pode ser confirmada fundamentalmente pelas suas teorias. Das teorias contábeis e de controle, destacamos a visão de Glautier, apresentada a seguir de forma sintetizada. Glautier e Underdown (pp. 30/38) identificam as raízes da teoria contábil como sendo a teoria da decisão, da mensuração e da informação. A teoria da decisão é tida como o esforço para explicar como as decisões realmente acontecem; para a tomada de decisões, ela objetiva solucionar problemas e manter o caráter preditivo por meio de um modelo de decisão. A tomada de decisões racionais depende de informações ou dados. A teoria da mensuração trabalha com o problema de avaliação dos dados e por isso é importante que esta seja estabelecida corretamente.

A teoria da informação vem de acordo com o seu propósito, que é possibilitar a uma organização alcançar seus objetivos pelo eficiente uso de seus outros recursos. Em um sentido muito abrangente, a ideia de eficiência é expressa na relação entre inputs e outputs.

Teoria da Decisão Conforme Glautier, nos últimos 20 anos, mudanças nas atitudes sociais, desenvolvimentos na tecnologia da informação, métodos quantitativos e das ciências comportamentais combinaram-se para mudar o foco de atenção da contabilidade da teoria do lucro para a teoria da decisão. A teoria da decisão é parcialmente descritiva, pois é um esforço para explicar como as decisões são atualmente tomadas, e também parcialmente normativa, quando ela é um esforço para ilustrar como as decisões deveriam ser tomadas, isto é, com o estabelecimento de padrões para as melhores ou ótimas decisões. A teoria da decisão deve se preocupar, fundamentalmente, com a questão da solução de problemas e a subsequente necessidade de tomada de decisão. Isso envolve, portanto, informações para previsões e uma metodologia científica para elaborar tais previsões. Dessa forma, dentro da teoria da decisão encontraremos os instrumentos desenvolvidos para o processo de tomada de decisão, bem como o desenvolvimento de modelos de decisão que atendam as mais variadas necessidades gerenciais. A construção de modelos vem facilitar a aplicação do método científico para o estudo da tomada de decisão. Os modelos de decisão dentro da teoria contábil podem e devem atender as necessidades gerenciais sobre todos os eventos econômicos, para qualquer nível hierárquico dentro da empresa. Assim, é possível a construção de modelos de decisão bastante específicos para decisões operacionais, e de caráter mais genérico para decisões tidas como estratégicas. Conforme Glautier, até a “… estrutura completa da contabilidade é um modelo para descrever as operações de um negócio em termos monetários.”

Teoria da Mensuração Decisões racionais dependem de informações ou dados. A mensuração tem sido definida como o “… estabelecimento de números a objetos ou eventos de acordo com regras especificando a propriedade a ser mensurada, a escala a ser usada e as dimensões da unidade.”


cap1_cap1 07/02/12 10:42 Page 6

6MMCONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL A teoria da mensuração deve solucionar os seguintes problemas: • Quais eventos ou objetos devem ser medidos. • Quais padrões ou escalas devem ser usados. • Qual deve ser a dimensão da unidade de mensuração. A natureza de decisões particulares determinará que objetos ou eventos devem ser mensurados e em qualquer tempo: passado, presente e futuro. Mensurações são necessárias não apenas para expressar objetivos como metas definidas claramente sobre quais decisões devem ser tomadas, mas elas também são necessárias para controlar e avaliar os resultados das atividades envolvidas no alcance daquelas metas. O padrão de mensuração contábil é a unidade monetária. É um dos grandes trunfos da Ciência Contábil, pois consegue traduzir todas as operações e a vida da empresa em um único padrão de mensuração. Contudo, temos de ressaltar que apresenta algumas desvantagens quando são necessárias metas como: moral do pessoal, especialização de mão de obra etc. A dimensão da unidade de medida está ligada à confiança e à acurácia do padrão utilizado, que é a unidade monetária, e que, em princípio, deve ser constante. Contudo, sabemos que a unidade monetária sempre é dependente da estabilidade econômica. Assim, na ocorrência de inflação, valores de períodos diversos de tempo podem não ser comparáveis. Além deste aspecto, a própria questão da valoração como critério de mensuração envolve a necessidade de conceituação e fundamentação teórica, haja vista as possibilidades de diferentes critérios de atribuição de valor (baseado em custo, em valor esperado etc.).

Teoria da Informação O propósito da informação é possibilitar que uma organização alcance seus objetivos pelo uso eficiente de seus outros recursos, isto é, homens, materiais, máquinas e outros ativos e dinheiro. Como a informação é também um recurso, a sua teoria considera os problemas de seu uso eficiente. Esse uso como um recurso é considerado como o confronto entre os custos associados com a produção da informação contra os benefícios derivados de seu uso. Tais custos são aqueles envolvidos na coleta e processamento de dados e a distribuição da saída de informação. O valor da informação reside no seu uso final, isto é, sua inteligibilidade para as pessoas que tomam decisões e sua relevância para aquelas decisões. O valor da infor-

10

mação é baseado na redução da incerteza resultante dessa informação. Em suma, a teoria da informação centra-se na questão da relação custo da produção da informação versus o provável benefício gerado pela sua utilização. Em termos de posicionamento conceitual, em relação à informação e à construção de sistemas de informações, o contador deve estar menos preocupado com minimizar o custo da informação e mais preocupado em descobrir o nível ótimo de produção de informação.

A Ciência Controladoria Nas definições apresentadas sobre a Contabilidade, identificamos duas visões conceituais sobre ela: a primeira enfoca o conceito de controle econômico do patrimônio e de suas mutações (controles estático e dinâmico) e a segunda enfatiza o conceito de processo de comunicação de informação econômica. A Controladoria é ciência e, na realidade, é o atual estágio evolutivo da Ciência Contábil. Como bem conceituou Glautier, a Contabilidade saiu, nas últimas duas ou três décadas, da teoria do lucro (mensuração, comunicação de informação) para a teoria da decisão (modelos de decisão e produtividade). Com isso, unindo esses conceitos, podemos entendê-la como ciência e como a forma de acontecer a verdadeira função contábil. Ao utilizarmos as considerações sobre ciência para a Contabilidade, explicitada por Tesche e outros,10 podemos também afirmar (as frases entre parênteses são nossas inserções): “... a Contabilidade (Controladoria) é uma ciência, visto apresentar as seguintes características: - ter objeto de estudo próprio;” (os eventos econômicos e as mutações patrimoniais) “- utilizar-se de métodos racionais;” (identificação, mensuração, registro - partidas dobradas, comunicação) “- estabelecer relações entre os elementos patrimoniais, válidas em todos os espaços e tempos; - apresentar-se em constante evolução; - ser o conhecimento contábil regido por leis, normas e princípios;” (teorias contábeis) “- seus conteúdos evidenciarem generalidade;” (os mesmos eventos econômicos reproduzidos nas mesmas condições provocam os mesmos efeitos) “- ter caráter preditivo;”

TESCHE, Carlos Henrique; e outros. Contabilidade: ciência, técnica ou arte? RBC no 74, 1991.


Visite a página deste livro na Cengage Learning Brasil e conheça também todo o nosso catálogo


CONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

Esta terceira edição de Controladoria Estratégica e Operacional foi revisada e atualizada a fim de incorporar os recentes estudos e inovações na área. Apresenta visão abrangente e estruturada da atividade de Controladoria, considerando os aspectos teóricos que a fundamentam como ciência, ao mesmo tempo em que desenvolve todos os conceitos e técnicas para sua aplicação. O processo de gestão é o elemento condutor sobre o qual foi estruturada a obra. Isso deixa claro o papel da Controladoria dentro de toda a empresa e nas etapas que envolvem o planejamento, a execução e o controle das atividades empresariais. O foco do trabalho é o processo de criação de valor por meio da correta mensuração dos resultados da empresa e das atividades de negócio.

Aplicações: Livro-texto para as disciplinas de controladoria dos cursos de Ciências Contábeis, Administração de Empresas e Finanças Empresariais. Leitura complementar para as disciplinas contabilidade gerencial, planejamento e controle financeiro, contabilidade de custos e análise de demonstrativos contábeis. Manual de consulta para profissionais das áreas de Controladoria, Contabilidade Geral, Custos, Orçamentos, Análise Financeira e de Investimentos, Planejamento Estratégico e Gerência Financeira.

ISBN 13 978-85-221-1230-2 ISBN 10 85-221-1230-4

Para suas soluções de curso e aprendizado, visite www.cengage.com.br

9 788522 112302

ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

Além dos temas considerados clássicos em Controladoria, o texto apresenta outros tópicos mais avançados, como balanced scorecard, indicadores-chave de desempenho, introdução ao gerenciamento do risco, modelos de decisão para o planejamento operacional e execução dos eventos econômicos, política de redução de custos e análise de geração de lucros.

CONTROLADORIA

Clóvis Luís Padoveze é doutor em Contabilidade e Controladoria pela FEA-USP e mestre em Ciências Contábeis pela PUC-SP. É professor da Faculdade de Gestão e Negócios e do mestrado profissional em Administração da Universidade Metodista de Piracicaba-SP. Atua como controller em empresas de grande porte há mais de 25 anos. Tem mais de uma dezena de livros publicados nas áreas de Contabilidade, Custos, Administração Financeira e Controladoria.

Clóvis Luís Padoveze

Clóvis Luís Padoveze

SOBRE O AUTOR

OUTRAS OBRAS

Clóvis Luís Padoveze

CONTROLADORIA ESTRATÉGICA E OPERACIONAL

Administração Financeira de Empresas Multinacionais: Abordagem Introdutória Clóvis Luís Padoveze

Análise das Demonstrações Financeiras – 3a edição Clóvis Luís Padoveze Gideon Carvalho de Benedicto

Controladoria Avançada Clóvis Luís Padoveze

Gerenciamento do Risco Corporativo em Controladoria: Enterprise Risk Management (ERM) Clóvis Luís Padoveze Ricardo Galinari Bertolucci


Controladoria estratégica e operacional – 3ª edição revista e atualizada