Page 1

Escola Básica de Caxinas

O Búzio Jornal Trimestral ANO 16

- DISTRIBUIÇÃO GRATUITA -

março 2012

N.º 51

Editorial

Ano Novo …. 2 Janeiras/Reis…..2 Inverno…..3

Pág.2

Pág. 5

Pág.6

Pág.7

Pág.8

Pág.10

Dia da Amizade….4 Carnaval...5 Mês da Segurança...6 Dia da mulher...7 Semana da leitura...7 Nossos Projetos ….9 Atividades em Sala de aula..10 Visitas de Estudo...13 Biblioteca….14

TUDO SOBRE O NOSSO AGRUPAMENTO…

http://www.freijoao.com


Escola Básica de Caxinas

Um novo ano começa! EDITORIAL

N

O que é para ti a Paz… os últimos dias tenho visto muitos familia-

res dos nossos alunos na biblioteca da escola. Vêm ler para os mais pequenos que os recebem com ternura e curiosidade. Decorre a semana da leitura que traz à escola os familiares mas também muitos amigos que connosco querem festejar o prazer de ler. Ao cruzar-me com estas pessoas penso em todas as outras que colaboram connosco e ajudam a construir uma Escola melhor. Contamos com a Equipa da Saúde Escolar, com o Centro de Ciência Viva e com a Lipor como parceiros no desenvolvimento de projetos. Contamos com a Autarquia que disponibiliza equipamentos culturais e serviços. Contamos com a PSP e com a Polícia Municipal que garantem uma escola segura. Contamos com uma Associação de Pais e Amigos atenta e colaborante. Contamos com uma Paróquia solidária e uma comunidade que, cada vez mais, sente e vive a Escola.

P

ara mim, a Paz

é uma maravilha é ser capaz de transformar o mundo numa grande alegria. A Paz é um beijo e um abraço é uma bela margarida branca e amarela capaz de tornar uma amizade multicolorida. A Paz é feita de grandes sonhos que se podem tornar realidade A Paz não tem crueldade nem sequer uma ponta de maldade.

Esta é a nossa Escola. Um espaço de todos e para todos.

Inês 4-01C

A coordenadora Elisabete Costa

Cantar das Janeiras

FICHA TÉCNICA PROPRIEDADE Escola Básica de Caxinas E-MAIL jornalcaxinas@gmail.com EQUIPA COORDENADORA Anite Corte Real Carmo Teixeira Dulce Costa Helena Rajão

A educação pré-escolar, como está estabelecido na Lei – Quadro, é “a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida”. A articulação entre dois níveis de ensino passa por haver comunicação entre educadores e professores, pela partilha e dinamização de atividades conjuntas. Neste sentido foram dinamizadas diversas atividades entre o pré-escolar e o 1º ciclo. Entre muitas atividades realizadas escolhemos o Cantar das Janeiras, na qual a sala 2 do jardim de infância e a turma da professora Susana, puderam conviver e partilhar lembranças e canções de votos de Bom Ano! Jardim de Infância Sala 2 2


Escola Básica de Caxinas

CHEGOU O INVERNO... O Frio

O frio que veio da Sibéria Veio para ficar E é tão frio Que agasalhos devemos levar.

O frio é infernal Mais depois do Natal E é tão frio Que os rios podem congelar E as pessoas neles patinar.

O

inverno chegou e na Natureza tudo se

Alexandre Mendonça 4-03C

transformou!... Beatriz 1-02 C

O

inverno é grande e vem devagar

devagar como um caracol caracol do mar mar de areias areias e peixinhos peixinhos brilhantes brilhantes como um diamante diamante iluminado como o sol sol que ilumina a lua lua que me faz sonhar!

O

inverno é uma estação

Estação fria como um gelado gelado de todos os sabores Sabores que dão alegria! Turma 2-02C

O

outono acabou, partiu de cá para o além, despediu-se de todos nós. Entretanto, chegou o inverno, com frio, chuva, vento rabugento, neve fofa e trovões ameaçadores. O inverno é uma época triste, escura e com muita solidão. Não tem alegria, como o verão, onde as crianças se sentem livres e soltas. O mar é alto e feroz e até parece que as ondas, de tão fortes que são, formam um rolo na areia grossa. As árvores verdes e vestidas com uma copa grande e redonda despiram-se e ficaram ramos grandes e pontiagudos. As flores fecharam as suas pétalas…algumas morreram. Os campos esverdeados transformaramse em pântanos. Ficaram escuros e molhados. As nuvens cinzentas tomaram conta do céu como rainhas e a água apoderou-se do chão seco e limpo. E…o inverno escuro, frio e com chuva, agora é quem manda. Ricardo 4-01C

3


Escola Básica de Caxinas

Fevereiro: mês da amizade Dia do Amigo

A

No

fim de

desenvolver competências mais funcionais, no passado dia 2 de fevereiro, foi realizada a atividade “Confeção de um bolo de chocolate”. Os alunos da sala da U.E.A.M. juntamente com as professoras, assistentes operacionais e técnicas confecionaram um bolo de chocolate que teve como objetivo o desenvolvimento das noções de quantidade, textura, sabor, cheiro, ingrediente, utensílio e etapas da preparação. Foi uma experiência enriquecedora e entusiasmante com a participação ativa de todos os alunos. Unidade Especializada de Apoio à Multideficiência (U.E.A.M.)

dia 14 de fevereiro, também conhecido pelo Dia da Amizade, foi muito especial para todos nós. Para o comemorar, fizemos alguns desenhos onde demonstrámos o carinho e a amizade que sentimos pelos colegas. De seguida, vimos e ouvimos a história do “Sapo Apaixonado”, em PowerPoint. Ficámos encantados e, depois deste momento, conversámos sobre a solidariedade, a partilha, a ajuda… valores que devem estar presentes na nossa vida. Também recebemos a agradável surpresa de alguns alunos do 4º ano que vieram à nossa sala contar uma história. Foi um dia inesquecível em que todos nos divertimos e criámos novas amizades. Turma 1-03C

Ana Luísa Turma 4-05C 4


Escola Básica de Caxinas

No

Carnaval O dia de Carnaval chegou e como

dia 17 de fevereiro de 2012, às 9 horas festejámos o Carnaval na nossa escola. Todas as turmas,. dirigiram-se para as salas À medida que o tempo passava, os alunos não conseguiam esconder o entusiasmo pela participação na festa carnavalesca. Às 10 horas, as turmas deslocaram-se para o recinto escolar e formaram grupos de quatro alunos, tomando cada turma a posição definida para a saída do cortejo. De seguida, deu-se início ao desfile por algumas ruas de Caxinas. Enquanto desfilávamos, dançávamos ao ritmo da música típica desta festa. Durante o percurso, ficámos espantados pois não contávamos com tanta gente a assistir. No cortejo, houve muitas fantasias e acessórios que traduziam bem o gosto de cada um. Depois de uma bela caminhada, regressámos à escola e fomos lanchar. No final do lanche, os alunos divertiram-se muito no recreio e no coberto onde houve dança. Esta festa foi fantástica, divertida e engraçada porque a euforia estava dentro de todos nós.

sempre cheio de magia e cor. Estava um lindo dia e nós sentíamo-nos com muita alegria e boa disposição. A nossa turma, juntamente, com a turma da professora Carla e da professora Helena, confecionou os fatos com que nos fantasiámos para integrar o cortejo. Fomos todos de pinguins. As mães das nossas amigas «Marianas» vieram ajudar-nos a vestir-nos e a pintarnos. Ficamos todos muito bonitos. Pelo caminho cantámos, dançámos e atirámos confetis e serpentinas uns aos outros. Por onde passávamos os nossos pais aplaudiam, atiravam serpentinas e tiravam fotos. Quando chegámos à escola fomos todos para o coberto onde estava instalado o aparelho de música e continuamos a festa. Dançámos, dançámos… sem parar. Foi um dia muito divertido.

Turma 3-03C

Arribámos ao Portinho das Caxinas…

No dia 17 de fevereiro, desfilámos com outras turmas do 2º ano, pelas ruas de Caxinas, disfarçados de pinguins. Com alegria, cor e entusiasmo sentimo-nos como uma colónia de pinguins, pois com o frio que tinha feito, parecia que estávamos na Antártida! Enquanto preparávamos o tema de Carnaval, “Os pinguins”, pesquisamos e ficamos a saber que o pinguim é uma ave marinha mas não voa e ….

OCarnaval é um dia de muita alegria e imaginação. Neste dia somos princesas, reis, zorros, polícias índios… Todos os meninos vieram fantasiados e até a nossa professora! Estávamos todos muito janotas. Foi um dia muito feliz!

tido!

Turma 1-04C

Ser pinguim por um dia foi fantástico e diver Turma 2-02C

5


Mês da Segurança

Escola Básica de Caxinas

N

o dia 8 de fevereiro vieram à nossa escola dois

agentes da polícia ensinar-nos algumas regras de segurança. Encontrámo-nos na biblioteca da escola e lá ouvimos alguns conselhos para andarmos na rua em segurança, vimos um filme e fizemos algumas representações. Fizemos de conta que conduzíamos um carro, que íamos sozinhos para a escola e nos aparecia um desconhecido e que estávamos sozinhos em casa e alguém batia à porta e pedia para entrar. Neste dia, aprendemos algumas regras de segurança que queremos partilhar convosco: No carro, as crianças viajam sempre no banco de trás; É obrigatório colocar sempre o cinto de segurança; Antes de atravessar a rua olhar sempre para a esquerda, para a direita e novamente para a esquerda; Não falar nem aceitar nada de pessoas desconhecidas; Quando estamos sozinhos em casa nunca abrir a porta e se perguntarem se estamos sozinhos dizer sempre que não.

P

ara além das atividades rea-

lizadas dentro da sala de aula, tivemos um encontro com os elementos da P.S.P. da Escola Segura, que nos fizeram várias recomendações e nos deram alguns conselhos para vivermos em segurança. Alertaram-nos para os vários perigos que enfrentamos no nosso dia a dia e como fazer para nos protegermos deles. Agradecemos a todos aqueles que cuidam de nós com tanto empenho e dedicação. Turma 2-01C

Turma 1-01C

Os perigos da internet: o que eu aprendi

No dia sete de fevereiro, eu e a minha turma assis-

Falou alguns dias com uma menina e

timos a uma sessão sobre os perigos da net. Fomos para o ginásio da nossa escola onde já estavam dois agentes da Escola Segura da PSP: o agente Paulo Marta e o agente Paulo Araújo. Os dois agentes falaram-nos sobre alguns perigos que existem com o uso da internet e para percebermos ainda melhor, mostraram-nos vídeos. Alguns dos conselhos que nos deram é que no facebook, só devemos falar com os nossos amigos, falar com um estranho é má ideia. Se nos perguntarem a nossa identidade nunca devemos dizer. As pessoas que não conhecemos podem, por exemplo, mentir sobre a idade, dizer que nos conhecem e marcar um encontro, aí corremos riscos de ser raptados. Gostei muito do que vi e aprendi e para já é mais seguro não ter página de facebook.O agente Paulo Marta contou-nos uma história verdadeira sobre um polícia que estava a fazer um trabalho sobre a internet.

fez-lhe várias perguntas. Com tudo o que a menina respondeu, o polícia conseguiu descobrir a sua morada. Um dia foi à sua casa e contou aos pais da menina quem era e o que tinha feito. Quando a menina chegou a casa, não o conhecia, mas ele sabia muita coisa sobre ela. Por acaso era um polícia que estava a fazer um trabalho sobre segurança na internet, mas podia não ser e tinha conseguido chegar até à menina. Vimos ainda um filme de dois meninos que estavam a falar no facebook, um era muito feio e pôs a fotografia de um rapaz bonito e o outro pôs a fotografia de uma menina. Marcaram um encontro e viram que eram dois rapazes que nada tinham a ver com as fotografias que tinha posto no facebook.

Ana Filipa Braga Gavina 3-05C

Ana Filipa 3-05C 6


Escola Básica de Caxinas

Dia da Mulher No dia Internacional da Mulher fizemos este acróstico:

M U L H É R

ãe, és a mulher melhor do Mundo!

Mulher inteligente e muito dedicada que com o seu filho está sempre preocupada.

ma heroína na terra em que vivemos.

Mulher maravilhosa

utadora pelos teus filhotes.

quando está apaixonada recebe uma bela rosa e fica emocionada.

oje é o teu dia especial.

Mulher mãe

s a minha estrela Bernardina.

que nos criou nos ajudou e nos alimentou.

ainha da minha vida.

Mulher responsável que com os outros homens e crianças é sempre tão amável.

Os teus olhos luminosos brilham sem parar llindos e maravilhosos olhos de encantar.

Turma 2-03C

Marco 4-01C

Semana da Leitura Desde o início do ano, todas as quartas feiras, um aluno do 4º ano, da turma da professora Dulce, vem à nossa sala ler-nos uma história. No dia 7 de março, para comemorarmos a Semana da Leitura, resolvemos fazer uma surpresa aos nossos colegas e nós é que lá fomos ler a história “As Cores e os dias da Semana”. Lemos muito bem! As professoras Dulce e Margarida deram-nos os parabéns! Gostámos muito desta experiência apesar de estarmos todos muito nervosos. O nosso coração batia muito depressa! Foi muito giro, queremos repetir! Turma 1-05C

Todas as sextas-feiras um aluno do 4º ano, da Prof.ª Albina, vem à nossa sala ler uma história relacionada com o projeto "Juntos, mais a ler para mais saber". Gostamos muito de ouvir as histórias de animais que têm uma lição de moral. Como são bonitas! Até já sabemos que se chamam fábulas. Como leem bem estes meninos! Turma 1-04C

7


Escola Básica de Caxinas

Semana da leitura Naquela semana choveram livros… A Ana pensou ime-

diatamente em contar a novidade aos amigos na escola. Esperou, ansiosamente, que chegasse a hora do intervalo para poder informá-los sobre tudo. À hora do intervalo reuniram-se, como era habitual, junto ao parque: - O que se passa Ana? Parece que vais explodir! – disse o João, em tom de brincadeira. A Ana começou então, a explicar, detalhadamente, o que havia sucedido: - Ontem, ao final da tarde, antes de sair da escola, fui andar um pouco de baloiço e, de repente, ouvi um ruído estranho. Quando olhei para cima, reparei que estavam a chover livros. E vinham em grande velocidade!

Isso, normalmente, só acontece aos meninos do quarto ano porque a sua imaginação está ao rubro! - Já percebi! Mas ainda persiste uma dúvida. disse o Tiago - Qual é essa dúvida? – perguntou a professora Celeste - Porque é que só choveu no parque? - continuou o Tiago. A professora Celeste respondeu: - Isso é fácil. De todos os sítios da nossa escola, qual é aquele sítio em que todos meninos usam mais a sua imaginação?

- E houve algum que te magoou? – perguntou o Tiago. - Não, Tiago! Tive muita sorte porque consegui desviar-me deles, escondendo-me debaixo do escorregão! – disse a Ana. - Que explicação tens para todo este mistério? – questionou a Rita. – Segundo o que estudei na área de Estudo do Meio, uma das formas de precipitação, não são livros … - Se calhar, começaram a chover livros porque estamos na semana da leitura da nossa escola…- sugeriu a Ana. - Ah, pois é… Na semana da leitura chovem livros porque a imaginação paira no ar! – exclamou o João. - Sim, sim! Não me tinha lembrado disso. Mas para sabermos mais pormenores podemos ir à biblioteca falar com a professora Celeste! – disse a Rita. - Tens razão! Não existe ninguém melhor do que a professora Celeste para nos esclarecer. Até porque a semana da leitura foi mais uma das iniciativas dela. - Afirmou o Tiago. Os quatro amigos dirigiram-se, rapidamente, até à biblioteca da escola para poderem investigar o assunto. - Olá meninos! O que é que vos traz por cá? – perguntou a professora Celeste. - Bom dia, professora Celeste! Vimos cá porque ontem à tarde, a nossa amiga Ana, quando andava no baloiço, viu uma chuva de livros!...- exclamou o João. - Muito bem, meninos! Isso significa que a vossa imaginação está a funcionar. - explicou a professora Celeste. - A nossa imaginação? O que é que quer dizer com isso, professora Celeste? – questionou a Rita. Então, a professora Celeste explicou aos meninos que todos os anos, durante a semana da leitura da escola das Caxinas, chovem livros no parque.

8

Turma 4-06C


Escola Básica de Caxinas

Os nossos projetos Projeto «Horta e Compostagem»

Projeto «Ciência e Fantasia»

As turmas do 2º ano em colaboração com os alunos do jardim de infância estão a dar continuidade ao projeto “Horta e Compostagem”. No mês de fevereiro abrimos o compostor e retirámos o composto que foi utilizado para adubar a horta. Depois, voltámos a colocar o compostor num canto da horta e recomeçámos a recolher restos de hortaliças, frutas, borras de café e palha que os alunos trazem de casa e nos entregam para depositar no compostor. Queremos usar este jornal para apelar a toda a comunidade educativa para que respeite a horta e não mexa no compostor. O nosso objetivo é enchê-lo e deixá-lo a repousar até ao próximo ano letivo. Assim, os detritos, com a ajuda de alguns animaizinhos (caracóis, minhocas…), transformar-se-ão em composto. Pedimos que sejam zelosos com o nosso recreio e respeitem a Natureza.

A professora começou por ler a poesia ”Era uma vez…um Caracol Catita”. O caracol Catita viajou por Portugal e fez uma longa viagem. Nessa viagem visitou várias serras, tais como: a serra do Gerês, serra do Marão, serra da Estrela, esta coberta de neve fria e fofa, e até foi parar à serra da Malcata, densa mas pacata. Já cansado da viagem resolveu descansar e de papo para o ar ficou a observar. No final de ler a poesia a nossa turma, em conjunto com a turma do professor Rui, realizou a experiência: “Congelar e descongelar...vamos experimentar”. Estas experiências são muito interessantes!

Turma 2-03 C

A horta está cheia de flores Inês 4-01C

Flores amarelas Amarelas como o Sol Sol brilhante Brilhante na roupa Roupa de lã Lã roxa Roxa como nabo Nabo de comer Comer sopa Sopa com legumes Legumes que têm vitaminas! Turma 2-02C 9


Escola Básica de Caxinas

Atividades em sala de aula Uma história com vários títulos das obras de

Workshop de Chinaclay

Álvaro de Magalhães

No dia um

Uma Aventura

de março a nossa professora fez anos e convidou a mãe, que é uma professora reformada, a Prof. D. Lucília, para vir à nossa escola. Mas a mãe da nossa professora não veio só cantar os parabéns à nossa professora e trazer um bolo muito bem enfeitado por ela, para nós. Veio-nos ensinar, à nossa turma e à turma da Professora Luísa, a fazer Chinaclay, que é um pó de porcelana, também chamado pó da china. Para fazer chinaclay é preciso o pó de porcelana e cola branca. Depois de se mexerem muito bem os dois ingredientes, tem de se formar uma pasta grossa. Pode-se aplicar em frascos, tampas, cinchas da praia, em latas, onde quisermos. A D. Lucília mostrou-nos uma lata com chinaclay, que era de salsichas e agora serve para colocar canetas e lápis. Quando terminou de fazer a pasta, foi só colocá -la em tampas de frascos de papa de bebé, com ajuda de uma espátula de madeira, e de seguida colocou-se uma pedrinha em cima. Depois de secas, as tampas foram pintadas com vernizes das unhas de cores ou de brilhantes. Estes frascos são para oferecermos no Dia do Pai, e servem para os nossos pais colocarem dentro delas o que quiserem como: pregos, parafusos, clipes, pioneses, etc. Ficou um trabalho muito bonito e penso que os nossos pais vão adorar!

Era uma vez, ”Uma Flauta Chamada Ternura”. Era tocada por “O menino chamado Menino”, que a tocou durante “Sete Dias e Sete Noites”, “O jardim donde nunca se regressa”. Nesse jardim morava a “Princesa Cobra”, “O Rapaz de Pedra”, “O Crocodilo Ramirez” e “O Brincador”. “ O outro lado do mundo”, era o local onde ficava esse jardim. Lá “Todos os rapazes são gatos”. Numa das suas aventuras, “O Rapaz de Pedra” encontrou, “Contos da Mata dos Medos”, onde também andava perdida “A Menina Curiosa” que lhe contou “Histórias Pequenas de Bichos Pequenos”. E falou-lhe também que tinha visto “O Circo das Palavras Voadoras” e “Uma História com Muitas Letras”. Com isto tudo, tão esquisito, o menino achava que estava num local, chamado “O Reino Perdido”, onde “O Prazer de Ler “ era mais importante que “A Maldita Matemática” e onde existia um ser “ O Limpa-Palavras e Outros Poemas”. Aqui ouvia-se falar de uma ilha secreta, chamada “ A Ilha do Chifre de Ouro” que foi descoberta por “O Rapaz da Bicicleta Azul” que dizem que encontrou uma lâmpada mágica, de onde saiu um génio que o mandou escolher, um de “Os Três Presentes”: “O Futebol ou a Vida”, perder a sua bicicleta azul, ou regressar de “ O jardim donde nunca se regressa”. Ele escolheu regressar, “Enquanto a cidade dorme”. Passando alguns anos o menino, tornou-se “O Homem que não queria sonhar e outras histórias” mas escreveu um livro que o marcou para a vida que foi “Hipopóptimos Uma História de Amor”.

Bruna e Catarina 3-01C

Ele teve uma vida cheia de aventuras, por isso, já velhinho dizia: -“Isto é que foi ser!” Maria João M. 3-02C

10


Escola Básica de Caxinas

Mais atividades em sala de aula SEQUOIA GIGANTE

C

omo se está a aproximar o dia da árvore resolve-

mos fazer uma pesquisa sobre as diferentes espécies de árvores existentes. A que nos fascinou foi a Sequóia Gigante devido ao seu tamanho gigantesco. Como achámos a informação recolhida muito interessante, decidimos partilhá-la. A Sequóia Gigante é nativa da Califórnia e foi descoberta em 1850. É considerada a maior árvore do planeta podendo atingir 105 metros de altura e 12 metros de diâmetro de tronco e chega a viver mais de 3 mil anos. A mais antiga e conhecida sequoia gigante possui 4650 anos de idade e encontra-se no Parque Nacional da Sequóia, na Califórnia. A sua casca é fibrosa, com sulcos, podendo chegar a 60 cm de grossura na base do tronco. A longevidade da Sequóia Gigante deve-se a diversos fatores: é muito resistente aos insetos, a doenças e ao fogo. Os madeireiros chegaram a derrubar muitas delas para aproveitar a sua madeira. Quando descobriram que a sua madeira não era de boa qualidade para ser utilizada na construção civil ou na confeção de móveis, deixaram de as derrubar. Outro perigo que as Sequóias correram foi quando construíam túneis escavados no seu tronco, o que as deixava frágeis acabando por morrer. Felizmente, agora os locais onde estas árvores ainda são encontradas estão transformados em parques nacionais, onde elas podem viver livres de agressões. Turma 2.04C

“ Contos da Mata dos Medos” - Álvaro de Magalhães Mensagens

A amizade que havia entre todas as personagens fez com que conseguissem vencer as dificuldades e os problemas que apareceram, ao longo das quatro estações. (InêsDinis) -É muito importante sabermos ler, escrever e manter a amizade. (Pedro Martins) As pessoas, mesmo as mais egoístas, têm um fundo de bondade. (Ana Rita Marafona) -A felicidade é sermos bons uns para os outros, sermos maus e egoístas traz-nos infelicidade. (Beatriz Pinto)

11

-Para ter letra bonita e sem erros, é preciso ler muito. Para conseguirmos fazer alguma coisa é preciso trabalhar. E temos que ser amigos uns dos outros. (Francisca Areias) -Devemos saber (Leandro Maio)

aproveitar

a

vida.

- Fez-me sentir como a amizade é importante na nossa vida. (Telmo Ferreira) - Esta história transmite muita alegria e é muito engraçada. Tem ótimas aventuras e as personagens, apesar de terem diferentes personalidades, adorei-as. Esta história é um exemplo, para nos mostrar o lado do bem. (António Amorim) -Não devemos gozar com a caligrafia dos outros, mas olharmos primeiro para a nossa. Esta atitude deve-se aplicar a todos os defeitos. (Tiago Espogeira) -Para ajudar um amigo devemos fazê-lo com amor, trabalharmos todos juntos e sabermos conviver, sendo amigos uns dos outros. (Leonor Santos) -Devemos estar prevenidos para algumas coisas más que nos podem acontecer tal como o coelho se preveniu para a eventual chegada do mar à Mata dos Medos. (José Pedro Santos) -Este livro ensinou-me que temos de ser amigos e ajudar os outros, não devemos ser egoístas. Também aprendi que temos de saber do que somos capazes de fazer para aprendermos o que não sabemos. Foi um livro muito educativo. (Filipa Tavares) -Não devemos ser egoístas, devemos confiar nos nossos amigos e, principalmente, devemos ser amigos uns dos outros. (Maria João Marques) -Temos que saber estabelecer comunicação com os nossos amigos e devemos ajudar os amigos. (Eduardo Sousa) --Devemos saber viver em sociedade e em

cidadania para sermos felizes. O Chapim não sabia, por isso teve dificuldade em responder à pergunta do Coelho ”És feliz Chapim?” (J. Luís) -Devemos ajudar os outros, ter uma letra perfeita e sabermos estar quietos (ouriçar) (Rodrigo Simão) Turma 3-02C


Escola Básica de Caxinas

Mais atividades em sala de aula Lenda do Sol e da Lua

Lenda da Formiga e o Sol

A

formiga era uma grande vadia e um dia ficou

Nunca escurecia. Um dia a filha

presa na neve. O Sol derreteu a neve e a formiga agradeceu, bajulando-o. A nuvem, por sua vez, respondeu às bajulações da formiga, dizendo que o vento era capaz de desfazê-la, o vento, que pode ser detido por uma parede, a parede, que pode ser furada por o rato, que pode ser apanhado pelo gato, o gato que pode ser apanhado pelo cão, o cão que pode ser apanhado pelo homem, o homem, que tema a Deus e Deus, para dar fim na vadiagem da formiguinha, transformou-a na maior trabalhadora do mundo.

de Cobra Grande, que sabia que seu pai guardava a noite no fundo do mar, quis vê-la e pediu ao marido que mandasse os seus criados irem buscá-la. Os criados encontravam-se com Cobra Grande, que lhes entregou um coco com a recomendação de jamais abri-lo. Curiosos, porém, abriram o coco e tudo escureceu. Para salvar o dia, a filha de Cobra Grande arrancou um fio do seu cabelo, separando, assim, o dia da noite e, para castigar os desobedientes criados, transformou-os em macacos.

Susana 3 -01C

Rodrigo 3-01C

Solidariedade: como posso fazê-la?

Solidariedade com o Provedor Arlindo Maia N

o dia de 7 de março tivemos uma sessão muito especial organizada pela Biblioteca. Como queríamos aproveitar a presença do nosso convidado, fomos para o ginásio. Chegámos lá e vimos que o salão estava enfeitado. Num cartaz lia-se “Hoje convidamos…Vidas e Percursos”. Ao lado encontrava-se escrito “Solidariedade e Cooperação”. Já sentados aguardámos a chegada do convidado. A professora da Biblioteca deu-lhe as boas vindas e apresentou-o. O senhor chamava-se Arlindo Maia e é o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Conde. Ele falou-nos da sua vida, da sua profissão, dos livros que mais gostou de ler e ainda de solidariedade e cooperação. Depois de oferecer à nossa Biblioteca um projetor, voltou a repetir, para que fizesse eco no nosso dia a dia “A Solidariedade pratica-se diariamente na nossa vida”.

Ser solidário não é ter pena do próximo, é tentar compreender e saber que, por vezes, basta apenas ouvir essa pessoa, ou até mesmo acompanhá-la por uns instantes. Só o facto de lá estarmos é o suficiente, principalmente no caso dos idosos. Eles não pedem dinheiro ou comida, mesmo que por vezes precisem, só querem um pouco de companhia, uma visita de vez em quando, para que não se sintam tão sós e abandonados. Isto já é ser solidário. Para alguns, ser solidário é apenas dar dinheiro, para ajudar qualquer causa que viram na televisão ou que está na moda. Por vezes nem têm grande conhecimento dessa causa, apenas o fazem para ser reconhecidos. Quando assim é, não estão a fazer a verdadeira solidariedade... Solidário é quem se dispõe a ajudar aqueles que estão em dificuldade e não fazem questão que todos saibam o que eles fizeram.

Turma 4-07C

Tiago Braga Flores 3-05C

TUDO SOBRE A ASSOCIAÇÃO DE PAIS, ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO E AMIGOS DA EB1 / JI DE CAXINAS:

asspaiscaxinas@portugalmail.com 12


Escola Básica de Caxinas

AS NOSSAS VISITAS DE ESTUDO Visita ao Centro de Memória

No dia vinte e quatro de Janeiro de 2012, fomos visitar o Centro de Memória em Vila do Conde. A nossa turma saiu da escola por volta das nove horas e trinta minutos e demorámos trinta minutos no percurso até ao Centro. À chegada, sentámo-nos nos bancos do jardim à espera da monitora para nos guiar na visita ao museu e também para nos mostrar a exposição de pintura e realizarmos uma atividade sobre esta exposição. A monitora chamava-se Fernanda Anjos e explicou-nos que aquela casa pertencia a uma família abastada, os Figueiredo Faria. Eles eram tão ricos que, no século XVII, as senhoras daquela casa para passear, andavam de coche, e esse coche estava lá na exposição!

Cividade de Bagunte

No dia 9 de março fizemos uma visita de estudo à Cividade de Bagunte. Esta visita foi muito divertida: andámos no meio do monte e à nossa espera estava, além do arqueólogo Pedro, um guia vestido de romano. Usámos capas e espadas de madeira e após uma batalha conquistámos a terra aos Castrenses. De seguida, visitámos as ruínas, onde estavam várias pessoas vestidas à época a executar várias tarefas: a varrer com uma vassoura de giestas; a moer os grãos; a tomar conta das crianças ou a trabalhar o barro. Vimos também uma fogueira e o modo como nessa altura confecionavam os alimentos. Trabalhamos o barro, moldando um copo de barro para cada um de nós. Foi muito divertido! “ Nós tínhamos armas (Matilde), espadas (Ruben), eles tinham escudos (Rui) e puseram-nos uma capa (Lara)”. Jardim de Infância- Sala 1

Durante a visita também nos mostraram a sala de visitas onde essa família recebia os seus amigos para tomar chá e conversar. Vimos a mobília, os candeeiros, os tapetes, os quadros e outros objetos de decoração, que pertenciam aos Figueiredo Faria, foram recuperados para manter o aspeto de novos. De seguida, passámos para a parte nova da casa– O arquiteto que esteve encarregue da remodelação desta casa achou que, para as exposições e atividades, deveria ser um espaço amplo e com muita luz para os visitantes poderem circular à vontade. A exposição que lá estava era sobre alguns quadros pintados pela pintora Isabel Lhano que, por coincidência, é professora de EVT no nosso agrupamento. Os quadros, em diversas cores, representava a forma como ela via os seus amigos e as caras eram tão perfeitas que pareciam autênticas fotografias coloridas. A nossa atividade foi a seguinte: cada um de nós deveria pintar um amigo da sala, conforme o víamos e os desenhos que nós fizemos ficaram fantásticos. Todos gostámos muito de visitar o Centro de Memória e até vamos aconselhar os nossos pais a fazerem uma visita. Turma 4-04C

13


Escola Básica de Caxinas

A

BIBLIOTECA

Biblioteca continua a refletir o pulsar da nossa Escola. Ela é o reflexo do envolvimento de todos os parceiros educativos , na busca de um ensino de qualidade disponibilizando aos alunos as ferramentas para o desenvolvimento de várias competências e contribuindo para o seu crescimento nas diferentes vertentes humanas. Assim, começamos por agradecer os votos formulados pelos alunos e professores aquando do “Cantar as Janeiras”; a oferta e a colaboração da Associação de Pais e do Engenheiro Arlindo Maia , na melhoria dos equipamentos da Biblioteca; o envolvimento dos Professores das AEC de Educação Física no mês do Desporto. Foi e é gratificante ver a Biblioteca encher-se e a forma ordeira com que os alunos procuram , com prazer, os jogos de xadrez e damas, nas horas de recreio; a participação da Esquadra da PSP de Vila do Conde e a sua Equipa da Escola Segura, na brilhante e empenhada participação no mês da Segurança; o envolvimentos dos Pais , Amigos e outras instituições nas várias atividades da Semana da Leitura; a participação dos professores e alunos nas diferentes atividades propostas pela Biblioteca, como a vinda em Leitura autónoma, o Ler em família nos projetos “Vai e Vem” e “Já sei ler”, as várias requisições de documentos, equipamentos para as salas de aula, nos concursos e desafios para o ciclo de autor, para as oficinas de escrita e outras sessões de Leitura e de enriquecimento curricular.

Concursos:

DESAFIO 3

Ao longo do 2º período a Biblioteca apresentou vários concursos e desafios. Aqui deixamos os nossos parabéns aos participantes e vencedores: “ Quem escreve assim”…

Parabéns aos vencedores: Professora Assunção - Tânia Vilaça, Manuel Vilaça e Rafaela Mês do Desporto:

Professora Assunção : David, Érica Silva, Guilherme, Inês Raposo, Tânia, Rita, Joana, Diana. Professor Carlos: Andreia, Catarina, Nelson. Professora Dulce:

Este ano a Biblioteca dedicou o mês de janeiro aos jogos de tabuleiros ( damas e xadrez). Aos professores das AEC as nossas felicitações pelo empenho que dedicaram a estas sessões. Foi e é gratificante ver os alunos a procurarem na Biblioteca, ainda agora, estes jogos.

Ana Catarina Lopes, Ana Paula Craveiro, Bruno Alexandre, Luce, Mariana Trocado, Rui Vale. Professora Isabel Galiza: Célia Milhazes, Filipe Manuel, Glória Gonçalves, João Pedro, Leandro Nascimento, Nuno, Pedro Elias, Ricardo Valentino, Tatiana Marques, Tomé Ponte. Professora Isabel Vila: Bruno, Catarina B., José Daniel.

TUDO SOBRE A NOSSA BIBLIOTECA…

http://caxibiblioteca.blogspot.com 14


Escola Básica de Caxinas

Adivinhas: 1.Tenho uma casa com doze damas, cada uma tem três quartos, todas elas têm meias e nenhuma tem sapatos. 2.Ó que lindos amores eu tenho, ó que lindos, ó que ingratos, andam por dentro das botas e por fora dos sapatos. 3.Uma meia meia feita, outra meia por fazer, diga lá minha menina, quantas meias vem a ser? 4.Somos duas irmãs gémeas, despidas ou enfeitadas, nunca nos podemos ver e nunca andamos zangadas. 5.Sou adorado por todos, porque a todos faço bem, sirvo também de relógio, aos que relógios não têm.

Lenda da Serra da Estrela Um pastor cuidadoso E de sentimento nobre Cuidava do seu rebanho Era um homem muito pobre. Vivia com a natureza E tinha uma ambição Mirava a paisagem longínqua Com fervor e emoção. Com uma estrela ele sonhou e uma ideia lhe surgiu logo a seguir acordou e com o seu cão partiu. Queria alcançar a serra mais alta e a sua longa viagem iniciou e o seu velho cão cansado pelo caminho ficou.

Passados longos anos ao seu destino chegou alcançou a serra mais alta Agradeceu e suspirou.

A estrela cintilante o rei queria comprar mas o pastor confiante não a deixou levar Feliz com o seu destino ali ficou e envelheceu com a fortuna e a riqueza da serra que escolheu Esta é a bela lenda do pastor que já morreu mas na serra ainda brilha Uma estrela lá no céu! Turma 3-04C

PROVÉRBIOS janeiro  A água de janeiro vale dinheiro.

março

Em janeiro sobe ao outeiro; se vires

Aí vem o meu irmão março que fará o que não faço.

terrear põe-te a cantar; se vires verdejar põe-te a chorar.

Em março, tanto durmo como faço.

Janeiro fora mais uma hora e quem bem contar,

Março chuvoso, São João farinhoso.

hora e meia há-de achar.

Março, marçagão, manhã de inverno, tarde de verão.

Não há luar como o de janeiro nem amor como o primeiro.

Quando em março arrulhar a perdiz, ano feliz.

fevereiro

Temporã é a castanha que por março arreganha.

Em fevereiro chuva; em agosto uva.

Turma 4-02C

Em fevereiro neve e frio, é de esperar calor no estio. Fevereiro afoga a mão no ribeiro. Quando não chove em fevereiro, nem bom pão nem bom lameiro. Se o inverno não fizer o seu dever em janeiro, vai fazê-lo em fevereiro. 15


Escola Básica de Caxinas

A voz dos Pais

C

omo elemento da Associação de Pais sinto profunda

tristeza ao saber e/ou presenciar determinadas atitudes, que ocorrem na nossa escola e que interferem com o normal funcionamento da mesma. A atitude a que estou a referir-me é a presença de pessoas nas grades (presumo que sejam familiares de alguns alunos), com especial incidência na hora dos recreios e que, sobre os mais variados pretextos, reais ou aparentes, acabam por interferir no normal funcionamento da escola. Quero relatar aqui dois exemplos do que pode acontecer, entre muitos outros. As primeiras semanas dum primeiro ano, são sempre difíceis para a maioria das crianças, mas em especial para aquelas muito habituadas à proteção dos pais, avós ou familiares. A aula decorre normalmente, as crianças adaptando-se à nova realidade quando uma delas, numa fugaz espreitadela pela janela, apercebe-se dum familiar agarrado às grades... A saudade aperta, o choro desperta e o professor, com a aula estragada. É hora do recreio. A pequenada pula, grita e faz traquinices uns aos outros. As funcionárias, cumprindo as ordens que lhe foram dadas, vigiam a criançada. De repente, duas das crianças, no calor de uma brincadeira, exageram nas traquinices... A funcionária, apercebendo-se da situação impõe a ordem. Alguém nas grades, familiar de uma das crianças, vê a cena de relance e interpreta-a à sua maneira. A funcionária vai ter chatices... Para a próxima, ela que tenha juízo e fique quieta, pois assim as chatices não aparecem. É importante todos nós, pais e familiares, compreendermos que é nossa obrigação intervir na vida da escola sempre que nos seja solicitado ou vejamos que algo está mal. Mas intervir não é interferir. Interferir é criarmos problemas à escola só porque pomos o nosso pequeno mundo, o nosso egoísmo à frente de tudo. Temos que acreditar que os profissionais da nossa escola (professores e funcionários) estão a dar o seu melhor para o bem dos nossos filhos. Por agora deixemos de interferir... deixemos as grades! Paulo Alexandre Ramos Membro da Associação de Pais

5.Sol 4.Orelhas 3.½ Meia 2.Tornozelos 1.Horas SOLUÇÕES: 16

A cantar, vamos lá pintar.. Coelhinho da Páscoa Que trazes p'ra mim Um ovo, dois ovos, três ovos assim… Coelhinho da Páscoa que trazes p'ra mim !...

A equipa que coordenou esta edição deseja a toda a comunidade educativa e assim como a todos os leitores uma Páscoa Feliz…

O Búzio  

Jornal trimestral da ESCOLA BÁSICA DE CAXINAS- 2º Período de 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you