Issuu on Google+

Edição Nº 12 Setembro/2011

LEMBRE-SE: CAMPANHA DOAÇÃO DE SANGUE 18 DE SETEMBRO 10H00 SAÍDA DA CASA D.E.U.S. PARA FUNDAÇÃO PRÓ SANGUE

O maior

patrimônio da criatura é a consciê

ncia tranquila.

Chico Xavier


Edição Nº 12

Mensageiro Casa D.E.U.S.

N

o dia 27 de setembro são rendidas homenagens a Ibejí ou Ibejís, o Orixá gêmeo sincretizado a São Cosme e São Damião. Este Orixá é o protetor das crianças e sua Linha é formada por espíritos de crianças ou espíritos que se apresentam sob a forma de crianças, porém, são muito iluminados. A Linha de Ibejí está no topo do triângulo da Umbanda, é a linha mais superior depois da Linha de Oxalá. São conhecidos como Orixás de amor e de alegria. Uma vez permitido pela Espiritualidade o contato com elas em nosso meio é para despertarmos dentro de nós sentimentos de fraternidade e doação. Com elas podemos ampliar e desenvolver um amor livre de qualquer necessidade de troca e interesse; é fazer o bem sem ver a quem, naturalmente doado e feito por amor ao bem. Entendemos esse ato como típico de uma criança que doa “ingenuamente” a qualquer um, independente da condição moral. As crianças vibram de forma sutil e intensa e quando em sintonia com elas acontece uma limpeza espiritual: energias negativas são absorvidas e transformadas em

Setembro/2011

energias positivas que vão beneficiar todo o físico, o mental e o emocional. Com essa irradiação, há um reequilíbrio das forças energéticas em nosso organismo por completo que nos ampara e muda nossa visão de mundo. As crianças nos ajudam e muito a renovar nossas atitudes, a recomeçar de forma mais leve e visando um futuro de mais amor, paz e alegria para nossa consciência. Os domínios de Ibejí são os parques e jardins. Sua cor é o rosa representando a pureza que provém desta Linha. Não devemos julgar os trabalhadores da Linha de Ibejí como fracos, por causa da forma que se apresentam. Esses espíritos, depois de Oxalá, são os únicos que dominam totalmente a magia e desmancham qualquer tipo de magia negativa. Ibejí, São Cosme e São Damião são trabalhadores da linha de Oxalá e pertencem a uma de suas falanges. A eles podemos pedir proteção contra demandas, malefícios e doenças; também podemos pedir proteção para as crianças, principalmente as enfermas. Por serem extremante positivos, afastam-se das pessoas interesseiras, egoístas e com pensamentos e sentimentos negativos. Quando incorporam nos terreiros, é possível sentir a alegria e a pureza que transmitem, pois sua presença é sempre motivo de festa! Com suas brincadeiras e cantigas, comem doces e bebem guaraná, utilizando-se desses itens para desmanchar a magia negativa e afastar os sentimentos ruins.

O

s filhos de Ibeji são raros e costumam ser pessoas com temperamento infantil, jovialmente inconsequentes; nunca deixam de ter dentro de si a criança que já foram. Tem a tendência a serem brincalhões, sorridentes e irrequietos. Em geral, podem revelar-se teimosamente obstinados, possessivos e muito dependentes nos relacionamentos amorosos e emocionais. Ao mesmo tempo, a sua leveza perante a vida revela-se no seu eterno rosto de criança e no seu modo ágil de se movimentar, a sua dificuldade em permanecer muito tempo sentado. Podem também apresentar bruscas variações de temperamento e certa tendência a simplificar as coisas, especialmente em termos emocionais e isso pode fazer com que se magoem e se decepcionem com alguma facilidade. As suas tristezas e sofrimentos, porém, tendem a desaparecer com facilidade, sem deixar grandes marcas. Como as crianças, em geral, gostam de estar no meio de muita gente, das atividades desportivas, sociais e das festas.

O

s gêmeos árabes Cosme e Damião, que na verdade chamavamse Acta e Passio, eram filhos de uma nobre família de cristãos. Nasceram por volta do ano 260 d.C., na região da Arábia e viveram na Ásia Menor, no Oriente. Desde muito jovens, ambos manifestaram um enorme talento para a medicina, profissão a qual se tornaram profissionais muito competentes e dignos; e foram trabalhar como médicos e missionários na Egéia. Eles não cobravam pelas consultas e atendimentos que prestavam, e por esse motivo eram chamados de "anárgiros", ou seja, “aqueles que são inimigos do dinheiro, que não são comprados por dinheiro". A riqueza que almejavam era fazer de sua arte médica também o seu apostolado, para a conversão dos perdidos, o que, a cada dia, conseguiam mais e mais. Inspirados na mensagem e exemplo de Cristo, eles usavam a fé aliada aos conhecimentos científicos. Confiando sempre no poder da oração, operaram verdadeiros milagres e curaram muitos doentes, vários destes à beira da morte. Porém, as atividades cristãs dos médicos gêmeos chamaram a atenção das autoridades locais da época, quando o Imperador romano Diocleciano autorizou a perseguição aos cristãos, por volta do ano 300. Por pregarem o cristianismo, Cosme e Damião foram presos, levados a tribunal e acusados de se entregarem à prática de feitiçarias para disfarçar as curas que realizavam. Eles não renunciaram à fé e sofreram terríveis torturas por isso. Em 303, o Imperador decretou que fossem condenados à morte na Egéia. Os dois irmãos foram colocados no paredão para que quatro soldados os atravessassem com setas, mas eles resistiram às pedradas e flechadas.

Os militares foram obrigados a recorrer à espada para a decapitação, honra reservada só aos cidadãos romanos. E assim, Cosme e Damião foram martirizados. Dois séculos após sua morte, por volta do ano 530, o Imperador Justiniano ficou gravemente doente e deu ordens para que se construísse, em Constantinopla, uma grandiosa igreja em honra de Cosme e Damião. A fama dos gêmeos também correu no Ocidente, a partir de Roma, por causa da basílica dedicada a eles, construída a pedido do do papa Félix IV, entre 526 e 530. A solenidade de consagração da basílica ocorreu num dia 26 de setembro e assim, Cosme e Damião passaram a ser festejados, pela igreja católica, nesta data. Os nomes de Cosme e Damião são venerados como padroeiros dos médicos e farmacêuticos, e por causa da sua simplicidade e inocência também são invocados como protetores das crianças. Nós, umbandistas, homenageamos esses dois santos no dia 27 de setembro, pois em nosso meio, são sincretizados à Ibejí. Neste dia, preparamos uma festa dedicada a eles, onde um grande número de linhas comparecem ao terreiro para prestar 02 suas homenagens.


Edição Nº 12

Mensageiro Casa D.E.U.S.

S

incretizado a São Jerônimo, Xangô é o Orixá da sabedoria e da justiça. Ele atua sobre as pedreiras e cachoeiras, assim como nas tempestades com trovoadas. De Xangô emanam a autoridade, a justiça e a sabedoria. Ele jamais erra e também não admite o erro de seus filhos. É o protetor dos bons juízes, bons advogados e daqueles que tem contato com as práticas da lei. É a linha de Xangô que faz cumprir as leis de Deus, e essa linha também é responsável pela solução das pendências e das injustiças, fazendo valer a verdade; a quem merece o devido castigo e a vitória ao injustiçado. Xangô simboliza a lei de causa e efeito. É a ele que recorremos quando necessitamos de ajuda nas demandas espirituais, nos processos judiciais, enfim, todos os assuntos ligados à lei e a justiça. Xangô está sempre associado à força. Ele é autoritário, capaz de despertar o respeito por suas determinações

J

erônimo nasceu na Dalmácia, hoje Croácia, por volta do ano 340. Herdou de seus pais uma pequena fortuna, que aproveitou para dedicar-se aos estudos. Viajou para Roma e, mesmo sendo criado desde pequeno como cristão, Jerônimo foi batizado já adulto, pelo Papa Libério. Tornou-se monge e partiu para o Oriente. Esteve por vários anos no deserto da Síria, entregando-se a uma vida de p en itên c ia s r igo ro s a s e o ra çõ es . Abandonou o meio monacal e dirigiu-se a Constantinopla, atraído pela vontade de interpretar a Bíblia. No ano de 374, foi para a cidade de Antioquia. Lá teve uma visão onde Cristo o advertia dizendo: “Você é um cicerone e não um cristão!”, sendo uma condenação sobre a preferência de Jerônimo à literatura romana e não aos escritos cristãos. Prestou serviços relevantes ao Bispo Paulino, que o quis ordenar sacerdote, porém, Jerônimo não sentia vocação à atividade pastoral e quase nunca exerceu o ministério sacerdotal. Tendo que optar entre sua vocação de escritor e o chamamento à prática de exercícios e ações para o aperfeiçoamento espiritual, Jerônimo encontrou uma conciliação entre estes extremos. Tornou-se monge, mas um monge para quem o retiro era a perfeita ocasião para a dedicação total aos estudos, à reflexão, à férrea disciplina necessária à produção de sua obra, que era a divulgação do Cristianismo. Dentro desta vocação, estudou o hebraico e aperfeiçoou seus conhecimentos do grego para poder compreender melhor as Escrituras nas línguas originais. Chamado à Roma pelo Papa Damaso, que o escolheu como secretário particular, recebeu do mesmo a incumbência de traduzir a Bíblia para o latim, graças ao conhecimento que tinha das línguas grega e hebraica. O conjunto desta tradução chamou-se "Vulgata" e foi o texto usado largamente nos séculos seguintes, cedendo lugar às novas traduções pelos estudos linguísticos dos nossos dias. Jerônimo revelava forte senso crítico, amor incontido à Palavra de Deus e riqueza de informações sobre os tempos e lugares relativos à Bíblia. Após a morte do Papa Damaso, Jerônimo foi para Belém, onde se juntou a Santa Paula e São Eustáquio, assim como outros, pregando a palavra das escrituras sagradas pela Palestina e também no Egito. Faleceu em 30 de setembro de 420, já quase octogenário. São Jerônimo teve uma personalidade vigorosa, de inteligência extraordinária. Ele escreveu: "Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus, e quemignora as Escrituras ignora o poder e a sabedoria de Deus; portanto ignorar as Escrituras Sagradas é ignorar a Cristo". O LEÃO DE SÃO JERÔNIMO Em um tarde, São Jerônimo estava em seu monastério, em Jerusalém, ouvindo a lição do dia, quando um gigantesco leão apareceu tendo uma de suas patas ferida.

Setembro/2011

e leis, com poder de decidir o bem e o mal. A vibração de Xangô, nas evocações que ocorrem nos templos de Umbanda é fortíssima. Quando incorporado nos médiuns transmite sempre a imagem de alguém forte como a rocha, todos conseguem sentir a sua tremenda força. Sua cor é o marrom, associada ao seu domínio, as pedreiras. O símbolo deste Orixá é o machado de dois gumes ou a balança, representando a justiça e a imparcialidade.

Em meio a um grande caos formado pelos monges que correram um para cada lado, Jerônimo calmamente levantou-se e foi até o animal. Jerônimo pediu que lhe trouxessem um balde com água, lavou a pata ferida do leão e retirou os espinhos que a perfurava. O gentil cuidado amansou o leão, que passou a andar pacificamente ao lado de São Jerônimo como se fosse um animal doméstico. Pelo acontecido, Jerônimo disse: “Pensem sobre isto e vocês encontrarão várias respostas. Eu creio que não foi apenas para a cura de sua pata que Deus o enviou, pois Ele a curaria sem a nossa ajuda, mas enviou o leão para mostrar quanto Ele estava ansioso para prover o que necessitamos para o nosso bem”. Os monges sugeriram que o leão fosse usado para proteger um jumento que carregava lenha para o monastério, e assim foi feito. Um dia, porém, o leão dormiu enquanto o jumento pastava e alguns mercadores de óleos egípcios que por ali passavam levaram o jumento. Quando os monges notaram a falta do jumento, concluíram que o leão o tinha devorado. Com isso, deixaram de alimentá-lo. Os monges levaram a noticia para São Jerônimo que ordenou que voltassem a alimentar o leão e fizessem com que ele realizasse as tarefas do burro, carregando em seu lombo algumas peças de lenha. Um dia, o leão subiu em uma colina e viu na estrada homens montados em camelos e um deles montado em um jumento, onde reconheceu seu protegido. Os mercadores, assustados, fugiram deixando o jumento, os camelos e a carga para trás. O leão conduziu os animais para o mosteiro. Quando os monges viram o leão liderando o jumento e os camelos, correram para Jerônimo, que disse: “Tirem a carga dos camelos e do jumento, lavem suas patas e dêem comida a eles e esperem para ver o que Deus tinha em mente para mostrar a este Seu servo quando nos mandou o leão”. Os monges, com remorso, disseram uns aos outros: “Irmãos, confiem na sua ovelha mesmo se, por um tempo, ela pareça um ganancioso rufião e Deus fará um milagre para curar o seu caráter!”. Logo os mercadores estavam no portão. Foram recebidos, mas curvaram-se aos pés de São Jerônimo pedindo perdão pelo roubo do jumento. Gentilmente, Jerônimo pediu que partissem levando seus camelos e suas cargas. Agradecidos, os mercadores ofereceram metade do óleo que seus camelos carregavam para as lâmpadas do mosteiro e mais alguns alimentos para os monges. O chefe dos mercadores estão disse: “Nós daremos todo óleo que vocês precisarem durante todo ano e nossos filhos e netos serão instruídos a seguirem esta ordem, e ainda, nada de sua propriedade será jamais tocada por qualquer de nós!“. Jerônimo então disse: “Vejam meus irmãos, o que Deus tinha em mente quando nos mandou o seu leão!”. 02 03


Edição Nº 12

Mensageiro Casa D.E.U.S.

N

o dia 21 de setembro é comemorado o dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência. Neste dia, há diversas campanhas e movimentos pelo território brasileiro incentivando a inclusão social das pessoas portadoras de deficiência. O objetivo é resgatar a identidade e importância social; refletir sobre as práticas reais das leis já garantidas; e, propor novas soluções às dificuldades encontradas diariamente por elas na educação, nos transportes, na carreira profissional, na saúde, dentre outros. Esses direitos são conseqüências de lutas e esforços das pessoas portadoras de deficiência para que elas tenham uma vida mais digna no plano material. Essas conquistas materiais representam um avanço para o nosso planeta, já que existe uma preocupação em valorizar e respeitar às diferenças humanas e, além disso, de garantir condições melhores de existência por meio das leis, tornando nosso planeta um lugar mais humano e fraterno. E, finalmente, é válido ressaltar que o Brasil é o país que reflete uma maior preocupação com a inclusão social das pessoas portadoras de deficiência. No entanto, nós, que acreditamos na vida após a morte, sabemos que nada é por acaso e a lei de causa e efeito é uma lei natural e que atinge a todos nós, sem exceção. A lei de causa e efeito permite ampliar nossa compreensão diante do fato de que nossa vida presente é reflexo do que temos sido até hoje, inclusive de nossas vivências passadas. Nossas faltas anteriores, nossos erros passados surgem hoje como expiações; assim como nossos acertos nos aparecem como recompensa na vida atual. Plantamos sementes voluntariamente e hoje somos chamados à colheita. A deficiência deve ser também encarada sob esse prisma, como reflexo de uma atitude passada. O suicídio, o uso inadequado das faculdades mentais, o envolvimento exagerado com a vida mundana, ou mesmo um progresso intelectual sem a contraparte moral podem ser assinalados como causas anteriores de uma vida atual mergulhada na insanidade. O Espírito que procedeu assim, no seu desencarne percebe que viveu de forma desequilibrada sente-se culpado. Suas faltas todas, assim como as boas ações também,

Setembro/2011

impregnaram o seu perispírito e ele vê no processo do reencarne a única forma de reparação possível. Busca um mecanismo autopunitivo que possa absolvê-lo dos males que praticou. Sente que uma nova vida na Terra, num corpo portador de uma deficiência, poderá livrar-lhe do peso das suas ações infelizes. Já a deficiência mental é expiação ou prova também para os pais que podem ter sido coadjuvantes nas faltas desses espíritos. Eles são agora testados e deverão aplicar todo o amor possível na convivência com o espírito encarnado, sendo responsáveis pelo ser débil que os acompanha. O autoconhecimento, a busca constante da reforma íntima e a transformação pessoal de cada um constituem meios eficazes de manter a saúde psíquica de todos, já que qualquer um de nós somos todos doentes em potencial. A auto-observação no dia a dia, na busca constante de identificar os pontos a serem melhorados, as fraquezas e más tendências são elementos importantes para assegurar a qualidade de vida. A proposta de renovação íntima, de transformação moral, da mudança dos hábitos mentais, da substituição do pensamento negativo pelo positivo são ferramentas de prevenção ditadas pelo Cristo. A fé e confiança em Deus deverão nos dar uma natural resignação ante as tribulações cotidianas e se olharmos para a vida eterna do Espírito que somos, veremos que passamos hoje apenas uma fase passageira nessa existência. Que a cruz, embora possa parecer demasiado pesada, pode ser perfeitamente carregada se tivermos força e confiança na providência divina. Todo esforço será recompensado e aos olhos do Pai, cada gota de suor será computada no final. Nunca há injustiça alguma vinda do céu. Encaremos as dificuldades como oportunidades de progresso.

E

ste livro relata as experiências de muitos espíritos que reencarnaram como pessoas portadoras de deficiências. Ao ler esse livro você perceberá que todas as histórias estão carregadas de ensinamentos maravilhosos sobre resignação, aceitação, amor ao próximo, fé e boa vontade. Além disso, podemos observar com atenção a importância da reencarnação para a evolução do espírito, pois é por meio dela que renovamos nossos relacionamentos pessoais e curamos pouco a pouco nossas mazelas. A reencarnação é a prova maior de que não conseguimos (mesmo se quiséssemos!) fugir da lei de ação e reação. Psicografado por Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho, pelo espírito Antonio Carlos. Editora Petit PROCURE POR ESTE LIVRO EM NOSSA BIBLIOTECA!!!

Coloque doce na graminha Faça seu pedido Ibejí está no terreiro Faça seu pedido Tenha fé em Papai do Céu Faça seu pedido

A

Xangô morreu com a idade Morreu escrevendo numa pedra

Bis

Bis

Linha de Ibejí, bem como as outras linhas da Umbanda, sempre atendem aos nossos pedidos de acordo com o merecimento de cada um de nós. Colocar doces em jardins ou gramados, locais esses que são os domínios deste Orixá, é uma

forma de agradá-los quando fazemos um pedido ou agradecermos quando recebemos alguma graça. Se orarmos com fé para Deus, o Papai do Céu na linguagem das crianças, teremos nossos desejos realizados, se assim for da vontade Dele.

Ele escreveu a justiça Quem deve paga Quem merece recebe

O

Bis

ponto figuradamente diz que Xangô morreu com a idade, representando alguém muito vivido e, conseqüentemente, muito sábio. Escrever numa pedra significa aquilo que não se pode apagar, ou seja, coisas imutáveis, regras ou leis. A justiça de Xangô é baseada na lei de

causa e efeito, onde todos arcarão com as conseqüências de seus ato s , b o n s o u r u i n s . Portanto, quem deve paga, quem me04 rece, recebe.


Edição Nº 12

Mensageiro Casa D.E.U.S.

Setembro/2011

curioso como as coisas acontecem em nossas vidas na hora certa... Conheci a Umbanda através de uma pessoa muito querida que trabalhava comigo. Um dia, ela me disse que tinha que sair mais cedo para ir a uma reunião religiosa, não me especificando bem o que era. Fiquei curiosa e procurei saber mais. Foi quando ela me disse que se tratava de um trabalho Umbandista e isso me fez ficar ainda mais curiosa. Fiquei interessada em conhecer e quando ela foi novamente, me fez o convite para acompanha-la e eu aceitei. Naquela época, eu estava passando por uma situação muito difícil em minha vida pessoal, estava muito triste e insegura. Foi quando conheci o Núcleo Umbandista São Sebastião. A casa era pequena, mas aconchegante. Assim que cheguei, estava me sentindo perdida, pois tinha muitas mágoas em meu coração; fiquei introspectiva. Sentei e fiquei observando as pessoas todas de branco, com aqueles colares, o som dos atabaques, os cantos... Senti como se já conhecesse aquilo tudo, estranhamente, me senti em casa. Quando passei com o Caboclo Arranca Toco, o Guia Chefe da casa, eu não conseguia falar, eu só chorava. Ele me deu as boas vindas e depois de conversarmos, me convidou para freqüentar a casa, pois como disse na época, meu caminho já estava traçado. A partir desse dia, nunca mais consegui ficar longe da Umbanda. De alguma forma, ela sempre esteve presente em minha vida. Permaneci durante cinco anos nessa casa, onde aprendi muito e guardo com muito carinho os anos que passei lá. Tive que mudar para o interior de São Paulo e senti muita falta dos trabalhos, dos Guias e dos amigos que lá deixei. Eu tinha um caminho a seguir, mas também tinha que cuidar de minha mãe que, nessa época, começava a ficar doente. Muito tempo depois retornei para São Paulo e soube que a Sonia, junto com algumas pessoas, estava prestes a abrir a Casa D.E.U.S.. Não pensei duas vezes! Voltei para minha missão e para minha Casa! Como dizem, entrei na Umbanda pela dor, mas ao passar dos anos, fiquei nela por amor. Estou na Casa D.E.U.S. desde sua fundação e posso dizer que é a minha casa de coração! Tenho o Caboclo Pena Roxa como meu Pai Espiritual, sempre presente, me dando bronca quando necessário e me abraçando e dando colo quando preciso. Hoje, trabalhando com Caboclo Jaçanã, meu amado Caboclo, vejo que tenho um longo caminho a percorrer e muito mais para aprender. E tudo o que eu fizer vai ser pouco diante de tudo que já me foi dado. Nunca precisei de provas da Espiritualidade para acreditar, mas muitas provas me foram dadas. Nesta Casa, aprendi e aprendo muito, não só com os Guias, mas também com a Sonia, que sempre procura nos ensinar tudo o que sabe. Só tenho a agradecer à Umbanda, pois foi através dela que aprendi o valor da religião em nossas vidas. Hoje, posso dizer de coração aberto: eu sou Umbandista!

É

Q

uando ofertarmos, possuímos. Quando recebemos, tornamonos devedores. A felicidade em poder repartir é sempre maior do que aquela que convida a acumular, quando o próximo tem carência. A semente que se nega a sucumbir na terra para desdobrar-se na vida, morre na inutilidade. Todavia, a que perece esmagada no solo, revive com exuberância. Toda doação é uma sementeira para o futuro, que a vida se encarrega de multiplicar. Há moedas esquecidas que se podem tornar dádivas de importância, tais como a hospitalidade fraternal, a expressão de cortesia, o gesto de amizade, a participação no sofrimento alheio, o sorriso gentil, que não custam dinheiro e, em certos momentos, são mais valiosos do que ele. A caridade que se

C

omo é do conhecimento de todos, nossa Casa é uma igreja e não tem fins lucrativos. Nós necessitamos de doações para que ela se mantenha sempre em ordem e bom estado para o conforto de todos que a procuram. Está situada em um prédio alugado, que necessita da colaboração de seus médiuns e frequentadores para que se mantenha aberto. Todos os membros trabalhadores da Casa são sócios e pagam mensalmente uma quantia determinada para os seus gastos, como aluguel, IPTU, água, luz, etc.. Porém, ao final do ano de 2014 teremos que desocupar o prédio, pois o valor do aluguel aumentará para uma quantia que, devido a quantidade de sócios contruibuintes e os valores que são arrecadados hoje, não daremos mais conta de arcar com tal despesa. Teremos que procurar outro local

converte em triunfo pessoal naquele que a recebe, é sempre luz inapagável na vida de quem a pratica. Vive com otimismo na confiança integral em Deus e distribui alegria por onde passes. Não deixes ninguém afastar-se de ti, sem que leve um traço de bondade ou um sinal de paz da tua vida. Quem se aproximou de Jesus, nunca mais foi o mesmo, jamais O esqueceu. Do livro Momentos de Renovação Pelo espírito de Joanna de Ângelis Psicografado por Divaldo P. Franco

que seja adequado às nossas necessidades, porém, dentro de nossas condições. Fora isso, temos a intenção de perpetuar nossa Casa, planejando sua sede própria, o que necessita de fundos para tal. Diante de todos esses fatos, gostaríamos de convida-lo a se associar, para que você também nos ajude a manter nossa porta aberta para todos os que desta Casa necessitam, que já estão aqui como você e os que ainda virão. Informe-se no balcão sobre como você se torna um sócio. Os valores mensais não tem quantia estipulada, cada um ajuda no que pode e no que não lhe faz falta. Existem diversas formas de ajudar, não só financeiramente. Veja como você pode fazer parte desta equipe e colabore! Ficamos todos imensamente gratos!

D

ia 30 de setembro será realizada a nossa Festa de Cosme e Damião e todos os anos preparamos os saquinhos de doces para serem distribuídos a todas as crianças e adultos que vierem comemorar com a gente. Para isso, contamos também com a sua participação e já estamos recebendo as doações dos doces para esse fim. Fique a vontade para doar o que quiser! Pedimos somente que não tragam suspiro, chicletes e maria-mole. Receberemos as doações até o dia 23 de setembro, a última sexta-feira antes da Festa. Obrigado! 05 04


Edição de Setembro