Page 1

____________________________________________________________________Por Carlos Coléct

“Sai Dela Povo Meu”

Os tempos do Eterno hwhy

Parte IV


2 1. Introdução _____________________________________________________________________________________ Vimos nas partes anteriores desta série de estudos com o tema “ sai dela povo meu”, um sistema de engano que percorre a história sob a influência babilônica, assim enganando as nações e os reis da terra com suas feitiçarias e prostituições. E nesta parte com o tema ” Os tempos do Eterno ”, abordaremos outro aspecto do engano da Babilônia, aspecto este sobre os tempos e a lei. Procurarei compartilhar o entendimento que até o momento me foi concedido, e como de costume, todos são livres para julgarem e ampliarem seus entendimentos a respeito. O foco neste estudo não é trazer um estudo aprofundado sobre os calendários, mas sim um sentido de relevância dos tempos determinados pelo Eterno em nossos dias, com relação ao cumprimento do Seu plano na terra, envolvendo as suas festas. Contudo, veremos alguma coisa sobre as mudanças nos calendários, mas não somente para uma questão de informação e sim para um contexto de direcionamento do Senhor para nós, porém não no sentido de uma direção nova do Senhor, e sim um retorno a direção que Ele(Eterno), já deu desde o princípio. Veremos os tempos determinados pelo Senhor nas festas.E sabemos que o que o Senhor ordena é para gerar em nós uma mentalidade, uma consciência.Portanto, quando o Senhor ordena as festas em tempos fixos, é para gerar em nós uma capacidade de observação dos seus tempos. Se não houver uma observação dos tempos das festas, muito provável que também não haja uma observação dos tempos da vinda de Yeshua, pois a capacidade de observação não foi aperfeiçoada e treinada na observância dos dias das festas. Outro ponto essencial, é a compreensão que a observação do tempo está voltada para Jerusalém. Jerusalém é o centro do Tempo do Eterno, de Jerusalém o Eterno comunica o tempo do seu agir na terra. Por isso é importante a observação do calendário estabelecido pelo Eterno, pois isto nos educa a olharmos para Jerusalém, e estarmos mais atentos ao tempo do Eterno na terra.Como se Ele dissesse : Observe Jerusalém, de lá eu comunico o tempo do meu agir”.Portanto, não é um tempo pré estabelecido por meio de cálculos, como os calendários atuais, mas é por meio de observação constante. E como sabemos, as festas contêm princípios para as nossas vidas e expressam as fases de nossa caminhada com o Eterno, por exemplo , a Pessach expressa quando saímos do Egito, e quando saímos do Egito isso é para a nós a Pessach, esse é o tempo da festa para nós.Sendo assim, há um tempo da festa que é individual , determinado para mim em um momento da minha caminhada com o Eterno, mas isso não exclui o dia coletivo da festa e sua observância natural do tempo fixado pelo Eterno ,ou seja, no dia 14 do primeiro mês.Pois se não fosse necessária a observância natural no dia 14, o Eterno não determinaria assim, mas diria simplesmente que cada um celebrasse no dia que quisesse de acordo com a fase que se está vivendo. 1.2 Babilônia pretende mudar os tempos _____________________________________________________________________________________ Dan 7:25

Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo e cuidará(‫סבר‬

cebar)

em


3 mudar os tempos e a lei; e os santos lhe serão entregues nas mãos, por um tempo, dois tempos e metade de um tempo

Acima temos uma visão recebida por Daniel, fala de um rei que pretende mudar os tempos e a lei do Eterno em tempos vindouros.Ampliando essa visão podemos ter essa pretensão ocorrendo nos dias de hoje. Creio que é importante ressaltarmos que a palavra em aramaico usada em Dn 7.25 para “ cuidará” é “‫ סבר‬cebar”, que significa “ pretender, pensar”.Portanto, esse rei descrito na profecia não muda, mas simplesmente pretende. O Sistema de Engano Babilônico , engana, e portanto não tem poder para alterar algo que o Eterno na sua soberania estabeleceu.A Babilônia não tem autoridade para mudar o tempo e nem uma lei estabelecida e firmada pelo Eterno.É Ele, o Eterno, o único que pode mudar os tempos e as estações, ninguém mais pode. Dan 2:20

Disse Daniel: Seja bendito o nome de Eloah(Eterno), de eternidade a eternidade, porque dele é a sabedoria e o poder; Dan 2:21 é ele quem muda o tempo e as estações, remove reis e estabelece reis; ele dá sabedoria aos sábios e entendimento aos inteligentes.

O que este Sistema Babilônico faz então? Como sabemos, ele engana e enfeitiça. E como o próprio nome Babel declara “ confusão , mistura”, entendemos assim que a identidade da Babilônia é misturar as coisas, misturar a Visão . E o que seria isso? Bem, seria fazer algo parecer que É, porém não sendo. Há uma distorção da imagem, ou seja, as pessoas olham com uma visão distorcida, achando que estão vendo algo real, porém é falso. É como olhar diante de um espelho.Há uma imagem falsa paralela a verdadeira. Isto foi o que ocorreu desde o princípio no Éden. Vemos em Bereshit (Gênesis ) no episódio da queda do homem(Gn 3), quando após uma conversa com a serpente, a Palavra nos declara no Verso 6 que a mulher VIU que a árvore era boa para se comer e agradável aos OLHOS e no verso seguinte os OLHOS de ambos (homem e mulher) foram abertos.As palavras que a mulher ouviu da serpente fez com que ela OLHASSE de forma diferente, tendo por conseqüência a queda, a dor. Hoje a humanidade sofre com este olhar do conhecimento do bem e do mal. Portando, a serpente vem enganando desde o Jardim, distorcendo a visão da humanidade.A serpente fez com que a mulher visse um “ vivereis”, enquanto o Eterno havia dito “ morrereis”. O Eterno disse: Gên 2:17

mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

A serpente disse: Gên 3:4

Então, a serpente disse à mulher: É certo que não morrereis.

A visão da mulher e do homem foi mudada:


4 Gên 3:6

Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu. Gên 3:7 Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si.

Vejamos que Paulo fala deste engano da serpente: 2Cor 11:3

Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas ao Messias

De acordo com este texto, confirmando os versos de Genesis , temos um engano da serpente que corrompe a mente, ou seja, a mentalidade, a percepção se distância da simplicidade ,pureza e verdade que há no Messias. Sendo assim, este engano da serpente também diz respeito a tempos e a lei, o que é o foco desta parte do estudo. Veremos a seguir, que o Senhor determina tempos, e o trabalho da serpente é distorcer estes tempos. 1.2 A influência do calendário Babilônio no calendário judaico _____________________________________________________________________________________ Muitos acham que o calendário judaico é o calendário bíblico,e que as suas datas , todas as festas, inícios de dias e meses , são de origem bíblica, mas infelizmente não é bem assim.Nem tudo o que tem por nome judeu é bíblico. Quero deixar claro que este estudo não se trata de uma ação antissemita ou contra o nosso povo Israel, mas o propósito nesse estudo é retornarmos ao pensamento bíblico e hebraico sobre o calendário do Eterno, e nesse propósito há alguns pontos na cultura judaica que não condizem com a cultura bíblica hebraica. O Calendário bíblico é por observação e não calculado como assim temos o Gregoriano atual e o Judaico. Não entraremos nos detalhes das origens dos calendários, pois creio que a verdade das Escrituras subjuga por si só o falso. Mas sabe-se que o calendário judaico na época de Yeshua e no 1º século tinha pelo menos três calendários.Cada ramificação do judaísmo possuía o seu, por exemplo, o Farisaísmo tinha um calendário, os saduceus tinham outro.E estes calendários possuíam influências da Babilônia, Israel com o passar dos séculos , e devido o contato próximo com a comunidade Babilônica por meio do exílio acabou adotando a forma do seu calendário, e as suas práticas de cálculo e observação. Na Babilônia, de um modo simplista, o calendário era composto de 12 meses lunares, onde o início do mês se dava com a observação da crescente visível, ou seja, seria o primeiro feixe da lua que aparece após a Lua Nova completa, quando ela é encoberta por inteiro.


5

Lua Nova – encoberta inteiramente (contorno ilustrativo)

Crescente visível - início do mês Babilônio

Cada mês possuía o nome de um ídolo em sua homenagem e continha 30 dias, contendo o ano 360 dias ao todo, sendo que de três em três anos se acrescentava o 13º mês.

(http://www.calendario.cnt.br/cal_diversos.htm#quem) A Babilônia teve grande influência nos calendários atuais, devido ao seu grande conhecimento astronômico.Até mesmo os nomes dos dias da semana receberam os nomes babilônios, nomes relacionados aos planetas, e isso porque os planetas eram ídolos para a Babilônia, e mais uma vez os ídolos foram homenageados .Vejamos:


6 SEMANAS SHAMASH O SOL SIN A LUA NERGAL MARTE NABU MERCÚRIO BAL JÚPITER ISTAR VÊNUS EA SATURNO Vejamos agora a sua influência nos nomes das semanas no inglês , francês, espanhol e latim. MESOPOTÂMIA

INGLÊS

FRANCÊS

ESPANHOL

Dia da Lua

Monday

Lundi

Lunes

Dia de Marte

Tuesday

Mardi

Martes

Dia de Mercúrio

Wednesday

Mercredi

Miercoles

Dia de Júpiter

Thursday

Jeudi

Jueves

Dia de Vénus

Friday

Vendredi

Viernes

Dia de Saturno

Saturday

Samedi

Sabado

Dia do Sol

Sunday

Dimanche

Domingo

Latim I dies solis dies lunae

Latim II solis dies lunae dies

Significado

dies martis

martis dies

dia de Marte

dies mercurii

mercurii dies

dia de Mercúrio

dies iovis dies veneris

iovis dies veneris dies

dia de Júpiter dia de Vênus

dies saturni

saturni dies

dia de Saturno

dia do Sol dia da Lua

No português não temos a influência dos nomes babilônios, a origem dos nomes no português vem do latim da liturgia católica , onde se tinha os dias da Páscoa como sendo feriados, então surge a palavra “feira” relacionando-se a um feriado, por exemplo, no segundo dia do feriado se tem “segunda-feira” . Já o Domingo vem de Dominicus (latim) , que significa “senhor”, e este nome foi dado ao dia do Sol, o primeiro dia da semana, pois crê-se da liturgia cristã que o Messias , a quem eles chamam de Jesus, ressuscitou no Dia do Sol, no primeiro dia da semana, e assim deram o nome de Dominicus, e no português chegou como “Domingo” , e o “Sábado” vem do latim “sabbath” , o qual procede do Shabat em hebraico.


7 Latim litúrgico I Latim litúrgico II Português Moderno prima feria feria prima Domingo secunda feria feria secunda Segunda-feira tertia feria feria tertia Terça-feira quarta feria feria quarta Quarta-feira quinta feria feria quinta Quinta-feira sexta feria feria sexta Sexta-feira septima feria feria septima Sábado

Pois, bem, esse breve comentário sobre os nomes das semanas, foi somente para vermos a influência da Babilônia no curso mundial do tempo. Retornemos ao calendário judaico atual. Vejamos que o calendário judaico atual, o qual foi introduzido por Hillel II no séc IV d.C (360) , e este se baseou no trabalho de um judeu da Babilônia chamado Rabi Samuel.Portanto, podemos notar muita semelhança entre os calendários, mas não quero dizer com isso que houve uma conspiração para mudar os calendários e inserir o calendário Babilônio, mas infelizmente houve alterações , mesmo que involuntariamente, e isto pode interferir na nossa observação das festas que o Eterno estabeleceu. E creio que nesse tempo de Restauração, os tempos também estão sendo restaurados. Bom, vejamos abaixo a semelhança dos calendários e cujos meses “judaicos” permanecem com os mesmos nomes dedicados aos deuses celebrados por Babilônia em cada mês.

Além dessas semelhanças , o calendário judaico atual possui outras semelhanças, como por exemplo, a observação do início dos meses, a qual é feita pelo crescente visível e não exatamente quando a Lua Nova é encoberta por completa. Mais a frente veremos sobre o início do mês bíblico.


8 2. Tempos determinados pelo Eterno (Moedim ‫)מועדים‬ _____________________________________________________________________________________ De acordo com as Escrituras, o Eterno estabeleceu sinais e tempos, isto é, tempos determinados (moedim em hebraico). Gên 1:14

Disse também Elohim: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais (‫’ אות‬ot ), para estações (‫ מעד‬moed), para dias e anos.

Bom, aqui temos, o estabelecimento pelo Eterno dos luminares para fazerem separação do dia e noite, e para serem sinais para “Moedim”, que são tempos determinados, e interessante que esta palavra “moed “ procede “‫יעד‬ ” , que em um dos seus significados é “ prometer em casamento”, ou seja , um tempo estabelecido para se unir em casamento” Então, quando o Eterno firma os “moedim” seria como estivesse estabelecendo uma data para se unir com Seu Povo, um dia festivo para o casamento. E interessante é que essa mesma palavra Moedim ‫ מועדים‬, usada em Gn 1.14, é a mesma usada para as Festas fixas do Senhor. Vejamos algumas passagens com esta palavra relacionadas às Festas . Lv 23.2 - Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: As festas fixas do SENHOR( MOEDEI ADONAI), que proclamareis, serão santas convocações; são estas as minhas festas. 1

‫דבר אל־בני ישראל ואמרת אלהם מועדי יהוה אשר־תקראו אתם מקראי קדש אלה הם‬- vL 2.32 "ieoeom"‫מועדי׃‬2 Ez 46.9 - Mas, quando vier o povo da terra perante o SENHOR, nas festas fixas( Moedim), aquele que entrar pela porta do norte, para adorar, sairá pela porta do sul; e aquele que entrar pela porta do sul sairá pela porta do norte; 3

‫" הבא דרך־שער צפון להשתחות יצא דרך־שער נגב‬ieoemi"‫ובבוא עם־הארץ לפני יהוה במועדים‬- zE 9364 ‫והבא דרך־שער נגב יצא דרך־שער צפונה לא ישוב דרך השער אשר־בא בו כי נכחו יצאו‬4 Com estas referências, vemos que a palavra Moedim, diz respeito a tempos determinados e fixados pelo Eterno, e estes tempos também são os tempos determinados das Festas fixas do Eterno. Lev 23:44

Assim, declarou Moisés as festas fixas (Moedim – tempos determinados) do Senhor aos filhos de Israel.

Precisamos prestar atenção que o Eterno diz ao seu povo para tomar cuidado em fazer tudo no tempo que Ele determinou. E se Ele diz isto é porque há importância em se estar no tempo que ele determinou. Núm 28:2 1

Dá ordem aos filhos de Israel e dize-lhes: Da minha oferta, do meu manjar para as minhas ofertas

Sociedade Bíblica do Brasil: Almeida Revista E Atualizada. Sociedade Bíblica do Brasil, 1993; 2005, S. Lv 23:2 Kahle, Paul: Bíblia Hebraica (Códice Leningrado, Sem Acentuação). Sociedade Bíblica do Brasil, 1937; 2007, S. Lv 23:2 3 Sociedade Bíblica do Brasil: Almeida Revista E Atualizada. Sociedade Bíblica do Brasil, 1993; 2005, S. Ez 46:9 4 Kahle, Paul: Bíblia Hebraica (Códice Leningrado, Sem Acentuação). Sociedade Bíblica do Brasil, 1937; 2007, S. Ez 46:9 2


9 queimadas, do aroma agradável, tereis cuidado, para mas trazer a seu tempo determinado(Moed).

Precisamos estar no Seu Tempo determinado e perceber a beleza desses dias como sendo dias festivos que o Eterno firma para se reunir com Seu Povo como em um casamento. A serpente trabalha para nos afastar do tempo determinado do Senhor. 3. As festas – tempos determinados por vossas gerações ( ‫ לדרתיכם‬l’dorotychem ) _____________________________________________________________________________________ Sabemos que as festas são tempos determinados pelo Eterno, e estes tempos estão descritos na Torah como Seu estatuto a ser cumprido. E sabemos também que o Eterno nada faz por acaso e que toda a Torah aponta para um fim específico e profético que transcende as épocas.O Senhor sempre está dizendo em sua Instrução: “ por vossas gerações”, ou seja, isto fala de um hoje e de um futuro. Cada festa tem uma beleza única, aponta para uma realização do Messias Yeshua, e a realização destas festas pelas gerações nos trazem a noção do agir do Eterno na terra e os seus planos. Quanto as festas fixas, ou seja, como vimos o Moedim( tempos determinados)o Senhor então declara esta perpetuidade: -Shabat ( sábado / descanso) Êx 31:13

Tu, pois, falarás aos filhos de Israel e lhes dirás: Certamente, guardareis os meus sábados; pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica

-Rosh Chodesh (princípio do mês) Núm 28:11

Nos princípios dos vossos meses, oferecereis, em holocausto ao Senhor, dois novilhos e um carneiro, sete cordeiros de um ano, sem defeito, Núm 28:14 As suas libações serão a metade de um him de vinho para um novilho, e a terça parte de um him para um carneiro, e a quarta parte de um him para um cordeiro; este é o holocausto de cada mês, por todos os meses do ano. Núm 10:10 Da mesma sorte, no dia da vossa alegria, e nas vossas solenidades, e nos princípios dos vossos meses, também tocareis as vossas trombetas sobre os vossos holocaustos e sobre os vossos sacrifícios pacíficos, e vos serão por lembrança perante vosso Elohim. Eu sou o Senhor, vosso Elohim Núm 10:8 Os filhos de Arão, sacerdotes, tocarão as trombetas; e a vós outros será isto por estatuto perpétuo nas vossas gerações.

-Chag hamatzot(pães asmos / Pessach / primícias) Êx 12:17

Guardai, pois, a Festa dos Pães Asmos, porque, nesse mesmo dia, tirei vossas hostes da terra do Egito; portanto, guardareis este dia nas vossas gerações por estatuto perpétuo. Lev 23:14 Não comereis pão, nem trigo torrado, nem espigas verdes, até ao dia em que trouxerdes a oferta ao vosso Elohim; é estatuto perpétuo por vossas gerações, em todas as vossas moradas.

-Shavuot(semanas) Lev 23:21

No mesmo dia, se proclamará que tereis santa convocação; nenhuma obra servil fareis; é estatuto perpétuo em todas as vossas moradas, pelas vossas gerações.


10 -Yom Teruá ( dia do sonido) Núm 10:8

Os filhos de Arão, sacerdotes, tocarão as trombetas; e a vós outros será isto por estatuto perpétuo nas vossas gerações.

-Yom Kippur ( dia da expiação) Lev 23:31

Nenhuma obra fareis; é estatuto perpétuo pelas vossas gerações, em todas as vossas moradas.

-Sucot (tabernáculos) Lev 23:41

Celebrareis esta como festa ao Senhor, por sete dias cada ano; é estatuto perpétuo pelas vossas gerações; no mês sétimo, a celebrareis.

Vimos que o Eterno declara que estas festas fixas transcenderiam o tempo presente e deveriam alcançar as gerações futuras. 4. As três festas de peregrinação _____________________________________________________________________________________ Vejamos agora o tempo determinado destas festas, e lembremos que destas, três são as de peregrinações, ou seja, se peregrinava e peregrina à Jerusalém para a celebração da Pessach, Shavuot (semanas) e Sucot(tendas).(Ex 23.14 / Dt 16.16) Deut 16:16

Três vezes no ano, todo varão entre ti aparecerá perante o Senhor, teu Elohim, no lugar que escolher, na Festa dos Pães Asmos (chag hamatzot / pessach), e na Festa das Semanas(shavuot), e na Festa dos Tabernáculos(sucot); porém não aparecerá de mãos vazias perante o Senhor;

Sabemos que o lugar escolhido pelo Senhor é Jerusalém. 1Reis 11:36

E a seu filho darei uma tribo; para que Davi, meu servo, tenha sempre uma lâmpada diante de mim em Jerusalém, a cidade que escolhi para pôr ali o meu nome

Portanto, a celebração natural e física da Pessach e Pães Asmos, ou seja, o comer o cordeiro ,as ervas e pães asmos não cabe fora de Jerusalém.No verso seguinte, vemos que o Eterno diz que após comer do Cordeiro no primeiro dia da festa se deve voltar para as tendas, mas compreende que estas “tendas” não diz respeito a voltar para a casa que está fora de Jerusalém, e sim para as tendas que foram armadas em Jerusalém devida a peregrinação.A palavra usada para “tendas” é “ohel” , a qual significa “tenda de nômade” e não é “beit”, que significa “casa fixa”. Deut 16:7

Então, a cozerás e comerás no lugar que o Senhor, teu Elohim, escolher; sairás pela manhã e voltarás às tuas tendas.

Bem, também a celebração de Shavuot e as Tendas não cabem fora de Jerusalém.O Eterno assim determinou, creio que isso não impede a lembrança da festa, seus significados e princípios.E não vemos relatos nas Escrituras de que tais solenidades tenham sido celebradas no âmbito natural e físico fora de Jerusalém Não abordaremos neste estudo , mas há um porquê da celebração em Jerusalém das festas de Pães Asmos, Shavuot e Sucot.


11 O foco deste estudo está mais no contexto dos tempos das festas, para ser mais exato, no dia do seu cumprimento natural, portanto não entraremos no seu estatuto , na sua forma se celebrar. 5. Os tempos fixos (MOEDIM) das solenidades _____________________________________________________________________________________

-Shabat ( sábado / descanso) – Dia 7 semanal Êx 20:10

Mas o dia sete é o sábado do Senhor, teu Elohim; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro;

Êx 20:11

porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou.

Lev 23:3

Seis dias trabalhareis, mas o sétimo será o sábado do descanso solene, santa convocação; nenhuma obra fareis; é sábado do Senhor em todas as vossas moradas.

Êx 23:12

Seis dias farás a tua obra, mas, ao sétimo dia, descansarás; para que descanse o teu boi e o teu jumento; e para que tome alento o filho da tua serva e o forasteiro.

-Rosh Chodesh (princípio do mês) – Não é uma solenidade com dia fixo, pois depende da Lua , mas é um dia de transição para um novo mês. – Dia que antecede o 1º dia do mês Núm 28:11

Nos princípios dos vossos meses, oferecereis, em holocausto ao Senhor, dois novilhos e um carneiro, sete cordeiros de um ano, sem defeito,

Núm 28:14

As suas libações serão a metade de um him de vinho para um novilho, e a terça parte de um him para um carneiro, e a quarta parte de um him para um cordeiro; este é o holocausto de cada mês, por todos os meses do ano.

Núm 10:10

Da mesma sorte, no dia da vossa alegria, e nas vossas solenidades, e nos princípios dos vossos meses, também tocareis as vossas trombetas sobre os vossos holocaustos e sobre os vossos sacrifícios pacíficos, e vos serão por lembrança perante vosso Elohim. Eu sou o Senhor, vosso Elohim

Núm 10:8

Os filhos de Arão, sacerdotes, tocarão as trombetas; e a vós outros será isto por estatuto perpétuo nas vossas gerações.

-Chag hamatzot(pães asmos / Pessach / primícias) – Ela é celebrada no dia 14 do mês da primavera(Aviv) ao dia 21, sendo este mês o primeiro do Ano. A Pessach é o primeiro dia da festa de pães asmos. Portanto, a festa de Asmos são sete dias, sendo o primeiro dia o jantar de Pessach. E a festa das Primícias também está dentro da festa de Pães Asmos, sendo no dia após o Sábado(shabat), o qual significa o descanso do sétimo dia da festa de Chag haMtzot, ou seja, as Primícias é no dia 22. Só para entendermos um pouco mais, nas Escrituras existem o shabat/descanso semanal e o shabat/descanso que é o descanso das solenidades, e é após o shabat da solenidade que se começa a contagem das sete semanas, isto é, os cinqüenta dias.


12 Festa dos pães Asmos - dia 14 à 21 Êx 12:18

Desde o dia catorze do primeiro mês, à tarde, comereis pães asmos até à tarde do dia vinte e um do mesmo mês.

Êx 13:4

Hoje, mês de aviv( Primavera), estais saindo.

Êx 23:15

Guardarás a Festa dos Pães Asmos; sete dias comerás pães asmos, como te ordenei, ao tempo apontado no mês de aviv(Primavera), porque nele saíste do Egito; ninguém apareça de mãos vazias perante mim.

Jantar de Pessach – dia 14 Êx 12:6

e o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o imolará no crepúsculo da tarde.

Êx 12:8

naquela noite(dia 14), comerão a carne assada no fogo; com pães asmos e ervas amargas a comerão.

Núm 28:16

No primeiro mês, aos catorze dias do mês, é a Páscoa do Senhor.

Lev 23:5

no mês primeiro, aos catorze do mês, no crepúsculo da tarde, é a Páscoa do Senhor.

Primícias – primeiro dia depois do sábado(descanso) do último dia da festa de Chag HaMatzot. Lev 23:10

Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando entrardes na terra, que vos dou, e segardes a sua messe, então, trareis um molho das primícias da vossa messe ao sacerdote; Lev 23:11 este moverá o molho perante o Senhor, para que sejais aceitos; Lev 23:12 no dia imediato ao sábado(descanso de chag haMatzot), o sacerdote o moverá. No dia em que moverdes o molho, oferecereis um cordeiro sem defeito, de um ano, em holocausto ao Senhor.

Contagem das 7 semanas (49 dias) ou 50 dias – começa no primeiro dia após o último do descanso da festa de pães asmos, ou seja, a contagem começa no dia das Primícias (Bekurim) , e não no dia 15 ( primeiro dia após o jantar) Lev 23:15

Contareis para vós outros desde o dia imediato ao sábado(descanso de chag haMatzot), desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida(primícias); sete semanas inteiras serão Lev 23:16 Até ao dia imediato ao sétimo sábado(descanso de chag haMatzot), contareis cinqüenta dias; então, trareis nova oferta de manjares ao Senhor

-Shavuot(semanas) – 50° dia, ou seja é o 1° dia após a contagem das sete semanas das Primícias de Pães Asmos. Êx 34:22

Também guardarás a Festa das Semanas, que é a das primícias da sega do trigo, e a Festa da Colheita no fim do ano

Lv 23.15-16 -Contareis para vós outros desde o dia imediato ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete semanas inteiras serão. 16 Até ao dia imediato ao sétimo sábado, contareis cinqüenta dias; então, trareis nova oferta de manjares ao SENHOR. -Yom Teruá ( dia dos sonidos ) – 1º dia do mês 7, ou seja o Rosh Chodesh do mês 7


13 Lev 23:24

Fala aos filhos de Israel, dizendo: No mês sétimo, ao primeiro do mês, tereis descanso solene, memorial, com sonidos de trombetas, santa convocação. Lev 23:25 Nenhuma obra servil fareis, mas trareis oferta queimada ao Senhor.

-Yom Kippur ( dia da expiação) – Dia 10 do mês 7 Lev 23:27

Mas, aos dez deste mês sétimo, será o Dia da Expiação; tereis santa convocação e afligireis a vossa alma; trareis oferta queimada ao Senhor.

-Sucot (tabernáculos) – Dia 15 ao dia 21 do mês 7, sendo o dia 15 um descanso e no dia 22 outro descanso. Lev 23:34

Fala aos filhos de Israel, dizendo: Aos quinze dias deste mês sétimo, será a Festa dos Tabernáculos ao Senhor, por sete dias.

Lev 23:39

Porém, aos quinze dias do mês sétimo, quando tiverdes recolhido os produtos da terra, celebrareis a festa do Senhor, por sete dias; ao primeiro dia e também ao oitavo, haverá descanso solene.

6. Dia Bíblico completo (Yom Tamim) _____________________________________________________________________________________ Resumidamente um dia bíblico completo seria um período entre manhã e manhã.Vemos isto em alguns relatos em que aparece esta expressão. Êx 16:21

Colhiam-no, pois, manhã após manhã(Boqer b’boquer ‫בבקר‬ porque, em vindo o calor, se derretia.

‫)בקר‬, cada um quanto podia comer;

Sal 101:8

Manhã após manhã, destruirei todos os ímpios da terra, para limpar a cidade do Senhor dos que praticam a iniqüidade

Se dividirmos este dia que é de manhã até a outra manhã, teríamos assim: -Neshef (‫ )נשף‬: o crepúsculo vespertino, quando o sol ainda não nasceu, mas começa a clarear Jó 7.4 - Ao deitar-me, digo: quando me levantarei?Mas comprida é a noite,e farto-me de me revolver na cama, até à a alvorada (‫ נשף‬nesheph). -Shachar (‫ )שחר‬: é o amanhecer, a alvorada Js 6.15 - No sétimo dia, madrugaram ao subir da alva(‫ שחר‬shachar) e, da mesma sorte, rodearam a cidade sete vezes; somente naquele dia rodearam a cidade sete vezes. -Tsohar(‫) צהר‬: é o meio - dia, quando o Sol está mais forte


14

Dt 28.29- Apalparás ao meio-dia(‫ צהר‬tsohar), como o cego apalpa nas trevas, e não prosperarás nos teus caminhos; porém somente serás oprimido e roubado todos os teus dias; e ninguém haverá que te salve. -Erev (‫ )ערב‬: Entardecer, quando há a mistura entre a luz e a noite. Ex 12.5,6 - O cordeiro será sem defeito, macho de um ano; podereis tomar um cordeiro ou um cabrito; 6 e o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o imolará no crepúsculo da tarde(‫ ערב‬erev). -Bo ha shemesh (‫)בוא השמש‬: Pôr do Sol Js 8.29- Ao rei de Ai, enforcou-o e o deixou no madeiro até à tarde; ao pôr-do-sol(‫ בוא השמש‬Bo Ha Shemesh), por ordem de Josué, tiraram do madeiro o cadáver, e o lançaram à porta da cidade, e sobre ele levantaram um montão de pedras, que até hoje permanece. -Layl(layla- ‫)לילה‬: é a noite, quando está escuro Gn 19.34 - No dia seguinte, disse a primogênita à mais nova: Deitei-me, ontem, à noite, com o meu pai. Demos-lhe a beber vinho também esta noite(‫ לילה‬Lailah); entra e deita-te com ele, para que preservemos a descendência de nosso pai. -Neshef (‫ )נשף‬: novamente o crepúsculo vespertino Pv 7.9- Porque da janela da minha casa, por minhas grades, olhando eu, 7 vi entre os simples, descobri entre os jovens um que era carecente de juízo, 8 que ia e vinha pela rua junto à esquina da mulher estranha e seguia o caminho da sua casa, 9 à tarde(‫ נשף‬nesheph) do dia, no crepúsculo, na escuridão da noite, nas trevas. Este Dia Completo (Yom tamim) se divide em Dia e Noite, isto é, no período de luz e de trevas Yom (‫)יום‬: é Dia, que engloba o dia como um todo, ou simplesmente o tempo em que há luz do Sol, ou está quente , pois Yom vem de uma raiz que significa "quente" Gn 1.5 - Chamou Elohim à luz Dia(‫ יום‬yom) e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia. Layla(‫)לילה‬: é a Noite, o período sem a luz do sol (Gn 1.5) Gn 1.5 - Chamou Elohim à luz Dia e às trevas, Noite(‫ לילה‬Laylah). Houve tarde e manhã, o primeiro dia.

6.1 Dia parcial _____________________________________________________________________________________ Acima vimos a divisão do dia completo, ou seja, de um crepúsculo vespertino ao outro.Agora veremos o dia parcial. O que seria o dia parcial?


15 Bom, o dia parcial, é o período em que há a luz do Sol, ou seja, o período entre a manhã até a tarde, quando ainda há luz.Esse é o dia referido no Bereshit Gên 1:5

Chamou Elohim à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia.

Antigamente havia uma separação entre no Dia completo, isto é, uma divisão entre dia claro e o escuro da noite.Vejamos que Yeshua ao falar de sua morte e ressurreição ele trata de três dias e três noite, fazendo um divisão. Mat 12:40

Jon 1:17

Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra. Deparou o Senhor um grande peixe, para que tragasse a Jonas; e esteve Jonas três dias e três noites no ventre do peixe

Em outra ocasião, Yeshua fala que o dia são doze horas, ou seja, enquanto há claridade. João 11:9

Respondeu Yeshua: Não são doze as horas do dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo

E ainda nessa questão, Yeshua certa vez diz que o trabalho era realizado somente quando é dia, pois a noite ninguém trabalha.Isto naquela época era comum, pois não havia a eletricidade e a iluminação que temos hoje. João 9:4

É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Não quero entrar aqui no mérito da interpretação moral do que Yeshua está declarando , como Ele mesmo sendo o Dia, e o ia se faz em nós quando somos iluminados por Ele, mas o foco aqui é a questão mais literal histórica da situação do dia. Então, vemos que havia uma separação entre o momento claro e o mento de escuridão, e geralmente ao se referir em “dia”, estava se referindo ao momento em que ainda havia a luz do Sol. Qual é a importância de saber isso? Eu creio que a importância está em saber diferenciar quando o Senhor está falando algo nas Escrituras a respeito de um dia parcial ou de um dia completo. Pois bem, o dia parcial se divide em duas parte: Boker (‫ )בקר‬: é a manhã , ou o período entre o Neshef, o Shachar e Tsohar Ex 18.13 - No dia seguinte, assentou-se Moisés para julgar o povo; e o povo estava em pé diante de Moisés desde a manhã(‫ בקר‬boqer) até ao pôr-do-sol. Erev (‫ ) ערב‬: é a tarde , período entre Tsohar, erev e bo ha shemesh (Ex 18.13) Ex 18.13 - No dia seguinte, assentou-se Moisés para julgar o povo; e o povo estava em pé diante de Moisés desde a manhã(‫ בקר‬boqer) até ao pôr-do-so(‫ ערב‬erev l.


16 6.2 O Dia de ontem e o Dia de amanhã _____________________________________________________________________________________ Divisão de ontem e amanhã: Emesh (‫)אמש‬: Noite passada, dia anterior, ontem. Gn 19.34 - No dia seguinte, disse a primogênita à mais nova: Deitei-me, ontem, à noite(‫’ אמש‬emesh), com o meu pai. Demos-lhe a beber vinho também esta noite(‫ לילה‬Lailah); entra e deita-te com ele, para que preservemos a descendência de nosso pai. Machorat (‫ )מחרת‬: Amanhã, dia seguinte Gn 19.34 - No dia seguinte(‫ מחרת‬mochorat), disse a primogênita à mais nova: Deitei-me, ontem, à noite, com o meu pai. Demos-lhe a beber vinho também esta noite(‫ לילה‬Lailah); entra e deita-te com ele, para que preservemos a descendência de nosso pai.

6.3 O Dia se inicia ao amanhecer _____________________________________________________________________________________ No meio judaico é muito comum o pensamento de que o dia se inicia no pôr do Sol, mas será que realmente é assim nas Escrituras? Não procuro aqui, provar e comprovar com bons argumentos que o calendário judaico atual não é bíblico, e de modo algum, como já foi dito anteriormente, há uma pretensão anti-semita , pois faço parte de Israel, mas quero apenas trazer como assim entendo de acordo com as Escrituras. Se faz importante nesse momento lembrarmos que o Dia se refere a expressão “manhã após manhã ‫“ בקר בבקר‬, ou seja, um dia é de uma manhã até a outra manhã. Vejamos abaixo uma referência que nos deixa claro isto: Ez 46:13

Prepararás um cordeiro de um ano, sem defeito, em holocausto ao Senhor, cada dia(Yom); manhã após manhã (boqer b’boqer), o prepararás.

Portanto, vemos claramente que o dia é o período que se inicia em uma manhã até a outra manhã. Outro texto que podemos ver isto está em Isaías: Is 28:19

Todas as vezes que passar, vos arrebatará, porque passará manhã após manhã, dia e noite; e será puro terror o só ouvir tal notícia.

Podemos notar que o dia (Yom ) e a Noite (Layla), estão compreendidos no “manhã após manhã”, ou seja, o período em que há luz e o período que há escuridão estão dentro do Dia que começa em uma manhã e vai até a outra manhã. Vejamos alguns textos que indicam o início do Dia ao amanhecer, há vários, mas colocarei alguns: -Texto 1


17 Ex 16.21-25 - Colhiam-no, pois, manhã(boker) após manhã, cada um quanto podia comer; porque, em vindo o calor, se derretia. 22 Ao sexto dia, colheram pão em dobro, dois gômeres para cada um; e os principais da congregação vieram e contaram-no a Moisés. 23 Respondeu-lhes ele: Isto é o que disse o SENHOR: Amanhã(machar) é repouso, o santo sábado do SENHOR; o que quiserdes cozer no forno, cozei-o, e o que quiserdes cozer em água, cozei-o em água; e tudo o que sobrar separai, guardando para a manhã seguinte(Boker). 24 E guardaram-no até pela manhã seguinte, como Moisés ordenara; e não cheirou mal, nem deu bichos. Bom, aqui nós temos o episódio em que o Eterno diz para o Povo pegar porção dobrada no dia Seis e guardar até o dia Sete, então percebamos que o povo pega o maná no dia Seis e guarda até o dia Sete, mas reparemos que eles guardam o Maná até a Manhã seguinte, e não até o pôr do Sol ,portanto, isto nos indica que o Dia Sete, o Shabat, se iniciou na manhã seguinte. -Texto 2: Ex 19.10,11-25 - Disse também o SENHOR a Moisés: Vai ao povo e purifica-o hoje e amanhã. Lavem eles as suas vestes 11 e estejam prontos para o terceiro dia; porque no terceiro dia o SENHOR, à vista de todo o povo, descerá sobre o monte Sinai Ao amanhecer do terceiro dia, houve trovões, e relâmpagos, e uma espessa nuvem sobre o monte, e mui forte clangor de trombeta, de maneira que todo o povo que estava no arraial se estremeceu.

Aqui, nós temos o Eterno dizendo que aparecia para o Povo no terceiro dia, e no terceiro dia pela manhã Ele aparece, indicando que o terceiro dia começou pela manhã. -Texto 3: Lv 22.29,30 - Quando oferecerdes sacrifício de louvores ao SENHOR, fá-lo-eis para que sejais aceitos. 30 No mesmo dia, será comido; e, dele, nada deixareis ficar até pela manhã. Eu sou o SENHOR. Neste texto parece ficar evidente que o sacrifício não poderia ficar até o dia seguinte, deveria ser consumido no mesmo dia, e logo é dado a instrução de não ficar até a manhã seguinte, indicando que na manha seguinte já seria outro dia.Se o dia acabasse a tarde, no pôr do sol, creio que a instrução seria " nada deixe até a tarde". -Texto 4 : 1 Sm 19.11 - Porém Saul, naquela mesma noite, mandou mensageiros à casa de Davi, que o vigiassem, para ele o matar pela manhã (boker); disto soube Davi por Mical, sua mulher, que lhe disse: Se não salvares a tua vida esta noite, amanhã (machar) serás morto.5 Bom, este verso aparece uma divisão clara, ou seja, Saul iria matar David pela manha, e Mical avisou David a noite dizendo, AMANHÃ , isto no dia seguinte pela manhã David seria morte se não fugisse.Portanto, o Dia seguinte se iniciaria na manhã seguinte.

-Texto 5: Lev 22:30

No mesmo dia, será comido; e, dele, nada deixareis ficar até pela manhã(boqer). Eu sou o Senhor.


18 Aqui, o Eterno está falando sobre o sacrifício que deveria ser comido no mesmo dia, e o texto indica que a manhã seguinte seria outro dia, já que o Eterno diz que nada poderia ser deixado para a manhã seguinte. -Texto 6 : Lm 3.22,23 - As misericórdias do SENHOR ‫יהוה‬é que não nos consome; porque não acaba a misericórdia.23 Novas são cada manhã(boqer); grande é a tua fidelidade. Neste texto do Profeta do Eterno, ele declara que a Chesed( misericórdia ) do Eterno se renovam a cada manhã.O que podemos entender com isso? Compreendo que é óbvio que a intenção do Profeta foi dizer que a cada dia as misericórdias são renovadas, indicando ,desta forma, o início do dia pela manhã e não ao entardecer. - Aplicação pessoal Trazendo para uma visão pessoal, creio que o Eterno assim determinou o inicio do dia pela manhã e não ao pôr do sol, ou a meia –noite, para nos mostrar que O Dia é quando há luz pela manhã, ou seja, para estarmos no dia, para recebermos a Sua Luz, é preciso sair das trevas da noite, é preciso sair do comodismo da cama, é preciso sair da sonolência da noite.O início do dia não é quando a luz se põe, mas quando a luz nasce.A Luz Dele precisa nascer em nós e não se apagar em nós.Esta é a Lei do Eterno expressa em sua criação. 7. As vésperas das solenidades _____________________________________________________________________________________ Vimos que o dia se inicia ao amanhecer e não ao pôr do Sol segundo a tradição judaica, porém nas Escrituras temos relatos da existência de vésperas, ou seja, o Eterno em duas ocasiões a respeito dos Moedim ( Festas fixas ) ordena o início da celebração na véspera e não propriamente do dia marcado.Vejamos: -Chag Há Matzot /Pessach (pães asmos / páscoa) : Êx 12:18

Desde o dia catorze do primeiro mês, à tarde, comereis pães asmos até à tarde do dia vinte e um do mesmo mês.

Bom, nós temos a festa de Pães asmos estabelecida pelo Eterno, a qual vai do dia 14 ao dia 21 do mês primeiro.Dia 14 é o jantar onde se come o cordeiro, e no dia 15 começa a festa de pães asmos, porém, notamos que a festa de pães asmos se inicia na noite anterior, ou seja, na noite do dia 14, mais especificamente no jantar, onde é ordenado comer pães asmos. - Yom Kippur (Dia da Expiação) Lev 23:27

Mas, aos dez deste mês sétimo, será o Dia da Expiação; tereis santa convocação e afligireis a vossa alma; trareis oferta queimada ao Senhor. Lev 23:32 Sábado de descanso solene vos será; então, afligireis a vossa alma; aos nove do mês, de uma tarde a outra tarde, celebrareis o vosso sábado.

Aqui vemos claramente o jejum e o repouso ordenado para o dia 10 , porém o Senhor diz que é para se iniciar na véspera , ou seja, na noite anterior, no dia 9.


19 Uma observação nesse verso é que nos comprova que o dia começa ao amanhecer, pois se o dia começasse a tarde, não haveria a necessidade do Eterno falar para fazer o repouso na tarde do dia 9, e repare que a noite anterior é dia 9 e não 10, ou seja, o dia 10 começa pela manhã. Não entendo que esta véspera esteja ligada a todas as solenidades, mas somente a estas duas.As outras solenidades se iniciam ao amanhecer como o dia normal. 7. O inicio do Mês ( Rosh Chodesh) dentro das Escrituras – Lua Nova astronômica _____________________________________________________________________________________ Rosh Chodesh ou princípio do mês, é o dia que antecede o primeiro dia do mês, no qual o Senhor ordena tocar a trombeta e trazer ofertas perante Ele. É uma festa de Renovo, onde se inicia um novo ciclo , porém não vemos o Eterno declarando este dia como sendo um dia de descanso, ou seja, tudo indica que seja um dia de trabalho normal.E em algumas passagens, observamos que no DIA 1 houve eleição ( Es 10.16), contagem do povo ( Nm 1.1 ), o Tabernáculo foi preparado e erguido ( Ex 40.2;17), isto é, huve algum tipo de trabalho. Núm 28:11

Nos princípios dos vossos meses, oferecereis, em holocausto ao Senhor, dois novilhos e um carneiro, sete cordeiros de um ano, sem defeito,

Núm 28:14

As suas libações serão a metade de um him de vinho para um novilho, e a terça parte de um him para um carneiro, e a quarta parte de um him para um cordeiro; este é o holocausto de cada mês, por todos os meses do ano.

Núm 10:10

Da mesma sorte, no dia da vossa alegria, e nas vossas solenidades, e nos princípios dos vossos meses, também tocareis as vossas trombetas sobre os vossos holocaustos e sobre os vossos sacrifícios pacíficos, e vos serão por lembrança perante vosso Elohim. Eu sou o Senhor, vosso Elohim

Núm 10:8

Os filhos de Arão, sacerdotes, tocarão as trombetas; e a vós outros será isto por estatuto perpétuo nas vossas gerações.

Na maioria das traduções da Bíblia, estes “princípios dos meses” estão como sendo a “festa da Lua Nova”. 2Crôn 2:4

Eis que estou para edificar a casa ao nome do Senhor, meu Elohim, e lha consagrar, para queimar perante ele incenso aromático, e lhe apresentar o pão contínuo da proposição e os holocaustos da manhã e da tarde, nos sábados, nas Festas da Lua Nova (Chodesh) e nas festividades do Senhor, nosso Elohim; o que é obrigação perpétua para Israel.

1Sam 20:24

Escondeu-se, pois, Davi no campo; e, sendo a Festa da Lua Nova(Chodesh), pôs-se o rei à mesa para comer.

O termo “‫ חדש‬Chodesh”, a qual os tradutores colocaram como sendo Lua Nova ou Mês, procede de “‫ חדש‬Chadash”, o que significa “ ser novo, renovar, reparar”. E isto indica o início do mês no renovar da Luz da Lua, e por isso temos o início do mês (rosh chodesh) como sendo a Lua Nova, ou seja, o momento em que a Lua está em oculto, encoberta por completo para iniciar um novo ciclo.Portanto, “chodesh” representa o início do ciclo solar. Um texto interessante que nos mostra que a Festa de Rosh Chodesh , ou o princípio dos mês é celebrado na Lua Nova no momento em que ela está encoberta é: Sal 81:3

Tocai a trombeta na Festa da Lua Nova(Chodesh), na lua cheia, dia da nossa festa.


20 Porém, vamos ver este verso em hebraico, pois nos esclarecerá.Infelizmente houve alguns equívocos na tradução.

‫תקעו בחדש שופר בכסה ליום חגנו׃‬ Tiqeu bachodesh shofar bakeseh leyom chagenu Literalmente temos o seguinte: “Tocai no chodesh o shofar na keseh para o dia de nossa festa.” O Importante aqui é compreendermos o termo “ keseh” , pois foi traduzido como “Lua Cheia”, porém não é isso o que esta palavra está trazendo no contexto das palavras do salmista. O termo “‫ כסה‬keseh “ , significa “cheio”, porém no sentido de encoberto totalmente, pois esta palavra procede de “‫ כסה‬kasah”, a qual tem o sentido de “ cobrir, ocultar,esconder” .Portanto, não poderia estar se referindo a Lua Cheia, já que a Lua Cheia não está encoberta, mas pelo contrário, está totalmente visível. Vejamos outro texto que usa o termo “kasah”, e veremos que se trata realmente de algo que é encoberto. Gên 24:65

e perguntou ao servo: Quem é aquele homem que vem pelo campo ao nosso encontro? É o meu senhor, respondeu. Então, tomou ela o véu e se cobriu (kasah) .

Acima temos o véu que cobre o rosto. Vejamos outro texto: Gên 9:23

Então, Sem e Jafé tomaram uma capa, puseram-na sobre os próprios ombros de ambos e, andando de costas, rostos desviados, cobriram(kasah) a nudez do pai, sem que a vissem.

Assim, temos a nudez de Noach(Noé) sendo coberta de maneira que não fosse vista. Este é o sentido de Sl 81.3, ou seja, o shofar é tocado na festa no início do mês , onde a Lua está encoberta, ou seja , na Lua Nova. Bom, vimos até agora que o Rosh Chodesh ou o princípio do mês é um dia de transição onde se toca a trombeta na Lua Nova quando ela está encoberta.Esta Lua Nova totalmente encoberta é chamada de Lua Nova astronômica , quando a Lua se encontra entre a Terra e o Sol.O Rosh chodesh se dá na manhã seguinte após a Lua ser encoberta. E este Rosch Chodesh, o qual é o primeiro dia do mês e também é o primeiro dia da semana, pode ser visto em Bereshit (Genesis), no relato do início da criação, onde o Eterno faz separação entre a luz e as trevas, entre o dia e a noite, ou seja, este fato expressa claramente o alinhamento da Lua entre a Terra e o Sol, indicando plenamente um momento de SEPARAÇÃO entre Luz e Trevas, indicando o MEIO , OU SEJA, A Luz está no MEIO.


21

Gênesis 1:4-5 E viu Elohim que era boa a luz; e fez Elohim separação entre a luz e as trevas. E Elohim chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro. Talvez surja o questionamento “ mas a Lua não foi criada no 4º dia ? “ Segundo o entendimento da maioria sim, mas pensemos que o momento do primeiro dia, o qual fala dessa separação entre a Luz e a Noite, onde temos a Lua entre a Terra e o Sol, seria como se a Lua não existisse, pois está totalmente encoberta, ela está NULA, não está exercendo nenhuma posição e função, ou seja, está “desordenada” Outro ponto, é que creio que o relato de Bereshit por Moisés, pode ser uma Agaddah, ou seja, uma estória, uma fábula, onde não se leva em consideração a sua LITERALIDADE, mas o princípio da estória. Pois como poderia haver DIA se não houvesse luz do Sol? Sendo assim, entendo, que a questão dos luminares no 4º dia, não diga respeito a CRIAÇÃO dos luminares, mas sim uma ORDENANÇA no FUNCIONAMENTO dos luminares, ou seja, a Lua , o Sol, e as Estrelas, foram colocados em seus devidos lugares, e ordenados em suas funções. - Como saber o início do mês nos dias de hoje? É muito simples, para saber o início do mês indico o site a seguir : (http://www.timeanddate.com/worldclock/astronomy.html?n=110&month=3&year=2 012&obj=moon&afl=-11&day=1 )

Basta somente olhar a Lua Nova (new moon ).O dia em que estiver “new moon” é o Rosh chodeshe, quando a Lua está alinhada entre o Sol e a Terra, e a manhã seguinte é o dia 1, como pode ser observado e Gn 1.4,5 , quando a manhã seguinte após a separação foi o dia 1. Darei um exemplo para ficar mais claro. Se no dia 17 (calendário gregoriano), estiver “new moon –lua nova”, esse dia 17 é o Rosh Chodesh, o qual é o momento de transição, o dia 18 pela manhã será o DIA 1 do mês segundo estabelecido pelo Eterno. Se faz importante lembrar que a observação está direcionada para Jerusalém.A Lua Nova é aquela observada em Jerusalém e não nas outras nações. Tudo o que o Eterno faz tem um PORQUÊ , nada faz por acaso, mas faz para sinalizar e mostrar algo, e o fato da Luz ser observada em Jerusalém, mostra que precisamos observar o tempo que o Eterno indica a partir de Jerusalém, precisamos observar e estarmos atentos a mudança de tempo que se realiza a partir do contexto de Jerusalém.

ROSH CHODESH (Princípio do mês)

PRIMEIRO DIA DO MÊS

Lua nova – quando a lua está encoberta entre o Sol e a Terra

Manhã seguinte após o Rosh Chodesh


22 7.1 O dia do Shabat _____________________________________________________________________________________ Pois bem, após compreendermos um pouco mais sobre o Rosh Chodesh, se torna mais fácil a compreensão do dia do Shabat, o qual dentro das Escrituras não está de acordo com o calendário gregoriano, ou seja, hoje compreendo que o Shabat determinado pelo Eterno não é o Sábado que conhecemos no calendário ocidental. Mas não nos preocupemos, pois é algo muito simples observar o dia em que recai o Shabat, porém se torna mais ”complicado” a sua guarda em um mundo ocidental capitalista, e aqueles que realmente desejarem guardar e “proteger” este dia, temos que ir contra as leis estabelecidas pelo Homem dentro de um sistema de engano babilônico. Quem observar o Sábado terá que se desfazer da mentalidade capitalista de lucro ,e talvez se cumpra o que foi dito por João no Livro da Revelação, como vimos na parte anterior deste estudo “ a marca da besta”, ou seja, vimos que a marca da besta pode ser um estado de “anomia”, o que significa “ ausência , oposição ou rejeição a torah do Eterno. Pois bem, guardar o Shabat do Eterno será como não ter a marca da besta em sua mentalidade, e nisto , quem assim fizer, estará sujeito a morrer pelas mãos do sistema capitalista, pois não se encaixará nos métodos de negociação (compra e venda) como diz em Apocalipse. Aquele que se dispõe a não se curvar diante da lei outorgada pela babilônia, e assim se volta para Jerusalém, como fez Daniel, certamente será lançado na cova dos Leões, mas o Eterno de Israel livra os seus fiéis...e no fim a Babilônia saberá quem é o Eterno de Israel , tal como Nabucodonosor o fez. Mas que fique claro, que tudo deve ser feito com entendimento e em equilíbrio, é preciso caminhar com tranquilidade. Hoje percebemos muitas atitudes extremas por parte daquele que receberam algum ensinamento sobre o Shabat e outros pontos da Restauração, porém, o nosso posicionamento nos mandamentos do Eterno não precisam ser feitos com extremismo, ou seja, no caso do Shabat cair em dia de semana, não é necessário que você que está lendo etse estudo, após ler vá e peça demissão de seu trabalho, a primeira atitude deve ser “ ORE AO ETERNO, BUSQUE ENTENDIMENTO DO ETERNO ANTES DE TOMAR QUALQUER ATIDUDE, COLOQUE DIANTE DELE A SITUAÇÃO QUE VOCÊ ESTÁ VIVENDO, E APÓS OUVIR A INSTRUÇÃO DO ALTO, ENTÃO SE POSICIONE SEGUNDO AQUILO QU OUVIU, NÃO SEJA EXTREMO NO PRIMEIRO MOMENTO “. Bom, para sabemos qual dia é o Shabat, basta termo o Rosh chodesh como a base, pois é o princípio do Mês estabelecido pelo Eterno, ou seja, vimos que o DIA 1 é o dia seguinte após o Rosh chodesh, sendo assim, do dia 1 passa-se a contar sete dias, e no sétimo é o SHABAT, e assim por diante, ou seja, teremos o DIA 7 como shabat, o DIA 14, o DIA 21 e o DIA 28, como sendo os SHABATOT (SÁBADOS DE DESCANSO).E desta forma, compreendemos o porquê que os dias de descanso da Pessach são dia 14 e 21. Mas vale lembrar, que no calendário estabelecido pelo Eterno não há muita preocupação com semanas com números de dias fechados, como há no calendário gregoriano, o qual as semanas são de 7 dias, no calendário do Eterno, a última semana pode não ter 7 dias, pois o Rosh chodesch pode interromper essa contagem, iniciando um novo ciclo no mês. Outro ponto passivo de observação, é que dissemos que os dias do Shabat seriam os dias 7 /14 /21 /28, ISTO DENTRO DO CALENDÁRIO DO ETERNO, contado após o Rosh chodesh. Não confundamos


23 esses dias 7/14/21/28 com os dias do calendário gregoriano, pois no calendário gregoriano, podem cair em dias diversos, e até mesmo em dias no meio da semana gregoriana. Mas enfim, percemos que no mês 7 , o Eterno estabelece a Festa de SUCOT (tendas) do dia 15 ao 22, sendo os dias de descando o dia 15 e o 22, mas por quê os dias de descanso são estes e não 14 e 21 como Pessach? Lev 23:39

Porém, aos quinze dias do mês sétimo, quando tiverdes recolhido os produtos da terra, celebrareis a festa do Senhor, por sete dias; ao primeiro dia e também ao oitavo, haverá descanso solene.

Compreendo que assim seja, devido a solenidade que o Eterno estabeleceu no 1º dia do 7º mês, ou seja, o 1º dia do 7º mês foi colocado como sendo um dia de descanso, o dia de Yom Teruá (dia do sonido). Levítico 23:24 Fala aos filhos de Israel, dizendo: No mês sétimo, ao primeiro do mês, tereis descanso, memorial com sonido de trombetas, santa convocação. Sendo assim, o Shabat será o 7º dia após Yom teruá (Dia do sonido), ou seja, começará a contagem no 2º dia, pois começa a contar no dia de trabalho e não do descanso, e assim caindo o Shabat nos dias 8 / 15 / 22 / 29 , diferenciando do 1º mês, no qual cai nos dias 7 /14 / 21 / 28 . Entendo que esta questão da mudança do dia de Shabat, é algo de dificil compreensão para muitos, e por isto, cada um está em liberdade para julgar estes escritos, e assim se mover dentro daquilo que o Eterno direcionar, mesmo se não estiver de acordo com este estudo.O Que importa é que se busque ao Eterno e dele se Ouça a Resposta, e se esta resposta estiver dentro deste estudo, que assim seja, mas se não, que cada um esteja em liberdade para reconhecer a Voz do Eterno.Que estas palavras sirvam apenas para mostrar um caminho.

SHABAT

É o sétimo dia após o primeiro dia seguinte ao Rosh Chodesh, tendo uma sequência fixa – 7 / 14 / 21 / 28 , com exceção do sétimo mês que é 8 / 15 / 22 / 29 ( esses dias não são os mesmo do calendário gregoriano)

7.2 O inicio do Mês ( Rosh Chodesh) no calendário judaico atual – crescente visível _____________________________________________________________________________________ Porém, o calendário judaico atual não observa o início do mês com a Lua Nova astronômica, o calendário judaico atual se utiliza daquilo que se chama de Crescente visível, a qual é o surgimento de parte da Lua após a Lua ser encoberta por completo.Ou seja, quando surge o primeiro feixe de luz da Lua inicia-se o princípio do mês, mas isto é muito difícil de ser observado e previsto, já no caso da Lua astronômica pode ser totalmente previsível. Notemos que em certo episódio, David disse a Jônatas o dia que seria o Rosh Chodesh, ou seja, o início do mês quando a Lua foi encoberta. 1Sam 20:5

Disse Davi a Jônatas: Amanhã é a Festa da Lua Nova(chodesh), em que sem falta deveria assentar-me com o rei para comer; mas deixa-me ir, e esconder-me-ei no campo, até à terceira tarde.

Somente no sétimo mês, em Rosh Hashaná (ano novo do calendário judaico atual), é que o o início do mês se baseia na Lua Nova astronômica, quando a Lua está encoberta por completo.


24 7.3 Crescente visível na cultura pagã _____________________________________________________________________________________ A Lua crescente visível sempre exerceu nas civilizações antigas um grande fascínio, gerando assim cultos e rituais relacionados aquele momento que se tinha como um momento especial de crescimento. Na Babilônia, estudava-se o Céu a cada anoitecer até a Lua-Crescente ser vista pela primeira vez. Eram 11 dias de Rituais Religiosos, culminando com a Lua-Cheia.O primeiro dia do mês era declarado quando aparecia a primeira lua no crepúsculo após a lua nova (que para eles era ‘`sem lua''), ou seja , a crescente visível ou meia –lua. Portanto, esta prática de celebração na Lua crescente visível provém dos povos fora de Israel, e que tudo indica que o calendário judaico atual se utilizou dessas práticas.

A Figura 1 é uma figura babilônica, Nabonidus, um dos reis caldeus. Onde podemos reparar uma observação da Lua crescente, ou meia-lua. Fig. 2

Fig. 1

A Lua crescente sempre esteve muito ligada a movimentos de magias e bruxarias, tais como Wicca. Ver figura 2.

No antigo Egito, a lua crescente era o símbolo de Ísis, a Mãe dos Deuses. Como a Rainha do Egito, Isis era o protetor da maternidade, as mulheres, e curador dos doentes. Ela também domina magia.No Egito , geralmente a Lua Cheia aparece com a Lua crescente na imagens. Ver figura 3.

Fig. 3


25 Fig. 4

Aqui é o símbolo Baal-Hadad na cultura hitita antiga. Observe os pavões do lado, o rosto de Apolo no círculo, acima da Lua Crescente e uma folha de louro com 13 folhas ao seu redor. Organização das Nações Unidas usa esse símbolo por si só. Ver figura 4.

Assírio estilo de alívio do Rei Bar-Raqqah da Síria, Século 8, a.C. Observe a divindade solar (Baal-Hadad) mostrado como um disco na crescente. Fonte: Presents de Deus Ministério online Ver figura 5. Fig. 5

A divindade solar mostrado como um disco em um crescente. A lua crescente é um símbolo do útero da mulher que recebe o renascimento do deus sol, o sol descendo na lua é um símbolo da união sexual . Como o deus sol (Ninrode) mergulhou nas águas do útero (Eufrates), assim o filho reencarnado mergulhou nas águas do ventre para ser adorado como salvador. Fonte: David Icke online. Ver figura 6. Fig. 6

O símbolo da Mesopotâmia de Baal-Hadad-o crescente ou meialua receber o deus sol. Aqui o sol é realmente uma estrela. A estrela da lua é apenas uma outra versão do crescente dom descendo na lua, ou útero. A estrela representava Horus eo disco rodada Osiris. Horus foi o renascimento de Osíris, e assim ambos significam a mesma coisa.

Fig. 8

Ver figura 7.

Um monumento egípcio mostrando chifres do touro com o símbolo solar no meio, um símbolo comum pagã representando o útero da mulher (muitas vezes também mostrado como uma lua crescente), com o sol nascente deus. © descobertas surpreendentes.Ver figura 8.


26

Maria e Jesus em uma lua crescente. Fonte: Jacopo Robusti, Tintoretto Il (1518-1594), on-line de Arte Fácil. Ver figura 9.

Fig. 9 Portanto, temos aqui a lua crescente usada de várias formas nas culturas pagãs , e em especial para culto aos seus ídolos.Não quero trazer com isso uma paganizarão de tudo, pois não podemos olhar para qualquer coisa e achar que é pagão, nem tudo é pagão, assim como nem tudo não é pagão, precisamos discernir segundo o Espírito do Eterno nos direciona. Mas o que vimos aqui, que tudo indica que o calendário judaico atual se apropriou de um meio utilizado na Babilônia para indicar o início do mês, pois esta era pratica comum na Babilônia.

7.4 Celebração futura do Rosh Chodesh _____________________________________________________________________________________ Vemos nas Escrituras que nos dias vindouros, se celebrará o Rosh Chodesh(princípio do mês) perante o Senhor. Is 66:23

E será que, no renovar do mês (‫ חדש בחדשו‬chodesh b’chadesho) e de um sábado a outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o Senhor

8. O Ano Novo ocidental gregoriano – mês de Janeiro _____________________________________________________________________________________ A mídia transmite que o ano termina em 31 de Dezembro para todo o mundo e que o ano novo se inicia em 1 de Janeiro, mas não é bem assim , nem todo o mundo(países) celebra este Ano Novo, o qual procede do calendário Gregoriano. E o que é o calendário Gregoriano? Bom, o Calendário gregoriano com 12 meses e 365 dias é um calendário Católico promulgado pelo Papa Gregório XIII no séc XVI ( 1582) .Mas antes do Calendário Gregoriano havia o calendário Juliano adaptado pelo imperador Romano Julio Cesar, o qual fez uma homenagem ao seu nome colocando o mês Julho, e este também acrescentou o mês Januario(janeiro) em homenagem ao ídolo JANUS, e com a entrada do Calendário Gregoriano no séc XVI, O MÊS DE JANUARIO(JANEIRO) em homenagem ao ídolo JANUS passou a ser o 1º mês do ano.Por que? Porque JANUS é o ídolo romano com duas faces , uma para a frente e outra virada para trás.O mês que "olha" para os dois anos, o que passou e o novo ano.


27 É o ídolo considerado o porteiro celestial, e em suas imagens possui uma chave em suas mãos, e interessante que este Janus se tornou o São Pedro sincretizado , o guardião do céu .(veja as imagens). Bom, Janus também é o ídolo das ORIGENS, dos términos e dos começos, do passado e do futuro.Conhecido como o "deus das portas".E por isso (de uma forma resumida) se fez o mês de JANUARIO(JANEIRO) como sendo o 1º mês do Ano, celebrando-se ao JANUS , pois ele neste mês abre as portas dos céus, e assim ele é cultuado e se fazem pedidos a ele, pois ele é o ídolo da Origem, do começo, do início de um novo ano.Janus é colocado no começo do ano, pois ele tem duas faces, uma virada para o ano que passou e outra para o que está começando, responsável por abrir as portas para o ano que se iniciava. E desta forma, muitos hoje celebram ao JANUS em Janeiro sem saberem por estarem inseridos em uma cultura que o cultua. 8.1 O Ano Novo no calendário judaico e a influência da Babilônia – mês de Tshirei _____________________________________________________________________________________ O Calendário judaico atual inicia o ano no mês Tshirei (7º mês – outono) , com o nome de Rosh Hashaná ou cabeça do ano.Segundo a tradição, entende-se que neste dia o mundo e o homem foram criados, e coincide com o dia de Yom Teruá (dia do sonido), o primeiro dia do mês 7 bíblico.Portanto , segundo a tradição rabínica é um dia de celebração a criação do mundo. Mas ao que tudo indica essa tradição tem influência da Babilônia, dos tempos em que Israel viveu na Babilônia no séc VI a.C no período do cativeiro. Na Babilônia , na mesopotâmia antiga, havia um festival chamado Akitu, o qual é um festival de Ano Novo celebrado na primavera e no outono em Ur.Este festival era em homenagem ao ídolo Marduk, e também se celebrava a Emunah Elish 6 , o que significa a criação do mundo, ou seja, nesse festival se comemorava a criação do mundo, e nisso nós vemos a semelhança com o Rosh Hashaná, o qual celebra a criação do mundo e é realizado no mesmo período que o Festival Babilônio de Akitu. Procissão Akitu o festival. Babilônia (Sg.W. Andrae, wieder Das entstandene Assur , 1977) 6

O Enuma Elis ( acadiano Cuneiform ) é o babilônico mito da criação (em homenagem a suas palavras iniciais). Ele foi recuperado por Austen Henry Layard em 1849 (de forma fragmentada) no arruinado Biblioteca de Assurbanipal em Nínive ( Mosul , Iraque ), e publicado pela George Smith em 1876 (wikipedea)


28

"Quando no alto o céu ainda não havia sido nomeado E, abaixo, a terra firme não havia sido mencionada com um nome Apenas Apsu, seu progenitor E a mãe Tiamat, geradora de todos, mesclavam juntos suas águas; Os juncos não estavam trançados, ou galhos sujavam as águas, Quando os deuses ainda não haviam aparecido, nem haviam sido chamados com um nome, nem determinado destino algum, 1ª Tabua – Emunah Elish Marduk 8.2 O Ano Novo nas Escrituras – mês de Aviv _____________________________________________________________________________________ Bom, o ano novo bíblico não corresponde ao ano do calendário Gregoriano e nem ao calendário judaico.O Ano novo estabelecido pelo Eterno é o início do Ano estabelecido pelo Eterno é o MÊS DA SAÍDA DO EGITO, o mês da primavera(Ex 12.2).E não é ordenado ao Seu Povo nenhuma celebração de ano novo como os povos da terra. Ex 12.1,2 - Disse o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito: 2 Este mês vos será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano. E assim , o ano estabelecido pelo Eterno não começa em 1º de janeiro e nem em 1º de Tishrei, mas no mês da saída do Egito. - Como sabemos qual é o mês que Israel saiu do Egito? Ex 13.3,4 - Disse Moisés ao povo: Lembrai-vos deste mesmo dia, em que saístes do Egito, da casa da servidão; pois com mão forte o SENHOR vos tirou de lá; portanto, não comereis pão levedado. 4 Hoje, mês de abibe(‫)אביב‬, estais saindo. Neste verso acima, o Senhor está declarando que o mês da saída do Egito é o mês de Abibe (Aviv

‫)אביב‬. Muitos pensam que Aviv é um nome próprio de um mês, mas Aviv não é nome próprio e não é o nome de um mês. Não vemos nas Escrituras o Senhor determinando o nome de algum mês, Ele simplesmente numera os meses, como por exemplo: primeiro mês, segundo mês, sétimo mês. Êx 12:2

Este mês vos será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano.

Lev 16:29

Isso vos será por estatuto perpétuo: no sétimo mês, aos dez dias do mês, afligireis a vossa alma e nenhuma obra fareis, nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vós

Mas então o que é Aviv?


29 É simples , nada mais é do que uma expressão que indica um tempo de primavera , ou seja, o tempo em que floresce a colheita e as flores. “Aviv ‫ “ אביב‬vem de uma raiz hebraica que significa “ fresco, ser novo) .Portanto , é o momento em que a colheita está fresca, madura para ser removida. Mas devida a não tradução por parte do tradutor, se deu Aviv como sendo um nome próprio e como sendo o nome de um mês. Porém o que o Senhor disse que o primeiro mês que seria o mês da Páscoa , seria o mês da primavera, pois na primavera que o Povo saiu do Egito. Vejamos que quando o Senhor manda a praga da saraiva no Egito , a cevada já estava madura, ou seja, estava na época da colheita da primavera, e o linho em flor. Interessante que no verso que veremos, “aviv” está traduzida como sendo “ espiga” Êx 9:31

O linho e a cevada foram feridos, pois a cevada já estava na espiga (AVIV ‫) אביב‬, e o linho, em flor.

Portanto, notamos que a cevada foi ferida porque estava madura, fresca e o linho já estava em flor.E de acordo com este verso vemos também que “AVIV ‫ “ אביב‬não é um nome próprio ou o nome de um mês, mas que simplesmente significa “maturidade, época da primavera, onde a plantação amadurece para a colheita”. Lembremos que a primavera nos traz a idéia do aparecimento das flores, muitos já ouviram aquela expressão “ na flor da idade”, esta expressão faz referência a uma pessoa que floresceu como uma flor, está no vigor da sua juventude, apta para produzir , com toda a força.Assim é o mês da primavera, o mês de Aviv, isto é, quando a cevada está no seu vigor pronta para ser colhida.

h

E para confirmar que Aviv não é nome próprio, no hebraico a letra HEI “ “não antecede um nome próprio, mas vemos que no hebraico o HEI antecede AVIV, ficando assim “HAAVIV”.

‫שמור את־חדש האביב* ועשית פסח ליהוה אלהיך כי בחדש האביב* הוציאך יהוה אלהיך ממצרים‬- tD1361 ‫לילה׃‬ Dt 16.1 – Shemor et- chodesh haaviv v’ashitá pessach l’Adonai, Eloheichá , ki b’chodesh haaviv hotziechá Adonai Eloheichá M’Mitzeraim laielah Deut 16:1 Guarda o mês de aviv* e celebra a Páscoa do Senhor, teu Elohim; porque, no mês de aviv*, o Senhor, teu Elohim, te tirou do Egito, de noite. Neste verso temos marcado com um asterisco *(B’CHODESH HAAVIV primavera(frescor)” ), indicando que Aviv não é nome próprio, apenas não foi traduzido.

“no mês da

Algo curioso a respeito do início do ano ser na primavera é que em Bereshit (Gn), mais especificamente na criação dos dias, o Eterno antes de criar os luminares para o início do ano no quarto dia, Ele criou no terceiro dia a primavera, ou seja, as arvores, as flores, os frutos, as sementes. Gên 1:11

E disse: Produza a terra relva, ervas que dêem semente e árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nele, sobre a terra. E assim se fez. Gên 1:12 A terra, pois, produziu relva, ervas que davam semente segundo a sua espécie e árvores que davam fruto, cuja semente estava nele, conforme a sua espécie. E viu Elohim que isso era bom.

E após isso então o Eterno estabelece os tempos, os dias e os anos, ou seja, podemos dizer que o ano se iniciou no quarto dia no período em que a terra estava produzindo seus frutos e sementes.


30

Gên 1:14

Disse também Elohim: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais (‫’ אות‬ot ), para estações (‫ מעד‬moed), para dias e anos.

Outro ponto interessante que nos mostra que o início do ano do Eterno é no período de florescimento, é no episódio de Noach(Noé), quando ele está para sair da arca e envia uma pomba, e na última vez que ele envia a pomba, ela traz uma folha nova de oliveira no bico, indicando que a árvore no período da primavera. Gn 8.11-13 - À tarde, ela voltou a ele; trazia no bico uma folha nova(‫ טרף‬taraph) de oliveira; assim entendeu Noé que as águas tinham minguado de sobre a terra. 12 Então, esperou ainda mais sete dias e soltou a pomba; ela, porém, já não tornou a ele.13 Sucedeu que, no primeiro dia do primeiro mês, do ano seiscentos e um, as águas se secaram de sobre a terra. Então, Noé removeu a cobertura da arca e olhou, e eis que o solo estava enxuto. A palavra usada para folha “ nova” é “taraf” que significa “colhido fresco”, mas a mesma palavra também pode significar “ despedaçar, rasgar”.Portanto, a pomba trouxe uma folha fresca, que estava pronta para cair e ser despedaçada.Seria como em algumas árvores quando as folhas estão prontas para caírem, e quando encostamos nela se torna muito fácil removê-las, pois elas estão prontas para isso, não há dificuldade em tirar a folha da árvore.Assim ocorreu com a pomba, ela tirou da Oliveira uma folha que estava fácil para ser tirada, pois estava em um período próprio para isso, ou seja, na primavera, mês de Aviv. - Como saber o início do ano nos dias de hoje ? Gên 1:14

Disse também Elohim: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais (‫’ אות‬ot ), para estações (‫ מעד‬moed), para dias e anos.

Bom, o Eterno declara que os luminares que estão no céu é que fazem separação entre um dia e outro, entre um mês e outro, entre as estações, entre um tempo determinado e outro, e entre um ano e outro.E nisto eu compreendo que para se saber o início do ano, não é necessariamente pela observação da colheita da cevada, pois hoje, creio que isso se torna muito difícil no mundo em que vivemos, na época antiga, certamente era mais fácil, pois o Povo estava no mesmo território.Como saber a data exata quando uma plantação de cevada está madura? Pode ser que uma colheita amadureça antes que outra. Certamente, hoje há grupos que fazem tal observação, mas não sei se é precisa. Eu compreendo que o início do Ano do Eterno se dá pelos luminares como está em Gn 1.14, ou seja, o equinócio7 evidencia o tempo da primavera, o tempo do florescer das plantas e não só da colheita da cevada, e após o equinócio , a próxima manhã após o primeiro Rosh Chodesh ou Lua Nova astronômica, é então o primeiro dia do primeiro mês do Ano.Lembrando que o equinócio é o de primavera do hemisfério norte, pois Jerusalém está no hemisfério norte.

7

Momento em que o Sol fica na mesma linha do Equador, proporcionando assim a igualdade de tempo entre o dia e a noite, ou seja, o dia e a noite possuem a mesma duração.No equinócio o Sol nasce exatamente no Leste, no centro.


31

EXEMPLO :INÍCIO DO ANO BÍBLICO EM 2012 : o equinócio de primavera se dá em 20 de março,e a primeira Lua Nova astronômica seguinte é no dia 23 de março, portanto, o primeiro dia do ano que o Eterno estabeleceu é o dia 24 de março. Observação: o início não é o momento do equinócio como era na Babilônia, mas posterior ao equinócio.

9. Consideração final _____________________________________________________________________________________ Bom, de tudo isso que vimos, precisamos considerar a importância que o Eterno dá ao cumprimento de seus tempos, e isto para gerar em nós uma mente que sabe discernir o Seu Agir e os seus tempos na terra. A intenção aqui não foi paganizar tudo, mas ampliar a nossa visão a cerca desse assunto.A intenção também não é gerar dogmas, e nem dizer que todos os que estão cumprindo as datas do calendário judaico atual estão em transgressão, não fomos constituídos juízes sobre alguém. E lembremos que aqui tratamos dos dias das celebrações, do funcionamento do calendário estabelecido pelo Eterno, porém devemos considerar que o foco é a observância do DIA e isto não quer dizer que todas as celebrações são realizadas de modo LITERAL neste tempo, mas observamos os dias para trazermos a memória. Que possamos sair dos tempos estabelecidos pela Babilônia, e estes tempos não são somente tempos estabelecidos em um calendário, mas tempos estabelecidos no modo de caminhar, ou seja, um caminhar fora do tempo do propósito do Eterno .Que possamos caminhar no Tempo do Seu agir em nós e na Terra , discernindo assim o andamento do Seu Plano

Shalom- Carlos Coléct - www.centroteshuva.blogspot.com

OS TEMPOS DO ETERNO (da série "Sai dela povo meu")  

O foco neste estudo não é trazer um estudo aprofundado sobre os calendários, embora vejamos algo sobre as mudanças de calendários, mas o foc...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you