Page 1

NAS IMEDIAÇÕES DO DESENHO ALEXANDRA DO CARMO | CATARINA LEITÃO | CONCEIÇÃO ABREU | CRISTINA ATAÍDE | ISABEL BRISON | LOURDES CASTRO LUÍS NOBRE | MÓNICA DE MIRANDA | PAULO LISBOA | SUSANA GAUDÊNCIO | TERESA HENRIQUES 29/01 a 08/03 2014

Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa

29 de Janeiro a 08 de Março 2014 | From January 29 2014 to March 08 2014


Imagens Imagens da da exposição exposição Exhibition Exhibition views views


Imagens da exposição Exhibition views


Imagens da exposição Exhibition views


Imagens da exposição Exhibition views Imagens da exposição Exhibition views


Imagens da exposição Exhibition views Imagens da exposição Exhibition views


Imagens da exposição Exhibition views Imagens da exposição Exhibition views


ALEXANDRA DO CARMO

(Lisboa, Portugal, 1966)

Lisbon, Portugal, 2011), Between Document and Fiction (Passos Manuel . Porto, Portugal, Exposições individuais Solo shows 2011), Between Document and Fiction Tudo foi captado (mesmo os movimentos do (Maus Hábitos . Porto, Portugal, 2011), Arte cabrito), (Galeria Quadrum . Lisbon, Portugal, Lisboa (Carlos Carvalho Arte Contemporânea 2011), Office/Commercial (Carlos Carvalho Arte . Lisbon, 2010), Portugal, Collecting the new: Contemporânea . Lisbon, Portugal, Recent Aquisitions to the IMMA Collection O outro eco (colaboração de Abinadi Meza) Irish (Museum of Modern Art . Dublin, Irland, (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisbon, 2010), 20 anos da Sala do Veado (Museu Portugal, 2008), A Willow (Or without Godot, Nacional de História Natural, Sala do Veado Performance) (Irish Museum of Modern Art, . Lisbon, Portugal, 2010), Um século, dez Process room. Dublin, Irland, 2006) Wild M5 lápis, cem desenhos (Complexo Industrial (Sala do veado, Museu Nacional de História da Oliva . S. João da Madeira, Portugal, Natural . Lisbon, Portugal, 2004) Mícron 005 2010), ARCOMadrid (Carlos Carvalho Arte performance (Lugar Comum-Fábrica da Pólvora Contemporânea . Madrid, Spain, 2009) . Barcarena, Portugal, 2004), Uma Sala com 1 Século, 10 lápis, 100 Desenhos: Viarco Repetição de Tudo (Galeria Modulo . Lisbon, Express (Palácio de Belém . Lisbon, Portugal, Portugal, 2003), Micron 005 (Pratt Institute  2009), Drawing (Museu da Presidência da Brooklyn . New York, USA, 2002) República . Lisbon, Portugal, 2009) Lá Fora (exposição comissariada por João Exposições colectivas Group shows Pinharanda), Museu da Electricidade . We are pleased to invite you #2 (Carlos Lisbon, Portugal, 2009), FORO SUR’09 (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisbon, Carvalho Arte Contemporânea . Cáceres, Portugal, 2012), We are pleased to invite Spain, 2009), Financial District you (Carlos Carvalho Art e Contemporânea . ISCP – International Studio & Cuartorial

Program . Brooklyn, USA, 2009), I Certamen de Dibujo Contemporaneo Pilar y Andres Centenera Jaraba, Casa de la Cultura de Alovera . Guadalaja, Spain, 2008) Lá Fora (Museu da Electricidade . Lisbon, Portugal, 2008), The Square Root of Drawing Temple Bar Gallery . Dublin, Ireland, 2006) The Steam Shop (or The Painter’s Studio) Lugar Comum-Fábrica da Pólvora de Barcarena . Barcarena, Portugal, 2006) Space, Place & Interface LiveBox Gallery at Ravenswood . Chicago, USA, 2006) E=mc2 (Museu da Ciência e Tecnologia . Coimbra, Portugal, 2005), Resonance part I (Hun Gallery . New York, USA, 2005) Bread Matters III, (West Cork Arts Center . West Cork, Ireland, 2005), Whitney Museum Independent Studio Program and Urban Studies Program Exhibition New York, USA, 2005), Draw Dwight (Hackett Projects Santa Fé Santa Fé, USA, 2005), Paper and Process (Art Projects International New York, USA, 2004) Artists in Residence - 2004 (Location One . New York, USA, 2004) Fake Rolex , (HDC gallery . New York, USA,

ALEXANDRA DO CARMO, Tudo foi captado (mesmo os movimentos do cabrito) | 2011 Lápis, lápis de cor e texto impresso s/ papel Graphite, color pencil and printed text on paper, 76,2 x 56 cm

2004), Go Liquidacion-Total, Madrid . Spain, 2003), 1000 Drawings Artists, Space Nova Iorque . New York, USA, 2003), Flux Das Flux Digital Space, Tonic Nova Iorque . New York, USA, 2003), Expect the World moinonplus, vídeo screening, KÜnstlerhaus Bethanien . Berlim, Germany, Symposium 2002 Art Values: Public and Private, Pratt Institute . Brooklyn, New York, USA, 2002), Terceiro Prémio Amadeu de Sousa Cardoso, (Museu da Cidade . Amarante, Portugal, Desenho Galeria Mitra . Lisbon, Portugal, 2002) Colecções Collections Irish Museum of Modern Art Fundação Ilidio Pinho


Imagens da exposição Exhibition views


ISABEL BRISON

(Lisboa, Portugal, 1980)

Portugal, 2010), Planeamento Urbano (Efeméride), Ermida de Belém . Lisboa, Exposições individuais Solo shows Portugal, 2009, Mista (Cláustros do Instituto Objecto Encontrado (ResidênciaCoop . Lisboa, Politécnico de Setúbal . Setúbal, Portugal) Portugal, 2013), Travelogues (com Guida Identidade e Simulacro / Junho das Artes em Casella, Museu do Instituto Geológico e Óbidos (Óbidos, Portugal, 2009) Mineiro . Lisboa, Portugal, 2012), O futuro da Paper Architecture / Cor, stereo, pal, MiniDV vida urbana em ruínas (Carlos Carvalho Arte transferido para DVD, 17’19’’ Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2011) Sala Bebé, Espaço Avenida . Lisboa, Portugal, Daqui não se vê bem (com Nuno Rodrigues 2009, Memórias (Teatro Passagem de Nível . de Sousa, Ateliers do Largo Barão de Quintela Amadora, Portugal, 2008) . Lisboa, Portugal, 2011) , Feitos Recentes Tintim por Tintim, colaboração Isabel Brison/ - Projecto Terraço (comissariado por Filipa João Pedro Santos Oliveira, 2010), Arte Lisboa 2010 (Centro de Galeria Work&Shop . Lisboa, Portugal, 2007 Congressos de Lisboa Pavilhão do Rio . Lisboa, Ilustração Arqueológica (AR.Co . Lisboa, Portugal, 2010), Fets recents en la história de les Portugal, 2006) ciutats (Galeria Indecor . Lleida, Espanha, 2010) Finalistas de Escultura (Palácio Marques de A Paisagem possível (Carlos Carvalho Arte Pombal . Oeiras, Portugal, 2005) Contemporânea, Espaço Zoom . Lisboa, Portugal, 2009), Jardim Real (Espaço Vista Colecções Collections Alegre, Lisboa, Portugal, 2005) Fundação Coca-Cola Fundação PLMJ Exposições colectivas Group shows BES Art An exhibition exploring the future of language (comissariado Rowan Lear, Festival Fringe Arts Bath . Bath, Reino Unido UK, 2013, Deambulações (diálogos fotográficos com Orlando Ribeiro)(Átrio da Reitoria da Universidade de Lisboa . Lisboa, Portugal, 2012) We are pleased to invite you #2 (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2012), We are pleased to invite you (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2011), Madrid Foto (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Madrid, Espanha, 2011) Espacío Atlántico (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Vigo, Espanha, 2010) DA2 Fundação Coca-Cola . Salamanca, Espanha Arte Lisboa 2010 (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal) Paisatges interiors (comissariada por Jesús Vilamajó, Museu de Lleida: Diocesà I Comarcal . Lleida, Espanha), Arco’10 (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Madrid, Espanha) Opções e Futuros #5 (Fundação PLMJ . Lisboa,

ISABEL BRISON, Relatório incompleto sobre os usos do impossível | 2013 Conjunto de impressões laser, dimensões variáveis, aprox. 20 x 30 cm cada e fanzine impresso a laser e cosido à mão Laser prints, variable sizes (about 20 x 30 cm each) and handstitched laser printed fanzine


ISABEL BRISON, Relatório incompleto sobre os usos do impossível | 2013 Conjunto de impressões laser, dimensões variáveis, aprox. 20 x 30 cm cada e fanzine impresso a laser e cosido à mão Laser prints, variable sizes (about 20 x 30 cm each) and handstitched laser printed fanzine


Imagens da exposição Exhibition views


Imagens da exposição Exhibition views


LUÍS NOBRE

(Lisboa, Portugal, 1971) Exposições individuais Solo shows Sector III, (Galeria Kubik . Porto, Portugal, 2013) O Desenho Expandido, (WHO galeria . Lisboa, Portugal, 2012 ) Cristal, (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2011), Três Passos para a Frente, (DROP D. Lisboa, Portugal , 2010) Por Detrás da Aparência (Museu Nacional Soares dos Reis . Espaço T, Porto, Portugal, 2010) Causa-Efeito, (Museu de São Roque . Lisboa, Portugal, 2010), Olho de Pássaro, (Galeria Reflexus- In Between . Porto, Portugal, 2009), Três Passos Para a Frente (Carlos Carvalho Arte Contemporânea - Sala Zoom . Lisboa, Portugal), Escalas, Perspectivas e Superfícies ,(Casa-Museu Anastácio Gonçalves . Lisboa, Portugal, 2008) Hold It! (com Eric Siu, Location 1 . Nova York, EUA, 2007), Paralelo 36, (VPFCream Art . Lisboa, Portugal, 2007), Backside , Borderline Agency . fronteira Luxemburgo, França, 2007), Marcador Permanente, (Casa do Pelourinho, Câmara Municipal de Obidos . Óbidos, Portugal, 2006) Plano B, (Lagar de Azeite, Câmara Municipal de Oeiras/Galeria 24B . Oeiras, Portugal, 2005), Random Border, (Leigh Woods/Spike Island . Bristol, Reino Unido, 2004), Através da Distancia que Nos Separa, (Pavilhão Branco, Museu da Cidade . Lisboa, Portugal, 2003), A Barreira Invisível, (Centro de Artes Caldas da

Rainha . Caldas da Rainha, Portugal, 2002) 350º (Arround) , (G.L. Box. Fábrica de Gelados Globo . Porto, Portugal, 1998), Entre o Céu e o Inferno (Sala do Veado, Museu Nacional de História Natural . Lisboa, Portugal, 1998) Sub. 867-874, (Museu de José Malhoa . Caldas da Rainha, Portugal, 1997)

II (Ocupação), Ministério das Finanças . Lisboa, Portugal, 2008), Finisterra (Centro Cultural de S.Lourenço . Algarve, Portugal, 2008), Location 1 at Monkeytown, Monkeytown, Brooklyn. E.U.A., 2008), Fazer Falar O Desenho, (Museu de Arte Contemporânea do Funchal, 2007), 1st. International Biennial of Contemporary Exposições Colectivas Solo shows Art , Thessalonic, Grécia , 2007), The (Selecção / selection) Uninterrupted Line, (The Basement . Viena, Configuração #1 - 5 Artistas em Sintra Áustria, 2007), Disco Baroque, UTS Gallery. (Next Room . Lisboa, Portugal, 2013), Sydney, Australia, Objecto Simulacro, Narrativas Fragmentadas (Parte do projecto Hospital Júlio de Matos, Lisboa, Cut and Jugada a 3 bandas), Galeria Liebre . Madrid Past Espanha, 2013), Correspondências, (Museo Peloton Gallery . Sidney, Australia de Arte Prehispánico Rufino Tamayo . Oaxaca, Debaixo do Tapete, Plataforma Revolver . Mexico, 2012), We are pleased to invite you Lisboa, Portugal, 2006, Urbanismo, Linhas e #2, (Carlos Carvalho Arte Contemporânea Contornos, Galeria 24B . Oeiras, Portugal . Lisboa, Portugal , 2012), We are pleased Laboratório I (Terra), Tapada da Ajuda, to invite you (Carlos Carvalho Arte Lisboa, Portugal, Year of the Dog Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2011), Ale & Porter Arts . Bradford, Reino Unido 90-10 Exposição 20 Anos Artes Plásticas ESAD. Ohh! Naturel , Madam Lillies . Londres, CR, Edifício XXI, Polo Tecnológico . Lisboa, Reino Unido, O Manicómio Dr. Heribaldo Portugal, 2011), A Corte do Norte, (Plataforma Raposo, Museu da Cidade . Lisboa, Revólver . Lisboa, Portugal, 2011), Artisterium, Portugal, 5th International Biennial of ,History Museum, (Tbilissi . Georgia, E.U.A, Contemporary Art 2006, Gyumri, Arménia, 2010), Processo e Transfiguração , (Casa da 2005, Blue Screen, The Cube . Bristol, Reino Cerca . Almada, Portugal, 2010), Ponto de Unido, E=mc2,Museu da Ciência, Colégio Vista, (Fundação P.L.M.J. Lisboa, Portugal, das Artes . Coimbra, Portugal, A Extensão 2009), What Goes Up Must Come Down do Olhar, Centro de Artes de Coimbra (Madam Lillies . Londres, 2008), Laboratório . Coimbra, Portugal, O Contrato Social,

Museu Bordalo Pinheiro . Lisboa, Portugal, 2004 , Oh Dear! , Galeria Z.D.B. . Lisboa, Portugal, 2003 Prémio CELPA, (seleccionado) Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva . Lisboa, Portugal, Os Meus Cromos da Arte Contemporânea, Galeria ZDB . Lisboa, Portugal, Torre de Moncorvo, Câmara Municipal de Moncorvo., 2001, De Outros Espaços, Sala do Veado, Museu Nacional de História Natural . Lisboa, Portugal Free Ingress, Establishing a Scenario Galeria Municipal de Budapeste . Budapeste, Hungria., 2000, Sister Spaces Southern Exposure . S. Francisco, E.U.A. Emergências, Fábrica da Pólvora – Lugar Comum . Oeiras, Portugal, Alquimias Convento de S. Francisco . Coimbra, Portugal, 1998, Art Attack, Galeria Z.D.B. . Lisboa, Portugal, 1996, Sete Artistas ao Décimo Mês, Fundação Calouste Gulbenkian . Lisboa, Portugal, 1995, IV Bienal Internacional de Escultura e Desenho, de Caldas da Rainha, Portugal, 1993, V Bienal Internacional de Escultura e Desenho, de Caldas da Rainha, Portugal

Colecções Collections Museu José Malhoa PCR P.L.M.J. Fundação Ilídio Pinho


LUÍS NOBRE, Contra Campo, 2012, Impressão digital Digital print, 39 x 59 cm


LUĂ?S NOBRE, Gate 23 | 2009, Grafite e aguarela s/ papel Graphite and watercolor on paper, 50 x 72 cm

LUĂ?S NOBRE, Sobre o branco (face lift #4) | 2009, Grafite e aguarela s/ papel Graphite and watercolor on paper, 73 x 48 cm


Imagens da exposição Exhibition views O que ficou do que foi - Álbum São Tomé e Príncipe - Roça Água-izé | 2013 7’13’’, Vídeo cor HDV, sem som, loop


MÓNICA DE MIRANDA

(Porto, Portugal, 1976) Solo shows Erosion (curated by Gabriela Salgado, Appleton square . Lisbon, Portugal, 2013), An Ocean Between us (curated by Gabriela Salgado, Plataforma Revolver . Lisbon Portugal, 2012), Tuning (National theatre . Utrech, Holland, 2009), Just do it (curated by Fatima Lambert, Quase galleria . Oporto, Portugal, 2009), Underconstruction (curated by Paul Goodwin, Pav. 28 . Lisbon, Portugal), London caravan (INIva . Londres, Inglaterra, 2008), New geographies (exposição itinerante: Plataforma Revólver . Lisbon, Portugal e ImagineIC, Amsterdam, The Netherlands), Tunning A1 (Voyeur project . Lisbon, Portugal, 2008), New Geographies (198 Gallery . London, GB, 2007), Black sheep: do not pull my hair (Studio News Parade . London, GB, 2005), Routes (The Red Gate Gallery, London, GB, 2005). Group exhibition (selection) Do silêncio ao outro hino (Centro cultural português . Praia e Mindelo, Cabo Verde, 2012), Once Upon a time (Carpe Diem . Lisboa, Portugal, 2012), Arquivos secretos (Arquivo fotográfico de Lisboa . Lisbon, Portugal, 2012), L’art est un sport de Combat (Musée des Beaux-Arts . Calais,

France, 2011), An then again (Pavilhão Preto, Museu da Cidade . Lisboa, Portugal, 2011), This Location (Mojo Gallery,Dubai, 2011), She is devil (Studio Stefania Miscetti . Roma, Italia, 2010), Teresias-videos de artists made in Portugal, (Centro cultural de Espana . Montevideo, Urugai, 2010), Whose map is it? (Iniva . London, GB, 2010), This location (The Mojo gallery, Dubai, 2010), New Territories (Pav 28 . Lisboa, Portugal, 2009), Mundos Locais (no âmbito da iniciativa “Allgarve 2008”, Centro Cultural de Lagos . Lagos, Portugal, 2008), Paradise (Museum of Modern Art Hertogenbosh . Hollanda, 2007), Do u hear me (Gulbenkian, O Estado do Mundo - Instalação de som . Lisboa, Portugal, 2007), United Nation (Singapore Fringe Festival, Singapore, 2007), Identity and History (Living Gallery . Itália, 2007), Un-furnished, File . Rio de Janeiro, Brasil, 2007), Lore and Other Convergence, (em colaboração com Janini Antonini, INIVA and Live development Agency . London, GB, 2006), De-colonized Bodies:Video portraits (em colaboração com Guilhermo Gomez Penã and la Pocha Nostra, The art Pavilion, Live developmente agency . Londres, GB, 2006), Black sheep “Do not pull my hair” (Conjunction , Londres , Birmingham,

Stoke-on-Trent, GB, 2006), Welcome goodbye Adeus Obrigada (The blue elephant Gallery, apoiado pela Gulbenkian. Londres, GB, 2006), Territories (October Gallery . Londres, GB, 2006), Changing Skins - Rencontres Internationales (roARaTorio, Paris e Berlin, 2006), In the back of our Hands (Centro Pablo de Cuba . Havana, Cuba, 2006), Road lines (Contemporary digital art museum . Buenos Aires, Argentina, 2006), Un-furnished (Node . Londres, GB), European’s Workers Union (Liverpool Biennale and London Biennale . Liverpool e Londres, GB, 2006), London Biennale Self-portraits - exposição realizada dentro do âmbito da retrospectiva do trabalho de David Medalla. (curated by Guy Brett, ICA-Instituto Contemporâneo de Artes de Londres . Londres, GB, 2005), Insomnia - Dis-Covers (Bargehouse, South Bank . London,GB, 2005), In the bag-Changing Skins and Inside out (Brixton Art Gallery . London, GB, 2005), We are the revolution (Elastic Gallery . Whitechapell, London, 2005) 2004 In between the Lines: In Search of identityNew visions (Doncaster Museum, Exposição colectiva de arte contemporânea com artistas británicos da diaspora, participação de artistas: Mona Hatoum, Paula Rego , Shirazeh Houshiary and Balraj Khanna.

Exposiçao apoiada pelo Ministério das Artes de Inglaterra . Doncaster, GB, 2004), Crossing The Borders (The Point . Doncaster, GB, 2004), Percursos, Sentidos Grátis, Convento de S. Francisco . Coimbra, Portugal Changing Channels (The Backfabrik . Berlim, Alemanha, 2004), London Biennale (Gallery 294 . Londres, GB, 2004), Labyrinth (Horniman’s Museum . Londres, GB, 2004), Memories (Victoria & Albert Museum, Londron, GB, 2004)

MÓNICA DE MIRANDA, Blind drawings (da série Family Portraits)| 2013 Perfuração s/ papel de algodão, 17 x 23 cm


Imagens da exposição Exhibition views


MÓNICA DE MIRANDA, Blind drawings (da série Family Portraits)| 2013 Perfuração s/ papel de algodão, 17 x 23 cm


TERESA HENRIQUES

(Lisboa, Portugal, 1978) Exposições individuais Solo Shows Problem, (Rooster Gallery, NYC, 2011), Use the Resources, (Pedro Oliveira Gallery, Porto, 2010) Aleatograph, (Sala do Veado, Museum of Natural History, Lisbon, 2008), Sculptures, (Pedro Oliveira Gallery, Porto, 2006), From my room II, (Poste-ite, Porto, 2005), 20M3 (curated by Filipa Oliveira + Miguel Amado, Carlos Carvalho Gallery, Lisbon, 2005). Exposições colectivas Group Shows The Artist Is Not Present (curated by Tali Wertheimer and Susi Kenna, Meulensteen Gallery, NYC, 2012), Look Up! Natural Art Show, Porto, 2010, Geography of Affection, (6 Portuguese Artists In New York, Rooster Gallery, NYC, 2010), Plus One (curated by Dan Cameron, Perry Rubenstein Gallery, NCY, 2010), Thanks but it’s actually on purpose (curated by Augusto Arbizo, SVA Gallery, NYC, 2010), Lines to follow, (Centre Culturel Calouste Gulbenkian, Paris, 2010), Fio Conductor, (Modern Art Center José Azevedo Perdigão, Lisbon, 2010), Open Studios, SVA, NYC, 2009, Open Studios, SVA, NYC, 2008, ARCO Fair, Madrid, 2008, Modern Art Center José Azevedo Perdigão, Lisbon, 2007 International Artists-in-Residence Show, (Location One, NYC, 2007), ARCO Fair, Madrid, 2007, Contemporary Art Fair, Lisbon, 2007, Sculpture Group show, Inter-press, Lisbon, 2006 Installation, Pai Mogo, Areia Branca, Portugal, 2006, Contemporary Art Fair, Lisbon, 2005

13:SETE (curated by Miguel Amado, Seven art Gallery, Coimbra, Portugal, 2005) GPO31031405 (curated by Miguel Amado, Pedro Oliveira Gallery, Porto, 2005) AR.CO’s Art Exhibition of scholarships and Finalists, Lisbon, 2005, Summer Art Exhibition, AR.CO, Lisbon, 2003, =12, Pai Mogo, Areia Branca, Portugal, 2003 Commissions: GPO31031405, Pedro Oliveira Gallery, Gaia Porto=12, Areia Branca, Portugal, =12 Work in Collections: “You are tension” in Collection of Calouste Gulbenkian Foundation. “Gaia” in Collection of PLMJ Foundation. “Anxiety 1/3”, “Anxiety 2/3”, and “Cynicism 1/3” in private collections.


TERESA HENRIQUE , Da série Aliatógrafo | 2008, Desenho caneta s/ papel, 70 x 100 cm + vídeo 5’’


TERESA HENRIQUE , Da série Aliatógrafo | 2008, Desenho caneta s/ papel, 70 x 100 cm + vídeo 5’’


TERESA HENRIQUE , Da série Aliatógrafo | 2008, Desenho caneta s/ papel, 70 x 100 cm + vídeo 5’’


PAULO LISBOA

(Lisboa, Portugal,1977) 2010- Início da frequência do Mestrado em Desenho da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa 2006- Licenciatura de Artes Plásticas – Pintura, pela Escola Superior de Tecnologias do Instituto Politécnico de Tomar Exposições: “Antumbra” – Galeria L, Óbidos, 2013; “Rainha vermelha” – com André Catalão curadoria de Marko Stamenkovich, Ghent, Bélgica, 2013; “ab OVO”- com Tânia da Fonte, Livraria Sá da Costa, Lisboa, 2012; “Fronteira Aberta”, Centro de Arte e Imagem, Galeria I.P.T., Tomar, 2011 ; “Straight ahead and then turn”, Espaço Avenida 211-1º, Lisboa, 2011 ; “O movimento das coisas / Coisas em movimento”, M.I.M.O., Museu da Imagem em Movimento, Leiria, 2011; “Plateau”, Sala bebé, Lisboa, 2010; “Dominó”, Avenida 211, Lisboa, 2010; “O vitrinário da Boavista”, Rua da Boavista, vpf r/c, Lisboa 2009; “Up coming show”- Espaço Avenida 211- Lisboa, 2008; “Dromópolis”- com Catarina Patrício, Parque de estacionamento subterrâneo, Largo de Camões, Lisboa, 2008; “THX”- Perspectógrafo, Tábua rasa- Cine Teatro Paraíso, 2007; “This is not a Karaoke”, com Francisco Cordovil-Guarda, 2006; Performance: Colaboração com André Catalão, Eduardo Petersen, Agostinho Gonçalves e Ezequias Ayash Pardal: “VLTRA TRAJECTVM”, Expodium, Utrecht, Holanda 2011; “Hotchpotch” na LxFactory, Lisboa 2010; “OTIA TVTA” no Palácio Quintela, Rua do Alecrim, Lisboa 2009.

Site: https://sites.google.com/site/pavlolisboa/ Referências on-line: http://interact.com.pt/20/esteticizacao-domecanismo-plateau-de-paulo-lisboa/ http://galeriaipt.blogspot.com/ https://www.facebook.com/media/set/

PAULO LISBOA, Plateau | 2010/13, Video, 12’’


PAULO LISBOA, Sem tĂ­tulo, 2012, Grafite s/ papel Graphite on paper, 100 x 70 cm


PAULO LISBOA, Sem tĂ­tulo, 2012, Grafite s/ papel Graphite on paper, 100 x 70 cm


CONCEIÇÃO ABREU

(São Martinho de Sintra, Portugal, 1961) Exposições individuais Solo shows Advérbios de Lugar (Plataforma Revolver, Lisbon, 2013), Inside Out (TIVOLI Hotel, Lisbon, 2013), Entretempos (Caroline Pagès Gallery, Lisbon, 2013), Absence 2 (Museu da Imagem, Braga, Portugal, 2011), Absence (Sala do Veado, National Museum of Natural History, Lisbon, 2010), Ties (Diferença Gallery, Lisbon, 2009), Attached, Museu Nacional do Traje, Lisbon, 2008, Abrigos (Greenhouse of the Tapada das Necessidades, Lisbon, 2008), Within (Caroline Pagès Gallery, Lisbon, 2007), Jardins de água (Diferença Gallery, Lisbon, 2003), Por debaixo de uma cerejeira (Clube 50-Cultural Association, Lisbon, 2002) Exposições colectivas Group shows 14th International Tapestry Triennial, Lodz, Poland, 2013, Drawing in the University Today (Universidade do Porto, Oporto, Portugal, 2013), 6749/010.013 (comissariada por curated by victor pinto da fonseca and Pedro Cabral Santo, Plataforma Revolver, Lisboa Lisbon, 2013) Marco Aurélio and Friends - Sete Artistas Ulissiponenses (curated by António Pedro Mendes, Plataforma Revolver, Lisboa Lisbon, 2013), Contextile (Contemporary Textil Art Trienial, Casa da Memoria, Guimarães, Portugal, 2012), Desviar do Olhar (Caroline Pagès Gallery, Lisbon, 2012), PIN ANONIMUM_Useless (Tangencial EXD’11, Lounging Space, Lisbon, 2011) [Re]visitações (Galeria Municipal do Montijo, Portugal, 2011), Espaço _Arte (Centenary of the Lisbon University), Reitoria da Universidade de Lisboa, Lisbon, 2011, Artists Books (Diferença

Gallery, Lisbon, 2010), Encontros da Imagem, curated by Rui Prata, Braga, Portugal, 2010 Small is Beautiful, Caroline Pagès Gallery, Lisbon, 2010, Cabinet d’Amateur, Sala do Veado, National Museum of Natural History, Lisbon, 2010, Espacio Atlantico, Vigo Art Fair (Spain), rep. by Caroline Pagès Gallery, Lisbon, 2010, On Europe, I International Biennial, Montijo, Portugal, 2008, AR.CO Bazar, Belém Cultural Centre, Lisbon, 2008, Papeis, Diferença Gallery, Lisbon, 2008, Diferenças, Diferença Gallery, Lisbon, 2005, 30 x 30, Diferença Gallery, Lisbon, 2004, Sensibilizarte, Communications Museum, Lisbon, 2004, Cabinet de Curiosités, Diferença Gallery, Lisbon, 2001, Lisbon Art Fair (rep. by Diferença Gallery, Lisbon), 2001 Grant Recipients and Finalists 2000, Cordoaria Nacional, Lisbon, 2000, Grant Recipients and Finalists 1999, AR.CO School of Fine Arts, Lisbon, 1999, AR.CO Spring Exhibition, Quinta de São Miguel, Almada/Lisbon, 1998, AR.CO Spring Exhibition, Quinta de São Miguel, Almada/ Lisbon, 1997 Colecções Collections Banco Espirito Santo, Lisbon Montijo Biennial, Portugal Lisbon University, Portugal and private collections in Portugal and France


Imagens da exposição Exhibition views


SUSANA GAUDÊNCIO

SUSANA GAUDÊNCIO, Elsewhere, 2012, site specific installation, variable sizes. Comprised by Houyhnhnm, 2009, Vídeo animation, 3’’07’

Addressing questions about utopia and the main narratives, Elsewhere is a site specific project to ARCO 2012 comprised by Houyhnhnm and Cadmus which are two projects already presented by the artist.

Reviews Author: Miguel Amado 10.23.09-11.20.09 ISE Foundation http://artforum. com/archive/id=24170 http://susanagaudencio.com/houyhnhnm/

“Houyhnhnms” are the acutely rational race that Jonathan Swift envisages as archetypes of purity in Gulliver’s Travels. The reference serves as a counterpoint to the animations, where loaded societal icons inhabit a strange world. Urban spaces, amassed crowds, and orators are rendered in full cinematic action, alongside the colorful and idiosyncratic excesses caused by the animation process.

“Cadmus” represents the formal and programmatic construction of the city according to its maps and organization of its basic needs such as energy and communication.

Houyhnhnm was presented at Res Publica (curated by Leonor Nazaré and Helena de Freitas), CAM – Fundação Calouste Gulbenkian, from October 2010 to January 2011. Reviews José Marmeleira in Público Presented also at ISE Foundation, New York in October 2009. O que ficou do que foi - Álbum São Tomé e Príncipe - Roça Água Izé | 2013 Intervenção sobre impressão a jacto de tinta Intervention on inkjet print 40 x 60 cm


CONCEIÇÃO ABREU (Un)Doing | 2014, Lã tricotada Knitwork, dimensões variaveis variable sizes


CATARINA LEITテグ

CATARINA LEITテグ, sテゥrie Thicket series, 2007, Tinta da China e tinta sumi sobre papel, China and sumi ink on paper, 41 x 30,5 cm


(Estugarda, Alemanha, Stuttgart, Germany, 1970) Exposições individuais Solo shows (selecção selection) Invasive Species (2011, Carpe Diem Arte e Pesquisa. Lisboa Lisbon, Portugal) Flatland (2009, galeria Pedro Cera. Lisboa Lisbon, Portugal) Thicket (2007, Number 35 gallery. Nova Iorque New York, Estados Unidos) Natural Selection (2005, Michael Steinberg – Project Room. Nova Iorque New York, Estados Unidos), Catarina Leitão / Matthew Ronay (2003, Andrea Rosen gallery 2. Nova Iorque New York, Estados Unidos), Natureza Domesticada [Tamed Nature] (2002, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Lisbon, Portugal. A.R.D. Artificial Retreat Devices (2001, Sintra Museu de Arte Moderna - Berardo Collection, Sintra, Portugal) Exposições colectivas Group shows (selecção selection) Multiple, Limited, Unique: Selections from the Permanent Collection of the Center for Book Arts (2011, Center for Book Arts, New York, and travelling accross the USA through 2012) Arqueologia do detalhe, (2011, comissariado por curated by Fátima Lambert, Casa das Artes, Vigo, Spain), Open Book: An International Survey of Experimental Books, (2010, Eastern Michigan University, MI, USA), Pretty Tough: Contemporary Storytelling, (2009, The Aldrich Contemporary Art Museum, CT, USA), We’re all gonna die, (2009, comissariado por curated by Ron Keyson, Sue Scott Gallery, New York), Lá Fora, (curated by João Pinharanda, Museu da Electricidade, Lisbon, Portugal, 2009), Center for Book Arts 2007 Artists in Residence Workspace, (2008, Center for Book Arts, New York) Point of View, (comissariado por curated by Miguel Amado, Museu da Cidade, Lisbon, Portugal, 2007), Four Degrees: Artistic Views on Climate Change, (2007, comissariado por curated by Robert Sweeny, Kipp Gallery, Indiana University of Pennsylvania), The Shape of Things to Come, (2007, comissariado por curated by Marco Antonini, Redhead Space, New York), 50 Years of Portuguese Art, (2007, Calouste Gulbekian Foundation, Lisbon, Portugal), Anatomical Attitudes, (2007, comissariado por curated by Robin Reisenfeld, Heskin Contemporary, New York), En Masse, (2006, Heskin Contemporary, New York) Prevailing Climate, (2006, comissariado por co-curated by Rachel Gugelberger and Jeffrey Walkowiak, Sara Meltzer Gallery, New York), Garden Improvement (comissariado por curated by Jennifer Mcgregor, Wavehill, Glyndor Gallery and Grounds, New York), 501 Lexington, (comissariado por curated by Mckendree Kee, The Roger Smith Lab Gallery, New York), Options and Futures, (PLMJ Foundation Recent Acquisitions, comissariado por curated by Miguel Amado, Arte Contempo, Lisbon, Portugal)

CATARINA LEITÃO, série Thicket series, 2007, Tinta da China e tinta sumi sobre papel, China and sumi ink on paper, 41 x 30,5 cm

Naturalia, (comissariado por curated by Leonor Nazaré, Lagos Cultural Center, Lagos, Portugal. MNH, Leaves of Grass Pillow, (w/ Trong G. Nguyen’ project “HNH”, Tenri Cultural Institute, New York, NY), Greater New York 2005, (2005, P.S.1 Contemporary Art Center, New York) , Relative Density, (comissariado por curated by Leonor Nazaré, Fundação C. Gulbenkian Museum, Lisbon, Portugal) Our World, (comissariado por curated by Julie Peppito, Broadway Gallery, New York) Digressões sobre uma Urbanidade, (comissariado por curated by Miguel Von Hafe Perez, VN Cerveira, Portugal) Field: Science, Technology and Nature, (comissariado por curated by Alyson Baker Socrates Sculpture Park, New York) Freehand, (comissariado por curated by Rachel Gugelberger, Marvelli Lab, New York)


CATARINA LEITテグ, sテゥrie Thicket series, 2007, Tinta da China e tinta sumi sobre papel China and sumi ink on paper, 41 x 30,5 cm


CATARINA LEITテグ, sテゥrie Thicket series, 2007, Tinta da China e tinta sumi sobre papel China and sumi ink on paper, 41 x 30,5 cm


CRISTINA ATAÍDE (Viseu, Portugal, 1951)

SERES FRACTAIS (Galeria Gomes Alves, Guimarães, 2001), MEMÓRIA, com Graça Exposições individuais (selecção) Solo Pereira Coutinho (Casa da Cerca – Centro shows (selection) de Arte Contemporânea, Almada, 2000), ITINERÁRIO DA MENTE PARA A LUZ (d’aprés São SILÊNCIO? com Graça Pereira Coutinho Boaventura) com José Rufino, (comissariada (Sala do Veado, Museu de História Natural, por Fátima Lambert, Mosteiro de S. Bento, São Lisboa, 1998), ORGANISMOS FRÁGEIS (Galeria Paulo, Brasil, 2012), LA MONTAÑA MÁGICA/ Gomes Alves, Guimarães, 1998), VENTRES DER ZAUBERBERG (Galeria Magda Bellotti, EMERSOS (Galeria Trem e Arco, Faro, 1997), Madrid, 2012), LAR, DOCE LAR…/ Home GARDE-FOU (Galeria Graça Fonseca, Lisboa, Swith Home…Instalação/ residência (Carpe 1996), ALGUNS PECADOS E UMA VIRTUDE Diem, Arte e Pesquisa, Lisboa, 2012), FRAMES (Museu do Mosteiro de S. Martinho de E MARES (SESC, Caruaru, Pernambuco, Brasil, Tibães, Braga, 1995), VERMELHO (Galeria comissariada por Carlos Melo, 2011) Gomes Alves, Guimarães, 1995), OPOSIÇÕES SUSPENDER O AR (Casa da Cerca, Almada, (Galeria Graça Fonseca, Lisboa, 1994), 2010), LUGARES DE DERIVA (Museu da Horta, OPOSIÇÕES II (Galeria Fernando Santos, Faial e Museu dos Baleeiros, Lajes do Pico, Porto, 1993), MECANOPLASTIAS (Galeria 2010), WALK WITH ME (Galeria Magda Bellotti, Fluxus, Porto, 1991), MOBILIÁRIO EM PEDRA Madrid, 2009), INTERVALOS DO REAL (Galeria (Galeria Vantag, Porto, 1998), SUPORTES E nova Ogiva, Óbidos, 2009), LUGARES DE DERIVA CONTENTORES (Galeria Barata, Lisboa, 1989) (Galeria Fonseca Macedo, Ponta Delgada, 2009) PENUMBRAS (Galeria Diferença, Lisboa, 1988) (IM)PERMANÊNCIAS II (instalação integrada ESCULTURAS (Fórum de Viseu, 1988), na Exposição Corpo, Densidade e Limites, OBJECTOS (Galeria Barata, Lisboa, 1988) Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Paiol, OBJECTOS (Castelo de Palmela, 1986) comissariada por João Pinharanda, 2009) PEDRAS EM CASTELO (Museu Tavares TODAS AS MONTANHAS/ All the Mountains, Proença Júnior, Castelo Branco, 1984) com Alexandra Oliveira (Galeria Gomes Alves, Guimarães, 2009), “…são bons ESTES LUGARES DE CINZA para a solidão dos pássaros” (Quase Exposições colectivas (selecção) Group Galeria, Espaço T, Porto, comissariada shows (selection) por Fátima Lambert, 2009), MANUAL DE INSTRUÇÕES/ Instructions manual (Galeria FIO CONDUTOR, Galeria Graphos, Rio de Carlos Carvalho – Zoom, Lisboa, 2008), Janeiro, Brasil, 2012, ARTRIO 2012 com TODAS AS MONTANHAS DO MUNDO/ All the Galeria Mário Serqueira, Rio de Janeiro, 2012, Mountains in the world (Giefarte, Lisboa, 2008) P/Arte, Feira de Arte Contemporânea com INWARD (Centro Cultural de S. Lourenço, a Dconcept, Paço das Artes, USP, São Paulo, Almancil, 2008), PÓ DO MEU CORPO/ Dust of 2012, 1ère BIENNALE INTERNATIONALE my body (Galeria Gomes Alves, Guimarães, CASABLANCA, Marrocos, 2012, ARTBO, 2007), DEPOIS TB FLORESCEM (Pavilhão Branco Feira Internacional de Arte de Bogotá com do Museu da Cidade, Lisboa, 2005), FICUS a Galeria Magda Bellotti, Bogotá, 2012, (Giefarte, Lisboa. 2005), DURANTE O RIO/ In MOSTRA COLETIVA DE DESENHO “…( chamo the River (Chiado 8 Arte Contemporânea, silêncio à linguagem-que-já-não-é-órgão-deLisboa e Galeria Fernando Santos, Porto, nada)…” (Quase Galeria, Porto, comissariado 2005), (IM)PERMANÊNCIAS (Galeria LUÍS SERPA por Fátima Lambert), 2012, ARTESANTANDER Projectos, Lisboa, 2003), INSIDE ME (Museu da com Galeria Magda Bellotti (Palacio de Imagem, Braga, 2003), 37º N; 25º W (Galeria Exposiciones y Congresos, Santander), 2012 Fonseca Macedo, Ponta Delgada, 2003) LISBON WEEK, Blind Date, Biblioteca dos COM O SUOR DO ROSTO (Museu Francisco Paulistas, Igreja de Santa Catarina, Lisboa, Tavares Proença Júnior, Castelo Branco, 2002) 2012

ARTE COM POESIA, Teleférico de Guimarães, Guimarães Capital da Cultura, 2012 ARTE VIDEO EM TRÂNSITO- Mostra Lusófona de Vídeo Arte, Fábrica Braço de Prata, Lisboa, 2012, MOMENTO. ACÇÃO 2 (Rute Rosas), Faculdade de Belas Artes do Porto, 2012 COLECTIVA 2011, Galeria Fonseca Macedo, Ponta Delgada, 2012, ESCULTURAS LEVES, Museu de Arqueologia e Etnologia de Setúbal, 2012, PINTA 2011, THE MODERN & CONTEMPORARY LATIN AMERICAN ART com a Gal. Magada Bellotti, London2011, FOTOGRAFOS VIAJATES & VIAGENS DE FOTOGRAFOS, (Plataforma Revolver 2, VPF, Lisboa, comissariada por Fatima Lambert, 2011), II’S A KIND OF LISBON MAGIC (AR-PAB, Lisboa, 2011), INTERVENÇÃO ARTISTICA (Onyria Marinha Hotel & Talasso, Cascais, 2011), INTERVENÇÃO NA PAISAGEM (Safira, Alentejo, 2011), A PROPÓSITO DA NATUREZA (Casa da Cerca, Almada, 2011), OBRAS DA COLECÇÃO DO MUNICIPIO DE ALMADA (Armazém das Artes, Alcobaça, 2011) MUSEU NO FEMININO (Museu Francisco Tavares Proença Júnior, Castelo Branco, 2011) FAC com a Galeria Fonseca Macedo, Lisboa, 2011, COLECTIVA (Galeria Fonseca Macedo, Ponta Delgada, 2011), …AND THEN AGAIN…, Museu da Cidade, Pavilhão Preto, Lisboa, 2010, WELCAME, Laboratório #5, Fundação Ricardo Espírito Santo Silva, Lisboa, 2010, CABINET D’AMATEUR, Museu de História Natural – Sala do Veado, Lisboa, 2010 CASCAIS NATURA- LAND ART, Quinta do Pisão, Cascais, 2010, ARTE EM SEGREDO, FBAUP, Porto, 2010, E TUDO É MAR PORTUGUÊS, Museu F. Tavares Proença Júnior, Castelo Branco, 2010, LAURA, ANTES DE MAIS EXISTEM COISAS MUITO FÁCEIS DE FAZER, Casa Bernardo, Caldas da Rainha, 2010, LIVROS DE ARTISTA, Galeria Diferença, Lisboa, 2010, BIENAL DE ARTES PLÁSTICAS E DESIGN INDUSTRIAL, Marinha Grande, 2010 PIECES AND PARTS, Plataforma Revolver, VPF, Lisboa (curadoria de Elsa Garcia e Miguel Matos) , 2010, MEMORIA PERCIBIDA, Museu de Arte Moderno Carlos Mérida, Guatemala, CCE Miami, EUA [curador Eduardo Reboll] Colecção António Cachola: LISTA DE VERBOS

no MACE – Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2009, ARTE LISBOA 09 com a Galeria Fonseca Macedo, Ponta Delgada, 2009 PORTUGAL, Sociedade Portuguesa de Cardiologia, Vila Moura, 2009, ESCULTURAS LEVES, Convento de S. Francisco, Montemoro-novo, 2009, TRINTA ANOS DE DIFERENÇA-II, Galeria Diferença, Lisboa, 2009, ESTÉTICA SOLIDÁRIA, Associação Abraço, Palácio do Marquês, Lisboa [curador Paulo Reis] , 2009 AQUILO SOU EU/ THAT IS ME, auto-retratos de artistas contemporâneos, Fundação Carmona e Costa, 2008, PERCURSOS, homenagem a M. José Salavisa, Galeria novaOgiva, Óbidos, 2008 LABORATÓRIO AFECTOS, Quinta das Lágrimas, Coimbra, 2008, TRANSFERT (INTEGRATED IN THE CULTURAL FORUM “THE STATE OF THE WORLD”, FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN), (Museu Tavares Proença Júnior, Castelo Branco, comissariada por Leonor Nazaré , 2008), NA COZINHA DOS ARTISTAS/IN THE ARTIST’S KITCHEN,(Centro Cultural São Lourenço, Almancil, 2008), COM O VENTO, intervenção na paisagem, Parque da Lavandeira, Vila Nova de Gaia, 2008), MUSAS, Fórum Cultural de Ermesinde, comissariada por Paulo Reis, 2008), LABORATÓRIO TERRA, Tapada da Ajuda, Lisboa 2006, DENSIDADE RELATIVA, Centro de Artes de Sines, 2006, DESENHOS COM COR E OUTRAS INVESTIGAÇÕES, Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, Almada, 2006 CABINET D’AMATEUR OU ARTE COMO FORMA DE VIDA, Galeria Luís Serpa projectos, Lisboa 2005, DENSIDADE RELATIVA/ RELATIVE DENSITY, CAM, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2005, ARTE NA URGÊNCIA, Hospital de S. Francisco Xavier, Lisboa 5º PRÉMIO AMADEU DE SOUSA CARDOSO, Amarante, 2005, FEIRA DE ARTE CONTEMPORÂNEA, FIL, Lisboa com as Galerias Fernando Santos, Fonseca Macedo e Quattro, 15 ANOS, Galeria Gomes Alves, Guimarães, 2005, 19 SENTIDOS CONTEMPORÂNEOS, Álvaro Roquette, Lisboa, 2004, HORIZONTE, 20 anos [1984-2004] Galeria Luís Serpa projectos, Cordoaria Nacional, Lisboa, 2004, CRIAR UM LUGAR, Metro da Casa da Música pelo Espaço T, Porto


FOTOPORTFÓLIO (20 ANOS), Galeria Luís Serpa, Lisboa, 2005, IV SIMPÓSIO DA PEDRA, Cantanhede, 2005, SIMPPETRA ‘04, Caldas da Rainha, 2004, ARTE CONTEMPORÂNEA, Colecção CGD, Obras de 1968 a 2002, MEIAC; Badajoz, 2003, DESENHO, 19932003, Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, Almada, 2003, A ARTE DOS ARTISTAS, Culturgest, Lisboa, 2003, ARTE CONTEMPORÂNEA, NOVAS AQUISIÇÕES, Colecção CGD - Culturgest, Lisboa, 2002 DESENHO CONTEMPORÂNEO, Instituto Açoriano de Cultura, Angra do Heroísmo 2001, ARCO 2001,Galeria André Viana, Madrid REGRESSO À CONDIÇÃO, Museu Almeida Moreira, Viseu, 2001, ARCO 2000, Galeria André Viana, Madrid, 2000, MOTE E TRANSFIGURAÇÕES, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa, 1999, VI MOSTRA UNION FENOSA, A Coruña [prémio aquisição | acquisition award], P.L.M.J. UMA VISÃO SOBRE OS ANOA 80 E 90, Lisboa, 1999, ARTE CONTEMPORÃNEA DO NORTE DE PORTUGAL, Wiesloch, Alemanha, Amarante e Porto, 1999. CONTEMPORÂNEA DE PONTEVEDRA E FEIRA DE INDUSTRIAS CULTURAIS, Lisboa, com a Galeria André Viana, 1999, A FIGURA HUMANA NA ESCULTURA PORTUGUESA DO SEC. XX, Museu dos Transportes e Comunicações, Porto, 1998, LIVRO DE ARTISTA, Sociedade de Belas Artes, Lisboa e Galerias Trem e Arco, Faro, 1998, SENSIBILIDADES FEMININAS DO NOSSO TEMPO, Palácio Foz, Lisboa, 1998, ECOS DE LA MATERIA, MEIAC, Museo Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemporáneo, Badajoz e and Sala de las Atarazanas, Valencia, 1997, ARCO 97, Galeria Graça Fonseca, Madrid V MOSTRA UNION FENOSA, Estación Marítima, La Coruña [prémio de aquisição | acquisition award], 1997, MARCA 97. Madeira, I SIMPOSIO INTERNACIONAL DE ESCULTURA, Consorcio Escuela del Marmol de Fines (Almeria), 1997 ARCO 96, Galeria Graça Fonseca, Madrid (escultura seleccionada para Recorridos de ARCO | selected sculpture for the Recorridos de ARCO, 1997), PERVERSÕES, Cenários de Design, Fio de Prumo, Porto, 1997, EURO – BILDHAUER – SYMPOSION, Dreieich, Francfort 2ª BIENAL DE ARTE AIP´96, EUROPARQUE, S.

João da Madeira, 1995 ARCO 95, Galeria Graça Fonseca, Madrid, 1995, 6ª BIENAL DE ESCULTURA E DESENHO, Caldas da Rainha [menção honrosa de escultura | honour mention in sculpture]. * ARCO 94, Galeria Graça Fonseca, Madrid, 1994, CONTEMPORARY PORTUGUESE DESIGN´94, Museu Azabu Kogei Kan, Tóquio e | and Design Center do Asia and Pacific Trade Center, Osaka. BATIBOUW, Bruxelas, 1994, A ALMA DAS COISAS, Abação, Guimarães, 1994, DESIGN LISBOA 94, Centro Cultural de Belém, Lisboa * OPSIONS, Estacion del Nort, Barcelona, 1993 II SIMPÓSIO DE FERRO da Amadora, 1993 SALÃO PLAZA MAYOR, Mogar, Madrid, 1993 DESIGN DE INTERIORES, Galeria Vantag, Porto. Cooperativa Árvore, Porto, 1993 PORTUGAL, PIEDRA Y ESCULTORES, Sevilha * Forum Design e Qualidade, Fil, Lisboa, 1992 Cooperativa Arvore, Porto. Galeria Valentim de Carvalho, Lisboa, 1992 ARTE NO FEMININO, Vila do Conde, 1992 ALELUIA 92, Galeria Leo, Lisboa, 1992 MANUFACTURAS, EUROPÁLIA 91, Galeria Theoremes, Bruxelas, 1991, CONSTRUCION 91, Sevilha, 1991, ARTE COM TIMOR, Palácio Galveias, Lisboa, PRÉMIO JOVEM DE ESCULTURA UNICER, Casa de Serralves, Porto e Figueira da Foz, 1997, Galeria Marzee, Nijmegen, Holanda, 1997, ESCULTURAS, Fórum de Lisboa, 1997, MOM´ARTE, Vila do Conde, ARTE CONTEMPORÂNEA, Espaço Poligrupo, Lisboa, 1997, ALGUMAS LINHAS DE FORÇA, Galeria da Universidade de Braga, 1987, I BIENAL DE SINTRA, [Prémio Revelação | Revelation Award], 1987, MARCA 87, Galeria Diferença, Funchal, II BIENAL DOS AÇORES DESIGN, Galeria de Colares, Colares, 1987 TRABALHO MARGINAL DO ARTISTA, Galeria Arte Mixta, Lisboa, 1987, ALELUIA 87, Galeria Leo, Lisboa. Galeria Emi Valentim de Carvalho, Lisboa, V BIENAL DE VILA NOVA DE CERVEIRA COLECTIVA, Galeria de Diferença, Lisboa,1986 OBJECTOS, Galeria de Colares, Colares, 1986 MADEIN OBJECTOS, Galeria Alfarroba, Cascais I BIENAL DOS AÇORES, 1985, PROJECTOS DE ESCULTORES, Galeria Diferença, Lisboa, 1985 NA-TAL-ARTE, Galeria Diferença, Lisboa, 1985


ESCULTURA SOBRE A FALÉSIA, Cabo Espichel, em colaboração com José Pedro Croft , 1984 LOFT, C. C. Amoreiras, Lisboa, 1984, PALÁCIO D. MANUEL, Évora. Galeria,1983 Quadrum, Coruchéus, Lisboa, 1983

ROTTER, Escultura Pública/ Public Sculpture, Parque de Escultura Contemporânea de Vila Nova da Barquinha, 2012 Horizonte, Gandarinha, Cascais, 2007 Esculturas 1 e 2, Cepsa, Fundão, 2007 Homenagem a Ruy Belo, Biblioteca de Rio Colecções Colections Maior, 2004 BANCO ESPÍRITO SANTO, BES, Lisboa Mater Natura, 2004, Cantanhede. “Urpunkt”, CENTRO DE ARTE MODERNA, Fundação 2004, Caldas da Rainha. Calouste Gulbenkian, Lisboa Sem título, 2003, Av. Marechal Carmona, COLECÇÃO ANTÓNIO CACHOLA, Elvas Cascais. COLECÇÃO CASA DA CERCA – Centro de Arte Passagem/ Passage, 2002, Av. Infante D. Contemporânea, Almada Henrique, Cascais. COLECÇÃO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, Silêncio? Câmara Municipal de Santarém. Culturgest, Lisboa Sem título, 1997, Fines, Espanha. COLECÇÃO UNIÓN FENOSA, La Coruña, Escultura Habitada, 1997, Biblioteca Municipal España de Alenquer. FUNDAÇÃO P.L.M.J., Lisboa Painéis de azulejos e paredes, Consultas HOTEL AÇORES LISBOA, Grupo Bensaúde, Externas do Hospital de Ponta Delgada, Lisboa Açores. MUSEU DA CIDADE, Lisboa Caixa IV/ Box IV, 1993, Parque Central e “Caixa V/ Box V”, 1993, Parque Urbano, Amadora Esculturas e projectos em locais públicos / Sombras/Shadows, 1987, Paços do Concelho public esculptures de S. João da Madeira. Correia Garção, Parque dos Poetas, Oeiras Works on a Sculpture of sea cliff (Cape (em colocação) Espichel), together with José Pedro Croft,1984

CRISTINA ATAÍDE Deriva #7 | 2014 Bronze e fio de algodão Bronze and cotton wire, dimensões variaveis variable sizes


SUSANA GAUDÊNCIO

(Lisboa Lisbon, Portugal, 1977) Exposições Individuais Solo shows Época de estranheza em frente ao mundo (Museu Nacional de Arte Contemporânea/Museu do Chiado . Lisboa, Portugal 2012), Studio Animation (Teatro Praga . Lisboa, Portugal, 2011) Chamber of Execution (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2011), Chamber of Invention (Drawing spaces . Lisboa, Portugal, 2011), Chamber of Examination (Galeria Presença . Porto, Portugal, 2010), Agonized Humor II (Mews Project . Londres, England, 2010), Agonized Humor I (NOGO . Lisboa, Portugal, 2010), Stout Cobweb (Maus hábitos – Espaço de intervenção Cultural . Porto, Portugal, 2010), Front Project Space (ISE Fundação Cultural . Nova Iorque, U.S.A., 2009) Mural (Bowery Poetry Club . Nova Iorque, U.S.A., 2010), Blocking (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2009), Agente Provocateur (Carlos Carvalho Arte Contemporânea - Sala Zoom . Lisboa, Portugal, 2007), What time is this place (Chashama Gallery Visual Arts Program . Nova Iorque, E.U.A ., 2005), Mnemónicas de Lugares (Galeria Pedro Cera . Lisboa, Portugal, 2005), Project Room (Centro de Artes Visuais, CAV . Coimbra, Portugal, 2004), A/C #1(Galeria Espaço A/C . Lisboa, Portugal, 2004), Técnicas de Auto-Defesa (Galeria Arte Periférica . Lisboa, Portugal 2001 Exposições Colectivas Group shows O Fim da Violência (Casa Bernardo . Caldas da Rainha, Portugal, 2013), O princípio da inércia Pavilhão Branco do Museu da Cidade . Lisboa, Portugal, 2012), Jugada a 3 bandas (FilipaManuela . Madrid, Espanha, 2012), Arco Madrid (Carlos Carvalho arte Contemporânea . Madrid,

Espanha, 2012), We are pleased to invite you #2 (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2012), Rádio Europa Livre (comissariada por João Fonte Santa, Plataforma Revólver Project. Sala 2 . Lisboa, Portugal, 2011), We are pleased to invite you (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2011), Bio Arte 10+1(Parque Urbano, São Vicente . Madeira, Portugal, 2010), Experimental Film and Vídeo festival (700IS Reindeerland, Islândia Res Publica (comissariada por Leonor Nazaré, Edifício Sede da Fundação Calouste Gulbenkian . Lisboa, Portugal, 2010), Bio Arte 10 + 1 (São Vicente . Madeira, Portugal, 2009), Seven Easy Steps for social Improvement (comissariada por Amanda Schmitt, Galeria Hortin & Lui . Nova Iorque, U.S.A., 2009), Art Salamanca’09 (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Salamanca, Espanha, 2009), NYC Visions (Comissariada por Maurizio Pellegrin, Milbank Chapel and Macy Gallery- Columbia University . Nova Iorque, U.S.A., 2009), A Escolha da Crítica (comissariada por Lígia Afonso, Plataforma Revólver . Lisboa, Portugal, 2009), Bermudas (Galeria 101 . Brooklyn, Nova Iorque, U.S.A ., 2009), Opções e Futuro (Colecção da Fundação PLMJ, Museu da Cidade . Lisboa, Portugal, 2009), Artistas Portugueses Lá For a (comissariada por João Pinharanda, Museu da Electricidade . Organização - Museu da Presidência . Lisboa, Portugal Subletters Gallery (Brooklyn . Nova Iorque, U.S.A. 2008), How we Know (Beta Spaces 08, Arts in Bushwick . Brooklyn, Nova Iorque, U.S.A., 2008), Enganar a fome (Espaço Avenida . Lisboa, Portugal, 2008), Video Art Screening (Monkey Town . Brooklyn, Nova Iorque, 2008), MFA thesis Show (Hunter College, Times Square Gallery . New York, U.S.A., 2008), Artistas Portugueses Lá Fora (Museu da Presidência . Viana do Castelo, Lisboa, Portugal, 2008), CUT!, Monkey Town, Brooklyn, Nova Iorque, U.S.A., 2008), Art Salamanca’08 (Carlos Carvalho Arte Contemporânea . Salamanca, Espanha, 2008), The Equestrian Project, Hunter College,


Imagens da exposição Exhibition views


SUSANA GAUDÊNCIO Chamber of inventions | 2011 Vídeo animação Video animation

Galeria Times Square . Nova Iorque, U.S.A., 2008), Debaixo do tapete (Plataforma Revólver . Lisboa, Portugal, 2007), Dinamia (Espaço Pessegos Prá Semana . Porto, Portugal, 2007), What time is this place (Chashama Gallery Visual Arts Program . Manhattan, New York, U.S.A., 2007), Video Art screening (Movie theater-Pionnear, New York, E.U.A., 2006), Atmosfera no Upgrade! Lisbon, Galeria Lisboa 20 Arte Contemporânea . Lisboa, Portugal, 2004), Opções e futuro 1 Colecção da Fundação PLMJ, (Espaço Arte Contempo . Lisboa, Portugal, 2004), FAL-Lisbon Art Fair (Galeria Pedro Cera . Lisboa, Portugal, 2005), Espaço Bartolomeu 5 (Lisboa, Portugal, 2005), Caminhos de água (Galeria Municipal Montemor-o-Novo . Montemor-o-Novo, Portugal, 2004), Pintura I prémio Rothschild . Sede do Banque Privée, Lisboa, Portugal, 2004), Corner to corner (Convento de S. Francisco . Montemor-o-Novo, Portugal, 2004), Inside in/outside out (Niggendijker Gallery . Groninger, Hollanda, 2002), Pirate radio (Bienal de Liverpool . The Walker Art Gallery, Liverpool, 2002), FAC – Feira de Arte Contemporânea (Galeria Arte Periférica . Lisboa, Portugal, 2001), 46º Salon de Mont rouge, Salon Européen de Jeunes Créateurs . Amadeu de Sousa Cardoso Museum, Paris, Barcelona, 2001), Arco’01 (Galeria Arte Periférica .

Madrid, Espanha, 2001), Pintura (Galeria Castelo 66 . Lagos, Portugal, 2000), FAC (Galeria Arte Periférica . Lisboa, Portugal, 2000), Marca Madeira (Galeria arte Periférica . Lisboa, Portugal Pintura (Galeria Arte Periférica . Lisboa, Portugal, 2000) Prémios Bolsa do Inov-art (Nova Iorque . U.S.A. 2009), 1º Prémio (em colaboração com Tiago Pedroso) Atmosferas, Internet site www.re-cordis.com, 2005, 1º Prémio de pintura 46eme Salon de Mont Rouge, 2001, Salon Européen de Jeunes Créateurs, Amarante, Paris, Barcelona Colecções Collections Fundação Coca-cola, Espanha Fundação PLMJ, Portugal Colecções Privadas


LOURDES CASTRO

Nasce no Funchal, Ilha da Madeira, em 1930 para onde volta em 1983 depois de 25 anos em Paris. Em 1957 estadia em Munique. Em 1958 parte para Paris com René Bertholo. Recebe já aqui uma bolsa de estudo para pintura da Fundação Calouste Gulbenkian tendo como orientador Arpad Szènes. Começa com R.B. a Revista KWY que continua a partir do nº. 6 com Christo, Costa Pinheiro, Escada, Gonçalo Duarte, João Vieira e Jan Voss. Em 72 e 79 esteve em Berlim a convite da DAAD (Deutscher Akademischer Austauschdienst). 1961Assemblages-collages de objectos pintados em alumínio 1962Primeiras sombras em serigrafia, sombras projectadas e contornos de pessoas sobre tela. A partir de 1964 Sombras em plexiglas pintado e recortado à mão. A partir de 1968 Sombras deitadas bordadas em lençóis. A partir de 1973 Teatro de sombras – sombras em movimento Exposições Individuais 1955 - Club Funchalense, Funchal, 1957 - Galeria Diário de Notícias (com René Bertholo), Lisboa, 1964 - Galeria Divulgação (com René Bertholo), Lisboa, 1965 -Galerie Buchholz, Munique, 1966 - Stattliche Kunsthalle, Baden-Baden, 1966 - Galerie Edouard Loeb, Paris, 1967 - Indica Gallery, Londres, 1967 - Gallery 20, Amsterdão, Limhamns Konstförening, Malmö, 1968 - Galerie Handschin, Basel, Galerie Ernst, Hannover, 1969 - Galerie Reckermann, Colónia, Galerie Thelen, Essen, Studio Marconi, Milano, Galerie Lüpke, Frankfurt, 1970 - Gallery 20, Amsterdão, 1970 - Galeria 111, Lisboa, 1971 - Moderna Galeria, Liubliana; 1972 - Galerie National, Praga, Institut für Moderne Kunst, Nuremberga; 1973 - Galerie du Fleuve, Bordéus, Akademie der Künste (com René Bertholo), Berlim; 1974 - Galerie Kontakt, Antuérpia; 1975 - Galerie Nouvelles Images, Lombreuil; 1976 - Museo de Arte Moderno J. Soto, Ciudad Bolivar, Venezuela, 1978 - Galerie Jean Briance, Paris, 1979 - Galeria 111, Lisboa, 1979 - Galeria Zen, Porto, 1980 - Direcção Regional dos Assuntos Culturais, Funchal, Madeira, 1992 - Azulejos, Ratton Cerâmicas, Lisboa, 1992 - Sombras e Chocolates, Galeria 111, Lisboa, 1992 - Tapeçarias, Galeria Tapeçarias de Portalegre, Lisboa, 1992 - Além da Sombra, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1995 - Lourdes Castro-Colagens, Arco, Galeria Municipal de Faro, 1995 - Lourdes Castro et Montrouge au Portugal, Salon de Montrouge, Paris, 1999 - Sombras Projectadas, Galeria Porta 33, Arco 99, Madrid, 1999 - Azul Sombra, azulejo, Casa-Museu Frederico de Freitas, Funchal, 2002 - O Grande Herbário de Sombras, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2003 - Sombras à volta de um centro, Fundação Serralves, Porto, 2005 - À

Sombra, Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, 2009 - Lourdes Castro no CAMB, Palácio Anjos, Algés, 2013 - Lourdes Castro no Teatro D. Maria II, Teatro Nacional D. Maria II, Lisboa Exposições Colectivas (selecção) 1954 - Centro Nacional de Cultura, Lisboa, 1955 - Estudos sobre um Tema de Pintura, Museu das Janelas Verdes, Lisboa, 1955 - Galeria Pórtico, Lisboa, 1959 - V Bienal de São Paulo, Brasil 1960 - Grupo KWY, Universidade de Saarbrücken, SNBA, Lisboa; Galerie Le Soleil dans la Tête, 1960- Paris; Galerie 2000, Bolonha, 1961 - 1ª. Bienal de Paris, 1962 - Le Relief, Galerie XX Siècle, Paris, 1962 - Arte Portuguesa Contemporânea, Colecção Calouste Gulbenkian, Açores e Madeira, 1962 - Autonome Architectur, Stedelijk Museum, DELFT, 1963 - Exposition Européenne de la Serigraphie, Palais de la Défense, Paris, 1964 - Illustrationen, Staatliche Kunsthalle, Baden-Baden, 1964 - Cinquante ans de collages, Musée des Arts Decoratifs, Paris, 1964 - Salon de Mai, Paris, 1964 - Salon de la Jeune Peinture, Paris, 1965 - La Fête à la Joconde, Paris, 1964 - Fête Garderobe, Arcueil , 1964 - Salon de la Jeune Peinture, Paris, 1966 -Schèmes 66, Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, 1966 -Salon de la Jeune Peinture, Paris, 1967, Aktual Art International, San Francisco Museum of Art, 1967 - VI Biennale di S. Marino, Nuove Tecniche d’Immagine, 1967 - Salon de la Jeune Peinture, Paris, 1967 -Salon de Mayo, La Havana, 1967 - Superlund, Lunds Kunsthall, Suécia, 1967 - Objects 67, Galerie Mathias Fels, Paris, 1968 - Ars Multiplicate, Kunsthalle, Colónia, 1968 - Art Vivant, Fondation Maeght, S. Paul de Vence, 1968 - Three Blind Mice, Stedelijk van Abbemuseum, Eindhoven, 1968 - Biennale Internationale del’Estampe, Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, 1968 Galeria Galetea, Buenos Aires, 1968 - Galeria 212, Belgrado, 1968 - Livres de Peintres, Victoria and Albert Museum, 1968 - Art Expérimental, Musée d’Art et d’Industrie, St.Étienne, 1969 - Distances, ARC, Paris, 1969 - Sérigraphies, La Hune, Paris, 1969 - Naissance d’une Collection, Mus+ee Cantini, Marselha, 1969 -Moderne Kunst aus Privatbesitz, Kunstverein, Hannover, 1969 - Festival NON ART, dans le monde entier, 1970 - Europlastic, Grand Palais, 1970 Modern Fransk Grafik, Finlândia, 1970 - Cordonnées Nouvelles, Musée des Beaux Arts, Nantes, 1971 - Multiplication, Södertälje Konsthall, Suécia, 1971 - Expositio 10 ans d’Art Portugais à Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, 1972 - Bienal Internacional de Gravura de Ljubljana, Paris, 1973 - Bienal Internacional de Gravura, Cracóvia, 1974 - Arts Festival for Democracy in Chile, Royal College of Art, Londres, 1974 - Bienal Internacional de Gravura, Tóquio, 1975 -Stamp Art, Utrecht, Holand, 1975 - Bienal Internacional de Gravura, Veneza, 1975 - Visuele


LOURDES CASTRO Grande herbรกrio de sombras, Datura | 1972 Fototipia Phototypography, 65,5 x 50,5 cm


Poësie, den Haag, 1976 - Bienal Internacional de Gravura, Noruega, 1977 - Feira Internacional do Livro, Leipzig, 1977 - Boîtes,ARC, Paris, 1977 - Bienal Internacional de Gravura, Bradford, Irlanda, 1978 - Lourdes Castro de Madère, TV francesa (D’un pays à l’autre, Portugal), 1978 - Festival Internacional de Desenho, Christchurch, Nova Zelândia, 1979 - Daum, 100 ans de création dans le verre et le cristal, Musée des Beaux Arts, Nancy, 1979 -Renaissance de la Pâte de Verre, Paris, 1979 - LIS’79 Exposição Internacional de Desenho, Portugal, 1979 - L’Ombra, Casa del Mantegna, Mantova, 1980 - Metronom, Mail Art, Barcelona, 1980 - Photocopies, Galerie Forain, Paris, 1981 - Pintura Portuguesa Contemporânea, Museu Luís de Camões, Macau, 1981 - Nuove Cartoline, Roma, 1981 - XVI Bienal de S. Paulo – Arte Postal, 1982 - The Magic Show, International Mail Art Exhibition California, Contemporary Art Forum, St. Barbara, 1982 - La Carte Postal d’avant garde, Paris, 1983 - Mediarte, Comune di Genova, 1983 - Art against Apartheid, Paris, Suécia, Finlândia, Dinamarca; 1984 - Galeria 111, 20 Anos, Lisboa, 1984 - Mail Art, Wiener Secession; 1985 - Mail Art, Postmuseum, Estocolmo, 1985 - Diálogo, CAM; 1986 -1ª. Exposição Internacional de Esculturas Efêmeras, Brasil; 1987 -Bilder und Bücher, 20 Jahre Rainer Verlag, Berlim; 1988 -Vraiment Faux, Fondation Cartier; 1989 - Visual Poetics, Museum of Contemporary Art, Brislane, Austrália, As Cores da Revolução, Palácio da Ajuda; 1991 - Artistes Portugais dans les Collections Privées en Belgique, Musée de Louvainla-Neuve, 1991 - Tapeçarias de Portalegre, Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa; 1992 - Livros de Artista, Assírio & Alvim, The Normal Museum e CML; 1994 - Colecção Manuel de Brito-Imagens da Arte Portuguesa do Século XX, Museu do Chiado, Lisboa; 1995 - Colecção Manuel de Brito-Imagens da Arte Portuguesa do Século XX, Leal Senado, Forum, Macau, 1995 - Artistas Portugueses do Século XX, Casa do Povo, Cidade Proibida, Pequim, 1995 - Colecção Manuel de Brito-Imagens da Arte Portuguesa do Século XX, MASP, Museu de Arte de São Paulo, 1995 - Colecção Manuel de Brito-Imagens da Arte Portuguesa do Século XX, MAM, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; 1996 - Galeria 111, Lisboa, 1996 - Galeria 111, Porto, 1997 - Signos, Símbolos, Siluetas, Sombras, Nouveau Realisme, Nouvelle Figuration, Palácio Municipal de Exposiciones Kiosko Afonso, Corunha; Faculdade de Belas Artes, Pontevedra; 1997 - Galeria 111, Lisboa, 1997 - Marca 97-Madeira, Funchal, 1997 - Pop’60s, Centro Cultural de Belém, Lisboa; 1998 - Arte Contemporânea Anos 60/90, Galeria 111, Porto, 1998 - Arte Portuguesa Anos 60/90, Galeria 111, Lisboa, 1998 - XXIV Bienal de S.Paulo (participação portuguesa de Lourdes Castro e Francisco Tropa), 1998 - III Bienal A I Portuense, Europarque, Santa Maria da Feira; 1999 - Exposição inaugural CIRCA 1968, Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto, 1999 - Arco 99, Galeria Porta 33, Madrid, 1998 - A Indisciplina do Desenho, Fundação Cupertino de Miranda, Vila Nova de Famalicão, 2000 - A Indisciplina do Desenho, Museu de José Malhoa, Caldas da Rainha e Museu de Aveiro, 2000 - Festival de Arte Contemporânea – Marca-Madeira 2000, Funchal , 2002 - Azulejos-12 Artistas Portugueses Contemporâneos, Galeria da Livraria Portuguesa, Macau, 2002 - Arte Contemporânea – Novas Aquisições, Colecção Caixa Geral de Depósitos, C.G.D., Lisboa e Porto; 2002 - Colecção Berardo Pop Arte & Companhia, Museu de Sintra; 2003 - Arte Contemporânea – Novas Aquisições, Colecção Caixa Geral de Depósitos, MEIAC, Badajoz; 2006 - Exposição Inaugural do CAMB, Palácio Anjos, Algés, 2006 - ANOS 60, CAMB, Palácio Anjos, Algés; 2007 - Exposição Inaugural, Museu Colecção Berardo/CCB, Lisboa; 2008 - Não te posso ver nem pintado, Museu Colecção Berardo/CCB, Lisboa, 2008 - ANOS 70, CAMB, Palácio Anjos, Algés, 2008 - À Volta do Papel, CAMB, Palácio Anjos, Algés, 2008 - Florae, Galeria 111, Porto, 2008 - De Miró a Warhol – A colecção Berardo em Paris, Museu de Luxemburgo – Museu do Senado Francês, Paris; 2009 - De Malangatana a Pedro Cabrita Reis, Obras da Colecção Caixa Geral de Depósitos, Centro Cultural e Congressos, Caldas da Rainha, 2009 - Anos 70 Atravessar Fronteiras, CAM, F.C.G., Lisboa, 2009 - A Experiência da Forma – Um Olhar sobre o Museu de Arte Contemporânea I, Centro das Artes – Casa das Mudas, Calheta, Madeira; 2010 - À Luz da Sombra, Lourdes Castro e Manuel Zimbro, Museu

de Arte Contemporânea de Serralves, Porto, 2010 - Por Paris, CAMB, Palácio Anjos, Algés, 2010 - Linguagem e Experiência, Centro Cultural Palácio do Egipto, Oeiras; 2011 - Arca de Noé, CAMB, Palácio Anjos, Algés; 2012 -Amigos de Paris Lourdes Castro, René Bertholo, José Escada, Jorge Martins, Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva, Lisboa, 2012 - Hortus Botanicus, CAMB, Palácio Anjos, Algés, 2012 Riso – Uma exposição a sério, Fundação EDP, Museu de Electricidade, Lisboa, 2012 Teatro de Sombras 1973/74 “Pic-Nic à Sombra, Contorno e Noite e Dia”, Anvers; Amsterdão (Melkweg); Aache; Hannover; Théatre d’Orsay Renault Barrault, Paris; 1975- “As Cinco Estações”, Festival de Outono, Museu de Arte Moderna, Paris; 1976 - “As Cinco Estações”, Museu Soto, Ciudad Bolivar; Museu de Belas Artes, Caracas, 1977 - “As Cinco Estações”, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Porto; Funchal, 1978 - Teatro Bibiena, Mantova; Trieste; 1979 - Berlim 1980 - Staatsmuseum, Munique, 1981 - “Linha de Horizonte”, Estrasburgo; Veneza, 1982 Neue Alte Oper, Frankfurt; Centre Georges Pompidou, Paris, 1985 - Centro de Arte Moderna, Lisboa; Bienal de São Paulo Prémios 1995 - Medalha do Conselho Regional do Salon de Montrouge, Paris; 2000 - Grande Prémio EDP, Lisboa, 2004 - Prémio Celpa/Vieira da Silva, Lisboa, 2011 - Prémio AICA/ Ministério da Cultura 2010 (Artes Visuais), Lisboa Bibliografia (Selecção) 1969 - Udo Kultermann, “Neue Formen des Bildes”, Wasmuth Verlag; 1971 - Mahlow, “Le Choc de la Fascination”, Colóquio Artes Nº. 5, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1973 Pierre Restany, “Le Plastique dans l’Art”, Édition André Sauret, Paris; 1992 - Lourdes Castro, “Além da Sombra”, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; 1997 - João Pinharanda, “Pinturas com Luz – Alguns Pintores Portugueses Contemporâneos”, Edição EDP, Lisboa; 2001 - Ana Marques Gastão, “Lourdes Castro”, entrevista, suplemento Diário de Notícias Nº.233; 2003 - Lourdes Castro, “Sombras à volta de um Centro”, textos de João Fernandes e Manuel Zimbro, editora Assírio & Alvim; 2005 - Adelbert von Chamisso, “A História Fabulosa de Peter Schlemihl”, com sombras de Lourdes Castro, editora Assírio & Alvim Colecções (selecção) Victoria e Albert Museum, Londres Museu de Arte Moderna, Havana Moderna Museet, Estocolmo Musée Cantini, Marselha Ludwig Forum für Internationale Kunst, Aix-la-Chapelle Von der Heydt Museum, Wuppertal Museu de Arte Moderna, Belgrado Museus Nacionais de Varsóvia, Vroclaw e Lódz Museu de Arte Moderna J. Soto, Cidade Bolívar, Venezuela Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Museu Internacional de Electrografia, Cuenca, Espanha Museum of Drawers, Herbert Distel, Berna Fundação de Serralves, Porto Museu Colecção Berardo, Centro Cultural de Belém, Lisboa


LOURDES CASTRO Grande herbรกrio de sombras, Tomateiro | 1972 Fototipia Phototypography, 65,5 x 50,5 cm

LOURDES CASTRO Grande herbรกrio de sombras, Echium | 1972 Fototipia Phototypography, 65,5 x 50,5 cm


Nas imediações do desenho “Drawing is a verb.” Richard Serra Concebida originalmente para servir como um

estímulo de ideias para a execução do trabalho do artista, a obra “Verb List” (1967/68) de Richard Serra procura esgotar todas as acções directas passíveis de serem executadas com os materiais. Este guia de possibilidades da prática artística vem mostrar que o desenho pode ser uma acção física no espaço e no tempo e também uma conceptualização de ideias pensadas para a prática. “Verb List” revela como o desenho está implícito na acção, porque é a consequência da mudança que foi provocada pela acção sobre o material - a execução do fazer sobre o material devolve o desenho . Este suporte é fundamental para perceber as características de massa e volume do material que sofreu alterações através da acção. O desenho é expressão do acto de fazer - como actividades centrais do ser humano, ambos têm mesmo princípio - que pode assumir variadas formas mas que tem a ideia como ponto comum: “Tudo o que podemos projectar em termos do desenho – ideias, metáforas, emoções, linguagem, estruturas, resultam do acto de fazer”. O trabalho de Richard Serra enforma, de um modo mais afirmado e consistente, a ideia de que o desenho não termina na folha de papel mas é em si um referencial na análise das coordenadas do espaço perceptivo , como a fluência entre os corpos, o peso, a estrutura ou a escala. Isto quer dizer que, para o artista, o desenho é um ponto de contacto com a experiência física do trabalho artístico que lhe permite receber informações resultantes da percepção, que é fundamental para o desenvolvimento da prática. Deste modo, mais do que resultado pictórico, o desenho pode ser experiência, acção, conceptualização e com este pressuposto abrem-se perspectivas sobre o que o desenho pode ser. A expansão da obra de arte por via de uma prática da performance nos inícios dos anos

60 permitiu uma viragem estrutural para a ideia de arte enquanto experiência física fora da sala de museu . E dentro de um contexto de exponenciação e alargamento da prática, o desenho retira-se do seu papel acessório e preparatório e é questionado no que diz respeito ao seu formato, âmbito, limites ou função . Mais vertiginosamente se sente este princípio de subversão pelas características intrínsecas do desenho permitindo que este flua e se interseccione com vários suportes. E é neste campo de indefinição que começam a surgir artistas que pressionam as fronteiras do desenho polarizando-o e convertendo-o num campo de possibilidades. Exemplos deste alargamento de fronteiras da experiência física da linha são “Spiral Jetty”, 1970, de Robert Smithson, executando linhas numa área gigantesca que cobre Great Salt Lake nos Estados Unidos ou “England”, 1968, de Richard Long, que percorreu um campo de flores marcando linhas no chão com os pés. É também a experiência da acção enquanto linha em movimento que poderemos ver nos vídeos iniciais de Richard Serra como “Hand Catching Lead”de 1968. A prática artística actual prevê um critério de ultrapassagem de bases tradicionais e de desmistificação de convenções, sobretudo no que se refere à não circunscrição de um suporte único. Esta modificação não decorre apenas do uso do material mas da subversão do processo habitual da produção artística. Neste processo está subjacente a ideia básica de que “o desenho consiste em riscar com um material que produz cor uma superfície lisa de papel, pressupondo que a cor produzida pelo material é diferente da cor de fundo que a vai conter” ou ainda que “o desenho é a planificação sobre a tela das áreas que vão receber a cor para resultarem numa pintura”. Esta ideia de desenho como antecâmara da obra final, assumindo atribuições funcionais de subalternização a outro suporte, sofreu um realinhamento quanto ao modo de produção em si próprio e também quanto à relação com outros meios – escultura, pintura, vídeo, performance.

A expansão do desenho beneficia do facto deste se ter debatido com a necessidade de autonomia em relação àquilo que seria uma prática preparatória, porque, não estando consagrado a um estatuto ou não tendo o peso de um estatuto, foi mais permeável ao abandono do uso exclusivo do suporte único e da desvinculação da obra à materialidade. Logo, pelas suas características específicas, o desenho flui relativamente a todos os suportes, expondo a sua hibridez e facilidade de relação com outros meios. Este debate tornou-se fundamental para entender-se o desenho como um meio de ligação mais imediato ao conceito, ao gesto e à mão, isto é a um espaço que é o da ideia e o da conceptualização. “Nas imediações do desenho” mostra como a linha pode assumir características específicas de transgressão para outros meios através de um núcleo de artistas que entendem o desenho como ponto estratégico fundamental para o desenvolvimento dos seus trabalhos. Parte destes compreende que a incursão para outros suportes é uma forma de perceber e analisar princípios presentes no desenho. Noutros, este meio envolve-se num outro processo para voltar à forma bidimensional já com outra condição. Comum a todos, é a consciência de que o desenho permanece, seja ele apresentado através do papel, da imagem ou da matéria. É nestes termos que utilizam outras práticas para pensar este suporte enquanto processo autónomo e com identidade própria. Por isso esta exposição atenta a um conjunto de questões como a de perceber de que modo é que o desenho é uma base de construção incontornável da produção artística que não se esgota no seu suporte quando se estende para outros meios? De que modo é que a deriva acontece preservando a autonomia e identidade do desenho? Como se debatem questões inerentes ao desenho através de outros suportes? A exposição procura focar-se na evolução do entendimento sobre o desenho em que se

podem intercruzar a escultura, a instalação ou a vídeo-projecção, sem restrições a uma folha de papel. Mostra trabalhos que exploram uma relocalização deste suporte e afastamento da sua esfera natural, verificando-se uma consequente readequação de ideias. Por isso estas obras são uma negação tanto da prática como um fim em si mesma, como da lógica convencional do encadeamento da produção artística. A exposição procura debater os processos e resultados do desenho e o modo pelo qual este é pensado como obra final mas mostrado através de outros suportes. Sair da folha de papel é um posicionamento estratégico que permite a estes artistas questionarem e desenvolverem questões inerentes a este. Por isso podem ser mostradas na exposição algumas das variantes do que a linha pode ser. Nas esculturas de Cristina Ataíde a linha tridimensional é colocada no espaço real e enforma uma acção de ligar dois objectos. E este gesto simples de ligar um objecto ao outro constitui o princípio mais básico de conhecimento visual. E é essa ideia de relacionamento entre as coisas que trata Isabel Brison, produzindo um espécie de storyboard de desenhos e anotações, críticas, relações com a palavra escrita que a artista contrapõe com o desenho. As folhas são desenhos diagramáticos, esquemas, mapas de pensamento que enformam comentários visuais a um discurso pré-existente. E estando estes desenhos dispostos em forma de montagem sobre uma mesa, o que resulta é uma associação e uma ordenação dos conteúdos para com estes mostrar um pensamento. A série Thicket expõe o modo como o uso do desenho é uma estratégia transversal a todo o trabalho de Catarina Leitão. Já Mónica de Miranda subverte o que seria a concepção do desenho enquanto um acto de riscar sobre uma superfície; a acção subjacente ao acto de desenhar é a perfuração o que contém em si ressonâncias psicológicas que são exploradas pela artista. Os trabalhos de Lourdes Castro da série


“Grande herbário de sombras” resultam de um processo heliográfico, próximo das primeiras experiências que conduziram à invenção da fotografia, interseccionando a imagem com o desenho. Através da sombra, a linha actua no espaço obrigando o desenho a ser pensado numa dimensão projectual. A luz desenha sobre o negro da grafite nos desenhos de Paulo Lisboa e produz um conjunto de formas abstractas, sem referente real, e pertencentes à imaginação. No vídeo “Plateau” a luz que resulta da perfuração de uma película expõe a lâmpada que está no interior da câmara através de um mecanismo em tudo semelhante a uma pin-hole. O resultado são desenhos de projecção de luz diferentes entre si, conteúdo cuja autoria é designada, não por uma fonte única, mas pelo que resulta de um mecanismo construído pelo artista. Também no trabalho de Teresa Henriques o conteúdo resultou da acção da máquina sobre o movimento do papel; a autoria da artista advém da situação que esta provocou, não sendo resultante de uma opção directa. Alexandra do Carmo questiona a relação do artista com o exterior e o espaço de atelier na prática do trabalho artístico, usando a sequência dos desenho para encontrar paralelismos nos diferentes momentos da acção dos seus vídeos ou das peças sonoras. Intercala com espaços de intervalo que instigam o observador a imaginar o desenho através de informação que vem do áudio ou da imagem. O desenho permite tecer relações profundas entre o espaço do observador e a consciência do artista, obrigando a um percurso mais introspectivo e intimista, pertencente ao domínio do privado. O conjunto de trabalhos da artista fornece imagens cinemáticas porque advém de uma sequência contínua, embora transparecendo não uma história com início, desenvolvimento e fim mas um caminho que reflete um trecho áudio. Susana Gaudêncio funde o movimento e a linha na vídeo-animação “Chamber of invention”, encontrando semelhanças entre

o gesto de desenhar - no movimento da linha no papel – e o movimento gerado pela animação. Luís Nobre trabalha através de uma selecção, distribuição, conectando elementos, materiais, estilos e práticas e dispostas num modo de apropriação espacial e mapeamento conceptual que decorre do mesmo princípio de acção e gesto mostrados no desenho. O desenho existe também sob a forma de infra-texto, um conteúdo residual, que poderemos ver nas relações entre os objectos, nas escolhas e na mediação do artista ao apropriar-se do espaço. Existem níveis de aglutinação ou de espaçamento que contam como desenho e podem traduzir-se num mapa de disposição de objectos que obedece a critérios que são apenas do artista. É um desenho de exposição de obras, que joga entre texturas, recortes e traços. Luís Nobre mostra as várias dimensões da linha: esta tanto pode ser encontrada num vaso de cerâmica, em imagens de representações do passado ou do presente ou dentro de uma fotografia, podendo percorrer diversos quadrantes temporais e estilos. Estes referentes, desconectados do seu sentido inicial, são retirados do contexto, e aglutinando-se e transmutando-se dão origem a outros discursos. Conceição Abreu torna visível a importância do desenho enquanto compreensão do espaço físico, não só traduzindo a linha tridimensional numa superfície tecida, como demonstrando a sua importância para fornecer respostas perceptivas. A relação entre o desenho no trabalho da artista devolve-lhe coordenadas sobre o relacionamento entre o observador, a obra e o espaço onde esta é mostrada. A exposição é uma celebração do desenho enquanto meio primordial e um processo obrigatório na construção e mapeamento de ideias. Mostra esse lugar imediatamente próximo do desenho, as imediações, esse lugar de passagem entre dois ou mais meios, sem um grande

distanciamento projectual objectivo em relação à obra final. Comum a estes artistas está a desobrigação de seguir uma prática convencional do desenho, o não confinamento a uma folha de papel e a transgressão estratégica para outros suportes. Sair do desenho é um modo de pensar dentro do desenho. Why is drawing an essential part of the construction of artistic production? How drawing extends to other media? How does that extending happens preserving the autonomy and identity of the drawing? How does artists think about drawing issues using other media ? Nas imediações do desenho/ surrounding drawing shows a group of artists who understand drawing as a strategic point to the development of their work . Part of these artists think that exploring other media is a way to perceive and analyze questions about drawing. Others explore other processes to return to the two-dimensional and in that case drawing is shown with another condition. Common to all is the awareness that drawing is everywhere, whether submitted through the paper, image or matter. Therefore these artists use other practices to consider this medium as a separate process with its own identity.

Agradecimentos:


CARLOS CARVALHO ARTE CONTEMPORÂNEA Rua Joly Braga Santos, Lote F R/C 1600 - 123 Lisboa Portugal Tel.+(351) 217 261 831 | Fax+(351) 217 210 874 carloscarvalho-ac@carloscarvalho-ac.com www.carloscarvalho-ac.com Artistas Artists Ricardo Angélico | José Bechara | Daniel Blaufuks Catarina Campino | Mónica Capucho | Isabel Brison | Carla Cabanas Manuel Caeiro | Alexandra do Carmo | Paulo Catrica | Sandra Cinto Roland Fischer | Javier Núñez Gasco | Susana Gaudêncio Catarina Leitão | José Lourenço | José Batista Marques | Mónica de Miranda Antía Moure | Álvaro Negro | Luís Nobre | Ana Luísa Ribeiro | Richard Schur Eurico Lino do Vale | Manuel Vilariño Horário Seg-Sex 10h00-19h30 Sáb 12h00- 19h30 Open Mon- Fri 10am-7:30pm Sat 12am-7:30pm Google Map © Carlos Carvalho Arte Contemporânea Imagens/Images: ©Carla Cabanas A galeria no / Follow us on Facebook | Flickr | Issuu


Nas imediações do desenho  

Group show | ALEXANDRA DO CARMO | CATARINA LEITÃO | CONCEIÇÃO ABREU | CRISTINA ATAÍDE | ISABEL BRISON | LOURDES CASTRO | LUÍS NOBRE | MÓNICA...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you