Issuu on Google+

Varas e postes preservados Madeira serrada para estruturas e carpintaria Paletes e embalagens em madeira Monte Redondo | Soure 0DQXWHQomRHJHVWmRGHĂ€RUHVWDV www.pedrosairmĂŁos.com &RPSUDPRVĂ€RUHVWDVGHSLQKDOHHXFDOLSWDO Telef.: 244 685 167

PREÇO 0,75\ | 2ÂŞ SÉRIE | ANO 13 | NÂş 671 | 25 ABRIL DE 2013 SEMANĂ RIO Ă€ QUINTA-FEIRA | EDIĂ‡ĂƒO COIMBRA DIRECTORA LINA VINHAL | www.campeaoprovincias.com | telef. 239 497 750 | fax 239 497 759

Sindicalismo com IndependĂŞncia 32552

32822

31670

Felicita o “CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ€? pelo seu aniversĂĄrio

Rua Ferreira Borges, 48 Rua Visconde da Luz, 41 COIMBRA 32507

HĂĄ 50 anos a cuidar da sua visĂŁo!

YLYFXOWLÀRU#VDSRSWZZZYLYHLURVFXOWLÀRUSW Telef.Fax.: 233 959 785 - Telem.: 916 255 387 / 963 284 156 E.N. 109 Vieirinhos - 3105-069 Carriço

HĂĄ “o riscoâ€? de o MP ser “uma cabeça sem braçosâ€?

CUIDE E PROTEJA A SUA PRĂ“TESE DENTĂ RIA Av. FernĂŁo de MagalhĂŁes, 411 - 2.Âş Sala I 3000-177 Coimbra 7HOHI_(PDLPDULGHQWH#JPDLOFRP

Felicita o “CampeĂŁo das ProvĂ­ncias pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

Catraia S. Paio - 3400-002 Oliveira do Hospital Telef.: 238 604 438 - 238 603 638 - Fax: 238 603 236 (PDLOJHUDO#ROLVHLSW_ZZZROLVHLFRP

Mediação 3UR¿VVLRQDO de Seguros Mediação Seguros, Lda.

Felicita o “CampeĂŁo das ProvĂ­ncias pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

Rua Dr. AntĂłnio JosĂŠ Almeida, 329 - Loja 10 3000-045 Santo AntĂłnio dos Olivais - Telef.: 239 482 571 - Fax: 239 484 722 7HOHPVHUJLR#VHUJLRPDOGRQDGRVHJXURVSW

Spiderman, tornou-se um dos Ă­cones desta famosa ilha espanhola, onde faz a sua SHUIRUPDQFHGXUDQWHKRUDVDĂ€R PĂĄgina 09

32898

É de Coimbra o ícone de Ibiza

Continua na pĂĄgina 03

32896

Pedro Carvalho 933 390 228

32837

LINO VINHAL

O “CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ€? assinala com a presente edição o seu 13Âş aniversĂĄrio, nesta sua nova sĂŠrie. Para nossa GLÂżFXOGDGHPHWDGHGHVWHVDQRVIRLYLYLGD Um indivĂ­duo, residente em Coimbra, foi condenado, na em perĂ­odo de crise cada vez mais profunda. JĂĄ em 2007 os sinais, neste sector, semana passada, a 42 meses de prisĂŁo, pena cuja execudeixavam antever um futuro de preocu- ção foi suspensa, devido a autoria de um crime continuaSDomRTXHVHFRQÂżUPRXHDJUDYRXPXLWR do de burla qualificada, e terĂĄ de indemnizar em 40 000 para alĂŠm do que entĂŁo seria expectĂĄvel. PĂĄgina 04 Devemos por inteiro aos leitores e euros um lesado, apurou o “CampeĂŁoâ€?. anunciantes o termos mantido a nossa puJuiz conselheiro adverte blicação regular semanal, sem cedĂŞncias QDOLQKDHGLWRULDOTXHQRVMXVWLÂżFDFRPR XPMRUQDODWHQWRDRXVRGDres publica e dos dinheiros pĂşblicos que alguns sectores da sociedade gerem a seu belo prazer, muitas vezes sem rigor e algumas em proveito prĂłprio. Queremos agradecer a O juiz conselheiro JosĂŠ Santos Cabral, ex-director nacional da PolĂ­cia JudiciĂĄria, esses nossos leitores e aos nossos anunciantes o apoio dado ao longo destes anos alerta para “o riscoâ€? de o MinistĂŠrio PĂşblico (MP), entidade titular da acção penal, ser HWXGRIDUHPRVSDUDPDQWHUHVWHFDPLQKR “uma cabeça sem braçosâ€?. PĂĄgina 13 de isenção, de independĂŞncia e de rigor Vidas (d)escritas TXHMXVWLÂżFDDQRVVDH[LVWrQFLD2IDFWR Paulo Eno de todas as situaçþes por nĂłs levantadas e tratadas como susceptĂ­veis de censura VRFLDO H Mi MXOJDGDV HP WULEXQDO WHUHP É de Coimbra, mas considera-se um cidadĂŁo do mundo, que jĂĄ levou a sua arte PHUHFLGR WDPEpP FHQVXUD pWLFRMXUtGLFD como performer a mais de 60 paĂ­ses. Paulo Eno, que tem uma vida dedicada Ă  arte ĂŠ a prova daquele rigor que impomos a contemporânea e de vanguarda, correspondeu-se com Ă lvaro Cunhal, foi aluno nĂłs prĂłprios. de Karlheinz Stockhausen e modelo de Karl Lagerfeld. Actualmente, como Ibiza

32897

MĂŠdico dos HUC burlado por radiologista em dezenas de milhar de euros

E os pobres, senhores?

32299

ClĂ­nico iludido com supostos negĂłcios no ramo imobiliĂĄrio

E D I T O R I A L

Jorge Silva Rodriges SĂłcio Gerente

CHĂƒO DE GAIA 3100-084 ALBERGARIA DOS DOZE

Telef.: 236 931 556 Telem.: 966 829 724

32887

30721

PUBLICIDADE

condomínios e serviços Gerência: Amândio Santos

ZZZPDUYLMDUGLPFRP

SERVIÇOS DE JARDINAGEM CONSTRUĂ‡ĂƒO E OBRAS PĂšBLICAS, LDA.

* Consigo desde 1993 * Garantias: Responsabilidade Civil

Rua de SĂŁo TomĂŠ, n.Âş 994 MARVĂƒO - 3060-290 CovĂľes - Cantanhede Telef./Fax: 231 950 779 - Telems.: 939 959 629 / 939 950 779

Rua Cidade Santos, 35 - r/c - A MONTE FORMOSO - 3000-112 COIMBRA

31316

(PDLOJHUDO#PDUYLMDUGLPFRP

32841

SURSRVWDFRPXP#VDSRSW

ZZZSURSRVWDFRPXPSW 239 495 451 239 491 244 967 070 666 - 910 152 462

32517


POLĂ?TICA

2

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

LousĂŁ

'HEDWHVREUHR(VWDGRHFRQĂ LWRVVRFLDLV

Daniel Rodrigues (PSD) opþe-se a Luís Antunes (PS) Luís Antunes, que preside à Câmara Municipal da Lousã, foi aprovado, por unanimidade, pela Concelhia do PS, para liderar a candidatura socialista nas próximas eleiçþes autårquicas. Líder do PS local, Antunes sucedeu a Fernando Carvalho que, em 2011, após 12 anos em funçþes autårqui-

cas, renunciou à liderança da edilidade. Coesão social, emprego e educação são prioridades apontadas pelo candidato socialista. Para contrariar a eleição de Luís Antunes, o PSD faz avançar Daniel Rodrigues, jurista, 43 anos, deputado na Assembleia Municipal.

“LousĂŁ Mais Forteâ€? ĂŠ o lema da candidatura socialdemocrata, aberta a independentes que se identifiquem com um projecto de mudança. “A LousĂŁ tem perdido protagonismo regional e precisa de voltar a ser um local de referĂŞncia, no desenvolvimento econĂłmico, DWUDYpV GD Ă€[DomR GH HP-

presas e serviços, geradoras de empregoâ€?, constata Daniel Rodrigues. PSD e CDS/PP estĂŁo a ultimar a preparação de um lista conjunta Ă  Câmara Municipal da LousĂŁ que, embora liderada por Rodrigues, deverĂĄ integrar elementos dos dois partidos, soube o “CampeĂŁoâ€?.

Coimbra

Movimento realiza “Jornadas cidadĂŁsâ€? O movimento “CidadĂŁos por Coimbraâ€?, patrocinador de uma candidatura independente Ă  Câmara local, realiza, domingo (28), no ConservatĂłrio de MĂşsica, um evento denominado “Jornadas cidadĂŁsâ€?. O homem ou a mulher TXHYLHUDSHUĂ€ODUVHSDUDD

presidĂŞncia do MunicĂ­pio nĂŁo pode ter a função de dirigente partidĂĄrio. Pedro Bingre, portavoz do movimento, disse ao “CampeĂŁoâ€? que a camSDQKDVHUiĂ€QDQFLDGDPHdiante angariação de meios entre os apoiantes. “Os membros das lis-

tas, para a Câmara e Assembleia Municipal, sê-lo-ão com sacrifício pessoal�, assinala o docente da Escola Superior Agråria de Coimbra. Ao invÊs, hå aparelhos partidårios que conferem mordomias a candidatos, opina.

Com um orçamento escasso, o movimento sabe que terĂĄ de apostar no trabalho de voluntĂĄrios e na utilização das redes sociais. “Sente-se grande entusiasmo e isso faz das pessoas ainda mais competentesâ€?, acentua Bingre.

Penacova

PSD e CDS fazem coligação inÊdita O PSD e o CDS-PP vão concorrer coligados nas próximas eleiçþes autårquicas em Penacova. A coligação inÊdita vai propor Mauro Carpinteiro para a presidên38%/,&,'$'(

cia do município. A coligação Ê extensível à Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia. Ao concorrer coligados, os partidos pretendem

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

apresentar “um mais amplo projecto para o desenvolvimento do concelho de Penacovaâ€?, referiram em comunicado. A apresentação da candi-

datura de Mauro Carpinteiro à presidência da Câmara Municipal local estå prevista para o dia 11 de Maio, às 21h30, no auditório do Centro Cultural de Penacova.

PaĂ­s tem de fazer referendo sobre o euro BENEDITA OLIVEIRA

A Europa corre o sĂŠrio risco de desagregação, sendo expectĂĄvel que paĂ­ses como Portugal e a GrĂŠcia saiam do Euro. A ideia foi defendida por Clara Ferreira Alves, que participou, no sĂĄbado passado, na 2ÂŞ edição da iniciativa “ConferĂŞncias polĂ­ticasâ€?, dedicada ao tema “O Estado e os conflitos sociaisâ€?. “O debate que nĂŁo foi feito [aquando da adesĂŁo Ă  zona Euro] tem de ser feito agora, atĂŠ para sobrevivĂŞncia do regime em Portugalâ€?, assegurou Clara Ferreira Alves, defendendo a realização de um referendo no paĂ­s. Se a “arquitectura europeiaâ€? nĂŁo mudar, advertiu, o paĂ­s sĂł tem duas opçþes: ficar na zona Euro com “polĂ­ticas asfixiantesâ€? ou sair da moeda Ăşnica europeia. “HĂĄ gravĂ­ssimos riscosâ€? associados Ă  saĂ­da da zona Euro, mas, frisou a jornalista, “se o Estado for altamente interventivoâ€? pode-se evitar a “desordem VRFLDOHĂ€QDQFHLUDÂľTXHVH-

melhante decisĂŁo acarreta. “Acho que esta situação nĂŁo ĂŠ sustentĂĄvel mais cinco anos e que precisamos de um referendo sobre o Euro. Temos de fazer escolhas e eleger as pessoas que nos vĂŁo capitanear nessas escolhasâ€?, rematou Clara Ferreira Alves. Manifestamente contra o memorando de entendimento da troika e a permanĂŞncia em funçþes do Governo, Garcia Pereira, lĂ­der do PCTP-MRPP, defendeu que a “origem da dĂ­vida tem de ser discutidaâ€?. “Estamos a assistir Ă  liquidação completa do paĂ­s, dos direitos civis, sociais, polĂ­ticos e econĂłmicos em nome do memorando da troikaâ€?, criticou Garcia Pereira. Miguel Morgado, do PSD, referiu que cabe ao Estado ser mediador e moderador dos conflitos sociais, reconhecendo, porĂŠm, que o Estado “sĂł poderĂĄ desempenhar este papel se ele prĂłprio nĂŁo for um factor de agravamento dos FRQĂ LWRVVRFLDLVÂľ

CLIMAG CENTRO DE IMAGIOLOGIA

- Serviço Nacional de Saúde - ADSE - ADVANCE CARE - Caixa Geral de Depósitos - EDP Valor - ESUMEDICA - MEDIS - MinistÊrio da Justiça - Portugal Telecom - PSP - Seguros Açoreana, Aliança, Allianz, Assurance, AXA, Fidelidade/Mundial, Garantia, Generali, Lusitania, Mapfre, Metropole, Mondial Assistance, 0XQGLDO&RQ¿DQoD,PSpULR%RQDQoD Oceanica, Pearl, Preservatrice, Real, Royal Exchange, Social, Trabalho, Tranquilidade, Victoria 6LQGLFDWRGRV%DQFiULRV - SMTUC

32744

‡3URI'U9LODoD5DPRV ‡3URI'U)LOLSH&DVHLUR$OYHV ‡'U�0DUJDULGD0DUWLQV ‡'U5XL%RUUDOKR

Rua do Brasil Edifício Atenas-Parque (edifício das Finanças) 3030-175 COIMBRA email: climag@vianw.pt Telefone: 239 853 650 Fax: 239 853 651

ao Deseja sâ€? rovĂ­ncia P s a d o ĂŁ e p u m e a “C lo s bĂŠns pe os Para ĂĄrio! s r e iv n 13.Âş A

32621

&RQYHQo}HVFRP

(FRFDUGLRJUDĂ€D 'HQVLWRPHWULDyVVHD 2UWRSDQWRPRJUDĂ€D Cefalometria

32781

Radiologia digital 0DPRJUDĂ€D (FRJUDĂ€D (FRJUDĂ€DREVWpWULFD Eco-Doppler


25

QUINTA-FEIRA

POLÍTICA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

3

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

E D I T O R I A L

Lousã

E os pobres, senhores?

Filomena Amaral volta a candidatar-se pelo BE

Continuação da página 01

que, a coberto das funções que desempenham, se apropriam de riquezas nunca possíveis à luz de um desemNão se julgue todavia que andamos por aí a levan- penho sério e honesto do seu trabalho. Cresceram nesse tar pedras a ver se encontramos lagartos adormecidos. charco de miséria moral, vivem nele e dele, repartindo Nem essa é a nossa missão nem esse é o nosso jeito. entre si mordomias imorais que distribuem no espaço que Existimos para informar e analisar e a isso se resume frequentam, pagando silêncios com novas mordomias com a nossa principal preocupação. O que nos distingue e que alimentam o quintal em que transformaram Portugal. diferencia é a nossa condição de Jornal semanal que nos Pobres, doentes, reformados (a maior parte), desempreexige um jornalismo diferente, com mais investigação gados e tanta outra gente pagam com a fome, com a doença, com a miséria e com própria, com mais riscos, a insegurança esta classe mais coragem e eventualDemocracia sem ética d de abutres insaciáveis que mente muito mais trabalho. é a mais moderna das invenções tu tudo fazem e tudo comem Nem toda a gente das sociedades corruptas ssem se lembrarem do povo aprecia este tipo de infore da gente pobre que há mação e nós somos os priu uma data de anos, mais ou meiros a entender isso. Até porque temos a consciência que neste desempenho já menos por esta altura, acreditou que agora seria diferente cometemos erros que gostaríamos de ter evitado e tudo como diferentes seriam os governantes do futuro. Poucos de nós têm coragem para dizer e assumir faremos para os não repetir. Mas pactuar com certas situações é ser cúmplice destas e de muitas outras que que a democracia não é nada disto. Democracia não trouxeram o país para o estado em que se encontra. E se resume a votar de vez em quando em gente já essa cumplicidade não a queremos, não a assumimos, escolhida e remexida, onde são cada vez menos os não a cultivamos. Todos os meios de comunicação que lá querem estar e cada vez mais os que de lá não social directa ou indirectamente ligados à nossa estru- querem sair. Não há sistema democrático que dispense tura informativa (sejam Rádios ou Jornais) só vendem a verdade, o rigor, a honra, o mérito e a dignidade. informação e publicidade. Não vendem silêncios para Até podem ir a votos todos os dias, mas enquanto proteger interesses ilegítimos, pessoais ou de grupo, a sociedade pactuar com a falta daqueles valores, o sistema pode ser muito bom ( e é para uns tantos) que se alimentam do pão dos pobres. Porque em grande parte é disso que se trata no país. mas nunca será democrático. Democracia sem ética é a 1mRpDSHQDVXPDFULVHFULDGDSHORVGHYDQHLRV¿QDQFHL- mais moderna das invenções das sociedades corruptas. ros, esses também de moralidade muito duvidosa e, até, Desculpe, amigo leitor, este desabafo de aniversáde ilegalidades silenciadas. Muito do que se passa deve - se também, e sobretudo, ao abocanhar do património rio. Mas há silêncios muito difíceis de suportar e situações nacional por parte de uma classe de políticos e gestores difíceis de engolir. LINO VINHAL

Ana Filomena Amaral, técnica superior do Ministério da Educação, volta a candidatar-se, pelo Bloco de Esquerda (BE), à presidência da Câmara Municipal da Lousã. Trata-se da primeira autarca eleita pelo BE no concelho lousanense, de cuja Assembleia Municipal fez parte no quadriénio 2005-09. Natural de Avintes, Ana Filomena é casada com o jornalista Casimiro Simões e autora de livros como o romance “Pão e água”. Filomena Amaral promete apostar na promoção do emprego, na reabilitação urbana e no apoio ao comércio tradicional, sem esquecer “a necessidade” de uma alternativa à Estrada da Beira e a de uma central de camionagem (com interface ao caminho-de-ferro). Arganil e F. da Foz

O PS candidata à liderança do Município lousanense o seu actual presidente, Luís Antunes, que sucedeu a Fernando Carvalho (a meio do presente mandato), e pelo PSD

SHUÀODVH'DQLHO5RGULJXHV José Tiago Almeida, exdirigente do Sindicato Nacional de Trabalhadores da Administração Local (STAL), é o candidato da CDU à presidência da Câmara Municipal de Arganil. Aposentado, 64 anos de idade, José Tiago foi técnico superior principal da autarquia. António João Lopes, exautarca lisboeta, engenheiro electrotécnico, encabeça a lista da Coligação Democrática Unitária à Assembleia Municipal arganilense. Carlos Fernandes, catedrático de Psicologia da Universidade de Aveiro, deverá candidatar-se, este ano, como independente, à presidência da Câmara Municipal da Figueira da Foz, soube o “Campeão”. O professor universitário já terá aceitado um convite do Movimento Figueira 100 por cento, que fez eleger, há quatro anos, dois dos nove autarcas com assento no executivo camarário. Em 2009, a lista do Movimento foi encabeçada por Daniel Santos (ex-autarca do PSD).

32774

32787

PUBLICIDADE


ACTUALIDADE

4

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

Coimbra

Condenado por burla e obrigado a indemnizar imobiliårios, o radiologista sacou ao mÊdico dezenas de Um indivíduo, residente milhar de euros. em Coimbra, foi condenado, O arguido assinou um na semana passada, a 42 documento a titular a dívida. meses de prisão, pena cuja A primeira quantia deexecução foi suspensa, devido sembolsada pelo mÊdico, em a autoria de um crime conti- Julho de 2007, ascendeu a 75 QXDGR GH EXUOD TXDOLÀFDGD 000 euros, tendo o arguido e terå de indemnizar em 40 acenado com a promessa 000 euros um lesado, apurou de 20 por cento de lucro, R´&DPSHmR¾ efectivamente pago volvidos O arguido, JosÊ Miguel três meses. Queiroz, 52 anos de idade, Ê A par de outras entregas, tÊcnico superior de radiologia; o clínico desembolsou, em o queixoso, representado pelo Outubro daquele ano, mais advogado Pinto Gomes, Ê 60 000 euros, ascendendo o mÊdico. prejuízo a perto do dobro Em nome da expectativa daquele montante. de vir a haver capital remuSegundo o acórdão da nerado atravÊs de negócios Vara Mista de Coimbra, JosÊ R.A.

0LJXHO ´FRP UHJXODULGDGH informava o mÊdico de que os [supostos] negócios estavam a correr bem�. Os juízes fazem notar tratar-se de um crime com ´SDUWLFLSDomRQHFHVViULDGDV vítimas�, cujas características são, frequentemente, aproveitadas pelos arguidos. ´$ QDWXUH]D GR FULPH de burla pressupþe, sempre, especial personalidade do burlado, que adere sem GLÀFXOGDGH D XPD SURSRVWD de fåcil aumento dos seus rendimentos, fora do que Ê normalmente praticado�, indica o acórdão. O Tribunal admite, por outro lado, ter ficado sem

pagamento das dívidas aos lesados, deixando antever que estiveram em jogo milhþes de euros mediante intervenção de outras pessoas. Amorim apresentou queixa-crime contra JosÊ MiMilhþes de euros guel e vice-versa, mas foram arquivadas pelo Departamen´1mR p SODXVtYHO TXH to de Investigação e Acção [JosÊ Miguel e Jorge Amorim] Penal (DIAP) de Coimbra, estivessem juntos neste ne- UD]mRSRUTXHRSULPHLURÀgócio, durante perto de seis cou impedido de se constituir anos, em recíproco engano�, assistente para reclamar ser assinala o acórdão, vincando indemnizado pelo arguido. o volume de dinheiro que Entre a documentação houve a circular entre contas compulsada por Amorim de ambos. contam-se mensagens de 27ULEXQDODOXGHD´XP correio electrónico em que, significativo esforço� do supostamente, JosÊ Miguel tÊcnico de radiologia para narra questþes atinentes à

saber se foi JosĂŠ Miguel a propor o alegado negĂłcio a Jorge Amorim, chamado a testemunhar, ou se foi a testemunha que o sugeriu ao arguido.

venda de apartamentos e à realização de escrituras. Segundo o DIAP, hå, ainda, diversas cópias de contratos-promessa de compra e venda e extractos bancårios forjados. Para o MinistÊrio PúbliFRD´H[LVWrQFLDGDPHQWLUD em conversa privada pode, de facto, indiciar que um dos interlocutores estava a ser enganado pelo outro�, embora acene com o escasso valor probatório de tal documentação. JosÊ Miguel era casado com uma professora da Escola Secundåria de D. Maria, a qual se suicidou em Janeiro de 2012.

Jantar de aniversĂĄrio no pavilhĂŁo do Olivais, em Coimbra

PS assinala 40 anos a pensar no poder à do actual Governo, desaÀDQGRSDUDLVVR´GHPRFUDWDV António JosÊ Seguro su- cristãos, social-democratas, biu à tribuna, sexta-feira à socialistas, humanistas e pronoite, no pavilhão dos Olivais, gressistas�. Em tempo de aniversårio, para saudar o percurso de 40 anos do PS, mas, tambÊm, os socialistas não pensam SDUDGHVDÀDURVSRUWXJXHVHV apenas na conquista do poder a fazer uma aliança alternativa a nível nacional, mas têm,

tambÊm, os olhos postos nas próximas eleiçþes autårquicas de Outubro, aproveitando a ocasião para relançar, mais uma vez, o candidato do PS à presidência da Câmara Municipal de Coimbra. Foi Manuel Machado que abriu a sessão de discursos,

PUBLICIDADE

DESPORTO Formação - Competição AIKIDO - DAMAS - ESGRIMA FUTSAL - GINĂ STICA: Ritmica e AcrobĂĄtica e de Manutenção JUDO - JU JITSU - KARATÉ - KENDO KRAV MAGA - NATAĂ‡ĂƒO - PESCA TAEKWONDO - TÉNIS DE MESA

CULTURA

BALLET - DANÇAS AFRO-LATINAS - DANÇA CONTEMPORĂ‚NEA - DANÇA JAZZ - DANÇAS DE SALĂƒO - CIRCUITOTTRAINING LOCAL POWER - PILATES TEN CHI TESSEN - VIOLA - ZUMBA

GABINETE DE FISIOTERAPIA - SAUNA

Rua Alexandre Herculano, 21-A - Coimbra Telef. 239 823 633 | e-mail: acmcoimbra@gmail.com Campo “Conde Foz de Arouceâ€?: Aventura - Encontros - Concentraçþes - EstĂĄgios Telef. 918 024 490 | e-mail: acm.fozdearouce@gmail.com Felicita o CampeĂŁo das ProvĂ­ncias pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

32951

ABERTAS AS INSCRIÇÕES

entre as 20h35 e as 22h10, antecedendo o jantar, desejando TXHR36´GHYROYDDHVSHUDQça e combata o desânimo dos SRUWXJXHVHV¾FRQWD´R36' e o CDS ao serviço de interesses inconfessåveis�, tanto a nível nacional como local. As honras da casa foram feitas pelo presidente da Federação socialista conimbricense, Pedro Coimbra, que lembrou ter decorrido naquele pavilhão, a seguir ao 25 de Abril de 1974, o primeiro comício do PS, na altura com a presença de homens como Fernando Vale, Miguel Torga, António Portugal e Fausto Correia, jå falecidos e cuja memória evocou. Dos fundadores do PS na cidade alemã de Bad Munstereifel, hå 40 anos, estiveram presentes no pavilhão do Olivais António Arnaut, advogado e escritor, que foi ministro dos Assuntos Sociais HFULDGRUGR6HUYLoR1DFLRQDO de Saúde; com António Cam-

SRVDMXVWLĂ€FDUDIDOWDGHYLGR a doença. Entre o milhar de socialistas, reunidos em Coimbra, contavam-se apenas trĂŞs (Jorge Sampaio, Ferro Rodrigues e JosĂŠ Seguro) dos sete secretĂĄrios-gerais do PS, com MĂĄrio Soares a surgir, em suporte de vĂ­deo, com uma mensagem D MXVWLĂ€FDU D DXVrQFLD SRU estar em convalescença e o ex-lĂ­der do PS, antigo primeiro-ministro e outrora Presidente da RepĂşblica, a DSHODU ´j IDPtOLD VRFLDOLVWD que se bata contra a austeridade desta ‘troika’ e contra os mercados, a favor das pessoasâ€?. Para alĂŠm das intervençþes da actual presidente do partido, Maria de BelĂŠm, e do lĂ­der nacional da JS, JoĂŁo Torres, foi AntĂłnio JosĂŠ Seguro que encerrou os discursos, com o secretĂĄrio-geral do PS a invocando os valores da igualdade, da fraternidade e a

defesa do Estado Social. Seguro apelou ao primeiro-ministro, Passos Coelho, SDUDTXH´SDUHFRPDDXVWHridade e o experimentalismo VRFLDO¾HGLVVHTXH´FRPR partido unido�, na sequência da reeleição como líder, estå preparado para ser o canGLGDWR GR 36 ´jV SUy[LPDV eleiçþes legislativas, ocorram elas quando ocorrerem�. ´+iXPPRYLPHQWRTXH tem de se opor à destruição do Estado Social e do contrato social�, defendeu 6HJXURIULVDQGRTXH´R36 Ê o espaço dos progressistas e da esquerda democråtica, dos homens e mulheres que se recusam a ver o seu país a empobrecer�. Admitindo TXH ´QmR p WXGR FXOSD GR actual Governo a situação a que o país chegou�, o líder socialista disse, no entanto, TXH´RDSURIXQGDPHQWRGD crise Ê da responsabilidade do executivo de coligação PSD/ CDS�.

PUBLICIDADE

Distribuidor Grossista de Produtos Alimentares HĂĄ 66 anos a trabalhar para dinamizar o seu negĂłcio!! 32174 32745

L.S.


25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

5


6

ACTUALIDADE

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

AcadĂŠmica/OAF

População unida em manifestação de apoio ao Poder Local

Pena suspensa de JosĂŠ Eduardo visa adverti-lo quanto baste

Carapelhos homenageou defensores da freguesia

“A pena de multa nĂŁo ĂŠ adequada a acautelar a manutenção da confiança da comunidade (sociedade) no Direito e na administração da Justiçaâ€?, acentua o acĂłrdĂŁo, cuja relatora ĂŠ Isabel Pais Martins.

Briosa perde 200 000 euros A AcadĂŠmica/OAF permanece condenada â€œĂ  perda de vantagensâ€? proporcionadas por crimes de corrupção passiva cometidos pelo seu presidente enquanto director municipal, cabendo-lhe pagar ao Estado 200 000 euros. Um acĂłrdĂŁo proferido, quinta-feira (18), pelo Supremo Tribunal de Justiça, condenatĂłrio de JosĂŠ Eduardo SimĂľes, rejeita um recurso do arguido na parte em que ele impugna a decisĂŁo de punir o clube com a “perda de vantagensâ€?. O outrora director municipal de urbanismo trabalhou sob a alçada do entĂŁo vereador JoĂŁo Rebelo, tendo acabado por ser dispensado por Carlos Encarnação, antigo presidente da Câmara conimbricense, apesar de este ter entendido, durante trĂŞs anos, que nĂŁo havia impedimento para a acumulação de funçþes por parte de JosĂŠ Eduardo. PUBLICIDADE

A juĂ­za conselheira faz notar que o crime de corrupção passiva, por que foi condenado Eduardo SimĂľes enquanto ex-director municipal, possui “uma fortĂ­ssima ressonância negativa na consciĂŞncia comunitĂĄriaâ€?. O arguido, presidente da AcadĂŠmica/OAF, desfruta de redução de pena na medida em que o STJ encarou a conGXWDGHOHDSHQDVEHQHĂ€FLiULD do clube e como integradora do conceito de corrupção passiva para acto lĂ­cito em vez de corrupção passiva para acto ilĂ­cito. Enquanto antigo titular da Direcção Municipal de Coimbra de Administração do TerritĂłrio (2003-05), JosĂŠ Eduardo fora condenado, em Março de 2011, a 55 meses de cadeia, tendo havido lugar Ă  suspensĂŁo de execução da pena, mas o MinistĂŠrio PĂşblico (MP) recorreu para a segunda instância (Tribunal da Relação), que o punira com seis anos de prisĂŁo. A Eduardo SimĂľes era imputado, pelo MP, na sequĂŞncia de inquĂŠritos abertos pela PolĂ­cia JudiciĂĄria, favore-

cimento de promotores imobiliårios a troco de donativos para o clube. Líder da AcadÊmica/ OAF hå mais de oito anos e vice-presidente no biÊnio 2003-04, Simþes foi director de urbanismo de Coimbra ao mesmo tempo que exercia funçþes no clube. Desembolsar 100 000 euros

O arguido desembolsa 100 000 euros, num horizonte de meio ano, para usufruir da suspensĂŁo de execução da pena de cadeia com que foi punido. Eduardo SimĂľes terĂĄ de entregar 50 000 euros Ă  Acreditar, Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, e igual quantia Ă  Sorriso, Associação dos Amigos do Ninho dos Pequenitos. Ao manifestar concordância em relação Ă  escolha das instituiçþes, feita pela Vara Mista de Coimbra, o Supremo Tribunal de Justiça define-as como prestadoras de “relevantĂ­ssimo papel socialâ€?. O acĂłrdĂŁo do STJ assinala que 919 355 834 JosĂŠ Eduardo “vive muiParabĂŠns ao jornal “CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ€? to desafogadamenteâ€?, oficina auto auferindo de rendimentos Quinta da Cavada - Castelo Viegas 3040 COIMBRA prediais cerca de 10 000 euros por mĂŞs.

32080

PUBLICIDADE

32382

povo mas tambĂŠm JoĂŁo Reigota, presidente da Câmara Municipal de Mira, autarcas de diversos partidos e o deputado do PSD, JosĂŠ Manuel Canavarro. O parlamentar socialdemocrata deixou palavras de regozijo “pelo trabalho realizado na freguesiaâ€?. Admitindo que nem tudo o que ĂŠ aprovado na Assembleia da RepĂşblica tem aspectos positivos, Canavarro preferiu reconhecer o trabalho dos autarcas, em prol das comunidades. JoĂŁo Reigota, edil de 0LUDDĂ€UPRXDVXDVDWLVIDção pelo facto de a freguesia dos Carapelhos se manter conforme era o desejo as populaçþes, escapando Ă  reorganização do mapa autĂĄrquico. “As freguesias sĂŁo uma riqueza nacional que ĂŠ preciso preservar. É aqui que as pessoas trabalham por amor Ă  camisolaâ€?, lembrou o presidente da ANAFRE, Armando Vieira. 9LHLUDUHDĂ€UPRXDLQGD a intenção de continuar a defender as freguesias, “uma luta que levaremos atĂŠ ao Ă€PÂľDFHQWXRX A festa da freguesia culminou com uma placa em que se lĂŞ “Homenagem do Povo a Gabriel Miranda Pinho em reconhecimento pela sua altruĂ­sta obra em prol do desenvolvimento da freguesia de Carapelhosâ€?, inaugurada por FĂĄbio Ventura, grĂŁo-mestre da Confraria Nabos e Companhia, e Rocha de Almeida, vereador da Câmara Municipal de Mira.

PUBLICIDADE

Zona Industrial 9001, Lt 101 www.mpd.com.pt 3850 184 Albergaria-a-Velha Tel. 234 645 346 - Fax 234 647 307

Deseja ao “CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ€? os parabĂŠns por mais um ano de existĂŞncia!

32681

Quinta de SĂŁo Jorge (Copeira) - Estrada da Conraria - 3040-714 Castelo Viegas - Coimbra - Portugal Telef./Fax: 239 437 150 Telem.: 913 274 278 E-mail: avivdc@clix.pt

32849

32501

32884

A opção do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) no sentido de condenar JosĂŠ Eduardo SimĂľes a cadeia e suspender a execução da pena visa conferir-lhe “uma IXQomR GH VXĂ€FLHQWH DGYHUtĂŞnciaâ€?.

'HVGHR~OWLPRĂ€PGH semana que a toponĂ­mia de Carapelhos passa a incluir uma rua que homenageia todos aqueles que, de variadas formas, contribuĂ­ram, ao longo dos anos, para defender a freguesia. Apesar da reorganização administrativa do territĂłrio, que levou Ă  extinção e agregação de vĂĄrias freguesias, a de Carapelhos irĂĄ manter-se tal como estĂĄ, desde a sua fundação. Gabriel Pinho, presidente da Junta, destacou o papel dos fundadores da freguesia, representados por VĂ­tor Rosete e JoĂŁo Augusto Oliveira. Durante a homenagem realizada no Ăşltimo sĂĄbado, que o autarca disse tratar-se de “uma grande manifestação de apoio Ă  mais pequena freguesia do concelho de Miraâ€?, Gabriel Pinho sublinhou o papel do entĂŁo deputado Rocha de Almeida que considerou “o pai e o padrinhoâ€? da freguesia. “Carapelhos salvou-se do brutal corte das freguesias onde se trabalha por carolice e que nĂŁo devem acabarâ€?, acentuou o presidente da Junta. “NĂŁo foram as pequenas freguesias que endividaram o paĂ­sâ€?, sublinhou. VĂ­tor Rosete, um dos IXQGDGRUHV DĂ€UPRX WUDWDU se de “um dia grandeâ€? para a comunidade, pois, sublinhou, “comemoramos aqui a força do Poder Localâ€?. Numa cerimĂłnia presidida por Armando Vieira, presidente da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), juntou-se o


QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

7

32953

25


ACTUALIDADE

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

CHUC

Ortopedia Ă  margem do Hospital PediĂĄtrico A apologia da manutenção de um Serviço de Ortopedia no Hospital PediĂĄtrico de Coimbra (HPC) acaba de sofrer um revĂŠs com a sua inclusĂŁo fora da Unidade de GestĂŁo IntermĂŠdia PediĂĄtrica do Centro Hospitalar UniversitĂĄrio, soube o “CampeĂŁoâ€?. A Ortopedia para pacientes com idades inferiores a 18 anos fica sob a alçada do pĂłlo do HPC na dependĂŞncia da UGI CirĂşrgica II do CHUC. A U G I Pe d i ĂĄ t r i c a compreende Pediatria MĂŠdica, Cirurgia, Unidade de Cuidados Intensivos, UrgĂŞncia, Oncologia, Pediatria AmbulatĂłria, Centro de Desenvolvimento da Criança,GenĂŠtica MĂŠdica e Cardiologia PediĂĄtrica. A Unidade de GestĂŁo IntermĂŠdia de Pediatria do CHUC junta-se a oito UGI’s: CirĂşrgica I; CirĂşrgica II; MĂŠdica I; MĂŠdica II; MĂŠdica III; Maternofetal; Meios Complementares de DiagnĂłstico e TerapĂŞutica; UrgĂŞncia e Cuidados Intensivos. A conversĂŁo das ĂĄreas de gestĂŁo integrada (AGI’s) dos HUC em unidades de gestĂŁo intermĂŠdia (UGI’s) do Centro Hospitalar UniversitĂĄrio de Coimbra traduz-se na recondução de sete directores e nomeação de um, AntĂłnio Vieira (UGI MĂŠdica III), apurou o nosso Jornal, que desconhece, por ora, se Jorge Saraiva

irå ficar à frente da UGI Pediåtrica. Vieira tinha renunciado, hå 11 meses, à qualidade de director do Departamento de Medicina e Especialidades MÊdicas do Hospital dos Covþes (integrado no CHUC por via da fusão dos HUC e do Centro Hospitalar de Coimbra), cabendo-lhe, agora, dirigir a UGI MÊdica acabada de criar. As reconduçþes abrangem Francisco Rolo (Cirúrgica I), Ciro Costa (Cirúrgica II), Jorge Crespo (MÊdica I), Meliço Silvestre (MÊdica II), JosÊ Sousa Barros (Maternofetal), João Pedroso de Lima (Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica) e João Paulo Almeida e Sousa (Urgência e Cuidados Intensivos). A criação das AGI’s nos Hospitais da Universidade de Coimbra ocorreu no começo de 2010; no Verão de 2012, Ciro Costa sucedeu a Fernando Fonseca, que foi chamado a dirigir o Serviço de Ortopedia do CHUC. Blocos cirúrgicos fora das UGI’s

Os blocos cirúrgicos do Centro Hospitalar Universitårio de Coimbra (HUC, Hospital dos Covþes, Pediåtrico e maternidades) ficam à margem das unidades de gestão intermÊdia (UGI’s), fun-

cionando no âmbito de uma estrutura que deverĂĄ ser gerida por Rosa Reis Marques, apurou o “CampeĂŁoâ€?. Administradora hospitalar de carreira, Rosa ĂŠ irmĂŁ do psiquiatra AntĂłnio Reis Marques (marido da directora do Serviço de Pessoal do CHUC, Helena). Igualmente Ă  margem das UGI’s, irĂŁo funcionar a Unidade de Cir urgia de AmbulatĂłrio (cuja liderança, do ponto de vista clĂ­nico, deverĂĄ ficar a cargo de Carlos Janelas), o Serviço de Anestesiologia e o de Apoio DomiciliĂĄrio. A realização de implantes cocleares em adultos, cirurgia destinada a combater deficiĂŞncias de surdez e fala, irĂĄ permanecer no Hospital Geral (CovĂľes), no âmbito do Centro Hospitalar UniversitĂĄrio de Coimbra, correspondendo-lhe duas camas em vez das quatro actualmente existentes. Aquela tĂŠcnica cirĂşrgica – implantada em Portugal, hĂĄ perto de 30 anos, por Manuel Filipe (falecido) e Fernando Filipe – abrangeu, em 2012, 17 pacientes (menos de uma terça parte das pessoas que chegaram a receber implantes num ano). O pĂłlo de Otorrinolaringologia do CHUC instalado no Hospital dos CovĂľes irĂĄ ficar vocacionado para a consulta externa.

Oftalmologia com CRI e Serviço em paralelo

32955

8

O regulamento interno do Centro Hospitalar Universitårio de Coimbra Ê invocado, pelo Conselho de Administração, SDUDMXVWLÀFDUDH[LVWrQFLDGHXP&HQWUR de Responsabilidade Integrada (CRI) de Oftalmologia a par do Serviço da especialidade para os pólos do Hospital Geral (Covþes) e do Hospital Pediåtrico. Para Psiquiatria e Pedopsiquiatria tambÊm foi criado CRI, juntando-se estes novos centros ao de Oftalmologia e ao de Cirurgia Cardiotoråcica (dirigido por Manuel Antunes), sem que haja, porÊm, serviços em paralelo. Instituído hå dois anos e meio, o CRI

de Oftalmologia tem como timoneiro Joaquim Murta, director da Faculdade de Medicina de Coimbra. Estas estruturas e a Unidade de Transplantação HepĂĄtica (pediĂĄtrica e de adultos) irĂŁo funcionar Ă  margem das denominadas unidades de gestĂŁo intermĂŠdia do CHUC. A ida de Joaquim Murta para a Unidade Hospitalar de Coimbra (propriedade GDVRFLHGDGH,GHDO0HG pMXVWLĂ€FDGDSHOR CHUC, com o facto de se ter tratado “unicamente de mudança do consultĂłrioâ€? em que o mĂŠdico se dedica a actividade privada.


25

QUINTA-FEIRA

VIDAS (D)ESCRITAS

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

9

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Paulo Eno

A arte como forma de intervenção ´$PLQKDFDVDIRLVHPSUH OLYUHRPHXSDLHVWHYHSUHVR SHOD3,'(GXUDQWHGRLVDQRV SRUVHURSRVLWRUDRUHJLPHHHX DRVRLWRHQRYHDQRVFRPHFHL DWHUXPDPtQLPDFRQVFLrQFLD SROtWLFDHVRFLDOTXDQGRLQL FLHLDOHLWXUDGHDOJXQVOLYURV IDQWiVWLFRVFRPR´0mRVVX MDVµGH-HDQ3DXO6DUWUHHRV ´(VWHLURVµGH6RHLUR3HUHLUD *RPHV-iQDHVFRODSULPiULD PHFKDPDYDPWHUURULVWD )L]RVHVWXGRVVHFXQGiULRV QR/LFHXPDLVHOLWLVWDGH&RLP EUDR'-RmR,,, DFWXDO-RVp )DOFmR HDRVDQRVHVWDYD DOHUFDGDYH]PDLVOLYURVGH SROtWLFDSULQFLSDOPHQWHHQVDLRV GHTXHJRVWRPXLWRHVHQmR WLYHVVHVLGRRGH$EULOGH DGDWDPDLVLPSRUWDQWH SDUD R SRYR SRUWXJXrV  Mi HVWDYDDVHUWXGRWUDWDGRSDUD LUSDUDIRUDGRSDtV 9HLRRGH$EULOGH HFKHJXHLDVHUSUHVLGHQWHGD $VVRFLDomRGH(VWXGDQWHVSHOD OLVWDGD8(& 8QLmRGH(VWX GDQWHV&RPXQLVWDV ÀOLHLPH HVHJXLDYLDQRUPDOSDUDPLOL WDQWHGR3&3TXHDLQGDVRXR SDUWLGRTXHVHHQTXDGUDPDLV GHQWURGDÀORVRÀDGHDQiOLVH PDU[LVWDGDVRFLHGDGH $RVDQRVWLQKDPXLWDV DFWLYLGDGHVSROtWLFDVHFXOWXUDLV PDVSUHFLVDYDGHGLQKHLURSDUD P~VLFDHOLYURV)RLPHRIHUH FLGDDSRVVLELOLGDGHGHHQWUDU SDUDRVHQWmR6HUYLoRV0XQL FLSDOL]DGRVGH&RLPEUDRQGH WLYHDIHOLFLGDGHGHHQFRQWUDU /HRSROGRGD&XQKD0DWRV TXHIRLRPHXHGXFDGRUGH FRPRVHUIXQFLRQiULRS~EOLFR (UD XPD SHVVRD FRP XPD pWLFD LUUHSUHHQVtYHO TXH IRL JRYHUQDGRUFLYLODQWHVGR GH$EULOPDVPDQWHYHVHPSUH XPDSRVWXUDGHLVHQomR $RV  DQRV IXL FKHIH GH 6HFUHWDULD GR DUTXLYR H

Paulo Eno vestido com casado de pele de gato bravo, made in Moldávia, óculos Karl Lagerfeld e lenço palestiniano original

ELEOLRWHFDHWUDQVLWHLSDUDRV 6078& RQGH IXL UHODo}HV S~EOLFDVHQmRSRVVRGHL[DU GHUHIHULUPXLWRSRVLWLYDPHQWH 0DQXHO&RUUHLDGH2OLYHLUD SHVVRDGR&'6TXHDJRUDp GR36' 1RDQRGHTXDQGR WLQKD XPD FDUUHLUD FXOWXUDO SURGXWLYDUHFHERRFRQYLWHGH 0DQXHO0DFKDGR HQWmRSUHVL GHQWHGD&kPDUD HGH&DUORV &LGDGHSDUDWUDQVLWDUSDUDR 'HSDUWDPHQWRGH&XOWXUDORFDO RQGHIRLSRVVtYHOGHVHQYROYHU XPDSROtWLFDFXOWXUDOGLQkPLFD HGDUD&RLPEUDXPDDEHUWXUD GHFRQWHPSRUDQHLGDGHFRP 7HUHVD3RUWXJDOH9DVFR3HUHLUD GD&RVWD 7LYHXPDIRUPDomROLYUH PHVPRDQWHVGRGH$EULO FRPDFHVVRDGLVFRVHOLYURVH FRPHFHLDLUFRPSUDUD/RQ GUHVD3DULVD0DGULGP~VLFD URFNHFRQWHPSRUkQHD(VWLYH QDIRUPDomRGHXPGRVSULPHL URVJUXSRVGHSXQNHP

RV´&XUWRFLUFXLWRµ 7LYHDIHOLFLGDGHGHFR QKHFHUHP-RUJH/LPD %DUUHWRTXHIRLRPHXPHOKRU DPLJRHLQIHOL]PHQWHIDOHFHX KiFHUFDGHGRLVDQRV0XLWR GR TXH IL] IRL SRVVtYHO SHOD FXOWXUDTXHPHSRVVLELOLWRXH DWpIXLFRQKHFHQGRSHV VRDVHDEULQGRRPHXOHTXHHP UHODomRDRIUHHMD]]jP~VLFD FRQWHPSRUkQHDDRSXQNURFN XPGRVPRYLPHQWRVSROtWLFRV VRFLROyJLFRVHDQWURSROyJLFR PDLVLPSRUWDQWHVGHQWURGD P~VLFD (PIXQGHLRV´2E MHFWRVSHUGLGRVµDVVRFLDomRGH LQWHUYHQomRFXOWXUDORQGHUHXQL SHVVRDV PXLWR LQWHUHVVDQWHV HTXHÀ]HUDPHVFRODGHQWUR GDSHUIRUPDQFHSRUWXJXHVD $EUDQJtDPRVDPXVLFRORJLD WHDWUR GDQoD SHUIRUPDQFH IRWRJUDÀDDUWHVSOiVWLFDKD SSHQLQJ HWF WXGR OLJDGR j DUWHGHYDQJXDUGD7LYHPRV JUDQGHSDUWLFLSDomRQDFLRQDO

HLQWHUQDFLRQDOHYiULRVJUXSRV FRPRR´&DEDUHW'DGDµHR ´3HUHVWURLNDµHWDPEpPFRPR 3DXOR(QR 1DDOWXUD&DUORV3iVFRD DSRLRXQRVPXLWRFRPRLQFHQ WLYDGRUGDSROtWLFDGHMXYHQWXGH 'HSRLV HQYHUHGiPRV PDLV SHOR DVSHFWR SHGDJyJLFR H FKHJiPRVDGDUIRUPDomRHP 0RoDPELTXHRQGHSDUWLFLSRX XPDÀOKDGH6DPRUD0DFKHO HHP67RPpH3UtQFLSHSRU H[HPSOR 7LYHXPSURJUDPDFRP )UDQFLVFR$PDUDOR´'LYHU JrQFLDVµ DLQGD QD 5'3 H GHSRLVQD76)H5iGLR8QL YHUVLGDGHVREUHP~VLFDFRQ WHPSRUkQHD H RXWUR VREUH OtQJXD DOHPm FRP R DSRLR GR*RHWKH,QVWLWXWHGH&DUO 'HOLOOHGLUHFWRUGD&DVD$OHPm XPDJUDQGHLQVWLWXLomRFXOWXUDO HP&RLPEUD 6RX XP JUDQGH DSDL[R QDGRSHODFXOWXUDJHUPkQLFDH HVWLYHTXDWURPHVHVHP%HUOLP DFRQYLWHGR0LQLVWpULRGD&XO WXUDDOHPmRDIUHTXHQWDUXP FXUVRGHP~VLFDHOHFWUyQLFD $PLQKDPHOKRUH[SHULrQFLD FXOWXUDOHDUWtVWLFDIRLWHUDXODV HPFRP.DUOKHLQ]6WR FNKDXVHQRFRPSRVLWRUPDLV LPSRUWDQWHGDKLVWyULDGDP~VL FDFRQWHPSRUkQHDHP.XUWHQ RQGHHOHUHVLGLD)RLIDQWiVWLFR

XPDGLJUHVVmRQRV(8$RQGH JUDYiPRVHHGLWiPRVXP&' IRPRV H[WUHPDPHQWH EHP UHFHELGRVSHODFUtWLFDHVSHFLD OL]DGD LQFOXLQGR QR SDUTXH PDLVLPSRUWDQWHHPWRGRR PXQGRQR*%*%HP1RYD ,RUTXHHP3HOR([SUHV VRHR%OLW]IRLFRQVLGHUDGRR PHOKRUWUDEDOKRGHSXQNURFN SRUWXJXrVGHVHPSUH2WHPD ,QPRUWDO&KpIRLLQWHUSUHWDGR QD(PEDL[DGDGH&XEDHP 3DULVSRU5HLQD3RUWXRQGR WHQGR'DQLHO.LHQW]\FRPR VD[RIRQLVWD « 8PGLDLDDSDVVDU SRUXPDUXDHYLXPDUHYLVWD TXHDQXQFLDYD´3DVVHRV~O WLPRVGLDVGDVXDYLGDHPµ $TXLORDWUDLXPHYLURDIROKD HGL],EL]DeDJRUD/iIXLHP FRPRPHXLUPmRQXPD YLDJHPGHXPDVHPDQDHQR VHJXQGRGLDTXDQGRHVWDYD DGDQoDUQR6SDFHXPDGDV PDLV FRQKHFLGDV GLVFRWHFDV GRPXQGRHP,EL]DFKHJD VHXPDSHVVRDDRSpGHPLP HSHUJXQWDPHVHQmRTXHULD

WUDEDOKDUSDUDHOH&RPXPD HGXFDomRDQWLWDEiJLFDHDQWL DOFRyOLFDWUDEDOKDUHPTXr" 1XQFDDSDQKHLXPDEHEHGHLUD QDYLGD1mRSHUFHERQDGDGH VHUYLUEHELGDV´1mRpSDUDLVVR pSDUDID]HUHVDWXDSHUIRUPDQ FHµGLVVHPH $ SDUWLU GDt IRL VHPSUH HPFUHVFHQGRHMiIXLD YH]HVD,EL]D9RXDJRUDRXWUD YH]SDUDDpSRFDGDV¶RSHQ SDUWLHV· TXH YDL GH 0DLR D -XQKR'HSRLVKiXPSHUtRGR GHQRUPDOLGDGHHVHJXHPVH DV¶FORVHSDUWLHV·SDUDJDVWDUDV ~OWLPDVHQHUJLDV-iIXLHPWRGDV DVpSRFDVHMiGDQFHLHPTXDVH WRGDVDVGLVFRWHFDV7HQKRXPD JUDQGHUHVLVWrQFLDItVLFDHFRPR DP~VLFDTXHGDQoRpVHQWLGD SDUDPLPpIiFLODOpPGHTXHDV SHVVRDVVmRLQWHUDFWLYDVÀJXUDV IHPLQLQDVHVWHWLFDPHQWHPXLWR ERQLWDV TXH SURSRUFLRQDP H[FHOHQWHVPRYLPHQWRVHID YRUHFHPWRGDDSHUIRUPDQFH 6SLGHUPDQ GHYH VHU GLItFLO GRUPLU VR]LQKR HP ,EL]D" +HKHKHKHKHµ

E AINDA

´$Pi[LPDREUDGHDUWHGHWXGRRTXHÀ]2DPRUTXHWHQKR DRPHXÀOKReDPDLRUREUDGHDUWHTXHFULHLFRPFDUiFWHUHWHUQR LQVXEVWLWXtYHOHLQFRPSDUiYHO(VWHVHQWLPHQWROLJRRjVUHÁH[}HV GHXPDSHVVRDVPXLWRLPSRUWDQWHPHPEURGRPRYLPHQWR)OX [XV:ROI9RVWHOOTXHGHFODURXTXHRDPRUpDPDLRUREUDGHDUWHµ

´6RXSRUFHQWRXQLRQLVWDDSHVDUGHDRVVHWHDQRVWHU MRJDGRIXWHEROQD$FDGpPLFD5HYHMRPHQR8QLmRGH&RLPEUD QRVHQWLGRGHTXHHVWHpRFOXEHGDFLGDGH(VWiFRPJUDQGHV SUREOHPDVHFRQyPLFRVQDIDOrQFLDSRUTXHRVOREELHVVyDSRLDP O punk-rock D$FDGpPLFDHHVWDMiQmRUHSUHVHQWDQDGDSRUTXHpXPFOXEH GHSURÀVVLRQDLVQHPpRFOXEHGHHVWXGDQWHVTXHDLQGDYLQRV (P  FRPR HVWLYH DQRVHµ VHPSUHOLJDGRDRSXQNDRPR YLPHQWR'DGDGHYDQJXDUGD ´'HIHQGRDOHJDOL]DomRGDSURVWLWXLomRGDVGURJDVGDHXWDQi UHVROYLFULDUXPJUXSRFRP VLDPDVVRXFRQWUDDDGRSomRGHFULDQoDVSRUFDVDLVKRPRVVH[XDLV DVRQRULGDGHGRVILQDLVGRV 1DJDVWURQRPLDDGRURRVWUDVDUUR]GHODPSUHLDERUVK VRSD DQRV VpFXOR;; HXPD VRYLpWLFD H-DFD XPIUXWR µ ÀORVRÀDGHFDUL]SROtWLFRGH LQWHUYHQomRVRFLDOPDVDYDQW ´'RVTXDVHSDtVHVTXHFRQKHoR%HUOLPIRLDFDSLWDOHV JDUGH&RPLJRQDYR]HFRPR SLULWXDOQRVDQRVPDVDJRUDDPLQKDUHÁH[mRHVWiHPGXDV FRQFHSWXDOL]DGRUXPEDWHULVWD LOKDV0DQKDWWDQH,EL]D*RVWDYDGHWHUSRVVLELOLGDGHHFRQyPLFD XPEDL[LVWDHXPJXLWDUULVWD SDUDDOLUHVLGLUHHVWDUOLJDGRjFXOWXUDHjDUWHQHVVHVGRLVORFDLVµ R´5HYROXWLRQ5RFNµIH] ´)XLSUHVLGHQWHGR&RQVHOKR&RQVXOWLYRGD)DFXOGDGHGH /HWUDVHXPDGDVIXQo}HVGHVWHyUJmRpHVWDEHOHFHUOLJDomRFRP BI DVRFLHGDGH6XJHULFRQYLGDUÉOYDUR&XQKDOTXHWLQKDODQoDGRR OLYUR´$$UWHR$UWLVWDHD6RFLHGDGHµ&RPRSHUWHQFLDDR3&3DR VHFWRULQWHOHFWXDOFRQVHJXLHVWDEHOHFHUDOLJDomRHR7HDWUR3DXOR 4XLQWHODHVWDYDDDEDUURWDUHGHYHWHUVLGRDSULPHLUDH~QLFDYH] 3DXOR0LJXHO0DUTXHVQDVFLGRDGH-DQHLURGHQD iOEXP´5HYROXWLRQ5RFNµJUDQGHr[LWRQRV(8$HTXHGHX TXHÉOYDUR&XQKDOYHLRj8QLYHUVLGDGHGH&RLPEUD(VWDEHOHFHX IUHJXHVLDGD6p1RYDHP&RLPEUDGHVLJQRDTXiULRXQLRQLVWDH EUDGRWDPEpPHP3RUWXJDO-iSHUFRUUHXPDLVGHSDtVHVIRL VHDOJXPDLQWLPLGDGHHQWUHPLPHÉOYDUR&XQKDOSHVVRDPXLWR EHQÀTXLVWDDSRUFHQWRXPFRPXQLVWDTXHVHFRUUHVSRQGHX DOXQRGH.DUOKHLQ]6WRFNKDXVHQRFRPSRVLWRUPDLVLPSRUWDQWH UHVHUYDGDHWHQKRTXDWURFDUWDVIDQWiVWLFDVGHOHµ FRPÉOYDUR&XQKDO/LFHQFLDGRHP+LVWyULDGH$UWHpWpFQLFR GDP~VLFDFRQWHPSRUkQHDHMiIH]SDVVDJHPGHPRGHORVHP VXSHULRUQR'HSDUWDPHQWRGH&XOWXUDGD&kPDUD0XQLFLSDOGH 9LHQDGHÉXVWULDGRHVWLOLVWD.DUO/DJHUIHOG1RDQRIRL ´6HPSUHJRVWHLPXLWRGHEDQGDGHVHQKDGDHDGRSWHLXPD &RLPEUDHVSHFLDOLVWDHPDUWHFRQWHPSRUkQHDHGHYDQJXDUGD FRQKHFHUDLOKDGH,EL]D (VSDQKD HQXQFDPDLVGHL[RXGHOiLU ÀJXUDR6SLGHUPDQXPDSHVVRDTXHDMXGDSHVVRDVFRPSUREOH WHQGRFRPHoDGRSHORV6HUYLoRV0XQLFLSDOL]DGRVHFRQWLQXDGR 7RUQRXVHXPGRVtFRQHVORFDLVFRPR,EL]D6SLGHUPDQ%RUD PDVFRPEDWHDFULPLQDOLGDGHHTXHGRSRQWRGHYLVWDKXPRUtVWLFR FRPRIXQFLRQiULRS~EOLFRQRV7UDQVSRUWHV8UEDQRVeDQtYHO %RUDDPDLVIDPRVDGLVFRWHFDGHSUDLDGRPXQGRRQGHVHGDQoD WLQKDDYHUFRPDPLQKDÀORVRÀDPDU[LVWDGDVRFLHGDGH2PHX GDVDUWHVTXHFHGRVHGHVWDFRXFRPR3DXOR(QRGHVGHRV´2E GDVKDWpjVK(VWiHPPDLVGHYtGHRVQR<RXWXE VREULQKRGHXPHRIDWRTXHWLQKDYHVWLRHKiXPHVStULWRGHPLV MHFWRV3HUGLGRVµFRPLQ~PHUDVSHUIRUPDQFHVSDVVDQGRSHOR XPGRVTXDLVDFLPDGHPLOK}HVGHYLVXDOL]Do}HV VmRDWUDYpVGDGDQoDDMXGDUDVSHVVRDVGRSRQWRGHYLVWDSRVLWLYR VHPQHFHVVLGDGHGHVHWRPDUGURJDVQHPiOFRROµ

Ibiza Spiderman Bora-Bora

www.automoveisdomondego.pt Antanhol - Coimbra | Cantanhede | Figueira da Foz | Guarda | Castelo Branco | Gouveia

32915

PUBLICIDADE


FIGURAS DA SEMANA

10

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

Ascensor A

S U B I R

Ă lvaro Santos Pereira â&#x20AC;&#x201C; Ă&#x2030; pela voz do ministro da Economia, que surge aquilo que parece ser um esforço do Governo para alavancar o crescimento econĂłmico. Ă lvaro Santos Pereira anunciou, esta semana, que o incentivo Ă s pequenas e mĂŠdias empresas passa pelo banco pĂşblico, a Caixa Geral de DepĂłsitos, TXHWHUiGHDVVXPLURSDSHOTXHOKHFDEHSDUD´OLGHUDURĂ&#x20AC;QDQFLDmento Ă  economiaâ&#x20AC;?. AlĂŠm disso, o ministro deixou em aberto a possibilidade de alteraçþes legislativas ao nĂ­vel dos impostos, susceptĂ­veis de favorecer o crescimento econĂłmico. A

D E S C E R

JosĂŠ Eduardo SimĂľes â&#x20AC;&#x201C; EstĂĄ condenado por corrupção passiva, pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ), cujo acĂłrdĂŁo pĂľe em evidĂŞncia aquilo para que, oportunamente, o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;? alertou â&#x20AC;&#x201C; ser recomendĂĄvel que o outrora director de urbanismo de Coimbra nĂŁo acumulasse o cargo com a função de presidente da AcadĂŠmica/OAF. Mediante outra interpretação jurĂ­dica, a SHQDLQĂ LJLGDDRDUJXLGRVHULDPDLVSHVDGDPDVDJRUDQmRpLVVR que importa. O STJ, que prescindiu de condenar JosĂŠ Eduardo a multa, entendeu adverti-lo quanto baste. De resto, SimĂľes tem de desembolsar 100 000 euros para usufruir da suspensĂŁo da execução da pena. PoderĂĄ ser pertinente questionar se obrigaçþes que condicionam a suspensĂŁo da execução servem, particularmente em casos como este, para apaziguar a consciĂŞncia do julgador, atirando dinheiro para cima de instituiçþes de caridade (o que reforça a ideia de que quem tem dinheiro consegue, quase VHPSUHĂ&#x20AC;FDUHPOLEHUGDGH  SĂŠrgio Conceição â&#x20AC;&#x201C; O tĂŠcnico academista estreou-se na sua â&#x20AC;&#x153;cadeira de sonhoâ&#x20AC;? com uma derrota frente ao Sporting de Braga. Apesar das boas intençþes, SĂŠrgio Conceição tem pela frente tarefa complicada para conseguir evitar que a â&#x20AC;&#x153;Briosaâ&#x20AC;? desça de divisĂŁo. A AcadĂŠmica/OAF nĂŁo ganha para o camSHRQDWRGHVGHRĂ&#x20AC;QDOGH-DQHLUR Pedro Passos Coelho â&#x20AC;&#x201C; Incapaz de remodelar autentiFDPHQWHR*RYHUQRYDLĂ&#x20AC;QJLQGRTXHRID]TXDQGRDLVVRp obrigado. Na Ăşltima mexida parece haver dedo do Presidente da RepĂşblica, porquanto Castro Almeida, no Ăşltimo Governo de Cavaco Silva, coadjuvou Manuela Ferreira Leite (pasta da Educação), e Berta Cabral tambĂŠm nĂŁo estaria nas cogitaçþes de Passos Coelho. Acresce que dois dos secretĂĄrios de Estado agora apeados tinham andado a ÂŤbrincarÂť com coisas sĂŠrias enquanto gestores do Metro do Porto.

25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Carlos Silva Presidente do Sindicato dos BancĂĄrios do Centro, com sede em Coimbra, Carlos Silva foi eleito, no passado domingo, secretĂĄrio-geral da UniĂŁo Geral de Trabalhadores (UGT), no XII Congresso que decorreu em Lisboa. Natural de FigueirĂł dos Vinhos, Carlos Silva foi sufragado com perto de 89 por cento dos votos de congressistas, sucedendo no cargo a JoĂŁo Proença. Carlos Silva foi dirigente do Sindicato dos BancĂĄrios do Sul e Ilhas entre 1997 e 2000 e depois integrou a direcção do Sindicato dos BancĂĄrios do Centro, tendo assumido a presidĂŞncia deste sindicato em 2007. Ă&#x2030; militante do Partido Socialista e integrou a Juventude Socialista aos 14 anos, tendo sido apoiante da candidatura do agora lĂ­der do PS, AntĂłnio JosĂŠ Seguro, Ă  liderança da JS em 1990 e, depois, quando concorreu para secretĂĄrio-geral do partido. Carlos Silva, 51 anos, ĂŠ licenciado em Relaçþes Internacionais, e ĂŠ quadro do Banco EspĂ­rito Santo, para onde entrou em 1988, ano em que foi eleito presidente da distrital de Lisboa da JS. Castanheira Neves â&#x20AC;&#x201C; O advogado de Coimbra Alfredo Castanheira Neves estĂĄ de luto devido ao falecimento do pai, cujo funeral foi efectuado domingo. Ex-empresĂĄrio, o extinto, natural de TĂĄbua, morreu aos 89 anos de idade. O falecido tambĂŠm era pai de Maria LuĂ­sa Miranda Barbosa. Antigo presidente do Conselho Superior da Ordem dos Advogados, Castanheira Neves ĂŠ membro do Conselho Superior do MinistĂŠrio PĂşblico (eleito pela Assembleia da RepĂşblica). Amaro Jorge â&#x20AC;&#x201C; Especialista em Direito do Trabalho, vai candidatar-se, este ano, a presidente do Conselho Distrital de Coimbra (CD) da Ordem dos Advogados (OA), soube o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?. O jurista ĂŠ o provĂĄvel sucessor de MĂĄrio Diogo, porquanto este nĂŁo irĂĄ recandidatar-se. A candidatura ĂŠ indepenGHQWHGDVGRVFROHJDVTXHVHSHUĂ&#x20AC;OHPSDUDEDVWRQiULR(PFDUWD dirigida aos colegas dele, o causĂ­dico diz que a sua candidatura pauta-se pelo reconhecimento da subordinação do poder econĂłmico ao poder polĂ­tico, vincando que este emana do povo. â&#x20AC;&#x153;O povo ĂŠ (...) a medida de todas as coisasâ&#x20AC;?, consistindo a â&#x20AC;&#x153;nobre tarefa dos advogadosâ&#x20AC;? em defender os direitos do povo, acentua. Amaro Jorge preconiza â&#x20AC;&#x153;democraticidade internaâ&#x20AC;?, no âmbito da Ordem, advogando a coexistĂŞncia de conselhos distritais, delegaçþes e agrupamentos delas. Ana Paula Pais â&#x20AC;&#x201C; A Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra (EHTC), liderada por Ana Paula Pais, foi galardoada com um dos prĂŠmios da 10.ÂŞ edição do Festival Flavours & Cinema, realizado entre 10 e 12 de Abril, com seis equipas portuguesas e uma italiana. A EHTC recebeu o prĂŠmio â&#x20AC;&#x153;Melhor Buffetâ&#x20AC;?. O evento realizado na Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, HP)DURGHVDĂ&#x20AC;RXRVSDUWLFLSDQWHVDFULDUHPRPHOKRUHORGH ligação entre a gastronĂłmica e a sĂŠtima arte. A equipa italiana

IPSSAR Malatesta venceu dois prĂŠmios â&#x20AC;&#x153;Cine-Gastronomiaâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;Flavours & Cinemaâ&#x20AC;?. A escola de PortimĂŁo obteve a melhor pontuação geral e o prĂŠmio â&#x20AC;&#x153;Cozinheiro do futuroâ&#x20AC;?. MĂĄrio Silva â&#x20AC;&#x201C; Na vĂŠspera de mais uma comemoração do 25 de Abril de 1974 foi inaugurada no Restaurante Nacional mais uma edição de Arte Ă  Mesa, cuja mostra ĂŠ da autoria do pintor MĂĄrio Silva. Composta por alguns dos Ăşltimos trabalhos sobre Coimbra, a exposição pode ser apreciada atĂŠ 4 de Maio. â&#x20AC;&#x153;â&#x20AC;Ś.nunca por mim antes feitaâ&#x20AC;Śâ&#x20AC;? ĂŠ assim que MĂĄrio Silva se refere Ă  sua mais recente criação, uma sĂŠrie Ăşnica de Coimbra(s), onde as mais variadas fragrâncias e vivĂŞncias da cidade sĂŁo capturadas por pinceladas determinadas e coloridas. AdĂ­lia Ramos â&#x20AC;&#x201C; A Escola Superior de Educação de Coimbra (6(& YDLIRUPDUSURIHVVRUHVPRoDPELFDQRVSDUDTXHĂ&#x20AC;TXHP habilitados a ministrar o curso de Turismo. ResponsĂĄvel pelo mestrado em Turismo de Interior, AdĂ­lia Ramos realçou que o FXUVRGD(6(&IRL´RSULPHLURDVHUFHUWLĂ&#x20AC;FDGRSHOD2UJDQL]DomR Mundial de Turismo em Portugalâ&#x20AC;?. Os docentes portugueses vĂŁo apoiar a Universidade Eduardo Mondlane e representa mais um importante passo para a internacionalização da ESEC. Varela Pècurto â&#x20AC;&#x201C; O fotĂłgrafo Varela Pècurto entregou QRSDVVDGRGLDXPDFROHFomRGHIRWRJUDĂ&#x20AC;DVGDVXDDXWRULDj Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova. A cerimĂłnia decorreu no Casa Museu Fernando Namora. A colecção ĂŠ composta por IRWRJUDĂ&#x20AC;DVHVHJXQGR3qFXUWRDEDUFDWRGRRFRQFHOKRGH Condeixa-a-Nova, contribuindo para a preservação da histĂłria e memĂłria dos espaços e das gentes. O fotĂłgrafo tem cedido um pouco por toda a regiĂŁo Centro o seu extenso arquivo IRWRJUiĂ&#x20AC;FR

PUBLICIDADE

32768

32692

Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio


25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

FACTOS DA SEMANA

11

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Homem da mĂĄscara Semana do Bacalhau na â&#x20AC;&#x153;Baixaâ&#x20AC;? de Coimbra $Wp ViEDGR D ´%DL[DÂľ GH &RLPEUD p DQLPDGD SHOD 6HPDQD GR %DFDOKDX fez mais de 20 assaltos a bancos O presumĂ­vel autor de mais de duas dezenas de assaltos a iniciativa que o ano foi coroada de ĂŞxito. Organizada em conjunto pela AcadedependĂŞncias bancĂĄrias, incluindo a da Caixa CrĂŠdito AgrĂ­cola mia do Bacalhau de Coimbra e AgĂŞncia para a Promoção da Baixa de Coimbra da Carapinheira (Montemor-o-Velho), foi detido pela PolĂ­cia (APBC), a iniciativa conta com a adesĂŁo de 15 estabelecimentos que vĂŁo ser JudiciĂĄria (PJ) na zona da Guarda. O homem, de 28 anos de avaliados por um jĂşri num concurso gastronĂłmico que vai eleger as trĂŞs melhoidade, actuava com elevada violĂŞncia, empunhando uma rĂŠplica res especialidades. A divulgação dos premiados serĂĄ feita amanhĂŁ e a entrega de uma arma de fogo com a qual ameaçava os funcionĂĄrios dos prĂŠmios estĂĄ prevista para o Ăşltimo dia do evento, sĂĄbado, por ocasiĂŁo do das agĂŞncias. Do modo de actuação, destaca-se, ainda, o uso jantar do 10Âş aniversĂĄrio da Academia do Bacalhau de Coimbra.O CafĂŠ Santa GHOXYDVEUDQFDVHXPDPiVFDUDHPOiWH[TXHGLĂ&#x20AC;FXOWRXDVXD Cruz, entre outros espaços, acolhem sessĂľes de show cooking dinamizadas pela Escola de Hotelaria e Turismo de LGHQWLĂ&#x20AC;FDomR2LQGLYtGXRGHWLGRQRkPELWRGHXPDDFomR Coimbra. No perĂ­odo da manhĂŁ, entre as 10h00 e as 11h30, as sessĂľes sĂŁo dirigidas aos mais jovens, como forma conjunta da Unidade Nacional Contra o Terrorismo da PJ GHVHQVLELOL]DUSDUDRFRQVXPRGHVWHDOLPHQWRjWDUGHHQWUHDVKHDVKVmRGHDFHVVROLYUHDWRGRVRV e da Directoria do Centro, em cooperação com o Departavisitantes da Baixa de Coimbra e acompanhadas de provas de vinhos. De destacar ainda que amanhĂŁ realiza-se mento de Investigação e Acção Penal de Lisboa, ĂŠ suspeito da PDLVXPDHGLomRGDLQLFLDWLYD1RLWH%UDQFDSHORTXHRFRPpUFLRHVWDUiDEHUWRDWpjVK$DQLPDomRVHUiXPD prĂĄtica de assaltos, desde 2010, em Foz do Arelho, LourinhĂŁ, FRQVWDQWHQDVUXDVHUHVWDXUDQWHVDGHUHQWHVjLQLFLDWLYD AlfeizerĂŁo, PĂłvoa da Galega, Arruda dos Vinhos, Mafra, Guia, Mira, Vagos, Monte Redondo, AlvaiĂĄzere, Alenquer, Mealhada, AnsiĂŁo, Tramagal, Chamusca e Carapinheira, o mais recente. O pela PolĂ­cia JudiciĂĄria (PJ) de Coimbra, segundo revelou, esquadra da PSP, medida de coacção que lhe foi imposta pelo VXVSHLWRDSUHVHQWDGRVHJXQGDIHLUDDWULEXQDOĂ&#x20AC;FRXHPSULVmR segunda-feira, a Directoria do Centro. Munidos de uma faca juiz de instrução. AlĂŠm disso, o Tribunal da Figueira da Foz de grandes dimensĂľes, dois dos suspeitos aproximaram-se do SURLELXRDUJXLGRGHFRQWDFWDUFRPWUDĂ&#x20AC;FDQWHVHFRQVXPLGRUHV preventiva, medida de coacção que lhe foi aplicada. SRVWRHP0RQWHPRUR9HOKRWHQGRH[LJLGRjVGXDVIXQFLRQi- de frequentar lugares conotados com aquelas actividades e de Freguesias de Cantanhede recebem rias de serviço que lhes entregassem todo o dinheiro. Concreti- permanecer junto de qualquer escola do concelho. mais de 450 000 euros da Câmara zados os seus intentos, revela a PJ, â&#x20AC;&#x153;fugiram em direcção a um Ascende a mais de 450 000 euros o montante global que a veĂ­culo, ao volante do qual os esperava o elemento feminino Apanhado a vender ouro furtado &kPDUD0XQLFLSDOGHFLGLXDWULEXLUjVMXQWDVGHIUHJXHVLDSDUD GRJUXSRÂľ3DUDDOpPGDDUPDGRFULPHQDVGLOLJrQFLDVGH Um sexagenĂĄrio foi detido por elementos da Esquadra que estas, ao abrigo dos protocolos de delegação de compe- recolha de prova realizadas, a polĂ­cia de investigação criminal de Investigação Criminal da PSP da Figueira da Foz, dia 19, tĂŞncias, realizem obras e trabalhos de manutenção em vĂĄrios encontrou vĂĄrias peças de vestuĂĄrio alegadamente usadas no quando se prepara para vender, numa casa de valores, ouro domĂ­nios. O acordo foi formalizado, dia 18, no decurso de um decurso do assalto. Os detidos, com idades entre os 17 e 21 furtado, revelou o Comando Distrital daquela força policial. encontro do lĂ­der do executivo camarĂĄrio, JoĂŁo Moura, com DQRVHVWmRREULJDGRVDDSUHVHQWDUVHSHULRGLFDPHQWHjVDXWR- O ouro apreendido apresentava-se numa amĂĄlgama de peos 19 presidentes de juntas do concelho, no qual estiveram ridades, medida de coação que lhes foi decretada. quenos fragmentos, quebrados e amassados, ardil utilizado tambĂŠm presentes a vice-presidente da autarquia, pelo suspeito para tentar descaracterizar as peças Helena TeodĂłsio, e os vereadores Pedro Cardoso e impedir o seu reconhecimento pelos legĂ­timos e Pedro Castro. Para JoĂŁo Moura, â&#x20AC;&#x153;esta polĂ­tica de proprietĂĄrios. â&#x20AC;&#x153;NĂŁo obstante a tentativa, ĂŠ ainda cooperação tem dado bons frutos, ĂŠ sem dĂ­vida a possĂ­vel perceber que entre aqueles objectos se UHFHLWDFHUWDSDUDUHQWDELOL]DUDVYHUEDVTXHD&kencontram pulseiras, cordĂľes, brincos lisos, outros PDUD0XQLFLSDOGLVSRQLELOL]DQHVWHkPELWRSRLVDV trabalhados, com e sem pedras preciosas, medalhas, juntas de freguesia, pela sua proximidade, estĂŁo em FUXFLĂ&#x20AC;[RVHRXWURVREMHFWRVGHGLItFLOLGHQWLĂ&#x20AC;FDomRÂľ melhores condiçþes para fazer o diagnĂłstico das explica a PSP. Em busca domiciliĂĄria levada a cabo VLWXDo}HVHSDUDGHĂ&#x20AC;QLUHPPHOKRUDVSULRULGDGHVÂľ na residĂŞncia do homem, de 62 anos, foi encontrada uma grande quantidade de ouro de origem suspeita, CĂĄritas debateu uso e abuso de ĂĄlcool que as autoridades apreenderam por ser â&#x20AC;&#x153;fortemente ´Ă&#x2030;OFRROGRXVRDRDEXVRÂľIRLRWHPDGDSULPHLSODXVtYHOÂľWUDWDUGHGHPDWHULDOIXUWDGRWLGRDPHVPD UDWHUW~OLDGHXPFLFORLQWLWXODGR´9LV}HVVREUHÂľ proveniĂŞncia. promovido pela CĂĄritas Diocesana de Coimbra, que Be Fado divulga artigos decorreu, terça-feira, na Livraria Almedina, com a Se tens entre 13 e 17 anos, nĂŁo percas esta oportunidade: Datas do curso: 09 a 23 de Julho *15 horas de aulas de inglĂŞs por semana Preço: \1.700 presença da directora da Unidade de Alcoologia, Ana * Alojamento com pensĂŁo completa na capital verde de Inglaterra em segunda mĂŁo Data limite de inscrição: 10 de Maio * Um programa de atividades recheado de desporto e cultura Marca jĂĄ o teu lugar, so temos 15 vagas $UWLJRV´YLQWDJHÂľHHPVHJXQGDPmRYmRHVWDU FeijĂŁo. O tema da tertĂşlia foi pertinente, dado que a * Transfers e seguro de viagem *Acompanhamento de um monitor, para garantir que te divertes em destaque no espaço Be Fado, em Coimbra. O nova Lei do Ă lcool entrarĂĄ em vigor a partir de 01 International House International evento E´Tiqueta vai decorrer de 26 a 28 de Abril. de Maio, importando perceber quais os verdadeiros Rua Antero de Quental 135 - 3000-032 Coimbra House Telem.: 937 902 886 - Tel: 239 822 971 Eâ&#x20AC;&#x2122;tiqueta ĂŠ um evento com a marca Maria Pedaços REMHFWLYRVGRGLSORPDHTXHUHĂ H[RVHIHFWLYRVWHUi E-mail: info@ihcoimbra.com www.ihcoimbra.com Coimbra e vai contar com a participação de lojas de estuĂĄrio, sobre o consumo de ĂĄlcool. A tertĂşlia sobre o ĂĄlcool FDOoDGRDFHVVyULRVGHFRUDomRHQWUHRXWURV&RQĂ&#x20AC;Uinsere-se num ciclo mais vasto de debates, no qual se PDGDHVWiMiDSDUWLFLSDomRGD´Ă&#x2030;VGH(VSDGDVÂľ %DLUUR$OWR  pretendem abordar as problemĂĄticas aditivas, â&#x20AC;&#x153;numa ĂŠpoca em Judo AAC vice-campeĂŁo Luso-Galego A secção de judo da Associação AcadĂŠmica de Coimbra ´*R9LQWDJH'HVLJQÂľ5RPHX2XWOHW.LGWR.LG*DUDJH que o conceito de espaços recreativos, de diversĂŁo, estĂĄ cada vez PDLVDVVRFLDGRDRFRQVXPRGHVXEVWkQFLDVTXHDOWHUHPRHVWDGRGH (AAC) participou na terceira e Ăşltima jornada da Liga Interna- Sale, Jorge Mendes (Coimbra) e Corazon (Anadia). O cerconsciĂŞncia, como o ĂĄlcool, e em que os padrĂľes do seu consumo cional Luso-Galega, na Maia, uma prova com a participação tame vai coincidir com a Feira de Antiguidades e Velharias de 18 clubes portugueses e espanhĂłis, tendo sido apurada de Coimbra â&#x20AC;&#x201C; que se realiza no sĂĄbado â&#x20AC;&#x201C; e com a iniciativa VRIUHPSURIXQGDVDOWHUDo}HVÂľUHIHUHPRVWpFQLFRVGD&iULWDV SDUDRSOD\RII Ă&#x20AC;QDO1HVWHD$FDGpPLFDHQFRQWURXDHTXLSD Noite Branca. Promovida pela Associação da Promoção da galega do Judo Club Arteixo, vencedora da edição anterior da %DL[DGH&RLPEUDD1RLWH%UDQFDGHVDĂ&#x20AC;DRVFRPHUFLDQWHVGD Ia a fugir com uma santa Uma mulher foi interceptada, domingo, por populares, SURYDWHQGRDYHQFLGRSRURTXHFRQĂ&#x20AC;UPRXDSUHVHQoD ´%DL[DÂľDHVWHQGHUHPRKRUiULRGHIXQFLRQDPHQWRGDVORMDV em Pombeiro da Beira, na sequĂŞncia do furto de uma imagem GDHTXLSDGH&RLPEUDQDĂ&#x20AC;QDO1RGHUUDGHLURHQFRQWURRV HSURFXUDLQFHQWLYDURDXPHQWRGHDĂ XrQFLDGHS~EOLFRDHVWD religiosa, ocorrido durante a celebração de uma missa, disse academistas nĂŁo conseguiram vencer os seus adversĂĄrios, os zona da cidade. O evento incluirĂĄ ainda animação, a cargo de fonte da GNR. O objecto do furto foi uma estatueta de Santa 6DOHVLDQRVGH/LVERDSHUGHQGRSRUDSyVXPDĂ&#x20AC;QDOPXLWR El Manouche, projecto de JoĂŁo Rola no Saxofone e Mauro Rita de CĂĄssia e a arguida, de 53 anos de idade, reside nos bem disputada, sagrando-se assim a AcadĂŠmica vice-campeĂŁ Ribeiro na guitarra. da edição deste ano da Liga Internacional Luso-Galega. O arredores do Porto. Rotaract rĂŠune-se em Coimbra treinador JoĂŁo Abreu, considerou que esta prova foi um bom Jovens participativos na LousĂŁ 25RWDUDFW&OXEGH&RLPEUDTXHUH~QHMRYHQVSURĂ&#x20AC;VVLRteste para o Campeonato Nacional de Equipas Seniores, a A primeira assembleia participativa jovem da LousĂŁ realizar em Maio, em Odivelas. nais e estudantes, organiza, no prĂłximo sĂĄbado e domingo, a GHFRUUHXQDWDUGHGHRQWHPQR0XVHX(WQRJUiĂ&#x20AC;FR/RX]m XXII ConferĂŞncia Nacional de Rotaract e a XIII ConferĂŞncia Haxixe na Figueira da Foz +HQULTXHVFRPYLVWDjDSUHVHQWDomRHGHEDWHGDYLDELOLGDGH Nacional de Interact do Distrito 1970. A iniciativa, que conHXWLOLGDGHGHSURSRVWDVDLQFOXLUQR2UoDPHQWRGD&kPDUD Um homem, 36 anos de idade, foi detido pela PSP da Fi- tarĂĄ com mais de uma centena de participantes, para alĂŠm de Municipal. O OPJ (Orçamento Participativo Jovem) dĂĄ a gueira da Foz, dia 19, tendo na sua posse uma barra de haxixe. diversos rotĂĄrios de todo o paĂ­s e a governadora do distrito, possibilidade de os jovens, dos 13 aos 35 anos, poderem con- $OpPGRDOHJDGRWUDĂ&#x20AC;FDQWHDVDXWRULGDGHVLGHQWLĂ&#x20AC;FDUDPXPD ĂŠ uma forma de os jovens desfrutarem de momentos de cretizar propostas de desenvolvimento da LousĂŁ, que sejam consumidora daquele produto estupefaciente. A detenção companheirismo, aperfeiçoarem a capacidade de liderança e exequĂ­veis com 5 000 euros, pretendendo levar estes cidadĂŁos ocorreu por volta das 23h00, na rua de Joaquim Carvalho Ă&#x20AC;FDUDPDFRQKHFHUPHOKRU&RLPEUD3DUDDOpPGDVSDOHVWUDV a colaborar, simbolicamente, num modelo de governação mais e o suspeito foi interceptado por elementos da Esquadra de e acçþes de formação, os jovens irĂŁo ter, sĂĄbado, pelas 15h30, SUy[LPRHGLQkPLFR Investigação Criminal da PSP e submetido a uma revista. O RSDVVHLR´&RLPEUDGRVGRXWRUHVÂľVHJXLQGRVHDGHVFREHUWD KD[L[HHPTXDQWLGDGHVXĂ&#x20AC;FLHQWHSDUDGRVHVLQGLYLGXDLV GDĂ RUDGD3RUWXJDOQR-DUGLP%RWkQLFRFRPRMDQWDUGHJDOD Detido trio que assaltou bombas estava escondido junto aos ĂłrgĂŁos genitais e â&#x20AC;&#x153;destinava-se ´1RLWHGHVRQKRHWUDGLomRÂľQD4XLQWDGDV/iJULPDV1RGRDois homens e uma mulher, suspeitos da autoria do crime DRWUiĂ&#x20AC;FRHQWUHRXWURVORFDLVFRQKHFLGRVMXQWRGHDOJXPDV PLQJRVHUiSODQWDGDSHODVKD´Ă&#x2030;UYRUHGDDPL]DGHÂľQR de roubo ocorrido num posto de abastecimento de combustĂ­- HVFRODVGDFLGDGHÂľUHYHODD3632LQGLYtGXRHVWiREULJDGR -DUGLP%RWkQLFRFRPRHQFRQWURDWHUPLQDUFRPRRDOPRoR YHLVGH7HQW~JDOHP)HYHUHLURIRUDPLGHQWLĂ&#x20AC;FDGRVHGHWLGRV a apresentar-se periodicamente (trĂŞs vezes por semana) na ´&RLPEUDWHPPDLVHQFDQWRÂľ

Come with us to beautiful Bristol


ACTUALIDADE

12

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Defendeu responsĂĄvel da SEFIN

eSUHFLVRXPSODQRQDFLRQDOGHOLWHUDFLDĂ&#x20AC;QDQFHLUD que decorreu, no passado dia 17, no Instituto de O paĂ­s precisa de criar Superior de Contabilidaum plano nacional de lite- de e Administração de UDFLDĂ&#x20AC;QDQFHLUDGHIRUPD Coimbra. a elevar os conhecimentos â&#x20AC;&#x153;Muitos paĂ­ses tĂŞm Ă&#x20AC;QDQFHLURVGDSRSXODomRH e nĂłs teimamos em nĂŁo a promover a adopção de entrar por essa via que ĂŠ FRPSRUWDPHQWRVĂ&#x20AC;QDQFHL- fundamentalâ&#x20AC;?, afir mou ros sĂŁos e adequados. Ă  margem do evento, o A ideia foi defendida especialista, notando que por AntĂłnio JĂşlio Almei- o plano devia ter prograda, da direcção da SEFIN mas dirigidos a segmenâ&#x20AC;&#x201C; Associação Portuguesa tos diversos da população dos Utilizadores e Consu- portuguesa, desde a alunos midores de Serviços e Pro- a idosos. dutos Financeiros, durante Numa altura em que a tertĂşlia â&#x20AC;&#x153;A defesa do se assiste ao sobreendiviConsumidor Financeiroâ&#x20AC;?, damento, quer das empreB.O.

sas quer dos particulares, o conceito de literacia financeira ĂŠ ainda mais pertinente, corroborou Filomena GirĂŁo, advogada especialista em direito do trabalho e comercial, que tambĂŠm interveio na tertĂşlia. Um plano nacional de OLWHUDFLD Ă&#x20AC;QDQFHLUD p SDUD a jurista, uma ferramenta â&#x20AC;&#x153;fundamentalâ&#x20AC;? para os portugueses estarem bem informados. â&#x20AC;&#x153;AtĂŠ porque muitas vezes desconhecemos os nossos direitos e fruto disso nĂŁo sabemos como combater os pro-

blemas que nos surgemâ&#x20AC;?, observou Filomena GirĂŁo. A crise do sector financeiro ĂŠ apenas uma das muitas crises que assolam Portugal, comentou AntĂłnio JĂşlio Almeida, reconhecendo que a supervisĂŁo bancĂĄria falhou redondamente. â&#x20AC;&#x153;Os bancos tĂŞm mĂĄs prĂĄticas, sĂŁo mal geridos H LQHĂ&#x20AC;FLHQWHV H SRUWDQWR repercutem isso no cliente. As outras empresas quando sĂŁo ineficientes, o mercado encarrega-se de acabar com elas. Os bancos nĂŁo. HĂĄ sempre

uma mĂŁo salvadora, neste caso o Estado, leia-se o contribuinte. Isto nĂŁo devia existir e nĂŁo se deve manterâ&#x20AC;?, considerou o dirigente da SEFIN. â&#x20AC;&#x153;O Banco de Portugal deve ter mais cuidado, ser mais exigente com a prĂłpria evolução dos bancos, ser mais presente e ter uma acção mais activa de regulação, quer na prevenção quer no acompanhamento e controle dos bancos. Acho que a experiĂŞncia provou que nĂŁo se pode FRQĂ&#x20AC;DU QRV EDQTXHLURVÂľ observou.

O perito financeiro vĂŞ com bons olhos a supervisĂŁo global do sistema financeiro a nĂ­vel europeu, mas defende que esta nĂŁo dispensa uma â&#x20AC;&#x153;efectiva supervisĂŁo nacional em cada paĂ­sâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;A actividade financeira tem de ser controlada em cada paĂ­s pelo respectivo banco central ou entidades supervisoras, obedecendo a um conjunto de regras que devem ser fixadas em ter mos supranacionais, porque hoje o sistema financeiro ĂŠ globalâ&#x20AC;?, referiu.

Protocolo prevĂŞ novas ofertas do ISCAC

Formação para agentes das forças de segurança O acordo, formalizado na Ăşltima semana, preconiO Instituto de Contabi- za, entre outros aspectos, lidade e Administração de uma maior colaboração e o Coimbra (ISCAC) acaba de reforço da oferta formativa celebrar um protocolo com susceptĂ­vel de interessar aos os sindicatos e associaçþes associados das vĂĄrias estrutuSURĂ&#x20AC;VVLRQDLV GDV SULQFLSDLV ras de representação laboral forças de segurança portu- GR VHFWRU EHQHĂ&#x20AC;FLDQGR RV guesas. mesmos de condiçþes vantaG. B.

josas de inscrição (propina). A parceria pode vir a beneficiar os cerca de 30 000 elementos representados pela Associação Sindical GRV3URĂ&#x20AC;VVLRQDLVGD3ROtFLD o Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a Associação

Sindical dos FuncionĂĄrios da Autoridade de Segurança Alimentar e EconĂłmica, a $VVRFLDomRGRV3URĂ&#x20AC;VVLRQDLV da Guarda, o Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional e a Associação 6yFLR3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGD3ROtFLD MarĂ­tima. Actualmente, o ISCAC

dispþe de pós-graduaçþes em Administração de Segurança e Prevenção, Actuação em Ambiente Público, Direito das Contra-Ordenaçþes e Auditoria, Risco e Controlo de Sistemas de Informação. A criação de novos cursos, à medida das necessidades e em åreas susceptíveis

de interessar aos elementos das vĂĄrias forças de segurança, foi uma das vertentes assumidas por Manuel Castelo-Branco, presidente do ISCAC, que sublinhou a importância de uma colaboUDomRTXHSHUPLWLUiTXDOLĂ&#x20AC;FDU e diferenciar a oferta formativa da instituição.

PUBLICIDADE

Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? os ParabĂŠns pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

VHPHQWHV

Sede/ArmazĂŠm Rua Santo AntĂłnio - apartado 5 3060-156 Cantanhede tel. 231 419 570 fax 231 419 579 HPDLOĂ&#x20AC;RUD#Ă&#x20AC;RUDOXVLWDQDSW ZZZĂ&#x20AC;RUDOXVLWDQDSW

32863

32837

f lora LXVLWDQD


25

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

13

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Ex-director da PolĂ­cia JudiciĂĄria

Juiz conselheiro alerta para â&#x20AC;&#x153;o riscoâ&#x20AC;? de o MP ser â&#x20AC;&#x153;cabeça sem braçosâ&#x20AC;? R.A.

O juiz conselheiro JosĂŠ Santos Cabral alerta para â&#x20AC;&#x153;o riscoâ&#x20AC;? de o MinistĂŠrio PĂşblico (MP), entidade titular da acção penal, ser â&#x20AC;&#x153;uma cabeça sem braçosâ&#x20AC;?. Ex-director nacional da PolĂ­cia JudiciĂĄria, o magistrado judicial interveio, na semana passada, em Coimbra, numa tertĂşlia, a convite do â&#x20AC;&#x153;Granel das Beirasâ&#x20AC;?, ÂŤsui generisÂť designação do nĂşcleo da regiĂŁo Centro da Associação

GH2Ă&#x20AC;FLDLVGD5HVHUYD1DYDO $251  â&#x20AC;&#x153;O MP tem de reforçar a sua especialização e possuir outro domĂ­nio da ÂŤleges artisÂť (regras da arte); se nĂŁo, tambĂŠm nĂŁo domina a investigação criminalâ&#x20AC;?, adverte. Segundo o magistrado, ĂŠ frequente a PolĂ­cia JudiciĂĄria fornecer ao MP a informação que ela considera pertinente, PDVLQVXĂ&#x20AC;FLHQWHSDUDDHQWLdade titular da acção penal agir convenientemente.

A uma pergunta de JoĂŁo Paulo Craveiro â&#x20AC;&#x201C; que questionou se, em Portugal, hĂĄ corrupção â&#x20AC;&#x201C;, Cabral respondeu DĂ&#x20AC;UPDWLYDPHQWH â&#x20AC;&#x153;HĂĄ corrupção, mas nĂŁo hĂĄ magistrados (juĂ­zes e procuradores) especializadosâ&#x20AC;? no combate ao fenĂłmeno, alega o antigo director da PJ. 1HVWH FRQWH[WR 6DQWRV Cabral preconizou a criação de â&#x20AC;&#x153;uma agĂŞncia ou entidadeâ&#x20AC;?, dotada dos melhores especialistas, para dar combate Ă 

UniĂŁo de Coimbra

Assembleia de credores vai prosseguir em Maio Uma reunião da assembleia de credores do Clube de Futebol União de Coimbra (CFUC), convocada para 18 de Abril, foi suspensa e serå reatada em meados de Maio para proporcionar a prestação de esclarecimentos por parte do administrador da insolvência. A referida sessão destinase a proceder à apreciação de um relatório da autoria de tal

administrador, EmĂ­dio Costa e Sousa, que se fez representar no acto convocado para a passada quinta-feira. 1HVWHFRQWH[WRDPDJLVtrada judicial Paula Cristina Pereira, do Tribunal CĂ­vel de Coimbra, ordenou o adiamento do desfecho da assembleia de credores. Como noticiou o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?, na edição impressa de

11 de Abril, EmĂ­dio Joaquim assinala que o patrimĂłnio do CFUC se resume a pouco mais do que o emblema. Advogados representanWHVGHFUHGRUHVĂ&#x20AC;]HUDPTXHVtĂŁo de ouvir esclarecimentos do administrador da insolvĂŞncia, nomeadamente acerca da pertença de um pavilhĂŁo adjacente Ă  Escola SecundĂĄria de D. Maria.

corrupção. Advertiu, ainda, que o CĂłdigo de Processo Penal foi concebido Ă  luz da existĂŞncia de uma criminalidade menos sofisticada e menos complexa . Assertivo e resoluto, o juiz FRQVHOKHLURIRLGHĂ&#x20AC;QLGRSRU JoĂŁo Mexia, como â&#x20AC;&#x153;pensador e portador de ideias clarasâ&#x20AC;?. Seria Maddie um clone?

Agostinho Almeida Santos, ex-presidente dos HUC, deixou vĂĄrias perguntas no ar:

Que tĂŠcnica de reprodução medicamente assistida terĂĄ estado por trĂĄs do nascimento de Maddie MacCann, desaparecida do Algarve em Maio de 2007? Tratar-se-ĂĄ de um clone? 2QGHHVWiR$'1GDPHQLQD" Especialista em reprodução medicamente assistida, Almeida Santos estranha os frequentes regressos dos pais de Maddie a Lagos e faz notar que ela possuĂ­a â&#x20AC;&#x153;um sinal num olhoâ&#x20AC;?. Para adensar a polĂŠmica inerente ao desaparecimento da criança, o empresĂĄrio Stephen Birch, citado pelo

Correio da ManhĂŁ, assegurou ter provas de que o corpo dela estĂĄ enterrado na casa GH 5REHUW 0XUDW FLGDGmR britânico, morador ao lado do Ocean Club). Murat emitiu um desmentido, considerando que a investigação daquele empresĂĄrio e as conclusĂľes sobre o alegado paradeiro do corpo correspondem â&#x20AC;&#x153;a loucura e a estupidezâ&#x20AC;?. Por outro lado, na GrĂŁBretanha, um detective alega a existĂŞncia de â&#x20AC;&#x153;fortes indĂ­ciosâ&#x20AC;? quanto Ă  probabilidade de Maddie estar viva.

Institutos politĂŠcnicos

'HSXWDGRVTXHVWLRQDPPLQLVWURVREUHDVĂ&#x20AC;[LD Dez deputados do PS j$VVHPEOHLDGD5HS~EOLFD questionaram, hĂĄ dias, o PLQLVWUR 1XQR &UDWR D propĂłsito dos motivos para â&#x20AC;&#x153;constante adiamentoâ&#x20AC;? na transferĂŞncia de verbas para os institutos politĂŠcnicos.

â&#x20AC;&#x153;Por que razĂŁo optou o MinistĂŠrio [da Educação e CiĂŞncia] por realizar a transferĂŞncia para as universidades em data diferenteâ&#x20AC;? da correspondente aos politĂŠcnicos?, perguntam, igualmente,

os parlamentares. Mårio 5XLYR-RmR3RUWXJDOH5XL Duarte, socialistas eleitos por Coimbra, fazem notar que, à data, os institutos politÊcnicos ainda desconhecem o efectivo orçamento para 2013.

Junta de Freguesia de Ançã

32871

Felicitamos o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? no seu 13Âş AniversĂĄrio

32787

PUBLICIDADE

Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;? sucessos futuros e os ParabĂŠns! Garantidamente de Ançã

JOĂ&#x192;O PAULO BALHAU DE SOUSA o das Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁ os ParabĂŠns!

Rua de Santiago, n.Âş 149 Ribeira de Frades - 3045-442 COIMBRA

ProvĂ­nciasâ&#x20AC;?

REPARAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE AUTOMĂ&#x201C;VEIS

32652

Telem.: 919 486 513 Telef.: 239 984 081

Congratulamos o Jornal â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pela passagem do seu 13.Âş AniversĂĄrio

32841

32548

Quinta de Santo AntĂłnio - 3060-034 ANĂ&#x2021;Ă&#x192; - E-mail: jfanca@interacesso.pt Telef.: 239 961 942 / Fax: 239 961 944


14

ACTUALIDADE

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

Rabaçal

Mercado de produtos endógenos anima vila romana Produtos endógenos, história e tradição foram os principais ingredientes da IV edição do Mercado do Queijo Rabaçal e dos Romanos, que se realizou, no domingo, na Estação Arqueológica da Villa ro-

mana do Rabaçal. Este ano, o certame reuniu mais de 20 produtores que deliciaram os visitantes com queijos – entre os quais o do Rabaçal, naturalmente – e enchidos, vinho, azeite, mel, nozes, cestaria e doçaria. As r uínas romanas

eram apenas um dos muitos motivos de atracção, sendo certo que o dia solarengo também ajudou bastante – ao invés do ano transacto – ao convívio das famílias. “O objectivo deste certame é promover os produtos e recursos endógenos do nosso território,

Organizadores e convidados brindaram ao êxito da iniciativa

como o queijo do Rabaçal, e ao mesmo tempo pro-

PUBLICIDADE

Instalações Técnicas, Lda. Energias Renováveis Solar Térmica e Foto-voltaica

Entidade Instaladora, Montadora de Redes de Gás Gabinete de Projectos e Gestão de Obra

Maria de Jesus foi uma das produtoras de queijo que marcaram presença no evento PUBLICIDADE

ELECTRICIDADE - CANALIZAÇÃO - AQUECIMENTOS PAINEIS SOLARES - AR CONDICIONADO 32660

Rua Adriano Lucas, Monte S. Miguel Armz.6 - 3020-265 Coimbra Tel.: 239 495 279 * Fax.: 239 495 238 - www.acessorigas.pt (E-Mail): acessorigas@acessorigas.pt

“um produto turístico muito interessante” na região. Ateliers infantis para o fabrico de pão, queijo e elaboração de mosaicos romanos, pintura ao ar livre, jornadas de discussão técnica sobre lacticínios, recriações históricas e um festival de folclore, com o apoio do Rancho Folclórico do Rabaçal, foram outras das actividades que decorreram paralelamente ao certame. Apesar da crise, os produtos regionais ainda vão tendo procura, reconheceu Dália Mendes, produtora de Penela, que faz questão de marcar sempre presença neste tipo de eventos. O que mais sai, adiantou, são são os licores feitos à base de mel e o mel. Para Dália Mendes, os portugueses dão cada vez mais valor aos “produtos autênticos”.

32730

Novas Instalações

movermos a villa romana”, DÀUPRXRSUHVLGHQWHGD&kmara Municipal de Penela, António Alves, após visita aos expositores. Se, por um lado, a conjuntura de crise pode inÁXHQFLDU QHJDWLYDPHQWH D nível comercial este tipo de iniciativa, por outro, destacou o edil, incentiva as pessoas a procurar alternativas de negócio. “Estou certo que irão aparecer mais produtores de queijo”, comentou António Alves, sublinhando que esta actividade é um importante complemento do orçamento familiar na região. A realização do mercado na Estação Arqueológica da Villa romana do Rabaçal confere, acrescentou o autarca, um “enquadramento interessante” ao evento e permite ainda “promover a rota da romanização”, que é

RUA 1.º DE MAIO - VÉRIGO - 3105-297 PELARIGA Pombal Telef.: 236 215 087 - Telem.: 917 573 507

ABC

BENEDITA OLIVEIRA


QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

15

32778

25


SAĂ&#x161;DE

16

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Aproveitando dupla operação pioneira em Portugal

CHUC vendem ao estrangeiro a ĂĄrea dos transplantes renais L.S.

O duplo transplante cruzado de rins com dadores vivos, efectuado dia 17 pelo primeira vez em Portugal no Centro Hospitalar e UniversitĂĄrio de Coimbra (CHUC), ĂŠ uma das ĂĄreas de internacionalização desta unidade de saĂşde, segundo referiu ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?, o presidente do Conselho de Administração. JosĂŠ Martins Nunes, que falou numa conferĂŞn-

cia de Imprensa para dar a conhecer os pormenores deste procedimento cirúrgico pioneiro no país, sustentou ao nosso Jornal que este tipo de transplantes não têm lista de espera, pelo que podem ser acolhidos doentes do estrangeiro. Para alÊm da årea dos transplantes renais, Martins Nunes coloca o CHUC com condiçþes para disputar o mercado internacional na cirurgia cardiotoråcica, na cardiologia de interven-

ção, na recolocação sexual (mudança de sexo, em que Ê o único centro em Portugal) e nos tumores oculares. O transplante simultâneo de rins, com dois dadores vivos e dois receptores, constituiu uma inovação por ser realizada de forma cruzada, ultrapassando assim a questão da incompatibilidade, segundo explicou o cirurgião e urologista Alfredo Mota. O director do Serviço de Urologia e Transplan-

tação Renal do CHUC assinalou, igualmente, que isto sĂł foi possĂ­vel por haver uma â&#x20AC;&#x153;excelente e experimentada equipa, com devoção Ă  causaâ&#x20AC;?, dado que na recolha dos dois rins em dadores vivos e implantação nos duplos receptores estiveram enYROYLGRVSURĂ&#x20AC;VVLRQDLV durante seis horas, simultaneamente em quatro salas de operaçþes. Fernando MacĂĄrio, presidente da Sociedade Por-

tuguesa de Transplantação (SPT) e mĂŠdico nefrologista do CHUC, referiu que em Portugal estĂŁo inscritos 15 pares de dador-receptor, com doação de rim incompatĂ­vel entre ambos, Ă  espera que exista outro par com o qual o transplante do ĂłrgĂŁo possa ser cruzado. O clĂ­nico aludiu Ă  campanha â&#x20AC;&#x153;Doar um rim faz bem ao coraçãoâ&#x20AC;?, que vai no sentido de haver mais dadores vivos, com a taxa deste tipo de transplanta

O que ĂŠ um duplo transplante cruzado â&#x20AC;&#x153;Sob o ponto de vista cirĂşrgico o duplo transplante simultâneo nĂŁo traz inovaçþes muito grandes, com a novidade a ser o cruzamento entre pares de dadores e receptores, que eram incompatĂ­veisâ&#x20AC;?, explica Alfredo Mota, director do Serviço de Urologia e Transplantação Renal do Centro Hospitalar UniversitĂĄrio de Coimbra (CHUC). De acordo com este cirurgiĂŁo, as quatro opera-

çþes simultâneas â&#x20AC;&#x153;sĂł foram possĂ­veis porque hĂĄ uma equipa muito empenhada e rotinada em matĂŠria de transplantes renaisâ&#x20AC;?. O transplante cruzado efectua-se quando o dador A quer dar o rim ao receptor C, e o B quer dar o rim ao receptor D, mas YHULĂ&#x20AC;FDVH TXH Ki LQFRPpatibilidade, por motivos imonolĂłgicos. Contudo, o A pode dar ao receptor D e o B ao receptor C. Ă&#x2030;

então que se decide fazer o cruzamento. Conforme sublinha o cirurgião Fernando Macårio, presidente da Sociedade Portuguesa de Transplantação, isto passou a ser possível com o Programa

Nacional de Doação Renal Cruzada, lançado por uma portaria em Agosto de 2010. A nível nacional estão inscritos 15 pares de dadorreceptor nos cinco hospitais inscritos no programa:

CHUC, S. JoĂŁo, Santo AntĂłnio, Curry Cabral e Santa Cruz. No caso de Coimbra, duas das pessoas envolvidas no transplante estavam inscritas hĂĄ ano e meio e o outro par hĂĄ seis meses.

32476

PUBLICIDADE

Estiveram envolvidos 32 profissionais, durante seis horas, simultaneamente em quatro salas de operaçþes INSCRIĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES ABERTAS ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O CENTRO CĂ?VICO DURANTE TODO O ANO POLIVALENTE â&#x20AC;&#x153;O EMIGRANTEâ&#x20AC;? (I.P.S.S.) * Actividades extra curriculares complementares *Actividades Psicomotoras *Piscina (Câmara Municipal) *Transporte Ă s 7h da manhĂŁ e Ă s 19h da tarde UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS NO Ă&#x201A;MBITO DA SAĂ&#x161;DE (ABRE BREVEMENTE)

www.couto.pt

INFANTĂ RIO, CRECHE e A.T.L.

32656

PUBLICIDADE

a ser de 10 por cento, em Portugal, quando em outros paĂ­ses, como nos EUA e em Espanha (Barcelona) atinge jĂĄ os 50-50 por cento. No primeiro transplante cruzado de rins, efectuado no CHUC, as quatro pessoas envolvidas tĂŞm idades entre os 30 e os 40 anos, sendo marido e mulher e dois irmĂŁos. Os mĂŠdicos sublinharam que todos recuperavam bem, com os dadores a terem alta dois dias apĂłs lhes ter sido retirado um rim, colheita que ĂŠ feita por laparoscopia e pequena incisĂŁo. Em Portugal, segundo o cirurgiĂŁo Fernando MacĂĄrio, sĂŁo realizados anualmente entre 450 a 500 transplantes renais, que nĂŁo pVXĂ&#x20AC;FLHQWHSDUDDTXLORTXH se necessita, apesar de percentualmente ser uma das taxas mais altas da Europa. Daquele nĂşmero o Serviço de Urologia e Transplantação Renal do CHUC ĂŠ o mais produtivo, com cerca de 150 por ano. Existem no nosso paĂ­s 11 500 pessoas a fazer hemodiĂĄlise, das quais cerca de 2 000 aguardam por um transplante renal, pelo que o transplante de dador vivo, agora com a componente do duplo cruzamento, constitui â&#x20AC;&#x153;uma alternativa muito vĂĄlida para reduzir a lista de doentes renais crĂłnicosâ&#x20AC;?, conforme refere o presidente da SPT. Para ultrapassar reticĂŞncias, o professor Alfredo Mota sublinhou que â&#x20AC;&#x153;os riscos de morte para um dador de rim ĂŠ de 0,03 por cento, de tal modo baixo que as seguradoras americanas fazem seguros de vida aos dadores, semelhante ao de uma pessoa que tem de conduzir o seu automĂłvel 20 quilĂłmetros por diaâ&#x20AC;?.

Rua das Escolas, n.Âş 1 - 3060-821 Camarneira - policentro@sapo.pt | Telef.: 231 460 495

Dr. JosĂŠ Emilio Campos Coroa Dr.ÂŞ M.ÂŞ Helena Campos Coroa

A tĂŠcnica, a ciĂŞncia e a arte em nossas mĂŁos se entregam de contentes...

MĂ&#x2030;DICA ESPECIALISTA

GINECOLOGIA OBSTETRĂ?CIA R. FERREIRA BORGES, 185, 1.Âş - TELEF.: 239 823 739 - COIMBRA

Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? os parabĂŠns pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

LABORATĂ&#x201C;RIO DE PRĂ&#x201C;TESES ORTOPĂ&#x2030;DICAS - Urb. das Arroteias - Lote 3 - Eiras - Coimbra - Telef. 239 702 329 - Fax: 239 722 962

32655

CLĂ?NICA OFTALMOLĂ&#x201C;GICA, LDA

ONDINA JARDIM 32459

CAMPOS COROA

32458

PUBLICIDADE

ConsultĂłrios:COIMBRA - Largo da Portagem, 27 - 2.Âş - Telef.: 239 821 403 FIGUEIRA DA FOZ - Praceta D. Maria Madalena Azevedo PerdigĂŁo, n.Âş 30 Telef.: 233 423 541 | ARGANIL - Rua Dr. Veiga SimĂľes, Telem.: 935 106 927 TĂ BUA - Av. da Ribeira, Edf. Ă&#x201C;mega 1, 1.Âş C - Telem.: 934 224 930 COJA - Rua Dr. Albino Figueiredo, Telem.: 935 106 928 GĂ&#x201C;IS - Rua Comendador Augusto LuĂ­s Rodrigues Telem.: 934 225 140 PAMPILHOSA DA SERRA - Rua Rangel Lima Telem.: 935 106 935


25

QUINTA-FEIRA

SAĂ&#x161;DE

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

17

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

MantĂŠm-se o legado de Linhares Furtado O pioneiro dos transplantes renais em Portugal louva a realização do primeiro duplo transplante cruzado de rins, em Coimbra e efectuado a nĂ­vel nacional, sublinhando que â&#x20AC;&#x153;se estĂĄ perante uma capacidade logĂ­stica e tĂŠcnica de qualidade superiorâ&#x20AC;?. Em declaraçþes ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?, o professor Linhares Furtado refere que ĂŠ importante um maior aproveitamento de dadores vivos para quem precisa de um rim, Ă  semelhança do que jĂĄ acontece noutros paĂ­ses. O responsĂĄvel pelo primeiro transplante renal em Portugal, a 20 de Julho de 1969, efectuado nos Hospitais da Universidade de Coimbra, e que, em 1980, fez tambĂŠm o primeiro retirado de um cadĂĄver, sublinha, contudo, a necessidade de se realizar outros transplantes mais exigentes, de que tambĂŠm ĂŠ pioneiro no nosso paĂ­s: hepĂĄticos, pancreĂĄticos e intestinais.

Sessão evocativa e exposição

Maternidade de Bissaya Barreto comemora 50.º aniversårio A Maternidade de Bissaya Barreto (MBB), unidade de saúde materno-infantil de relevo, impulsionada em Coimbra pelo filantropo que lhe då nome, completa 50 anos a 28 de Abril. A comemoração da efemÊride, que conta com o patrocínio da Fundação de Bissaya Barreto, tem dois momentos distintos mas de grande significado, começando com a

celebração de uma missa na capela da MBB, no prĂłximo domingo (10h00), seguindose uma sessĂŁo comemorativa com intervenção de vĂĄrias personalidades. â&#x20AC;&#x153;Maternidade de Bissaya Barreto 50 anos: Concepção, Nascimento e Vidaâ&#x20AC;? ĂŠ, ainda, o tema de uma exposição que irĂĄ ser inaugurada a 06 de Maio (11h00), no ĂĄtrio dos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Semana da enfermagem na ESEnfC

Sistemas e cuidados de saĂşde nas diferentes culturas Arnaldo Figueiredo, Alberto Bastos, AntĂłnio Roseiro, Fernando MacĂĄrio, Martins Nunes, Pedro Nunes, Alfredo Mota, Belmiro Parada

O professor e cirurgiĂŁo Linhares Furtado trabalhou 44 anos nos HUC, 36 dos quais como director dos Serviços de Urologia, tendo-se reformado em 2003. Actualmente, atravĂŠs do VHXĂ&#x20AC;OKR(PDQXHO)XUWDGR Coimbra ĂŠ o Ăşnico centro de transplantes hepĂĄticos pediĂĄtricos em Portugal.

A nĂ­vel renal, os Hospitais da Universidade de Coimbra tambĂŠm foram pioneiros, em 2005, atravĂŠs do cirurgiĂŁo Arnaldo Figueiredo, da colheita do rim em dador vivo por laparoscopia, que aperfeiçoou a tĂŠcnica. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; uma cirurgia que ĂŠ realizada sobre alguĂŠm saudĂĄvel e este ĂŠ um aspecto

Ăşnico em toda a Medicina, devendo, por isso, existir o propĂłsito de causar o menor dano possĂ­velâ&#x20AC;?, refere Arnaldo Figueiredo. A abordagem, menos invasiva, faz-se por uma porta Ăşnica, a nĂ­vel umbilical, com uma pequena incisĂŁo, em local mais escondido, para recolha do ĂłrgĂŁo.

Durante três dias, futuros enfermeiros participaram num encontro em que foi abordada a administração de cuidados adequada aos sistemas de saúde e culturas de alguns países da Europa. Este fórum de UHà H[mRUHDOL]DGRQD(VFROD Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), contou com a presença de quase 300 estudantes que tiveram a oportunidade de discutir a problemåtica da transculturalidade, analisar estudos de caso sobre

o nascimento, a terceira idade, a doença mental e os cuidados domiciliĂĄrios, e conhecer, a partir do testemunho de professores visitantes de outras nacionalidades, as realidades existentes em paĂ­ses como a BĂŠlgica, a SuĂŠcia e a Noruega. AlĂŠm destas questĂľes, os alunos Ă&#x20AC;QDOLVWDVGD(6(QI&WLYHUDPD oportunidade de comparar e analisar a informação relacionada com o desenvolvimento da enfermagem e da educação nesta ĂĄrea naqueles paĂ­ses.

32856

PUBLICIDADE


18

Ă GUAS DE COIMBRA

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Com lei da ĂĄgua

Estado quer â&#x20AC;&#x153;esconder o lixo debaixo do tapeteâ&#x20AC;? reais e vĂŁo agravando os V (OHV GpĂ&#x20AC;FHV (OHV WrP WRPDGR WRPDGR CampeĂŁo das ProvĂ­n- decisĂľes es absurdas quer em cias (CP) â&#x20AC;&#x201C; A Ă guas de termoss de investimento m termos de gestĂŁo. Coimbra tem contestado quer em a proposta de fusĂŁo da Isto ĂŠ desastroso para todos VWR FULD RSDFLGDGHV RSDFLGDGHV Ă guas de Portugal (AdP) QyV ,VWR rcado e um jogo de para o sector. PorquĂŞ? no mercado os na forma como se Marcelo Nuno (MN) espelhos â&#x20AC;&#x201C; A proposta de decreto lei, fazem os preços. 3 ² $ IDOWD GH HĂ&#x20AC;que ainda vai para o Pre&3 sidente da RepĂşblica (PR) c i ĂŞ n c i a repercutepromulgar, ĂŠ a continuação s e n o s outros tes, de um caminho desastroso a gentes, sive que a AdP tem vindo a inclusive C... trilhar. Em vez ser rigoro- na AC... sa e responsĂĄvel na gestĂŁo M N dos recursos que tem, de â&#x20AC;&#x201C; Paraa gamodo a transferir para os rantir a tal consumidores o menor receitaa que am, eles custo possĂ­vel do processo precisam, uĂ­ram o TXHMXVWLĂ&#x20AC;FDDVXDH[LVWrQFLD instituĂ­ram mo mĂ­ni(que ĂŠ captar ĂĄgua e vender consumo aos municĂ­pios e recolher mo. NĂłs estabrigados o saneamento, tratĂĄ-lo e mos obrigados GHYROYrOR DR PHLR QD- a pagarr 17 mitural), eles estĂŁo a tentar lhĂľes de meĂşbicos fazer mais do mesmo. Uma tros cĂşbicos a, inempresa normal que nĂŁo de ĂĄgua, dentenha o nĂşmero de clientes dependente de que precisa ou nĂŁo consiga temente ecisarvender os seus serviços aos sĂł precisarpreços que precisa tem pre- mos dee 11,5 juĂ­zos. Estes senhores nĂŁo. milhĂľes. Isto Em vez de prejuĂ­zo passa- VLJQLĂ&#x20AC;FD TXH QyV UDP D WHU GpĂ&#x20AC;FH WDULIiULR nĂŁo temos um esporque a EDP hĂĄ uns anos WtPXOR SDUD VHU HĂ&#x20AC;FLHQWHV tambĂŠm fez assim. para racionalizar e acabar $RFKDPDUVHGpĂ&#x20AC;FHWD- com os desperdĂ­cios. NĂłs ULIiULRLVVRGHL[DGHVHUXP temos feito esse caminho prejuĂ­zo e passa a ser uma apesar de tudo, mas o estĂ­receita virtual, pelo que PXORHFRQyPLFRQmRH[LVpassa a haver resultados lĂ­- te. Toda esta construção quidos virtuais. Mas depois estĂĄ errada. com resultados lĂ­quidos virComo tem dito o setuais distribuem dividendos nhor presidente da Câmara BENEDITA OLIVEIRA

Municipal, em vez de se fazer caminho no sentido da HĂ&#x20AC;FLrQFLD ULgor e transpaR TXH UrQFLD R o Estado estĂĄ a tentar fazer ĂŠ HVFRQGHUROL[R GHEDL[RGRWDSHWH ( DJRra ainda tenta H[LPLUVH

solutamente inacreditĂĄvel, que ĂŠ nĂŁo cumprir as regras e l e mentares do CĂłdigo das S o -

que inicialmente subscreveUDP R TXH p LQH[SOLFiYHO LQH[SOLFiYHO Isto ĂŠ absolutamente inaceitĂĄvel e acredito que o senhor PR terĂĄ o bom senso de nunca a promulgar. promulgar Esta proposta tem tantas LQFRQJUXrQFLDV H GHVUHVpeitos de princĂ­pios gerais do Direito que ĂŠ impossĂ­vel que alguĂŠm de bom senso a promulgue. CP â&#x20AC;&#x201C; Mas se acontecer vĂŁo recorrer aos tribunais?

M N â&#x20AC;&#x201C; Com base nas reuniĂľes que temos tido com os mais diversos juristas e professores uniMarcelo Nuno, presidente da Ă guas de Coimbra versitĂĄrios da ĂĄrea do ao mais elementar dos com- ciedades Comerciais. Por Direito, nĂŁo temos dĂşvida promissos que livremente H[HPSORGDIXVmRGDVHP- que, num Estado de Diassumiu com os municĂ­- presas que eles querem reito, estas tentativas nĂŁo pios, que de boa-fĂŠ assina- fazer resultarĂĄ uma empre- serĂŁo bem sucedidas. O ram os contratos com base sa cujo capital social serĂĄ que ĂŠ triste ĂŠ que, em vez QDV H[SHFWDWLYDV TXH OKHV D VRPD GRV WUrV FDSLWDLV de perceberem que nĂłs nĂŁo foi criada e num conjunto sociais. PorĂŠm, este nĂŁo ĂŠ vamos aceitar isto, insistem dividido em função daquilo neste caminho. de promessas e garantias. Eles estĂŁo tambĂŠm a E mais. Eles estĂŁo a que ĂŠ o registo normal dos tentar fazer algo que ĂŠ ab- lucros e prejuĂ­zos que cada lançar como custo amoruma dessas empresas teve tizaçþes de investimentos atĂŠ hoje. A contabilidade que ainda nĂŁo fizeram e traduz a realidade das em- que nĂŁo sabemos se vĂŁo presas, como os prejuĂ­zos ID]HU SRUTXH QmR WrP GLacumulados, mas querem nheiro para os fazer. Adiam que se mantenha o capital investimentos, mas andam social na proporção daquilo a amortizar alguns desses Para Marcelo Nuno, o argumento da solidariedade alegado pela AdP para a fusĂŁo das empresas Ă guas do Mondego (AdM), Simlis e Simria ĂŠ descabido de sentido. â&#x20AC;&#x153;NĂłs nĂŁo podemos aceitar que atrĂĄs da conversa da solidariedade se esconda a irresSRQVDELOLGDGHHLQFRPSHWrQFLD(VWDTXHVWmRVHUYHDSHQDVSDUDWHQWDUHVFRQGHURV HUURVHDLQFDSDFLGDGHSDUDUHVROYHURSUREOHPDFDEDOPHQWHÂľGHIHQGH2GHFUHWROHL proposto pelo Governo, acrescenta, vai pĂ´r â&#x20AC;&#x153;empresas sĂłlidas e estĂĄveis a pagar o EXUDFRGHRXWUDVTXHVmRFRPSOHWDPHQWHLQYLiYHLVÂľ $RĂ&#x20AC;PGRSULPHLURDQR O responsĂĄvel da AC nĂŁo descarta, porĂŠm, a participação num esforço de soA AC quer constituir-se de mandato, a administração como solução do problema lidariedade, desde que este seja a nĂ­vel nacional. â&#x20AC;&#x153;Todos os municĂ­pios, empresas e FLGDGmRVGRWHUULWyULRQDFLRQDOWrPGHVHUVROLGiULRVQHVVHHVIRUoRSDUDFRPSHQVDU liderada por Marcelo Nuno do sector, tendo inclusivareduziu os custos em sete mente apresentado uma DGLVSHUVmRJHRJUiĂ&#x20AC;FDHDGHVHUWLĂ&#x20AC;FDomRÂľREVHUYRX PLOK}HV GH HXURV DEDL[R proposta alternativa Ă  AdP. Marcelo Nuno entende que ĂŠ urgente que o Estado arrepie caminho, por maioria do orçamento que tinha Caso o Estado se mantenha de razĂŁo, mas tambĂŠm devido Ă  conjuntura de austeridade. â&#x20AC;&#x153;Esta realidade cria nas sido aprovado. O esforço LQĂ H[tYHO QR TXH UHVSHLWD pessoas um sentimento de revolta, porque ĂŠ mais uma injustiça. NĂłs municĂ­pios, de racionalização e de au- Ă  nova lei da ĂĄgua, a AC atravĂŠs da AdM, pagamos todos os anos 400 000 euros de comissĂľes de gestĂŁo Ă s $G3TXHQmRFRUUHVSRQGHPDVHUYLoRQHQKXPSUHVWDGR$$G3FULRXXPDĂ&#x20AC;JXUD PHQWR GH HĂ&#x20AC;FLrQFLD p XPD poderĂĄ liderar uma solupreocupação permanente ção para a regiĂŁo, tendo jĂĄ GHSUHVWDomRGHVHUYLoRVLQWHUQDSDUDMXVWLĂ&#x20AC;FDUDSUHVWDomRGHVHUYLoRVGHXPDVHPSUHVDVjVRXWUDVpXPDIRUPDGHGLOXtUHPRH[FHVVRGHFXVWRVTXHWrPFHQWUDOL]DGRV da AC, que por esta via tem estabelecido contacto com HP/LVERDGHUHFXUVRVTXHQmRWrPTXDOTXHUXWLOLGDGHHFXMRVFXVWRVVmRGLOXtGRV conseguido manter os seus outros municĂ­pios nesse SHODVHPSUHVDVUHJLRQDLVÂľIULVRXQRWDQGRTXHRSUHVLGHQWHGD&kPDUD0XQLFLSDO tarifĂĄrios inalterados â&#x20AC;&#x201C; ape- sentido. â&#x20AC;&#x153;Temos capacidaGH&RLPEUDMiLQWHUSHORXD$G3VREUHHVWHVVHUYLoRVHSHGLXTXHRVMXVWLĂ&#x20AC;FDVVH$ sar de a AdM ter aumentado de tĂŠcnica e know how para HPFHUFDGHWUrVSRUFHQWRD LVVR 1D EDL[D SRGHPRV reuniĂŁo jĂĄ â&#x20AC;&#x153;foi hĂĄ meses e a AdP nĂŁo responde, porque esta ĂŠ uma pergunta incĂłmoGDHH[SRULDTXHHOHVGHIDFWRQmRWrPFDSDFLGDGHQHPYRQWDGHGHVHUULJRURVRVÂľ tarifa da ĂĄgua e em sete por avançar jĂĄ amanhĂŁ e na cento a do saneamento. alta ĂŠ uma questĂŁo de con-

Argumento da solidariedade ĂŠ falacioso

investimentos que ainda QmRĂ&#x20AC;]HUDP(OHVWrPXPD contabilidade para efeitos Ă&#x20AC;VFDLVHRXWUDSDUDVDFDUGLnheiro aos municĂ­pios e aos cidadĂŁos, porque o fisco nĂŁo lhes aceita determinado tipo de procedimentos. CP â&#x20AC;&#x201C; Mas isso ĂŠ ilegal? MN â&#x20AC;&#x201C; NĂłs estamos a tentar apurar isso tambĂŠm. Aparentemente a lei permite-lhes fazer isso. Mas uma coisa ĂŠ o que a lei permite e outra coisa ĂŠ o que ĂŠ sĂŠrio e transparente fazer-se. Andar-nos a cobrar por investimentos que ainda QmRĂ&#x20AC;]HUDPDFKRTXHLVWR nĂŁo ĂŠ sĂŠrio nem correcto. O Governo andou a dizer que nĂŁo era mais aceitĂĄvel termos privados a parasitar o Estado com rendas absurdas, SRU VHUYLoRV TXH QmR WrP qualquer risco. Isto ĂŠ algo que indignou o paĂ­s inteiro, mas ĂŠ isto que o Estado faz connosco. Criou um sistema em que nĂŁo tem risco nenhum, porque se limita a passar a factura. Nessa factura estĂŁo juros de capitais LQYHVWLGRV D WD[DV GH GRLV dĂ­gitos, sem risco nenhum. O Estado pode fazer isto? Pode. Mas ĂŠ moralmente aceitĂĄvel? NĂŁo. Quem faz isto nĂŁo tem qualquer respeito pelo esforço que fazem as autarquias, empresas e famĂ­lias. Tem de haver uma JUDQGHFRQVFLrQFLDSRUSDUte dos cidadĂŁos no sentido de nĂŁo aceitar este tipo de FRLVDV(OHVWrPGHVHUUHVponsĂĄveis e corresponder ao esforço que todo o paĂ­s estĂĄ a fazer de contenção orçamental e de racionalização das despesas. Esse ĂŠ o Ăşnico caminho possĂ­vel.

AC reduziu custos em sete milhĂľes de euros versarmos, porque seguraPHQWHFRQVHJXLPRVID]rOR incomparavelmente com PDLV HILFLrQFLD GR TXH D AdP. Essa ĂŠ a mais pequena das nossas preocupaçþes. Temos a certeza absoluta que conseguiremos apresentar alternativas muito mais viĂĄveis do que aquela que a AdP constituiu. Mas a AdP nĂŁo tem de sair. NĂłs defendemos ĂŠ que o papel deles ĂŠ gerir bem. Ă&#x2030; isso TXHWRGRVRVFLGDGmRVWrP GHH[LJLUGHOHVÂľVXEOLQKRX o presidente da AC.


25

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

19

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Posse da Associação de Coimbra

FONLAB

Antigos Estudantes querem reactivar ligações ao mundo

Alliance Française acolhe Festival de Artes Digitais

Reactivar a Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra (AAEC), com mais sócios e reabrir as casas espalhadas pelo mundo lusófono (Brasil, Angola, Moçambique, etc) é o propósito do reeleito presidente da Direcção, que tomou posse para novo mandato. Para esta missão, Augusto Roxo conta com o apoio da Universidade de Coimbra, cujo reitor, João Gabriel Silva, assume a presidência da Mesa da Assembleia Geral, retomando uma tradição que foi interrompida pelo anterior reitor, Seabra Santos. “Este vai ser um sítio de reuniões e de tertúlia, querendo continuar a catapultar o nome de Coimbra para todo o mundo”, referiu Augusto Roxo, sublinhando que a Associação dos Antigos Estudantes não é só dos que frequentaram a Universidade, mas igualmente de todas as

Fernando Rebelo, Augusto Roxo e João Gabriel Silva

escolas superiores. A AAEC, actualmente com cerca de 2 000 sócios e sediada no Largo da Portagem (n.º 27, 4.º andar), foi fundada em 1959 e logo desde o início contou com elementos da então Escola Agrícola, Na tomada de posse, realizada dia 18, Fernando Regateiro deu lugar, na

presidência da Assembleia Geral, a João Gabriel Silva, passando para vicepresidente, órgão que tem Manuela Teixeira Santos e Maria Helena Duarte como secretárias. A Direcção, presidida por Augusto Roxo, é constituída por Américo Baptista Santos (vice-presidente), Maria Isabel Braga da Cruz

e Rui Moreira Lopes (secretários), Maria Castelo-Branco Branquinho (tesoureira), Maria Luísa Pinto Coelho e Ricardo Namora Teixeira (vogais). O Conselho Fiscal é presidido pelo antigo reitor Fernando Rebelo, acompanhado de António Pinto Castanheira e António Barata Figueiredo.

Com oito anos, o Festival de Artes Digitais – FONLAB salta da Internet para um verdadeiro espaço físico, o Espaço Artes, Multimédia e Performance da Alliance Française (AF). O FONLAB deste ano é formalmente inaugurado no próximo sábado, às 18h00. A partir das 21h30 decorre uma mostra de vídeo, que é seguida pelas performances de Patrícia Corrêa e Francesca Fini, concebidas no âmbito de residências artísticas. O festival integra ainda instalações, workshops e residências artísticas e vai envolver cerca de cem artistas. O evento conta com parcerias com alguns dos mais importantes festivais internacionais da Europa, como o Magmart (Itália), Miden (Grécia), Proyector (Espanha), Videoplay (Argentina), AIVA (Suécia) e Cologne OFF (Alemanha). A dinamização do (novo) espaço da AF de Coimbra conta com a colaboração das associações IC-Zero e Videolab. Este protocolo “permite-nos organizar actividades artísticas,

não só francesas, e trabalhar em conjunto com a comunidade”, frisou a directora, Marion Mistichelli. Apesar de agora estar centrado em Coimbra, o FONLAB mantém “uma forte componente na Internet”, referiu José Vieira, durante a conferência de apresentação. O festival decorre durante todo o ano na Internet, sendo que nos meses de Abril e Maio existem várias iniciativas, distribuídas pela cidade de Coimbra e Montemor-o-Velho. “A nós interessa-nos não desenvolver um projecto para as massas, mas que seja de qualidade, que seja centrado num espaço diferente”, acrescentou o responsável. De referir ainda que a Alliance Française de Coimbra acaba de celebrar protocolos com mais três entidades da cidade, a saber a Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra (LAHUC), o Núcleo de Estudantes de Engenharia Mecânica da Associação Académica de Coimbra (NEEMAAC) e a Loja das Meias.

32776

32797

PUBLICIDADE


GASTRONOMIA & TURISMO w w w . campea o p r o vin cia s.co m

25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

32760

20


25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

GASTRONOMIA & TURISMO

21

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m Rafael G. Antunes/APAVT

O valor econĂłmico da gastronomia nos destinos turĂ­sticos PEDRO MACHADO*

A gastronomia Ê um produto relevante na economia e no conhecimento da cultura de um povo. A relação entre turismo e gastronomia produz uma cadeia de valor com impacto no desenvolvimento de novos produtos, competências, criação de emprego e na competitividade dos destinos. Reconhecendo a sua importância enquanto factor cultural, a UNESCO, no ano de 1997, declarou a gastronomia como património intangí-

vel. Em Portugal, a resolução do Conselho de Ministros n.Âş 96/2000 reconhece a gastronomia como â&#x20AC;&#x153;componente de atracção turĂ­stica da gastronomia nacional e o esforço de todos no sentido da preservação da sua autenticidade que tem proporcionado o desenvolvimento contĂ­nuo do sector da restauração, de crucial importância para Portugal, com efeitos no sector agrĂ­cola, nomeadamente no que se refere a produtos de elevada qualidadeâ&#x20AC;?. Tendo por base este pa-

radigma, o primeiro documento do Plano EstratĂŠgico Nacional para o Turismo (2007) assume a â&#x20AC;&#x153;Gastronomia & Vinhosâ&#x20AC;? como um dos dez produtos estratĂŠgicos para o desenvolvimento do turismo em Portugal, e produto prioritĂĄrio para a regiĂŁo Centro. O guia tĂŠcnico elaborado pelo Turismo de Portugal para o produto â&#x20AC;&#x153;Gastronomia & Vinhosâ&#x20AC;? mostra que o sector gerou, em 2004, cerca de 600 000 viagens internacionais. O nĂşmero cresce considera-

Gastronomia desperta interesse de turistas

RegiĂŁo Centro com cartĂŁo-de-visita feito de saberes e sabores baixadores em vĂĄrios concelhos e localidades, Ă s especialidades do receituĂĄrio tradicional, A gastronomia portuguesa ĂŠ, sem dĂşvida, nĂŁo falta o que (a)aprovar quando o cardĂĄpio uma das experiĂŞncias que marca quem visita o ĂŠ a gastronomia da regiĂŁo Centro. paĂ­s. A simpatia das pessoas, o receber caloroEntre o mar e a serra, do Interior ao Liso e a cozinha, feita de ingredientes de quali- toral, abrem-se as portas de casas de famĂ­lia dade e temperos apurados, ĂŠ amostra sublime e de restaurantes de referĂŞncia. Ă&#x2030; entrar, sem de um patrimĂłnio imaterial com contributo SUHFRQFHLWRVSRLVRDQĂ&#x20AC;WULmRpERDJHQWHH GHYiULDVJHUDo}HVHPHPyULDDĂ&#x20AC;UPDGDSRU quer mostrar aos comensais o que de melhor quem parte Ă  descoberta de Portugal. tem para oferecer. A regiĂŁo Centro, feita de serra e de mar, Porque a descoberta ĂŠ de cada um e para de gente com usos e costumes de grande di- VHWULOKDURFDPLQKRĂ&#x20AC;FDDOJXPDVVXJHVW}HV versidade, ĂŠ um territĂłrio que se destaca entre A começar pelos queijos â&#x20AC;&#x201C; Rabaçal e Serra da aqueles que melhor se apresenta na proposta Estrela sĂŁo boa amostra â&#x20AC;&#x201C;, convĂŠm provar de saberes e sabores. a chanfana, o cabrito e o leitĂŁo, mas nĂŁo se $JDVWURQRPLDGLYHUVLĂ&#x20AC;FDGDHGHJUDQGH descarte o peixe, de qualidade e variedade qualidade, dando relevo aos produtos endĂłge- e reserve-se, contudo, um lugar de afeição nos e ao legado de geraçþes, ĂŠ feita de prazeres pelas dezenas de bolos e doces, de inspiraque se partilham Ă  mesa, entre amigos, famĂ­lia ção conventual ou, simplesmente, Ă  moda e aqueles que aceitam o convite para conhecer de quem veio antes das geraçþes que nos este territĂłrio de contrastes. mostram esta grande riqueza feita de saberes Da doçaria, que tem dignos e nobres em- e sabores. G. B.

velmente quando analisada a procura secundåria do mesmo produto (apesar de a primeira motivação de visita não se relacionar com gastronomia, os turistas desenvolvem actividades nesta årea), YHUL¿FDQGRVH XPD FLIUD GH 20 milhþes de viagens. Em Setembro de 2012, na abertura da conferência internacional da Organização Mundial do Turismo (OMT), realizada na cidade de Baku, no Azerbaijão, o secretåriogeral da OMT, Sr. Taleb Rifai, referiu a tendência de crescimento da procura internacional por segmentos turísticos que proporcionem a vivência de novas experiências assentes em produtos genuínos, e consequentemente, a importância do turismo gastronómico enquanto vector de desenvolvimento. Segundo boletim informativo do Banco de Portugal, as receitas geradas pelo turismo no país, em 2011, chegaram aos 8,10 mil milhþes de euros. A Conta SatÊlite do Turismo Português informa que os serviços de alojamento, restauração e transporte de passageiros representam, no conjunto, aproximadamente 70 por cento do total do consumo turístico no território económico nacional e que, em 2010, o sector foi o maior exportador com uma quota de 14 por cento no total das exportaçþes de bens e serviços. No mesmo ano, o consu-

mo turĂ­stico representou 9,20 por cento do produto interno bruto (PIB). TambĂŠm conforme anĂĄlise aos movimentos bancĂĄrios da rede visa, nos meses de Setembro a De]HPEUR YHULÂżFDVH TXH DV despesas efectuadas pelos turistas estrangeiros em Portugal com â&#x20AC;&#x153;comida e bebidaâ&#x20AC;? subiram dos 2,28 milhĂľes de euros, em 2010, para os 2,45 milhĂľes de euros, em 2011. Os valores apresentados indicam que a gastronomia ĂŠ um factor importante nas dinâmicas turĂ­sticas, assim como, possibilita o cruzamenWRGHSURGXWRVFRPUHĂ&#x20AC;H[RV

positivos na procura. Neste contexto, o Centro de Portugal tem, hoje em dia, uma oferta diferenciadora assente em produtos regionais de TXDOLGDGH H QD FHUWL¿FDomR de qualidade dos produtos e espaços. TambÊm ao nível do enoturismo, a região oferece uma rede de equipamentos optimizados para o turismo garantindo a vivência de experiências únicas, o contacto com o meio físico e social, e a promoção do conhecimento. (*) Presidente da entidade regional Turismo do Centro de Portugal

32836

PUBLICIDADE

E.N. 17 - Medas - 3350-207 S. Miguel Poiares Telef.: 239 421 253 - Fax: 239 423 540 www.asmedas.com - geral@medas-acasadosfrangos.com

ParabĂŠns o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁ iasâ&#x20AC;? nc das ProvĂ­

Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

GABINETE DE CONTABILIDADE E AUDITORIA FISCAL Quinta da Cavada - Cegonheira - 3040-585 Antanhol Telef./Fax: 302 008 388 - Telem.: 91 820 70 86 - jmgirao@gmail.com

32773

32593

J. M. GirĂŁo Consultoria, Lda.

Telem.: 916 056 642 Tel./Fax: 239 825 195

(XDGD6RÂżD 3000-390 COIMBRA

Junta de Freguesia de MidĂľes 32883

Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? longos anos de vida! Rua Grupo Recreativo Vilaverdense, 17 - 3090-653 Vila Verde Telef.: 233 438 072 | Fax: 233 438 055 | jfvv-executivo@mail.telepac.pt

O Executivo da Freguesia felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio Telef./Fax: 235 464 341 - Largo da Feira, n.Âş 3 3420-136 MidĂľes TĂĄbua junta.f.midoes@sapo.pt | www.jf-midoes.com

32614

32774

ParabĂŠns ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­ncias

Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio Pomares - 3305-259 Pomares - Arganil Telef.: 235 731 382

32590

Uma Freguesia com futuro

medalhisticalusatenas@netc.pt www.medalhisticalusatenas.co.pt

32717

GerĂŞncia de: Felicita o cias Antero AnsĂ­lio Marouvo Correia de Oliveira â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­n rio iversĂĄ pelo seu 13.Âş An e Ana Maria Diniz Oliveira Rua Professor JosĂŠ Lourenço Nogueira, 3 3300-063 Arganil - Telef.: 235 202 478 Fax: 235 202 479 - Telems.: 962 827 882 / 933 443 891

32931

AgĂŞncia FunerĂĄria Diniz & Oliveira, Lda


22

GASTRONOMIA & TURISMO w w w . campea o p r o vin cia s.co m

Olga Cavaleiro lidera a Confraria da Doçaria Conventual de TentĂşgal e tomou posse, recentemente, como presidente da Federação Portuguesa das Confrarias GastronĂłmicas. O profundo conhecimento que tem da gastronomia e da doçaria conventual, assim como do desenvolvimento do movimento confrĂĄdico em Portugal, leva-a a ser crĂ­tica em relação Ă  forma como o paĂ­s e os seus responsĂĄveis polĂ­ticos encaram todo um patrimĂłnio imaterial que tem na sua base e substância os saberes e os sabores, apurados ao longo de geraçþes como gĂŠnese e herança das comunidades locais. No que ao sector do turismo diz respeito, Olga Cavaleiro lamenta que a gastronomia nĂŁo tenha, ainda, o importante papel que devia ter e que ĂŠ seu por direito prĂłprio. O potencial ĂŠ grande, imenso, como a diversidade de iguarias que se oferecem Ă  degustação e as vivĂŞncia que aguardam visitantes por esse paĂ­s fora. â&#x20AC;&#x153;Evoluir ĂŠ um desafio que se nos coloca mas que vale a pena. A evolução faz parte da gastronomiaâ&#x20AC;?, conclui. GERALDO BARROS

CampeĂŁo das ProvĂ­ncias (CP) â&#x20AC;&#x201C; Qual ĂŠ o papel da Federação Portuguesa das Confrarias GastronĂłmicas? Olga Cavaleiro (OC) â&#x20AC;&#x201C; A Federação Portuguesa das Confrarias GastronĂłmicas (FPCG) ĂŠ uma instituição que procura ser agregadora do conjunto das confrarias gastronĂłmicas nacionais. A sua Direcção estĂĄ, sobretudo, direccionada para as novas confrarias, pois temos a noção de que ĂŠ atravĂŠs delas e da sua

energia que ĂŠ possĂ­vel renovar este movimento e alimentĂĄ-lo. Pretendemos trazer vitalidade, novas ideias e procurar enriquecer esta instituição que procura representar as confrarias e a gastronomia nacional. Actualmente, congregamos cerca de 80 confrarias. Ă&#x2030; uma realidade bastante alargada. Por um lado, temos a consciĂŞncia de que o movimento das confrarias ĂŠ cada vez mais forte, porque estĂĄ muito bem inserido nas comunidades e tem grande aceitação junto das populaçþes; por outro, sabemos que as

25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Olga Cavaleiro â&#x20AC;&#x201C; Presidente da Federação Portuguesa das Confrarias GastronĂłmicas

â&#x20AC;&#x153;A gastronomia nĂŁo devia precisar GHSHVRSROtWLFRSDUDVHDĂ&#x20AC;UPDUÂľ confrarias conseguem fazer a ponte entre aquilo que ĂŠ a pequena comunidade e as demais instituiçþes. CP â&#x20AC;&#x201C; As confrarias tĂŞm uma grande vitalidade na regiĂŁo Centro. Isso deve-se a algum factor em particular? OC â&#x20AC;&#x201C; Sim, cerca de 70 por cento das confrarias associadas da FPCG estĂŁo localizadas na regiĂŁo Centro, abrangendo a faixa do Interior e do Litoral, do Centro Norte e Centro Sul. NĂŁo creio que haja uma UD]mRHVSHFLĂ&#x20AC;FDSDUDTXHDVVLP seja. As confrarias surgem da necessidade de integração e dinamização das comunidades locais. Provavelmente, o facto de haver uma boa experiĂŞncia na regiĂŁo Centro faz com que haja motivação para que surjam novas confrarias, mais do que em outros pontos do paĂ­s. Para DOpPGDDJHQGDHSODQLĂ&#x20AC;FDomR prĂłprias, a FPCG tem uma grande preocupação em dar voz Ă s confrarias, promover e dar visibilidade aos seus eventos e acçþes, por forma a que

a sua actividade seja, tambĂŠm, muito mais do que os capĂ­tulos. CP â&#x20AC;&#x201C; Para alĂŠm de registo vivo da tradição, que outros papĂŠis sĂŁo desempenhados pelas confrarias gastronĂłmicas? OC â&#x20AC;&#x201C; Actualmente, as confrarias jĂĄ sĂŁo muito mais do que apenas associaçþes sem Ă&#x20AC;QVOXFUDWLYRVTXHVHGHVWLQDP a promover e a divulgar os produtos. Se analisarmos os estatutos das vĂĄrias confrarias, todas tĂŞm esse desĂ­gnio logo no inĂ­cio. Contudo, hoje, as confrarias tĂŞm uma importância muito grande na dinamização das economias locais â&#x20AC;&#x201C; porque permitem que os produtos sejam mais conhecidos e que possam ser escoados com maior facilidade â&#x20AC;&#x201C; e, por outro lado, dar Ă  sociedade uma informação, avalizada, de quais sĂŁo os produtos de maior qualidade. TambĂŠm hĂĄ casos em que sĂŁo as prĂłprias confrarias que estimulam a produção, sobretudo, quando esta nĂŁo estĂĄ organizada. ConvĂŠm nĂŁo

esquecer que, em algumas situaçþes, estamos a falar de tradiçþes gastronĂłmicas que caĂ­ram no esquecimento. Ă&#x2030; o caso do bucho raiano, cuja confecção caiu em desuso mas que foi recuperada pela confraria, motivando a produção. Actualmente, se for ao Sabugal, jĂĄ hĂĄ produto para venda. Ă&#x2030; um bom exemplo. As confrarias, porque estĂŁo associadas a marFDVGHFRQĂ&#x20AC;DQoDFRQWULEXHP para estimular a produção e zelar pelas tradiçþes e, ao mesmo tempo, garantir e promover a qualidade dos produtos e o seu escoamento no mercado. A actividade das confrarias tem claras vantagens para os produtores, resultando numa relação profĂ­cua entre ambos. CP â&#x20AC;&#x201C; As confrarias gastronĂłmicas funcionam como uma alavanca do desenvolvimento dos territĂłrios e, em particular, do tecido econĂłmico local... OC â&#x20AC;&#x201C; Exactamente. NĂŁo tenho a menor dĂşvida disso. Os pastĂŠis de TentĂşgal, as nevadas

de Penacova, o bolo de Ançã, a FKDQIDQDHQĂ&#x20AC;PHVWHVHWDQWRV outros produtos, protegidos e promovidos pelas confrarias, sĂŁo um elemento de desenvolvimento das comunidades. HĂĄ outros produtos mais conhecidos â&#x20AC;&#x201C; como ĂŠ o caso do leitĂŁo â&#x20AC;&#x201C; em que, mesmo assim, hĂĄ um trabalho de promoção que ĂŠ desenvolvido. Veja-se o que aconteceu na iniciativa das 7 Maravilhas da Gastronomia de Portugal... As confrarias tĂŞm, ainda, outro tipo de responsabilidades. Ao manterem e renovarem as tradiçþes, contribuem para reforçar a identidade cultural local. O que aconteceu a muitas destas comunidades, sobretudo, do Interior, foi a sua descaracterização cultural, o desaparecimento do seu patrimĂłnio material e imaterial. Isso deveu-se, sobretudo, Ă  GHVHUWLĂ&#x20AC;FDomRGRWHUULWyULRDRV movimentos migratĂłrios na procura de melhores condiçþes de vida. Com o seu trabalho, as confrarias estĂŁo a fazer com

32628

32782

PUBLICIDADE


25

QUINTA-FEIRA

GASTRONOMIA & TURISMO

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

23

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

que as pessoas percebam que pertencem a uma comunidade e, enquanto membros dela, tĂŞm uma identidade forte, integrada num conjunto de sĂ­mbolos e tradiçþes, uma herança que vem de tempos idos e que ĂŠ mais forte que o prĂłprio indivĂ­duo. Ă&#x2030; um sentimento diferente daquele que se encontra nos grandes centros urbanos. Nas pequenas comunidades hĂĄ um sentimento muito forte de pertença. Isso ĂŠ, historicamente, fundamental para que as pessoas se sintam bem. Ainda hĂĄ muito mais que pode ser feito pelas confrarias. CP â&#x20AC;&#x201C; O poder polĂ­tico tem sabido potenciar e aproveitar o potencial da gastronomia como maisvalia para o paĂ­s? OC â&#x20AC;&#x201C; Temos, certamente, excelente gastronomia. Contudo, as confrarias e as entidades do sector devem ser mais exigentes em relação Ă quilo que designam de gastronomia portuguesa. Infelizmente, por vezes, essa designação ĂŠ aplicada a coisas que carecem de qualidade e rigor, pelo que nĂŁo deveriam ser interpretadas dessa forma. Enquanto cartaz turĂ­stico das regiĂľes, a gastronomia vem, quase sempre, em segundo plano. O que sucede ĂŠ que, antes de mais, mostra-se as paisagens, o mar, a montanha

e o golfe... entretanto, lĂĄ pelo meio, lĂĄ aparece o doce ou o prato tĂ­pico. Devia fazer-se muito mais. Uma das coisas em que o nosso turismo peca ĂŠ por nĂŁo ter uma estratĂŠgia conjunta e comum de apresentação da gastronomia. HĂĄ muitos programas turĂ­sticos, dispersos, que nĂŁo tĂŞm uma visĂŁo de conjunto. Isso faz com que a gastronomia portuguesa se assemelhe mais a uma manta de retalhos do que algo que tem um denominador comum. A diversidade, no caso de Portugal, ĂŠ um dos aspectos que podem ser entendidos como um denominador comum. Essa ĂŠ, talvez, a peça que falta perceber. A verdade ĂŠ que a gastronomia nĂŁo tem, nem de longe nem de perto, o importante papel que deveria ter. Infelizmente, ainda ĂŠ vista com algo que faz parte da apresentação, que tem uma vertente material mas que nĂŁo vale por si. Esse ĂŠ o nosso erro. Estamos a desperdiçar e a desvalorizar a gastronomia, pelo tanto que ela pode dar. Reportando-me a uma realidade que conheço bem â&#x20AC;&#x201C; a doçaria de TentĂşgal â&#x20AC;&#x201C;, posso dizer que recebemos muitas visitas por causa do pastel. Isso acontece porque fazemos a ligação entre aquilo que ĂŠ o pastel de TentĂşgal, a sua histĂłria e a sua cultura. No

UHVSRQVDELOLGDGHSDUDGHĂ&#x20AC;QLU ĂĄreas prioritĂĄrias, sĂŁo pessoas que, na sua maioria, nasceram nas estruturas partidĂĄrias. E, depois, tĂŞm de fazer cedĂŞncias e assumir outros compromissos. NĂŁo hĂĄ uma visĂŁo de conjunto nem o perceber que a gastronomia ĂŠ muito mais do que dar a conhecer um doce ou um prato numa qualquer apresentação ou iniciativa. Esta coisa de transformar a gastronomia num prato gourmet, sem perceberem que, antes de mais, a gastronomia serve para alimentar... nĂŁo basta mostrar como ĂŠ bonita e saborosa. A gastronomia ĂŠ muito mais do â&#x20AC;&#x153;Enquanto cartaz turĂ­stico das regiĂľes, a gastronomia vem, quase sempre, em segundo que isso. NĂŁo se pode reduzir a gastronomia a eventos de planoâ&#x20AC;?, lamenta Olga Cavaleiro degustação, em que tambĂŠm Ă&#x20AC;QDOpSRUHVWDVUD]}HVTXHDV pelo poder polĂ­tico. O que ĂŠ intervĂŞm as confrarias. Pratos pessoas consomem o produto. que isto quer dizer? HĂĄ com- limpos e tudo comido, o que Ă&#x2030; preciso fazer este trabalho, promissos polĂ­ticos que levam Ă&#x20AC;FDGDLQIRUPDomRPDLVSURpara que as pessoas percebam a que haja cedĂŞncias em relação funda sobre determinado prato a ligação que existe. Gostava Ă  importância da gastronomia ou doce ĂŠ coisa nenhuma. Conque a gastronomia nĂŁo fosse em relação a outras vertentes de vĂŠm que as pessoas percebam um elemento de decoração e interesse turĂ­stico. Ă&#x2030; uma pena que a gastronomia faz parte que fosse servida como o prato que assim seja. A gastronomia de um patrimĂłnio imaterial principal. nĂŁo devia precisar de peso po- imenso, que vai muito para CP â&#x20AC;&#x201C; Quais tĂŞm sido os OtWLFRSDUDVHDĂ&#x20AC;UPDUHQTXDQWR alĂŠm das receitas. Ă&#x2030; a pessoa principais entraves a que vertente de grande potencial que confecciona, sĂŁo os ingrehaja um maior aproveita- turĂ­stico. O maior entrave ĂŠ dientes, a histĂłria, a cultura e os mento turĂ­stico da gastro- que quem lidera as instituiçþes costumes ancestrais que estĂŁo nomia nacional? nĂŁo ĂŠ, necessariamente, alguĂŠm na base daquilo que fazemos e OC â&#x20AC;&#x201C; O que vou dizer que tenha provado alguma que a maioria desconhece. Isso pode ser polĂŠmico mas a verda- coisa ou que conheça a reali- ĂŠ que faz parte da gastronomia de ĂŠ que as instituiçþes pĂşblicas dade do paĂ­s. O que acontece e ĂŠ isso que, verdadeiramente, estĂŁo demasiado dominadas ĂŠ que quem estĂĄ Ă  frente e tem se come.

CP â&#x20AC;&#x201C; Ă&#x2030; possĂ­vel conciliar a tradição da confecção gastronĂłmica de determinados pratos e especialidades com as exigĂŞncias actuais em termos de legislação aplicĂĄvel ao sector? OC â&#x20AC;&#x201C; Isso ĂŠ um mito. Ă&#x2030; tudo uma questĂŁo de negociação e de afirmarmos a importância das coisas. Se nos deixarmos varrer pela tendĂŞncia descaracterizadora que QRVpLPSRVWD²HVHĂ&#x20AC;FDUPRV de braços cruzados â&#x20AC;&#x201C; tudo se acaba. Contudo, acho que ĂŠ possĂ­vel as pessoas fazerem, sempre, mais e melhor, lutando por aquilo em que acreditam. HĂĄ regras que tĂŞm de ser cumpridas mas tambĂŠm hĂĄ vĂĄrios nĂ­veis de exigĂŞncia. A legislação aplicĂĄvel deve diferenciar o que sĂŁo as grandes unidades industriais e o pequeno produtor, estabelecendo diferentes exigĂŞncias para um e para outro. Falta perceber que tem de se compatibilizar a legislação com a produção intermĂŠdia, de forma a que as coisas nĂŁo desapareçam. Para que isto aconteça, Ă s vezes sĂł ĂŠ preciso simplificar aquilo que parece complicado, pelo que tem de haver bom senso HĂ H[LELOLGDGH(YROXLUpXP GHVDĂ&#x20AC;RTXHVHQRVFRORFDPDV que vale a pena. A evolução faz parte da gastronomia.

Pedro Augusto Santos Jesus Telem.: 918 151 490 Telef./Fax: 236 678 119 pasjesus@gmail.com

Congratulamos o Jornal â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pela passagem do seu AniversĂĄrio

Rua Dr. Rosa FalcĂŁo, n.Âş 12 - 3240-148 AnsiĂŁo

de JoĂŁo dos Santos

A GerĂŞncia deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? os parabĂŠns pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio No centro do Bairro um ponto de encontro Ă  sua espera

MINI-MERCADO A G E N T E P AY S H O P R E V I S TA S E J O R N A I S Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

Rua de Macau, n.Âş 44 - B. Norton de Matos Telef.: 239 701 730 - 3030-059 Coimbra

Rua Cidade de Poitiers, 155 - Monte Formoso 3000-108 Coimbra - Fax: 239 827 493

ORTOPEDIA

MAMEDE ALBUQUERQUE

R. de Tomar, 2 - Coimbra - Telem.: 963 785 605

http://mamede-albuquerque.com http:/albuquerqueelima.com

Freguesia do Carriço O Executivo da Freguesia felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das provĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

32587

O Executivo da Freguesia de Eiras felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio PARECERES MĂ&#x2030;DICOS JUNTAS DE RECURSO

PERITAGEM MĂ&#x2030;DICA AVALIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO DANO CORPORAL

Av. da Igreja, n.º 1 3105-057 Carriço - Pombal Telef./Fax: 236 951 431 E-mail: freguesiacarrico@sapo.pt

32750

32847

Terreiro da Erva, N.Âş 16 - 3000-153 COIMBRA Telem.: 969 083 192 - Telef.: 239 824 116

â&#x20AC;&#x153;O Marçanoâ&#x20AC;?

&(59(-$5,$Â&#x2021;&$)eÂ&#x2021;3(7,6&26

32586

CAFĂ&#x2030; BEIRĂ&#x192;O

ZĂŠ Reis deseja a todos os funcionĂĄrios do â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? em especial ao Dr. Lino Vinhal, as maiores felicidades.

32714

Av. 5 de Outubro, 14 r/ch - 3360-191 Penacova Telef.: 239 477 277 - Fax: 239 476 591 - abs_seguros@gmail.com

EXECUTA-SE &HUWL¿FDomR(QHUJpWLFDGH(GLItFLRV/HJDOL]DomRGH Propriedades - Coordenação de Segurança - Projecto de Arquitectura - Projecto de Engenharia - Avaliaçþes Acústicas 3URMHFWRGH([HFXomR'LUHFomRGH2EUD7RSRJUD¿D

32634

Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

32853

Agente TĂŠcnico de Arquitectura e Engenharia

32840

32925

PUBLICIDADE


24

GASTRONOMIA & TURISMO w w w . campea o p r o vin cia s.co m

25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Um patrimĂłnio feito de tantas e tĂŁo enraizadas culturas Falar da gastronomia portuguesa ĂŠ falar da sua De entre os vĂĄrios mo- diversidade regional, da sua tivos que levam as pessoas elaborada evolução, fruto do a viajar e a permanecer du- convĂ­vio, do bem receber, rante mais de vinte e quatro da arte, mas tambĂŠm da nehoras fora da sua residĂŞncia cessidade e dessa caractehabitual, a gastronomia ĂŠ rĂ­stica tĂŁo portuguesa de se invariavelmente apontada desenvencilhar a preceito. como um dos mais imporFalar de gastronomia ĂŠ tantes ou mesmo o mais olhar para um complexo tĂŁo importante, assumindo-se vasto quanto o descrito na como um pilar da restaura- Resolução do Conselho de ção e do turismo nacional. 0LQLVWURVTXHDGHÂżQHFRPR Nas recordaçþes de um o receituĂĄrio tradicional asqualquer turista, nacional sente, designadamente, â&#x20AC;&#x153;em ou estrangeiro, sĂŁo neces- matĂŠrias-primas de fauna sariamente obrigatĂłrias as e flora utilizadas ao nĂ­vel memĂłrias dos sabores e de nacional, regional ou local, sensaçþes Ăşnicas, sĂł possĂ­- bem como em produtos veis alcançar numa gastro- agro-alimentares produnomia que, pela sua riqueza ]LGRV HP 3RUWXJDO H TXH e tradição, foi elevada Ă  con- pelas suas caracterĂ­sticas dição de patrimĂłnio cultural, prĂłprias, revele interesse enquanto â&#x20AC;&#x153;fruto de saberes do ponto de vista, histĂłrico, tradicionais que atestam a HWQRJUiÂżFR VRFLDO RX WpFprĂłpria evolução histĂłrica e nico, evidenciando valores social do povo portuguĂŞsâ&#x20AC;?. de memĂłria, antiguidade, Um patrimĂłnio feito de autenticidade, singularidade tantas e tĂŁo enraizadas ou exemplaridadeâ&#x20AC;?. culturas que se cruzaram Ă&#x2030; falar, sobretudo, de H TXH Âż]HUDP GH 3RUWXJDO uma diversidade Ăşnica em um destino Ăşnico, sabo- todo o Mundo e tanto mais rosamente apetecĂ­vel e de louvar quanto ĂŠ certa a saudavelmente degustado, nossa dimensĂŁo territorial. numa dieta mediterrânica Uma gastronomia feita reconhecida mundialmente. de produtos de excelĂŞncia, SOUSA MARTINS*

colhidos ou criados na ågua e na terra, em tarefa årdua e dolorosa, sabiamente trabalhada. Uma gastronomia aonde a mais pesada das sopas cai bem, o peixe e carne são minuciosamente tratados, a doçaria talhada com cinzel a preceito e os vinhos elaborados requintadamente. Um recurso inigualåvel que a restauração portuguesa soube preservar e evidenciar, de Norte a Sul do 3DtVFROKHQGRQRSDVVDGR os sabores que hoje orgulhosamente ostentamos e oferecemos a todos quantos nos visitam. Um recurso ímpar na nossa identificação alÊmfronteiras e igualmente diferenciador perante outros destinos que competem FRP3RUWXJDOPDVWDPEpP HOH GLYHUVL¿FDGDPHQWH HQriquecedor, quer do ponto GHYLVWDGDD¿UPDomRUHJLRnal, quer do ponto de vista da complementaridade da oferta turística portuguesa, seja a nível nacional seja no estrangeiro. Contextualização que nos leva a crer ser a gastronomia um dos poucos recur-

sos que nos permite identi¿FDU H GLIHUHQFLDU 3RUWXJDO nos mercados estrangeiros, e que deve constituir uma aposta segura na promoção externa, quando falamos tambÊm de mercados emergentes. Obviamente que, do ponto de vista regional, essa Ê a aposta mais pertinente e GHPDLRUD¿UPDomReDVVLP TXHVmRLGHQWL¿FDGDVDPDLRU SDUWHGDVUHJL}HVGH3RUWXJDO e algumas sub-regiþes e localidades, principalmente, quando falamos de turismo interno. Não hå razão para mudar o que estå bem e, nesse particular, deixar de associar algumas localidades e regiþes à gastronomia, seria retirar-lhes uma oportunidade que no turismo se paga sempre muito caro. Esse não poderå deixar de se assumir como o principal desígnio da Região Centro, cuja diversidade da oferta tem na gastronomia a sua principal identidade e um dos principais fatores de fixação de turistas, contribuindo decisivamente para o aumento do baixo índice de permanência de dormidas

que infelizmente caracteriza D UHJLmR 3HQVDU D 5HJLmR Centro sem a diversidade de pratos em que Ê farta, ou sem a variedade da sua doçaria conventual ou a riqueza dos seus vinhos, Ê pensar a região como outros a querem ver, numa mera zona de passagem, aonde, por acaso, se come lampreia e leitão, se bebem vinhos únicos da Bairrada e do Dão e hå uma doçaria que não existe em mais lado nenhum. Numa altura em que a restauração portuguesa atravessa a maior crise de que hå memória, essa deve ser tambÊm uma razão mais de preocupação para o turismo português. Ao mesmo tempo que constitui essa coisa tão simples que Ê a de satisfazer uma necessidade båsica, como Ê a de comer, a gastronomia portuguesa tem a singularidade de ser

tambĂŠm patrimĂłnio cultural, proporcionando a turistas nacionais e estrangeiros momentos Ăşnicos que reterĂŁo na memĂłria uma vida inteira. Agora que tanto se fala de recuperação e desenvolvimento, a gastronomia, quer como factor de diferenciação positiva na nossa oferta turĂ­stica, quer como satisfação, necessita de ser valorizada enquanto tal e ver valorizados, para que se atinjam esses objectivos, aqueles que efectivamente a promovem, isto ĂŠ, os restaurantes. Ă&#x2030; um esforço que, obviamente, se torna impossĂ­vel quando vendemos a gastronomia, que ĂŠ parte do nosso patrimĂłnio cultural, a 23 por cento de taxa de IVA. (*) SecretĂĄrio-geral Adjunto da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP)

NĂŁo hĂĄ razĂŁo para mudar o que estĂĄ bem e, nesse particular, deixar de associar algumas localidades e regiĂľes Ă  gastronomia, seria retirar-lhes uma oportunidade que no turismo se paga sempre muito caro.

32539

PUBLICIDADE


25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

GASTRONOMIA & TURISMO

25

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Turismo e gastronomia: desafios e oportunidades

ANA PAULA PAIS*

O turismo Ê considerado um dos sectores mais competitivos a nível mundial, assumindo, no contexto nacional, uma liderança inequívoca na dinamização da economia. As actividades desenvolvidas no sector do turismo têm um forte impacto na Balança de Pagamentos e no Produto Interno Bruto, desempenhando um papel activo na criação de emprego e na dinamização empresarial que se alarga a muitos outros sectores de actividades, como Ê caso do sector agrícola ou dos transportes. Reconhecendo esta importância a um sector vital para o nosso país Ê fundamental que estejamos atentos às mudanças globais e às tendências de evolução emer-

gentes no plano internacional, tentando perceber o modo FRPRHVWDVDIHFWDPHLQĂ&#x20AC;XHQciam o sector em Portugal. Considerando as mudanças registadas na procura e a conjugação com os factores de constrangimento econĂłmico que afectam o tecido turĂ­stico, assistimos a uma UHGHÂżQLomRGRSHUÂżOGRWXULVta, assente em trĂŞs grandes linhas: Incremento dos circuitos de proximidade â&#x20AC;&#x201C; centrados na procura de experiĂŞncias nos territĂłrios familiares; Procura de soluçþes lowcost â&#x20AC;&#x201C; centrados na preocupação da relação qualidade/ preço; Racionalização de consumos â&#x20AC;&#x201C; centrados na motivação de viver melhor com menos. A necessidade de atender a estas novas preocupaçþes dos turistas, centradas em valores de sustentabilidade, preservação dos territĂłrios e desenvolvimento de ofertas genuĂ­nas, criam novos desafios Ă s entidades que trabalham no sector, nomeadamente, Ă s entidades que tĂŞm a responsabilidade de TXDOLÂżFDUHIRUPDURVUHFXUVRV

humanos do sector. De acordo com a recente revisĂŁo e aprovação do Plano EstratĂŠgico Nacional do Turismo (PENT), â&#x20AC;&#x153; Portugal deve ser um dos destinos na Europa com crescimento mais alinhado com os princĂ­pios do desenvolvimento sustentĂĄvelâ&#x20AC;?, dando prioridade Ă  qualidade do serviço e ao desenvolvimento de experiencias autĂŞnticas. Recentrando-nos nas motivaçþes actuais dos turistas e nesta linha estratĂŠgia de priorizar a autenticidade, facilmente percebemos que uma das nossas maiores riquezas ĂŠ a nossa gastronomia. Quando falo de gastronomia, refiro-me Ă  arte de cozinhar, tendo em vista a geração de experiĂŞncias Ăşnicas, associadas ao conheciPHQWR HVSHFtÂżFR GH SURGXtos e formas de confecção, Ă s tradiçþes e Ă s culturas de determinada regiĂŁo, em suma, ao conjunto de culturas, tradiçþes, produtos, mĂŠtodos e formas de confecção, que associamos a um territĂłrio e Ă s suas gentes, e que pode (e deve) ser experienciado quer pelo turista de proximidade

quer pelo estrangeiro. Nesta perspetiva a gastronomia pode assumir um papel preponderante na concretizaomRGDVSULRULGDGHVGHÂżQLGDV no PENT â&#x20AC;&#x201C; aqui referenciada como Gastronomia e Vinhos, ascendendo Ă  qualidade de produto turĂ­stico complemenWDUWDOFRPRYHPVHQGRGHÂżnida por muitos autores, contribuindo decisivamente para o aumento da notoriedade dos nossos destinos turĂ­sticos. A riqueza e o carĂĄcter Ăşnico da gastronomia portuguesa, classificada como bem imaterial do patrimĂłnio cultural portuguĂŞs, devem ser encarados como um elementos diferenciadores na oferta turĂ­stica das regiĂľes e do paĂ­s. Naturalmente que para que este elemento diferenciador possa ser rentabilizado e se traduza no acrĂŠscimo de valor, ĂŠ necessĂĄrio que o conheçamos em detalhe e, sobretudo, que existam elementos de informação e comunicação trabalhados com o rigor e a qualidade que este SDWULPyQLRPHUHFH5HÂżURPH aqui Ă  necessidade de continuar a desenvolver estudos de recolha e tratamento da

informação histórica sobre o nosso património gastronómico, conducentes à criação de materiais de diversas tipologias que possam ser utilizados na promoção, na divulgação e no marketing dos territórios gastronómicos. Segundo dados recolhidos em estudos recentes, os turistas dão especial relevo à gastronomia no momento de escolher e planear as suas viagens, sendo tambÊm apontado, como factor de avaliação dos destinos. Segundo dados do Turismo de Portugal, este produto tem registado, desde o ano 2000, um crescimento anual de cinco a oito por cento, prevendo-se crescimentos futuros equivalentes. Se considerarmos que os nossos principais concorrentes neste produto são países como a Espanha, a França e a Itålia, creio que a aposta passa

por comunicar o conjunto de atributos que nos diferenciam, e que devem ser utilizados como fatores de competitividade, tais como a variedade, a qualidade e a diversidade dos nossos produtos, o crescente dinamismo dos chefes e dos enĂłlogos nacionais e ainda, pela aposta em marcas relevantes como o Pastel de Nata ou o Vinho do Porto. 2GHVDÂżRTXHÂżFDpRGH GHÂżQLURFDPLQKRTXHPHOKRU nos permita concretizar estas oportunidades, caminhos estes que, a meu ver, passarĂŁo sempre pelo trabalho em rede, juntando em iniciativas conjuntas os produtores, as empresas de turismo e as entidades com responsabilidades de planeamento e marketing turĂ­stico e territorial. (*) Directora da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra

A riqueza e o carĂĄcter Ăşnico da gastronomia portuguesa, classificada como bem imaterial do patrimĂłnio cultural portuguĂŞs, devem ser encarados como um elementos diferenciadores na oferta turĂ­stica das regiĂľes e do paĂ­s.

DeixĂĄmos marcas no sĂŠculo passado e vamos mantĂŞ-las no futuro

Rua da Inculca, n.Âş 1 - 3150-020 Anobra - Telem.: 918 283 636 FICHA TĂ&#x2030;CNICA EDIĂ&#x2021;Ă&#x192;O COIMBRA www.campeaoprovincias.com

Telefone 239 497 750 | Fax 239 497 759 | E-mail jornalcp@mail.telepac.pt Editor/Propriedade REGIVOZ, Empresa de Comunicação, Lda. Rua Adriano Lucas, 216 Az. D - Eiras 3020-430 Coimbra | NIPC: 504 753 711 Director-Adjunto Rui Avelar (responsåvel executivo por esta edição) | Gerente da Redacção JosÊ Fidalgo 239 497 750 (ext. 38) | Redacção Luís Santos (C.P. 722), Rui Avelar (C.P. 613), Benedita Oliveira (C.P. 6622), Geraldo Barros (C.P. 6555) e Luís Carlos Melo (C.P. 2555), Telefone 239 497 750 (ext. 55, 56 e 57), Fax 239 497 759 | Sede/

Electricista / Canalizador / Paineis Solares / Instalação de TDT Aquecimento e Aspiração Central Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? os ParabĂŠns!

32888

Jorge Manuel Ribeiro Marques

32796

32777

PUBLICIDADE

Redacção: Rua Adriano Lucas, 216 Az. D - Eiras 3020-430 Coimbra Director Comercial Carlos Gaspar Directora de Marketing e Publicidade Adelaide Pinto 239 497 750 (ext. 27), adelaide.pinto@mail.telepac.pt Paginação e Maquetagem Nuno Miguel Peres | Impressão FIG - Indústrias Gråficas, S.A.; Rua Adriano Lucas, 3020-265 Coimbra | Distribuição VASP - Sociedade de Transportes e Distribuição, Lda. R. da Tascoa, n.º 16 - 4.º Piso, 2745-003 Queluz, Telef. 214 398 500, Fax 214 302 499 Registo SRIP sob o n.º 222567; ISSN: 1645 - 2968; ICS: 122568 | Depósito Legal n.º 127443/98 Preço de cada número 0,75\ Assinatura anual 30,00\ | Tiragem mÊdia: 9.000 exemplares

Os pagamentos para o CampeĂŁo das ProvĂ­ncias em cheque devem ser emitidos em nome de â&#x20AC;&#x153;Regivoz, Empresa de Comunicação, Lda.â&#x20AC;?. TambĂŠm podem ser feitos por transferĂŞncia bancĂĄria atravĂŠs do NIB: 001000003179749000225


COMÉRCIO E SERVIÇOS

25

QUINTA-FEIRA

7pFQLFRFHUWL¿FDGR Agente:

Encerra à 3.ª Feira

Instalação: - Aquecimento Central - Painéis Solares - Climatização - Aspiração Central - Alarmes de Incêndio e Intrusão - Reparação de telemóveis - Electricidade - Canalização

Seguros Telef.: 239 701 460 - Telem.: 966 942 659 Estrada da Beira, 389 r/c 3030-426 COIMBRA

Ru Carlos Alberto Pinto Abreu, Loja 11A Rua St Sta Clara (Junto ao Portugal dos Pequenitos) Telef.: 239 814 357 / 918 284 481

32238

Telef.: 231 402 145 Telems.: 966 898 889 / 932 644 111 Rua Henrique Barreto, r/c Lj 3 nunopessoaunipessoallda@gmail.com Edifício Rossio geralunipessoallda@gmail.com 3060-176 CANTANHEDE

32194

Venda: - Aspiração Central - Antenas e Satélite (Canais franceses)

32454

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

32363

26

Catarina Carvalho T. 964 821 944

Centro Máquinas de Venda Automática - Fontes de água POU Máquinas de café expresso italianas

Telef.: 239 10 49 49 - Urb. do Lagar, Lt. 4, Lj. 1 Santa Clara - 3040-002 COIMBRA tecniartecabeleireiro@gmail.com

Urbanização Quinta D. João Lt 1 R/C Dt - Coimbra Telem.: 919 390 242 - dvcentro@gmail.com

32440

Marco Distrito Automóveis, Lda

32196

Colorações e Madeixas Alisamento térmico sem formol Tratamento de rosto | Unhas de gel

Carlos Gonçalves

Comércio de Automóveis, Forgons e Caixas Abertas MERCEDES VITO c/ frio Ano 1999 CITROËN JUMPER 9 lugares 1997 MERCEDES 190 Diesel 1998 LAND ROVER 4X4 7 lugares 1994 CITROEN BERLINGO c/ Girafon Ano 2000

32453

0HGLDomR3UR¿VVLRQDOGH6HJXURV

Mediação Seguros, Lda.

32360

Rua Dr. António José Almeida, 329 - Loja 10 3000-045 Santo António dos Olivais Telef.: 239 482 571 - Fax: 239 484 722 - Telem.: 917 364 834 E-mail: sergio@sergiomaldonado-seguros.pt

Rua Padre Basílio, n.º 43 - 3060-752 Corticeiro de Cima Telem.: 967 464 696 - E-mail: carlosgoncs@hotmail.com

919 296 098 Rua Dr. Francisco Martins - Chão de Lamas 3220-015 Miranda do Corvo

COMÉRCIO DE PNEUS NOVOS E USADOS

Apartado 65, 3534-909 Mangualde Telef.: 232 611 931 - Fax: 232 611 388 geral@verdugo.pt

ABERTO AOS SÁBADOS

32456

Sede: Feira Nova - Angeja - 3850 ALBERGARIA-A-VELHA Esc.: Rua Soja do Viso - Sarrazola - CACIA - 3800 AVEIRO Telef./Fax: 234 913 557 - Telem.: 962 890 200/50

Estrada da Beira, n.º 85, r/c esq. 3030-173 Coimbra Telef./Fax: 239 718 307 - dotspeed@sapo.pt www.dotspeed.pt

Campas a partir de 800\

32195

Fabricamos todos os artigos de arte funerária. Assentamos em todo o país: Campas, Jazigos, Foto-porcelana, Lápides, Esculturas, etc eurocampas@gmail.com - www.centralcampas.com Expo: Pero Pinheiro - 219 671 051 - 966 279 372 Expo: Alenquer, Altas Marés - 263 799 147 - 966 279 342 Expo: Oliveira do Hospital - 966 279 403 Fábrica: ZI de Mira - 231 452 037 - 965 385 645

32199

Rua da Liberdade, n.º 11 - ADÉMIA DE CIMA - Trouxemil - COIMBRA Telef.: 239 431 184

Motorgil, Lda. Mercedes-Benz - Smart MANUTENÇÃO - REPARAÇÃO - PROGRAMAÇÃO ESP - ABS - AIRBAG - Auto Rádios - Chaves - GPS - Painéis de Controlo Quadrantes - Unidades - Centralinas - Revisão Entremédia (1 Chave) - 138,00\ Revisão Principal (2 Chaves) - 165,14\|Smart Revisão - 87,77\ Estrada Nacional N.º 234/1 - 3060-025 Ançã - Telef.: 239 964 036 Telem.: 914 095 059 - www.motorgil.com - mail@motorgil.com

Sede: Avenida João das Regras, 139 R/C - Santa Clara 3040-256 Coimbra - Telef.: 239 825 390 - 239 440 663 - Fax: 239 440 664 predialrainhasanta@sapo.pt | geral@ predialrainhasanta.pt www. predialrainhasanta.pt

32233

32448

Rua António Augusto Gonçalves Est. das Lágrimas, 145. Lj. 143 SANTA CLARA COIMBRA (Junto ao Hotel Quinta das Lágrimas) Telef.: 239 440 100

CENTRALCAMPAS

32200

IC2 - Redinha - Pombal - Telef.: 236 912 400 - 962 610 316

FERRAMENTAS PARA AGRICULTURA FERRAMENTAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL CABOS PRODUTOS DIVERSOS FERRAMENTAS DE MONTAGEMS DE LINHAS AÉREAS FERRAMENTAS DE JARDINAGEM

32246

Crédito Imediato até 120 meses

32460

Escavações - Terraplanagens - Demolições

32364

* * * * *

SISTEMAS EM ALUMÍNIO SERVIÇOS EM INOX | SERRALHARIA CIVIL ESTRUTURAS E COBERTURAS Tlf. 239 431 875 | Fax: 239 436 126 | Tlms. 966 828 900 / 966 828 901 Rua da Pontinha, n.º 18 | Alcarraques | 3025-013 Coimbra jcgomes.alu@gmail.com


25

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE ABRIL DE 2013 CAMPEรƒO DAS PROVรNCIAS

27

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

โ€œRevoluรงรฃo dos Cravosโ€ foi hรก 39 anos

Cervejaria estuda colocar produto no mercado

Hoje celebra-se o 25 de Abril

Lanรงamento de vรญdeo promocional marca 4.ยบ aniversรกrio da Praxis

+RMHFHOHEUDVHRยžDQLYHUViULRGDUHYROXomRRFRUULGD DGH$EULOGH VpFXOR ;; SDUDPXLWRVRยด'LDGD /LEHUGDGHยตFRPXPDGLYHUVLGDGH GH FRPHPRUDo}HV SURPRYLGDV SHODV FkPDUDV PXQLFLSDLVSDUWLGRVSROtWLFRV HDVVRFLDo}HV ยด2GH$EULOHRIXWXURยต pRWHPDGHXPDSDOHVWUDTXH ร‰OYDUR/DERULQKR/~FLRSURIHUHSHODVKQD&kPDUD 0XQLFLSDOGH&RLPEUDFRP R MXL] FRQVHOKHLUR TXH IRL PLQLVWURGD-XVWLoDHPLQLVWUR GD 5HS~EOLFD SDUD D 5HJLmR $XWyQRPDGRV$oRUHVDIDODU DSyVDLQWHUYHQo}HVGROtGHU GD&kPDUDFRQLPEULFHQVHGR SUHVLGHQWHGD$VVHPEOHLD0XQLFLSDOHGDVIRUoDVSROtWLFDV UHSUHVHQWDGDVQHVWDDXWDUTXLD FRPXPPRPHQWRPXVLFDOD FDUJRGRJUXSR&RUGLV 7DPEpP HP &RLPEUD

GHVWDFDVH D PDQLIHVWDomR SHODVKHQWUHDSUDoDGD 5HS~EOLFDHRSiWLRGD,QTXLVLomRFRPXPDLQWHUYHQomRGR FRPDQGDQWH3HGUR0HQGRQoDXPGRVFDSLWmHVGH$EULO HFRQFHUWRVSHORVยด'LDERD 6HWHยตHP~VLFRVGD%ULJDGD 9LFWRU-DUD 1Dยญ&DSHOODQDUXDGH &RUSRGH'HXVR36FHOHEUDR 'LDGD/LEHUGDGHSHODVK FRP LQWHUYHQo}HV SROtWLFDV GH0DQXHO$OHJUHH0DQXHO 0DFKDGRUHIHULQGRGHVGHMi TXHDLQLFLDWLYDWDPEpPWHP HPYLVWDDVSUy[LPDVHOHLo}HV DXWiUTXLFDV (P9LOD1RYDGH3RLDUHV DV FRPHPRUDo}HV FRQWDP FRPDSUHVHQoDGHXPPHPEURGR*RYHUQR R VHFUHWiULR GH (VWDGR GD6HJXUDQoD6RFLDO0DUFR $QWyQLRFRPVHVVmRVROHQH QD &kPDUD jV K FRP

HQWUHJD GH FRQGHFRUDo}HV YLVLWDj,UPDQGDGHGH1ย6ย GDV1HFHVVLGDGHVHDR&HQWUR 6RFLDOGD$',3VHJXLQGRVHDV LQDXJXUDo}HVGDDODPHGD6DQWR$QGUpHGR6NDWH8QLYHUVDO 3DUTXH6DQWR$QGUp 'R H[WHQVR SURJUDPD QD/RXVmDVVLQDODVHHQWUHDV KHDVKRGHVFHUUDPHQWR GH GLYHUVDV SODFDV WRSRQtPLFDV FRP D VHVVmR VROHQHQD&kPDUD0XQLFLSDO PDUFDGDSDUDDVKHD SDUWLUGDVKDMiIDPRVD ยด7URW\UROยต&RUULGDGH&DUURV GH 5RODPHQWRV RUJDQL]DGD SHOR$JUXSDPHQWRGH(VFXWHLURVGD/RXVmDVVLPFRPR R )HVWLYDO ,QWHUQDFLRQDO GD &XOWXUDH$UWHVRUJDQL]DGR SHOD &RRSHUDWLYD $UWH 9LD QR &LQHWHDWUR 3HODV K VHUiUHFHELGDDGHOHJDomRGH 3UDGHVYLODIUDQFHVDJHPLQDGD FRPD/RXVmHSHODVK

6pUJLR *RGLQKR VREUH DR SDOFRGR&LQHDWUR (P *yLV D ยด5HYROXomR GRVFUDYRVยตWHUiXPDVHVVmR VROHQH D SDUWLU GDV K QRV3DoRVGR&RQFHOKRFRP LQWHUYHQo}HV GD SUHVLGHQWH GD&kPDUDGRSUHVLGHQWHGD $VVHPEOHLD0XQLFLSDOHGRV UHSUHVHQWDQWHVGDVIRUoDVSROtWLFDVRPHVPRDFRQWHFHQGR HP6RXUHFRPLGrQWLFDVHVVmR VROHQHjVK (P0RQWHPRUR9HOKR DVHVVmRVROHQHUHDOL]DVHSHODV K VHQGR LQDXJXUDGDV DSDUWLUGDVKiUHDVGR DPELHQWHHGDFXOWXUDHP/LFHLD6DQWR9DUmR)RUPRVHOKD 3HUHLUD&DVDLV9HOKRV (P 7iEXD UHDOL]DVH D SDUWLUGDVKDTXDUWDHGLomRGDSURYDGHDWOHWLVPRVRE ROHPDยดRVYDORUHVGH$EULOQR IXWXURGH3RUWXJDOยตRUJDQL]DGDSHOD&'8GRFRQFHOKR

B.O.

O quarto aniversรกrio da &HUYHMDULD3UD[LVร€FRXPDUFDGR SHOR ODQoDPHQWR GR SULPHLURYtGHRSURPRFLRQDO 'HVWLQDGRDRVQRYRVPHLRVGH FRPXQLFDomRFRPGHVWDTXH SDUD D ,QWHUQHW R YtGHR Gi DFRQKHFHUWRGRRSURMHFWR 3UD[LVGHVGHRIDEULFRDWpDR SUySULRHVSDoRGHUHVWDXUDomRORFDOL]DGRQD4XLQWDGD 9iU]HDPDUJHPHVTXHUGDGH &RLPEUD $HIHPpULGHIRLDVVLQDODGDRQWHPjQRLWHFRPWRGRV RVFOLHQWHVDFDQWDURVSDUDEpQV jFHUYHMDULDHDVDERUHDUREROR GHDQLYHUViULR (VWHpXPยดSURMHFWRFRQVROLGDGR GH TXH &RLPEUD VH SRGH RUJXOKDUยต Dร€UPRX DR ยด&DPSHmRยต R VyFLRJHUHQWH 3HGUR %DSWLVWD VXEOLQKDQGR DV FDUDFWHUtVWLFDV LQRYDGRUDV GHVWH HPSUHHQGLPHQWR D QtYHO QDFLRQDO 2SUy[LPRGHVDร€RFRQWRX SDOLPDJHPGHPRQWUDXPD FOLHQWHV Ki TXHTXHV GH OD- TXHLMDGDVGHODUDQMDEDWLGR RHPSUHViULRSDVVDSHODFRWRUUH GD 8QLYHUVLGDGH HP UDQMDFRPFKLODOLFRUGH/D- GHODUDQMDHPDomFKHHVH- ORFDomRGDFHUYHMDDUWHVDQDO ODUDQMDHPDomQXPWRWDOGH UDQMDHPFRSRGHFKRFRODWH FDNHGHODUDQMDJHODWLQDGH QRPHUFDGRยด(VWDPRVDYHU TXLORJUDPDVGHIUXWD WRUWDGHODUDQMDSXGLPGH ODUDQMDFXSFDNHVGHODUDQMD VHU FRQVHJXLPRV FRORFDU R 3DUD GHJXVWDomR GRV ODUDQMDIROKDGRVGHODUDQMD HVXPRGHODUDQMDQDWXUDO QRVVRSURGXWRIRUDGDVIURQ-

Festival da laranja no cafรฉ โ€œA Brasileiraโ€ $Wp GRPLQJR GLD   HVWiDGHFRUUHUQRFDIpยด$ %UDVLOHLUDยต QD ยด%DL[Dยต GH &RLPEUD R ,, )HVWLYDO GD /DUDQMDWHQGRFRPRSULQFL-

WHLUDV GD FLGDGHยต UHIHULX R UHVSRQViYHODGLDQWDQGRTXH MiKRXYHVROLFLWDo}HVSRUSDUWH GHHPSUHViULRVGH%DUFHORQD 6DODPDQFD 3RUWR /LVERD $YHLURH3RPEDO 3URSULHWiULRVGHยดUHVWDXUDQWHVEHPFRPRSHTXHQDV ORMDVJRXUPHWHVWmRLQWHUHVVDGRVHPWHUXPSURGXWRGLIHUHQFLDGRยตDFUHVFHQWRX3HGUR %DSWLVWD1XPDIDVHLQLFLDORV YiULRVWLSRGHFHUYHMDSURGX]LGRVSHOD3UD[LVGHYHUmRVHU FRPHUFLDOL]DGRVHPJDUUDIDV GHFHQWLOLWURV $&HUYHMDULD3UD[LVSURGX]TXDWURWLSRVGHFHUYHMD SRUYLDDUWHVDQDOD3LOVHQHU 'XQNHO$PEDUH:HLVVjTXDO VHMXQWDDLQGDXPDVD]RQDO TXHDFWXDOPHQWHpD6WURQJ 3DUDIRPHQWDUDDWUDomR WXUtVWLFDRHVSDoRYDLDFROKHU HPEUHYHXPSURMHFWRPXVHROyJLFROLJDGRDRSURFHVVRGH SURGXomRDUWHVDQDOGHFHUYHMD ยด6HPSUHWLYHPRVJUDQGH WUDGLomRQDSURGXomRFHUYHMHLUDHFRPTXDOLGDGHSRUTXH XPGRVIDFWRUHVSDUDRVXFHVVR GHVWDSURGXomRpDiJXDGH &RLPEUDยตFRPHQWRX3HGUR %DSWLVWD

A Junta de Freguesia de S. Paulo de Frades, felicita o โ€œCampeรฃo das Provรญnciasโ€ pela passagem do seu 13.ยบ Aniversรกrio!

32844

PUBLICIDADE

AGรŠNCIA MARรTIMA DA FIGUEIRA, LDA. ao Deseja ovรญnciasโ€ P s a r peรฃo d mais โ€œCam ns por รฉ b a r a cia P os xistรชn o de e um an

Atendimento em Fรกtima e Aveiro com marcaรงรฃo prรฉvia ou por carta.

Tlm. 91 320 34 56

SEDE: Travessa da Rua Fernandes Tomรกs, N.ยบ 5 - 1.ยบ Apartado 113 Telef.: 233 401 780 - Fax: 233 428 763 - 3080-219 Figueira da Foz foztrafego@mail.telepac.pt

OS MAIS IMPORTANTES VIVEIROS DE PLANTAS DO CENTRO DO PAรS FRUTIPLANTAS, UNIPESSOAL, LDA. รRVORES DE FRUTO DAS MELHORES Comรฉrcio de Plantas, รrvores CONDIร‡ร•ES, VARIEDADES de Fruto, Sombra e Jardim AS NOSSAS รRVORES MANTรŠM Rua Calรงada das Quintas, 57 / Telef. 239 923540 / 239 921 540 AS MELHORES CONDIร‡ร•ES DE SAรšDE Telem. 919 656 078 - VENDAS DE CEIRA - 3030 Coimbra

VIVEIROS AGRรCOLAS

32829

Existem inรบmeras pessoas que procuram fazer o mal, para proveito prรณprio HDGHVWUXLomRGRSUy[LPRDWUDYpVGHIHLWLoDULDVVHUH]DVDRPDOpยฟFR Aqui somente atravรฉs do bem e da Fรฉ e do Manta Sagrado de Nossa Senhora GH)iWLPDHQFRQWUDUmRWXGRRTXHQHFHVVLWDP Nรฃo se farรฃo milagres imediatos, mas dia apรณs dia, as mudanรงas acontecerรฃo HYRFrYHUiWRGRVRVVHXVSUREOHPDVGHVDSDUHFHU(VWDpDVXDPLVVmR

32632

GARANTIMOS QUALIDADE NO TRANSPORTE DAS SUAS MERCADORIAS POR VIA MARรTIMA


EMPRESAS & NEGĂ&#x201C;CIOS

28

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

Projecto com parceiros de negĂłcios

B R E V E

Escola Profitecla abre candidaturas 2SyORGH&RLPEUDGDHVFROD3URĂ&#x20AC;WHFODDEULXDVFDQGLGDWXUDV DRVFXUVRVSURĂ&#x20AC;VVLRQDLVGHQtYHO $HVFRODRIHUHFHFLQFRFXUVRV QRDQROHFWLYRGHWRGRV HOHVJUDWXLWRVHFRPDDWULEXLomR GHVXEVtGLRV1RSUy[LPRDQRR curso de Restauração vai juntarVHjKDELWXDORIHUWDIRUPDWLYDGD 3URĂ&#x20AC;WHFOD7XULVPR2UJDQL]DomRGH(YHQWRV5HFHomRHP 7XULVPRH+RWHODULDH6HUYLoRV -XUtGLFRV2VFXUVRVSURĂ&#x20AC;VVLRQDLV GD 3URILWHFOD &RLPEUD WrP D GXUDomRGHKRUDVGLVWULEXtGDVSRUWUrVDQRVOHFWLYRV1R VHJXQGRH~OWLPRDQRRVDOXQRV WrPDSRVVLELOLGDGHGHUHDOL]DU XPHVWiJLRHPHPSUHVDVORFDLVH QDFLRQDLVSDUFHLUDVGDLQVWLWXLomR 7HUPLQDGRRFXUVRRVDOXQRV REWrPHTXLYDOrQFLDDRÂ&#x17E;DQR XP GLSORPD GH 4XDOLILFDomR 3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGHQtYHOHDFHVVR DRHQVLQRVXSHULRU´&RPHVWHV FXUVRV D HVFROD GLVSRQLELOL]D XPDRIHUWDDLQGDPDLVFRPSOHWD H DGHTXDGD jV WHQGrQFLDV GR PHUFDGRÂľUHIHULXDFRPLVVmR H[HFXWLYDGD3URĂ&#x20AC;WHFOD&RLPEUD

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

EDP criou Academia TĂŠcnica do Sector EnergĂŠtico $('3'LVWULEXLomRSURmoveu a criação da Academia 7pFQLFDGR6HFWRU(QHUJpWLFR associação de direito privado VHPĂ&#x20AC;QVOXFUDWLYRVHPIDVH GH LQVWDODomR TXH WHP SRU Ă&#x20AC;QDOLGDGH SURPRYHU R ´VDEHU ID]HUÂľ HP IXQomR GRV GLYHUVRV SHUĂ&#x20AC;V GH WUDEDOKRV GHQDWXUH]DWpFQLFDHDWULEXLU WtWXORVGHKDELOLWDomR &RP HVWH SURMHFWR D ('3'LVWULEXLomRHRVVHXV parceiros de negĂłcio - BraJDOX[ &DQDV &0( (XULFR )HUUHLUD3DLQKDV5HGH7%7 H9LVDEHLUDJDUDQWHPDFRQWUDWDomRGHSHVVRDOSUHSDUDGR SDUDDUHDOL]DomRGRVWUDEDOKRV QDV UHGHV HOpFWULFDV GH GLVWULEXLomRFRPRVHOHYDGRV SDGU}HVGHTXDOLGDGHH[LJLGRV e promovem a criação de HPSUHJRTXDOLĂ&#x20AC;FDGR

A Academia permitirĂĄ FULDU WDPEpP FRQGLo}HV SDUDDFRQĂ&#x20AC;UPDomRGDUHFRQYHUVmR GH SURĂ&#x20AC;VVLRQDLV GDV iUHDVGDHQHUJLDRULXQGRVGH RXWURVVHFWRUHVHFRQyPLFRV atravĂŠs da comprovação das KDELOLWDo}HV WpFQLFDV HQWUHWDQWRDGTXLULGDV 3DUDOHODPHQWH IRUDP Mi FULDGRV FXUVRV WpFQLFRV TXH irĂŁo orientar e formar proILVVLRQDLV TXDOLILFDGRV WDLV FRPR &XUVR GH HOHFWULFLVWD GHUHGHV Â&#x17E;DQRGHHVFRODULGDGH &XUVRGHWpFQLFRGH UHGHVHOpFWULFDV Â&#x17E;DQRGH HVFRODULGDGH  $SURYDGRV HP -DQHLUR os cursos constam jĂĄ do &DWiORJR1DFLRQDOGH4XDOLĂ&#x20AC;FDomRGD$14(3 $JrQFLD 1DFLRQDOSDUDD4XDOLĂ&#x20AC;FDomR H R (QVLQR 3URILVVLRQDO 

PUBLICIDADE

Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo 13.Âş AniversĂĄrio

com a formação a poder ser ministrada no ensino seFXQGiULRSURĂ&#x20AC;VVLRQDOFRPR atravĂŠs da rede de centros de formação do IEFP (Instituto de Emprego e Formação 3URĂ&#x20AC;VVLRQDO  (VWH SURMHFWR QR VHX GHVHQYROYLPHQWR WHP FRQtado com a participação acWLYDGD$14(3HGR,()3 WXWHODGRVSHOR0LQLVWpULRGD (GXFDomR H &LrQFLD H SHOR 0LQLVWpULR GD (FRQRPLD H Foram jĂĄ criados dois cursos tĂŠcnicos na ĂĄrea de redes elĂŠctricas GR(PSUHJR Projectos de investimento

Mais Centro potencia criação de 50 postos de trabalho no interior 20DLV&HQWURDSURYRX SURMHWRVGHLQYHVWLPHQWR TXHYmRFULDUFHUFDGHPHLD FHQWHQDGHSRVWRVGHWUDEDOKR QD UHJLmR &HQWUR QR kPELWR GR 3URJUDPD 9DORUL]DU DWUDYpV GR 6,$/0 ² 6LVWHma de Incentivos de Apoio /RFDOD0LFURHPSUHVDVTXH é dirigido a microempresas ORFDOL]DGDVHPWHUULWyULRVFRP SUREOHPDVGHLQWHULRULGDGH$ SULPHLUDIDVHGHFDQGLGDWXUDV TXHHQFHUURXQRSDVVDGRGLD

 GH DEULO FRQWHPSORX XP LQYHVWLPHQWRGHPDLVGH HXURVDTXHFRUUHVSRQGH XPLQFHQWLYRGHPDLVGH HXURVHDFULDomRGH SRVWRV GH WUDEDOKR DSRLDGD FRPXPLQFHQWLYRĂ&#x20AC;QDQFHLUR GHHXURV Foram aprovadas canGLGDWXUDV QRV FRQFHOKRV GH $JXLDU GD %HLUD %HOPRQWH &DUUHJDOGR6DO&DVWHOR%UDQFR&HORULFRGD%HLUD&RYLOKm )XQGmR *RXYHLD *XDUGD

/RXVm 0DQWHLJDV 0LUDQGD GR&RUYR0RUWiJXD2OLYHLUD GR +RVSLWDO 3HQHOD 9LVHX 6HLD6HUWm6HYHUGR9RXJD 7UDQFRVR H 9LOD 1RYD GH 3RLDUHV3DUD 3HGUR 6DUDLYD SUHVLGHQWH GD &&'5& ´p de reconhecer e agradecer a capacidade empreendedora destas microempresas do LQWHULRUFXMRVLQYHVWLPHQWRV GLQDPL]DP DV HFRQRPLDV ORFDLV FRPEDWHP R GHVHPprego e promovem 32659

PUBLICIDADE

919 296 098

Aberto de segunda-feira a sexta-feira, das 9 Ă s 13 horas e das 14 Ă s 19 horas - SĂĄbados das 9 Ă s 13 horas

Zona Ind. do Alto do PadrĂŁo - 3200-133 LOUSĂ&#x192; - Telef.: 239 995 386 - Fax: 239 995 723

CRECHE-BERĂ&#x2021;Ă RIO E PRĂ&#x2030;-ESCOLAR Inscriçþes abertas para o ano lectivo de 2013/2014

Jardim de Infância

Venha conhecer-nos na: Rua Fonte do Castanheiro Arregaça - Coimbra. Telef. 239713397 e-mail: jipp@aprevidenciaportuguesa.pt.

SaĂşda o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

ar condicionado

32702

A PREVIDĂ&#x160;NCIA PORTUGUESA

32852

Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?

32876

CDL - Inspecçþes Auto, Lda.

ParabĂŠns ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;?

32918

Rua Dr. Francisco Martins - ChĂŁo de Lamas 3220-015 Miranda do Corvo

visite o nosso showroom: zona industrial de miranda do corvo - estrada da pereira - 3220-119 miranda do corvo - telef.: 239 538 251 www.piclima.com | geral@piclima.com

Fernando FerrĂŁo, Lda

Caixilharia de AlumĂ­nio Anodizado e Termolacado

Portas - Janelas - Marquises - Resguardos de Banho Sistemas de Corte TĂŠrmico - Decorados Tipo Madeira

Zona Industrial da Palhaça - Lote 1 - 3770-354 PALHAĂ&#x2021;A - Telf. 234 753 091 Telf. 964 616 433 - Fax. 234 753 091 f.ferraoaluminios@hotmail.com | www.fferrao.com

32616

projectos e instalaçþes de climatização, lda.


25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

EMPRESAS & NEGĂ&#x201C;CIOS

29

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Projecto Academia PME

B R E V E S

3URĂ&#x20AC;IRUPDFRPHPRURXDQRV GLVWLQJXLQGRHPSUHViULRV $3URĂ&#x20AC;IRUPDUHSXWDGD empresa no âmbito da forPDomR SURĂ&#x20AC;VVLRQDO FRPHmorou 30 anos de intensa actividade. A festa que assinalou a efemĂŠride, no hotel de D. LuĂ­s, em Coimbra, foi momento oportuno para entregar certificados aos colaboradores da empresa e, tambĂŠm, a 32 empresĂĄrios que, recentemente, concluĂ­ram o projecto formativo Academia PME, desenvolvido com o apoio do IAPMEI. (PD3URĂ&#x20AC;IRUPD entrou no mercado com a

certeza de que a formação SURĂ&#x20AC;VVLRQDOHUDHVVHQFLDODR desenvolvimento humano e laboral. Alfredo Lopes, diligente empresĂĄrio e fundador da empresa, lembra que tudo começou muito antes de haver fundos comunitĂĄrios, porque, sublinhou, â&#x20AC;&#x153;entendemos que a formação proĂ&#x20AC;VVLRQDO HUD XP FRQWULEXWR de valor importante para as empresasâ&#x20AC;?. O lĂ­der da Profiforma acentuou o contributo inexcedĂ­vel dos seus colabora-

dores para fazer da empresa um caso de sucesso. Disse, ainda, que estando a ProĂ&#x20AC;IRUPD FHQWUDGD QD UHJLmR Centro, ĂŠ neste territĂłrio que, nos prĂłximos tempos, irĂĄ ser feito um esforço para incrementar a actividade de formação. Carlos Silva, director SHGDJyJLFRGD3URĂ&#x20AC;IRUPDH gestor do projecto Academia PME, destacou â&#x20AC;&#x153;o espĂ­rito de missĂŁo com que os empresĂĄrios enfrentaram o GHVDĂ&#x20AC;RTXHOKHVIRLFRORFDGR e plenamente superadoâ&#x20AC;?.

Rosa CristovĂŁo Santos, empresĂĄria responsĂĄvel pela â&#x20AC;&#x153;Amor Biscoitoâ&#x20AC;?, destacou a â&#x20AC;&#x153;mais-valia pessoal e o efeito multiplicadorâ&#x20AC;? da formação adquirida. De igual forma, JoĂŁo Ferreira, da Duarte & Ferreira, Lda, reconheceu que, pela primeira vez, lhe foi apresentada uma componente formativa â&#x20AC;&#x153;adaptada Ă s necessidades e que procurou responder ao que a empresa pretendiaâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;O sucesso desta acção passa e do paĂ­s passa, tambĂŠm, pelo sucesso dos em-

Crianças em Acção da Ă guas do Mondego A Ă guas do Mondego (AdM), em parceria com a Câmara Municipal da Mealhada, promoveu, recentemente, vĂĄrias acçþes de presĂĄrios que se envolveram sensibilização, destinadas neste projecto. SĂł assim ĂŠ aos alunos do jardim-deinfância, escolas do 1.Âş e possĂ­vel encontrar respostas 2.Âş ciclo. Cerca de 1 000 para criar emprego e gerar crianças do concelho ficariqueza se houver disponibili- ram a saber de que forma dade das pessoas para investir a ĂĄgua chega Ă s torneiras neste tipo de acçþesâ&#x20AC;?, disse e ainda a importância da Pedro Amaro, delegado re- racionalização e preservagional do IEFP de Coimbra. ção deste bem escasso. De 6REUHD3URĂ&#x20AC;IRUPD-RVp 9 a 17 de abril, a empresa Belo, vereador da Câmara responsĂĄvel por parte do Municipal de Coimbra, subli- abastecimento de ĂĄgua ao nhou tratar-se de â&#x20AC;&#x153;um exem- municĂ­pio da Mealhada plo de quem soube construir percorreu as escolas do concelho, dando a conheo seu caminho, contribuindo cer o ciclo da ĂĄgua e o seu para o desenvolvimento do ciclo urbano durante cerca paĂ­sâ&#x20AC;?. de uma hora. O objetivo destas açþes ĂŠ, nĂŁo sĂł sensibilizar os mais jovens para a importância da ĂĄgua, foram enquadrados nas vĂĄrias mas tambĂŠm aler tĂĄ-los acçþes que integram a EstratĂŠ- para o uso intensivo de gia Local de Desenvolvimento ĂĄgua em deter minados produtos. GHĂ&#x20AC;QLGDSDUDHVWHWHUULWyULR

$',%(5GLUHFFLRQDPLOK}HVSDUDLQYHVWLPHQWR A ADIBER vai canalizar mais de 1,6 milhĂľes de euros de ajudas do Subprograma 3 do Proder para novos projec-

tos de investimento a concretizar nos concelhos de Arganil, GĂłis, Oliveira do Hospital e TĂĄbua.

A proposta foi aprovada na quinta-feira e decorre dos pareceres favorĂĄveis emitidos pela entidade gestora, ADI-

BER, a 37 novos pedidos de apoio submetidos pelos promotores aos concursos abertos em 2012, os quais

PUBLICIDADE

SaĂşda os Serpinenses e população em geral e convida a visitar aFreguesia! Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? os ParabĂŠns!

32928

Maria de Lurdes Santos Oliveira

32848

QUEIJADAS DE PEREIRA

Início de Treinos de Captação - Futebol (Camadas de Formação) Campos de FÊrias para Jovens de 17 a 28 de Junho - Inscriçþes Abertas

Telef.: 239 645 419 - Telem.: 919 506 275 Rua da Torre, N.Âş 3 - Pereira - 3140-315 Montemor-o-Velho

Telef./Fax: 239 997 138 E-mail: junta.serpins@sapo.pt - www.junta-serpins.pt

32816

Felicitamos o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pela passagem de mais um aniversĂĄrio

32887

Inscriçþes Abertas na Campanha de Verão nas modalidades de: Natação, Hidroginåstica, Actividades Aquåticas de BebÊs, Kempo, Kickboxing e Ballet.

Junta de Freguesia de Soure

32794

O Executivo da Freguesia de Santo AntĂłnio dos Olivais felicita o Jornal â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

Estrada da Paula, n.Âş 30 - Castelo Viegas - 3040-713 Coimbra - Telef./Fax: 239 437 291 - www.casteloviegas.pt - geral@casteloviegas.pt

32917

Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

32533

O melhor cafÊ ao preço mais baixo para a sua empresa

32924

O executivo da Freguesia felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu aniversĂĄrio e testemunha que a Freguesia de â&#x20AC;&#x153;Castelo Viegasâ&#x20AC;? ĂŠ para sempre.


OPINIรƒO

30

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE ABRIL DE 2013 CAMPEรƒO DAS PROVรNCIAS

Serรก Coimbra uma cidade do conhecimento? &RLPEUD p XPD GDV  FLGDGHVHQYROYLGDVQRSURMHFWR .QRZ&LWLHVยฑ&LGDGHVGR&RQKHFLPHQWRGR$UFR$WOkQWLFR ยฟQDQFLDGRSHORSURJUDPD,QWHUUHJ(VSDoR$WOkQWLFRHOLGHUDGR SHOR PXQLFtSLR HVSDQKRO GH 6DQ 6HEDVWLDQ 2 REMHFWLYR GHVWH SURMHFWR p LPSXOVLRQDU D WUDQVLomR SDUD D HFRQRPLD GRFRQKHFLPHQWRHPFLGDGHV PpGLDVDWOkQWLFDVHSDUDWDO GLIHUHQWHV DFWLYLGDGHV WrP VLGRGHVHQYROYLGDV8PDGHODV FRQVLVWLX QD HODERUDomR GH XP GLDJQyVWLFR GH &RLPEUD HQTXDQWR FLGDGH GR FRQKHFLPHQWR HQULTXHFLGR FRP RV FRQWULEXWRVGHYiULRVVWDNHKROGHUVORFDLV GHFLVRUHVSROtWLFRV HPSUHViULRV DFDGpPLFRV  FXMDV SULQFLSDLV FRQFOXV}HV DTXLVHUHVXPHP Recursos humanos qualificados e ensino superior e investigaรงรฃo de excelรชncia &RLPEUDGHVWDFDVHSHORV HOHYDGRVQtYHLVGHLQVWUXomRGD VXD SRSXODomR TXDQGR FRPSDUDGDFRPDUHJLmR&HQWURH RSDtV6HJXQGRRUHFHQVHDPHQWRGHHP&RLPEUD DSURSRUomRGHUHVLGHQWHVTXH FRPSOHWRX R (QVLQR 6XSHULRU SRUFHQWR pRGREURGDTXH VHUHJLVWDDQtYHOQDFLRQDODVVLPFRPRDIDWLDGDSRSXODomR

AUTOMร“VEIS

HPSUHJDGDTXHIUHTXHQWDRXMi FRPSOHWRX R (QVLQR 6XSHULRU SRUFHQWR pSUHFLVDPHQWH R GREUR GR YDORU UHJLRQDO H  SS DFLPD GD QDFLRQDO &RLPEUDGLVS}HDVVLPGHXP HQRUPH SRWHQFLDO DVVRFLDGR DRV VHXV UHFXUVRV KXPDQRV XPDFWLYRHVVHQFLDOHPWRGDV DVTXHVW}HVUHODFLRQDGDVFRP DHFRQRPLDGRFRQKHFLPHQWR 3DUDWDOpLQTXHVWLRQiYHO RSDSHOGDVLQVWLWXLo}HVGH(QVLQR6XSHULRUHHPSDUWLFXODU GD 8QLYHUVLGDGH GH &RLPEUD 8&  H R ,QVWLWXWR 3ROLWpFQLFR GH&RLPEUD ,3& TXHFRQFHQWUDPDPDLRULDGRVHVWXGDQWHV XQLYHUVLWiULRVQDFLGDGHยฑFHUFD GHQXPWRWDOGHSHUWRGH $ViUHDVGDV&LrQFLDV 6RFLDLVH'LUHLWRGD(QJHQKDria e da Saรบde absorvem cerca GH  SRU FHQWR GRV DFWXDLV HVWXGDQWHV -i QR TXH GL] UHVSHLWR j , 'D8QLYHUVLGDGHpDSULQFLSDOUHIHUrQFLD$8&WHPFHUFD GH  XQLGDGHV GH LQYHVWLJDomR DOJXPDV GDV TXDLV FRP JUDQGH QRWRULHGDGH LQWHUQDFLRQDO$VVRFLDGDjDFWLYLGDGH GHVWDVXQLGDGHVHVWiDFULDomR GHVSLQRIIVVHQGRUHFRQKHFLGDDFDSDFLGDGHGD8&SDUD WUDQVIRUPDU D LQYHVWLJDomR GHVHQYROYLGDQRVVHXVFHQWURV HPLGHLDVGHQHJyFLRHPiUHDV WHFQROyJLFDVGHSRQWDQRPHDGDPHQWHQDV7,&HQDVD~GH

'HIDFWRDRORQJRGRV~OWLPRV DQRVWHPKDYLGRJUDQGHSUHRFXSDomRFRPRHVWUHLWDPHQWR GDV UHODo}HV HQWUH R PHLR DFDGpPLFRHHPSUHVDULDOLPSXOVLRQDGDFRPDFULDomRHP GR,QVWLWXWR3HGUR1XQHV ,31 0DLVUHFHQWHPHQWHHP D8&FULRXHPSDUFHULD FRPRPXQLFtSLRGH&DQWDQKHGHR%LRFDQW3DUNRSULPHLUR FHQWUR LQWHLUDPHQWH GHGLFDGR j ELRWHFQRORJLD HP 3RUWXJDO $OpPGLVVRD8&HVWiWDPEpP HQYROYLGD QD DILUPDomR GR &RLPEUD L3DUTXH DWUDYpV GR TXDOSUHWHQGHFULDUDSULPHLUD DFHOHUDGRUDGHHPSUHVDVHP 3RUWXJDO (P VXPD SRGH GL]HUVH TXHD8&GLVS}HGDVHVWUXWXUDV H GRV UHFXUVRV QHFHVViULRV SDUDXPDHIHFWLYDWUDQVIHUrQFLDGHFRQKHFLPHQWRGRPXQGR DFDGpPLFRSDUDRH[WHULRU 8PWHFLGRHFRQyPLFRPRGHUQR H IRUWH HP DFWLYLGDGHV LQWHQVLYDVHPFRQKHFLPHQWR 'XUDQWH PXLWR WHPSR &RLPEUDFRPELQRXDH[LVWrQFLD GH XPD XQLYHUVLGDGH GH UHOHYRFRPSUHVWtJLRHPiUHDV FRPR R 'LUHLWR H D 0HGLFLQD FRPXPDDFWLYLGDGHLQGXVWULDO FRP QRWRULHGDGH D QtYHO QDFLRQDO HP VHFWRUHV FRPR D FHUkPLFDDDOLPHQWDomRHRV Wr[WHLV H FRP XP VHFWRU GH VHUYLoRVGLQkPLFRDFROKHQGR YiULRVRUJDQLVPRVGHVFHQWUDOL-

ADร‰MIA - COIMBRA

COMPRO CARROS E CARRINHAS Antigos anteriores a 1980

Telef.: 239 432 173 - 3020 COIMBRA www.ademiauto.pt

919 821 187

0DC><ร‡E48B=>E>B4DB03>B

32845

2a|SXc^Pc|(%\TbTb

]DGRVGR(VWDGR(PFRQMXQWR HVWHV IDFWRUHV MXVWLILFDYDP XPD FHUWD KHJHPRQLD TXH FRORFDYD &RLPEUD QD WHUFHLUD SRVLomRGRUDQNLQJGHFLGDGHV SRUWXJXHVDV &RQWXGR QDV ~OWLPDV GpFDGDVDHVWUXWXUDGDHFRQRPLD ORFDO WUDQVIRUPRXVH 0XLWDV HPSUHVDV LQGXVWULDLV HPEOHPiWLFDVGDFLGDGHHQFHUUDUDP HDFLGDGHSHUGHXDYDQWDJHP FRPSHWLWLYDTXHDORFDOL]DomR GHLQ~PHURVVHUYLoRVS~EOLFRV FRQVWLWXtD TXHU GHYLGR j PRGHUQL]DomRDGPLQLVWUDWLYDTXHU GHYLGR j VXD UHHVWUXWXUDomR &RQWXGR DR PHVPR WHPSR IRUDP VXUJLQGR DFWLYLGDGHV HFRQyPLFDV VRILVWLFDGDV H LQWHQVLYDV HP FRQKHFLPHQWR SULQFLSDOPHQWH QD iUHD GDV 7HFQRORJLDV GH ,QIRUPDomR H &RPXQLFDomR H (OHFWUyQLFD 7,&(  H GD VD~GH FLrQFLDV GD YLGD H ELRWHFQRORJLD  TXH FRQVWLWXHPKRMHDVยณHPSUHVDV EDQGHLUDยดGH&RLPEUDPXLWDV GHODVVSLQRIIVGD8& (VWDVWUDQVIRUPDo}HVQD HVWUXWXUD GD HFRQRPLD ORFDO OHYDUDP D XPD LPSRUWDQWH PXGDQoD GH SDUDGLJPD HP &RLPEUD7LUDQGRSDUWLGRGDV FRPSHWrQFLDVH[LVWHQWHVQRV GRPtQLRVGDVFLrQFLDVGDYLGD H GD HQJHQKDULD &RLPEUD WHP YLQGR D UHIRUoDU D VXD HVSHFLDOL]DomRHDDOFDQoDUD H[FHOrQFLDQRFKDPDGRVHFWRUยณPHGWHFKยดHDGLVWLQJXLUVH D QtYHO UHJLRQDO H QDFLRQDO QHVWDV GXDV iUHDV e GH VDOLHQWDU SRUpP TXH SDUD HVWD PXGDQoD PXLWR FRQWULEXLX D DVVLQDOiYHO PHOKRULD GDV UHODo}HV HQWUH D 8& H D FLGDGH DJRUD PXLWR PDLV

HENRIQUE ALBERGARIA*

HVWUHLWDV H FRRSHUDWLYDV GR FRPHoDPDHPHUJLUQDFLGDGH TXHQRSDVVDGR 1RTXHFRQFHUQHj8&D VLWXDomRpXPSRXFRGLIHUHQUm modelo WH$SHVDU GH UHODWLYDPHQWH de triple helix DIDVWDGD GRV PHGLD H GRV comeรงa a emergir FHQWURVGHOREE\LQJD8QLYHUVLGDGH FRQVHJXLX PDQWHUVH $ 8QLYHUVLGDGH H D DX- FRPSHWLWLYDDQtYHOQDFLRQDOH WDUTXLD VmR DV SULQFLSDLV LQV- LQWHUQDFLRQDO FRPR DWHVWDP WLWXLo}HV UHVSRQViYHLV SHOD RVHXSLRQHLULVPRQDFULDomR SROtWLFD GR FRQKHFLPHQWR HP GD SULPHLUD LQFXEDGRUD GH &RLPEUD &RQWXGR DR ORQJR HPSUHVDVHP3RUWXJDO ,31  GRV WHPSRV FDGD XPD IRL GDSULPHLUDXQLGDGHGHWUDQVGHILQLQGR D VXD DJHQGD H IHUrQFLD GH WHFQRORJLD QD HVWDEHOHFHQGR DV VXDV SULR- VXD HVWUXWXUD LQWHUQD ',76  ULGDGHV SHOR TXH D LPDJHP H GR SULPHLUR HFRVVLVWHPD GH&RLPEUDHQTXDQWRยณFLGDGH GH LQRYDomR ,129&  XPD GRFRQKHFLPHQWRยดSDUHFHVHU IHUUDPHQWD LQRYDGRUD TXH PDLVHVSRQWkQHDGRTXHUHVXO- YLVD PHOKRUDU D JRYHUQDQoD WDQWHGHDFo}HVGHPDUNHWLQJ H D FRRSHUDomR GH &RLPEUD GHVHQKDGDVFRPHVVHLQWXLWR FRPRVWHUULWyULRVYL]LQKRVQR $RQtYHOGRSRGHUPXQLFL- TXH UHVSHLWD jV SROtWLFDV GH SDO &RLPEUD HQIUHQWD LPSRU- LQRYDomR H GD HFRQRPLD GR WDQWHVGHVDยฟRVPXLWRVGHOHV FRQKHFLPHQWR GHFRUUHQWHVGRIDFWRGHWHUYL'HVWH PRGR H j PHGLYLGRPXLWRVDQRVDOKHDGDGDV GD TXH RV GHFLVRUHV H RV FLGDGHVYL]LQKDVHGHPDVLDGR GHVWLQDWiULRV GDV SROtWLFDV IRFDGD QRV VHXV SUySULRV HVWUHLWDP UHODo}HV H YmR UHDFWLYRVHFDSDFLGDGHV1HVWH IRUoDQGRDVXDSDUWLFLSDomRH DVSHFWRDVXDLQWHJUDomRQD HQYROYLPHQWR QRV SURFHVVRV &RPXQLGDGH ,QWHUPXQLFLSDO GH GHFLVmR XP PRGHOR GH GR%DL[R0RQGHJRpXPDERD WULSOH KHOL[ SDUHFH HPHUJLU RSRUWXQLGDGHSDUDHVWLPXODUD $LQGDDVVLPpHVVHQFLDOTXH FRRSHUDomRFRPRXWURVPXQL- &RLPEUD DSRVWH WDPEpP QD FtSLRV3RURXWURODGR&RLPEUD PHOKRULDGDVXDFRPXQLFDomR HVWi UHODWLYDPHQWH DIDVWDGD FRPRH[WHULRUHVHSURPRYD GRV FHQWURV GH GHFLVmR H FRPRXPDYHUGDGHLUDยณFLGDGH WDPEpP SRU HVVH PRWLYR D GRFRQKHFLPHQWRยด 3DUD PDLV LQIRUPDo}HV VXDFDSDFLGDGHGHDQWHFLSDU QRYDVRSRUWXQLGDGHVVHWRUQD VREUHHVWHSURMHFWRFRQVXOWDU UHGX]LGD -i QR TXH UHVSHLWD KWWSZZZNQRZFLWLHVHX jVUHODo}HVFRPD8&HFRP (*) Professor da FaRVHFWRUHPSUHVDULDOKiVLQDLV culdade de Economia da GH FUHVFHQWH SUR[LPLGDGH H Universidade de Coimbra QRYDVIRUPDVGHJRYHUQDQoD

Paga-se atรฉ 30\ o grama

Gestรฃo e Contabilidade IRC/ IRS

Parabรฉns! Rua da Repรบblica, 88 - 2.ยบ Dto. - Fala - 3045-116 Coimbra Telef.: 239 445 055/6 - Fax: 239 445 057 Telem.: 917 543 780 / 917 764 851 geral@gabluisgaspar.com | gabinete@gabluisgaspar.com

Rua Visconde da Luz, 91 - 3000-414 Coimbra Telef.: 239 823 509 | Fax: 239 841 899 - Telem.: 917 241 080

Deseja ao โ€œCampeรฃo das Provรญncias Parabรฉns por mais um Aniversรกrio 32636

NOVOS E EM 2.ยช MรƒO

Compra-se Ouro

32857

Compra/Vende Relรณgios boas marcas Ouro, Jรณias e Pratas

A. OLAYO, LDA. GABINETE DE CONSULTADORIA ADMINISTRATIVA DE PESSOAL

Rua do Brasil, Letra A, 1.ยบ Andar - 3030-775 Coimbra Telef.: 239 823 209 - Fax: 239 823 247

Rua Dr. Antรณnio Josรฉ de Almeida, 185 3000-044 Coimbra

Tempo Rรกdio do Clube da Comunicaรงรฃo Social de Coimbra Esta semana รฉ convidado do TEMPO/RรDIO DO CLUBE DA COMUNICAร‡รƒO SOCIAL DE COIMBRA a Drยช NATร€LIA QUEIRร“Z, juiz-jubilado, que nos fala da sua vivรชncia no รขmbito das leis mas tambรฉm na VXDSDUWLFLSDomRFXOWXUDODFWLYDHPIUHQWHVGLYHUVLยฟFDdas.

32582

FUNERรRIA BORRALHO Atendimento Permanente 239 820 560 ATENร‡รƒO: AJUDO 6HPยฟQVOXFUDWLYRVFRPRVPHXV'RQV(VSLULWXDLV GH9LGrQFLD3UREOHPDVGH$PRU1HJyFLRV ,QYHMDV3UDJDV%UX[DULDV'HVYLRV$PDUUDo}HV HWF ([SRQKD R VHX SUREOHPD FRP FODUH]D H VLQFHULGDGHWHUiGR3URI&DUORVXPDUHVSRVWD FODUDHVLQFHUD8PVLPSOHVWHOHIRQHPDSRGHUi PXGDUDVXDYLGD NรƒO HESITE. Contacte o n.ยบ 967 250 933 / 256 674 134

Limpa Chaminรฉs Desentupimentos de Esgotos

32386

ourivesaria Brinca 1895

32615

PUBLICIDADE

917 179 115 - Josรฉ Lopes


25

QUINTA-FEIRA

OPINIĂ&#x192;O

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

31

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

O suicĂ­dio nĂŁo resolve... Ensinava Alziro Zarur, fundador da LegiĂŁo da Boa Vontade (1914-1979): â&#x20AC;&#x201C; O suicĂ­dio nĂŁo resolve as angĂşstias de ninguĂŠm. Estava com a razĂŁo o autor de Poemas da Era AtĂłmica. Matar-se abala, por largo tempo, a existĂŞncia do EspĂ­rito, pois ofende a Lei Divina, que ĂŠ Amor, mas tambĂŠm Justiça. Quando a dor apertar, por favor, lembre-se desta pĂĄgina GH$QGUp/XL]QDSVLFRJUDÂżDGR venerando Francisco Cândido Xavier (1910-2002): Mais um poucoš â&#x20AC;&#x153;Quando estiveres Ă  beira da explosĂŁo na cĂłlera, cala-te mais um pouco e o silĂŞncio te pouparĂĄ enormes desgostos. Quando fores tentado a colaborar na maledicĂŞncia, guarda os princĂ­pios do respeito e da fraternidade mais um pouco e a benevolĂŞncia te livrarĂĄ de muitas complicaçþes. Quando o desânimo impuser a paralisação de tuas forças na tarefa a que foste chamado, prossegue agindo no dever que te cabe, exercitando a resistĂŞncia mais um pouco e a obra realizada ser-te-ĂĄ gloriosa

bênção de luz. Quando a revolta espicaçarte o coração, usa a humildade e o bom entendimento mais um pouco e não sofrerås o remorso de haver ferido coraçþes que devemos proteger e considerar. 4XDQGRDOLomRRIHUHFHUGL¿FXOdade à tua mente, compelindote à desistência do progresso individual, aplica-te ao problema ou ao ensinamento mais um pouco e a solução serå divina resposta à tua expectativa. Quando a ideia de repouso sugerir o adiamento da obra que te cabe fazer, persiste com a disciplina mais um pouco e o dever bem cumprido ser-te-å FRURDVDQWL¿FDQWH Quando o trabalho te parecer monótono e inexpressivo, JXDUGD¿GHOLGDGHDRVFRPSURmissos assumidos mais um pouco e o estímulo voltarå ao teu campo de ação. Quando a enfermidade do corpo trouxer pensamentos de inatividade, procurando imobilizar-te os braços e o coração, persevera com Jesus mais um pouco e prossegue ajudando a todos, agindo e servindo como puderes, porque

o Divino MĂŠdico jamais nos recebe as rogativas em vĂŁo. Em qualquer dificuldade ou impedimento, nĂŁo te esqueças de usar um pouco de paciĂŞncia, amor, renunciação e Boa Vontade, a favor de teu prĂłprio bem-estar. O segredo da vitĂłria, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender, imaginar, esperar e fazer mais um poucoâ&#x20AC;?. O Salmo 31:24 da BĂ­blia Sagrada adverte fraternalmente: â&#x20AC;&#x201C; Tende coragem, e Ele fortalecerĂĄ o coração de todos vĂłs que esperais no Senhor. O Rabino Henry Sobel pondera: â&#x20AC;&#x201C; Somos donos da Vida, mas apenas os guardiĂľes dela. Honremos, pois, o extraordinĂĄrio dom que Deus nos concedeu, que ĂŠ a Vida, e Ele sempre virĂĄ em nosso socorro pelos mais inimaginĂĄveis e HÂżFLHQWHVSURFHVVRV Substancial ĂŠ que saibamos humildemente entender os Seus recados e os apliquemos FRPD%RD9RQWDGHHDHÂżFiFLD que Ele espera de nĂłs. A permanente sinto-

nia com o Poder Divino sĂł nos pode adestrar o EspĂ­rito, para que tenha condiçþes de sobreviver Ă  dor, mesmo que em plena conflagração dos destemperos humanos. Do livro Billy Graham responde, emerge esta elucidação do respeitado pastor norte-americano: â&#x20AC;&#x201C; A vida nos foi concedida por Deus e sĂł Ele tem o direito de tirĂĄ-la. AlĂŠm disso, atĂŠ mesmo no meio das circunstâncias mais difĂ­ceis, Deus estĂĄ conosco. (...) Devo enfatizar o fato de o suicĂ­dio ser um erro, nĂŁo fazendo parte do plano de Deus. Na Quarta Surata do AlcorĂŁo Sagrado, encontramos este conforto numa admoestação do Profeta Muhammad: 29. Ă&#x201C; crentes, nĂŁo defraudeis reciprocamente os vossos bens por vaidade, realizai comĂŠrcio de mĂştuo consentimento e nĂŁo pratiqueis suicĂ­dio, porque Deus ĂŠ misericordioso para convosco. S a n t a Te r e s a d ´ Ă v i l a (1515-1582), a grande mĂ­stica da Espanha, incentiva-nos Ă  perseverança: â&#x20AC;&#x201C; Que nada te perturbe, nada te amedronte.

JOSĂ&#x2030; DE PAIVA NETTO*

Tudo passa. SĂł Deus nunca muda. A paciĂŞncia tudo alcança. A quem tem Deus, nada falta. SĂł Deus basta. A continuação da existĂŞncia apĂłs a morte jamais poderĂĄ VHUMXVWLÂżFDWLYDSDUDRVXLFtGLR Todos continuamos vivos. Acertadamente escreveu NapoleĂŁo Bonaparte (17691821), quando lamentou essa inditosa escolha, que infelicita o EspĂ­rito de quem se deixa seduzir por ela, porque a chegada ao Outro Mundo daquele que destrĂłi o seu prĂłprio corpo ĂŠ um grande tormento, porquanto nĂŁo hĂĄ morte apĂłs a morte: â&#x20AC;&#x201C; TĂŁo corajoso ĂŠ aquele que sofre valentemente as dores da Alma como o que se mantĂŠm ÂżUPHGLDQWHGDPHWUDOKDGHXPD bateria. Entregar-se Ă  dor sem resistir, matar-se e eximir-se Ă  mesma dor ĂŠ abandonar o campo de batalha antes de ter vencido².

Finalmente, confiantes, sigamos o caminho apontado pelo Senhor no livro DeuteronĂłmio, 30:19: â&#x20AC;&#x201C; Como podes ver, coloquei hoje diante de ti a Vida e o Bem, a morte e o mal... portanto, escolhe a Vida, para que vivas tu e a tua semente. Meus Amigos e IrmĂŁos em Humanidade, a grande fortuna ĂŠ sabermos que Viver ĂŠ melhor! š â&#x20AC;&#x153;Mais um poucoâ&#x20AC;? â&#x20AC;&#x201C; Antologia da Boa Vontade, 1955. ² Apesar de NapoleĂŁo I ter pensado em suicĂ­dio durante sua atribulada carreira militar e polĂ­tica, nĂŁo o praticou. DaĂ­ a importância do seu pensamento. (*) Jornalista, radialista, escritor e presidente da LegiĂŁo da Boa Vontade â&#x20AC;&#x201C; www.lbv.pt [A pedido do autor, este texto ĂŠ publicado segundo as regras do novo acordo RUWRJUiÂżFR@



PUBLICIDADE

COOPERATIVA AGRĂ?COLA DE CANTANHEDE, C.R.L.

ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? Felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das sĂĄrio iver An Âş 13. pelo seu

O Executivo da Freguesia felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio 32585

Freguesia de Cantanhede

32935

Quinta da Boavista - 3064-909 CANTANHEDE - Telefs.: serviços comerciais: 231 410 885 serviços administrativos: 231 410 880 - Fax: 231 410 888 - email: cooperativadecantanhede@gmail.com

AQUECIMENTO CENTRAL

Fernando Ventura Antunes

(Caldeiras JUNKERS)

ENERGIA SOLAR

Empreiteiro da Construção Civil

(PainĂŠis solares JUNKERS)

Restauro de Casas Antigas Canalizaçþes - Pinturas

Rua Vale NabĂ´a NÂş 9 AnaguĂŠis - AlmalaguĂŞs - Coimbra 7HO)D[7OP

FogĂľes Duque

FABRICO PRĂ&#x201C;PRIO

32886

Feliz AniversĂĄrio 32885

Rua Prof. JosÊ N. Gonçalves, 10 - 3090 495 Paião - Tel 233 942 231 - Fax 233 942 233 Cais, 11 (à Praça 8 de Maio) - 3080 052 Figueira da Foz - Tel 233 401 880 - Fax 233 401 889 5XDGR&DVWHOR/RXULoDO7HO)D[



Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? os ParabĂŠns

7HOHP3HUHLUR$5*$1,/

Representante:

TRABALHOS EM PEDRA Â&#x2021;FOGĂ&#x2022;ES DE SALA Â&#x2021;RECUPERADORES Â&#x2021;GRANITOS Â&#x2021;CANTARIAS 5XDGR&KmR1RYRQÂ&#x17E;Âą=DPEXMDOÂą&DGLPDÂą&17Â&#x2021;7OI)D[Â&#x2021;7OÂ&#x2021;IRJ}HVGXTXH#KRWPDLOFRP

32811

~Escultura & Arte ~


PASSATEMPOS

32

25

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

PALAVRAS CRUZADAS â&#x20AC;&#x201C; Problema n.Âş 325

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

PROBLEMA N.Âş 325/A

CINCO PALAVRAS RELACIONADAS COM GRĂ&#x2030;CIA

Tema de hoje â&#x20AC;&#x201C; GRĂ&#x2030;CIA

Utilizando todas as sĂ­labas constantes do quadro, formar cinco palavras relacionadas com GrĂŠcia. HORIZONTAIS 1 â&#x20AC;&#x201C; GrĂŠcia. GrĂŠcia. GrĂŠcia. 2 â&#x20AC;&#x201C; GrĂŠcia. GrĂŠcia. GrĂŠcia. 3 â&#x20AC;&#x201C; Sorria. Sal e ester do ĂĄcido clĂłrico. Lista. 4 â&#x20AC;&#x201C; Obra (abr). Oferece. GrĂŠcia. GrĂŠcia. 5 â&#x20AC;&#x201C; Pata. Estrada Nacional (abr). 6 â&#x20AC;&#x201C; Seja. Ă pode. Levante as abas. Nota musical. 7 â&#x20AC;&#x201C; Xira. Empreguei. 8 â&#x20AC;&#x201C; Ă?man. NĂŁo. GrĂŠcia. 9 â&#x20AC;&#x201C; Ambicioso. Antigo nome do deserto Sara. VERTICAIS 1 â&#x20AC;&#x201C; GrĂŠcia. 2 â&#x20AC;&#x201C; Mondador. GrĂŠcia. 3 â&#x20AC;&#x201C; Balandrau. SĂ­mbolo de actĂ­nio. 4 â&#x20AC;&#x201C; RegiĂŁo AutĂłnoma (abr). GrĂŠcia. 5 â&#x20AC;&#x201C; Com. Mais mal. 6 â&#x20AC;&#x201C; Gritaria. 7 â&#x20AC;&#x201C; Vantagem. Corifeu. 8 â&#x20AC;&#x201C; Vida. NĂłs. Âą6XÂż[RGLPLQXWLYR,QGLYLVtYHOÂą*UpFLDÂą2EULJDçþes do Tesouro (abr). GrĂŠcia. 12 â&#x20AC;&#x201C; Por exemplo (abr latina). 3LQKDÂą7DEHUQD2UoDPHQWR5HWLÂżFDWLYRÂą'HUULoR Marchava. 15 â&#x20AC;&#x201C; GrĂŠcia.

PRĂ&#x2030;MIOS â&#x20AC;&#x201C; Obra literĂĄria, oferta da PORTO EDITORA; PrĂŠPLRVXUSUHVDRIHUWDGHĂ&#x2C6;*8,$HQRÂżQDOGRPrVPDLVXPSUpPLR especial: um exemplar do Ăştil e valioso DicionĂĄrio de SinĂłnimos e AntĂłnimos da LĂ­ngua Portuguesa â&#x20AC;&#x201C; Colecção DicionĂĄrios Modernos, que inclui um CD-ROM, edição e oferta da PORTO EDITORA. PRAZO PARA REMESSA DE SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES â&#x20AC;&#x201C; AtĂŠ ao dia 15 GRSUy[LPRPrV ENVIO DE SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES â&#x20AC;&#x201C; Ernesto Lopes Nunes, Beco dos Unidos, n.Âş 3, Espadaneira, 3045 â&#x20AC;&#x201C; 162 Coimbra. PREMIADOS Passatempos n.Âş 317: AntĂłnio Manuel Morgado Guedes da Conceição, de Secorio, com livro da PORTO EDITORA; Carlos Alberto de Brito AntĂŁo, de Sintra, com prĂŠmio surpresa, oferta de Ă GUIA; JoĂŁo Manuel Bacalhau, do CacĂŠm, com o Ăştil e valioso DicionĂĄrio de SinĂłnimos e AntĂłnimos â&#x20AC;&#x201C; colecção DicionĂĄrios Modernos -, que inclui um CD-ROM,edição e oferta da PORTO EDITORA.

HORIZONTAIS â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; Ă&#x2030; tropa. 2 â&#x20AC;&#x201C; MĂŁe do vinho. Ouve-se muito no Campo Pequeno. 3 â&#x20AC;&#x201C; DĂŁo-se nos hospitais. Ă&#x2030; bom dar H UHFHErORV  Âą &HQWUR GR OLFHX$WDFD RV DQLPDLV &RPHoD hoje. 5 â&#x20AC;&#x201C; A cem faltam mil. A do leĂŁo ĂŠ perigosa. Amor a terminar. 6 â&#x20AC;&#x201C; Apanha o lixo. NĂŁo ĂŠ boa. 7 â&#x20AC;&#x201C; SĂŁo fantĂĄsticas. 8 â&#x20AC;&#x201C; Com eles e com papas se enganam os tolos. SĂŁo mesmo verbais. 9 â&#x20AC;&#x201C; Faz parte da corrente. Quando acabar morremos todos. NĂŁo parece, mas estĂĄ mesmo. 10 â&#x20AC;&#x201C; Cuida dos bebĂŠs. Que felicidade! O que a saia tem ao meio. 11 â&#x20AC;&#x201C; Alguns pagam-se caros. DĂĄ ĂĄgua ao Porto. VERTICAIS â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; Tem notas, mas nĂŁo ĂŠ banqueiro. Tem a vida toda Ă  sua frente. 2 â&#x20AC;&#x201C; Ă&#x2030; mais educado que tu. Usa-se ao pescoço. 3 â&#x20AC;&#x201C; Quando boa ĂŠ um regalo. Joga-se a cavalo. 4 â&#x20AC;&#x201C; Adora galinhas. Uma das famosas gregas. 5 â&#x20AC;&#x201C; Mulher que ĂŠ uma brasa. Cada ofĂ­cio tem os seus. 6 â&#x20AC;&#x201C; TambĂŠm hĂĄ voltar. EstĂĄ nos olhos. Meio osso. 7 â&#x20AC;&#x201C; Faz tremer os medrosos. Sem elas ĂŠ difĂ­cil andar. 8 â&#x20AC;&#x201C; Ă&#x20AC;s vezes faz sofrer. Vale mais que mal acompanhado. 9 â&#x20AC;&#x201C; E 3DYLDQmRVHÂż]HUDPQXPGLD$VUDLQKDVWLQKDPPXLWDVÂą1mR ĂŠ para agora. Cinco bem situadas. 11 â&#x20AC;&#x201C; Aqui prejudicara. Agora elas usam mais a calça.

SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES Palavras Cruzadas â&#x20AC;&#x201C; Problema n.Âş 317: Horizontais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; SUHJRVUFUDFKDÂąODPFRPHQGD2$/ÂąDELRÂżRVROD 4 â&#x20AC;&#x201C; calo, u, a, caim. 5 â&#x20AC;&#x201C; ameias, guarda. 6 â&#x20AC;&#x201C; semola, arrear. 7 â&#x20AC;&#x201C; a, diadema, s. 8 â&#x20AC;&#x201C; pi, raso, joia, al. 9 â&#x20AC;&#x201C; anĂŠis, suo, silva. Verticais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; placas, pa. 2 â&#x20AC;&#x201C; ra, ame, in. 3 â&#x20AC;&#x201C; emblema, e. 4 â&#x20AC;&#x201C; g, ioio, ri. 5 â&#x20AC;&#x201C; oco, Aldas. 6 â&#x20AC;&#x201C; sĂł, usais. 7 â&#x20AC;&#x201C; MF, aos. 8 â&#x20AC;&#x201C; rei, d, u. 9 â&#x20AC;&#x201C; nĂł, ejo. 10 â&#x20AC;&#x201C; CD, agamo. 11 â&#x20AC;&#x201C; ras, urais. 12 â&#x20AC;&#x201C; a, ocar, ai. 13 â&#x20AC;&#x201C; colares, l. 14 â&#x20AC;&#x201C; hĂĄ, ida, av. 15 â&#x20AC;&#x201C; alamar, lĂĄ. Problema n.Âş 317/A - Horizontais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; valhacoitos. 2 â&#x20AC;&#x201C; ir, achar, ce. 3 â&#x20AC;&#x201C; tez, res, ora. 4 â&#x20AC;&#x201C; os, tetim, er. 5 â&#x20AC;&#x201C; r, se, a, ai, a. 6 â&#x20AC;&#x201C; reza, alva. 7 â&#x20AC;&#x201C; bei, mar, ova. 8 â&#x20AC;&#x201C; au, botas, el. 9 â&#x20AC;&#x201C; s, sararas, t. 10 â&#x20AC;&#x201C; tres, s, fera. 11 â&#x20AC;&#x201C; aires, soror. Verticais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; Vitor, basta. 2 â&#x20AC;&#x201C; ares, reu, ri. 3 â&#x20AC;&#x201C; l, z, sei, ser. 4 â&#x20AC;&#x201C; hĂĄ, tez, base. 5 â&#x20AC;&#x201C; acre, amor, s. 6 â&#x20AC;&#x201C; cheta, atas. 7 â&#x20AC;&#x201C; oĂĄsi, arar, s. 8 â&#x20AC;&#x201C; ir, mal, safo. 9 â&#x20AC;&#x201C; t, o, Ivo, ser. 10 â&#x20AC;&#x201C; ocre, Ave, ro. 11 â&#x20AC;&#x201C; seara, altar. Seis Ornatos: Bandolete, travessa, cordĂŁo, broche, lenço, breloque.

ENIGMA FIGURADO

Interpretando correctamente todos os símbolos e operaçþes apresentadas, encontrar-se-à uma conhecida expressão popular.

(QLJPDÂżJXUDGR)DODUFRPRVVHXVERW}HV

PALPITANDO

Um euro para ver a AcadÊmica/OAF no domingo risco de despromoção com Olhanense e Moreirense (todos com 21 pontos), apenas um degrau acima do Beira-Mar que Ê o último (20 pontos). Em tempo de Dà LomRD'LUHFomRGRFOXEH quer muito público para apoiar a equipa, domingo,

pelas 20h15, no EstĂĄdio Cidade de Coimbra, pelo que os associados da Briosa tĂŞm entrada gratuita e os adeptos podem adquirir dois bilhetes ao preço simbĂłlico de um euro. Aqui, pelo â&#x20AC;&#x153;Palpitandoâ&#x20AC;?, a unanimidade dos vaticĂ­nios vai para

HELENA FREITAS

1-0

2-1

2-1

1-0

2-0

2-0

2-0

2-0

3-0

2-0

2-1

2-0

2-0

1-1

0-2

0-1

0-1

1-1

0-2

1-3

0-2

1-3

210

210

211

220

220

221

222

230

ACADĂ&#x2030;MICA X MOREIRENSE

1-0

1-0

1-0

2-1

1-0

PORTO X SETĂ&#x161;BAL

2-0

3-0

2-0

2-0

3-0

MARĂ?TIMO X BENFICA

0-1

0-2

0-1

1-2

PONTOS

181

192

200

207

MĂ RIO NOGUEIRA

Vicente-Olhanense, todos Ă s 16h00, Sporting-Nacional, Ă s 18h00 (SportTv), AcadĂŠmica-Moreirense, V. GuimarĂŁes-Paços de Ferreira, Ă s 20h15 (SportTv), segunda-feira (dia 29) â&#x20AC;&#x201C; 0DUtWLPR%HQĂ&#x20AC;FDjVK (SportTv).

JOĂ&#x192;O P. BARBOSA MELO

FRANCISCO ANDRADE

Ă LVARO AMARO

jornada do escalĂŁo principal da Liga de futebol ĂŠ o seguinte: sexta-feira (dia 26) â&#x20AC;&#x201C; Estoril-Braga, Ă s 20h00 (SportTv); sĂĄbado (dia 27) â&#x20AC;&#x201C; FC Porto-V. SetĂşbal, Ă s 20h30 (SportTv); domingo (dia 28) - Rio Ave-Beira-Mar, Gil

JOSĂ&#x2030; M. CANAVARRO

JOSĂ&#x2030; ALBERTO COELHO

PALPITES

um bem necessårio triunfo da AcadÊmica, equipa que ainda terå mais três jogos pela frente: em Setúbal (05 de Maio); em Coimbra frente ao Paços de Ferreira (12 de Maio); e no Nacional da Madeira (19 de Maio). O calendårio da 27.ª

JOSĂ&#x2030; M. PUREZA

FUTEBOL

MĂ RIO CAMPOS

MARTA BRINCA

FĂ TIMA RAMOS

MIGUEL CORREIA

Jogada a jogada, golo a golo, a Briosa joga nesta rĂĄdio...

ACADĂ&#x2030;MICA X MOREIRENSE DOMINGO, DIA 28, Ă&#x20AC;S 20H15 Relato: LuĂ­s Carlos Melo

Ouça na Internet em www.radioregionalcentro.com

ABC

O novo treinador da AcadÊmica/OAF, SÊrgio Conceição, estreou-se na passada jornada com uma derrota (1-0) em Braga, com a equipa a averbar o dÊcimo jogo consecutivo sem ganhar na Liga de futebol, estando na zona de


QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

33

32300

25


CULTURA / VINAGRETAS

34

25

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

EspectĂĄculo de dança contemporânea no CAE Em digressĂŁo por Portugal, a companhia de Deborah Colker apresenta a sua mais recente produção no Centro de Artes e EspectĂĄculos (CAE) da Figueira da Foz, a 27 e 28 de Abril. â&#x20AC;&#x153;Tatyanaâ&#x20AC;? ĂŠ o nome da peça de dança, inspirada no romance em verso â&#x20AC;&#x153;EvguĂŞni OniĂŠguinâ&#x20AC;?, do autor russo Aleksandr PĂşchkin. EspectĂĄculo de ballet contemporâneo, destaca os sentimentos em detrimento da narrativa, num cenĂĄrio constituĂ­do por uma grande ĂĄrvore metĂĄlica, em torno da qual e em cujos ramos PĂşchkin e os seus personagens desenvolvem os seus sonhos, angĂşstias e desejos. Do repertĂłrio musical, surgem obras de Rachmaninov, Tchaikovsky, Stravinsky e 3URNRĂ&#x20AC;HY Festival gastronĂłmico dedicado Ă  chanfana Em Miranda do Corvo, tem inĂ­cio, hoje, mais um festival gastronĂłmico dedicado Ă  chanfana. A iniciativa, dinamizada pelo MunicĂ­pio, decorre atĂŠ ao dia 03 de Maio e conta com a adesĂŁo de 23 restaurantes, respectivamente, A Parreirinha, AraĂşjo, Churrasqueira Cheiro Guloso, Churrasqueira ParaĂ­so do Frango, Colher de Pau, Fika Keto, Grelhador, Museu da Chanfana, O Careca, O Carpinteiro, O Espanhol, O Ferrador, O Pedroso, O Professor, PĂĄtio do Xisto, PentĂĄgono, Retiro do 0HQGHV5XĂ&#x20AC;QR60LJXHO Teia, Telheiro Rest, Varandas do Ceira e ZĂŠ Padeiro. â&#x20AC;&#x153;Os apaixonados da boa e tradicional gastronomia terĂŁo a certeza de comer em Miranda alguns dos pratos mais tĂ­picos da cozinha portuguesa e de serem servidos com grande simpatia,

em ambientes simples, de gente de bemâ&#x20AC;?, disse FĂĄtima Ramos, presidente da edilidade mirandense. LĂşcia Catarino expĂľe na galeria Minerva Na galeria Minerva, em Coimbra, estĂĄ patente ao pĂşblico uma exposição de pintura de LĂşcia Catarino. A mostra, recentemente inaugurada, pode ser visitada atĂŠ ao dia 14 de Maio. Natural de Coimbra, a artista expĂľe regularmente desde 1982. â&#x20AC;&#x153;Unidos Pâ&#x20AC;&#x2122;la MĂşsicaâ&#x20AC;? em concerto Um projecto comum, designado de â&#x20AC;&#x153;Unidos Pâ&#x20AC;&#x2122;la MĂşsicaâ&#x20AC;?, junta em palco as bandas de Santana e das Alhadas, centenĂĄrias colectividades musicais da Figueira da Foz. Alguns meses apĂłs intenso trabalho preparatĂłrio, ensaios conjuntos e renovado repertĂłrio, apresentam-se a 25 e 28 de Abril nas respectivas comunidades, culminando

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

V I N A G R E T A S

â&#x20AC;&#x153;Trocadalhoâ&#x20AC;? â&#x20AC;&#x201C; A medida da pena acabada GH LQĂ LJLU D -RVp (GXDUGR SimĂľes resulta, em parte, do â&#x20AC;&#x153;acolhimento de uma tese veiculada por AntĂłnio Almeida Santosâ&#x20AC;?, escreveu, na edição de segunda-feira GR-1RMRUQDOLVWD1HOVRQ Morais. O redactor recorda um excerto de uma entrevista concedida por $OPHLGD 6DQWRV DR -RUQDO

a 17 de Maio, pelas 16h00, com um espectĂĄculo no CAE da Figueira da Foz, a que se juntam o Coral das Pequenas Vozes da Figueira, ZĂŠ Cid e o maestro Victorino de Almeida que dirigirĂĄ uma peça que foi escrita para esse evento. Orquestra ClĂĄssica do Centro no Mosteiro do LorvĂŁo A Orquestra ClĂĄssica do Centro apresenta-se em concerto no Mosteiro do LorvĂŁo (Penacova), a 28 de Abril, pelas 21h30, sob direcção do maestro David Wyn Loyd. AlĂŠm da vertente musical, com a interpretação de obras Mozart, Haydn, Mendelsohn e Vivaldi, o espectĂĄculo pretende sensibilizar a sociedade para a cultura e a preservação GR SDWULPyQLR HGLĂ&#x20AC;FDGR GD regiĂŁo, com um comentĂĄrio histĂłrico sobre o local do concerto. A reserva de lugares tem o preço de 10 euros por pessoa.

A Bola. O entĂŁo presidente da Mesa da Assembleia Geral da AcadĂŠmica/OAF assinalava que o dinheiro com que o outrora director de urbanismo de Coimbra se deixou corromper â&#x20AC;&#x153;nĂŁo IRL SDUD R EROVRÂľ GH -RVp Eduardo. Curiosamente, numa â&#x20AC;&#x153;caixaâ&#x20AC;? inserida no -1 UHFXUVR JUiILFR FRQcebido para destacar um aspecto), pode ler-se ter

sido outro o destino do dinheiro. Acresce que SimĂľes quis ver condenada uma jornalista do semanĂĄrio Sol, Ana Paula Azevedo, por ela ter posto a hipĂłtese de ele ter embolsado dezenas de milhar de euros, e o Tribunal absolveu-a em nome do princĂ­pio de benefĂ­cio da arguida em caso de dĂşvida.

F _____ R _____ A

Miranda apoia os bebĂŠs â&#x20AC;&#x201C; A Câmara Municipal de Miranda do Corvo aumentou o valor dos subsĂ­dios de incentivo Ă  natalidade, um programa que desde 2009 jĂĄ beneficiou cerca de 100 famĂ­lias. Para alĂŠm de ser uma forma de motivar as famĂ­lias SDUD WHU Ă&#x20AC;OKRV D (GLOLGDGH presidida por FĂĄtima Ramos, tem em consideração o agravamento da crise econĂłmica, que afecta ainda mais os FDVDLVFRPPHQRUHVUHQGLPHQWRVHHPVLWXDomRSURĂ&#x20AC;VVLRQDOLQVWiYHO$SURSRVWDDJRUD DSURYDGDDXPHQWDRVXEVtGLRSHORQDVFLPHQWRGRSULPHLURHVHJXQGRĂ&#x20AC;OKRSDUDHXURV do terceiro para 500 euros e do quarto e seguintes para 1 000 euros, mediante a apresentação de comprovativos de compras de produtos para os bebĂŠs nos estabelecimentos comerciais do concelho. A outra vertente, que se mantĂŠm inalterada, visa criar hĂĄbitos de poupança nos jovens, apoiar a conclusĂŁo dos estudos obrigatĂłrios e manutenção de residĂŞncia no concelho. Este apoio materializa-se na abertura de uma conta bancĂĄria onde serĂĄ efectuado um depĂłsito anual de 100 euros por cada criança, tendo o jovem aos 18 anos, 1 800 euros para levantar.

Deseja ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­ncias ParabĂŠns por mais um AniversĂĄrio Reservas: Telef.: 239 716 265 geral@restauranteataberna.com

restaurante tradicional www.restauranteataberna.com www.facebook.com/atabernacoimbra

COMPUTADORES - PORTĂ TEIS - IMPRESSORAS - CONSUMĂ?VEIS - ASSISTĂ&#x160;NCIA TĂ&#x2030;CNICA

32633

Num tempo de tantas incertezas, usufrua de um valor seguro... Restaurante aTaberna, o prazer da comida portuguesa!

32612

PUBLICIDADE

Telef./Fax: 239 531 546 - Rua JoĂŁo Paulo II, 317 - Loja A - 3220-205 MIRANDA DO CORVO

Largo do Rossio - 3300-450 Secarias - Telef./Fax: 235 208 807 - E-mail.: jfsecarias@jfsecarias.pt - www.jfsecarias.pt

32591

O Executivo da Freguesia de Secarias felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio

Serviços Centrais: Baixa - Avenida Fernão Magalhães nº.92, 3000-607 Coimbra tel: 239855855 fax: 239855851 | Celas - 239854080 | Vale das Flores - 239793930 Solum - 239792079 | Quinta da Vårzea - 239440666 | Lousã - 239994033 Fig. da Foz - 233403060 | Aveiro - 234425999 | Condeixa - 239944666 | Portela - 239793939

29077

Rua da Junta, 27 - 3305-010 Anceriz - Telef.: 235 729 833 - Fax: 235 729 834 - jfanceriz@sapo.pt

32592

O Executivo da Freguesia felicita o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;? pelo seu 13.Âş AniversĂĄrio


25

QUINTA-FEIRA

VINAGRETAS

DE ABRIL DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

V I N A G R E T A S

Conflitos sociais â&#x20AC;&#x201C; A segunda edição da iniciativa â&#x20AC;&#x153;ConferĂŞncias polĂ­ticasâ&#x20AC;?, organizada pela Câmara Municipal de Coimbra e pela Fundação Bissaya Barreto, foi bastante â&#x20AC;&#x153;animadaâ&#x20AC;?. Os oradores â&#x20AC;&#x201C; Clara Ferreira Alves, Garcia Pereira, Miguel Morgado, SĂŠrgio Sousa Pinto e Nuno Encarnação â&#x20AC;&#x201C; manifestaram opiniĂľes diametralmente opostas sobre o Governo, a sua herança e a zona Euro, tendo as intervençþes sido constantemente interrompidas pelos outros interlocutores e atĂŠ pelo pĂşblico, que totalizava algumas dezenas. O tema HUD´2(VWDGRHRVFRQĂ LWRV sociaisâ&#x20AC;? e a certa altura atĂŠ a jornalista Clara Ferreira Alves

35

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Macaco fugiu

observou que o debate ia provavelmente acabar Ă  batatada. Felizmente o prognĂłstico nĂŁo se concretizou. A animar o PS â&#x20AC;&#x201C; A â&#x20AC;&#x153;estrelaâ&#x20AC;? do jantar do 40.Âş aniversĂĄrio do Partido Socialista, em Coimbra, veio da Figueira da Foz e de autocarro. Rosa AmĂŠlia, que gosta de ser conhecida como â&#x20AC;&#x153;a peixeira do povoâ&#x20AC;?, chegou ao pavilhĂŁo do Olivais e... foi uma festa! Depois de ter, em tempos, apoiado Santana Lopes, na cidade-praia, veio Ă  cidade do Mondego dar uma ajuda a Machado? O momento aĂ­ estĂĄ, captado pelo â&#x20AC;&#x153;Sexo e a Cidadeâ&#x20AC;?, com muitas fotos para ver na rede social.

5LFDUGR5RVD 

assistĂŞncia tĂŠcnica de caldeiras

32835

PUBLICIDADE

ASSISTĂ&#x160;NCIA (0$187(1d­2'( &DOGHLUDVD*iV &DOGHLUDVD*DVyOHR (VTXHQWDGRUHV

32879

6HJDGRPGDVÂ&#x2021;K8UE4XLQWDGH6/XtV /W5F'UW_3HUHLUD0RQWHPRUR9HOKR

Ă&#x201A;ngulo inverso RUI AVELAR

Um macaco fugiu, domingo (21), do parque zoolĂłgico ÂŤEuroparadiseÂť, de Montemor-o-Velho, e fonte da GNR indicou que ele chegou a ser visto nas imediaçþes da auto-estrada que liga Coimbra a Figueira da Foz. â&#x20AC;&#x153;Caiu Ă  ĂĄgua e, como nĂŁo sabe nadar, assustou-se e fugiuâ&#x20AC;?, disse a co-proprietĂĄria do parque, citada pela AgĂŞncia Lusa. Macaquices Ă  parte, ĂŠ possĂ­vel garantir nĂŁo se tratar de animal de imitação, apesar de a vida interna do PSD/ Montemor-o-Velho poder estimulĂĄ-lo a dar um pontapĂŠ na monotonia. PUBLICIDADE


ÚLTIMA

25

QUINTA-FEIRA

DE ABRIL DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

32778

36


jornal671_25_04_2013