Issuu on Google+

foto: divulgação | Circuito Cultural Paulista

Agenda Cultural_ A atriz Lucélia Santos estará em Botucatu, com a peça A Falecida

n º. 9 1 agosto|2013

Ca

! er L rn de o3 6 0 - G ostos o

pegue & leve

ANO VIII

•p.16

de

Grátis!

Rejeição a PCHs nos rios  da região é alta e racional

issuu.com/caderno360 facebook/caderno360

Circulação Mensal. 12 mil exemplares Distribuição: • Águas de Santa Bárbara •  Assis • Areiópolis • Avaré • Bernardino de Campos • Botucatu  • Cândido Mota 

8_ gastronomia 10_ meio ambiente 12_bem viver 12_ 13_classificados 13_ 14_onde ir 14_ 15_esportes e música 15_

arte: Sabato Visconti | 360

16_agenda cultural 16_ 18_meninada 18_

í n d i c e

O Rio Pardo , ainda intacto, percorre o sudoeste do Estado de São Paulo abastecendo as cidades, servindo à gricultura e à preservação da fauna e da flora nativa. Esse patrimônio hídrico continua ameaçado por projetos de usinas hidrelétricas •p.10

gastronomia__ Filé à moda Parmegiana que não vai ao forno

cultura__ Programa literário faz homenagem a Rubem Braga

agro__ Evento apresenta conceitos e os caminhos para a Agroecologia

Foto: Fernando Franco Amorim

6_ gente _ papo cabeça 7_ ponto de vista

foto: Flávia Rocha | 360

2_ editorial _ oração 3_agronegócio 3_

foto: Flávia Rocha | 360

• Canitar • Chavantes • Cerqueira César   • Espírito Santo do Turvo • Fartura  • Ibirarema • Ipaussu • Lins • Manduri  • Óleo • Ourinhos • Palmital  •  Piraju  • Sta Cruz do Rio Pardo • São Manuel  • São Pedro do Turvo  • Tatuí  •Timburi    Pontos Rodoviários: • Cia. da Fazenda  • Graal Estação Kafé • Orquidário  Restaurante. Café • Rodoserv • RodoStar  • Varanda do Suco 

•p.8

•p.16

•p.3


2 • editorial COERÊNCIA. Taí algo desafiante, ser coerente. É tão fácil vez ou outra, ou com frequência, trairmos nossas convicções, crenças e escolhas. A coerência não é algo que tratamos de manter segundo nossas próprias avaliações. Ela também nos impõe questionamentos constantes por parte de quem nos cerca. E até por parte de quem pouco sabe de nós. Olhar para nossos atos e verificar quanto eles condizem com nossas crenças e valores é um exercício vital para manter alguma coerência em nosso viver. Uma tarefa que, além de nos colocar no prumo, permite que cada escolha possa também revelar se devemos ou não nos manter coerentes em determinadas situações. Afinal, temos todo o direito de mudar de opinião.

Esta edição destaca novamente o rio Pardo e a luta contra a instalação de cinco PCHs em seu leito natural, como vemos em MEIO AMBIENTE. Porque, políticos eleitos pelo povo, se mostram incoerentes com propostas feitas à época das eleições.

A edição também traz o debate em torno da produção de alimentos saudáveis, sob a tutela da agroecologia, que aparece em AGRONEGÓCIO, artigos de nossos fiéis colunistas, uma receita diferente de um prato tradicional, em GASTRONOMIA, e uma agenda muito bacana para quem gosta de eventos culturais e de entretenimento, além de dicas de esportes e setor agro. Tudo feito na fé, na luta e na honestidade, mantendo a coerência não só da vida pessoas, mas deste periódico. Boa leitura!

Paixões podem nos tornar incoerentes, por isso o melhor é amar. A natureza, a cidade e os animais.

fotos: Flávia Rocha | 360

Sempre fui avessa ao exagerado trato que as pessoas dão a seus animais de estimação, algo que os americanos simplificaram com a palavra pet. Sempre acreditei que dar a bichos atenção que pudesse ser dada a uma pessoa carente de afeto e cuidados era estar fora do eixo, um gesto um tanto alienado das necessidades da humanidade e fútil. E cá estou a fechar essa edição sob o som de insistentes e delicados gemidos de sete pequenos cachorrinhos, frutos da minha Boneca, a cachorra que me fez mudar meu pensamento e meus sentimentos em relação aos animais.

Ser incoerente com relação a ter ou não um pet não é algo que vai atrapalhar a humanidade. Agora, ser coerente em relação à consciência de que temos que preservar tudo que o planeta ainda tem de saudável, nativo e produtivo afeta não apenas a minha vida, mas a de todos. Por isso, a criança sempre curiosa e questionadora que habita em mim se sobrepõe à já calejada jornalista a lidar com as hipocrisias do mundo. E pergunta: mas como? Como ainda se projeta uma Belo Monte? Como impermeabilizam mais e mais as cidades? Como se aceita propostas que colocam em risco o que ainda temos? Onde está a coerência de pessoas, juntas e individualmente, que pregam defender a sustentabilidade do planeta, mas apoiam projetos devastadores e antiquados como hidrelétricas?

Claro que mudar de opinião faz parte e manter valores que nos privam de uma felicidade deliciosa, como a que estou experimentando, é uma bobagem. Cabe agora, manter minha coerência em relação às pessoas, para as quais sempre pretendi dar o melhor que há em mim. Certamente, a busca por manter-me coerente a esta escolha vai me trazer novas e boas novidades.

Flávia Rocha Manfrin

diretora-editora 360 | 360@caderno360.com.br

Ora, Ação! Salmo 71 Vs: 4 e xpediente

“Livra-me, meu Deus, das mãos do ímpio, das mãos do homem injusto e cruel.

O Caderno 360 é uma publicação mensal da eComunicação. Todos os direitos reservados. Tiragem desta edição: 12 mil exemplares Circulação:• Águas de Sta. Bárbara • Areiópolis • Assis • Avaré • Bernardino de Campos • Botucatu • Cândido Mota • Canitar • Cerqueira César • Chavantes • Espírito Sto. do Turvo • Fartura • Ibirarema • Ipaussu • Lins • Manduri • Óleo • Ourinhos • Palmital • Piraju • São Manuel • São Pedro do Turvo • Sta. Cruz do Rio Pardo • Tatuí • Timburi e paradas das rodovias Castello Branco, Raposo Tavares, Eng. João Baptista Cabral Rennó e Orlando Quagliato. Redação e Colaboradores: Flávia Rocha Manfrin ‹editora, diretora de arte e jornalista responsável | Mtb 21563›, Luiza Sanson Menon ‹revisão›, Odette Rocha Manfrin ‹receitas›, Hisadora Ferraz ‹assistentes de produção e separação›, Egon Filipi Miyazaki ‹agendas›, Paola Pegorer ‹repórter especial›. Colunistas: José Mário Rocha de Andrade, Priscila Manfrim, Fernanda Lira, Luiz Tejon e Tiago Cachoni. Ilustradores: Franco Catalano Nardo, Clara Basseto e Sabato Visconti. Impressão: Fullgraphics. Artigos assinados não expressam necessariamente a opinião desta publicação. • Endereço: Praça Dep. Leônidas Camarinha, 54 - CEP 18900-000 – Sta. Cruz do Rio Pardo/SP • Redação/Cartas: 360@caderno360.com.br • Publicidade: comercial@caderno360.com.br • F: 14 3372.3548_14 9653.6463 •agosto_2013


3 • agronegócio

BOTuCATu sedia encontro internacional de agroecologia Segurança alimentar, desafios por uma agricultura sem venenos, com menos pressão aos recursos naturais e com justiça social foram a tônica do evento De 31 de julho a 3 de agosto deste ano, Botucatu sediou o 3° Encontro Internacional de Agroecologia, cujo tema principal foi as Redes para a Transição Agroecológica na América Latina. O evento contou com mais de dois mil participantes entre pesquisadores, estudantes, técnicos, pequenos agricultores e ativistas agroecológicos e de movimentos sociais de diversos países e de todas as regiões do Brasil.

O destaque deste ano foram as participações de Vandana Shiva (Navdanya/ Índia); Miguel Altieri (Sociedade Científica Latinoamericana de Agroecologia/ Universidade Berkeley – USA); Pedro Guzmán (Coalición de Los Pueblos por La Soberania Alimentaria); Angel Calle

foto: Fernando Franco

Fernando Franco*

Público lotou as dependências do ginásio do Colégio Santa Marcelina

Colllado (Univesidade de Córdoba); Maria Salgado (Movimento Agroecológico Latinoamericano/Maela); João Pedro Stédile (Via Campesina/MST); Maria Emília Pacheco (FASE/CONSEA) e Eva Torremocha (Universidade de Calunia), além de outros pesquisadores de renome internacional.

Na abertura, a engenheira agrônoma austríaca naturalizada brasileira, Ana Primavesi, pioneira no Brasil no manejo ecológico dos solos tropicais, afirmou que

a esperança para um mundo mais justo do ponto de vista da produção agrícola e ambiental recai sobre os jovens que “devem amar o solo”, declarou. Espécie de guru dos agroecologistas, Primavesi defende que mantendo-se a fertilidade e a estrutura do solo, as plantas são mais produtivas e resistentes à pragas e doenças.

Durante o encontro diversos temas de interesses dos agricultores foram trabalhados na programação de palestras, mesas

redondas, nas oficinas e no chamado “Carrossel de Experiências”, que tratou das dimensões sociocultural, sociopolítica e ecoestrutural da agroecologia no Brasil e no mundo contemporâneo.

Permeando toda a fala dos palestrantes, notou-se uma conexão direta entre os desafios que agroecologia mundial deve enfrentar nos próximos anos e os recentes protestos da população brasileira em todo país. Ficou nítido que temos de encontrar soluções eficientes para reduzir a


Altieri: "Sistemas orgânicos de produção conservam os recursos naturais e são razoavelmente produtivos e lucrativos"

as desigualdades sociais e produzir mais e sem venenos, impedindo a escravidão do capitalismo sobre os pequenos agricultores, que são os responsáveis pela grande parte da produção de alimentos que o mundo consome. Os pesquisadores e palestrantes foram unânimes em afirmar que estamos numa encruzilhada civilizatória. Neste sentido nossas escolhas como cidadãos, consumidores ou agricultores vão muito além, contendo dimensões ambientais e políticas. Desse modo, conscientes de nossos

Agenda Agro O V Congresso Internacional & V Encontro Brasileiro sobre Anonáceas acontece de 19 a 23/08/2013, na Faculdade de Ciências Agronômicas - UNESP, campus de Botucatu. O objetivo do evento é promover a divulgação científica sobre os mais diversos temas relacionados às anonáceas, família botânica cujos frutos mais conhecidos são graviola, marolo, biribá, fruta do conde, pinha e cabeçade-negro. A programação inclui palestras, mesas redondas, apresentações de pesquisa e dia de campo.

O agroecologista Miguel Altieri declarou que o mundo vive hoje a crise climática, alimentar, ecológica, cultural e econômica, para citar algumas. Segundo Altieri, parafraseando outro pensador, “não podemos enfrentar os problemas atuais com a mesma mentalidade que os criou”. Ou seja, temos de encontrar um novo caminho para a humanidade. Esse é o caminho proposto pela ciência agroecológica, que tem como base a melhoria constante da vida do solo através de práticas e manejos naturais, adubações orgânicas e a completa ausência de agrotóxicos, pesticidas, herbicidas ou venenos.

A soberania alimentar esteve no centro dos debates e foi um dos temas mais discutidos. Para a pesquisadora Maria Emília Lisboa Pacheco (FASE/CONSEA) o Brasil precisa avançar na discussão do Plano Nacional de Redução e Uso de Agrotóxicos, com o banimento de agroquímicos já proibidos na Europa, Estados Unidos e outros países da América do Sul. Ela destacou que é necessário o fim das pulverizações aéreas de venenos e salientou que a transição agroecológica na América Latina deve levar em conta o entendimento de que os sistemas tradicionais de produção são patrimônio cultural dos povos e comunidades e, como tal, devem ser tombados para preservar

Temas: taxonomia (classificação dos seres vivos); melhoramento genético (ciência utilizada em plantas e animais); metabolismo secundário (compostos orgânicos que não estão diretamente envolvidos nos processos de crescimento e desenvolvimento); trocas gasosas. O dia de campo que será realizado em propriedade de produção de atemóia para exportação, em Pilar do Sul/SP, quando será demonstrada a tecnologia empregada na cultura visando à exportação de frutos, incluindo técnicas de propagação e produção de mudas, poda, nutrição, manejo de pragas e doenças, colheita e pós-colheita. Info: http://vciabrazil.blogspot.com.br/

os saberes e práticas agrícolas de base ecológica.

Já o agrônomo e pesquisador da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), Manoel Baltazar Baptista da Costa, um dos principais defensores por uma agricultura menos agressiva ao meio ambiente e que promova a inclusão social e

foto: Fernando Franco

foto: Fernando Franco

atos, somos responsáveis pela construção de um mundo mais justo tanto ambiental como socialmente falando.

Emília Pacheco: "A transição agroecológica busca não somente a racionalização econômicoprodueconômicoprodutiva, mas também a mudança de atitudes e valores em relação ao manejo e conservação dos recursos naturais"

proporcione melhores condições econômicas aos pequenos produtores rurais e agricultores familiares, destacou que a segurança alimentar está atrelada a um comércio local (circuitos curtos de comercialização) e a ampliação das políticas públicas de compras governamentais (PNAE, PAA, PPAIS, etc), acesso à terra, diversificação de culturas e educação agroecológica dos agricultores e trabalhadores rurais. * *Biólogo e presidente da Organização Ambiental Teyque’-Pe’ (OAT)


6

โ€ข gente

Ro c k I n R io Par do (Sta. Cruz)

F ot o s : F l รก v i a R o c h a | 3 6 0


7 • ponto

de vista *Fernanda Lira

O cara conseguiu roubar a cena. Ofuscou até o papa. Mas, a que preço? Num claro gesto de arrogância, indelicadeza e mesquinharia? Não combina com o Cristo que a igreja tenta perpetuar (sem dar o devido exemplo na visão de muitos, da qual muitas vezes compartilho). Por mais indiferente seja ao que o Papa representa (não sei de suas convições regiliosas) portou-se mal. Não como deveria um brasileiro que estava ali, numa situação ímpar, solene, por mérito, direito ou dever.

pudemos com os outros atores – o efeito trouxe um claro e juvenil efeito ' constrangedor à Presidente e parece ter passado batido para o visitante –, o fez ainda de costas, impendindo que pudéssemos perceber sua real intenção. Pode até ter sido ingênuo. Mas agiu mal.

V A D E Retro!

Avessa à hipocrisia, a ponto de ser dispensável na opinião de muitos, sei o que é boa educação. E sei da responsabilidade, inclusive quando somos o exemplo do que se deve ser, que é seu caso. Não devemos nos sobrepor. Trazer o nosso ego para o centro das atenções, nossa crítica para o momento errado, nosso julgamento para um âmbito que não convém, nossa pequenês quando a tantos representamos. A boa conduta, a racionalidade, a humildade, o respeito e a disciplina devem prevalecer num momento desses. O astro da cena, cujos olhos e cuja reação não poderemos ver, como

Por fim, acabou comentendo o deslize de mandar uma emenda, sempre pior que o soneto, sob a salvaguarda de um assessor de imprensa (ôh profissão ingrata). Foi dedendido depois pela própria vítima de seu deslize. A presidente Dilma. Ora pois. Na boa: — Vade retro satanás. Ele, o capeta, diabo.... esteve ali, incorporado num admirado (inclusive por mim) brasileiro, que nos faz pensar em dias melhores para o nosso país, que corresponda às nossas tão claras e recentemente expostas expectativas.

Diferenciação

Lembrei-me de um conceito aprendido no curso de Economia chamado concorrência monopolística, segundo o qual uma empresa que atue dentro de um mercado altamente concorrencial pode se destacar mediante a diferenciação de seu produto ou serviço, tornando-se única, exclusiva, desejada no coração e na mente do consumidor, possibilitando-a exercer um autêntico monopólio. À luz deste conceito, passei a observar como estamos o tempo todo praticando a concorrência monopolística em nossas vidas. Da vitória do espermatozóide tenaz que, dotado de agilidade, velocidade e estilo, supera todos os demais concorrentes, à oportunidade de emprego sancionada com êxito dentre outros postulantes ao cargo.

Esteve no negro que tanto orgulho traz aos que sofrem até hoje com o racismo, assim como tantas vezes está na igreja, em todas as igrejas, sem exceção, de todos os credos, inclusive comandando muitas por aí. Esteve nele assim como, vira e mexe, está na Dilma, no PT, em todos os partidos, entidades, organizações, lugares, pessoas. Esteve nele naquele momento, fazendo-o de tolo a seu serviço, assim como está tantas vezes em nós. Ali, brilhando, dominando a cena, tomando conta, decidindo tudo, se deixar, nossas vidas e.... nos causando vergonha. Aquela que faz brotar o profundo e íntimo, muitas vezes inconfessável, noutras inadimissível, porém inesquecível arrependimento. Sempre tão doloroso, por menor que seja. Por isso, por ele, por todos nós: Xô! Vade retro satanás!!!! * jornalista paulistana que adora o interior | felira@caderno360.com.br

* "Vade retro Satanas" ("Afasta-te, Satanás") é uma fórmula medieval católica de exorcismo, composta em 1415 e encontrada numa abadia beneditina na Baviera, cuja origem é tradicionalmente associada a São Bento de Nursia. Na tradição católica atual, a fórmula (por vezes reduzidas a "vade retro") é usada para repelir eventuais fatalidades. As  iniciais  desta  fórmula  (VRSNSMV  SMQLIVB  ou VRS:NSMV:SMQL:IVB) têm sido gravadas com freqüência ao redor de crucifixos ou nas medalhas de São Bento. Fonte: wikpedia ** A repercussão da cena exibida em rede nacional foi tanta que a presidente Dilma saiu em defesa de Barbosa, afirmando que ele não agiu com grosseria. Não foi o que pareceu a todos que assistiram à cena pela TV. Faltou-lhe noção protocolar? Ou estará ela apenas limpando a barra de ambos?                                 

“Quando todos pensam igual é porque ninguém está pensando.” Walter Lippman

* Tom Coelho

presa que identifica o desejo mais subliminar de seus consumidores, pode dar-se ao luxo de vender o que produz ao invés de produzir o que se vende. © Alain Lacroix | Dreamstime.com

Dia destes solicitei um café expresso numa loja Fran’s Café e fiquei surpreso ao recebê-lo acompanhado de um elegante copo contendo água mineral gasosa e de um folheto explicando tratar-se de uma tradição italiana: a água com gás aguça as papilas enaltecendo o sabor do café que será sorvido. E todo este cuidado pelo mesmo preço de um expresso tradicional...

Esteve nele ali, na cara maior cara de pau, diante daquele que representa antes de mais nada a humildade, e, ao que tem mostrado, quer destacá-la em sua condução da igreja católica, assumindo essa bandeira já na escolha do nome.

A partir do conceito de diferenciação, passei a compreender o porquê de deixar mais reais por um pão de queijo no Fran’s Café (é porque quero o mimo) ou aceitar ser expropriado pelo preço cobrado por uma pipoca e um refrigerante num cinema (é porque quero a comodidade). O Pequeno Príncipe, de Exupéry, conhecia muito de diferenciação quando cunhou a famosa expressão “tu te tornas eternamente

* Empresário, consultor, professor universitário, escritor e palestrante formado em Economia pela USP, Publicidade pela ESPM, com especialização em Marketing pela MMS/SP e em Qualidade de Vida no Trabalho pela USP. Diretor da Infinity Consulting e Diretor Estadual do NJE/Ciesp. Contatos: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br.

responsável por aquilo que cativas”. Por isso, abrir a porta do carro para a garota adentrálo, torna o cavalheiro admirado. Por isso, a em-

Mas, no jogo da diferenciação, fique claro que não é a diferenciação tecnológica (baseada nas inovações), a qualitativa (sediada na adequação) ou a mercadológica (ancorada na força e glamour das marcas) que conferem perenidade às relações. O mundo está comoditizado. Os produtos apresentam as mesmas características, os profissionais detém os mesmos MBA’s. A única diferenciação efetivamente sustentável ao longo do tempo é aquela baseada em pessoas, aspecto que máquina ou virtualidade alguma será capaz de reproduzir ou substituir.


8 • gastronomia

FILé a parmegiana sem ir ao forno por Flávia Manfrin

Filé a Parmegiana sem Forno

É difícil para mulheres competir com o talento masculino na cozinha. Com Regis, esse mineiro que vive em Franca e tem frequentado a região 360, 360 não é diferente. Ele faz suas receitas sempre de modo farto, pra deixar todo mundo satisfeito. E com gosto de quero mais. Só de lembrar o baita filé a parmegiana que ele prepara sem levar ao forno, dá vontade de repetir. Vale a pena experimentar esse jeito de fazer um dos pratos mais pedidos em restaurantes, que busca não “ressecar o molho", como ele nos explicou. O resultado é fantástico!

Pipoca muito light receita de Thaisi Lima Preparo: Coloque o milho de pipoca num saquinho de papel de pão.Feche o saquinho usando palitos de dentes. Coloque no microondas por algunas minutos (há modelos que têm a opção “pipoca”, é só clicar ali).

receita de Regis do Couto Rosa Ingredientes: 1 peça filé mignon 2k de tomates para molho (maduros) 200g de queijo mussarela fatiado  200g de queijo parmesão ralado farinha de mandioca para empanar farinha de rosca para empanar ovo batido para empanar sal a gosto pimenta a gosto alho para tempero a gosto gotas de limão Preparo: Corte o filé em bifes largos, de mais de 1 dedo de altura. Tempere com sal, pimenta, alho. Dispense vinagre ou limão, para não ensopar a carne. Reserve. Tire as peles e as sementes dos tomates.

Pique e refogue com sal e um pouco de azeite. Deixe reduzir em fogo baixo até resultar num molho encorpado. Tempere a gosto.  Enquanto isso, pegue os bifes e bata com martelo de carne, para ficar mais fino – ele vai ficar bem maior também. Empane passando primeiro na farinha de trigo, depois no ovo e

depois na farinha de rosca. Importante: pingue umas gotas de limão no ovo, que fica mais gostoso.  Frite os filés empanados em óleo bem quente. Deixe dourar, escorra e coloque diretamente no prato. Cubra com 1 ou 2 fatias de mussarela. Adicione por cima uma colher do molho bem quente. Polvilhe com o parmesão. E bom apetite!

Preparo: Corte bacon em cubinhos e frite com óleo de milho ou azeite em fogo alto. Quando estiver dourando, acrescente milho de pipoca e um pouco de sal. Veja se tem óleo suficiente para deixar o milho bem mergulhado. Mexa até começar a estourar.  Tampe a panela e mexa ela toda enquanto estoura. Quando parar de estourar, está pronta!

Pipoca nada light

receita de Flávia Manfrin


10 • meio

ambiente

Cidades onde o rio Pardo pode ser represado dizem NÃO às PCHs Trata-se de negócios, de perdas, de ganhos. Os projetos desfavorecem os municípios, as pessoas e empresas estabele cidas nas cidades próximas às obras. Tiram-lhes trabalho (muitos desempregos e aposentadorias ocorrerão no meio rural, que ocupa a maior área da maioria das cidades), transformando suas terras, o clima, terra de plantio, animais e matas nativas e potencial turístico, inclusive porque resultam em cenários horrendos. É trazer-lhes o incerto onde já se vive de muitos imprevistos, como é caso da produção agrícola, seja em grande ou pequena escala.

Não se trata de uma postura de “esquerda”, de coisa de “intelectualóides” que não se liga em desenvolvimento, tampouco de “ecochatos xiitas em luta pelo verde, pela paz e pelo amor — não que isso não fosse válido, ao contrário, faria o mundo muito melhor. Trata-se de uma decisão racional. Devastação ambiental, incerteza climática, prejuízos imobiliários rurais e urbanos (os primeiros pelo preço menor baixo das terras a serem desapropriadas – um autoritarismo sobre a propriedade alheia por parte do Estado que impõe não só a decisão pela venda, como o preço a ser pago pelo empreiteiro, que agora apresenta-se sob a denominação de “empreendedor” — os segundos pelos abalos sísmicos capazes de comprometer a estrutura de muitas edificações, afinal, os rios reagem, claro. Não se trata de uma reação emocional. Assim como não se trata também de arte e poesia de quem não vive para fazer bons negócios e enricar. A recusa aos projetos de PCHs no rio Pardo, manifestadas progressivamente pelas comunidades de Santa Cruz, Águas de Santa Bárbara, Bernardino,Ourinhos, Óleo e Iaras, afetadas pelos projetos é racional. A começar pelo atraso que os projetos representam no campo da geração de

foto: Flávia Rocha | 360

por Flávia Manfrin

Além da mata ciliar nativa, o rio pardo abastece a agricultura, principal atividade da região, que aparece no fundo, à direita da foto, e será também prejudicada

energia. São contraproducentes: geram um grande estrago ambiental em tempos de sustentabilidade em troca de pouca geração de energia. Valem-se de um recurso extinguível e natural, como

as águas doces, límpidas e povoadas de fauna e flora enquanto já é comum usar vento, sol e lixo agrícola (bagaço de cana) para citar apenas alguns exemplos mais condizentes com o mundo moderno.

São muitos os problemas, que vêm sendo elucidados por um especialista no assunto, Edson Pirolli, professor da Unesp que transformou-se no mais racional defensor da preservação do rio Pardo, concedendo seu tempo para falar às comunidades sobre os riscos, as vantagens aparentes destacadas pelos autores dos projetos, as consequências mais prováveis e as perdas permanentes que provocam, com dados objetivos e disposição para esclarecer todas as dúvidas. A próxima parada da caravana da conscientização, promovida pela Organização Rio Pardo Vivo, será no dia 8/8/13, às 19h, na Câmara Municipal de Iaras, com acesso a todo o público. público


foto: Flávia Rocha | 360

região pro meio ambiente. O estudo tem que ser muito bem feito, nós não podemos pensar somente em dinheiro, temos que pensar é na comunidade, nos cidadãos, nos agricultores todos vão perder com isso.” Eduardo Bicudo Ferraro, o Brigadeiro, presidente do Sindicato Rurald e Ourinhos

“ Porque já existem duas barragens no rio, e tem o problema dos peixes que não conseguem se deslocar no rio por conta das barragens, e as usinas geram pouco perto do dano ambiental que elas causam. E também os municípios não ganham nada com isso, só perdem.” Ricardo Assaf, presidente da Adevida, de Piraju “ Porque temos que fazer um estudo muito sério, Eu pessoalmente como cidadão sou contra, porque temos que pensar muito nos agricultores que vão perder suas terras em volta das barragens e no mal que vai causar na nossa

foto: Flávia Rocha | 360

energia. Biomassa, por exemplo, que na nossa região é maior do que estão querendo construir. Se juntarmos a Usina São Luiz, de Ourinhos, e a Usina Raízen, de Ipaussu, já temos mais energia que essas novas que estão querendo construir. Sem contar que elas não causam tanto danos à natureza quanto as PCHs. E com isso deixa de atrapalhar muitos agricultores, porque a terra vai ser inundada, e isso prejudica muito o agricultor.” Lori Botelho, empresário dos setores supermercadista e de indústria de laticínios, de Sta. Cruz do Rio Pardo

foto: Flávia Rocha | 360

“ Porque há várias outras formas de

“O rio Pardo é um patrimônio ambiental, paisagístico e cultural das comunidades que vivem ao longo do leito e entorno e a preservação, proteção e conservação do seu leito original é fundamental para o equilíbrio do ecossistema da nossa região. Construir PCHs

foto:acervo pessoal

Por que dizemos NÃO às PCHs: 

muito próximas umas das outras gera um impacto ambiental sem precedentes com alagamento de grandes áreas de terras férteis, desalojando agricultores, perda da biodiversidade, com grandes prejuízos para a flora e a fauna, afeta o abastecimento e a qualidade da água para as populações locais, destrói a paisagem e cenários notáveis proporcionados pela natureza, impede o desenvolvimento e o avanço da região através do turismo de base ambiental, prejudica a recarga do aquífero guarani, altera o microclima regional, destrói as matas ciliares, que são responsáveis por evitar o assoreamento do rio e impedir a erosão das terras. Há muitas e importantes razões que jsutificam o não às hidrelétricas.” Fernando Franco Amorim, biólogo e presidente da Organização AmbiAmbiental Teyque'-Pe' (OAT), de Avaré


12 • bem

viver

FOFA na queda ARTISTA plástica de 83 anos tem vida e obras retratadas em livro arte: Franco Catalano Nardo | 360

*José Mário Rocha de Andrade

O público da região poderá conferir a partir deste mês os trabalho da artista plástica Odhila Renófio, através de 12 telas dessa fase, que serão expostas no Palácio da Cultura de sua cidade natal, onde ela lança o livro “O Lirismo da Terra”, que traz sua história e obras, de autoria do jornalista e crítico de arte Oscar D’Ambrosio. Odhila é uma elegante senhora de Santa Cruz do Rio Pardo, radicada em São Paulo há décadas. Natural do bairro de Sodrélia, a 11km da cidade, ela desde muito jovem ensinava desenho em escolas da região, lecionando em Bernardino de Campos. Seu talento para as artes plásticas floresceram cedo, quando cursou pintura com o renomado artista plástico Acácio Gonçalves, de Sta. Cruz.

Depois de mudar-se para o Paraná e finalmente estabelecerse na capital paulista, ela deu aulas de pintura em porcelana no Círculo Militar, tradicional clube pau-

listano. Com o tempo, produziu aquarelas e óleo sobre tela, passando por uma fase de pintura acadêmica, que lhe rendeu muitas obras. No entanto, foi no universo naïf, também conhecida como arte primitiva moderna, que ela se destacou e ganhou renome entre público e críticos de arte, sendo merecedora de diversos prêmios, inclusive na Grécia, em Boston (Estados Unidos) e sendo diplomada pelos reis da Espanha. A arte naïf da artista também será exposto na Assembléia Legislativa de São Paulo, a partir de 2/9. “ Eu sonhei muito com o livro”, afirma Odila, que teve incentivo da proprietária da Organização Paulista de Arte.

Para quem vive no interior, conhecer a história e as obras dessa senhora é, além de mergulhar no universo de um talento feminino para a pintura, conferir que muitas vezes chegamos onde nunca imaginamos quando deixamos nossos dons, afinidades e vontades seguirem adiante.

Info: Lançamento  do  Livro  “O Lirismo  da  Terra",  sobre  Odhila Renófio. 8/8/13, às 19h, no Palácio da Cultura de Santa Cruz. 

Era uma vez, em um antigo filme B americano, no banco do jardim começava uma estória de amor, dessas que todos já viram. Nas mãos dadas, nos dedos que se entrelaçavam, nos olhos que se olhavam, no perfume das flores e da carícia da brisa, a inefável comunhão entre a natureza e o casal fazia o sagrado presente nesse momento de enlevo infinito. Assim que os pés da garota tocam terra firme, as palavras retornam, ela pergunta: Você é resiliente? A pergunta insólita me pega de surpresa e eu não sei o que o namorado responde, se responde e o que, mas corro atrás do pai dos burros, que é como chamávamos os dicionários.

“Ser capaz de voltar rapidamente à boa condição anterior. Uma pessoa resiliente não fica infeliz por muito tempo. É a propriedade pela qual a energia armazenada em um corpo é devolvida assim que cessa a tensão que a causou”. É o que dizem os físicos. Nesse mundo em que tensão é o que não falta, pergunta de menina sabida.

Mamãe tem 85 anos e nesse inverno gelado é uma luta perdida tirá-la do sofá vestida de cobertores. Pegou gripe, veio pneumonia, foi pra UTI. Dois dias sob tratamento intensivo e estava ela lá, mala feita, pronta pra fugir do hospital. Mamãe é dura na queda, pensei. Depois pensei melhor e me dei conta que essa é uma frase que hoje perdeu o sentido.

Essa estória de duro na queda é do tempo em que se pensava que resistência era sinônimo de dureza. Hoje sabemos que resistência é sinônimo de resiliência, fofura, molejo, malemolência, ginga, jogo de cintura. Os parachoques dos carros de hoje são de borracha e cedem, os prédios construídos onde há terremotos balançam pra não cair, assim como os estádios de futebol. Por essas e outras me dei conta que mamãe é fofa na queda e, não bastasse isso, é resiliente também.

*médico santa-cruzense radicado em Campinas


360_ Onde IR! moda_beleza_saúde

deliciosa. | 3ª a dom:19h_0h | F:14 8114.8015

comida caseira. 2ª a sáb: 11h30 às 15h | F: 14 3377.141

PirAju Pirabar_ Almoço e casa noturna à beira do Paranapanema. 3ª a dom. |F: 14 3351.4387 Taças e Cachaças_ Cachaças, petiscos, pratos. Atendimento nota 10! 2ª_6ª: 18h | sab/dom: 10h | F: 14 3351.0811 Torre de Pisa_ Pizzaria com forno a lenha. Chopp e porções. 3ª a dom. _19h | F: 14 3351.2684 STA. BárBArA Nossa Chácara_Buffet de prratos quentes e saladas . ligue antes de ir. local bucólico dentro da cidade. 5ª a dom. | F: 14 3765.1545 STA. Cruz Pizzaria Alcatéia_Pizzas crocantes, massas e carnes à beira da piscina. 3ªdom. 19h _23h. F: 14 3372.2731 Torre de Pisa_ Pizzas, chopp e porções diversas. | F: 14 3372.8860 rancho do Peixe_ Cozinha caseira caprichada. 2ª/dom. 8h30_14h30_ 2ª/sab. 17h30_ 0h. | F: 14 3372.4828 S. PedrO dO TurvO restaurante rosinha _ deliciosa

BArES AvAré Di-ferentti_Comida típica mexicana e outras gostosuras | 3ª a 6ª: 17h_0h sáb.:11h_1h30 - dom: 17h_23h | F: 14 3733.2928 PirAju Adrenalina’s_ Tilápia no alho deliciosa. ötimo Atendimento. 2ª a sab. após 17h | F: 14 3351.3370 STA. Cruz Bar da Neusa ( Sodrélia)_ Todo dia 8h_ 20h ou até o último cliente. Bar do Celsão _ drinks, assados, porções. 2º sáb. mês festa de rock. 22h às 4h | F: 14 9697.2224 Casa da Esfiha_Mais de 70 opções . | F: 14 3372.2915 Nina Lanches_ Tradi-ção em lanches. Todo dia 18h_0h | F: 14 3372.6555 rancho do Espetinho Pilão e Cocho_espetinhos, porções e acompanhamentos . 2ª a 6ª: 17h à 1h, sáb.: 11h à 1h e dom.: 16h à 1h | F: 14 3373.1041 Treiler dos Amigos_lanches e

festa_bares_serviços_som

casa_imóveis_construção CAfETErIAS AvAré Estação Café_Salgados, doces, sucos e cafés. 2ª a sáb.: após 10h, dom. após 19h | F: 14 3731.2828 OurinhOS Estação Baguete_Salgados e cafés. Todo dia 6h30_22h | F: 3325.4124 Dona Ica Café_ Cafés e salgados. Todo dia 8h-19h. | F: 14 3326.3498 STA. Cruz

Donana_Peixes, risotos, massas. 3ª/sab: 18h_ 22h dom: 12h_15h | F: 14 3346.1888 ÓleO recanto feliz resort_Cozinha internacional em ambiente bucólico. dom.: 12h às 15h. | F: 14 3356.1498 OurinhOS Al faiat_Cozinha diferenciada. Boa carta de vinhos.2ª a sáb: 10h:30_15h e 18h_0h | F: 14 3326-9700

Sabor da fazenda_ Bom cardápio e ambiente gostoso. 2ª a 6ª : 8h_18h e sáb: 9h_15h | F:14 3372.3871

La Parrilla_ Comida argentina. 3ª/sab: 11h_ 16h |19h dom: 11h _16h | F.: 14 3324.9075 Le Lui_Ambiente e cardápio sofisticados | 3ª- sab: 11h30 e 18h30 | dom. 11h30. | F.: 14 3326.3762 Sushi Ventura_Comida japonesa

rESTAUrANTES

agro_animal

BernArdinO

porções. Fecha às 3ªs-feiras. 18h30 à 0h30 | F: 14 3372.9297 oUTroS STA. Cruz frutaria do Baiano_ Frutas selecionadas. r. Mal. Bittencourt c/ r. Benjamin Constant 8h_ 23h. Sorveteria União_ Sorvete artesanal e com ingredientes naturais. Todo dia 9h_23h | F: 14 3372.3644 BernArdinO Pastelaria Bagdá_ Me-lhor pastel da região 360. 2ª a sab. hor. cmercial. roDoVIAS PirAju-OurinhOS | SP 270 ‹rAPoSo TAVArES› Cia. da fazenda_Km 334: lanches e refeições, pratos levando palmito. | F: 14 3346.1175 OurinhOS-S.Cruz SP 352 ‹o. QUAgLIATo›

restaurante Cruza-dão _ Km 16: restaurante 24h | F: 14 3372.1353. orquidário restaurante Café_ Km 14: lanches, sucos, refeições, orquidário. Todo dia 7h_19h | F: 14 9782.0043 Varanda do Suco_Km 27,5: refeições, sucos, salgados e doces. Todo dia. 9h_19h | F: 14 8125.3433 S. Cruz-S. PedrO Pesqueiro Paulo Andrade ; Peixes frescos, aves e assados ‹ encomenda›. F: 14 9706.6518 iPAuSSu-BAuru SP 225 ‹ENg. João BAPTISTA rENNó› Paloma graal Km 309 Praça de alimentação, loja, padaria e cafeteria. 24h | F: 14 3332.1033 Estação Kafé_Km 316: Museu , antiguidades, móveis, comida caipira. 24h | Maria Fumaça! F: 14 3372.1353 Our-jACArezinhO Br 153 ‹TrANSBrASILIANA› graal \ourinhos_Km 345: Buffet de salada e grelhados. Conveniência. Todo dia _24h | F: 14 3324.6319

vagas_empregos

Vende-se Filhotes de Border Collie. Entregas a partir de setembro. Contato: 14 9141.0029

Vendedor de Mídia Para Sta. Cruz, Ourinhos e região. Autônomo, com experiência e condução própria. Remuneração: ajuda de custo + comissão. enviar CV: 360@caderno360.com.br


_ esportes

BOTUCATU Corrida: II Prova Pedestre e Caminhada da ASU. Corrida e caminha-

da, 08 provas locais com percursos de 6km e 3km. Premiação final para atletas e equipes, de acordo com as pontuações alcançadas durante as provas nas categorias geral e faixa-etária. Inscrições: runnerbrasil.com.brheiro e fair play. Info: 14 3342.9200 SANTA CRUZ

homenagem aos jogadores da Associação esportiva Santacruzense de 1963, em comemoração aos 50 anos

Lembro como se fosse hoje: foi lá pelos idos de 2.000, ano em fiz meus 15 aninhos. Voltando da escola, passo na loja de conveniência pra ver CDs (é, naquela época eles eram onipresentes e as pessoas ainda os compravam), e resolvo levar o “Juntos e Ao Vivo”, registro de um show conjunto de Chico Buarque e Caetano Veloso, de 1972. No caixa, o sujeito diz o preço, olha ressabiado pro meu uniforme, pras espinhas na minha cara, pro cabelo comprido, pra touca de lã, pro caderno cheio de desenhos de bandas de rock, e manda: “mas você gosta mesmo disso?”. Dei um sorriso brejeiro do alto do meu cinismo de adolescente estúpido, paguei e fui casa escutar logo aquilo. Não, eu não gostava - sequer conhecia. Quem me conhece ou costuma ler esta mal traçada coluna, sabe da minha inclinação de remar contra a corrente (“só pra exercitar”). Pois bem, e o que você faz quando todos os seus colegas roqueiros, para serem supostamente diferentes, só querem saber de Iron Maiden, Guns N’Roses, Offspring, etc etc? É aquele dilema que o mestre Raul bem colocou: “Mamãe já ouve Beatles / Papai já deslumbrou / Com meu cabelo grande / Eu fiquei contra o que eu já sou”. A saída foi a MPB, que absolutamente ninguém ouvia naquela idade. Por sorte, bênção, intervenção divina ou conluio dos astros, foi aquele disco de Chico e

da conquista do Campeonato Paulista da Segunda divisão 06 /09_ 19h. exposição com faixas, fotos e objetos, na Câmara Municipal de 02 a 30/09 e será aberta ao público. Os homenageados participarão do desfile de 07/09, após o desfile haverá uma partida de futebol no estádio da Associação esportiva Santacruzense. Info: 14 3372.4128

•Música

A 

descoberta de  Chico

Agenda esportes

*Tiago Cachoni

Caetano que me veio às mãos. Acostumado a canções pueris e supérfluas, imaginem o nó na cabeça do jovem de 15 anos logo com a primeira faixa do cd: “Bom Conselho” (do Chico), de versos como “Ouça um bom conselho / Que eu lhe dou de graça / Inútil dormir que a dor não passa”, e “Faça como eu digo / Faça como eu faço / Aja duas vezes antes de pensar”. O álbum ainda trazia “Partido Alto”, “Rita”, “Morena dos Olhos D’água”, “Cotidiano” e outros clássicos. A partir dali (e desconfio que seja pro resto da vida), passei a me dedicar de maneira obsessiva à carreira do gênio Chico Buarque, aquele bom sujeito de olhos azuis, que tantos suspiros arranca das mulheres, facilmente um dos maiores artistas de todos os tempos (e de quebra ainda virei fã do Caetano). Posteriormente ainda me apaixonei por sua literatura (“Leite Derramado” é livro de cabeceira). Dia desses, um amigo perguntou na mesa do bar quem era meu maior ídolo, o cara que me inspirava de uma maneira geral. Pra espanto geral, não precisei de um segundo para responder: Chico Buarque! Costumam dar risada ou achar um exagero quando eu digo que esse ou aquele disco mudou a minha vida, mas quem vive de música (no sentido espiritual da coisa), sabe muito bem do que estou falando.

*músico cuja vida torta certamente foi predestinada por um chato d'um querubim, mas, ainda assim, ele pretende ir até o fim

© Libux77 | Dreamstime.com

15 • música

Divulgue seu evento esportivo AQUI! É gRátIS! Envie dados para: agenda@caderno 360.com.br

O maior de todos

• Esportes

*Priscila Manfrim

A coluna deste mês será dedicada ao maior jogador de tênis de todos os tempos: Roger Federer. Qualquer pessoa que goste, ou não, de tênis já escutou falar do suíço, que já quebrou todos os recordes possíveis no esporte. Quando tinha meus 12 anos, comecei a assistir ao esporte e me apaixonei pela classe, categoria, e técnica de Federer, passei a ser fã. Neste mês de agosto, o mito completa 32 anos, admito que já não esteja no auge da carreira, a atual temporada não tem trazido os resultados esperados por ele e pela sua legião de fãs em todo mundo, mas Roger ainda é capaz de encantar dentro de quadra. Federer é considerado pela grande maioria dos especialistas como o maior jogador de tênis

de todos os tempos, e suas conquistas ao longo da carreira justificam tal título. Como fã e admiradora do esporte, torço para que Federer continue encantando nossos olhos por mais algumas temporadas, e que ainda conquiste mais alguns “canecos” para sua gigantesca coleção.

*apaixonada por Federer assim como é pelo SPFC


cultural

agosto_2013

por Egon Miyazaki e Hisadora Ferraz

Um mês repleto de ótimas atrações. Aqui, ali e acolá. Confira a programação. Tem de tudo pra todo mundo! ASSIS • Festa: 12ª festa do folclore. Apresentações artísticas, comidas típicas e artesanato | 24/08 _18h | Museu e Arquivo histórico de Assis | Info: 18 3322- 2677 • exposição: 2 Vezes Brasil. Telas dos artistas Waldomiro de deus e Fogaça. Museu de Arte Primitiva de Assis – MAPA.| grÁTIS | Info:18 3322-2677 AVArÉ •Música: Classic rock 2 | rock & Blues com as bandas Criados com a Avó Blues Band e Tennessee | 10/08_22h | Convites r$30 | ibiquá eco resort | Info: 14 9690-1633 CHAVANTES • Música: festival de Música diversas apresentações musicais de todos os gêneros,praça de alimentação, chopp e muito mais. 09/08_18h às 02h30 10/08_12h às 03h30 11/08_10h às 23h59 Bosque Municipal | Inscrições e Info: 14 33423617 ou 9858-8349. • Choco Amor - Primeiro Festival do Chocolate em Chavantes em Prol da APAe. | 10/08_17 hrs | lions Clube | Info: 14 33422304 / 3342-1542 .

• Teatro: Programa Teatro de Tábuas | Projeto apresentado ao ar livre formado por uma banda musical que cantará algumas lendas brasileiras do nosso folclore em uma estrutura supreendente: um grande barco de 12 metros | 24/08_20h Bosque Municipal | Info: 14 3342-920 IPAUSSU • Música: Clube dos Canalhas Com a banda de rock Galã Banguelo | 9/08_ 21h | r$ 5 Clube dos Canalhas (ao lado da piscina pública) Info:14 9760 -9543 oUrINHoS • Teatro: Cerimônia de Premiação do IV Concurso de Poesia de ourinhos | 8/08 _ 20h Teatro Municipal Miguel Cury • Stand up : Diogo Portugal 15/08_21h30 | r$20 | Teatro Municipal Miguel Cury • Música: Tributo ao ABBA: ABBA oN STAgE | 16/08 _

20h30 | r$ 25 | Teatro Municipal Miguel Cury • Música: iii Concerto Temporada OSiMO | 18/08_20h30 Teatro Municipal Miguel Cury | • • Teatro: M Disco|Grupo Quasilá de Marília | Classificação: 14 anos | 24/08_20h | Teatro Municipal Miguel Cury | ingresso: 1 Kg de Alimento não perecível •Música: Lançamento CD Vermelho | verMelhO é o projeto fonográfico de luis Felipe Gama & Ana luiza no Brasil em 2013, premiado pela Secretaria de estado da Cultura. 29/08_20h30 | grÁTIS Teatro Municipal Miguel Cury Info:14 3302-1400 • Música: AC/DC Cover. Pela primeira vez em Ourinhos com a banda high voltage, e também com a banda Sr. Black e o dj Paulinho Smurf 17/08_22h | Pontos de venda: Ourinhos: Castanha Som, Códdigo, enigma rock e Tenis Clube | Castanha Som (Sta Cruz e Assis) | jacaré-zinho: Pizzaria romana | Tenis Clube Ourinhos | r$20 Info: cactuspropaganda.com.br •Música: grupo Até Jazz | Worshop | renato Alves guitarrista formado no Conservatório de Tatuí, atuante na cena instrumental de São Paulo. Acompanhado de rodrigo donato e

jackson Silva falarão do conceito e do desenvolvimento da improvisação e também formas de estudos e experiências com a música instrumental no Brasil 17/08_21h | Workshop 16h às 18h | Pub 744 | Workshop: Gratuito para alunos r$15 não Aluno | Show: r$10 Aluno | r$15 não Aluno | Info:14 3325-4543 SANTA CrUZ • literatura: o Lirismo da Terra. lançamento do livro sobre vida e obras da artista plástica Odhila renófio. 8/08 _19h | Palácio da Cultura grÁTIS • Música: Banda Municipal de Laranjal Paulista | Participação de músicos internacionais. Palácio da Cultura umberto Magnani netto | 8/08_20h grÁTIS (retirada antecipada de ingresso) • Stand up: Diogo Portugal 16/08_20h | r$20,. Palácio da Cultura umberto Magnani netto Info: 14 3372-1227

C i r c u i t o C ul t ur a l P a ul i s t a •Teatro: Hospital da gente - Grupo Clariô de Teatro _Assis: 09/08_17h30 | Quadra esportiva da eMeiF Coraly júlia Gonçalves Carneiro _ourinhos: 11/08_16h Ginásio de esportes eTeC jacinto Ferreira de Sá •Circo: Se Chove Não Molha com Circo vox _Palmital: 16/08_19h30 Praça da Matriz _Piraju: 18/08_15h Cinemax

9/8 a 7/9

|foto:divulgação | Circuito Cultural Paulista

16 • agenda

• Música: Jorge Vercilo luar de Sol Acústico _Botucatu: 25/08_20h30 Teatro Municipal

•Teatro: relampião. Cia. do Miolo e Cia. Paulicéia São Manuel: 14/08_16h Praça dr. Pereira de rezende

Música: rock com as bandas Mafagafos e end | 10/08_23h Bar do Celsão | ingressos Antecipados r$10 na .com@moda Info: 14 9697.2224 • Música: 5° Leônidas rock fest | Comemoraçao do aniversario de 85 anos da escola e 10 anos de escola da Família 24/08_14h | escola leônidas do Amaral vieira | entrada: 3,00

•Teatro: A falecida Lins: 18/08_20h Casa da Cultura •Teatro: o Imprevisível Circo da Lua. Cia. Paraladosanjos _Sta. Cruz: 07/09_20h Palácio da Cultura

Info: 14 3372-1388 • Música: Coreto Encanto com a Banda no Fate | 25/08_20h Praça deputado leônidas Camarinha | Info: 14 3372-1227

Divulgue seu evento GRÁTIS! agenda@ caderno360.com.br


agosto_2013

foto:divulgação | Studio Musical

BATERADA

Baterada é o nome do evento criado pelo músico e empresário musical rodrigo Donato. Cidadão de Chavantes e ex-aluno do Conservatório de Tatuí, rodrigo é um produtor musical que atua em bandas de diversas vertentes da música e é sócio-proprietário de duas conceituadas escolas de música da região, a Studio Musical, com unidades em ourinhos e Sta. Cruz do rio Pardo. Foi lecionando percussão, no caso bateria, que rodrigo teve a ideia do evento itinerante que chega ao seu 4º ano de realização e já congregou 72 baterias tocando ao mesmo tempo, a exemplo do que aconteceu no ano passado, em Sta. Cruz. “Fiz uma partitura para treinar um aluno e deu muito certo. então passei para os outros. Como dou aula com 2 baterias, coloquei2alunos pra tocar juntos. Até que tive a ideia de colocar todos os alunos pra tocar juntos e gravei para os que não leem partitura. Aí foi juntando mais gente. ensaiamos durante cinco meses, toda semana. não sei quanto teremos na data do evento, mas já são 63 inscritos”, conta rodrigo, destacando que a participação é gratuita. O evento que aconteceu na quadra do Icaiçara Clube em 2012, também é beneficente e tornou-se itinerante. O público é convidado a contribuir com doação de alimentos não perecíveis, que são entregues a uma entidade de assistência social da cidade. A primeira edição aconteceu em Ourinhos, em 2010, na Escola Municipal Adelaide Pedroso racanello, onde 48bateristas (de 7 a 70 anos), tocaram 1 música. em 2011 foi a vez de reunir 67 bateristas na ETEC Jacinto ferreira de Sá, em Ourinhos. no ano passado, 72 baterias tocaram 3 músicas na quadra do clube de Sta. Cruz, uma delas acompanhada pela Banda Eco Arte de Chavantes, com 50integrantes de sopro. “este será o primeiro evento ao ar livre. Só se chover faremos no ginásio de esportes”, informa rodrigo, sobre a Baterada programada pra dia 22/8,5ª-feira, em frente ao Clube ouro Verde. Serão 4 músicas, num repertório que cresce a cada ano. Para esta edição a prefeitura de Chavantes que cedeu 2 ônibus para transporte gratuito de músicos. rodrigo tem se divido entre as três cidades para os ensaios, mas diz valer a pena. “Teremos 12bateristas da cidade que nem são meus alunos e tivemos bateristas de Avaré , Santo Antonio da Platina e Piraju participando dos ensaios. Para completar, o músico e amigo Sirton vai juntar 100 sopros pra tocar conosco. Serão duas músicas só de baterias e duas com sopro”, adianta rodrigo, acrescentando que o aluno mais novo de seu grupo tem apenas 6anos. Info: 4ª Baterada. 22/08– em frente ao Clube ouro Verde na rua, no centro de Chavantes. Inscrições abertas a bateristas de qualquer nível de aprendizado e idade. grátis! Contatos: studioinstitutomusical@gmail.com e 14 3325-4543 e 14 9825-4543. haverá transporte gratuito saindo de Sta. Cruz e de ourinhos.

Os homenageados de 2013 são dois cronistas: rubem Braga, no centenário de seu nascimento, e o ourinhense euclides rossignoli. rubem Braga é autor de dezenas de livros, colaborou nos principais jornais do país e foi correspondente de guerra do jornal diário Carioca durante a Segunda Guerra. Como em outras edições, o evento presta homenagem a um autor ourinhense, este anos, o também cronista, euclides rossignoli. ProgrAMAção: 20 /08_20h | ex isto: Paulo leminski | Biblioteca Municipal Tristão de Athayde 20 /08_20h | encontro com o escritor euclides rossignoli cronista e autor do livro Ourinhos: histórias e memórias | ee Profª virginia ramalho

21/08_ 9h | leitura de crônicas de rubem Braga e euclides rossignoli _14h | Oficina ilustração e Memória - Coordenação: lara haddad | Biblioteca Municipal Tristão de Athayde _20h | Mesa 1: encontro com poetas ourinhenses | Pub 744 22/08_9h| leitura de crônicas de rubem Braga e euclides rossignoli _14h | Oficina Cora Coralina, letras e tachos - Coordenação: Fernando nogueira -15 vagas | Cozinha de referência da Secretaria de Assistência Social _14h | Continuação da Oficina ilustração e Memória-Coordenação: lara haddad | Biblioteca Municipal Tristão de Athayde _14h | Contação de histórias | Biblio. ramal Clarice lispector _16h | Contação de histórias | Biblioteca lydia Frayze _18h30 | Filme: daquele dia em diante | Biblioteca Municipal Tristão de Athayde _20h | Mesa 2: A crônica e as

memórias do cotidiano, com os escritores humberto Werneck e euclides rossignoli. Mediação de Mona dorf | Pub 744 23/08 _9h | leitura de crônicas de rubem Braga e euclides rossignoli _10h| Oficina O bom-senso do avesso | versos fantásticos | 15 vagas | Biblioteca lydia Frayze (inscrições no local) _14h | Continuação da Oficina Cora Coralina, letras e tachos Coordenação: Fernando nogueira | Cozinha de referência da Sec. de Assistência Social _14h | Oficina O bom-senso do avesso: oficina de versos fantásticos - Coordenação: valdir Grandini Alvares | Biblioteca ramal Clarice lispector _14h | Contação de histórias | Biblioteca Tristão de Athayde _20h | Mesa 3: A atualidade das narrativas curtas, com josé Castello e noemi jaffé. Mediação de Mona dorf | Pub 744 24/08_9h | Oficina de escrita criativa - Coordenação: noemi

jaffe - 15 vagas | Biblioteca Municipal Tristão de Athayde _20h | Sarau com o poeta Sergio vaz | Pub 744 _22h | Show com o poeta Arruda e músicos | Pub 744 O 5º A(o)gosto das Letras é uma realização da Prefeitura Municipal de Ourinhos, através da Secretaria de Cultura, com coordenação da Biblioteca Municipal Tristão de Athayde, em parceria com a Associação de Amigos da Biblioteca Pública (AABiP). Toda a programação é grÁTIS. grÁTIS Basta retirar convites com antecedência na Biblioteca Municipal Tristão de Athayde. Inscrições para as oficinas devem ser feitas nos locais ondeserão realizadas. Info:14 3302-6000

foto:divulgação

4 ANOS DE

O evento literário de Ourinhos, A(o)gosto das Letras chega à sua 5ª edição destacando as narrativas curtas. O conto, a crônica e a poesia norteiam toda a programação. Além das mesas literárias, o evento oferece oficinas, rodas de leitura, contação de histórias, shows, exposição e exibição de filmes.


a é z e r u l t in A Na da 36 is c on ti | art e:

Sa

ba to V

P I N G O

0

18 • meninada

Proj et o Pri m a ve ra INDI C A:

a cabeça e, tentando imaginar se coçar pode esquentar, foi surpreendido pelos gritos de sua mãe: O que é que são esses mosquitinhos saltitantes em sua barriga, Pingo? Mosquitinhos saltitantes? Alvinho quase caiu do ninho olhando Pingo com coleira a caminho do médico veterinário. Pulgas. Isso são pulgas, Pingo e, sentindo uma leve coceira, Alvinho se retraiu no ninho pensando: a natureza é linda, mas vista daqui do alto do meu ninho quentinho. Voltou a dormir feliz, mas havia uma estranha coceira em sua barriga. Respostas: O ovo. A luva. O relógio. As mãos.

Na manhã mais gelada do inverno mais gelado, encolhido, enrolado e aninhado sob muitos cobertores, abraçado a 2 travesseiros, Alvinho pensou que poderia ser um filhote de passarinho no ninho, no alto de uma árvore muito alta, sob as asas quentinhas e protetoras da mamãe passarinho. Escutou um barulho, um récoréco que vinha do frio gelado, do lado de baixo de seu ninho. Esgueirou-se sob as asas da mamãe pássaro e viu Pingo de barriga pra cima, pernas se agitando pra cima, esfregando as costas na grama. Deve ser esse frio gelado, pensou. Lembrou-se de seu pai expirando uma nuvem branca de frio e esfregando uma mão na outra para esquentá-las. Deslizou um pouco mais até a borda do ninho com cuidado pra não cair do alto da árvore e lá estava Pingo sentado, coçando a barriga, o pescoço,

O clássico Sítio do Picapau Amarelo é imperdível. Seu autor, Monteiro Lobato, foi considerado um dos mais influentes escritores do século XX. Não deixe de ler!

Oras, batatas!

Oi oi gente! Neste mês de agosto, nós vamos falar de batatas, um tubérculo muuuitooo usado na nossa refeição do dia a dia... E, fala sério, quem não ama uma batata frita?!!

ORIGEM: Bom gente, eu fui pesquisar e descobri que a batata é originária do Peru, onde foi cultivada desde as eras imemoriais pelo povo Inca. Em razão do seu alto rendimento e sua grande capacidade de adaptação, o cultivo foi largamente espalhado pelo mundo. Foi levada para a Europa no século XVI CULINÁRIA: A batata pode ser encontrada em uma enooormee variedade de cores, de cascas e de polpas. É consumida frita, assada ou cozida, servida quente como acompanhamento à refeição principal, ou fria como acompanhamento para salada. Ou seja a batata tem infinitas maneiras de preparo!!

O qu e é ???

O que é que, quanto mais se cozinha, mais duro fica

?

O que é que tem dedos, mas não tem unhas?

? O que é que da várias voltas, mas não sair do lugar??? O que é, o que é, duas irmãs da mesma idade, mas com diferentes habilidades

?

Redaçã o: Paola Pegorer Man frim | Ar t e : Cl a r a E l i z a Ba s s e t o TIPOS MUITO USADOS: Atantic (redonda, polpa branca, boa pra fritar), Araucária (alongada, polpa amarela, boa pra cozinhar ou assar), Asterix (casca rosada, oval, polpa amarelo claro, boa pra fritar). CULTIVO; batata pode ser plantada em uma grande variedade de climas. Os maiores produtores de batata no mundo são: Polônia, China, Estados Unidos, Alemanha e Índia.

CURIOSIDADE: “Aos vencedores, as batatas.” É uma frase criada por Machado de Assis em Quincas Borba, um de seus principais romances. O personagem era um filósofo criador do Humanitismo. Para explicar sua teoria, o filósofo conta a história duas tribos famintas diante de um campo de batatas, suficientes apenas para alimentar um dos grupos. Então, ele diz: "Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas". Bom gente, espero que tenham gostado da edição!!! Bjos da Paola e Clara



360 ed91 ago13