__MAIN_TEXT__

Page 1

ISSUE NO. 14

FEMALE TECH LEADERS

BRAZIL BRAZIL BRAZIL

LIST OF WOMEN IN TECHNOLOGY GROUPS THE STATE OF WOMEN IN TECH IN RUSSIA: WE STILL HAVE TO FIND A WAY TO EQUALITY

WWW.FEMALETECHLEADERS.COM


0202 NOITIDE

51

-

safe

REBMETPES

stay

FEMALE TECH LEADERS contact: emma@digitalbusinesswomen.com


S E PT E MBE R

I S S UE

2 0 2 0

1 5

FEMALE TECH LEADERS e M a g a z i n e |

w e b s i t e |

m e m b e r s h i p

c o m m u ni ty

WELCOME LADIES! by

Candyce

Costa

We are living different times... But we need to carry on...and we decided to launch in Brazil! Brazil is my place of birth and we are super excited to be from now a bilingual community: English and Portuguese! Estamos celebrando as nossas convidadas wue aceitaram o nosso desafio. E assim, iniciamos mais uma etapa na jornada da Female Tech Leaders. Stay safe! Candyce Costa Founder and Disruptor

OUR MISSION

Be one of our Guests

To empower and nurture digital and tech women in business and life to achieve their true potential and connecting them to create a collaborative and powerful community.

OUR VISION To create the most collaborative and encouraging platform to accelerate the change of the role of women in business and in the modern society.


S E PT E MBE R

2 0 2 0

I S S UE

1 5

FEMALE TECH LEADERS e M a g a z i n e |

w e b s i t e |

I N S I D E

m e m b e r s h i p

T H I S

c o m m u ni ty

I S S U E

INTERVIEWS

ENTREVISTAS

ADELA MEHIC-DZANIC DR. ELS VAN DER HELM KRISTEN GIRARD MJ (MARIA JOÃO) MARQUES NEHA MISRA VIOLETTA SHISHKINA

ALESSANDRA KARINE ANA MINUTO BIAMICHELLE MIRANDA CARINE ELPIDIO ÉRIKA CARAMELLO KARINA TRONKOS LIZZY ZANLUTI MARCELA GONÇALVES REGINA SALES MAGALHÃES ANDRÉA THOMÉ LETICIA GAMMILL SORAIA ANDRADE

ARTICLES THE PSYCHOLOGY OF THE CRISIS: RESILIENCE IN DIFFICULT TIMES HOW INTROVERTED LEADERS CAN IMPROVE THEIR COMMUNICATION STYLE AND GET BETTER ENGAGEMENT LIST OF WOMEN IN TECHNOLOGY GROUPS THE STATE OF WOMEN IN TECH IN RUSSIA: WE STILL HAVE TO FIND A WAY TO EQUALITY SLEEP: THE OVERLOOKED INNOVATION BOOSTER 16 FEMALE TECHIES TO FOLLOW ON TWITTER THINGS YOU HAVE TO FORGET IN ORFER TO SUCEED SUCESSO NOS SEUS PRÓPRIOS TERMOS ETAPAS DE UM PROJETO DE BIG-DATA & ANALYTICS — COLETA, INGESTÃO & TRATAMENTO DE DADOS


S E PT E MBE R

2 0 2 0

I S S UE

1 5

FEMALE TECH LEADERS e M a g a z i n e |

w e b s i t e |

m e m b e r s h i p

c o m m u ni ty

SPONSORED EVENTS(ONLINE AND OFFLINE) We are looking for companies and event organizations that are interested in raise their profile within our business community. Interested? Email us!

BUSINESS DIRECTORY We are looking for like minded business who wants to reach to our business community via our magazine, social media and website. Interested? Email us!

BUSINESS COLLABORATIONS We are looking for like minded business who aligned with our mission and community style to built business colaboration, Interested? Email us!

BUSINESS PROGRAM We are looking for like minded business that wants to implement a business program to retain and attract more diversity to their business. Interested? Email us!

Support our magazine collaborations EMMA@DIGITALBUSINESSWOMEN.COM


INTERVIEW


ADELA MEHIC-DZANIC Head of CSP Segment

Tell us about you and your career, Adela. I have 8+ years of international experience in leading sales and business development in the telecommunication and IoT industry and currently I am leading the global business development team at the software company – MAVOCO AG, that is specialized in the IoT industry for the largest, Tier-1 telecom operators in the world. Also, I hold a Master degree in Telecommunications as well the MBA degree from the Vienna University of Economics and the Technical University of Vienna. and sit as the Vice President of the Female Leaders Network in Vienna as well of the Association of Business Women of Bosnia and Herzegovina in Vienna. Did you always know that working in technology was what you wanted to do and how did you decide to go into IT? No, not really. For me the first question was, firstly if I will go to the university. I was one of very few from our big family to go to the university, to leave the hometown and later on to get the full scholarship and continue the studies. One of the very few women that is important to notice. It was not usual for women from my surroundings to go for gymnasium yet alone go to the university far away from my home town. Through out my education, I was always top student of the class, loved math, physics, chemistry, STEM - all topics - I was always fascinated by it and it has to do with my hunger and thirst for knowledge and life-long learning. Now that I look back, it was there - I would see the book, the new materials and I wanted to have a closer look, to try it out, to test it - so in general, I live my life in motion, change is the constant part of my life and it follows me throught out my career, faculty, moving from city to city, from country to country, having friends from all over the globe etc. Well, back to the roots. Since I had the privilege of being the best student, back then I could choose - and till the last day, I was making the decision between medicine and technical university. But then, there was 1 thing that made the decision. I realised that for the medicine I need to learn so much of its content by heart and I felt I will be more freely, creative and engaged during my technical studies. Plus my oldest brother studied at the technical university and that was of course a big plus for the technical studies. My brothers were always a big supporters, whenever and wherever, and they were the ones to challenge me and say "you can do much more".


ADELA MEHIC-DZANIC Do you notice a lack of women in technology? If so, why do you think that’s the case? This is the golden question. I read articles and research however like to talk about my own experience and what made me decide to go for the technology. And yes, I do notice it every day in all the settings. I remember when I started here in Austria in my team there were 15 colleagues. I was the only woman. Then I moved into the global unit, internationally, and thought there will be more women in my team. Well not really, Again I was one of the very few women. And the only one in this region responsible for 14 countries. My team were again 8 male colleagues. Then in Sweden I had more female colleagues, more women in tech and that encouraged me to start thinking about the possibilities and how come there are more women and in Austria less women. I forgot to mention that in Bosnia, my home country, in the recent years, we had more women at the technical studies than men. Then you can imagine my shock when I came to Austria, went to visit classes at the technical university and then full room of men colleagues :). 1 or two women, mostly from abroad through the Erasmus scholarship. Nowadays, I am happy to say that I see more and more initiatives to bring more women into IT. Starting from the early ages, through the kindergarten, then high school as well going forward as it doesn't stop there. After the studies, the work continues. Because even though, there are more women studying, the question is why don't we see them more in the leadership positions and inevitably there is a question, how about when we decide to have a family, kids, how does that affects our professional and private life. This should be an ongoing conversation and through various initiatives such as networking specifically related to this topic, where we can share our experiences, learn from one another, this is where we come together and that is the start of ongoing initiatives. I talk about my experience and share my story, and you would be surprised how many women find it useful and they already know what to do and now they have someone to relate to who already did this and they can see it is possible. So role models are very important. Then of course, mentoring, is a must. Within the company and outside the company. I had both. It expedited my career, working with people - men and women, that listened to me, shared they experience, their stories, put me inside their network, connected me to key people and have been there to support me on my journey. That is one of the keys to success and empowering more women. Lastly, networking together with mentor made wonders for my career too. Connecting with people all around the world, learning and sharing, made all the difference.

Who are your role models for women in tech? I love promoting role models from my closest surrounding, women that are game-changers and that I had a pleasure to work with or at least get closer to understand their vision. One of them is Anna Radulovski, CEO and Founder of the WomenTech network - inspiring entrepreneurial young women, that is bringing women from all over the world to promote women in tech, diversity and inclusion in an epic way. Kudos to what she did with the recent womentech conference bringing over 100k women to this conference from over 180 countries. Maja Hadziselimovic, from my home country, that is currently working in Germany on some of the most exciting robotics projects, promoting women in IT - as one of the ambassadors. Sheryl Sandberg - of course, with her book that has been a game-changer all around the world. Melinda Gates as well, who started at Microsoft and now running their Foundation to empower women around the world. My recent mentor for my master thesis with finalizing the MBA, Dr. Sabine Theresia KĂ–SZEGI, full time professor at the Technical university as well the high-level expert for the AI of the European Commission. And many many other women that I met and follow on social media.


ADELA MEHIC-DZANIC Have you ever been in a situation where you have felt discouraged to pursue your dreams as a woman? How did you handle it? I would say, it was back in the early days of life, where it was "expected" for me to finish highschool, get married and have kids and be a housewife. That was the story of 99.9% women from my surroundings and upbringings. I didn't have many career women around me. That changed to better once I moved to Sarajevo, the capital, where I started realizing that there are more colors to life than what I used to see through my childhood. How did I handle it? I never surrounded to this idea and it was never a thought in my mind that I give up and accept this idea of staying at the same place, not seeing the world, not going abroad, settling for less when I know and feel with my whole body, mind and soul that I can do more. And that I deserve more. I was convinced and saw it clearly as the blue sky. I didn't settle. And I continued learning more and outgrowing myself and proving to myself and my father - who made the decisions, that I can do it. Multitasking was always part of my life. Taking care of the household, garden, animals, my brothers and sister plus exceeding the expectations in the school, while everyone was sleeping I was studying till 2 am and waking up early in the morning, tiding up the house, going to the school, coming back - > cooking and cleaning, and in the evening studying. And being the top in all the classes. :) This keeps me going so far and it is part of my DNA. My mindset I believe I can do more and I know it and the abundance in all aspects of my life. I believe that if I share knowledge with other people, share my contacts, that it will open the door for more knowledge to me, and not less. There is so much to discover and explore, and one life is not enough. What advice would you give to a woman considering a career in your industry or what you wish to know before starting your career/business? One of the things I wish I knew before starting the career is - trust the process and don't get discouraged or upset by every comment. People in general mean well and they do the best they can. And sometimes they can be cruel and mess up, however, that shouldn't take your light and make you doubt yourself. If they can't do it, it is Ok, that is their world and capabilities, respect it, however, that doesn't mean you should stop from your dreams. Do me a favor and be rigorous to the fact from whom you take the advice - who are your mentors and people around you that you trust and spend your valuable resources - money, time and energy. When my husband and I decided to leave Bosnia and Herzegovina, our secure jobs, our home country to come to Austria and start from the scratch, without the job, contacts and knowing the language. There were people who doubted this idea, they wanted us to stay back and there were people who said, we understand, we see it for you, here is the contact from my friend in Austria, who may answer few questions for you. Basically where to start from. We were very much grateful to both of this people. But you can imagine, who I go for lunch with once I am in my home country. Try new things out, go explore and outgrow yourself. What is the worst-case scenario? In my case with moving to Austria? Spending all the savings, not finding the job, going back home and starting all over again. With of course, new skills, knowing new language, trying new things out, getting to know few more people, bringing new ideas and experiences etc. This is how I see the world. Focus on yourself and where you want to go and look for the ways and people that can support you getting there. Everything else is a big noise.


ADELA MEHIC-DZANIC What do you think companies can do to encourage more women to choose careers in tech and rectify the imbalance? One thing is for sure. They need to believe in it and walk the talk. Not for the shareholders and having "nice numbers" but to go that extra mile and show true, authentic leadership. And that is rare nowadays. We, society, together collectively have some homework to do and realizing that "one-size-fits-all" model is not the one anymore and not what we want. Collectively. I see women encouraged every day to take that step towards the career in the tech, honestly I don't see and hear much from women saying I am so afraid of coding, or coding and computers are not for me. Yes, some of them, but most of the women I met want to make the difference, take on the responsibility, make the decision, build the products etc. And honestly, how often do we have to repeat this so that society and decision makers take this seriously. 50% of the population are women, and we are the equal users of technology if not more, than men, so when will the companies ignore that fact and pretend there is not enough women there available to take the position? I don't believe in that. It is not realistic. And every company that is here to stay, should move from the initiatives and wish list to owning it and bringing up the experts on board to help them achieve that. There are various methods and approaches and we live in time where we can't say we didn't have the access to that information, or that wasn't available. We live in the information age and we can for sure make such decisions. Examples: if the company is serious, how many women did they hire in the last months/years; how many have been promoted and if not, why; looking forward what are the initiatives such as executive and leadership development/mentoring that can be implemented; salary gap - implement the policy to prevent this from happening; no more "one-size-fits-all" working model, where we all work 9-5, why not offering some flexibility and creativity, allowing your employees to create their days and empower them to make the decisions. In your opinion, what workplace/business?

is

the

biggest

obstacle

for

women

to

succeed

in

the

As you know very well, this list is very long, unfortunately. One thing I am very passionate and devoted to it the access to education and realizing the opportunities that come with it. If we run this simple example. There is a common understanding that for growing your career, an MBA can be a major career booster. Well, good MBA costs money, time and energy. If women are underpaid, for the equal position and they do most of the work at home, how can one woman afford this expensive program in all aspects. I have done an MBA and gone through this experience myself and without the great supporting system at home from my husband and at work, from our management and colleagues this wouldn't be possible. It would be hard to achieve it. This is a basic math. Underpaid, weak supporting system from the company, holding most of the responsibilities at home, poor access to mentoring and networking are few obstacles that might sound simple and easy to solve, but they are not. And through my engagement as the Vice president of two women's networks in Austria, I hear such stories all the time. One way or the other, our plans and ambitions get back on the list.


ADELA MEHIC-DZANIC How do you find inspiration in your life? On some days, in everyday's life and people, on some other days, I keep looking at my role models, my mentors as well myself - how far have I come and how much more I want to do, share, serve, empower, change. Life is in the constant motion and I truly believe in that I can change things and outcomes. First starting with myself - walk the talk, be authentic as they say. I come from a very poor beginnings, we had food on our table every day, I lost my mother at an early age, during the Balkan war, and I remember my childhood changing from one day to another. One day I was happy, free, joyful, running around through the green fields with my siblings and the other day, I lost my mother within few seconds (it was an accident) and right after that the war started and my father and my 3 brothers and sister, kept moving from one house, one place to another. Once the war was over, we came back to an empty house. I don't have any toys, pictures, blankets - that was lost. Most importantly our lives have been saved and we could rebuild our life again together. Healthy and safe. My life is my inspiration. When it is hard and though, I kept going back and taking the energy and inspiration to from where I started and where I am now. It has been a long way but I wouldn't change it for another one. There is a reason for all of it and I am blessed and grateful to share my story with people around me, hoping to inspire them and empower them to see beyond where they are and embrace the beauty of this one life we have. Now and today is granted, hopefully tomorrow too, but it is not guaranteed. Make the best out of it. To what do you attribute your success? *I don't give up and don't accept No as an answer. If I want something, I am going all in to get it, I will turn around the whole system and my brain will start connecting the dots, the puzzle and I know I am getting where I want. In most of the cases, the results are beyond expectation and what I could dream off. As I wrote above, my life story tells a lot about my personality. Not giving up / persistence is one of the keys. Secondly, I am a visionary, I love to see 3-5 steps beyond where I am. Thirdly, as in all stories, it is determination, focus and work - hours invested into projects. We can call it different names, hard work or smart work, at the end of the day, you can follow any strategy, there is work involved and showing up and committing. I know I am here to do big things and my passion is serving people, giving back to the community is the best way forward. This year I have started my little project, for myself, my personal goal to tell my story to 1000 women to inspire and empower and give back to the community. Being open, sharing and collaborating is the way I see this world. One thing I could add at the end, is that I generally spend most of my time developing myself, professionally and privately, investing in myself and striving towards being better day after day. I don't compare myself to others, my personality and essence is about collaborating, being creative, finding the inspiration in others people stories and successes. And once I am adopted this habit, it made a profound influence on my life and the decisions I make. Such as who are the people that I spend time with, which is as well crucial to our success. Spending time with ambitious people, my friends and mentors that push me forward, that are my best cheerleaders has made the profound impact on my life and couldn't be more grateful that I have discovered this element of life.


SO PLEASE, ASK YOURSELF: WHAT WOULD I DO IF I WEREN'T AFRAID? AND GO DO IT. FAVORITE QUOTE BY SHERYL SANDBERG, FACEBOOK COO. ADELA MEHIC-DZANIC


DR. ELS VAN DER HELM Co-Founder & CEO of Shleep

Tell us about you and your career, Dr van der Helm. Put simply in one sentence: I’m passionate about bringing the power of sleep to organizations! I cofounded Shleep, a company that helps businesses create a stronger wellbeing and performance culture. I pursued sleep in academia: I studied the effects of sleep on the brain during my PhD in Psychology at the University of California Berkeley, the effects of sleep on memory at the Netherlands Institute for Neurosciences and emotional processing at Harvard Medical School. Prior to founding Shleep, I worked as a management consultant at McKinsey & Company. A day in your business life! Well, I have a daughter and son so the first order of business is to wake up early every day to make sure that I can get them to daycare and be present as a parent while still taking care of myself. A normal working day is typically a busy day, with lots of meetings and discussions within the team and with clients. For me and my fellow “Larks”, the day usually starts early. I check on my schedule, emails and important tasks ahead, usually allocating a chunk of time on sleep research, whether it’s for a monthly webinar that I host at Shleep, workshops for clients or app content. There is always something new and as a science-based company, I make sure that we are always up to date with the latest science. As a team, we encourage each other to take calls “outdoors” in the afternoon. It is quite energising and helps us through our afternoon dips. Every day is a packed day at Shleep, but seeing results and knowing the benefit of what we’re doing keeps us motivated.


DR. ELS VAN DER HELM Technology is a male-dominated field. Tell us about your experience in the tech sector. Tech is not the only male-dominated field I’ve been in. It started in academia, then in consulting, and finally in tech. To give you a rough idea of the gender balance throughout my career: I ended up in academia because of my fascination for the topic of sleep, which started back in high school when I was 16 years old and read “The Promise of Sleep” by Prof. William Dement from Stanford (obviously a male). During my Psychology degree, I got my first chance to conduct sleep research myself (with two male professors). I found the internship so exciting that I decided to continue on this path, and I applied to work at Harvard Medical School with two of the best professors in the sleep and cognition field, again both male. I then followed one of them over to UC Berkeley for my PhD. It was only there that I got to teach with a female professor in the field of sleep (Prof. Alison Harvey). What then happens is that you compare yourself to that person and ask yourself: Am I like her? Which is a ridiculous question, as it’s just 1 specific woman, but it’s the only role model you have. The same thing happened when I joined McKinsey and there was (at the time, lots has changed since) only 1 female Partner in our office out of about 25 Partners. I again asked myself “Am I like her?”. It’s great to have at least 1 role model, but you need a larger set so that you can see for yourself that many different types of people can reach the top (including you). Do you think there is a diversity issue in the tech sector? Do you notice a lack of women in technology? Has it affected you in any way? There are clearly diversity issues in the tech sector, and not just of gender. But let's stick to gender for now. What helped for me personally is that my grandfather and father are both very driven, entrepreneurial and have never held me to a different standard than my older brother, so that has always really empowered me. Of course, the decade-long trend of men in most leadership and powerful positions creates an environment suboptimal to women. Not seeing yourself represented at the top hurts your own feeling of belonging, but also often objectively hurts your chances of getting there. That’s why I’m a proponent of the women’s quota, even though I hope that we soon won’t need to have such policies anymore, because it’s truly equal in the workplace. It hasn’t affected me in ways that I’m aware of, but perhaps the issue is that you’ll never really know. Did that one investor treat my idea differently because it came from me versus a man? I’m in a group of other female founders and I hear so many stories of investors approaching female founders differently than male founders and not being taken seriously. It’s very frustrating. I might have had a bit of an advantage in having a male co-founder and to be honest, the sad part is that I’m not sure I’d ever have taken on a female cofounder, as it would have created a risk of being labeled “those women who do something on sleep”, putting us in the “soft” corner. I could already picture it (whether it’s fair or not to assume people will think that). My clients are mostly male (another example of a need for women’s quota), and having a balanced founding team is, I think, in our advantage.


DR. ELS VAN DER HELM Do you think it is getting easier for women to get into Tech? I think that times are changing, and if you are a woman who wants to get into tech, do it! I’m not saying that there aren't more challenges being a woman, but don’t let it stop you, instead help break down any differences left between men and women pursuing their career in this field. Are there any particular women in tech who have inspired you? When I was growing up, there weren’t many women in tech. Now, I am proud to say that there are many women in tech who inspire me every day. One who stands out is Kathryn Finney, Founder and CEO of ‘digitalundivided’. digitalundivided (written without capitals and shortened as DID) is “a social startup that merges data and heart to develop innovative programs and initiatives that catalyzes economic growth in Black and Latinx communities”. She’s been at it since 2012 and the growth since then has been strong and inspirational. To top that, her work and results are incredible. Her website is https://www.digitalundivided.com What are some of the biggest challenges that women who want to venture in the world of technology face today? Thankfully, the barrier to entry for women to venture into technology is getting lower and lower. With more women in technology and burgeoning support groups such as Female Tech Leaders, women have now more opportunities and confidence than ever before. Perhaps one of the biggest challenges is “Patriachy”. As said earlier, decades of mostly men in high up positions of course leads to a suboptimal environment for women (it would have been the same the other way around). I think that means that women have to perform even better than men for the same positions, until things end up being more equal. The best thing we can do is to all become more aware of this inequality and standing up to address it over and over again. What do you think companies can do to encourage more women to choose careers in tech and rectify the imbalance? At Shleep, our team is working on sleep research that everybody can benefit from. We look at the common problems people face when it comes to getting enough sleep. Companies can start and further themselves by evaluating the problems the same way: listening to the common struggles, bringing them out in the open, and working together to break down the wall of imbalance. What do you think we should be doing more to encourage more girls to consider a career in tech? There’s always work to be done – it starts with getting over old gender biases and not projecting them onto ourselves and others. As mentioned before, what helped for me personally is that my grandfather and father are both very driven and never held me to a different standard than the boys in the family. While we empower girls at home, we can empower girls in schools through erasing those same biases in the education system. Giving girls special opportunities to showcase themselves and teaching them about other strong women can give them more role models that look like themselves, further pushing their confidence to do what’s always been possible. Instead of calling her bossy, tell her she has leadership skills. I personally love the children’s book “Good night stories for rebel girls: by Elena Favilli and Francesca Cavallo, who wrote this book to ensure young kids get to hear more about female heroes, not just princesses. I’m making sure both my daughter and my son get to hear about these stories and see a mix of role models.


YOU CAN NOT FAIL. YOU ONLY WIN OR LEARN. FAVORITE QUOTE DR. ELS VAN DER HELM


KRISTEN GIRARD Cherry-webagency CEO

Tell us about you and your career, Kristen. I started working in digital in 2018, following a meeting with a digital nomad who introduced me to IT. I found it fascinating and decided to start webmaster training in 2019. I then worked as a web editor for a few months and took the opportunity to travel and gain some experience. I then opened Cherry-webagency in April 2019 where I design websites. Passionate about ecology and digital at the same time, I realized that digital is extremely polluting! I therefore approached the Green It Collective of which I am now a part which raises awareness about web eco-design. So I trained with them and am now an eco-designer of websites. The subject fascinates me and I love my work! My company is also part of the association 1% for the planet which consists in donating 1% of its annual turnover to associations and companies with ecological goals. Did you always know that working in technology was what you wanted to do and how did you decide to go into it? I used to work in tourism and quit because of the pollution it caused. I didn't want to condone that anymore. I turned to the world of Tech which gives me great freedom of action as a freelance, a lot of meetings, innovative projects! it's exciting ! Do you notice a lack of women in technology? If so, why do you think that’s the case? There is a clear lack of women in tech, but I find that is starting to change. Men and women think differently and it is important that women bring their know-how and creativity in this area. Have you ever been in a situation where you have felt discouraged to pursue your dreams as a woman? How did you handle it? I tend to get discouraged sometimes but it doesn't last long because I like to learn and renew myself and in this area that's what we do constantly.


KRISTEN GIRARD What advice would you give to a woman considering a career in your industry or what you wish to know before starting your career/business? I would tell him to get started and position himself on more and more advanced projects in order to progress. Dare to give your ideas and express yourself. Do not run away from the difficulty but rush into it to achieve your goal!

In your opinion, what is the biggest obstacle for women to succeed in the workplace/business? Perhaps the biggest obstacle is the number of competitors there are in this field. I therefore propose to become a partner and create innovative projects hand in hand rather than seeing it as a competition for the one that will happen best. How do you find inspiration in your life?

Who are your role models for women in tech? Aurelie Jean is a model for me! Exciting and intelligent, I read her book on artificial intelligence, she is full of ideas and is essential in a man's world. What do you think companies can do to encourage more women to choose careers in tech and rectify the imbalance? Companies can encourage women simply by letting them speak and giving them more important roles in their hierarchy

I find inspiration in the trips and the world around me. Everything is a pretext for innovation: improving the lives of the poorest people, improving the accessibility of websites and access to technology for people with disabilities, for example the visually impaired, etc. To what do you attribute your success? I think I have to attribute the success to the pugnacity and the fun that this job gives. It's not really a job anymore when it's a passion.


BE THE CHANGE YOU WANT TO SEE IN THIS WORLD. FAVORITE QUOTEÂ - GANDHI KRISTEN GIRARD


MJ (MARIA JOĂƒO) MARQUES Talkdesk Product Manager

Tell us about you and your career, MJ. Like a lot of young adults my age, I started working in a Call Center to help pay for college. I worked in telecommunications, banking and finally, the tech industry. I started at Talkdesk 5 years ago as a Tech Support Representative and I had the opportunity, two years ago, to change into a Product Management role. I never thought my 10 years of working in the Contact Center industry would come in handy, but they did. Did you always know that working in technology was what you wanted to do and how did you decided? Not really. I took Communication and Cultural Studies in College and I wanted to be a journalist. And even though I've always been interested in technology and a tech savvy person, I never thought I'd work with technology. Before joining Talkdesk I didn't even know what a Product Manager was, let along consider a career doing just that. Getting into Talkdesk was a happy coincidence of finding a friend of mine from college who worked there. He convinced me to come and work with him, and since I already did some tech support in the OLX Group, it made sense to me. After 3 years of doing and managing Talkdesk's Customer Support, I decided I wanted to be where I thought my voice could be heard. I wanted to make changes and apply all my contact center knowledge to our product, so I spoke to our Chief Product Officer, CK, and asked her if she wanted to give me a job, which she accepted right away.


MJ (MARIA JOĂƒO) MARQUES Do you notice a lack of women in technology? If so, why do you think that’s the case? Yes, of course. Although we see more and more, I remember when I joined Talkdesk I was probably the 5th woman to join the team in Portugal and we had around 30 or 40 men at the time. And even when we started growing and hiring more people, the majority of women we'd hire were for other areas like HR or Finance. For the longest time we only had two women who were Software Engineers, and around 80 men. In Talkdesk's case, I do not believe we were looking away from hiring women Engineers at all or that there was some kind of preference, I do believe there are less women doing software engineering than men. Although we are seeing change, it is still common to not encourage young girls to pursue a career in technology or science. Boys play with computers, girls play with dolls. I think it stems from that and I really do hope this changes and we are seeing progress. My mom bought me my first gaming console when I was 5 years old, maybe I wouldn't be interested in technology if that never happened. Who knows. Have you ever been in a situation where you have felt discouraged to pursue your dreams as a woman? How did you handle it? I don't believe so. I've always been encouraged by my peers and by my direct Leadership to grow and better my skills. Of course now, my direct manager is a woman, but even when I reported to men, I never experienced anything that made me feel discouraged. A few mansplaining here and there maybe.

What advice would you give to a woman considering a career in your industry or what you wish to know before starting your career/business? Always be open to learn and read. Read about the industry you want to work in, there are so many articles out there where people share their experiences in the tech industry and what they had to go through. Reading those experiences and learning from them has been pivotal to my professional growth as a Product Manager. It also helps to have a great manager and mentor, of course, but if you do not have it for some reason, look to your peers, even if they don't work in the same company. Ask for advice where you can find it and never be afraid to ask questions, no matter how dumb you think they are. Who are your role models for women in tech? I have to go close to home with this one since these are women that I know well or have worked with. I like to think that I take inspiration from Cristina Fonseca and my direct manager, Tiffany Milligan. Cristina, as you know, is Talkdesk's co-founder and now Enterpreneur and Venture Capitalist and Tiffany's a Director of Product Management at Talkdesk. Very different women, but very inspirational in their own way. Cristina's my age and I'm always in awe with what she has accomplished by simply having the tenacity, creativity and, well, it helps to be talented like she is. She's very well versed in public speaking and has a way of getting hers ahead but without disrespecting anyone. She's a people person and she's the living proof to all the CEOs and cofounders out there that you don't need to be an asshole to get ahead. Her kindness always amazes me. And as for Tiffany, she's older, more experienced. She has years of Product Management and she knows all the tricks in the book, she helps me everyday improving my skills. She's kind, smart, knows her worth and has given me so much good advice that I can't even...


MJ (MARIA JOĂƒO) MARQUES What do you think companies can do to encourage more women to choose careers in tech and rectify the imbalance? Honestly, I have no idea. I know a lot of companies tour around Universities, maybe they can start checking out high schools as well to let kids know what a job in tech would look like and to get young teenagers interested in technology. I know that in the US it's normal to have job fairs, maybe it's something that could be promoted here in Portugal. I know that if I knew what was out there, my college path would have been so different. In your opinion, what is the biggest obstacle for women to succeed in the workplace/business? There's a tendency to not hear women, unless they are in a really high place of power, and even so, there's a tendency to disregard what we say. I can't tell you how many times I've been in a room filled with men where I can't get a word in, and I'm outspoken and have no problem expressing myself, so I can imagine what it is like for other women who are more introverted. Do not be afraid to speak out and share your opinions and if you need to talk louder, talk louder. How do you find inspiration in your life? I look up to my mom, my peers and my friends who have always supported me in my career. I also like to dig around a lot into Product Management and in ways I can better myself.

To what do you attribute your success? Being funny and hard working. I like to tell you like it is but with a smile and a joke. It also helps to have an amazing mentor/manager and coworkers who care and help when needed


ALWAYS WITH YOU WHAT CANNOT BE DONE. HEAR YOU NOTHING THAT I SAY?…YOU MUST UNLEARN WHAT YOU HAVE LEARNED…. TRY NOT. DO. OR DO NOT. THERE IS NO TRY. FAVORITE QUOTE MJ (MARIA JOÃO) MARQUES


NEHA MISRA The Fin Lit Project CEO

Tell us about you and your career, Neha. I started my career in technology for a leading Indian Tech company working for a US-based client.5 years into it, I realized that business education was an added benefit to a tech career and did my post-graduation in business studies from one of the top institutes in India and moved into the fascinating world of finance. Thanks to my tech and finance background I was selected to work at Wall Street for a leading Stock exchange called LTSE. With 9 years of experience under my belt, I am now leading The Fin Lit Project to build a tech-enabled global financial literacy solution in India. Did you always know that working in technology was what you wanted to do and how did you decide to go into it? Computers and tech became part of my DNA thanks to my Dad who holds a PhD in Computer science. It started with flowcharts and algos and evolved into a Bachelor in Tech (honours) degree. Do you notice a lack of women in technology? If so, why do you think that’s the case? in a class of 120 students, we just had 5 women and that's where the current stats stand. The case is worse for developing economies where women have always been on the backfoot and that's what is evident in the skewed ratios today. Who are your role models for women in tech? Kiran Majumdar Shaw, Devina Mehra., Marissa Mayer and Sheryl Sandberg.


NEHA MISRA Have you ever been in a situation where you have felt discouraged to pursue your dreams as a woman? How did you handle it? As a mother of a one year old kid, I had to choose between career and family, not once but numerous times. The fact that women need to prove extra just so that they can pursue their dreams is a harsh reality but i always live by my school motto of Perseverance conquers all and that's what has kept me going, despite numerous odds. What advice would you give to a woman considering a career in your industry or what you wish to know before starting your career/business? Embrace those opportunities receptive to new Technology.

and

be

What do you think companies can do to encourage more women to choose careers in tech and rectify the imbalance? First create those opportunities and be flexible to encourage women.

In your opinion, what is the biggest obstacle for women to succeed in the workplace/business? The male dominated glass ceiling. How do you find inspiration in your life? Take one day at a time and keep learning and growing. To what do you attribute your success? To my persistent attitude supported by family eventually What's your favourite quote? If you believe in yourself and your dreams, It will happen.


IF YOU BELIEVE IN YOURSELF AND YOUR DREAMS, THEY WILL HAPPEN. FAVORITE QUOTE NEHA MISRA


VIOLETTA SHISHKINA CADChain BV CEO

Tell us about you and your business. I'm a linguist who also got an MBA and eventually started a company in engineering. Multidisciplinary approach to life is in my DNA. Did you always know that working in technology was what you wanted to do and how did you decide to go into tech? I am a kind of a person who doesn't find joy in a 9 to 5 office job. Before becoming a founder of a startup, I traveled the world, studied in different universities in several countries, worked different jobs. I was a freelance translator and teacher of English in the past several years. I guess it was only a matter of time until I would have decided to do something else. And that something else turned out to be a startup. Being a founder and an entrepreneur quenches my thirst for excitement and pushes me to explore new horizons. Day after day, time after time. Finally I feel like I have found my place in this world: I can work out of anywhere with an Internet connection and I never know what's going to happen tomorrow. Do you notice a lack of women in technology? If so, why do you think that’s the case? At almost every meeting I am one of very few women. The reason for that is that from early childhood girls are only encouraged to pursue careers that are considered to be female. They are not given the opportunity to choose. This is especially visible in traditional societies like Russia, where I am from. Have you ever been in a situation where you have felt discouraged to pursue your dreams as a woman? How did you handle it? Constantly. It started as early as middle school, where we were told to wear skirts and learn how to sew, whereas I liked pants and upgrading my desktop hardware. It never stopped me though. It just made me push even harder.


VIOLETTA SHISHKINA What advice would you give to a woman considering a career in your industry or what you wish to know before starting your career/business? Just go for it. It's actually very funny to see people get confused when they think you don't belong somewhere. It gives you a certain advantages: they underestimate you while you have all the time in the world to succeed under their noses. Who are your role models for women in tech? Susan Wojcicki, Samantha Snabes What do you think companies can do to encourage more women to choose careers in tech and rectify the imbalance? Create educational programs for kids. You have to get them early on. I know that my startup will definitely do that.

In your opinion, what is the biggest obstacle for women to succeed in the workplace/business? Women themselves. There's usually innate disbelief in their abilities. But I am an example of someone who can be a CEO and raise two step kids while planning to have another kid. How do you find inspiration in your life?  The sense of freedom is my inspiration. I know that I am free to do what I want (even though it's not always true), and this feeling makes me strong. To what do you attribute your success? My mother and my constant desire to follow my dreams.

POWERED BY

BE A COLLABORATOR


IT NEVER STOPPED ME THOUGH. IT JUST MADE ME PUSH EVEN HARDER. A SITUATION WHERE YOU HAVE FELT DISCOURAGED TO PURSUE YOUR DREAMS AS A WOMAN? HOW DID YOU HANDLE IT


Laurie Wang ARTICLES


The Psychology of the Crisis: Resilience in Difficult Times Advice for leadership in challenging times Why are some people handling the coronavirus crisis better than others? The coronavirus pandemic has reached every corner of the world by now, yet the ways people respond to it vary greatly. While some succumb to panic, others keep their calm and focus on solutions. This, naturally, depends on the degree to which people are personally affected and especially whether or not their livelihood is at risk due to the health-related and economic consequences of the pandemic. Beyond that, there are cultural differences in how people deal with a crisis: “Talking to students and alumni from the CEE region in the past weeks, I’ve often noticed that they cope with the coronavirus crisis in an entirely different way than most people in Austria or other Western countries. But why is that the case?” Prof. Barbara Stöttinger, Dean of the WU Executive Academy in Vienna, asks.Whenever this question is posed among the WU Executive Club, the business school’s alumni community, members give fairly similar answers: as opposed to the people in democratically ruled, affluent Western societies, many natives from CEE countries have already lived through crises in the past 30 years. Where the West was “only” affected by the financial crisis of 2008, CEE countries had to deal with wars, displacement, and the Iron Curtain.


How the Crisis Makes us Stronger Adela Mehic-Dzanic is Vice President of the WU EA Female Leaders Network and heads the Connectivity Service Providers (CSP) segment of the software company Mavoco in Vienna. Her story and background are typical of that of many people from the CEE region. During her childhood in Bosnia, the people in Yugoslavia were doing well: “We had everything; we took vacations in Croatia and Montenegro, and the universities were flourishing.” While Mehic-Dzanic’s grandmother, a mother of ten, was illiterate and signed documents with her fingerprint, her father and mother were shop owners and brought up five children. But then the war broke out in 1992: “Overnight, our entire world was turned upside down: we had had everything, and all of a sudden we had nothing.” The family had to flee to several different regions before they could finally find refuge with relatives. This experience left a deep impression on the young woman and her whole generation: “I often talk about this time with my friends, many of whom have built companies here in Austria. The coronavirus crisis reminds us of what it was like back then.” But the crises they have already had to master have made them tougher: “We saw the coronavirus crisis coming, analyzed it, gained a rough understanding of its effects, and then we simply carried on. We regrouped and adapted.” Reflecting on the situation together and resorting to humor has helped them cope with the situation: “Most of my friends said that the current situation is by far not as bad as the things we have lived through. We have enough to eat, roofs over our heads, working infrastructure, and our families are healthy and safe. We do not have to leave our homes, and we either have jobs or will find new ones.” Trust and Coping Strategies There are vast differences in the way a crisis affects an individual’s mind and brain, says Prof. Stephan Doering, the Chair of the Department of Psychoanalysis and Psychotherapy at the Medical University of Vienna: “It depends on a person’s inherent and acquired resilience, their disposition, whether their formative relationships were empowering or burdensome, in short: his or her personality.”People who have already overcome a crisis are generally more resilient: “They trust their own capabilities more and more and are confident that they will be able to weather another crisis because they already have coping strategies at their disposal. What is more: there is a lesson to be learned from every crisis. It is very likely that in the future, many entrepreneurs will implement different economic safeguards than in the past,” Doering says. True Leadership is Particularly Important During a Crisis As a manager, Adela Mehic-Dzanic made sure she was there for her staff; the lockdown, working from home all of a sudden, closed borders, and being separated from friends and family were “a huge shock” that affected both the “professional and private sphere.” Right away, she had to answer the following question: “How will this situation affect my team and our projects, and how secure is my job?” Gradually, the team got used to the “new normal.” They received new project requests, and customers returned. Luckily, as a software enterprise, working from home and collaborating virtually in five locations across Europe were not exactly new tasks for her team. Adela Mehic-Dzanic made up her mind to proactively look for solutions.

I always try to lend a helping hand to others, share my knowledge and experiences, be there for my team, remain open, and act transparently. Adela


Adela Mehic-Dzanic has seven pieces of advice for executives looking to crisis-proof their mindset: 1. Be Willing to do the Work Never underestimate the power of positivity: no crisis lasts forever; sunshine follows rain. The sooner you internalize this, the better. I have read numerous success stories of remarkable leaders of the past and what they all had in common was that none of them had it easy in life. I have decided to believe in a better future, and I am willing to roll up my sleeves and keep putting in the work. It is important to me to serve as a role model for others. 2. Use Your Time Wisely I decided to spend the lockdown working on my ten-year vision, taking extra good care of my health, furthering my professional and personal development in group coaching sessions with other entrepreneurs from around the world, and continuing to serve my community through various networks such as the EA Female Leaders Network and other projects. I am motivated by the goal to surpass myself and also be there for my community. There are a lot of people around us who have had a much harder time than we. 3. See the Positive Side of Change Befriend change and welcome it with open arms. I have been working in the fields of IoT and digital transformation for more than five years, advising enterprises from around the globe on change management and the inevitability of change. Most chose not to believe in it, but those that did moved mountains. The crisis suddenly made many things possible: in a matter of only a few weeks, even the most traditional companies went digital. Having run out of alternatives, they started a web shop and soon could not imagine business without one any longer. 4. Learn From the Past Recognize what is and imagine what will be. Keep the big picture in mind as you march on, moving into the right direction step by step. 5. Trust Your Team The larger part of your team will be looking for change anyway. All they need is your support. In most cases, your team members will know what to do. Trust them and also trust the process. 6. Keep Your Focus on Finding Solutions Stop concentrating on everything that is going wrong. It is a waste of energy and won’t solve any problems. 7. Keep Learning We go through many crises in life and can use them to form a pyramid in which every crisis is a building block, adding stability instead of drawing us into a downward spiral. Let’s create a better future for ourselves and the next generation.

ADELA MEHIC-DZANIC Adela Mehic-Dzanic, a manager and a graduate of the Professional MBA Entrepreneurship & Innovation from Bosnia and Herzegovina, and Prof. Stephan Doering, Chair of the  Department of Psychoanalysis and Psychotherapy at the Medical University of Vienna, analyze why this is the case and offer some advice for executives navigating stormy waters. Adela Mehic-DzanicVice President of the WU EA Female Leaders Network and Professional MBA Entrepreneurship & Innovation alumna.


HOW INTROVERTED LEADERS CAN IMPROVE THEIR COMMUNICATION STYLE AND GET BETTER ENGAGEMENT Good leadership is often associated with extroversion, and the sociable aspects of extroversion are often the reason why this is so. Because some introverted leaders don’t have the sociability factor, they can be misconstrued by others and it can negatively impact their verbal communication. Because they’re not an open book and tend to keep themselves to themselves, many introverted leaders tell me that people often mistake them for being aloof or not caring. One person once told me how her colleague thought she was a snob until he got to know her properly. Not being so sociable and readily letting people in to their ‘space’, it can take longer to develop interpersonal relationships in the workplace. Something that is required if you are to engage and influence. Equally, introverts are renowned for having solid relationships when they do eventually let people in. Effective communication is essential to good leadership. Leaders need to be skilled at communicating with all levels in the organisation, and with stakeholders. They need to be able to adapt their communication style according to the audience. Is your verbal communication having the effect that you would like? If your communication style is missing the mark and you are not engaging others and making the impact that you want to, here are some suggestions: -


Develop awareness of how your behaviour impacts others Developing an awareness of how others perceive you will enable you to identify how to adapt and modify your behaviour. Get to know the situations and environments that energise you, that drain you, and those that make you feel like withdrawing into yourself. The energy you put in and give off to others will either attract or repel them. For example, when giving a presentation, it's not just about the content but how you deliver it. Even the most boring of topics can be engaging if done in the right way. This is particularly so if the presenter is passionate about the subject they are speaking on. Health and safety used to be a bit of a dry subject for me. I remember years ago attending health and safety training for leaders which literally sent me to sleep. The trainer didn’t engage the audience and there was a lack of interaction. It was a whole day of being talked at with PowerPoint slides that contained far too much text. Fast forward a couple of years later and attending further health and safety training. However, this time the trainer was engaging and made the topic attractive and interesting. There was a good mix of interaction and presenter speaking, the exercises were engaging, and the presenter’s passion for the topic shone through. I left feeling inspired and with a new interest for health and safety. Inject emotion into your verbal communication A constant, monotone voice is a communication killer. Like the first example of health and safety training I mentioned above, it can cause people to disengage and switch off. If like many introverts you tend to speak in a monotone voice, you don't have to pretend that you are a high energy, high fiving person if you’re not. Instead, be aware of the impact a monotone voice has on the energy in the room. Put emotion into what you are saying, as well as adjusting the tone of your voice as and when required. Record yourself on video with your smartphone delivering a talk. When you play it back look at what you learn about yourself and what you can do to make your verbal communication more engaging. Do this periodically so you can see whether or not you are improving. Listen and observe Make good use of your listening skills, listening to what is not said as well as what is said. Pick up on awkward silences, sighs, irritation in people’s voices, and other nuances that can help you gauge how well (or not) you are engaging others. Likewise, observe how people respond to you when you speak to them. What does their body language tell you? How are they sat in their seat? If you see that they look disengaged, what can you do to re-engage them? Ask a question? Change the tone of your voice a bit? Listening is said to be our most used communication skill, and people like to feel that they are being listened to. Remember to smile Because introverts don’t typically appear as animated as extroverts, they may not smile as frequently. However, smiling can help to make your communication more effective. It can help us to connect with people and create engagement. Not only do we feel better when we smile, it has a knock-on effect. It can help to improve our mood and that of others. But make sure your smile is genuine and don’t overdo it because people can easily spot a fake smile.


Your verbal communication has the ability to engage or disengage others. As a leader it is essential to adapt your style accordingly if you are to engage, influence and make an impact.What challenges do you have around verbal communication and how do you go about addressing them? I would love to hear so please comment below and let me know.

About Carol! I am an Executive, Career and Leadership Coach, known as The Coach for High Achieving Introverted Women and 3 x LinkedIn Top Voice UK. I coach women who are senior leaders to raise their visibility and profile on LinkedIn, within their organisation and wider industry, and to lead with influence and impact. I also provide workshops, webinars and talks on personal development, career development and leadership development.Are you an introverted woman in a leadership role who understands the importance of increasing your visibility online in order to increase your influence and impact as a leader, but struggle to do it in a way that feels authentic? If so, download my free training, Be Seen Be Heard, Stand Out Online: Self Promotion Training for Introverted Women Leaders here.

Carol's book "Quietly Visible: Leading with Influence and Impact as an Introverted Woman" addresses many of the challenges that introverted women face as leaders and shows how these challenges can be overcome. It was listed as one of the 10 best self-development books written by women to read during lockdown by BeYourOwn. You can get your copy here  along with a FREE recording of my How to Overcome Imposter Syndrome workshop.


THE STATE OF WOMEN IN TECH IN RUSSIA: WE STILL HAVE TO FIND A WAY TO EQUALITY

Historical Context Sofia Kovalevskaya lived in Russia towards the end of the 19th Century, at a time when women were not allowed to attend university. To pursue her passion for mathematics, she feigned a marriage proposal and, with permission from her “husband”, moved to Germany to study abroad. There, Sofia became the first woman to receive a Doctorate in mathematics. Sofia Kovalevskaya is a role model for Russian women in STEM. Everytime people point out the lack of women in STEM, one should remember that for centuries it was forbidden for women to get education. Then and Now  Russia is a historically patriarchal country, and in many ways, it remains the same today. One narrative suggests that Russia is progressive in gender equality compared to other countries. This is largely due to the legacy of the Soviet Union, in which women were given passports, the right to vote, and access to education. These images demonstrate the revolution's initiatives around closing the gender gap, reinforcing a woman’s ability to succeed in “male” professions. The motivating factor behind this initiative was not, however, to promote gender equality, but to replace the men at war.


“Women and girls, master male professions and replace men who went to war.”

“New machinery is the way to increase productivity. I’ll master it!”

While meeting the challenge, the Russian woman’s role maintaining the household and taking care of the family did not change. In a way, the Soviet system pushed women into “double shifts”. They filled the labour gap, but were not empowered enough to receive equal status. Nowadays, gender equality in Russia is regressing. Last year, Russia fell six spots on the World Economic Forum’s Global Gender Gap Index. Now it sits at 81st, between El Salvador and Ethiopia. Despite Russia having good ratings for education and health, Russian women face income disparities and the glass ceiling at leadership level. The share of women among managers and senior government officials is 41.8%, while the share of women board members at companies is just 7%. In 2019, the average salary of a woman in Russia was 70% the average salary of a man. “For years I lived with a dogmatic sureness that I must be a good housekeeper, cook delicious dinner and keep my home nice and clean, and that's my job, not my partners, despite the fact that we both worked equally hard. It was a real challenge to take care about the household as I worked a lot, so I had to get help from a professional cleaner to get read of the guilt that I'm not a keeper. The thought that I don't have to carry all this all by myself was really liberating, I became a lot happier after getting rid of those stereotypes, but most women still live under this pressure.” - Dilyara Saetova, the Administrative Coordinator, WiT Russia. We know diversity matters not just ethically, but to a business’s bottom line. Even on a national scale, the World Bank Report states that countries with gender equality do better economically. So if gender equality is beneficial for companies, the state's economy, and social balance – why are Russian women still fighting for a seat at the table?


Women in Tech Russia The Russian chapter of Women in Tech (WiT) was launched in December 2019, after Elina Valeeva, Ambassador for WiT Russia, attended the Global Entrepreneurship Summit in The Hague. Not only did she meet Women in Tech’s Founder, Ayumi Moore Aoki, she also realized the sheer scale of the problem, through the sessions and speakers telling their stories. On one panel, a female entrepreneur said that she sent meeting requests to six potential investors via the matching conference app. She got no reply. During lunch on the second day of the summit, she conducted an experiment. She asked a man to copy and send the exact same message to the same investors. He got three invitations to meet within the hour.  Elina, a woman founder, had a steep challenge facing her. Only 15% of startups in the world are created by women. Female founders receive just 2% of venture capital in the USA. And in Russia, the situation is much worse. At the biggest startup conference, Startup Village 2020, there was not one female-led startup among the 16 finalists. AmazingHiring reports that only 16 % of their IT candidates are women. Three of the top technical universities in the country have between 12 and 25% female students. Moreover, there are countless stereotypes and biases to navigate:  “I'm tired of stereotypes. I am very depressed by the fact that I enrolled in the university to gain knowledge in IT, and the professors continue to insist that this profession is not for girls, that we will not work in this field anyway, and so on.” - Elena, Student. “There was a stage in my life that completely undermined my self-confidence - studying at university. It is not difficult to guess how boys and girls are perceived at an aerospace faculty. I came across remarks like, “you’re a girl, you came to a technical university to find a husband”, and “a professor just gave you an A because you’re a girl.”- Irina, Student. It was a no brainer. Russia needed a Women in Tech Chapter. Taking action Soon after launching, WiT Russia organized the “Ways to IT” meetup. From that, they  received the feedback that although motivational speeches were great, girls needed a guide and toolkit on how to start working in tech.Brainstorming how to address this gap, they came up with the 4-week QA School. Over 3000 people took this course online. Victoria, one of the students, shared how the course impacted her:  “I was scared to go into the QA field because I didn’t believe in myself and was intimidated by the competition. But the course became a practical guide into mastering tools and theory as well as a source of self-confidence. The lectures were so motivating, and their examples were a game-changer for me. One month after completing the course, I got a job offer as a test engineer, which makes me so happy! My team leads are satisfied with the work I do. I am grateful to the School that led to such great results. ”


Soft Skills Power During the QA School, they received feedback from women struggling with self-confidence in the workplace. They realized it was just as important for women to work on their soft skills, as it was for them to learn hard skills.While the tech industry largely values technical achievements, if you have soft skills, it will be easier to get a job, manage your workload, and move up the career ladder. Soft skills are key qualities for professionals in the 21st century, regardless of your business or career. Even though there are a lot of tutorials where people can get technical knowledge, one can hardly find a programme where ladies could learn how to communicate more effectively, speak up for themselves and feel welcomed in a ‘brogrammer’ environment.To create Soft Skills School WiT Russia partnered with CROC, an international IT company contributing to the development of national digital ecosystems and delivering IT projects in 42 other countries. CROC shares the UN Sustainable Development Goals 2030 and considers the maintenance of gender equality in tech particularly important. Furthermore, almost half of the company's board of directors are women which is a rare example in Russian corporate world. Last year, at WebSummit in Lisbon, Polina Khabarova, Chief Transformation Officer and HRD at CROC, spoke out about the Russian IT industry, drawing attention to the female employees’ experience and gender discrimination issues in Russia. The Soft Skills School turned out to be in high demand. In just 10 days, they received 521 applications from all over Russia, as well as from Russian speaking women in New York, Berlin, and Bishkek, to name a few. The participants ranged from 16 to 54 years old, from different industries, and with different experiences. The course covered goal setting, self-confidence, effective communication, networking, and mentorship - everything dedicated to improving both personal development and mentorship - everything dedicated to improving both personal development and overcoming long held tech stereotypes. However, changing the mindset is never easy. Olga, a student, commented: “Some of the ideas were easy to accept, since they confirmed the hypothesis I already had in my mind. But most of it provoked violent resistance, even pain as I was digesting them. I had to go beyond my comfort zone. But out of this I found new perspectives, and support from new and amazing people.” Women in Tech Russia and CROC was in awe of the stories from students, each one with a different motivation, aspiration and life path: “Literally a week after finishing the Soft Skills School I got a job as a data analyst in a tech start-up. This was one of the goals that I set for myself at the first lesson and I achieved it. Thank you!”, Anna.


Stories like Anna’s keep us going.

In Summary The Harvard Business Review, the gender gap in technology has grown over the last two decades. It raises concern about the state of open-mindedness and equality in the information and technology industry.  We aim to continue working to close the gender gap and overcome obstacles women face in pursuing careers in STEM. The most common external barriers Russian women in tech stumble upon are: The stereotype that tech professions are not for girls, Lower salaries and biases at job interviews (e.g. questions about plans to have kids and family), A glass ceiling, stopping women from accessing leadership positions, and the stigma from the society about a successful woman not being a proper housekeeper. The most common internal barriers are the lack of self-confidence, severe imposter syndrome and perfectionism. What comes next?  To better understand the state of Russian women in technology, CROC and WiT are conducting an all-Russian research. We ask about challenges, opportunities and needs women have throughout their careers. This research aims to help us efficiently address inequality issues and close the gender gap. Our next big adventure is to organize the Global Women in Tech Hackathon on Machine Learning and Data Science this November. Technology, big data, advanced analytics, and AI in particular shape the future, and we need to make sure that this future is diverse and fair. AI applications can perpetuate and increase gender bias. It takes a diverse team to ensure accurate and balanced results are produced. What makes this hackathon special is that half of each team member must be women. We know that with the Data Science theme it is not going to be an easy task. But we accepted the challenge and welcome all to join us.

Find more information and sign up for our hackathon here! https://women-in-tech.org/


SLEEP: THE OVERLOOKED INNOVATION BOOSTER WRITTEN BY ELS VAN DER HELM, PHD AND TOM VAN WERSCH/ SHLEEP Better sleep improves key innovation traits in people. In today’s dynamic world, companies struggle  in dealing with disruptors who are more agile and have a higher pace of innovation. The need to have a workforce that continuously adjusts, develops new ideas and keeps your company innovative has never been higher. But how do you cultivate a work environment that fosters innovation? What factors are critical to enable people to push their thinking, come up with new solutions and follow through with them? Building a culture of innovation requires multiple  factors  to be in place, such as innovationfriendly management processes, having accountable and capable innovation leaders, establishing the right innovation metrics and of course hiring the right people and training them to think like innovators. Yet there is one factor that has significant impact on innovation and is often overlooked: sleep. In this article we explain the link between sleep and innovation. Innovation defined Though libraries have been filled with books on innovation, we summarize and define it as follows: Innovation = creativity + execution Focusing on the individual, the elements under 'execution' can be broken down into a number of characteristics: Opportunistic mindset Proactivity Persistence Prudence Social capital Formal education or training


Research shows that, put simply, sleep directly affects all of them, and we will dive into some specific examples below. The one exception is formal education or training, although indirectly sleep plays a role here too, as any education or training will be more effective when someone is getting good sleep. Creativity - those ‘Eureka!’ moments Sleep and in particular  REM sleep  has been proven to stimulate intelligent information processing that inspires  creativity  and promotes  problem solving  (nicely summarized in Matthew Walker, Why we sleep, 2017). Sleep researchers think this is due to the processes and environmental characteristic of REM sleep. The brain is in a very different state during REM sleep than it is during wakefulness, both from a neurochemical and neural activity standpoint. To get a bit more technical: part of the brain (the dorsolateral prefrontal cortex) is deactivated, responsible for what you could call “the reality check”, involved in reason and logic. This allows the brain to creatively form connections that otherwise wouldn’t come about. That such a state leads to real-life problem solving the next day has been shown in several studies, where participants were more likely to come up with creative solutions, whether it was in discovering hidden insights (e.g, finding a shortcut in a  number sequence  task), a new solution to a spatial problem (e.g., finding your way in a  maze) or learning a new language with different higher-level grammatical rules. In other words, when you sleep (and dream), you become better at processing information and coming up with creative ideas. In fact, when placed in a graph, the sleeping habits of some of the most creative people in human history – from Thomas Edison and Charles Darwin to Beethoven and Mozart – reveal that most got on average over 7,5 hours of sleep a night. This is not a coincidence. To play your creative A-game, you need to have enough good quality sleep.

Execution - your ability to make things happen But sleep doesn’t just affect creativity. It also boosts  both cognitive (IQ) and socialemotional (EQ) skills through its deep impact on the prefrontal cortex. It’s often the dynamic interplay of IQ and EQ that underlies real innovation in people. The earlier mentioned traits linked to execution - an opportunistic mindset, proactivity persistence, prudence and social capital - all rely on your ability to assess and prioritize the most important factors in a playing field, to use emotion for navigating decisions, and use logic to calculate risks and opportunities. In short, when you’re sleep deprived the key traits needed for innovation all take a hit. From: Daily Rituals: How Artists Work, by Mason Currey, 2013

Since people make or break a company’s success, and being innovative is a crucial condition for any business that wants to conquer their market in today’s rapidly changing environment, companies should think about how to enable their people to be their most innovative self. Sleep should be part of the equation.


Is your workforce sleeping enough? The American Center for Disease Control and Prevention (CDC) calculated that at any given moment, 1 in 3 people are sleep deprived, though they may not be aware of this. That’s a third of your workforce, irrespective of role, seniority level and gender, not performing at their best. A third of your workforce missing out on creative insight, being less driven, less innovative than they can be. In order to change your company’s culture around sleep, responsibility lies both with the company leaders and the individual employees. It takes both to make an impact. So what can a company do? Where to start? Meaningful change starts with knowing where you are now. How to improve sleep in your company ‘Know yourself’ was carved at the forefront of the temple of Apollo in ancient Greece. What was true then, is true today - any meaningful change starts with knowing where you are now. So start with assessing how your people are currently sleeping and what the main issues are. This data and insight will create a burning platform for change in your company. Next, tackle the biggest drivers of poor sleep, and begin with the leaders role-modeling the right behaviors. Time and again in our client cases, we’ve seen that the impact of any corporate sleep effort is enhanced greatly when the leadership demonstrates the right behaviors. Lastly, you’ll need to offer your people the necessary support systems in making the right changes in their behavior. Individual tailoring is key The most common sleep issues are insufficient sleep and poor sleep quality. But the drivers of these issues, and the appropriate changes in behavior to make, differ greatly from person to person. Some people need to learn to prioritize sleep, synchronize their bedtimes or make it a habit to unwind in the evenings. Others need to stop snoozing or reduce the amount of caffeine they take in during the day. Performing a sleep assessment is a great way to get a feeling for these individual differences and the appropriate response. A well-rested workforce will pay off dividends long after the investment in sleep optimization.   To innovate better, sleep better When it comes to innovation, you can’t predict where the next great idea that brings your business to the next level, will come from. But what you can do is put your people in the best possible position for creativity and innovation. So while you can’t control which playing card comes up next, with improving sleep you can ‘stack the deck’ in your favour.

About Shleep Shleep focuses on improving the health of companies by improving the well-being of leaders and their teams through a digital sleep coaching platform. Shleep supports clients in creating a cultural change around the topic of sleep and well-being through the platform and team-based programs. Clients include top consultancies, tech companies and banks, such as McKinsey, Deloitte, PwC, Facebook, Spotify and Booking.com Visit us at www.shleep.com or drop us a message at hello@shleep.com to find out how we can help you improve sleep in your company.


THINGS YOU HAVE TO FORGET IN ORFER TO SUCEED BY SUSANNE BIRGERSDOTTER

In our quest to succeed, we often collect and list items that we think we need. We are focused on what we are missing, how to get it, and how to achieve it. We rarely look at things that are cluttering our space. The excess baggage that is hogging our mind, attention, and everyday life can be as harmful as not having the elements we need. And sometimes, they are the ones that are holding us back from success. Here are some of the most common distractions that can hold you back from achieving your dreams. The perfect timing The most successful people do not waste time waiting for the perfect time or the sign. They simply start doing what they want and need to do. They adapt to the times and make the timing perfect. Don’t wait for your children to have grown up, to have the ideal funding, or for the perfect partner. Start your business now. Your comfort zone Getting out of your comfort zone is the only way to achieving great success. The best tools to success – learning, changes, and realizations lie outside of your cocoon. The road to success is never comfortable, and only those who are brave enough to step out of their comfort zones will have a shot at it. Your unhealthy lifestyle If you are going to take of a business empire, you’ll need a healthy body and an active mind. You need to take care of yourself first before you can take on the challenges of running a business. Forget bad habits and unhealthy choices if you are to develop the longevity and athleticism of a long-distance runner and the cunning of a chess player. You have to take care of yourself.


Toxic people around you You are the product of the people around you. Drop the people who are dragging you down with negativity and bad habits. They are not helping you achieve your dreams. Instead, surround yourself with positive individuals – like-minded people who will support your quest for success. Your fear of failure The fear of failure is crippling. Not just in business, but in every aspect of our life. If we are to succeed in business, we have to accept failure and understand its workings. It is part of entrepreneurship, and we will encounter failure sooner or later. We just have to prepare for it, boldly face it, and work hard to overcome it. Your fixed mindset The business world is ever-evolving. What is selling today might be trash tomorrow, and what is worthless today could be gold in the future. Technology, innovation, political climate, social trends, economic conditions, and a whole lot more can change the business landscape in a flash. If you are to succeed, you have to keep learning, adapting, and keeping an open mind to change. Perfection Forget perfection. Many think that perfection is the peak of greatness and creativity. But the truth is, it is nearly impossible to achieve perfection. It might take years for one to perfect a product, a design, or a plan. You could have done a lot with those years. Start with a great product, idea, or design. Improve as you go. Your need for total control It is not uncommon for entrepreneurs to try holding on to control. Starting small, many entrepreneurs would naturally take on as many roles in the business as possible. But, as the business grows, you have to learn how to delegate and make the best use of your time. Do not be bogged down with responsibilities you can easily pass on to a partner or an employee. Some of your goals It is hard to move forward if you have too many life goals to follow. Having too many goals is distracting, which could lead to too many tasks, too little attention, mediocre results, and stress. Focus on a few related goals and work hard on it. Add new goals as you complete old ones.Your need for approval – The original will always get the largest slice of the cake. If you are to get ahead of the pack, be original, authentic, confident. Stop trying to please everybody. You simply cannot. So, follow your heart, be the original, be you.

About Susanne Birgersdotter Susanne is a Swedish self made entrepreneur and investor, has gone from designing her first app from her kitchen table to becoming one of the most influential entrepreneurs and brand builder within 7 years. Susanne’s strong instincts and intuition has helped her grow her companies including designing a #1 ranked app and founding IGOTCHA, SthlmAppLab, SBDM & Birgersdotter Innovate. Susannes biggest passion in life when she's not building business is Female Entrepreneurship, Health, Fashion - Tech and food.


COLABORATIONS we are looking to collaborate with all digital and tech organizations focused in women, diversity and equality.


BOOK CLUB DO IT LIKE A WOMAN: ... AND CHANGE THE WORLD by Caroline Criado-Perez

From the Bestselling author of Invisible Woman. Doing anything 'like a woman' used to be an insult. Now, as the women in this book show, it means being brave, speaking out, and taking risks, changing the world one step at a time. Here, campaigner and journalist Caroline Criado-Perez introduces us to a host of pioneers, including a female fighter pilot in Afghanistan; a Chilean revolutionary; the Russian punks who rocked against Putin; and the Iranian journalist who uncovered her hair.

BEYOND THE BOYS' CLUB: ACHIEVING CAREER SUCCESS AS A WOMAN WORKING IN A MALE DOMINATED FIELD by Suzanne Doyle-Morris

Beyond the Boys' Club: Achieving Career Success as a Woman Working in a Male Dominated Field will show you how to develop your career strategy, break though the glass ceiling and completely raise your game. Packed with vital insights and inspirational ideas from senior women in organisations ranging from the University of Cambridge, Microsoft and Barclays among others, the book is written specifically for professional women to enable strategic advancement ...where ever they are in their career.


BOOK CLUB NICE GIRLS DON'T GET THE CORNER OFFICE: UNCONSCIOUS MISTAKES WOMEN MAKE THAT SABOTAGE THEIR CAREERS by Lois P. Frankel PhD

The New York Times bestseller, which has become a must-have for women in business, is now revised and updated in celebration of its 10th anniversary.Internationally recognized executive coach Dr. Lois P. Frankel teacher women how to eliminate unconscious mistakes that could be holding them back, and gives invaluable coaching tips that can easily be incorporated into social and business skills. The results are career opportunities women never thought possible and the power and know-how to occupy the corner office! Stop making "nice girl" mistakes such as:Mistake Mistake Mistake Mistake Mistake

#13: Avoiding office politics #21: Multi-tasking #54: Failure to negotiate #82: Asking permission #100: Smiling inappropriately.

These and other behaviors are why NICE GIRLS DON'T GET THE CORNER OFFICE.

WHY DIDN'T ANYBODY TELL ME THIS SH*T BEFORE?: WIT AND WISDOM FROM WOMEN IN BUSINESS by Marcella Allison

“Why Didn’t Anybody Tell Me This Sh*t Before?” is the book you wish you had already read. A collection of more than 60 letters from female leaders of multimillion dollar companies, solopreneurs, and every kind of woman in between, these stories are both a lifeline and a roadmap for women navigating our increasingly complex world. From being the only woman in the room in ‘old boys’ club’ businesses, to making the impossible choices between cherished work and family, to dealing with loss, anger and fear, these stories have hard-earned lessons to teach all of us. But it’s not all battle scars and suffering—like all good stories, these pages are shot through with laughter, growth and triumph too.So if you’v e felt alone, or wondered when the right mentor or community is going to appear, you can stop searching. This book is your invitation to learn from the experience of women just like you—to borrow from their strength, courage and fierce will to succeed, and to take your place in this community of women who, day by day, are quietly changing the world.


GADGETS SAMSUNG GALAXY Z FLIP £ 1 300.00 HTTPS://YOUTU.BE/SX9IBZLWVNE

MEETING OWL PRO - 360 DEGREE, 1080P SMART VIDEO CONFERENCE £999.00 Meeting Owl Pro is the top 1080p resolution 360° smart video conferencing camera It automatically highlights and shifts focus to different people in the room when they speak so you know what's happening as if you're there.

YOTO PLAYER KIDS AUDIO PLAYER & 6-CARD STARTER PACK + CHILDREN’S SPEAKER PLAYS AUDIO CARDS OF BESTSELLING AUDIOBOOKS, MUSIC, EDUCATIONAL ACTIVITIES & MORE + SLEEP TRAINER CLOCK & NIGHTLIGHT ALL-IN-ONE. £ 99.99 Yoto Player is a carefully connected speaker. Made for kids, controlled with physical cards and playing only the audio content you want them to listen to. No Camera. No Microphone. No Ads.


GADGETS

LEXILIFE LEXILIGHT DYSLEXIA READING LAMP £ 499.00 The Lexilight claims to reduce this mirroring effect by using pulsed light to allow one eye to take dominance, allowing those who suffer from dyslexia to read comfortably. It’s unlikely to be a miracle dyslexia cure, but when we tried one out we found it to be a useful reading aid.

SUNRISE ALARM CLOCK WAKE UP LIGHT £45.00 New Solution for Sleeping Aid:Light therapy lamp and natural sunrise alarm clock for improving your sleep,energy and wellbeing.With using sunset simulation function and setting the time sunset lasts.Relax and drift off to sleep with dimming sunset and sounds.When the light is off,it’s time to sleep.


BRASIL ENTREVISTAS


ALESSANDRA KARINE Vice-presidente de Vendas para Setor Público, Educação e Saúde na Microsoft Brasil e líder de Diversidade e Inclusão da Microsoft Brasil. Conte-nos sobre você e sua carreira, Alessandra. Sou formada em Análise de Sistemas pela PUC Campinas, com MBA em Tecnologia da Informação aplicada à Gestão de Negócios pela FGV. Antes de ingressar na Microsoft, trabalhei em grandes empresas de tecnologia e, em todas elas, tive a oportunidade de liderar equipes nacionais e internacionais tanto em infraestrutura de TI quanto em vendas para projetos de grandes empresas. Ao longo da minha carreira, tenho desenvolvido minha capacidade de criação de novos negócios e aprimorado o relacionamento com clientes, fornecedores e parceiros, sempre em busca de oportunidades de impulsionar a tecnologia em algum segmento da economia. Um dia na vida da Alessandra! Meu dia começa por volta das 7 da manhã, eu ou o Leo, meu marido, acordamos os meninos Rodrigo e Renato para tomarmos café juntos e eles começarem as atividades escolares às 8h, horário que leio o Valor Econômico para me atualizar. Normalmente minhas reuniões começam às 9h e junto com a minha super admin Debora, estamos dividindo os dias entre reuniões internas e externas (virtualmente) com clientes e parceiros, tempo para ler e-mails e almoçar. Antes da pandemia eu fazia ginástica pela manhã e agora estou fazendo duas vezes por semana no horário do almoço. Precisei adaptar horários em função do nosso novo normal. Tento “parar” de olhar coisas do trabalho às 20h para então dedicar um tempo a minha família, jantarmos juntos e depois do jantar estou dedicando tempo para estudar/aprender. Atualmente faço o curso de Conselheiras na Saint Paul Escola de Negócios. Além de estar amando o curso, está me trazendo muito conhecimento. Esse conhecimento tem sido de grande valia para meu trabalho na Microsoft e também para minha atuação no conselho de uma startup que faço parte. Também busco tempo para dedicar, me aprofundar no tema de Diversidade & Inclusão. É um dia longo, mas vejo que estou trazendo impacto para meu time, para a Microsoft e para pessoas de fora e isso me deixa muito feliz.


ALESSANDRA KARINE Conte-nos sobre a sua experiência pessoal como líder em uma das maiores empresas de tech no mundo. A tecnologia sempre esteve no centro da minha carreira. Tenho mais de 20 anos de experiência nesse mercado, atuando na gestão de equipes de vendas. Atualmente, como vicepresidente de vendas do setor público, tenho a função de conduzir a liderança da Microsoft com uma mentalidade de crescimento para garantir que cada cliente dos setores de governo, educação e saúde tenha um relacionamento extremamente valioso com a Microsoft. Além disso, tenho a honra de liderar o comitê de Diversidade e Inclusão da empresa no Brasil, com a responsabilidade de ajudar a criar uma cultura diversa e inclusiva no local de trabalho, onde todos podem trazer seu eu pleno e autêntico, onde todas as vozes são ouvidas. Com a Microsoft, trabalhar com tecnologia é mais gratificante e faz ainda mais sentido na minha carreira, porque a missão da empresa é empoderar cada pessoa e cada organização do planeta a conquistar mais. O setor de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens e os cargos de liderança mais ainda. As últimas estatísticas nos mostram que somente 17% são mulheres e que deste número, 5% são asiáticas, 3% são negras e 1% são latinas. Conte-nos como a Alessandra encara este desafio. De maneira geral, as mulheres têm que se esforçar o dobro para conseguir reconhecimento no mercado de trabalho. Quando consideramos o segmento de tecnologia, que sempre foi dominado por homens, essa luta pode ser ainda mais desafiadora. Utilizando o Brasil como referência: temos uma cultura em que as pessoas ainda não têm o hábito de incentivar as mulheres nas áreas de STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática). Isso está melhorando, mas ainda temos um longo caminho a percorrer. As mulheres têm a mesma capacidade cognitiva dos homens e podem atuar em áreas previamente estereotipadas como masculinas. Da mesma forma, os homens podem trabalhar em áreas consideradas femininas. É importante incentivar a presença de mulheres nesse mercado desde o início, ou seja, apoiar meninas e jovens a seguirem essas carreiras relacionadas à tecnologia, sem se prenderem à estereótipos, desde a escolha pelo curso de educação superior até o ingresso no mercado de trabalho. Precisamos incentivar o aumento da presença de mulheres e meninas em cursos técnicos ou de graduação focados em tecnologia. O setor de educação pode criar um real impacto no avanço da equidade de gênero em nossa sociedade. A Microsoft tem uma grande preocupação de disponibilizar conteúdos que apoiem a capacitação e a recapacitação em áreas fundamentais como nuvem e inteligência artificial, além de oferecer uma série de treinamentos em ferramentas da própria Microsoft que são cada vez mais demandadas no mercado de trabalho. Queremos disseminar cada vez mais esses conteúdos para que novas referências femininas nas áreas de STEM possam surgir. No ano calendário 2019, a Microsoft Brasil ofereceu treinamento em habilidades digitais para aproximadamente 65 mil pessoas. Desse total, 48% eram mulheres. Os cursos estão disponíveis para qualquer pessoa e qualquer universidade por meio dos portais AcademIA e Microsoft Learn, ambos totalmente gratuitos. A ênfase do programa é para cursos de Computação em Nuvem, Ciência de Dados e IA, mas por meio do Microsoft Learn as instituições e seus alunos podem navegar por cursos sobre todo o extenso portfólio de tecnologias e soluções Microsoft, que poderão ser validados no currículo como atividades complementares, segundo os critérios estabelecidos por cada instituição.


ALESSANDRA KARINE Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres se tornarem líderes em grandes negócios? Se sim, quem são as líderes que você pode nos dar como referência para a nossa comunidade? E o porquê? As mulheres ainda enfrentam barreiras para crescer na carreira, mas acredito que essa realidade já está mudando. A sociedade e, consequentemente as empresas, estão começando a mudar a mentalidade e incentivando cada vez mais o empoderamento feminino, desde o incentivo a meninas e jovens para estudarem disciplinas de ciências e exatas até o seu desenvolvimento no mercado de trabalho. Atualmente ouvimos cada vez mais as vozes de líderes mulheres no mercado de trabalho, as empresas estão se esforçando para promover mais diversidade de gênero. Na Microsoft, temos um exemplo de liderança feminina, nossa atual presidente Tânia Cosentino, que é uma mulher à frente de uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, além de defender e levantar a bandeira de igualdade de gênero. Além de ser um bom exemplo de representatividade para as mulheres que querem avançar com suas carreiras, é extremamente importante que essas líderes levem essa discussão para o mercado e incentivem as demais empresas a se conscientizarem da importância de promover diversidade no mundo corporativo. Metade do time de liderança da Microsoft Brasil é composta por mulheres atualmente. Quais são os maiores desafios que as mulheres enfrentam hoje? Acredito que a barreira mais significativa que a maioria das mulheres enfrenta é ter que provar a todo momento que são capazes. Além de ter que se esforçar para crescer na carreira como qualquer outra pessoa, as mulheres têm que lidar com desconfiança e preconceito por parte dos colegas de trabalho. Por isso, a autoconfiança e perseverança são características essenciais para nos ajudar a superar esses obstáculos. Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão entrando na área de tech? Meu conselho para as jovens que estão iniciando uma profissão de ambiente com predominância masculina, como é o caso do mercado de tecnologia, é nunca perderem sua autoconfiança e não desistirem de seguir em frente. É importante ter coragem para perseguir seus objetivos e ir atrás do que é interessante para desenvolver a sua carreira. Outro ponto que é muito importante, não só para as jovens em início de carreira, mas também para as mulheres no geral, é o investimento em educação e capacitação para se destacarem no mercado de trabalho. O mercado é dinâmico e devemos sempre buscar atualizar nossos conhecimentos e aprimorar nossas habilidades. Conforme comentei, na Microsoft, levamos muito isso em conta e disponibilizamos ferramentas de capacitação e recapacitação, sobretudo em áreas de inovação como computação em nuvem e Inteligência Artificial, como é o caso das iniciativas AcademIA e Microsoft Learn, que nos permitem oferecer diversos cursos sobre todo o extenso portfólio de tecnologias e soluções Microsoft, que poderão ser validados no currículo como atividades complementares, segundo os critérios estabelecidos por cada instituição de ensino superior e técnico.


ALESSANDRA KARINE Como podemos garantir que a diversidade e a inclusão sejam foco nas grandes empresas? A Microsoft tem programas internos que valorizam esta diversidade e inclusão? Como comentei, na Microsoft, tenho a honra de liderar o comitê de Diversidade e Inclusão da empresa no Brasil, com a responsabilidade de ajudar a criar uma cultura diversa e inclusiva no local de trabalho, onde todos podem trazer seu eu pleno e autêntico, onde todas as vozes são ouvidas. Acredito que as empresas precisam ter políticas claras e concretas de diversidade e inclusão. Na Microsoft, esse é um pilar fundamental da nossa cultura baseada na mentalidade de crescimento e está alinhado com a nossa missão de empoderar cada pessoa e cada organização do planeta a conquistar mais. No âmbito da equidade de gênero, ao promovermos uma maior inclusão de mulheres no mercado de trabalho, criamos um ambiente diverso, com novas ideias, diferentes pontos de vista, fatores essenciais para promover a inovação dentro da empresa. Acreditamos que nossos funcionários só conseguirão atingir todo seu potencial ao sentirem que pertencem de fato ao ambiente de trabalho e que podem contribuir de forma autêntica e completa na empresa. Entre as ações que temos realizado no Brasil para evoluir na equidade de gênero, adotamos como política a premissa de que todos os processos de recrutamento devem contar com, pelo menos, uma mulher entre os candidatos finalistas. No final, será escolhido/escolhida aquele que se mostrar mais preparado para assumir a vaga – seja homem ou mulher - mas isso garante que haja um olhar mais cuidadoso em relação às mulheres e à ampliação do ingresso delas nas áreas de STEM (Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática), já que, culturalmente, elas não são tão incentivadas a seguirem carreiras nesses segmentos quanto os homens. Além disso, quando temos um ambiente diverso, estimulamos a representatividade dentro e fora da empresa. Na Microsoft, por exemplo, nós temos uma mulher como presidente da empresa no Brasil e um número considerável de mulheres em cargos de liderança - 50% dos profissionais do time de liderança sênior no Brasil são mulheres - o que pode ser uma fonte de inspiração para demais mulheres que estão construindo sua carreira profissional. Ser mulher no mundo corporativo, ainda mais no setor de tecnologia que é historicamente dominado por homens, é um desafio diário, e ter referências femininas para nos inspirarmos é uma motivação para nos posicionarmos e seguirmos buscando o nosso lugar no mercado de trabalho. Qual é a sua frase favorita?  Tem várias frases que me motivam muito a continuar nessa jornada de chegar aonde eu quero. Tem uma frase que carrego comigo todos os dias na minha carteira e me faz não ter dúvidas que a força está comigo!! “Gostaria que você soubesse que existe dentro de si uma força capaz de mudar sua vida, basta que lute e aguarde um novo amanhecer” - Margaret Thatcher Tem uma outra muito bacana, principalmente quando estou com muita coisa na minha cabeça para cuidar e penso por onde começar, o que não é prioridade versus o que é... lembro de uma das frases da Michelle Obama, que admiro muito. “Uma das lições com as quais eu cresci foi a de sempre permanecer verdadeiro consigo mesmo e nunca deixar que as palavras de alguém distraia você dos seus objetivos.” - Michelle Obama


GOSTARIA QUE VOCÊ SOUBESSE QUE EXISTE DENTRO DE SI UMA FORÇA CAPAZ DE MUDAR SUA VIDA, BASTA QUE LUTE E AGUARDE UM NOVO AMANHECER. FAVORITE QUOTE BY MARGARET THATCHER ALESSANDRA KARINE


ANA MINUTO CEO da Minuto Consultoria Empresarial & Carreira

Conte-nos sobre você e sua carreira, Ana. Sou empreendedora, palestrante e Ativista Social, graduada em Sistemas da Informação e MBA Gestão de Serviços de TI com ênfase em ITIL – FIAP. Atuo há mais de 15 anos na gestão e implantação de projetos de TI em empresas de call center nacionais e internacionais e por 25 anos na promoção da equidade racial e gênero, combate ao racismo e a violência doméstica, através da Associação fala negão fala mulher onde gerenciei e implantei projetos que atenderam milhares de pessoas em parceria com a Prefeitura de São Paulo, ONU, UNESCO, UNICEF, OPAS, OMS e UNFPA. Através dos trabalhos realizados recebi os prêmios: Theodosina Ribeiro e Plataforma dos Centros Urbanos-Unicef. Fundei a MINUTO Consultoria Empresarial & Carreira para auxiliar as empresas a ampliarem a consciência sobre diversidade, através do desenvolvimento humano, autoconhecimento e sensibilização para criarem ambientes inclusivos, equânimes, lucrativos e divertidos que gerem resultados positivos a todos os envolvidos e trabalho como Consultora de Diversidade auxiliando empresas como Google, Gerdau, PepsiCo, Boehringer, Twitter, DPA Nestlé, entre outras, a tornarem seus ambientes mais diversos e inclusivos através de palestras, treinamentos e workshops. Um dia na vida da Ana! kkkkk Divertido.

Conte-nos sobre a sua experiência no setor tech e de startups. Sou graduada em Sistemas da Informação e MBA Gestão de Serviços de TI com ênfase em ITIL – FIAPe atuei há mais de 15 anos na gestão e implantação de projetos de TI em empresas de call center nacionais e internacionais e 4 anos como mentora em aceleradoras de startups.


ANA MINUTO Ainda sobre o setor de startups, como você vê a situação da female founder diante dos obstáculos em abrir uma empresa e liderar um time? Precisara ter um objetivo claro e definido e a vontade de vencer terá que ser mais que os obstáculos que nao serão poucos, terá que conhecer muito da natureza humana para lidar com as suas emoções e a dos outros. E que com certeza sera bafonica , pois qdo uma mulher resolve que quer e trabalha para isto e imposssivel dar errado,mesmo que demore um pouco mais . E quando você decidiu pela diversidade? O que te levou a trilhar este caminho? Eu sou diversa por natureza kkk, nasci negra, mulher, na periferia , minha caminhada começou com a minha mãe que por ter sofrido violência domestica abriu varias ongs e redes e eu e minhas irmãs frequentamos os mais diversos lugares com as mais diversas pessoas em ambientes flurais . Conte-nos sobre a sua experiência pessoal como mulher negra em uma posição não so de liderança mas de influencia como consultora? Uma experiência de crescente aprendizado de quem sou eu , e de quem o sistema quero que eu seja, uma caminhada de muito trabalho, dedicação e como pano de fundo o auto conhecimento. Ser líder é ser exemplo e auxiliar a outras mulheres a vivenciar a liderança que já esta dentro delas , é saber que qualquer ação sua influencia outras mulheres e que você tem que se melhorar todos os dias como ser humano para poder servir de forma mais genuína e com menos ego . É esta disponível a servir o todo e este todos somos o nos , nunca o eu. Você acredita que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na área de startups /tech /negocios no Brasil? Não esta cada vez mais desafiador, hoje no brasil so 31% das pessoas que trabalham com statups são mulheres, a pandemia aumentou esta abismo, levando em consideração que 50% da população brasileira ou não tem internet ou a qualidade é pessima, inviabilizando a mobilidade que a tecnologia proporciona Quem são as mulheres que poderemos ter como referência para a nossa comunidade? Maete Lourenço - Black Rock Karen Santos CEO at UX para Minas Isabelle Christina Inclusão de Meninas na TI Daiane Almeida Aceleradora de Startups Angela Benton é a fundadora da Black Web Media Arielle Patrice Scott e Danielle Leslie são duas das co-fundadoras da GenJuic Corvida Raven é uma consultora de tecnologia e conselheira de grandes marcas em mídias sociais Jenna Wortham é uma repórter de tecnologia do New York Times Lizz Burr é uma blogueira e desenvolvedora web com uma inegável paixão pela Internet Quais são os maiores desafios que as mulheres que enfrentam hoje? Acesso a educação , acesso a credito, Falta de Grana, ter que dar conta de todas as áreas da vida, não serem incentivadas a empreender e a entrar para TI , Educação de má qualidade , Serem criadas para serem cuidadoras , Racismo, Machismo, Classismo, Homofobia, sindrome da impostora .


SEJA VOCÊ A MUDANÇA QUE ESPERA PARA A O MUNDO. FAVORITE QUOTE ANA MINUTO


BIAMICHELLE MIRANDA Pessoa consultora de Software e Gestão da Diversidade na Tecnologia, Pesquisadora da PUCRS

Conte-nos sobre você e sua carreira. Eu sou uma mulher negra paraense, ou seja, do estado do Pará no Norte do Brasil. Fiz um percurso dentro da área da computação uma tanto quanto diferente da norma das ciências exatas e tecnológicas. Sempre tive uma atuação dupla nas áreas de estudo e pesquisa: Ciências Exatas e Ciências Sociais. Essa dupla atuação foi impulsionada pela minha própria realidade, ou seja, de alguém pertencente aos grupos contra norma nos espaços da computação. Isso me levava a reflexão sobre o lugar das mulheres (transgêneras, negras e indígenas) dentro da tecnologia, a ausência de algumas ou baixa participação de outras. Eu me recusava a acreditar que essa baixa presença nos espaços da computação ( Universidade ou do mercado de trabalho) estivesse relacionado apenas com uma questão de aptidão pessoal. Por isso ainda na faculdade comecei a estudar sobre questões de gênero, naquele momento ainda de geral, ou seja, sem fazer os devidos recortes mesmo dentro do grupo de mulheres na computação. Já em São Paulo pude aprofundar o debate de gênero fazendo as devidas intersecções sobre gênero, raça, cisgêneridade e transexualidade. Impulsionada também por um ativismo e militância na da questões das mulheres negras e das pessoas transgêneras. Após ingressar no mercado de trabalho como analista de infra estrutura e posteriormente como desenvolvedora de software, aprofundei as reflexões que teci ao longo da vida pessoal e acadêmica porém agora com uma maior vivência da participação desses grupos no mercado formal empresarial de trabalho. Com isso pude apurar meu olhar sobre tais questões o que resultou na minha entrada no doutorado, onde pesquiso sobre gestão de diversidade étnico-racial na engenharia de software. Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na área de tecnologia? Eu vejo que existe hoje uma maior intencionalidade para contratação de mulheres. Mas a realidade de maneira geral ainda não é favorável. Certeza que é quando comparada ao passado, mas desafiadora ainda quando pensamos em futuro. Eu acredito que o problema não se resolve apenas contratando mais mulheres, esse é um dos passos. Mas é necessário dar condições para essas mulheres se desenvolverem e alcançarem postos superiores dentro da área da computação que elas venham almejar. Além de incentivar desde a educação básica que tecnologia também é coisa de menina, que é uma área possível. Então eu vejo que existe mais intencionalidade, mas ela não basta se as mulheres ficam sempre em funções de baixa visibilidade, não assumindo também posições de liderança.


BIAMICHELLE MIRANDA Um dia na sua vida profissional! Eu atuo em três frentes distintas de trabalho, porém elas são complementares: Eu atuo como pesquisadora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul onde realizo meu doutorado em Ciência da Computação e pesquiso sobre Gestão de Diversidade e também atuo na Acelerado Inclusiva (Projeto de educação e inclusão na computação realizado entre PUCRS, ThoughtWorks e Sicred). Em paralelo atuo como mentora técnica de mulheres cisgêneras e pessoas transgêneras que estão se desenvolvendo na jornada como desenvolvedoras de software, como o EduTransforma (Projeto impulsionado pela Shai que visa a capacitação gratuita e inserção de Pessoas Transgênero transexuais, travestis, não bináries e intersexo - no mercado de trabalho de TI). A outra frente que atuo é como desenvolvedora de software. A combinação dessas três atuações constituem o meu dia a dia, onde envolvo pesquisa e prática na área da computação como profissional e como pesquisadora. Na minha jornada profissional tive e tenho muito auxilio de pessoas que acreditam no valor da diversidade e no meu potencial, mas encontrei lugares (mercado de trabalho) que embora tivessem a intencionalidade em promover um ambiente inclusivo e propício ao acolhimento e desenvolvimento de pessoas dos grupos de diversidade, ainda possuíam algumas limitações para conseguir promover uma efetiva inclusão. Eu senti isso na pele e minha resposta para isso foi me propor a pensar em como auxiliar as empresas a ajudar pessoas como eu, de grupos de diversidade como mulheres negras, transgêneras a se desenvolverem dentro dos seus espaços alinhado com a visão de negócio da empresa, mas também enxergando a diversidade como um pilar necessário para qualquer organização. Então meu dia profissional se resume em apoiar o desenvolvimento de pessoas do grupos de diversidade e pesquisar para encontrar formas cada vez mais eficazes para auxiliar tais pessoas e empresas na verdadeira inclusão. Quais são os maiores desafios que as mulheres que desejam se aventurar no mundo da tecnologia enfrentam hoje? Eu entendo que os desafios para as mulheres hoje na área da tecnologia ainda são os mesmo que qualquer mulher tem em outra área de trabalho: A desvalorização da mão de obra feminina; o machismo que dita onde é o lugar da mulher; o assédio; o racismo e a transfobia que impede de mulheres transexuais sejam respeitadas, todas essas coisas que levam muitas mulheres a se calar diante das opressões que sofrem. Mas para a área da tecnologia tem uns elementos a mais. A área da computação é cheia ainda de estereótipos, e o principal deles é do homem nerd branco cisgênero jovem. Então para mulheres estão mudando de área e indo para a computação com 30 anos, por exemplo, já entram no mercado como pessoas mais velhas (isso quando entram), as mulheres que querem ser mãe repensam seus quereres diante dos desafios de se manter competitivas na área da computação, a insistência que a computação é um campo de atuação neutro que faz jogar para debaixo do tapete o racismo, a transfobia e o machismo dentro da área. Enfim… Nossos desafios ainda são os mesmo, a novidade é que estamos ganhando cada vez mais consciência deles e nos fortalecendo para enfrentá-los juntas. O que as empresas podem e devem fazer para incluir não somente na atração de talentos mais mulheres para o sector de tech e para posições de liderança? Ter mais intencionalidade nas ações; tratar a diversidade como uma estratégia de negócio tão importante quanto qualquer outra meta financeira da empresa; Pensar gestão da diversidade como um todo para além do recrutamento. O que você acha que devemos fazer para encorajar mais meninas a considerarem uma carreira em tecnologia? Oportunidades. Mostrar possibilidades. Compartilhar histórias. Mudar a narrativa sobre o papel e função da mulher na sociedade. Nossa principal prioridade deve ser realizar nossos objetivos e sonhos.


BIAMICHELLE MIRANDA Você acha que o problema de diversidade no setor de tecnologia existe? Em caso positivo, você percebe a falta de mulheres e como isso afetou você (se afetou de alguma forma)? Em caso negativo, compartilhe a sua jornada com a gente. Apesar do tema da diversidade ter ganhado maior ênfase atualmente, eu observo que ainda temos uma longa jornada pela frente para que ocorra de fato a uma verdadeira inclusão da diversidade. Todas elas. Eu observo que o debate sobre gênero, especificamente mulheres cisgêneras ganhou força nos últimos anos. Empresas, universidades e outras instituições de educação para tecnologia, passaram a reconhecer o valor da força de trabalho feminina, o quanto essa parcela da população está sub-representada na área da computação. Com isso programas de incentivos às mulheres na área de TI são inúmeros. As comunidades de desenvolvimento de software como python, Java Script, Rails, passaram a ter um núcleo de mulheres que defendem a questão de gênero dentro da tecnologia, incentivam e propõem ações para incentivar e incluir cada vez mais. Isso é ótimo. Na minha época de graduação eu tive pouco incentivo dentro da área, incentivo quer fosse diretamente a mim ou incentivo visual, no sentido de observar que as mulheres também poderiam ocupar determinadas posições na área das exatas. Hoje isso foi modificado bastante, são inúmeros os exemplos que temos, falamos cada vez mais de mulheres que fizeram história dentro da computação e que quase não se falavam. Entretanto, a questão de gênero e especificamente mulheres cisgêneras, é apenas um braço dos tentáculos da diversidade. Existem diversos outros que ainda estão lutando para ganhar a mesma visibilidade. Mesmo dentro do grupo de mulheres na computação, percebo que pouco se fala da presença das mulheres transgêneras ou das mulheres negras. A sensação que tenho é que para algumas pessoas ao falarmos sobre mulheres na tecnologia estamos falando de todas, mas o plural da palavra Mulheres não refere-se apenas ao quantitativo destas, refere-se também a pluralidade que existe mesmo dentro desse grupo. E essa pluralidade possui especificidades que se não forem colocadas na mesa, passaram despercebidas por décadas, tal como foi feito com o próprio debate de gênero. Tratar dessas especificidades não é menor e é igualmente importante. Eu como uma mulher negra, vindo do interior do Norte do País faço um caminho diferente da maioria das mulheres com quem tive contato na área da computação na Universidade e principalmente no mercado de trabalho. É necessário ressaltar que as mulheres para ingressarem e se manterem na área da tecnologia tem que se provar duas vezes mais capazes do que qualquer homem para poderem ser dignas pela empresas a ter seu cargo ou sua função como desenvolvedora de software líder, por exemplo. Para as mulheres negras como eu, ou transexuais (as poucas que temos no mercado de trabalho da TI), é necessário se provar 4 vezes mais. Nós temos que lidar com o preconceito ainda existente e mascarado na área da computação, para além de ter que lidar com o apagamento das nossas demandas como se não houvesse necessidade de falarmos, por exemplo, do racismo na área da computação. Então sim, o preconceito ainda se faz presente na área da TI e a diversidade ainda é muito questionada. Principalmente por aqueles que acreditam que estão sendo parcial quando falam que as oportunidades têm que ser dadas para todos independente de gênero, raça… Essas pessoas esquecem que nós vivemos numa sociedade desigual, e que para um dia podermos pensar em de fato oportunidades iguais é necessário primeiro reparação a fim conter os danos que o preconceito deixou na nossa sociedade e que nós corremos atrás hoje para mitigar os efeitos. Além disso, precisamos refletir que estamos falando apenas de um grupo de diversidade e suas intersecções. Existem ainda outros grupos de diversidade que também estão sub-representados na área da computação. Ou seja, falar de diversidade, pensar em ações e executá-las ainda é uma tarefa urgente.


BIAMICHELLE MIRANDA Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão tentando entrar em tecnologia? Se tiver com medo, vai com medo mesmo. É preciso ter coragem para realizar nossos sonhos, mas a coragem não significa ausência do medo. Então força, segue firme, porque seguiremos juntas. Quem te inpira no setor de tecnologia no ecosistema Brasileiro? Existem várias: Daniela Andrade, Sil Bahia, Akin Abaz, Jhonatan Silva, Nina Silva, Ailton Filho, Diego Ferreira ... E tantas outras pessoas que não estão sobre os holofotes mas que fazem uma trabalho incrível para a comunidade tecnológica sobre inclusão, diversidade e contribuições técnicas. O sector de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal no setor. Eu sempre me coloquei em espaços que diziam não ser meu lugar... Hoje a idade e a maturidade me fizeram ter mais cautelas quanto a isso, mas no passado essa era minha motivação: quebrar a norma. Na escola eu via a área de exatas em especial a matemática e engenharias serem o principal foco dos meninos e isso me fazia questionar sobre as profissões que nós mulheres escolhemos. Então eu escolhi a faculdade de matemática. A ida para computação não teve nada de mágico, ou uma aptidão desde criança... Eu sou de uma família do interior do Pará, com limitações financeiras, então para minha realidade eu precisava escolher uma profissão que pudesse trazer um retorno financeiro mais rápido para contribuir nas contas de casa, ou tirar dos meus pais a responsabilidade pelos meus gastos. Então havia dois cursos técnicos sendo divulgados: Técnico agropecuário e Técnico em Informática. Eu mal sabia digitar e pensei que aquela seria a oportunidade de aprender a digitar (para caso um dia fosse tentar emprego como secretária ou algo assim), teria acesso a internet (que era uma raridade em famílias como a minha), me manteria atualizada (porque a informática era sinônimo de modernidade) e aprenderia uma função fazendo manutenção em computadores e com isso poderia ajudar em casa. Ou seja, era a oportunidade perfeita, eu apostei. Depois da formação do técnico e com um pouco mais de conhecimento da área resolvi aprofundar os estudos. Nesse momento me deparei com uma outra realidade que vivi no curso técnico no interior do Pará. No curso técnico a maioria da turma era composta por mulheres, existia uma atenção por parte da coordenação e professores em oferecer as mesmas oportunidades para todas as pessoas na turma. Porém essa não foi a realidade que encontrei na faculdade. Na Universidade nós éramos seis mulheres de uma turma de 50 alunos. Formou apenas duas no final regular do curso. Não existia uma pessoa transgênera na turma, nem na minha e nem nas demais que pude acompanhar. Posso contar nos dedos os professores que refletiam sobre a questão das mulheres na área da computação e nos incentivavam, a maioria concentravam sua atenção e oportunidades aos rapazes na sala, para além da desvalorização que tinha que escutar em forma de piadas "sutis". Quando não era isso, era o questionamento de amigos que viam valor em mim como tecnologista e assim como eu não compreendiam a postura de determinados professores. Escutar que a área da computação não era para mim era minha rotina na faculdade. Eu vi amigos sentar do meu lado dizendo que não sabiam o porque os professores ofereciam oportunidades de estágios, projetos para eles sem que os mesmo soubessem programar de fato. Isso era curioso, porque o mesmo incentivo não era percebido por mim ou outras mulheres. Mas contrariando a todos eu me formei, e voltei minha pesquisa para a questão das mulheres. Contrariando ainda mais as estatísticas eu entrei no mestrado em seguida em Sistemas de Informação na Universidade de São Paulo, onde eu permaneci por apenas um ano. Desisti do mestrado porque em São Paulo eu simplesmente não conseguia vê possibilidades para mim com todos os gaps técnicos que tive


BIAMICHELLE MIRANDA diante de um mundo dominado por homens cisgêneros. A pós-graduação também não é o lugar mais amigável, e o mestrado na área da computação tava conseguindo fazer o que a graduação não conseguiu: me convencer que meu lugar não era ali. Eu me afastei por um ano da academia e retornei para a própria USP para fazer o mestrado em ciências num programa interdisciplinar. Porém nesse tempo que estive longe da academia continuei atuante nos congressos e fóruns da computação, principalmente os que tinham viés mais políticos e se colocavam para refletir as questões sociais dentro da computação. Com isso me mantive próxima da área até conhecer a Daniela Andrade e a ThoughtWorks, ali pela primeira vez tive a oportunidade de me desenvolver como tecnologista sendo valorizada também pela bagagem de debate e pesquisa social aplicada a computação que acumulei ao longo da minha jornada. A ThoughtWorks é uma empresa diferenciada, principalmente quando estava sobre a liderança do Roy Singham, lá eu tive a oportunidade não apenas de trabalhar com muitas mulheres cisgêneras e transgêneras, como também ter a oportunidade de atuar no movimento de pessoas negras (pretas e pardas) pelo Enegrecimento da Tecnologia. Atuando na ThoughtWorks tive a oportunidade de conhecer diversos projetos de inclusão e outras empresas através de eventos, e pude perceber o quanto a empresa se destacava do cenário comum que é as organizações com um total de funcionários homens cisgêneros jovens e brancos. Nesta empresa a minha dupla atuação (tecnologista e pesquisadora sobre diversidade) se amplificou, e o lado da pesquisadora sobre gestão da diversidade na área da tecnologia acabou ganhando mais força, o que me levou para a dedicação integral no doutorado. De volta a academia na área da computação percebo que esta está um pouco diferente de quando realizei a graduação. Temos mais presença de mulheres cisgêneras, a participação de pessoas negras também começa a ganhar forças ainda que tímidas, entretanto essa ainda não é uma realidade para as pessoas trasngêneras, por diversos motivos, entre eles o próprio acesso elitista para a Universidade. Eu percebo que as pessoas dos grupos de diversidade estão vindo para a área da computação com uma consciência mais crítica que na minha época, o que tem sido maravilhoso porque a quantidade de pesquisas e projetos, sejam em parceria com universidade ou empresas privadas têm surgido e aumentado. Ou seja, ainda temos uma realidade de maioria normativa na área da computação (Homens cisgêneros jovens brancos), mas as novas gerações estão ocupando esses espaços e não se dando como satisfeitas em estarem ali sozinhas, elas estão questionando e criando oportunidades para os seus semelhantes. Temos motivos para acreditar que um dia essa realidade normativa da computação vai mudar apesar de ainda termos uma boa jornada pela frente.

QUERO SER ENTREVISTADA


TENHO EM MIM TODOS OS SONHOS DO MUNDO. FAVORITE QUOTE FERNANDO PESSOA BIAMICHELLE MIRANDA


CARINE ELPIDIO CEO do Grupo Space Venture

Conte-nos sobre você e seu negócio. Somos uma holding com algumas empresas de nichos diferentes e temos participação no board atualmente da maioria, mas estamos na operação apenas de duas e não controlamos nenhuma delas mais. Existem hoje 06 empresas que foram criadas em 2016 quando me desliguei de outra fase onde atuavámos em negócios da economia formal de nichos diferentes também mas todos muito focados em ativos. Hoje nossos ativos sao digitais e nossa clientela está em varios locais do mundo...somos focados em construir negócios que resolvam problemas globais e escalaveis com tecnologia digital. Um dia na sua vida profissional! Meu dia é corrido, mas bastante produtivo. Consiste em processos de tomadas de decisões e algumas reuniões . Comando quase tudo com o trello e com analise de clientes. Nosso tempo é muito mais de entender o cliente e descobrir como resolver dores de mercado. A parte de operação não está comigo e meu foco é completo em decisões, analises e definição das estrategias e pivots que decido fazer ao longo dos testes. Sempre ao estilo startup de agir : enxuta, essencial e errando rápido. Também tenho momentos de meditação e interação comigo ao longo do dia para manter a mente em atenção plena a uma unica coisa que resolverá todas as outras. O sector de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal no setor. Sim, minha formação é tecnologia e sempre foi dominado. Nas startups e negócios fundados por mim sempre sou a única mulher e nunca tive sociedade com mulheres. É muito dificil . As mulheres ainda acham que empreender e no mercado de startups, inovação e tecnologia é algo muito dificil e para homens. É assim que o mundo comunica conosco e hoje tenho como missão essencial aproximar mulheres da área, colaborar para desmistificar todas essas crenças e contribuir para que tenham sucesso na jornada. Há alguma pessoa específica em tecnologia que te inspira? Sheryl Sandberg, a chefe de operações do Facebook. Ela nos deu uma lição de resiliência, adversidade, gestão e vulnerabilidade quando chegou no local onde está e superou as armadilhas de se perder no papel de vitima que a vida a reservou em 2015.


CARINE ELPIDIO Você acha que o problema de diversidade no setor de tecnologia existe? Em caso positivo, você percebe a falta de mulheres e como isso afetou você (se afetou de alguma forma)? Em caso negativo, compartilhe a sua jornada com a gente. Sim, é um problema. Me afetou e ainda afeta muito. Eu acabei fundando uma startup focada em educar mulheres para atuação no mercado de startups para que tenham a chance de inclusão em um mercado com muitas oportunidades e que tradicionalmente sempre foram ocupadas por homens. Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na área de tecnologia? Acho que ainda temos uma questão de gênero enraizada na nossa cultura e apesar das possibilidades e do mercado crescente, ainda há uma descontrução de questões de gênero que precisam ser resolvidas inclusive com nós, lideres atuais e esse caminho é ainda parte de um mundo em construção e isso levará um tempo, então vejo possibilidades que surgem , entretanto um caminho de desconstrução em varias questões para todos nós. Quais são os maiores desafios que as mulheres que desejam se aventurar no mundo da tecnologia enfrentam hoje? Um deles é de lidar com a maternidade e a vida profissional da tecnologia ainda muito "sem horários "para a maioria das empresas e o preconceito de achar que para fazer parte precisa estar off line. Para mulher ainda há ediversos papeis a desempenhar que ainda são diferentes para o homem. Também vejo questões de assedio e dos homens lidarem com a presença feminina de igual para igual nesse ambiente. O que as empresas podem e devem fazer para incluir não somente na atração de talentos mais mulheres para o sector de tech e para posições de liderança? Devem tratar cultura interna e considerar que o homem e a mulher devem participar da conversa juntos sem excluir nenhum gênero. Temos homens e mulheres com diversos perfis e necessidades e as posições de liderança não podem excluir nenhum tipo de gênero e sim de trazer todos a mesa para chegar a luz da percepção de que o sagrado feminimo e o sagrado masculino fazem parte dos dois e jamais devem ser excluidos. As energias femininas e masculinas devem se fazer presentes nas pessoas e buscar cada vez mais o equilibrio ao inves de excluir é um caminho muito mais proveitoso. O que você acha que devemos fazer para encorajar mais meninas a considerarem uma carreira em tecnologia? Cuidar da estima das meninas. Deixar que entendam a entrada para mundo da tecnologia como algo saudável e de importante contribuição para a humanidade por diversos motivos e não porque devem existir mais mulheres tomando espaços de homens. Esse discurso de tomar espaços dos homens é antigo e não acredito que seja necessário excluir para incluir. Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão tentando entrar em tecnologia? Que não tentem concorrer ou provar nada, mas sim buscar para ação a percepção de que o sagrado feminimo e o sagrado masculino fazem parte dos dois e jamais devem ser excluidos. As energias femininas e masculinas são presentes em ambos e nada deve ser maior ou menor e sim um complemento e uma busca por respeito ao que cada um é sem excluir em nada.


NÃO EXISTE PERGUNTA OU RESPOSTA CORRETA. EXISTE O CAMINHAR PARA DESCOBRIR O QUE FUNCIONA. FAVORITE QUOTE CARINE ELPIDIO


ÉRIKA CARAMELLO Professora doutora e Cofundadora da Dyxel Game Publisher

Conte-nos sobre você e sua carreira , Érika! Professora doutora e cofundadora da Dyxel Game Publisher, publicadora de jogos focada em diversidade e identidade cultural. Publicitária de formação, trabalho há 20 anos com projetos para web, redes sociais e apps, sendo os últimos 14 dedicados à indústria de games. Leciono desde 2003 em cursos de graduação e pós-graduação do nordeste ao sul do Brasil. Atualmente sou avaliadora no SBGames, integro o Comitê da Diversidade na Abragames e atuo como mentora na Women Game Jam. Um dia na sua vida profissional! Atuar na área de games e ser professora universitária em plena pandemia não vem sendo um exercício muito fácil. Venho passando muitas horas defronte ao computador, tanto que acabo perdendo a noção dos dias da semana. No entanto, essa nova rotina vem sendo gratificante também no que diz respeito à quantidade de projetos que estou envolvida. É muito bom saber que a área de games é uma das que vem revolucionando o acesso das pessoas aos conteúdos nessa época, indo muito além do que o puro entretenimento. Assim, meus dias geralmente começam com algumas atividades acadêmicas no turno da manhã. No turno da tarde, costumo participar de reuniões para acompanhamento dos projetos de games, bem como realizar trabalhos de divulgação da Dyxel, seja produzindo material interno ou respondendo demandas da imprensa e de eventos. O turno da noite geralmente é dedicado às aulas nas faculdades que leciono. Com uma agenda tão concorrida, é inevitável não trabalhar algumas horas aos finais de semana. Enfim, o trabalho vem sendo uma forma que encontrei de fazer algo útil em pleno isolamento social.


ÉRIKA CARAMELLO O setor de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens, mas de acordo com dados levantados pela Pesquisa Game Brasil de 2020, 54% do público gamer no Brasil é formado por mulheres. Mas o que acontece com o ambiente nos games em relação a toxicidade? Você pode me falar como os gamers aceitam as mulheres jogando? A maioria das mulheres ainda joga muito mais games casuais em plataforma mobile. Costumam ser games de passatempo, single player. Assim, conseguem jogar sem serem incomodadas pela toxicidade dos jogadores. O grande problema está nos jogos multiplayer, altamente competitivos e, por isso, um espaço repleto de incels. Muitos jogadores se escondem através do anonimato proporcionado nos jogos para praticarem a misoginia. De acordo com o II Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais, publicado em 2018, um dos motivos para as mulheres não ingressam na indústria de games: o sexismo nos jogos online, tanto em termos de assédio quanto de agressão, visto que quase 100% das jogadoras já foram vítimas. Ainda não há uma preocupação sistemática da indústria de banir os usuários que praticam tais atitudes. No entanto, há um movimento das gamers, endossado por jogadores, chamado My Game My Name, que incentiva as garotas a utilizarem nomes femininos nos jogos, enquanto educam os garotos a partir de depoimentos de players famosos. Mas acredito que a aplicação mais eficaz da legislação dentro de ambientes de jogos pode ser uma saída para diminuir tais ataques. Você acredita que a personificação da mulher nos games está mudando do que estamos habituadas a ver? A sexualização da personagem (a personagem frágil, que precisa ser resgatada). E como você vê essa evolução? Assim como no cinema, o perfil das personagens femininas vem mudando na indústria de games. É claro que esse movimento na indústria mainstream parece ser um pouco mais lento que na indústria de games independentes, desenvolvidos a partir de pequenos estúdios. Mas pequeno não é sinônimo de algo ruim, menor. Dandara é um bom exemplo disso: inspirado na personagem histórica homônima, companheira de Zumbi dos Palmares, o jogo brasileiro tem uma protagonista negra, não sexualizada, com uma jogabilidade elogiada até pela revista americana Time que, no final de 2018, o colocou como um dos 10 melhores games do ano, ao lado de franquias de sucesso, tais como Mario e God of War. Saber que a principal plataforma que este jogo é comercializado é no console Nintendo Switch mostra uma possibilidade incrível para pequenos criadores de jogos e novas representações. Eu sou da época do Tomb Raider e Lara Croft é e sempre será um ícone para mim, de mulher forte e guerreira, que pode tudo. A mulher gamer ainda vive numa realidade em que esta luta é constante para que ela possa ser reconhecida. Quais são os seus conselhos para quem quer seguir na carreira?  Sem dúvida, a Lara Croft é um dos ícones da indústria de games em termos de representação feminina. Mas é um exemplo atual também, que continua influenciando milhares de mulheres através do game. A trajetória heróica dela lembra muito os desafios que acabamos enfrentando todos os dias na profissão. A diferença é que não precisamos nos sentir tão sozinhas como a Lara, uma vez que já somos muitas dentro da indústria, a maioria entre jogadores e estamos ocupando cada vez mais espaços. Quem gosta de game costuma não desistir facilmente de uma fase difícil. Acho que esse é o grande aprendizado: fases difíceis existem, mas os objetivos são maiores. E trata-se da vida. Nesse jogo, todo mundo recebe apenas uma. Então, temos que aproveitar a jornada focando mais na vitória do que nos adversários. Prepararar-se através de estudo, colocar-se à frente dos projetos, fazer boas parcerias e não ter medo do julgamento alheio são indicações que apenas fortalecem a heroína.


ÉRIKA CARAMELLO A “donzela em perigo” aparece com uma certa frequência nos games o que degrada a realidade da mulher moderna. E alguns dos jogos que tentam mudar este contexto, trazem personagens femininas protagonista caracterizadas de forma sexualizada. A lógica seria "para agradar o público tradicional masculino" mas a realidade é que as gamers estão em maior número (como já falamos). A opressão do patriarcado ainda impera? Isso acontece porque temos muito mais homens desenvolvendo jogos do que mulheres nas equipes dos estúdios. No Brasil, essa proporção é de quatro homens para uma mulher, de acordo com o censo. Assim, a visão que eles têm sobre a representação do corpo feminino, inevitavelmente, reflete toda uma indústria cultural que reforça a fragilidade da mulher e a sua atratividade física, esta última como um aspecto de poder. Este perfil de protagonista feminina é muito presente nas grandes franquias de games de console, chamados de AAA, uma vez que o público consumidor deste tipo de plataforma ainda é majoritariamente masculino, tanto em termos de venda, quanto em termos de preferência. São jogos caros se comparados aos de outras plataformas, as grandes estrelas do mercado de games que recebem somas vultosas de investimento de marketing. Assim, é muito mais fácil garantir retorno do investimento com velhos estereótipos do que propondo novidades neste sentido, pois isso pode impactar a avaliação do público. The Last Of Us 2 é um exemplo disso: elogiado pela crítica e criticado pelos incels em sites na internet em função da história trazer o protagonismo de um casal de lésbicas que fogem do padrão sexualizado da indústria. A resposta seria mais mulheres desenvolvendo games para mulheres??? A mudança no perfil da Lara Croft na última década se deve à presença de mulheres nas equipes de desenvolvimento. Mas eu não deixaria isso num grupo fechado de meninas. Diversidade na indústria, em todas as formas possíveis, traz novidades desde narrativa até a jogabilidade. Em tempo de indústria criativa, estar aberto ao novo é fundamental! Todos ganham com isso. Analisando este mercado atual, como as mulheres podem (e devem) desbravar o setor de gaming no Brasil? Acredito que uma das grandes saídas é a sororidade, que só vem crescendo. Quando eu comecei a trabalhar com games, em 2006, a visão que eu tinha da área era a imagem da tela do Windows XP: tudo mato. Os anos foram passando e, sobre aquele gramado, surgiram algumas mulheres, tanto nos estúdios, quanto em sala de aula. Podia dizer que a cena passou a ser ocupada por alguns Teletubbies. Hoje já somos muitas! A Women Game Jam é uma prova disso: a última edição brasileira dessa maratona de desenvolvimento de games conseguiu reunir mulheres de norte a sul do país que, em apenas 10 dias, desenvolveram 35 jogos. Tenho o maior orgulho de participar como mentora desse evento, especialmente quando vejo que alunas minhas já estão se transformando também em professoras e, assim, continuando o legado. Além disso, há uma série de empresas de TI que vem investindo em cursos de capacitação de mulheres para atuarem na indústria, bem como redes de apoio que oferecem vagas para uma maior diversidade dentro da indústria. A propósito, a existência do selo da diversidade de gênero distribuído pela Associação Brasileira de Games (Abragames), na qual participo como membro do Conselho de Diversidade, também incentiva uma maior participação de mulheres nesta indústria. Como a minha publisher Dyxel foi fundada sobre o pilar da diversidade, também priorizamos estúdios e jogos que contemplem essa diversidade de gênero. Participar destas iniciativas, olhar as oportunidades e firmar parcerias é fundamental.


NEM SEMPRE GANHANDO, NEM SEMPRE PERDENDO, MAS, APRENDENDO A JOGAR. FAVORITE QUOTE "APRENDENDO A JOGAR", LETRA DE GUILHERME ARANTES EM MÚSICA INTERPRETADA POR ELIS REGINA ÉRIKA CARAMELLO


KARINA TRONKOS UX Designer na Globo e criadora de conteúdo no Nina Talks

Conte-nos sobre você e sua carreira Tenho 23 anos, sou estudante de ciência da computação na PUC-Rio e trabalho como UX Designer na Globo. Ganhei 4 anos seguidos o Scholarship da Apple para ir para a WWDC (a conferência de desenvolvedores iOS na Califórnia), justamento pelos meus projetos unirem duas disciplinas que eu amo tanto: design e tecnologia. Possuo um projeto no Instagram chamado @nina_talks, onde compartilho essa minha jornada e tudo que a empolga e inspira nesse universo de tech, design, inovação e criatividade. Um dia na sua vida profissional! Eu costumo separar meu dia em "blocos" para conseguir organizar tudo direitinho! Minha manhã costuma ficar dedicada às aulas da faculdade, e o meu trabalho na Globo é de 10h as 19h. Atualmente eu trabalho como UX Designer no G1 e nós buscamos diariamente melhorar a experiência de consumo de notícias dos brasileiros, o que eu pessoalmente acho um desafio incrível! Trabalhar numa plataforma de mídia em que a gente busca informar as pessoas através de uma ótima experiência através da tecnologia é algo que me motiva muito. E eu busco sempre aproveitar o meu final do dia e os meus fins de semana tanto para estudar para a faculdade como também para produzir conteúdo para o Nina Talks. Eu sou tão apaixonada por criação de conteúdo, que para mim é um momento prazeroso, eu não enxergo como trabalho. E é uma troca tão maravilhosa com tantas pessoas, que eu não sei nem explicar! Há alguma pessoa específica em tecnologia que te inspira? São tantas pessoas que eu não sei nem listar! A Elizabeth Churchill que é diretora de UX na Google, a Esther Hare que é Senior Director de Worldwide Developer Marketing da Apple e a Julie Zhou que era VP de design e tecnologia do Facebook são algumas!


KARINA TRONKOS O sector de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal no setor. Quando eu entrei na faculdade de computação existiam pouquíssimas meninas na sala, mas rapidamente a gente se juntou para ajudarmos umas às outras! Eu tive muita sorte de ter colegas de turma homens que entendiam o quanto é errado terem tão poucas meninas na área de tecnologia e sempre me deram total apoio e ajuda! Em relação ao trabalho eu novamente tive o privilégio de entrar em empresas e equipes que logo no processo seletivo selecionavam a dedo pessoas que não apresentavam um comportamento machista ou opressor, sempre buscando criar um ambiente de trabalho seguro e confortável. Mas o que eu mais escuto são depoimentos de meninas que passam por situações extremamente constrangedoras e que muitas vezes pensam em desistir, o que parte o meu coração! É importantíssimo e faz total diferença nós nos unirmos em relação a essa causa, para justamente mais mulheres poderem ter o mesmo privilégio que eu tive, de poder trabalhar num ambiente que a gente não tenha que provar a nossa capacidade todo dia pelo simples fato de sermos mulheres. Quais são os maiores desafios que as mulheres que desejam se aventurar no mundo da tecnologia enfrentam hoje? Acho que o maior deles é a síndrome de impostora. Nós muitas vezes questionamos se aquele é o nosso lugar, se a gente merece estar aonde estamos e por isso é tão importante a gente construir a nossa autoconfiança e buscar o suporte de outras mulheres porque juntas somos mais fortes. Mas também enfrentaremos pessoas que vão questionar a nossa capacidade e nos colocar para baixo, desafios que consideraremos muitas vezes insuperáveis, mas nós somos mais fortes do que nós imaginamos e nós inspiramos outras mulheres que muitas vezes a gente nem imagina. Você acha que o problema de diversidade no setor de tecnologia existe? Em caso positivo, você percebe a falta de mulheres e como Isso afetou você (se afetou de alguma forma)? Em caso negativo, compartilhe a sua jornada com a gente. Existe e existe muito! É evidente a falta de mulheres na área de tecnologia. É só a gente ir em qualquer evento tech e olhar a relação de palestrantes homens x mulheres e a proporção de homens x mulheres na platéia também. Mas eu vejo crescendo cada dia mais a quantidade de mulheres que se interessa na área, enxergando que é possível sim e que é sim o lugar da mulher a área de tecnologia! Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na área de tecnologia? Acho que cada dia mais as mulheres estão ficando mais confiantes e acreditando que elas são capazes sim de entrar nesse universo! Elas se sentirem apoiadas e poderem se inspirar em outras mulheres faz toda a diferença. E isso, graças a Deus, não está mudando apenas na cabeça das mulheres, a gente está conseguindo fazer os homens enxergarem o problema que é esse gap e o quanto melhor se torna o trabalho de todo mundo quando a gente pode trocar experiências com pessoas diferentes da gente, não só em gênero, mas em tudo.


KARINA TRONKOS O que as empresas podem e devem fazer para incluir nao somente na atração de talentos mais mulheres para o sector de tech e para posições de liderança? O que eu tenho visto acontecer é um movimento de empresas criarem redes e comunidades de apoio para mulheres em tecnologia, não só movimentos internos como externos também, e eu acho isso incrível! Porque é muito importante um movimento contínuo de inclusão e o estabelecimento de um ambiente de trabalho seguro e confortável, não apenas uma campanha pontual na hora de contratar. Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão tentando entrar em tecnologia? Você é o suficiente sim para tudo que você precisa ser para alcançar o que seu coração deseja, então continue sonhando grande e faça acontecer! E busque se aproximar de outras mulheres que te inspiram. O que você acha que devemos fazer para encorajar mais meninas a considerarem uma carreira em tecnologia? Acho que é importantíssimo apresentarmos para meninas desde cedo que a área de tecnologia é uma opção sim para elas, mostrando tudo que a tecnologia nos permite fazer. Se elas não verem mulheres ocupando esses espaços, elas não vão enxergar a área de tecnologia como uma possibilidade! O objetivo principal de abordar esse problema é fazer com que as mulheres se sintam naturalmente parte da indústria de tecnologia, em vez da estranha minoria.

BE A COLLABORATOR


VOCÊ NÃO PRECISA SER ÓTIMO PARA COMEÇAR, MAS PARA SER ÓTIMO VOCÊ PRECISA COMEÇAR. FAVORITE QUOTE KARINA TRONKOS


LIZZY ZANLUTI CEO & Founder da OpenFuture

Conte-nos sobre você e sua carreira Lizzy. Sou executiva com formacão em Administracão, MBAs em controladoria e finanças, desenvolvimento humano e gestão estratégica nos negócios. Também atuo como Mentora e Investidora de startups desde 2012 e conheci o setor de Blockchain em 2014 e de lá pra cá venho estudando novas tecnologias que impactam positivamente negócios e a sociedade. Possuo uma vasta expertise na curadoria e gestão de eventos, com diferentes portes disseminando conhecimento com os melhores especialistas sobre Blockchain/Criptoeconomia. Acredito na mudança através da educação e andei pelo Brasil com diversos projetos levando educação e eventos. Atualmente, sou CEO & Founder da OpenFuture. Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na área de tecnologia? Não diria fácil. Mas há mais oportunidades. Pois o mercado está se unindo para a causa das mulheres e isso forca uma entrada automaticamente. Um dia na sua vida profissional! São Paulo, meu primeiro evento como CEO, um evento gigante de Blockchain, um staff incrível mais de 30 pessoas apoiando, mais de 80 palestrantes nacionais e internacionais presentes. 3 auditórios lotados. A primeira reunião do mercado de Blockchain iniciando no Brasil. O dia iniciou ás 00:00 do dia anterior e acabou 2 dias posterior, e eu fui a ultima a deixar o local... A primeira boas vindas em 3 palcos simultâneos, para tanta gente, as pernas tremiam mas a sensação de dever cumprido era tão maravilhosa que nada sentia... Ao caminhar pelos stands, os clientes felizes, profissionais do segmento arrependidos o porque não viraram clientes, e junto a confirmação, no próximo estaremos juntos. O agradecimento Suíço. O sentimento era de nascimento de um filho planejado por anos, lindo e impecável... Que rodaria o mundo.


LIZZY ZANLUTI O sector de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal no setor. Infelizmente sim!. A % feminina ainda é baixa. Embora eu sempre tive uma boa experiencia com o publico masculino. Apreendi com eles, minha carreira desenvolvida em multinacionais e outras empresas, nas equipes as quais passei, sempre tive vários homens e sempre apreendi e cresci com eles. Nunca tive problemas. No mercado que estou inserida também, sempre fui muito respeitada, admirada, e consultada para vários opniões sobre projetos, atividades, e avanços de mercado. Você acha que o problema de diversidade no setor de tecnologia existe? Em caso positivo, você percebe a falta de mulheres e como Isso afetou você (se afetou de alguma forma)? Em caso negativo, compartilhe a sua jornada com a gente. Sim existe! Ainda há no mercado um certo autoritarismo, uma falta de confiança na mulher. Infelizmente eu tive uma experiencia nada legal... Um dia cheguei na empresa o qual eu era CEO, e numa reunião de sócios fui abordada para deixar a empresa. No momento em que aconteceu, eu não entendi o porque. Afinal eu havia criado a empresa do zero, me dava super bem com a equipe, era visionária, como Administradora conseguia trabalhar estratégias de redução de custos incríveis, as quais só traziam lucro para o negócio. Não tinha medo, planejava, organizava e executava as acoes. Muitas vezes rodada noites trabalhando, afinal empresário não tem hora. Mas derrepente uma virada de mesa... O mundo desabou.. Deixei levarem minha filha. Com o passar do tempo entendi o que aconteceu ali... Era uma mulher, cheia de iniciativa que fazia acontecer, isso encomodova, ofuscava o ego masculino, porque ás vezes quando você é mulher, vc precisa concordar e não pode falar o que pensa se posicionar. Mas a gente nem percebe isso. Eu sou uma pessoa que respira negócios, porque eu tenho paixão pelo que faço, e as vezes isso encomoda. Mas, como toda dor passa! Tudo isso me trouxe a experiencia de avaliar bem com quem você quer caminhar... Seus sócios tem que ser como você, olhar lá na frente, planejar e executar, assim as conquistas ficam mais fáceis e rápidas.

Há alguma pessoa específica em tecnologia que te inspira? Sara Blakely.

Quais são os maiores desafios que as mulheres que desejam se aventurar no mundo da tecnologia enfrentam hoje? Acredito que o maior desafio é o autoritarismo que ainda há. Ë preciso ser firme, não desanimar, mostrar sua competência, desenvolver suas habilidades. Aos pouquinhos vamos ganhando espaço e credibilidade. Ter foco, e se unir a equipes femininas de tecnologia para troca de informações.


LIZZY ZANLUTI O que as empresas podem e devem fazer para incluir não somente na atração de talentos mais mulheres para o sector de tech e para posições de liderança? Criar oportunidades, desenvolver times internos. Desenvolver habilidades, inspirar as novas líderes, apoiar, nós precisamos de apoio. Sabemos o que queremos, mas nos sentimos confortáveis com um líder falando vai que estou aqui... Vai.... Quando isso acontece, voamos! Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão tentando entrar em tecnologia? Vá em frente, estude a área que quer atuar, hoje a area de tecnologia é muito grande, há bastante concorrência, mas também a muita oportunidade. Desenvolva skills, busque pensar diferente , crie soluções diferentes, mostre, deixe os outros te vender. Crie oportunidades de mostrar o que você estudou. O que você acha que devemos fazer para encorajar mais meninas a considerarem uma carreira em tecnologia? Educar, empoderar, incentivar empresas, Hubs, Organizações, que buscam apoiar as meninas, ajudar a entender o mercado a dar os primeiros passos... Identificar oportunidades/medos/riscos e avanços.

WANNA BE A GUEST?


NA VIDA A GENTE SÓ ANDA PRA FRENTE, PENSAR DIFERENTE É AGIR DIFERENTE E SURPREENDER! #SOVAMOS FAVORITE QUOTE LIZZY ZANLUTI


MARCELA GONÇALVES Diretora de Desenvolvimento Empresarial

Conte-nos sobre você e sua carreira. Eu sou CDO - Diretora de Desenvolvimento Empresarial da Multiledgers,  Engenheira de Controle e Automação de formação e MBA em Inteligência Competitiva com mais de 16 anos de experiência na liderança de projetos em Inovação,  Desenvolvimento de softwares e Planejamento de Negócios nas áreas Industrial, de Gestão e TI, atuando em algumas Big Four no Brasil. Desde 2016 estou direcionada em estudos de Modelos de Negócio em Blockchain, atuando em projetos na Multiledgers e na estruturação da rede LACChain Ecosystem, Delegada pela Multiledgers no SG16 ITU-T/ONU e participante do Comitê de Estudos e Padronização de práticas ABNT / ISO-CEE-307. Um dia na sua vida profissional! Meus dias não são muitos rotineiros. Sou responsável  por frentes com o foco Institucional da Multiledgers. Atuo com gestão administrativa interna,  como processos, inteligência de negócio. Além de atuar com parceiros Institucionais, participação em grupos de Padronização eEstruturação de Pesquisas e Material como do nosso Programa de Suporte à Inovação, onde aplico o Framework de desenvolvimento de Ecossistema e Blockchain, desenvolvido por mim para Multiledgers. Há alguma pessoa específica em tecnologia que te inspira? Sim, várias me inspiram, Marième Jamme, com projeto I´m the code, Lindália Junquiera, com Hackingrio, Cris dos Prazeres, com Vai na Web. Ciranda com She´s Tech. Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão tentando entrar na tecnologia? Não desistam, dificuldades existem, se precisar procure  apoio, família, amigos, em grupos de mulheres para tecnologia,terapia, busquem empresas que valorizam mesmo as mulheres, se acharem criem a sua própria empresa, mas não desistam. Hoje temos um grupo maior de mulheres com mais visibilidade que tínhamos quando eu comecei, busque suas referências, e se torne a referência.


MARCELA GONÇALVES O sector de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal no setor. Eu me formei em Engenharia, fui a primeira mulher na primeira Turma de Controle e Automação da PUC-RIO em 2001, então convivi desde cedo com as questões que o ambiente masculino nos coloca, e por muito tempo esse ambiente para mim era comum a ponto de ser uma profissional que os homens elogiavam por ser "sem frescura", "um dos caras", "tão boa profissional como um homem". Apesar de sofrer caso as coisas não ocorressem bem ou até os assédios sempre foram um tabu. Tive que aprender a me defender essa é a verdade, e a mostrar meu valor, mesmo quando ele era posto a prova. Para quem sofreu com PHDeus da física te chamando de burra, professor duvidando  da sua capacidade de passar na matéria dele, ou professor te menosprezando por vc ter repetido a matéria, quando vc chega no mercado de trabalho vc já criou uma casca grossa. Mesmo assim essa casca pode sangrar, como em 2012 eu tive pela primeira vez um Chefe declaradamente misógino, foi muito difícil passar por isso, a terapia me ajudou muito nesse momento. Você acha que o problema de diversidade no setor de tecnologia existe? Em caso positivo, você percebe a falta de mulheres e como Isso afetou você (se afetou de alguma forma)? Em caso negativo, compartilhe a sua jornada com a gente. Sim, existe. E acho que a falta de mulheres fez com que eu me espelhasse em homens, e de uma certa forma nos leva a ter um olhar e valor para profissionais homens, e a normalizarmos tudo que nos acontece. Só fui ter um olhar de líder feminina nos últimos 4 anos, onde tive líderes mulheres, onde pude entender melhor essa conexão e aprender a mudar essa percepção com elas. Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na área de tecnologia? Não. Isso os números mostram que anos 70 / 80 tinham mais mulheres, e que esse número  vem caindo  ao longo das décadas subsequentes. Ainda temos muitas barreiras desde novas que não somos incentivadas a ver que o ambiente STEM tb é pra gente.  Mesmo nos últimos anos com o aumento o número de ações para inclusão, ainda temos  de vencer essa questão cultural que mulheres não foram feitas para STEM. Quais são os maiores desafios que as mulheres que desejam se aventurar no mundo da tecnologia enfrentam hoje? Acho que o primeiro passa por desfazer a crença/barreira que ela não foi feita para STEM, quebrar as portas de vidro e os telhados de vidro que nos são impostos. Depois trabalhar sua autoestima, e entender que as falhas não são decorrentes por não saber, mas pq processos de falha acontecem, homens falham e não se culpam ou são culpados por isso, já com as mulheres isso é muito cobrado. Uma mostra sobre isso entra no aspecto que para muitas vagas as mulheres não se sentem capacitada se não tiver 100 % de aderência ao CV, enquanto homens  enviam CV mesmo com 40 % do CV aderente.  Temos de entender que temos capacidade de fazer as coisas mesmo que sozinhas, eu, por ser filha única tive que aprender a ir atrás do que eu queria, muitas não vão ter essa capacidade, por diversos motivos, pq o ser humano é diferente, mas se vc identifica essa paralisia procure ajuda, escolas de psicologia tem trabalho de clinica social, é super importante tirarmos nossas crenças limitantes ou tratarmos nossos medos.


MARCELA GONÇALVES O que as empresas podem e devem fazer para incluir não somente na atração de talentos mais mulheres para o sector de tech e para posições de liderança? A primeira é as empresas possibilitá-las de alcançarem esses cargos, porque competência as mulheres têm de sobra. Mulheres são desencorajadas a Liderar segundo relatório da Mckinsey (2015) sobre igualdade de gênero, e não serem cogitadas para cargos mais altos, por isso vemos que só 7,3% de mulheres são levadas aos conselhos das empresas.  Outra questão com as empresas é pararem de fazer evento com mulheres só pra constar em Relatório de Responsabilidade Social, tudo lindo, rosa, fashion, mas os números mostram que não tem ajudado a alavancar o quadro de mulheres nas empresas, pinkevento, a gente finge que inclusivo e vc´s fingem que estão felizes com nossos brindes. Realmente investir na formação de mulheres nos primeiros anos, eles querem mulheres, mas seniors, prontas, o que é muito mais difícil, as que estão empregadas, estão bem empregadas.  Diversidade significa formação e formação leva tempo, esforço, trabalho coletivo, desenvolver um bom profissional não é da noite pro dia, se as empresas esperam aumentar a quantidade de mulheres nos seus quadros elas têm que atuar na base. O que você acha que devemos fazer para encorajar mais meninas a considerarem uma carreira em tecnologia?  Desde criança eu tive acesso a muitos jogos, não tínhamos grana para as bonecas, então jogos era o mais fácil e barato. Também sempre fui incentivada e nunca podada pela família, mesmo com questões que eram ditas masculinas como videogames, na minha época só meninos tinham, e eu era vista como aberração, anos 80. No colégio também tive incentivo de professores, era boa aluna em exatas. Quando entrei pra engenharia foi bem difícil, mas cada não me dava força para continuar e meu professor que se tornou meu orientador tb foi uma das pessoas que mais me incentivou, eu me inscrevi pra fazer intercâmbio, minhas notas até aquele momento não estavam tão boas, mas ele me incentivou que se melhorasse minhas notas nos dois semestres seguidos ele me apoiaria, eu tive um salto, pude ir pro intercâmbio na Alemanha.  Então o recado principal é para  familiares, amigos, professores, apoiem suas meninas e mulheres a conquistarem  o que elas querem, às vezes são essas barreiras que nos fazem desistir de um sonho, e não as dificuldades do caminho.


NUNCA LHE DIGA PARA FAZER OU DEIXAR DE FAZER ALGUMA COISA “PORQUE VOCÊ É MENINA”. “PORQUE VOCÊ É MENINA” NUNCA É RAZÃO PARA NADA. JAMAIS FAVOURITE QUOTE BY CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE MARCELA GONÇALVES


REGINA SALES MAGALHÃES Diretora do Segmento de Mobilidade na Schneider Electric para América do Sul

Conte-nos sobre você e sua carreira Regina. Tenho uma trajetória profissional bastante dinâmica e diversificada. Fiz faculdade de agronomia, mestrado e doutorado em ciência ambiental e diversos cursos de educação executiva em negócios. Trabalhei os primeiros anos da minha vida profissional com desenvolvimento rural, mas logo passei por uma grande mudança, quando fui trabalhar na International Finance Corporation (World Bank). Depois trabalhei em consultoria na área sustentabilidade e hoje trabalho como lider comercial em uma empresa de tecnologia. Quem te inspira no setor de tecnologia ? Certamente Tânia Cosentino é minha grande referência. Ela me contratou na Schneider Eletric e foi um grade exemplo de mulher liderando uma empresa em processo de transformação para uma empresa de tecnologia mais diversa e inclusiva. Sua paixão e competência para liderar negócios orientados pela sustentabilidade e pela inclusão social é uma inspiração para todas as pessoas. Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão tentando entrar na tecnologia? Minha principal mensagem é que as mulheres podem ocupar as posições que desejarem o mundo esta aberto para todos os desejos. Mulheres podem ser grandes agentes de transformação. Mas quero passar uma mensagem também para os homens. O aumento da participação das mulheres em todas as esferas da sociedade é uma conquista de todas as pessoas e essa é uma responsabilidade de todos.


Um dia na sua vida profissional!

REGINA SALES MAGALHÃES

Trabalho liderando a estratégia comercial da empresa para indústria automotiva, mobilidade elétrica e infraestrutura de transportes. Diariamente acompanho o mercado, mapeando os investimentos e projetos das empresas, analiso as principais tendências e as dificuldades nesses segmentos. Faço euniões com clientes para conhecer seus planos e desafios. Meu foco tem sido os processos de transformação digital e sustentabilidade. Com essas informações procuro mobilizar, treinar e orientar a equipe de vendas e as engenharias para apresentar as soluções tecnológicas que melhor respondam a esses planos e desafios dos clientes e encontrar as melhores estratégias para gerar um bom resultado comercial. Também tenho que produzir relatórios internos e analisar os resultados dos negócios com as lideranças da empresa. Preciso ainda negociar internamente recursos técnicos e financeiros para poder executar a estratégia. Faço esse trabalho com empresas e equipes de quase todos os países da América do Sul. Preciso também trabalhar junto com equipes na sede da empresa na França e muitas vezes em parceria com colegas de outros países europeus, Estados Unidos e China. Me vejo como CEO de um negócio, com a responsabilidade de gerar resultados e me relacionar com um grande número de stakeholders. É um trabalho que combina conhecimento técnico com muita habilidade de relacionamento e capacidade de liderança. Como trabalho com pessoas de vários países, tenho que considerar também as muitas diferenças culturais. Além disso, tenho outras atividades. Faço parte de uma equipe para colaborar no aperfeiçoamento da metodologia do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3, participo do conselho consultivo de uma escola de automação industrial do Senai e recentemente ingressei na comissão de inovação do IBGC. Atuo ainda em várias atividades para promover a diversidade e a valorização do trabalho das mulheres, faço parte da Rede de Mulheres LBTQ+ e da Associação de Mulheres LBTI. O sector de tecnologia ainda eh um campo dominado pelos homens. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal no setor. Estou a pouco tempo no setor de tecnologia, mas trabalhei muitos anos em setores também dominados por homens, como o setor agrícola e financeiro. Sempre fui muito disciplinada em meu trabalho, estudo muito o tempo todo. Tenho uma postura confiante, de liderança e tenho uma rede de relacionamentos dentro e fora da empresas muito grande e forte. Esses fatores me dão muita confiança, força e de certa forma isso cria uma barreira que dificulta que atitudes discriminatórias se manifestem. A empresa onde trabalho leva diversidade e inclusão muito a sério. Tem uma cultura acolhedora e que realmente valoriza a diversidade, além de possuir metas que são tratadas da mesma forma que as metas financeiras e que impactam a remuneração variável de todos os gestores. Há vários anos possui um trabalho muito grande para promover a diversidade de gênero, que inclui um programa de pay equity, licença familiar e advocacy, como por exemplo um forte trabalho no programa HeforShe das Nações Unidas. Quando entrei na empresa, trabalhava diretamente com a CEO da América do Sul, uma muher muito competente e inspiradora, Tânia Cosentino, que é hoje CEO da Microsoft Brasil. Na posição que estou hoje lidero duas áreas que são lideradas globalmente por duas mulheres igualmente competentes e inspiradoras. A empresa agora está trabalhando fortemente na representatividade de pessoas LGBT, onde também possui lideranças muito inspiradoras em posições de alta liderança. Agora vai trabalhar mais fortemente com a diversidade racial, de gerações e pessoas com deficiência. Enfim, é uma empresa que proporciona segurança, maior equidade e tem grandes referências para seus colaboradores e para outras empresas. Mas essa não é a realidade de todo o mercado.


REGINA SALES MAGALHÃES Você acha que o problema de diversidade no setor de tecnologia existe? Em caso positivo, voce percebe a falta de mulheres e como isso afetou você (se afetou de alguma forma)? Em caso negativo, compartilhe a sua jornada com a gente. Existe. Segundo o relatório da Unesco, mulheres ocupam menos de um terço da força de trabalho em carreiras técnológicas. Nas startups o problema é ainda maior. Apenas 2% das startups com maior potencial de crescimento e acesso a capital são lideradas por mulheres. A falta de diversidade no setor de tecnologia é muito grave para toda a sociedade por causa do poder que a teconologia cada vez mais tem de influenciar nos comportamentos e nos rumos dos negócios em todas as áreas. O primeiro grande problema é que os salários nas empresas com maior uso de tecnologia são cada vez maiores que nas demais empresas. Como a presença de mulheres é menor, as diferenças salariais entre homens e mulheres podem ficar ainda maiores. Segundo The State of the Gender Pay Gap 2020, globalmente homens ganham em média 20% a mais que mulheres. No Brasil, a diferença segundo o IBGE também é de 20% em média, mas em alguns setores a diferença chega a 35%. Porém, o maior problema é o impacto da tecnologia sobre a diversidade em toda a sociedade. As tecnologias digitais, como aquelas utilizadas nas redes sociais, no comércio eletrônico, nos aplicativos, nas tecnologias de reconhecimento facial, nos softwares baseados em inteligência artificial utilizados em processos de recrutamento, avaliação de risco de crédito nos bancos, nos processos judiciais, etc, reproduzem e intensificam os estereótipos de gênero que existem na sociedade. Se as equipes que desenvolvem e aplicam essas tecnologias não forem diversas, as tecnologias vão fazer com que vão fazer com que os negócios e os serviços públicos continuem discriminando mulheres, negros, pessoas LGBT e outros grupos de pessoas que não são representadas. Uma coisa muito importante a destacar é que existem várias camadas de discriminação. Mulheres negras têm menos oportunidade do que mulheres brancas, mulheres lésbicas ou transsexuais têm menos oportunidades que mulheres heterosexuais e cisgênero. Para promover inclusão é necessário considerar toda essa diversidade e trabalhar todas essas dimensões. Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na area de tecnologia? A mobilização das mulheres está crescendo muito, a justiça vem reconhecendo os direitos das mulheres e as empresas estão cada vez mais conscientes da necessidade de ter maior diversidade em suas equipes. Por isso, está ficando sim mais fácil, mas ainda precisa mudar muito. Um dos princiais obstáculos à mudança é a cultura. Ainda existe a falsa ideia de que mulheres são menos capazes de aprender matermática e ciências exatas. As escolas, desde o ensino infantil, promovem a diferença de prendizado entre meninos e meninas e não possuem recursos pedagógicos que busquem eliminar essa falsa percepção. Essas situações induzem a escolhas profissionais diferentes. A falta de referências de mulheres em posições de liderança nas empresas de tecnologia reforça ainda mais as escolhas profissionais das jovens mulheres.


REGINA SALES MAGALHÃES Felizmente as iniciativas de promoção da participação de mulheres em carreiras tecnológicas está ajudando a reduzir essa diferença. Iniciativas como a da Female Tech, WE Ventures, Mulheres no E-commerce, Reprograma, PretaLab e várias outras estão ajudando na inclusão de mulheres no mundo da tecnologia. Programas como esses ajudam a criar novas referências para as mulheres, além de ajudar a desenvolver negócios e tecnologias mais inclusivas. Nos últimos anos os movimentos pela diversidade estão provocando mudanças importantes nas grandes empresas. O número de mulheres CEOs e a presença de mulheres em conselhos está crescendo lentamente, mas é um crescimento que tende a acelerar. Os grandes investidores estão cada dia mais conscientes de que a diversidade melhora os resultados financeiros e estão considerando como critério nas decisões de investimento. Uma das decisões mais impactantes no mundo corporativo foi anunciada pelo Goldman Sachs em janeiro de 2020, informando ao mercado que não conduziria mais IPOs de empresas que não tivessem pelo menos uma mulher na diretoria. Quando uma mulher lidera uma startup ou uma empresa ela exece um impacto sobre um grande número de mulheres, seja por que se torna um exemplo que pode ser seguido, porque abre caminho para outras mulheres ou porque muitas vezes desenvolve negócios mais inclusivos. Mulheres conhecem a realidade das mulheres e sabem identificar oportunidades de negócios que não são visíveis pelos homens. O que as empresas podem e devem fazer para incluir não somente na atração de talentos mais mulheres para o sector de tech e para posições de liderança? Muita coisa pode e deve ser feita. O problema da diversidade e inclusão é multi facetado, envolve dimensões econômicas, sociais, culturais e educacionais e é necessário compreender bem quais são os fatores que restringem a diversidade em cada caso e trabalhos de forma integrada. Pra simplificar eu resumo o conjunto de ações necessárias em três grandes blocos. O primeiro é educação, desde a educação infantil até a educação executiva. Todas as mulheres, indenpendente do trabalho que realizam, se são funcionárias de uma empresa ou empreendedoras, em qualquer ramo de atividade, precisam desenvolver habilidades digitais e de liderança. Essa é uma condição para se manter no mercado de trabalho, para galgar posições de liderança ou para ter negócios mais bem sucedidos. Outra ação fundamental é ampliar a diversidade das equipes responsáveis pelo desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Equipes mais diversas são mais capazes de identificar e criar soluções para os vieses de gênero das tecnologias. Para isso, é necessário inovar nos processos de seleção, treinar as equipes de recrutamento, buscar ativamente maior número de candidadas mulheres, criar programas de mentoria para que mulheres, dentre outras ações. O terceiro bloco de ações é ampliar a visibilidade das mulheres nas áreas de tecnologia de forma que outras mulheres se vejam representadas nessa área de atuação profissional. Isso pode ser feito por meio de ações que mesmo sendo muito simples não são realizadas normalmente, como a garantia de participação de mulheres como palestrantes em eventos.


ARTIGOS

Laurie Wang


SUCESSO NOS SEUS PRÓPRIOS TERMOS Mulheres hoje estão em posições que, até algumas décadas atrás, parecia improvável, impossível quase, mas a determinação e força de incansáveis mulheres permitiu que, aos poucos, isso se transformasse. Porém, ainda temos muito a conquistar, ocupar, exigir. O mundo dos negócios e da tecnologia, por exemplo, ainda fortemente masculino, vem se modificando lentamente e paradigmas que pareciam eternos vêm, aos poucos, se desmanchando. Mas não podemos esquecer que, no Brasil, somente 25% das posições em TI são ocupadas por mulheres. Na programação, somos apenas 17% e ganhamos 30% menos que os homens. Os números globais não são muito diferentes, 26% das posições em tecnologia têm mulheres à frente. Quando falamos de raças e etnias no ambiente tech, a situação é ainda mais constrangedora. Apenas 3% são negras, 6% asiáticas 2% latinas. Em termos de acesso a investimentos, em 2019, foram somente 7% destinados a startups lideradas por mulheres. Ninguém pode contestar que o uma maior participação feminina na economia é um dos principais motores do crescimento global. Desenvolve mercados, fortalece sociedades e, mais importante, promove a redução drástica da desigualdade de gênero. Diversidade cria produtos, empresas e setores de mais qualidade. O empreendedorismo é um dos caminhos que traz novas possibilidades para as mulheres, ao mesmo tempo que fortalece suas comunidades e sua autoconfiança. Mas por que ainda vemos uma diferença tão grande no número de homens e mulheres empreendendo? Com essa questão em mente, passei a explorar o mundo do empreendedorismo feminino consumindo relatórios, estudos, artigos e todos colocavam as mesmas dificuldades: as mulheres se sentem menos capazes, têm medo do fracasso, têm mais dificuldade em conseguir financiamento, de chegar ao mercado, não se sentem apoiadas. São submetidas constantemente à uma “régua” que as mede sempre em comparação a um modelo masculino.


No entanto, outra causa se destaca e foi essa que nos lançou à estrada: poucas mulheres como modelos para inspirá-las a dar aquele primeiro passo fundamental. O exemplo, a inspiração é essencial e, nesse caso, pode significar uma mulher “jogar a toalha” antes mesmo de tentar. Em 2016, eu e a Fernanda Moura criamos o The Girls on the Road e nosso trabalho tornou-se ir atrás dessas histórias e compartilhá-las com o mundo.   Sair pelo mundo colhendo histórias dá trabalho, exige planejamento, dinheiro, perseverança, paciência e determinação. Exatamente tudo o que essas mulheres têm demonstrado, de forma consistente. A primeira inciativa do The Girls on the Road foi o projeto F unders, que nasceu como um documentário, e depois virou livro, artigos, colunas, vídeos...

A escolha dos países foi baseada em alguns relatórios, porém deveria refletir uma diversidade que fosse bem além da geográfica. Deveria representar ambientes econômicos, sociais e culturais dos quais essas mulheres fazem parte e que mostrassem a imensa variedade de pensamentos, tradições, costumes e expectativas. Entender os desafios passa, obrigatoriamente, por entender a cultura, os relacionamentos, os papéis designados. Foram 24 países que deixaram à mostra que os desafios enfrentados são, em grande parte, muito similares. O que faz a diferença, ao final do dia, são os recursos – de toda a natureza – disponíveis nesses ambientes e que impulsionam essas mulheres. Ser empreendedora ou executiva no Japão, país-membro do G7, é mais desafiador do que Ruanda, país do leste africano, mais conhecido pelo genocídio ocorrido em 1994. Por que? A tradicional sociedade japonesa ainda possui um entendimento bastante limitado sobre os papéis que a mulher deve desempenhar. Já em Ruanda, assim como em outros países africanos, o empreendedorismo é visto como um dos principais caminhos para o crescimento e desenvolvimento do país. Em Ruanda há ainda o fato, decorrente do genocídio, de que mulheres, historicamente, têm tido uma presença e atuação marcantes em várias áreas. Não é sem razão que o país está entre os 10 países com maior paridade de gênero (9ª posição). Em julho de 2016 teve início a jornada de 15 meses entrevistando mais de 300 empreendedoras, em vários segmentos – da biotecnologia ao automotivo, da agroindústria à realidade virtual, a maioria utilizando e criando tecnologia como ferramenta de transformação. Ouvimos suas histórias, desafios e conquistas e percebemos que, ainda que sejam de realidades diferentes, há pontos que as unem: a obsessão em transformar sua ideia em negócio; sua garra em impacto ao seu redor; sua ambição em lucro.   O propósito do projeto F unders sempre foi e continua sendo levar a outras mulheres histórias e a inspiração daquelas que lutaram, fracassaram, perseveraram e tiveram sucesso, nos seus próprios termos. Muitas dessas histórias e da nossa história virou o livro “Do Jeito Delas: Histórias de Mulheres Empreendedoras pelo Mundo”, lançado em Outubro de 2018. E o documentário está em fase de finalização, com expectativa de lançamento até o final de 2020.  


Taciana Mello Co-fundadora The Girls on the Road Taciana has developed most of her career in multinational companies such as Ford, Continental Airlines and PwC. As a seasoned integrated marketing strategy and communications professional, she has supported different types of organizations to innovate in the way they provide services by improving the customer experience. Her deep interest about learning and experiencing innovation ecosystems led her to go back to the US and explore the startup world. In this process, she felt first hand the dramatic gap of women participation and recognition in the entrepreneurial world. Since July 2016, with The Girls on the Road initiative, she has embarked in a mission to tell stories of women entrepreneurs. Co-authored the book “Do Jeito Delas – Histórias de Mulheres Empreendedoras pelo Mundo” and co-produced/directed the upcoming documentary “On our own terms”. She became Champion for Change 2016 – 2017 Empower Women (UN Women) in which she developed activities to raise awareness about the need to increase women economic empowerment. Taciana was also a regular writer for Época Negócios and Pequenas Empresas Grandes Negócios in Brazil.

Quero Colaborar!


ETAPAS DE UM PROJETO DE BIG-DATA & ANALYTICS — COLETA, INGESTÃO & TRATAMENTO DE DADOS Tenho percebido que existe uma grande dificuldade no aprendizado das técnicas de análise de dados a etapa de coleta, ingestão e tratamento de dados. Esta fase que é a origem do “insight” tão desejado, ou da resposta da “Inteligência Artificial”, tão admirada, muitas vezes não é executada com o devido cuidado, podendo assim arruinar o resultado tão esperado. Vou tentar ser bem didática quanto aos passos para que qualquer “Cientista de Dados” aspirante possa ter a sua primeira análise exploratória de dados bem sucedida: Tudo começa com o RAW DATA — Dado bruto, ou seja, exatamente como foi extraído do sistema origem, ou capturado na internet. Características do banco de dados em estado bruto (RAW Data) — muito grande, muito distribuído (processamento clusterizado), muitos atributos categóricos, relacionamentos multivariados, dados pessoais, valores em branco, valores inválidos ou muito discrepantes. Para “tratar” estes dados e transformá-los em “dados consumíveis”, precisamos ter em mente o seguinte: 0. Arquivo muito grande, normalmente são dados não estruturados, como streeming, dados de equipamentos inteligentes (IoTs), que geram listas gigantescas online e real-time. Para resolver este primeiro impasse da “ingestão de dados”, a primeira solução é particionar. Ou seja fazer a carga em partes ou se o sua infraestrutura permitir, adotar arquitetura de micro serviços. Assim você ganhará “escalabilidade”. Eis a primeira palavra chave do processo de ingestão, tornar esse processo “escalável” e “automatizado”, para que após a implementação da solução como um todo, você não tenha que repetir o sofrimento diariamente.


1.Para iniciar o processo de tratamento é preciso tentar reduzir a quantidade de atributos que possam complicar o processo de análise. Um exemplo, se em um banco de dados você tem a data de nascimento de cada usuário, e o processo de análise demanda segmentar pessoas por faixa etária, o ideal é que você faça esse calculo previamente, para que algoritmo que será utilizado depois não tenha que calcular linha por linha. Isso consumiria dias de processamento, caro e prejudicial ao resultado da análise. Então esta é a etapa de identificar quais são as variáveis que podemos calcular, agrupar com vistas ao estudo final. 2.Então partimos para análise univariada, que nada mais é do que identificar a chave ou atributo comum que podemos utilizar para extrair características do foco da análise. Por exemplo, se estamos fazendo um estudo de perfil do cliente, devemos buscar alguma identificação de cliente nas diversas tabelas do dado bruto, para poder reunir todos atributos relacionados ao cliente. 3.Uma vez detectado o atributo ou a chave única que liga as características do foco do estudo, vamos fazer a análise bi ou multivariada, para identificar quais atributos tem maior peso em relação ao nosso alvo e as correlações entre estes atributos; 4.Agora faremos a análise descritiva, ou seja, através de um método estatístico de análise descritiva, você obterá a frequência de cada registro no banco de dados, com esta informação será possível avaliar se o conteúdo do banco de dados possui o volume necessário de informações válidas. Esta etapa vai lhe permitir saber se você precisa coletar mais dados para por exemplo suprir uma necessidade de informação quanto a algum atributo. 5. Agora vamos fazer mais uma análise para detectar se há algum item que pode provocar um fator isolado (outlier) que inviabilizaria o propósito do estudo. Por exemplo, se você estava fazendo um estudo sobre viagens de Brasileiros para Europa no período de março à junho, o ano de 2020 será um “outlier”, pois nele ocorreu um evento totalmente atípico, uma pandemia bem neste período, impedindo que as pessoas viajassem. 6.Por fim vamos fazer o “saneamento” dos dados, isto ajustar todos os registros em um formato que seja padrão (tamanho, tipo de campos), ou seja, vamos normalizar os dados e documentar para que estes possam ser consumidos pelos modelos estatísticos (machine learning) que farão o estudo almejado.

Fonte: Adaptado do Artigo “A comprehensive review of tools for exploratory analysis of tabular industrial datasets”

Representação gráfica do processo


Cada uma das etapas demanda conhecimentos em programação, como “R”, “Phyton”, “SQL” ou o domínio de ferramentas pré-prontas para manipulação de dados, como Talend, Alteryx dentre outras e as bibliotecas do ecossistema Hadoop. Como podem ver, a etapa de “Ingestão” e “Tratamento de Dados” em um projeto de BIG Data e Analytics é muito importante e cheia de detalhes. Quanto mais atenção você investir nesta etapa, melhores serão os resultados obtidos na próxima etapa, a do desenvolvimento e aplicação de modelos estatísticos (Modelagem e Avaliação). Mas falaremos desta outra etapa no próximo artigo.

About Janete! Embaixadora da Stanford University para o projeto Women In Data Science — WIDS; Voluntária Grupo Mulheres do Brasil; Especialização em Gestão de Dados (CDO Foundations) pelo MIT — Massachusetts Institute of Technology — EUA; Mestrado em Adm. Empresas pela FGV; Graduada em Adm. Empresas pela FAAP; Professora Universitária no SENAC para os cursos de Pós-Graduação em BIG Data e Gestão do Conhecimento e Inovação e para os cursos de graduação a Distancia do SENAC; Autora dos livros: A Atuação do Profissional de Inteligência Competitiva, Publicit, 2015 Pesquisa de Marketing, Série Universitária, SENAC, 2017 Liderança/Participação em Comunidades Digitais: Women In Blockchain, ABINC Data & Analytics, FINTECHs & Newtechs, Marco Civil IA Empreendedora na Consultoria estratégica Analytics Data Services; Atuação como executiva nas áreas de planejamento estratégico de marketing e gestão e governança de dados em empresas como Unisys, Teradata, Santander, IBM dentre outras Fonte: A comprehensive review of tools for exploratory analysis of tabular industrial datasets Aindrila Ghosha,Mona Nashaata, James Millera, Shaikh Quaderb, Chad Marstonca Department of Electrical and Computer Engineering, University of Alberta Canada (PDF) A comprehensive review of tools for exploratory analysis of tabular industrial datasets. Available from: https://www.researchgate.net/publication/329930775_A_comprehensive_review_of_tools_for_exploratory_analysi s_of_tabular_industrial_datasets [accessed May 20 2020].


ENTREVISTAS


ANDRÉA THOMÉ Primordial Consultoria e Sistemas, Sócia Diretora WOMCY - LATAM Women in Cybersecurity - Líder Brasil

Conte-nos sobre você e a sua carreira, Andréa. Sou sócia Diretora da Primordial Consultoria e Sistemas, empreendedora com mais de 26 anos de experiência em GRC, Segurança da Informação, Governança e Gestão de TI e Auditoria Interna e também professora de disciplinas de Segurança da Informação, Governança de TI, Gestão de Riscos e Auditoria Interna há mais de 20 anos, em cursos de MBA e Pós-graduação em instituições como ITA, IBTA, USCS, BI International, FESP, FUCAPE, IPOG, FTI e FIA. Palestro desde 2000 em temas de GRC e de Segurança da Informação em eventos nacionais e internacionais. Possuo as certificações CISM, BS 7799 LA, Cobit-F, Harvard Manage Mentor Certificated e sou Mentora de Negócios há 4 anos, membro dos Grupos Mulheres do Brasil e Rede Mulher Empreendedora, além de ser Líder no Brasil da WOMCY – LATAM Women in Cybersecurity. Fale sobre a WOMCY! A operação no Brasil foi iniciada em 03/10/19. Hoje alcançamos uma rede de 380 Voluntários e Membros no país, atendidos com um corpo de liderança composto por 60 líderes renomados no mercado nacional. Alcançamos esta rede através da atuação de 6 equipes (WOMCY Alliances, WOMCY Marketing, WOMCY Legal, WOMCY Volunteering, WOMCY Membership e WOMCY He for She) e 9 programas (WOMCY Talks, WOMCY Mentoring, WOMCY Talent, WOMCY Tech, WOMCY Jobs, WOMCY Girls, WOMCY Geek, WOMCY Give e WOMCY Back). Temos hoje mais de 30 ações e projetos em andamento, com base no planejamento que foi finalizado pelos líderes no último mês. Todas as nossas conquistas, devemos à dedicação incansável de nossas líderes, voluntárias e dos WOMCY He for She, com o apoio de empresas e associações que acreditaram em nosso trabalho desde o início no Brasil. São nossos patrocinadores Cisco, Privally, IBLISS, Esy World, Primordial Consultoria e Sistemas e Strong Security, bem como são nossos apoiadores IBRASPD, Ventura Academy, portais Hacker Culture, Blocknews e Socialsec, blog Anchiseslândia e as revistas eletrônicas Direito e TI e Female Tech Leaders.


ANDRÉA THOMÉ Conte-nos sobre a sua experiência pessoal em Cybersecurity. Comecei minha carreira em Cybersecurity como Auditora, alcancei posição de liderança como Supervisora de um time de mais de 50 pessoas, com apenas 4 anos de carreira em uma multinacional. Assumi minha primeira posição gerencial aos 28 anos, liderando a Consultoria de Segurança da Informação também de uma multinacional. Me especializei em temas de Governança, Riscos e Compliance de Segurança da Informação, construí e liderei também times técnicos, sempre desenhando e entregando projetos de Cybersecurity. Cheguei à uma posição de Direção em uma grande consultoria internacional em 2008 aos 35 anos, posição onde já acumulo 12 anos de experiência e atuo como empreendedora há 6 anos. Acredito que poder ser procurada quando meus clientes têm problemas ou belos planos é mágico. Entender necessidades, desenhar soluções, vender o valor destas soluções e entregá-las com qualidade e sucesso é minha especialidade! O setor de tecnologia e de cyber ainda é um campo dominado pelos homens e os cargos de liderança ainda mais. As últimas estatísticas nos mostram que somente 17% são mulheres em cargos de liderança e que deste número, 1% são latinas. Conte-nos como vocês encaram este desafio. É missão da WOMCY melhorar estes números. Fazer com que as mulheres, com seus talentos tenham mais oportunidades de alcançar seus objetivos sejam eles técnicos, como especialistas, de média ou alta liderança. Realmente as mulheres são minoria no segmento e estamos estudando a cada dia mais tendências, números, comportamentos, ações e opiniões, para melhorar sua presença e participação no mercado, além de potencializar seu conhecimento. Quais são os maiores desafios que as mulheres enfrentam hoje? A sensação de minoria nos leva a crer que precisamos de muito mais do que já temos, quando em muitos casos, já temos mulheres com experiência, conhecimento e determinação suficiente para assumir desafios, que elas mesmas não acreditam que podem assumir. Os conflitos com o gênero masculino não podem ser ignorados. Por mais que sempre busquemos empoderar as mulheres para que encarem tais situações com maior naturalidade e que reajam a isso, não podemos deixar de reconhecer que fazem a diferença em muitos casos impactando os números que nos leva à minoria. Não gostamos de generalizar porque nesta jornada da WOMCY, conhecemos muitos homens especiais e que são verdadeiros embaixadores das causas feministas. Me refiro aos nossos queridos WOMCY He for She, como os acolhemos e denominamos na comunidade WOMCY. Pelo que percebemos nesta jornada, um outro fator significativo para corroborar os números está ligado à falta de oportunidades, seja por (i) escassez de recursos, (ii) desigualdade salarial, (iii) ausência de exemplos próximos de liderança e carreiras sólidas entre as mulheres de sua convivência ou (iv) mesmo por lhes faltar conhecimento. De qualquer forma, percebemos uma forte mobilização de grupos, indivíduos e comunidades para combater tais diferenças e desafios.


ANDRÉA THOMÉ Qual seria a sua mensagem para as mulheres que estão entrando na área de tech e por que elas deveriam se especializar em cyber? Acreditem nos seus sonhos e no seu potencial em uma escala muito maior do que a atenção que poderão dar para qualquer adversidade. Além disso é importante estar atenta às oportunidades que o mercado, a vida e o universo colocam em nossos caminhos, porque muitas delas não retornam. Eu mesma nunca deixei nenhuma passar sem ser aproveitada. Por isso, a área de Cybersecurity deve ser estudada com carinho. Temos muitas oportunidades onde a capacitação e experiência de profissionais de TI são totalmente aproveitadas. O mercado de Cybersecurity mundial está carente de profissionais (gap de mais de 4 milhões de profissionais no mundo) iniciantes , especialistas e executivos, o que representa oportunidades de carreira bastante interessantes. O que pode ser feito para que mais mulheres entrem na área de tech? Divulgação das oportunidades neste segmento, capacitação profissional, disseminação de mulheres exemplo atuantes no setor e com grandes feitos no passado, reforço em soft skills significativos como gestão de problemas, de subordinados e até mesmo de superiores, de forma a fortalecer a resiliência das mulheres com relação às adversidades que já vivenciamos e conhecemos até o momento. Nós na WOMCY traduzimos estas recomendações em ações. Levamos conhecimento ao mercado, seja de hard skill ou soft skill, através dos programas WOMCY Talks, WOMCY Talent e WOMCY Tech. Com o WOMCY Talent também divulgamos vagas. Levamos informação sobre mulheres exemplo para falar a crianças e adolescentes com o programa WOMCY Girls. Trabalhamos o empoderamento e a resiliência das mulheres com nosso programa WOMCY Mentoring. E assim tem sido nossa jornada para apoiar mulheres do mundo corporativo, universitárias e estudantes do ensino médio e fundamental, de quaisquer classes sociais e níveis hierárquicos. Na sua opinião, o que as referências e iniciativas dedicadas a mulheres podem fazer em parcerias com as empresas para trazer mais diversidade? A consciência sobre diversidade de gerações, gênero, etnias, classe social, minorias e cultural, dentre outras, deve ser difundida de forma mais consistente no mundo empresarial, não somente por conta de requisitos de compliance ou por conta da busca por resultados financeiros melhores. Deveria estar presente pelo interesse do empresariado em fomentar um mundo melhor. Conhecemos nesta breve, mas intensa jornada da WOMCY empresas e associações com projetos e iniciativas incríveis, mas presenciamos também entidades com ações nulas ou embrionárias nestes temas. Algumas entendem que precisam melhorar e outras não. Estamos em um momento bastante favorável para o Empreendedorismo Social, onde comunidades em prol das causas de diversidade têm tomado forma, crescido e se conectado, passando a buscar ser parte da agenda estratégica das companhias. Esta é a hora de conhecer projetos, entidades e associações com objetivos correlatos, desenvolver e conduzir ações inovadoras com o apoio do empresariado para alcançar a quem precisa. Assim a WOMCY vem atuando. Temos ações em colaboração com associações como Cybersecurity Girls, She Leads Tech, Tech Power, Minas TI e Female Tech Leaders, para juntas buscarmos trabalhar objetivos comuns de cada comunidade com o apoio de empresas de quaisquer setores.


POR TRÁS DE TODA ADVERSIDADE, SEMPRE HÁ UMA OPORTUNIDADE. BASTA NEUTRALIZAR OS EFEITOS NOCIVOS DA ADVERSIDADE, PARA QUE SE POSSA VISUALIZAR AS OPORTUNIDADES COM CLAREZA E EXPLORÁ-LAS.

FAVOURITE QUOTE ANDRÉA THOMÉ


LETICIA GAMMILL President & Founder, WOMCY Security Channels Leader, Cisco

Conte-nos sobre você e a sua carreira, Leticia. Sou brasileira-portuguesa, criada no Rio de Janeiro e, com 18 anos, fui fazer a universidade no Porto, Portugal, onde estudei hotelaria na EHTP, passando por estágios práticos na Suíça, Ilha da Madeira e Algarve. Do Algarve, fui transferida pela Orient-Express Hotels para o Colorado, onde passei 2 anos. Após alguns anos em New York trabalhando para a cadeia Four Seasons, comecei minha primeira experiência em tecnologia após a mudança para São Francisco, trabalhando para uma start-up, e desde então não parei mais. Tenho 15 anos de experiência em cybersecurity, primeiro passando pela Cisco através da aquisição da IronPort, liderando o time de Data Networking da Avaya para América Latina e Canadá, passando depois pela Palo Alto Networks, e desenvolvendo a estratégia de parcerias na América Latina para a AppDirect, um provedor de plataformas na nuvem. Retornei à Cisco em 2018 e hoje lidero a equipe responsável pelos parceiros de cybersecurity na América Latina e Canadá, responsável pela estratégia, posicionamento e habilitação das soluções de segurança, incluindo provedores de serviços e distribuidores, assim como a implementação dos programas de canais na região. Sou fundadora e presidente da WOMCY, Latin America Women in Cybersecurity, uma organização sem fins lucrativos focada em mentoria, networking e execução de programas para promover carreiras em cybersecurity e crescer a presença de profissionais na América Latina. Tenho também o MBA da Kellogg School of Management na Northwestern University, onde também sou voluntária como mentora e membro do conselho de ex-alunos. Além de ser uma leitora ávida, sou apaixonada por idiomas, vôlei de praia e viajar pelo mundo com meu marido e meus dois filhos adolescentes.


Fale sobre a WOMCY!

LETICIA GAMMILL

Há muito tempo que me incomodava o fato de ser sempre a única mulher numa reunião de trabalho, falando de cybersecurity, seja com clientes ou parceiros. Estamos em um segmento com tantas oportunidades que eu não entendia como mais mulheres não consideravam uma carreira em cybersecurity. Resolvi então buscar uma organização na América Latina para dedicar meu tempo como mentora para outras mulheres e incentivá-las a seguirem a carreira em cybersecurity. Simplesmente depois de uma busca exaustiva na internet, não consegui achar nenhuma e foi daí que surgiu a WOMCY! Se não existe por que não criamos do zero?! Com líderes tão talentosas e empenhadas como atraímos, tivemos o lançamento oficial no Mexico em Julho de 2019, seguida de Miami, Colômbia e Brasil. Queremos continuar nossa expansão e consolidação na América Latina com presença nos demais países e, sobretudo, execução dos nossos programas de mentoria e educação em cybersecurity para fechar a brecha que temos de profissionais no nosso mercado e promover cada vez mais as profissionais maravilhosas e competentes que são membros e voluntárias da WOMCY. Queremos ser sinônimo da cybersecurity na América Latina para atrair mais e mais profissionais para o nosso segmento de tecnologia. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal em Cybersecurity. Cybersecurity é um dos melhores segmentos em tecnologia devido ao crescimento e oportunidades que há disponíveis. Precisamos de mais profissionais e, sobretudo, mulheres nessa área dinâmica da tecnologia. Eu comecei do zero em cybersecurity mas como sou estudiosa, sempre busquei aprender mais através de cursos e certificações. Cybersecurity exige disciplina para enfrentar o que vier a cada dia, e um poder de adaptação às novas tendências e ameaças que vão surgindo. Eu sempre fui muito flexível e busquei adaptar-me às oportunidades que iam surgindo. E é o que sempre aconselho a quem busca entrar nesse segmento: disciplina, flexibilidade e poder de adaptação. Na minha atual função, nada me motiva mais hoje em dia do que ajudar um dos nossos parceiros a construírem a sua estratégia de cybersecurity para ajudar a seus clientes a estarem protegidos. O setor de tecnologia e de cyber ainda é um campo dominado pelos homens e os cargos de liderança ainda mais. As últimas estatísticas nos mostram que somente 17% são mulheres em cargos de liderança e que deste número, 1% são latinas. Conte-nos como vocês encaram este desafio. Acho que a palavra "cyber" nem ajuda pois transmite uma mensagem de algo técnico. Além disso, quando vemos na mídia imagens sobre cybersecurity, é sempre um rapaz de capuz atrás de um laptop numa sala escura. É impossível atrair mais mulheres quando vendemos a imagem do nosso segmento dessa forma! Por isso, no WOMCY, queremos divulgar mais sobre as diversas carreiras em cybersecurity que não envolvem ter alguém atrás de um laptop numa sala escura. Temos profissionais como CISOs liderando estratégias, profissionais em privacidade, advogadas especializadas em proteção de dados, gerentes de produtos, marketing, forensics...enfim, há uma grande quantidade de caminhos em cybersecurity e precisamos divulgar melhor para que mais mulheres considerem esse segmento dentro da tecnologia.


LETICIA GAMMILL Quais são os maiores desafios que as mulheres enfrentam hoje? Há alguns pontos básicos que as mulheres em geral passam...a famosa síndrome de impostora. Temos mulheres super capazes de liderar e que por pressões externas ou até internas, acabam caindo na síndrome da impostora. O nosso programa de mentoria do WOMCY inclusive aborda alguns temas de "soft skills" que ajudam às mulheres a ultrapassarem esse bloqueio ou complexo de inferioridade. Outro ponto é que muitas vezes as mulheres nem chegam a aplicar para posições disponíveis se não têm 100% dos requisitos solicitados. Temos que dar um "stop" nisso e aproveitar a oportunidade. Muitas empresas estão ativamente buscando ter mais diversidade nos seus times, vamos aproveitar essas oportunidades para demostrar que sim, somos capazes e podemos crescer e aprender ao mesmo tempo que vamos desempenhando nossas funções. Qual seria a sua mensagem para as mulheres que estão entrando na área de tech e por que elas deveriam se especializar em cyber? Eu creio que essa nova geração que está entrando na força de trabalho está muito mais apta a ignorar diferenças entre mulheres e homens e seguir os seus objetivos. Aproveitem esse momento e conjuntura que estamos vivendo. Pode parecer super básico, mas aprimorem o inglês! Ainda vemos uma grande quantidade de conteúdo somente nesse idioma e em tecnologia, é essencial dominar o inglês. Há várias certificações disponíveis que agora todos podem acessar virtualmente. Aproveitem esse momento, continuem estudando para aprimorar seus conhecimentos e avançar nas especializações. O que pode ser feito para que mais mulheres entrem na área de tech? Divulgar mais exemplos que mulheres que são exemplo de sucesso no nosso segmento, em diversas posições. Acho que isso ajuda a dar mais visibilidade ao segmento. É importante reforçar que não só as habilidades técnicas são importantes, mas também os "soft skills". É importante levar esses exemplos às meninas nas escolas e também às universitárias que estão ainda pensando na escolha da carreira, que faz parte da mensagem dos nossos programas WOMCY Girls, WOMCY Geek e WOMCY Tech. As empresas também devem divulgar e executar mais programas para promover a diversidade, seja através de quotas ou treinamento intra-departamentos. Estamos vivendo um momento de oportunidades para o nosso setor e temos que aproveitar a visibilidade que o tema de diversidade está trazendo globalmente para executar mais campanhas a nível local para fechar essa brecha que temos em cybersecurity. Na sua opinião, o que as referências e iniciativas dedicadas a mulheres podem fazer em parcerias com as empresas para trazer mais diversidade? Eu acredito muito que a classe empresarial tem um grande poder de mudar a conjuntura atual e estabelecer uma estrutura profissional com muito mais diversidade. No meu dia-a-dia, converso com muitos empresários que estão sempre buscando atrair mais mulheres para o nosso segmento e que vêem com olhos positivos ter times mais diversos. Enquanto o setor privado vem tomando a liderança, ainda vemos muita inércia. É fácil falar que precisamos de mais diversidade mas ainda há uma grande brecha para a execução de programas de conscientização. Acredito que as empresas devem ter uma estratégia de execução e associarem-se a organizações como a WOMCY e várias outras no âmbito nacional que promovem e possuem o "know-how" para promover a diversidade.


PMA POSITIVE MENTAL ATTITUDE, LEVO O PMA PARA TUDO O QUE FAÇO, SEJA PROFISSIONAL OU PESSOAL. FAVOURITE QUOTE LETICIA GAMMIL


SORAIA ANDRADE Enterprise Account Manager na AWS & Managing Director do Girls IN Tech Capitulo São Paulo

Conte-nos sobre você e a sua carreira. Sou profissional de Tecnologia com foco em vendas consultivas e relacionamento e com mais de 15 anos de experiência em delivery de projetos. Graduação em Sistemas de informação, possuo MBA de Projetos pela FGV sou mestranda em Gestão de Inovação pela FEI-SP. Passei por empresas como Claro, Telefonica, Amdocs, Mastercard e atualmente sou Executiva de Vendas na Amazon Web Services. Ingressei no grupo Girls In Tech Brasil em 2013 hoje sou Diretora do Capitulo São Paulo. Um dia na sua vida profissional! Eu sempre acreditei que a parte mais importante de uma rotina profissional é buscar equilibrio e reforçar atividades fora do nosso trabalho diário.Precisamos ter um pilar de saúde, nutrição e exercicios para sustentar sermos bons profissionais, além disso ter momentos para cuidar do meu filho de 10 anos, por isso minha rotina inclui despertar as 5:05 da manhã antes do sol nascer, meditar, ler, escrever, fazer exercicios e um bom planejamento para o dia.Em geral tenho muitas reuniões com muitos clientes para falar sobre protenciais projetos que envolvam novas tecnologias na nuvem que vão desde Data Analytics, AI/ML e até IoT e Migração, Virtualização e Gerenciamento de Custos. Eu sempre preciso dedicar alguns momentos da minha semana para me atualizar sobre tudo o que esta ocorrendo de novidades e também fazer treinamentos de novos produtos.A Cultura da Amazon é um ambiente que permite que o profissional tenha muita autonomia, para escolhera melhor forma de tabalho e performar, por isso me identifico muito com o estilo de gestão da empresa e podemos ver como ela chegou tão longe.Apesar da alta demanda é realmente imprescindivel que as mulheres busquem esse auto-cuidado para manter sua prosperidade no meio profissional e na vida como um todo. E por ultimo esse equilibrio é necesa´riopara manter meu engajamento como diretora do capitulo Girls IN Tech Brasil tratando sobre diversas iniviativas de educação e empoderamento das mulheres em tecnologia no nosso grupo.


SORAIA ANDRADE O sector de tecnologia ainda é um campo dominado pelos homens. Conte-nos sobre a sua experiência pessoal no setor Quando iniciei meus primeiros passos num curso te Processamento de Dados eu e minha melhor amiga na época eramos as únicas mulheres em uma turma de 85 alunos.Isso não melhorou quando cheguei na faculdade apesar da pequena diferença ter aumentado. Esse cenário nos mostra o quando estavamos criando um grande problema estrutural sobre a presença do feminino no segmento de tecnologia.Eu faço parteo do Grupo Girls In Tech desde 2013 e lá naquela época tinhamos que lutar, debater para falar sobre a presença das mulheres em TI. Hoje esse cenário mudou,hoje a técnologia esta por toda parte, ela é uma presença em nossa vida, e quando digo que o cenário é outro não quer dizer que o deficit de genêro diminuiu, mas temos um problema ainda maior que é a escassez de profissionais de qualquer tipo em TI para abastecer o crescimento acelerados dessas tecnologias no mercado e no mundo 4.0Por isso desde o inicio deste anod e 2020 o Girls IN tech fez um reposicionamento para sua comunidade, nõs precisamos de profissionais no setor e pra isso queremos que as mulheres sejam aceitas como elas são. Este é o turning point. Nós precisamos dar voz para que uma profissional de Marketing que hoje raramente dedica-se a um trabalho exclusivamente offline seja aceita como uma potencial profissional de TI, que faz todas as suas estratégias, comunicação para um mundo completamente Online. É necessário promover essa ascensão para que todos sejam aceito exatamente como são negros, gays, mulheres, deficientes. É através da inclusão que vamos resolver essa falta. Você acha que o problema de diversidade no setor de tecnologia existe? Em caso positivo, você percebe a falta de mulheres e como Isso afetou você (se afetou de alguma forma)? Em caso negativo, compartilhe a sua jornada com a gente. O problema de diversidade em tecnologia não só existe como ele é uma crise grave e real que coloca todo o mercado e industria em risco nos próximos anos caso não seja revisado e ja tem até um nome para esta crise chamado de "Apagão Técnico". Em um estudo encomendado pela CISCO e IDC já existe um déficit de 449 mil posições que não serão preenchidas justamente por que não conseguimos formar profissionais na industria com a mesma velocidade com que as vagas são abertas pelas empresas. Isso apenas reforça o ponto mais crítico que é a importância de entendermos que a nova geração precisa ser estimulada a fazer parte desse movimento, é necessário que criemos um ambiente que sempre foi hostil por caracterizar exatas, ou tecnologia em uma área para meninos ou nerds e torna-lo sim uma desconstrução par que seja algo amigável, que permite aceitar as diferentes formações, estilos, e dar espaço para desenvolvimento e crescimento da carreira para trazer a diversidade como um pilar que vai ajustar essa demanda e tassim então razer novas pessoas para acelerar o crescimento da tecnologia para o mundo. Como dizemos em nosso grupo. Techs needs you, ou seja a tecnologia precisa de você! Quais são os maiores desafios que as mulheres que desejam se aventurar no mundo da tecnologia enfrentam hoje? Creio que o maior de todos seja a insegurança. Ainda não temos essa base fortalecida para nos impor e nos desafiar nos ambientes empresariais. Precisamos normalizar as atitudades como firmeza, ambição, empoderamento não como algo agressivo e sim como algo natural no meio de qualquer relação profissional assim como ocorre com os homens. Além disso as mulheres são inseguras para se aplicar para posições e vagas em aberto por não acreditarem que possuem "todos" os requisitos preenchidos e por isso acabam diminuindo as chances de alcançarem posições maiores e melhores.


SORAIA ANDRADE Você acha que está ficando mais fácil para as mulheres entrarem na área de tecnologia? Essa pergunta é depende. Facil entrar não quer dizer que seja justo, não quer dizer que promova equanimidade, hoej existe uma falta generalizada não só em tecnologia mas de mulheres na liderança e de posições que estejam realmente em destaque para promover essa igualdade em todo o contexto empresarial. A tencologia esta lutando para diminuir as diferencias salárias essa desigualdade chega a absurdas proproções as vezes de 70% dependendo do pais com relação aos ganhos dos homens comparados as mulheres que executam as mesmas funções. Isso é critico não somente para tecnologia, mas para todo o mercado, o topo da pirâmide ainda não esta balanceado em número de mulheres lideres e elas muitas vezes são a chave para transformar as relações e trazer prosperidade para os negócios, um estudo do BCG apontou que afirma que as mulheres entram no mercado com tanta ou mais ambição que os homens, mantendo-se inalterada mesmo com a chegada dos filhos ― quem acaba com seus planos de crescimento é o próprio ambiente de trabalho, ou seja, a cultura organizacional. Isto nos indica claramente que é um tema exige tanta atenção quanto a necessidade de profissionais na industria de tecnologia. O que as empresas podem e devem fazer para incluir nao somente na atração de talentos mais mulheres para o sector de tech e para posiçoes de liderança? Bons pilares como ter uma estratégia muito orientada a fatos e dados como, coletar os números de homens, mulhers, grupos minoritarios existem, aumentar numeros de processos de contração com foco nos viéses de diversidades? Quantas promoções ocorreram, qual a proporção dos generenos nos boards e lideranças executiva e então com base nisso claramente traçar estratégias e reforçar as ações para engajar todos os funcionários e equipe a trabalharem para resolver alguma dor, inclusive atribuindo como parte dos objetivos e resultados de uma área. Muitas iniciativas são criadas mas as vezes com uma superficialidade que desmonta qualquer real tentativa de promover a equanimidade nas empresas e isso precisa urgentemente ser atacado de forma muito austera. Qual seria sua mensagem para as mulheres que estão tentando entrar na tecnologia? A minha dica para quem esta començando e autoconhecimento e estruturar um alicerce que fomente sua autoestima, melhores seus "soft-skills", busque mentorias, patrocinadores e pessoas que possam te guiar até você sentir avanço e progresso. Pra mim isso é o maior diferencial além de sua capacidade técnica, concentre-se nisso e você irá trilhar rumo ao sucesso. Por último persiga educação e esteja aberta para aprender, desaprender e reaprender. Seja metanóica! O que você acha que devemos fazer para encorajar mais meninas a considerarem uma carreira em tecnologia? Se te oferecem um assento em um foguete, não pergunte qual é o assento. Apenas entre no foguete! Há alguma pessoa específica em tecnologia que te inspira? Claro. A inspiração vem de muitos lugares que me motivam a perseguir essa jornada de buscar cada vez mais os desafios de trazer as mulheres para a tecnologia. Nomes brasileiros como: Nina Silva fundadora do Movimento Black Money, Ana Fontes da rede Mulher empreendedora, Cistina Junqueira fundadora do Nubank, Camila Achutti do Mastertech já fora do Brasil eu realmente me inspiro com a fundadora do Girls In Tech Adriana Gascoigne e muitas mulehres poderosas da Amazon como Teresa Carlson e Sandy Carter da Amazon Web Services (aka AWS) pois são embaixadoras desse movimento de engajamento para mulheres no setor.


SE TE OFERECEM UM ASSENTO EM UM FOGUETE, NÃO PERGUNTE QUAL É O ASSENTO. APENAS ENTRE NO FOGUETE! FAVOURITE QUOTE BY SHERYL SANDENBERG SORAIA ANDRADE


FEMALE TECH LEADERS VIRTUAL SUMMIT BRASIL 15 - 29 Outubro 2020

REGISTRE-SE

www.femaletechleaders.com.br

Profile for Female Tech Leaders

September 2020 Female Tech Leaders  

Advertisement