Issuu on Google+


O

Expediente

livro Sabores da Vida, Pelas colheradas de Amor da Tia Rita, é uma edição comemorativa pelos 90 anos de Rita Normélia Cardoso Bueno, fundadora da Confeitaria Tia Rita, na década de 70, em Carmo do Rio Claro/MG. Na proposta desta edição estão as receitas preferidas dos filhos, noras, netas e neto, as quais foram preparadas pela matriarca em ocasiões especiais. Textos: Luiz Antônio Bueno Produção: Denise Maria Bueno Edição: Maria do Rosário Bueno Revisão: Luciano Carielo Lima Participação: Filhos: José Xavier, Maria do Rosário, Sonia Maria, Luiz Antonio, Carlos Renato, Rogério, Denise e Denio. Noras: Maria Aparecida, Claudia, Yamara e Mara. Netos: Carolina, Justine, Carina, Angélica, Marina, Rafaela, Maria Vitória e Pedro. Participação especial: Rita Normélia Cardoso Bueno Capa: Ambientação no Museu Carlota Pereira da Silva Agradecimento: Edgar Pereira da Silva Publicação: Maio/ 2012 Designer Gráfico: Bruno Santos Capa: Dalton Teixeira e Cleiton Hipólito *Todos os direitos reservados a Padaria e Confeitaria Tia Rita


M

Apresentação

eus pais, José Galdino Bueno e Rita, compraram uma padaria em dezembro de 1950 e de lá para cá sempre vimos a mamãe as voltas com seus tachos, panelas, fornos e fogões. Sempre trabalhando muito, mas constantemente preocupada conosco. Nós, seus filhos, tínhamos cada qual a sua receita preferida. Para mim a sua galinhada, que era feita tudo junto e misturado, servia até de remédio. Quando não estava bem, pedia: “mãe, faz aquela comida gostosa!” Ela com todo o seu carinho fazia. Crescemos, casamos, vieram as noras e netos. Ela continua com todos a mesma preocupação. Para os que moram próximo a ela, em seu aniversário, seja no meio ou no final da semana, tenham a certeza que ela fará um almoço com a sua receita predileta. E para os que moram fora, quando vem ao Carmo, saibam que ela está sempre atenta ao seu gosto. Pé-de-moleque para as meninas do Xavier, rosca para as do Renato ... Ao longo da nossa história, cada um foi descobrindo a sua receita preferida. A seguir vocês verão alguns exemplos, que escolhemos, mas que fique bem claro que existem muito mais gostosuras, que não caberiam nessa primeira edição. Mamãe, como são saborosos os seus temperos, como é gostoso o seu carinho, e com o seu amor não esquece de ninguém, cuida de todos nos mínimos detalhes. Aproveitem as receitas, são todas maravilhosas. Apreciem as gostosuras da Tia Rita (como ela ficou conhecida), e também as nossas histórias. Bon appétit Dênio José Bueno o rapa do tacho


Índice Fatia de Braga....................................................................10 Bombocado........................................................................11 Ovos Queimados..............................................................14 Macarronada Caseira........................................................15 Frank...................................................................................17 Rocambole................................................................19 Pavê.....................................................................................21 Montanha Suíça.................................................................23 Frango Caipira à moda da Dona Rita............................27 Petit Douche......................................................................29 Doce Abóbora Mole........................................................31 Canelone da Rita...............................................................33 Empada..............................................................................37 Ambrosia...........................................................................39 Pé-de-Moleque..................................................................41 Rosca Caseira....................................................................43 Olho de Sogra...................................................................45 Manjar Branco...................................................................47 Pudim de Leite..................................................................50 Mousse de Maracujá.........................................................51


“Eu sempre trabalhei muito, mas nunca me senti cansada. Fazia o que gostava e trabalhava com amor.�

Rita (Tia Rita)


As receitas dos Filhos


Receita da Denise

N

o final da década de 70, meus pais, José Galdino e Rita, fundaram a Confeitaria Tia Rita. Para essa atividade carregaram a experiência vivida por longos anos em padaria e a de minha mãe como doceira, boleira e quitandeira. Entre os novos sabores que passaram a fazer parte do meu cardápio naquela época estava a Fatia de Braga. Uma mistura de bolo e doce, de sabor diferenciado, preparado com a cidra. Perfeita opção para acompanhar um cafezinho ou, simplesmente, para apreciá-lo como sobremesa. Foi com essa receita que passei a gostar do doce de cidra, uma especiaria bem mineira que tem com fartura em minha casa. Vale a pena experimentar!

12


Fatia de Braga Ingredientes: ½ Kg de doce de cidra ½ kg de coco em fruta ralado 4 ovos 2 colheres de manteiga 1 colher de sopa de farinha de trigo Açúcar refinado

Modo de fazer: Bata os ovos em separados, acrescente o doce de cidra, o coco, a manteiga e a farinha de trigo, misture bem. Leve a assar em uma assadeira forrada com papel manteiga. Deixe esfriar. Corte as fatias e passe no açúcar refinado com canela.

13


Receita da Sônia

D

esde criança, sempre ajudei minha mãe a fazer suas gostosuras. Até hoje recordo com carinho, os ensinamentos que ela me passou. Entre os doces feitos por ela, tem um que me faz lembrar a infância, o bombocado, pois foi o primeiro doce que ela me ensinou a fazer. Naquela época, os doces não eram tão elaborados, mas este fazia o maior sucesso e ainda faz. Esta é uma receita caseira, que ela aprendeu e aperfeiçoou no dia-a-dia, tem um toque especial. Tudo que a mamãe faz é uma delíciaaaa. É de dar água na boca. Espero que gostem também.

Bombocado

Ingredientes: 1 litro de leite 3 ovos 250 gramas de açúcar 250 gramas de farinha de trigo 100 gramas de coco 100 gramas de queijo 1 colher de manteiga 1 pitada de sal

14


15 Modo de fazer: Bata os ovos, o açúcar, a manteiga. Misture o leite, a farinha, o coco e o queijo. Unte uma forma, coloque a calda queimada, despeje o doce e leve para assar em banho-maria. Forno quente. Se quiser, pode assar em forminhas, menores.


Receita do Lu

N

a minha escala de preferências, a receita número um é, sem dúvida nenhuma, a preparação de Ovos Queimados. Essa delícia é cheia de histórias - quando mamãe começava a prepará-la sempre repetia alguma. Não me esqueço dela contar que, certa vez o Padre Leopoldo fez uma encomenda para um jantar chiquérrimo que ele ofereceu. Contava cheia de orgulho. Na mistura da simplicidade da preparação com a intensidade do sabor é que está o charme desta receita. Durante toda minha infância, sempre que queria um doce, lá estava ele na geladeira, hum! Na adolescência, quando voltava das noitadas, lá estava ele

16


a minha espera na geladeira. Contribuiu muito para amenizar as minhas ressacas. Depois de muito tempo, morando na capital, ela me passou a receita e aprendi a fazê-lo. Não me esqueço deste dia. Ela estava próxima ao forno à lenha da antiga padaria do papai enrolando pão de queijo. A Recardina, minha madrinha de batismo e minha segunda mãe, ao lado, ajudando na preparação, e eu sentado em cima de uma caixa de madeira, onde colocavam açúcar, todo compenetrado, anotando. Tenho certeza de que vão gostar.

Ovos Queimados Ingredientes: 3 copos de chá de açúcar 1 copo de água 6 ovos 1 copo de leite Canela em pau à gosto

Modo de fazer: Queime o açúcar, coloque a água e faça uma calda não muito grossa. Numa tigela bata bem os ovos e despeje na calda, deixe cozinhar. Coloque a canela. Mexa até ficar com a cor de mel escuro. Acrescente o leite. Deixe secar um pouco em fogo brando.

17


Receita do Xavier

É

difícil escolher uma receita da mamãe, pois tudo que ela faz é gostoso. Mas entre tantos pratos já preparados por ela, me lembro do macarrão caseiro. O preparo era muito trabalhoso, mas o resultado, bom demais. Aos domingos, em casa não faltava a macarronada caseira e o frango caipira. Hum, até hoje me lembro do preparo, do cheiro e do sabor desse prato!

Macarronada Caseira Massa Ingredientes: ½ Kg farinha de trigo 4 ovos 1 pitada de sal Água

Modo de fazer: Coloque a farinha em uma tigela e acrescente os ovos, mexa bem, vá acrescentando a água aos poucos até o ponto de massa de pastel. Sovar bastante. Deixe a massa descansar por 20 minutos. Abra a massa com um rolo de macarrão, bem fina na espessura de 2mm. Depois de aberta, polvilhe farinha sobre uma mesa e deixe secar mais ou menos 20 minutos. Em seguida, corte a massa, pode ser na faca ou utilizar a máquina específica para este fim. Coloque em um varal ou peneira para secar. Quando for cozinhar, coloque em uma panela com bastante água, sal e um fio de azeite, cozinhar por uns 7 minutos. Até ficar al dente.

18


Molho Ingredientes: ½ Kg de carne moída passada duas vezes na máquina 2 colheres sopa de óleo ou azeite 4 tomates sem sementes 1 cebola Massa de tomate 50g de queijo parmesão ralado Sal a gosto Pimenta do reino a gosto Salsa e cebolinha a gosto Modo de fazer: Em uma panela, coloque o óleo e refogue a cebola ralada. Deixe dourar. Em seguida, refogue bem a carne, acrescente o sal. A carne deverá cozinhar bem por mais ou menos uma hora, mexer sempre. Pique os tomates sem sementes em cubos e misture na carne, deverá cozinhar bem até desmanchar. Acrescente o extrato de tomate, pimenta do reino e vá colocando água se necessário. Coloque os temperos restantes. Deixe o molho mais caldeado. Coloque a massa cozida em uma travessa funda, cubra com o molho e salpique queijo parmesão. Decore com ovos cozidos.

19


Receita da Rose

O

meu doce preferido é o Frank, e tenho uma historinha para contar o porquê do meu gosto por este doce. Quando mamãe fazia este doce, eu adorava, pois o ritual para fabricá-lo era demorado, interessante e gostoso. Na minha cabecinha de criança que doce será este que demora três dias para ficar pronto? Primeiro dia..... Quebrar o coco em fruta. Depois tirar a casca, o que eu achava difícil. Era muito dura. Em seguida, era lavado e depois ralado no ralo mais fino. Depois mamãe fazia o doce. Segundo dia... Ela fazia a massa, deixava descansar e depois começava o ritual da montagem - uma camada bem fina da massa, depois o doce, depois ia para o forno. Terceiro dia... O dia mais feliz: o doce era cortado. O paladar deste doce para mim é dos Deuses. Conversando com a mamãe, ela me disse que aprendeu a fazer este doce com Dona Olívia, esposa do José Matilde. Não é para menos, pois ela fazia doce muito bem.

Frank

Ingredientes: 2 cocos em fruta 10 gemas 2 ovos inteiros 1 kg açúcar refinado 100 gramas de cravo 100 gramas de canela em pau 1 colher de manteiga Modo de fazer: Quebre o coco. Retire a casca e rale em ralo bem fino. Coloque num tacho de cobre as gemas, o açúcar e a manteiga. Mexa bem até derreter. Depois leve ao fogo coloque o cravo, a canela e

20


21 o coco. Mexa até obter o ponto de uma massa para recheio. Despeje numa vasilha e deixe esfriar. Cubra e reserve para a montagem. Ingredientes da massa: 1/2 kg de farinha de trigo 2 ovos 1 colher de manteiga 1 colherinha de café de açúcar para amaciar a massa 1 pitada de sal. Modo de fazer: Faz-se uma massa como para pastel e deixe descansar. Montagem: Abra a massa bem fina. Unte uma assadeira número 3 com manteiga. Coloque uma camada da massa e acerte bem com as mãos. Depois coloque a camada de recheio. Neste momento, vai retirando os cravos e canela, deixando só o doce. Coloque outra camada da massa bem fina e passe manteiga por cima. Acerte a massa com as mãos. Faça esse processo sucessivamente até terminar o doce. Na última camada, coloque a massa, passe a manteiga, acerte a massa, corte as beiradas e leve para assar. Depois de assado, umedeça um pano de prato cubra o doce e deixe para cortar no dia seguinte. Corte o doce em quadrados pequenos e coloque nas forminhas de papel. Este doce não pode ser cortado no mesmo dia que é feito.


Receita do Denio

O

rocambole, além de ser um doce delicioso, é também tradicional em nossa cidade, na nossa família, e de fácil preparo. Cresci vendo minha mãe prepará-lo. Mas o rocambole da mamãe tem um tempero especial. Para prepará-lo, primeiro temos que fazer o doce de leite caseiro e mole. Já comeu? É uma delícia! Depois, no dia seguinte, é que termina de se fazer o rocambole. Fresquinho, com um bom doce de leite caseiro e um copo de leite gelado, é imperdível. Como diz a Ana Maria Braga: ¨Solta os cachorros¨. Não posso deixar de comentar: certa vez Gabriel Villela chegou em casa e mamãe estava com mais de 200 rocamboles prontos, para uma das festas beneficentes da cidade. A quantidade impressionou-o muito e a maneira como eram preparados. Naquela época, não se tinha batedeiras industriais e o preparo era feito como qualquer dona de casa faz, batedeira comum para fazer a massa e os glacês. Ele comentou: “Gente o Carmo é feito de rocambole”, foi muito marcante.

Rocambole

Ingredientes: 7 colheres de sopa de farinha de trigo 7 ovos 7 colheres de sopa de açúcar refinado 1 colher de sobremesa de pó Royal Modo de fazer: Coloque as claras na batedeira. Bata bem até ficar durinho, depois coloque as gemas e bata mais um pouco. Coloque o açúcar e bata mais um pouco. Por último

22


acrescente a farinha de trigo e o pó-Royal. Unte uma assadeira número 3. Coloque a massa e leve ao forno quente por 15 minutos. Depois de assado, vire a massa em cima de um pano úmido, recheie com o doce de leite enrole. Decore com açúcar e canela ou glacê. Doce de Leite Ingredientes: 2 litros de leite ½ quilo de açúcar cristal Modo de fazer: Coloque no tacho de cobre o leite e o açúcar cristal. Mexa até dissolver bem. Leve o tacho ao fogo, mexa para não queimar, até engrossar.

23


Receita do Renato

A

prendi a gostar do Pavê, pois quando era pequeno sempre ficava perto da mamãe enquanto ela preparava o doce. Comia todas as pontas do bolo que sobrava. Quando chegava o meu aniversário, sempre pedia o meu doce preferido: ganhava e saboreava.

Pavê

Ingredientes 5 ovos 1 xícara de chá de açúcar refinado 1 xícara de chá de farinha de trigo 12 colheres de sopa de água 1 cabo de colher de pó Royal bem cheio Modo de Fazer: Bata as claras em neve até ficar bem durinha, depois acrescente as gemas e bata bem. Na sequência, adicione a farinha de trigo e a água, por último o pó Royal. Unte uma assadeira número 3 e coloque a massa. Leve ao forno para assar, 180 graus. Recheio e cobertura Ingredientes: 500 gramas de manteiga 500 gramas de açúcar refinado 5 gemas 1 xícara de café forte Baunilha a gosto Modo de fazer: Na batedeira, bata o açúcar e a manteiga até formar um creme consistente.

24


Acrescente as gemas e continue batendo. Coloque o café e a baunilha e bata até ficar cremoso. Reserve uma parte do recheio e acrescente um pouco de chocolate em pó para decorar. Calda para molhar o bolo Ingredientes ½ copo de Martini para molhar o pão de ló ½ copo de água Adoce a gosto Montagem: Corte as fatias do bolo em cerca de 2 cm no sentido horizontal Regue as fatias dos dois lados com a calda de Martini Una as fatias com o recheio dos dois lados e passe uma leve camada por cima. Depois, em sentido contrário, forme uma nova camada. Faça esse processo até terminar a massa. Cubra o bolo com o restante do recheio. Com a parte do recheio reservada, quadricule o bolo e decore a seu critério.

25


Receita do Rogério

N

a minha infância, a mamãe sempre fazia um doce que ela chamava de Montanha Suíça. Ela montava este doce em taças e sua aparência é muito bonita, pois tem um creminho amarelo, ameixa e suspiro. Este doce é servido gelado. Quando abria a geladeira e via as taças, nossa! Meus olhinhos arregalavam. Sabia que era um dia especial, mas não podia comer tinha que esperar a hora certa e como demorava chegar essa hora. Como gostava muito desse doce, sempre ganhava essa delícia nos meus aniversários. Em uma dessas comemorações recebi a visita de meus padrinhos. Mamãe não estava em casa. Eu, para impressionar, coloquei a toalha na mesa e servi o doce. Quando ela chegou estávamos todos saboreando essa maravilha. Depois que os meus padrinhos foram embora ela me elogiou, ficou contente com a minha atitude, pois eu era muito pequeno.

Montanha Suíça Ingredientes: 200 gramas de ameixa 1 litro de leite 20 colheres de sopa de açúcar refinado 3 ovos 3 colheres de sopa de maisena 5 gotas de baunilha

Modo de preparo: Corte as ameixas e coloque para ferver em uma panela com 10 colheres de açúcar e um copo de água. Depois de

26


bem cozido acrescente algumas gotas de baunilha, e reserve. Bata as gemas, coloque junto com o leite e o restante do açúcar e leve ao fogo. Quando começar a ferver acrescente as três colheres de maisena dissolvidas e mexa até engrossar. Com as 3 claras bate-se um suspiro em neve para decorar. Montagem: Em taças individuais coloque por baixo o doce de ameixa, por cima o creme amarelo e por último decore com o suspiro colocando uma ameixa por cima. Leve para gelar.

27


As receitas das Noras


Receita da Cida

S

empre trabalhei na área de alimentação, grandes cozinhas industriais, eventos, coquetéis. Foi numa dessas empresas que conheci meu esposo, o Xavier, filho mais velho da Dona Rita. Moramos em Belo Horizonte. Nossas visitas ao Carmo acontecem nos feriados prolongados e férias. Saímos da capital bem cedo e, normalmente, chegamos à casa de minha sogra no horário do almoço. Como de costume, todos estão nos esperando. Cumprimentos, abraços aconchegantes. Depois da euforia da chegada, nos convidavam para o almoço e, infalivelmente, tem um franguinho caipira sobre a mesa. É tudo de bom. A panela fumegando, o cheirinho de dar água na boca e o sabor do tempero - inigualável. Às vezes, é feito no urucum; em outras, somente ao molho. As duas preparações são sublimes. Tem sempre um angu e um quiabo refogado para acompanhar. Ah, se todos tivessem a sorte de encontrar uma sogra como eu . Tive que procurar, não se encontra por ai. Esta sogra e vó carinhosa, dedicada, amorosa. Todo este sentimento está presente em tudo que faz, desde o crochê até as delicias da cozinha. Como aquele franguinho caipira feito com o tempero do amor, presente na mesa farta do dia-a-dia, esperando a família e amigos que são bem-vindos para aquele encontro aconchegante, que só na casa da vó acontece.

Frango caipira à moda da Dona Rita Ingredientes: 1 frango caipira 4 dentes de alho 1 cebola grande

30


31 Salsa e cebolinha Óleo Sal Pimenta do Reino Urucum Modo de Fazer: Depois do frango devidamente limpo, coloque-o de molho em água com vinagre por 20 minutos. Em uma panela, de ferro ou de barro, coloque o óleo para esquentar, acrescente a cebola picada e refogue até alourar, para dar cor ao frango. Se for usar o urucum deve ser colocado na panela nesse momento. Acrescente o alho amassado e deixe fritar um pouco. Coloque o frango, o sal, a pimenta do reino e deixo-o fritar por alguns minutos. Comece a pingar água quente para cozinhar a carne e formar o caldo. Quando estiver cozido, acrescente a salsa e a cebolinha. Bom apetite!


Receita da Cláudia “Um homem verdadeiramente culto tem sempre o paladar apurado” Dr. Fritez Kahn

A

minha receita preferida de Dona Rita são as bolachinhas ou sequilhos, quitandas que ela sempre fez com muito carinho. Minha relação com essas guloseimas se deu na minha primeira visita à casa dos meus sogros. Sempre que acordava, minha sogra levava uma bandeja repleta de sequilhos variados para o café da manhã. Entre eles se destaca um com recheio de goiabada, o Petit Douche. Uma iguaria dos deuses.

Petit Douche Ingredientes: 2 ovos inteiros 4 gemas 2 xícaras de chá de açúcar refinado 2 xícaras de manteiga derretida 5 gotas de baunilha 1 pitada de sal 5 colherinhas de café de pó Royal 1 kg de farinha de trigo Goiabada

Modo de Fazer: Em uma vasilha grande, misture os ovos, o açúcar, a manteiga, a baunilha e o sal. Acrescente o pó Royal e coloque aos poucos, a farinha de trigo, até que obtenha

32


33 uma consistĂŞncia para abrir a massa (nĂŁo muito fina) com um rolo. Deixe a massa descansar por 15 minutos. Em uma mesa previamente preparada, abra a massa nĂŁo muito fina e use cortador de bolachas redondo para cortar a massa. Coloque em assadeira e leve para assar em forno mĂŠdio. Depois de assada una as partes com goiabada.


Receita da Mara

G

osto de doce de abóbora, pois lembra a minha infância vivida na fazenda. Quando me casei com o Rogério, mais conhecido como Neinho, passei a conviver mais com a Dona Rita. Ela fazia e ainda faz todos os tipos de doce de abóbora: bordado, em calda, com coco, mole, pingado, todos deliciosos. Como gosto muito de doce e ela sabe disso, depois do almoço sempre me diz: “Mara, hoje tem o doce que você gosta?”, e quando não tem o doce de abóbora, mas tem outra opção ela diz: “Mara, tem doce você não quer?”. É impossível resistir. Minha sogra é muito especial.

Doce de Abóbora Mole Ingredientes: Abóbora madura Açúcar refinado

Modo de fazer Cozinhe a abóbora madura e passe pela peneira. Para cada tigela de massa, acrescente a mesma medida de açúcar. Leve ao fogo e deixe ferver até aparecer o fundo da panela. Se quiser um sabor diferenciado pode acrescentar um pauzinho de canela.

34


35


Receita da Yamara “As horas encantadoras de nossa vida se ligam sempre por um traço de união, bem sensível, a qualquer lembrança da mesa”. Z.R

A

mo quando Dona Rita faz Canelone! É muito saboroso. Sempre serviu esse prato aos domingos ou quando recebia alguma visita. O Dênio, meu marido, sempre comenta que a preparação do canelone era um momento de festa. A massa caseira, o molho especial. Era um ritual preparar e saborear o canelone, e sempre tinha aquele comentário: “ eu ajudei a mamãe a fazer”. Quando implantamos a rotisserie na Padaria Tia Rita me lembrei do canelone e resolvi prepará-lo. Passei um aperto danado, pois a massa é feita em casa e muito trabalhosa. Mas valeu a pena. Foi um sucesso!

Canelone da Rita Ingredientes da Massa: ½ kg de farinha de trigo Sal 1 ovo 2 colheres de sopa de óleo Água

Modo de fazer: Misture a farinha de trigo, o sal, o ovo e o óleo em uma vasilha grande. Vá colocando a água na mistura para dar consistência à massa, como se fosse para a montagem de pastel. Deixe a massa descansar enquanto prepara o recheio. Ingredientes do Recheio: ½ kg de carne de vaca passada duas vezes na máquina Sal 4 tomates picados em cubinhos 1 prato fundo de queijo mineiro cortado em cubinhos

36


1 xícara de chá de azeitonas verdes, sem caroço, picadas 4 ovos cozidos picados em cubinhos 1 cebola grande 4 dentes de alho 1/2 copo de vinho tinto seco Extrato de tomate Queijo ralado Modo de fazer: Em uma panela grande, coloque o óleo e refogue a cebola e o alho. Depois, acrescente a carne, o sal e deixe cozinhar. Depois de cozida, coloque o tomate e deixe ferver por mais tempo. Acrescente, a gosto, o extrato de tomate para dar cor ao recheio. Deixe cozinhar bastante para formar um bom caldo. Na sequência, acrescente a azeitona, os ovos e o queijo mineiro. Por último, o vinho tinto seco e retire do fogo. Cozinhando a massa Abra a massa e corte em quadrados de mais ou menos 10 cm. Coloque para cozinhar em uma panela com água, sal e um fio de óleo. Coloque essa massa cozida sobre uma peneira. Montando o prato Com a massa cozida coloque sobre ela uma porção do recheio e enrole. Coloque esses rolinhos em um pirex previamente untado com manteiga e vá formando camadas. Ao final coloque parte do molho sobre os rolinhos, salpique queijo ralado, e leve ao forno para assar por 20 minutos.

37


As receitas dos Netos


Receita da Angélica

E

m uma de nossas visitas à casa da vovó, paramos em um restaurante para descansar e comermos alguma coisa. Na vitrine, tinha quase tudo: pasteis encharcados de óleo, espetinhos de aparência duvidosa, enormes esfirras e pão de queijo com linguiça. Nada me chamou a atenção. Estava indecisa, quando olhei para o lado e vi uma senhora dando uma mordida em uma empada. Ah! Logo pedi uma para garçonete, mas fiquei decepcionada quando ela me disse que havia acabado. Fiquei cheia de vontade e pedi só um guaraná. Lá em casa sou conhecida como a “cheia de vontades”. Gosto de saborear coisas boas, e daí? Tenho certeza que não sou só eu. Tudo bem, seguimos viagem. A chegada é sempre de muita alegria. Abraços e beijos, todos falando ao mesmo tempo - é até engraçado. A casa estava toda decorada com enfeites natalinos. Vovó adora o natal, presenteia a todos. O dia transcorreu tranquilo. Almoçamos, dei uma volta pra ver a decoração das lojas e depois passei horas na praça com minhas primas e amigas. Quando voltei, já estava na hora do lanche. Mesa posta e, para minha surpresa, uma bandeja repleta de empadinhas, deliciosas... Vovó sorriu e logo me ofereceu uma. Me deliciei, matei a vontade. Não sei como ela ficou sabendo da história da estrada ou se foi coincidência. Só sei que amo a minha avó, e não é pelas empadinhas, viu!

Empadas

Ingredientes da Massa: 1 kg de farinha de trigo 400 gramas de banha Saúde 1 pitada de sal 2 ovos 1 colher de pó Royal Água Modo de Fazer: Em uma vasilha misture a farinha de trigo e a banha. Acrescente os ovos, o sal e o pó Royal. Continue misturando até que os ingredientes incorporem à

40


massa. Amoleça com água. Deixe a massa descansar. Recheio: 800 gramas de peito de frango Alho Cebola 300 gramas de batata 100 gramas de azeitonas verdes sem caroço e cortadas em pedacinhos 2 colheres de sopa de óleo Modo de Fazer: Cozinhe o frango em água com sal, alho e cebola. Em outra panela, cozinhe as batatas. Depois de cozido, desfie a carne do frango e reserve a água do seu cozimento. Descasque as batatas e passe as mesmas em um espremedor. Em uma panela, coloque óleo e refogue o frango desfiado. Acrescente o caldo do cozimento do frango e deixe ferver. Depois acrescente a batata e as azeitonas. Deixe ferver e tempere a gosto. Para dar um tom mais amarelado ao recheio, pode usar o colorau. Com a massa e o tempero prontos é hora de montar as empadas. Unte as forminhas com óleo. Abra a massa e cubra as forminhas, coloque o recheio e tampe. Pincele com gema de ovo e leve ao forno quente para assar. 180º graus.

41


Receita da Carina

D

urante a minha infância, por um bom período morei no Carmo. Tempo de muitas brincadeiras, passeios em fazendas e muitas visitas à casa da minha avó. Em um desses passeios, em companhia de meus tios, conheci a fazenda do Tadeu, amigo do tio Lu. Chegando lá, me deparei com uma fazenda antiga, onde o tempo não havia passado. Passeamos pelo pomar, entre jabuticabeiras, goiabeiras, mangueiras e degustamos de todas as frutas. Enquanto isso, na cozinha, as mulheres estavam ocupadas, mexendo grandes tachos de doce. Mais tarde, foi servido café quentinho com bolo de fubá delicioso e outras iguarias. A tia do anfitrião, uma senhora muito simpática, me ofereceu um doce. Na época, era muito tímida e não aceitei. Ela me disse que o doce se chamava Ambrosia e que era tradicional, se não me engano de origem portuguesa. Meu tio Lu não se fez de rogado e experimentou. Quando vi o doce, minha boca se encheu d’água. Meu tio insistiu para que aceitasse e me servi de uma pequena porção. É claro que não repeti. Quando voltamos, fui logo contar para minha avó o episódio do doce. Ela ficou atenta ouvindo. No dia seguinte, quando fui tomar o café da manhã, fiquei surpresa: sobre a mesa estava uma compoteira enorme, cheinha de Ambrosia. Minha avó sorriu e me disse: fiz para você!

Ambrosia

Ingredientes: 5 ovos 1 litro de leite 1 lata de leite condensado 1 pauzinho de canela 1 limão Canela em pó para polvilhar

42


43

Modo de fazer: Em uma panela grande, coloque para ferver o leite, a casca do limão e a canela. Depois de ferver, retire a casca do limão e a canela. Acrescente o leite condensado e deixe ferver. Bata as claras em neve e acrescente as gemas. Coloque essa mistura no leite e deixe cozinhar. Deixe ferver até engrossar, sempre mexendo bem, para que cozinhe por igual. Depois de pronto, coloque numa compoteira e salpique a canela. Sirva frio ou gelado.


Receita da Justine

N

asci e cresci em Belo Horizonte. A vida na capital não é ruim, mas, para as crianças, é cheia de restrições, do tipo não brincar na rua, sair sempre acompanhada dos pais. Quando meus pais programavam de visitar minha vó, no Carmo, ficava eufórica pensando nos tios e nas primas que provavelmente encontraria por lá. A chegada era uma delícia. Os abraços afetuosos da minha vó não têm preço. Depois das boas vindas, vovó nos convidava para tomar um cafezinho. Quando chegávamos à copa deparávamos com uma mesa enorme, com um belo café colonial. Tinha quase de tudo: queijos, roscas, pão de queijo, broas, biscoitos de polvilho, pau-a-pique, pães, bolachinhas (deliciosas), doces em compota e, no canto da mesa, um potinho de louça repleto de pé-de-moleque. Ah! Que néctar dos deuses quando experimentei pela primeira vez. Depois do café, todos ficavam a mesa conversando por um bom tempo. Quando a mesa era desmontada, vovó me mostrava onde guardava o potinho de pé-de-moleque e dizia: “Quando quiser, é só pegar”. Adorava. Até hoje, sempre que tem um portador, ela me manda essa delícia. Carinho de vó não tem preço.

Pé-de-Moleque

Ingredientes: 1 maço de rapadura 600 gramas de amendoim torrado e moído 2 copos de leite

44


45 Modo de fazer: Corte a rapadura. Em uma panela, coloque a rapadura com o leite e leve ao fogo, mexendo sempre até que derreta tudo. Deixe ferver até dar o ponto. Acrescente o amendoim. Para conferir o ponto certo, coloque em uma tigela pequena uma quantidade de água e pingue o doce. Quando a massa ajuntar, está bom. Com o fogo desligado, bata essa massa até que engrosse. Despeje o doce em uma superfície limpa, untada com manteiga (pedra ou assadeira). Acerte bem a massa. Depois, corte os pedaços do doce do tamanho desejado.


Receita da Carolina

Q

uando morávamos em Belo Horizonte, visitávamos minha avó pelo menos quatro vezes ao ano: no Natal, carnaval, férias de julho e janeiro. As estadias no Carmo eram maravilhosas: muitas crianças, passeios em fazendas, nadar no lago de Furnas, cachoeiras, subir a Serra da Tormenta. Tudo era uma aventura para uma menina da capital. Na casa da vovó, a mesa era sempre farta, mas o que mais gostava era do café da manhã e do lanche da tarde. Isso porque tinha a minha receita preferida a tal rosca caseira. Ah! Que cheirinho bom quando saiam do forno e vovó passava a manteiga por cima, uma delícia! Numa destas viagens, descobri que ela fazia as roscas antes da nossa chegada e as guardava em latas hermeticamente fechadas, numa prateleira da despensa. Quando ela descobriu esse meu fraco, passou a fazê-las para que mamãe levasse para BH. Quando chegávamos eram congeladas e mamãe as descongelava para o nosso café. Adorava abrir o congelador e ver aquelas maravilhas me esperando. Ficava triste quando começava a diminuir a quantidade, mas, ao mesmo tempo, alegre e ansiosa para voltar ao Carmo.

Rosca caseira

Ingredientes: 50 gramas de fermento 1 colher de sopa de açúcar cristal 1 colher de café de sal 2 xícaras de chá de água Dissolva o fermento nessa mistura e coloque um pouco de farinha de trigo até dar uma consistência de massa. Deixe crescer. Depois de crescido a massa acrescente: 6 ovos 2 xícaras de chá de açúcar cristal

46


47 2 colheres de sopa de manteiga 2 colheres de sopa de óleo 1 xícara de chá de canela 1 pitada de sal Modo de fazer: Bata as claras em neve e misture as gemas. Coloque essa mistura na massa do fermento e acrescente o açúcar, a manteiga, o óleo, o chá de canela. Mexa bem, dissolvendo todos os ingredientes. Depois dessa etapa, coloque aos poucos a farinha de trigo, até que a massa ganhe consistência para enrolar. Deixe descansar, pelo menos, por 20 minutos. Depois, divida a massa em partes iguais e abra. Recheie com uma mistura de açúcar cristal e canela e enrole. Coloque em uma assadeira previamente untada. Deixe crescer. Quando apertar a rosca e o sinal não voltar, está na hora de colocá-la no forno. Asse em forno moderado 160º. Depois de assada, passe uma pincelada de manteiga para dar brilho.


Receita da Maria Vitória

A

doro ajudar a vovó quando ela vai fazer doce. Eu fico logo alegre. Sei que vai acontecer alguma coisa especial. Fazer doce já é uma festa. O que mais gosto é na hora de enrolar os docinhos, principalmente quando é Olho de Sogra. Vovó me deixa comer os pedacinhos que ela separa e ainda raspo a panela. Depois ela me dá um inteirinho, com ameixa e tudo. É por isso que adoro Olho de Sogra.

Olho de Sogra

Ingredientes: 200 gramas de coco ralado 200 gramas de açúcar refinado 4 gemas 2 colheres de sopa de leite condensado 1 colher de sopa de manteiga 200 gramas de ameixas sem caroço 250 gramas de açúcar cristal Modo de Fazer: Em uma panela, misture todos os ingredientes ( exceto o açúcar cristal e as ameixas) e leve ao fogo. Mexa sem parar até que ao mexer o doce veja o fundo da panela. Desligue e deixe a massa esfriar. Corte as ameixas ao meio. Faça bolinhas com a massa e modele com a metade das ameixas. Passe a parte do doce no açúcar cristal e coloque em forminhas de papel.

48


49


Receita da Marina

S

urpresas de aniversário são marcantes. Uma delas aconteceu quando completei 8 anos. Vovó me convidou para almoçar com ela. Cheguei e a mesa já estava posta, toda arrumada. Ela me recebeu, deu os parabéns e um presente. Fui logo abrindo. Era um vestido. Não liguei muito, mas usei-o até ficar velhinho. Fomos almoçar. Lasanha, suco... parece que já havia terminado e íamos embora. Foi então que vovó levantou-se, foi até a cozinha e voltou com prato redondo grande, com um lindo doce. Disse-me: “esse doce fiz para você. Espero que goste!”. Perguntei o nome e ela me disse Manjar dos Deuses. Achei estranho. Era um pudim branquinho, com enormes ameixas encravadas nele. Uma calda escura escorria por ele e se acumulava no fundo do prato. Cantaram os parabéns e ela me serviu um belo pedaço. Hummm! Descobri o porquê do nome. Era uma delícia, um manjar dos deuses! Divino!

Manjar Branco Ingredientes: 1 litro de leite 8 colheres de sopa de açúcar refinado 4 colheres de sopa de maisena 1 vidro de leite de coco 1 colher de manteiga 1 pitada de sal Ameixas sem caroço para decorar

50


51 Modo de Fazer: Separe um copo de leite frio para dissolver a maisena. Leve ao fogo o restante do leite. Junte o açúcar, o sal e a manteiga. Deixe ferver. Misture a maisena, e em seguida, o leite de coco. Deixe cozinhar por 10 minutos atÊ incorporar bem. Despeje o creme em uma forma untada com manteiga. Leve à geladeira por 2 horas. Desenforme em um prato redondo e jogue calda queimada e ameixas sobre o doce.


Receita da Rafaela

E

scolher um doce ou um prato salgado que a vovó prepara é muito difícil, pois gosto de tudo o que ela faz. Mas o meu paladar é mais para os doces e chocolates, como gosto. Ela faz um pudim de leite muito diferente, pois seu preparo é mais demorado e realmente isto o diferencia. O resultado final é uma delícia. Como ela sabe que gosto muito deste doce, ela olha para mim, dá um sorriso maroto e diz: “Rafinha, hoje a vovó fez o pudim de leite que você gosta.” Daí já viu, né! Abro a geladeira e como, seja antes do almoço, na hora do lanche, a qualquer hora. Ela de longe fica só curtindo. Adoro quando a faca desce macia sobre o pudim e quando coloco na boca ele se desmancha. É uma delícia.

52


Pudim de Leite Ingredientes: 2 litros de leite 20 colheres de açúcar

Modo de preparo: Coloque para ferver até que essa mistura se reduza a 1 litro. Depois, no liquidificador, bata esse creme com 6 ovos inteiros e algumas gotas de baunilha. Unte uma forma redonda com calda queimada e leve ao forno para assar em banho-maria. Forno 180º. Deixe esfriar e desenforme. Sirva gelado.

53


Receita do Pedro

T

enho um paladar muito bom, pois percebo quando minha vó coloca ingredientes diferentes em suas receitas. Gosto muito de doces gelados, sorvetes e chocolates, hummm! Minha vó costuma fazer mais doces do que pratos salgados, então eu me delicio, pois sempre estou raspando as panelas. Certa vez, a vovó estava preparando um almoço especial, acho que era aniversário de alguém. Ela estava pensando o que fazer de sobremesa para este almoço. Então pedi para fazer mousse de maracujá. E não é que ela fez! Adorei. Sempre que como esse doce me lembro da vovó.

Mousse de Maracujá Ingredientes: 1 lata de leite condensado 1 lata de creme de leite A mesma medida de suco de maracujá 1 pacote de gelatina sabor maracujá

54


55 Modo de fazer: Dissolva a gelatina no suco de maracujรก. No liquidificador, bata a gelatina dissolvida no suco e o leite condensado. Depois de bem batido, acrescente o creme de leite e bata um pouco. Coloque essa mistura em uma forma redonda e leve a geladeira por cerca de 2 horas. Depois de gelado, desenforme em um prato. Pode colocar por cima uma calda de maracujรก com as sementes da fruta para decorar.



Sabores da Vida