Page 1

revista

CEntro Universitário Una . FACULDADE UNA DE CONTAGEM . INSTITUTO DE TECNOLOGIA - UNATEC . curso superior de Tecnologia em Gestão Financeira

Conscientização e compromisso financeiro

Contagem 2010

planejamento

financeiro Como desenvolver planejamentos com recursos escassos

Gestão em Foco Ariele Pimenta Araújo Elaine das Graças F. de Oliveira Emanuelle A. Vital da Silva Felipe Aredes D’Angelo Simone Queiros de Araújo Tatiana Veiga Dalla Bernardina Viviane Gualberto Araújo 1


“Reunir-se é um começo, permanecer juntos é um progresso e trabalhar juntos é um sucesso.”

(Henry Ford)

3


CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA FACULDADE UNA DE CONTAGEM INSTITUTO DE TECNOLOGIA - UNATEC Graduação Tecnológica em Gestão Financeira Equipe: Gestão em Foco Ariele Pimenta Araújo Elaine das Graças F. de Oliveira Emanuelle A. Vital da Silva Felipe Aredes D’Angelo Simone Queiros de Araújo Tatiana Veiga Dalla Bernardina Viviane Gualberto de Araújo CONSCIENTIZAÇÃO E COMPROMISSO FINANCEIRO: Planejamento Financeiro Familiar e Ações de Empreendedorismo Pesquisa interdisciplinar, nos moldes de monografia, construída para a disciplina Projeto Aplicado, do curso superior de Tecnologia em Gestão Financeira, do Centro Universitário Una, para a qualificação do 1º ciclo, módulo A. Orientação: profª. Mary Márcia Alves Coorientação: professores Adriana Célia Silva Bicalho, Davson Mansur Irff Silva, Gislene Garcia Nora de Oliveira, Renata Moreira Lopes, Rodrigo Cesar de Magalhães Silva Contagem 2010

4


Dedicamos este trabalho aos nossos pais, filhos, esposos(as), familiares e amigos por se constituírem diferentemente como pessoas, igualmente belas e admiráveis em essência, estímulos que nos impulsionaram a buscar vida nova a cada dia.

5


Agradecimentos Às nossas famílias por terem aceitado se privar de nossa companhia, devido aos estudos, concedendo-nos as oportunidades de nos realizarmos ainda mais. À família Silva e Costa, principal elemento deste trabalho, pela disponibilidade na concessão das valiosas informações. À nossa orientadora, profª. Mary Márcia, pelo incentivo, competência e presteza no auxílio às atividades e discussões sobre esta pesquisa. A todos os professores pelo carinho, dedicação e entusiasmo, demonstrados ao longo do curso, contribuindo de forma decisiva para a realização deste trabalho. Especialmente à profª. Gislene pela tarefa de multiplicar nossos conhecimentos, ensinando-nos a aplicá-los ao trabalho em equipe. Aos colegas de classe pela espontaneidade e alegria na troca de informações e materiais, numa rara demonstração de amizade e solidariedade. A Deus pela oportunidade e privilégio de compartilhar tamanha experiência e, ao frequentar este curso, perceber e atentar para a relevância de temas que não faziam parte, em profundidade, das nossas vidas.

6


Sumário 1 INTRODUÇÃO 10

8 ANEXO A 30

1.1

Controle de gastos / Mês

Objetivos 11

1.1.1 Objetivo geral 11

9 ANEXO B 32

1.1.2 Objetivos específicos 11

Avós só devem pagar pensão quando pai e mãe não tem condições

2 METODOLOGIA 12

10 ANEXO C 33 Entrevista com Paulo

3 BASES TEÓRICAS 13

11 ANEXO D 34

3.1

Planejamento Financeiro 13

Dívida, a maior vilã dos consumidores

3.2

Marginalização Social 14

3.3

Economia 15

3.4

Economia solidária 17

3.5

Diferentes Formas de Negociar 18

LISTA DE GRÁFICOS E TABELAS Tabela 1 21

4 ANÁLISES DE INFORMAÇÕES 20

Despesas mensais

4.1

Gráfico1 22

Modelo de Plano de Negócio 22

Despesas 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 24

Tabela 2 23 Orçamento Inicial para o Empreendimento

6 REFERÊNCIAS 25 7 APÊNDICE A 26 Questionário Socioeconômico

7


Resumo Através de estudo bibliográfico de conceitos

RÉSUMÉ

básicos de Economia Orçamentária, Matemática Financeira, Empreendedorismo e Comporta-

À travers l’étude de concepts de base d’Économie

mento Organizacional, bem como por meio de

du

pesquisa de campo e entrevistas com líderes de

l’Empreendedorisme,

comunidade, Conscientização e Compromisso

D’organisation et entrevues sont aussi faites à

Financeiro: Planejamento Financeiro Familiar

travers recherche sur les lieux, dialoguez avec les

e Ações de Empreendedorismo busca conscien-

chefs de la communité “Conscientization et Com-

tizar a família Silva e Costa a estabelecer controle

promisse Financière: Planejament Financière Fami-

financeiro, para estruturação de microempresa,

lière et des Actions de Empreendedorisme” cherchez

considerando o adequado uso da administração

pour devenir les Silva e Costa a un établissent d’un

financeira, e o encorajamento à tomada de de-

contrôle financier, en concernant l’administration

cisão e ações de empreendedorismo.

financière, et le encouragement a des décision et

budget,

les

Mathématiques le

Financières,

Comportement

actions de l’empreendedorisme. Palavras-chave: Planejamento Financeiro; Economia Familiar; Empreendedorismo

Mots-clés: la planification financière; l’économie domestique; l’empreendedorisme

8


9


1 Introdução O Brasil possui uma das mais elevadas taxas de concentração

Num clima de otimismo para

de renda, riqueza e propriedade do mundo. A acumulação e a

a economia brasileira, às

ostentação de riqueza por uma minoria convivem com cenários

portas da copa de 2014 e das

extremamente pobres que revelam as péssimas condições de

olimpíadas de 2016, a escassez

vida e de trabalho de imensa parcela da população e deixa uma

econômica ainda provoca uma

gritante, desigualdade: os mais pobres ficam apenas com uma

forte corrosão na sociedade, o

parcela pequena da renda do trabalho, enquanto os mais ricos

que justifica a importância de

ficam com a grande fatia da renda.

pesquisas como esta que bus-

Diante dos aspectos mencionados e como nossas vidas estão dire-

cam levar a possibilidade de

tamente ligadas à administração financeira e econômica, a pes-

melhoria da administração de

quisa da equipe Gestão em Foco trata do acompanhamento de

recursos financeiros a popu-

uma família financeiramente carente, baseando-se no aprendiza-

lações antes sem acesso a tal

do e na inter-relação entre os saberes da administração financei-

aconselhamento para proces-

ra e os valores da ética, da transparência e da credibilidade.

sos de toma de decisão e ações

Durante a pesquisa, propôs-se um olhar crítico sobre a cidade

de empreendedorismo.

Contagem, trazendo informações de como é o dia-a-dia de classes desprivilegiadas economicamente, a fim de que, escolhida a comunidade Funcionários em Contagem/MG e, nesta comunidade, a família Silva e Costa, a Gestão em Foco pudesse compreender o que pensa um cidadão que se encontre nessas condições, levando estratégias que contribuam para o seu equilíbrio financeiro, através das novas teorias ou nova visão dos administradores para a estruturação de uma microempresa.

10


1.1 Objetivos 1.1.1 Objetivo geral O objetivo da pesquisa é conscientizar família de baixa renda a estabelecer um controle financeiro, sabendo o que realmente fazer com o árduo produto de seu trabalho, considerando que a maior parte da população ainda não tem controle algum sobre ele e, considerando ainda, o adequado uso de conhecimento a respeito da administração financeira, num encorajamento tanto da Gestão em Foco quanto da família a processos de toma de decisão e ações de empreendedorismo. 1.1.2 Objetivos específicos - Estudar as reais necessidades e desejos de uma família carente; - Estudar soluções que venham a auxiliar uma família carente, fazendo com que se organize e possa ter uma melhora, com base no conhecimento transmitido a ela; - Traçar estratégicas de com sobreviver em meio escasso de bens básicos; - Relacionar a teoria e a prática da gestão financeira; - Estabelecer a média de filhos da família; - Estabelecer um plano de negócio como estratégia de aumento de renda.

11


2 Metodologia De acordo com o objetivo geral da pesquisa aqui

tas, parte acompanhou o dia-a-dia da família.

proposta, buscou-se fazer um estudo bem amp-

De posse das informações coletadas, elas foram

lo da condição financeira da família escolhida,

analisadas e foram verificadas pendências e

para conseguir um orçamento bem administra-

possíveis desconformidades aos padrões do

do em cima das suas necessidades específicas,

produto final.

através do uso de uma ficha de acompanha-

Há que se ressaltar que toda a pesquisa foi docu-

mento diário de gastos, por exemplo.

mentada a partir de fotos e gravações, editadas

Para isso houve necessidade de se estudar

de acordo com o tema central e os bastidores

conceitos básicos de Economia Orçamentária,

do processo investigação. Tudo para o melhor

Matemática Financeira, Empreendedorismo,

resultado final possível.

Comportamento Organizacional, para saber como administrar os recursos escassos da família/empreendimento. Entrevistas também foram feitas por meio de pesquisa de campo, para saber como anda a distribuição de renda para famílias de baixa renda, se todas são cadastradas nos programas do governo, a fim de auxiliar melhor essas pessoas. Diálogo com líderes da comunidade também foi estabelecido, uma vez que também estudamos a comunidade em geral, além de feitas entrevistas com especialistas. Para tanto, a equipe foi dividida e parte dela fez as entrevis-

12


3 Bases teóricas 3.1 Planejamento Financeiro

mento, mas desistem ao verificar que ele não funciona a contento.

Segundo o Instituto de Economia Financeira

Um bom planejamento financeiro pessoal começa

(2010), o orçamento familiar ou pessoal é uma

pela criação de um orçamento pessoal confiável,

previsão de receitas (renda, juros, aluguéis,

o que significa previsões com um satisfatório

etc.) e despesas num determinado período de

grau de precisão, acrescenta (IEF, 2010).

tempo (mês, trimestre, ano, etc.). Esta pre-

Para algumas pessoas, as previsões mais in-

visão permite que a pessoa visualize de for-

certas são as de renda. Entre essas se desta-

ma organizada como estão suas contas hoje e

cam aquelas cuja renda é formada principal-

como elas ficarão num determinado período

mente por comissões ou bônus. Nesses casos,

de tempo à frente.

o melhor a fazer é trabalhar com três hipó-

As pessoas costumam ter um orçamento que

teses de renda anual: a provável, a otimista e

pode ser escrito ou não (IEF, 2010). Um orça-

a pessimista. Assim, as despesas obrigatórias

mento escrito indica a existência de um maior

ficariam atreladas à previsão pessimista. Um

interesse pela sua utilização e fornece informa-

valor mais elevado de gastos seria realizado,

ções de melhor qualidade. Se o orçamento não

casos se confirmassem as previsões prováveis

está escrito, apenas na memória da pessoa, for-

ou otimistas.

necendo-lhe informações sem uma maior pre-

Quanto às despesas, se há um orçamento deta-

cisão, sua efetiva utilidade será bem menor.

lhado e disciplina na sua execução, não haveria,

Ter um orçamento escrito e formalmente orga-

na maioria dos casos, porque haver surpresas

nizado é apenas uma condição necessária para

nos valores realizados.

se ter um planejamento financeiro satisfatório.

A falta de disciplina na execução do orçamento

Muitas pessoas chegam a elaborar um orça-

ocorre principalmente com as compras por im-

13


pulso. Algumas pessoas adotam soluções especiais para este problema, como por exemplo, sair de casa sem talões de cheque ou cartões de débito ou crédito, não passar em determinados lugares etc. Outras evitam levar crianças para as compras. Para o Ief (2010), a observação de um princípio simples pode dar bons resultados: os dissabores das compras feitas por impulso costumam ser bem mais fortes e duradouros do que a satisfação por elas proporcionada.

A palavra planejamento vem do latim, de

Muitas pessoas se deparam com o fato de que

“planus”, que significa “liso” e que em por-

as despesas projetadas são sempre superadas.

tuguês deu origem também à palavra “chão”,

Isto acontece, geralmente, porque o orçamento

o que leva a pensar que, para se estar com os

de despesas foi elaborado de modo incomple-

pés no chão, é preciso planejar e fazer projetos

to. Convém lembrar um princípio básico: sem

(IEF, 2010)

planejamento cuidadoso, nossos gastos serão

Não adianta atirar no escuro. Se tendo tudo

sempre maiores do que imaginamos.

planejado já é difícil, imagine sem fazer ne-

Uma pessoa pode ter um orçamento bem

nhum planejamento! Um homem sem projetos

elaborado, sem maiores dificuldades com as

pessoais é alguém que já se rendeu à rotina do

projeções de renda e despesas e ainda assim

dia-a-dia e que perdeu a coragem de viver.

enfrentar sérios problemas na administração de suas contas. Isto acontece quando existe

3.2 Marginalização Social

um descasamento temporário entre renda e despesa (IEF, 2010).

Com a aceleração do crescimento econômico,

A pessoa pode ter uma renda anual compatível

os governos voltam suas atenções para o grave

com sua despesa. Entretanto, em determinados

problema da pobreza e das desigualdades so-

meses, a renda é menor do que a despesa e em

ciais, tratando-as como assunto não só social,

outros acontece o contrário. Neste caso, é pre-

mas principalmente, político.

ciso que a pessoa tenha, além do orçamento,

Apesar do progresso na sua redução, a pobre-

uma projeção de entradas e saídas de dinheiro,

za continua a prevalecer em toda a América

mês a mês ao longo do ano. Seria o seu orça-

Latina, diz Maia (1994). Para o autor, uma

mento de caixa (IEF, 2010).

característica que distingue os países dessa

14


região, em relação aos demais em desen-

de mendigos e de moradias improvisadas sob

volvimento, é a extensão e profundidade

túneis, encostas ou, em qualquer desnível do

da pobreza humana urbana. Cerca de dois

terreno que permita à instalação de um barra-

terços (2/3) da população que vive na po-

co, bem como a violência familiar, a violência

breza absoluta — aqueles que são pobres,

entre os jovens e a disseminação de valores e

não apenas em termos de renda, porém,

estereótipos transnacionais, com a valorização

que são desprovidos de suas necessidades

de marcas e etiquetas de bens de consumo.

básicas — mora nas grandes cidades.

Nesse contexto, Maia (1994) afirma que a mar-

Não foi apenas a pobreza que se espalhou

ginalidade tem um componente sociocultural,

por esses países, durante a década passada,

onde em um grupo ou numa sociedade machista

mas uma desigualdade extrema na distribuição

e patriarcal, onde o homem é a medida de todas

das rendas, que é vista como o coração de todos

as coisas, a mulher ocupa as periferias. Da mes-

os problemas sociais da região — os 20% mais

ma forma, um grupo puramente heterossexual

pobres da população recebe menos de 4% da

colocará na periferia todos os homossexuais.

renda total (Maia, 1994).

Uma sociedade centrada na beleza e juventude

Para Maia (1994), esses fatores — distribuição

coloca na periferia as pessoas mais velhas.

de rendas e pobreza — contribuíram defini-

Esse conceito de marginalidade se agrava em

tivamente para motivar outros personagens da

grupos que vivem em zonas mais pobres, dei-

vida social, criando uma nova sistemática de

xados de lado. Para Maia (1194), se não houver

vida com valores próprios, distorcidos e irreais,

políticas públicas de respeito e melhora nas

que devido à efetivação do seu uso, começaram

condições de vida desses grupos, infelizmente,

a fazer parte do cotidiano da vida das pessoas.

não haverá nenhuma mudança.

A violência e a criminalidade, conforme Maia (1994) são fatores que passaram a imperar nas

3.3 Economia

grandes cidades, transformando-as em prisões particulares de seus habitantes, com a inse-

Conforme explica Troster e Morcílio (2007,

gurança pessoal dificultando e impondo mais

p.05), economia é o estudo da forma pela qual

restrições ao direito de ir e vir. Assaltos, seques-

fazemos nossas escolhas e tomamos decisões

tros, violência de todo tipo e ordem impõem

para que os recursos disponíveis que são escas-

um constante estado de choque à população.

sos possam contribuir da melhor maneira para

Além disso, Maia (1994) cita o constrangimen-

satisfazer as necessidades individuais e coleti-

to das pessoas com a presença cada vez maior

vas da sociedade”.

15


Assim sendo, quando se fala em economia para

Nesse contexto, há que se fazer um estudo

o ambiente familiar ou microempresarial, prin-

sistemático das necessidades econômicas da

cipalmente os mais carentes, vemos que o que

família ou empresa, através de um planeja-

vigora é a escassez de capital. “A escassez sem-

mento financeiro (Anexo 1).

pre existirá, já que os desejos são superiores aos

Para Troster e Morcílio (2007), planejamento

meios disponíveis para satisfazê-los”. Famílias

financeiro é território gerencial. Em um século

e empresas precisam aprender a trabalhar a

onde ao papel do gerente tem sido de grande

economia e a escassez. Como? Primeiro, têm

importância para o desenvolvimento das em-

que saber que não se podem ter tudo e com

presas, descobre-se dentro dos lares um gerente

isso focalizar sua renda para necessidades bási-

de alta capacidade e desempenho, atuante nas

cas. Mas, como os desejos e necessidades são

áreas funcionais da casa, a mulher.

muitos, não existe controle sobre a renda, isso

Segundo Troster e Morcílio (2007), destacam-

quando existe renda fixa.

se no planejamento financeiro alguns con-

Segundo Troster e Morcílio (2007) a economia

ceitos básicos.

estuda a forma como gerir recursos escassos e

O primeiro é a organização, um arranjo

como realizar tomadas de decisões adequadas,

sistemático de duas ou mais pessoas que cum-

tanto de indivíduos quanto de empresas ou so-

prem papéis formais e compartilham um

ciedade em geral.

propósito comum – a Casa. Organização como

O problema de “escassez” econômica, esclarece

função do administrador é a determinação das

os autores Troster e Morcílio (2007), leva em

tarefas que serão realizadas: a mulher dentro

questão que, as necessidades humanas são ili-

de um lar sabe onde se pode poupar e econo-

mitadas, e os recursos humanos limitados, por

mizar, a fim de alcançar os objetivos.

isso não é um problema apenas de pessoas po-

Outro conceito é o de gerente, indivíduos que

bres, empresas pobres ou países pobres, onde

supervisionam atividades de outras pessoas:

essa disparidade é maior em relação as necessi-

a mulher, no contexto da casa.

dades dos indivíduos de países ricos. Assim, o

Em terceiro lugar, o conceito de planejamento

conceito de escassez econômica é relativo.

financeiro propriamente dito, ou seja, a função

Também para essa pesquisa, deve-se explorar

gerencial que abrange a definição das metas de

o conceito de microeconomia. Segundo Troster

uma organização, o estabelecimento de uma

e Morcílio (2007), a microeconomia analisa o

estratégia global para alcançá-las e o desenvol-

comportamento de unidades econômicas como

vimento de uma hierarquia abrangente de pla-

famílias e empresas.

nos para integrar e coordenar atividades.

16


Além desses, o conceito de liderança, quando

economia solidária no Brasil é o Banco Palmas,

os gerentes motivam os funcionários. No con-

da comunidade Palmeira em Fortaleza, Ceará.

texto da casa, a mulher cuja visão empreende-

O banco foi criado pela associação dos mora-

dora é mais ampla e funciona como fonte de in-

dores para o desenvolvimento da própria co-

centivo dos filhos, pois está sempre com uma

munidade. Começaram mapeando a produção

palavra de ânimo. E, enfim, controle: processo

e o consumo locais,istoé, tudo o que era con-

de monitoração das atividades para garantir que

sumido e produzido ali. Posteriormente, cria-

sejam realizadas conforme planejado e correção

ram um Balcão de empregos, identificando os

de qualquer desvio significativo, isto é, no con-

trabalhadores desempregados e com a ajuda

texto da casa, mulheres estão sempre atentas a

do Sistema Nacional de Empregos (SINE) alo-

qualquer situação que fuja do controle.

3.4 Economia solidária Outro conceito de destaque para os propósitos desta pesquisa é a economia solidária. A economia solidária, segundo explica Luiz Nassif (2009), é uma forma de produção, consumo e distribuição de riqueza (economia) centrada na valorização do ser humano e não do capital. De base associativista e cooperativista, volta-se para a produção, o consumo e a comercialização de bens e serviços, de modo autogerido, tendo como finalidade a reprodução ampliada da vida. Assim, a proposta dessa economia é a de que o trabalho se transforme num meio de libertação

cam, desde então, essa mão de obra nas vagas

humana dentro de um processo de democra-

disponibilizadas.

tização econômica, criando uma alternativa à

O banco também disponibiliza linhas de crédi-

dimensão alienante e assalariada das relações

to com juros muito baixos, e criou uma moeda

do trabalho capitalista.

própria, para beneficiar os comerciantes asso-

Segundo Nassif (2009), um bom exemplo de

ciados e dar maior poder de compra aos mora-

17


dores. O objetivo não é se tornar uma grande

do, em um processo de negociação, que implica

isntituição monetária, mas promover o desen-

disposição de ceder.

volvimento da comunidade, fazendo com que

Existem formas diferentes de negociar que de-

toda a riqueza produzida por ela seja gasta na

vem ser utilizadas em função do objetivo dese-

própria comunidade, dando mais força à roda

jado. Para se atingir um determinado objetivo,

da economia.

deve-se utilizar a estratégia mais adequada

Apresenta-se, a seguir, um modelo de análise

para isso. Não existe estratégia certa ou errada,

socioeconômica, construído por Luiz Nassif

todas dependem da situação que se apresente.

(2009), com o objetivo de chegar ao estudo

Na escolha da estratégia, deve-se levar em

possível da posição de uma determinada famí-

conta, segundo Mello (2003), a característica

lia e/ou empresa, considerada como um sub-

dos objetivos, sejam eles materiais ou emo-

sistema social e tomada como unidade global

cionais, os impactos esperados no relaciona-

da referência, na estrutura da sociedade. Tal

mento e o grau de confiança entre as partes.

modelo estabelece-se a partir de um conjun-

Confiança baixa favorece a competição, já em

to de indicadores previamente selecionados

graus mais elevados favorece o trabalho em

como os mais significativos para a avaliação

equipe e a troca de informação fidedigna. Mel-

do nível socioeconômico da família e/ou em-

lo (2003) cita algumas estratégias. A estratégia

presa selecionada e baseia-se, fundamental-

de competição, quando a necessidade de obter

mente, em 05 (cinco) indicadores: composição

vantagens financeiras é alta e a necessidade

familiar; rendimento mensal da família; nível

de manter relacionamentos futuros é baixa. A

de instrução; características da moradia e conforto doméstico.

3.5 Diferentes Formas de Negociar No contexto desta pesquisa, vale falar das diferentes formas de se negociar. Negociar, segundo Mello (2003), é um “processo social utilizado para fazer acordos, resolver ou evitar conflitos”. Significa movimentar. Pessoas, empresas ou grupos discutem e entram em acor-

18


cooperativa, que é a necessidade de obter van-

cionamento; consertar um relacionamento e

tagens financeiras, mas também de preservar

combinações dos objetivos anteriores.

um relacionamento. A estratégia de relaciona-

Se negociar significa movimentar pessoas, em-

mentos, em que a necessidade de manter ou

presas ou grupos (Mello, 2003), em função do

preservar um relacionamento é mais impor-

objetivo desejado, para se atingir um deter-

tante que as vantagens financeiras. A estraté-

minado objetivo, deve-se utilizar a estratégia

gia da indiferença, onde nem relacionamento

mais adequada para isso, pois não existe estra-

nem vantagens financeiras são desejadas ou

tégia certa ou errada. .

importantes para os negociadores e, enfim, a

No caso da família tal a escolha das estratégias

negociação traiçoeira, forma inaceitável de ne-

aqui propostas, levaram em conta a caracterís-

gociação, quando um negociador usa truques

tica dos objetivos (Mello, 2003) que, no caso,

e táticas não éticas com o objetivo de ganhar

são materiais e emocionais.

vantagens financeiras. Uma atitude considera-

A principal estratégia aqui sugerida é a estraté-

da ética, segundo Mello (2003), leva em fatores

gia de competição unida à de relacionamentos

legais e outros fatores como ambiente, cultura

(Mello, 2003), pois a necessidade não de man-

local, educação, nível socioeconômico, religião,

ter ou preservar um relacionamento, mas de

época e política.

restabelecer a convivência familiar da família

Para o autor (2003), alguns dos objetivos da ne-

Tale seus parentes perdidos não está separada

gociação são: ganhar dinheiro agora e depois;

nem é menos importante que as vantagens

construir um relacionamento; manter um rela-

financeiras que se buscam com a abertura do empreendimento aqui demonstrado. Levando em conta fatores éticos, legais e outros fatores como ambiente, cultura local, educação, nível socioeconômico e motivacional é que se baseia esta consultoria à família do Sr. Antônio e da sra. Herotildes, focalizando, nos termos de Mello (2003), uma combinação de objetivos: o ganho de dinheiro agora e depois e a (re)construção e manutenção de um relacionamento familiar perdido há tempos.

19


4 Análises de

informações

A família Silva e Costa está com problemas

dade da sra. Herotildes não é solidária, mas sim

financeiros. O Sr. Antônio Alves Costa de 76

complementar e sucessiva. Isso significa dizer

anos, recebe um salário mínimo apenas e paga

que a lei estabelece a obrigação de dar alimen-

altos juros por empréstimos feitos, desde 2003,

tos e, consequentemente, o direito de exigi-los

ao banco. Como possui pouco conhecimento na

dos avós, desde que o parente em grau mais

área financeira, está sempre sacando dinheiro

próximo não possa pagar. Entretanto, há casos

acima do seu limite, fazendo com que neces-

(cf. anexo 2) em que o tribunal analisa provas

site de mais empréstimos, contra sua vontade.

e concluiu que a responsabilidade dos avós é

Além disso, novos gastos surgirão após a cirur-

complementar, quando os pais não estão em

gia que precisará fazer em breve.

condições financeiras de arcar com a totali-

A sra. Herotildes, de 59 anos, esposa do Sr.

dade da pensão necessária. Portanto, será bem-

Antônio, também recebe um salário mínimo

vinda ao orçamento familiar uma decisão que

e, além da aposentadoria, trabalha com venda

isente a sra. Herotildes de mais esta despesa,

de folheados. O máximo que consegue vender

por se tratar de um caso em que os pais podem

é R$ 320,00 ao mês. Atualmente, ela paga uma

arcar com a despesa do seu neto.

pensão para seu neto de 10 anos. Um neto com

Outra questão levantada é que a sra. Herotildes

quem não tem convívio, pois o viu duas vezes

tem o sonho de conhecer sua família que mora

apenas. A ex nora entrou na justiça pela pensão

em Mantena (MG). Ela tem nove tios, porém

para o filho e o processo está sendo revisto por

não os conhece. Sabe apenas que uma tia, a

uma advogada. Avós não podem ser obrigados

mais velha dos irmãos, tem aproximadamente

a pagar pensão alimentícia a netos pelo simples

84 anos. Apesar da idade avançada dos familia-

motivo de que o pai não cumpre a obrigação,

res, quer encontrá-los, pois tem a esperança de

conforme instrui a advogada. A responsabili-

que ainda estejam vivos.

20


auxiliando-a a resolver o problema da dívida bancária, esse contexto, faz-se necessária a análise dos processos, para a abertura de seu empreendimento. Através

do

questionário

socioeconômico

(Apêndice A) respondido pela sra. Herotildes, foi possível ter conhecimento das despesas mensais desta família (Tabela 1). Diante da situação financeira desta família, Buscando melhorar sua renda familiar e, as-

é necessário que o sr. Antônio compareça ao

sim, ajudar mais no orçamento doméstico, sra.

banco onde tem o financiamento aberto e, em

Herotildes também tem vontade de abrir um

contato com o seu gerente, renegocie sua dívi-

negócio voltado para alimentação: um trailer

da e normalize a sua situação.

ou um carrinho de cachorro-quente, que ficará

Após várias tentativas com o sr. Antônio, ele

próximo a empresas e/ou faculdades.

não se mostrou disponível para aceitar as

A força que a empurra para o sucesso é, sem

orientações propostas, resultando na não re-

dúvida, a vontade para enfrentar o desafio e a

solução dos seus problemas.

disposição para desenvolver ações que possibilitem dar materialidade ao seu desejo de empreendimento.

DESPESAS MENSAIS TIPO DE DESPESAS

VALOR MENSAL (R$)

Além da vontade de ter seu negócio, e do seu

Água

30,00

sonho em encontrar a família, a sra. Herotil-

Alimentação

250,00

Energia elétrica

18,00 (divide com vizinhos)

e, apesar do dia-a-dia com muito trabalho,

Habitação

Não paga aluguel

faz atividade física pelo espaço Curumim em

Pensão

150,00 (paga ao neto)

Telefone

32,00

Lazer

Não gasta

Plano de Saúde

Não tem

Total

480,00

des, pessoa de muita garra, demonstra estar disposta para vida. Pretende voltar a estudar

Contagem/ MG. Quando se faz análise financeira dessa família, vemos que o que vigora é a escassez de capital e a falta de recursos, não ânimo. A Gestão em Foco pretende colaborar com a família, primeiramente na área financeira,

Tabela 1

21


Despesas 250,00 200,00 150,00 100,00 50,00 0,00 Água

Pensão

Alimentação

Telefone

Energia

Empréstimo

Gráfico 1

4.1 Modelo de Plano de Negócio Segundo a consultora jurídica do SEBRAESP, Sandra Regina Fiorentini, antes de abrir o negócio próprio, é necessário planejamento e conhecimento. “O primeiro passo para quem quer abrir a própria empresa é identificar o tipo de atividade que será desenvolvida” (SEBRAE, 2010). Este passo já foi dado. A família decidiuse pelo ponto de venda de cachorro quente. A partir daí, o ideal é elaborar um plano de negócio, no qual é feita a pesquisa de mercado. Nesse sentido, sugere-se que se faça uma análise do local para se montar o empreendimento, verificação dos custos necessários para o início e documentação e cadastro junto ao órgão competente.

22


É muito importante também verificar se esse

motivação e disciplina, a família Silva Costa está

negócio é compatível com a aptidão da família

a um passo para a conquista de sua autonomia

(SEBRAE, 2010).

financeira, pois motivação não lhe falta.

Outro ponto importante para garantir o suces-

Na tabela abaixo segue um representativo do

so de um ramo de atividade empresarial é a es-

orçamento inicial para o empreendimento.

colha do ponto comercial. Como a escolha do local é muito importante para abrir um negó-

Orçamento Inicial para o Empreendimento

cio, é necessário ter mínimas chances de erro

MATERIAL

VALOR (R$)

(SEBRAE, 2010), conforme a pesquisa detectou.

Carrinho de Cachorro Quente

840,00

A consultora do Sebrae-SP afirma que nessa fase

Produtos perecíveis inicial

300,00

é imprescindível verificar se é possível abrir o

Equipamentos básicos

50,00)

tipo de negócio escolhido na região desejada.

Tabela 2

Para isso, é preciso ir à Subprefeitura da região e procurar a Lei de Zoneamento, que mostra

Estima-se que o tempo para retorno financeiro

quais atividades são permitidas na área.

deste empreendimento seja de 12 meses.

Depois, é preciso avaliar quais são as condições do imóvel e conferir ele se está regularizado junto à Prefeitura. Como o negócio pretendido não se trata de um local fixo, mas de um ponto de venda móvel de cachorro quente, basta que a sra. Herotildes defina os pontos onde se deseja vender e dar início a compra dos produtos. Um dos principais erros cometidos pelos novos empreendedores é não saber separar o dinheiro da empresa com gastos da pessoa física. Conforme ensina o Sebrae, às vezes o empreendedor “usa o caixa da empresa como um banco de crédito ilimitado para a família” e quando chega o fim do mês, “não há dinheiro para pagar os gastos da empresa”. A falta de dinheiro é consequência de uma má administração e como administrar precisa de

23


5 Considerações finais Considerando que a busca

não permite creditar a importância devida ao planejamento fi-

pela educação financeira é um

nanceiro, o que acaba gerando a utilização dos instrumentos de

processo complexo e dinâmi-

crédito de forma desconhecida e desmedida, a falta de reservas

co, influenciado por fatores

e o consequente endividamento.

psicológicos, comportamen-

Como as dificuldades financeiras têm origem em vários fatores,

tais, culturais e econômicos,

tais como baixos salários, cobrança de juros abusivos, entre ou-

este trabalho partiu-se da

tros, uma das causas principais da dificuldade em elaborar um

hipótese de que a situação

planejamento econômico está centrada na falta de controle e

econômico-financeira

utilização inconsciente dos instrumentos financeiros.

das

famílias carentes, quando não

Portanto, esta pesquisa buscou, principalmente, o aspecto edu-

está organizada, interfere em

cativo através da difusão de informações e conhecimentos de

sua qualidade de vida.

gestão financeira básicos para a família Silva e Costa como res-

Os resultados obtidos apon-

posta à pergunta que se formulou. Assim, ao se responder como

tam para dificuldades no ge-

estabelecer um controle financeiro adequado nesse contexto

renciamento das finanças pes-

familiar, estratégias sobre o que realmente fazer com o árduo

soais, em parte causadas pela

produto de seu trabalho, considerando o adequado uso da ad-

falta de conhecimento em

ministração de recursos, foram apresentadas à família, encora-

gerir finanças, situação que

jando-a a uma adequada estruturação de sua microempresa.

24


6 Referências - BOSCHETTI, Ivanete Salete. Campanha da Gestão: Lutar por

- NASSIF, Luiz, 2009. Econômia

Direitos, Romper com a Desigualdade. Brasília: CFESS, 2009.

solidária.

- BRASIL. Misnistério da Saúde. Taxa de Mortalidade. Disponível

<http://www.luisnassif.com.

em: <http://portal.saude.gov.br>. Acesso em: : 8 mar. 2010.

br. Acesso em 08 mar. 2010.

- ESCOLA NET. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil.

- ROBBINS, Stephen P. Adminis-

Disponível em: <http://www.escolanet.com.br>. Acesso em: 8

tração: mudanças e perspectivas.

mar. 2010.

São Paulo: Saraiva, 2002. 524 p.

- IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil Escola,

- ROBBINS, Stephen P. Com-

2001. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/brasil/aspec-

portamento Organizacional.

tos-populacao-minas-gerais.htm>. Acesso em: 07 mar. 2010.

São Paulo: Pearson, 2005.

- IEF. Instituto de Estudos Financeiros. Planejamento Familiar,

- SAMANEZ, Carlos Patrício.

2010. Disponível em: <http:// www.ief.com.br>. Acesso em: 08

Matemática

mar. 2010.

ed.São Paulo: Pearson, 2007.

- LOPES, Edilene. Favela. Disponível em: <http:// www.fave-

- TROSTER, Roberto Luis; MOR-

laeissoai.com.br>. Acesso em: 07 mar. 2010.

CILIO, Francisco Mochón. Intro-

- MAIA, Genaldo Paes. Marginalização Social. Disponível em:

dução à economia. São Paulo:

<http://library.jid.org/en/mono35/Paes.pdf>. Acesso em 08

Pearson Makron Books, 2007.

Disponível

em:

Financeira.

4.

mar. 2010. - MAXIMIANO, Antonio C. Amaru. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Relativa, 2008. - MELO, Jose Carlos Martins. Negociação baseado em estratégia. São Paulo: Atlas 2003.

25


7 Apêndice A

Questionário Socioeconômico

(B) Pardo

(C) Esposo(a) / Companheiro(a)

(C) Negro

(D) Filhos

1) Qual o seu nome?

(D) Amarelo

(E) Irmãos

Herotildes da Silva Rocha

(E) Indígena

(F) Outros parentes, colegas

Antônio Alves Costa

(F) Não declarar

ou amigos(as)

VOCÊ E A FAMÍLIA

(G) Outra situação 2) Qual a sua idade?

5) Qual a sua religião?

(A) Menor de 17 anos

(A) Católico

8) Onde e como você mora

(B) 17 anos

(B) Protestante ou evangélica

atualmente?

(C) 18 anos

(C) Espírita

(A) Casa própria

(D) Entre 19 e 25 anos

(D) Umbanda ou Candomblé

(B) Casa alugada

(E) Entre 26 e 33 anos

(E) Outra

(C) Casa de algum parente

(F) Entre 34 e 41 anos

(F) Sem religião

(D) Casa popular cedida pelo

(G) Entre 42 e 49 anos

governo

(H) 50 anos ou mais

6) Qual o seu estado civil?

Obs.: Ela tem 59 e ele 76 anos.

(A) Solteiro(a)

(E) Outra opção

(B) Casado(a) / amigado(a)

9) Quantas pessoas moram

3) Data de Nascimento

(C) Separado(a) / Divorciado(a)

em sua casa? (inclusive você)

Ela: 06/10/1950

(D) Viúvo

(A) Duas pessoas

Ele: 12/09/1934

(B) Três 7) Quem mora com você?

(C) Quatro

4) Como você se considera?

(A) Moro sozinho(a)

(D) Cinco

(A) Branco

(B) Pai e /ou mãe

(E) Mais de seis

26


(F) Moro sozinho (a) 10) Quantos (as) filhos (as) você tem? (A) Um (a) (B) Dois (duas) (C) Três (D) Quatro ou mais (E) Não tenho filhos (as) porte, hotelaria ou outros serviços 11) Qual o seu nível de esco-

(E) Funcionário público do governo federal, estadual ou municipal

laridade?

(F) Profissional liberal, professor ou técnico de nível superior

(A) Não estudo

(G) Trabalhador fora de casa em serviços (alfaiataria, cozinha,

(B) Da 1ª a 4ª série do ensino

aulas particulares, artesanato, carpintaria, marcenaria etc.

fundamental

(H) Trabalhador domestica em casa de outras pessoas (faxineiro,

(C) Da 5ª a 8ª série do ensino

cozinheiro, mordomo, motorista particular, jardineiro, vigia,

fundamental

acompanhante de idosos (as) etc.

(D) Ensino médio incompleto

(I) No lar (sem remuneração)

(E) Ensino médio completo

(J) Não trabalha

(F) Ensino superior incompleto

Obs.: Trabalhou 32 anos na roça, cultivando café na cidade de

(G) Ensino superior completo

Matipó

(H) Não Sei. Obs.: Quer muito voltar a estudar.

13) Somando a sua renda com a renda das pessoas que moram com você, quanto é aproximadamente, a renda familiar?

12) Em que você trabalha ou

(Considere a renda de todos que moram na sua casa)

trabalhou, na maior parte

(A) Até 01 salário mínimo (até 510,00)

da vida?

(B) De 01 a 02 salários mínimos (de 510,00 até 1020,00)

(A) Agricultura, no campo, em

(C) De 02 salários a 05 salários mínimos (de 1020,00 até

fazenda ou na pesca

2550,00)

(B) Na indústria

(D) De 05 a 10 salários mínimos (de 2550,00 até 5100,00)

(C) Na construção civil

(E) De 10 a 30 salários mínimos (de 5100,00 até 15.300,00)

(D) No comércio, banco, trans-

(F) Nenhuma renda fixa

27


14) Quais e quantos dos itens abaixo há em sua casa? ELETRODOMÉSTICO

0

1

TV

x

Videocassete ou DVD

x

Rádio

x

Microcomputador

3+

x

Automóvel Máquina de lavar roupa

2

x x

Geladeira

x

Telefone fixo

x

Telefone celular

x

Acesso a internet

x

TV por assinatura

x

15) Como e onde é a sua casa? CARACTERÍSTICA

NÃO

SIM

É uma rua asfaltada

x

Tem esgoto a céu aberto

x

Tem água corrente tratada

x

Tem eletricidade

x

Tem escola próxima

x

Linha de ônibus É situada em zona rural É situada em zona urbana

x x x

VOCÊ E O TRABALHO 16) Você trabalha ou já trabalhou, ganhando algum salário ou rendimento? (A) Trabalho está empregado com carteira de trabalho assinada (B) Trabalho, mas não tenho carteira de trabalho assinada (C) Trabalho por conta própria, não tenho carteira de trabalho

28


assinada

(D) Para adquirir experiência

(D) Já trabalhei, mas não es-

(E) Para ajudar minha comunidade

tou trabalhando

(F) Outra finalidade

(E) Nunca trabalhei de cartei-

(G) Nunca trabalhei enquanto estudava

ra assinada (F) Nunca trabalhei, mas es-

19) Se você trabalhou durante seus estudos, com que idade

tou procurando trabalho

você começou a exercer atividade remunerada?

(G) Está aposentado(a)

(A) Antes dos 14

Obs.: Venda de jóias folheadas

(B) Entre 14 e 16 anos (C) Entre 17 e 18 anos

17) Você trabalhou ou teve

(D) Após 18 anos

alguma atividade remunera-

(E) Nunca trabalhei enquanto estudava

da durante seus estudos? (A) Sim, todo o tempo

20) Se você está trabalhando atualmente. Qual a sua renda

(B) Sim, menos de 1 ano

ou seu salário mensal?

(C) Sim, de 1 a 2 anos

(A) Até 01 salário mínimo (até 510,00)

(D) Sim, de 2 a 3 anos

(B) De 01 a 02 salários mínimos (de 510,00 até 1020,00)

(E) Sim, mas de 3 anos

(C) De 02 salários a 05 salários mínimos (de 1020,00 até

(F) Não

2550,00) (D) De 05 a 10 salários mínimos (de 2550,00 até 5100,00)

18) Com que finalidade você

(E) De 10 a 30 salários mínimos (de 5100,00 até 15.300,00)

trabalhava enquanto estu-

(F) Nenhuma renda fixa

dava? (A) Para ajudar meus pais nas

21) Há quanto tempo você trabalha nesse ramo?

despesas com a casa, susten-

(A) Menos de 01 ano

tar a família

(B) Entre 01 e 02 anos

(B) Para meu sustento e o

(C) Entre 02 a 04 anos

de minha família (esposo(a),

(D) Mais de 04 anos

filho(as) etc). (C) Para se independente (ter meu sustento, ganhar meu próprio dinheiro)

29


8 Anexo A

Controle de gastos / Mês

MÊS

DESPESAS GASTOS FIXOS

RECEITAS

R$

Luz

R$

Salário

R$

Água

R$

Aluguel

R$

Telefone

R$

Pensão

R$

Gás

R$

Horas extras

R$

Condomínio

R$

Opção 1

R$

Prestação da casa

R$

Opção 2

R$

Diarista

R$

Opção 3

R$

Mensalista

R$

Prestação do carro

R$

IPTU

R$

IPVA

R$

Seguro-saúde

R$

Colégio

R$

Faculdade

R$

Previdência

R$

Assinatura da TV

R$

Opção 1

R$

Opção 2

R$

Opção 3

R$

SUBTOTAL

R$

PERCENTUAL DA RECEITA

%

TOTAL DE RECEITAS

30

Aluguel


GASTOS VARIÁVEIS

GASTOS EXTRAORDINÁRIOS

Alimentação

R$

Médico

R$

Clube

R$

Dentista

R$

Academia

R$

Manutenção da casa

R$

Telefone celular

R$

Manutenção do carro

R$

Taxas de serviços financeiros

R$

Opção 1

R$

Transporte

R$

Opção 2

R$

Opção 1

R$

Opção 3

R$

Opção 2

R$

SUBTOTAL

R$

Opção 3

R$

PERCENTUAL DA RECEITA

%

SUBTOTAL

R$

PERCENTUAL DA RECEITA

%

TOTAL DE DESPESAS

R$

SALDO TOTAL

R$

PERCENTUAL TOTAL DA RECEITA

%

GASTOS ADICIONAIS Viagens

R$

Cinema / Teatro

R$

Suas despesas com moradia não devem ultra-

Restaurantes

R$

passar 30% da sua receita.

Presentes

R$

Opção 1

R$

SUBTOTAL

R$

PERCENTUAL DA RECEITA

%

31


9 Anexo B

Avós só devem pagar pensão quando pai e mãe não tem condições Caso da família Silva e Costa, pela advogada.

trar a falta ou a impossibilidade de seus pais de prestá-los. Não podem, por simples comodidade,

Os avós não podem ser obrigados a pagar pensão

inverter a ordem sucessiva do chamamento à res-

alimentícia aos netos pelo simples motivo de que

ponsabilidade disposta na norma legal editada

o pai das crianças não cumpre com a obrigação.

pelo artigo 1.696 do Código Civil, que expressa-

A responsabilidade dos avós, neste caso, não é

mente estatui que a obrigação recai nos parentes

solidária, mas sim complementar e sucessiva.

mais próximos em graus, uns em falta de outros”.

O ministro Carlos Alberto Direito, do Superior

O juiz afirmou que a defesa não demonstrou nem a

Tribunal de Justiça (STJ) negou seguimento à

falta, nem a incapacidade do pai de pagar a pensão.

medida cautelar proposta pela defesa de uma

“Com a simples alegação de que o pai não cumpre

menina contra decisão do Tribunal de Justiça de

com sua obrigação, não pode a neta reclamar os

Minas Gerais (TJMG).

alimentos da avó”. Além disso, a sentença concluiu

A avó da criança é dona de um bar, não possui de-

que o fato de o pai ter sido condenado a pensionar

pendentes e recebe cerca de R$ 600,00 mensais, mais

a filha demonstra que ele não é incapaz de res-

pensão paga pelo Instituo Nacional de Previdência

ponder pela subsistência da criança.

Social (INSS), em razão da morte de seu marido. A

No julgamento da apelação, o TJ mineiro con-

defesa alegou que, apesar da situação confortável

firmou a sentença. O tribunal esclareceu que,

da avó, a criança passa por inúmeras dificuldades

de acordo com o artigo 397 do Código Civil, os

financeiras e o pai estaria atrasando o pagamento

sujeitos da relação jurídico-alimentar não são

da pensão alimentícia no valor de R$ 80,00.

apenas pais e filhos.

Em primeira instância, o pedido da ação de alimentos já havia sido negado. Segundo o juiz, “o neto,

PEREIRA, Antonio Benedito. Revista Consultor Jurídico.

para reclamar alimentos dos avós, deve demons-

São Paulo: Dublê Editorial e Jornalística Ltda, 2004.

32


10 Anexo C

Entrevista com Paulo

Após a parceria da Una com

ticipantes deste projeto da associação, esse foi o primeiro proje-

a comunidade houve uma

to que a comunidade teve, pq nunca existiu nenhum outro tipo

enorme melhoria, pois a co-

de projeto desde 1991 em que a associação foi lançada. Tenho a

munidade nunca teve apoio. Já

intenção de colocar outros projetos para os moradores, como

tiveram várias pessoas a frente

um curso de informática que já esta em negociação com um

da associação e nenhuma delas

vereador e eu pretende ceder um espaço que tenho na minha

fizeram algo que passasse con-

casa para montar essa sala,por ter muitas pessoas que não tem

fiança para os moradores. Em

acesso a computador, internet etc. devido as poucas condições

2009, Paulo assumiu a frente

para custear um curso profissional de inf ormática.

da associação, mas fala que

Onde é a comunidade hoje era um pasto/terreno que tinha um

foi difícil no começo devido

problema financeiro com a Caixa Econômica e que até hoje existe

ao receio que os moradores

essa divida. Na época em Ademir Lucas era o prefeito ele falou

tinham em questão a gestão

que ia fazer um bairro de funcionários (da prefeitura), por isso

da associação, os moradores

veio o nome bairro funcionários. Ele queria dar os lotes para os

estavam distante não confia-

funcionários que ainda não tinha casa própria, após isso ele fez

vam nessa Nov gestão. Então a

o loteamento e deu para os funcionários, mas muitos venderam.

associação com apoio de vere-

Quando me mudei pra ca não havia água, o abastecimento era

adores montaram um grupo

feito através de caminhão pipa, não tinha luz; mas hoje o bairro

de ginástica da terceira idade

é todo asfaltado, com água, luz saneamento básico, bem estru-

no curumim da comunidade

turado, bastante comercio próximo ao centro de contagem .

começou com 8 pessoas e hoje

A uma já proporcionou palestra odontológica para a comuni-

já tem mais de 50 pessoas par-

dade, e que foi muito satisfatória e que querem demais usufruir

ticipando do projeto inclusive

os recursos que uma nos proporciona, pois se todos trabalha-

a D. Herotildes é uma das par-

rem juntos da para conquistar muita coisa.

33


11 Anexo D

Dívida, a maior vilã dos consumidores

Maior vilã dos consumidores, a dívida pode ser um empecilho para os casais que querem planejar o orçamento familiar. Um dos maiores riscos na modalidade de dívida é o cheque especial fornecido diretamente na conta corrente do associado do banco. Em pesquisa realizada pelo Procon – SP a maior dificuldade e entender o cheque especial, a maioria dos clientes não tem noção ou entendimento do que seria o cheque especial. O cheque especial, Lis ou limite de crédito especial, a denominação diferencia conforme o banco, tem juros abusivos, muito além dos empréstimos consignados ou pessoais. Esse limite já está pré-aprovado na conta do associado, ele fica descriminado no extrato. Muitas pessoas fazem confusão achando que esse dinheiro é delas . Com isso começa a bola de neve. A solução do problema pra quem tem esse tipo de empréstimo: 1. Pesquisar em várias instituições financeiras empréstimos com juros menores para a quitação desse empréstimo do cheque especial. Os empréstimos consignados são os de menores juros. 2. Dirigir juntamente ao seu gerente e solicitar o cancelamento desse cheque especial. O cheque especial é um dos maiores entraves do orçamento financeiro, a melhor solução e poder evitar.

34


Projeto grรกfico: Bruna Caldeira (31) 8828 4288 www.brunacaldeira.com bruna@brunacaldeira.com


36

Conscientização e Compromisso Financeiro  

Revista UNA

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you