Page 1


lazer e tempo livre


tecnologia A tecnologia passa a ser uma ferramenta de busca de tempo, exemplo disso são os telefones celulares, o fax, o pager, a internet. Tais mecanismos marcam essa busca incessante por mais tempo, porém, este tempo disponível acaba por ser preenchido com mais atividades e afazeres.

tempo livre

Ao aprofundar o conceito de tempo, entramos no conceito de tempo livre, o qual refere-se às ações humanas realizadas sem que exista uma necessidade externa, ou seja, fazer uso deste tempo com total liberdade e de maneira criativa. No entanto, esse tempo que deveria ser voltado para o ócio termina com a sua mercantilização, diminuindo a sua essência.


As atividades de lazer, por sua vez, surgem de uma escolha pessoal, baseada na busca por algum prazer; no início da industrialização, o trabalho industrial impunha uma cultura própria, em que o objetivo era produzir mais no menor tempo possível e, ainda hoje a linha de montagem não obedece um ritmo natural de repouso e trabalho. O tempo livre e o lazer surgem na Revolução Industrial, no momento em que as jornadas de trabalho passam a ser demasiadamente longas, duras e difíceis para o homem, assim, só restava tempo para dormir.

“rompe-se a relação entre o tempo de trabalho e produto do trabalho. O trabalho passou a ser fragmentado, de difícil compreensão, dada a sua complexidade tecnológica. ” (CAMARGO, 1986,p.36)


Nas sociedades pré-industriais o trabalho envolvia prazer e criatividade de forma que o que hoje é atribuído ao lazer, não se encaixava naquele tempo. O lazer, portanto, pode ser entendido como a existência de um tempo em que se pode desenvolver atividades com mais criatividade e desinteresse. São caracterizadas por atividades prazerosas, hedonísticas. Assim, há uma busca de prazer por parte do indivíduo, mesmo que esta necessite de esforço para se obter um nível de relaxamento; é sempre isento de obrigações e busca compensar ou substituir um esforço da vida social; é neste momento em que há a reposição de energias.

“É impossível não se fazer absolutamente nada. O devaneio é uma ação muito significativa. (...) Deixar-se levar, a si e às sensações, deitado numa rede, é um momento de rara inventividade no encontro de si mesmo. Poucos, aliás, o conseguem na plenitude, despindo-se dos problemas e das preocupações, e entregando-se à riqueza do momento presente. ” (CAMARGO, 1986, p. 18 e 19)


Outra atividade muito desenvolvida nas atividades de lazer é a produção manual. Esta, por sua vez, surge até mesmo como uma forma de crítica ao consumismo, e de aproveitamento do tempo livre. O lazer manual, então, pode ser entendido como uma fonte de expressão, em que há a busca do imaginário, do sonho e do encantamento.

Nas atividades de lazer, pode-se inserir a sociabilidade; compartilhar o interesse cultural com outras pessoas; da mesma forma que se é importante manter contato com outras pessoas, é necessário também resgatar os valores positivos da privacidade, muitas vezes desconhecido na atualidade.

“O ato de criar com as próprias mãos é cheio de simbolismos. As mãos são fonte de expressão não apenas gestual como prática, de transformação de coisas. Restituir-lhes esta capacidade reprimida por uma sociedade que as substituiu por instituições e fábricas é, para muitas pessoas, uma necessidade importante. ” (CAMARGO, 1986, p. 22)


medição da felicidade

Segundo o Happiness Research Institute (2017), a verdadeira medição de qualquer sociedade pode ser encontrada no modo como tratamos os membros mais vulneráveis. O trabalho deles, por sua vez, é identificar e explorar falhas de bem estar e desigualdade. O objetivo de tal pesquisa não

é minimizar a importância da igualdade econômica, e sim compreender uma dimensão de desigualdade. A desigualdade por sua vez, gera crime, agitação social e conflitos armados, que condiz com a situação que o povo brasileiro está passando no momento.


hygge

O termo hygge foi escrito em dinamarquês pela primeira vez no ano de 1800, no entanto, a palavra é originalmente norueguesa. Enquanto a Dinamarca e Noruega eram um único reino, entre 1397 e 1817, surgia a palavra em Norueguês hygge, que significa bem-estar, originada da palavra hug, que significa abraçar. Dentre todas as origens da palavra,

temos: hugge do nórdico antigo hygga que significa confortar, hugr que significa humor, e hugjan, palavra germânica que significa considerar. Curiosamente, todos esses significados (bem-estar, abraçar, confortar, humor, consideração) são a essência do hygge como é conhecido hoje em dia. (WIKING, 2016)


ambientação

Iluminação

A ambientação é um fator de extrema importância para que se experiencie um momento hygge. A iluminação, para os dinamarqueses, é o ponto essencial para criar um ambiente aconchegante, são criados pontos de luz quente e suave em pontos estratégicos. Além de velas, o povo dinamarquês é conhecido mundialmente por suas luminárias, muitas delas foram criadas por designers dinamarqueses, como Poul Henningsen, Arne Jacobsen e Verner Panton. Os dinamarqueses, portanto, selecionam suas luminárias cuidadosamente e as posicionam em lugares estratégicos, a fim de criar pontos aconchegantes de luz.


ocitocina e união

Segundo estudo publicado em 2011 por Navneet Magon (apud APRENDA, 2017) “a ligação social é essencial para a sobrevivência da espécie (humanos e alguns animais), uma vez que favorece a reprodução, proteção contra predadores e mudanças ambientais, além de promover o desenvolvimento do cérebro. (...) É um composto cerebral importante na construção da confiança, que é necessária para

se desenvolver relacionamentos emocionais.”. Abraçar é considerada a forma mais simples de se aumentar a produção de ocitocina, assim como fazer carinho em animais possui esse mesmo efeito. É nesse momento em que nos sentimos amados, calorosos e seguros, fatores que também são essenciais para o hygge.

“É nesse momento em que nos sentimos amados, calorosos e seguros, fatores que também são essenciais para o hygge.”


De acordo com o World Happiness Report (apud WIKING, 2016, p. 42) “enquanto os padrões básicos de vida são essenciais para a felicidade, após cruzar-se essa linha, a felicidade varia mais com a qualidade das relações humana do que com a renda.”. Portanto, quando mais satisfeita a população está com suas relações sociais, mais felizes essas pessoas estão em geral. Ainda segundo Wiking (2016), os relacionamentos sociais mais importantes são relações próximas em que se experiencia coisas e situações junto com o outro, e em que se experiencia ser compreendido; onde é possível compartilhar pensamentos e sentimentos, e ambos dão e recebem apoio.


slow food

O movimento Slow Food surge, pela primeira vez, na década de 80 como forma de combater o modo de vida desenfreado da atualidade, além de ser forte oposição ao Fast Food (FERREIRA, 2009); possui como finalidade resgatar as tradições alimentares locais, expandir o interesse pela alimentação entendendo a origem de cada alimento, os impactos pessoais e mundiais que a escolha alimentar exerce.

O movimento defende, ainda, que o prazer de se sentar à mesa e aproveitar o momento de alimentar-se é primordial para recuperar um ritmo de vida harmonioso. Segundo Carlo Petrini, “A defesa firme de um prazer calmo é a única forma de oposição à folia universal de uma vida rápida”. (2006, Apud PEREIRA, 2009, p. 18)

“Preparar uma comida hygge é sobre aproveitar seu processo lento, sobre apreciar o tempo que se gasta e a alegria de preparar algo de valor.” (WIKING, 2016, p. 64)


loungewear

“O consumo descontractive é preocupado com experiências relaxantes, que envolvam indicadores de qualidade de tempo e espaço, além de estar sempre à procura de produtos que auxiliem na busca por equilíbrio. Na moda, sua introspecção natural traz novas necessidades por conexão sensorial entre corpo e roupa, assim, o consumo é de caráter estritamente emocional.” A melhor descrição para a vestimenta na Dinamarca é casual. Os dinamarqueses em geral apreciam uma atmosfera casual, e isso implica diretamente em sua vestimenta: as camadas são exploradas, assim como o uso de xales e cachecóis, tricô, moletom, suéters e meias de lãs também garantem o visual hygge.

- (MORACE, 2009 apud VALEZI, p. 2) Descontractive é o nome dado às pessoas que procuram por algum tipo de refúgio, seja por medo, ou pela necessidade de se conectar com o seu próprio eu. O resultado deste consumo descontractive é o loungewear.


https://findinghyggefilm.com/#trailer


cartela de cores


croquis


tingimento natural COM abacate 1. deixar a lã de molho em água morna, para absorver melhor a coloração

2. colocar caroço e casca do abacate limpos em uma panela com água e deixar ferver.


3. deixar fervendo até atingir a coloração desejada;

4. depois de esfriar, colocar a lã úmida e deixar em fogo baixo até que começe o processo de fervura

5. deixar a solução esfriar por no mínimo 24 horas


unindo pessoas

com tricĂ´


confecção 1. teste de encaixe

2. União das partes


3. Confecção das mangas

4. união das mangas


enquadramento Plano Geral

zoom


plano de luz Luz natural

Flare


locação


mood board


documentação


planilha de custos

Descrição

Tipo

Parafina Pavio 8 cm Vela Quadrada 8x25 Vela Cilindrica 8x20 Empório das Vela Quadrada velas 6x15 Vela Cilíndrica 7x10 Vela Cilindrica 7x12 Lã para Bazar Leontinas tapeçaria 100 g Agulha para tapeçaria Combustível -Casa Paris Doces Cinnamon Roll Lã natural para Mr. Cheeney tingimento Agulha para tricô 12mm Frete

TOTAL

Quantidade

Valor Unitário

Valor Total

3 kg 50 un

R$ 15,00 R$ 5,00

R$ 45,00 R$ 5,00

2 un

R$ 38,20

R$ 76,40

2 un

R$ 24,60

R$ 49,20

2 un

R$ 14,30

R$ 28,60

3 un

R$ 10,00

R$ 30,00

1 un

R$ 11,60

R$ 11,60

4 un

R$ 16,00

R$ 64,00

1 un

R$ 1,50

R$ 1,50

-2 un

R$ 109,00 R$ 30,00 R$ 30,00

R$ 109,00 R$ 30,00 R$ 60,00

5 un

R$ 33,29

R$ 166,45

3 pares

R$ 8,91

R$ 26,73

--

R$ 17,93

R$ 17,93

R$ 721,41


plataforma


edito


orial


tcc 2


Toimi Juhani Lehto (jussi) Conhecido como Jussi Lehto, nasceu em Oulu, na Finlândia, no ano de 1926. Aos 16 anos, lutou na Segunda Guerra Mundial contra as tropas russas na artilharia anti-aérea em Helsinque. Após o fim da Guerra, imigrou com sua família para o Brasil em busca de melhores condições de vida. Começou com pequenos trabalhos para sobreviver em seu novo país como decoração de vitrines. Em 1958, teve seu primeiro emprego na imprensa, trabalhando como diagramador da revista Visão. Seguiu para a Editora Abril no ano de 1966, onde ficou por quase três décadas, atuando como fotógrafo. Como autônomo, fotografava diversos assuntos, como corridas de fórmula 1, cirurgias, personalidades e natureza. Foi responsável por gravar a história da nossa família atraves da fotografia em aniversários, casamentos, eventos e reuniões familiares, e no próprio dia a dia.


Hygge  

TCC 1 Produção: Bruna Fischer Design gráfico: Bruna Fischer Foto: Luisa Panza Tratamento de Imagem: Luisa Panza

Hygge  

TCC 1 Produção: Bruna Fischer Design gráfico: Bruna Fischer Foto: Luisa Panza Tratamento de Imagem: Luisa Panza

Advertisement