Page 1


TUDO ACABADO JACI BURTON


Copyright © 2015 Jaci Burton Trecho da Corrida Inesperada copyright © 2015 Jaci Burton Trecho de Make Me Stay copyright © 2015 Jaci Burton Imagens da capa © Claudio Marinesco O direito de Jaci Burton de ser identificado como o Autor da Obra foi afirmado por ela de acordo com o Copyright, Designs and Patents Act 1988. Publicado por acordo com Berkley, Um membro do Penguin Group (USA) LLC. Uma empresa Random House Penguin. Publicado pela primeira vez nesta edição do Ebook em 2015 por HEADLINE ETERNAL Uma impressão do HEADLINE PUBLISHING GROUP Todos os personagens desta publicação são fictícios e qualquer semelhança com pessoas reais, vivas ou mortas, é mera coincidência. A catalogação em dados de publicação está disponível na British Library eISBN 978 1 4722 2815 4 GRUPO DE PUBLICAÇÃO DE HEADLINE Uma Hachette UK Company Casa Carmelita 50 Victoria Embankment Londres EC4Y 0DZ


Índice CAPA Página de direitos autorais Sobre o autor Sobre o livro Agradecimentos Um Dois Três Quatro Cinco Seis Sete Oito Nove Dez Onze Doze Treze Quatorze Quinze Dezesseis Dezessete Dezoito Dezenove Vinte Vinte e um Vinte e dois


Vinte e três Vinte e quatro Vinte e cinco Vinte e seis Vinte e sete Vinte e oito Vinte e nove Trinta Trinta e um Trinta e dois Trinta e três Trinta e quatro Trinta e cinco Trinta e seis Trinta e sete Trinta e oito Trinta e nove

Quarenta Quarenta e um Quarenta e dois Quarenta e três Quarenta e quatro Quarenta e cinco Quarenta e seis Quarenta e sete Quarenta e oito Quarenta e nove Cinquenta Cinquenta e um


Agradecimentos

TRADUÇÃO INDEPENDENTE


Sobre o Autor

Jaci Burton é uma autora de best - sellers do New York Times que mora em Oklahoma, com o marido e os cachorros. Ela tem três filhos adultos, todos espalhados pelo país, com vida própria. Amante dos esportes, Jaci pode dizer qual é a época do esporte. Ela assiste televisão demais, incluindo uma quantidade insalubre de reality shows. Quando não está escrevendo, Jaci pode ser encontrada em seu cassino local, tentando se tornar uma milionária (até agora, sem sorte). Ela é totalmente romântica e adora uma história feliz para sempre, que você encontrará em todos os seus livros..


Sobre o Livro

TUDO ACABADO No décimo romance sexy da série Jogo-Por-Jogo da autora de best - sellers do New York Times, Jaci Burton, um jogador de beisebol sexy é eliminado... O jogador de beisebol Tucker Cassidy, está experimentando uma queda, em seu jogo profissional e pessoal. Depois de uma briga dolorosa, envolvendo o joelho de sua ex-namorada, ele está convencido, de que as coisas não poderiam piorar. . . até que uma médica maravilhosa, vem ao seu resgate, em seu momento mais embaraçoso. O pai da Dra. Aubry Ross, é dono de um time de beisebol e ela está em torno de jogadores, toda a sua vida. Ela não vai se apaixonar por Tucker, por mais engraçado e sexy que ele seja. Ela está agradavelmente surpresa, porém, ao descobrir que ele respeita seu trabalho e, quando ele continua aparecendo em seu hospital, Aubry começa a pensar que ele está se machucando, apenas para vê-la. Mas, com seu pai desaprovando o relacionamento deles, eles vão se perguntar, será que esse amor que muda o jogo, vale a luta? Quer romance esportivo mais sexy? Não perca o resto desta série fumegante que começou com The Perfect Play.


AGRADECIMENTOS Há tantas pessoas, que fazem um livro brilhar e que me ajudam nos bastidores, para que eu tenha tempo de escrever. Então, para Telisa e Kati, obrigada por sua revisão e leitura beta. Vocês tornam meus livros melhores e sou muito grata. Para Lillie, eu não poderia sobreviver, sem que você lesse, minha incrivelmente difícil série bíblia e me avisasse quando minha linha do tempo estivesse desligada. E para Fatin, sem você administrar o dia a dia, eu nunca terminaria um livro. Eu não poderia fazer este trabalho, sem toda sua ajuda. Obrigada a todos vocês.


UM Era refrigerado, escuro e, mais importante, privado, na adega de Clyde Ross, motivo pelo qual Tucker Cassidy trouxera Laura, sua namorada, para cá. Ela tinha bebido muito hoje, e quando bebia, ela ficava alta e desagradável. Ela também estava chateada com ele, no momento. Laura brava, bêbada e barulhenta? Não era uma boa combinação, especialmente, quando estavam na casa do dono dos rios St. Louis. Clyde Ross era o chefe de Tucker, e a última coisa que ele precisava, era que sua namorada, fizesse uma cena. Ele tinha o suficiente de uma imagem de bad boy, sem que Laura piorasse as coisas, gritando para ele, no meio da festa muito legal e muito chique de Clyde. "Eu não acho que há mais nada para discutir, Tucker, sobre por que você continua enrolando, sobre nós dois morarmos juntos." Sim, isso não estava acontecendo. "Podemos conversar sobre isso, quando eu te levar para casa hoje à noite, Laura." Ele a trouxe para a adega, na esperança de acalmá-la. Além disso, eles estavam sozinhos aqui e ninguém os ouvia. Ok, principalmente ninguém podia ouvir Laura, já que era ela quem falava tudo. Falando alto. Ela era como um cachorro, com um osso favorito, uma vez que ela entrasse em um tópico. “Estamos namorando dois meses inteiros, Tucker. Você não acha, que é hora de torná-lo oficial?” Foram os mais terríveis dois meses inteiros, de toda a sua vida. Ok, talvez não no começo. Laura era um nocaute. Alta, com longos cabelos escuros, curvas que simplesmente não paravam e a melhor bunda que ele já tinha visto. Ela era uma garçonete e eles se conheceram uma noite, quando ele estava tomando bebidas no bar, onde ela trabalhava. Eles se deram bem imediatamente e saíram, tiveram uma noite de sexo quente e começaram a namorar. Ela tinha sido divertida, aventureira, ótima no geral e eles tinham muito em comum. Além disso, ela gostava de beisebol e ele jogou pelos Rivers. Não que fosse um problema, se uma mulher, com quem ele namorasse, não fosse um fã de beisebol, mas não doía se fosse. Ela


veio para vê-lo jogar e ela realmente conhecia o jogo, ao contrário de outras mulheres que ele namorou que mentiam, mas na verdade, não sabiam de striking balls ou um fast ball curve. Em sua mente, esse era um maldito crime. Mas, com o passar das semanas, ele notou que ela não segurava bem a bebida e, quando bebia, não era uma bêbada divertida. Ela ficava alta, desagradável e insultava seus amigos. Sempre que ela permitia, que ele estivesse perto de seus amigos. O que ultimamente não era frequente, porque ela também, se tornara mais exigente em seu tempo. Sempre que eles não estavam juntos, ela queria saber, onde ele estava e quão logo ele estava vindo. Em outras palavras, quando ele não estava jogando bola, ela o queria com ela. Apenas com ela. E queria que ele explicasse cada minuto do seu tempo. Ele não precisava de uma mãe - ele já tinha uma, junto com uma grande e ótima família. E agora, nas últimas vezes em que eles estiveram juntos, ela deu dicas, de que os dois iriam morar juntos. Ele não estava preparado para isso. Então agora, ele tinha que redirecioná-la e acalmá-la antes que as coisas saíssem do controle. "Que tal ver a incrível coleção de vinhos de Clyde?" Ela empurrou o peito dele. “Eu não dou a mínima para Clyde ou seu vinho. Eu quero que você faça um compromisso comigo.” Ele suspirou e passou os dedos pelos cabelos. Ele não queria fazer isso aqui, mas ela não o deixou com muita escolha. "Isso não vai acontecer. Nós estamos namorando, há apenas dois meses e eu não estou pronto para morarmos juntos. ” Ela cutucou seu peito. "Você sabe o que? Você é um filho da puta. Eu pensei que estávamos indo para algum lugar. Você me levou a acreditar ...” Ele teria que detê-la. "Eu nunca fiz promessas para você, Laura." E agora as lágrimas. Ele tinha visto muitas dessas ultimamente também. Especialmente quando ela estava bebendo. "Eu pensei que estávamos apaixonados, Tucker." "Eu nunca disse isso também." Ela quebrou então e soluçou. Bem, merda. Ele caminhou até ela e a puxou para seus braços. "Eu sinto Muito." “Sente muito, minha bunda. Você não está arrependido de jeito nenhum.”


Ele não sabia, como uma mulher podia estar tão bêbada, mas tão precisa, mas seu joelho bateu em sua virilha no ângulo certo, e ele caiu como um lutador, que acabara de ser atingido por um soco perfeito. Luzes apagadas. Apenas em vez de um golpe em sua mandíbula, ela o acertou, bem nas bolas. Ele vagamente registrou suas palavras arrastadas. “Você é um idiota. Nós terminamos, Tucker. Estou chamando um táxi para me levar para casa.” Ele ouviu o clique de seus saltos, no chão de pedra, enquanto ela se afastava. Ele não podia nem respirar, muito menos se importar, que ela tivesse acabado de deixá-lo no chão. Jesus Cristo, isso doeu. Suas bolas latejavam como se alguém tivesse... Bem, alguém tinha empurrado um joelho nelas. Ele ficou lá pelo que pareceram horas, mas sabia que era apenas alguns minutos, antes de conseguir cambalear de joelhos. Ele encontrou a parede, ainda lutando para recuperar o fôlego. Em um minuto. Ele poderia ficar de pé, em apenas um minuto. "Meu Deus. Você está bem?" Ele ouviu uma voz feminina. Ótimo. Apenas o que ele precisava. Uma testemunha de sua humilhação. Depois, mãos frias e suaves varreram sua testa. "Você está machucado? Você caiu?" Ele balançou sua cabeça. "Estou bem." “Você não está bem. Você está suando e praticamente hiperventilando. Diga-me o que aconteceu.” Seus olhos ainda estavam fechados e ele concentrou todo o seu esforço, em tentar determinar, se suas bolas, ainda estavam presas ao seu corpo. Ele não queria que alguma mulher fosse gentil com ele. Na verdade, não queria nada com uma mulher. Possivelmente nunca mais. Conseguiu ficar de pé - com a ajuda da mulher, infelizmente. "Diga-me onde você está ferido", disse ela. Ele balançou sua cabeça. “Eu não estou ferido. Apenas vá embora." “Eu não vou embora. Sou médica e posso ajudá-lo.”


Impressionante. Esta noite estava piorando a cada segundo. "Eu não preciso de um médico." "Que tal você me deixar ser o juiz disso?" Ele abriu os olhos e olhou para sua salvadora indesejada. Ela era, claro, linda. O que a tornou imediatamente indigna de confiança, uma vez que ele apenas jurou, nunca mais se apaixonar por uma mulher bonita. Ela era de estatura média, com cabelo loiro curto e os olhos azuis mais intensos, que ele já tinha visto. Ela também tinha a boca mais perfeita. Não que ele fosse pensar em uma mulher, de maneira sexual novamente. Pensamentos como esse, apenas levavam a problemas e esmagavam os testículos. Ele encostou-se à parede fria e tentou pensar em qualquer coisa além dessa situação humilhante. Ela deslizou os dedos ao redor do pulso dele. "O que você está fazendo?", Ele perguntou. "Shhh" Tudo bem com ele. Talvez se ele não dissesse nada, ou olhasse para ela, ela desapareceria. Mas ela não fez. Ela continuou segurando-o. "Sua pulsação está um pouco alta." Ele abriu os olhos e olhou para ela. "Não é de surpreender, desde que eu acabei de ser chutado nas bolas." Ela franziu os lábios ao encontrar o olhar dele. "Literalmente ou figurativamente?" "Literalmente." “Ouch. Eu não posso falar da experiência, é claro, mas isso deve ter sido doloroso. O que você fez para merecer isso?” Imagine, se ela não pensaria, por que ele estava merecendo, uma joelhada na virilha. "Nada. Eu tinha uma namorada bêbada, que colocou na mente, que deveríamos morar juntos. Quando tentei consolá-la, após dizer que isso não aconteceria, essa foi a resposta.” “Ai novamente. Desculpa." Ele encolheu os ombros. "Não é sua culpa." Ela esfregou as mãos juntas. "Eu deveria te examinar."


Ele soltou uma risada. “Querida, sem ofensa, mas a última coisa que eu quero, é qualquer mulher perto das minhas bolas esta noite. Ou possivelmente nunca mais.” Ela sorriu. “Você diz isso agora. Mas mudará de idéia, quando se sentir melhor. E você precisa me deixar dar uma olhada e senti-los para ter certeza que sua namorada ...” "Ex namorada." "OK. Para ter certeza que sua ex-namorada, não te feriu seriamente.” "Oh não. Estou bem." Ela colocou as mãos nos quadris. E oh eram belos quadris, mostrados em um vestido branco de renda, preso a uma figura muito fofa. Não que ele pudesse perceber, esse tipo de coisa, no momento. “Quem é o médico aqui? Eu ou você?" "Você. Ou então você diz. Isso pode ser uma conspiração. Você poderia ser uma amiga de Laura, me preparando, para a segunda rodada da noite de masculinidade, de vamos destruir a Tucker-Cassidy.” Agora era a vez dela de rir. "Eu posso assegurar-lhe, que não tenho idéia, de quem é sua namorada" "Ex namorada." "Certo. Posso assegurar-lhe, que não estou em aliança, com sua ex-namorada nefasta. "Eu gosto disso." Ele finalmente tinha algo para sorrir. "Como o quê?" "Nefasta. Isso se encaixa nela. Mas você, ainda não está se metendo em minhas calças.” "Jogando duro para conseguir, Tucker?" Ele olhou para ela. "Eu vou te mostrar o meu, se você me mostrar a sua." “Eu vejo que você está começando a se sentir melhor. Isso é um bom sinal. Mas não, não estou mostrando nada meu. Eu vou olhar para o seu, no entanto. E na sua condição enfraquecida, tenho certeza que posso entrar em suas calças.” Suas bolas ainda latejavam. E se Laura as tivesse quebrado? E se ele fosse incapaz de ter filhos? Não que ele quisesse isso - agora mesmo. Mas algum dia. . .” "OK. Bem. Você é mesmo uma médica?” "Eu realmente sou. Então solte-a e vamos dar uma olhada nos produtos. ” Ele puxou o zíper da calça. “Se eu tivesse um dólar, para cada vez , que uma mulher dissesse isso para mim. . .”


Ela riu, aproximou-se e ele sentiu um leve aroma cítrico. Ele respirou, a melhor coisa que sentira toda a noite. Cheirava a renovação, como começar de novo. O que era ridículo porque ele nem sabia o nome da médica. Mas se ela o consertasse, ela seria sua salvadora. Ela embalava o saco de bolas na mão e examinava o pau dele. Havia algo, em ter uma mulher tão próxima de seus bens, que deveria ser excitante como o inferno. Mas ele não estava ficando duro. Ele se machucou muito mal. "Está inflamado, mas ela não quebrou o seu pênis." "Bom, aleluia." Ela inclinou a cabeça para o lado e deu-lhe um sorriso irônico. "Certo? Ela bateu em você muito difícil, no entanto. Seus testículos estão inchados e vermelhos.” Ela deu um passo para trás. “Você pode puxar a calças para cima agora. Você ficará dolorido por alguns dias, mas vai ficar bem.” "Obrigado." "Seja bem-vindo." Ele fechou o zíper. "Eu espero que seu marido ou namorado não se importe, de você inspecionar minhas coisas aqui na adega." "Sem marido. Sem namorado. Sou residente na Universidade de Washington, aqui em St. Louis, e estou ocupada demais para isso.” "Entendo. Então, com quem você está aqui?” “Oh, meu pai é Clyde Ross. Eu sou Aubry.” Merda. Merda, merda, merda. Filha do chefe. Esta noite não poderia piorar. “Eu não sabia disso. Quer dizer, eu sabia que ele tinha uma filha, na escola de medicina ou algo assim. Não sei por que não fiz a conexão.” “Nenhuma razão para você saber. Prazer em conhecê-lo, Tucker. Eu vi você arrasar. Você é muito bom.” “Você também, doutora. Obrigado pela olhada.” "Seja bem-vindo. Na verdade, eu vim até aqui, para pegar uma garrafa de vinho para o meu pai. Ela obviamente sabia o que queria, porque entrou diretamente na parede oposta e pegou uma garrafa na prateleira antes de se virar para encará-lo. "Consegui. Vamos subir ou precisa de mais tempo para refletir sobre sua noite?”


“Não, acho que passei bastante tempo. . . refletindo aqui. ” Ele a conduziu para as escadas, esperando que Aubry fosse discreta o suficiente, para não contar ao pai, o que lhe acontecera. Ainda assim, ele parou e se virou para encará-la. "Uma questão." "Certo." "Você me fez mostrar-lhe porque era medicamente necessário, ou porque você queria dar uma boa olhada no meu pau?" Um lado de sua boca se curvou em um sorriso sexy como o inferno. “Tucker. Estou surpresa que você fizesse essa pergunta. Eu sou médica, afinal de contas.” Ela se virou e subiu as escadas. Que não foi uma resposta em tudo. A noite estava começando a melhorar. Mas suas bolas, ainda doíam como o inferno. Depois do desastre com Laura, e dado o fato de que o médico era a filha de Clyde, ele definitivamente deveria evitar Aubry Ross. Ou . . talvez não.


DOIS Depois de pegar uma cerveja gelada e fazer rodadas sociais na festa, Tucker concluiu que Laura, estava de fato desaparecida. Ele deveria ter vergonha de sentir alívio sobre isso, mas ele não tinha. Não depois, do episódio na adega. Tanto quanto sabia era que, eles estavam acabados. Mais do que acabado. Se ele tivesse sorte, nunca mais ouviria falar dela. Agora, ele precisava encontrar algum lugar, fora do caminho para se sentar, para que ele pudesse aninhar a cerveja, em sua virilha como um bloco de gelo. Era muito cedo para partir, sem uma boa explicação, e ele com certeza não queria chamar atenção para si mesmo. Laura havia feito o suficiente disso, se embebedando na primeira hora. Ele esperava poder se sentar um pouco, depois sair sem que ninguém percebesse. Encontrou um lugar perfeito do lado de fora no quintal de Clyde e Helen Ross. A propriedade de Clyde era expansiva, e como a equipe incluía família e amigos, havia uma multidão, que Tucker, poderia desaparecer por um tempo, sem que ninguém percebesse. Ele pretendia se perder em uma das muitas áreas de jardins sinuosos e finalmente encontrou um mirante que, felizmente, estava deserto. Ele deitou a cabeça para trás em uma das confortáveis cadeiras almofadadas, aninhando sua cerveja entre as coxas. Inferno de uma noite. Ele podia aproveitar esta solidão para... "Eu teria ficado feliz em conseguir uma bolsa de gelo para os testículos." Isso só poderia ser uma pessoa. Ele espiou um olho aberto. “Minhas bolas estão bem, Aubry. Aqui é onde eu descanso minha cerveja.” “Entre suas pernas, que é uma das áreas mais quentes do seu corpo? Que homem em sã consciência quer cerveja quente?” Ele suspirou, abriu os dois olhos e colocou a cerveja na mesa ao lado da cadeira. "Você esta me seguindo?" Ela riu e entrou no gazebo. "Não. Eu estava a caminho da hospedaria para verificar. . . alguma coisa." Ele levantou uma sobrancelha. "Alguma coisa? Ou alguém?” Ela encolheu os ombros. "Talvez ambos."


Ela deu um rápido olhar para a casa à distância. “Procurando pelo seu namorado?” Ele perguntou. Ela deu um sorriso. "Oh não. Meu tio. Ele tem uma tendência a vagar com pessoas inadequadas. Pessoas que não são minha tia.” "Oh" "Minha mãe me pediu para verificar e ver se ele estava na casa de hóspedes." Ele se levantou, tentando não estremecer quando fez. "Eu irei com voce." "Isso não é necessário." "Ainda assim, eu vou com você." Ela olhou para ele. “Você tem certeza que pode andar tão longe, dada a sua. . . condição?" "Muito engraçado. Vamos." Ele desceu do gazebo e caminhou ao lado dela, enquanto ela caminhava pelos jardins e em direção à casa. “Então, seu tio? Relacionado com sua mãe ou seu pai?” "Ele é irmão da minha mãe." "Você gosta dele?" Ela encolheu os ombros. “Eu o tolero porque ele é casado com minha tia, a quem eu amo, e ele é o pai dos meus primos, a quem eu também amo. Meu tio tem um olho errante e infeliz, de acordo com minha mãe.” - “E sua tia sabe disso?” “Aparentemente ela sabe, e ela olha para o outro lado, porque eles estão casados há muito tempo e têm três filhos - meus primos. Minha tia, de acordo com minha mãe, é. . .” Ele esperou, mas ela não terminou, então ele olhou para ela. "Confortável?" Aubry encolheu os ombros. "Eu acho." "E o que você acha?" "Eu acho que não é da minha conta." Ele parou. "Certamente você tem uma opinião." “Eu não quero me envolver no casamento deles. E se funciona para os dois, por que eu deveria entrar no meio disso?” Ele olhou para a casa de hóspedes. "Não é isso que você está fazendo agora?"


"Não. Estou fazendo um favor para minha mãe, que não quer que tia Farrah fique publicamente envergonhada, se outra pessoa entrar na casa de hóspedes e encontrar o tio Davis em flagrante delito com alguma prostituta.” Ele queria se encolher com o uso da palavra “prostituta”. Ele não conhecia a dinâmica de relacionamento entre a tia e o tio de Aubry, mas aparentemente eles não eram bons. Ela parou na entrada da casa. "As luzes estão apagadas." "O que não significa nada." Ela suspirou. "Verdade." Ela tirou as chaves do bolso do vestido, olhou para a casa e hesitou. Não que ele a culpasse. Se fosse o membro de sua família, ele não tinha certeza se gostaria de saber também. "Ele poderia entrar lá sem as chaves?", Ele perguntou. “Ele sabe onde fica o conjunto de reposição. Ele ficou na casa de hóspedes antes, quando ele e minha tia tiveram. . . discussões. ” "Entendo. Você gostaria que eu fosse lá?” Ela franziu a testa. "Por quê?" "Você sabe, desse jeito, se o seu tio..." "Davis". "Certo. Se o seu tio Davis está lá, então você não precisa ver nada, e ele não vai saber que você foi a única a encontrá-lo.” "Você faz pontos válidos." Ela entregou-lhe as chaves. "Eu volto já." Enquanto Tucker se afastava, Aubry respirou fundo, depois soltou lentamente, esperando que Tucker não encontrasse ninguém, dentro da casa de hóspedes, muito menos o tio Davis, que não deveria estar com ninguém além de tia Farrah. Ela não entendia relacionamentos. Ou casamento. Sua mãe tentou explicar as nuances do tio Davis e da tia Farrah, mas ela sempre levantava as mãos e dizia que não queria saber. Não era da sua conta. Ela amava sua tia e defendia sua decisão de ficar com o tio Davis, mas esse jogo de gato e rato que os dois jogavam era ridículo. Você amava alguém ou não amava. Você estava comprometido com eles ou não estava. E se você não queria mais estar com essa pessoa, então por que não sair do relacionamento antes que alguém se machucasse?


Ela tinha visto sua tia Farrah assistir seu tio esta noite, tinha visto o jeito que seu tio flertava, com alguma jovem mulher. Ela tinha visto a dor nos olhos de sua tia, antes que ela a mascarasse com uma risada e um balanço de seu lindo cabelo. Tia Farrah poderia dizer à mãe, que tudo estava bem, mas claramente não estava. Seu tio Davis confundiu-a. Ele sempre foi legal com ela, e ele absolutamente adorava seus filhos. E quando estava ao lado da tia Farrah? A adoração que ele mostrava a ela, era tão amorosa. Mas às vezes os homens eram idiotas. Por que foi tão difícil ser fiel? Sua tia, que tinha acabado de completar cinquenta anos, ainda era deslumbrante, tinha uma figura incrível, era uma empresária incrivelmente bem-sucedida e havia criado três filhos incríveis. E se Davis não pudesse ver e apreciar isso, então...— Tucker voltou para fora, fechou e trancou a porta. Ela não tinha ouvido vozes, gritos femininos ou gritos envergonhados, e as luzes não acenderam. Um sinal esperançoso. Ele largou as chaves na mão dela. “Ninguém estava dentro. Chequei até mesmo os armários. Boa casa de hóspedes.” "Obrigada. E obrigada por olhar em volta.” "Não é um problema." Ela ficou lá por um minuto, reunindo seus pensamentos. "Você está pronto para voltar para a casa?" "Eu suponho." Ele a estudou e ela, por sua vez, estudou-o. Ela estava no modo médico completo mais cedo, então ela não tinha tido tempo, para apreciar completamente a boa aparência de Tucker. Ele era alto e magro, com cabelos grossos e escuros e incríveis olhos verdes. Os óculos escuros que ele usava só aumentavam seu apelo. Ele usava uma camisa azul de botões, fora da calça e jeans escuros. E ela já tinha visto o pacote, que tinha sido, bastante impressionante. Embora ela só admitisse isso para si mesma. Não que ela tivesse qualquer intenção, de ver de novo. Depois de descobrir sobre o tio Davis, ela decidiu que todos os homens eram porcos.


Até homens com pacotes impressionantes. Além disso, ela não tinha tempo em sua vida para os homens. A residência era esmagadora. Ela teve sorte de ter uma noite de folga, esta noite, para passar com os pais. Pena que teve que coincidir com uma festa de equipe, para comemorar o início da temporada dos Rios, o que significava que a casa de seus pais, estava cheia de homens. Quando eles voltaram para casa, ela parou e se virou para Tucker. "Bem, obrigada novamente." “Obrigado. Você sabe, por me ajudar mais cedo.” Seus lábios se curvaram. "Seja bem-vindo. Cuide dos seus testículos.” Ele riu. "Eu acho que você pode ser a primeira mulher, que já se despediu de mim, dizendome para cuidar de minhas bolas." Ela levantou o olhar para ele. “Eles são importantes. E delicados. Tente não irritar mais as mulheres.” "Vou tentar. Obrigado novamente, Aubry.” "De nada, Tucker." Ele abriu a porta dos fundos para ela e ela entrou, o volume da festa lembrava o prontosocorro do hospital. Tucker desapareceu na multidão e, depois de um momento para admirar seu belo traseiro, largou as chaves no gancho dentro da porta e pegou uma taça de vinho da ilha na cozinha. Ela esperava ficar algum tempo, visitar seus pais e conversar. Desde a escola de medicina, ela não os via com frequência suficiente. Mas ela também não ia conseguir vê-los hoje à noite. Ela foi em busca de sua mãe, encontrou-a com seu grupo habitual de amigos, tia Farrah entre eles. Sua mãe a viu, pediu licença e segurou Aubry pelo braço. "Qualquer coisa?" Ela balançou a cabeça. “A casa de hóspedes estava escura e fechada. Nenhum sinal do tio Davis ou de alguém ali.” “Isso é bom, eu acho. Embora eu não o tenha visto em nenhum lugar.” "Talvez ele esteja na sala lendo um livro ou assistindo TV."


Sua mãe lhe lançou um olhar. “E perdendo uma festa? Davis nunca perde uma boa festa. Além disso, eu já verifiquei o covil e a casa da piscina. Ele não está lá. Eu não chequei a adega, no entanto.” “Eu estava lá embaixo antes. Ele não está lá.” "OK." “Vou dar outra olhada ao redor, mãe. E pare de se preocupar. Tenho certeza que está tudo bem.” Sua mãe deu um tapinha no braço dela. “Você provavelmente está certa. Obrigada por verificar a casa de hóspedes, Bree.” "Não é um problema." “Vou parar de me preocupar com Davis. Vamos nos divertir um pouco. Em vez de se juntar a suas amigas, a mãe levou-as até o assento da janela, onde estavam apenas as duas. Ela fez sinal para uma multidão de rapazes, um dos quais era Tucker. "Por que você não conversa com alguns dos homens solteiros disponíveis aqui?" Aubry riu. "Mamãe. A sério. Você sabe que eu não estou namorando ninguém. Ou procurando namorar alguém.” Sua mãe enfeitou-a com um sorriso benevolente. "Eu sei. É por isso que quero, que você vá falar, com alguns dos homens solteiros aqui.” Ela ligou o braço com a da mãe. "Que tal eu sair com você em vez disso?" Sua mãe suspirou. "Nesse ritmo, nunca vou ter netos." Aubry riu. “Tenho apenas vinte e oito anos, mamãe, e ainda estou em minha residência. Isso é muito estresse. Não tenho tempo para homens.” "Oh querida. Há sempre tempo para os homens. Além disso, o bom sexo é bom para o estresse.” "Não terei essa conversa sexual com você de novo, mãe." amava sua mãe, mas às vezes as coisas que saíam de sua boca eram terríveis. E tão embaraçoso. Talvez algumas filhas não se importassem em ser francas com suas mães, sobre relacionamentos e sexo. Aubry não era aquela filha. Ela preferia manter as discussões claras e fáceis e sobre temas como televisão e moda. Não sexo.


"Eu não sei por que não", disse sua mãe. “Você é uma médica, pelo amor de Deus, Aubry. Você fala sobre as anomalias médicas mais repugnantes durante o jantar. Ainda não podemos ser abertas sobre sua vida sexual?” “Há uma grande diferença, entre eu falar, sobre o que faço no trabalho e o que faço. . .” Sua mãe a agraciou com um sorriso conhecedor. "Intimamente?" Ela revirou os olhos. "Algo parecido. O que eu não sei, a propósito.” "Não o que?" "Coisas íntimas." “E esse é o seu problema. Você não está fazendo sexo o suficiente, e é por isso que está tão tensa o tempo todo.” Desde quando sua mãe achava que ela estava tensa? “Eu não estou tensa. Estou ocupada." Sua mãe arqueou uma sobrancelha. "Há uma diferença?" "Sim." "Acho que não. Enfim, olhe para aqueles homens ali. Eu sei que Gavin Riley é casado, assim como Dedrick Coleman. Garrett Scott está noivo. Eu acho que Jack Sanchez é solteiro, embora ele tenha um encontro muito fofo, com ele hoje à noite. Mas que tal aquele quente com os óculos? Ele é tão atraente. Tucker Cassidy, não é?” De todos os homens que a mãe dela apontou, tinha que ser Tucker Cassidy. "Sim, ele é muito bonito." “Eu sei que ele é solteiro. Ele só esteve com os rios por cerca de um ano, mas oh, Aubry, ele está procurando o seu caminho. E sorrindo. Você deveria ir falar com ele.” Era como a dança da sexta série mais uma vez, quando sua mãe era acompanhante. Aubry não estava nem um pouco interessada nos garotos, naquela época. Não porque ela não gostasse de meninos. Ela gostava. Mas estava muito mais interessada em seu professor de matemática, o Sr. Griffin, que naturalmente tinha sido muito velho para ela - e casado. Mas ela tinha doze anos e mais interesse em matemática - e o sr. Griffin - do que meninos de 12 anos, que cheiravam mal e pensavam que fazer piadas de peido, era hilário. Sua mãe não entendia mais, do que ela entenderia agora. Ela deveria contar á sua mãe agora, sobre sua paixão pelo Sr. Griffin. Ela não ficaria horrorizada? O pensamento disso a divertiu. Então, novamente, provavelmente não era uma boa ideia. Agora ela tinha que


dissuadir sua mãe, de tentar colocá-la com qualquer jogador de beisebol. E especialmente com Tucker Cassidy. "Nenhum mãe." "Você gostaria que eu te apresentasse a Tucker Cassidy?" "Oh não. Nós já nos conhecemos.” Sua mãe se mexeu de lado. "Mesmo. Quando e como?" Agora, isso ela não explicaria. "Eu falei com ele, mais cedo, hoje à noite." "Ele é legal?" "Sim. Ele é muito simpático." “Bom.” Sua mãe se levantou, agarrou sua mão e levantou Aubry do assento. "Vamos falar com ele." Aubry puxou a mão dela. "Não vamos." Mas era tarde demais, e a única coisa, que ela sabia toda a sua vida, era que Helen Ross tinha um aperto muito forte. Deus, esta noite não poderia ficar mais complicada.


TRÊS TUCKER VIU AUBRY FALANDO COM SUA MÃE. Ele viu a mãe dela se levantar e pegar Aubry pela mão, e então o olhar horrorizado no rosto de Aubry, enquanto elas se aproximavam dele. "Tucker Cassidy", disse a Sra. Ross. "Sra. Ross. Como você está esta noite?” "Eu estou bem. Minha filha aqui, me diz que vocês dois, se conheceram mais cedo.” Uh-oh Certamente ela não faria. . . Ele lançou um rápido olhar para Aubry, que balançou a cabeça para frente e para trás com muita rapidez. "Verdade." "Antes de você me arrastar até aqui, mãe, eu ia lhe dizer que conheci Tucker do lado de fora dos jardins." "Isso mesmo", disse Tucker. "Sua propriedade é linda, a propósito." A Sra. Ross sorriu. "Muito obrigada. Fizemos um trabalho extenso no local, ao longo dos anos. E eu amo minhas flores.” "Isto mostra. Eu sou um grande fã do ar livre, então eu tive que dar um passeio lá fora. Foi lá que conheci Aubry, perto do gazebo. A mãe de Aubry se virou para ela. "Claro. Bem, estou tão feliz que vocês se conheceram. Vou deixar vocês falarem, porque eu vejo alguém, para quem devo dizer olá. É bom ver você de novo, Tucker.” Ele assentiu. "Sra. Ross.” Depois que ela saiu, Aubry colocou a mão em seu braço. “Eu sinto muito por isso. Minha mãe está no modo de namoro, esta noite.” Os lábios de Tucker se curvaram. "E ela pensou que você e eu" Aubry encolheu os ombros. "Pelo visto. Mais uma vez, sinto muito mesmo. Vi aquele olhar de pânico no seu rosto e você pode ter certeza de que o incidente na adega ficará entre nós.” “Obrigado por isso. Mas realmente, pare de se desculpar. Não é como se você fosse medonha, Aubry. Qualquer cara ficaria feliz em ficar com você.” “Obrigada, mas não estou querendo namorar. Especialmente não, arranjado, pela minha mãe.”


Ele riu. “Eu posso entender isso. Os pais parecem ter essa necessidade de ver seus filhos resolvidos ”. Ela pareceu relaxar depois disso. "Seu também?" “Minha mãe me manda mensagens o tempo todo, sempre que vê fotos minhas com mulheres.” "E?" “Ela principalmente desaprova. E então ela me diz, que conhece essa garota muito legal. . .” Aubry riu. "Obrigada. Isso me faz sentir melhor.” Ele a levou para longe do meio da sala, em direção às portas francesas, que davam para trás. Eles caminharam para fora, onde era mais silencioso. "Embora no caso de Laura ..." "A ex da adega?" Aubry perguntou. "Sim. No caso de Laura, minha mãe poderia estar certa em desaprová-la.” “Eu não posso dizer que eu a culpo. Esta sua ex-namorada sempre foi assim. . . Brava?" "Não. No começo ela era divertida e descontraída, sempre pronta para tudo. Ela não mostrou sua verdadeira cara, até recentemente. Então foram todas as exigências e muita bebida. Ele se virou para ela. "Laura não é uma bêbada divertida." Aubry franziu o nariz. "Nós vemos muitos 'não bêbados divertidos' no pronto-socorro". "Você está fazendo uma rotação no pronto-socorro?" “Na verdade, mudei minha especialidade. No começo eu queria entrar em obstetrícia. Uma rotação no ER mudou tudo isso ”. Ele se sentou em uma das cadeiras de Adirondack e fez sinal para ela fazer o mesmo. Ela não hesitou. “Há uma grande diferença entre entregar bebês e trabalhar em medicina de emergência. Por que a mudança?” Ela gostou que ele se interessou por seu trabalho. “Há tanta emoção sobre o trabalho de medicina de emergência. O imediatismo disso, a chance de realmente fazer algum bem, para as pessoas que estão feridas ou doentes. Isso me atingiu no estômago, quando fiz minha primeira rotação lá, e soube naquele momento, que tinha que fazer minha carreira. ” "Eu posso ver como seria adequado para você." Ela inclinou a cabeça para o lado. "Você nem me conhece." “Você me ajudou mais cedo, durante a minha. . . questão." “Oh. Certo. Bem, você definitivamente estava sofrendo.”


"Você pode dizer isso." “Como você está se sentindo? Lá em baixo." "Melhor. Obrigado. Eu não acho que vou fazer sexo tão cedo, mas tenho certeza que vou me recuperar.” "É bom saber." Ela se levantou. "Eu deveria voltar para meus pais." Ele levantou. "Eu gostaria de vê-la novamente." Ela franziu a testa. “Não se sinta obrigado por causa da minha mãe, Tucker.” “Sua mãe não tem nada a ver, com o motivo de eu ter pedido para ver você. Eu gosto de você. Eu acho que você é interessante.” "Eu também gosto de você. Mas minha vida é louca. Eu trabalho o tempo todo. Eu não sou um bom material de namoro.” "Por que você não me deixa julgar isso?" Ela balançou a cabeça. "Obrigada pela oferta, mas vou ter que recusar." Ele assentiu. "OK. Acho que vou te ver por aí, Aubry.” Aubry assistiu Tucker se afastar. Ele realmente tinha uma bunda maravilhosa. Ela sorriu para si mesma e mudou de idéia sobre procurar seus pais. Decidiu ficar lá fora por um tempo. Poderia ficar um momento quieta. E conhecendo sua mãe, havia uma chance de encontrar Aubry e não tão sutilmente pedir uma atualização sobre ela e Tucker. Não que houvesse uma “ela e Tucker”, e nunca haveria. Sua vida era louca o suficiente sem adicionar um dos jogadores do Rivers à sua agenda. Isso nunca, nunca iria acontecer. Ela e os jogadores de beisebol nunca se misturariam, apesar das tentativas de sua mãe de coloca-la junto a um dos rapazes. Já era ruim o suficiente para o pai dela pertencer à equipe, o que por anos significava que ela estava constantemente cercada de atletas. Eles tinham muito ego, muita testosterona, muito de tudo. E namorando um? Isso nunca iria acontecer. Depois de algum tempo desfrutando da paz e tranquilidade da noite, com o som suave da festa ao fundo, Aubry decidiu procurar seus pais. Ela os encontrou facilmente e caminhou até onde sua mãe estava, tendo uma conversa bastante animada com seu pai. Seu pai estava franzindo a testa. Nunca um bom sinal. Quando ele a viu, porém, ele sorriu.


“Aubry. Onde você esteve? ” Ele perguntou. "Por aí." "E onde está Tucker?", Perguntou a mãe. "Ele saiu para se juntar a seus amigos." “Oh. Nenhuma conexão entre vocês dois?” Sua mãe parecia desapontada. “Nós não vamos namorar, mãe. Eu não namoro jogadores de beisebol. Nunca namorei e nunca namorarei." "Ela não deveria estar namorando ninguém, Helen", disse seu pai. "Toda a sua vida agora deve ser focada na medicina." Ela não necessariamente concordava com o pai, a esse respeito, mas, para esta noite, ela permitiria que ele insistisse nisso. "Essa é uma ideia ridícula, Clyde", disse a mãe. “Aubry é uma mulher jovem, vibrante e incrivelmente atraente, que por acaso está na idade de namoro. Este é o momento, em que ela deve sair procurando homens elegíveis.” "Não. Este é o momento em que ela deve se concentrar em sua carreira. A residência é difícil e, depois de passar por isso, ela tem exames e uma bolsa de estudos. ” Aubry adorava como estava sendo discutida, como se ela não estivesse presente, ou como se sua opinião sobre sua própria vida não importasse. Mas ela também sabia que os pais dela, estavam discutindo, os melhores interesses dela, então novamente. . . ela permitiria isso. Não que isso importasse, de qualquer maneira. Ela era adulta e morava sozinha, e faria o que bem entendesse. Não era como se sua mãe ou seu pai ditassem sua vida. Embora seu pai a checasse, mais do que ela gostava. "Sem namoro para você, mocinha", disse seu pai, puxando-a contra ele para um aperto suave. "Você não precisa de distração." Ela descobriu, ao longo dos anos, que era muito menos trabalhoso aplacá-lo, do que discutir com ele. "Você conseguiu, pai." Sua mãe apenas balançou a cabeça e saiu para cumprimentar outros convidados. Aubry também se afastou, para poder reabastecer sua taça de vinho. Não importava o que qualquer um deles dissesse. Ela estava ocupada com o trabalho e não estava interessada em Tucker Cassidy, ou qualquer homem para esse assunto. Ela gostava de sua vida muito bem do jeito que estava.


Por que mudar o que funcionava?


QUATRO ERA O TOPO DO SEXTO PERÍODO E TUCKER tinha esse jogo na mão. Os rios estavam à frente de Cincinnati por três corridas. Sua contagem de arremessos era administrável, sua bola curva estava funcionando e ele estava no ritmo. Ele sentiu os arremessos, sabia quando estava na zona e quando não estava. Esta noite, ele estava na zona. Ele rolou a bola ao redor de seus dedos, enquanto recebia o sinal de Jack Sanchez, o apanhador do Rivers. Sanchez pediu uma bola rápida. Isso funcionaria. A massa caiu na contagem, uma bola para dois golpes. Ele estaria esperando a curva, que era o que Tucker estava dando a ele. A noventa metros de distância estava o terceiro fora. Fácil. Ele acabou, jogou a bola e o batedor pegou um pedaço dela, acertando entre a primeira e a segunda base. Merda. Gavin Riley, o primeiro base do Rivers, colocou a bola em campo. Tucker já tinha feito uma corrida fora do monte, sabendo que ele teria que marcar o corredor na primeira base. Era uma corrida a pé e eles estavam mortos mesmo. Ele chegou ao primeiro saco de base uma fração de segundo antes do batedor. Que subseqüentemente correu para ele, então deslizou através de sua panturrilha com sua chuteira. Filho da puta, isso doeu. Eles caíram uns sobre os outros, mas tudo o que ele ouviu, foi o árbitro dizendo, que o batedor estava fora. Ele segurou a bola e bateu na base com ela nas mãos, antes do corredor. Bom o bastante. Tucker se levantou, mancando um pouco, por causa de sua panturrilha. Ele estava bem, porém, enquanto mancava de volta ao monte. Até o treinador de arremessos sair, junto com Sanchez. "Você está sangrando, Cassidy", disse o treinador. Tucker olhou para a perna. "Eu estou?" "Sim. Seu uniforme está rasgado e há sangue escorrendo pela sua perna.”


"Estou bem." "Você não está bem." O árbitro veio dar uma olhada. "Isso parece ruim." Ele sinalizou para o treinador e para o médico. Droga! Ele estava lançando um bom jogo. "Estou muito bem." Treinador Manny Magee, subiu ao monte, junto com o doutor da equipe. "Cassidy tem uma lesão na panturrilha esquerda, treinador", disse o árbitro. A essa altura, todos os jogadores estavam parados, além do árbitro e do treinador de arremessos. "Eu me sinto bem." Phil, o médico da equipe, olhou para a perna e depois para Manny. “Isso vai precisar de pontos. O corte é bem profundo ”. “Sua perna parece uma merda, Tucker. Você fez um bom jogo. Manny sinalizou para o escritório.” Depois que ele fez isso, não havia sentido em argumentar. Tucker passou a bola para o treinador e saiu do campo. A multidão se levantou e aplaudiuo. Ele inclinou o chapéu, mas, poderia ter terminado o jogo. Ele estava em um ritmo de arremesso confortável, seus arremessos haviam caído na zona de ataque, e se não fosse por aquela colisão com o batedor, que o havia perfurado na perna, o jogo poderia ter terminado muito bem. Tucker foi até o vestiário, onde se encontrou com o médico da equipe. "Tire sua calça e vamos ver o que está acontecendo com essa perna, Tucker", disse Phil. - “Não é nem um arranhão. Ele tirou as chuteiras e as meias, depois tirou a calça e se deitou na mesa.” Phil limpou a ferida, o que o fez estremecer um pouco. “É uma ferida muito profunda. Precisa de pontos, exatamente como eu pensei.” "Ótimo." “Você e Green tiveram um inferno lá na primeira base. Como você está se sentindo?" "Eu me sinto bem." "Vocês sempre dizem isso."


Eles diziam. Ninguém queria perder nenhum jogo. "Vou mandar você para o pronto-socorro, para eles fazerem um exame completo." Tucker sentou-se direito. "Eu não preciso ir ao pronto-socorro." Mas Phil já havia escrito no gráfico. “Eu vou dar-lhes um aviso e deixá-los saber que você está á caminho. Vou colocar uma bandagem na sua perna. Os médicos de lá, podem te costurar. Estou um pouco preocupado com o seu joelho.” Tucker franziu a testa. "Meu joelho? Meu joelho está bem.” "Novamente. Todos vocês dizem isso. E vi a maneira como você pousou e depois mancou.” “Claro, eu mancava. Minha perna foi pisada. Vamos lá, Phil, o jogo ainda continua.” Phil rasgou o formulário de sua prancheta e entregou a ele. “Para o pronto-socorro, Tucker. Sua carona, estará esperando por você lá fora.” Ele levantou o lençol de Phil e subiu de volta em sua calça, resmungando baixinho. Tucker ainda deveria estar fora no monte, não indo para o pronto-socorro. Ele estava bem. Jogando bem. E esse jogo tinha sido seu, para terminar.


CINCO Alguém pensaria, que em uma noite de quarta-feira, o ER estaria tranquilo. Mas não esta noite. Até então, Aubry tratara um ataque de asma, em um paciente de oito anos, uma suspeita de infarto do miocárdio, um acidente de automóvel com uma lesão não traumática e um bêbado que iniciara seu happy hour bem cedo no dia, depois passara as últimas três horas vomitando. Sem parar. Normalmente, muitos desses casos, apareciam nos finais de semana. Talvez tenha sido uma lua cheia ou algo assim. De qualquer forma, ela estava ocupada. Ela gostava de ficar ocupada. Seu turno era rápido, quando ela ficava em movimento. O único problema, era que ela acabava trabalhando até tarde, atualizando seus gráficos. "Dra. Ross? Há um novo paciente na sala sete, ” o funcionário da entrada disse a ela, enquanto ela estava no balcão, tentando ficar à frente das paradas. Aubry revisou os laboratórios do paciente cardíaco, ordenou novo drogas, em seguida, assinou e teve uma breve conversa com o enfermeiro do turno, sobre os cuidados do paciente, antes de recorrer ao funcionário da admissão. "Qual é o problema com o novo paciente?" “Jogador de beisebol dos rios. Ele foi ferido durante o jogo.” Ela assentiu. "Indo para lá agora." Pegou o prontuário do paciente e o folheou no corredor. Quando examinou o nome, parou por um segundo, depois balançou a cabeça e voltou a caminhar para a sala de exames. Inacreditável. Ela abriu a porta para encontrar Tucker Cassidy, ainda de uniforme, sentado na mesa da sala de exame. Ele estava franzindo a testa, olhando para o chão. Quando olhou para cima, ele sorriu. “Oh. Ei, doutora. Eu não esperava ver você aqui hoje à noite.” Ela colocou o gráfico sobre a mesa e pegou luvas de exame. "Eu não suponho que a lesão é na sua virilha." Ele riu. "Não dessa vez. Eu prendi um grampo na panturrilha na primeira base.” "Eu odeio ser repetitiva, a cada vez que nos vemos, mas você vai precisar tirar a calça." Ele saiu da mesa e desabotoou a calça. “Isso está virando uma coisa normal, entre a gente, doutora. Estou pensando, que você só quer chegar às mercadorias.”


Ela revirou os olhos. "Eu acho, que não estarei tocando seu pênis ou seus testículos, hoje à noite." "Muito ruim." Ele colocou sua calça rasgada e sangrenta sobre a mesa, em seguida, subiu na mesa e deitou de bruços. Ela removeu o curativo que o médico da equipe havia aplicado. "Agradável." "Obrigado. Eu tento não fazer nada pela metade”. "Pelo visto. Isso vai precisar de vários pontos.” “Isso é o que Phil disse. Não sei por que ele, não conseguiu me costurar no vestiário.” “De acordo com as anotações, que enviou por e-mail, ele queria ter certeza, de que sua perna está firme e que não há outros ferimentos, especialmente no joelho. Ou na sua cabeça, já que parece que você colidiu com o outro jogador. Depois de costurar isso, farei um exame mais completo ”. Ele olhou por cima do ombro para ela. "O que provavelmente significa, que você vai me querer nu." Ela não pôde deixar de sorrir em seu senso de humor. "Você gostaria de pensar nisso, mas não acredito que sua nudez completa seja necessária." “Vamos lá, doutora. Eu já estou chateado por não terminar o jogo. Pelo menos, torne a experiência do ER divertida ”. "Eu não acho que este é o lugar, que você vem para um momento divertido, Tucker." Ela pegou o kit de sutura e deslizou o banquinho em direção à mesa. "Você precisará ficar quieto agora, enquanto eu limpo e anestesio a área." Pelo menos ele era um bom paciente. Ele não se queixou e não se mexeu, permitindo que ela limpasse e suturasse a ferida rapidamente. Levou doze pontos, mas ele era musculoso e em boa forma, então a lesão não deveria causar muito desconforto. Depois que ela terminou, ela examinou o resto da perna dele. Não haviam outras lesões ou arranhões e, além de um ligeiro inchaço, ao redor da área da ferida, não viu mais nenhum ferimento, na parte posterior de sua perna. "Você pode virar agora." Ele fez, e ela examinou seu joelho, que era a área que Phil estava mais preocupado. "Como é que o seu joelho se sente?", Perguntou ela. "Está bem. A mesma coisa que eu disse a Phil.”


Ela examinou o joelho dele. Ele tinha amplitude total de movimento sem dor. Ela não viu vermelhidão ou inchaço. "Você pode colocar peso nisso?" "Eu entrei aqui muito bem." "Faça isso por mim." Ele pulou da mesa e andou pela circunferência da sala sem favorecer a perna. Ela também fez um exame neurológico, para ter certeza, de que ele não apresentava sinais de lesão, na cabeça. "Concordo. Você parece bem. Mas eu ainda acho que vamos fazer um raio-X de sua perna e joelho, só para ficarmos seguros. ” "Isso é uma perda de tempo." Ela levantou o olhar para ele. "Lembre-me de novo - qual de nós é o médico?" Ele encolheu os ombros. "O que você quiser." Ela escreveu as ordens. "Espere aqui e alguém vai levá-lo para a radiografia." Ela fechou o arquivo, depois foi para a porta. "Espere. Você não vai ficar aqui comigo?” Ela virou-se para encara-lo. "Eu tenho outros pacientes, Tucker." "Certo. Certo. Você tem. Até mais tarde, doutora”. Aubry sentiu que algo o incomodava, mas não era físico. Ela estava esperando em laboratórios por um paciente, descarregando papéis em outro. Ela tinha alguns minutos e sua equipe sabia onde ela estava, se algo acontecesse. Ela se encostou na porta. "Existe algo que você queira falar?" "Não." Ele esperou alguns segundos e perguntou: "Você assistiu ao jogo, hoje à noite?" "Estou trabalhando, como você pode ver." “O jogo estava passando, na sala de espera, quando entrei.” “Eu não trabalho na sala de espera. Além disso, não assisto beisebol.” Ela tentou não rir de sua expressão horrorizada. “Como diabos você não pode assistir beisebol? Seu pai é dono do time.” "O que não significa, que eu seja obrigada a gostar de beisebol." "Eu tenho que dizer, estou muito desapontado com você, Aubry." "Vou tentar passar o resto da minha vida com sua decepção."


“Ok, mas, posso ir para a sala de espera para assistir ao jogo? Eu não sei o que está acontecendo.” Ela olhou para ele, tentando muito não apreciar suas coxas muito boas, ou o que estava acontecendo entre elas. "De cueca?" Ele revirou os olhos. "Eu colocaria minha calça de volta primeiro." "Que tal fazer um raio-X primeiro, então você pode voltar para o jogo." Ele soltou um suspiro pesado. "Ok." Ela saiu do quarto, entregou a papelada e ordenou o raio X, depois foi verificar seus outros pacientes. Nesse ínterim, vários outros pacientes chegaram, por isso, demorou cerca de uma hora, antes que ela voltasse para verificar Tucker. Seus filmes estavam prontos, então ela deu uma olhada, depois voltou para o quarto. Tucker não estava lá. Ela tinha uma boa ideia de onde o encontraria. A área de admissão não estava cheia, mas a televisão estava ligada, e Tucker estava sentado, com um grupo, que Aubry só podia assumir como fãs, já que eles se agruparam em torno dele, como se ele fosse o maldito Dalai Lama ou algo assim. Ele estava assistindo televisão. As outras pessoas na sala de espera, não estavam assistindo televisão. Elas estavam olhando para Tucker, especialmente a mulher jovem e extremamente atraente sentada atrás dele, que parecia estar a segundos, de passar os dedos pelos cabelos dele. Ou possivelmente, arremessando as cadeiras e subindo em seu colo. De jeito nenhum. Não no turno dela. Além disso, haviam crianças na sala de espera. Ela se dirigiu para o lado e entrou na frente dele. "Tucker, eu tenho seus resultados de raios-X." Ele olhou-a. "Certo, ótimo. Tenho que ir, pessoal. Obrigado por me fazer companhia.” "Tchau, Tucker", disse uma das crianças. “Espero que sua perna não seja tão ruim. Espero que você não perca seu próximo lugar na rotação.” "Não vai acontecer", disse Tucker, inclinando-se para apertar a mão do menino. "E eu espero que suas amídalas estejam bem também." “Mamãe diz que elas devem sair. Isso doi?" "Por alguns dias. Mas você toma sorvete. Vamos lá, quão ruim é isso?” O menino sorriu.


Tucker deu um passo ao lado dela, enquanto o levava pelo corredor e voltava para a sala de exames. "Nós ganhamos." "Você fez a minha noite inteira com essa notícia." "Sim, eu posso dizer." Ela fechou a porta atrás dela. "Sente-se." "Ok". Ele recuou de volta para a mesa. "Você deveria ficar aqui." “Eu fiquei entediado. E você sabe, o jogo.” “Uh-huh. De qualquer forma, seus raios X são claros ”. “Como eu sabia que eles seriam. É só um corte na minha perna. Estou bem." "Você estará. Mantenha a ferida seca, pelos próximos dias. O médico da sua equipe pode remover os pontos após uma semana. Tente não fazer nada, para abrir os pontos.” "Mas eu posso lançar, certo?" "Sim. Você pode jogar.” Ele pulou da mesa. "Tudo bem então. Então eu posso ir agora?” “Sim, você pode ir agora. Pare na recepção, onde você pode pegar sua documentação de liberação. ” "Ótimo. Obrigado, doutora”. "Seja bem-vindo. Tente evitar se machucar novamente.” Ele se inclinou contra a mesa e cruzou os braços, dando-lhe um sorriso que fez coisas estranhas, em todas as suas partes femininas. "Confie em mim. Eu não estou fazendo isso de propósito. Eu poderia ter terminado o jogo. Eu estava lançando como um superstar, você sabe.” “Tão modestos, vocês atletas.” "Eu entendo que você não gosta de jogadores de beisebol." Ela estava fazendo anotações na tabela, então olhou para ele. "Não tenho nada contra os atletas." "Eu sinto um 'mas' lá dentro." "Eu realmente tenho que ir." "Então, se eu te convidar para sair, você diria não, porque não está atraída por mim." Ela teria que estar morta para não achá-lo atraente. Ele era alto, com cabelos negros e grossos. Seus olhos sozinhos podiam obrigar qualquer mulher, a deixar cair sua calcinha, e os


óculos escuros lhe davam aquela vibe de Clark Kent / Superman, que definitivamente lhe dava os estremecimentos em todos os lugares certos. Ela tinha visto mais do seu corpo, do que ela tinha direito, considerando que eles não estavam dormindo juntos, e as partes que ela tinha visto? Um número um incrível. O fato de ele ser um atleta? Isso não fez nada por ela. “Meu pai comprou o time quando eu era pequena. Eu estive com caras como você, durante toda a minha vida. Eu superei toda a coisa 'temor-de-atleta'. Ele soltou uma risada. “Ok, então aponta contra mim, porque eu sou um jogador. E quando digo jogador, quero dizer esportes. Não o outro tipo.” Ela abriu a porta da sala de exame, esperando que ele saísse. "Eu vou ter que tomar sua palavra, sobre o outro tipo." "Se você sair comigo, você poderia descobrir." Ela passou a carta para o balconista da escrivaninha, depois se virou para ele. "Não vai acontecer, Tucker." "Você me dispensou como seu paciente, certo?" "Sim." "Portanto, não há conflito de interesses." "Trinta segundos atrás, você ainda era meu paciente." “Isso foi trinta segundos atrás. Agora sou apenas um cara te convidando para sair.” Eles estavam na mesa redonda, onde os outros médicos, enfermeiros e funcionários administrativos entravam e saíam. Atualmente, haviam várias pessoas circulando, o que significava que várias pessoas o ouviram falar com ela. E ouviram ela o recusar. Ela ia ouvir sobre isso mais tarde. “Não perca seu tempo comigo. Não tenho tempo para namorar - ninguém.” "Aqui está sua papelada, Sr. Cassidy." Ele sorriu para Marie, a recepcionista. "Obrigado." Então se virou para Aubry, pegou a mão dela e apertou-a um pouco. “Eu não acho que você seja uma perda de tempo, Aubry. E obrigado pelos pontos.” "Tente não voltar." "Oh, eu voltarei, mas será para te convidar para sair."


“Desista, atleta. Isso não vai acontecer." "Vamos ver." Ele sorriu, deu-lhe um beijo rápido na bochecha, depois se afastou. Ela não pôde deixar de encará-lo quando ele saiu. O homem tinha uma bunda muito boa. Ela ouviu Marie suspirar atrás dela. "Não está acontecendo, Marie." “Ele é suave, Aubry. E quente como o inferno” - disse Marie. "Eu não vou sair com ele." “Você está se poupando para alguém em particular? Porque da última vez que verifiquei, Channing Tatum era casado.” Ela se afastou de verificar a bunda de Tucker, então se virou para encarar Marie. “Ha-ha. E não. Você sabe que estou sempre aqui.” “Não vinte e quatro / sete, querida. E você deve sempre ter tempo para sexo quente, com um garanhão jovem ”. "Ele joga para o time do meu pai." "Assim?" “Não, Marie. Primeiro, é algum tipo de conflito de interesses. Em segundo lugar, tenho minhas mãos ocupadas apenas gerenciando minha residência.” Marie olhou para a porta fechada. “Então eu posso tê-lo?” Aubry olhou boquiaberta para ela. "Você é casada. Você tem quatro filhos.” “Eu vou arranjar tempo para ele. Tenho certeza que José não se importará. Inferno, ele provavelmente gostaria de se livrar de mim, por uma ou duas horas por semana. Ele diz que eu sou uma dor no rabo.” “José adora você. Ele traz flores para você. Marie recostou-se na cadeira giratória. "No meu aniversário." “Todo maldito ano, Marie. Ele também traz bolinhos. Eu morreria por um homem que me trouxesse bolinhos.” Aubry olhou para sua amiga Katie Murphy, uma colega residente e uma de suas melhores amigas desde a faculdade de medicina. Katie adorava cupcakes. Marie sacudiu a cabeça para Katie e Aubry. “Isso é porque, suas cadelas magras, queimam tudo o que comem. Eu sento na minha bunda o dia todo, e esse bastardo me traz bolinhos.” "E você o ama por isso", disse Aubry.


Marie suspirou. "Isso é verdade. Mas ainda vou levar seu garoto Tucker por uma hora, se você decidir que não o quer. Katie girou, seus olhos afiados a laser concentrados inteiramente em Aubry. "Quem diabos é Tucker e por que eu não sabia que você tinha um brinquedo de menino?" Aubry imobilizou Marie com um olhar, antes de voltar sua atenção para Katie. “Eu não tenho um brinquedo de menino. Tucker foi um paciente meu, que chegou hoje à noite para pontos. Ele também é um arremessador do time do meu pai.” "Temos alguma coisa no conselho no momento, Marie?" Katie perguntou. "Não. Conselho está claro. Não há novos pacientes no momento. Testes e laboratórios são pedidos e os documentos de quitação foram arquivados ”. "Perfeito." Katie agarrou a manga do casaco de laboratório de Aubry e puxou-a longe da estação principal, arrastando-a para uma das salas de descanso. Ela fechou a porta atrás dela, então a encarou com uma carranca. “Ok, Dra. Ross. Diga todos os detalhes sobre ele, e qual o seu nome?” “Tucker Cassidy. E não há detalhes.” Katie deu-lhe um olhar. "Certo, tudo bem. Eu encontrei com ele, em uma festa da equipe, na casa de minha mãe e meu pai , há uma semana e meia atrás. Sua agora ex-namorada deu-lhe uma joelhada nas bolas na adega, e eu o encontrei lá em baixo com muita dor, então. . . Eu verifiquei-o.” Katie sorriu. – “E, checando-o, presumo que você tenha acariciado o pacote”? “De uma maneira puramente clínica, é claro.” "Claro. E como foi?" “Katherine Murphy. Eu sou médica. Eu estava apenas fazendo um exame em sua genitália, para verificar se havia algum prejuízo.” Katie foi até a máquina, colocou um pouco de dinheiro e escolheu uma bebida energética. “Uh-huh. E ele estava enforcado?” Aubry sacudiu a cabeça. "Eu não notei." “Agora eu sei que você está mentindo. Nós sempre notamos.” Katie sentou-se à mesa redonda e tomou um longo gole de sua bebida. "Então, você gosta dele."


Admitindo a derrota, Aubry comprou um leite achocolatado da máquina e puxou uma cadeira ao lado de Katie. “Eu gosto dele. Ele é muito bonito, engraçado e sexy como o inferno. Mas você sabe como é, Katie. Eu não tenho tempo para um cara.” “Faça o tempo. O sexo é um ótimo redutor de estresse ”. “Então me disseram, mas faz tanto tempo, que não me lembro.” "Vê? É por isso que você deve pegar o atleta quente. ” "Não. E você? Você não está namorando ninguém.” Katie tomou um longo gole de sua bebida e tirou uma barra de granola do bolso do casaco. "Quem disse que você tem que namorar alguém, para fazer sexo?" “Isso parece tão. . . aleatório e sem emoção. ” "Eu sei", disse Katie, desembrulhando a barra de granola e dando uma grande mordida. “Isso é o que torna tão grande. Você sai, ele sai, não há complicações emocionais para confundir sua vida já ocupada. Todo mundo está feliz.” Talvez isso funcionasse para algumas pessoas, mas Aubry não achava, que poderia funcionar para ela. Ela teve dois relacionamentos românticos, a longo prazo em sua vida. Um no ensino médio e outro na escola de medicina. Ambos foram bem, mas não excelentes. Ela queria quebrar a terra, droga. Isso era pedir demais? O problema era, que a vida como uma residente, era agitada e imprevisível e um tempo total era uma droga. Ela não tinha tempo nem energia, para se dar a um romance devastador. Então talvez algum ótimo sexo gostoso, fosse a resposta depois de tudo. E quando o sexo quente surgiu em sua cabeça, ela definitivamente poderia imaginar Tucker Cassidy. Ele tinha ótimas mãos. Ela já podia imaginar todas as coisas deliciosas que ele poderia fazer com as mãos. "Vê? Você já está imaginando isso em sua cabeça, não é?” Ela olhou para cima para ver Katie sorrindo para ela. E pôde evitar a curva de seus lábios. "Talvez." "Então, vá buscar algum jogador de beisebol quente." Ela encolheu os ombros. "Ele disse que me veria novamente." Katie a cutucou com o ombro. "Então, quando ele fizer, pelo amor de Deus, diga sim."


SEIS Não havia nada pior do que um de seus irmãos, entrando para uma visita. E ainda pior, quando era seu irmão gêmeo, Barrett. Essa era a coisa ruim, do futebol fora de temporada. Ele via muito mais de seus irmãos, do que ele queria. "Você sabe que eu quero ir a um dos seus jogos, enquanto eu estou aqui", disse Barrett, deixando cair sua bolsa no chão da sala de estar. "Por que você está aqui de novo?" “Eu tenho uma reunião com meu agente - na verdade, nosso agente - Victoria Baldwin. Estamos fazendo algumas coisas no contrato, depois alguma merda de RP.” “Coisas e merda. Consegui. Você quer uma cerveja? ”Tucker perguntou enquanto conduzia Barrett para a cozinha de seu condomínio. "Sim. Oh, ei, eu vi o seu encontro na primeira base na semana passada. Você não pode sair do caminho?” "Isso não foi culpa minha." Ele puxou duas cervejas para fora do geladeira, abriu os topos e entregou uma a Barrett, que já se sentiu em casa, tomando uma cadeira na ilha. “Isso é o que você sempre diz. Mas você é o desajeitado da família.” Balançando a cabeça, Tucker tomou alguns goles da cerveja. Ele e Barrett estavam em conflito um com o outro desde ... inferno, provavelmente desde o útero. Eles lutavam o tempo todo e eram atípicos até onde os gêmeos iam. Não era um tipo de relacionamento do tipo "nós contra o mundo". Talvez porque eles não eram gêmeos idênticos. Ele não tinha ideia. É claro, que se alguém desse a sua merda ao irmão, ele seria o único que estaria ali para defendê-lo. Porque ele amava seu irmão. Podia lutar com ele, mas Deus ajuda quem mais o faz. "Você estava jogando muito bem até acabar com tudo, deixando Stokes pisar em toda a sua perna."


Tucker riu do elogio indireto de Barrett. "Sim. Eu poderia ter terminado esse jogo. Minha perna está bem até agora.” “O jogo que você armou em Cleveland foi legal. Essa perda não estava em você.” Ele fez uma careta só de pensar naquele jogo. Sua perna estava bem e ele lançou seis fortes entradas. A equipe de socorro desistiu de três corridas e não conseguiu compensar o déficit. "Sim, isso é uma droga." "Mamãe diz para te dizer oi, e que ela e papai vão pegar um jogo este mês." Ele assentiu. “Eu falei com ela outro dia. Ela disse algo sobre uma viagem para cá, mas ela não tinha os encontros marcados ainda. Algo sobre tinta e tecido, fazendo compras com Katrina e as crianças.” Barrett assentiu. “Eles estão em modo de remodelação na casa de Grant. Ah, e vamos jantar com Grant e Katrina e as crianças hoje à noite.” "Nós vamos? Desde quando?" “Desde que eu disse a eles que ia estar na cidade. Katrina me convidou para jantar e disse que eu deveria trazer você também, a menos que você tivesse um jogo.” “Eu não sei. Não essa noite. Você sabe que acabei de voltar à cidade, depois de uma viagem, certo?” Barrett lhe deu uma olhada. "Oh, certo. Eu mantenho sua agenda de viagens, no meu telefone, para saber o seu paradeiro o tempo todo.” "Foda-se, Barrett." Barrett riu. "Também te amo, Tucker." Ele planejou fazer bom uso, de seu dia de folga, entrando em contato com Aubry. Isso teria que ser adiado, já que a última coisa que ele queria fazer, era arrastá-la para encontrar seus irmãos. "Então, jantar, hein?" Tucker perguntou, seu estômago roncando com o pensamento. "Sim. Você deveria ir tomar banho. Você parece uma merda.” "Eu estava na academia malhando, idiota." “Não é por isso que você parece uma merda. Você sempre parece mal.” "Vá se danar. E você realmente deveria estar insultando a aparência de seu irmão gêmeo”? "Eu não faria, se você realmente se parecesse comigo, o que você não faz, infelizmente para você." Barrett flexionou seus músculos consideráveis.


Revirando os olhos, Tucker terminou sua cerveja e jogou a garrafa na lixeira. "Estou indo tomar um banho." "Bom. Eu vou jogar videogame, enquanto você está ficando bonito. Tente fazer isso em menos de duas horas.” Em menos de vinte minutos, Tucker tomou banho e se vestiu. Saiu para a sala de estar e pegou o telefone na mesa atrás do sofá, olhou para ele por alguns minutos e pensou em ligar para Aubry, no hospital. Barrett se virou. "Esta pronto?" Ele assentiu. "Sim." “Em menos de duas horas? Tem certeza de que você está bonito, o suficiente?” "Mais bonito do que você, imbecil." Ele colocou o telefone no bolso, imaginando que ligaria para Aubry mais tarde. Eles foram até a casa de Grant. Demorou cerca de trinta minutos para chegar lá. Ele teve a certeza, de que quando alugou seu condomínio, que não moraria na mesma rua de Grant. Amava sua família - todos eles. Mas a independência significava muito para ele. E enquanto gostava de ver seus irmãos e gostava de ficar junto com todos eles, precisava também, ficar sozinho. Muita união? Não necessariamente uma coisa boa. Mas ele tinha que admitir, quando assinou com o Rivers no ano passado, estava feliz, por estar na mesma cidade que Grant. Eles não se veriam o tempo todo, mas estariam perto o suficiente. Barrett, por outro lado. . . "Que diabos você está fazendo?" Ele perguntou enquanto olhava para seu irmão, que estava revirando o conteúdo de seu porta-luvas. "Verificando se você tem alguma roupa íntima feminina aqui." Tucker sacudiu a cabeça. "Não." "Então o que diabos você está fazendo no seu tempo livre?" "Eu tinha uma namorada. Nós terminamos recentemente. Ele não ia contar a Barrett, sobre o incidente com Laura, na adega. Barrett nunca iria deixá-lo viver.” "Sim? O que você fez de errado?" Ele estacionou na estrada, facilitando o tráfego. “Por que você acha que fui eu, quem fez algo errado? Talvez tenha sido ela.”


"Oh, tinha que ser você." "Confie em mim. Não fui eu.” "Então me fale sobre isso." “Ela queria que morássemos juntos. E ela bebia muito. Quando ela bebia, as coisas ficavam feias. Nós discutimos, eu terminei. Isso a irritou.” Barrett riu. “Ela parece uma garota muito doce. Você sabe como pegá-las, irmão.” "Eu não vejo a Miss América pendurada em seu braço, babaca." “Não agora, mas quando eu estiver pronto para me estabelecer? A nata da colheita vai fluir para mim.” "Sim, eu vi a nata da colheita que você sai em fotos nas mídias sociais." “Não, isso são apenas companheiras de cama. Eu estou apenas jogando agora.” “Então as mulheres que você fode, não são aquelas que você levaria para conhecer mamãe e papai?” Barrett lhe deu um sorriso malicioso? "Por quê? Você está com ciúmes da atenção, que eu recebo?” "Você é um idiota." Barrett riu. "Sim, você está com ciúmes." Tucker apertou a mandíbula e se concentrou na estrada. Quando chegaram à casa de Grant, Barrett vasculhou o console no carro de Tucker, folheou o telefone - incluindo suas mensagens de texto - e fez uma bunda de si mesmo, fazendo perguntas intrusivas sobre a vida sexual de Tucker, nenhuma das quais foi respondida. Ele se lembrava de como era ter seu irmão gêmeo, em seus negócios particulares. E ele não tinha sentido a falta dele. Pelo menos quando chegassem à casa de Grant, Barrett poderia irritar a merda dele. Quando chegaram a Grant, haviam vários caminhões de trabalho, estacionados do lado de fora. Eles foram até a porta e tocaram a campainha. Ninguém respondeu. Barrett fez um gesto com a cabeça para o lado da casa. “Ele provavelmente está de volta, onde todo o barulho está vindo. Vamos por esse caminho.”


Eles atravessaram um portão lateral e desceram um caminho. Grant estava lá perto da varanda, conversando com alguém, que estava trabalhando na reforma da varanda dos fundos. O concreto estava rasgado, metade da varanda havia sumido e havia um punhado de caras lá atrás. Grant os viu e acenou para eles. "Espere um segundo", disse Grant. "Estamos quase terminando aqui." Então ele se virou para o homem ao lado dele. "Precisamos ter certeza de que temos um sistema de ventilação adequado, então quando eu estiver grelhando, a fumaça não alcançará os convidados que estão sentados aqui." O cara assentiu. "Não se preocupe. Nós temos isso nos planos.” Os dois conversaram por mais alguns minutos, depois o cara foi embora e Grant se aproximou e abraçou os dois. Isso era uma coisa sobre a família Cassidy. Eles podiam ser todos atletas durões, mas sempre foram afetuosos um com o outro. Eles tinham a mãe e o pai deles, para agradecer por isso. Sempre houve abraços amorosos da mãe. E o pai deles, Easton Cassidy, era um filho da puta duro - um dos melhores quarterbacks que já jogou. Mas seu pai também era gentil e caloroso e amava seus filhos. Ele transmitiu esse afeto a todos eles e garantiu que, embora todos lutassem como um inferno um com o outro e pudessem se odiar um minuto, eles também se amavam. “Como está a perna?” Grant perguntou a ele. “Ela se curou bem. Não foi grande coisa para começar. Apenas um corte. Eu tive piores, em brigas com vocês.” Grant assentiu. "Sem dúvida. Eu não posso acreditar que eles tiraram você do jogo, por um pouco de sangue.” "Não teria acontecido no campo de futebol", disse Barrett. "Isso é o que acontece, quando você joga um jogo de beisebol." Tucker estava acostumado com essa besteira. “Não podemos ser todos inteligentes e jogar beisebol. Alguns de nós só sabem usar nossos corpos para acertar, e não jogar arremessos magistrais ”. Grant soltou um suspiro. “Bom, Tucker.” Barrett olhou para Grant. "Você deveria estar do meu lado."


“Eu não estou do lado de ninguém, quando vocês dois estão juntos. Vamos, vamos para a casa.” “Você já fez muita remodelação”, disse Tucker quando Grant os conduziu para o andar de baixo. “A última vez que estive aqui, a sala de mídia ainda estava aberta para o resto do porão.” Agora estava fechada, com um bar e área de entretenimento em um espaço adjacente separado. Grant deu a eles uma amostra do novo sistema de som, na sala de mídia. Ficou excelente, como estar em um cinema. "Sim. Katrina começou imediatamente a trabalhar nas renovações. A sala de mídia e a seção de entretenimento estão prontas, e agora que a primavera chegou, entramos e estamos trabalhando do lado de fora. “Parece que você está fazendo algum progresso lá fora. Embora seja uma bagunça agora ”, disse Barrett. Grant enfiou a mão na geladeira, pegou três cervejas e distribuiu-as. "Sim. Vai demorar um pouco, porque estamos expandindo toda a área do pátio, adicionando imagens quadradas e uma cozinha embutida. ” Tucker levantou um assento e tomou um longo gole de sua cerveja. "Vai ficar ótimo quando terminar." "Será. Vai ser incrível no verão. Eu posso até te convidar, Tucker.” “Eu posso até aparecer. Fornecendo comida.” "Oh, haverá comida." “Sim, agora que você tem Katrina em sua vida. E a irmãzinha dela.” Grant assentiu para Barrett. "Ela está pegando Anya depois da escola hoje, e as duas estão indo comprar comida para cozinhar para o jantar hoje à noite." "Impressionante. Onde está Leo? ” Tucker perguntou. "Treino de futebol." Barrett sorriu. “Eu gosto de ouvir isso. Como tá indo?" "É bom. Ele fez o time sem qualquer influência de mim ou papai, apesar da insistência de papai em chamar o técnico. Era importante para Leo saber, que ele podia fazer isso sozinho. Trabalhou duro, correndo e na sala de musculação. Ele colocou vinte libras e pulou mais dois centímetros de altura, o que com certeza não o machucou.”


"Não merda", disse Tucker. "Graças a Deus por garotos adolescentes e surtos de crescimento, hein?" Grant riu. "Sim. Quando o treino de primavera começou, ele tentou um grande receptor e fez o time. ” "Bom para ele. Devemos ir assistir.” "Você quer dar ao garoto um complexo?" Tucker perguntou. "A última coisa que ele precisa é de todos nós, na margem respirando em seu pescoço." "Ei", disse Barrett. “Toda a equipe pode precisar de alguns ponteiros. Especialmente a defesa, que é minha especialidade. ” "Eu concordo com Tucker", disse Grant. “Eu já disse ao técnico que eu ficaria escondido. Ele não precisa de um quarterback profissional aparecendo e interferindo em suas práticas. Ele sabe o que está fazendo.” Barrett encolheu os ombros. "Se você diz. Mas entre nós três ... Barrett olhou para Tucker. "Ok, talvez nós dois pudéssemos e Tucker fingiria que saberia do que estava falando." "Ei. Foda-se. Só porque eu não jogo futebol profissionalmente, não significa que eu não conheça o jogo, idiota.” Os lábios de Barrett se curvaram. "Com certeza. De qualquer forma, poderíamos transformar esse time em campeão estadual. ” "Acho que vamos ficar de mãos atadas por um tempo, então Leo pode se integrar ao time, por conta própria." Barrett levantou as mãos no ar. "OK. Papai." Grant sorriu. O sistema de intercomunicação zumbiu. "Ei, vocês estão todos aí embaixo?" Tucker reconheceu a voz de Anya, a irmã mais nova de Katrina. Grant se levantou e apertou o botão. "Sim." "Estamos de volta com comida." "Nós já iremos", disse Grant. Eles subiram as escadas. Katrina e Anya estavam na cozinha desembalando sacolas de mantimentos. Katrina se virou e sorriu, então se aproximou para dar abraços a Tucker e Barrett. “É ótimo ver vocês dois. Vocês chegaram a tempo de ajudar.”


Barrett olhou para ele. "Isso é como estar na casa da mamãe." Katrina deu um tapinha no braço de Barrett. “Vou tomar isso como um elogio. Agora vá colocar isso na despensa.” Katrina era uma modelo internacionalmente famoso, um dos tipos da lista A. Linda e inteligente também. Por que ela estava com o idiota de seu irmão, ele não tinha ideia. Ele com certeza não viu nenhum apelo em Grant. Então, novamente, ele não estava dormindo com ele. Graças a Deus. Compartilhar um quarto com ele, quando criança já era ruim o suficiente. Grant era o problema de Katrina agora. E ela também tinha dois irmãos mais novos e legais. Todos se ligaram a Leo e Anya durante o curto período em que os conheceram. Era como se eles já fizessem parte da família Cassidy. E fazer parte da família Cassidy não era fácil. Mas Grant amava Katrina, Leo e Anya. E sua aceitação e amor por eles significava, que o restante dos Cassidys os introduzia em seu rebanho. Ajudou que eles eram pessoas excepcionais. Fácil de gostar, amigáveis e divertidos. Não doía que Leo gostasse de esportes, e Katrina e Anya eram ótimas cozinheiras. Pontos de bônus e tudo mais. "Eu espero que vocês gostem de frutos do mar", disse Anya, já arrastando panelas dos armários. "Somos homens", disse Barrett. "Nós comemos qualquer coisa." Katrina encostou-se no balcão. "Eu conheço caras que são muito exigentes, com o que comem". "Você conheceu os Cassidys, não?" Tucker perguntou. "Nós realmente comemos qualquer coisa." "Incluindo coisas que provavelmente não deveríamos ter", acrescentou Grant. “Mas isso foi quando éramos crianças. Tanto quanto sei, nenhum de nós comeu sujeira recentemente.” "Eu não diria isso ainda, menino bonito", disse Barrett. "Nossas equipes jogam um contra o outro este ano, e eu pretendo bater o seu rosto no gramado." "Você nunca vai passar da minha linha ofensiva." Katrina revirou os olhos. "Aqui vamos nós novamente." Anya riu. "Vocês dois devem gravar essa conversa em um vídeo e apenas apertar o play toda vez que vocês se virem."


"Flynn disse que quando você joga contra San Francisco, você está indo para baixo", disse Barrett. "E ele vai ser o único a levar você até lá." Grant sorriu. “Veja como meus irmãos me temem?” Tucker riu e deu um tapa nas costas de Grant. “Você é quem queria ser um quarterback, como papai. Agora você pode colher os frutos. E as ameaças.” "E é por isso que Tucker escolheu o beisebol", Barrett disse, pegando uma uva da pilha que Anya estava enxaguando na pia antes de colocá-la em sua boca. "Porque você não aguentava o calor." “Oh, eu tenho o calor. Eu acredito que você balançou e errou em vários dos meus arremessos da última vez que você me desafiou.” "E eu acredito que eu te prendi ao chão durante a nossa escaramuça no futebol." "Rapazes. Gente - disse Katrina. “Que tal uma trégua? Pelo menos até depois do jantar?” Grant deslizou atrás dela e passou os braços ao seu redor. "Você acha que estamos brigando, não é?" "Bem, sim." Barrett riu. “Não se preocupe, querida. Para nós, esta é uma conversa normal na mesa do café da manhã.” Katrina franziu a testa. "Não enlouqueceram sua mãe?" "Ela se acostumou conosco ao longo dos anos", disse Tucker. "Enquanto não derramávamos sangue, ela aprendeu a nos ignorar." Katrina suspirou. “Eu acho que é algo que eu vou ter que me acostumar também, então. Mas todos vocês me deixam nervosa. É como se vocês estivessem a segundos de distância de chegar aos golpes.” "Não é uma chance." Grant a beijou na bochecha. "E se formos, vamos ter certeza de dar-lhe um aviso justo para que você e Anya possam se remover para um lugar seguro." "É bom saber", disse Anya. "Agora todos vocês podem sair da cozinha enquanto cozinhamos." Os lábios de Tucker se curvaram enquanto todos se dirigiam para a sala de estar. Eles estavam assim há anos, sempre brigando sobre tudo, mas principalmente esportes. Os Cassidys não eram nada se não competitivos, obviamente um gene transmitido de seu pai.


Isso fez com que suas vidas fossem muito divertidas enquanto crescia. E às vezes uma dor gigantesca no rabo. Mas ele escolheu o beisebol porque amava o esporte, e não por nenhuma das besteiras que seus irmãos sempre o acusavam. Ele terminou sua cerveja, então ele entrou na cozinha. "Algo cheira incrível aqui." Anya levantou o olhar do fogão e sorriu para ele. “Camarão crioulo com arroz. Também estamos fazendo uma salada de milho ao lado. E o pão de Katrina, assando. Seu estômago reagiu com um resmungar violento. Ele estava morrendo de fome. "Oh Deus. Podemos matar todos os outros caras, então só nós três conseguimos comer isso?” Katrina riu. "Eu gostaria de manter Grant por perto, se você não se importar." Ele encolheu os ombros. "Se você vai insistir nisso." Leo apareceu um pouco depois. Todos os caras se juntaram a ele, para perguntar sobre futebol. O garoto mudou muito, em meio ano, mais ou menos. Ele ganhou músculo e altura, bem como confiança. Depois que tomou um banho rápido, sentaram-no na sala de estar. "Então, como está indo?" Tucker perguntou. "É bom. As práticas são ótimas e já estamos com dificuldades, mesmo que a temporada de futebol não seja até o outono. ” "Isso lhe dá tempo para se acostumar com as jogadas e integrar-se ao time", disse Barrett. Leo assentiu. "Sim. Estou aprendendo muito.” - “Alguma namorada ainda?” Leo corou, olhou para a cozinha e baixou a voz. "Eu posso estar de olho em alguém." Barrett acenou com a cabeça, oferecendo um sorriso de satisfação. "Uma líder de torcida, certo?" "Na verdade não. Ela está na minha aula de química.” "Melhor ainda. Garotas nerds são gostosas.” Grant lançou um olhar a Barrett. "Você acha que qualquer pessoa com uma vagina é gostosa." "Hey, eu sou exigente com minhas mulheres." "Desde quando?" Tucker perguntou. “Você acumulou mais meninas no ensino médio e na faculdade do que você fez com os sacos. E isso não mudou desde que você se tornou profissional - e por profissional, quero dizer, um profissional em lidar com mulheres. ”


"Não dê ouvidos a ele, Leo", disse Barrett. “Não é minha culpa, que as mulheres me achem quente, musculoso e irresistível”. "Brincadeira". Tucker balançou a cabeça. "Acabei de perder meu apetite." "Isso é muito ruim, porque o jantar está pronto", disse Katrina. "E vocês todos deveriam parar de falar sobre sexo e vaginas com meu irmão." "Por quê?" Barrett perguntou com um sorriso. "De que outra forma, ele vai aprender além dos especialistas?" Grant bateu em Barrett com seu corpo. "Você é um idiota." "Não é a primeira vez que eu ouvi isso." Tucker passou o braço pelos ombros de Leo. "Vamos conversar sobre futebol e a outra coisa depois." Leo ofereceu um sorriso e assentiu. Tucker gostava do garoto. Ele tirou boas notas na escola, ainda era um pouco tímido, embora não tanto, quanto quando se conheceram no rancho, no verão passado. Ele estava crescendo e, Deus, as crianças faziam isso tão rápido, hoje em dia. Ele parecia ter uma boa cabeça em seus ombros, no entanto, Tucker sabia, que tanto Grant quanto Katrina, se certificariam de que ele permanecesse assim. O jantar foi incrível, e Tucker comeu muito mais do que deveria. "Anya, isso é ótimo." Ela sorriu com tanta força, que ele pensou que seu rosto poderia quebrar. "Obrigada. Eu tenho brincado de fazer alguns alimentos do sul.” "Ela escolheu a Universidade do Texas para a estudar", disse Grant. "Agora está esperando, por sua carta de aceitação." "Ah sim?" Barrett sorriu. “Isso deve deixar meu pai feliz. E Grant, claro.” Grant sorriu. "Sim, com certeza deixa." "Nós ainda não dissemos a Easton, porque não queremos que ele fique desapontado, se eu não entrar", disse Anya. "Eu não posso imaginar que você não vai entrar", disse Tucker. "Que faculdade não iria querer você?" "Obrigada. Também me candidatei a algumas outras faculdades de backup, mas a U of T é o que eu quero ”.


Grant sorriu. "Fará Mia feliz por ter você lá." Tucker já podia imaginar sua irmãzinha, acompanhando Anya em festas e mixers. Ele sabia que Katrina se sentiria muito melhor, com Anya freqüentando uma faculdade, onde um Cassidy já estava em residência. "Isso me faria feliz também." "E você, Leo?" Tucker perguntou. "Você já pensou alguma coisa nas faculdades?" Leo sacudiu a cabeça. “Minha cabeça está cheia de uma nova escola, encontrando novos amigos e me concentrando no futebol agora. Além disso, estou no time de beisebol e nossa equipe está em primeiro lugar. Eu espero que nós iremos para os campeonatos estaduais. ” Tucker sorriu. "Isso seria bom." Leo assentiu. "E eu não sei? De qualquer forma, entre isso e o futebol da primavera, é praticamente tudo que posso suportar. ” “Eu acho que ele tem muito tempo. E pode começar a pensar em faculdade no próximo ano”, disse Katrina. "Bem, quando você fizer, saberá que todos nós, pesamos com nossas opiniões", disse Barrett. Leo riu. “Ficarei feliz em ouvir suas opiniões. Provavelmente precisarei delas, já que agora não faço ideia.” Conversaram sobre faculdades por um tempo, depois ajudaram a limpar a mesa e lavar a louça. Eles aprenderam há muito tempo, com a mãe, que a cozinha não era apenas o lugar de uma mulher. Você comeu a comida, ajudou a preparar ou limpou. Então Barrett e Leo guardaram a comida, enquanto Tucker e Grant lidavam com a louça. Depois, eles voltaram e analisaram o trabalho de construção que estava acontecendo. Grant e Katrina mostraram-lhes o plano para a cozinha ao ar livre e para a área de alimentação, além da expansão perto da piscina. Leo pegou uma bola de futebol e jogou no ar, então Tucker pegou e jogou algumas bolas para ele. - Tem certeza de que sabe qual é o fim certo? - perguntou Grant. Tucker queria lançar uma maldição, mas com as crianças lá, ele controlou o impulso. "Sim. O ponto final."


Grant se aproximou e pegou a bola dele. “Aqui, é melhor você me deixar levar isso. Talvez você possa sair com Leo e fazer alguns passes. Se você souber como pegar.” "Vá se foder, Grant", ele murmurou para seu irmão, antes de sair correndo para o quintal para se encontrar com Leo. Eles jogaram um jogo leve de captura, com Anya e Katrina incluídas, apenas para trabalhar fora do jantar. Mas então Barrett enfrentou Grant, e as mulheres decidiram que iriam fazer um chá gelado, que era o sinal para o jogo ficar mais difícil. "Você está pronto para isso?" Tucker perguntou a Leo. Leo sorriu. "Claro." Ele deu um tapa nas costas de Leo. "Vamos derrubá-los." Eles surpreenderam Barrett em um jogo de truque. Tucker correu com a bola e jogou para Leo, que passou por Grant e marcou. "Filho da puta, esse garoto é rápido", disse Grant. Quando Leo riu, Grant disse: "Quero dizer, bom trabalho, Leo." O olhar de Barrett se estreitou. “Ele é o inimigo. Pare de dizer que ele fez bem.” “Vamos, ele é meu filho. Eu tenho que dizer a ele quando ele fez um bom trabalho.” Tucker não pôde deixar de notar, o largo sorriso no rosto de Leo. Ele nunca teve uma figura paterna - ou pelo menos uma que ele se lembrasse. Ter Grant em sua vida agora, significava o mundo para ele. Isso fez Tucker feliz por Leo. Barrett marcou em um lance de Grant, depois que empurrou um ombro em Tucker e o derrubou - o bastardo. Então, quando eles tiveram a próxima bola, Tucker puxou Leo de lado. "Como está seu lançamento?" "Uh. . . meio que é uma merda.” "Tudo bem. Tudo o que você precisa fazer é jogá-la no ar. Eu vou pegar. ” Ele discutiu a peça com Leo, depois eles quebraram e enfrentaram Barrett e Grant. "Eu vou enterrá-lo", Barrett disse a ele. "Pare de falar merda e prepare-se para ter sua bunda chutada", disse Tucker. Barrett se intrometeu. O mesmo aconteceu com Tucker. Então eles foram embora. Tucker correu como o inferno e se virou para pegar a bola que Leo tinha levantado no ar. Ele podia ver a bola, e em poucos passos a teria.


Ele correu em uma pilha de pedras descartadas. Mas, não teve tempo de parar, então caiu sobre elas e bateu com a cabeça - duro - no chão. Por alguns segundos, tudo ficou preto. E tudo no corpo dele doía. Ele rolou de costas, esperando como o inferno, que não tivesse quebrado nada importante, como seu braço de arremesso. "Ei, idiota, você está ferido?" Ele piscou e viu Barrett parado em cima dele. Pelo menos ele achava que era Barrett. "Não sei." "Merda". Barrett estendeu a mão. "Vamos lá, vamos levantar e verificar o dano." Ele estendeu a mão e Barrett puxou-o para seus pés. "Oh, foda-se." Ele caiu como uma pedra de volta ao chão, tontura, fazendo-o sentir como se estivesse, indo vomitar o conteúdo daquele incrível jantar, que acabara de comer. “Uh-oh. Isso não é bom - disse Grant, agachando-se ao lado dele. "Você bateu com a cabeça?" "Eu não sei. Talvez quando eu atingi o chão.” Até então Katrina e Anya estavam lá fora em torno dele. "O que aconteceu?" Katrina perguntou. "Ele não pode correr por merda", disse Barrett. "É por isso que ele joga beisebol." Ele queria dizer algo sarcástico para seu irmão, mas sua cabeça começou a bater. E então todos começaram a falar ao mesmo tempo, o que só fez sua cabeça doer mais. "Ele precisa ir ao pronto-socorro." Isso chamou sua atenção. Ele olhou para Katrina. “Não, eu não sei. Estou bem." “Você não está bem. Você bateu com a cabeça. Você está tonto.” Isso era verdade. Mas a última coisa que ele queria fazer era ir ao hospital. "Estou bem." "Eu acho que Katrina está certa", disse Grant. “Vamos, Barrett. Vamos levantá-lo e vamos dar uma volta até o pronto-socorro.” Ele sentiu as mãos agarrando-o sob seus braços, então ele foi levantado. E então ficou tonto novamente. E sentiu vontade de vomitar. Não era bom. "Eu me sinto muito melhor quando estou sentado." “É por isso que estamos levando você para o hospital. Idiota."


Se ele não se sentisse como merda, iria dar um soco em Barrett por chamá-lo de idiota. Mas agora ele não sabia qual era Grant e qual era Barrett. “Posso ir com você?” Leo perguntou. "Eu não penso assim", disse Grant. “Você deveria ficar aqui e fazer sua lição de casa. Eu vou ter certeza de que você saiba como ele está. "Eu estou bem." Ele precisava expandir seu vocabulário. Em breve. Seus irmãos conseguiram levá-lo para a frente e empurrá-lo no banco de trás de um dos carros de Grant. "Ligue para mim", Katrina disse antes de beijar Grant. "Eu quero saber o que os médicos dizem." "Eles vão dizer que ele não pode correr por merda", disse Barrett com um sorriso antes de subir no banco da frente. Tucker só queria deitar e tirar uma soneca. Ele não queria ir para o pronto-socorro. "Qual hospital, você foi da última vez que se machucou?", Perguntou Grant. “Mercy General. Então não me leve lá.” "Por que não?" "Aubry Ross trabalha lá." "Quem é Aubry Ross?" Seu estômago doía. Ele esperava que não vomitasse no carro de Grant. “A filha do dono da equipe. Ela é médica.” Grant olhou para Barrett e sorriu. "Então, Mercy General é, então." Barrett assentiu. "Sim." "Eu te odeio tanto agora." Grant ligou o carro e estacionou na entrada da garagem. "Nós sabemos."


SETE QUANDO AUBRY pegou o prontuário, e viu Tucker , girou os olhos. "Mesmo?" Marie assentiu. "Sim com certeza. Ele está no quarto onze. Com seus dois irmãos. Quem, devo acrescentar, são tão bonitos quanto ele. Os Cassidys ganham o pool genético quente e sexy. ” Ela balançou a cabeça e, por um segundo, pensou em deixar Tucker para Katie. Mas ele era o próximo, então ela poderia muito bem fazer o seu trabalho. E ela tinha que admitir, estava curiosa. Aubry caminhou pelo corredor e entrou no quarto. Tucker estava deitado na cama, de olhos fechados. Os outros dois caras, que estavam assistindo TV, ficaram parados quando ela entrou. Marie estava certa. Um era alto e quente e oh, meu Deus, de boa aparência, com cabelos escuros e olhos cinzentos que a prendiam com um olhar de preocupação. O outro era todo músculo duro e curvas anguladas, e se parecia muito mais com Tucker, com cabelos negros. Exceto seu olho, tinha a cor diferente. Mais azul misturado com o verde. E ele não usava óculos. “Cassidys, presumo?” "Sim, senhora. Eu sou Grant, e este é Barrett.” "Eu sou a Dra. Aubry Ross." Tucker abriu os olhos e sorriu. "Ei." Ela andou até a cama. "Olá você. O que você fez desta vez?” "Tropeçou em um monte de pedras no quintal de Grant e caiu." "E bateu a cabeça", acrescentou Grant. “Acho que ele pode ter apagado as luzes por alguns segundos. Foi por isso que o trouxemos.” “Então eu vejo no prontuário dele. Vamos sentar você, Tucker. Ela apertou o botão que puxava a cama para uma posição sentada, pôs o quadro para baixo e colocou um par de luvas de exame, para examinar em torno de sua cabeça. "Sem cortes, mas você tem um galo, na parte de trás da sua cabeça." "Sim, então eu senti."


"Alguma dor de cabeça, tontura ou náusea?" Ele parou por um segundo, até que ela o imobilizou com um olhar. "Ok, sim para todos os três." “É provavelmente uma concussão. Vamos querer um raio X e, provavelmente, uma tomografia computadorizada para descartar algo mais sério ”. "Parece divertido". “Vou solicitar esses exames e voltarei para discutir os resultados com você. Pode muito bem ficar confortável. E pessoal, não deixe ele dormir, ok? "Somos muito bons em mantê-lo acordado, doutora", disse Barrett. "Bom. Faça isso." Depois que Aubry saiu do quarto, Tucker se deitou de novo. Sua dor de cabeça diminuiu, para uma pancada surda. Ele pediu à enfermeira uma dose de aspirina, mas ela não lhe deu nada, até que o médico o examinasse e fizesse um diagnóstico, o que realmente era uma droga. Tudo o que ele precisava era algo para sua maldita dor de cabeça. Ele estava bem. Isso foi idiota. "Sua doutora é quente", disse Barrett. "Você está namorando ela?" "Não." "Por que não?" "Porque . . . Eu não sei. É complicado." Grant se levantou, esticou-se e encostou as costas na parede. “Como isso é complicado? Você a convidou para sair?” "Tipo assim." Seus lábios se uniram. "Então, ela recusou?" "Estou decepcionado com sua falta de jogo, Bro", disse Barrett. "Talvez eu deva tentar." Isso estava piorando sua dor de cabeça. "Dê o seu melhor. Eu vou tirar uma soneca." "Acho que não. A doutora disse que não há cochilo para você ”, disse Grant. Ele pegou o controle remoto da TV. "Vamos encontrar o canal de esportes nesta TV e ver se podemos encontrar algum jogo de beisebol de merda, enquanto esperamos que eles tomem conta de você, para seus testes." Ele deveria ter ficado em casa hoje. Então ele poderia estar sentado em seu sofá, assistindo TV - sem seus irmãos, e sem uma maldita dor de cabeça.


Mas pelo outro lado, pelo menos ele estava vendo Aubry hoje, embora nĂŁo do jeito que ele queria.


OITO Depois de recuperar os resultados preliminares

da radiografia e da tomografia

computadorizada de Tucker, Aubry os reviu e voltou para a sala de exames. Estava quieto no pronto-socorro esta noite e nada épico estava acontecendo. Por isso ela ficou grata. Abriu a porta, para encontrar todos eles, assistindo a um jogo de beisebol na TV. Todos olharam para ela. Ela viu preocupação genuína, nos olhos dos irmãos de Tucker. Isto aqueceu-a. “Você tem uma concussão, Tucker. Seus raios-X e tomografia computadorizada são claros, no entanto”. "Bom saber. Posso tomar uma aspirina agora?” Ela assentiu. "Claro. Vou me certificar de que eles te dêem um pouco, antes de você sair. Eles também imprimirão algumas instruções pós-lançamento para você. Eu realmente gostaria de não ver você de volta aqui novamente, Tucker. Ele deu a ela um olhar. “Eu não fiz isso de propósito. Isso foi totalmente culpa de Grant.” "Ei. Como foi minha culpa? Você é o único que não prestou atenção e caiu sobre as pedras grandes que, a propósito, qualquer um com dois olhos podia ver. Você deveria ter conseguido localizar essa pilha mesmo sem os óculos. Ela olhou para Barrett, que assentiu e disse: “Isso é verdade. Rochas grandes.” Ela balançou a cabeça. "De qualquer forma, isso são três vezes agora, que eu tive que tratar você." Grant franziu a testa. "Três vezes? Você estave aqui outra hora, além dos pontos?” Tucker coçou a lateral do nariz. "Não. Apenas aquela vez.” Aubry percebeu assim que disse, então viu o olhar de súplica nos olhos de Tucker e sabia que ele realmente, não queria que seus irmãos soubessem, sobre o evento que ocorreu na adega da casa de seu pai. Ela não podia culpá-lo por isso. "Meu erro. Duas vezes. Receberei sua descarga em arquivo e a enfermeira lhe dará instruções.” "Ei . . . Aubry . .” Ela parou. "Sim?" Ele deu uma olhada para seus irmãos.


"Uh, eu realmente gostaria de um pouco de café", disse Grant. "Eu não. Estou bem aqui mesmo.” Balançando a cabeça, Grant agarrou Barrett pela camisa. “Café, Barrett. Agora." "Eu sinto falta de todas as coisas suculentas." "Obrigado por tudo, doutora", disse Grant quando saíram da sala. "Seja bem-vindo." Eles fecharam a porta, deixando Aubry sozinha com Tucker. "Há algo que você queira discutir?" "Sim. Primeiro, obrigado por não mencionar a primeira vez, que nos encontramos.” Ela colocou o gráfico na mesa ao lado de sua cama. “Eu posso entender, que você não quer que seus irmãos saibam sobre isso. Além disso, eu prometi a você, que nunca contaria a ninguém sobre isso. Sinto muito pelo escorregão.” "Não é um problema. É só isso . . . você não tem irmãos ou irmãs, não é?” "Não. Mas eu ainda entendo. Não foi o seu melhor momento. Se eles soubessem, nunca deixariam que você vivesse.” "Falta de conhecimento." Ela fez uma pausa, esperando, desejando que ele pudesse se sentir melhor. Ela sabia que a cabeça dele estava confusa e provavelmente doendo - ruim. "Mais alguma coisa? Você realmente deveria descansar um pouco. Ele olhou-a. "Sim. Existe outra coisa. Posso obter seu número de telefone? Eu gostaria de não vir aqui novamente como uma maneira de te ver.” Ela riu. “Acho que já passamos por isso antes. Há tantas razões pelas quais nós dois não deveríamos nos ver - profissionalmente ou pessoalmente. Um, porque você tem que parar de se machucar. Dois, porque levo uma vida muito ocupada.” “Eu também. O que não significa, que você nunca tenha tempo, de inatividade. Você deve sair e se divertir. Você tem permissão para fazer isso, não é?” "Em alguma ocasião. Mas não frequentemente." “Então, na 'ocasião' que ambos tivermos, eu gostaria de sair com você. Pelo menos para lhe agradecer por estar tão preocupada com o bem-estar dos meus testículos. ” "Eu não acho que já tenha sido perguntado desse jeito antes."


Ele sorriu. “Eu não sou nada se não único, doutora. Então isso é um sim? Ele pegou o telefone.” Ela suspirou. "Eu tenho uma sensação terrível, se disser não, que você vai acabar no meu pronto-socorro novamente." “Tenha pena sim por agora. E então eu vou te convencer de que eu valho a pena.” Ela deu seu número e ele digitou em seu telefone. Então ele deu-lhe o seu também. "Então você não achará, que eu sou algum spammer aleatório, quando ligar para você." "OK. Agora que fizemos isso, eu preciso explicar o seu cuidado, que eu quero que você leve a sério ”. Ela disse-lhe tudo o que ele precisava saber sobre sua concussão. "Nós vamos imprimir e te dar, antes de sair." "Eu devo jogar em três dias, doutora." “Você precisa conversar com seu médico da equipe. Eu gostaria que ele examinasse você e avalie sua disponibilidade para lançar. Você pode ter que ficar de fora de um jogo.” Ele soltou um grande suspiro. "Isso não é o que eu quero ouvir." “Sinto muito, mas a última coisa que você precisa é ficar tonto e cair no chão enquanto está no monte. Sua saúde é a coisa mais importante.” Tucker olhou para o papel, que ela lhe deu. Aubry sabia que ele estava desapontado, então se abaixou e agarrou seu pulso. "Além disso, parece ruim na TV." Ele riu e olhou para ela. "Sim. Entendi. Vou falar com o Phil e ter certeza de que ele saiba o que aconteceu.” "Certifique-se de que você faz, porque eu vou estar falando com ele também." "Droga. OK." Ela começou a se afastar, mas ele segurou a mão dela. "Aubry". "Sim?" "Obrigado. Estou feliz por você estar aqui esta noite. Foi bom te ver novamente.” Uma inundação de calor a envolveu. Havia algo sobre esse homem que a chamava, que a fazia sentir coisas, que ela não tinha o direito de sentir, sobre alguém. Não agora, não quando seu trabalho era tão crítico. Distrações podiam ser ruins.


E um jogador de beisebol, de todas as coisas. . . "Estou feliz por estar aqui para ajudá-lo." “Eu não estou falando sobre coisas médicas, embora você me faça sentir melhor. Você me faz sentir . . . muitas coisas." Ela estremeceu quando ele pegou a mão dela, puxando-a para mais perto. Isso era todo tipo de coisa errada, mas quando ela se inclinou sobre ele, não pôde resistir à atração. E quando ele segurou a nuca dela, ela não queria nada mais do que sentir os lábios dele nos dela. Até a porta se abrir. Ela se afastou tão rápido que quase perdeu o equilíbrio. "Então, o que sentimos falta?" Barrett perguntou, segurando uma xícara de café na mão enquanto ele contornava o final da cama. "Qualquer coisa boa?" Tucker olhou para o irmão. "Não." "De qualquer forma, vou ter certeza de que você obterá a lista de instruções médicas, Tucker", disse ela, tentando se recompor e lembrar-se da real razão pela qual estava em seu quarto. E não era para beijá-lo.” Ela se virou para seus irmãos. “Vocês precisarão ler essas instruções também. Eu não recomendaria que ele ficasse sozinho esta noite.” "Vou ficar na casa dele por alguns dias", disse Barrett. "Ele não estará sozinho." Ela assentiu. "Bom. Se você me der licença, preciso cuidar de outros pacientes.” "Obrigado, doutora", disse Tucker, dando-lhe um olhar que ela reconheceu como arrependimento. "Seja bem-vindo." Apressou-se a sair dali, esperando que seu rosto não parecesse tão ardente, pelo embaraço que sentia, ao ser pega quase beijando um paciente. Ela poderia ter agido mais sem profissionalismo? O que havia de errado com ela, afinal? Ela tinha sido focada em laser em seu trabalho, desde o momento em que entrou na faculdade, para seu diploma de graduação. Além de um romance curto e malfadado na faculdade de medicina, que não ocupara muito do seu tempo, não havia nada nem ninguém para distraí-la. Até agora. E em poucas semanas, Tucker Cassidy tinha virado completamente seu mundo de cabeça para baixo.


Ela estava determinada a recusá-lo, quando ele ligasse para um encontro. Não havia como permitir que ele interrompesse sua vida cuidadosamente planejada. Ela foi até a estação de enfermagem, e deu as instruções de alta, depois respirou fundo. "Ouvi dizer que você tratou Tucker Cassidy novamente." Imaginou que Katie estaria por perto. "Eu fiz. Ele apresentou sintomas de concussão. Os resultados das radiografias e tomografias computadorizadas foram negativos, felizmente ”. "Ele foi atingido por uma bola de beisebol?" "Não. Jogando futebol com seus irmãos. Ele tropeçou em algumas pedras.” "Eu vejo." Katie estava entrando em suas anotações em um dos laptops e não olhou para cima. "Ele provavelmente fez isso de propósito, para que pudesse vir e ver você de novo." Ela se virou e se encostou na estação. "Ele não fez. Ele provavelmente perderá seu próximo jogo, então por que ele iria se machucar intencionalmente?” Katie levantou os olhos de suas anotações, enfiando uma espessa e ruiva cabeleira, atrás de sua orelha. "Eu estava brincando. E você está sendo sensível sobre isso. O que há?” Ela olhou em volta. Marie estava descansando e todo mundo estava do outro lado da estação. “Eu quase o beijei. Na sala de exames.” "Escandaloso. E suculento. Então, por que você não fez?” “Seus irmãos entraram. Caso contrário, eu provavelmente teria. O que é tão inapropriado.” "Mas provavelmente teria sido incrivelmente quente, certo?" Ela estava tentando não pensar, sobre o calor da situação. Ou o arrependimento, tanto positivo quanto negativo. "Não. Não está quente. Inadequado, Katie.” "Eu não sei. Ele é um garanhão. Você deveria fazer sexo com ele.” "E você não está ajudando." “Na verdade, estou ajudando. Você está tensa o tempo todo, e você não dorme com ninguém, há muito tempo. Você é sempre tão sobre medicina e não sobre se divertir. Você precisa se divertir, Aubry.” Ela saiu da estação. "Eu não estou falando sobre isso." Mas Katie seguiu. “Sério, Bree. Quando foi a última vez que você teve um sexo incrível, enlouquecedor?”


Ela se deu alguns segundos para pensar sobre isso, então percebeu que não poderia identificar a última vez, o que significava que tinha sido muito longo. "Eu não me lembro." “Aha. Ele te convidou para sair de novo?” "Sim." "E?" “Ele tem meu número. Ele vai me ligar. Eu vou dizer não.” Ela começou a se mover, mas Katie a parou. "Agora você, está apenas sendo ridícula." “Não, eu estou sendo inteligente. O trabalho tem que ter precedência. Minha residência é importante para mim. Além disso, ele é um atleta, e você sabe como me sinto sobre isso. “Então, foda com ele e não pense sobre sua ocupação. Então você vai se sentir melhor e ele provavelmente não quer uma namorada, de qualquer maneira. Não depois do que, a última fez com ele.” Katie tinha razão. Depois que sua ex-namorada o acertou nos testículos, a última coisa que Tucker provavelmente queria, era uma namorada. E ela não estava procurando por um namorado. Então, qual era o mal em algumas noites de. . . sexo inofensivo? "Dra. Ross. Dra. Murphy.” Ela se virou no corredor para enfrentar o dr. Kenneth Chen, o médico responsável pela medicina de emergência. Seu chefe. "Olá, Dr. Chen", disse Katie, sempre sem ser afetada pelo Dr. Chen, enquanto por algum motivo ele deixava Aubry nervosa. “Parece que temos pacientes nesta sala de emergência, mas vocês duas estão. . . fazendo o que exatamente? Bisbilhotice?" Na verdade, Dr. Chen, eu estava consultando a Dra. Ross sobre meu paciente diabético, na sala seis. Agora que terminei minha consulta, estou prestes a voltar.” O Dr. Chen assentiu. "Continue então, Dra. Murphy." Katie piscou para Aubry e saiu na direção oposta. "Eu notei que você tratou Tucker Cassidy, Dra. Ross." Deixe para o Dr. Chen estar no topo de tudo que está acontecendo, em seu prontosocorro. "Sim senhor."


"Não há jogo hoje, então presumo que não foi uma lesão relacionada ao trabalho." “Não, Dr. Chen. Ele estava jogando futebol com seus irmãos e tropeçou em algumas pedras.” "Eu suponho que você pretende acompanhar os seus cuidados, bem como reportá-lo para a equipe?" “Eu de fato. Vou fazer um relatório ao médico da equipe pela manhã.” “Certifique-se de que você faz. Nosso relacionamento com os rios é importante para esse hospital. Eles enviam todos os seus feridos para nós. Queremos garantir que haja acompanhamento.” "Haverá." "O Sr. Cassidy ainda está aqui?" “Eu acabei de deixá-lo há pouco tempo. Amy deveria dar-lhe instruções de alta.” “Acho que vou parar e ver como ele está. Você pode cuidar do seu negócio, com seus outros pacientes.” "Sim senhor." Ela não conseguia se afastar dele rápido o suficiente. Dr. Chen era brilhante no ER, e ela aprendeu muito nos últimos anos, trabalhando com ele. Mas maldito se ele não fosse intimidador como o inferno. O homem não tinha um osso quente em seu corpo. Ela sempre se sentia sob o microscópio sempre que dirigia seu escrutínio, em direção a ela, como se ela de alguma forma, não estivesse à altura. Aubry sabia que era apenas sua própria mente evocando algo, que não estava lá. Suas avaliações sempre foram decentes e nunca teve reclamações sobre seu desempenho. Mas ela também colocou altos padrões em si mesma. E o feedback era tão importante para ela, para saber se estava no caminho certo. Apenas uma vez, gostaria que o Dr. Chen lhe dissesse que fizera um bom trabalho. Isso não estava em sua natureza, no entanto. Se ele não estivesse gritando, dizendo que você era um idiota incompetente, então você deveria assumir que estava fazendo um bom trabalho. Ela ficaria feliz quando sua residência terminasse e não estivesse mais sob seu gerenciamento. Ela era uma ótima médica. E se distrair com Tucker Cassidy, não iria ajudá-la a se tornar melhor.


NOVE TUCKER SENTOU-SE EM UM ENCONTRO COM PHIL, O DOUTOR DA EQUIPE , e Manny Magee, seu treinador. "Isso vai se tornar uma coisa normal, Cassidy?" A última coisa que Tucker queria agora, era ser o destinatário de um dos olhares característicos de Manny. Você não queria que Manny ficasse olhando para você. Realmente, você não queria que Manny prestasse a menor atenção, em você. Manny ignorando você era uma coisa boa. Você preferiria que ele gritasse com outra pessoa. "Não, Manny, não será." "Então, como é que você esteve no pronto-socorro, duas vezes em menos de duas semanas?" Tucker deslizou os dedos pelos cabelos. "Apenas um acaso." “Você perdeu um ponto na rotação. Isso fode minha agenda, o que não me deixa feliz.” E você definitivamente, não queria deixar Manny infeliz. "Isso não vai acontecer novamente." "Veja que isso não aconteça." Manny se virou para Phil. "Ele está pronto para lançar agora?" Phil assentiu. "Ele foi examinado e ele está limpo." "Bom. Então não teremos que nos sentar e ter mais uma dessas conversas ao lado da lareira, certo? ” Manny perguntou a ele. "Não." Manny ficou de pé. “Jogue sua bunda lá fora e faça alguns arremessos. Tente não cair do monte, quando você fizer isso.” Tucker se orgulhava de fazer o seu trabalho. Na verdade, ele era muito bom nisso. As distrações nunca o incomodavam, fossem torcedores boicotando-o, durante um jogo fora da


cidade ou um campo cheio de insetos no fim do verão. O que quer que fosse, poderia lidar com isso. Não tinha ideia, do que diabos estava acontecendo com ele ultimamente, mas o que quer que fosse, estava acabado agora. Se certificaria disso. Entrou em campo para fazer alguns exercícios de aquecimento, ignorando os treinadores, que ficaram de olho nele. Cair do monte. Foda-se isso. Ele nasceu para ficar neste monte e lançar arremessos. Tucker começou devagar, já que Phil e os treinadores não permitiram que ele aparecesse, há mais de uma semana. Ele tinha sido forçado a sentar-se no banco e ver alguém tomar seu lugar na rotação. Tinha mastigado cerca de seis sacos de sementes de girassol, sua irritação aumentando a cada passo, que não tinha sido capaz de lançar. Ainda pior, eles perderam o jogo que ele deveria estar lançando. Agora, porém, ele estava recuperando seu ritmo - especialmente sua bola curva. Com cada arremesso que jogava, sentia-se cada vez mais como ele mesmo. E quando terminou seu aquecimento e saiu do monte, sentiu que não havia passado nenhum tempo, como se pudesse lançar um jogo inteiro agora e eliminar vinte e sete batedeiras seguidas. Ele desejou poder lançar um jogo agora, em vez de dois dias a partir de agora, quando seria sua vez na rotação novamente. Ele estava com comichão, para provar aos seus treinadores e à equipe médica, que não havia nada de errado com ele. Nesse meio tempo, porém, queria entrar em contato com Aubry. Ele adiara o tempo suficiente, e esses ferimentos haviam ficado no caminho. Tucker queria vê-la, se ela tivesse tempo, e já que eles estavam jogando hoje, ele teria uma noite de folga. O que significava que eles poderiam se reunir hoje à noite. A única maneira que ele ia descobrir era perguntando, então pegou o telefone e discou o número dela, que, depois de alguns toques, foi para o correio de voz. Ok, então ela provavelmente estava trabalhando. Isso fazia sentido. Ele decidiu mandar uma mensagem para ela. Estou de folga esta noite. Você está livre? Se sim, que tal jantarmos? Ele esperou alguns minutos e não obteve uma resposta, então enfiou o celular na bolsa e decidiu verificar depois.


"Mais tarde" acabou sendo depois de seu jogo naquela tarde. Garrett Scott fez um ótimo jogo, permitindo apenas uma corrida, e a ofensiva ajudou ao marcar quatro. Foi bom conseguir uma vitória, mesmo que ele não tivesse a chance de ajudar. A equipe era o que importava. Ele checou seu telefone e encontrou um texto de retorno de Aubry. Não tenho certeza, se você e eu nos vermos, é uma boa ideia. Seus lábios se curvaram. Pelo menos não era um não absoluto. Ele digitou um texto de retorno para ela. Você estará trabalhando hoje á noite? Desta vez, ela respondeu imediatamente. Eu trabalhei mais cedo. Estou de folga esta noite. Ele apertou o botão de chamada e ela respondeu. "Oi, Tucker." "Ei. Então eles ocasionalmente te dão folga, hein?” “Surpreendentemente, sim. E você também?" "Acabamos de terminar um jogo." “Oh, isso mesmo. Você tem jogos do meio-dia durante a semana, às vezes. E como foi isso?” "Nós ganhamos." "Fico feliz em ouvir isso." Ele poderia dizer que ela estava tentando virar a conversa para qualquer coisa, mas enrolando-o para não sair, então ele pretendia guiá-la de volta. "Assim . . . sobre o jantar?” "Oh, certo. Como mencionei na minha mensagem de texto, não acho que seja uma boa ideia.” "Por que não? Você é bem jovem, sou bem jovem, estamos na mesma idade. Eu suponho que você gosta de comer.” Ela riu. "Eu gosto de comer." "Ótimo. Me dê seu endereço e por volta das sete e meia, faremos essa coisa de comer juntos.” Ele a ouviu suspirar. "OK. Mas no jantar vou lhe dizer, por que não devemos nos ver.” "Soa como um plano." Ela disse que enviaria o endereço para ele, quando se ofereceu para buscá-la. Depois que ele desligou, ele sorriu.


Ele tinha um encontro com Aubry esta noite.


DEZ

DEPOIS DE TUCKER CHAMAR, AUBRY PASSOU O RESTO da

tarde, cuidando dos negócios. Ela pagou algumas

contas, correu até a mercearia e lavou roupa. Mantendo os olhos no tempo, ela tomou um banho rápido e olhou para si mesma no espelho, sentindo-se ridícula por concordar, com um encontro com Tucker. Como se a vida dela não fosse complicada o suficiente. Deveria ter dito não, quando ele perguntou a ela. Então, por que ela não tinha? Porque você quer sair com ele, idiota. É por isso. Ignorando aquela irritante voz interior, secou o cabelo, maquiou-se e foi até o armário, tentando descobrir o que vestir. Jantar. As noites ainda podiam ser legais, então ela escolheu uma calça negra e um top longo, então deslizou em suas botas e selecionou um par de brincos de prata. Ok, talvez tenha sido bom, vestir-se em algo além de aventais, para uma mudança e comer algo diferente, de refeições de microondas ou salada. Ou, Deus não permita, a comida da cafeteria do hospital. Tucker era muito bom de se ver, então também havia isso. Quão ruim poderia ser compartilhar uma refeição com um cara quente, que estava atraída? Ele era engraçado, inteligente, e se eles não acabassem no pronto-socorro, porque ele caiu do meio-fio e quebrou um tornozelo ou algo assim, poderia ser apenas uma noite decente. Era apenas uma data, não um relacionamento. Simples, fácil e divertido. Não muda a vida nem nada. Poderia viver com isso. Quando a campainha tocou, ela se sentiu ridícula pelo aumento súbito de sua pulsação. Apenas um encontro, Aubry. Lembra? Leve e simples. Abriu a porta e engoliu seco, ao vê-lo vestindo jeans escuro e uma camisa.


"Oi", ela disse. Seus lábios se uniram. "Oi você." "Entre. Estou quase pronta." Ele entrou e ela fechou a porta atrás dele, tentando não olhar para sua bunda. Ou imaginar, as mãos dela na bunda dele. Enquanto ele estava nu. Pare, mulher. Em vez disso, ela se concentrou no que ele estava vestindo, avaliando a aparência geral. Havia algo sobre homens em camisa e jeans que realmente chegavam até ela. Talvez porque ela tenha sido cercada por homens de terno, em toda a sua vida. Mais. . . Tucker. Cabelo preto grosso e aqueles óculos, e os olhos atrás deles. Olhos verdes profundos, que ele fixou nela quando se virou. Era o que acontecia, quando ela não fazia sexo, por um bom tempo. Katie e Marie estavam certas. Sua libido definitivamente estava saindo, com força total agora. Ela teria que se lembrar, de manter seu foco hoje à noite. Era um encontro. Eles estavam saindo para jantar. Nada mais. "Lugar legal." Ela encolheu os ombros. “Apenas um condomínio. Não é realmente nada demais. Não é meu, um dia quero comprar uma casa - não agora, pelo menos, já que não passo muito tempo aqui. ” "Porque você está sempre no hospital." Ela assentiu. "Sim. E quanto a você?" "O mesmo. Estou muito na estrada e quero ter certeza de que um time vai me manter, antes de eu decidir investir em uma casa. Então estou alugando um condomínio. Eu não moro muito longe de você, na verdade. Apenas algumas milhas abaixo da estrada. “O novo complexo? Aquele que terminaram no ano passado? O bairro de Shenandoah Heights?” "Sim. Esse mesmo. “Eu amo esses condomínios. Grandes varandas e um grande parque e piscina. Eu tenho um amigo que mora lá. A metragem quadrada é incrível.” "É muito bom." "Você conseguiu os dois quartos ou três?"


"Três. Eu tenho uma família grande e alguns deles gostam de visitar. Entre Grant e eu, podemos hospedá-los. "Eu estou muito ciumenta. A planta dos três quartos é muito generosa para um condomínio. ” Ele entrou em sua sala de estar. “Seu lugar tem espaço decente. Eu gosto da sua cozinha. Você cozinha?" “Eu mal me lembro como é ter tempo, para preparar uma refeição decente. E para ser honesta, eu realmente não sei cozinhar muitas coisas. E quanto a você? Você cozinha?" “Na churrasqueira do lado de fora. Bifes e hambúrgueres e coisas assim. Eu faço panquecas fantásticas. Além disso, posso fazer no microondas, o inferno de qualquer coisa. Ela riu. "Então, sua incrível cozinha vai ser desperdiçada." "Bastante. Como hoje à noite.” Ele estava olhando para ela, quando ela percebeu que eles estavam parados, ali na sala de estar. Ela obviamente não entretinha o suficiente também. Sua mãe ficaria chocada. “Oh. Eu sinto muito. Eu vou levar só um minuto. Por favor, sente-se." Ela correu para o quarto, com o dedo penteou os cabelos, aplicou gloss, depois deu uma última olhada no espelho. Decente. Ok, ela parecia quente. Boa o suficiente para transar, se é isso que ela tinha em mente. Que ela não tinha. Em absoluto. De jeito nenhum. Ok, talvez um pouco. "Isso é ridículo", ela sussurrou para si mesma, enquanto pegava sua bolsa, seu suéter e abria a porta do quarto. Colou seu melhor sorriso e decidiu que, o que acontecesse aconteceu. Ela estava cansada da guerra interna, que estava tendo consigo mesma. Tucker se levantou quando ela saiu. “Eu mencionei que você está linda esta noite? Embora você pareça muito quente naquelas roupas que usa no hospital também.” Ele não estava facilitando sua guerra interior. "Obrigada." Ele segurou a porta para ela, então fechou atrás dela. Ele também abriu a porta do carro e esperou enquanto ela deslizava, antes de fechar a porta e ir para o lado dele.


Talvez isso fosse normal. Talvez todos os caras tenham feito isso. Mas ela tinha saído o suficiente, na faculdade, para saber que não era verdade. "Então, para onde estamos indo hoje à noite?" "Eu pensei que era melhor leve e fácil, desde que você estava um pouco cautelosa, sobre sair comigo." Ela olhou para as mãos. "Eu não disse exatamente que eu estava cautelosa." “Oh, acho que você deixou claro. Mas você pode confiar em mim, Aubry. Eu sou um cara muito legal.” Ela desviou o olhar para ele. "E tão modesto também." Seus lábios se curvaram. "Sim, isso também." Ele dirigiu em direção ao extremo oeste da cidade, e quando parou em frente a um prédio de tijolos marrom claro e estacionou, ela se virou para ele. "Estamos parando na casa de um amigo?" "Não. Esta é a parte um do nosso encontro hoje à noite.” Ela não tinha ideia do que isso significava, mas quando ele chegou ao lado dela do carro, ela saiu. Foi então que ela notou a placa plantada no gramado da frente. Leituras psíquicas de Madame Sheila. Ela inclinou a cabeça e deu-lhe um olhar. "A sério?" "Sim. Eu pensei que poderia ser divertido.” "Eu vou lhe dizer logo, que eu não acredito nessas coisas." Ele encolheu os ombros. “Nós vamos dar uma chance. Madame Sheila pode ter uma visão do nosso futuro.” “Uh-huh. Claro que ela vai.” Embora ela tivesse que admitir, parecia divertido. Piegas como o inferno, mas divertido. Eles entraram na casa. Era uma casa antiga, com uma entrada de salão. Logo do lado de dentro, havia uma escrivaninha, com uma morena jovem e atraente sentada atrás dela. "Posso te ajudar?" Tucker deu seus primeiros nomes. A mulher clicou em seu laptop. “Sim, madame Sheila vai ver vocês dois em breve. Eu reservei com um compromisso de grupo. Isso está correto?” Tucker se virou para ela. "Eu pensei que seria mais divertido assim, mas você pode ir sozinha se você tem alguns segredos profundos e sombrios que gostaria de esconder de mim."


Ela riu. "Não, podemos ir juntos." Considerando que a mulher provavelmente diria a ela, que iria encontrar um estranho alto e moreno, ela imaginou que seus segredos - já que ela não tinha nenhum - estavam seguros. Eles se sentaram e esperaram cerca de cinco minutos. Deu-lhe tempo para apreciar o que devia ser o piso de madeira original e a magnífica moldura da coroa. O sólido arco de madeira que levava à alcova, logo atrás da assistente de Madame Sheila era algo a cobiçar. Faria uma adorável área de estar - ou mesmo um escritório. Isso fez Aubry querer uma casa própria. Algum dia. Uma vez que sua residência estivesse terminada e ela estivesse estabelecida, seria capaz de abrir uma clínica, e então ela teria o lugar de seus sonhos. "Estamos prontos para você agora", disse a morena, tendo aparecido no final do corredor. "Por favor, venha por aqui." Ela falou em voz baixa, como se tivessem uma audiência com o papa ou algo assim. Aubry revirou os olhos para Tucker. "Ei, isso é um assunto sério", ele disse, seus lábios se curvando. "Mal posso esperar." Eles foram levados para uma sala à direita do corredor. A sala estava bem iluminada, surpreendentemente. Aubry esperava escuridão completa, velas e talvez uma bola de cristal na mesa. E, claro, madame Sheila usando robes e um turbante. Em vez disso, haviam dois sofás e várias cadeiras confortáveis. E uma mulher mais velha com cabelo castanho curto, que sorria quando eles entraram. Ela estava vestindo calça e uma blusa laranja. Nenhum turbante à vista. "Boa noite. Meu nome é Sheila. Vocês são Tucker e Aubry?” Tucker entrou e apertou a mão dela. "Sim. Eu sou Tucker.” "E eu sou Aubry." Ela apertou a mão de Sheila. "Por favor, sente-se. Vocês gostariam de tomar um café ou chá? Ou um pouco de água?” "Nada para mim, obrigada", disse Aubry. "Estou bem", disse Tucker. Sheila assentiu. "Isso vai ser tudo por agora, Brenda." A morena fechou a porta atrás deles. “Bem, então, vou começar meu discurso. Eu sou Sheila Aveila. Sou médium psíquica, o que significa que posso ver o passado e o futuro. Você marcou sua consulta com minha assistente,


Brenda, que também é minha filha. Fora isso, não sei nada sobre vocês dois. Você pode confirmar isso? "Sim. Eu dei a ela meu primeiro nome e o primeiro nome de Aubry e meu número de celular. Nada mais ”, disse Tucker. "Bom. Então nós vamos começar. ”Sheila fechou os olhos por alguns segundos e respirou fundo várias vezes. Então ela abriu os olhos e olhou para Aubry. “Você perdeu alguém que você amava há pouco tempo. Alguém com quem você se importou muito profundamente. Aubry estava prestes a dizer alguma coisa, mas Sheila levantou a mão para impedi-la. "Sua avó?" Aubry não sabia como Sheila estaria ciente disso. "EU . . . sim." “Você tem sua pulseira. Uma pulseira de charme. Você guarda em sua caixa de jóias, e quando está estressada ou chateada, ti ra e acoloca. Isso te dá conforto.” Ninguém saberia disso. Até a mãe de Aubry não sabia sobre o ritual dela. "Sim." “Isso faz sua avó feliz. Ela está com você quando você faz isso, e ela quer que você saiba, que algum dia em breve, sua vida ficará mais fácil. Mas, enquanto isso, tenha conforto, porque ela está sempre com você.” Aubry não queria acreditar nisso. Ela não acreditava nesse tipo de coisa. Ainda . . . "Obrigada." Sheila olhou para Tucker. "Você . . . caos." Tucker riu. "Sim, podes dizer isso." “Você tem muitos parentes do seu passado. Eles cuidam de você. Mas eles dizem que você é difícil de administrar.” "Eu não duvido disso." “Você tem que viver um legado, mas escolheu seguir seu próprio caminho. Isso te incomoda às vezes.” Ela olhou para Tucker, que estava franzindo a testa. Ele não disse nada para Sheila. "Seu avô, quer que eu lhe diga, que ele é tão orgulhoso de sua escolha de carreira, que ele aprecia que você mantenha a velha luva de beisebol em. . .” Sheila franziu a testa. "Você mantém em algum lugar seguro." Ela tamborilou com os dedos na mesa. “Um tronco. . . um baú no seu quarto?


Os lábios de Tucker se ergueram. "Ele sabe disso, não é?" Sheila assentiu. “Ele também quer que eu te diga, como o pai, vai o filho. O caminho pode ser diferente, mas o resultado final é o mesmo. Você está andando na estrada correta.” Tucker assentiu. "Ok, eu entendo isso." Sheila olhou de Tucker para Aubry, fixando o olhar entre eles. “Três vezes vocês dois circularam e agora vocês se reúnem. Os destinos colocam vocês em linha um com o outro.” Ok, isso foi francamente estranho. Um pouco vago, mas ainda assim, bonito na marca. Primeiro, a adega, depois duas vezes no pronto-socorro. Um palpite de sorte? Muito sortudo se fosse. “O amor é uma força muito poderosa. Ela se entrelaça com o destino e define nosso destino. Não fuja do que deveria ser.” Amor? Quem estava falando de amor? Aubry engoliu em seco. "Hum, este é apenas o nosso primeiro encontro." Sheila sorriu. “O primeiro de muitos, espero. A aura que cerca os dois é muito forte, suas cores brilham. Você vai forjar. Suas famílias estão unidas do outro lado, com esperanças positivas para vocês dois.” Uau. Isso foi algo profundo para um primeiro encontro. E muita coisa inventada, que ela não estava disposta a comprar. Aubry colocou suas palmas agora suadas em suas calças. "Bem, isso foi muito interessante." "Obrigado", disse Tucker, colocando o braço em torno de Aubry. “Tenho grandes esperanças para nosso primeiro encontro. Acho que vamos começar por aí e ver o que acontece.” Sheila sorriu. "Espero que vocês tenham recolhido algo desta leitura, que vocês tenham achou útil." Aubry ficou de pé. “Foi definitivamente esclarecedor. Muito obrigada. Ela apertou a mão de Sheila e, quando Tucker pagou, perguntou-lhe sobre sua casa. Sheila disse que tinha sido a casa da avó dela. Ela tinha remodelado há vários anos.” Os pais de Aubry estavam no agora e no novo. Ela amava essa casa antiga e adoraria poder renovar uma casa mais antiga algum dia.


Depois de agradecer a Sheila novamente, eles foram para o carro. Depois que eles decolaram, Tucker olhou para ela. "Assim . . . O que você acha?" "Foi estranho." "Estranho, ruim ou estranho, bom?" “Um pouco dos dois, eu acho. Ela sabia algumas coisas que ninguém mais saberia.” “Sim, eu entendi isso. Com os avós. Eu mantive a velha luva de beisebol do meu avô. Ela até sabia onde eu guardo.” "Sim. Mesma coisa com o bracelete da minha avó. Como ela saberia disso?” Ele encolheu os ombros. "Nenhuma idéia. A menos que ela seja o verdadeiro negócio e esteja conversando com nossos parentes mortos. Muito legal, né?” Ela olhou pela janela. “Não tenho certeza se definiria isso como legal ou não. É um pouco . . . inquietante. ” "Mesmo? Eu achei fascinante. E então a parte sobre você e eu e as três vezes? Ninguém saberia isso além de nós.” Ela arrastou o olhar da janela e colocou-o sobre ele. "Você não disse nada a eles." "Não. Apenas dei nossos primeiros nomes e meu número de telefone. Além disso, quem mais saberia sobre nós?” Ela disse a Katie, mas Katie não tinha ideia de que Tucker, a estava trazendo aqui esta noite. Destino e destino, no entanto? Ela fez seu próprio destino, e a única parte que estava preocupada era sua carreira médica. O resto, decidiu que não queria pensar. Então ia pensar nisso como um interlúdio divertido e nada mais. “Eu me diverti muito com Madame Sheila. Obrigada por me levar.” "Seja bem-vinda. Você vai gostar do que vem por aí também.” "Tem mais?" "Claro que há mais." Ele entrou no estacionamento de. . . Oh meu Deus. “Boliche? Vamos jogar boliche?”


Ele sorriu e estacionou, depois desligou o carro e encarou-a. “Eu não queria fazer um primeiro encontro chato, onde tudo o que fazemos é sair para jantar em algum restaurante e fazer conversa fiada. Você merece um primeiro encontro divertido. "Eu mereço?" "Sim. Porque aposto que você trabalha o tempo todo e, quando não está trabalhando, provavelmente está dormindo. Ou lavando roupa ou pagando contas e coisas assim. Ele não precisava saber exatamente o que ela estava fazendo antes. "Eu posso me divertir." “Tenho certeza que você pode. É por isso que vamos jogar boliche.” Ele saiu e veio para buscá-la. Ela tinha que admitir, este foi o primeiro encontro mais intrigante que ela já tinha visto. “Não me lembro da última vez que fui jogar boliche. Talvez meu primeiro ano de graduação? E eu tenho que te dizer, mesmo assim eu não fui boa nisso.” "Você não precisa ser boa nisso para se divertir." "Eu lembro a última vez que fui jogar boliche com um grupo, meu encontro na hora tirou sarro da minha péssima pontuação." Ele parou e entrelaçou os dedos nos dela. "Então você está namorando os caras errados." Ela riu. "Pelo visto." Ela não ia dizer a ele, que não estava namorando nenhum cara ultimamente. Deixe-o pensar o que ele queria. Eles entraram e, durante a semana, o lugar estava em alta. Jogo da liga, provavelmente. Ela não tinha certeza, se ia ficar bem com isso, já que ela estava enferrujada como o inferno e provavelmente jogaria algumas bolinhas. Ela não queria que todos ali notassem. “Eu espero que você esteja com fome. Eles servem os melhores hambúrgueres gordurosos do restaurante aqui.” Ela levantou o olhar para ele. "Isso esta certo?" "Eu sei que você é uma médica e tudo, você provavelmente é contra todo o hambúrguer gorduroso." “Sou médica, não nutricionista. Não tenho nada contra um bom hamburguer gorduroso.” Ele colocou o braço em volta dela. “Veja como estamos nos conectando? É como se devêssemos ser.” O que a levou a pensar sobre o que Sheila disse.


Ela imediatamente descartou. Ela não iria lá com todo esse destino e previsões. Ela estava com fome e um hambúrguer parecia uma ótima idéia. Hambúrgueres e boliche - seus principais objetivos, e tudo o que sua mente podia aguentar no momento. Vê? Diversão. Diversão que ela poderia lidar. Coisas profundas? Não, obrigado. Ela sorriu para Tucker. "Vamos jogar".


ONZE TUCKER NÃO PODERIA AJUDAR-SE. Enquanto

Aubry estava com a bola de boliche na mão, se

preparando para jogá-la no beco, ele não estava prestando atenção em sua forma ou na maneira como ela balançava a bola ou quantos pinos ela derrubava. Ele estava assistindo sua bunda. Ela tinha uma bunda grande. Rodada e cheia de curvas de todas as maneiras certas, do tipo que um homem queria colocar as mãos. Ela derrubou seis pinos, virou-se com um sorriso maroto no rosto. Alguém poderia pensar que ela tinha acabado de acertar um strike "Você viu isso?", Ela perguntou enquanto se sentava e pegava sua cerveja. "Eu fiz." “Seis pinos. Não haviam bolas de bica, naquele tempo. "Você está com uma pontuação de cinquenta e cinco." "Woo!" Ele não pôde deixar de rir. Pelo menos ela tinha um grande senso de humor sobre o quão ruim ela era. “Eu poderia estar pronta para aquele cheeseburger gorduroso depois desse jogo. Eu sinto que realmente tenho um apetite. Você sabe, agora que estou muito melhor nisso.” “Sim, eu posso dizer. Você só jogou quatro bolas na sarjeta até agora neste jogo. ” "Certo?" Ele tomou sua vez, derrubando nove em sua primeira tentativa, depois acertando o outro por uma reposição. Aubry torceu por ele, depois se levantou e acertou oito pinos. Ela se virou para ele, com os olhos arregalados. Ele assentiu. "Você consegue fazer isso." Ela caminhou em direção a ele. “Eles estão no canto. Nunca fui muito boa em bater nos que estão no canto. ” “Respire fundo e mire da direita para a esquerda. Eu tenho um bom pressentimento sobre isso.” “Eu farei o meu melhor. Eu realmente gostaria de uma reposição.” “Então vá pegar uma.”


Ela pegou a bola e estudou a pista. Ele poderia dizer que isso significava algo para ela, mesmo que ela estivesse apenas se divertindo. Então ele se levantou e foi para trás dela, deslizando as mãos sob os cotovelos. "Desvie uma polegada ou duas para a direita." Ela fez, e ele seguiu. “Agora faça seu balanço em um movimento rápido, e veja os pinos quando você soltar. Use seu pulso para apertar um pouco os pinos. Isso faz sentido para você?" "Sim." Ele gostava da sensação do corpo dela contra o dele e estava relutante em deixá-la ir. Ela cheirava a algo sensual e um pouco decadente. Ele queria enterrar o rosto no pescoço dela e beijá-la, depois virá-la e beijá-la um pouco mais. Mas agora não era a hora. Ele reservou esse pensamento para mais tarde. "Você tem isso, Aubry." Ele deu a seus braços, um leve aperto, antes de deixá-la ir. Ele voltou para seu assento e viu quando ela se aproximou, girou e soltou a bola. Ela rolou pelo beco com autoridade, um rolo perfeito enquanto disparava os dois pinos para baixo. Ela ergueu os braços e soltou um grito de guerra de comemoração. Ele se levantou e esperou por ela, enquanto corria e se jogava contra ele. Passou os braços ao redor dela, realmente gostando da sensação de suas curvas suaves pressionadas contra seu corpo. Ela recuou, o sorriso largo, os olhos brilhando com a vitória. "Eu fiz isso." "Você fez. Eu sabia que você podia.” “Eu tenho um sobressalente. Eu não perdi isso depois de tudo.” "Claro que você não faz." Ela olhou para ele, aqueles intensos olhos azuis, o estudando. Ele viu curiosidade e pergunta nos olhos dela. E também esse mesmo desejo que lhe deu um soco. . . Difícil. Ele realmente queria beijá-la. Agora mesmo. Mas ela espalmou seu peito, depois deu um passo muito óbvio para trás. "Assim . . . que tal terminarmos este jogo e depois celebrar com cheeseburgers? ” Mensagem enviada. Ela ainda não estava pronta. Mas ele apostaria que ela estaria antes que a noite acabasse.


"Certo. E quem sabe? Você pode acertar outro sobressalente, ou até mesmo um golpe antes do final deste jogo. ” Ela riu. "Certo. Como isso vai acontecer. Vamos, garanhão. Primeiro jogo, cheeseburgers em seguida. E então as coisas realmente divertidas depois disso.


DOZE DEPOIS DE UMAS CERVEJAS E - TUCKER TINHA SIDO CERTO -

um cheeseburger gorduroso, bastante fantástico

com anéis de cebola acompanhando, Aubry estava mais do que satisfeita, e muito cheia. Felizmente, eles jogaram novamente, depois disso para trabalhar fora da refeição. Ela até conseguiu um strike. A noite não poderia ficar melhor. Eles saíram. "Eu me diverti." Tucker segurou a mão dela. "Claro que você fez. Eu te disse, sou um cara divertido.” “Você me contou isso. E você fez o inesperado - você me fez relaxar e me divertir. ” "Bom. E se isso foi uma surpresa para você, então obviamente você está trabalhando demais ”. Ele caminhou até o lado dela do carro e abriu a porta. Ela virou-se para encara-lo. “Eu devo trabalhar duro agora. É o meu trabalho.” Ele deslizou a mão ao longo do lado do pescoço dela. "Não pode ser sempre sobre o trabalho, Aubry." Ela não esperava isso. Não agora e não aqui, de qualquer maneira. Então, quando ele se inclinou e roçou os lábios nos dela, ela não estava pronta. Mas oh, foi um beijo legal. Fácil e sem esforço, sem o constrangimento ou a tensão que costumava sentir, quando um homem a beijava pela primeira vez. Ele deslizou o braço ao redor da cintura dela e puxou-a para perto, puxando seu corpo contra o dele. Ela estendeu a mão para agarrar a camisa dele, fazendo contato com uma parede sólida do músculo do peito. Uma variedade estonteante de sensações a envolveu. Seu aroma - fresco, limpo, com apenas um toque de suor masculino almiscarado. Um redemoinho de tontura, enquanto sua boca se movia sobre a dela. Ela nunca tinha desmaiado antes, mas Tucker era muito bom em beijar, e isso não era nem um beijo profundo e apaixonado. Ele levou beijos lentos a um nível deliberado, como se tivessem todo o tempo do mundo, para explorar a boca um do outro. Isso a fez imaginar como seria quando eles estivessem sozinhos e ele a beijasse mais profundamente. Seus dedos do pé se curvaram com o pensamento.


Ele recuou, depois esfregou o polegar sobre o lábio inferior dela. "Eu tenho vontade de beijar você por um tempo agora." Ela não queria admitir o quanto suas palavras a excitavam. "Sério?" "Sim. Você tem uma ótima boca, Aubry. Para provar sua intenção, ele se inclinou e a beijou novamente, fazendo-a estremecer. Fazendo-a querer coisas que normalmente, empurrava para baixo em sua lista de coisas para pensar. Aquelas "coisas" subiram instantaneamente bem mais alto em sua lista. Naquele momento, elas eram a número um, especialmente quando suas mãos se moviam sobre as costas dela. Quando foi a última vez que as mãos de um homem percorreram seu corpo e fizeram coisas deliciosas para ela? Orgasmos auto-induzidos, embora eficientes, não eram tão divertidos quanto um cara levando-a ao auge do êxtase. Não que ela planejasse que Tucker lhe desse um orgasmo ou algo assim. Então de novo . . . Por que não? Ambos eram adultos. Ele sabia como era a vida dela. E ele viajava muito. Contanto que ele não tivesse nenhuma expectativa de permanência, algum sexo incrível não seria uma má idéia. Especialmente agora que ela teve uma provocação do que poderia ser. Ele finalmente se afastou, forçando seus pensamentos para longe do sexo. Ele sorriu para ela. "Eu provavelmente deveria parar de beijá-lo no estacionamento." "Isso significa que você pretende me beijar em outro lugar?" Seus lábios se curvaram. “Eu definitivamente posso fazer isso. Na minha casa ou na sua?" “A minha funciona.” "OK." Ele os levou para a casa dela. Ela não tinha certeza se sabia o que estava fazendo, mas sabia o que sentia, então não queria adivinhar os sentimentos. Não era um grande negócio - apenas sexo. E ela deixaria isso claro para Tucker. Ela tirou as chaves e abriu a porta da frente de seu condomínio, entrou e ligou o interruptor. Tucker seguiu, fechando a porta atrás dele. "Você gostaria de algo para beber? Eu tenho vinho e cerveja, além de água e refrigerante.” "Uma cerveja parece ótimo, obrigado." Ela colocou a bolsa na mesa ao lado do sofá, depois foi até a cozinha pegar uma cerveja para Tucker. Ela abriu um dos armários para pegar um copo de vinho.


"Eu posso conseguir isso para você." Ela se assustou, não percebendo que Tucker estava bem atrás dela. Ela se derreteu enquanto a mão dele serpenteava pelo braço para pegar o copo de vinho. Seu grande corpo pressionado contra o dela, prendendo-a entre ele e o balcão da cozinha. Ela não se importava com isso, então ela se virou. Ele colocou o copo no balcão e capturou sua boca naquele beijo íntimo e profundo que ela estava esperando desde o grande beijo no parque de boliche. Era tudo o que ela antecipou e muito mais. Quente, exigente, suas mãos deslizando sob sua camisa para percorrer sua pele nua. Ela mal conseguia respirar, suas sinapses disparando rapidamente para acompanhar a sobrecarga sensorial de sua boca, seu toque e a sensação de seu corpo pressionado contra o dela. Ela estava sempre completamente absorvida no trabalho, pensando que isso era suficiente para satisfazê-la. Agora ela percebeu que queria muito mais, como a boca de Tucker na sua, sua língua fazendo coisas deliciosas para as dela, enquanto suas mãos, trabalhavam com sua magia ao longo da pele de suas costas, deslizando para baixo em cima da calça até a pele nua de sua bunda. . Seus mamilos formigavam, seu sexo umedecido, e ela precisaria de cerca de dez orgasmos esta noite, para compensar seu tolo ataque de celibato sobre o passado - não importa quanto tempo tivesse sido. Uma sensação de urgência a superou e ela levantou a camisa, de repente precisando tocá-lo em todos os lugares. Quando as mãos dela deslizaram sobre seu abdômen, ela gemeu. Parede sólida de músculo. Ela precisava ver esse homem nu. Agora mesmo. Ela se afastou. "Vamos para o quarto." "Tem certeza?", Ele perguntou. Ela gostou que ele perguntou. "Absolutamente." Ele assentiu, pegou a mão dela e deixou que ela o conduzisse pelo corredor. Ela abriu a porta do quarto e caminhou para dentro da cama, virando-se para ele. Ela sentou-se na cama e tirou as botas, depois tirou a camisa, deixando-a de lado antes de se levantar para tirar a calça, ficando só de calcinha. "Sua vez", disse ela.


Com um sorriso, ele tirou os óculos e colocou-os em sua mesa de cabeceira , depois tirou os sapatos e tirou as meias. Sua camisa veio em seguida. Ai sim. Seu torso era incrível. Ombros largos, peito largo e um incrível conjunto de abdominais bem tonificados. Ela se aproximou dele, precisando tocar o que via. Agora que ela estava perto, e ele estava sem óculos, podia realmente ver os olhos dele. Tão lindo e tão atentamente a observando. Ela pegou a fivela de seu cinto e soltou-a, separando-a para poder ver o botão, depois o zíper, puxando-o para baixo sobre uma ereção impressionante. “Mmm. Isso parece familiar, ” ela disse, esfregando-o através de seu jeans. Seus olhos ardiam quentes. “É totalmente funcional de novo também. Graças ao seu carinho.” "Bom saber. Porque eu pretendo usar o inferno do seu pau hoje à noite.” Ele inalou bruscamente, em seguida, estendeu a mão para soltar o sutiã, levando as alças para baixo de seus braços para que ele pudesse removê-lo. Ele deu um passo para trás para admirar seus seios. "Bonitos." Ele se inclinou, passou a língua sobre um botão, em seguida, capturou-o entre os lábios. Ela soltou um gemido, segurando a cabeça no seio, enquanto ele chupava e lambia o mamilo, a mão massageando o outro seio e provocando o mamilo com o polegar e o indicador. Pequenos choques de prazer dispararam direto para o sul, acendendo o fogo que ele havia começado com seus beijos. Ela apertou seu pênis através de seu jeans, mas isso não foi suficiente. Ela empurrou o jeans sobre os quadris dele, e ele se afastou o tempo suficiente para tirar a calça e a cueca. Uau. Ela o examinou na adega quando ele estava mole e com dor, e ela não estava prestando muita atenção, então, porque ela estava no modo médica. Agora? Ela estava no modo mulher, muito interessada em seu pênis, e não de maneira clínica. Ela colocou a mão ao redor do eixo e acariciou. Ele empurrou contra a mão dela. "Eu gosto de você me tocando", disse ele, deslizando as mãos pelos braços dela. Ela sentiu um arrepio, quando ele emaranhou os dedos em seus cabelos e beijou-a, envolvendo o braço em torno de suas costas. Ela afundou em seu abraço, deixando seu corpo alinhar com o dele, pele a pele.


Ele colocou a mão em sua bunda, seus dedos deslizando na parte de trás de sua calcinha para segurar um punhado da bochecha. O calor de sua mão a aqueceu, a fazendo empurrar contra sua ereção dura como pedra para que ela pudesse esfregar contra ele. Ele gemeu contra os lábios dela e a empurrou de volta para a cama, a parte de trás dos joelhos batendo no colchão. "Sente-se", disse ele, respirando com força enquanto se afastava. Ela estava muito ciente de seu pau duro e todas as coisas deliciosas que pretendia fazer com ele - com ele - esta noite. Sua longa e sexual seca, estava prestes a terminar, e ela estava mais do que pronta para isso, especialmente quando ele se ajoelhou no tapete à sua frente e pegou a calcinha, puxando-a pelos quadris e pelas pernas. Ele abriu suas pernas e alisou as mãos sobre as coxas. "Você é linda, Aubry." Ele pressionou um beijo na parte interna da coxa dela. "E você cheira incrível." Ele beijou seu caminho em direção ao quadril dela, então seu estômago tremeu, seu peito fazendo contato com seu sexo. Ela estremeceu, recostou-se na cama, apoiando-se nos cotovelos quando Tucker a provocou, não dando a ela o que mais precisava naquele momento. Em vez disso, ele usou as mãos e a boca para mapear o corpo dela. Embora isso definitivamente a inspirou a se contorcer contra ele, arqueou os quadris e implorou por sua boca em seus mamilos repentinamente formigantes. Quando ele obedeceu, ela soltou um gemido satisfeito, deslizando os dedos em seu cabelo para segurá-lo, enquanto ele sacudia a língua contra o botão. O arco de sensações atingiu seu sexo, fazendo seu clitóris formigar com a antecipação de outras coisas deliciosas, que ele poderia fazer com a boca. Sua barba arranhou a pele macia de seu seio da maneira mais perfeita, e ela já podia imaginá-la esfregando suas coxas. "Tucker" Ele levantou a cabeça. "Sim?" "Lamba-me." Seus lábios se curvaram. "Eu pensei que eu estava fazendo isso." “Sim, e isso é muito bom. Mas, você sabe, em outro lugar.”


Ele se levantou colocando as mãos no colchão, seus braços distraindo-a com o músculo definido. “Quer ser mais específica?” "Você gostaria que eu desenhasse um mapa para você, ou você acha que pode descobrir onde eu quero sua boca?" Ele se equilibrou em uma mão, usando a outra para mapear uma trilha entre os seios, o estômago dela, a palma de seu sexo. "Aqui?" “Sim.” Ela estava distraída com a força dele, mas também pelo modo como ele a tocava, usando os dedos para acariciá-la de uma forma que definitivamente chamou sua atenção. "Sim, aí mesmo." "Dói, Aubry?" Ele perguntou, deslizando os dedos dentro dela enquanto se movia pelo corpo dela novamente. "Dói tanto que você quer, que eu lamba e chupe, até você gozar?" Ela estremeceu com suas palavras, sua mente um visual dele fazendo exatamente isso, de como seria quando ela explodisse. "Sim. Me faça vir, Tucker.” Ele colocou suas coxas sobre os ombros, aninhou seu corpo perto de seu rosto, seu hálito quente um bálsamo para seus sentidos torturados. E quando sua língua lambeu as dobras, ela pressionou o colchão, caindo no êxtase do calor e da sensação. Foi um sentimento lento, lânguido e cheio de prazer. Até que ele colocou a boca em torno de seu clitóris e sugou. Então tudo mudou. Foi como ser atingida por um raio no da melhor maneira possível, uma greve aguda e pecaminosa de prazer. Ela soltou um gemido baixo, seus quadris arquearam para fora da cama, e ela se entregou para Tucker, para seus lábios e língua diabólicos e seu ataque implacável em seu corpo. Sua boca estava quente, e seus dedos entraram nela, sondando-a com movimentos suaves e rítmicos até que ela estivesse certa de que nunca conseguiria sair disso sem um orgasmo cataclísmico. E quando ela bateu, mais rápido do que imaginou, ela fechou as mãos nos lençóis, balançou seu sexo contra sua boca, e caiu completamente na liberação, seu corpo inteiro tremendo com a força do que tinha que ser o melhor orgasmo, que ela já havia tido. . . Sua mente e corpo estavam longe demais para fazer as contas. Tudo o que ela podia fazer era segurar e aproveitar o passeio trêmulo. E quando ela relaxou, ele estava lá, seu rosto


aparecendo sobre o dela para tomar sua boca em um beijo que tinha gosto de sexo e desejo quente. Ele não deu a ela um momento para recuperar o fôlego, sua ereção de aço duro e quente contra sua coxa. O que estava bem com ela, porque ela estava latejando, preparada e pronta para ele. E eles tiveram a noite toda para se divertirem.


TREZE Os dedos de Tucker, ainda estavam enterrados dentro de Aubry, as quentes e pulsantes contrações de seu orgasmo envolvendo-a. Sua boca estava na dela, as mãos dela vagando sobre sua pele. Cada parte dele estava febrilmente quente e enrolada com uma necessidade ardente. Tudo o que ele queria fazer era enterrar seu pênis profundamente dentro dela até que ela convulsionou ao redor dele. Ele moveu seus dedos em movimentos lentos e suaves, não querendo que ela descesse daquela alta liberação. Ele queria que ela pairasse, ainda pronta, quente e carente para que ele pudesse trazê-la de volta à beira do abismo. Só que desta vez ele estaria dentro dela. "Você está pronta?" Ele perguntou. Ela alisou a mão no rosto dele, as pontas dos dedos tão suaves que ele se perguntou, se já sentira algo parecido com aquela sensação antes, enquanto passava o dedo sobre o lábio inferior dele. E quando ele moveu os dedos dentro dela, ela ofegou. "Estou pronta para o que você tem em mente." Para alguém tão relutante, como Aubry tinha sido sobre estar com ele, gostara que ela estivesse toda nisso agora, que não houvesse hesitação da parte dela. “Bom.” Ele se curvou e a beijou, então sussurrou contra sua boca. "Eu tenho muito em mente." Ele retirou os dedos e depois os lambeu. "Você tem bom gosto. Eu me pergunto quantas vezes eu posso fazer você vir hoje à noite?” Seu olhar era direto. E quente. Cheio de promessas. “Muito, provavelmente. Tem sido uma espécie de seca sexual para mim.” “A seca acabou, querida. Eu tenho uma caixa de preservativos no meu carro.” Seus lábios se levantaram. “Eu tenho uma caixa no banheiro. Acho que estamos bem para ir esta noite, de qualquer maneira.” Ele riu e passou a mão sobre seus seios, observando-os subir e descer enquanto roçava os mamilos até que eles se levantaram em picos apertados. Ele se inclinou e tomou um gosto de cada um. Macios, então durinhos pequenos que, quando ele chupou, a fez gemer. Ela respondeu tão bem a ele, e fez suas bolas tremerem. Ele queria ficar a noite toda aprendendo sobre seu corpo, mas agora ele queria sentir como era estar dentro dela.


"Dê-me apenas um segundo", disse ela, rolando e saindo da cama. Ele deitou de lado, apreciando a vista de sua bunda muito bem quando ela desapareceu no banheiro conectado. Ela voltou pouco depois com uma caixa de preservativos na mão. Ela tirou um da caixa e a jogou na direção dele. Ele pegou no ar com uma mão. "Bom reflexo", disse ela. "Parte do meu trabalho." “Como está a perna, a propósito? E a cabeça? E seus testículos?” Ele riu, tirou uma camisinha e rolou para colocar a caixa na mesa de cabeceira. "Tudo em ordem de funcionamento." "É bom saber." Ela se esticou na cama, puxando os braços sobre a cabeça. "Especialmente os testículos." Ele abriu a embalagem do preservativo, aplicou-o e depois rastejou entre as pernas dela, espalhando suas coxas. “Sim, eu vou estar usando minhas bolas hoje à noite. Elas já estão cheias. Estou prestes a explodir de te tocar e beijar”. Ele se espalhou por seu corpo, inclinando-se para roçar os lábios sobre os dela. “E provar você. Tudo em você me deixa difícil.” Ela respirou fundo. “Vamos entrar em você, então. Eu odiaria pensar em você sofrendo por mais tempo.” Ele encaixou a ponta de seu pênis contra ela, então aliviou para dentro, colocando sua bunda para puxá-la de perto, quando ele deu um primeiro impulso. Oh sim. Tão quente e apertada como ele imaginou que ela seria. E quando Aubry envolveu suas pernas ao redor de sua cintura e levantou seus quadris, ele se envolveu totalmente dentro dela. Foi maldita perfeição. Ela cheirava a algodão doce, e lhe fazia sentir como um paraíso suave, e quando ele se moveu dentro dela, seu corpo agarrou, seu pênis, apertado. "Você me faz sentir bem", disse ele, estendendo a mão para desliza-la sobre o quadril dela, se aproximando para poder acertar todos os pontos quentes dela também. Suas unhas cravaram em seus braços. "Ai sim. Bem aí, Tucker.” Ela balançou para frente e para trás contra ele, quando ele puxou para fora, então deslizou novamente. Ela estava ali com ele, seu olhar preso ao dele, enquanto eles se moviam juntos, em um ritmo lento e deliberado a princípio. Ele mediu os sinais que ela lhe deu. Ela gostou, e ele


poderia lidar com isso por enquanto. Ele absorveu os sons que ela fez - pequenos gemidos e suspiros que fizeram suas bolas se encherem e seu pênis endurecer como aço. Ele gostava de ver seus mamilos se enrugarem quando esfregou o peito contra os seios dela. Inferno, ele gostava de tudo sobre estar nu e dentro dela. E quando seus grunhidos, se transformaram em suspiros e gemidos, ele aumentou o ritmo, segurando a necessidade de soltar. Porque ela ia primeiro, e quando sua doce pequena boceta apertou em torno dele, quando ela cavou no colchão e levantou os quadris, um convite silencioso para mais e mais profundo, ele deu a ela. O suor escorria de suas costas com o esforço de se conter, mas ela era tão boa, que ele não queria vir. Não apenas ainda, não quando as bochechas de Aubry se enrubescem e um rubor escuro se espalhava sobre seus seios. "Tucker", disse ela, cavando as unhas com mais força. "Tão Tão bom. Você me faz querer vir.” "Deixe ir", disse ele, inclinando-se para beijá-la, um duro beijo de condução que ele combinava com impulsos mais profundos e mais rápidos. Ela gritou contra seus lábios e ele sentiu a força de seu orgasmo envolvendo seu pênis, apertando-o com força enquanto gozava. Desta vez, ele soltou, batendo duro nela com a sua libertação. Ele se sentiu tonto com isso, envolvendo um braço em torno de Aubry, enquanto seu corpo balançava embaixo dele. Gasto e sem fôlego, ele acariciou seu pescoço, lambendo gotículas de suor de sua pele. Agora isso tinha sido bom. Realmente muito bom. E quando ele podia respirar novamente, ele disse isso a ela. "Foi bastante decente para a primeira rodada", disse ela. Ele levantou a cabeça e olhou para o rosto sorridente dela. “É uma coisa boa que estou em ótima forma. Eu posso dizer que você é muito exigente.” Ela afastou um fio de cabelo da testa dele. "Eu disse a você que eu estava em uma seca, não disse?" "Sim. Eu acredito que você mencionou isso.” "Então, você acabou por ser a pessoa, que eu decidi fazer chover para mim." Ele rolou para o lado, trazendo-a com ele, então eles se encararam. "E fazendo chuva, eu entendo que você gostaria de uma monção." Ela riu. "Eu acredito que sim."


"Não há queixas aqui." Ele puxou-a em cima dele e colocou as mãos na bunda dela, amassando os globos macios. Ela se contorcia contra ele até que ele ficou duro novamente. Ela sorriu para ele. "Eu poderia dizer desde a primeira vez que te vi, que você era um fazedor de chuva, Tucker."


QUATORZE Aubry enrolou-se na cama e olhou para o relógio. Cinco horas. Ela realmente odiava cinco da manhã. Ela bocejou, depois olhou para o outro lado da cama, para o deus de cabelos escuros, que dormia ao lado dela. Ela não pôde evitar o sorriso torto. Seis vezes. Ela veio seis vezes na noite passada. Ela estava dolorida, em lugares que não estavam doloridos há anos. Mas era um tipo realmente incrível de dor. Ela esperou pelo arrependimento quando se levantou, tomou banho e se preparou para o trabalho. No momento em que ela secou o cabelo e fez café, percebeu que não tinha arrependimentos. A noite passada foi divertida, e ela se sentiu mais relaxada do que estava há . . . Muito tempo. Ela tomou um gole de café, encostou-se no balcão da cozinha e sorriu. Seis orgasmos fariam isso para uma pessoa. E Deus sabia que ela precisava de um pouco de relaxamento. Ela olhou para cima e viu Tucker entrando na cozinha usando apenas seu jeans - que estava aberto, exibindo toda aquela pele deliciosa e aquele V de seu abdômen inferior para lugares, que ela gostaria de explorar mais - e seus óculos. Aquele homem era tão sexy, com óculos e tudo. Se pelo menos ela tivesse hoje também. Droga. “Eu cheirei café. Você está indo para o trabalho? Ela assentiu. "Sim. Infelizmente. Fique á vontade. A porta trava sozinha quando você a fecha. Você pode tomar um banho ou voltar para a cama ou o que quer que seja.” Ele pegou o copo da mão dela e colocou-o no balcão ao lado dela, em seguida, enterrou o rosto no pescoço dela e a beijou lá. Um delicioso beijo, que arrepiou sua pele. Ele tomou sua boca em um beijo de bom dia, que a fez querer voltar para a cama com ele, por várias horas. Seu corpo inteiro acordou com paixão e necessidade. Alguém poderia pensar depois de todos esses orgasmos, que ela estaria mais do que satisfeita. Aparentemente não, porque antes que ela soubesse, seus dedos tinham entrado no cabelo dele, e a mão dele estava na frente de seu uniforme. Em alguns minutos deliberados e


persuasivos, ela estava preparada, pronta e latejante. Quando ele puxou as calças até os joelhos e colocou a boca sobre ela, tudo o que ela podia fazer era pegar o balcão de apoio. Ela segurou, enquanto ele chupava seu clitóris, de uma forma muito exigente, que lhe dizia que ele poderia levá-la ao orgasmo em menos de dois minutos. Ou menos. Ela gritou, nem mesmo se importando, quando balançou seu sexo contra o rosto dele e gozou. "Jesus, Tucker", disse ela quando ele lambeu os lados de suas coxas e olhou para ela com um sorriso muito satisfeito. "Vou me atrasar." "Você só vai sair, um pouco mais tarde." Ele tirou um preservativo do bolso de sua calça jeans, virou-a de bruços e empurrou-a contra o balcão, empurrou a calça jeans sobre os quadris e colocou a camisinha em tempo recorde. Ela ainda estava tremendo com o orgasmo, quando ele entrou nela, empurrando profundamente, fazendo-a ofegar e gemer quando empurrou. Ele deslizou a mão dentro de sua camisa para provocar e arrancar seus mamilos enquanto ele a fodia por trás. Sua mente estava inundada com o visual do que ela deve ter parecido, inclinada sobre o balcão da cozinha, seu cabelo uma bagunça, suas roupas meio fora, e ele bombeando para dentro dela. Sua barriga caiu e seu sexo estremeceu ouvindo sua respiração ofegante. Ele agarrou seus quadris com força, e quando ela empurrou de volta contra ele, suas palavras encorajadoras, fizeram ondas de desejo passarem por ela. E quando ele deslizou a mão entre as pernas dela, ela o empurrou para longe, precisando que ele se concentrasse, em empurrar seu grande pênis dentro dela. Ela colocou a mão em seu clitóris. "Oh, sim", disse ele, em seguida, bombeou duro e rápido para ela, enquanto ela se fez gozar de novo. E quando ela foi, seus gemidos altos só aumentaram seu orgasmo. Eles vieram juntos com a mão em seus seios e as dela entre suas pernas. Era selvagem e apaixonado e a deixou quente e suada, o suficiente para que, quando se soltassem, ela se virasse e lhe desse um olhar. "Agora eu preciso de outro banho." Ele sorriu. "Uh. . . desculpa?"


Ela balançou a cabeça, correu para o banheiro e rapidamente se enxaguou, penteou o cabelo despenteado e depois correu para a cozinha em busca de suas coisas. Ele tinha uma xícara de café na mão, mas colocou no balcão e veio na direção dela. Ela ergueu a mão para detê-lo. “Nem chegue perto de mim.” Seus lábios se curvaram. "OK. Tenha um bom dia, Aubry.” Suavizando um pouco, considerando que ela teve dois orgasmos desde que saiu da cama esta manhã, ela se aproximou dele, roçou os lábios contra os dele, e disse: “Você também. Obrigado pela noite passada”. Ela se afastou, depois o beijou novamente. "E esta manhã." Ele sorriu para ela. "Eu vou te ligar." Ela queria que ele ligasse para ela? Ela nem sequer teve tempo para pensar nisso agora. "Certo. Faça isso." Ela saiu apressada e correu para o carro, tentando não romper os limites de velocidade para chegar ao hospital a tempo para as rondas. Dr. Chen poderia ser horrível com seus médicos que chegavam tarde. Quando ela chegou ao salão, Katie estava lá. "Oh, meu Deus", disse Katie, levantando-se da mesa para correr até ela. “Você está sempre aqui antes de mim. Você está aqui antes de todos. Eu pensei que você poderia estar doente.” Aubry

guardou

as

coisas

dela

no

armário

e

tentou

controlar

seu

pulso

descontroladamente. "Estou bem." “Você não está bem. Seu rosto está vermelho. Tem certeza de que não está acontecendo alguma coisa?” "Não. Não estou doente. Ela enrolou o estetoscópio no pescoço e se virou para Katie, depois deu uma olhada rápida no celular. Ela conseguiu. Mal, mas ela conseguiu. "Vamos sair?" "E o que está no seu pescoço?" "Nada." Ela estendeu a mão para esfregar os dois lados do pescoço. "Do que você está falando?" "Bem aqui." Katie esfregou um ponto. “Está tudo vermelho. É uma contusão?” Aubry colocou a mão no lugar onde Katie esfregara. "Não é nada. Provavelmente uma urticária, porque eu acordei tarde hoje de manhã. Você sabe como Chen me assusta.” “Não é urticária. Na verdade, parece meio que ...” Katie olhou para ela, então seus olhos se arregalaram. "Meu Deus. Você fez sexo.”


Aubry girou e saiu do salão, Katie bem em seus calcanhares. “Eu estou certa, não estou? Você fez sexo. Foi com aquele jogador de beisebol quente?” Ela realmente odiava que sua amiga soubesse muito sobre sua vida. "Não." “Agora você está mentindo para mim. Você fez sexo com ele. Qual o nome dele de novo? Tucker, não era?” Ela parou e se virou para Katie. "Sim. E sim, se você deve saber. Nós fizemos sexo. Muito disso." Katie sorriu. "Impressionante. Não é de admirar que você pareça uma merda. Você provavelmente ficou acordada a noite toda e está desgastada, dando-lhe orgasmos múltiplos. Ele parece o tipo de cara que daria a uma mulher muitos orgasmos ”. Seu corpo estremeceu com a menção de orgasmos. Ela inalou, depois soltou. "Oito." As sobrancelhas de Katie se levantaram. "Oito? Mesmo?" "Sim." "Saia já daqui. Oito? E você deixa ele ir? Eu teria ficado doente hoje e ele teria me dado mais oito.” Ela riu. "Cale-se. Eu não fico doente para fazer sexo. Eu não fico doente, ponto final. Mesmo quando estou doente.” Katie sacudiu a cabeça. "Então você está fazendo errado, Aubry." "Vamos." Ela puxou a manga de Katie. “Temos trabalho a fazer. Falaremos sobre sexo depois.” Ela se imergiu em seu trabalho, tentando afastar os pensamentos de Tucker de sua cabeça, pelas próximas horas. Felizmente, ela estava ocupada. Não tão ocupada como quando ela trabalhava à noite, mas ela tinha um fluxo constante de trabalho. Um braço quebrado de uma lesão relacionada ao trabalho, um bebê doente e um senhor idoso com obstrução intestinal. Felizmente, o Dr. Chen não tinha notado que mal chegara na hora certa pela manhã, então se esquivou de uma bala ali. No final da tarde, ela finalmente encontrou tempo para comer alguma coisa. Ela pegou uma salada no refeitório, pegou suas anotações médicas e sentou-se no salão, aproveitando os poucos minutos de paz e tranquilidade para poder estudar. Até que Katie entrou com sua sacola de comida. Ela puxou uma cadeira em frente a Aubry à mesa, colocou o chá gelado no chão e abriu a bolsa.


“Certamente você não vai estudar. Você nunca acaba com esse seu cérebro? Aubry levantou os olhos de suas anotações. “Temos muito a aprender em um curto período de tempo. E você nunca sabe quando Chen vai nos perguntar sobre algum traumatismo cerebral complexo, de que nunca ouvimos falar. Ela prendeu Katie com um olhar severo. "Você poderia ficar para estudar mais." Katie apontou para sua têmpora e mordeu seu sanduíche, conversando com a boca cheia. "Eu tenho tudo bem aqui, querida." "Com certeza. O que você tem são bolas suficientes para passar por cima das duras perguntas de Chen. Ou você simplesmente não se importa. Katie tomou um gole de sua bebida. “Claro que me importo. Eu simplesmente não ando em cascas de ovo ao redor de Chen como você. Ele quer que todos nós façamos bem, e seu latido é muito pior do que sua mordida. Você precisa relaxar. Aqueles oito orgasmos não fizeram o truque, ou você vai voltar para mais esta noite? "Eu. . . Ela fez uma pausa, sem saber como responder. Ela deixou Tucker em sua casa esta manhã, sem pensar em quando, ou se, ela o veria novamente. Ela não namorava. Ela passava dias e noites no hospital e, quando estava ausente, estudava e entendia as coisas que tinha que fazer em casa. Ela usou uma de suas noites raras, para sair com ele na noite passada. Certamente Tucker entenderia que ela não estava procurando por um relacionamento, certo? "Você o quê?" Katie perguntou, interrompendo seu processo de pensamento. "Eu não sei. Nós tivemos uma noite divertida. Não é suficiente?” “Claro que não é suficiente. Vocês dois tiveram sexo incrível, Aubry. Você não quer mais? Quero dizer, não é sempre que podemos encontrar um homem para nos dar um orgasmo, quanto mais oito. Por que você deixaria um cara assim? Ela colocou o garfo na mesa. “Porque eu não tenho tempo para um cara. Há trabalho e estudo e essas são minhas prioridades. ” Katie suspirou. “Você precisa redefinir suas prioridades, querida. Os homens podem darlhe grandes orgasmos - como você sabe tão bem - o que reduz o estresse e permite que você concentre totalmente seus esforços no trabalho e no estudo. ” Ela não pôde se conter. Seus lábios se levantaram. "Você tem tudo isso planejado, não é?" "Em uma planilha e tudo mais."


Aubry riu. "Os homens também podem ser complicados." Katie deu uma mordida em seu sanduíche, engoliu em seco e balançou a cabeça. "Não. Somos complicadas, Homens são simples. É só mantê-los bem fodidos e eles estão felizes como podem estar.” Deslizando para Katie um olhar de descrença, ela disse: "Eu não acredito que funcione dessa maneira." "Confie em mim. Funciona assim.” "Então você está dizendo, que tudo que eu tenho que fazer, é foder o cérebro de Tucker em uma base regular, e eu não vou ter que me preocupar com qualquer envolvimento emocional?" "Absolutamente. Se ele é um macho mediano. E pelo que eu vi dele? Ele parece um macho comum para mim. Muito possivelmente acima da média.” Aubry não podia acreditar que estava mesmo entretendo a ideia. Ela não tinha tempo para isso. Mas, teve que admitir que a ideia era tentadora. E não havia como negar que os benefícios colaterais valeriam a pena. Tucker parecia divertido e descontraído na noite anterior. Nada intenso. Pelo menos não até que eles tivessem chegado na cama. Então? O nível de intensidade estava fora das paradas, o que ela não tinha reclamações. Ela não estava mentindo para ele, quando lhe disse que tinha sido um longo período de seca para ela, no departamento de sexo. Sexo em uma base regular soava tão bem, especialmente com toda a pressão que ela estava no trabalho. E se ela pudesse conseguir isso sem um empate emocional? Melhor ainda. Tucker dissera que ligaria. Ele a empurrou para sair, então ela esperava que seu telefone tocasse em algum momento hoje. Eles fariam planos, e ela veria onde poderia encaixá-lo em sua agenda. Pelo menos sexo sábio.


QUINZE TUCKER TEVE UM JOGO BOM, NA NOITE DE QUINTA-FEIRA. Ele

desistiu de oito acertos e duas corridas, mas

seu time havia se recuperado e vencido. Poderia ter feito melhor. Muito melhor. Sua curva estava um pouco instável, e ele odiava jogos de estrada, especialmente em Denver, onde a altitude sempre mexia com seus arremessos. Mas eles ganharam dois, de três de Denver e ele estava feliz por estar indo para casa, para a próxima série contra o New York. Ele pensou muito sobre Aubry, enquanto estava fora, mas não tinha feito nada sobre isso. Ele imaginou que após a primeira noite intensa, ele precisava dar um passo para trás. Não estava em sua natureza entrar em um relacionamento, e talvez ele tivesse tido uma conexão muito grande com ela, naquela noite. Gostava dela, mas também preferia manter as coisas leves e fáceis com as mulheres. Ligaria para ela, quando chegasse em casa. Eles poderiam se reconectar e se divertir novamente. Uma vez que o avião pousou e ele voltou para o estacionamento privado no estádio, pegou seu equipamento, disse adeus aos seus companheiros de equipe e fez o caminho de volta para seu condomínio. Chegando em casa, jogou a bolsa no chão, saiu e pegou algo para comer, depois se acomodou no sofá. Ligou a televisão e assistiu a cerca de uma hora de recapitulação esportiva na TV, depois pegou o telefone. Eram onze e meia. Ele se perguntou se Aubry ainda estava de pé. Ou talvez ela estivesse trabalhando esta noite. Ele provavelmente deveria ter pedido a agenda dela. Ou talvez mandasse uma mensagem para ela. Ele meio que sugou coisas assim. Ele era mais um tipo de cara do momento. Olhou para o teclado, ponderando. Se ela tivesse trabalhado no turno do dia, provavelmente estaria dormindo agora. Ele não iria querer acordá-la. Então, novamente, se ela estivesse morta de cansaço, talvez ela não acordasse, se ele mandasse uma mensagem. Encolhendo os ombros, ele enviou o texto. Ei! Você no trabalho ou dormindo?


Quando nĂŁo recebeu uma resposta imediatamente, deixou o telefone de lado, imaginando que ela provavelmente estava dormindo. Tentaria novamente amanhĂŁ.


DEZESSEIS Aubry estava no meio de um corte de cotovelo, particularmente difícil, quando o telefone tocou no bolso. Ela o ignorou até terminar, deu as instruções de cuidados posteriores ao paciente e depois inseriu as informações no sistema. Pegou o telefone e leu a mensagem de texto enquanto caminhava pelo corredor. Tucker. Faziam quatro dias desde que ele disse que ligaria. Quatro dias sem uma palavra. E agora isso? Ela verificou a hora. Já passava da meia noite. Achava que ela estava disponível, vinte e quatro horas para ele? Talvez ele pensasse que ela responderia e ele poderia vir para um sexo quente depois da meia-noite. Como se ela fosse algum tipo de acompanhante. Ah. Que idiota. Irritação passou por ela. Tanto faz. Ela colocou o celular de volta no bolso e decidiu ignorá-lo. Assim como ele a ignorou nos últimos quatro dias. Ela não sabia o que esperava dele. Talvez ele ligasse como disse que faria? Era por isso que ela se concentrava em seu trabalho e não tinha relacionamentos. Eles absorviam tempo e energia melhor, dedicados à sua carreira - uma carreira que não a desapontava, como os homens costumavam fazer.


DEZESSETE Embora ele não tivesse jogado naquela tarde , não havia corrido bem. Tucker se sentiu mal por Garrett Scott, porque ele sabia exatamente como era, quando tudo parecia ir contra você. Os humores de todos, estavam frios hoje, e Garrett não havia atingido a zona de ataque com nenhum de seus arremessos, geralmente estelares. Eles haviam perdido três para um, e, além do home run solo de Jack Sanchez, não tinham nada de ofensivo. Tucker não podia fazer nada, além de esperar que alguém, tivesse sucesso para fazer as coisas acontecerem. Isso não aconteceu. Eles tinham caras na base em dois turnos, caso contrário, tinha sido sombrio. E o arremesso de Garrett estava fora. Ele teve sorte de desistir de apenas três corridas. Tucker atribuiu isso ao controle gelado de Garrett, porque mesmo com um jogo ruim, Garrett conseguiu manter a produção da equipe adversária reduzida a três. "Um jogo duro hoje, Garrett", disse Tucker após o jogo. "Você vai voltar para o próximo." Garrett deu um aceno curto, mas principalmente olhou para os joelhos quando se sentou em frente ao seu armário. Pelo menos eles estavam em casa, porque a única coisa pior do que perder um jogo em casa, era perder na estrada. Ele também sabia que havia dito o que precisava ser dito. Você não poderia bombear um jogador, quando não ia bem. Eles se sentiam mal, e nada que você pudesse dizer, faria com que eles se sentissem melhor, então quanto menos se dissesse, melhor. Era melhor apenas seguir em frente. Quando saiu do vestiário, houve um ataque de familiares e amigos esperando pelos jogadores. Esposas, pais, namoradas e afins. O que foi bom para eles. Seus pais moravam no rancho da família no Texas. Eles apareciam ocasionalmente quando podiam e muitas vezes dirigiam seus jogos em Dallas e Houston. Mas ele era um adulto e certamente não precisava que sua mãe e seu pai assistissem a todos os seus jogos. Seus irmãos tinham carreiras profissionais, embora às vezes eles voassem para seus jogos também, e agora que ele jogava por St. Louis, Grant aparecia para os jogos, o que era legal. Mas Grant estava fazendo uma coisa de relações públicas em Nova York esta semana, então ele estava fora da cidade.


Não que ele esperasse que seu irmão viesse a todos os seus jogos. Como jogador de beisebol, ele jogou muitos malditos jogos e Grant teve uma vida. Ainda assim, ele se perguntou como seria ter um. . . alguém. Alguém que ele sabia que estaria lá, quando saísse daquela porta, depois de cada jogo em casa. "Tucker" Ele se virou ao ouvir o som de seu nome, sorrindo ao ver sua agente, Victoria Baldwin. Ela estava com Elizabeth Riley, que também era agente esportiva, além de ser casada com o primeiro base do Rivers, Gavin Riley. Ele foi até elas. “Ei, Victoria. Eu não sabia que você estava no jogo hoje. Oi, Liz.” Victoria apertou a mão dele, enquanto Liz o beijou na bochecha. "Perda difícil hoje", disse Liz. “Eu sei que Gavin vai odiar isso. E Garrett também.” “Sim, Garrett não está feliz. Você está aqui para vê-lo, Victoria?” Ela assentiu. "Temos uma reunião marcada para esta tarde, embora eu tenha certeza de que ele, não deve estar disposto a conversar sobre negócios." “Ele vai ficar bem. Nós nos livramos de uma perda muito rápida e estamos ansiosos para o próximo jogo. ” Victoria colocou a mão no braço dele. “Claro que sim, porque todos vocês são superestrelas. É por isso que eu represento você.” Liz riu. “Só o melhor para nós, certo Tori?” "De fato. E falando de meus clientes, você se importa, Liz? Vou demorar alguns minutos com Tucker.” "De modo nenhum. Bom te ver.” "Você também, Liz." Liz se afastou e Victoria levou Tucker para um local tranquilo longe da multidão. "Só fazendo check-in. Sei que conversamos regularmente, mas quero ter certeza de que você está feliz aqui, desde que assinou com o Rivers, que as coisas estão indo bem." "É ótimo. Eu me acomodei, gosto da equipe e da gerência. Nada a reclamar.” Ela sorriu. "Isto é o que eu gosto de ouvir. Eu sabia que esse time seria um bom ajuste para você. ”


“Você estava certa. Eles têm grande talento e todos se dão bem. A gerência está disposta a gastar o dinheiro para conseguir os jogadores certos, e os treinadores sabem o que estão fazendo. Eu não poderia ter pedido um melhor ajuste.” Victoria assentiu. "Além disso, um dos seus irmãos mora aqui na cidade." "Bem, você não pode ter tudo." Ele deu um sorriso. Ela riu. "Você é tão mau. Tenho o Garrett agora, então tenho que correr. Se precisar de alguma coisa, me ligue, ok?” "Você entendeu. Obrigado, Victoria.” Ele a observou se afastar. Ela era inteligente, tinha estado no negócios por um longo tempo agora, e ela era um tubarão absoluto em negociações de contrato. Ele não podia pedir uma agente melhor. Ele sentou-se e observou-a pegar Garrett e ir embora com ele, então ele demorou mais um pouco. Liz estava lá para cumprimentar Gavin, jogando os braços ao redor dele e dando-lhe um longo beijo e abraço. Gavin lhe disse que Liz costumava ser sua agente, até que os dois se envolveram e acabaram se casando. Então eles tiveram que romper seu relacionamento profissional, mas com certeza parecia que eles tinham um grande relacionamento pessoal. Gavin o viu e acenou enquanto os dois se afastavam, junto com vários outros caras e suas esposas ou namoradas. Agradável. Ele balançou sua cabeça. Tucker não sabia por que estava pensando em todos os outros casais, hoje. Não ter um alguém, nunca o incomodara antes. Ele sempre passava pela multidão sem pensar duas vezes. Então, o que fez a idéia de um. . . alguém . . . disparar em sua cabeça hoje? Ele entrou no carro e ligou o motor. Era porque não tinha ouvido falar de Aubry? Por que isso o incomodava? Ele pegou o telefone. Faziam dois dias, desde que mandou uma mensagem para ela. Ele digitou o número dela, imaginando que talvez dessa vez ela atendesse. Ela não respondeu, o que significava, que provavelmente, ela estava no trabalho. Ao invés de ir para casa, ele virou o carro para a estrada na direção do hospital. Ele pararia e veria se ela estava lá. Ele tinha certeza de que ela ficaria feliz em vê-lo.


DEZOITO Já tinha sido um dia de trituração. Aubry estava chegando ao final de seu turno, e se viu olhando o relógio, contando a cada minuto. Chen tinha montado seu traseiro sobre um caso que ela trabalhou esta manhã. Uma mãe trouxera uma criança com o pulso quebrado. Não importava o que ela fizesse ou dissesse, o garoto não parava de gritar. Acontecia às vezes. A garotinha tinha quatro anos, sentia dor e estava totalmente inconsolável. E a mãe estava nervosa como o inferno, com o pulso quebrado de sua filhinha, então em vez de ser a rocha que sua filhinha precisava, a mãe só aumentou a tensão. Então Aubry, teve uma criança gritando com um pulso quebrado, junto com uma mãe extremamente chateada, e ela estava tentando colocar o braço no lugar, quando Chen tinha escolhido aquele momento para andar sobre ela. Não foi seu melhor momento. Naturalmente, o seu médico, normalmente rude e pouco acolhedor, conseguira, de alguma forma, um transplante de personalidade absoluta. Ele foi todo sorridente e doce e acalmou a mãe altamente emocional e fez a menininha parar de chorar. Como ele fez isso, ela não tinha idéia, porque metade do tempo Dr. Chen fez sua vontade de chorar. Ele estava intimidando como o inferno, mas na sala ele tinha a garotinha rindo e a mãe da garota em um estado de calma absoluta, sobre toda a provação. Aubry finalmente conseguiu colocar o braço no lugar e engessá-lo, sem que a garota gritasse o tempo todo. E depois que receberam o elenco da garota e as instruções transmitidas à mãe agora calma, Chen conversou com ela no corredor. "Você não lidou muito bem com isso." Ela ergueu o queixo. "Eu estava lidando com isso." “Não pelo que vi. Você estava tensa e nervosa. “Eu consertei ossos quebrados antes, Dr. Chen. Posso assegurar-lhe que sabia exatamente o que estava fazendo.”


“Ser médico é muito mais do que apenas o aspecto médico do atendimento ao paciente, Dra. Ross. O que você teve lá, foram duas pessoas em grave sofrimento emocional, uma delas uma criança. E enquanto o procedimento pode parecer menor para você, para elas era traumático. Sua prioridade era acalmar o paciente e a mãe. O procedimento médico poderia ter esperado, já que não era uma ameaça à vida ”. Nenhuma merda, Sherlock. Ela não precisava que ele apontasse o óbvio para ela. Mas ele estava acompanhando, e o que quer que tivesse a dizer, ela precisava ouvir. “Eu entendo, Dr. Chen. Farei melhor da próxima vez.” "Espero que você o faça." Ele se afastou, deixando-a em pé no corredor sentindo-se como um fracasso total. Ela conhecia seu trabalho e sempre pensara em si mesma completamente empática, com as necessidades de seus pacientes, especialmente crianças. Como tinha estragado tudo aquilo hoje? Voltou para a estação principal para atualizar gráficos. Era mudança de turno, então ela deu relatórios de status para os residentes que chegavam, de pacientes que ainda não haviam recebido alta. "Você tem uma visita." Ela estava escrevendo notas e olhou para Marie. "Um visitante?" "Sim. Seu cara quente de beisebol está na sala de espera.” Ela levantou uma sobrancelha. "Tucker?" "Sim. Ele está aqui há uma hora. Eu disse a ele que você estava ocupada, mas ele disse que ia esperar.” Interessante. Então ele a ignorou por vários dias, depois apareceu aqui, esperando que ela largasse tudo e o visse? Ela não estava com disposição para isso - para ele. Não depois do tipo de dia que teve. Ela deveria fazê-lo sentar lá, até que ele ficasse entediado ou cansado de esperar. Isso enviaria uma mensagem para ele, não é? "Então, você quer que eu o traga de volta?", Perguntou Marie. "Não. Vou dar um tempo, então vou cuidar disso. Obrigada, Marie.”


Ela foi até a sala de espera, que, felizmente, não estava muito cheia no momento. Procurou na sala e encontrou-o no canto, largado na cadeira, dormindo. Ela se aproximou e chutou o tênis dele. Ele abriu os olhos e sentou-se em linha reta na cadeira. "Oh, ei, Aubry." "Tucker" Ele ficou de pé, bocejou. "Eu vim para ver você." "Então eu ouvi." "Você está ocupada?" Ele estava brincando, certo? "Estou trabalhando." "Quando você sai?" "Não por um tempo." Ele enfiou a mão no bolso. “Oh. Eu pensei que talvez pudéssemos pegar algo para comer.” "Sério?" Desde que eles estavam rapidamente ganhando uma audiência de bisbilhoteiros, ela fez sinal para ele através das portas e em um corredor. "Você não me liga há dias, depois aparece aqui e espera que eu esteja disponível?" "Ei. Eu te mandei uma mensagem dois dias atrás.” "Oh, certo. Uma mensagem de texto. Às onze e meia da noite. Eu não sou uma garota, que você teve, que não tem nada melhor para fazer, do que esperar que você ligue, Tucker. Eu tenho uma vida. Uma carreira. E não, não tenho tempo para o jantar. Na verdade, não tenho tempo para você. Então você pode sair por aquela porta e ir para casa." Ela se virou e foi embora, supondo que ele fosse embora. "Ei. Funciona nos dois sentidos, você sabe.” Ele alcançou ela. Ela parou e olhou em volta, esperando que o Dr. Chen já tivesse ido embora. "Com licença?" “Estes são tempos modernos, Aubry. Você poderia ter me ligado também. E estive em Denver por três dias, para uma série de estradas.” Ela encolheu os ombros. "Por que eu ligaria para você?" "Porque você gosta de mim? Porque nos divertimos na outra noite? ” Seus lábios se curvaram.


Ela inclinou o dedo para o peito dele. "E você poderia ter feito o mesmo. Além disso, você disse que ligaria. Então eu assumi que você faria”. De jeito nenhum ela iria permitir que ele colocasse isso nela. “Eu tive treino. Estava ocupado. E eu mandei uma mensagem. Mas você não respondeu.” Esta conversa não estava indo a lugar nenhum. "Porque eu estava trabalhando." "Você poderia ter respondido no dia seguinte." Ela revirou os olhos. "Essa conversa é ridícula." "Concordo. A que horas você sai do trabalho hoje à noite?” “Estou fora em uma hora e meia. A menos que algo grande aconteça. Então eu posso ter que ficar.” "Ótimo. Volto em uma hora e meia e vamos buscar algo para comer. Então podemos conversar um pouco mais. Ou argumente mais se você quiser.” "Eu não...-" Mas ele a puxou contra ele e roçou seus lábios contra os dela. “Eu gosto de discutir com você, Aubry. Vamos fazer isso mais um pouco. Mas enquanto estamos comendo. Eu estou com fome. Te vejo em breve." Ele se virou e atravessou as portas antes que ela tivesse a chance de dizer não a ele. Maldito esse homem. Ele era enfurecedor. Pensar que ele supunha que ela sairia para jantar com ele - fazer qualquer coisa com ele, era ultrajante. Quando ele voltasse, ela diria a ele. Mas ele estava certo sobre uma coisa. Ela estava com fome também. Ela mal teve tempo de comer uma barra de cereais, hoje. Então talvez ela jantasse com ele. Ela o deixaria comprar também, só por agravá-lo. E então ela diria a ele que eles não se veriam mais. Depois do jantar.


DEZENOVE Tucker estava de volta ao hospital uma hora e meia depois, esperando na porta por Aubry. Ele foi para casa, tomou banho e trocou de roupa, então se sentiu muito mais acordado. Mais capaz de lutar com Aubry. Ela estava de mau humor. E tudo bem, talvez ela tivesse o direito de ficar brava com ele. Ele não era o melhor em comunicação. Ele obviamente deixou cair a bola, em seu acompanhamento com ela. Do ponto de vista dela, ela provavelmente pensou que ele não dava a mínima, quando o oposto era verdade. Ele faria as pazes com ela, durante o jantar. Ele disse à pessoa da mesa principal que estava lá e perguntou se ela transmitiria a informação a Aubry. Ela o fez, e voltou alguns minutos depois para lhe dizer que Aubry estaria lá em breve, então se sentou na sala de espera para assistir o que estava na TV. Uma antiga comédia de reprise. Ele poderia viver com isso. Quinze minutos depois, Aubry saiu. Ela mudou de roupa, usava um jeans e uma camisa preta de mangas compridas. Seu cabelo era macio e sedoso, fazendo-o coçar para passar as mãos por ele. Ela até colocou maquiagem e brilho labial, o que imediatamente o fez pensar em beijá-la. Ela podia estar brava com ele, mas o fato de ter tido tempo para parecer tão bem, significava algo para ele. Ele se levantou e foi até ela. "Você está maravilhosa." "Obrigada. Um paciente vomitou em mim. Eu precisava tomar um banho.” Ele riu. “Você ainda parece incrível. Me desculpe pelo vômito”. "Por quê? Não foi você que fez isso”. Ele balançou a cabeça e pegou o braço dela. "Espero que isso não tenha arruinado seu apetite." "De modo nenhum. Estou faminta." "Eu também. Vamos. Podemos apenas pegar meu carro? Eu vou te trazer de volta aqui depois.” Ela fez uma pausa. “Isso não parece fazer sentido do ponto de vista logístico. Onde estamos indo?"


"Não longe." Ela considerou por alguns segundos, depois assentiu. "OK." Ela entrou no carro dele. Ele virou para encará-la. “Primeiro, sinto muito. Você estava certa. Era para eu ligar e larguei a bola. E isso me faz um idiota. Eu não sou esse tipo de cara. Quando eu digo que vou fazer, eu faço. Me desculpe por isso." Ele observou a expressão dela. Estava apertada quando eles saíram para o carro. Agora, seus ombros caíram e ela exalou. "Bem. Droga, Tucker. Eu estava pronta para discutir com você. Eu também estava com uma boa raiva.” “Uh, desculpe de novo? Você é bem-vinda para ficar brava. Não me importo de um bom argumento.” Ela riu. “Não, realmente, tudo bem. Apologia - os dois - aceitou. Agora, onde vamos comer? "Como você se sente sobre o italiano?" “Eu me sinto muito bem com isso. Agora eu comeria fast food, estou com tanta fome.” Ele franziu o nariz. “Eu como muito disso. E não, obrigado. Estamos comendo boa comida hoje à noite.” Ele os levou até Il Bel Lago, um restaurante sobre o qual ele tinha ouvido falar, mas ainda não tinha comido. Ele desligou o motor. "Eu ouvi que a comida aqui é muito boa." "Parece ótimo para mim." Eles entraram e Tucker deu seu nome para a anfitriã, que lhe disse que levaria alguns minutos. "Vamos esperar no bar", disse ele. O bar era escuro e moderno. Eles se sentaram em uma das mesas, e uma garçonete veio buscar suas ordens de bebida. "Eu vou ter Chianti", disse Aubry. "Cerveja para mim", disse Tucker, em seguida, olhou para Aubry. "Como foi o seu dia?" "Intenso. Rude. E o seu?" “Tivemos um jogo á tarde. Nós perdemos." "Eu sinto Muito. Você jogou?” Ele balançou sua cabeça. "Não. Garrett Scott fez. Mas ainda é difícil perder um jogo. Ainda mais difícil quando não sou eu, quem está no controle.” "Você gosta de estar no controle."


Seus lábios se curvaram. "Eu lançaria todos os jogos se eles me deixassem." Sua garçonete trouxe suas bebidas. "Obrigado", disse Tucker para a garçonete. "Seja bem-vindo. Sinto muito pela perda hoje.” Obviamente ela o reconheceu. "Obrigado. Nós vamos pegá-los da próxima vez.” Depois que a garçonete se afastou, Aubry tomou um gole de vinho e disse: "Isso deve acontecer muito". "O que?" “Pessoas reconhecendo você. Conversando com você sobre beisebol.” Ele encolheu os ombros. "Não com a frequência que você imagina." "Eu não sei." Ela se recostou na cadeira, segurando sua taça de vinho, entre as duas mãos. "St. Louis é uma grande cidade de beisebol. Eles conhecem seus jogadores. ” "E aqui eu pensei que você não se importava com beisebol." “Oh, eu não sei. Na verdade, prefiro futebol.” Ele franziu a testa. "Você está brincando certo?" "Eu não estou." Ele balançou sua cabeça. "Ótimo. Ótimo.” "O que há de errado com o futebol?" "Oh nada. Além do fato de que os Cassidys são bem conhecidos por serem uma dinastia do futebol.” “Isso

é

certo?”

Então

seus

olhos

se

arregalaram

e

ela

se

inclinou

para

frente. "Espere. Espere. Lembro-me de encontrar Grant e Barrett quando eles trouxeram você para o pronto-socorro, mas por alguma razão eu não os reconheci na época. Grant é o quarterback dos Traders, certo?” "Sim." "Uau. Eu não sei porque não fiz essa conexão. Que fascinante. E Barrett joga futebol também?” “Oh, é pior que isso. Barrett é na verdade meu irmão gêmeo. Ele joga para o Tampa Bay Hawks. E eu tenho outro irmão, Flynn, que joga no San Francisco Sabres. Meu pai é Easton Cassidy, ex-zagueiro de Green Bay e agora um membro do Hall of Fame.” Ela riu. "Você tem que estar brincando comigo. Você tem uma grande família de futebol.”


"Conte-me sobre isso." "Então, por que você é o único que joga beisebol?" Não foi a primeira vez que ele ouviu essa pergunta. "Porque eu gosto de beisebol." "Você nunca quis jogar futebol como o resto da sua família?" "Não." "Então você não está jogando beisebol porque você não pode cortar no futebol ou algo assim?" Não foi a primeira vez que ele ouviu essa pergunta também. "Oh não. Eu joguei ambos, quando era criança e decidi que gostava mais de beisebol. Você poderia perguntar ao seu pai ou ao treinador do Rivers. Eu sou um bom arremessador.” Ela colocou o copo na mesa e levantou as mãos no ar. "Eu acredito em você. E obviamente você está com o rios agora porque você é bom. O gerente geral e meu pai não colocam as pessoas na equipe se elas não são boas no que fazem. Eu só acho curioso que, dessa dinastia familiar de jogadores de futebol, você seja o único que escolheu o beisebol ”. "Você não é a primeira pessoa que acha, que foi porque eu não poderia cortar isso, como um jogador de futebol." A anfitriã veio e os dirigiu para a mesa deles. O restaurante era separado do bar, e a decoração também era diferente. Bem iluminado, ainda mais íntimo, não tão alto quanto o bar. Eles estavam acomodados em um reservado aconchegante no canto, proporcionando-lhes alguma privacidade. "Aproveite a sua refeição, Sr. Cassidy", disse a anfitriã com um sorriso brilhante. "Obrigado." Tucker abriu o cardápio, estudou por um minuto enquanto fazia sua seleção, depois fechou. O garçom se aproximou, apresentou-se e contou-lhes sobre os especiais, depois perguntou se queriam mais bebida. Tucker olhou para Aubry. "Eu vou ter outro Chianti." "Outra cerveja para mim." Eles pediram aperitivos e suas refeições enquanto o garçom estava lá. Ele saiu para pegar suas bebidas. "Agora é a minha vez de pedir desculpas", disse Aubry. "Para quê?"


“Por te incomodar com o futebol. Eu estava apenas brincando com você. Não sobre eu gostar de futebol, mas sobre por que você escolheu o beisebol. ” Ele encolheu os ombros. "Estou acostumado com isso. Eu levei uma merda toda a minha vida por manchar o nome de Cassidy se tornando um arremessador de beisebol, em vez de jogar futebol. "Você não ... Mesmo? Espero que não pela sua família.” “Não. Meus irmãos me dão muita dificuldade, mas é para isso que servem os irmãos. Meus pais sempre foram solidários. Meu pai me disse para fazer o que me faz feliz.” “Estou tão feliz em ouvir isso. Desde que as pessoas de quem você gosta apóiem, são elas que importam. Todos os outros podem ir se foder.” Ele riu. "Obrigado. Isso é o que eu sempre pensei.” “Olha, eu sei exatamente de onde você está vindo. Minha escolha de entrar em medicina, foi uma surpresa para muitas pessoas. Minha mãe trabalha em finanças e ajuda a administrar o império de Ross com o pai. Seu amor pelo esporte é lendário. Sempre foi assumido que eu, como filha única, passaria para o negócio da família e trabalharia no escritório da Ross Enterprises. Mas eu me destacava em matemática e ciências e desde jovem sabia que queria ser médica. ” O garçom trouxe o aperitivo, juntamente com o pão, e Tucker e Aubry pegaram. "Seus pais encorajaram você nesse caminho?" Ela assentiu enquanto despejava azeite e vinagre em um prato, e então selecionou uma fatia de pão para mergulhar. "Absolutamente. Embora meu tio - não o que estávamos caçando naquela noite, que eu te conheci, a propósito. O tio Davis é o irmão da minha mãe. Este é meu outro tio, irmão do meu pai. De qualquer forma, um pouco fora do assunto. Meu tio Oliver, achou que era horrível eu nem pensar em seguir os passos do meu pai. Como sou a única herdeira, disse ele, era minha responsabilidade continuar o legado de Ross. Meu tio nunca se casou ou teve filhos, então ele me disse que a continuação da nossa dinastia ia para mim.” “Ouch. Isso é um fardo muito pesado para colocar nos ombros de alguém.” "Sim." “É bom que seus pais a encorajem a fazer o que você deveria fazer, mesmo que isso signifique se desviar do caminho da família.”


"Sim. E eu os amo por isso. Se até mesmo uma vez eles me pedissem para obter meu diploma em negócios ou finanças, para poder continuar com o nome da família na Ross Enterprises, eu teria feito isso. ” "Mesmo?" "Claro. Eles significam tudo para mim. Eu faria o que fosse necessário para fazê-los felizes, especialmente se o nome e o negócio da família fossem vitais para eles. Felizmente, nunca chegou a esse ponto. Papai está tão orgulhoso que estou me tornando médica...” "Isso é ótimo." "Eu suponho que seu pai é da mesma maneira." "Sim. Ele não se importaria se algum de nós meninos, não tivessemos praticado esportes, desde que fizessemos algo produtivo em nossas vidas, e ficasseemos felizes por fazer isso ”. Ela espetou um pouco do ravioli torrado e colocou na boca. “Mmm. Isso é bom. Dê uma mordida." Ela colocou outro ravioli no garfo, acenando na frente dele. Ele agarrou o pulso dela, depois enfiou o garfo na boca, mastigou e engoliu em seco. "Você está certa. É bom." Aubry não queria nem mesmo ir jantar com Tucker, muito menos se encontrar relaxando e tendo uma conversa tão intensa sobre as famílias com ele. Talvez fossem os dois copos de vinho, mas ela se sentia calma e decidida. Ou talvez fosse porque ele sinceramente se desculpou imediatamente, e então ele começou a encantá-la com sua honestidade e sua franqueza sobre sua vida e sua família. Ela tinha saído em encontros antes com homens, que não tinham feito nada além de arranhar a superfície. Ela já sabia mais sobre Tucker, no curto período de tempo que o conhecia, do que sabia sobre muitos caras que namorou por meses.” “Quando é o seu próximo jogo?” Ela perguntou. “Temos mais cinco jogos em casa, então uma folga decente. Então depois estaremos na estrada para Chicago. "Como você se sente sobre toda a viagem?" "É parte do trabalho." Ele pegou outro ravioli, só que desta vez ele deu para ela. Ela sorriu quando ele deslizou o garfo entre seus lábios. A ação era tão íntima, ela sentiu o puxão em sua barriga inferior, especialmente quando seus olhares se encontraram e seguraram. Uma colisão


de sensações, entre a comida deliciosa, o bom burburinho do vinho e o homem que a confundia e definitivamente a atraia. O garçom trouxe o jantar. Ela já estava cheia, mas os aromas tentadores renovaram seu apetite. Ela tinha o frango com champanhe, enquanto Tucker tinha a vitela. Eles trocaram bocados de comida um do outro. Foi delicioso, um deleite decadente para seus sentidos. "Conte-me sobre o seu dia ruim", disse Tucker quando eles estavam terminando. "Nós conversamos bastante sobre mim." “Não foi tão ruim assim, de verdade. Meu médico-chefe foi um pouco duro comigo, por não ser sensível às necessidades do paciente. ” Ele nivelou seu olhar no dela. "O que aconteceu?" Ela encontrou-se contando em detalhes sobre a criança e sua mãe. Ela explicou como a situação tinha sido tensa, como Chen havia suavizado as coisas e como fora de seu elemento ela aparecera para seu chefe. Ele assentiu. “Situação difícil. Tenho certeza de que você estava lidando muito bem, mas é difícil com crianças pequenas, sabe? Mesmo nos melhores momentos, elas podem ser um punhado. E porque a garota já estava chateada, provavelmente não havia nada que você pudesse ter feito para acalmá-la. Seu chefe foi apenas a segunda pessoa sortuda a entrar e melhorar as coisas. ” Ela cruzou os braços e recostou-se na cadeira. "Mesmo. E o que faz de você o especialista em crianças?” “Confie em mim, eu não sou especialista. Mas eu tenho irmãos. Além de três irmãos, também tenho uma irmãzinha. Quando minha irmã, Mia, era mais nova, ela gritava como uma coisa e um de nós ou papai tentava consolá-la, e nada ajudava. Então mamãe entrava, sussurrava algumas palavras suaves, e esse seria o fim de seu discurso. “Oh, bem, esse é o efeito da mãe. Todas as mães têm essa influência calmante ”. Ele riu. “Você pensaria que não, mas isso nem sempre funcionava em Mia. Porque na próxima vez, seria a mamãe tentando acalmá-la, e papai seria o único a entrar no quarto, dizendo alguns “aww, pobre bebê para ela, e poof. Lágrimas se foram.” "Hmm. Então, talvez haja algum ponto para o que você está dizendo.” “Estou te dizendo, é como mágica. É como se a primeira pessoa na cena fosse invisível. E a segunda pessoa tem aquela voz especial que faz o truque. Eu não sei o que é, mas parece


funcionar. Aconteceu comigo e com alguns dos meus irmãos. Barrett e eu brigavamos o tempo todo. Uma vez ele estava irritando a merda de mim e eu tive o suficiente, então eu o puxei e lhe dei um soco no rosto. Ele caiu duro e começou a chorar como um bebê. Grant estava por perto, então ele entrou e pegou uma toalha para o nariz sangrento de Barrett e tentou fazê-lo parar de chorar. "Deixe-me adivinhar", disse Aubry. "Ele não iria parar, certo?" "Você entendeu. E então Flynn, que é o mais velho, chegou - e você tem que entender, Flynn é um filho da puta duro. Mas aqui esta criança de doze anos de idade, ajoelhado sobre Barrett, estava sendo reconfortante e dizendo a ele que tudo ia ficar bem, que é basicamente o que Grant acabara de dizer a ele, mas Barrett parou de chorar. ” Aubry sacudiu a cabeça. “Vou fazer questão de ser a segunda pessoa na sala de exames a partir de agora, sempre que tiver uma criança como paciente. Vou mandar a enfermeira primeiro. Ela pode lidar com todo o choro e então eu serei a salvadora.” Ele riu. "É um bom plano." “Além disso, você é um grande valentão. Socando seu irmão assim.” "Ei. Você tem idéia de quantas vezes Barrett bateu na minha bunda? Ele tinha vindo.” "Se você diz. Sua pobre mãe. Ela provavelmente estava terminando brigas entre vocês o tempo todo, não é?” “Ela fez sua parte e não fez a coisa da pobre mãe. Ela nos gerenciou muito bem.” “Então pobre - qual é o nome da sua irmã de novo? Mia?” "Sim. E não faça a pobre coisa de Mia também. Sendo a mais nova com quatro irmãos mais velhos, ela era uma mestre manipuladora. Ela tinha todos nós em volta do seu dedo mindinho.” Aubry riu. "Está bem então. Eu me sinto melhor com sua irmãzinha.” Eles tomaram café depois do jantar, mas os dois passaram a sobremesa. "Quando você tem folga?", Ele perguntou. “Elas variam. Eu trabalho em alguns finais de semana e às vezes tenho folga durante a semana. ” "Eu também. Bem, exceto pelo fato de eu nunca ter fins de semana livres. Não durante a temporada, de qualquer maneira.” "Isso deve ser uma droga para você."


"Estou acostumado com isso. É apenas parte do trabalho. ” Ele terminou seu café, depois colocou a xícara para o lado. "Você deveria vir a um jogo." “Eu vi muitos jogos. Eu não sou realmente tão interessada.” “Mas você não me viu lançar. Eu estou bem." "Você quer dizer, que você é bom, quando alguém não está chutando você nas bolas, ou pisando em sua perna, ou quando você não está caindo sobre uma pilha de pedras?" "Ei. Você não me viu exatamente no meu melhor. No monte, quando eu estou jogando a bola? Isso é o meu melhor.” "Humilde, não é?" “Os atletas têm que pensar que são os melhores no que fazem. Caso contrário, qual é o sentido de jogar?” "Eu suponho." Ela tomou um gole de café, imaginando o que era sobre ele que a intrigou tanto, que estava realmente entretendo a idéia de participar de um jogo de beisebol. Seus pais a tinham arrastado para tantos jogos de beisebol, que agora ela só fazia isso com a maior quantidade de relutância, e apenas quando seu pai insistia. "Você não acha que é uma ótima médica?" "Tenho dias bons e dias ruins, mas ainda não cheguei à fase complexa de Deus da minha carreira médica". Ele riu. "Entendo. Em que ponto isso ocorre?” “Espero que nunca. Já existem muitos desses tipos de médicos por aí - principalmente os cirurgiões. E como não sou cirurgiã, não me vejo pensando em mim mesma como divina.” "Bom saber. Mas apenas para sua informação? Você é uma boa médica, Aubry. E falo por experiência, como um dos seus pacientes.” Ela olhou para a xícara, depois para ele, sem saber como reagir ao elogio dele. Não era algo que ela ouvia com frequência, já que ouvia críticas principalmente, e desde que ela via seus pacientes por um breve período de tempo, e tipicamente apenas uma vez. Não era como se a maioria deles fossem clientes repetidos, que ofereciam feedback sobre serviços prestados. "Obrigada. Estou feliz que você pense assim.” "Eu acho que seu chefe, ou médico-chefe ou qualquer outra coisa, deveria dizer isso com mais frequência."


“Não é seu trabalho nos dizer onde estamos indo bem. É seu trabalho nos dizer onde estamos aquém do esperado. Para nos fazer melhor.” "Eu acho. Eu não sei. Parece-me que ele deveria dar-lhe as partes boas, bem como as não tão boas.” Ela balançou a cabeça. “Não funciona assim. A sala de emergência é um ambiente acelerado, sem muito tempo para 'elogiar garotas’. Se estivermos errando em algum lugar, só há tempo para apontar isso, então sabemos o que não fazer no futuro. Se estamos fazendo algo certo, não vamos ouvir sobre isso.” “No beisebol, é diferente. Se eu estou trabalhando com o meu treinador de arremesso e um campo está funcionando particularmente bem, ele vai me dizer, para que eu possa trabalhar para replicá-lo. E claro, ele me avisará se meus mecanismos estão desligados, para que eu possa corrigi-los. Mas ainda consigo ouvir o que é bom e o que é ruim ”. “Estamos em campos completamente diferentes, Tucker. Você não pode comparar os dois. Você está constantemente trabalhando em seu ofício, tentando aperfeiçoá-lo, até mesmo as partes que estão funcionando bem. Suas avaliações serão completamente diferentes das minhas.” Ele alcançou a mesa e segurou a mão dela. "Você não está fazendo a mesma coisa?" Ela olhou para baixo, onde sua mão muito maior cobria a dela. Ela nunca tinha pensado sobre todas as coisas, que ela tinha feito certo, durante seu tempo na escola de medicina, através de seu estágio e seus anos de residência. Ela concentrou seus esforços, tentando consertar todas as coisas, que tinha feito de errado. Era um processo de aprendizado constante. Mas Tucker estava certo - ela fez coisas boas e aprendeu muito. Muitas vezes ela esqueceu de dar um tempo, para se dar tapinhas nas costas, por todas aquelas coisas boas. "Obrigada, Tucker." "Para quê?" "Por me lembrar que sou boa no que faço." Ele sorriu. "Seja bem-vinda. Tente lembrar-se todos os dias.” "Eu vou." Ele pagou a conta e eles saíram em direção ao seu carro. Ele a levou de volta ao hospital, parando na frente. “Onde você está estacionado? Vou levá-la ao seu carro.”


“Aqui está bem. Estou no estacionamento dos médicos e você precisa de um código de acesso para entrar lá.” Ele se virou em seu assento para encará-la. “Você gostaria de vir ao meu lugar? Eu realmente gostei de passar um tempo com você esta noite, Aubry. Eu não quero que isso acabe ainda.” Seu estômago fez uma queda. Ela começou a noite tão zangada com ele, por não ligar para ela. Mas no jantar, eles tiveram uma conversa tão profunda. Ela aprendeu muito sobre ele. Se nada mais, ela queria continuar a aprender mais, falar mais com ele. "Gostaria disso. Espere aqui por mim e eu te encontro.” Ela saiu do carro e apressou seu caminho para os elevadores. "Dra. Ross?” Ela parou e se virou quando um dos médicos, com o qual ela ocasionalmente trabalhava, no turno da noite chamava seu nome. "Sim, Dr. Landing." "Temos um acidente com vários veículos chegando. Poderíamos usar todas as mãos que pudermos obter." "Eu estou . . . fora de serviço.” “Agora não você não está. Estamos com falta de recursos e precisamos de ajuda. ” Ela suspirou. Como residente, ela tinha que fazer o que lhe foi dito e, como médica, era seu dever ajudar os doentes e feridos. Felizmente, ela bebera aquela última taça de vinho há mais de uma hora e desfrutara de algumas xícaras de café desde então. "Claro. Eu vou me trocar e estar bem aí.” Ela se dirigiu pelo corredor, pegando seu telefone do bolso. Ela digitou o número de Tucker. Ele respondeu imediatamente. "Você se perdeu no caminho para o carro?" "Pior. Há um acidente com vários veículos a caminho. Um de meus chefes, acabou de me parar e me pediu para ajudar. ” “Vá fazer o seu trabalho, Aubry. Eu te ligo amanhã.” Ela gostou que ele entendesse. "Ok, obrigada, Tucker." Ela desligou, guardou o celular na bolsa e apressou-se a entrar no vestiário para trocar de roupa.


VINTE Fiel á sua palavra, e, como ele percebeu que nem sempre seguia em frente, Tucker contatou Aubry na tarde seguinte. Ele imaginou que depois de dedicar um tempo extra ao hospital, ela poderia estar exausta e precisar de um pouco de sono, então mandou uma mensagem para ela e disse para avisá-lo quando ela estivesse acordada. Ela mandou uma mensagem para ele, assim que chegou ao estádio para aquecimentos. Vi o seu texto. Desculpa. Saí tarde da noite, que foi mais do que o esperado. Como está a sua noite? Ele sorriu e enviou-lhe um texto de retorno. Apenas cheguei ao estádio. Tenho um jogo hoje á noite. Estou lançando. Quer vir? Levou alguns minutos para responder: Claro . Ele riu, porque sabia que ela obviamente não queria vir. Ela provavelmente estava cansada. Mas ele pegaria o que pudesse conseguir. Então mandou uma mensagem de volta. Ótimo. Suponho que você vai se sentar no camarote do dono com o seu pai. Vejo você depois do jogo. Vários minutos depois, ela respondeu. Boa sorte, Tucker. Ele sorriu e foi para o vestiário. Era hora de entrar no modo de jogo e limpar sua mente de todo o resto. Este era um jogo importante. Depois da derrota de ontem em casa, eles precisavam vencer esta noite. E cabia a ele, lançar bem.


VINTE E UM AUBRY CHEGOU À BALLPARK RIGHT ANTES DO

jogo começar. Não tinha ideia do que estava fazendo lá. Ela

acabou trabalhando até as dez da manhã. O Dr. Chen finalmente deu um tempo e disse para ela tirar o resto do dia, já que, além do jantar com Tucker na noite passada, ela basicamente estava trabalhando sem parar. O acidente com vários veículos foi brutal. Eles perderam uma das vítimas, incapazes de ressuscitá-lo. Ele havia codificado duas vezes na ambulância pelo caminho, e a equipe trabalhara nele por quarenta minutos até que o atendente finalmente, relutantemente, o perdeu. Sempre foi difícil perder um paciente, mas seus ferimentos foram muito graves para que pudessem salvá-lo. Então eles se concentraram em cuidar de todos os outros, incluindo a esposa do homem e dois filhos que também tinham sido feridos, embora nada ameaçador. Obrigado Senhor. Eles se recuperariam. Mas uma mulher perdera o marido e essas crianças haviam perdido o pai. O médico-chefe foi quem disse à mulher que o marido não tinha conseguido. Algum dia esse seria seu trabalho. Ela não estava ansiosa por isso. Ela estava no negócio de salvar vidas, não perdê-las. Tinha sido uma noite difícil e ela foi para casa, caiu na cama e imediatamente desmaiou até que acordou por volta das cinco da tarde, tonta e grogue. Seis horas era muito sono para ela. Ela foi direto para a cafeteira, comeu uma tigela de aveia e depois tomou um banho, e ambos ajudaram muito. Então ela passou pelo telefone e viu o texto de Tucker. E quando ele perguntou se ela iria ao jogo, a parte lógica de seu cérebro lhe dissera para dizer não. Mas ela sentiu a ansiedade em seu pedido, então aqui estava ela, no camarote do dono, sorrindo enquanto cumprimentava seu pai. Ele a abraçou e a beijou na bochecha. “Isso é uma surpresa. Você quase nunca vem mais aos jogos. Você está sempre trabalhando.” “Eu fiz um turno duplo na noite passada, então tirei uma boa soneca. Eu pensei em aparecer.”


"Estou feliz que você esteja aqui." Ele colocou o braço em volta dela. "É uma boa série para assistir." Ele a levou até o bar, onde ela pediu ao barman um Bloody Mary. Depois sentou-se em uma das mesas da frente com o pai, um local com uma ótima visão da ação em campo. "Diga-me como está o trabalho", disse ele. "Ocupado. Intenso. Brutal às vezes. Tive uma noite difícil na noite passada. ” Ela contou a ele sobre seu turno duplo. Ele alisou a mão sobre o cabelo dela. “O que você faz não é para todos. É preciso alguém com muito coração - e coragem - para lidar com isso. Você é dura, Aubry. Muito mais difícil que a maioria das pessoas. É por isso que no começo, eu pensei que você poderia lidar com esse negócio. Mas quando você gravitou em direção à medicina, eu sabia que você poderia fazer isso também. "Obrigada, papai." Às vezes, tudo o que ela precisava, eram conversas estimulantes com o pai. Ele era bom em ser franco com ela. Na faculdade, quando ela ficava impressionada com a carga de trabalho e a pressão, ele a lembrava de que ela era inteligente e que ela podia lidar com qualquer coisa. Ele também disse a ela que os Rosses não eram rabugentos, e ela precisava enfrentar o desafio. Ele não era o único a mimar sua única filha. Então, enquanto sua mãe sempre lhe dava um ombro para se apoiar, seu pai lhe dera um amor duro. Às vezes ela precisava dos dois. Ele sentou-se e estudou-a. "Você tem círculos escuros sob seus olhos." Então, novamente, ele nem sempre foi elogioso quando ela mais precisava. “Como eu disse - fiz o turno duplo ontem. Esses são os piores.” "Mas você ama isso." Como se ela precisasse ser convincente. Ela riu. "Sim. Eu amo isso. É tudo que imaginei que seria.” Ele sorriu e apertou a mão dela. “Você pode lidar com isso, Aubry. Não importa o que eles joguem em você, mesmo quando é horrível, você vai lidar com isso.” Ela sempre amou a confiança do pai nela. "Sim pai. Eu dou conta disso. Onde está mamãe hoje à noite?” “É a noite dela com as senhoras do country club. Elas estão indo para um dos cassinos.” “Uh-oh. Gastar mais da minha herança, hein?” - ela perguntou com uma piscadela.


"Sim. Eu acho que você vai ter que fazer o seu próprio caminho na vida, garota. ” Ela colocou as costas da mão contra a testa. "Oh, ai de mim." Ele sorriu e colocou o braço em volta dela. "Vamos. Vamos comer um pouco antes do jogo começar. Você pode me contar mais histórias de horror sobre o trabalho.” A última coisa que ela queria fazer era falar sobre o trabalho, então ela envolveu o pai em discussões sobre a equipe, assim como a Ross Enterprises. Ela estava envolvida na empresa desde que tinha idade suficiente para entender o funcionamento rudimentar, do que seus pais faziam para ganhar a vida. E embora ela sempre achasse fascinante - especialmente o ângulo do esporte - nunca deixara seu amor pela medicina. Ela ainda podia apreciar a paixão do pai pelo jogo, algo que ele tinha instilado nela desde cedo. Ela estava brincando com Tucker quando disse a ele que preferia futebol, apesar de ser um esporte que ela também gostava. "A equipe parece sólida este ano", disse ela ao pai enquanto assistiam aos pré-jogos de aquecimento. "Eles fazem. Eles mal perderam os playoffs no ano passado. Tenho grandes esperanças para eles nesta temporada. ” “Você encheu a equipe com talento, pai. Jogadas quentes e arremessos estelares.” Seu pai sorriu. "E aqui eu pensei, que você estava muito ocupada com sua carreira, para prestar atenção à equipe." “Oh, eu presto atenção. Você fez algumas boas adições nos últimos dois anos. Eu sei exatamente quem joga pelo time. Eu posso não ter tempo para ir a todos os jogos, mas eu alcanço as pontuações e atualizações. ” "Fico feliz em ouvir isso. Espere até você ver Tucker Cassidy no campo, hoje à noite. Ele é um fenómeno real com uma curva ruim.” À menção do nome de Tucker, o estômago dela fez uma ligeira queda. "Isso esta certo?" "Sim. Melhor aquisição que fizemos em anos.” "Eu não posso esperar para vê-lo." Ela não diria ao pai o quão bem, ela conhecia Tucker. Havia algumas coisas que uma filha não discutia com o pai. Além disso, sabendo como seu pai se sentia sobre seu namoro - alguém - ela não achava que ele apreciaria saber que ela estava vendo Tucker.


Ela não podia nem imaginar essa conversa. Não que ela tenha pretendido tê-la com ele. Ela sempre manteve seu pai no escuro sobre sua vida amorosa. Ele preferiu pensar nela como estudiosa e dedicada à sua carreira. Ela manteria assim por agora. Algum dia, talvez quando ela ficasse noiva, ela mencionaria que havia um homem em sua vida. Ou talvez depois que ela se casasse. Ou, possivelmente, quando ela colocasse um neto nos braços do pai. Então não haveria volta, e ele poderia se distrair com um bebê chorando e não notaria o cara parado ao lado dela. Seus lábios se encheram do pensamento. Sim, isso era um longo caminho pela estrada. Ela se concentrou em Tucker enquanto ele aquecia seu braço, lançava alguns passos, lentos no início, depois com mais velocidade à medida que seus lançamentos aumentavam. Ele parecia muito bem em uniforme também. Mesmo de dentro do camarote, ela podia apreciar o ajuste apertado das calças em suas coxas e bumbum, especialmente quando ele se afastou dela. Havia algo tão impressionante em Tucker no uniforme, o modo como ele assumia o comando do monte, como se fosse o dono. Ele jogou a bola com autoridade. Ele tinha uma presença definida. Ela ficou impressionada. Seu pai estava certo. Ele parecia bem, pelo menos durante os aquecimentos. O verdadeiro teste seria quando ele enfrentasse os batedores. Quando o jogo começou, ela se inclinou para frente, feliz por estar ali. Não só precisava ocupar sua mente com algo além da ansiedade e tristeza de seu trabalho na noite anterior; ela também estava interessada em assistir Tucker no campo. Ou talvez apenas assistindo Tucker, ponto final. Ela estava acostumada a vê-lo em roupas de rua, como apenas um cara normal. Lá, no monte, ele comandava a atenção, todos se concentraram nele enquanto estudava o primeiro batedor que viria a pista. Tucker segurou a bola, a mão atrás das costas quando recebeu o sinal de Sanchez, o receptor. Ele assentiu, depois se virou para o lado, terminando no campo. Sua forma foi quase perfeita quando jogou a bola, que pousou no ponto ideal sobre a pista. O árbitro deu um strike e a multidão aplaudiu. Ela olhou para o pai. “Boa bola curva.” Seu pai assentiu. "De fato. Eu nunca vi nada como isso.”


Ele jogou outro arremesso, muito semelhante ao primeiro. Atingiu a zona de ataque e o batedor nem sequer balançou. "Ele tem ótimas mãos", disse o pai. "Grande controle de suas bolas." Aubry piscou e sentiu seu rosto ficar quente. É claro que o pai dela estava discutindo os passos de Tucker. Mas vamos lá. Grandes mãos? Controle de suas bolas? Isso fez com que sua mente se afastasse, em direções que não tinham nada a ver com as ações de Tucker no monte, e tudo a ver com o que ele poderia fazer com suas mãos e suas bolas no quarto. Você não é uma menina de doze anos de idade, Aubry. Pegue sua merda junta. Ainda assim, Tucker parecia tão quente naquele montículo, e ela não podia evitar as ondas de calor. Era simplesmente embaraçoso tê-las ao redor de seu pai. Ela gostava da postura de Tucker, e ele era tão sexy, do jeito que ele estudava os batedores, seu olhar tão intenso através de seus óculos escuros. Ela não tinha certeza se já o vira tão bem. Claro, também podia ser que ela o tivesse visto nu, então ela conhecia a perfeição debaixo daquele uniforme. Não que ela estivesse fantasiando sobre ele, de qualquer maneira. Exceto em todos os sentidos possíveis. Hora de parar de pensar em Tucker e sexo e focar no beisebol. Quando ele soltou a massa, ela se levantou e bateu com todos os outros, no banco do camarote, efetivamente tirando-a de suas fantasias e de volta ao jogo. Agora ela se fez zero em seus pensamentos. A próxima bola foi um strike - novamente. Tão impressionante. Era a maneira como ele jogou a bola que a hipnotizou, a mecânica de tudo, a maneira como a bola parecia tão alta, e depois inesperadamente caiu assim que alcançou a pista. Vários dos batedores balançaram e erraram, ou aterraram. Ele desistiu de um single no segundo inning, mas não correu. Nos primeiros três innings, ninguém na equipe adversária marcou. Impressionante. Durante todo o jogo, Tucker misturou seus arremessos, dos quais ele tinha vários, mas sua curva era uma coisa linda. No topo do oitavo inning, os Rivers subiram por uma corrida. Definitivamente tinha sido uma batalha de arremessador, o que tornava divertido assistir, mas também estressante.


Aubry se viu inclinada para frente, ofegante, toda vez que Tucker jogava um arremesso, esperando que ele caísse no lugar certo. E, felizmente, na maioria das vezes isso aconteceu. Quando alguém é atingido, ele não avança além da primeira base. Ele estava bem esta noite, e assim tambem a defesa da equipe. Ataque necessário para chegar a ele para que todos pudessem respirar um pouco mais fácil, o que não havia acontecido ainda. Até Gavin Riley acertou um tiro no campo direito para um duplo, e então Trevor Scott dobrou para casa, dando-lhes uma puta de uma corrida indo para o topo do nono. Tucker não armou o nono. Eles trouxeram seu ás mais perto, que jogou bolas rápidas. Foi um inning rápido de três e os Rivers venceram o jogo. Aubry levantou e abraçou seu pai. "Que ótimo jogo." "Estou feliz que você veio. Você nos trouxe sorte. Ela riu. "Baseado no que eu vi hoje à noite, papai, a sorte não teve nada a ver com isso." "Você gostaria de parar na casa?", Perguntou o pai. “Não, eu realmente preciso ir para casa. Mas eu vou na minha próxima noite de folga. Diga oi para a mamãe por mim.” "Ela vai se arrepender por não ter estado aqui esta noite." Ela abraçou e beijou o pai, depois saiu. Quando chegou ao carro, enviou uma mensagem de texto para Tucker. Ótimo jogo. Você jogou bem. Eu gostei de te ver. Me ligue mais tarde. Quando ela entrou pela porta da frente, o telefone tocou. "Eu pensei que talvez você esperaria por mim", disse Tucker. Ela riu. "Acho que não." “Não quer que todos da equipe saibam que você e eu estamos nos vendo?” "Absolutamente não." "Então, eu sou seu amante secreto, hein?" Seus lábios se curvaram com esse pensamento. "Para agora? Sim." "Eu posso viver com isso. Você está em casa?" “Acabei de chegar aqui. E quanto a você?" "Terminaram as entrevistas, mas ainda estou no estádio." Ela sabia melhor do que fazer isso, mas queria companhia. “Você poderia vir, se quiser. Eu sei que você provavelmente está com fome. Eu poderia fazer alguma coisa.”


“Você não precisa fazer isso. Você trabalha amanhã?" "Sim." “Eu não quero te deixar acordada até tarde. Eu posso pegar algo no caminho, assim você não precisa cozinhar. Está com fome?" "Não. A suíte tinha muita comida.” "Então eu vou pegar um hambúrguer rápido, e eu vou te ver em breve." "OK." Ela desligou, foi ao banheiro para escovar os dentes e o cabelo, depois se olhou no espelho. Ela ainda usava jeans, blusa e botas e pensava em trocar de roupa. Mudando em que, exatamente? Ela refletiu sobre o pensamento por alguns minutos, imaginou por que ela estava fazendo uma grande coisa sobre isso, então decidiu se transformar em um par confortável de calça e um Henley de manga comprida. Muito melhor e menos restritivo. Ela percebeu que já tinha pensamentos sobre as mãos de Tucker, e seu corpo respondeu com uma onda de calor. Sim, ela definitivamente estava feliz por tê-lo convidado. Talvez tenha sido a tensão de ontem, mas ela precisava desse lançamento que só ele poderia fornecer. Claro, ela poderia fazer isso sozinha, mas seria muito mais divertido desfrutar de algum sexo divertido com Tucker. Enquanto ela esperava por ele, fez uma xícara de chá, em seguida, pegou um de seus livros de medicina e fez algumas pesquisas. Cerca de vinte minutos depois, houve uma batida na porta. Ela foi abri-la. Olhou para ele. "Eu não vejo uma sacola de hambúrguer." Ele sorriu para ela. "Eu comi no caminho." "Você deve ter estado com fome." "Eu estava." Ele entrou e ela fechou a porta, observando enquanto ele entrava na cozinha dela, para se apoiar na ilha. Ele parecia bem em seus jeans e camisa de algodão de mangas compridas. Claro, ele sempre parecia bem. "Você obviamente aumentou seu apetite com o jeito que você armou hoje à noite." Ele virou para encará-la. “Ainda bem que pude entretê-la.” “Eu definitivamente estava entretida. E meu pai está impressionado.” Ele enfiou as pontas dos dedos nos bolsos da frente da calça jeans. "Sério?"


"Sim. Ele falou muito bem de você.” “Isso é bom saber. E você contou a ele sobre nós?” Ela riu, andando para ficar na frente dele. Ela agarrou em seu cinto e puxouo. "Definitivamente não." Ele saiu da ilha e passou um braço ao redor dela, puxando-a contra ele. "Eu estou bem em ser seu pequeno segredo sujo, Aubry." Ela pensou que ele ia beijá-la, seus lábios pairando a apenas uma fração de polegada, de distância dela. Seus olhares colidiram, sua respiração se misturando com a dela quando seus lábios estavam quase juntos, a antecipação fazendo sua pulsação acelerar. "Por enquanto", acrescentou ele, antes de sua boca cair sobre a dela.


VINTE E DOIS Observando Tucker jogar ontem, ela testemunhou mecânica e precisão, cada movimento de pura perfeição. Mas quando ele a beijou, foi uma bagunça e espontânea, uma mão peneirando seus cabelos enquanto a outra encontrava o caminho até as costas, levantando a camisa para percorrer sua pele. Ela gemeu contra os lábios dele e usou as mãos para mapear os músculos de seus antebraços e ombros. Ele se moveu para ela, seu pênis duro e insistente enquanto aprofundava o beijo. Uma deliciosa sensação rodou dentro dela, sua pele formigando de consciência quando ele moveu os lábios de sua boca para o pescoço, lambendo a garganta com a língua. Ela não pôde evitar seus gemidos profundos quando a necessidade a segurou. Ela foi pega em um torpor de paixão nebulosa e agarrou apertado em Tucker, suas pernas tremendo, quando ele segurou seu peito, puxando o tecido de seu sutiã para baixo para provocar e chupar seus mamilos. E quando ele puxou a calça dela, ela o ajudou, pisando fora dela, precisando estar nua, querendo que ele a tocasse, provasse-a, desse a ela o orgasmo que ela tão desesperadamente desejava. Ele deslizou a mão pela frente da calcinha, e ela choramingou. Ele se aproximou dela, envolvendo o outro braço ao redor dela para segurá-la firme. "Shh", ele disse. "Eu sei o que você precisa." Sua mão estava quente quando ele segurou seu sexo, então deslizou para baixo, seus dedos escorregando dentro dela. O calcanhar de sua mão, esfregou seu clitóris, enquanto ele movia os dedos dentro dela. Foi tão perfeito. O toque de Tucker atingiu aqueles pontos, que enviaram sensações de prazer chocante, diretamente para o seu núcleo. Seu olhar encontrou o dela. "Curtindo isso?" Ela arqueou os quadris em direção a ele. "Sim. Bem desse jeito." Ele a beijou e ela se derreteu contra ele, ao redor dele, incapaz de se conter quando as sensações a alcançaram. Tudo o que ela sentiu foi calor em torno dela, a sensação de sua boca e língua e os movimentos de sua mão e dedos. Ela se sentiu consumida e se deixou ir.


Seu orgasmo a sacudiu, e ela agarrou o pulso de Tucker, segurando a mão dele exatamente onde ela precisava, quando ela foi destruída por onda após onda de tremores ondulantes que a deixaram fraca e tonta. Ele a levou para baixo com facilidade, diminuindo a intensidade de seu beijo, removendo seus dedos, mas ainda segurando firme em seu corpo. Ela estendeu a mão para tocar seu rosto, passando os dedos sobre a barba por fazer em seu queixo. Ela roçou os lábios nos dele, respirando longa e satisfeita. "Isso foi bom." Ela deslizou a mão sobre o peito dele. "Eu precisava disso." "Eu poderia dizer." Ele descansou a testa contra a dela. “Mas ainda não terminamos. Estou apenas me aquecendo ”. Ela deu um tapinha no peito dele. “É disso que eu gosto em você, Tucker. Você tem resistência.” Ele sorriu, então pegou a mão dela, deu um beijo nas costas e levou-a para o quarto. Ela tirou a blusa, o sutiã e a calcinha, depois pegou uma camisinha de seu criado-mudo. “Eu as trouxe para mais perto. Você sabe, então elas são mais úteis. Ele sorriu. "Bom pensamento." Ela se sentou na cama para vê-lo se despir. "Eu gosto de você assim", disse ela enquanto ele subia na cama ao lado dela. "Como o quê?" Ela envolveu seus dedos ao redor de seu pênis. "Nu e duro."


VINTE E TRÊS Tucker assistiu, enquanto Aubry estava sentada em seus calcanhares e acariciava seu pênis. Havia algo mais quente do que assistir uma mulher tocar seu pau? Ele não achava. Suas bolas apertaram e sua respiração ficou presa quando ela se inclinou para frente e colocou sua doce boca ao redor da crista. Tudo o que ele viu foi um lampejo de língua rosa envolvendo em torno da cabeça de seu pau, e ele pegou um punhado do lençol, esperando que pudesse aguentar o suficiente para aproveitar o inferno disso. Sua boca estava quente, molhada, e quando ela sugou um selo apertado em torno dele e deslizou seu pênis entre os lábios, seu estômago apertou. Ele levantou para passar os dedos pelos cabelos dela. "Deus, isso é bom, querida." Era tão bom que ele queria que isso durasse para sempre. Ele também queria gozar com força - para soltar jatos quentes ao longo de sua língua, até que ele estivesse vazio e satisfeito. E quando ela usou uma mão para acariciar a base e a outra para segurar suas bolas e darlhes um aperto suave, ele já sabia qual dos seus desejos iria vencer. Porque ele tinha pensado muito sobre isso, imaginou sua boca quente e perversa em seu pau. A realidade era mais do que ele jamais imaginara. Ele levantou os quadris, alimentando mais de seu pênis em sua boca. “Estou pronto para vir, Aubry. Eu quero atirar em sua boca.” Ela cantarolou ao lado de seu pênis, em seguida, apertou os lábios mais apertados juntos. Isso foi tudo que levou. Os primeiros surtos se espalharam ao longo de sua língua quando ele irrompeu, seus quadris se arquearam para fora da cama. Aubry segurou firme na base de seu pênis, quando ele deu a ela tudo o que ele tinha, empurrando em espasmos rítmicos até que ele estava desgastado. Ela o lambeu completamente, então deitou a cabeça na coxa dele enquanto ele descia daquela incrível elevação. Levou um minuto ou dois e várias respirações profundas antes que ele pudesse encontrar a força para passar a mão sobre o cabelo dela.


"Isso", disse ele, "foi muito bom". "Que bom que você pensa assim." Ela levantou a cabeça e olhou para ele. "Mas ainda não terminamos." Ele finalmente olhou para ela. “Você é um capataz difícil. Vou precisar de alguns minutos de tempo de recuperação.” Ela riu. “Eu vou pegar algo para nós bebermos. O que você gostaria?" "Uma cerveja parece bem." Ela saiu da cama. "Eu volto já." Ele admirou sua bunda fantástica e o balanço suave de seus quadris, quando ela desapareceu do quarto. Enquanto ela estava fora, ele repassou mentalmente aquele golpe fenomenal em sua cabeça. E seu pau começou a endurecer. Ele olhou para baixo e balançou a cabeça. "Tanto para o tempo de recuperação." "Com quem você está falando?", Ela perguntou enquanto voltava, entregando-lhe sua cerveja. Ela pegou um copo de vinho para si mesma. "Meu pau." Ela arqueou uma sobrancelha e subiu na cama, cruzando as pernas enquanto o encarava. "Isso é algo que você faz com frequência?" "Na verdade não." Ela tomou um gole de vinho. "Posso perguntar o tópico da conversa?" “O boquete que você me deu. Eu estava mentalmente repetindo isso na minha cabeça e comecei a ficar duro. Então castiguei meu pau por ter uma mente de uma só pista. Ela riu. “Eu dificilmente acho que é culpa do seu pênis que você tenha gostado do que eu fiz. Mas, obrigada pelo elogio. Ela ergueu o copo para ele. "Não mesmo. Obrigado”. Ele inclinou a cerveja em direção a ela em um brinde, e ambos beberam. Ele tomou vários goles longos e profundos de cerveja e colocou a garrafa na mesa de cabeceira. Pegou a taça de vinho da mão dela e colocou-a ao lado de sua cerveja, em seguida, puxou-a em cima dele, deslizando as mãos ao longo da pele lisa de suas costas. Quando ele moveu as mãos para a parte inferior das costas e pressionou, ela gemeu. "Sente-se bem?", Ele perguntou.


"Você não tem ideia." Ele percebeu que ela trabalhava longas horas, todos elas em pé. Ela provavelmente precisava de uma boa massagem nas costas. Ele a tirou de cima dele, então saiu da cama e pegou um travesseiro, posicionando-o na beira da cama. "Vamos." Ela rolou para o lado para olhar para ele. "Vamos o que?" "Curve-se sobre a cama." Ela sorriu. "Eu gosto para onde isso está indo." Ele riu. "Bem, pode ir até lá, mas, na verdade, vou fazer uma massagem." "Agora eu definitivamente gosto de onde isso está indo." Ela deslizou da cama para os braços dele. Seus lábios encontraram os dele em um emaranhado de línguas e lábios que o deixaram quente, duro e definitivamente pronto para girá-la e deslizar dentro dela. Em vez disso, ele virou-a e inclinou-a sobre a cama, posicionando os quadris e o estômago contra o travesseiro para ter certeza de que ela estava confortável. É claro que essa posição também lhe dava uma visão privilegiada de sua bunda muito fofa, o que não ajudava sua ereção furiosa. Sua ereção podia esperar, embora ele a posicionasse contra a bunda dela quando se inclinou e colocou as mãos na parte inferior das costas dela. Ele pressionou, sentindo a tensão apertada em seus músculos. Ela gemeu, e seu pênis se contraiu. "Isso é bom", ela murmurou, com os olhos fechados. "Relaxe e deixe-me trabalhar minha mágica." Seus lábios se curvaram. “Mmm-hmm. Mãos mágicas. ” Ele gostava que ela gostasse do que ele estava fazendo, que ele pudesse fazê-la relaxar. Ele sentiu os músculos cederem sob suas mãos enquanto trabalhava mais profundamente. Foi quando ele viu o espelho do outro lado da sala, posicionado na parede. Ele podia ver a si mesmo e Aubry. O que significava que se ele ficasse com ela desse jeito, ambos poderiam assistir. Seu pau era duro como aço agora. Ele podia imaginar bombeando nela, torcendo-a um pouco para o lado para que ele pudesse ver seu pênis deslizando para dentro e para fora dela.


Ele respirou fundo e soltou, suas mãos descendo. “Tucker.” Sua voz foi mais baixa, e ela levantou sua bunda, seu sexo provocando seu pênis, suas coxas apertando em torno dele. Ele alisou as mãos sobre os globos gêmeos de sua bunda, em seguida, colocou as mãos sobre a parte inferior das costas novamente, misturando a terapêutica com a sexual. Ele a queria relaxada, mas ligada também. E quando ele alisou a bunda dela dessa vez, deixou a mão deslizar mais para baixo, dessa vez entre as pernas dela. Ela estava molhada, pronta, seu corpo tremendo com a mesma antecipação que ele sentia. Ele abriu a gaveta do criado mudo onde ela guardava os preservativos, pegou um e colocou, então se posicionou entre suas coxas. “Aubry. Olhe para o espelho." Ela levantou a cabeça e seus olhares colidiram no espelho. "Agora assista." Ele entrou nela e viu quando seu rosto mudou para uma profunda paixão, quando ele se sentou totalmente dentro dela. Senti-la e olhá-la fez suas bolas se apertarem. Ele se inclinou para trás para ver seu pênis entrando e saindo de sua boceta. Ah, sim, agora isso era uma visão linda. E algo que ele queria que Aubry visse. Ele se moveu para o lado, reposicionando-a assim. "Agora olhe", ele disse. Ela fez um som baixo em sua garganta, então empurrou de volta contra ele antes de puxar para frente novamente. "Entendo. Eu entendo você. Oh, isso é tão bom.” Ela trabalhou em conjunto com ele, empurrando para trás quando ele empurrava para dentro dela. Ele agarrou seus quadris e dirigiu em profundidade, em seguida, aliviou, prolongando o prazer para os dois. E quando ela alcançou entre suas pernas para se tocar, era tudo o que ele podia fazer para evitar perder-se, de vir logo em seguida. Entre sentir como o corpo dela o segurava e a observar no espelho, ele estava pronto para sair. Mas Aubry viria primeiro. "Vamos, baby", disse ele, dando-lhe impulsos rápidos enquanto ela se tocava. “Eu quero sentir você apertar em torno de mim. Faça você mesmo vir e me faça gozar também.”


Sua respiração acelerou, e os sons que ela fez quando chegou ao clímax quase o despedaçaram. E quando ela empurrou contra ele, inclinou a cabeça para trás e veio, ele soltou, empurrando dentro de ela, observando os dois no espelho enquanto ele agarrava seus quadris e estremecia contra ela. Ele nunca tinha visto nada mais quente, especialmente desde que o olhar de Aubry se fixou no espelho, observando-os. Sem fôlego, ele segurou-a e desceu daquela incrível elevação. Ele alisou a mão nas costas dela, depois se inclinou para pressionar um beijo no ombro dela. Ela sorriu para ele no espelho. "Ótima massagem nas costas." Ele sorriu. "Que bom que você gostou." “Oh, eu mais do que gostei. Mas agora minhas pernas estão tremendo.” Ele riu e se soltou, depois virou-a e beijou-a. "Eu também preciso de um banho agora", disse ela. "Você me fez suar." Ele segurou sua bunda e a puxou contra ele. "Você provavelmente precisará de outra massagem nas costas também." "Mmm." Ela inclinou os dedos sobre sua mandíbula. "Eu devo. Embora eu possa desmaiar em você, se você massagear minhas costas novamente.” Ela provavelmente estava exausta do trabalho na noite anterior, gastando tempo em seu jogo e fazendo sexo com ele, em vez de dormir e relaxar. Tomaram um banho e depois se arrastaram para a cama. "Role ao seu lado." Ela franziu a testa. "Por quê?" "Porque eu vou esfregar suas costas." "Tucker, eu não estava falando sério" "Role, Aubry." Ela fez, e desta vez ele manteve suas intenções apenas para esfregar as costas. Ele cavou e encontrou todos aqueles músculos doloridos, desta vez na parte superior das costas. Ele gostava de ouvir seus gemidos de aprovação e tentou não deixar seu pau se envolver. Em dez minutos ela estava dormindo. Ele ouviu os sons de sua respiração rítmica e alisou a mão para trás e para frente sobre seu quadril. Sim, isso foi muito bom.


Contente, ele enrolou seu corpo ao redor do dela, puxou as cobertas sobre os dois e fechou os olhos.


VINTE E QUATRO Não era frequente que Aubry tivesse a oportunidade de sair e comer com as amigas, mas depois de um dia particularmente intenso no trabalho, na noite de sexta-feira, Katie decidira que precisavam de bebidas e comida, e Aubry não teria permissão para negá-lo ou dizer não. Então, ela se viu sentada a uma mesa, em um badalado bar-restaurante, não longe do hospital, com Katie e vários outros residentes, depois que eles terminaram seus relatórios e saíram à noite. "Brutal", disse David, tomando sua terceira dose de tequila. “Eu tinha um homem de cinquenta e seis anos com espasmos epigástricos e Chen olhando por cima do meu ombro o tempo todo. Eu quase comecei a suar. Eu tinha o diagnóstico e plano de tratamento correto. Quero dizer, sou um residente do terceiro ano, não sou um maldito estagiário. Não preciso que ele segure minha mão. David era um residente brilhante que sabia o que estava fazendo. Ele era o deus de ouro da sala de emergência - se formou no topo da turma e, sem dúvida, continuaria fazendo grandes coisas. A reclamação puta dele, sobre Chen, deu a Aubry algum conforto. Pelo menos ela sabia que Chen não a estava destacando. Katie pegou o molho de espinafre com o chip, enfiou-o na boca e engoliu em seco, depois assentiu. “Ele fez o mesmo comigo. Eu tive um infarto do miocárdio com complicações da DPOC e Chen ficou na sala me olhando enquanto eu pedia o plano de tratamento como se fosse meu primeiro dia. Eu estou dizendo a você, o homem é francamente enervante.” "Ele faz isso de propósito, você sabe", disse Rick. Rick foi outro dos moradores. Aubry olhou para ele. "Você acha?" "Certo. Ele imagina que se ele não puder te chocar durante uma crise, então você pode lidar com sua merda. Se ele flambar você, então você precisa de trabalho.” Katie acenou com um chip para Rick. “Você pode estar certo sobre isso. Então devemos começar a ignorá-lo.” Aubry riu e tomou um gole de seu coquetel. "Ignore-o. Certo. Boa sorte com isso." "Ele te pergunta quando você está trabalhando com um paciente?" David perguntou a eles. "Oh, meu Deus", disse Katie. "O tempo todo." Ela estabeleceu sua melhor impressão do Dr. Chen, porque Katie o fez melhor. Ela sentou-se em linha reta em sua cadeira e colocou uma cara azeda. ''Dra. Murphy, qual é o plano de tratamento adequado para um paciente


com diverticulite aguda ? Tenha em mente, o tempo todo que eu tenho o paciente gritando de dor na cama e eu deveria responder a perguntas?” Katie revirou os olhos. “Como eu não aprendi isso durante a faculdade de medicina? Quero dizer, vamos lá. Faça-me algumas perguntas difíceis.” "Ele só quer que a gente seja o melhor, você sabe." Katie prendeu Aubry com um olhar. "Oh vamos lá. Ele é um chato e eu não acho que ele esteja ocupado o suficiente. Nós fomos inundados no pronto-socorro esta noite. Dois acidentes de carro com múltiplas lesões, dois ataques cardíacos, três fraturas, suturas múltiplas e vários casos gástricos. ” "E alguns viraram a noite", acrescentou David. "Exatamente", disse Katie. "Alguém poderia ter pensado que ele poderia ter direcionado sua atenção para o atendimento ao paciente, em vez de fazer perguntas de primeiro ano para nós, como se seus residentes fossem um bando de imbecis". Rick tomou um gole de sua cerveja e assentiu. “Estou com Katie sobre isso. Poderíamos ter usado uma mão, não um teste surpresa.” Aubry suspirou. "Talvez você esteja bem sobre isso." Ela rolou a cabeça, tentando aliviar a tensão em seu pescoço. “De qualquer forma, passamos outra noite.” "Eu vou beber para isso", disse Katie, e sinalizou sua garçonete para outra rodada. Quando ela o fez, olhou para o bar e se virou para Aubry. "Ei, Aubry, seu cara quente de beisebol está na TV hoje à noite." Aubry se virou na cadeira para checar a televisão. “Ele não está lançando. A câmera apenas garimpou para ele assistindo ao jogo. Walter Second subiu esta noite. “Que é isso de cara gostoso?” David perguntou. "Aubry está namorando um dos jogadores nos rios", disse Katie. Aubry imobilizou Katie com um olhar antes de redirecionar. "Eu não estou exatamente namorando com ele." "Bem. Seja como for. Katie pegou o último pedaço de espinafre. " Aubry está fazendo sexo com um dos jogadores de Rivers." “Isso esclarece as coisas tão bem. Muito obrigada, Katie.” Aubry lançou um olhar mordaz à amiga. Katie apenas sorriu. "Seja bem-vinda."


"Qual jogador?", Perguntou Rick. Ela não queria que ninguém soubesse. Mas que sabiam, então ela supôs que não havia sentido em tentar esconder nada. "Tucker Cassidy." Rick assentiu. “Bom jogador. Ele foi uma grande aquisição para os rios. ” Ela sabia tudo sobre sua aquisição, mas ela nunca disse às pessoas sobre seu pai, e muito poucas pessoas fizeram a conexão. Katie sabia, mas era a única. "Foi?" “Sim.” Rick entrou em uma explicação profunda da média de corrida ganha de Tucker e sua curva enquanto assistia ao jogo. "Então", disse David. “Tucker Cassidy, huh? Nunca imaginei que você fosse do tipo que namorasse um jogador de beisebol.” Aubry recostou-se na cadeira, por isso não gostava de ser o assunto da conversa. "Eu nunca imaginei que você fosse do tipo que namorasse uma stripper." David lançou um olhar para Rick. Rick levantou a mão. “Não olhe para mim, cara. Eu não contei a ela.” David encolheu os ombros. “Ela é uma garota legal. Trabalhando seu caminho através da faculdade dançando. E eu me queimo às vezes indo a clubes de striptease. ” "Então é sério?" Aubry perguntou. David sacudiu a cabeça. “Não. Ela está ocupada com a escola e eu estou ocupado com o trabalho. Estamos apenas nos divertindo juntos. ” "Querida, nunca julguemos", disse Katie. “Eu namoraria totalmente uma stripper. Da variedade masculina, só para ficar claro. E eu não vou manter isso em segredo, se isso acontecer. Não que alguém possa manter um segredo no hospital. É como uma fofoca central, especialmente na estação principal. Aubry deu uma olhada engolida em sua bebida. "Falando de fofoca - Rick - a notícia é sobre você e Felicia." Rick deu a todos um olhar vazio. “Eu e a Felicia?” "Você está namorando Felicia?" David perguntou. "Por que eu não sabia disso?" "Provavelmente porque você gasta todo o seu tempo praticando medicina em vez de ouvir as fofocas na estação principal", disse Aubry. David assentiu. "Isso deve ser." Ele se virou para Rick. "Felicia, hein?"


Rick encolheu os ombros. "Talvez. Eu não sei. É meio melindroso, já que ela é uma das enfermeiras no turno. Vamos ver como vai.” Aubry colocou a mão em seu braço. "Ela é incrível. Afiada, engraçada, linda.” Os lábios de Rick se curvaram quando ele tomou um gole de sua cerveja. "Sim, eu sei." "Nosso amigo pode estar se apaixonando", disse Katie com um aceno de cabeça. "Ei agora", disse Rick. “Ninguém disse nada sobre amor. Estamos apenas namorando.” Katie ofereceu um sorriso de satisfação. "E agora temos confirmação." Aubry riu, feliz por o assunto da conversa ter se voltado para outra pessoa além dela. Isso deu a ela tempo para olhar para a televisão, esperando por outro vislumbre de Tucker. Os rios ainda estavam em casa e estavam à frente por duas corridas. Enquanto Aubry dava outro olhar para a TV, eles voltaram para o banco de reservas novamente, e dessa vez ela viu Tucker encostado no corrimão, comendo sementes de girassol enquanto conversava com seus companheiros de equipe, e parecia mais sexy do que qualquer homem tinha direito. O sexo dela se apertou, quando ela se lembrou de todas as maneiras diferentes, que ele a tocou na noite passada, e todas as vezes que ela veio. Tucker era muito. . . minucioso. Ela pegou o telefone e olhou para a hora. "Eu . . . tenho que ir." "Tem um encontro com o jogador quente?" Katie perguntou. Ela nem se incomodou em negar isso. "Talvez." "Você pode me conseguir ingressos de jogo?" Rick perguntou. Ela se levantou e pegou a bolsa, depois olhou para ele. "Por quê? Você está pensando em levar Felicia para um jogo?” Ele sorriu para ela. "Talvez." "Então eu vou ver o que posso fazer." Ela saiu do bar e foi para o estádio, propositalmente evitando o camarote senior. Não queria ter que explicar ao pai, o que estava fazendo lá duas vezes em uma semana. Já era o topo do oitavo inning, então não era como se ela tivesse que ficar muito tempo. Com um passe de acesso total, ela podia praticamente sentar em qualquer lugar onde houvesse um assento disponível. Escolheu um ao longo da terceira linha de base, acima do abrigo do visitante. Era uma noite fria, desde que choveu no início do dia. Ainda bem que trouxera a jaqueta, se aconchegou nela


para assistir aos últimos dois innings. E também teve uma excelente visão do abrigo dos Rios a partir daqui, para que ela pudesse ver todos os jogadores. E Tucker. Não que ela viesse apenas para cobiçar um homem quente. Ela veio porque o jogo parecia muito bom, e desde que ela podia entrar no estádio de graça, por que não, certo? Essa era a sua racionalização e ela estava seguindo com isso. Cincinnati ainda estava em baixa por duas corridas, mas estava prestes a bater neste inning. Second ainda estava jogando e continuava a parecer forte. Ele bateu o primeiro rebatedor, o segundo enfileirou-se no shortstop, e ele teve o terceiro no buraco com uma bola e dois golpes. Até que o batedor acertasse uma bola rápida entre o segundo e o terceiro para um golpe na base. Bem, porcaria. Ela comprou um refrigerante e se instalou para ver se Second conseguiria se lançar. Ele caminhou até o próximo batedor, provavelmente intencionalmente, embora não parecesse assim, mas ela sabia o suficiente sobre o lance para conhecer um passeio intencional, mesmo que ele tentasse fazer com que parecesse não intencional. O próximo batedor acertou várias bolas e Second conseguiu duas bolas, dois tiros quando Second respirou fundo, sacudiu vários sinais á Sanchez e acabou. Ele jogou a bola e a massa balançou. E errou. A multidão se levantou e aplaudiu. Aubry também. O jogador se desviou de uma bala, mas parecia notavelmente calmo fazendo isso. Os rios estavam prontos para bater na metade inferior da entrada. Sanchez foi o primeiro. Sanchez escolheu logo após a primeira base, Fielding acertou na terceira base, então ele estava fora. Eles puxaram um rebatedor para acertar o lançador, então parecia que a noite de Second tinha acabado. O rebatedor, Lopez, levou uma bola e um strike para começar as coisas. Em seguida, Lopez nocauteou no campo esquerdo, o que levou Sanchez para a terceira base e Lopez para a primeira. Agora estava ficando interessante. Aubry se inclinou para a borda de seu assento, seu coração bombeando. Com um fora, o topo da ordem de rebatedores surgiu. Gavin Riley foi para cima e fez um longo sacrifício, voando para o campo central, que marcou Sanchez, mas deixou-os com dois


outs e Lopez ainda na primeira base. Eles acabaram atacando-o quando o próximo batedor aterrissou, mas eles marcaram outra corrida indo para o topo do nono. Seu ás mais perto entrou e caminhou um batedor, acertou dois e o batedor final acertou uma bola pop, que foi facilmente capturada por Trevor Shay para terminar o jogo. Aubry levantou e sorriu. Mesmo que ela estivesse lá apenas por dois innings, eles foram muito emocionantes. Com a escola de medicina, seu estágio e residência, ela não tinha tido muito tempo para o beisebol nos últimos anos. Além disso, os pais dela sempre a arrastaram para os jogos, e ela teve que admitir que passou a se ressentir com isso - e com o jogo. Agora, embora? Ela se lembrava porque gostava de beisebol. Ela enviou uma mensagem de texto para Tucker. Estou no estádio. Você gostaria de me encontrar? Não demorou muito para responder. Sim. Fui convidado para uma festa. Quer vir comigo? Ela queria? Ela tinha planejado apenas tê-lo em sua casa, por algum tempo sozinhos. Uma festa era algo completamente diferente. Era como . . . namoro. E eles certamente não estavam namorando. Ela pensou um minuto, depois deu de ombros e mandou um texto de retorno. Certo. Eu deveria te encontrar em algum lugar? Ele mandou uma mensagem de volta. Eu vou buscá-la em cerca de uma hora. Como ela achava que teria tempo de sobra por causa de entrevistas na mídia e reuniões pós-jogo, correu para casa para tomar um banho e trocar de roupa. Ela foi para o bar logo depois que seu turno no hospital terminou e precisou se refrescar. Depois de secar o cabelo e maquiar-se, escolheu um par de jeans pretos, saltos e top de seda, colocando algumas de suas correntes de prata favoritas por cima. Colocou a jaqueta de couro perto da bolsa, depois se olhou no espelho. Ela balançou a cabeça. Normalmente, no final de uma jornada de trabalho particularmente cansativa, ela estaria em casa com uma calça de yoga e uma regata, uma tigela de pipoca na mesa lateral da sala de estar e um livro no colo. A mulher olhando para ela no espelho? Então não parecia ela.


O que ela estava fazendo, afinal? O que ela estava fazendo com Tucker? Isso era tão diferente dela. Sua carreira era tudo para ela, e nos últimos anos tinha sido a única coisa. Claro, sexo com Tucker era ótimo e tudo, mas sexo nunca foi uma prioridade para ela. Quando chegou, ótimo. Se estivesse faltando, poderia sobreviver sem isso. E ela nunca tinha sido o tipo de mulher que se via incompleta sem um homem em sua vida, então não era como se estar com Tucker - estar com qualquer homem - fosse algo que ela precisava desesperadamente. Então, qual era o fascínio? Era a solidão, um pedaço de sua vida, que não tinha percebido conscientemente, que estava desaparecida? Ou era Tucker? Sua campainha tocou, então suas perguntas de busca de alma, continuaram sem resposta, por enquanto. Tucker estava lá, vestindo uma camisa preta de botões e jeans escuros, e parecia apenas comedido, como sempre. "Você parece quente", disse ele, entrando e puxando-a em direção a ele para roçar os lábios, contra os dela. "Obrigada. Você também. ” Ela pegou sua jaqueta e sua bolsa, então se virou para ele. "Estou pronta para ir." "Ótimo." Ele a levou para fora da porta e para seu carro, abrindo o lado dela e esperando que ela entrasse antes de se dirigir para o seu lado. Uma vez que eles estavam a caminho, ela olhou para ele. "Então me fale sobre essa festa." “É o aniversário de Liz Riley. Ela é casada com Gavin Riley.” “Eu conheço a Liz muito bem, já que ela trabalha muito com a equipe, como agente esportiva.” "Certo. Com certeza. Enfim, estamos todos nos reunindo na casa de Gavin e Liz. Não é uma coisa grande, apenas algumas pessoas da equipe. Esposas, namoradas, alguns amigos.” Se ela soubesse disso, ela poderia não ter vindo. Qualquer um ligado ao pai - como Liz como a equipe - poderia contar ao pai sobre tê-la visto com Tucker. Ela não tinha certeza, se estava pronta, para o pai saber que estava namorando, um dos jogadores. O que ela certamente não estava. Ou ela supostamente estava, já que ir a uma festa com ele, definitivamente, poderia ser considerado um encontro.


"Você está mastigando seu lábio." Ela olhou para Tucker. "Como?" Ele apontou para o rosto dela enquanto dirigia. “Você está mastigando seu lábio inferior. Como se você estivesse preocupada, pensando ou algo assim.” Ela lambeu o lábio. "Estou bem." "Você teve um dia ruim no trabalho?" Ela encolheu os ombros. "Meu dia foi bom. Normal para mim.” Ele puxou para a estrada, fundiu-se na pista rápida. Depois de uma milha, ele perguntou: "Então, o que está incomodando você?" "Nada está me incomodando." "Algo está, porque eu vi você fazer essa coisa com o lábio antes." Ela olhou para ele. "Mesmo. E você me conhece tão bem, que acha, que é porque alguma coisa, está me incomodando.” "Sim." Ele estava tão confiante. Então, novamente, ele também estava certo, o que a irritava. Ela decidiu não responder e olhou pela janela. As árvores estavam desabrochando, a cor começou a explodir em sua cidade. A primavera definitivamente saltou em St. Louis, o que iluminou seu humor imensamente apesar de toda a chuva que tiveram ultimamente. Além disso, a chuva era uma coisa boa. Renovava tudo. "Então você vai me dizer ou não?" Ela voltou sua atenção para Tucker. "Dizer-te o que?" "O que está incomodando você?" Ela finalmente suspirou. "A festa." Ele deu uma olhada rápida em seu caminho. "Festa de Liz?" "Sim." "Você não quer ir." "Eu não disse isso, é só que as pessoas me conhecem." "OK. E isso é um problema.” "Talvez." Seus dedos flexionaram no volante, e ela podia dizer que o perturbara, o que não era sua intenção.


“É porque você não quer que ninguém saiba que estamos nos vendo, especialmente alguém no beisebol ou ligado ao beisebol que conhece seu pai.” Quando ele disse as palavras em voz alta, soou insignificante e ridículo. Que diferença fazia se estivesse namorando um dos jogadores? Não havia nada em seus contratos que a proibisse, e certamente nada sobre isso, deixaria seu pai irritado. Ele provavelmente não se importaria de jeito nenhum. Ele provavelmente nunca saberia. Não era como se alguém, além de Liz falasse rotineiramente com o pai dela. Ela estava se preocupando por nada. Ela estava indo só para ir e se misturar com pessoas que ela conhecia e se divertir e parar de se preocupar com isso. “Na verdade, está tudo bem. Eu não estou preocupada em tudo.” Ele parecia não acreditar nela. "Você tem certeza?" Ela deu a ele seu sorriso mais sincero. "Absolutamente." Ele saiu da estrada e entrou em uma rua com árvores enormes. Estava escuro e um pouco agourento, e a casa era enorme. Quando chegaram ao final da longa e escura entrada de automóveis, ela notou muitos carros. Tipo muitos carros. "Ok, então", disse ele, colocando o carro no estacionamento antes de se virar para ela e colocar a mão em sua coxa. "Vamos divertir nossas bundas, Aubry."


VINTE E CINCO LIZ RESPONDEU À PORTA, OLHANDO MARAVILHADA, como

sempre. Com trinta e poucos anos, era o palpite

de Aubry, e ela parecia ter vinte e poucos anos no máximo. Seu deslumbrante cabelo ruivo, estava cortado em um curto trecho, as pontas de seda varrendo seu queixo. E, apesar de uma carreira ocupada como agente esportiva, sendo casada com Gavin Riley, a primeira base da equipe, e lidando com a filha de dois anos do casal, Genevieve, ela nunca conheceu uma mulher mais simples, sobre . . . Tudo. "Estou tão feliz por você estar aqui, Tucker", disse Liz, arregalando os olhos, quando ela se virou para Aubry. "Aubry." Liz a envolveu em um abraço apertado. “Eu não esperava ver você. E você está com o Tucker?” "Sim." “Você tem que vir comigo. Temos algumas coisas para fazer. Tucker, vá tomar uma cerveja com os caras. Eles estão lá embaixo.” "Sim, senhora." Ele olhou para Aubry. "Você está bem?" "Bem. Eu te alcanço mais tarde.” "Não se preocupe com ele", disse Liz, com o braço firmemente ligado em Aubry. "Todos os caras estão lá embaixo jogando sinuca ou jogando videogames ou o que quer que eles façam quando não estão assistindo esportes". Liz levou-a para a cozinha. “Primeiro, nós tomamos uma bebida. Misto ou cerveja ou vinho? “Um copo de vinho seria ótimo. E eu não sou exigente.” "Tudo bem então. Estou experimentando um novo chardonnay hoje à noite, então nós duas vamos tomar um copo.” Liz serviu-lhes uma taça do chardonnay, entregou uma taça a Aubry e encostou-se ao balcão. “Antes de entrarmos na sala da família, para nos juntarmos á todos os outros, eu tenho que perguntar, há quanto tempo você está saindo com Tucker?” Ela tomou um gole do vinho antes de responder. “Oh, Liz. Isso é muito bom." “É, não é? Eu experimentei em um dos nossos restaurantes favoritos na outra noite e soube imediatamente que teria que ter um pouco.”


“É crocante, não doce, mas não muito seco também. É perfeito." "E você está evitando a minha pergunta." Os olhos de Liz brilharam com diversão. "Desculpa. Não muito. Nós dificilmente estamos namorando, realmente.” As sobrancelhas de Liz se levantaram. “O que significa exatamente? Que você é apenas amiga ou está apenas no sexo?” Aubry riu. "Eu não sei. É muito cedo para fazer uma ligação. Eu gosto dele. O sexo é bom. Mas no que diz respeito a um relacionamento, não sei. Meu trabalho me mantém ocupada e eu não tenho realmente nenhum tipo de relacionamento, desde meus anos de graduação. Quem tem tempo?” Liz acenou com a mão para trás e para frente. "Você tem que arranjar tempo para as coisas que são importantes, Aubry." “Estou fazendo o tempo agora. Para a parte do sexo.” "Hmm." Liz a estudou. “Mas você não está fazendo sexo com ele agora. Você está aqui. Na minha festa.” "Feliz aniversário, a propósito." Ela riu. "Obrigada. É apenas uma desculpa para ter pessoas e me divertir. Eu estou ignorando aniversários na maior parte dos dias de hoje.” "Por quê? Você é linda e parece da minha idade.” “Ganhei o melhor elogio da noite, desde que você tem o que? Vinte e dois?" Agora foi a vez de Aubry rir. "Agora eu me sinto elogiada." "Como está indo a medicina hoje em dia?" “Intensa, mas recompensador. Você sabe que eu mudei para medicina de emergência, certo?” "Sim. Você gosta disso?" "Eu amo isso. Mas isso ocupa muito do meu tempo ”. Liz assentiu. "Daí a falta de um homem quente em sua vida." "Certo." "Querida, você tem um agora, não é?" "Para o momento." Liz se afastou do balcão e pegou a garrafa. “Vamos, vamos nos juntar às outras senhoras. Mas antes de nós irmos, uma palavra de conselho.”


"Certo." “Tucker é um ótimo cara, Aubry. Ele é esperto, muito bom, e tem uma boa carreira pela frente. Você poderia fazer muito pior, sabe?” "Eu sei." “Então, talvez respire fundo algumas vezes, afaste-se de ser toda trabalho, todo-o-tempoAubry, e se divirta. Ninguém diz que você precisa se casar com o cara.” "Minha amiga Katie me diz isso o tempo todo." Liz a cutucou com o quadril. “Sua amiga Katie é muito inteligente. Você deveria ouvi-la.” Elas se juntaram a um grupo de esposas e namoradas de jogadores, junto com a agente esportiva Victoria Baldwin, que era boa amiga de Liz. Liz também apresentou-a a alguns de seus vizinhos. Tudo somado, um grande grupo de mulheres. Onde está Genevieve? Perguntou ela a Liz. “Passando a noite com os pais de Gavin. Como meu aniversário é na verdade amanhã, é um presente para mim, então Gavin e eu poderíamos desfrutar de uma festa só para adultos. Não há crianças, não há ninguém se levantando no meio disso tudo, e nós conseguiremos dormir amanhã.” "Qualquer pai ou mãe sabe que presente incrível é esse", disse Shawnelle Coleman, uma das esposas dos jogadores. "E desde que eu tenho dois filhos que estão passando a noite com seus avós hoje à noite, acredite, eu aprecio isso tanto quanto." Shawnelle levantou o copo de vinho em um brinde. Aubry não podia opinar, desde que ela não tinha filhos ainda, mas definitivamente estava gostando de seu chardonnay, então estava feliz em brindar com as outras mulheres. Ela estava feliz em ver Alicia Riley, que estava noiva de Garrett Scott. "Como vai o planejamento do casamento?" “Na verdade, bem suave até agora. Agora que a temporada de beisebol está a todo vapor novamente, pode ser um pouco mais difícil gerenciar tudo. ” Liz acenou com a mão. “Não seja ridícula. Você é uma Riley, e tem todas as suas cunhadas e sua prima Jenna para ajudá-la. Não importa com o que você não possa lidar, podemos ajudar. ” Alicia sorriu. "Isso é verdade." "Eu acho que é difícil para você, estar na estrada com os rios o tempo todo", disse Aubry, "além de tentar planejar um casamento."


Alicia encolheu os ombros. “Essa é a minha vida como fisioterapeuta para a equipe, então estou bastante acostumada com isso. Além disso, isso me mantém perto de Garrett, então não me importo. E como Liz disse, entre minha mãe e minha tia Kathleen, além de Liz, Jenna, Savannah e todos os outros, tenho muita ajuda. Eu não acho que haja algum detalhe que será perdido até o casamento. ” "Não, se tivermos alguma coisa a dizer sobre isso", disse Liz com um sorriso confiante. “Parece que você tem coisas bem na mão. Ou pelo menos muitas mãos para ajudar.” Alicia assentiu. “Espero que sim. E ainda capaz de conciliar o trabalho com o planejamento do casamento. Ah, e falando sobre o trabalho, fiquei me perguntando, como o seu estava indo na medicina de emergência.” "Está indo bem, obrigada." "Você estava indo originalmente para se especializar em obstetrícia, certo?" Alicia perguntou a ela. Aubry assentiu. "Sim. Mas durante meu estágio, fiz uma rotação na sala de emergência e me apaixonei ”. Victoria sorriu. "Com sangue e coragem." Aubry riu. "Algo parecido. Mais como o ritmo acelerado do departamento de emergência. Eu tive várias conversas com alguns dos médicos durante minha rotação, e todos os dias que passei no pronto-socorro acendi um fogo no meu sangue. Eu não conseguia dormir à noite, porque ficava pensando nisso. Eu sabia que era onde eu deveria estar e foi então que decidi que a medicina de emergência era minha vocação.” "É intenso, não é?", Perguntou Liz. "Pode ser. Mas o cuidado que damos é imediato e, muitas vezes, salva vidas. É disso que gosto.” “Tenho certeza que é muito emocionante. Mas tanto trabalho ”, disse Shawnelle. "Falado pela advogada", disse Liz. "Agora há alguém com uma carreira incrível." "Falado pela agente de esportes", Shawnelle atirou de volta. "Eu acho que todas nós fazemos a nossa parte do trabalho intenso, querida." Liz assentiu. "Isso é verdade. Enquanto amamos o que fazemos, não importa quão intenso seja, não é?”


"Você tem um ponto", disse Aubry. “Há dias que estou tão ocupada e tão envolvida no que estou fazendo, que as horas passam voando. E eu nunca estou entediada”. "Eu não posso imaginar que você esteja", disse Alicia. "O que está fazendo é muito gratificante." Aubry sorriu para ela. "Obrigada. Você é uma terapeuta incrível. Muitas vezes o futuro de um atleta está em suas mãos. Seu trabalho na reabilitação é tão importante.” "Obrigada. Eu amo o que eu faço." Todas conversaram por um tempo, até que Liz foi atender uma batida na porta. Mesmo sendo tarde, tendo começado a festa após o jogo de beisebol, era sexta-feira à noite e muitas pessoas tinham vindo, o que foi legal para Liz. Aubry finalmente seguiu as mulheres no andar de baixo. Havia muito poucos homens lá também. Como Liz havia dito anteriormente, vários estavam jogando sinuca. Havia também um alvo de dardos, alguns jogos de pinball e um sistema de videogame. Tudo somado, era um inferno de uma configuração. Havia um bar muito agradável, contra uma das paredes, então um bando de rapazes estava lá bebendo. Ela viu Tucker conversando com Gavin Riley e Dedrick Coleman, marido de Shawnelle. Aubry, Liz e Shawnelle se aproximaram para ouvi-los falar sobre outro time. "Eu não sei", disse Gavin. “Eles têm um ataque de energia em Green, com Soong na posição de limpeza, mas a parte inferior de sua batida é fraca. Tucker, acho que você poderia ser forte contra eles, especialmente se eles não puderem acertar sua curva. "Mas o lançamento deles é sólido, e você pode se deparar com Peters, que tem um inferno de ERA até agora nesta temporada", disse Tucker. “Ainda assim, seus jogadores estão quentes agora. Eu diria que nós pegamos pelo menos dois deles.” "Você está falando sobre Cleveland?" Liz perguntou. Gavin assentiu, e colocou o braço ao redor de Liz quando ela foi ao lado dele. "Nós temos uma série de três jogos com eles na próxima semana." Shawnelle deslizou ao lado de seu marido, Dedrick, e Aubry não sabia bem o que fazer. Até que Tucker fez sinal para ela se juntar a ele, então ela o fez, aproximando-se do seu lado. Ele deslizou o braço ao redor dela. "Se divertindo?" "Sim. Definitivamente. ” O que era verdade. Apesar de seu receio de vir para cá, ela estava se divertindo muito, cercada por mulheres muito inteligentes e divertidas. E estava cansada de


duvidar de sua decisão de estar com Tucker. Decidiu que Liz estava certa. Não era como se ela estivesse pensando na estrada ou em direção ao futuro. Era melhor ficar apenas no "agora" com ele. E agora, seus dedos desenhavam círculos ao longo de suas costas e seu toque a fazia formigar. O que era sobre as mãos de Tucker sobre ela, que poderia enviar deslizes de consciência sensual, em sua espinha? Ela supôs que era muito cedo para perguntar, se ele estava pronto para sair, mas por algum motivo, ela queria ficar sozinha com ele. Como agora. Ela deslizou a mão ao longo de seu braço e fez o mesmo com ele, deixando a palma da mão descansar contra o peito, as unhas cavando apenas o suficiente para chamar sua atenção. Ele olhou para ela com um olhar interrogativo, depois sorriu quando a mão dela serpenteou para baixo, na direção da fivela do cinto. Ela manteve seus movimentos discretos e descontraídos para que ninguém notasse. Nada evidente, apenas o suficiente para que apenas Tucker estivesse ciente do que ela estava fazendo. “Algo que você queira?” Ele perguntou. "Definitivamente." Ele sorriu, seus movimentos pegando, com um pouco mais de atenção nas costas dela. Quando a mão dele descansou em seu quadril, seus dedos batendo em sua bunda, ela inalou profundamente. "Tucker" O olhar perverso que ele lhe deu, foi cheio de intenção e promessa. "Sim, Aubry." Ela desviou o olhar para todos ao seu redor, percebendo que eles estavam envolvidos em conversas e não prestando atenção neles, o que era uma coisa boa, já que no momento, ela estava muito quente e incomodada. Quando seu olhar encontrou o de Tucker novamente, ela percebeu que ele ainda estava focado nela. "Continuaremos essa conversa mais tarde", disse ela. "Sim. Nós vamos." Engraçado como muito pouco fora dito entre eles, mas muito estava implícito. Mas era bom saber que ambos estavam na mesma página.


VINTE E SEIS AUBRY FEZ DIFÍCIL. Apenas

o tocou duro, para não mencionar as mãos dela, vagando por seu

corpo. Ah, claro, ela fez tudo parecer inocente, mas os olhares que ela lhe deu, e apenas o maldito jeito que ela respirava, o excitaram. E agora ela descansou a mão em sua coxa, enquanto bebia seu vinho e conversava com suas amigas como se não soubesse exatamente, o que estava fazendo. Ele finalmente teve que pensar em outra coisa, até que sua ereção diminuiu, então ele deslizou para fora do banco do bar, para se afastar de Aubry e se acalmar. Ele se dirigiu para assistir, alguns dos caras jogando dardos, imaginando que iria tirar sua atenção da mulher quente, que o fez querer agarrá-la pela mão, arrastá-la para o carro e enterrar-se dentro dela, até que a dor, fazendo suas bolas pulsar, fosse embora. E pensar naqueles termos não estava ajudando, porque agora ele tinha um visual de transar com ela no banco de trás de seu carro. Dardos. Ele precisava se concentrar no jogo de dardos. “Você deveria colocar sua língua de volta em sua boca, cara. As pessoas estão começando a perceber.” Ele atirou um olhar para Trevor Shay. "Foda-se." Trevor riu. "É meio óbvio que você tenha sido ruim para Aubry". Tucker deu de ombros. “Nós apenas começamos a nos ver. Nada demais." “É o começo, quando as coisas estão muito quentes e pesadas. É um grande negócio, quando vocês não se cansam um do outro. ” “É assim que foi com você e Haven?” O olhar de Trevor, foi até onde Haven estava, no meio da multidão de mulheres. Como se ela soubesse que ele estava olhando para ela, ela olhou para cima e sorriu. Trevor sorriu de volta. "Ainda é assim." Tucker sacudiu a cabeça. "Ela está tão viciada em você." "Sim."


"E você não tem problema com isso." "De modo nenhum. Por que eu deveria? Ela é linda, inteligente, e nós nos conhecemos há muito tempo - tempo suficiente para tirar todas as besteiras do caminho. Ela conhece as piores partes de mim e, por algum motivo, ela me ama mesmo assim. Então sim, eu sou homem o suficiente para admitir que a amo.” "Você faz parecer tão simples." Trevor se encostou na parede e olhou para ele. “Quando você encontra alguém, com quem quer passar o resto da vida, é realmente simples assim. Pergunte a qualquer um dos caras que são casados ou com uma mulher a longo prazo. Todos eles vão te dizer a mesma coisa.” “Que coisa?” Gavin perguntou quando ele e Garrett se aproximaram. "Estamos falando de nossas mulheres", disse Trevor. "E o que sobre elas?" Garrett perguntou. "Como você sabe quando a pessoa certa vem." "Oh." Gavin pegou sua cerveja da mesa ao lado dele e deu um longo gole. "Sim. Você pode lutar contra isso, chutando e gritando por um tempo. Muitos de nós não percebem, que ela está nos encarando diretamente, porque desistir da nossa liberdade é algo difícil de se contar. Mas, uma vez que pensamos, em como seria viver sem ela, não demorou muito para o bom senso entrar em cena ”. “E se você não estiver pronto para se acalmar ainda?” Tucker perguntou. "Isso é fácil", disse Gavin, colocando a cerveja para baixo e pegando seus dardos. "Então ela não é a mulher certa para você." Gavin foi embora. "Então Aubry não é a única?" Garrett perguntou. "Eu não faço ideia. Eu gosto dela, mas ainda é cedo. Quero dizer, acabamos de ficar juntos, sabe?” Garrett sorriu. “Às vezes isso te atinge como um relâmpago e não leva tempo algum para perceber que ela é a única. E às vezes não importa quanto tempo você gasta com uma mulher, porque ela nunca será a pessoa certa para você, cara.” "Sim. Eu vejo o que você quer dizer." Garrett deu um tapinha nas costas dele. “Confie em mim, é tudo sobre instinto. Você vai descobrir.”


Garrett e Trevor foram até o local para pegar seus lugares, deixando Tucker pensar enquanto se inclinava contra a parede e bebia sua cerveja. Era tão simples assim? Ele não tinha pensado muito em encontrar a mulher certa - ou qualquer mulher - para se acalmar. Ele gostava de seu estilo de vida do jeito que era, imaginando que ainda tinha muito tempo para encontrar a mulher de seus sonhos. Mas ele nunca pensou em como isso poderia acontecer. Ou quando isso poderia acontecer. Ou como ele saberia, quando a mulher certa aparecesse, que ela realmente era a pessoa certa. Ah, inferno. Por que ele estava pensando nisso? Ele e Aubry estavam saindo, fazendo sexo e se divertindo. Ele se aproximou e jogou alguns jogos de sinuca com os caras, bebeu algumas cervejas, comeu alguma comida incrível, e acabou ficando no andar de cima e conversando com a gangue. Era um bom grupo. Ele gostava dos rapazes, tinha se encaixado bem com a equipe e se sentia em casa aqui - mais em casa do que jamais sentira antes. Seu estilo de arremesso funcionou bem para essa organização, e o sentimento de camaradagem, que ele sentia com esse grupo de jogadores, era mais uma irmandade do que ele jamais obtivera, com qualquer outro time. Além disso, era uma equipe vencedora e ele gostava de jogar pelos vencedores. Todos eles tinham a mesma mentalidade também. Jogue duro e vença. A festa começou a diminuir, então ele foi até Aubry. Ela estava na cozinha, com um copo de vinho em uma mão, a outra acenando no ar, enquanto falava animadamente a várias mulheres. Ele se encostou na porta para observá-la. Ela dizia alguma coisa, depois parava e ouvia atentamente, enquanto outra pessoa assumia a conversa. Ela também foi aceita. Ele sabia que muitas das mulheres já a conheciam desde que ela era filha de Clyde Ross, mas ela parecia confortável com todas elas. E quando ela inclinou a cabeça para trás e riu de algo que Liz disse - oh, cara, aquele som disparou direto para suas bolas. Não havia nada como uma mulher que sabia rir, que podia se divertir e ser tão completamente desinibida assim. Ele entrou na cozinha. "Ok, do que vocês estão falando?" Liz se virou. “Mulheres e múltiplos orgasmos. E os homens que podem nos dar. Não chegamos a questionar Aubry sobre isso ainda, Tucker.”


Ele agarrou a mão de Aubry. "Ela vai deixar vocês saberem amanhã." Todo mundo riu. Eles se despediram e agradeceram a Liz e Gavin por convidá-los, para a festa, então saíram. Aubry se inclinou contra ele enquanto eles se dirigiam para o carro. Ele parou na rua, puxando-a em direção a ele para um beijo. Ela entrou em seus braços e encontrou seus lábios. O beijo foi quente e apaixonado, fazendo-o desejar que eles já estivessem em casa, para que pudesse despi-la e estar dentro dela, algo que ele estava pensando por algumas horas agora.” Ele se afastou e ela lambeu os lábios, ainda segurando-o. Suas unhas cravaram em seus antebraços. "Não dirija rápido demais, mas vamos a algum lugar onde possamos ficar nus, ok?" "Você entendeu." Eles acabaram em sua casa, já que ficava a mais de um quilômetro e meio, a mais do que a dela, e ele estava sem paciência, especialmente porque Aubry continuava correndo a mão para cima e para baixo em sua coxa no caminho para casa. Ele parou na entrada da garagem, saiu e foi para o lado dela. Ela já estava fora e fechou a porta, então ele pegou a mão dela e levou-a para a porta da frente. Ele não era o tipo de cara para ficar ansioso sobre sexo. Esta não era sua primeira vez, e ela não era sua primeira mulher. Ao longo dos anos, ele aprendeu a ser paciente e podia esperar por isso. Mas Aubry ficou com ele durante toda a noite, provocando-o, então quando ele fechou a porta da frente, estava pronto. Inferno, mais do que pronto. Então ela também estava, aparentemente, porque ele não tinha encontrado o interruptor de luz antes que ela o empurrasse contra a parede e empurrasse seu corpo contra o dele. Ele passou os braços em volta dela e se inclinou para tomar sua boca em um beijo que disparou sua paixão rápida e quente. Ele fundiu sua língua com a dela, seu pênis ficou instantaneamente duro, e ele enfiou as mãos em seu cabelo, segurando a cabeça dela, para que ele pudesse explorar sua boca, tomar o beijo mais profundo. Ele balançou seu pênis contra o corpo dela. Em resposta, ela soltou um gemido suave e gutural que disparou direto para suas bolas. Suas mãos percorreram sobre ele,


suas unhas cravadas nele, e se ele não a tivesse completamente nua agora ele poderia simplesmente explodir. O problema que era muito bom senti-la contra ele, todas as partes moles dela contra as partes duras dele. Ele não queria mover seu pau para longe dela, desde que estava aninhado entre as pernas dela, balançando contra ela. "Você continua fazendo isso e você vai me fazer gozar." Ele levantou a cabeça e olhou para ela. "Através de todo esse jeans?" "Ok, pode demorar um pouco, mas com certeza é bom." "Vai se sentir ainda melhor sem roupas." Ela empurrou seus quadris contra ele. “Então o que estamos fazendo no corredor? Vamos ficar nus.” Ele sorriu, depois estendeu a mão para segurar a bunda dela, puxando-a para mais perto. "Eu estava chegando lá, é só que você me faz tão bem, Aubry." Sua respiração escapou, um ligeiro suspiro com ela. “Nu, Tucker. Agora." "Sim, senhora." Ele pegou-a pela mão e levou-a para seu quarto. Ele nem se incomodou em ligar as luzes, porque sabia onde todos os móveis estavam em seu quarto. Ela não o fez, o que foi bom para ele, porque obrigou Aubry a ficar perto dele. Ele a tinha enfiado contra o seu lado, amando a sensação de suas curvas suaves enquanto ele a dirigia para a cama e a sentava na beirada. Ele se inclinou e tirou seus sapatos, o que fez suas pernas parecerem longas e o fizeram pensar sobre ela envolvendo, aquelas longas pernas, ao redor dele, enquanto ele bombeava para dentro dela. Seu pau se contraiu. Sim, devagar, amigo. Ele levantou e abriu o botão de seu jeans, depois o zíper, seus dedos colidindo com a pele acetinada, enquanto ele puxava o jeans sobre os quadris e as pernas. Ele não era um homem paciente. Não quando o sexo estava envolvido. E maldito se esses jeans não estivessem colados às suas pernas. Ele queria arrancá-los, mas o luar que entrava pelas janelas refletia-se no rosto dela, e ela estava observando-o despi-la. Ele curvou um meio sorriso para ela. "Eu acho que as mulheres usam esses jeans de propósito."


Ela levantou uma sobrancelha. "Mesmo. Por que razão." Ele sentou em seus calcanhares. “Múltiplos propósitos, na verdade. Um, eles fazem sua bunda e pernas parecerem incríveis.” Ela sorriu para ele. "Obrigada." “E dois, eles fodem para sempre, para sair de você, então você nos força a sermos pacientes.” “Não me lembro de pedir que você seja paciente. Agora eu não me importo se você o cortou. Você lembra que fui eu quem sugeriu que ficássemos nus?” Essa foi a resposta certa. Apressou-se a puxá-la pela perna e jogou-a na cadeira próxima, depois alisou as mãos pelas pernas, incapaz de resistir a tocar cada centímetro de pele exposta. "Agora quem é o único forçando a paciência?" Aubry olhou para ele. Ele sorriu. “Mas há tantos lugares incríveis em você, para colocar minhas mãos. E minha boca.” Ele beijou suas coxas, depois abriu suas pernas, colocando os lábios naquele lugar doce, na parte interna de sua coxa e tocou a sedutora renda de sua calcinha. Ela respirou fundo, e esse era o som, que ele queria ouvir, especialmente quando foi seguido por um gemido, quando ele colocou a boca em seu sexo. Mesmo através de sua calcinha, ele provou-a - aquele sabor doce, salgado e único que pertencia apenas a Aubry. Ele queria mais, então puxou a calcinha de lado e a lambeu. Ela gemeu mais e mais dessa vez. “Oh, sim. Faça isso de novo ”, disse ela. "Bem desse jeito. Por muito tempo. Até eu vir.” Ele poderia trabalhar nessa direção. Ele enfiou a língua dentro dela, depois lambeu ao seu comprimento, lento e fácil. Ele ouviu os sons que ela fez, usando essas teclas como um mapa do caminho e aproveitando cada passo da jornada. Ela tinha gosto de mel e ele poderia ficar aqui e lambê-la por horas. Mas, eventualmente, ela ficou tensa, se contorceu contra ele e ele percebeu que ela estava quase lá, então deu-lhe um pouco mais de pressão com a língua e acelerou o passo. E quando ela se arqueou contra o rosto dele e estremeceu, gritando seu nome, sabia que ela estava vindo. Ele provou sua doce liberação, lambeu-a, suas mãos em seus quadris, a segurando enquanto ela estremecia. Ele manteve sua boca nela, dando-lhe aquele contato que ela precisava até que seus quadris relaxassem na cama.


Deus, isso foi bom. Sentindo Aubry se contorcer por toda a sua cama, escutando seus gemidos, provando-a - era tudo o que ele podia fazer para não interromper seu prazer, empurrando seu pênis nela até que ele gozasse. Até que os dois viessem. Mas ela tinha um gosto tão doce e ele queria que ela viesse primeiro. Agora que ela tinha, ele queria ouvir aqueles gritos novamente. Desta vez, enquanto ele estava dentro dela. Ele se arrastou até o corpo dela, plantando beijos ao longo de seu quadril e costela, levantando sua camisa. Ele passou por cima da cabeça dela, depois soltou o sutiã e o removeu também. Ele fez o trabalho rápido de se livrar de suas próprias roupas, em seguida, caiu em cima dela, esfregando o peito contra os mamilos. "Mmm", disse Aubry. "Bom?" "Sim. Vamos fazer mais. . . tudo isso. Mas com o seu pau dentro de mim desta vez. Eu poderia ter outro orgasmo.” Ele gostava da abordagem aberta e agressiva de Aubry ao sexo. Ele estivera com mulheres que não eram vocais, que não diziam o que gostavam. Não que ele se importasse timidamente. Ele poderia persuadir uma resposta. Mas ele preferia muito mais uma mulher confiante, que sabia o que queria e não tinha medo de pedir. E ele definitivamente queria dar a ela. Pegou um preservativo de sua mesa de cabeceira, em seguida, abriu as pernas dela, puxando-as para a beira da cama. "Oh, eu gosto de onde isso está indo." Ele agarrou seu pau, acariciou-o. "Isso vai na sua boceta." Ela riu. "Se apresse." "Você está tirando todo o romance disso, Aubry." “Aww. E isso prejudica seus pequenos sentimentos ternos? Agora era sua vez de rir. "Eu vou te dar alguns sentimentos." Ele abriu o preservativo e colocou-o, em seguida, colocou a mão sobre o sexo dela. Sua respiração ficou mais aguda, profunda, sua expressão mudando de brincalhona para muito séria quando ele passou os dedos sobre o clitóris. Ele a queria pronta para ele, e quando ela se ergueu contra a mão dele, fechando os olhos, enquanto movia o polegar para frente e para trás sobre o nó endurecido, ele sabia que ela estava preparada.


Foi quando ele segurou sua bunda, levantou-a e deslizou para dentro dela. Seus olhos se abriram e ela encontrou seu olhar, agarrando seus braços, para atraí-lo mais fundo. Ela levantou os quadris, dando-lhe acesso a ela. "Porra, você é bonita aqui", disse ele, olhando para ela, para eles, onde eles se juntavam. “Eu posso ver meu pau entrando e saindo de você. Seus lábios de buceta me agarram, chupando em mim, enquanto eu deslizo para fora de você. Você é tão apertada e quente e molhada, Aubry. Tudo o que eu quero fazer, é ficar enterrado dentro de você, sentir você apertar meu pau assim.” O aperto que ela segurava nele e o jeito que ela olhava para ele, quando ele a fodia era uma tortura do melhor tipo. Seu olhar era direto e cheio de paixão, e ele podia senti-la envolvendose em torno dele, por dentro e por fora. Era uma sensação inebriante, colocando-o em uma névoa de prazer como nunca antes. Ele podia ficar tão perdido nela, nas sensações que ela tecia ao redor dele. O cheiro dela, o jeito que ela olhava para ele, o jeito que parecia ao estar dentro dela. Ele agarrou seu quadril e levantou sua perna, aninhando-se contra ela, para tomar sua boca, em um beijo que o fez se perder ainda mais. Ele emaranhou os dedos em seu cabelo, respirando seu perfume enquanto dirigia seu pênis mais profundamente. E quando ela chupou a língua dele, levou tudo nele para adiar, para esperar, quando tudo o que ele queria fazer, era se derramar dentro dela. Apenas alguns segundos a mais. Ele iria quando ela fosse. E quando ela chegou, foi malditamente perfeito. Ela choramingou contra sua boca, apertou seu pênis com contrações e passou as unhas ao longo de seu braço. Ele tinha certeza de que raios brancos cegavam partes de seu cérebro, quando ele soltava. Ele balançou duro e profundamente dentro dela, quando deu a ela tudo o que tinha. Cansado e suando, ele passou o braço em volta dela e apenas. . . Acalmou-se, absorvendo as batidas de ambos os corações enquanto se acomodavam. Aubry passou os dedos pelos cabelos, com uma mão, enquanto esfregava as costas com a outra. "Eu posso precisar de um banho", disse ela. "Você está suando em mim." Ele levantou a cabeça para olhar para ela. "Você está reclamando?"


Seus lábios se curvaram. "Nem um pouco." Ele finalmente se levantou e a puxou para uma posição de pé. "Vamos." Eles tomaram um banho rápido e ele a lavou de volta, beijando todas as manchas vermelhas que ele colocou em seu corpo com o crescimento de barba do dia. Sua pele era macia e ele arranhou-a. Mas ela não parecia se importar, o que era uma coisa boa, porque ele com certeza gostava de tocá-la - especialmente com a boca. Eles saíram do chuveiro e se secaram. Ela entrou em seu armário e saiu vestindo uma de suas camisetas. Ele também não se importava com isso. Ele pegou um par de moletons e subiu naqueles. "Eu não sei sobre você, mas estou com fome", disse ele. "Você está, huh?" "Sim. Sexo sempre aumenta o meu apetite.” Ela balançou a cabeça. “Não olhe para mim, Tucker. Eu não sou uma ótima cozinheira.” “Certamente, entre nós dois, podemos pensar em algo simples.” “Você come ovos e bacon? Eu posso cozinhar isso.” Ele a levou pelo corredor até a cozinha. “Surpreendentemente, essa é uma das minhas especialidades também. Isso e atum. Eu posso abrir uma lata de atum como você nunca viu ninguém fazer antes.” Ela enfiou a mão na geladeira e pegou a caixa de ovos. “Eu sou muito boa com atum também. E taças de cereais. Eu também faço uma torrada incrível.” Ele pegou duas panelas e começou a colocar o bacon em uma. "Espero que você não goste de ovos chiques", disse ela. "Eu só posso fazer mexidos." Ele riu. "Mexidos funciona para mim." “Você deveria encontrar uma namorada que seja uma boa cozinheira. Isso deve estar no topo da sua lista.” Ele se virou para ela e colocou o braço ao seu redor, puxando-a para perto. Quando ela olhou para ele, ele a beijou. “As habilidades culinárias, não estão no topo da minha lista de critérios, quando escolho mulheres que gosto.” Ela deu-lhe um olhar. "Mesmo. E que tipos de talentos são importantes para você?” Ele a soltou e se concentrou no bacon crepitante. "Oh, você sabe, as coisas típicas ganhando bem e habilidades de trabalho de carreira.”


Ela riu. "Claro." Ele gostava que ela não fosse facilmente insultada, e que ela não o levasse tão a sério. Eles terminaram os ovos e o bacon e adicionaram torradas, depois se sentaram para comer. Enquanto ela comia, Aubry continuou estudando-o. "Eu tenho comida no meu rosto?" “Não, eu estava apenas pensando sobre seus óculos. Você já pensou em fazer uma cirurgia para consertar sua visão?” "Eu pensei sobre isso, mas eu vejo muito bem com os meus óculos e eu não queria que a cirurgia corretiva mudasse a maneira, como eu zero a placa, quando eu jogo." Ela colocou o garfo no prato. "Então você acha que, se eles corrigissem sua visão, isso mudaria seu arremesso." "Sim. A equipe sugeriu isso. Eu recusei. Eu vejo muito bem com meus óculos, e meu pitching mostra isso. Não há razão para mudar o que funciona, sabe?” Ele pegou uma garfada de ovos em sua boca e ela sorriu para ele. "Definitivamente não." Depois que ele tomou um gole de suco, ele disse: "Além disso, você tem que admitir que esses óculos me fazem parecer sexy". Aubry riu. “Eu não posso negar isso. Eu só estava curiosa. Eu usava óculos desde os seis anos de idade até a metade da faculdade. Eu não podia usar lentes de contato, porque elas incomodavam meus olhos. Então eu fiz a cirurgia de visão corretiva. É por isso que eu queria saber se você explorou a opção.” Empurrou o prato vazio para o lado, depois se inclinou sobre a mesa para olhá-la. “Você tem olhos lindos, Aubry. Mas eles seriam tão bonitos se você ainda usasse seus óculos. Na verdade, eu aposto que você parecia quente em seus óculos.” "Obrigada. E você é muito sexy em seus óculos.” "Eu sei." Ela revirou os olhos. "E tão humilde também." "Certo?" Ela balançou a cabeça, depois levou o prato para a pia e enxaguou-o. Ela começou a pegar as panelas, mas Tucker estava bem ali. “Deixe isso. A empregada cuidará delas.”


Ela se virou. "Você tem uma empregada?" "Não. Mas você não precisa lavar a louça. Vamos para a cama.” “Eu não posso ir para a cama agora. Acabei de comer. Ela terminou de lavar as panelas e entregou-as a ele, para secar.” Ele colocou os pratos no escorredor, em seguida, encostou-se ao balcão da cozinha. "Assim . . . O que você quer fazer? Assistir alguma TV?” "Isso vai resolver por agora." Eles se enrolaram no sofá e Tucker usou o controle remoto para rolar. "Aquele", disse ela quando surgiu um filme de terror. "Tem certeza de que isso não lhe dará pesadelos?" Ela nivelou um olhar para ele. “Eu trabalho no pronto-socorro. Eu não tenho pesadelos. Além disso, isso é falso. Eu lido com alguns horrores reais.” "Devidamente anotado." Depois que o filme terminou, ele desligou o controle remoto e se levantou, depois pegou a mão dela. "Vamos. Cama. Você bocejou pela última meia hora.” Sufocando outro bocejo, ela deixou que ele a colocasse de pé. “Mas foi fascinante. Honesto." "Uh-huh". "Eu ainda vou querer sexo quente e apaixonado quando formos para a cama." "Estou feliz de saber." Ele tinha algumas escovas de dentes extras no banheiro, então ela abriu um dos pacotes e escovou os dentes, depois caiu na cama. Quando Tucker subiu ao lado dela, ela aconchegou sua bunda contra a virilha dele, fechou os olhos e dormiu em menos de um minuto. Tanto para o sexo quente fascinante. Ele sorriu e fechou os olhos.


VINTE E SETE AUBRY ACORDOU COM O CHEIRO DO CAFÉ. Ela virou

de costas e se esticou, então percebeu assim que

abriu os olhos, que ela definitivamente não estava em sua própria cama. Certo. A cama de Tucker. Onde ela exigiu sexo quente e logo desmaiou. Ah bem. Ela se levantou, entrou no banheiro e escovou os dentes. Ela pensou em se vestir, então decidiu que era muito esforço no momento, preferindo seguir o cheiro do café. Parou no final do corredor enquanto observava Tucker. Ele usava apenas sua boxer, enquanto bebia uma xícara de café. Ele se encostou no balcão da cozinha e olhou pela janela. Ele tinha o abdomen mais esculpido, do que qualquer homem, com quem ela já tinha estado. E esses ossos do quadril. . . Deus, esses ossos do quadril. Os homens sabiam o que essas coisas faziam com as mulheres? Talvez eles soubessem e eles usavam suas calças ou cuecas baixas assim, assim as mulheres fundiriam as células cerebrais, pensariam apenas em sexo e quereriam deixar suas calcinhas no comando. Se ele pedisse, ela largaria a dela. Era um pensamento horrível, considerando que ela não era uma adolescente hormonal. Era uma profissional inteligente. Uma maldita médica, pelo amor de Deus. Ela tinha visto homens nus antes - muitos deles. Muitos deles tinham corpos muito bons também. Mas não como Tucker. Ela estava derretendo em si mesma e não havia nada a fazer, além de apreciar o inferno de sua anatomia. De um modo puramente não-clínico. Ela deveria ter vergonha de si mesma. Mas ela não tinha. Não, nem um pouco. Reunindo sua inteligência ao redor dela, ela entrou na cozinha tentando se segurar. Tucker a viu e sorriu. "Ei, você está acordada." "Eu cheirei café." "Como um afrodisíaco, não é?" Ele se virou e pegou uma xícara do armário, enquanto ela continuava a admirar seus ossos do quadril. O afrodisíaco? Era ele, não o café, e ela estava ficando cada vez mais excitada, a cada segundo. Logo ela estaria bem acordada e nem precisaria de café.


Mas ele preparou uma xícara para ela, então ela aceitou-o com um obrigado murmurado, estava do jeito que ela gostava e tomou alguns goles, deixando a cafeína infundir seus sentidos. Junto com o colírio para os olhos. “Dormiu bem?” Ele perguntou. “Como os mortos. Desculpe por deixar você.” Seus lábios se curvaram. "Não é um problema. Eu também estava bem cansado, então não tenho certeza, se poderia ter feito um show para você, de qualquer maneira.” “Oh, eu não sei. Tenho a sensação de que você está pronto para isso, não importa o quanto esteja cansado.” “Você deve pensar muito bem de mim. Eu vou tomar isso como um elogio.” "Faça isso." Quando o café funcionou com sua magia, o mesmo aconteceu com a visão de Tucker, seu cabelo bagunçado, seu corpo chamando-a de maneiras, que ela não estava disposta a tentar entender. Puramente e simplesmente, ela acordou do lado da excitação esta manhã. Ela colocou a xícara no balcão e foi até ele, deslizando as pontas dos dedos ao longo do cós da cueca dele. Ele olhou para ela e ela percebeu o desejo instantâneo em seus olhos, feliz por saber que ele estava na mesma página. Ela se moveu para ele, pressionando seu corpo contra o dele. Se levantou na ponta dos pés, enfiou a mão no cabelo despenteado e beijou-o, saboreando o sabor persistente do café em seus lábios. Ele a beijou de volta, envolvendo o braço ao redor dela para puxá-la para mais perto. Sim. Ai sim. Alguma paixão quente e inebriante era exatamente o que ela precisava esta manhã. Ela alcançou entre eles, deslizando a mão em sua cueca, envolveu a mão em torno de seu pênis duro. Ele gemeu, empurrando a língua em sua boca, a ação de sua boca e sua mão em seu eixo, incitando-a a uma excitação febril. Estava tudo consumindo, esse desejo que ela tinha por ele. A melhor parte era, ela sentiu em troca, no modo como ele empurrava seu pênis em sua mão, os sons que ele fazia e como ele enfiava os dedos em seus cabelos enquanto a beijava.


Ela se afastou do beijo, apertou as mãos no peito dele por um pouco de distância, e percebeu o olhar de paixão crua em seu olhar. Ele estava respirando pesadamente enquanto a encarava - como algum dragão que cospe fogo. E não foi só a coisa mais sexy? Ela estabeleceu que ele era o homem mais quente que ela já tinha visto, a razão para seu estado esta manhã. Ela não conseguia o suficiente dele, sua mente e corpo já estavam fixados nele. No sexo. Ela puxou a cueca dele, liberando seu pênis, depois caiu de joelhos. "Oh, sim", disse Tucker, inclinando o queixo para cima, então ela encontrou seu olhar. “Chupe meu pau, Aubry. Coloque seus lábios doces e quentes em volta de mim e chupe.” Ouvir suas palavras e ver seu olhar fixo nela a desmoronou. Ela levantou seu pênis, enrolando as mãos ao redor do eixo, acariciando-o, querendo dar-lhe prazer, porque ele sempre a fazia se sentir tão bem. Agora era a vez dela de fazê-lo se sentir bem.


VINTE E OITO Tucker soltou sua respiração, então segurou-a quando Aubry envolveu seus lábios, ao redor de seu pênis, puxando seu eixo em sua boca quente e úmida. Ele estremeceu quando viu seu pênis desaparecer entre os lábios dela. Era como um grande pedaço do céu, enrolado em torno de seu pau. Ou talvez o doce fogo do inferno. Ele não podia ter certeza, mas agora ele não se importava. Tudo o que ele sabia, é que era realmente bom ter sua boca, ao redor dele - vê-la rodando sua língua sobre a crista, em seguida, engolindo seu pênis até o punho. Suas bolas latejavam, enquanto ele lutava, para não empurrar tão forte quanto podia, na caverna suave de sua garganta. Em vez disso, ele entrou e saiu, observando suas bochechas, quando ela o levou para o fundo. Ela o fez estremecer quando se afastou, então envolveu sua língua ao redor da cabeça de seu pênis. Ela agarrou-o na base, acariciando-o enquanto banhava seu eixo em doces e quentes lambidas, que fizeram suas bolas tremerem. E quando ela inclinou a cabeça para trás, encontrou seu olhar e colocou a boca em torno de seu pênis novamente, cada centímetro de seu pênis desaparecendo lentamente, entre os lábios, ele quase perdeu logo em seguida. Ele soltou um gemido baixo. "Você está me matando", disse ele. "E você vai me fazer gozar." Sua única resposta foi um zumbido satisfeito contra seu pênis, que só fez piorar. Ou melhor, ele supunha, porque parecia muito bom. Ele deslizou a mão ao redor da parte de trás do pescoço dela, segurando-a no lugar, quando empurrou profundamente, em seguida, retirou-se. Ela deu-lhe sucção forte, apertando os lábios, apertando a cabeça do pau dele contra o céu da boca, até que ele estivesse pronto para explodir em sua boca quente e úmida. “Eu vou gozar, Aubry. Agora mesmo."


Ela não recuou, em vez disso, inclinou-se e tomou seu pênis completamente, em sua boca. Quando seu pau bateu em sua garganta e ela engoliu, apertando-o, ele sabia que não podia mais segurar. Seu corpo inteiro estremeceu quando chegou ao clímax, um jato de calor saindo, jorrando ao longo de sua língua macia. A garganta de Aubry trabalhou para levá-lo, e ele observou-a engolir, enquanto convulsionava com prazer, até que estava tremendo com isso. Se abaixou para puxá-la do chão, em seguida, tomou sua boca em um beijo que provou dele. Ela enrolou a língua ao redor da dele, seus gemidos suaves fazendo-o se contorcer, apesar do orgasmo que ela acabara de lhe dar. Agora era hora de dar a ela, um gostinho do que ela tinha feito por ele. Ele se inclinou e puxou sua calcinha para baixo, em seguida, colocou a boca sobre ela. Ela cantarolou em satisfação, quando ele rolou a língua sobre seu sexo encharcado. “Oh, sim, Tucker. Aí. Eu acordei tão quente esta manhã. Estou tão pronta para vir.” Ele adorava ouvi-la dizer isso, adorava saber que ela acordara excitada e pronta para o sexo. Ele encontrou o local que a fazia gemer e manteve a língua lá, pressionando, dando-lhe o que ela precisava. Ele acrescentou os dedos, deslizando-os para dentro dela, bombeandoa, transando com ela, ouvindo seus gritos de prazer, quando ela desmoronou para ele. Não havia nada mais doce do que tê-la vindo para ele, para saboreá-la, enquanto ela tremia contra ele. Ele se levantou e a beijou, segurou-a enquanto ela estremecia através dos tremores secundários até que ela se estabeleceu. Ela deitou a cabeça no ombro dele. "Agora eu estou com fome." Ele riu. "Vamos tomar um banho, depois tomaremos o café da manhã." Eles se limparam e saíram para um restaurante para comer. "Quando é o seu próximo jogo?", Ela perguntou, quando começou a comer um pouco de aveia e frutas. "Esta noite." Seus olhos se arregalaram. "Estou impedindo você de chegar ao estádio?" "Não. Eu não vou até esta tarde.” "OK." "E quanto a você? Quando você trabalha?" "Eu tenho uma mudança hoje à noite."


"Agora é a minha vez de perguntar se estou mantendo você longe do trabalho". Ela riu. "Confie em mim. Nada me impede de trabalhar. Eu entro às três. "OK. Obrigado por passar a noite comigo.” "Eu gostei. Mas, você sabe, não podemos fazer disso um hábito.” Coisa interessante para ela dizer. "Sim? Por que isso?" Ela encolheu os ombros e terminou seu copo de suco. "Você está ocupado. Estou ocupada. É toda essa coisa de carreira.” Ele se recostou na cabine. “Nós conseguimos muito bem até agora, não conseguimos? Você ainda não perdeu o trabalho, não é mesmo?” "Não." “E eu não perdi um jogo. Então estamos bem, não estamos?” "Eu acho." Ele a estudou. "A menos, que seja a sua maneira educada de dizer, que você gostaria de me despejar." Seus lábios se curvaram e ela alcançou a mesa para agarrar a mão dele. “Confie em mim, Tucker. Eu gosto do que você tem.” "Bom. Então pare de tentar acabar com isso. Somos bons. Estamos nos divertindo juntos. Então pare de tentar complicar algo que, até agora, não é complicado ”. Agora ela o estudou, antes de finalmente concordar. "OK. Descomplicando isso.” Ele se perguntou se ela havia mencionado isso, por causa do horário de trabalho, ou se era outra coisa. Porque, na verdade, o que eles estavam fazendo, era tão descomplicado quanto possível. Claro, os dois tinham horários lotados, mas até agora tinham conseguido contornálos. E ele gostava muito de Aubry. Ele queria continuar a vê-la. Mas se ela tivesse reservas sobre isso - sobre ele. . . Ele decidiu dar de ombros e seguir as coisas como estavam agora. Aubry era bem sincera e honesta. Se ela tivesse problemas, ela diria a ele. Ele definitivamente não tinha problemas. Ele gostava de estar com ela, gostava de vê-la, tocá-la e fazer sexo com ela. Ele sabia que ela não queria complicar sua vida e, depois daquele desastre com Laura, a última coisa que queria era um relacionamento difícil. Até agora, os dois estavam funcionando bem.


Ele pretendia continuar assim.


VINTE E NOVE Aubrey tinha as mãos cheias na emergência hoje, um paciente com dor abdominal, outro com o tornozelo quebrado, um com o nariz sangrando que não coagulava direito e outro com uma infecção do trato respiratório superior. Ela estava correndo sem parar, desde que começou a trabalhar esta manhã, o que fazia um bom dia, quanto á passagem do tempo, mas com certeza estava agitado. “A sala doze está vomitando sangue,” Olivia, a enfermeira disse ao passar por ela no corredor. “Diga a ele para parar de fungar. Ele está acumulando todo esse sangue em sua garganta. E o agente de coagulação está funcionando ainda?” Olivia assentiu. “Parece estar diminuindo o sangramento. Estou voltando para lá agora para checar.” “Eu estarei lá em breve. Preciso checar os raios X para o paciente abdominal.” Ela revisou os raios-X, que não lhe disseram o que ela precisava saber, então ela encontrou o estagiário encarregado de seu paciente abdominal. "O que você vê neste raio-X?" O estagiário, Max, estudou. “Não muito, realmente. Nada para explicar a quantidade de dor que o paciente sofre. Descartamos o apêndice e a vesícula biliar.” Ela assentiu. "O que você faria depois?" Max olhou para ela. "Eu pediria uma tomografia computadorizada da região abdominal superior e inferior." "Boa decisão. Faça isso e monitore o paciente. Deixe-me saber quando tivermos os resultados.” Max assentiu e foi pedir os testes. Isso resolvido, ela entrou para checar seu paciente com hemorragia nasal. Fiel ao que Olivia lhe dissera, o agente de coagulação estava funcionando e seu sangramento havia parado. Ela examinou o nariz e decidiu mantêr o paciente lá, para garantir, que o sangramento não recomeçasse. Esperando que dentro de uma hora pudesse dar alta, com instruções para o paciente ir ver um especialista, e verificar sua incapacidade de coagular apropriadamente.


Eles receberam o raios-X do paciente respiratório superior, que felizmente não revelou pneumonia, apenas um caso grave de bronquite. Ela liberou a mulher mais velha, receitando antibióticos e um inalador, e uma nota para acompanhar com seu médico pessoal. Desde que realmente teve um minuto para respirar, foi pegar uma bebida energética. Ela havia bebido quando o telefone tocou. Era Tucker. Na área de espera. Você está ocupada? Ela revirou os olhos. Ela não o via há alguns dias. Horários conflitantes e tudo. Mas ele manteve contato e eles conversavam. Mas agora, ele aparecia aqui? Por alguma razão ele deve pensar, que ela trabalhava em um escritório, e ele poderia ir a qualquer hora. Ela ia ter que colocá-lo direto sobre isso. Como agora, quando ela teve aqueles poucos minutos para respirar. Ela dirigiu-se para a sala de espera, onde ele estava na mesa conversando com Charlene, a coordenadora da recepção. Ele olhou para cima quando a viu e sorriu. Tão típico. Ele usava jeans soltos, uma camisa de algodão de mangas compridas até os cotovelos, e estava lindo. Ela, por outro lado, tinha o cabelo preso atrás das orelhas e os aventais estavam cobertos. . . Só Deus sabia do que. Ela se sentia nojenta. "Hey", disse ele, indo até ela. "Eu estava na área, então pensei em passar por aqui." "Estou realmente ocupada. Você deve ligar ou mandar uma mensagem e marcar uma consulta.” Ele riu. “Eu não caí ou quebrei nada, doutora. Eu não preciso de uma consulta no prontosocorro.” "Isso não foi o que eu quis dizer." “Oh. Você quis dizer uma data, para um encontro? Bem, todas as datas com você, não são importantes?” Ela balançou a cabeça. "Isso não é o que eu quis dizer." Seu cabelo caiu no rosto e ele enfiou o fio atrás da orelha. "Tendo um dia difícil?" Sua voz era suave e reconfortante e ela estava sendo uma cadela. Seu dia de merda não era culpa dele. "Tem sido ocupado."


"Eu posso ir. Por que você não me liga quando sair do trabalho?” Ele se virou para ir embora, mas ela agarrou seu pulso. "Não. Está bem. Eu gostaria que você ficasse. Eu tenho um paciente com o qual tenho que lidar primeiro, mas. . . fique." Seu olhar a derreteu, a fez desejar que eles estivessem em qualquer lugar, menos aqui agora. "OK. Eu vou ficar aqui.” "Não. Volta comigo. Há uma sala onde você pode esperar.” Ele sorriu. "Certo." Ela o levou de volta ao salão dos médicos. Ninguém estava lá - é claro - porque era exatamente esse tipo de dia. “Há uma máquina de venda automática. Tem refrigerante e água e lanches. E uma TV com um canal de esportes. "Estou bem por agora." Ela olhou para ele. “Vou checar aquele paciente e volto já. Se eu não...” Ele colocou as mãos nos braços dela. “Aubry. Eu sou um menino grande. Eu posso cuidar de mim mesmo. Se você se ocupar, não se preocupe comigo, ok?” "OK." Ele roçou os lábios contra os dela. "Eu vou ver você em breve ou eu vou falar com você mais tarde." Ela assentiu, depois saiu apressada. Ela correu para Max a caminho do quarto do paciente. “A tomografia computadorizada foi solicitada. Eu estava indo apenas para ver o estado do paciente. "Tudo bem. Deixe-me saber quando tivermos os resultados.” Depois que Max saiu, ela terminou de mapear os registros de seus pacientes, depois voltou para verificar a entrada. Aqueles foram todos manipulados, então ela voltou para o salão. Tucker estava lá jogando, em seu telefone. "Você ainda esta aqui." Ele se levantou e deslizou o celular no bolso. "Você não demorou muito tempo." "Estou aguardando os resultados do teste para um paciente". "Quanto tempo isso vai levar?"


"Talvez uma hora." Ele olhou ao redor. "Tem um armário de vassouras que podemos brincar?" Ela riu. "Isso só acontece nos programas de televisão." "O que? Você nunca conseguiu isso no hospital?” "Oh não." Ele pegou a mão dela e levou-a para fora da sala. "Você está fazendo tudo errado, então, Dra. Ross." "O que você está fazendo?" "Encontrar-nos um armário ou um desses - como você os chama - quartos de plantão?" Ela puxou a mão dele, horrorizada por ele considerar a ideia. “Tucker. Nós não podemos fazer isso.” Ele não parou, até que eles encontraram Katie. “Hey, onde vocês estão indo? E eu sou Katie, a propósito, ”ela disse para Tucker. “Tucker. Prazer em conhecê-la, Katie.” "De volta ao salão", disse Aubry. "Na verdade, estamos procurando por um pouco de privacidade", disse Tucker. Os olhos de Katie se arregalaram, então ela sorriu. “Que divertido para vocês dois. Eu sugeriria o quarto trinta e quatro no final do corredor dois. A menos que estejamos batidos, eles nunca colocam os pacientes tão longe. É muito particular e ninguém vai procurar por você lá.” "E como você sabe disso?" Aubry perguntou. Katie apenas deu um sorriso torto, em seguida, pegou uma barra de granola do bolso. "Vocês dois se divirtam." "Obrigado", disse Tucker. "Agora, onde é este corredor e o quarto trinta e quatro?" Aubry sacudiu a cabeça. "De jeito nenhum." "Bem. Vou pedir informações, mas não será tão privado.” "Você está falando sério sobre isso?" Ele soltou o pulso dela. “O relógio está correndo, doutora. E nós podemos apenas nos beijar um pouco, se você tem medo de ser pega. Nada tem que acontecer, que você não queira que aconteça.”


Ela definitivamente poderia usar alguns minutos de beijo. Tucker sempre conseguia a relaxar, e seu dia tinha sido frenético na melhor das hipóteses. "Bem." Ela pegou a mão dele e o guiou por várias esquinas e percorreu um longo corredor até chegarem à última sala à direita, na sala trinta e quatro. "Jesus. Isso está longe. Você realmente tem muitos pacientes?” "As vezes. Especialmente no inverno, durante a temporada de gripe. Nós ficamos atolados então. Mas agora? Não." "Bom." Ele fechou a porta, em seguida, empurrou-a contra ela e colocou sua boca na dela em um beijo profundo e apaixonado que a fez esquecer tudo sobre seu dia ruim. Tudo o que ela pensava era nas mãos de Tucker em seus quadris, as pontas dos dedos apertando em sua carne, enquanto seu beijo a fazia se sentir desossada. Ela caiu contra ele e ele puxou seus aventais para cima, colocando as mãos incríveis dele sobre sua pele. E quando ele mergulhou a mão dentro de suas calças, deslizando os dedos em sua calcinha para segurar seu sexo, ela teve um pensamento fugaz de objetar. Esse pensamento desapareceu em um instante, excitação assumindo quando ele sussurrou contra seu ouvido. "Deixe-me fazer você vir, Aubry." "Sim." É o que ela queria, o que ela precisava, mais do que qualquer coisa agora. E talvez uma pequena parte dela reconhecesse o perigo da situação, que só servia para aumentar seu senso de excitação. Ele acariciou seu sexo, seus dedos mergulhando dentro dela enquanto ele usava a palma da mão para esfregar contra o clitóris. Não ia demorar muito tempo. Ela estava pronta, tão pronta para vir. E suas palavras só tornaram isso mais fácil. “Você é tão quente, tão molhada, Aubry. Eu quero sentir você gozar por mim, sentir sua boceta apertando meus dedos. Depois que você vir, vou empurrá-la contra a porta, arrastar as calças para baixo e enfiar meu pau em você. Vou te foder duro e rápido até eu gozar.” Suas palavras dispararam através dela, fazendo-a tremer. Ela estremeceu, erguendo os quadris contra os dedos dele até que um choque de puro prazer explodiu dentro dela. Ela agarrou a mão dele e balançou contra ela enquanto gozava. Ele agarrou seu queixo e a virou, beijando-a, absorvendo seus gritos orgásticos.


Ela ainda estava tremendo quando ele a virou, empurrou-a contra a porta e puxou as calças para baixo. Ela ouviu os sons de seu zíper e da embalagem do preservativo. De repente ela sentiu o corpo quente dele pressionado contra o dela, e então ele estava se posicionando contra ela, dentro dela, fazendo-a querer gritar de prazer quando ele empurrou. Em vez disso, ela mordeu o lábio inferior, forçando-se a permanecer em silêncio enquanto ele dirigia para ela. Mas quando ele serpenteou as mãos em torno de sua frente e em seu top, puxou o sutiã para baixo para agarrar seu seio, ela não pôde evitar o gemido que escapou. "Eu amo transar com você assim", disse ele, bombeando duro e rápido para ela. “Só nós dois, sabendo exatamente o que queremos e aceitamos, não importa quem esteja por perto.” Ela nunca esteve tão excitada, mais necessitada do que estava neste momento. Ela se abaixou para se tocar. "É isso", disse Tucker. “Faça você mesma vir, Aubry. Deixe-me sentir isso e depois vou entrar em você.” Ela sabia que eles precisavam se apressar, que alguém poderia ouvi-los, poderia entrar aqui a qualquer momento. Essa percepção só aumentou sua necessidade, seu desejo de ir, com Tucker dentro dela. "Eu sinto sua boceta me apertando forte", disse Tucker, sua voz todas as arestas duras e sedução suave. "Agora me faça gozar." Ela estava ofegante, quase ofegante quando se aproximou da borda. Tucker brincou com os lábios com o polegar. Ela lambeu, mas quando ele deslizou o polegar dentro de sua boca, ela chupou, recompensada com seu gemido áspero. Ele empurrou seu pênis mais fundo e ela gozou, ondas de orgasmo lavando sobre ela. Ela não se importava onde estava então, porque tudo o que ela precisava naquele momento era ele, seu pênis bombeando duro nela, quando ele gozou e deu a ela o melhor orgasmo que ela já teve, consumindo-a em sua intensidade. Ela achatou as palmas das mãos na porta, enquanto lutava para recuperar o fôlego. Tucker se deitou de costas, beijando seu pescoço, sua respiração tão rouca quanto a dela. "Uau", era tudo que ela conseguia dizer, sua garganta estava totalmente seca. "Sim", ele disse. "Uau com certeza." Quando eles se soltaram, eles foram para o banheiro e se limparam. Ela endireitou o uniforme, ajeitou o cabelo e se olhou no espelho. Além de bochechas rosadas, ela olhou. . . normal.


Bom. "Eu preciso voltar ao trabalho", disse ela. "Ok." Ele a puxou em seus braços e plantou um beijo longo e quente nela que, em circunstâncias normais, os teria levado de volta para a cama. Mas desde que eles não tinham realmente começado na cama, e eles não estavam em casa, ela relutantemente se afastou. “Tucker. . . "Sim, eu sei." Ele deu-lhe um sorriso torto. "Oh, eu realmente parei, para descobrir quando é o seu próximo dia de folga." Ela pensou por um segundo. "Terça." Ele sorriu. “Ei, isso funciona. É meu também. Que tal um encontro?” Ela colocou a mão no peito dele. "Soa perfeito." "Eu tenho uma série fora da cidade chegando, mas eu vou ligar para você." "OK. Você consegue encontrar o caminho de saída? Eu acho que seria melhor se ...” Ele roçou os lábios contra os dela. "Sim. Eu posso. Tchau, Aubry.” "Vejo você mais tarde, Tucker." Ele saiu pela porta e desapareceu. Ela esperou um minuto, depois voltou para a estação, para pegar o prontuário do paciente. Desde que ela não tinha sido bipada, ela sabia que não havia novos pacientes enquanto estava. . . de outra forma ocupada. Os resultados da tomografia computadorizada de seu paciente abdominal, já havia saído, então ela encontrou Max e eles revisaram as opções de tratamento. Depois que ela terminou lá, foi atualizar o gráfico.” "Você esteve ausente por um tempo", disse Katie, olhando para ela com uma mistura de curiosidade e diversão. “Oh. Uh Tucker e eu pegamos algo para comer.” Katie soltou um suspiro. “Vocês dois podem ter comido, mas provávelmente um ao outro, não comida.” Aubry se concentrou no laptop na frente dela, ignorando sua amiga. "Eu não tenho idéia do que você quer dizer." "O que eu quero dizer é que há marcas vermelhas no seu pescoço, e você está com um brilho pós-sexo em seu rosto, não um brilho de sanduíche de galinha.” Ela se virou para Katie. "Você é muito observadora."


Katie deu de ombros. “Eu sou, quando outras pessoas estão fazendo sexo. E aqui no hospital? Você garota safada.” Uma hora antes, Aubry teria rido da sugestão de que ela faria sexo no hospital. Agora? "Eu não vou nem corar." “Eu também não. Alguém precisa se divertir por aqui”. Katie a estudou. "Assim . . . foi isso?" "Foi o que?" "Diversão." Ela riu. "Foi fantástico. Tucker definitivamente traz o meu lado ruim.” Katie ligou o braço ao de Aubry. “Não há nada de errado com isso. Você tem sido boa por muito tempo. Hora de bater em sua garota má interior. Agora que você tem comida falsa, vamos pegar algumas das coisas reais, antes que aqui fique ocupado novamente. ” Ela seguiu Katie em direção ao refeitório, pensando sobre o que sua amiga havia dito. Foi isso que ela fez? Ela sempre seguiu a linha reta e estreita. Faculdade, depois escola de medicina e agora sua residência, nunca uma vez se desviando de seu caminho cuidadosamente escolhido. Seu pai sempre lhe dissera que sua carreira era vital, e ela nunca deveria permitir que qualquer coisa - ou alguém - a distraísse. Ela nunca teve antes. Não que ela tinha sido uma santa. Mas ela não era uma menina má, nunca tinha sido. Ela teve sua parte de diversão, apenas nunca o tipo que a traria problemas. Tucker, embora? Ele tocou em seu lado selvagem, a parte dela que tinha fantasiado, sobre fazer coisas malucas. Como fazer sexo no hospital. Ele poderia ser um problema, de muitas maneiras.


TRINTA Eles ganharam um jogo e perderam dois em Pittsburgh . Tucker tinha lançado uma das perdas, e ele se sentia muito mal com isso. Ele sabia que eles não iam ganhar toda vez que ele armasse, mas ainda assim, ele não estava em seu jogo. Ele desistiu de duas corridas ganhas. Alguma coisa estava errada e ele pensara nisso desde aquele jogo. Ainda não conseguia identificar o que estava errado, mesmo agora, enquanto ele e os outros lançadores realizavam os aquecimentos. "Você ainda está incomodado com essa perda na outra noite." Ele olhou para Garrett Scott, que estava jogando bolas ao lado dele. "Sim." "Deixe ir. Foi apenas um jogo. Você vai perder muitos jogos, Tucker.” "Eu sei disso. Mas minha bola curva estava desligada naquela noite. Minha curva nunca está desligada.” "Você falou com Bobby sobre isso?" Isso é o que ele deveria fazer. Como treinador de arremesso para os Rivers, Bobby Sloan conseguia identificar um problema com a mecânica de um arremessador melhor do que ninguém. "Ainda não." "Faça. Confie em mim, Bobby vai saber se há algo fora de sua curva.” "Eu vou. Obrigado." "E Tucker?" "Sim." “Deixe de lado esse jogo. É uma queda e muito mais chegando. Você deixa isso entrar na sua cabeça, vai acabar com você pelo resto da temporada.” Ele assentiu. “Você está certo sobre isso. Considerarei isso.” Garrett riu. "Se todos aceitassem meu conselho tão facilmente." “Que conselho, Garrett. Quem te escuta? ”, Perguntou Tommy Mahoney. “Todos os meus colegas deveriam, Mahoney. Gosto de voce. Porque sou cheio de sabedoria”. "O que você está dizendo é merda", disse Tommy com uma risada. Garrett sacudiu a cabeça. "E é por isso que você é um arremessador de relevo, e não um iniciante".


"Não. Eu sou um arremessador de relevo porque alguém tem que entrar e salvar o jogo depois que você estragar tudo. ” Agora era a vez de Tucker gritar. - Vamos lá, Mahoney. Você sabe que não é assim que funciona. Você entra e assume quando temos que mijar.” "E você pode chupar meu pau, Cassidy." Vários outros jogadores vieram, os iniciantes e apaziguadores, e todos passaram vários minutos trocando farpas um com o outro. Foi um bom alívio para o estresse e algo que eles faziam muito para aliviar a tensão. Ninguém se ofendia, pois todos respeitavam o trabalho um do outro. Tucker contava com apaziguadores e iniciantes. Sem eles para salvar jogos, ele afundaria e sabia disso. O mesmo aconteceu com Garrett e os outros lançadores iniciais.” "Tudo bem, idiotas." Bobby Sloan, o treinador de arremesso, veio e quebrou sua sessão de farpas. "Agora que vocês acabaram de insultar um ao outro, que tal calar a boca e começar a jogar?" Todos se dispersaram e se afastaram para jogar, mas Tucker hesitou, depois foi até onde Bobby e os assistentes estavam para observar. “Bobby. Você tem um minuto?” "Sim. Estás bem?" “Eu acho que pode haver algo fora da minha curva. Eu senti isso na outra noite durante o jogo.” "OK. Vamos te preparar com um apanhador e eu vou te ver jogar. Misture alguns dos seus outros arremessos também. Bobby puxou um dos coletores para o monte, bem como um de seus companheiros de equipe para ficar em pé, o que tornou mais fácil para Tucker visualizar a zona de ataque. Tucker já estava aquecido, então ele pegou os sinais do receptor e jogou como se estivesse em uma situação de jogo, tentando lançar ataques. Ele jogou vários arremessos, vários dos quais a massa bateu. Ele também sentia falta de alguns, mas Tucker não prestou atenção a isso. Ele queria se concentrar mais no estilo de sua bola curva, a mecânica de pegar a bola onde ele queria ir. “Ok, isso é suficiente. Obrigado, pessoal” - disse Bobby ao batedor e apanhador. Bobby foi até ele. “Os campos pareciam bons para mim, Cassidy. Eu não vejo nada com seus mecanismos. A curva parecia bem. Seu corpo estava na posição correta e a bola partiu normalmente, não importando o tom que você jogou. ”


Isso foi bom de ouvir. "Ok, obrigado." “Ei, você teve uma noite de folga. Às vezes é o tempo ou a multidão. Às vezes, especialmente com a bola curva, isso não vai funcionar naquela noite, não importa como você jogue, sabe?” Tucker coçou a lateral do nariz. “Bem, esse é o problema. Eu não sei sobre isso. Minha curva sempre funciona. Exceto aquela noite.” Bobby riu e deu um tapa nas costas dele. "Você é jovem. Você teve muito sucesso e pouquíssimo fracasso. Bem-vindo às grandes ligas, garoto. E se acostume com alguns desses fracassos. Isso vai acontecer. Mas é bom que você avalie isso. Continue fazendo isso, você fará grandes coisas. ” "Obrigado, treinador." Ele se afastou para se juntar ao resto dos jogadores para o treino. Talvez Bobby estivesse certo e estivesse pensando demais na outra noite. Ele sofreu perdas antes e nunca pensou em nada disso. Às vezes o outro time tinha apenas jogadores quentes, e outras vezes ele tinha ficado para trás na contagem muitas vezes. Ele nunca deixara uma perda incomodá-lo como esta fez, mas sempre esteve confiante em sua curva. Era a sua marca registrada e funcionava para ele. Ele precisava se livrar, porque amanhã à noite, estaria se levantando novamente. E precisava poder contar com sua bola curva.


TRINTA E UM Aubry levantou-se cedo em seu dia de folga, sabendo que tinha que acompanhar os estudos, a lavanderia e a papelada. Ela também teve que obter seu carro licenciado, então ela cuidou desse detalhe antes que ela esquecesse - de novo. Ela trabalhou rapidamente e conseguiu terminar tudo em sua lista de tarefas antes de ir até a casa dos pais, para almoçar com eles. Ela entrou pela porta e encontrou seus pais no terraço. "Oi, querida." Sua mãe se levantou e veio dar-lhe um abraço e um beijo na bochecha. "Está um dia tão lindo, que pensamos em almoçar fora." "É bom aqui fora." Seu pai se aproximou e beijou sua bochecha. "Você está bonita hoje." "Obrigada, papai." Ela usava capris e uma blusa de manga curta junto com sandálias confortáveis, porque queria ir às compras depois do almoço. Comprando para seu encontro com Tucker, esta noite, embora ele não tivesse dito a ela para onde iriam. Ela considerou contar a seus pais sobre Tucker, então pensou melhor. Ainda não. Ela nem tinha certeza de onde eles estavam indo, e sua mãe estava tão obcecada por ela ter um relacionamento, enquanto seu pai era exatamente o oposto. Definitivamente ainda não. "Como está tudo no trabalho?", Perguntou o pai dela. "Bem. Ocupado como sempre." "Algum caso interessante?" Ela sorriu. "Nada que queremos discutir no almoço." Sua mãe fez uma careta. “Sim, por favor, Clyde. Meu estômago não aguenta todo esse sangue, enquanto estamos tentando comer.” Seu pai olhou para Aubry. “É por isso que sempre levei você, para ver os filmes de terror e deixei sua mãe em casa.” Aubry riu. Eles almoçaram e conversaram sobre fofocas e notícias da família. Uma de suas primas ficou noiva, o que surpreendeu Aubry, mas ficou muito feliz por ela. “Estou tão feliz por Jade. Eu não sabia que ela e Mark estavam falando sério.”


"Nem eu", disse sua mãe. “Mas Farrah me diz que ele foi tão romântico sobre a proposta. Ele a levou ao parque e propôs no jardim de rosas.” Aubry derreteu. "Oh, que doce." "Parece um pouco cedo para mim", disse seu pai. “E Jade ainda está trabalhando em seu mestrado. Espero que eles não apressem as coisas a ponto de estragar seus planos para o futuro dela. ” Sua mãe acenou com a mão para trás e para frente. “Oh, Clyde. Onde está seu senso de romance? Tenho certeza de que os dois vão descobrir isso tudo.” "Ela tem que pensar em seu futuro bem-estar financeiro, e isso significa sua carreira. Ela precisa terminar a escola e ter sua carreira estabelecida, assim como Aubry.” Sua mãe se recostou na cadeira. "E se Aubry se apaixonar por alguém amanhã?" Seu pai balançou a cabeça. “A cabeça de Aubry precisa manter o foco em terminar sua residência, solicitando uma bolsa de estudos. Muito tempo depois para amor, casamento e bebês. É muito cedo." Nada como ser falado como se ela não estivesse no local. Ela amava seu pai com todo o seu coração, mas seus pensamentos sobre carreira versus casa e família eram terrivelmente rígidos. Ela entendia, que ele queria, que ela fosse independente e tivesse uma carreira, mas tinha que haver espaço para ela ter uma vida pessoal também. "Eu tenho certeza que eu poderia lidar com ambos, pai." Ele lançou-lhe um olhar de descrença. “Quando você teria tempo? Você trabalha o tempo todo e, quando não está fazendo isso, está estudando e acompanhando o gerenciamento do seu número de casos. Há muito o que aprender, para ser um médico, Aubry. Não. Não há tempo para o romance em sua vida. Não agora, de qualquer maneira. Você terá tempo para isso depois.” Era como se ele tivesse descartado a noção, de que ela poderia ter um relacionamento com alguém. Como se ele tivesse banido o pensamento. Ele estava tratando-a como uma criança, mais uma vez, dizendo-lhe o que ela poderia e não poderia fazer. Bem, aperte isso. Ela queria deixar escapar, que tinha encontrado muito tempo para o romance no mês passado com Tucker, mas isso seria uma coisa estúpida a fazer e a colocaria na berlinda. Se ela quisesse apresentar Tucker como alguém que ela estava. . .


O que exatamente ela estava fazendo com Tucker, afinal? Ela não tinha - eles não tinham definido isso. E isso importava? Isso importava para ela? Não tinha até agora. A única razão pela qual ela estava pensando nisso, era porque as objeções de seu pai em misturar carreira e namoro estavam realmente irritando-a, fazendo-a querer arremessar seu relacionamento com Tucker em seu rosto e mostrar a ele que ela poderia gerenciar sua carreira e uma vida privada muito bem, muito obrigada. Mas não hoje. Ainda . . . “Você sabe, pai, é o século XXI, e as mulheres lidam bem com carreira e relacionamento nos dias de hoje. Na verdade, muitas mulheres, muito inteligentes, conseguem ter carreiras de sucesso, um casamento saudável e filhos. Chocante, mas tudo ao mesmo tempo.” "Bem, claro. E algum dia tenho certeza que você será capaz de fazer isso.” Ela o imobilizou com um olhar. "Mas por algum motivo, eu não consigo lidar com isso agora?" Ele calmamente tomou um gole de seu chá gelado, aparentemente sem saber, que Aubry estava prestes a saltar de seu assento e estrangular seu pai com raiva. Em vez disso, ele balançou a cabeça. “A residência é um trabalho de tempo integral, uma jornada noturna e diária. Você está de plantão, você tem casos para pesquisar e seus exames para se preparar. Não consigo ver como você pode lidar com sucesso com um relacionamento, muito menos com o casamento e a família. ” Ele não tinha fé em sua capacidade de administrar seu tempo. Como se ela pudesse apenas lidar com uma coisa. “Vários moradores são casados. Um tem um filho.” "E eu tenho certeza que é um malabarismo para eles e muito difícil". E agora ele estava fazendo julgamentos sobre a vida de seus amigos. Ela conhecia mesmo esse homem? Ela começou a discutir, mas sua mãe balançou a cabeça, fazendo-a engolir o argumento. Depois do almoço, o pai dela se despediu e disse que tinha algumas ligações para fazer, o que a deixava sozinha com a mãe. Elas levaram os pratos para a cozinha e os colocaram na pia, onde Aubry ajudou a mãe com os pratos.


“Não leve as palavras de seu pai ao coração, Aubry. Ele pode ser tão unico em alguns tópicos, especialmente onde você está em questão. Mas você sabe que ele só tem seus melhores interesses no coração.” “Ele me deixou com raiva, mãe. É como se ele não confiasse em mim, para saber o que é melhor para minha carreira. Para minha própria vida. Eu não sou mais uma criança. Eu posso tomar minhas próprias decisões. E como ele ousa presumir saber, como é difícil a vida de outra pessoa? Pessoas que ele nem conhece.” Sua mãe varreu a mão para cima e para baixo no braço de Aubry. “Bem, não é a primeira vez que ele faz isso, e não apenas com você. Ele pode ser . . . difícil às vezes. ” Aubry soltou uma risada. "Difícil? Isso é um eufemismo. Não sei como você pode evitar jogar placas nele.” Sua mãe sorriu. "Ele também pode ser doce e gentil e muito aberto." Aubry bufou um suspiro de desgosto. "Eu não vi muito disso onde eu estou em questão." “Eu sei que você é perfeitamente capaz de lidar com sua própria vida, querida. Você é uma adulta agora. Você tem sido por um tempo. Seu pai, no entanto, ainda vê você como sua filhinha. Ele só quer as melhores coisas para você. Ele quer que você tenha sucesso.” Ela se encostou no balcão da cozinha. “E ele acha que não posso fazer isso, sem sua orientação. Ou talvez eu deva dizer suas táticas de intimidação.” "Oh querida. Ele não é um valentão.” Ela olhou para a mãe. “Ele não é? O que aconteceria se eu trouxesse um cara para conhecer vocês dois? Você poderia imaginar como isso seria?” Sua mãe inclinou a cabeça, dando a Aubry um olhar questionador. "Existe um cara?" Ela confiava em sua mãe acima de qualquer outra pessoa. “Pode haver. Eu não sei ainda.” "Se você tem um jovem que você quer que nos encontremos, você me avisa e eu prepararei seu pai para isso. Vou me certificar de que ele esteja em seu melhor comportamento.” Aubry levantou uma sobrancelha. “E como você vai fazer isso? Você vai drogá-lo?” Sua mãe riu. "Não. Mas confie em mim, eu exerço alguma influência onde seu pai está em questão. Você não tem nada com o que se preocupar. Ele pode parecer brusco e otimista às vezes, mas, Aubry, ele ama você.” Ela suspirou. "Eu sei que ele ama."


"Então, traga seu jovem para jantar, e vamos acostumar seu pai à ideia, de que você é uma mulher adulta que está lidando bem com a própria vida." Ela pensaria sobre isso. Enquanto isso, ela afastaria os pensamentos das opiniões de seu pai e se concentraria em seu encontro com Tucker esta noite.


TRINTA E DOIS Depois de passar a tarde com sua mãe, que decidiu ir às compras com ela, Aubry correu para casa, a tempo de se arrumar para o encontro. Tucker disse que a pegaria às seis e ela poderia se vestir de forma casual. Ela comprou uma blusa nova para esta noite, então vestiu o jeans apertado, sandálias e a blusa vermelha de seda, com um top preto por baixo. Fez a maquiagem, escovou o cabelo e terminou o visual com seu brilho labial favorito, assim que a campainha tocou. Ela abriu a porta e não pôde evitar o suspiro de prazer, quando viu Tucker parado lá, vestindo jeans escuros e uma camisa de botão azul marinho. Seu cabelo estava ficando um pouco comprido, o que o fez enrolar nas extremidades, fazendo-a querer peneirar seus dedos através de sua maciez espessa. Incapaz de resistir, ela se aproximou dele, deslizou a mão no cabelo dele e o beijou. Ele envolveu um braço ao redor dela, puxou-a para perto e aprofundou o beijo. Ela gemeu contra sua boca. Quando eles se separaram, ela leu a paixão acalorada em seus olhos. "Continue assim e eu nunca serei capaz de lhe dar sua surpresa hoje à noite." Ela o convidou a entrar e fechou a porta. “Ooh. Há uma surpresa?” "Há sim." "Agora estou animada." Seus lábios se curvaram. "Espero que você goste. Eu pensei que poderia ser divertido.” "Vamos jogar boliche novamente?" Ele riu. "Não, sem boliche hoje." "Agora estou curiosa e animada." "Bom. Vamos." Ele os levou para Clayton, para um shopping center, onde ele estacionou e eles saíram. Quando ela viu onde estavam indo, ela se virou para ele. "Mesmo?" "Sim." Ela sorriu quando eles entraram, tendo descoberto o que estava acontecendo. Era uma instalação de cozinha, mas definitivamente industrial, com uma longa ilha de aço inoxidável,


um fogão e muitas ferramentas. Ferramentas com as quais ela definitivamente não estava familiarizada. Não havia mais ninguém aqui ainda. "Nós vamos apenas sentar no meio", disse Tucker, levando-a a um ponto no centro da ilha de aço inoxidável. Eles iam fazer uma aula de culinária. Ela se sentou no banquinho, depois girou para encarálo. "O que fez você chegar a essa ideia?" “Eu imaginei que, como nenhum de nós sabia cozinhar, talvez pudéssemos conseguir algumas dicas aqui. E, você sabe, conseguir cozinhar com mais freqüência.” Quando ele balançou as sobrancelhas, ela riu. "Eu gosto de onde sua mente vai, Tucker Cassidy." “Eu imaginei que você poderia. Além disso, você sabe, nós também passaremos fome com menos frequência. ” Ela balançou a cabeça. "Sempre pensando com seu estômago." Ele se inclinou para ela. “Meu estômago e meu pau. Principalmente meu pau.” Ela riu. A instrutora chegou, uma mulher alta, enérgica e super amigável, chamada Patricia, que informou a eles que esta noite, eles aprenderiam como fazer um aperitivo, prato principal e sobremesa. Aubry olhou em volta. "Onde estão o resto do povo?" “Eu reservei a aula para um casal particular. Mais divertido assim.” Ela sorriu para ele. "Vamos torcer para que você ainda ache divertido, quando chegarmos ao final da aula." Ele a puxou contra ele. “Oh, definitivamente vai ser divertido. Eu posso sentir isso." Ela gostou da confiança dele. A primeira coisa que eles aprenderam foi como fazer macarrão. "Whoa", disse ela. "Isso soa assustador." Tucker colocou o braço em volta dela. “Você é uma médica. Você faz coisas incríveis para ajudar as pessoas todos os dias, Aubry. Com certeza você não vai se intimidar, com um pouco de macarrão, vai?” Ela respirou fundo. "Eu acho que não."


Vestiram aventais, Aubry arregaçou as mangas e eles trabalharam nos ovos e na farinha, cortando os ovos na farinha e fazendo a massa para o macarrão. Aubry ficou intrigada com a máquina de macarrão, e assistiu com prazer enquanto Tucker se divertia rolando a massa através da máquina. Eles pareciam ter essa parte, e ela colocou a massa na prateleira para secar. Ela olhou para ele. "Isso pareceu realmente funcionar." "Foi, não foi?" Ele disse com um sorriso. Para o aperitivo, eles cortaram as tampas dos cogumelos e cavaram o interior para fazer cogumelos recheados, misturando queijo, alho e pão ralado antes de colocá-los no forno para assar. Para a sobremesa eles fizeram biscoitos de amêndoa, o que fez a boca de Aubry aguar e seu estômago roncar. Ela decidiu começar isso, enquanto Tucker trabalhava no molho de espaguete e almôndegas. Foi realmente um esforço de equipe, e os cheiros eram divinos. Felizmente, a escola de culinária também oferecia vinho, um bônus incrível. Ela tomou um gole de vinho e fez a massa para o biscoito, enfiou no forno e se virou para ver se poderia ajudar Tucker, que parecia estar dominando o molho. Ela pegou uma colher e enfiou na panela para provar. "Isso está delicioso", disse ela. Ele olhou para ela. "Claro que está." Ela riu, mas admirou a confiança dele. Ela também acreditava que a confiança, seria o necessário para se tornar um cozinheiro decente. Você tinha que acreditar, que poderia fazer isso. Era muito parecido com remédio. Não era para maricas. Você tinha que acreditar em si mesmo. Ela poderia fazer isso. Eles poderiam fazer isso. Ajudou-o com as almôndegas e, depois de as preparar, acrescentaram-nas ao molho fervente, enquanto voltava para terminar o biscoito. Sua instrutora era fantástica, não criticando, mas dando orientação e ficando por perto, para dar-lhes dicas, aconselhando-os como gerenciar os tempos de cozimento e quais itens para preparar em que horas. Já que eram apenas os dois, deu a Aubry a paz de espírito saber, que Patricia, não iria deixá-los estragar tudo.


Quando seus cogumelos recheados estavam prontos, eles realmente tiveram tempo de sentar e saborear seu vinho e aperitivo juntos. Ela deu um a Tucker, sentindo-se nervosa enquanto mastigava, depois engoliu em seco. "Isto é muito bom. Aqui, tente um.” Ela o provou, tão surpresa quanto ele, por terem cozinhado algo, que havia saído tão bem. "É bom." "Vocês dois são engraçados", disse Patricia, saboreando um dos seus cogumelos. "Por quê?" "Você parece surpresa, que pode cozinhar." Aubry riu. “Podemos fazer ovos e bacon. É sobre isso." "Não se esqueça que também podemos fazer um brinde", acrescentou Tucker. "Certo", disse Aubry. "Ao fim das torradas." "Compre alguns livros de culinária e comece a experimentar", disse Patricia. "Você pode surpreender-se, com todos os pratos que poderá fazer." Desde que seu biscoito estava pronto, e tinha um cheiro incrível, Aubry colocou um pote cheio de água para ferver, depois encheu-o com o espaguete. Não demorou muito para que o prato principal estivesse pronto, macarrão caseiro e almôndegas cobertas com molho. "Vou ser honesta com você aqui", disse ela a Tucker. "Honesta sobre o quê?" "Eu nunca estive tão nervosa, sobre qualquer coisa em toda a minha vida." Deu-lhe um beijo rápido, depois ergueu o garfo para o dela. "Aqui está, para testar, nossas proezas culinárias." Ambos provaram ao mesmo tempo. "Isso não é uma merda", disse ele. O macarrão foi bem preparado, e as almôndegas foram saborosas. O molho também foi ótimo. Eles podiam não ser especialistas e este prato certamente não era de qualidade de restaurante, mas para um primeiro esforço, Tucker estava certo. Não foi uma droga. "Podemos realmente ser capazes de lidar com essa coisa de cozinhar", disse ela. "Sim." "Ou talvez seja apenas o vinho falando." Patricia veio e encheu um prato pequeno com o prato principal e provou.


“Não é o vinho falando. Vocês dois fizeram bem.” Aubry sentiu-se como se tivesse acabado de acertar suas provas novamente. "Sim!" Ela e Tucker uniram as mão num ‘toca-aqui’. "Agora aproveite o seu jantar", disse Patricia. "E o vinho." "Obrigado", disse Tucker. "Nós vamos." Aubry não era uma viciada em comida. Ela gostava de comer, mas na maioria das vezes, ela estava no trabalho e comida era apenas o que ela poderia pegar, para não morrer de fome. Hoje à noite, no entanto, ela saboreou cada mordida, desejando poder encaixotá-la, levá-la para casa e guardá-la para sempre. Ela nunca foi uma cozinheira. Ela passou todo o tempo no hospital, estudando ou, antes disso, na escola, então cozinhar nunca foi algo que dominou. Agora, porém, sentiu que era um desafio, ao qual, poderia dedicar mais tempo. “Vou encomendar alguns livros de culinária e começar a preparar refeições para nós comermos”, disse ela. "Isso vai exigir aparelhos", disse Tucker, deslizando outro pedaço de almôndega em sua boca. “Você quer dizer como panelas e frigideiras? Eu tenho alguns desses.” “Esta massa caseira é boa. Eu gostaria de trabalhar nisso novamente. E esse molho é muito bom também.” Ela tomou um gole de vinho e assentiu. “O molho é incrível. As ervas frescas realmente, fizeram a diferença. Eu gostaria de ter uma casa com um quintal grande, para poder ter um jardim de ervas. ” Ele pousou o garfo e pegou o copo de vinho para tomar um gole. "O que está impedindo você de comprar uma casa?" Ela encolheu os ombros. "Eu não sei. Não é algo que eu já pensei em fazer. É só que eu... eu realmente não preciso do espaço. O condomínio sempre foi adequado para as minhas necessidades ”. "Exceto que você não pode cultivar um jardim nesses minúsculos quintais, que vêm com um condomínio." "Tão verdade. E você?"


"Mesma coisa. Só eu, e alugo o condomínio para o caso de ser negociado. No meu negócio, a menos que você saiba, que vai estará com uma equipe por um longo período, você não cria raízes. ” "Bom ponto." E apenas o pensamento de Tucker sendo negociado, causou uma dor em seu estômago. Ela estava gostando de seu tempo com ele. Talvez demais? Isso era algo que não pretendia pensar, hoje à noite. Não quando estava se divertindo muito. Ela tomou outro gole de vinho e decidiu ponderar o pensamento de uma casa. Ela sempre pretendera comprar uma casa, para se instalar. . .em algum lugar. Após a residência, quando ela descobriu onde acabaria praticando medicina. O que a impedia de comprar agora? Ela sempre poderia vender, se decidisse se mudar para o trabalho. Apenas o pensamento de ser capaz de plantar um jardim, cultivar alguns tomates e ervas, excitou-a. Foi uma epifania repentina. Ela poderia vender seu apartamento e comprar uma casa. “O que você está pensando aí? Você ficou quieta de repente.” "Oh, desculpe. Eu estava pensando, em como coloquei as coisas em espera, até depois da minha residência. Coisas como comprar uma casa. E então me pergunto, por que eu não poderia fazer isso agora.” Ele terminou seu copo de vinho e colocou-o na mesa. “Não há razão para você não poder comprar agora, está lá? A menos que você esteja se movendo.” “Eu poderia solicitar uma bolsa para um hospital em outro estado. Mas gosto do hospital em que estou trabalhando. E St. Louis é minha casa.” "Então o seu objetivo final é ficar aqui." Ela nunca pensara naqueles termos antes, sempre se mantinha no aqui e agora, recusandose a pensar tão longe na estrada. "Eu não sei. Talvez seja isso que estou dizendo.” “Então compre uma casa para você, Aubry. Faça o que diabos você quer fazer. Você trabalhou duro nos últimos anos na escola de medicina e residência. Não é hora de colher as recompensas disso?” Ela olhou para ele. Ele sorriu de volta para ela. "O que?"


"Ninguém nunca me disse para fazer isso antes, para fazer o que eu quero fazer." Ele se inclinou para frente e segurou as mãos dela. "Acho isso difícil de acreditar." "É a verdade." “Então deixe-me dizer de novo. Você deve fazer o que você quer fazer. Seja o que for, que você quiser fazer. Porque você merece ter o que te faz feliz.” Algo dentro de seu coração se apertou. Ela não sabia o que era, e sentar aqui com uma instrutora de culinária monitorando-os, não era o lugar para dissecá-lo. Ou talvez ela soubesse o que era, e esta também não era a hora nem o lugar, ou ela não estava pronta para enfrentá-lo ainda. Então ela colocou de volta em seu coração e roçou os lábios em Tucker. "Obrigada." "Seja bem-vinda. Agora, que tal aquele biscoito?”


TRINTA E TRES TUCKER NUNCA PENSOU

que encheria seu carro com panelas, frigideiras e aparelhos para fazer

comida. Mas quando carregou todas as caixas para dentro da casa, teve que admitir, estava bem animado. Agora só tinha que realmente usar tudo. O que faria imediatamente, já que seus irmãos Barrett e Flynn estavam chegando. Ele e Aubry decidiram que deviam cozinhar juntos, e quando disse a ela, que seus irmãos estavam voando para uma visita, ela sugeriu que cozinhassem para eles. Seus irmãos definitivamente gostavam de comer, assim como ele. Eles seriam bons porcosda-índia para ele e Aubry. Desde a aula de culinária há duas semanas, ele e Aubry compraram alguns livros de culinária e experimentaram algumas receitas. Nada muito chique, mas eles fizeram alguns pratos. Bem sucedidos também. Mas seu suprimento de panelas e acessórios era limitado, e eles sempre pareciam terminar em sua casa, então ele decidiu fazer algumas compras. Ele pode realmente ter um talento para essa coisa de cozinhar. Se nada mais, comeria muito menos comida para viagem. E isso não era uma coisa ruim. Ele lavou tudo, secou e guardou quando a campainha tocou. Era Aubry, segurando duas sacolas de compras. "Há mais no carro", disse ela. "Se você quiser ir buscá-los, eu vou começar a guardar isso." "Ok". Ele saiu e pegou o resto das coisas, fechou o porta-malas do carro e voltou para dentro. "Eu estou fazendo suposições sobre onde você quer essas coisas", disse ela quando ele colocou as sacolas na ilha. "Onde quer que você queira colocar as coisas, tudo bem." Eles descarregaram todas as sacolas, depois Aubry encostou-se à ilha. "OK. Eu tenho bifes de salmão incríveis. Eu já estou com fome só de pensar nisso.” "Eu também." “Quando seus irmãos chegarão?” Ele pegou o telefone e verificou a hora. "Eles devem estar aqui em breve." “Eu também comprei cerveja. Muita cerveja. Você disse que os caras gostam de cerveja.”


Ele riu. “Sim, notei a cerveja. Eu já tive algumas, mas eles bebem como peixe. Acho que teremos muita coisa.” “Eu também tenho vinho, que está esfriando na geladeira. E provavelmente deveria começar a marinada o salmão.” Ela foi em direção à geladeira, mas ele pegou a mão dela. Não há pressa, Aubry. Você deve abrir o vinho, servir um copo e relaxar. Ela olhou para ele como se tivesse acabado de brotar duas cabeças. "Relaxar? Estamos cozinhando para seus irmãos hoje à noite. Como eu deveria relaxar? Eu ainda sou uma novata nessa coisa de cozinhar, Tucker.” “E meus irmãos comem cachorros-quentes no microondas. Eles são dificilmente conhecedores culinários. Assim . . .fique fria, ok?” Ela respirou fundo e soltou o ar. “Claramente, estou um pouco nervosa com isso. Você e eu brincando na cozinha juntos é uma coisa. Cozinhar para outra pessoa é diferente ”. Ele puxou-a para si, roçando os dedos contra a mão dela. “Eles não são outra pessoa. Eles são meus irmãos. Você poderia preparar uma tigela de cereais e ficariam felizes. Apenas relaxe." "Bem. Estou abrindo o vinho.” Ele sorriu, sacudiu a cabeça e pegou uma cerveja enquanto ela tomava o vinho. Só então, a campainha tocou. “Pegue seu vinho. Eu vou abrir a porta.” Ele abriu a porta para seus irmãos Barrett e Flynn. "Ei, idiota", disse Barrett, mas depois o abraçou quando entrou. "Ei você, idiota." "Eu não cheiro nada, além de você", disse Flynn, abraçando-o. "O jantar já está pronto?" Ele abraçou Flynn. “Ainda não começamos. Esperando você entrar.” Eles colocaram suas malas dentro da porta da frente. "Eu posso cozinhar uma obra-prima de uma refeição para você, com cachorros-quentes e um pepino", disse Flynn. "Deixe-me na sua cozinha." Barrett bufou. "Eu prefiro ir para fast food, do que comer algo que você cozinhou, Flynn." "Você obviamente nunca comeu minha comida", disse Flynn, ele e Barrett seguindo Tucker para a cozinha. "Eu sou bom nessa merda."


Aubry estava encostada no balcão, com um copo de vinho na mão. “Aubry, você conheceu Barrett antes. Este é meu irmão Flynn.” Ela saiu do balcão e apertou a mão de Flynn. "Prazer em conhecê-lo, Flynn." “Você também, Aubry. Eu ouvi que você e meu irmão se tornaram chefs mestres. ” Ela riu. “Dificilmente. Espero que Tucker não tenha definido suas expectativas muito altas, para esta refeição. Somos muito novos em culinária. Ela se virou para Tucker. "Talvez eu deveria ter comprado cachorros-quentes como um backup, apenas no caso." "Não se preocupe, querida", disse Barrett. "Estamos aqui para ajudar a contribuir." "Sim, se estivéssemos bombardeando cachorros-quentes", disse Tucker. "Que nós não estamos." Barrett olhou para Tucker. "Dane-se. Eu posso cozinhar." “Não, você pode fazer cachorros-quentes, Barrett. Eu sei cozinhar ”, disse Flynn. "Nenhum de vocês pode cozinhar." Tucker foi até a geladeira e pegou três cervejas, entregando duas para seus irmãos e guardando uma para si. "Aubry e eu estamos no comando desta refeição hoje à noite." "Então, Barrett e eu vamos sair e ficar lindos", disse Flynn. "Isso é o que vocês dois são bons", disse Tucker. “A parte de fora. Não é a parte bonita.” Aubry escondeu seu sorriso, enquanto seguia os três irmãos para a sala de estar. Se nada mais, esta noite deveria ser divertida. Quando ela conheceu Grant e Barrett um tempo atrás, ela estava no modo de trabalho, tratando Tucker por uma lesão, então não teve muito tempo ou foco para realmente capturar a camaradagem entre os irmãos. Agora, porém, e apesar de um pouco de receio sobre o próximo jantar, que ela e Tucker estariam cozinhando, ela pretendia relaxar e aproveitar isso. Ela deslizou em um lugar no sofá ao lado de Tucker. “Tucker me disse que você está na cidade para um dos eventos da escola infantil? Do irmão da namorada de Grant, se bem me lembro?” "Sim", disse Flynn. “Leo joga futebol, mas agora ele está jogando beisebol. Sua equipe está nos campeonatos, então decidimos que, já que estávamos viajando, nós viríamos até aqui e pegaríamos os jogos do campeonato. ” “Que excitante para ele.”


"Sem dúvida eles vão ganhar", disse Tucker. "Ele está se tornando um garanhão para uma criança que não pratica muito esporte há muito tempo." "Influência de Grant", disse Barrett a Aubry. “E a nossa. Você não pode se misturar com essa família e fugir sem o bug esportivo. ” "Exceto Mia ..." Tucker se virou para Aubry. “Nossa irmãzinha. Ela está na faculdade e feliz por estar longe da conversa esportiva sem parar e do atropelo que acontece quando estamos juntos. ” "Isso significa que todos vocês jogam futebol ou baseball sempre que estão juntos?" "Beisebol?" Flynn riu. "Quem gostaria de jogar esse jogo de buceta?" Tucker prendeu Flynn com um olhar. "Eu vou te deitar e enfiar uma bola de beisebol na sua garganta." "Você poderia tentar, mas entre Barrett e eu, você seria o único a comer." “Barrett é meu irmão gêmeo. Ele vai ficar do meu lado.” "Pense de novo", disse Barrett a Tucker. "Quando se trata de futebol ou beisebol, você já sabe o que vou escolher". Aubry riu. “Pobre Tucker.” Ela esfregou as costas dele. "Tudo bem. Eu posso não ser capaz de enfrentar esses dois, mas há facas afiadas na cozinha e eu já fiz cirurgia antes. Eu posso manejá-las como armas.” "Oh, eu gosto de você", disse Flynn. “Você faz um jogo difícil. Mas você pode levar uma surra em uma situação de jogo?” Sendo uma filha única, Aubry nunca teve que lidar com provocações de irmãos. No entanto, ela suportou o impacto da dura concorrência dos colegas e do assédio dos instrutores. Ela sabia que não deveria recuar quando um desafio fosse emitido. "Venham." "Eu também gosto dela", disse Barrett. "Mas o que ela está fazendo com você, Tucker?" "Beije minha bunda, Barrett." Com um sorriso, Aubry se afastou do sofá e se levantou. “Vocês três podem sentar aqui e lutar. Vou preparar a marinada para o salmão.” Tucker se moveu para ficar em pé. "Vou te ajudar." Ela balançou a cabeça. “Você fica aqui. Este é um trabalho de uma pessoa. ”


TRINTA E QUATRO Tucker sentou-se e bebeu sua cerveja, feliz por ter seus irmãos - e Aubry - aqui. "Eu preciso me esticar", disse Flynn, em pé. "Vamos sair e dar uma volta, para que eu possa andar por aí." "Isso é o que acontece quando você fica velho e leva muitos golpes", disse Barrett, em pé para segui-lo. “Foda-se você. E ainda posso te derrubar.” "Podes tentar." Tucker sacudiu a cabeça, sorriu e parou na cozinha para pegar mais três cervejas. Ele puxou Aubry em seus braços e beijou-a, demorando-se em um beijo longo e satisfatório, mas não por muito tempo. A última coisa que ele queria, era que seu pau ficasse duro. Seus irmãos nunca o deixariam viver com isso. Quando ele se afastou, ela sorriu para ele. "Eu gosto de seus irmãos", disse ela, colocando as palmas das mãos no peito dele. “Se você fizer isso, você é a única. Além dos meus pais.” Ela riu e deu um tapinha no peito dele. "Vá para fora com eles." "Você tem certeza? Não me importo de ficar aqui para ajudá-la”. “Você pode ajudar quando for hora de cozinhar o salmão e fazer os acompanhamentos. Eu tenho isso coberto agora.” "OK." Ele a beijou novamente, incapaz de se impedir de aprofundar o beijo, puxando-a com mais força contra ele. “Ei vocês dois. Parem com isso ”, disse Barrett. “Nós precisamos de cerveja aqui. Vocês podem fazer mais tarde.” Aubry se afastou. "Vá." Tucker sorriu para ela. "Sim, senhora."


Pegou as cervejas e voltou para a varanda, onde Barrett e Tucker já haviam agarrado cadeiras. "Não pode manter suas mãos longe dela, pode?" Barrett perguntou. “Não que eu te culpe. Ela é linda." "Ela é mais do que bonita", disse Flynn, aceitando a cerveja que Tucker lhe entregou. “Uma médica também, huh? Barrett me contou sobre sua viagem ao pronto-socorro. Ela é quem te tratou?” Tucker sentou-se em uma das cadeiras e colocou a tampa em sua lata de cerveja. "Sim. Ela é muito mais esperta do que eu.” "Sim, bem, quem não é?" Flynn piscou para ele, em seguida, tomou um longo gole de cerveja. Mais do que acostumado a insultos ininterruptos de seus irmãos, Tucker ignorou aquele de Flynn. "Você vai poder ver o jogo de Leo amanhã?" Barrett perguntou a ele. Tucker assentiu. "É um jogo de dia, e cedo o suficiente, antes que eu tenha que me reportar ao estádio, que eu deverei ser capaz de ver a maioria, senão todos." "Nós vamos segurar um assento para você", disse Flynn. “A menos que alguma mãe gostosa apareça. Então você estará por conta própria.” Tucker riu. "Sempre pensando em família, não é, Flynn?" "Você sabe." "Onde vocês estão indo depois dessa parada?" "Voando para San Francisco para ver alguma propriedade para Flynn", disse Barrett. Tucker levantou uma sobrancelha. "Você está olhando para comprar uma casa, Flynn?" “Eventualmente. As coisas estão bem resolvidas com os Sabres agora, então eu poderia considerar isso. Nós vamos olhar para as casas. Mas isso é propriedade comercial ”. "Mesmo. Você está pensando em investir?” "Ele está pensando em abrir um restaurante", disse Barrett. Tucker se virou na cadeira para encarar Flynn. "Nenhuma merda." "Pensandonisso." “Eu não tinha ideia de que você estava interessado em fazer algo assim. E porque?" Flynn encolheu os ombros. "Eu gosto de comida."


Tucker riu. "Vamos. Nenhuma besteira.” Flynn se inclinou para a frente na cadeira, enrolando a lata de cerveja nas mãos. “É algo com o que eu tenho brincado, por um tempo agora. San Francisco estendeu meu contrato e me considera um jogador de franquia. Eu vou ficar lá e quero colocar minha assinatura no lugar. Além disso, eu gosto muito de comida. E eu sei cozinhar, idiotas.” "Mas você não seria o chef ou qualquer coisa", disse Barrett. “Claro que não, idiota. Você contrata um chef experiente para administrar seu restaurante. Mas é uma maneira de eu ficar conectado com a cidade. ” Tucker ficou impressionado, embora não devesse estar. Como o mais velho Cassidy, Flynn sempre teve a inteligência, a capacidade de liderança e a ambição de fazer o que quisesse na vida. Que ele também amava o futebol foi um bônus adicional para a família. "Você precisa de investidores?" Tucker perguntou. “Se você precisar, me fale. Eu posso estar interessado.” "Obrigado. Eu aviso você." Tucker ficou de pé. “Eu não sei sobre vocês, mas estou com fome. Vou entrar para ajudar Aubry no jantar.” Flynn se levantou. "Vamos todos ajudar." "Vocês todos podem cozinhar ", disse Barrett. "Vou me encarregar das bebidas." “Assumindo as tarefas difíceis de novo?” Tucker perguntou enquanto eles entravam. "Vocês me conhecem. Sempre disposto a cair na maciota”. Tucker balançou a cabeça e seguiu seus irmãos para dentro.


TRINTA E CINCO O jantar foi um grande sucesso, embora Aubry soubesse, que ela e Tucker não podiam receber todo o crédito. Flynn tinha aparecido, e apesar de Tucker ter dado muito trabalho ao irmão, ela teve que admitir, que Flynn conhecia o caminho pela cozinha. Ele decidiu se encarregar dos legumes grelhados. Ela entregou-os a ele, e ele os cortou, temperou-os e preparou-os com meticulosidade, depois os assou até ficarem perfeitos, dourados e crocantes. Ela se encostou no balcão, observando com admiração. "Como você aprendeu a fazer isso?" Ele encolheu os ombros. “Nossa mãe é uma ótima cozinheira, então você fica sentado conversando com ela o suficiente, você pega algumas coisas. Além disso, sou um grande fã de comida e odeio fastfood. Então eu pratiquei em casa.” "Eu diria que você sabe o que está fazendo." Ele olhou pela janela onde Tucker estava ocupado, com Barrett falando com ele. “Não conte aos meus irmãos. Eu tenho uma reputação de fodão.” Ela riu. "Seu segredo está seguro comigo." Ela preparou as batatas temperadas, e elas estavam prontas, assim que Tucker entrou com o salmão grelhado. Ela também experimentara o molho de cobertura para o salmão, um glacê de mostarda que esperava que fosse tão bom, quanto parecia. Foi uma experiência muito incomum para dizer o mínimo. Ela esperava que Tucker e seus irmãos sentassem na sala de estar, bebessem cerveja e conversassem ou assistissem a esportes, ou possivelmente fariam ao lado de fora. Apesar da intenção de Tucker de ajudá-la, com esta refeição, ela imaginou que ele iria querer alcançar seus irmãos, e ela não se importaria de cozinhar sozinha. O que ela não esperava era que todos eles, arregaçassem as mangas e a ajudassem. Tucker lidou com o salmão e Barrett lavou todos os pratos de preparação. Foi definitivamente um esforço em equipe. Ela abriu outra garrafa de vinho e colocou-a na mesa da sala de jantar para deixá-la respirar enquanto colocavam a comida e arrumavam a mesa. Barrett foi quem segurou sua cadeira para ela. Ela se virou para ele e sorriu. "Obrigada." “É o mínimo que posso fazer pela linda mulher que fez essa incrível refeição para mim.”


"Pare de flertar com minha namorada, Barrett", disse Tucker, empurrando seu irmão para o lado para se sentar ao lado de Aubry. Tucker a chamara de namorada. Na frente de seus irmãos. Isso foi bastante monumental, especialmente para um cara. Aubry ficou tocada por sua exibição. "Muito obrigada a todos pela ajuda", disse ela. "Espero que vocês aproveitem a refeição." "Parece ótimo, e cheira ainda melhor", disse Flynn. "Eu sei que vai ser bom." "Chega de conversa", disse Barrett, levantando o garfo. "Vamos comer." Eles derramaram vinho e comeram. Aubry deu uma mordida no salmão, que derretia em sua língua. "Isso acabou perfeitamente, Tucker", disse ela. "Apenas a quantidade certa de tempo no grill." "É muito bom", disse Flynn. “Eu gosto do molho também. Isso é mel lá dentro?” Aubry assentiu. “É um molho bem simples, com vinho branco, vinagre balsâmico, mel, mostarda de Dijon e alho.” Flynn assentiu. "É ótimo. Para um sabor um pouco diferente, você pode tentar marinar seu salmão com molho de soja, açúcar mascavo, bourbon e gengibre. Adicione um pouco de suco de limão e um pouco de alho e apenas um toque de pimenta preta. É muito bom e muito gostoso”. Os olhos de Aubry se arregalaram. "Isso parece delicioso." Tucker prendeu Flynn com um olhar. "Eu não posso acreditar, que você tem uma receita em sua cabeça." Flynn encolheu os ombros. "Eu te disse. Eu cozinho." "Flynn está pensando em abrir um restaurante em São Francisco", disse Barrett a Aubry. "Realmente?" Aubry perguntou. "Isso seria incrível." Flynn olhou para Barrett. "Você tem que dizer a todos que conhecemos?" Barrett sorriu. "Muito bem, sim." "Uh-oh", disse Aubry. “Eu não deveria saber? Me desculpe se é um segredo.” "Não é um segredo", disse Flynn. “Eu ainda não decidi ainda se vou fazer isso. Depois da nossa visita aqui em St. Louis, vamos voar para São Francisco e procurar propriedades comerciais. Ainda estou pensando nisso.” "Abrir um restaurante é um assunto sério", disse Tucker. “Eu conheço muitos atletas que fizeram isso, mas eu ouvi que é muito difícil. Você tem um chef em mente?”


Flynn sacudiu a cabeça. "Agora eu estou apenas considerando o projeto. Primeiro vou olhar para localização e propriedade. Então vamos levá-lo de lá e ver o que acontece.” "Eu lhe disse, se você precisar de investidores, me avise", disse Tucker. "Acredito em qualquer coisa, em que você coloca sua cabeça e seu corpo, você pode fazer o trabalho." Flynn olhou para Tucker e depois assentiu. “Obrigado, irmão. Isso significa muito." Aubry amou o olhar que passou entre os irmãos. Isso era um vínculo forte. "Você não está recebendo nenhum dinheiro de mim", disse Barrett. "Eu só vou com você e vou te dizer uma e outra vez que é uma ideia idiota." Flynn riu. "Sim, eu sabia que podia contar com você, Barrett." "Eu acho que é muito emocionante", disse Aubry para Flynn. “Eu te desejo sorte. Você parece apaixonado por comida. Eu acho que você poderia fazer funcionar.” "Obrigado." O jantar foi um sucesso, e quanto mais tempo ela passava perto dos irmãos de Tucker, mais ela gostava deles. Barrett era engraçado, Flynn era mais sério, mas ainda tinha um bom senso de humor. E era óbvio que, apesar de toda a provocação, todos se amavam muito. Também ficou claro que Tucker gostava de ter seus irmãos por perto. Com eles espalhados praticando esportes em diferentes áreas do país, ele provavelmente não teve a chance de vêlos, com tanta frequência. Então ela não se importou que eles ficaram acordados até tarde. Ela abafou um bocejo e finalmente se levantou e disse: "Eu odeio ser uma desmanchaprazer terrível, mas eu tenho que entrar mais cedo amanhã, então eu vou para a cama." Devíamos ir para a cama também - disse Flynn, em pé. Ela levantou a mão. “Não seja ridículo. Fique acordado o quanto quiser. Posso garantir que, como médica, durmo em segundos e durmo como os mortos. Lições aprendidas do meu estágio.” Tucker colocou o braço em volta dela. "Tem certeza?" Ela assentiu. "Absolutamente. Divirta-se curtindo seus irmãos. Ela deu-lhe um beijo de boa noite, abraçou Flynn e Barrett, e então foi para o quarto de Tucker. Ela poderia ter ido para casa para o seu próprio apartamento, mas já era tarde e ela trouxera uma bolsa, com seu avental para amanhã. Além disso, Tucker pedira para ela ficar e ela queria. Algo sobre dormir ao lado de seu corpo, à noite, tinha se tornado tão natural, tão aparentemente perfeito.


E esta noite ela estava muito cansada para dissecar todas as razões, então ela se despiu, lavou o rosto e escovou os dentes e se arrastou até a cama de Tucker, puxando as cobertas sem pensar no relacionamento deles. Em vez disso, ela sorriu e desligou a lâmpada ao lado, fechou os olhos e instantaneamente adormeceu.


TRINTA E SEIS “LEO TEM UM BOM ARM,” TUCKER DISSE. “CAMPO ESQUERDO é

uma boa posição para ele. Além disso, ele é

rápido, então ele pode atropelar os hits básicos. ” O irmão de Tucker, Grant, assentiu. “Sua porcentagem on-base é decente também. Ele está gostando de jogar beisebol.” Tucker se virou para o irmão e sorriu. "Você parece surpreso." "Grant acha que deveria ser tudo sobre futebol", disse a irmã mais velha de Leo, Anya. "Tipo como seus outros irmãos." “Ei garota. Eu não disse uma palavra.” "Estava implícito, Barrett." Anya piscou para ele. "Na verdade, ele está aproveitando os dois esportes", disse Katrina. “Estou feliz que ele tenha encontrado algo que o satisfaça. Meu irmãozinho é um garoto diferente este ano.” "Sim", disse Anya. “Muito menos grosseiro. E, infelizmente, muito mais extrovertido. Você dificilmente pode calá-lo agora. Eu sinto falta do silêncio, quando Leo se escondia-no-quartotodo-o-tempo. Katrina cutucou sua irmã. "Você não." Anya deu a sua irmã um sorriso peculiar. Tucker gostava da noiva de Grant, Katrina e seus irmãos. E Grant amava todos eles, o que significava que eles eram da família agora. Com o arremessador na equipe de Leo jogando um strikeout para acabar com o inning, eles estavam agora para bater e Tucker esperou Leo chegar a sua vez. Ainda não o vira bater, mas esperava algo de bom de Leo e sua equipe. Ele não ficou desapontado - o primeiro e o segundo batedores foram escolhidos, depois o terceiro rebatedor dirigiu duas corridas com um duplo, colocando a equipe de Leo em duas corridas no final da primeira entrada. O quarto batedor aterrou e Leo estava em quinto na ordem, então ele foi o próximo. "Estou tão nervosa", disse Katrina. Grant pegou a mão dela. "Ele vai fazer muito bem, então relaxe." Leo levou o primeiro arremesso, um chamado strike. "Oh Deus. Ele vai perder ”, disse Anya. "Ele não vai perder", disse Tucker. "Ele está esperando para ver o que o jogador tem."


Ele levou o segundo arremesso, uma bola para cima e alta. O arremessador para o outro time era bom, mas ainda não tinha se encaixado em seu ritmo. Ele estava em todo o lugar em termos de colocação de campo, então Leo estava sendo inteligente em esperar pelo tom certo. Logo foi uma contagem completa, e Leo tinha derrubado cerca de quatro arremessos. "Ele vai atacar, não é?" Anya perguntou. "Não, ele vai alinhar um para o campo da esquerda." Ela olhou para Tucker. "Como você sabe disso?" "Confie em mim. Eu só sei." Dois arremessos depois, Leo lançou um duplo no campo esquerdo. Todos se levantaram e gritaram seu nome, batendo palmas em voz alta. Quando Tucker se sentou, Katrina olhou para ele. “Você estava certo. Como você sabia?" "Fácil. Eu sei o que o arremessador deles estava jogando, e baseado no jeito que Leo estava balançando o taco e acertando essas bolas, era apenas uma questão de tempo até que ele se conectasse. "Estou impressionada", disse Katrina. "Eu também", disse Anya. Grant se inclinou por cima do ombro. "Foda-se espertinho." Tucker sorriu. A equipe de Leo acabou vencendo o jogo, por quatro corridas, um bom começo para o campeonato. Eles se encontraram com ele na entrada do vestiário após o jogo. Tucker ficou para trás enquanto Leo recebia abraços de Grant, Katrina e Anya, e um imenso tapinha nas costas de Barrett e Flynn. Então ele entrou e apertou a mão de Leo. "Você fez bem, garoto." Leo sorriu. "Obrigado." “Você provavelmente deveria repensar toda a coisa do futebol. Baseado no seu talento, o futebol é uma perda de tempo ”. "Hey", disse Grant, franzindo a testa. Tucker piscou para Leo, que riu. "Sim, devemos conversar sobre isso com pizza." Tucker e Leo se afastaram, mas não antes de ouvir Grant murmurar algo, sobre chutar o traseiro de Tucker.


Infelizmente, ele não poderia se juntar a eles para pizza, desde que ele tinha um jogo próprio para jogar. Então ele apertou a mão de Leo, desejou-lhe boa sorte no resto de seus jogos e disse que tentaria ir para outro, mas eles certamente ligariam para a casa de Grant, o mais rápido possível para conversar sobre beisebol. Ele se despediu de seus irmãos, beijou Katrina na bochecha e abraçou Anya, em seguida, dirigiu-se ao estádio. Ele entrou no uniforme e saiu para o monte de aquecimento. Ele estava trabalhando em todos os seus arremessos, mas principalmente em sua bola curva, esperando que visse melhorias, em qualquer detalhe que o estragasse em seu último jogo. Ele não estava ansioso - ele estava determinado. Hoje à noite, ele ia ganhar esta.


TRINTA E SETE Aubry acabou seu trabalho, ás sete e trinta, assim ela se limpou no hospital, mudou de roupa e dirigiu-se para o estádio, em seguida, fez o seu caminho para o camarote senior. Os pais dela estavam lá esta noite. Sua mãe lhe deu um abraço. "Estou surpresa de ver você aqui", disse sua mãe. "Papai está conversando com um dos patrocinadores , que ele convidou para se juntar a nós, hoje à noite." "Tudo bem." Ela pegou um pouco de água e sentou-se ao lado de sua mãe. "Eu vou conversar com ele, quando ele estiver livre." Ela verificou a pontuação. Os rios subiram por uma corrida e era o final da terceira. Os rios tinham um homem na base e sem saídas. "Você acabou de sair do trabalho?" Aubry assentiu. "Eu não tinha nada acontecendo, então pensei em pegar o resto do jogo." “É um bom jogo até agora. Tucker Cassidy está lançando.” É por isso que ela estava aqui. "Parece que ele os segurou até agora." "A Filadélfia tem uma boa equipe, mas sim, não corre do seu lado ainda." Só então, Trevor Shay bateu um triplo, marcando o corredor na primeira base. O camarote entrou em erupção com aplausos. Aubry se levantou e gritou também. Tucker tinha uma boa liderança de três corridas, quando pegou o monte no final do terceiro. "Então, mamãe", disse ela, quando houve uma pausa na ação e seu pai estava ocupado com os clientes. "E se eu pedisse para trazer um cara para jantar?" Sua mãe deu-lhe um olhar de lado. “Eu assumo que isso não é simplesmente uma situação 'e se'. Você tem uma certa pessoa em mente.” "Eu tenho." - Você sabe que é sempre bem-vinda para trazer alguém para conhecer seu pai e eu, Aubry. Quem é ele?" Ela debateu se diria quem, á mãe dela. Ela estava debatendo isso há algum tempo agora. Mas chegou a hora. Ela olhou em volta para verificar o paradeiro de seu pai. Ele estava


sentado no outro extremo do camarote, falando com o patrocinador, então ele estava fora do alcance da voz. "Tucker Cassidy." Sua mãe sorriu alegremente. "Boa escolha. Bom rapaz.” Aubry relaxou os ombros. "Obrigado. Eu acho que sim." "Há quanto tempo isso vem acontecendo?" “Um pouco agora. Eu gosto dele, mãe.” "Obviamente você gosta, desde que eu não me lembro da última vez, que você trouxe alguém para jantar." "Papai não vai gostar." Sua mãe descartou essa afirmação com um aceno de mão. “Seu pai quer que você permaneça solteira - e sua filhinha - para sempre. Ele vai superar isso.” "Ele está sempre falando sobre como eu deveria me concentrar na medicina, para a exclusão de uma vida social". “Ele se preocupa com você e seu pai é um homem de carreira. Essa sempre foi sua prioridade. Mas ele gosta de Tucker. Eu não vejo isso como um problema ”. Elas conversaram sobre datas que funcionariam, e ela se sentiu muito mais à vontade, para pedir a Tucker que jantasse oficialmente, com seus pais. "Hey, querida." Seu pai finalmente veio, inclinando-se para beijar sua bochecha. "Me desculpe, eu estava amarrado antes." Ela sorriu para ele. "Isso não é um problema. Eu sabia que você estava ocupado.” "Você não deveria estar descansando, ou estudando?" Ela deu um tapinha no braço do pai. “Estou bem, pai. Eu queria pegar o jogo.” “Bem, estou feliz em ver você. Apenas não fique acordada até tarde. Quando ele se afastou, ela olhou para a mãe e revirou os olhos. “É como se eu tivesse oito anos de idade. Ele nunca me verá como umä adulta.” Sua mãe riu. “Ele está sempre preocupado com você. E é sua prerrogativa como seu pai. Mimá-la. "Bem." Ela se instalou para assistir ao campo de Tucker. Ele parecia bem esta noite, em mais de uma maneira. De maneira típica, ele parecia quente como o inferno em seu uniforme de Rivers,


comandando o monte com seu corpo. Ele desistiu de vários golpes, mas no geral seus arremessos estavam atingindo sua marca. Aubry

sempre

assistiu

a

jogos

com

uma

concentração

leve

e

ligeiramente

desinteressada. Agora, com Tucker lançando, ela tomou mais interesse, seu estômago se amarrava em nós, cada vez que Tucker pegava o monte. Ela se inclinou para frente, observando seus movimentos, a liberação da bola e a reação do batedor. Foi estressante. Ela não sabia como Tucker fazia isso. Em meados do sétimo, o placar era de seis para dois em favor dos rios. Era uma pista confortável para Tucker, mas Aubry ainda estava nervosa. Ela se levantou para se esticar e pegar algo para beber. Seu pai aproximou-se para ficar ao lado dela, enquanto ela olhava pelas janelas. "Como foi o trabalho hoje? Alguma coisa interessante?" “Tivemos um ataque de apendicite, alguns ossos quebrados, uma enxaqueca crônica, alguém que caiu da escada em casa e coçou as costas e uma mulher grávida de trigêmeos que entrou com trabalho de parto prematuro. Um dia muito rotineiro.” Ele colocou o braço em volta dela. “Você está indo tão bem, Aubry. Mas estou preocupado com você.” Ela inclinou a cabeça para trás para olhar o rosto do pai. "Por que você estaria preocupado comigo?" “Você trabalha tão duro e tão longas horas. E aqui você está no jogo hoje à noite, quando deveria estar em casa dormindo.” Ela sorriu e encostou a cabeça no peito dele. "Estou bem. Se eu estivesse exausta, seria para onde teria ido.” "Ainda assim, é incomum para você chegar a tantos jogos." Ela riu, depois se afastou. “Talvez eu tenha tido um interesse súbito no beisebol. E talvez eu precise gastar um pouco menos de tempo trabalhando e dormindo, e sair mais. Ver minha família. Tudo bem?" Ele a estudou como se pudesse ler sua mente. Ele sempre teve essa habilidade estranha. “É mais do que bem. Você conhece sua mãe e eu adoro passar tempo com você.” "Fico feliz em ouvir isso. Os rios estão parecendo bons.” “Que eles são. Acho que temos uma equipe que estará em disputa neste ano.”


Ainda bem que conseguira tirar o pai do assunto dela e ir ao seu time, ela escutou enquanto ele falava das estatísticas da equipe, por um tempo, então voltou para seu assento para assistir ao resto do jogo. Tucker acabou arremessando através do oitavo inning, e mais perto chegou para terminar o nono. Os rios haviam vencido sem desistir de mais corridas. Tucker parecia afiado, seus passos batendo onde eles precisavam. Ele deveria estar feliz. Ela enviou-lhe uma mensagem de texto informando que estava no estádio. Ela sabia que ele estaria ocupado, dando entrevistas um pouco, então ela ficou com seus pais por algum tempo, até que seu telefone tocasse. "Você ainda está no estadio?" Tucker perguntou. "Sim." "Encontre-me lá embaixo, no vestiário em dez minutos." "OK." Ela desligou, deu boa-noite aos pais e seguiu para o corredor do vestiário. Tucker já estava lá, esperando por ela. Ele se aproximou e a beijou. Ela tinha que admitir, observá-lo esta noite a fez sentir fome de mais do que apenas, um bom jogo de beisebol. Ela deslizou as mãos pelos braços dele, sentindo o músculo que tinha jogado aqueles arremessos surpreendentes. “Você fez bem esta noite. Parabéns pela sua vitória. ” "Obrigado. Eu poderia ter feito melhor." "Você está falando sério? Você ganhou o jogo.” Ele encolheu os ombros. "Minha curva estava um pouco fora." "Mesmo? Não que eu tenha notado. Você parecia muito esperto lá, hoje à noite.” "Não é grande coisa. Eu vou resolver isso. Obrigado por vir ao jogo. Ele passou a mão pelo cabelo dela. "Você não está cansada?" Ela riu. “Agora você parece meu pai, que me disse que eu deveria estar em casa e na cama.” Ele roçou os lábios nos dela. "Você deveria estar em casa e na cama." Ela permaneceu em seus lábios. "Então me leve até lá." "Vamos." Ele segurou a mão dela e levou-a para fora da porta e para o seu carro. "Eu vou levá-la para o seu carro."


Ele a deixou no carro dela, depois a seguiu até o apartamento dela. Ela saiu e esperou que ele estacionasse, aproveitando a maneira como ele andava, enquanto se dirigia para a porta da frente. Ele a empurrou contra a porta, seu corpo se apinhando com o dela, da melhor maneira possível, enquanto pressionava o comprimento do seu corpo no dela e a beijava. Ela se sentiu envolvida nele. Tudo dele, desde a boca até as coxas, até todas as deliciosas partes dele no meio. Ela o respirou, quando ele passou a língua ao redor da dela, sugando sua língua em sua boca, fazendo-a gemer com desejo desesperado. Ela apertou as chaves no peito dele, um sinal silencioso para levá-las para a casa agora mesmo. Ele quebrou o beijo apenas o tempo suficiente, para abrir a porta da frente e puxá-la para dentro. Ele fechou a porta, trancou-a e empurrou-a contra ela - desta vez lá dentro, onde era privado, onde eles estavam sozinhos. Então sua boca estava na dela novamente e ele a tocava, fazendo-a ciente de todos os seus sentidos. Ela se perguntou se algum dia se cansaria disso - do sexo com Tucker. Parecia que toda vez que eles estavam juntos, tudo o que ela queria, era que ele a beijasse, a tocasse, seus pensamentos se desviando para os dois, derramando roupas e ficando nus juntos. Cansar-se dele? Não tão cedo. Ele segurou sua bunda, levantando-a contra sua ereção. Ela jogou a bolsa no chão, chutou os sapatos, desejando poder se despir, para que ele pudesse tocar toda a sua pele. Ela pegou a camisa dele e deslizou as mãos para sentir o calor do corpo dele, recompensada com o gemido insistente dele. Quando ela espalmou seu eixo através do jeans, esfregando onde estava tão duro, ele aprofundou o beijo, deixando-a febril de necessidade. De repente ela estava muito quente, com todas essas roupas. Ela empurrou-o para trás e tirou a blusa, depois soltou o fecho do sutiã e também o removeu. O olhar de Tucker a consumiu, todo aquele calor cru e desejo a devorando. Ele deu um passo à frente e capturou um de seus mamilos doloridos entre os lábios, sacudindo-o com a língua antes de puxá-lo em sua boca para sugar. Tudo o que ela podia fazer era segurá-lo enquanto a sensação pura e deliciosa a empurrava direto para o seu núcleo, fazendo-a tremer enquanto ele lambia e chupava seus mamilos, provocando-a até que ela pensasse que poderia morrer do prazer decadente.


Quando ele se afastou, ela pensou que ele a levaria para o quarto. Em vez disso, ele soltou a fivela do jeans, depois o zíper, puxando o pênis para ela. Ela lambeu os lábios e caiu de joelhos, engolindo-o. “Cristo, Aubry. Isso é bom. Chupe com força.” Ela deu a ele o que ele precisava - o que ela precisava. Ela estava tão longe, então no êxtase do que eles deram um ao outro, ela o teria levado até o limite, se ele a tivesse deixado. Mas ele a puxou para cima e a beijou novamente, puxando o cabelo dela, de um jeito que a deixasse saber dessa paixão devastadoraque ela sentia, que não era unilateral. E quando ele caiu no chão e a puxou para lá com ele, ela sabia que eles nunca iriam para o quarto. "O preservativo está no meu bolso", disse ele, pegando lá, enquanto ela se contorcia para fora de seus jeans e roupas íntimas. Tucker colocou o preservativo, então ela montou-a, equilibrando suas coxas em ambos os lados de seus quadris. Ela se inclinou para frente, espalmando as mãos sobre o peito dele, enquanto deslizava em seu pênis. Ela estremeceu quando se sentou totalmente em cima dele, seu corpo dolorosamente preenchido com seu pênis. Ela cravou as unhas no peito dele. "Isso é bom", disse ela. "Isso é tão bom." Ele agarrou seus quadris e levantou para ela. "Sim é. Agora me monte e faça nós dois virmos.” Ela balançou contra ele, seu corpo apertando, enquanto ela rolava para frente e para trás. E quando ele estendeu a mão e agarrou seus seios para provocar seus mamilos, faíscas de sensações dispararam como um fogo fora de controle direto para seu sexo, fazendo-a ofegar e se contorcer contra ele. Esfregando seu clitóris contra ele era requintado, uma sensação brutalmente doce, que a levou perto do orgasmo. Ela podia sentir sua boceta apertar em torno de seu pênis, podia sentir o jeito que ele inchava, impossivelmente maior dentro dela, cada vez que ele empurrava, arrastando-a para mais perto da borda. "É isso aí, querida", disse ele, seus dedos cavando em seus quadris. "Faça-nos vir." Ela estava ofegante, seu corpo na borda irregular onde a realidade não era mais possível. Ela estava com todas as terminações nervosas, cada parte dela sintonizada com a


conexão deles, com o modo intenso que Tucker fazia contato visual com ela, enquanto ele dirigia para dentro dela. Ela não era apenas uma pessoa por mais tempo, ela fazia parte dele, assim como ele fazia parte dela. E quando ela desmoronou, quando seu orgasmo rasgou através dela, ela gritou, enquanto onda após onda de prazer ondulante, ricochetiava dentro dela. "É isso", disse Tucker, empurrando rapidamente, em seguida, gemendo quando ele veio com ela. Ela desmoronou em cima dele, ainda sentindo os efeitos colaterais de um orgasmo muito sublime. Depois de alguns minutos, chegou à conclusão de que eles estavam no chão de madeira no corredor. Ela levantou-se. "Isso tem que ser desconfortável nas suas costas." Ele sorriu para ela. "Minhas costas não eram o que eu estava pensando, quando eu estava dentro de você." O calor se espalhou através dela e ela se inclinou para roçar os lábios nos dele. Ela desceu e eles seguiram pelo corredor, limparam o banheiro e caíram em sua cama. "Isso foi bom", disse ela enquanto ambos estavam de costas olhando para o teto. Tucker rolou de lado e passou a mão sobre os seios. Sua respiração ficou presa. “Apenas legal? Não é fenomenal ou destruidor de terra?” Ela se virou para encará-lo. “Oh, a terra definitivamente mudou para mim. Sempre acontece quando estou com você.” Ele não sorriu ou fez outra piada. Em vez disso, ele a beijou, desta vez um beijo suave e gentil que fez aqueles tremores em seu coração, ficarem um pouco loucos. Quando ele se afastou, ela disse: “Eu não tive a chance de perguntar sobre o jogo de Leo, mais cedo. Como ele foi?” "Eles venceram por quatro corridas." "Isso é ótimo. Estou tão feliz por ele.” Ele continuou tocando-a, desta vez traçando o contorno de seu quadril com os dedos. Distraindo assim, da melhor maneira possível. “Como foi o trabalho hoje?” Ele perguntou. “Dia agitado, como todos eles são. Nada de novo.”


"Bom. Mas também não é fácil, aposto.” Ela gostava que ele entendesse o seu trabalho, que ele soubesse que só porque, era um dia normal, não tornava isso fácil. "Estou acostumada com isso." "E agora eu tenho te mantido acordada até tarde." Ela riu. "Ei, eu sou a única que apareceu no seu jogo." Sua mão demorou no quadril dela. "Então você está dizendo, que tinha segundas intenções, além de verificar a minha proeza?" "Eu não admito nada." "Mulher inteligente." Ela estava colocando isso fora, mas se ela ia fazer isso, a hora era agora. "Eu verifiquei o seu próximo calendário e vejo que você tem alguns jogos fora chegando." "Sim. Eu vou embora pela próxima semana. Por quê? Você está tentando se livrar de mim?” “Depois de muito sexo assim, você acha que eu gostaria de me livrar de você? Você é louco? Não, eu queria saber se você estará livre, quando estiver de volta à cidade.” Ele fez uma pausa e ela percebeu que ele estava pensando. “Meu próximo dia de folga é a terça-feira depois que voltarmos. Então eu tenho um jogo da tarde de quarta-feira no dia seguinte, mas estou livre naquela noite. Ele sorriu para ela. "Você está me convidando para sair em um encontro?" Ela soltou uma risada suave. "Tipo assim. Eu gostaria de convidá-lo para jantar na casa dos meus pais.” Ele olhou para ela e suas sobrancelhas se levantaram. "Hã. Agora isso é um assunto sério. Seu pai não sabe sobre nós, não é?” "Ainda não. Mas depois que todos nós jantarmos juntos, ele saberá. Isso é um problema?" "Não, para mim não é." Ela gostou que ele não hesitou antes de responder. "Ótimo. Então temos um encontro. Vamos dizer terça-feira? Eu trabalho cedo, então eu estarei disponível para o jantar naquela noite.” “Terça então. Enquanto isso, tocar você fez meu pau duro ”. Ela olhou para a ereção dele. "Oh, isso é um problema, não é?" "Isto é. Você tem um remédio para isso, doutora?


Ela envolveu seus dedos ao redor de seu pênis e acariciou-o. "Eu tenho a cura para você." Ele a rolou e a beijou, e qualquer pensamento além de Tucker, sua boca e seu corpo fugiram de sua mente.


TRINTA E OITO Depois de uma perda para Cincinnati, Tucker sentou-se em uma sala particular do hotel, com vários de seus companheiros de equipe. Desde que foram barrados do álcool durante as viagens de carro, ele tomou um chá gelado e pensou em como uma cerveja seria bom agora. Ele armou o jogo de hoje à noite, e mais uma vez sua curva estava desligada. Ele não podia saber o que estava errado. Se ele não podia depender de sua bola curva, sua carreira estava em apuros. O problema não era consistente, no entanto. E esse era o maldito problema. Eles estavam navegando por duas corridas, nos primeiros sete innings. Tucker estava em um ritmo; seus passos pareciam bons. Então, no topo da oitava, ele tinha sido balançado por quatro corridas, incluindo homers back-to-back. E cada um desses hits tinha saído de sua curva. Merda. Garrett Scott veio e sentou ao lado dele, sem dizer uma palavra. "Isso realmente precisa ter uma dose de tequila", disse Tucker, olhando para o chá gelado. Garrett assentiu. "Todos nós precisamos de um trago hoje à noite." Gavin Riley deu um tapa nas costas de Tucker. “Essa perda não é inteiramente culpa sua. Nós poderíamos ter chegado a mais corridas para ajudá-lo.” Tucker olhou para Gavin. “Dois deveriam ter sido suficientes. Eu tive esse maldito jogo. Desculpem rapazes." "Nada para se desculpar", disse Garrett. “Às vezes a merda acontece e o jogo se afasta de você. Todos nós já estivemos lá.” Gavin assentiu. “Não há um de nós aqui, que não tenha estragado um jogo, seja perdendo o arremesso ou cometendo um erro, ou sendo jogadores frios que não podiam fabricar corridas. Então não tome essa perda em você mesmo.” "Gavin está certo", disse Garrett. “É sempre a equipe que ganha ou perde. Não é um jogador.” Tucker tinha ouvido a conversa animada antes. Ele gostou, mas não o fez se sentir melhor. “Vou tentar lembrar disso. Mas isso seria muito mais fácil com a tequila. ” Gavin riu. "Eu vou beber a isso. Infelizmente, vou beber isso com chá.”


Perder fazia parte do jogo e Tucker sabia disso. As vitórias foram enormes, especialmente na frente da torcida local. As perdas? Aqueles chupados, não importa o estádio em que você jogassem, mas eles eram especialmente ruins na estrada, quando a multidão rugia, toda vez que você estragava tudo. Ainda era difícil para Tucker lidar, mesmo depois de cinco anos nas principais. Mas ele normalmente lidava com as perdas, com um encolher de ombros. Desta vez ele não estava lidando bem com isso, porque algo estava errado com o seu arremesso e ele sabia disso. Ele ia ter que descobrir isso e em breve. Ele finalmente pediu outro chá gelado e foi até a mesa de comida, para pegar alguns lanches e olhar pela janela. Ele pegou o telefone. Eram dez e meia e ele sabia que Aubry estava no turno da noite, então ele não poderia ligar para ela. Mas, cara, ele realmente queria. Ouvir sua voz ajudaria de alguma forma. Em vez disso, ele digitou um texto: pensando em você. Seus dedos pairaram no teclado. O texto parecia inacabado, como se houvesse outra coisa que ele quisesse acrescentar à mensagem. Um momento depois, ele enviou o texto e enfiou o telefone no bolso. Pare de pensar demais, idiota. Ele estava pensando muito sobre o convite dela, para a casa dos pais para o jantar, sobre o que aquilo significava. Um cara normalmente não era convidado para os pais de uma garota, a menos que ela fosse investida no relacionamento. Eles nunca conversaram sobre o relacionamento deles. Acabou. . . Progrediu, ele supôs. Inferno se ele soubesse. Ele não tinha realmente muitos relacionamentos, e nunca um que tivesse progredido para um ponto de encontro com os pais. E este? Sim, esse aqui tinha o potencial de ser um desastre, já que ele já conhecia os pais dela, especialmente o pai dela. De alguma forma, ele não achava que o pai dela ficaria muito feliz, por ela estar namorando ele. Ou que ele estivesse namorando ela. Ele colocou um pouco de bruschetta na boca e ponderou um pouco mais. "Planejando o domínio do mundo por aqui, Cassidy?" Ele se virou para olhar para Trevor Shay. "Mais como merda pessoal." "Oh"


"Aubry me convidou para jantar com seus pais." Trevor arqueou uma sobrancelha. “Com Clyde Ross?” "Sim." Trevor se encostou no peitoril da janela. “Isso pode ficar complicado. Ele não sabe sobre vocês dois ainda, não é?” "Não. Quero dizer, por um tempo, nós éramos leves e descomplicados, nem mesmo namorando, eu acho. E agora . . .” "E agora? É mais que isso? "Eu acho. Eu não sei. ”Tucker olhou pela janela e bebeu seu chá, ainda desejando como o inferno que ele tivesse um uísque ou uma dose de tequila. Isso era muito pensamento profundo para o chá gelado. “Então, se você não está com ela, não vá jantar com os pais dela. Parece uma solução simples o suficiente.” Se fosse assim tão fácil. “Sim, eu estou com ela. Esse é o problema." Trevor riu. “Esse é sempre o problema. Aqueles em que não estamos, são os mais fáceis. Os que nos apaixonamos? É aí que fica complicado.” Tucker olhou para ele. "Eu não disse que estava apaixonado por ela." Trevor deu um tapinha no ombro dele. “Você não precisava. Se você não estivesse apaixonado por ela, teria dito não.” Merda. Trevor estava certo. Ele nem tinha percebido isso. Nunca arriscaria potencialmente seu trabalho, a menos que tivesse sentimentos verdadeiros e sérios por Aubry. Olhou para Trevor. "Bem, inferno." Trevor riu. “Boa sorte, Cassidy. Você vai precisar."


TRINTA E NOVE AUBRY NÃO DEVERIA ESTAR NERVOSA POR LEVAR Tucker,

na casa de seus pais, para o jantar. Era só um

jantar. E seus pais já haviam encontrado Tucker antes, é claro. Então não era como se eles, fossem grilhar com ele, sobre o que ele fazia para viver ou algo assim. Eles o conheciam. Mas ainda assim, ela conhecia seu pai e sua posição em seu namoro. . . . Isso ia ser um tanto difícil. Ela esperava que ele fosse gentil com Tucker, porque fazia parte do time de Rivers, era responsável e um cara muito legal. Ela tinha planejado preparar seu pai com antecedência, contando a ele sobre Tucker, mas ele tinha estado preso em reuniões, durante todo o dia e sua mãe disse a ela, que ele não estaria em casa até tarde. Se ela soubesse disso, ela teria contado a ele, sobre Tucker mais cedo. Desse jeito, era possível que tanto o pai, quanto Tucker chegassem ao mesmo tempo. Ela só ia ter que esperar que tudo corresse como ela esperava - não uma grande coisa. Para manter sua mente distraída, ela se ocupou na cozinha com sua mãe, que estava fazendo um dos pratos favoritos de Aubry - lasanha. Aubry preparou a salada enquanto a mãe assava pão. Os cheiros que emanavam na cozinha, eram de morrer. Seu estômago estava roncando. "Você está muito quieta, Aubry", disse sua mãe. "Você teve um dia ruim no trabalho?" Aubry tomou um gole de vinho, que havia servido antes, tentando acalmar seus nervos. "O trabalho estava bem hoje." “Então é outra coisa. O que é isso? Você está nervosa com o seu pai encontrando Tucker?” Ela se sentou na ilha. "Sim. Você sabe como o pai é sobre mim e os relacionamentos ”. Sua mãe olhou para o temporizador do forno, em seguida, serviu-se de uma taça de vinho. “Tudo vai ficar bem. Ele não é o ogro que você acha que ele é.” “Eu sei que ele não é. É só que eu não sei o que é, honestamente.” Sua mãe a agraciou com um de seus sorrisos calmantes. “Você não trouxe um homem aqui antes. Não desde o ensino médio.” "Eu sei. Eu acho que isso é um grande problema para mim.” "O que significa que Tucker é um grande problema para você?" Deixe isso para sua mãe para chegar à raiz de sua angústia. "Sim, ele é." Os lábios de sua mãe se inclinaram. "Isso me deixa muito feliz."


“Não fique muito animada ou comece a planejar um casamento ainda, mãe. Estamos apenas namorando. Isso não é sério." Exceto que meio que era. Caso contrário, Tucker não viria até aqui. “O que é mais, do que você já fez com qualquer homem, por algum tempo, querida. Tem sido escola e trabalho e nada mais. Estou feliz em ver você feliz e se divertindo. ” Aubry não pôde evitar seu próprio sorriso. "Obrigada. Eu também estou feliz. Agora só temos que esperar que papai se sinta da mesma maneira.” A campainha tocou, o que significava que era Tucker e não seu pai. "Eu vou atender." Aubry foi até a porta e abriu-a, seu coração pulou uma batida, quando viu Tucker, vestindo jeans preto e camisa branca de botão. Ele parecia tão bonito, que a deixou sem fôlego. "Você está incrível", disse ela. "Entre." Ele tinha uma garrafa na mão, mas olhou em volta, depois passou o braço ao redor dela. "E você está linda." Ele roçou os lábios nos dela para um beijo breve demais. “Apenas no caso de não termos uma chance de fazer isso. Eu tenho saudade de voce." E lá se foi seu coração, pulando novamente. Ela inalou, então pegou a mão dele na dela. "Vamos para a cozinha." Sua mãe estava apenas tirando o pão do forno. "Uau. Cheira bem aqui ”, disse Tucker. "Posso ajudar?" Sua mãe se virou e sorriu. "Depende. Você corta?” Tucker sorriu. "Eu posso cortar, ordenhar vacas e até mesmo tirar o lixo." "Bem, nós não temos vacas, mas as outras duas significam que você está dentro. Olá, Tucker." “Boa Noite, Sra. Ross. Obrigado por me receber.” "Por favor. Me chame de Helen. Clyde está atrasado um pouco. O que posso pegar para você beber?" "Eu vou tomar uma cerveja." “Temos vários tipos diferentes. O que voce prefere?" Aubry ficou impressionada com a capacidade de Tucker, de se sentar na ilha e relaxar com a mãe. Em pouco tempo, os dois conversavam sobre cerveja, já que os dois gostavam de cerveja


escura. Sua mãe contou-lhes sobre a viagem que ela e papai haviam feito à Alemanha, há alguns anos e todos os tipos de cervejas que haviam provado ali. "Eu nunca estive na Alemanha, mas está no topo da minha lista agora", disse Tucker. Mamãe deu-lhe uma lista de cervejarias, para parar em Berlim. Aubry ouviu com interesse, já que era em algum lugar que ela adoraria ir, algum dia também. Ela ouviu a porta da frente abrir e seu nível de ansiedade aumentou. "Desculpe, estou atrasado", seu pai disse quando entrou na sala. "A reunião durou mais do que eu esperava." Ele beijou a mãe dela, então se virou para Aubry e sorriu. "Oi, querida." "Oi pai. Eu acredito que você conhece Tucker Cassidy.” Se seu pai estava desapontado ou irritado, ele não demonstrou. Ele deu a Tucker um grande sorriso e um aperto de mão. “Ei, Tucker. É maravilhoso ver você." Tucker ficou rígido, quando seu pai entrou no quarto e, se possível, parecia mais nervoso do que ela. "Boa Noite, Sr. Ross." "Eu tenho dito a Tucker sobre a nossa viagem à Alemanha há dois anos", disse sua mãe. "Ele é um grande fã de cerveja e quer fazer uma viagem até lá, então eu contei a ele, sobre os melhores lugares para visitar." "É isso mesmo." Seu pai olhou para o copo de Tucker. “Parece que ela te deu uma cerveja escura. Eu acho que vou pegar uma dessas, eu mesmo.” Sua mãe serviu uma cerveja para ele. "O jantar estará pronto em breve, mas, enquanto isso, vamos para a sala para conversarmos".


QUARENTA TUCKER ERA MUITO AGRADÁVEL COM AS PESSOAS, MAS, porra,

essa era uma noite de ansiedade. Ele sabia

que passar tempo com os pais, era importante para Aubry, e obter aprovação de seu pai, era ainda mais importante. À primeira vista, não parecia que o pai dela estava muito chateado. Aquilo era um bom sinal. "A viagem acabou decentemente", disse Clyde. “Fiquei feliz em ver que o Rivers venceu três de seis, contra duas equipes muito difíceis. Especialmente ter que pegar uma mão dupla, devido à chuva. Isso é sempre difícil na estrada.” "Sim senhor. Tivemos alguns problemas, mas estamos lidando com eles ”. Clyde recostou-se na cadeira. "Sim? Que tipos de problemas?” Essa era uma conversa que Tucker sabia, que Clyde deveria estar tendo com os treinadores, não ele, então estava pisando em águas muito traiçoeiras. “O arremesso foi um pouco fora e os jogadores esfriaram, quando deveriam estar quentes. Mas temos uma série de jogos em casa chegando, e espero que façamos muito bem ”. Clyde tomou um gole da cerveja. "Isso é bom de ouvir." Não era nada que ele não dissesse à mídia, então achou que sua bunda estava segura lá. "E o que seus treinadores disseram sobre algumas das questões?" Clyde. Você está grelhando o pobre garoto - disse Helen. "Menos conversa em casa, ok?" Clyde instantaneamente relaxou seu comportamento e sorriu. "Você está certa. O beisebol está no meu sangue, então você terá que me perdoar, por ficar tão intenso sobre isso. Eu amo esse time e quero o que é melhor para ele. ” "Eu entendo", disse Tucker. “Eu amo o time também. Eu gostaria que ganhássemos todos os jogos. ” "E esse é o tipo de espírito competitivo que eu gosto, em todos os nossos jogadores." “E com essa nota”, disse Helen, “vou checar a lasanha, que tenho certeza que está pronta.” Aubry também estava de pé. "Vou te ajudar."


"Clyde, Tucker, por que vocês dois não fazem o seu caminho para a sala de jantar?" Tucker levantou a garrafa que ele trouxe. “Uh, eu trouxe vinho no caso de alguém estar interessado. Tenho certeza de que não é tão bom, quanto as coisas incríveis que vocês tem na adega, mas... ” Clyde franziu a testa. "Como você sabe sobre a adega?" Merda. Tucker percebeu, assim que as palavras saíram de sua boca, que cometeu um erro crítico. Ele lançou um rápido olhar para Aubry. "Eu o levei até lá naquela noite da festa da equipe", disse Aubry. "Encontrei com ele, quando estávamos reabastecendo o chardonnay e eu precisava de um conjunto extra de mãos, então ele me seguiu e me ajudou a levar as garrafas para o andar de cima." "Oh", disse Helen. “Bem, obrigada por trazer uma garrafa, Tucker. Vamos abri-la e tê-la no jantar.” Clyde não disse nada, mas também não pareceu suspeito, o que para o modo de pensar de Tucker, era uma coisa muito boa. Graças a Deus pelo pensamento rápido de Aubry. Ele precisava lembrar, de envolver seu cérebro, antes de abrir a boca. Ele seguiu o pai de Aubry até a sala de jantar, certo de que ele ia ser grelhado sobre suas intenções em relação a sua filha. Mas no momento em que se sentaram, Aubry chegou com a salada e o pão, e Helen seguiu pouco depois com a lasanha, deixando-os sem tempo a sós. Tucker teve que admitir que não estava chateado por isso. O homem intimidava o inferno fora dele, não porque ele era o pai de Aubry, embora houvesse isso, mas principalmente porque, ele era o chefe. Felizmente, a conversa no jantar foi bastante inofensiva. Eles discutiram as viagens de Clyde e Helen, os próximos negócios de Clyde, que não tinham nada a ver com beisebol, e o trabalho de Aubry. Tucker estava contente de ser mantido fora da equação. Finalmente relaxou o suficiente, para desfrutar do incrível jantar que Helen preparara. "Então, há quanto tempo vocês dois estão namorando?" Helen perguntou depois que ela trouxe a sobremesa, um cheesecake de aparência espetacular. Droga. E as coisas estavam indo tão bem. Tucker olhou para Aubry. "Quase dois meses", disse ela.


"O que? E eu não sabia nada sobre isso. Você é muito boa em guardar segredos, Aubry” disse Helen. "Como você está fazendo malabarismo com o seu trabalho?", Perguntou Clyde. "Muito bem, pai." “Mas você está tão ocupada. Você trabalha uma quantidade enorme de horas. Eu só não vejo como você consegue ter uma vida social com tudo o que você está passando ”. Tucker queria dizer algo, mas esse não era o argumento dele. “Bem, como você sabe, Tucker está ocupado também. Ele está muito na estrada e, quando está na cidade, também tem jogos. Aubry olhou para Tucker e sorriu. "Mas nós arranjamos tempo para nos ver." Tucker imaginou que Aubry pudesse lidar com o pai dela. “E vocês obviamente fizeram funcionar, já que fazem dois meses e Tucker veio para jantar. Então isso é sério?” Aubry lançou um olhar à mãe. "Mamãe." "Eu sinto Muito. Mas você sabe que fico ansiosa com essas coisas.” "Eu diria que para nós dois, considerando o estágio de nossas carreiras, é sério." Aubry olhou para Tucker, provavelmente tão surpresa com o que ele dissera, quanto ele. Helen sorriu. "Que bom ouvir isso. Isso não é ótimo, Clyde?” Clyde assentiu, seu sorriso não tão pronunciado. "Sim. Estou muito feliz por você ter conseguido fazer isso funcionar, considerando as duas agendas lotadas. ” Mas Aubry parecia em êxtase. Ela se levantou e abraçou seus pais. "Obrigada, vocês dois." Depois de comerem o cheesecake, Tucker ajudou Aubry a levar os pratos para a cozinha. Eles carregaram a máquina de lavar louça, enquanto Helen guardava as sobras. Aubry colocou a mão sobre o estômago. "Estou tão cheia. Eu faria uma caminhada. Você está interessado, Tucker? "Certo." "Por que você não o leva ao redor do terreno?", Sua mãe sugeriu. "Isso vai ajudar a sua digestão." "Essa é uma ótima idéia", disse Aubry. “Eo clima está perfeito, hoje à noite. Estaremos de volta daqui a pouco.” "Tudo bem."


Tucker seguiu-a pela porta dos fundos. Ele agarrou a mão dela, enquanto caminhavam pelos jardins. "Obrigado por ter minhas costas antes, quando eu quase estraguei tudo." Ela olhou para ele. "Oh, você quer dizer sobre a adega?" "Sim." Ela riu. "Não é um problema. Eu pude ver o pânico em seu rosto, quando você deixou escapar.” “Não foi o meu melhor momento. Estou feliz que você possa pensar rápido.” “Isso vem de ser grelhado por médicos assistentes. Você precisa sempre ter uma resposta na ponta da sua língua.” Ele apertou a mão dela. “E você fez esta noite. Agradecidamente." Ela estava linda esta noite em um vestido de verão azul, que destacava seus cabelos loiros e olhos lindos. Claro, ele achava que qualquer coisa que ela usasse, a fazia parecer bonita, mas esta noite, ele não conseguia tirar os olhos dela. Ou as pernas dela enquanto passeavam pela casa da piscina, ele see lembrou da noite da festa. "Você encontrou seu tio naquela noite?" Ela franziu a testa. "Meu . . . Oh, certo. Sim. Ele estava no andar de cima, em um dos quartos de hóspedes. Ele tinha bebido muito e andou até lá para se deitar e adormeceu.” "Sozinho, eu suponho?" "Sim, felizmente." "Tenho certeza que fez sua tia feliz." Ela assentiu. "Muito. Pelo menos naquela noite, de qualquer maneira.” Ele colocou o braço em volta dela. "Sinto muito que você tenha um tio perdido". “Não há muito que eu possa fazer sobre o relacionamento deles, se a minha tia é aquela que insiste, em ficar com ele. Se fosse eu, teria chutado ele, para o meio-fio há muito tempo. Ele parou e puxou-a contra si. "Você pode estar certa, de que não tem ninguém, além de você para mim, desde que te conheci." Ela inclinou a cabeça para o lado. "Mesmo?" "Bem, sim. Como você disse ao seu pai lá dentro, nós dois temos horários muito pesados. Não é como se eu tivesse muito tempo, para namorar um monte de mulheres.”


Seus lábios se curvaram. "Entendo. Então não é que você estivesse tão interessado em mim. É só que você está muito ocupado para namorar mais de uma mulher.” Merda. “Não foi isso que eu quis dizer, Aubry. Deixe-me reformular. Eu estou tão cego pela sua inteligência e sua beleza, que nenhuma outra mulher poderia comparar.” "Muito melhor." Eles começaram a andar novamente. "Além disso, você tem uma bunda grande." Ela riu. "Você sempre diz as coisas mais doces." Eles vagaram pelos jardins por alguns minutos, até que Aubry voltou para a casa. Ele assumiu que ela estava levando-o de volta para dentro, mas ela o surpreendeu, indo em direção a um conjunto de escadas, que levavam para baixo. "É onde os milhões estão escondidos?", Perguntou ele. Ela riu. "Na verdade, mais ou menos." Tirou um conjunto de chaves do bolso do vestido e destrancou a pesada porta de madeira, depois apertou-a com força. “Ninguém realmente usa essa entrada, já que você pode entrar aqui, pelas escadas dos fundos, da cozinha. Mas eu costumava me esgueirar dessa maneira, porque sei onde as chaves estão escondidas. Com um sorriso secreto, ela o conduziu por uma passagem fria e escura. Isso levou direto para a adega. Assim que entraram na sala onde ele estivera na primeira noite em que conheceu Aubry, suas bolas estremeceram. Ele ainda podia visualizar a reação de Laura às bolas, à sua recusa em morar juntos. "Este quarto me dói." Ela riu e segurou sua virilha. “Bem, isso não é uma coisa boa. Precisamos substituir suas lembranças terríveis da adega, com algo um pouco mais. . .agradável." Seu pênis saltou para a vida, endurecendo, enquanto ela esfregava para frente e para trás. "Você tem minha atenção agora." “Boa atenção, espero.” "Definitivamente o bom tipo." Ela abriu o zíper de suas calças e puxou seu pênis para fora. “Eu prometo ser gentil. Nenhum dano virá ao seu pênis aqui embaixo.” "Tem certeza de que é uma boa ideia?"


Ela fez uma pausa, erguendo as sobrancelhas. "Minha mão no seu pau, não é uma boa ideia?" “Quero dizer, seus pais estão no andar de cima. E se...-" Ela roçou os lábios sobre os dele. “Não se preocupe com isso. Eles não têm nenhuma razão, para vir até aqui, e eles não vão nos ouvir. ” Ela acariciou-o até que sua respiração ficou rouca. "A menos, claro, que você esteja com medo?" Ele passou o braço em volta da cintura dela e levantou-a, levando-a para a mesa no meio da sala. “Agora você colocou o desafio, Dra. Ross. E você sabe que não recuo de um desafio.” Ela soltou uma risada suave. "Eu estava esperando que você não iria." Ele deslizou os dedos no cabelo dela e beijou-a, um beijo quente e profundo que apagou o frio da adega e tornou tudo quente. Ele puxou as alças de seu vestido para baixo, puxando para trás as taças de seu sutiã, para que ele pudesse chegar a seus seios. O ar frio fez seus mamilos franzirem, então ele levou alguns segundos para admirar a vista. "Chupe", ela disse. Ele tinha que admitir que gostava do comando e seu senso de urgência. Ele ergueu o olhar para o dela, viu o desejo brilhando em seus olhos. Ele encaixou um mamilo em sua boca e ela enfiou os dedos em seus cabelos, segurando a cabeça no lugar enquanto ele passava a língua sobre o broto macio e aveludado. Ela respondeu com um gemido baixo, e seu pau se contorceu, doendo para estar dentro dela. Seu pau poderia esperar, porque prová-la era tudo o que ele precisava agora. Ele alcançou sob o vestido dela e deslizou a mão em sua calcinha para segurar seu sexo. “Você está molhada, querida. Está pronta para mim?" "Sim", ela disse. "Oh, Deus, sim." Ele queria fazê-la vir em primeiro lugar. Ele se abaixou para puxar a calcinha, depois abriu as pernas, levantou o vestido sobre os quadris e colocou a boca sobre ela. Ela era doce e salgada, e quando ela choramingou, ele cobriu o clitóris com a boca e chupou, em seguida, usou a língua para lavar sobre a suavidade de seu sexo, até que ela levantou os quadris, contorcendose contra ele. Os sons que ela fez, o jeito que ela moveu seu corpo, tudo fez seu pau bater. E quando ela gritou e gozou, ele plantou sua língua em seu clitóris, dando a ela o que ela precisava. Ele segurou seus quadris enquanto ela tremia embaixo dele, e quando ela se acomodou, ele se


levantou, agarrou o preservativo, que estava tão agradecido por ter enfiado no bolso da calça, e colocou-o. Ele estava dentro dela em segundos, enterrando-se em todo o seu calor doce e úmido. Sua vagina apertou-o, os efeitos posteriores de seu orgasmo vibrando em torno de seu pênis. Aubry envolveu sua perna em torno de seus quadris e se levantou contra ele, enquanto ele empurrava dentro dela. Ele segurou sua bunda, protegendo-a da mesa de metal, enquanto dirigia cada vez mais duro nela, ouvindo seus gritos de prazer. Foi um doce inferno, fazendo-o querer derramar duro e rápido, mas ele reteve-se, deliciando seus movimentos enquanto pressionava sua testa contra a dela. "O que você faz para mim, Aubry", ele sussurrou, empurrando para ela, depois para fora. "Eu não posso explicar isso." Ela estendeu a mão para esfregar a ponta do dedo contra o lábio inferior dele. "Eu sei. Eu sei. Para mim também." Era uma conexão emocional, que ele nunca sentiu com qualquer outra mulher. Isso o despedaçou de maneiras, que ele não conseguia entender. Esta mulher tinha a capacidade de destruí-lo. Ele estava apaixonado por ela e queria contar a ela. Mas quando eles estivessem sozinhos. Aqui não. Agora não. Em vez disso, ele cedeu à sensação, ao ritmo de seus corpos se movendo em uníssono. Ele se apoiou contra ela e ela se apertou ao redor dele. Ele viu na maneira como os olhos dela se arregalaram, e sabia que ela viria de novo. Ele esperou por ela, deu-lhe o atrito que ela precisava, e quando ela engasgou e gozou, ele empurrou com força, liberando os surtos de gozo que explodiram dele. Era tudo o que ele podia fazer, para ficar de pé enquanto se soltava, enquanto tudo ao seu redor, parecia ficar preto por alguns segundos. Ele segurou Aubry e colocou sua boca na dela, fundindo os dois juntos nessa paixão crua que parecia não ter fim. Mas finalmente, ele respirou fundo e agarrou a mesa. Aubry soltou sua perna e a deixou deslizar lentamente para o chão. "Agora, essa é uma lembrança muito melhor da adega do que antes". Ela sorriu e beijou-o. "Fico feliz em ouvir isso. Embora se você se lembre, eu também tive minha mão em seu pau naquela noite.” Ele riu. "Sim, mas não me senti tão bem, naquela noite, como nesta noite."


"Tenho certeza de que é verdade." Eles se desenredaram e endireitaram suas roupas. “Vou precisar me livrar desse preservativo. E não acho que tenha um banheiro aqui embaixo. "Vamos. Há um banheiro logo depois da cozinha.” Deixaram a adega do jeito que entraram e entraram silenciosamente na cozinha. A música estava tocando na sala de estar, então eles entraram no banheiro e se arrumaram antes de entrar novamente na sala de estar. A mãe de Aubry estava lendo, então ela olhou para cima. "Como foi a caminhada?" "Revigorante", disse Aubry enquanto ambos se sentaram no sofá, em frente aos seus pais. "Eu me sinto muito melhor agora." "Eu também", disse Tucker. "Sua propriedade é incrível, Sr. e Sra. Ross." "Obrigado", disse Clyde, baixando o telefone. "Nós sempre gostamos desta casa." “Oh, Aubry, esqueci de te dar aquela receita que você pediu. Antes que eu esqueça de novo, por que você não vem para a cozinha comigo e você pode copiá-la?” "Sim, vamos fazer isso." Ela se levantou e olhou para Tucker. "Eu volto já." "Vocês dois gostariam de um café?" Helen perguntou. "Eu adoraria ", Clyde respondeu. "Se não for muito problema", disse Tucker. "Nem um pouco." Helen sorriu para ele antes de sair do quarto. “Aonde vocês andaram?” Clyde perguntou depois que as mulheres saíram da sala. Felizmente, Tucker andara pelos terrenos antes. “Passamos pela casa da piscina, pelos jardins da estatuária e depois para o jardim da azálea. Está indo bem lá. Tudo parece estar em flor. Muito bonito." Clyde assentiu. “Helen ama todas as suas flores. Ela me faz sair o tempo todo e fazer caminhadas.” Tucker poderia imaginar isso. “Então, sobre Aubry. Isso é uma coisa séria?” Tucker estava preparado para essa conversa, sabia que estava chegando. "Sim senhor. Do meu ponto de vista, sim.”


“Estou feliz que você não esteja brincando. Isso significa alguma coisa. Clyde se inclinou para frente. “Minha filha trabalhava muito na graduação, depois na faculdade de medicina e agora em sua residência. Ela tem um plano claro para o futuro dela e eu sei que você também.” "Sim senhor." “Eu acho que você é um excelente jogador de beisebol, Tucker. Eu assisti você tocar e estou impressionado com o seu talento. Acho que os Rivers tiveram a sorte de te contratar e acredito que você terá uma carreira incrível como arremessador. Um grande elogio vindo de alguém como Clyde Ross. "Obrigado, Sr. Ross." “Mas aqui está a coisa. Aubry não está pronta para se acalmar ainda. Ela tem um ano de residência e vai precisar fazer os testes depois disso, depois se candidatar a uma bolsa de estudos. Ela tem que pensar sobre sua carreira, não amor ou romance. A última coisa que ela precisa agora é uma distração de um atleta talentoso como você, ou Deus me livre, de se apaixonar.” Tucker não gostou de onde isto estava indo, e ele discordou sinceramente. "Mas senhor" "Me deixe terminar. Trabalhei minha vida inteira para dar a Aubry, a vida que sinto que ela merece. E ela também trabalhou duro. Eu não vou deixar você tirar isso dela. Então você acaba com isso, ou você vai dormir uma noite brincando no Rivers e acordar na manhã seguinte, chamando a maldita equipe do Triple A novamente. Não pense que estou brincando aqui, Cassidy. Eu trocarei você ou te enviarei aos menores. Você me entende?" "Café para todos." Helen entrou com uma jarra e xícaras, uma Aubry sorridente atrás dela, que efetivamente cortou a conversa entre Tucker e o Sr. Ross. Clyde ofereceu um sorriso amigável, como se não tivesse acabado de derrubar, o mundo de Tucker. "Ótimo. Estou pronto para um café. E você, Tucker?” Ainda mal conseguindo formar um pensamento coerente, quanto mais palavras, Tucker assentiu e tentou pelo que ele esperava que fosse um sorriso. Clyde poderia desempenhar o papel de marido apaixonado e pai feliz, mas Tucker tinha conseguido a mensagem alta e clara. Ele tinha acabado de ser informado, a terminar com Aubry. Gostando ou não . . . agora mesmo.


Não, ele não tinha sido informado. Ele foi ameaçado. Seu trabalho - sua carreira - haviam sido ameaçados. Clyde Ross deixara bem claro que, se quisesse manter o emprego que amava, teria que terminar as coisas com Aubry. Ele só não sabia o que diabos ele ia fazer sobre isso.


QUARENTA E UM "VOCÊ ESTÁ EM UM BOM MODO", KATIE DISSE A AUBRY, franzindo a testa para ela.

Elas decidiram sair para jantar, depois que o turno acabou. Aubry mergulhou o chip na salsa, sorriu, depois comeu, tomando um gole da margarita. "Isso é uma coisa ruim?" "Não. Mas geralmente esses jantares depois do trabalho, são bichos e ficamos tanto rabugentos quanto grosseiros. Você não é ranzinza nem reclama de nada. Em vez disso, você tem um sorriso bobo no seu rosto. O que há com isso?” Aubry encolheu os ombros e tomou outro gole. "Eu estou apenas . . . feliz." Katie pegou a bebida e recostou-se no banco. "Ok, o que está acontecendo?" "Nada", disse Aubry com uma risada. "Eu não posso ser feliz?" "Claro que você pode. Mas nós tivemos um dia de merda hoje e mal tivemos tempo para uma pausa, para fazer xixi, mas você está sentada aqui com todos os sorrisos. Então derrame. "Bem. É Tucker.” “Ohh, então ele é o único colocando um sorriso em seu rosto. Isso faz sentido. O que está acontecendo com vocês dois?” Aubry não o via há vários dias, desde aquela noite em que jantara com os pais dela. Ele tinha saído depois do café, dizendo que tinha treino cedo no estádio no dia seguinte, e ela sabia que ele tinha jogos de ida e volta. Mas ainda assim, seus pais o amavam e ela também. As coisas estavam dando certo. "Ele conheceu meus pais." "Mesmo. E como foi isso?” “Foi muito bem. Eu estava com medo de que meu pai tivesse um ataque sobre isso. Um, porque você sabe como é meu pai e dois porque Tucker joga pelos rios.” "E ele estava bem?" Aubry sorriu. “Ele estava bem. Depois que Tucker saiu, ele me disse que Tucker, era um jovem muito legal, um profissional, e ele podia ver o quanto eu gostava dele.” "Isso é ótimo. Então as coisas entre você e Tucker devem estar ficando sérias.” "Eu acho que sim. Talvez. Eu não sei. É difícil dizer o quão sério nós podemos chegar, com as carreiras que temos. Nós dois estamos tão ocupados.”


Katie colocou sua bebida na mesa e se inclinou para frente. “Oh, besteira, Aubry. Pare de fazer de tudo na sua vida sobre o seu trabalho e tire sua carreira da equação. Como você se sente sobre Tucker?” Ela não tinha dito as palavras em voz alta para ninguém ainda, mas ela tinha que dizer. Ela só precisava. "Estou apaixonada por ele." Katie gritou de alegria, levantou-se e deu a volta ao lado de Aubry, puxou-a para fora da cadeira e abraçou-a. "Eu estou tão feliz por você. Ele também te ama?” Aubry riu da exuberância de Katie. As duas se sentaram e Aubry levou a bebida para a cadeira ao lado da de Katie para que pudesse estar mais perto. "Eu não sei. Nós não dissemos as palavras um ao outro ainda. Mas eu sinto isso, sabe? Eu acho que sim”. “Se ele concordou com a rotina do jantar com os pais, acredite em mim, ele está apaixonado por você. É só uma questão de tempo antes que ele diga as palavras.” Foi assim que ela se sentiu também. "Então agora você sabe porque eu estou sorrindo." "E agora você sabe, por que eu vou olhar, com os punhais de ódio e inveja, para você o resto da noite." Katie ergueu o copo em direção a Aubry. Aubry riu e levantou o copo, tilintando com o de Katie. "Você não vai, porque você é minha melhor amiga e me ama." "Bem. Aqui estou para amar as sortudas, que conseguem pegar os homens quentes.” "Eu definitivamente vou beber para isso."


QUARENTA E DOIS Tuck sentou-se no carro, na frente do escritório de VICTORIA BALDWIN , quase com muito medo de entrar, para conversar com ela. Faziam quatro dias, desde que Clyde Ross ameaçara negociá-lo. Quatro dias, desde a última vez, que conversou com Aubry. Ele tinha medo de até mandar uma mensagem para ela, embora não achasse que o pai dela monitorasse seu telefone.” Ele se sentiu como um maldito covarde. Mas esta era sua carreira. O que diabos ele deveria fazer? E esse era o problema. Ele não sabia. Agora ele precisava de informações, então saiu do carro e entrou no prédio, onde o escritório espaçoso de Victoria, estava localizado. Ele mandou uma mensagem para ela esta manhã e perguntou se ela tinha algum tempo para vê-lo, antes que ele tivesse, que se ir ao estádio para o seu jogo de hoje, e felizmente ela tinha. A recepcionista levou-o ao seu escritório. Victoria estava linda como sempre, em sua saia lápis escura e fina, blusa branca e salto alto, que acentuavam suas pernas assassinas. Ele não tinha ideia sobre a idade dela - trinta e tantos ou quarenta e poucos anos, talvez? Não importava. Ela era linda, naquele tipo de beleza clássica, seu cabelo castanho perfeitamente penteado e roçando os ombros em uma onda de cachos. Ela também era um tubarão nesse negócio, e isso é o que ele mais admirava nela. "Tucker", disse ela, sorrindo quando ele entrou. “Estou tão feliz por você ter passado por aqui. Você gostaria de algo para beber?" "Estou bem agora, obrigado." "Tudo bem. Sente-se e me diga o que te traz hoje?” Seu estômago se contorceu e ele não queria ter essa conversa com ela, mas saber era melhor do que não saber. "Eu queria saber se você ouviu alguma coisa, sobre algum negócio envolvendo-me." Sua sobrancelha se arqueou. "Um negócio? Não, por que? Você ouviu alguma coisa?” "Não."


Ela inclinou o quadril contra a mesa e cruzou os braços. "OK. Então me diga, por que você pensou, que poderia haver um negócio rolando. Ele queria minimizar isso, para que ela não fizesse muitas perguntas. “Eu só estava me perguntando, se você ouviu alguma coisa. Você sabe, só para estar seguro”. Ela empurrou a mesa e sentou-se na cadeira ao lado da dele. “Eu não penso assim, Tucker. Você está preocupado com alguma coisa. Alguém na equipe o ameaçou com uma troca?” "Não. Ninguém na equipe me ameaçou com isto. ” Essa parte, pelo menos, era honesta. “Você está obviamente chateado o suficiente, para ter vindo aqui hoje, para falar comigo. Vamos, Tucker, me diga o que está te preocupando.” Não havia nenhuma maneira no inferno, que ele diria a Victoria sobre a ameaça de Clyde Ross. Ele conhecia Victoria. Ela era protetora de seus jogadores. Ele a viu em ação, quando ela estava negociando um acordo e ela era uma tigresa, sem dar importância aos melhores interesses de seus clientes. Se ele dissesse a ela o que Clyde tinha dito a ele, ela marcharia para seu escritório e ameaçaria-lhe com o comércio de Tucker, dizendo-lhe o que esta perda traria para os rios, quando isso era a última coisa que ele queria. Agora que ele, sabia que Clyde não tinha começado negociações de comércio - pelo menos não ainda - ele teria que refinar sua saída. Ele arrastou os dedos pelos cabelos. “Eu não sei, Victoria. Eu acho que é tudo na minha cabeça. Você sabe como é.

A pressão do jogo, de querer fazer o melhor para a

equipe. Recentemente tive algumas perdas, que eu deveria ter vencido. E minha bola curva está uma droga agora. Eu posso fazer melhor." Ela suspirou. “Tucker. Você está tendo um ano fantástico. Seu pitching é fenomenal, e ficou ainda melhor, desde que você esteve com os Rivers. Meu palpite é que você só vai melhorar. Os rios seriam idiotas para trocá-lo, e acredite, essa organização não é idiota, então relaxe. Seu status com a equipe está bem. ” Se ela soubesse. Ele sorriu e assentiu. "Sim, você provavelmente está certa." “Eu estou mais do que provavelmente certo. Conheço meus jogadores e minhas equipes e confie em mim, quando digo que você está exatamente, onde deveria estar. "OK."


Ela o estudou por alguns segundos. "A menos que você, seja a pessoa que não está feliz e esta é a sua maneira, não tão sutil de me dizer que você quer sair." Ele nivelou seu olhar nela, certificando-se que ela soubesse onde ele estava. “Essa é a última coisa que quero. Eu gosto de onde estou. Eu gosto desse time. ” Ela assentiu. "Isso foi o que eu pensei. Então, concentre suas energias em seu arremesso excelente e deixe que eu me preocupe com as coisas do front office, ok? ” Ele se levantou e ela também. "OK. E obrigado por me deixar desabafar um pouco.” Ela deu um tapinha no ombro dele. "A qualquer momento. É pra isso que eu estou aqui." Ele deixou o escritório de Victoria um pouco mais lúcido. Mas ele ainda não tinha certeza do que iria fazer. Ele amava Aubry. Mas sua carreira era tudo para ele. E ele ainda se sentia um covarde. Um covarde sem respostas.


QUARENTA E TRÊS AUBRY SABIA QUE TUCKER TEVE UM DIA DE JOGO HOJE. Ela também

sabia que, como ela, que tinha estado

muito ocupada, na semana passada. Eles mal se falaram e ele estava se preparando para sair em uma viagem de novo, então ela queria vê-lo antes de sair. Felizmente, suas agendas realmente se combinavam, e ela tinha saído do trabalho bem na hora, em que o jogo terminou. Ela correu para casa para tomar banho e vestir uma roupa íntima muito sexy e um vestido de verão, colocou suas sandálias e dirigiu-se para a casa dele. Ela lhe enviou uma mensagem de texto, antes de sair, dizendo que o encontraria lá. Quando ele abriu a porta, ela se jogou contra ele, plantando seus lábios nos dele, para um beijo. - “Senti sua falta” - disse ela, jogando a bolsa na mesa perto da porta enquanto entrava. – “Deus, parecia uma eternidade desde que estivemos juntos. Ou até conversamos.” Ela caiu no sofá dele e enrolou as pernas dela embaixo dela, sorrindo para ele, quando ele entrou na sala. "Nós provavelmente deveríamos ter sexo primeiro, você não acha?" Ele estava lindo em jeans e camiseta, a camiseta abraçando todos os seus músculos, oh, tão perfeitamente. “Uh, na verdade, eu fiz planos para sair com alguns dos caras da equipe hoje à noite. É o aniversário do cara e ele organizou uma festa em um bar. Eu sinto Muito. Mandei uma mensagem de volta, mas acho que você não recebeu minha mensagem.” “Oh. Você fez? Ela se levantou e pegou sua bolsa para que ela pudesse pegar o telefone. Ela leu a mensagem dele. “Você com certeza enviou. Eu estava tão animada em te ver e imaginei que você iria. . . Bem, não importa”. Suas bochechas aqueceram. “Eu sinto muito, Tucker. Eu não sabia.” "Está bem. Eu sou o único que sente muito. Eu deveria ter ligado para você, quando você não respondeu à minha mensagem. "Não mesmo. Foi culpa minha. Eu apenas pensei . . .” Ela pensou que ele iria querer vê-la. Eles mal falaram. Ela mandou uma mensagem para ele e ele mandou uma mensagem de volta, mas ela sentiu uma distância. E agora . . .” Ela não deveria ler muito sobre isso. Ele estava apenas ocupado...


Ela respirou fundo e se dirigiu para a porta. "Está bem então. Bem, vá se divertir com os caras, hoje à noite.” “Realmente, Aubry. Me desculpe por isso. É só que eu disse á ele, que eu iria a essa festa. E são só todos os caras, caso contrário eu levaria você comigo.” “Não, você definitivamente deveria sair com a equipe. Tenha um ótimo tempo.” "Obrigado. Vou te mandar uma mensagem depois, ok?” "Certo. Tchau, Tucker.” Ele não a puxou contra ele para um beijo. Ele não a abraçou. Era como se ele não quisesse se aproximar dela. Ela saiu e ele fechou a porta. Algo estava errado. Com ele. Com eles. Com o relacionamento deles. Quando ela chegou ao seu carro, ela espalmou sua barriga, sentindo a dor da perda, todo o caminho até os dedos dos pés. O que diabos estava acontecendo?


QUARENTA E QUATRO TUCKER FICOU INCLINADO CONTRA A PORTA DA FRENTE, OUVINDO o som do carro de Aubry se afastando.

Ele não tinha festa para ir hoje à noite. Quando ela mandou uma mensagem dizendo que estava vindo, ele entrou em pânico e essa foi a primeira coisa que ele pensou em falar a ela. Infelizmente, ela apareceu em sua casa, linda e cheirando a doce e tudo o que ele queria fazer, era puxá-la em seus braços e beijá-la e fazer amor com ela e dizer que estava apaixonado por ela. Em vez disso, ele a mandou embora. Covarde. Ele fechou os olhos e respirou fundo, depois soltou. Ele a estava machucando. Inferno, ele estava se machucando. Este não era ele. Ele não agia assim, não evitava uma mulher, porque foi ameaçado pelo pai dela. Ele sempre abordou questões desconfortáveis de frente. Mesmo naquela noite na adega com Laura, ele disse a ela, na frente e honestamente que não via o relacionamento deles continuando. Ele tinha levado uma joelhada nas bolas por isso, mas ele foi honesto com ela. E agora? Com a mulher que ele amava, ele estava evitando e sendo completamente desonesto. Era a coisa mais covarde que ele já fez. E ele ainda não sabia o que diabos fazer sobre isso. Ele precisava falar com alguém e sabia com quem. Ele tinha uma viagem na estrada e terminaria em Houston, com um dia de folga no meio. Ele precisava ir para casa e conversar com sua família.


QUARENTA E CINCO AUBRY NÃO QUERIA ESTAR NESTE JANTAR, CELEBRANDO o aniversário da tia e do tio.

O amor era um monte de merda, e quem melhor para representar isso, do que um tio namorando e a mulher que tolamente ficou ao lado dele, apesar de seus assuntos constantes. Mas sua mãe teria ficado ofendida, se ela não tivesse aparecido, e desde que ela estava fora do trabalho, ela estava aqui. Para a mãe dela e por nenhum outro motivo. E tudo bem, também para a tia Farrah, que estava linda esta noite em um vestido dourado, com o cabelo em lindas ondas vermelhas. Ela era a rainha da pulseira, e estava definitivamente tocando essas pulseiras com fervor esta noite. Pelo menos seu tio, estaria atento esta noite. Ele meio que precisava, já que a festa era em sua honra. Por que o tio Davis achava, que poderia fazer melhor, do que o tesouro que era sua tia, estava além de sua capacidade de entender. Então, novamente, ela não entendia nada sobre homens nos dias de hoje, incluindo o que ela estava namorando. Aquele que estava atualmente ignorando-a. Ela tinha a sensação de que estava sendo despejada, e se Tucker acabasse de sair e dissesse que não queria mais vê-la - como um homem com bolas faria - então pelo menos ela saberia e poderia seguir em frente com sua vida. . Mas esse jogo de gato e rato que ele estava jogando com ela, onde ele respondia seus textos e eles conversavam como se ainda estivessem em um relacionamento, mas ele não conseguia arranjar tempo para vê-la? Isso foi confuso como o inferno. Ela decidiu não pensar em Tucker esta noite, então ela saiu com seus pais e sua tia e tio, embora ela tendesse a evitar seu tio, porque achava que ele era um idiota miserável. Ela apenas tolerava a presença dele por causa de sua tia. E hoje à noite, tia Farrah era o centro das atenções, e o tio Davis estava enchendo-a de elogios e dizendo a toda a multidão, o quanto ele amava sua esposa. Era uma espécie de mordaça digna, mas pelo menos tia Farrah parecia gostar disso. Depois de um tempo, Aubry teve o suficiente, então entrou na sala, para servir-se de um copo de uísque. Esta noite pedia bebidas destiladas. Seu pai estava lá. “Evitando a festa?” Ela perguntou. Ele se virou para ela e sorriu. "Eu precisava de uma pausa."


"Eu vou beber para isso." Ela se aproximou e seu pai derramou um uísque para ela, em seguida, entregou-lhe um copo enquanto ele serviu um para si mesmo. Ela tomou um gole, deixando o líquido queimar. Mmm, tão bom. Talvez ela devesse ser bombardeada hoje a noite, para não ter que pensar em Tucker. Então, novamente, uma vez que ela teria que se apresentar para trabalhar, amanhã cedo, talvez não fosse uma boa ideia. Ela se sentou em uma das cadeiras de couro em frente ao pai. "A festa está legal." "Isto é. Não posso acreditar que Davis e Farrah tenham se casado há quarenta anos.” “Você e a mãe não estão muito atrás deles. Apenas mais alguns anos.” Seu pai sorriu. "Eu sei. Eu acho que vou levá-la para a Europa, para o nosso quadragésimo. Fazer uma viagem de um mês e ver a Escócia, Irlanda, Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e alguns outros. Ela fala por muitos anos sobre isso. ” Aubry sorriu para seu pai. “Oh pai. Ela adoraria isso.” "Bom. Não conte a ela. Eu vou surpreendê-la.” Agora isso era amor, e seu pai constantemente a surpreendia, com o quão atencioso ele era, especialmente quando se tratava de sua mãe. Ele poderia ser um homem de negócios implacável, em um minuto, e um marido e pai doce e atencioso no outro. Ela realmente o amava. “Onde está Tucker esta noite? Desde que a festa começou tarde, pensei que talvez ele aparecesse depois do jogo.” Seu sorriso morreu. "Eu . . . não sei.” "Problemas entre vocês dois?" "Novamente. Eu realmente não sei pai. Ele está distante ultimamente. Conversamos ou escrevemos, mas não nos vimos. Como em tudo. E ele continua se desculpando, porque não podemos ficar juntos. Acho que podemos estar nos separando.” Seu pai ficou em silêncio por um momento, estudando seu copo de uísque, antes de responder. Então ele olhou para ela. “Sinto muito, querida. Mas talvez seja o melhor.” Ela franziu a testa. "Por que seria melhor assim?" "Ah voce sabe. Sua carreira é tão importante. Você deve focar sua atenção no trabalho e nos estudos. E as possibilidades de uma irmandade. Não no romance. Muito tempo para isso depois.”


“Você e eu sempre discordamos fundamentalmente disso, pai. Você sabe que muitos médicos são casados, antes mesmo de entrar na faculdade de medicina? Ou eles se casam durante o estágio? Ou residência? As pessoas podem, na verdade, conciliar uma carreira médica e uma vida pessoal ”. “As pessoas podem sim. Mas não é fácil. Eu só não quero, que você desvie sua atenção do que é importante - sua carreira. E honestamente, você realmente achou que essa coisa com Tucker teria durado? Ele na estrada metade da temporada, você com sua agenda pesada? Quando vocês se veriam? Teria que acabar mais cedo ou mais tarde.” Uma suspeita mesquinha a atingiu. Certamente ele não faria. Bem, sim, ele definitivamente faria. Ela pensou no tempo do desinteresse repentino de Tucker, e se encaixou. Ela teve que perguntar. "Papai, você disse alguma coisa para Tucker, naquela noite que ele veio para jantar?" Seu pai deu de ombros. "Talvez eu tenha. Mas apenas em seus melhores interesses, Aubry.” "O que você disse a ele?" "Eu poderia, brincando, claro, dizer que, se ele não terminasse com você, eu o mandaria de volta para a bola Triple-A ou o trocaria." Raiva gelada caiu como uma âncora na boca do estômago. Ela colocou o copo na mesa lateral e se levantou. "Como você pode fazer isso? E você sabe muito bem, que Tucker respeita você, como o dono dos rios. Ele nunca teria tomado o que você disse, como uma piada.” Seu pai se levantou e se aproximou dela. “Eu só quero o melhor para você, Aubry. Eu sempre quis." Ela recuou. “Não me toque. Não faça. . . Deus, papai, como você pôde fazer isso? Como você pode manipular minha vida desse jeito?” Sua mãe entrou. "O que está acontecendo?" Ela se virou para a mãe. "Papai ameaçou trocar Tucker, a menos que ele terminasse comigo." O olhar de sua mãe ficou furioso, quando ela olhou para o pai de Aubry. "Você não fez." “Achei melhor que os dois não continuassem o relacionamento. Você sabe o quão importante é sua carreira como médica.” Enojada com o pai, Aubry ergueu as mãos no ar. "Eu não posso estar aqui agora." Ela atravessou a sala, beijou sua mãe na bochecha e saiu. Encontrou sua bolsa, pegou as chaves e


despediu-se da tia e do tio, alegando que precisava acordar mais cedo para o turno da manhã, depois saiu pela porta. Chegou ao carro e até o final da entrada antes de parar e respirar fundo várias vezes. Ela levantou as mãos do volante e percebeu que estavam tremendo. Ela tinha que se controlar, antes de entrar na estrada. Mas como ela poderia fazer isso, quando sua mente estava cheia de toda a traição? O pai dela, manipulando sua vida dessa maneira. E Tucker, que não lhe contara, o que seu pai dissera, mas obviamente fizera sua escolha. Ele escolheu sua carreira por ela. Claro que ele fez. Sua carreira era importante para ele. Mas por que ela não era? E mais importante, por que ele não contou a ela? Talvez porque ela simplesmente, não importasse para ele, tanto quanto pensava. Talvez tudo isso. . . sentimentos . . . tinham sido unilateral. Então a decisão dele, foi mais fácil, do que ela pensara. Lágrimas picaram seus olhos, uma escapando para deslizar por sua bochecha. "Oh, inferno não." Ela limpou a lágrima. Ela estava ficar com raiva, mas não lamentaria e nem ficaria triste. Não sentiria pena de si mesma. E, absolutamente, não choraria. Agarrou o volante, tomou várias respirações de calma, determinada a ser forte sobre isso. Homens eram idiotas e ela era uma sobrevivente de homens idiotas. Ela pressionou calmamente o acelerador e se dirigiu para casa. Ou pelo menos ela pensava, que estava indo para casa. Por alguma razão, o carro dela acabou no estacionamento, do condomínio de Tucker. Já era tarde o suficiente, para que ele tivesse voltado para casa, do jogo. E as luzes estavam acesas. Não havia como ela deixar isso descansar, de jeito nenhum ela continuaria a deixá-lo evitála. Não até, que ela dissesse o que precisava dizer a ele. Ela saiu do carro e foi até a porta dele, o coração batendo com uma combinação de mágoa, raiva e um pouco de receio. Ela não sabia que tipo de resposta, ela receberia dele. Talvez o ultimato de seu pai, tenha sido um alívio. Talvez ele quisesse sair, e foi por isso que ele estava, tão facilmente evitando-a.


Ela balançou a cabeça e tocou a campainha. Tucker atendeu a porta, sua expressão sombria ao vê-la. "Aubry". "Eu preciso falar com você." Ele passou os dedos pelos cabelos. “Sim, uh. . .” Ela não o deixou terminar, apenas passou por ele e entrou em sua sala de estar. Ele fechou a porta e se virou para ela. “Aubry, olhe...—” "Não se incomode", disse ela. "Meu pai me disse que ameaçou trocar você ou mandá-lo para os menores, a menos que você me largasse." "Ele fez?" "Sim. Foi uma coisa terrível para ele fazer. Por que você não veio falar comigo sobre isso imediatamente?” Ele inclinou a cabeça para o lado. “Vamos, Aubry. Você realmente acha que eu ia correr e chorar em você, porque seu pai foi malvado comigo?” “Então, ao invés disso, você está me evitando? Você acha que é a melhor solução?” "Eu estou . . . pensando." Ela soltou uma risada irônica. “Oh. Você estava pensando. Sobre o que? Qual a melhor forma de terminar comigo? Você é um idiota, Tucker. Eu pensei que você fosse alguém completamente diferente - um homem com honra e integridade, e alguém que nunca mentiria para mim. Eu estava tão errada sobre você sobre nós e sobre o que eu achava que tínhamos juntos. ” “Aubry, me desculpe. Eu simplesmente não sabia o que fazer.” “Claro que você não sabia, porque você é um covarde. Estou tão desapontada com você, Tucker. Você poderia ter pelo menos tido a coragem, de ser honesto comigo. Ou pelo menos me encarasse e me dissesse que escolheu sua carreira, ao invés de mim. Isso, pelo menos, eu teria entendido. Em vez disso, você correu e se escondeu de mim. Eu não quero um homem que faça isso, então adivinhe, Tucker? Você está livre. Seus desejos foram realizados." Ela se dirigiu para a porta, mas Tucker estava bem ali. “Não faça isso. Vamos conversar." Ela riu. “Ah, então agora você quer conversar? Tarde demais.” Ela olhou para a porta, depois para ele, exigindo sem palavras que ele desse o fora de seu caminho - fora de sua vida.


Ele se moveu e ela abriu a porta e saiu, mal respirando, enquanto se dirigia para seu carro. Fechou a porta e respirou fundo várias vezes. Ela fez o que precisava fazer. Acabou agora. Ela deveria se sentir melhor, mais clara. Ela não se sentiu. Vê-lo novamente só a fez sentir falta dele, ainda mais. O que eles tiveram juntos foi incrível. Por que ele jogou tudo fora? Ela suspirou, agarrou o volante e se forçou a tomar várias respirações mais calmantes. Foi apenas outro relacionamento fracassado. Ela superaria isso, como superou os outros. Exceto que esse não era como os outros. Ela nunca amou ninguém antes. Sua mente voltou para o olhar de profunda desgraça, que ela tinha visto no rosto de Tucker, enquanto ela estivera olhando para ele. Ela balançou a cabeça. Não. Não era possível que Tucker estivesse sofrendo. O homem não poderia ter um coração. Caso contrário, ele não teria quebrado o dela.


QUARENTA E SEIS Não havia nada, como o sentimento de poder colocar suas botas, na varanda da frente de sua casa. Para Tucker, o lar sempre seria o rancho da família no Texas, onde seus pais moravam. Ele ficou do lado de fora, nas primeiras horas da manhã, observando o nascer do sol dourado, sobre o topo das árvores, respirando o ar do Texas. Era a primeira vez, que ele se sentiu bem em semanas. Ele pôde não ser um jogador de futebol, como o resto de seus irmãos, ou como seu pai, mas a dinastia atlética de Cassidy, foi o que o transformou no atleta, que ele se tornou. E ele devia tudo isso ao pai, Easton. O homem era uma lenda do esporte, jogou futebol na faculdade e passou toda a sua carreira em Green Bay. Ele tinha sido um inferno de um quarterback, e ele era um inferno de um pai. Era sempre bom voltar para casa e sentir a energia que o pai ainda emanava. Tucker precisava de um pouco daquele fogo de bem-estar, agora mesmo. Porque agora, ele se sentia quebrado. Covarde. Essa palavra pairava incessantemente, na parte de trás de sua cabeça, como se tivesse sido marcada lá, por toda a eternidade. E ele maldito, não gostou desse sentimento. Ele ouviu a porta da frente se abrir e o som de botas se aproximando. Ele sabia, sem olhar, que esses eram os sons dos passos do pai. "Você acordou cedo. Eu achei que você poderia, ainda estar dormindo”. Tucker olhou para seu pai, que, mesmo com cinquenta e poucos anos, ainda parecia tão robusto e saudável quanto esteve, na última vez que jogou para Green Bay. Trabalhar no rancho manteve-o ativo e Tucker ficou grato por isso. "Não tenho dormido muito." "Eu percebi que você não fez esta escala, porque queria passar um dia, me ajudando a reconstruir cercas, no lado nordeste da propriedade." Tucker riu. "Sim, não tanto." "OK. O que está acontecendo?" Tucker olhou para a frente da propriedade. Cães brincavam e o arbusto soprava na brisa. Mas estava calmo e pacífico.


Não dentro de Tucker, no entanto. Dentro havia tumulto, um torvelinho de emoções, que ele precisava botar para fora. “Estou apaixonado por Aubry Ross. Ela é filha de Clyde Ross.” "Clyde Ross é o dono dos rios?" "Sim." "Isso é um problema?" “Não foi, até ela me levar para a casa de seus pais para o jantar. Clyde me puxou de lado e me disse que a carreira de Aubry na medicina, tem que ter prioridade em sua vida, e se eu não parasse de vê-la, ele me mandaria de volta para o Triple C ou me trocaria.” "Bastardo." Seu pai tomou um gole de seu café, em seguida, sentou-se em uma das cadeiras na varanda, apoiando os pés no corrimão da varanda. "Então o que você vai fazer sobre isso?" "Eu não sei. Se fosse algum outro cara, me dizendo para parar de ver sua filha ou algo assim, eu diria para ele se foder. Ninguém me diz o que fazer. Mas Clyde Ross é dono dos rios. Ele poderia fazer o que quisesse comigo, desde me trocar, até me mandar de volta para o Triple C.”. Tucker sentou no degrau mais alto, virando-se para encarar o pai. "Em vez disso, eu dei um passo para trás no relacionamento, mantendo distância de Aubry." “Reação instintiva por ter seu emprego ameaçado. O que Aubry disse, quando você contou, o que o pai dela disse?” “Eu não contei a ela. Eu não queria colocá-la entre eu e o pai dela.” Seu pai tomou mais alguns goles de café antes de responder. "OK. Eu posso ver o seu ponto. Mas agora eu acho que você vai ter que escolher.” A porta se abriu. "Escolher o quê?" A mãe de Tucker veio para fora. Como uma ex-advogada, ela era esperta, corajosa e conseguiu criar cinco filhos indisciplinados, sem matar nenhum deles. "O garoto tem um problema com uma mulher e seu pai", disse o pai. "Tucker, diga a sua mãe o que aconteceu." Enquanto sua mãe se sentou ao lado de seu pai, Tucker contou a ela, o que havia acontecido com Aubry e com o pai dela.


"Bem, inferno", sua mãe disse. "Isso é injusto. Para você e para Aubry. Ela não é uma criança e tem idade suficiente, para tomar suas próprias decisões, em relação à sua vida pessoal. Mas ameaçar sua carreira assim? Está abaixo do cinturão, Tucker.” "Sim. O pior é que imediatamente me afastei de Aubry. Eu deliberadamente evitei-a. No fundo, eu sabia que era a escolha errada, mas fiquei com medo.” "Como você sabe que é a coisa errada?" Sua mãe perguntou, seus lábios curvados como se ela já soubesse a resposta. “Porque me sinto miserável. Todo maldito dia, eu acordo me sentindo horrível, e eu vou para a cama, me sentindo horrível. Eu sinto falta dela. Sinto falta de falar com ela e sinto falta de vê-la. E ainda pior, ela descobriu sobre a ameaça do pai. Ela veio ao meu condomínio e leu-me o ato de revolta. Então ela me largou.” “Ai.” Sua mãe tomou um gole de café. “Eu não a culpo, por estar com raiva de você, Tucker. Nós mulheres não gostamos, quando os homens guardam segredos.” "Isso é verdade", disse seu pai. "Você deveria ter sido honesto com ela, desde o início", disse sua mãe. Tucker fez uma careta. “Isso teria sido como correr para Aubry, para consertar meu problema, com o pai dela. Isso não parecia certo para mim. Eu não sei, nada disso parece certo”. "Mas por ela vale a pena, perder o seu trabalho?", Perguntou o pai. “Porque se você continuar esse relacionamento com ela, seu pai pode cumprir sua promessa.” "Sim. Ela vale a pena. Foi quando ele percebeu, que deveria ter dito a Aubry, desde o começo. Ele deveria ter enfrentado Clyde e dito que ele poderia fazer o que quisesse, mas isso não importaria.” "Eu acho que você tem sua resposta, então, filho", disse seu pai. "Mas você tem que estar preparado, para viver com as conseqüências." "Sim, eu sei. Eu acho que só precisava de tempo, para pensar sobre isso. Ou talvez eu nunca precisei de tempo, para pensar nisso. Inferno, eu não sei o que eu precisava. Eu me sinto uma merda, agora que deixei todo esse tempo passar. Aubry acha que eu a abandonei, que escolhi minha carreira por ela. Ela provavelmente me odeia.” "Oh, eu não sei", disse sua mãe, colocando a mão no joelho de seu pai. “Nós, mulheres, somos muito indulgentes. Nós temos que ser, porque vocês homens são muitas vezes idiotas.” "Hey", seu pai disse, franzindo a testa para ela.


Ela riu, depois esfregou o ombro contra o dele. Ele olhou para os pais, para o amor óbvio que eles tinham um pelo outro, mesmo depois de todos esses anos. Ele sabia, que eles tiveram suas disputas, ao longo dos anos, viam-nos discutir, depois fizeram as pazes. Era amor verdadeiro entre os dois.” Isso é o que ele queria. O que ele queria ter para sempre. Com Aubry. Agora ele só tinha que voltar para casa e vê-la depois de seu jogo, amanhã à noite. E fazer as coisas direito.


QUARENTA E SETE A ÚLTIMA PESSOA QUE AUBRY ESPERAVA VER NO hospital,

durante seu turno, era sua mãe. Quando Marie a

chamou e disse que sua mãe estava na sala de espera, o coração de Aubry se apertou. Ela rapidamente pegou seu telefone, imaginando se tinha perdido uma ligação urgente ou um texto dizendo que algo terrível havia acontecido. Nada. Ela correu para a sala de espera. "Mãe, o que está acontecendo?" “Desculpe incomodá-la no trabalho. Eu sei que você está ocupada”. “Na verdade, é um dia bastante leve hoje, então não se preocupe. Está tudo bem?" A mãe dela segurou seu braço. "Está tudo bem. Você tem . . . um minuto para tomar um café?” "Certo. Deixe-me dizer-lhes que estou dando um tempo.” Ela correu para dizer a Marie, que estava saindo para um breve almoço, com sua mãe. Elas saíram do hospital e desceram a rua, para uma delicatessen. Aubry pediu um sanduíche com chá gelado e a mãe dela tomou um café. Elas pegaram uma mesa no canto. "Como você está?", Perguntou a mãe. "Eu não vi você desde ..." “A noite que eu saí da casa? Me desculpe por isso." Sua mãe agarrou a mão dela. “Não se desculpe por isso. Seu pai foi um idiota. Ainda não estou falando com ele.” Seus lábios se curvaram. Ela podia imaginar, sua mãe dando a seu pai, um tempo muito difícil. Sua mãe era doce, calorosa e gentil. E quando ela estava com raiva - geralmente com o pai, a casa podia ficar muito gelada. Isso, pelo menos, a fez feliz. “Eu sinto muito que seu pai fez isso, querida. Ele não tinha o direito de interferir em sua vida, dessa maneira. Eu tive muitas conversas com ele sobre isso. Muitas. Conversas ”. Aubry riu. "Tenho certeza que meu pai realmente gostou, dessas conversas." Sua mãe sorriu por cima da borda da xícara de café e pousou a xícara. “Ele não gostou nada delas. Mas você pode ter certeza, de que ele nunca mais incomodará você pelo seu trabalho ou sua vida pessoal. E ele não negociará Tucker.


Aubry encolheu os ombros. “Essa parte não importa, já que parece que Tucker, tomou sua decisão. Ele escolheu os rios.” "O que isso significa?" “Isso significa que ele parou de me ver. Não que eu o culpe. Carreira é tudo, e tenho certeza que Papai assustou o inferno nele, ameaçando arruinar sua carreira. Eu estou tão brava com papai. Inferno, estou brava com os dois.” Sua mãe suspirou. “Isso só me deixa irritada com seu pai, mais uma vez. Talvez devêssemos ter batido em um bar em vez disso. Eu poderia tomar um coquetel.” Aubry riu. “Não é culpa do papai, que Tucker tenha escolhido beisebol, sobre mim. Obviamente nosso relacionamento não era para ser.” “Dê ao menino algum tempo, Aubry. Seu pai pode ser mais do que um pouco intimidante. Só o céu só sabe, o que ele disse para Tucker. Pode demorar um pouco para ele voltar. Mas, com base no que vi de vocês dois juntos, não acredito nem por um segundo, que Tucker pretenda se afastar de você, para sempre. Ela desejou ter tanta confiança em Tucker, quanto sua mãe. Infelizmente, ela tinha todas as provas de que precisava. Ele não enfrentou o pai dela, e ele deliberadamente se afastou dela. Tinha acabado. Ela só queria estar acima dele. Infelizmente, seu coração doía, ela estava esmagadoramente desapontada com ele e não conseguia dormir à noite. Ela queria colocar toda a culpa nos pés de Tucker, mas ela não podia. A pior parte disso tudo, era que ele nunca havia falado com ela sobre nada disso. Diferente da noite em que ela apareceu em sua casa, para desabafar seus sentimentos, e essa conversa tinha sido decididamente unilateral. Ela saiu e eles não tinham realmente, conversado sobre as coisas. Então ela não teve fechamento. Não que isso ajudaria se ela fizesse. Ainda ia doer, mas talvez precisassem ter uma conversa racional e bilateral. Um fim oficial para o relacionamento deles. Então, talvez, ela pudesse começar a se curar.


QUARENTA E OITO TUCKER ESTAVA SENTADO NO BANCO DO BALLPARK, PENSANDO mais

em Aubry, do que em arremessar esta

noite. Ele passara tanto tempo quanto podia com seus pais, porque não os via com frequência suficiente. Ele partira para o aeroporto, hoje de manhã cedo, para pegar o voo de volta a St. Louis, dando a ele tempo de sobra para chegar ao estádio e começar os aquecimentos. Mas antes dele sair, ele precisava entrar em contato com Aubry. Ele lhe enviou uma mensagem de texto. Eu realmente gostaria de te ver. Estou lançando esta noite. Você pode vir para o jogo? Ele imaginou que ela provavelmente estava no trabalho, então ele não esperava uma resposta. Exceto que seu telefone tocou. Eu não sei. Ele olhou para o telefone por um tempo, com a resposta que ela lhe dera. Sim, ele merecia isso. Ele merecia pior que isso. Ele digitou uma resposta. Por favor. Ele esperou e ela respondeu imediatamente. Vou pensar sobre isso. Tenho que voltar ao trabalho agora. Era o melhor que ele podia esperar, mas pelo menos não era um não. E isso deu a ele alguma esperança, que era muito mais do que ele esperava. Ele se agarraria a isso e esperaria que ela aparecesse no jogo. Se não, ele iria até a casa dela depois do jogo, hoje à noite e imploraria a ela, para levá-lo de volta. De joelhos, se necessário. Depois que ele dissesse que a amava. Mas, por enquanto, ele precisava levantar a cabeça - e seu braço de arremesso - para o jogo de hoje à noite. Sua curva ainda não estava funcionando como ele queria, e isso precisava ser sua prioridade número um. Ele estava trabalhando nisso com o treinador de pitching, e ele estava esperando para obter os resultados, do que quer que estivesse errado com sua curva, ultimamente.


Já era ruim o suficiente que ele tivesse fodido totalmente, sua vida pessoal. Ele pelo menos precisava colocar seu profissional de volta nos trilhos. Grant mandou uma mensagem e disse, que ele, Katrina e as crianças estavam vindo para o jogo, então ele teria pelo menos uma família em seu canto hoje à noite. E agora, isso contava para alguma coisa.

AUBRY RECUSOU OLHAR PARA O RELÓGIO. Eles tinham

várias emergências chegando, ela estava correndo

de sala em sala, e o tempo tinha se afastado dela. Ela e Katie mal tiveram tempo, de trocar olhares de total agonia, enquanto suas mãos estavam cheias de ossos quebrados, cortes e escoriações de um acidente com vários veículos. Felizmente, não houve fatalidades. No momento em que todos tiveram alta ou foram internados, ela estava exausta. Ela pegou algo para beber e entrou na sala de descanso, onde um par de assistentes e alguns dos moradores, viam jogo de beisebol, hoje à noite, na televisão. Tucker estava lançando. Estava no topo do quinto inning. Ela ainda estava dividida sobre ir ao jogo. O que ele diria a ela, que já não havia sido dito? Ou melhor, não disse? Ele fez seus sentimentos e suas escolhas abundantemente claros, para ela. E apesar da dor em seu coração, no fundo ela entendeu. Carreira vinha primeiro. Tinha que vir. Ele estava construindo sua carreira, e ela ficou no caminho. É claro que ela, em primeiro lugar e acima de tudo, culpou seu pai por interferir em sua vida, mas, quando chegou a hora, a decisão foi de Tucker. Mas então, novamente, ela queria o fechamento, e talvez seja o que Tucker estava querendo, dar a ela. A conversa oficial de separação. Não. Ele não faria isso no estádio. Ele viria para a casa dela, para terminar com ela. Ela podia não entender muitas coisas sobre ele, mas ela o conhecia bem o suficiente, para saber que ele não romperia oficialmente com ela, no estádio dos Rivers. O que a fez se perguntar por que ele queria que ela viesse ao jogo? O que ele queria falar que não podia esperar?


Ela tentou se sentar em uma das cadeiras de canto apenas para recuperar o fôlego e se hidratar, mas o locutor falou sobre os arremessos que Tucker estava jogando, como cada uma de suas bolas curvas, estava atingindo o alvo. Parte dela se desligou, mas outra parte dela, olhou para o placar e percebeu que os rios subiram por duas corridas. E eles estavam no topo do quinto turno, e o outro time ainda não tinha tido sucesso. Ela se levantou, lentamente indo em direção à televisão. "O que você acha, Aubry?" David perguntou a ela. "Você acha que é possível que Cassidy jogue um ..." Ela o parou antes que ele pudesse dizer as palavras. “Oh meu Deus, David. Não diga isso. É má sorte.” "Você realmente não acredita nisso, não é?", Perguntou Chen. Ele mal falava com ela, fora de suas interações durante o dia de trabalho. E ela certamente nunca esteve lado a lado com ele, assistindo a um jogo de beisebol. "Em

medicina? Não.

No

beisebol? Absolutamente. Então,

se

você

gostaria

que

Tucker. . . você sabe, então ninguém diz uma palavra sobre isso. Você pode pensar e esperar por isso em sua mente, mas pelo amor de Deus, não diga em voz alta ”. E pela primeira vez em todos os tempos, o Dr. Chen sorriu para ela. Ela foi em direção ao outro cômodo onde os armários estavam localizados, mas parou na porta. "Eu estou fora para a noite." "Indo para o estádio para pegar o resto do jogo?", Perguntou um dos moradores. Ela nem tentou esconder. "Absolutamente. Eu não quero perder isso.” Ela e Tucker podiam estar separados. Eles podiam até acabar. Mas se houvesse mesmo, uma chance, ele faria. . . você sabe . . . Não havia como ela não estar lá, para apoiá-lo. Ela rapidamente mudou de roupa e correu para o carro, agradecida pelo fato, de o hospital não estar muito longe do estádio e por ter um passe para o estacionamento VIP. Ela mostrou seu passe para o atendente do portão, depois desceu as escadas em vez de subir. Sempre havia assentos extras disponíveis, onde a equipe e as esposas se sentavam acima dos camarotes. Era onde ela queria se sentar, esta noite. Ela não queria se sentar no camarote senior. Um, porque o pai dela estava lá. Dois, porque ela queria se sentar com a multidão, para sentir essa antecipação, esse nível de emoção com todos no estádio, em vez de ser removida dela.


Ela disse um rápido olá para todos, em seguida, encontrou um lugar vago, entre Liz Riley e Shawnelle Coleman. "Eu pensei que você estaria no camarote sênior, com o meu pai", disse ela para Liz. “A ação é melhor aqui embaixo. E. . . você sabe...” - disse ela, apontando para o campo com a cabeça. "Há alguma ação emocionante acontecendo lá agora." “Sim, eu vi do saguão do hospital. Eu cheguei aqui o mais rápido que pude.” "Você está aqui no melhor momento", disse Shawnelle. “Está ficando muito bom agora. Ele desistiu de alguns passes até agora, mas não. . . há outra coisa.” Ela tinha perdido uma entrada e a outra equipe ainda não tinha tido sucesso. Ela engoliu em seco enquanto sentia a antecipação e a excitação da multidão, mas também havia uma espécie de silêncio reverenciado, como se a multidão, não quisesse fazer nada, para estragar a concentração de Tucker. Os fãs de beisebol sabiam o que estava acontecendo - o que poderia acontecer -, mas também sabiam que não diriam as palavras em voz alta, nem mesmo um para o outro nas arquibancadas. Ninguém queria azarar Tucker. Tucker pegou o monte no topo do sétimo e Aubry tentou avaliar seu humor enquanto se aquecia, imaginando se estava tenso ou se havia mais alguma coisa em mente. Ela se lembrou da conversa de texto antes do jogo, na verdade pegou o telefone para olhar, esperando que ela não tivesse dito nada para perturbá-lo. Ela poderia ter sido mais amigável, mas ele a pegou desprevenida. Ela não esperava ouvir falar dele e não sabia o que fazer com o pedido dele para vê-la. Ela esperava que ele tivesse mudado de idéia e queria vê-la para dizer que ele a amava, mas ela se recusou a ceder, àquela esperança. Mas de qualquer forma, ela precisava saber. Ela tinha passado tudo para o fundo de sua mente, devido a tudo o que aconteceu no trabalho, e então ela tropeçou na. . . coisa acontecendo aqui no estádio, e não importava o que acontecesse entre os dois, ela tinha que estar aqui para apoiá-lo. Ela se viu prendendo a respiração a cada passo e, junto com a multidão, aplaudindo freneticamente a cada arremesso. Quando o primeiro batedor aterrou na primeira base, ela se levantou e bateu palmas. O segundo batedor levou duas bolas, depois bateu um pop fly no campo central, que foi capturado. Aubry mal havia respirado, quando a bola entrou na luva do defensor para a saída.


Tucker jogou dois golpes seguidos, no terceiro batedor, depois três bolas. O batedor decantou os próximos três arremessos, lutando contra a contagem total. Quando o batedor acertou uma bola longa no campo esquerdo, Aubry se levantou, junto com todos os outros no estádio. Quando a bola foi pega pelo defensor, o estádio entrou em erupção em aplausos selvagens. Ainda estava ligado, e os rios iriam bater em seguida. "Oh, meu Deus", Liz sussurrou, depois se virou para ela. "Você acha que...?" Aubry sorriu. "Espero que sim. EU realmente espero." “Mas você sabe que não podemos esperar muito. Ainda restam dois innings.” "Eu sei", disse Aubry. "Tudo pode acontecer em dois innings." Ela tinha visto isso de novo e de novo. Um jogador poderia levar um. . . você sabe . . . em turnos posteriores, e tudo o que aconteceu foi um sucesso, e depois acabou. Mas ainda assim, ela esperava. Pelo amor de Tucker, ela realmente esperava. Além disso, ele estava jogando tão bem. Ela e Liz deram as mãos. Ela não podia imaginar a pressão, que Tucker deveria estar sentindo agora, mas enviou-lhe toda a boa sorte mental, que podia agora. Ela tinha um sentimento muito bom sobre a. . . coisa toda. Esta era a noite de Tucker. Ela apenas sabia disso.


QUARENTA E NOVE TUCKER ESFORÇOU-SE EM SUA PELE E SENTOU SOZINHO no

canto seguro. Ninguém falou com ele e ele sabia

por quê. Todo mundo sabia o porquê. Ele não queria pensar sobre isso. Era apenas outro jogo, como qualquer outro jogo, e ele pretendia se aproximar de seus arremessos da mesma forma que sempre fazia. Enfrentar cada massa da mesma maneira, como de costume. Cada inning, era apenas um inning, que ele queria manter livre. E isso era tudo o que ele iria pensar. Nesse momento ele se concentrou no rebentamento dos rios. Eles tinham um homem no primeiro e terceiro, com um no final do oitavo inning. Quando Dedrick Coleman bateu uma longa bola que passou por cima da cerca do campo esquerdo, Tucker deu um suspiro de alívio, então levantou-se para bater palmas com seus companheiros de equipe. Eles subiram cinco para nada. Essa era uma grande vantagem para a equipe, no caso de ele desistir de algumas corridas. Ele tinha que se concentrar apenas nisso. O time. Ganhar o jogo. Nada mais importava. Quando os rios terminaram a entrada, ele deixou o verniz e pegou o monte para o topo do nono, apreciando o rugido da multidão da casa. Ele atraiu sua energia, esperando que pudesse terminar este jogo com uma vitória para eles. Ele se recusou a pensar sobre a outra coisa. Isso era um sonho, uma raridade para um jogador. Tudo o que ele queria fazer, era terminar o jogo. Um desligamento seria ótimo. Ele apontaria para isso. Ele fez seus passos de aquecimento, então esperou que o primeiro batedor fosse á pista. O topo da ordem estava pronto, então isso não seria fácil. Seu braço ainda se sentia bem, no entanto. Ele estava dentro de sua zona de conforto, até a contagem total de arremessos. Ele estava pronto. Ele aceitou a chamada de Sanchez.


Uma curva. Sua curva estava em chamas esta noite - graças a Deus - então ele assentiu, concluiu e jogou. Um strike. Seus próximos dois arremessos eram rápidos, e o batedor batia em um, que ele aterrava no meio da parada. Um fora e a multidão ficou louca. Dois foras para acabar. Energia e nervosismo percorriam sua espinha. Ele puxou a energia para a frente e abalou o nervosismo. Apenas outra jogada e um jogo que ele precisava terminar. Ele deu a volta por trás do monte, pegou a bola e esfregou-a nas mãos, concentrando sua atenção apenas no próximo batedor. Seu primeiro arremesso foi uma bola alta e externa. Merda. Foco, Tucker Ele se inclinou, pegou a placa de Sanchez e depois jogou a curva. Ela navegou perfeitamente e a massa balançou e errou para um strike. Tucker se alimentou dos aplausos da multidão, o barulho quase ensurdecedor. Focando, ele jogou o próximo arremesso, o batedor balançou e a bola navegou em direção ao campo direito. Por um segundo, Tucker não respirou - não até que a bola pousou na luva de Trevor Shay, para acabar em segundo lugar. Tucker exalou, absorvendo o crescente nível de decibéis da multidão. Ele teve que admitir que ele cavou isto. Muito. Não foi uma distração para ele, porque seu foco estava no prêmio agora. Ele absorveu o barulho da multidão e o que estava além de seu alcance. Ele tinha isso. Um batedor saiu. Ele podia sentir a vitória, e a vitória era tudo o que ele queria, era tudo o que ele pensava. Não outra coisa. A massa veio ao prato e Tucker estava pronto para ela. Ele zuniu uma bola curva e a massa não balançou. O árbitro chamou um strike. A multidão estava de pé agora, pisando e aplaudindo enquanto Tucker jogava a segunda, outra curva. Desta vez a massa balançou.


E errou. Ataque dois. O suor escorria pelo rosto de Tucker, pelas costas. Tirou o boné, limpou o rosto com o braço, enfiou o boné de volta, depois olhou para baixo, enquanto esperava o sinal de chamada. Este jogo era dele. Ele tinha a massa e sabia disso. Ele pegou a placa de Sanchez, acenou com a cabeça, concluiu e jogou no campo. Bola curva. Strike Triplo. Puta merda. Ele acabou de lançar um no-hitter. Puta merda. O estádio entrou em erupção. Tucker jogou a luva para baixo e pulou para cima e para baixo, como uma criança. Ele não se importou. Era inédito em sua carreira. Sanchez veio correndo para o monte e os caras do campo também. Ele estava cercado e sendo abraçado e nunca riu tanto. Ele nunca esteve tão exultante, tão aliviado que um jogo acabou. "Você fez isso", Sanchez gritou para ele. O resto dos caras bateram em suas costas e Tucker sentiu as lágrimas picarem seus olhos. Ele nem tentou segurá-las, enquanto todo o time o cercava. Ele olhou em volta para todos os seus companheiros de equipe, e apesar do rugido selvagem da multidão, ele agradeceu a todos, porque sem seus jogadores quentes e sua incrível defesa, isso não teria acontecido para ele, hoje à noite. Ele lhes devia tudo. Ele amava esse time. Ele amava esses caras. Os fãs ainda estavam rugindo, quando ele foi para o abrigo. "Você tem que voltar lá", disse Trevor Shay. Ele fez isso, e levantou o boné para a multidão, fazendo uma volta completa, para reconhecer o estádio inteiro. Eles rugiram ainda mais alto. Ele não conseguia segurar seu sorriso, incapaz de acreditar, que isso tivesse acontecido. Ele jogou um no-hitter. Ainda era tão surreal. Ele não tinha certeza de quando isso ia realmente afundar.


Uau. Uau. Era algo que todo lançador sonhava em fazer. Era algo que Tucker tinha sonhado, desde a Liga Infantil, mas nunca em suas imaginações mais loucas, ele achava que aconteceria com ele, nas grandes ligas. Seu treinador jogou um braço ao redor dele. "Que bom trabalho lá fora, Cassidy", disse Manny. "Um dos melhores jogos que eu já fiz parte." Tucker não conseguiu segurar seu sorriso. "Obrigado, treinador." “Você tem toda a equipe querendo te abraçar e apertar sua mão, e cerca de um bilhão de pessoas estão prontas, para falar com você. É o seu momento garoto. Aproveite cada minuto disso." "Obrigado." Seu treinador de arremesso veio. "Eu acho que você pode parar de se preocupar com sua bola curva agora, Tucker." Ele riu. “Pelo menos por esta noite. Obrigado por toda sua ajuda, Bobby. Eu não poderia ter feito isso sem você.” Bobby apertou a mão dele, apertando o braço dele, disse “O talento é todo seu, garoto. Eu não tive nada a ver com isso.” Ele ainda não podia acreditar no que tinha acontecido. Ele não podia esperar para falar com seus pais e seus irmãos. Grant. Grant tinha vindo hoje à noite. Ele esperava que ele, Katrina e as crianças chegassem ao vestiário. Ele não podia esperar para ver seu irmão, e estava tão feliz por ter estado aqui por ele, esta noite. Ele se virou para Manny. “Meu irmão está aqui, para o jogo hoje à noite. Você pode ter certeza, de que ele vá até o vestiário?” "Qual?" "Grant. E sua namorada, seu irmão e irmã.” "Certo. Eu cuidarei disso. Você apenas aproveite o momento.” "Obrigado, Manny." Ele não conseguia tirar esse sorriso estúpido de seu rosto. Ele podia imaginar que seu telefone estava explodindo, com chamadas e textos agora. Mas ele com certeza, queria que Aubry estivesse aqui, para compartilhar com ele. Ele a veria mais tarde. Um ponto ainda mais brilhante, do que esta vitória.


Eles conversariam. E ele pediria desculpas como louco, para ela. Mas primeiro . . . tudo isso.


CINQUENTA Aubry sentou-se nos bancos e chorou. Primeiro, ela aplaudiu como uma louca, gritou até ficar rouca e abraçou Liz e Shawnelle, todas elas pulando para cima e para baixo como crianças. O estádio inteiro balançou. Ela ficou emocionada por fazer parte disso. E então ela chorou, com absoluta felicidade por Tucker. Ela não podia nem imaginar, como deveria ser para ele. Ela esteve em torno do beisebol toda a sua vida, entendia as nuances do jogo, provavelmente mais do que ela queria, graças ao seu pai. Ela assistiu alguns no-hitter na televisão, e até mesmo esteve presente no estádio para um, antes disto, quando ela era uma criança. Ela sabia o que eles significavam para um jogador. Ela sabia o que significava para Tucker. Era uma conquista de vida, que nem muitos jogadores recebiam. Isso era tão importante para Tucker. Era um jogo que ele nunca esqueceria. Ela estava tão grata por ter estado aqui, para ver isso acontecer. Ela esfregou os braços, surpresa por sentir os arrepios gelados ali. Por Tucker. Ela estava tão feliz por ele. Depois de passar algum tempo conversando com Liz e Shawnelle, elas desceram para o vestiário, que era um hospício absoluto de jogadores e imprensa. "Nós nunca vamos entrar", disse ela. "Haha. Pense de novo, ” Liz disse, passando pela multidão com suas credenciais de agente. Champanhe estava fluindo. Ou pulverizando. E Tucker era o destinatário. Ele estava encharcado, assim como todo mundo a curta distância. Aubry se afastou e absorveu a felicidade correndo solta pela sala. Era uma noite para celebrar, as equipes de televisão estavam lá, junto com a imprensa, e ela não poderia estar mais animada por Tucker. Ela ficou para trás, para assistir tudo. Quando ela viu seu pai entrar, ele disse olá para a imprensa, depois foi falar com Tucker. Aubry mordeu o lábio inferior, imaginando como essa troca estava indo. Ela se aproximou um pouco mais, para poder ouvir o que eles estavam dizendo. “Você fez um trabalho notável hoje à noite, Tucker. Estou tão impressionado. ” Seu pai estendeu a mão.


"Obrigado, senhor." Tucker apertou sua mão. Câmeras pegaram tudo, os dois sorrindo um para o outro. Ela sabia que era tudo para mostrar. "Eu preciso de uma pausa por um segundo, pessoal", disse Tucker. "Sr. Ross, posso ter um minuto?” "Certo." Aubry se escondeu atrás dos armários, quando Tucker puxou seu pai, para longe das câmeras. Os dois acabaram exatamente onde ela estava se escondendo. "Você pode me trocar", disse Tucker. "Como?" “Estou apaixonado por Aubry e não pretendo parar de vê-la. Então me mande de volta para jogar no Triple A ou troque-me. O que você quiser fazer." O coração de Aubry se apertou. Ele a amava. Lágrimas encheram seus olhos. Ele a amava. E ele acabara de jogar a luva no pai dela. Bem ali, no vestiário, com todos os repórteres parados, a um metro e meio de distância. Uau. "Oh", disse seu pai. "Ah. Bom, eu não pretendo fazer ... Tucker deu de ombros. "Tanto faz. Só saiba que você pode me ameaçar, com qualquer coisa que você queira, mas isso não vai me impedir de amar sua filha.” Tucker começou a se afastar, e a viu encostada nos armários. Seu pai a viu também. "Eu vou deixar vocês dois conversarem." Seu pai se afastou e ela saiu de entre os armários. Ela não queria estragar este momento para ele, então ela sorriu e o abraçou. “Parabéns pelo no-hitter, Tucker. Estou tão feliz por você." Ele se afastou, sua expressão era uma mistura de preocupação e absoluta alegria. "Você viu o jogo?" Ela assentiu. “Eu tive que trabalhar até tarde, mas cheguei aqui. Eu vi um pouco, antes de chegar aqui, na TV do saguão do hospital. Assim que vi o que estava acontecendo, corri. Eu precisava estar no estádio para ver. Para você."


Alguém chamou seu nome. Ele olhou para trás e assentiu, depois se virou para ela. "Eu tenho que fazer isso." "Eu sei." Ele segurou a mão dela. "Eu ainda realmente quero falar com você, Aubry." "Eu ouvi o que você disse ao meu pai." “Eu quis dizer isso. E sinto muito. Essas palavras não parecem adequadas.” Ela soltou a mão dele. “Nós conversaremos quando você terminar aqui. Venha para a minha casa.” Ele olhou para seus colegas de equipe sorridentes, no campo dos repórteres. "Isso pode demorar um pouco." Ela riu. “Estou tão excitada que não vou dormir, de qualquer maneira. Me ligue quando terminar.” "OK." Com um longo e demorado olhar para ela, ele se virou, entrou na multidão e desapareceu. Seu pai veio. "Aubry". Ela ainda estava com tanta raiva dele, mas ele era seu pai, então ela se levantaria e escutaria. "Recebi uma bronca de sua mãe e, obviamente, você ouviu o que Tucker disse." "Eu ouvi." “Eu sinto muito mesmo. Às vezes, deixo minha preocupação por você, superar meu bom senso. E eu interferi em sua vida quando não deveria.” “Você me machucou, pai. E você machucou Tucker também.” "Eu sei. Eu te amo, Aubry. Isso me mataria para te perder. Por favor, me diga que você me perdoará.” Ela viu a dor em seus olhos e soube sem dúvidas, que seu pedido de desculpas era sincero. “Eu também te amo, papai. Mas você tem que começar a confiar em mim. Minha carreira é importante para mim. Não vou fazer nada para prejudicá-la”. “Eu percebo isso agora. Eu também sei, que você tem um bom rapaz lá, que está disposto a mudar sua carreira para estar com você. Isso diz muito sobre seu caráter.”


Ela olhou para onde Tucker estava respondendo perguntas da imprensa. "Sim. E você também lhe deve um pedido de desculpas.” “Ele vai pegar um de mim, mas não esta noite. Esta noite é sua noite e pretendo dar-lhe espaço para aproveitá-la. Eu vou falar com ele amanhã.” "Faça isso." Seu pai se adiantou e segurou sua mão na dele. “Desde que você era um bebê, senti que era minha responsabilidade cuidar de você, para ter certeza de que, você estava no caminho certo. Eu acho que preciso deixar você ir agora.” Ele parecia tão triste que partiu o coração dela. “Você nunca tem que me deixar ir, papai. Você só tem que me dar a liberdade para me deixar crescer.” Ele a puxou para perto e a abraçou. Ela colocou os braços ao redor dele, sabendo que os dois estariam bem. "Agora vá falar com os repórteres e se deleitar com o seu arremessador superstar", disse ela. "Um jogador que você, foi quase estúpido o suficiente, para deixar ir." Seu pai inclinou a cabeça para o lado. "Eu não posso acreditar, que você me chamou de idiota." “Se o chapéu estúpido se encaixa. . ." Ela disse com um sorriso. Seu pai sorriu. “Ok, você está certa. Eu possuo o chapéu estúpido e usarei com toda a vergonha que eu mereço.” Ela riu. “Eu falo com você depois, papai.” Ela dirigiu-se para o carro, verificando suas mensagens de texto no caminho. Vários de seus colegas residentes, todos aplaudindo a vitória de Tucker. Uma de Katie que dizia: Omgomgomg. Um no-hitter! OMG. Espero que você comemore apropriadamente, com seu garanhão esta noite. Ela sorriu e balançou a cabeça, e esperou que eles chegassem ao ponto, onde eles poderiam celebrar - apropriadamente. Ela entrou no carro e foi para casa.


CINQUENTA E UM Isso tinha sido exaustivo. Fascinante, mas também exaustivo. Felizmente, ele usara mais champanhe do que bebera, celebrando com Grant, Katrina, Leo e Anya, todos entusiasmados, por estarem no estádio e assistirem seu no-hitter. Tucker tinha conseguido um grande abraço de Grant, e finalmente o elogio do superquarterback, que lhe disse que era o melhor arremesso, que ele já tinha visto. E Leo ficou admirado por estar no vestiário, então Tucker o apresentou a todos os jogadores e contou a todos, que Leo acabara de ganhar o campeonato estadual de seu time de colegial. Todos parabenizaram-no e Leo provavelmente estava sorrindo tanto quanto Tucker. Ele dera uma tonelada de entrevistas, então bebeu muita água, e limpou todo o champanhe e suor, antes de entrar em seu carro para dirigir até Aubry. Ele conversou com seus pais e seus irmãos e irmã. Ele nunca tinha ouvido seus irmãos mais animados, ou mais animado sobre beisebol. Depois de todos esses anos, ele conseguiu que seus irmãos admitissem, que ele era bom nessa coisa de baseball. A parte perfeita disso, era que ele tinha mensagens de texto de todos eles, comemorando seu no-hitter e dizendo que ele era um maldito bom arremessador. Ele pretendia salvá-las, para jogá-las em seus rostos, na próxima vez que tentassem zombar dele, por ter escolhido o beisebol ao invés do futebol. Foi uma boa noite. Mas agora era a parte mais difícil - encarar Aubry. Ela veio ao jogo dele esta noite. Ele sorriu quando saiu da estrada, incapaz de acreditar que ela realmente, aparecesse no jogo. Quando ele entrou no estacionamento, de seu condomínio, ainda estava sorrindo. Inferno, ele poderia sorrir por dias. Ele estava correndo em uma alta, que poderia nunca ir embora. Pelo menos não até sua próxima perda, que era inevitável.


Ele esperava que não fosse tarde demais. Celebrações e entrevistas duraram muito mais do que ele esperava. Mas as luzes da casa dela estavam acesas, então ele bateu levemente na porta. Ela respondeu imediatamente. Seu cabelo estava molhado e ela usava capris e uma camiseta, então parecia que ela tomara banho também. "Longa noite", ela disse, quando ficou de lado para ele entrar. "A mais longa." Ela fechou a porta. "Mas a melhor, certo?" Ele enfiou as mãos nos bolsos. "Sim, foi muito boa." Ela apontou para o sofá, então ele se sentou. Ela sentou-se ao lado dele. “Vamos, Tucker. Foi mais do que muito bom. Foi fantástica. Você foi incrível. E sendo uma parte disso, eu não posso nem explicar como era isso.” Ele queria tanto tocá-la, colocar a mão no joelho dela, puxá-la para perto, para poder sentir o corpo dela, contra o dele. Mas ele não tinha o direito. Não mais. Não depois do que ele fez. “Eu senti a eletricidade da multidão, enquanto eu estava lançando. Isso realmente ajudou. ” Seu rosto estava iluminado de excitação. “Estou tão feliz. Eu queria saber, se seria muito barulhento para você, lá no final. Mas estávamos todos tão loucos no momento.” “Não, realmente ajudou. Foi como um ambiente sob pressão, e eu realmente acho que foram todas as vibrações positivas que me ajudaram a vencer. ” Ela riu. “Não, foi o seu talento que o impulsionou para essa noite, para o non-hitter. Sua bola curva estava pegando fogo. Era como uma tempestade perfeita de arremessos. Você não poderia fazer nada errado.” Ela estava dizendo todas as coisas certas - sobre o seu jogo. "Obrigado. É um jogo do qual me lembrarei, durante toda a minha carreira. Mas você sabe, não é por isso que estou aqui.” Ela respirou fundo e soltou o ar. “Sobre o meu pai. Eu estava tão chateada com ele. Minha mãe, está tão zangada com ele. E ele sente muito mesmo. Ele disse que vai falar com você, sobre isso amanhã. Ele lhe deve um grande pedido de desculpas.” “Bem, aconteceu. A pior parte é que eu não fiz nada sobre isso. Isso me chocou no começo e eu meio que levei um momento - um momento realmente longo, infelizmente, para pensar sobre o que isso significava. Ele realmente estava falando sério? E se sim, o que isso significaria para minha carreira? ”


Ela assentiu. "Compreensível. Quero dizer, realmente, Tucker, eu entendo. Você trabalhou duro para chegar onde está. Depois que descobri o que meu pai fez, entendi a escolha que você fez.” Ela estava deixando-o, e isso não era aceitável. Ele balançou sua cabeça. “ Não, não estava bem, Aubry. Eu não queria te dizer o que ele disse, porque eu não queria colocar você, entre eu e seu pai, forçando você a ter que fazer uma escolha entre nós. Segundo, eu deveria ter escolhido você. Logo, eu deveria ter escolhido você. Porque sem você, essa carreira não significa nada para mim.” O coração de Aubry fez aquela coisa de apertar novamente, como sempre fazia, desde que se apaixonara por Tucker. Ela engoliu em seco, sua garganta ficou seca, enquanto lutava por uma resposta. "Eu . . . sua carreira é tudo para você.” "Sim é. Mas quando tentei manter distância de você, o beisebol não teve a mesma faísca. Então, enquanto eu amo o jogo, eu te amo mais. E eu sinto muito, por não ter percebido isso imediatamente. Por favor, me perdoe por te machucar.” Agora as lágrimas caíram e ela as piscou de volta. “Tucker. Eu também te amo." Ele a puxou em seus braços e a beijou, e foi como uma explosão de calor e amor e a paixão que sempre esteve lá com ele. Era como se tudo em seu mundo estivesse certo, desde que ele estivesse segurando-a. "Eu senti sua falta", disse ele, esfregando os lábios contra os dela. Ela sentiu o peso de seu pênis duro pressionando contra seu quadril. “Eu senti sua falta também. Faça amor comigo." Ele pegou-a e levou-a para seu quarto, em seguida, colocou-a na cama. Ele ficou ao lado da cama e tirou a camiseta, depois abriu o zíper da calça, tirou os sapatos e deixou a calça cair no chão. Aubry arqueou uma sobrancelha. "Sem cueca, hein?" "Eu estava com pressa." Ela alcançou seu pênis. "Funciona para mim." Ela acariciou-o, inclinando a cabeça para trás para ver o rosto dele, quando ela passou a mão em torno dele, em seguida, colocou a boca sobre ele. Seus gemidos altos eram sua ruína, fazendo-a umedecer e tremer de necessidade. Ele puxou seu pênis entre os lábios e a empurrou de volta na cama.


"Eu preciso do meu pau dentro de você." Ele puxou sua calça, junto com a calcinha, depois arrastou a camiseta por cima da cabeça e fez um rápido trabalho de tirar o sutiã. Uma vez que a deixou nua, ele passou as mãos pelo corpo dela. “Eu senti sua falta assim. Nua, com minhas mãos em você.” Ela estremeceu sob seu toque, aqueles incríveis arrepios que ela sentia, quando ele a tocava. "Sim. Toque me." Ele segurou os globos de seus seios, então esfregou os polegares para trás e para frente sobre os mamilos, fazendo-a doer. Quando ele serpenteou as mãos para baixo, sobre as costelas, ela separou as pernas, dando-lhe acesso ao seu sexo. Ele segurou-a, esfregou seu clitóris e deslizou seus dedos dentro dela, fazendo-a ofegar pelas sensações que ele podia evocar tão rapidamente. Ela não tinha vindo, desde a última vez que eles estavam juntos. Tinha sido um tempo, muito longo, e ela estava tão pronta, que poderia vir agora. Mas, como Tucker, ela queria ir com ele dentro dela. "Agora", disse ela. "Eu quero você dentro de mim agora, me fazendo gozar." Ele pegou um preservativo e colocou-o, em seguida, puxou-a para a beira da cama e dobrou uma das pernas, colocando-a entre o braço e o corpo para segurá-la no lugar, enquanto ele entrava nela. Então ele se inclinou para frente, empurrando nela com movimentos lentos e deliberados. "É aqui que eu pertenço, Aubry", disse ele enquanto se movia dentro dela. "Isto é onde você pertence." "Sim". Ela arqueou os quadris, dando-lhe um acesso mais profundo. Ele se inclinou e se esticou no corpo dela, segurando a cabeça entre as mãos e beijandoa. Ela estava perdida nele, atraída pela mistura de amor e sexo, de emoção e poderosa sensação física. "Eu posso sentir você apertando em torno de mim", disse Tucker, quando ele se retirou, em seguida, empurrou para dentro dela. "Você pode sentir meu pau inchando?" Ela passou as mãos pelos ombros dele, passando as unhas por seus braços. "Eu sinto tudo."


E quando ele se encostou nela, ela se despedaçou, incapaz de conter seu grito selvagem, quando se soltou. Tucker tomou sua boca, gemendo contra seus lábios, quando gozou. Ela segurou firme nele, enquanto cavalgava as ondas de seu orgasmo, que a deixava mole, mas tão satisfeita. "Mmm", foi tudo o que ela pode dizer depois. "Sim". Ele se afastou e desapareceu para lidar com o preservativo, depois voltou. Ele caiu ao lado dela e brincou com seu cabelo "Você trabalha amanhã?", Ele perguntou. "Não, eu estou de folga." "Bom. Podemos ficar acordados o resto da noite fazendo sexo.” Ela riu. “Você tem certeza de que tem energia para isso? Você teve uma noite bem agitada.” Ele brincou com o mamilo, observando como se empolgava em um ponto apertado. “Baby. Eu tenho resistência para poupar.” Ela olhou para ele. “Você está correndo com adrenalina. Eventualmente você irá falhar.” "Talvez." Ele se inclinou e lambeu o mamilo, em seguida, soprou sobre ele, fazendo-a rir. “Vamos ver quanto tempo eu vou durar então. Dou mais quatro ou cinco vezes.” Ela revirou os olhos. "Não tenho certeza se vou durar quatro ou cinco vezes mais." "Vai". Isso realmente era perfeito. Ela se perguntou, no entanto. . . "Tucker" "Sim?" “Podemos realmente fazer isso funcionar? Nós dois temos programações malucas.” Ele sorriu e alisou o cabelo dela longe de seu rosto. “Acho que é isso que fará nosso relacionamento funcionar tão bem. Não, apesar de nossos empregos atípicos, mas por causa deles. Não vou ter que me preocupar com você sozinha, enquanto estou na estrada, porque você tem uma carreira que a mantém ocupada e satisfeita ”. Ela rolou para o lado para encará-lo. “E eu não vou ter que me preocupar com você, ficando puto que eu estou trabalhando tantas horas, porque você gasta muito tempo na estrada. E quando estamos juntos, será tempo de qualidade.” "Exatamente. Encare, Aubry, somos perfeitos um para o outro.”


"Você está certo. Nós somos. Como hoje á noite. Sempre que estamos juntos, é como se estivéssemos separados há meses. Toda vez será assim. "Como a primeira vez." Ele passou a mão sobre o quadril dela. "Explosivo. Romântico. Eu prometo." "Eu acredito em você." "Eu te amo, Aubry". Seu coração se virou. "Eu também te amo, Tucker." Ele a empurrou de volta para a cama e cobriu seus lábios com os dele, fazendo-a suspirar com excitação renovada. Ele sempre a levara longe, sempre a envolvia com suas palavras, seu corpo e o modo como ele capturara sua atenção, desde a primeira noite, em que se encontraram na adega de seus pais. Sempre seria assim? Tão selvagem e louco e cheio de emoção? Ela não sabia, e mesmo se não fosse, ela estava nessa relação de todo coração com ele. Para sempre.

FIM


Caro leitor, Obrigado por ler All Wound Up . Haverá mais livros Play-by-Play chegando. Inesperado Rush , livro onze da série Play-by-Play, será a história de Barrett, lançada em fevereiro de 2016. Chegando em dezembro de 2015 está o Make Me Stay , livro cinco da minha série Hope. Esta é uma série de romance contemporânea de cidade pequena com personagens que todos vivem na mesma cidade, que todos se conhecem e cujo amor um pelo outro pode levá-los através de qualquer das dificuldades da vida. Leitura feliz, Jaci

Profile for Brenda Torres

Série Play by play 10 - Jaci Burton  

Série Play by play 10 - Jaci Burton  

Advertisement