Page 1

Cultura | p. 7

Esporte | p. 8

Agenda Cultural

Torcida da democracia

Estrela Leminski e Téo Ruiz são presenças confirmadas na Virada Cultural pela liberdade de Lula

PARANÁ

Felipe Khouri

Boleiros fazem ato no acampamento Lula Livre, no Santa Cândida

26 de abril a 2 de maio de 2018

distribuição gratuita

Divulgação

Ano 3 | Edição 77

29 DE ABRIL

Brasil | p. 6

Privatização Petrobras anuncia venda da Repar e de outras três refinarias

DE 2015: O DIA QUE NÃO TERMINOU

Geral | p. 3

Injustiça “Solitária” imposta a Lula por PF e Judiciário é ilegal, garante jurista

Brasil | p. 6 Rafael Neddermeyer | Fotos Públicas

Joka Madruga

Seu bolso

Por que a queda do preço dos combustíveis não é repassada ao consumidor?

Símbolo dos ataques à educação no Paraná, massacre de 29 de abril completa três anos. Beto Richa deixou o governo, no início de abril, com um rastro de impunidade, violação de direitos e aumento da violência policial Paraná | p. 4 e 5


2 | Opinião

Brasil de Fato PR

Paraná, 26 de abril a 2 de maio de 2018

Tempos de organização popular

EDITORIAL

A

CHARGE Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza, o que representa 17,3 milhões de jovens nesta situação.

vimentos populares, que devem concenvigília Lula Livre, feita a poucos metrar esforços, em Curitiba, em defesa de tros da Superintendência da Polícia Lula. Federal, em Curitiba, é um espaço para o Estão sendo formados também Comiqual os olhos de todo o país estão voltados, tês Populares “Lula Livre”, em escolas, onde lideranças nacionais visitam diariauniversidades e locais de tramente para denunciar balho. Ao lado disso, são criaos atropelos à democrados os chamados Congressos cia que acontecem hoje. O Dia dos do Povo, com participação Neste momento, a Trabalhadores de lideranças para debater os Frente Brasil Popular, apresenta, neste principais problemas do país. que reúne mais de 80 orHouve o lançamento da ganizações, aponta um ano, uma união experiência da Frente Amcalendário de mobiliza- inédita de todas as pla pela Democracia, Sobeções nacional em defesa centrais sindicais rania Nacional e Direitos do da democracia, da liberPovo, que recentemente redade do ex-presidente uniu sete partidos, iniciativa Lula, recordando tamde união comum que deve acontecer nos bém o assassinato brutal, e não solucionaestados. Como se vê, até as eleições, será do, da vereadora carioca Marielle Franco. um semestre intenso de mobilizações, no O dia Primeiro de Maio, Dia dos Trabaqual a participação de cada pessoa é imlhadores, apresenta, neste ano, uma união portante. inédita de todas as centrais sindicais e mo-

É hora de tomar partido. E eu tomei: o da democracia e da justiça OPINIÃO

Otto Leopoldo Winck,

professor universitário e escritor

E

screveu Carlos Drummond de Andrade, no poema “Nosso tempo”: “Este é um tempo de partido, tempo de homens partidos”. Este poema, publicado no livro “Rosa do povo”, de 1945, como a maior parte desse volume, retratava os impasses da época: no exterior, a guerra mundial contra o nazi-fascismo; no Brasil a ditadura do

Estado Novo. Mesmo para os poetas, seres sonhadores por natureza, há horas de tomar partido. Aqui, no Brasil, foi assim na campanha da Abolição da escravatura, nos tensos anos 30 e ao longo da ditadura militar (1964 – 1985). E é assim também agora. Não há como duvidar que o Brasil, apesar do que tenta apresentar a mídia comercial, passa por tempos obscuros, para dizer o mínimo: um impeachment sem crime de responsabilidade, uma con-

O que nos dá esperança é o povo que se organiza e resiste denação sem provas do presidente mais popular da história. Por isso, deixei o conforto de minha torre de marfim e fui visitar a vigília Lula Livre, ali em frente à sede da Polícia

Federal, em Curitiba. E o que vi foi solidariedade, esperança e fé – e uma vibrante energia que se percebe nas barraquinhas, nos cumprimentos, nos cânticos entoados. Apesar dos tempos sombrios em que vivemos, para citar outro poeta que tomou partido, Brecht, o que nos dá esperança é o povo que se organiza e resiste. Sei que diante do que ocorre essa resistência é pouca, é pálida. Mas já é o começo. E foi por isso que eu fui, mais

como cidadão do que como poeta, prestar minha solidariedade. Há horas de tomar partido. E eu tomei: pela democracia, pela decência, pela justiça. E encerro com o final do poema de Drummond inicialmente citado: “O poeta / declina de toda responsabilidade / na marcha do mundo capitalista / e com suas palavras, intuições, / símbolos e outras armas / promete ajudar / a destruí-lo / como uma pedreira, uma floresta, / um verme.”

EXPEDIENTE O jornal Brasil de Fato circula em todo o país com edições regionais em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Sergipe e Paraná. Esta é a edição nº 77 do Brasil de Fato PR, que circula sempre às quintas-feiras. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais.

Brasil de Fato PR | Desde fevereiro de 2016 EDIÇÃO Ednubia Ghisi, Daniel Giovanaz e Pedro Carrano REPORTAGEM Julia Rohden e Franciele Petry Schramm COLABORARAM NESTA EDIÇÃO Otto Leopoldo Winck e Davi Macedo ARTICULISTAS Roger Pereira, Marcio Mittelbach e Cesar Caldas REVISÃO Maurini Souza, Lia R. Bianchini e Priscila Murr ADMINISTRAÇÃO Bernadete Ferreira, Clara Lume e Denilson Pasin FOTOGRAFIA Joka Madruga, Leandro Taques e Gibran Mendes DIAGRAMAÇÃO Vanda Moraes CONSELHO OPERATIVO Gustavo Erwin Kuss, Daniel Mittelbach, Luiz Fernando Rodrigues, Fernando Marcelino, Naiara Bittencourt e Robson Sebastian TIRAGEM SEMANAL 20 mil exemplares REDES SOCIAIS www.facebook.com/bdfpr CONTATO redacaopr@brasildefato.com.br IMPRESSÃO Grafinorte (Nei)


Brasil de Fato PR

Ricardo Stuckert

Feriado com protesto O Dia do Trabalhador, 1º de Maio, terá um ato unificado em Curitiba, na Praça Santos Andrade, a partir das 14h. As sete maiores centrais sindicais do Brasil participam da mobilização, que tem como temas principais a volta de direitos extintos pela reforma trabalhista de 2017, a defesa da democracia e pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso sem provas desde o dia 7 de abril. Orlando Kissner | Governo do Paraná

Paraná, 26 de abril a 2 de maio de 2018

O tucano Beto Richa (PSDB), que governou o Paraná até do dia 7 de abril, gastou R$ 45,7 milhões em voos avião locado e helicópteros durante os sete anos em que ocupou o cargo. Foram 779 mil quilômetros em avião locado e 2,4 mil horas em helicópteros. Os dados oficiais foram passados pela Casa Militar, que atendeu a um pedido do deputado estadual Nereu Moura (PMDB), feito por meio da Lei de Acesso à Informação.

É ESSE

“Não somos países pobres. Somos países empobrecidos”

Fernando Prioste*

Afinal, quem pode visitar pessoa presa?

disse o argentino Adolfo Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz em 1980, em entrevista ao Brasil de Fato. Esquivel veio a Curitiba para visitar o ex-presidente Lula e denunciou as ameaças à soberania no Brasil após o golpe contra Dilma Rousseff em 2016.

Tânia Rego | Agência Brasil

“Solitária” imposta a Lula por PF e Judiciário é ilegal, garante jurista São Paulo (SP)

Voos caros de Richa

QUE DIREITO

FRASE DA SEMANA

Leonardo Fernandes,

Já se vão 20 dias desde que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se apresentou à Polícia Federal (PF) em Curitiba (PR), no dia 7 de abril, para o cumprimento da pena estabelecida pelo juiz de primeira instância Sérgio Moro. Desde então, Lula se encontra em um espaço isolado dos demais presos, com visitas permitidas somente aos advogados e familiares. Nesta segunda-feira (23), a juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara de Execução Penal de Curitiba, emitiu resposta coletiva recusando diversos pedidos de visitas ao ex-presidente. Entre os pedidos negadas estão os da presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, da ex-presidenta Dilma Rousseff e

3 | Geral

do pré-candidato à presidência Ciro Gomes (PDT). No dia 19 de abril, a mesma juíza negou a solicitação feita pelo Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, e pelo teólogo Leonardo Boff.

“Privar um detento do convívio com seus amigos é uma medida absolutamente contrária à legislação brasileira Fernando Hideo A ex-presidenta Dilma Rousseff se disse extremante “impactada” e “estarrecida” por ter tido seu pedido de visita ao ex-presidente Lula negado pela Justiça. Ela esteve na Polícia Federal e partici-

pou de um ato no Acampamento Lula Livre, localizado a cem metros da PF. Para Dilma, segregam o ex-presidente por temerem “a verdade que o Lula encarna” e por temerem que ele “converse com o povo brasileiro”. Ilegalidade Para Fernando Hideo, doutor em Direito Processual Penal, a restrição a visitas viola a legislação brasileira no que se refere à execução das penas e descumpre as chamadas Regras de Mandela, um documento da Organização das Nações Unidas (ONU) que define as condições mínimas para o tratamento de presos. Para o jurista, a negação de visita de amigos e o isolamento total e absoluto do ex-presidente Lula e a privação do convívio com demais detentos “são medidas que não apenas são injustas, como são explicitamente ilegais”.

A Lei de Execuções Penais diz quais são as regras para que se possa visitar uma pessoa presa. Lá está escrito, no artigo 41, que são direitos da pessoa presa a vista do cônjuge, da companheira ou companheiro, de parentes, amigos e amigas. O dia da visita varia conforme regra interna de cada prisão, e a limitação desse direito só pode acontecer por decisão da direção da prisão, com motivo justo. No caso de ocorrer rebelião, por exemplo, a direção da prisão pode, nesse dia, impedir a visita. As limitações não podem ser eternas, pois a visita é direito garantido em lei. Os locais de prisão devem ter condições para receber todas as visitas que a lei autoriza. É ilegal e abusivo impedir que pessoas presas recebam visita de amigos e amigas, alegando que não têm estrutura para isso. A Polícia Federal, que deveria ser a primeira a cumprir a lei, está impedindo que o ex-presidente Lula receba visita das amizades que fez durante a vida, e não há motivo justo para isso. Se a lei autoriza, porque estão impedindo?

Fernando Prioste é advogado popular da Terra de Direitos


Paraná, 26 de abril a 2 de maio de 2018

4 | Paraná

Brasil de Fato PR

Paraná, 26 de abril a 2 de maio de 2018

5 | Paraná

TRÊS ANOS DEPOIS, O MASSACRE CONTINUA:

POR QUE O 29 DE ABRIL “NÃO TERMINOU” PARA OS PROFESSORES DO PARANÁ Curitiba (PR)

G

ás lacrimogêneo, bombas de efeito moral, balas de borracha. Três anos atrás, a Polícia Militar (PM) do Paraná realizava uma das operações mais violentas da história em Curitiba. Mais de 200 pessoas ficaram feridas durante um protesto contra mudanças no regime previdenciário de professores e funcionários de escolas. Nenhum agente do Estado foi responsabilizado pelo episódio, conhecido como Massacre de 29 de abril ou Batalha do Centro Cívico. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato), Hermes Leão, conta que as cenas de violência daquele dia não saem da cabeça dos servidores estaduais: “O 29 de abril continua uma marca de feridas ainda abertas. Seja porque o próprio governo desencadeou um conjunto de outras violências, a partir daANÚNCIO PUBLICITÁRIO

Memória Se o episódio não deixou mortos, foi por detalhe. Educadores como Claudemir Esquerdo Corral, do muni-

cípio de Pitanga, levaram tiros no rosto e por pouco não perderam a visão. “A gente foi no intuito de fazer manifestação pacífica, um protesto contra as medidas que o governo tinha tomado na época” explica o servidor. “A hora que eu vi o policial manobrando, deu tempo só de virar o rosto rapidamente. Se não, teria acertado no meu olho”, finaliza. Valci Maria Mattos, professora aposentada em Cascavel, também foi atingida por uma bala de borracha, mas não se arrepende de ter participado do protesto: “Quando retiram direitos, é como se arrancassem um pedaço de você”, compara. “Eu estava lá, conversei com policiais antes do massacre, porque achava que a gente, falando, conseguiria evitar [uma ação violenta da polícia]”. O que estava em jogo A Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou naquele 29 de abril um projeto de lei que mudou as formas de fun-

Leandro Taques

Ação policial deixou mais de 200 feridos em Curitiba. Ninguém foi responsabilizado

cionamento e gestão da ParanaPrevidência, o regime próprio da Previdência Social dos servidores estaduais. A Paranáprevidência inclui o Fundo Financeiro, bancado pelo governo estadual, e o Fundo Previdenciário, que reúne as contribuições dos servidores. A proposta aprovada pela Alep no dia do massacre transferiu 33.556 beneficiários com mais de 73 anos para o Fundo Previdenciário, para

aliviar as contas públicas. A APP-Sindicato entende que a mudança comprometeu a saúde financeira da Paranáprevidência e a aposentadoria dos trabalhadores da educação. Uma ação direta de inconstitucionalidade tramita desde então no Supremo Tribunal Federal (STF) e propõe anular as mudanças, mas ainda não foi julgada. Ferida aberta Nos últimos

três anos, Hermes Leão interpreta que houve “pouco ou nenhum diálogo” por parte do governo Richa. Todas as políticas públicas para o setor de educação, como a mudança no número de horas-atividade semanais dos professores, foram no sentido de restringir, e nunca de ampliar ou efetivar direitos. “Nesta terça-feira [24], houve uma reunião extraordinária do Conselho de Administração

QUEM É QUEM Fabio Rodrigues Pozzebom

O deputado federal Fernando Francischini (PSL), que coordenou o massacre, é o principal cabo eleitoral do précandidato da extrema-direita Jair Bolsonaro (PSL) no Paraná

Arnaldo Alves/ ANPr

A juíza Patricia Bergonse, que inocentou Beto Richa (PSDB) e Francischini, é a mesma que determinou a reintegração de posse de 25 escolas ocupadas pelos estudantes no Paraná em 2016

[da Paranaprevidência], em que os representantes dos servidores públicos votaram contrários à aprovação das contas da previdência estadual de 2017”, explica o presidente da APP-Sindicato. “Exatamente porque, de 2015 em diante, o governo Beto Richa não cumpriu o recolhimento da parte da patronal do governo do estado. Então, continuam as ilegalidades”. Cobrança Richa deixou o cargo de governador, em abril, para concorrer ao Senado. Hermes Leão reconhece que a sucessora (PP) representa uma continuidade, mas tenta aproveitar a oportunidade para retomar o diálogo: “A governadora Cida Borghetti assumiu o compromisso de trazer respostas a itens centrais, como, por exemplo, o ajuste salarial. É uma pauta que envolve todos os servidores, que está em debate, e nós vamos continuar cobrando intensamente”. Mario Sergio Ferreira de Souza, secretário de assuntos jurídicos da APP-Sindicato, afirma que cerca de 150 ações individuais foram impetradas contra o Estado do Paraná para exigir indenização por danos morais e materiais. Ao menos dez ações tiveram Sentença Transitada em Julgado, com condenação ao Estado. Em novembro de 2017, a juíza da 4ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, Leticia Marina Conte, condenou em sentença única o Estado a indenizar 19 pessoas, com valores que variam entre R$ 15 mil e R$ 40 mil reais. Os demais processos estão em julgamento.

Levei três tiros de borracha: um tiro no rosto, um no braço, e um na perna. Cheguei a cair no chão, por conta do impacto da bala no rosto. A hora que eu vi o policial manobrando, deu tempo só de eu virar o rosto rapidamente. Se não, teria acertado no meu olho. Eu sou uma pessoa de estatura alta, quase um metro e noventa, então o policial atirou para acertar, de fato, no meu rosto”.

App - Sindicato

Daniel Giovanaz,

quele período, seja pela impunidade, que é comum aqui no estado do Paraná”. Entre os responsáveis pelo massacre, Hermes Leão cita o ex-governador Beto Richa (PSDB), que sancionou a lei que retirou direitos dos professores, e o então secretário de segurança pública estadual Fernando Francischini (PSL), que coordenou a ação policial. “Eles estão sendo gradativamente inocentados. E, ainda pior, a Justiça está insinuando a responsabilidade da manifestação”, lamenta o sindicalista. No dia 14 de agosto de 2017, a juíza Patricia de Almeida Gomes Bergonse, rejeitou uma ação civil pública movida pelo Ministério Público (MP) do Paraná contra Richa, Francischini e quatro comandantes da PM, por considerar que o comportamento dos manifestantes incitou a violência policial.

App - Sindicato

Beto Richa deixou o governo com um rastro de impunidade, violação de direitos e aumento da violência policial

Fui atingida de muito perto, pelas costas, na perna. Foi um tiro que me derrubou. Como não havia jato de sangue, eu entendi que não era uma artéria. Porque, se houvesse atingido uma artéria, eu não teria sobrevivido. Não teria como chegar a um hospital. Não tínhamos ambulância, não tínhamos nada para nos socorrer” Valci Maria Mattos, professora da educação básica aposentada em Cascavel e secretária de aposentadas e aposentados da APP-Sindicato

Claudemir Esquerdo Corral, funcionário do Colégio Estadual do Campo Padre Victor Coelho de Almeida no município de Pitanga-PR


8

56 6 | Brasil

Paraná, 26 de abril a 2 de maio de 2018

Por que a queda Petrobras anuncia venda da Repar e de outras três refinarias do preço dos Com a privatização, operação da estatal ficaria mantida apenas nas unidades de refino do Sudeste Davi Macedo

Davi Macedo, Curitiba (PR)

Vinicius Mansur, Rio de Janeiro (RJ)

P

edro Parente, presidente da Petrobras, anunciou, no último dia 19, que irá vender 60% das refinarias Presidente Getúlio Vargas (Repar, localizada em Araucária, no Paraná), Abreu e Lima (RNEST-Pernambuco), Landulpho Alves (RLAM-Bahia) e Alberto Pasqualini (Refap-Rio Grande do Sul). A operação da estatal ficaria mantida apenas nas unidades de refino do Sudeste. O modelo de privatização apresentado pela direção da empresa prevê a venda de 60% das quatro refinarias e seus sistemas integrados de logística. O impacto do plano significa a perda de comando da Petrobras em quase todas as unidades localizadas no Paraná e Santa Catarina. “A Petrobras quase deixará de existir nos dois estados e os prejuízos para os governos locais e municípios com bases da empresa serão gigantescos. Vamos lutar até o fim para que isso não se concretize”, complementa o ANÚNCIO PUBLICITÁRIO

combustíveis não é repassada ao consumidor?

presidente do Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina, Mário Dal Zot. Reação imediata Ao que tudo indica, o processo de privatização do refino não será tarefa fácil para os gestores da Petrobras. A reação da categoria petroleira veio menos de 24 horas após o anúncio: protestaram contra a venda das unidades com atraso de duas horas na entrada do expediente, na sexta-feira (20). ANÚNCIO PUBLICITÁRIO

“Os atos foram apenas o começo da guerra que temos pela frente contra Pedro Parente e os demais golpistas da direção da empresa e governo federal. As reuniões setoriais estão debatendo as formas de ação contra a privatização e logo em seguida serão convocadas assembleias para deflagrar uma grande greve por tempo indeterminado. Será o maior desafio da atual geração de petroleiros”, explica Mário Dal Zot.

O preço do etanol completou um mês de queda nas usinas brasileiras e está 20% menor, de acordo com estudo do Centro de Pesquisa Econômica Aplicada (Cepea), órgão ligado à Universidade de São Paulo (USP), divulgado na última semana. Nos postos, porém, o preço do etanol hidratado caiu apenas 0,4%, chegando a R$ 3,019 por litro. Já o gás de cozinha teve queda de 9,2% nas refinarias, no último período de 12 meses. No mesmo período, porém, o preço médio do botijão caiu somente 0,3%, segundo a Agência Nacional de Petróleo. Para especialistas em petróleo e gás, essa é uma mostra de como o processo de privatização de empresas públicas do setor, conduzido pelo governo Michel Temer (MDB), já trás prejuízo para os brasileiros. O técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Cloviomar Cararine, explica que, a partir do governo Temer, os preços dos combustíveis vendidos pelas refinarias da Petrobras passaram a variar diariamente atrelados ao mercado internacional. O intuito era preparar o terreno para privatização da Petrobras, sinalizando para o capital internacional que, a partir de então, o mercado teria muito mais força para decidir os preços praticados no país. “Passamos a viver uma situação em que a Petrobras, por não ter o controle do preço na refinaria, joga para a mão das distribuidoras e dos postos o controle do preço”, explica. Rodrigo Leão, diretor técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (INEEP), destaca que as empresas de distribuição, transporte e venda na ponta, que hoje são as responsáveis diretas por regular o repasse de preços aos consumidores, são exatamente o elo da cadeia que está no plano de privatização da Petrobras. A Gaspetro já teve 49% de sua participação vendida em 2015. A BR Distribuidora abriu 40% de suas ações na Bolsa em 2017. E, no mesmo ano, a Nova Transportadora do Sudeste (NTS) foi inteiramente vendida.


Brasil de Fato PR 9

Paraná, 26 de abril a 2 de maio de 2018

HORÓSCOPO

O MUNDO DO AVESSO Contos de Pedro Carrano

Ordens de cima “Quando o país mistura meu nome com o fumo do incenso, há um mendigo sentado diante da minha porta”, Brecht, em “O mendigo ou o cachorro morto” O velho cego, cansado de ouvir as notícias apenas pelo rádio, resolveu encontrar o presidente em quem votou a vida inteira, preso no alto do bairro que mais parece uma torre. Mancou com sua bengala até a guarita do local, onde teve de esperar. Estava diante da lei, sem saber se avançava ou ficava ali. Quero falar com o presidente, disse. E o guarda apenas respondeu que não tinha autorização e nem poder para nada. Ordens de cima! Entre carros e trânsito de jornalistas, o velho notou que alguém passou ao lado dele e resvalou na bengala. - O que o velho faz aqui? - Acredito na justiça, quero provar aos amigos que eu consigo visitar o presidente. - Quem? - O preso político. - Ele é um político preso, só

Gibran Mendes

Na próxima semana, acontece a Mostra de Cinema Pela Democracia e a Virada Cultural, que vão reunir artistas para atividades culturais gratuitas em apoio à liberdade do ex-presidente Lula. A Mostra de Cinema começa na segunda-feira (30) e segue até domingo (6), com exibições gratuitas às 19h, na Praça Santos Andrade, no Centro de Curitiba. Na quarta e quinta-feira,

Áries É uma semana em que você será instigado a fazer mudanças no trabalho que podem significar o ingresso em uma nova etapa de vida. O diálogo e a sintonia mental são características evidenciadas. Touro Semana importante para questões relacionadas a estudos, conhecimento, concursos e viagens. É também uma semana importante para aspectos financeiros. Gêmeos Período importante para questões financeiras e afetivas, que envolvem transformações necessárias. O ingresso do planeta do amor, Vênus, é uma nova etapa emocional. Câncer O momento é muito auspicioso para realizar mudanças no trabalho e nos seus objetivos. É importante também refletir sobre seus valores emocionais e espirituais. Leão Semana delicada para a saúde e para as questões profissionais. É preciso agir com consciência, evitando atitudes compulsivas. É um momento que enfatiza a capacidade de dialogar.

isso, deixa ele lá quietinho. - Todo o preso é por política, enfatizou o velho. - Não, é por Justiça!! Para que a lei se cumpra neste país! - Justiça, para quem? Espero que seja a mesma que eu acredito! - O velho vem de onde, hein? - O senhor não conhece a gente lá de onde venho. - Não quero e nem posso conhecer.

- Eu vou poder entrar? - Lá em cima? Acho que nem na lista de espera. - O país inteiro espera. Confio no meu presidente. Confio ainda na justiça! O homem de terno impecável se afasta do velho sem terminar a prosa. O cego ainda pergunta ao guarda quem estava conversando com ele. Era o tal do cara de cima.

Democracia é tema de Mostra de Cinema e Virada Cultural, em Curitiba Júlia Rohden, Curitiba (PR)

7 |9Cultura

também acontece a Virada Cultural, com atrações de teatro, circo, música e performances, das 10h às 18h,

Para ficar por dentro Quando: Mostra de Cinema, de 30/04 a 6/05, às 19h. Virada Cultural, de 2 a 3/05, das 10h às 18h. Onde: Praça Santos Andrade, Centro de Curitiba. Quanto: Gratuito.

no mesmo local. Um dos destaques da Mostra de Cinema é a exibição do filme “Joaquim”, de Marcelo Gomes, que conta a história de Tiradentes. Também está confirmada a exibição de “Martírio”, documentário que retrata a violência contra os Guarani-Kaiowá. Já a Virada Cultural conta com a presença dos músicos Estrela Leminski e Téo Ruiz, da banda Partigianos, do grupo de teatro Revanche, entre outras atrações.

Virgem Você está vivenciando um período importante de conscientização do que anteriormente era reprimido. Mudanças nos relacionamentos caracterizam esta fase.

O QUE DIZEM OS ASTROS?

Libra Vênus estimula contatos, estudos e viagens. O contato com pessoas de outra nacionalidade pode estimular as energias afetivas dos librianos. Escorpião Um momento muito importante de modificações na rotina cotidiana, no modo como você age em relação ao trabalho, à qualidade de vida e à saúde. Sagitário Momento de mudanças nos relacionamentos e em questões afetivas. É um momento para ter novas atitudes nas emoções e relações. Capricórnio O momento pode ser delicado emocionalmente por você estar envolvido intensamente com questões práticas, concretas e ligadas ao trabalho. Aquário Um momento muito importante de redefinição, em que deve haver também espaço ao descanso e a interiorização. Novas energias afetivas e um novo ciclo emocional. Peixes Uma fase de renovação nos seus valores e na forma como você expressa suas habilidades. Novas situações na esfera financeira.


Paraná, 26 de abril a 2 de maio de 2018

8 | Esportes

Boleiros vão ao acampamento Lula Livre e reafirmam: torcida é pela democracia Torcedores reforçam que episódio de violência cometida por integrantes de Império Alviverde é isolado Franciele Petry Schramm,

Curitiba (PR)

T

orcedores de diferentes times de futebol brasileiro vestiram suas camisetas no domingo (22) e foram ao acampamento Lula Livre, em Curitiba, reafirmar que o episódio de violência cometida por integrantes da Império Alviverde não os representa. Se nos gramados a disputa entre as equipes é acirrada, fora de campo os torcedores reconhecem que a união é ne-

Torcidas do Atlético-PR, Grêmio, Paraná e Corinthians unidas em defesa da democracia

cessária para a defesa da democracia. Na noite do dia 17 de abril, indivíduos que se identificaram como membros da torcida organizada do Coritiba Foot Ball Club atacaram integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) nas proximidades da Polícia Federal. “Nós sabemos que esse grupo [de agressores] não representam as torcidas”, explica Gabriel Frigo, atleticano que ajudou a incentivar a participação de torcedores de diferentes times.“A gente quer mostrar que nas torcidas dos times do Paraná existem pessoas e grandes grupos que defendem a democracia, que tem interesse em manter a constituição e também querem pensar uma perspectiva de esquerda dentro do futebol”, destaca. Em nota, o Coritiba An-

Franciele Schramm Petry

tifascista, um coletivo de torcedores do time da capital paranaense, também repudiou as agressões. “Somos frontalmente contra toda violência que ocorra entre nós trabalhadores, repudiamos os comentários elitistas que desmereçam os integrantes do MST ou de torcidas organizadas”, indica o texto. Defesa da democracia A junção de torcedores no acampamento Lula Li-

vre aconteceu no mesmo dia em que Paraná e Corinthians disputaram uma partida na Vila Capanema. Analista de recursos humanos, o corinthiano Anderson Araüjo veio de São Paulo para assistir a o jogo, mas aproveitou para participar das mobilizações em defesa de Lula, torcedor do mesmo time. “Somos um time do povo, criado por ope-

rários, e Lula é o homem que veio do povo, foi eleito pelo povo e governou para esse mesmo povo”, indica. O atleticano Gabriel também destaca a participação dos times paranaenses na defesa do ex-presidente;“As torcidas de esquerda aqui de Curitiba estão se posicionando firmemente dizendo que a gente quer Lula Livre, quer democracia”, conta.

Por ora, só o STF

Desesperar jamais

Quem disse que empatar não é bom?

Por Cesar Caldas

Por Marcio Mittelbach

Por Roger Pereira

Neste início de Campeonato Brasileiro e a 50 dias da abertura da Copa do Mundo da Rússia, para os brasileiros é mais fácil conhecer os 11 ministros do Supremo Tribunal Federal do que a escalação do time do coração, ou da própria Seleção. O torcedor do Coritiba não é exceção. Nesta sexta-feira (27), diante do Criciúma no Alto da Glória, o time que entrará em campo será um rascunho do titular na maioria dos jogos da jornada de retorno à Primeira Divisão. O técnico Eduardo Baptista deve conferir titularidade a três ou quatro atletas oriundos da base, mantendo na reserva imediata outros tantos. Poucos dos 12 contratados serão efetivos, prevendo-se lista de dispensas e novas contratações. Meio time parece certo: Wilson, os laterais Carlos César (quando recuperado) e Abner (ou talvez Léo Andrade), o zagueiro Thalisson Kelven e os volantes Vitor Carvalho e Julio Rusch.

Não tem como sair ileso de uma derrota por quatro a zero em casa. Mesmo com todo o nosso esforço de encontrar um aspecto positivo, foi um golpe doído. Depois de uma festa tão linda, a torcida do Paraná Clube não merecia aquilo, mesmo que fosse contra o Real Madrid. É preciso lamentar o placar, cobrar melhoras, mas jamais abaixar a cabeça. Muito menos dar o jogo por vencido no começo do primeiro tempo. Essa postura não faz parte da doutrina paranista. O verdadeiro torcedor tricolor não desiste nunca e já está ansioso para o jogo de domingo. Se alguém queria facilidade, veio ao lugar errado. Série A continua sendo Davi contra Golias. Quem equilibra essa disputa somos nós. Foi a torcida que fez o Paraná chegar até aqui e é esse apoio incondicional que vai fazer o time dar a volta por cima.

O Atlético não venceu seus dois últimos jogos. E daí? Foram dois empates suadíssimos, que valeram muito, e que mostraram que além de bonito, o esquema de jogo implantando por Fernando Diniz também pode ser competitivo. O primeiro empate rendeu ao clube a classificação às oitavas da Copa do Brasil, e, de quebra, mais R$ 2,4 milhões no caixa. E mostrou o poder de recuperação do time. O Atlético saiu perdendo por 2 a 0 para o São Paulo, resultado que o eliminaria. Buscou o 2 a 1, que levaria para os pênaltis, e, mesmo fora de casa, não se contentou, aplicou um abafa e arrancou o gol de empate e da classificação. No último domingo, pelo Campeonato Brasileiro, o Furacão visitou o Grêmio, campeão da América e dono do melhor futebol do Brasil no momento. Não mudou sua forma de jogar, sofreu bastante com a pressão gaúcha, mas segurou um 0 a 0 muito valioso.

Profile for Brasil de Fato Paraná

Brasil de Fato PR - Edição 77  

Brasil de Fato PR - Edição 77  

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded