Page 1

Bahia sem negros?

Reprodução

Cultura | p. 7

Esportes | p. 8

30 dias para estreia na Copa

Nova novela Segundo Sol é gravada na Bahia, mas tem protagonistas brancos

Brasil tem convocados ainda em recuperação. Neymar é eleito o melhor jogador do campeonato francês.

PARANÁ

17 a 23 de maio 2018

distribuição gratuita

Ano 3 | Edição 80

Agência Brasil

JUSTIÇA QUE PRENDE LULA DEIXA BETO RICHA LIVRE Lula foi denunciado, condenado sem provas e preso em poucos meses. Beto Richa tem acusações há anos e nem é julgado. Há poucos dias, seu ex-chefe de gabinete teve gravação divulgada dizendo que obra de rodovia seria entregue para a construtora Odebrecht, uma das principais envolvidas na Lava Jato

Ricardo Almeida | ANPR

Paulo Pinto | Agência PT

Geral | p. 3

Opinião | p. 2

Brasil | p. 6

Brasil | p. 4 e 5

Mais veneno no prato

Troféu Mulher Imprensa

Vigília Lula Livre

Projeto avança na Câmara Federal para facilitar ainda mais os agrotóxicos

Editora do Brasil de Fato Pernambuco é finalista de prêmio nacional

Os 40 dias de resistência fazem crescer as denúncias da prisão ilegal de Lula


2 | Opinião

Brasil de Fato PR

Paraná, 17 a 23 de maio de 2018

EDITORIAL

Mais veneno no seu prato

PESQUISA

André Dahmer

Laerte

A

agricultura familiar é responsável por produzir 70% dos alimentos que chegam em nossa mesa. Mesmo assim, pequenos agricultores e comunidades tradicionais produtoras desses alimentos sofrem com a falta de recursos para políticas públicas e com a aceleração das pautas dos grandes proprietários de terra. Nesta semana, o chamado “Pacote do Veneno”, um Projeto de Lei que tenta alterar a atual Lei de Agrotóxicos, corre o risco de ser aprovado na comissão especial da Câmara dos Deputados, por manobras da Frente Parlamentar Agropecuária (a bancada ruralista). O projeto torna ainda mais fácil liberar, misturar e receitar agrotóxicos no Brasil, agravando o que já é ruim.

Vale lembrar que o Brasil é o maior consumidor de venenos agrícolas do mundo e o Paraná é o terceiro estado que mais usa tais substâncias

Como a privatização da Petrobras pode afetar a sua vida? OPINIÃO

Juliane Furno,

doutoranda em Desenvolvimento Econômico na Unicamp e militante do Levante Popular da Juventude

A

Vale lembrar que o Brasil é o maior consumidor de venenos agrícolas do mundo e o Paraná é o terceiro estado que mais usa tais substâncias. Os agrotóxicos têm isenção ou redução de impostos no país. Então, fica difícil crer que a queda dos gastos públicos e a diminuição de políticas sociais se devem à falta de receita no orçamento. Vale lembrar que, em 2017, nenhuma família rural foi assentada no programa de reforma agrária pelo governo Temer e a titulação de territórios quilombolas caiu 97% nos últimos cinco anos. Sem regularização fundiária e acesso à terra não há produção de alimento saudável.

direção da Petrobras anunciou, em abril, a venda de 60% de quatro refinarias. Uma delas é a Presidente Getúlio Vargas (Repar), localizada em Araucária, região metropolitana de Curitiba. Se você não é petroleiro, talvez ache que essa notícia pouco impactará a sua vida. Mas veja três possíveis efeitos na sua vida, caso essa privatização se confirme: 1. Com a Petrobras estatal, a meta prioritária é a busca do atendimento aos interesses nacionais, acima da lógica da maximização do lucro. Com o refino nas mãos das empresas privadas acabam, as possibilidades de garantir desenvolvi-

mento nacional e preços baixos aos consumidores, já que a lógica deixa de ser o bem estar social e passa a ser a do mercado. 2. Antes de anunciar a privatização dessas refinarias, elas já estavam operando com capacidade ociosa, ou seja, produzindo menos do que é possível. Dessa maneira, o único jeito de suprir a demanda nacional é importando petróleo. Com uma política dessas a Petrobras cria concorrentes para ela mesma e sinaliza para a sociedade que não tem capacidade de ser a provedora de petróleo refinado no Brasil, o

Atual gestão da empresa quer passar 40% do refino de petróleo e do transporte de derivados para as mãos privadas

que não é verdade! Para comprar petróleo no mercado internacional é preciso pagar em dólares (divisas). Assim, o Estado gasta os nossos dólares para importar gasolina, utiliza uma reserva que poderia ser gasta em outra coisa que de fato não produzimos internamente e que é necessário importar, como equipamentos que utilizam tecnologia que não temos internamente. 3. O petróleo atualmente é o principal responsável pela geração energética no mundo, é um produto barato, em comparação com os demais, e está – comprovadamente – no centro dos principais conflitos mundiais. A entrega desse produto compromete nossa soberania nacional, nossa capacidade de desenvolvimento e a segurança de que teremos abastecimento em quantidade suficiente e a preços muito parecidos do Oiapoque ao Chuí.

EXPEDIENTE O jornal Brasil de Fato circula em todo o país com edições regionais em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Sergipe e Paraná. Esta é a edição nº 80 do Brasil de Fato PR, que circula sempre às quintas-feiras. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais.

Brasil de Fato PR | Desde fevereiro de 2016 EDIÇÃO Ednubia Ghisi, Frédi Vasconcelos e Pedro Carrano REPORTAGEM Ana Carolina Caldas, Franciele Petry Schramm, Laís Melo e Julia Rohden COLABORARAM NESTA EDIÇÃO Juliane Furno ARTICULISTAS Roger Pereira, Marcio Mittelbach e Cesar Caldas REVISÃO Maurini Souza, Lia R. Bianchini e Priscila Murr FOTOGRAFIA Giorgia Prates ADMINISTRAÇÃO Clara Lume DIAGRAMAÇÃO Vanda Moraes CONSELHO OPERATIVO Gustavo Erwin Kuss, Daniel Mittelbach, Luiz Fernando Rodrigues, Fernando Marcelino, Naiara Bittencourt e Robson Sebastian TIRAGEM SEMANAL 20 mil exemplares REDES SOCIAIS www.facebook.com/bdfpr CONTATO redacaopr@brasildefato.com.br IMPRESSÃO Grafinorte (Nei)


Brasil de Fato PR

Paraná, 17 a 23 de maio de 2018

Ricardo Stuckert

FRASE DA SEMANA

O pré-candidato petista, Luiz Inácio Lula da Silva, lidera com 32,4% das intenções de votos a corrida presidencial, segundo a pesquisa Confederação Nacional dos Transportes (CNT/MDA), divulgada no dia 14. O ex-presidente supera com folga a soma do segundo e terceiro lugar. Mesmo somando o resultado do 2º e o 3º colocado na pesquisa - Bolsonaro (16,7%) e Marina Silva (7,6%) -, o ex-presidente mantém vantagem de oito pontos.

Gage Skidmore

“Querem aprovar a PL do Veneno [...]. A proposta libera o uso amplo de agrotóxicos resultando em mais veneno na nossa comida, mais prejuízo a nossa saúde e ao meio ambiente”

Lula na frente

disse a modelo Gisele Bündchen, em seu perfil no twitter, sobre o Projeto de Lei que flexibiliza liberação de novos agrotóxicos no país. A modelo pede assinaturas para a petição disponível no site www.chegadeagrotoxicos.org.br Divulgação

Beto Richa escapa da Justiça há anos Várias ações são propostas, mas ex-governador nem é julgado Ricardo Almeida | ANPR

Redação, Curitiba (PR) Há poucos dias, apareceu gravação do então chefe de gabinete do ex-governador Beto Richa dizendo para um empresário que a obra de duplicação da rodovia PR323 seria destinada à Odebrecht, envolvida na Lava Jato, numa licitação direcionada. Depois disso, a construtora teria dado R$ 2,5 milhões para a campanha de Richa ao governo do Estado, em 2014. O assessor de Richa, Deonil-

son Roldo, acabou sendo demitido pela atual governadora, mas a irregularidade, que já é antiga, só agora começou a ser investigada. Para comparar como são usados dois pesos e duas medidas na Justiça, contra o ex -presidente Lula a denúncia do caso triplex foi aceita por Sérgio Moro em setembro de 2016. Em pouco mais de um ano e meio, Lula foi condenado em duas instâncias e preso. Um verdadeiro recorde. Contra Richa foram propostas diversas ações, como

3 | Geral

no caso do massacre dos professores, em 2015, na Operação Publicano, na qual fiscais cobrariam propinas para aliviar o pagamento de impostos, e na Operação Quadro Negro, em que construtoras recebiam para reformar ou construir escolas sem executar o serviço. Nas duas denúncias, parte do dinheiro teria ido para o caixa 2 de Richa. Em nenhum desses casos, denunciados há anos, o governador foi sequer julgado.

Massacre de professores, Operação Publicano, Operação Quadro Negro. Richa escapa de todas

Pagamento igual Benedict Cumberbatch, ator britânico protagonista de sucessos como Sherlock, na TV, e Doutor Estranho, no cinema, disse, em entrevista à Rádio Times, que irá rejeitar papéis se não pagarem o mesmo para as atrizes. “Igualdade de remuneração e um lugar à mesa são os princípios centrais do feminismo. Veja as cotas. Pergunte quanto está sendo pago e diga: “Se ela não for paga da mesma forma que os homens, eu não vou fazer isso”, propôs.

RADAR

DA LUTA Metalúrgicos em greve Os 8 mil trabalhadores da Mercedes-Benz de São Bernardo do Campo (SP) decidiram manter a paralisação iniciada no dia 14 (segunda). Os trabalhadores pedem reajuste salarial e do valor da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), além da manutenção das cláusulas sociais do atual acordo coletivo. O sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que representa a categoria, informou que há divergências em relação a pontos importantes na negociação com a montadora de matriz alemã.

Professores universitários protocolam carta para Lula Com aprovação em plenária e escrita em conjunto, no dia 15, representantes do Coletivo Nacional de Cursos sobre o Golpe de 2016 foram até a Polícia Federal do Paraná para solicitar a entrega de uma carta ao Lula, direito previsto na Lei das Execuções Penais. Conforme indicaram, o documento vem “a fi m de manter o ex-presidente em contato com os fatos que ocorrem no mundo exterior ao seu cárcere e de contribuir para que ele acompanhe alguns dos desdobramentos da crise democrática pela qual o país atravessa na atualidade”.


4 | Brasil

Brasil de Fato PR

Paraná, 17 a 23 de maio de 2018

Vigília Lula Livre resiste a ataques e mantém acordos com moradores

Ricardo Stuckert

Os quase 40 dias de resistência fazem crescer as denúncias da prisão ilegal e política de Lula Roger Azevedo, Curitiba (PR)

G

rupos liderados pelo assessor parlamentar Eder Borges, do gabinete do deputado federal Fernando Francischini (SDD), convocaram mobilizações para reivindicar a saída da Vigília Lula Livre do bairro Santa Cândida. A Vigília está localizada a 100 metros da Superintendência da Polícia Federal no Paraná, local onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso desde 7 de abril. No último final de semana, um

pequeno grupo contrário à vigília ultrapassou os limites determinados pela Polícia Militar para realizar manifestações perto da vigília. Numa tentativa de criar confronto, realizaram panelaço, exibiram uma faca e queimaram fogos de artifício depois do horário das 19h30, acordado como limite para qualquer manifestação com barulho. A apropriação por grupos políticos conservadores da reclamação da vizinhança à vigília Lula Livre mostra que, muito mais que eventuais transtornos na rotina dos moradores do bairro, a mobilização de cidadãos

solidários ao ex-presidente Lula tem incomodado politicamente. Os quase 40 dias de resistência mostram a força do movimento popular e sua repercussão faz crescer as denúncias de que sua prisão é ilegal e política, o que motiva a tentativa de reação dos grupos opositores. Desvio de foco O presidente municipal do PT de Curitiba, André Machado, lembra que a vigília está cumprindo rigorosamente tudo o que foi acordado com a Justiça e a Secretaria de Segurança Pública, tanto que transferiu o local do

acampamento e limitou os horários de manifestações e garante que não haverá desmobilização. “A gente já está há mais de 30 dias aqui e, de repente, somente neste final de semana, começa um grupo, que foi incentivado por um assessor parlamentar que fez parte da base de governo do Beto Richa (PSDB), a vir até aqui a vigília para tentar criar uma confusão. A gente tem muito claro que isso é uma tentativa de criar um fato político para tirar o foco dessa semana, que é na corrupção do governo Beto Richa com a Odebrecht”, comentou.

PUBLICIDADE

Direito à livre manifestação Machado e outras lideranças da vigília participaram, no dia 14 (segunda), de uma reunião com a Secretaria de Segurança Pública para cobrar providências sobre a situação. “Eles reconhecem que a gente está aqui seguindo aquilo que foi acordado”, disse. E completa: “Eles reclamaram que a gente estava fazendo barulho. A gente reduziu o uso de equipamentos de som e qualquer outra coisa que pudesse fazer barulho. Aí, ontem, eles protestam contra nosso ‘barulho’ batendo panelas, usando carro de som, soltando fogos de artifício, e depois do horário que foi determinado pelo interdito”, acrescentou. O ex-deputado federal An-

gelo Vanhoni pete Lula, a Vidiu sangue frio à “Daqui, não gíla Lula Livre vigília e para não só o Lula, mas ganhou, nesta cair em provo- o mundo está semana, o reforcação. “Precisaço de 200 pessoas mos da rua para nos escutando” de Santa Catariexpor nossos arAngelo Vanhoni na que estão chegumentos e gagando, entre esta rantir esse espaterça e quartafeiço, respeitando ra, de diversas reo acordo, é muito importante giões do estado vizinho. para nós. Nós não vamos rom“Não é simples mobilizar as per esse acordo. Esse é o espaço pessoas para deixarem suas capara fazermos nosso protesto, e sas e suas atividades durante a nós aceitamos esse espaço. Ele semana, para ficar quatro, ciné suficiente para nós. Daqui, co dias longe, mas estamos aqui não só o Lula, mas o mundo novamente e já assumimos a está nos escutando”, concluiu. responsabilidade de estarmos aqui novamente na primeira seReforço de Santa Catarina mana de junho”, disse Cássio E para reforçar a mobiliza- Ubirajara Pereira, um dos lídeção em defesa do ex-presiden- res da caravana catarinense.


Brasil de Fato PR

Paraná, 17 a 23 de maio de 2018

5 | Brasil

Em Curitiba, seminário nacional discute golpe de 2016 Evento reuniu professores universitários responsáveis por disciplinas sobre o tema em todo o país Ana Carolina Caldas, Curitiba (PR)

D

epois que, em fevereiro deste ano, o então ministro da Educação, Mendonça Filho, tentou impedir a realização de uma disciplina sobre o golpe de 2016 na Universidade de Brasília, UNB, mais de 100 novos cursos foram criados em outras universidades brasileiras. “Ofertar uma disciplina sobre o país não tem nada de excepcional. O anormal é um ministro censurar e querer acabar com a autonomia universitária”, diz Luiz Felipe Miguel, o idealizador da disciplina na UNB. Com o objetivo de refletir sobre essas experiências, foi realizado em Curitiba, nos dias 14 e 15 de maio, seminário que reuniu professores responsáveis por essas disciplinas em todo o país. Entre os temas discutidos estiveram “A Crise no Brasil e na América La-

tina”, “Do Golpe de 2016 à prisão de Lula: aspectos jurídicos e políticos”, “Operadores do Golpe: papel da mídia”, “Impactos do Golpe na economia, na educação e relações sociais”, “Golpe e democracia”, “O Golpe na Educação”.

“O anormal é um ministro censurar e querer acabar com a autonomia universitária”

Luiz Felipe Miguel

Para a professora da USP Leda Paulani, a realização dos cursos se dá para disputar narrativas. “Existe a narrativa de que o que aconteceu foi um impeachment, e outra de que houve um golpe de Estado. O que estamos fazendo é construin-

do, coletivamente, com subsídios teóricos, a narrativa contrária à apresentada, em especial, pela grande mídia”, explica. Sobre o aprofundamento do golpe, o professor Carlos Eduardo Martins, da UFRJ, explicitou que a atual conjuntura do Brasil se une a outros episódios na América Latina: “o golpe de Estado no Brasil é parte de uma articulação internacional, envolvendo Estados Unidos e Europa, para desestabilizar o bloco de centro-esquerda e esquerda que emerge a partir da primeira década do século 21. Essa articulação ganha sócios e aliados internos expressivos na burguesia dependente associada ao liberalismo internacional. É importante que se destaque que esses governos mais à esquerda na América Latina vinham ganhando eleições importantes e com essa articulação vão, um a um, sendo derrotados e ou golpeados.” APUFPR

APUFPR

ENTREVISTA

Ignorância de ministro levou à criação de novos cursos Brasil de Fato - Como surgiu a ideia de criar uma disciplina sobre o golpe de 2016? Luiz Felipe Miguel - Foi uma proposta totalmente normal de uma disciplina optativa. Resolvi vincular ao projeto de pesquisa de que fazia parte e que vinha estudando a conjuntura política do país. Com a conjuntura se deteriorando, achei que seria necessário a universidade aprofundar a reflexão sobre o golpe de 2016. A disciplina foi aprovada pela coordenação, pelo colegiado e seguiu trâmite normal, como todas as outras. Após o anúncio de que a aula seria ofertada o que aconteceu? Eu estruturei a disciplina em novembro e dezembro de 2017 e divulguei no Facebook. Daí um site jornalístico (comandado por um jornalista que integrou a grande mídia) resolveu, em tom bastante sensacionalista, noticiar a disciplina como se fosse “uma crítica ao governo”. A partir daí, o então ocupante do Ministério da Edu-

cação publicou nota dizendo que a disciplina seria proibida, numa total ignorância sobre a autonomia das universidades. Com o anúncio da censura, professores e pesquisadores de todo o país começaram a se solidarizar e, sem nenhum tipo de programação, a anunciar outros cursos sobre o golpe. Qual é a importância dessa reunião das universidades no seminário em Curitiba? As reações e atitudes para a realização de cursos sobre o golpe de 2016 foram acontecendo de forma espontânea. Só depois fomos nos organizando e conversando, até chegar à necessidade de realização desse seminário na Universidade Federal do Paraná. A importância se dá justamente porque consolidamos uma rede bastante plural para aprofundar e fornecer – a partir dos estudos e reflexões – caminhos para a sociedade brasileira. Já que o golpe está em curso, é preciso continuar.


6 | Brasil

Paraná, 17 a 23 de maio de 2018

Brasil de Fato Pernambuco é finalista no 13º Troféu Mulher Imprensa Editora do tabloide concorre na categoria “Repórter de Jornal ou Revista” PH Reinaux

Monyse Ravenna é jornalista e mestre em História Social pela Universidade Federal do Ceará (UFC)

Redação, Recife (PE)

A

editora do jornal Brasil de Fato Pernambuco, Monyse Ravenna, está concorrendo ao 13º Troféu Mulher Imprensa. A jornalista é finalista na categoria “Repórter de Jornal ou Revista”. O Prêmio Troféu Imprensa é uma iniciativa da Revista e Portal Imprensa e é a única premiação do país destinada a reconhecer especificamente o PUBLICIDADE

trabalho jornalístico de mulheres. Ao todo são 17 categorias. A escolha das finalistas foi feita em uma etapa anterior, por indicação espontânea de um júri estabelecido pelo Portal Imprensa. Monyse Ravenna é jornalista e mestre em História Social pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Em Pernambuco há quatro anos, atua como comunicadora e faz parte da equipe do Brasil de Fato Pernambuco desde a criação do veículo no estado, há dois anos. “Acho que PUBLICIDADE

essa indicação é coletiva, de reconhecimento do trabalho do Brasil de Fato e sobretudo o papel do jornalismo impresso popular”, afirma Monyse. O Sistema de Comunicação Brasil de Fato também é finalista na categoria “Melhor Reportagem Especial ou série com Temática Sobre Mulheres”, com a série de reportagens que conta a história da Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais do Município de Belterra (Amabela), no Pará, do repórter Bob Barbosa. A votação popular do prêmio segue até o dia 23 de maio. Para votar, basta acessar o site www. portalimprensa.com.br, escolher a categoria e preencher as informações. Logo depois é necessário confirmar a votação no link recebido no e-mail cadastrado. Sem a confirmação do link recebido por e-mail o voto não será validado. O anúncio das vencedoras será no mês de junho.

Empresário quer ser presidente e acabar com o BNDES, mas pega dinheiro do banco Divulgação I Lide

Julianna Granjeia, São Paulo (SP) Ele prega aquele combo que ficou conhecido pela nova direita como neoliberalismo regressivo: economia liberal, costumes conservadores (valorização da família, dos bons costumes e o combate ao politicamente correto), empreendedorismo, livre-iniciativa e Estado mínimo. Temas defendidos pelo Movimento Brasil Livre (MBL). Não à toa, Flávio Rocha, candidato a presidente pelo PRB, é o queridinho do grupo conservador. No entanto, o discurso político ideológico se contradiz com sua prática como empresário. O Grupo Guararapes, Grupo Riachuelo que integra a rede de Lojas Riachuelo, recebeu mais Confecções Guarade R$ 1,2 bilhão rapes, Midway Fido Banco entre nanceira, Transportadora Casa 2009 e 2016 Verde e Shopping Midway Mall, fez 25 operações com juros entre 1% e 6% junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de 2009 a 2016, totalizando mais de R$ 1,2 bilhão. Rocha herdou o grupo de seu pai, Nevaldo Rocha, fundador do Guararapes. A fortuna da família foi estimada em US$ 1,3 bilhão em 2017, a 39ª no ranking nacional da revista Forbes. Para Rocha, o BNDES já cumpriu seu papel e os bancos privados, nos últimos anos, passaram a oferecer juros tão atrativos quanto os do banco estatal. “Num cenário ideal, de economia realmente livre, não seria necessário uma ferramenta como o BNDES porque um governo com as contas equilibradas e o mercado financeiro regido pelo livre mercado há sim dinheiro para longo prazo para financiar o crescimento”, afirmou Rocha.


Brasil de Fato PR

Paraná, 17 a 23 de maio de 2018

Nova novela é criticada por ausência de negros

RISOTO DE TOMATE

Segundo Sol é ambientada na Bahia, mas é protagonizada por brancos Divulgação

Felipe Marcelino, Rio de Janeiro (RJ)

117 | Cultura

RECEITAS

Ingredientes 3 tomates maduros 1 cebola picadinha 100 g de manteiga sem sal 2 xícaras de arroz para risoto 1 xícara de vinho branco seco Caldo de galinha Reprodução

A nova novela das nove da Rede Globo mal chegou à tela e já tem provocado polêmica. Segundo Sol é ambientada na Bahia, estado com a maior população negra do país. Segundo dados do IBGE divulgados em 2013, 76% dos baianos se declaram pretos ou pardos. No entanto, dos 26 atores que participam do folhetim, apenas três são negros. Nas últimas semanas, surgiram vídeos na internet ironizando a escalação do elenco. Um deles, da página “Trick Tudo”, por exemplo, criou um álbum intitulado “Eu poderia estar na novela Segundo Sol”. Ali estão reunidas fotos de 53 artistas negros que já trabalharam em tramas da Globo, mostrando que, há sim, grandes

atores negros no elenco da emissora. Segundo Sol é escrita por João Emanuel Carneiro, autor do grande sucesso Avenida Brasil. Na nova novela, os protagonistas (todos brancos) serão interpretados por Emílio Dantas, Vladimir Brichta, Giovanna Antonelli, Adriana Esteves e José de Abreu. Esses dois últimos são queridos pelo autor, que aposta (e provavelmente com razão) que

AGENDA CULTURAL

Adriana Esteves, no papel de mais uma vilã, repetirá o sucesso da inesquecível Carminha.

76% dos baianos são pretos e pardos, mas, na novela que vai se passar na Bahia, apenas 10% são negros

Luciana Salvaro

Show gratuito no Guairinha A cantora Michele Mara e convidados se apresentam no auditório Salvador de Ferrante - o Guairinha -, para lembrar os 130 anos da Abolição da Escravatura no Brasil. O espetáculo será nesta quintafeira (17), às 20h30, com entrada franca. Participam da apresentação os cantores convidados Katia Drumond, Janine Mathias, Bia Ferreira, Ricardo Verocai, Marcyo Luz e Tomas Hotch que interpretam clássicos nacionais e internacionais da Soul & Black Music, com canções autorais da artista e dos convidados. São composições que falam dos sentimentos como o amor e sobre a negritude brasileira. Músicas de outros artistas como Aretha Franklin, Sandra de Sá, Elza Soares e Luciana Mello também integram o repertório.

Modo de preparo 1. No liquidificador, bata os 3 tomates, coe e reserve 2. Em outra panela, refogue a cebola em 1 colher (sopa) de manteiga em fogo médio até ficar transparente. Acrescente o arroz e frite por três minutos 3. Adicione o vinho e mexa até evaporar 4. Aumente a chama. Despeje o caldo aos poucos, conforme for secando, mexendo sempre para não grudar no fundo. O risoto deve ficar cremoso, com os grãos cozidos, mas al dente. Entre uma concha e outra, acrescente o tomate batido reservado e o extrato de tomate 5. Desligue o fogo. Junte a manteiga restante. Misture delicadamente para incorporar. Tempere com sal e pimenta 6. Se quiser, adicione parmesão e rúcula na finalização

Espetáculo “Mais uma chance”

Michele Mara é uma das artistas que participarão do show

Neste sábado (19), às 15h, o Circo da Cidade abre suas portas para o espetáculo “Mais uma chance”. A apresentação terá como destaque malabarismo com bola de contato e equilibrismo com monociclo girafa e minibicicleta. Com muito improviso, o palhaço Mati vai usar suas habilidades e energia para interagir com o

público. Pessoas da plateia serão convidadas a participar no palco. A atração, criada pela Companhia Duna, já foi exibida no festival de Circo Transversal em Campinas, no mês passado. O espetáculo tem duração de 40 minutos e é indicado para todas as idades. A contribuição é no sistema pague quanto vale.

Divulgação

Para ficar por dentro

Para ficar por dentro

Quando: Dia 17, quintafeira, às 20h30 Onde: Auditório Salvador de Ferrante (Guairinha), Rua XV de novembro, 971, Curitiba

Onde: Circo da Cidade, Lona Zé Priguiça, Rua Benedicto Siqueira Branco, s/nº – Alto Boqueirão


8 | Esportes

Brasil de Fato PR

Paraná, 17 a 23 de maio de 2018

Antoine Dellenbach | PSG

Faltando 30 dias para estreia, Brasil tem de recuperar jogadores convocados Frédi Vasconcelos,

Curitiba (PR)

O

Brasil estreia na Copa do Mundo, no próximo dia 17 de junho, contra a Suíça, mas antes terá de testar em amistosos as condições técnicas e físicas de pelo menos dois jogadores que foram convocados ainda em recuperação de contusões. Neymar, o principal

jogador da seleção, contundiu-se em fevereiro, passou por cirurgia no pé e ainda não entrou em campo. Fagner, que foi convocado no lugar do lateral direito titular, o machucado Daniel Alves, também não entra em campo desde o final de abril por causa de uma contusão muscular. Para o médico da seleção, em declaração no dia da convocação, “Fágner tem

tempo mais do que suficiente até a preparação para a Copa para estar preparado“. E concluiu sobre os jogadores: “Na chegada, nos dias 21 e 22 (de maio), os atletas serão testados de todas as maneiras, para sabermos o que estamos encontrando. Tivemos esse problema com o Neymar, já solucionado. O Fagner está bem. E sobre o restante do grupo, estamos todos os tranquilos.”

Neymar é escolhido o melhor jogador do campeonato francês

Lucas Figueiredo | CBF

Antes do primeiro jogo contra a Suíça, Brasil terá de testar nos amistosos as condições físicas e técnicas de Neymar e Fagner

Finanças e a bola Por Cesar Caldas O início da disputa da Série B tem se caracterizado por simultâneos desafios à direção do Coritiba: administrar dívidas, ampliar receitas, solucionar problemas na gestão de pessoal e o principal, que é obter bons resultados em campo. O passivo trabalhista aumentou por indenizações não pagas, por exemplo, aos ex-treinadores Carpegiani e Pachequinho, pela gestão anterior. Embora abaixo dos valores desejáveis, a difícil negociação com a Caixa Econômica Federal renderá reforço de R$ 4,6 milhões anuais de patrocínio, mesmo com a óbvia menor visibilidade da camisa. O avante Kléber, cuja remuneração mensal é a maior do elenco, tem problemas de relacionamento no clube, e nenhuma das partes encontra equipe que aceite seu repasse. Por fim, um alento: o meia-atacante Alisson Farias (ex-Brasil de Pelotas), junta-se ao hoje carente setor ofensivo do time.

Redação, Rio de Janeiro (RJ) Com 19 gols em 20 partidas disputadas com a camisa do Paris Saint-Germain, Neymar foi eleito, no domingo (13), o melhor jogador do Campeonato Francês, em votação realizada pelo sindicato de jogadores da França (UNFP). “Agradeço a todos os meus colegas. Sem eles, não teria recebido este troféu. Estou emocionado e muito contente com a nossa temporada. É uma honra”, declarou o jogador ao canal francês beIn Sports.

Freud explica? Por Marcio Mittelbach O Paraná só vai conseguir a primeira vitória no nacional quando os jogadores tiverem confiança. Os gols que sofremos diante do Santos e os gols que não fizemos diante de todos os adversários provam que os atletas não estão no melhor momento psicológico. Dia desses, o ex-treinador Muricy Ramalho disse que essa história de motivação é besteira, que jogador profissional tem a obrigação de entrar bem psicologicamente em todos os jogos. O atual elenco do Paraná prova justamente o contrário. É incrível como tem faltado inspiração e confiança. O time roda a bola o campo todo, domina o adversário, mas na hora de concluir... A boa notícia é que fases assim podem acabar rapidamente. Basta uma boa vitória pra virar a chave. Se for sobre o atual campeão da América então, nem se fala.

Acabou o encanto? Por Roger Pereira O time invicto já não vence há seis jogos. O futebol encantador perdeu três partidas seguidas, duas em plena Arena da Baixada. O que aconteceu com o Atlético? O jeito Fernando Diniz de jogar já não é surpresa. Quem vai enfrentar o Atlético já se prepara para isso. Nas derrotas para Palmeiras e Atlético-MG ficou claro. Os adversários adiantam sua marcação e esperam os erros da saída de bola rubro-negra para darem o bote. E esses erros, por enquanto, são muitos. Erros no setor ofensivo, aproveitando pouquíssimas das oportunidades criadas e erros na defesa. O Atlético é o time que mais teve posse de bola nas cinco rodadas iniciais. Mas é o time que mais cedeu finalizações certas ao adversário. O jeito atleticano de jogar garante muitas chances de gol para os dois lados, mas, por enquanto, é o outro lado que está sabendo aproveitar.

Brasil de Fato - Edição 80  
Brasil de Fato - Edição 80  
Advertisement