Edição 171 do Brasil de Fato MG

Page 1

Larissa Costa / Brasil de Fato MG Rafael Ribeiro / CBF

ENTREVISTA

11

“Humor não é só ser engraçadinho” Uma das principais figuras da comunicação em Minas, o cartunista Nilson Azevedo completa, 50 anos de carreira

Minas Gerais

CULTURA

14

Reprodução / Afoxé Bandarerê

Blocos afro abrem o carnaval Com sucesso dos grupos de matriz africana, BH reforça que a folia também é de luta contra o racismo e pelo reconhecimento da cultura negra

3 a 9 de fevereiro de 2017 • edição 171 • brasildefato.com.br • distribuição gratuita

Base militar americana no Brasil?

Governo não eleito de Michel Temer inicia negociações para entregar Base Militar de Alcântara para os Estados Unidos. “Este acordo é ofensivo à soberania nacional ao permitir controle total ou parcial dos EUA sobre parte do território nacional, o que por si só o torna inaceitável”, diz um manifesto assinado por 99 organizações. I BRASIL . PG 8 Mídia NINJA

Ricardo Stuckert / Fotos Públicas

BRASIL

OPINIÃO

6

Adeus à dona Marisa O Brasil se despede da ex-primeira dama e companheira de vida de Lula. Manifestações de solidariedade à família tomam o país

9

Terras indígenas em risco Portaria do Ministério da Justiça tira atribuições da Funai e concentra poderes nas mãos de ministro. Garantia de terras indígenas fica mais difícil e agronegócio é favorecido


2

OPINIÃO

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Editorial | Brasil

Se o povo não acordar, o Brasil vai piorar Vivemos no Brasil uma situação muito grave. Forças poderosas que controlam boa parte do poder Legislativo nacional, os grandes meios de comunicação, com Rede Globo à frente, parte do Judiciário e parte do empresariado, em aliança com interesses internacionais, tomaram de assalto o poder Executivo (tiraram a presidenta legitimamente eleita Dilma Rousseff) para implementar um programa neoliberal. Com isso ganharam mais força, pois, desde o golpeachment, agora eles têm também o Executivo Federal.

ESPAÇO dos Leitores

“Sou professor e estive na Cidade Administrativa em BH e recebi o jornal das mãos de uma jovem que o estava distribuindo logo de manhã na entrada do prédio. Li as matérias e gostei muito do assunto sobre o governo Temer. Acho sim que tem que haver o impeachment deste governo que não foi eleito pelo povo, governo golpista. Nós, o povo, precisamos muito dos meios de comunicação para nos ajudar nessa luta. Parabéns e forte abraço!” Ricardo Pousa, por correio eletrônico

“Exigência mais que justa. Só assim para investirem em futebol feminino” Lucas Chaves comenta a matéria “Clubes sem time feminino não vão jogar Libertadores”

Escreva para nós: redacaomg@brasildefato.com.br

Trator neoliberal, se deixar, vai passar por cima do povo A situação é séria porque o programa neoliberal que os unifica aprofunda a crise econômica e política. Neoliberalismo é a aposta em um Estado diminuto, incapaz de resolver os problemas coletivos. Por isso a PEC 55, aprovada no Congresso e sancionada por Michel Temer, que congela os gastos federais por 20 anos. Daqui a 20 anos, o tamanho do Estado brasileiro, em termos de gastos, estará menor que o de qualquer outro país em desenvolvimento, e a população estará sem acesso à saúde, educação e tantas outras políticas públicas. As medidas neoliberais facilitam a rapina de nossas riquezas pelas grandes empresas transnacionais. Por isso aprovaram, assim que retiraram Dilma, medidas que tiraram a exclusividade da Petrobras na ex-

O jornal Brasil de Fato circula semanalmente com edições regionais, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, no Paraná e em Pernambuco. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais em nosso país e no nosso estado.

ploração do pré-sal, que possui riqueza gigantesca que poderia ser nosso passaporte para o futuro.

Medidas do governo atendem interesses apenas dos mais ricos Neoliberais não têm projeto para o país Os neoliberais brasileiros sempre foram subservientes aos interesses norte-americanos, um vexame. José Serra (PSDB), atual ministro de relações exteriores voltou a querer entregar nossa base militar que fica em Alcântara, no Maranhão. Essa base está em lugar privilegiado pois fica na linha do Equador. Fernando Henrique Cardoso, do mesmo PSDB, também tentou entregar a base para exploração dos EUA, mas com a mobilização popular foi derrotado, e Lula engavetou a proposta depois de eleito. A proposta de reforma da previdência, de facilitar a terceirização, de acabar com a CLT e os direitos trabalhistas, são medidas tipicamente neoliberais, que atendem aos interesses exclusivamente dos mais ricos. Os neoliberais não têm nenhuma preocupação com um projeto de nação, ou com a soberania nacional, repudiam os direitos e políticas sociais. O projeto deles jogará novamente os 40 milhões que saíram da pobreza com Lula e Dilma de volta à miséria. Ou o povo acorda e vai para a rua, ou o trator neoliberal vai passar por cima.

REDE SOCIAL: facebook.com/brasildefatomg correio: redacaomg@brasildefato.com.br para anunciar: publicidademg@brasildefato.com.br TELEFONES: (31) 3309 3314 / (31) 3213 3983

conselho editorial minas gerais: Adília Sozzi, Adriano Pereira Santos, Beatriz Cerqueira, Bernadete Esperança, Bruno Abreu Gomes, Cida Falabella, Durval Ângelo Andrade, Ênio Bohnenberger, Frederico Santana Rick, Gilson Reis, Gustavo Bones, Jairo Nogueira Filho, Joana Tavares, João Paulo Cunha, Joceli Andrioli, José Guilherme Castro, Juarez Guimarães, Marcelo Oliveira Almeida, Milton Bicalho, Nilmário Miranda, Padre Henrique Moura, Padre João, Pereira da Viola, Renan Santos, Rogério Correia, Samuel da Silva, Temístocles Marcelos, Wagner Xavier. Editora: Joana Tavares (Mtb 10140/MG). Redação: Larissa Costa, Pedro Rafael Vilela, Rafaella Dotta, Raíssa Lopes e Wallace Oliveira. Colaboradores: Alan Tygel, Anna Carolina Azevedo, André Fidusi, Bráulio Siffert, Diego Silveira, João Paulo Cunha, Léo Calixto, Rogério Hilário, Sofia Barbosa. Revisão: Luciana Santos Gonçalves. Administração: Vinicius Nolasco. Distribuição: Amélia Gomes. Diagramação: Tiago de Macedo Rodrigues. Tiragem: 40 mil exemplares.


?

Declaração da Semana

No dia 18 de janeiro, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, baixou a portaria nº 68, que muda as regras de demarcação das terras indígenas brasileiras. Segundo analistas, a medida vai tornar ainda mais difícil a garantia do direito ao território dos povos indígenas. O Brasil de Fato MG foi às ruas perguntar:

O que você acha da mudança na demarcação de terras indígenas?

Sou de Teófilo Otoni, onde há conflitos com povos indígenas. Eles já são donos dessas terras e nem deveriam ter que reivindicar. Hoje, tentam dizimar a população indígena para tomar essas terras para o agronegócio.

Wesley Messias, ator e estudante

Eu sou contra essa portaria. Não vai facilitar nada. Os índios já estão lá há muito tempo. Por que deveriam brigar com alguém que apareceu lá depois? Contra fazendeiros que já têm influência e poder, eles vão acabar perdendo.

Reprodução

PERGUNTA DA SEMANA

“Falar sobre inclusão será moda ou a regra?”

Divulgação

Disse Viola Davis ao receber o prêmio de melhor atriz coadjuvante do SAG Awards, neste domingo (29), pelo filme “Um limite entre nós”

Não coma mosca: inscrições para ProUni acabam sexta

Arquivo EBC

Isabela Castro, atendente comercial

Aliviando o desconforto do trânsito

O belo-horizontino gasta sete dias por ano com o transporte coletivo. O cálculo é da BHTrans e considera que 75% dos passageiros aguardam, em média, 15 minutos por um coletivo e pegam pelo menos dois por dia. Os desconfortos causados pelo longo tempo de trânsito são inúmeros, e algumas dicas de alongamento são ideais para melhorar a resistência física.

A sexta (3) é o último dia para as inscrições do ProUni. Os cadastros começaram a ser realizados na última terça (31), e serão aceitos até às 23h59 do dia 3. O programa concede bolsas de estudo integrais e parciais para cursos de graduação em universidades privadas de todo o país. A seleção dos candidatos é feita com base nas notas no Enem, e as inscrições devem ser realizadas pelo site www.siteprouni.mec.gov.br.

App para doação de livros é lançado em BH

Brreno Pataro

1. Antes de sair de casa, fique em pé e leve as mãos em direção ao solo até sentir que a musculatura das coxas está alongada. Estenda os joelhos até o máximo que conseguir, sem forçar. 2. Entrelace os dedos e vire as palmas para fora. Estique os braços para frente, fazendo o mesmo por trás das costas, na altura da lombar. Fique atento à respiração. 3. Este é para fazer em momentos de engarrafamento: movimente os ombros de forma circular para aliviar a tensão do corpo, ajuda a aliviar o estresse. (*Com informações do Instituto HCor)

Já está disponível para download a Open Shelf, uma rede social focada na troca de livros e outras publicações. O programa funciona assim: o doador cadastra um título que gostaria de doar ou trocar na estante coletiva do aplicativo. Pelo sistema de localização, o interessado vê quais são as opções mais próximas a ele e as que acha mais legais. A partir daí, pode conversar com o dono do livro e combinar a entrega. A iniciativa faz parte do Ponto do Livro, projeto que mantém bibliotecas nas paradas de ônibus da capital, e já pode ser baixada gratuitamente em plataformas iOs e Android. Para saber mais, acesse: www.facebook.com/openshelfapp


46

CIDADES

Belo Horizonte, 3 a 9 de de 2017 Belo Horizonte, 11 fevereiro a 17 de março de 2016

Conselho Municipal de Saúde pede reavaliação do contrato do Hospital do Barreiro PPP Parte dos recursos da saúde pública do município foram para consórcio que gere o hospital, que até hoje opera com apenas 10% da capacidade PBH / Divulgação

Wallace Oliveira

O

Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte (CMS-BH) apresentou uma análise do quadro da saúde pública em Belo Horizonte, em coletiva de imprensa na tarde de segunda-feira (30),. Segundo o CMS, a recente piora na qualidade do atendi-

Inaugurado em dezembro de 2015, Hospital opera com 20% da capacidade

O Consórcio investiu R$ 184 milhões no hospital e já recebeu R$ 147,8 milhões mento e nas condições de trabalho na área no último período tem como uma de suas

principais causas o modelo de Parceria Público-Privada implementado no Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro, na região do Barreiro. Um estudo realizado pelo Conselho aponta que, embora os recursos do Fundo Municipal de Saúde tenham aumentado nos últimos anos, não houve um crescimento correspondente do número

de Centros de Saúde e UPAS, bem como na disponibilidade de recursos para gerir os já existentes. Entre 2008 e o primeiro quadrimestre de 2016, as receitas do Fundo cresceram 142%, passando de R$ 1,81 bilhão para R$ 2,86 bi. Parte dos recursos foi para o Consórcio Novo Metropolitano, responsável pela gestão do Hospital do Barreiro por

Minas reconhece nome social de pessoas trans

20 anos. O Consórcio investiu R$ 184 milhões no hospital e recebeu, até 2016, R$ 147,8 milhões. Segundo o contrato, ainda deve embolsar dos cofres públicos, por ano, R$ 109 milhões, valor a ser aumentado anualmente conforme a inflação e os reajustes salariais dos funcionários. “O contrato com o consórcio privilegia a empresa em detrimento da saúde pública, é muito generoso com a empresa e pouco generoso com o SUS. Foram gastos milhões para manter aquele tipo de contrato, enquanto os centros de saúde e as UPAS sofrem a falta de medicamentos e profissionais”, afirma Bruno Pedralva, presidente do Conselho. Ele aponta, ainda, que o consórcio recebe cerca de 70% do recurso da PPP, apesar de funcionar com apenas 10% de sua capacidade, utili-

zando 40 leitos de enfermaria e 10 leitos de CTI, a um custo estimado de R$ 75 milhões por ano. O problema, segundo o CMS, não está na construção do hospital, mas no modelo adotado pela gestão anterior da prefeitura. “Trata-se de um erro político e administrativo. Precisamos garantir que o hospital, que tem uma estrutura muito moderna, funcione, de fato, para atender às pessoas e não para manter serviços terceirizados a um custo muito alto. A situação já foi apresentada à Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) e esperamos que o novo governo municipal enfrente o problema”, conclui Bruno. A SMSA informou que também realiza avaliação interna dos contratos firmados pela administração anterior.

Cobrança de IPTU em Betim continua

Reprodução

Em decreto publicado no dia 28 de janeiro, o governo de Minas ordenou o respeito pelo nome social de transexuais, travestis e transgêneros em todos os segmentos da administração estadual. A determinação, publicada no Diário Oficial Minas Gerais, estabelece que os órgãos públicos terão 180 dias para realizar as adaptações necessárias. Após o prazo, os documentos oficiais deverão conter também o campo “nome social”, juntamente com o “nome civil”.

A Prefeitura de Betim informou, por meio da assessoria de imprensa, que a nova administração dará continuidade à cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) na cidade. O tributo, que por algum tempo não era exigido para uma parcela da população do município, voltou a ser recolhido integralmente ainda na gestão do ex-prefeito Carlaile Pedro-

sa (PSDB). Na época, o então chefe do Executivo chegou a vetar um projeto de lei aprovado pela Câmara de Vereadores que propunha racionalizar a cobrança da taxa. Agora nas mãos do empresário Vittorio Medioli (PHS), eleito em 2016, a prefeitura declarou que seguirá as resoluções da legislação anterior, “já que a mesma foi aprovada pelo Legislativo no ano passado”.


Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

MINAS

5

Hora do chá

MEDICINA NATURAL Além de saborosas, as ervas podem ser uma ótima opção para curar desconfortos e auxiliar tratamentos de doenças Reprodução

Raíssa Lopes

E

les podem servir para aliviar azia, indisposição, inflamações na pele, TPM, queda de cabelo, depressão, gases, dor de cabeça e mais uma infinidade de problemas. Com receitas que sobrevivem há gerações, os chás estão presentes na cultura popular brasileira e fazem muito bem à saúde se tomados com disciplina. Quem explica é a jovem Natalia Souza, dona de uma pequena empresa especializada em ervas medicinais e produtos naturais chamada Gaia. Influenciada pelas benzedeiras e raizeiras, Natalia, que trabalhava na área de tecnologia da informação, decidiu largar o emprego para se dedicar ao poder das plantas quando se viu com crises graves de ansiedade. E foi por sentir os benefícios dos chás em seu próprio corpo que ela decidiu fazer disso uma profissão. “Quem quer a ajuda das ervas medicinais deve usá-las de forma eficaz. Por exemplo, se você precisa de mais ânimo, é indicado consumir a bebida no café da manhã e depois do almoço. Já se você precisa se acalmar, ter uma noite tranquila, o melhor é tomar no fim da tarde ou antes de dormir”, explica. Os efeitos mais efetivos são sentidos a longo prazo, por isso

é indispensável estabelecer a rotina de consumo no dia a dia, dependendo do resultado desejado. Mil e uma utilidades Na Gaia, são utilizados 50 tipos de ervas e 15 misturas de chás. O Chá da Lua, por exemplo, que leva calêndula, mentrasto e camomila, deve ser consumido durante o período menstrual e auxilia no controle das cólicas, TPM e limpeza do útero. Também tem o afrodisíaco, ideal para

“tiro e queda”. “Tomo porque acho gostoso, hidrata e acabei pegando isso de tomar como remédio. É interessante que quase nunca fico doente. Eu adoro o chá de erva cidreira, é ótimo para dor de cabeça”, declara. Natalia também chama a atenção para outra van-

tagem das plantas: o preço. Cada combinação de chazinho vendido por ela tem o valor de R$ 5. “É importante que as pessoas voltem a saber se curar com a natureza, ter em mente que existe essa opção, e evitem o uso abusivo de medicamentos químicos. Esse costume também pode ser moderno”, avalia.

Origem do chá

Quem também é adepta dos chás é a pedagoga reSegundo uma lenda chinesa, o chá foi descoberto por cém-formada Daniela Caracaso, pelo personagem mítico Shennong, conhecido doso, de 25 anos, que leva como o pai antigo da agricultura. Conta a história que durante toda a semana sua em uma tarde de outono, Shennong aquecia água engarrafa térmica para o trabaquanto descansava embaixo de uma árvore. As folhas lho, uma escola na cidade de secas da árvore caíram na água fervendo, criando a priNova Lima, região metropomeira infusão da folha do chá. Intrigado pela fragrância, litana de BH. Ela conta que ele tomou um gole e achou refrescante. aprendeu com a avó, Dalva,Anúncio que para qualquer mal Brasil de Fato - CR2017.qxp_Layout 1 1/31/17 3:01 PM Page 1 -estar tinha uma receitinha

Anúncio

CAMPANHA REIVINDICATÓRIA 2017

Costume milenar pode ajudar na saúde, se seguido com disciplina aqueles que querem apimentar a relação ou simplesmente adoram um toque a mais de energia. Ele leva catuaba, ginseng e marapuama, atua na circulação e aumenta a sensibilidade da pele. E quando algo não cai bem no almoço, por que não substituir aquela pausa para o café pela pausa pelo chá? Para a ocasião, Natalia indica o mix de espinheira santa, melissa e capim limão, que diminuem os incômodos da gastrite, úlcera e atuam como calmantes para o estômago.

RESISTIR PARA AVANÇAR! Vamos reafirmar a nossa pauta Nenhum direito a menos!

SINDICATO DOS PROFESSORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Rua Jaime Gomes, 198 - Floresta - Fone: (31) 3115-3000 Filiado à Fitee, Contee e CTB - www.sinprominas.org.br


6

MINAS

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Opinião

Bordadora de estrelas João Paulo Cunha Marisa Letícia Lula da Silva bordou a primeira bandeira do Partido dos Trabalhadores. A estrela que foi ganhando forma com seu trabalho haveria de iluminar a história brasileira. Há a política que se exerce com ações públicas, mas há a política, tão ou mais necessária, que se tece no dia a dia, em relações marcadas pela coragem e ancoradas no amor e na solidariedade com os próximos. Muitos dos que hoje se arvoram em defensores da democracia deveriam aprender com dona Marisa lições de destemor na vida real. Enquanto alguns se abrigavam na barra das calças do avô, como coadjuvantes da conciliação temerosa, ela abria sua casa para reuniões do combativo e combatido Sindicato dos Metalúrgicos. Em sua sala dormiram companheiros em busca de refúgio na luta pela liberdade. Em seu quarto, se preparava para visitar o marido na prisão. É possível imaginar a vida de uma ex-operária, cuidando da família enquanto compunha a

gênese de um movimento que iria transformar a vida política nacional. Não eram tarefas opostas, mas que se agregavam na trajetória de uma mulher de luta e determina-

Dona Marisa nunca hesitou em escolher o lado certo ção. Aprendeu a fazer política, foi conselheira e articuladora quando necessário, e não abandonou as tarefas indelegáveis que o amor lhe entregou. Nas idas e vindas das conveniências, ela nunca hesitou em escolher o lado certo, mesmo sem fazer alarde de suas opções. Quando muitos se alimentavam do orgulho da proximidade com o poder, ela ocupou a tarefa necessária da presença com discrição. Não se transformou em primeira-da-

ma protocolar, porque sempre havia sido exemplar em momentos muito mais exigentes, mantendo os valores de seu caráter e a força de suas convicções. Batalhas infames Mas a vida exigiria mais de dona Marisa. Não a vida, mas os homens habitados pelo ódio e pelo preconceito. Sentiu na alma e depois no corpo, por uma via tão intangível como real, os ataques daqueles incapazes de respeitar a vontade popular e o caminho da busca da justiça social. A tudo reagiu com a força de sempre, com a dignidade habitual, com a garra de quem defende os seus. A morte de dona Marisa pesa em todos nós com a gravidade da tristeza de quem perdeu alguém que aprendeu a admirar e ter afeto. No entanto, a torpeza da situação parece nos fortalecer também para a luta. Sofremos o luto por Marisa e nos solidarizamos com Lula e sua família. Estamos prontos para a luta em nome de sua outra família, da qual todos os brasileiros de bem fazem parte.

Justiça suspende pagamento de R$ 1,2 bi pela Samarco TRAGÉDIA Proposta é que Banco Mundial passe a coordenar as ações de reparação pelo rompimento da barragem de Fundão Leandro Taques / MAB

Rafaella Dotta

depósito de R$ 1,2 O bilhão, que deveria ser feito pela mineradora

Samarco, está suspenso por tempo indeterminado. O valor serviria a ações de recuperação e reparação de danos socioambientais na bacia do Rio Doce, onde aconteceu o rompimento da barragem de Fundão na cidade de Mariana, em novembro de 2015. A data do pagamento já havia sido adiada três vezes. Em sua decisão, o juiz federal Mário de Paula Franco informou que a suspensão se deve à “demonstração de atitudes concretas e

Com o rompimento da barragem, 19 pessoas morreram

à postura cooperativa das partes, do MPF (Ministério Público Federal) e das instituições envolvidas, em buscarem a solução da presente lide”. Um Termo de Ajustamento Preliminar, assinado entre MPF e Samarco em 18 de janeiro, estabelece que o valor da garantia sobe para R$ 2,2

bilhões e que não se dará mais por depósito, e sim pelo comprometimento de verbas de investimento, seguro e bens da empresa. O Movimento de Atingidos por Barragens (MAB) contesta a medida. Para Joceli Andrioli, coordenador do movimento, o clima é de incerteza e inseguran-

ça quanto ao novo acordo, visto que o primeiro não teve efetividade. Além disso, critica a adoção do Banco Mundial como o coordenador das ações de reparação. “Já vivenciamos a política do Banco Mundial em casos semelhantes e seus critérios não são justos, principalmente quanto a indenizações”, diz. O termo, que funciona como um pré-acordo, portanto ainda não validado, acerta a contratação de quatro corporações: a Integratio, a Ramboll, a Lactec e o Banco Mundial. A coordenação de toda a reparação fica por conta do Banco Mundial, em parceria com o MPF.

Relembre: acordo questionado

A reparação dos danos foi negociada em um acordo entre Samarco, Vale, BHP Billiton, governo federal e os governos de Minas Gerais e do Espírito Santo, num valor estimado de R$ 20 bilhões. As partes estão levando adiante os programas combinados, mas a Justiça ainda analisa se reconhece esse acordo. O MPF contesta os termos. Em uma ação impetrada na Justiça Federal, o Ministério Público calcula que os prejuízos sejam bem maiores, da ordem de R$ 155 bilhões.


Acompanhando

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Foto da semana

OPINIÃO

7

PARTICIPE Viu alguma coisa legal? Algum absurdo? Quer divulgar? Mande sua foto para redacaomg@brasildefato.com.br. Foto: Carlos Fabiano Braga.

Na edição 168... Trabalhadores da educação serão designados pela internet ...E agora Servidores criticam falhas do sistema e governo cancela listagens de designações Após reivindicações do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUTE/MG), o governo de Minas informou que as listagens do resultado de designação online para a rede estatual foram canceladas. Agora, os trabalhadores que receberam comunicados com data e local de apresentação devem desconsiderar as orientações até a divulgação da nova listagem. A estimativa é de que o documento seja postado no site do governo até sexta (3). O endereço para consulta é www.seedesignaonline. educacao.mg.gov.br. Na edição 90... Participação popular será base dos fóruns regionais ...E agora Eleição para colegiados do Fórum acontece até fevereiro As eleições de prefeitos e vereadores para os colegiados dos Fóruns Regionais já estão em andamento e seguem até o dia 13 de fevereiro. Até agora, o pleito foi realizado em 24 microterritórios, faltando outros 56 para completar a lista. O programa tem a intenção de agir como uma ponte entre o poder público do Estado e a população, afim de elaborar projetos e garantir a manutenção das demandas das cidades.

HISTÓRIA Até domingo (5), o MIS Cine Santa Tereza recebe a mostra “Imagens e Sons do Carnaval e do Samba de BH “. Organizada pelo Museu da Imagem e Som de Belo Horizonte, a atividade conta com programação recheada de filmes, documentários, curta-metragens e rodas de conversas com grandes nomes do samba e carnavalescos. A entrada é gratuita.

José Geraldo Martins

Esther Dweck

A febre amarela é causada por um vírus, transmitido pela picada de um mosquito. Na febre amarela silvestre, os mosquitos podem transmitir o vírus depois de picar um macaco contaminado. Os humanos somente serão contaminados se não tiverem sido vacinados e forem picados por um desses mosquitos. É mais comum na região amazônica, mas de tempos em tempos surgem casos preocupantes nas proximidades das cidades. Isso acontece quando o vírus encontra uma população de pessoas não vacinadas. As regiões mineiras onde os casos estão sendo identificados coincidem com uma baixa cobertura vacinal e proximidade das matas. Vários fatores contribuem além da falta de vacinação. Especialistas afirmam que a destruição das matas, a diminuição das espécies selvagens e a crescente proximidade das cidades com áreas desmatadas contribuem para que surtos assim aconteçam. O rompimento da barragem do Fun- Rompimento da barragem dão, em Mariana, o desequilibrou fauna maior desastre ambiental do país, alterou profundamente os ecossistemas ao longo da bacia do Rio Doce. A destruição de matas, rios, peixes, sapos, pássaros e outros seres, nessa magnitude, provoca efeitos nocivos ao longo das centenas de anos que a lama estiver contaminando a área. O meio ambiente é uma complexa teia de relações de dependência, a extinção maciça de algumas delas, como a causada pela lama da Samarco, desequilibra toda a Bacia do Rio Doce. Os outros fatores que agravam esse surto relacionamse com a forma de exploração desrespeitosa e gananciosa das riquezas naturais.

Com o falacioso discurso de rombo da Previdência e de que o objetivo da reforma é garantir o sistema para as novas gerações, tentam amedrontar a população, com uma campanha publicitária com dados, no mínimo, controversos. A proposta em nada tem a ver com a sustentabilidade no futuro. O impacto é de curtíssimo prazo, atingindo grande parte dos que poderiam se aposentar nos próximos dez anos. A proposta traz mudanças drásticas e descoladas da realidade da população brasileira, que não pode ser representada por uma média, dada sua desigualdade. A idade mínima de 65 anos, independentemente do tempo de contribuição, igualdade completa entre homens e mulheres, retirada de todas as condições especiais de professores e dos segurados especiais, desvinculação do salário mínimo das pensões e dos benefícios assistenciais e a exigência de 25 anos de contribuição mínima e de 49 anos de contribuição para o benefício integral estão entre as principais perversidades da Regime solidário PEC da Previdência. irá ruir O Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e os benefícios assistenciais têm reconhecido efeito distributivo e de garantia de uma renda estável. O RGPS se encontrava relativamente equilibrado. Além disso, do ponto de vista demográfico, até 2030 o Brasil estará vivendo o chamado “boom demográfico” com a menor razão de dependência, a população em idade ativa será muito superior à população de crianças e idosos, o que não demandaria qualquer alteração durante esse período. A proposta praticamente impossibilita o acesso aos que têm menor expectativa de vida. O regime contributivo e solidário irá ruir, ao invés de se tornar sustentável.

José Geraldo Martins é farmacêutico e militante da saúde

Esther Dweck é professora do Instituto de Economia da UFRJ.

A febre amarela e o crime de Mariana

Rombo da Previdência é falácia


88

BRASIL

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

José Serra inicia negociações para ceder Base de Alcântara aos EUA ENTREGA Movimentos populares se posicionam contra medida, que ameaça soberania nacional Agência Força Aérea

Da redação

B

rasil e Estados Unidos retomaram as negociações de um acordo sobre o uso da Base Militar de Alcântara, no estado do Maranhão. A iniciativa partiu do ministro das Relações Exte-

riores, José Serra, que estaria interessado em manter uma relação mais próxima entre os dois países. A ideia é que a base, que é uma das mais bem localizadas do mundo, sirva para o lançamento de foguetes americanos. O local tem a

capacidade de colocar satélites em órbita mais rapidamente, proporcionando grande economia de combustível e dinheiro. Por determinação de Serra, o embaixador do Brasil em Washington, Sérgio Amaral, iniciou as con-

Ex-governador Aécio Neves foi citado em nova delação Marcelo Camargo / Agência Brasil

O

senador Aécio Neves (PSDB-MG) apareceu novamente em delações da Operação Lava Jato, segundo reportagem da Folha de S. Paulo. Desta vez, a acusação teria vindo do ex-presidente da Odebrecht In-

fraestrutura, Benedicto Júnior. Ele teria contado que se reuniu com o tucano, quando ele ainda era governador, para conversar sobre um esquema de fraude em licitações, na construção da Cidade Administrativa.

A Cidade Administrativa foi construída por um consórcio formado pelas construtoras Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS e Queiroz Galvão. A obra, orçada em R$ 500 milhões, acabou custando por R$ 2,1 bilhões aos cofres públicos. Cerca de R$ 63 milhões em propinas teriam ido para Aécio. Benedicto Júnior teria dito que Aécio decidiu quais empresas participariam da obra. Aécio respondeu à reportagem da Folha que defende o fim do sigilo sobre as delações e que espera que as pessoas citadas possam se defender.

versas sobre a aliança com o subsecretário de Assuntos Políticos do Departamento de Estado dos EUA, Thomas Shannon. Amaral é exministro de Fernando Henrique Cardoso, que quando estava na presidência estabeleceu os primeiros acordos sobre o assunto com os americanos, oferecendo amplos poderes aos “locadores”. Na época, os EUA impunham uma série de proibições ao Brasil. O país não poderia lançar foguetes próprios na base, firmar cooperação tecnológica espacial com outras nações, apoderar-se da tecnologia americana usada em Alcântara e nem direcionar o dinheiro obtido com a base para o desenvolvimento de satélites nacionais. Ao ser eleito, em 2003, o ex-presidente Luiz Inácio da Silva (PT) suspendeu o tratado, considerado nocivo ao país. Movimentos se posicionam Em protesto, movimentos populares, organizações brasileiras e entidades latino -americanas lançaram uma carta contra a entrega do patrimônio aos Estados Unidos e em defesa da autonomia do país. “Este acordo já se mostrou não apenas desvantajoso ao Brasil do ponto de vista econômico e tecnológico, mas completamente ofensivo à soberania nacional ao permitir controle total ou parcial dos EUA sobre parte do território nacional, o que por si só o torna inaceitável”, diz o documento, que conta com as assinaturas de 99 instituições.

FAtos em foco Rodrigo Maia vence na Câmara Na quinta (2), Rodrigo Maia (DEM) elegeu-se, em primeiro turno, presidente da Câmara dos Deputados para o biênio 2017/2018. Maia já havia assumido o cargo após a renúncia do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB). Na Lava Jato, Maia foi citado por ter recebido R$ 100 mil para quitar despesas de campanha, em troca do apoio a uma medida provisória.

Eunício Oliveira também citado na Lava Jato O senador Eunício Oliveira (PMDB) foi eleito presidente do Senado, com 61 votos. Ele passa a ocupar o cargo de seu correligionário, Renan Calheiros. Assim como Renan, Eunício foi citado na Lava Jato. Segundo o ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo, o senador recebeu R$ 2,1 milhões em troca de apoio para a aprovação de uma medida provisória.

Edson Fachin é o novo relator da Lava Jato Seu nome foi definido por meio de sorteio realizado na quinta (2), segundo determinação da presidenta da Corte, ministra Cármen Lúcia. Ele será o responsável por tomar decisões no curso do processo, como pedidos de prisão provisória, diligências em investigações e abertura de novos inquéritos. As deliberações pelas condenações da Lava Jato são tomadas coletivamente.


Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

BRASIL

9

Reconhecimento de terras indígenas pode ser paralisado no Brasil POVOS ORIGINÁRIOS Portaria do governo federal esvazia poder da Funai e cria grupo para reavaliar todos os processos de demarcação de áreas em andamento Pedro Rafael Vilela, de Brasília (DF)

Antonio Cruz/ABr

A

tendendo a um pedido dos setores ruralistas e de latifundiários do país, o governo não eleito de Michel Temer vai reavaliar todos os processos de demarcação de terras indígenas em andamento no país. A Portaria nº 68 do Ministério da Justiça e Cidadania, que chegou a ser publicada duas vezes há cerca de dez dias, cria o chamado Grupo Técnico Especializado (GTE), subordinado diretamente ao ministro, com poder de revisão sobre todos os estudos da Fundação Nacional do Índio (Funai) que reconhece e homologa as áreas pertencentes aos povos originários. Na prática, a medida esvazia as atribuições da Funai para identificar e definir, por meio de estudos técnicos, a extensão da área a ser destinada às comunidades indígenas. Esse poder, agora, fica concentrado nas mãos do próprio ministro, que pode modificar a demarcação da terra e até mesmo de-

Apesar de protestos, governo atendeu pedido dos setores ruralistas

saprovar os estudos da Funai. Nem mesmo o Conselho Nacional de Política Indigenista (CNPI), instalado no ano passado, será ouvido pelo Ministério na análise dos processos. Entre as atribuições do CNPI, formado por integrantes do governo e indígenas, estão justamente a elaboração, o acompanhamento e a implementação de políticas públicas voltadas às comunidades tracionais. Levantamento do Instituto Socioambiental (ISA) calcula que 153 terras indí-

genas em fase de estudos ou já identificadas serão diretamente afetadas pela portaria do governo. Desse total, 37 aguardam posicionamento do ministro da Justiça há pelo menos três anos. Em vez de acelerar a resolução dos conflitos, a medida do governo deve atrasar e até mesmo paralisar todos os processos de demarcação, o que deve acirrar a violência no campo, que contabiliza centenas de mortes a cada ano. No último relatório divulgado pela Comissão Pastoral da Ter-

ra (CPT) sobre violência no campo, foram registrados 137 assassinatos de indígenas em 2015. No ano anterior, foram 138. Os números de 2016 ainda não foram apresentados. Repúdio Em nota de repúdio, entidades ambientalistas e que representam comunidades indígenas, como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), o Conselho In-

Estudo indica que 153 terras indígenas serão diretamente afetadas pela portaria digenista Missionário e o Greenpeace Brasil denunciaram a gravidade da decisão do governo Temer em modificar as regras de demarcação de terras. “A medida segue na linha do enfraquecimento do

órgão indigenista federal [Funai], atualmente com o pior orçamento de sua história, e consiste numa forte concessão do Governo Michel Temer a bancadas parlamentares anti-indígenas, em contraposição aos direitos ligados à vida dos povos indígenas do Brasil, notadamente o direito originário às suas terras tradicionais”. Para o Ministério Público Federal (MPF), a Portaria nº 68 é inconstitucional. O órgão ressaltou que a medida retira o papel da Funai na demarcação das terras, o que é uma determinação da Constituição Federal. Por causa da repercussão negativa, a primeira versão da Portaria nº 68 chegou a ser revogada pelo Ministério da Justiça. No texto inicial, a Portaria criava parâmetros ainda mais subjetivos para a reavaliação das demarcações. O governo substituiu o texto dois dias depois por uma versão mais enxuta, porém, manteve o poder de decisão sobre os processos nas mãos do ministro.

Homenagens à dona Marisa Reprodução

A

confirmação da morte de Marisa Letícia, a “dona Marisa”, gerou comoção popular e diversas manifestações de solidariedade à família de Luiz Inácio Lula da Silva. Ela, que era companheira de luta e vida de Lula, faleceu na manhã desta quinta-feira (2). Militantes, políticos e entidades prestaram homenagens à ex-primeira dama que, como declarou a Central Única dos Trabalhadores (CUT), “contribuiu na construção de um país melhor e mais justo”. A presidenta afastada Dilma Rousseff também lamentou a morte de Marisa. “Nos últimos meses, ela e o presidente Lula foram vítimas de perseguições e experimentaram na pele grandes injustiças. Imagino que a dor de Lula é insuportável. Mas tenho certeza de que ele saberá superar este momento difícil, recebendo de todos nós, seus companheiros e admiradores, e do povo brasileiro, muitas preces e orações, repletas de carinho e solidariedade”, comentou.


10 10

MUNDO

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Medidas de Trump contra imigrantes provocam resistência ESTADOS UNIDOS Governo ianque também quer construir muro de 3 mil km na fronteira com o México Da redação

D

epois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou decreto restringindo a entrada de imigrantes de sete países de maioria mulçumana, protestos foram realizados em diversas localidades. Nos dias 28 e 29 de janeiro, milhares de pessoas se manifestaram em aeroportos de cidades como Los Angeles, Chicago, Nova York, San Francisco e San Diego. Governos de outras nações também se posicionaram contra o decreto de Trump. Na Alemanha, a

As novas regras também dificultam a emissão de vistos para turistas brasileiros e de outras nacionalidades

Reprodução

territórios desses países. Além disso, o decreto suspende a acolhida de refugiados de todos os países por quatro meses e bloqueia indefinidamente a admissão de imigrantes sírios. As novas regras também dificultam a emissão de vistos para turistas brasileiros e de outras nacionalidades. Agora, a renovação dos documentos passa a exigir entrevista, exceto para os menores de 14 anos Governo assinou decreto coibindo entrada de imigrantes de diversos países e os maiores de 79. Com a ordem executiva, chanceler federal Angela mento de terroristas e que mais de 200 pessoas que Merkel disse que a luta con- a medida fica para a histó- estavam em voo para os tra o terror não justifica co- ria como um “grande pre- EUA ou que já se encontralocar pessoas sob suspeita sente aos extremistas e seus vam no país foram detidas e aguardavam para serem depor sua origem ou crença. apoiadores”. portadas, apesar de terem O governo do Irã anunciou Imigrantes e refugiados que proibirá a entrada de Alegando combate ao ter- visto para entrar no país. estadunidenses em seu ter- rorismo, o presidente Doritório até que a Casa Bran- nald Trump assinou um de- Guerra na Justiça ca suspenda as restrições a creto coibindo a entrada, Dois dias após a divulgairanianos. nos EUA, de imigrantes vin- ção do decreto, a secretária O Ministro do Exterior no dos do Iêmen, Irã, Iraque, de Justiça interina dos EUA, Irã, Mohammad Javad Za- Líbia, Síria, Somália e Su- Sally Yater, orientou o Derif, afirmou que o decre- dão, por um período de 90 partamento de Justiça a não to de Trump, longe de pro- dias. Vale dizer que milha- atuar em defesa das ordens teger o país do terrorismo, res de civis e militares dos executivas de Trump. Horas contribui com o recruta- Estados Unidos vivem nos depois, foi demitida. Con-

Saiba mais

Acordo de paz na Colômbia Após quatro anos de negociações pela paz envolvendo governo colombiano e Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (Farc-EP), agora, o país vive a expectativa da implementação do acordo. Segundo a defensora dos Direitos Humanos Piedad Córdoba (foto), é necessária a participação popular para que o processo se concretize. Em artigo, ela fala sobre os avanços e dificuldades do processo de paz no país. Acesse: migre.me/vYD7K

comitantemente, vários processos contestavam as ordens de Trump na Justiça. Algumas decisões já julgadas bloqueiam a validade dos decretos. O muro Na quarta (25), Trump havia assinado uma ordem executiva determinando a construção, “em alguns meses”, de um muro de mais de 3 mil quilômetros na fronteira com o México. A obra deve custar entre 14 e 20 bilhões de dólares. Segundo o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, o governo quer cobrar 20% sobre tudo o que os mexicanos exportarem para os EUA, a fim de financiar a construção do Muro. “Lamento e reprovo a decisão dos EUA de seguir com a construção de um muro que, há anos, longe de nos unir, nos divide. O México não acredita nos muros. Já disse várias vezes: o México não pagará nenhum muro”, declarou o presidente mexicano Peña Nieto.

Despejo violento em Israel No último fim de semana, famílias palestinas, da vila beduína de Umm Al Hiran, tiveram suas casas destruídas. A ação foi realizada por 12 viaturas da polícia israelense, que chegou fortemente armada ao local. Eles prometem voltar em um mês para expulsar novos moradores. Os repórteres Júlia Dolce e Victor Labaki contam detalhes sobre o processo de expulsão de palestinos. Acesse: migre.me/vYWyb

Leia em: www.brasildefato.com.br


Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

ENTREVISTA

11 11

“Humor é falar a verdade com graça”, afirma chargista HISTÓRIA Cartunista Nilson Azevedo completa 50 anos de carreira em 2017 Larissa Costa / Brasil de Fato MG

Wallace Oliveira

U

ma das figuras mais expressivas da comunicação mineira comemora suas bodas de ouro em 2017. Criador das HQs “A Caravela” e “Negrim”, o cartunista Nilson Azevedo começou a publicar em plena ditadura militar. Ele acredita que fazer humor é, nas palavras do poeta Torquato Neto, “desafinar o coro dos contentes”. Há 20 anos, Nilson trabalha com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Energética de Minas Gerais (Sindieletro -MG), onde dá seguimento a seu desenho combativo, formado desde os tempos em que se juntou a Ziraldo, Henfil, Millôr, Jaguar e toda a memorável turma do Pasquim. Ele também mantém o blog “Falando Nilson”. Em entrevista ao Brasil de Fato MG, o cartunista conta um pouco de sua trajetória. Brasil de Fato - Como aconteceu o seu primeiro encontro com os quadrinhos? Nilson Azevedo - Minhas irmãs mais velhas eram colecionadoras de quadrinhos lá em Raul Soares, minha cidade. Com sete anos, ainda sem saber ler, fui me interessar pelos quadrinhos, só que eu não tinha dinheiro para comprar. Quando eu lia, copiava os desenhos: Mickey, Tarzan, Mandrake, Fantasma. Até que pintou a revista

A Folha põe uns três de esquerda contra uns 20 de direita pra dizer que está fazendo contraponto”

Pererê, que mudou a minha vida, a minha cabeça, mudou tudo, quando eu tinha 12 anos. Até hoje, é o único quadrinho do mundo em que um menino negro e deficiente físico é o herói e se casa com a Boneca de Piche, que também é negra. Ele melhorou a história do Saci, que era de medo e se tornou uma figura legal, solidária, no Pererê do Ziraldo. O desenho dele retratava o Brasil, coisas que eu via na minha realidade. E como foi começar a carreira profissional dentro da ditadura, em 1967? Eu trabalhava de boy na Mendes Júnior e estudava em escola estadual. Eu desenhava a caneta e lápis e colocava meus colegas nos desenhos. Nessa época, o Henfil publicava seis charges por dia no Diário de Minas, enquanto os protestos aconteciam. Todo mundo queria ver as charges do Henfil. O Henfil desenhava um estudante pequenininho com bodoque enfrentando os policiais que tinham jatos de água, bombas de efeito moral. Então, as charges dele fizeram o trabalho incrível de ajudar a população a ficar do lado dos estudantes. Nas passeatas,

as pessoas jogavam sacos de leite lá de cima nos guardas. Foi quando eu falei: “é isso o que eu quero fazer”. Eu, que passei a vida lendo Seleções e quadrinhos americanos,

Mesmo uma pessoa de direita se desarma diante do humor e isso permite o raciocínio” queria me envolver na política. Bastaram 15 minutos da revista Pif Paf do Millôr, que foi fechada pela ditadura, pra que tudo o que eu tinha lido antes, defendendo o imperialismo, caísse por terra. Eu não só entendi o que estava acontecendo, como fiquei contra a ditadura. Em 1969, passei na faculdade, peguei o meu dinheiro do FGTS e resolvi viver de quadrinhos. Fui ao jornal Estado de Minas com a cara e a coragem e consegui publicar. Aos 14 anos, eu já tinha encontrado com o Ziraldo, ele me publicou na Pererê e me deu várias dicas. No Pasquim, eu já estava publi-

cando. Depois, comecei a fazer charges no Diário do Comércio, fui para o Rio na pior época da ditadura, o governo Médici, e cheguei a publicar duas vezes no Correio da Manhã, que a ditadura depois fechou. Você publicou muito na grande mídia comercial e na mídia alternativa. De lá pra cá, o que mudou nesses dois âmbitos? Quando a gente fazia imprensa alternativa, era muito arriscado. Eu cheguei a atender telefone de gente ameaçando matar o Henfil. Eu nunca pensei que fosse passar dos 30 anos, achava que, como disse o Caetano, ia “morrer de susto, de bala ou vício”. A partir da anistia, os sindicatos começaram a fazer imprensa e houve um crescimento. Ao mesmo tempo, paradoxalmente, a partir de 1982 com o fim da censura, a grande imprensa começou a pegar todos os temas que a imprensa alternativa fazia. Mas quando acabou a ditadura, eles demitiram vários

A imprensa hoje tem caras com ‘coragem’ de ficar do lado do mais forte” da esquerda, trocaram listas entre si com o nome de gente que eles não iriam empregar e tiraram os chargistas. Ficaram aqueles que topavam falar que política não estava com nada e o importante era sexo, drogas e rock’ n’roll.

O jornal passou a ser um jornal de serviços, uma coisa cínica. A grande imprensa virou imprensa mega medíocre. A grande imprensa piorou muito? Demais! Hoje, tem os caras que têm a “coragem” de ficar do lado do mais forte. Na minha época, você pegava um jornal como o Jornal do Brasil e tinha Carlos Castelo Branco, Alceu Amoroso Lima, Clarice Lispector, Jaguar, Carlos Drummond de Andrade, Ziraldo. Compara com hoje. Tem a internet, tem Brasil de Fato, Caros Amigos, Carta Capital. O resto é aleivosia, mentira, metáforas idiotas. Aí, a Folha põe uns três de esquerda contra uns 20 de direita pra dizer que está fazendo contraponto. E o humor Casseta e Planeta foi a pior praga que podia acontecer. É dirigido para atacar gays, feministas, índios. Não foi à toa que eles tiveram todas as portas abertas. Em Minas, o Quinho, o Lute e o Duke fazem milagres. Eu acho que eles enfrentam mais barreiras do que nós enfrentamos na ditadura, pois, hoje, é o editor quem faz a censura. Que dica você, que enfrentou a ditadura, daria para enfrentar o regime que surgiu recentemente, após novo golpe no Brasil? Como dizia o Henfil, o humor não tira um copo do lugar, mas a gente muda a cabeça das pessoas. Mesmo uma pessoa de direita se desarma diante do humor e isso permite o raciocínio. Quando eu faço uma charge, me dirijo até o inimigo e quero que ele pense.


12 12 VARIEDADES

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Amiga da Saúde

Nossos direitos

Tarifas bancárias Todo consumidor que possui contas em bancos convive diariamente com longas e demoradas filas, cobranças indevidas, tarifas pouco transparentes, vendas casadas, aumento dos serviços sem aviso prévio, entre outras violações que são comuns no sistema financeiro do país. Para evitar esses abusos só existe uma arma: a informação. Uma dica importante é sobre os serviços essenciais gratuitos. Segundo determinação do Banco Central, é direito de todo cidadão abrir uma conta em banco sem ter que pagar tarifa alguma – e isso todo geren-

te faz questão de esconder. Porém, você pode abrir uma conta e não se vincular a pacotes de serviços. Antes de contratar pacotes especiais, conheça os serviços essenciais gratuitos: • Cartão de débito e consultas pela internet; • Dez folhas de cheque por mês; • Duas transferências para mesmo banco no mês; • Dois extratos mensais; • Realização de 04 saques mensais; • Compensação de cheques.

Adília Sozzi é advogada da Rede Nacional de Advogados Populares – RENAP.

Amiga da saúde, estou tendo muita infecção urinária. Já foram três vezes nos últimos meses. O que devo fazer? Vilma, 27 anos, auxiliar de professora. Cara Vilma, é necessário saber se cada infecção foi tratada corretamente, pois pode ser que os episódios novos sejam causados pelo mesmo germe, resistente ao remédio utilizado. Para saber disso é preciso fazer um exame de cultura da urina. Se os germes forem diferentes em cada infecção, deve-se rever alguns hábitos. Prender a urina

por muito tempo, tomar pouca água e fazer pouco xixi, não lavar a vagina após as relações sexuais são exemplos de comportamentos que aumentam o risco de infecção. Também pode haver alguma alteração no sistema urinário. De qualquer forma, é necessária a avaliação médica para identificar a situação e solicitar os exames adequados

Sofia Barbosa I Coren MG 159621-Enf. Aqui você pode perguntar o que quiser para a nossa Amiga da Saúde Mande sua dúvida: amigadasaude@brasildefato.com.br

Anúncio


Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

13 VARIEDADES 13 por Alan Tygel*

www.malvados.com.br

Dicas Mastigadas Bolo de Banana Integral

Preencha os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. Os algarismos não podem se repetir nas linhas verticais e horizontais, nem nos quadrados menores (3x3). www.coquetel.com.br

© Revistas COQUETEL

2 4 1

9 4 3

8 3 4

1 2 3

8 7 6 4 1 5

7 8 9 4 7 3

1 8 4 6001245

1 9 4 5 8 7 6 2 3

5 8 3 2 4 6 9 7 1

7 6 2 9 3 1 8 4 5

2 1 8 4 5 9 3 6 7

4 7 6 1 2 3 5 9 8

9 3 5 6 7 8 2 1 4

8 4 7 3 6 2 1 5 9

3 2 9 7 1 5 4 8 6

6 5 1 8 9 4 7 3 2

Solução

Ingredientes: • • • • • • • • • •

6 bananas nanicas 4 ovos 1 xícara de chá de farinha de trigo integral 1 xícara de chá de aveia 1 xícara de chá de açúcar mascavo ½ xícara de chá de óleo ½ xícara de leite Canela para salpicar 1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de fazer Bata todos os ingredientes no liquidificador com apenas 1 banana, coloque em forma untada com óleo e farinha. Corte as demais bananas em rodelas e coloque-as sobre a massa. Salpique com canela. Assar em forno pré-aquecido, a 180°, por aproximadamente 50 minutos.

Farinha integral ou refinada? A farinha de trigo branca passa por um processo de moagem em que a casca e o gérmen do trigo são descartados. Por isso, a farinha branca refinada não possui fibras e nutrientes, como vitaminas B1 e B6, magnésio, selênio e zinco presentes na farinha integral. Por ficar apenas com a parte interna do grão (endosperma), onde se encontra o glúten, a farinha branca torna as massas mais macias e fofas. Na maioria das receitas, é possível trocar (pelo menos uma parte) a farinha branca pela integral e deixá-la mais nutritiva. Experimente e conte para nós! * Alan Tygel é da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Participe enviando sugestões para receita@brasildefato.com.br.


14

CULTURA

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Blocos afro são destaque no carnaval de BH FOLIA Ascensão dos grupos reforça que não só de música vive o carnaval, mas também de força e luta por direitos Pablo Bernardo / Indie BH

Afoxé Bandarerê também vai benzer as escolas de BH, apresentando-se antes delas no primeiro dia do desfile. “É importante lembrar que os blocos afro reforçam a cultura de reparação. O apoio a esses grupos e outras políticas públicas para negros significa que o Estado está admitindo a desigualdade racial”, completa o músico. O bloco Angola Janga é outro que caiu nas graças

do público. Parte de uma das atrações mais esperadas para o carnaval deste ano, os integrantes dizem que sucesso é “garantia de que estão no caminho certo da luta”. “É um caminho que não é traçado apenas no carnaval. Atuamos em escolas, ocupações, palestras, e sempre buscamos conversar sobre os assuntos de importância ao nosso povo”, diz uma das regentes, Fabiane Etiene.

Aula de francês na rua Larissa Costa e Raíssa Lopes

O

carnaval de Belo Horizonte já é tido como um dos maiores do Brasil. Neste ano, são esperadas 2,4 milhões de pessoas, de acordo com estimativa da Belotur. Dentre as centenas de blocos que se apresentam na capital, ganham destaque os que trazem à tona a cultura afro-brasileira, como o Angola Janga, o Afoxé Bandarerê, Dreadlocko, Bloco do Zé Pretinho e outros. No ano passado, os blocos afro mobilizaram cerca de 80 mil pessoas em seus cortejos. Nayara Garófalo, presidenta da Associação dos Blocos Afro de Minas Gerais (Abafro-MG), conta que esse número é muito maior, se “considerarmos que os grupos atuam o ano inteiro, com ensaios abertos e gratuitos que chegam a reunir 2 mil participantes”.

Luta contra o racismo De acordo com Nayara, um bloco afro tem responsabilidades que transcendem a apresentação no carnaval. “Um dos principais

objetivos de um bloco afro é a luta contra o racismo. Em um âmbito nacional, gera mídia, visibilidade e lucro para grupos e pessoas que, historicamente, seguem na invisibilidade” explica. Ela ressalta que todos os blocos possuem projetos sociais. Seus membros são agentes transformadores de suas comunidades e trabalham muitas vezes sem incentivo. Lutam pela promoção da equidade racial, por melhores condições para periferias e para os moradores de rua.

Um encontro de blocos afro na Praça da Estação vai oficializar a abertura do carnaval em BH Visibilidade Um encontro de blocos afro na Praça da Estação vai oficializar a abertura do carnaval de BH. No dia 24 de fevereiro, a partir das 19h,

acontecerá o Kandandu, que significa “abraço” na língua kimbundu. A abertura é resultado de um ano de articulação com a prefeitura. “Colocar os blocos afro como ponto de partida é, para nós, um sinal de um entendimento de que o carnaval vem desse povo e dessa cultura. É uma função histórica, social e política do município e da sociedade”, defende Nayara. Festa com religiosidade O integrante do Afoxé Bandarerê, Tata Márcio, explica que o carnaval de BH, a partir da ascensão dos blocos de cultura negra, ganha também em religiosidade. O artista conta que muitos dos grupos surgiram, inclusive, pela necessidade de fazer uma festa em que praticantes das religiões de matriz africana curtissem o carnaval valorizando suas raízes. “O afoxé [termo que denomina blocos afro-religiosos que saem durante a folia] virou tradição para abrir o desfile das escolas de samba no Rio de Janeiro, é uma espécie de benção”, diz. Honrando o costume, o

Como forma de ocupar a cidade com aprendizado, a escola Aliança Francesa, em parceria com outros coletivos, inaugura neste sábado (4) o projeto “Francês na Rua”, que irá oferecer gratuitamente aulas de francês ao ar livre em BH. A primeira aula acontecerá de 9h às 10h45 na Pampulha, Praça da Liberdade e na Praça da Estação. Mais informações no evento https://goo.gl/TYOTqt.

Férias com conhecimento

Uma agenda especial de férias acontece até domingo (12) no Espaço do Conhecimento da UFMG, na Praça da Liberdade. Oficinas, sessões especiais no Planetário, contação de histórias e outras atividades fazem parte da programação. Muitas atividades são gratuitas. Mais informações no link https://goo.gl/q43Cnm


Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Goleira do MST é convocada para Seleção Brasileira FUTEBOL Atleta passou parte de sua infância no Assentamento Conquista na Fronteira, em Santa Catarina Reprodução / Facebook

José Eduardo Bernardes

A

nova goleira da Seleção Brasileira feminina de futebol é a assentada do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) Maike Weber, de 24 anos. A catarinense, natural da cidade de Maravilha, passou boa parte de sua infância com os pais, no assentamento do movimento em Dionísio Cerqueira. Ela foi convocada pela técnica Emily Lima para um período de testes na Granja Comary, entre os dias 6 e 11 de fevereiro. A goleira, que atua pelo Flamengo - clube que mantém parceria com a Marinha brasileira - não conteve a emoção ao receber a notícia da convocação. “Chorei ali mesmo, antes de começar o treino”, diz Maike, em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato. Essa é a primeira convocação de Maike, que é sobrinha de Marlisa Wahlbrink, a “Goleira Maravilha”, que defendeu a Seleção Brasileira por mais de dez anos. Foi a tia quem encorajou a goleira a realizar o sonho de ser jogadora profissional. “Foi por meio dela que consegui o meu primeiro time. Ela sempre deu o suporte necessá-

rio para que eu enfrentasse tudo com a cabeça erguida e seguisse em frente diante das dificuldades que eu iria encontrar”, disse. Maike conta que sempre jogou com irmãos e amigos, mas só em 2008 teve coragem de contar aos pais seu desejo de se tornar atleta. “Fui em busca dos meus sonhos. Saí de Dionísio Cerqueira, uma cidade pequena, com pouco mais de 14 mil habitantes, para encarar a cidade grande”, lembra.

Maike é sobrinha de Marlisa Wahlbrink, a “Goleira Maravilha” Ainda assimilando a conquista, a goleira disse que pretende treinar cada vez mais para se firmar na Seleção. Outro sonho é jogar por uma equipe fora do Brasil, “onde o futebol feminino é muito mais valorizado”, disse. Conquista na Fronteira O Assentamento Conquista na Fronteira, situado na di-

visa entre Brasil e Argentina, é uma referência internacional. Em 1990, dois anos após a conquista do assentamento, os agricultores sem-terra organizaram no local a Cooperunião, uma Cooperativa de Produção Agropecuária (CPA) onde todas as questões são resolvidas em assembleia geral. A iniciativa garante a alimentação de 43 famílias e se tornou uma fonte de renda, a partir da bovinocultura para produção de leite e corte, da avicultura e da produção de grãos como o feijão, além da criação de abelhas para a extração de mel. As famílias que ocuparam o assentamento Conquista na Fronteira estavam entre as primeiras que ocuparam latifúndios em Santa Catarina, em 1985, nos municípios do oeste do estado. Por seu pioneirismo, o assentamento do MST é constantemente visitado por estudantes, pesquisadores, integrantes de governos, militantes sociais e demais interessados em conhecer a experiência da reforma agrária em Santa Catarina.

ESPORTES

15 15

Curta e Grossa

A interdição do Independência

Higor Douglas

Rogério Hilário A que ponto chegamos. Primeiro, a PM, Ministério Público e afins proibiram bebidas alcoólicas nos estádios. Os confrontos dos torcedores, as confusões, o vandalismo, antes e depois dos jogos, continuaram. Com a Copa do Mundo, por exigência de patrocinadores, a abstinência foi por água abaixo, assim como o acesso de grande parte da torcida, por causa do aumento abusivo dos preços dos ingressos e dos serviços, tais como estacionamento e o tropeirão. Nesse ínterim, aboliu-se a presença de duas torcidas em clássicos [retomada no Mineirão, pela primeira vez, no clássico da última quarta]. A do mandante ocupou o maior espaço. A do visitante ficou relegada a 10%, quando muito. Agora, a medida é mais draconiana: a PM quer impedir que o Atlético enfrente rivais no Independência. Apresentou um laudo que, pasmem, mostra que o local do Horto é inadequado. Acreditem: descobriram isso depois de cinco anos. O Atlético firmou parceria com a BWA por 27 anos. Ou seja, o Horto não serve para partidas contra o Cruzeiro, Flamengo, Corinthians, por causa da impossibilidade de garantir a segurança. Alegam também gargalos nos corredores que levam ao estádio. E por aí vai. Resumo da ópera: isso é um atestado de incompetência da segurança pública no estado. E ponto.

Anúncio

Servidor público municipal de Belo Horizonte, fortaleça o seu sindicato! Conheça os canais de comunicação do Sindibel:

SINDIBEL Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte

www.sindibel.com.br facebook.com/sindibel (31) 3272-9865


16

Belo Horizonte, 3 a 9 de fevereiro de 2017

Taça das Favelas termina no fim de semana

ESPORTES

16

DECLARAÇÃO DA SEMANA Tim Hipps

André Cavalleiro

M

aior torneio esportivo de comunidades de Minas Gerais, a Taça das Favelas termina nos dias 4 e 5 de fevereiro. Sábado (4), a partir das 11h, quatro seleções femininas e quatro masculinas entram em campo. As finais acontecem no domingo (5), a partir das 13h45, junto à cerimônia de encerramento e

premiação. Todos os jogos são disputados no Campo da Barragem Santa Lúcia, em BH. O projeto, que se encontra em sua 1ª edição no estado, surgiu no Rio de Janeiro em 2012 e conta com o apoio de famosos como o ex-jogador Zico e o rapper MV Bill. Mais informações: tacadasfavelasdeminas.com.br

Vivo nos Estados Unidos há seis anos. Agora, eu e muitas outras pessoas estamos sendo informados de que talvez não sejamos bem-vindos. Mo Farah, medalhista olímpico do atletismo, que nasceu na Somália. O país africano foi atingido pela medida de Trump, que restringe a entrada de imigrantes nos EUA.

Gol de placa Aos 35 anos, Roger Federer venceu Rafael Nadal na final de um dos grandes torneios de tênis do mundo, o Aberto da Austrália. Federer, o maior tenista da história, e Nadal, seu maior rival, se lesionaram gravemente em 2016. Ninguém pensava que eles se encontrariam outra vez numa decisão.

Gol contra Domingo (29), torcedores do Internacional brigaram entre si, no jogo de abertura do Gauchão, em Veranópolis, contra o time local. Pontapés, socos e até pedradas não faltaram.

Decacampeão

É Galo doido

La Bestia Negra

Bráulio Siffert

Rogério Hilário

Léo Calixto

Os dois primeiros jogos do América em 2017 indicam potencialidades que, se forem exploradas, podem render um time competitivo, com chances de buscar o bicampeonato mineiro e o acesso à Série A. A tática confusa, apresentada no empate Decacampeão contra o Ceará e no primeiro tempo da vitória diante do Democrata, pode ser acertada com modificações pontuais, algumas das quais inclusive já feitas pelo técnico Enderson Moreira durante os jogos. A escalação com dois zagueiros está rendendo melhor, Gerson Magrão e Auro têm que jogar no meio-campo e não nas laterais, Tony precisa ir para o banco, Alex Silva fica completamente perdido jogando de zagueiro e é necessário um volante mais marcador.

Enquanto o arquirrival dá seguimento ao trabalho do treinador, o Atlético ainda se adapta ao estilo do novo comandante. Há muito o que fazer para dar ao Galo condições de ganhar títulos. A diretoria contratou Elias. Aos poucos, vão retorGalo doido! nar Robinho,ÉLeonardo Silva, Victor, Erazo e Luan. Fred estava suspenso no clássico. Lucas Pratto vive um ocaso. O volante Roger Bernardo chega em julho. Sem todos à disposição, prognóstico otimista fica difícil, diante de desafios como o Brasileiro, Libertadores e Copa do Brasil. Isso ficou evidente na partida de quarta-feira, em que poucos se destacaram e alguns confirmaram o que já sabíamos. Otero, Cazares, Maicosuel e Clayton são coadjuvantes.

Dois jogos oficiais, duas excelentes apresentações. Mesmo sendo início de temporada, o Cruzeiro já demonstra que será um time difícil de ser batido em 2017. Jogando um futebol consistente, com as linhas defensivas bem postadas e as ofenLa Bestia Negraos adversivas com boa movimentação, sários não incomodaram o goleiro Rafael como outrora. E é exatamente assim que pretende o técnico Mano Menezes montar um time ofensivo e organizado, dentro das características históricas celestes. Há de se ressaltar também nesta coluna a festa feita pelas torcidas no Mineirão, durante o clássico da última quarta (1). Clássico tem de ser jogado com a presença das duas torcidas para que a festa seja completa.