Issuu on Google+

Fora do Eixo

Divulgação

14

CULTURA

Minas Gerais

ESPORTES

15

Folia de Reis é patrimônio

Justiça para Eros

Uma das festas mais tradicionais da cultura popular mineira recebe o título de bem imaterial. Reconhecimento abre portas para preservar tradição

Torcidas vão às ruas em protesto contra Prosegur e Minas Arena e pedem investigação do caso do torcedor Eros Dátilo, morto no estádio durante jogo da Copa do Brasil

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017 • edição 168 • brasildefato.com.br • facebook.com/brasildefatomg • distribuição gratuita

A mais cara do Brasil TRANSPORTE Com preço de R$ 4,05 desde o dia 01 de janeiro, a passagem de ônibus de BH se torna a mais cara entre as capitais do país. Em reação, movimentos realizam protestos e pressionam o prefeito recém empossado, Alexandre Kalil, pela abertura da “caixa preta” do transporte. Segundo economista, lucros das empresas continuam em segredo

R$ 4,05 ENTREVISTA

11

BRASIL

9

Não adianta aumentar presídios

Na economia, 2017 pode ser ainda pior

A cada dia, um preso é assassinado no Brasil. Segundo especialista, modelo vigente não reduz a violência nem dentro nem fora dos presídios

Crise deve se agravar este ano. Dados apontam para aumento do desemprego e do corte de direitos sociais

OPINIÃO

6

Os aposentados no cinema A arte que imita a vida: conheça filme capaz de representar a complexidade das relações sociais e políticas


2

OPINIÃO

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 201

Editorial | Brasil

Bandido bom é bandido morto? T

ESPAÇO dos Leitores

“O tempo de gostar foi substituído pelo tempo de gastar!” Tê Costa comenta a entrevista com Jaldemir Vitório, em que ele afirma: “Se o Natal não questiona a maneira de ver a humanidade, ele não tem sentido nenhum”

“Quando o golpe se consumou, ouvi dizeres do tipo: ‘2018 tem eleição’. Daí eu respondi: ‘Amigo, você acha mesmo que um governo que se elegeu ilegitimamente é a favor de eleições e votos diretos?’. Meu medo é nunca mais poder votar.” Priscila Norberto comenta o editorial “A luta é por eleições diretas já”

Escreva para nós: redacaomg@brasildefato.com.br

riste pergunta para iniciar 2017. Em virtude das chacinas ocorridas em Manaus e Roraima, circularam na imprensa e entre as pessoas muitas respostas positivas a essa pergunta. Foi o que disse, por exemplo, o ex-secretário nacional de juventude do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB), Bruno Júlio (PMDB), filho do deputado estadual mineiro Cabo Júlio (PMDB). Bruno deseja “uma chacina por semana” nos presídios brasileiros. E se soma a comentários como “bom que dá uma limpada”, ou “ali não tinha nenhum santo”, como disse o governador do Amazonas.

Ressocializar é o contrário de vingança e ódio O sistema penitenciário brasileiro vive situação de barbárie há algum tempo, pela precariedade da infraestrutura (que não corresponde aos extraordinários custos por preso que são apresentados à população), pela dificuldade de acesso a ferramentas de ressocialização (como cursos profissionalizantes), pelo baixo quadro de servidores públicos que trabalham e cuidam das cadeias e pelo enorme número de presos em situação provisória, cerca de 40% (aqueles que ainda não foram a julgamento, ou seja, nem condenados são), entre outras questões.

Mais vagas nas cadeias facilita recrutamento por facções

40% dos presos nem condenados foram

Nada de novo. Desde a idade medieval, a população se junta nas ruas para assistir à queima, crucificação ou outras mortes destinadas aos “não santos”. Quando uma pessoa é condenada por algum delito, ela perde temporariamente um dos seus direitos básicos – o da liberdade – mas mantém os demais, como o direito à alimentação, educação, informação, entre outros. Nossa Constituição reza que a preocupação deve ser com a ressocialização das pessoas que estão encarceradas, para que não voltem mais a cometer crimes. Ou seja, é o contrário da noção de vingança e ódio das falas acima.

O jornal Brasil de Fato circula semanalmente com edições regionais, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, no Paraná e em Pernambuco. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais em nosso país e no nosso estado.

Em meio a mais de 700 mil pessoas encarceradas, pouco mais de 10% são presos por homicídio. Os outros 90% são envolvidos com furtos e roubos (de todos os montantes e com todo tipo de motivação), pichadores, pessoas com problemas com drogas, e uma grande massa que simplesmente não tem condições de pagar um bom advogado para ser libertada. O aumento de vagas nas cadeias não resolve a questão, como já apontaram diversos especialistas. Só facilita para as facções o recrutamento de presos que cometeram delitos menores. Por fim, um dito popular: “Um cidadão perguntou pro outro: Se matarmos todos os homens maus, ficarão só os bons, né? Não, ficarão só os assassinos.”

REDE SOCIAL: facebook.com/brasildefatomg correio: redacaomg@brasildefato.com.br para anunciar: publicidademg@brasildefato.com.br TELEFONES: (31) 3309 3314 / (31) 3213 3983

conselho editorial minas gerais: Adília Sozzi, Adriano Pereira Santos, Adriano Ventura, Beatriz Cerqueira, Bernadete Esperança, Bruno Abreu Gomes, Cida Falabella, Durval Ângelo Andrade, Ênio Bohnenberger, Frederico Santana Rick, Gilson Reis, Gustavo Bones, Jairo Nogueira Filho, Joana Tavares, João Paulo Cunha, Joceli Andrioli, José Guilherme Castro, Juarez Guimarães, Laísa Silva, Marcelo Oliveira Almeida, Milton Bicalho, Nilmário Miranda, Padre Henrique Moura, Padre João, Pereira da Viola, Renan Santos, Rogério Correia, Samuel da Silva, Temístocles Marcelos, Wagner Xavier. Editora: Joana Tavares (Mtb 10140/MG). Redação: Larissa Costa, Pedro Rafael Vilela, Rafaella Dotta, Raíssa Lopes e Wallace Oliveira. Colaboradores: Alan Tygel, Anna Carolina Azevedo, André Fidusi, Bráulio Siffert, Diego Silveira, João Paulo Cunha, Léo Calixto, Rogério Hilário, Sofia Barbosa. Revisão: Luciana Santos Gonçalves. Administração: Vinicius Nolasco. Distribuição: Amélia Gomes. Diagramação: Luiz Romaniello. Tiragem: 40 mil exemplares.


Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

?

Divulgação

Reprodução

“O instinto de humilhar, quando é apresentado por alguém público, dá permissão para que outras pessoas façam o mesmo. Desrespeito gera desrespeito. Violência gera violência. Quando os poderosos usam suas posições para intimidar outros, todos perdemos”

Para você, o prêmio foi justo?

Daniela Dias, 32 anos, psicóloga

“A escolha da FIFA é política, não é só por conta da temporada do jogador. A instituição escolhe pela visibilidade do atleta. Existem vários africanos que ‘matam a pau’ no futebol mas não têm destaque”.

Marcos Donizete, 36 anos, cineasta

O melhor da música brasileira em 2016 Divulgação/Rock in Press

Discursou a atriz Meryl Streep em cerimônia do Globo de Ouro, na noite de domingo (8), sobre Donald Trump ter ridicularizado um repórter que possui uma doença congênita.

Reprodução

“Acho que por trás desses dois jogadores existe um grande interesse econômico. Eles vendem produtos, estão na mídia. Eu acho o futebol brasileiro muito mais interessante e criativo, mas o da Europa é sempre mais valorizado”.

3

Declaração da Semana

PERGUNTA DA SEMANA

O português Cristiano Ronaldo ganhou pela quarta vez a Bola de Ouro, prêmio da FIFA destinado ao melhor jogador de futebol do mundo. Novamente, ele disputou o título com o argentino Lionel Messi. Desde 2007 os dois brigam pela honraria e se revezam na preferência mundial.

GERAL

BOMBOU NA REDE Mandou bem! O ator Leonardo Vieira lançou, na última semana, um manifesto

contra a homofobia após ter sido alvo de ataques preconceituosos nas redes sociais. Leonardo teve uma foto sua, em que beijava outro homem, divulgada sem sua permissão na internet. “Não gostaria de me colocar no papel de vítima, mas sou e não posso deixar de querer meus direitos como cidadão de bem e exigir justiça para mim e, quiçá, para tantos outros homossexuais em meu país que também sofrem com isso diariamente e por anos em suas vidas. Homofobia precisa ser tratada com seriedade pela Justiça e pela sociedade”, diz trecho do manifesto.

CNH de cara nova

O portal “RockinPress” divulgou na última semana a lista com os 100 melhores álbuns brasileiros de 2016. Com foco na cena independente e nas revelações musicais, a seleção inclui capas, textos, links para download, streaming e site oficial. Em destaque, a produção pernambucana e da Bahia, que brilharam com o lançamento de mais artistas de ritmos plurais. Confira em rockinpress.com.br.

Um novo modelo da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) está sendo entregue aos condutores desde a segunda (2). Além do visual diferente, o documento passa a ter mais requisitos de segurança, como marca d´água, tintas de variação ótica e fluorescente e imagens secretas. O fundo ficará mais amarelado. A tarja azulada, que fica no topo, passou a ser preta e traz o mapa do estado responsável pela emissão do lado direito. No lado esquerdo, sob o brasão da República, aparece a imagem do mapa do Brasil. As mudanças são válidas para os novos documentos, por isso os condutores não precisam fazer a troca. As carteiras atuais serão reconhecidas até a validade ou até que o motorista solicite alguma alteração de dado.


4

CIDADES

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Preço da passagem em BH segue irregular, diz economista MAIOR DO BRASIL Relatório questionado de 2014 é a justificativa para série de aumentos na tarifa Maxwell Vilela

Rafaella Dotta

M

ais uma vez o aumento da passagem de ônibus de Belo Horizonte é questionado. O decreto que subiu a tarifa para R$ 4,05 estaria fora dos prazos do contrato, segundo o movimento Tarifa Zero. A integrante do movimento Luiza Souza explica que a prefeitura teria até 26 de dezembro para publicar o novo valor da passagem no Diário Oficial do Município (DOM), mas a informação saiu apenas em 31 de de-

“Para aumentar a passagem, as empresas alegam que estão sempre no vermelho, mas nunca abriram as contas”, diz economista

No início de janeiro, manifestantes protestaram na praça Marília de Dirceu, onde mora o prefeito Alexandre Kalil (PHS)

zembro. Na minuta do anexo IX do contrato, a cláusula 11 estipula que “O REAJUSTE DA TARIFA será homologado pelo PODER CONCEDENTE que o publicará no DOM, até o dia 26 de dezembro de cada ano.” Porém, a BHTrans se apoia em outra parte do contrato, que exige a publicação oficial da tarifa 3 dias antes da sua vigência. “A postergação dessas datas não implica prejuizo para a população ou para o erário público”, defende a empresa.

Contas erradas há 3 anos Além disso, uma auditoria feita em 2014 pela empresa Ernst & Young teria analisado de modo displicente os custos, gastos e lucros das empresas de ônibus de Belo Horizonte, o que gera uma “bola de neve” de passagens cada vez mais caras, segundo a economista Eulália Alvarenga, coordenadora do núcleo mineiro da Auditoria Cidadã da Dívida. “O aumento é calculado em cima da passagem do ano anterior. Como em 2014 o valor já estava acima do que deveria, os acréscimos nes-

te valor serão incorretos”, explica. Eulália critica ainda que nem prefeitura nem empresas forneceram as planilhas financeiras para que sejam analisadas pelo movimento Auditoria Cidadã, que analisa as contas públicas de forma voluntária. “Para aumentar a passagem, as empresas alegam que estão sempre no vermelho, mas nunca abriram as contas, mesmo depois de inúmeros pedidos nossos”, lembra. Outros custos e protestos A BHTrans afirma que,

além da tarifa em vigor, o aumento considera uma média dos reajustes de dezembro de 2015 e novembro de 2016 em combustível (1%), rodagem (1,5%), veículos (7%), mão de obra (16,5%) e outras despesas (7,4%). Em protesto contra o reaajuste, manifestantes foram até a região onde mora o prefeito Alexandre Kalil (PHS). Apesar da pressão, ele disse que não pretende rever o valor, aprovado na gestão anterior, de Marcio Lacerda (PSB).

Região metropolitana teve aumento ainda maior Secretaria Estadual de Segundo a SETOP, os antes era de R$ 3,70 pasTransporte e Obras A custos que mais impac- sou a custar R$ 4,05. Em Públicas (SETOP) tamtaram na variação da ta- Poços de Caldas, cidade Douglas Lucas

bém anunciou aumento nos primeiros dias de 2017. A passagem dos ônibus que ligam os 34 municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte subiu em média 9,46%. O valor da tarifa predominante, que atinge 30% dos passageiros metropolitanos, subiu de R$ 4,45 para R$ 4,85.

Passagem dos ônibus que ligam os 34 municípios da RMBH subiram em média 9,46%

rifa foram os combustíveis (28,4%), funcionários (41,9%) e gastos com veículos (19%). Além disso, o número de passageiros teria caído de 232 milhões, em 2014, para 190 milhões, em 2016. Aumentos no interior Contagem e Betim tiveram aumento idêntico ao de BH, a passagem que

do sul do estado, a tarifa passou de R$ 3,30 para R$ 3,60, e em Pouso Alegre, de R$ 3 para R$ 3,20. O aumento em Uberlândia está em vias de se consolidar e passa por análise, neste mês, das entidades sociais que compõem a Comissão Municipal de Acompanhamento do Serviço Público de Transporte.


Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

MINAS

5

Brasil poderá ter vacina contra a dengue em 2019 SAÚDE O medicamento está sendo desenvolvido pelo Instituto Butantan Daniel Melo/Agência Brasil

A

vacina contra a dengue, que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan, poderá ser usada em larga escala em 2019. O produto passa agora por testes. Foram instalados centros em 13 cidades de cinco regiões do país visando a imunizar voluntários e avaliar a eficácia do produto. Até o momento, já foram aplicadas doses em 4 mil pessoas, das 17 mil que deverão participar dos testes. Essa é a última fase antes de a vacina ser submetida à aprovação da Agência Na-

Reprodução

cional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo o diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil, é possível que a vacina chegue à população em 2019. “Eu acho difícil que ela esteja disponível já no ano que vem. Mas nós vamos trabalhar para que esteja disponível no outro verão. Agora, depende de muitas coisas”, ressaltou. Proteção A vacina deverá proteger contra os quatro tipos de vírus da dengue. De acordo com o secretário estadual de Saúde de São Paulo, David Uip, a expectativa é que o poder de imunização do

tes, dois terços dos voluntários serão imunizados e um terço receberá um placebo sem efeito. A partir

Vacina, em fase de testes, deverá proteger contra quatro tipos de vírus da dengue resultados observados nas duas fases iniciais do desenvolvimento da vacina com vírus enfraquecidos geneticamente. Nesta última fase de tes-

produto ultrapasse os 80%. “Nós tivemos um poder imunogênico da vacina muito bom e poucos efeitos adversos”, disse Uip, com base nos

daí, será observada a taxa de infecção no grupo que foi vacinado e no de controle, que recebeu a substância sem efeito.

Casas de suco do Centro são aliadas de quem vive na correria VERÃO Os estabelecimentos oferecem receitas rápidas, que só fazem bem ao corpo Larissa Costa/Brasil de Fato MG

Raíssa Lopes

N

este calor é importante se hidratar e cuidar bem do corpo. Mesmo na correria da volta ao trabalho, é possível encontrar no Centro de Belo Horizonte alternativas para não deixar a saúde de lado. Na região, muitas casas de suco oferecem soluções baratas, bebidas leves e que contêm combinações de alimentos que refrescam e animam até aquela segunda-feira brava. Raíssa Batistoni trabalha há dois anos e meio em uma loja de sucos na rua da Bahia. O vai e vem de clientes não para nem durante a entrevista e, segundo ela,

o número de atendimentos por dia chega a ultrapassar 300 pessoas. A bebida que mais sai é o famoso Detox, vendido no estabelecimento como “Suco do Mestre”. “Temos um freguês que toma todo

dia e tem o apelido de ‘Mestre’. Ele insistiu tanto que trocamos o nome”, brinca a atendente. A mistura leva couve, laranja, abacaxi e hortelã e é ideal para quem quer acelerar o metabolismo do corpo e eliminar impurezas.

Para todos os gostos Já para energizar a segunda-feira, Raíssa indica o “Vermelho”, produto que combina todas as frutas vermelhas da casa. O bom e velho açaí, queridinho dos clientes Matheus e Mariângela [foto ao lado], também não poderia ficar de fora. Eles fazem o mesmo caminho durante toda a semana e não dispensam o sabor da fruta. “Precisa pra aguentar a jornada de trabalho, né? Até às 23h eu tenho que ficar firme. O suco me ajuda bastante”, diz Mariângela. O dono de outro estabelecimento, Guilherme Soares, também diz que o suco energizante é o mais procurado da casa - que abriu

há apenas uma semana e já atende a cerca de 100 clientes diariamente. “A maioria das pessoas que optam por ele são trabalhadoras, estão no corre-corre e querem dar uma acordada”, pontua. A bebida, apelidada de “Vitalizante”, mescla a laranja ao agrião, gengibre, guaraná e açaí. Existem também os sucos terapêuticos para os dias mais estressantes. Para isso, Raíssa indica os que levam maracujá. Caso algo não tenha caído bem no almoço, os melhores, de acordo com a atendente, são os que adicionam limão à fórmula. A média dos preços na região central varia entre R$ 4,50 e R$ 7,00, dependendo do tamanho do copo.


6

MINAS

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Opinião

O cineasta e o nosso tempo João Paulo Cunha

Compreender o mundo está cada dia mais difícil. Por isso é preciso, a todo momento, ter a cabeça e a sensibilidade abertas para as boas tentativas de entender nosso tempo. O filme Eu, Daniel Blake, do diretor inglês Ken Loach, em cartaz no Brasil, é uma dessas chaves iluminadas. Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes, a produção, pelo caminho da arte, nos revela o cenário da desmontagem do estado de bem-estar social inglês, algumas décadas depois de Margareth Thatcher. O diretor é considerado um cineasta de esquerda. Aos 80 anos, ser de esquerda representa a herança de uma tradição humanista, que tem coragem em denunciar o sistema como máquina que faz operar a luta de classes em favor do capital e contra o homem. Eu, Daniel Blake é a história de um carpinteiro com quase 60 anos, viúvo e sem filhos, que é afastado do trabalho por causa de

um infarto, é um símbolo dos estertores da seguridade inglesa, que já foi modelo para o mundo. Blake é preso num labirinto burocrático que serve apenas para dificultar o acesso aos benefícios sociais a ele devidos e pelos quais pagou por toda a vida. A estratégia do sistema é a

Inferno inglês anuncia a tragédia brasileira do uso da tecnologia que despersonaliza e, ao final do trajeto, humilha o cidadão. Em seu caminho, o trabalhador se encontra com uma mulher, Katie, mãe de dois filhos, que atravessa o mesmo deserto de direitos e a mesma tática de transformá-la numa pessoa descartável. Retiram dela todas as identidades possíveis, do colégio dos filhos à cidade onde morava sua família. Como sempre,

Movimentos pressionam por política de comunicação pública em MG DEMOCRACIA Após encontro, comunicadores fazem carta de exigências Mídia NINJA

E

m carta ao governador Fernando Pimentel, comunicadores de Minas Gerais pedem política pública de comunicação para o estado. Entre as exigências feitas ao governo estão o fortalecimento dos conteúdos produzidos por veículos locais, comunitários e independentes através da Empresa Mineira de Comunicação; A transparência dos gastos estaduais com verbas publicitárias, bem como uma política de distribuição democrática dessa verba; a criação de um Fundo Estadual de Comunicação e a realização da 2° Conferência Estadual de Comunicação. O documento, as-

sinado por mais de 90 entidades, foi elaborado durante o curso Multiplicadores da Democracia, realizado pelo Fórum Nacional pela Democratização

da Comunicação FNDC MG, em parceria com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania – SEDPAC. (Da redação)

na impessoalidade do sistema, a vítima é a culpada. Os dois se aliam de forma quase inviável, numa aliança de derrotados, que faz emergir uma das poucas atitudes humanas naquele universo: a solidariedade na dor e na carência. Os laços são de afeto, mas não sentimentais ou pretensamente familiares. Uma espécie de amizade pública, que pode ser outra definição da política possível para nossa época. Sem forçar a barra, é possível aproximar a história de Daniel Blake e da realidade inglesa, que é de retrocesso, com a anunciada tragédia brasileira que se seguirá à reforma trabalhista e da previdência. No nosso caso, a desumanidade é ainda maior. Já se começa a retirar direitos que sequer chegaram a constituir de fato uma sociedade mais igualitária ao longo dos anos. Estamos na iminência de perder o que não chegamos de fato a ter, uma sociedade de bem-estar social. Mesmo o pior dos infernos ingleses parece pálido frente à brutalidade de nossos projetos regressivos.

Trabalhadores da educação serão designados pela internet

Reprodução

A partir deste ano a Secretaria Estadual de Educação realizará a designação de suas vagas através de um sistema online. Cerca de 60 mil vagas devem ser disponibilizadas nessa modalidade. Além dos magistrados, os cargos de Analista de Educação

Básica; Inspetor Escolar; Assistente Técnico de Educação Básica; Auxiliar de Serviços de Educação Básica; Supervisor Pedagógico também serão divulgados pelo sistema. As vagas destinadas para a Educação Profissional, Integral e Curso Normal também serão ofertadas via web.


Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Acompanhando

Foto da semana

OPINIÃO

7

PARTICIPE Viu alguma coisa legal? Algum absurdo? Quer divulgar? Mande sua foto para redacaomg@brasildefato.com.br. Maxwell Vilela

Na edição 153... Greves em todo o país pela garantia de direitos ...E agora Bancários realizam mobilização nacional Uma manifestação de bancários, trabalhadores da Caixa Econômica Federal, aconteceu na quinta (12) em Belo Horizonte. A ação fez parte de um dia nacional de luta da categoria por melhores condições de trabalho e em defesa do banco 100% público. Os manifestantes criticaram medidas do governo não eleito de Michel Temer que ameaçam o fechamento de agências, reduzem postos de trabalho e cargos comissionados. Na edição 166... Kalil propõe reformular Prefeitura de Belo Horizonte ...E agora Kalil demite 2,8 mil servidores da PBH Assim que tomou posse na Prefeitura de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS) nomeou apenas 13 secretários, nove a menos do que havia antes, e exonerou 2,8 mil cargos comissionados. Em seu segundo dia de mandato, Kalil afirmou que poderia readmitir alguns dos servidores que perderam seus postos. Na última semana, cerca de 300 servidores tiveram sua exoneração cancelada. Na Câmara Municipal, o vereador Henrique Braga (PSDB) foi eleito presidente da Casa em sessão tumultuada, com inúmeras vaias e acusações de compras de votos. Braga disputou em segundo turno com o vereador Dr. Nilton (PROS), apoiado por Kalil.

OCUPA A CIDADE A Praia da Estação faz aniversário e chega aos seus sete anos neste janeiro. O evento, que une política e cultura, já é uma marca do verão belorizontino. Surgiu como protesto a um decreto do ex-prefeito Marcio Lacerda que proibia eventos de qualquer natureza em espaços públicos. Para comemorar, a festa – que também é manifestação contra o aumento da tarifa de transporte – será neste sábado (14), a partir do meio dia, na Praça da Estação.

Aline Ruas

Marcelo Barros

Que limites o conservadorismo quer impor às mulheres?

Martin-Luther King e a teimosia de sonhar

A chacina de Campinas cometida, em pleno réveillon, por Sidnei Ramis de Araújo traz a necessidade de uma reflexão urgente para o ano de 2017. Das 12 vítimas, nove eram mulheres. Uma era ex-esposa de Sidnei e outra, seu filho. A carnificina em Campinas foi um entre tantos casos de feminicídio, ou seja, a morte de pessoas do gênero feminino por causa do gênero. Uma mulher é morta simplesmente por ser mulher. Em 2017, ano de golpe em curso, questionamos: como está a situação das mulheres no país? Que limites a direita quer impor a suas vidas? Segundo o Mapa da Violência de 2015, a cada 4 minutos uma mulher sofre algum tipo de violência em Minas Gerais. Os casos mais incidentes são de violência física. É como o conservadorismo e o atraso vêm tomando as regiões do país. No que diz respeito ao lugar da mulher na política não é diferente. Vimos isso no impeachment da presidenta eleita Dilma Rousseff, mas também podemos Mulheres morrem só por observar esse impacto serem mulheres no número de mulheres eleitas para prefeitas e vereadoras na campanha de 2016. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) houve uma queda no número de mulheres eleitas em todo o país. As regiões sudeste e sul foram as que menos elegeram mulheres no país. Não acreditando em coincidência, podemos ver que foram justamente essas duas regiões que deram o maior número de votos pelo prosseguimento do processo de afastamento da presidenta na Câmara dos Deputados, no fatídico 17 de abril de 2016. Companheiras, isso não é coincidência, mas um golpe nas nossas vidas.

Um dos problemas mais sérios do mundo atual é que a sociedade dominante se tornou tão forte e, de tal forma, a todos impõe os seus valores, que rouba das pessoas até o direito de sonhar. A sociedade do shopping cria fantasias de consumo que parecem sonhos, mas não têm a consistência de projetos de vida. As pessoas se preparam para ganhar mais ou ter sucesso na vida, mas poucas pensam para que empreender toda essa luta. No mundo inteiro, as pessoas que trabalham pela paz entre os povos e pela igualdade entre os seres humanos celebram a memória do pastor negro Martin-Luther King no dia 15 de janeiro, dia do seu aniversário. No começo dos anos 60, nos Estados Unidos, o pastor King coordenava a luta da população negra pela igualdade social e por seus direitos civis. Enquanto ele vivia, a grande mídia norte-americana tentou destruí-lo de todos os modos possíveis. Depois que ele foi assassinado, fez dele um herói. Mais de 50 anos depois dessa vitória legal do povo negro, tanto nos Es- A humanidade ainda não tados Unidos como na eliminou o apartheid maioria dos países do mundo, a humanidade ainda não eliminou o apartheid social e econômico. Na América Latina, quase sempre, ser negro é sinônimo de ser pobre. Ainda ressoam as palavras do pastor Martin-Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons. Mais do que a violência de poucos, me assusta a omissão de muitos”. O sonho dele era viver em um mundo no qual os seus filhos negros pudessem andar de cabeça erguida e conviver de igual para igual com os colegas brancos. Era o sonho de ver o mundo superar as divisões raciais e sociais que ainda tornam esta terra um vale de lágrimas e injustiças.

Aline Ruas é militante do Movimento dos Atingidos por Barragem – MAB.

Marcelo Barros é monge beneditino, escritor, teólogo e assessor de diversos movimentos populares.


88

BRASIL

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Petrobras chama só empresas estrangeiras para obra do Comperj LICITAÇÃO Das 30 companhias convocadas, nove não mantêm sequer escritório no Brasil

A

Petrobras anunciou nessa quarta (11) a retomada das obras da unidade de processamento de gás natural (UPGN) do Comperj, complexo petroquímico em Itaboraí, no estado do Rio de Janeiro. Para concorrer à licitação, foram chamadas 30 empresas nenhuma delas é brasileira. Do total, nove companhias não mantêm sequer um escritório no Brasil. Por enquanto, a Petrobras não divulgou a lista completa de corporações convidadas. A empresa esco-

lhida irá substituir a fornecedora Queiroz Galvão, que abandonou o projeto por estar envolvida na Operação Lava Jato. Questionado sobre a convocação de apenas empresas internacionais, o presidente da Petrobras Pedro Parente afirmou não considerar como estrangeiras as companhias que possuem sede no Brasil. “Se ela está produzindo no nosso país, se está empregando brasileiros, gerando renda aqui, essas empresas não são estrangeiras”, alegou. Perguntado sobre o destino do lucro das corporações, se será

Ano começa com reajustes menores P or resolução do presidente não eleito Michel Temer, o novo reajuste do salário mínimo é agora R$ 8,80 menor do que a Lei Orçamentária Anual previa. A remuneração passou de R$ 880 para R$ 937. A proposta enviada ao Congresso em outubro de 2016 estipulava a quantia de R$ 945,80. Segundo comunicado do Ministério do Planejamento, a diminuição teria sido necessária porque a inflação registrada no ano passado foi menor do que a estimada. Já a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) considera um erro a redução do valor em uma situação de crise financeira e queda do Produto Interno Bruto (PIB). “Neste cenário, o salário mínimo tinha que ter tido aumento real ou acima da variação

do PIB. Não tem justificativa baixar, nós precisamos injetar dinheiro na economia e não recuar”, afirmou. Professores prejudicados O Ministério da Educação (MEC) anunciou, nessa quinta (12), que o reajuste do piso salarial dos professores em 2017 será de 7,64%. A mudança faz com que o valor passe de R$ 2.135,64 para 2.298,80, e começa a valer a partir deste mês. Assim como o reajuste do salário mínimo, o aumento destinado aos docentes também é menor do que o do ano passado, que chegou a 11,36% - apenas 0,69% acima da inflação. Esse é o menor crescimento do salário dos profissionais da área desde 2009.

investido nos países de origem ou permanecerá em solo nacional, Parente declarou que “isso é uma questão de política interna de cada companhia”. A Associação de Engenheiros da Petrobrás (Aepet) criticou o modelo de contratação em carta destinada à administração e di-

Reprodução/ Petrobras

Da redação

retoria da petroleira. Segundo a instituição, ele privilegiaria apenas fornecedores de grande porte, e deveria ser realiza-

do em forma de vários editais para que empresas médias também pudessem participar.

Anúncio

Sinpro Minas repudia demissões de professores do setor privado A diretoria do Sinpro Minas manifesta repúdio às recentes demissões de professores do setor privado de ensino em Belo Horizonte e demais cidades do estado. Com viés mercantilista, as demissões se somam a outras recorrentes práticas dos donos de escolas cujo claro objetivo é aumentar a já rentável margem de lucro do setor, entre elas a substituição de trabalhadores por outros com menores salários, o ensalamento, a redução de turnos e a extinção de cursos. Mais uma vez, os gestores da educação privada buscam resolver os problemas gerados pela má administração financeira por meio da redução dos custos da mão de obra, o que resulta em mais sobrecarga de trabalho para os professores e desvalorização profissional. Não há dúvidas de que, frente a uma conjuntura instável, costumeira no sistema capitalista, o setor privado de ensino, um dos mais rentáveis da economia, concentra mais uma vez seus esforços em precarizar as condições de vida e trabalho dos professores, em detrimento da saúde e valorização daqueles que de fato constroem a educação no país. Diante do cenário atual, e por defender um modelo educacional voltado para o desenvolvimento e a soberania nacional, em que a educação não seja tratada como mercadoria, o Sinpro Minas reitera o repúdio às demissões de professores e reafirma que não vai medir esforços para defender os direitos dos professores do setor privado de ensino de Minas Gerais.

f y sinprominas Filiado à Fitee, Contee e CTB www.sinprominas.org.br


Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

BRASIL

9

Crise brasileira vai piorar em 2017 PERSPECTIVAS Desemprego, aumento da pobreza e corte de direitos devem agravar condições de vida da população Lula Marques

Pedro Rafael Vilela De Brasília (DF) Lula Marquers / AGPT

L

onge do fim. Esse é um resumo da perspectiva para a crise econômica brasileira neste ano que apenas se inicia. A “promessa” de que, após a derrubada do governo Dilma, a situação do país iria melhorar não passou de palavras ao vento por parte dos setores que apoiaram o impeachment. As projeções mais recentes sobre crescimento da economia, do emprego e da renda apontam para a continuidade e até piora no quadro de recessão. Ao mesmo tempo, as medidas adotadas pelo governo Temer, além de não enfrentarem os problemas estruturais do país, vão agravar as condições de vida da população mais pobre e da classe média, além de rebaixar a qualidade de serviços públicos essenciais, como saúde e educação, que já sofrem historicamente com investimentos insuficientes. A reportagem do Brasil de Fato levantou alguns dos principais indicadores econômicos divulgados recentemente e que ajudam a compor o quadro de perspectivas para 2017. Crescimento econômico quase nulo, desemprego, aumento da pobreza e cortes de direitos estão entre os sintomas mais dramáticos desse cenário. Desemprego O número de desempregados aumentou em mais de 2 milhões de pessoas ao longo de 2016, atingindo a marca de 12 milhões de brasileiros sem trabalho. Para 2017, a expectativa é que a situação piore. Dos atuais 11,8% de desempre-

gados, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as projeções dos agentes econômicos indicam que o ano vai terminar com 12,7% ou até 13% da população fora do mercado de trabalho. Economia estagnada O Brasil amarga dois anos consecutivos de queda acentuada do Produto Interno Bruto (PIB), que é o indicador de crescimento da economia. Em 2015, foi 3,8% e em 2016, as projeções indicam algo em torno de 3,5%, situação que beira uma verdadeira depressão econômica. Para 2017, as expectativas já foram revisadas pelo menos dez vezes pelos agentes econômicos, sempre para baixo. Agora, estipula-se que o país voltará a crescer, no máximo, 0,5%, uma situação de estagnação econômica. Isso

se os cenários nacional e internacional não influenciarem negativamente a economia. Internamente, a crise política pode piorar com a revelação das delações premiadas de executivos da Odebrecht, o que poderia resultar na disparada do dólar, com graves consequências para a retomada da atividade econômica. Externamente, a chegada de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos ainda causa apreensão. As medidas econômicas do bilionário podem forçar o Banco Central norte-americano a aumentar a taxa de juros, o que também acarretará uma fuga de dólares do Brasil, prejudicando os investimentos. Cortes e investimentos Até agora, as principais respostas do governo Te-

mer para a crise foram a aprovação da PEC 55, que congela os gastos públicos por 20 anos, e a tentativa de aprovar a reforma da previdência. As duas medidas, na opinião de economistas, têm pouco efeito para diminuir o déficit fiscal no curto prazo e ainda pioram as condições de vida da população que depende dos serviços públicos. Por outro lado, segundo a professora Laura Carvalho, do Departamento de Economia da Universidade de São Paulo (USP), o governo se recusa a enfrentar o grave problema da isenção de impostos sobre lucros e dividendos, que beneficia acionistas de grandes empresas. Só esta medida faz com que o Brasil deixe de arrecadas mais de R$ 40 bilhões por ano.

Aumento da pobreza Outro dado preocupante é o aumento da extrema pobreza no país, que não ocorria desde 2009, segundo dados do IBGE. A quantidade de famílias com rendimento inferior a 25% do salário mínimo subiu, em 2015, de 8% para 9,2%. O aumento de famílias em extrema pobreza só não foi maior por conta de pensões e benefícios do INSS, que tem aumentos atrelados ao salário mínimo, e aos programas sociais de transferência de renda. Porém, essas conquistas estão ameaçadas pela reforma da Previdência, que deverá acabar com a vinculação entre salário mínimo e benefícios, além de reduzir o número de pessoas atendidas. Ao mesmo tempo, os cortes de programas sociais também vão atingir a população mais pobre, que depende dessas iniciativas até mesmo para não passar fome.


10 10

MUNDO

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Venezuela sofre mais uma tentativa de golpe parlamentar AMÉRICA LATINA Declaração do legislativo de que o presidente Maduro havia abandonado o cargo foi anulada pela Justiça Reprodução

Rafael Tatemoto

A

pós mais uma ameaça de golpe da oposição do governo da Venezuela na segunda (9), “a situação tende a se estabilizar”, segundo análise de Gilberto Maringoni, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC). A Assembleia Nacional venezuelana, controlada pela oposição, declarou que o presidente Nicolás Maduro havia abandonado o cargo, defendendo que ele não estaria cumprindo suas obrigações constitucionais como presidente. A decisão foi aprovada com 106 votos a favor, todos de opositores de Madu-

ro. A bancada de sustentação do governo, de 55 parlamentares, retirou-se do plenário. O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), porém, posicionou-

se imediatamente contrário à decisão, anulando o posicionamento do parlamento. “Não tem como [alegar abandono do cargo], então

eles forçaram a realidade. A Suprema Corte já disse que isso é ilegal, não há nenhum indicativo de abandono. Faz parte de uma tentativa de eles criarem um factoide, não tem

duras, Paraguai e Brasil. Esse golpe, por essa via, não se viabilizou. Dizer que ele abandonou o cargo é forçar a realidade. Essa ação fracassou, por enquanto. É o último recurso no plano legal”, explica.

Histórico A declaração da oposição, e sua posterior anulação, é Justiça mais um capítulo na disputa considera que entre os poderes na Venezueo Legislativo la. Desde agosto de 2016, a vem atuando em Justiça considera que o Legislativo vem atuando “em desa“desacato” às cato” às instituições, por reainstituições lizar sessões com a presença de três parlamentares que nenhuma possibilidade”, diz tiveram seus mandatos susMaringoni. “Tentou-se repro- pensos por suspeitas de frauduzir na Venezuela, com a le- de nas eleições. gislação, os golpes em Hon-

NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA! DIZER QUE HÁ ROMBO NAS CONTAS DA PREVIDÊNCIA É MENTIRA! A REFORMA DA PREVIDÊNCIA É UM RETROCESSO SOCIAL: VAI ENRIQUECER OS PRIVILEGIADOS E EMPOBRECER OS MAIS CARENTES!

DIGA NÃO À PEC 287/2016!

Anúncio


Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

ENTREVISTA

11 11

“Pobres e negros são as principais vítimas do sistema prisional”, afirma estudioso VIOLÊNCIA Percentual de aprisionados no país cresce 15 vezes mais que a população Arquivo pessoal

Wallace Oliveira

A

população carcerária no Brasil já ultrapassou 600 mil pessoas. A cada dia, um preso é assassinado. Só em 2016, foram mais de 370 mortes violentas nesses estabelecimentos, segundo dados públicos. Nos últimos dias, no Amazonas e Roraima, o país presenciou o maior massacre em unidades prisionais desde a chacina do Carandiru. Entretanto, governos, meios de comunicação e a maioria da população insistem em apontar como solução medidas que, aplicadas ao longo de décadas, já se mostraram fracassadas: aumento das prisões, punições e da violência promovida pelo Estado, em um modelo que atinge seletivamente os mais pobres, negros e jovens de periferia. Para discutir esse assunto, o Brasil de Fato MG con-

Pobres, negros e jovens de periferia são principais vítimas” versou com o cientista social Robson Sávio, coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas e associado pleno do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasil de Fato MG – O que se pode dizer sobre os presídios em funcionamento em Minas Gerais atualmente? Robson Sávio – A população carcerária cresce absurdamente no Brasil. Entre 2005 e 2012, esse aumento foi de 74%, enquanto a população brasileira cresceu apenas 5,3% no mesmo perío-

do, segundo o IBGE. Em Minas Gerais, o número de presos foi multiplicado por sete: cresceu 624% nesse período. Hoje, o estado tem quase 70 mil presos, sendo que mais de 40% sequer têm uma sentença definitiva (os chamados presos provisórios). A superlotação do sistema prisional de Minas é da ordem de 111%. Ademais, temos problemas estruturais, como a questão da qualificação dos agentes prisionais. Com exceção dos presos que estão abrigados nas Associações de Proteção e Assistência ao Condenado, as Apacs, a situação do sistema tradicional reproduz o caos do sistema prisional brasileiro. Nessas condições, com vínculos familiares e sociais rompidos, entregues às facções que comandam as prisões, não há que se falar em “recuperação”. As taxas de reincidência criminal no país chegam a 80% e Minas não foge à regra. O primeiro presídio privado do país, gerido por Parceria Público-Privada (PPP), está em Ribeirão das Neves (MG). O modelo foi anunciado pelo governo tucano como forma de se promover a segurança, eficiência e uma condição digna para os detentos. Justificativas semelhantes aparecem no PLS 513/2011, projeto de lei sobre a contratação PPP para construir e gerir estabelecimentos penais no país. Como você vê esse modelo? O presídio administrado por PPP em Neves tem a função de ser uma espécie de fotografia bonita para justificar a sanha privatista que ronda o sistema prisional mineiro e brasileiro. Nele, não há superlotação; os presos são seleti-

Quando se discute o combate à criminalidade no Brasil, por que tantas pessoas preferem vingança e punição e não a reeducação? Temos uma cultura punitiva, que começa dentro de casa, espraia-se nas relações interpessoais e sociais, passa pela educação formal e ratifica a crença segundo a qual a punição é melhor que a prevenção, a negociação, a mediação de conflitos, etc. Ademais, nosso modelo educacional não educa para a solidariedade, responsabilidade, cidadania. É cada um por si e Deus por todos. Quem entra, então, para o sistema de justiça criminal? O primeiro critério de entrada é a renda; o segundo, a etnia e o terceiro o acesso à Justiça. Assim, pobres, negros e jovens da periferia sem advogados são as

Robson Sávio: “Temos uma cultura segundo a qual a punição é melhor que a prevenção, a negociação, a mediação de conflitos”

vamente escolhidos porque têm que trabalhar. Há condições para o exercício laboral, assistência médica, jurídica e social. Ora, se essas mes-

Presídios privados têm custo mais alto que tradicional” mas condições, determinadas pela Lei de Execução Penal (e não cumpridas pelo Estado), fossem implementadas nas prisões do sistema tradicional, não teríamos esses locais transformados em quartéis-generais do crime organizado. Ademais, os presos

do presídio privado de Neves são monitorados por sistemas eletrônicos dos mais modernos; tudo para controlar a unidade prisional e evitar fugas e rebeliões. E o custo é muito mais alto do que no sistema tradicional. Como temos uma expansão da indústria do preso com o adensamento da massa carcerária e muitos homens de bens e empresas ganham com isso (inclusive com o caos e o descontrole estatal do sistema) -, os presídios privados estão se transformando num novo filão para o ganho de capitalistas que só pensam em dinheiro, nunca nas pessoas. A carnificina de Manaus prova que prisões terceirizadas tendem a complicar ainda mais a questão prisional.

Nosso modelo educacional não educa para a solidariedade” principais vítimas desse sistema. Quem tem bons advogados, é branco, classe média, serve-se dessa legislação propositalmente confusa e com inúmeros recursos e conseguirá, na maioria das vezes, se livrar das armadilhas do sistema de punição e vingança social, concretizado no sistema prisional.

LEIA A ENTREVISTA COMPLETA NO SITE: BRASILDEFATO.COM.BR


12 12 VARIEDADES

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Amiga da Saúde

Nossos direitos Receber hora extra é direito do trabalhador

A jornada máxima de trabalho é de oito horas por dia e 44 por semana, e, quando se trabalha mais, o patrão deve pagar adicional de horas extras (no mínimo 50% a mais em relação ao valor da hora normal). No entanto, na época do governo FHC, do PSDB, houve uma mudança na legislação que prejudicou os trabalhadores. O empregador passou a ter a alternativa de, em vez de pagar as horas extras, compensá-las com folgas por meio de banco de horas. Esse acordo é definido em negociação coletiva. De acordo com a lei, não se pode ultrapassar o limite máximo de dez horas diárias, e essas horas extras

devem ser compensadas em folgas no período máximo de um ano. Se a jornada semanal for maior do que o limite de 44 horas, considera-se toda hora adicional à oitava diária como hora extra, e ela deve ser obrigatoriamente paga. As empresas têm aproveitado essa mudança estendendo indevidamente a jornada sem dar acesso ao “crédito de horas”. Nesse caso, o trabalhador deve reivindicar acesso ao controle do banco de horas. Se o empregador não pagar, ou as contas não corresponderem à realidade, você deve acionar o sindicato, o Ministério Público do Trabalho ou procurar um advogado.

ThiagoSozzi Gonçalves é servidor federal. de Advogados Populares – RENAP. Adília é advogada dapúblico Rede Nacional

Amiga da saúde, fiquei sabendo que tem surto de febre amarela em Minas Gerais. Essa doença é muito grave? Quais os sintomas? Simone Gomes, 28 anos, contadora. Cara Simone, há sim um surto de febre amarela no nosso estado. Ela é uma doença grave porque sua taxa de mortalidade é muito alta, chegando a 46% nos últimos anos. É transmitida pelo Aedes Aegypti (o mosquito da dengue) nas áreas urbanas. Os sintomas são febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três

dias. Alguns casos evoluem para a forma mais grave da doença, quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A melhor prevenção é a vacina, que está disponível no SUS. São necessárias duas doses para adquirir imunidade. As medidas de combate ao mosquito também são importantes.

Sofia Barbosa I Coren MG 159621-Enf. Aqui você pode perguntar o que quiser para a nossa Amiga da Saúde Mande sua dúvida: amigadasaude@brasildefato.com.br

Anúncio


Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

13 VARIEDADES 13

www.malvados.com.br

Dicas Mastigadas Chutney de Manga Reprodução

Preencha os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. Os algarismos não podem se repetir nas linhas verticais e horizontais, nem nos quadrados menores (3x3). www.coquetel.com.br

© Revistas COQUETEL

5

3

9

3

4

1

3

7 4

7

3

8

1

9

6

2

6

1

4

5

6

4 7

9 1 9 5 3 8 7 2 6 4

5 6 8 2 4 9 1 3 7

9 4 2 7 1 3 6 5 8

3 7 1 5 6 8 4 2 9

8 3 9 1 5 6 7 4 2

2 1 7 8 3 4 5 9 6

4 5 6 9 7 2 3 8 1

Solução

6001243

7 2 4 6 9 5 8 1 3

1

7

6 8 3 4 2 1 9 7 5

4

8

Ingredientes: • 3 mangas grandes (de preferência rosa, mas pode ser espada também) • 1/2 copo de vinagre de vinho branco • 2 colheres de sopa de curry • 1 cebola pequena • 1 dente de alho • 1 colher de sopa de gengibre ralado • 1 colher de chá de sal • Cravo a gosto • Água

Modo de fazer Corte as mangas, a cebola e o alho em pedaços bem pequenos. Misture tudo em uma panela com tampa e ferva. Mantenha uma chaleira de água quente ao lado. Vá adicionando água e mexendo aos poucos, para manter uma consistência cremosa e não grudar no fundo. Cozinhe por 40 minutos em fogo bem baixo, sempre adicionando água quando necessário. Ao final, guarde em potes de vidro esterilizados. O chutney dura 1 mês em geladeira.

Participe enviando sugestões para receita@brasildefato.com.br.


CULTURA

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Foliões comemoram título de patrimônio da Folia de Reis

Ensaio para o Carnaval Raphael Calixto

14

VITÓRIA A partir do reconhecimento, tradição ganha mais atenção e incentivo Fora do Eixo

A casa de shows Granfinos (Av. Brasil, 326 - Sta. Efigênia) já iniciou os preparativos para o Carnaval. Até a festa chegar, os bloquinhos de rua ensaiam no local com entrada a R$ 5. As apresentações acontecem aos domingos, sempre às 17h. No dia 15 de janeiro, quem toma o palco é o bloco Us Bethoven. Nas semanas seguintes, os shows serão dos grupos Corte Devassa, Roda de Timbau, Seu Vizinho e Angola Janga. Para visualizar a agenda completa, acesse: www.facebook.com/granfinosbh.

Divulgação

Primeiro encontro das profissionais da imagem em BH

Raíssa Lopes

C

om registro de existência há mais de 300 anos, a Folia de Reis foi reconhecida, no fim da última semana, como patrimônio imaterial do estado. O título é resultado de uma pesquisa de um ano e meio do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), que catalogou 1.255 grupos de foliões. A estimativa é de 4 mil comunidades que mantêm a tradição viva em todas as regiões mineiras. Em Minas, esta é a primeira titulação de patrimônio imaterial de uma manifestação que abrange o estado inteiro. As cidades com maior incidência da prática são Uberaba, no Triângulo, que tem 106 grupos cadastrados, e João Pinheiro, no noroeste do estado, com 34. De acordo com a presidenta do Iepha, Michele Arroyo, a partir desse reconhecimento podem ser iniciadas medidas para garan-

tir a preservação e manutenção do costume, como a inclusão dos grupos em políticas públicas e custeio de instrumentos musicais e vestimentas típicas. “É uma vitória. Temos que incentivar a cultura popular, ela está viva e merece atenção”, avalia. História Pela pesquisa, é possível afirmar que pelo menos desde o século 18 a festa já era difundida e passada de pai para filho. “Estimase que a manifestação é de origem portuguesa e espanhola. Desde sempre ela teve esse caráter de socialização, de fazer a comunidade se conhecer e se integrar nas áreas rurais do interior”, acrescenta Michele. O senhor Beatriz de Oliveira, mais conhecido como “Ti” Bia, é a prova viva disso. Ele tem 75 anos e desde os 15 participa do grupo de Folia de Reis da comunidade de Paraguai, no município de Porteiri-

nha, região norte de Minas Gerais. Ele conheceu a tradição com o seu avô e agora ensina os cânticos ao seu neto, de 22 anos. Hoje, ele comemora o título de patrimônio imaterial. “A Folia é uma coisa que traz alegria não só pra mim, mas pra vida dos outros, faz o povo ficar satisfeito. E a felicidade é uma coisa que funciona não só de cá pra lá, ela só vai se também vier de volta”, comenta.

Acontece na sexta (13), o primeiro encontro de mulheres profissionais da imagem em Belo Horizonte. A atividade é gratuita e ocorre simultaneamente em mais de dez cidades brasileiras. Além de integrar fotógrafas, designers, desenhistas e demais trabalhadoras da área, o evento busca construir a Associação Brasileira das Mulheres da Imagem. Será às 19h30, no Sindicato dos Jornalistas (Av. Álvares Cabral, n° 400, Centro)

Anúncio

Servidor público municipal de Belo Horizonte, fortaleça o seu sindicato! Conheça os canais de comunicação do Sindibel:

SINDIBEL Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte

www.sindibel.com.br facebook.com/sindibel (31) 3272-9865


Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

na geral

Seleção de paratletismo tem três mineiras Fernando Frazão/Agencia Brasil

ESPORTES

15 15

Renato Carvalho/EEFFTO

Joanna Maranhão treina na UFMG

A

nadadora e recordista sul-americana dos 100m medley, Joanna Maranhão, iniciou uma série de treinos no Centro de Treinamento Esportivo da UFMG (CTE), em Belo Horizonte. O objetivo é preparar-se para as seletivas do Mundial Masters 2017, que acontecerão em abril. Na temporada de 2016, a atleta, que compete pelo Pinheiros/ SP, obteve o melhor rendimento do país, liderando oito rankings em piscina longa ou curta. (Com informações da EEFFTO)

Bernardinho deixa a seleção

Fernando Frazão/Agencia Brasil

Curto e Grosso Cotas aqui e noutros estados Reprodução de Video

O

Reprodução

Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) anunciou os convocados para a Seleção de Atletismo 2017, com três atletas mineiros estão na lista: a belo-horizontina Izabela Campos, do lançamento de disco, o uberlandense Rodrigo Parreira, do salto em distância, e a betinense Terezinha Guilhermina, da corrida. Os critérios para a seleção dos atletas foram: ser medalhista em provas individuais nos Jogos Paralímpicos ou estar entre os três principais no ranking mundial. (Com informações do CPB)

A

Confederação Brasileira de Voleibol anunciou, na quarta (11), que Bernardinho não treinará mais a seleção masculina. A decisão foi tomada pelo treinador a pedido de sua família. Bernardinho, que também comanda a equipe feminina do Rio de janeiro, seguirá como consultor da seleção. Em 16 anos treinando o time do brasil, Bernardinho tornou-se um dos técnicos mais vitoriosos da história do esporte. Ele conquistou 28 grandes títulos, dois quais dois foram ouros olímpicos (2004 e 2016). O substituto é o ex-jogador Renan dal Zotto.

Você Sabia? A partida de voleibol mais demorada da história ocorreu em 1976, durante os Jogos Olímpicos de Montreal, no Canadá. O jogo, que valia pela decisão da Olimpíada, foi disputado entre União Soviética e Polônia e durou 4 horas e 36 minutos. A Polônia acabou levando a melhor no tie break. A TV brasileira, que tinha disponibilidade de satélite restrita, teve que interromper a transmissão quando o confronto ainda estava empatado em 2 a 2. Os brasileiros souberam o resultado no dia seguinte.

Diego Silveira Estão definidas as cotas de TV para as temporadas de 2017 a 2021 do Campeonato Mineiro. O contrato é referente ao direito de transmissão nas TVs aberta, fechada e no Pay-Per-View. A soma não atingiu a pedida dos clubes, mas os R$ 36 milhões pagos pela Rede Globo este ano agradaram. O valor é 56% maior que o do contrato anterior. Em 2017, Atlético e Cruzeiro receberão cerca de R$ 12 milhões, cada, e o América, R$ 2,8 milhões. Vamos comparar: no Paulistão, cada um dos 4 grandes de São Paulo receberá R$ 17 milhões. Já em Pernambuco, Sport, Santa Cruz e Náutico embolsarão R$ 950 mil cada – três vezes menos que o América! Tirando o Coelho, as cotas para o Brasileirão têm diferenças proporcionalmente semelhantes entre os clubes. Com base nesses números, entende-se porque os títulos se concentram num punhado de clubes e porque zebra é zebra.

Você tem críticas, sugestões ou perguntas a fazer? Escreva para nós

esportemg@brasildefato.com.br


16

Belo Horizonte, 13 a 19 de Janeiro de 2017

Torcidas pedem justiça pela morte de Eros Dátilo Sábado (14), às 14 horas, torcedores realizam um ato na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), pedindo justiça pela morte de Eros Dátilo, da torcida cruzeirense Pavilhão Independente. Ele faleceu em confronto com seguranças da empresa Prosegur, no Mineirão, na noite de 26 de outubro, durante jogo entre Cruzeiro e Grêmio. O inquérito policial apontou como causa da morte um infarto causado por choque elétrico, encerrando as investigações sem indiciar ningu ém. Porém, um laudo do Hospital Odilon

ESPORTES

16

DECLARAÇÃO DA SEMANA Reprodução

Arquivo Pessoal

Behrens, onde o Eros foi socorrido, afirma que ele teve vários ferimentos graves pelo corpo. A Comissão de Direitos Humanos da OAB pediu a reabertura do inquérito. Mais informações: migre.me/vRGFr.

Meu convite é que não venham ao teatro, mas venham jogar conosco em campo. José Mourinho, técnico do Manchester United, cobrando apoio da torcida. A crítica veio após a partida contra o Hull City, quando torcedores ficaram calados na maior parte do tempo.

Gol de placa O ciclista Pedro Pussieldi, de Florestal (MG), é o líder do ranking Boys 15 da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC). O jovem de 15 anos, que compete no ciclismo BMX, é beneficiário do programa Bolsa Atleta Minas Olímpica, do governo estadual.

Gol contra O Maracanã está jogado às traças. Após o governo do Rio gastar R$ 1,3 bilhão para refazer o estádio para a Copa, o gigante agora está fechado e sem energia elétrica. A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro informou que tem recebido denúncias de furtos dentro do estádio.

Decacampeão

É Galo doido!

La Bestia Negra

Bráulio Siffert

Rogério Hilário

Leo Calixto

A preparação do América para a temporada aponta erros e acertos da diretoria. Diferentemente dos anos anteriores, quando foi contratado praticamente um elenco inteiro de barcas furadas, neste ano, a diretoria corretamente fez apostas pontuDecacampeão ais, contratando apenas 11 reforços. Gerson Magrão, Jataí, Hugo Almeida e Marion são os destaques. Outro acerto é a composição do elenco com 13 atletas da base. De erros, as contratações de atletas sub-23 encostados em outras equipes, a não realização de jogos amistosos e, principalmente, o planejamento restrito ao Campeonato Mineiro e, quando muito, a 2017. O planejamento ideal deveria ser feito pensando na Série A de 2018.

No período de férias, as notícias foram pouco animadoras para os atleticanos. A mídia esportiva fez certo esforço para incensar as contratações do zagueiro Felipe Santana e do polivalente Danilo. Neste ínterim, saíram Leandro Donizete e JúGaloPratto doido! nior Urso. EÉLucas está no corredor. Daí surgiram negociações para trazer Marlone, especulações sobre Arouca e Gabriel, do Palmeiras. E quem surge como salvação: Roger Bernardo, atualmente no Ingolstadt, da Alemanha. Nunca vi e nem ouvi falar dele. Roger Machado vai ter um bocado de trabalho. São competições aos montes e algumas duram o ano inteiro. Queria saber qual foi o gênio que criou um calendário tão maluco.

E foi dada a largada para a temporada 2017. As contratações feitas até agora foram pontuais, no intuito de dar alternativas na variação de jogo para Mano Menezes. Em 2017, o Maior de Minas voltará a disputar uma competição internacional La dos Bestia Negra temos e, ao contrário anos anteriores, um elenco com potencial para assombrar o continente. Assim, o último ano da gestão de Gilvan promete ser com disputa de títulos, ótima despedida para o controverso dirigente. O papel mais importante dentro do processo de transição das diretorias e disputa das competições é da China Azul. É hora de nos posicionarmos ativamente na construção de um Cruzeiro mais acessível para a torcida.


Edição 168 do Brasil de Fato MG