Page 1

Foca Lisboa

Serviços ofertados pela UFMG estão ameaçados Veterinário, dentista e uma série de serviços gratuitos podem ser cancelados. Motivo é o corte de verbas imposto pelo governo Bolsonaro

MG Minas Gerais

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019 • edição 301 • brasildefato.com.br • distribuição gratuita

ARGENTINA, MODELO PARA BOLSONARO, PRODUZ SEIS POBRES POR MINUTO Juan Mabromata / AFP

Presos suspeitos de matar Mariele Foram detidos ex-PM, sua esposa e cunhado. Submetralhadora usada no crime foi jogada no mar BRASIL 6

Em um ano, 3 milhões e 250 mil argentinos caíram da classe média para a classe baixa com as políticas de Mauricio Macri. I MUNDO 12

A mais rápida do mundo

INSS fecha agência

Pouco depois de se tornar mãe, a corredora Allyson Felix ultrapassou Bolt em número de títulos mundiais

Moradores de Venda Nova, em BH, vão ter que buscar atendimento no Centro. Governo quer privatizar instituto

ESPORTE 15

CIDADES 4


2

OPINIÃO

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

Opinião

Zema bate continência para Bolsonaro

ESPAÇO DOS LEITORES “É válido, mas é triste, não vai trazer a menina cheia de vida de volta. São tristes todas e quaisquer outras mortes violentas, brutais, torturas...” Dorotea Gonçalves sobre a notícia do “Ato cortejo ´Nós combinamos de não morrer´” “Doida para ter aqui na minha região. Por enquanto separo os recicláveis e levo pra Asmare” Ângela Spesiali Aroeira sobre a matéria “Coleta seletiva de BH é assumida por organizações de catadores” “Importante trabalho dos auditores do extinto Ministério do Trabalho” Alessandra Mello “Não foi acidente, já que se sabia do risco. Só vale o Capital!” Angela Rocha Ambas sobre a matéria “Por duas vezes Vale ignorou plano de emergência que poderia ter evitado a morte de 270 pessoas”

Escreva pra gente também: redacaomg@brasildefato.com.br ou em facebook.com/brasildefatomg

O presidente Jair Bolsonaro já deixou claro que não gosta de educação. Em todos os sentidos. Além de ser despreparado para viver com civilidade – um tipo grosseiro e mal-educado –, tem se notabilizado por perseguir o setor de todas as formas. Inclusive na escolha dos piores auxiliares. O atual ministro, Abraham Weintraub, é um homem ressentido com sua limitação intelectual, que ataca professores e alunos como se fossem inimigos. Os golpes desferidos contra o setor foram muitos e sem interrupção, de cortes de verbas à perseguição da liberdade de cátedra. O presidente ofende a obra de Paulo Freire, que ele nunca leu (embora o mundo tenha

Future-se entrega a educação pública aos interesses do mercado lido e admirado). As universidades são consideradas território de balbúrdia, a filosofia e a sociologia são tomadas como ideologias perigosas. A pesquisa científica não atende aos interesses do país e, por isso, deve ter recursos limitados e bolsas extintas. Numa agenda sempre negativa e destrutiva, a educação sob a administração atual ofereceu apenas dois projetos: o Future-se e o Programa das Escolas Cívico-Militares, duas aberrações em matéria de políticas públicas, democracia e valores pedagógicos. No primeiro caso, volta-

O jornal Brasil de Fato circula com edições regionais na Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais em nosso país e no nosso estado.

do para a destruição da universidade pública gratuita; no segundo, à transformação da educação dos jovens em processo militarizado de obediência e disciplina.

Escolas Cívico-Militares herdam o pior da herança militar: o autoritarismo Do Future-se, o que parece ter ficado claro pela recusa quase unânime, veio a constatação de que o projeto entrega a educação pública superior aos interesses do mercado. Não é uma proposta, mas uma linha de financiamento para os interessados em tomar o setor de assalto. Troca a educação por treinamento e pesquisa por desenvolvimento de produtos. As escolas cívico-militares são ainda mais perniciosas. Trata-se de um projeto-piloto, para apenas 54 escolas na primeira etapa (num universo de 140 mil!), chegando a 216 ao final do governo. Chegam a oferecer recursos em troca de jogar os colégios nas mãos de militares da reserva. O projeto oferecido a estados e municípios ficou com o pior da herança militar: o autoritarismo. Minas Gerais, entre os estados do Sudeste, foi o único que aderiu ao projeto na primeira etapa. Não é um acaso. Durante a campanha, Romeu Zema já havia defendido a aliança da educação com os militares. Não deixa de ser significativo que o único governador do Novo corra para atender ao clarim da banda militar.

PÁGINA: www.brasildefatomg.com.br CORREIO: redacaomg@brasildefato.com.br PARA ANUNCIAR: publicidademg@brasildefato.com.br TELEFONES: (31) 3309 3314 / (31) 3213 3983

conselho editorial minas gerais: Aruanã Leonne, Beatriz Cerqueira, Bernadete Esperança, Bruno Abreu Gomes, Ênio Bohnenberger, Frederico Santana Rick, Helberth Ávila de Souza, Jairo Nogueira Filho, Joana Tavares, João Paulo Cunha, Joceli Andrioli, Jô Moraes, José Guilherme Castro, José Luiz Quadros, Juarez Guimarães, Laísa Campos, Marcelo Almeida, Makota Celinha, Maria Júlia Gomes de Andrade, Milton Bicalho, Neila Batista, Nilmário Miranda, Padre Henrique Moura, Padre João, Pereira da Viola, Renan Santos, Rogério Correia, Rosângela Gomes da Costa, Robson Sávio, Samuel da Silva, Talles Lopes, Titane, Valquíria Assis, Wagner Xavier. Editora: Joana Tavares (Mtb 10140/MG). Redação: Amélia Gomes, Larissa Costa, Rafaella Dotta, Raíssa Lopes e Wallace Oliveira. Colaboradores: Anna Carolina Azevedo, André Fidusi, Bráulio Siffert, Diego Silveira, Fabrício Farias, Izabela Xavier, João Paulo Cunha, Jonathan Hassen, Jordânia Souza, Pedro Rafael Vilela, Renan Santos, Rogério Hilário e Sofia Barbosa. Revisão: Luciana Gonçalves. Administração e distribuição: Paulo Antônio Romano de Mello e Vinícius Moreno Nolasco. Diagramação: Tiago de Macedo Rodrigues. Tiragem: 40 mil exemplares. Razão social: Associação Henfil Educação e Comunicação


? PERGUNTA DA SEMANA

Inicialmente, o Dia das Crianças no Brasil acontecia em 5 de novembro. A comemoração surgiu em 1920. Mais tarde, na década de 1950, a comemoração foi transferida para 12 de outubro e adotada em todo o mundo depois que a fábrica de brinquedos Estrela, em parceria com a Johnson & Johnson, lançou a Semana do Bebê Robusto. O objetivo era vender mais brinquedos.

O Brasil de Fato foi às ruas perguntar: se pudesse voltar a ser criança, o que você faria?

“Se eu pudesse voltar sabendo tudo o que eu sei hoje, criaria um grêmio estudantil na minha escola. Eu estudava numa escola católica, e as crianças não tinham voz em assuntos cotidianos e nem nos temas gerais. Eu faria um barulho maior”.

“Eu brigaria menos com meu irmão, porque a gente teve muitas discussões na infância. E também comeria outras coisas, já que eu era uma criança chata para comer. Provaria, por exemplo, moranga, que hoje eu adoro, mas era fresca pra comer”.

Ariane Silva, jornalista

Carolina Garcia, assistente social

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

GERAL

3

Número da Semana 2458%

É a taxa de exploração de um trabalhador que produz o iPhone 11. Apenas uma parte pequena da sua jornada é dedicada ao valor correspondente a seu salário, o restante é para o lucro das empresas. Segundo o Instituto Tricontinental, a exploração é 25 vezes maior do que a dos trabalhadores têxteis da Inglaterra do século 19.

Mês das crianças

Mais de 70 atividades gratuitas vão acontecer em diversos pontos da capital mineira neste outubro. De 9 a 13, os teatros Francisco Nunes, Marília e Raul Belém recebem espetáculos teatrais na “Semana das Crianças”. Um deles será

Marco Aurélio Prates

a peça “João de Barros”, em homenagem ao poeta Manoel de Barros (foto). Os 17 centros culturais da cidade também contarão com oficinas, lançamentos de livros e muitas outras. Confira as agendas e horários em: tinyurl.com/y5h9vbws CPMemória

Declaração da Semana É com satisfação e orgulho patriótico que hoje sancionei o texto de lei que cria a Petrobras e constitui novo marco da nossa independência econômica Disse o então presidente Getúlio Vargas no dia 3 de outubro de 1953, em discurso na sanção da lei 2.004, que criou a estatal, como resultado da campanha “O petróleo é nosso”. Neste ano, protestos em todo o país denunciaram as tentativas de venda da empresa pelo governo neofascista de Jair Bolsonaro.


4

CIDADES

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

Agência do INSS de Venda Nova, em BH, será fechada no dia 18 de outubro SUCATEAMENTO Medida pode piorar o atendimento à população e causar transtornos para os servidores Pedro França / Agência Senado

Larissa Costa

A

medida, confirmada pela Superintendência Regional da autarquia, pode piorar o atendimento à população e causar transtornos na vida dos servidores públicos. Os trabalhadores podem ser transferidos para outras agências. Na capital, o INSS conta com as agências Padre Eustáquio, Calafate, Oeste, Floresta, Barreiro e Venda Nova. A agência Sul já foi fechada e seus funcionários realocados. A agência Santa Efigênia funciona parcialmente. Segundo João Locadora, presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) de Venda Nova. “o principal impacto é que todas as pessoas que usam hoje a agência vão ter que se deslocar para o Centro de BH”. INSS digital Em 2018, foi implantado em todas as agências

um novo modelo de atendimento, o INSS digital. O argumento usado pela instituição é a modernização do sistema para melhorar o atendimento. A partir da informatização, praticamente todos os serviços oferecidos passaram a exigir um agendamento eletrônico que, na opinião de uma servidora entrevistada - que não quis se identificar por medo de represálias - já dificultou o

acesso a um profissional que resolva o problema da pessoa. “Até chegar ao funcionário, é tudo muito mais complicado. O sistema tornou o atendimento muito mais impessoal”, critica. Para Cleuza Faustino, diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social, Saúde, Previdência, Trabalho e Assistência Social em Minas Gerais (Sints-

Governo está preparando o INSS para entregar para a iniciativa privada

aconteceu em 2015 e não repôs nem um terço dos servidores que eram necessários. Além disso, houve corte de materiais e contratação de estagiários que realizam funções que deviam ser de funcionários concursados.

prev-MG), a informatização está relacionada a um processo de sucateamento do INSS, que envolve a piora das condições de trabalho e do atendimento. Ela explica que o fechamento das agências acontece em nível nacional e usa como argumentos o número de servidores aposentados, o serviço digital e, mais recentemente, um novo modelo de trabalho em casa. “Isso tudo para esvaziar as agências. Independente disso, existe um novo projeto para a Previdência Social. O governo está preparando o INSS para entregar para a iniciativa privada”, denuncia. O último concurso

Ações No dia 21 de setembro, aconteceu uma audiência na Assembleia Legislativa de Minas Gerais para discutir o fechamento das agências. Dessa atividade, foi encaminhada uma nova audiência, ainda sem data agendada, com a presença do Superintendente Regional do INSS, Paulo Eduardo Cirino, e de organizações da sociedade civil. Na quinta (3), aconteceu uma reunião em Brasília para debater o tema. Segundo Locadora, o PT de Venda Nova vai ajuizar uma ação no Ministério Público Federal contra o fechamento da agência da região.

Eleições para Conselho Tutelar acontecem no domingo em todo o país DEMOCRACIA Eleitos terão a responsabilidade de garantir o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) Adão de Souza

da redação

O

ano de 2019 é de eleição para o Conselho Tutelar, que ocorre no dia 6, em todo o país. Instituídos legalmente pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), lei de 1990, um conselho tutelar é uma estrutura pública. Apesar de estarem vinculados ao Poder Executivo municipal, os conselheiros não são in- escolhidos pela população dicados politicamente, mas por meio de eleição.

“Por determinação legal, o Conselho Municipal da

Criança e do Adolescente é o responsável por acompanhar o desempenho dos conselhos tutelares”, explica Ana Farias, presidenta do Conselho Municipal da Defesa e promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente do Recife (Comdica). Os conselheiros têm a obrigação de atuar pela garantia do cumprimento do ECA no território em que foi eleito, protegendo crianças e adolescentes de violên-

cias, abusos e situações de exposição. Em BH, serão eleitos 45 conselheiros, cinco por regional. Ao todo, são 235 candidatos e 100 mil pessoas devem participar da votação, que será por urna eletrônica, das 8 às 17h. Podem votar pessoas com mais de 16 anos, com documento de identificação oficial com foto, título de eleitor e comprovante de residência. O resultado sairá até o dia 18 de outubro.


Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

MINAS

5

Licenças médicas de adoecidos da Lei 100 são prorrogadas REPARAÇÃO Cerca de 4 mil servidores do Estado, sob licença médica, seriam desligados em dezembro deste ano Tânia Rêgo /Agência Brasil

Rafaella Dotta

U

m Projeto de Lei Complementar aprovado nesta terça (1) dará um pouco mais de segurança a servidores públicos que estão requerendo aposentadoria por invalidez. O PLC, de autoria da deputada estadual Beatriz Cerqueira (PT), aumenta o prazo da licença médica de cerca de 4 mil pessoas que foram contratadas pela Lei 100. A princípio, a licença médica estava valendo até 31 de dezembro de 2019, mas com a aprovação do PLC, a licença passa a valer até 2022. O afastamento pode ser transformado em aposentadoria por invalidez se a junta médica assim opinar. A prorroga-

Adoecidos da Lei 100 reivindicam que Estado analise casos e libere aposentadorias

ção foi aprovada pela Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Entenda a Lei 100 A lei estadual, do governo Aécio Neves (PSDB), efetivou quase 100 mil servidores sem concurso público. Anos

depois, o Supremo Tribunal Federal considerou a medida inconstitucional, e os servidores foram demitidos em dezembro de 2015. Os servidores que estavam em licença médica conseguiram ser readmitidos, com prazo até dezembro de 2019. “Estamos dilatando o prazo porque o governo assumiu avaliar todos os adoecidos para fins de aposentadoria e não o fez ainda. É importante que haja uma legislação que ampare esses tra-

balhadores e que funcione como uma política de reparação”, argumentou a deputada Beatriz Cerqueira, autora do projeto. Audiência relata humilhações Os adoecidos da Lei 100 participaram de uma audiência pública também na terça (1), na ALMG, onde narraram diversas queixas. Eles reclamaram de humilhações feitas por peritos médicos do Estado, assim como suspensão de assistência médica, pessoas que morreram enquanto esperavam a aposentadoria, interrupções e atrasos de pagamentos. Eles reivindicam que o Estado analise todos os casos e libere as aposentadorias por invalidez.

Estudantes, professores e funcionários manifestaram por 48 horas em defesa da educação REAÇÃO Cortes de bolsas, de verbas, interferência nas universidades e projeto “Future-se” levaram milhares às ruas Ariane Silva

Da redação

N

esta semana, novos protestos aconteceram em defesa da educação. Estudantes, professores e funcionários foram às ruas nos dias 2 e 3 de outubro (quarta e quinta) para denunciar os prejuízos que instituições federais de ensino (IFEs) vão ter. O governo federal, sob ordens do presidente Jair Bolsonaro, já anunciou o corte de quase 12 mil bolsas de pesquisa e o contingenciamento de R$ 5,8 bilhões. As organizações que representam os estudantes,

a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Associação Nacional de Pós Gradua-

ção (ANPG), e a representante dos trabalhadores, Confederação Nacional de Tra-

balhadores em Educação (CNTE), comandaram os atos. Segundo levantamento da UNE, houve protestos em 29 cidades, sendo três em Minas Gerais: Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Bolsonaro usa “tapetão” As manifestações denunciam também que o governo federal está interferindo nas eleições para os reitores – espécies de diretores das universidades. Diversas universidades realizaram suas eleições, em que professores, funcionários e es-

tudantes votaram, porém, o governo federal nomeou os perdedores da eleição, que se alinham aos seus interesses. Por último, os manifestantes lutam também para derrubar o Projeto Future-se, que prevê a atuação de Organizações Sociais (OSs) na administração e no financiamento das universidades públicas. O que deixaria as universidades nas mãos de fundações e ONGs que se candidatarem. Até o momento, das 63 instituições federais de ensino no Brasil, 23 declararam publicamente a rejeição ao projeto.


6

CIDADES

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

Massacre de Ipatinga Presos quatro completa 56 anos suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle Franco O Cruzeiro /Memorial da ditadura

Fernando Frazão /Agência Brasil

POLÍTICA Entre eles estão a esposa e o cunhado de ex-PM apontado como assassino da vereadora e de seu motorista Da redação na execução de Marielle e Anderson. Detalhes da ina manhã da quinta-fei- vestigação apontam que a ra (3), a Polícia Civil e submetralhadora foi jogao Ministério Público do Rio da no mar da Barra da Tide Janeiro cumpriram cinco juca, zona Oeste do Rio, mandados de prisão contra em ação coordenada por suspeitos de envolvimento Elaine. A esposa de Ronnie no assassinato da vereado- também é a dona do aparra Marielle Franco e de seu tamento onde as armas esmotorista Anderson Gomes. tariam. Os alvos da operação são ligados ao sargento refor- Redes sociais Josinaldo Lucas Freitas, mado da PM Ronnie Lessa, apelidado de Djaca, ostenapontado como assassino ta fotos ao lado do presida vereadora e de Anderson. Durante a operação, cha- dente Jair Bolsonaro (PSL) mada “Submersus”, foram e de seu filho, o vereador detidos a esposa de Ronnie, do Rio, Carlos Bolsonaro Elaine de Figueiredo Les- (PSL). Ele também publisa, o irmão dela, Bruno Fi- cou fotos nas redes ao lado gueiredo, além de Josinal- do vereador Marcello Sicido Lucas Freitas e Márcio liano (PHS), que também Montavano. O quinto alvo já foi investigado no caso dos mandados foi o pró- Marielle. O lutador comenprio Ronnie Lessa, que já tou, na imagem, que o parestá preso no Rio Grande lamentar era o melhor vedo Norte. reador que já apoiara. JosiA operação tenta eluci- naldo é professor de artes dar o desaparecimento da marciais na zona Oeste da arma que teria sido usada cidade.

N

Em 7 de outubro de 1963, uma greve de operários da Usiminas, em Ipatinga, pedia que acabassem as humilhações nas revistas de entrada e saída do serviço, além de melhorias nas condições de trabalho. Cerca de 7 mil pessoas aguardavam o término de uma reunião para investigar as circunstâncias de um conflito na noite anterior. Antes do fim da negociação, um policial começou a atirar. Segundo os relatos, os disparos pareciam para o alto, mas pessoas começa-

ram a cair. Oficialmente, foram oito mortos. Entre eles uma criança de três meses que estava no colo da mãe. No entanto, testemunhas afirmam que o número pode ser dez vezes maior. Alguns policiais envolvidos chegaram a ser detidos e foram afastados da corporação. Depois do golpe militar de 1964, as punições foram revertidas. Em 2013, a Comissão Nacional da Verdade voltou a investigar o tema, inclusive sobre o número real de asassinados, que segue em dúvida.

“Não barganho minha liberdade” O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva informou a seus advogados na segunda-feira (30) que não aceitará troca de regime de prisão – de fechado para semiaberto – conforme pedido à Justiça pelos procuradores da Lava Jato. Pela lei, Lula já teria o direito a trocar de regime, mas ele se recusa a fazer o pedido por entender que isso fere sua dignidade, já que foi condenado sem provas e exige que seja considerado inocente para sair da prisão. “Quero que saibam que não aceito barganhar meus direitos e minha liberdade”, afirmou Lula em carta apresentada pelos advogados após a visita desta tarde na carceragem da Polícia Fe-

deral em Curitiba. Segundo o ex-presidente, os procuradores deveriam se preocupar em “pedir desculpas ao povo brasileiro, aos milhões de desempregados e à minha família, pelo mal que fizeram à Democracia, à Justiça e ao País”. Em coletiva na porta da PF, o advogado Cristiano Zanin explicou que Lula “não reconhece a legitimidade do processo que o colocou no cárcere”, motivo pelo qual rejeita a mudança de regime. O que Lula quer, segundo Zanin, é que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise os recursos questionando as ilegalidades do processo que o levou à prisão, levando à anulação da sentença e à liberdade “plena” do ex-presidente.

Nossos direitos

O TRABALHO É UMA CORRERIA, E NUNCA FAÇO TODO O INTERVALO DE ALMOÇO O intervalo é obrigatório sempre que a jornada de trabalho ultrapassar 4 horas em atividade. Entre 4 e 6 horas de jornada, o intervalo é de 15 minutos. A partir de 6 horas, a CLT determina um intervalo de pelo menos 1 e no máximo 2 horas, podendo ele ser determinado de forma diferente por convenção coletiva de trabalho, ou por ato do Ministério Público. Ocorre que, em função do volume de trabalho e da dinâmica do local, nem sempre o trabalhador faz todo o intervalo, tendo que retornar ao serviço antes do tempo previsto, ou suprimir o intervalo. Nessas situações, o trabalhador pode requerer o pagamento de horas extras pelo tempo de intervalo não realizado. A prova pode se dar por meio dos próprios registros de ponto, nas situações em que for feito o registro dos reais horários de intervalo realizados, ou por meio de testemunhas. É necessário advogado para ajuizar a ação na Justiça do Trabalho. Jonathan Hassen é advogado popular


Denise Reis / NUPAD

ESPECIAL

MG

Minas Gerais

Belo Horizonte, outubro de 2019 • brasildefatomg.com.br • distribuição gratuita

CORTES NA UFMG AMEAÇAM ACABAR COM SERVIÇOS GRATUITOS


8

ESPECIAL

Belo Horizonte, outubro de 2019

UFMG foi a segunda universidade federal mais afetada pelos bloqueios RETROCESSO Após bloquear R$ 5,8 bilhões da educação em maio, desbloqueio de parte dos recursos não soluciona crise das universidades Julia Duarte

Wallace Oliveira

D

epois de bloquear, no mês de maio, R$ 5,8 bilhões da educação e cerca de R$ 2 bilhões das instituições federais de ensino superior (IFES), Bolsonaro assinou decreto (10.028, de 26 de setembro de 2019) desbloqueando uma parte desse recurso. Do total liberado, 58% devem retornar para os orçamentos das IFES, segundo o governo. A UFMG foi a segunda universidade federal mais afetada pelos bloqueios, atrás apenas da UFRJ. De acordo com a Lei Orçamentária Anual (LOA) aprovada em 2019, a universidade mineira deveria receber R$ 215,23 milhões. Em maio, a instituição foi informada do cor-

Orçamento do MEC para 2020 é 18% menor

Universidades já vêm sofrendo cortes desde 2015

te nominal de R$ 64,5 milhões, 36,53% do que estava previsto na LOA. Com o desbloqueio, o corte cai para R$ 34,43 milhões, de acordo com dados do sistema financeiro do governo federal. “Na verdade, essa liberação ainda é pequena, se considerarmos que tivemos uma série de cortes, desde 2015. Então, estamos nos cortes dos cortes. Trata-se de uma jogada do governo federal para

nos desmobilizar, justo quando estamos mais afinados, conscientes, mobilizados”, avalia a professora Maria Rosária Barbato, vice-presidenta do Sindicato dos Professores de Universidades Federais de Belo Horizonte, Montes Claros e Ouro Branco (Apubh). Corte ou contingenciamento? O bloqueio atingiu verba discricionária já prevista na

CORTES NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO BRASIL (COM OS DESBLOQUEIOS) Estudantes

Orçamento

Valor cortado

Corte

1,33 milhões

R$ 6,94 bi

R$ 1,24 bi

17,86%

CORTES NA UFMG EM 2019 Estudantes

Orçamento

Valor cortado

Corte

42,9 mil

215,23 milhões

34,43 milhões

16%

REPASSES DO MEC À UFMG (VALOR EMPENHADO, SEGUNDO O MEC) 2013

2014

2015

2016

R$ 360,44 mi

R$ 282,10 mi

R$ 257,24 mi

R$ 248,24 mi

REPASSES DO MEC ÀS FEDERAIS (VALOR EMPENHADO, SEGUNDO O MEC) 2013

2014

2015

2016

R$ 8,66 bi

R$ 7,78 bi

R$ 6,85 bi

R$ 7,33 bi

LOA e, por isso, foi considerado um corte. Houve cancelamento de editais, redução no consumo de água e energia, renegociação de contratos de terceirizados, paralisação da linha 4 do transporte universitário, adiamento de atividades culturais, suspensão do boletim impresso, redução de faxineiras e funcionários de portaria, frota de carros parados por falta de manutenção, paralisação de obras, e outros danos. Passados cinco meses de bloqueio, algumas atividades dificilmente poderão ser recompostas. “Ao se paralisar uma obra, depois fica difícil retomar. A empresa que está fazendo a obra pode entrar em falência, por exemplo”, comenta Cristina Del Papa, coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores nas Instituições Federais de Ensino (Sindifes). Future-se O governo alega que os bloqueios têm como fim o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. Essa afirmação é contestada por Maria Rosária Barbato. Ela diz que o MEC tenta forçar a adesão das universidades ao “Future-se”, um programa de reestruturação administrativa e financeira das universidades, com contratos que seriam geridos por Organizações Sociais (OS).

2020 vai ser pior Para 2020, o governo Bolsonaro encaminhou ao Congresso um Projeto de Lei Orçamentária Anual prevendo redução de 18% dos recursos do MEC, em comparação com 2019, e diminuição de 87% no orçamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). No final de setembro, o Conselho Universitário e o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da UFMG publicou uma moção de repúdio à proposta. “O estrangulamento orçamentário imposto às instituições públicas de ensino superior e fomento à pesquisa parece integrar uma estratégia política que afronta as instituições e nega o valor da ciência”, afirma o documento.

E as bolsas? A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), segundo o MEC, terá um desbloqueio de R$ 270 milhões para bolsas de estudos. O ministro deixou claro que esse recurso será usado para honrar as bolsas atuais, sem qualquer previsão de novas bolsas.


Belo Horizonte, outubro de 2019

ESPECIAL

9

Filho de pobre virou doutor INCLUSÃO Políticas afirmativas como o programa de bônus e a Lei de Cotas mudaram a cara da universidade Levante Popular da Juventude

Amélia Gomes último vestibular da UFMG se autodeclararam negros e/ esde 2009, a Universi- ou são egressos de escolas dade Federal de Minas públicas. Em 2009 a UFMG Gerais vem adotando políti- concedia um bônus de 10% cas de inclusão e ações afir- ou 15% a mais na nota que mativas para mudar o perfil alunos negros e de escolas dos estudantes que ingres- públicas obtinham no vestisam na instituição. Dez anos bular. O perfil socioeconômidepois, o resultado é que metade dos aprovados no co dos estudantes também

D

mudou. Dos alunos matriculados em 2014, cerca de 11% afirmaram ter uma renda familiar de 1 a 2 salários mínimos. Em 2018 esta porcentagem foi de 18%. Além do programa da própria instituição, políticas como o ReUni, que promoveu a criação de cursos noturnos nas universidades,

também permitiram que alunos mais pobres entrassem e permanecessem na universidade, já que, com a flexibilidade no horário, os estudantes não precisavam escolher entre o trabalho e o curso. A partir de 2013, após a criação da Lei nº 12.711, conhecida como Lei de Cotas, a política de inserção foi qualificada. A lei previa a destinação exclusiva e gradual de vagas para candidatos negros e indígenas e/ou egressos de escolas públicas. No primeiro ano de implementação, 12,5% das vagas foram destinadas a estes candidatos. Desde 2016 o percentual de reserva de vagas para alunos negros e indígenas e/ou egressos de escolas públicas é de 50%. Com a adoção do Sistema de Seleção Unificado – SISU, em 2013, a origem dos

estudantes da UFMG também mudou. Em 2012, apenas 4,45% dos alunos aprovados eram de outros estados; em 2018, essa porcentagem foi de 9,6%.

COTAS PARA PÓS-GRADUAÇÃO Desde o processo seletivo de 2018 a UFMG também tem destinado vagas dos programas de pós-graduação para candidatos negros, indígenas e pessoas com deficiência. De 20% a 50% das vagas ofertadas pelos mais de 84 programas de pós-graduação são reservadas para estes candidatos.

PERFIL ESTUDANTES MATRICULADOS NA UFMG 2018 55% vieram de

Sabrina Moreira

Alessandra Brito

Luiz Phelipe da Silva

22 anos Belo Horizonte (MG) Medicina Entrada: 2017 Mãe: Auxiliar de serviços gerais e cuidadora Pai: Prestador de serviços

22 anos Ouro Branco (MG) Pedagogia Entrada: 2018 Mãe: Auxiliar de educação infantil Pai: Técnico em elétrica

31 anos Campos Belos (GO) Pós em Comunicação Entrada: 2018 Mãe: Dona de casa Pai: Operador de máquina agrícola - tratorista

22 anos São Paulo (SP) Engenharia Metalúrgica Entrada: 2017 Mãe: Diarista -formada em Serviço social

Guilherme Vaz

Meu maior desafio não é o conteúdo ou a demanda que o curso exige, mas sim me manter na universidade. Hoje eu recebo auxílios estudantis, mas, se os cortes continuarem, eu tenho plena consciência de que vai ser impossível me manter no curso.”

É com a bolsa de extensão que eu sobrevivo. É com esse dinheiro que eu conto para arcar com as cópias, alimentação, transporte, etc. O valor é baixo, mas me ajuda muito.”

Eu só estou na UFMG por causa da política de cotas raciais. É muito triste pensar no que pode acontecer com muitos alunos e com a universidade, diante desses ataques, mas é preciso construir estratégias de resistência e enfrentamento a esse cenário tão grave.’”

Eu só vim pra UFMG porque eu tinha conhecimento das políticas de inserção e manutenção da universidade. Eu já tinha ganhado uma bolsa de estudos em uma universidade privada, mas eu tive que desistir porque não tinha condições de arcar com transporte, alimentação, essas coisas. “

escolas públicas

49,3% são negros 22,2% são de

cidades do interior de MG

18,2% têm renda familiar de 1 a 2 salários mínimos

48,5 % são mulheres


14 ESPECIAL

Belo Horizonte, outubro de 2019

O que você vai perder com o corte de verbas da UFMG? EXTENSÃO Universidade oferece milhares de serviços gratuitos para população, que podem ser cancelados com cortes feito pelo governo Bolsonaro UFMG

Raíssa Lopes

N

ão apenas os estudantes e trabalhadores da educação perdem com o corte de verbas do Ministério da Educação (MEC) na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A população sai prejudicada, e muito, haja vista a quantidade de serviços fornecidos pela instituição e usados diretamente pelos interessados. Sem falar no enorme prejuízo para a sociedade como um todo com a diminuição das pesquisas e da produção científica.

O que já acabou? CRIANÇAs COM MENOS ATENDIMENTO Os alunos da Escola da Enfermagem realizam um trabalho com crianças internadas no Hospital Odilon Behrens, em Belo Horizonte. Os estudantes atendiam em dois turnos e agora em apenas um, reduzindo o número de pacientes acolhidos. CULTURA, MEIO AMBIENTE, PRA QUÊ? A UFMG já teve que reduzir gastos com equipamentos, manutenção e infraestrutura, o que atingiu em cheio a Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da instituição. As visitas à Estação Ecológica, importante área verde da capital mineira, foram limitadas.

A área de extensão, que é o nome dado ao setor que fornece milhares de atividades gratuitas como tratamento dentário, médico e veteriná-

rio, cursinho pré-vestibular, educação de jovens e adultos, entre outras, carrega para 2020 a incerteza sobre quais atendimentos (que

são realizados por cursistas com supervisão de professores e profissionais) poderão continuar. Em 2019, já com orçamento reduzido, a opção da administração da UFMG foi por não retirar as bolsas que haviam sido implementadas este ano. No entanto, editais que seriam lançados foram cancelados. Para os anos seguintes, a preocupação é que os projetos e vagas diminuam cada vez mais. Hoje são cerca de 3.500 ações em andamento, de acordo com dados fornecidos pela Pró-Reitoria de Extensão. Em 2018, foram registrados 3 milhões de atendimentos, nas mais diversas áreas: saúde, tecnologia, meio ambiente, educação, produção e trabalho, justiça, cultura, comunicação, etc.

MAIS ALGUNS SERVIÇOS QUE A UFMG OFERECE DE GRAÇA OU A PREÇO POPULAR AO CIDADÃO CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR TESTE DO PEZINHO E TESTE DE TOXOPLASMOSE EM GESTANTES TRATAMENTO ODONTOLÓGICO ATENDIMENTOS A ANIMAIS, CASTRAÇÃO E EXAME DE LEISHMANIOSE ORIENTAÇÃO JURÍDICA AULA DE ESPORTES (VOLEI, BASQUETE, FUTSAL E MAIS)

3409-5050 3409-8900 3409-2467 3409-2000 3409-8667 3409-5182 ou 3409-5183

AULAS PARA IDOSOS (DANÇA, INFORMÁTICA, GINÁSTICA,

3409-7440

NATAÇÃO) ASSISTÊNCIA PARA PAIS DE PESSOAS COM AUTISMO ATENDIMENTO GRATUITO A CRIANÇAS COM LÁBIO LEOPORINO

3409-5050 3409-2431

O que pode acabar DIPLOMA DE TÉCNICO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Há mais de 60 anos, a Escola de Engenharia oferece gratuitamente o curso intensivo de preparação de mão de obra industrial, que forma trabalhadores para atuar na área de construção civil, soldagem e eletricidade de baixa tensão. É o projeto mais antigo de extensão e capacita, em média, 300 trabalhadores por ano. O curso tem fila de espera e recebe estudantes surdos. O corte no orçamento pode diminuir o número de vagas. APOIO APÓS TRAGÉDIAS Em 2015, após o rompimento da barragem da Samarco, o Instituto de Ciências Biológicas (ICB) começou o projeto Mariana-Rio Doce, que chegou à cidade de Brumadinho com a recente tragédia causada pela Vale. O programa reúne pesquisadores que auxiliam os atingidos em relação aos seus direitos, psicologia, justiça, recuperação da vegetação e mais. Existem grupos da universidade em outros locais em risco, como Conceição do Mato Dentro. A iniciativa é mais uma ameaçada. GENTE APRENDENDO A LER E A ESCREVER A Educação de Jovens e Adultos (EJA) na instituição tem mais de 30 anos. Pessoas que interromperam os estudos podem, sem custo algum, retomá-los desde a alfabetização até o 3º ano do ensino médio. São 55 estudantes da UFMG envolvidos no projeto. Em 2020, o EJA também pode ser impactado.


Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

Entenda o que muda com a reforma da Previdência rece quem recebe até dois Da redação salários mínimos - em valores de hoje, R$ 1.996. O texpós ser aprovado na Câ- to vindo da Câmara dos Demara, o texto que difi- putados reduzia o teto para culta a aposentadoria dos cerca de R$ 1,3 mil. trabalhadores está em deNo entanto, os demais bate no Senado, que impôs pontos que retiram direiuma derrota ao governo Jair tos foram aprovados. Após Bolsonaro (PSL). Na votação o texto-base ser aprovaem primeiro turno da refor- do com 56 votos favoráveis ma da Previdência, na terça e 19 contrários, os senado(1), os senadores rejeitaram res passaram a apreciar os a mudança na regra para chamados destaques, ponconcessão de abono salarial, tos em que houve sugestão que tornaria mais difícil a de mudança. Um dos destaobtenção do direito para os ques, apresentado pela opomais pobres. sição, previa a manutenção O abono salarial é uma das atuais regras de apoespécie de 14º salário pago sentadoria para trabalhadopelo governo a trabalhado- res expostos a agentes quíres de baixo rendimento. Os micos, físicos ou biológicos, senadores decidiram não al- mas foi rejeitado pela maioterar a regra atual, que favo- ria do Senado, que se posi-

A

cionou pelo endurecimento das regras para esse tipo de situação. Mudanças Qual a idade mínima para se aposentar? Quem trabalha no campo vai ter que trabalhar mais tempo? E professores? Vai dar pra receber aposentadoria integral? Não é fácil mesmo entender todas as mudanças trazidas pela reforma da Previdência, porque há muitos pontos específicos para diversas categorias e realidades. Por isso, preparamos esse material com o ponto a ponto da proposta aprovada na Câmara, para você entender como ela vai afetar a sua vida, se aprovada também no Senado.

Esse caminho regressivo do governo Bolsonaro, do governo Temer, é destrutivo

BRASIL

15 11


14 12

MUNDO

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

Com Macri, Argentina tem seis novos pobres a cada minuto RECESSÃO Em 12 meses, país somou 9.028 novos pobres por dia; nas zonas urbana e rural Ronaldo Schemidt/ AFP

Opera Mundi/RFI

A

pobreza na Argentina aumentou 8,1% em apenas um ano, afetando agora 35,4% da população, o índice mais alto de todo o mandato do presidente Mauricio Macri. Nesse período, 3 milhões e 250 mil pessoas caíram da classe média para a classe baixa, isto é, mais de 9.000 pessoas por dia. No total, existem 14,4 milhões de pobres na Argentina, considerando apenas os que se concentram nas cidades. O número pula para 15,8 milhões ao se incluir a zona rural. Já o número de indigentes,

aqueles que estão abaixo da pobreza, passou de 4.9% a 7,7% e atinge 3,1 milhões de pessoas, um milhão a mais em 12 meses. Outro número alarmante: 52,6% das 9,5 milhões

de crianças argentinas menores de 14 anos são pobres, comprometendo o futuro do país. A indigência infantil também aumentou de 8% para 13,1% em um ano.

Ponto fraco de Macri O aumento da pobreza é o verdadeiro “calcanhar de Aquiles” do presidente Macri, que foi eleito em 2015 com a promessa de reduzir a zero a pobreza. “Pobreza Zero” era um de seus lemas de campanha. O próprio Macri, quando assumiu o cargo, em dezembro de 2015, pediu para ser avaliado, ao final do seu governo, sobre seu combate à pobreza. Esse fracasso, acreditam os analistas, é o responsável pela reviravolta na política argentina e pela derrota que se desenha nas eleições presidenciais de 27 de outubro.

Dívidas e inflação Em abril de 2018, a economia do país entrou em turbulência com desvalorizações da moeda e a inflação, já alta, piorou. “O governo acreditou que, com uma política de abertura econômica, conseguiria atrair os investimentos produtivos que nunca chegaram, a não ser para o endividamento. Isso gerou uma crise econômica, fazendo com que os objetivos de recuperar a economia, de baixar a inflação e a pobreza não fossem atingidos”, aponta o diretor do Observatório da Dívida Social, Agustín Salvia.

Governo do Peru não reconhece renúncia de vice-presidente

Estado de emergência CRISE Decisão acontece depois de o presidente decidir dissolver o Congresso e convocar novas eleições no Equador Cris Bouroncle /AFP Da redação

O

governo do Peru anunciou na quarta-feira (2) que não considera válida a renúncia apresentada pela vice-presidente, Mercedes Aráoz, em meio à crise institucional desencadeada no país. A declaração foi dada pelo primeiro-ministro peruano, Vicente Zeballos. Segundo o político, Aráoz “apresentou sua demissão diante de um Parlamento que não existia, porque já havia sido dissolvido pelo chefe de Estado”. A crise no país foi agravada depois que o presidente, Martín Vizcarra, anunciou a dissolução do Congresso Nacional, domina-

Oposição fujimorista tem maioria no Congresso peruano do pela oposição fujimorista, em meio a uma disputa sobre a nomeação de juízes do Tribunal Constitucional. Logo depois, o governo convocou novas eleições legislativas para o próximo dia 26 de janeiro. A Constituição peruana autoriza o presidente a dissolver o Congresso e convocar novas eleições se este rejeitar dois “votos de confiança”.

O presidente Lenín Moreno anunciou o Estado de exceção em cadeia nacional, após vários protestos nas ruas contra suas reformas econômicas. O país amanheceu com greve nacional de transportes na quinta (3) após o governo anunciar o fim dos subsídios aos combustíveis, o que levará a um aumento dos preços. O presidente anunciou ainda que as medidas impopulares – como redução das férias para 15 dias por ano e adiantamento do imposto de renda – estão mantidas.


Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

www.malvados.com.br

13 VARIEDADES 15

CIÊNCIA, COISA BOA!

O SEMÁFORO DA MINHA RUA ME ODEIA?

Reprodução

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br Nesse (?): ao longo de Marca arquitetônica do prédio da Fiocruz, no Rio de Janeiro Elemento mecânico de rodas dentadas

© Revistas COQUETEL

Molho que acompanha churrascos Unidade de ângulo no transferidor

Possível efeito do calor intenso (pl.) Reduto eleitoral de Collor (sigla)

Período de promoções em supermercados

Poema lírico com estrofes simétricas Empresa pertencente ao Governo

(?)sagrada, planta laxante

Órgão dirigido por Tedros Adhanom

Prática de Madre Teresa de Calcutá

Pronome possessivo masculino

Expressão de ânimo Ferramenta agrícola Supressão de termo na frase Ondas Médias (abrev.) Marsupial da Oceania

Excitação (fig.) Sofrer prejuízo

Busca Sucesso de Rita Lee

Upper (?) Side, bairro de Nova Iorque

A moda que se inspira no passado Fruto da videira Quebrar; dividir

Tão grandes (fem.)

Em (?): em posição erguida

Animal como o dogo argentino Resina aromática Dar um (?): repreender Chapéu do Saci (Folc.)

(?) de leite: função de mucamas

Nascido no país de capital Zagreb (?) Alexandre, modelo brasileira Cada investigação de um detetive

3/oms. 4/mari. 5/mirra — riste. 6/elipse. 7/frenesi.

41

Solução E E S T I E L O M C O U F R M I S C G O

A V A R I A R I N T E R I M

G R E N A T A U G C R A P S E C A T F R E L A A R G M E R T A C R R Ã O R O V

I

A G L O I D E A N E C A I S N T H O A M C A

T A N T A S

O R

I

D E M S E M S A DE I A O N S I V E R S A

BANCO

A cem metros da minha casa há um semáforo. Durante algum tempo tive certeza que ele me odiava. Bastava eu sair de moto e logo dava de cara com o sacana fechado. Várias vezes ele só esperou minha aproximação pra ficar vermelho, bem antes de eu conseguir passar por ele. Era comum, quando atrasado e com pressa, que eu xingasse muito aquele objeto inanimado. Com a certeza do quão injusta era a perseguição que ele me fazia, por nunca estar verde quando eu precisava. Nosso cérebro Será que meu ódio era justificável? Ele me perseguia mesmo? Ou quem sabe eu era vítipresta mais ma da gracinha dos deuses? Que me vigiavam atenção nas e rolavam de rir toda vez que fechavam o sinal informações bem na minha cara? favoráveis às Provavelmente, você já passou por situanossas crenças ção parecida. Quando isso ocorre, eu e você somos vítimas de um fenômeno psicológico bastante interessante, o chamado “viés de confirmação”. Nosso cérebro evoluiu de modo a nos fazer prestar mais atenção e dar mais importância para informações favoráveis às nossas crenças, e ignorar aquilo que as contradiz. Por sermos animais que vivem em grupo, tal característica foi favorável ao reforçar a coesão do bando. Além disso, tendemos a olhar para a realidade e categorizá-la de modo simplista. Por exemplo, ao ouvir o barulho de passos no escuro se conclui que há ali um predador. Quanto mais rápida essa conclusão ocorrer, maior será o sucesso na fuga se de fato ela for necessária. Tais mecanismos podem explicar o desenvolvimento evolutivo que tornou nossos cérebros máquinas de nos fazer acreditar no que queremos acreditar. A psicologia já estuda o viés de confirmação há algumas décadas. Saber que ele existe é o primeiro passo para que possamos, racionalmente, nos policiar e evitar que sejamos manipulados por ele. A ciência, ao trabalhar com números e testar experimentalmente hipóteses, nos ajuda nesse desafio. Um dia decidi marcar o tempo do semáforo. Descobri que ele fica aberto 25 segundos e fechado 1 minuto e meio. O que faz bastante sentido, já que a rua que corta a minha é bem mais movimentada. Em 21,7% do tempo o sinal fica verde e 78,3% vermelho. Ou seja, é provável que a cada cinco vezes que saio de casa, em aproximadamente quatro encontre o sinal fechado. Mas, meu cérebro não deu atenção às poucas vezes em que passei ali e o sinal estava aberto. Preferiu focar nas demais, pois isso reforçou em mim o papel de vítima de uma enorme injustiça. O que é uma ótima autojustificativa para esconder o fato de eu estar sempre atrasado ao sair de casa. Um abraço e até a próxima! Renan Santos é professor de biologia da rede estadual de Minas Gerais


14 CULTURA 14

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

Festival de história em Diamantina homenageia Darcy Ribeiro Com uma programação extensa, evento conta com a participação de pesquisadores, jornalistas, historiadores e artistas uma sociedade marcada por feridas, existe uma explosão de criatividade. São essas energias criativas que são transformadoras”, completa Américo, falando sobre o legado de Darcy Ribeiro.

Larissa Costa

D

iscutir as histórias do povo brasileiro, a partir do pensamento e da obra de Darcy Ribeiro, é a proposta do 5º Festival História (fHist), que acontece entre os dias 2 e 5 de outubro em Diamantina, no Vale do Jequitinhonha. A programação conta com diversos debates, oficinas, minicursos, exposições, cinema, shows e prosas com jornalistas, autores, artistas e roteiristas de cinema. Américo Antunes, coordenador do festival, explica que um dos alicerces da sociedade do Brasil é a diferença entre as origens africanas, in-

dígenas e europeias. “Claro que com muito conflito, muita guerra e escravidão”, ressalta. “A formação do povo brasileiro é historicamente doída. Porque são milhões de escravos e genocídios de índios. Ao mesmo tempo em que há

Atividades se inspiram na diversidade do povo brasileiro

Ao longo dos anos A primeira edição do fHist aconteceu em 2011 com o objetivo de criar meios de aproximação do grande público com temas da história, muitas vezes restritas às universidades. A ideia do festival é democratizar o acesso a conhecimentos e colocar diversos profissionais para conversar sobre a história do passado e do presente.

Darcy Ribeiro Um dos principais intelectuais brasileiros do século 20: Darcy Ribeiro foi antropólogo, educador, escritor e político. Nascido em Montes Claros, estudou profundamente as comunidades indígenas brasileiras, morando entre eles nas décadas de 1940 e 1950. Foi defensor da democratização do ensino público, contribuiu para abrir universidades e escreveu diversos livros, entre eles “O Povo Brasileiro”, de 1995. Darcy faleceu em 1997, em Brasília (DF), aos 74 anos. ANÚNCIO

AQUI TEM COPASA. PODE CONFIAR. Mineiro só confia em quem conquista sua confiança. Por isso, o Governo do Estado e a Copasa trabalham tanto para levar água com segurança para Minas Gerais. Um estado com as dimensões do nosso exige soluções eficientes para responder a desafios muito diferentes. Pela qualidade da água que oferece, a Copasa é reconhecida nacional e internacionalmente. Mas o maior reconhecimento é a tranquilidade que os mineiros têm ao beber a nossa água. Pode seguir confiando, que a gente segue trabalhando por você. Acesse aquitemcopasa.com.br e saiba mais sobre o que está sendo feito para garantir a qualidade da água que você bebe.


Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

Personagem da semana

PAPO ESPORTIVO

ESPORTE

15 15

Troca de técnicos é puranaconfusão geral Carlos Gregório Jr. / Vasco

Mailson Santana / Fluminense FC

Após ter se tornado mãe há menos de um ano e ter perdido patrocínios por causa da gravidez, a velocista Allyson Felix, de 33 anos, garantiu, na terça-feira (1º), sua 12ª medalha de ouro em mundiais de

atletismo. E não é só isso: ao vencer as estafetas de 4x400 metros nos Mundiais de Doha, Alysson ultrapassou o recorde do jamaicano Usain Bolt em número de medalhas.

Luiz Ferreira, do Rio de Janeiro

COI ainda não definiu regras O para inclusão de pessoas trans

A menos de um ano dos Jogos de Tóquio, o Comitê Olímpico Internacional não definiu as regras para inclusão de pessoas transgênero nas competições, enquanto cientistas tentam encon-

trar uma posição que inclua e respeite a justiça esportiva. Na definição mais recente, em 2015, atletas que fizeram transição de gênero poderiam competir, mas seria necessário manter o nível

de testosterona abaixo de 10 nanomoles por litro de sangue durante 12 meses. No entanto, há quem se queixe que a exigência deveria ser reduzida para até 5 nmol/litro. ANÚNCIO

s últimos dias foram os mais loucos do futebol brasileiro. Poucas vezes vimos um troca-troca de técnicos tão insano. Oswaldo de Oliveira deixou o Fluminense, Fernando Diniz assumiu o São Paulo, Rogério Ceni voltou para o Fortaleza, Abel Braga acertou com o Cruzeiro e Enderson Moreira foi demitido do Ceará. O Fluminense vive situação complicada no Brasileirão. Contra o Santos, o meia Paulo Henrique Ganso e o ex-técnico Oswaldo de Oliveira quase saíram no tapa na beira do gramado por conta de uma substituição. No dia seguinte, Oswaldo foi demitido e Ganso multado. Na partida seguinte, contra o Grêmio, eis que o camisa 10 aparece com a braçadeira de capitão e permanece em campo durante os 90 minutos. Corta para BH. O clube demite Rogério Ceni após empate sem gols contra o Ceará. Thiago Neves, Fred, Dedé e outros atletas são apontados pela imprensa como responsáveis pela “fritura” do treinador. A diretoria celeste escolhe Abel Braga para

assumir o time, atendendo a um pedido dos mesmos atletas. Vale lembrar que a Raposa foi derrotada pelo Goiás na segunda (30), na estreia de Abelão. Cruzeiro e Fluminense tiveram problemas com invasão nos seus centros de treinamento por parte de organizadas. Houve dedo na cara, ameaças e até abordagem na rua, como aconteceu com o garoto João Pedro no Rio. Qual o limite da razão? O futebol é um esporte apaixonante. Mas quando deixamos a paixão se transformar em doença? Quando perdemos o nosso bom senso? Desde o jogador que faz “panelinha” e derruba treinador até o cidadão inconsequente que aborda um jogador no seu dia de folga com a família para fazer ameaças, o nosso futebol se transforma em grande hospício, onde todos se dizem defensores da moral e das tradições de um clube, mas se transformam em animais ao menor sinal de contrariedade. Aliás, o futebol explica o país como poucas coisas neste mundo. Ou recuperamos nossa razão ou a falta dela vai destruir tudo o que temos, inclusive o velho e rude esporte bretão.


16

Belo Horizonte, 4 a 10 de outubro de 2019

ESPORTES

16

Vinicius Silva /Cruzeiro

DECLARAÇÃO DA SEMANA Doha Stadium Plus Qatar

Ministério Púplico limita liberdade de torcedores organizados O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) determinou a suspensão, por 30 dias, das atividades das torcidas cruzeirenses Máfia Azul e Pavilhão Independente, ambas do Cruzeiro. A sanção co-

meça a valer neste sábado (5). As duas agremiações não poderão frequentar estádios em dias de jogos e deverão manter distância de pelo menos 5 km das praças esportivas. “Os integrantes da Máfia Azul e da

Pavilhão Independente também estão impedidos, por 30 dias, de utilizar suas sedes em dias de jogos do Cruzeiro e de torcidas rivais, sob pena de multa de R$ 50 mil reais”, afirma nota do MP.

Fui pressionada para voltar à forma o mais rápido possível, após o nascimento da minha filha, em novembro de 2018, apesar de ter passado por uma cesariana de emergência às 32 semanas” Allyson Félix, velocista que ultrapassou Usain Bolt, ao conquistar sua 12ª medalha em um mundial de atletismo, no Catar. O feito foi alcançado poucos meses após uma gravidez de risco e perda de patrocínios.

Gol de placa Vale a pena acompanhar o Bahia neste Brasileirão! Além de mandar bem em campo, já que terminou a último rodada em sexto lugar, o time se destaca por campanhas importantes, como a do dia dos pais, em que focou no problema das crianças sem registro paterno, e contra o assédio a mulheres nos estádios.

Gol contra Claudio Lotito, presidente da Lazio, time da Série A da Itália, ao ser questionado sobre os insultos que uma parte da torcida do clube faz a jogadores negros, fez uma declaração racista, afirmando que os torcedores “vaiam inclusive aqueles que têm pele normal”.

É hora de acreditar

Deus nos acuda

Ninguém tem razão

Bráulio Siffert

Rogério Hilário

Fabrício Farias

A invencibilidade de 12 jogos do América caiu contra o Coritiba, mas não é motivo para desânimo. A derrota veio por conta de um pênalti inexistente. O Coelho segue na cola do G4, com apenas três pontos de distância para o quarto colocado. Uma sequência deDecacampeão bons resultados nos próximos quatro jogos – três em casa e um fora, contra o lanterna – pode, enfim, colocar o América como um dos principais postulantes ao acesso. Para isso, o time tem que continuar a jogar de forma competitiva, coletiva e inteligente, como foi feito em boa parte dos últimos jogos. Na zaga, é preciso melhorar o posicionamento e a saída de bola. No ataque, caprichar no último passe e na antecipação para as finalizações.

Atleticano, profissão esperança. Parafraseei o título de um espetáculo de 1973. Brasileiro era o personagem original. E tem tudo a ver com o torcedor, que não desiste nunca. Um dia depois de um pacto entre os representantes do clube e torcidas organizadas, os jogadores e É Galoemdoido! o técnico romperam, campo, o armistício com a derrota, de virada, para o Vasco. E no Horto, antes cemitério dos adversários. Quando havia perspectiva de recuperação, após a vitória sobre o Ceará, outra decepção. Já acumulamos desilusões no Estadual, na Libertadores, Copa do Brasil e Sul-Americana. Só resta a briga por nova vaga na competição continental. Na sequência, temos Palmeiras e Flamengo, fora de BH, e Grêmio, no Horto.

Seguimos rumo ao descenso: bagunça administrativa, troca constante de treinadores e futebol abaixo da média. Em casa onde falta pão, todo mundo manda e ninguém tem razão. Na terça (1º), matéria do portal Uol mostrou que o número de jogos geLa Bestia Negra ra vantagens na renovação de contrato para Thiago Neves. Ou seja, ajudar o Cruzeiro não seria a primeira motivação para estar em campo. Não é segredo como a postura de Neves contribuiu para a saída de Ceni. Por fim, alguns torcedores resolveram pressionar os atletas invadindo a Toca. Está errada a invasão, está errada a indignação seletiva (nossos problemas extrapolam o campo) e está errado Abelão, que colocou tudo na conta da paixão do torcedor. Saudações celestes!

Para receber as matérias do BRASIL DE FATO MG diretamente no seu celular, envie uma mensagem para

31 98468-4731

/brasildefatomg

Profile for Brasil de Fato MG

Edição 301 do Brasil de Fato MG  

Edição 301 do Brasil de Fato MG  

Advertisement