Edição 225 do Brasil de Fato MG

Page 1

CULTURA 14

OPINIÃO 5

BRASIL 9

Pantera Negra, um manifesto

Dória e Hawking

Lula na mira do golpe

Filme evidencia a importância da representatividade no cinema e na mídia

Minas Gerais

No mesmo dia em que o mundo perdeu um homem que acreditava na potência do conhecimento, a polícia de São Paulo, a mando do prefeito, agride professores

Condenado sem provas, Lula encerra caravana em Curitiba, capital de Moro e da Lava Jato. Se prisão do ex-presidente for efetuada, tensões no país devem aumentar

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018 • edição 225 • brasildefato.com.br • distribuição gratuita Mídia NINJA

Marielle presente Mulher negra, moradora da Maré, feminista e ativista dos Direitos Humanos, a vereadora do PSOL Marielle Franco foi executada a tiros dentro de um carro no Centro do Rio de Janeiro. Ela, que tinha 38 anos e também era socióloga, foi a quinta mais votada nas eleições para a Câmara Municipal carioca e era conhecida por sua atuação política nas comunidades, principalmente contra a violência policial e de milícias nas favelas. O motorista Anderson Pedro Gomes também foi assassinado e uma assessora de imprensa foi ferida. Por justiça e em denúncia ao genocídio da população negra, uma série de atos acontece em todo o país. I BRASIL 11


2

OPINIÃO

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Editorial | Brasil

Minas Gerais e o saque mineral Esta semana iniciou com o acontecimento de uma tragédia em nosso estado. Na manhã de segunda-feira (12) rompe-se um mineroduto no município de Santo Antônio do Grama, na Zona da Mata. O rompimento despejou mais de 300 toneladas de polpa de minério de ferro nos cur-

ESPAÇO DOS LEITORES

“Sem nenhuma consulta pública pra nada. Se acham donos e deuses...” Beth Andrade comenta a matéria “Governador propõe a venda do nióbio de MG” “Tom certo, texto bem escrito. Divertido sem leifterização. Juca que se cuide. Vou lá ouvir o vozeirão!” Ana Maria Chiarini escreve sobre o artigo de Fabrício Farias “O futebol moleque e o futebol mimado”, que também foi veiculado no programa de rádio do Brasil de Fato MG “Local homenageia Tubal Vilela que, mesmo após confessar o assassinato de sua esposa grávida, foi absolvido pela Justiça” Ana Paula Stewart Junqueira comentou sobre a matéria “Moradores de Uberlândia fazem abaixo-assinado para alterar nome de praça principal da cidade” “Lógico, com essa distribuição de verbas para permanecer no poder e as doações vultuosas para empresas multinacionais” Feliciano Madeira Vianna escreve sobre a matéria “Entenda porque o governo faz propaganda enganosa sobre recuperação da economia”

Contrariando orientações, Anglo American irá triplicar cava da mina sos d’água, impossibilitando a Copasa de realizar o abastecimento hídrico, o que implicou no desabastecimento de todo o município. Milhares de famílias estão sem acesso à água e pressionam prefeitura e a empresa para que o problema seja logo resolvido. O mineroduto, que é parte do projeto minerário Minas-Rio, de propriedade da multinacional Anglo American, liga a mina em Conceição do Mato Dentro até um porto em São João da Barra (RJ), onde o minério é exportado. O projeto Minas Rio começou em 2007, ainda no governo Aécio Neves (PSDB) e desde então vem gerando vários impactos no ambiente e na vida das comunidades atingidas pelo empreendimento. Em janeiro deste ano, mesmo com todo o apelo contrário de comunidades impactadas, de recomendações do Ministério Público e pareceres de universidades, o governo de estado aprovou a terceira etapa do projeto da Anglo American, o que possibilitará à multinacional triplicar a área

da cava da mina e ampliar a barragem de rejeitos, chegando a um volume sete vezes maior do que a barragem de Fundão, que se rompeu em Mariana, por exemplo. A política de mineração do atual governo não se difere dos governos anteriores, neoliberais, que sempre trataram de conceder benefícios às grandes mineradoras, destruindo os modos de vida locais, afetando a saúde do povo, as terras, águas e permitindo o saqueio de nossos bens minerais pelo capital mineral. Os minerodutos, em especial, são um caso emblemático em nosso estado. Como conceber a entrega de nossas águas para que multinacionais possam exportar nossos minérios? O governo, neste último período, tem planejado algo ainda pior, que

Privatização da Codemig é medida entreguista é a privatização de parte das ações da Codemig (veja artigo na página sete). O governo pretende desmembrar a estatal e privatizar o controle sobre o mineral nióbio. O nióbio é um mineral estratégico; mais de 90% das reservas mundiais estão em nosso estado, ou seja, detemos quase o monopólio de um elemento valioso, raríssimo e cobiçado mundialmente. A privatização da Codemig é uma medida entreguista, que atenta contra nossa soberania e deve ser contundentemente combatida pelo conjunto do povo mineiro.

Escreva para nós: redacaomg@brasildefato.com.br O jornal Brasil de Fato circula semanalmente com edições regionais, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, no Paraná e em Pernambuco. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais em nosso país e no nosso estado.

REDE SOCIAL: facebook.com/brasildefatomg CORREIO: redacaomg@brasildefato.com.br PARA ANUNCIAR: publicidademg@brasildefato.com.br TELEFONES: (31) 3309 3314 / (31) 3213 3983

conselho editorial minas gerais: Adília Sozzi, Adriano Pereira Santos, Aruanã Leonne, Beatriz Cerqueira, Bernadete Esperança, Bruno Abreu Gomes, Cida Falabella, Ênio Bohnenberger, Frederico Santana Rick, Gilson Reis, Gustavo Bones, Jairo Nogueira Filho, Joana Tavares, João Paulo Cunha, Joceli Andrioli, Jô Moraes, José Guilherme Castro, Juarez Guimarães, Marcelo Oliveira Almeida, Makota Celinha , Maria Júlia Gomes de Andrade, Milton Bicalho, Neila Batista, Nilmário Miranda, Padre Henrique Moura, Padre João, Pereira da Viola, Renan Santos, Rogério Correia, Rosângela Gomes da Costa, Robson Sávio, Samuel da Silva, Talles Lopes, Titane, Valquíria Assis, Wagner Xavier. Editora: Joana Tavares (Mtb 10140/MG). Redação: Amélia Gomes, Larissa Costa, Rafaella Dotta, Raíssa Lopes e Wallace Oliveira. Colaboradores: Alan Tygel, Anna Carolina Azevedo, André Fidusi, Bráulio Siffert, Diego Silveira, Felipe Marcelino, Fernanda Costa, João Paulo Cunha, Léo Calixto, Luiz Fellippe Fagaráz, Marcelo Pereira, Nadia Daian, Pedro Rafael Vilela, Renan Santos, Rogério Hilário, Sofia Barbosa. Revisão: Luciana Santos Gonçalves. Distribuição: Felipe Marcelino. Diagramação: Tiago de Macedo Rodrigues. Tiragem: 40 mil exemplares.


?

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

O que você pensa sobre a intervenção militar no Rio de Janeiro?

É como uma venda nos olhos e, ao mesmo tempo, parece uma punição. A população está indignada com um monte de coisas, e o governo federal autoriza uma intervenção em um estado onde, na linguagem deles, há muitos bandidos. Eles querem punir uma parcela da população para assustar os outros. Rita Amorim, auxiliar administrativa

3

Declaração da Semana

PERGUNTA DA SEMANA

Logo após o carnaval, o governo golpista de Temer (MDB) assinou um decreto prevendo a intervenção das Forças Armadas no estado do Rio de Janeiro. Temer alegou querer resolver o problema da segurança pública. O Brasil de Fato foi às ruas perguntar:

GERAL

Mídia NINJA

“Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?” Escreveu a vereadora Marielle Franco, do PSOL, um dia antes de ser executada a tiros. Ela protestava contra o assassinato de mais um jovem no Rio de Janeiro. Familiares de Matheus, como era chamado, acusam a PM de efetuar os disparos.

Educação em greve

Não concordo de jeito nenhum. A verdadeira tática dele ali é um golpe militar, não é defesa da população. Quem está pagando por aquilo são os trabalhadores, a população negra, os pobres, as mulheres. Haja visto o que aconteceu com a nossa companheira [Marielle Franco] no Rio de Janeiro.

Lidyane Ponciano / Sind-UTEMG

Reprodução

Hiron Bertoldo, sindicalista

Educadoras de Minas Gerais decidiram continuar com a greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada durante assembleia estadual na quinta (15). O governo ainda não apresentou proposta sobre o pagamento do piso salarial, fim do parcelamento de salários e 13º. Pela manhã, categoria realizou uma manifestação na BR 381, altura do Posto 13, na entrada de Belo Horizonte.

Mulher paga mais caro do que homem

Reprodução

Você já reparou que produtos e serviços voltados para o público feminino custam mais caro que os similares para homens? A diferença de valor entre eles é conhecida no mercado como “taxa rosa”. De acordo com uma pesquisa do Mestrado Profissional em Comportamento do Consumidor (MPCC), as mulheres pagam em média 12,3% a mais por produtos que podem ser idênticos àqueles destinados ao público masculino. Em contrapartida, a diferença salarial entre homens e mulheres registrada no Brasil é uma das maiores do mundo, como aponta análise do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Elas recebem cerca de 22% menos por desempenhar a mesma função. Em cargos executivos, essa diferença chega a mais de 50%.


4

CIDADES

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Projeto quer facilitar que mulheres vítimas de violência tenham uma casa VIDA NOVA Proposta de vereadoras de Belo Horizonte quer que mulheres sejam uma das beneficiárias em programas de assentamento e moradia Karoline Barreto / CMBH Rafaella Dotta

E

m 8 de março, a Câmara dos Vereadores de Belo Horizonte recebeu uma proposta feminista. Trata-se do Projeto de Lei que quer inserir as mulheres vítimas de violência como uma das beneficiárias do Programa Municipal de Assentamento (PROAS). Isso pode significar a independência de milhares de mulheres frente a seus companheiros ou Vereadora Cida Falabella é uma das autoras da proposta

Ter um teto é fundamental para que mulheres se reestabeleçam”

ex, que em 66% dos casos de violência são também os seus agressores. A proposta das vereadoras Cida Falabella (PSOL) e Áurea Carolina (PSOL) é modificar a Lei Municipal 7.597,

em seu artigo 1º. O PROAS atende atualmente famílias removidas por obra pública, vítimas de calamidade, moradora de rua, que habitam áreas de risco ou ocupação irregular. A ideia é adi-

Mulheres no centro da roda de capoeira Iasmim Chéquer

Iasmim Chéquer

“C

apoeira: Mulher na Roda”, foi o tema de um evento voltado principalmente para as mulheres capoeiristas de Montes Claros, norte de Minas, nos dias 9 e 10 de março. “Participei de alguns eventos e a mulher pouco jogava... daí tive a ideia de realizar esse encontro voltado para as mulheres, mais com um público capoeiristas em geral. Assim podemos mostrar nossa essência na capoeira”, disse Karina Ferreira, uma das organizadoras do evento. “Mulher na Roda” aconteceu no Museu Regional do Norte de Minas, e contou

com a participação da Mestra Luciana Pimenta, do grupo Cordão de Ouro. Iniciada na capoeira em 1990, no Grupo Capoeira Gerais-Minas Gerais, Lu Pimenta foi a primeira mulher a alcançar esta graduação em Minas Gerais e atualmente é a única com esse título na cidade de Campinas (SP), onde vive atualmente.

Durante o evento, foram expostas fotos com as histórias de mulheres negras, símbolo de resistência das lutas por independência, contra a escravidão e por espaço na capoeira, como Almerinda, Maria Felipa ou Maria 12 Homens, Tia Ciata, Cattú, Rainha Nzinga, Rainha Tereza do Quariterê, Maria Salomé.

cionar como beneficiárias as “mulheres em situação de violência, que tenham sido atendidas e encaminhadas pelos órgãos e equipamentos públicos municipais responsáveis pelo enfrentamento à violência contra a mulher”. Áurea acredita que a medida pode ajudar a reconstruir a independência das mulheres em condição de violência e auxiliá-las a sair desta situação. “Uma das principais dificuldades para a mulher se libertar do ciclo de violência é a questão da autonomia, que é também econômica e material. Ter um teto é fundamental para que as mulheres se reestabeleçam”, defende a vereadora.

Números do Disque 180 A Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres divulga todos os anos um balanço das denúncias que recebe pelo disque 180. O último divulgado, de 2016, mostra que 65,91% dos casos foram cometidos por homens com quem a vítima tem ou teve um relacionamento. Maridos, ex-maridos, namorados ou amantes são os principais agressores. O balanço ainda mostra que 78% das mulheres em situação de violência possuem filhos, e destes, 60% presenciam a violência, enquanto 22% presenciam e também sofrem a violência.

Violência policial contra estudantes universitários em Uberlândia Sofia Alves bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral, além Uma ação violenta da Polí- de spray de pimenta sobre cia Militar contra estudantes os presentes. Os estudanda Universidade Federal de tes, entre eles recém ingresUberlândia (UFU), na noite sados na UFU, reiteram que de 11 de março, gerou indig- não houve tentativa de diánação por parte da comuni- logo por parte dos policiais ou resistência por parte dos dade universitária. Por volta das 23 horas, os es- alunos. tudantes que frequentavam Várias pessoas ficaram ferio Bar da Dona Antônia, nas das, com lesões em braços, proximidades da UFU, fo- pernas, e uma estudante ram surpreendidos por seis chegou a ser hospitalizada. viaturas da PM e inúmeros O Diretório Central dos Estudantes e a ADUFU (Seção policiais armados. Segundo relatos, os poli- Sindical dos Professores da ciais, que chegaram com as UFU) lançaram notas desirenes das viaturas desliga- nunciando a truculência da das e sem identificação nas Polícia Militar e exigindo exfardas, lançaram, sem aviso, plicações do batalhão.


Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

MINAS

5

Opinião

O cientista e o prefeito João Paulo Cunha A morte recente do físico britânico Stephen Hawking despertou no mundo uma onda de gratidão e reconhecimento. Gênio que revolucionou nossa concepção de universo, ele ganhou ainda notoriedade pela coragem com que enfrentou a doença que o prendeu à cadeira de rodas e quase o isolou do mundo. Exemplo de cientista entre seus pares, se tornou modelo de pessoa para toda a humanidade. Ainda que suas ideias científicas sejam complexas e exijam conhecimento profundo de matemática e física teórica, Hawking sempre esteve próximo das pessoas comuns por duas inclinações humanas pouco comuns: a ambição filosófica e a generosidade intelectual. Por isso suas principais perguntas foram sempre as mesmas de todas a pessoas que um dia olharam para o céu e para o coração do homem. Do espaço, queria saber a origem das coisas, a história do tempo, a presença da vida no espaço. De onde viemos, quem somos e para onde vamos. Do coração, importava a

ele o valor da vida humana, a correção dos rumos tomados pela ciência, a busca de sentido na existência.

Hawking combinou ambição filosófica e generosidade intelectual A doença de Stephen Hawking, a esclerose lateral amiotrófica, também conhecida como ELA, tornou o cientista ainda mais conhecido. Em mais de 50 anos de convivência com as limitações físicas, que foram se agravando com o tempo, ele demonstrou uma alegria de viver que contagiava a todos. Em Minha breve história, Stephen conclui que viveu de forma completa e prazerosa. Não reclama, comemora.

I M A G I N A

P R A

Q U E S A L Á R I O D E

U M

M U L H E R

R E C E B E M E N O R

H O M E M

M E S M O

U M Q U E

P E L O

T R A B A L H O.

É mais que chato. É violação de direitos. Você pode não perceber, mas a piadinha boba do dia a dia alimenta o assédio e a violência contra a mulher. É hora de dar um basta no machismo e transformar a igualdade de gênero em realidade. Em casa, nas ruas, no trabalho, na política: direitos e oportunidades iguais. O mundo está mudando. Se você acha isso um problema, passou da hora de mudar também. O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac) trabalha para garantir e ampliar os direitos de todas as mulheres, estimulando o protagonismo e o empoderamento das mineiras. W W W. D I R E I T O S H U M A N O S . M G . G O V. B R

Por um mundo melhor para as mulheres

E, além disso, o que foi obstáculo para ele se tornou um ganho para muitos. Stephen Hawking se dedicava a suprir as dificuldades com o uso da tecnologia. Essas contribuições fazem hoje parte de um repertório de possibilidades para todos os portadores de limitações físicas. No mesmo dia em que o mundo perdia Stephen Hawking, a cidade de São Paulo exibia um triste espetáculo de desrespeito ao saber. Incapaz de diálogo democrático, a prefeitura e a Câmara de Vereadores impediam professores de acompanhar a votação de projeto de interesse da categoria. Professores foram agredidos, tratados a bombas e cassetetes, feridos. A imagem de uma professora sangrando no rosto é tristemente exemplar. O prefeito João Dória (PSDB-SP) e sua polícia não tiveram a humildade de confessar o erro nem o brio de promover a investigação dos responsáveis. Talvez a lição de Hawking mais adequada para o momento seja a que localiza a origem da vida como resultado de uma grande explosão. Está na hora do big bang.

Anúncio


6

MINAS

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Novos acidentes com mineroduto podem ocorrer, alerta movimento EXPLORAÇÃO Essa é a terceira vez que um tubo desse tipo rompe no estado e ritmo de exploração só cresce Divulgação MAM

Wallace Oliveira

O

desastre aconteceu às 7h42 da manhã de uma segunda-feira (12). Durante 25 minutos, vazaram mais de 300 toneladas de polpa de minério de ferro, contaminando o ribeirão Santo Antônio, no município de Santo Antônio do Grama, na Zona da Mata mineira. A Anglo American, empresa multinacional responsável pelo mineroduto - o maior do mundo - comunicou à Copasa, que interrompeu o fornecimento de água à população. O abastecimento só voltou na quarta (13). Mais de quatro mil pessoas ficaram sem água para beber, fazer comida, tomar banho, cuidar da criação e irrigar a horta. A economia do município de-

pende do gado leiteiro e da agricultura familiar. “A horticultura ficou comprometida porque parou a irrigação e os produtores tiveram que prender o gado, pois não sabiam se a criação podia beber aquela água, que tinha muito minério”, conta o vereador Herculano Barbosa Amorim (Avante). O rejeito também atin-

giu a água que abastece o município de Rio Casca, a 18 km de Santo Antônio. De acordo com a Copasa, a qualidade da água não havia sido comprometida, mas está sendo monitorada. Riscos Essa é a terceira vez que um mineroduto rompe em Minas Gerais. Os outros

dois incidentes ocorreram com equipamentos da Samarco (a mesma mineradora responsável pela barragem de rejeitos de Fundão, que rompeu em 2015), em Espera Feliz, também na Zona da Mata. “A tendência, a depender da cotação do preço do minério de ferro e da intensidade da exploração, é que as mineradoras usem o mineroduto da forma que for melhor a elas. As instalações vão ficando mais expostas a esse tipo de acidente”, alerta Luiz Paulo Guimarães, do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM). A ruptura acontece no momento em que a Anglo busca ampliar o Projeto Minas Rio. “A obtenção da licença foi feita de forma arbitrária e sem escutar as recomendações do Ministério

Mineração na Serra do Rola Moça pode causar escassez de água, dizem moradores Reprodução

Rafaella Dotta

A

Serra do Rola Moça e o abastecimento de sua população vizinha estão em perigo, afirmam moradores e movimentos de proteção ao meio ambiente. Eles organizam um abaixo-assinado pedindo que as atividades das mineradoras Santa Paulina e MGB não sejam retomadas. Atualmente, as nascentes do parque abastecem Belo Horizonte, Ibirité, Brumadinho, Casa Branca e outras cidades da região metropolitana. A maior preocupação do movimento Serra Sempre Viva é a interferência e pos-

sível destruição do manancial de Taboões, que é um dos pontos de captação de água da cidade de Ibirité. O movimento denuncia também a interferência em pontos de captação de água na encosta de Casa Branca e de nascentes da mata da Copa-

sa, que fariam divisa ou estariam muito próximos (900 metros) à mineração. Criado para proteger mananciais O Parque Estadual da Serra do Rola Moça está situado entre as cidades de Belo

Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho, em uma área de 4 mil hectares de matas e foi criado em 1994, justamente para preservar os cursos d’água na região. O abaixo-assinado denuncia que as mineradoras querem agir nesse terreno protegido. “Não concordamos com este tipo de atividade na área do parque, nem em seu entorno, pois sabemos dos estragos provocados ao meio ambiente, além de não trazer nenhum benefício real para a população”, afirma o abaixo-assinado organizado pelo Serra Sempre Viva, que até 15 março já ultrapassava 7 mil assinaturas.

Público, sem participação popular e sem ouvir a comunidade. Agora, eles conseguiram concessão para expandir o projeto em Conceição do Mato Dentro. Isso vai exigir o aumento da barragem de rejeitos, em um volume sete vezes maior do que era a Barragem de Fundão, que rompeu em Mariana”, denuncia Luiz Paulo. O MAM emitiu uma nota exigindo a suspensão da licença e paralisação das obras até que todos os problemas e impactos causados pelas etapas anteriores e pelo mineroduto sejam resolvidos; o reassentamento próximo à barragem, a revogação de decretos que favorecem os minerodutos em Minas e a proibição de novas instalações do tipo no estado.

Maior do mundo O Minas Rio, mineroduto que rompeu na segunda, é o maior do mundo, com 525 km, e atravessa 32 municípios de dois estados. Foi feito para funcionar por 28 anos, enquanto a jazida estiver ativa. Transporta, em média, 26 milhões de toneladas de minério por ano, de Conceição do Mato Dentro (MG) ao Porto do Açu, em São João da Barra (RJ). De lá, o produto segue para o exterior, principalmente China e Oriente Médio.


Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018 José Cruz/ Agência Brasil

MINAS

7

Maurício Prado

A sociedade precisa conhecer o caso nióbio

De que lado a Justiça está? A pergunta parece incoerente, uma vez que justiça pressupõe isonomia e imparcialidade. Mas se tratando do judiciário brasileiro, está atestado que ele tem lado, e não é o da população, sobretudo dos mais pobres. A postura vergonhosa de parcela dos magistrados, parcialidade no julgamento e partidarismo na tomada de decisões, enfraquece essa instituição que deveria ser guardiã dos direitos. O rompimento da barragem da Samarco/Vale/BHP Billiton ceifou a vida de 19 pessoas. A proporção da tragédia só não é maior que a indignação diante da postura de setores do judiciário. A Justiça Federal suspendeu o processo criminal e a decisão que obrigava a mineradora a depositar R$ 1,2 bilhão como garantia de reparação dos danos. Em 2006 cerca de 200 mil litros de lama foram despejados no córrego Bom Jardim, em Miraí, depois do rompimento de parte de uma das placas da barragem de Rio Pomba Empresa de Mineração Ltda. Em 2007, uma barragem de rejei- Justiça é tos da mesma empresa se rompeu e inundou as cidades de inoperante com Miraí e Muriaé. Mais de 4 mil pessoas ficaram desalojadas. Não houve reparação dos danos e mais uma vez a impuni- mineradoras dade prevaleceu. Se nesses casos há inoperância de setores do judiciário, por outro lado há celeridade quando se trata de participação de conchavos como o golpe que destituiu a presidenta Dilma do poder. O diálogo entre Romero Jucá e Sérgio Machado ficou emblemático: “com o Supremo, com tudo”. O “grande acordo nacional” está escancarado e se confirma quando uma ministra do STF se reúne com um presidente investigado pelo próprio STF. E o que dizer da perseguição aos movimentos populares e ao ex-presidente Lula, que representa um projeto popular? Sim, a Justiça tem lado e privilegia os ricos e poderosos. Padre João é deputado federal pelo PT/MG

Maurício Prado é auditor fiscal aposentado.

ACOMPANHANDO

Deputado Federal Padre João

O projeto de autoria do governo enviado à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, sob nº 4.996/18, propõe o desmembramento da empresa Codemig (Companhia de desenvolvimento econômico de Minas Gerais) em duas: A Codemg (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais) seria criada para administração das demais atividades, enquanto a Codemig passaria a administrar a exploração de minérios, inclusive do nióbio, na mina de Araxá, no Triângulo Mineiro. É urgente compreender as manobras mercadológicas nessa tentativa de divisão. O nióbio é usado em alguns aços inoxidáveis e ligas de metais, para fabricar tubos transportadores de água e petróleo a longas distâncias. É, ainda, um importante artefato nas indústrias nucleares, nas soldas elétricas, na produção de joias e na fabricação de componentes aeronáuticos, como as turbinas de avião. O Brasil detém mais de 90% das reservas mundiais do metal, mas possui uma arrecadação muito pequena. O Canadá, com apenas 2% das reservas de nióbio no mundo, arrecada 1000 vezes mais que o Brasil. Não há conhecimento amplo sobre os reais volumes produzidos e comercializados. A exploração e a produção estão a cargo da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração - CBMM, uma sociedade Canadá arrecada entre a família do banqueiro 1000 vezes mais Moreira Salles (majoritária) e a Molycorp, que em 2013 te- que o Brasil ria um faturamento de R$4 bilhões. A tributação se dá em nível federal através da CFEM, e em nível estadual pela Taxa de Controle, Monitoramento e Fiscalização das Atividades de Recursos Minerários - TFRM. A base governista contribuiu para o veto parcial à proposição de Lei 22.717, de aumento de 1UPFMG/t para 5 UPFMG/kg, na citada TFRM. Há muito a se desvendar.Precisamos de auditoria.

Na edição 224.... “Dois eventos e um tema: água” E agora... Ato em defesa à Vargem das Flores se une ao FAMA No próximo domingo (18), às 8h, acontece na Praça da Liberdade um ato para defender a bacia de Vargem das Flores, em Contagem, e também lutar contra outras várias iniciativas de privatização das águas e contra o descaso das grandes empresas com os crimes ambientais. De lá, os manifestantes seguem para Brasília, onde participarão do acampamento de oposição ao Fórum Mundial das Águas (FMA) e do Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA), que acontecem simultaneamente até o dia 22 de março.


8 6

BRASIL

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Auxílio-moradia custa R$ 5 bilhões e juízes farão greve para manter privilégio JUSTIÇA STF discute legalidade ao auxílio de R$4.377 por mês no próximo dia 22 de março Lula Marques / AGPT

Juliana Gonçalves São Paulo (SP)

Você sabia?

J

uízes federais decidiram parar os trabalhos no dia 15 de março em protesto pela possibilidade de revisão dos benefícios concedido à classe. No centro do debate está o auxílio-moradia recebido pelos magistrados no valor de R$ 4.377 por mês. Segundo a Ajufe, a Associação dos Juízes Federais do Brasil, a polêmica em torno do benefício é “seletiva” e ocorre como forma de retaliação à Operação Lava Jato. Antônio Escrivão Filho, professor de direito da UNB e membro do conselho da organização Terra de Direitos, discorda desse argumento. Para ele, os juízes estão confundindo o que é direito e o que é privilégio dentro de uma sociedade desigual como a brasi-

Valor é quatro vez maior que salário mínimo

Juiz Sergio Moro, que tem imóvel próprio e recebe R$ 4.377 por mês para auxílio moradia, está no centro do debate sobre o tema

leira. Além disso, destaca que a verba teria caráter indenizatório e não obrigatório. Ou seja, como está, é imoral. “O auxílio-moradia é previsto como indenização para um juiz que tem que se deslocar e tem gastos com mora-

dia e alimentação em um local onde não reside. Não faz qualquer sentido o juiz residir num local, ter residência própria e receber uma verba de indenização, por isso, neste caso, se trata de privilégio e não de direito”, afirma.

Dados da ONG Contas Aberta revelam que de setembro de 2014 a dezembro de 2017, apenas o auxílio-moradia custou cerca de R$ 5 bilhões à União e aos estados. Ao todo, apenas 30 mil servidores são beneficiados, sendo 17 mil magistrados e 13 mil membros do Ministério Público. O valor é quatro vezes maior que o salário mínimo, que passou de R$ 937 no ano passado para R$ 954, em 2018, com reajuste de 1,81%, o menor índice dos últimos 24 anos.

Quando a polêmica começou? O assunto ganhou destaque quando foi revelado que Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, recebe R$ 4.377 por mês de auxílio-moradia, apesar de possuir imóvel próprio na capital paranaense. Desde setembro de 2014, por força de liminares do ministro Luiz Fux, do STF, todos os juízes federais passaram a ter direito ao auxílio-moradia.

71%

É o número de juízes que recebem acima do teto salarial constitucional estabelecido em R$33 mil mensal.

Fórum Social Mundial internacionaliza as lutas sociais ESPERANÇA O evento, realizado em Salvador, reúne diversos movimentos e organizações Mídia Ninja

Lilian Campelo Salvador (BA)

P

ara discutir as múltiplas crises sociais e diversidade de agendas de luta, o Fórum Social Mundial (FSM), com uma extensa programação, começou no dia 13 de março e vai até sábado (17). A estimativa é que compareçam cerca de 60 mil pessoas de 120 países. Estão confirmadas as participações do ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Fernando Lugo, do Paraguai, e José Mujica, do Uruguai. Tam-

bém participarão o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, a militante indígena e pré-candidata à vice-presidência pelo Psol Sônia Guajajara. O FSM ainda conta com representantes de organizações e entidades de países como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alema-

Devem comparecer 60 mil pessoas de 120 países

nha, Tunísia, Guiné, Senegal, como também de países sul-americanos e representações nacionais. O primeiro Fórum Social Mundial ocorreu em Porto Alegre, em 2001, e é uma iniciativa da sociedade civil organizada que tem como objetivo promover um encontro plural e democrático, em busca de uma reflexão coletiva sobre as múltiplas crises que aprofundam a desigualdade social. O evento é realizado a cada dois anos. O último foi realizado no Canadá, em 2016.


Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

BRASIL

9

Prisão de Lula pode acender um “pavio” de indignação e revolta POLÍTICA Integrantes de movimentos populares avaliam provável cenário de prisão do ex-presidente e como isso pode impactar o país Ricardo Stuckert

readora Marielle Franco, do PSOL. A indignação está tomando conta do país, e não é de hoje. Eu diria que pavio da revolta e da indignação está sendo aceso e deve se espalhar”, avalia Alexandre Conceição, integrante da coordenação nacional do MST.

Pedro Rafael Vilela

C

resce a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser preso nas próximas semanas. Depois de condenarem o ex-presidente a 12 anos e um mês de prisão, os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) determinaram a prisão imediata após o julgamento dos últimos recursos disponíveis na segunda instância, o que pode ocorrer entre os dias 28 e 29 de março, mesmo com a medida sendo considerada inconstitucional por importantes juristas.

Para os movimentos populares organizados, o país vive um agravamento do golpe

A data também coincide com o encerramento da caravana de Lula pela região Sul do país, que será justamente em Curitiba, para onde o ex-presidente poderá ser levado para cumprir pena. O roteiro de Lula começa no próximo dia 18, em São Borja (RS), onde ele visitará os túmulos dos ex-presidentes João Goulart, deposto pelo golpe militar de 1964, e Getúlio Vargas. O presidente ainda visitará assentamentos modelo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e passará por 19 cidades.

“A caravana em si já é um momento de agitação. Se a prisão for decretada durante a caravana, existe potencial grande de tensão e mobilização popular”, reflete Eliane de Moura Martins, do Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD) e da Consulta Popular. “Criminalizar Lula e prendê-lo significa também prender os sonhos e esperança de grande parte da população, o que pode acarretar um levante. Hoje, no Rio de Janeiro, os morros desceram para chorar o assassinato brutal da ve-

Em disputa Para os movimentos populares, o país vive um agravamento do golpe, porque não há mais como manter o padrão de acumulação capitalista sem retirar direitos das pessoas. “O grande capital precisa recompor suas taxas de lucro, e isso só será possível com um aprofundamento da retirada dos recursos naturais e maior exploração dos trabalhadores, por isso estamos vivendo esses ataques diretos ao meio ambiente e aos direitos sociais mais básicos”, argumenta Eliane. Para o MST, a luta de classes entrou em campo aberto, e os trabalhadores precisam agir de forma organizada. “É uma guerra de projetos e

Criminalizar Lula e prendê-lo significa também prender os sonhos e esperança de grande parte da população, o que pode acarretar um levante”, avalia dirigente do MST uma tentativa de calar os movimentos. Se a elite quer impor uma agenda de retirada de direitos, saiba que a classe trabalhadora está preparada para agir E será de forma organizada”, diz Alexandre. Os movimentos que se articulam em torno da Frente Brasil Popular, como o MST e o MTD, apostam na retomada do trabalho de base por meio do Congresso do Povo Brasileiro, que vai mobilizar a população diretamente nas comunidades e bairros de todas as partes do país.

Fórum Alternativo Mundial da Água é na próxima semana

Encontro de Carmen Lúcia e Temer levanta suspeitas

DISPUTA Milhares de pessoas se reúnem em Brasília, de 17 a 22 de março, para se manifestar contra a forma como a água vem sendo usada no Brasil. Eles se contrapõem ao Fórum Mundial da Água, que acontece na mesma data e também em Brasília, que deve discutir como explorar ainda mais os rios e nascentes do país. A privatização é uma das propostas. De um lado, estarão presentes governos e grandes empresas, de outro se reunirão as pessoas atingidas pelos problemas hídricos causados pelos primeiros.

DESCONFIANÇA “Um réu encontrando com o juiz”, criticaram juristas e internautas nesta semana. A presidenta do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, recebeu em sua residência, o atual presidente Michel Temer, no final de semana. O encontro extraoficial gerou uma onda de críticas. O presidente é investigado em dois processos no STF e tenta retirar seu nome deles. Outros internautas lembraram ainda da frase dita por Romero Jucá na época do golpe contra Dilma: “com Supremo, com tudo”.


10 10

MUNDO

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Exército sírio encontra fábrica de armas químicas TENSÃO Rússia acusa EUA de estimular ataques químicos para dar pretexto a intervenção contra Damasco Reprodução

Da redação

P

ela segunda vez em uma semana, tropas do governo da Síria localizaram fábrica clandestina de armas químicas na região de Ghouta Oriental. Na segunda-feira (12), uma instalação foi localizada, contendo substâncias tóxicas, equipamentos de alta tecnologia de origem Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior da Rússia

Embaixadora dos EUA fez acusações e ameaçou nova intervenção no país

saudita, materiais de proteção de países ocidentais e documentos do Jaysh al-Islam, grupo terrorista apoiado pelo governo da Arábia Saudita. As informações são da SANA, agência de notícias da Síria.

No fim de fevereiro, o Ministério da Defesa da Rússia fez um alerta: grupos terroristas, apoiados por EUA e Reino Unido, estariam preparando provocações com uso de armas químicas na região, a fim de culpar o gover-

no sírio e criar pretexto para ataques contra o governo de Bashar al-Assad. O governo local chegou a dizer que apoiaria investigações sobre armas químicas, mas queixou-se da falta de cooperação das organizações internacionais. Os Estados Unidos redigiram no Conselho de Segurança da ONU uma ordem (a Resolução 2401), exigindo que todas as partes interrompam imediatamente, por 30 dias, todos os confrontos na Síria. O documento foi aprovado por unanimidade. Porém, em reunião na segunda (12), a embaixadora estadunidense Nikki Haley fez acusações contra os governos da

Rússia e da Síria e ameaçou nova intervenção no país. No dia seguinte, Moscou prometeu responder a eventuais ataques de mísseis estadunidenses contra Damasco. “Em caso de ameaça à vida dos nossos militares, as Forças Armadas da Federação da Rússia vão aplicar medidas de retaliação, tanto contra mísseis quanto contra os portadores que vão usá-los. Empenhos para normalizar a situação na região da capital síria continuam”, disse, em comunicado oficial, o general Valery Gerasimov, chefe do Estado-maior da Rússia.

Anúncio


Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

ENTREVISTA 11

“Ser mulher negra é resistir e sobreviver o tempo todo” INJUSTIÇA Saiba mais sobre Marielle Franco (PSOL), a vereadora do Rio de Janeiro que foi assassinada na quarta (14) e gerou uma onda de indignação Mídia Ninja

M

arielle Franco, vereadora do PSOL, teve uma das eleições mais comemoradas dos últimos tempos na cidade do Rio de Janeiro. Mulher, negra, nascida e criada na favela Complexo da Maré, ela foi a quinta candidata à Câmara dos Vereadores mais votada em 2016, com 46 mil votos. No entanto, na quarta (14), teve sua trajetória brutalmente interrompida. Marielle era defensora dos direitos humanos e vinha criticando com firmeza a intervenção militar no Rio de Janeiro. Há duas semanas ela se tornou relatora da Comissão da Câmara para acompanhar a intervenção. Em 10 de março, Marielle denunciou no seu

“Estamos expostos e somos violentados todos os dias” Facebook que policiais do 41º Batalhão da PM estão cometendo violências contra moradores do bairro carioca Acari. Confira abaixo a entrevista que ela concedeu a Mariana Pitasse, do Brasil de Fato RJ, em março de 2017. Brasil de Fato: Por que ainda é importante discutir o feminismo hoje? Marielle: Para garantir que

as mulheres não estejam em posições secundárias. Para evitar o status que muitos querem nos colo-

Como querem tratar as mulheres de maneira igual para aposentar se já somos tratadas de maneira desigual todos os dias?”

car de invisibilidade. Para que nós possamos ocupar espaços em que sejamos protagonistas. No dia 08 de março, é importante ir para as ruas, tornar público nosso discurso, porque à medida em que têm mulheres fazendo a fala, o debate sobre feminismo, gênero, racismo está em jogo e faz a diferença. Recentemente você relatou em sua página do Facebook o caso de racismo que sofreu no aeroporto com uma revista abusiva. Como é ser mulher negra no Brasil?

Ser mulher negra é resistir e sobreviver o tempo todo. As pessoas olham para os nossos corpos nos diminuindo, investigam se debaixo do turbante tem droga ou piolho, negam a nossa existência. Isso que passei no aeroporto foi uma vivência que muitas

mulheres negras já passaram. Poderíamos fazer uma pesquisa objetiva perguntando quantos mulheres e homens brancos já tiveram os seus cabelos revistados, a resposta seria nenhum. Estamos expostos e somos violentados todos os dias. Para que a discussão se amplie, é fundamental compreender que estamos em um lugar de tratamento diferente. É preciso reconhecer o racismo. As mulheres trabalham em média 7,5 horas a mais que os homens por semana, segundo pesquisa divulgada essa semana pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ainda assim a reforma da Previdência propõe que trabalhem a mesma quantidade de anos para aposentar. Como avalia essa proposta?

Como querem tratar as mulheres de maneira igual para aposentar se já somos tratadas de maneira desigual todos os dias? Nós, mulheres, estamos na base da pirâmide, com os me-

nores salários, trabalhando em jornadas duplas e ainda querem tratar a gente de maneira igual para a aposentadoria. É um discurso de igualdade só quando serve aos interesses deles. Temos que lembrar que estamos em condição subalternizada, não só pelo simbólico. Os dados objetivos das pesquisas estão mostrando isso. Infelizmente as mulheres ainda estão em situação vulnerável.

Nove tiros e abordagem suspeita Jornais e TVs, na noite de quarta (14), anunciaram que a vereadora carioca havia morrido em um assalto, mas logo a história foi narrada diferente. Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Pedro Gomes foram assassinados a tiros por homens que se aproximaram do seu carro. A vereadora foi atingida por cinco balas na cabeça e a maior suspeita é de execução. As redes sociais e as ruas foram inundadas por indignação e denúncias de que a morte teria ligação com as críticas que Marielle fez às milícias, à Polícia Militar e ao Exército. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Movimentos populares, organizações sociais e parlamentares de esquerda pedem que o caso seja investigado por órgãos federais, com trasnparência e celeridade. Dezenas de atos reuniram milhares de pessoas em todo o país exigindo justiça para o caso.


12 12 VARIEDADES

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Amiga da Saúde

CIÊNCIA, COISA BOA! A HOMEOPATIA FUNCIONA?

Reprodução

Usar unhas de gel pode fazer algum mal pra saúde? Valesca da Silva, 22 anos, estudante.

Marie Curie foi a primeira cientista a ganhar o Prêmio Nobel

A homeopatia é um método terapêutico criado pelo médico alemão Samuel Hahnemann no final do século XVIII. Baseia-se em dois princípios: de que uma substância que origina um sintoma é capaz de curá-lo; e de que quanto mais diluída essa substância for, mais forte será o seu efeito de cura. Muito difundida em todo o mundo, a homeopatia é foco constante de acalorados debates. Seus defensores não cansam de apontar exemplos de sua eficácia no tratamento de diversas doenças. Mas, o que a ciência diz a respeito? Os estudos científicos mais rigorosos sobre o tema concluíram até o momento que a homeopatia não possui efeito para além do placebo. Foi o que afirmaram, por exemplo, comitês científicos do Reino Unido (em 2010) e da Austrália (em 2015). O efeito placebo acontece quando algo (uma técnica ou substância) usado como tratamento produz um resultado biológico efetivo sem que isso tenha relação com o seu princípio real de funcionamento. Ou seja, a coisa cura, mas não pelos motivos que diz curar, e sim por convencer de que é capaz de curar. Com a homeopatia acontece dessa Os estudos forma. As pessoas que a utilizam podem científicos mais rigorosos sobre o efetivamente melhorar. Mas, isso não se deve à homeopatia em si, e sim a autostema concluíram sugestão e a outros fatores psicossociais até o momento que envolvidos na terapia (por exemplo, o a homeopatia não carinho e a atenção desprendidos pelo possui efeito para homeopata, geralmente bem superiores além do placebo à média dos médicos convencionais). Para além da falta de resultados nos testes, há outro grande problema por trás da homeopatia, de natureza teórica. Seu princípio, de que quanto mais diluído mais potente um medicamento é, faz com que, na prática, a diluição seja tamanha que não reste nenhuma molécula da substância no medicamento. Ou seja, ao tomar um remédio homeopático a pessoa ingere apenas água. O argumento que a homeopatia apresenta então é que a água é capaz de reter uma memória (ou energia) daquela substância em suas moléculas. Tal mecanismo jamais foi suficientemente explicado, o que torna essa hipótese frágil. Uma das mais belas características da ciência é a sua capacidade em admitir o erro. Aceitar que seu conhecimento é limitado e deve estar sempre aberto à novas descobertas. Negar essa bonita lógica científica de ver o mundo, insistindo que aquilo em que acreditamos é real, mesmo quando as evidências demonstram o contrário, é apostar em caminhos que a história já demonstrou não serem seguros. Um abraço e até a próxima! Renan Santos é professor de biologia da rede estadual de Minas Gerais

Cara Valesca, é crescente o número de mulheres que, a cada dia, aderem à moda das unhas de gel. Entretanto, poucas sabem que isso pode, sim, representar um risco para a saúde. Os problemas mais comuns são as micoses. O processo de fixação do molde de gel é agressivo para as unhas, o que as deixa mais susceptíveis a infecções. Além disso, podem ocorrer infiltrações, facilitando o aparecimento dos fungos que causam as micoses. Irritação e alergia também podem aparecer, principalmente se os produtos contiverem uma substância chamada metil metacri-

lato, sabidamente agressiva para a pele. O contato prolongado com acetona para remoção dos moldes é outro causador de irritação na pele. A aplicação e retirada dos moldes de gel podem ainda conter riscos de transmissão de doenças como, por exemplo, a hepatite, caso o instrumental não seja esterilizado. Diante de tantos riscos, todo cuidado é pouco. Para as gestantes a recomendação é não usar as unhas de gel, uma vez que há uma tendência a maior sensibilidade da pele, potencializando os riscos já citados.

Sofia Barbosa é enfermeira do Sistema Único de Saúde I Coren MG 159621-Enf. Mande sua dúvida: amigadasaude@brasildefato.com.br

Nossos direitos Casamento Comunitário A Defensoria Pública de Minas receberá até o dia 13 de abril as inscrições para os casais residentes em Belo Horizonte, que querem realizar o sonho de regularizar a situação civil junto aos cartórios de registro civil da capital mineira. Serão celebrados 500 casamentos simultâneos no Mineirinho, no dia 18 de maio de 2018. Quem tiver interesse pode procurar a DPMG, das 12 às 17 horas, na Rua dos Guajajaras, 1707, Barro Preto – BH. Para conseguir se casar de forma gratuita, no ato da inscrição o ca-

sal deve comprovar residência em Belo Horizonte, apresentar original de carteira de identidade, CPF, certidão de nascimento atualizada e comprovar que a renda do casal não ultrapassa dois salários mínimos mensais. Mais informações no telefone: (31) 3526-0312. Para os casais homoafetivos residentes em Sete Lagoas também haverá em breve casamento comunitário. As inscrições vão até 30 de março, na rua Fernando Pinto, 160, Sete Lagoas. Telefone de contato: (31) 3774-0104.

Adília Sozzi é advogada da Rede Nacional de Advogados Populares – RENAP


Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

13 VARIEDADES 13

www.malvados.com.br

Dicas Mastigadas DADINHO DE TAPIOCA Reprodução

www.coquetel.com.br

CAÇA-PALAVRA

© Revistas COQUETEL

Procure e marque, no diagrama de letras, as palavras em destaque no texto.

Rituais de boa sorte ilustrAção: nivAldo

Todas as pessoas bem-sucedidas dizem que chegaram onde queriam a custa de muito TRABALHO, persistência e conhecimento. TALENTO e INTUIÇÃO para fazer a escolha certa também são requisitos essenciais para a CONSTRUÇÃO de uma CARREIRA sólida e longa. Porém, a maioria concorda que uma dose de SORTE, de estar no LUGAR certo e na HORA certa é fundamental para conseguir o SUCESSO. É por isso que alguns artistas são apegados a pequenos RITUAIS para atrair a boa sorte ou afastar o AZAR. BRAD Pitt, por exemplo, trás sempre consigo um dente de tubarão que teria o PODER de protegê-lo de qualquer situação indesejada ou PERIGO. Já CATE Blanchet, quando filmou “O Senhor dos Anéis”, guardou as orelhas pontudas de ELFO da sua personagem e não começa um novo filme sem elas.

Ingredientes

ROBERTO Carlos, além das inúmeras superstições que já fazem parte do “show” do cantor, só usa BRANCO e AZUL. Se deu certo para ele? O BRASIL inteiro está de prova. L T L U G A R T D Y F R N R

M T L I A N D G P E R I G O

Y R R T L G N D N Y M C M F

A M C A R R E I R A M D F L

N Z E A O A M H C B D H I E

I O U I C Z O D A R B I L O

N A E L D A H F H E M O N M

R M E T M T T O C N A R B H

S U C E S S O F C A E O A Y

D H T R A C N D M I E T A C

T F B R A S I L R F D H D M

A M A S T N T O T R E B O R

L R B I D M F S R H D B G D

E R M O Ã Ç U R T S N O C Y

N H Y I I C E A F I D E Y H

T F I O Ã Ç I U T N I T E A

O S E B H G O L S B I I R B

I O C G G R E D O P T O T R

S R I T U A I S T E H M T Y

T T S E M I M A B L A O G S

D E L E O H L A B A R T L E

G I M I T D S E A E S S A T 31

Solução

• • • • •

500ml de leite 250g de tapioca granulada 250g de queijo coalho ralado finamente Sal e pimenta do reino Óleo suficiente para fritar

Modo de preparo

L U G A R A Z C U A L R R A Z A E I D P R A E A R R B I G O F L E O C N A R B S U C E S S O

E T A C T A L

B R A S I L O T R E B O R A

O Ã Ç I U T N I

E N T O S O R T I T U R A E I D S O P H

O Ã Ç U R T S N O C R

1. Ferva o leite. Desligue o fogo e adicione o sal e pimenta do reino ao leite. 2. Adicione a tapioca granulada e espere que ela fique hidratada. 3. Acrescente o queijo coalho ralado e misture bem. 4. Em forma retangular, forrada com filme de PVC, adicione a tapioca hidratada no leite, apertando bem, para que vire um bloco firme e sólido. 5. Leve para o congelador por aproximadamente uma hora. Então, retire a tapioca e desenforme. 6. Corte em cubos e frite-os em óleo quente, para que forme uma crosta dourada por fora.

O

E

O H L A B A R T

Participe enviando sugestões para receita@brasildefato.com.br.


14 CULTURA 14

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Pantera Negra: “eu sou herói, eu sou rei” REPRESENTATIVIDADE Filme evidencia aspectos do povo negro que geralmente não estão na mídia Divulgação

Raíssa Lopes

H

á pouco tempo, um apresentador de uma grande rede de televisão, branco, falou sobre o valor da representatividade durante uma passagem ao vivo. “Isso não importa”, ele disse. No entanto, um dos mais recentes sucessos do universo cinematográfico da Marvel Comics, o filme “Pantera Negra”, veio para dar um recado seco, direto: representatividade importa sim.

Além de colocar negros como protagonistas, filme trata do que a África poderia ter sido sem colonização

Feito por uma equipe quase toda negra – diretor, elenco, produtores –, o longa retrata a história de um rei. Um rei de pele preta que não é marginalizado, não vem de um continente pobre, de um povo sofrido que espera seu salvador. “Ver esse filme faz a gente sentir que está valendo a pena, sabe?” define Elissandra Flávia dos Santos, locutora, editora da revista Canjerê e uma das organizado-

ras de uma sessão especial do longa, destinada apenas ao público negro. Acordar “Parece clichê, mas é por conta da representatividade que eu despertei para questões raciais”, declara a jornalista. E para além do despertar coletivo, como ela relata, a sessão tinha como objetivo acender a felicidade e o orgulho, tão presentes no povo negro,

Vilmar Oliveira

CD novo de Pereira O cantor e compositor Pereira da Viola lança em Belo Horizonte, na quarta (21), seu novo disco “Novos Caminhos”. Com dez faixas autorais, Pereira evoca, com simplicidade, seu destino caminhante que valoriza muito mais a travessia do que a chegada. Na viola, o cantador do Vale do Mucuri expõe todas as possibilidades sonoras, resgatando a tradição e a cultura popular brasileira. O show acontece a partir das 20h, no Grande Teatro do Sesc Palladium, na rua Rio de Janeiro, 1046, no Centro de BH. O ingresso é R$ 30 a inteira e R$ 15 a meia.

mas tão pouco estimulados. O ator e educador popular Evandro Nunes estava presente e fez daquela a quarta vez que viu o filme. Uma das coisas que mais chamou a sua atenção foi unir a exaltação da ancestralidade, um dos pilares da cultura africana, com o novo e a juventude. “Retrata uma África tecnológica, um continente futuro, com um trono de metal, mas tem o chão de barro batido. O poder vem das plantas, do conhecimento tradicional – coisas que muita gente vê como arcaicas, burras, subdesenvolvidas –, mas sem deixar de lado toda essa potência da inovação que é nossa também. É um tapa na cara de quem ainda é racista. É dizer ‘não é a partir do seu olhar que eu sobrevivo’”, ressalta. Soberania Na opinião do rapper mi-

neiro Roger Deff, outro ponto positivo é o modo de falar do continente africano como autossuficiente com toda a sua riqueza natural. E apesar da ficção, ele acredita que o país imaginário que é cenário para o filme, Wakanda, é uma metáfora para questionar o que a África poderia ter sido sem a colonização. “Vários países do mundo não seriam assim tão pobres, tão dependentes da tecnologia estrangeira se não fosse a história de exploração. É uma produção divertida, que é comercial e tem alcance, mas que tem muito conteúdo, gera identificação. Não me recordo de outros filmes que tenham nos tratado fora do contexto de sofrimento. O Pantera Negra fala da dor, mas como um efeito colateral de uma bagagem histórica”, reflete o músico.

Divulgação

Feira de livros A 9ª edição da Feira Universitária do Livro da UFMG acontece entre os dias 20 e 22 de março, no campus da Pampulha. São quase 30 editoras confirmadas, entre elas a Expressão Popular (expressaopopular.com.br) e a Mazza (mazzaedicoes.com.br). Os títulos serão vendidos com descontos a partir de 40%, inclusive lançamentos. O evento é aberto ao público das 9h às 19h, na Praça de Serviços.

Divulgação

Sarau pela luta dos direitos das mulheres em Uberlândia Acontece no dia 22 de março o sarau “Mulherau”, a partir das 17h30, no NUCA (Núcleo de Cultura e Arte), localizado na Universidade Federal de Uberlândia – Campus Santa Mônica. Organizado pelo grupo Entre Irmãs, com o tema: movimento de luta pelos direitos das mulheres, o evento terá a exposição de poemas, desenhos, fotografias, apresentações teatrais e musicais. Entrada gratuita.


Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

ESPORTE

15 15

Arquivo Pessoal

Curto e Grosso na geral

O racismo para além do que se vê Luiz Fellipe Fagaráz

Mineiro disputa Mundial de Taekwondo Mineiro de Caratinga, o faixa preta em taekwondo, Marcos Toledo de Souza, foi convocado para a Seleção Brasileira. Em fevereiro, ele venceu o Grand Slam do Rio de Janeiro, na categoria juvenil (até 63 kg), assegurando vaga no Mundial daTunísia, em abril. Marcos é beneficiário do programa Bolsa Atleta, que fornece ajuda financeira a atletas que se dedicam com exclusividade ao treinamento esportivo e à participação em competições. O programa já foi o maior patrocínio individual de atletas no mundo. Criado em 2005 pelo governo Lula, é financiado com recursos públicos.

Falar sobre xingamentos racistas vindos das arquibancadas ou de jogadores não é novidade. Porém, podemos refletir sobre outro tipo de racismo no esporte, que não se observa à primeira vista. No mês passado, o ex-jogador Edilson Capetinha disse que goleiros negros não são confiáveis e que, cedo ou tarde, eles acabam falhando. Ele se justificou (?) em seguida, dizendo que isso era uma piada interna do futebol. O jogador se referia ao goleiro Jaílson, do Palmeiras. Se pegarmos a própria história do clube, do qual sou torcedor, veremos que essa “justificativa” do Edilson aparece mais vezes do que gostaríamos. A Sociedade Esportiva Palmeiras foi o último grande clube a aceitar jogadores negros, em 1943, com a estreia de Og Moreira. Em 2015, com Aranha, tivemos o primeiro goleiro negro a defender a

meta alviverde. Ele ficou menos de um ano no clube e jogou só uma vez. No ano seguinte, apesar de ter sido um dos heróis da conquista do Brasileirão, o goleiro Jaílson ainda era considerado reserva de Fernando Prass. Podemos analisar ainda outra função do clube: a de treinador. Roger Machado foi contratado no começo do ano para o cargo e teve o melhor início de um treinador no clube desde 1978. É visível o pouco número de treinadores negros. Tentando puxar pela memória e, após uma rápida pesquisa, não encontrei outro treinador negro que tenha trabalhado no Palmeiras, com a exceção de Narciso, que assumiu o cargo de forma interina. Esse racismo ainda permeia o futebol brasileiro, por mais que pequenos avanços possam ser vistos. Infelizmente, o pensamento de Edilson não é um ponto fora da curva no universo desse esporte.

Anúncio


16

Belo Horizonte, 16 a 22 de março de 2018

Brasil disputa Aberto de Judô no Peru

ESPORTES

16

DECLARAÇÃO DA SEMANA Reprodução / Esporte Interativo CBJa

este fim de semana, a equipe brasileira de judô vai a Lima (Peru) participar da N etapa dos Abertos Continentais do Circuito Mundial. A disputa vale pontuação no ranking internacional. A delegação brasileira comparece com 23 representantes: três

pessoas da comissão técnica, 10 atletas do feminino e 10 do masculino. Destaque para Diego Santos (66kg), Laislaine Rocha (78kg) e Rochele Nunes (+78kg), que venceram o Aberto de Santiago (Chile), no último fim de semana. As lutas começam no sábado.

“Senti na pele a sensação de impotência que muitas mulheres sentem em estádios, metrôs ou até mesmo andando pelas ruas. Um beijo na boca, sem a minha permissão, enquanto eu exercia a minha profissão” Bruna Dealtry, repórter do Esporte Interativo, que foi beijada à força por um torcedor, enquanto fazia uma transmissão ao vivo.

Gol de placa O palmeirense William de Lucca, presente na vitória do Palmeiras contra o São Paulo, no Allianz Parque, criticou pela internet a homofobia dos alviverdes no clássico. O ato de coragem repercutiu entre as torcidas, dando mais visibilidade à luta.

Gol contra O Botafogo homenageou o general Braga Netto, líder da intervenção militar no Rio, com uma camisa emoldurada. Anderson Simões, dirigente envolvido em corrupção na venda irregular de ingressos para torcidas organizadas, entregou o presente.

Decacampeão

É Galo doido

La Bestia Negra

Bráulio Siffert

Rogério Hilário

Giovanna Fantoni

Com o fim da primeira fase do Campeonato Mineiro, acabou o período de testes no América. Quase todo o elenco entrou em campo e teve tempo de mostrar a que veio. Alguns, como Carlinhos, David, Marquinhos, Serginho e Aylon aproveitaram Decacampeão bem as oportunidades. Outros, como Juninho, Capixaba, Luan e Rafael Moura ainda precisam evoluir para ser escalados. Agora, vem a fase final do Campeonato Mineiro e, logo depois, começa a Série A. Não há mais tempo para testes e indefinições: é preciso ter um time-base ideal e reservas que passem confiança. De toda forma, o elenco mostrou potencial para conseguir o principal objetivo da temporada: permanecer na primeira divisão do Brasileiro.

Em uma semana aparentemente decisiva, o Atlético perdeu um dos ícones de sua modernização administrativa, Bebeto de Freitas. Consagrado no vôlei como jogador e técnico inovador, comandante da “geração de prata”, ele levou para o clube, É Galo doido! em 1999 profissionalismo ao futebol profissional. Seu talento deu ao Galo o vice-campeonato brasileiro. No elenco brilhavam Marques, Guilherme, Lincoln, entre outros. Neste poço de desmandos e trapaças, Bebeto vai fazer falta. No fim de semana, o Galo tem a URT pela frente. Vive-se um dia de cada vez. Condições para seguir em frente não faltam. Basta apostar no básico. É o que está mais difícil de fazer. Mas a esperança teima em ser alvinegra.

A interferência dos militares Anúncio na política brasileira fez lembrar uma história envolvendo nosso maior ídolo, o craque Tostão. Em 1970, pouco antes da Copa, o Mineirinho de Ouro deu uma entrevista ao jornal O Pasquim, principal veículo de oposição La Bestia à ditadura militar. Nela, oNegra jogador elogiou o bispo Dom Hélder Câmara, um dos principais inimigos do regime. Dias depois, ele recebeu ligação anônima com ameaças, dizendo que, se voltasse a falar de política, seria cortado da Seleção. Essa é uma entre várias histórias que nos dão motivos para repudiar qualquer intervenção militar no Rio e no Brasil. Queremos que os militares voltem para o quartel, de onde nunca deveriam ter saído.