Edição 177 do Brasil de Fato MG

Page 1

CIDADES

4

Verde em risco em BH

BRASIL

9

Estefânia Dalia

Luana quer lançar seu livro

Capital tem sete matas ameaçadas por construtoras. Para barrar loteamentos, moradores se mobilizam em defesa da natureza

Minas Gerais

Reprodução

Romance de escritora trans de Minas Gerais é aceito por editora. Para garantir publicação, são necessários R$ 8 mil com prévenda

24 a 30 de março de 2017 • edição 177 • brasildefato.com.br • distribuição gratuita • facebook.com/brasildefatomg

CLT

1943 2017 Câmara dos Deputados impõe fim dos direitos trabalhistas. Especialistas explicam que projeto aprovado a pedido do governo federal tornará raridade trabalhar de carteira assinada, férias remuneradas, décimo terceiro, licença-maternidade e outros direitos. O Projeto de Lei da Terceirização (PL 4302/98) foi aprovado por deputados que possuem vínculos ou são donos de empresas que lucram com o trabalho terceirizado. Veja quais partidos votaram contra os interesses do povo

MINAS

5

Movimentos articulam lutas de resistência Contra retrocessos, movimentos chamam manifestação para os dias 28 e 31 de março. Em abril, CUT anuncia greve geral para revogar aprovação de terceirização ilimitada


2

OPINIÃO

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Editorial | Brasil

Governo quer Brasil como sucursal do inferno O governo não eleito de Michel Temer ressuscitou projeto de terceirização geral e irrestrita de 1998, e a Câmara Deputados aprovou a toque de caixa. Um claro aprofundamento do golpe da classe dominante contra os trabalhadores. O projeto permite que empresas públicas e privadas terceirizem tudo. Por exemplo: as escolas poderão terceirizar de faxineiros a professores, os hospitais poderão contratar médicos terceiriza-

ESPAÇO dos Leitores “Caraca! É inacreditável o tamanho da malandragem” Lucas Chaves comenta o #BombouNaRede sobre Aécio Neves

“Ou lutamos ou nós [seremos] escravizados. O Congresso Nacional não vai parar. Estão todos atolados na lama suja dá corrupção. Então quanto menor for o povo brasileiro, mais fácil a manipulação e a extorsão. Diga NÃO agora para não chorar depois!” Jane Sartori Jeunon comenta o artigo de Beatriz Cerqueira “A ilegitimidade do Congresso Nacional”

Fiquei feliz de ver alguns dos projetos que eu lembro que eram bem polêmicos serem retirados. Alguma notícia boa, pelo menos...” Cleber Chaves escreve sobre a matéria “Prefeito atende a vereadores de esquerda e retira 12 projetos que iriam privatizar a cidade”

Escreva para nós: redacaomg@brasildefato.com.br

Dia 31/3 o país irá novamente as ruas dos, as construtoras farão o mesmo com engenheiros. Aprovaram, ainda, que contratos temporários podem valer por até nove meses e, terminado, o trabalhador terá que esperar três meses até ser novamente contratado. Em resumo: trabalhadores ficarão três meses sem salários, sem previdência, sem FGTS, sem férias, sem 13º salário, sem nenhum direito trabalhista. O que os deputados aprovaram permite, ainda, que o tempo contratado pode ser usufruído pelos patrões quando quiserem, ficando o trabalhador sem trabalho – e sem salário – nesse período. Com apenas nove meses de trabalho por ano, os trabalhadores só alcançarão os 49 anos de contribuição para aposentar, como quer o governo, com 65 anos de contratos temporários. Ou seja, talvez, se nossos jovens começarem a trabalhar aos 16, consigam se aposentar com 81 anos.

O jornal Brasil de Fato circula semanalmente com edições regionais, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, no Paraná e em Pernambuco. Queremos contribuir no debate de ideias e na análise dos fatos do ponto de vista da necessidade de mudanças sociais em nosso país e no nosso estado.

Nesse cenário, o Brasil não tem futuro. O projeto aprovado por 231 deputados acaba com a CLT. Pesquisas do DIEESE mostram que os terceirizados trabalham 3 horas a mais por semana, possuem salário 24,7% menor, representam 80% das mortes em trabalho, e somam 90% dos trabalhadores resgatados em con-

80% das mortes em trabalho são de terceirizados dições análogas à escravidão. Com contratos temporários ficará mais fácil impedir o acesso às férias e ao décimo terceiro salário. Teremos menos descanso semanal e anual, mais trabalho e mais doenças físicas e psíquicas, mais acidentes de trabalho, mais mortes. Concurso público será uma raridade. Os políticos estarão liberados para terceirizar todos os cargos da União, e de empresas públicas como Caixa Econômica, Banco do Brasil e Petrobras. E, claro, colocar no lugar de funcionários concursados apadrinhados políticos contratados por empresas amigas terceirizadas. É o reino do clientelismo e do nepotismo. As empresas terão um lucro fenomenal com a redução dos direitos e dos salários enquanto o país caminha para se tornar uma sucursal do inferno. Dia 31 de março, o país irá novamente às ruas, única maneira de parar as inúmeras medidas desse governo sem voto. Não tem outro caminho, é rua, consciência política e greve.

REDE SOCIAL: facebook.com/brasildefatomg correio: redacaomg@brasildefato.com.br para anunciar: publicidademg@brasildefato.com.br TELEFONES: (31) 3309 3314 / (31) 3213 3983

conselho editorial minas gerais: Adília Sozzi, Adriano Pereira Santos, Beatriz Cerqueira, Bernadete Esperança, Bruno Abreu Gomes, Cida Falabella, Durval Ângelo Andrade, Ênio Bohnenberger, Frederico Santana Rick, Gilson Reis, Gustavo Bones, Jairo Nogueira Filho, Joana Tavares, João Paulo Cunha, Joceli Andrioli, José Guilherme Castro, Juarez Guimarães, Marcelo Oliveira Almeida, Maria Júlia Gomes de Andrade, Milton Bicalho, Neila Batista, Nilmário Miranda, Padre Henrique Moura, Padre João, Pereira da Viola, Renan Santos, Rogério Correia, Rosângela Gomes da Costa, Samuel da Silva, Talles Lopes, Temístocles Marcelos, Titane, Wagner Xavier. Editora: Joana Tavares (Mtb 10140/MG). Redação: Larissa Costa, Pedro Rafael Vilela, Rafaella Dotta, Raíssa Lopes e Wallace Oliveira. Colaboradores: Alan Tygel, Anna Carolina Azevedo, André Fidusi, Bráulio Siffert, Diego Silveira, Fernanda Costa, João Paulo Cunha, Léo Calixto, Marcelo Pereira, Nadia Daian, Rogério Hilário, Sofia Barbosa. Revisão: Cristiane Verediano. Administração: Vinicius Nolasco. Distribuição: Amélia Gomes. Diagramação: Tiago de Macedo Rodrigues. Tiragem: 40 mil exemplares.


?

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Por quarenta dias, a partir da Quarta-feira de Cinzas, algumas igrejas cristãs vivenciam o Tempo da Quaresma, período que antecede a Semana Santa e a Celebração da Páscoa. Trata-se de um momento dedicado à reflexão e ao arrependimento, cultivado desde o século IV. O Brasil de Fato foi às ruas perguntar:

“O governo quer votar logo a reforma [da Previdência], acalmar os credores, passar a conta para o trabalhador e partir para a reforma trabalhista antes que o povo se dê conta”

Para você, o que significa a Quaresma?

Respeito muito a posição de cada um, mas tenho uma fé diferente. Para mim, a Quaresma é uma criação da Igreja Católica e outras religiões não guardam essa tradição. A Quaresma, para mim, não muda, não faço jejum, não tem significado.

Delvira Ana, aposentada

3

Declaração da Semana

PERGUNTA DA SEMANA

Eu não sou católica, mas respeito as pessoas que acreditam. Eu acho que a Quaresma é mais o povo vender, é o pessoal que acha que deve comer muito, é quem não come carne durante 40 dias. Para mim, pessoalmente, não tem nada a ver.

GERAL

Divulgação

Wagner Moura, ator e diretor, criticando as reformas do governo não eleito de Temer (PMDB).

#BombouNaRede

Reprodução

Heitor Mereu, aposentado

Grazielle Souza

A cabeleireira Taciane Cristina Souza Pires foi agredida com um tapa no rosto e xingamentos racistas, na segunda-feira (20), enquanto entrava no ônibus 3503, região central de BH. O episódio foi presenciado por várias pessoas, que ajudaram a conter o agressor, um advogado de 70 anos. Ele tentou fugir, mas foi preso na Praça Sete e liberado pela polícia no mesmo dia, após pagar fiança. As denúncias viralizaram nas redes sociais. No dia 21 de março, é celebrado o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial.

Conferências locais de saúde em BH Na próxima semana, serão realizadas 151 conferências locais de saúde em Belo Horizonte, entre os dias 30 de março e 1º de abril. Trata-se de um momento preparatório para a Conferência Municipal, que irá elaborar o novo plano municipal de saúde para o período de 2018 a 2021. Qualquer pessoa pode participar das conferências locais. Para participar, você precisa procurar o Centro de Saúde mais próximo do bairro onde você mora. Mais informações: (31)3277-7773

O apresentador Fausto Silva (Faustão) contou que, na última sexta (17), durante almoço no restaurante La Tambouille, em São Paulo, pagou a conta do presidente não eleito Michel Temer (PMDB). Faz sentido: o governo não eleito aumentou os gastos com publicidade. Quem paga, com dinheiro público, as contas da empresa onde Faustão trabalha?


4

CIDADES

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Sete matas ameaçadas por construtoras em BH MEIO AMBIENTE Moradores se organizam para defender últimas áreas verdes na cidade Reprodução

Amélia Gomes e Rafaella Dotta

B

elo Horizonte já foi apelidada de “cidade jardim”. Hoje a situação é diferente, e o conflito do verde contra o cinza parece criar uma batalha na capital. A campanha da fraternidade da Igreja católica traz, neste ano, o tema “Biomas brasileiros e defesa da vida” e chama atenção para as sete áreas verdes ameaçadas na capital. No bairro Jardim América, na região Oeste, cente-

Mata da Izidora Local de disputa por moradia, a Mata da Izidora é também a maior área verde da capital. São 10 milhões de metros quadrados, 280 nascentes e 64 córregos, na zona norte. A região está dividida entre duas classificações de preservação uma de preservação máxima, onde não pode ter qualquer tipo de construção ou intervenção, e uma em que é permitida construções, desde que se preserve parte (30 e 50%).

“Parque Jardim américa”, na região oeste de BH, tem 20 mil metros quadrados

No Jardim América, bosque é fechado por muros nas de moradores se organizam, há cinco anos, pela preservação de mata que eles próprios já chamam de “Parque Jardim América”. O local é fechado por muros e eles não têm acesso ao pequeno bosque, mas o defendem como se fosse parte de seu quintal. “São 20 mil metros quadrados, única área verde remanescente da origem do bairro”, conta o morador João Batista da Silva. O conflito hoje acontece entre a construtora MASB e o Grupo Organizado de Moradores e Usuários do Jardim América. A empresa protocolou na Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em 2012, pedido de autorização para um empreendimento de 276 apartamentos, 29 lojas, 40

salas comerciais e 752 vagas de garagem. Um verdadeiro complexo de concreto. O empreendimento segue parado devido a uma ação civil do Ministério Público, porém não há garantias quanto à preservação da mata. Verde em perigo A situação é bem parecida a outras seis áreas de BH: a Mata do Mosteiro, Mata do Planalto, Mata São João Batista (Lareira), Mata do Isidoro, Mata da Baleia e o Complexo da Pampulha. Por não serem reconhecidas oficialmente como espaços de conservação ambiental, podem ser transformadas em loteamento a qualquer hora, alerta o Mo-

Moradores se mobilizam para garantir preservação

vimento das Associações de Moradores (MAM BH), segundo seu presidente Fernando de Santana. “Belo Horizonte é territorialmente pequena. Os terrenos para construção vão reduzindo, e a visão do especulador imobiliário vai para cima dessas áreas. A especulação imobiliária pode destruir o resto de mata que ainda existe”, alerta Fernando. Uma possível solução parece ser o cumprimento da promessa de Alexandre Kalil (PHS), prefeito de Belo Horizonte, de utilizar meios administrativos para barrar os loteamentos. Em encontro com movimentos ambientais, em 22 de março, ele afirmou que a Mata do Planalto e Jardim América estão resguardadas. “Vai ser mantida a palavra que eu dei na campanha. Ali [Mata do Planalto] não será feito nada. Eu agora sou prefeito e a solução será administrativa da Prefeitura”, garantiu.

Isis Medeiros

“Mulheres Cabulosas” em livro Uma campanha de financiamento coletivo para a publicação do livro “100 Mulheres Cabulosas da História” foi lançada na última semana. Organizado pelo Levante Popular da Juventude, o projeto faz releituras fotográficas e resgata a vida de mulheres que marcaram a história, seja nas artes, na ciência e em processos revolucionários. A intenção é que o livro seja publicado em março de 2018. Para colaborar, acesse www.catarse.me/mulherescabulosasdahistoria. Nessa plataforma, também são disponibilizados os orçamentos e brindes para quem contribuir.


Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

MINAS

5

Opinião

Sofrimento na carne João Paulo

A operação Carne Fraca da Polícia Federal tem recebido atenção de todos os lados. Há os que condenam, os que aprovam e os que ponderam. Algumas certezas vão ficando evidentes, como a existência de uma rede de corrupção que parte dos capitães do agronegócio e chega ao governo. Ou os objetivos políticos da PF, em sua disputa interna por protagonismo, que atropela procedimentos técnicos à custa de prejuízos irreparáveis no mercado interno e externo. Assim como foi feito com a Petrobras e as grandes empreiteiras, destrói-se agora, com o argumento do combate à corrupção, a excelência brasileira em setor de ponta da economia, liquefazendo empregos e aprofundando a recessão. É possível identificar a mudança de rota da imprensa, do sensacionalismo irresponsável à leniência interessada no mercado da propaganda estimulado com a crise.

No entanto, alguns aspectos decorrentes da crise em torno do mercado da carne industrializada estão sendo deixados de lado.

Crise da carne reafirma problemas estruturais Os frigoríficos e seus empregados, assepticamente de branco, são apresentados aos nossos olhos como algo que faz parte da mais natural forma de produção de alimentos. Ficam de fora dessas imagens muita coisa. O sofrimento dos animais, na casa das dezenas de milhões, e os abates violentos. Ou a utilização de elementos químicos permitidos para conservação e sanidade. Sem falar do estímulo ao uso da proteína animal como principal fonte alimentar, incentivando a ocupação de grandes áreas, que poderiam ser utilizadas para outras culturas e ou-

tro modelo alimentar. Sobretudo de pequenas propriedades com manejo familiar e adaptadas ao modo de vida de cada região. Por que não propor, a partir do impasse desse modelo, uma reflexão séria sobre o vegetarianismo, o veganismo, a agricultura familiar, a segurança alimentar, a sustentabilidade ambiental, o respeito aos animais e a reforma agrária? A carne que sai dos grandes frigoríficos reafirma alguns problemas estruturais da economia, como a concentração econômica, o latifúndio como território privilegiado de produção, a exploração do trabalho e a diminuição dos empregos (da estrutura familiar para o individualismo fordista). Sem falar no estímulo ao monopólio e a inclinação aos desejos do mercado externo, sem consideração com as demandas locais. Sabemos que não podemos viver sem democracia, sem instituições fortes e sem justiça social. Mas desconfio que podemos viver sem carne.

Pressão para barrar reforma da Previdência MUDANÇAS Sindicalista alerta que pulverização da proposta de Temer não pode levar à desmobilização Maxwell Vilela

mais se manifestaram contra a medida e se comprometerem a buscar adesão de toda a bancada mineira para barrar o projeto. Temer anuncia a retirada de servidores municipais e estaduais da proposta Um dia após o encontro, na terça-feira (21), o presidente não eleito Michel Temer (PMDB) anunciou que pretende retirar servidores municipais e estaduais da proposta que altera as regras da Previdência. Essa nova mu-

R

epresentantes de movimentos populares e estudantis e centrais sindicais realizaram um encontro com os deputados federais mineiros na segunda (20), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), para cobrar a não aprovação

da reforma da Previdência. O evento contou com a presença de dezenas de trabalhadores do Estado e de Belo Horizonte e 11 parlamentares. De todos, apenas o deputado Franklin Lima (PP-MG) não declarou voto contrário à PEC 287. Os de-

dança faria, teoricamente, com que apenas os servidores federais e trabalhadores do setor privado fossem prejudicados pela reforma, além daqueles que possuem contrato temporário. Para a presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT-MG), Beatriz Cerqueira, a mudança significa uma manobra do governo para “fragmentar a mobilização” após o sucesso dos protestos dos educadores no dia 15. “Quer dizer que podemos enfrentar

reformas piores do que a de Temer [nos estados e municípios]. Isso não nos retira do alvo de ataque. Significa apenas uma pulverização. Cada servidor municipal e estadual terá que fazer sua luta própria depois”, alerta. Além disso, ela afirmou que a luta não deve excluir um grupo ou outro. “A batalha contra essa reforma não é de categoria. Trata-se de uma luta de classe”, declarou a sindicalista.

Anúncio


6

MINAS

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Empresas do transporte de Uberlândia querem extinguir o trabalho dos cobradores RETROCESSO Sindicalista afirma que medida vai prejudicar também usuários dos ônibus, com aumento do risco de acidentes e do tempo de viagem trânsito, no aumento da dificuldade no embarque/ desembarque de uma pessoa com deficiência física que utiliza cadeira de rodas, por exemplo, e o risco de acidente no manejo das portas”, enumera. “Além disso, as demissões certamente vão impactar no tempo da viagem, pois o motorista desempenhará a função de dirigir, acumulada com a de cobrar. Ou seja, a retirada deste posto de trabalho precariza ain-

Luiz Fellippe Fagaráz e Núbia Tortelli Mendonça

A

s três empresas responsáveis por operar o transporte coletivo de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, pretendem acabar, gradativamente, com o posto de trabalho dos cobradores das linhas de ônibus da cidade, ficando a cargo do motorista algumas funções, como cobrança de passagens. A medida resultará na demissão de cerca de 950 trabalhadores. Essa tentativa segue uma tendência nacional das empresas de transporte de extinguir o posto de cobrador de ônibus, argumentando a falta de necessidade desse profissional frente aos meios eletrônicos de cobrança.

Se levada a cabo, medida pode acabar com emprego de 950 pessoas

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Uberlândia (SINTTRURB), Márcio Dúlio de Oliveira, argumenta que a retirada des-

ses profissionais dos ônibus pode gerar diversos problemas, afetando também os usuários. “A ausência deste trabalhador implica no aumento do risco de acidente no

Sindicato afirma que a tarifa contempla o salário de todos os trabalhadores

da mais o serviço”, reforça. O sindicato ainda aponta que, se a motivação for econômica, não se justifica, pois a tarifa contempla o salário de todos os trabalhadores. O SINTTRURB recolheu assinaturas de vereadores e entregou à prefeitura uma proposta de um projeto de mudança da lei, para regulamentar a existência de dois postos de trabalhos nos veículos de transporte público. Além da pauta contra a extinção do posto de trabalho do cobrador, a categoria está em campanha salarial, pois não houve mudança nos salários, apesar do aumento do preço das passagens no início do ano. Em janeiro, a passagem passou de R$ 3,50 para R$ 3,80.

Justiça suspende processos movidos contra Samarco sobre má qualidade da água Mídia NINJA

Raíssa Lopes

O

s processos movidos contra a Samarco sobre a má qualidade da água do Rio Doce serão suspensos pela Justiça. A decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), em atendimento a pedido da mineradora, que alegou que os Juizados Especiais que tomavam conta das investigações não teriam competência para julgá-las. Ela ainda argumenta que uma decisão pode abrir jurisprudência para as demais.

Os processos consistiam em mais de 20 mil ações de várias prefeituras de mu-

nicípios banhados pelo Rio Doce, que, após o rompimento da barragem de

Fundão, tiveram o abastecimento de água comprometido e solicitaram reparações de danos e indenizações da empresa. Movimento critica O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) divulgou uma carta de repúdio à decisão do TJMG. De acordo com a organização, a resolução só seria benéfica para a Samarco, Vale e BHP Billiton. O requerimento foi aprovado na semana do Dia Mundial da Água, celebrado em 22 de março. “[O dia] é o marco para mostrar à sociedade a importância da

preservação desse recurso. No entanto, as empresas e o Estado brasileiro fazem justamente o caminho oposto, no país com a maior bacia hidrográfica do mundo”, afirmou o documento. Para Joceli Andrioli, da coordenação do MAB, o pedido da Samarco foi “um golpe muito bem elaborado na Justiça, que tenta achar dados técnicos que não existem para provar que a água não está contaminada, e que o povo não foi prejudicado”. Ele declarou, ainda, que o movimento segue na luta coletiva para garantir o direito de todas as famílias atingidas.


Acompanhando

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Foto da semana

OPINIÃO

7

PARTICIPE Viu alguma coisa legal? Algum absurdo? Quer divulgar? Mande sua foto para redacaomg@brasildefato.com.br.

Ascom-SEDA

Coutinho / SCO - STF Na ediçãoRosinei 159...

Eleições BH: direito à moradia ...E agora PBH acaba com duas ações de reintegração de posse na capital A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) encerrou duas ações de reintegração de posse. A decisão corresponde às ocupações Rosa Leão e Zilah Spósito, que reúnem mais de 1.800 famílias na Mata da Izidora. No entanto, a resolução abrange apenas 5% das áreas ocupadas da capital, deixando de fora grande parte do terreno da Granja Werneck. Em reunião com os moradores e movimentos sociais, o prefeito Alexandre Kalil (PHS) garantiu também a urbanização e regularização desses locais, mas não deu prazo. Na edição 159... “Criança Feliz” é um retrocesso nos direitos sociais, alertam trabalhadores da assistência social ...E agora Programa onera cofres públicos e não cobre despesas, afirmam municípios Um estudo feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) revelou que o programa do governo federal “Criança Feliz”, que tem a primeira-dama Marcela Temer como embaixadora, tem um “grave subfinanciamento”, o que sobrecarrega os cofres dos municípios. A entidade alertou que o valor repassado às prefeituras que aderem ao projeto não chega a bancar um terço dos custos.

TELEVISÃO O programa “Mulhere-se” da Rede Minas reestreou, na última semana, com a série “Mulheres do Campo de Minas Gerais”. Os episódios contam a história, a cultura e os desafios enfrentados por mulheres trabalhadoras rurais de oito cidades do interior do estado. O programa vai ao ar todas as quintas, às 21h com representações nos domingos, às 16h

Eliane Tavares

Mário Augusto Jakobskind

Moro ameaça liberdade de expressão

Estardalhaço midiático sobre a carne deixa dúvidas

O Superior Tribunal Federal tirou a obrigatoriedade do diploma de jornalista já há alguns anos. Essa semana o sistema e seus dirigentes utilizaram da lei ao seu bel prazer. Prenderam um “blogueiro”, que atua como jornalista, ainda que não formado na área, e exigiram dele o nome da fonte que ele usou para dar, antecipadamente, a informação de que Lula seria levado coercitivamente à polícia. Pois vejam, o direito ao sigilo da fonte é um direito que têm os jornalistas. Mas o STF disse que qualquer um pode ser jornalista, então esse “qualquer um”, atuando como jornalista, deve ter seu direito ao sigilo respeitado. O STF alega que todos têm o direito à livre expressão. Agora isso não vale mais? O juiz que ordenou a prisão disse: ele não é jornalista. Vejam que são dois pesos e duas medidas. Jornalistas da Globo “vazando” gravações pessoais não é crime. Um blogueiro informando que um ex-presidente vai Não há como confiar ser levado coercino judiciário tivamente à polícia, uma informação verdadeira e de interesse público, é. Onde está a diferença? Simples. A Globo é aliada do grupo que hoje está governando o país. O blogueiro é aliado do presidente Lula. A qualquer momento a lava-jato pode pegar qualquer um, desde que não esteja no círculo do poder. Aos amigos, tudo. Aos inimigos, a lei. Não é sem razão o dito popular. Todos sabem que é assim. Não há motivo algum para confiar no judiciário. Na justiça, sim. E, essa, quem deve fazer valer são os trabalhadores, unidos e organizados.

A semana começa, como sempre tem acontecido de uns tempos para cá, muito movimentada. Os jornalões e telejornalões dão espaço muito grande para denúncias na área do consumo de carne, denúncias que, segundo se informa, já eram conhecidas há tempos pela Polícia Federal. Uma pergunta não quer calar: se a saúde de consumidores das carnes corre riscos, por que tanto tempo para serem divulgados? Por que só agora e com estardalhaço redobrado? A reação internacional poderá colocar em risco as exportações brasileiras, que competem com concorrentes europeus e estadunidenses. O Brasil, por sinal, é o maior exportador de carne no mundo. Há informações segundo as quais muitos interesses estão em jogo e pode estar se repetindo o que já aconteceu com o café brasileiro, quando empresas estadunidenses produtoras do café solúvel se sentiam incomodadas com o café nacional. Fizeram uma campanha pesada Governo Temer seguirá para que continuassem o que quer Washington com os lucros do café solúvel e abocanhassem o café brasileiro in natura. Enquanto isso, o Presidente Donald Trump falou, por telefone, com o verme golpista Michel Temer, que não foi eleito e que ocupa a Presidência da República de forma ilegítima. O Ministro do Exterior precisa demonstrar serviço a Trump. Aloysio Nunes Ferreira vai querer demonstrar que quem estiver na Casa Branca pode ficar despreocupado que terá um aliado incondicional para o que der e vier. O que está em jogo, verdadeiramente, é que o governo que se diz brasileiro demonstrará a todo instante que seguirá, com afinco, tudo que Washington desejar.

Elaine Tavares é jornalista. Leia artigo na íntegra em www.brasildefato.com.br

Mário Augusto Jakobskind é jornalista e escritor.


88

BRASIL

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Terceirização irrestrita é aprovada na Câmara dos Deputados RETROCESSO Com 231 votos a favor e 188 contra, medida autoriza terceirização das atividadesfim e retira direitos trabalhistas Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

Da redação

A

Câmara dos Deputados aprovou, na quarta (22), a lei que permite a terceirização de todas as atividades de uma empresa. A medida prevê que a contratação terceirizada possa ocorrer sem restrições, inclusive na administração pública e atividadesfim. O projeto contou com 231 votos a favor, 188 contra e oito abstenções (veja box). Entre as novas resoluções, o texto inclui a possibilidade de contratação de funcionários temporários para substituir grevistas, caso a greve seja declarada abusiva ou paralise setores essenciais. Além disso, a legislação não tem mais algumas das garantias trabalhistas presentes na anterior - aprovada em 2015 -, como a retenção de 4% do valor do contrato entre empresa e terceirizado para garantir o cumprimento de direitos do funcionário e exigências previdenciárias. A lei, que aguarda apenas a sanção do presidente Michel Temer, significa para especialistas o retrocesso de conquistas históricas da classe trabalhadora e a “total precarização das relações de trabalho”, como analisa o diretor de Assuntos Legislativos da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Luiz Colussi. “Comprovadamente, há um pagamento de salário inferior aos terceirizados, o número de acidentes de trabalho e doenças profissionais também é maior e eles não têm a proteção ampla do mundo sindical. Tudo isso junto envolve uma precarização. (…) Vamos trazer um

prejuízo para a dignidade do trabalhador”, ressalta Colussi. Contra terceirização irrestrita, CUT indica greve geral Após a aprovação da lei, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) anunciou uma greve geral no mês de abril. Em nota, a entida-

de classificou a votação do plenário como “manobra espúria” e convoca uma próxima paralisação para o dia 31 de março. A CUT também lembra que, há dez dias, o deputado Rodrigo Maia (DEM -RJ), em reunião com di-

rigentes de centrais sindicais de todo o país, concordou em suspender a votação do projeto por pelo menos 30 dias. “O presidente da Câmara não honra o compromisso assumido com as centrais e submete a voto um PL que é, na prática, uma minirreforma trabalhista regressiva que permite a terceirização de todos os trabalhadores e todas as trabalhadoras, atacando todos os seus direitos como férias, 13º salário, jornada de trabalho, garantias de convenções e acordos coletivos”, diz trecho do texto.

Lutas pelo Brasil Após os grandes atos dos dias 8 e 15 de março, as mobilizações nacionais seguem a todo vapor. Elas acontecerão no próximo dia 31, quando as pautas dos movimentos de moradia se unirão a protestos estaduais para lembrar o golpe de 1964 e de 2016, e no dia 7 de abril, quando ocorrerá a Jornada Nacional de Lutas, organizada pelo movimento estudantil. Ainda em abril, devem acontecer atividades para a data de votação da reforma da Previdência na Câmara e paralisações sindicais. Atos também serão realizados no Dia Internacional do Trabalhador, 1º de maio.

Lutas por MG A próxima manifestação está agendada para o dia 28 de março, após assembleia dos trabalhadores da educação, que seguem em greve. Do dia 31 ao 1º de abril, a Central Única de Trabalhadores realiza um Congresso Extraordinário com o objetivo de organizar as mobilizações contra as reformas de Temer.

Como votaram os deputados Apenas os deputados dos partidos PCdoB, PMB, PSOL, PT e Rede votaram integralmente contra o projeto. Ao todo, 188 deputados votaram contra. Em Minas, 18 deputados foram contrários à proposta, incluindo, além daquele ligados às siglas acima, parlamentares do PDT, PRB, PROS, PTN, PSL e SD. Um deputado mineiro se absteve e os outros 26 votaram a favor da terceirização irrestrita. Entre eles, Leonardo Quintão (PMDB), que foi relator do código da mineração e Raquel Muniz (PSD) que responde processo por suspeita de sonegação fiscal, estelionato e lavagem de dinheiro, junto a seu marido, o ex-prefeito afastado de Montes Claros, Rui Muniz.


Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

BRASIL

9

Romance de escritora mineira trans é aceito por editora de Portugal LITERATURA Para publicar “A Revolta dos Feios”, Luana Morena ainda precisa arrecadar R$ 8 mil com pré-venda da obra Estefânia Dalia

Pedro Rafael Vilela De Brasília (DF)

E

scritora, atriz, professora, redatora e revisora. A versátil Luana Morena recebeu há poucos meses uma notícia promissora e muito aguardada. A editora Chiado, uma das mais importantes e a que mais cresce em Portugal, reconheceu um “ótimo potencial literário” e quer publicar seu primeiro romance, “A Revolta dos Feios”, na Europa e no Brasil. Mas, para garantir a publicação, a editora exige

Como Luana eu me permiti me assumir como escritora e levar mais a sério minha carreira”

que a compra antecipada de 250 exemplares. Atualmente desempregada e sem condições de arcar com o investimento, Luana decidiu realizar a pré-venda de seu livro em uma plataforma de financiamento coletivo na internet. A meta é arrecadar R$ 8 mil, que vão cobrir os custos das 250 cópias e o envio pelos correios aos primeiros compradores. O prazo termina no dia 15 de abril e ainda falta mais

de 80% da meta. Se tiver o livro publicado e vender mais de três mil cópias, a editora promete traduzi-lo para o espanhol e o inglês, e entrar em outros mercados, como Estados Unidos, Espanha e América Latina. Transgênero formada em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Luana vive em Brasília desde 2012. Já trabalhou como professora de Língua Portuguesa na rede

pública de ensino do Distrito Federal, como editora e redatora em laboratório de pesquisa literária e até como organizadora de clipping de notícias em empresas de comunicação. Mas seu coração bate mais forte mesmo é pela literatura, desde cedo. Luana também é autora de dois roteiros para o cinema e uma série de televisão. No momento, já escreve seu segundo romance, o “Sangue Divino”, em

que narra sua própria versão sobre o juízo final e os perigos do radicalismo religioso. Sinopses e crônicas de seus trabalhos podem ser vistas em eu site pessoal (http://naluamorena.wixsite.com/desoslaio). Sobre o livro Em “A Revolta dos Feios”, Luana tece uma história de traço épico e, ao mesmo tempo, intrigante e atual. A Revolta conta a história de Tião, um bailarino que se torna vítima de bullying coletivo na internet após se apresentar como candidato a dançarino de uma famosa banda de eletro-forró. O homem usa a fama maldita para conclamar outros feios, que, como ele, sofreram humilhações e privações por conta da aparência ao longo de toda a vida. A revolta dos feios se transforma numa guerra civil que vai mudar a história do país.

Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo M

ais do que o sonho de se tornar escritora, Luana Morena desafia a própria história da Literatura Brasileira. “No país que mais mata transexuais no mundo, uma destas putas em potencial conseguiu sobreviver para contar a história sob o seu ponto de vista”, escreve. Entre janeiro de 2008 e abril de 2013, foram 486 mortes de travestis e transexuais no Brasil, quatro vezes a mais que no México, segundo país com mais casos registrados, segundo re-

Peça “BR Trans” levou aos palcos a realidade desse universo

latório da ONG Transgender Europe. A expectativa média de vida de uma travesti não passa de 35 anos no Brasil, muito em função do lugar de marginalização a que essa

população é submetida, forçada a se prostituir em 90% dos casos. “Passei 20 anos da minha vida sendo Paulo. Isso foi até 2011, quando passei a

conviver mais com travestis e comecei a escrever meu primeiro roteiro de longametragem, o ‘Traumas Eficazes’”. A experiência desenterrou memórias de infância e a ajudou a se entender mais. E foi em 2014 que ela decidiu se assumir de vez como Luana. Apesar do preconceito e dificuldade de conseguir trabalho, foi essa identidade que a libertou como artista. “Como Luana eu me permiti ser artista, me assumir como escritora e levar mais a sério minha carreira”, diz.

Para contribuir O livro “A Revolta do Feios” encontra-se em pré-venda pelo na página criada por Luana Morena no site Kickante >> https://www.kickante. com.br/campanhas/ romance-epico-revoltados-feios-0 >>>. Ao custo de R$ 32, a obra tem previsão de entrega em junho deste ano.


10 10

MUNDO

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Com apoio dos EUA, civis são mortos em província da Síria GUERRA Desde 2011, já foram computadas mais de 300 mil mortes em seis anos Reprodução

Da redação

D

e acordo com a Agência Turca Anadolu, centenas de civis foram assassinados na província de Raga, norte da Síria, durante bombardeios sobre uma escola. Os ataques foram promovidos pelas Forças Democráticas da Síria (FDS) com o uso de aviões dos Estados Unidos. Raqa, que tem cerca de 300 mil habitantes, é considerada uma das principais bases dos extremistas do Estado Islâmico (EI) no país. A FDS, por sua vez, é uma organização de combatentes árabes e curdos, que se opõem ao pre-

sidente Bashar al Assad e contam com o apoio da coalizão internacional liderada pelos EUA. Eles lançam uma ofensiva para tomar a província

das mãos do EI. Na terça (21), pelo menos 10 pessoas haviam ficado feridas, durante bombardeio de opositores em Damasco, ca-

pital da Síria. Eles lançaram cerca de 12 projéteis contra uma área residencial do bairro Al Barze. A guerra no país já dura 6 anos e causou entre 300 mil e 400 mil mortes, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). A coalizão liderada pelos EUA atua na Síria e no Iraque. “A brincadeira acabou”, diz Putin No domingo (19), o presidente russo Vladimir Putin enviou uma mensagem ao embaixador de Israel na Rússia, Gary Koren, convocando -o para uma reunião sobre os

últimos acontecimentos na Síria. Putin teria dito que “a brincadeira acabou”, exigindo que o governo israelense interrompa os ataques contra a Síria. Três dias antes do ultimato de Putin, caças de Israel invadiram o espaço aéreo sírio para realizar ataques, ao que Damasco respondeu com uma barragem de mísseis. Em seguida, o ministro israelense Avigdor Lieberman ameaçou: “Na próxima vez em que o sistema de defesa antiaérea sírio for usado contra os nossos aviões, nós vamos destruí -lo”, disse durante um programa de rádio.

Mais de um bilhão não têm acesso a água potável no mundo IHU-Online

U

m bilhão de pessoas no mundo não têm acesso à água potável. Foi o que revelou um relatório do Conselho Mundial da Água (tradução de World Water Council, WWC), por ocasião do Dia Mundial da Água, na quarta (22). Na Ásia, 554 milhões de pessoas, cerca de 12,5% da população local, não têm a possibilidade de beber água limpa. Seguem-se, depois,

a África subsaariana, com mais de 319 milhões de pessoas em condições críticas, e a América do Sul, com cerca de 50 milhões na mesma situação. Para o World Water Council, o custo total da insegurança dos recursos hídricos sobre a economia global é estimado em mais de 500 bilhões de dólares por ano. E, se forem adicionados a esse dado o impacto ambiental, o número cresce ainda mais, até chegar a 1% do PIB global.

Na segunda-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) também lançou um relatório que constata o enorme fosso entre o consumo de água nos países ricos e nos países pobres. De acordo com os especialistas, nos países ricos, em média, cada pessoa consome 425 litros de água por dia, em comparação com os 10 litros dos países pobres. O mínimo deveria ser de 40 litros.

Anúncio


Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

ENTREVISTA

11 11

“Dificilmente uma pessoa conseguirá se aposentar” PREVIDÊNCIA Economista rebate mitos divulgados pelo governo Temer Reprodução

Wallace Oliveira

E

m fevereiro, foi lançado o documento “Previdência: reformar para excluir?”, fruto do trabalho de cerca de 40 especialistas, que surgiu por iniciativa da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP), do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) e da Plataforma Política Social. O Brasil de Fato MG conversou com o responsável pela redação final do texto, o economista Eduardo Fagnani (Unicamp). Impossibilidade de se aposentar

Essa reforma significa o fim da proteção na velhice. Se ela passar, ninguém mais terá acesso à aposentadoria no Brasil, pois serão necessários 65 anos de idade e 49 de contribuição para a aposentadoria integral, ou seja, seria preciso entrar no mercado de trabalho aos 16 e ficar ininterruptamente contribuindo durante quase meio século. Para acessar a aposentadoria parcial, serão necessários 65 anos de idade e 25 de contribuição. Isso é absolutamente incompatível com o mercado de trabalho brasileiro, no qual mais de 40% dos empregos são informais, sem carteira assinada. Em estados mais pobres, cerca de 65% dos empregos são informais. Além disso, temos uma rotatividade muito grande. De tempos em tempos, os patrões mandam trabalhadores embora e depois contratam por um valor muito menor. Em

“As regras propostas são mais duras que as da Europa, mas a expectativa de vida média brasileira é 75 anos, lá é 83 anos”

média, de acordo com estudos do Dieese, uma pessoa consegue contribuir, em um ano, cerca de 9 meses. Dificilmente uma pessoa conseguirá se aposentar. Trabalhadores do campo

A situação é ainda mais grave quando se faz com que a mesma regra valha para o trabalhador rural, que hoje tem cinco anos a menos, por conta das condições de trabalho no campo. Ele vai ter que contribuir mensalmente, mas o regime de safra da agricultura familiar não permite que ele tenha dinheiro todo mês. Com essas regras, como vai se aposentar? Modelos europeus

As regras propostas são mais duras que as da Europa. Não dá para comparar países que são mais igualitários com o Brasil. Por exemplo, a expectativa de vida média brasileira é 75 anos, mas em muitos países é 82, 83. O nosso PIB per capita é cinco, seis vezes menor que

o deles. Além disso, somos um país heterogêneo regionalmente. Se a expectativa de vida nacional é 75 anos, em mais da metade dos estados da federação ela é inferior a isso. Se compararmos o Piauí a Santa Catarina, veremos dois mundos distintos. A heterogeneidade também pode ser percebida em um município. Em São Paulo, a expectativa de vida é 75, 76 anos; nos bairros mais ricos, 79 anos; mas, em cinco distritos, é 54 anos. As mentiras que o governo conta

Essa reforma parte de três premissas equivocadas. A primeira é certo “terrorismo demográfico”, que diz que as pessoas vão envelhecer e isso seria uma catástrofe. Não é verdade. Diversos países enfrentaram essa questão sem destruir seu sistema de proteção social. Outro mito diz que existe um déficit explosivo na Previdência e que esse déficit vai acabar com o siste-

ma fiscal brasileiro. Na verdade, não existe déficit, se for cumprido o que está na Constituição, é simples assim. O fato é que, desde 1988, nenhum governo cumpriu rigorosamente o que manda a Constituição. O terceiro mito é de que a Previdência é o maior item do gasto público. Isso é mentira. Por exemplo, em 2015, gastamos com o pagamento de juros R$ 513 bilhões, mas, com a Previdência, gastamos R$ 460 bilhões. Os juros beneficiam poucos rentistas e a Previdência beneficia, direta ou indiretamente, de 90 a 100 milhões de pessoas. Dizem que a aposentadoria no Brasil é precoce. Não é verdade! A reforma de 2015 criou a regra 85/95 progressiva, até chegar a 90/100. Então, se havia alguma precocidade em aposentadorias por tempo de contribuição, isso foi corrigido em 2015. Quem ganha

Há dois grandes beneficiários dessa reforma da

Previdência. Os grandes bancos internacionais que tem uma remuneração excepcional, de 6%, 7%. Além de ter a maior taxa de juros do planeta, o governo garante a esses agentes que temos a capacidade de pagar a dívida pública, que é lastreada em títulos. E a melhor maneira de fazer isso é criar um teto para os gastos sociais, reduzindo os gastos correntes do Brasil de 20% do PIB para 12%. Já no âmbito da Previdência, o fato de o secretário Marcelo Caetano passar meses se reunindo com grandes fundos privados nacionais e internacionais é revelador. Ao contrário do lema oficial, que diz que é preciso “reformar hoje para preservar o amanhã”, na verdade, estão reformando para quebrar o INSS. Previdência privada não resolve

Se uma pessoa sofrer um acidente, um plano privado não dá a cobertura, não têm auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez, por exemplo. Se o banco aplicar mal seus recursos, como aconteceu nos Estados Unidos durante a crise de 2008, o fundo vira pó e acabou o dinheiro! Isso aconteceu no Chile e, hoje, querem a reestatização do sistema. Chegar aos parlamentares

A pressão tem que se dar nas bases dos parlamentares, procurando as regiões onde eles disputam votos, para pressioná-los ali. É preciso fazer com que ele fique com medo de não ser eleito nunca mais.


12 12 VARIEDADES

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Nossos direitos

Amiga da Saúde

Imposto de Renda 2017 O imposto sobre a renda é um tributo em que cada contribuinte, seja ele pessoa física ou pessoa jurídica, é obrigado a pagar certa porcentagem de sua renda para o governo. Segundo as regras da Receita Federal, estão obrigados ao pagamento aqueles que, em 2016, tiveram rendimentos tributáveis acima de R$ 22.847,76. Ou seja, quem ganhou ano passado acima de 1.903,98 reais por mês, incluídos neste valor rendimentos relacionados ao trabalho, aluguéis,

pensões e benefícios. Penalizando os mais pobres o governo federal não atualizou os valores em 2017. Há algumas situações, em que é possível uma redução no valor do imposto pago, dentre elas: possuir filhos dependentes, gastos com despesas médicas, com educação e com pagamento de pensão alimentícia, são os exemplos mais comuns. Se você se encaixa nestas situações, procure a Receita Federal e mantenha sua situação fiscal em dia, para evitar futuros problemas!

Adília Sozzi é advogada da Rede Nacional de Advogados Populares – RENAP.

Amiga da saúde, os profissionais de saúde também podem fazer greve? Isso não é arriscado para a população? Virgínia Batista, 36 anos, secretária. Cara Virgínia, a greve é uma forma de luta que, por direito, os trabalhadores podem utilizar. Porém alguns serviços são considerados essenciais e não podem parar totalmente, como é o caso dos serviços de urgência em saúde, que mantêm escala mínima nos períodos

de greve. Nesses tempos em que os direitos de todo o povo estão ameaçados, fazer greve e outras mobilizações é essencial. Se não houver luta, os próprios serviços de saúde ficam ameaçados de parar de funcionar. Isso sim seria um grande mal à saúde da população.

Sofia Barbosa I Coren MG 159621-Enf. Aqui você pode perguntar o que quiser para a nossa Amiga da Saúde Mande sua dúvida: amigadasaude@brasildefato.com.br

Anúncio


Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

13 VARIEDADES 13 por Alan Tygel

Dicas Mastigadas Falafel PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br Cada sinal da escrita do Egito Antigo

© Revistas COQUETEL

Conjunto de meios de comunicação como as rádios comunitárias Ocorrência social

Ingmar Quebra-molas (bras.) Bergman, cineasta Infortúnio que ocorre sueco em aeroportos

O trânsito típico das grandes cidades

Parte da ópera destinada ao solista

Motivo do registro no SPC

Ingredientes:

Albert Eckhout, pintor holandês

Permanece acesa durante a Olimpíada

Onomatopeia de explosão

Resultado da má gestão empresarial

Emissora italiana Ágil; célere

Olívio Dutra, político Via pública urbana

Profissão de Lima Duarte Trapo, em inglês Reto, agudo e obtuso (Geom.)

Instrumento de desenhistas Uniforme

Queira bem a Engodos de pesca

Praticantes do crime de usura

(?) Paraguaçu, prefeito de Sucupira (TV)

(?)-datasmânia, carnívoro marsupial

Malvino Salvador, ator amazonense Rafael (?): já foi o número 1 do tênis

Ministério que organiza o ProUni

Comida Árabe

3/bum — rag. 4/cego — zebu. 5/diabo. 6/itunes. 10/bancarrota. 16/mídia alternativa.

21

Solução A B A L A T E R A N R A T I V M A

A G I O T A S

M H I E DI V E N T O

R O G L I D A PI R A C A R R R A I R F A E M A G D I U L O S C A DA A Z A U N E S N B O Q U I EN

L I F O B U M R B O T A O D R D A U E A B O A D E G O R A R G I M E C S M O

BANCO

Na véspera, deixe o grão-de-bico de molho, sempre trocando a água. Retire a sua pele e bata no liquidificador com a cebola, a salsa, o azeite, o ovo e o gengibre. Caso necessário, coloque água aos poucos até conseguir bater e virar uma pasta. Despeje numa travessa, acrescente as farinhas e misture até adquirir uma consistência mais firme. Em uma frigideira, coloque um fio de azeite. Faça pequenos bolinhos, salpique com gergelim e deixe refogar por 5 minutos, até formar uma crosta. Depois, vire e deixar tostar o outro lado.

Sem visão A Capital do (?): Uberaba

Paquerar (gíria) Unido; íntegro

1 xícara de grão-de-bico cozido 2 colheres (sopa) de azeite 1/2 cebola picada 1 ovo 2 colheres (sopa) de salsinha picada 2 colheres (sopa) de farinha de milho 1 colhere (sopa) de farinha de mandioca 1 pedaço grande de gengibre Sal e pimenta-do-reino a gosto 1/2 xícara de gergelim

Modo de fazer

Alexandre Dumas, escritor francês

Sulcada; vincada Reprodutor de áudio para PCs da Apple Carro de lotações Peversão sexual de quem gosta de sofrer

• • • • • • • • • •

O falafel é uma das mais tradicionais comidas árabes. Graças ao grande êxodo desses povos pelo mundo, é possível encontrar essa e outras delícias em muitos lugares do Brasil. A recente onda de imigrações provocada pelas guerras na Síria e Afeganistão está fazendo com que milhares de cidadãos árabes tenham que sair de suas casas e se adaptar a novas culturas. Acolher esses imigrantes, além de ser um importante gesto de solidariedade, é uma ótima oportunidade de conhecer novas receitas e viajar pelo mundo da comida.

* Alan Tygel é da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Participe enviando sugestões para receita@brasildefato.com.br.


14

CULTURA

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

A coruja invadiu a escola! CRIATIVIDADE Bibliotecas de escolas públicas recebem projeto inusitado de incentivo à literatura Hugo Honorato

Rafaella Dotta

O

homem-coruja faz as coisas mais estranhas. Mas a pior delas foi a sua primeira aparição na escola Municipal Professor Lourenço de Oliveira, no telhado. “O que é esse bicho? O que está fazendo ali?” Crianças de aproximadamente 12 anos gritam e se movimentam de um lado para outro, transtornadas. Elas não têm a menor ideia do que está acontecendo, e parecem extremamente animadas com isso. Este é o projeto Ninho da Coruja, que conta com dois personagens: um homem com cabeça de coruja e outro com capacete e roupas igualmente estranhas, o Vladas.

O projeto lida com a curiosidade

Em um dia, sem nenhum aviso, eles entram na escola, arrastando uma caixa pesada e fazem coisas intrigantes, sem falar uma palavra. O terceiro personagem aparece de dentro da caixa, o “livrão”, e todo mundo se encaminha em bando para a biblioteca. “Vira uma loucura geral, uma loucura! Elas levantam mil hipóteses por segundo. Com raciocínio lógico ou com histórias fantásticas”, tenta explicar o pesquisador em educação Cláudio Brandão,

que observou a performance do homem-coruja. “O projeto lida com a curiosidade da criança. São seres misteriosos que chegam do nada e despertam algo instintivo dentro delas”, diz. Fora da lei O objetivo é criar um rebuliço entre as crianças, mas também estimular que elas se apoderem dos livros e da biblioteca. A fantasia se segue por mais três visitas: com uma caça ao tesouro, fotos do

homem-coruja escondidas pela escola e um vídeo dos personagens, junto às crianças, passando ininterruptamente em uma TV por muitos dias; tudo isso usando a biblioteca como espaço central da performance. “Demos um passo atrás. Ao invés de fazer campanhas de leitura, pensamos em criar o interesse em entrar na biblioteca”, conta o ator e professor de teatro Lúcio Honorato, que interpreta o homem-coruja. “E também não quería-

mos que fosse um projeto infantilizado, porque a maioria dos projetos trata as crianças como se fossem idiotas. ‘Conheça a biblioteca’, ‘Leia mais’, isso não funciona. Vira uma das coisas que aprendemos que é boa, mas não fazemos”, defende. O caráter transgressor do projeto seria uma das suas características fundamentais. “A escola é uma repetidora de ações para disciplinar as crianças a ter uma vida ordinária quando crescem”, critica Lúcio. “A ideia é criar essa bomba de informações e deixar isso no ar”, finaliza. O projeto O Ninho da Coruja já aconteceu em três escolas: na Escola Municipal Professor Lourenço de Oliveira, em BH, e nas Escolas Municipais Dona Gabriela Leite de Araújo e Júlia Kubitschek de oliveira, em Contagem. A idealização é de Lúcio Honorato, Denismar do Nascimento e Randolpho Lamonier.

Dia Internacional do Conhecendo Teatro em Uberlândia o Rio das Velhas

Exposição celebra Manoel de Barros

A Associação de Teatro de Uberlândia (ATU) inaugura sua nova gestão com uma intensa semana de atividades culturais. O evento, que será realizado nos dias 25, 26, 31 de março, 01 e 02 de abril, é uma ação proposta em parceria com grupos, espaços e artistas locais. O Dia Internacional do Teatro é comemorado mundialmente no dia 27 de março e no Brasil esta data também celebra o Dia Nacional do Circo. Com quase 40 anos de história, a ATU contribuiu para a produção, formação e fruição teatral local. Todas as apresentações terão custo de 10 reais a inteira e 5 reais a meia. Mais informações em: http://migre.me/wibeb

Até 29 de abril, o poeta das miudezas, Manoel de Barros, será o centro de exposição que acontece na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa. Na mostra, os poemas do escritor que tratam da infância, natureza e exploram o cotidiano da existência irão acompanhar brinquedos, flores e outros elementos lúdicos presentes em sua obra. Manoel, que faleceu em 2014 aos 97 anos, é considerado um dos autores mais importantes da literatura brasileira. O horário de funcionamento da biblioteca é de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, e aos sábados, das 8h às 12h. A entrada é gratuita.

A exposição “À Margem: Água, Cultura e Território” conta, até o dia 18 de junho, a história das águas da Bacia do Rio das Velhas. A mostra acontece no Espaço do Conhecimento da UFMG (Praça da Liberdade, 700) e explica o caminho do rio desde sua nascente até seu curso por campos e cidades. O projeto também retrata a relação das águas com as comunidades ribeirinhas e as riquezas culturais que surgiram desse encontro, como as poesias de Guimarães Rosa e o Bumba Meu Boi. O Espaço do Conhecimento da UFMG está aberto à visitação de terça-feira a domingo e a entrada é gratuita.


Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

ESPORTES

15 15

Brasil tem primeira jogadora trans em time feminino

na geral

Daniel Giovanaz

Basquete feminino da UFMG convoca jogadoras A equipe feminina de basquete da UFMG está recrutando jogadoras para compor o time. Para participar, não é necessário ter experiência na modalidade ou ser estudante. A equipe possui teor competitivo, disputando anualmente os Jogos Mineiros Universitários (JUM’s), mas também permite a participação de atletas que prefiram apenas os treinos. Caso a jogadora esteja enquadrada na categoria Comunidade Externa, que inclui pessoas que não possuem vínculo com a UFMG, ela não poderá disputar campeonatos pela Universidade. Mais informações: (31) 9 8896-0133 ou 9 9764-7155. Arquivo pessoal

A

atleta Isabelle Neris foi alvo de decisão inédita da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Oficialmente, ela agora é a primeira transexual a ser registrada em uma equipe feminina no Brasil. Treinando há dois anos no Voleiras, de Curitiba, a jogadora está autorizada a participar de partidas oficiais do grupo, que não faz parte da liga profissional, mas participa de competições regionais e locais. “Quando eu entro em quadra, noto os olhares, as risadinhas, os xingamentos. É muito explícito, muito ofensivo, mas tento ignorar. Ninguém é obrigado a gostar, mas tem que respeitar”, declarou Isabelle.

Anúncio

é a u g á a s s o Cuidar da n nte.

e g a s s o n Cuidar da

O Governo do Estado e a Copasa trabalharam muito para não faltar água na Região Metropolitana de BH. Obras no Sistema Paraopeba vão garantir segurança no abastecimento pelos próximos 15 anos. Além disso, com a tarifa social, milhares de famílias de baixa renda agora têm acesso à água tratada pagando menos.

Para conhecer mais iniciativas, acesse copasa.com.br/nossagente


16

Belo Horizonte, 24 a 30 de março de 2017

Emily Lima convoca para amistoso

ESPORTES

16

DECLARAÇÃO DA SEMANA Reprodução de vídeo

Ricardo Stuckert

A

técnica da Seleção Brasileira Feminina, Emily Lima, convocou 24 jogadoras para um amistoso no dia 9 de abril, contra a Bolívia, na Arena da Amazônia. Marta, Cristiane e Andressa Alves, que não jogaram o Torneio Internacional de Manaus, aparecem na lista. A novidade é a estreia de quatro atletas: as laterais Letícia, do Sporclub

Sand (Alemanha), e Jucinara, do Corinthians/Audax; as meio-campistas Gabi Portilho, do Madrid Club (Espanha), e Brena, do Santos. Lista completa no site: cbf.com.br. té o fechamento desta edição, ainda não havia terminado o jogo entre Brasil e Uruguai, pelas Eliminatórias do masculino.

A

Ídolo eu acho que já sou.” Felipe Melo, volante mordedor de calcanhar do Palmeiras, empolgado por ter feito um gol no Mirassol, pelo Paulistão.

Gol de placa O Parlamento russo aumentou o valor das multas contra torcedores violentos. Suspensão dos estádios por até 7 anos e detenção já são vigentes no país. Faltando um ano para a Copa, as autoridades endureceram as punições, a fim de evitar brigas generalizadas, como as que ocorreram na Eurocopa de 2016.

Gol contra A ex-esposa e o filho da lenda do boxe Muhammad Ali foram constrangidos num aeroporto dos EUA, em fevereiro, por causa de seu sobrenome muçulmano. Depois da eleição de Trump, os agentes de imigração aeroportuária do país fecharam o cerco contra os praticantes do islamismo.

Decacampeão

É Galo doido

La Bestia Negra

Bráulio Siffert

Rogério Hilário

Léo Calixto

Após o polêmico uniforme de 2016, desenhado com muito laranja e pouco verde pelas mãos do estilista Ronaldo Fraga, o América voltou à tradição e retomou o posto de uma das camisas mais bonitas do futebol mundial. O uniforme número Decacampeão 1, com listras em verde mais claro e preto, remete à conquista invicta do Mineiro de 1971. A camisa número 2, toda branca com detalhes verdes e gola retrô, homenageia o decacampeonato, conquistado de 1916 a 1925. E a terceira camisa faz referência à conquista dos estaduais de todas idades em 1957 e da Série B de 1997. As camisas, inclusive as dos goleiros, de treino e de viagem, estão disponíveis na Loja do América, por um salgado preço de R$ 200 cada.

O Atlético estava prestes a encontrar uma utilidade para Clayton. O atacante passou a alternativa três ou quatro, com Cazares, Danilo e Otero no elenco. Uma troca por Marlone seria uma boa. Aos 25 anos, o meia, ultimamente no Corinthians, já deÉ Galo doido! monstrou qualidades e, ao mesmo tempo, instabilidade. Com uma valorização, a meu ver, inexplicável, nem sempre corresponde às expectativas. Isso aconteceu em todos os times que defendeu. Não o considero o jogador ideal para o Alvinegro, cujo elenco carece de um armador de ofício e talento. Para compor, tudo bem, pois são muitas competições. Em suma, os dois clubes tentam aproveitar a chance de se livrar de um mico. Quem sabe não dá certo?

O último jogo do Cruzeiro pela Copa da Primeira Liga, contra o Joinville, marcou a reestreia de um importante jogador cruzeirense. Após mais de um ano sem jogar, Dedé voltou aos gramados em uma partida na qual os reservas mostraram que o traLa Menezes Bestia está Negra balho de Mano surtindo efeito. Com transições bem-feitas e muita criação, mas pecando na finalização e no último passe, o Cruzeiro não saiu do zero. Dedé, com toda a sua experiência, orientou muito a linha defensiva. O retorno de um jogador do calibre do Dedé é de suma importância para a equipe, uma vez que almejamos conquistar títulos nesta temporada. Toda sorte do mundo ao Mito e que ele possa nos trazer muitas alegrias ainda.