Issuu on Google+

esporte | pág. 16

Nelson Perez /Fluminense F.C.

Tânia Rêgo/Abr

cultura | pág. 11

Joel Zito debate racismo em filme

Debaixo de chuva, Flu decepciona torcida e empata sem gols com o Olímpia (PAR). Estreia no brasileirão também é preocupação para o técnico Abel.

O cineasta mineiro Joel Zito lançou o documentário Raça, que acompanha o cotidiano de afrodescentes de diversas classes sociais no Brasil e discute a democracia racial.

Edição

Fluzão empata na Libertadores

Uma visão popular do Brasil e do mundo

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013 | ano 11 | edição 04 | distribuição gratuita | www.brasildefato.com.br | facebook.com/brasildefato

cidades | pág. 5

mundo | pág. 10

Prefeitura esconde cracolândia na Maré Três meses após a ação da prefeitura que retirou usuários de crack das imediações da Avenida Brasil, a chamada cracolândia se encontra agora nas ruas do conjunto de favelas da Maré. Moradores afirmam que o poder público trata

Mujica doa 90% de seu salário

os usuários de forma violenta e que a ação serviu apenas para “maquiar” a cidade para os megaeventos. A cracolândia na Maré surgiu em dezembro de 2012, após a instalação de UPPs em comunidades vizinhas na Zona Norte.

O presidente do Uruguai, Pepe Mujica, doa 90% do seu salário a instituições de caridade, mas rejeita o status de “presidente mais pobre do mundo”. “Pobres são aqueles que precisam de muito”, diz.

brasil | pág. 8

Pablo Vergara

Opção de Jolie fomenta debate A decisão da atriz Angelina Jolie de retirar os seios para evitar um câncer gerou um debate entre especialistas da saúde sobre a eficácia desse tipo de prevenção. Reprodução


02 | opinião

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

editorial | Brasil

Dilemas do governo Dilma ESTÁ SE fortalecendo no governo Dilma uma agenda liberalizante, que não acumula forças para os interesses da classe trabalhadora. As duas últimas semanas foram marcadas pelos leilões do petróleo e pela aprovação da MP dos Portos, que aprofundam a desnacionalização da economia brasileira, comprometem a soberania nacional e não contribuem para um projeto nacional de desenvolvimento. Na verdade, são medidas privatizantes que o povo brasileiro rejeita. Aliás, a presidenta Dilma foi eleita pelo vo-

Avançar nas reformas estruturais e na integração latino-americana será imprescindível para a construção de uma nação soberana to popular contra esta mesma agenda privatizante. A estratégia privatista da burguesia passa primeiro por ocupar mais espaços no governo e nos setores da economia que estão sob controle do Estado. Num segundo momento, atacarão com mais intensidade as conquistas que o povo brasileiro teve durante os dez

anos de governo de coalizão. Estamos, portanto, diante da possibilidade de inviabilizar a construção de uma agenda pós-neoliberal. Devemos levar em consideração que o Brasil enquanto maior economia da América Latina tem uma responsabilidade enorme dentro de um conjunto de governos que foram

eleitos contra a agenda neoliberal. Portanto, as medidas tomadas na nossa economia certamente influenciam nos rumos das demais economias latino -americanas e podem contribuir para o reposicionamento das forças neoliberais no continente. As recentes medidas privatizantes não somente prejudicam a economia brasileira como têm um impacto considerável na luta ideológica. As forças populares estão perdendo o debate sobre os rumos da política econômica com a construção midiática

do “fantasma da inflação”. Somente um movimento de massas pode deslocar o centro da política dos corredores da institucionalidade e dos lobbys para as ruas. É necessário potencializar a organização popular para defendermos as conquistas que tivemos nos governos Lula e Dilma e apresentarmos um projeto nacional de desenvolvimento como alternativa à crise econômica. Avançar nas reformas estruturais e na integração latino-americana será imprescindível para a construção de uma nação soberana.

editorial | Rio de Janeiro

POR INICIATIVA do Fórum Nacional pela Democratização das Comunicações (FNDC), movimentos sociais e partidos políticos de esquerda estão nas ruas colhendo assinaturas para o Projeto de Lei de Iniciativa Popular por um novo marco regulatório das comunicações. Depois que o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cesar Alvarez, declarou que o governo não considera este tema prioritário, só restou o caminho de ir às ruas em busca das assinaturas necessárias à apresentação de um projeto de lei, instrumento previsto na legislação brasileira. Antes, o governo já emitira sinais de sua rejeição até mesmo à discussão democrática sobre o assunto. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, ao assumir a pasta em janeiro de 2011, arquivou o projeto de regula-

Redação Rio: redacaorj@brasildefato.com.br

Para anunciar:

(11) 2131 0800

iconoclasistas.com.ar

O monopólio das comunicações

ção elaborado pelo ex-ministro da Secretaria de Comunicação do governo Lula, Franklin Martins, que tinha como base as deliberações aprovadas na Conferência Nacional de Co-

municação, realizada em 2009. Pressionado pelos movimentos que defendem a democratização, Bernardo passou cerca de dois anos prometendo colocar o projeto para con-

Só restou o caminho de ir às ruas em busca das assinaturas necessárias à apresentação de um projeto lei sulta pública à sociedade na internet. Pura enrolação. Enquanto isso, a presidenta Dilma se limitava a repetir platitudes sempre que questionada sobre a necessidade de o Brasil seguir o exemplo da Argentina, e agora do Uruguai, e aprovar uma Ley de Medios à brasileira. A presidenta, sempre que se referiu ao assunto, revelou lamentável desconhecimento sobre o que está em jogo na luta pela democratização das comunicações.

O problema é que ela confunde liberdade de expressão com liberdade de monopólio. Exemplo gritante disso é o seu mantra predileto: “Prefiro o barulho da democracia ao silêncio da ditadura”. As democracias mais avançadas do mundo já regularam suas mídias pautadas pelos interesses da sociedade. No Brasil, ainda perdura um escandaloso monopólio, no qual todo o aparato midiático é controlado por nove famílias. A reforma do nosso marco regulatório tem de abolir a propriedade cruzada dos meios, mudar o regime de concessões de rádio e tevê (que deve expressar a pluralidade e a diversidade da sociedade), além de adequar a produção e a difusão de conteúdos às normas previstas pela Constituição Federal. Mãos à obra.

Editor-chefe: Nilton Viana • Editores: Aldo Gama, Marcelo Netto Rodrigues, Renato Godoy de Toledo • Subeditor: Eduardo Sales de Lima • Repórteres: Marcio Zonta, Michelle Amaral, Patricia Benvenuti • Correspondentes nacionais: Daniel Israel (Rio de Janeiro –RJ), Maíra Gomes (Belo Horizonte – MG), Pedro Carrano (Curitiba – PR), Pedro Rafael Ferreira (Brasília – DF), Vivian Virissimo (Rio de Janeiro –RJ) • Correspondentes internacionais: Achille Lollo (Roma – Itália), Baby Siqueira Abrão (Oriente Médio), Claudia Jardim (Caracas – Venezuela) • Fotógrafos: Carlos Ruggi (Curitiba – PR), Douglas Mansur (São Paulo – SP), Flávio Cannalonga (in memoriam), João R. Ripper (Rio de Janeiro – RJ), João Zinclar (in memoriam), Joka Madruga (Curitiba – PR), Leonardo Melgarejo (Porto Alegre – RS), Maurício Scerni (Rio de Janeiro – RJ) • Ilustrador: Latuff • Editor de Arte: Marcelo Araujo • Revisão: Marina Tavares Ferreira • Jornalista responsável: Nilton Viana – Mtb 28.466 • Administração: Valdinei Arthur Siqueira • Endereço: Al. Eduardo Prado, 676 – Campos Elíseos – CEP 01218-010 – Tel. (11) 2131-0800/ Fax: (11) 3666-0753 – São Paulo/SP – redacao@brasildefato.com.br • Gráfica: Info Globo • Conselho Editorial: Alipio Freire, Altamiro Borges, Aurelio Fernandes, Bernadete Monteiro, Beto Almeida, Dora Martins, Frederico Santana Rick, Igor Fuser, José Antônio Moroni, Luiz Dallacosta, Marcelo Goulart, Maria Luísa Mendonça, Mario Augusto Jakobskind, Milton Pinheiro, Neuri Rosseto, Paulo Roberto Fier, René Vicente dos Santos, Ricardo Gebrim, Rosane Bertotti, Sergio Luiz Monteiro, Ulisses Kaniak, Vito Giannotti • Assinaturas: (11) 2131– 0800 ou assinaturas@brasildefato.com.br


Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

Latuff

opinião | 03

Pedro Freire

O fim do Licínio Cardoso Jean Wyllys

Casamento civil O CONSELHO Nacional de Justiça (CNJ) aprovou, no dia 14 de maio, decisão pela qual o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo passa a ser legal em todo o Brasil, como já era em treze estados e no DF. Os cartórios de todo o país passam a realizar tanto a conversão de união estável em casamento quanto a habilitação direta para o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. A decisão do CNJ diz que “é vedada às autoridades a recusa de habilitação, celebração de casamento civil ou de conversão de união estável em casamento entre pessoas de mesmo sexo”.

Isso quer dizer que nos estados e cidades onde ainda os cartórios enviavam os pedidos de habilitação em casamento aos juízes, que podiam aprová -los ou rejeitá-los, isso não poderá mais acontecer. Essa ação foi parte da campanha nacional pelo casamento civil igualitário, iniciada ainda em 2012. Inclui-se a apresentação de um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados, assinado por mim e a deputada Érika Kokay (PT-DF). A campanha teve o apoio de artistas, movimentos sociais e lideranças de diferentes partidos e organizações da sociedade civil. Assim, o Brasil torna-

se a 15ª nação do mundo a dar acesso igualitário ao casamento civil. A luta pelos direitos civis dos homossexuais é filha da luta pelos direitos civis dos negros e das mulheres. Nós continuamos um caminho que esses movimentos, o feminismo e o movimento negro, iniciaram há muitos anos. Para saber mais sobre a luta pelo casamento civil igualitário no Brasil e no restante do mundo, acesse www.casamentociviligualitario.com.br. Jean Wyllys é deputado federal (PSoL-RJ)

Carlos Nicodemos

Infração de quem? COM FORTE pressão dos setores mais conservadores, a proposta de redução da idade penal se tornou um dos temas mais debatidos no Brasil. Estes mesmos setores atuam através da imprensa no sentido de construir um consenso entre a opinião pública que está longe de ser verdadeiro. Para desmascarar isso, dois aspectos são necessários para conter a ideia de que o adolescente (12-18 anos) é o maior responsável pelo aumento da criminalidade. O primeiro traz um olhar mais frio sobre a constitucionalidade da proposta e o outro, de caráter prático, se coloca no campo da realidade social.

De acordo com dados da Secretaria de Direitos Humanos, órgão vinculado à Presidência da República e ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Sistema Socioeducativo conta atualmente com 11 mil jovens cumprindo medidas de internação. Consideremos que a internação, à luz da Lei 8069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente), é aplicada somente quando existe grave ameaça ou violência, ou mesmo quando as infrações se repetem. Por isso, é possível afirmar, diante dos 550 mil adultos presos no Brasil, que a “contribuição” dos adolescentes para a chamada macroviolência é de cerca de 3%.

Neste viés, sobram no cenário nacional notícias sobre tortura, violência e maus tratos aos adolescentes nas unidades de internação. Este cenário de barbárie é resultado de uma política nacional que opera a lógica da internação pela internação. Assim, as instituições são “corpos sem alma”, ou seja, não possuem projeto político -pedagógico que possam servir no caso de reincidência desses jovens. A média nacional encontra-se no patamar de 50% a 60%. Carlos Nicodemos é advogado na área de Direitos Humanos e coordenador-executivo da organização Projeto Legal

DIA 20 DE MAIO de 2013, quem lembrará de ti? No mesmo dia em que comemoramos, nas ruas, os 25 anos da marcha de 1988 pela igualdade racial, uma escola pública construída na área portuária recebia um comunicado da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro anunciando a sua extinção. Aliás, foi neste mesmo lugar que os negros sobreviventes eram vendidos após o sequestro na África, após meses à carne cortada em navios. Local onde a memória da dor hoje é comercializada como “cultura” e “patrimônio”. Nos mesmos locais onde seus descendentes são hoje expulsos pela parceria “olímpica” de empresas e Estado.

Nos mesmos locais onde seus descendentes são hoje expulsos pela parceria “olímpica” de empresas e Estado A partir deste dia, o governo de Sérgio Cabral – que há algumas semanas atrás, lembrando a “abolição” da escravidão, homenageou a polícia militar do RJ – a mesma PM que mata jovens pretos como quem pede uma informação num ponto de ônibus, concretiza o que ele já construía desde 2010: o fim do Colégio Estadual Vicente Licínio Cardoso, que por mais de três décadas esteve localizado na Praça Mauá. Para quem construía esta escola e acredita na possibilidade de realizar outro projeto político e pedagógico na região, hoje a tristeza é imensa. Comecei a trabalhar no C.E. Vicente Licínio Cardoso em 2009. Morava na Ladeira do Barroso 136 (Morro da Providência, Gamboa) e escolhi esta escola para trabalhar por estar envolvido na luta pela educação popular na área portuária do Rio.

Conseguimos fazer muitas coisas boas e posso dizer que tive uma alegria imensa de ter atravessado a vida Nestes anos, apesar de conviver com o total desrespeito – o racismo institucional – da Secretaria de Educação, conseguimos fazer muitas coisas boas e posso dizer que tive uma alegria imensa de ter atravessado a vida – e ter a minha percorrida – com muitas pessoas bonitas, cheias de beleza e coragem, que nos impedem de esquecer, nestes momentos difíceis, que “a vida bate”, apesar de tudo. Sabemos, não temos dúvida, que esta é mais uma derrota, mais uma pancada. Mas, lembremos sempre, para aqueles que ainda nos agridem, que somos de ferro vermelho, eterno, como o poema “à vida” de Marina Tzvetaieva. Pedro Freire é professor da rede estadual e militante do Grupo de Educação Popular


04 | cidades

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

Prefeitura quer aumentar passagem para R$ 3,05 Pablo Vergara

TRANSPORTE Usuários do transporte público farão protesto contra o aumento da passagem no dia 6 de junho, na Candelária Vivian Virissimo da Redação Trabalhadores e trabalhadoras do Rio que desembolsavam R$165 com duas passagens por dia, em 30 dias no mês, passarão a gastar R$183 a partir do dia 6 de junho. Reajuste que seria aplicado no início do ano, foi adiado a pedido da presidência da República para controlar a inflação, mas agora não tem mais jeito. Vai doer no bolso! E esse aumento acontece em meio a uma grave crise no transporte que coloca nas ruas ônibus em péssimas condições nas zonas norte, oeste e na baixada e com motoristas que exercem duas funções, além de dirigir também são cobradores. Mais de 100 pessoas se reuniram na última segunda-feira (20) para contestar o aumento da tarifa. “Mãos ao alto, 3,05 é um assalto”, gritavam os manifestantes. Eles marcharam da Prefeitura na Cidade Nova até a Central do Brasil. Organizado pelo Facebook, o ato foi chamado pelo estudante de Ciência Política, Fabrício Silva, de 18 anos, que não faz parte de nenhum partido político. Fabrício destacou que, enquanto na zona sul circulam ônibus de qualidade, com ar-condicionado, som e tevê, em Bangu, na zona norte, a situação é caótica. “As pessoas em Bangu pagam a mesma passagem que a zona sul. Porque este trabalhador, que enfrenta 3 horas de trânsito, tem que vir num ônibus depredado, sujo, sem janela e sem banco?”, questiona Fabrício.

Novo ato já tem data marcada: dia 6 de junho, sexta-feira, às 17h na Candelária, organizado pelo Fórum Estadual contra o Aumento da Passagem. “Queria ver mais gente participando, como aconteceu em Porto Alegre. Com mais de 10 mil pessoas na rua, a cidade parou e a população apoiou os protestos. A situação seria outra”, disse Fabrício.

Reajuste que seria aplicado no início do ano, foi adiado a pedido da presidência da República para controlar a inflação

Porto Alegre Mobilizações contra o aumento da passagem ocorridas no começo do ano em Porto Alegre garantiram vitória histórica para a causa. Com vários atos, os gaúchos conseguiram impedir o aumento e manter o valor cobrado: R$ 2,85. Tudo começou em dezembro quando o Tribunal de Contas do Estado (TCE) solicitou informações à EPTC, empresa de ônibus, sobre o cálculo que influi no reajuste da tarifa. A solicitação foi provocada pelo Ministério Público de Contas, que verificou que a frota reserva de ônibus era incluída no cálculo do reajuste. A partir disso, duas primeiras manifestações aconteceram em janeiro.

Manifestantes marcharam da prefeitura até a Central do Brasil

Servidores contra privatização SAÚDE Presidenta cria empresa para administrar hospitais federais do município e recebe crítica de especialistas Daniel Israel do Rio de Janeiro (RJ) Na segunda-feira (20), profissionais de saúde do Instituto Nacional de Cardiologia (INC), em Laranjeiras, protestaram contra a proposta da criação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). De acordo com Rosângela Motta, especialista em pediatria e servidora pública no INC desde 2007, a Ebserh é o braço de outra empresa: a Ebserh Saúde Brasil, que não tem CNPJ, diretoria, regimento interno ou estatuto. E vai além. “A Ebserh, mesmo inconstitucional, é um desejo do Ministério da Saúde (MS) e da presidenta Dilma Rousseff para os seis hospitais federais e dois institutos (não incluído o

Inca) existentes no Rio”, destaca ela. A população carioca lotou as galerias da Câmara dos Vereadores nos dois dias de votação do projeto que criava a RioSaúde, no começo do mês. O projeto é visto por críticos como uma forma de privatização da saúde pública. “Quando se tem um serviço público entregue à iniciativa privada, não se sabe quem é o gestor. Agora, já existe uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade, a ser analisada pelos ministros do STF) contra a Ebserh. O nosso temor é que as Organizações Sociais (OSs) foram declaradas inconstitucionais pelo STF, só que estão aí”, opina a médica, que também é membro da Comissão de Mobilização Contra a Ebserh.

“Não tem lógica usar dinheiro público para pagar mal o servidor concursado, que enfrenta defasagem salarial de 60%”

A Ebserh apresenta inúmeros aspectos que são, no mínimo, exóticos. Na avaliação de Rosângela, o fato de a classe médica ser vista como “mercenária” pelos governos é o bastante para os mesmos justificarem a criação desse tipo de empresa. “Não tem lógica usar

dinheiro público para pagar mal o servidor concursado, que enfrenta defasagem salarial de 60%. Enquanto isso, o contratado que trabalha em OS ganha muito mais, sendo bancado pelo Estado”, denuncia. Diretora do Corpo Clínico (que reúne os médicos que trabalham no Instituto), a pediatra conta que existe apoio por parte da direção do Instituto, só que “de forma velada” (pois esses profissionais ocupam cargos de confiança e são indicados pelo MS). Para encerrar, ela lamenta as condições no INC. “Nós temos condições de fazer 15 cateterismos por dia, e não chegamos a 12 por semana. O custo disso são vidas humanas, porque sem planejamento não há tratamento.”


Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

cidades | 05

Operação da prefeitura maquia cracolândia SAÚDE Depois de operação da prefeitura, usuários de crack deixaram a Avenida Brasil e agora estão nas ruas da Maré Pablo Vergara

Gizele Martins da Redação Há três meses, a prefeitura fez uma operação para retirada dos mais de 500 usuários que circulavam e moravam próximo à pista da Avenida Brasil. Mas a chamada cracolândia só mudou de local. Ela está agora dentro das ruas do conjunto de favelas da Maré. E os usuários continuam sem qualquer tipo de tratamento de saúde pública. Muitos deles, ao atravessar as pistas, continuam sendo atropelados pelos carros.

“Quem passa pela Avenida Brasil pode ter a falsa impressão de que a questão foi resolvida, mas os usuários ainda continuam lá “

Para Frederico Moreira*, morador da Maré, nada foi pensado para a melhoria das condições de vida destes usuários de crack. “Nada foi feito no sentido de solucionar o problema. O que acontece é uma espécie de choque no sentido de desconcentrar os usuários”, disse. Ainda de acordo com ele, “quem passa pela Avenida Brasil pode ter a falsa impressão de que a questão foi resolvida, mas os usuários ainda continuam lá, só que transitando nas imediações da via”, afirma. A também moradora da Maré, Bruna Ferreira*, diz que as viaturas que estão instaladas hoje no local on-

de se encontrava a cracolândia demonstram uma falsa mensagem de que o caso foi resolvido. “Não há nenhum usuário visivelmente aglutinado onde estão os policiais e os guardas, eles apenas transitam por fora da Maré. A maioria está dentro da favela. E isto só será resolvido quando a prefeitura passar a tratar este caso como saúde pública e não como segurança pública. Eles não são o problema, o problema é a falta de políticas que os atendam. Pois, eles não precisam apenas de abrigos e comida, precisam de tratamento físico e psicológico”, conclui. Megaeventos No final do ano passado, quando estes usuários ocuparam as pistas da Av. Brasil, o caso virou notícia em todos os jornais e telejornais da cidade. Todos os dias os helicópteros das televisões mostravam os usuários correndo pelas pistas fugindo da prefeitura. Agora que eles não estão mais visíveis tudo caiu no esquecimento. Eraldo Moreira*, morador da Maré, explica que no início este fato só virou notícia por conta da preocupação dos governantes em mostrar para o mundo que a cidade que vai ser sede dos megaeventos não sofre problemas. “Os nossos governantes não querem que a imagem do Rio fique queimada perante os turistas e investidores estrangeiros. Apenas tirando-os da Avenida Brasil, para eles, o caso já está resolvido, porque não fica visível para quem chega e vai para o aeroporto”, comenta. * Nomes fictícios

Usuários continuam sem qualquer tipo de tratamento de saúde pública

Locomoção de usuários se deu após UPP Para vereador, prefeitura não tem interesse em tratar os usuários Tânia Rêgo/ABr

da Redação A chamada “cracolândia” da Maré surgiu no final do ano passado depois da invasão da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) nas favelas de Manguinhos, Mandela e Jacarezinho, locais em que se encontrava grande número de usuários de crack e de outras drogas. Logo depois da permanência da UPP nestas três favelas, também localizadas na Zona Norte do Rio, os usuários locomoveram-se para a Avenida Brasil, próximo à Maré. Ficaram meses na via, depois da operação

da Prefeitura eles ficaram espalhados e se encontram agora dentro das favelas da Maré. Repressão O vereador Renato Cinco (Psol), que há poucos meses abriu a CPI da Internação Compulsória, afirma que a prefeitura tem utilizado o combate ao crack como pretexto para reprimir as populações de rua. “Não há nenhum interesse da prefeitura em realmente tratar essas pessoas, tanto que os recolhidos estão sendo colocados em estabelecimentos que não fornecem tratamento”, diz. (GM)

Usuários de crack recolhidos em operação em Manguinhos


06 | brasil

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013 Fotos: Pablo Vergara

SINDICAL

Mercados fechados aos domingos O Sindicato dos Comerciários de São Paulo está apoiando proposta do vereador Alfredinho (PT), que prevê o fechamento aos domingos e feriados dos hipermercados e supermercados que possuem mais de 50 funcionários. A entidade acredita que essa é uma forma de defender a criação de mais empregos, uma vez que o pequeno varejista e os comerciantes de bairro empregam muito mais funcionários do que as grandes redes.

“Reduzir idade penal é criminalizar a pobreza”

Estabilidade e gestantes

ENTREVISTA Para Fátima Silva, projeto para reduzir a maioridade penal tem um alvo certo: pobres, negros, favelados e analfabetos A pedagoga Fátima Silva

Vivian Virissimo do Redação A pedagoga Fátima Silva trabalha há 30 anos com jovens infratores. Ela acompanha o cotidiano dessa juventude, não apenas os casos isolados que repercutem na mídia. Integrante do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente e do Comitê contra Tortura da Alerj, Fátima acredita que interesses econômicos explicam a grande campanha para criminalizar jovens a partir dos 16 anos. Brasil de Fato – Qual é a juventude que será criminalizada com a redução da maioridade penal? Fátima Silva – O pobre, negro, favelado e analfabeto. Os que estão à margem da sociedade. Sabemos que a escola não está preparada para receber esse jovem que, muitas vezes, também é trabalhador. O horário,

por exemplo, é inadequado porque ele trabalha para ajudar o pai e a mãe. E essa é a primeira violência contra esse adolescente, embora a sociedade não encare a falta de oportunidade como uma violência. A sociedade vê o apenas o retrato que a mídia mostra, ela não conhece toda a história. Quer dizer que apenas uma classe social sofrerá com penas mais severas? Há meninos ricos que cometeram crimes e que não vão parar em unidades de internação. Jovens queimam um índio e nem cumprem medida socioeducativa. Outro bateu em uma pessoa por desconfiar que ela seria homossexual e nada lhe aconteceu. Filho de empresário que atropela pessoas e não será preso. Por isso eu sempre pergunto: redução da maioridade pra quem? Além disso, por trás do argumento do aumento da segurança, há apenas in-

teresses econômicos de empresas que serão beneficiadas com a construção de mais cadeias e sistemas de segurança. Existem estatísticas em âmbito nacional que possam sustentar a alteração na legislação? Não. No Brasil, temos uma estatística mascarada. Temos, inclusive, muitas dificuldades para entrar nos locais de internação. Quem trabalha nas unidades, não confia nos números oficiais. Só temos estatísticas dos adolescentes internados em São Paulo: 42% por crimes relacionados ao tráfico, 50% por

“Há meninos ricos que cometeram crimes e que não vão parar em unidades de internação”

degradação ao patrimônio e 8% por homicídio. Então quer dizer que o foco maior não é o crime com arma de fogo, é o tráfico que usa esse jovem em função da pobreza. É o dinheiro rápido e fácil. Enquanto o salário mínimo é R$700, no tráfico ele ganha R$100 por dia. Como são os espaços de internação aqui no Rio? Vejo muitos resquícios da ditadura nesses espaços com diversos casos de tortura. Nas últimas semanas, 16 meninos foram torturados no pau-de-arara e uma menina apanhou com socos e golpes de pau. Além

de torturas, temos mortes também. Mães relatam que as torturas acontecem até no tronco, como nos tempos da escravidão. Nas unidades, esses jovens não têm identidade, eles têm apenas um número. Ele não é mais o João, ele é o 434. Quando esse menino volta para o convívio familiar, ele já está rotulado como bandido e marginal. O Brasil vai sediar a Jornada Mundial da Juventude e ao mesmo tempo cogita criminalizar seus jovens. Como avalia essa contradição? Eu percebo como uma higienização. Assim como a internação compulsória que retira meninos em situação de rua para limpar a cidade. Eu não percebo nenhuma movimentação para incluir essa juventude. Daqui até a Copa, deveríamos ter trabalho de prevenção com projetos sérios de inclusão. Se não tiver um projeto amplo tudo é paliativo.

A norma foi sancionada pela presidenta Dilma Rousseff e publicada no Diário Oficial da União dia 17 de maio. A estabilidade será garantida também em casos de aviso prévio indenizado, quando a funcionária recebe o salário referente ao período, mas não é obrigada a comparecer ao serviço.

Trabalho no Mercosul Representantes dos governos, dos trabalhadores e dos empregadores dos países que compõem o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) participaram de um ciclo de reuniões dos Órgãos Sociolaborais do bloco, que se encerrou dia 17 de maio, em Montevidéu, no Uruguai. Foram destaques no encontro os avanços na prestação de serviços públicos de emprego a busca por alternativas que facilitem a livre circulação de trabalhadores entre os países membros.


Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

cidades | 07

Pela democratização da mídia, campanha lança abaixo-assinado Para Expressar a Liberdade

COMUNICAÇÃO Organizações pressionam governo Dilma e cobram transparência e pluralidade para a mídia Daniel Israel da Redação

Lançamento da campanha em Aracaju (SE)

Fórum criado em 1989 volta à ativa Professor aponta descriminalização das rádios comunitárias como ação prioritária da Redação O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação foi criado durante as eleições de 1989, a partir de um grupo de trabalho atuante no setor. Já passou por disputas internas, desprestígio e no estado do Rio foi desmembrado no grupo Comunicativistas. Com a I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), em 2009, o FNDC se reergueu e, hoje, representa a unidade na luta pela democratização da comunicação no Brasil. “O exercício da regulação está condicionado ao envolvimento dos atores

“O exercício da regulação está condicionado ao envolvimento dos atores sociais” sociais. É preciso radicalizar a gestão e a produção de conteúdo”, pensa Adílson Cabral Filho, da UFF. Mas é preocupante o cenário que esses mesmos atores sociais têm pela frente, agora que a campanha está em curso. “Não é possível considerar que rádio comunitária derruba avião. Se fosse o caso de o Ministério das Comunicações

prometer algo, diria que é prioritária a descriminalização dessas rádios. A outra passaria pela cassação das concessões de rádio e tevê permitidas a vereadores, deputados e senadores”, finaliza o professor universitário. Há diversos pontos para coleta de assinatura em todo o estado, como nos dois Sindicatos dos Jornalistas (municipal e estadual) e no Clube de Engenharia. Para contribuir com a campanha, o mínimo a fazer é fornecer nome completo e título de eleitor. Se quiser saber mais, é possível se informar pela Internet, em www.paraexpressaraliberdade.com.br. (DI)

Aprovado em 27 de agosto de 1962, pelo presidente João Goulart, o Código Brasileiro de Telecomunicações (CBT) segue como a única regulamentação para o setor no país. Em busca de uma legislação atualizada, no entanto, os movimentos sociais se articularam em torno do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC). Com isso, foi possível lançar a campanha “Para Expressar a Liberdade”. Desde 1º de maio, a campanha nacional está nas ruas. O próximo passo é sensibilizar toda a sociedade brasileira, com o intuito de reunir até 1,5 milhão de assinaturas e exigir que o governo federal saia da inércia. A jornalista Claudia de Abreu destaca que

“A realidade da imprensa e da comunicação mudou. Mas a Constituição já trazia propostas para atualizar o setor” dos 20 pontos pensados para elaborar o texto da campanha, três devem ser prioritários. “O fim da propriedade cruzada (pessoa ou grupo que possui número de veículos – rádio, tevê, jornal e/ ou site – acima do limite em certa região), a regionalização da produção e maior transparência no processo de concessões de rádio e tevê”. Na opinião dela, que integra a coordenação da Frente Ampla pela Liberdade de Expressão (FALE-Rio), é preciso que as leis acompa-

nhem as transformações ocorridas na sociedade. “A realidade da imprensa e da comunicação mudou. Mas a Constituição já trazia propostas para atualizar o setor, como a regionalização da produção audiovisual”, avalia. Mesmo com um capítulo que reúne cinco artigos (do 220 ao 224), a sociedade ainda não conseguiu fazer valer o que está previsto na Constituição Federal de 1988 (CF/88). Para a infelicidade das organizações que lutam por esse direito humano, no entanto, seria necessário exigir compromissos junto ao governo federal. “A sociedade deveria buscar compromissos do governo para com a causa”, sugere Adílson Cabral Filho, especialista em políticas públicas de comunicação e professor na Universidade Federal Fluminense (UFF).


08 | brasil

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013 Reprodução

FATOS EM FOCO

Moradia O Tribunal de Justiça do Paraná publicou decisão inédita com relação à função social da propriedade urbana. Por dois votos a um, os desembargadores do TJ confirmaram a sentença de procedência do pedido de usucapião de cerca de 30 famílias de catadores de material reciclável que ocupam terreno de uma massa falida no bairro Boqueirão, em Curitiba, desde 1999. A decisão diz respeito à ação de reintegração de posse proposta pela massa falida da empresa Tecnicom LTDA, em 2004.

Ficção científica ou drama heroico? SAÚDE A atriz Angelina Jolie retira mama saudável com medo da possibilidade de ter câncer A atriz estadunidense Angelina Jolie

Viviane Tavares da Redação

gelina fez com as mamas saudáveis.

Você pode ter câncer! Você, a repórter que vos escreve e a atriz hollywoodiana Angelina Jolie. Mas a atriz não quis viver mais com este futuro incerto. Filha de uma vítima do câncer de mama e com chance de ter a doença, Angelina tomou a atitude de tirar as mamas e assumiu publicamente sua posição. A ação dividiu pesquisadores, alvoroçou a imprensa, mas, os fatos provaram que existem outras formas de prevenção deste e de outros cânceres. De acordo com o Ministério da Saúde, o câncer de mama é a principal causa de morte entre as mulheres brasileiras com câncer. Por conta disso, o Ministério implantou diferentes medidas para que o tratamento seja realizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, além de tratamento por meio de cirurgia, quimioterapia ou radioterapia, dependendo de cada caso, as mulheres têm o direito ainda de realizar a cirurgia de reconstituição da mama, assim como An-

Prazos O problema de quem depende do SUS é que este prazo pode levar a partir do dia 23 de maio até 60 dias para iniciar o tratamento, antes da lei 12.732/12 entrar em vigor, este prazo chegava até a 76,3 dias na quimioterapia e 113,4 na radioterapia, de acordo com pesquisa realizada pelo Tribunal de Contas da União em 2011. Angelina Jolie embora

O câncer de mama é a principal causa de morte entre as mulheres brasileiras com câncer não tivesse que esperar este tempo para algum tipo de tratamento, não quis ao menos se submeter a ele, caso viesse a ter um câncer, que também era apenas uma possibilidade.

Denúncia A pesquisadora e antropóloga Débora Diniz em artigo para o Jornal O Estado de São Paulo no dia 18 de maio denuncia que a atitude de Angelina tem outro significado. “O teste sanguíneo para a identificação do gene defeituoso de Angelina custa US$ 4 mil nos EUA. É produzido por uma única empresa, a mesma que busca patentear o sequenciamento genético na Suprema Corte americana”, afirma.

“No Brasil, não está disponível na rede pública de saúde por duas razões. A primeira é que a genética clínica ainda não foi seriamente implementada como política pública do SUS. A segunda, e mais importante, é o custo exorbitante do exame, dado o controle econômico da patente e do sequenciamento do gene por uma única empresa. É a ciência que cartografa nossos genes e que vende o teste para classificar alguns deles como ‘defeituosos”’, explica.

Reprodução

SERVIÇO

Dicas para prevenção do câncer de mama Evitar a obesidade Praticar exercícios Evitar a ingestão de álcool em excesso Autoexame Fonte : INCA O autoexame é importante, mas não substitui o exame físico realizado por profissional de saúde

Leilões de aeroportos Enquanto o governo cede na modelagem de outros leilões de infraestrutura para atrair mais concorrência, o interesse da iniciativa privada em aeroportos se mostra mais presente. Dos 11 grupos que disputaram o último leilão do setor, ocorrido em 2012, todos têm empresas representantes dentre as interessadas na nova rodada de licitação. Pelo menos 20 companhias estudam os ativos e conversam nos bastidores para a disputa de Galeão (RJ) e Confins (MG), agendada para setembro.

Internet Quase metade da população brasileira com 10 anos ou mais de idade (46,5%) acessava a internet em 2011. Segundo estudo do IBGE, o índice é mais do que o dobro do percentual registrado em 2005, quando aproximadamente 21% da população haviam acessado a rede. No mesmo período, a população nessa faixa etária cresceu 9,7%.


Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

brasil | 09

Ações denunciam irregularidades nos leilões do Petróleo JUSTIÇA Com o objetivo de barrar os leilões do petróleo, entidades de petroleiros ingressaram com ações Samuel Tosta

da Redação Uma ação civil pública e duas ações populares questionam no Judiciário a validade do leilão que entregou 142 blocos de petróleo para empresas nacionais e estrangeiras. Os processos tentam impedir a assinatura dos contratos entre a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e as empresas que participaram da 11ª rodada de leilões. Os contratos, no valor de R$2,8 bilhões, serão assinados somente em agosto. No final de março, os sindicalistas Emanuel Cancella e Francisco Soriano, do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ), ajuizaram um ação popular no Rio. “Alegamos a falta de publicidade na inclusão de 117 áreas que foram leiloadas no dia 14 de maio. Esse lotes fo-

Os processos tentam impedir a assinatura dos contratos entre a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e as empresas que participaram da 11ª rodada de leilões ram incluídos após audiência pública realizada no dia 19 de fevereiro”, informa Cancella. Segundo o advogado do Sindipetro-RJ, Luiz Fernando Cordeiro, a ação pede a nulidade do processo de licitação e a suspensão do leilão. “Ou pelos menos que os 117 lotes irregulares sejam retirados do certame”, explica. A liminar foi ne-

Manifestação contra os leilões do petróleo no centro do Rio

gada, mas o Sindipetro ingressou com um recurso na 24ª Vara Federal. Nos próximos dias, o Ministério Público (MP) vai se manifestar sobre o caso. A Federação Única dos Petroleiros (FUP)

também ingressou com uma ação civil pública no Paraná. Porém, a ANP alegou que haveria conexão com a ação popular proposta pelo Sindipetro, argumento que foi acatado pelo juiz responsável. Deste modo,

os dois processos estão correndo juntos na 24ª Vara Federal. Outra ação popular, proposta pelos dirigentes da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Silvio Sinedino e Fernando Siquei-

ra, e pelo deputado federal Ivan Valente (Psol -SP), também tramita na Justiça. “O processo foi extinto sem julgamento do mérito, por isso estamos recorrendo dessa decisão”, declarou Siqueira.

Boato aflige beneficiários do Bolsa Família POLÍTICA Para ministro, ainda é cedo para relacionar motivação política, mas boatos podem ter sido orquestrados Tânia Rêgo/ABr

Thais Leitão de Brasília (DF)

Mesmo com boato desmentido, beneficiários foram às agências da Caixa

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse na terça-feira (21) que a velocidade com que os boatos sobre o fim do Bolsa Família se espalharam levanta a suspeita de que a ação possa ter sido “orquestrada”. “Isso chama a atenção porque tivemos a eclosão [dos boatos] em vários pontos diferentes do território nacional e com uma velocidade espantosa. Não podemos afastar a hipótese de ter havido orquestração des-

“Isso chama a atenção porque tivemos a eclosão [dos boatos] em vários pontos diferentes”

ses boatos, sabe-se lá por que razão. Evidentemente, houve uma ação de muita sintonia e isso nos leva a cogitar essa hipótese”, disse ao acrescentar que haverá rigor nas punições, embora ainda não seja possível identi-

ficar quais delitos foram cometidos. Quanto à possibilidade de motivação política para a divulgação dos boatos, Cardozo afirmou que ainda é cedo para qualquer posicionamento. “Seria leviano da minha parte, como ministro da Justiça, falar sobre isso enquanto a apuração não for concluída”, destacou. Segundo ele, a PF está investigando o caso com “absoluta prioridade”. “Ações como essas mostram um profundo descompromisso com o interesse público e com o país.” (Agência Brasil)


10 | mundo

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

Mujica rejeita título de “presidente mais pobre” Santiago Armas/Presidencia de la República del Ecuador

URUGUAI Para chefe de Estado, “pobre é quem precisa de muito para viver” da Redação O presidente do Uruguai, José Mujica, afirmou em entrevista concedida, na última sextafeira (17), à rede estatal chinesa Xinhua, que não concorda com o título que lhe foi atribuído pela imprensa internacional de “presidente mais pobre do mundo”, em razão de seu estilo de vida simples. Segundo ele, esse título é incorreto. “Eu não sou pobre. Pobres são aqueles que precisam de muito para viver, esses são os verdadeiros pobres, eu tenho o suficiente”, afirmou. “Sou austero, sóbrio, carrego poucas coisas comigo, porque para viver não preciso de muito mais do que tenho. Luto pela liberdade e liberdade é ter tempo para fazer o que se gosta”, disse o presidente. Ele considera que o indivíduo não é livre quando trabalha, porque está submetido à lei da necessidade. “Deve-se trabalhar muito, mas não me venham com essa história de que a vida é só isso”. Assim como já fez com outros correspondentes internacionais, Mujica recebeu a equipe de reportagem chinesa em sua modesta propriedade rural em Rincón del Cierro, nos arredores de Montevidéu, ao lado dos cães e galinhas que cria e alimenta todos os dias. Aos 77 anos, Mujica doa 90% de seu salário de 260 mil pesos uruguaios (quase 28 mil reais) a instituições de caridade. Não possui cartão de crédito nem conta bancária. Sua lista de bens em 2012 inclui um terreno de sua propriedade e dois com os quais conta com 50%

“Eu não sou pobre. Pobre são aqueles que precisam de muito para viver, esses são os verdadeiros pobres, eu tenho o suficiente” O presidente uruguaio José Mujica

de participação, todos na mesma área rural – diz ter alma de camponês, se orgulha de sua plantação de acelgas e já pensa em voltar a cultivar flores. Possui dois velhos automóveis dos anos 1980 (entre eles um Fusca com o qual vai ao trabalho) e três tratores. Segundo o presidente uruguaio, essa opção de vida foi gestada durante os anos em que viveu preso sob duras condições (1972-1985) em razão de sua atividade como guerrilheiro do MLN-T (Movimento de Libertação Nacional - Tupamaru), movimento que lutou contra a ditadura militar.

“Deve-se trabalhar muito, mas não me venham com essa história de que a vida é só isso” “Por que cheguei a esse ponto? Porque vivi muitos anos em que, quando recebia um colchão à noite para dormir, já me dava por contente. Foi quando passei a valorizar as coisas de manei-

Mujica doa

90% de seu salário ra diferente”, disse ele sobre seus tempos de cárcere, quando disse ter passado a conversar com rãs e formigas para “não enlouquecer”. Ele afirmou duvidar que a próxima eleição presidencial, marcada para 2014, vá atrapalhar sua gestão, e se diz animado com um projeto pessoal para quando deixar o Executivo, em março de 2015: “Quando terminar esse trampo (changa em espanhol, referindo-se à Presidência), vou me dedicar a fazer uma escola de trabalhos rurais nesta região”. “O governo funcionará até o último dia, mas já adianto que após as eleições os governos uruguaios costumam tomar medidas de impacto”, quando se espera avançar medidas de infraestrutura sobre portos e a renovação da rede ferroviária, além da lei de regulação da mídia. (Opera Mundi)

Justiça anula sentença de Montt GUATEMALA Anulação da condenação do ex-ditador teria sido provocada por erros no processo Renata Giraldi A Corte Constitucional (o equivalente à Suprema Corte) da Guatemala anulou a sentença de 80 anos de prisão contra o ex-ditador guatemalteco Efraín Ríos Montt (19821983), de 86 anos, por genocídio e crimes de guerra. No último dia 10, ele foi condenado a 80 anos de prisão – 50 pelo massacre de povos indígenas e 30 anos por crimes contra a humanidade e de guerra. Foi determinado um novo julgamento em data ainda a ser confirmada. Ríos Montt governou a Guatemala em um dos períodos mais violentos da longa guerra civil, que durou 16 anos (19601996). O ex-ditador, que é general da reserva, cumpre prisão domiciliar e

Ríos Montt é acusado pela morte de cerca de 771 indígenas começou a ser julgado em meados de março pela morte de cerca de 771 indígenas da etnia Ixil, na região de Quiche, no norte do país. A anulação da sentença, segundo a Corte, foi provocada por erros cometidos durante o julgamento. Os advogados de defesa de Ríos Montt argumentaram, em recursos interpostos, que houve equívocos no julgamento. A Suprema Corte da Guatemala aceitou os argumentos do advogado Francisco García, defensor do ex-ditador. (Agência Brasil)

FATOS EM FOCO

Greve de fome em Guantánamo Quase 130 dos 166 detentos (78,3%) da Prisão de Guantánamo, na Base Naval dos Estados Unidos em Cuba, chegaram, dia 17 de maio, aos 100 dias sem ingerir alimentos. Os presos acusam os funcionários do presídio estadunidense de abusos e maus-tratos, o que teria motivado a greve de fome. Embora os advogados de defesa sustentem que seja esse o número de detentos, as autoridades da prisão contestam, dizendo que o total de presos sem comer seria 100, o que ainda representa a maioria.

Morre ex-ditador argentino Morreu no último dia 17, aos 87 anos, o exditador argentino Jorge Rafael Videla, que esteve à frente do governo do país entre 1976 e 1983. Neste período, segundo organizações de direitos humanos, desapareceram 30 mil pessoas. Videla, segundo os médicos, morreu de causas naturais na cela onde cumpria pena de prisão perpétua por homicídio qualificado, tortura e outros crimes contra a humanidade.

Evo poderá se reeleger A Câmara dos Deputados da Bolívia aprovou uma norma que permite a Evo Morales concorrer a seu terceiro mandato presidencial. Os deputados confirmaram a resolução do Tribunal Constitucional do país que entendeu que a norma não fere a Constituição.


Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

cultura | 11 Fotos: Tânia Rêgo/Abr

Raça, novo filme de Joel Zito DOCUMENTÁRIO Filme acompanha o dia-a-dia do senador Paulo Paim, do cantor Netinho de Paula, e de uma neta de escravos, Dona Miúda, como uma forma de trazer o debate atual e os questionamentos sobre o mito da democracia racial no Brasil O cineasta mineiro Joel Zito Araújo

Marina Schneider do Rio Janeiro (RJ) O cineasta e pesquisador mineiro Joel Zito Araújo, à exceção do ficcional As filhas do vento (que contou com Zózimo Bulbul no elenco), vem se dedicando a filmes documentários desde 1989, quando lançou o médiametragem Memórias de classe. Como principal temática, sua obra destaca a situação do negro na sociedade brasileira. Nesta entrevista, Joel Zito fala de seu mais recente trabalho, o documentário Raça, e afirma que o filme busca “reequilibrar os pontos de vistas sobre temas que viraram um debate nacional, como cotas, quilombos e outras políticas afirmativas”. Brasil de Fato – Fale um pouco sobre o objetivo do filme Joel Zito – O documentário mostra o resultado da nossa busca por algumas pessoas que estivessem no epicentro do debate racial no país. Quem narra a história são os acontecimen-

tos da vida dessas pessoas que escolhemos. Essa é a boa surpresa do filme que oferecemos para o público. Nele, o espectador vai acompanhar o resultado de cinco anos de filmagens na vida do cantor e empresário, e agora político, Netinho de Paula, tentando criar uma TV Negra, a TV da Gente. Acompanhamos também uma mulher do povo, do norte do Espírito Santo, Dona Miúda, que busca em seu microcosmo lutar pelo reconhecimento do seu direito à terra e preservação de sua cultura quilombola. Creio que este é, também, o primeiro documentário que passou três anos nos corredores do Congresso acompanhando um senador da República, Paulo Paim, e mostrando a complexidade da vida de um político e suas negociações na tentativa de aprovação de uma lei de interesse do povo negro. O filme acompanha o protagonismo de Paulo Paim na aprovação do Estatuto da Igualdade Racial, como também o antagonismo do Senador Demóstenes Torres, que

foi contra qualquer medida a favor de políticas afirmativas no Brasil. O que você espera que o filme provoque nos espectadores? Eu sempre procurei fomentar debates sobre questões fundamentais para o nosso país, especialmente a questão racial. E este filme busca reequilibrar os pontos de vistas sobre temas que viraram um debate nacional, como cotas, quilombos e outras políticas afirmativas. Na realidade, acho que a grande mídia, atendendo a sua posição editorial, deu pouco espaço para as lideranças e personalidades negras. E é esta a novidade do filme. Mas tenho me tornado um pouco pessimista.

“Quem narra a história são os acontecimentos da vida dessas pessoas que escolhemos”

“Eu sei que este filme está contra a corrente, mas sei que tem uma parte do público que anseia por isto” Acho que vivemos uma onda muito conservadora e consumista. A minha juventude foi marcada pela procura de obras culturais e de experiências voltadas para o amadurecimento de nossa civilidade, de humanidade, de nossa solidariedade com os mais fracos. Sonhávamos com um mundo mais justo, mais fraterno. Acho que o mundo atual está muito materialista. A

felicidade hoje é simplesmente consumir, se entupir de fast-food e comprar roupas de marcas e um carro “maneiro”. O reflexo nas salas de cinema é que o público procura por filmes fast-food, que não incomodam, que não fazem pensar. Eu sei que este filme está contra a corrente, mas sei que tem uma parte do público que anseia por isto. Por ver questões fundamentais na tela. E este público vai, seguramente, adorar o nosso filme. Li em uma entrevista que você concedeu em 2011 à Baobá que a renda do filme será revertida para esta organização. Sim, é uma novidade que nos dá muito orgulho. Nunca vi nenhum filme que doasse toda sua renda de bilheteria para uma causa. Nós entregaremos tudo que recebermos com a venda de ingressos para o Baobá. É uma forma de ajudarmos a construir uma verdadeira democracia racial neste país. E é uma forma do público também participar.

SERVIÇO Divulgação

Documentário Raça filmado entre os anos de 2005 e 2011 está em cartaz no Espaço Itaú de Cinema (Praia de Botafogo, 316). É exibido em dois horários: 16h e 20h na Sala 3. Os preços variam: R$16 (quarta, exceto feriados), R$21 (segunda, terça e quinta, exceto feriados), R$ 25 (sexta a domingo e feriados).


12 | cultura

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

Renatinho Partideiro: o testemunho da tamarineira CRÔNICA Diretor do bloco Cacique de Ramos, Renatinho Partideiro morreu precocemente aos 50 anos www.caciquederamos.com.br

Orlando Oliveira “Porque o sambista não precisa ser membro da academia/ Ao ser natural em sua poesia, o povo lhe faz imortal”, já cantava Candeia em “Testamento de Partideiro”. Famoso por seus versos de improviso, Renatinho Partideiro, faleceu neste mês, no dia 11 de maio. “A gente faz samba tirado da alma”, declarava Renatinho, um dos grandes nomes do partido-alto. Nos anos 1980, surgiu na tevê uma novela chamada “Partido Alto”. Deve ter despertado a curiosidade de velhos batuqueiros. Tudo ilusão: trilha sonora com funk, nada a ver com a história do samba. O verdadeiro e bom partido estava presente nas rodas, expresso na incrível imaginação e versatilidade de seus grandes ases. Aniceto do Império, você foi um caso sério, Xangô da Mangueira, já cantou muito samba, já foi batuqueiro, Geraldo Babão, raciocínio versos velozes de um sublime Salgueiro,

AGENDA 0800 EXPOSIÇÃO: Memorial Getúlio Vargas apresenta: “Arte & Política”. Trabalhos de artistas como Cândido Portinari, Hélio Oiticica, Oscar Niemeyer e Lasar Segall. Pode ser vista de terça-feira a sábado, das 10h às 17h, até o dia 29 de junho, na Praça Luís de Camões, na Glória. Grátis A Caixa Cultural recebe exposição World Press Photo que reúne 154 imagens registradas por 54 fotógrafos

Debaixo da tamarineira despontavam novos valores, altos partidos. Entre eles Renato de Pilares Candeia da Portela e do Quilombo, testamento vivo de resistência. Debaixo da tamarineira despontavam novos valores, altos partidos. Entre eles, Renato de

Pilares, isso mesmo, um dos pilares da famosa roda de Ramos, cultivando a semente do samba ao lado de Almir Guineto, Luiz Carlos da Vila, Jovelina Pérola Negra, Deni de Lima, tantos outros. “O sol vai baixando e o povo vai se encorajando”, vai versando sem querer querendo o partideiro, registrando a chegada do povo na quadra do Cacique, domingo de tarde. Já era professor de rima, na oficina popular dos Partideiros do Cacique. Outro craque do improviso, Nei Lopes, fornewww.caciquederamos.com.br

A memória dos nossos mitos permanece viva

de 32 países. As fotos foram destaque na imprensa internacional ao longo de 2012. Na rua Almirante Barroso, 25. Centro. De terça a domingo, das 10h às 21h. Grátis Reprodução

Exposição de fotos na Caixa

Travessias, no galpão Bela Maré, uma realização do Observatório de Favelas e da Automática descentraliza o circui-

to de artes. Expõe pinturas de Carlos Vergara e colagens de Vik Muniz. Na Rua Bittencourt Sampaio, 169. Entre as passarelas 9 e 10 da Av. Brasil na Favela da Maré. Quarta e sábado, das 10h às 18h. Quinta e sexta, das 10h às 20h. Grátis

ce a descrição de Renatinho Partideiro em seu livro Partido Alto: samba de bamba “(...) negro robusto, quase sempre vestido à moda dos rappers norte-americanos, na faixa de 35 anos à época deste livro, destacou-se pelo raciocínio rápido e pelos versos inspirados.” (p. 176). Admiração pelos negros norte-americanos, mas fidelidade absoluta às profundas raízes africanas, às batucadas brasileiras. O recente documentário Partideiros, de Toninho Galante, serviu como derradeira homenagem a Renato Cardoso das Neves, que nos deixa precocemente aos 50 anos. Na tela, um show de samba, partido pesado, pura picardia, onde Renatinho improvisa até dizer chega com Marquinho China, Serginho Procópio e Tiago Mocotó. E mostra a sabedoria do sambista, ao exaltar os antigos partideiros como autênticas fontes, infinitas usinas de criação. E também seu olhar crítico para as difi-

TEATRO:

FOTOGRAFIA:

Lima Barreto ao terceiro dia. A peça conta a vida e obra do escritor, abordando a questão do negro no Brasil. No Dulcina (Rua Alcindo Guanabara, 17), De sexta a domingo, às 19h. Preço: R$20 e R$10 (meia). Estreia nesta sexta (24)

Craques das Copas – O fantástico mundo do futebol. Mostra reúne fotografias e vídeos sobre momentos marcantes do futebol mundial. No Palácio Tiradentes, na Rua Dom Manuel, s/número. Centro. Até 30 de junho. Grátis

Dias felizes: suíte em nove movimentos. Inspirada na obra de Samuel Beckett, a peça gira em torno de uma mulher que quer salvar sua rotina. No CCBB (Rua Primeiro de Março, 66), de quarta a domingo, às 19h30. Preço: R$6. Até domingo.

Renatinho Partideiro, um dos grandes nomes do partido-alto

culdades de viver de música em meio ao cruel colonialismo cultural. Angústias traduzidas em versos, mas também tornando vulnerável o corpo, alquebrado pelo diabetes (fatais diabinhos!). E vai se abrindo mais uma lacuna no

Divulgação

Dias felizes no CCBB

Prazer. Inquietações, angústias e impasses cotidianos retirados do livro “Uma aprendizagem

quilombo musical, onde a memória dos nossos mitos permanece viva, ao contrário da mídia medíocre, inteiramente preocupada em reproduzir estranhos sons e valores. Orlando Oliveira é jornalista

ou o livro dos prazeres” de Clarice Lispector. No CCBB (Rua Primeiro de Março, 66), de quarta a domingo, às 19h. Preço: R$6. Até 2 de junho. Um inimigo do povo: Texto: Henrik Ibsen. Tradução: Pedro Mantiqueira. Direção Silvia Monte. Homem é tratado por todos como inimigo por tentar dizer algo que ninguém quer ouvir: as águas, fonte do sustento da cidade, estão contaminadas. No Centro cultural do Poder Judiciário: Rua Dom Manuel, 29. Centro. Seg a Qua, às 19h.120 minutos. Até 29 de maio. Grátis


Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

variedades | 13

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS www.coquetel.com.br

© Revistas COQUETEL 2013

Base da produção de um filme (pl.) Prato mais famoso do Espírito Santo Peça representada por apenas um ator

Passável; tolerável Níquel (símbolo)

Advertidos; avisados Atração (fig.)

Reagir à piada De tamanho ínfimo

Tanque utilizado na Função fabricação atual do de vinhos Palácio do Catete (RJ)

Cantora (?): Maria Callas ou Sarah Brightman

Grito em touradas

O L

Regra, em inglês Alain Delon, ator Paraíso Consagrado como padre

E Tecido Não Tecido (sigla)

Provenientes de Formato do funil

Emblema de um time Rato, em inglês

Que não se movimenta Membro de voo

(?) sensu: tipo de pósgraduação

Gama

Abreviatura de "peão", no xadrez

Alvoroço (fig.) Pão, em espanhol

Formação para se dançar o tango Anteparo interno do parabrisa

Ambientalista que concorreu à Presidência em 2010

Agora com os novos jogos Nome frequente entre os islâmicos Metal de reatores nucleares (símbolo)

BOMBA e

PIRÂMIDE

O chocolate aerado, por sua textura

BAIXE agora

!

www.samsungapps.com com 3/oil — pan — rat. 4/lato — rule. 5/lagar. 16/museu da república.

BANCO

HORÓSCOPO

AL

De pensamento limitado Enfeite pregueado da saia

Solução

COQUETEL MOBILE

(?) McCartney, ex-beatle

M U O S L E E U D T A N R T E P E U V B E L L I C V A

Dona (abrev.) Escoadouros de pias

G O A D R U C O S R E D E R N A A T D O P A U I L

Posição religiosa de Nietzsche Provida; munida

R S O N O L O T I F I C E R IR I M I C A R I V A D O N E S U L O S I N L C A L I A U S T L A D O O O T R P P A LA A B A D O R I N A S

A solução de pH básico (Quím.) Um dos naipes do baralho

M N O Q Q U D E C C A C A P B I X A B M A

Local onde ocorre a metamorfose da borboleta

(?) final, última fase de um processo Óleo, em inglês Vitamina encontrada nos laticínios

79

ASTROLOGIA - Semana de 23 a 29 de maio de 2013 Semana importante para mais tato e cordialidade; Há tendências para mais envolvimento com assuntos dos outros

Áries

(21/3 a 20/4) Momento de cuidado com as palavras. Com a família, procure ser cuidadoso e cordial. No amor, momento de espera, paciência. Evite ser precipitado no trabalho.

Touro

(21/4 a 20/5) Período especial para retomar algumas relações antigas. Seja mais dedicado com estudos. Fique atento a gestos simples na vida amorosa.

Gêmeos

(21/5 a 20/6) Momento bom para aperfeiçoar suas ideias e concretizá-las. Seja cuidoso com o corpo. No amor, momento de romantismo fará bem.

Câncer

(21/6 a 22/7) Momento bom para balanço profissional e afetivo. Cuidados com a saúde, corpo, terapias, espiritualidade são recomendados. Cuidado com exageros na vida amorosa.

Leão

(23/7 a 22/8) Momento importante para algumas mudanças. Cuidados com a saúde e com o corpo serão essenciais. No amor, período importante para planos com o cônjuge.

Virgem

(23/8 a 22/9) Período bom para questões profissionais. Cuide para que suas obrigações do cotidiano não atrapalhem relações afetivas. No amor, esclarecimentos de assuntos pendentes.

Libra

(23/9 a 22/10) Período bom para mudanças nas questões de trabalho. Estudos e troca de informações são essenciais. Conversas importantes e decisivas na vida amorosa.

Escorpião

(23/10 a 21/11) Momento bom para as relações em geral. Sentimentos que antes não notava nas pessoas podem aparecer. No amor, momento bom para resgatar assuntos esquecidos.

Sagitário

(22/11 a 21/12) O momento é especial para refletir sobre suas relações. Em assuntos profissionais, bom para mudanças. No amor, cuidado com impulsos.

Capricórnio (22/12 a 20/1) Momento para mudanças de rotina. Nas relações, atenção e posturas serão importantes. Evite desgastes desnecessários com os familiares.

Aquário

(21/1 a 19/2) Período positivo para negócios. Relações sociais, festas e diversões são propensas. Oportunidades para demonstrar carinho na vida amorosa.

Peixes

(20/2 a 20/3) Momento para retomar laços afetivos junto aos familiares e a antigos amores. Evite remoer sentimentos e aproveite novas relações. No trabalho, procure ter mais paciência com as pessoas.


14 | esporte

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

Cruzeiro goleia o Resende e segue na Copa do Brasil FUTEBOL As equipes se enfrentaram pelo jogo de volta da segunda fase da competição Washington Alves/VIPCOMM

da Redação Na noite de quartafeira (22), em Belo Horizonte, o Cruzeiro goleou o Rezende por 4 a 0, em jogo válido pela segunda fase da Copa do Brasil. O técnico Marcelo Oliveira finalmente pôde contar com o zagueiro Dedé, considerado a grande contratação do time celeste no ano de 2013. A grande surpresa foi a ausência do zagueiro Léo, que jogou o clássico contra o Galo na final do Campeonato Mineiro. Superior tecnicamente, Cruzeiro abriu 2 a 0, ainda no primeiro tempo,

O duelo marcou também a despedida do Mineirão

com gols de Dagoberto e Borges. O primeiro gol foi em cobrança de falta, após o camisa 11 cobrar por baixo e o goleiro Mauro falhar na defesa. O segundo tento veio dos pés de Borges, que aproveitou cruzamento na grande área, desviando na segunda trave. Segundo tempo Na etapa complementar, a equipe da casa diminuiu o ritmo, mas seguiu pressionando o adversário. Logo aos 3 minutos, num contra-ataque pelo meio, Borges é acionado e chuta cruzado de fo-

Em jogada, Egídio, lateral do Cruzeiro

ra da área. A bola entra no canto direito da meta, sem chance para o goleiro Mauro. Aos 43 minutos, Diego Souza, dentro da área, toca na direita para Elber,

que cruza na risca da pequena área para Lucca. Ele emenda um belo chute e coloca a bola no canto esquerdo da meta. Jogo tranquilo para os mineiros, que agora en-

frentam o Atlético Goianense na próxima fase da competição. Destaque para as estreias de Dedé e Lucca na equipe do Cruzeiro. O duelo marcou também a despedida do Mineirão, que será entregue à Fifa para a Copa das Confederações.

Flamengo desempata série e fica a uma vitória da final BASQUETE Com a vantagem de 2 a 1, rubro-negros voltam a jogar na próxima quinta-feira (23)

FATOS EM FOCO

Reforma no Maracanã em xeque Graças à denúncia do canal a cabo ESPN Brasil, a Defensoria Pública da União (DPU) acionou o Ministério Público Federal (MPF). A DPU quer saber se o arquiteto Carlos Fernando de Andrade, que trabalha na Secretaria Estadual de Obras e foi cedido ao Iphan, cometeu algum crime por conta da aprovação de modificações realizadas no estádio. “Essas intervenções deformaram completamente a estética do Maracanã da forma como existia”, afirmou o defensor público Daniel Ordacgy.

Fabiana Murer volta a competir Melhor atleta brasileira na modalidade, Fabiana já está classificada para o Mundial de Atletismo, que será em Moscou (Rússia), em agosto. Ela, que se recupera de lesão no pé, volta às pistas após três meses de tratamento.

Alexandre Vidal/Fla Imagem

da Redação Na noite de domingo (19), o Flamengo venceu o São José (SP) por 106 a 86, no terceiro jogo das semifinais do Novo Basquete Brasil (NBB). O time do técnico José Alves Neto desempatou a série, disputada em até cinco partidas. Cerca de sete mil pessoas estiveram presentes à Arena da Barra para apoiar a única equipe carioca que segue na competição. A outra é o Tijuca, que sequer passou da primeira fase (classificatória). Formada por jogadores experientes, como o ala Marquinhos (que jogou nas Olimpíadas de Londres, pela Seleção

No quarto período, a equipe paulista perdeu consistência na armação das jogadas

Brasileira) e o ala/pivô Olivinha, o elenco rubro -negro foi superior ao São José durante a maior parte do jogo. No quarto período, a equipe paulista perdeu consistência na armação das jogadas (com a expulsão do armador Fulvio) e nos rebotes no garrafão adversário (com a contusão do pivô Murilo).

Assim, o time comandado pelo técnico Régis Marrelli cedeu à marcação sob pressão, e o Flamengo deslanchou no placar, chegando a abrir 30 pontos de diferença. Destaque para os jogadores que saíram do banco e anotaram 30 pontos ao longo da partida, contra apenas quatro pelo São José. Com a vantagem de 2 a 1, os rubro-negros jogam quinta-feira (23), no Ginásio Linneu de Moura, em São José dos Campos. Após eliminar o Bauru (SP) por 3 a 0, o Uberlândia (MG) apenas aguarda o adversário para a final, que também será disputada em melhor-de-cinco.

Giba na Calçada da Fama

Flamengo venceu o jogo por 106 a 86

Integrante de um time que marcou época e ganhou todas as competições que disputou, Gilberto Godoy Filho, o Giba, grava nome e mãos na Volleyball Alley (espécie de Calçada da Fama do voleibol mundial). Ele é o terceiro brasileiro a ser lembrado nesse grupo seleto: os outros dois foram Bernard (que inventou o saque “Jornada nas Estrelas”) e Maurício (campeão olímpico e do mundo, junto com Giba). O evento ocorre na Polônia.


Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

esporte | 15 Botafogo Oficial

opinião | Bruno Porpetta

O “ame-o ou deixe-o” de Marin A convocação de Felipão para a Copa das Confederações foi assunto da imprensa e dos torcedores. Ela está muito próxima do que temos de melhor no futebol brasileiro hoje. Se muita gente não gostou, é porque a fase não anda boa por aqui. Surpresa sempre tem. Ao menos, teve alguma coerência. Vivemos uma entressafra de bons jogadores, uma crise de identidade técnica e tática no “país do futebol”. Não podemos cobrar muito, diante deste cenário. Só estamos entre os favoritos por jogarmos em casa e termos muito peso no futebol mundial. Mas duro mesmo é ver outros atores querendo aparecer. O presidente da CBF, José Maria Marin, apesar da inevitável aparência física combalida, toma a palavra.

Pede que toda a nossa preocupação esteja voltada para a seleção. Talvez para nos esquecermos de que, fora os tucanos, o Brasil parece querer sua cabeça em um prato. Homem que consegue constranger até a Presidência da República não goza de boa imagem. Esta tentativa de criar comoção nacional em torno da seleção, neste momento, soa ridícula. Mais ainda, pelas coincidências com seus antigos amigos. Os que mataram Herzog, e que ele tenta jogar debaixo do tapete vermelho das cerimônias. Marin tenta emplacar um “Brasil: ame-o ou deixe-o!” a la Médici. Em tempos de Comissão da Verdade, não nos esqueceremos disto. Bruno Porpetta é autor do blog porpetta.blogspot.com

Andre Bahia, Seedorf, Andrezinho, Lodeiro e Rodrigo Dantas: depois do carioca, Brasileirão é o desafio

Vasco e Botafogo na estreia do Brasileirão

brasileirão | 1ª rodada Vasco X Portuguesa

LARGADA Embate entre campeões de Rio e São Paulo é destaque da rodada

Sab 25/05/2013 - 18h30 São Januário

Vitória X Internacional Sab 25/05/2013 - 18h30 Fonte Nova

Corinthians X Botafogo Sab 25/05/2013 - 21h00 Pacaembu

Grêmio X Náutico Dom 26/05/2013 - 16h00 Alfredo Jaconi

Ponte Preta X São Paulo Dom 26/05/2013 - 16h00 Moisés Lucarelli

Criciúma X Bahia Dom 26/05/2013 - 16h00 Heriberto Hulse

Santos X Flamengo Dom 26/05/2013 - 16h00 Mané Garrincha

Fluminense X Atlético PR Dom 26/05/2013 - 18h30 Moacyrzão

Cruzeiro X Goiás Dom 26/05/2013 - 18h30 Independência

Coritiba X Atlético MG Dom 26/05/2013 - 18h30 Couto Pereira

da Redação Começa nesse final de semana o Campeonato Brasileiro da Série A de 2013. Vasco (RJ) e Portuguesa (SP), e Vitória (BA) e Internacional (RS) fazem os dois primeiros confrontos da rodada de sábado às 18h30. Logo mais, às 21h, os campeões estaduais Botafogo (RJ) e Corinthians (SP) se enfrentam na capital paulistana. Ao todo, 20 clubes se enfrentarão, em turno e returno, no campeonato mais importante do país. Começando no dia 25 deste mês, a disputa será interrompida após a 6ª rodada, dia 12 de junho, quando acontece a Copa das Confederações. Os jogos serão retomados no

dia 6 de julho e seguem até o dia 8 de dezembro, data programada para a última rodada.

O Brasileirão 2013 será a décima edição do torneio em que o sistema de pontos corridos é adotado 10 anos de pontos corridos O Brasileirão 2013 será a décima edição do torneio em que o sistema de pontos corridos é adotado. Desde 2003, quando o Cruzeiro (MG) levantou a taça, a fórmula vem sendo repetida ininterrupta-

mente. Os detratores do modelo acusam a ausência de uma final como um fator redutor de emoção. Já os defensores apontam que o acúmulo de pontos coroa a equipe que melhor se apresentou durante todo o certame. Vale destacar que, durante esses dez anos, algumas medidas ajudaram a consolidar o formato, sendo a principal delas o fim das famosas “viradas de mesa”, o que levou clubes tradicionais ao rebaixamento, como Corinthians, Palmeiras e Grêmio. Além de fugir da parte de baixo da tabela, a busca de uma melhor colocação foi impulsionada pelas vagas para os torneios continentais, como as copas Libertadores e a Sul Americana.

campeões

A era dos pontos corridos 2012 - Fluminense 2011 - Corinthians 2010 - Fluminense 2009 - Flamengo 2008 - São Paulo 2007 - São Paulo 2006 - São Paulo 2005 - Corinthians 2004 - Santos 2003 - Cruzeiro


16 | esporte

Rio de Janeiro, de 23 a 29 de maio de 2013

Flu desperdiça vantagem

FATOS EM FOCO

LIBERTADORES Mesmo com até 72% de posse de bola, tricolor fica no 0 a 0 com Olímpia (PAR) Aelson F. Amaral/VIPCOMM

Daniel Israel do Rio de Janeiro (RJ) A noite era chuvosa e o horário nada convidativo. Mesmo assim, mais de 16 mil tricolores foram ao Estádio de São Januário, na noite da última quarta-feira (22), para ajudar o Fluminense na primeira partida pelas quartas-de-final da Libertadores, diante do Olímpia (PAR).

Jogo terminou de forma melancólica O entusiasmo, no entanto, não resultou em gols e o time agora terá uma tarefa dificílima no jogo de volta, em Assunção. Cerca de 40 mil paraguaios devem lotar o Defensores del Chaco e empurrar o Olímpia. O vencedor do confronto avança às semifinais e enfrenta Atlético (MG) ou Tijuana (MEX). Desde o início, a equipe carioca viu que teria grande dificuldade para furar o bloqueio imposto pela defesa paraguaia.

Mesmo com o domínio do jogo, chegando a ter 72% de posse de bola, o Fluminense deu apenas dois chutes a gol em todo o primeiro tempo. O Olímpia, por sua vez, também não conseguia avançar rumo ao ataque. No melhor lance da primeira etapa, Wellington Nem cruzou da direita, Leandro Euzébio dominou livre na área e chutou. A bola bateu contra o corpo do goleiro Martín Silva. No segundo tempo, passou a chover forte. Com isso, o gramado ficou ainda mais pesado. Aos 33’, Rafael Sóbis, que tinha acabado de entrar, sofreu falta na entrada da área. Ele chutou, a bola encobriu a barreira, mas parou em Silva. Em seguida, Aranda fez falta em Rhayner e foi expulso. Nem isso ajudou a furar a zaga do Olímpia, que ficou quase 15 minutos com um jogador a menos. O jogo terminou de forma melancólica. Resta ao Flu se preparar para a estreia no Campeonato Brasileiro, domingo, dia 26, diante do Atlético (PR), em Macaé (RJ).

Luiz Antônio ganha vaga de titular

Na próxima etapa, o time da Gávea pega o ASA (AL), que passou pelo Ceará

FICHA TÉCNICA

Fluminense

0X0

Diego Cavalieri, Bruno (Rafael Sobis), Digão, Leandro Euzébio, Carlinhos, Edinho (Samuel), Jean, Wágner (Felipe), Wellington Nem, Rhayner e Fred

Olimpia PAR

Silva, Manzur, Miranda, Candia, Gimenez (Pérez), Aranda, Ortíz, Báez (Ariosa) e Salinas, Salgueiro (Castorino) e Bareiro

Mais de um mês sem jogo oficial

São Januário | Rio de Janeiro (RJ) | 22/05/2013 | 22:00

Botafogo vence CRB (AL) COPA DO BRASIL Na próxima fase, equipe carioca enfrenta Figueirense (SC), responsável por eliminação na semifinal, em 2007 Daniel Israel do Rio de Janeiro (RJ) Em jogo debaixo de muita chuva, na noite de quarta-feira (22), o Botafogo derrotou o CRB (AL) por 3 a 0 e avançou às oitavas-de-final da competição. Com gols de Antônio Carlos, Andrezinho e Rafael Marques, agora a equipe ca-

rioca enfrenta o Figueirense (SC), que desclassificou o Arapongas (PR). Na partida de volta pela segunda fase da Copa do Brasil, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ), o Glorioso conseguiu impor seu jogo e fez valer a maior qualidade técnica.

Diante do Figueirense, o Botafogo vai tentar se recuperar do trauma de seis anos atrás. Numa das semifinais, em 2007, o time foi eliminado após polêmica atuação da arbitragem. Já no fim de semana, o time de General Severiano estreia no Brasileirão, diante do Corinthians (SP), às 18h30, no Pacaembu.

O jovem meia rubro -negro, revelado nas categorias de base do clube da Gávea, entrou no segundo tempo do jogo contra o Campinense (PB), quando o Flamengo avançou às oitavas-definal da Copa do Brasil, e mostrou muita personalidade. Ele agradou tanto o técnico Jorginho, que garantiu permanência no time principal. A próximo partida do Mengo será contra Santos (SP), domingo (26), no Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF).

FICHA TÉCNICA

3X0 Botafogo

CRB

Jefferson, Lucas, Bolívar, Antônio Carlos, Lodeiro (Andrezinho), Lima, Marcelo Mattos, Fellype Gabriel (Vitinho), Gabriel, Seedorf, Rafael Marques

Tiago, João Victor, Djavan, Paulo Sérgio,Marcus Vinicius, Gladstone, Audálio, Carlão (Thiago Potiguar),Jairo(Denílson), Johnnattan, Walter Minhoca, Schwenck

Gols de Andrezinho, Antônio Carlos e Rafael Marques Raulino de Oliveira | Volta Redonda (RJ) | 22/05/2013 | 22:00

O Gigante da Colina segue a rotina de muito treino e nenhum jogo. Na verdade, o time entrou em campo, no sábado (11), para um amistoso em Juiz de Fora (MG), diante do Tupy (time local), e venceu por 5 a 1. Sem disputar uma partida oficial desde 20 de abril, quando foi derrotado pelo Madureira, na última rodada da Taça Rio, o Vasco espera que a estreia no Brasileiro seja uma trégua no fiasco do primeiro semestre. A equipe voltará a campo diante da Portuguesa (SP), no sábado (25), em São Januário.


Edição Rio de Janeiro