Issuu on Google+

ia

Boletim Informativo de Osasco

* hl^- 4r*T

* *>

jg

V

Heste que nos prepara para o Jubileu dos 2000 anos do Nascimento de Jesus Salvador, seja a misericórdia e a confiança no Pai que nos sustentem cada dia nesta caminhada.

**

*- +^^r^r-

Fel

Ano IX - N° 87 - Dezembro -199&.

J_ N L

V.-' L' -


INFORMANDO DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES

JUBILEU NOS CÁRCERE;

No dia 20 de outubro, Dom John P. Foley, Presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, anunciou o tema para a celebração do Dia Mundial das Comunicações, em 1999: "Mass media: Presença amiga ao lado de quem procura o Pai" Ao fazer essa comunicação, Dom Foley salientou que o mencionado tema foi escolhido pelo Papa em vista da preparação para o Grande Jubileu do Ano 2000 que será dedicado a

Deus Pai. O Presidente do Pontifício Conselho citou, ainda, outra afirmação de João Paulo II: "O anúncio da conversão, como imprescindível exigência do amor cristão, é de modo particular importante na sociedade atual, na qual parecem ter sido perdidos os próprios fundamentos de uma visão ética da existência humana" O Dia Mundial das Comunicações Sociais será celebrado, no Domingo da Ascensão, que em 1999 será 16 maio.

A Pastoral Carcerária está organizai uma grande celebração para ser ré zada em todas as penitenciárias do í no ano 2000. A iniciativa respond um apelo do Papa no Projeto do ". bileu nos Cárceres do Mundo" celebração está prevista para o dia de julho do ano 2000. Com esse ate Igreja quer sensibilizar as autoridade dirigentes do Sistema Penitenciário p humanizar o ambiente dos cárceres

JUBILEU DE PRATA SACERDOTAL

NOTÍCIAS DO EPISCOPADO

CONCURSO DO CARTAZ I LETRAS DA MISSA - CF 20<

Pé. Ottorino Assolari, delegado no Brasil do Superior Gera! da Congregação da Sagrada Família de Bérgamo foi ordenado sacerdote no dia 08 de setembro de 1973 em Martinengo - Bérgamo - Itália. Portanto neste ano celebra seus 25 anos de ordenação sacerdotal. A Diocese de Osasco e as Paróquias N. Sra. Medianeira (Itapevi) e N. Sra. Aparecida (Jandira) se rejubilam pela celebração de tão importante data na vida sacerdotal do Pé. Ottorino. E marcaram para o dia 27/12 - Festa da Sagrada Família, às I8:30hs a missa de ação de graças na Paróquia de N. Sra. Aparecida, em Jandira. A nossa saudação ao Pé. Otorrino e as nossas preces para que o seu sacerdócio continue fecundo, verdadeiramente missionário entre nós. SEMANA DE ORAÇÁO "Ele habitará com eles. Eles serão seu povo e Ele será o Deus que está com eles" (Apocalipse 21, 1-7). A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, em 1999, será de 16 a 23 de maio. Material para as celebrações da Semana está sendo elaborado.

O Dom David Picão, Bispo de Santos, celebrou no dia 10 de outubro, em Roma seus 50 anos de sacerdócio. O Dom José Gomes em 28/10 renunciou ao governo pastoral da Diocese de Chapecó (SC). O Dom Manoel João Francisco, na mesma data, foi nomeado Bispo de Chapecó (SC). O Dom José Vieira de Lima foi nomeado pelo Papa João Paulo II Bispo da Diocese de São Luis de Cáceres (MT), no dia 11/11. O Dom Luiz Carlos Eccel, no dia 18/11 foi nomeado Bispo da Diocese de Caçador (SC). ESCOLA DE FORMAÇÃO O Instituto de Pastoral Vocacional (IPV), em São Paulo, está oferecendo para o próximo ano, dois Cursos de Formação para Agentes de Pastoral Vocacional. São cursos com conteúdo teológico, antropológico e pastoral. 1) Curso Básico de Pastoral Vocacional, de 11 a 17 de janeiro de 1999; 2) Acompanhamento Vocacional e Entrevista, de 18 a 24de janeiro de 1999. As vagas são limitadas. Informações com Ir. Angela de Andrade. Fone: (011) 876-1434.

FORMAÇÃO DE CATEQUISTAS A partir da publicação do Documento 26 da CNBB, "Catequese Renovada", em 1983, a Igreja no Brasil foi acentuando a importância e a necessidade da formação dos catequistas. O Diretório Geral para a Catequese, do Vaticano, de 1997 diz: "A Pastoral Catequética Diocesana deve dar absoluta prioridade à formação dos catequistas leigos" Com o objetivo de ajudar na formação dos catequistas de base foi lançado o "ECOando", folheto de formação interativa para catequistas, com conteúdos sobre: Bíblia e Catequese; Jesus Cris-

to e o Catequista; o catequizando e o Método de Catequese; Igreja e Liturgia. Durante dois anos serão publicados 48 folhetos, distribuídos em cadernos com quatro folhetos a cada dois meses. A Equipe de Reflexão da Dimensão Bíblico-Catequética da CNBB junto com membros da Coordenação de Catequese do Regional Sul l (SP) e a Equipe de Catequese da Diocese de Osasco são os responsáveis pelo material, que será publicado por Paulus Editora à qual os interessados devem dirigir-se para fazer assinaturas.

A CNBB lançou em novembro o c< curso para a criação do cartaz e das trás da música da Missa da Campar da Fraternidade do ano 2000, que s< Ecuménica. O tema da CF-200C "Dignidade Humana e Paz" e o lei "Novo Milénio sem ExclusÕes" Orientações: O cartaz poderá ser crie a partir de uma foto, desenho, colage montagem ou pintura; deverá ser envia em arte final, com cópia em disque quando for possível. Formato: 70cm altura por 50cm de largura ou vice-ver deverá chegar ao Conselho Nacional Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC) até '. de fevereiro de 1999. A escolha do cartaz será feita pela Di toria do CONIC e pela Comissão da C 2000. Os cartazes devem ser enviad ao CONIC no seguinte endereço: SC Quadra l - Bloco E - Edifício Ceará - S< 713 - Fone/fax: (061) 321-8341 - Brasi (DF)-CEP 70303-900 LANÇAMENTO DA CAMPANH PARA A EVANGELIZAÇÃO O material da Campanha já está e todo o Brasil, e vem sendo divulgai também por diversos órgãos de com nicação das Dioceses. Ele conta co uma sequência de folhetos, a serem d tribuídos ao povo a partir do \- Domi go do Advento. A valorização dês material depende muito das Equipes < Liturgia, que precisam ver como inse: nas celebrações a motivação para Campanha. Uma sugestão é incluir r momento das preces as indicações qi os folhetos trazem para cada doming O l- Domingo do Advento se aprese ta como a oportunidade para o lanç mento da Campanha em cada comur dade, para culminar com a coleta no Domingo, como prevê o desdobrame to da Campanha.


CAMINHANDO COM O PASTOR AGRADEÇAMOS AO SENHOR POR TANTAS GRAÇAS... nos ajudará a prepaNo mês de novembro tivemos a nossa Assembleia rar a Festa do NasciDiocesana. Foram revistas as atividades pastorais mento de Jesus. diocesanas em sua organização e formação. Sentimos o crescimento das Regiões Nos nove dias de Pastorais em seu esforço de oração e de reflexão, a "novena" deste ano Sentimos o cresci- organizarem-se a ponto de constituírem as suas equiquer nos incentivar a mento das Regiões pes executivas que as vão descobrir no nascimenPastorais em seu representar na Coordenato de nosso Salvador esforço de ção Diocesana. como o ser humano se organizarem-se encontra e se enriquece Também foi apresentado à quando se situa dentro do projeto de Deus, como agente Assembleia o organograma do Conselho do seu próprio existir. Diocesano de Pastoral. De um lado as Regiões Pastorais já organizadas e prontas para o desenvolvimento da ação Nesse plano todo o povo é conduzido por Deus, pastoral de acordo com o 3° Plano de Pastoral da Diocese; graças aos sacerdotes e profetas que se colocam, sob do outro lado os movimentos, associações e entidades o impulso do Espírito Santo, em função da educação e necessitando de um secretariado que os represente no da orientação de todo o seu povo. Conselho Diocesano de Pastoral. A família tem um lugar todo especial no povo Tivemos também, em novembro, a ale- ^ Tivemos a alegria de Deus e deve desenvolver e aprimorar os de ordenar cinco gria de ordenar cinco novos sacerdotes para \ Diocese. São eles: Pé. Adinael, Pé. Benedivalores familiares para que ela seja fermennovos sacerdotes y to de transformação de toda a sociedade para a nossa to Cesário, Pé. António Machado, Pé. Luiz 3 humana. Diocese Ornar e Pé. Marcos Galdino. Com a Catedral A Bíblia e de modo todo especial, o Novo Tesinteiramente lotada, manrfestaram-se a alegria tamento manifesta como Deus, através de seu Fie a participação de muitas comunidades e parólho Jesus exerce a educação de todo o seu povo. Como quias onde eles, durante o curso de teologia, realizaram as também a Igreja é conduzida à santidade pelo Espírito de suas atividades apostólicas, como parte importante na forDeus que dá unidade de ação a toda a diversidade de seus mação para o sacerdócio. Esperamos que eles sejam muimembros. to felizes no exercício do sacerdócio que buscaram durante A Palavra de Deus vai educando e formando o povo longos anos de estudo e de formação. A nossa Diocese é da esperança. Esperança de nova terra e de novo céu, muito extensa em seu território e numerosos são os fiéis porque colocados sob a orientação que habitam as doze cidades que a compõem. Nossos sade Jesus, Filho de Deus. cerdotes, ainda poucos, são dedicadíssimos e verdadeiraA Novena de Natal Desejando a todos mente apostólicos. Alguns que se encontram enfermos nos nos ajudará a um Natal, repleto de realipreocupam, como o querido Pé. Bons, já há um mês no preparar a Festa do zações pastorais e evanhospital. Rezemos para que em breve alcance a saúde tão Nascimento de gelizadoras, em favor de necessária ao desempenho do serviço sacerdotal. Jesus todo o povo de Deus, preE, aproximando-se o Santo Natal, preparemo-nos sente nesta querida Diocese para celebrar essa data tão importante para o crescide Osasco, saúda-os na ternumento da vida cristã. Às vésperas do novo milénio crisra do Menino, Salvador de toda a humanidade. tão, o Natal toma um sentido todo especial. + FRANCISCO A Novena de Natal: 'Jesus vida e esperança do povo"

LOUVAI E AGRADECEI AO SENHOR No dia 22 de novembro de 1998, a Diocese de Osasco rendeu graças ao Senhor da Messe que chamou para trabalhar na sua Igreja 5 (cinco) novos sacerdotes. Na alegria de sua resposta ao chamado vocacional foram ordenados presbíteros pelo gesto sacramental da imposição das mãos de Dom Francisco Manuel Vieira os seguintes diáconos: Adinael Carlos Miguel, António Machado. Benedito Cezário. Luiz Ornar e Marcos Galdino.

As Comunidades que vieram participar dessa Celebração Eucarística encheram a Catedral, testemunhando assim o seu assentimento e partilhando da alegria desta Diocese. Acompanhemos esses novos sacerdotes com orações, amizade e apoio para que possam corresponder plena e fielmente ao compromisso assumido. Parabéns Adinael, António, Benedito, Luiz e Marcos e que Maria. Estrela da Evangelização ilumine seus passos.


1999:

O GRANDE

Estamos cada vez mais próximos do grande Jubileu do ano 2000. O Projeto Rumo ao Novo Milénio propõe, para 1991 que a Igreja se prepare estudando, rezando e agindo no mundo. Os temas sugeridos para estudo e aprofundamento nes ano são: Deus Pai; Evangelho segundo Mateus; a Reconciliação; a opção preferencial pelos pobres; a Caridade; o diálogo com as culturas e religiões.

ORAÇÃO PARA PREPARAR O JUBILEU EM Todos: Deus, Criador do céu e da terra, Pai de Jesus Cristo e nosso Pai. Leitor 1: Bendito sejas tu, Senhor, Pai que estás no céu, porque na tua infinita misericórdia percebeste a miséria do homem e nos deste Jesus, teu Filho, nascido de mulher, nosso salvador e amigo, irmão e redentor. Todos: Nós te bendizemos com alegria! Leitor 2: Obrigado, Pai bondoso, pelo dom do Ano Jubilar. Faz com que ele seja um tempo favorável, o ano do grande regresso à casa paterna, onde tu, cheio de amor. aguardas os filhos perdidos, para lhes dar o abraço do perdão e os acolher ã tua mesa, vestidos com roupa de festa. Todos: Nós agradecemos com amor! Leitor l: Pai clementíssimo, que no Ano

Santo se fortaleça o nosso amor a ti e ao próximo: os discípulos de Cristo promovam a justiça e a paz; aos pobres seja anunciada a boa notícia e a Mãe Igreja manifeste o seu amor e predileção pelos pequeninos e pelos marginalizados. Todos: Nós prometemos com coragem! Leitor 2: Pai justo, que o grande Jubileu seja ocasião propícia para todos os católicos descobrirem de novo a alegria de viver na escuta da tua Palavra e no abandono à tua vontade; e experimentarem o valor da comunhão fraterna, partindo juntos o pão e louvando-te com hinos e cânticos espirituais. Todos: Nós imploramos com humildade! Leitor l: Pai rico em misericórdia, que o

1999:

santo Jubileu seja tempo de abertura, diálogo e de encontro com todos os cn tes no Cristo e com os membros das < trás religiões; no teu imenso amor, sê; neroso em misericórdia para com todc Todos: Nós te louvamos por tod as tuas criaturas! Leitor 2: Deus, Pai onipotente, tu nosso grande objetivo. Faz sentir a dos os teus filhos que, no caminho pç ti, são acompanhados, com bondac por Maria Santíssima, símbolo do am puro, escolhida por ti para ser Mãe Cristo e da Igreja. Todos: A ti, Pai criador da vida, bo dade infinita e luz eterna, com Filho e o Espírito Santo, seja dac honra e glória, louvor e gratidã pelos séculos sem fim. Amém.

DEUS E PAI E MAE

EVANGELHO DE MATEUS

Jesus nos revela essa realidade por sua vida e sua palavra. Temos um Pai que: # nos estimula e respeita em nossa liberdade; # busca os filhos perdidos no desespero e no medo; # toma a iniciativa de vir ao nosso encontro com amor e ternura; # fala-nos com clareza sobre o que é bom. Deus é melhor que os pais humanos. Muitos passaram por experiências negativas com seus pais e não gostam de chamar a Deus de Pai. Muitos acreditam num Deus feito à imagem e semelhança de certos homens: # vingativo, justiceiro, castigador; # frio, triste e mal-humorado; # incapaz de sentir compaixão e perdoar. É o momento para deixar de lado as imagens de Deus que nos afastam dEle. Na oração, na reflexão da Palavra e no encontro com o próximo encontramos o verdadeiro rosto de Deus que é Pai e Mãe.

Mateus é o evangelho da justiça. Foi escrito por volta do ar 80 d.C., durante os desentendimentos entre a comunidade s guidora de Jesus e os fariseus, líderes da reforma do judaísm Mateus quer mostrar, de forma clara e detalhada, que Jesus o Messias prometido pelas Escrituras e que o perfeito cumpi mento da Lei está em agir com justiça e misericórdia, a exemplo do Pai celeste. Em Mateus encontramos cinco "aulas" ou discursos de Jesus. Em torno deles estão os acontecimentossinais do Reino do Céu. l* aula: o sermão da montanha (capítulos 5 a 7): explica a verdadeira justiça do Reino do Céu. 2 - aula: o chamado dos discípulos (capítulo 10): ensina como anunciar o Reino. 3- aula: as parábolas (capítulo 13): como o Reino se concretiza na vida das pessoas. 4§ aula: orientação à comunidade (capítulo 18): ensina que comunidade deve estar a serviço dos pequenos, na acolhida mútu e no perdão misericordioso. 5? aula: crítica aos legalistas e o fim dos tempos (capítulo 23 a 25): critica aqueles que vivem a lei sem viver a justiça explica como se implantará o Reino definitivo.

Para refletir: Como temos vivido a realidade de ser pai, mãe, filho ou filha? Como temos vivido a realidade de sermos filhos de Deus?

Para refletir: Você já havia reparado que o Evangelho segundo Mateus tem várias "aulas" de Jesus? Para você, qual seria o discurso mais importante? Por quê?


I ESTA CHEGANDOI RECONCILIAÇÃO

CARIDADE - DOM MAIOR

Deus Pai nos envia seu Filho Jesus para anunciar a justiça do Reino. As palavras e ações de Jesus mexem com as pessoas B^L e suas ideias. Faz as pessoas mudarem o •i pensamento e a vida. Essa mudança que •/ acontece na vida da pessoa ou da comuB^ nidade é chamada de conversão. Mudar de vida pode ser doloroso, mas também enche de alegria e paz. A conversão tem as seguintes etapas: # Tomar consciência do que está errado na vida. J^^ * Sentir arrependimento e vontade de mudar de vida. # Reconhecer publicamente que se vai pelo caminho errado, # Consertar o que pode ser consertado. # Tomar um novo caminho, de acordo com o Evangelho. O perdão de Deus chega antes mesmo que a pessoa descubra que está errada. No entanto, só a partir da conversão a pessoa descobre e aceita o perdão de Deus. O sacramento do perdão ou da reconciliação está no centro da vida da Igreja. Sem ele, não temos condição de viver em comunidade. O perdão é a porta de entrada do crescimento espiritual. Quem vive com raiva de si mesmo ou dos outros não consegue viver na alegria dos filhos de Deus.

A palavra "caridade" às vezes pode significar oferecer uma ajuda a um necessitado, algumas vezes sem entrar em contato com ele. Na Bíblia, porém, o significado é mais profundo: é o próprio amor de Deus que nasce em nossos corações e nos leva a servir ao próximo, não apenas oferecendo uma ajuda material, mas oferecendo-lhe nossa própria vida. Caridade e amor são sinónimos. Falamos em virtude teóloga! da caridade porque ela nos conduz na direção de Deus. O amor é a maior virtude teologal, o caminho mais curto para Deus, porque Deus é amor. Só quem ama pode dizer que conhece Deus. Primeiro somos amados por Ele e assim aprendemos a amar. Como podemos saber qual o verdadeiro amor sem confundir com outros sentimentos? O Evangelho de Mateus nos mostra o resultado do amor: dar pão a quem tem fome, vestir a quem tem frio, visitar o preso e o doente (Mt 25,31-46). Amar é imitar a misericórdia de Deus, que ouve as súplicas de seu povo e nos chama a socorrer nossos irmãos que sofrem.

Para rcfletir: Você tem vivido o sacramento da reconciliação? Relembre uma experiência de perdão, vivida ou testemunhada por você.

Para rcfletir: Qual a experiência de vida que mais lhe ensinou sobre o amor? Por que é importante refletir sobre a virtude da caridade?

OPÇÃO PELOS POBRES

DIALOGO COM AS CULTURAS E RELIGIÕES

O amor do Pai nos convida a reforçar nossa opção preferencial pelos pobres. Deus, como Pai e Mãe, prefere os filhos mais abandonados e necessitados de seus cuidados. Os pobres são os preferidos de Deus, não por terem alguma virtude moral maior, mas porque sofrem o desprezo e a marginalização da sociedade. Quem não consegue aceitar a opção pelos pobres precisa caminhar muito na escola do amor de Deus, a fim de aprender com Ele a se compadecer dos sofredores e aliviar seu sofrimento. Em 1999, pediremos o fim das dívidas dos países pobres, responsáveis por grande parte da miséria em que vivem os povos. É necessário também que os cristãos aprendam a viver com mais simplicidade, sem luxo e supérfluos, a fim de favorecer nossos irmãos que carecem do essencial. Para refletir: "O meu pão de cada dia é um problema material; o pão de cada dia do meu próximo é um problema espiritual". O que essa frase lhe diz? O que você faz para que as famílias pobres possam viver com dignidade?

A comunidade cristã deve procurar o diálogo com a sociedade pois faz parte dela: sofre as mesmas influências e enfrenta os mesmos desafios. Por isso, precisa entender profundamente a sociedade da qual participa e dialogar com as culturas. A Igreja precisa compreender as expressões culturais de nossa época, valorizar a ciência e a tecnologia. Há muitos valores escondidos que precisam ser descobertos na televisão, na literatura, na arte, na música, no cotidiano do povo. É preciso também que os cristãos se unam àqueles que adoram o mesmo Deus, único e criador de todas as coisas. Outras religiões, como o judaísmo e o islamismo, precisam ser valorizadas e acolhidas. Há uma caminhada no sentido de se estabelecer o diálogo inter-religioso. A comunidade, deve ajudar os mais abandonados a descobrirem a misericórdia de Deus para que suas esperanças sejam atendidas. Para refletir: Que valores podemos aprender com os meios de comunicação? O que podemos aprender com as religiões não-cristãs?


fcL

ASSEMBLEIA DIOCESANA

No dia 07 de Novembro de 1998, no Centro Diocesano de Pastoral, das OShOO às 12H30, realizou-se a 2- Assembleia Diocesana de Revisão do 3- Plano de Pastoral. Participaram da assembleia cerca de 300 pessoas representando os conselhos regionais de pastoral e as coordenações diocesanas de pastoral, associações , movimentos e entidades. Após a apresentação dos presentes e feita a oração inicial, animada pela região Cotia e Baruerí, Dom Francisco fez algumas considerações sobre a finalidade da assembleia a partir do Ministério da Coordenação e sua missão de constituir o Conselho Diocesano de Pastoral. Dom Francisco destacou que a tarefa deste ministério é: "promover momentos de avaliação periódica do 39 Plano Diocesano de Pastoral, motivando os Agentes de Pastoral, (Sacerdotes, Religiosos(as), Leigos(as} a descobrir os caminhos da unidade e do crescimento pastoral da diocese, através da Pastoral de Conjunto.

Acompanhar a criação dos Conselhos Regionais de Pastoral cada Região, elegendo os secretários pastorais regionais e da apoio para executar as atividades propostas no 3- Plano Dioces para a continuidade da caminhada Pastoral de cada Região. Oi nizar durante a vigência do Plano, o Conselho Diocesano de Pa ral, para assumir a animação e acompanhamento da ação e\a em todas zar, dentro do Conselho Diocesano de Pastoral, o secretaria Diocesano de Pastoral, como organismo de execução e enca nhamento das decisões e necessidades do C.D.P. e demais órg da Pastoral Diocesana" (Cf. 35 Plano, p. 122 e 123) A partir da exposição de Dom Francisco, as Regiões Pastoi apresentaram a síntese de revisão que fizeram do 3^ Plano. Destacamos aqui os pontos mais relevantes que surgir na apresentação.

SÍNTESE DAS ASSEMBLEIAS REGIONAIS C As Regiões Pastorais realizaram assembleias para revisão do 3- Plano Diocesano de Pastoral contribuindo para o processo e desenvolvimento do mesmo. CONSTATAÇÕES O Os movimentos estão mais voltados para suas atividades e pouco abertos para a vida da comunidade. O Constata-se pouca participação dos padres nas atividades pastorais da Região e Setores, o que prejudica o andamento da Pastoral de Conjunto. O Muitos agentes de pastoral realizam suas atividades pastorais a partir dos movimentos sem compromisso com as orientações pastorais das regiões, setores e paróquias. O Os grupos têm consciência da necessidade da Pastoral de Conjunto, porém, ainda falta compreender e expressar o espírito da Pastoral de Conjunto nas atividades pastorais. O O descompromisso de muitos agentes, não participando nas reuniões, gera dificuldades de compreensão da Ação Pastoral. O Paróquias que ainda não têm o Conselho Paroquial de Pastoral. COMPROMISSOS O Promover formação permanente para os agentes de pastoral, sobretudo para as coordenações a respeito da Pastoral de Conjunto. 3 As Regiões Pastorais devem realizar momentos fortes que motivem o espirito de ação conjunta (assembleias, encontros, celebrações, etc). O Organizar os Conselhos Paroquias onde não existe. O Reunir as Pastorais Sociais periodicamente como desdobramentos da 3Semana Social Brasileira.

O Contribuir na elaboração de subsídios. O Cada pastoral, movimento e associação organizar-se com representatividade necessária para configurar-se como organismo regional. O Necessidade de assessoria seja religiosa ou leiga para as diversas pastorais, associações e movimentos. 3 Necessidade de Secretaria Pastoral nas Regiões com infra-estrutura adequada para agilizar a comunicação e ação pastoral. O Promover a Pastoral da Comunicação. Na continuidade dos trabalhos os participantes fizeram uma apreciação do que fora indicado pelas regiões pastorais e deram pareceres sobre a constituição do Conselho Diocesano de Pastoral conforme o organograma do C.D.P, que todos receberam. O trabalho dos grupos foi sintetizado pelos secretários e apresentado ao plenário. DESAFIOS * Criar o Secretariado de Comunicação nas Regiões e na Diocese. » Ajudar os membros do Conselho de Pastoral a tomar consciência, de que são conselheiros e não apenas ouvintes ou executores de tarefas. » Integração entre as pastorais, movimentos e associações. » Fazer com que os Agentes de Pastoral

se comprometam com as diretrizes diocese estabelecidas no 39 Plano, cc borando assim para que aconteça a P toral de Conjunto. » Quebrar a resistência, que ainda exi em algumas paróquias, que não acolhi as orientações diocesanas e não aceite determinadas pastorais, associações movimentos já reconhecidos pela dioce AVANÇOS

O processo do 35 Plano diocesano pastoral criou condições para: * Rever, revitalizar ou criar onde não e> tia, o Conselho Regional de Pastoral; * Constituir as Comissões Executivas r Regiões Pastorais; * Organizar o Conselho Diocesano Pastoral. ORGANOGRAMA DO CONSELIU

DIOCESANO DE PASTORAL Quanto ao secretariado a maioria d grupos solicitaram: * Maior representatividade: tendo u representante para movimentos * Um para associações * Um para entidades/organismos * Um para Pastoral Social * Um para Pastoral Sacramental Finalizando os trabalhos, após caloro aclamação da assembleia, Dom Fra cisco agradeceu a presença de todo; concluiu com a oração e benção fina


CAMPANHA FRATERNIDADE - 99 TRABALHO... POR QUE? b) Denunciar, consequentemente, modelos sócio-político-eco"Fraternidade e desemprego " será o tema que estaremos nômicos, especialmente os neoliberais sem freios éticos, que refletindo durante todo o ano que vem, em especial, na quaresma, quando a Igreja dedica um tempo especial à reflexão e causam desemprego quer estrutural quer não estrutural e, igualmente, impõem padrões de consumo insaciável e exatomada de atitude frente a um dos principais problemas que o neoliberalismo acarretará para o próximo século. cerbam a competição e o individualismo. O desemprego, ou a falta do c) Anunciar uma sociedatrabalho, significa sentir a de baseada em novos paradigmas, onde a pesperda da auto estima, do amor próprio, em alguns soa humana seja o centro. ws&S&fíSSrt-rç -z** —_ — casos, da própria fé. A IgreA vida não se subordine à lógica económica idolátrica ja do Brasil na busca do novo modelo de evangelização, e o trabalho não se reduza " Eng^aro C;v.l apontará na última campaà mera sobrevivência, mas w.G3*2*52HS nha desse milénio, um granpromova a vida, em todas J^SSsSfl de mal, que hoje assusta por as suas dimensões. causa dos números e promed) Abrir, assim, perspecte assustar muito mais no tivas sobre novas relapróximo século. Serão seis ções e novas formas de bilhões de pessoas excluídas trabalho prenunciadas do mercado consumidor até para o Novo Milénio. o ano 2010. Um quadro que e) Incentivar amplo mojá se desenha hoje com a forvimento de solidariedade mação dos blocos económipara manter viva a especos espalhados no planeta. rança dos que enfrentam Os objetivos gerais da campanha da fraternidade de diretamente o problema do desemprego, promovendo inicia1999 contemplarão. tivas concretas de geração de trabalho e renda, no paradigma da solidariedade cristã. a) Contribuir para que a comunidade eclesial e a sociedade se sensibilizem com a grave situação dos desempregados, conhef) Mobilizar a própria Igreja para se colocar mais ainda profeçam as causas e as articulações que a geram e as consequências ticamente a favor da justiça e da solidariedade, principalmenque dela decorrem. te em relação aos desempregados e às desempregadas.

scavag demitidc

CURSO DE FORMAÇÃO PARA A CATEQUESE ESPECIAL com os pais, com a família, com a sociedade e com o grupo de apoio. 3. Deficiência mental e Síndrome de Down. 4.Deficiência física. 5. Deficiência auditiva. 6. Deficiência visual. 7. Metodologia catequética. 8-9. Oficina sobre catequese especial elaborada pelos catequistas. Esses temas serão apresentados com dinâmicas próprias, com exibições de filmes {Gabi, Amargo regresso, 4 de julho, Meu pé esquerdo, Reay-mam, O oitavo dia, O enigma das cartas (autismo). As atividades deste ano para os catequizandos e catequistas da catequese especial foram encerradas no dia 28 de novembro

O Centro Catequético Diocesano planejou para 1999 um Curso de Formação para catequistas que se dedicarão à catequese especial. Foram fixadas as datas nos 4OS sábados de cada mês: 27 de fevereiro; 27 de março; 24 de abril; 22 de maio; 26 de junho; 28 de agosto; 23 de outubro e 27 de novembro. Horário: 8:30 às 12:00. Local: Centro Catequético à Av. D. Pedro 1, 88. No curso serão estudados os seguintes temas: l .Apresentação dos objetivos e do programa do curso. Fundamentação sobre a catequese especial. A deficiência na Bíblia. 2. A partir do filme: o óleo de Lorenzo, debate sobre a relação

com uma alegre confraternização de Natal, comemorando os aniversariantes do mês.


DIA MUNDIAL DA PAZ - 1999 NO RESPEITO PELOS DIREITOS HUMANOS ESTÁ O SEGREDO DA VERDADEIRA PAZ"

Este é o tema escolhido pelo Papa para o Dia Mundial da paz de 1999. O anúncio foi feito recentemente pelo Vaticano que, num breve comentário do tema, diz: Na véspera do ano 2000, o Papa quer propor uma reflexão sobre um requisito fundamental da paz. A paz não se impõe, ao contrário, nasce do coração de cada pessoa, de cada comunidade humana, e visa o bem de todos. Portanto, só o respeito pelos direitos de cada pessoa e de cada povo garante e promove a verdadeira paz. Há cinquenta anos, após a imensa tragédia da Segunda guerra mundial, a comunidade internacional proclamou solenemente que "o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz" Além disso, o documento afirma que "todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos" e que "devem agir uns para os outros em es-

pírito de fraternidade" A observância dos direitos humanos é assim, universalmente, reconhecida como base da convivência pacífica entre os povos. Contudo, quantos são os povos que, à mercê de conflitos ou opressão, ainda aspiram ao reconhecimento da sua dignidade e da sua identidade cultural? Quantos indivíduos pedem apenas a possibilidade de participar, a pleno título, na vida da sociedade a que pertencem? Quantas crianças exploradas que nem sequer sabem que têm direitos? Infelizmente, notam-se também novas formas de discriminação baseadas na religião, um fenómeno que enfraquece a possibilidade de convivência pacífica entre os povos. Interroguemo-nos, hoje, se existem novos direitos a promover. Perante o fenómeno da globalização económica e financeira e o imenso desenvolvimento de novas tecnologias, especialmente no campo genético e informático, o que fazer para proteger as pessoas e as nações mais fracas? Quais são os desafios que o período de transformações radicais de nosso tempo suscitam do ponto de vista dos direitos humanos? Onde se situa o limite entre os direitos e os deveres? Como assegurar eficazmente a integridade das pessoas humanas? Da resposta a estas perguntas depende, em grande parte, a paz do mundo.

esperança & de alegria

f||§[cALENDÁRIO PASTORAL - DEZEMBRO - 9s)|J| 01 -T02 -Q03 -Q05 - S 06 -D08 -T-

Coordenadores Diocesanos- CEO -9h PR Região Pastoral Barueri Conselho do Voluntariado -14h Pastoral Familiar - Comissão Diocesana Coord. Curso de Teologia - S. Roque - 8:30 às 1 2:30h Cons. Past. - Reg. Past. Carapicuiba - Aparecida - 9h Confraternização PJ - Reg. Past. Carap. - Aparec.- 1 9h Coordenação Diocesana de Catequese - CECAD - 9h 2^ DOMINGO DO ADVENTO Coord. Catequese - Reg. Past. Sto António - Centro Catequético-8:45h Coord. Pastoral - Região Pastoral Barueri - 1 5h Pastorais Sociais - Reg. Past. Barueri - Sagrado - 1 5h Festa da Imaculada Conceição Conselho de Presbíteros - Sem. São José - 9h PR Região Pastoral Carapicuiba - Aparecida - 9h Festa da Imaculada Conceição - Caucaia

10 -Q- Confraternização Setor Imaculada - Paróqu Imaculada Conceição - PP. Região Pastoral Bonfim - Pastoral Familiar- Equipe - Região Pastoral Cotií 11 -S- Missa de Encerramento- Voluntariado -15h 12 -S- Assembleia Diocesana - PJ - Catequese - Região Pastoral Barueri - 1 5h - Pastoral da Saúde - Região Pastoral Barueri - 15f - Comissão Diocesana de CEBs - Centro Pastoral - 1 £ - Assembleia Geral da Caritas Diocesana - 9h 13 -D- 3^ DOMINGO DO ADVENTO - PJ - Região Pastoral Barueri 14 -S- Confraternização da Diocese 18 -S- Comissão Administrativa- CEO -8:30h 19 -S- Pastoral Familiar- Região Pastoral Barueri - 15h 20 -D- 43 DOMINGO DO ADVENTO 25 -S- NATAL


87 bio dezembro 98