Page 1

' ANO IX - N° 72 - JULHO -1997

Boletim Informativo de Osasco

Catequizando rumo ao Novo Milénio Diocese de Osasco


INFORMANDO )j PARA QUE TODOS TENHAM VIDA (Jo 10,10)

"Para que todos tenham vida" é o lema do novo Bispo da Diocese de Santo André, D.Decio Pereira que tomou posse no dia 29/06, festa dos Apóstolos S. Pedro e S.Paulo. A Celebração contou com a presença de numerosos Bispos, presididos por D. Paulo E-varisto Arns, Cardeal de S. Paulo, e com a participação do Clero, Religiosos(as), seminaristas e o povo da Diocese de Sto. André (8 cidades), da Região Episcopal do Beiém e de outras Dioceses do Brasil. A Diocese de Osasco deseja que D. Décio seja muito feliz no desempenho deste novo pastoreio.

FILHAS DE NOSSA SENHORA DA MISERICÓRDIA

As Irmãs da Misericórdia, cuja província tem sua sede em Osasco, se preparam para a realização do VI Capítulo Provincial, que acontecerá em duas fases, na Casa de Encontros Santa Rossello - Vargem Grande Paulista, nas seguintes datas: 27a 31dejulhoe27a31 de dezembro de 1997. O tema do Capítulo em preparação ao XXII Capítulo Geral/98 é: "A herança espiritual da Madre Rossello viva e operante no 3fi Milénio". Confiamos na sua Oração para que pos-

samos discernir à luz do Espírito, as modalidades adequadas para manter e atualizar o nosso Carisma, nas diversas situações históricas e culturais. Maria, Mãe de Misericórdia inspirou à Madre Rossello o que deveria fazer em resposta aos apelos de Deus e dos excluídos pela Sociedade do seu tempo. Que ela abra o nosso coração, nos faça fiéis e criativas diante dos desafios do Hoje e do Novo Milénio. Desde já somos gratas pela amizade e orações.

0 GRITO DOS EXCLUÍDOS

INAUGURAÇÃO DA CATEDRAL DE CAMPO LIMPO

Cartaz do grito dos excluídos 97, a ser celebrado pelo terceiro ano consecutivo no dia 7 de setembro. A coordenação é das Pastorais Sociais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em parceria com o Movimento Sem Terra, a Central de Movimentos Populares e a Central Única dos Trabalhadores. 1 CONGRESSO MARIANO NACIONAL

Realizou-se em Quixadá (CE), de 1C a 04/05, com o tema "Maria modelo de Fé" Participaram 750 congressistas. OII Congresso Mariano será em 1998, com o tema: "Maria modelo de Esperança" 1997 - Julho

No dia 29 de junho, Dom Lucas Moreira Neves, Presidente da CNBB, consagrou a Catedral da Diocese de Campo Limpo (SP), dedicada à Sagrada Família. A consagração da Catedral aconteceu após oito anos de criação da Diocese e por ocasião dos 40 anos de ordenação sacerdotal do Bispo Diocesano, Dom Emílio Pignoli.

AMERICAS SE PREPAF PARA O SÍNODO

O Papa João Paulo II convocou pôs de toda a América para um. tro em Roma (Itália). Será o 15 í das Américas, reunindo bispos o partes do continente (Norte, Ce Sul), entre os dias 16 de novemb de dezembro deste ano. Sínodo é um organismo, forma bispos, que tem a finalidade de p cooperação ao Santo Padre na d e orientação da Igreja. Pode ser i sal, quando reúne bispos do n todo; continental, com bispos c continente (exemplo, Sínodo Afric ou nacional, quando se encontrai pôs de um determinado país. Su; vocação é sempre iniciativa do que pede colaboração em deter dos assuntos. Os participantes, n maior parte, são escolhidos pelo: prios bispos em questão, mas a í Sé sempre nomeia mais alguns. Um sínodo que envolva as três A cãs é a primeira vez que se está S' programado. O objetivo principal do Sínodo Américas é rever o trabalho de eva lização e situar a Igreja diante do; safios do novo milénio, numa linh objetivos comuns. DOM LUCAS PEDE RESPEITO AOS ÍNDIOS

O presidente da CNBB, Dom Lu Moreira Neves, em abril, presidiu L celebração eucarística no interior Bahia, uma réplica da primeira mi no Brasil, realizada há 497 anos. Dom Lucas pediu ao povo que tenh respeito aos índios e lamentou o sassinato do índio, Galdino Jesus c Santos, da tribo Pataxó.

46° CONGRESSO EUCARÍSTICO INTERNACIONAL Na tarde de domingo, 25 de maio, o Cardeal Angelo Sodano, Secretário de Estado de Sua Santidade e Legado Pontifício, presidiu à solene Liturgia na Catedral de Wroclaw, na abertura do 4G9 Congresso Eucarístico Internacional. Encontravam-se presentes 80 Bispos e Cardeais. Representantes das Igrejas ortodoxas e das Comunidades eclesiais da Reforma também participaram no rito sagrado.


03 - BIO

P|[ CAMINHANDO COM O PASTOR

[©(

"fíNUNCIO- VOS UM GfífíNr>€ JÚBILO" (LC 2, 10) Assim foi anunciado aos pastores o nascimenjetivo a glorificato de Jesus, nosso Salvador. ção da Santíssima Trindade, da Assim é anunciado, hoje, a todos os recantos do qual tudo procede e mundo o 'Jubileu" desse grande acontecimento pelo à qual tudo se orienta Santo Padre, o Papa João no mundo e na históPaulo II, através se sua 1997 será dedicado Carta Apostólica Tertio ria. ã reflexão sobre Millennio Adveniente""Maria SantísJesus Cristo, sima, filha predestina"Quando já se avizifundamentando o da do pai, apresentarnha o terceiro milénio caráter cristológico se-à aos olhos de toda Era Cristã". do Jubileu. dos os fiéis discípulos Nessa Carta, o Papa dede Jesus como exemplo perfeito de amor a Deus e ao pois de tecer várias consipróximo" O "Magnificar será o grande canto de louderações sobre 'Jesus Cristo sempre o mesmo, ontem, vor a Deus, animando-nos à conversão em favor dos hoje e sempre" (Hb 13,8); sobre os jubileus e de modo pequenos e pobres e à construção de uma nova sociespecial sobre o jubileu do ano 2.000; e sobre a necesedade, segundo o desejo de Deus e alicerçada no nassidade de uma devida preparação a esse tão solene cimento, na vida e na ressurreição de seu Filho, o Verevento, convocando toda a Igreja, em todos os seus bo de Deus. níveis - universal, nacional, diocesano, paroquial, comunitário, em movimentos ou em associações A CNBB em sua 34? Assembleia acolheu o apelo - a unir-se à uma solene e frutuosa preparae a programação do Papa João Paulo 1998 será dedicado ção, traça um programa para estes "três II e no documento n9 56, aprovado nesà reflexão sobre o anos que precedem o "Jubileu" e tamsa Assembleia e chamado "Rumo ao Espirito Santo e "ã bém para o próprio ano jubilar". Novo Milénio", ela dá para todas as sua presença santidioceses, paróquias e comunidades, Assim o ano de 1997 será dedificadora no meio orientações práticas de grande auxílio cado à reflexão sobre Jesus Cristo, da comunidade. pastoral e evangelizador. fundamentando o caráter cristológico do Jubileu. Haverá o empenho de aproNeste mês de julho a Diocese profundar a Fé, no conhecimento da verdadeira identidamoverá em todas as Regiões Pastorais A "Semana de de Cristo e na vivência de sua missão, explicitada pela Catequética" Bíblia e celebrada comunitariamente pela Liturgia. Ela terá como objetivo aprofundar o que é proO ano de 1998 será dedicado à reflexão posto pelo "Projeto" para este ano de 1997. sobre o Espírito Santo e "à sua presença sanTendo como tema geral "Catequizando Rumo ao tificadora no meio da comunidade dos discípuNovo Milénio", deseja refletir sobre a pessoa e a proposlos de Jesus". A virtude teologal a aprofundar no cota de Jesus Cristo, levando a um compromisso de fé de nhecimento e na vivência será a Esperança: "Porque todo e de cada cristão. na esperança é que fomos salvos" (Rm 8,24). Outro sub-tema Neste mês de O ano de 1999 será dedicado à reflexão sobre muito importante da "Sejulho a Diocese o Pai: "A Vida eterna consiste nisto: que Te comana Catequética" será o promoverá a nheçam a Ti, por único Deus verdadeiro, e a sacramento do Batismo, "Semana Jesus Cristo, a quem enviaste" (Jo 17, 3). Nesta apresentado como vida Catequética". perspectiva a virtude a ser aprofundada será o Amor. nova em Jesus Cristo. E, recordando que Jesus veio "evangelizar os pobres Desejamos que, não "(Mt 11,5) é necessário decidir-nos pela opção prefesó os catequistas, mas todos os ministros e rencial pelos pobres e marginalizados, empenhandoagentes de pastoral da Diocese participem desta "Senos em favor da justiça e da paz num mundo marcamana Catequética" que nos ajudará a caminhar Rumo do por conflitos e por intoleráveis desigualdades sociao Novo Milénio. ais e económicas. + FRANCISCO A celebração do "Grande Jubileu" terá como ob-


BIO - 04 O

SflíO) M O

M O

A ORAÇÃO DE JESUS: IV

7. fíf>fí€ND€fí CO/M O POVO Para começar a conversa: O Você gosta de rezar? Como você gosta de rezar? Com quem você aprendeu? Para aprofundar: o que é oração? Oração é a conversa da pessoa com Deus, cada uma de acordo com sua cultura e com os recursos que possui. Por exemplo: o surdo-mudo não conversa com a voz e o ouvido, mas usa a linguagem dos sinais, feitos com as mãos. A criança pequena, que ainda não sabe falar, conversa com a mãe através do choro, do riso.., O diálogo com Deus é tão necessário para as pessoas como respirar Muitos conversam com ele sem perceber, através de cantos (religiosos ou não), na acolhida aos irmãos, ao escutar a voz dos pequenos: sofredores, crianças, idosos, oprimidos... Não há diferença entre "orar" e "rezar" São apenas duas palavras diferentes para falar da mesma coisa. Os católicos gostam mais de dizer que rezam, enquanto os evangélicos gostam de dizer que oram. Mas o diálogo com Deus é o mesmo. Há muitas formas de rezar, hoje. O nosso povo gosta de rezar o terço nas casas, fazer novenas, rezar o texto da Bíblia... Muitos gostam deformar grupos de oração em casa ou na comunidade. Há quem goste de rezar sozinho e quem prefira rezar em

grupo. Jesus gostava de ficar a sós com o Pai (Lc 6,12). M nos momentos decisivos, fazia questão da companhia de si amigos mais íntimos (Mc I4,33s). A forma da oração é a mesma da p sia: a linguagem simbólica. Por xemplo: afigura do pai é um síml Io de Deus. O amor do pai para c seu filho lembra o amor de Deus i nós. Jesus gostava muito dessa' ma de falar com Deus (Lc 11, 1 Mt7, 7-11). O conteúdo é o mais importante, oração, a pessoa derrama diante Deus o conteúdo de seu coração (Lc 6, < De que adianta chamar a Deus de Pai, se não vivemos co seus filhos? Paulo dizia que a oração é um dom do Espí Santo. As vezes, diante da injustiça, não sabemos como co truir o mundo novo que desejamos. Nessas horas, o próp Espírito desperta a esperança em nossos corações.

'

Para discutir • Quais os símbolos e comparações que mais aparece nas nossas orações que fazemos? Que nomes damc a Deus em nosso diálogo com Ele? • Como ensinamos uns aos outros a orar sem impor no só jeito preferido?

2. FfíMILIfí: fí f*fílM€lfífi Para começar a conversa: O Será que Jesus rezava? Por que Jesus precisava rezar? Para aprofundar: a oração das famílias Jesus era um galileu. Sua cultura era a mesma de todo o povo. Usava a mesma língua, tinha os mesmos costumes... e rezava da mesma forma. Como seu povo, era muito religioso. Aprendeu a rezar com sua mãe, na família e na comunidade. Como era a oração do povo na época de Jesus? O No ritmo diário da família: a oração acontecia em casa três vezes ao dia: de manhã, ao meiodia e à noite, nos mesmos momentos em que, lá no Templo de Jerusalém, era oferecido o sacrifício. Era uma forma da nação se unir diante de Deus. O No ritmo semanal da comunidade: acontecia na sinagoga, a casa da reunião. Aos sábados, o povo se reunia para rezar, ler a Bíblia e discutir a vida da comunidade. Faziam uma leitura da Lei de Moisés e um dos profetas, que se escolhia na hora (Lc 4,17). Era como uma celebração da Palavra ou círculo bíblico. O No ritmo anual do templo: o povo ia três vezes por ano ao Templo de Jerusalém, em romaria. Acontecia de acordo com o ano litúrgico. A principal festa era a Páscoa. O aprendizado mais forte foi com Maria. Como era a oração

€SCOLfi

de Maria, mulher de Deus e do povo? A Bíblia guardou p nós um pouco dessa oração. Encontramos no Evange de Lucas um cântico de louvor e agradecimento, que cantou junto com Isabel. No Magnificai (Lc 1, 46-55), ME vê com alegria: O a grandeza e a glória de DÊ (Lc 1,46-47; Hab 3,18); 0 a grandeza de Deus na lib tacão do povo pobre (Lc 1, 1 Sm 1.11); O o sinal de sua misericórdia: se alia aos pobres em sua l (Lc 1,49-50; 0110,21; S1103,1 3 a justiça de Deus na invers das situações sociais (Lc 1,511Sm2, 7-8; 81107,9); a defesa do pobre e do \rz como sinal da fidelidade de Deus ao povo oprimi (Lc 1,54-55; Gn17, 7).

Para discutir

Ler e rezar a oração de Maria (Lc 1, 46-55). Reflet quem são, hoje, as pessoas que cantam com sua pr pria vida o que Maria cantou e viveu? Como anda a oração nas famílias? E na comunidade A celebração semanal da Palavra está ajudando o po\ conh


05 - BIO

[) PARA A NOSSA ORAÇÃO 3. BIBLIfí: fí OUTfífí Para começar a conversa: C Sua comunidade reza ou canta os Salmos da Bíblia? E você? Qual o seu salmo preferido? Para aprofundar: Desde criança, na época de Jesus, as pessoas aprendiam os salmos de memória. Jesus, como todo o povo, conhecia bem os salmos, que aprendeu com sua mãe e na sinagoga. O que é um salmo? Há fatos na vida da gente que ficam marcados por uma canção. A primeira música que os namorados ouviram juntos; a cantiga de ninar que passa de geração em geração; um cântico cantado na ocasião de uma conquista da comunidade... Não se canta "Noite feliz" na Quaresma nem "Parabéns pra você" em velório. Essas canções marcam situações bem definidas. Os Salmos da Bíblia são orações comunitárias que falam: •:• da angústia dos oprimidos e injustiçados; *> do medo, da raiva, da tristeza; <> da alegria, da serenidade e da esperança; •:* da certeza de que Deus está no meio de seu povo.

CSCOLfí D€ J€SUS O Livro dos Salmos é como um hinário, um livro de cantos do Povo de Deus. São uma coleçáo dos cantos e poemas que lembram os momentos decisivos da vida e da fé do povo. Os salmos são o resumo de toda a Bíblia. São a Palavra de Deus nas palavras do povo para Deus. Jesus sempre lembra de um salmo adequado para cada ocasião. Os evangelistas também gostam de usar os salmos como espelhos onde vêem e analisam a vida de Jesus: ^ M t 5 , 35; 6,33; 8, 11; 26,4; ^ Mc 14, 26; 16,20; <> Lc 1,47-55.69-79; 4,10; 9,17; 19,44; 23,35-36.49; <> Jo 1,41.47.49; 2,17; 3,8; 4,20.35; 5,35; 6,18.31; 8,11; 9,31.34; 10,8-9.34; 12, 13.27.34; 13,18; 15,1.25:17,12; 19,24.39; 20,9.17). x x

Para discutir

• Por que os salmos têm tanta importância na vida e nas palavras de Jesus? • Que importância têm os salmos hoje para nós? Como aproveitar sua riqueza?

. J€SUS €NSINfí Para começar a conversa: O Gostar dos salmos já prontos matou a criatividade de Jesus ou ajudou? Em que ajudou? Para aprofundar: Jesus rezou, com os salmos e com o povo. Jesus sempre rezou, principalmente nos momentos decisivos: <> Aos doze anos, no Templo (Lc 2,46-50). <> Na hora de ser batizado e assumir a missão (Lc3, 21). </• Ao iniciar a missão, passa 40 dias no deserto (Lc4,1-2). <> No momento da tentação, enfrenta o diabo com textos da Escritura (Lc 4,3-12). •O- Quando se dá conta da realidade efala da Paixão (Lc 9,18). '> Diante da revelação do Evangelho aos pequenos (Lc 10,21). -> Na hora de ressuscitar Lázaro: "Pai, eu sei que sempre me ouves!" (Jo11,41-42). <> Participa das reuniões na sinagoga, aos sábados (Lc4,16). •O- Vai em romaria ao Templo, durante as festas (Jo 5,1). •:- Reza antes das refeições (Lc 9,16; 24, 30). •> Procura a solidão do deserto para rezar (Mc 1, 35; Lc 5,16; 9,18). v Celebra a Ceia Pascal com seus amigos (Lc 22,7-14) -> Reza a oração sacerdotal na hora da despedida (Jo 17,1 -26). •:• Durante sua execução, reza a cada momento (Lc 23,34.46; Mc 15, 34.37).

fí€Zfífí.

Mas Jesus não aprendeu a rezar só para si. Quando seus amigos lhe pediram que os ensinasse a rezar, Jesus ensinou a dizer: "Pai Nosso..." (Lc 11,1-13; Mt6, 5-15). Naquele tempo, os mestres transmitiam seus ensinamentos aos discípulos por meio da oração. Por isso, podemos considerar que o Pai Nosso resume todo o ensinamento de Jesus. Vamos analisar a versão de Lucas: •*• Papai... Jesus inova mesmo, se dirigindo a Deus com tanta intimidade e carinho. Nos ajuda a ver que o amor é o que realmente conta, na relação homem-Deus. •O- Santificado seja o teu nome... Dizer nome e pessoa, na Bíblia, é a mesma coisa. Trata-se de reconhecer a santidade de Deus, que se realiza na justiça entre os homens. -> Venha o teu Reino... É o centro e o fim de todo o projeto de Deus: vivência de justiça e de fraternidade, baseada na partilha do pão e do coração. ->Dá-nos a cada dia o pão de amanhã... Deixar a Deus o pão de amanhã é lutar contra a acumulação de bens que só empobrece e cria desigualdades. *> Perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos aqueles que nos devem... Como viver em fraternidade sem perdão e acolhida mútua. O que vale na relação com Deus, vale igualzinho na relação entre as pessoas, •v- Não nos deixe cair na tentação... A grande tentação não é coisa pequena! Não é nada menos que trair o projeto do Reino.

Para discutir » Ler, refletir e rezar (Lc 11,1 -13). »Como a reza constante do Pai Nosso está refletindo na vida pessoal? E na comunidade?


BIO - 06

COMUNIDADE NEGRA | 9° ENCONTRO NACIONAL DE PADRES, BISPOS E DIÁCONOS NEGR COMUNIDADE

JESUS

^m

\-(A/wv&-

#/&

Os bispos e padres negros vêm realizando encontros anuais com o objetivo de aprofundar questões específicas da Comunidade Afro-brasileira, em favor de todo o povo de Deus, e estabelecer uma prática pastoral que ajude a Igreja a concretizar as aspirações da "Evangelização Inculturada" Tais encontros visam também incentivar a pastoral vocacional na Comunidade Negra para que se realize o desejo do Santo Padre manifestado em Santo Domingo (cf. SD 80,84). De 19 a 23 de agosto próximo, acontecerá o 9Õ Encontro Nacional de Bispos e Padres Negros, na Casa de Retiro São José, em Belo Horizonte, MG. O tema do Encontro será "Cristologia Afro-americana" e o lema "Comunidade Negra Caminhando com Jesus Rumo ao Terceiro Milénio".

Os encontros anteriores vêm conl com uma crescente participação c dres negros das diferentes Cong coes Religiosas e de diversas Diot do Brasil. Os resultados têm sido i interessantes em benefício dos p pantes das suas Congregaçc Dioceses, e sobretudo para o ben fiéis e da Igreja. Em 1980, os padre gros não chegavam a 200. Hoje, se mais de 500 em todo o Brasil. O Local do 9Q Encontro: * Casa de Retiros São José * Av.. Itaú, 475 - Bairro Dom Ca 30730-280- Belo Horizonte, MG * Tel.: (031) 462-9878 ou 462-064 O Informação e Inscrição - f* Rua Espírito Santo, 1058 -12 5 £ * Centro - CEP: 31210-020 - Belo zonte, MG * Tel.. (031) 226-6445 - Fax (031) 224

PfíULO L€iT€ CLIMfíCO

FfíL€C€U

. THOMfi

Na manhã de quarta-feira, 4 de junho de 1 997, retornou à casa do Pai, em consequência de vários problemas de saúde. Pé. Paulo Leite Climaco, mais conhecido como Pé. Tomás, nasceu aos 3 de julho de 1928 em Passa-Quatro (MG). Filho de João Climaco Pinto dos Santos e Maria Leite dos Santos, já falecidos. Tinha 15 irmãos. Ao longo de sua existência, caracterizou-se pela simplicidade que lhe era peculiar. Sua vida apostólica foi marcada pelos diversos serviços prestados. De 1954 a 1963 morou em São Paulo, dedicando-se como Professor no Seminário. De 1963 a 1967 morou em Caxias do Sul, trabalhando na Pastoral Vocacional. Em 1967 foi transferido para o Rio de Janeiro, trabalhando na Livraria até 1970. No mesmo ano retornou a Caxias do Sul, novamente na Pastoral Vocacional onde ficou até 1971. Nesse ano foi transferido para São Paulo, onde dedicou-se ao Apostolado Bíblico. Esteve trabalhando de 1978 a 1980

na Rádio Palmares, Maceió, a pedido do Arcebispo Retornou ao Rio de Janeiro em 1 980 para trabalhar na Liv permanecendo até 1 981 . Retomou a São Paulo, onde co rou no Seminário da Cidade Paulina, dando aulas, e ajude Paróquia São Domingos, em Osasco. Foi Vigário coadjut Paróquia Santo Inácio de Loiola de 1 986 a 1 989. Em 1 9í transferido para Goiânia, dedicando-se ao auxílio paroqui catedral. Em 1 992 foi ajudar a diocese de São Luís de Mc Belos na formação dos seminaristas e logo após foi trabalh mesma diocese até novembro de 1996, quando retomou problemas de saúde. Estava residindo na Casa Provir recuperando sua saúde que estava bem debilitada. Na manhã de 4 de junho, Deus o chamou. Roguemos que Pé. Tomás seja nosso intercessor junto a Deus.

FfíL€C€U Pfíl>R€ GIULIO No dia 26 de maio o Pé. Giulio Liverani voltou para a Casa do Pai. O Pé. Giulio nasceu em Modigliana, na Itália no dia 10 de agosto de 1935, filho de Floriano Liverani e Ellera Bernabé. Trabalhou como sacerdote na sua diocese de Faenza. Conhecido o Movimento dos Focolares, foi enviado para trabalhar na Argentina e depois no Brasil. Morando na Mariápolis Araceli, foi o primeiro Vigário da Paróquia de Vargem Grande Ra. e trabalhou também na paróquia de São Roque, destacando-se pelo amor aos mais pobres. Era também um artista poliédrico. Entre suas obras de

UV€fífíNi arte, temos o altar e a Via Sacra d; róquiade Vargem Grande Ra.. Em março deste ano voltou para t ajuda aos pobres do Nordeste, qui adoeceu gravemente. O Bispo Lessa o acompanhou nosúltimos levando-lhe a Eucaristia e a Sagrad cão. Conforme seu pedido, foi ser, do no bairro Visgueiro de Muri-bec diocese de Própria (SE). Pé. Giulio! Artista no viver o evang artista na construção de relacionai tos verdadeiros. Certamente Pé. Giulb continua intercí do por nós.


07 - BIO

m© m© FÓRUM DA CRIANÇA m© FÓRUM MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E ADOLESCENTE DE OSASCO Av. Santo António, 1090 - Centro - Osasco - S.P. - 06100-000 - Fone: 7208-7111 O Fórum teve sua origem nos trabalhos da Pastoral da Criança e do Adolescente da Diocese de Osasco que, em atividades encaminhadas para a Semana da Criança/95, reuniu segmentos da cidade que atuam ou interessam-se pela questão da criança e adolescente. Os encontros convocados pela Pastoral se sucedem e culminam na criação do Fórum Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescentes { F.M.D.D.C.A.) em 09/10/95. O Fórum tem em sua base, entidades governamentais e nãogovernamentais, caracterizando-se como um Fórum Misto, sendo mista, também sua coordenação com representação por característica de serviços prestados à criança e adolescente (creches, abrigos, atendimento especial, etc...}. O Fórum tem como objetivos: * constituir-se em espaço aberto à comunidade para análise, debates e encaminhamentos de "questões" relativas à criança e adolescente; * pesquisar, acompanhar e assessorar os serviços de atuação junto à criança e adolescente, levantando defasagens e propondo políticas de atendimento; *:* articular-se com os Conselhos de Direito e Tutelares, buscando a melhoria da qualidade de vida da criança e adolescente da cidade; * manter um banco de dados sempre atualizado. Questões encaminhadas O FD.M.M.C.A. atuou inicialmente em sua formalização, defi-

nindo suas características, objetivos e coordenação. Em seguida, partiu para um levantamento de dados sobre as políticas de atendimento das entidades governamentais e não-governamentais, voltadas à criança e adolescente, do município. Os dados obtidos deram o Raio X da Cidade, mostrando serviços e características, bem como as defasagens da área, o que fundamentou os trabalhos do Fórum. No processo de levantamento dos dados, reuniu-se com representantes de entidades do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (C.M.D.D.A) e com a secretaria de assistência e promoção social - PM.O. O Fórum atuou também no processo de criação dos Conselhos Tutelares bem como na eleição da 39 diretoria do C.D.M.CA, acompanhando e apoiando o processo de escolha. O Fórum encaminha ações voltadas para os seguintes objetivos: *:• reavaliação dos dados sobre a política de atendimento voltada à criança e adolescente, para definir prioridades de açáo na busca de soluções para as defasagens; *:- divulgação de suas propostas junto à comunidade; *:* organização de seminários para levantamento de alternativas e prioridades no atendimento às crianças e adolescentes em situação de rua; •í* retomada do processo de eleição dos Conselhos Tutelares junto ao C.D.M.C.A.

CONSELHO i>€ f>fí€S&iT€fíos No dia 17 de junho reuniu-se o Conselho de Presbíteros da Diocese de Osasco no Seminário São José para tratar dos seguintes assuntos: Formação Permanente dos presbíteros ainda com duas datas a serem cumpridas, de 19 a 21 de agosto e de 18 a 20 de novembro e ainda temos o Retiro Espiritual de 21 a 23 de outubro. Foi revisto o "Dia de Orações pela Santificação dos Sacerdotes" e escolhidos os Pés. João Carlos, Alfredo e Pio para ficarem responsáveis pela preparação do "Dia de Orações" para o próximo ano. Através de eleição no Conselho foi escolhido o Pé. Claudemir para fazer parte

da Comissão Central Rumo ao Novo Milénio, como representante do Conselho de Presbíteros. Foram notificados os falecimentos do Pé. Tomás, Paulino, antigo pároco de São Domingos e do Pé. Giulio Liverani, este foi pároco em Vargem Grande, decorando com sua arte o altar e a Via Sacra que lá se encontram. Foi pedido que se iniciasse a elaboração do Diretório do Sacramento do Batismo. Foi proposto o antigo Diretório da Arquidiocese como ponto de partida, consultando-se os padres e os ministros do batismo a respeito de futuras normas. O núcleo da CRB-Osasco, através do

Pé. Bogaz, seu representante no Conselho fez a apresentação dos seus próximos encontros. O "Plano de Saúde" dos padres foi outro assunto. A Região Pastoral de Cotia apresentou uma ficha detalhada dos padres que atuam na Região com os dados referentes ao Plano. Foram dadas notícias pelo Pé. Claudemir sobre o Encontro das Famílias com o Papa em outubro próximo no Rio de Janeiro. E, finalmente, diante da morte do Pé. Damiáo e sua repercussão junto ao povo simples foi feita uma pequena reflexão sobre a importância da religiosidade popular.


BIO - 08

í) m©

ROMARIA DA JUVENTUDE

A Romaria da Juventude é um evento aberto a toda juventude, promovido pela Pastoral da Juventude do Estado de São Paulo, para realizar este evento, além de viabilizar outras atividades e materiais de interesse da juventude, contamos com a colaboração de todos com a taxa de R$ 1,00 por pessoa. Cronograma: * 7:00: animação * 8:30: oração * 9:00: apresentação por Sub Regional * 10:00: show * 11:00: assessoria * 11:15: animação e preparação da caminhada * 11:30: caminhada * 12:00: celebração Convidados: Deolinda Alves e Zé Vicente (assessoria e show). Obs.: início Pátio das Palmeiras (entrada próximo a Rádio Aparecida). Romaria é a peregrinação ou jornada que se faz a (i um centro religioso. Chamamos de peregrino ou romeiro todo aquele que toma parte numa viagem dessa na- • tu reza. O início das peregrina.' coes datam do séc. Ill e IV, quase todas as religiões, • •-" •••' adotam a romaria como culto religioso. Apesar da pátria das peregrinações ser a índia, foram os portugueses que trouxeram a tradição para o Brasil, estas não faziam parte do universo do índio e do negro. No Brasil um dos maiores centros de romaria é Aparecida do Norte. Nossa Senhora Aparecida, foi proclamadaaVirgem Padroeira do Brasil. Eahistória da imagem começa em 1717, quando o governador de São Paulo passava pela cidade e os pescadores queriam agradáD[!(L

lo com o melhor que conseguissem. Com esta finalidade jogaram as redes e nenhum resultado obtiveram, jogaram novamente, já sem esperança colheram o tronco da imagem e em outra tentativa a sua cabeça. Pegaram a imagem e envolveram em um lenço e animados pelo que aconteceu, jogaram a rede novamente ao rio e obtiveram pesca abundante. A imagem fica em poder do governador e seu filho, que constrói o primeiro oratório.

Com o aumento das peregrinações viabilizou-se a construção de uma capela, depois uma igreja e hoje a Basílica que muitos de nós conhecemos. As romarias são um dos maiores símbolos de expressão da religiosidade popular, daí a importância de seu resgate em nosso meio. Quando falamos em Romaria, logo lembramos de caminhada e é com este intuito de perceber que a Pastoral da Juventude está trilhado este caminho, que

CfíL€NI>fífílO

realizamos a nível Regional este ever A Pastoral da Juventude do Estado São Paulo, quer proporcionar um n mento de oração, reflexão, fé e cç bração, para partilhar nossos ansei festejar e realizar um memorial de te caminhada. Temos clareza que a romaria por um evento de massa, a assimilai desses objetivos é gradativa, é co a própria romaria, onde todos ca nham juntos, mas uns estão mais frente e outros mais atras! Entender < processo é ter certeza do Reino Deus e respeitar o ritmo de cada L A primeira Romaria, promovida pela í toral da Juventude a nível estadual, as. teceu em julho de 1995, com o te Juventude e Cidadania e o lema: C Maria resgatando a Cidadania. Em 28 de julho de 1996, com o r mo tema: Juventude e Cidad e o lema: Maria, força que alerta, acontece a segund mana. E mais uma vez a ciando o Projeto de vid Jesus Cristo, realizamos o tema: Juventude e C tos Humanos e o lema: ria, bendito é o fruto d< ventre, semente de lib cão nossa terceira ronr O tema tem como eixo „".•' .Y trai a questão da justiça focando o ser cristão, asp presente no Projeto Rum' Novo Milénio e no Projeto da toral da Juventude do Brasil. A Romaria da Juventude no Sant de Nossa Senhora Aparecida se 1 um momento de grande esper pelo nosso Regional, na alegria d os jovens se reunir em multidã torno de Maria, É na certeza de construir junto cc jovens o mundo do sonho de Deuí vamos celebrar esta 3§ Romaria \m Ap jovens traga paz e liberdade a tod homens e as mulheres do univers

PftSTOftftL - JULHO - 1 W7

02- Q - Voluntariado - Conselho - 1 4h 05- S - Início das Semanas Catequeticas - até o dia 23 - nas 6 Regiões Pastorais 06- D - 145 DOMINGO DO TEMPO COMUM -Missa da Voluntariado -Catedral - 16 h - Encontro Diocesano de Liturgia - Coordenação Diocesana e Setorial - RCC 07- S - Pastoral Carcerária - Piratininga - 1 4:30h

J

1 5- T - 99 InterEclesial Nacional de CEBs - São Luiz o dia 19 1 9- S - Formação Fé e Política - Centro de Pastoral - Pastoral da Saúde - Centro de Pastoral 24- Q - Encerramento das Semanas Catequeticas - C bração Eucarística - Catedral - 1 9:45h 25- S - Comissão Diocesana de Administração - CEO 27- D - 17Q DOMINGO DO TEMPO COMUM

72 bio julho 97  

72. Boletim Informativo da Diocese de Osasco - BIO Ano VIII - N º 72 - Bio Julho de 1997

Advertisement