Page 1

Soletim I nformativo de Osasco AND VI - N° 54 OUTUBRO - 1995

Maria ca estrela da evangelização sempre renovada, que a J greja deve promover e realizar, sobretudo nestes momentos difíceis mas cheios de esperança.


BIO - Páqina - 2 ['

(i

BIO BIO FIO BIO l [O BIO BIO BIO BIO BH

INFORMANDO

3* VISITA DO PAPA AO BRASIL

O anúncio oficial foi feito pelo Cardeal Alfonso López Trujillo, Presidente do Pontifício Conselho para a Família, em entrevista coletiva à imprensa, no Rio de Janeiro, dia 1S de setembro. O convite ao Papa para vir ao Brasil foi feito pela Presidência da CNBB em maio passado, por ocasião de sua visita a João Paulo II, que comunicara ao Pontifício Conselho para a Família o desejo de que o 2* Encontro Mundial das Famílias se realizasse no Rio de Janeiro, em 1997. Assim, a 39 visita de João Paulo ao Brasil será em 1997, por ocasião do 2C Encontro Mundial das Fa-

mílias, que se realizará no Rio de Janeiro, em data a ser anunciada. O 1Q Encontro Mundial das Famílias realizou-se em Roma, em 1994. Participaram famílias de cerca de 120 nações do mundo inteiro. Lembrando o 1Q Encontro, o Pontifício Conselho convida toda a Igreja da América Latina, e especialmente do Brasil, a preparar esse 2S Encontro. Ao fazer este comunicado, o Cardeal López Trujillo "convida todas as Conferências Episcopais e todas as famílias do mundo para que, com entusiasmo e generosidade, se unam à preparação deste evento mundial".

CURSO ECUMÉNICO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇAO LITÚRGICO-MUSICAL (CELMU)

OBJETIVO Conseguir uma melhor integração da música na liturgia, mediante uma preparação adequada dos seus agentes, a fim de promover sua função ministerial, de ser expressão do Mistério Pascal, fonte de oração e edificação nas assembleias cristãs.

DESTINATÁRIOS

Compositores, letristas, animadores de canto, regentes, instrumentistas com idade mínima de 18 anos que estejam engajados nas ações litúrgico-musicais, que tenham sensibilidade para estas questões e que garantam o efeito multiplicador nas comunidades. DATA E LOCAL A próxima etapa será realizada de 03 a 16 de janeiro de 1996, no Seminário Santo António. Estrada de Piratininga, Km 4 - Agudos - SP (Próximo a Bauru).

CARMELO DE COTIA EM FESTA

Dois grandes acontecimentos marcaram a vida das Irmãs Carmelitas de Cotia, neste ano, aos quais a Diocese de Osasco se uniu em seu hino de louvor e gratidão a Deus. * No mês de agosto, dia 21, Madre Teresinha do Menino Jesus e da Santa Face, atual Priora do Carmelo, celebrou o seu Jubileu de Ouro de entrada na Ordem Carmelitana. Me. Teresinha mereceu da Câmara Municipal de Cotia uma Moção de IRMÃS PASTORINHAS ABREM ANO JUBILAR

No dia 08 de outubro, as Irmãs de Jesus Bom Pastor, celebrarão no Jardim Gilda Maria, Km 16,5 da Rod. Raposo Tavares, a Abertura do Ano Jubilar da chegada da Congregação ao Brasil. Por 50 anos, as Pastorinhas fazem sua caminhada em terras brasileiras, enriquecendo as comunidades onde trabalham, segundo o seu carisma congregacional. 1995 - Outubro

Congratulações e de Júbilo pela celebração dessa importante data. * Para o dia 14 de outubro, novamente o Carmelo de Cotia convida os amigos para celebrarem com a Comunidade, os 75 anos de Vida Religiosa de Ir. Matilde da Virgem Dolorosa. Ambas as religiosas foram co-fundadoras do Carmelo de Cotia. No silêncio de seu claustro as Irmãs jubiladas dedicaram a vida inteira ao amor, ao trabalho e à oração. JUBILEU SACERDOTAL

No dia 1° de novembro, Dom António Afonso de Miranda, SDN, Bispo Diocesano de Taubaté, celebrará o Jubileu de Ouro de sua Ordenação Sacerdotal. Com muita alegria a Diocese de Osasco apresenta a Dom Miranda seus calorosos cumprimentos, desejando bênçãos e graças de Deus em sua data Jubilar.

BXO BIO BIO BIO RETIRO DOS PADRES Os Presbíteros da Diocese de Osasco estão sendo convocados a participar do Retiro Espiritual que será coordenado pelo Pé. Augusto José Canali. Será: na Casa de Retiros - Ibaté, de 16 de outubro às 15:00 horas a 19 de outubro às 17:00 horas. Além da roupa de cama e banho, os padres levem: a Bíblia, o Livro das Horas e o livro de cânticos da Diocese Esperamos da parte de todos os fiéis da Diocese o zeloso acompanhamento de tão importante evento na vida espiritual e pastoral de nossos sacerdotes, por meio de abundantes e fervorosas preces. NOVA PRESIDÊNCIA - CNBB REGIONAL SUL l

A Assembleia dos Bispos realizada nos dias 20 a 22 de setembro, teve a oportunidade de avaliar as atividades do Regional Sul l, bem como elegera próxima presidência do Regional para o período de 1995 a 1999. A nova presidência está assim constituída: PRESIDENTE: D. Fernando António Figueiredo, OFM - Bispo de Santo Amaro. Presidente do Regional Sul l - CNBB COMISSÃO REPRESENTATIVA: D. Paulo Evaristo Arns - Cardeal de São Paulo, representante do Sub-regional SP I; D. Fernando Legal, SDB - Bispo de São Miguel Paulista, representante do Sub-regional SP II; D. Aloysio José Penna, SJ - Bispo de Bauru, representante do Sub-regional de Botucatu; D. Erciiio Turco - Bispo de Limeira, representante do Sub-regional de Campinas; D. Pedro Fré, CSSR - Bispo de Barretos, representante do Sub-regional de Ribeirão Preto; D. José Nelson Westrupp, SCJ Bispo de São José dos Campos, representante do Sub-regional de Aparecida D. Amaury Castanho - Bispo Coadjutc de Jundiaí, representante do Sub-regional de Sorocaba. A Diocese de Osasco apresenta os seus cumprimentos e se solidariza co~ os eleitos, desejosa de alcançar cor todas as Dioceses do Regional os objetivos aprovados na 18fi Assembleia das Igrejas, também recentemente realizada em Itaicí.


3 - Página - BIO

•o &,?«. l BIO B\O COM O PASTOR

EXIGÊNCIAS PARA UMA IGREJA MISSIONARIA o encontro de Planejamento, realizado no Ibaté, tia oportunidade de refletir sobre o COMLA 59 (5fi Congresso Missionário Latino-Americano) e decidimos quais senam os nossos compromissos diante das conclusões de ao importante acontecimento eclesial. -:-am os seguintes: 1. Quanto às conclusões do "COMLA": Passar os vídeos do acontecimento e da palestra do Pé. Marcelo e divulgar as conclusões do COMLA em todos os níveis ectesiais da diocese: grupos, comunidades, núcleos e setores. 2- Quanto à formação missionária: a) para padres, irmãs, seminaristas; b) no Curso de Teologia Pastoral da Diocese e no "currículo" da catequese; c) na formação dos catequistas e agentes leigos; d) por meio de painéis nas CEBs, com frases e fotos; e) na divulgação de revistas missionárias; f) na elaboração de cartilhas, textos, roteiros, vídeos, etc. 3. Quanto às Celebrações: a) da crisma: mostrando a missionaridade dos jovens em seus ambientes do lar, da escola e do trabalho e do lazer ou esporte; b) ecuménicas programadas nas paróquias, setores e diocese, principalmente por ocasião da Semana da Unidade dos Cristãos; c) nos tempos litúrgicos próprios; d) nas visitas pastorais; e) na convocação de religiosos(as) de congregações missionárias para animar cejebrações; 4. Quanto às AÇÕES MISSIONÁRIAS: a) no mês de outubro (mês das missões) criar grupos de reflexões missionárias, visitar famílias carentes, realizar caminhadas e animar celebrações missionarias em vários ambientes; b) promover entre-ajuda entre as CEBs sobretudo com as mais pobres; c) levar as comunidades ao conhecimento da própria realidade, com suas "culturas" e seus "vazios pastorais"; d) promover e dinamizar as "Missões Populares" com agentes pastorais da própria Diocese, assegurando a caminhada do plano de pastoral e suas prioridades.

BIO BIO

5. Quanto a outras propostas específicas: a) trabalhos com a pastoral do Dízimo para que parte dele possa ser destinado a uma comunidade-irmã; b) organizar os conselhos de pastoral tendo como objetivo as s. áreas carentes de ^ evangelização; c) liberar um padre, uma religiosa ou um agente leigo para a animação missionária; d) retomar o projeto de Igrejas-lrmãs; e) formar a COMIDI (Comissão Missionária Diocesana) a partir dos setores e de representantes das pastorais existentes na Diocese; f) animar a que cada paróquia tenha especificamente uma "missão". Outro assunto voltado pelos participantes do Encontro de Planejamento foi a escolha de um "Dia de Oração pela Santificação dos Sacerdotes". Na Espanha e no México foi aprovado pelo papa que a quinta-feira após a Festa de Pentecostes fosse dedicada a Cristo Sumo e Eterno Sacerdote. Achamos o título muito oportuno para acolher tanto as orações dos fiéis quanto dos próprios sacerdotes em favor da santificação dos presbíteros. Não obstante não ser a festa ainda aprovada para o Brasil mas toda a sua liturgia traduzida para o português, escolhemos essa data para o incentivo às orações pela santificação dos sacerdotes. No próximo ano, portanto, teremos a ocasião de realizar o primeiro dia na Diocese de orações para a santificação dos sacerdotes a 30 de maio (59 feira, após a Festa de Pentecostes). De 16 a 19 de outubro, nós sacerdotes da Diocese de Osasco, vamos realizar o nosso Retiro Espiritual coordenado pelo Pé. Augusto José Canali. Aproveito desta oportunidade para pedir a todas as paróquias e comunidades o acompanhamento fervoroso destes dias de Retiro Espiritual através de preces que manifestem o apreço e carinho para com os queridos sacerdotes que nos ajudam na caminhada da fé, servindo-nos com tanto amor e dedicação. + Francisco

Ao entrar o mês de outubro, o povo de Deus da Igreja de Osasco, aguarda com alegria e ansiedade o dia 29. Nesta data Dom Francisco celebrará este ano, 70 anos de sua existência. Vida enriquecida pelo chamado ao ministério sacerdotal a que ele respondeu prontamente até sua plenitude no episcopado. A exemplo de seu patrono Francisco de Assis, nosso pastor é também um fiel arauto de Cristo, anunciando o Evangelho às Comunidades de sua diocese. Nós, sacerdotes, religiosas, seminaristas, agentes de pastoral e fiéis cristãos, seus amigos, queremos trazer-lhe nosso sincero abraço de parabéns, desejando-lhe muitos anos de vida com saúde e paz, para que no anúncio e prática do Evangelho ajude nossa sociedade a viver conforme o projeto de Deus.

Outubro - 1995


BIO - Páqina - 4

TF^?

BiO BIO • > ' • ' : . BiO 7UO BI» BIO O BIO BIO BIO BIO BIO BIO BiO Blt

CONSTRUINDO SOLIDARIEDADE E CIDADANIA COM OS EXCLUÍDOS UMA CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE

É com muita esperança que a Caritas Brasileira está lançando esta Campanha de Solidariedade. Com a convicção de que ela vem na hora certa. E de que chega para ficar. Uma Campanha feita entre nós, aqui no Brasil, e com os olhos voltados para os nossos irmãos brasileiros. "Um real para o irmão" é o que a Campanha começa pedindo. Bem pouco, seja na quantia quanto na proposta, para dizer que nesta Campanha todos podemos entrar. E formar uma grande corrente contra a exclusão social, valendo -nos dos recursos que nós temos, por poucos que sejam, mas que se tornam muito quando colocamos em gestos solidários que vão unindo e animando a todos. Uma Campanha que espera ter descoberto o tesouro, como o Evangelho ensina. O grão de mostarda, que é a solidariedade entre os pobres que, se cultivada com amor e

garantida com responsabilidade, pode crescer e se tomar árvore frondosa que oferece abrigo. A solidariedade contagia. Ela valoriza quem dá e quem recebe. Desencadeia outros gestos. Aumenta a esperança. Fortalece a união. É a serviço do fortalecimento da solidariedade entre os brasileiros que esta Campanha é lançada pela Caritas. Para garantir recursos para projetos comunitários, sejam os coordenados pela própria Caritas, como também por outras instituições. É para, de uma vez, diminuirmos nossa dependência de recursos que precisam chegar de outros países. Está lançada a Campanha. Está feito o convite para todos participarem

TEOLOGIA DA SOLIDARIEDADE

Estamos em tempos de indiferenças. A virtude promovida é o egoísmo individualista. A regra é esta: "aproveite sua oportunidade! Não tenha dó de quem vai sobrar!" É assim que cada um compra sua entrada no banquete dos eleitos do Mercado capitalista globalizado. "Fora dele não há caminho, repetem seus propagandistas. Agindo dessa forma, cada indivíduo, e a sociedade formada por eles, se afastam cada vez mais do Deus bíblico, o Deus de Jesus. Ele não ficou indiferente frente ao caos, â noite escura e opressiva, à não-vida. Seu impulso foi criar. E viu que tudo que fez era bom. Sua criação maior foi um ser pessoal e interpessoal, mulher e homem, sua imagem e semelhança, corpo aquecido pelo seu sopro, pelo seu Espírito.

Carita» Brasileira <\KR

Em seu tempo, Jesus foi o sinal maior dessa busca apaixonada e sem limites da humanidade por Deus. Ele é o caminho. Ele é solidariedade todo o tempo, em todas as dimensões. Seu Evangelho é este: quem não for solidário como EiTnão tem nem terá assento no Banquete da Vida. É o Espírito, enviado por Cristo. quem tem o poder de livrar a cada um de nós da indiferença, que é a prática do espírito do mercado neo-liberal. Ele nos dá força, e de graça, para que sintamos a alegria da prática da solidariedade. A paixão por ela é a vivência da Esperança: confiados em Sua Palavra, jogamos a rede, soltamos a língua dos mudos, vestimos o nu. alimentamos o faminto, libertamos o preso, anunciamos o Ano da Graça do Senhor, o tempo de novo céu e da nova terra.

Usando mal sua liberdade, a humanidade rompeu sua aliança com o Criador. Mesmo assim, ela semA solidariedade é a ação humapre tem um coração solidário em seu na que faz cada pessoa ser mas Deus. Desde o início até hoje, Ele semelhante a Jesus. E faz cada coCAMPANHA DE munidade ser mais comunidade oe está criando oportunidades para que SOLIDARIEDADE Jesus. Como Jesus é o mais humaa humanidade reencontre o caminho da convivência, da fraternidade stniindo Cidadania com os Excluídos, no dos humanos, sua vida nos ens *• capaz de recriar a felicidade. E para na que é praticando a solidariedaoe que a felicidade seja para todos, sem excluídos, os ouvidos e que nos humanizamos. E como Jesus é o Filho de Deus o coração de Deus estão sempre atentos aos clamores dos sendo solidários nos divinizamos. A solidariedade faz avarpobres, dos fracos, dos excluídos, e oprimidos pelos poucos çar a História, aproximando a humanidade do Reino de Deus que concentram terras, renda e poder. Ser solidário é ser humano! 1995 - Outubro


5 - Página - BIO

SER HUMANO

• BIO BHJ» JB

IO BIO BIO BIO

CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE - de 6 a 12 de novembro de í 995 OBJETIVOS

O QUE FAZER PARA PARTICIPAR

1. Inspirar e mobilizar a população brasileira, especialmente os cristões, para a prática da solidariedade. 2. Criar um fundo de solidariedade em apoio ao direito de viver dos excluídos do país. 3. Apoiar e reforçar iniciativas das Pastorais Sociais e dos Movimentos Populares que busquem alternativas de vida com os excluídos da cidade e do campo. 4. Obter adesões ao serviço da solidariedade ás pessoas nas diversas situações de emergência social.

1. Formar, em cada localidade, paróquia, diocese e em cada regional, um grupo que assuma a responsabilidade de organizar e animar a realização da Campanha de Solidariedade. 2. Entrar em contato com movimentos sociais, associações, sindicatos e outras organizações locais propondo sua participação na Campanha. 3. Fazer máxima divulgação através dos boletins, jornais e outros meios de comunicação locais e regionais.

O QUE PROPOMOS 1. Afirmar a prática da solidariedade como dimensão central da espiritualidade humana e cristã. 2. Apressar a superação da exclusão social, construindo e apoiando alternativas de vida. 3. Desepertar as pessoas para estarem atentas às situações concretas em que vivem os irmãos. 4. Organizar a solidariedade da comunidade, tanto em relação aos seus membros que estão em alguma necessidade, quanto em relação aos que vivem em situação de exclusão em outras comunidades, em todo o país e no mundo.

4. Animar a participação dos excluídos na preparação e realização da Campanha.

CELEBRAÇÃO DA SOLIDARIEDADE

- ORAÇÃO Pai, fonte de Vida, de Amor e de Fraternidade, ilumina o coração do teu povo para que nós todos, homens e mulheres, possamos construir um mundo novo, um mundo onde não haja exclusão, fome e sofrimento. Acreditamos, Pai, na força do Espírito Santo, sempre presente no meio de nós, renovando a Fé, fortalecendo nossas forças e animando nossos corações na caminhada da Campanha "Construindo Solidariedade com os Excluídos". Senhor, faz nascer cada vez mais entre nós, a humildade e a solidariedade de verdadeiros irmãos, filhos de Deus, construindo assim o Teu Reino como seres humanos, dignos de sermos chamados de Teus Filhos. Abençoa, Pai, todo o povo, sobretudo os colaboradores dessa Campanha, pois eles já contemplam Tua face no rosto sofrido dos irmãos excluídos do Pão de cada dia, da Saúde, da Educação, do Trabalho e de todo o bem social. Enfim, Pai, dá-me sempre a coragem de vivenciarmos os teus ensinamentos "tive fome e me deste de comer; tive sede e me deste de beber". E a firme esperança de que, unidos e por meio da partilha, podemos transformar nosso mundo para que ninguém morra ou sofra por falta de comida. Amém!

Cada Diocese pode fazer um roteiro para ser utilizado em celebrações de comunidade e como base para celebrações eucarísticas na Semana da Solidariedade, de 6 a 12 de novembro. A prática da solidariedade é fonte de espiritualidade, e a vivência litúrgica sacramental reforça a prática da solidariedade. Sugestões: 1. O roteiro deverá ser adaptado à realidade da Igreja local. 2. Que seja criado um ambiente acolhedor, com música, faixas, símbolos... 3. Os cantos devem ser escolhidos pela equipe local que animará a Celebração. 4. Com ajuda de diferentes grupos, seria bom registrar, sobre um mapa do Brasil, rostos de excluídos - idosos, crianças e outros moradores de rua, mulher marginalizada, desempregados, encarcerados, doentes... Ou cobrir uma grande cruz com gravuras que retratem situações de exclusão. 5. Pedir que cada participante traga uma vela. PALAVRA DE DEUS - Evangelho de Jesus escrito por Lucas 9,12-17 (Leitura dramatizada, ou um anúncio bem solene. No final, encaminhar uma reflexão comunitária sobre a mensagem acolhida)

5. Promover encontros, debates, seminários sobre as causas e consequências da exclusão social buscando caminhos e iniciativas concretas para apressar a sua superação. 6. Definir, com criatividade, formas de organizar a coleta popular entre os dias 6 a 12 de novembro - fazendo visitas às casas, pedágios, coletas nas celebrações regionais etc.

Outubro 1995


BIO - Página - 6

BIO BÍC Br .O BIO BIO BIO

C

PASTORAL DA SAÚDE

CARTILHA DOS DIREITOS DO PACIENTE

A Diocese acaba de lanconvencionais. çar um livrinho, com o tí3) elaborar uma cartitulo: Direitos do Pacienlha sobre os direitos te. O livrinho recolhe dido paciente. reitos que visam o respeiO primeiro projeto to ao doente, a sua digquase alcançou seu nidade humana, a sua objetivo. Foram visitaparticipação ativa na cura dos os agentes de pasda doença, bem como o toral da saúde de: ressarcimento de danos Osasco, Jandira, Coeventualmente sofridos. tia, São Roque, AlumíA política sanitária do nio, Carapicuiba, Varnosso País é muito pregem Grande. Já estão cária. Mas ela não sofre marcados os outros Diocese de Osasco só de recursos financeiencontros para os pró1995 ros. Sofre sim de formaximos meses. ção dos profissionais da saúde, sofre O segundo projeto está em andamende cuidado na manutenção dos locais to: está sendo realizado pela fundação de saúde, sofre de respeito para com "CAMPO-CIDADE" de Ibiuna, através os usuários. de um trabalho pioneiro, que merece A cartilha chama a atenção sobre todo ser mais conhecido, e que enobrece este universo sanitário. toda a Diocese. A equipe diocesana responsável pela O terceiro projeto, que estamos "prioridade saúde" colocou, como ati- apresentando, nasceu de maneira até vidade do presente ano de 1995 três curiosa. projetos: Pé. Bruno, responsável pela priorida1) visitar os agentes de pastoral da de saúde, há anos vem acompanhansaúde dos municípios da Diocese do várias associações de doentes crópara explicar a municipalização da nicos. Essas associações chegaram saúde (SUS), e o dever de partici- a reunir-se e a formar um FÓRUM perpar nos Conselhos de Saúde. manente para debater problemas de 2) ensinar à população o preparo de interesse comum. alimentos e remédios alternativos, Nasceu assim, por sugestão de Dna. face ao alto custo dos remédios Neusa, presidente da ABRASTA e

Direitos do Paciente

C

«CO i* IO BIO

membro da equipe diocesana da prioridade saúde, a proposta de elaborar uma cartilha sobre os direitos do paciente. Após vários meses de trabalho, a cartilha estava pronta. Mas como publicá-la? As Associações do Fórum tinham garra, mas não tinham dinheiro. Foi assim que a cartilha chegou prontinha à mesa da equipe diocesana da prioridade saúde. Como estava no seu plano de trabalho, e como havia a verba da Campanha da Fraternidade, a publicação da cartilha foi coisa fácil, graças também a Dom Francisco, que apoiou a proposta. A equipe diocesana ficou feliz de poder colocá-la nas mãos dos agentes de pastoral da saúde, e de todos os cidadãos, como instrumento de conscientização de seus direitos na área da saúde. O lançamento, a nível nacional, já se deu no dia 7 de setembro, festa da Pátria. Fazendo coro ao "Grito dos Excluídos" lançado pela CNBB, os 700 participantes do XVI Congresso Nacional de Pastoral de Saúde, receberam um exemplar da cartilha. Foi um momento emocionante. Através dos próximos números do BIO levaremos a toda a Diocese o conhecimento dos artigos da cartilha com breves explicações.

ENCONTRO DE PASTORAL DA SAÚDE EM COTIA

No dia 20 de agosto, vários membros da equipe executiva da prioridade saúde participaram de uma tarde de formação dos agentes de pastoral da saúde do setor Cotia. Foi uma surpresa e uma festa. Surpresa pela organização do encontro e pelas realizações apresentadas por cada paróquia. Os relatórios apresentaram uma vitalidade e um empenho incomum para com os doentes, e em defesa da saúde, caminhando juntos misericórdia e justiça. Cada Comunidade, apresentou dados com nomes e endereços dos voluntários da pastoral da saúde, bem como a estrutura pública, enumerando postos de saúde, prontos socorros, médicos, etc. Apontou também as deficiências: a falta de atenção dada aos doentes, e a precariedade da assise. (' tência sanitária.

\

\,

A equipe Diocesana, apresentou c assunto: municipalização e democratização da saúde, o que interessoL bastante os presentes. Se queremos construir um novo Brasil, os cristãos não podem ficar passivos. Daí a necessidade de conhecer e participar. O encontro propiciou momentos de alegria para todos, e enriquecimento rec \5 Outubro proco. Dona Irene da Casa de Apoio já teve cortato com Dna. Neusa da equipe diocesana r membro do Concelho Estadual de Saúde, para ver a possibilidade de fazer convénios com a Secretaria da Saúde. À Dna. Terezinha, admirável organizadora da past:ral da saúde e nossa colaboradora na equipe diocesana, um agradecimento muito especial.


7 - Página - BIO

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO

-' [O BIO BIO

MENSAGEM DAS CEBs DO ESTADO DE SÃO PAULO A cidade de Ribeirão Preto, nos dias 16 e 17 de setemtxo, tornou-se um negro ribeirão de acolhimento, ao expressar na oração da manhã a alegria do abraço na bela dança na negritude. Estamos chegando! São 300 anos desde o martírio de Zumbi dos Palmares. Nós chegamos, 1560 pessoas, das CEBs espalhadas pelas periferias urbanas e pelo -numdo rural do Estado de São Paulo. CEBs: Vida e Esperança nas Massas, foi o tema deste nosso 11e Encontro Estadual. Tivemos assessoria fraterna do pastor Milton Schwantes, aã senadora pelo PT do Acre Marina Silva, e do teólogo cató<o Jung Mo Sung. Como o Espírito soprou sobre as sete Igrejas do Apocalipse, hoje, em Ribeirão Preto, o Espírito de novo se •manifestou num encontro pleno de emoção e compromisso. Mulheres, jovens, negros, lideranças comunitárias, percebemos como a Bíblia está em tudo: livro aberto, acolheaor das diferenças, livro do povo sem-terra, presente nas utas do povo. Manchada de sangue em Corumbiara, crucificada no Pontal do Paranapanema. Cada um de nós se reconheceu uma página da própria Bíblia. Como o profeta Ezequiel a mastigamos no cotidiano e eia se mistura com a saliva das nossas dores e esperanças, d^erindo-se na conversa em comunidade e tomando-se mel 36 esperança. Assim, Deus nos faz bonitos, doces e fortes. As apresentações dos Sub-Regionais, trouxeram o grito 3os canaviais, a denúncia dos massacres rurais, a realidade 3as cidades e metrópoles. Denunciaram os atravessadores do Vale do Ribeira, o ilusório plano de Saúde PÁS em São Daulo, a falta de moradia digna e de emprego em todo o Estado, além do descaso face à gravíssima questão dos semserra e dos jovens drogados. O grito dos pobres restabelece a economia a serviço ao povo, sem privatizar e sacrificá-lo.

í

É a vida que corre solta segundo o Espírito de Deus. Quando a mãe Aparecida surgiu caminhando no meio da assembleia, houve momento de profunda mística e comunhão, que manifestou a força libertadora da mulher. 'Vejo a Bíblia em cada quadro, em cada rosto, em cada pano, em cada luta, em cada pessoa aqui presente. É Noemi, Rute, Amos, Ezequiel, Jesus, Maria, José, António, Cristina. Vivos no nosso Encontro", reconhecia emocionado o pastor luterano Milton Schwaníes. Pedia que formássemos um pacto ecuménico em torno da Bíblia, em favor da vida. A senadora Marina Silva insistia para que fôssemos um exemplo de firmeza, e ao mesmo tempo que tivéssemos fé. "Crer para ver, porque a resposta está nas nossas próprias mãos". As CEBs como alternativa para semear a boa notícia. Jung fez em nome de todos a profissão de fé no Deus da vida, o Pai de Jesus, negando-se a servir o deus idolátrico do néo-liberalismo: "O povo é maior que o mercado, porque Deus é maior". As CEBs continuam acreditando nos pobres, continuam fiéis ao Cristo e à sua Palavra, sentem a presença carinhosa e feminina de Maria ao seu lado; sentem-se também pequenas como formigas mas organizadas e persistentes. Em Ribeirão Preto proclamou-se uma decidida solidariedade com os povos indígenas, os sem-terra, acampados; o repúdio da violência policial e dos massacres recentes, dos despejos em áreas urbanas do nosso Estado. E o compromisso com a reforma agrária e urbana, bem como o da busca de alternativas económicas comunitárias. Caminhamos pelas ruas da cidade com o calor da Bíbl;ia que nos dá novo ânimo. Repartimos o pão da Palavra e o pão da Eucaristia, na comunhão com os empobrecidos e excluídos que fazem maravilhas que o governo, com todo o seu aparato, não faz.

O TERÇO MISSIONÁRIO

Junto aos mistérios da vida de Jesus e de Maria, o terço missonário convida a rezar mais especificamente por todos os oovos do mundo e pelos missionários, ^edtando a primeira parte da Ave Maria nos associamos ao anjo ("cheia de graça") e à mulher do evangelho ("bendito o *uto do vosso ventre") que nos acompanharam na contempação do mistério da vida e da missão de Cristo. Na segunda cate desta oração nos associamos a toda humanidade ("nós oecadores") convidando a associar-se à nossa oração, que •eze conosco, por todos os povos e pela paz no mundo. POT isso, se com Maria damos uma volta pelo Evange-: com ela também chamamos toda a humanidade a participar deste caminho de redenção. £ um jeito, muito bonito, de sermos missionários na oração, saoendo que não podemos de qualquer maneira contemplar 35 nnistérios de nossa fé deixando a humanidade de lado com roas as suas angústias e suas esperanças: > Neste sentido, rezar o terço missionário é carregar-

J

mos em nossos ombros as necessidades e os desejos do mundo todo, ser solidário com todas as causas dos excluídos da terra. Rezar o terço missionário significa rezar pelos missionários e por todos os construtores da paz, os anunciadores do Reino, os mártires do Evangelho, é participar na oração da vida e do apostolado deles. Rezar o terço missionário é unir-se na oração a todos os homens de boa vontade de qualquer religião, que nas comunidades, nos grupos, nos movimentos, nos templos procuram a Deus para viver a solidariedade, buscar a justiça, promover o diálogo e a paz. Rezar o terço missionário, enfim, quer dizer sonhar e contemplar uma humanidade renovada pelo amor e pela fraternidade. Isto é, sonhar e contemplar todos os povos, de qualquer raça e cultura irmanados numa só família debaixo do mesmo céu. Outubro - 1995


BIO - Páqina - 8

O BIO BIO

CEBs EM RIBEIRÃO PRETO

O BIO BIO

Segundo Dom Fernando Penteado, bispo responsava por CEBs nos Estado de São Paulo, "as CEBs, baseadas na fé, têm um olhar crítico da sociedade, discutem os problemas de cada bairro, criam iniciativas de respostas, levando a história do homem a caminhos melhores". Estiveram presentes os bispos Dom Pedro Fré, de Barretos; Dom Diógenes Silva Matthes, de Franca; e Dorr Arnaldo Ribeiro, de Ribeirão Preto. , u. . .

•- -

Nos dias 16 e 17 de setembro, aconteceu e Ribeirão Preto, o 11° Encontro Estadual das CEBs com tema "Vida e esperança nas Massas". Estiveram presentes 1560 pessoas, sendo que 44 dessas, são membros das comunidades de nossa Diocese.

Os assessores do encontro foram o pastor Míltor Schwantes, o teólogo e economista Jung Mo Sung e a senadora Marina Silva (PT - AC) que tiveram a missão de fazerem uma leitura das apresentações dos sub regionais respectivamente sob as óticas: bíblica, económica e política. O encerramento do encontro, no domingo, se deu corr a caminhada, do colégio até a praça da cidade, onde fo celebrada a missa presidida por Dom Arnaldo Ribeiro. Os participantes de nossa Diocese, retornaram revigorados de esperança e coragem para continuarem na açãc pastoral, como fermento, sal e luz.

Os sub Regionais que compõem o Regional Sul l, Estado de São Paulo, apresentaram o que as CEBs estão desenvolvendo na ação pastoral, para serem fermento no meio da massa. As comunidades que estão na área rural manifestaram o compromisso com os lavradores, os sem-terra e mostraram os frutos que estão colhendo da organização do povo no Projeto Campo Cidade/Vida, nos assentamentos, nas cooperativas. As comunidades localizadas na área urbana, como por exemplo no sub regional São Paulo l e II, apresentaram trabalhos no campo da saúde, moradia, com os sofredores de rua, crianças e adolescentes e apoio aos portadores do vírus HIV com as casas de convivência.

Aio

« o «í CALENDÁRI0 PASTORAL ) „„ B10 B1.|

O BI O BI BIO Bl\

OUTUBRO - 1995 01 -D - 26a DOMINGO - TEMPO COMUM - INÍCIO DA VISITA PASTORAL - SETOR BONFIM - Pastoral dos Ministérios - Setor São Roque - 1 4 h 03-T - Coordenadores Pastoral - CEO - 9 h - Conselho de Pastoral - Setor Santo António • 20 h 04-Q - FESTA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS 05 -Q - Núcleos Sagrada Família e Espírito Santo - 20 h - PP. Setor Bonfim - 9 h 06-S - Reunião do Setor Carapicuiba - 20 h 08-D - 27° DOMINGO - TEMPO COMUM - Encontro Dioc. de Liturgia - Centro de Pastoral 11 -Q - PP. Setor Barueri - 8:30 h - PP. Setor São Roque - 9 h 12-Q - FESTA DE NOSSA SENHORA APARECIDA 13-Q - PP. Setor Cotia - 9 h - PP. Setor Santo António - 9 h 14-S - Encontro de Espiritualidade - Coord. Dioc. Catequese 15-D - 28Q DOMINGO - TEMPO COMUM

t

16 • S 17 -T 19 -Q 20 - S 22 -D

25 -Q 27 • S 29 - D

]

- Ministérios: Acolitato e Leitorato - Gilvan Leite de 1 Araújo - Igreja São José - 1 6 h l • Retiro dos Padres - Ibaté - até dia 19 - Núcleo Novo Osasco - 20 h l - PP. Setor Carapicuiba - 14:30 h - Agentes de Pastoral - Setor Santo António - 20 hl - Comissão Dioc. de Administração - CEO • 8:30 hl - Encontro da CF/96 - ITAICI - até dia 22 à tarde - 29a DOMINGO - TEMPO COMUM - DIA DAS MISSÕES - COLETA EM FAVOR DAS MISSÕES - ASSEMBLEIA PASTORAL -SETOR SÃO ROOL E j - Pastoral - Criança e Adolescente - C. Past - 20 hl - Conselho de Pastoral - Setor Cotia - 20 h - Conselho de Pastoral • Setor São Roque - 20 h l - 30° DOMINGO - TEMPO COMUM - DIA NACIONAL DA JUVENTUDE - Aniversário natalício de Dom Francisco 1

22 DE OUTUBRO - DIA DAS MISSÕES - COLETA EM FAVOR DAS MISSÕES ,—. , ——-—_ —

«

54 bio outubro 1995  

54. Boletim Informativo da Diocese de Osasco - bio - Ano VI - N º 54 - Bio Outubro 1995.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you