Page 1

ANO XXV – Nº 215

www.diocesedeosasco.com.br/bio

Junho 2014

52ª ASSEMBLEIA GERAL Bispos aprovam dois documentos e indicam diretrizes para eleições 2014

Ao encerrar a 52ª Assembleia Geral da CNBB no dia 9 de maio, em Aparecida (SP), os bispos entregaram dois novos documentos e apresentaram indicações pastorais em vista das eleições de 2014. Pág. 6

Mensagem do Papa para o 48º Dia Mundial das Comunicações

Assembleia Diocesana teve como tema: “Igreja Diocesana atenta a Família”

Nesta edição • Dignidade no exercício do ministério litúrgico Pág. 4 • Santa Sé autoriza início da causa de canonização de Dom Luciano Pág. 5 • CNBB lança cartilha para Eleições 2014 Pág. 8

“Comunicação ao serviço de uma autêntica cultura do encontro” Pág. 5

“Dando continuidade na concretização das urgências do 7º plano pastoral da Diocese de Osasco, realizou-se no dia 17/05, a assembleia diocesano tendo como tema: “Igreja Diocesana atenta a Família” Pág.9

• Câmara de Barueri promove Campanha da Fraternidade 2014 Pág. 10


PALAVRA DO PASTOR

Notícias da Assembleia Geral da CNBB

N

ossos Bispos se reuniram em Aparecida de 30/04 a 09/05 de 2014 numa profunda experiência de comunhão partilhando as alegrias do caminho andado e as esperanças da construção do reino de Deus. O estudo da carta do Papa Francisco “A alegria do Evangelho”, precedida de uma análise da caminhada da Igreja na história, nos possibilitou perceber a Igreja desejada pelo Papa Francisco; uma Igreja missionária e descentrada, configurada colegialmente, inculturada, Igreja de discípulos, que testemunhe na vida a sua fé em Jesus Cristo, uma Igreja dos pobres. O estudo realizado pela teóloga Maria de França Miranda desenvolve os tópicos citados acima. Outro aspecto refletido foi “os cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade”, o cristão leigo como sujeito eclesial. A inserção e o discernimento dos cristãos no mundo, em suas esperanças e angústias. Cidadãos e Discípulos missionários numa

2

Igreja do serviço, da escuta e do diálogo. “Formação integral. É fundamental para que os leigos cresçam na fé e no testemunho nas diferentes realidades; sejam fermento dos valores evangélicos na sociedade e, como pessoas novas (cf. Ef 4,24), contribuam significativamente neste momento de mudança de época para o novo que está surgindo” (nº 239) A Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia ao apresentar os “Assuntos de liturgia”, destacou a urgente necessidade de melhorar a formação litúrgica dos que na Igreja exercem o ministério da Presidência litúrgica. Afirma-se: “Esmerada formação é exigida por parte daqueles que se preparam para o exercício do ministério pastoral para que a ação litúrgica (o rito) expresse devidamente o mistério celebrado e leve a uma experiência de fé, deixando transparecer a ação de Cristo Ressuscitado e de seu Espírito” (VQA, 15) A partir desse texto que está

no Site da CNBB podemos, presbíteros e leigos, rever nosso modo de presidir a Eucaristia e a Celebração da Palavra. “Teologia hoje: perspectivas, princípios e critérios”, documento da Comissão Teológica Internacional, publicado em 2011, possibilitou uma reflexão sobre as perspectivas e princípios básicos que caracterizam a teologia católica e distinguir critérios sobre quais teologias possam ser reconhecidas como autenticamente católicas e participantes da missão da Igreja que é de proclamar a Boa Nova às pessoas de todas as nações, tribos e línguas cf Mt 28,1820. O documento acima citado comporta três capítulos: 1) A escuta da palavra de Deus, 2) Permanecendo na comunhão da Igreja, 3) Dando conta da Verdade de Deus. Estudo apresentado por D. Paulo Cesar Costa, Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro. O Retiro Espiritual para os Bispos foi pregado pelo D. Bruno Forte, Arcebispo Metro-

politano de Chieti – Vasto Itália. O pregador ajudou os Bispos a meditar sobre a Fé, a pessoa de Maria, aquela que acreditou, plasmada pela graça, a relação educativa de Jesus com os discípulos de Emaús, Pedro e a vivência da fé, a escola de Paulo para viver de Cristo. Temas que ajudaram a crescer na fé para testemunhá-lo no ministério episcopal. Muito importante neste momento marcante foi o estudo do texto “Pensando o Brasil: Desafios diante das eleições 2014.” “A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) entende que é responsabilidade de todo cidadão, participar, conscientemente, da escolha de seus representantes. Para os cristãos tal escolha deve ser iluminada pela fé e pelo amor cristão, que exigem a universalização do aceso às condições necessárias para a vida digna de filhos de

Deus. Afinal, ninguém pode exigir-nos que releguemos a religião para intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional, sem nos preocupar com a saúde das instituições da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos.” Após o estudo do Texto “Pensando o Brasil” foi apresentada a “Cartilha: Eleições 2014. Seu Voto tem Consequências: Um Novo Mundo, Uma Nova Sociedade”. Cartilha inspiradora para que as dioceses elaborem sua cartilha ou podendo também ser distribuída essa Cartilha da CNBB. Muitos outros assuntos foram tratados na 52ª Assembleia Geral da CNBB. Transmito nesse momento os itens citados. Outros temas trataremos em outras ocasiões. Dom Ercílio Turco

Publicação do Boletim Informativo da Diocese de Osasco Distribuição Gratuita (12500 Exemplares) Administrador Apostólicoo: Dom Ercílio Turco Coordenação e Editoração: Pe. Valdivino A. Gonçalves Colaboração: Irmã Leticia, Pe. Emerson Pedroso, Cristiana Brito, Carol Gonzaga, Diácono William de Lima e Rogério Roque Revisão: Fátima Gazeta Editoração Eletrônica: Janio Luiz Malacarne Email: biodiocese@yahoo.com.br Pagina: www.facebook.com/bio.diocesedeosasco Cx. Postal: 56 – CEP: 06001-970 Edições passadas: http://issuu.com/biodiocese Impressão: PAULUS

 Junho 2014


CATEQUESE DO PAPA FRANCISCO

Mensagem do Papa para o 48º Dia Mundial das Comunicações: “Comunicação ao serviço de uma autêntica cultura do encontro”

H

oje vivemos num mundo que está a tornar-se cada vez menor, parecendo, por isso mesmo, que deveria ser mais fácil fazer-se próximo uns dos outros. Os progressos dos transportes e das tecnologias de comunicação deixam-nos mais próximo, interligando-nos sempre mais, e a globalização faz-nos mais interdependentes. Todavia, dentro da humanidade, permanecem divisões, e às vezes muito acentuadas. Em nível global, vemos a distância escandalosa que existe entre o luxo dos mais ricos e a miséria dos mais pobres. Frequentemente, basta passar pelas estradas duma cidade para ver o contraste entre os que vivem nos passeios e as luzes brilhantes das lojas. Estamos já tão habituados a tudo isso que nem nos impressiona. O mundo sofre de múltiplas formas de exclusão, marginalização e pobreza, como também de conflitos para os quais convergem causas econômicas políticas, ideológicas e até mesmo, infelizmente, religiosas. Neste mundo, os mass-media podem ajudar a sentir-nos mais próximo uns dos outros; a fazernos perceber um renovado sentido de unidade da família humana, que impele à solidariedade e a um compromisso sério para uma vida mais digna. Uma boa comunicação ajuda-nos a estar mais perto e a conhecer-nos melhor entre nós, a ser mais unidos. Os muros que nos dividem só podem ser superados, se estivermos prontos a ouvir e a aprender uns dos outros. Precisamos harmonizar as diferenças por meio de formas de diálogo, que nos permitam crescer na compreensão e no respeito. A cultura do encontro requer que estejamos dispostos

Junho 2014

não só a dar, mas também a receber de outros. Os mass-media podem ajudar-nos nisso, especialmente nos nossos dias em que as redes da comunicação humana atingiram progressos sem precedentes. Particularmente a internet pode oferecer maiores possibilidades de encontro e de solidariedade entre todos; e isto é uma coisa boa, é um dom de Deus. No entanto, existem aspectos problemáticos: a velocidade da informação supera a nossa capacidade de reflexão e discernimento, e não permite uma expressão equilibrada e correta de si mesmo. A variedade das opiniões expressas pode ser sentida como riqueza, mas é possível também fechar-se numa esfera de informações que correspondem apenas às nossas expectativas e às nossas ideias, ou mesmo a determinados interesses políticos e econômicos. O ambiente de comunicação pode ajudar-nos a crescer ou, pelo contrário, desorientar-nos. O desejo de conexão digital pode acabar por nos isolar do nosso próximo, de quem está mais perto de nós. Sem esquecer que a pessoa que, pelas mais diversas razões, não têm acesso aos meios de comunicação social corre o risco de ser excluído. Estes limites são reais, mas não justificam uma rejeição dos massmedia; antes, recordam-nos que, em última análise, a comunicação é uma conquista mais humana que tecnológica. Portanto haverá alguma coisa, no ambiente digital, que nos ajuda a crescer em humanidade e na compreensão recíproca? Devemos, por exemplo, recuperar um certo sentido de pausa e calma. Isto requer tempo e capacidade de fazer silêncio para escutar. Temos necessidade também de ser pacientes, se quisermos compreender aqueles que são diferentes de nós: uma pessoa expressa-se plenamente a si mesma, não quando é simplesmente tolerada, mas quando sabe que é verdadeiramente acolhida. Se estamos verdadeiramente desejosos de escutar os outros, então aprenderemos a ver o mundo com olhos diferentes e a apreciar a experiência humana tal como se manifesta nas várias culturas e tradições. Entretanto saberemos apreciar melhor também

os grandes valores inspirados pelo Cristianismo, como, por exemplo, a visão do ser humano como pessoa, o matrimônio e a família, a distinção entre esfera religiosa e esfera política, os princípios de solidariedade e subsidiariedade, entre outros. Então, como pode a comunicação estar ao serviço de uma autêntica cultura do encontro? E – para nós, discípulos do Senhor – que significa, segundo o Evangelho, encontrar uma pessoa? Como é possível, apesar de todas as nossas limitações e pecados, ser verdadeiramente próximo aos outros? Estas perguntas resumem-se naquela que, um dia, um escriba – isto é, um comunicador – pôs a Jesus: E quem é o meu próximo? (Lc 10, 29 ). Esta pergunta ajuda-nos a compreender a comunicação em termos de proximidade. Poderíamos traduzi-la assim: Como se manifesta a «proximidade» no uso dos meios de comunicação e no novo ambiente criado pelas tecnologias digitais? Encontro resposta na parábola do bom samaritano, que é também uma parábola do comunicador. Na realidade, quem comunica faz-se próximo. E o bom samaritano não só se faz próximo, mas cuida do homem que encontra quase morto ao lado da estrada. Jesus inverte a perspectiva: não se trata de reconhecer o outro como um meu semelhante, mas da minha capacidade para me fazer semelhante ao outro. Por isso, comunicar significa tomar consciência de que somos humanos, filhos de Deus. Apraz-me definir este poder da comunicação como «proximidade». Quando a comunicação tem como fim predominante induzir ao consumo ou à manipulação das pessoas, encontramo-nos perante uma agressão violenta como a que sofreu o homem espancado pelos assaltantes e abandonado na estrada, como lemos na parábola. Naquele homem, o levita e o sacerdote não vêem um seu próximo, mas um estranho de quem era melhor manter à distância. Naquele tempo, eram condicionados pelas regras da pureza ritual. Hoje, corremos o risco de que alguns mass-media nos condicionem até ao ponto de fazer-

nos ignorar o nosso próximo real. Não basta circular pelas «estradas» digitais, isto é, simplesmente estar conectados: é necessário que a conexão seja acompanhada pelo encontro verdadeiro. Não podemos viver sozinhos, fechados em nós mesmos. Precisamos de amar e ser amados. Precisamos de ternura. Não são as estratégias comunicativas que garantem a beleza, a bondade e a verdade da comunicação. O próprio mundo dos mass-media não pode alhear-se da solicitude pela humanidade, chamado como é a exprimir ternura. A rede digital pode ser um lugar rico de humanidade: não uma rede de fios, mas de pessoas humanas. A neutralidade dos mass-media é só aparente: só pode constituir um ponto de referimento quem comunica colocando-se a si mesmo em jogo. O envolvimento pessoal é a própria raiz da fiabilidade dum comunicador. É por isso mesmo que o testemunho cristão pode, graças à rede, alcançar as periferias existenciais. Tenho-o repetido já diversas vezes: entre uma Igreja acidentada que sai pela estrada e uma Igreja doente de auto-referencialidade, não hesito em preferir a primeira. E quando falo de estrada penso nas estradas do mundo onde as pessoas vivem: é lá que as podemos, efetiva e afetivamente, alcançar. Entre estas estradas estão também as digitais, congestionadas de humanidade, muitas vezes ferida: homens e mulheres que procuram uma salvação ou uma esperança. Também graças à rede, pode a mensagem cristã viajar «até aos confins do mundo» (Act 1, 8). Abrir as portas das igrejas significa também abri-las no ambiente digital, seja para que as pessoas entrem, independentemente da condição de vida em que se encontrem, seja para que o Evangelho possa cruzar o limiar do templo e sair ao encontro de todos. Somos chamados a testemunhar uma Igreja que seja casa de todos. Seremos nós capazes de comunicar o rosto duma Igreja assim? A comunicação concorre para dar forma à vocação missionária de toda a Igreja, e as redes sociais são, hoje, um dos lugares onde viver esta vocação de

redescobrir a beleza da fé, a beleza do encontro com Cristo. Inclusive no contexto da comunicação, é precisa uma Igreja que consiga levar calor, inflamar o coração. O testemunho cristão não se faz com o bombardeio de mensagens religiosas, mas com a vontade de se doar aos outros «através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana (Bento XVI, Mensagem para o XLVII Dia Mundial das Comunicações Sociais, 2013). Pensemos no episódio dos discípulos de Emaús. É preciso saber-se inserir no diálogo com os homens e mulheres de hoje, para compreender os seus anseios, dúvidas, esperanças, e oferecer-lhes o Evangelho, isto é, Jesus Cristo, Deus feito homem, que morreu e ressuscitou para nos libertar do pecado e da morte. O desafio requer profundidade, atenção à vida, sensibilidade espiritual. Dialogar significa estar convencido de que o outro tem algo de bom para dizer, dar espaço ao seu ponto de vista, às suas propostas. Dialogar não significa renunciar às próprias ideias e tradições, mas à pretensão de que sejam únicas e absolutas. Possa servir-nos de guia o ícone do bom samaritano, que liga as feridas do homem espancado, deitando nelas azeite e vinho. A nossa comunicação seja azeite perfumado pela dor e vinho bom pela alegria. A nossa luminosidade não derive de truques ou efeitos especiais, mas de nos fazermos próximo, com amor, com ternura, de quem encontramos ferido pelo caminho. Não tenhais medo de vos fazerdes cidadãos do ambiente digital. É importante a atenção e a presença da Igreja no mundo da comunicação, para dialogar com o homem de hoje e levá-lo ao encontro com Cristo: uma Igreja companheira de estrada sabe pôr-se a caminho com todos. Neste contexto, a revolução nos meios de comunicação e de informação são um grande e apaixonante desafio que requer energias frescas e uma imaginação nova para transmitir aos outros a beleza de Deus.

3


FORMAÇÃO LITÚRGICA

Dignidade no exercício do ministério litúrgico

A

ação litúrgica e a participação ativa e consciente da assembleia são servidas por ministérios e serviços multiformes suscitados pelo Espírito, em sua Igreja. Conforme o número 26 da Constituição sobre a Sagrada Liturgia, a Sacrosanctum Concilium (SC), a liturgia, como ação de Cristo e da Igreja, é uma ação ministerial que atinge a cada um dos seus membros de forma diferente, conforme a diversidade de ordens, ofícios e da participação atual. Cada um a seu modo contribui para a edificação do corpo eclesial, através do exercício dos ministérios e funções, das quais destacamos os ministérios ordenados, os instituídos, os confiados, ministros/as extraordinários da sagrada Comunhão, ministros/ as extraordinários do Batismo,

4

assistentes leigos do Matrimônio, ministros/as da presidência da celebração dominical da Palavra e outras funções ministeriais e serviços litúrgicos. Os ministérios não instituídos, de forma estável ou ocasional, pode ser um serviço litúrgico, como coroinhas, leitores, salmistas, grupo de cantores, instrumentistas, regente de coral ou do canto, sacristães, animadores/ as, os que fazem a coleta, recepcionistas, mestre de cerimônias e outros. Mas, ainda, muitos homens e mulheres prestam serviços espontâneos que tornam a celebração mais participada. Se a comunicação é celebrativa do mistério de Deus, ela acontece graças ao corpo e ao espírito, ou seja, a pessoa toda é envolvida na percepção do escondido no seu próprio interior e no interior da comunidade toda.

No exercício do ministério litúrgico a comunicação humana passa pela mediação dos símbolos, que toca os sentidos e atinge o interior, que se expressa na postura, nos gestos, no canto, na fala, nos rosto, nas vestes, na presença em si, que irradia o Mistério de Cristo. A maneira de vestir ajuda a conduzir ao mistério de Cristo, para isso, quem exerce um ministério litúrgico, não instituído, é convidado a fazer uso de veste adequada. A variedade das vestes litúrgicas manifesta a diversidade dos ministérios exercidos na liturgia e é sinal da função de cada um. A veste dá o sentido do revestirse de Cristo, de sua autoridade, do seu serviço. Assim, convém que a veste litúrgica contribua para a beleza da ação sagrada e para a dignidade do ministério litúrgi-

co. Ela reveste o ser humano e complementa ao mesmo tempo a constituição de seu corpo, revelando o seu interior. Um provérbio assim expressa, do jeito que te vestes, se vê de que jeito tu és! A veste é um símbolo, que comunica e revela uma força simbólica, que ultrapassa o seu simples uso, porque o ser humano vai muito além de sua corporeidade. Ela expressa, não só as situações humanas, mas o exercício de uma função, de um serviço, de uma natureza. Em se tratando de vestimenta de celebrar o mistério da fé, a reunião fraternal da comunidade que se encontra e a esperança-certeza da festa eterna no céu, ela se transforma numa linguagem expressiva e altamente simbólica. Quanto mais é sublime e transcendente o que temos a comunicar ou a celebrar, tanto mais necessitamos destes sinais sensíveis, que velam e revelam o escondido, o mistério que esconde cada sinal. Neste sentido, a veste litúrgica se torna uma mediação na comunicação com Deus. Esta comunicação exige:

manifeste o que se está celebrando em comunidade e não o individualismo de um lugar qualquer.

(a) consciência, sensibilidade, respeito e dimensão interior, que

Fonte: Mirte Santina Pagnussat

(b) Simplicidade, despojamento, em sintonia com a Palavra, com a pobreza da Mesa da refeição, com o compromisso de serviço à comunidade e também, em sintonia com o despojamento do mistério. (c) Beleza e equilíbrio, dignos da função que está sendo exercida, que harmoniza dignidade e serviço. Algo bonito, que faz bem aos olhos e ao coração. (d) Formas inculturadas na realidade social e cristã, por isso, variadas, mas que guardem seu valor simbólico, que expressam o humano e o litúrgico da fé, bem como a comunhão com a Trindade e com os irmãos e irmãs. (e) Alegria de festa num dia especial do Senhor e da comunidade. Isto faz concluir, que o exercício de todo ministério litúrgico, exige também, um vestir com dignidade.

Perguntas para reflexão pessoal e em grupos 1. O que de significativo ou importante pode ser destacado no texto e, como liga isso à sua comunidade? 2. O que se entende por ministério litúrgico? Por onde passa o seu exercício com dignidade? 3. Qual é o sentido da veste litúrgica? Sendo ela uma mediação na comunicação com Deus, o que exige?

Junho 2014


NOTÍCIAS

Paulo VI será beatificado em 19 de outubro deste ano

O

Santo Padre recebeu em audiência particular, na tarde de sexta-feira, 09/05, no Vaticano, o Cardeal Angelo Amato, Prefeito da Congregação das Causas dos Santos. Durante a audiência, o Papa autorizou a Congregação a promulgar os seguintes Decretos concernentes:

de Deus, Luigi Caburlotto, sacerdote diocesano, Fundador do Instituto das Filhas de São José, nascido em Veneza, em 7 de junho de 1817 e ali morto em 9 de julho de 1897; O Santo Padre autorizou ainda a Congregação das Causas dos Santos a promulgar também os Decretos concernentes:

- ao milagre, atribuído à intercessão do Venerável Servo de Deus, Papa Paulo VI, nome civil João Batista Montini, nascido em 26 de setembro de 1897, em Concesio, norte da Itália, e morto em 6 de agosto de 1978, em Castelgandolfo, perto de Roma;

- às virtudes heróicas do Servo de Deus, Giacomo Abbondo, sacerdote diocesano, nascido em Salomino, Itália, em 27 de agosto de 1720, e morto em Tronzano, em 9 de fevereiro de 1788;

- ao milagre, atribuído à intercessão do Venerável Servo

- às virtudes heróicas do Servo de Deus, Giacinto Alegre Pujals, sacerdote professo da Companhia de Jesus, nascido em Terassa, Espanha, em 24 de

dezembro de 1874, e morto em Barcelona em 10 de dezembro de 1930; - às virtudes heróicas da Venerável Serva de Deus, Carla Barbara Colchen Carré de Malberg, mãe de família, Fundadora da Sociedade das Filhas de São Francisco de Sales, nascida em Mertz, França, em 8 de abril de 1829 e morta em Lorryles-Metz, em 28 de janeiro de 1891. Na mesma audiência, o Bispo de Roma autorizou a Congregação das Causas dos Santos a comunicar que o rito de Beatificação de Paulo VI se realizará no Vaticano no próximo 19 de outubro deste ano. Fonte: Rádio Vaticano

Bispos de El Salvador: “Dom Romero será beato em breve”

O

processo de beatificação do arcebispo de São Salvador Óscar Arnulfo Romero “está chegando à fase final”, disse domingo o bispo auxiliar de São Salvador, Gregorio Rosa Chávez, segundo quem, o Papa “está muito contente”. No dia 09/05, os bispos salvadorenhos se reuniram com o Pontífice, no Vaticano. No encontro, foi entregue a Francis-

A

Arquidiocese de Mariana (MG) divulgou em 13 de maio o comunicado da Congregação para a Causa dos Santos sobre o processo de beatificação de Dom Luciano Mendes de Almeida: “Por parte da Santa Sé, não há nada que impeça que se inicie a Causa de Beatificação e Canonização de Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida”, informa a Congregação. A solicitação de abertura do processo foi feita pelo arcebispo local, Dom Geraldo Lyrio Rocha, que poderá instituir o Tribunal que levará adiante o processo.

Junho 2014

Dom Romero foi assassinado em 24 de março de 1980 por um franco-atirador enquanto pronunciava uma homilia na capela do hospital do câncer La Divina Providencia, em São Salvador. O arcebispo sempre se caracterizou por defender os mais pobres e desprotegidos durante o conflito armado salvadorenho (1980-1992).

co uma carta de toda a hierarquia católica local sobre Romero, recebida com “grande alegria”. A beatificação de Romero “foi uma grande espera que começou em 1990, quando Dom Arturo Rivera y Damas iniciou o processo diocesano de canonização em El Salvador, que agora, com o Papa Francisco, “está chegando à fase final”, afirmou.

Ainda na coletiva aos jornalistas, o auxiliar de São Salvador, Dom Gregorio Rosa Chávez, indicou que a Igreja católica seguirá participando dos processos de pacificação, quando envolvida, mas com condições claras: “A transparência, a inclusão e o consenso, são critérios fundamentais”, antecipou. Fonte: Rádio Vaticano

Santa Sé autoriza início da causa de canonização de Dom Luciano Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida foi arcebispo de Mariana de 1988 a 2006, quando faleceu aos 75 anos. O arcebispo, da Companhia de Jesus, foi Secretário-geral (de 1979 a 1986) e Presidente (de 1987 a 1994) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por dois mandatos consecutivos. Em nota publicada em 2006 sobre Dom Luciano, a Presidência da CNBB destacou entre as marcas que deixou na instituição o dinamismo, a inteligência privilegiada, a dedicação incan-

sável e o testemunho de amor à Igreja. Carioca, Dom Luciano nasceu em 5 de outubro de 1930. Doutor em Filosofia, foi membro do Conselho Permanente da CNBB de 1987 até o ano de sua morte. Também atuou na Pontifício Conselho da Justiça e da Paz, foi vice-presidente do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam) e presidente da Comissão Episcopal do Mutirão para a Superação da Miséria e da Fome. Durante quase duas décadas à frente da arquidiocese de Mariana

(MG), o bispo deu forte impulso pastoral àquela Igreja particular, onde a organizou em cinco Re­ giões Pastorais. Deu atenção à formação permanente do clero, à realização de assembleias pastorais e à reestruturação de conselhos arquidiocesanos. Também organizou pastorais, religiosos, processos formativos do Seminário Arquidiocesano e obras sociais, além do investimento na capacitação e participação dos leigos e na preservação das Igrejas históricas. (CM-CNBB) Fonte: Rádio Vaticano

5


52ª ASSEMBLEIA GERAL DOS BISPOS

Final da 52ª AG: Bispos aprovam dois documentos e indicam diretrizes para eleições 2014 Documento sobre o Tema Central O documento ‘Comunidade de Comunidades: uma nova paróquia’ encontrou neste ano o campo favorável para ser aprovado. Depois de duas edições, colaboração de dioceses e acréscimos, o documento chegará às Igrejas particulares do Brasil para fomentar uma Igreja missionária seguindo o apelo de toda a Igreja e especialmente do Papa Francisco, como fez questão de lembrar o arcebispo de Aparecida na sessão de encerramento da assembleia. “Que nossa Igreja

A

o encerrar a 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no dia 9 de maio, em Aparecida (SP) os bispos entregaram dois novos documentos e apresentaram indicações pastorais em vista das eleições de 2014. O primeiro documento entre-

O

tema que ocupou grande parte da coletiva foi a iniciativa da Igreja do Brasil para as eleições de outubro. Para o episcopado brasileiro é dever de todo cidadão a escolha de seus representantes e para os fiéis católicos tal escolha deve ser iluminada pela fé e amor cristãos. O Projeto dedica-se ainda a contribuir para que os eleitores possam votar conscientemente e participar efetivamente em vista do bem da coletividade. A mobilização com a Lei da Ficha Limpa recorda o quanto é importante a participação dos cidadãos, destacaram os bispos

6

gue contempla o tema central do encontro deste ano que versou sobre a renovação das paróquias e o segundo trata a questão agrária no país. O primeiro ocupou duas assembleias para ser aprovado, o segundo desde 2009 estava sendo organizado.

seja de fato como deseja o Papa Francisco, uma Igreja em saída, uma Igreja verdadeiramente missionária”, disse. O documento ‘A Igreja e a Questão Agrária Brasileira no início do século XXI’ destaca a realidade do país e as questões que envolvem a terra, traz uma análise dos bispos a respeito dos problemas que afligem as comunidades que enfrentam esse grave problema e por último, apresenta os desafios diante de realidades bem específicas. O documento deverá ser apresentado ao poder público para que este saiba a posição da Igreja em relação a esses desafios.

A respeito das eleições de 2014, os bispos apresentaram o projeto ‘Pensando o Brasil: desafios diante das eleições 2014’, onde convocam os cidadãos a se prepararem conscientemente para o momento da eleição. A assembleia ocorreu de 30 de abril a 09 de maio.

Projeto para as eleições de 2014 em texto divulgado na coletiva de imprensa. O episcopado brasileiro também aprofundou o tema prioritário sobre o texto ‘Os cristãos leigos e leigas’, que analisa a atuação dos cristãos na Igreja e no mundo, diante dos desafios e mudanças na vida em sociedade. Este tema voltará na Assembleia Geral do próximo ano. A Assembleia Geral também aprovou, por unanimidade, a realização do Ano da Paz. O ano terá início no primeiro domingo do Advento (30 de novembro de 2014) e vai até o Natal de 2015. Fonte: Jorge Teles, com A12 e TV Aparecida

Junho 2014


52ª ASSEMBLEIA GERAL DOS BISPOS

Síntese dos trabalhos Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Dom Orani Tempesta apresenta Diretório de Comunicação, em entrevista coletiva

Por unanimidade, bispos aprovam Ano da Paz Durante a 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), foi aprovada, por unanimidade, a realização do Ano da Paz. Terá início no primeiro domingo do Advento (30 de novembro de 2014) e vai até o Natal de 2015. CNBB apoia campanha contra a fome A campanha da Cáritas Brasileira “Uma família humana, pão e justiça para todas as pessoas” foi apresentada na 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), pelo bispo de Santarém (PA) e presidente da Cáritas no Brasil, dom Flávio Giovenale. A iniciativa receberá o apoio da CNBB nas suas ações. Comissão “Comunhão e Partilha” divulga resultados do projeto em prol das dioceses mais pobres De acordo com dom Alfredo, o fundo tem sido uma contribuição importante para a formação dos futuros presbíteros das dioceses mais pobres. Atualmente, são beneficiados 275 seminaristas de 45 dioceses com receita inferior a 20 mil reais. “Partilhamos o resultado deste trabalho com os irmãos bispos nesta Assembleia Geral, e muitos apresentaram de viva voz o que esse gesto representa. Alguns

Junho 2014

disseram que, sem esse projeto, não teriam condições de manter os seus seminaristas”. O bispo avalia que a partilha entre as dioceses é um gesto que dá “credibilidade na luta contra a desigualdade que está presente na sociedade. É uma prova de que somos capazes de mudar esta situação”. Bispos aprovam documento sobre a Questão Agrária

O plenário da 52ª Assembleia Geral da CNBB aprovou na tarde da quarta-feira, 7 de maio, o Documento sobre a visão da Igreja em relação à Questão Agrária Brasileira no século XXI. O processo de construção começou há 5 anos. Desde o ano passado foi publicado como um texto de estudo da CNBB e recebeu contribuições de diversos bispos e dioceses. “JMJ foi grande momento de evangelização dos jovens”, disse dom Eduardo Pinheiro A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e seus desdobramentos foram temas tratados no dia 6, durante as sessões da 52ª Assem­bleia Geral da Conferência

O arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), cardeal Orani João Tempesta, apresentou aos jornalistas, durante coletiva à imprensa realizada no dia 7 de maio, o Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil. Trata-se do Documento número 99 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Panorama da Teologia no Brasil é apresentado aos bispos da 52ªAG Na manhã do sétimo dia da 52ª Assembleia Geral da CNBB, os bispos tomaram conhecimento da realidade da Teologia no Brasil, os desafios e avanços. Em plenário, o episcopado brasileiro acompanhou a exposição dos trabalhos realizados pela Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé da CNBB, composto por cinco bispos, sendo presidida pelo arcebispo de Brasília, dom Sérgio da Rocha. Grupo apresenta atividades sobre os 50 anos do Concílio Vaticano II O Grupo de Trabalho sobre o Concílio Vaticano II apresentou aos bispos atividades desenvolvidas pela Igreja no Brasil a respeito das comemorações do cinquentenário do evento. Fazem parte do GT o arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer; o arcebispo de Juiz de Fora (MG), dom Gil Antônio Moreira; o arcebispo de Belém (AM), dom Alberto Taveira, e o bispo emérito de Blumenau (SC), dom Angélico Sândalo Bernardino. CNBB divulga folder com orientações sobre a Copa do Mundo O arcebispo de Maringá (PR) e bispo responsável pela Pastoral do Turismo, dom Anuar Battisti,

apresentou à imprensa o folder “Copa do Mundo Dignidade e Paz”, preparada pela Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Na publicação, a Igreja expressa preocupação com a exclusão de milhões de cidadãos ao direito à informação e à participação nos processos decisórios sobre as obras que foram realizadas para o evento e com o desrespeito à legislação e ao direito ambiental, trabalhista e do consumidor, por exemplo. “O matrimônio não pode ser tratado com a lógica de mercado, mas como um dom”, afirma dom Petrini

Erwin Krautler, apresentou o assunto aos participantes da 52ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, na tarde da sexta-feira, 2 de maio, em Aparecida (SP). Bispos discutem conjuntura social e política Os bispos do Brasil, reunidos em Aparecida (SP), refletiram, na tarde do dia 30 de maio, sobre a conjuntura política e social do país, apresentada pelo secretário executivo da Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP), Pedro Gontijo. A análise de conjuntura tratou de aspectos como a dimensão política, com abordagem no sistema político brasileiro e no quadro da disputa eleitoral em 2014, e a economia nacional e a estreita vinculação com a situação da desigualdade social. CNBB envia carta ao papa Francisco durante 52ª AG

A reflexão sobre os desafios da evangelização da família proposto pelo papa Francisco para o próximo Sínodo dos Bispos foi abordada no terceiro dia da 52ª Assembleia Geral da CNBB. O tema, apresentado por membros da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, trouxe indicativos e caminhos para evangelizar as família no contexto atual da sociedade. Demarcação de terras indígenas é cumprimento da Constituição, diz dom Erwin Krautler

“A situação indígena é uma questão crucial no Brasil”. Desta forma, o bispo de Xingu (PA) e presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), dom

O episcopado brasileiro enviou carta ao papa Francisco por ocasião da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). No texto, é ressaltado o espírito de esperança e alegria que marca o encontro. Os bispos também agradeceram a presença de Francisco na Jornada Mundial da Juventude Rio2013, a canonização do apóstolo do Brasil, São José de Anchieta e falaram do tema central, que trata da renovação paroquial, influenciada pela exortação Evangelii Gaudium. Bispos do Brasil divulgam mensagem de esperança aos trabalhadores Durante a primeira coletiva de imprensa da 52ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, foi divulgada nota por ocasião do Dia do Trabalhador. No texto, o episcopado brasileiro reconhece os avanços conquistados pela classe trabalhadora, mas também pontua os desafios que ainda persistem neste campo. A CNBB se faz solidária aos trabalhadores, manifestando apoio às suas lutas e reivindicações.

7


NOTÍCIAS

Alterações no Episcopado 2014

CNBB lança cartilha para Eleições 2014

A

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio da Comissão Episcopal para o Laicato, lançou a cartilha Seu voto tem consequências: Um novo mundo, uma nova socieda-

N

do Papa Francisco. “Devemos ser sal da terra também nessas realidades, na construção de um mundo novo”, exorta. Elaborada pelo Centro Nacional de Fé e Política Dom Helder Câmara, a cartilha é dividida em três partes: ver, julgar e agir. Na primeira parte, são tratadas as questões enfrentadas na política nacional, lembrando as manifestações ocorridas no ano passado durante e após a realização da Copa das Confederações. Na segunda parte, a cartilha dá destaque à desigualdade social e

à particular situação de tomada de decisões no país, que pode acarretar uma reforma do sistema político brasileiro. Já na última parte, são traçados caminhos de responsabilidade social e cristã no meio público. Esta iniciativa da Conferência não é nova. Nas eleições municipais de 2012, 70 mil cartilhas foram distribuídas para as (arqui) dioceses de todo o Brasil. Durante a 52ª Assembleia Ge­ral, a Conferência também divulgou um folder com orientações sobre a Copa do Mundo. Inti-

tulado Copa do Mundo – Dignidade e Paz, o material busca informar turistas e comunidades locais sobre alguns riscos que surgem em um evento com esta grandiosidade. Entre os assuntos abordados estão o trabalho escravo no Brasil, exploração sexual, tráfico de pessoas e tráfico de entorpecentes. Além dos alertas, o folder traz a identificação das principais igrejas e santuários das cidadessede da Copa que terão missas em diferentes idiomas. Fonte: Zenit

Posse do novo Pároco da Paróquia Santa Teresinha de Ibiúna, Pe. Daniel Vitor Cardoso

a Santa Missa celebrada no dia 11 de maio, pelo administrador apostólico da Diocese de Osasco, Dom Ercílio Turco tendo a presença dos padres Ely, Fabio Rosário, Wagner, Alexandre, Marcio, Benedito, Henrique, Sebastião, do ex pároco Pe. Eduardo Ap. dos Santos, do Prefeito municipal Profº Eduardo, dos vereadores Carlinhos e Devanil,

8

de. O documento pretende servir de instrumento aos eleitores na hora da escolha de um candidato para as próximas eleições no Brasil, marcadas para outubro. Dom Severino Clasen, presidente da Comissão e bispo de Caçador (SC), ressalta o protagonismo do leigo nesta iniciativa, que também é inspirada na exortação apostólica Evangelii Gaudium,

dos Deputados João Caramez e Osvaldo Verginio, com os amigos das Paróquias e o povo das Comunidades, o Pe. Daniel Vitor Cardoso Rodrigues foi empossado como novo pároco da Paróquia Santa Teresinha de Ibiúna Igreja lotada, rendendo graças a Deus e em profunda oração acolheram o novo pastor.

Foto: Cristiana /Pascom Diocesana

Junho 2014


NOTÍCIAS

BIO – 25 anos contando a História da Diocese de Osasco

O

boletim informativo também está celebrando seu Jubileu de prata junto com a Diocese de Osasco

Quando pertencia a Arquidiocese de São Paulo era conhecido como Boletim informativo da Região Episcopal de Osasco cujo primeiro número foi publicado em maio de 1977. No seu primeiro número já traçava sua vocação: “Informar, servir e unir, desejando criar estímulo à colaboração de todos os leitores e inserindo elementos novos na ação pastoral da Região”. De 1977 a novembro de 1988 foram publicadas 113 edições e 11 anos a serviço da região episcopal de Osasco. In-

formou e também teve coragem de denunciar situações de injustiças vividas pelo povo presente na Diocese de Osasco. Criada a Diocese de Osasco em 1989, o BIO passou a ser chamado de Boletim Informativo da Diocese de Osasco e o seu primeiro número foi publicado em junho de 1989. Já estamos na 214ª Edição do Bio. No link abaixo você encontrará as edições digitalizadas e poderá acompanhar a história da diocese contada nas páginas do Bio: http://issuu.com/biodiocese/docs

Assembleia Diocesana teve como tema: “Igreja Diocesana atenta a Família”

D

ando continuidade na concretização das urgências do 7º plano pastoral da Diocese de Osasco, realizou-se no dia 17 de maio, das 8h30 às 14h, a assembléia diocesana tendo como tema a 3ª urgência: “Igreja Diocesana atenta a Família”. Contou com a presença do administrador

apostólico Dom Ercílio Turco, de vários padres diocesanos e religiosos, religiosas, seminaristas e quase 300 leigos. Na acolhida inicial Dom Ercílio disse que: “Pensar na família é pensar na Igreja e pensar na Igreja é pensar na família”. A seguir, o assessor que conduziu a reflexão sobre a temática da família, abordando os desafios à luz da fé, foi o Pe. Claudio Antonio Delfino; Diretor da Faculdade de Filosofia e Teologia Paulo VI – Diocese de Mogi das Cruzes – SP... Disse que é preciso olhar a realidade (da família)

com esperança e que é ruim vê-la com pessimismo, pois achamos que esta tudo perdido. Disse que o documento de Aparecida nos ensina que precisamos olhar a realidade a partir de Jesus Cristo e é por isso que a Igreja olha a família com esperança partindo da fé. Apresentou as dificuldades da época que a atinge: Mudanças de época, globalização, relacionamento impessoal, interdependência dos cônjuges, a falta de autoridade paterna que gera dificuldades na transmissão de valores, aborto, diferentes modelos de família, o fenômeno do secularismo e êxodo rural. Diante destas realidades a Igreja precisa

Pergunte ao Padre Confissão comunitária é válida? Responde: Pe. Cido Pereira Vigário Episcopal para a Pastoral da Comunicação em São Paulo, Diretor do jornal “O São Paulo” e apresentador do programa Bom dia Povo de Deus na rádio católica 9 de Julho. Saiba você, que não existe confissão comunitária. Você pode até fazer um ato penitencial comunitário. Mas a confissão sacramental é individual. Eu não sei como é feita a confissão em sua paróquia. Eu sei que em todo o Brasil, nestes dias que antecedem a celebração da Páscoa, nossos padres fazem um lindo mutirão da misericórdia. Parece-me que houve um tempo em que alguns padres davam uma absolvição coletiva aos fiéis. Esta absolvição coletiva, não é litúrgica e nem pode ser entendida como o sacramento da penitência. O sacramento da penitência é feito em cinco passos: O exame de consciência, o arrependimento, a confissão, a absolvição e a reparação. Se de repente, [...], o padre de sua paróquia dá uma absolvição coletiva, ela não substitui a confissão dos pecados a um sacerdote. Eu sei, eu sei que há casos em que o padre está sozinho e vai visitar uma comunidade após muitos meses. Mesmo assim, deve o padre pedir aos fiéis que rezem o ato de contrição e se comprometam a confessar-se na primeira oportunidade que tiverem. Repito [....] quando você ouvir falar de confissão comunitária, entenda que a preparação para a confissão é comunitária mas, a confissão é individual. As confissões comunitárias da Quaresma são válidas portanto, desde que não dispensem a confissão individual ao sacerdote. Faça sua pergunta ao padre: biodiocese@yahoo.com.br

viver a fidelidade ao Evangelho e a partir dele, responder aos desafios da família de hoje. Disse também que - “A Igreja pode ser lenta em dar passos, mas tudo o que ela ensinou em matéria de doutrina e moral, nunca precisou voltar atrás!” A seguir os participantes foram divididos em grupos por regiões e puderam apresentar suas sugestões para a concretização desta urgência.Encerrando a assembleia Dom Ercílio Turco agradeceu a todos que colaboram com ele nestes quase 12 anos de governo da Diocese de Osasco. Fez o anuncio do dia da tomada de posse de Dom João

Bosco e pediu aos participantes que estejam atentos ao momento político, pois estão criando leis que visam destruir a estrutura familiar. Convocou os participantes a manifestarem-se enviando emails aos deputados dando seu parecer e também para assinarem o abaixo assinado da CNBB sobre a reforma política. Encerrou convocando todos os seguimentos da diocese que trabalham com a família dizendo - “vamos caminhar juntos na defesa da família mas, principalmente, na promoção da fé na vida da família. Posso contar com vocês?” E todos responderam num grito bem forte: “sim”!

Romaria Diocesana reúne cerca de 20.000 fiéis

P

adres, religiosos(as), seminaristas e leigos participaram neste sábado, 03 de maio, da 10ª. Romaria da Diocese de Osasco ao Santuário de Aparecida. Este ano, a peregrinação continha uma motivação especial: o jubileu de prata da diocese. Além da comemoração do aniversário, os fieis tiveram a oportunidade de conhecer a D. João Bosco, nomeado recentemente Bispo da Diocese de

Junho 2014

Osasco. O encontro contou com momentos de agradecimentos confraternização e oração a Deus por tudo que realizou ao longo desses 25 anos. A concentração das caravanas aconteceu às 7h em frente a Tribuna Bento XVI e a programação contou com música, oração do Santo Terço, sorteios e premiações. As paróquias Nossa Senhora de Nazaré (Jd. Arpoador) e Nossa Senhora de Fátima

(Cotia) foram as que trouxeram o maior número de ônibus em sua caravana. Seus respectivos párocos padre Jorge Augusto e padre Daniel Bispo receberam de D. Ercílio como prêmio, um Terço. A Santa Missa de encerramento teve início ás 9h celebrada por D. Ercílio Turco (Administrador Apostólico) e concelebrada por D. João Bosco e Monsenhor Claudemir (Vigário Geral da dio-

cese). D. Ercílio deixou em sua homilia a seguinte mensagem: “Queremos entrar na escola de Maria”, ela que deu seu Sim, estava aberta à Palavra de Deus, foi discípula e missionária. “Nosso povo está carente de vida” e Jesus fala da vida que liberta. “Saiamos daqui para viver como cristão... que sejamos sinais de Jesus Cristo”, finalizou. Fonte: Meire Elaine

9


NOTÍCIAS

Câmara de Barueri promove Campanha da Fraternidade 2014 Foto: Ivan Nunes/CMB

A

Câmara Municipal de Barueri promoveu no dia 30, a palestra “Campanha da Fraternidade 2014 – Fraternidade e Tráfico Humano”, em parceria com Diocese de Osasco. O vereador Silvio Macedo (PPS) conduziu o evento e explicou como é caracterizado o tráfico humano. “O tráfico humano também é chamado de tráfico de pessoas, uma atividade ilegal que consiste no ato de comercializar, escravizar, explorar, privar vidas, ou seja, é uma forma de violação dos direitos humanos”, disse o parlamentar. “As vitimas são obrigadas a realizar trabalhos forçados sem qualquer tipo de remuneração prostituição, serviços braçais, domésticos, em pequenas fábricas, entre outros - além de algumas delas terem órgãos removidos e comercializados”, completou Silvio Macedo. Thiago Jordão, seminarista da Paróquia São Jose de Mairinque, falou sobre as condições do trabalho oferecidas, estatísticas e

seus enfrentamentos. “Na busca por melhores condições de vida, muitas pessoas são ludibriadas por criminosos que oferecem empregos com alta remuneração. Esses agentes atuam em escala regional, nacional e internacional, privando a liberdade de indivíduos que sonham um futuro melhor”, comentou. Jordão lembrou que o alvo principal são as mulheres, pois o retorno financeiro para os traficantes é maior, visto que a prostituição é atividade mais antiga por pessoas do sexo feminino, é destino de 79% das vítimas do tráfico humano. Essa atividade movimenta cerca de 32 bilhões de dólares por ano, privando a vida de mais de 2,5 milhões de pessoas. “Essa situação torna o combate mais difícil, tanto no âmbito nacional quanto internacional. As estratégias de ação sempre são diferentes das classificações, podem ser através da internet, migratória, econômica, social, racial de gênero, trabalhista e entre outros”, esclareceu o seminarista. Durante a palestra, o religioso apresentou um vídeo sobre os riscos e as abordagens das vítimas. De acordo com o UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime), o tráfico de pessoas tem movimentado mais dinheiro do que o tráfico de drogas e de armas,

em média, o setor movimenta mais de 30 milhões de dólares ao ano. “O combate a esse tráfico é regulamentado pelo Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, assinado em Palermo em 2000, e almeja principalmente as condições de mulheres e crianças”, finalizou Jordão. Falando em nome da CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), o presidente Denílson Campos destacou os direitos, deveres e os objetivos da entidade. “Este assunto incomoda todos nós e diz respeito a toda nossa sociedade. A Campanha da Fraternidade é para despertar em nós aquele anseio por justiça, por dignidade e por um mundo melhor. Então a Igreja, inteligentemente, chama à tona aquilo que às vezes não percebemos. Parece que quando se fala de tráfico humano, está se falando de outro mundo e para eu ver este mundo preciso ir ao conselho tutelar e conversar com os conselheiros. Porque eles vivenciam este mundo cão no dia a dia. Isto é, este aspecto do ser humano hediondo, que é a exploração do outro e principalmente do mais fraco, do mais vulnerável”, explanou o Denílson Campos.

Datas comemorativas - maio Natalícia 01/06 01/06 04/06 05/06 06/06 06/06 10/06 10/06 10/06 10/06 12/06 19/06 21/06 22/06 24/06 25/06 26/06 27/06 29/06 06/06 07/06 18/06 27/06 18/06 20/06 03/06

Pe. Alberto Boschetti, CRL Ir. Catarina dos Divinos Passos, CMSS Pe. José Ailton Ribeiro Pardinho Pe. Gilmar Raimundo de Santana Pe. Alan R. Nascimento Pe. Alexandre Augusto Siles Frei Pedro de Assis Vieira, OCD Ir. Estevão Servo da Santíssima Virgem, FPSS Pe. Mário Pistor, CRL Ir. Maria Ernesta da Silva. Araújo, FdM Ir. Maria Antonia (do Espírito Santo) de Ia Cruz Reyes, MJS Ir. Elísangêla do Divino Pranto, CMSS Pé. Nelson da Silva Santos, CR Frei José Cláudio Rodrigues da Silva, OCD Ir. Maria Ana Cesário, IJE Pe. Cláudio Gabriel dos Santos Ir. Rosa de Santa Maria, MOP Pe. Othoniel B. Duprat Pe. Alan Hildeu Felício, CRL Ordenação Pe. Nelson da Silva Santos, CR Pe. Thomas Joseph Scott Pe. Roberto Mário Fornoni, CSF Dom Bruno Giuliane - CRL Abade Emérito Profissão Religiosa Pe. Roberto Mário Fornoni, CSF Ir. Macel José Maria, FDSS Falecimento Pe. Elizeo Antonio de Camargo

O presidente ainda destacou que todo e qualquer trabalho precisa ser normatizado e registrado. Disse também que o CMDCA de Barueri tem 28 ONGs registradas e que atendem em torno de 6.000 crianças e adolescentes. Somente no município há cerca de 72.000 crianças e adolescentes até 18 anos e deu os parabéns às escolas que denunciam situações de crianças vítimas de maus tratos. Encerrando a palestra,

36 41 53 56 35 43 64 46 56 71 37 38 41 49 73 55 37 40 36 15 39 31 50 31

23

Padre Valdivino – coordenador da campanha região – agradeceu à Câmara de Barueri pela iniciativa em colaborar mais uma vez com a Campanha da Fraternidade. “É importante a promoção destas audiências que vem acontecendo desde 2009, graças à iniciativa do então vereador Agnério Neri, cuja tradição a casa mantém até hoje”, finalizou. Fonte: Assessoria de Imprensa CMB

Dom Ercílio Turco celebra a Missa da Páscoa na Região de Barueri

N

o dia 27 de Abril de 2014, às 15h – na Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Jandira aconteceu a missa pascal da Re-

10

gião Pastoral de Barueri. Ela foi presidida por Dom Ercílio Turco e concelebrada pelos padres: João Carlos da Paróquia Medianeira de todas as Graças; Roberto Maver – superior da Congregação da Sagrada Família, Douglas Crispim da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, Valdivino – Coordenador da região e Pároco da Paróquia Rainha Santa Isabel, Marcio José Pereira - Paróquia Santa Cruz; Mauro Ferreira – Paróquia Nossa Senhora da Escada, Marcio Mes-

sias – Paróquia São João Batista, Juscelino – Vigário da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Jandira. Contou com a presença do Diácono Salesiano William, das religiosas, seminaristas diocesanos e religiosos da Sagrada Família. Vários fiéis vieram de suas paróquias a fim de participar desta celebração e que contou também com a presença dos senhores e senhoras do Apostolado da Oração. Também nesta celebração foi exposta a relíquia

do Papa João Paulo II. No início da celebração, Pe. Roberto Maver, colheu a Dom Ercílio, aos padres e a todos os fiéis. Na sua homilia Dom Ercílio falou da presença do ressuscitado na vida da comunidade cristã. Disse também que tem muito carinho para com a região de Barueri e pediu aos leigos e padres, para que se mantenham sempre unidos como região. No fim da celebração houve uma encenação da paixão e ressurreição de

Jesus preparada pelos jovens e a seguir o Padre Valdivino fez seus agradecimentos em nome de todos os padres a Dom Ercílio pela presença e por estes 12 anos à frente da diocese e também para com todos aqueles e aquelas que colaboram na organização pastoral da região. Os fieis receberam a benção final com a relíquia de João Paulo II e fizeram uma longa fila para beijá-la e assim manifestar o seu carinho ao novo Santo da Igreja.

Junho 2014


NOTÍCIAS

Visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Fátima

F

oi com grande alegria que a Paróquia Espírito Santo em Osasco recebeu, no dia 03 de maio, a visita da Imagem. A recepção aconteceu na Comunidade Nossa Senhora de Fátima saindo em carreata, passando pela

Comunidade Cristo Ressuscitado e em seguida se dirigindo à Comunidade Matriz Espírito Santo. As Imagens peregrinas oficiais de Nossa Senhora de Fátima são patrimônio religioso do Santuário de Fátima – Leiria – Portugal. Deve ser recebida com honras de Chefe de Estado e o Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima no bairro do Sumaré é quem está responsável pela guarda e peregrinação pelo Estado de São Paulo. Visivelmente emocionados os fiéis receberam a imagem com

ovações, fogos de artifícios e com muita fé. O evento foi minuciosamente preparado por toda a paróquia, incluindo as crianças da catequese, que a exemplo dos três pastorinhos se colocaram em oração na presença da Virgem Mãe. Após a chegada da imagem, deu-se inicio a oração do Terço e em seguida a celebração da Santa Missa presidida por Vagner Moraes, o pároco, e concelebrada por Padre Henrique Silva da Paróquia Santa Isabel. Padre Vagner destacou em sua homilia a presença firme de Maria, que por inúmeras

passou pelas dores, mas permaneceu fiel, até mesmo ao enterrar o seu próprio filho. Sinal de uma fé vivida em profundidade. E advertiu ainda, que há muitas pessoas, mesmo católicos, que “vivem a infidelidade e incoerência entre a fé e o agir”. Continuou dizendo que “somente o testemunho pode levar à luz de Cristo” e o convite da mensagem de Fátima é que nos convertamos “para levar outros à conversão”. A celebração eucarística encerrou-se após um momento de oração e entrega diante da imagem peregrina onde

pe. Vagner e pe. Henrique fizeram a coroação de Nossa Senhora. Segundo documento de orientação enviado à paróquia “o foco principal dessa visita são os aspectos pastorais e espirituais, Nossa Senhora e o Anjo da Paz deixaram em Fátima uma mensagem que tem como princípios, consciência com o Evangelho, a Oração e a Conversão/Reparação, tudo assumido na consagração ao Imaculado Coração de Maria, pela qual nos promete a Paz no mundo e a Salvação Eterna.” Fonte: Meire Elaine

Foto: Rosemeire Sousa

Paróquia São Francisco de Paula de Alumínio recebe seu novo pároco

O

correu no dia 28 de abril, a cerimônia de Posse e acolhida do Pe. Eduardo Aparecido dos Santos como novo pároco da Paróquia São Francisco de Paula, na cidade de Alumínio. A cerimônia foi realizada, como de costume, dentro da Santa Missa presidida pelo nosso administrador apostólico Dom Ercílio Turco, com a presença de vários sacerdotes, religiosas MJS, a família do Pe.

Eduardo, autoridades e fiéis da cidade de Alumínio e região. Anteriormente, Pe. Eduardo estava exercendo seu ministério presbiteral na Paróquia Santa Terezinha do Menino Jesus, na cidade de Ibiúna. Desta forma, registramos grande presença dos fiéis desta cidade na cerimônia de posse numa demonstração de carinho e agradecimento ao Pe. Eduardo pelo trabalho realizado em Ibiúna. Da mesma forma, pudemos constatar a presença de padres amigos vindos de várias cidades de nossa diocese: Pe. Douglas Crispim, Pe. Sebastião Correa, Pe. Ely Rosa, Pe. Carlos Eduardo, Pe. Márcio Pereira, Pe. Douglas Dias, Pe. Everaldo Félix e Pe. Daniel Vítor. Padre Sebastião Correa – coor-

denador da região São Roque, nos fala da alegria deste momento: “Alegria muito grande para mim e para todos nós, pois Padre Eduardo é da nossa região São Roque. E hoje participamos da posse dele na Paróquia São Francisco de Paula, onde ressalto aqui que por 21 anos, Pe. Francisco Silva realizou um grande trabalho para estes fiéis. Rezemos hoje nesta celebração eucarística para que tenha grande êxito, orientando todo o povo de Deus”. Após a Oração ‘pós-comunhão’, Pe. Eduardo foi saudado pelas diversas pastorais presentes na paróquia. Posteriormente, Pe. Eduardo tomou a palavra e agradeceu a Deus pelo dom de sua vida, agradeceu ao Senhor Bispo, pela confiança nele depositada e

a presença de sua família, amigos e padres, além da grande participação dos fiéis. “O Padre para a paróquia é um dom de Deus. E esse dom de Deus é dado para trazer sempre mais vida da graça, através dos sacramentos que ministra. O Padre continua a missão de Jesus, por isso ele ensina, ele santifica e ele pastoreia o povo de Deus. A presença do padre é a presença sacramental de Jesus que vem convidar a todos para viverem como filhos de Deus e membros da Igreja. É importante caminhar com o padre, para caminhar com Jesus”, declara D. Ercílio Turco. Ao término desta bela celebração Pe. Eduardo nos falou de sua emoção nesta nova etapa em sua vida presbiteral: “A Paróquia São

Francisco de Paula é uma grande bênção para nossa diocese. Povo amoroso, cheio do Espírito Santo e com muita vontade de trabalhar pelo reino. Foi isso que senti, desde quando cheguei aqui. Estou muito feliz e confiante nas bênçãos de Deus, pois somente assim poderemos enfrentar os novos desafios. Esta missa de posse foi muito abençoada, o povo fiel participou ativa e alegremente. E, demonstrou muita alegria em receber seu novo pastor. E Dom Ercílio Turco ressaltou o valor do sacerdócio e o bem que o mesmo faz a toda comunidade. Rogo a São Francisco de Paula que continue a interceder junto ao Pai, só assim seremos sempre fiéis e felizes.” Fonte: RoseMeire Sousa

Solenidade de Posse de Dom Frei João Bosco Barbosa de Souza – OFM 3º bispo Diocesano da Diocese de Osasco Data: 20 de julho de 2014 (Domingo) Horário: 15h Endereço: Ginásio de Esportes José Corrêa Avenida Guilherme P. Guglielmo, nº 1000 – Centro – Barueri

Junho 2014

11


VARIEDADES

Dom João Bosco tem seu primeiro encontro com o Clero da Diocese de Osasco

N

o dia 04 de maio, realizouse no salão de atos da cúria diocesana o primeiro encontro de Dom João Bosco com o clero da Diocese de Osasco. Acompanha-

do de Dom Ercílio e do Monsenhor Claudemir, Dom João Bosco quis ter este primeiro contato com o objetivo de ouvir os padres e assim ir conhecendo seu futuro

rebanho. O encontro foi divido em 3 partes: pediu inicialmente que os padres apresentassem aquilo que era característica própria da Diocese de Osasco. Eles foram então apresentando o rosto da diocese que foi se formando nestes 25 anos e também nos tempos em que era região episcopal de São Paulo. A seguir, no segundo momento, Dom Bosco pediu que os padres apresentassem o que não funcionou tendo como referencial o 7º plano de pastoral diocesano. Dom João também perguntou como estão os encaminhamentos da 3ª urgência do Plano Pastoral que está relacionada à família. Disse que toda Igreja está preocupada com a família e que a preparação para o sínodo é um momento importante para trabalharmos este tema. No terceiro

momento perguntou aos padres: -“O que vocês esperam do novo Bispo?” E os padres foram apresentando suas expectativas e Dom João disse que espera a colaboração de todos e deseja trabalhar sempre no diálogo e na comunhão. Perguntado com ficarão as coordenações diocesanas, pois estamos no período de mudan-

ças, informou que o mandato dos atuais coordenadores termina com a nomeação do novo bispo e que após sua posse irá fazer as nomeações. Já no dia 19/05, Dom João ­Bosco participou do 1º dia do ­encontro dos padres novos realizado no Cidade de Ibiúna. Fonte: Redação do Bio

Calendário Pastoral – Junho 2014 01

D

Solenidade – Ascensão do Senhor

15h – Conselho Regional Barueri – N. Sra. Medianeira – Jandira

02

S

8h às 13h – Formação sobre Bioética – CDBDV – Salão de Atos da Cúria

16

20h – Conselho de Pastoral da Reg. S. Roque – Araçariguama

03

T

Assembleia dos Bispos do Regional Sul 1 – Aparecida – SP

17 T

04 Q

Assembleia dos Bispos do Regional Sul 1 – Aparecida – SP 19h30 – Reunião Diocesana da Comissão de Bioética – CDBDV – Centro Pastoral

05 Q

Assembleia dos Bispos do Regional Sul 1 – Aparecida – SP 10h – Reunião dos Padres da Região S. Roque – local a definir

06 S

9h – Reunião dos Padres da Reg. Sto. Antônio – S. José Operário Pastoral do Menor – Encontro sobre Gestão Compartilhada na sede da Escola Fundação CASA Vigília de Pentecostes RCC – Barueri

12

07 S

8h – Encontro dos Seminaristas Teólogos – Local a definir 8 às 12h – Reunião da Comissão Bíblico Catequética – CECAD 9h – Reunião Diocesana da Pastoral Carcerária – C. Pastoral 9h – Reunião da Coordenação do CTP – Barueri (Belval) 9h – Reunião da Jornada Missionária das CEBs – N. Sra. Monte Serrate – Cotia 15h – Reunião Diocesana da IAM – Centro Pastoral 15h – Reunião Diocesana da Past. Fé e Política – C. Pastoral Pastoral da Criança – Encontro Ampliado do SP II

08

D

09

S

S

19

Q

9h – Secretariado de Pastoral – Cúria Diocesana 9h – Reunião da Cáritas Diocesana – Cúria Diocesana 9h – Reunião dos Padres da Reg. Cotia – Paróquia Santo Antônio de Santana Galvão 9h – Encontro da Pastoral do Batismo da Reg. Bonfim – Remédios 20h– Conselho da Reg. Bonfim – Paróquia S. João Batista Solenidade de Corpus Christi

20 S

9h – Reunião do CADO – Cúria Diocesana Reunião do Conselho da RCC – Escritório

21 S

Reunião de Setor Pastoral da Criança – Missão e Gestão 9h – Reunião Diocesana da Past. da Saúde – Paróquia Sto. Antônio – Bonfim 14h30 – Reunião Diocesana da Equipe das CEBs – C. Pastoral

22

12º Domingo do Tempo Comum

D

24 T

Solenidade – Natividade de S. João Batista

26 Q

9h – Reunião dos Padres Reg. Carapicuíba – N. Sra. Aparecida 20h – Conselho Reg. Cotia – Paróquia N. Sra. do Monte Serrate 20h – Reunião do Setor Past. e Ação Missionária – C. Pastoral

Solenidade – Pentecostes

27 S

10 T

9h – Reunião dos Padres Coordenadores – Cúria Diocesana 15h – Reunião dos Formadores do Seminário – Sem. S. José

Solenidade – Sagrado Coração de Jesus 8h – Dia de Oração pela Santificação do Clero – Centro Teresiano de Espiritualidade – Marmeleiro

11 Q

9h – Reunião dos Padres da Reg. Barueri – Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Amador Bueno

12 Q

9h – Conselho de Presbíteros – Cúria Diocesana 9h – Reunião dos Padres da Reg. Bonfim – Paróquia S. José

13 S

Solenidade – Santo Antônio de Pádua 10h – Missa da Solenidade de Santo Antônio – Catedral

28 S

9h – Ministérios de Leitor e Acólito – Seminário São José 8h – Pastoral da Acolhida – Fortalecimento Espiritual – Barueri 8h – Assembleia Regional de Barueri – N. Sra. de Lourdes 9h– Reunião do Fórum Social Diocesano – Centro Pastoral 9h – Conselho de Pastoral Reg. Carapicuíba – N. Sra. Aparecida 14h – Visita Missionária Pastoral Afro Brasileira – S. Pedro – Carapicuíba 14h – Capacitação p/ Agentes da Past. da Saúde – Reg. Barueri – Paróquia Cristo Rei – Itapevi Pastoral da Educação Reunião com Professores – S. Pedro – Carapicuíba –

14 S

PASCOM - Encontro de Comunicação – Região Barueri Reunião de Setor Pastoral da Criança – Missão e Gestão 14h – Reunião Diocesana do Setor Juventude – CECAD

15 D

Solenidade – Santíssima Trindade 9h – Reunião das Comunidades Kolping - COHAB – Carapicuíba

29 D

Solenidade de São Pedro e São Paulo, Apóstolos Comemoração do 12º Ano do Episcopado de D. Ercílio na Diocese de Osasco – SP 8h – Encontro da Assembleia Popular: Mutirão por um novo Brasil – Centro Pastoral

Junho 2014

215 bio jun 14  

215 - Boletim Informativo da Diocese de Osasco - BIO – Ano XXV - N º 215 - Bio Junho de 2014

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you