Issuu on Google+

ANO XXIV – Nº 209

Novembro 2013

www.diocesedeosasco.com.br/bio

50 anos de Sacerdócio de Dom Ercílio Turco

Encerramento do Ano da Fé

No próximo dia 01/12, Dom Ercilio Turco, bispo diocesano, estará completando 50 anos de sacerdócio. Págs 5 e 6

Consagrada Igreja Matriz e o altar da Paróquia Santa Cruz de Barueri

A Paróquia Santa Cruz, Barueri, celebrou no dia 14 de setembro a Festa da Exaltação da Santa Cruz. Neste evento festivo foi realizada a consagração da igreja e do altar. Pág. 8

Nesta edição

O Ano da Fé, proclamado pelo Papa Emérito Bento XVI, termina no dia 24 de novembro. Desde outubro passado, fiéis e toda a Igreja têm tido a oportunidade de refletir mais sobre a fé católica, atendendo à proposta da iniciativa. Pág.4

• Igreja Diocesana, casa de iniciação à vida cristã Pág. 2 • Ritos finais: O Corpo eclesial de Cristo é enviado em missão Pág. 4 • Visita pastoral na Região Pastoral Santo Antonio Pág. 5 • Assembleia trata tema da Iniciação à Vida Cristã Pág. 10


PALAVRA DO PASTOR

Igreja Diocesana, casa de iniciação à vida cristã

Foto: Irmã Leticia/ Pascom

A

Assembleia Diocesana de maio deste ano estudou a Iniciação Cristã de Adultos, catequese de iniciação à vida cristã. As sugestões dos grupos aprovadas pela maioria dos presentes foram resumidos em três dimensões: criar um processo de iniciação à vida cristã a ser realizado em toda diocese, a Comissão Bíblico-Catequética e a Comissão Diocesana de Liturgia criarem um subsídio na linha da catequese mistagógica e oferecer formação diocesana para agentes de catequese de iniciação à vida cristã e para introdutores do RICA em vista da preparação para os sacramentos. No caso de iniciação à vida cristã para já batizados os catequistas devem estar preparados para realizar um processo formativo que articule fé e vida nos cinco aspectos: encontro com Cristo, conversão, discipulado, comunhão e missão, pois nesta catequese (formações) se visa

2

amadurecimento da fé em vista da vivência cristã. A assembleia diocesana de outubro trabalhou sobre essas dimensões, escolheu uma prioridade de cada uma não excluindo outras possibilidades de ação pastoral. As três prioridades escolhidas para atividades no próximo ano são as seguintes: – Criar na diocese um estatuto (diretrizes e normas de ação) para a iniciação cristã de adultos para que haja orientação diocesana em comunhão com o RICA e o Diretório dos Sacramentos. – Criar um material didático para os catequistas (introdutores) onde se vise a vivência cristã, a pertença à Igreja, o encontro com Jesus Cristo, o discipulado, a conversão em comunhão com a doutrina da Igreja. – Desenvolver um projeto de formação diocesana para que os catequistas (introdutores) tenham orientação psicope-

dagógica para que haja novas práticas. Essas prioridades, sob certo aspecto, atinge toda catequese embora aqui se trate especificamente da catequese com adultos para uma vida cristã mais amadurecida ou para receber os sacramentos de iniciação, já que nossa catequese com crianças sempre foi bem trabalhada e produz muitos frutos. “Para que as comunidades sejam renovadas, a catequese deve ser uma prioridade. Um novo olhar permitirá uma nova prática. A catequese, como iniciação à vida cristã, ainda é desconhecida em muitas comunidades. Trata-se de passar da catequese como instrução e adotar a metodologia catecumenal, conforme a orientação do Ritual da Iniciação Cristã de Adultos (RICA) e do Diretório Nacional da Catequese. Nesse sentido, os padres, os catequistas e a própria comunidade precisam de uma conversão pastoral. Isso

implica em rever os processos de catequese das crianças, dos adolescentes, dos jovens e dos adultos. É indispensável seguir as etapas do RICA e propor, até para os membros da comunidade, uma formação catecumenal que percorra as etapas do querigma, da conversão, do discipulado, da comunhão e da missão. Também agentes e lideranças da pastoral precisam de catequese permanente. Essa proposta de catequese está totalmente integrada à liturgia, à vida comunitária e à prática da caridade”. (Comunidade de comunidades uma nova paróquia, doc. de estudo da CNBB 104, nº 221) No final da assembleia os quase duzentos participantes se comprometeram a elaborar diretrizes sobre a iniciação à vida cristã, buscar formação especifica para catequistas na linha catecumenal e criar um material didático para ajudar àqueles que procuram a vida de Jesus e ter uma experiência mais profunda de sua Palavra e seu projeto. Ficou claro na partilha dos grupos a necessidade de que padres e leigos (as) busquem atitudes, posturas, estruturas organizativas e ações para se alcançar a meta de sermos uma Igreja Diocesana “Casa de Iniciação à Vida Cristã”, avançar atentos aos sinais dos tempos vistos à luz da Palavra de Deus, acompanhar as mudanças no mundo atual e oferecer a todos Jesus e seu Evangelho como

referencial na busca de respostas aos anseios de vida e da paz. A família é o espaço da iniciação cristã que possibilita o crescimento na fé e a base do discipulado das virtudes sociais que favorece a construção de uma sociedade fraterna cheia de paz. Muitas paróquias de nossa diocese já desenvolvem um trabalho pastoral na linha catecumenal com adultos que procuram os sacramentos levando em consideração para todos à mistagogia. Buscamos diretrizes, formação para catequistas (introdutores) e material didático visando a pastoral de conjunto para crescermos e agirmos na mesma direção ajudando as pessoas a fazer a experiência de Jesus. Aguardamos, no pós-assembleia, o trabalho da Comissão Bíblico Catequética, da Comissão Diocesana de Liturgia e do Secretariado de Pastoral que farão o estudo das conclusões e ajudados por outros agentes elaborarão material solicitados e as indicações práticas para que toda a diocese dê continuidade às propostas de atividades pastorais das duas assembleias diocesanas deste ano. Na Festa de Cristo Rei nos encontraremos para celebrar nossa vida diocesana e nossa ação pastoral para que aconteça sempre mais o Reino de Deus.

Dom Ercílio Turco Bispo Diocesano de Osasco

Publicação do Boletim Informativo da Diocese de Osasco Distribuição Gratuita (12500 Exemplares) Bispo Diocesano: Dom Ercílio Turco Coordenação e Editoração: Pe. Valdivino A. Gonçalves Colaboração: Irmã Leticia, Pe. Emerson Pedroso, Pe. Marcio José Pereira, Gil Ortiz, Cristiana Brito, Carol Gonzaga e Rogério Roque Revisão: Fátima Gazeta e Sem. Everton Albuquerque Editoração Eletrônica: Janio Luiz Malacarne Email: biodiocese@yahoo.com.br Pagina: www.facebook.com/bio.diocesedeosasco Cx. Postal: 56 – CEP: 06001-970 Edições passadas: http://issuu.com/biodiocese Impressão: PAULUS

Novembro 2013


CATEQUESE DO PAPA

Mensagem do Papa

Audiência Geral: Praça de São Pedro. Quarta-feira, 2 de Outubro de 2013.

N

o «Credo», depois de professar: «Creio na Igreja una», acrescentamos o adjetivo «santa»; isto é, afirmamos a santidade da Igreja, uma característica presente desde o início na consciência dos primeiros cristãos, que se chamavam simplesmente «santos» (cf. At 9, 13.32.41; Rm 8, 27; 1 Cor 6, 1), pois tinham a certeza de que é a obra de Deus, o Espírito Santo, que santifica a Igreja. Mas em que sentido a Igreja é santa, se vemos que a Igreja histórica, no seu caminho ao longo dos séculos, enfrentou tantas dificuldades, problemas, momentos obscuros? Como pode ser santa uma Igreja feita de seres humanos, pecadores? Novembro 2013

Homens pecadores, mulheres pecadoras, sacerdotes pecadores, religiosas pecadoras, Bispos pecadores, Cardeais pecadores, Papa pecador? Todos. Como pode ser santa uma Igreja assim? Para responder a esta pergunta, gostaria de me deixar guiar por um trecho da Carta de São Paulo aos cristãos de Éfeso. O Apóstolo, tendo como exemplo as relações familiares, afirma que «Cristo amou a Igreja e entregou-se por ela, para a santificar» (5, 25-26). Cristo amou a Igreja, entregando-se totalmente na cruz. E isto significa que a Igreja é santa porque procede de Deus que é santo, lhe é fiel e não a abandona ao poder da morte e do mal (cf. Mt 16, 18). É santa porque Jesus Cristo, o Santo de Deus (cf. Mc 1, 24), se une a ela de modo indissolúvel (cf. Mt

28, 20); é santa porque se deixa guiar pelo Espírito Santo que purifica, transforma e renova. Não é santa pelos nossos méritos, mas porque Deus a torna santa, é fruto do Espírito Santo e dos seus dons. Não somos nós que a santificamos. É Deus, o Espírito Santo que, no seu amor, santifica a Igreja. Vós podereis dizer-me: mas a Igreja é formada por pecadores, como vemos todos os dias. E isto é verdade: somos uma Igreja de pecadores; e nós, pecadores, somos chamados a deixar-nos transformar, renovar e santificar por Deus. Na história houve a tentação de alguns que afirmavam: a Igreja é só a Igreja dos puros, daqueles que são totalmente coerentes, e os outros devem ser afastados. Isto não é verdade. É uma heresia! A Igreja, que é

santa, não rejeita os pecadores; não afasta nenhum de nós; não rejeita, porque chama e acolhe todos, está aberta também aos distantes, chama todos a deixarse abraçar pela misericórdia, pela ternura e pelo perdão do Pai, que oferece a todos a possibilidade de o encontrar, de caminhar rumo à santidade. «Mas Padre, eu sou um pecador, cometi grandes pecados, como posso sentir-me parte da Igreja?». Amado irmão, querida irmã, é precisamente isto que o Senhor deseja, que tu lhe digas: «Senhor, eis-me aqui com os meus pecados!». Algum de vós está aqui sem os próprios pecados? Algum de vós? Ninguém, nenhum de nós. Todos trazemos em nós os nossos pecados. Mas o Senhor quer ouvir-nos dizer: «Perdoai-me, ajudai-me a caminhar, transformai o meu coração!». E o Senhor pode transformar o coração. Na Igreja, o Deus que encontramos não é um Juiz cruel, mas é como o pai da parábola evangélica. Podes ser como o filho que deixou a casa, que tocou o fundo da distância de Deus. Quando tiveres a força de dizer: quero voltar para casa, encontrarás a porta aberta, Deus vem ao teu encontro porque te espera sempre; Deus espera-te sempre, Deus abraça-te, beija-te e faz festa. Assim é o Senhor, esta é a ternura do nosso Pai celeste. O Senhor quer que façamos parte de uma Igreja que sabe abrir os braços para abraçar todos, de que não é a casa de poucos, mas de todos, onde todos podem ser renovados, transformados e santificados pelo seu amor: os mais fortes e os mais fracos, os pecadores, os indiferentes, quantos se sentem desanimados e perdidos. A Igreja oferece a todos a possibilidade de percorrer o caminho da santidade, que é a vereda do cristão: faz-nos encontrar

Jesus Cristo nos Sacramentos, especialmente na Confissão e na Eucaristia; comunica-nos a Palavra de Deus, faz-nos viver na caridade, no amor de Deus por todos. Então, interroguemo-nos: deixamo-nos santificar? Somos uma Igreja que chama e recebe de braços abertos os pecadores, que incute coragem e esperança, ou somos uma Igreja fechada em si mesma? Somos uma Igreja na qual se vive o amor de Deus, na qual se presta atenção ao próximo, na qual se reza uns pelos outros? Uma última pergunta: o que posso fazer eu, que me sinto débil, frágil, pecador? Deus diz-te: não tenhas medo da santidade, não tenhas medo de apostar alto, de te deixares amar e purificar por Deus, não tenhas receio de te deixares guiar pelo Espírito Santo. Deixemo-nos contagiar pela santidade de Deus. Cada cristão é chamado à santidade (cf. Const. dogm. Lumen gentium, 39-42); e a santidade não consiste antes de tudo em fazer coisas extraordinárias, mas em deixar agir Deus. É o encontro da nossa debilidade com a força da sua graça, é ter confiança na sua obra, que nos permite viver na caridade, fazer tudo com alegria e humildade, para glória de Deus e o serviço ao próximo. Há uma frase célebre do escritor francês Léon Bloy; nos últimos momentos da sua vida, ele dizia: «Só existe uma tristeza na vida, a de não ser santo». Não percamos a esperança na santidade, percorramos todos este caminho. Queremos ser santos? O Senhor espera todos nós de braços abertos; esperanos para nos acompanhar ao longo deste caminho da santidade. Vivamos com alegria a nossa fé, deixemo-nos amar pelo Senhor... peçamos esta dádiva a Deus na oração, para nós e para os outros.

3


FORMAÇÃO LITÚRGICA

Ritos finais: O Corpo eclesial de Cristo é enviado em missão

A

conclusão da celebração eucarística se dá com os ritos finais: avisos da comunidade, bênção final e despedida. Os ritos finais e os ritos iniciais estão ligados entre si e expressam nosso jeito de compreender a ser Igreja, tendo a Trindade como fonte e horizonte: somos povo convocado pelo Pai, reunidos no amor de Cristo, animados pela força do Espírito Santo. Assim reunidos, celebramos a memória do mistério pascal, que nos torna cada vez mais, como batizados, um corpo comunitário, ressuscitado e todo ministerial – o corpo eclesial do Cristo. Somos chamados a permanecer com Ele e ser enviados em missão (cf. Mc 3,14) para ser no mundo, o sacramento de unidade e salvação de todo gênero humano ( cf. LG 1), portadores e

agentes da boa-nova do amor, da solidariedade, da justiça, da paz, da transformação pascal da vida e da história, aliança entre todos os povos e culturas. Por isso, tem muito sentido dar os avisos, nos ritos finais. Eles devem ser feitos com muita clareza e objetividade, motivando toda a comunidade a participar das várias tarefas pastorais, como engajamento na missão. Este também é um momento oportuno para saudar aniversariantes ou pessoas homenageadas. A bênção em nome da Trindade expressa que a celebração se prolonga na vida cotidiana em todas as suas dimensões: pessoal, familiar, social, política... É importante valorizar as várias possibilidades de bênçãos e oração sobre o povo que o missal romano apresenta acompanhando os tempos e festas litúrgicas. Também poderá ser cantada. Para as palavras finais de despedida, o missal também apresenta alternativas. Estas palavras devem ressaltar que a graça do Senhor nos acompanha dia-adia e nos ajuda a realizar, com nossa vida, um culto espiritual, agradável ao Senhor (cf. Rm 12, 1-2). Também a despedida poderá ser relacionada com o evangelho proclamado. Isto exige

preparação e cuidado para não se prolongar demais. Um canto final entoado pela equipe de cantores ou mesmo uma música executada pelos instrumentistas podem acompanhar a saída da assembléia que se dispersa, alegre, conversando descontraída e animada para seus afazeres diários e sua missão no mundo. A celebração da eucaristia constitui a comunidade eclesial. É fonte e cume da vida cristã. Portanto, é necessário e urgente o trabalho de despertar a consciência de cidadania eclesial, para que todas as comunidades, que são impedidas atualmente, por falta de ministros ordenados, possam reivindicar este direito irrenunciável, como povo sacerdotal, de realizá-la, pelo menos aos domingos. Ser comunidade, Corpo eclesial do Senhor, movido pelo sopro divino, sinal e instrumento de transformação pascal, é permanente dom do Pai, é graça, é exigência e finalidade da eucaristia, cujo sentido não se esgota na ação celebrativa, mas se prolonga nas lutas diárias da humanidade, até que o Reino de Deus chegue à sua realização plena e definitiva. Fonte: Maria de Lourdes Zavarez

Bispos fazem balanço do Ano da Fé O Ano da Fé, proclamado pelo Papa Emérito Bento XVI, termina no dia 24 de novembro. Desde outubro passado, fiéis e toda a Igreja têm tido a oportunidade de refletir mais sobre a fé católica, atendendo à proposta da iniciativa. O presidente da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé da CNBB, Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, disse que, ao longo desses 11 meses, houve um esforço geral de valorizar mais a fé, conhecendo seu conteúdo e vivendo-a mais intensamente. Sobre as várias iniciativas no Brasil e no mundo, Dom Sérgio explica que elas se dividiram em vários níveis – local, diocesano, em movimentos – mas a proposta foi sempre estudar os conteúdos fundamentais da fé. “Houve uma valorização maior do próprio Catecismo da Igreja Católica. (...) Também eu creio que essa renovação missionária da Igreja aconteceu em nível local e paroquial também motivada pelo Ano da Fé”, disse. A busca da educação na fé por parte dos jovens foi um ponto destacado pelo bispo auxiliar da arquidiocese de Belo Horizonte (MG), Dom Wilson Angotti, como uma dessas iniciativas marcantes. O prelado também é membro da Comissão para a Doutrina da Fé e contou que viu vários grupos de jovens estudando o Catecismo da Igreja Católica e a Doutrina Social da Igreja. “Isso desperta em nós a consciência de que os jovens estão buscando, estão aprofundando e a fé tende a se tornar sempre mais consciente e mais firme. Eu acho que isso é algo que fica marcante nesse Ano”. Aspectos pontuais Sem deixar de considerar as ações paroquiais e diocesanas que aconteceram, Dom Sérgio destacou o congresso sobre os 20 anos do Catecismo da Igreja Católica, uma ação em nível de Conferência Episcopal. Ele também citou a publicação de um documento sobre as razões da fé no mundo de hoje. “É muito importante as pessoas darem as razões da fé, o porquê creem, por isso que tem que conhecer melhor. A própria Conferência Episcopal, através da Comissão para a Doutrina da Fé, publicou este texto”, exemplificou. Provação à fé

Perguntas para reflexão pessoal e em grupos 1 - Qual a importância dos ritos finais na celebração eucarística? 2 - Façam uma pesquisa no Missal Romano, buscando e analisando as diversas alternativas de Bênçãos solenes e Oração sobre o povo que ele nos oferece. 3 - O que deve ser feito para que os ritos finais expressem o envio da comunidade em missão?

4

A busca pela confirmação na fé coloca em questão também as diversas formas de abalar a fé nos dias de hoje. Como exemplo, podem ser citados os conflitos na Síria, que causaram muitas mortes e destruição no país, inclusive de cristãos. Dom Wilson comenta que as adversidades sempre estiveram presentes na história da Igreja, com desafios e opressões aos cristãos. “Eu acredito que a fé, também nesses ambientes de adversidades, ela se fortalece sempre mais e o testemunho dos cristãos nunca passa em vão”. Orientações para vivência da fé Dom Wilson destacou três ações: conhecer, viver e transmitir a fé. “É um compromisso que fica para cada um de nós cristãos mesmo terminando o Ano da Fé, que nos serve apenas de uma motivação para que possamos viver esses compromissos que são parte integrante de toda a nossa vida cristã”. Dom Sérgio concluiu destacando que estas são ações, inclusive, presentes na estrutura do próprio Catecismo da Igreja Católica. “Nós temos que entender que o Ano da Fé continua a sua proposta de uma vivência da fé, mas da fé que é professada, da fé celebrada, portanto são esses três momentos que estrutura o próprio Catecismo da Igreja Católica: a fé que nós professamos, a fé que nós rezamos ou celebramos, a fé que nós procuramos vivenciar”.

Novembro 2013


VISITA PASTORAL NA REGIÃO SANTO ANTÔNIO

Paróquia Nossa Senhora da Conceição

A

visita Pastoral que aconteceu no dia 17 de setembro de 2013, no bairro de Quitaúna foi à Paróquia Nossa Senhora da

Conceição, que é administrada pela Congregação da Paixão de Jesus Cristo, mais conhecidos como Padres Passionistas. Onde o Pároco é Pe. José Rocha Cavalcanti Filho e os Vigários, Pe. Alan Hildeu Felício e Pe. Leonildo Pedro dos Santos. A paróquia é composta de oito comunidades sendo elas: São Pedro, São Maurício, Santa Eufêmia, Nossa Senhora dos Pobres, Cristo Redentor, Santíssima Trindade, Bom Jesus Crucificado

e a comunidade matriz Nossa Senhora Imaculada Conceição. D. Ercílio foi acolhido na residência da comunidade religiosa pelo Pe. Rocha e depois de uma breve conversa iniciou a visita a cada uma das comunidades da paróquia conhecendo as lideranças, as instalações e reformas que se estão realizando. No período da tarde, Pe. Alan e a Sra. Ibraina (Coordenadora Paroquial da Pastoral da Saúde) acompanharam D. Ercílio na

visita a Luciene, Rosa, Arnaldo, Melquiadez, Joana, doentes que assistidos pelos pastoral com muito zelo e carinho. Também visitou o “Lar Madre Benedita”, das Irs. Beneditinas, com 120 crianças acolhidas, as quais ajudam a ter um desenvolvimento integral. Também D. Ercílio se encontrou com a família religiosa: os propedeutas, os seminaristas da teologia e os padres passionistas. Antes da missa foram revisados e

assinados os livros de casamento e batizados e foram entregues os relatórios de cada comunidade. A Santa Missa foi celebrada com o povo de Deus e em seguida se realizou a reunião com o Conselho de Pastoral Paroquial. Dom Ercílio, os padres e a comunidade paroquial ficaram muito satisfeitos e felizes por este acontecimento, pois favorece um estreitamento de relações e amizade. Fonte: Irmã Leticia, MJS

Paróquia Nossa Senhora Aparecida

N

esta terça feira dia 24 de setembro de 2013. Dom Ercílio fez sua Visita Pastoral na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Jardim Padroeira II, em Osasco, SP e foi acolhido pelo Pe. Rodrigo Silva Pereira – Pároco, o Pe. Douglas Dias de Melo. A comunidade paroquial deu as boas vindas com estas palavras:

“Seja bem-vindo Reverendíssimo Bispo Diocesano Dom Ercílio Turco. Sua presença nos conforta e nos enche de orgulho. Que sua visita traga muitas bênçãos, paz e esperança ao nosso povo. A Paróquia N. Sra. Aparecida o acolhe. Queremos lhe oferecer as chaves de nossa Paróquia e também as chaves de nossos corações. Entre,e fique a vontade, a casa é vossa. Queremos dizer que és bem-vindo. Bendito o que vem em nome do Senhor. Queremos ouvir sua voz bom pastor, seu anúncio é muito importante para nós. Receba no sorriso de todo seu povo, o carinho e um abraço de boas vindas.

Nossa paróquia tem muito a agradecer a Deus, pelo seu Pastoreio e as inúmeras bênçãos derramadas em nossa vida pelo seu Sim. Enfim queremos que se sinta a vontade em nosso meio. Seja bem-vindo!”. Em cada uma das comunidades que D. Ercílio visitou fez uma breve oração diante do Sacrário. Posteriormente ouvia a saudação de acolhida, o histórico e relatório das atividades pastorais e finalmente deixava sua mensagem de ânimo e incentivo aos paroquianos a seguir firmes na fé e fiéis no seguimento de Jesus e no testemunho cristão. Além disso, realizou várias atividades: acom-

panhou o andamento na reforma da Igreja matriz, abençoou o local onde será construído o Centro Catequético São João XXIII, na comunidade São Benedito, e na comunidade Perpétuo Socorro abençoou o terreno onde será construída a Capela. Também abençoou o comércio de Marilene e Agenor. Visitou o Posto de Saúde onde foi acolhido por Lia – Gestora do Posto e a Escola Marina Von PuttkammerMelli da Vila Cachoeirinha aqui foi recepcionado por Cleia, Simone, Shirley todos os alunos e funcionários. Teve o momento de passar na secretaria para assinar os Livros

de Registro assim como reunirse com a comissão de finanças além de visitar algumas famílias deixando sua bênção. Para encerrar a Visita Pastoral celebrou Santa Missa e logo após teve uma breve reunião com o Conselho Paroquial de Pastoral. Dom Ercílio parabenizou aos padres e a paróquia pelo trabalho que estão realizando. Por sua parte o Pe. Rodrigo agradeceu ao Bispo a sua presença, carinho e dedicação de Pai e Pastor. Como lembrança da visita o Pe. Rodrigo convidou a D. Ercílio Plantar uma roseira no jardim de cada comunidade. Fonte: Irmã Leticia, MJS

Paróquia Santa Isabel em Osasco

D

om Ercílio foi acolhido na Comunidade São Francisco de Assis no Jardim Cirilo lá se encontrou com fiéis da comunidade, o Apostolado da Oração e a Legião de Maria as quais rezaram uma dezena do terço com o Bispo agradecendo a Deus pela

Novembro 2013

Visita Pastoral. Depois da breve oração, Dom Ercílio acolheu a todos: “vim visitá-los e conhecer, a conviver ainda que seja por um instante, mas saibam que sempre os tenho presentes nas minhas orações. Também venho para confirmá-los na fé e dizer que permaneçam firmes na sua entrega, na sua missão e no seu testemunho, pois o mundo precisa que lhe falemos de Deus, por isso a nossa fé tem que ser firme e convicta”. Pe. Henrique acompanhou a D. Ercílio até as dependências da Igreja Matriz, onde passou na secretaria para assinar os Livros de Batizados e casamentos.

Posteriormente reunir-se com o Engenheiro Gilmar e a Arquiteta Marisa, os quais mostraram o andamento da reforma da igreja. Também foram visitados o Pronto Socorro (Pestana) e a Delegacia de Polícia. No pronto socorro, fomos recepcionados por Cristina Corredor (administradora) e pela Dra. Norma Vieira (Psiquiatra). Elas falaram da realidade que vivem e D. Ercílio deixou suas palavras de ânimo e sua bênção. Na Delegacia nos recebeu o Dr. Poli que é o Delegado Assistente, com ele se fez um percurso pelas instalações da delegacia. No período da tarde, D. Ercílio

visitou a comunidade São José – Jardim Vicentina, ali se encontrou com as pastorais sociais. Logo após visitou a família do seminarista Antônio Faria Junior e em seguida se dirigiu à Escola EMEF Elza de Carvalho Mello Battiston, onde teve uma conversa com as professoras. Na comunidade Nossa Sra. das Graças conheceu as dependências e as lideranças da comunidade, também conversou com os Acólitos e Coroinhas e com o pessoal da Missão Frutificai, os quais explicaram para o Bispo a organização e a missão que ele têm. Em seguida visitou a família de D. Ivone.

Celebrou a missa em ação de graças e imediatamente teve a reunião com o Conselho de Pastoral e com o Conselho de Administrativo. E disse para os Coordenadores que eles são muito importantes, pois se eles fraquejam a comunidade sente e os animou a que: não percam o entusiasmo, que dividam funções,partilhem, ensinem e formem mais lideranças. Pe. Henrique agradeceu a D. Ercílio pela sua presença, pela proximidade e os cuidados que eles experimentam. Dom Ercílio também agradeceu as atenções, acolhida e manifestações de carinho. Fonte: Irmã Leticia, MJS

5


50 ANOS DE SACERDÓCIO DE DOM ERCÍLIO TURCO No próximo dia 01/12, Dom ErcílioTurco, bispo diocesano, estará completando 50 anos de sacerdócio. O Boletim Informativo agradece a Deus pela sua vida e pelo sacerdócio exercido com muito amor nas arquidioceses de Campinas, Limeira e Osasco.

Biografia de Dom Ercílio Turco

Lema: EVANGELIUM DEI EVANGELIZARE (Anunciar o Evangelho de Deus)

F

ilho de Francisco Turco e Ignez Canossa Turco. Concluiu os estudos no Seminário da Imaculada, em Campinas, em 1955. No Seminário Central do Ipiranga, em São Paulo, fez seus estudos de Filosofia e na Faculdade Nossa Senhora da Assunção, também em São Paulo, cursou e concluiu a Teologia. Foi ordenado sacerdote em Campinas, no dia 1 de dezembro de 1963, por Dom Paulo de Tarso Campos, naquela época Arcebispo Metropolitano de Campinas. Na Arquidiocese de Campinas, exerceu o ministério presbiteral em várias paróquias. No primeiro semestre de 1964, foi vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Campinas. Do segundo semestre daquele ano até o início da 1971, atuou como pároco do Coração de Maria, também em Campinas. Em 1971 foi transferido para a Paróquia São Sebastião, em Va-

linhos, onde atuou como pároco até 1981. De 1981 a meados de 1983, foi pároco de Nossa Senhora do Rosário, em Hortolândia. Em seguida, de 1983 ao início de 1987, atuou no distrito de Barão Geraldo, em Campinas, como pároco de Santa Isabel. Ainda em 1987 foi nomeado pároco de São José, em Mogi-Mirim, cargo que ocupou até o final de 1989. Também na Arquidiocese de Campinas, exerceu o ministério pastoral como Capelão da Casa Mãe das Missionárias de Jesus Crucificado e no Pensionato São José, em Campinas. Assessorou a Pastoral Hospitalar junto aos doentes sendo capelão da Santa Casa de Misericórdia de Campinas, de Valinhos e do Hospital das Clínicas da UNICAMP, onde fundou a capelania. Também foi vigário episcopal das Regiões Sul e Leste da Arquidiocese, membro do Conselho de Presbíteros em várias gestões e, por dois anos, ecônomo arquidiocesano. No campo da formação de novos padres, foi reitor de Teologia no Seminário da Imaculada e diretor de Filosofia no mesmo Seminário. Episcopado

ro de 1990. Em 24 de abril de 2002 foi transferido, pelo Papa João Paulo II, para a Diocese de Osasco. No dia 15 de Junho de 2002 assume oficialmente o governo da diocese de Osasco. Em seu discurso de tomada de posse disse: “Enviado pelo Senhor, com o mandato de nosso Papa João Paulo II assumo o pastoreio dessa porção do Povo de Deus que está na Diocese de Osasco, confiando na luz do Espírito Santo para me conduzir e na proteção de Maria para me amparar. Desejo aproximar-me, amar e ouvir o povo que me foi confiado. Conhecer seus problemas pessoais, sociais intimamente ligados aos morais e religiosos: os desempregados e os trabalhadores que buscam , esperançosos , um futuro feliz, no meio de uma sociedade que não lhes oferece espaço; os anciãos com sua esperança de vida; os enfermos que buscam alivio; as crianças que desejam viver sua infância; as famílias que sofrem agressões vindas tanto de seu interior como da situação social. Para todos desejo ser pai , irmão e amigo. Desejo amar e servir o povo de Deus que se reúne nas comunidades e forma a família diocesana.”

Em 18 de novembro de 1989, foi nomeado, pelo Papa João Paulo II, o terceiro Bispo de Limeira, sendo ordenado no dia 4 de fevereiro de 1990, por Dom Gilberto Pereira Lopes, Arcebispo Metropolitano de Campinas, tomando posse em 8 de feverei-

Assista a entrevista da RIC 1430am com Dom Ercílio Turco No dia 22 de julho de 2013 , às 9h - no Programa Força e Vitória da Radio Imaculada Conceição de São Roque - 1430am, Gil Ortiz entrevistou Dom Ercílio Turco - Bispo Diocesano de Osasco. Assista : 1ª parte: http://www.youtube.com/watch?v=TG5op9wT6o&feature=youtu.be 2ª parte: http://www.youtube.com/watch?v=YqmMazaM3wI &feature=youtu.be

6

Mensagens para Dom Ercílio postadas no Facebook Wesley Nascimento: Dom Ercílio SEM DÚVIDAS é um enviado de Deus! E esses 50 anos de Sacerdócio confirma para nós! Sempre quando Dom Ercílio se comunica com os Jovens, ele sempre passa a mensagem da JMJ2011 “Enraizados em Cristo na Fé”! Mais o Jovem que está completando dos 50 Anos de Sacerdócio SEM DÚVIDAS está Enraizado em Cristo e Firme na Fé a todo momento! Iara Freitas Sória: FELICIDADES P/O BOM PASTOR QUE GUARDA E CONDUZ SUAS OVELHAS!!! Fernanda Cavalcante: Homem de Deus! Grande exemplo de Jesus na terra! Deus abençoe! Que Maria Santíssima te guarde Dom Ercilio. Maura Campos: Em três palavras se resume Dom Ercílio Turco. (PAI,BONDOSO,HUMILDE). Parabéns pelo seu 50 anos de Sacerdócio. Cida Oliveira: Bacana mesmo e parabéns para Dom Ercílio. Marzio Vincenzo Silvesconi: Querido Dom Ercilio, estive na cerimônia de posse como Bispo da Diocese de Osasco, dia inesquecivel. Ercília Rodrigues: Dom Ercílio Turco, Deus abençoou Osasco com a sua presença, nos assistindo e mostrando o caminho da salvação! Muito obrigada pela dedicação, e pela devoção! Que Deus o abençoe, hoje e sempre! Parabéns pela missão tão linda! João Candal: Deus abençoe sempre e obrigado pelo carinho e respeito por todos nós Prof Candal. Vera Lucia Antonioli: DOM ERCÍLIO TURCO PARABÉNS... Eudes Joaquim Santos Vilaça: Parabéns Bom Pastor e Mestre! Regina Fotografa: Dom Ercílio o sr. é o nosso pastor está sempre no seu pastoreio e acohendo as suas ovelhas e clamando ao envangelho. Teka Rocha: Um sonoro e verdadeiro “Parabéns!” Magda Agostini: Parabéns ao nosso pai e pastor D. Ercílio Turco! Obrigada pelo carinho e seriedade que conduz nossa Diocese de Osasco... Um abraço de filha para pai... Sonia Niro: 50 anos... Mais que um pastor, um pai, um verdadeiro amigo a inspirar e iluminar nossas vidas, orientando e apoiando, dando conforto nos momentos difíceis, compartilhando nossas alegrias, mesmo que nos breves e raros encontros de família, que a agenda apertada nos permite, mas sempre se fazendo presente, mesmo de longe...Sua família, em primeiro lugar agradece a Deus pelo dom recebido e o felicita pelos 50 anos de Sacerdócio comemorados com grande alegria em nossos corações! Margarete Magrineli: PARABÉNS PELOS SEUS 50 ANOS DE SACERDÓCIO, AGRADECEMOS A DEUS PELA SUA VIDA E PELA SUA PARTICIPAÇÃO EM NOSSA COMUNIDADE (QUI­ TAÚNA - OSASCO). Fabio Marcelino: Parabéns dom ercilio turco pelo 50 anos de sacerdocio agradecemos a deus pela sua vida e pela participação em nossa comunidade divino espirito santo sao benedito santo expedito sao jose operario sagrado coração de jesus amem viva dom ercilio turco nosso pastor nosso guia. Déa Montoni: Que Deus te abençoe, dê ao senhor muitos anos de vida e continue dando forças para continuar sua caminhada... Felicidades! Maria Inês Nascimento: Reverendíssimo Dom Ercílio...Parabéns pelos 50 anos de seu Sacerdócio! Que Nossa Senhora esteja sempre a frente em toda sua vida de missão que Deus confiou. O Senhor é o Pastor que nos conduz... Deus te proteja!

Novembro 2013


50 ANOS DE SACERDÓCIO DE DOM ERCÍLIO TURCO

Entrevista com Dom Ercílio Turco no Seminário Central de Ipiranga fiz a Filosofia e a Teologia. Tempo em que desenvolvi muito a personalidade, a experiência de Deus, a capacidade crítica diante da realidade, a formação presbiteral e o espírito missionário. Tive ótimos formadores e professores. Bio: No seminário qual ou quais foram os momentos de maiores dificuldades? E como o senhor conseguiu superá-los?

Bio: Dom Ercílio, como o senhor descobriu sua vocação Sacerdotal?

Dom Ercílio: Não houve um momento preciso no qual descobri o chamado para ser padre. Foi uma constante em minha vida o apelo de Deus desde minha terna infância. Bio: Qual foi a reação de seus pais e familiares?

Dom Ercílio: Sempre tive o apoio firme de minha mãe. Meu pai faleceu quando eu era pequeno. Devida às circunstâncias em que vivíamos era necessário o trabalho de todos para sobreviver por isso um dos irmãos retardou minha entrada no seminário. Os demais sempre aceitaram minha opção, pois todos eram muito religiosos. Bio: Quem colaborou com o Senhor neste processo de descoberta Vocacional?

Dom Ercílio: Além da família, que me ajudou a refletir, uma professora incentivou na escola, uma catequista e um padre diocesano que era meu pároco. Não existia o serviço de orientação vocacional naquela época. Apenas um grupo de senhoras que apoiava e ajudava materialmente. Bio: Fale um pouco de sua caminhada formativa?

Dom Ercílio: Recebi a primeira orientação vocacional, a formação humana e cristã durante dois anos no Seminário da Imaculada, em Campinas, bem como a instrução do segundo grau. Em São Paulo,

Novembro 2013

Dom Ercílio: Num primeiro momento foi a passagem da vida de família para a organização, a disciplina no seminário menor. A presença paternal dos formadores ajudou a solucionar. Outra dificuldade foi parte material, os compromissos com as despesas da manutenção no seminário. A aquisição dos livros também pesavam muito. Deus foi muito bom não houve muitas dificuldades sempre encontrei colaboradores solícitos.

do hospital das Clinicas da UNICAMP. Durante algum tempo fui professor da PUC-CAMP na faculdade de biblioteconomia. Muitos anos fui do Conselho de Presbíteros e Vigário Episcopal de algumas regiões episcopais da Arquidiocese. Finalmente fui para Mogi Mirim para ser pároco onde fiquei por três anos sendo aí nomeado Bispo para a Diocese de Limeira. Bio: O senhor também foi reitor de seminário. Quais os desafios encontrados na formação destes candidatos ao sacerdócio ?

Dom Ercílio: Depois de dezessete anos de atividade pastoral em paróquias o desafio de minha parte foi adequar minha vida ao novo ministério. Na época o social devido as circunstâncias sócio-

Bio: Como foram os seus primeiros anos de vida sacerdotal? E quais os lugares em que o senhor trabalhou?

Dom Ercílio: Nos primeiros anos do sacerdócio fui Vigário Paroquial numa paróquia no centro de Campinas onde fiz a primeira experiência de trabalho pastoral numa realidade urbana, em seguida Vigário Paroquial por alguns meses na periferia da cidade preparando a criação da paróquia naquele lugar sendo o primeiro pároco. Foi uma experiência bonita com as comunidades eclesiais nos bairros numa realidade de muito sofrida. Nos primeiros anos de padre fiz programas de rádio, lecionei religião em colégio da PUC-CAMP e capelão de um hospital no centro da cidade. Mais tarde fui pároco em Valinhos e capelão do hospital daquela cidade por dez anos. Depois disso exerci ministério de reitor do seminário de teologia da Arquidiocese de Campinas quase cinco anos e, ao mesmo tempo, pároco em Barão Geraldo, um distrito dessa cidade e capelão

políticas atraia muito os jovens. O desafio era conseguir o equilíbrio onde formação espiritual, humano-afetivo, pastoral e intelectual de tal modo que existisse um crescimento equilibrado em vista da formação sacerdotal. O diálogo sereno e construtivo entre formadores e seminaristas possibilitou o crescimento de todos.

rito me conduziria desde que me abandonasse em suas mãos e aceitasse ser apenas um servidor com a pouca experiência que tinha. Bio: Nestes 50º de vida sacerdotal o senhor acumulou muitas experiências de vida. De todas elas qual o senhor daria maior destaque?

Dom Ercílio: Em primeiro lugar a certeza de que é Deus que realiza a obra conduzindo-a pelo Espírito. A nós ela dá a graça própria de nosso estado. Deste modo para o êxito do trabalho basta confiar nele e colocar-se disponível como instrumento que ele pode manejar para distribuir suas graças, a salvação. Destaco a experiência com os doentes nos hospitais, ela marcou muito a minha vida ao ver a fragilidade do doente e sua entrega e confiança nas mãos de Deus. Igualmente o contato com o sofrimento das pessoas nos cortiços, nas favelas, nas ocupações. Muitos têm o necessário mas é triste ver que muitos não têm nada e não temos uma solução imediata para isso. Marcou-me os esforços de padres, irmãs, leigos(as) na luta a favor da vida dos irmãos correndo o risco da própria vida, e seu zelo para anunciar o Evangelho de Jesus Cristo suscitando a fé e a

esperança de uma vida mais plena. Outro grande destaque é o zelo do clero que, em situações tão pobres e adversas, cria comunidades, celebra com fé e desenvolve as diversas pastorais. Bio: Deixe uma mensagem para os leitores do Bio.

Dom Ercílio: Desejo que todos os irmãos vivam firmes na fé, procurem unir a fé com a vida de cada dia formando uma consciência sadia e uma pratica de acordo com sua adesão a Jesus e à sua Palavra, amem a Igreja e seus ministros e atentos aos dons do Espírito Santo exerçam um serviço para o bem comum da comunidade e sejam dentro da sociedade sal, fermento e luz testemunhando que Jesus está vivo e deseja que todos superem as situações de morte e tenham a vida em abundância. “Sou agradecido para com aquele que me deu força Cristo Jesus nosso Senhor, que me julgou fiel, tomando-me para seu serviço” (1Tm 1,12). Convido todos para trabalhar pelas vocações sacerdotais e pela manutenção do seminário, pois é dever de todos a formação de novos sacerdotes.

Bio: Qual foi sua reação quan­do a Igreja o chamou para o mi­nistérios episcopal?

Dom Ercílio: A primeira reação foi de espanto. Nunca tinha passado no meu pensamento que seria bispo. Recebida a chamado rezei muito e preparei-me para dizer não, julgando ser uma função para a qual não tinha competência. O Núncio da época com muita bondade me fez dizer sim. Depois da dúvida e sofrimento veio a paz, a certeza de que Deus com seu Espí-

7


NOTÍCIAS

Encontro regional de Coroinhas e Acólitos da Regiao Bonfim

N

o dia 08 de Setembro 2013 na Paróquia Nossa Senhora dos Remédios, ocorreu a formação de Coroinhas/Acólitos da Região Bonfim, acerca do tema: “A exemplo de Maria Amar e servir”. A comissão de Coroinhas/

Acólitos Regional através de seus Coordenadores Paroquiais se empenhou com muita vontade e desejo para acertar, de modo que houvesse uma maior participação, toda essa dedicação deuse com êxito visto que contou com cerca de 600 pessoas (entre Coroinhas/Acólitos). Muitas Paróquias fretaram ônibus para trazer os participantes e diversos Padres passaram pelo local. As lideranças empenharam-se para que houvesse uma participação expressiva. As comunidades também registraram sua presença em massa. Outro aspecto fundamental foi a presença dos coordenadores das comunidades, que

estavam auxiliando sua equipe. Para coroar todo esse momento encerrou-se com a Santa Missa, presidida pelo Assessor Regional Padre Nivaldo (Paróquia Sr. do Bonfim) e demais concelebrantes. Enfim todas as Paróquias sem exceção dedicaram-se para o bom desenvolvimento, em uma só alma, em um só espírito. O desafio foi lançado e o objetivo foi alcançado, com a graça de Deus intercessão de Maria Mãe da Igreja. Em suma foi um momento único, com apoio dos Padres e das lideranças. Fonte: Comissão de Acolito e Coroinhas da Região Bonfim

Consagrada Igreja Matriz e o altar da Paróquia Santa Cruz

A

Paróquia Santa Cruz, Barueri, celebrou no dia 14 de setembro a Festa da Exaltação da Santa Cruz. Neste evento festivo foi realizada a consagração da igreja e do altar, contando com a participação numerosa dos fiéis que acompanharam este

momento histórico com alegria, fé e devoção. A Santa Missa foi presidida por D. Ercílio, bispo diocesano e concelebrada pelo pároco Pe. Edilson e pelo Pe. Adilson e contou também com a participação do diácono permanente Galdino, da diocese de Jundiaí. A Paróquia Santa Cruz foi erigida em novembro de 1999. Seu primeiro pároco foi Pe. Adinael Carlos Miguel, que atuou na mesma por aproximadamente 5 anos, o qual contribuiu significativamente com o crescimento da paróquia. Em setembro de 2004, o Pe. Antônio Alves Afon-

so foi nomeado administrador paroquial; mesmo sendo breve o período da sua permanência, colaborou eficazmente com o processo de desenvolvimento da paróquia. Em janeiro de 2005, o recém ordenado Pe. Edilson Pinto dos Santos foi nomeado vigário paroquial, e em abril do mesmo ano, administrador paroquial. Em setembro de 2006, foi nomeado para a função de pároco. Deus seja louvado pelos desafios e conquistas da Paróquia Santa Cruz e pela fidelidade e generosidade dos fiéis. Fonte: Willian R. - PASCOM

Pergunte ao Padre Me casei na igreja quando tinha 17 anos, e me divorciei 4 anos depois, já estou divorciada a uns 7 anos e participo da igreja me confesso e comungo, não namoro, mas o rapaz que eu já fui casada hoje ele já está casado novamente, já tem 2 filhos é evangélico inclusive fez a cerimônia de casamento na igreja onde ele congrega. Hoje tenho 30 anos já sou madura, tem uma visão de que é ser mãe ( tenho 1 filha de 11 anos desse casamento) e já me sinto preparada para ter uma família, me casar, ter filhos e viver uma familia abençoada na casa de Deus, ai fica a minha pergunta eu sei que casamento é indissolúvel, mas também já ouvi falar que existe uma lei canônica que chama sanação de raiz matrimonial, e gostaria de saber, se o rapaz que eu fui casada hoje já se casou e tem família e até outra religião eu tenho que ser ligada a ele até o resto da vida? Tenho muita vontade de ter uma família, mas não consigo viver sem comungar, por favor me ajudem tem algo que possa fazer? Pelo fato dele já estar casado e em outra religião eu posso pedir ao meu pároco? Responde: Pe. Cido Pereira Vigário Episcopal para a Pastoral da Comunicação em São Paulo, Diretor do jornal “O São Paulo” e apresentador do programa Bom dia Povo de Deus na rádio católica 9 de Julho. Minha irmã, vamos ver se eu entendi a situação. Você casou-se na Igreja aos 17 anos, divorciou-se 4 anos depois e está divorciada há 7 anos. Seu primeiro marido casou-se numa igreja evangélica e já tem dois filhos. Hoje você, com 30 anos e uma filha de 11, quer se casar novamente, ter filhos, construir uma família cristã. É isso não é? Pois então minha irmã, preste bem atenção. O que você tem a fazer é procurar o tribunal eclesiástico, entrar com um processo chamado de “Verificação de nulidade” e, se há motivos sérios para anular a primeira união se, declarada a nulidade da mesma, você está livre para se casar novamente. Eu entendo que há razões fortíssimas que anulam a sua primeira união, uma delas a falta de maturidade dos dois. O fato de seu primeiro marido ter-se casado numa Igreja Evangélica não liberta você do compromisso feito na primeira união. O que vai ser determinante é a falta de maturidade dos dois, os desentendimentos e tudo mais que levou vocês a se separarem. Peça, sim, minha irmã, ao seu pároco que a oriente na abertura do processo de verificação da nulidade de seu casamento. E uma vez anulado, case-se com alguém que você ame de verdade e construa o lar cristão que você tem no coração. Faça sua pergunta ao padre: biodiocese@yahoo.com.br

6ª Temporada do Festival Catequético

N

o dia 14 de Setembro 2013, na Igreja São Patrício, ocorreu o Festival Catequético re-

8

presentado pelas Igrejas Nossa Senhora das Graças, São Patrício e a Nossa Senhora Aparecida; foi momento de Integração, Doação, Partilha onde todos sentiram e irradiaram Alegria e o Amor em Cristo Jesus. Além do incentivo e valorização, a juventude com muita alegria e criatividade animou nosso festival Catequético. Mostrou-se impulsionados por uma forte consciência na missão

e um compromisso evangelizador. A apresentação do Festival Catequético teve como tema a: “Fraternidade e Juventude” com o Lema: “Eis-me aqui, envia-me” (Isaías 6,8) - (CF-2013). Nossos Catecúmenos por meio de danças foram os protagonistas do Festival, sensibilizando a todos com o Tema da Campanha da Fraternidade, convidando-os a serem agentes transformadores

da civilização do amor e do bem comum. Como é tradicional ao final do evento é pronunciada a Equipe (Igreja) que melhor desempenhou-se na coreografia, entre outros requisitos usados pela comissão designada em votar e escolher; todas as equipes foram de excelente desempenho e apresentação, mas entre as três Igrejas que ali foram representadas, este ano (2013) a Igreja

Nossa Senhora das Graças foi a Vencedora deste Festival Catequético. Ao final do evento nosso Pároco Padre Rogério Lemos, agradeceu às pessoas envolvidas na realização do evento elogiando a garra e a organização das Equipes de Catequese e às pessoas que lá estiveram para se divertir e apoiar mais este evento tão importante para nossa Igreja

Novembro 2013


NOTÍCIAS

Encontro de Lideres missionários Infantis

N

os dias 07 e 08 de setembro, na Obra dos Cenáculos Missionários (OCM - São Paulo) aconteceu o ELMI - Encontro de Líderes Missionários Infantis -

da Diocese de Osasco e Região Episcopal Brasilândia. Houve a participação de 19 crianças e adolescentes integrantes das duas dioceses, para o estudo de diversos temas, tais como ‘História e Carisma da IAM’, ‘Metodologia da IAM’, ‘Perfil do Coordenador Missionário’. Também tivemos a visita da Ir. Elisabeth, Xaveriana e que vive em missão no Chade. Foi um momento de grande aprendizado, onde os participantes puderam ver e entender como é a realida-

de das crianças e adolescentes daquele país. No domingo houve momento de ‘Espiritualidade Missionária’ conduzida por Rosineide Paiva, onde cada um pode vivenciar seu encontro pessoal com Jesus. Por fim, tivemos celebração da Palavra conduzida por Ir. Lurdes, Xaveriana e envio missionário das crianças e adolescentes. Fonte: Silvia Nunes e Rafael Oliveira Diocese de Osasco / Aline Siqueira e Roni Martins Região Episcopal Brasilândia

Retiro da Juventude da RCC da Região Carapicuíba

F

oi realizado no dia 22 de setembro no Teatro FUCA, na Vila Cretti, em Carapicuíba um retiro para todos os membros da RCC (Renovação Carismática Católica), Turmas de Crisma, Grupos de Jovens, de Oração e louvor

com o objetivo de aproximar mais o jovem da Igreja aproveitando o legado deixado pela Jornada Mundial da Juventude Rio 2013. Com diversas palestras e pregações sobre o tema: “ Todo aquele que está com Cristo é uma nova criatura, passou o que era velho; eis que tudo se fez novo!” (2 Cor 5, 17). Houve muitos momentos de emoção ao longo do dia. O encerramento do Retiro se deu com a Santa Missa presidida pelo Pe. Raimundo Otto, da Par. N. Sra. de Fátima no Jardim Piratininga em Osasco, que deixou a seguinte mensagem aos presentes: “Carre-

guem o Nome e a vida de Jesus a todos os lugares, não tenhais medo nem vergonha, sejais discípulos e Missionários de Cristo”. O evento contou com a presença de equipes de música de várias Paróquias e comunidades da Região Carapicuíba. “Foi a melhor experiência com Deus da minha vida” contou uma senhora que participava pela primeira vez. Já um jovem casal disse: “Cristo deu a vida por nós, e nós temos que levar o exemplo de vida dele a todos os lugares”. Fonte: Jefferson Rodrigues Pascom Par. N. Sra. Aparecida

Acordo Brasil / Santa Sé

Decreto n° 7.107, de 11 de fevereiro de 2010 Veja explicações detalhadas – Final – Artigo 17 (Os Bispos, no exercício de seu ministério pastoral, poderão convidar sacerdotes, membros de institutos religiosos e leigos, que não tenham nacionalidade brasileira, para servir no território de suas dioceses e pedir às autoridades brasileiras, em nome deles, a concessão do visto para exercer atividade pastoral no Brasil. § 1º. Em conseqüência do pedido formal do Bispo, de acordo com o ordenamento jurídico brasileiro, poderá ser concedido o visto permanente ou temporário, conforme o caso, pelos motivos acima expostos.) Explicação: Esse artigo fala que os bispos podem pedir a concessão do visto à sacerdotes, religiosos ou leigos que venham trabalhar no Brasil, para atender às dioceses.É a facilitação de vir missionários, dos seminaristas estudarem ou trabalharem no Brasil. Nosso país é muito devedor de tantos missionários abnegados que vieram de outros países e estão aí com tanto trabalho. – Artigo 18 (O presente acordo poderá ser complementado por ajustes concluídos entre as Altas Partes Contratantes. § 1º. Órgãos do Governo brasileiro, no âmbito de suas respectivas competências e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, devidamente autorizada pela Santa Sé, poderão celebrar convênio sobre matérias específicas, para implementação do presente Acordo.) Explicação: Explica que o acordo pode ser completado por ajustes entre as partes ou, também, poderá ter outros convênios com matéria específica, entre a CNBB, aprovado pela Santa Sé, e o Governo. – Artigo 19 (Quaisquer divergências na aplicação ou interpretação do presente acordo serão resolvidas por negociações diplomáticas diretas.) Explicação: Se surgirem divergências, elas serão resolvidas por negociações diplomáticas diretas, pelos meios diplomáticos normais, ou seja, entre os embaixadores. Como fazem outros países quando há divergências. – Artigo 20 (O presente acordo entrará em vigor na data da troca dos instrumentos de ratificação, ressalvadas as situações jurídicas existentes e constituídas ao abrigo do Decreto nº 119-A, de 7 de janeiro de 1890 e do Acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé sobre Assistência Religiosa às Forças Armadas, de 23 de outubro de 1989. Feito na Cidade do Vaticano, aos 13 dias do mês de novembro do ano de 2008, em dois originais, nos idiomas português e italiano, sendo ambos os textos igualmente autênticos.) Explicação: O artigo se refere à entrada em vigor do Acordo.

Unidade cristã marca 1ª caminhada pela vida

Q

uem passou pelas ruas de Osasco na manhã do dia 05 de outubro, se deparou com uma manifestação diferente. Eram católicos, jovens, crianças, idosos, evangélicos, diversas religiões;

Novembro 2013

todos juntos lutando por um direito que cada um deles, individualmente, já conquistou – o direito de nascer. Os cartazes, faixas e músicas anunciavam a luta pelos direitos de quem não tem voz para reivindicá-los: o nascituro. Organizada pela Comissão Diocesana de Bioética em Defesa da Vida (CDBVD), a I Caminhada em Defesa da Vida, Contra o Aborto, Regional e Ecumênica foi marcada pela unidade cristã contra a legalização do aborto e reuniu cerca de 200 pessoas. A caminhada teve início às

10h na Estação de trem Comandante Sampaio, em Osasco, com a saudação da coordenadora da CDBVD, Maria Isabel Panaro junto com Dom Bruno, o Pastor evangélico João Tertuliano e também de João Portilio, da União da Sociedade Espírita de Osasco. Em todos os discursos foi destacada a importância do acolhimento e da boa orientação para mulheres que vivem uma gravidez indesejada, a fim de que estas não neguem o direito próprio de gerar a vida e levem a gestação até o fim.

Durante o percurso, gritos de “Vida Sim, Aborto Não” contagiavam quem passava pelas ruas de Osasco, no comércio e pontos de ônibus. Os participantes cantavam, rezavam e erguiam cartazes com dizeres a favor da vida. No meio da caminhada foi feito um minuto de silêncio em homenagem aos milhares de nascituros mortos no ventre das mães. O encerramento se deu no Calçadão de Osasco com um Ato Ecumênico e Político. Padre José Eduardo e Padre Raimundo representaram Dom Ercílio Turco. O

evento contou com a presença de Semi Anis Smaira, integrante da Comissão Estadual do Movimento Nacional Brasil Sem Aborto. Ele lembrou a importância da população manifestar sua opinião frente às decisões do Estado. “Cerca de 90% da população brasileira é contra o aborto, mas os governantes estão legislando sem o consentimento da nossa opinião. Por isso, precisamos declarar o direito à vida. O nascituro não é vida futura, ele é vida presente, dentro da mãe”, ressaltou Semi. Fonte: Natália Pereira

9


NOTÍCIAS

Assembleia trata tema da Iniciação à Vida Cristã

N

o dia 5 de outubro, dando continuidade ao 7º Plano Diocesano de Pastoral se reuniram leigos, seminaristas, religiosos (as), sacerdotes e Dom Ercílio para a Assembleia Diocesana. O encontro aconteceu na Casa de Encontros de Ibaté em São Roque, para definir as prioridades a serem seguidas no projeto: Ser Uma Igreja Diocesana - Casa de Iniciação à Vida Cristã. “Neste momento, entendemos a partir das luzes do Espírito Santo, que temos que dar razão

de nossa fé, como nos exorta o Apóstolo São Paulo. Para isto é necessário um trabalho com dupla ênfase: primeiramente continuar junto com a Catequese um serviço de transmissão da fé para aqueles que se preparam para receber os sacramentos, por outro lado, é necessária uma catequese mistagógica com aqueles que já receberam os sacramentos, porém, ainda não tem este vínculo de pertença a Igreja no sentido de participação e compreensão da fé.” (Convocatória para a assembleia). Depois de ser apresentado o tema primeiramente pelo Pe. Vagner e posteriormente pelo Pe. Jorge os participantes se reuniram por Regiões Pastorais para a escolha das prioridades do projeto, dividido em três dimensões: criação de um processo diocesano de Iniciação à Vida Cristã, formatação de subsídio na linha da ca-

tequese mistágógica (Comissões Bíblico Catequética e Litúrgica), formação diocesana para agentes de catequese de iniciação à vida cristã e para catequistas do RICA (Ritual da Iniciação Cristã dos Adultos), em vista da preparação para os sacramentos de iniciação. No caso de iniciação à vida cristã, os catequistas devem estar preparados para um processo formativo que articule fé e vida nos cinco aspectos: encontro com Cristo, conversão, discipulado, comunhão e missão. Nestas formações se visa o amadurecimento da fé em vista da vivência cristã. Dirigimos os agradecimentos à Comissão Bíblico Catequética e Litúrgica, ao Secretariado Diocesano, assim como aos Propedêutas e aos voluntários da Paróquia São Vito, pela realização e organização desta assembleia. Fonte: Irmã Leticia/ Pascom

Caminhada Bíblica

A

Paróquia Rainha Santa ­Isabel, realizou no dia 28 de Setembro a 8ª edição da Caminhada Bíblica Paroquial, que contou com a participação

de 83 pessoas, também estavam colaborando com a animação da Caminhada o Diácono Gaudêncio, Irmã Marluce e o Seminarista Leandro. A Caminhada Bíblica contou com a participação de Adultos, jovens do Crisma e crianças da catequese as quais estavam unidos na organização, o percurso da caminhada 2013 inciou na praça do Bairro do Jardim Paulista, percorrendo a marginal direita, seguindo para a matriz com cantos e a oração do terço,

chegando no salão da comunidade Matriz aconteceram algumas apresentações e a reflexão da Palavra de Deus, a organização da Caminhada foi realizada pela Coordenadora de Pastoral (Maria Aparecida) e a Coordenadora do Grupo de Rua (Luiza Bete ). O objetivo da Caminhada foi promover e celebrar o encerramento do mês da Bíblia ao qual a paróquia também refletiu com formação nas comunidades o tema “ Alegrai-vos comigo, pois encontrei o que estava perdido”.

Datas comemorativas NOVEMBRO Natalícia 01/11 04/11 09/11 09/11 10/11 11/11 16/11 16/11 16/11 19/11 22/11 23/11 24/11 26/11 29/11 30/11

Carlos Bozza - CJS Pe. João Carlos dos Santos - CSF Pe. Dr. Gilvan Leite de Araújo Pe. Sebastião Correia Pe. Hélio Pedro de Souza Pe. Marcos de Oliveira Galdino Pe. Antônio Machado Ferreira Ir.Maria Cleonice Pereira - ISFB Pe. Nilso Aparecido Motta Pe. Leonildo P. dos Santos Pe. Pedro Bortolini, fdp Dom Bruno Giuliane - CRL Pe. Geraldo Augusto de Oliveira Ir. Rosa Bágio - ICJ Pe. Antônio Carlos Ribeiro Pe. André Heyligers

08/11 11/11 15/11 15/11 15/11 15/11 15/11 15/11 15/11 15/11 15/11 16/11 16/11 17/11 18/11 20/11 22/11 22/11 22/11 22/11 23/11

Ordenação Sacerdotal Pe. Raimundo Aristide da Silva, crl Pe. Alberto Ferreira - CRL Pe. Marcelo Pereira da Silva Pe. Marcos Antonio Funchal Pe. Adilson Dias Rampaso Pe. Nilso Aparecido Motta Pe. Osmar Alves Souza Pe. Rogério Lemos Pe. Sebastião Correia Pe. Flavio Soares Lopes Pe. Sérgio Luis Medeiros Pe. Antônio Carlos Ribeiro Pe. Fabio Augusto Trigo Pe. Odair José Rodrigues Pe. Paulo Ferreira Pimentel Pe. Arnaldo Balbino dos Santos Pe. Adinael Carlos Miguel Pe. Antônio Machado Ferreira Pe. Benedito Aparecido Cesário Pe. Marcos de Oliveira Galdino Pe. Luiz Gonzaga de Santana

27 36 12 12 10 10 10 10 10 12 10 11 11 13 29 14 15 15 15 15 29

24/11 28/11 30/11

Profissão religiosa Dom Bruno Giuliane - CRL Pe. Liberalino Vieira Neto , CRL Ir. Deolino Francisco Guzi -MI

62 03 16

62 47 46 47 39 44 51 37 40 56 83 73 76 38 63

Paróquia Nossa Senhora da Escada recebe lideres regionais da Pastoral da Criança

O

encontro regional de líderes da pastoral da criança, da região Barueri, aconteceu na manhã do ultimo sábado, dia 28 de setembro, na paróquia Nossa Senhora da Escada, com o tema: “Servir com alegria.”. Teve início com uma animação espiritual conduzida pelo padre

10

Mauro Ferreira, coordenador diocesano das pastorais sociais, refletindo o amor que o cristão deve ter para com Deus e os irmãos. Logo após foram enviados, como em Isaías 6, 8: “Eis-me aqui. Envia-me!”. Também, no encontro, aconteceram palestras sobre obesidade

infantil, por Andréia Moreira, e sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), por Silvio Macedo. Este encontro acontece uma por ano e tem por objetivo unir os agentes e fortalecer a caminhada da fé no serviço às crianças e famílias.

Este ano pode contar com a presença de todos os coordenadores paroquiais da região, assim como a presença da coordenadora diocesana Rezilda, que somados, eram em mais de 120 pessoas. Fonte: Hamilton e Rodolfo Pascom – Paróquia Nossa Senhora da Escada

Novembro 2013


NOTÍCIAS

Câmara de Barueri debate direito e aborto no Dia do Nascituro

Foto: Ivan Nunes/CMB

A

Câmara Municipal de Barueri promoveu na noite de quarta-feira, 9, a palestra “Dia do Nascituro – Direito de Nascer”, em atenção à Lei 2.166/12, de autoria do vereador Miguel de Lima (PDT), que insere o evento no calendário municipal de Barueri. A data, celebrada no dia 8 de outubro, foi criada para lembrar e discutir o direito dos indivíduos que ainda não nasceram, ou seja, embriões ainda em f ase de gestação.Miguel de Lima, que

conduziu o evento, lembrou sua luta para a criação da lei municipal e reiterou sua posição sobre o controverso tema do aborto. “Na justificativa do meu projeto, eu defendi que o nascituro já tinha direitos previstos em leis brasileiras, como o direito de nascer, de ser adotado, de receber herança e o que eu considero mais importante, que é o direito de nascer”, disse o vereador. “Como cristão, temos o dever de defender a vida, ainda que essa luta seja árdua e onerosa. Neste mundo globalizado e altamente capitalizado, é comum vermos pessoas que colocam o dinheiro e o poder financeiro acima de tudo, às vezes até acima de Deus. Mas cabe a nós combatermos esse pensamento e defendermos o direito à vida, principalmente dos mais indefesos e aqueles que

ainda estão no ventre da mãe”, completou Miguel de Lima. Direito: Maicel Titto, vicepresidente da OAB/Barueri, falou sobre o Direito Civil do nascimento e elogiou a lei que institui o Dia do Nascituro no município. “Fico muito honrado em viver em um município que tem uma lei que convida seus cidadãos a conhecer e discutir os direitos do nascituro. Somente conhecendo o direito à vida é que se adquire o direito à dignidade”, comentou. Titto lembrou a decisão final do STF, que considerou dois tipos de fecundação: a natural e a in vitro (realizada em laboratório). “A fecundação in vitro não tem a proteção de um ser humano enquanto não for implantada na mulher. Já a natural tem a proteção de vida desde o momento da concepção”, explicou o advogado.

Seminário Diocesano São José promove 6ª Jornada Vocacional

E

ntre os dias 30/06 e 15/08 de 2013, o Seminário Diocesano São José vivenciou, com muito entusiasmo, a 6ª edição da Jornada Vocacional, que esse ano visitou 22 paróquias de nossa diocese. Essa iniciativa tem como objetivo rezar pelas vocações, apresentar a vocação do padre diocesano e a realidade do nosso seminário.

N

Muitas intenções do povo de Deus foram depositadas na urna que acompanhou a imagem de São José e a relíquia de São João Maria Vianney, essas intenções estão na capela do nosso seminário e a cada dia reza-se por elas. Desde a primeira edição da jornada, as paróquias quiseram contribuir financeiramente para a formação dos futuros padres

de nossa diocese, doando generosamente a coleta feita na missa da jornada. Essa bonita iniciativa cresceu e queremos agradecer a todos que neste ano colaboraram conosco, conforme a tabela ao lado “Resultados das Coletas da 6ª edição da Jornada Vocacional. A todos o nosso muito obrigado! Deus os recompense!

Medicina: Em sua palestra, o médico Edson Benedito de Campos Leite, da Comissão em Defesa da Vida,falou sobre a fertilidade e os estágios da gravidez, desde a fecundação até o nascimento.O médico trouxe ainda um alerta sobre os riscos que um aborto traz à mulher. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registra cerca de um milhão de abortos por ano, matando cerca de 250 mulheres no mesmo período.“A maioria dos abortos praticados no país são de mulheres entre 20 e 29 anos, que vivem em relacionamento estável e que já têm pelo menos um filho”, explicou. “E a maioria das pacientes que abortaram acabou apresentando depressão, ansiedade, culpa, distúrbios alimentares, tendências suicidas, alcoolismo, drogas e comportamentos auto-

punitivos”, elencou Edson Leite. Rede pública: Falando em nome da administração municipal, o secretário de Saúde de Barueri, Antonio Carlos Marques, destacou que a mulher tem direito sobre o corpo dela, mas ponderou que é possível individualizá-lo do direito do nascituro.“Sabemos da legalidade do aborto em casos ímpares, como os de estupro e aqueles em que há risco iminente para a vida da mãe. E estamos preparados para atender a esses casos. Nós, do poder público, prezamos pelo direito e cuidamos da saúde”, explicou.Dr. Antonio falou na ocasião sobre o programa voltado ao planejamento familiar, desenvolvido pela Secretaria de Saúde e que contempla a prevenção à gravidez indesejada. Fonte: Assessoria de Imprensa / CMB

Resultado das Coletas da 6ª Jornada Vocacional DATA PARÓQUIA 30/06 Santa Gema Galgani 05/07 Imaculada Conceição (Dracena) 06/07 Imaculada Conceição (Caucaia) 07/07 São Pedro e São Paulo 07/07 Santa Edwiges 09/07 São Roque 12/07 Sto. Antônio e N. Sra. Do Carmo 14/07 São Gabriel da Virgem Dolorosa 01/08 N. Sra. Aparecida 03/08 Nossa Senhora da Escada 04/08 Nossa Senhora de Nazaré 05/08 Santuário Chama de Amor 04/08 Santa Isabel 07/08 São Luis Gonzaga 08/08 Nossa Senhora do Monte Serrate 09/08 Santa Cruz 10/08 Nossa Senhora das Graças 11/08 Nossa Senhora de Fátima 13/08 São Roque 15/08 São Vito

Total

COLETA R$ 619,60 R$ 537,00 R$ 317,60 R$ 382,11 R$ 221,60 R$ 1.942,55 R$ 911,40 R$ 609,75 R$ 131,00 R$ 170,40 R$ 1.309,85 R$ 822,40 R$ 750,15 R$ 425,00 R$ 504,00 R$ 235,70 R$ 1.221,70 R$ 654,00 R$ 921,70 R$ 984,80 R$ 13.672,31

8ª Encontro Sub-Regional SP2 do “COMIRE”, Conselho Missionário Regional

o dia 15 de Setembro de 2013, aconteceu na nossa diocese, o 8ª encontro subregional SP2 do “COMIRE”, Conselho missionário Regional, que teve inicio as 8 horas e término as 15 horas com a Santa missa. Estiveram presentes o sub-regional SP2 e Sul 1 composto pelas dioceses de Santos,

Novembro 2013

Campo Limpo, Santo André, Santo Amaro, Mogi das Cruzes, Guarulhos, São Miguel Paulista e a nossa diocese de Osasco.O tema desenvolvido foi “Espiritualidade Missionária. Assessorado pelo Padre José Rocha. Dom Ercílio passou para dar as boas vindas e acolhendo a todos disse: “ que bom que vocês estão

atentos ao chamado do povo que sofre e assim atendendo o chamado de Deus. Parabéns a vocês missionários (as) de Osasco e aos que vieram de fora. Hoje que a igreja trabalha a iniciação cristã e as paróquias estão se tornando cada vez mais missionárias, eu vos saúdo com muita alegria.”

11


NOTÍCIAS

Cenáculo diocesano 2013 traz avivamento espiritual

FATOS EM FOTOS

21/9 - Inauguração do salão comunitário Comunidade Santa Teresinha do Menino Jesus da Comunidade da Porta do Sol

O

28/09 - A pastoral da saúde da região Barueri, se reuniu na paróquia Nossa Senhora da Escada para uma formação conduzida pela enfermeira Fátima

30/09 – Encontro das atendentes Paróquias – Cajula – Pirapora

01/10 - A Paróquia Santa Teresinha e São Roque, de Ibiuna celebrou a festividade de sua Padroeira

Cenáculo diocesano de 2013 proporcionou momentos intensos de avivamento espiri­ tual, renovação interior e direcionamento aos grupos de oração de toda a diocese de Osasco. A ministração do encontro ficou por conta de Ailton Oliveira e dos membros do Ministério de Música e Artes que se revezaram na animação do dia. O evento deste

ano teve início às 8h com a Santa Missa que foi presidida por Padre Evaldo de Cotia. Em sua homilia, padre Evaldo enfatizou a importância da fidelidade ao Evangelho e da proximidade com a Palavra de Deus.O segundo momento foi preenchido pela pregação de José Augusto Aguiar Junior (Juninho), coordenador regional de Carapicuíba. Já no momento seguinte, houve a pregação do casal Cristiano (Cris) e Neia, do Ministério das Famílias. O quarto momento foi a pregação de Lucilene VillaReal, coordenadora regional do Ministério de Comunicação da Região Santo Antonio. Lucilene lembrou ainda da profecia do Conselho Internacional da RCC

em 2007, quando houve o direcionamento de que “não se pode fugir da ‘Cruz de Cristo’, pois é dela que vem a vitória” . Por fim, Carlos Natal, coordenador diocesano, fez o encerramento do Cenáculo, afirmando que todos foram abastecidos pela palavra, pela eucaristia e pelo Espírito Santo e que o espaço “Nossa Casa, Nossa Bênção” (sede diocesana da RCC Osasco, no município de Barueri) conta com o apoio de todos os carismáticos para dar continuidade na fase de acabamento, semelhante ao que foi proporcionado a todos no Cenáculo Diocesano: crescimento espiritual e direcionamento. Fonte: Rogério Roque

Missa de Encerramento do “Ano da Fé” na Paróquia São Roque

E

m 11 de outubro de 2012, com o intuito de dar um novo impulso à missão da Igreja, o Papa Bento XVI proclamou o “Ano da Fé” , que se encerrará no próximo dia 24 de novembro,

na Solenidade de Cristo Rei. Conforme divulgado anteriormente, o nosso Bispo Dom Ercílio determinou quatro Igrejas da Diocese de Osasco para serem locais de peregrinação e aquisição das Indulgências Plenárias durante este “Ano da Fé”. Para grande alegria da Comunidade Paroquial São-roquense, a Igreja Matriz São Roque foi uma delas! A partir de então, a Paróquia São Roque, sob o zelo pastoral do Pároco Pe. Daniel Balzan, dedicou a Santa Missa das 19h do 4º

domingo de cada mês à aquisição das Indulgências Plenárias. Foi grande a participação dos nossos paroquianos! Agora temos a alegria e o prazer de convidar todos os irmãos em Cristo para participarem conosco da Solene Missa de Encerramento do “Ano da Fé” na Paróquia São Roque, município de São Roque, que será celebrada no dia 17 de novembro, domingo, às 19h, na Igreja Matriz São Roque. Fonte: Thaíza Thiemi Kono

50 anos de Legião de Maria 06/10 – Retiro do Apostolado da Oração da região cotia na Paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição em Caucaia do Alto

13/10 – A Paróquia São Pedro e São Paulo de Vila Leopoldina, em Carapicuíba, realizou a segunda edição do Encontro Paroquial Querigmático para jovens

12

N

o dia 15 de Setembro 2013 na Catedral Santo Antonio, foi Celebrada com os Legionários e com todos ali presentes os 50 anos da Legião de Maria em

Osasco; um momento Sublime e Maravilhoso para todos que ali estiveram presentes, unidos de coração e Espírito nesse momento histórico para a nossa cidade, nossa diocese e para cada Legionário que pode estar presente. Também foram lembrados que já se encontram na Glória celeste e tiveram uma grandiosa participação para que se chegasse a esta grande Celebração. O Irlandês Frank Duff fundou a Legião de Maria no dia 07 de

setembro de 1921, assim, foi também a celebração dos 92 anos deste exército em ordem de batalha, que respaldado na Fé em Jesus Cristo, por meio da Santíssima Virgem, glorifica a Deus e o serve por meio da oração e da ação, em prol do cumprimento do Testamento do Senhor: “Ide por todo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura (Mc 16, 15)”. São 92 anos no mundo, 62 anos no Brasil e 50 anos em Osasco. Fonte: Willian R. - PASCOM

Novembro 2013


209 bio nov 13