Page 1

•POLOS POLOS AUT AUTO AUTOMOTIVOS: OMOTIVOS: O MAPA DA PRODUÇÃO

•LANÇAMENTO: LANÇAMENTO LANÇAMENT O: CHEGAM CHEG CHE GAM KA, K , SANDERO E TROLLER KA

•ZF ZF MOSTRA MOSTRA A LEVEZA LEVEZZA NA LEVE MANOBRA DOS PESADOS

Automotive

AGOSTO DE 2014 ANO 6 • NÚMERO 28

A GUERRA DAS AUTOPEÇAS O INOVAR-AUTO INO INOVAR VAR-AAUT UTO O LEVA O SETOR SETO SET OR AUTOMOTIVO AUT AUTO OMOTIVO AO AO MOMENTO MO M OMENT MENTO O DE MAIOR TRANSFORMAÇÃO E PROVOCA UMA DISPUTA ACIRRADA ENTRE CCOMPONENTES OMPONENTES NACIONAIS E IMPORTADOS NAS LINHAS DE PRODUÇÃO


TA N Q U E M E TÁ L I C O : A S O L U Ç Ã O D O F U T U R O .

A maneira de pensar o mundo está sempre em transformação, exigindo soluções diferenciadas. A i d e i a q u e n o s m o v e é c o n s t r u i r, c o m a n o s s a te c n o l o g i a , u m f u t u ro c a d a v e z m e l h o r p a ra o n o s s o país e para o mundo.


NY\WVaJVTIY

:LILILYUqVKPYPQH

AETHRA

SISTEMAS

AUTOMOTIVOS

Tecnologia de Vanguarda


ÍNDICE

78

CAPA | INDÚSTRIA

A GUERRA DAS

8 FERNANDO CALMON ALTA RODA Para disciplinar o tráfego 10 NO PORTAL 12 CARREIRA 16 NEGÓCIOS 36 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO O AVANÇO DO RFID NAS FÁBRICAS Tecnologia localiza peças 40 POLOS AUTOMOTIVOS A GEOGRAFIA DA PRODUÇÃO Novas montadoras e fornecedores

4 • AutomotiveBUSINESS

No momento de maior transformação, N p provocado pelo programa Inovar-Auto, o ssetor se e automotivo muda seu perfil enquanto a assiste a uma disputa acirrada entre a autopeças nacionais e importadas nas lilinhas i de montagem

PROJETO FOTON, em Guaíba (RS), dá prioridade aos parceiros chineses

ARQUIVO FOTON

LUIS PRADO

AUTOPEÇAS


ARQUIVO ZF

O ZF INNOVATION TRUCK é um exemplo de integração de tecnologias existentes que projetam o futuro

46 TECNOLOGIA A LEVEZA DOS PESADOS Manobra por controle remoto

66 LANÇAMENTO RENAULT CAPRICHA NO SANDERO Carro fica melhor até no preço

50 CAMINHÕES ANO DE DIFICULDADES Fabricantes à espera da retomada

70 FÁBRICA INAUGURAÇÃO DA CHERY Primeira montadora chinesa no País

54 MÉXICO DESTAQUE NOS INVESTIMENTOS Produção em alta, mercado reduzido

72 WORKSHOP O PLANEJAMENTO DE 2015 As dicas dos especialistas LPHI

DE UIVO ARQ

58 VEÍCULOS O NOVO FORD KA Pacote completo e bom preço

AUTOPEÇAS

ARQUIVO FORD\TROLLER

62 INDÚSTRIA A ARRANCADA DA TROLLER Fábrica recebeu R$ 215 milhões

82 Aftermarket 84 Fundidos 85 Forjados 86 Estampados 87 Interiores 88 Rolamentos 89 Transmissões/eixos /ei //e eiixo eix xos xo oss 90 Turbos 92 Arrefecimento

94 COBIÇA LAR HI-TECH A ajuda dos eletrônicos

AutomotiveBUSINESS • 5


EDITORIAL

REVISTA

www.automotivebusiness.com.br

Paulo Ricardo Braga Editor paulobraga@automotivebusiness.com.br

BUSCA DE IDENTIDADE

E

m busca de componentes para se recompor, o Autobot da capa desta revista, um transformer que tem o poder de alternar a aparência como robô ou veículo, compartilha com a indústria automobilística brasileira a mesma dúvida: utilizar autopeças nacionais ou importadas? O dilema, no mundo real, está em encontrar um ponto de equilíbrio saudável entre o emprego de componentes nacionais e importados na produção dos veículos e, ao mesmo tempo, atender o ambicioso programa de rastreabilidade, que demonstra a origem das partes para efeito de recolhimento de impostos. De um lado, as autopeças importadas, aparentemente no papel de vilãs, podem significar redução de custo e opção por conteúdo tecnológico avançado, já disponível nas prateleiras; de outro, o uso de autopeças nacionais representa a tábua de salvação para os fornecedores locais, que têm assistido a uma verdadeira invasão de peças fabricadas no exterior. A disputa pelo mercado de autopeças, que mexe com a identidade das empresas do setor, tem peso expressivo e a balança comercial setorial acusa déficit da ordem de US$ 10 bilhões anuais. A aposta na reversão desse quadro desfavorável vem do programa Inovar-Auto, que estimula o produto nacional, por meio da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A matéria de capa desta edição ilustra essa questão e estende-se pela análise setorial de forjados, fundidos, estampados, interiores, rolamentos, transmissões, eixos, turbos e componentes para arrefecimento. Matéria de fôlego, fruto de levantamento conduzido pelo jornalista Gustavo Ruffo, revela o avanço dos polos automotivos, definindo sua vocação e principais sistemistas. Por meio do jornalista Sérgio Oliveira, brasileiro que reside no México, avaliamos a evolução da indústria automobilística daquele país que, embora tenha um mercado interno limitado, vai se equiparando ao Brasil na produção de veículos. Voltamos à carga com a análise do segmento de caminhões, que ainda espera pela recuperação das vendas no mercado interno. Outro destaque vai para o lançamento de veículos nacionais, com a avaliação do Troller T4, Sandero e Ford Ka. Reservamos também espaço para descrever a experiência do editor Pedro Kutney, do Portal Automotive Business, em extensa sessão para conhecer as novas tecnologias da ZF na Alemanha como forma de otimizar o desempenho de veículos pesados. Até a próxima edição.

6 • AutomotiveBUSINESS

Editada por Automotive Business, empresa associada à All Right! Comunicação Ltda. Tiragem de 12.000 exemplares, com distribuição direta a executivos de fabricantes de veículos, autopeças, distribuidores, entidades setoriais, governo, consultorias, empresas de engenharia, transporte e logística e setor acadêmico. Diretores Maria Theresa de Borthole Braga Paula Braga Prado Paulo Ricardo Braga Editor Responsável Paulo Ricardo Braga (Jornalista, MTPS 8858) Editora-Assistente Giovanna Riato Redação Camila Franco, Mário Curcio, Pedro Kutney e Sueli Reis Editor de Notícias do Portal Pedro Kutney Colaboradores desta edição Alexandre Akashi, Gustavo Ruffo, Edileuza Soares, Rodrigo Lara, Sérgio Oliveira de Melo 'HVLJQJUiÀFR Ricardo Alves de Souza RS Oficina de Arte )RWRJUDÀD_&DSD Estúdio Luis Prado Publicidade Carina Costa, Greice Ribeiro, Monalisa Naves Atendimento ao leitor Patrícia Pedroso WebTV Marcos Ambroselli Comunicação e eventos Carolina Piovacari Impressão Margraf Distribuição MTLOG

Administração, redação e publicidade Av. Iraí, 393, conjs. 51 a 53, Moema, 04082-001, São Paulo, SP, tel. 11 5095-8888 contato@automotivebusiness.com.br


Na Stock Car é cada um por si. E Mobil Super por todos.

/cosan.mobil

Mobil Super, o lubrificante de todas as equipes da Stock Car. mobil.cosan.com Encontre também em: BA - Espaço do Óleo Navega (47) 3319-5707; CE - Da Nóbrega (85) 3494-3737; DF - Mega Lub (61) 3361-5023; PI - Edi Serviços Automotivos (86) 3232-7617; PR - Luciano Mendes (41) 3086-0072; RJ - Jotas ZR (Truck Car) (21) 2415-0651; SP - Giacomin & Cia Ltda. (19) 3834-2002. Mobil e Mobil Super são marcas ou marcas registradas da Exxon Mobil Corporation ou uma de suas subsidiárias, utilizadas por Cosan Lubrificantes e Especialidades S.A., ou uma de suas subsidiárias, sob licença. Outras marcas ou nomes de produtos utilizados neste material são de propriedade de seus respectivos donos.


ALTA RODA

USAR SEM CULPA LUIS PRADO

U FERNANDO CALMON é jornalista especializado na indústria automobilística fernando@calmon.jor.br

Leia a coluna Alta Roda também no portal Automotive Business. PATROCINADORAS

8 • AutomotiveBUSINESS

m debate que mais cedo ou mais tarde acontecerá no Brasil é a maneira de utilizar, de forma mais racional, as vias de superfície nas grandes cidades. Ideias surgem no rastro de soluções implantadas em outras áreas metropolitanas no mundo. Pedágio urbano não é novidade, mas sua aplicação pode-se reconhecer como bastante restrita. Apenas Cingapura, Londres, Milão e Estocolmo cobram para que cidadãos motorizados adentrem o centro histórico. Em geral usa-se o sofisma de taxa de congestionamento. Roma impõe restrições de acesso, sem cobrança. Outras, como Cidade do México, proíbem circulação de veículos poluidores, mais antigos. Há exemplos de pagar para uso em algumas vias expressas (Santiago) ou túneis (Nova York). O que parece realmente pouco inteligente é limitar a circulação, sem fins ambientais, por meio de finais de placas, como acontece em São Paulo. Essa ideia, de tão ruim, se limita à capital paulista, mas alguns espertos a “venderam” para Bogotá e Caracas. Existem algumas propostas brasileiras para

disciplinar o tráfego de superfície. Uma vem de Celso Franco, que já dirigiu o antigo Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro. Ele propôs, há mais de cinco anos, um estímulo indireto para que pessoas partilhem seus carros em caronas. O pedágio urbano de R$ 50,00/mês isentaria quem se voluntariasse ao transporte solidário. Mais recentemente, a americana Uber lançou um aplicativo, já em 30 países, para que pessoas oferecessem caronas mediante pagamento. Isso despertou a ira dos taxistas em cidades europeias e também no Rio e São Paulo. Difícil é banir aplicativos desse tipo. Outra proposição vem do consultor ambiental e transporte sustentável Olímpio Álvares, que apresentou o conceito do pedágio urbano inteligente (PUI) para a capital paulista em substituição ao rodízio (bom frisar). A tarifa média seria de R$ 7,00/dia ou 50% do que se cobra em Milão, que tem regulamentação complexa e várias exceções. Sua vantagem: limitar cobrança aos eixos de trânsito congestionados e apenas se a velocidade da via ficasse abaixo de um limite regulado. Aplicativos para celulares que traçam rotas

alternativas ajudariam a aproveitar de modo mais racional as vias. Álvares acredita numa implantação gradativa do PUI que poderia ser proporcional ao valor do IPVA e consumo/ emissões de cada veículo. Seus cálculos apontam arrecadação para construir, anualmente, 7 km de metrô ou 100 km de BRT (corredor de ônibus avançado, não a enganação de faixas do lado direito). O grande problema de qualquer solução que envolva mais um imposto disfarçado, como pedágio urbano, é garantir dinheiro carimbado para o transporte coletivo que realmente funciona: metrô ou monotrilho. Soluções de superfície apresentam sérias limitações pelo crescimento desordenado das cidades brasileiras. Outro ângulo a coluna sempre enfatiza. Fabricação de veículos responde por 5% do PIB brasileiro e 12% dos impostos arrecadados, sem contar a derrama que continua ao longo da sua vida. Portanto, há dinheiro de sobra para mobilidade urbana, não aplicado por má gestão administrativa e política dos recursos. Ninguém deve se sentir culpado por usar um carro para ir ao trabalho.


FERNANDO CALMON

RODA VIVA

MOTOR do BMW 320i demonstra: turbocompressor/injeção direta é a melhor combinação possível para o etanol. Embora não tenha alterado valores de potência (184 cv) e torque (27,6 mkg.f), a diferença com etanol aparece em acelerações de retomada, principalmente, além de pequena melhora no consumo em relação à gasolina. Inexplicável é o sistema desliga-liga o motor ser inibido, quando se usa etanol. PESQUISA da J.D. Power com consumidores nos EUA aponta mau funcionamento de alguns comandos de voz, que avançam nos sistemas avançados de multimídia. Possivelmente por interferências de ruídos normais do veículo e vozes a bordo. Para melhorar essa deficiência, a Ford deslocou do rádio

BMW 320I: turbocompressor/injeção direta é a melhor combinação para o etanol

DIVULGAÇÃO

HONDA prepara uma surpresa aos apreciadores de SUVs compactos, antecipa a coluna. Em meados de 2015 já terá em produção o Vezel (com outro nome) na fábrica atual de Sumaré (SP), sem esperar conclusão da nova unidade de Itirapina (SP), no final do próximo ano. Quando esta ficar pronta, produzirá o CR-V em Sumaré.

para o teto o microfone no novo Ka. GRUPO PSA Peugeot Citroën decidiu importar toda a linha DS da China. Os carros estarão no Salão do Automóvel de São Paulo, começando pelo DS5 com motor turbo de 1,8 l/200 cv. Preços serão realmente competitivos. Grupo francês enquadrou a linha DS como nova submarca, sem ligação à Citroën ou à Peugeot. PARA quem achava que no Brasil sempre se ganha dinheiro fácil vendendo automóveis precisa ver balanços regionais das companhias. Ford perdeu quase US$ 300 milhões neste segundo trimestre, na América do Sul, onde o País representa quase 2/3 do faturamento. GM também está no negativo. Fiat já havia registrado queda de lucro de 80% em 2013 e agora mais 23%.

MINI Cooper S exibe desempenho nem um pouco minúsculo. Nova geração do modelo inglês tem motor turbo 2 litros/192 cv, mas o torque impressiona muito: 30,6 kgf.m a apenas 1.250 rpm. O interior ganhou espaço atrás e o novo quadro de instrumentos ficou bem melhor. Suspensão é firme um pouco além da conta (para o piso brasileiro), mesmo na regulagem suave. APESAR de problemas em alguns mercados, Grupo VW prevê vender pela primeira vez mais de 10 milhões de unidades no mundo este ano. A Toyota também projeta romper essa barreira. Briga pela liderança mundial está acirrada, mas projeções de analistas apontam tendência de os alemães chegarem ao topo em 2014, quatro anos antes da meta anunciada. SINDICATO de servido-

res federais da área de ciência e tecnologia do setor aeroespacial apoiou a publicação de um livro sobre a história de desenvolvimento do motor a álcool no Brasil. De autoria de Fernanda Andrade, reporta com pormenores e documentos o esforço desde 1975 do professor Urbano Stumpf e sua equipe do então Centro Técnico Aeroespacial, de São José dos Campos (SP). GOVERNO FEDERAL adiou por dois anos os rastreadores em veículos à venda no Brasil não apenas por dificuldades técnicas. Há duas ações na Justiça questionando quanto ao direito de privacidade. Por outro lado, cerca de 200 empresas oferecem o serviço. Quem se interessar estará servido. Não tem sentido impor esse acessório.

AutomotiveBUSINESS • 9


PORTAL

| AUTOMOTIVE BUSINESS

AS NOVIDADES QUE VOCÊ ENCONTRA EM WWW.AUTOMOTIVEBUSINESS.COM.BR EXPORTAÇÕES COMPENSAM QUEDA NA VOLVO BUS

A divisão de ônibus da Volvo no Brasil enfrenta a baixa do mercado com um reforço nas exportações. A companhia estima a venda de 800 unidades em outros países em 2014, a maior parte para a Colômbia. Com isso a montadora deve manter este ano o nível de produção registrado em 2013 na planta de Curitiba (PR), próximo de 3,2 mil unidades, apesar de ter reduzido a atividade na fábrica para apenas um turno de trabalho desde agosto do ano passado.

SCANIA DESENVOLVE CAMINHÃO PARA AEROPORTOS

Diante da retração nos licenciamentos de pesados no País, motivada pelo enfraquecimento da economia, a Scania aproveita a expertise com produtos customizados para fechar novos negócios. A empresa entregou o primeiro lote de 33 caminhões de combate a incêndio aeroportuário, desenvolvidos em parceria com a Lavrita Engenharia, para a Secretaria de Aviação Civil.

MOTOS GRANDES E SCOOTERS GANHAM ESPAÇO

Em movimento contrário ao do mercado de motos como um todo, a venda de scooters e de modelos de alta cilindrada cresceu no primeiro semestre de 2014. De janeiro a junho foram repassados das fábricas aos concessionários 20,4 mil scooters, alta de 31,8% sobre igual período de 2013. No caso das motocicletas acima de 450 cc, as 25,5 mil unidades repassadas na primeira metade do ano resultaram em crescimento de 11,5%.

WEB TV www.automotivebusiness.com.br/abtv MULHERES AUTOMOTIVAS

ENTREVISTA

90 SEGUNDOS

RENATA PERUCCI, gerente-executiva de caminhões da Scania Latin America, revela os desafios de trabalhar no segmento de veículos pesados

VALTER PIERACCIANI E ALFONSO ABRAMI, da Pieracciani Consultoria, avaliam os desafios e vitórias do Inovar-Auto

Descubra em um minuto e meio os fatores que devem ser levados em conta no momento de fazer o planejamento de 2015

EXCLUSIVO QUEM É QUEM A ferramenta exclusiva e gratuita traz os contatos de quem comanda o setor automotivo. automotivebusiness.com.br/ quemquem.aspx

ESTATÍSTICAS Acompanhe a evolução das estatísticas das principais organizações do setor. automotivebusiness.com.br/ estatisticas.aspx

REDES SOCIAIS

MOBILE WEBSITE

TWITTER Siga o Portal AB na rede social e acompanhe os links e novidades postados pela nossa equipe. @automotiveb

Formato leve e adequado para quem acompanha as notícias pelo smartphone ou tablet. m.automotivebusiness.com.br

PINTEREST Acompanhe os painéis com as principais novidades do Portal, Revista e AB webTV. pinterest.com/automotiveb

10 • AutomotiveBUSINESS


LUMIA

3 Alta tecnologia química 3 Ecologiccamente correta 3 Constante inovação de processos 3 Suporte técnico mundial q e Desenvolvimento 3 3 unidaades no Brasil 3 Foco em Pesquisa A constante inovação é uma das forças do Grupo COVENTYA, que fundamenta-se no desenvolvimento de processos de alta tecnologia e ambientalmente corretos. O grande objetivo da equipe mundial de P&D é assegurar soluções e processos que venham a garantir a parceria ideal para um negócio de sucesso.

UNIDADE SUL Caxias do Sul - RS Telefone: (54) 2101.3800 coventya.rs@coventya.com.br

www.coventya.com.br

UNIDADE SUDESTE São Paulo - SP Telefone: (11) 4055.6600 coventya@coventya.com.br

UNIDADE INTERIOR Sumaré - SP Telefone: (19) 3922.8423 coventya.spi@coventya.com.br

Beyond the Surface


CARREIRA

MILTON REGO:

ABAL BUSCA NOVA VISÃO PARA SEGMENTO DE METALURGIA

EXECUTIVO, QUE TROCOU A DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E RELAÇÕES EXTERNAS DA CNH INDUSTRIAL PELA PRESIDÊNCIA EXECUTIVA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO ALUMÍNIO, APONTA OS NOVOS DESAFIOS CAMILA FRANCO

AUTOMOTIVE BUSINESS – Por que decidiu se juntar à Abal? MILTON REGO – O convite foi feito meses atrás. O processo todo foi um pouco longo, o que seria esperado em uma associação que é presidida por um conselho. A Abal tem buscado profissionais de fora de um setor específico, o que acho oportuno, por trazer a possibilidade de incorporar uma nova visão ao segmento de metalurgia. AB – Quais serão seus principais desafios na nova função? MR – Estão relacionados com a competitividade da cadeia. A indústria do alumínio, assim como a automotiva, está pressionada por importações de asiáticos ao mesmo tempo em que perde exportações.

Está muito oneroso produzir no Brasil e isso tem de ser enfrentado, pois o alumínio é um insumo estratégico para os principais segmentos da economia. Seu consumo cresce em ritmo maior do que o do PIB. AB – Como aumentar o uso do alumínio na indústria automobilística? MR – O Brasil está muito atrás na utilização de alumínio. Na Europa e nos Estados Unidos, a média está entre 140 e 170 quilos por veículo, enquanto estamos em um terço desse valor. A tendência de substituição por materiais mais leves e resistentes, como o alumínio, é inevitável nesta indústria, que têm objetivos desafiadores de eficiência energética. Q

EXECUTIVOS AUDI – Contratou Herlander Zola (foto 1), ex-BMW, para a nova diretoria de marketing que ajudará a expandir a marca no País. NISSAN – Murilo Moreno (foto 2), deixa a diretoria de marketing da montadora e é substituído interinamente por Arnaud Charpentier, diretor de desenvolvimento de rede e satisfação do cliente.

PEUGEOT – Companhia tem novo diretor geral para o Brasil. O chileno Miguel Figari (foto 3) está no lugar de Frédéric Drouin, transferido para a Suíça pelo Grupo PSA.

SCANIA – Anuncia diretor-geral de operações comerciais. Mathias Carlbaum (foto 4), que atuava na região Ibérica, assume no lugar de Roberto Leoncini, agora na Mercedes-Benz. VOLKSWAGEN – Osmair Garcia (foto 5) é o novo VP de finanças, em substituição a Carsten Isensee, que foi para China. Ivan Segal (foto 6) assumiu a diretoria de vendas no lugar de Jochen Funk, que retorna à Alemanha. Ronaldo Znidarsis (foto7) ficou com a direção de desenvolvimento de rede e veículos comerciais leves, enquanto Dieter Strass terá novas funções na empresa.


SABE O QUE É FREIO MOTOR M A I S P O T E N T E D A C AT E G O R I A ?

É DA DAF AF XF XF10 105. 10 05. 5 Mai ais s po potê tênc ncia nc ia com om men no orr con onsu nsu sumo mo de c co om mb bus u tí tív vel. ve Fren Fr nag a em com est stab ab a bilid ilid il idad ade em ad m bai aixa x e alta velo oci cida d de da es. s Frre eio ios s a ta tamb m or mb no n os ei e xo x s fr f on onta t l e tr ta tras asei as e ro ei ro que gar aran ante an tte em ex exce cele ce lent le ntte de d se empen mpenho mp enho en o na es e tr trad a a.

•M Mo oto or PA PACC CC CCAR CAR A MX de e 12, 2,9 9 lilitr tros os.. • Fr Frei eio ei o mo m tto or de e 430 CV a 2. 2.10 00 rpm. rp . • Di D sp ponív onível on ível ív e nas con nfig gur uraç a õe aç õess 41 4 0 e 46 60 CV, CV V, 6xx2 e 6x 6x4. 4.

• Exxcllus u iv iva a trrav ava de e seg gur uran ança a Nig ght Lo oc ck. k • Fa Faro roll co ro com lle en ntte ess Lex e xa an, mai aiss re r si sist s en st ente te a imp mpac acto ac toss. to s.

DAF DA F é outra trra ca c te tego gori go ria. ria. ri a

EUROPEU EUROPEU FABRICADO MADE NOBRASIL BRASIL IN

F I N A N C I A M E N T O

FINAME

DRIVEN BY QUALITY TRUCKS | PARTS | FINANCE

WWW.DAFCAMINHOES.COM.BR

Cintto de segurança salva vidas.

• Ca Cabi bine e com m amp mplo mplo o essp p paç aç ço iin ntern no e ex e tr trem emo em o co c nf n or o to o.


NEGÓCIOS

PONTO DE VISTA O INOVAR-AUTO É O PRIMEIRO PASSO, NÃO É UMA OBRA ACABADA E É MUITO MAIS COMPLEXO DO QUE SE VISLUMBRA QUANDO SE ESCREVE O PROJETO. ESPERO QUE AO FIM DESTE BALANÇO TENHAMOS ESSA CLAREZA DE QUE AVANÇAMOS EM UM ANO, MAS AINDA HÁ MUITO A SER FEITO MARGARETE GANDINI, do Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC), ao falar do desafio de desenvolver o Inovar-Auto durante apresentação no Simea, simpósio de engenharia automotiva promovido pela AEA em agosto.

COMPACTO

SUZUKI SWIFT ESTÁ DE VOLTA AO BRASIL

A

SUZUKI / SERGIO CHVAICER

Suzuki volta a trazer ao Brasil o compacto Swift, importado anteriormente nos anos 1990. O carrinho chega em duas versões, Sport, por R$ 74.990, e Sport R, com preço sugerido de R$ 81.990. As duas são equipadas com o motor 1.6 a gasolina, de quatro cilindros e 142 cavalos. O câmbio é manual de seis marchas. O Swift mede 3,89 metros e tem recursos

eletrônicos para segurança como programa de estabilidade (ESP) combinado a controle de tração, que podem ser desativados. O interior inclui bancos em forma de concha, sistema de partida sem chave, ar-condicionado digital automático, comandos de áudio, Bluetooth e piloto automático no volante, além de som com CD player e entrada USB.

TECNOLOGIA

A

nova geração do Fiat Uno chegou ao mercado no início de setembro com o título de primeiro carro brasileiro equipado com start-stop, tecnologia que desliga e liga o motor automaticamente em pequenas paradas, como no semáforo, por exemplo. Fornecido pela Bosch, o sistema promete redução no consumo de combustível de 20% e até então só estava disponível nos carros importados. Aparentemente, a estratégia é uma das armas da fabricante para alcançar a melhoria de eficiência energética exigida no Inovar-Auto. A novidade vem de série na versão Evolution do carro, equipada com motor 1.4.

16 • AutomotiveBUSINESS

DIVULGAÇÃO / FIAT

NOVO UNO É O 1º CARRO BRASILEIRO COM START-STOP


NEGÓCIOS

QUEDA

VENDAS DE VEÍCULOS LEVES

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO ENTRE MERCADOS GLOBAIS

1º SEMESTRE DE 2014

A

contração de 7,3% nas vendas de automóveis e comerciais leves no primeiro semestre de 2014 puxou o Brasil para baixo no ranking dos maiores mercados globais. O País ficou na quinta posição, atrás da Alemanha, que subiu para a quarta. Os números foram divulgados pela Jato Dynamics, que levou em conta dados de 27 países. A China permaneceu na liderança global, com mais de 10 milhões de emplacamentos entre janeiro e junho.

1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º

País China EUA Japão Alemanha Brasil Grã Bretanha Índia Rússia França Canadá

Emplacamentos 10,15 milhões 8,16 milhões 2,97 milhões 1,64 milhão 1,58 milhão 1,44 milhão 1,43 milhão 1,22 milhão 1,14 milhão 909,7 mil FONTE: JATO DYNAMICS

FUSÃO

FEDERAL-MOGUL COMPRA DIVISÃO DA HONEYWELL

A

DIVULGAÇÃO / FEDERAL-MOGUL

fabricante de autopeças Federal-Mogul comprou da Honeywell Friction Materials a unidade produtora de componentes de freios (pastilhas, sapatas e fluidos) das marcas Jurid e Bendix localizada em Sorocaba (SP). A operação permitirá à Federal-Mogul ampliar a atuação na América do Sul. Além do fornecimento às montadoras, a companhia reforçará presença no pós-venda e acredita em possibilidade de crescimento como consequência da implantação do programa Inovar-Auto.

CRÉDITO

GOVERNO INCENTIVA FINANCIAMENTOS

P

ara contornar o desaquecimento das vendas, Banco Central e Ministério da Fazenda adotaram medidas para estimular a concessão de crédito para a compra de veículos. Foram liberados mais R$ 10 bilhões do depósito compulsório dos bancos e houve redução das provisões de risco em R$ 15 bilhões. Dessa forma, R$ 25 bilhões foram injetados no mercado de financiamentos. O governo atacou também a falta de garantia dos bancos nesse tipo de contrato, já que havia dificuldade

18 • AutomotiveBUSINESS

para retomar o veículo em caso de inadimplência. Será editada medida provisória para facilitar a recuperação do bem. A iniciativa atende pleito da Fenabrave, federação dos distribuidores de veículos. A entidade calcula que apenas 15% dos carros com pagamento atrasado são localizados e que, com o atual processo de retomada, as instituições levam, em média, 210 dias para reaver o bem. A mudança deve motivar o interesse das instituições financeiras em emprestar, com redução dos juros.


No trânsito, somos todos pedestres.

Prevenir que acidentes aconteçam. Proteger as pessoas, caso eles ocorram. Direção livre de acidentes e lesões, acessível para veículos de todas as categorias e em todos os mercados do mundo, fazem parte dos objetivos do Grupo Continental ao desenvolver tecnologias inovadoras para a prevenção de acidentes de trânsito. Dirigir com segurança significa utilizar todos os dispositivos de segurança ativa para prevenir os acidentes. E, se não puder evitá-los, usar todos os dispositivos de segurança passiva para fornecer aos motoristas e passageiros a máxima proteção.

www.continental-automotive.com


NEGÓCIOS

COMERCIAL

DIVULGAÇÃO / FORD

FORD INTERROMPE IMPORTAÇÃO DA TRANSIT

A

Ford confirmou que vai parar de vender a Transit no Brasil. Desde 2008 a linha de vans era importada da Turquia. Ainda há estoque do modelo na rede de concessionárias da marca, que deve acabar nos próximos meses. O projeto inicial era lançar no Brasil ainda este ano a nova geração do veículo, mas a empresa decidiu

adiar o projeto por causa das condições desfavoráveis do mercado. “Não vamos importar outro lote deste modelo e ainda não temos previsão de quando a nova geração chega ao Brasil”, admite o diretor de operações, Guy Rodrigues. Segundo ele, a alta do dólar também tornou inviável a continuidade das vendas da van.

PREFERIDA

HYUNDAI É ELEITA A MELHOR PELOS PROPRIETÁRIOS

A

Hyundai Brasil, fabricante da família HB20, foi eleita a empresa com maior índice de satisfação entre proprietários de veículos novos no País. A conclusão é do estudo “Voss Brasil 2014 – Vehicle Ownership Satisfaction StudySM”, realizado pela J.D. Power. O levantamento avalia a experiência vivenciada por proprietários de veículos novos (12 a 36 meses após a compra). Esta é a primeira vez que a Hyundai aparece no estudo. No segundo lugar entre as favoritas dos proprietários ficou a Toyota. Entre as marcas que obtiveram pontuações acima da média da indústria brasileira, encontram-se outras cinco asiáticas: Honda, Kia, Nissan, Mitsubishi, Hyundai-Caoa e uma europeia, a Volkswagen (738).

ZERO EMISSÃO

BRASIL DESENVOLVE ESPORTIVO ELÉTRICO

U

MÁRIO CURCIO

m esportivo elétrico brasileiro poderá se tornar realidade nos próximos dois anos. O projeto da Electric Dreams, empresa instalada no polo tecnológico de São José dos Campos (SP), é de um carro com quatro motores

elétricos, um por roda, capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em menos de três segundos, com velocidade máxima de 300 km/h. O desenvolvimento tem custo estimado em R$ 25 milhões. Desse total, R$ 6,3 milhões virão de um financiamento do BNDES concedido ao Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicação (CPqD). Essa fundação criará a bateria e os inversores que serão utilizados pela fabricante do carro. A Electric Dreams contará com capital próprio, externo e subvenção da Fundação de

Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O projeto foi aprovado pelo BNDES Fundo Tecnológico (BNDES Funtec). “Será um carro para um mercado de luxo, para pessoas que gostam de alto desempenho e recursos tecnológicos”, afirma o diretor da companhia, Fábio Guillaumon, sem revelar o preço estimado para o carro. Ele reconhece que o projeto parece antiintuitivo (já que o natural seria levar os avanços obtidos a mais consumidores), mas acredita ser viável com a venda de cerca de 20 unidades por ano.


NEGÓCIOS

REESTREIA

FORD FAZ NOVA INVESTIDA NO MERCADO COM SÉRIE F

epois de interromper a produção por quase três anos, a Ford volta a fabricar os caminhões da Série F em São Bernardo do Campo (SP). Segundo a montadora, o retorno da linha é resposta à demanda dos clientes, que não encontraram substitutos para o veículo. “Sinal claro da falta que a Série F fez foi a valorização dos veículos usados na revenda. O preço disparou”, conta Guy Rodriguez, diretor de operações da Ford Caminhões. A rede de 140 concessionárias da marca oferece agora três versões do caminhão: F-350, F-4000 4x2 e F-4000 4x4, com preços que vão de R$ 101.290 a R$ 133.290.

custo operacional. O F-4000 4x2, segundo a fabricante, deve ter uso misto, no campo e na cidade, por causa de sua robustez. Já o F-4000 4x4 tem aplicações mais específicas como o segmento de manutenção (redes elétricas, telefonia, água, esgoto, aplicações rurais) e, segundo a Ford, vai atrair frotistas. Os veículos são equipados com motores 25% mais potentes quando comparados aos da geração anterior: 2.8 de 4 cilindros, com até 150 cv de potência, fabricado pela Cummins com sistema SCR de pós-tratamento. O propulsor, segundo a montadora, é ainda compatível com diesel B20, combustível com 20% de biodiesel. DIVULGAÇÃO / FORD

D

A linha tem garantia total de 12 meses e de 24 meses para o motor, sem limite de quilometragem. Há condição de compra com financiamento pelo Finame/BNDES e pelo Consórcio Ford. A expectativa é por maior demanda pelo F-350 em regiões urbanas, principalmente autônomos interessados em baixo

INVESTIMENTO

GM ANUNCIA R$ 6,5 BILHÕES PARA O BRASIL

D

epois de encerrar aporte de R$ 5,7 bilhões em 2013, a General Motors está pronta para nova etapa de investimentos no Brasil. Em reunião com a presidente Dilma Rousseff, a CEO da organização, Mary Barra, anunciou que serão aplicados R$ 6,5 bilhões de 2014 a 2018. O foco estará no desenvolvimento de novos produtos, melhoria dos existentes e manutenção das instalações locais. “Estamos no Brasil há quase 90 anos e este é um importante mercado. Continuaremos por aqui. Nosso compromisso é de longo prazo”, declarou a executiva ao ser questionada sobre a situação atual do mercado brasileiro.

22 • AutomotiveBUSINESS

Em comunicado, Jaime Ardila, presidente da GM América do Sul, detalhou que o “investimento permitirá à marca Chevrolet continuar a renovação de sua linha de automóveis com foco em tecnologia e qualidade. Outro grande propósito é elevar o porcentual de nacionalização dos componentes dos carros feitos no Brasil, numa ação que envolverá também fornecedores instalados no País”. Embora a montadora não revele quais novos produtos serão desenvolvidos localmente, sabe-se que está em andamento o Projeto Âmbar, carro de baixo custo encabeçado pela engenharia brasileira.


Para rodar com mais seguranรงa, nosso paรญs tem a forรงa do aรงo Gerdau. A forรงa da transformaรงรฃo.

O aรงo da Gerdau tem a forรงa da transformaรงรฃo. A indรบstria automotiva vem evoluindo na construรงรฃo de veรญculos mais HยฟFLHQWHVFRQยฟiYHLVHVHJXURV6HPSUHDRVHXODGRRDoRGD*HUGDXVH WUDQVIRUPDHPSURGXWRVGHDOWDWHFQRORJLDTXHID]HPSDUWHGRVFDUURV FDPLQK}HVH{QLEXVTXHURGDPSHOR%UDVLOHSHORPXQGR

www.gerdau.com

/gerdau

/gerdausa


DIVULGAÇÃO / SINOTRUK

NACIONALIZAÇÃO

SINOTRUK É HABILITADA AO INOVAR-AUTO COMO INVESTIDORA

D

epois de ter os planos abalados pelo Inovar-Auto, a fabricante de caminhões de origem chinesa Sinotruk dá sequência ao plano de se estabelecer no Brasil. A companhia foi habilitada no programa na categoria de investidora. Com isso, passa a ter direito à apuração de crédito presumido de IPI e poderá importar 312 caminhões da família A7 entre

1o de agosto deste ano e 31 de janeiro de 2015 sem o adicional de 30 pontos porcentuais na alíquota. A fábrica brasileira da Sinotruk ficará em Lages (SC), com início da operação previsto para 2016. O investimento inicial será de R$ 300 milhões, com possibilidade de alcançar R$ 1 bilhão no médio prazo, segundo a empresa.

US$ 663 MILHÕES

REMESSAS DE LUCROS DAS MONTADORAS ENCOLHEM 70%

C

omo resultado direto da queda das vendas de veículos no mercado brasileiro, as remessas de lucros de dividendos das montadoras instaladas no País às suas matrizes no exterior despencaram. Dados do Banco Central mostram que, de janeiro a julho, os fabricantes remeteram US$ 663 milhões, com expressivo declínio de 70% em comparação ao

mesmo período de 2013, quando foram enviados US$ 2,2 bilhões. Apesar do recuo, as montadoras representam este ano o quarto setor que mais enviou lucros ao exterior e surpreendem pelo fato de continuar a fazer remessas quando reclamam que a rentabilidade no País acabou como consequência da queda das vendas. (Pedro Kutney)

ARCELORMITTAL

DIVULGAÇÃO / ARCELORMITTAL

BONS RESULTADOS COM AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA

A

ArcelorMittal nem começou a fabricar no Brasil o Usibor, aço de alta resistência desenvolvido para a indústria automobilística, e já percebe aumento da demanda pelo material. Em 2011, quando passou a importá-lo da Europa, foram trazidas mil toneladas. Este ano, a previsão é de 12 mil a 13 mil toneladas. A partir de 2016, deverão ser fabricadas localmente 100 mil toneladas do Usibor por ano na unidade de São Francisco do Sul (SC), que recebeu investimento de US$ 15 milhões.

Marcelo Federici, especialista em desenvolvimento de projeto automotivo da ArcelorMittal, conta que todas as montadoras instaladas no Brasil têm demonstrado interesse em utilizá-lo. “As empresas que ainda não decidiram pelo material no Brasil já o utilizam na Europa e nos Estados Unidos e, em questão de tempo, vão passar a usá-lo aqui.” Fiat, GM, Ford e Volkswagen já têm projetos com o aço. Duas empresas de autopeças instaladas no País também são clientes. E outras estão em negociação.(Camila Franco)


Mobil 1. /XEULĂ€FDQWHRĂ€FLDOGD3RUVFKH *7&XS&KDOOHQJH

mobil.cosan.com Mobil, Mobil 1 e o ícone 1 são marcas ou marcas registradas da Exxon Mobil Corporation RXXPDGHVXDVVXEVLGLiULDVXWLOL]DGDVSRU&RVDQ/XEULÀFDQWHVH(VSHFLDOLGDGHV6$RX uma de suas subsidiårias, sob licença. Outras marcas ou nomes de produtos utilizados neste material são de propriedade de seus respectivos donos.

L�DER MUNDIAL EM LUBRIFICANTES 100% SINTÉTICOS.


DIVULGAÇÃO / GLOBAL NCAP

NEGÓCIOS

SEGURANÇA

CHEVROLET ONIX DECEPCIONA EM TESTE DO LATIN NCAP

U

ma nova bateria de testes de impacto do Latin NCAP evidenciou que a segurança é um ponto fraco do Chevrolet Onix. O modelo, equipado com airbag duplo, recebeu três de cinco estrelas possíveis no quesito proteção dos adultos. O desempenho foi pior quando avaliada a segurança das crianças transportadas: apenas duas estrelas. Alejandro Furas, diretor técnico do Global NCAP, admitiu ter ficado surpreso e desapontado com o resultado, já que a plataforma do hatchback é totalmente nova. Na mesma bateria de testes foram avaliados também

Chevrolet Spark fabricado na Coreia do Sul, Fiat Novo Palio feito na Argentina (tanto a versão com airbag vendida atualmente no Brasil quanto a sem o equipamento, que saiu de linha), além do Peugeot 208, produzido na fábrica da PSA em Porto Real (RJ). O Spark, que não é vendido no Brasil, teve avaliação ainda pior e não conquistou sequer uma estrela em proteção para adultos. O Palio com airbags obteve três estrelas. Já o modelo da Peugeot recebeu quatro estrelas em proteção para adultos e três para crianças.

DIVULGAÇÃO / ZF

AUTOPEÇAS

ZF RECONHECE FORNECEDORES DA AMÉRICA DO SUL

A

ZF América do Sul promoveu o 11º encontro com seus fornecedores da região no dia 26 de agosto, em São Paulo (SP). O evento reuniu 200 convidados e premiou os seis parceiros que mais se destacaram no último ano em inovação tecnológica, competitividade e sustentabilidade. No encontro a companhia enfatizou ainda a necessidade de os fornecedores se prepararem para competir globalmente e para acompanhar o crescimento da companhia.

26 • AutomotiveBUSINESS

MELHORES PARCEIROS DA ZF BRASMETAL: aços e conjuntos metálicos THYSSENKRUPP: forjados SCHULZ: fundidos NORTE FIOS: materiais não metálicos SANDVIK DO BRASIL: materiais indiretos VALLOUREC TUBOS: sustentabilidade


Volvo. Líder mundial em inovação, tecnologia e segurança.


NEGÓCIOS

INVESTIMENTO

ASSISTA À REPORTAGEM

HVCC INAUGURA 1ª FÁBRICA NO BRASIL

A

Halla Visteon Climate Control (HVCC), empresa nascida em 2013 com a integração das operações de sistemas de climatização automotiva da Halla e Visteon, inaugurou sua primeira fábrica no Brasil e no Hemisfério Sul em agosto. A unidade, que fica em Atibaia (SP), é a 35ª planta da companhia no mundo e vai montar módulos de controle HVAC (sigla em inglês para aquecimento, ventilação e ar-condicionado), instalados atrás do painel dos carros. Os dois primeiros clientes no mercado brasileiro são Ford, que já era atendida pela Visteon, e a chinesa

Chery, que inaugurou fábrica em Jacareí (SP). “O Brasil é estratégico para nosso crescimento, é o quarto maior mercado de veículos do mundo e abriga quase todos os fabricantes globais. Precisávamos desta fábrica para ser competitivos para nossos clientes instalados aqui”, afirma Yong-Hwan Park, presidente mundial HVCC. Apesar de estar no início das atividades, a companhia tem grandes expectativas de crescimento. “Atendemos muitos clientes que estão trazendo seus projetos globais para cá.” (Pedro Kutney)

INCENTIVOS

ZONA FRANCA DE MANAUS GARANTIDA POR MAIS 50 ANOS

O

Congresso Nacional prorrogou por mais 50 anos – até 2073 – os incentivos fiscais especiais para a Zona Franca de Manaus (ZFM). A política tributária diferenciada do restante do País, que garante custos de produção mais baixos na região, se encerraria em 2023. As condições especiais foram instituídas em 1967 pelo Decreto de Lei 288.

PREMIUM

CLASSE C: CLÁSSICO GANHOU REBELDIA

O

DIVULGAÇÃO / MERCEDES-BENZ / MALAGRINE

novo Mercedes-Benz Classe C chegou às concessionárias em agosto com o slogan “O clássico ganhou um toque de rebeldia”. O modelo tem quatro versões, com preços que variam de R$ 138,9 mil até R$ 189,9 mil. De fato, a frase tem tudo a ver com a quinta geração do automóvel,

28 • AutomotiveBUSINESS

o mais vendido pela marca no Brasil e no mundo. O design ficou mais irreverente e houve mudança também na motorização. Além do propulsor 1.6 turbo de 156 cavalos, o mesmo da geração anterior, há oferta do motor 2.0 turbo de 184 cavalos. A estrutura do novo Classe

C é totalmente nova, feita em grande parte de alumínio, além de contar com aços mais leves e resistentes. Comparado com o modelo antecessor, o conteúdo de alumínio aumentou de menos de 10% para quase 50%. Como resultado, o carro, que também ganhou direção elétrica no lugar da hidráulica, ficou 60 quilos mais leve, apesar de ter crescido 80 milímetros na distância entre eixos e de estar 95 milímetros mais longo e 40 milímetros mais largo. A redução de peso deixou o sedã até 20% mais econômico. De agosto a dezembro a marca espera vender 2,5 mil unidades do novo Classe C, com média de 500 unidades por mês.


CONFIDENCIALIDADE: QUANDO O SIGILO É A MELHOR INFORMAÇÃO.

Em um cenário dinâmico e de concorrência acirrada, a con¿dencialidade é essencial para a prestação de serviços em Pesquisa e Desenvolvimento. A MAHLE Powertrain garante o sigilo das informações estratégicas de cada cliente por meio de uma estrutura especialmente projetada, com acesso controlado, câmeras de monitoramento nos corredores, bloqueio visual nos laboratórios, identi¿cação de locais restritos e, acima de tudo, pro¿ssionais treinados e absolutamente comprometidos. www.mahlepowertrain.com


NEGÓCIOS

EVENTO

CONGRESSO FENABRAVE PÕE EM DISCUSSÃO DESAFIOS DA DISTRIBUIÇÃO

C

om o tema “Superação”, o 24o Congresso e ExpoFenabrave debateu os desafios dos concessionários entre 13 e 14 de agosto, em Curitiba (PR). Na abertura do evento o presidente da entidade dos distribuidores de veículos, Flávio Meneghetti, falou da necessidade de as redes renovarem as estratégias para encarar a nova realidade: mais marcas disputando o mesmo mercado que, ao menos este ano, deve encolher. Também voltou à carga contra um velho conhecido expediente das montadoras em época de vendas magras: o aumento das vendas diretas, que tiram rentabilidade dos concessionários. Segundo ele, este tratamento é inaceitável para os concessionários que “são ou deveriam ser os principais parceiros das montadoras”. O dirigente conta que o problema vem sendo discutido há mais de uma década sem solução. “Existe aqui um tremendo desequilíbrio comercial que temos de procurar nivelar em termos aceitáveis para todas as partes envolvidas”, defende. Nesse tom, Meneghetti cobrou das montadoras a oferta de condições para que as redes se mantenham financeiramente saudáveis. “Trabalhamos para que nossas marcas prosperem, mas, da mesma forma, queremos também prosperar nos realizando profissionalmente e remunerando nossos investimentos.” A Fenabrave também continua a enfatizar a necessidade de diversificar as receitas dos negócios. “As margens das vendas de novos vêm caindo e precisamos seguir o exemplo dos nossos colegas dos Estados Unidos”, apontou, lembrando a necessidade de investir na divisão de serviços e em vendas de

usados. “Superação passa a ser a palavra de ordem para qualquer concessionário que queira sobreviver, se manter e prosperar nesse concorrido mercado”, determina. ESTOQUES A redução do ritmo de vendas chamou a atenção para a rápida evolução dos estoques. Meneghetti calcula que o nível de carros armazenados nas concessionárias atingiu pico de 54 dias em junho deste ano e vem caindo desde então. O executivo avalia que este volume continuará em queda, já que as montadoras têm adotado medidas para reduzir a produção. Há também a expectativa de crescimento de 5% das vendas no segundo semestre na comparação com o primeiro. Ainda assim, Meneghetti lembra que os distribuidores sustentam estoques elevados há bastante tempo. “Faz quase um ano que administramos volume de carros armazenados superior ao normal, que seria de 20 a 30 dias.” CONCESSIONÁRIAS NO BRASIL Meneghetti destacou a importância da distribuição automotiva para a economia brasileira. Segundo ele, o segmento movimenta 5,7% do PIB nacional e responde por 400 mil empregos diretos. “Somos responsáveis não só pela distribuição e venda, mas pela manutenção dos veículos que fazem o Brasil crescer e se desenvolver sobre rodas. Somos o principal elo entre a marca e seus consumidores”, reforçou. (Giovanna Riato)

TESTES

CAMPO DE PROVAS DA GM COMPLETA 40 ANOS

H

á 40 anos a General Motors inaugurava em Indaiatuba (SP) o Campo de Provas da Cruz Alta, hoje um complexo com 16 pistas de testes totalizando 42 quilômetros. A área total do terreno, uma fazenda adquirida em 1972, é de 2,7 mil hectares, o equivalente a 160 mil campos de futebol. A GM começou a tirar proveito da aquisição antes mesmo do champanhe da inauguração. “O primeiro carro testado aqui foi o Chevette, lançado

30 • AutomotiveBUSINESS

em 1973. Ele rodava na pista de durabilidade acelerada, uma longa reta de terra batida”, afirma o diretor de performance, segurança e operação do campo de provas e laboratórios, Luciano Santos. “Atualmente, a GM gasta por ano cerca de US$ 10 milhões para manter o campo e atualizar os equipamentos”, diz. Hoje, a estrutura tem mais de 600 profissionais e desenvolve modelos para o Brasil e também para outros mercados distantes. “ (Mário Cúrcio)


CONFIANÇA PARA A VIDA REAL SOLUÇÕES DE PONTA A PONTA PARA A CADEIA AUTOMOTIVA Do tier 3 ao pós-venda, do carro novo ao usado, nossa expertise na indústria automotiva incorpora as melhores práticas do setor, entregando soluções que vão mantê-lo um passo à frente da concorrência. Ŷ Certificação compulsória de componentes automotivos de acordo com as Portarias do INMETRO (DCONF - Diretoria de Avaliação da Conformidade); Ŷ Laboratórios de última geração para testes e análises; Ŷ Certificação de veículos usados; Ŷ Serviços customizados: certificação de rede de concessionárias, auditorias de desempenho, auditorias processuais, auditorias de garantia de veículos, verificação dos incentivos e bônus e cliente mistério filmado ou por meio de relatórios. A SGS é líder mundial em inspeção, verificação, testes e certificação. Somos reconhecidos como referência global em qualidade e integridade. Com mais de 80 mil funcionários, a SGS opera uma rede de 1650 escritórios e laboratórios ao redor do mundo.

SAIBA MAIS EM WWW.SGSGROUP.COM.BR OU LIGUE 11 2664-9595.


NEGÓCIOS

PRODUÇÃO

MANAUS CHEGA A 20 MILHÕES DE MOTOS HONDA Honda comemorou a fabricação de 20 milhões de motocicletas em sua fábrica de Manaus (AM), a maior da montadora para veículos de duas rodas em todo o mundo. Ainda que utilize cerca de 140 fornecedores, a unidade tem estrutura bastante verticalizada, que produz até mesmo as próprias rodas de aço estampado ou liga leve, bancos, escapamentos e peças de plástico injetado para os modelos de maior volume de produção. Inaugurada em 1976, a Honda de Manaus tem hoje dois grandes setores de montagem, HDA1 e HDA2. A sigla é Honda da Amazônia. O HDA1 tem quatro linhas, sendo a primeira delas a mais ágil do Brasil: uma moto a cada 26 segundos, quase 140 numa hora. O HDA2 foi inaugurado em 2010. Consumiu R$ 90 milhões e elevou a capacidade total da fábrica de 1,5 milhão para 2 milhões de motos por ano. O setor foi pensado para motonetas, scooters e fabrica peças de aço, alumínio e plástico para equipar esses pequenos veículos, como se fosse uma indústria menor dentro da outra. “O HDA2 é todo climatizado e a montagem ocorre de modo sincronizado,

32 • AutomotiveBUSINESS

FOTOS: DIVULGAÇÃO / HONDA

A

20ª milionésima Honda feita em Manaus foi uma Titan com freios CBS

o que evita o fluxo de carrinhos com peças”, afirma o gerentegeral da unidade, Rômulo Feijão. Os chassis e os tanques recebem pintura a pó. Quadriciclos e motores estacionários também são produzidos no HDA2. A autonomia de Manaus não vem só da produção verticalizada, mas de um centro de desenvolvimento tecnológico (CDT) de R$ 20 milhões inaugurado em 2013. “Ele segue o conceito One Floor e a equipe está distribuída de acordo com o fluxo de desenvolvimento da motocicleta. São mais de 300 pessoas”, afirma o gerente-geral do CDT, Fausto Tanigawa. O desenvolvimento dos componentes pode ocorrer entre a

Com setor MVA2, fábrica elevou capacidade anual para 2 milhões de motos

equipe da fábrica e os fornecedores. A estrutura também atende demandas de diferentes mercados: “O suporte técnico para as outras fábricas da América do Sul é feito por aqui”, recorda Tanigawa. Mais recentemente, a fabricante investiu R$ 3,4 milhões para o lançamento da CG 150 Titan com freios CBS. Desse total, R$ 650 mil foram aplicados na adequação da linha de montagem número 1. A sigla CBS vem de Combined Braking System, em que a pressão no pedal de freio traseiro faz atuar também o dianteiro por um dispositivo hidráulico relativamente simples, com custo para o consumidor final de R$ 180. Em motos convencionais, os freios dianteiro e traseiro têm acionamento independente. O CBS não impede o travamento das rodas como o ABS, mas reduz as distâncias de parada em diferentes condições de uso dos freios. A vigésima milionésima Honda feita em Manaus foi uma Titan com CBS. (Mário Curcio)


Menos consumo de combustível, menos emissões e mais dinamismo. Depois de muitos anos de experiência como parceiros de engenharia da indústria automobilística, aprendemos a conciliar tendências aparentemente contrastantes. Desenvolvemos e fabricamos componentes de precisão e sistemas para motores, transmissões e chassis sob as marcas INA, FAG e LuK. Isso abrange produtos para comandos variáveis de válvulas e variadores de fase do eixo comando, componentes para transmissões de dupla embreagem e acionamentos híbridos, bem como rolamentos de roda de atrito reduzido. Tudo isso para fazer deste planeta um lugar melhor para se viver. Afinal, confiabilidade é tudo.

Para conhecer melhor nossos produtos e tecnologias acesse: www.schaeffler.com.br


ESTRATÉGIA

A

Volkswagen começa a vender a terceira geração do Fox e a Saveiro Cabine Dupla. O automóvel ganhou design mais refinado, alinhado ao Golf 7. Agora são quatro motores (dois 1.0 e dois 1.6, incluindo os dois modernos 1.0 e 1.6 da família EA 211) e três transmissões (manual ou automatizada de cinco velocidades ou a nova manual de seis marchas). Também foram incluídas tecnologias de conforto e segurança, como a central multimídia/navegador com tela de 5,5 polegadas sensível ao toque embutida no painel e controle eletrônico de estabilidade e tração. O problema é que poucos terão acesso, pois a maior parte disso só está disponível como opcional para a versão mais cara do carro, a Highline, equipada com motor 1.6 de 120 cavalos (bloco e cabeçote de alumínio), que tem preço básico a partir de R$ 48.490 (câmbio manual de seis marchas), mas com tudo incluído pode custar mais de R$ 53 mil (manual) ou quase R$ 58 mil (automatizado). A versão mais barata, Trendline, com motor 1.0 de quatro cilindros e 76 cavalos (etanol) e câmbio manual de cinco marchas, tem tabela de R$ 35,9 mil, incluindo direção com assistência elétrica. Mas esse valor sobe para salgados R$ 41.450 se ford instalado o módulo com sistema de som, computador de bordo e volante multifuncional, mais o pacote completo de conforto que inclui ar-condicionado, acionamento elétrico dos vidros e travas com

34 • AutomotiveBUSINESS

controle remoto, entre outros itens de menor serventia. Os emplacamentos do Fox caíram 28% de 2012 para 2013, para 130 mil unidades, fazendo o carro descer da quarta para a quinta colocação no ranking dos mais vendidos do País. Nos sete primeiros meses de 2014 foram emplacados 57,7 mil Fox e ele perdeu mais três posições: fica em oitavo de janeiro a julho. Com a renovação, os executivos de vendas da Volkswagen esperam que o modelo volte a vender acima dos 10 mil por mês. Contudo, os preços cobrados não facilitam essa tarefa. PICAPE Com a versão cabine dupla da Saveiro, a Volkswagen pretende diminuir muito a distância da maior rival do modelo no mercado, a Fiat Strada, líder de vendas com o dobro do volume de emplacamentos. “A melhor ação para driblar uma crise é o lançamento de novos produtos e estamos lançando um em um dos segmentos que mais vão crescer”, pondera o presidente da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall. Agora são sete versões da Saveiro

(uma com cabine simples, três com estendida e três com dupla). A configuração CD será vendida em três versões de acabamento: Trendline (R$ 47.490), Highline (R$ 52.720) e Cross (R$ 59.990). Todas têm preços ligeiramente mais altos que os da Strada, que parte de R$ 45.990 com motor 1.4. Para a Volkswagen, essa diferença (R$ 1,5 mil) é plenamente compensável pelo maior número de itens de série, que somam R$ 1,8 mil se fossem incluídos no concorrente, há ainda com o motor 1.6 mais potente. Assim como já ocorre no resto da linha, a Saveiro CD será oferecida com dois tipos de motorização: as versões Trendline e Highline usam o EA 111 de 1,6 litro e oito válvulas, bloco de ferro, que gera até 104 cavalos com etanol, enquanto a Cross usa o moderno EA 211 1.6 16V de 120 cavalos com etanol, com bloco e cabeçote de alumínio. Todas as três versões vêm de série com direção hidráulica e vidros com acionamento elétrico. O ar-condicionado é opcional na Trendline (R$ 3.080) e de série na Highline e Cross. (Pedro Kutney)

SAVEIRO ganha cabine dupla para se aproximar da concorrência

DIVULGAÇÃO / VOLKSWAGEN / MALAGRINE

FOX 2015 tem estilo semelhante ao do novo Golf

VOLKSWAGEN DRIBLA A CRISE COM NOVO FOX E SAVEIRO CABINE DUPLA


TECNOLOGIAS INOVADORAS DA ZF FAZEM O MUNDO GIRAR COM MAIS EFICIÊNCIA

nucleotcm

Pessoas viajam em busca de seus objetivos. Seja indo para a casa, o trabalho, a escola ou o clube, diversos destinos são alcançados por diferentes meios de transporte. A ZF não se limita a enxergar a conservação dos recursos naturais, o aumento da segurança e a conveniência como requisitos fundamentais para quem viaja. Mas também os vê como uma oportunidade de criar soluções inovadoras e sustentáveis. Como uma das principais fornecedoras mundiais de sistemas de transmissão e tecnologia de chassis, a ZF faz parte – e é isto que nos impulsiona – deste desenvolvimento. Nosso objetivo é muito mais que criar produtos inovadores e eficientes. É melhorar a qualidade de vida e ajudar a moldar o futuro de forma sustentável.


TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MONTADORAS LEVAM TECNOLOGIA DE RFID PARA FÁBRICAS RECURSO PROMETE LOCALIZAR PEÇAS CERTAS NAS LINHAS DE PRODUÇÃO E APRIMORAR GESTÃO DE ATIVOS

M

ARQUIVO: T-SYSTEMS

ais conhecida no Brasil pela cobrança automática nos pedágios “Sem Parar”, a tecnologia de identificação por radiofrequência ou RFID (Radio Frequency Identification) está atraindo mais investimentos da indústria automobilística. Sua adesão em maior escala é para reduzir custos, aprimorar processos de produção, rastreabilidade e afinar a gestão de ativos. Montadoras como Toyota, BMW, Volvo e Ford adotam esses sistemas em suas plantas no exterior para ganhar eficiência e velocidade nos negócios. No Brasil, os projetos caminham mais lentamente por causa do preço das tags, etiquetas inteligentes que substituem o tradicional código de barras. Esses microchips são fixados em peças ou objetos para transmitir informações quando passam por ambientes com antenas de radiofrequência. Uma das vantagens

RIBEIRO, DA T-SYSTEMS: queda de preços das etiquetas inteligentes e nuvem incentivam projetos

36 • AutomotiveBUSINESS

do sistema é a leitura rápida dos dados e localização dos itens de forma automática. NA NUVEM “Com a evolução da tecnologia, ampliação das redes de comunicação no País e serviços em nuvem, a indústria está demandando mais projetos de RFID”, constata Carlos Ribeiro, diretor da divisão Machine to Machine (M2M) & Innovation Programs da T-Systems do Brasil. Ele constata que o preço das tags está em queda, variando entre R$ 2 e R$ 10, dependendo da aplicação, tornando a utilização mais acessível. A combinação com sistemas M2M, Internet das Coisas e a tendência do carro conectado também devem impulsionar a adoção da tecnologia de identificação por radiofrequência pelas montadoras, acredita Ribeiro. Atenta a esse movimento, a T-Systems lançou no mercado brasileiro a plataforma iVes (Visibility Enterprise Service), que permite a contratação de solução de RFID na nuvem pelo modelo de serviço. A Volkswagen e MAN estão entre as montadoras que testam a solução da T-Systems para gestão de embalagens retornáveis, como racks especiais e caixas que movem peças de fornecedores para montadoras. Ribeiro explica que muitas vezes esses ativos se perdem e diminuem a produtividade na cadeia de suprimentos, além de trazer riscos fiscais.

ARQUIVO: CONFIDEX

EDILEUZA SOARES

DANNIAS, DA CONFIDEX: Plantas ganham velocidade na hora de fazer o inventário

Com uso das etiquetas inteligentes, ele diz que o ecossistema passa a ter controle exato desse inventário, reduzindo custos e tempo de expedição. AGILIDADE Alexander Dannias, diretor-geral no Brasil da finlandesa Confidex, complementa que a tecnologia de RFID pode ser adotada em toda a cadeia de produção da indústria automotiva e também para fidelizar clientes, reduzindo falhas dos veículos e recall. Um dos clientes da empresa é Volvo, na Suécia, que instalou dois milhões de tags em sua fábrica para rastrear ativos, desde solda e oficina de pintura até o ponto de montagem final. Um dos benefícios do sistema, segundo Dannias, é a velocidade na hora de fazer o inventário. “Tinha uma planta que levava de um a dois dias para fazer esse trabalho. Com RFID o tempo caiu para questão de horas.”


3$5&(5,$(175(76<67(06(6$/(6)25&( A T-Systems, líder em prover serviços de IT para o setor automotivo e a salesforce.com - líder mundial em plataforma de gestão de relacionamento com cliente (CRM) oferecem juntas uma solução completa de gestão de processos de vendas e marketing. Quer saber mais sobre essa solução? Consulte um de nossos especialistas através do e-mail: t-systems@t-systems.com.br ou fone: (11) 2360-6046


ARQUIVO: GOOGLE

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GOOGLE PROJETA NOVO CARRO INTELIGENTE SEM VOLANTE

S

em pedais de freio, acelerador nem volante. Assim é o protótipo do novo carro inteligente do Google, projetado para transportar duas pessoas. O modelo é uma evolução do primeiro veículo autônomo, que dispensa motorista, anunciado pela empresa de internet em 2010 e em teste nos Estados Unidos. Movido a energia elétrica e com capacidade para rodar a uma velocidade de até 40 quilômetros por hora, o novo carro é 100% controlado por software e sensores. Assim, o único trabalho que o motorista terá é o de informar ao veículo seu destino e apertar um botão. Chris Urmson, diretor das pesquisas de self-driving do Google, diz que o veículo é simples e sem luxo, mas seguro. No seu interior há apenas dois assentos e local para os pertences dos passageiros.

AUTOMÓVEL ELÉTRICO FAZ COMUNICAÇÃO PELA NUVEM

A

Ford e mais sete montadoras estudam com 15 empresas de eletricidade dos Estados Unidos o desenvolvimento de uma plataforma de comunicação na nuvem para carros elétricos. O objetivo é tornar o uso dos veículos mais eficiente e econômico. O sistema vai avisar os motoristas sobre quando devem parar temporariamente a recarga para não sobrecarregar a rede, desde que aceitem participar do programa. A contrapartida são tarifas de energia mais baixas. O serviço usará padrões e tecnologias de comunicação já existentes, como o MyFord Mobile App.

LINUX DISPUTA VAGA NOS CARROS

D

epois da Apple, Microsoft e Google anunciarem sistemas operacionais para carro, agora é vez de a Fundação Linux entrar na batalha para garantir espaço no mercado automotivo. A organização trabalha no desenvolvimento do sistema de código aberto Automotive Grade Linux (AGL).

38 • AutomotiveBUSINESS

A nova plataforma a ser projetada por desenvolvedores Linux já conta com apoio da Hyundai, Jaguar Land Rover, Nissan e Toyota. Entre os fornecedores de TI estão envolvidos no projeto a Advanced Telematic Systems, Fujitsu, Harman, Intel, LG, NEC, Panasonic e Samsung.


ARQUIVO: 4 LIFE SISTEMAS

CONCESSIONÁRIA CONECTADA COM CLIENTE

A

plataforma on-line Conecte Rápido, lançada pela 4 Life, coloca clientes em contato com vendedores de concessionárias. Depois de concluir suas pesquisas pelo site, o consumidor que precisa de mais informações pode incluir em um campo na página seu telefone e dizer se deseja receber ligação. O sistema abre uma linha direta para conversa. Segundo Igor Kalassa, CEO da 4 Life Sistemas, menos de 40% das concessionárias brasileiras respondem um e-mail ao ser questionadas de forma virtual sobre algum veículo. “A maioria das interações entre clientes e concessionárias depende de um contato mais objetivo, com informações completas e técnicas de venda”, diz o executivo.

UM NEGÓCIO LIMPO

A Dürr Ecoclean fornece máquinas de lavar para as mais diversas aplicações na produção industrial de autopeças. Processos e sistemas de produção em série compactos e padronizados são nossa base para o desenvolvimento de soluções personalizadas. Dürr Ecoclean: benefícios para o cliente devido ao seu mais alto nível de expertise.

www.durr-ecoclean.com.br


POLOS AUTOMOTIVOS

O ATUAL DESENHO DO BRASIL AUTOMOTIVO ENTENDA AS ESTRATÉGIAS DOS NOVOS PLAYERS NO MAPA DA PRODUÇÃO E SAIBA QUEM SÃO OS PARCEIROS DE NEGÓCIOS NA ÁREA DE SUPRIMENTO GUSTAVO HENRIQUE RUFFO

40 • AutomotiveBUSINESS

dos fornecedores”, diz Antonio Damião, diretor adjunto de Gestão de Projetos Estratégicos da Fiat Chrysler para a América Latina. O financiamento das obras se deu por meio do BNDES, do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE). Entre os fornecedores, a Magneti Marelli terá seis unidades de produção distintas: peças estampadas, conjuntos soldados de suspensão (eixos), sistema de exaustão, montagem de componentes de suspensão anterior e posterior, peças pequenas e médias injetadas em plástico e, por ARQUIVO FIAT CHRYSLER

O

Inovar-Auto impôs a diversos importadores a necessidade de se instalar industrialmente no Brasil para ser competitivo. Mas, ao contrário do que poderia parecer, muitos se fixaram em polos de produção relativamente recentes, como fez a Land Rover, no Estado do Rio de Janeiro. Ou até partiu para a criação de novos polos, caso da Fiat, que se instalará em Pernambuco, e da BMW, que escolheu Santa Catarina. Pernambuco, sem tradição automotiva, exigiu da Fiat um esforço grande na atração de fornecedores para seu ambicioso projeto. Para avançar, a montadora italiana criou o que chama de Parque de Fornecedores em Goiana, composto por 16 empresas, instaladas em 12 edifícios construídos pela Fiat em área de 270 mil m² e cedidos a eles em regime de comodato. Esses fornecedores e sistemistas criarão 17 linhas estratégicas de componentes. A previsão para a conclusão das obras é no segundo semestre de 2014. A inauguração está prevista para março de 2015. “As obras civis (prédio e utilidades) terão um custo de R$ 1 bilhão, a cargo da Fiat Chrysler. A isso se somarão os equipamentos de processo, com custo de mais R$ 1 bilhão, somatório dos investimentos a cargo

ANTONIO DAMIÃO, diretor adjunto de Gestão de Projetos Estratégicos da Fiat Chrysler para a América Latina

fim, tanque de combustível, bocal de enchimento de combustível e pedais de comando para acelerador, freio e embreagem. Em joint venture com a Faurecia, a Magneti Marelli terá ainda uma linha de peças plásticas maiores para acabamento interior e exterior. Para os bancos, a Lear estará presente. Isolamentos, tapetes e forração de teto ficarão a cargo da Adler. A Pirelli entregará o conjunto pneus/ rodas. A Saint-Gobain cuidará da preparação e montagem dos vidros. As demais empresas serão Powercoat (pintura de peças metálicas), Denso (sistema de arrefecimento de motor, ventilação e ar condicionado - HVAC), PMC (conjuntos soldados estruturais de chassis e estrutura dos bancos), Tiberina (conjuntos soldados estruturais de chassis) e Brose (mecanismo de levantamento de vidros das portas). Com essa estrutura, a Fiat garantirá 450 das 2 mil novas peças exigidas para a montagem dos veículos que serão fabricados em Goiana, como o novo Jeep Renegade. Esses 450 itens equivalem a 40% do valor total de peças que os automóveis utilizarão. “Os outros itens virão das demais regiões do país, predominantemente do Sudeste. Com o parque, ganhamos sinergia, flexibilidade, redução de estoques e abastecimento just-in-time e just-in-sequence”, diz Damião.


COMPLEXO AUTOMOTIVO INSTALADO

FÁBRICA DE VEÍCULOS & MOTORES FÁBRICA DE MOTORES

COMPLEXO AUTOMOTIVO EM EXPANSÃO

Fonte: Anfavea

AutomotiveBUSINESS • 41


ARQUIVO FIAT

POLOS AUTOMOTIVOS

FIAT: fornecedores se instalam no complexo industrial de Goiana (PE)

CONSOLIDAÇÃO Para as peças que virão de fora, a Fiat terá o Centro de Consolidação. A empresa estima uma movimentação de mais de mil entregas por dia. Internamente, só com os fornecedores e sistemistas do Parque de Fornecedores, o fluxo anual inicial será de 27 milhões de operações logísticas. A separação física entre fornecedores e montadora, ainda que em um mesmo terreno, oferece a vantagem de diminuir riscos trabalhistas. Outras empresas, que colocaram operários e funcionários de fornecedores trabalhando juntos na linha de montagem, enfrentaram processo de equiparação salarial, por exemplo. Segundo a Fiat, o Parque de Fornecedores caracteriza muito bem a identidade jurídica de cada empresa, o que preveniria problemas trabalhistas. O parque criado pela Fiat até poderia ser um novo polo automotivo, com a possibilidade de atrair outras montadoras, mas não será bem assim. “Não há exclusividade no fornecimento de peças para nós, mas o dimensionamento é feito para atender à demanda da Fiat Chrysler, sem espaço para outros processos ou estoque. De qualquer forma, para fornecer para outra companhia, as empresas precisarão de anuência da Fiat Chrysler”, diz Damião.

BMW, LAND ROVER E MERCEDES-BENZ: LUXO EM CONDIÇÕES ESPECIAIS A

fábrica da BMW em Araquari, SC, segue mais ou menos a receita da Fiat Chrysler. Será preciso atrair fornecedores, mas a empresa ainda negocia com a maioria deles e não divulga nenhum. Descobrimos que eles já fecharam com a Tegma, para transportes, e com a Benteler, que fará conjuntos de suspensão. A planta, de 252 mil m² construídos, ficará em terreno de 492 mil m² no km 66 da BR-101. O investimento será de  200 milhões, o equivalente a pouco mais de R$ 600 milhões. Da Land Rover, que se estabelecerá em Itatiaia, no Rio de Janeiro, pouco se sabe. A empresa, também em fase de tratativas, fabricará modelos fora-de-estrada, com sistemas de tração nas quatro rodas, e terá demandas diferentes das demais montadoras instaladas no país. A fábrica terá aporte de R$ 750 milhões até 2020, capacidade de produzir 24 mil carros ao ano, a partir de 2016, e será instalada em um terreno de 590 mil m². O mesmo sigilo vale para a Mercedes-Benz, que terá fábrica em Iracemápolis, SP, com capacidade para 20 mil veículos por ano, entre os quais o novo GLA, SUV compacto da marca, e a nova geração do Classe C. Já existiriam quatro fornecedores em negociações com a marca alemã. Segundo o prefeito de Iracemápolis, Valmir de Almeida (PT), são empresas grandes, que solicitaram terrenos de até 20 mil m². Elas ficarão do lado oposto ao da Mercedes-Benz na rodovia Luis Ometto (SP-306), que liga a cidade a Santa Bárbara d’Oeste. As fabricantes de modelos de luxo, segundo Paulo Butori, presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), são beneficiadas por condições especiais oferecidas pelo InovarAuto para empresas de baixo volume de produção. O governo entende que não pode querer dessas empresas um índice de nacionalização alto pelo nível de eletrônica embarcada. “Quando tiverem volume, elas nacionalizam”, explica.

42 • AutomotiveBUSINESS


E

ntre os novos fabricantes de caminhões, ainda se sabe pouco sobre os fornecedores e sistemistas que os atenderão. A maior parte deles está em processo de contatos e acordos. Os que já estão operando ou prontos para produzir recorreram a soluções locais. A Paccar, dona da DAF, não precisou atrair fornecedores diretamente a sua fábrica de Ponta Grossa, no Paraná, que já está em operação. A produção começou com a parceria da ZF, Meritor, Suspensys, Metalsa, Flamma (antiga Automotiva Usiminas), Jost, Faurecia e Pilkington. A Foton Caminhões, que irá para Guaíba, RS, espera atrair fornecedores chineses na empreitada, mas ainda não fechou contratos. “Em um primeiro momento, estamos em contato com empresas chinesas, uma vez que já produzem peças para nossos caminhões

ARQUIVO DAF/ RODRIGO CZEKALSKI

ENTRE OS CAMINHÕES, DAF SAI NA FRENTE

DAF: Fabricante holandesa já começou a produzir em Ponta Grossa (PR)

na China, facilitando a nacionalização do produto. Neste processo, têm nos procurado empresas da Índia, do México e do Brasil”, afirma Marcio Vita, diretor de operações da Foton Caminhões, explicando que são atrativos o pacote estratégico proposto, incluindo a área, benefícios fiscais, mão de obra qualificada, total apoio da Secretaria de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul e da Foton para todas as questões ambientais e governamentais, além do potencial de fornecimento para projeto e para distribuição na América do Sul. Yunlihong e Shacman, sem assessorias de imprensa, não deram retorno a nossos pedidos de entrevista. A Sinotruk, que afirma ter um departamento de relações públicas em seu site, também não respondeu a nossas perguntas.

RFID INDUSTRIAL Comunicação de dados sem contato O sistema RFID Industrial Balluff é uma solução completa para rastreabilidade em todo o processo logístico desde a produção até o fornecedor. Garantia de rastreamento e transparência de todos os dados com alta flexibilidade e confiabilidade. Dados certos na hora e local certos! ‡Intralogística ‡Controle da Produção ‡E-Kanban ‡Rastreamento de Ativos ‡Contêineres

Tel. 19 3876.9999

www.balluff.com.br


POLOS AUTOMOTIVOS

CONFIANÇA NOS PARCEIROS COMERCIAIS Q

A

Nissan, que colocou a fábrica de Resende em operação recentemente, trouxe do Japão a Yorozu (suspensões), CalsonicKansei (sistemas de climatização), Sanoh (tubos, linhas de injeção e de freios), Kinugawa (componentes de borracha) e MitsuiSteel (chapas de aço), todas instaladas no Parque de Fornecedores da empresa, ao lado da fábrica. Em Porto Real ficaram Tachi-S (bancos) e Nitco (logística). Magneto, Faurecia e Benteler, também em Porto Real, são outros fornecedores da fábrica, mas sem origem japonesa. Além dos fornecedores citados, a Nissan compra componentes de empresas de Taubaté, Caçapava, São José dos Campos, São Paulo, São Bernardo do Campo e Campinas, em São Paulo; Curitiba e São José dos Pinhais, no Paraná; Porto Alegre; Betim, Contagem e Varginha, em Minas Gerais. A Honda terá uma fábrica nova em Itirapina, em São Paulo, para a produção dos novos Fit, City e HR-V, nome do novo utilitário pequeno da marca. A empresa diz que, por questões estratégicas, não fala dos fornecedores que a atenderão, mas eles devem ser os mesmos que já atendem a fábrica de Sumaré. Segundo a Honda, eles estão em um raio de 150 km das duas unidades.

44 • AutomotiveBUSINESS

ARQUIVO NISSAN

NISSAN

ARQUIVO HYUNDAI/ FERNANDO GENARO

uem chega de fora quer ter parceiros de confiança ao lado. É o que explica o fato de a Hyundai, mesmo tendo se estabelecido em São Paulo, com o parque de fornecedores e sistemistas mais amplo do Brasil, ter trazido da Coreia nove empresas com as quais pode contar. Todas estão instaladas perto da fábrica de Piracicaba. A Mobis faz painéis de instrumento e para-choques. A Dymos, os

bancos. Há também Hysco (corte de chapas de aço), MS Autotech (peças estampadas), Hwashin (peças estampadas), Doowon (sistemas de ar-condicionado), Hanil (revestimentos de porta e painéis de teto) e a THN (chicotes e componentes elétricos). Motores e câmbios ainda são importados da Coreia do Sul. Para cuidar da logística, uma parte fundamental do negócio, a Hyundai tem a Glovis, que também controla os estoques.

HYUNDAI: suprimento da planta de Piracicaba (SP) é feito por parceiros conhecidos da matriz coreana

NISSAN: fornecedores vieram do Japão para abastecer as linhas de montagem em Resende (RJ)


JAC MOTORS

Q

uem não seguirá essa receita é a JAC, em Camaçari. O projeto, que inicialmente contava com um terço de participação dos chineses e dois terços do empresário Sergio Habib, teve uma inversão nos papéis em razão das exigências do governo brasileiro para financiamento. O maquinário tinha de ser nacional para poder ser financiado, mas a JAC conseguiria as mesmas ferramentas na China a um preço muito menor, com financiamento do governo chinês. Este foi o motor da mudança societária.

Os fornecedores da JAC, entretanto, serão velhos conhecidos dos mercados brasileiro e mundial. O primeiro a fechar contrato com a montadora foi a Usiminas, que fornecerá as chapas de aço para a estamparia. A Valeo será a sistemista de componentes elétricos. Os para-choques virão da Plascar, com baterias da Tudor, acabamentos de borracha da Hutchinson, vidros da Pilkington, subconjuntos soldados da Weldmatic. Peças plásticas e painéis de portas serão da Autolin.

ARQUIVO CHERY/ THIAGO HENRIQUE

CHERY A

LUIS CURI e ROGER PENG: principais executivos da Chery no Brasil dão a largada da produção

Chery também trará fornecedores de sua terra natal, a China. Com fábrica em Jacareí (SP), ela destinou metade de seu terreno, de 1 milhão de metros quadrados, a 60 fornecedores e sistemistas, sendo 20 deles de origem chinesa. A fábrica, com capacidade para 150 mil carros, teve investimento de US$ 400 milhões (cerca de R$ 960 milhões) e fica às margens da Via Dutra, já perto de São José dos Campos. Futuramente, será inaugurada na região a fábrica da Acteco, divisão de motores da Chery.

SÃO PAULO TERÁ 40% DA PRODUÇÃO T

odo esse movimento de novas empresas, que inclui fábricas de caminhões, mudou pouco a distribuição de produção entre os Estados, ainda que tenha incluído no mapa dois novos integrantes: Pernambuco e Santa Catarina. O Ceará, que conta com a fábrica da Troller, não aparece nas estatísticas por causa da produção pequena do jipe T4, que não chega a 2.700 unidades por ano. Em 2013, nove Estados brasileiros registravam produção de automóveis e veículos de carga e São Paulo detinha 42,8% da produção total efetiva, segundo os dados da Anfavea. Em 2016, serão onze Estados. Levantamento feito por Automotive Business com base na capacidade de produção total instalada para fábricas atuais e já anunciadas até 2016 revela que São Paulo deve ter 40,3% de toda a produção.

AutomotiveBUSINESS • 45


FOTOS: ARQUIVO ZF

O ZF INNOVATION TRUCK, manobrado por um tablet, é um exemplo de integração de tecnologias existentes que projetam o futuro

ELETRÔNICA DÁ LEVEZA AOS PESADOS NOVOS SISTEMAS DA ZF TORNAM POSSÍVEL MANOBRAR CAMINHÕES POR CONTROLE REMOTO, EM UM TABLET PEDRO KUTNEY | DE AACHEN (ALEMANHA)

A

operação de manobrar enormes carretas em espaços apertados pode ser transformada em um simples videogame após boa dose da sempre criativa engenharia alemã. Quem visitar o próximo Salão de Veículos Comerciais de Hannover (o IAA Nutzfahrzeuge), na Alemanha, poderá manobrar por controle remoto um conjunto biarticulado de cavalo mecânico e bitrem, de pouco mais de 25 metros de comprimento e 40 toneladas de carga. Tudo ao simples toque do dedo indicador sobre um tablet. A invenção é da ZF, que aplicou em um protótipo de caminhão híbrido, batizado Innovation Truck, tecnologias que permitem o atrevimento futurístico e revelam o alto potencial

46 • AutomotiveBUSINESS

da eletrônica para tornar veículos pesados mais leves de dirigir do que um quadriciclo, além de trazer maior segurança e economia de combustível. A ZF mostrou seus mais novos sistemas para veículos comerciais no início de julho em um campo de provas na pequena Aachen, na Alemanha, onde algumas dessas tecnologias são desenvolvidas em convênio com a universidade local. A eletrônica usada na mecânica pesada traz à tona novas possibilidades tecnológicas para atender fatores competitivos como redução do custo de propriedade, robustez, maior eficiência energética e eletrificação do powertrain, mas sem perder de vista a economia de escala. “Os fornecedores devem oferecer essa diferen-

ciação e, ao mesmo tempo, colocar diversos fabricantes no mesmo cesto para ganhar escala de produção e reduzir os custos das novas funcionalidades”, avalia Fredrik Staedtler, vice-presidente executivo sênior da ZF Friedrichafen AG responsável pela divisão de desenvolvimento de tecnologia para veículos comerciais. INTEGRAÇÃO O ZF Innovation Truck é um exemplo de integração de tecnologias existentes que projetam o futuro. O protótipo aglutina os novos sistemas de direção assistida eletro-hidráulica Servotwin – desenvolvida pela ZF Lenksysteme, joint venture em partes iguais da ZF com a Bosch – e transmissão automatizada TraXon Hybrid


com motor elétrico, ambos controlados por uma central eletrônica com programa de telemática desenvolvido pela Openmatics. Direção e transmissão acionados eletronicamente tornam possível o controle remoto das manobras. O câmbio TraXon Hybrid aciona o motor elétrico de 160 cavalos, que junto com o sistema eletro-hidráulico de direção Servotwin recebe comandos da central eletrônica acionada por um tablet. O motorista pode ficar ao lado do caminhão para ter melhor visão da manobra. Ele escolhe se quer manobrar para frente ou para trás e arrasta o dedo na tela do tablet no sentido que deseja movimentar o veículo. Para parar é só tirar o dedo da tela. E para evitar acidentes o implemento é equipado com câmeras em todas as extremidades, que mostram as imagens no tablet e acionam os freios caso qualquer obstáculo seja detectado.

DIREÇÃO ELETRO-HIDRÁULICA deixa a condução precisa e confortável

SISTEMAS COMPONENTES DO ZF INNOVATION TRUCK UNIDADE DE CONTROLE SISTEMA DE DIREÇÃO SERVOTWIN

TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA TRAXON HYBRID

PAINEL COM CONEXÃO DE TABLET UNIDADE EMBARCADA OPENMATICS (TELEMÁTICA)

INVERSOR

Fonte: ZF

AutomotiveBUSINESS • 47


FOTOS: ARQUIVO ZF

TECNOLOGIA

PESADO HÍBRIDO pode economizar até 5% de combustível, diz a ZF

DIREÇÃO ELÉTRICA CHEGA AOS CAMINHÕES

A

ssim como já acontece nos carros, a eletrificação de sistemas também é uma tendência nos caminhões para economizar combustível. Contudo, as forças envolvidas são bem diferentes. “A direção elétrica tem bom potencial para aumentar a economia, mas em um veículo pesado o motor elétrico de assistência precisa fazer mais força e isso requer voltagem maior, o que não é possível com baterias comuns”, explica Walter Kogel, diretor de desenvolvimento de sistemas de direção da ZF Lenksysteme. A mais recente evolução nesse caminho foi batizada Servotwin, a primeira direção eletroassistida do mundo para caminhões pesados, que pode ser usada em qualquer modelo. Em vez de usar a força do motor para ajudar o motorista a reduzir esforço ao volante, a bomba hidráulica de óleo é acionada por um pequeno motor elétrico, que consome pouca energia. Com isso, não é necessária alta voltagem. A Servotwin pode evitar o consumo de até 0,6 litro de diesel a cada 100 km, segundo testes feitos pela ZF. Na prática, a direção eletroeletrônica não só deixa as manobras muito mais precisas e confortáveis (é possível esterçar o volante com um dedo), mas também pavimenta o caminho para a integração de modernos sistemas de assistência, como compensação automática de vento lateral e retomada do rumo correto quando o veículo “desgarra” da faixa de rodagem (Lane Keeping Assistance). No futuro, de acordo com a vontade dos fabricantes, será possível agregar sistemas de direção parcialmente autônoma. Mais adiante, o módulo de controle poderá ser operado por computador, para condução sem interferência do motorista.

48 • AutomotiveBUSINESS

Além de tornar tudo mais simples, a propulsão elétrica evita emissão de poluentes e gasto de combustível durante as manobras. No futuro, os técnicos da ZF avaliam que será possível deixar o caminhão na entrada do armazém para carga ou descarga e simplesmente acionar um programa de estacionamento automático. HÍBRIDO A utilização de trem-de-força elétrico em veículos comerciais tem-se limitado a furgões e caminhões leves, pois as baterias não têm autonomia para longas distâncias. Com seu Innovation Truck, a ZF quebra esse paradigma ao aplicar pela primeira vez a propulsão elétrica híbrida em um caminhão pesado. “Estudos de nossa equipe comprovam que o uso de powertrain híbrido em caminhões pesados reduz o consumo acima de 5%”, diz Winfried Gründler, responsável pelo desenvolvimento de tecnologias de rodagem para caminhões e furgões da ZF. “É verdade que 5% é bem menos do que a economia obtida por híbridos no tráfego urbano (em torno de 20%), mas é preciso considerar que a quilometragem e o consumo dos veículos


ARQUIVO ZF / BODEMARC

pesados são muito maiores”, lembra. A transmissão TraXon Hydbrid acoplada ao motor elétrico foi desenvolvida pela ZF como um módulo, para ser instalado em caminhões pesados sem necessidade de modificar projetos. A tração puramente elétrica é utilizada em situações de baixa velocidade. O sistema recupera a energia cinética das frenagens, para recarregar as baterias, e agrega funções start-stop e coasting, que desliga o motor diesel nas paradas ou em velocidade constante. Nesta situação, as rodas em movimento se transformam em gerador. Para poupar diesel, a energia gerada pelo motor elétrico e armazenada nas baterias pode ser direcionada a implementos refrigerados ou equipamentos de cabine, como rádio, navegação e ar-condicionado. Tudo com muita inteligência artificial. Q

UMA TRANSMISSÃO E CINCO MÓDULOS

I

mpressiona a versatilidade da transmissão automatizada modular TraXon. São cinco módulos diferentes. Além da opção híbrida com motor elétrico, existem quatro versões para utilização em motorização diesel: TraXon básica de 12 ou 16 velocidades, Dual (embreagem dupla), Torque (conversor para marchas reduzidas) e PTO (tomada de força para implementos). De acordo com a ZF, a TraXon básica já garante economia de 4% a 5% em relação ao câmbio manual. Para caminhões pesados de longo percurso que adotam relações de marchas longas, para reduzir o consumo por meio da menor velocidade de rotação do motor, a ZF desenvolveu a versão Dual. É a primeira transmissão automatizada para caminhões pesados a usar embreagem dupla, que torna as mudanças de marcha muito mais rápidas e precisas. Praticamente não há “buracos” entre as trocas e o giro permanece constante. Sem perda de rotação, não é preciso acelerar para retomar o torque e a economia aumenta ainda mais, em torno de 7% na comparação com câmbio manual e de 3% a 4% em relação à TraXon básica.

TECNOLOGIA DE BALANCEAMENTO Máxima precisão para produção de autopeças

RA 1056 br

t Máquinas de balancear manuais, semi- e automáticas para suas peças: induzidos, discos de freio, embreagens, turbocompressores, eixos cardan,... t Centragem de massa e balanceamento de virabrequins t Linha de montagem, inflagem e balanceamento de rodas t Correção de massa de peças não rotativas, tais como bielas

The

Group

www.schenck-rotec.br


CAMINHÕES

MERCADO TEM ALÍVIO COM NOVA REGRA DO PSI POSSIBILIDADE DE FINANCIAR 100% DO VALOR DO BEM TENDE A IMPULSIONAR VENDAS PARA 141 MIL UNIDADES ESTE ANO CAMILA FRANCO E GIOVANNA RIATO

O

mercado de caminhões deve ter queda menor do que era esperado até então para 2014. Os emplacamentos podem alcançar 141 mil unidades, segundo projeção da Carcon Automotive. Caso se concretize, o volume será 6,6% inferior ao registrado em 2013. Ainda assim, os negócios vão superar o projetado pela Anfavea, associação que representa os fabricantes de veículos, que anunciou em julho a expectativa de que fossem vendidos 133 mil caminhões este ano, com retração de mais de 13%.

50 • AutomotiveBUSINESS

A mudança do cenário para o setor é resultado da alteração anunciada para o Finame PSI. A linha especial de crédito ganhou mais um atrativo: agora é possível financiar até 100% do valor do veículo. A oferta serve para outros bens de capital além de caminhões, como ônibus, máquinas agrícolas e de construção. Até então o porcentual financiável era de 80% para empresas com receita operacional bruta (ROB) superior a R$ 90 milhões por ano e de 90% para organizações com ROB até esse valor. Os juros permanecem em 6% ao ano e, portanto, abaixo da inflação.

“A mudança é extremamente importante. Certamente fará com que muita gente volte a comprar caminhão para aproveitar a oportunidade, já que a condição, em princípio, vale apenas até o fim deste ano”, avalia Carlos Reis, sócio-diretor da Carcon Automotive. Ele espera que, além de melhorar o resultado de 2014, a medida impulsionará também os emplacamentos do início do próximo ano. “Teremos efeito a partir de outubro que vai durar até fevereiro”, avalia. Alcides Braga, presidente da Anfir, associação que representa os fabri-


MURAO

PARA REIS, MERCA MERCADO BRASILEIR É BRASILEIRO ATRATIVO, APESAR RATIVO, A R DA RETRAÇÃO PREVISTA 2014 A PARA P PAR CARLOS REIS, sócio-diretor da Carcon Automotive

cantes de implementos rodoviários, concorda que o efeito positivo da mudança do Finame PSI não será capaz de reverter as perdas do início do ano. “Trata-se de uma medida que poderá trazer reflexos positivos às vendas de implementos, mas não terá capacidade para reverter a expectativa de balanço negativo em 2014.” Segundo a entidade, o setor acumulou queda de 9% nos negócios de janeiro a julho. 2015 Reis, da Carcon, enfatiza que “ninguém compra caminhão se não houver demanda de carga”. Dentro desse raciocínio, 2015 pode se revelar como mais um ano desafiador, já que o cenário ainda não indica crescimento mais robusto da economia e, consequentemente, do transporte de carga. A consultoria prevê leve crescimento dos negócios, mas ainda sem um número definido. A Anfir salienta a necessidade de o próximo governo continuar a apostar em incentivos às vendas do setor. “É preciso estar atento à importância da manutenção dessas medidas de incentivo à

indústria”, pondera Mario Rinaldi, diretor executivo da organização. Ainda assim, Reis, da Carcon, lembra que mesmo que as vendas de caminhões mantenham certa estabilidade no próximo ano, o mercado nacional ainda é bastante expressivo. “Em 2005 nossas vendas totais eram de apenas 77 mil unidades”, aponta. O consultor defende que, antes mesmo da criação de uma política de renovação, a idade média da frota de caminhões vem caindo por causa das empresas, que ficam com os veículos por período cada vez menor. “Boa parte dos frotistas programa compra de caminhões para 2015, já que a renovação mais recente foi feita em 2012, quando as companhias investiram na última leva de modelos com tecnologia Euro 3”, recorda. Para Reis, há mudança clara na segmentação das vendas nos últimos anos. O especialista aponta que os semipesados e pesados ganham força, enquanto os médios perdem terreno. A transformação, segundo ele, é resultado da busca por mais eficiência no transporte. O papel do caminhão médio é feito pelos leves nos centros urbanos em que há res-

trições à circulação de pesados. Fora das cidades, os semipesados têm sido os substitutos. O consultor aponta que as fabricantes de caminhões instaladas no Brasil terão de superar uma série de desafios nos próximos anos. Entre eles estão o agravamento da crise global, que reflete na economia brasileira, a tendência por corte de incentivos do governo, o aumento da taxa de juros e a forte dependência que o mercado nacional tem do Finame. Além disso, há a questão dos preços elevados dos veículos usados, que impedem que um profissional autônomo que tem um caminhão muito antigo faça a substituição por outro modelo usado, porém mais atual. Com visão otimista para o médio prazo Reis enfatiza que “a indústria nacional nunca teve tanta capacidade produtiva e tecnologia”. Ele lembra que o setor tem uma série de oportunidades. Entre elas está a perspectiva de que o governo anuncie um programa de renovação de frota, os investimentos para melhoria da infraestrutura do País e o aumento das exportações.

AutomotiveBUSINESS • 51


CAMINHÕES

TRANSPORTE DO FUTURO Daimler trabalha no que acredita ser o futuro dos caminhões. O conceito Future Truck 2015 roda de forma autônoma, sem interferência do motorista, e foi demonstrado em estrada na Alemanha. O modelo é um dos destaques da companhia no IAA, principal salão de veículos comerciais do mundo, que ocorre em setembro na cidade de Hannover. No panorama desenhado pela fabricante, o modelo com a tecnologia deve chegas às estradas europeias em 2025 e representará “revolução em eficiência e segurança no transporte”, segundo a Mercedes-Benz. O desenvolvimento do caminhão é parte do projeto da montadora para preservar os recursos naturais e reduzir todos os tipos de emissões. O objetivo é buscar a máxima eficiência no transporte de longa distância. Além disso, o investimento no veículo demonstra a ambição da companhia de se posicionar na liderança do desenvolvimento tecnológico da categoria. O modelo é baseado no extrapesado Actros 1845. O caminhão é equipado com motor até 449 cv. A transmissão é automática PowerShift 3, de 12 velocidades. O design do veículo busca eficiência aerodinâmica. Para rodar sem participação tão ativa do motorista, o Future Truck 2025 conta com sensores nas laterais e na dianteira com alcance até 250 metros. Para controlar o

52 • AutomotiveBUSINESS

FOTOS: DIVULGAÇÃO / MERCEDES-BENZ / DAIMLER AG

A

caminhão, o sistema utiliza dispositivos já existentes na versão atual do Actros, como o sistema de controle de proximidade e o servofreio de emergência. Uma câmera estereoscópica instalada atrás do parabrisa também monitora a área adiante, com alcance de 100 metros. O dispositivo é capaz de identificar pistas da estrada, pedestres, obstáculos estáticos ou em movimento. O equipamento percebe tudo o que se distingue do fundo e, a partir dessa informação, calcula o espaço livre disponível. As informações da câmera e dos sensores são combinadas e fornecem imagem completa do entorno do veíulo. Na prática, o motorista só precisa levar o caminhão até a estrada e ocupar a pista da direita. Quando alcança a velocidade máxima de 80 km/h, o sistema oferece a opção de condução autônoma, a “Highway Pilot.” Com o recurso ativado, o veículo passa a manter distância dos outros de forma totalmente independente. Ele se orienta pela pista, não pelos outros carros e, portanto, dispensa a necessidade de formação de comboio. A Mercedes-Benz constata que a tecnologia terá forte impacto na carreira de motorista de caminhão. Estes profissionais devem passar de condutores para gestores do transporte, já que terão a possibilidade de desempenhar outras atividades enquanto o veículo roda no modo autônomo. „


ARQUIVO HONDA

MÉXICO

HONDA abriu sua segunda fábrica no México, para 200 mil carros por ano

PRODUÇÃO ACELERA, MAS MERCADO INTERNO TEM O PÉ NO FREIO OS INVESTIMENTOS SE MULTIPLICAM NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA DO MÉXICO, DE OLHO NAS EXPORTAÇÕES, QUE REPRESENTAM 82% DA PRODUÇÃO. ENQUANTO ISSO, OS MEXICANOS CONTINUAM SEM PODER COMPRAR OS CARROS QUE FABRICAM SÉRGIO OLIVEIRA DE MELO, DO MÉXICO

A

detonação começou em 1994, com a entrada em vigor do North American Free Trade Agreement (Nafta), desenhado pelo então presidente mexicano Carlos Salinas de Gortari. Naquele momento o México começou a ficar internacionalmente muito mais competitivo e a atrair investimentos massivos do exterior. O tempo trouxe mais acordos parecidos, com a

54 • AutomotiveBUSINESS

Europa, o Japão e o Mercosul, que foi restringido em 2012, mas deve voltar à normalidade em março de 2015. Some-se a tudo isto uma mão de obra considerada de qualidade, com um custo muito baixo, e surgirá a receita que o México usa para atrair o investimento estrangeiro no setor automotivo, que em 2012 representou 21% do total, chegando a US$ 5,02 bilhões. E o futuro parece tão

promissor que os mexicanos já estão quase seguros de que vão ultrapassar o Brasil para conseguir o sétimo lugar no ranking mundial da produção de automóveis. Apesar de todos os acordos comerciais, o principal motor da produção de veículos no México ainda se chama Estados Unidos. Movida pela forte demanda americana, a produção mexicana em 2013 alcançou o


BMW –150 mil veículos/ano HONDA – 200 mil veículos/ano MAZDA – 230 mil veículos/ano NISSAN –175 mil veículos/ano NISSAN E DAIMLER – 300 mil veículos/ano A MAZDA inaugurou sua primeira fábrica no México, para 230 mil veículos/ano

INVESTIMENTOS Em 2014 as coisas começaram a melhorar ainda mais para os mexicanos. O primeiro semestre registrou uma produção de 1,59 milhão de unidades, de acordo com a Asociación Mexicana de la Industria Automotriz (Amia), ante 1,57 milhão de unidades produzidas pelo Brasil, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Claro que parte disso se deve ao fato de o Brasil ter sofrido as consequências do fechamento do mercado argentino e dos feriados pela Copa do Mundo.

recorde de 2.933.465 unidades, o que representou um crescimento de 1,7% comparado a 2012. Desse total, mais da metade (1.646.950 unidades) teve como destino seu vizinho do norte, que comprou 9,5% mais veículos mexicanos do que em 2012. O Canadá manteve o segundo lugar como destino exportador do México, com 194.851 unidades, um crescimento de 21,7%. Os embarques para a América Latina, com o fechamento parcial dos mercados brasileiro e argentino, recuaram 16% em 2013 em relação ao ano anterior.

OS MEXICANOS ESPERAM ULTRAPASSAR O

Mas não é tudo. Em fevereiro deste ano, o México viu a Honda abrir sua segunda fábrica no país, que terá capacidade de produzir até 200 mil automóveis, além da primeira fábrica da Mazda, que montará 230 mil veículos, uma parcela destinada ao Brasil. Em novembro de 2013, a Nissan já havia aberto sua terceira fábrica no país, que colocará mais 175 mil carros nos mercados mexicano e de exportação. Entre a última semana de junho e a primeira de julho foram anunciados mais dois expressivos investimentos. Um deles é da BMW, que vai construir fábrica no estado de San Luis Potosí, para montar 150 mil unidades por ano, fruto de um investimento de US$ 1 bilhão. Outro aporte será feito em conjunto por Nissan e Daimler, que farão no estado de Aguascalientes outro centro de produção, com capacidade para 300 mil carros por ano, consequência de uma aplicação de US$ 1,36 bilhão. Só a Nissan, que detém mais de 25% do mercado mexicano, projeta montar 1,1 milhão

ARQUIVO VOLKSWAGEN

ARQUIVO MAZDA

NOVAS FÁBRICAS NO MÉXICO

BRASIL PARA CHEGAR AO SÉTIMO LUGAR NO RANKING MUNDIAL DA PRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS A VOLKSWAGEN também está presente no México, onde produz o moderno Golf geração 7

AutomotiveBUSINESS • 55


ARQUIVO NISSAN

MÉXICO

NISSAN: três fábricas no país e criatividade nos esforços de comercialização

O MÉXICO ULTRAPASSOU O CANADÁ COMO FABRICANTE DE VEÍCULOS EM 2010 E PROJETA MONTAR 4,3 MILHÕES DE AUTOMÓVEIS EM 2019

de veículos anualmente no México a partir de 2020. Outras marcas já demostraram intenção de construir automóveis em solo mexicano, ainda que não tenham formalizado esse interesse. Uma delas é a coreana Kia, que colocaria sua primeira fábrica no país. Também se fala muito da Toyota, que além de usar a planta da Mazda para fabricar 50 mil compactos por ano, a partir de 2015, teria a intenção de

56 • AutomotiveBUSINESS

fazer uma segunda no México, além da que já tem na fronteira com Estados Unidos. MERCADO De acordo com a Industria Nacional de Autopartes (INA), o crescimento do setor automotivo entre o terceiro trimestre de 2010 e o período correspondente de 2013 foi de 9,8% e de 9,6% no segmento das autopeças. Entre 1994 e 2011, os investimentos estrangeiros no setor automotivo somaram US$ 36,79 bilhões. O México, que ultrapassou o Canadá como fabricante de veículos em 2010, projeta deter 24% da produção na região do Nafta em 2019, quando estaria montando 4,3 milhões de automóveis por ano. Confirmada essa projeção, o país asteca também terá ultrapassado o Brasil, que prevê atingir a cifra de 4,05 milhões de carros produzidos em 2018, de acordo com a Carcon Automotive. Mas por que o México tem recebido tantos investimentos no setor automotivo? Além dos acordos comerciais com boa parte do mundo, principalmente com países da Europa, América do Norte e Ásia (Japão), o que permite uma exportação sem

travas e muito competitiva, o México é barato. De acordo com o Bank of America Merrill Lynch, em 2004 os salários mexicanos eram três vezes maiores que os da China. Hoje, são 20% menores do que os do gigante asiático. O ProMéxico, organismo federal encarregado de promover o país no exterior, não aceita a ideia de que os salários mexicanos sejam baixos, mas muda de discurso na hora de fazer seu trabalho junto aos investidores, mostrando no quesito “Fortalezas do México” que operar no país significa economizar quase 90% dos custos de mão de obra com relação a países de América, Europa e Ásia. Também lembra que na hora de despedir um empregado o custo mexicano é de 52 semanas, contra 91 semanas no caso da China. Enquanto isso, o mercado interno mexicano continua pobre. No ano passado as vendas ultrapassaram um milhão de veículos pela primeira vez desde 2008. Este ano a previsão da Asociación Mexicana de Distribuidores de Automotores (Amda) é vender 1,095 milhão de unidades, o que representa 30 mil veículos a menos do que a projeção original.


VO

EN

AR

QU IVO

AG SW LK

VEÍCULOS USADOS AMEAÇAM MERCADO DE NOVOS CARROS ENTRAM NO MÉXICO SEM VISTORIA

F

abricantes e distribuidores reclamam do eterno mal do México: a importação, legal ou não, de carros usados que chegam dos Estados Unidos. O número representa perto de dois terços das vendas de automóveis novos no México. Por isso, o setor pede regulamentação, já que a maioria entra sem nenhuma vistoria, nem física nem de emissões. Outro ponto importante é o acesso ao crédito, ainda muito difícil para o cidadão normal que em muitas ocasiões trabalha na economia informal. A Nissan Mexicana, por exemplo, presidida pelo brasileiro Airton Cousseau, está usando a criatividade para amenizar o problema e oferecendo crédito para quem não pode comprovar sua renda. Caso isso fosse resolvido, o México poderia chegar a vendas internas anuais da ordem de 1,8 milhão de unida-

des, de acordo com Cousseau. Mas Guillermo Rosales, diretor-geral adjunto da Amda, é menos otimista e acredita que o tamanho do mercado mexicano, com as condições econômicas atuais, é mais próximo a 1,5 milhão. Os dois, porém, esperam que o consumo interno cresça para mudar o quadro atual no qual 82% da produção é exportada, enquanto os mexicanos continuam sem poder comprar os carros que fabricam. Infelizmente, esse mexicano, que já teve seu poder aquisitivo cortado 77,8% entre 1987 e 2014, de acordo com a Faculdade de Economia da Universidad Nacional Autónoma de México, não deve sair do buraco tão cedo, já que a população economicamente ativa deve aumentar 20% entre 2010 e 2020, mantendo baixos os salários e fazendo o México ainda mais atraente para o investidor estrangeiro.

AutomotiveBUSINESS • 57


LANÇAMENTO

| FORD KA

ENFIM, O NOVO FORD KA CARRO CHEGA COM PACOTE COMPLETO DE EQUIPAMENTOS, PREÇO COMPETITIVO E AMBIÇÃO DE SER O COMPACTO MAIS VENDIDO DO VAREJO

F

oi como uma gravidez: nove meses depois de ser apresentado ainda como conceito do segundo carro global da Ford concebido no Brasil, nasceu o novo Ka, primeiro o hatch, e logo depois o irmão gêmeo não-idêntico, com a mesma cara e corpo diferente, em formato sedã, batizado Ka+. Com qualidades de carros de castas superiores e preços competitivos (veja quadro), os dois colocam a Ford para disputar com vantagens e grandes ambições o maior segmento do mercado brasileiro, o de modelos compactos, que respondem por 60% das vendas. “O Ka fecha o ciclo de globalização no Brasil. Hoje todos os nossos produtos vendidos aqui são globais e três deles (EcoSport, Ka e o caminhão Cargo extrapesado) foram desenvolvidos pelo centro brasileiro de engenharia do grupo”, diz Rogelio Golfarb, vice-presidente de relações institucionais da Ford América do Sul. “Esperamos com o novo Ka repetir o sucesso dos carros globais que já lançamos, mas agora em um segmento de grandes volumes, por isso sem dúvida vamos crescer”, aposta o gerente de marketing Oswaldo Ramos. A ambição é grande: “Queremos liderar as vendas de modelos 1.0 hatch no varejo (concessionárias)”, resume, destacando que a Ford já

58 • AutomotiveBUSINESS

ARQUIVO FORD \ WANDERLEY AFFONSO

PEDRO KUTNEY |DE TRANCOSO (BA)

O FORD KA fecha o ciclo de globalização dos produtos da montadora no País

é líder no segmento de compactos com motorização superior a 1 litro com o New Fiesta. “E nossa expectativa para o Ka+ é que ele seja o sedã de maior volume da história da Ford no Brasil.” QUALIDADES “Nosso foco maior é o cliente de varejo, que responde pela média de 70% do segmento, os outros 30% são vendas diretas a frotistas. Por isso equipamos melhor o carro desde a versão mais barata, acreditando que esse consumidor quer isso”, afirma Ramos. Nesse sentido, o novo Ka de fato oferece o melhor pacote do segmento, com preços que fi-

cam abaixo dos concorrentes com o mesmo nível de equipamentos. A versão mais básica, a SE, vem com direção assistida elétrica (pode representar 3% de economia de combustível), ar-condicionado, acionamento elétrico dos vidros e travas com controle remoto na chave, sistema de som com rádio e entrada USB e, ainda, doca para o smartphone no painel com conexão Bluetooth. Na versão imediatamente acima, SE Plus, estão incluídos vidros elétricos traseiros e o sistema de infoentretenimento Sync, com controle de funções por comando de voz, como navegador GPS, som com


ARQUIVO FORD \ PEDRO BICUDO

LANÇAMENTO | FORD KA

O KA oferece o melhor pacote do segmento, com preços abaixo dos concorrentes

60 • AutomotiveBUSINESS

PREÇOS DO KA E KA+

S:

Ka+ SE 1.0: R$ 37.890 Ka+ SE 1.5: R$ 42.890 Ka+ SE Plus 1.0: R$ 39.890 Ka+ SE Plus 1.5: R$ 44.890 Ka+SEL 1.0: R$ 42.490 Ka+SEL 1.5: R$ 47.490

O

SEDÃ

\ WANDERLE Y AF FORD FO IVO

NS

Ka SE 1.0: R$ 35.390 Ka SE 1.5: R$ 40.390 Ka SE Plus 1.0: R$ 37.390 Ka SE Plus 1.5: R$ 42.390 KaSEL 1.0: R$ 39.990 KaSEL 1.5: R$ 44.990

O

HATCH

QU AR

E

mbaixo do capô o novo Ka também tem vantagens sobre a concorrência com o novo motor de três cilindros e duplo comando de válvulas, que começou a ser produzido este ano na nova fábrica baiana de motores em Camaçari. É o 1.0 mais potente da categoria, com 80 cavalos (gasolina) ou 85 (etanol), e também o mais econômico, com selo A do programa de etiquetagem do Inmetro. Na prática, o desempenho do mais novo três-cilindros do mercado é bastante esperto. A Ford também vai oferecer no Ka hatch e sedã o motor 1.5 Sigma, com bloco e cabeçote de alumínio, feito em Taubaté (SP). Com 110 cavalos, o propulsor está entre os mais potentes da categoria e também tem nota A do Inmetro.

FO T

MOTOR ESPERTO E MAIS ECONÔMICO

CD/MP3 player e conexão com o celular. Além disso, a função Applink permite rodar no Sync programas instalados no smartphone, como rádio ou navegador. Outra função já habilitada no Sync é a chamada automática, pelo celular pareado do motorista, para o serviço móvel de emergência (Samu) em caso de acidente com deflagração dos airbags ou corte da bomba de combustível. Na versão topo de linha SEL o novo Ka vem com um interessante pacote de segurança ativa, que

além dos itens já incluídos em todas as versões (como ABS com distribuição eletrônica de frenagem e controle de tração nas curvas), também tem o controle de estabilidade (ESC), que monitora o comportamento do carro e aciona os freios para corrigir o rumo e evitar derrapagens e capotamentos. O ESC usado pela Ford é comprado da Continental e por enquanto é importado, mas há planos de fazer o sistema aqui caso a demanda justifique. O Ka SEL tem ainda o assistente de partida em rampa e sai calçado de fábrica com pneus verdes (Pirelli ou Continental), com baixa resistência ao rolamento, capazes de reduzir o consumo em até 3%. O espaço para os ocupantes está entre os melhores da categoria. Hatch e sedã são bastante confortáveis. O acabamento interno é adequado e fica um ponto acima da média. Ainda dentro da cabine, 21 porta-objetos completam a conveniência dos passageiros. O porta-malas do sedã Ka+ é bem generoso, com 445 litros. Q


INDÚSTRIA

ARQUIVO FORD

FORD INVESTE R$ 215 MILHÕES NA TROLLER

NOVO TROLLER T4 ganhou visual moderno e motor diesel de 200 cv

ESTRATÉGIA PODE SUSTENTAR MARCA APÓS FIM DOS INCENTIVOS FISCAIS PEDRO KUTNEY | DE HORIZONTE (CE)

N

inguém entendeu quando a gigante Ford comprou a pequenina Troller, uma fábrica instalada em Horizonte, no Ceará, que produzia artesanalmente pouco mais de mil unidades por ano do jipinho T4, com carroceria de fibra de vidro. A resposta está na gorda cesta de incentivos fiscais do antigo Regime Automotivo do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, criado nos anos 1990. Na prática, quando adquiriu a Troller, há oito anos, a Ford passou a gozar de isenção total de IPI de tudo o que fosse produzido na região, inclusive na unidade de Camaçari (BA). Esses benefícios, se não forem prorrogados como já ocorreu em 2010, terminam no fim de 2020. Chegou a hora, portan-

62 • AutomotiveBUSINESS

to, de devolver uma pequena parte dos bilhões recebidos com isenções tributárias para tentar fazer a Troller sobreviver após o fim dos benefícios. Logo depois do Natal de 2006, o governo federal publicou decreto sob medida para a Ford, em que autorizava a compradora de uma indústria automobilística no Nordeste a “herdar” os benefícios fiscais para todas as suas operações na mesma região, desde que a fábrica comprada fosse mantida funcionando com o mesmo nível de emprego e atividade. “Na época a Ford prometeu investir na Troller e hoje cumpriu essa promessa. Espero em breve ver a produção dobrar de 1,2 mil para 2.640 por ano. Não tenho dúvida que há mer-

cado no Brasil para isso, com novas aplicações para o T4 feito aqui”, disse o governador do Ceará, Cid Ferreira Gomes em julho, na cerimônia em Horizonte que marcou o início da produção do novo T4 na fábrica totalmente modernizada. A Ford remodelou completamente a unidade de Horizonte e seu único produto, o fora-de-estrada T4, com investimento de R$ 215 milhões – algo como três meses de isenções de IPI nos produtos feitos em Camaçari. Os recursos vêm do mesmo pacote de R$ 2,8 bilhões que a Ford investiu em suas operações no Nordeste. “O investimento feito aqui faz parte de nossa estratégia de competitividade. É para que o negócio seja susten-


ARQUIVO FORD / WANDERLEY AFFONSO

INDÚSTRIA

LINHA DE PRODUÇÃO da Troller em Horizonte, no Ceará, foi totalmente modernizada

tável. Quando compramos a Troller, dissemos que iríamos levar o T4 para o próximo nível. Muita gente duvidou disso na época, mas é o que estamos fazendo agora”, justificou Rogelio Golfarb, vice-presidente de assuntos institucionais da Ford América do Sul. Segundo ele, a completa remodelação do design e mecânica do T4 deverá abrir novas oportunidades de mercado para além do uso meramente recreativo, como frotas de segurança, polícia e mineração. O T4 recebeu nova carroceria e chassi. Agora ele usa o mesmo motor

3.2 turbodiesel da picape Ranger, de cinco cilindros e 200 cavalos. O câmbio manual de seis marchas também é o mesmo, feito na China pela Getrag – fabricante alemã de transmissões pertencente à Ford. No interior o quadro de instrumentos e sistema de som são igualmente comunizados com a Ranger, como solução para superar a baixa escala de produção do 4x4, que torna inviável a fabricação de componentes exclusivos. Para Golfarb, o Troller T4 é agora “um produto nacional com padrão mundial”. Ainda assim, não existem

ARQUIVO FORD

QUADRO DE INSTRUMENTOS e sistema de som vê da Ranger, assim como o motor e câmbio

64 • AutomotiveBUSINESS

planos de exportar o modelo no momento. É certo que, por causa de seu método construtivo, com fibra de vidro aplicada sobre estrutura tubular, o carro tem cabine frágil e não passaria em testes de segurança mais rigorosos. Por ser destinado a encarar trilhas fora-de-estrada, nem sequer tem airbags frontais – a legislação brasileira permite essa isenção para offroads, sob alegação de que, ao encarar trilhas, as bolsas de ar poderiam se abrir acidentalmente. FÁBRICA REMODELADA A unidade de produção do T4 precisou passar por completa remodelação para fazer o novo carro. A principal mudança está na produção das 43 peças de fibra de vidro que compõem a carroceria. Antes moldadas à mão, agora as partes são prensadas a quente, pelo processo Sheet Moulding Compound (SMC), o mesmo usado para fabricar carrocerias de carros esportivos como o Mustang GT. Depois de estampadas, as partes são coladas por três robôs. A carroceria completa é aplicada sobre uma estrutura tubular de aço. Após pintadas e polidas, as cabines passam pela montagem final e são encaixadas sobre o chassi com motor, câmbio e eixos. Com as melhorias recebidas, a cadência de produção deu um salto. Antes a fábrica de Horizonte podia produzir seis unidades por dia em um turno. Agora, com os mesmos 400 funcionários no mesmo turno, o ritmo pode subir para 10/dia e chegar a até 12. “Nossa expectativa é mais que dobrar as vendas com o novo T4. Já é possível atender essa demanda apenas com a modernização da planta. Mas se precisarmos poderemos, no futuro, adotar mais um turno”, explica Wilson Vasconcellos Filho, gerente de vendas, marketing e serviços da Troller. Q


LANÇAMENTO

SANDERO MUDA PARA MELHOR ATÉ NO PREÇO RENAULT CAPRICHA NA RENOVAÇÃO E REDUZ EM 5% VALORES DO CARRO PEDRO KUTNEY, AB | DE FLORIANÓPOLIS (SC)

Por fora o SANDERO 2015 ganhou a nova identidade visual da Renault

66 • AutomotiveBUSINESS

mais profunda remodelação desde o lançamento da primeira geração, há sete anos, ainda mantém o seu atrativo principal, o espaço barato. Com uma vantagem: a Renault caprichou um pouco mais no acabamento, design e equipamentos de série da versão 2015 de seu campeão de vendas no Brasil, responsável por 43% dos emplacamentos da marca, com mais de 500 mil unidades licenciadas desde 2007. “O Sandero é um divisor de águas na história da Renault do Brasil, foi e continua sendo deci-

sivo para o crescimento da marca no País; suas vendas aumentaram ano após ano, o que é muito difícil acontecer após todo esse tempo no mercado”, destaca Olivier Murguet, presidente da subsidiária brasileira da empresa. Segundo o executivo, a redução de preços foi conseguida com redução de custos de produção. A renovação completa do Sandero é fundamental para dar novo impulso ao avanço da Renault, que mesmo diante da queda generalizada de vendas de veículos em torno de 6% no primeiro se-

FOTOS: ARQUIVO RENAULT / LUIZ COSTA / AGÊNCIA LA IMAGEM

U

m hatch médio com preço de compacto, que começa em R$ 29.890 e chega a R$ 42.390, com surpreendente redução média de 5% nos valores da tabela anterior do modelo, oferecido nas versões Authentique 1.0, Expression 1.0, Expression 1.6 e Dynamique 1.6. A quase imbatível relação custo/benefício continua sendo a essência do Sandero, que mesmo após passar pela


LANÇAMENTO

mestre de 2014, foi a marca que mais cresceu no período, acima de 10%, elevando sua participação de 6,6% para 7%. A meta oficial é chegar a market share de 8% até 2016. “É um segmento que representa mais de 50% das vendas de veículos no Brasil, que tem cerca de 1,5 milhão de clientes por ano”, destaca Bruno Hohmann, diretor de marketing da Renault. Ele avalia que o Sandero está um pouco acima do mercado de carros de entrada. Por isso, estima que 60% das vendas serão da opção com motor 1.6 e 40% com o 1.0. A projeção é que apenas 10% dos emplacamentos sejam da versão mais barata Authentique 1.0, outros 50% devem ficar para a intermediária Expression (sendo meio a meio entre 1.0 e 1.6) e outros 40% para a topo de linha Dynamique (só 1.6). EVOLUÇÃO A Renault mexeu bastante na plataforma do Sandero. De acordo com a montadora, foram três anos de desenvolvimento, com 122 mil horas de engenharia e 12 mil horas de design. Cerca de 80% dos componentes são novos. Foram introduzidas melhorias importantes, com ganhos na estabilidade, ruído e conforto. Desde a primeira

68 • AutomotiveBUSINESS

NOVO PAINEL e versão 1.2 da central multimídia Media NAV elevaram o nível de conforto no amplo interior do Sandero

geração do Sandero, o desenvolvimento do hatch foi realizado por designers e engenheiros sediados no Brasil. “Foi o primeiro modelo global da Renault desenvolvido fora da Europa”, lembra Murguet. É justo reconhecer que o valor agregado cresceu no novo Sandero. Além do design renovado e reformulação total do interior, a plataforma reprojetada ganhou nova estrutura, com aços de diferentes resistências para absorver impactos e preservar a cabine – algo essencial para melhorar o resultado no crash test do Latin NCAP, que avaliou o carro com apenas uma estrela em teste sem airbags realizado em 2012. Também ajuda bastante na segurança a adoção em todas as versões, obrigatório por lei, de airbags para motorista e passageiro da frente e freios com sistema ABS, de nona geração, com distribuidor eletrônico de força de frenagem (EBD). De fato, o pacote tecnológico do Sandero subiu um degrau. O car-

ro traz para o segmento ar-condicionado automático controlado por computador (disponível como opcional na versão topo de linha Dynamique 1.6) e a geração 1.2 do Media NAV, sistema multimídia opcional de R$ 1,2 mil que agrega ao carro navegador GPS, sistema de som, piloto automático (controlador e limitador de velocidade), conexão Bluetooth com o telefone celular e as funcionalidades Eco-Coaching e Eco-Scoring, que orientam o motorista a dirigir com maior economia de combustível. O sistema também é integrado com sensor de estacionamento e câmera de ré. No interior remodelado, a adoção de materiais de melhor qualidade no painel e bancos tira a nova geração do Sandero da indigência do acabamento espartano da versão antiga. A principal novidade sob capô é o motor 1.0 16V Hi-Power, que estreou no Clio e é oferecido no novo Logan, com potência máxima de 80 cavalos (com etanol), um pouco mais do que os 77 cavalos da versão anterior. O propulsor fica entre os mais potentes 1.0 disponíveis no mercado e recebeu nota A no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, do Inmetro, que aferiu consumo no ciclo urbano de 8,1 km/l (etanol) e 11,9 km/l (gasolina) e, na estrada, 9,2 km/l (gasolina) e 13,4 km/l (etanol). Mas não emociona. O tamanho do Sandero cobra seu preço no desempenho. Q


FÁBRICA

CHERY É 1a CHINESA A INAUGURAR PLANTA NO BRASIL UNIDADE SÓ COMEÇARÁ A PRODUZIR PARA VALER A PARTIR DE DEZEMBRO PEDRO KUTNEY | DE JACAREÍ (SP)

M

esmo sem nenhum carro rodando na linha de montagem, que ainda precisa de ajustes finais, a Chery adiantou a inauguração oficial de sua primeira unidade de produção completa fora da China – também a primeira fábrica chinesa de veículos a abrir as portas no Brasil. Em evento no dia 28 de agosto, com a presença de autoridades brasileiras e executivos da companhia, foi feita a abertura simbólica das instalações industriais em Jacareí (SP), para mostrar a todos que elas estão quase prontas e assim eliminar a desconfiança que rondava o empreendimento, já atrasado em cerca de um ano. Segundo a empresa, os primeiros Chery brasileiros serão enviados às concessionárias em dezembro. O custo de produção mais alto no Brasil não preocupa os chineses: “É mais caro produzir aqui do que na China, mas trazer carros de lá tem preço elevado de transporte e o imposto de importação é bastante alto. Tudo isso será compensado com a fabricação local”, pondera Zhou Biren, vice-presidente da Chery e chefe de operações internacionais

70 • AutomotiveBUSINESS

IS : LU OS FOT

DO

PRA

CHERY montou o primeiro Celer brasileiro para testes

da fabricante. O mesmo raciocínio se aplica aos mercados vizinhos da América do Sul: “O desejo da matriz é exportar do Brasil para todos os países da região.” CONFIANÇA A inauguração acontece em cenário bastante diverso do vislumbrado em 2009, quando o mercado brasileiro de veículos crescia ao ritmo de dois dígitos porcentuais ao ano e a Chery decidiu investir em fábrica no País. Desde 2011 as vendas da marca vêm caindo, chegaram a 8 mil carros em 2013. Este ano a expectativa da empresa é emplacar 15 mil unidades. Mas um problema adicional surgiu: o mercado entrou em declínio. Nada disso, contudo, parece abalar a confiança dos chineses da Chery. “O País tem 200 milhões de habitantes, o desenvolvimento econômico é rápido e seu mercado automotivo também cresce rápido, é o quarto maior do mundo. Achamos que a Chery atende às necessidades dos brasileiros, que são muito amigáveis com os chineses. A relação entre os governos dos dois países é muito boa dentro dos Brics. A base

industrial aqui é forte, com mão de obra qualificada”, justifica Biren. Com planta local e projetos adaptados ao gosto do cliente brasileiro, os executivos esperam ver as vendas voltarem a crescer rapidamente. “Até 2018 queremos vender de 100 mil a 120 mil carros por ano com participação em torno de 3% no mercado”, afirma Roger Pen, presidente da Chery Brasil. “A situação atual (de queda das vendas) deverá se reverter, pois há mercado para isso. O Brasil ainda tem baixa taxa de motorização e medidas para reaquecer o mercado já estão sendo tomadas pelo governo”, avalia Curi. A companhia trabalha na ampliação da rede de concessionárias. Até o fim deste ano o número de casas deve saltar de 67 para 100, com foco na região Nordeste, que cresce em ritmo mais acelerado do que outras regiões. INVESTIMENTOS A Chery investe com recursos próprios de US$ 530 milhões para instalar duas fábricas em Jacareí: uma de automóveis e outra de motores. Em terreno de mais de 1 mi-


INAUGURAÇÃO SIMBÓLICA DA FÁBRICA DA CHERY EM JACAREÍ: presença de autoridades

lhão de metros quadrados às margens da Via Dutra, a primeira planta começou a ser erguida em junho de 2011 e recebeu aportes de US$ 400 milhões. Tem área construída de 400 mil metros quadrados que abriga em três prédios os setores de soldagem de carrocerias, pintura e montagem final (as partes estampadas virão da China neste primeiro momento). O complexo ainda contempla pista de testes de cerca de 1 km. Com a fábrica operando ainda parcialmente, a Chery Brasil conta com 300 funcionários. Até o fim de 2014, pelo menos 500 pessoas estarão contratadas. “Deveremos produzir 50 mil unidades dos modelos Celer e QQ no primeiro ano de operação. Numa segunda fase poderemos chegar a 150 mil por ano, com 3 mil empregados”, informa Roger Peng. O primeiro carro a ser feito no Brasil será o Celer, nas versões hatch e sedã. No segundo trimestre de 2015 entra em linha o novo QQ, compacto que passará por modificação de design. Em 2016 será a vez de um utilitário esportivo. No mesmo ano, todos os três devem

CURI: “A partir de 2018 a Chery terá um automóvel pensado, desenvolvido e produzido especialmente para o mercado brasileiro”

começar a ser exportados para países da América do Sul. Também fica em Jacareí, mas em outro terreno, a fábrica da Acteco, a divisão de powertrain da Chery, que investe US$ 130 milhões para produzir dois propulsores flex gasolina-etanol. O 1.5 de quatro cilindros começa a ser feito já para o Celer, com sistema de injeção bicombustível fornecido pela Delphi. No próximo ano entra em linha o 1.0 de três cilindros para o QQ, com sistema da Magneti Marelli. A partir de 2016, a Acteco também passará a fabricar transmissões na planta brasileira. NACIONALIZAÇÃO O índice de nacionalização dos primeiros Chery fabricados no Brasil deve começar em cerca de 50% e será aumentando gradualmente, podendo chegar a 70% em aproximadamente dois anos. Já foram assinados contratos com 22 fornecedores no País. Entre eles estão Plascar, Metagal, Pirelli, Moura, Robert Bosch, HVCC, Tyco, Johnson Controls, Goodyear, Basf e Petronas. “Todas essas empresas estão situadas em um raio de até 100 km de distância;

porém, já contamos com um espaço ao redor da fábrica de automóveis para receber um futuro polo de fornecedores”, diz o vice-presidente Curi. Segundo ele, já está acertada a vinda de duas fabricantes chinesas de autopeças – uma delas fornecerá os bancos. Também para aumentar os índices de nacionalização e atender os requisitos do Inovar-Auto, que envolvem metas mínimas de investimento em pesquisa e desenvolvimento no País, a fabricante chinesa decidiu instalar um centro de engenharia, que recebe aporte de R$ 50 milhões. “Provavelmente, a partir de 2018 a Chery terá um automóvel pensado, desenvolvido e produzido especialmente para o mercado brasileiro”, diz Curi. “É uma ferramenta fundamental para melhorar a qualidade de nossos produtos aqui e atender as exigências do Inovar-Auto”, completa. „

ASSISTA À ENTREVISTA EXCLUSIVA COM

LUIS CURI,

VICE-PRESIDENTE DA CHERY

AutomotiveBUSINESS • 71


MURAO

WORKSHOP | PLANEJAMENTO 2015

EVENTO reuniu 283 participantes no Hotel Hyatt, em São Paulo (SP)

ASSISTA À COBERTURA ESPECIAL DA AB WEBTV

ECONOMIA FRACA E INOVAR-AUTO DITARÃO O RITMO MESMO EM CENÁRIO DE BAIXA DEMANDA, EMPRESAS TÊM O DESAFIO DE MANTER FOCO NA CONSOLIDAÇÃO DE INVESTIMENTOS E EM ATENDER EXIGÊNCIAS DO INOVAR-AUTO CAMILA FRANCO, GIOVANNA RIATO, PEDRO KUTNEY E SUELI REIS

A

ntes que o desafiador 2014 acabe, as empresas se debruçam sobre o planejamento do próximo ano, para evitar que 2015 repita resultados minguados. O Workshop Planejamento, promovido por Automotive Business no dia 18 de agosto, buscou apontar direções para que as companhias que compõem a cadeia automotiva façam os

72 • AutomotiveBUSINESS

planos do próximo ano. O evento ocorreu no Hotel Grand Hyatt, em São Paulo (SP), e reuniu recorde de 283 participantes. Em apresentação no workshop, Jomar Napoleão, consultor sênior da Carcon/LMC Automotive, enfatizou que a indústria local só deve voltar a contar com expansão em 2015. A fabricação de veículos leves, em

acompanhamento da retração do mercado, deverá cair 8% este ano, para 3,2 milhões. Nos anos seguintes deve voltar a acontecer avanço gradual. “Crescerá 6% em 2015, mas ainda será volume 2% menor do que o observado em 2013.” Além do baixo ritmo das fábricas, as empresas instaladas localmente precisam administrar a falta de efi-


2

sg

. O²

em

lo

por

3 p issĂľe to

e

respond e t r or cen

das bais de C

O t ranspo

Impulsionando inovação em transporte.

$GHPDQGDSRUWUDQVSRUWHVHJXURHÂżFLHQWH HHFRQ{PLFRHVWiFUHVFHQGRWmRUiSLGRTXDQWR DVHFRQRPLDVHPGHVHQYROYLPHQWRGRPXQGR $VWHFQRORJLDVSDUDJHUHQFLDPHQWRGHHQHUJLD PHFkQLFDGD(DWRQHVWmRFRQWULEXLQGRSDUD RGHVHQYROYLPHQWRGDVVROXo}HVGHWUDQVSRUWH GDSUy[LPDJHUDomRTXHFRQWLQXDUmR DLPSXOVLRQDUQRVVRFUHVFLPHQWR $QWHFLSHRDPDQKm5HDOL]HKRMH ZZZHDWRQFRPEU


ciência do Inovar-Auto. O programa, que entrou em vigor em janeiro de 2013, até agora passou longe de atingir o objetivo de tornar a indústria nacional competitiva e inovadora. “O que podemos observar em curto prazo como benefício é a redução drástica da participação dos importados nas vendas”, detalha Marcelo Cioffi, sócio-diretor da PWC. Cioffi acredita que a transformação na indústria virá com a concretização dos investimentos anunciados. Ele usa números da Anfavea, associação dos fabricantes de veículos: “Mais de 30 empresas anunciaram investimentos, um total de mais de R$ 57 bilhões, após o anúncio do regime. Este montante deverá contribuir para aumentar a capacidade produtiva em quase 2 milhões de unidades em 2020.” Apesar dos planos, o consultor reconhece: “O Inovar-Auto foi criado em momento crítico para o setor. O mercado estava em plena expansão, mas o potencial produtivo não evoluiu na mesma proporção. Os investimentos nos impulsionam a ultrapassar a barreira de 5 milhões

FOTOS: MURAO

WORKSHOP | PLANEJAMENTO 2015

CIOFFI aponta aumento de quase 2 milhões de unidades na capacidade produtiva até 2020

de veículos de capacidade produtiva, mas não podemos esquecer o longo caminho que ainda não percorremos e todas as dificuldades a ser enfrentadas para chegar as 4 milhões de unidades por ano”, conclui. Fernando Zilveti, diretor da WTS e

O NOVO CONSUMIDOR

P

ara o médio prazo a indústria automotiva tem como desafio agradar e atrair o novo consumidor, que hoje tem entre 20 e 37 anos e integra a geração Y. Esse grupo reúne dois bilhões de pessoas no mundo, cerca de 60 milhões delas no Brasil, o correspondente a 29% da população. Maurício Muramoto, diretor da Deloitte, enfatizou que a nova geração de consumidores está muito mais interessada em compartilhar do que em ter certos produtos. “A propriedade já não é mais tão importante”, avalia. O vice-presidente de vendas da T-Systems para o setor automotivo, Camilo Rubim, acredita que o cenário é de transformação. Segundo ele, o mercado global passou por uma série de momentos importantes: a era da manufatura, a da distribuição e a da informação. Agora, desde 2010, o mundo vive o que ele chama de era do cliente. O momento permite a interação do consumidor com a empresa, mais transparência nas relações, produtos customizados e que se comunicam com o cliente. “O mundo digital é a revolução do consumidor.”

74 • AutomotiveBUSINESS

Zilveti Advogados, defendeu, no entanto, que apesar dos desafios a ser superados, o programa é adequado para o Brasil. “Todo imposto indutor tecnológico é muito bem-vindo. O Inovar-Auto é uma renúncia moderna”, afirma. Para ele, a política não será afetada pelas reclamações de protecionismo da Organização Mundial do Comércio (OMC). “Isso não acontece só aqui. A Europa usa amplamente os incentivos fiscais para desenvolver sua indústria. Por que o Brasil não pode?”, pergunta. Ele ressaltou que o setor automotivo é o maior consumidor de benefícios fiscais no País, absorvendo 53,5% de todos os estímulos concedidos. O advogado citou o exemplo da desoneração de IPI, que de 2009 a 2013 somou R$ 6 bilhões. “Mas isso não quer dizer que não haja retorno”, avalia, apontando a arrecadação extra de PIS/Cofins no mesmo período, de R$ 11,8 bilhões, gerados pelo aquecimento das vendas de veículos. CADEIA PRODUTIVA Letícia Costa, sócia-diretora da Prada Assessoria, tem visão mais crítica sobre o programa do governo. Para ela, o novo regime automotivo não tem efeito sobre a competitividade da indústria. “Apesar da proteção dada às montadoras, a cadeia de fornecimento vem sofrendo com queda de faturamento. A rastreabilidade pode mitigar essa situação, mas não está isenta de desafios”, aponta, lembrando que o decreto que regulamenta a checagem da origem de fabricação das autopeças foi publicado recentemente e depende ainda de algumas regulamentações, o que pode levar tempo. “O que temos visto até o momento é que este é um programa de proteção disfarçado de programa de inovação.” Além do rastreamento dos componentes dos veículos, o programa


VISÃO OTIMISTA

MOAN projeta crescimento para 2015

E

nquanto representantes da cadeia de autopeças mantêm o tom preocupado, o presidente da Anfavea, Luiz Moan, tem visão mais otimista sobre mercado e indústria brasileira. Ele reafirmou a esperança em um segundo semestre muito melhor do que o primeiro este ano. O dirigente admite que o mercado não conseguirá repetir os níveis de 2013, mas que os dados mostram franca recuperação das atividades comerciais do setor. “Chegamos ao fundo do poço, mas daqui para frente estamos em um ritmo de recuperação”, avalia. Moan admite também que o maior problema no momento é o acerto nos estoques, que no fim de julho atingiram as 380 mil unidades, o equivalente a 39 dias vendas. “Ainda teremos ações de ajustes nas linhas de produção até colocar os estoques em níveis adequados”, disse. Para 2015, ainda não há projeções definidas. Contudo, ele defende que será melhor que 2014. “Tenho a convicção de que a curva de retomada foi atingida.”

PEÇAS FORJADAS A FRIO

A Metalcoop possui equipamentos e o conhecimento apropriados para fornecer soluções em forjados a frio e a morno às indústrias que requeiram elevado nível de qualidade de seus fornecedores.

Exemplos de fluxo de forjamento:

-----

-----

Peças fabricadas a partir de tubo

-----

-----

www.metalcoop.ind.br

-----

-----

-----

-----

-----

Peças fabricadas a partir de barras de aço maciço

Praça Álvaro Guião nº 233 - Bairro Estação CEP: 13.323-169 - Salto/SP Fone: (11) 4028-9600 | Fax: (11) 4021-2107

metalcoop Conformação

is eta de M

Produz peças cilíndricas e simétricas com até 30 quilos, como eixos maciços ou vazados, pinhões, luveiras e buchas. A tecnologia empregada permite fornecer peças com sobremetal mínimo, podendo até realizar o forjamento com as medidas finais. Para ser reconhecida como parceira estratégica de negócios de seus clientes por agregar valor através de produtos e soluções tecnicamente superiores e com preços competitivos, mantém um esforço contínuo de adequação aos mais elevados níveis de excelência do mercado.


MURAO

WORKSHOP | PLANEJAMENTO 2015

INOVAR-AUTO É PROGRAMA DE PROTEÇÃO DISFARÇADO DE PROGRAMA DE INOVAÇÃO LETÍCIA COSTA, diretora da Prada Assessoria

ABALO ECONÔMICO

O

s economistas que participaram do evento admitiram que a conjuntura não é animadora. Ainda assim, enfatizaram que o crescimento econômico mais acanhado não é exclusividade do Brasil. “O PIB brasileiro deve beirar a estabilidade em 2014, mas não cai; enquanto isso, as outras economias emergentes apresentam crescimento maior, exceto pela Rússia, cuja previsão é de queda”, aponta Leonardo Fonseca, vice-presidente do Credit Suisse. O banco projeta crescimento de 0,6% no PIB brasileiro este ano. Fabiana D’Atri, do Bradesco, enfatiza que a situação complicada não é irreversível. “Não adianta colocar o Brasil no campo dos ‘não competitivos’. Cada um se recupera ao seu ritmo, à sua realidade. Não tem mercado fácil. Avaliamos que hoje, no Brasil, não há nenhum problema insolúvel”, crava Fabiana. Os dois especialistas creem que em 2015 o PIB nacional atingirá alta de 1,5%, abaixo do crescimento de 4% projetado pelo FMI. Segundo a representante do Bradesco, 2015 tende a ser semelhante a 2003, ano não tão recente, mas com características marcantes: um primeiro semestre de ajustes e reformas com um segundo semestre de recuperação da confiança. André Schwartzman, da consultoria KPMG, recomendou reestruturação para que as empresas superem o cenário de baixo crescimento. Segundo ele, este processo passa pela solução de problemas internos, com melhoria da produtividade e competitividade para sobreviver em ambiente adverso. “A reestruturação é como passar no pronto-socorro ou na UTI. É uma situação extrema, mas todo o mundo deve passar um dia, ainda em tempo de recuperar os danos.”

76 • AutomotiveBUSINESS

do governo também não esclareceu as regras para que as empresas inscritas cumpram as metas de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D). Com isso, a especialista estima que os resultados mais expressivos do regime automotivo só surgirão a partir de 2015, deixando pouco tempo para mudar o cenário da indústria nacional, já que o Inovar-Auto termina em 2017. Dan Iochpe, conselheiro do Sindipeças, concorda que o setor de autopeças está longe de superar seus principais desafios. O faturamento do setor, que foi de R$ 85,6 bilhões em 2013, deverá cair para R$ 79,2 bilhões em 2014 e para R$ 79 bilhões no ano que vem. Uma das piores consequências será a redução de investimentos. Eles deverão passar de US$ 1,9 bilhão em 2013 para US$ 930 milhões em 2015. Com a economia mais fraca do que o esperado, o executivo diz que a projeção mais realista é a de continuação do nível de contenção, ao menos até 2015. “Talvez em 2016, com crescimento de um a dois pontos percentuais do PIB, nós voltaremos a caminhar rumo à recuperação”, aponta. Iochpe alertou para a necessidade de resolver problemas que incomodam as empresas do setor há um bom tempo. Entre eles está o alto preço de insumos e matérias-primas, que representa de 60% a 65% do custo de produção. Segundo ele, houve aumento de 14,77% somente em 2013. Outro desafio é o custo da mão de obra, que representa 25% das despesas e teve aumento de 120% de 2004 a 2013. “Nos falta capacidade para aumentar a competitividade. Somados a isso, os altos juros também não contribuíram para aumentar o nosso nível de investimento em automação”, analisa o conselheiro. „


CAPA AUTOPEÇAS | ENTREVISTA | ENTREVISTA

A GUERRA POR MAIS CONTEÚDO LOCAL PAULO BUTORI, PRESIDENTE DO SINDIPEÇAS, ALERTA PARA A FRAGILIDADE DA CADEIA PRODUTIVA E ESPERA OS EFEITOS DO INOVAR-AUTO

78 • AutomotiveBUSINESS 78 Auto Aut u om mot otiv o ive ve eBUSIN S NESS

FOTOS: LUIS PRADO

O

maior representante da luta pela defesa da indústria de autopeças no Brasil, Paulo Butori, presidente do Sindipeças, ainda não está seguro sobre os resultados do Inovar-Auto. O programa está em vigor desde janeiro de 2013, mas, segundo o dirigente, por enquanto não mostrou efeito nenhum sobre os fabricantes de componentes. O cenário pode mudar depois de o governo ter feito o primeiro movimento para colocar em prática o rastreamento da origem das autopeças ao publicar no dia 13 de agosto o Decreto nº 8.294, que especifica como a checagem será feita e determina punições para as empresas que não prestarem informações. A medida é essencial para que as fabricantes de veículos inscritas no programa possam verificar e cumprir as regras de conteúdo local. O momento é decisivo para a cadeia produtiva brasileira. Se a legislação for eficiente, as empresas de autopeças podem enfim ter encontrado uma maneira de se fortalecer, já que haverá mais demanda por componentes nacionais. Caso o contrário ocorra e as regulamentações ainda pendentes demorem a acontecer, a indústria nacional corre sério risco de perder a guerra contra componentes importados. Na entrevista a seguir, Butori fala sobre como o segmento contorna este e outros desafios para sobreASSISTA AOS viver e encontrar novo ponto PRINCIPAIS TRECHOS DA de equilíbrio. ENTREVISTA COM PAULO BUTORI (GIOVANNA RIATO)


TEMOS UMA SANGUESSUGA QUE NÃO VIU QUE ESTÁ MATANDO O HOSPEDEIRO

AUTOMOTIVE BUSINESS - Este ano o setor de autopeças enfrenta cenário ainda mais difícil por causa da queda na produção de veículos. Como as empresas têm lidado com isso? PAULO BUTORI - O setor tem lidado muito mal, está em fase extremamente delicada. Eu já tinha dito que este seria o ano dos três carnavais: em março teve o carnaval, aí veio a Copa do Mundo e agora teremos as eleições. Estamos numa ladeira muito precipitada e algumas empresas vão aguentar, outras vão quebrar, outras vão diminuir de tamanho e outras serão vendidas. AB - E qual é a projeção do Sindipeças para este ano? PB - Acreditamos que as exportações não vão aumentar nem diminuir muito. As importações devem cair com o mercado. O déficit da balança comercial pode ficar entre US$ 10,5 bilhões e US$ 11 bilhões, que é cerca de 10% superior ao de 2013. AB - O aftermarket é uma boa saída para esta baixa do mercado? PB - No primeiro trimestre do ano o mercado de reposição estava se mexendo muito pouco, da mesma forma que aconteceu no segmento de automóveis usados. Depois esses merca-

dos começaram a se movimentar um pouco mais. No segundo trimestre a reposição cresceu de 3% a 4%. Aparentemente, no terceiro trimestre o segmento continuará em expansão. AB - Mais de um ano e meio depois de o Inovar-Auto ter entrado em vigor, o governo enfim publicou o decreto que define como funcionará o rastreamento da origem de fabricação das autopeças. Como o Sindipeças recebeu a legislação? PB - Recebemos a publicação do decreto de forma muito positiva. Estávamos há meses trabalhando para que isso acontecesse. Agora aguardamos as portarias regulatórias, que vão dizer como será feita a apuração do conteúdo local. Houve trabalho profundo das empresas que vão ser rastreadas para informar o Estado brasileiro sobre fornecimentos e índice de nacionalização. Estes dados vão testar todo o mecanismo que a receita federal e o MDIC terão para controlar e dar o crédito de IPI de 30 pontos porcentuais para as empresas automobilísticas. Serão seis meses de testes, fora as portarias. AB - Quais são as expectativas a partir de agora?

PB - Precisamos aguardar o que as montadoras farão para se adequar às regras da rastreabilidade. Neste momento, mais importante que o resultado nos números é o fato de que as autopeças foram finalmente consideradas no programa. AB - Como foi essa etapa de preparação em que as empresas se organizaram para oferecer ao governo as informações necessárias para que seja feito o rastreamento da origem das autopeças? PB - O governo fez o evento aqui, deu algumas informações e depois desapareceu. A gente correu atrás e descobriu problemas mais sérios na elaboração dos controles. Por exemplo, se uma montadora tem três fábricas e seis depósitos, as fábricas e os depósitos faziam parte da mesma informação. Você ficava com um monte de gente para ser informada ou para dar informação e não era necessário porque os dados pertinentes são sobre o fornecimento do primeiro e segundo níveis da cadeia de autopeças para a montadora, não para depósitos. AB - O setor de autopeças está pronto para oferecer essas informações ao governo?

AutomotiveBUSINESS • 79


AUTOPEÇAS

| ENTREVISTA

PB - Tudo já foi arrumado. O que estamos esperando são as portarias que regulamentam isso. Sem detalhamento do que foi combinado ficamos com uma insegurança jurídica enorme. AB - A principal reclamação do setor é o excesso de importações e a falta de competitividade. Durante a preparação para oferecer as informações sobre a origem das autopeças foi possível fazer um diagnóstico do setor, notar pontos fracos da cadeia? PB - Sentimos que cada vez somos menos competitivos. Enquanto a gente anda, o mundo está correndo. As empresas de maior porte, que são normalmente as sistemistas e as montadoras, compram pelo menor preço no mundo e têm um câmbio que é extremamente favorável a esse processo de importação. AB - Por um período a indústria falou muito sobre o Inovar-Autopeças. O que aconteceu com o programa? PB - O programa não trazia nada de novo, então o governo cancelou e disse que elaboraria um novo. Provavelmente nesse governo não vai sair. No próximo, se for a Dilma, poderemos ter continuidade do Inovar-Auto, que acaba em 2017, com possível prorrogação, e talvez o Inovar-Autopeças entre nessa onda. Alcançamos vitó-

80 • AutomotiveBUSINESS

SENTIMOS QUE CADA VEZ SOMOS MENOS COMPETITIVOS. ENQUANTO A GENTE ANDA O MUNDO ESTÁ CORRENDO rias específicas, como o Reintegra (Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para Empresas Exportadoras), novamente instituído, e que, mesmo em porcentuais menores (de 0,1% a 3% da receita da exportação), vai ajudar na redução de nossos custos. Conseguimos a desoneração da folha de pagamentos, o Refis (Programa de Recuperação Fiscal) para muitas empresas nossas que estavam completamente comprometidas com dívidas de impostos. Não sei se vai ser muito efetivo porque o valor de entrada para se candidatar é alto. Pedimos ainda um Refis dos impostos estaduais, como o ICMS, que também nos foi concedido. AB - Então as coisas têm caminhado? PB - De um tempo pra cá. Com a proximidade das eleições as coisas têm caminhado com mais velocidade.

AB - E o que falta? PB - Se nós falarmos de competitividade, por trás disso tem um grande número de reformas que precisam ser feitas. Estamos competindo com países que fazem grandes investimentos em grande velocidade. E também fecham acordos internacionais impressionantes. O México tem 46 acordos de comércio e está fazendo outros tantos. AB - A Anfavea vem falando da necessidade de o Brasil aumentar o número de acordos comerciais. Existe algum trabalho conjunto entre Anfavea e Sindipeças para conseguir isso? PB – Temos de ter acordo em autopeças e acordo em automóveis, como já acontece. O primeiro acordo com o México foi feito pelo setor de autopeças. Sempre será a Anfavea fazendo o dela e nós fazendo o nosso. AB - Temos visto o movimento das montadoras newcomers. Elas trouxeram novas fabricantes de autopeças para o Brasil? PB – Estão chegando. Vieram com a Hyundai nove. Vieram algumas com a Toyota, que estão lá em Sorocaba. A Nissan também trouxe. Mas essas empresas, no primeiro momento, não estão produzindo, mas importando das matrizes e fornecendo às linhas de montagem. Na rastreabilidade provavelmente vão ter de buscar nacio-


nalização ou compra local para poder diminuir o imposto. Essas empresas fornecem à montadora lá fora, mas nada mais fazem do que importar no Brasil. Talvez agregar algum valor, uma montagem, e fornecer para a fabricante de veículos. AB - E qual é o motivo para isso acontecer? PB - Competitividade. AB - É uma questão de preço? PB - Se você colocou sobre o automóvel 30 pontos porcentuais de IPI para inibir a importação porque não havia competitividade, por que não colocaria em autopeças? Por que seríamos competitivos e o automóvel não? É uma decorrência. Dizem que não somos competitivos e é verdade. Mas o automóvel brasileiro também não é. É por nossa culpa? Acho que não, porque eles têm toda a liberdade de importar e mesmo assim não são tão competitivos. Há uma carga tributária enorme. Disseram-me algo que eu achei interessante. A sanguessuga que respeita o hospedeiro tem vida longa. A sanguessuga que suga tudo do hospedeiro tem vida curta e não é inteligente porque acaba morrendo. Acho que estamos em um exemplo mais ou menos assim. Temos uma sanguessuga que não viu que está matando o hospedeiro. AB – O senhor acha realmente que há risco de isso acontecer, de a indústria entrar em colapso ainda mais severo? PB - Não tenho dúvida. Não as multinacionais. O risco é muito expressivo com a indústria de base, com as empresas de pequeno porte. Estas estão sofrendo mais. São companhias nacionais, familiares, criadas há 40 anos, 50 anos. Elas acompanharam toda a evolução. A demonstração é que só piorou nesse período.

AB - Temos falado muito de Inovar-Auto e o senhor tem sido um grande crítico do programa... PB - Não é ser crítico, é que eu não vi nada acontecer conosco. Para as montadoras deve ter sido um programa que, durante um tempo, deu boa lucratividade, mas no momento acho até que não está fazendo muita diferença. AB - De forma geral o senhor acha que o programa foi um tiro no escuro, sem impacto positivo, ou entende que, apesar dos problemas, é uma iniciativa importante? PB - Acho que é um programa de política industrial. Se é correto ou não, vamos ver num futuro não muito distante. Na minha avaliação, mesmo que seja para trazer empresas como BMW, Mercedes-Benz e Audi, que vão montar veículos aqui e utilizar a mão de obra nacional, tem alguma coisa boa porque antes o carro descia no porto e entrava no País. Agora, quando você fala do setor de autopeças, aí não aconteceu nada. AB - A questão dos motores mais eficientes impacta de alguma forma o setor de autopeças? PB - Vai impactar no futuro, mas hoje ainda não. Você não vê muitas novidades por aí em termos de motorização, de caixa de câmbio. Um exemplo é que o Brasil não produz transmissão automática. A maioria vem da Ásia, que tem custo de produção mais baixo e o reconhecimento dos governos de que é necessário dar subsídios à indústria, manter o setor competitivo. Aqui não enxergam essas coisas. O Produto Interno Bruto dos últimos 10 anos mostra queda acentuada da participação da indústria e crescimento do segmento de serviços. Eu nunca vi um país ser rico por outros segmentos que não seja o industrial. Um país só é rico quando sua indústria é competitiva. Q


AUTOPEÇAS|AFTERMARKET

HORA DE CRESCER APESAR DE OS NÚMEROS OFICIAIS INDICAREM QUEDA DE FATURAMENTO, FABRICANTES DE AUTOPEÇAS ESTÃO OTIMISTAS EM RELAÇÃO AO MERCADO DE REPOSIÇÃO ALEXANDRE AKASHI

E

ARQUIVO BOSCH \ MARCOS PERON-VIRTUALPHOTO.NET

mbora dados do Sindipeças apontem desaceleração no aftermarket automotivo, com redução de vendas na ordem de 3,21% no acumulado de janeiro a maio de 2014, em relação ao mesmo período de 2013, fontes do mercado revelam avanço nos negócios. Para Magneti Marelli, Bosch, Delphi, BorgWarner, Meritor, Honeywell e CNHI Parts & Service, 2014 será ano de crescimento no segmento de reposição.

ARQUIVO CNHI \ SANZIO MELLO

65% de participação de mercado e 48% nas vendas de componentes de injeção eletrônica com a marca Magneti Marelli. Além disso, conta com cerca de 50 linhas de produtos, que somam mais de 16.000 itens. “Os lançamentos são quase diários”, diz Eliana. A Bosch também conta com a diversificação do portfólio de produtos como principal estratégia para fechar o ano com crescimento. A expectatiESTRATÉGIAS MAURÍCIO GOUVEIA, vice-presidente da CNHI Parts & va é um avanço de 4% a No geral, as empresas esperam cresService para América Latina 5%, informa Carlos Albercimento de 5% a 20% no faturamento Barbosa, diretor da divisão to deste ano. O resultado é fruto da Automotive Aftermarket. adoção de estratégias diferentes para Na Delphi, a estratégia é mapear conquistar fatias maiores de mercado de vendas do setor de autopeças. no aftermarket,, qque em média reprep Na Magneti Marelli, cuja receita da melhor forma possível o mercado senta 12,65% do faturamento do total co com o mercado de reposição repre- de reposição, com acompanhamense senta 20% do total de faturamento to da evolução das vendas nos canais da empresa, a expectativa é cres- de distribuição, varejo e também junce cer 15% este ano. “Esse padrão de tamente aos aplicadores. Segundo cr crescimento, que vem se mantendo Amauri Oliveira, diretor de markenu num círculo virtuoso nos últimos 5 ting de produto da Delphi Soluções an anos, é resultado de um agressivo em Produto para a América do Sul, la lançamento de códigos e produtos e a projeção inicial era um avanço de ta também de um atendimento diferen- 15% em 2014 no aftermarket mas, ci ciado ao mercado, que atinge todos com Carnaval e Copa do Mundo, os os elos da cadeia de distribuição e números ficaram abaixo da meta. “O ch chega até o consumidor final”, afir- ano tem apresentado crescimento na ma Eliana Giannoccaro, presidente ordem de 10% em faturamento, mas m da Unidade de Aftermarket da Mag- existe projeção de melhora neste seneti Marelli. Detentora gundo semestre”, afirma o executivo. da marca Cofap, a emCARLOS ALBERTO BARBOSA, diretor da divisão Automotive presa é líder em vendas COMERCIAIS Aftermarket da Bosch de amortecedores, com O panorama no aftermarket de cami-


ARQUIVO DELPHI

EIXOS E TURBOS Os fornecedores de equipamentos originais também acreditam que o aftermarket será mais rentável este ano. O gerente de aftermarket da BorgWarner, Sidney Avilar Jr., comenta que as vendas no primeiro semestre foram 15% superiores em relação ao ano passado. “Lançamos novos produtos que aceleraram as vendas”, afirma. Tendo como principal produto os turbos para veículos comerciais, a BorgWarner obtém 25% do faturamento total no segmento de reposi-

ção. “Outro ingrediente que ajudou bastante foi a ampliação da linha de remanufaturados”, comenta Avilar, explicando que o produto remanufaturado tem custo até 40% menor do que o novo, com a mesma garantia. A fabricante de eixos Meritor estima crescimento de 20% a 25% no setor de reposição este ano. Segundo o gerente comercial de aftermarket, Marcelo Rosa, trata-se de uma recuperação de mercado. “Entramos na segunda fase de um plano de cinco anos para recuperar mercado que foi perdido ao longo do tempo”, afirma. „

AMAURI OLIVEIRA, da Delphi

FEDERAL MOGUL COMPRA FREIOS DA HONEYWELL

E

ntre os fornecedores de autopeças entrevistados, a fabricante de componentes de freios Honeywell está entre as que têm distribuição equilibrada de produção entre os mercados original e reposição, com 50% para cada lado, de acordo com o diretor de operações da empresa, José Roberto Alves. Ele prevê crescimento no volume de produção na ordem de 5% a 8% este ano em relação a 2013. A divisão de freios da Honeywell acaba de ser adquirida pela Federal Mogul e, por conta disso, há expectativa por mudanças, tanto nas políticas de comercialização quanto na decisão das linhas de produtos que serão adotadas.

ARQUIVO HONEYWELL

nhões, ônibus, máquinas de construção e equipamentos agrícolas não é muito diferente. “Tradicionalmente, se o cliente deixa de comprar uma máquina nova, ele investe na reforma e melhoria do equipamento que ele possui”, afirma o vice-presidente da CNHI Parts & Service para América Latina, Maurício Gouveia. Ele está otimista em relação a 2014. “O mercado de autopeças como um todo prevê crescimento entre 5% e 5,5%. A unidade de negócio CNH Industrial Parts & Service projeta crescimento entre 15% e 20% em relação a 2013”, afirma.

AutomotiveBUSINESS • 83

ARQUIVO CNHI \ JOMAR BRAGANÇA

CNHI projeta crescimento de até 20% no faturamento da unidade Parts & Service


AUTOPEÇAS

| FUNDIDOS

MERCADO EM QUEDA SETOR DE FUNDIÇÃO ENXERGA PERSPECTIVAS, PORÉM MOMENTO É DE CAUTELA

ARQUIVO TEKSID \ RONALDO GUIMARAES

EXPECTATIVAS Se o momento não é favorável, ao menos as perspectivas para o futuro

A opinião é compartilhada por Fernando Rizzo, vice-presidente da unidade de negócios automotivos da Tupy. “A chegada de fabricantes de veículos, associada aos requerimentos de nacionalização de componentes e outras exigências do Inovar-Auto, tem estimulado as oportunidades. Para nós, quanto maior o desafio tecnológico, mais possibilidades temos de nos diferenciar.”

ARQUIVO TUPY

O

ano de 2014 não está sendo dos mais positivos para o setor de fundição. A perspectiva de queda nas vendas de automóveis e caminhões, somada ao impacto causado pela Copa do Mundo e a incerteza que sempre cerca o período de eleições presidenciais, faz com que as empresas do segmento vejam o momento com cautela. “Nosso mercado acompanha o que acontece no setor automotivo. Este ano prevemos queda no emplacamento de automóveis e caminhões da ordem de 10%”, aponta Raniero Cucchiari, diretor comercial da Teksid. De acordo com o executivo, a retração é apenas um dos entraves para o crescimento do setor. “O alto custo da mão de obra, a tributação excessiva e a falta de infraestrutura têm comprometido a competitividade. Isso gera barreiras para que haja crescimento sustentável nesse e em outros ramos da indústria do País”.

RODRIGO LARA

FERNANDO RIZZO, vice-presidente da unidade de negócios automotivos da Tupy

são mais animadoras. Como fatores principais de motivação estão o aumento da nacionalização de autopeças e a chegada de novas fabricantes de veículos ao País. “As regras do Inovar-Auto e as perspectivas de crescimento do mercado interno contribuem para a expectativa de tempos melhores. Com a chegada de outros competidores e a demanda cada vez maior por componentes feitos aqui, cresce a possibilidade de desenvolvermos os negócios”, salienta Cucchiari.

TEKSID: modernização e expansão das instalações em Betim, MG

84 • AutomotiveBUSINESS

INVESTIMENTOS A incerteza do momento não impediu a Teksid de investir. Em 2013, a empresa iniciou ciclo de aportes com o intuito de aumentar a capacidade e modernizar sua produção. “A ideia é fabricarmos mais cabeçotes de alumínio e também iniciar a produção de blocos de motor feitos com esse material e já com coletor integrado”, diz. “A utilização de novos materiais será muito importante nos próximos anos. Estamos prontos para atender o mercado com inovações para blocos e cabeçotes de ferro HPI e CGI (ambos de alto desempenho e resistência) e de alumínio”, explica Cucchiari. Rizzo, por sua vez, conta que a Tupy está aumentando a automação com a instalação de novos robôs no processo de acabamento, elevando a segurança e o fluxo de produção. “Também desenvolvemos e implantamos novo sistema integrado de gestão. A nova ferramenta (SAP) permitirá a consolidação e sistematização da inteligência de negócios, tudo em benefício da produtividade e dos resultados econômicos.” „


AUTOPEÇAS

| FORJADOS

O DESAFIO DA FALTA DE COMPETITIVIDADE SEGMENTO SOFRE COM REAL VALORIZADO E BAIXO CUSTO DE IMPORTAÇÕES

“N

os últimos 20 anos, saímos de 70 para 29 associados. Não são empresas que deixaram de participar do sindicato, mas sim que fecharam ou se fundiram para se manter competitivas”. Com essa afirmação, Harry Josef Kahn, presidente do Sindiforja (Sindicato Nacional da Indústria de Forjaria), deixa claro que o segmento industrial não vive seus melhores dias. O setor tem como um dos principais clientes no País a indústria automotiva, especialmente a de veículos pesados. “O nosso maior problema hoje é a falta de competitividade. Sai muito mais barato importar do que produzir localmente. Os custos de trazer peças de fora chegam a ser a metade do que se gasta para produzir aqui. Com isso, diversas empresas passaram a ser comerciais, não indústrias”, afirma Kahn. Outro fator citado é o câmbio entre real e dólar. “Com o real valorizado, há muita dificuldade para exportar.” Aluizio Williams Menezes, gerente de vendas e compras de materiais diretos da Maxiforja, endossa as afirmações de Kahn. “Custos de matéria-prima, mão de obra e energia geram grande impacto e não nos permitem ser competitivos. Fora isso, questões que envolvem a legislação, como a norma NR-

ARQUIVO SINDIFORJA

RODRIGO LARA

HARRY JOSEF KAHN, presidente do Sindiforja (Sindicato Nacional da Indústria de Forjaria)

12, geram divergências e, no fim, processos aceitos na Europa não são aceitos aqui”, explica. A norma NR-12, do Ministério do Trabalho, dita regras sobre segurança e, segundo a Confederação Nacional da Indústria, pode gerar gastos de até R$ 100 bilhões entre as empresas para adequação. Com isso, os números para o setor não são encorajadores. A previsão do Sindiforja é de retração entre 10% e 15% no segmento para 2014. A produção, de 558 mil toneladas em 2011, deverá cair para 450 mil neste ano.

INOVAR-AUTO A localização da fabricação de autopeças, um dos carros-chefes do Inovar-Auto, ainda não surte efeito. “Falta controle sobre a porcentagem dos componentes que são realmente produzidos aqui. O que vemos hoje é que há peças importadas que ficam escondidas em conjuntos fabricados aqui”, diz Kahn. Para isso, o chamado Inovar-Peças seria a solução, juntamente como uma forma mais eficiente de rastrear os componentes utilizados. Outro fator que ainda não causou efeito positivo foi a chegada de novos fabricantes ao Brasil. “Há vários casos nos quais eles chegam já trazendo fornecedores”, aponta Kahn. “Acreditamos que a situação deva piorar, já que o mercado é o mesmo. O que mudará é a quantidade de fatias desse bolo, que tendem a ser menores”, avalia Menezes. Mesmo com um cenário nebuloso, empresas do setor tendem a se manter atualizadas no que diz respeito a processos e equipamentos. “A Maxiforja optou por sustentar a maioria dos investimentos previstos, tanto em prédios quanto em equipamentos. Buscar processos mais competitivos é questão de sobrevivência”, conta Menezes. “O processo de forjaria em si é muito tradicional, então a busca é sempre por mais eficiência”, explica Kahn.„

AutomotiveBUSINESS • 85


|

ESTAMPADOS

ARQUIVO TOWER \ ALESSANDRO FRUK

AUTOPEÇAS

TOWER AUTOMOTIVE: queda no mercado de veículos afeta a produção

RITMO DE ESPERA EM MEIO A INCERTEZAS, FABRICANTES TENTAM EQUILIBRAR INVESTIMENTOS E EXPECTATIVAS

A

saúde do setor de peças estampadas está intimamente ligada ao desempenho da indústria automotiva brasileira. Os componentes produzidos nesse tipo de manufatura são aplicados em praticamente todo o automóvel, indo de partes da carroceria, passando por braços de suspensão e estrutura de chassi. Não é de se espantar, portanto, que oscilações mais acentuadas na venda de veículos afetem o setor como um todo. Um exemplo disso foi visto durante o período de Copa do Mundo. “Todo feriado e dias não úteis afetam o mercado. Soma-se isso com um ano de eleições e temos um cenário de incertezas”, afirma Marcelo Almeida, diretor comercial da Tower Automotive do Brasil. “Qualquer movimento das fabricantes de automóveis no sentido, por exemplo, de reduzir a jornada de trabalho e diminuir a produção acaba

86 • AutomotiveBUSINESS

ARQUIVO TOWER

RODRIGO LARA

MARCELO ALMEIDA, diretor comercial da Tower Automotive do Brasil

afetando diretamente os fornecedores.” Como a maioria dos fornecedores de autopeças e sistemistas, as empresas de estamparia aguardam novas regras que complementem o Inovar-Auto. “Ainda não sentimos efeitos positivos do programa, que

é mais voltado às fabricantes de veículos. Há a necessidade de uma legislação específica, voltada ao mercado de autopeças. Qualquer iniciativa nesse sentido precisaria ser tomada pensando na indústria como um todo”, aponta Almeida. Mesmo uma das consequências mais benéficas do Inovar-Auto, a instalação de novas fabricantes de automóveis no País, é vista com cautela pelo executivo. “Ao mesmo tempo em que marcas de alto valor agregado têm dificuldade de nacionalizar peças estampadas por já possuir o ferramental no exterior, empresas asiáticas chegam já com seus fornecedores. No momento, essa situação gerou somente conversas, mas não negócios fechados”, aponta. EXIGÊNCIA MAIOR Almeida conta que a Tower investiu pesado nos últimos quatro anos, chegando a criar nova fábrica na cidade de Contagem (MG) para atender a Fiat. “Acredito que o maior problema nesse momento é achar um ponto de equilíbrio que concilie investimento e retorno”, diz. Outro ponto considerado como desafiador pelo executivo é a crescente utilização de novos componentes. “Com os carros ficando mais leves, há demanda cada vez maior pelo uso de materiais mais resistentes. Estampar aço de alta resistência é uma tarefa difícil e que demanda investimentos em equipamentos mais modernos”, explica. Além de investir em novos materiais, a Tower também trabalha para se tornar mais competitiva. “Buscamos modernizar nossa atividade de forma a estampar mais peças em menos tempo. Isso envolve a aquisição de novas prensas e mudanças em nossos processos. A meta, sempre, é deixar a empresa o mais competitiva possível”, conclui. „


AUTOPEÇAS

| INTERIORES

NOVO PADRÃO ECOLÓGICO PORTA-PACOTES do Renault Logan produzido com o Ecofibra da Artecola

SUELI REIS

volvidas em conjunto pelas engenharias das montadoras e da Artecola, passando por longos períodos de testes e avaliações. “Num processo crescente, vinte modelos de veículos, de dez marcas diferentes, utilizam peças produzidas com o Ecofibra Automotive, em virtude das vantagens que proporciona, especialmente por ser reciclável”, ressalta Rafael Müssnich, diretor de operações da Artecola Química. FUTURO PROMISSOR Até abril deste ano, a produção do polímero com fibra natural aumentou ARQUIVO ARTECOLA

E

m tempos de Inovar-Auto, tudo que agregar benefícios relacionados com a eficiência energética, contribuindo para a redução de peso das autopeças, apresentar flexibilidade nas aplicações e de sobra ser um produto 100% reciclável é muito mais que bem-vindo. Na indústria brasileira, esta já é uma realidade: veículos produzidos aqui estão ganhando mais peças que carregam em sua composição matéria-prima de origem natural, como fibras produzidas a partir da cana-de-açúcar. Elas têm sido empregadas especialmente em componentes de acabamento interno, conferindo novas texturas e um ar mais sustentável para os novos modelos nacionais. Veículos como o totalmente reformulado Renault Logan e Nissan New March, lançados este ano, trazem um algo a mais no quesito padrão ecológico. Para equipar seus interiores, as fabricantes adotaram um tipo de laminado que reúne polímero com fibras naturais, o Ecofibra, desenvolvido há pouco mais de dois anos pela brasileira Artecola Química. No caso do Logan, o material compõe parte do revestimento posterior do veículo. No New March, está presente no porta-pacotes, a tampa que cobre o porta-malas. As peças foram desen-

RAFAEL MÜSSNICH, diretor de operações da Artecola Química

57%, impulsionado por importantes lançamentos, como Hyundai HB20, novo Fiat Palio, novo Ford Ecosport e novo Citroën C3. Para o executivo, o desafio é aumentar o número de veículos e aplicações. “Trabalhamos com praticamente todas as montadoras. Apesar disso, ainda existem diversos veículos e aplicações que não utilizam nossas placas. Nesta linha, as perspectivas para o consumo do Ecofibra na indústria automotiva são animadoras. Além disso, o interesse das montadoras por produtos ecoeficientes tende a aumentar”, reforça Müssnich. O Ecofibra foi empregado pela primeira vez em um veículo da General Motors após receber o desafio da montadora para desenvolver uma matéria-prima a partir de suas experiências anteriores com fibras naturais de casca de coco e madeira de reflorestamento, entre outros vegetais. Em um ano e meio, o produto estava pronto. Em 2012, o material foi homologado para uso nas outras unidades industriais da GM em todo o mundo. O diretor de operações lembra que a Artecola Química já exporta o Ecofibra Automotive para a Argentina e Colômbia: “Em breve envolverá mais alguns países da América Latina”, conclui. „

AutomotiveBUSINESS • 87

IEL A GU LIAN A \ JU COL ARTE UIVO ARQ

MONTADORAS AUMENTAM O USO DE FIBRAS DE ORIGEM NATURAL EM VEÍCULOS FABRICADOS NO BRASIL


AUTOPEÇAS

| ROLAMENTOS

REDUZINDO O ATRITO MAIS COMPLETOS, ROLAMENTOS DE TERCEIRA GERAÇÃO DIMINUEM FRICÇÃO E ELIMINAM ETAPAS NA LINHA DE MONTAGEM MÁRIO CURCIO

88 • AutomotiveBUSINESS

“É uma peça com maior valor agregado e resulta em redução de etapas de montagem na produção do veículo”, ressalta Hashimoto. No Brasil, a NSK fornece esses conjuntos à Toyota. Já equiparam as rodas traseiras do Corolla, hoje estão na dianteira do Etios e renderam um prêmio de qualidade da montadora. Os itens são fabricados em Suzano (SP). A NSK prevê ampliar a linha de terceira geração com o aumento de demanda por esse item no País. “Os futuros lançamentos tendem a utilizar cada vez mais esses rolamentos tanto pela simplificação da montagem como pela redução de atrito e peso, que vão

ao encontro do Inovar-Auto”, recorda Hashimoto. Ele prevê que vários veículos migrarão direto dos rolamentos convencionais, da primeira, para os da terceira geração (a segunda geração é um rolamento que agregou o cubo de roda, mas não a flange). CÂMBIOS MANUAIS Outra inovação da NSK foram os rolamentos para câmbio com vedação especial TM (de transmissão manual). Ela permite que o óleo da caixa de marchas passe para dentro do rolamento, mas retém partículas metálicas. “Conseguimos reduzir o torque (atrito) em 50% se comparado a um rolamento convencional vedado. Com esse novo item pode-se estender a vida útil ou reduzir seu tamanho”, afirma o executivo. MERCADO EM 2014 A NSK também fornece rolamentos de primeira geração para veículos nacionais, cuja produção recuou 16,8% de janeiro a junho ante igual período do ano passado. A fabricação local do Etios, porém, teve ligeiro crescimento de 3,4% nos primeiros seis meses deste ano em virtude de suas exportações. „

ARQUIVO NSK

A

busca atual pela redução de consumo passa quase sempre pela diminuição de atrito. E as fabricantes de autopeças também se empenham nesse trabalho. Bom exemplo disso são os rolamentos mais modernos que a NSK produz desde o fim de 2012. “Os rolamentos de terceira geração são peças de maior precisão e design assimétrico, com mais esferas e de tamanho maior no lado em que ocorre maior solicitação. Sua vedação também é mais eficiente à contaminação por terra, por exemplo, e evita a saída do próprio lubrificante”, afirma o gerente de engenharia de aplicação e desenvolvimento da NSK, Ricardo Hashimoto. Entre 2000 e 2010, o uso mundial desses itens saltou de 15% para 51%. “Comparado com os de primeira geração, ele traz redução de 12% do ‘torque dinâmico’ (atrito com o veículo em movimento). E resulta em redução média de peso de 250 gramas por roda por ser mais compacto”, afirma. O que permite essa grande diminuição de massa é o fato de esses novos rolamentos serem fornecidos em pequenos conjuntos, que incluem cubo e parafusos de roda, flange e anel-trava. E a rotação da roda é captada e transmitida ao sistema ABS pelo rolamento.

NSK: Rolamento de terceira geração agrega cubo com parafusos de roda, flange, anel-trava e fornece velocidade da roda para o ABS


AUTOPEÇAS

| TRANSMISSÕES E EIXOS

ANO PERDIDO

COM A QUEDA DE VENDAS DE VEÍCULOS NOVOS, FORNECEDORES NÃO VEEM BOAS PERSPECTIVAS E ACREDITAM EM RESULTADOS NEGATIVOS EM 2014

O

fraco desempenho das vendas e produção de veículos no primeiro semestre foi suficiente para deixar fornecedores de transmissão e eixo com baixas expectativas em relação aos resultados de 2014. Nem Dana nem ZF acreditam em retomada. “O que inicialmente se caracterizava como um ano similar a 2013 em termos de vendas e atividade industrial aos poucos foi sendo degradado”, afirma o country manager da Dana, Raul Germany. “A combinação de instabilidade política, incertezas quanto às consequências da Copa do Mundo e as eleições terminaram por gerar um cenário de instabilidade econômica. Com isso, em relação a 2013, o ano de 2014 está sendo pior em volume produzido e vendas”, conclui. Para a ZF, 2014 não terá aumento nas vendas, por conta do fraco desempenho no mercado, que aponta recuo da ordem de 10% no volume de licenciamentos de veículos comerciais e de passeio, de acordo com os números da Anfavea. Por conta disso, a ZF trabalha com a expectativa de que o segundo semestre seguirá estável, após a redução anotada nos primeiros seis meses do ano. Apesar desse cenário, as duas empresas apresentam novidades para o mercado. Na ZF, a principal são as caixas automáticas de oito e nove velocidades que equipam veículos premium, enquanto na Dana o alvo é redução de peso nos componentes de eixos. Nos dois casos, as empre-

ALEXANDRE AKASHI

sas buscam oferecer às montadoras soluções que melhoram a eficiência e a performance do sistema, contribuindo para a redução do consumo de combustível e das emissões. INVESTIMENTOS Com 67 anos de Brasil, a Dana realiza investimentos regulares que, segundo Germany, são para suportar o aprimoramento da produtividade, pela modernização das fábricas. “Nos últimos três anos temos investimos na adição de novas linhas que ampliam a oferta de soluções e produtos para nossos clientes, nos capacitando como a única empresa na região para fornecer o driveline completo, produzido no Brasil”, afirma. Já a ZF comenta que estão em fase de nacionalização produtos para o segmento de veículos comerciais. TECNOLOGIA O gerente de desenvolvimento de negócios de sistemas de transmissão da ZF, Alexandre Marreco, comenta que a empresa trabalha no desenvolvimento de soluções com foco cada vez maior

na sustentabilidade. “Um dos nossos produtos, que será apresentado na IAA 2014, em Hannover, será um eixo elétrico para ônibus de piso baixo. O AVE130 gera benefícios diretos na redução de emissão de poluentes, por seu funcionamento elétrico, e reduz o nível de ruídos”, explica. Já na área de transmissões, o gerente técnico da ZF, Salvador Mangano, conta que a novidade é a TraXon, transmissão automatizada para caminhões (de 12 e 16 velocidades) que pode ser utilizada em aplicações com embreagem seca, híbridas, módulo de dupla embreagem e conversor de torque. “A TraXon também possui um software que faz a transmissão, via GPS, antecipar as trocas de marcha de acordo com as condições de tráfego e do terreno”, comenta. Outra novidade que a ZF apresentará na IAA será a suspensão dianteira independente IS 80 TF, 40 quilos mais leve do quem uma suspensão convencional. „

AVE130: eixo elétrico para ônibus de piso baixo que será apresentado pela ZF, na IAA 2014, em Hannover

AutomotiveBUSINESS • 89


AUTOPEÇAS

| TURBOS

ECONOMIA ASPIRADA, NEGÓCIOS TURBINADOS RETRAÇÃO NO MERCADO ATRAPALHA, MAS NÃO IMPEDE CRESCIMENTO DAS FÁBRICAS DE TURBOCOMPRESSORES MÁRIO CURCIO

MASTER POWER tem produção verticalizada e só compra matérias-primas

90 • AutomotiveBUSINESS

timentos que fizemos nos últimos anos em automação e robotização permitiram a ampliação de nossa capacidade produtiva no mesmo espaço físico (...) Nossas negociações com montadoras têm avançado. Estamos contentes com as etapas já vencidas”, afirma o diretor comercial da empresa, Ricardo Borghetti. Com maior capacidade produtiva e câmbio favorável, a Master Power também ampliou o envio de itens ao exterior: “A desvalorização do real, ainda que não tenha alcançado um patamar adequado, favoreceu nossas exportações, que cresceram 9% em relação ao primeiro semestre do ano passado”, diz Borghetti. Já a BorgWarner ganha terreno no mercado de reposição: “Nossa expectativa é de crescimento entre 5% e 10% este ano”, diz o diretor-geral da empresa. “Estamos trabalhando fortemente nesse mercado, com o ARQUIVO MASTER POWER

O

primeiro semestre de 2014 registrou queda de 7,6% na venda de veículos, incluídos aí automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. A retração também afetou os fornecedores de turbos, que nem por isso puderam parar de investir: “Estamos trabalhando para lançar até o fim do ano o primeiro turbocompressor fabricado no Brasil para motores flex 1.0 a 1.4 em resposta às novas metas de eficiência energética do Inovar-Auto”, afirma o diretor-geral da BorgWarner, Arnaldo Iezzi Júnior. “Os equipamentos de produção e linha de montagem com alto grau de automação começam a ser entregues em nossa fábrica em Itatiba (SP)”, diz Iezzi Jr. A gaúcha Master Power também se empenha em ampliar a gama de produtos e promete entrar na briga pelo fornecimento às fabricantes de veículos: “Os inves-

lançamento de produtos remanufaturados e também com nossa rede de distribuição”, diz Iezzi Jr. Ele recorda, no entanto, que esse crescimento não compensará a queda das compras pelas montadoras. O executivo lembra que o período atual acaba afetando a cadeia de fornecedores. “Muitas dessas empresas são familiares, com restrições de investimentos, captação de recursos e enfrentam enormes dificuldades por causa da queda no mercado automobilístico”, diz Iezzi Jr. A fabricante gaúcha de turbos vem lidando bem com essa questão: “Nossas compras se concentram basicamente em matérias-primas como ferro, alumínio, bronze, titânio e níquel. Fabricamos internamente todos os componentes, desde molde, matrizes, realizamos as fundições e processos de usinagem”, diz Borghetti. Para ele, o mercado de reposição vive também um enfraquecimento e a empresa procura minimizar os efeitos da queda com novos modelos de turbo, inclusive para motores Euro 5. Para a companhia, o mercado de 2014 e as incertezas econômicas e políticas que antecedem as eleições tiveram como consequência negativa o adiamento da construção do novo pavilhão para usinagem e montagem de turbos, “à espera de um cenário mais definido”, conclui Borghetti. „


AUTOPEÇAS

| ARREFECIMENTO E CLIMATIZAÇÃO

NOVA CULTURA FORNECEDORES DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO COMEMORAM MUDANÇA DE HÁBITO DO CONSUMIDOR, QUE AGORA FAZ QUESTÃO DO AR-CONDICIONADO

F

abricantes de sistemas de arrefecimento e climatização comemoram a mudança de comportamento de compra do consumidor brasileiro, que hoje não dispensa o ar-condicionado no veículo. “Isso para a gente é um bom sinal”, diz Marcos Noro, diretor adjunto de vendas e marketing das divisões Thermal e Powertrain da Delphi para a América do Sul. Um dos motivos para esta mudança de cultura é o aumento da concorrência com os veículos importados, de origem chinesa, que chegaram ao mercado brasileiro com maior oferta de equipamentos pelo mesmo preço dos nacionais “pelados”. A reação foi rápida e logo o consumidor passou a adotar o ar-condicionado como item de primeira necessidade. Afinal, é fácil se acostumar com o que é bom. Outros motivos para acelerar as vendas de ar-condicionado são o aumento da insegurança pública, que leva à prática de andar com os vidros fechados, e o conforto. Em dias quentes, o sistema é fundamental. Noro comenta que atualmente

9 2 • AutomotiveBUSINESS Auto omotitivveBUSINE om S NESS ESS SS 92

FOTOS: ARQUIVO DELPHI

ALEXANDRE AKASHI

Já o Grupo AKG escolheu a cidade de Lorena, a 190 quilômetros da capital paulista, para instalar a primeira fábrica da América Latina onde irá produzir trocadores de calor e sistemas de arrefecimento. Esta é a 14ª planta do grupo no mundo e a previsão é gerar até 150 novos empregos nos próximos cinco anos. TECNOLOGIA A tecnologia atualmente empregaMARCOS NORO, diretor adjunto da nos sistemas de arrefecimento de vendas e marketing das divisões Thermal e Powertrain da e climatização atende em boa meDelphi para a América do Sul dida o mercado brasileiro. O próximo desafio é ampliar o uso com o menor impacto no custo dos veícuquase 80% dos veículos são vendi- los, principalmente os populares. Em sistemas de arrefecimento, a dos com ar-condicionado. “Em algumas linhas, o uso é de 100%”, afir- bola da vez, segundo Noro, são os ma, lembrando que nos anos 1990 o radiadores brasados. Menores que os convencionais, possibilitam redução índice não passava de 40%. A Visteon e o grupo alemão AKG de até 15% de peso no sistema como têm planos concretos de investir um todo. “Acreditamos que até 2016 em novas plantas no País. A Visteon todos dos veículos nacionais utilizaacaba de inaugurar uma fábrica, em rão este tipo de radiador, por conta Atibaia, para fornecer componentes do Inovar-Auto”. Outra tendência é a ampliação do automotivos de aquecimento, ventilação e ar-condicionado para mon- uso de motores sem escovas e da tadoras. Esta é a primeira fábrica da tecnologia Pulse-Width Modulation HVCC (Halla Visteon Climate Con- (Modulação por Largura de Pulso), que possibilita maior controle da trol) na América do Sul. rotação do eletroventilador e economia de energia. Moro avalia que avança o emprego de sistemas de ar-condicionado multizonas, além do uso de compressores variáveis, DELPHI aposta no aumento da que a Delphi já produz no País, na demanda por veículos equipados planta de Jaguariúna, SP. „ com ar-condicionado


COBIÇA

(Preços pesquisados em agosto)

LAR HI-TECH Precisa deixar o bichinho de estimação sozinho? A Amicus vende dois modelos de alimentadores eletrônicos, ambos da marca Eatwell, a bateria. O Lite, com dois compartimentos, programa duas refeições com até 48 horas de antecedência. Já o Plus serve até cinco. Basta encher os compartimentos e definir o horário e dia de abertura por meio do temporizador. Lite: R$ 269,90; Plus: R$ 449,90. www.petlove.com.br. O ar-condicionado Midea Prime tem sensor que liga o aparelho somente na presença de pessoas. Conta ainda com sistema de tratamento com cinco etapas, para tornar o ar ambiente livre de impurezas. Disponível nas versões frio e quente ou apenas frio. Tem até 15 cm de profundidade e painel de aço inox escovado. Preço sob consulta. www.mideadobrasil.com.br.

Que tal preparar a piscina a distância? É o que faz o Easy Touch, aparelho da Sibrape Pentair instalado na casa de máquinas e conectado ao iPhone, ao iPad, iPod touch ou MAC. O sistema aciona, pela internet, motobomba, sistema de aquecimento, hidromassagem, cascata e até a iluminação. R$ 4.961.00. www.pentairpiscinas.com.br.

A empresa inglesa Green Plug vende “adaptadores espertos” que podem ser usados em qualquer lugar do mundo. Eles são chamados assim porque carregam o eletrônico com a quantidade exata de energia necessária. Uma vez recarregado, o aparelho para de consumir. São diversos modelos. www.green-plug.co.uk

A Brastemp Side Inverse é a única geladeira com Wi-Fi do Brasil. Por meio do smartphone ou da tela touch screen do refrigerador, é possível criar e compartilhar listas de compras, controlar a validade dos alimentos estocados, acessar receitas, anotar telefones e recados, colocar fotos e até verificar a previsão do tempo. Preço sob consulta. www.brastemp.com.br

94 • AutomotiveBUSINESS


Magneti Marelli Sistemas Eletrônicos: tecnologia para conectar no futuro seu projeto.

Inovação e capacidade de desenvolvimento de sistemas e componentes eletrônicos para a indústria automobilística brasileira.

A Magneti Marelli Sistemas Eletrônicos produz sistemas e componentes para veículos no Brasil e em todo o mundo. Em nosso país, foram realizados grandes investimentos em inovação, o que possibilitou o domínio das mais importantes soluções tecnológicas a nível mundial. Tudo isso está a seu alcance agora, em três linhas de produtos: painéis de instrumentos e display, sistemas de infotainment e telemática e computadores de bordo. &KDPHD0DJQHWL0DUHOOLSDUDID]HUSDUWHGDVXDYLGD(ðTXHFRQHFWDGRQDVPHOKRUHVVROXÍŋHVGD(OHWUŊQLFD

Faça revisões em seu veículo regularmente.

Faz parte da sua vida.

Revista Automotive Business - edição 28  

Revista Automotive Business - edição 28

Revista Automotive Business - edição 28  

Revista Automotive Business - edição 28