Issuu on Google+

RELATÓRIO DE ATIVIDADES REDE ASA 2012


2

ASA – Ação Social Arquidiocesana

1

APRESENTAÇÃO

A Ação Social Arquidiocesana – ASA apresenta o relatório de atividades desenvolvidas em 2012, pelo conjunto da rede ASA, com o objetivo de divulgar suas ações e dar transparência às suas atividades. O relatório demonstra de um lado a intensidade e diversidade das ações nas diretrizes de ação, e de outro apresenta os indicativos de atuação para a caminhada 2013, com vários públicos atendidos, em sua maioria, excluídos do processo produtivo do sistema capitalista, vivendo a margem da sociedade. Os números apresentados neste relatório demonstram o envolvimento de muitas pessoas. A maioria delas voluntários/as que se dedicam a causa das pessoas excluídas que são atendidas nas Ações Sociais Paroquiais e no seu cotidiano lutam por um mundo novo, de justiça e paz. A ASA conjuntamente com as Entidades Membro em sua atuação procura identificar nos rostos dos excluídos seus principais gritos e luta com eles para que se tornem gritos por justiça e direitos. Elencamos abaixo ações e projetos que tiveram destaque em 2012 e que se concretizaram em gritos por mudança social: • No Conselho Estadual de Assistência Social onde a ASA, na Grupo São Marcos de Biguaçu representação da Cáritas Regional de Santa Catarina, atuou com outras entidades na luta pela ampliação do investimento do Estado na Assistência Social, sendo que hoje representa apenas 0,57% do orçamento do Governo Estadual; • Junto aos catadores/as de materiais recicláveis, buscando maior reconhecimento do trabalho enquanto agente social e ambiental, e pela correta aplicação da Lei 12.305/10 que dispõe sobre a destinação dos Resíduos Sólidos nos municípios; • Com os indígenas da Arquidiocese de Florianópolis, a partir de duas comunidades, pela valorização de sua cultura, reconhecimento de seus direitos e melhoria na qualidade de vida; • Com as Ações Sociais Paroquiais no aprimoramento de suas ações junto ao público beneficiário, buscando o fortalecimento da rede de trabalhos sociais na Arquidiocese; • Nas comunidades atingidas por catástrofes ambientais, contribuindo para a criação de Núcleos Comunitários de Defesa Civil (NUDEC´s) e para um maior conhecimento da Política de Defesa Civil; • Na Arquidiocese de Florianópolis contribuindo com o fortalecimento da dimensão social da fé, participando da aprovação do 13º Plano de Pastoral e buscando colocá-lo em execução com ações que visam à mudança social de nossas paróquias e comunidades. O grande desafio da ASA continua sendo o de despertar nas pessoas o sentimento da solidariedade para atuar na construção de uma sociedade mais justa e fraterna. Para isso, buscamos no compromisso com a vida, na ação firme, permanente e militante, as raízes que fundamentam nossa ação. Como afirma o 13º Plano de Pastoral “com o olhar da fé e a prática da caridade, podemos acreditar que é possível uma sociedade sem excluídos, onde todos, a começar com os pobres, tenham acesso ao trabalho, alimentação, moradia, saúde, educação, lazer e a todos os bens necessários a uma vida digna” (pg. 103).

Sandra Aparecida de Souza Schlichting Presidente da ASA


Relatório Anual de Atividades – 2012

2

3

APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE

A Ação Social Arquidiocesana (ASA) é uma associação civil, sem fins econômicos, criada em 17/11/1960. É reconhecida como Entidade Beneficente de Assistência Social e possui os títulos de Utilidade Pública Municipal, Estadual e Federal. Desenvolve sua atuação nos trinta (30) municípios que formam a Arquidiocese de Florianópolis. Seu quadro de associados atualmente consiste em 48 Entidades-Membro, que desenvolvem trabalhos junto às comunidades empobrecidas no atendimento às famílias, especialmente a crianças e adolescentes, pessoas idosas e mulheres. É entidade-membro da Cáritas Brasileira e comunga com sua missão “Testemunhar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo, defendendo e promovendo a vida e participando da construção solidária de uma sociedade justa, igualitária e plural, junto com as pessoas em situação de exclusão social.” A ASA organiza seu trabalho a partir de quatro Diretrizes de Ação, que são: 1) Fortalecimento da Rede ASA: institui uma metodologia de trabalho em rede, oferecendo assessoria e consultoria, visando o aprimoramento do trabalho das entidades sociais filiadas a ASA em direção a organização e desenvolvimento comunitário. 2) Acesso e Controle Social das Políticas Públicas: contribui no processo de acesso às políticas públicas e garantia dos direitos, promovendo a participação qualificada das entidades sociais nos espaços de controle social. 3) Desenvolvimento Solidário e Sustentável: amplia a consciência ambiental e o compromisso com o desenvolvimento solidário e sustentável, através de projetos locais que visem à proteção e defesa do meio ambiente. 4) Sustentabilidade Financeira: identifica e amplia da rede de parceiros e investidores com vistas à constituição de novas possibilidades de suporte financeiro para os projetos da Rede ASA.

3

MISSÃO / VISÃO / VALORES

Missão: Atuar e potencializar as Ações Sociais, por meio de assessoria e acompanhamento, fortalecendo a promoção e defesa dos direitos e políticas sociais, na construção de uma sociedade justa, democrática, solidária, sustentável e plural. Visão: Ser reconhecida enquanto entidade de assessoria qualificada com metodologia e dinâmica de trabalho em rede, aprimorando e ampliando a sua visibilidade e sustentabilidade. Valores: Ética – incide em atuar com princípios de justiça, pautado em valores que promovam o bem comum e a defesa dos direitos humanos, respeitando as pessoas com quem interage. Democracia – implica numa relação coletiva, participativa, horizontalizada com contribuição e responsabilidade de todos. Solidariedade – para além do ato de ajudar, de fazer algo, é um principio inerente e continuo de vida, e que permeia a justiça, os direitos, o respeito, irradiando-se para o meio ambiente. Respeito – aceitar a diversidade, diferenças culturais, de gênero, etnia, geração, crenças, entre outras. Transparência – ato de publicizar quem somos, o que fazemos, em que e como investimos e com quem interagimos. Justiça, cidadania e direitos – elementos que se complementam para a efetivação e garantia dos direitos, para assegurar a promoção e a dignidade humana. Sustentabilidade ambiental – ação humana que gere menor impacto ao meio ambiente entendendo o planeta como casa de todos e que merece cuidados para a manutenção da vida e das futuras gerações. Protagonismo – participação ativa e autônoma nos espaços de interação e inserção social.


4

ASA – Ação Social Arquidiocesana

4

OBJETIVOS

a) Prestar assessoramento às ações sociais no que se refere à estrutura e organização, à formação, à elaboração de projetos, à captação de recursos bem como a outras ações voltadas ao aprimoramento e adequação das entidades de Assistência Social à Política Nacional de Assistência Social; b) Desenvolver trabalho em Rede com vistas ao fortalecimento, ampliação e unificação da Rede de trabalhos Social da Arquidiocese de Florianópolis; c) Desenvolver suas ações em consonância com a Política Nacional de Assistência Social, com as diretrizes da Cáritas Brasileira e demais legislações pertinentes; d) Prestar assessoramento voltado prioritariamente para o fortalecimento dos movimentos sociais e das organizações de usuários, desenvolvendo formações e capacitações de lideranças, dirigido ao público de assistência social; e) Atuar de forma permanente e planejada na defesa e efetivação dos direitos socioassistenciais, contribuindo na cons­tru­ção de novos direitos, promovendo a cidadania e enfrentando as desigualdades sociais, articulando-se com órgãos públicos de defesa de direitos, dirigidos ao público de assistência social; f)

Ampliar a consciência ambiental e compromisso com o desenvolvimento solidário e sustentável, promovendo iniciativas locais;

Oficina plantas medicinais na Aldeia Indígena

g) divulgar os trabalhos no campo social; h) Promover eventos culturais, artísticos, religiosos e turísticos em vista do desenvolvimento solidário e sustentável.


Relatório Anual de Atividades – 2012

5

5

ATIVIDADES REALIZADAS Fortalecimento da Rede ASA/Cáritas

A Diretriz Fortalecimento da Rede ASA visa instituir a metodologia do trabalho em rede e através de assessoramento aprimorar o trabalho das Ações Sociais para a organização e o desenvolvimento comunitário. Para isso, a ASA estipulou em seu planejamento ações estratégicas, no qual detalhamos a seguir.

Associações de Moradores do Bairro Mato Queimado em Nova Trento

O Plano de Desenvolvimento Comunitário (PDC) iniciado em 2011 com doze Ações Sociais teve continuidade com três entidades, sendo elas: Ação Social Neotrentina (Associação de Moradores do Mato Queimado), Ação Social Santo Antônio e Ação Social São João Evangelista (Projeto Nós Podemos Saveiro). O Objetivo do PDC é fortalecer as relações com a comunidade, desenvolvendo ações de forma organizada, sistemática e participativa que visem a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Localmente foram envolvidas associações de moradores, Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e demais equipamentos públicos existentes nas localidades. As entidades buscaram atuar a partir da realidade local com ações que possibilitem a organização e o despertar para o sentimento de pertença à comunidade.

No assessoramento as Ações Sociais foram realizadas acompanhamentos para o processo de reordenamento das entidades, conforme Resolução 16 do Conselho Nacional de Assistência Social que determina o que são entidades de assistência social. Desde 2011 esse processo vem sendo debatido e as entidades vêm refletindo sobre o trabalho que realizam e a nova concepção de assistência social que a implantação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e Tipificação dos Serviços Socioassistenciais que exigem este novo olhar das entidades. O Encontro Arquidiocesano que aconteceu na Semana da Solidariedade buscou o fortalecimento da Rede ASA e apontaram indicativos e desafios para o ano de 2013, com destaque à realização do trabalho a partir da organização comarcal, a fim de potencializar os trabalhos sociais na Arquidiocese. Trabalhou-se com o tema da 5° Semana Social Brasileira “O Estado, para quê e para quem? Com o lema “Bem viver: caminho para uma sociedade saudável e sustentável”. Buscamos, a partir desta visão macro, refletir as formas que temos de controle social para melhor vivermos em nossa comunidade. Percebemos o quanto nosso papel é importante na busca por uma terra onde corra leite e mel (Ex 3-8), na conquista desta terra do “bem viver”, seja através da ocupação de espaços de controle social, associações de moradores, fóruns, seja com ações que minimizem as dores dos excluídos e lhes traga uma nova oportunidade de encontro com a sociedade. A resposta a este sistema opressor é a solidariedade pautada em alternativas do bem comum.

Representantes das Ações Sociais Paroquiais


6

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Como entidade membro da Cáritas Brasileira, a ASA mantém-se articulada a Rede Cáritas e com a Cáritas Regional de Santa Catarina vem contribuindo para o fortalecimento dessa no estado a partir das participações no Fórum Regional e Conselho. Contribui também com a discussão da Política de Voluntariado da Cáritas Brasileira, através da participação em Grupo de Trabalho, envolvendo outras regiões do Brasil. Entendendo o seu papel, enquanto entidade de assessoria que atua na dimensão social da Arquidiocese, a ASA ao longo de 2012 participou e contribui na organização da Assembleia Arquidiocesana de Pastoral e na elaboração do 13º Plano Arquidiocesano de Pastoral, além do Fórum das Pastorais Sociais. Para 2013, já existe uma agenda definida para os encontros e reuniões e concomitantemente o processo de organização da 5.ª Semana Social Brasileira. Apresentamos o detalhamento das ações realizadas e seus quantitativos. Atividades Principais

Atividades Realizadas

Publico Envolvido (n.º de part.)

- 01 Encontro com as 12 Ações Sociais Paroquiais envolvidas no PDC; - 15 Reuniões com as Ações Sociais, sendo: 05 Ação Social Neotrentina; Assessoria e Dirigentes, voluntários das 03 Ação Social de Biguaçu; acompanhamento às Ações Sociais e comunidade. 02 Ação Social de Barreiros; Ações Sociais Avançadas 138 pessoas 01 Ação Comunitária na Comunidade Saveiro; (12) (83 M / 55 H) 01 Ação Social de Garopaba; 01 Ação Social de Itapema; 01 Ação Social da Trindade; 01 Ação Social da Agronômica. - 13 Reuniões com as Ações Sociais, sendo: 02 Promoção Social Santa Terezinha; 02 Ação Social Neotrentina; 02 Paróquia da Colônia Santana; Dirigentes, voluntários das Assessoria comum a todas 01 Ação Social Santa Cruz; Ações Sociais e comunidade. as entidades membro (48) 01 Ação Social da Coloninha; 65 pessoas: 01 Ação Social São João – Itajaí; (46 M / 19 H) 02 Ação Social São Vicente; 01 Ação Social Dom Joaquim; 01 Ação Social de Itapema; 06 Encontros Municipais, sendo: Encontros e reuniões das - 01 Rede de Florianópolis; Dirigentes e voluntários das Redes Locais, Municipais - 02 Rede de São José; Ações Sociais. e Arquidiocesana (48 - 01 Rede de Brusque; 47 pessoas entidades membro) - 01 Rede de Itajaí; (38 M / 09 H) - 01 Rede de Palhoça. - Elaboração de Subsídio e celebração; Dirigentes, voluntários Dar continuidade à - Encontro Arquidiocesano das Ações Sociais e realização da Semana - Atividade Alusiva a Semana e; representantes das Pastorais da Solidariedade na - 02 Entrevistas na Rádio Cultura sobre a temática. Sociais. Arquidiocese. 50 pessoas (35 M / 15 H) Participação em Seminário, oficinas e outros: I Seminário GRD – UNISUL; V Seminário PP no contexto de mudanças climáticas – Laurentino/SC; 01 Seminário Gestão de Risco e Desastre - Caçador/SC; 01 WorkShop de Projetos PMO – ESAG; 02 Cursos de Defesa Civil; Equipe da ASA, técnicos e Instituir a Política de 01 Seminário Regional de Fundos Rotativos Solidários; interessados pela temática Formação para a Rede 01 Formação para Conselheiros do CEAS; 2.475 pessoas ASA 01 Formação para Conselheiros da AIFSJ; (1.195 M / 1280 H) 01 Encontro de Articulação Projeto Gestão de Risco e Desastre CBSC e CBRS; 01 Encontro Nacional de Catadores e; 01 Seminário sobre Tipificação dos Serviços Socioassistenciais. - Produção de 01 documento sobre a Política de Formação da Ação Social Arquidiocesana.


Relatório Anual de Atividades – 2012

Equipe Executiva da ASA

Ampliar a visibilidade dos trabalhos sociais da Rede

32 Reuniões, sendo: - 26 Reuniões da Equipe Executiva; - 03 Reuniões de Monitoramento e - 03 Reuniões de Planejamento. - 10 reuniões do Jornal da Arquidiocese; - Produção de 31 matérias para Info Cáritas e Sítio eletrônico da Arquidiocese; - Lançamento do Sítio Eletrônico da ASA 01 Assembleia da ASA

Assembleia Geral da ASA

Reuniões da Diretoria Reuniões do Conselho Fiscal Coordenação colegiada

Patrimônio e controle financeiro

Manter atualizado os registros e títulos obtidos pela ASA

Articulação com a Cáritas Brasileira Regional de Santa Catarina

04 reuniões com a diretoria da ASA 01 reunião do Conselho Fiscal da ASA

01 reunião da coordenação colegiada Manutenção das ações de rotina no campo financeiro e gerencial da entidade Auditoria do Projeto Misereor 01 Relatório Circunstanciado ao Ministério da Justiça 01 Relatório de Atividades e Inscrição da ASA ao CMAS de Florianópolis; 01 Relatório ao CNAS; 01 Relatório ALESC. 05 reuniões do Conselho Regional da CB/SC 04 reunião do Fórum Regional da CB/SC

06 Reuniões do SARP 03 Reuniões do CARP Participação nos espaços pastorais da Arquidiocese 03 reuniões das Pastorais Sociais da Arquidiocese; de Florianópolis e 02 reuniões das Pastorais Sociais Regional; Regional Sul 4 01 Seminário Arquidiocesano das Pastorais Sociais; 01 Reunião da Equipe da 5º Semana Social Brasileira;

7

07 membros da equipe da ASA (05M / 02H) (cada reunião) Equipe Editorial do Jornal 50 pessoas (30 M / 20 H) Entidades membros, diretoria, conselho fiscal e equipe da ASA) 40 pessoas (25 M / 15 H) Diretoria e conselho fiscal 28 pessoas (04 M / 24 H) Conselho Fiscal e Auditor da Misereor 05 pessoas (05 H) Membros da coordenação 03 pessoas (02 M / 01 H) Equipe da ASA 02 pessoas (02 H) Auditor e equipe da ASA 02 pessoas (02 H) Equipe da ASA e escritório de contabilidade 03 pessoas (01 M e 02 H) Entidades membro da Cáritas, Conselheiros e Secretariado 145 pessoas (102 M / 43 H) Membros do SARP e CARP 165 pessoas (40 M / 125H) Coordenação de Pastoral e representantes das pastorais. sociais 511 pessoas (269 M /242 H)


8

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Acesso e Controle Social das Políticas Públicas Essa Diretriz na ASA tem como objetivo principal contribuir no processo de ampliação do acesso às políticas públicas e garantia de direitos, promovendo a participação qualificada nos espaços de controle social. A participação se deu através da presença da Rede ASA nos espaços legítimos de participação, no qual destacamos a seguir: Os Fóruns e Conselhos como um espaço de articulação e mobilização de Políticas Públicas vêm se fortalecendo na região da grande Florianópolis. O Fórum Permanente de Políticas Públicas de Florianópolis vem reunindo ordinariamente grande parte das entidades que compõem a rede socioassistencial do município e através de uma agenda de lutas comuns vem atuando firmemente. Destaca-se aqui a participação do Fórum na elaboração da Lei do SUAS no município, o fortalecimento da Frente Parlamentar em Defesa da Assistência Social criada no ano de 2011. Por ser uma grande força de articulação, tornase um espaço de disputa política o que vem gerando embates que precisam ser ultrapassados a fim de fortalecer ainda mais esse espaço. No município de São José, onde o Fórum Permanente de Entidades de Assistência Social (FOPEAS) mantém presença firme e num processo de organização e fortalecimento desse espaço, mobilizou para uma efetiva mudança de práticas no município. A partir de debate apurado, com presença do Conselho Estadual de Assistência Social, discutiu com as entidades a necessidade de mudança e atualização a partir das normativas do Conselho Nacional de Assistência Social. O debate garantiu a eleição de novas entidades para o Conselho Municipal e um novo momento para a Política de Assistência Social de São José. A posse desse Conselho não se deu no prazo determinado, mas sim cinco meses após a realização do Foro Eletivo da Sociedade Civil. No âmbito estadual, a ASA manteve-se na Coordenação Colegiada do Fórum Estadual Permanente de Assistência Social (FEPAS) que agregou efetivamente as entidades que compõem a representação da sociedade civil no Conselho Estadual de Assistência Social. Percebe-se um compromisso dessas entidades em discutir com os seus pares para que política consiga se firmar no estado de Santa Catarina. Ainda no que se refere ao espaço estadual, a ASA, representando a Cáritas Brasileira de Santa Catarina, tomou posse no segmento das entidades de assistência social no Conselho Estadual de Assistência Social. Nesse conjunto, Fórum Estadual de Assistência Social, Conselho Estadual de Assistência Social e Frente Parlamentar Estadual em Defesa da Assistência Social continuou-se a luta pela recomposição do orçamento destinado a execução da Política de Assistência Social, que ainda permanece escasso e sem o cofinanciamento devido aos 295 municípios de Santa Catarina. Destacamos a realização da I Conferência Estadual de Transparência e Controle Social, onde a ASA integrou a Comissão de Organização e que foi um marco histórico, pois na primeira vez que uma conferência se dedica exclusivamente a discutir sobre Transparência, Controle Social, Prevenção e Combate à Corrupção. A Rede ASA pode participar das etapas municipais e momentos específicos da Rede por meio das Conferências Livres nos municípios. As propostas priorizadas nessas Conferências Livres foram encaminhadas para Comissão de Organização Nacional e integradas ao Caderno de Propostas. Dentro do Controle Social um tema que a ASA voltou a se aproximar foi a Política de Saúde. Com a

ASA promoveu Conferências Livres de Transparência e Controle Social


Relatório Anual de Atividades – 2012

9

Campanha da Fraternidade pode-se discutir o Sistema Único de Saúde com as comunidades e o importante papel que temos enquanto cidadão. Reflexões sobre o funcionamento do sistema, Organizações Sociais assumindo serviços de saúde e o papel do controle social foi feita na Arquidiocese.

Percebe-se um crescimento da atuação da ASA nessa diretriz de trabalho e o seu reconhecimento enquanto entidade de assessoria e defesa e garantia de direito. Para o ano de 2013 os desafios permanecem no que se refere à implementação do Sistema Único de Assistência Social no Estado, já que a luta pelo orçamento continua. Por ser ano de Conferência e a temática sendo “A Gestão e o Financiamento para implementação do SUAS” teremos uma mobilização maior no estado para ampliar essa discussão e estabelecer estratégias para os avanços.


10

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Detalhamento das Ações:

Ações

Atividades realizadas

Fórum Estadual de Assistência Social: - 01 Reunião do Fórum dos Trabalhadores do SUAS; - 09 Reuniões Ordinárias do Fórum; - 04 Reuniões Extraordinárias do Fórum; - 01 Reunião com Secretário de Assistência Social; - Participação na Posse do Secretário de Assistência Social; - 01 Reunião do CEAS/SC; - 01 Reunião com a Diretora de Assistência Social; - 01 Reunião do Fórum Permanente de Assistência Social de Bombinhas; - 01 Encontro dos Articuladores Regionais do Fórum; - 01 Reunião com a Frente Parlamentar de Assistência Social; - 01 Audiência Pública para Discussão do Orçamento. Conselho Estadual de Assistência Social: - 01 Foro Eletivo da Sociedade Civil - 05 Plenárias Ordinárias do CEAS; - 01 Plenária Extraordinária do CEAS/SC; - 01 Capacitação para Conselheiros; - 04 Reuniões da Mesa Diretora; - 04 Reuniões da Comissão de Finanças; - 02 Reuniões da Comissão de Políticas; - 01 Encontro do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Assistência Social – FONACEAS; - 01 Reunião com a Frente Parlamentar da Assistência Social; - 01 Reunião com a Comissão de Orçamento da ALESC; - 01 Reunião Ampliada com o Ministério Público e Tribunal de Justiça. Atuação Fórum Regional de Economia Solidária: da ASA nos - 06 Reuniões do Fórum; espaços de - 01 Reunião do Fórum de Balneário Camboriu; controle - V Plenária Reg. Economia Solidária – Fpolis; social (Fóruns - Seminário e Plenária Reg de Economia Solidária – Itajaí; e Conselhos) - 02 Reuniões Preparatórias; - 01 Plenária Regional em Itajaí; - 01 Plenária Estadual de Economia Solidária Fórum Permanente de Assistência Social de São José: - 04 Reuniões da Comissão de Fórum; - 02 Reuniões Ordinárias do Fórum; - 01 Reunião do CMAS/SJ; - 01 Assembleia de Entidades; - 02 Reunião da Comissão Eleitoral; - 01 Assembleia Eletiva da Sociedade Civil do CMAS; - 02 Encontros Formativos para conselheiros. Fórum Municipal de Políticas Públicas de Florianópolis: - 06 Reuniões Ordinárias do Fórum; - 01 Fórum Eletivo das entidades da sociedade civil – CMAS 2012-2014; - 02 Reunião da Comissão Eleitoral do CMDCA 2012-2014; - 01 Assembleia Eletiva do CMDCA; - 01 Solenidade de Posse do CMDCA Conferência de Transparência e Controle Social: - 06 reuniões da Comissão de Organização (sistematização e capacitação de facilitadores). - 01 Reunião com Diretoria de Assistência Social de Palhoça em função da Conferência Livre; - 04 Conferências Livres envolvendo os municípios de: Fpolis; Nova Trento, Brusque, Guabiruba; São José, Biguaçu e Palhoça; - 01 Conferência Estadual de Transparência e Controle Social - Consocial

Publico Envolvido (n.º de part.) Representantes das entidades não governamentais e conselheiros, representantes governamentais 362 pessoas (263 M /99 H)

Representantes das entidades não governamentais e conselheiros, representantes governamentais. 345 pessoas (236 M / 109 H)

Representantes de empreendimento de economia solidária e entidades de apoio 297 pessoas (133 M / 164 H) Representantes das entidades não governamentais e conselheiros, representantes governamentais 201 pessoas (79 M / 38 H) Representantes das entidades não governamentais e conselheiros 397 pessoas (220 M / 177 H) Representantes das entidades não governamentais e governo. 488 pessoas (263 M / 225 H )


Relatório Anual de Atividades – 2012

Formação em Políticas Públicas

11

Formação para Conselheiros em Nova Trento: - 01 encontro de apresentação e discussão da proposta; - 06 Encontros Formativos; - 01 Reunião com o Conselho Municipal de Assistência Social

Representante do poder público, entidades e Ação Social Neotrentina 54 pessoas (42 M / 12 H) - 02 Encontros Formativos com entidades de Assistência Social sobre Participação Representantes de e Controle Social. Entidades, profissionais, gestores, etc 94 pessoas (65 M / 29 H) - 01 Mobilização Social em prol da Garantia dos Direitos dos Povos Tradicionais Lideranças indígenas guaranis, movimento negro, sindicatos, MST, FUNAI e IBAMA 50 pessoas (27 M /23 H)

Inserção nas mobilizações locais, Estadual e Nacional de promovam a vida. Campanha da - 09 Momentos Formativos sobre a CF 2012, sendo: Pastorais sociais, Fraternidade GBF; Colégio Catarinense; Comarca de Tijucas; Comarca de Itajaí; Congregação das Irmãs Franciscanas de São José; Paróquia de Itapema; Cursilhos de catequistas e lideranças 573 pessoas Cristandade; Paróquia da Coloninha. (303 M / 270 H)

Desenvolvimento Solidário e Sustentável A Ação Social Arquidiocesana ao assumir essa diretriz de atuação se propõe a contribuir com a construção de uma nova sociedade, motivando para a ampliação da concepção de vida, buscando o estabelecimento de formas de convivência harmoniosa entre os seres humanos e o meio ambiente. A proposta desta diretriz nos faz refletir sobre qual é o compromisso que cada pessoa tem com a sustentabilidade do planeta e qual é o planeta que deixaremos para as gerações futuras como herança de nossa ação. Em 2012 nossa atuação promoveu e fortaleceu iniciativas locais que visaram a ampliação da consciência ambiental e o compromisso de um novo modelo de desenvolvimento, que seja solidário e sustentável. Para isso, foi necessário analisar criticamente o modelo econômico e de consumo que vivemos, negando suas formas e métodos, valorizando a cultura local e o consumo consciente. A atuação com os Núcleos Comunitários de Defesa Civil (NUDECs), Empreendimentos Econômicos Solidários e com os Catadores de Materiais Recicláveis foram o grande destaque de atuação nesta Diretriz, onde foi possível concretizar nas comunidades a construção de outro mundo possível, urgente e necessário.

Projeto Gestão de Risco e Desastres: Construindo Comunidades Seguras Dando continuidade ao projeto iniciado em 2010, a Ação Social Arquidiocesana – ASA caminhou na implementação do Plano Arquidiocesano de Gestão de Risco que teve como propósito, a capacitação para ações práticas de prevenção, preparação, resposta e reconstrução, valorizando a participação da comunidade e instituições que, de alguma forma, estavam envolvidas no processo administrativo de algum evento. Em 2012 a ASA pode contar com o apoio do Instituto HSBC de Solidariedade, renomeando o plano para “Projeto Gestão de Risco e Desastre: Construindo comunidades seguras”, que vem potencializando e ampliando as ações, inicialmente voltadas para os municípios de Itajaí, Brusque, Botuverá, Guabiruba, Palhoça, pretendendo estender sua ação em 2013, para os municípios de Itapema, Nova Trento, Camboriú, São José, Florianópolis e Biguaçu, municípios estes, que compõe a área de atuação do projeto.


12

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Na perspectiva de comunidades mais seguras procurou-se formar Núcleos Comunitários de Defesa Civil- NUDEC que são grupos constituídos por pessoas da comunidade que buscam se capacitar para atuar, tanto na prevenção, mitigação e preparação, quanto na resposta e reconstrução. Os NUDECs na comunidade são referência nos momentos de enfrentamento aos eventos adversos, e o braço direito na Defesa Civil. Durante o processo de formação e implantação dos NUDECs firmou-se parceria com as Coordenadorias Municipais de Proteção e Defesa Civil, onde foram presença no desenvolvimento do projeto nos municípios ou quando não se fez presente, disponibilizou técnicos para acompanhamento e contribuição. Nessa caminhada pode-se perceber a importância de elencar parceiros para potencializar o projeto no âmbito das comunidades com conhecimentos técnicos específicos. Para tanto, se buscou aproximação com a Universidade do Estado de Santa Catarina e esta disponibilizou técnicos para capacitações.

Visita de Campo do NUDEC de Botuverá O Projeto de Gestão de Risco e Desastre: Construindo Comunidades Seguras pode contribuir com o desenvolvimento da temática e debate, por meio de assessorias às Caritas Regional Brasileira Regional Santa Catarina e Cáritas Brasileira Regional Rio Grande do Sul. Segue descrição das atividades realizadas no ano de 2012 em cada município.

ITAJAÍ – Comunidades de São Vicente e Limoeiro: As capacitações foram realizadas no bairro São Vicente, participaram 14 pessoas. A Defesa Civil participou ativamente das capacitações e acompanhou o processo trocando experiências com a comunidade. Os temas foram dinâmicos, com ênfase em inundações e gestão de abrigo. As pessoas capacitadas da Ação Social São Vicente, todas, atuam em Gestão de Abrigo nos períodos de cheias nesta mesma paróquia. O bairro Limoeiro teve seu diferencial por se tratar de um bairro divisa entre Itajaí e Brusque, sendo que para Itajaí é área rural, e para Brusque, um bairro em expansão urbana. É um bairro com alta vulnerabilidade à deslizamentos. Assim houve uma parceria entre Defesa Civil de Brusque, Defesa Civil de Itajaí e Ação Social Arquidiocesana, a fim de capacitar a comunidade para perceber o risco antes que o desastre se efetive e evacuar o local. A capacitação se deu por meio de capacitações locais com a participação de quinze pessoas da comunidade. Ao final foi realizado o Simulado para perceber a efetivação das capacitações e o real sentido de percepção de risco dos moradores do bairro sendo que o simulado envolveu diversos órgãos e contou com a participação de cem famílias, mostrando a importância de eventos práticos que simulem realidades vivenciadas pelas comunidades.

BRUSQUE – Comunidades de Águas Claras e Dom Joaquim: O bairro Águas Claras já estava com o Núcleo Comunitário de Defesa Civil implantado pela própria Defesa Civil, porém não tinha ações de desenvolvimento local. A Ação Social Arquidiocesana retomou o processo buscando contribuir por meio de reuniões para envolvê-los em ações na comunidade. A partir do Planejamento feito em conjunto pelos participantes do NUDEC, em 2013 pretende-se realizar várias ações de sustentabilidade local. Compõem este NUDEC 07 jovens em idade de 15 a 20 anos.


Relatório Anual de Atividades – 2012

13

O bairro Dom Joaquim iniciou o processo de capacitação por meio da Ação Social Paroquial Santa Catarina e da Associação de Moradores. São 16 os integrantes do NUDEC. A Proteção e Defesa Civil quem ministrou as capacitações com 40 horas/aulas. Inovou trazendo temas como: utilização de extintores de incêndios, Reanimação Cárdio Pulmonar e primeiros Socorros.

Visita de campo do NUDEC Dom Joaquim

A Ação Social Arquidiocesana, por meio do Planejamento, fomenta a continuidade das ações. O NUDEC de Dom Joaquim aprovou junto ao Fundo Arquidiocesano de Solidariedade o recurso necessário para organizar sua atividade no que se refere a sua proteção e da comunidade em situações de emergência como: botas, luvas, facões entre outros.

GUABIRUBA: Guabiruba possui um Núcleo Comunitário de Defesa Civil e tem sua sede na Ação Social Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e se reúnem mensalmente. Conta com 08 participantes entre eles: Técnicos da Defesa Civil, corpo de bombeiros e voluntários da Ação Social Paroquial. Atuou no ano de 2012 desenvolvendo seu planejamento que teve ações como: desfile alusivo a semana Rio +20, palestra na escola, oficinas temáticas entre outras.

BOTUVERÁ: No ano de 2011 integrantes da Trabalho em grupo NUDEC Guabiruba Defesa Civil do município de Botuverá participaram da primeira etapa de capacitação em Brusque do Plano Arquidiocesano de Gestão de Risco e Desastre. Tiveram interesse em desenvolver em seu município o NUDEC a fim de potencializar os trabalhos comunitários na prevenção. A partir do ano de 2012 a Ação Social Arquidiocesana iniciou as oficinas de Gestão de Risco e Desastre neste município com ênfase na Política Nacional de Proteção e Defesa Civil e administração de desastres, e a partir daí a Defesa Civil foi se organizando enquanto Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, contando com a parceria da Ação Social Arquidiocesana. Botuverá possui um Núcleo Comunitário de Defesa Civil que se reúne na Câmara de Vereadores mensalmente. Conta com 15 participantes que desenvolvem ações no município como: visitas de campo, capacitações continuadas, reciclagem do óleo de cozinha, fabricação de sabão, entre outros.

PALHOÇA: O bairro Aririú iniciou a capacitação com a Paróquia São Francisco de Assis, com 15 participantes. Os temas trabalhados foram desde inundações, coleta seletiva, visitas de campo, entre outros.


14

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Também, houve capacitações no Bairro Pontal que iniciou o processo de discussão na escola local com 09 participantes. Os temas trabalhados foram: Manguezais e a necessidade de sua proteção, cuidados com a disposição do lixo, uso e ocupação do solo, administração de desastres, entre outros. Ao final das capacitações o processo não pode ter continuidade devido à ausência de Coordenadoria Municipal de Defesa Civil. Caminhamos nesta perspectiva, tanto de buscar apoio quando era necessário, quanto de auxiliar quando podíamos. Para o ano de 2013 continuaremos com a mesma solidariedade, porém buscaremos ampliar a participação, tanto da Rede ASA, quanto dos NUDECs em espaços de debate e controle social como fóruns, conselhos e comitês de bacias hidrográficas. Abaixo, segue o quadro representativo das atividades realizadas nos municípios trabalhados em 2012. Ações Planejadas

Atividades realizadas

Publico Envolvido (nº de part.)

08 reuniões de articulação com a Proteção e Defesa Civil municipal. - 2 em Botuverá; Proteção e Defesa Civil, Ação Fortalecimento dos - 1 em Biguaçu; Social Arquidiocesana e vínculos da população - 2 em Brusque; comunidade com a Defesa Civil e com o - 1 na Palhoça; 48 pessoas tema nos municípios - 1 em Itajaí e (22 M / 26 H) - 1 em Florianópolis.

Difusão da temática às lideranças comunitárias e à população

12 atividades desenvolvidas: Escolas locais, agentes - 06 Visitas de campo; de saúde, prefeituras, - 02 Eventos do Rio +20; universidades, igrejas, - 04 Sensibilizações da comunidade, troca de experiências associações de moradores, com outros estados; voluntários e comunidade em Municípios de: Guabiruba, Brusque, Itajaí, Palhoça, Botuverá geral. e Porto Alegre. 136 pessoas (78 M / 58 H)

33 Capacitações: -5 Botuverá - 5 Brusque -10 Palhoça -05 Guabiruba Capacitação das entidades -08 Itajaí sociais e lideranças comunitárias sobre o tema 57 Encontros NUDEC: -16 Botuverá -25 Brusque -16 Guabiruba

Ação Social Paroquial, Defesa Civil, Corpo de bombeiros, Assistência Social, Secretaria de educação, agentes de saúde, professores e alunos de escolas locais e entidades parceiras, 450 pessoas (218 M / 232 H).

14 Reuniões realizadas, sendo: -01 Botuverá, -01 Guabiruba, -02 Brusque -02 Palhoça Fomento e surgimento -03 Itajaí. das NUDECs em entidades 05 Núcleos Comunitários constituídos, sendo: sociais -01Botuverá -01Guabiruba -01 Itajaí -02 Brusque

Defesa Civil, Ação Social Paroquial, Universidades, Associação de moradores, Corpo de Bombeiros, Grupo de Jipeiros, Radioamador, brigada comunitária, OAB, Pastoral da Criança, agentes de saúde, IFSC e NUDEC 108 Pessoas (68 M / 40 H)


Relatório Anual de Atividades – 2012

Fomento, elaboração e implantação de um plano preventivo aos eventos climáticos.

Apoio e incentivo às ações voltadas ao Desenvolvimento Solidário e Sustentável em vista a adaptação de comunidades e seus ecossistemas aos eventos climáticos

15

- 02 Reuniões para elaboração de Planejamento de abrigos Defesa Civil, comunidades, (Botuverá, Guabiruba. professores e alunos de - 01 Simulado de prevenção para desastres (Itajaí, Limoeiro). escolas locais, Ações Sociais - 01 Visita de campo ao Município de Ilhota participação dos Paroquiais, agentes de saúde, NUDECs de Brusque; Águas Claras e Dom Joaquim. Corpo de bombeiros, Grupo de Jipeiros, Radioamador, brigada comunitária, Assistência Social, Secretaria de educação, Policia Militar, Guarda Municipal, entidades parceiras. 159 Pessoas (76 M / 83 H) 01 Oficina de Plantas Medicinais na Aldeia Indígena Morro Moradoras da Aldeia no dos Cavalos Morro dos Cavalos 18 pessoas (18 M) 01 Seminário do Movimento de Catadores Equipe Executiva da ASA, Catadores e COMCAP 80 pessoas ( 35 M / 45 H)

Projeto Fortalecendo Experiência de Economia Solidária em Santa Catarina (FORTEES): Em 2012 foi dada continuidade na execução do Projeto FORTEES, que é coordenado pela Cáritas Regional de Santa Catarina e patrocinado pela Petrobrás. A partir da atuação da articuladora local foi possível desenvolver as seguintes atividades: Acompanhamento aos empreendimentos: durante o ano foi estabelecido um processo sistemático de acompanhamento aos oito empreendimentos. Nas visitas mensais foram trabalhados temas específicos visando o fortalecimento do próprio empreendimento, que na sua maioria ainda estavam em processo de formação. Dentre os temas abordados, destacam-se a organização interna e formalização do empreendimento, elaboração do plano de negócios, comercialização, qualidade e divulgação do produto. Em alguns casos, o acompanhamento foi além das atividades específicas do projeto, contribuindo com o processo de organização comunitária, sendo que alguns empreendimentos desenvolvem papéis estratégicos na mobilização Grupo Indígena Pira Rupa – Palhoça da comunidade. Curso de Gestão e Viabilidade Econômica: além do processo de acompanhamento sistemático, o projeto proporcionou a realização de um curso com cinco etapas, onde foi possível debater e aprofundar temas pertinentes ao funcionamento e melhor organização dos empreendimentos. A realização deste curso permitiu que os membros dos empreendimentos realizassem um movimento de olhar de fora para dentro de seus grupos, elencando possíveis mudanças no seu dia-a-dia. A cada etapa um passo a mais para alcançar a sustentabilidade organizacional e financeira do empreendimento. Todas as etapas foram assessoradas por pessoas com grande conhecimento na temática, tendo como recurso didático uma cartilha especifica para o curso. Entre outros assuntos abordados, destacam-se: mercado, organização financeira do empreendimento, consumidores e estratégias de comercialização. Segue, na próxima página, um relato de uma integrante do Grupo Arte Sustentável sobre o curso:


16

ASA – Ação Social Arquidiocesana

“Antes do curso não tinha ideia de como fazer a contabilidade do grupo. Agora vejo que não é difícil fazer as contas. O Projeto FORTEES tem se mostrado como uma oportunidade de fortalecer a Economia Solidária” (Gênise Duarte) Comercialização: um dos objetivos do projeto é o fomento da comercialização, através de cadeias produtivas e da realização de feiras, buscando o aumento da renda dos empreendimentos. Nas feiras de economia solidária, além dos produtos, também é vendida uma nova perspectiva de consumo, que é o consumo consciente. No ano de 2012, foram realizadas duas feiras de Economia Solidária: uma no Encontro Interdiocesano dos Grupos Bíblicos em Famílias e CEBs e outra em Nova Trento. As feiras foram mais que um esFeira de Economia Solidária em Nova Trento paço destinado apenas para a comercialização. Elas foram um espaço de trocas de saberes e produtos, de integração entre os grupos, de apresentações culturais e de formações, possibilitando o exercício de muitos conteúdos abordados dos cursos de gestão e nos acompanhamentos aos empreendimentos. Oficinas: Uma estratégia utilizada pelo projeto para a criação de novos empreendimentos de economia solidária foi às oficinas com públicos de diferentes áreas de atuação. Neste sentido, em 2012 foram realizadas duas oficinas: de hortas comunitárias e de comunicação para a juventude. Com o objetivo de avançar no debate da agricultura urbana e formas alternativas de alimentação saudável, o Projeto FORTEES realizou a Oficina de Hortas Comunitárias em parceria com o Centro de Estudos e Promoção da Agricultura em Grupos (CEPAGRO). A oficina apresentou aos participantes que é possível a criação de espaços nos centros urbanos de hortas comunitárias ou até mesmo o cultivo de hortaliças em pequenas áreas nas residências, tornando-se uma ótima proposta de atuação para as ações sociais paroquiais, inclusive de geração de trabalho e renda. Além da parte teórica, os participantes tiveram a oportunidade de Oficina de Hortas Comunitárias conhecer na prática como é possível plantar na cidade. Para isso, houve a visita na iniciativa exitosa na Comunidade Chico Mendes – Florianópolis de compostagem e produção de hortaliças que se chama Revolução dos Baldinhos, que é coordenado pelo CEPAGRO. Apresentar para os jovens alternativas de geração de trabalho e renda na perspectiva de outra economia, diferente do modelo capitalista que vivemos, foi outro desafio do Projeto FORTEES. Neste sentido, foi realizada a Oficina de Comunicação Social para Jovens onde foram abordados diversos temas de interesse da juventude, tais como: fotografia, elaboração de textos jornalísticos, técnicas de filmagens e edição de vídeo.


Relatório Anual de Atividades – 2012

17

Com essa oficina lançou-se um novo desafio para os jovens que é utilizar as mídias sociais e os meios de comunicação como uma ferramenta de geração de trabalho e renda e construção de um mundo mais justo e solidário. Abaixo, quadro das atividades desenvolvidas pelo Projeto FORTEES: Ações Planejadas Visitas de acompanhamento aos empreendimentos Cursos de Gestão e Viabilidade econômica para os empreendimentos acompanhados

Comercialização

Fomento de novos Empreendimentos de Economia Solidária

Atividades realizadas 43 Visitas de acompanhamento aos Empreendimentos acompanhados pelo Projeto FORTEES: 06 Mulheres em Ação pela Superação; 03 Criando e Costurando; 04 Mãos Unidas; 08 Kunhangué Rembiapó (Aldeia Itaty); 08 Aldeia Pira Rupa; 06 Doce da Fortuna; 05 Arte Sustentável; 02 Tecendo Relações; 01 Grupo São Marcos 3 Etapa do Curso de Gestão e Viabilidade Econômica

Realização de 02 Feiras de Economia Solidária (Centro de Evangelização Angelino Rosa e Nova Trento) 09 Reuniões em preparação a feira com Secretário de Turismo, Congregação das Irmãzinhas a Imaculada Conceição e com a Cáritas de Santa Catarina 1 Oficina de Hortas Comunitárias

Público Envolvido (Nº de participantes) ASA, Articuladora Local e Empreendimentos 263 pessoas (243 M / 22 H) Representantes dos Empreendimentos acompanhados 61 Pessoas (44 M / 7 H) Empreendimentos, Cáritas SC, visitantes e romeiros 2881 pessoas

Lideranças comunitárias, integrantes de hortas comunitárias e pessoas interessadas no tema 31 pessoas ( 27 M / 4 H ) 01 curso de economia de economia solidária para novos Integrantes de grupos em Tubarão empreendimentos de economia solidária em processo de formação 44 pessoas (40 M / 04 H) 01 Oficina de Comunicação para Jovens em 02 etapas Jovens com algum envolvimento comunitário interessado no tema 30 pessoas (14 M / 16 H) 11 reuniões e visitas a grupos comunitários Lideranças comunitárias, integrantes e coordenadores de grupos nas comunidades 66 Pessoas (53 M / 13 H) 06 reuniões de preparação, avaliação e continuidade das Lideranças de grupos oficinas de: interessados na realização Catadores, Comunicação para Juventude, Hortas das oficinas Comunitárias e Plantas Medicinais 35 pessoas (19 M / 16 H) Participação na ExpoCatadores em São Paulo Catadores/as de todo Brasil, Organizações Governamentais e não governamentais de apoio aos catadores 600 pessoas (350 M / 250 H) 07 reuniões com Cáritas Brasileira Regional de Santa Catarina Articuladores Locais do projeto FORTEES de outras dioceses, Secretariado da Cáritas de Santa Catarina 45 pessoas 28 M / 17 H


18

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Sustentabilidade Financeira As entidades sociais do Brasil atualmente têm grandes desafios no que se refere a sua gestão e sustentabilidade financeira. Com a má gestão de recursos públicos por parte das entidades sociais (ONGs), ocorreu um descrédito generalizado por parte da população, aliados com a redução de apoio da cooperação internacional, principalmente no sul do país, colocaram as entidades sociais numa situação de revisão de suas práticas, exigindo diversificar suas fontes de recursos e de ampliar seu crédito junto à população. A ASA não se encontra fora deste contexto. Desde o final da década 70 recebe apoio financeiro da entidade Misereor (entidade da Igreja Católica da Alemanha). Recentemente, recebemos um comunicado do encerramento do seu convênio com essa entidade parceira, o qual ocorrerá em abril de 2014. A partir deste comunicado, aliado com o cenário nacional das entidades sociais, trouxe para o interno da ASA (diretoria e equipe executiva) reflexões sobre novas formas de manter o trabalho junto às comunidades sem perder sua essência. Isto é, criar novas formas de financiamento de suas atividades sem desconsiderar a sua missão e atuação enquanto entidade de assessoramento e de defesa e garantia de direitos. Esse é um Grupo Doce Fortunato de Garopaba dos principais desafios da ASA atualmente. No ano de 2012, foi possível ampliar a rede de parceiros e investidores, principalmente no desenvolvimento de atividades específicas, os quais contribuíram com recursos financeiros, humanos e físicos. A ASA atuou com alguns projetos específicos nas comunidades, atendendo o novo formato de atuação das entidades sociais, como é o caso do Projeto “Gestão de Risco e Desastres” que é executado em parceria com o Instituto HSBC de Solidariedade e o “Projeto Fortalecendo Experiência de Economia Solidária em Santa Catarina”, que é executado em parceria com a Cáritas de Santa Catarina e patrocinado pela Petrobras. A partir da execução destes projetos, surgiram novas demandas junto a públicos de atendimento direto, entre eles os catadores de materiais recicláveis e comunidades indígenas. O Fundo Solidário tem se destacado como uma grande área nas ações da ASA. A cada ano aumento o valor arrecadado na Coleta da Solidariedade, bem como a quantidade de projetos recebidos e apoiados pelo Fundo Arquidiocesano de Solidariedade (FAS). O FAS tem se tornado uma importante ferramenta de mudança social da Arquidiocese, contribuindo com projetos sociais e de geração de trabalho e renda, bem fundamentados, e com amplo alcance social em diversas comunidades. Em 2012, a Coleta da Solidariedade arCurso de Manicure em Camboriú recadou um total de R$ 225.094,02, o que significa 19% a mais que no ano anterior, possibilitando o apoio de 24 projetos sociais, com um total de R$ 98.980,30 investidos, beneficiando mais de 4 mil pessoas. Vale destacar, que ainda permanece o desafio de qualificar o acompanhamento com as entidades apoiadas, promovendo momento de formação específica e proporcionando maior envolvimento entre os projetos apoiados.


Relatório Anual de Atividades – 2012

19

Abaixo, apresenta-se o quadro de atividades desta Diretriz: Ações Planejadas

Atividades realizadas

Diversificação das fontes de sustentabilidade

Elaboração de 07 projetos para a sustentabilidade da ASA, sendo: apoiadores: BrazilFoundation; Criança Esperança; Fundo Arquidiocesano de Solidariedade; Eletrobrás/ Eletrosul; Ministério Público do Trabalho; Oi Futuro; Fundo Municipal da Cultura de Florianópolis. Projetos Aprovados: FAS; Ministério Público do Trabalho Participação em 01 Seminário sobre Elaboração de Projetos, Captação de Recursos

Fundos Solidários

Publico Envolvido (n.º de part.) Equipe Executiva da ASA 07 pessoas (05 M / 02 H)

Representantes de entidades da sociedade civil, Cáritas Diocesanas, empreendimentos e projetos apoiados pelos Fundos Solidários 80 pessoas (55 M e 25 H) 05 reuniões do Conselho do Fundo Arquidiocesano de Coordenação Arquidiocesana Solidariedade (FAS) de Pastoral, Ecônomo 04 reuniões com os projetos apoiados da Arquidiocese, Equipe Executiva da ASA, representante das entidades apoiadas 55 pessoas (30 M / 25 H) 01 reunião do Conselho do Fundo Solidário da Cáritas de Representantes da Cáritas Santa Catarina Diocesanas e Secretariado da Cáritas Regional SC 06 pessoas (03 M / 03 H) 01 Seminário sobre Gestão Administrativa e Financeira de Lideranças das ações sociais Projetos Sociais paróquias, entidades comunitárias e pastorais sociais 31 pessoas (21 M / 10 H) Participação em 01 seminário de Monitoramento do Projeto Representantes das de Articulação Nacional dos Fundos Solidário na Brasil entidades gestoras do Projeto dos Fundos Participação em 01 Seminário dos Fundos Solidários de Santa Solidários, empreendimentos Cataria de economia solidária, articuladores locais, entidades de fomento e parceiras, secretariado, secretariado nacional da Cáritas Brasileira e SENAES – Ministério do Trabalho e Emprego 57 pessoas (31 M / 26 H) 07 visitas de acompanhamento aos projetos apoiados pelos Representantes de entidades, Fundos Solidários comunidades, grupos que atuam em áreas sociais nas comunidades 62 pessoas (50 M / 12 H)


20

ASA – Ação Social Arquidiocesana

6

Atividades da Rede:

Para além de demonstrar suas atividades anuais em relatório a ASA prioriza um espaço para a divulgação das atividades da Rede Arquidiocesana, ou seja, de suas entidades membro fomentando a transparência. Pode-se observar no quadro a seguir que as atividades da Rede são múltiplas e complementares as necessidades locais, seja na forma emergencial, seja na forma de prevenção. Para organização do quadro utilizou-se como referência a Tipificação dos Serviços Socioassistenciais, pois a grande maioria das Ações Sociais são entidades de assistência social e estão no processo de reordenamento ao que determina a Política Nacional de Assistência Social (PNAS) e Sistema Único de Assistência Social (SUAS).

Ação Social da Trindade: Contato: Fone (48) 3025-6772 – E-mail: acaosocialdatrindade@yahoo.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria Recursos Humanos: 50 voluntários e também profissionais contratados Recursos Financeiros: Convênio com Município; Brechó; Doações; Serviços Voluntários.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Creche São Francisco Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Casa São José; Casa da Criança; Projeto Crescer com Amor. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Pastoral da Pessoa Idosa; Clube da Experiência; Grupo de Idosos Santana; Feira do Artesanato da Trindade. Serviço de Atendimento a Família: Projeto Solidariedade; Grupo de Gestantes; Atendimento Psicológico

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Crianças de 0 a 06 anos

120

23

Crianças e Adolescente de 06 a 15 anos

304

38

Idosos

207

73

Crianças, Adolescentes, Adultos, Idosos e famílias.

618

36

Ação Social Paroquial de Ingleses: Contatos: Fone (48) 3365-1678/3284-2528 – E-mail: acaosocialingleses@hotmail.com Caracterização da Entidade

Programas

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Infra-estrutura: Sede Própria onde funciona a Secretaria e o Projeto acontece em prédio alugado. Recursos Humanos: 02 Contratatos (Assistente Social e Merendeira) e 8 voluntários (Pedagogia, Capoeira); 2 Professores cedidos (Convênio Prefeitura Municipal de Florianópolis). Recursos Financeiros: Convênio com Município; Brechó; Doações; Mensalidades; Promoções; Serviços Voluntários; e Entidades financiadoras.

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Cozinha Experimental; Oficina Cultura; Hora do Conto; Oficinas Artesanais e Reciclagem; Atividade de Informática; Aulas de Capoeira.

Crianças e Adolescente de 06 a 15 anos e Família

45

12

Famílias

288

23

Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentação, roupas e calçados, enxovais, visitas domiciliares e outras instituições.

• Destaques: A contratação de professores de capoeira que realizam trabalhos com as crianças e a maior participação da comunidade e empresários locais. • Desafios: Trabalhar a sustentabilidade da Ação Social e possibilitar as famílias cursos de capacitação e aperfeiçoamento.


21

Relatório Anual de Atividades – 2012

Assistência Social São Luiz: Contatos: Fone (48) 3228-3527 Caracterização da Entidade

Infra-estrutura: Espaço da Paróquia Recursos Humanos: Voluntários e profissionais cedidos por convênios. Recursos Financeiros: Convênio com município; Doações; Promoções; Serviços Voluntários.

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Criança e Adolescente: Projeto Esperança;

Crianças e Adolescentes

100 crianças e adolescentes

Professores e voluntários

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Idosos Grupo de Convivência

Idosos

100 idosos

Voluntários

Programa Família e Geração de Trabalho e Renda: Projeto Criança Feliz; Projeto Trabalhos Manuais Nossa Senhora de Lourdes; Natureza Sábia; Projeto Costurando a Cidadania;

Famílias

350 crianças 35 adultos

Voluntários

Atendimento e Concessão de Benefícios: Projeto Assistência Comunitária

Famílias

Programas

Voluntárias

Ação Social e Cultural da Catedral – ASCCAT: Contatos: Fone (48) 3224-5537 – E-mail: acaosocial@catedralflorianopolis.org.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria Recursos Humanos: 01 Assistente Social contratada e voluntários Recursos Financeiros: Convênio com o Estado e Faculdade Borges e Mendonça (concessão de bolsas); Doações; Mensalidades; e Promoções.

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Serviço de Atendimento a Família: Auxílio Berço

Gestantes

70 gestantes

01 técnico; voluntários e Sec. Saúde.

Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentação, roupas e calçados, enxovais, visitas domiciliares e outras instituições.

Família e demanda espontânea de todas as idades

121 famílias 445 atendimentos

Assistente Social e voluntários

Programas

Obras Sociais da Comunidade Paroquial de Coqueiros – OSCOPAC: Contatos: Fone (48) 3244-3327– E-mail: nsc@nscarquifloripa.org.br Caracterização da Entidade

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Crianças e Adolescente de 06 a 15 anos

29

14

Programas

Infra-estrutura: Sede Própria onde funciona a Secretária e o Projeto acontece em prédio alugado. Recursos Humanos: Contratatos (Casa Lar) e Voluntários. Serviço de Acolhimento Institucional: Casa Lar Recursos Financeiros: Nossa Senhora do Carmo Convênios com o governo federal, estadual e municipal; Brechó; Doações; e Entidades financiadoras.

• Destaques: O investimento no lazer das crianças e o atendimento realizado por professores de apoio pedagógico e as discussões em equipe.


22

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Ação Social Paroquial da Lagoa: Contatos: Fone (48) 3232-1972 Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede cedida Recursos Humanos: 50 voluntários Recursos Financeiros: Brechó; Doações; Mensalidades

Programas

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: prática de esportes.

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Crianças e Adolescente de 06 a 15 anos

100

Voluntários

Ação Social de Barreiros: Contatos: Fone (48) 3246-8600 – E-mail: contato@acaosocialdebarreiros.org.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria. Recursos Humanos: 08 Contratatos; 70 voluntários; e Profissionais cedidos (Convênio com Prefeitura Municipal de São José). Recursos Financeiros: Convênio com governo do estado e município; Brechó; Doações; Mensalidades; Promoções; e Serviços Voluntários.

Programas

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Creche; Idosos; Informática; Fortalecimento de Vínculos; Artesanato; Brechó; Confecção de Enxovais

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Crianças até 06 anos; Crianças e Adolescente de 06 a 15 anos; Adolescentes e Jovens de 15 a 17 anos; Idosos; Pessoas com Deficiência; Gestantes

300 atendimentos diretos; e 200 diretos

40 direto 20 indiretos

• Destaques: Comprometimento da Diretoria e Voluntários.

Ação Social Paroquial São Judas Tadeu: Contatos: Fone (48) 3246-0122 – E-mail: paroquiadesaojudastadeu@yahoo.com Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede cedida. Recursos Humanos: 25 voluntários; e 02 profissionais cedidos (Paróquia e Colégio Elisa Andreoli). Recursos Financeiros: Convênio com a Prefeitura Municipal de São José; Doações; Mensalidades; Promoções; e Serviços Voluntários.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Projeto Educar;

Público Crianças e Adolescente de 07 a 13 anos;

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

30 crianças e adolescente

Profissionais do Colégio Elisa Andreolli

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Projeto Conviver.

Idosos

62 idosos

12

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Projeto Criar e Pintar

Famílias

14 pessoas

03

Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentos, remédios, orientações e encaminhamentos.

Famílias

230 pessoas

12


23

Relatório Anual de Atividades – 2012

Ação Social Paroquial de Campinas: Contatos: Fone (48) 3241-3219 – E-mail: acaosocial.campinas@yahoo.com.br Caracterização da Entidade

Programas

Inclusão Produtiva: assistente de cabeleireiro; Infra-estrutura: Sede própria informática; Manicure e Pedicure; Música; Pintura em Tela. Recursos Humanos: 01 Contrato (Assistente Social) e 06 Voluntários. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Recursos Financeiros: Vínculos: Grupo de Idosos Federal; Estadual e Municipal. Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentos, remédios, orientações e encaminhamentos.

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Jovens e adultos

81 pessoas

11 professores

Idosos

110

01 coordenadora 05 voluntários

Famílias e Pessoas em Situação de Rua

50 famílias 120 pessoas

07 voluntários

Ação Social São Francisco de Assis: Contatos: Fone (48) 3034-3676 – E-mail: paroquiaforquilhinhas@bol.com.br Caracterização da Entidade

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Crianças e Adolescente de 06 a 15 anos Adolescentes e Jovens de 15 a 17 anos

50 crianças e adolescente

01 Diretoria

Idosos

220 idosos

05 coordenadoras 24 voluntários

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Grupos de Idosos

Idosos

22 grupos de idosos

Assistente Social; Voluntários; Coordenadores dos Grupos

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Famílias

Famílias

85 famílias

Assistente Social e estagiária

Mulheres

40 encontros 05 Feiras da Solidariedadev

Assistente Social Estagiária Parceiros: CEPAGRO; Sec. Municipal de Agricultura; Epagri; ASA

Diretoria e Voluntários

07 Reuniões com voluntários; 02 Reuniões de Diretoria

25 pessoas Assistente Social; Diretoria; Voluntários

Programas

Infra-estrutura: Sede cedida. Recursos Humanos: 48 Serviço de Convivência e Fortalecimento de voluntários. Vínculos: Curso de Violão Recursos Financeiros: Convênio com Município; e Doações. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Grupo de Idosos

Ação Social São João Evangelista – Biguaçu: Contato: Fone (48) 3243-3130 – E-mail: acaosocialsje@hotmail.com Caracterização da Entidade

Infra-estrutura: Sede cedida Recursos Humanos: 01 Assistente Social contratada e 22 voluntários Recursos Financeiros: Convênio com Prefeitura Municipal de Biguaçu; Brechó; Contribuição da Paróquia.

Programas

Grupos de Geração de Trabalho e Renda: Grupos de Produção

Programa de Gestão: reuniões diretoria, encontro dos grupos, voluntários, etc


24

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Ação Social Neotrentina: Contatos: Fone (48) 3267-0127 – E-mail: asn_nt@hotmail.com Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria Recursos Humanos: 20 voluntários Recursos Financeiros: Convênio com Município; Brechó; Doações; e Serviços Voluntários.

Programas Grupos de Geração de Trabalho e Renda: Grupo Mulheres em Ação pela Superação Qualificação Profissional: Corte e Costura e Confecção de Estopas; crochê, tricô e pintura; Curso de Informática.

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Mulheres

02 mulheres

Diretoria e Voluntários

Mulheres e Jovens

53

Diretoria, Voluntários e Professor

Ação Social e Cultural de Monte Alegre: Contatos: Fone (47) 3363-9796 - E-mail: waltirdioniziorosa@hotmail.com Caracterização da Entidade

Programas

Público

Atendimentos em 2012

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Grupos de Idosos

Idosos

80

Mulheres

43

Gestantes

36

Crianças, adolescentes, Adultos e Idosos

47

Infra-estrutura: Sede cedida Qualificação Profissional: Curso de Crochê e Tricô; Recursos Humanos: 04 contratatos e 10 voluntários. Recursos Financeiros: Brechó; Doações; e Serviços Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Famílias Gestantes Voluntários Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Curso de Violão

Recursos Humanos

Psicólogo; Assistente Social; Músico; Cozinheiro; e voluntários

Centro Social São Sebastião: Contatos: Fone (47) 3360-4321 – E-mail: saosebastiao@redel.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede cedida (Salão Paroquial) Recursos Humanos: 60 voluntários Recursos Financeiros: Brechó; Doações; Promoções e Serviços Voluntários.

Programas

Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentos, remédios, orientações e encaminhamentos.

Qualificação Profissional: costura, trabalhos manuais, confecção de enxoval

Público

Crianças, adolescente, adultos, idosos, pessoas com deficiência e famílias.

Atendimentos em 2012 Cestas básicas: 778 Fraldas Geriátricas: 752; Enxoval: 888 02 mulheres

Recursos Humanos

Voluntários

Diretoria e Voluntários


Relatório Anual de Atividades – 2012

25

Ação Social e Cultural Cristo Rei de Camboriu: Contatos: Fone (47) 3365-1047 – E-mail: acaosocial.cristorei.camboriu@gmail.com Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede cedida Recursos Humanos: 15 voluntários Recursos Financeiros: Doações; Contribuições financeiras Contribuições dos associados; promoções sociais e festivas;

Programas

Público

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentos, remédios, orientações e encaminhamentos, atividades recreativas (Festa de Natal).

Famílias

1038 pessoas

05 Voluntários

Qualificação Profissional: Manicure e Pedicure; Jardinagem.

Jovens e Adultos

38

02 Instrutores e 05 Voluntários

Sociedade Promoção Social e Cultural Paróquia Santa Teresinha: Contatos: Fone (47) 3350-0301 Caracterização da Entidade

Programas

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

87 gestantes

Voluntárias e técnicos da Sec. Saúde

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Idosos Idosos Grupos: Limoeiro; Nova Brasília; Vovós Unidas; Pe. João da Cruz; Limeira

190 idosos

Coordenadores e 15 voluntários

Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentos, remédios, orientações e encaminhamentos;

Famílias

3.500 atendimentos

Voluntárias

Atividades Festivas: Natal com as famílias

Famílias

200 pessoas

Voluntários, pastorais, etc.

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Gestação Feliz. Infra-estrutura: Sede própria Recursos Humanos: 45 voluntários Recursos Financeiros: Convênio com governo do estado para construção da sede; Brechó; Doações; Promoções; Serviços Voluntários.

Público Famílias

Ação Social Paroquial de Santa Catarina Contatos: Fone (47) 3351-0765 Caracterização da Entidade

Programas

Atendimentos em 2012

Recursos Humanos

Famílias

38 gestantes e 8 acompanhamentos

03 Voluntárias para o curso; 06 Voluntários para confecção de enxoval; Profissionais para o curso.

Idosos

180 idosos

12 Voluntárias; Grupo Musical; Palestrantes

Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentos, remédios, orientações e encaminhamentos;

Famílias

95 famílias

05 Voluntárias

Gestão de Risco e Desastre: Núcleo Comunitário de Defesa Civil

Comunidade

Implantação em 15 voluntários 2012

Outras Atividades: Grupo de Produção; Semana da Solidariedade;

Famílias

180 Idosos; 125 famílias

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Gestantes

Infra-estrutura: Sede cedida Recursos Humanos: 20 voluntários Recursos Financeiros: Brechó; Doações; Promoções; Serviços Voluntários.

Público

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Idosos

09 Voluntários


26

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Ação Social Paroquial São José de Botuverá: Contatos: Fone (47) 3359-1142 Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Centro Comunitário Santo Venzon Recursos Financeiros: Doações e convênio com Governo do Estado

Programas Promoção de Cidadania – Atividades de Lazer: Centenária Festa de São José

Público População em Geral

Construção de Equipamento Social: Construção do Centro Comunitário

Atendimentos em 2012 3.000


Relatório Anual de Atividades – 2012

7

GESTÃO DA ASA:

Entidades-Membro: Nº 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 28 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48

Entidade Membro Assistência Social São Sebastião Centro Social São Sebastião Ação Social Paroquial São João Evangelista Ação Social Paroquial de São José Ação Social Paroquial São Luis Gonzaga Ação Social Paroquial de Santa Catarina Sociedade de Promoção Social, Cultural Santa Teresinha. Ação Social e Cultural Cristo Rei Ação Social e Paroquial Monte Alegre Ação Social Santa Teresinha do Menino Jesus/Prainha Ação Social do Saco dos Limões Ação Social São Francisco Xavier Ação Social Nossa Senhora de Fátima Ação Social Santa Maria Goreti Ação Social São José e Santa Rita de Cássia Obras Sociais Dom Orione Ação Social e Cultural N. Sra da Glória Obras Sociais da Comunidade Paroquial de Coqueiros Ação Social de Santo Antônio Ação Social Paroquial de Ingleses Ação Social da Trindade Assistência Social São Luis Ação Social Nossa Senhora de Guadalupe Ação Social Paroquial da Lagoa Ação Social e Cultural da Catedral Ação Social Nossa Senhora da Lapa Ação Social São Joaquim Ação Social Nossa Senhora dos Navegantes Assistência Social Nossa Senhora do Perpétuo Socorro Ação Social Paroquial da Fazenda Ação Social Paroquial São João Ação Social Paroquial de Cordeiros Ação Social Paroquial de São Vicente Ação Social Paroquial de Santo Antonio (Itapema) Ação Social Neotrentina Ação Social Ponte do Imaruim Ação Social Paroquial de Palhoça Ação Social São Francisco de Assis/Aririú Ação Social Paroquial de Enseada do Brito Ação Social Paroquial de Paulo Lopes Ação Social Paroquial de Santa Cruz Ação Social de Barreiros Ação Social Paroquial Nossa Senhora do Rosário Ação Social São Judas Tadeu Ação Social São Francisco de Assis/Forquilhinhas Ação Social Paroquial de Campinas Ação Social Paroquial de São José Ação Social de São Pedro de Alcântara

Município Anitápolis Balneário Camboriu Biguaçu Botuverá Brusque Camboriú

Florianópolis

Garopaba Gov. Celso Ramos Guabiruba Itajaí Itapema Nova Trento Palhoça Paulo Lopes

São José

São Pedro de Alcântara

27


28

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Diretoria Triênio 2011-2014 Nome Pe Mario Sérgio do Nascimento Sandra Aparecida Schilichting Leda Cassol Vendrúscolo Maria Inês Clasen Renato Ghellere Djalma Lemes

Função Presidente Vice Presidente Secretária 2ª Secretária Tesoureiro 2º Tesoureiro

Conselho Fiscal Nome Pe. Siro Manoel de Oliveira Antônio José de Souza Paulo Schimidt João Carlos da Costa Maria Elisabeth da Silva Ivone Martins

Titular Titular Titular 1º Suplente 2º Suplente 3º Suplente

Função

Equipe Executiva Nome Adriana Silveira Ruiz Diaz Carla C. de Oliveira Guimarães Fernando Anísio Batista Inês Jalcira de Souza Nascimento Luciano Leite Maria Antonia Carioni Carsten Simone A. Marcelino de Jesus

8

PARCEIROS:

Função Articuladora do Proj. FORTEES Assistente Social Coordenador Auxiliar de Projetos Sociais Secretaria Assistente Social Téc. de Projetos Sociais

Formação Serviço Social (cursando) Serviço Social Cientista Social Biblioteconomia (cursando) Serviço Social (cursando) Serviço Social Serviço Social


Relatorio asa atividades 2012