Page 1

Universidade Sénior Contemporânea do Porto

Cadeira de

HISTÓRIA DO PORTO Professor Doutor

Artur Filipe dos Santos

As Estradas do Porto Portas de entrada e saída da cidade

A CIRCUNVALAÇÃO os impostos do Porto e a Fonte da Colher

arturfilipesantos.wixsite.com/arturfilipesantos

1


AUTOR

Artur Filipe dos Santos artur.filipe@uvigo.es www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos www.politicsandflags.wordpress.com www.omeucaminhodesantiago.wordpress.com • •

• •

Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista. Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Sociedad de Estudios Institucionales, Madrid, Espanha, membro da Direção do OIDECOMObservatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP- Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo. Professor convidado e membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado das Escola Superior de Saúde do Instituto Piaget (Portugal). Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. Presença assídua em programas de televisão e de rádio, éspecialista na temática dos Caminhos de Santiago, aborda esta temática em várias instituições de ensino e em várias organizações culturais. Promove visitas culturais ao Património e à gastronomia de Portugal e da Galiza.

Artur Filipe dos Santos - artur.filipe@uvigo.es

2


A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.pt Email: usc@usc.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com • A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas, adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessíveis a seniores, estudantes e profissionais através de livraria online.

Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.pt

3


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Foram várias as estradas que ao longo dos séculos serviram de porta de entrada e de saída para o Porto.

As estradas do Porto

4


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Por estas entraram reis, pessoas comuns, mercadorias, artesãos, bardos, peregrinos.

As estradas do Porto

5


Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

História do Porto

• Para conhecermos a história das principais vias do Porto temos de recuar ao tempo dos romanos, quando esta região ainda dava pelo nome de "Portus Cale".

Rua de Santa Catarina

As estradas do Porto

6


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• O sítio, denominado Cale no Itinerário de Antonino (séc. III - IV) seria uma estação intermediária na via que ligava Olisipone (Lisboa) a Bracara Augusto (Braga).

As estradas do Porto

7


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Cale, relacionada com o Porto pelo Padre Pereira de Novaes foi tomada por Marco Perperna Ventão , lugar-tenente de Sertório (que sucedeu a Viriato como líder dos Lusitanos), durante as lutas contra Roma em 74 a.C. As estradas do Porto

8


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• A respeito da localização daquela via, apenas se poderão levantar hipóteses, à semelhança de outros autores, pois não houve ainda escavações arqueológicas que pudessem documentar troços da mesma via. As estradas do Porto

9


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• As sugestões mais tentadoras baseiam-se numa análise topográfica, procurando-se conjugar vários fatores, como a acessibilidade e a proximidade dos locais que procurava unir, elegendo-se o vale do Rio da Vila como eixo mais penetrável, podendo aproveitar-se o leito dos Mercadores, continuando pela Bainharia e bifurcando-se sensivelmente no local onde é a Cruz do Souto, que cremos de grande antiguidade por definir duas saídas muito utilizadas pelos romanos: As estradas do Porto

10


Historia da Cidade e dos Monumentos Portuenses

11


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• para Braga, através da atual R. dos Almadas e outra, seguindo pela porta de Vandoma, por Valongo até Penafiel, onde se documentam troços e pontes da via romana.

As estradas do Porto

12


Historia da Cidade e dos Monumentos Portuenses

13


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Mesmo quando se aponta para uma possível passagem do Douro perto do vale do rio Frio (Miragaia), admite-se uma ligação ao Rio da Vila.

As estradas do Porto

14


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• A partir daqui, é forçoso admitir duas hipóteses: pela margem direita do rio, de pendor porventura mais suave, num traçado talvez próximo da posterior rua das Flores, ou no espaço entre esta e o Rio da Vila, onde mais tarde se traça a rua das Congostas (desaparecida para dar lugar à rua de Mouzinho da Silveira). As estradas do Porto

15


Historia da Cidade e dos Monumentos Portuenses

16


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• O povoamento, documentado na rua de D, Hugo, revelou uma sucessão de ocupação entre Tibério - Cláudio (14 - 54), época em que provavelmente terá ocorrido uma organização urbana, e Trajano (98 120), período certamente pautado por várias reformas periódicas. As estradas do Porto

17


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Como elementos de suporte desta hipótese, citam-se as colunas romanas de mármore e granito levadas para Santiago de Compostela, para a construção da Catedral, consagrada em 899 no tempo de Afonso III que, juntamente com a descoberta, entre outros fragmentos, de colunas em calcário e duma Ara votiva (pedra erigida em memória de alguém) consagrada aos Lares Marinhos por Quinto Úlpio Flaco encontradas na área da Sé, aquando das demolições de 1940, levam a percepcionar a existência de uma estrutura urbana neste local, durante a época romana.

As estradas do Porto

18


Catedral de Santiago ao tempo de Afonso III

Historia da Cidade e dos Monumentos Portuenses

19


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• O grande salto urbanístico a nível da ocupação deve ter ocorrido nos fins do séc. III, inícios do séc. IV, quando se documentam os alicerces de uma muralha construída no séc. III que terá alterado construções pré-existentes, cortando casas e caminhos, diminuindo assim a espaço urbano. As estradas do Porto

20


Historia da Cidade e dos Monumentos Portuenses

21


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Embora a seu traçado seja desconhecido, poder-se-á presumir que teria um perímetro semelhante ao da cerca românica, que sabemos ter sofrido várias reparações.

As estradas do Porto

22


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Apesar desta muralha, verifica-se, pelo menos no séc. IV, uma expansão urbana, já que terão aparecido vestígios desta época no Morro da Cividade (escavações de Mendes Corrêa em 1932), na zona da Ribeira (escavações de 1983) e na Casa do Infante (escavações em curso). As estradas do Porto

23


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Para o espaço que nos interessa, teriam ficado fora do reduto as acessos desde o rio Douro ao cimo de Pena Ventosa, bem como a ligação para a estrada de Braga.

As estradas do Porto

24


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Seria interessante verificar se a organização do espaço em volta do Rio da Vila, nos tempos anteriores à abertura da R. Mouzinho da Silveira, conservava traços do cadastro romano, através de uma analise exaustiva das poucas e limitadamente documentadas plantas que existem. As estradas do Porto

25


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Pelo Porto passava a via XVI, a mais importante das 11 vias romanas do Itinerário de Antonino e que ligava Bracara a Olissipo.

As estradas do Porto

26


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• A sua rota, de forma pormenorizada era a seguinte: • ITINERARIO XVI - Braga (BRACARA) - Porto (CALE) - Coimbra (AEMINIUM) Lisboa (OLISIPO) • CLICAR PARA VER (a partir do sítio “vias romanas em Portugal”). As estradas do Porto

27


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Refira-se ainda a título de curiosidade as 11 vias romanas do Itinerário de Antonino, datado do séc. III, também intitulado de Itinerário de Antonino Augusto, provavelmente o imperador Antonino Caracala. Ver pontes históricas de Matosinhos

As estradas do Porto

Miliário a Adriano, milha III, Santiago de Antas, Famalicão

28


História do Porto

• • • • •

De Braga partiam 5 itinerários: Itinerário XVI - Braga (BRACARA) a Lisboa (OLISIPO) Itinerário XIX - Braga (BRACARA) a Astorga (ASTURICA) por Ponte de Lima (LIMIA) Itinerário XVII - Braga (BRACARA) a Astorga (ASTURICA) por Chaves (AQUAE FLAVIAE) Itinerário XVIII - Braga (BRACARA) a Astorga (ASTURICA) pela Serra do Gerês «Via Nova» Itinerário XX - Braga (BRACARA) a Astorga (ASTURICA) per loca maritima ( RUTA DEL MAR DE AROUSA Y RÍO ULLA) a via que segundo a tradição teria sido a via utilizada pelo Apóstolo Santiago até terras galegas).

As estradas do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Os XI Itinerários de Antonino

29


Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

História do Porto

• De Lisboa partiam 3 itinerários para Mérida: •

Itinerário XII - Lisboa (OLISIPO) a Mérida (EMERITA) por Alcácer do Sal (SALACIA) e Évora (EBORA) • Itinerário XIV - Lisboa (OLISIPO) a Mérida (EMERITA) por Alter do Chão (ABELTERIO) • Itinerário XV - Lisboa (OLISIPO) a Mérida (EMERITA) por Monte da Pedra (Fraxinum?)

As estradas do Porto

30


História do Porto

• O Itinerário refere ainda os 3 itinerários seguintes: • Itinerário XIII OSSONOBA (Faro) a SALACIA (Vilamoura?) • Itinerário XXII - Castro Marim (BAESURIS) a Beja (PAX IULIA) por Mértola (MYRTILIS) • Itinerário XXI - Castro Marim (BAESURIS) a Beja (PAX IULIA) por ARANNIS As estradas do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

Miliário Conímbriga

31


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Do Porto partiam também outras quatro vias romanas e que estão na base das estradas que ligam a Invicta às cidades vizinhas e que tiveram grande preponderância na época medieval. São estas. As estradas do Porto

32


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Porto (CALE) - Barcelos (Karraria Antiqua ou Via Veteris) • Porto (CALE) Guimarães (Via Vimaranes) • Porto (CALE) - Freixo (TONGOBRIGA)

As estradas do Porto

33


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Porto (CALE) - Marnel (TALABRIGA) pela costa • Porto (CALE) - Viseu (VISSAIUM)

• CLICAR PARA VER (a partir do sítio “vias romanas em Portugal”). As estradas do Porto

34


Saiba mais em:

Historia da Cidade e dos Monumentos Portuenses

35


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• As principais ruas do Porto no séc. XVI

As estradas do Porto

36


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• As principais ruas do Porto no séc. XVI

As estradas do Porto

37


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• As principais ruas do Porto no séc. XVI

As estradas do Porto

38


História do Porto

• A Estrada da Circunvalação, conhecida como EN 12 é uma das vias de comunicação fundamentais para a cidade do Porto.

As estradas do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• A Estrada da Circunvalação

39


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Na maior parte do seu percurso serve de fronteira terrestre entre o Porto e os concelhos de Matosinhos, Maia e Gondomar.

As estradas do Porto

40


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• A via é pertença da Estradas de Portugal (EP) e tem a designação oficial de Estrada Nacional 12.

As estradas do Porto

41


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• É considerada a estrada mais perigosa do país, com cinco troços onde se registaram mais acidentes com vítimas em 2014 (num total de 90, de que resultaram, contudo, apenas dois mortos). As estradas do Porto

42


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

História da Circunvalação

• O Porto está cercado, em grande parte (excepto na parte oriental) por uma estrada dupla, a Estrada da Circunvalação (N12).

As estradas do Porto

43


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Esta estrada tem uma origem e traçado militar: a placa central era originalmente um fosso, com 2 a 3 metros de profundidade, e com postos de sentinela a cada 150 metros.

As estradas do Porto

44


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Construída entre 1889 e 1896, servia como barreira alfandegária, para taxação dos bens de consumo que entravam no Porto.

As estradas do Porto

45


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Existiam ao longo dela, nas estradas de acesso à cidade, 13 edifícios onde os funcionários da Coroa, do Bispado e do Município estavam instalados e cobravam as taxas.

As estradas do Porto

46


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Apenas 7 existem hoje, pois todas foram vendidas ou demolidas após a extinção, em 1922, do "Real de Água", imposto real que se destinava a financiar as obras de abastecimento de água às cidades, e finalmente da extinção, em 1943, dos impostos municipais indirectos. As estradas do Porto

47


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Findou então um sistema tributário com cerca de 800 anos, progressivamente substituído por um tipo de imposto mais tarde ficaria conhecido como IVA. Retrato de um antigo guarda barreiras da cidade do Porto.

As estradas do Porto

48


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Estes edifícios, conhecidas como as "barreiras" são as testemunho desse tempo. Antiga barreira, atualmente Teatro da Vilarinha.

As estradas do Porto

49


História do Porto

Antiga barreira junto à Rua da Preciosa

As estradas do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Submetido o projecto ao parecer da Câmara em Maio de 1889, foi esta favorável à sua execução pelo que logo em seguida foi iniciada a construção da actual e longa via circulatória conhecida pelo nome designativo de estrada da Circunvalação que, como geralmente é sabido estende-se numa extensão de quase 17 Km, desde Campanhã até à costa Oceânica (...) 50


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• e foi aberta com o fim único de servir de barreira à cidade para o efeito de fiscalização do real de água (do Estado) e cobrança dos chamados impostos indirectos municipais, que foram, afinal, os descendente directos dos antiquíssimos tributos, que sob a denominação inicial de portagem e posteriormente de sisas e imposições, se cobraram no Porto durante séculos e desde tempos anteriores à fundação da nacionalidade.

As estradas do Porto

51


História do Porto

Antiga barreira juntoà Rua de Vila Cova

As estradas do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Ficou portanto, a cobrança do imposto municipal, em 1897, a fazer-se as seguintes barreiras de fiscalização do Estado: Esteiro, Freixo, Campanhã, São Roque, Rebordões, Areosa, Azenha, Amial, Monte dos Burgos, 52


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Senhora da Hora, Pereiró, Vilarinha e Castelo do Queijo.

Edifício administrativo das "barreiras"

As estradas do Porto

53


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• No que respeita à linha marginal, havia ainda os seguintes postos: Cantareira, Ouro, Massarelos, Banhos, Ribeira, Ponte inferior, ponte superior, MARÇAL, Horácio - Estrada da Circunvalação : Guindais e Pinheiro. antiga linha de fiscalização e cobrança do denominado imposto do «real de água». In: "O Tripeiro". Porto. 6ª série, ano 11, n.º 7 (Julho de 1971), p. 193-195.

As estradas do Porto

54


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Em 1943, o povo chamava à estrada da Circunvalação (EN 12 que circula em toda a volta do Porto) Barreiras.

As estradas do Porto

55


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• E com razão o fazia, pois esta infraestrutura consistia em duas estradas paralelas, com um fosso fundo e largo, para que o povo não passasse de uma para a outra.

As estradas do Porto

56


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Para este efeito, teria de recorrer às entradas existentes (Amial, Monte dos Burgos, Areosa, Rio Tinto, Freixo, Vilarinha e Castelo do Queijo). Para entrar na cidade pela parte sul existia a Ponte de D. Luís. As estradas do Porto

57


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Para se entrar nesta cintura e vender na cidade, tinha de se pagar um imposto. Dentro dela não se podia andar descalço. Ainda hoje se pode ver as casas onde dormiam os guardas fiscais nos sítios atrás mencionados. As estradas do Porto

58


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Por falar em impostos davam-se nomes curiosos a certos impostos a maior parte dos quais eram exclusivos da Igreja: Fichas de passagem na Ponte Luis I, que se compravam à entrada e entregavam na saída.

As estradas do Porto

59


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• das Colheres; das Canadas; da Malatesta; dos Milheiros; da Redizima; da Dizima do Pescado.

Guardas das barreiras - 1905

As estradas do Porto

60


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• A Colher era uma medida que correspondia à quadragésima parte de um alqueire.

As estradas do Porto

61


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• A Colher era uma medida que correspondia à quadragésima parte de um alqueire.

As estradas do Porto

62


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Este imposto que era cobrado junto de uma fonte, ainda existente, a Fonte da Colher, em Miragaia, tributava o pão (cereal), a farinha, nozes, castanhas, produtos que entravam na cidade pelo rio ou por terra. As estradas do Porto

63


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Por cada alqueire de um destes produtos, uma colher era para o bispo.

As estradas do Porto

64


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• O vinho que entrava no burgo por terra, pagava, por cada carro, seis canadas. Se viesse em carga cavalar ou muar, pagava canada e meia, porque a carga era menor.

As estradas do Porto

65


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Malaposta era a designação dada a um tonel. Por cada tonel, recebia o bispo quarenta e oito reais.

As estradas do Porto

66


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Milheiro ou dez por mil, ou um por cento, era o que se pagava de imposto por todo o vinho vendido à prancha nos barcos.

As estradas do Porto

67


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

A fonte da Colher

• Uma das fontes mais antigas da cidade, foi construída em granito, no ano de 1491.

As estradas do Porto

68


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Deve o seu nome ao facto da sua construção ter sido custeada com uma parte dum imposto, chamado também de "colher", aplicado aos géneros alimentícios que entravam na cidade. As estradas do Porto

69


História do Porto

Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea

• Reconstruída em 1629, necessitou de nova intervenção em 1940, estando hoje situada num local escondido da Rua de Miragaia.

As estradas do Porto

70


Bibliografia • https://repositorioaberto.up.pt/bitstream/10216/61562/1/000148960. pdf • http://www.porto.pt/noticias/viagem-pela-memoriae-pela-historia-da-estrada-de-carreiros-a-avenidabrasil • http://portoarc.blogspot.pt/search/label/Vias%20me dievais • http://www.visitporto.travel/MaisPorto/Paginas/Geo grafia/artigo.aspx?artigo=178 71


Bibliografia • https://viverramalde.wordpress.com/2015/02/07/histori a-e-origem-da-estrada-da-circunvalacao/ • http://www.viasromanas.pt/#vias_porto • http://monumentosdesaparecidos.blogspot.pt/2015/12/ rua-das-congostas-porto.html • https://www.slideshare.net/cristinabarcoso/o-mundoromano-no-apogeu-do-imperio • http://cadernosdalibania.blogspot.pt/2017/08/asbarreiras-da-cidade.html • https://www.facebook.com/PortoDesaparecido/photos/ pb.332201940168348.2207520000.1463417211./1024673924254476 72


Bibliografia • https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/1958 5/1/O%20convento%20de%20S.%20Domingos%20e %20o%20plano%20urbano%20do%20Porto%20os%2 0s%C3%A9culos%20XIII%20e%20XVI.PDF • https://www.researchgate.net/publication/2797153 89_Todas_as_ruas_tem_o_seu_sentido_elementos_ para_a_toponimia_da_freguesia_de_Nevogilde • https://ruasdoporto.blogspot.pt/2007/10/

73


Artur Filipe dos Santos Email: artur.filipe@uvigo.es Web: www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos

Grato pela sua atenção

74

Estradas do porto vias romanas, a circunvalação artur filipe dos santos história do porto  
Estradas do porto vias romanas, a circunvalação artur filipe dos santos história do porto  

Foram várias as estradas que ao longo dos séculos serviram de porta de entrada e de saída para o Porto. Por estas entraram reis, pessoas com...

Advertisement