Page 1

Órgão oficial de divulgação da Associação Paranaense de Supermercados | nº 170 | out nov dez | 2018

RUPTURA Saiba como combater este vilão das vendas

Sincronização de Dados Paraná atualiza processo para recebimento de informações

Entrevista

Veja como se adequar ao eSocial


Muito mais sabor nas suas vendas.

Ana Maria Braga continua a grande embaixadora da marca.

O novo visual chama mais a atenção no PDV.

O novo filme para TV aberta destaca as receitas criadas com Alimentos Coamo.

Internet e redes sociais: a campanha digital segue usando a força da Ana Maria na web.

A campanha com a Ana Maria Braga continua um sucesso. Em 2018, novas parcerias foram fechadas, o mercado investiu na marca Alimentos Coamo e milhões de consumidores passaram a fazer receitas com muito mais sabor.

Prepare sua loja. Seu cliente também vai procurar Alimentos Coamo.

Forte presença no rádio, revistas e mídia exterior.


sUMÁrio por dentro do setor (10)

de olho no varejo

(26)

notícias

ponto de vista

(31)

(15)

07

acadeMia apras

(50)

36

23

entrevista

perFil

CONFIRA AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROMOVIDAS PELO E SOCIAL

MercosUper

CONHEÇA A HISTÓRIA DO MOINHO ANACONDA, QUE ESTÁ NO MERCADO HÁ 65 ANOS

FEIRA DE 2019 TERÁ CRESCIMENTO DE 30% EM RELAÇÃO A DESTE ANO

46

41

especial sUperMiX

apras eM aÇÃo

SAIBA COMO COMBATER A RUPTURA E AUMENTE AS VENDAS DE SUA LOJA

VEJA OS QUE A ENTIDADE ESTÁ FAZENDO PARA TORNAR O SETOR AINDA MAIS COMPETITIVO

56

novidades nas gôndolas CONHEÇA OS LANÇAMENTOS PREPARADOS PELAS EMPRESAS PARA O MERCADO

3 | sUperMiX | ediÇÃo 170


palavra do presidente Caro leitor,

Agradeço a todos os diretores da Apras pela união em prol do nosso setor. Fico muito honrado e feliz em estar ao lado de vocês, presidindo nossa instituição. Estamos sempre buscando o engajamento dos supermercadistas e trabalhamos para que nossa instituição se torne ainda mais forte para continuar ajudando o setor como um todo. As nossas reuniões de diretoria têm sido cada vez mais produtivas e vejo o esforço de todos para marcarem presença com suas ideias e, assim, juntos buscarmos o fortalecimento e crescimento do setor. Contamos sempre com a participação de representantes de todo o Paraná, que encontram na Apras um local que resolve os problemas que todos temos em comum. Nossos encontros têm sido uma oportunidade de trocarmos experiências, de conhecermos melhor as dificuldades de cada um e compartilharmos sugestões e soluções para o sucesso de todos. Os membros da diretoria abraçaram o slogan “Unidos no presente para que possamos influenciar o nosso futuro” e vimos um grande movimento de otimismo e união tomar conta de todos nós. Os nossos resultados confirmam este slogan, a Apras está cada vez mais unida e forte para representar um setor que faturou 35 bilhões de reais em 2017 no Paraná. Mas nosso trabalho não termina aqui, pois temos que continuar juntos e sem perder o foco do principal evento da APRAS, a MERCOSUPER 2019. Todo o apoio de vocês é de suma importância para que a nossa feira seja ainda melhor que a deste ano. Muitos estão trabalhando de maneira muito intensa e com afinco para trazer mais empresas e público para o evento. Todos sabemos da importância que a Mercosuper tem para o setor supermercadista paranaense e não mediremos esforços para que a feira cresça cada vez mais e se torne um evento de presença obrigatória para todas as empresas que desejarem realizar bons negócios e se tornarem conhecidos entre os varejistas.


A Mercosuper ganha ainda mais importância neste cenário de recuperação econômica, em que todos devemos estar atualizados e preparados para voltar a crescer e a investir nos negócios. Reserve já o seu espaço, e participe da Mercosuper 2019, porque “O sucesso não vem por acaso”. Quero parabenizar a todos os meus colegas supermercadistas que conseguiram enfrentar estes últimos anos de turbulência econômica e que estão ainda mais fortalecidos. Quero aproveitar para convidá-los para o nosso tradicional jantar de final de ano, no dia 30 de novembro, no Clube Santa Mônica. No decorrer do mês de novembro teremos os jantares de final de ano nas nossas regionais Cascavel e Ponta Grossa, e no início de dezembro em Londrina. Eu nunca deixei de acreditar em nosso Brasil. Acredito também que 2019 será o início de uma Era mais próspera para os brasileiros. Nos últimos anos em que o PT governou, perdemos o rumo da economia, da segurança da população e dos nossos negócios, com os bandidos nas ruas trazendo cada vez mais riscos às nossas famílias. Falta estrutura em nossas estradas, portos e investimentos em ferrovias. Temos o abandono do nossos prédios públicos e patrimônios brasileiros, como museus e outros empreendimentos. A educação de nossos filhos desapareceu e, hoje, os alunos mandam mais do que os professores. Nunca vimos tanta corrupção em nosso país, que ultrapassou os bilhões de reais. Houve degradação das principais empresas mistas e governamentais, que poderiam gerar lucro para o crescimento do nosso país, mas, infelizmente, esse lucro foi parar nos bolsos de vários políticos, entre eles grandes nomes do PT e dos partidos com coligações a ele. Muitas outras coisas aconteceram em nosso país e eu poderia ficar aqui um ano escrevendo a vocês. Mas, meus amigos, a mudança é agora! Finalmente teremos um presidente que transformará o Brasil em um lugar melhor. Desejo sorte ao Bolsonaro e que ele possa concretizar as suas propostas. A esperança também chegou em nosso Paraná, que será governado por Carlos Massa, o Ratinho Jr., o qual desejo muito sucesso em sua gestão. E colocamos a Apras à disposição do nosso novo governador para o que for preciso. Faremos o que estiver ao nosso alcance para que o Estado se torne ainda mais forte e próspero. Que Deus ilumine nossos governantes, o povo brasileiro e que nos guie para dias melhores!

Pedro Joanir Zonta Presidente da Apras


DIRETORIA EXECUTIVA TRIÊNIO 2017/2019

editorial Caro leitor,

Esta edição da SuperMix está com informações muito importantes para o sucesso de um negócio. Um dos temas abordados é a Ruptura, que faz os supermercadistas perderem muitas vendas e, até mesmo, clientes. A matéria aponta as principais causas e traz diversas dicas para combater este grande vilão dos supermercados. Outro assunto trazido para esta edição é a Sincronização de Dados, que trará muita agilidade para o supermercadista e também para a indústria. A Apras tem trabalhado bastante para que o projeto evolua e o setor paranaense está engajado com a causa. O Comitê Comercial da Apras, responsável pelo projeto, não para de ganhar novos integrantes, que não estão medindo esforços para que as indústrias participem cadastrando seus produtos com a Simplus. Já a Entrevista foi feita com o especialista em eSocial, Luiz Antonio Medeiros, que explicou como funciona o projeto e

Presidente Pedro Joanir Zonta (Condor Super Center LTDA) Primeiro Vice-Presidente José Eduardo Muffato (Irmãos Muffato & Cia LTDA) Vice-Presidente Financeiro João Jacir Zonta (Comercial Alimentos Zonta) Vice-Presidente Jurídico Cesar Moro Tozetto (Tozetto & Cia LTDA) Vice-Presidente de Relações Públicas Wanclei Said (Condor Super Center LTDA) Vice-Presidente de Patrimônio Ademar Vedoato (Supermercados Viscardi) Vice-Presidente Eventos Carlos Alberto Tavares Cardoso (Companhia Sulbrasileira de Distrinuição) Vice-Presidente de Expansão Marlos Kusma (Kusma & Cia LTDA) Vice-Presidente de Capacitação Carlos Beal (Cia Beal de Alimentos) Vice-Presidente de Segurança Luiz Alberto Leão (Condor Super Center LTDA) Vice-Presidente de Segurança Alimentar Sergio Jasinski (Supermercado Jasinski) Diretor Adjunto Rodolfo Pankratz (Supermercados Jacomar LTDA) Diretor Adjunto Claudio Jose Tissi (Supermercados Tissi LTDA) Diretor Adjunto Carlos Roberto do Vale (Do Vale Filho Com. de Alimentos LTDA) Diretor Adjunto Jose Bruno (Agricer Dist. e Com. de Prod. Alim. LTDA) Diretor Adjunto Roberto Bavaresco (Supermercado Bavaresco LTDA) Diretor Adjunto Elaine Munhoz (Condor Super Center LTDA) Diretor Adjunto José Eduardo Cidade (Wal Mart Do Brasil LTDA) Diretor Adjunto Helton Jorge Parizotto Diretor Adjunto Paulo César Ivasko Conselho Fiscal Efetivo Nelvir Rickli Junior (Supermercado Rickli LTDA) Conselho Fiscal Efetivo Dercio Domingos de Costa (Mercado Videira LTDA) Conselho Fiscal Efetivo Adailton Santos (Condor Super Center LTDA) Conselho Fiscal Suplente João Batista Moreira dos Santos (Supermercado Santa Helena) Conselho Fiscal Suplente Joraci Boza (Supermercado Boza LTDA) Conselho Fiscal Suplente Eder Stedile Perboni (Supermercado Vilagge Paulista LTDA) Diretor Assuntos Representante Comercial Ottilio Monaco (Monaco Representações Comerciais) Diretor Relações Internacionais Celso Gusso (Araupack Comercio, Importação e Representação Comercial LTDA) Vice - Presidente Regional Sul - Ponta Grossa Lilian Cristiane Cataneo (Supermercado Ponto Verde - LTDA) Vice - Presidente Regional Norte - Londrina Marcelo Gasparoto (Sanches e Vecchiate LTDA) Vice - Presidente Regional Oeste - Cascavel Rudimar Erbert (Cisne Comercio de Gen. Alim. LTDA) Vice - Presidente Regional Sudoeste - Panto Branco Vinicius Lachman - (Nestor Lachmann e Cia LTDA) Presidente Regional Noroeste - Maringá Mauricio Bendixen da Silva (Supermercados Cidade Canção) Presidente Regional Norte Pioneiro - Jacarezinho José Carlos Molini (Paulo Sergio Molini) Presidente Regional - Irati Mateus Vincius Bobato (Comercial Evolucenter Eireli) Presidente Regional - Guarapuava Sergio Ricardo Munhoz Dall Posso (Mix Center Supermercado LTDA) Superintendente Valmor Antônio Rovaris

como deve ser feita a implantação pelas empresas. O Perfil conta a trajetória da Anaconda, uma empresa muito tradicional e com uma história de 67 anos no país. Não deixe de conhecer mais sobre a empresa nesta matéria especial. Veja também as novidades das empresas, investimentos e notícias do setor. Confira ainda as ações realizadas pela Apras e pela Academia e saiba quais as expectativas para a Mercosuper 2019. Boa leitura! Veronica Gavloski

Vice-Presidente de Relações Públicas Wanclei Said Diretora de Comunicação Elaine Munhoz Superintendente Valmor Rovaris Conselho Editorial WBC Comunicação Departamento Comercial Khailany Cardoso e Sandro Rossetti - Fone: (41) 3263-7000 E-mail: supermix@apras.org.br | comercial2@apras.org.br Diagramação Renata Toscano Pré-Impressão (CtP) e Impressão Tuicial Indústria Grafica Tiragem Distribuição Nacional Enviada aos supermercados e atacadistas do Brasil. A revista Supermix é patrimônio da APRAS – Associação Paranaense de Supermercados – e também seu órgão oficial de divulgação. Rua Santo Antônio, 917 – CEP 80230-120 Fone: (41) 3263-7000 – Fax: (41) 3362-8513 – Curitiba – PR supermix@apras.org.br / www.apras.org.br/supermix Os artigos assinados são de total responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista. Todos os direitos reservados. JORNALISTA RESPONSÁVEL Produção editorial: WBC COMUNICAÇÃO Rua - Pedro Américo, 505 Bloco A - Conj. 301 Bairro - Novo Mundo - Curitiba - PR. Cep. 81.110-010 Editora e jornalista responsável: Veronica Gavloski E-mail : wbc.ai@terra.com.br

6 | sUperMiX | ediÇÃo 170


entrevista

Especialista explica o projeto e mostra o caminho para a implantação O eSocial é um sistema que vai mudar a forma de os empregadores prestarem informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais aos órgãos governamentais. Para ajudar as empresas a se adaptarem, o especialista Luiz Antonio Medeiros conversou com a Supermix sobre o assunto. Ele também esteve em Curitiba no final de julho para ministrar o curso “Uma nova forma de registro de eventos trabalhistas”, realizado pela Apras. Um total de 60 pessoas aproveitaram dois dias de aprendizado com Medeiros. SuperMix: O que é o eSocial? Luiz Antonio Medeiros de Araujo : Podemos resumir essa resposta numa frase: uma nova forma de prestação de informações trabalhistas, previdenciárias e tributárias e se constitui num sistema que vai unificar a prestação dessas informações. Ele está sendo desenvolvido pelo Ministério do Trabalho, Receita Federal, Caixa, INSS e Secretaria da Previdência Social. SM: Já está funcionando em todas as empresas? Qual o prazo? LA: Não, por enquanto, apenas as empresas dos grupos 1 e 2 é que já estão enviando informações ao eSocial.

Para a implantação do eSocial os obrigados ao eSocial foram divididos em 4 grupos: No grupo 1 estão as sociedades empresariais que em 2016 tiveram faturamento superior a 78 milhões. No grupo 2 estão as sociedades empresariais que não estão no grupo 1 e que não são optnatntes do simples No grupo 4 estão os órgãos públicos e os organismos internacionais No grupo 3 estão todos os demais obrigados ao eSocial. Podemos dizer que esse é o grupo residual. Nele estão, por exemplo, os optantes pelo Simples Nacional, os empregadores pessoas físicas e as entidades sem fins lucrativos (condomínios, igrejas, sindicatos, associações etc). SM: Qual o objetivo da ferramenta? LA: O objetivo é garantir direitos trabalhistas e previdenciários, simplificar a prestação das informações pelos empregadores e melhorar a qualidade das informações disponíveis aos órgãos governamentais. SM: O que mudou com o eSocial? LA: O eSocial não mudou nenhuma legislação. O que ele está mudando é a forma de prestação das informações pelos empregadores. 7 | sUperMiX | ediÇÃo 170


ENTREVISTA

SM: Como irá funcionar na prática? LA: Os empregadores irão prestar as informações por meio do envio de um arquivo eletrônico, no formato XML (mesmo formato utilizado na nota fiscal eletrônica), representando os diversos fatos trabalhistas e previdenciários que tem de ser reportados aos órgãos partícipes do eSocial. Esses fatos, no eSocial, são chamados de eventos. A geração e envio dos arquivos poderá ser feita pelos próprios sistemas de folha e de gerenciamento de pessoal, utilizado pelas empresas ou por uma ferramenta disponibilizada na página do eSocial. SM: Quais as consequências para as empresas? LA: Acreditamos que as consequências serão, a médio e longo prazo, a simplificação dos processos de cumprimento das obrigações.

da prestação das informações, advinda da implantação do canal único para essa prestação e, ainda, a garantia dos direitos dos trabalhadores, a melhoria dos ambientes de negócios e de trabalho do país, aumento da transparência, com o consequente aumento da percepção de risco por parte dos empregadores. SM: Quais as consequências para quem não se adequar? LA: Essas empresas poderão vir a sofrerem penalizações por parte dos órgãos fiscalizadores. Esses órgãos, todavia, ainda não tornaram públicas quais serão essas possíveis penalizações. Mas é importante ser frisado que o objetivo dos órgãos não é a penalização dos empregadores e sim a correta implantação do eSocial por todos os empregadores.

SM: Como se adaptar? LA: Recomendamos que as empresas constituam grupos de implantação, com pessoas dos diversos setores envolvidos com o eSocial: setor de pessoal/RH, setor fiscal, de contratos, jurídico, saúde e segurança e o mais importante: os gestores, pois eles terão papel fundamental na implantação do eSocial, no sentido de apoiar e decidir por eventuais ajustes e mudanças necessárias nos processos internos das empresas. Esse grupo terá o papel de estudar a documentação do eSocial e verificar as necessidades de ajustes para a implantação do eSocial. Paralelamente a isso, é necessário que seja feita a qualificação dos dados cadastrais e contratuais dos trabalhadores, podendo ser utilizada uma ferramenta já disponibilizada pelo comitê gestor do eSocial. SM: Quais as principais dificuldades? LA: Uma das principais dificuldades encontradas pelos empregadores é a equalização do fluxo de informações atualmente existente e a necessidade de regularização de eventuais descumprimentos da legislação, hoje praticada por muitos empregadores. SM: Como as empresas devem lidar com estas dificuldades? LA: Seguindo os passos já descritos e, se necessário, buscando apoio de profissionais especializados. SM: Quais os principais benefícios? LA: Podemos elencar como os benefícios a simplificação 8 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

Luiz Antonio Medeiros de Araujo é Auditor-Fiscal do Trabalho, integrante do grupo técnico do eSocial; Bacharel em direito e em ciências contábeis; pósgraduado em direito e processo do trabalho; autor de livros e artigos na área trabalhista.


9 | SUPERMIX | EDIÇÃO 169


por dentro do setor

Brasil avança na eliminação de gases nocivos ao meio ambiente

Protocolo de Montreal estabeleceu meta de substituir os gases sintéticos no país até 2040 A Organização das Nações Unidas (ONU) e o Ministério do Meio Ambiente (MMA) se uniram à iniciativa privada para cumprir a meta do Protocolo de Montreal de substituir os gases HCFCs, como o R22, até 2040 no Brasil. Uma das empresas escolhidas para desenvolver uma solução tecnológica para esta conversão é a Eletrofrio Refrigeração LTDA, que está trabalhando em uma pesquisa com o propano, um gás natural inofensivo à camada de ozônio. O estudo faz parte do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs, que são gases refrigerantes sintéticos nocivos ao meio ambiente. O objetivo é eliminar 39,3% até 2020 e 51,6% até 2021. A eliminação completa deve acontecer até 2040. Como o projeto da Eletrofrio está sendo custeado por um fundo financeiro doado pela ONU, a tecnologia será disponibilizada para todo o setor brasileiro. “Estamos desenvolvendo uma solução que será de domínio público, ou seja, vamos transferir o conhecimento da pesquisa para que o Brasil possa avançar na eliminação dos gases sintéticos”, afirma o engenheiro da Eletrofrio, Rogério Marson. A Eletrofrio já utiliza o CO2 desde 2011 em seus equipamentos, uma solução ambientalmente correta, assim como o propano. “O desenvolvimento de outras alternativas representa a consolidação das soluções de fluidos naturais no Brasil. Com isso, o nosso país dá um 10 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

passo enorme para alcançar a substituição completa dos gases sintéticos e cumprir a meta do Protocolo de Montreal”, destaca Marson. O propano possui um investimento inicial menor e alta eficiência energética, porém é inflamável, o que exige alta capacitação dos profissionais que forem trabalhar com ele. Segundo o engenheiro, o propano não substitui o CO2, mas virá como uma opção a mais para os supermercadistas e varejistas brasileiros. “Cada um possui suas características e vantagens e a escolha ideal dependerá de cada projeto”. A Eletrofrio é líder no mercado brasileiro de refrigeração comercial e foi escolhida para trabalhar no projeto do propano por estar sempre à frente e se destacar na criação de tecnologias eficientes e sustentáveis. Neste ano, a empresa lançou a linha Vittrine após dois anos de pesquisas nacionais e internacionais. O lançamento recebeu um investimento de R$ 50 milhões e economizará, em média, 20% de energia elétrica em comparação com a atual linha da empresa (para sistemas com expansão direta), que já é muito eficiente. Com 72 anos de história, a Eletrofrio é especialista em expositores refrigerados, câmaras frigoríficas e sistemas de geração de frio alimentar. O grupo possui uma área total de 200 mil m², faturou em 2017 R$ 1,100 bilhão e espera crescer 10% neste ano.


por dentro do setor

Limppano compra marca ODD, da P&G, como etapa dos planos de expansão Companhia montará operação industrial no México em dois anos para atender à demanda internacional Especialista em limpeza, líder de mercado em categorias como esponjas e produtos de perfumação, a Limppano concluiu este mês a aquisição da marca ODD, da Procter & Gamble (P&G). Esta é uma importante etapa dos planos de expansão da companhia, que tem gestão familiar e está na terceira geração. Com duas fábricas no Rio de Janeiro, uma delas em ampliação para quadruplicar a capacidade produtiva de alguns produtos, a Limppano desembarca no México em 2020, para montar sua primeira fábrica no exterior. A empresa atualmente exporta para oito países das Américas e fará um investimento de U$ 10 milhões para atender à demanda internacional a partir daquele país. Para trabalhar a ODD no varejo, a companhia está desenvolvendo produtos inéditos no país e planeja entrar em outras categorias de limpeza,

valorizando a referência em qualidade e liderança que a marca manteve nas décadas de 80 e 90. “Nossa expectativa é dobrar de tamanho em três ou quatro anos”, conta o diretor-geral da Limppano, Alex Buchheim. “Em nossos planos de crescimento, estamos muito atentos às marcas e categorias adormecidas”, diz ele. Há pouco mais de cinco anos, a Limppano também investiu pesado no reposicionamento de uma de suas linhas, contratando a maior casa de fragrâncias do mundo – a suíça Givaudan - para desenvolver perfumes de luxo para limpadores sanitários e produtos contra o mofo. O resultado: a empresa teve aumento de 40% do Market Share de alguns produtos. Em 2017, o faturamento da Limppano chegou a R$ 160 milhões, um aumento de 13% em relação ao ano anterior. Para 2018, a meta é atingir R$ 185 milhões.

“É Verrrdade!” Bruna Marquezine e Sabrina Sato estreiam novo comercial da Piracanjuba Personalidades reforçam linha Zero Lactose da marca Bruna Marquezine, embaixadora oficial da Linha Piracanjuba Zero Lactose, contou com um apoio especial para o novo comercial da marca. A apresentadora Sabrina Sato, famosa pelo bordão “é verdade”, é sua companheira de cena, reforçando a comunicação da linha, que é zero de verdade! “Buscamos inovar, criar elementos que diferenciassem o novo comercial do grande número de peças que tomam conta do break. E nada melhor do que juntar duas personalidades conhecidas e admiradas pela simpatia e espontaneidade para enfatizar a qualidade e a variedade dos nossos produtos, que oferecem sabor, praticidade e bem-estar aos nossos consumidores”, afirma a Gerente de Marketing da Piracanjuba, Lisiane Campos. No vídeo, Sabrina Sato faz uma visita a Bruna e é recebida com um delicioso brunch, repleto de delícias feitas com produtos Piracanjuba Zero Lactose. A

embaixadora aponta os diferenciais e qualidades do mix, enquanto Sabrina fica admirada com os sabores e, entre uma mordida e outra, dispara seu bordão “é verdade”. Ele é tão contagiante que acaba sendo adotado pela própria Bruna. O comercial está sendo veiculado nacionalmente, nas grandes emissoras da TV aberta, além de anúncios em revistas e ações nas redes sociais. A criação é da agência 4barra12 Comunicação. 11 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


por dentro do setor

Paraná e Cervejaria Ambev dão início à etapa estadual de plano para redução de mortes no trânsito brasileiro em 50% até 2028 Paraná e Cervejaria Ambev dão início à etapa estadual de plano para redução de mortes no trânsito brasileiro em 50% até 2028 Começa a ser implementado no Paraná o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans), que tem o objetivo de, em dez anos, reduzir pela metade o índice de acidentes de trânsito que resultam em mortes no Brasil. O projeto, que consiste em parceria entre o Ministério das Cidades, por meio do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e o Instituto Tellus (OSCIP), passou por sua primeira etapa de reuniões realizadas pela Consultoria Falconi em dez estados e no Distrito Federal, incluindo o Paraná, com os órgãos locais do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PR), Conselho Estadual de Trânsito (Cetran-PR), Projeto Vida no Trânsito, Coordenadoria de Análise de Planejamento Estratégico (CAPE/SESPPR). Os encontros ocorreram para definir quais serão as fontes de dados municipais e estaduais sobre a segurança viária do Paraná para que, junto com as informações de demais estados brasileiros e a nível federal, seja feito um diagnóstico nacional sobre a segurança do trânsito no Brasil. Com isso, será possível direcionar de maneira mais transparente e efetiva as ações e programas destinados à melhoria da gestão da segurança viária brasileira. O Pnatrans chega para atuar na segunda maior causa de morte externa no Brasil, que são os acidentes de trânsito: a cada ano, são registrados cerca de 40.000 12 | sUperMiX | ediÇÃo 170

óbitos. O programa, criado em janeiro de 2018, tem a Cervejaria Ambev como principal apoiadora e recebeu, nesta terça-feira (25), o apoio de mais de 20 companhias do ramo logístico trabalhando em conjunto para a melhoria do quadro no país e por um trânsito mais seguro para os brasileiros. Além do Paraná, os outros estados onde as ações do Pnatrans já estão em andamento são o Piauí, Ceará, Paraíba, Alagoas, Rondônia, Goiás, São Paulo e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal. Os demais estados darão início à implementação do programa entre os meses de outubro e dezembro. “Consideramos fundamental a união de forças para que possamos avançar nas políticas de segurança viária, contribuindo para a redução dos acidentes de trânsito, resguardando vidas, buscando soluções conjuntas para um problema comum às nossas sociedades”, destaca o ministro das Cidades, Alexandre Baldy. O plano de trabalho do Pnatrans tem, entre suas próximas etapas, a reunião de informações dos demais 16 estados brasileiros, complementando o diagnóstico nacional para que então seja definida e implementada uma metodologia de coleta, tratamento e divulgação dos dados nacionais além de metodologias de desdobramento e comunicação das metas a serem definidas para que, em dez anos, o índice nacional de mortes no trânsito caia 50%.


Frango mais saudável e prático até para vender? Só se for Nat. Não deixe faltar na sua loja as linhas IQF Nat e Nat Verde, que evitam desperdício, com pedaços de frango soltinhos, congelados um a um, em práticas embalagens zip abre-e-fecha. Seus clientes só consomem a porção desejada.

Pedaços soltinhos, congelados um a um.

oficial.nat @somosnat www.somosnat.com.br

Congelados rapidamente: maior segurança alimentar.

Embalagem zip abre-e-fecha.


por dentro do setor

Empresa de panettones projeta crescimento de 30% para o Natal de 2018 A fabricante de panettones Siena Alimentos está otimista para as vendas de Natal deste ano e projeta um crescimento de 25% em relação ao ano anterior. Um dos pontos fortes da empresa é a linha Festtone, uma das marcas mais vendidas no Brasil na faixa de preço abaixo de R$ 10,00. Segundo o diretor executivo da empresa, Giuliano Michelangeli, o brasileiro passou a ter um perfil de compra que busca economia, mas que também não abre mão de qualidade. “O consumidor não admite errar na escolha e prefere marcas que garantam qualidade e sabor, porém, ele também procura por preço justo”, destaca. A Siena Alimentos está no mercado há quase 40 anos e se destaca por manter em seus produtos a tradicional receita italiana de fermentação natural, que deixa a massa mais molhadinha, macia e saborosa. Outro diferencial do produto é o recheio, que surpreende pela qualidade dos ingredientes. “Além de ser um dos símbolos do Natal, o panettone se tornou opção de presente para as tradicionais festas de final de ano, inclusive para o Amigo Secreto, o que contribui para alavancar ainda mais as vendas”, afirma Michelangeli. O FESTTONE possui uma variada linha com diversas opções, desde o panettone tradicional com frutas e com gotas de chocolate em embalagem com 400g ou mini com 80g, até o panettone trufado com chocolate ou doce de leite. Para completar, possui o FESTTONE TRUFADO BRIGADEIRO 600g - com recheio e cobertura de chocolate. A SIENA apresenta também o mix da linha ROMA, sendo o PANETTONE ROMA PREMIUM o carro chefe – trufado e com cobertura de chocolate, em linda embalagem de 700g, ideal para presentear com elegância e bom gosto. Também o tradicional ROMA 500g -  frutas, gotas de chocolate, trufado com chocolate ou doce de leite. E o Roma 1kg para famílias mais numerosas e para incrementar ainda mais a mesa de Natal. A SIENA não esqueceu daqueles consumidores que tem

14 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

restrição ao uso de açúcar por motivo de saúde ou opção de dieta e apresenta o Panettone ROMA ZERO ADIÇÃO DE AÇUCAR nas opções fruta cristalizada ou gotas de chocolate, sendo que todos os ingredientes utilizados são totalmente seguros para diabéticos. A SIENA ALIMENTOS está consolidada no mercado entre os maiores fabricantes de panettone do país, continua investindo e crescendo sempre com o propósito de atender aos clientes com um produto de qualidade para proporcionar momentos especiais e fazer um Natal mágico para todos. A empresa iniciou as atividades em uma área de 400 m² e hoje dispõe de um parque industrial com 12.000 m² em uma área de 20.000 m². Mais informações no e-mail siena@sienaalimentos. com.br ou no telefone 41 3134-2450. Visite o site www.sienaalimentos.com.br.


Notícias

Com reajuste da tabela do frete, comércio paranaense terá custo adicional de R$ 70 milhões Segundo a Fecomércio PR, empresas deverão absorver grande parte deste custo, mas deve haver algum repasse ao consumidor final O reajuste médio de 5,5% na tabela do frete, anunciado no começo do mês pela Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT), vai custar R$ 1,09 bilhão ao comércio brasileiro até o fim deste ano, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). No Paraná, a projeção da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio PR) é de que o transporte das mercadorias comercializadas pelo varejo custe aos empresários aproximadamente R$ 70 milhões a mais em 2018. Segundo a CNC, o efeito do novo valor do frete deverá ser um achatamento da margem de lucro dos negócios, o que pode frear investimentos e limitação da contratação de pessoal. Considerando que até este mês a atividade econômica vem apresentando fraco desempenho, os comerciantes não terão como repassar na totalidade a elevação do custo com transportes aos preços de venda, sob o risco de afugentar ainda mais os clientes já que, segundo o indicador Intenção de Consumo das Famílias (ICF), também elaborado pela CNC, a propensão às compras está em declínio no estado após a greve dos caminhoneiros. A recuperação do consumo iniciada em janeiro atingiu 111,2 pontos em março, mas de lá para cá o indicador apresenta viés de queda e ficou em 103,3 pontos neste mês.

Os gastos com serviços de frete representam 10,5% das despesas anuais do comércio, cabendo destacar que em alguns ramos a logística chega a 20% dos custos totais. As atividades mais penalizadas serão as atacadistas de matérias-primas, de combustíveis e de alimentos. Mas há setores em que o frete já custa mais do que o próprio produto. A nova tabela com os valores mínimos do frete no território nacional corrige a primeira versão editada em 30 de maio, para atender uma das exigências dos caminhoneiros. Os cálculos da CNC e da Fecomércio PR consideram apenas a última elevação na tabela do frete e não preveem novos aumentos até o fim de 2018. A atividade econômica do comércio representa a última etapa da cadeia produtiva, fazendo com que o custo seja cumulativo, ou seja, a mercadoria chega com preço mais elevado, em decorrência das etapas anteriores. A CNC estima que as despesas com frete somaram R$ 50,7 bilhões em 2017, considerando todas as empresas comerciais brasileiras, sendo R$ 35 bilhões no comércio atacadista, R$ 13,6 bilhões no varejista e R$ 2,2 bilhões no automotivo. Mesmo que nenhum outro reajuste seja autorizado na tabela em 2018, o impacto dos gastos adicionais com fretes corresponderá a um acréscimo final de 0,6% nas despesas totais do comércio em 2018. 15 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


Notícias

Estudo da E-Consulting diz que digital é o “novo básico” do varejo brasileiro A consultoria nacional E-Consulting Corp. analisou as maiores empresas com negócios no varejo para saber quais estão mais avançadas e consolidadas no que tangem aos conceitos e práticas de Transformação Digital em seus modelos de negócio. O objetivo do estudo foi medir como o varejo usa os elementos da Transformação Digital de forma inteligente, tanto de dentro para fora, como de fora para dentro. As empresas que oferecem a tecnologia de maneira mais funcional, indo além do quesito inovação, foram as que tiveram mais destaque na análise. “Não é só adquirir novas tecnologias. É saber adotar”, diz Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting e responsável pelo estudo “Régua da Transformação Digital no Varejo”. O levantamento confirma o atual movimento do

16 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

varejo brasileiro de, cada vez mais, incluir o digital no modelo de negócio, sendo considerado o “novo básico” para atender os consumidores. De acordo com o Domeneghetti, ter e-commerce ou aplicativo desintegrado não será vanguardismo nos próximos anos. “O digital é o novo básico para o varejo. Por isso, a inovação estará ligada em saber trazer os benefícios da transformação digital no dia a dia e no relacionamento com cliente. E essa virada vai acontecer por meio de novas competências, como prototipação, design, experiência de compra, jornada, experimentação, analytics, Big Data, cloud, as a service, conexão, simultaneidade, algoritmos, colaboração e integração”, pontua o executivo.


notícias

Varejistas aumentam vendas e fidelizam clientes com cashback Méliuz devolve parte do valor gasto em supermercados e drogarias parceiros É cada vez mais comum ver brasileiros indo de mercado em mercado para comparar os melhores preços dos produtos. Segundo pesquisa realizada pela APAS (Associação Paulista de Supermercados), cerca de 58% dos consumidores consultam valores de diferentes estabelecimentos antes de realizar a compra. Este novo comportamento tem feito com que muitos varejistas busquem alternativas para sair a frente de seus concorrentes e fidelizar clientes. Uma solução encontrada para isso, são os programas de cashback, que devolvem parte do valor total gasto em compras, entregando um benefício para os consumidores. Diferentemente de programas de fidelidade tradicionais, na empresa de cashback Méliuz, os clientes cadastrados no site ou aplicativo recebem de volta, em dinheiro, uma porcentagem do valor gasto nas compras em supermercados e drogarias, como Verdemar e Droga Fuji. “A parceria com o Méliuz possibilita aos varejistas oferecerem a seus consumidores um programa de fidelidade atrativo e de fácil operação. Além disso, o lojista consegue conhecer a fundo os clientes. Com isso, se comunica de maneira eficiente e oferece promoções voltadas aos desejos do público”, destaca Israel Salmen, CEO do Méliuz. Implantar um programa de fidelidade apresenta alguns desafios para os varejistas, entre eles a escolha da ferramenta ideal, treinamento da equipe interna e adesão do público. Além disso, por supermercados

e farmácias serem de setores tradicionais e, em maioria, offline, ainda existem algumas resistências à implementação de inovações tecnológicas. Os benefícios, porém, são diversos. Além da atração e aquisição de novos consumidores, os lojistas têm acesso a um dashboard de CRM, analytics e um encarte de ofertas virtual personalizado de acordo com as compras do cliente. Esses dados permitem identificar hábitos de consumo, gasto médio, produtos preferidos e periodicidade das compras dos consumidores. A inteligência possibilita a entrega de ofertas relevantes para o público, comunicações segmentadas e eficientes, consequentemente favorecendo o aumento do ticket médio, retenção e ativação dos clientes por meio dessas comunicações. O programa também ajuda o lojista a alcançar consumidores por diversos canais - e-mails, SMS, encarte virtual e push geolocalizados. O Méliuz já conseguiu aumentar em 6% o ticket médio mensal de um parceiro após nove meses de operação nas lojas. Programas de cashback têm se mostrado mais eficientes do que os de fidelidade tradicionais. Uma pesquisa global realizada pela Nielsen apontou que reembolso ou devoluções de dinheiro estão entre os benefícios mais valorizados para 45% dos mais de 30 mil entrevistados. “Identificamos que investir em cashback no varejo gera um retorno em faturamento 1,93 vezes maior que o de um desconto comum”, destaca Israel. 17 | sUperMiX | ediÇÃo 170


notícias

Galerias de supermercado atraem desde pequenos empreendedores a grandes franquias Além de excelente custo-benefício, lojas anexas podem ser solução para last mile O funcionamento de lojas anexas aos supermercados é uma tendência que já se consolidou, especialmente por serem grandes aliadas dos consumidores, que tem fácil acesso a mais serviços em um mesmo local, otimizando seu tempo com comodidade e segurança. O crescimento do setor de supermercados – 2% no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2017, segundo o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) – também significa melhora nas vendas deste tipo de ponto comercial. “Ao fazer suas compras, o cliente já aproveita para pagar contas na lotérica, fazer refeições, passar na farmácia e utilizar serviços de chaveiro, cabeleireiro, sapataria e conserto de roupas, por exemplo”, observa Paola Noguchi, diretora executiva da DCL Real Estate, empresa que oferece soluções imobiliárias em diversos setores como varejo, logística, corporate, shoppings centers e self storage. A integração tornou o varejo um centro de compras completo, com recursos para suprir diferentes necessidades com conforto e conveniência. É uma via de mão dupla – o supermercado oferece espaço seguro e com estacionamento e as galerias complementam as soluções oferecidas no local. Paola ressalta que o custo-benefício para o empreendedor é excelente, pois o lojista tem a vantagem de contar com um fluxo garantido e maior de pessoas e a possibilidade de atrelar a imagem do seu negócio ao de uma grande marca. “Todos os imóveis da DCL ocupados por supermercados possuem espaços para lojas. O perfil dos locatários é bastante diversificado e atendemos desde pequenos empreendedores até grandes franquias”, comenta. O Salão de Beleza Princess Hair, que atua em Curitiba há mais de 20 anos, possui uma rede com quatro unidades, sendo que uma faz parte da galeria do Walmart do bairro Juvevê. O salão, que oferece serviços diferenciados,

com atendimento exclusivo e profissionais altamente qualificados, é um dos exemplos que confirmam o sucesso das galerias. Além de manter os negócios já existentes, as marcas estão ampliando sua atuação. O Boticário passou de um quiosque no Hipermercado BIG, localizado no bairro Xaxim, em Curitiba, para uma loja maior no mesmo local em junho. Para Paola, a tendência é que o mix de produtos e serviços fique cada vez mais diversificado e com a presença de marcas relevantes, elevando o nível de experiência de compras. Last mile também é tendência para galerias de supermercado O conceito de last mile - ou última milha, em português – faz parte da logística das empresas e tem ganhando atenção especial do e-commerce, que ainda tem dificuldades de entregar seus produtos aos consumidores. O last mile é a última etapa da entrega da mercadoria ao consumidor final, fase decisiva do processo logístico e que determina a qualidade do serviço prestado pela loja e o seu comprometimento com o cliente. Uma das soluções para resolver questões como atrasos, extravios e alto custo do transporte é criar parcerias com lojistas que desejam se tornar um pick up point, ou seja, um ponto de retirada. A solução é vantajosa para todos os envolvidos – o comércio eletrônico resolve os problemas com o last mile, o consumidor fica satisfeito e a loja que se torna um ponto de retirada tem maior fluxo de pessoas, com mais chances de aumentar as vendas e ainda recebe uma pequena comissão sobre os produtos entregues. Não vai gerar nenhum custo adicional para o lojista. Paola ressalta que ao se tornar um local de entrega, troca ou devolução do e-commerce, a loja tem sua divulgação ampliada e atrai novos clientes. “Eu acredito que esta é uma tendência muito forte para as galerias e se tornará realidade em breve”, completa a executiva.


500ml limpa de 10 à 55m²

Chegou o produto que todo consumidor desejava. De fácil aplicação, o flotador multiuso Limpeza Mágica Alpes limpa as mais diversas superfícies sem agredir os materiais e de maneira muito fácil. É limpeza num passe de mágica!

CARROS E MOTORES

Sua ação enquanto flotador, desprende as partículas de sujeira e torna sua remoção muito mais fácil. É limpeza pesada sem esforço e sem agredir as mãos.

COZINHAS E AZULEJOS

www.alpes.ind.br BANHEIROS E PISOS

SUPERFÍCIES LAVÁVEIS

E QUINTAIS

@alpes.limpeza

/produtosalpes

43 3420-8000


Notícias

Perdas no varejo chegam a R$ 19,5 bi no brasil, revela pesquisa de maior segmentação Pesquisa no país reuniu cem empresas em 11 segmentos diferentes; estudo marca lançamento da Associação Brasileira de Prevenção de Perdas Como forma de apresentar-se oficialmente ao mercado, a Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe) promoveu, no dia 19 de setembro, no auditório da Totvs, em São Paulo, o 1º Fórum Abrappe de Prevenção de Perdas. Na ocasião, a entidade apresentou a pesquisa de perdas que reuniu as maiores empresas varejistas separadas em 11 segmentos, um recorde histórico de participação. O estudo aponta um índice médio de perdas de 1,29%, que representa R$ 19,5 bilhões da receita do setor em 2017, estimada em R$ 1,51 trilhão, valor suficiente para “criar” a sexta maior empresa varejista do Brasil em “faturamento”, atrás apenas do Carrefour, Grupo Pão de Açúcar, Walmart, Via Varejo e Lojas Americanas. A pesquisa desenvolvida pela Abrappe, com a consultoria EY, reúne dados do atacarejo, calçados, construção/lar, drogarias, eletro/móveis, esportes, livrarias/papelarias, magazines, moda, perfumaria e supermercados, que foram avaliados sob a coordenação de Carlos Eduardo Santos, presidente da associação formada por representantes de mais de 500 empresas varejistas. Os dados foram apurados junto a cem companhias, que compartilharam seus números, estratégias e visões sobre o tema. Dos segmentos analisados, o de supermercados e o de livrarias/papelarias, com 1,94% e 1,46%, respectivamente, foram os únicos que registram índices de perdas acima da média nacional. O ranking dos top 6 ainda reúne o varejo de esportes (1,21%), moda (1,20%), drogarias (1,04%) e atacarejo (1,03%). O varejo esportivo e o atacarejo, além de perfumaria, são os segmentos que foram avaliados de maneira inédita no estudo. Até então, a pesquisa mais completa reunia apenas oito segmentos. “Observo um crescente avanço com relação ao uso das tecnologias em diversas áreas da indústria e isso não poderia ser diferente quando falamos em gestão da perda. O uso das tecnologias disruptivas é o futuro para o combate das perdas e garante a diminuição dos índices de perdas na operação do varejo. Um ponto muito importante é como seus gestores lidarão com tais mudanças e como isso irá refletir na área de prevenção”, afirma Luciano Albertini, sócio líder de consultoria em governança, riscos e compliance da EY. Em boa parte dos segmentos avaliados pela Abrappe, há um equilíbrio entre as perdas não identificadas (furtos, rupturas, erros de estoque etc) e as quebras operacionais (produto vencido, dano causado pela manipulação etc). Os desequilíbrios, com tendência 20 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

para quebras operacionais, ocorreram nos atacarejos (0,72%), drogarias (0,61%) e supermercados (1,03%). As perdas não identificadas, por sua vez, predominam nas áreas de livrarias/papelarias (0,88%), magazines (0,43%), moda (0,90%) e perfumaria (0,35%). Furtos, os grandes vilões do varejo Quebras operacionais, com 35%, e os furtos externos, com 24%, e os furtos internos, com 15%, são os principais fatores causadores das perdas. Se somadas as duas modalidades, os furtos ocupariam a liderança da lista. Erros de inventários e erros administrativos, com 10% e 9%, respectivamente, compõem o ranking das cinco principais causas. Em quebras operacionais, o vencimento dos produtos (24%) e itens danificados por clientes (18%) ou pelo manejo incorreto dos próprios funcionários (13%), além da deterioração/perecibilidade (16%) estão as principais causas das perdas. “Em alguns segmentos do varejo brasileiro, a margem líquida é de 2%. Nesse contexto, perdas de 1,3% são muito significativas para a lucratividade de qualquer negócio”, argumenta o presidente da Abrappe. Propagar a cultura da prevenção de perdas Diante de todo esse cenário de perdas no Brasil, a Abrappe surge com o objetivo de contribuir com a redução das perdas e aumentar a rentabilidade do varejo e da indústria no Brasil. “As perdas, não importam de que tipo, são danosas para qualquer corporação, independentemente do seu tamanho. No dia a dia de qualquer gestor dessa área ou do negócio, o controle e a prevenção eficaz das perdas estão entre os maiores desafios. Por isso defendemos que os profissionais e o departamento de prevenção de perdas devam ser estratégicos em qualquer empresa”, diz Santos. A constituição da Abrappe foi definida em setembro de 2017 durante encontro entre dez profissionais de prevenção de perdas em São Paulo. Além da presença na capital, sedes regionais integram a associação por meio das unidades da Comissão de Prevenção de Perdas, Auditoria e Gerenciamento de Riscos (CPAR). Apesar do maior investimento das empresas brasileiras em prevenção, as perdas gerais no varejo nacional, que na última década registram uma média de 2% do faturamento, são maiores do que as encontradas em países como Estados Unidos (1,27%), Alemanha (1,08%) e Japão (1,35%). Em todo o mundo, estudos revelam que os varejistas perdem US$ 123,4 bilhões por ano.


Notícias

Pesquisa da DOM Strategy Partners revela as prioridades do varejo para o omnichannel Os 537 maiores varejistas do País foram ouvidas pela consultoria DOM Strategy Partners, que buscou levantar em quais canais digitais estas empresas pretendem focar suas atuações omnichannel nos próximos 12 meses. De acordo com a pesquisa, os supermercados e hipermercados despontam como as categorias mais propensas a investirem em plataformas digitais para maximinizar a experiência multicanal do cliente. O levantamento indica que 87% dos supermercados e hipermercados pretendem intensificar suas estratégias omnichannel focando em lojas virtuais. Atualmente, 71% desta categoria tem como ponto principal de vendas as lojas físicas. O mesmo caminho será adotado pelas companhias que têm negócios no varejo de moda / têxtil. Somente neste setor, 67% das empresas vão focar suas atuações digitais em lojas virtuais, tendo um incremento de aderência na casa dos 5% em relação ao ano passado. Ademais, 56% das drogarias entrevistadas revelaram para a pesquisa a mesma meta de ampliar o seu ponto de contato com o consumidor por meios de lojas virtuais, assim como 56% das varejistas com negócios no mercado de saúde e beleza.

Em contrapartida, 38% das varejistas que vendem produtos esportivos e 41% que vendem livros e cd’s tendem a focar as suas estratégias de ampliação de canal para os APPs, olhando com mais atenção para sites de relacionamento como Facebook, Instagram e outros aplicativos móveis. Tudo para expandir as suas experiências com o consumidor. Caminho bem parecido a ser trilhado por 48% dos magazines de eletroeletrônicos e eletrodomésticos no qual escolheram o mobile como o conceito principal para fortalecer a sua presença multicanal. “O apreço do brasileiro em comprar cada vez mais roupas pela internet tem feito grandes marcas consolidadas no ambiente físico a olharem mais estrategicamente para o ambiente online. Não é mais só uma questão de inovação, é um novo posicionamento de mercado para atender o consumidor em todas as pontas”, explica Daniel Domeneghetti, CEO da DOM Strategy Partners. Quanto ao meio de comunicação mais usado neste ano para o varejo omnichannel potencializar o diálogo com o cliente, o mobile foi escolhido por 48% das empresas ouvidas pela DOM Strategy Partners. Em seguida aparecem redes sociais websites e blogs. 21 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


perFil

Moinho Anaconda Há quase 68 anos levando sabor aos brasileiros A primeira fábrica do Moinho da Anaconda nasceu em 1951, em São Paulo, como parte dos investimentos do grupo inglês “Robinson Engineers and Millers” no Brasil. Neste momento, o slogan da empresa era “TRIGO PARA MILHÕES”. Em novembro de 1951, esta unidade industrial foi adquirida pelo Sr. João Martins, imigrante português que já atuava no mercado atacadista em São Paulo desde 1929 e no Paraná a partir de 1948. Esta fábrica é o atual centro industrial do Jaguaré, na capital paulista. Considerado um verdadeiro visionário, Martins fez uma aposta certeira no negócio e expandiu a empresa para Curitiba, em 1957. Esta segunda inauguração trazia uma unidade fabril com a mesma capacidade de produção e quantidade de produtos. A fábrica curitibana tornou-se uma das características e marcas da cidade, já que está localizada de maneira

muito imponente no Bairro Jardim Botânico, em uma região de grande fluxo na capital. Ao Longo desses anos todos, o portfólio de produtos do Moinho Anaconda cresceu para atender às indústrias, panificadoras, o mercado de food service e consumidores. Mas a empresa se manteve fiel à proposta de oferecer produtos e serviços com excelência de qualidade. O Moinho Anaconda investe em equipamentos de ponta na sua atividade produtiva e na Garantia de Qualidade, trabalha com as melhores matérias primas disponíveis no mercado nacional e internacional, e aperfeiçoa continuamente a logística de distribuição de forma a atender não só aos crescentes desafios impostos pelos grandes centros urbanos como também para atingir os mais distantes destinos com a frequência e pontualidade desejada pelos seus mais de oito mil clientes. 23 | sUperMiX | ediÇÃo 170


Moinho São Paulo / SP

Moinho Curitiba / PR

Política de Qualidade

O Moinho Anaconda trabalha com o objetivo de desenvolver e fabricar farinhas, farelo e gérmen de trigo, oferecendo e desenvolvendo soluções tecnológicas em produtos e serviços, com melhoria contínua e segura, atendendo os requisitos aplicáveis e respeitando os princípios de segurança dos alimentos.

Expectativas

O Moinho Anaconda possui uma unidade instalada na cidade de São Paulo e outra na cidade de Curitiba, ambas com capacidade para processar cerca de 1.000 toneladas por dia. A empresa atua em todos os segmentos nas regiões sul, sudeste e centro-oeste do Brasil. Em 2018, está investindo aproximadamente R$ 25 milhões em infraestrutura e equipamentos de última geração. A projeção do Moinho Anaconda para 2018 é de um faturamento de R$598 milhões. 24 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


PERFIL

25 | SUPERMIX | EDIÇÃO 169


de olho no varejo

Rede Molini’s em expansão no norte do Paraná. Inauguração de duas novas lojas da rede Molini’s é a marca de arrojo do grupo empresarial O dia 14 de setembro foi movimentado em Santo Antônio da Platina com a inauguração da nova loja da Rede Molini’s, o Supermercado Molini’s Max, que vem para agregar e consolidar a liderança da marca na região do norte do Paraná, os novos empreendimentos do grupo, liderado pelo empresário José Carlos Molini é a demonstração de arrojo, de quem acredita no país ao incorporar em menos de um mês, duas lojas de alto nível, sendo a primeira na cidade de Bandeirantes. Esta é a sétima loja da rede de supermercados, que começou a cerca de duas décadas, em Jacarezinho, primeiro com uma panificadora, no centro da cidade, a qual é referência, e, em seguida, com o Supermercado Molini’s Super Norte, na vila São Pedro, em Seguida

Molini’s Super Center e o Molini’s Ponto Extra, todos em Jacarezinho, e Molinis’s Center em Santo Antônio da Platina e Molini’s em Cornélio Procópio. Há poucos dias, a rede entregou à comunidade da região de Bandeirantes a sexta loja do grupo. Tanto a unidade platinense como a bandeirantense foram adquiridas da Rede Avenida, que tem sua sede em Assis (SP). José Carlos Molini informa que as novas unidades empregam por volta de 140 novos colaboradores diretos e, hoje, a rede emprega mais de 400 colaboradores. Bom atendimento, produtos de alto padrão, preço baixo, referência em padaria, açougue e hortifruti e a busca por inovação são os elementos de sucesso da rede.

Festval inaugurou unidade em Curitiba O Festval inaugurou no dia 18 de setembro a loja Rebouças, localizada na Av. Silva Jardim, 506, no antigo Mercadorama. Com 19 checkouts, sendo quatro com o sistema de self-checkout, a nova loja conta com um mix de 13 mil itens e um Espaço Gourmet. A área de vendas possui 1.400 m², 136 vagas de estacionamento. A nova loja prioriza qualidade e conforto, por isso utiliza gôndolas baixas para transmitir amplitude e aconchego aos clientes.

26 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


de olho no varejo

Mafra ganha hipermercado completo que vai atender toda a região O primeiro hipermercado da cidade de Mafra, em Santa Catarina, foi inaugurado no dia 20 de setembro após um investimento de R$ 40 milhões do Condor Super Center, que escolheu o município para continuar a sua expansão no território catarinense. O empreendimento gerou 230 novos postos de trabalho e irá atender aos mafrenses e também aos municípios de Rio Negro, Rio Negrinho, Papanduva, Três Barras, Campo do Tenente, Itaiópolis e municípios vizinhos que estão próximos ao hiper. A nova loja possui uma usina solar, implantada pela Domínio Solar, com 1.730 painéis fotovoltaicos instalados na cobertura. A tecnologia será a responsável pela geração anual de 754.488 KWh, o equivalente para abastecer 315 residências. A usina ainda evita a emissão de 530 toneladas de CO2 por ano, o que equivale ao plantio de 3.245 árvores. Segundo o presidente do Condor, Pedro Joanir Zonta, a escolha do local se baseou em pesquisas que apontaram a necessidade da população de toda a região por um hipermercado completo. “Com este investimento, queremos atender a toda a região com o que há de melhor. Por isso, projetamos uma loja completa, moderna, confortável e bonita. Esperamos criar um laço forte com todos os nossos clientes da região e andar de mãos dadas com eles para oferecer qualidade, economia e conveniência”. Sobre a loja Com 4 mil m² de área de vendas, o hipermercado possui 21 checkouts e um mix completo com 20 mil itens, cuidadosamente selecionados para atender aos hábitos de compra dos consumidores locais. Os clientes vão contar, ainda, com uma galeria com 12 lojas de apoio, entre lotérica, farmácia, comércio de calçados, O Boticário, moda feminina, comércio de joias, loja de produtos naturais e acessórios para celular. A loja também oferece uma praça de alimentação com um restaurante com comida oriental, outro com comida brasileira, uma hamburgueria e uma cafeteria, além de um estacionamento coberto e descoberto com capacidade para 3 mil vagas rotativas. Os departamentos da nova loja foram organizados seguindo o conceito de Gerenciamento por Categorias, que de maneira inteligente e harmoniosa cria um ambiente de compras eficiente e prático. O hiper tem um setor de eletroeletrônicos, bazar, têxtil, mercearia, hortifruti, açougue com cortes especiais, padaria e confeitaria, fiambreria e adega com grande variedade

de rótulos nacionais e importados. Um dos destaques fica por conta da comunicação visual, que utiliza uma harmonização de cores e elementos para facilitar as compras e ajudar o cliente a encontrar o setor que precisa logo ao entrar na loja. Os clientes já são impactados pela beleza da loja ainda na fachada, que conta com um projeto arquitetônico moderno e elegante, projetado por Dinnies & Felix Arquitetura. Sustentabilidade Além da usina solar, a loja possui outras diversas tecnologias sustentáveis, como lâmpadas LED em 100% do estabelecimento, que além de serem mais econômicas, duram três vezes mais, reduzem em 50% o consumo de energia elétrica e o descarte no meio ambiente. Outra solução que economiza energia elétrica é o sistema de iluminação dimerizável, que ajusta a intensidade luminosa de acordo com a luz natural. Também foram instalados na cobertura do estabelecimento os domus prismáticos, que filtram os raios ultravioletas em até 98% e permitem a entrada da luz externa no ambiente. O consumo de energia será ainda mais reduzido com a instalação de portas nos balcões de congelados e refrigerados, implantados pela Eletrofrio, que além de manterem os produtos bem conservados, também reduzem em até 60% a carga térmica. Já para preservar a camada de ozônio, foi utilizado o CO2 no setor de congelados, um gás refrigerante 100% natural que não agride a natureza e não provoca o efeito estufa. O setor de refrigerados utiliza o Glicool, inofensivo à camada de ozônio e que reduz em até 90% os gases poluentes. Ainda pensando no meio ambiente, a loja conta com um sistema de captação da água da chuva, para ser utilizada na irrigação de jardins, descarga de sanitários e limpeza de pisos.

27 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


de olho no varejo Carrefour se compromete com comercialização exclusiva de ovos em sistema livre de gaiolas no Brasil O Grupo Carrefour anuncia no Brasil novo compromisso que vai garantir que todos os ovos comercializados pela rede no país sejam provenientes do sistema livre de gaiolas, conhecido como cage-free, promovendo o bemestar animal na criação e manejo das galinhas poedeiras. Este compromisso, que representa um marco para o setor, será cumprido em duas etapas. Até 2025 todos os ovos das marcas próprias Carrefour serão produzidos a partir deste sistema. Ao colaborar com os produtores de ovos no país, a empresa vai convidar seus fornecedores de diversas marcas a integrar esse compromisso, possibilitando que, a partir de 2028, 100% dos ovos comercializados pelo Carrefour sejam provenientes do sistema livre de gaiolas. Para isso, a rede vai trabalhar junto a esses fornecedores e na conscientização dos seus milhares de consumidores, a fim de mostrar a importância dessa nova política. O compromisso conta com o apoio das organizações de defesa animal, que integram a discussão sobre a adoção desse sistema em todo o país, como Animal Equality, Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, Humane Society International e Mercy For Animals. “Com este compromisso, damos mais um importante passo para promover a sustentabilidade junto à nossa cadeia de fornecimento. Entendemos que, como varejista, temos o papel de criar um elo valioso entre o consumidor e a cadeia produtiva, colaborando para promover mudanças significativas nos hábitos de consumo”, destaca Paulo Pianez, diretor de Sustentabilidade do Carrefour Brasil. Pesquisa da organização World Animal Protection,

divulgada em 2016, já mostrava que 64% dos brasileiros ouviram falar sobre o tema e 82% deles afirmaram que comprariam produtos com critérios de bem-estar animal que assegurassem que não houve crueldade ou maus tratos ao longo da sua produção. Além disso, para 91% dos entrevistados, animais produzidos com bemestar dão origem a produtos de maior qualidade. Apesar desse cenário, atualmente, o mercado enfrenta diversos desafios para estabelecer uma produção de larga escala, sustentável e que garanta o bem-estar animal. A ausência de regulação específica, falta de clareza quanto às especificações técnicas, dificuldade de acesso a informações e o alto investimento necessário para transição de modelos dificultam a implementação desse sistema. “A partir do apoio fundamental de todos os setores envolvidos, além da iniciativa pública e da sociedade civil, queremos garantir meios pelos quais esses desafios sejam enfrentados colaborativamente, sempre sob a perspectiva de assegurar as condições necessárias ao bem estar animal”, conclui Pianez. Paralelamente, o Grupo Carrefour dará seguimento à proposta de constituição de um Grupo de Trabalho sobre ovos no âmbito da Comissão de Bem-Estar Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), com participação do comércio, produtores e associações. Além disso, a companhia vai trabalhar para constituir outro Grupo de Trabalho envolvendo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a fim de elaborar de um protocolo com as diretrizes para a produção de ovos em sistema livre de gaiolas.

DuLeo inaugura loja gourmet em Curitiba A rede DuLeo inaugurou no bairro Santa Cândida, em Curitiba, uma loja de 1.000 m² que segue o conceito gourmet. Serão disponibilizados aos consumidores 15 mil itens, departamentos de açougue, panificadora, hortifrúti, mercearia e uma adega de vinhos climatizada. A DuLeo Gourmet conta com 60 funcionários, 9 checkouts e se destaca por ser uma loja ampla com grande variedade de produtos importados, estacionamento coberto, atendimento personalizado no açougue e o conforto de uma adega climatizada. A nova loja está localizada na Rua Theodoro Makiolka 2179.


de olho no varejo

Grupo Muffato inaugura 56ª loja e a sétima em Foz do Iguaçu Sob a bandeira Max Atacadista, o Grupo Muffato inaugura, nesta sexta-feira, 31, a partir das 7h30, sua 56ª loja e a sétima em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O empreendimento, em formato de cash & carry, levou sete meses para ficar pronto e gerou 400 empregos entre diretos e indiretos. Com investimento de R$ 40 milhões, a loja tem 14 mil m2 de área construída, 5 mil m2 de área de vendas, 500 vagas de estacionamento gratuito, sendo 70% delas cobertas, 31 caixas e um mix de 15 mil itens à disposição dos clientes. Localizado no trevo da BR 277, logo na entrada de Foz, o novo Max Atacadista, que é o segundo atacarejo da rede na cidade, conta ainda com praça de alimentação com capacidade para acomodar 100 pessoas sentadas e tem restaurante, cafeteria, farmácia, casa de câmbio, cosméticos, bijuteria e óculos, acessórios para celular e assistência técnica, quiosque de sorvetes, açaí e caixa eletrônico. Tudo para oferecer mais praticidade aos clientes. Segundo o diretor do Grupo, Ederson Muffato, foi em Foz do Iguaçu que a empresa iniciou suas operações no atacarejo, inaugurando sua primeira loja nesse formato. “Nossa história se confunde com a história de Foz, pois desde 1976 acreditamos no potencial da cidade e fomos evoluindo e crescendo juntos. O Max Atacadista da BR

277 vem coroar ainda mais esse relacionamento de mais de quatro décadas, oferecendo variedade, qualidade e muita economia, sem burocracia”, conta. Sustentabilidade Auxiliar na proteção do meio-ambiente é uma das premissas do Grupo Muffato. Por isso, cada nova obra é planejada levando-se em consideração a sustentabilidade. No Max Atacadista da BR 277, o sistema de refrigeração é moderno e utiliza gás CO2 que não agride a camada de ozônio; a iluminação aproveita ao máximo a luz solar e é toda em LED, que economiza ainda mais energia e proporciona conforto térmico; as sacolas são oxibiodegradáveis produzidas com matéria prima que é absorvida pelo solo em até 18 meses e há coleta seletiva de todo o lixo gerado pela loja. O Grupo também faz o replantio de árvores nativas para recomposição das áreas de preservação e como forma de contrapartida pelo uso de espaços urbanos. Grupo Muffato O Grupo Muffato tem 44 anos de história e atua em 18 cidades do Paraná e interior de São Paulo. São 56 lojas com o novo Max e 13 mil colaboradores diretos, além de gerar 5 mil empregos indiretos. É a quinta maior rede de supermercados do país e a única 100% nacional a figurar no Top 5 do setor, segundo o ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).


PONTO DE VISTA

Problemas do varejo que a Indústria 4.0 já está resolvendo À medida que a Indústria 4.0 acelera o crescimento da manufatura inteligente e avançada, muitos mercados estão sendo transformados por tecnologias que ajudam a otimizar ainda mais as operações comerciais. Quando pensamos em varejo e fast fashion, imagens de lojas, glamour, estilos modernos e influenciadores de redes sociais podem ser lembradas. Mas nos bastidores, os fabricantes estão montando coleções que os designers criam utilizando materiais provenientes de uma rede global de fornecedores, dentro de prazos cada vez mais apertados e preferências do consumidor em constante evolução. Por mais complexo que possa parecer, várias tecnologias emergentes estão prestes a gerar um impacto significativo no setor de varejo e na forma como os produtos são projetados e desenvolvidos. Nesse artigo cito apenas três tecnologias, que já estão impactando o varejo mundial: 1- Internet das coisas (IoT) Desde a otimização do layout de lojas inteligentes e conectadas até a melhor prevenção contra roubo usando tags RFID, há um número crescente de casos de uso da IoT no varejo. A facilidade na administração dos níveis de estoque se torna muito mais simples quando a tarefa de verificar o estoque é automatizada pela computação da IoT. Um sistema de alertas pode ser configurado para garantir que os itens de vendas mais quentes sejam reabastecidos adequadamente, e a conectividade com os sistemas de PLM (product lifecycle management) significa mais rapidez para avaliar a orquestração das cadeias de suprimentos. Ou seja, a análise preditiva com base em IoT pode fornecer aos varejistas informações úteis para orientar suas decisões de negócios, conectando e visualizando dados rapidamente em vários sistemas. A aplicação do aprendizado de máquina aos dados da IoT permite que os varejistas detectem tendências e respondam de maneira proativa, proporcionando-lhes uma vantagem competitiva baseada em dados e um melhor entendimento de seus clientes. 2- Impressão 3D Uma das tecnologias da Industry 4.0 que pode ser a mais potencialmente disruptiva para o mercado de varejo é a impressão 3D. Em vez de adivinhar quais estilos serão mais bem-sucedidos e produzir um número definido de roupas e vestuário para estocar na loja física e online, a impressão 3D permite ao varejista

selecionar determinados designs ou criar os próprios designs e, em seguida, ter seus itens feitos para o cliente após a venda. Esse conceito de comprar o produto antes de ser criado pode virar o processo de fabricação de cabeça para baixo, eliminando os problemas de desperdício e de estoque excessivo. Grandes redes de varejo já estão experimentando este modelo: investir primeiro na tecnologia, e no inventário em segundo lugar. 3- Robótica Os robôs também podem ajudar a melhorar os níveis de estoque nas lojas, e muitos varejistas de grandes volumes já estão usando a robótica para automatizar processos de armazenamento, como embalagem e manuseio de itens. À medida que o uso da robótica se torna mais convencional, os compradores esperam ver e interagir com os robôs como parte da experiência de compra física. Eles podem atender a uma série de funções, desde ajudar compradores a localizar itens e auxiliar com checkouts, até monitorar prateleiras de estoque. Assim como os dispositivos inteligentes e conectados e as máquinas de impressão 3D, o uso da robótica no varejo gerará uma grande quantidade de dados que podem ser usados para entender melhor as preferências do cliente e ajudar os varejistas a oferecer uma experiência mais envolvente. A chave é aproveitar esses dados e transformá-los em uma visão prática que ofereça uma vantagem única. Ronaldo Oliveira é o Diretor Regional Latam Sul da PTC, empresa de tecnologia fornecedora de soluções de Internet das Coisas, realidade aumentada e PLM (Product Lifecycle Management).

31 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


PONTO DE VISTA

O que é Gestão de Clientes e porque é bom ‘fazer direito’ “Tudo que merece ser feito, merece ser bem feito”, disse Philip Dormer Stanhope, 4º Conde de Chesterfield (estadista britânico do século XVIII). Traduzindo para um estilo mais direto: fazer as coisas direito deveria ser o único jeito de fazer as coisas. Mas, infelizmente, nem todos vivem por esse princípio. Gestão de Clientes é um conjunto de práticas destinadas a melhorar a relação com os clientes, compreendê-los e oferecer soluções personalizadas. Mais do que isso, é uma estratégia que uma empresa decide assumir e que coloca o cliente no centro da organização. O foco está nele e em como a empresa pode fazer para atendê-lo da melhor maneira. Essa é a teoria, mas, na prática, a “síndrome de não fazer direito” assola o mercado. Especificamente, muitas empresas investem em tecnologias como CRM para Vendas ou Marketing Digital, mas não fazem a lição de casa para ter o resultado esperado. Como a Gestão de Clientes deve funcionar Saber gerir clientes é um dever de pequenas, médias e grandes organizações, até mesmo das startups. Tudo começa por saber quem é o cliente. Diversas informações são oferecidas por consumidores e muitas vezes não são devidamente coletadas pelas empresas. Poucas delas conseguem coletar e organizar dados básicos como nome, endereço, telefone e e-mail. Além disso, deveriam saber quais são os produtos ou serviços adquiridos por cliente, seus pontos de contato preferidos com a empresa, dúvidas e reclamações, entre outros. Perceba que todas essas informações são individuais. Não são médias, não são “principais”, ou “típicas”, são exclusivas de cada cliente. E quando uma empresa se propõe a tratar seus clientes de forma personalizada, a partir do conhecimento do histórico de relacionamento e dos feedbacks recebidos, ela precisa de uma boa preparação. “Tratar clientes diferentes de forma diferente” parece óbvio, mas envolve dois grandes desafios para qualquer empresa: 1º: Clientes diferentes? Como assim? Isso significa classificar os clientes em grupos definidos pela própria empresa, de forma adequada ao seu negócio e mercado. Para chegar nisso, é preciso ter a informação necessária muito bem organizada e em seguida definir os critérios de classificação. Qualquer pessoa na empresa deve saber responder, preferencialmente de cabeça, “Quem são nossos dez melhores clientes?”. Melhor ainda, deve saber porque são esses dez. E isso – claro – tem de estar alinhado com a estratégia e as metas da empresa. Não conheço muitas organizações onde isso acontece. E você? 2º: Tratar de forma diferente Sabendo quem são os melhores clientes, quais são os mais promissores (com maior potencial) e porque queremos conquistar e mantê-los, começa o segundo desafio – tratá-los de forma diferente. 32| SUPERMIX | EDIÇÃO 170

Isso não significa discriminar ou se relacionar bem com os melhores clientes e mal com os demais. Toda empresa tem que estar comprometida com a qualidade de sua oferta e com a ética de seus negócios. Tratar diferente significa conhecer o valor e as necessidades de cada cliente (ou grupo de clientes) e oferecer produtos, serviços e atendimento personalizados. O desafio é ajustar a oferta e o próprio custo de cada interação ao valor atual e o valor que se espera no futuro de cada cliente ou grupo. Isso não acontece ‘como mágica’ depois de instalar um software de CRM ou um novo pacote de Marketing Digital. Como se preparar As “novidades” tecnológicas levaram muitas empresas a implementar pacotes de software sem antes fazer um bom planejamento. E essas companhias se veem diante de uma enxurrada de informações e sem saber o que fazer com elas. Portanto, é essencial que a empresa já tenha seus processos muito bem definidos e uma base sólida antes de adotar novas tecnologias. É necessário, também, definir como os resultados serão mensurados, quais problemas as ferramentas de tecnologia precisarão resolver na empresa e quais nem dependem desses recursos. Definir estratégia, redesenhar processos e fazer um roadmap para o futuro, incluindo a tecnologia, não precisa ser um exercício demorado. O importante é fazer uma boa preparação para a Gestão de Clientes e ter ciclos rápidos de implementação. Ao final de uma jornada bem-sucedida, sempre ouvimos dos nossos clientes: “investir nessa preparação foi a melhor coisa que a gente fez!” Fernando Pierry é sócio fundador da PRG BRASIL, tem mais de 20 anos de experiência em consultoria, marketing, vendas e tecnologia da informação. Responsável pelo desenvolvimento e execução de projetos para a América Latina, atua junto ao nível diretivo dos principais clientes da PRG BRASIL, somando mais de sessenta projetos na América Latina e em Portugal.


PONTO DE VISTA

Relacionamento é venda O consumidor está no comando, muito mais do que Para isso, é necessário contar com ferramentas jamais esteve. Com a chegada das novas tecnologias e para agilizar e facilitar o atendimento, além de meios de comunicação, o cliente tornou-se muito mais uma URA (unidade de resposta audível) inteligente rigoroso, informado e reivindicativo. Chamamos isso de e adaptada para a realidade do seu consumidor. consumidor 3.0, que realiza compras pela web, pesquisa Agilidade, eficiência e bom humor: é isso que todo sobre o produto e a empresa que está comprando, além cliente procura. Tenha em mente essas questões na de fazer uso dos meios de atendimento multicanal para hora de realizar seu roteiro de atendimento. A meta entrar em contato com a empresa, tirando dúvidas e é resolver o problema do consumidor. Se um cliente solucionando problemas. ou possível comprador entra em contato com a sua Pesquisas mostram que 73% das pessoas utilizam empresa, ele tem um problema, dúvida ou sugestão. sites que comparam os preços dos produtos antes Esteja preparado para resolver e receber esses pontos de irem às compras de fato. 55% dos usuários ainda da melhor forma. têm insegurança em realizar transações bancárias na Humanize seu atendimento, empatia é a chave. internet. 56% dos clientes evitam realizar o atendimento Mesmo nos meios digitais, ferramentas de automação pelo telefone e preferem atendimento realizado por e derivados, a sua empresa precisa trabalhar para canais digitais (redes sociais, chat, e-mail, entre outros). humanizar ao máximo o atendimento. O cliente 46% dos brasileiros afirmam se importar com a forma busca sempre resolver sua dúvida ou problema com que uma empresa é avaliada nas redes sociais. 35% dos um operador humano. Quanto mais você conseguir consumidores afirmam que compartilham com pessoas passar a sensação do cliente estar em contato com próximas experiências de ótimos atendimentos. E por um humano, melhor. Tendo tudo isso em mente, outro lado, 70% compartilham histórias de péssimos colocando esses pontos em prática, seu cliente estará atendimentos. satisfeito e assim, por ter certeza que sucesso será Com base nesses dados podemos notar que o chamado garantido. consumidor 3.0 leva a sério a sua experiência de atendimento, considerando empresas que têm um bom histórico de atendimento ao cliente como as principais empresas para indicação e recompra, facilitando a Ricardo Zanlorenzi é especialista em gestão e fidelização e empatia com a marca. Claro, que a partir comunicação empresarial e é CEO da Nexcore daí surge a dúvida: como adaptar minha empresa para as Tecnologia necessidades do consumidor 3.0 e suas peculiaridades? Simples, tenha um atendimento multicanal especializado. Prepare sua central de atendimento para atender seus clientes em diversos canais, como redes sociais, e-mails, chat e telefone. Cada cliente entra em contato da forma que mais convém a ele. Por isso, tenha profissionais preparados para receber todos os tipos de demanda. Prepare seus operadores para transformar a experiência de quem entra em contato com a sua empresa. O esse novo consumidor quer ser encantado, só assim é possível gerar empatia com a sua marca. Não esqueça dos meios de atendimento tradicionais: mesmo que o consumidor 3.0 esteja muito mais conectado e a maioria prefira atendimento digital, ainda é normal a requisição por um atendimento humano ao telefone. 33| SUPERMIX | EDIÇÃO 170


PONTO DE VISTA

Sete estratégias para criar promoções fracassadas de marketing Muitas empresas estão correndo para acompanhar o aumento de vendas que chega com o fim de ano. Indústrias e comércios já estão contratando, promoções estão sendo elaboradas e muitas estratégias já foram desenhadas. Porém, o que muitos não sabem é que algumas promoções já nascem fracassadas. Isso acontece porque devidos cuidados não foram tomados com relação a empresa e a marca como um todo. Mesmo o que um dia deu certo, hoje pode ser uma promoção natimorta. Por isso, antes de dispender equipe, recursos, esforços e dinheiro em uma promoção ou campanha de fim de ano fadada ao fracasso, fique atento a alguns pontos chave de atenção. Copie o ano passado: algumas grandes empresas possuem campanhas que se repetem anualmente. Marcas famosas costumam ter slogans, mascotes, entre outras coisas, ligadas ao natal, ano novo, etc. Entretanto, cada ano é diferente, e não é possível simplesmente copiar o que foi feito e esperar que dê certo como no ano anterior. Campanhas precisam carregar originalidade, mesmo que se conectem a um tema que se repete anualmente. Ignore as mudanças do mercado: é preciso levar em conta que o mercado mudou de 2017 para 2018. A crise recuou, há novas tensões e alívios econômicos, novos players, novas tecnologias e novas formas de comprar. É preciso estar atento ao que mudou para que sua campanha não fale a um público que já não está mais prestando atenção àquela forma de comunicação. Quais as preocupações do seu consumidor atual? Quem está comprando de você é a mesma pessoa do ano anterior, ou seus valores mudaram? Ignorar isso é fracassar. Desconheça o consumidor 4.0: a tecnologia mudou a forma como as pessoas consomem marcas, produtos e serviços. Uma empresa que pretende aproveitar o fim de ano para vender mais, precisa estar atenta a como as pessoas consomem hoje em dia. Interação em redes sociais, compras online, auto serviço, são só alguns tópicos a se analisar. O consumidor é estimulado em diversos canais e a venda ocorre de maneira muito diferente. É preciso trazer sua empresa para o diálogo com essa realidade. A interação com o cliente deve ser constante. Não crie uma experiência de compra: o cross selling, posicionamento nas gôndolas, e todas as antigas maneiras de se fazer o cliente transitar pela loja e comprar mais, ainda são válidas em diversos aspectos. Conheça bem sua loja, mas saiba que não é só isso. Muito da venda ocorre antes mesmo da ida à loja, então é preciso estar apto a receber um cliente mais informado e que quer algo mais da experiência de compra. Por vezes, a loja tem papel apenas de entreter, de criar um sentimento agradável ao cliente, porque ele vai acabar comprando mesmo é na internet. A loja tem que proporcionar algo novo e interessante, uma 38 34|| SUPERMIX SUPERMIX || EDIÇÃO EDIÇÃO 169 170

experiência de relacionamento e interação. Não personalize o atendimento: as pessoas mantêm relacionamentos com suas marcas preferidas. Não basta jogar um slogan espertinho, uma musiquinha chiclete e uma logo com cores bonitas. Os consumidores realmente dispendem tempo e energia amando e odiando marcas, dialogado com elas em redes sociais. É o que chamamos de ações omnichannel, que dialogam por todos os meios de comunicação ao mesmo tempo. É preciso um atendimento primoroso em todas essas frentes - não só através do vendedor - para que o cliente se sinta acolhido e veja que aquilo é para ele como indivíduo único. Ignore o futuro: você já pensou que talvez seu produto não dialogue com os novos valores e mindsets atuais? Talvez o que você vende já não seja o que as pessoas procuram. É preciso reinventar e até voltar-se a produtos e segmentos totalmente novos. Por vezes, o fracasso não está na campanha em si, mas no mundo que mudou e que a empresa não acompanhou. É preciso mudar sua empresa para algo que o consumidor espere dela, e não se prender ao passado. O processo é gradual, mas vale a pena começar a se questionar, sempre. Não tenha um propósito: as empresas, hoje, mantêm relacionamentos com seus consumidores, mas ele não dura se não houver sinergia entre o propósito de ambos. Por isso, é preciso que sua empresa tenha seu propósito bem definido, ideias claras e apoios a causas. O cliente deve saber que sua empresa defende os mesmos ideais que ele, e que vocês estão juntos naquela causa, seja ela algo grandioso ou apenas um gosto particular. Uma promoção ou campanha só terá sucesso se o público enxergar mais valor intangível do que simplesmente preços baixos. Vivemos a época de promoções com propósito, porque vivemos uma época de maior consciência do consumidor e do fornecedor. André Romero é diretor da Red Lemon Agency, agência especializada em comunicação, field marketing e ações promocionais.


PONTO DE VISTA

De que forma a ambientação de loja pode influenciar na decisão de compra?

Os fatores ambientais de loja e as suas influências sobre o consumo são temas atuais, relevantes e tratados por grande parte da literatura acadêmica de marketing aplicada ao mercado. Dentro de uma loja, o consumidor é submetido a diversos estímulos que influenciam a forma com que ele visualiza a marca e o produto, determinando, assim, a sua satisfação, experiência e compra. Acredita-se que estímulos caracterizam a compra e tendem a influenciar na atenção visual. Por sua vez, esses estímulos, definidos como fatores ambientais de loja (iluminação e som, por exemplo), são categorizados diante dos cinco sentidos e do aspecto social, considerando-se assim seis subdivisões: fatores auditivos, visuais, olfativos, táteis, degustativos e social. O fator visual se caracteriza como o de maior percepção por parte do consumidor, seguido pelo fator auditivo. A visão representa 83% do estímulo sofrido pelo consumidor dentro do ambiente de loja, enquanto que a audição representaria 11%. Os demais sentidos – olfativos, degustativos e táteis – possuiriam, dessa maneira, menor representação (menos de 4% cada). O fator social, único integrante do modelo de percepção que não se submete única e exclusivamente ao sentido humano, diz respeito ao atendimento, número de funcionários no ponto de venda (PDV), circulação de pessoas e demais aspectos relacionados. Muito já se observou das variáveis que interferem a tomada de decisão no PDV, mas, com o avanço científico e a neurociência, é possível implementar novas formas de pesquisa e identificar mais a fundo o que permeia a decisão de compra. Considerando os fatores pessoais, do ponto de vista cientifico, “o cérebro humano possui áreas funcionais especializadas, as quais teriam suas atividades neuronais correlacionadas com o comportamento de consumo”. A psicologia também auxilia por meio do processo cognitivo, que interpreta e dá sentido as opções de compra, relacionado com o repertório de cada indivíduo. Assim, é possível analisar o fenômeno da atenção visual que o consumidor desprende quando faz suas escolhas utilizando a ferramenta de investigação neurocientífica, o eye tracking. Como forma de compreender a tomada de decisão, em se tratado de consciência e escolha, os estudos cognitivos têm muito a contribuir. A cognição consciente constituise da formação de um pensamento ou uma crença sobre determinado assunto ou objeto, enquanto a cognição inconsciente é a fase que o pensamento (ou crença)

já está formado no indivíduo e as ações de escolhas passam a ser involuntárias. Estas crenças são avaliadoras de traços percebidos como bons ou maus, em função dos quais o indivíduo poderá agir. Assim, cada pessoa possui níveis diferentes de envolvimento em determinadas situações de consumo: se a compra representar uma aquisição de alto valor para o consumidor e fortemente relacionado à sua autoimagem, o grau de envolvimento será alto. Se, ao contrário, a compra for rotineira ou de itens de pequeno valor e de pouca ligação com a autoimagem, o grau de envolvimento provavelmente será baixo. Podemos muito bem preferir acreditar que, como seres racionais, vamos manter o controle consciente cheio de nossas ações, processando todos os estímulos que os nossos sentidos coletam e chegando às conclusões sensatas e ótimas decisões. Os estudos de resultado consciente parecem desinteressar os pesquisadores, uma vez que o desafio é desvendar o que o consumidor projeta no ponto de venda de forma inconsciente. E, sendo inconsciente, fica mais comum consumir itens que a memória guarda melhores recordações e, por isso, a compra tem mais sentido ser uma escolha emocional do que consciente. Quando o comportamento de compra é orientado com um objetivo, as variáveis como o tempo, o espaço físico, anúncios, entre outros, podem determinar tanto a compra consciente como os atalhos que a escolha pode tomar. E, ao pesquisar ambos os lados da questão, é possível perceber como as influências inconscientes estão presentes na vida diária do consumidor. Afinal, é o estudo de escolhas e comportamentos que realmente importa para chegar ao entendimento dos indivíduos. Andrea Securato é diretora executiva da Academia de Varejo

SUPERMIX | EDIÇÃO 39 |35| SUPERMIX | EDIÇÃO 169170


36| SUPERMIX | EDIÇÃO 170


O

presidente da Apras (Associação Paranaense de Supermercados), Pedro Joanir Zonta, lançou a Mercosuper 2019 em um jantar no Madalosso, no dia 14 de agosto, patrocinado pela Parati e Três Corações. A feira será realizada nos dias 9, 10 e 11 de abril, no Expotrade Convention Center. Em 2017, o setor supermercadista brasileiro registrou um faturamento de R$ 353 bilhões, o que representa 5,4% do PIB. Já a Mercosuper, movimentou R$ 540 milhões em negócios em três dias de evento. “A feira possui um grande papel na economia do estado, já que reúne empresários que respondem a 95% do faturamento supermercadista paranaense e fornecedores focados no mesmo objetivo, que é realizar negociações especiais. Com isso, a população ganha com promoções e um mix atualizado com as principais tendências do mercado”, afirma o presidente da Apras, Pedro Joanir Zonta. Em três anos, a Mercosuper aumentou em 130% o espaço dos expositores, atingiu um crescimento de 700% nas caravanas e obteve um aumento de 150% na quantidade de visitantes. Para a edição do ano que vem, a entidade projeta um crescimento de 30%, tanto na quantidade de visitantes quanto no tamanho da feira. “No encerramento do evento de 2018, já tínhamos 50% dos contratos renovados por expositores que queriam garantir seu espaço na próxima edição, apontando para uma excepcional Mercosuper 2019”, afirma Zonta. Para atingir estes crescimentos e ampliar o público alvo da feira, a Mercosuper passa a abrir o evento para os segmentos de farmácia, bares e restaurantes. “Além de aumentarmos o leque de visitantes, teremos muitos outros atrativos, como a nossa convenção, que se destaca pela variedade de assuntos e pela escolha de temas essenciais para o sucesso dos negócios”, acrescenta Zonta. O presidente afirma ainda que o momento econômico está favorável para que a feira prospere ainda mais. “No ano passado, o consumo das famílias teve um crescimento de 1%, o que já deu uma injeção de ânimo no varejo. Já para este ano, esperamos que o consumo cresça 3%, o que sinaliza uma leve recuperação do poder de compra do consumidor e a queda no desemprego”, conclui.

Lançamos a meta de crescer mais 30% na próxima edição, tanto em tamanho quanto no número de participantes.

37|| sUperMiX 43 sUperMiX || ediÇÃo ediÇÃo 170 169


MercosUper Palestra magna O palestrante escolhido para o segundo dia do evento foi o jornalista e economista Luís Artur Nogueira. Com MBA em mercado financeiro, atualmente escreve na revista e no site da ISTOÉ Dinheiro, onde mantém o blog “Descomplicando a Economia”. É colunista do Portal iG, onde hospeda a coluna “A Economia Sem Gravata”, homônima do seu canal no YouTube. Escreve e fala sobre Economia, Negócios, Empreendedorismo e Educação Financeira. Com mais de 20 anos de profissão, passou também pelas revistas EXAME e INFO, e pelas rádios Trianon e Bandeirantes, onde trabalhou com o saudoso mestre Joelmir Beting por seis anos. Está constantemente entrevistando os principais nomes da política, da economia e do mundo empresarial, em Brasília, nas principais capitais do País e no exterior. Em 2009, recebeu o título de “Jornalista Econômico do Ano”, oferecido pela Ordem dos Economistas do Brasil, pela cobertura feita na crise internacional. Em 2015, foi laureado com a medalha “Ministro Celso Furtado”, na Câmara Municipal de São Paulo, pelos serviços prestados à sociedade na área de economia. Pelo terceiro ano consecutivo (2015, 2016 e 2017), ficou na lista dos “50 Jornalistas Mais Admirados do Brasil”, promovida pelo Jornalistas&Cia e pelo Maxpress, e, pelo 4º ano seguido (2015, 2016 e 2017), está na lista dos “10 Melhores Jornalistas Econômicos” do País no Prêmio Comunique-se, considerado o Oscar do Jornalismo. No mercado de palestras há nove anos, vem se destacando pela linguagem simples, sem economês,

40 Caravanas

300 Expositores

sem gráficos e com muito bom humor, além de contar os bastidores de suas entrevistas. Comércio Virtual: Venda Online O tema escolhido para a Mercosuper 2019 é Comércio Virtual: Venda Online, que é uma tendência mundial. Com isso, a feira mostra estar um passo à frente para apresentar aos supermercadistas e fornecedores o futuro do varejo. Serão selecionadas pessoas referência no assunto para que o público saia preparado para se adaptar a esta nova realidade.

3 Palestras Magnas

+de

40

Palestras, Oficinas e Workshops


Respeito aos expositores

TRAGA CONDIÇÕES ESPECIAIS, LANCE SEUS NOVOS PRODUTOS E FAÇA CONEXÕES COM SEU PÚBLICO ALVO Os 90 diretores da Apras estão todos unidos e engajados com a feira e também estão comprometidos em dar prioridade para fechar negócios exclusivamente com os expositores durante os três dias de feira. Aos amigos fornecedores que não puderem estar presentes como expositores ou patrocinadores, a Apras pede que não comercializem seus produtos no interior da feira ou usem expressões “preço de feira”. Quem não seguir esta regra será convidado pela organização do evento a se retirar. Desta forma, os visitantes que tentam realizar negócios nos corredores são caracterizados como vendedores piratas que não respeitam as boas práticas do universo corporativo. Da mesma maneira, a Apras pede aos expositores que restrinjam os preços e condições especiais de feira apenas para os três dias do evento, valorizando assim os profissionais do setor e supermercadistas que se deslocam para visitar os estandes e prestigiar a Mercosuper. 39 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


mercosuper Sorteios O sorteio “Compre e Concorra” continua com o patrocínio da empresa Mili e a cada R$ 1.000 em negócios realizados na feira é gerado um cupom, no caso dos associados, dois. Também serão sorteados seis notebooks.

Comércio Virtual: Venda Online O tema escolhido para a Mercosuper 2019 é Comércio Virtual: Venda Online, que é uma tendência mundial. Com isso, a feira mostra estar um passo à frente para apresentar aos supermercadistas e fornecedores o futuro do varejo. Serão selecionadas pessoas referência no assunto para que o público saia preparado para se adaptar a esta nova realidade.

Caravanas Para a Mercosuper 2019, a Apras vai disponibilizar caravanas em todo o Paraná. A Mili vai contribuir com o seu patrocínio para que ainda mais pessoas possam ter a oportunidade de visitar o evento. No ano passado, cerca de 1.200 pessoas de todo o Paraná vieram para a feira nas caravanas. Foram aproximadamente 40 ônibus e vans lotados de profissionais que aproveitaram a viagem para trocar conhecimento e realizar networking.

40 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

93 BILHÕES DE REAIS EM OPORTUNIDADES


especial sUperMiX

Ruptura Não perca uma venda pela falta do produto na gôndola Quantas vendas são perdidas pela falta de um determinado produto nas gôndolas? Imagine um cliente com intenção de compra entrar em uma loja e não encontrar o que está procurando. Os efeitos de uma situação como esta podem ser enormes e vão muito além de apenas uma venda não concretizada. Levantamento da Neogrid/Nielsen com base na movimentação de 25 mil lojas do setor supermercadista em todo o país aponta que o índice médio de ruptura no primeiro semestre de 2018, quando há falta de produtos nos pontos de venda, foi de 10,38%. Os impactos, segundo a Alessandra Lima, da Mind Shopper, é a perda de vendas, insatisfação do shopper e possível migração para outros itens. Também é possível que o cliente migre para outros itens/ categorias de menor valor agregado. Já se a ruptura for recorrente é possível que se perca o shopper para outras lojas. As causas da Ruptura são muito diversas, pode ser devido a demanda, inventário, cadastro, planograma mal executado, exposição e distribuição. Veja abaixo as principais causas e as sugestões da Alessandra de planos de ação para combatê-las: Previsão de demanda Exemplo: A equipe comercial negociou Ponto Extra para a categoria, mas o sortimento escolhido foi muito grande e não foi parametrizado. • Verificar na loja o estoque atual dos produtos VS giro

estimado pelo vendedor para a ação • Pedir para o gerente da loja aumentar o parâmetro sempre que houver divergências Precisão no inventário Exemplo: A empresa lançou um produto. Como o produto é novo, não existe ainda o parâmetro para esse item na loja. Porém, o produto está vendendo 20% a mais que o parâmetro definido pelo cliente. • Acompanhar o giro do produto e ajustá-lo conforme a venda, alinhando com o vendedor e gerente da loja • Ajustar parâmetro Erro no cadastro Exemplo: Cadastro 7891024030145 ≠ Preço: 160,00 • Revisar os códigos dos itens que não forem faturados, além de verificar se os produtos foram descontinuados Planograma mal executado Exemplo: Share of Shelf não está de acordo com o giro dos produtos. • Ajustar Share of Shelf • Monitorar o PDV • Ajustar parâmetros Estes planos de ação podem fazer uma diferença enorme nos resultados e, segundo Alessandra, o importante é que o supermercadista dê pelo menos o primeiro passo e comece a fazer algo a respeito 41 | sUperMiX | ediÇÃo 170


especial supermix da Ruptura. “Quando começamos já quebramos o paradigma de não fazer”. Para começar a resolver a Ruptura, um dos primeiros passos é passar a pensar em Ambiente de Varejo. Canal X Ambiente de Varejo “Esqueçam o canal, é ambiente de varejo! O mesmo shopper transita por todos os ambientes, ele vai em várias lojas para comprar as mesmas coisas, mas com uma missão de compra diferente”, destacou Alessandra. Segundo ela, quem vai a um supermercado pequeno comprar um salgadinho, não busca, necessariamente, a mesma coisa de quem vai a uma padaria ou loja de conveniência. Ela ainda falou que o shopper nem sempre procura preço quando vai a um ambiente de compra diferente. Se ele está em uma padaria ou loja de conveniência, nem sempre olha o preço e, geralmente, está disposto a pagar mais caro pelo produto. “Precisamos fazer a adequação para ser mais assertivo. Não é o mesmo preço, exposição e sortimento que teremos em todos os ambientes de varejo”, explica. Wess Etiquetas.jpg.pdf

1

21/03/18

10:45

Alessandra afirma que quando falamos de canais, precisamos clusterizar, que é como o empresário posiciona a sua loja, como o shopper a enxerga e como a empresa quer que ele a enxergue. “Às vezes é mais fácil ir ao encontro do que o shopper está precisando do que lutar contra”. O diretor do Supermercado São Sebastião, Geraldo Aniceto, também afirma a importância de conhecer a visão do shopper. Segundo ele, o correto é oferecer solução de compra ao invés de um produto. É necessário saber o que o cliente precisa e organizar na mesma gôndola. “Nós damos nomes diferentes em nossas categorias para aproximar o cliente da nossa loja”, conta. Neste sentido de ir ao encontro do consumidor, Alessandra afirma que é importante ajustar o termo Sell In para Sell Out, pois nem sempre a oferta especial do vendedor será vista como sensacional pelo shopper. Fundamento do ponto de venda O fundamento do ponto de venda é a base. “Se fizermos o básico bem feito já saímos muito na frente”. Um dos pontos é perguntar aonde está a loja na cadeia de distribuição. “Nem sempre ser atendido direto pela indústria é uma vantagem, pois o mais importante é que o produto chegue”, aponta Alessandra. Também deve-se perguntar qual o ciclo de pedido e entregas. A especialista alerta que se o empresário não souber responder estas questões, ele não consegue se organizar para saber quanto e quando pedir. Ela ainda defende a ideia de um plano B para problemas de entrega. “Precisamos pensar em algumas alternativas para minimizar esta alta dependência no processo logístico de entrega”. Sortimento No sortimento regular é necessário fazer duas perguntas: se será trabalhada a abrangência ou a profundidade. “Nas categorias que tenho chance de aumentar a venda de itens adicionais, vai para a profundidade. Nas categorias que não tenham estas extensões de linhas, vai para a abrangência”, orienta Alessandra.


especial supermix Um dos exemplos utilizados pela especialista é a categoria de higiene e beleza, em que as mulheres acreditam que o shampoo funciona melhor com o condicionador igual. Neste contexto, não vale a pena ter grande número de marcas. Vale mais trabalhar com as mais importantes, porém as que combinem. Outra variável que deve ser considerada na hora de fazer uma revisão do mix é o que vai servir na gôndola. Alessandra diz que todos costumam ter muito apego e geralmente sofrem na hora de cortar o mix. “Às vezes, quando diminui o mix, o shopper enxerga melhor e acaba achando que tem mais produtos, por isso precisamos ter cuidado com o que a gente oferta”. Aniceto também salienta que muitas vezes o menos acaba sendo mais. “É triste a ruptura do produto que está na loja. O cara tem demais, e isso significa menos. Não pensem que quantidade é qualidade de sortimento”. Porém, é fundamental garantir que não faltem os power sku’s. “Posso apertar o fornecedor, mas tenho que ter plano B para garantir, porque senão vou perder venda”. Alessandra sugere fazer uma curva ABC, com critérios de prioridade, principalmente para as categorias mais importantes. Também pode-se determinar o sortimento pelo preço. Assim, é importante pensar nos intervalos de preços em uma determinada categoria. Desta forma, A especialista da Mind Shopper sugere seguir o seguinte: • Marcas referências • Marcas que seguem o líder e que oferecem boa relação custo/benefício • Marca com preço reduzido Fair share Se não é calculado um espaço justo para cada uma das marcas, existe um grande risco de que a Ruptura exploda para números alarmantes. Portanto, o Fair Share é o espaço correto e justo de cada produto na gôndola baseado no seu histórico de vendas e em sua participação de mercado. “O número de frentes de produtos deve ser proporcional ou superior a venda dele”, destaca Alessandra. A especialista afirma que um bom número de frentes evita a falta de produtos, reposições constantes e propicia uma boa visualização pelo shopper.

Como calcular o espaço das marcas em cada ambiente de varejo Passo 1 é medir o espaço total da categoria em número de prateleiras. Passo 2 é calcular quantas prateleiras correspondem a importância/participação de vendas das marcas. Cálculo

Case de sucesso O Supermercado São Sebastião é um exemplo real do quanto trabalhar o Gerenciamento de Categorias contribui para a queda da Ruptura. Geraldo Aniceto conta que para que eles possam perceber a ruptura, eles não permitem que os produtos sejam esticados nas gôndolas, pois só de olhar os buracos já é possível identificar o que está faltando. Eles também utilizam uma tecnologia simples e prática para isso, que é um smartphone. “Desenvolvemos ferramenta que faz a análise indicando a conformidade dos setores. Crio questionário por setor, o auditor vai auditar e tem que tirar foto. Como não esticamos os produtos para cobrir os espaços, ela aparece. Usamos também o mesmo aplicativo para que o gerente audite a abertura da loja e isso mostra se a loja está preparada”, conta Aniceto. O supermercado também audita a câmara fria, frente de loja, depósito, pré-inventário, açougue, hortifrúti, etc. “A partir do momento que você não tem conformidade, você perde venda. E eu recebo no meu celular as não conformidades”. Ele finaliza afirmando que também é essencial ter uma visão de fora e, que neste caso, é importante contratar uma auditoria externa. 43 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


especial sUperMiX

Varejo paranaense atualiza processo para recebimento de informações Comitê Comercial da APRAS fecha parceria com a empresa Simplus, que possui a maior base de conteúdo digital de bens do consumo do país Sob a coordenação do supermercadista e coordenador do Comitê Comercial da Associação Paranaense de Supermercados (APRAS), Carlos Beal, os varejistas do Estado vem trabalhando desde 2017 em prol do acesso à informações e imagens de produtos centralizadas. Em outubro deste ano, esse projeto se tornou concreto com o acordo firmado com a Simplus, empresa que desenvolveu processos e tecnologias proprietárias para realizar esse serviço. Por ter a maior base de conteúdo digital de bens de consumo com milhares de produtos disponibilizados para varejos de pequeno, médio e grande porte em todo o país, a Simplus foi escolhida pelos varejos da APRAS e agora também passa a ser acessada por supermercados paranaenses. “O varejo paranaense é um dos mais fortes do Brasil, por isso essa parceria é importante para a Simplus, que se

44 | sUperMiX | ediÇÃo 170

consolida como a principal fonte de conteúdo de bens de consumo com qualidade garantida do país”, ressalta o CEO da Simplus, Wellington Machado. O acesso a um único canal com informações e imagens de produtos era um desejo antigo dos varejos paranaenses que, até então, tinham dificuldade para encontrar dados com qualidade, disponíveis e centralizados. Mas, esse não é um problema exclusivo do Estado, e sim de todo o Brasil e de outros países inclusive. Conforme dados da GS1 do Reino Unido e Cranfield School of Management divulgados pela GS1 Brasil, os varejistas estão trabalhando com dados inconsistentes em mais de 80% dos casos, além de ter mais 60% dos códigos de barras duplicados. A imprecisão desses dados gera

problemas diversos como erros de pedido de compras, estoque virtual - gerando um super-estoque ou um sub-estoque - problemas de gerenciamento de categorias, ruptura de gôndola e falhas no planograma, entre outros. É justamente para atuar nesse cenário que o Comitê Comercial da APRAS fechou essa parceria com a Simplus. “Vamos evoluir em processos, eliminar erros de cadastro e ter uma base central de conteúdo. O tempo que hoje perdemos em cadastro usaremos para fazer negócios, fazer gestão, programar compras e formular campanhas para a indústria”, explicou Beal. Ele ressalta que havia uma perda de tempo muito grande da indústria e do varejo por causa da burocratização da transmissão de dados e na conclusão do cadastro.


especial supermix

No entanto, o novo processo que será implantado pela Simplus promete melhorar essa situação, como já vem ocorrendo em Santa Catarina, onde a empresa aplica o processo com os varejos da Associação Catarinense de Supermercados (ACATS). “Assim, já pegamos o barco andando, com várias empresas cadastradas e aproveitando a mesma base de informações e imagens de produtos iniciada em Santa Catarina”, destaca Beal. Ele também destaca a importância da colaboração dos supermercadistas paranaenses para o sucesso do projeto. “Quanto mais os supermercados pedirem para

as indústrias entrarem no processo e se cadastrarem junto à Simplus, com certeza muito antes teremos uma base mais completa e avançada”. A participação dos varejos é fundamental para que o novo processo continue crescendo e ganhando cada vez mais força no Paraná e em todo o Brasil. “A medida que a central de informações e imagens de produtos cresce, os varejos se beneficiam na mesma proporção. Quanto mais produtos publicados, mais rápida a transformação digital do varejo e maior o impacto na eficiência da operação” ressalta o CEO da Simplus, Machado.

Benefícios do novo processo A plataforma Simplus é gratuita para os varejos e oferece benefícios como: 1. Acesso a informações completas e com qualidade garantida; 2. Acesso a imagens de alta qualidade para o padrão de cada varejo; 3. Aviso automático de lançamentos, atualizações e inativações de produtos; 4. Agilidade nos processos comerciais e melhoria nos processos logísticos, fiscais, de marketing, planogramação, etc. 5. Geração automática de fichas de cadastro.

Laudo físico do código de barras Os problemas relacionados aos códigos de barra tendem a diminuir gradativamente no varejo paranaense com a parceria realizada pela Simplus. Isso porque o processo desenvolvido pela empresa contempla a validação física dos códigos de barra dos produtos, que leva em consideração tanto a qualidade da impressão dó código na embalagem, quanto o design, o contraste e o tamanho. A avaliação desses critérios está alinhada com o padrão internacional de qualidade do código de barras e tem como objetivo melhorar a experiência de compra do consumidor no ponto de venda, diminuir as filas nos checkouts e devolução de mercadorias. Atualmente, o varejo perde, em média, 26% de produtividade em seus checkouts por causa de

problemas na leitura do código de barras. Numa loja com dez caixas, por exemplo, isso representa 4,6 horas por dia, conforme estudo GS1 Brasil, que também constatou que cerca de 20% dos consumidores supermercadistas já ficaram insatisfeitos com códigos de barras de baixa qualidade. A Simplus é a primeira empresa brasileira a fazer a validação física do código de barras durante o processo de captura e validação das informações e imagens de produtos. Para isso, conta com um equipamento próprio, que emite um laudo sobre a situação do código de barras, que é enviado para os fornecedores com um alerta quando há problemas de leitura ou inconsistência. 45 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


apras em ação Workshop sobre ruptura da Apras e Abras lota auditório em Curitiba

A APRAS (Associação Paranaense de Supermercados) e a ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) realizaram em Curitiba, no dia 29 de agosto, um workshop sobre ruptura, que é a falta de um produto no momento da compra do consumidor. O evento contou com a participação de 00 pessoas, que lotaram o auditório e interagiram com os palestrantes. Todos puderam tirar suas dúvidas sobre o assunto em um debate no final das palestras. As inscrições foram gratuitas e o curso contribuiu para que os supermercadistas pudessem conhecer as causas e combater a falta de produtos em suas lojas. Jéssica de Oliveira, do Tropical de Piraquara, participou do evento para encontrar soluções para o próprio negócio. “Temos um problema de ruptura muito claro em nossa empresa e o evento foi muito válido. Os palestrantes nos deram uma luz e vamos tentar aplicar

as sugestões deles, que foram muito interessantes”. Camila Peters atua na área de gerência operacional e administrativa do Triunfo Supermercados e disse que o evento foi muito rico, já que trouxe pessoas com perfis diferentes. “O que mais me chamou a atenção foi o cálculo com a quantidade de produtos ideal para colocar na prateleira”, destacou. A ruptura representa um grande vilão nos supermercados, pois os consumidores que não encontram um item que desejam acabam não concretizando a compra e migram para outro estabelecimento. Por isso, cada vez mais os supermercados têm procurado conhecer o hábito de compra do consumidor para escolher um mix assertivo, além de conhecer as causas da ruptura para realizar uma gestão mais eficaz. O workshop foi uma grande oportunidade de otimizar os negócios e garantir bons resultados nas vendas.

Apras realiza Curso eSocial em Curitiba

Os participantes do curso “eSocial - Uma nova forma de registro de eventos trabalhistas” realizado pela Apras, em Curitiba, nos dias 27 e 28 de julho, registraram diversos elogios sobre o evento. Confira abaixo alguns depoimentos e não perca as oportunidades que a Apras oferece. Confira a agenda de evento da entidade no link: http://www.apras.org. br/eventos/ Solange Silva, coordenadora de RH do Condor “Curso esclarecedor e muito didático, melhorou e muito nossa percepção sobre o e-social, além do que o palestrante domina o assunto o que nos transmitiu mais conhecimento e tranquilidade no quesito e-social! Obrigada a Apras pela oportunidade!”.

Manoela, do RH do Super Pão – “O curso foi muito bom. O palestrante tinha bastante domínio do assunto, além de muitas informações atualizadas. Apesar de termos entrado na primeira fase do eSocial, algumas orientações passadas pelo mesmo irão somar ao conhecimento já adquirido na prática”. Um total de 60 pessoas aproveitaram dois dias de aprendizado com o especialista Luiz Antonio Medeiros, que apresentou os aspectos relacionados ao projeto eSocial e esclareceu as dúvidas dos participantes sobre o assunto. O curso foi idealizado para esclarecer sobre os pontos principais do projeto eSocial, visando capacitá-los a realizar a sua implantação.

Apras participa do seminário sobre Produção Integrada em Porto Alegre Convidada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento, a Apras - Associação Paranaense de Supermercados, participou do Seminário sobre “Sistema de Produção Integrada Agropecuária: Brasil Certificado”, que aconteceu nos dias 16 e 17 de agosto, em Porto Alegre. Na oportunidade, representando a Apras, o superintendente da entidade, Valmor Rovaris, falou sobre o trabalho da Apras no aperfeiçoamento da produção de FLV. Ele também destacou a importância da Produção Integrada (PI), que conta com o apoio da Apras desde de 2003. A PI trata-se de método de produção, que usa certificação e garante um FLV de qualidade, sabor, uso racional de defensivos agrícolas e maior tempo de prateleira. Toda a produção de frutas exportadas pelo Brasil usa PI e mais de 80% da produção da Europa e Estados Unidos, também. A produção de orgânico representa somente 1,5% da 46 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

produção Brasileira e 3% da Europa. Rovaris destacou ainda a importância da divulgação destas técnicas de produção, ainda pouco conhecidas no mercado interno e falou sobre a importância do marco regulatório da rastreabilidade do FLV no Paraná, destacando a importância da Resolução SESA 748/2014 da Secretaria de Saúde do Paraná - SESA, de 17/12/2014, que permite que o consumidor possa identificar os produtos das frutas, legumes e verduras que consome. O painel contou ainda com a participação de Luiz Eduardo Cidade, representando a AGAS, e Antonio Carlos Poletini, representando a Acats. Os demais painéis do Seminário debateram a importância da Produção Integrada (PI) e contou com a participação de produtores de PI, técnicos do Mapa, Professores dos cursos de agronomia e empresas de certificação.


apras em ação Inteligência de Mercado ajuda os supermercadistas a entenderem o consumidor A SA Varejo e a Apras (Associação Paranaense de Supermercados) realizaram no dia 20 de setembro, em Curitiba, o I Fórum Paranaense de Integração Varejo & Indústria, que abordou a importância de utilizar dados, informações e tecnologias para entender melhor os clientes e seus hábitos de compra. O diretor da Apras e do Festval, Carlos Beal, destacou no evento que todas as empresas deveriam praticar a inteligência de mercado. “Este evento nos trouxe novas ferramentas e tecnologias importantes. Isso nos ajuda a sair da zona de conforto, além de que vimos a necessidade de nos atualizarmos e nos modernizarmos rapidamente”, disse Beal. No evento, foi constatado que as empresas que utilizam dados e realizam ações estão tendo resultados excepcionais, como, por exemplo, a Amazon, a Netflix e o Uber já fazem. “As maiores empresas do mundo e as que mais cresceram nos últimos cinco anos, sem exceção, fazem o uso intensivo de dados e de tecnologias para alavancar as vendas”, afirmou o palestrante Lucas Marques, diretor de operações da Méliuz. Para o varejista seguir este mesmo caminho e atingir um resultado de faturamento através dos dados, Marques sugeriu o seguinte passo a passo: 1º - Identificar o cliente 2º - Organizar os dados 3º - Criar uma maneira de se comunicar com este cliente 4º - Fazer ações mais assertivas Um exemplo bastante utilizado hoje é a ferramenta de CRM, onde a empresa cadastra o cliente e começa a estabelecer uma comunicação com ele. “Já existem soluções mais avançadas que preveem algoritmos para fazer recomendações de produtos mais assertivas, que é a ideia de oferecer uma promoção específica para cada cliente”, contou Marques. Luciana Calegari, coordenadora de Gerenciamento de Categorias e Desenvolvimento de Categorias da Heineken, esteve no evento para apresentar os cases

da empresa. “Quando olhamos e entendemos mais o consumidor da categoria de cervejas, conseguimos abordá-lo de forma mais assertiva. Temos clientes que crescem 180% logo no primeiro mês, apenas corrigindo a exposição de produtos de maneira mais coerente”. A Vigor, que também apresentou seu case no Fórum, tomou a decisão estratégica de desenvolver queijos especiais no Brasil. Hoje, a categoria tem penetração em apenas 9% no mercado brasileiro, enquanto queijos como mussarela tem penetração de quase 80%. “A nossa estratégia para desenvolver a categoria começou com a ampliação do sortimento e desenvolvimento de estratégia de comunicação que aproxima o consumidor da categoria com ideias de diferenciação das receitas do dia a dia com o uso dos queijos especiais. Outras barreiras para aumento do consumo é que a categoria ainda e vista como cara por alguns consumidores, por isso nossa recomendação aos varejistas é trabalhar com fracionamento de 100 gramas, assim uma fatia de um queijo que custa R$ 80,00 irá custar R$ 8,00 e desembolsos menores fazem com que o consumidor arrisque mais”, disse a gerente de trade marketing da empresa, Lucieli Zambon. Outra empresa que falou aos supermercadistas no evento foi a DMCard, que entrega ao lojista uma solução de crédito para aumentar as vendas e fornece, ainda, um sistema de CRM que oferece acesso às informações de comportamento dos clientes e o que cada um consome por produto. A empresa também possui um aplicativo para que o varejista possa oferecer ofertas direcionadas ao seu cliente. “O mundo está em transformação e as pessoas fazem as suas escolhas de um jeito diferente. Precisamos entender como elas se comportam para poder tomar a melhor decisão de negócio. Neste sentido, é fundamental que o varejista entenda a cabeça do seu cliente, pois as ações e as estratégias que nos trouxeram até aqui não serão as mesmas que nos levarão adiante”, disse Maurício Meneghetti, gerente comercial da DMCard.

Apras regional Oeste realizou jantar com palestra Realizado no dia 27 de julho, o jantar da Apras Regional Cascavel, reuniu 230 convidados, entre supermercadistas, fornecedores e representantes da Região Oeste. O evento aconteceu na Churrascaria Panorâmica e contou com uma palestra do Professor Liévore sobre “O Líder do Varejo de Sucesso”.

47 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


apras eM aÇÃo CPAR-PR realiza reunião sobre Prevenção de Perdas na Apras O Comitê de Prevenção de Desperdícios e Perdas da APRAS (CPR-PR) realizou no dia 27 de setembro uma reunião para debater o assunto com diversos especialistas. A reunião foi coordenada pelo Éder Motin. Esteve presente no evento Sergio Camargo, Gerente de Pré Medidas - IPEM, que falou sobre o controle da quantidade, qualidade e segurança dos produtos e serviços comercializados no Paraná, dando ênfase aos produtos Perecíveis. A reunião também contou com a participação da Priscila Andrade, Coordenadora de Pesquisas da Fecomercio, que trouxe o resultado de

pesquisas referentes às compras e qual o impacto que a greve dos caminhoneiros trouxe para o setor. Alguns supermercadistas também apresentaram os seus cases de sucesso, como o Jacomar, representado pelo Miguel Pereira Neto, Gerente de Prevenção de Perdas da rede, que falou sobre o “Projeto Recicle” (Redução de Quebras que une questões sociais, econômica e ecológica. Também foi apresentado o case do Condor pelo seu Coordenador de Prevenção de Perdas, Ederson Eduardo Alves, que falou sobre Controle de Rupturas.

Regional de Ponta Grossa e Irati realizaram Jantar comemorativo ao Dia dos Pais Com o objetivo de comemorar o Dia dos Pais, a Apras Regional de Ponta Grossa e Irati realizaram neste dia 29 de agosto, no Buffet Hamilton Alves Pinto, um jantar para 250 pessoas. O evento foi patrocinado pelas empresas Isabela, Aurora, Alegra, Frimesa, Óleo Leve, RP Info, Orquídea, Natural One, DMCard e a Femsa (Heineken - Coca-Cola).

Academia Apras e Copacol realizam curso para pessoas com deficiência Com o princípio de que todos são iguais, a Copacol e a Academia Apras realizaram um encontro entre as APAE’s (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) das cidades de atuação da Copacol com a equipe de Gestão de Pessoas e o Copacol Supermercados neste dia 10 de setembro. Já no segundo dia do encontro, os 18 alunos puderam conhecer as instalações do Copacol Supermercados de Cafelândia, onde atuam diversos colaboradores com deficiência e puderam tirar dúvidas sobre o funcionamento de cada setor. “No primeiro dia nos encontramos na Aercol de Cafelândia e esboçamos assuntos voltados ao desenvolvimento pessoal e profissional de cada aluno. Estes assuntos foram tratados, por meio de dinâmicas e com a contribuição dos colaboradores com deficiência que deixaram um breve depoimento da transformação que o trabalho feito na Copacol realizou em sua vida”, relatou o instrutor Lourenço Paulo da Silva. “O treinamento foi de grande valia, não só pelos alunos, mas para mim também, pois não sou mais a mesma pessoa de quando iniciou este encontro. Eles são muito carismáticos e nos oferece um novo olhar para a vida”, disse o assistente de Gestão de Pessoas da Copacol, 48 | sUperMiX | ediÇÃo 170

Eduardo dos Santos. Ele acrescentou, ainda, que o treinamento foi fundamental para que eles pudessem ver a necessidade de toda a sociedade trabalhar melhor a questão da inclusão, não apenas com relação ao trabalho, mas também na convivência social. “Eles viram os nossos PCD’s trabalhando em nossa loja em Cafelândia, o que provou a capacidade deles e os motivou a ter interesse e força de vontade para evoluir ainda mais”.


apras em ação Prefeitura amplia oferta de PEVs em parceria com mercados Parceria com a Associação Paranaense Supermercados garantiu a oferta de PEVs em novos pontos da cidade, passando de 8 para 18 PEVs em mercados A Prefeitura de Ponta Grossa, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, realizou hoje a entrega dos novos Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) que estarão instalados em 18 supermercados e mercados da cidade, numa parceria com a Associação Paranaense Supermercados (APRAS). As novas estruturas estão confeccionadas em modelos com capacidade de 24m³ e 12m³, adesivados com a nova campanha de conscientização da coleta seletiva, o mascote PEVman. “O programa da coleta seletiva já é um sucesso em Ponta Grossa, porque já contempla toda a cidade. Mas queremos aumentar ainda mais a adesão da população, garantindo que ela tenha acesso através da coleta e também com mais PEVs em pontos estratégicos, como os mercados. Essa parceria com a APRAS é fundamental, especialmente agora que temos um novo mascote para incentivar e conscientizar sobre a importância de separar o material reciclável para descartar corretamente”, avaliou o prefeito Marcelo Rangel. De acordo com a presidente da Regional de Ponta Grossa da Apras, Lilian Cristiane Cataneo, é importante que, quando se trata de preservação do meio ambiente, os supermercados estejam trabalhando juntos. “Com estes PEVs novos, a população poderá aproveitar a vinda até os mercados para já descartar embalagens e outros materiais recicláveis. São 18 pontos em todas as regiões da cidade, então não tem desculpa para não fazerem a sua parte com a separação dos resíduos em todas as casas”, comenta a presidente da Apras. Com a ampliação de pontos de coleta nos mercados, a cidade conta hoje com mais de 150 PEVs espalhados em pontos estratégicos do município, como região central e saídas de escolas e Cmeis. “O mais importante é que além de proteger o meio ambiente, com a destinação correta desses materiais, os PEVs também garantem a subsistência de cerca de 100 famílias que trabalham nas associações de recicladores, então é um trabalho em várias frentes”, destaca o secretário de Meio Ambiente, Paulo Barros.

A entrega simbólica dos novos PEVs aconteceu no Hipermercado Condor da Nova Rússia. Além dele, o Oba Atacadão, em Uvaranas, também já recebeu a estrutura finalizada. Os outros supermercados contemplados com a estrutura receberão os PEVs gradativamente ao longo dos próximos dias. “Essa ampliação mostra o que queremos para o nosso município, um crescimento com a preservação do meio ambiente, um mundo mais verde. Algo simples como estrutura como essa pode causar um grande impacto em nossa realidade, se bem aproveitado. Estamos trabalhando para aumentar o sucesso da coleta seletiva, que é alcançar a educação ambiental de toda nossa população”, aponta a viceprefeita, Elizabeth Schmidt. Na solenidade, também estiveram presentes representes da rede Condor de Supermercados e dos Supermercados Tozetto.

Confira os novos pontos: Supermercado Jasinski – Vila Madureira Supermercado Agricer – Vila São José Supermercado Muffato – Nova Rússia Supermercado Muffato – Olarias Hipermercado Condor – Nova Rússia Hipermercado Condor – Oficinas Supermercado Slonik – Vila Coronel Cláudio Supermercado Fiebig – Vila Coronel Cláudio Supermercado Ponto Verde – 31 de Março Supermercado Faisão – Núcleo Pitangui Supermercado Faisão – Jardim Pontagrossense JS Supermercado – San Martin Oba Atacadão – Uvaranas Supermercado Cipa – Contorno Leste Supermercado Tozetto - Oficinas Supermercado Tozetto – Vila Estrela Supermercado Tozetto – Jardim Carvalho Supermercado Tozetto - Uvaranas 49 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


academia apras PROJETO ENCADEAMENTO PRODUTIVO Empresas que fazem parte de Central de Negócios buscam profissionalização para trabalhar de forma cooperativa Os empresários da Rede Forte que estão participando do Projeto Encadeamento Produtivo, ministrado na cidade de Renascença, puderam aproveitar mais um trabalho aplicado pela Academia da Apras; o Módulo IV: Gestão Administrativo-Financeiro. O objetivo é que os empresários desenvolvam um conjunto de técnicas fundamentais para controle de custos de produtos e serviços, tributação na compra e venda, margens de lucros e formação do preço para a uma boa venda. Como também conhecimentos essenciais para uma boa administração financeira, buscando otimizar a utilização dos recursos disponíveis, conhecendo o seu lucro real e analisando a evolução do seu patrimônio Todos os empresários receberam visitas técnicas de professores que puderam auxiliá-los de forma específica entre junho e julho. Tiveram aulas bastante complexas e exercícios, com muitos questionamentos e dúvidas que foram muito bem explicadas pelos professores Anderson Bacicheti, Bruno Marsola e Lawrence de Sá

que, com grande experiência e grande propriedade, ministraram os cursos nos meses de julho, agosto e setembro respectivamente. Os professores atuam como consultores e com conhecimento específico na área de supermercados. Este trabalho que segue até o final do ano com 34 supermercadistas participantes e tem como objetivo desenvolver e adequar os empresários de microempresas para a realização de negócios competitivos, qualificando todos os envolvidos através de um assessoramento empresarial coletivo e individual. Este projeto foi criado pelo Sebrae em parceria com a Apras que, tem o objetivo de cuidar da programação do Curso Vivencial com sua grade de professores capacitados, com o desafio de treinar os empresários em conjunto e separados.

PALESTRAS: Palestra eSocial: A Interação com a Receita

Em junho os associados da Apras de Curitiba e Região participaram da Palestra “eSocial: A Interação com a Receita”. Um trabalho que foi ministrado com no auditório do SEBRAE de Curitiba pelo consultor e professor Antonio Augusto Rodrigues Junior que, é contador, advogado especialista em Departamento

Pessoal e grande experiência na área supermercadista. Estavam presentes proprietários, profissionais de RH e Depto Pessoal, contadores, gerentes e outros interessados no conhecimento da aplicabilidade da lei. A palestra abordou sobre as dificuldades enfrentadas pelo

setor de Recursos Humanos e Departamento Pessoal e também das dificuldades do Contador. Incentivou que o RH e a Contabilidade trabalharem em conjunto para que com grande integração e comunicação, possam passar as informações corretas e devidas para a receita.

COMITÊS: Comitê de RH A Apras - Associação Paranaense de Supermercados realizou reuniões do Comitê de Recursos Humanos nas cidades de Maringá e Londrina. O Comitê tem como objetivo informar e incentivar os empresários e profissionais de Recursos Humanos a trocar informações de grande relevância no setor supermercadista, além de conhecer novidades, prever mudanças e compartilhar vivências e atitudes pertinentes à categoria. Este comitê em especial teve o intuito de informar sobre as várias mudanças trazidas pela Reforma Trabalhista e em especial o eSocial. Estavam presentes proprietários,

50 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170

profissionais de RH e Depto Pessoal, Contadores, Gerentes e outros interessados no conhecimento desta lei. O trabalho foi realizado pelo professor Rivelino de Jesus Bugica que é formado em administração, direito e especialista em Gestão de Pessoas, trabalha como consultor em grandes empresas de varejo, incluindo os supermercados. Realiza cursos de Auditoria e Legislação trabalhista aplicando Gestão de Pessoas, entre outros vários trabalhos.


academia apras CURSOS DE GESTÃO: Curso Formação Gerencial Varejo Turma Irati – T46 O Curso de Formação Gerencial segue na cidade de Irati – Turma 46 e se cumprem os dois últimos módulos do curso. Os alunos passaram pelo Módulo de Gestão Estratégica com as professoras Cleia Franczack (Logística) e Raquel Zarpellon (Sustentabilidade); Seguiram com o Módulo de Gestão AdministrativoFinanceiro ministrados pelas professoras Cleidiane Krindges (Gestão da Tecnologia) e Lawrence de Sá (Administrativo-Financeiro). As aulas do último Módulo sobre Gestão Operacional estão sendo ministradas com a intenção de encerrar o curso ainda em outrubo.

que orientou na Formação de Preços de Venda. A turma já iniciou o 2º Módulo: Gestão de Pessoas que se conclui em 2018, dando continuidade às aulas em 2019.

Novas turmas dos cursos estarão iniciando em 2019 em Cascavel, Maringá e Curitiba. Informe-se onde estarão sendo ministrados os cursos!

Turma Curitiba – T47 O Curso de Formação Gerencial de Curitiba iniciou no dia 11 de julho de 2018. O trabalho começou sendo ministrado por Flávio de Paula que falou sobre Análise Econômica e Tendências do Varejo. A turma deu sequencia com o 1º Módulo: Gestão de Pessoas, com o auxílio do Ronaldo Rangel, em Perfil Gerencial, usando técnicas de Coaching; Adriane Werner com a Oficina de Comunicação de Líderes e Fernando Luiz Rodrigues auxiliou sobre a Legislação Trabalhista. No 2º Módulo: Gestão Estratégica as aulas já iniciaram com Marketing, ministrado pela professora Eliane Doin. Este módulo segue até novembro e os alunos dão continuidade ao trabalho em 2019.

Curso de Substituição Tributária Os associados Apras da região de Londrina pediram o curso de Substituição Tributária e foi ministrado em julho pelo professor Antonio Augusto Rodrigues Junior, que é contador, advogado especialista em departamento pessoal e na área supermercadista como um todo. O curso esclarece os principais procedimentos relacionados às novas operações sujeitas ao regime de substituição tributária para os varejistas (Alimentos; Materiais de Limpeza; Utilidades Domésticas; Produtos de Papelaria). Apresentar de forma dinâmica e prática técnicas de precificação estratégica, alocação de impostos sobre os preços, análise de margens e modelos otimizados com foco em redução da carga fiscal. Estavam presentes proprietários, contadores, compradores, gerentes e setor administrativofinanceiro e outros interessados no conhecimento que aproveitaram os exercícios que o professor trouxe e realizaram um trabalho vivencial com a turma.

Turma Londrina – T48 O Curso de Formação Gerencial de Londrina iniciou no dia 19 de julho de 2018. O curso começou com o professor Erick Dawson que abordou sobre Análise Econômica e Tendências do Varejo. A turma deu sequencia com o 1º Módulo: Gestão Comercial, com o auxílio do professor Lourenço Silva, em Prevenção de Perdas; o professor Christian Nogarotto, com Gestão de Compras e Vendas e o professor Anderson Bacicheti, 51 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


acadeMia apras Curso Gestão de Categorias O Curso de Gestão de Categorias foi ministrado na Apras de Curitiba em julho pelo professor Flávio de Paula, consultor empresarial especialista em gestão operacional de loja e vendas, com mais de 25 anos de experiência no setor, já na cidade de Cascavel duas turmas foram capacitadas em outubro pelo professor Christian Nogarotto, consultor na área de controladoria, compras, vendas, planejamento estratégico, gestão de operações e custos. O objetivo do curso é preparar profissionais que se

baseiam em fatos e dados, se relacionam intimamente com outros setores da empresa, para comprar com mais eficiência e menor custo, e procuram entendimento com os fornecedores favorável às vendas, ao lucro e a satisfação do consumidor. O curso foi anunciado e a procura foi intensa pelos supermercadistas, compradores, gerentes de loja, estoquistas e outros interessados. O trabalho foi muito bem avaliado e novas turmas serão capacitadas até o final do ano de 2018.

CURSOS TÉCNICO-OPERACIONAIS: Cursos de Comunicação Visual I: Básico de Cartazista Antonio Celso dos santos ministrou o curso de Cartazista para a Apras de Londrina no dia 18 de junho e, em Curitiba também capacitou outra turma na sede da Apras no dia 12 de setembro. Os alunos aprenderam a Técnica do Cartazeamento; puderam confeccionar cartazes o dia todo sob orientação do professor, segundo as regras do Código de Defesa do Consumidor. A Apras tem contado com o auxílio de bons professores e de empresas que investem em educação no setor supermercadista. Os alunos estão utilizando material como as tintas METIQ para trabalhar em sala de aula. Um material de grande qualidade, sendo uma empresa que tem dado apoio para a Academia da Apras em todo o estado há 12 anos. Também contatos com o apoio dos colegas das regionais da Apras para convidarem os associados e anunciar todo o trabalho. 52 | sUperMiX | ediÇÃo 170


acadeMia apras Curso Técnico - Operacional Básico Padaria A Apras em parceria com a Indústria de Trigos Anaconda setor de padaria, confeitaria e interessados, dirigido realizou o Curso Técnico-operacional Básico de Padaria para profissionais auxiliares no setor e também aqueles 1 nos dias 18, 19, 25 e 25 de setembro de 2018. O curso interessados em aprender nova função em loja. foi ministrado pelos técnicos em panificação, Jeferson Trevizan e Ronaldo Martins. Ambos atuam na área de panificação com muita experiência, e são instrutores de panificação em todo o Brasil para atender os clientes do Moinhos Anaconda. Um trabalho que tem como objetivo fortalecer informações teóricas e desenvolver na prática novos profissionais para atuar na base da seção de Padaria. Um curso totalmente prático para colaboradores do Curso de Prevenção de Perdas – 08hs O Curso de Prevenção de Perdas foi realizado nos meses de agosto, setembro e outubro para atender empresários de todo o estado do Paraná. O trabalho deu início com as turmas de Ponta Grossa, no dia 13 de agosto na sede da Apras e com a turma de Irati no dia 15 de agosto. Ambas as turmas foram ministradas por Lourenço da Silva, que é Consultor empresarial com mais de 35 anos de experiência em Gestão de supermercados, que deu ênfase na parceria que deve existir entre o setor de prevenção, setor de compras e os gestores de loja. No mês de agosto o curso foi ministrado nas cidades de Francisco Beltrão no dia 20 de agosto, na cidade de Realeza, no dia 21 de agosto, em Guarapuava, no dia 22 de agosto e em Curitiba, no dia 27 de agosto. Este trabalho foi concluído com uma carga horária de 08hs e com um público focado, o que facilitou a participação dos colaboradores de loja

que foram incentivados e levados para a sala aula pelos empresários. O Curso tem como objetivo, Conhecer e Aplicar os principais aspectos da moderna Prevenção de Perdas no varejo supermercadista, focado para Gestores de Loja, Líderes de todos os setores, área de Desperdícios e Perdas e colaboradores em geral. No mês de setembro o professor Lourenço Silva ministrou o curso de Prevenção de Perdas em Maringá, no dia 18 de setembro. No dia 03 de setembro o professor Flávio de Paula Consultor Empresarial especialista em Gestão Operacional de Loja e Vendas, com mais de 25 anos de experiência no setor e grande informação sobre as técnicas de controle de estoque e organização de loja; o que leva diretamente à prevenção realizou o curso em Curitiba. O resultado foi espetacular, por isto novas turmas aguardam o curso, inclusive curso in company. Mais turmas serão abertas até o final do ano, e a notícia da qualidade do trabalho já se espalhou pelo estado. As inscrições já estão abertas nas cidades de Cascavel, Curitiba e litoral. Entre em contato na matriz ou regional e faça seu pedido, inclusive se quiser treinar sua equipe inteira.


academia apras CURSOS IN COMPANY: Curso Rede Bom Dia: Básico de Cartazista A Rede Bom Dia de Supermercados pediu para a Academia da Apras o Curso de Comunicação Visual I: Básico de Cartazista. O Prof. Antonio Celso dos santos ministrou o curso para os supermercados da Rede em Maringá e região. O Curso foi realizado em local adequado pela Rede e com uma sala cheia no dia 20 de setembro de 2018. Os alunos aprenderam a Técnica do Cartazeamento, puderam confeccionar cartazes o dia todo, sob orientação do professor e segundo as regras do Código de Defesa do Consumidor.

Curso Supermercado Paraná: Prevenção de Perdas A rede de Supermercados Paraná de Campo Mourão proporcionou treinamento aos seus colaboradores em sala de aula própria no dia 19.09. Foi ministrado o Curso de Prevenção de Perdas pelo prof. Lourenço Silva. O professor esteve ministrando este trabalho em todo o estado e pode passar a eles muita experiência. Os alunos participaram intensamente do curso, proporcionando grande satisfação ao proprietário.

Os trabalhos In company da Academia da Apras tem o objetivo de chegar mais perto da necessidade do seu associado. Nos últimos 2 meses tivemos o privilégio de atender a Copacol de Cafelandia, a Rede Bom Dia de Maringá e Supermercados Paraná de Campo Mourão. Todos investiram o tempo e o custo para melhor capacitar seus líderes e colaboradores. Novas redes aguardam o trabalho até o final de 2018.

Procure a equipe da Apras para pedir uma proposta de curso. Nós iremos atendê-lo e focar os trabalhos na sua necessidade. Um trabalho que poderá ser realizado na sua cidade e dentro da sua loja A Programação dos Cursos da Academia Empresarial APRAS pode ser vista no site www.academiaapras.com.br

CONTATOS: Curitiba e litoral: Cristiane no fone (41) 3263-7000 / e-mail: academia@academiaapras.com.br Ponta-Grossa e Irati: Anita no fone (42) 3236-3077 / e-mail: pontagrossa@apras.org.br Pato Branco: Andréa no fone (41) 3263-7000 / e-mail: andrea@academiaapras.com.br Cascavel: Laila no fone (45) 3223-9995 / e-mail: cascavel@apras.org.br Londrina: Priscila no fone (43) 3323-7935 e-mail: londrina@apras.org.br Maringá: Andréa no fone (41) 3263-7000 / e-mail: andrea@academiaapras.com.br Guarapuava: Andréa no fone (41) 3263-7000 / e-mail: andrea@academiaapras.com.br Norte Pioneiro: Andréa no fone (41) 3263-7000 / e-mail: andrea@academiaapras.com.br Se você quer levar o curso para sua cidade, entre em contato com a regional mais próxima.

54 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


apras eM aÇÃo

Conveniado Apras Um projeto de parceria com fornecedores

Em 2018, as empresas que se tornarem conveniados da Apras terão muitos benefícios. Além da proximidade com os supermercadistas associados da entidade, as empresas terão muitos benefícios: Prioridade de parcerias em fóruns, jantares e palestras Desconto de participação na Feira Mercosuper Aumento de Benefícios aos nossos Associados, favorecendo as negociações com o parceiro conviado Condiçoes especiais nos produtos Apras, para o conveniado Proximidade com associado Apras, que representa 95% do faturamento do setor Conveniado MixFiscal, plataforma online de monitoramento diário sobre produtos. Fornecendo classificação fiscal e tributária, através da maior base de dados do Brasil. Serviço integrado ao Monitoramento de Cadastro, revisando as apurações de PIS e COFINS de cada produto comercializado. Michele Mendes Consultora de Consórcio de Investimento Imobiliário michele.ademilar@hotmail.com www.compracomconsorcio.com.br 41 - 99847-4471 Entre em contato com o nossa equipe comercial, e, saiba mais sobre a proposta que a Apras tem para sua empresa. Khailany Raquel Cardoso – comercial@apras.org.br ou comercial2@apras.org.br Telefone : 41 3263 7000 / 41 99638 8100 55 | sUperMiX | ediÇÃo 170


novidades nas gôndolas A Novilho Nobre tem na sua essência fornecer novidades Se diferenciar, apresentar exclusividades, e gerar boas opções aos clientes e consumidores. Os itens da “Linha Boteco”, são velhos conhecidos, vendidos em larga escala, em padarias, lanchonetes e pequenos pontos de venda. Sabendo dessa realidade a Novilho Nobre, começou a produzir os famosos Bolinhos de Carne e Kibe, são perfeitos para transformadores, excelente para revendedores. O Bolinho de carne tem como principal diferencial o uso de aveia na sua formulação, que deixa o produto muito mais saudável. O Kibe é uma versão maior do já aclamado e bastante conhecido mini-kibe da Novilho Nobre.

Biscoitos Orquídea de cara nova As embalagens de biscoitos laminados Orquídea 400 gramas foram redesenhadas para que a identificação do produto fosse mais objetiva no ponto de venda. A mudança aconteceu após a realização de um estudo, através de uma pesquisa com consumidores finais, que apontou as melhorias que poderiam ser feitas. A janela frontal foi retirada dando mais expressão à cor do produto e o lettering foi centralizado, recebendo maior destaque. A qualidade e sabor que você já conhece só que agora de cara nova!

Massas Orquídea: novas embalagens deixam a linha ainda mais prática As embalagens de massas Orquídea foram redesenhadas e estão ainda mais práticas. Dando voz ao seu público, a empresa resolveu atender ao pedido feito durante uma pesquisa: mais praticidade nas embalagens. A embalagem da Massa Pratica Orquídea agora tem um medidor de porções, destaca o tipo de corte da massa e o tempo de cozimento. A mudança já pode ser vista nas embalagens de massas Grano Duro, Integral e Tricolore com Vegetais.

56 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


novidades nas gôndolas TRES lança linha Safras Especiais A TRES, marca da máquina de espressos e multibebidas do Grupo 3corações, apresenta seu lançamento de espressos, com grãos produzidos nas principais regiões produtoras do País. São quatro blends de variedade 100% arábica, exclusivos para qualquer modelo das máquinas multibebidas da TRES e tornam o momento da degustação ainda mais especial. O Matas de Minas, produzido em Alto Caparaó (MG), tem sabor e doçura intensos, corpo marcante e finalização prolongada e prazerosa, com notas de amêndoas e nozes e aroma levemente cítrico. Já o Chapada Diamantina, produzido em Piatã (BA), traz um sabor adocicado com notas frutadas e de cacau, corpo aveludado, acidez média e finalização prolongada. O Cerrado Mineiro, produzido na região homônima, é adocicado e traz aroma e sabor florais, notas de chocolate e corpo denso e cremoso. Vem de uma safra cultivada na região do Cerrado Mineiro, que tem estações bem definidas, com verão quente e úmido e inverno agradavelmente seco. Para completar a experiência, o Mogiana Paulista, produzido na região que leva o nome do blend e criado a partir de grãos exclusivos e nobres, tem acidez média, corpo intenso e notas adocicadas de nozes, amêndoas, frutas secas e cacau.

Kombucha reforça o pilar de inovação da marca Campo Largo Produto artesanal e milenar, a Kombucha começa a ser produzida para distribuição nacional pela primeira vez no Brasil pelas mãos da Famiglia Zanlorenzi. Obtida por fermentação natural em duas etapas, a fabricação da Kombucha inicia em uma base de chá verde, onde é adicionado o S.C.O.B.Y. (a sigla de Symbiotic Culture Of Bacteria and Yeast, que em português significa cultura simbiótica de bactérias e leveduras), um conjunto de bactérias e leveduras reunidos em uma massa similar a uma panqueca. O grande diferencial da Kombucha Campo Largo é a refrescância e o sabor, este um dos pilares da marca. Para potencializar o paladar e ainda assim manter as baixas calorias, a Kombucha é equilibrada com a stevia, um adoçante natural, para suavizar a sua característica sensorial um pouco avinagrada, devido ao seu processo de fermentação natural.

57 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


novidades nas gôndolas Parati lança dois novos sabores do refresco em pó Trink A Parati - fabricante de biscoitos, refrescos, massas e outros segmentos, adquirida pela Kellogg em 2016, reforça o portfólio dos refrescos em pó Trink com o lançamento de dois novos sabores: Melancia e Mix Tropical. Prático, refrescante e com o verdadeiro sabor da fruta, o refresco em pó pode ser usado para acompanhar refeições ou até na elaboração de sobremesas. “A Parati tem como principal objetivo desenvolver produtos que surpreendam os consumidores da marca - unindo, sempre, sabor e qualidade”, afirma Damian Pirichinsky, diretor de Marketing Mercosul da Kellogg/Parati.

La Violetera lança embalagem de 200g da ameixa seca sem caroço A La Violetera – importadora paranaense de alimentos que completa 90 anos de história em 2018 – estende a linha de ameixa seca sem caroço com a nova embalagem de 200g, versão pacote. Até então a marca disponibilizava aos consumidores o pacote de 100g e o pote de 200g. A ameixa seca é um alimento nutritivo e saboroso e muito importante para a manutenção da boa saúde. A fruta estimula o bom funcionamento do intestino, pois é rica em fibras e ótima fonte de vitaminas. Além disso, a ameixa é rica em boro nutriente essencial para garantir ossos saudáveis - e anti-oxidantes. Aliada a uma dieta saudável, é um poderoso ingrediente para garantir benefícios importantes à saúde.

Pitlak lança produto direcionado para crianças Decorar o bolo do jeito que quiser. Abusar das cores e dos confeitos. Qual criança não gosta disso? Com o propósito de interagir e de mostrar que a cozinha também pode ser uma diversão, a Pitlak Bakery Solutions lança no mercado o Bolo Mini Chef. Um pão de ló molhadinho de chocolate e recheado de brigadeiro, bisnagas de Chantilly com três cores diferentes, e dois sachês de confeitos coloridos, tudo dentro de uma embalagem interativa apresentada pelos personagens Leko e Pit. Assim, as crianças entram no mundo da confeitaria, despertam a criatividade e criam diversas decorações. Para encontrar o Bolo Mini Chef, o consumidor pode se dirigir nos principais supermercados, ou entrar em contato pelo site www.pitlak.com.br .

58 | SUPERMIX | EDIÇÃO 170


Presente nas Mídias:

Distribuição:

Tamanhos disponíveis:

SP PR Rádio

Internet

SC

15

30

50

100

150

Produtos desenvolvidos para pessoas exigentes. Fortsac Indústria e Comércio de Embalagens LTDA. Acesse www.sacoparalixo.com ou ligue para (41) 3338-1629.

Supermix 170  

Ruptura - Saiba como combater este vilão das vendas

Supermix 170  

Ruptura - Saiba como combater este vilão das vendas

Advertisement