__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

1

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC / RJ CENTRO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO – CTE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TURMA MORAN

ANTONIA ALVES PEREIRA

CURSOS NUMA ABORDAGEM EDUCOMUNICATIVA E SÓCIOINTERACIONISTA NO EAD.APRENDAKI

RIO DE JANEIRO 2008


2

ANTONIA ALVES PEREIRA

CURSOS NUMA ABORDAGEM EDUCOMUNICATIVA E SÓCIOINTERACIONISTA NO EAD.APRENDAKI

Projeto apresentado como requisito parcial de conclusão do curso de pós-graduação em Educação a Distância, no SENAC – RJ, para obtenção do grau de especialista.

Orientador (a): Prof Marco Paulini

Rio de Janeiro 2008


3

ANTONIA ALVES PEREIRA

CURSOS NUMA ABORDAGEM EDUCOMUNICATIVA E SÓCIOINTERACIONISTA NO EAD.APRENDAKI

Projeto apresentado como requisito parcial de conclusão do curso de pós-graduação em Educação a Distância, no SENAC – RJ, para obtenção do grau de especialista.

Aprovado em ......... de abril de 2008

BANCA EXAMINADORA Prof Ms. Marco Paulini (Orientador –Senac/RJ)

Prof.xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Profª Dra. Maria Céri Amaral (Coordenadora do CTE – SENAC/RJ)

Rio de Janeiro 2008


4

DEDICATÓRIA

Dedico este projeto aos inúmeros esforços que o NCE/USP, principalmente, o professor Ismar de Oliveira Soares, vem realizando para a constituição do novo campo de intervenção social denominado “Educomunicação”...


5

AGRADECIMENTOS

Agradecer é uma atitude fundamentar de reconhecimento de algo sublime que acontece no interior do ser humano e o desafia para uma possibilidade superior. Sendo assim, não posso deixar de agradecer... A minha família por ter caminhado comigo durante este percurso de estudo produtivo... À equipe do Portal Educacional Aprendaki que tem esperado com expectativa esse projeto que fundamenta a atuação de seu programa de EAD numa abordagem inédita como a educomunicação... Aos meus colegas do curso de especialização que provaram que, apesar da distância, é possível constituir comunidade de aprendizagem focada na interatividade e no compromisso... Aos tutores e Coordenação Pedagógica que nos acompanharam durante o percurso, apontando caminhos, desafiando o construído para que o aprendizado fosse edificado.


6

EPÍGRAFE

O

conceito

de

educomunicação

é

um

caminho viável de ser percorrido pelos que desejam rever suas práticas educativas. (SOARES, 2006).


7

RESUMO

Este projeto é a organização do Programa de Ensino a Distância do Portal Educacional Aprendaki, denominado EAD.Aprendaki que seguirá seu percurso oferecendo cursos livres a educadores de todo o território nacional mediante a modalidade de ensino a distância. Sua fundamentação teórica justifica a escolha da abordagem pedagógica “sociointeracionista” e “educomunicativa”, contextualiza o programa na legislação da EAD no Brasil e delineia a estruturação do AVA, bem como sua equipe multidisciplinar, público-alvo e currículo das Unidades de Aprendizagem.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino a Distância; Educomunicação; Sóciointeracionismo; Capacitação de Educadores.


8

ABSTRACT

This project is the organization of the remote teaching program from Portal Educacional Aprendaki, named EAD which will go out to offer independent courses to educators from all over the country using a remote teaching method. Its theorical basis justifies the choice for a “socio-interactionist” and “educommunicative” approach, places the program into the EAD legislation in Brazil, and outlines the structure of AVA, as well as your multidisciplinary team, target public and curriculum of the Training Units.

KEY-WORDS: Remote Teaching, Educommunication, Socio-Interactionism, Capacitation of Educators


9

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ................................................................................................ 10 2. JUSTIFICATIVA .............................................................................................. 12 3. OBJETIVOS .................................................................................................... 15 3.1. Geral ........................................................................................................ 15 3.2. Específicos .............................................................................................. 15 4. METAS ............................................................................................................ 15 5. PÚBLICO-ALVO ............................................................................................. 16 6. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ...................................................................... 17 7. METODOLOGIA ............................................................................................. 23 7.1. Estrutura do AVA.Aprendaki ....................................................................25 7.2. Mídias Empregadas / Material Didático .................................................. 26 7.3. Avaliação ................................................................................................ 26 7.3.1. Avaliação dos Participantes .......................................................... 26 7.3.2. Avaliação do Curso ........................................................................ 28 7.3.3. Avaliação do AVA.Aprendaki ..........................................................28 7.4. Certificado ............................................................................................... 29 7.5. Instalação da Plataforma ......................................................................... 29 7.5.1. Tela de Abertura do AVA.Aprendaki .............................................. 32 7.5.2. Tela de Abertura dos Cursos ..........................................................34 8. RECURSOS ................................................................................................... 36 8.1. Recursos Humanos ........................................................................... 36 8.2. Recursos Tecnológicos ...................................................................... 38 8.3. Recursos Materiais ............................................................................ 38 8.4. Recursos Financeiros ........................................................................ 39 9. CRONOGRAMA ..............................................................................................40 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................... 42 11. REFERÊNCIAS .............................................................................................. 43 12. ANEXOS ........................................................................................................ 45 12.1. Anexo A – Discuta com sua Turma na Internet ..................................... 45 12.2. Anexo B – EAD.Aprendaki e sua Equipe Multidisciplinar ...................... 52 12.3. Anexo C – Primeiro Curso: Saberes e Coordenação Pedagógica ........ 56 12.4. Anexo D – Proposta ao Patrocinador – R.S.E. ..................................... 78 12.5. Anexo E – Formulário de Inscrição do Cursista .................................... 80


10

1. INTRODUÇÃO / APRESENTAÇÃO DO PROJETO

A criação de uma metodologia de ensino para o Portal Aprendaki justifica-se por ser uma resposta à demanda de educadores de todo o território nacional que busca formação continuada para aprimorar sua ação de docente em meio aos desafios cotidianos aliados a uma jornada dupla de trabalho. Acredita-se que a metodologia mais pertinente ao desenvolvimento desse programa de oferecimento de cursos livres para a formação continuada de educadores via on-line torna-se mais pertinente a partir de uma proposta de ensino a distância moldada sob o prisma da Educomunicação1. A fundamentação teórica dessa proposta constitui-se em torno da abordagem sóciointeracionista de Vygotsky, do “Ensino Baseado no Desempenho” de Carl Rogers, da Educomunicação estudada pelo Núcleo de Comunicação e Educação (NCE) da Universidade de São Paulo (USP), uma vez que já foi testada pelo NCE em projetos educomunicativos realizados em São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás através dos projetos “educom.rádio” e “educom.rádio.centro-oeste”2 e “Educom.TV”3 em parceria com o Ministério da Educação e da Secretaria de Estado de Educação de São Paulo. Principalmente, quanto ao projeto “Educom.TV” o professor Ismar de Oliveira Soares se mostra otimista em relação aos resultados obtidos: “o conceito de educomunicação é um caminho viável de ser percorrido pelos que desejam rever suas práticas educativas”. (SOARES apud SILVA, 2006:104).

1

É uma aproximação intencional entre as áreas da Comunicação e Educação para gerir ecossistemas comunicativos. 2

O Projeto Educom.rádio nasceu em 2001 de um contrato entre a Secretaria de Educação da Prefeitura de São Paulo e o NCE - Núcleo de Comunicação e Educação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), visando atender a um dos objetivos do Projeto Vida que é o de construir, nas escolas públicas, um ambiente favorável às manifestações da cultura de paz e à colaboração mútua entre os membros da comunidade educativa, combatendo, desta forma, as manifestações da violência, tanto física quanto simbólica. Para tanto, o NCE trabalha com a linguagem radiofônica, envolvendo professores, alunos e membros da comunidade educativa. Disponível em: < http://www.usp.br/educomradio>. Acesso em: 28/02/2008. 3

Curso de Aperfeiçoamento sobre a Linguagem Audiovisual na Escola: uma ação educomunicativa, ou, simplesmente, Educom.TV, foi uma proposta de educação a distância, desenvolvida em 2002, com ações presenciais, destinada a um grupo de 2.228 educadores vinculados a 1.024 escolas da rede pública estadual de ensino. O projeto assistido pela GIP - Gerência de Informática Pedagógica/CENP, em nome da Secretaria de Estado da Educação do Estado de São Paulo envolvendo uma equipe de 50 especialistas formada pelo NCE.


11

Foram valorizados, também, os estudos da Recepção em seus conceitos a respeito das mediações que ajudam a compreender como as mensagens são assimiladas pelos receptores levando em conta seu contexto sócio-cultural, pesquisadas por Barbero. Apresentaremos-se, também, o tripé regulamentador da EAD no Brasil, iniciado em 1996 a partir da publicação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), seguido pela Portaria dos 20% (Decreto 4.059/2004) e do Decreto 5.622/2005 que regulamenta o Art. 80 da LDB. Na metodologia há uma descrição do ambiente pedagógico, bem como de seus recursos pedagógicos, tecnológicos e didáticos, a atuação da tutoria e as formas de avaliação4 dos participantes dos cursos e do próprio ambiente virtual de aprendizagem. Apresentam-se, ainda, os recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros necessários à implantação do Programa. Encerrando-se com a explanação do cronograma de elaboração, implementação do AVA e oferecimento dos cursos.

4

Essa proposta pretende ser uma ferramenta à implantação do Ambiente Virtual de Aprendizagem do Portal Educacional Aprendaki e o início de um percurso que poderá ser mais bem delimitado após a avaliação dos primeiros cursos e a análise de sua gerência.


12

2. JUSTIFICATIVA / RELEVÂNCIA DO PROJETO

Esta proposta parte da constatação de que o educador está sempre em busca de novos recursos a sua prática, seja por iniciativa pessoal ou por exigência da instituição em que trabalha. Por isso, ao longo de quatros anos de trabalho em todo o território nacional, o Portal Educacional Aprendaki5 busca suprir essa necessidade dos educadores

que

têm

vontade

de

aprender,

compartilhar

e

aprimorar

seus

conhecimentos. Nas coberturas jornalísticas de eventos educacionais, geralmente, em São Paulo, a equipe do Aprendaki tem encontrado educadores das cinco regiões geográficas brasileiras que comentam terem maior gasto com deslocamento que com a inscrição em congressos. Por esse motivo, o Programa de EAD Aprendaki6 oferece formação continuada para esses educadores com a finalidade de ajudá-los a aprimorar seus conhecimentos e a superar as distâncias geográficas em busca de novas perspectivas de conteúdo. Entretanto, o fato de que a qualidade da educação no Brasil e no mundo vem caindo drasticamente nos últimos anos e pode ser percebida em avaliações nacionais e internacionais, tais como: Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA)7, respectivamente. Os últimos três ENEM‟s, por exemplo, mostraram decréscimos de alunos com conceito “A” e o aumento de alunos com conceito “E”. Só

5

O Portal Educacional Aprendaki tornou-se a Central da Educação Brasileira, oferecendo conteúdo totalmente gratuito aos usuários (estudantes, educadores e instituições de ensino); livre, pois não está ligado a nenhum grupo específico, mas agrega a todos que fazem educação e de qualidade, porque se apresenta como um parceiro formativo. 6

EAD.Aprendaki é a abreviação do Programa de Ensino a Distância do Portal Educacional Aprendaki e, muitas vezes, aparece como sinônimo de AVA.Aprendaki. 7

O PISA é um programa internacional de avaliação comparada, cuja principal finalidade é produzir indicadores sobre a efetividade dos sistemas educacionais, desenvolvido e coordenado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e no Brasil é coordenado pelo Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais “Anísio Teixeira”.


13

isso já deveria ser um grito de alerta, para se discutir, especialistas e regentes de turmas, o que fazer. 8 (Zagury, 2006).

Para a autora, o contexto educacional, em que o professor vive, faz dele um 9

“refém ” e na mesma entrevista, registra: “Estamos a léguas de distância do caviar (a escola idealizada, que encanta): precisamos urgentemente de feijão com arroz (a escola que ensina bem)”. Diante disso, a Unesco tem investido em iniciativas para melhorar o cenário educacional mundial. Uma delas é a divulgação de relatórios – que apontam a corrupção10 (2007) e a queda na qualidade do ensino11 (2008); outras, em ações como: a “Campanha Nacional pelo Direito à Educação”12 e o “Movimento Educação para Todos”13. Vale ressaltar que ainda oferece apoio institucional a órgãos, escolas e instituições que trabalhem com projetos que buscam mudar esse cenário14.

8

Entrevista concedida ao Portal Educacional Aprendaki. Disponível em: <http://www.aprendaki.com.br/entrevista_ver.asp?id=13>. Acesso em 25/01/2008. 9

“O Professor Refém”, livro de Tânia Zagury lançado em 2006 após levantamento de pesquisa em todo o território nacional. 10

O relatório elaborado pelo Instituto Internacional de Planejamento Educacional (IIEP) da Unesco é resultado de diversos anos de pesquisa em ética e corrupção, de autoria dos especialistas em educação Jacques Hallak e Muriel Poisson, avalia a natureza e a extensão do problema, quanto custa às sociedades e identifica caminhos para lidar com ele. (Unesco News Nº 172, de 18/06/2007). 11

O Relatório Mundial de Monitoramento sobre Educação para Todos de 2008 apresenta inúmeros avanços nos países envolvidos. No entanto salienta que ainda não é suficiente, conforme o comunicado de imprensa N°2007-147. Disponível em <http://portal.unesco.org/es/ev.phpURL_ID=41371&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html>. Acesso em 25/1/2008. 12

A Campanha Nacional pelo Direito à Educação representa a ação de mais de 120 instituições de todo o Brasil, incluindo ONGs nacionais e internacionais, sindicatos, universidades, secretárias e secretários de educação e organizações estudantis e juvenis. Site: <http://www.campanhaeducacao.org.br/>. 13

O movimento da Educação para Todos é um compromisso mundial para prover uma educação básica de qualidade a todas as crianças e a todos os jovens e adultos. Surgiu durante a Conferência Mundial sobre a Educação para Todos, em Jomtien, em 1990. Dez anos depois, como muitos países não conseguiram alcançar o objetivo determinado na Conferência de Jomtien, a comunidade internacional se reuniu novamente em Dacar, Senegal, e reiterou seu compromisso de proporcionar Educação para Todos até 2015. Site: <http://www.todopelaeducacao.org.br>. 14

O Portal Educacional Aprendaki já pediu esse apoio e, em breve, disponibilizará no site o Apoio da Unesco a seus projetos.


14

A Campanha Global pela Educação (CGE) elaborou o relatório “Sem Desculpas”15 que apresenta informações de 178 países em que aparecem 72 milhões de crianças de 0 a 6 anos fora da escola. Em 2004, o Diretor Geral da Unesco, Koichiro Matsuura, descreveu a situação das escolas em diversos países, apontando, inclusive, a má qualificação dos professores em “turmas superlotadas, professores mal qualificados e escolas mal equipadas com parcos materiais de aprendizado continuam situações muito familiares em vários países”. (Confederação Nacional dos Municípios, 2004)16 O Ministério da Educação (MEC) também está se mobilizando a fim de reverter essa situação e, para isso, lançou o Plano Nacional de Desenvolvimento da Educação – o PDE. Suas ações têm inspiração nas metas pela qualidade da educação trabalhadas pelo Movimento “Educação para Todos”17. O País quer chegar ao Segundo Centenário da Independência do Brasil, em 07 de setembro de 2.022 com maiores índices de qualidade na educação. É justamente para responder a esse contexto que o programa EAD.Aprendaki surge como um aliado na formação dos educadores, oferecendo cursos programados por sua equipe multidisciplinar e, também, por instituições de ensino que queiram oferecer formação a partir da Internet para sua comunidade educativa e não dispõem de um ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Como já foi dito anteriormente, o Programa de EAD, adota a abordagem sóciointeracionista e educomunicativa18, o ensino baseado na aprendizagem do aluno focada em habilidades, competências e padrões de desempenho, nos canais de interatividade presentes no AVA construído a partir do Moodle (um software livre).

15

O Relatório se encontra no link <http://www.campaignforeducation.org/schoolreport/2008_reports/index.php - acesso em 25/01/2008>. 16

Disponível em: <http://www.cnm.org.br/institucional/conteudo.asp?iId=12671>. Acesso em 25/01/2008.

17

Em São Paulo de 22 a 24/01/2008, reuniram-se representantes de mais de 100 países para avaliar os avanços e desafios no campo da educação vários países signatários do Movimento Educação para Todos, da ONU, no evento denominado III Assembléia da Campanha Global pela Educação (CGE). 18

Educomunicação é uma aproximação intencional entre a comunicação e educação com a finalidade de produzir ecossistemas comunicativos nos âmbitos educativos, seja formal ou não-formal.


15

3. OBJETIVOS

3.1. GERAL Desenvolver o programa de EAD do Portal Educacional Aprendaki para o oferecimento de cursos livres para a formação continuada de educadores numa abordagem sócio-interacionista e educomunicativa19.

3.2. ESPECÍFICOS 1)

Definir o cenário pedagógico que vai compor a abordagem sóciointeracionista, a proposta

educomunicativa,

o

ensino

baseado

no

desempenho

e

as

competências comunicativa e argumentativa; 2)

Caracterizar os princípios e pressupostos que embasam a oferta de cursos, bem como os referenciais de qualidade de cursos livres;

3)

Definir as competências da equipe multidisciplinar e dos parceiros, bem como do tutor, autor e/ou aututor;

4)

Discutir formas de avaliação inerentes à aprendizagem de acordo com o cenário pedagógico adotado;

5)

Definir dos recursos pedagógicos, tecnológicos e didáticos que serão utilizados no Ambiente Virtual de Aprendizagem;

4. METAS

1) Definição da estruturação do AVA.Aprendaki com a composição do cenário pedagógico, recursos pedagógicos, tecnológicos e didáticos que serão utilizados no Ambiente Virtual de Aprendizagem; 2) Caracterização das equipes multidisciplinares e das gestões pedagógica, administrativa e tecnológica do AVA; 3) Estabelecimento de critérios para a composição de parcerias entre educadores e instituições para oferta de cursos na referida plataforma. 19

Isso a fim de fomentar competências comunicativas e argumentativas em sua prática pedagógica.


16

5. PÚBLICO-ALVO

O alvo são professores de disciplinas escolares da Educação Infantil, Ensinos Fundamental e Médio de escolas das redes pública e particular que desejam aprimorar seus conhecimentos e que se valem da Internet para equacionar tempo e espaço de aprendizagem, de acordo com suas possibilidades. São profissionais da educação acostumados às novas tecnologias e à Internet, sabem navegar para realizar pesquisas necessárias ao seu cotidiano acadêmico e que moram em zona urbana.


17

6. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Do início da História do Ensino a Distância ao tripé20 regulamentador Farias (2006) da EAD no Brasil, houve um salto enorme com a explosão de oferta e demanda de cursos nessa modalidade. A educação “on-line é demanda da sociedade da informação, isto é, do novo contexto socioeconômico-tecnológico do ciberespaço” (SILVA, 2006:11). O Ministério da Educação é órgão regulamentador dessa modalidade de ensino nos níveis superiores, enquanto que cabe aos Estados o credenciamento do ensino técnico e supletivo, como reza o artigo 11 do Decreto 5.622, de 19 de dezembro de 2005: compete às autoridades dos sistemas de ensino estadual e do Distrito Federal promover os atos de credenciamento de instituições para oferta de cursos a distância no nível básico e, no âmbito da respectiva unidade da Federação, nas modalidades de: educação de jovens e adultos; educação especial; e educação profissional. (DECRETO 5.622/2005).

Nove anos depois da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) é que surge o decreto acima especificado para autorizar “a EAD como modo de ensino”. Por destinarse à formação continuada de educadores na categoria de cursos livres, o presente projeto não requer regulamentação apesar de ser reconhecido pelas instâncias governamentais como válidos. Há muitos cursos nessa categoria disponíveis no mercado educacional com abordagens diferentes e formas de tutoria distintas, que dão ênfase à construção do conhecimento ou à resolução de atividades para que o cursista seja certificado. E mesmo no quesito de construção do conhecimento é preciso apresentar um diferencial que evoque, além de qualidade, ousadia e significância num programa de Ensino a Distância. Por esse motivo, o presente projeto elabora um programa de EAD centrado na proposta educomunicativa conceituada como um novo campo de intervenção social

20

Referência à Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) – Lei 9.394/96; Portaria dos 20% (4.059/2004) que regulamenta os 20% da carga horária total de cursos superiores reconhecidos; e Decreto 5.622/2005 que regulamenta o Art. 80 da LDB, definindo a política oficial de cursos de educação a distância no país.


18

nos anos [19]90. É encabeçada pelo Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo – NCE/USP a partir dos estudos da Recepção21 que afloraram

desde

a

década

de

[19]70

apresentando

a

inter-relação

entre

comunicação/educação firma-se na America Latina como “campo de diálogo, espaço para o conhecimento crítico e criativo, para a cidadania e a solidariedade” (SOARES, 2000). Para entender como se dá os processos de recepção nas pessoas, é preciso servir-se de mediações que possam auxiliar a compreensão dos dados, pois segundo Jésus Martín-Barbero “El campo de lo que denominamos mediaciones se halla constituído por los dispositivos a través de los cuales la hegemonia transforma desde dentro el sentido del trabajo y la vida de La comunidad.” (BARBERO, 1993:207).

Dentre as mediações estudadas por Barbero a “heterogeneidade de temporalidades” que apresenta posturas e contribuições diferentes e “as demandas sociais de comunicação e cultura” que são capazes de democratizar a comunicação, se analisada em seus modos de desfrutar e de relacionar-se com a cultura. (SOUZA, 1995:48). Para o estudioso, o estudo da recepção é um ponto importante para o resgate da complexidade da vida cotidiana, como espaço de produção de significado a partir da apropriação da mensagem. É nessa riqueza de entendimento da complexidade da vida cotidiana que se insere as pesquisas do NCE, principalmente, de seu coordenador, o professor Ismar de Oliveira Soares22, que conceitua a Educomunicação como um:

21

Os estudos da Recepção abordados por Barbero afasta-se da concepção de que o individuo uma “tábua rásua” ou um ser manipulado, como nas teorias da comunicação denominadas funcionalistas e críticas, para tornar-se um ser cultural capaz de negociação um sentido para aquilo que vê, assiste, ouve ou lê. Acredita que para entender como se dá os processos de recepção nas pessoas, é preciso servir-se de mediações que possam auxiliar a compreensão dos dados. 22

No site do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE/USP) há uma coletânea de artigos do professor Dr. Ismar de Oliveira Soares, que pode ser acessado pelo endereço eletrônico: <http://www.usp.br/nce>. O presente artigo foi acessado em 2/2/2008 no link: <http://www.comunica.unisinos.br/tics/textos/2001/2001_ios.pdf>.


19

Conjunto das ações inerentes ao planejamento, implementação e avaliação dos processos, programas e produtos destinados a criar e a fortalecer ecossistemas comunicativos em espaços educativos presenciais ou virtuais, assim como a melhorar o coeficiente comunicativo das ações educativas, incluindo as relacionadas ao uso dos

recursos

da

informação

no

processo

de

aprendizagem.

(SOARES, 2002).

Nesse sentido, é possível enxergar certa proximidade entre as propostas educomunicativa e sóciointeracionista quando Vygotsky defende que “os pensamentos, as ações e as experiências dos alunos devem ser culturalmente mediadas, uma vez que a cultura estrutura o ambiente comportamental do individuo” (ANDRADE e VICARI, apud SILVA, 2006:259). No entanto, o NCE preocupa-se com a possibilidade dessa Proposta ser usada como um projeto de “marketing educacional, visando o lucro fácil e rápido” (SOARES apud SILVA, 2006:98) e ainda para mascarar uma educação tradicionalista, vertical e autoritária23 (SOARES, 2007). Por isso este projeto quer deixar claro que utiliza o conceito da educomunicação no ensino a distância como de fato ele é: interdiscussivo, interdisciplinar e democrático. Dentre as pesquisas de Soares (2006) destaca-se neste projeto a revisitação que fez nas pesquisas dos americanos Rena Pallof e Keith Prat24 que investigam o poder das “inter-relações presentes no ato de ensinar/aprender a distância” para descobrir o “coeficiente comunicativo” das relações. De acordo com Soares sua proposta é essencialmente “educomunicativa e construtivista”, pois enfatiza o senso de participação, o pleno uso dos recursos tecnológicos da informação, a autonomia dos sujeitos, o espírito de iniciativa, o pensamento crítico, o diálogo colaborativo e o compromisso com o

23

Declaração em entrevista ao Portal Educacional Aprendaki durante o V Simpósio Brasileiro de Educomunicação e I Simpósio de Educomunicação do Vale do Paraíba, em São José dos Campos-SP, em abril de 2007. Disponível em: http://www.aprendaki.com.br/entrevista_ver.asp?id=31. Acesso em: 26/02/2008. 24

Rena Palloff é da John Kennedy University, Califórnia e Keith Prat é da Ottawa University, Kansas. Escreveram o livro “Building Learning Communities in Cyberspace, 1999.


20

crescimento conjunto de todos os membros da comunidade virtual. (SOARES apud SILVA, 2006: 101).

Compreendendo a educomunicação para o ensino a distância a partir das “inter-relações do ato de ensinar e aprender” é abraçar, ao mesmo tempo, a abordagem sóciointeracionista de Vygostky “que dá ênfase na interação e no papel do outro, entendido como qualquer manifestação da cultura, seja física ou mental”. (FONSECA org., 2007: 33). O indivíduo, portanto, “não é moldado pelo meio ambiente e nem é fruto de processos internos; não é passivo nem ativo, é interativo” (IDEM).. Segundo os autores, o pensamento de Vigostky possui três idéias centrais: as “formações

psicológicas

superiores

têm

suporte

biológico”,

“fundamento psicológico fundamenta-se nas relações sociais entre o indivíduo e a cultura” e a “relação entre o indivíduo e a cultura é constituída de sistemas simbólicos mediada por signos ou instrumentos”. (FONSECA org., 2007:32). A educomunicação materializa-se por meio de áreas de atuação. As principais são: educação para a comunicação, expressão comunicativa através das artes, mediação tecnológica nos espaços educativos e gestão da comunicação nos espaços educativos. O Ensino a Distância floresce dentro desta última área que tem a tecnologia25 como mediação de intervenções pedagógicas e construções colaborativas. Acredita-se que gerir processos educomunicativos é também gerir uma aprendizagem construída colaborativamente com os envolvidos no processo, o que leva a utilização das competências comunicativa e argumentativa de acordo com Habermas (1994) em sua Teoria da Ação Comunicativa para tornar os cursistas tornem-se coprodutores de significados e capazes de fazer uso da negociação que lhe interessam em resposta a seu contexto sócio-cultural em seu processo de ensino-aprendizagem. Sendo assim, esse projeto visa se tornar um “efetivo ecossistema comunicativo facilitador do processo de construção do conhecimento” como defende os autores Soares a partir das pesquisas de Pallof e Prat, em que o fluxo entre os participantes é 25

O termo „tecnologia‟ aqui não é entendido apenas como aparatos tecnológicos, mas como “solução que visa o enfrentamento do problema proposto nos processos de ensino-aprendizagem” (ZEFERINO, 2005).


21

livre e interativo, o que facilita a construção de comunidades virtuais de aprendizagem caracterizadas pela “sensação de liberdade, fluxo de relações garantidas pela natureza dos recursos que seus integrantes utilizam para manter-se em contato e intercambiar idéias e sentimentos”. (SOARES apud SILVA, 2006: 97). Nessa comunidade o espaço de aprendizado torna-se uma “praça de convivência”

capaz de

agregar

“personalidades

eletrônicas”

que,

como

nas

comunidades presenciais, sabem superar seus conflitos pela busca de “elementos para a conciliação de seus interesses e que os auxiliam no processo de aprendizagem” (idem). O presente projeto se constrói enquanto cenário pedagógico na proposta educomunicativa e sóciointeracionista, apresentando um programa de ensino a distância moldado pela igualdade de oportunidades agregando seus membros em torno de uma comunidade virtual de aprendizagem. Para chegar ao delineamento do Programa EAD.Aprendaki é preciso levar em consideração também a abordagem pedagógica proveniente dos estudos de Carl Rogers (1902-1987) que tratam do Ensino Baseado no Desempenho, ou seja, com uma Abordagem Centrada na Pessoa. Ele também propõe a sensibilização, a afetividade e a motivação como fatores atuantes na construção do conhecimento. Zacharias 26 (2008). afirma que Rogers “concebe o ser humano como fundamentalmente bom e curioso, que, porém, precisa de ajuda para poder evoluir. Eis a razão da necessidade de técnicas de intervenção facilitadoras”. Se o estudante é o centro de todo o processo e pode intervir como co-autor e co-produtor fazendo uso de “argumentos válidos, corretos e sinceros visando um acordo consensual, negociado e livre de coação” (SENAC-RIO, Unidade 4: 2007:18), ele tornar-se-á um sujeito ativo enquanto um ser “aprendente” através dos recursos apresentados na proposta do curso (BIBLIOMED, 2004).

26

Vera Lúcia Camara Zacharias é mestre em Educação, Pedagoga, consultora educacional, assessora diversas instituições, profere palestras e cursos, criou e é diretora do CRE. Seu artigo encontra-se no site “Centro de Referência Educacional no link: < http://www.centrorefeducacional.com.br/carl.html>. Acesso em: 02/02/2008.


22

Sendo assim, o Programa de EAD em questão vale-se de um ambiente em que o professor assume o papel de “gestor de processos comunicativos”, promovendo também momentos de descontração mesmo que levem a “desvios de atenção em relação aos conteúdos específicos dos cursos” (SOARES apud SILVA, 2006: 101). As mesmas perguntas que acompanharam Pallof e Prat, já amplamente descrito pela revisitação de Soares (2006) na busca do “coeficiente de comunicação” acompanham esse programa: Como descobrir se os alunos estão ou não envolvidos com o programa de estudos? Como avaliar a freqüência com que se mantêm conectados e qual sua efetiva participação? Como saber se os estudantes estão ou não passando por dificuldades em entender o que lhes é sugerido aprender? É possível perceber e seguir as emoções dos estudantes no ato de aprender? Como devemos trabalhar com os conflitos e os malentendidos que com freqüência surgem nas relações entre professor (instrutor) e alunos? (...) Como se articulam as relações entre os participantes dos cursos e as máquinas que operam? Entre o facilitador e os estudantes? Entre os próprios estudantes? (SOARES apud SILVA, 2006: 97).

Ainda é nova e desconhecida a abordagem educomunicativa nos espaços educativos presenciais quanto mais no ensino virtual. E por apresentar-se como um novo paradigma de intervenção educativa, é possível ousar afirmar da mesma forma que Soares (2006) ao fazer uma avaliação prévia do projeto Educom.TV27 e constatar que uma das hipóteses do NCE está confirmada: “o conceito de educomunicação é um caminho viável de ser percorridos pelos que desejam rever suas práticas educativas”. (SOARES apud SILVA, 2006: 104).

27

Curso de Aperfeiçoamento sobre a Linguagem Audiovisual na Escola: uma ação educomunicativa, ou, simplesmente, Educom.TV, foi uma proposta de educação a distância, desenvolvida em 2002, com ações presenciais, destinada a um grupo de 2.228 educadores vinculados a 1.024 escolas da rede pública estadual de ensino. O projeto assistido pela GIP - Gerência de Informática Pedagógica/CENP, em nome da Secretaria de Estado da Educação do Estado de São Paulo envolvendo uma equipe de 50 especialistas formada pelo NCE.


23

7. METODOLOGIA

As propostas de cursos no EAD.Aprendaki desenvolvem-se dentro da concepção sóciointeracionista e educomunicativa, utilizando-se de um processo permanente de construção do conhecimento por meio de ações comunicativas “nas quais falantes e ouvintes, com a mesma oportunidade de fala, tornam-se competentes para discutir suas subjetividades, seus papéis sociais, os respectivos contextos de fala”. (SENAC-RIO - UA 4, 2007:18).

Essas ações visam o reconhecimento recíproco e o consenso na “coordenação de ações instrumentais para a execução de um plano comum”, conforme descreve a Equipe de Elaboração do Curso do Senac-Rio. Desta forma, a metodologia deste projeto se dá pela interação efetiva por intermédio da negociação de idéias e projetos com argumentos válidos e reconhecidos pelas partes envolvidas. Tal postura é essencialmente educomunicativa, pois todos terão a possibilidade de utilizarem, em igualdade de condições, o diálogo para interagir e negociar os processos de construção do conhecimento. Os trabalhos serão desenvolvidos a fim de desenvolver a competência da liderança do professor como um líder democrático28, ou seja, um professor competente em sua área do conhecimento e que, ao mesmo tempo, transitar por outros contextos teóricos que não sua área de atuação, organizando o conteúdo de sua aprendizagem própria e de seus alunos. Também são extremamente valorizadas características como criatividade, autonomia, responsabilidade, curiosidade, necessárias à apropriação do contexto para uma ressignificação em sua realidade. Fórum, chat e wiki são as principais atividades para promoção da interatividade e construção do conhecimento para um processo colaborativo, ao lado de atividades de construção individual, como os itens: “tarefa”, “blog”, “diário”. Situações-problema, estudo de caso e situações que enriqueçam o currículo do curso, trazida pelos 28

“Pela ótica de Habermas, definimos o líder democrático como aquele que propicia e estimula a situação ideal de fala cuja meta deverá ser sempre o consenso.” (MORAES apud Senac-Rio, 2007: 71).


24

aprendizes, serão aproveitadas no curso que é planejado de forma a receber novas contribuições durante o percurso dos mesmos. Portanto, as atividades pedagógicas estabelecem um grau de previsibilidade em relação aos objetivos de aprendizagem inicialmente previstos e se concretizam em estratégias metodológicas concretizadas pelos recursos e ferramentas disponíveis no ambiente virtual de aprendizagem, sempre levando em conta as ponderações dos cursistas. Isso porque a proposta de tutoria no AVA.Aprendaki tem seu trabalho delineado a partir da apresentação das temáticas em cada módulo seguida de propostas de atividades para serem discutidos nos fóruns, geralmente, após a leitura prévia determinada de algum ponto do conteúdo. Nesse espaço, valorizado como um dos principais por ser assíncrono e garantir a eficácia participação de todos, os cursistas podem interagir com os colegas, estimulados pela tutoria. Na seqüência, podem assistir a vídeos e áudios, disponibilizados pelo ambiente e/ou sugeridos pelos colegas, para posteriormente realizar sua tarefa individual. Os cursistas é que definirão se querem participar de chat (momento síncrono) 29 e de que forma acontecerá esse momento, uma vez que a proposta educomunicativa faz uso da democracia. Às intervenções nos fóruns, chat’s e wikis, terão maior ênfase por se tratar de discussão interativa e às escritas colaborativas por registrar o posicionamento grupal que leva ao exercício de argumentos válidos para se chegar ao consenso. Os cursistas serão observados em termos de postura, a autonomia, a busca da construção de seu conhecimento, a interação e colaboração com os colegas numa valorização constante do trio de saberes: saber, saber-fazer e saber-ser. Dessa forma, o trabalho da tutoria distancia-se daquele que se apóia na mera transmissão de informações, e se configura como uma ação mediadora dos debates, estimulando os alunos a descobrir seus potenciais, o que é necessariamente, assumir uma postura educomunicativa e sóciointeracionista. Assim, a prática educativa estará amparada nos recursos pedagógicos (processo dialógico, colaborativo, criativo,

29

Esta possibilidade de escolha dá-se pelo conhecimento que se tem para acesso à internet e pelas duplas ou triplas jornadas de trabalho de alguns educadores por esse Brasil a fora.


25

relacional e interativo), didáticos (guia de estudo disponibilizado no AVA) e tecnológicos (mediação por meio do fórum, chat, e-mails, mensagens).

7. 1. ESTRUTURA DO AVA.APRENDAKI

Os cursos são organizados com uma carga horária entre 20 a 40 horas, dando ênfase a 40 horas, uma vez que este número é muito valorizado para a contagem de pontos nas instituições públicas. Serão organizados em Módulos, levando em conta a possibilidade de 01 (uma) hora diária para o aprendiz realizar suas tarefas, sendo assim, em um curso de 20 ou 40 horas, devem ser contabilizados 20 e 40 dias, respectivamente. O número de participantes deve ficar em torno 30 alunos, em razão das atividades colaborativas a serem realizadas, com previsão de formação de 06 (seis) grupos, com 05 (cinco) participantes. No entanto, se uma turma ultrapassar esse número, haverá tutores-auxiliares. As Unidades de Aprendizagem serão organizadas em módulos em cada um dos cursos do AVA.Aprendaki para serem executadas através de trabalhos individuais e grupais, em módulos de 30 horas, preferencialmente: Cursos Curso “X”

Curso “Y”

Curso “N”

Módulos Recursos Didáticos Um curso de 20 horas, em 2 módulos  Módulo I Site; vídeo (AVA); e-book; fórum; chat;  Módulo II Site; wiki; tarefa; fórum; blog; Um curso de 30 horas, em 3 módulos  Módulo I Site; vídeo(AVA); áudio (AVA); slides; e-book; fórum; chat;  Módulo II Site; tarefa; fórum; blog;  Módulo III Site; wiki; tarefa; fórum; diário; Um curso de 40 horas, em três módulos  Módulo I Site; vídeo (AVA); e-book; fórum; chat;  Módulo II Site; tarefa; fórum; blog;  Módulo III Site; wiki; tarefa; fórum; diário;

CH 20h 10h 10h 30h 10h

10h 10h 40h 10h 10h 20h


26

7. 2. MÍDIAS EMPREGADAS / MATERIAL DIDÁTICO:

Para que o aprendiz possa se organizar de forma a estruturar seus momentos de estudo, de acordo com suas possibilidades de tempo e espaço, serão oferecidas várias mídias no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) para que ele possa fazer download e, assim, dispor das mesmas, independentemente, de estar conectado à plataforma. Arquivos de áudio e vídeo, e-books, material impresso, webliografia e material complementar serão disponibilizados no AVA e poderão ser baixados para o computador do aprendiz a qualquer momento que desejar.

7.3. AVALIAÇÃO

Sendo um processo dialético, a avaliação acontece porque existe flexibilidade suficiente para a análise das situações imprevistas e das reações imprevisíveis bem como a retomada dos desvios e/ou da introdução de novos elementos que permitam moldar as circunstâncias sem ferir as diretrizes e as estruturas organizacionais. O processo de avaliação do programa de EAD.Aprendaki - os cursos, os participantes, o planejamento - seguirá os seguintes critérios: racionalidade ou organicidade, antecipação ou previsão, flexibilidade e viabilidade, cientificidade, coerência e formação de personalidade social e integração grupal.

7.3.1. AVALIAÇÃO DO PARTICIPANTE

A verificação consiste em observar se os objetivos da aprendizagem propostos foram alcançados pelos alunos, ao final de cada Módulo de Aprendizagem, levando-se em conta seu desempenho em cada situação, seu comprometimento com prazos, tarefas e demais atividades propostas; também seu grau de interesse nas participações coletivas em chats, fóruns e wiki e se estas serviram para trazer à tona questionamentos, colocações relevantes ao grupo e propiciaram a construção de


27

saberes. Seguirá o percurso da ação comunicativa que valoriza os seguintes critérios de diálogo, negociação e uso de argumentos extraídos dos módulos. Serão utilizadas três formas de avaliação: Somativa: adotando o critério de pontuação acumulativa que vai agregando conceitos (excelente, bom e insuficiente) em cada atividade e/ou participação em fórum e chat; ao final do módulo, o produto final será refeito pelo aluno em quantas vezes forem necessárias para que ele obtenha o conceito excelente; Diagnostica: o aluno terá sempre a possibilidade de refazer suas atividades se não atingirem os objetivos propostos na Unidade de Aprendizagem; e Formativa: em todas as atividades, o aluno estará sendo avaliado em suas descobertas e construções coletivas, colaborativas e interativas do conhecimento. O processo avaliativo é analisado em conjunto com a coordenadoria do curso para averiguação dos objetivos propostos em relação ao desfecho. Quando o aluno desempenhar uma atividade na qual haja insatisfação em relação a seu conceito (Excelente, Bom e Insuficiente), o mesmo poderá refazê-la dentro de um prazo acordado com a tutoria e coordenadoria do curso. Seguiremos, ainda, critérios como o diálogo, a negociação e o uso de argumentos extraído dos módulos. Comportamentos como autonomia, disponibilidade para solução de problemas, busca através da pesquisa para melhor entender um assunto ou as colocações de seus pares sobre ele, levando-o sempre a complementação dos saberes, serão de suma importância para a construção dos conhecimentos. Este curso terá uma atividade final, chamado de produto final, onde será avaliado todo conteúdo do curso em questão e quais as competências realmente assimiladas pelo aluno, gerando um conceito de participação assim ilustrado abaixo: M PF CD C

= = = =

Módulo Produto Final Conceito Definitivo Conceitos E = Excelente B = Bom I = Insuficiente

M1 + M2 + M3 ___________ + PF = CD 3


28

7.3.2. AVALIAÇÃO DO CURSO

Os cursos do EAD.Aprendaki serão reavaliados a cada edição em seus componentes estruturais de: programação, seleção temática, material utilizado, suporte técnico, acompanhamento pedagógico (tutoria), sistema de avaliação e parceira com o aututor e/ou instituição que ofereceu junto o curso. O design do curso como seu conteúdo serão sempre definidos para serem atraentes ao público e estimular a participação de todas as atividades, ao mesmo tempo. O acesso ao ambiente deve ser simples e contar com a participação do tutor e de equipe especiais. Sendo assim, será composta uma comissão de avaliação composta por representante de alunos, tutores, coordenação pedagógica, autores, equipe multidisciplinar para o levantamento de possíveis falhas e sugestões de ações que visem à melhoria do ambiente, conteúdo e ações. No final do curso deverá ser solicitado aos participantes um feedback em relação a: apresentação do curso, conteúdo, linguagem, metodologia; material didático; formas de interação oferecidas; desenho do curso; plataforma e suporte técnico; participação da equipe multidisciplinar, avaliação e tutoria.

7.4. CERTIFICADO Serão certificados os alunos que obtiverem conceitos “Bom” e “Excelente” e que participaram de todas as atividades propostas. O Certificado de Participação nos cursos livres será emitido pelo Portal Educacional Aprendaki, acompanhado dos Portfólios de cada participante com os conceitos e a explanação de cada atividade proposta no curso.


29

7.5. INSTALAÇÃO DA PLATAFORMA

O AVA.Aprendaki é configurado no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) numa plataforma Moodle®30 que utiliza um software livre para gestão de educação a distância, compatível com o padrão SCORM 31 adotado para educação a distância, o que permite incorporar pacotes de cursos já prontos que podem ser adquiridos no mercado. Essa plataforma permite gestão total do ambiente virtual de aprendizagem. Permite, ainda, suporte tecnológico para disponibilização de conteúdos de acordo com um modelo pedagógico e o design instructional. Ainda é possível realizar avaliação de alunos, controle de acesso, atribuição de notas. Atende, também, a requisitos de andragogia 32 e aprendizagem sócio-construtivista. Permite também a disponibilização de materiais específicos em formato word, excel, ppt, flash, pdf e uma variedade de tipos de arquivos. Os próprios tutores,

quando

também

autores,

podem

montar

os

próprios

conteúdos

educacionais, suas avaliações, tarefas e outros materiais por meio de uma interface simples.

30

É um software desenhado para ajudar educadores a criar, com facilidade, cursos on line de qualidade. Ferramentas como o Moodle também podem ser chamadas de LMS (Learning Management Systems) ou Ambientes Virtuais de Aprendizagem. “A palavra Moodle, de acordo com o site oficial, <http://moodle.org/> referia-se originalmente ao acróstico: “Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment”, que é especialmente significativo para os programadores e acadêmicos da educação”. (MUZINATI, 2005). Disponível em: <http://cidade.usp.br/redemoinhos/?2005-03/ferramental>. Acesso em: 28/2/2008. 31

“O padrão SCORM define um modelo de "como se fazer" e "como se executar" cursos baseados na Web,” define a Associação Brasileira de Tecnologia Educacional disponível na URL: http://abtbr.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=361&Itemid=25. Disponível em: 28/02/2008. Originalmente, obtido do site em inglês: <http://www.adlnet.gov/scorm/index.aspx> . As normas do padrão são uma coleção de especificações, criando um abrangente e apropriado grupo de habilidades do ensino via Web que permitem interoperabilidade, acessibilidade e reutilização de conteúdo. 32

O termo foi cunhado por Alexander Kapper em 1833 e após circular pela Europa suscitando oposições e defesas foi incorporado à teoria instrucional americana por meio de Knowles nos anos 1970, de acordo com Andrea Filatro (2004:94). Segundo a autora, a andragogia buscou “sua identidade desvinculando-se do sentido de condução por um guia, por um líder, tal como o professor” como adotado na pedagogia para, segundo, “Knowles e outros autores se basearem na premissa de que o adulto se caracteriza fundamentalmente pelo autodirecionamento, decorrente de uma maturação orgânica (prontidão) que o faz um ser independente e autônomo”. (FILATRO, 2004: 95).


30

7. 5. 1. TELA DE ABERTURA DO AVA.APRENDAKI A tela de abertura do Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA.Aprendaki, apresenta o logotipo do Portal Educacional Aprendaki no cabeçalho, acrescido das informações sobre os cursos na área central da página. Nos menus à esquerda e à direita, aparecem boxes para facilitar o acesso ao cursista e integrar o AVA ao Portal Educacional Aprendaki: à esquerda, “Menu Principal”, “Categorias de Cursos”, “Administração”, “Usuários on-line” e “Buscar nos Fóruns”; no menu à direita aparece a descrição sobre o ambiente, além dos itens, “calendário”, “menu do Blog”, “mensagens”, “próximos eventos” e “Parceiros”, conforme consta nas telas abaixo:

Ilustração 1: Tela de Apresentação

Ao se conectar na plataforma, o usuário vê na área principal os cursos nos quais está inscrito, a descrição do EAD.Aprendaki, dentre outras informações...

Todos os internautas, independentes de estar matriculados em um curso, podem acessar à plataforma pela URL: http://www.aprendaki.net/moodle e verificar as


31

ofertas de curso, eventos, parceiros e os conteúdos que são gratuitos, tais como os que se encontram nas categorias de cursos chamados de “Conteúdo Legal” (ilustração 02) e “Mais Discussão” (ilustração 03).

Ilustração 2: Tela do Conteúdo Legal

Nesta categoria denominada Conteúdo Legal, educadores e estudantes podem utilizar o ambiente gratuitamente para discussão de temáticas iniciadas na sala de aula e ampliadas na internet por meio do conteúdo multimídia disponibilizado pelos parceiros do Aprendaki.

Na categoria “Cursos”, é possível visualizar, rapidamente, aqueles disponíveis na plataforma, como demonstra a ilustração (ilustração 07). Para visualizar o conteúdo dos cursos gratuitos é preciso conhecer o “código de inscrição” do mesmo e aos cursos “pagos”, efetuar matrícula por meio de pagamento.


32

Ilustração 3: Tela de + Discussão

Esta área também disponibiliza espaço gratuito para educadores discutirem temas do seu interesse, seja de seu trabalho acadêmico ou profissional-educativo.

7. 5. 2. TELA DE ABERTURA DOS CURSOS Após a concretização da inscrição, ou seja, a assinatura do contrato e comprovação do pagamento, o solicitante já será aluno e a partir do seu login e senha terá acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem. Estão disponíveis na página dos cursos todas as informações necessárias tais como: a) Orientações de utilização da plataforma; b) Tutorial; c) Assuntos gerais (Mural) para que todos possam compartilhar do universo dos colegas; d) Biblioteca virtual; e) Painel de avisos, referentes ou pertinentes ao curso;


33

f) Orientações para a realização das atividades, denominadas “produto final” e outras informações que possam surgir ao longo do curso. Um calendário de cores define as atividades individuais, grupais, globais e do cursista. O ambiente também disponibiliza o perfil do cursista, suas notas, local para troca de login e senha, bem como acesso às informações sobre os “Participantes”, “Mensagens” deixadas pelos colegas e tutores. A relação das atividades pode ser visualizada nas ilustrações “4” e “5”, tendo por descrição do seguinte: a) Tarefas (arquivos das tarefas, data da entrega e respectivas notas); b) Fóruns (acesso aos fóruns); c) Chats (acesso aos chats); d) Wikis (acesso aos wikis); e) Materiais (disponibilização de todo material do curso, incluindo biblioteca virtual); f) Diários (local para lembretes e registro de sua participação no curso); g) Glossário (definição das principais palavras do contexto estudado); h) Lições (estruturação de um módulo em aulas e exercícios); i) Recursos (conteúdo apresentação em páginas simples ou HTML e ainda, arquivos em pdf, PPS, doc, etc.);

Ilustração 4: Atividades Atividades

Ilustração 5: Recursos

Recursos

Chats

Bibliografia

Diários

Glossário: EAD Aprendaki

Fóruns

Plano de Curso

Glossários Lições Pesquisas de avaliação Questionários Recursos Tarefas Wikis

Boas Vindas ao Curso CRIANDO CURSOS VIRTUAIS Apresentação Inicial das TIC's na Educação


34

Ilustração 7: Tela de Abertura do Curso “Saberes e Coordenação Pedagógica”

Descrição do curso, dos módulos e suas respectivas atividades...


35

8. RECURSOS 8.1. HUMANOS Equipe do EAD.Aprendaki é uma Equipe Multidisciplinar consistindo-se em grupo de formadores da Unidade de Aprendizagem que orientam e acompanham o desempenho dos alunos, solucionam dúvidas sobre o conteúdo, atuam como facilitadores do processo pedagógico e resolvem ou encaminham problemas acadêmicos ou pessoais trazidos pelos alunos. Como toda Equipe EAD, seus componentes básicos são: coordenador pedagógico e de desenvolvimento, conteudista, designer instructional, webdesigner, programador, tutor, suporte técnico e equipe de divulgação. Para a oferta de cada curso a gestão da Equipe multidisciplinar organiza a equipe necessária com a participação de membros terceirizados, como autores, “aututores”33 e profissionais da informática. No Anexo 2, encontra-se a descrição das competências desses membros da equipe multidisciplinar. Abaixo, segue a relação de profissionais necessários à elaboração e implementação dos mesmos. Profissional Conteudista

Atividades e Competências

Qtd.

Responsável pela criação, redação e produção do conteúdo curso, baseado em metodologia e linguagem simples, clara

01

e objetiva, com o planejamento e avaliação da proposta pedagógica; geralmente, é um especialista terceirizado contratado para desenvolver uma temática específica; é chamado de “autor” e/ou “aututor” (quando for também tutor da turma). Coordenador

Especialista

em

Ead,

responsável

por

assegurar

a

organização e manutenção da proposta pedagógica do

01

curso; observa a atuação do tutor e o gerenciamento das atividades e avaliações dos alunos. Tutor

Educadores com experiência em tutoria on-line, com perfil

(docentes)

diferenciado para orientação e acompanhamento das atividades com os alunos; e preparado para atuar dentro da

33

Aquele que além de ser conteudista de seu curso é também tutor.

02


36

abordagem

sócio-interacionista

e

proposta

educomunicativa. Suporte

Profissional responsável pelas questões administrativas,

Administrativo

documentos,

inscrições,

matrículas,

pagamentos,

01

Designer

Educador com experiência em mídias e tecnologias,

01

Instrucional

responsável

certificados;

elaboração

pelo do

planejamento, desenho

do

desenvolvimento

Ambiente

Virtual

e de

Aprendizagem objetivando uma apresentação atraente e simples; Web Designer

Profissional responsável pela conteúdo

a

partir

do

estética, arte

potencial

final do

disponibilizado

01

pela

linguagem digital; Analista Programador

/ Profissional responsável pelo desenvolvimento do AVA –

01

Ambiente Virtual de Aprendizagem, analisando todas as necessidades do curso, criando programas e interfaces de comunicação

síncronas

e

assíncronas,

gerenciando

arquivos e banco de dados, enfim, todo processo que exija programação de computadores; Suporte

Profissional responsável pelo suporte e manutenção do

Técnico

Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA, equipamentos e sistema,

orientando

todos

os

envolvidos

01

(tutores,

administrativo, alunos), sanando possíveis problemas; Editor Gráfico

Profissional responsável pelos serviços de áudio, vídeo, gráfico, correção ortográfica e gramatical, tratamento de imagens;

01


37

8.2. TECNOLÓGICOS

Toda a operacionalização do AVA.Aprendaki dar-se-á pela Internet, no entanto, é necessário os seguintes recursos tecnológicos: Item

Quantidade

Preço Unitário

Valor Total

Computador com kit multimídia

4

R$ 2.500,00

R$ 10.000,00

Impressora Multifuncional (impressora,

1

R$ 450,00

R$ 450,00

Softwares

-

R$ 5.000,00

R$ 5.000,00

PABX

1

R$ 2.000,00

R$ 2.000,00

TV

1

R$ 700,00

R$ 700,00

DVD Player

1

R$ 450,00

R$ 450,00

Servidor (mensal)

12

R$ 1.100,00

R$ 13.200,00

Câmera de Vídeo / Foto Digital

1

R$ 2.400,00

R$ 2.400,00

Data Show

1

R$ 4.000,00

R$ 4.000,00

TV por IP - streamming (mensal)

12

R$ 700,00

R$ 8.400,00

Tela de Projeção

1

R$ 350,00

R$ 350,00

R$ 19.650,00

R$ 46.950,00

fax, xérox, scanner)

Total estimado

8.3. MATERIAIS Os recursos materiais utilizados para adequação do pessoal e infra-estrutura ambiental poderão existir na Instituição parceira ou serem adquiridos para a efetivação do curso: Item

Quantidade

Preço Unitário

Valor Total

Armário/arquivo

02

R$

300,00

R$

600,00

Cadeira

04

R$

120,00

R$

480,00

Mesa

04

R$

180,00

R$

720,00

Material de Escritório

-

R$ 1.000,00

R$ 1.000,00

Material de Apoio

-

R$ 1.800,00

R$ 1.800,00

Total Estimado

R$ 4.600,00


38

8.4. FINANCEIROS

Como o custo de um projeto de EAD é bem elevado, o EAD.Aprendaki utiliza-se de uma idéia que está muito presente na sociedade atual, a Responsabilidade Social Educacional34 para deixar os valores do curso mais acessível aos educadores de todo o território nacional. Utiliza-se, também, o sistema de parceria com os AUTORES que recebem seus honorários conforme a receita, vinda por meio de matrículas e patrocínio.

Descrição

Quantidade

Preço Unitário

Valor Total

Recursos Materiais

-

-

R$ 4.600,00

Recursos Tecnológicos

-

-

R$ 46.950,00

Recursos Humanos – Contratação de

-

-

R$ 40.000,00

Serviços Terceirizados Total Estimado

Baseando-se

R$ 91.550,00

no

planejamento

feito,

os

Recursos

Financeiros

para

consolidação do curso ficarão na média de R$ 91.500,00.

34

“Responsabilidade Social Educacional” é um programa do Portal Educacional Aprendaki utilizada como critério para tornar ainda mais acessível o curso ao público-alvo, muitas vezes, impossibilitado financeiramente. Portanto, tem a possibilidade de conseguir um patrocinador de sua região e oferecer, ao mesmo tempo, a possibilidade deste aparecer em um canal nacional, pois o Portal se compromete a divulgar o patrocinador encontrado pelo cursista. A equipe do Portal também firma parceria nesse mesmo quesito para diminuir o custo final do curso ao cursista. Maiores informações encontram-se no Anexo 5 sobre o curso “Saberes e Coordenação Pedagógica”.


39

9. CRONOGRAMA Para elaboração do cronograma de implantação da plataforma, implementação dos cursos e oferecimento dos mesmos, seguir-se-á um parâmetro que contemple certa flexibilidade para eventuais imprevistos.

Elaboração do Projeto Janeiro a Março/2008 Jan Planejamento das Atividades

1. Escolha do tema 2. Público-alvo 3. Levantamento da demanda 4. Pesquisa de Campo 5. Tipo de AVA 6. Objetivos Gerais e Específicos 7. Conteúdos e metodologias 8. Recursos Tecnológicos 9. Recursos Humanos 10. Custos 11. Cronograma 12. Apresentação do Anteprojeto 13. Ratificação do projeto;

21-27

Fev 28-10

11-17

18-24

Fev/Mar

Mar

25-4

17


40

Implementação do AVA Junho/2007 a Abril/2008 Planejamento das Atividades

1. Escolha do LMS/Moodle 2. Público-alvo 3. Contato parcerias educacionais para efetivação do curso 4. Escolha da Equipe Multidisciplinar (E.M.) 5. Implementação do AVA 6. Lançamento do AVA 7. Treinamento da E.M. e observação de seu entrosamento 8. Elaboração dos Cursos: material didático 9. Avaliação dos Recursos Tecnológicos a serem utilizados 10. Divulgação dos Cursos 11. Abertura de Inscrições e matrículas 12. Início dos Cursos – grátis 13. Início dos Cursos – pagos 14. Escolha dos meios e divulgação

Jun-Out

Nov

Dez

Jan

Fev

Mar

Abril


41

10. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Chega-se ao final deste percurso com a certeza de se ter traçado um caminho para a inclusão do conceito de educomunicação nos ambientes virtuais de aprendizagem em busca do aprimoramento do “coeficiente de comunicação” nas relações interpessoais entre estudantes e educadores com igualdade de condições. Como a primeira experiência de que se tem conhecimento de união da educomunicação ao ensino a distância é o projeto “Educom.TV” do Núcleo de Comunicação e Educação (NCE/USP), o presente trabalho torna-se uma tentativa de implementação do conceito em todo o ambiente virtual de aprendizagem e não apenas em um curso aliada à abordagem sóciointeracionista. Segundo Soares a avaliação do “Educom.TV” frente às reflexões de Pallof e Prat, permitiu-lhe uma avaliação preliminar do projeto, ainda em andamento, quanto à intencionalidade do projeto, a sua originalidade e a uma avaliação dos esforços no sentido de criar uma comunidade virtual regida pelo envolvimento emocional num projeto comum, mais que pela burocracia do cumprimento de regras de ensino/aprendizagem pré-definidas em manuais de educação e-learning. (SOARES apud SILVA, 2006: 101).

Seguindo a bibliografia, principalmente, revisada por Ismar de Oliveira Soares (apud SILVA 2006, 91-104), chega-se às seguintes considerações finais: 1. É possível proporcionar um ambiente virtual de aprendizagem sob o prisma da educomunicação em que todos podem ser co-autores do processo de ensinoaprendizagem, o que não significa ausência de planejamento e propostas iniciais; 2. Apesar da proposta dos cursos ser elaborada seguindo as abordagens educativas e sóciointeracionista, é a atuação da tutoria é que vai dar o tom educomunicativo

durante

o

processo

de

ensino-aprendizagem,

pois

a

negociação das informações, conteúdo, atividades e avaliações vão acontecer no momento em que o estudante se deparar com a realidade proposta e sua real condição de respondê-la.


42

9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Adja Ferreira e VICARI, Rosa Maria. Construindo um ambiente de aprendizagem a distância inspirado na concepção sóciointeracionista de Vygotsky. In: SILVA, Marco (org.). Educação Online – teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2006; 2ª edição. ANTUNES, Celso. Como desenvolver conteúdos explorando as inteligências múltiplas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. ANTUNES, Celso. Inteligências múltiplas e seus jogos: introdução, vol. 1. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. BIBLIOMED. As Inteligências Múltiplas de Gardner: Os Sete Modos de Processar a Informação. Material do curso virtual “Fundamentos do EAD pela Internet”. MG: Belo Horizonte, 2004. BIBLIOMED. Estudo baseado no Desempenho do Aluno. Material do curso virtual “Fundamentos do EAD pela Internet”. MG: Belo Horizonte, 2004. BLIKSTEIN, Paulo e ZUFFO, Marcelo Knörich. As sereias do ensino eletrônico. In: SILVA, Marco org. Educação Online – teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola; 2006; 2ª edição. BELINSKI, Ricardo. Elementos essenciais para a implantação de programa de Pós-graduação lato sensu a distância: gestão de cursos online. Curitiba, 2007. 75f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Pós-graduação lato sensu em nível Especialização em Educação a Distância) - Senac Paraná. BARBERO, Jésus-Martín. De los médios e lãs mediaciones. Naucalpan: Litoarte, 1993.


43

CORRÊA, Juliane. Elementos essencionais para o Planejamento. In Planejamento e Avaliação. Curso de Especialização em Educação a Distância. Rio de Janeiro: Senac-Rio, 2007 – vídeo – como faz citação de vídeo? DE LUCA, Renata. Educação a distância: ferramenta sob medida para o ensino corporativo. In: SILVA, Marco (org.). Educação Online – teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2006; 2ª edição. EQUIPE TECNOLÓGICA EAC – UCDB. Tutorial Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem. (livro digital em pdf). FARIAS, Giovanni. O tripé regulamentador da EAD no Brasil. In: SILVA, Marco (org.). Educação Online – teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2006; 2ª edição. FILATRO, Andrea. Designer instruccional contextualizado: educação e tecnologia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2004. FONSECA, Renata Almeida et al. A modelagem de unidades de aprendizagem usando recursos de ambientes virtuais. Campinas-SP: Centro de Computação da Unicamp, 2007; 73p. LINS, Maria Judith Sucupira da Costa. A Aprendizagem in: Aprendizagem e Tutoria. Unidade 3. Rio de Janeiro: Senac, 2007. Quatro pilares da educação – Unesco – junho/2003. MAIA, Carmen, RONDELLI, Elizabeth e FURUNO, Fernanda (org). A Educação a distância e o professor virtual: 50 temas e 50 dias on-line. São Paulo: Editora Anhembi Morumbi, 2005. MATTAR, João e VALENTE, Carlos. Second Life e Web 2.0 na Educação. São Paulo: Editora Novatec, 2007. MATTELART, Armand e Michèle. História das Teorias da Comunicação. São Paulo: Loyola, 1999.


44

MORAN, José Manuel. Contribuições para uma pedagogia da educação online. In: SILVA, Marco (org.). Educação Online – teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2006; 2ª edição. PULINO, Athail Rangel Filho. Introdução ao Moodle Ambiente de Aprendizagem. Módulo I. Disponível em: < http://www.aprendaki.net/moodle/mod/wiki/view.php?wid=23&userid=0&groupid=0& page=Módulo%20I>. Acesso em 20/05/2007. SILVA, Marco (org.). Educação Online – teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2006; 2ª edição. SOARES, Ismar de Oliveira (org.). Caminhos da Educomunicação. São Paulo: Editora Salesiana, 2000. SOARES, Ismar de Oliveira. Educomunicação: Um campo de mediações. São Paulo, (19): 12 a 24, set./dez, p.12-24. 2000. SOARES, Ismar de Oliveira. EAD como prática educomunicativa: emoção e racionalidade operativa. In: SILVA, Marco (org.). Educação Online – teorias, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2006; 2ª edição. ZAGURY, Tânia. O Professor Refém – para pais e professores entenderem porque fracassa a educação no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 2006. ZAGURY, Tânia. O Professor Refém. Entrevista disponível em <http://www.aprendaki.com.br/entrevista_ver.asp?id=13> . Acesso em 25/01/2008.


45

10. ANEXOS Anexo A – Discuta com sua Turma na Internet35 Tema: Conteúdo Legal – temas com vídeos, curtas e infográficos para discussão online. Resumo Com a área CONTEÚDO LEGAL do Portal Educacional Aprendaki disponibilizada em seu ambiente virtual de aprendizagem – EAD.Aprendaki, gratuitamente, os educadores da Educação Básica têm um lugar garantido na Internet para levar a sua turma de alunos a discutir temáticas de interesse da sala de aula. É a possibilidade de complementação do conteúdo trabalho em classe através de vídeos, filmes – curtas, infográficos, reportagens ilustradas e conteúdo multimídia produzidos por Parceiros do Aprendaki. Há ainda, a oportunidade de educadores e estudantes interagirem com seus pares de localidades geográficas distintas. 1. Introdução A Internet é hoje uma rede imensa de conteúdo e informação que pode não significar nada se não houver mediadores capazes de articulá-los em vista de um conhecimento a ser construído em colaboração, interatividade e cooperação. Pensando nisso, o Portal Educacional Aprendaki realiza parceria com algumas instituições e organismos, que já possuam conteúdo em multimídia para disponibilizar na área chamada “Conteúdo Legal”36. São destinatários dessa área, educadores da Educação Básica de todo o País, das redes pública e particular, que queiram aprofundar o conteúdo trabalhado em sala de aula. Assim, não deixam morrer a discussão iniciada no horário de aula dando continuidade no ciberespaço e formar, criando uma Comunidade Virtual de Aprendizagem capaz de interagir com outras turmas de diversas localidades do país. Muitas vezes os educadores e estudantes de escolas particulares também não têm acesso a conteúdo de qualidade gratuito por falta de recursos suficientes para aquisição. Não é porque é professor de escola particular, que tenha condições de comprar livros, assinar revistas e sites pagando por esses serviços; não é porque estuda em escola particular que todos esses estudantes tenham as mesmas condições acima citada.

35

Trabalho aprovado pela Comissão Científica do II Congresso Internacional de Educação, já aprovado, para ser apresentado, em São José dos Campos-SP, de 24 a 26/06/2008, durante o evento. Será apresentado pela autora deste trabalho. 36

Disponível em: <http://www.aprendaki.net/moodle/course/category.php?id=7>. Acesso em: 10/02/2008.


46

Esta comunicação apresenta um dos projetos do programa realizado em parceria com a Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência (ABCMC) que tem por objetivo a “popularização da ciência”. 2. Metodologia Os objetivos de cada projeto do “Conteúdo Legal” são realizados pelo próprio educador interessado em discutir a temática de acordo com sua realidade. No entanto, a Equipe Multidisciplinar do EAD.Aprendaki elabora algumas sugestões para que o professor possam utilizar, se for do seu interesse. O espaço da discussão é convidativo a uma abordagem sóciointeracionista e educomunicativa, pois a Tutoria, realizada pelo próprio professor, é coordenada pela Equipe Multidisciplinar do Aprendaki a fim de acompanhar o educador e sua turma, em cada momento de sua aprendizagem, intervindo e negociando as situações inerentes ao processo de ensino-aprendizagem, evitando a desmotivação pelos alunos e mesmo pelos educadores. Para o estudo específico do conteúdo fornecido pela ABCMC foi traçado como objetivo: Proporcionar aos educadores um ponto de encontro para discussão sobre a temática cedida pelo Parceiro para que: seus alunos ampliem o conhecimento a respeito do tema estudado em sala de aula; haja registro e aprofundamento das opiniões emitidas a respeito do tema; haja intercâmbio entre alunos e professores de diferentes unidades escolares superando as barreiras de tempo e espaço; seus alunos sintam-se incluídos digitalmente na rede do conhecimento que é construída com a participação de educadores e estudantes de todo o Brasil. 37 (Aprendaki, 2008 ).

Inicialmente, a ABCMC forneceu cinco conteúdos multimídias que serão apresentados em MÓDULOS de estudo. O educador interessado em trazer sua turma para discussão deve solicitar por email38 a criação de um FÓRUM e inscrever seus alunos. Educadores e estudantes interagem através de comentários no Fórum de Discussão a respeito do tema estudado de acordo com os objetivos do espaço e da aula do professor. Cada fórum fica disponível para uma turma por um bimestre escolar, podendo ser renovado se forem avaliadas as reais condições de continuação do Fórum. Os fóruns extintos ficam arquivados como material de pesquisa disponível à consulta por turmas futuras. Também há a possibilidade de acrescentar material complementar no ambiente. Os participantes do projeto em questão serão organizados em GRUPOS definidos por “escolas” e só poderão postar no seu espaço de discussão – isso se houver grupos simultâneos de escolas diferentes. A avaliação das atividades será de responsabilidade do educador em relação ao aprendizado de seus alunos. Compete ao

37 38

Disponível em: http://www.aprendaki.com.br/cont_legal.asp. ead@aprendaki.com.br.


47

Aprendaki a avaliação para averiguar o real uso do ambiente para discussão e sua contribuição para os envolvidos, como análise de sua meta de inclusão digital. O certificado de participação será emitido pelo Portal Educacional Aprendaki e assinado pela Gestão de Educomunicação & Jornalismo aos educadores e estudantes após a averiguação da efetiva participação da turma e disponibilizado um link para download do certificado. 3. Desenvolvimento Será descrito neste trabalho a título de exemplificação o conteúdo disponibilizado pela Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência (ABCMC). Essa Associação surgiu para unir idéias, compartilhar experiências, projetos e possibilitar um grande intercâmbio de recursos e informações entre Centros e Museus de Ciência de todo o Brasil. Bem como identificar, fortalecer e difundir áreas e atividades de cooperação, apoiando programas de divulgação científica e articulando uma Política Nacional de Popularização da Ciência. No EAD.Aprendaki, o conteúdo configurado em módulos tem como canais de interatividade: Fórum, Chat e Mensagens. A finalidade principal de cada módulo é “gerar discussão” em torno do tema, conforme a descrição a seguir.

Figura 1 – Tela do conteúdo “Laboratório Virtual”

Figura 2 – Tela do conteúdo “Astronomia”

Módulo I – Laboratório Virtual Objetivo: Discutir com os alunos questões relativas: aos eclipses solares e lunares (astronomia); ao hemisfério de Magdeburgo (história da ciência); aos fusos horários; à condução e não-condução, mistura de cores e espelho de simetria (física); à cadeia


48

alimentar e ciclo da água (biologia); e aos líquidos homogêneo e heterogêneo (química). Fórum de Discussão: Criação de fórum para discussão das questões elencadas no laboratório virtual com após a experiência dos alunos. Módulo II – Astronomia Objetivo: Discutir questões ligadas: aos meteoros e meteoritos, causa das marés, desalinhamento entre astronomia e astrologia, o planeta marte no item “Artigos”; às estações do ano, o movimento aparente das estrelas e as constelações zodiácas no link “Ensino”; ao projeto “Latitudes do Brasil” do astrônomo Plínio Fasolo; à construção de um astrolábio no item “Equipamentos”; às notícias referentes à: menor das distâncias, Brasil testará experimentos no espaço, palestra no Inpe sobre a História dos Calendários, cursos de Astrofísica, Goefísica e Astronomia no Observatório Nacional, olimpíadas de Astronomia e Astronáutica, revista eletrônica “Café Orbital” no Observatório Nacional, Marte e seus segredos, Nasa usa telecópios espaciais para desvendar supernova de Kepler; à observação em "Heavens-Above": um site interessante sobre satélites e astronomia, Observatórios abertos ao público, Mapas para o céu do verão, Mapas para o céu do inverno, Veja a estação espacial a olho nu. Fórum de Discussão: Criação de fórum para discussão das questões elencadas em todo o conteúdo com após a experiência dos alunos.

Figura 4 – Tela do conteúdo “Biblioteca Virtual de Museus”

Figura 5 – Tela do conteúdo “Arte, Ciência e Cultura”


49

Módulo III – Biblioteca Virtual de Museus Objetivo: Discutir a respeito dos temas pesquisados na Biblioteca Virtual de Museus Ciência & Divulgação Científica nos seguintes links: Museus e Centros de Ciência; Museus de História Natural; Museus de Astronomia e Planetários; Acervos Vivos; Associações, Sociedades e Conselhos; Instituições de Ensino e Pesquisa; Órgãos de Política, Coordenação e Fomento; Projetos e Programas de Divulgação Científica; Jornalismo Científico; Livros, Artigos e Outros textos; Listas de Discussão e Newsgroups. Fórum de Discussão: Criação de um fórum para discutir algum aspecto pesquisado na infinidade de links propostos pela Biblioteca Virtual de Museus. Módulo IV – Arte, Ciência e Cultura Objetivo: Discutir as artes plásticas (artistas e exposições), integradas (Frevo e Ciência, Ciência dá samba, Antonio Nóbrega) e cênicas (circo, dança e teatro); a literatura (cordel, infantil, poesia, romance, texto teatral), ler publicações (artigos, livros, monografias e revista) e pesquisas sobre “produção de vídeo – documentário em História da Ciência para ensino de 1º e 2º graus” e “Aspectos históricos e contemporâneos da divulgação científica no Brasil”; conhecer empresas e instituições que trabalham com o tema, oficinas (bio-arte, fotografia em lata, história em quadrinhos, percussão corporal, técnicas circenses, instrumental, origami), audiovisual (cinema, programas de televisão e vídeo), música (Babiliak Bah, Barbatuques, Ciclofônica e Uakit). É também possível visualizar a agenda de eventos de diversos locais e acessar a links sobre “Fractais – arte e ciência”, grupo de contadores de histórias, humor e ciência, arte & Matemática – TV Cultura. Fórum de Discussão: Criação de fórum para discutir a temática “Arte, Ciência e Cultura” após estudo com a turma. Módulo V – Saúde e Meio Ambiente Objetivo: Discutir assuntos quentes (questões locais – “viúvas negras na Reserva do Recreio”, “O caramujo gigante africano”; questões nacionais – “biodiesel, doação de sangue, animais peçonhentos, animais brasileiros ameaçados de extinção, dengue, meio ambiente e saúde na Constituição Brasileira; questões internacionais – “as sábias palavras de um índio, pressão alta, sugestões de conservação da natureza, transgênicos, saúde e meio ambiente; e novidades científicas – a guerra contra o câncer; as dicas (de livros, filmes, jogos, oficinas, atividades e links); ainda é possível visualizar a agenda, banco de imagens e notícias a respeito das temáticas.


50

Fórum de Discussão: Criação de um Fórum de Discussão para promover um debate entre os alunos a respeito do conteúdo estudado.

Figura 6 – Tela do conteúdo “Saúde e Meio Ambiente”

Após a exposição desse conteúdo é preciso explicar quem é o Aprendaki e o porquê está disponibilizando esse material gratuitamente. Trata-se de um portal educacional totalmente independente, porque não está ligado a nenhum grupo específico; gratuito, porque disponibiliza conteúdo noticioso, pedagógico e informacional sem custo algum ao usuário final; e livre de preconceitos, porque dá a possibilidade de todos de manifestarem suas opiniões através da divulgação artigos e notícias, desde que não firam aos direitos assegurados pelos cidadãos. O Portal Educacional Aprendaki39 é a Central da Educação Brasileira e seus usuários são Estudantes e Educadores, Outros e Comunicadores (estes são os únicos que podem publicar notícias no Portal). Com o aplicativo de notícias Kipress, o usuário fica sabendo das últimas notícias publicadas no Portal de acordo com seus interesses, pois previamente configurou suas áreas de interesse no aplicativo. Para continuar a oferecer esses serviços gratuitamente, o Portal concebido para ser auto-sustentável desenvolve uma política de comercialização de publicidades (banners e shopping) para empresas e instituições divulgarem seus produtos para o mundo educacional. Outro setor de auto-sustentabilidade é o EAD.Aprendaki que oferece cursos pagos e gratuitos. EAD Aprendaki é um mediador de cursos e aulas em EAD com o intuito de favorecer uma maior inclusão digital de qualidade a educadores e estudantes. Realiza parceria com instituições educacionais e educadores que queiram utilizar o Ambiente Virtual de Aprendizagem do Aprendaki para realizarem cursos virtuais dentro da proposta pedagógica do EAD Aprendaki. 39

Disponível nos sites: <http://www.aprendaki.com.br>, <htttp://www.aprendaki.net/moodle>, <http://blog.aprendaki.net>, <http://www.aprendaki.net/blog>. Acesso em: 12/01/2008.


51

Sua missão é oferecer ensino de qualidade ampliando as possibilidades de formação continuada através de cursos totalmente on-line ou semipresenciais, proporcionando condições de aprendizagem interativa, atualizada, dinâmica, oferecendo novos conhecimentos através dos seus múltiplos cursos. 4. Conclusões Os estudantes navegam pelos meios virtuais em busca do que precisam para seu entretenimento e nesse percurso se deparam com informações e conhecimentos que poderiam servir para seu ensino-aprendizagem, se tivessem um mediador competente capaz de mediar essas informações para uma produção do conhecimento colaborativa. Não basta ser competente em sua área do conhecimento, o educador precisa dispor de tempo para essa mediação e ao mesmo tempo de um local virtual para ser ponto de referência para a turma. E nesse sentido, a área de Conteúdo Legal do EAD.Aprendaki coloca-se como o parceiro ideal do educador que deseja desbravar o universo virtual de mãos dadas com seus alunos.

5. Referências Bibliográficas ALVES, Antonia. Navegue com sua turma, Professor! Disponível em: http://www.aprendaki.com.br/noticias.asp?id=9245. Acesso em 24/02/2008. APRENDAKI – Portal Educacional. Aprendaki disponibiliza conteúdo multimídia para o professor e sua turma. Disponível em: http://www.aprendaki.com.br/noticias.asp?id=9234. Acesso em 24/02/2008. APRENDAKI – Portal Educacional. Conteúdo Legal. Fórum de Discussão para educador e alunos. Disponível em: http://www.aprendaki.com.br/cont_legal.asp. Acesso em: 24/02/2008. AVA.Aprendaki – Ambiente Virtual de Aprendizagem. Disponível em: http://www.aprendaki.net/moodle/course/category.php?id=7. Acesso em: 24/02/2008. Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciências. Disponível em: http://www.abcmc.org.br. Acesso em 01/01/2008. Curta na Escola. Porta Curtas. Disponível em: http://www.curtanaescola.com.br. Acesso em 01/01/2008. Conselho de Informações sobre Biotecnologia. Disponível em: http://www.cib.org.br. Acesso em: 01/01/2008. Agência Brasil. Disponível em: http://www.agenciabrasil.gov.br. Disponível em: 01/01/2008.


52

Anexo B – EAD.Aprendaki e sua Equipe Multidisciplinar A proposta de cursos acontecerá no Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA.Aprendaki (www.aprendaki.net/moodle), um ambiente virtual de aprendizagem do Portal Educacional criado para facilitar o acesso à formação de educadores de maneira virtual. Um ambiente amigável, interativo e colaborativo que favorece o intercâmbio entre os participantes. O AVA é um espaço propicio para criar novas oportunidades de aprendizagem, baseada na idéia de colaboração entre os indivíduos e da formação de uma comunidade de aprendizagem em um sentido amplo. EAD Aprendaki (AVA.Aprendaki) é um mediador de cursos e aulas em EAD. O Portal Educacional Aprendaki realiza parceria com instituições educacionais e educadores que queiram utilizar o Ambiente Virtual de Aprendizagem do Aprendaki para realizarem cursos virtuais dentro da proposta pedagógica do EAD Aprendaki, ou seja, fundamentado na proposta pedagógica do Ensino Baseado no Desempenho (centrado no aluno), na Educomunicação (gestão de ecossistemas comunicativos), no Construtivismo e no sócio-interacionismo tudo gerenciado no ambiente colaborativo da plataforma Moodle (LMS gratuito). Embasa-se também na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB) e nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Código de Defesa do Consumidor. Em nossa concepção de educadores, além de tutores, inserimos os “Aututores”, ou seja, aqueles que além de tutores são autores de seu curso desde a concepção e produção à realização do mesmo em parceria com a Gestão de Educomunicação do Aprendaki que administra e gerencia o AVA.Aprendaki. Trata-se de um novo neologismo descrito no livro “Second Life e Web 2.0 na Educação” de autoria de João Mattar e Carlos Valente. Os autores defendem a idéia até para justificar a viabilidade de baixo custo na produção de material didático para os cursos, uma vez que na web há conteúdo de sobra. Outro neologismo que apontam é o “Impostutor” (imposição) para se referir ao tutor que recebe tudo sem poder inserir sua contribuição ao conteúdo tão bem elaborada mas engessado daquele conteúdo. A Missão do "EAD Aprendaki" é oferecer ensino de qualidade aos estudantes – educadores que queiram dar continuidade a sua formação continuada – através de cursos totalmente on line ou semipresenciais, proporcionando condições de aprendizagem interativa, atualizada, dinâmica, oferecendo novos conhecimentos através dos seus múltiplos cursos. Educomunicação é toda ação educativa com o objetivo de produzir comunicação e com intencionalidade abdicando de práticas tradicionalistas, autoritárias e desconexas da realidade. As normas educacionais do “EAD APRENDAKI” estão embasadas nos valores que norteiam as diretrizes da estética, da sensibilidade, da política, da igualdade e da ética, buscando a conscientização e sua identidade, privilegiando desta forma a preparação básica para a formação de nossos aprendizes. Competência comunicativa e argumentativa são eixos norteadores do planejamento concebido ao lado da avaliação do processo de construção coletiva do conhecimento num currículo por competências que prima por negociar informações,


53

conhecimentos, posturas com vista a um consenso. Por sua prática construtivista, a proposta dos cursos está fundamentada na proposta pedagógica do “Ensino Baseado no Desempenho” – centrado no aluno, ou seja, os cursos são projetados ao redor de resultados de desempenho e de como os estudantes irão aprender. Todo o serviço pedagógico do EAD Aprendaki está fundamentado na mediação, pois sua ação é um processo de ensino-aprendizagem que se apóia em materiais didáticos e meios de comunicação que viabilizem o processo pedagógico. No que concerne a educação à distância, o termo mediação compreende a concepção e abordagem pedagógica que se valem de recursos de comunicação para desencadear um processo de aprendizagem no aluno, e se fazer significativa num processo dialógico com este aluno. Com o advento da internet, da globalização e da qualidade da educação no Brasil que vem caindo drasticamente nos últimos anos, a formação está em alta. Não apenas em nosso país, mas em todo o mundo os olhos da sociedade estão voltados para o ensino formal, prova disso são os relatórios da Unesco a respeito da queda de qualidade, da corrupção existente em diversos setores de instituições educacionais e seus órgãos de acompanhamento. 1. Sobre o Portal Educacional Aprendaki O Portal Educacional Aprendaki é a Central da Educação Brasileira totalmente independente (pois não está ligado a nenhum grupo), gratuita (oferece serviços e notícias grátis) e livre (preconceitos, etc) para expor a opinião de todos os que querem fazer uso da palavra divulgando artigos e notícias. Seus usuários cadastrados encontram-se em quatro classificações: Estudantes e Educadores, Outros e Comunicadores (estes são os únicos que podem publicar notícias no Portal). Com o aplicativo de notícias Kipress o usuário fica sabendo das últimas notícias publicadas no Portal de acordo com seus interesses, pois previamente configurou suas áreas de interesse no aplicativo. Para continuar com sua política de sustentabilidade, apresenta seu Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA.Aprendaki – para o oferecimento de cursos “pagos” a educadores e instituições através de parceria com “Aututores” (professores que além de serem autores de seu material pedagógico, é também tutor de seu curso), com instituições de ensino que já tenham seus cursos prontos mas não dispõem de um AVA para dar formação a seus educadores, dentre outros. 2. Competências da Equipe Multidisciplinar do EAD.Aprendaki A Equipe do EAD.Aprendaki é uma Equipe Multidisciplinar consistindo-se em grupo de formadores da Unidade de Aprendizagem que orientam e acompanham o desempenho dos alunos, solucionam dúvidas sobre o conteúdo, atuam como facilitadores do processo pedagógico e resolvem ou encaminham problemas acadêmicos ou pessoais trazidos pelos alunos.


54

2.1. Equipe de Produção e Elaboração Conteudista (autor e/ou aututor) – é o especialista no assunto que será tratado no curso. Ele define o tema e os sub-temas; organiza as aulas, módulos e tópicos; elabora o conteúdo da web (inclusive as bibliografias, referências, artigos, imagens, gráficos); planeja as atividades e as avaliações feitas pelos alunos, além de trabalhar junto com o designer instrucional e o designer. No EAD.Aprendaki utilizamos o conceito de AUTUTOR para aqueles conteudistas que, além de autor do seu material, são também tutores. Designer Instructional ou projetista (DIC) – conhece as teorias de ensino e aprendizagem, as metodologias baseadas nessas teorias e a aplicação da informática na educação. É o profissional que organiza o conteúdo educacional na metodologia interação com os designers. Suas atribuições são: criação de cursos on-line, definir os recursos e as estratégias pedagógicas. Elaboração do storyboard (roteiro das telas e documentação para o design e clientes), descrição do projeto de identidade visual, das imagens, animações e padrões de interações; definição dos recursos (vídeos, CDROM, biblioteca virtual, textos, acesso pela web etc.); definição de animações e ilustrações; interações, links para buscas; validação do curso desenvolvido, junto ao conteudista e ao cliente; acompanhamento do desenvolvimento do conteúdo a ser trabalhado pelos designers e programadores; revisão do conteúdo e da navegação. Designers gráficos e produtores de mídia – transformam as idéias desenvolvidas pelo DIC e conteudistas em conteúdos educacionais e determinam quais mídias serão usadas para cada situação. Ver mais detalhes em profissionais da área de TICs. 2.2.

Equipe de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs)

Os profissionais competentes nesta são contratados como terceirizados para desenvolvimento, implementação de módulos e/ou programas necessários: Webdesigner – responsável pela concepção e produção visual de sites, criação e adaptação de identidade visual, manutenção de páginas web, digitalização e tratamento de imagens, diagramação, animações; responsável pela identidade visual do curso e pelos recursos gráficos. Desenvolve o seu trabalho a partir do storyboard do designer instrucional, com quem necessita desenvolver uma intensa interação. A imagem e o texto devem possuir relevante significado com o tema trabalhado e servir de interlocutor do aluno. Programador web – responsável pela concepção e projeto de aplicações para web, desenvolvimento, codificação, teste e documentação de programas que executem o tratamento automático da informação; profissional que atua com o designer, no sentido de viabilizar o seu projeto. Ele implementa o projeto do curso, utilizando ferramentas de software adequadas, como: linguagens de programação, sistemas de banco de dados e ambientes para o desenvolvimento Web. Animador em computação gráfica – faz o planejamento, criação de roteiros e projetos de animação por computação gráfica para web e demais mídias;


55

Especialista em streaming – simula ambientes diversos de vídeo streaming, com diferentes máquinas, software e redes, testando o desenvolvimento de idéias e analisando as tecnologias que estão na internet para garantir uma boa performance; 2.3. Estrutura Organizacional do AVA.Aprendaki Suas competências giram em torno da gerência administrativa como um todo passando pela instâncias de web designer, programação, suporte técnico. É o setor responsável pelo bom funcionamento do ambiente virtual de aprendizagem e da interação colaborativa entre os participantes. Também é responsável pela divulgação e marketing de todo o curso. Administrador de banco de dados – responsável pela manutenção, monitoramento, identificação de falhas e refinamento de bd; Analista de suporte – responsável pela instalação e configuração de software e hardware e configuração de servidores que hospedam o AVA; é o setor responsável pela infra-estrutura do curso. Este setor será requisitado durante a preparação e o desenvolvimento do curso. Apoio técnico – encarregado de atender e solucionar problemas relacionados ao software e hardware; Equipe de divulgação – é o setor responsável pela divulgação do curso, do oferecimento da proposta para os interessados e por tecer as parcerias com empresas que tenham Responsabilidade Social. 2.4. Gestão Educacional As competências dessa área dizem respeito à gerência administrativa e de conteúdo de todo o processo do curso. O Designer Instrucional Contextualizado (DIC) é o profissional que dá corpo ao curso fazendo a junção de todo o material que compõe o curso, além de pensar e organizar toda a parte pedagógica e comunicacional e de membros do curso. Coordenador Pedagógico e de Desenvolvimento – responsável pelo levantamento de necessidade junto ao escopo e objetivos do curso, cronograma, organização de temas, elaboração de mapa conceitual do conteúdo e gerenciamento das equipes. Durante a implementação e oferta do curso, o coordenador pedagógico on-line, como no ensino presencial, deve observar o relacionamento entre professor/aluno, aluno/aluno, desenvoltura entre participantes, eficiência do material didático etc. Neste contexto, o coordenador pedagógico deve estar atento ao trabalho do tutor, verificando como estão sendo gerenciadas as atividades, as avaliações, e a freqüência dos alunos. Ele deve observar o que está ou não funcionando e propor as mudanças necessárias. Tutoria – este tem a postura esperada para o professor que atua num modelo de educação construtivista e sócio-interacionista. Seu trabalho é de guiar e orientar o aluno através do conteúdo; gerar discussões; proporcionar desafios e reflexões; oferecer caminhos novos; estimular e motivar o aluno durante todo o processo. A tutoria integra a equipe de Gestão Educomunicacional do curso.


56

Anexo C – Primeiro Curso: Saberes e Coordenação Pedagógica

1. JUSTIFICATIVA A sociedade brasileira está mobilizada no movimento “Todos pela Educação” (www.todospelaeducacao.org.br) que tem por missão o desafio de manter “todas as crianças na escola, aprendendo”. Para isso estabeleceu cinco (5) metas para alcançá-la que devem ser atingidas até o dia 7 de setembro de 2022: meta 1 – toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; meta 2 – toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos; meta 3 – todo aluno com aprendizado adequado à sua série; meta 4 – todo aluno com o Ensino Médio concluído até os 19 anos; meta 5 – investimento em educação ampliado e bem gerido. Outro importante acontecimento no mundo educacional foi o lançamento pelo Ministério da Educação do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) que tem como prioridade o desenvolvimento de uma educação de qualidade. O PDE inclui metas de qualidade para a educação básica, que, de certa forma, precisa da mobilização de toda a sociedade. Está aliado ao “Compromisso Todos pela Educação”, deseja investir na educação básica, profissional e superior, bem como envolver todos, pais, alunos, professores e gestores, em iniciativas que busquem o sucesso e a permanência do aluno na escola. O plano pretende mostrar à sociedade tudo o que se passa dentro e fora da escola, realizando uma grande prestação de contas. Alinhado ao Compromisso Todos pela Educação que vem abarcando toda a sociedade organizada inclusive a mídia, vem trabalhando as metas citadas no item anterior. Também deseja trabalhar a questão da alfabetização de jovens e adultos, criar o piso salarial nacional dos professores, criar institutos federais de educação profissional, cientifica e tecnológica. “Para que todos esses objetivos sejam alcançados, é necessária a participação da sociedade. Tanto é que ex-ministros da Educação, professores e pesquisadores de diferentes áreas do ensino foram convidados a contribuir para a construção do plano. Para se resolver a enorme dívida que o Brasil tem com a educação, o PDE não pode ser apenas um projeto do governo federal. Tem que ser um projeto de todos os brasileiros, conclui”. (PDE/MEC, 2007).

Por tal motivo, é que o Portal Educacional Aprendaki em parceira com empresas que primem pela Responsabilidade Social focada na Educação, apresenta essa proposta de formação continuada para coordenadores pedagógicos. Outro motivo que faz nos adentrar no ensino a distância apresentando o presente curso para coordenadores pedagógicos diz respeito a uma situação inerente aos dias de hoje, em que o coordenador pedagógico também responsável pela formação dos seus coordenados. Vê-se, portanto, num dilema para realizar essa formação, uma vez que os professores trabalham em mais de uma instituição, geralmente distante uma da outra e da próprias residências, o que causa fadiga nesses profissionais que deve preocupar-se com sua formação mas não tem tempo para tal. Nesse sentido, o ensino a distância (EAD) apresenta-se como solução para a


57

realização de reuniões pedagógicas, cursos rápidos, cursos formativos mais profundos e de seminários virtuais. O curso é destinado àqueles que são responsáveis pela animação dos outros docentes dentro de uma comunidade escolar exercitando, assim, as competências comunicativa e argumentativa na arte de fazer de promover o aprendizado, a interdisciplinaridade e o comprometimento com a qualidade da educação. Hoje o coordenador pedagógico é cobrado pela escola, pelos professores e pelos pais e nem sempre esse profissional encontra a formação necessária para sua atuação. Com os temas propostos em parceria com especialistas que dominam as áreas do Saber, Saber-fazer e Saber-ser, o curso é um forte aliado desse profissional que sentirá novo ânimo em sua missão de coordenar e gerenciar. 1.1.

Responsabilidade Social Educacional

Se todos estão mobilizados com o Todos pela Educação, a EMPRESA que tenham responsabilidade social com foco educacional também pode se alinhar a este grande movimento contribuindo com a formação de Coordenadores Pedagógicos, aqueles que são animadores dos outros professores. Compete a este profissional a reflexão crítica capaz de competências como descrição, informação, confronto e reconstrução da realidade escolar para a qualidade na educação. Este profissional merece atenção especial porque é quem anima e fortalece o fazer pedagógico da instituição. É o aliado do professor de uma determinada disciplina que está encontrando dificuldades em fazer o aluno a entender o conteúdo trabalhado. É o responsável por dar espaço para que projetos interdisciplinares nasçam em uma determinada disciplina e se espalhe por toda a escola. O curso é destinado a profissionais da rede pública e privada por dois motivos. Primeiro para promover o intercâmbio entre esses profissionais que têm muito a compartilhar. Segundo, porque os professores de instituições particulares também precisam de formação e nem sempre tem dinheiro para tal, ou seja, não é porque é leciona em escola particular que tem dinheiro para comprar livro, pagar por um excelente curso. 2. OBJETIVOS Capacitar o coordenador pedagógico que é o animador dos professores na Comunidade Escolar para que: - Compreenda o Saber, Saber-fazer e Saber-ser no cotidiano escolar para indicar itinerários no processo de ensino-aprendizagem; - Aprenda enquanto ensina aos docentes; - Constituam a competência comunicativa e argumentativa tão necessária à sua missão; - Trabalhem colaborativamente; - Revigorem e compartilhem sua missão com outros educadores; - atuem como facilitadores na construção do conhecimento;


58

- Reflitam sobre o educar nos tempos atuais através da contribuição de especialistas em assuntos educacionais; - Abasteçam-se de novas reflexões para que possam se animar no confronto com outros profissionais que realizam a mesma missão; - Promovam intercâmbio com escolas da rede pública e privada de ensino na tentativa de elaboração de projetos de intercâmbio. - Elaborem um Plano Virtual de Formação para seus coordenados.

3. COMPETÊNCIAS Ao final do curso, o Aprendiz será capaz de construir um conceito dos saberes (saber, saber-fazer e saber-ser) para direcionar ações na Coordenação Pedagógica a fim de: - Centrar a prática pedagógica em ações que facilitem a constituição de competências a partir dos saberes; - Manter o foco da ação pedagógica no professor – em suas características e necessidades – e na aprendizagem; - Propor estratégias e meios de avaliação contínua da ação pedagógica, pressupondo o desenvolvimento de competências comunicativa e argumentativa; - Elaborar um plano virtual de formação para seus coordenados, levando em conta o saber, saber-fazer e saber-ser; 4. ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA E PÚBLICO ALVO Podem participar deste curso todos os coordenadores pedagógicos de escolas públicas e particulares, bem como aqueles aspiram ao cargo. 5. PRÉ-REQUISITOS Para participar deste curso, o participante precisa possuir curso superior e/ou curso profissionalizante na área de educação (magistério ou outro); conhecimentos de microinformática e internet (navegação, e-mail, download de arquivos e pesquisa/busca); software leitor de pdf, Power point, vídeo e áudio (o tutor fornecerá os links para download gratuito); ter acesso a computador com conexão à internet e endereço eletrônico. Os requisitos mínimos para o computador e software dos usuários: mínimo de 64 Mb Ram; Windows 98 ou versão superior; ou Linux; CD-ROM 12x speed; Internet Explorer versão 5.5 ou superior; ou outro navegador, tipo Firefox; velocidade de acesso a Internet - mínima de 56 K; programas do conjunto Office da Microsoft (Word, Excel, etc.) ou equivalente; Placa de Som; e Caixas de som. 6. HABILIDADES ESSENCIAIS O estudante precisa ter determinadas habilidades essenciais para que possa desenvolver seu curso com alto grau de participação, colaboração e construção do conhecimento. São habilidades importantes o trabalho com o grupo na análise de


59

situações, estabelecimento de prioridades e resolução de tarefas. Precisam exibir comportamentos individuais que dêem suporte aos objetivos das organizações envolvidas (responsabilidade), trocar idéias e informações de todos os modos disponíveis com colegas, supervisores, e convidados eventuais (comunicação), identificar problemas e suas causas potenciais e implementar planos para solucioná-los (solução de problemas); achar e utilizar informações, adquirir, avaliar, organizar, interpretar e comunicar (processar informações); exibir flexibilidade e receptividade às novas tecnologias, métodos, processos, ambientes de trabalho, e práticas e estruturas organizacionais (adaptabilidade). 7. PADRÕES DE DESEMPENHO Os padrões de desempenho do processo de aprendizagem do Aprendiz se manifestam da seguinte forma: técnicas de comunicação escrita e de áudio para tomar decisões e resolver problemas do ambiente virtual de trabalho; leitura, escrita, comunicação oral, mídia e tecnologia, pesquisas; aplicação de técnicas de pensamento ativo e crítico, realização de tarefas de trabalho individual e grupal; e capacitação tecnológica para terem produtividade no AVA. 8. METODOLOGIA O curso será trabalhado a partir da abordagem sóciointeracionista e educomunicativa, utilizando-se de um processo permanente de construção do conhecimento por meio de ações comunicativas, nas quais falantes e ouvintes, com a mesma oportunidade de fala, tornam-se competentes para discutir suas subjetividades, seus papéis sociais, os respectivos contextos de fala. (SENAC-RIO UA 4, 2007:18). Essas ações visam o reconhecimento recíproco e o consenso na “coordenação de ações instrumentais para a execução de um plano comum”, conforme descreve a Equipe de Elaboração do Curso do Senac-Rio. Desta forma, a metodologia deste projeto se dá pela interação efetiva por intermédio da negociação de idéias e projetos com argumentos válidos e reconhecidos pelas partes envolvidas. Tal postura é essencialmente educomunicativa, pois todos terão a possibilidade de utilizarem, em igualdade de condições, o diálogo para interagir e negociar os processos de construção do conhecimento. Para isso, adota o Currículo por Competências organizando o aprendizado em Módulos que se articulam entre si para gerar um produto final de intervenção na realidade do Aprendiz, ou seja, “Um Plano Virtual de Formação Continuada de seus Coordenados”. Os trabalhos serão desenvolvidos a fim de desenvolver a competência da liderança do professor como um líder democrático 40, ou seja, um professor competente 40

“Pela ótica de Habermas, definimos o líder democrático como aquele que propicia e estimula a situação ideal de fala cuja meta deverá ser sempre o consenso.” (MORAES apud Senac-Rio, 2007: 71).


60

em sua área do conhecimento e que, ao mesmo tempo, transitar por outros contextos teóricos que não sua área de atuação, organizando o conteúdo de sua aprendizagem própria e de seus alunos. Também são extremamente valorizadas características como criatividade, autonomia, responsabilidade, curiosidade, necessárias à apropriação do contexto para uma ressignificação em sua realidade. Fórum, chat e wiki são as principais atividades para promoção da interatividade e construção do conhecimento para um processo colaborativo, ao lado de atividades de construção individual, como os itens: “tarefa”, “blog”, “diário”. Situações-problema, estudo de caso e situações que enriqueçam o currículo do curso, trazida pelos aprendizes, serão aproveitadas no curso que é planejado de forma a receber novas contribuições durante o percurso dos mesmos. Portanto, as atividades pedagógicas estabelecem um grau de previsibilidade em relação aos objetivos de aprendizagem inicialmente previstos e se concretizam em estratégias metodológicas concretizadas pelos recursos e ferramentas disponíveis no ambiente virtual de aprendizagem, sempre levando em conta as ponderações dos cursistas. Isso porque a proposta de tutoria no AVA.Aprendaki tem seu trabalho delineado a partir da apresentação das temáticas em cada módulo seguida de propostas de atividades para serem discutidos nos fóruns, geralmente, após a leitura prévia determinada de algum ponto do conteúdo. Nesse espaço, valorizado como um dos principais por ser assíncrono e garantir a eficácia participação de todos, os cursistas podem interagir com os colegas, estimulados pela tutoria. Na seqüência, podem assistir a vídeos e áudios, disponibilizados pelo ambiente e/ou sugeridos pelos colegas, para posteriormente realizar sua tarefa individual. Os cursistas é que definirão se querem participar de chat (momento síncrono) 41 e de que forma acontecerá esse momento, uma vez que a proposta educomunicativa faz uso da democracia. Às intervenções nos fóruns, chat’s e wikis, terão maior ênfase por se tratar de discussão interativa e às escritas colaborativas por registrar o posicionamento grupal que leva ao exercício de argumentos válidos para se chegar ao consenso. Os cursistas serão observados em termos de postura, a autonomia, a busca da construção de seu conhecimento, a interação e colaboração com os colegas numa valorização constante do trio de saberes: saber, saber-fazer e saber-ser. Dessa forma, o trabalho da tutoria distancia-se daquele que se apóia na mera transmissão de informações, e se configura como uma ação mediadora dos debates, estimulando os alunos a descobrir seus potenciais, o que é necessariamente, assumir uma postura educomunicativa e sóciointeracionista. Assim, a prática educativa estará amparada nos recursos pedagógicos (processo dialógico, colaborativo, criativo, relacional e interativo), didáticos (guia de estudo disponibilizado no AVA) e tecnológicos (mediação por meio do fórum, chat, e-mails, mensagens).

41

Esta possibilidade de escolha dá-se pelo conhecimento que se tem para acesso à internet e pelas duplas ou triplas jornadas de trabalho de alguns educadores por esse Brasil a fora.


61

8. 1. ESTRUTURA DO CURSO: O curso será realizado totalmente a distância, com módulos mensais e tarefas semanais, perfazendo um total de 03 (três) módulos, ou seja, um período de 03 (três) meses, totalizando 90 horas de curso. O número de participantes ideal é 30 alunos, em razão das atividades colaborativas a serem realizadas, com previsão de formação de 06 (seis) grupos, com 05 (cinco) participantes. No entanto, se tivermos um número maior, haverá um tutor auxiliar para o acompanhamento da turma. A preocupação com o número de participantes se dá em razão do objetivo do curso ser tornar o “tutor” em “um tutorespecial”, permitindo-lhe a manifestação de competências que o levarão a “tutoriaespecializada”, “diferenciada”. Ao final do curso, o aprendiz deve apresentar um produto final para intervenção em sua realidade, que é construído ao longo do processo de ensino-aprendizagem. Os Módulos são organizados por meio de Atividades de Aprendizagem organizadas em semanas em cada um dos módulos, destacando-se os seguintes elementos, que podem ser realizados individualmente ou em grupo. Aqui serão apresentadas apenas as atividades referentes ao Módulo I, pois os outros módulos II e III (Módulo II – Saberfazer – Gestão da Sala de Aula e do Fazer do CP com Autoria de Célia Godoy; Módulo III – Saber-ser – Valorização do Ser do Mestre com Autoria de Dirceu Moreira) ainda estão sendo elaborados pelos autores e equipe multidisciplinar. Módulo I – Saber Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções com Autoria de Celso Antunes Módulos

Atividades de Aprendizagem (AA)

Módulo I – Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções

Ambientação

Módulo I – Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções

Módulo I – Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções

1ª semana – Módulo I o

Conhecendo a plataforma;

o

Perfil do aluno;

o

Conhecendo seus parceiros;

o

A Década de 1990, o Conhecimento do Cérebro Humano e a Nova Educação

o

O que significa neuroplasticidade cerebral?

o

Neuroplasticidade, Cognição, Aprendizagem e Inteligência

2ª semana – Módulo I o

Por que prestar a atenção é algumas vezes difícil?

o

Como o cérebro humano retém Saberes: as memórias e seu aperfeiçoamento

3ª semana – Módulo I o

Inteligências Múltiplas: um outro olhar sobre a pessoa humana

Recursos Didáticos - site; - fórum; - impresso; - wiki

- site; - fórum; - impresso; - diário de bordo; - site; - fórum; - impresso; - diário de bordo;

Carga Horária

7h30m

7h30m

7h30m


62

Módulo I – Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções

o

Quais Inteligências possuímos?

o

Valores e Emoções: Qual sua relação com as Inteligências Múltiplas?

4ª semana – Módulo I o

Considerações finais

o

Elaborando projeto final do módulo

o

Avaliação Parcial

Total de horas

- tarefa;

- site; - fórum; - impresso; - blog; - tarefa; - pesquisa;

7h30m

30h

1ª SEMANA ..................... LEITURA NO E-BOOK “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”: 1. A Década de 1990, o Conhecimento do Cérebro Humano e a Nova Educação 2. O que significa neuroplasticidade cerebral? 3. Neuroplasticidade, Cognição, Aprendizagem e Inteligência Páginas de 5 a 11. Orientações Práticas Nesta Semana, o aprendiz irá ler os três primeiros itens do e-book “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”, que se encontram entre as páginas 5 a 11 e se posicionar a respeito nas atividades abaixo descritas. Falar desde o primeiro momento a respeito dos Vídeos Complementares retirados do Youtube. Objetivos do Aprendizado - Aprender enquanto rever sua prática pedagógica; - Ler os textos contidos no e-book: cérebro humano, neuroplasticidade e aprendizagem mecânica e significativa; - Discutir no Fórum o conteúdo elaborado pelos grupos na atividade Wiki; - Escrever colaborativa sobre cognição, aprendizagem e neuroplasticidade para desenvolver as competências comunicativa e argumentativa, enquanto aprendem sobre as potencialidades do cérebro humano em uma nova educação. Atividades de Aprendizagem FÓRUM DA SEMANA - Ciências da Cognição Atividade I FÓRUM da Semana – Ciências da Cognição Olá, pessoal,vamos iniciar o Primeiro Módulo do nosso curso “Saberes e Coordenação Pedagógica” com e-book “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções” (colocar o link) de autoria de Celso Antunes, o grande expoente da temática no


63

Brasil, transformando as idéias de Howard Gardner – um tanto técnica com temas da Neurociência – para o contexto corriqueiro da sala de aula. Clique no link acima para ler os itens: 1. A Década de 1990, o Conhecimento do Cérebro Humano e a Nova Educação 2. O que significa neuroplasticidade cerebral? 3. Neuroplasticidade, Cognição, Aprendizagem e Inteligência Após a leitura, vai até a atividade WIKI (colocar o link) para escrever colaborativamente com seus colegas o itens correspondente; e ao final da semana, publique o resultado neste Fórum. Atividade II Fórum de Apoio à Atividade WIKI Para que o trabalho WIKI seja “gostoso” e ousado, esse espaço é para vocês discutirem o que não estiver claro a respeito das idéias dos colegas... Por isso, aproveitem, editem, discutam, negociem, enfim, façam acontecer.... Pessoal após o WIKI ficar pronto, lembrem-se de que precisam publicar o trabalho no Fórum da Semana.

Atividade III Cognição, Aprendizagem e Neuroplasticidade WIKI – Construindo junto Nesse Wiki vamos trabalhar em três (3) grupos. Cada grupo vai trabalhar as seguintes temáticas: 1. Ciência da Cognição – Diferencie com exemplos práticos “Cognição” e “Inteligência” e conceitue os termos com o posicionamento do grupo. 2. Aprendizagem Mecânica e Significativa - Busque outros exemplos para caracterizar a aprendizagem mecânica e simule uma aula cheia de estímulos para caracterizar a aprendizagem significativa. 3. Neuroplasticidade - Conceitue e exemplifique possibilidades de estímulos da neuroplasticidade. Após o trabalho, publique seu trabalho no Fórum da Semana. (link) Atenção: Trabalhar numa ferramenta Wiki é preciso alguns cuidados para não se perder o texto que estamos editando conjuntamente. Para isso, é necessário alguns cuidados, tais como: --- Copie o texto para o seu computador e re-escreva, respeitando sempre o posicionamento dos colegas, mas nunca elimine o que seu colega já tenha escrito... se não concordar, questione! --- Copie do seu computador, cole no espaço e salve. --- Se o grupo precisar, marque um Fórum


64

Avaliação do Aprendizado Vá ao Portfólio individual e faça o registro das atividades dos alunos!

2ª SEMANA ..................... LEITURA NO E-BOOK “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”: 4. Por que prestar a atenção é algumas vezes difícil? 5. Como o cérebro humano retém Saberes: as memórias e seu aperfeiçoamento Páginas de 12 a 16. Orientações Práticas Nesta Semana, o aprendiz irá ler os três primeiros itens do e-book “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”, que se encontram entre as páginas 12 a 16 e se posicionar a respeito nas atividades abaixo descritas. Objetivos do Aprendizado - Aprender enquanto rever sua prática pedagógica; - Ler os textos contidos no e-book: a atenção, a memória e os saberes que o cérebro retém; - Puxar o fio da história da semana anterior, registrando as informações mais significativas durante o percurso da aprendizagem; - Discutir no Fórum o tema lido no e-book, apresentando o próprio ponto de vista e o diálogo estabelecido ao comentar as ponderações dos colegas.

Atividades de Aprendizagem DIÁRIO DE BORDO Atividade IV DIÁRIO DE BORDO Pessoal, este recurso chamado Diário de Bordo é um espaço só seu, mas que o Tutor tem acesso para saber como está se dando o aprendizado do conteúdo do curso em sua história. Servirá para PUXAR O FIO DA HISTÓRIA! Isso mesmo, você irá fazer semanalmente, uma “puxada” pela memória para escrever como está sendo a sua caminhada no curso. Sugerimos os seguintes itens, que podem ser reorganizados e ressignificados por você, afinal estamos construindo juntos este aprendizado. 1. Conteúdo trabalhado – o que foi e o está sendo significativo?


65

2. Contribuição dos colegas – o que está sendo significativo para mim sobre as contribuições dos colegas? 3. Contribuição da Tutoria – estou percebendo a atuação da Tutoria como... 4. O que eu sabia sobre o tema e o que foi transformado... Atividade V FÓRUM DA SEMANA - Atenção, Saberes e Memória Estamos caminhando e fazendo história. Estamos na segunda semana de estudo e desvendando os Saberes que nos ajudam a compreender o funcionamento do cérebro, das nossas competências e habilidades primordiais. Agora, você vai ler mais dois itens do e-book “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções” (colocar o link). Ao ler os itens: “Por que prestar a atenção é algumas vezes difícil?” e “Como o cérebro humano retém Saberes: as memórias e seu aperfeiçoamento”, posicione-se a respeito das idéias do autor e comente o posicionamento dos colegas. Durante a leitura, certamente, você imaginou a cena de uma mãe orientando seu filho a usar de maneira conveniente sua memória... Fale sobre experiência... Avaliação do Aprendizado Vá ao Portfólio individual e faça o registro das atividades dos alunos! 3ª SEMANA ..................... LEITURA NO E-BOOK “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”: 6. Inteligências Múltiplas: um outro olhar sobre a pessoa humana 7. Quais Inteligências Possúimos? 8. Valores e Emoções: Qual sua relação com as Inteligências Múltiplas? Páginas de 17 a 23. Orientações Práticas Nesta Semana, o aprendiz irá ler os três primeiros itens do e-book “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”, que se encontram entre as páginas 17 a 23 e se posicionar a respeito nas atividades abaixo descritas. Objetivos do Aprendizado - Aprender enquanto rever sua prática pedagógica; - Ler os textos contidos no e-book: Inteligências Múltiplas, valores e emoções; - Puxar o fio da história da semana anterior, registrando as informações mais significativas durante o percurso da aprendizagem;


66

- Pesquisar uma Personalidade de uma área da sociedade para identificar suas mais acentuadas inteligências; - Criar um caso para descrever uma pessoa com acentuadas inteligências humanas; - Identificar as suas mais acentuadas inteligências; - Apoiar, incentivar e ponderar a respeito das inteligências mais acentuadas de cada membro do grupo no Fórum da Semana.

Atividades de Aprendizagem Atividade VII FÓRUM DA SEMANA - Minhas Inteligências Após ler os itens 6 a 8 do e-book, que se encontram entre as páginas 17 a 23, responda os seguintes desafios: Minha Inteligência MAIS FORTE É .... Seguida por.... Preciso desenvolver mais a INTELIGÊNCIA.... Porque acredito que... Percebo a falta de alguma Inteligência em minha Comunidade Educativa? Como assim? Ah, não se esqueça de comentar o que seus colegas escreveram sobre si mesmo e sua Comunidade Educativa, pois seu apoio, incentivo e/ou ponderação poderá fazer toda a diferença para a pessoa em questão.

Atividade VIII Pesquise uma Personalidade e Crie um Caso Tarefa – Pesquise uma Personalidade e Crie um Caso Esta tarefa é individual. Para realizá-la, siga os seguintes passos: 1. Pesquise uma PERSONALIDADE literária, do mundo musical, acadêmico, político, cultural ou uma outra área que você queira; identifique suas Inteligências mais acentuadas. 2. CRIE UM CASO, descrevendo uma pessoa com acentuadas inteligências: a. Lingüística e lógico-matemática; b. Naturalista e espacial; ou c. Cinestésico-corporal, existencial e lingüística 3. Após essa pesquisa e criação, elabore um texto (+- 15 linhas), evidenciando as inteligências da personalidade pesquisada e relatando o caso criado que descreve uma pessoa com acentuadas inteligências (as que você selecionou acima).


67

Agora, envie seu trabalho para a tutoria.

Atividade IX DIÁRIO DE BORDO Volte ao Diário de Bordo e continue, puxando o fio da história. Agora da semana passada... Pessoal, este recurso chamado Diário de Bordo é um espaço só seu, mas que o Tutor tem acesso para saber como está se dando o aprendizado do conteúdo do curso em sua história. Servirá para PUXAR O FIO DA HISTÓRIA! Isso mesmo, você irá fazer semanalmente, uma “puxada” pela memória para escrever como está sendo a sua caminhada no curso. Sugerimos os seguintes itens, que podem ser reorganizados e ressignificados por você, a final estamos construindo juntos este aprendizado. 1. Conteúdo trabalhado – o que foi e o está sendo significativo? 2. Contribuição dos colegas – o que está sendo significativo para mim sobre as contribuições dos colegas? 3. Contribuição da Tutoria – estou percebendo a atuação da Tutoria como... 4. O que eu sabia sobre o tema e o que foi transformado...

Avaliação do Aprendizado Vá ao Portfólio individual e faça o registro das atividades dos alunos!

4ª SEMANA ..................... LEITURA NO E-BOOK “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”: Considerações Finais - Páginas de 24. PRODUTO FINAL DO MÓDULO I Orientações Práticas Nesta Semana, o aprendiz irá ler os três primeiros itens do e-book “Inteligências Múltiplas, Valores e Emoções”, que se encontram da página 24 e se posicionar a respeito nas atividades abaixo descritas.


68

Objetivos do Aprendizado - Aprender enquanto rever sua prática pedagógica; - Ler a conclusão do e-book; - Discutir no Fórum fazendo uma síntese do Módulo I; - Realizar a avaliação parcial do curso, relativo ao Módulo I; - Elaborar .

Atividades de Aprendizagem Atividade X FÓRUM DA SEMANA - Amarrando os "nós" Leia as considerações finais do AUTOR e faça a sua em relação ao conteúdo trabalhado por ele. Você acredita que o tema abre novos caminhos para uma educação de qualidade na qual educadores, estudantes e pais se envolvam afetiva, social e culturalmente? Você concorda com o autor em todos os seus posicionamentos ou você ver alguma situação que mereça ser desenvolvida de outra forma, pelo menos em seu contexto educacional? Atividade IX DIÁRIO DE BORDO Volte ao Diário de Bordo e continue, puxando o fio da história. Agora da semana passada... Pessoal, este recurso chamado Diário de Bordo é um espaço só seu, mas que o Tutor tem acesso para saber como está se dando o aprendizado do conteúdo do curso em sua história. Servirá para PUXAR O FIO DA HISTÓRIA! Isso mesmo, você irá fazer semanalmente, uma “puxada” pela memória para escrever como está sendo a sua caminhada no curso. Sugerimos os seguintes itens, que podem ser reorganizados e ressignificados por você, a final estamos construindo juntos este aprendizado. 1. Conteúdo trabalhado – o que foi e o está sendo significativo? 2. Contribuição dos colegas – o que está sendo significativo para mim sobre as contribuições dos colegas? 3. Contribuição da Tutoria – estou percebendo a atuação da Tutoria como... 4. O que eu sabia sobre o tema e o que foi transformado... Atividade X Coordenador Pedagógico, tô de olho em você!


69

BLOG A Atividade BLOG vai proporcionar a você a criação de uma situação de escrita. É diferente do Diário, pois todos os seus colegas têm acesso ao Blog, podendo inclusive fazer comentários. Antes, você precisará propor uma pesquisa em sua escola para os professores, comentar os resultados, crie UMA SITUAÇÃO capaz de aperfeiçoar as Inteligências Múltiplas em sua COMUNIDADE EDUCATIVA e publique no Blog. PESQUISA COM OS EDUCADORES EM SUA ESCOLA 1. O Coordenador Pedagógico em Minha Escola é: ( ) “pau para toda obra” ( ) “apaga foco” ( ) “salvador da pátria” ( ) “Office-boy ( ) “dedo-duro” ( ) “recheio de sanduíche” ( ) mediador entre o PPP e a prática docente ( ) não tem tempo de ser mediador ( ) faz muitos serviços burocráticos ( ) dá as coordenadas da abordagem pedagógica na escola 2. Gostaria que o Coordenador Pedagógico fosse MEDIADOR... ( ) ... entre o PPP e a prática docente ( ) ... entre a direção e os professores ( ) ... entre os professores e os alunos ( ) ... entre os professores e os pais ( ) ... das novidades pedagógicas trazendo informações novas ( ) ... para criar situações significativas de aprendizagem 3. Comente em até 5 linhas seu parecer (o que você observa) sobre os coordenadores pedagógicos da Escola: Observação: Você não será identificado, portanto, utilize letra maiúscula para responder a esta pesquisa.

Avaliação do Aprendizado Vá ao Portfólio individual e faça o registro das atividades dos alunos! AVALIAÇÃO PARCIAL Pegar as informações do Diário do Aluno Relatório das Atividades – Portfólio


70

MATERIAL COMPLEMENTAR Vídeos complementares... do Youtube - SOBRE EMOÇÕES E VALORES  Entrenemos Valores - Respeto  El Respeto  Valores  Valores Familiares  Educación en Valores  Educação por Competências  Emoción y Sentimiento, básicamente; Inteligencia SOBRE INTELIGÊNCIA EMOCIONAL  Consultoria - Inteligência Emocional  Inteligencias Múltiples  Lalo Huber - Qué es la inteligencia emocional  Inteligência Espacial  Inteligência Intrapessoal  Inteligência Emocional  Inteligência Social  Lalo Huber - Qué es la inteligencia emocional  Desenvolvimento Pessoal  Curso Estudando com a Inteligência Emocional  Cérebro Emocional  Sistema Nervioso Central  la Ciencia de la Mente (el Estudio del Cerebro)  Inteligência  Sinapsis  Sistema Nervoso  Espaço Vida - Inteligência Emocional  ENIGMAS DEL APRENDIZAJE: INTELIGENCIAS MÚLTPLES GARDNER, H. Slides Complementares  Equilíbrio Emocional - Palestra de Eliana Kruschewsky  Inteligência Emocional  Las Habilidades Sociales  Procesos cognitivos basicos  Teoria Aprendizaje Significativo

8.2. ESTRUTURA DO AVA.APRENDAKI: O número de participantes deve ficar em torno 30 alunos, em razão das atividades colaborativas a serem realizadas, com previsão de formação de 06 (seis) grupos, com 05 (cinco) participantes. No entanto, se uma turma ultrapassar esse número, haverá tutores-auxiliares.


71

8. 3. MÍDIAS EMPREGADAS / MATERIAL DIDÁTICO: Para que o aprendiz possa se organizar de forma a estruturar seus momentos de estudo, de acordo com suas possibilidades de tempo e espaço, serão oferecidas várias mídias no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) para que ele possa fazer download e, assim, dispor das mesmas, independentemente, de estar conectado à plataforma. Arquivos de áudio e vídeo, e-books, material impresso, webliografia e material complementar serão disponibilizados no AVA e poderão ser baixados para o computador do aprendiz a qualquer momento que desejar. 8.4. AVALIAÇÃO Sendo um processo dialético, a avaliação acontece porque existe flexibilidade suficiente para a análise das situações imprevistas e das reações imprevisíveis bem como a retomada dos desvios e/ou da introdução de novos elementos que permitam moldar as circunstâncias sem ferir as diretrizes e as estruturas organizacionais. O processo de avaliação do programa de EAD.Aprendaki - os cursos, os participantes, o planejamento - seguirá os seguintes critérios: racionalidade ou organicidade, antecipação ou previsão, flexibilidade e viabilidade, cientificidade, coerência e formação de personalidade social e integração grupal. 8.4.1. AVALIAÇÃO DO PARTICIPANTE Para a avaliação dos participantes de um curso, será verificado se os objetivos da aprendizagem propostos forma alcançados pelos alunos, ao final de cada Unidade, levando-se em conta seu desempenho em cada módulo, seu comprometimento com prazos, tarefas e demais atividades propostas; também seu grau de interesse nas participações coletivas em chats, fóruns e wiki e se estas serviram para trazer à tona questionamentos, colocações relevantes ao grupo e propiciaram a construção de saberes. Seguirá o percurso da ação comunicativa que valoriza os seguintes critérios de diálogo, negociação e uso de argumentos extraídos dos módulos. Para que isso ocorra com sucesso, serão utilizadas três formas de avaliação: 1) Somativa: adotando o critério de pontuação acumulativa que vai agregando conceitos (excelente, bom e insuficiente) em cada atividade e/ou participação em fórum e chat; ao final do módulo, o produto final será refeito pelo aluno quantas vezes forem necessárias para que obtenha o conceito excelente; 2) Diagnostica: o aluno terá sempre a possibilidade de refazer suas atividades se não atingir os objetivos propostos na Unidade; 3) Formativa: em todas as atividades, o aluno será avaliado em suas descobertas e construções coletivas, colaborativas e interativas do conhecimento. Comportamentos como autonomia, disponibilidade para solução de problemas, busca através da pesquisa para melhor entender um assunto ou as colocações de seus


72

pares sobre ele, levando-o sempre a complementação dos saberes, serão de suma importância para a construção dos conhecimentos. Este curso terá uma atividade final, chamada de Produto-Final, onde será avaliado todo conteúdo do curso em questão e quais as competências, realmente, assimiladas pelo aluno, gerando um conceito de participação assim ilustrado abaixo: M

=

Módulo

PF

=

Produto Final

CD

=

Conceito Definitivo

C

=

Conceitos

M1 + M2 + M3

E

=

Excelente

___________ + PF = CD

B

=

Bom

I

=

Insuficiente

3

8.3.2. AVALIAÇÃO DO CURSO Os cursos do EAD.Aprendaki serão reavaliados a cada edição em seus componentes estruturais de: programação, seleção temática, material utilizado, suporte técnico, acompanhamento pedagógico (tutoria), sistema de avaliação e parceira com o aututor e/ou instituição que ofereceu junto o curso. O design do curso como seu conteúdo serão sempre definidos para serem atraentes ao público e estimular a participação de todas as atividades, ao mesmo tempo. O acesso ao ambiente deve ser simples e contar com a participação do tutor e de equipe especiais. Sendo assim, será composta uma comissão de avaliação composta por representante de alunos, tutores, coordenação pedagógica, autores, equipe multidisciplinar para o levantamento de possíveis falhas e sugestões de ações que visem à melhoria do ambiente, conteúdo e ações. No final do curso deverá ser solicitado aos participantes um feedback em relação a: apresentação do curso, conteúdo, linguagem, metodologia; material didático; formas de interação oferecidas; desenho do curso; plataforma e suporte técnico; participação da equipe multidisciplinar, avaliação e tutoria. 8.4. CERTIFICADO Serão certificados os alunos que obtiverem conceitos “Bom” e “Excelente” e que participaram de todas as atividades propostas. O Certificado de Participação nos cursos livres será emitido pelo Portal Educacional Aprendaki, acompanhado dos Portfólios de cada participante com os conceitos e a explanação de cada atividade proposta no curso.


73

8.5. INSTALAÇÃO DA PLATAFORMA O AVA.Aprendaki é configurado no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Moodle®, uma plataforma que utiliza um software livre para gestão de educação a distância. Essa plataforma permite gestão total do ambiente virtual de aprendizagem. Permite, ainda, suporte tecnológico para disponibilização de conteúdos de acordo com um modelo pedagógico e design instructional. Ainda é possível, realizar avaliação de alunos, controle de acesso, atribuição de notas. Atende também a requisitos de andragogia e aprendizagem sócio-construtivista. Permite também a disponibilização de materiais específicos em formato word, excel, ppt, flash, pdf e uma variedade de tipos de arquivos. Além dis so, o possui uma ferramenta de autoria própria já embutida, ou seja, você pode montar seus próprios conteúdos educacionais, suas avaliações, tarefas e outros materiais por meio de uma interface simples e amigável. A ferramenta Moodle é, ainda, compatível com o padrão SCORM adotado para educação a distância, o que permite, inclusive, incorporar pacotes de cursos já prontos que podem ser adquiridos no mercado. É um software desenhado para ajudar educadores a criar, com facilidade, cursos on line de qualidade. Ferramentas como o Moodle também podem ser chamadas de LMS 42 (Learning Management Systems) ou Ambientes Virtuais de Aprendizagem. 8. 5. 1. TELA DE ABERTURA DOS CURSOS Após a concretização da inscrição, ou seja, a assinatura do contrato e comprovação do pagamento, o solicitante já será aluno e através do seu login e senha terá acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem. A interatividade e a possibilidade de colaboração do AVA proporcionam a efetiva construção da aprendizagem alicerçada nas competências que serão adquiridas ao longo do percurso da aprendizagem. Estão disponíveis na página dos cursos todas as informações necessárias como orientações de como utilizar a plataforma através do Tutorial, assuntos gerais chamado de “Mural” para que todos possam compartilhar do universo dos colegas, biblioteca virtual, painel de avisos referentes ao curso ou pertinente a ele, orientações de como realizar as atividades denominadas “produto final” e outras informações que possam surgir ao longo do curso. Faz parte ainda do AVA o calendário de cores que definem as atividades individuais, grupais, globais e do aprendiz; o perfil do aprendiz, suas notas, local para troca de login e senha. Há ainda acesso às informações sobre os “Participantes”, “Mensagens” deixadas pelos participantes e tutores e que podem ser acessadas ao entrar no ambiente ou atualizar a página e a relação das atividades, tais como: Tarefas (arquivos das tarefas, data da entrega e respectivas notas); Fóruns (acesso aos fóruns); Chats (acesso aos chats); Wikis (acesso aos wikis); Materiais (disponibilização de todo material do curso, incluindo biblioteca virtual); Diários (local para lembretes, observações do curso). 42

Learning Mangement Systems (LMS) significa Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem.


74

Tela do Curso: “Saberes e Coordenação Pedagógica”

8. 5. 2. TELA DE DIVULGAÇÃO O lay-out do site da Instituição que oferece o curso deve conter seu Logotipo, ser atraente, claro e simples. Na página onde são oferecidos os cursos em Educação a distância estará disponibilizado o nome do curso: “Saberes e Coordenação Pedagógica”, havendo um link que redirecionará o interessado para todas as informações inerentes ao curso, como:  Título do curso;  Apresentação do curso;  Equipe multidisciplinar, identificação de cada membro com um breve currículo;  Objetivos: geral, específico e institucional do curso;


75

 Público-alvo;  Pré-requisitos para cursá-lo;  Metodologia;  Estrutura do curso com breve relato das unidades;  Definição do material didático;  Requisitos tecnológicos mínimos;  Carga horária e prazo para conclusão;  Avaliações;  Certificação;  Investimento;  Formas de Pagamento;  Algumas perguntas já feitas;  Fale conosco (e-mail, telefones, endereço);  Faça sua Inscrição com link; Após a concretização da inscrição, ou seja, a assinatura do contrato e comprovação do pagamento, o solicitante já será aluno e através do seu login e senha terá acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem. 8. 5. 2. TELA DE ABERTURA Na página inicial do curso será solicitado ao aluno seu login e senha, linkando para a página do Ambiente Virtual de Aprendizagem, onde estará disponibilizada cada Unidade e, dentro dela, cada Módulo semanal. Estarão disponíveis:  Orientações, como utilizar a plataforma (também disponível em CD e áudio); :: Manual AVA;  Assuntos Gerais (local para assuntos de interesse da comunidade);  Biblioteca Virtual (material disponibilizado na internet);  Painel de Avisos (local onde serão colocados avisos referentes ao curso ou pertinentes a ele);  Orientação sobre a construção do TCC (orientações de como construir um Trabalho de Conclusão de Curso e com apresentá-lo); :: Orientações gerais; :: Manual SICs de trabalho acadêmico;  Calendário com cores que definem as atividades (atividades individuais, em grupo, globais e do usuário);


76

 Perfil (o aluno deve colocar o que acha relevante que seus parceiros saibam sobre ele, bem como sua imagem);  Notas (constará a nota de cada módulo e a média por Unidade);  Local para troca de login e senha;  Participantes (local onde você encontrará a relação de todos os participantes, seu perfil e ali deixar sua mensagem);  Mensagens (pequenos lembretes, recados, que serão visualizados assim que se entrar no ambiente);  Tarefas (arquivos das tarefas, data da entrega e respectivas notas);  Fóruns (acesso aos fóruns);  Chats (acesso aos chats);  Wikis (acesso aos wikis);  Materiais (disponibilização de todo material do curso, incluindo biblioteca virtual);  Diários (local para lembretes, observações do curso); O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), propiciará ao aluno muita interatividade e efetiva Construção da Aprendizagem, com isso seu desenvolvimento global, várias serão as competências adquiridas no ato do saber.

9. CRONOGRAMA O cronograma oferecerá um parâmetro a ser seguido, contudo, foi levantada alguma flexibilidade para eventuais imprevistos. Implantação do Curso Dez/2007 a Junho 2008 Planejamento das Atividades 1. Contatos parcerias educacionais para efetivação do curso; 2. Escolha Equipe Multidisciplinar; 3. Treinamento da Equipe Multidisciplinar e observação de seu entrosamento; 4. Elaboração do material didático; 5. Avaliação dos Recursos Tecnológicos a serem utilizados; 6. Rescisão geral do curso; 7. Escolha dos meios e divulgação;

Dez

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun


77

8. Abertura de Inscrições e matrículas; 9. Início do curso; 10. Término do curso.

9. DURAÇÃO Carga Horária: 90 horas (se o participante dedicar 1 hora por dia, terá terminado todas as atividades previstas em 90 dias ou três meses). Este curso necessita que seja formado um grupo mínimo de participantes (30) para que tenha início às atividades tais como interação com o tutor, leitura das páginas que compõem o programa, realização das avaliações, participação em chat ou fórum. Portanto, é necessário que o participante faça uma pré-inscrição, reservando sua vaga. 10. INVESTIMENTO Os cursos são organizados para serem auto-sustentáveis e, portanto, com destino ao crescimento e ampliação. Para que o professor possa participar do curso é necessário que pague pelo curso ou consiga um patrocinador cubra os gastos do seu curso a título de Responsabilidade Social Empresarial com foco em educação. Se o participante conseguir um patrocinador para seu curso, o Aprendaki se compromete a divulgá-lo em sua plataforma de EAD, com um link para o estabelecimento. A Equipe do Portal também tenta estabelecer parcerias com empresas que patrocinem os custos do curso para que o preço final fica mais acessível ao educador interessado em realizá-lo. O curso “Saberes e Coordenação Pedagógica” foi orçado em R$ 20.722,50 o que daria um valor por aluno para uma turma com 30 alunos em R$ 690,75 que poderia ser pago em até quatro vezes (6x), de acordo com as possibilidades do aluno, ficando por mês um valor de R$ 115,13. Valores a serem pagos através de boleto bancário ou Depósito Identificado. As informações podem ser visualizadas no quadro abaixo: DESCRIÇÃO

UNITÁRIO

TOTAL

Autoria (quatro autores)

2.000,00

6.000,00

Design Instrucional

3.750,00

Coordenação (gestão)

1.800,00

Tutoria (tutoramento)

3.800,00

CHANCELA (5% do valor da produção)

767,50

AVA.Aprendaki (30% do valor da produção)

4.605,00

TOTAL

20.722,50

ALUNO (pode pagar em até 6x – 115,13)

690,75


78

Anexo D – Proposta ao Patrocinador – Responsabilidade Social Educacional 1. APRESENTAÇÃO O Portal Educacional Aprendaki por meio de sua Gestão de Educomunicação & Jornalismo responsável pelo Ensino a Distância, chega até sua EMPRESA para apresentar o curso “Saberes e Coordenação Pedagógica” destinado à formação continuada de coordenadores pedagógicos de escolas públicas e privadas de todo o território nacional. Ao mesmo tempo, PEDE A SUA COLABORAÇÃO FINANCEIRA para a realização do mesmo, facilitando o acesso ao curso de coordenadores de localidades longínquas e muitas vezes sem recursos suficientes para “pagar” por um curso de qualidade e com excelentes autores de seu material didático. Para que os coordenadores tenham acesso ao curso que tem um orçamento elevado, é necessário o patrocínio para que o custo final seja mais acessível. É por este motivo que nos dirigimos à SUA EMPRESA para pedir este apoio tão apreciado pela sociedade cível que está na luta com a Campanha Todos pela Educação. Então, só nos resta dizer: IMPRIMA SUA MARCA NESTE CURSO! Dê uma “cara” melhor à educação contribuindo com a formação daqueles que PODEM fazer a educação de crianças e adolescentes ser de qualidade! Sua EMPRESA pode participar da seguinte forma: 1) pagando o valor de R$ 690,75 para que o/os participante/s possa/m participar; no caso de patrocinar mais de um participante, o valor deve ser multiplicado pelo número de participantes (690,75 x N (1 a 30); 2) pagando uma quantia maior para que possa ser abatido no custo final do curso por participante. Observação: o Aprendaki se compromete a divulgá-lo nas páginas de divulgação do curso, com um link para o estabelecimento, além de mencioná-lo em notícias que divulgará para a mídia de todo o território nacional. 1.1. Responsabilidade Social Educacional Se todos estão mobilizados com o Todos pela Educação, a EMPRESA que tenham responsabilidade social com foco educacional também pode se alinhar a este grande movimento contribuindo com a formação de Coordenadores Pedagógicos, aqueles que são animadores dos outros professores. Compete a este profissional a reflexão crítica capaz de competências como descrição, informação, confronto e reconstrução da realidade escolar em vista da qualidade. Este profissional merece atenção especial porque é quem anima e fortalece o fazer pedagógico da instituição. É o aliado do professor de uma determinada disciplina que está encontrando dificuldades em fazer o aluno a entender o conteúdo trabalhado.


79

É o responsável por dar espaço para que projetos interdisciplinares nasçam em uma determinada disciplina e se espalhe por toda a escola. O curso é destinado a profissionais da rede pública e privada por dois motivos. Primeiro para promover o intercâmbio entre esses profissionais que têm muito a compartilhar. Segundo, porque os professores de instituições particulares também precisam de formação e nem sempre tem dinheiro para tal, ou seja, não é porque é leciona em escola particular que tem dinheiro para comprar livro, pagar por um excelente curso. 1.2. PARCEIRO PATROCINADOR DO CURSO “Saberes e Coordenação Pedagógica” Envie esta folha por e-mail preenchida para o Aprendaki (ead@aprendaki.com.br) ou entregue para a Escola e/ou Profissional que Sua Empresa irá patrocinar...

Eu, ____________________________________________________________, representante da Empresa ________________________________________________________________________, inscrita sob o CNPJ _____________________________________________, Inscrição Estadual _______________________, faço adesão ao Projeto de Responsabilidade Social Educacional do Portal Educacional Aprendaki, contribuindo com a importância de R$ __________________ ( ___________________________________________________________________________________) patrocinando o equivalente à inscrição de ______ (número de) educadores a serem ( ) selecionados pela Gestão do Portal ou ( ) pela Escola _______ ____________________________________________________________________________________ ______, _________________________(cidade) - _____ (UF).

Em contrapartida, o Portal Educacional Aprendaki faz a divulgação da minha Empresa com logotipo e link na página de divulgação dos cursos (www.aprendaki.com.br/ead.asp) enquanto o cursista estiver fazendo o curso.

_______________________________________, ______ de _________________ de 2008. _______________________________________________________ Representante Legal da Empresa RG: _______________________________ CPF: _________________________________ Portal Educacional Aprendaki / Razão Social: A. Alves Pereira Comunicações CNPJ: 07.338.992/0001-00 / Insc. Estadual: Isento


80

Anexo E – Formulário de Inscrição do Cursista

EAD.Aprendaki Programa de Formação Continuada do Portal Educacional Aprendaki Gestão de Educomunicação & Jornalismo

Curso: _______________________________________________________________

Informações pessoais Nome: ________________________________________________________________ E-mail: ________________________________________________________________ Estado Civil: ___________________________________ Sexo: ___________________ RG: __________________________________ Órgão Expedidor: _________ / ______ Data de Nascimento: ___________ / _____________________ / 2008 CPF: __________________________________________ Informações contato Área de Atuação: _______________________________________________ Cargo: _______________________________________________________ Telefone comercial: ( ____ ) ___________ _______________ Telefone Residencial ( ____ ) ___________ _______________ Para recados, falar com __________________________________________ Telefone Celular: ( ____ ) ___________ _______________ Fax: ( ____ ) ___________ _______________ Endereço: _____________________________________________________ Bairro: ___________________ CEP: _______________ - _______ Cidade: _______________________ Estado: _______________ Formas de Pagamento: ( ) à vista ( ) parcelado ( ) 2x ( ) 3x Vai tentar arrumar patrocinador? ( ) sim

( (

) 4x ) não

(

) 5x

(

) 6x

Em breve, você receberá o Contrato de Prestação de Serviço para assinatura e os boletos correspondentes ao valor do curso.

Informações: Gestão de Educomunicação & Jornalismo do Aprendaki Rua Ruivo, 113 - 24 - Bairro Jardim Aquarius - CEP 12.246-130- São José dos Campos Fone/Fax: (12) 3941-8557 | e-Mail: ead@aprendaki.com.br | Site: www.aprendaki.com.br/ead.asp

Profile for Antonia Alves

EAD.Aprendaki_tcc  

Trata-se de um trabalho de final de curso do Curso de Pós-Graduação de Ensino a Distância, realizado pelo Senac-Rio e que teve a aprovação m...

EAD.Aprendaki_tcc  

Trata-se de um trabalho de final de curso do Curso de Pós-Graduação de Ensino a Distância, realizado pelo Senac-Rio e que teve a aprovação m...

Profile for antoniacj
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded