Page 20

Estratégia de desenvolvimento, questão energética e a formação de uma economia continental na China

Para termos uma idéia, o número de em-

Importante, essencial demonstrar é que

pregados no setor primário sobre o emprego total

toda essa base assentada na formação de um mer-

da China, na década de 80, decresceu de forma mais

cado interno e numa política agressiva em matéria

rápida do que o emprego rural sobre o total do país

de comércio exterior só pode ter fundamento lógico

na década de 80. Em 1994, a primeira relação era de

partindo do controle e manipulação, em prol dos in-

54,3% e a segunda de 72,6% (KOJIMA, 1996). Conti-

teresses imediatos e estratégicos da nação chinesa,

nuando, agora descrevendo o ambiente de incentivos

dos já citados instrumentos cruciais do processo de

e funcionamento deste tipo de empreendimento, as

acumulação, permitindo que o Estado Nacional seja

ECPs surgiram no âmbito da descentralização fiscal

o grande timoneiro de um processo lento de regio-

promulgada na China em 1982, viabilizando o reco-

nalização interno (China continental) e externo (su-

lhimento de impostos e reinvestimentos no nível da

deste asiático), num planejamento de altíssimo nível

província e/ou região autônoma, numa clara diferen-

e de causar surpresa aos políticos da tragédia neo-

ciação da planificação central dos tempos do “mode-

liberal no Brasil e na América Latina. Vejamos só: a

lo soviético”. As ECPs operam fora da planificação

instalação de uma plataforma de exportações base-

central, socializando lucros e perdas no nível do ente

adas tanto no litoral (ZEE`s) quanto no interior do

municipal.

país (ECPs) foi parte de um todo que envolveu uma

Sobre o crescimento destas empresas vale

política macroeconômica que, a partir de um câmbio

remeter ao trabalho feito pelos economistas Susumu

fixo, subvalorizado, permitiu o acúmulo de superávits

Yabuki e Stephen Harner (China’s New Political Eco-

comerciais suficientes tanto para o financiamento de

nomy, Boulder CO., Westview Press): em 1978 havia

máquinas e equipamentos importados, quanto para a

1,52 milhões de ECP’s no interior da China, chegando

formação de uma imensa reserva em moeda estran-

a 23 milhões em 1996. Já pelo relatório de desenvol-

geira que, por seu turno, viabilizou uma política de

vimento do Banco Mundial (World Bank Development

juros atraente ao crédito, leia-se, consumo interno.

Report, 1996, Oxford University Press, New York), a

porcentagem da produção das ECP’s no conjunto da

ta de capitais dotou o Estado chinês de um meca-

produção industrial chinesa subiu de 13% em 1985

nismo institucional que por si só serviu de indutor

para 31% em 1984 – sua produção teve crescimento

de investimentos externos produtivos em detrimento de

médio de 25% entre 1985 e 1996 e foi a responsável

investimentos especulativos, tornando-se, nesse caso,

pela criação de 130 milhões de empregos entre 1980

um dinamizador e não um amortecedor para o con-

e 1986.

junto da economia (SILVA, 2004). Ainda vale notar

Por outro lado, o estrito controle sobre a con-

Com relação à expansão da renda no campo,

o alto grau de regionalização deste tipo de investi-

Singh anota que esta cresceu anualmente entre 1980

mento na atualidade chinesa: 62% deles são provin-

e 1988 em 9,6%, enquanto que nas cidades tal foi de

dos de chineses étnicos baseados no sudeste asiático

6,3% (SING, 1999).

(JABBOUR , 2006). Eis a base macroeconômica de

uma ambiciosa política de integração nacional e in-

Estes dados nos deixam claro outra relação

que é a existente entre as reformas realizadas na China e àquelas realizadas na URSS: enquanto a URSS tratou de “reformar” indústrias de bens de capital que pela sua complexidade tecnológica não abriga

ternacional.

A marcha territorial do desenvolvimento (e a “Chicago” chinesa)

grandes contingentes de mão de obra, a China pri-

vilegiou, em primeiro lugar, a transformação e massi-

das primeiras quatro ZEEs em 1980, levou o gover-

ficação de indústrias que abrigassem grandes contin-

no chinês, já em 1984 estender tal experiência a ou-

gentes de trabalhadores que num processo imediato

tras 14 cidades costeiras, incluindo a atual “cabeça

teriam acesso primário ao mercado consumidor.

do dragão”, Xangai. Em 1987, nos estertores do 13°

20

Revista ANPG.indd 20

Os bons resultados obtidos com a instalação

Revista da ANPG, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 16 - 26, segundo sem. 2009

21/10/2009 11:26:04

Revista da ANPG  

Vol1 da Revista Científica da ANPG

Advertisement