Issuu on Google+

Caderno E

Saúde MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

DIVULGAÇÃO/STCK

e bem-estar

saudeebemestar@emtempo.com.br

(92) 3090-1017

Especial: Os exames pré-nupciais Saúde e bem-estar 4 e 5

Os ‘extras’ da boa vida de casados

Depois do casamento é quase inevitável o fato de grande parte dos casais ganhar aqueles quilinhos a mais. Mas, qual a explicação para isso? ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

Q

uem nunca ouviu dizer que “fulana” ganhou o marido pela barriga, ou, que para encontrar aqueles amigos que casaram, só se for em um almoço ou jantar? Brincadeiras à parte, a verdade é que depois do casamento a rotina do casal é totalmente modificada pelas responsabilidades com lar, família e trabalho, restando pouco tempo para atividades físicas regulares. Como consequência, restam os indesejados quilinhos a mais, isso sem falar no estado físico menos resistente e mais indisposto. “Não tem jeito. O maior problema do casamento é a alimentação, ainda mais aqui em Manaus, onde existem ótimas opções de restaurantes por toda parte”, desabafa em tom humorado, a representante de vendas Juliane Macário. Natural de Porto Velho, a jovem de 24 anos, casada há três, diz que com uma rotina intensa de trabalho e cuidados com a casa, ela e o marido, o jornalista esportivo Antônio Barros Jr, chegam em casa à noite e acabam comendo algo menos nutritivo e mais calórico, devido ao cansaço. Mas, Juliane confessa que sempre gostou muito de comer. “Ele (o marido) até brinca que quem vai acabar morrendo de tanto comer é

ele e não eu”, brinca. Hoje, com dois números acima de seu manequim, que saiu de 38 para 40, a representante de vendas diz que o casal está se organizando para fazer caminhadas pela manhã. “Como dormimos tarde, acordar cedo se torna mais difícil”, lamenta, afirmando que o projeto de se exercitarem não cairá no esquecimento, uma vez que não é só pela parte estética que ambos planejam as caminhadas, mas também pela saúde.

FOTOS: ACERVO PESSOAL

Mais vitalidade A decoradora de festas infantis Roseane Claudina Campos Batista, 27 anos, é um ótimo exemplo de mudança no estilo de vida que pode melhorar o bem-estar físico e, de quebra, dar uma “sacudida” no casamento. Oficialmente declarada a senhora Batista desde 2004, Rose, como é conhecida, conta que além da rotina de dona de casa, as complicações em sua primeira gestação lhe rederam um peso bem acima do normal. Devido a essa rotina estressante, Rose decidiu mudar, retornou para faculdade, passou a correr todos os dias e prezar por uma alimentação mais saudável. “Passei a gostar mais de mim, e isso refletiu no meu relacionamento com o Hallison, que também emagreceu. Hoje temos um casamento sem dúvida mais saudável”, orgulha-se.

Antônio Jr. e Juliane pretendem fazer caminhadas diárias

Rose, Hallison e o filho Tobias, em momento de descontração

Exercícios para fazer em sua casa Já que a maior dificuldade para os casais é a falta de tempo para ir até a academia, então a personal trainer da Academia Atala, Caroline Amoedo, recomenda que seja criada uma pequena área para musculação, em casa. “Se a pessoa puder comprar uma esteira, se torna mais prático, mas caso não seja possível, a mesma atividade pode ser feita ao ar livre ou substituir por uma atividade na piscina. Entre os outros

objetos necessários estão alteres e caneleiras de 2 kg, elásticos e bolas para exercícios de academia, além de um ou dois colchonetes”, enumera a especialista. Exercícios - Comece com um alongamento, seguido de um aquecimento e 15 minutos de corrida leve em velocidade moderada. - Agachamento livre. Com os pés afastados na direção do ombro, ponha as mãos

na cintura ou estenda à frente do corpo e faça um movimento como se fosse sentar e suba novamente. Duas séries de 18 repetições ou três de 15. - Elevação de joelho. Com as caneleiras e uma vassoura a frente do corpo, eleve e baixe o joelho até a altura do quadril. Duas séries de 18 repetições. - Braços e costas. Com os halteres nas mãos, eleve os braços acima da cabeça e flexione os cotovelos, des-

cendo as mãos até a altura do ombro. Duas séries de 18 repetições. - Glúteo. Sob o colchonete, apoie as mãos e joelhos, em seguida estenda e flexione um das pernas estendendo até a altura do bumbum. Duas séries de 18 repetições. - Flexão de braço. Ainda na posição de quatro, afaste os braços e flexione, descendo a parte anterior do corpo até o chão, subindo em seguida. Três série e 12 repetições.


E2

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Humberto Figliuolo

DICAS DE SAÚDE

hfigliuolo@hotmail.com.br

Um problema de peso Enquanto milhões de brasileiros não conseguem comer todos os dias a quantidade mínima de alimentos necessária à manutenção da vida produtiva, outros 200 mil morrem anualmente, vitimas de doenças relacionadas ao excesso de peso. O ritmo alucinante da vida moderna, a péssima alimentação e até o desenvolvimento tecnológico transforma a obesidade em uma epidemia mundial do novo milênio. O total de obesos no mundo é calculado em torno de 2 bilhões de pessoas, cerca de 20 milhões deles estão no Brasil. Uma estimativa do Ministério da Saúde mostra que 12,4 dos homens e 16,9 das mulheres estão acima do peso normal, em outras palavras são obesos. E mais: a obesidade infantil já atinge 16,6 meninas e 11,8 meninos. A causa é, principalmente, a alimentação muita rica em gorduras. Todas essas estatísticas comprovam que o excesso de peso não é apenas problema estético, mas grave fator de risco para problemas cardíacos, diabéticos e câncer de mama. O obeso só se preocupa com sua alimentação, depois que algum problema sério é diagnosticado.

A obesidade é uma doença crônica e seu portador deve obrigatoriamente mudar seus hábitos. Você tem fome de quê? Alimentação balanceada pode ser o segredo de uma vida saudável. Em cada momento da vida temos diferentes necessidades energéticas, que variam de acordo com idade, sexo, altura, peso e atividades físicas. O importante é seguir as orientações médicas responsáveis e éticas, acabando com as fantasias das dietas milagrosas e rápidas para atingir o peso ideal ou amenizar males emocionais e estéticos. As mulheres usam cada vez mais calmantes e medicamentos para emagrecer, em busca de solução. Perder peso não requer sofrimento e sim uma reeducação de hábitos da qual a alimentação faz parte, suprindo as necessidades do corpo sem o abuso de calorias. Tenha mais qualidade na sua vida: “Faça a coisa certa!” Um fator que tem sido bastante estudado e que pode ser demonstrado na pessoa obesa ou predisposta à obesidade, refere-se à herança genética. A obesidade não é um mero problema estético, mas uma doença com um compor-

tamento genético importante. Os genes são fundamentais para determinar como será o metabolismo de cada indivíduo; o seu biótipo. “Na segunda eu começo”. Invariavelmente esta é a frase pronunciada pela maioria das pessoas, principalmente as mulheres que pretendem emagrecer (mania nacional). Na segunda eu começo meu regime - os mais loucos possíveis: da lua, do sol, dos artistas, das frutas, da sopa, da ração humana e agora do óleo de coco. Dizem isso, e nisso ficam. O excesso de peso continua. Muito cuidado com as dietas e medicamentos milagrosos. O uso de medicamentos para emagrecer não é recomendado para todos que estão em dieta. Existem critérios para definir os pacientes que precisam de tratamento mais avançado. Consumir medicamentos sem a orientação de um médico especialista é extremamente perigoso. Emagrecer com ou sem medicamentos? De mal com a balança? Disciplina, amor próprio, atividade física e obtenha resultados satisfatórios. Continue agindo, porque há um amanhã todos os dias.

Humberto Figliuolo, Farmacêutico

Perder peso não requer sofrimento e sim uma reeducação de hábitos da qual uma alimentação faz parte, suprindo as necessidades do corpo sem abusos”.

O macarrão que ajuda a reduzir medidas Ele tem o mesmo formato do macarrão instantâneo, mas as semelhanças param por aí. Feito de um tubérculo japonês, ele é gelatinoso, transparente e levinho - tem apenas 10 calorias em uma porção de 200 gramas. Na culinária oriental, seu consumo é milenar, mas só agora virou moda para emagrecer. O macarrão asiático é conhecido no Brasil como shirataki. O segredo? Ele tem 97% de água e 3% de glucomannan - um tipo de fibra que dobra de volume no estômago, deixando você satisfeito com menos comida. Como ele quase não tem sabor nem nutrientes a dica é consumir na sopa ou junto com legumes e peixe grelhado. O produto está à venda em lojas de produtos orientais.

João Bosco Botelho joaoboscobotelho@gmail.com

Medicina e igreja na Idade Média Com a divisão do Império Romano, iniciada pelo Imperador Constantino e consolidada por Teodósio, em fins do século 4, o Império Romano do Ocidente teve a sua capital em Milão, na Itália, e o Império Romano do Oriente em Constantinopla, atual Istambul, capital da Turquia. O Império Romano do Ocidente sofreu profunda transformação sóciopolítica nos anos seguintes em consequência da invasão dos visigodos, da cristianização e da gradativa mudança do sistema mercantil-escravista para o feudal e, como não poderia deixar de ser, a prática médica foi envolvida e modificada pelas mudanças em curso. Com a cristianização do Império Romano do Ocidente, a influência exercida pela Igreja Católica na medicina foi se fazendo de forma gradativa e irreversível. A origem da interferência remonta aos tempos pré-cristãos, quando o pensamento judaico associava o aparecimento das doenças aos pecados. Progressivamente a doença passou a ser pecado e o único tratamento possível para o sofrimento era o perdão de Deus. A relação social com o binômio saúde-doença evoluiu sem alteração e se consolidou definitivamente no Ocidente com a ação

evangélica de Jesus Cristo, que incluía a capacidade de curar milagrosamente inúmeras doenças, cujos relatos foram passados por meio das gerações pelos apóstolos do Novo Testamento. Por razões não perfeitamente esclarecidas, os médicos laicos simplesmente desapareceram a partir do século 5. O atendimento médico e o combate às principais doenças passaram a ser feitas nos mosteiros por padres das diferentes ordens religiosas. Entre os mosteiros que se destacaram no exercício da atividade médica está o de Monte Cassino, na Itália, construído sobre um antigo templo de Apolo. Ao mesmo tempo multiplicava-se também o uso de relíquias e talismãs para a proteção das doenças. Exemplos marcantes de como a superstição era o fundamento da medicina dessa época podem ser sentidos nas palavras de Santo Agostinho: O perfume de azeviche afugenta os demônios e seu uso desata e desfaz o quebranto, ligaduras e encantamentos e todos os fantasmas tristes e melancólicos. Com o passar dos anos, os padres passaram a exercer a medicina fora dos muros dos mosteiros. Em consequência dos atritos criados pelos danos causados aos doentes, como a sangria, os religiosos foram

proibidos de exercer a atividade médica fora dos mosteiros, por determinação dos Concílios de Remis (1131) e de Roma (1139). Essa situação evoluiu para a formação de escolas leigas de medicina , que foram, pouco a pouco, se formando junto aos mosteiros. A Escola de Salerno, no sul da Itália, fundada ao lado de um convento beneditino, foi a primeira de orientação puramente leiga. Essa escola foi responsável perante a história pela famosa frase: Primo, nou nuocere (Em primeiro, não façam mal). Pouco tempo depois surgiu a Escola de Montpelier, na França, com as mesma características da Escola de Salerno, isto é, a fundamentação do ensino médico era baseado nas obras de Hipócrates e Galeno. Os estudos da anatomia humana foram retomados pelas mãos de Mondino de Luzzi(12701326), professor da Universidade de Bolonha, que realizou a sua primeira dissecção humana, na Europa, em 1315. A cátedra universitária remonta a esse período. O professor sentado numa grande cadeira, daí o nome de cátedra, que ditava a aula aos alunos, calados e atentos, ávidos de conhecimentos, sem questionar as exposições do catedrático.

Chá verde em sachês também funciona João Bosco Botelho, Doutor Honoris Causa na França

Com a cristianização do Império Romano do Ocidente, a influência exercida pela Igreja Católica, na medicina, foi gradativa”.

Você já ouviu dizer que o chá verde acelera o metabolismo e queima a gordura, mas não é apenas a erva desidratada, a granel, que funciona. Segundo um estudo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo, a versão em pó solúvel, diluída em água fria ou quente, também emagrece. Mulheres obesas com idade entre 20 e 40 anos e que fizeram dieta e beberam o chá preparado com 10 gramas do pó, de manhã e à tarde, perderam duas vezes mais peso em comparação àquelas que só reduziram calorias.”O mérito é das catequinas - antioxidantes do chá verde que, além de elevar o gasto energético, inibem uma enzima que atrapalha a queima de gordura.

Expediente Editora Vera Lima weralima@yahoo.com.br

Diagramação Marcelo Robert Weiner Auzier

Repórteres Alita Menezes Camila Henriques

Revisão Marco Adolfs www.emtempo.com.br


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

e bem-estar

E3

Suco dos milagres A moda de frutas e chás de sabores variados pode resultar em uma excelente combinação para aliviar o calor e desintoxicar o corpo, após excessos alimentares ou de bebidas alcóolicas, ou simplesmente pelo prazer da boa bebida DIVULGAÇÃO/STCK

CAMILA HENRIQUES Equipe EM TEMPO

A

s altas temperaturas de uma cidade como Manaus pedem roupas leves e bebidas refrescantes, como os famosos “suchás”. Nova mania nos restaurantes “naturebas”, o suchá nada mais é que a mistura de sucos e chás de ervas naturais – ou seja, a união de um bom paladar com componentes bastante saudáveis. Com sabores variados (abacaxi, kiwii, morango, hortelã, etc), essa bebida é mais uma na longa lista de receitas naturais que refrescam, ao mesmo yempo que tratam e previnem doenças. Segundo a nutricionista e especialista em Segurança dos Alimentos, Yeda Neves, essa “febre” deve ser observada com olhos críticos. “Quem opta por ingerir esses sucos, atraídos pela isenção de calorias, pode estar deixando de lado o consumo de fibras, vitaminas e de se alimentar com frutas, legumes e verduras. O suco com ervas é um complemento; tomá-lo não terá nenhum benefício, se você descuidar de uma alimentação balanceada e saudável, acreditando que a bebida é milagrosa”, pondera Yeda.

Alerta Outro ponto destacado por Yeda é que o consumo desse tipo de bebida tem restrições para crianças, gestantes, mulheres, idosos e portadores de enfermidades. Enquanto profissional da saúde, a nutricionista afirma que deve investigar as condições reais do paciente

Dicas para desintoxicar o organismo Um dos benefícios que bebidas como o suchá apresenta é a melhora da pele e a diminuição da acne. Mas será que é apenas um paradigma ou uma realidade? De acordo com Yeda, não há comprovação. “A acne ocorre quando as glândulas sebáceas na base dos folículos pilosos da pele produzem sebo em excesso. Na maioria dos casos, ela é causada pela alimentação inadequada”, explica. Portanto, a nutricionista recomenda uma alimentação rica em cereais e grãos integrais, verduras e hortaliças, frutas da época, leite ou iogurte desnatado. “As frutas e verduras cruas contém fibras, regulam o intestino e desintoxicam o sangue. São os famosos alimentos depurativos”, conclui.

Não podemos receitar uma variedade de medicamentos ou produtos naturais ao paciente. Seria uma irresponsabilidade Yeda Neves, Nutricionista

antes de determinar se um tratamento natural é ou não necessário. “São analisados quesitos como os dados pessoais, queixa principal, coisas que remetem ao mecanismo de qualquer enfermidade e estágio em que se encontra. Depois, realizamos exames para traçarmos um plano de tratamento eficaz.

Coisa de Mulher weralima@yahoo.com.br

Mistura de sucos naturais com chás pode ser benéfica para o corpo, mas deve ser equilibrada

Vera Lima

No fundo ou no raso? Falar de relacionamentos é uma coisa meio complicada e pode melindrar meio mundo, porque cada caso é um caso e as pessoas agem de acordo com suas histórias de vida, portanto, o que serve para um dificilmente serve para outro. Mas, ainda assim, algumas regrinhas básicas podem ajudar quando a bússola do coração fica desregulada em razão de olhares mais profundos lançados em nossa direção, por pessoas que chegam abalando as estruturas. Confidenciava-me um amigo querido que está feito gato escaldado, correndo quilômetros com medo de água fria. Bom, segundo ele, depois de levar “bomba” em alguns relacionamentos, ficou com medo de se machucar de novo e resolveu trancar portas e janelas para ninguém invadir o seu espaço particular. Não sei se funciona bem assim e se essa é a melhor maneira de viver. Primeiro, porque a vida é um risco por si só. Quem não se arrisca não vive plenamente e só come o pudim pelas beiradas, deixando de saborear a melhor parte e sem se dar o direito de se lambuzar, como se estivesse em uma festa. Vida regrada não é bem vivida e oportunidades perdidas dificilmente voltam às nossas mãos. Provavelmente eu não sou a pessoa mais indicada para falar sobre relacionamentos, afinal, só casei uma vez e não tive coragem de repetir a façanha. Talvez a Gretchen seja muito

mais capacitada a tratar desse assunto com todo o conhecimento e experiência que os 16 casamentos já lhe trouxeram. Ainda assim, acho que fechar para balanço por um tempo longo demais pode ser uma atitude de pouca confiança em si mesmo e na vida. Quando entramos em uma relação nossa expectativa invariavelmente é que tudo dê certo e mesmo quando não estamos pensando em compromisso, também não estamos programados para quando as coisas desandam e acabamos sofrendo. Faz parte da vida, e mesmo quem não se envolve, sofre de outros males tão ruins quanto desilusões amorosas, sofre com a solidão e isolamento. Por isso, é bom tomar algumas precauções antes de ir fundo demais em uma relação sem conhecer pelo menos um pouco a pessoa com quem estamos. Quando alguém está disposto a conquistar o outro só mostra o lado mais simpático e sedutor de sua persona-

lidade e, com isso, acabamos fazendo uma imagem irreal daquela pessoa. Só o tempo, a proximidade e a intimidade mostram o que cada um realmente é. e ainda assim, alguns aspectos da personalidade e do caráter de uma pessoa só surgem muitos anos depois, quando as circunstâncias permitem ou forçam tais revelações. Quantas vezes nos decepcionamos com pessoas que julgávamos conhecer e que, de repente, tomam atitudes que contrariam tudo aquilo que esperávamos? As pessoas podem ser surpreendentes e, na maioria das vezes, o são. Não temos como saber se a relação vai dar certo. Sem tentar, não temos como saber se a pessoa é o nosso número. A vida é feita de erros e acertos. Podemos até sair machucados depois de alguns relacionamentos. Mas, se olharmos para trás, poderemos perceber que, ainda que seja só pela experiência adquirida, saímos no lucro. Portanto, se você acha que vale a pena arriscar, vai fundo.


E4

Saúde

e bem-estar

Indispensáveis para a saú Os exames pré-nupciais, além de detectar a presença de doenças venéreas, também contribuem para avaliar problemas do aparelho genital, como a infertilidade ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

E

ngana-se quem acha que eles saíram de moda, além de serem uma tradição, os exames pré-nupciais são indispensáveis para a saúde do casal. Nessa penúltima edição do especial “Noivas” será possível conferir um “check list” das principais prescrições médicas que não podem deixar de ser cumpridas antes do tão sonhado dia do casamento. De acordo com a ginecologista Grasiela Correia Leite, chefe do departamento de ensino e pesquisa da Fundação Cecon, nem só de convites, bem-casados, flores e sessões de beleza devem ser pautados os preparativos do casal. “Independentemente de ser ou não virgens é importante que os noivos busquem orientações sobre a saúde da vida íntima do casal”, destaca a especialista. Em uma sociedade em que, cada vez mais, se valoriza a prevenção contra doenças, certamente o sexo seguro se torna ainda mais prazeroso por estar livre de dúvidas ou medos, uma vez que há uma tendência dos jovens iniciarem na vida sexual muito cedo e tendo diversos parceiros antes do casamento. É exatamente para oferecer uma maior tranquilidade e respeito mútuo ao casal que os exames pré-nupciais ainda

continuam em alta. E, não é só isso. Eles também se mostram uma ótima ferramenta para detectar possíveis dificuldades de engravidar, seja por parte da mulher como também do homem. Por isso, a necessidade de que sejam cumpridos até por aqueles que ainda não tiveram sua primeira experiência sexual. “A visita regular a um ginecologista já deve ser rotina na vida de qualquer mulher”, alerta doutora Grasiela, bem

PREVENÇÃO

Os exames que devem ser feitos tanto pela noiva como também pelo noivo são: HVI, sífilis, HPV, teste sanguíneo geral (anemia, glicemia, triglicerideos, tipo sanguíneo, hepatite), urina e fezes como a realização do exame preventivo contra o câncer de colo uterino Papanicolau. “Esse exame, por sua vez, não faz parte da lista pré-nupcial, principalmente se a noiva for virgem”, completa. O Papanicolau deve ser feito pelo menos uma vez por ano, sendo iniciado três anos depois da primeira relação sexual, no caso de mulheres menores que 21 anos, dispensando-se esse tempo de espera após essa idade.

Os exames são essenciais para assegurar a saúde do casal


MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

E5

úde do casal FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

Para a mulher, os exames especiais são importantes

Check-up completo da noiva Quando se fala de mulher e matrimônio, logo vem a mente a ideia da gestação, aumentando assim a necessidade de cuidados extras durante os exames pré-nupciais da noiva. Entre os exames adicionais, que objetivam a prevenção da saúde do bebê, estão o teste para toxoplasmose e o citomegalovirus. Para a ginecologista Grasiela Leite quando se fala de exames pré-nupciais é importante não restringir a consulta nos testes clínicos, priorizando também o dialogo aberto e a orientação. “Depois de receitados todos os exames, partimos então para as recomendações, como a imunização

contra rubéola e HPV, ambas por meio de vacina”, diz a especialista. Ela chama atenção para o fato do HPV ser responsável por 99% dos casos de câncer de colo uterino, bem como para os riscos que a rubéola pode trazer se adquirida durante a gravidez, comprometendo drasticamente a saúde do bebê. “Vale lembrar, que quando a noiva ainda não teve relação sexual é necessário a orientação sobre as particularidades do corpo feminino, e a prescrição conjunta do uso de preservativo e anticoncepcionais, caso ela não queira engravidar nos primeiros anos de casamento”, finaliza. Antes do dia do casamento, as noivas devem atentar também para os cuidados com a saúde

Cuidados para a ala masculina Para a ala masculina a bateria de exames é bem mais restrita, mas não menos importante. É mais que conhecida a resistência que grande parte dos homens tem em ir ao médico e nessa hora a noiva não pode se deixar vencer e insistir na consulta a um urologista. O espermograma verifica se a quantidade e a qualidade de espermatozóides são normais observando seu volume e a consistência, sendo considerado normal a quantidade entre 3 e 5 ml, para homens até 40 anos. Resultados com contagem abaixo de 1 ml podem indicar problemas e a consistência deve ser gelatinosa nos primeiros 10 a A noiva tem que tomar as vacinas contra rubéola e HPV

30 minutos, caso contrário pode ser sinal de poucos espermatozoides. O último passo do espermograma é o exame microscópico, que verifica o número de espermatozoides, como se movimentam e sua constituição morfológica. Próstata Inclui-se ainda, no caso de homens acima de 40 anos, o exame de próstata. Além desses dois específicos para os homens, os outros exames que devem ser feitos tanto pela noiva como também pelo noivo são: HVI, sífilis, HPV, teste sanguíneo geral (anemia, glicemia, triglicerideos, tipo sanguíneo, hepatite), unira e fezes.

Os homens são mais relutantes na hora de fazer exames


E6

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Ioga causa um impacto psicológico e emocional Um estudo científico brasileiro mostra que a ioga traz vantagens palpáveis para quem a pratica com regularidade

O

trabalho, conduzido por pesquisadores do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), preenche uma lacuna nos estudos sobre o impacto neuropsicológico da ioga. A maioria carece de controles adequados que garantam o rigor ou a aplicação universal dos resultados. Diferentemente do que ocorreu nas outras pesquisas, dessa vez os pesquisadores escolheram voluntários saudáveis que não praticavam ioga. Eles foram recrutados no Batalhão Visconde de Taunay, em Natal, no Rio Grande do Norte. Os cientistas conseguiram autorização do coronel Odilon Mazzine Júnior para realizar uma atividade atípica para o grupo de 17 soldados que participaram do estudo: ao longo de um semestre, eles praticaram uma hora de ioga, duas vezes por semana. Outros 19 militares não participavam das aulas e serviram como grupo de controle. Isso é importante para que os resultados do grupo que praticou ioga possam ser comparados. A bióloga Regina Helena da Silva, coordenadora do estudo, pratica ioga há cerca de uma década, mas nunca tinha colocado o exercício sob a lente da psicobiologia, sua área de pesquisa. Animou-se, no entanto, quando o também biólogo

FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

Kliger Kissinger Fernandes Rocha pediu que ela o orientasse no doutorado. Rocha é professor de ioga e reconhecia as limitações dos estudos sobre o tema. Por isso sugeriu abordá-lo em uma tese. O trabalho, publicado na revista científica “Consciousness and Cognition”, é fruto desse interesse. Os militares foram avaliados no início e no fim do estudo. Foram aplicados testes de memória e formulários para averiguar o nível de estresse e outras condições psicológicas, bem como testes fisiológicos. “Notamos uma melhora de 20% na memória, de longo prazo, nos militares que praticaram ioga”, afirma Rocha. “É um porcentual que indica um considerável ganho cognitivo”. Ele recorda que também houve uma diminuição no nível de estresse “O cortisol (hormônio associado ao problema) presente na saliva diminuiu 50% no grupo da ioga”, recorda o pesquisador, que aos 14 anos recebeu indicação médica para praticar ioga com a finalidade de atenuar as raízes psicológicas de uma gastrite nervosa. Como não houve alterações significativas no grupo de controle, os pesquisadores descartam a atribuição da melhora aos exercícios físicos. Isso porque o grupo de controle realizava até mais exercícios do que o que se dedicou à prática da ioga. A prática regular de posturas de ioga, comprovadamente ajudam a eliminar os sintomas de estresse e ansiedade

Pesquisa deixa questões sem respostas Os cientistas afirmam que os mecanismos neurofisiológicos responsáveis pela melhora cognitiva e afetiva ainda são desconhecidos. “Trabalhamos com a hipótese de que a meditação na ioga melhora a capacidade de concentração”, explica Regina. “Contudo, a dimi-

nuição do estresse também poderia explicar a melhora dos resultados nos testes que avaliaram a memória”. Estudos incompletos A maioria dos estudos sobre as consequências da prática da ioga tem lacunas. Alguns, por exemplo,

incluem, nos testes, indivíduos doentes que já recebem tratamento. Não fica claro, portanto, o que é mérito da ioga e o que deve ser atribuído à terapia convencional. Outros não aferem a condição dos voluntários antes da primeira aula de ioga, o que impede qualquer conclusão

sobre o nível de melhora. Quase todos os estudos científicos analisam populações do Oriente, já predispostas à prática. “Por isso, procuramos uma população saudável e o mais uniforme possível”, comenta a bióloga Regina Helena da Silva, coordenadora do estudo.

As posturas devem ser realizadas com a devida concentração

Personal Fitness Club Professor Marcos André Bandeira DIVULGAÇÃO/STCK

As crianças só podem fazer determinados exercícios com a supervisão de um adulto

Musculação para crianças e jovens Percebe-se na atual sociedade uma busca frenética por padrões de beleza e autoimagem que são idealizadas e reforçadas pela mídia, que, em grande parte, é responsável pela influência de seu desenvolvimento. A insatisfação precoce com a imagem corporal pode induzir o adolescente à submissão de atividades físicas com alta intensidade e grande volume de treinamento, levando muitas vezes a sobrepor à própria saúde, em decorrência da valorização do corpo e da imagem a qual idealizam e anseiam atingir. Durante muitos anos o treinamento de força para adolescentes era tido como algo prejudicial a essa faixa etá-

ria, descrevendo que poderia atrapalhar o desenvolvimento físico e o crescimento, além de proporcionar uma grande probabilidade de lesões. A maioria dos praticantes de treinamento de força eram homens maduros que pretendiam esculpir seus corpos, tanto para a estética como para competições, como o fisiculturismo. Portanto, um profundo conhecimento sobre as alterações que o corpo da criança sofre durante a faixa de crescimento, bem como de que maneira estas alterações influenciam na capacidade física e na resposta ao exercício, é de grande valia para um programa seguro e saudável. Um programa bem elabo-

rado, adequadamente supervisionado, com ênfase à boa técnica e execução dos movimentos, torna a sua realização quase que totalmente isenta de riscos e os seus benefícios se tornam inúmeros, entre eles: .aumento de força muscular; . diminuição das lesões relacionadas com o esporte e atividades recreacionais; . flexibilidade; . resistência e capacidade física, sem causar qualquer lesão ou atrapalhar o crescimento ósseo. Na verdade, a musculação feita corretamente é um estímulo para o ideal e saudável crescimento de praticamente todos os sistemas fisiológicos da criança e do adolescente.


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

e bem-estar

E7

‘Slimlipo’, corpo magro em um prazo de 24 horas Procedimento rápido, livre de dores e hematomas, com rápida recuperação são as vantagens da lipoaspiração a laser DIVULGAÇÃO/STCK

ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

A

gora não é mais preciso tirar férias para poder fazer aquela lipoaspiração e se livrar das incômodas gordurinhas localizadas. Uma tecnologia recente, com apenas 15 representantes em todo o Brasil, a lipoaspiração a laser chega também a Manaus, trazendo a possibilidade de em procedimento estético rápido, que pode ser feito a qualquer momento e sem a necessidade de que a pessoa se afaste das atividades profissionais. De acordo com a equipe médica da Clínica DaPele, formada pelo cirurgião plástico Roberto Vieira e pelos dermatologistas Cristiany Pereira e Ilner Souza, se comparada com o procedimento tradicional a lipoaspiração a laser pode ser considerada uma revolução, pois completa as principais necessidades não alcançadas com a lipoaspiração por sucção. “A lipo tradicional não é recomendada para pessoas que sofrem de flacidez, porque agrava o problema, enquanto a “slimlipo” atua no derretimento da gordura e na contração da pele, diminuindo a flacidez”, explica o doutor Ilner Souza. E, como a ponteira do aparelho da lipo a laser é bem mais fina que a por sucção, então o procedimento é quase que indolor, dificilmente deixando hematomas. “Por ser uma cirurgia pouco invasiva, a técnica possibilita também a aplicação na parte interior dos braços e coxas, bem como na papada do pescoço”, acrescenta Cristiany Pereira. A anestesia é local e o paciente fica acordado durante o procedimento,

não havendo necessidade de internação. “No dia seguinte após se submeter ao slimlipo o paciente já pode voltar a trabalhar”, diz a especialista. Cuidados básicos Durante o pós-operatório os cuidados da lipo a laser são os mesmos da tradicional, com sessões de drenagem linfática e uso de cintas modeladoras. “Aqui na clínica priorizamos pela beleza saudável e procuramos otimizar os resultando reeducando os hábitos de vida da pessoa com orientações nutricionais e com o incentivo

“A slimlipo atua no derretimento da gordura localizada e na contração da pele diminuindo a flacidez”

Ilner Souza dermatologista

da prática de exercícios físicos”, salienta Ilner Souza. A exigência de exames e consultas pré-operatórias também é indispensável nesse novo procedimento, a fim de avaliar se a pessoa pode ou não se submeter à cirurgia sem riscos à sua vida. “Gestantes, mulheres em fase de aleitamento, indivíduos que sofrem com diabetes e hipertensão descondensadas, além de pessoas com alteração na imunidade ou que façam o uso de drogas que alterem a coagulação do sangue, não podem se submeter à cirurgia de slimlipo”, alerta o dermatologista.

Ao contrário da lipo tradicional, no procedimento a laser a paciente pode retornar ao trabalho no dia imediato à cirurgia

DIVULGAÇÃO/STCK

MEU BEBÊ

Desfraldamento não deve ser um terror para os pais

Muitas vezes é difícil para os pais estabelecer o momento certo para começar a ir retirando as fraldas das crianças

Quem tem um bebê com mais de um ano já está acostumado às constantes novidades e mudanças de comportamento dos pequenos, que “obrigam” os pais a se adequarem aos seus novos hábitos. O desfraldamento é o momento de a criança deixar a fralda e nem sempre é encarado com naturalidade pelos pais, que costumam ficar nervosos com a situação. O tema, recorrente entre mães e conversas entre amigas, é tratado com preocupação, pois nem todos os pais identificam o momento correto do desfralde. “É um processo gradativo que precisa ser adequado, aos poucos, à vida da criança. As fraldas devem ser retiradas primeiro por um período do dia e os pais precisam sempre informar para a criança de tudo o que está acontecendo”, alertou a psicóloga do sistema Hapvida de Saúde, Irle da Rocha. De acordo com a especialista, a comparação com a ro-

tina dos pais facilita muito o processo das crianças. “Uma ótima tática é mostrar que, assim como a mãe (ou o pai), a criança vai começar a usar cueca ou calcinha. Mostrar que a criança está agindo como os pais, aumenta a sua segurança”, esclareceu a psicóloga. Irle disse ainda que o desfraldamento não deve ser conciliado com outros processos pelos quais a criança precisa passar, como a retirada da mamadeira ou chupeta. “As informações precisam ser alinhadas aos poucos na mente da criança. Tanta informação nova pode causar uma confusão, o que dificulta o sucesso nesses projetos”. Mãe de uma menina de três anos, a publicitária Elisa Santos, 29, disse que há seis meses está incentivando a filha a usar o banheiro. “Precisamos fazer disso uma coisa natural, por isso ensino minha filha a pedir para ir ao banheiro sempre que tem vontade”, afirmou.


E8

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

FOTOS IONE MORENO E JOEL ROSA

Óleo de coco, a novidade para perder os excessos Eficiente na luta contra a balança, esse potente óleo também elimina a barriga, e tem se tornado “febre” de consumo ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

O

óleo de coco está na moda por um simples motivo: ajuda na busca do emagrecimento saudável. Depois do sucesso da semente de linhaça e da ração humana, o óleo se tornou um dos principais aliados para quem deseja reduzir peso. Segundo especialistas, se consumido com uma boa alimentação e a prática de atividades físicas, apresenta resultados significativos em um mês. E os benefícios não param por aí, o produto é poderoso na eliminação de gordura na barriga. A nutricionista Raphaella Cabral, especialista em gerontologia e fisiologia do exercício, explica que o óleo de coco é termogênico (acelera a queima de gordura) e um poderoso antioxidante, além de atuar no combate ao colesterol alto. “Trabalho com o produto há três anos e percebo ótimos resultados em minhas pacientes. Além da diminuição do peso, e de gorduras localizadas na região do abdômen, o óleo também é rico em vitaminas e minerais importantes para o nosso organismo”, revela. O óleo de coco virgem é um produto que deriva do fruto da espécie cocos nucífera e é prensado a frio. Atualmente no mercado existem duas formas de venda: cápsula e líquida. Porém, os melhores resultados foram apresentados por pacientes que ingeriram a forma líquida. De acordo com a especialista, o consumo deve ser moderado e cada pessoa deve ingerir apenas duas colheres de sopa ao dia, ou quatro cápsulas, sempre antes do almoço e do jantar. Altas dosagens ou somado a outros produtos de emagrecimento podem trazer resultados con-

trários, ou simplesmente não fazer efeito. “Para se ter um bom resultado é necessário que a paciente tenha determinação. Não adianta ingerir o óleo e continuar comendo a mesma quantidade de alimento. O produto só apresenta um bom efeito se for aliado com uma reeducação alimentar e a prática de atividades físicas”, explica. Pacientes satisfeitos Quem aderiu ao consumo revela bons resultados. A técnica em enfermagem, Roseana Carvalho, 32, passou a usar o óleo após assistir um programa na televisão. Em quatro meses emagreceu três quilos e perdeu medidas, principalmente na região da cintura. “Pratico atividade fí-

Crescimento de vendas em um ano

Especialista em fitoterapicos, Raphaella Cabral recomenda uma avaliação médica preliminar

RESULTADOS

Segundo especialistas, o uso regular do óleo, aliado à prática de atividades físicas e uma dieta balanceada, pode ajudar a conquistar o peso desejado em um curto espaço de tempo sica há dois anos, mas tenho dificuldade para perder peso. Já tomei chá verde, linhaça e outros produtos que me indicavam, mas somente com o óleo de coco senti diferença. Até o meu manequim diminuiu”, disse. Apesar do produto não apresentar contraindicações, ela recomenda que um especialista seja consultado. “Sempre indicamos que a pessoa interessada em fazer o consumo de qualquer produto fitoterápico procure um especialista, porque o que pode fazer bem para algumas pessoas, pode não servir para outras”, ressalta Raphaella Cabral.

Os proprietários da Empório & Cia atualmente vendem uma média de 300 frascos por mês

O empresário Lindemberg Alves Feitosa, 32, proprietário do Empório & Cia, no Parque Dez, Zona Centro-Sul, disse que comercializa, por mês, 300 vidros do óleo de coco, e que o produto tem sido o “queridinho” nas dietas. “Faz um ano que trabalhamos com a venda do óleo de coco extravirgem e a procura cresceu muito, após a divulgação de uma matéria em um programa na TV”, disse. Déborah Lima Rodrigues, 31, também proprietária do Empório, conta que a maioria das pessoas vai à loja comprar o produto atraída pelo fator de auxílio no emagrecimento e uma pequena parcela de clientes busca os benefícios proporcionados ao coração. “É crescente o número de pessoas que estão buscando uma melhor qualidade de vida, e o óleo de coco é um produto que só apresenta benefícios”, acrescenta. Para aderir à novidade, os consumidores terão à disposição as duas formas de comercialização do óleo de coco extravirgem. Um frasco com 60 cápsulas custa em média R$ 50. Já o produto líquido é vendido por R$ 25 com 200 ml e R$ 47 com 500 ml.


Saúde - 22 de abril de 2012