Issuu on Google+

Caderno E

Saúde MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

DIVULGAÇÃO

e bem-estar

saudeebemestar@emtempo.com.br

(92) 3090-1017

O que é hiperplasia prostática? Saúde e bem-estar E4 MÁRIO OLIVEIRA

Vírus HPV: um vilão nos casos de câncer uterino O Vírus do Papiloma Humano é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns e difíceis de combater

N

este ano, 600 mulheres podem contrair câncer de colo de útero causado pelo vírus HPV, somente na cidade de Manaus. O alerta foi feito pela ginecologista e chefe do departamento de Ensino e Pesquisa da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), Grasiela Leite. A especialista afirma que o vírus do Papiloma Humano (HPV) é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns no mundo. A médica ressalta que a melhor maneira de combater o vírus é a prevenção. “O preço de uma paciente com câncer de colo de útero é muito alto para o governo e nem se compara ao preço da vacina”, avalia.

A profissional garante que a vacina tem uma eficácia de quase 100% em mulheres virgens contra o vírus do HPV, que causa câncer de colo uterino, pele, pênis, ânus e vagina. Essa porcentagem diminui caso a mulher já tenha iniciado sua vida sexual. Ela afirma que para o tratamento ser completo são necessárias três dosagens. “O paciente toma a primeira dose e dois meses depois toma a segunda. A terceira acontece após seis meses da anterior. A vacina quadrivalente custa, em média, de R$ 350 a R$ 500”. De acordo com a ginecologista, mulheres de 9 a 26

A VACINA

Mulheres de 9 a 26 anos devem receber as três doses uma única vez. Não existe uma segunda dosagem e, comprovadamente, a eficácia é de 100% em mulheres virgens

anos devem receber as três doses uma única vez. “Em quase dez anos de pesquisa não houve a necessidade de repetir a sequência. Não existe segunda dosagem. A eficácia é quase 100% em mulheres virgens”. Segundo a médica,

a proteção da vacina se dá por meio da inoculação de um vírus não ativo – assim como acontece em todas as vacinas comuns. “Ela provoca uma reação imunológica no organismo da pessoa que reage contra aquele vírus, adquirindo uma imunidade contra o HPV”, explica. A pesquisadora afirma que a vacina ainda não chegou à rede pública do Amazonas pelo fator preço. “Em Manaus, temos apenas uma clínica particular que vende a vacina. Mas, se o governo implantar o medicamento o preço será muito menor. Se a vacina for comprada em grande quantidade o custo será reduzido, podendo perfeitamente se encaixar no orçamento do município.

Existe ainda a possibilidade da Fiocruz produzir a vacina e sair pelo mesmo custo da imunização contra a Hepatite B, ou seja, R$ 0,50 a dose. Mas essa é uma alternativa para longo prazo”, avaliou. Discussão vem à tona Os crescentes números do câncer de colo uterino, relacionados ao HPV, têm chamado atenção não só da categoria médica. O candidato à Prefeitura de Manaus, Artur Virgílio Neto (PSDB), tem como uma de suas principais propostas, oferecer nas unidades de saúde pública (SUS) a vacinação quadrivalente, a mais eficiente contra esse tipo de vírus. “Estou preocupado com o número de mulheres com

câncer de colo de útero e assim que assumir a prefeitura vamos priorizar a saúde da mulher”, garantiu Artur. O candidato acredita que a melhor solução para esses números alarmantes é a prevenção. “Essa é uma alternativa viável, porque sai bem mais em conta que o valor gasto nos tratamentos do câncer de colo uterino”, revela. Com a medida, Manaus poderá ser a primeira capital do Brasil a oferecer a vacina contra o HPV, pela rede pública. Atualmente, sete cidades brasileiras, inclusive algumas da Região Norte, disponibilizam a quadrivalente em campanhas específicas da área da saúde da mulher, mas não da maneira de prevenção contínua.

Silencioso, porém perigoso

Para o tratamento completo são necessárias as três doses. A vacina quadrivalente custa em média de R$ 350 a R$ 500

RICAR

LIVE DO O

IRA

O Papilomavírus humano (HPV) é responsável por 99% dos casos de câncer uterino e também está ligado a tumores de pênis, ânus, boca e garganta. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano, 500 mil mulheres em todo mundo sofrem de câncer de colo do útero e pelo menos 250 mil acabam morrendo. No Brasil, a doença é a segunda maior causa por morte de câncer entre as mulheres, atrás apenas do câncer de mama, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). O vírus HPV se enquadra no grupo das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). É silencioso e discreto, não apresentando sintomas na fase inicial. Acredita-se que

cerca de 50% da população sexualmente ativa, em algum momento da vida, cruza com o HPV. Estima-se que 30 milhões de pessoas, em todo o mundo, tenham lesões de verruga genital/condiloma acuminado e 10 milhões apresentem lesões intra-epiteliais de alto grau em colo uterino. Clínica particular Na clínica Vacinar, a médica e proprietária Amanda Alecrim revela que a clínica vende entre 50 a 60 doses de vacina por mês. “Vendemos tanto para mulheres quanto para mães que trazem seus filhos maiores de 9 anos para serem vacinados. Os homens, por exemplo, não costumam procurar a vacina”. Cada dose custa R$ 400.


E2

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

João Bosco Botelho

DICAS DE SAÚDE

joaoboscobotelho@gmail.com.br

Renascimento após a morte O cuidado com a saúde pode ter começado em qualquer ponto da escala genealógica do homem. Sem dúvida que o aperfeiçoamento da linguagem teve grande importância, já que a elaboração dos sons para caracterizar a dor do seu desconforto deve ter sido um dos pontos de partida para o domínio da natureza com objetivo de gerar o conforto, consequentemente fugindo da dor e do sofrimento de qualquer natureza. A abordagem de Engels continua interessante como um dos precursores que entenderam o processo de hominização por meio das transformações do trabalho e das linguagens. Experiências e ações A medicina surgiu como especialidade social em comunidades ágrafas de caçadores coletores. Nessa fase, milhares de anos antes da linguagem escrita, os ancestrais distantes comunicaram as experiências e sentimentos por meio das ações concretas, gestos isolados, olhares ou com o silêncio. Pode ter sido por meio dessa linguagem simbólica que nossos antepassados referiram a dor no braço estraçalhado em acidente de caça ou o desconforto causado pela febre.

Nessa época remota dos nossos antepassados, utilizavam as cavernas para proteção contra as intempéries da natureza gelada, fabricavam e usavam artefatos de pedra e osso trabalhados com delicadeza e objetividade, além de usar fogo domado e de praticar o sepultamento ritual dos mortos. Grupos sociais O historiador Mircea Eliade com propriedade incomparável atribuiu a dificuldade, quase intransponível de mensurar esse passado, no fato de que as crenças e as ideias não serem fossilizáveis. Quando os arqueólogos descobrem um túmulo com significação histórica, todos os detalhes do esqueleto e das oferendas são importantes para compreender o grupo social, porém grande parte dos valores e revelações intrínsecas do morto continuará nas suposições. Religiosidade Essas dificuldades são proporcionalmente maiores na medida em que recuamos no tempo. Por esta razão, alguns reconhecidos autores, como Leroi-Gourhan, assumem posição crítica em relação à existência de religiosidade anterior há 40.000 anos.

A partir dessa data é claríssima a presença nos sepultamentos rituais da crença na vida após a morte. Os mortos foram enterrados acompanhados de artefatos de caça e pesca e grandes porções de carne. Importante cura O imaginável renascimento após a morte pode representar, em última análise, a mais importante das curas, quando as doenças e sofrimentos são superados pela possibilidade de recomeçar a vida. Renascimento Essa fantástica busca pode ter começado com o juízo arcaico de ser possível renascer a partir dos ossos, ligada ao sepultamento ritual. Nesse sentido, essa construção pode estar relacionada às passagens do Antigo Testamento: a mulher a partir da costela do primeiro homem (Gn 2, 21 24) e o renascimento a partir dos ossos descarnados (Ez 37, 1 8). Assim, não deve parecer estranha a crença popular no poder curador dos ossos dos santos, conservados como relíquias e amuletos contra a doença e o infortúnio.

João Bosco Botelho Doutor Honoris Causa

Pode ter sido por meio dessa linguagem simbólica que nossos antepassados referiram a dor no braço estraçalhado em acidente de caça”.

Para baixar a pressão aposte na banana e tomate Outra tarefa da dupla é manter sob controle o volume de líquido do organismo, como o da circulação sangüínea. Se o sódio (sal de cozinha) pode aumentar a quantidade de líquido circulante, elevando a pressão, o potássio atua em sentido contrário. Ele puxa a água para dentro das células. Com isso , o volume sangüíneo diminui e ajuda a abaixar a pressão arterial. Portanto o suco de tomate e a banana fazem um bem enorme. Além de ser boa também para os músculos, a banana pode auxiliar na prevenção de úlceras.

Humberto Figliuolo hfigliuolo@hotmail.com

Meu filho não come, e agora? A nutrição é o processo de consumo, absorção e utilização dos nutrientes necessários para o crescimento e desenvolvimento do corpo e para a manutenção da vida. Nesse sentido, os nutrientes são substâncias químicas presentes nos alimentos que nutrem o organismo, podendo ou não ser sintetizados no organismo. Os nutrientes que não são sintetizados em nosso corpo são denominados nutrientes essenciais e devem ser consumidos na dieta. Quando os nutrientes essenciais não são supridos nas quantidades requeridas, podem ocorrer distúrbios relacionados à deficiência nutricional. Nutrientes essenciais A má nutrição pode ser decorrente de uma diminuição ou da nutrição excessiva, causadas por um desequilíbrio entre as necessidades de nutrientes essenciais do organismo e a ingestão dos mesmos. A desnutrição pode ser decorrente da ingestão inadequada devida a uma dieta ruim ou à má absorção intestinal. Uma das queixas mais frequentes recebida pelos pediatras em seus consultórios é a falta de apetite de crianças.

A causa da recusa alimentar pode ter origem orgânica, devido à deficiência de minerais e vitaminas, ou pode ser reflexo de um comportamento protecionista da parte dos pais. Birras e atenção Que atire a primeira pedra quem nunca viu uma criança fazer birra durante as refeições. A situação é desagradável, mas merece toda a atenção dos pais. Alimentação e saúde caminham juntas. O leite materno é o alimento ideal para um bebê, recomendado como única fonte alimentar até os seis meses de idade pelo Ministério da Saúde e também pela Organização Mundial da Saúde. Mas, para aquelas mulheres que não conseguem amamentar, as formulas infantis substituem o leite da mãe. E o pediatra da criança é o profissional indicado para recomendar a fórmula mais apropriada. O uso de medicamentos em crianças é diferente por causa das contínuas modificações de peso e composição do corpo durante o crescimento na infância. Alimentação equilibrada No período de crescimento é

importante para a criança uma alimentação adequada, com variedades de alimentos saudáveis. Alguns adoram frutas, outros não, mas todos eles têm muita resistência aos legumes e verduras. Nesse cenário, torna-se importante a utilização de medicamentos para intervenção na inapetência, com supervisão dos pediatras. Diante de casos de recusa para se alimentar é válido tentar incentivar a criança a comer, e não forçar. Uma atitude positiva é deixar a criança decidir quando comer. Uma atitude negativa é bater ou ameaçar o filho enquanto ele está comendo. Quando isso acontece os maus hábitos tendem a se instalar e a criança foge. Hábitos devem ser implantados e incentivados pelos pais. Apresente novos alimentos. É normal que a criança rejeite, mas insista, mudando a forma de apresentação no início da refeição, quando a fome é maior; converse com os pequenos sobre o alimento novo, explique de onde veio, conte uma história, enfim, desperte sua curiosidade. As crianças podem aprender a se alimentar corretamente, só depende dos pais.

Selênio, um mineral que acaba com a depressão Humberto Figliuolo Farmacêutico

Se a criança não quer comer, não sinsita, mude a rotina e insista mudando a forma e a apresentação dos alimentos”.

Segundo os pesquisadores, tudo indica que o selênio tem uma grande participação no estado de humor. Pessoas que têm carência de selênio são mais depressivas, irritadas e ansiosas. Por isso, se você não anda muito bem nos últimos dias aproveite a dica para alterar um pouco o seu cardápio e ganhar uma dose extra de bom humor acrescentando pitadas do mineral na sua alimentação. Fontes de selênio: castanha do Brasil, nozes, amêndoas, atum, semente de girassol, trigo integral, peixes. Duas castanhas do Brasil, diariamente, fornecem 200 micro gramas de selênio de forma segura.

Expediente Editora Vera Lima weralima@yahoo.com.br

Diagramação Weiner Auzier

Repórteres Alita Menezes Camila Henriques

Revisão Marco Adolfs Antônio Fonseca www.emtempo.com.br


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

E3

e bem-estar

Esgotados pelo trabalho Dores de cabeça, queda de cabelo, pressão alta e taquicardia estão entre os principais problemas das pessoas que sofrem com o estresse trabalhista e não encontram o tempo certo para relaxar e descansar das tensões diárias DIVULGAÇÃO

ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

O

ito horas de trabalho diário, essa é a recomendação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para uma rotina produtiva e que não comprometa a qualidade de vida do empregado, entretanto algumas pessoas mesmo quando saem da empresa ainda continuam executando atividades funcionais. Comumente, essas pessoas sentem dificuldade para relaxar e se desligar das obrigações trabalhistas, o que gera uma sobrecarga emocional e o tão conhecido estresse. Para o psicólogo e gestor de recursos humanos Fabrício Menezes, ainda que o funcionário tenha um intervalo de 11 horas entre uma jornada de trabalho e outra, há que se considerar as exigências da empresa. “Se o empregador solicita hora extra o empregado deverá realizá-la, mas ainda assim, de acordo com a CLT: até 2 horas/dia. Além disso, a tarefa acaba se tornando mais cansativa no período extrajornada”, defende o especialista. Ainda segundo Fabrício, outro motivo bastante comum para o estresse decorrente da profissão é o clima organizacional. “Empresas que cobram

demais e criam exigências exacerbadas, focadas apenas nos números econômicos, em geral, deixam o empregado esgotado”, afirma. Entre os sintomas mais comuns dessa sobrecarga de trabalho estão as dores de cabeça, na base do pescoço, dores nas costas, na panturrilha e, claro, sono excessivo, sensação de esgotamento, de impotência e desinteresse

PROBLEMAS

Ao surgirem as queixas psicossomáticas, haverá também queda de produção, aumento das despesas médicas e administrativas, clima interpessoal negativo, ausência do trabalho e irritação, entre outros Quando o excesso de trabalho começa a afetar a vida pessoal é hora de dar uma parada e repensar a agenda profissional

para ir à sede da empresa. O profissional explica que ao surgirem as queixas psicossomáticas, haverá também a queda de produção, aumento das despesas médicas e administrativas, clima interpessoal negativo, indicação de problema pessoal, absenteísmo (ausência) do trabalho, irritação, entre outros problemas da saúde que vão surgindo de forma contínua.

Alternativas para a ‘fuga’ do estresse O psicólogo Fabrício Menezes comenta que grande parte das pessoas não consegue se desligar tão facilmente do trabalho, principalmente os que ocupam cargos de gestores. “Mesmo em casa, essas pessoas ten-

Coisa de Mulher weralima@yahoo.com.br

VERA LIMA

Entre as belas e as feras Recentemente o programa do Pedro Bial, na Rede Globo, abordou um tema que inclusive já tratei aqui nesta coluna: o excesso de preocupação das mulheres com o corpo e o culto exagerado à boa forma física. De fato, a coisa vem assumindo proporções gigantescas e ainda não sabemos o que vem pela frente, mas de uma coisa eu não tenho dúvidas, estamos diante de uma nova geração de mulheres “bombadas” como jamais se viu na história. É aí que entra o diferencial entre mulheres malhadas, saradas e gostosas e aquelas que parecem um tanque de guerra. Ultimamente, o que tenho vista fazendo sucesso na mídia são as “mulheres-tanques”, que em decorrência do excesso de malhação e da musculação pesada vão ganhando cada vez mais músculos e substituem, aos poucos, a feminilidade por traços cada vez mais masculinos, ficando mesmo com um aspecto grosseiro. O terreno é meio fofo de se pisar porque pode até parecer inveja falar que uma mulher excessivamente “trabalhada” em academia pode ficar como um ogro, mas é a pura verdade, e as musas da boa forma como a Gracyanne, mulher do pagodeiro Belo, que está cada vez maior não me deixam mentir. A mulher é linda, disso não resta a menor dúvida, mas o que tem segurado a barra é justamente a sua beleza incontestável, porque no ritmo de crescimento que ela vai daqui a pouco eu vou ficar é preocupada com o cantor, que pode até morrer com uma pernada da morena. É que ainda não consegui saber quem tem as

medidas maiores, se ela ou o antigo guerreiro Conan, vivido pelo ex-brutamontes Arnold Schwarzenegger. A mulher está um paredão, é, como diriam os mais afoitos, um monumento. Mas, como todo excesso acaba resvalando para o prejuízo, se ela não der uma segurada daqui a pouco vai virar um ser estranho com uma cabeça normal em cima de um corpo desproporcional. Vocês já repararam no tamanho da parte traseira daquela jovem senhora? É uma coisa de arregalar os olhos e cair o queixo. Fico imaginando qual a concepção que as mulheres têm hoje de um corpo bonito, sedutor e malhado. Para a maioria, que se mata diariamente em academias, ficar sarada apenas não basta, tem que aumentar conforme receita de fermento no bolo. Outro dia vi uma jovem na fila do supermercado cujas nádegas pareciam duas bolas de boliche de tão redondas. Me senti acanhada e quase sentei dentro do carrinho para que ninguém comparasse a minha modesta lataria traseira com aquela abundância de carnes. Estou até hoje com complexo

“desbundante”, se é que vocês me entendem, e passei a dobrar a carga de pesos na academia para suprir a minha evidente carência na parte posterior. Confesso que sinto saudades das musas do tempo da minha mãe, como a saudosa, querida e linda Marilyn Monroe, que talvez nunca tenha entrado em uma academia, nunca tenha visto uma prótese de silicone na vida e mesmo assim até hoje é uma deusa da beleza, com tudo o que a natureza lhe deu e que só a água oxigenada transformou, já que ela era morena. E quando falo dos silicones é porque nem só de academia vivem as “bombadas”, aquilo que as máquinas não fazem, transformando os corpos em tanques, os cirurgiões plásticos providenciam, criando bumbuns enormes e peitos que parecem air bags. Valha-me Deus, onde vamos parar????

dem a se preocupar com as decisões do dia seguinte e constantemente levam trabalho para casa”, pontua. São comportamentos dessa natureza que facilitam para o desgaste físico e mental. “Todos precisam se

desligar dos afazeres profissionais em algum momento”, argumenta o especialista. Seja ouvindo a música preferida no carro enquanto se dirige à empresa, ou em um jantar fora de casa, pelo menos nos fins de semana,

um passeio no parque com as crianças ao final do dia ou a leitura de bom livro antes de dormir, várias são as alternativas para fugir do estresse diário oriundo do trabalho. Tudo é questão de reorganizar a agenda.


E4

Saúde

e bem estar

MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

Desvendando mitos sobre a hiperplasia prostática Enfermidade às vezes confundida com o câncer de próstata, a hiperplasia pode render danos irreversíveis ao homem DIVULGAÇÃO

CAMILA HENRIQUES Equipe EM TEMPO

J

á ouviu falar em hiperplasia prostática benigna? O nome pode parecer estranho, mas essa doença é mais comum do que se imagina. Diferentemente do câncer de próstata, a enfermidade se dá no meio do órgão. Logo, é um problema que não apresenta nenhum sintoma. De acordo com o urologista Cristiano Paiva, especialista em casos como esse, a hiperplasia prostática benigna é caracterizada por um crescimento no interior desse canal, fazendo com que haja um bloqueio e uma diminuição do jato urinário do indivíduo. Apesar de ser um problema assintomático, o paciente pode sofrer com nictúria – ou seja, uma produção maior de urina durante a noite -, sangramentos ou dores. “Não chega a ser câncer, é um crescimento benigno organizado. O câncer é um aumento desorganizado a ponto de a célula sair do seu lugar de origem e dar metástase”, diferencia. A distinção também se reflete no início do tratamento, como explica o urologista. “Enquanto no câncer eu tenho que tirar de forma radical a próstata e as vesículas seminais. Na hiperplasia, o médico apenas abre um túnel para desobstruir o local onde não está ocorrendo passagem urinária e, com isso, resolve o problema do paciente”, explica. Recentemente, Paiva teve a chance de operar um senhor francês, de 85 anos, que sofria desse problema. Segundo o urologista, o grande mérito desse procedimento foi a tecnologia de vaporização endoscópica com plasma, ou, como é conhecida fora do Brasil, plasma Button. “Essa técnica pode ser usada em outras

indicações, como o próprio câncer de próstata, mas não chega a curar e sim a ajudálo a urinar melhor. A melhor aplicação dessa tecnologia é mesmo na hiperplasia. É um processo que quase não sangra (eu fiz com um paciente que sangrou apenas 50 ml, ou seja, quase nada). Além disso, o indivíduo usa sonda por apenas 24h e a alta é precoce”, acrescenta. No que diz respeito ao pós-operatório, o urologista afirma que o tempo de recuperação se resume em apenas 15 dias. “Antigamente, com cirurgia aberta ou até mesmo raspagem da próstata eram 30 ou 60 dias. Como essa técnica sangra muito

ENTENDA

Na hiperplasia, o médico apenas abre um túnel para desobstruir o local onde não está ocorrendo a passagem urinária e, com isso, resolve de uma vez o problema do paciente O urologista Cristiano Paiva, é especialista em hiperplasia prostática benigna e recentemente operou um senhor de 85 anos

pouco, eu posso fazê-la em pacientes com extremos detalhes, como esse senhor de 85 anos”, ressalta. “Hoje em dia, é muito comum ver pessoas que usam marca-passo, que tomam medicamento para evitar que o sangue coagule. Como essa técnica é minimamente invasiva, ela é usada para esses pacientes que têm um problema sério. Outro ponto interessante é que, já que essa cirurgia usa o plasma, que é um tipo de energia alternativa, que não causa agressão, o grau de lesão não existe e o indivíduo tem a sua potência preservada”, esclarece.

Obesidade e sedentarismo são um risco Problema mais comum que o câncer de próstata, a hiperplasia apresenta riscos como um grau elevado de lesão ou insuficiência renal. Já que há dificuldade para urinar, a pessoa pode sofrer com danos na bexiga, como a formação de um cálculo. “Depois dos 40 anos, esse crescimento na próstata se torna comum. 30% dos indivíduos, ao longo da vida, terão os “sintomas”, e desse número,

30% precisarão usar medicamento. Nesse índice, 15% vão ter que passar por uma cirurgia”, aponta Paiva. Quando a próstata cresce mais de 50g, há o risco de sangramento, que, se for leve, pode ser controlado com água. Caso a situação se agrave, o paciente deve tomar sonda e fazer uma lavagem da bexiga. “Outra coisa que assusta demais o paciente é a retenção uriná-

ria – ou seja, a pessoa querer urinar e não conseguir. Isso pode ser considerado uma emergência”, alerta. Portanto, a solução prática para quem quer ter uma terceira idade saudável e sem riscos do aparecimento de problemas como a hiperplasia prostática benigna é ir ao urologista periodicamente. “O segredo do homem moderno e bem informado dos dias de hoje é

trabalhar preventivamente e não esperar a doença se manifestar. O ideal é pelo menos uma consulta por ano. Além disso, o paciente deve evitar o sedentarismo, a obesidade e alimentos como carne vermelha, carboidratos e gorduras em excesso. Existem algumas coisas que favorecem essa proteção, como as vitaminas D e E”, exemplifica o especialista.

DIVULGAÇÃO/STCK

COLESTEROL

Jovens têm sofrido cada vez mais Os adultos não são mais o principal alvo de uma doença causadora de entupimento nas artérias e, consequentemente, infartos ou AVCs. Em consequência de hábitos que levam ao sedentarismo e relacionados à má alimentação, como fast-food, excessos de alimentos de origem animal, como carnes vermelhas e leite integral e bebidas artificiais, atualmente são os jovens entre 14 e 18 anos que estão sendo as principais vítimas do colesterol. A advertência é do cardiologista Ruy Ferreira Iacoponi, do Hospital e Maternidade Assunção, em São Paulo, em razão do Dia Nacional de Combate ao Colesterol, comemorado esta semana, no dia 8 de agosto. Segundo ele, o colesterol, que varia entre os tipos LDL e HDL, não se mistura ao sangue e necessita de outras proteínas para cumprir suas funções no organismo. “O LDL pode ser facilmente encontrado em carnes ver-

melhas, leites e derivados, e o alto nível de colesterol pode ser considerado um dos grandes fatores causadores do entupimento de artérias, podendo resultar em infartos ou AVC. Já o HDL é considerado uma

Leve uma vida mais saudável. Não cometa exageros, pois cada vez mais cedo vemos as pessoas mostrando problemas cardíacos Ruy Ferreira, cardiologista

espécie de “colesterol bom” e é produzido pelo próprio organismo. Age impedindo a arteriosclerose (formação de placas de gordura nas artérias), que dificulta a circulação sanguínea. “Cerca de 60% do colesterol é produzido pelo

fígado e quase 30% entra no organismo por meio da alimentação. O HDL é o colesterol protetor que ajuda a diminuir o colesterol ruim. Sua formação pode acontecer por meio da prática de atividades físicas e consumo de algumas substâncias presentes em alimentos como a castanha-dobrasil, nozes e vinho tinto”, explica o cardiologista. Atividades físicas Na avaliação do cardiologista, o alto nível de LDL no organismo está entre os principais fatores de risco para ataques cardíacos, ultrapassando, inclusive, o tabagismo. “Questões genéticas também podem estar associadas a altos níveis de colesterol nos jovens. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, é indicado que cada pessoa pratique atividades físicas por cerca de 30 horas semanais para que o organismo trabalhe melhor, evitando o desenvolvimento do HDL na corrente sanguínea”, finaliza.

Alimentação saudável, com carnes magras, frutas e verduras ajuda a reduzir o colesterol

Palavra de cardiologista 1. O que está contribuindo para o aumento do colesterol entre os jovens? Fatores genéticos, principalmente. 2- Diagnosticado o colesterol alto, o que o jovem pode fazer de imediato para sair da faixa de risco?

A princípio, precisamos identificar a causa. Se for genética, impomos algumas medidas de mudança do estilo de vida, geralmente reduzindo ao máximo o consumo de alimentos de origem animal. Caso seja por sedentarismo ou alimentar, indicamos a prática de atividade física em

30 horas por semana e uma dieta com alimentos mais balanceados. 3- Quais os sintomas do colesterol acima da média? Infelizmente, quando o colesterol vem se mostrar de alguma maneira já é pela manifestação obstrutiva, ou seja, dores no peito


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

e bem-estar

E5 DIVULGAÇÃO

Uma nova droga para tratar câncer de mama A droga tem se mostrado eficaz no controle do crescimento, multiplicação, síntese protéica e transcrição das células ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

N

o último dia 20 de julho o órgão regulador de medicamentos americano Food and Drug Administration (FDA), aprovou o uso da nova droga everolimo para o tratamento de mulheres na pós-menopausa com câncer de mama avançado e receptoras hormonais positivas (RH+). Há 15 anos não havia novidade para pacientes com esse perfil, por isso, para o oncologista da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, Gabriel Hortobagyi, essa aprovação redefine o tratamento e o manejo do câncer de mama avançado RH+, oferecendo uma nova opção fundamental para médicos e pacientes. A cada ano, aproximadamente, 220 mil mulheres são diagnosticadas com câncer de mama metastático RH+ no mundo inteiro, sendo o tipo mais comum o de estágio avançado. Segundo o oncologista clínico e fisioterapeuta William Fuzita, com o desenvolvimento de novas drogas as pacientes com doenças metastáticas avançadas estão vivendo muito mais, pois o controle da doença se tornou uma realidade. “Dessa maneira o câncer avançado tem se tornado uma doença crônica, como o diabetes, que ao se utilizar o medicamento corretamente a paciente tem uma vida longa bem próxima do normal”, frisa o especialista. A doença metastática de mama ainda não tem cura, por isso seu tratamento é prolongado e por muitas vezes os medicamentos são trocados, isso porque o câncer vai encontrando outros caminhos para continuar se desenvolvendo. Nas pacientes com o tumor maligno de mama com receptores hormonais positivos metastáticos, a troca do hormonio-

terápico é constante. Fuzita explica que o everolimo é um agente antineoplásico e imunossupressor, que age inibindo uma proteína intracelular (dentro da célula) chamada mTOR que é responsável na célula pelo seu crescimento, multiplicação, motilidade, sobrevivência, síntese protéica e transcrição. A aprovação dessa droga para o tratamento específico de câncer de mama teve como fundamentação o estudo que confirmou que na molécula onde o everolimo é administrado em combinação com a terapia hormonal (exemestano) prolongou em mais de duas vezes o tempo de sobrevida livre de progressão da doen-

Benefícios e efeitos colaterais contornáveis Ainda de acordo com o profissional, o efeito colateral mais observado na associação do everolimo e do exemestano foi a estomatite (feridas na boca) que é totalmente contornável com cuidados médicos oncológicos. “Esse tratamento é mais uma arma no arsenal para o tratamento oncológico do câncer de mama”, afirma.

Em fevereiro deste ano, a revista científica médica “The New England Journal of Medicine” foi publicada o estudo multicêntrico (189 centros de tratamento em 24 países) com 724 mulheres que mostrou o benefício do uso do everolimo associado ao exemestano nas pacientes resistentes à hormonioterapia.

“Nas pacientes com câncer de mama avançados e receptores hormonais positivas, a resistência ao tratamento hormonal é associada à ativação da proteína mTOR, em consequência, as células tumorais começam a se desenvolver. Ao usar o everolimus há a inibição do mTOR”, reafirma o especialista.

O exemestano é um medicamento da classe dos inibidores esteroidais da aromatase. Nas mulheres pós-menopausadas o estrógeno é produzido a partir de andrógenos pela enzima aromatase, portanto a sua inibição é uma importante arma contra o câncer de mama receptor hormonal positivo. DIVULGAÇÃO

ESTOMATITE

O efeito colateral mais observado na associação do everolimo e do exemestano foi a estomatite (feridas na boca) que é totalmente contornável com cuidados médicos oncológicos ça em pacientes com câncer de mama avançado receptor hormonal positivo (RH+). Além disso, houve redução de 55% no risco de progressão da doença com a terapia combinada de everolimo + exemestano quando comparada com o tratamento apenas com exemestano. “Infelizmente essa medicação ainda não esta disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), e não tem previsão para que isso ocorra. Esperamos uma maior atenção dos gestores de saúde do nosso país, pois infelizmente os protocolos oncológico terapêuticos são muito distintos quando comparamos o setor privado com o público”, lamenta Fuzita.

A doença metastática de mama ainda não tem cura, por isso seu tratamento é prolongado e requer cuidados especiais


E6

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

Aumenta o interesse dos pais em cursos para mães Uma boa parcela dos pais faz questão de acompanhar as companheiras grávidas nas aulas para gestantes FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

VERA LIMA E ASSESSORIA Equipe EM TEMPO

M

amães ou papais, de primeira viagem ou não, sabem que é importante estar preparado para a chegada do bebê, que, entre outras coisas, exige atenção total em horário integral. Diante desse quadro e da necessidade de estar pronto para quaisquer eventualidade, as mães se preparam frequentando cursos para gestantes. Isso não é novidade, a boa notícia fica por conta dos pais que vêm aumentando sua participação nesse programa inusitado. Na avaliação da enfermeira Adriana Talzi, responsável pelo curso para gestantes do Hospital e Maternidade Brasil, houve, nos últimos anos, uma aumento significativo na participação dos pais durante as aulas. “Eles mostram enorme interesse em participar desta fase e esse auxílio é fundamental para a tranquilidade das mamães”, diz. A participação e o interesse dos pais no desenvolvimento da gestação é um fator de segurança a mais para a mulher, que se sente mais próxima do companheiro nessa fase, onde normalmente ela se mostra mais sensível e carente. Segundo Adriana, muitas mulheres se sentem ansiosas e cheias de angústia sobre a chegada de seus bebês e costumam frequentar cursos para gestantes e ler

todos os livros e revistas sobre gravidez disponíveis no mercado. Quando ela encontra o apoio do companheiro, neste momento, ela se sente mais segura e encorajada a superar as dificuldades encontradas e compartilhar a alegria da gestação, reforça Adriana. “Durante toda a gravidez, o bebê consegue ouvir a voz do pai e senti-lo por perto. Como ele sente tudo o que acontece com a mãe, a presença paterna também influencia nos bati-

Observamos que está aumentando o número de homens que desejam participar ativamente do processo da paternidade Alberto Jorge Guimarâes, ginecologista

mentos cardíacos, no estado emocional, etc”. Casal grávido Para o ginecologista e obstetra Alberto Jorge Guimarães, defensor do parto humanizado (www.partosemmedo.com. br), “o homem tem assumido uma importante função durante todo o processo e quando a gestante pode contar com o apoio incondicional do marido, ela se sente encora-

jada a percorrer o caminho da maternidade com mais confiança. Lembrando que em alguns casos, ela deve ter paciência de treinar o companheiro nos cuidados com o recém-nascido, como o banho, troca de fraldas, aconchego da cria junto ao peito, tudo com muito amor e alegria”, diz. O especialista adverte que não se considera apenas a mulher grávida, mas o “casal grávido” e acrescenta que o interesse do pai pelo passo a passo da gestação e do parto traz benefícios para a mulher e o bebê, como a diminuição das cirurgias cesarianas, necessidade de medicações para alívio da dor, redução do tempo de trabalho de parto e dos casos de depressão pós-parto. “Observamos que está aumentando o número de homens que desejam participar ativamente do processo da paternidade, constituindo-se num elemento-chave indispensável da equação pré-natal”. Os cursos para gestantes, de maneira geral, são ministrados por equipe multidisciplinares compostas de enfermeiras, pediatras e obstetras. São realizadas palestras sobre “gestação”. “parto”, “puerpério”, “cuidados com o recém-nascido”, “vacinação”, “aleitamento materno” e “banho do recém-nascido”. É importante que o pai participe de todas as etapas e das atividades apresentadas. Isso ajuda na formação do vínculo pai e filho, mesmo com o bebê ainda dentro do útero.

Adriana Talzi tira suas dúvidas Quais as principais dúvidas dos pais durante o curso? As principais dúvidas dos pais durante o curso são relacionadas à amamentação, como acordar o bebê, qual o decúbito ideal após a mamada, como proceder em caso de engasgos e quanto ao exame do pezinho. De que maneira eles podem ajudar na hora de decidir sobre o me-

lhor método para ter a criança? Os pais nunca decidem sobre o melhor método, quem sempre decide é a mãe. Como se explica o maior interesse masculino em um tema que antes era exclusivamente feminino? Os pais estão mais participativos, interessados no desenvolvimento da gestação de suas esposas

É recomendado o pai participar do parto? Sim, é muito importante a participação dos pais no parto, pois transmitem mais segurança para as mães, oferecem apoio. Um conselho para pais de primeira viagem? Todos os pais devem participar de todo o período gestacional e que transmitam tranquilidade para a mãe em todas as fases.

Embora a gestação seja exclusiva da mulher, ela aprecia quando o homem quer participar


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

e bem-estar

E7

Entendendo a meningite Em 2012, 53 casos de meningite já foram registrados. Saiba por que a doença ainda assusta tanto e como identificar os sintomas que exigem um diagnóstico rápido e um tratamento com antibióticos, isolamento e atenção especial DIVULGAÇÃO

CAMILA HENRIQUES Equipe EM TEMPO

M

eningite é uma daquelas doenças que não devem ser mencionadas no singular. Enfermidade infecciosa que atinge o sistema nervoso central, elas podem atingir pessoas de qualquer idade e possuem sintomas facilmente confundíveis com outros problemas de saúde. Talvez, por isso, assuste tanto a população. O infectologista Antônio Magela Tavares, chefe do departamento clínico da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas, explica que a origem do problema está em três membranas denominadas meninge. Entre as várias versões da doença, a que mais assusta a comunidade médica é a meningocócica. De acordo com Tavares, ela tem a possibilidade de causar surtos e até epidemias. “São doenças muito contagiosas, cujo tratamento depende de um diagnóstico precoce, da retirada de uma fração do líquido por meio da coluna lombar. Daí, o médico encaminha para o laboratório, e com os resultados é possível dizer se o paciente tem meningite ou não. Mas, na maioria dos casos, é uma doença tão visível, que nem esperamos as reações do laboratório”, afirma. Os sintomas da doença podem ser facilmente confundidos com outros problemas de saúde, mas Tavares ressalta que o paciente com meningite sofre os efeitos de maneira mais intensa. “Se a pessoa tem febre alta, muita dor de cabeça, rigidez de nuca e/ou manchas no corpo, e esses sintomas vão aparecendo em caráter rapidamente progressivo em questão de horas, já sabemos que as chances de ela estar com meningite são grandes”, diz. “O diagnóstico deve ser feito o mais rápido possível. O que se deve fazer ao detectar a meningite é encaminhar a pessoa para uma unidade de referência – que, no caso do Amazonas, é a Fundação de Medicina Tropical”, acrescenta.

Com os resultados dos exames é possível diagnosticar se o paciente tem meningite. Feito o diagnóstico e em caso positivo, o tratamento deve ser imediato

Isolamento e antibióticos

Bactérias estão em circulação

O tratamento da enfermidade é feito em enfermaria de isolamento com o auxílio de antibióticos. Após 48h, o paciente é liberado, mas deve continuar pelos próximos dez dias com a medicação recomendada. Uma das grandes preocupações dos médicos é a reação que o indivíduo vai ter ao antibiótico. “Entre 10% a 15% das pessoas ficam com algum tipo de

Atualmente, os índices de mortalidade por meningite são em torno de 7% a 10% – um avanço, sobretudo se comparado ao que acontecia nos anos 50, quando de 90% a 100% dos pacientes faleciam em decorrência da doença. Na Região Norte, ela costuma aparecer mais nos quatro primeiros meses do ano. Já no Sul, o período em que há um aumento nos índices é entre maio e

sequela (motora, surdez, dificuldade na fala, epilepsia, problemas de memória etc). Isso não tem a ver com a idade do paciente, e sim com a resposta que o organismo teve ao tratamento. Deve-se ter uma atenção especial em casos de meningite meningocócica, porque ela pode causar uma infecção generalizada e matar rapidamente”, alerta o infectologista.

setembro – ou seja, épocas onde a temperatura está mais baixa e as pessoas têm uma tendência maior a permanecer confinadas favorecem o aparecimento do problema. “Aqui, o tratamento é feito com penicilina cristalina. Já em São Paulo, se utiliza antibiótico. O perfil de cada região muda bastante em relação ao tratamento”, diferencia. Em 2011, foram 83 ca-

sos de meningite no país e, até o mês de julho de 2012, 53. “A meningite é uma doença endêmica e isso significa que as bactérias estão circulando. Vinte por cento da população tem essa bactéria dentro da garganta e não desenvolve o problema, mas pode transmitir para uma pessoa com um sistema imunológico fragilizado”, revela.

DIVULGAÇÃO

Personal Fitness Club JEAN DA SILVA SANTOS, professor de educação física

Porque se deve malhar o corpo A adoração por um corpo perfeito vem de tempos antigos, mais ainda hoje existe um tabu em relação a se treinar o corpo todo, para que ele se desenvolva de forma simétrica e harmoniosa, os homens só querem malhar o tronco e membros superiores e as mulheres os membros inferiores. Tudo isso esta relacionado a mitos do tipo: se as mulheres malharem os braços vão ficar masculinizadas, já os homens alegam a falta de um motivo funcional do por que exercitar as pernas, dizem que cansa e que não têm tempo. O famoso fisioculturista e ator Arnold Schwarzenegger uma vez disse que se ele aumentasse um centímetro no braço teria que treinar para aumentar um centímetro pelo corpo todo,

isso sim é um exemplo a ser seguido. Cabe aos professores elaborar estratégias para mudar esses conceitos, ou servirem de exemplo e inspiração. Um grande motivo para se malhar o corpo todo é que existem exercícios que para serem executados com perfeição, necessitam de um trabalho conjunto do corpo todo, por exemplo: agachamento, stiff, desenvolvimento de ombros etc. Dessa forma às vezes acontece do aluno não conseguir executar os exercícios ou então sente dores em algumas regiões que não foram fortalecidas devidamente, perdendo assim tempo e não evoluindo no treinamento. •Procure um profissional habilitado para lhe dar orien-

tação e elaborar um programa adequado; •Para melhorar os agachamentos, fortaleça os músculos do tronco, isso ajuda na postura durante o exercício; •Para correr melhor, fortaleça os músculos das pernas.

SERVIÇO UM NOVO CONCEITO EM ACADEMIA Onde: Rua Acre, 66 Nossa Senhora das Graças Informações: 3584-0317 e 35842115. Cabe ao professor orientar os alunos para um melhor aproveitamento dos treinos


E8

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 12 DE AGOSTO DE 2012

Mitos e verdades sobre os abscessos nas vistas

Parte do cotidiano e da mitologia popular, os cistos inflamatórios na região dos olhos podem ter diferentes causas DIVULGAÇÃO

ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

T

erçol, terçolho, treçolho, viúvo e entre-sol, vários são os nomes populares para o hordéolo, um pequeno, mas doloroso, abscesso que se manifesta nas pálpebras dos olhos, geralmente, causados pela inflamação de glândulas sebáceas localizadas na região. De acordo com o oftalmologista Mauro Brandão Filho, o hordéolo não é de grande gravidade, trata-se de uma inflamação normalmente originada por uma infecção bacteriana. “Poeira, mão suja, pele oleosa e outras dermatites de contato, podem desencadear as inflamações nas pálpebras, por ocasionarem infecções nas glândulas”, explica o profissional. Na maioria das vezes, o hordéolo pode secar rapidamente com a aplicação de compressas de água quente ou morna. “A compressa ajuda com que os pequenos furúnculos amoleçam e estourem”, afirma o oſtalmologista. Quando tratado, o chamado terçol desaparecem em aproximadamente uma semana e, em casos mais

graves, os médicos utilizam uma agulha para drenar o pus acumulado. “Existem ainda outros medicamentos muito eficazes no tratamento desse tipo de problema, como pomadas e colírios”, destaca Mauro Brandão. Calázio ou hordéolo Bem parecido com o hordéolo, o calázio é uma espécie de cisto que também ocorre na pálpebra, a diferença é que nessa situação a causa não está relacionada a nenhum tipo de bactéria. O calázio é uma reação inflamatória ante uma obstrução da secreção sebácea pela glândula, embora a área afetada possa ser infectada posteriormente por bactérias. Outra maneira de diferenciar um problema do outro é que o hordéolo consiste na inflamação das glândulas Zeis e Mol, enquanto o calázio consiste na inflamação da glândula de Meibômio. O primeiro apresenta os sinais de dor, rubor e calor característicos da infecção provocada por bactérias, se instalando, na maioria das vezes, na borda da pálpebra perto dos cílios. Já o calázio, mesmo depois

de controlado pode ainda permanecer na pálpebra sob a forma de um granuloma que, sem sinais inflamatórios, aumenta ou diminui de tamanho quando a secreção produzida pela glândula não consegue ser eliminada. “Em casos mais graves o tratamento é feito por meio cirúrgico e o aparecimento frequente de calázios pode ser indicativo de algum defeito de refração do olho”, ressalta o oftalmologista. “De modo geral, o terçol desaparece dois ou três dias depois de instalado e o calázio também, mas pode aparecer um granuloma no local”, conclui. Tratamento Compressas mornas - aplicadas sobre a pálpebra fechada e com um pano limpo umedecido em água morna durante cinco a 10 minutos, por três ou quatro vezes ao dia. Injeção de esteroides podem ser eficazes quando persiste um nódulo pequeno após a realização das compressas mornas. Excisão cirúrgica – no caso de um calázio de grande tamanho que não respondeu a outros tratamentos.

Problemas nos olhos não devem ser tratados sem uma consulta preliminar ao especialista


Saúde - 12 de agosto de 2012