Issuu on Google+

Caderno E

Saúde MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

DIVULGAÇÃO/STCK

e bem-estar

saudeebemestar@emtempo.com.br

(92) 3090-1017

O sexo nosso de cada dia Saúde e bem-estar E5

A terapia do amor A equoterapia une homem e animal em um processo de adaptação, onde o trote do cavalo serve de exercício para diversos pacientes

I

ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

dentificada como método terapêutico na década de 60, a equoterapia – terapia sobre cavalos – tem registros ainda no ano de 377 a.C, quando Hipócrates, no livro “Das Dietas”, reconhecia a equitação como uma atividade de regeneração à saúde. Hoje é cientificamente comprovado que 95% dos movimentos do cavalo se assemelham com o andar do ser humano, realizando ao mesmo tempo deslocamentos para direita e para esquerda, para cima e para baixo e para frente e para trás. É justamente por essa semelhança de movimentos entre o galopar e o caminhar, que os exercícios sobre os equinos favorecem o equilíbrio, a fortificação da coluna vertebral e toda musculatura dos membros superiores e interiores, além de valorizar ainda a interação entre homem e animal, favorecendo o desenvolvimento da atenção, da percepção e sentimentos. De acordo com a fisioterapeuta da Associação Amazonense de Equoterapia, Jeronice Rogrigues, o tratamento é indicado para portadores de síndrome de Down, paralisia cerebral, autismo e pessoas que sofreram de acidente vascular encefálico, bem como os que sofrem de limitações físicas e mentais ocasionadas por desastres. “Dependendo de cada caso, realizamos uma didática específica que irá priorizar a dificuldade do paciente, mas é importante frisar que a equoterapia quase sempre é uma terapia complementar, não eliminando a necessidade de outros tratamentos, como o fisioterapêutico, o fonoaudiológico e o psicoterapêutico”, esclarece a especialista. Sentimentos aflorados Durante o deslocamento com o cavalo, o praticante da equoterapia recebe de 1,8 mil a 2,2 mil estímulos cerebrais e ajustes tônicos, ou seja, movimentos automáticos para adaptar o corpo do praticante ao movimento do cavalo. Esses estímulos percorrem a coluna vertebral através da medula espinhal, chegando ao

sistema nervoso central e, a partir daí, os neurônios se unem, gerando novas células nervosas, que servirão como “ponte” na realização de uma determinada atividade motora dificultada por uma lesão cerebral. Mas, na prática, tudo isso só se torna possível porque o sentimento de carinho e amizade une o praticante ao animal. É também sentimento de solidariedade que faz com que a equipe da Associação Amazonense de Equoterapia, formada por três fisioterapeutas, três psicólogos, uma pedagoga e oito equitadores, se dedique voluntariamente ao atendimento gratuito da população. Contando com o apoio

Manoel Brito, 8 anos, é portador de autismo e pratica equoterapia há um ano e meio. Hoje ele já consegue interagir com outras pessoas

ESPAÇO

A maior urgência do espaço de equoterapia é por um picadeiro coberto que, de imediato, acrescentaria mais 50 vagas. Atualmente 400 pessoas estão na lista de espera por esse tratamento do Comando Montado da Polícia Militar que, além do espaço e dos cavalos, disponibiliza também o grupo de equitadores formados, a associação atende atualmente 70 pessoas, mas a lista de espera é muito maior que a capacidade de atendimento com, aproximadamente, 400 pessoas, entre crianças e adultos. Ricardo Souza, pioneiro na iniciativa, lembra que a associação foi fundada em junho do ano passado, pelos próprios pais dos pacientes. “Na verdade, os próprios profissionais da cavalaria já faziam o trabalho de equoterapia, mas a partir da criação da associação de pais foi possível conseguir mais recursos para que mais crianças fossem atendidas, apesar de ainda não ser o suficiente”, lamenta.

Tratamento evolutivo

Felipe Ramos, 16 anos, faz o tratamento há mais de 6 anos FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

Ricardo Souza com o pai, Manoel Brito e o seu filho

A associação oferece tratamento grátis para quem precisa

De maneira geral, a equoterapia está dividida em três fases, que vão aprimorando gradualmente a capacidade motora e cognitiva dos praticantes. Segundo a fisioterapeuta Jeronice Rogrigues, na primeira etapa, chamada de hippoterapia, o praticante não consegue montar sozinho no dorso do cavalo, necessitando de um terapeuta montado ou ao lado, para ajudar nas atividades direcionadas ao seu tipo de tratamento. É justamente nesse período que o pequeno Manoel Brito, de 8 anos, se encaixa. Ele é portador de autismo e pratica a equoterapia há um ano e meio. Jeronice Rogrigues explica que, nesse caso, a terapia é mais voltada para o lado cognitivo, no contato com o cavalo, envolvendo abraços e também brincadeiras como jogar e receber a bola. “A maior dificuldade dele era a comunicação,

uma vez que o autista vive em um mundo paralelo. Hoje ele já consegue interagir com outras crianças e até o colocamos em um colégio de educação regular”, comemora o pai, Manoel Brito. Já na última etapa do tratamento, o praticante consegue realizar alguns exercícios de hipismo sozinho, como galopar, trotar e até dar pequenos saltos. Que o diga Felipe Ramos, 16, que, segundo o pai Francisco Pimentel, larga qualquer coisa para ir à equoterapia. O jovem que faz o tratamento há 6 anos tinha grande limitação do aprendizado e apresentava movimentos repetitivos involuntários. “Ele já se movimenta superbem e está no oitavo ano do ensino médio, o que para nós é uma grande conquista. Além disso, sua comunicação melhorou muito, antes ele era muito introspectivo”, afirma.


E2

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Humberto Figliuolo

DICAS DE SAÚDE

hfigliuolo@hotmail.com.br

O sistema de saúde pública “Estamos vivendo a ira dos deuses, a rebelião da natureza”. É assim que Sérgio Arouca, em 1986, se referiu à atual situação da saúde no país. Para ele, estamos sofrendo uma crise sanitária, uma explosão da bomba relógio de efeito retardado armada por 20 anos de descaso com a saúde. Alega Sérgio que a cada doença supostamente exótica que aparece, entre elas a dengue e a cólera, surgirão outras. O sistema atual é ruim no atacado e no varejo, não provocando impacto algum na saúde da população. “As reformas cosméticas não resolverão o problema, pois elas têm um poder limitado”. As limitações são estruturáveis. O sistema de saúde atual é aceitável? Você responde. Os brasileiros, em minha opinião, são vítimas da inconsistência de um sistema que, a despeito de ser um dos mais avançados do mundo por sua universalidade e integridade, (SUS), padece pela insuficiência de recursos e de gestão. Não obstante as iniciativas governamentais dos últimos 25 anos, os serviços de saúde além de insuficientes são mal distribuídos, caracterizam-se pela inadequação, ineficiência e

baixa eficácia. Nesse marasmo ninguém conseguirá arrancar maior produtividade da cansada máquina estatal. Segundo Cláudia Costin, “Não são apenas os políticos clientelistas que conspiram contra a boa prestação de serviços. É toda uma lógica de desprofissionalização do servidor público”. Lya Luſt comenta: “Acho que andamos otimista demais, omissos demais, alienados demais. Devemos ser pacíficos e ordeiros, mas atentos. Aplaudir o erro é insensatez, valorizar o nebuloso é burrice, achar que tudo está ótimo é tiro no pé”. Sem entrar na discussão sobre os determinantes sociais da doença, é indubitável que os conhecimentos e instrumentos técnicos próprios do setor não estão sendo utilizados na medida necessária e possível do seu alcance. A crise da organização sanitária se manifesta pela baixa produtividade, devido à desigualdade no acesso aos serviços de saúde e pela qualidade insatisfatória dos serviços, em razão das ausências dos profissionais de saúde, mas ainda há muito a fazer. É importante o controle social, quanto à participação, mas a forma de sua implantação tem

que ser revista e recomposta, uma vez que a maioria é formada de maneiras mais esdrúxulas. Dom Luiz Soares Vieira assevera que: “Se não houver cobranças por parte dos brasileiros e brasileiras, será bobagem pensar que teremos serviços honestos de prevenção contra doenças, hospitais dignos, postos de atendimentos humanos, médicos e profissionais humanizados e presentes, o fim da fila de espera. Se não exigirmos o cumprimento da Constituição, continuará o triste espetáculo de desvios do dinheiro destinado à saúde para outros setores da administração governamental ou pior, para os bolsos de corruptos. Se esta Campanha da Fraternidade despertar a consciência de que todos somos responsáveis pela saúde pública, terá realizado um bem formidável de solidariedade”. Uma grande voz ecoa a nível nacional com a Campanha da Fraternidade da Igreja Católica enfocando a “Fraternidade e saúde pública”. Essa campanha chega a um bom momento para essa reflexão, no sentido de ampliar o debate. É importante que as “autoridades brasileiras” saibam que o Brasil continua na tempestade e na ira dos deuses.

Humberto Figliuolo Farmacêutico

Uma grande voz ecoa a nível nacional com a Campanha da Fraternidade da Igreja Católica, enfocando a “Fraternidade e saúde pública”.

Hortelã, um analgésico barato e natural Febre, gripe, dor de cabeça e dor de estômago? Não se desespere. Se você tiver em casa um vaso com a hortelã brasileira (Hyptis crenata), conhecida no Brasil como hortelã-brava e salva-de-marajó, saiba que ela possui propriedades analgésicas muito parecidas com a de medicamentos vendidos comercialmente. A erva teve seus poderes terapêuticos comprovados por cientistas da Universidade de Newcastle, no Reino Unido que equipararam seus efeitos aos de uma aspirina do tipo indometacina.

João Bosco Botelho joaoboscobotelho@gmail.com

Câncer: a partitura desarmônica da vida O câncer não é uma única doença! Na realidade são centenas de tipos diferentes, que se manifestam por meio de vários tipos de gravidades clínicas. Algumas formas com pouca agressividade biológica, ainda que sem tratamento, não oferecem risco à vida. Outras, sem explicação e nexo com o tipo de vida do doente, aparecem com grande agressividade, mesmo com todos os recursos de tratamento disponíveis, determinam a morte em pouco tempo. Também é importante relembrar que os cânceres só não se manifestam nos cabelos e nas unhas porque são tecidos de granulação. Fora desses dois segmentos, os cânceres podem ocorrer em qualquer outra parte do corpo, idades e condição socioeconômica, inclusive e estranhamente no feto em formação. Algumas formas, como os cânceres de colo uterino, absolutamente, passíveis de diagnósticos precoces por meio do exame preventivo, têm forte relação com infecções de vírus no colo uterino e certas condições traumáticas: precocidade das relações sexuais, muitos partos normais e repetidas infecções ginecológicas. Em incontáveis outras, não é possível estabelecer

qualquer linha causal. As pessoas continuam, com justa razão, alertas contra o câncer como a mais importante doença da atualidade. Por outro lado, os recursos médicos disponíveis não oferecem, na maior parte dos casos, respostas convincentes. É provável que a enfermidade cancerosa seja o saldo de muitos distúrbios ainda desconhecidos do equilíbrio celular, provocados por múltiplos fatores internos e externos à célula. Os determinantes intrínsecos seriam representados pelos códigos genéticos específicos para cada tipo de câncer na estrutura do genoma (como o teclado de um piano) e os extrínsecos pelos incontáveis fatores físicos, químicos e biológicos que poderiam estimular a chave genética (atuando repetidamente no teclado, produzindo sons desafinados). Funcionaria, mais ou menos, assim: cada ser humano teria o seu próprio teclado de informações genéticas produzindo partituras harmoniosas e sequenciadas em estrito equilíbrio dinâmico com os elementos circundantes externos. Em determinado momento, o teclado ao ser tocado de forma incorreta, possivelmente por influência de

um ou mais fatores extrínsecos, forneceria um som estranho à partitura da organização da vida, dando como resultado o câncer. Isso deve acontecer muito mais vezes do que supomos. Estatisticamente é pouco provável que os milhões de combinações físicoquímicas efetuadas de uma só vez, a cada segundo, não comportem erros. Todos os dias o homem produz uma fantástica quantidade de proteínas sob a regência genômica, que se colocadas em linha reta, alcançaria várias quilômetros de comprimento. Certamente que estamos submetidos, durante toda a vida, aos processos cancerosos. A grande dúvida é saber por que as defesas imunológicas do corpo conseguem bloquear a maior parte dos cânceres e perde a capacidade para outros. Muitos dos mais respeitados cancerologistas, como o pesquisador francês Dominique Stehelin, um dos responsáveis pela descoberta do oncogene (o fator intrínseco contido no teclado do piano) afirma que o câncer é a doença mais complicada do homem. Infelizmente ainda não dispomos de tratamento eficaz para a maior parte dos cânceres.

Banana e maçã contra crises de asma

João Bosco Botelho Doutor Honoris Causa na França

Um dos mais respeitados cancerologistas, o francês Dominique Stehelin, afirma que o câncer é a doença mais complicada do homem”.

Crianças que comem pelo menos uma banana por dia têm menos chances de desenvolver sintomas de asma. Quem garante são os pesquisadores do Imperial College, em Londres, Inglaterra, que realizaram um estudo com 2.640 crianças com idade entre 5 e 10 anos. Os resultados mostraram que aqueles que consumiam pelo menos uma banana ao dia reduziram o risco de desenvolver os sintomas de asma, ou problemas respiratórios como chiado, em até 34%. Outra fruta que auxilia na prevenção é a maçã. De acordo com a pesquisa, crianças que bebiam suco de maçã diariamente reduziam em até 47% o risco de desenvolver a doença.

Expediente Editora Vera Lima weralima@yahoo.com.br

Diagramação Marcelo Robert

Repórteres Alita Menezes Camila Henriques

Revisão Adriana Maciel www.emtempo.com.br


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

e bem-estar

E3

Falta de limpeza em casa é fator que atrai doenças Problemas respiratórios são comuns, mas podem aparecer mais cedo se o ambiente no qual o indivíduo vive é “doente” DIVULGAÇÃO/STCK

CAMILA HENRIQUES Equipe EM TEMPO

F

alta de ar, dores no peito, desconforto, tosse... Quem sofre de asma ou outros problemas respiratórios conhece bem esses sintomas. Apesar de ser uma doença crônica, a asma também pode ser desencadeada por fatores cotidianos, que podem passar em branco aos olhos mais desavisados. Em uma cidade quente como Manaus, a atenção deve ser redobrada. O calor e a umidade são inimigos da saúde perfeita, já que dessa instabilidade podem ser originadas várias doenças, de uma simples gripe a algo mais sério, como um câncer de pele. Mas o grande inimigo é a própria casa do indivíduo. Lá, muitas doenças estão escondidas debaixo do tapete, como afirma o otorrinolaringologista do hospital Santa Cruz, de São Paulo, Fernando Kaoru Yonamine. “Do ponto de vista médico, a “casa doente” seria aquela que afeta a saúde dos seus moradores, predispondo-os ao desenvolvimento de certas doenças. Poeira, arcondicionado sem manutenção, paredes com mofo e infiltração são algumas das alterações que podemos encontrar nesse ambiente”, enumera. Como em quase todas as enfermidades, o diagnóstico prematuro pode garantir um tratamento mais rápido e menos doloroso. “O mais importante no caso dessas doenças é a remoção do fator causal, como tapetes, carpetes e cortinas, que podem acumular a poeira. Outras medidas iniciais são a manutenção do filtro do

ar-condicionado, de acordo com o fabricante, e a limpeza de móveis e outros objetos. Se, mesmo após essas medidas, o paciente continuar sintomático, o ideal é procurar atendimento médico”, explica. Atenção especial Além de asma, doenças como bronquite, rinite e sinusite podem ser desencadeadas nesse ambiente. Portanto, é necessário um cuidado maior na limpeza dos utensílios domésticos, especialmente aqueles que estão ao alcance das crianças. Além

Casa “doente” seria aquela que afeta a saúde dos seus moradores, predispondo-os ao desenvolvimento de certas doenças Fernando Yonamine otorrinolaringologista

disso, quem anda de carro também está propenso a sofrer de problemas respiratórios. “O ar-condicionado do carro sem a manutenção adequada pode predispor os seus ocupantes ao desenvolvimento dessas doenças”, diz Yonamine. Como cuidar da casa para que ela não seja um ambiente desencadeador de doenças? Em primeiro lugar, abrir as janelas e deixar o sol entrar. “Deixar a casa o mais arejado possível e sempre remover a poeira de móveis e outros objetos com panos úmidos”, ensina o médico“.

No quarto das crianças, é importante limpar os brinquedos diariamente com pano úmido sxsxs sxsxs sxsxs sxsxs sxsxs sxsxs

Coisa de Mulher

Vera Lima

weralima@yahoo.com.br

Gorda, eu? Ai, meu Deus! Espelho, espelho meu, existe mulher mais gorda que eu? Oh, drama, oh, agonia. Mas não se desespere, eu não estou falando de você, refiro-me a bela do BBB12, Monique, que em pleno alvoroço perguntou ao maldito espelho: “sou a gorda? Sou a figurante do bagulho?”. Tudo isso por causa de uma saia. E aí, como se não fosse o bastante todo esse drama digno de Shakespeare, ela danou a comer como se estivesse passando fome há meses e de repente tivesse liberado geral. Aff! Mas a Monique é apenas um exemplo da paranoia que ataca milhares de mulheres todos os dias, que se olham no espelho e não conseguem se enxergar com imparcialidade. Tem uma espécie de neblina gordurosa cobrindo os olhos e acrescentando uma camada adiposa em todos os recantos possíveis e imaginários de seus corpos. Na maioria dos casos são mulheres absolutamente normais, que se acham gordas. Não o são, em absoluto, mas a ditadura da magreza, reforçada constantemente pelos estilistas faz com que uma pequena diferença na balança, ou no manequim, se transforme em uma novela mexicana.

Estou gorda! Bradam essas criaturas aos quatro ventos e se desesperam ao ponto de jurar que nunca mais vão colocar uma batata frita na boca. O pior é que essas mulheres atribuem todos os fracassos de suas vidas a uma questão matemática de pesos e medidas. Insatisfeitas, elas mantêm uma constante autovigilância e modificam a relação que mantêm com o corpo sobre o qual projetam e condensam todas as suas insatisfações e frustrações. Olham com inveja os padrões de referência divulgados pela mídia – geralmente modelos anoréxicas – e tomam aquelas imagens retocadas como o ideal de perfeição, tornando-se profundamentedependentes da busca por esse modelo, acreditando que adquirindo o mesmo padrão de magreza, serão respeitadas, amadas ou terão sucesso. O resultado é desastroso porque acabam transformando isso em obsessão. Foi mais ou menos o que aconteceu com as mulheres japonesas nos últimos anos. Elas não comem nem 1/3 do que uma mulher com peso normal come. Com elas as porções são definidas e nunca repetem o prato. Geralmente os pra-

tos são de baixa caloria, tipo pizza de beringela, espaguete de cogumelo, pudim de jiló e muito peixe cru. Mas não pense que isso tem a ver com saúde _ muitas são desnutridas em razão da obsessão com o peso – a questão é mesmo com a aversão a qualquer aumento do peso. Aff! O resumo da ópera é que temos uma geração inteira de mulheres frustradas com o próprio corpo, insatisfeitas e neuróticas em busca de um peso ideal, vendido por uma mídia implacável que não considera a diversidade do ser humano. Essa angústia frente ao emagrecimento e a busca do corpo ideal são uma patologia e as soluções temporárias, com o uso de remédios, fórmulas emagrecedoras e dietas milagrosas nem sempre trazem o resultado desejado. O trágico é que, como no caso de Monique, muitas vezes são mulheres bonitas que se autodepreciam por tão pouco, e esquecem de ser felizes com o que têm.


E4

Saúde

e bem estar

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

30 dicas

para voltar ao

peso ideal Quase metade dos brasileiros está acima do peso, mas é possível reduzir esse número com hábitos saudáveis

O

peso dos brasileiros vem aumentando nos últimos anos. Em 2009, uma em cada três crianças de 5 a 9 anos estava acima do peso recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A parcela dos meninos e rapazes de 10 a 19 anos de idade com excesso de peso passou de 3,7% (1974-75) para 21,7%

(2008-09), já entre as meninas e moças o crescimento do excesso de peso foi de 7,6% para 19,4%. Manter o peso adequado depende de uma série de fatores como uma alimentação equilibrada, exercícios físicos regulares e redução de gorduras, carboidratos e açúcar. O Saúde e bem-estar selecionou 30 dicas para você. Confira!

1) Esqueça as dietas muito restritivas ou que prometem um emagrecimento milagroso em um período reduzido de tempo. Não acredite em milagres. 2) Faça um diário com os alimentos que você ingere todos os dias. Você perceberá os erros e poderá se corrigir. 3) Prefira os alimentos integrais. Eles contêm mais nutrientes e fibras. 4) Estipule cinco refeições por dia. Assim você não passa fome. 5) Opte por leites e derivados desnatados. Menos quantidade de gordura significa menos colesterol e calorias na sua alimentação.

Para reduzir as medidas e chegar ao peso ideal, a melhor receita é uma mistura saudável de paciência com disciplina

6) Estabeleça uma rotina alimentar. 7) Dê preferência a alimentos ricos em água e de baixo valor calórico, como frutas, legumes e verduras. 8) Cuidado com os embutidos (mortadela, salame, presunto). Eles carregam uma quantidade considerável de gordura, colesterol e sódio. 9) Inicie a refeição com um prato grande de saladas (folhas e legumes cozidos). 10) Não fique mais do que 4 horas sem se alimentar. 11) Faça lanchinhos entre as refeições, hábito essencial para uma alimentação saudável. 12) Cuidado com o café. Beba, no máximo, quatro xícaras por dia. 13) Coma pelo menos duas frutas por dia. 14) Evite fazer a última refeição do dia perto da hora de se deitar. Jante, pelo menos, uma hora e meia antes de ir para a cama.

20) Prefira os sanduíches naturais e pães integrais com ricota. 21) Atum e sardinha em conserva são ótimos para uma salada ou um sanduíche. Mas lembre-se: utilize a versão light. 22) Prefira as carnes menos calóricas, como peixe, frango e cortes magros de carne bovina. 23) Retire a pele do frango. 24) Cuidado com os molhos à base de maionese para temperar saladas.

Dica do personal trainer Pequenas mudanças no seu dia a dia podem representar alguns quilos a menos que teimam em não querer ir embora. Pratique atividades físicas pelo menos três vezes por semana; beba em média dois litros de água por dia; troque o elevador pelas escadas e

o refrigerante por água; caminhe sempre que o seu destino permitir; coma a cada três horas e, quando estiver estressado, não recorra aos alimentos, faça alguma atividade física. CAROL CORRÊA Personal trainer/Academia Atala FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

25) Não vá ao supermercado com fome. Isso somente fará com que não resista quando passar pela gôndola de doces e salgadinhos. 26) Sucos naturais são uma ótima pedida, nutrem e refrescam.

15) Saladas e legumes devem fazer parte da sua alimentação diária. 16) Evite preparações altamente calóricas como gratinadas, fritas, à parmegiana, à milanesa e quatro queijos. 17) Tempere as saladas com suco de limão e vinagre. 18) O azeite é saudável, mas use com moderação. 19) Doces devem ser evitados, principalmente bolos recheados, tortas, bomba de chocolate.

27) Você pode contar com a água de coco para se hidratar, mas atente à quantidade. Um copo pequeno (200 mL) apresenta 40 calorias. Consuma somente um coco por dia e beba muita água mineral. 28) Evite bebidas gaseificadas, mesmo as que não contêm calorias, como água e refrigerantes light. 29) Durante a refeição, beba somente um copo pequeno (200 mL) de líquidos para não prejudicar a digestão. 30) Um grama de álcool tem 9 calorias, portanto, evite as bebidas alcoólicas se o objetivo é emagrecer.

Carol Corrêa destaca as dicas para entrar em forma


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

e bem-estar

E5

Sexo, além do prazer Longevidade é, sem dúvida, o desejo da maioria dos seres humanos. Já pensou então prolongar a vida e manter a saúde física e mental com a prática regular de sexo? Parece brincadeira, mas não, aqui o “papo” é muito sério FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

M

uito já foi debatido sobre os mitos e verdades dos benefícios do sexo para a qualidade de vida e, cada vez mais, estudos científicos realizados nas últimas décadas confirmam que uma vida sexual ativa pode, sim, prevenir uma série de problemas físicos e também psíquicos, aumentando a longevidade em, aproximadamente, cinco e até dez anos. Melhorias no seu sistema imunológico, redução da gordura corporal, uma pele mais livre de toxinas e o aumento na produção de endorfinas, substâncias naturais que combatem a ansiedade, o estresse e seus efeitos negativos sobre o corpo, são alguns dos benefícios que o sexo pode provocar no corpo humano. Segundo o psicólogo e mestre em sexologia, Charles Rojtenberg, para se ter uma ideia, três ejaculações por semana já são suficiente para prevenir o câncer de próstata no homem. “A vida sexual ativa é uma condição do ser humano, fomos feitos para fazer sexo. Tanto é, que o homem produz milhares de espermatozoides por hora e as mulheres possuem condições de ter várias relações sexuais num mesmo dia, isto tudo é a biologia deixando o corpo do ser humano pronto para o sexo”, afirma.

Ele explica que sem o sexo não haveria o vínculo, nem a criação e não haveria mais seres humanos na terra, ou seja, é o ato sexual que faz a espécie sobreviver e por esse motivo ele vem carregado de diversos fatores positivos para a sua manutenção e busca. “Ao longo da história, o ato sexual demonstrou ser um grande fator para a proteção da mulher dentro das colônias. Uma vez que o homem, enquanto macho, tem o instinto de defender sua fêmea, no caso a mulher”, analisa o sexólogo. Mais orgasmos A falta de orgasmos ou de prazer sexual gera diversos problemas graves, como depressões, agressividades, nervosismos e vaginismos - síndrome que impede a mulher de ter penetrações por contração involuntária da musculatura vaginal, devido à dor causada pela baixa lubrificação. De acordo com Charles Rojtenberg, a falta de prazer sexual também é uma das principais causas de separações, traições e divórcios atualmente. “Uma fuga muito comum para a pessoa que não tem prazer em casa é lotar sua agenda de trabalho para ficar o mais fora de casa possível e isso acaba influenciando muito nos riscos de traições, uma vez que 75% a 80% das traições ocorrem em ambiente de trabalho ou com alguém que a pessoa trabalha”, destaca.

A falta de orgasmos ou de prazer sexual gera uma série de problemas graves como depressão, irritabilidade e nervosismo

Tira dúvidas com Charles Rojtenberg

Para esquentar a relação

Em entrevista ao EM TEMPO, Charles Rojtenberg, psicólogo e mestre em sexologia, comenta ainda sobre as dúvidas mais frequentes quando o assunto é o prazer sexual e os benefícios dessa relação.

O especialista em sexologia esclarece que a falta de prazer na hora do sexo ocorre devido ao egoísmo de uma ou ambas as partes, que esquecem de valorizar também aquilo que o parceiro gosta. Então a primeira dica para esquentar a relação e explorar todos os benefícios que o sexo pode proporcionar é usar e abusar da imaginação. E, lembre-se que as preliminares são tão importantes quanto a penetração.

EM TEMPO - Por que algumas mulheres não conseguem chegar ao orgasmo com facilidade? Charles Rojtenberg - Na maioria das vezes esse problema é resultado da pressa que o homem tem em penetrar logo, fazendo com que ele chegue ao orgasmo muito antes da mulher estar pronta para isso. Um conselho que sempre dou é que a penetração só ocorra quando ambos estiverem bem excitados, lembrando que um

“A imaginação é um dos mais potentes afrodisíacos que se conhece. Deixe que ela corra solta, desde que não resulte em riscos para sua saúde ou chamados para a polícia (risos)”, brinca o sexólogo. Outro conselho é não ter pressa e aproveitar as carícias, concentrando-se apenas no prazer daquele momento. Isso ajuda principalmente às mulheres que têm dificuldades em chegar ao orgasmo.

casal é composto por duas pessoas que querem prazer, mas também precisam dar para receber. ET - E, o que pode ser feito para ajudar essas mulheres a descobrirem sua sexualidade? CR - A primeira coisa é ter atitude positiva, assumir que está com problemas e encarar o problema de frente, abrindo o diálogo com seu parceiro. A outra é buscar um profissional qualificado para orientá-la. A falta de prazer pode ter origem puramente comportamental, pode ser hormonal ou até mesmo os dois. Lembrando, que a fisiologia e o comportamento no final irão se interagir, ou seja, um problema comportamental irá refletir na baixa

produção de hormônios. ET - Falando de homens. O que está relacionado ao problema de ejaculação precoce? CR - O homem é naturalmente um ejaculador precoce, 90% deles ejaculam antes da mulher ter o orgasmo, por isso devem aprender a controlar o seu impulso de penetrar rapidamente. Vamos lembrar que antigamente, quando o homem irracional habitava as florestas, ele tinha que ter o ato sexual o mais rápido possível e também ejacular no máximo de fêmeas possíveis. Mas, hoje como não é só a reprodução que está envolvida, o homem precisa explorar além dos instintos durante o sexo.

ET - Apesar da mulher não precisar do cio para o período reprodutivo, há algum momento em que ela fique mais atraente? Existe alguma relação na liberação dos hormônios do sexo com a atração? CR - Sim existe, do ponto de vista biológico, perto da menstruação a mulher fica mais à flor da pele. Inclusive tem estudos que dizem que perto da ovulação ela tem atrações por homens com mais características de machão e traços mais grossos, enquanto depois da ovulação ela tem atrações por homens com traços mais finos e delicados. A prática do sexo também deixa os hormônios em atividade constante, o que colabora para a manutenção geral do organismo.


E6

Saúde

e bem-estar

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Excesso de dengo pode atrasar a fala do bebê

O desenvolvimento das crianças depende do estímulo que recebem dos pais. Converse com o bebê, mas evite mimá-lo

A

expectativa das primeiras palavras do bebê geralmente é recompensada com o balbuciar do “mama” ou “papa”, que soam com carícias aos ouvidos dos genitores. E não importa se são “marinheiros de primeira viagem” ou não, quando o pequeno ensaia suas primeiras sílabas os pais sentem um misto de alegria e ansiedade para ouvir a próxima palavra. Mas, quando essa expectativa é frustrada pela demora, os pais começam a questionar o que pode estar errado com o seu bebê. De maneira geral, os fonoaudiólogos concordam que os pais exercem papel importante na hora de estimular a criança e admitem que quando a criança não é estimulada a falar, pode ficar preguiçosa e acabar demorando mais do que o normal. A partir dos cinco meses de idade, os bebês já começam a emitir alguns sons na tentativa de se comunicar, mas é por volta dos dez meses que eles começam a falar palavras bilabiais. Com um ano, as crianças já falam palavras que são reconhecidas pelos adultos. Com dois anos, dois anos e meio, ela já é capaz de formular pequenas frases. Todavia, se o bebê chegar a essa fase e ainda não tentar falar, é hora de procurar um profissional porque pode ter alguma coisa errada. Os pais precisam se certificar de que o filho n��o esteja sofrendo com alguma patologia associada, como a surdez, por exemplo, que é muito fácil de ser percebida pelos pais. É só notar se o bebê reage aos sons do cotidiano.

FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

Tenha paciência e muita calma

A partir dos cinco meses, o bebê começa a balbuciar

No caso de comprovação de que não há nenhum problema físico, o motivo do silêncio pode estar ligado ao psicológico e os próprios pais podem ser, em grande parte, os responsáveis e o excesso de zelo ou de mimo com a criança pode ser o vilão da história. É o caso, por exemplo, dos pais que atendem aos menores desejos dos filhos antes que eles consigam se expressar, no método da adivinhação. Eles

acabam tornando a criança “preguiçosa” para falar. Nesse caso, é importante o trabalho de um fonoaudiólogo, que vai descobrir o que está errado na relação entre pais e filhos e vai indicar a melhor maneira para que os pais estimulem seus filhos, substituindo práticas comuns, por corretas. Não infantilize Conversar com seu bebê nunca é demais. Mas, nada

de falar “infantilês”. Use as palavras corretas para não infantilizar a sua criança. Não se afobe, estimule! Os pais ficam muito ansiosos e, por isso, podem acabar pressionando a criança e intimidando o desenvolvimento dela. Sons, ruídos, fala e articulação da boca, tudo isso ajuda a criança a estimular uma série de coisas no corpo e no cérebro dela. Estimule, mas não apresse o bebê.

Personal Fitness Club Adriane Monteiro - Fisioterapeuta

Pilates, também, para os jovens Ao contrário do que muitos pensam, o método pilates é altamente recomendado aos adolescentes. Eles estão atravessando um período de crescimento rápido e intenso, o que ocasiona desajustes posturais e desequilíbrios musculares que frequentemente são acompanhados de dores musculares.

dos em frente ao computador ou assistindo a televisão); os meninos mais altos tendem a se retrair para não se destacar fisicamente perante os colegas; já com as meninas, ocorre o crescimento da mama e elas muitas vezes por vergonha acabam enrolando os ombros para frente querendo escondê-las.

Alterações posturais A postura envolve uma relação dinâmica na qual as partes do corpo, principalmente os músculos esqueléticos, se adaptam em respostas aos estímulos recebidos. Muitas alterações posturais, em especial aquelas relacionadas com a coluna vertebral, têm sua origem no período de crescimento e desenvolvimento corporais, ou seja, na infância e na adolescência.

Prevenção A prática do pilates, nesse período, exerce um excelente papel preventivo, estruturando a postura, estabilizando as curvas fisiológicas da coluna e evitando a escoliose e a hipercifose, muito comuns nessa idade. O pilates desenvolve o corpo de maneira global, trabalha muito o alongamento, promove uma conscientização adequada da postura, fazendo com que o aluno perceba seu corpo, além do fortalecimento muscular, pois não adianta alongar muito se o músculo não estiver forte o suficiente para se manter na posição adequada. Isso tudo de uma maneira bem calma e tranquila, sem estresse sobre nenhuma articulação e respeitando o limite de cada aluno.

Situações de risco Durante essa fase, as pessoas estão sujeitas a situações de risco para a coluna, tais como, as mochilas escolares que hoje em dia estão cada vez mais pesadas; a permanência por muito tempo em uma mesma posição (principalmente senta-

DIVULGAÇÃO/STCK

Consciência corporal Além disso, na medida em que melhora o alongamento e a força muscular de forma geral, aumenta a consciência corporal e com isso aumenta a autoestima do jovem que pratica o pilates. Tais ganhos deixam o adolescente mais preparado para enfrentar os desafios característicos dessa etapa da vida com mais equilíbrio e menos dores. Venha experimetar e conferir o que o Pilates pode fazer por você e seu filho na academia Personal Fitnes – 3584 0317!

SERVIÇO O ENDEREÇO DA SAÚDE E DA BOA FORMA Onde: Academia Personal Fitnes Endereço: Rua Acre, 66 Vieiralves Contatos: Telefones: 3584 0317/ 3584 2115 Informações Avaliação grátis O pilates ajuda os jovens a manter a postura correta e evitar problemas como escoliose


Saúde

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

FIQUE ATENTO

Pressão arterial dos dois braços deve ser idêntica DIVULGAÇÃO/STCK

e bem-estar

E7

Sorriso perfeito com o aparelho na medida certa Na hora de corrigir imperfeições dentárias é fundamental a escolha de um profissional capacitado, que fará o diagnóstico correto e o tratamento ideal FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

CAMILA HENRIQUES Equipe EM TEMPO

N

Pequenas diferenças podem significar um grande risco

Medir a pressão arterial sistólica em ambos os braços pode ser uma maneira eficaz de detectar problemas vasculares silenciosos. A pesquisa foi realizada na Universidade Exeter, na Inglaterra A pesquisa envolveu 28 estudos anteriores que haviam medido a pressão arterial dos participantes envolvidos no braço direito e esquerdo. Todos apresentavam risco aumentado de desenvolver doenças cardiovasculares. Os resultados mostraram que uma diferença de 15 milímetros de mercúrio ou mais entre a pressão sanguínea dos braços estava ligada e um risco maior de ter artérias parcialmente entupidas. Essa diferença também abre uma probabilidade 2,5 vezes maior de redução do fluxo de sangue para pernas e pés e risco de redução desse fluxo também para o cérebro. A diminuição do aporte de sangue para outras partes do corpo resulta em ataque cardíaco ou no desenvolvimento de problemas, como a doença vascular periférica. De acordo com os autores do estudo, não importa qual braço está com pressão mais alta ou baixa, mas, sim, se existe diferença entre eles. Dicas para controlar a pressão alta A hipertensão arterial, ou pressão alta provoca uma série de males. Um paciente com pressão igual ou superior a 140/90 mmHg é diagnosticado como hipertenso e como tal está sujeito a sofrer com falhas no coração, nos rins e até no cérebro. A doença é crônica, mas pode e deve ser controlada

e, por isso, é importante fazer exames regulares para detectar como andam seus batimentos cardíacos e mudar hábitos do dia a dia. 1. Mantenha o peso ideal - o sobrepeso aumenta dificulta o esforço do coração para conseguir bombear o sangue, exigindo demais do músculo. Com um risco: as lesões causadas pelo esforço excessivo podem se tornar irrecuperáveis. 2. Pratique atividade física - atividades físicas regulares, principalmente as aeróbicas, contribuem para a melhora de todo o sistema circulatório e pulmonar.

EQUILÍBRIO

Dieta saudável com a predominância de frutas, legumes e verdutas deve ser o ponto chave para combater o aumento da pressão arterial. Complemente com exercícios físicos

3. Reduza o sal - o excesso de sal na dieta leva à retenção de líquidos, acarretando a hipertensão. Diminua, também, o consumo de enlatados e alimentos em conserva. 4. Evite bebidas alcoólicas - Corte as bebidas da sua dieta ou consuma com moderação. 5. De olho nas gorduras - Gorduras saudáveis e pouco sal são medidas indispensáveis na dieta de quem quer manter o coração saudável. Inclua ainda muitas frutas.

ão é incomum ver pessoas que fizeram um longo tratamento ortodôntico reclamando do resultado. Na busca pelo sorriso perfeito, o barato pode sair caro, e com graves consequências em longo prazo. Um aparelho ortodôntico colocado de forma errada, sem as observações necessárias, pode implicar em alterações irreversíveis na face e na mordida, assim como perdas ósseas. De acordo com a cirurgiã dentista Vilma Melo, é fundamental analisar a idade cronológica e óssea do paciente. Outros pontos a serem observados são: o tipo de face do indivíduo e de seus pais (caso seja uma criança), a mordida, a respiração e se a pessoa articula bem as palavras. “O tempo de tratamento vai depender do problema apresentado, e poderá durar de meses a anos”, diz. Novas técnicas Atualmente, existem técnicas que diminuem o tempo de tratamento de três anos para 18 meses. A dentista ainda afirma que não é necessário todos os dentes na boca para usar aparelho. “O tratamento ortodôntico também é indicado quando se deseja a formação de um osso em determinado local da boca para um tratamento posterior de implante ou prótese. O movimento realizado por meio dos aparelhos também induz a formação de um novo osso em algumas regiões, e isso tem sido fantástico na reabilitação de pacientes que perderam massa óssea”, acrescenta. Ortodontista Um treinamento de 30 dias permite que o profissional possa colocar um aparelho ortodôntico no paciente. Para estabelecer o diagnóstico e o tratamento, deve haver uma investigação do que causou esse problema. Segundo Melo, quem quer atuar como ortodontista deve fazer um treinamento de pelo menos três anos após a graduação em odontologia.

Diversos fatores contribuem para um sorriso bonito, com dentes livres de imperfeições

Tratamento ainda na infância Existem dois tipos conhecidos de aparelhos: os fixos e os móveis. A diferença? Os aparelhos fixos têm uma peça colada em cada dente, enquanto os móveis ficam soltos na boca, e são geralmente indicados para crianças e adolescentes em fase de crescimento. “(Os fixos) Podem ser confeccionados com metal ou mais claros, os estéticos, que, por sua vez, podem ser feitos de policarbonato, acrílico, safira e cerâmica. Os metálicos são menos estéticos, porém são mais resistentes e geralmente permitem um tratamento mais rápido”, ressalta Melo. Não existe uma idade certa para começar a usar aparelho; o fator determinante é o tipo da mordida. “Crianças com mordida cruzada já podem começar o tratamento antes mesmo das trocas dos dentes”, garante a especialista.

Vilma Melo diz que os cuidados devem começar cedo

Estética DIVULGAÇÃO/STCK

Tratamentos como o Alpha e Beta AHA renovam a pele

Pele iluminada com tratamento rejuvenescedor Nada mais diva, nada mais glamour, nada mais Hollywood do que ter a pele iluminada. Descobri por meio de revistas internacionais, afinal adoro todas que falem de beleza, uma novidade sobre o famoso brilho no rosto. A zona T, aquela que tem um brilho infame contra o qual lutamos armadas de nossos pós-compacto, lencinhos absorventes e tudo mais que estiver a nosso favor, não será mais motivo de preocupação. Pois, esse brilho virou tendência, sendo a última moda. A graça agora é brilhar, mas veja bem, brilhar não é sinônimo de oleosidade, mas sim de vivacidade e aquela história de carregar demais no pó deixando a pele sem brilho ficou para trás. Por isso amigas, vamos

dar boas vindas ao Alpha e Beta AHA peeling iluminador, um tratamento que dá mais vivacidade a pele, porém antes de falarmos sobre a estrela da vez, falaremos de alguns cuidados para se ter uma pele iluminada com vivacidade: *Utilizar um bom protetor solar sempre acima de FPS 30, mesmo em dias nublados ou chuvosos. Carregue-o sempre na sua bolsa, os tonalizantes em forma de pó compacto, assim você retoca sua proteção e maquiagem ao mesmo tempo. *Limpar, tonificar e hidratar duas vezes ao dia. *Evitar o fumo que destrói a vitamina C, responsável pelas fibras de colágeno que ficam presas à pele que se interliga ao tecido adiposo subjacente. O fumo, além de aumentar os

radicais livres no organismo, deixa a pele sem viço. *Evitar alimentos ricos em gordura saturada, como carne bovina e suína, carboidratos e chocolates. Para se ter uma pele saudável é imprescindível reduzir esse tipo de alimento, pois essa gordura favorece a obstrução das glândulas sebáceas, piorando inclusive a oleosidade e acne. *Inclua frutas, verduras e legumes no cardápio do dia a dia. Dê preferência a alimentos integrais ou consuma fibras e grãos por meio de fontes como aveia, centeio e leguminosas. *Ingerir cerca de dois litros de água por dia ajuda a hidratar a pele de dentro para fora além de purificar o organismo.

Por último, é muito importante proceder a uma limpeza de pele com uma boa profissional a cada 30 dias. Para complementar, recomenda-se fazer um peeling suave a cada três meses. O peeling contribui para a coagulação das proteínas, levando à descamação da pele e, em seguida , à formação de uma nova superfície, com um novo colágeno e uma aparência rejuvenescida.

SERVIÇO NICÉA ESTÉTICA Onde Recife, 4.050 - Flores Informações (92) 32368403


Saúde

E8

e bem-estar

Vitiligo:

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

marcas que estigmatizam

Uma patologia não contagiosa, cujo maior transtorno não é a saúde física e sim a aparência do portador ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

S

em causa específica definida, estando bastante relacionado ao estado emocional, o vitiligo pode acometer a qualquer pessoa, principalmente entre as idades de 10 a 15 anos e 20 a 40 anos. Teorias mais recentes da medicina consideram a doença multifatorial, ou seja, a somatória de vários fatores, incluindo genética, emocional e a autoimunidade. Nesse último quesito são os próprios anticorpos que atacam a pele num processo chamado de autoagressão. Os anticorpos agridem e destroem os melanócitos, que são as células responsáveis pela produção da melanina – pigmento que dá a cor normal da pele. E, é exatamente essa perda de pigmentação que mais incomoda os portadores de vitiligo. Sendo mais comum nas mãos, no rosto e nas partes íntimas, o mal afeta diretamente na aparência e apesar

de não contagioso gera certo preconceito nas outras pessoas. Para a presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Regional Amazonas, Valeska Francesconi, o vitiligo é uma doença com grande impacto na qualidade de vida dos pacientes por questões estéticas e por desconhecimento

Hoje existe grande influência do estado psicológico como o estresse emocional, para o surgimento e para a progressão da doença Waleska Francesconi, dermatologista

a respeito da doença. “Uma maneira de amenizar esse estigma é o uso de um produto dermatológico, um corretivo de alta cobertura, usado para camuflar as

manchas de vitiligo enquanto o paciente faz o tratamento”, aconselha a especialista. O local atingido pela doença também fica sensível ao sol, podendo ocorrer sérias queimaduras caso exposto sem o uso de protetor solar, o que aumenta as chances do quadro evoluir para um câncer de pele. Ainda segundo a dermatologista, os dois sexos são igualmente afetados pelo vitiligo, com uma leve preponderância de casos entre as mulheres, talvez em razão das consequências psicossociais causadas pela doença. “Hoje existe grande influencia do estado psicológico, como o estresse emocional, tanto para o surgimento como para progressão, manutenção e regressão do vitiligo”, destaca Francesconi. Em alguns casos, quando a pessoa consegue voltar a sua rotina normal e tranquilizar o lado emocional da mesma maneira que o vitiligo aparece, ele também some.

FOTOS: DIVULGAÇÃO/STCK

Tratamento tópico ou sistêmico Há diversos tratamentos clínicos e cirúrgicos disponíveis para o vitiligo, mas o fator fundamental é a procura precoce. “Quanto mais precocemente se inicia o tratamento, menor será a extensão das lesões e mais facilmente se obtém a repigmentação das manchas brancas”, aconselha Valeska. Não existe um só tratamento que produza boa resposta em todos os casos de vitiligo. Para cada paciente o tratamento do vitiligo deve ser individualizado. Na hora da escolha da terapia são considerados a extensão da doença, distribuição, taxa de progressão e tempo de doença. De forma geral, os tratamentos são divididos em tópicos, com aplicação local, e sistêmicos.

Para as mulheres, o transtorno maior é quando o vitiligo atinge a área do rosto

A doença pode ser agravada por um estado de estresse

DIVULGAÇÃO/STCK

ENFERMAGEM

Ventilação mecânica em livro Os profissionais da área de saúde ganharam essa semana o livro Guia de Ventilação Mecânica para Enfermagem, lançado pela editora Atheneus. A publicação é uma iniciativa do Hospital do Coração (HCor), referência internacional em cardiologia, que convidou as professoras do curso de Enfermagem da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) para escrever quatro capítulos da obra. Segundo a professora da UEA e uma das autoras Gisele Torrente, os organizadores, que também escreve-

ram alguns capítulos do livro, convidaram os professores do curso de Enfermagem e quatro pessoas se interessaram pelo projeto. “Recebemos o convite direto do Hospital do Coração. A UEA é a única instituição de ensino do Amazonas que está participando”. A publicação aborda o uso de aparelhos de respiração artificial chamados de ventiladores mecânicos. “A ventilação mecânica é usada na ressuscitação cardiopulmonar quando o paciente sofre lesões graves, como um acidente de carro onde há politraumatismo”, explica a

enfermeira e autora Gisele. O livro Guia de Ventilação Mecânica para Enfermagem está à venda na livraria por R$ 57, e faz parte uma série de três livros. “Esse livro integra a série “Guia de Ventilação Mecânica para Profissionais de Saúde” com livros voltados para enfermeiros, médicos e fisioterapeutas”, conta Gisele, ressaltando que o único livro com participação de professores da universidade é o que aborda a área da Enfermagem. “Em Manaus, só teremos o lançamento do (livro) de Enfermagem. Medicina já foi lançado e Fisioterapia

estará nas livrarias ainda no primeiro semestre”, informa. A livraria Saraiva MegaStore comercializa o livro Guia de Ventilação Mecânica para Medicina por R$ 77. Novos cursos A série de livros está sendo usada, desde novembro de 2011, para fundamentar o curso Ventilação Mecânica para Profissionais da Saúde, do Centro de Ensino, Treinamento e Simulação do Hospital do Coração, em São Paulo. Assim como as publicações, há três cursos, um para cara área de saúde abordada na obra.

A publicação e a autora, a professora Gisele Torrente


Saúde - 4 de março de 2012