Page 1

�����������������������

������������������������������������������� �������������������������

VACILOU

�����������������

���

��������������������������������������������������������������������������������������������������������� ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������������������� �� �� �


����������������� �������������������������������������������

> Por Arthur Castro

LOTERIAS MEGA-SENA

arthurcastro@gmail.com

Clubes de futebol de olho nas estrelas da luta Salve a todos da luta aqui estou em mais uma segunda-feira neste caderno esportivo e o que hoje compartilho com vocês é uma coisa que parecia não pegar vento, mais no decorrer da aproximação do UFC no Brasil no dia 27 deste mês no Rio de Janeiro, acabou se tornando comum nas colunas dedicadas ao esporte número 1 dos brasileiros. Quem diria que até os clubes de futebol voltariam seus olhos para as estrelas do Mixed Martial Arts. O primeiro a puxar essa fila em 2011 foi o fenômeno Anderson Silva ao fechar com o Corinthians, para subir no octagon vestindo

a camisa do clube, pegando embalo vem o soldado do Bope de Brasília, Paulo Thiago que assinou com o Cruzeiro clube mineiro por 1 ano, esses são apenas os confirmados. Mas as negociações não terminam por aí, nos bastidores até a chegado do show muita coisa pode acontecer, times cariocas não querem ficar de fora da festa da luta mundial que atingirá mais de cem países entrando em mais de 500 milhões de lares. O amazonense José Aldo negocia com o Flamengo — seu time de coração — mas nada foi oficializado ainda. Rodrigo Minotauro também aguarda

�����������������

a equipe era formada por um cartel de grandes lutadores com Murilo Bustamante, Zé Mário e Ricardo Libório, vale ressaltar que todos eram vindos da formação de Calson Gracie. Bem que seria uma boa para os atletas locais se os O primeiro a puxar clubes de futebol do Amaessa fila em 2011 foi zonas adotassem a mesma o fenômeno Anderson postura, mas é uma pena, Silva ao fechar com o pois não podem nem dar suporte a suas categorias Corinthians de base, quem diria pagar está otimista com o possí- de R$ 2 mil a R$ 4 mil — vavel acordo com o clube de lor pago aos lutadores em início de carreira na luta. carioca de futebol. Porém essa ligação entre Esse é o legado que o MMA e futebol não vem maior evento de lutas do de agora para quem não mundo deixará no Brasil sabe há dez anos Vitor após sua passagem pela Belfort foi atleta do Vasco, Cidade Maravilhosa. pelo contrato com o Vasco da Gama. Na semana passada, quem também afirmou o desejo de vestir a camisa do seu clube foi Édson Junior, que se diz botafoguense fanático e

TIMEMANIA ����������������

����������������

�������������

LOTOFÁCIL ����������������

���� ���� ���� ���� ���� ����� ���� ���� ���� ���� ����� ���� ���� ���� ��

QUINA �����������������

V 10 9 10 9 8 7 6 6 7 6 6 5 4 4 4 4 4 3 3 2

E 4 7 2 3 4 6 5 5 0 3 3 4 7 6 4 3 3 4 4 5

D 2 0 4 4 4 3 5 5 8 7 7 7 5 5 8 7 9 9 9 9

GP 26 30 27 23 24 21 24 17 16 28 22 21 19 16 15 16 20 15 18 18

Zona de classificação para a Libertadores Zona de classificação para a Copa Sul-Americana Zona de rebaixamento

�����������

������������������������

�����������������

SÉRIE B J 16 16 16 16 16 16 16 16 15 16 16 16 16 15 16 14 16 16 16 16

�����������

LOTOMANIA

SÉRIE A PG 34 34 32 30 28 27 23 23 21 21 21 19 19 18 16 15 15 13 13 11

�����������

�����������������������������������

TABELAS DE CLASSIFICAÇÃO Time 1 Corinthians 2 Flamengo 3 São Paulo 4 Vasco 5 Botafogo 6 Palmeiras 7 Internacional 8 Figueirense 9 Fluminense 10 Coritiba 11 Cruzeiro 12 Ceará 13 Bahia 14 Grêmio 15 Atlético-GO 16 Santos 17 Atlético-MG 18 Atlético-PR 19 Avaí -1 20 América-MG

�����������

��������������������������������������

GC 12 15 20 20 16 11 20 18 17 21 17 27 21 18 19 22 30 24 36 32

SG 14 15 7 3 8 10 4 -1 -1 7 5 -6 -2 -2 -4 -6 -10 -9 -18 -14

Time 1 Portuguesa 2 Ponte Preta 3 Paraná Clube 4 Náutico 5 ASA 6 Vitória 7 Sport 8 Criciúma 9 ABC 10 Goiás 11 Boa 12 Bragantino 13 Grêmio Barueri 14 Americana 15 Vila Nova-GO 16 Guarani 17 São Caetano 18 Icasa 19 Salgueiro 20 Duque de Caxias

PG 36 32 27 27 24 23 23 23 23 22 22 21 21 21 20 19 19 18 13 5

J 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16

V 11 10 8 7 7 7 6 6 5 7 6 6 6 6 5 5 4 4 3 0

E 3 2 3 6 3 2 5 5 8 1 4 3 3 3 5 4 7 6 4 5

Zona de ascensão à Série A Zona de rebaixamento à Série C

D 2 4 5 3 6 7 5 5 3 8 6 7 7 7 6 7 5 6 9 11

GP 38 30 22 16 22 21 23 13 23 23 15 25 16 17 15 21 21 17 14 14

GC 15 17 17 13 26 20 20 15 19 25 13 28 19 23 13 20 24 20 23 36

SG 23 13 5 3 -4 1 3 -2 4 -2 2 -3 -3 -6 2 1 -3 -3 -9 -22

����� ����� ����� �����

����������

���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ���� ��

DUPLA-SENA ����������������

�����������

����������������

����������������������������� ���������������

���������������������������

FEDERAL ������������������ �����������

��������

���������

����������

���� ����

�������� ������������� �������� ����������

���� ����

�������� ��������

��������� ����������

����

��������

����������


����������������� �������������������������������������������

Penarol assume a VICE-LIDERANÇA

�����������������

Até ontem, a equipe de Itacoatiara estava na frente da tabela, mas foi ultrapassada pelo Cuiabá, que venceu e reassumiu a liderança do Grupo A1 ����������� ������������������ �������������������������

O Penarol agora é o vicelíder do Grupo A1 da Série D do Campeonato Brasileiro. A equipe, que derrotou o Plácido de Castro (AC) por 2 a 0, no último sábado (13), no estádio Floro de Mendonça, em Itacoatiara (a 174 quilômetros de Manaus), soma sete pontos, dois a menos que o líder Cuiabá (MT). A equipe mato-grossense se manteve na ponta da tabela após derrotar o conterrâneo Vila Aurora, por 3 a 1, na tarde de ontem. Depois da partida, ainda no sábado, o técnico do Leão da Velha Serpa, Uidemar Oliveira, comemorou a vitória, principalmente, pela obediência do time à parte tática. “A equipe foi muito bem, especialmente no segundo tempo. Mas, apesar da vitória, ainda não estamos 100%”, disse o técnico, que considerou o resultado da partida como a arrancada para a classificação. Já o técnico da equipe do Plácido de Castro, Luiz Carlos Silva, lamentou a derrota e disse que uma das causas foi o cansaço da viagem. “Mas não tem nada perdido. Temos de levantar a cabeça, pois no próximo sábado já temos outra partida em Manaus,

Penarol

2

Plácido de Castro 0 Penarol - Rascifran; Amaral, Júnior Bahia, Ferreira e Marcos Pezão; Sibói, Gilson Tussi, Celsinho e Fininho (Kitó); Nilton Goiano (Neuran) e Fábio Bala. Técnico: Uidemar Oliveira. Mesmo com um homem a menos, o Penarol pressionou até ampliar o placar

contra o Nacional”, disse o treinador. Logo no início do confronto, o time acreano teve as melhores oportunidades, mas a equipe da Velha Serpa reagiu na hora certa. Aos 22 minutos, após jogada pela direita do atacante Fábio Bala, a bola passou pelos pés de Amaral, Fininho e sobrou para Celsinho que colocou a bola no ângulo esquerdo do goleiro adversário: golaço e 1 a 0 no placar. Após o

gol, o Plácido de Castro reagiu e, em cobrança de escanteio, o árbitro paulista Marcelo Aparecido de Souza marcou pênalti de Júnior Bahia, o qual recebeu cartão amarelo. O zagueiro Lesley, cobrou no meio e o goleiro Rascifran, com os pés, conseguiu evitar o gol de empate. Na jogada seguinte. Minutos depois, o zagueiro Júnior Bahia voltou a cometer outra falta e recebeu o segundo cartão amarelo, sendo consequentemente expulso. Com a expulsão do zagueiro, o técnico Uidemar Olievira teve de tirar um dos atacantes e deixou apenas Fábio Bala na frente. Mesmo assim, o time ainda continuava jogando

���������������������������� ������������������������������ ����������������������������

Plácido de Castro Máximo; Iesley (Kempes), Rai Manaus (Zico) e Lucas; Bruno, Araújo, Rogério, Renato e Tiaguinho (Uillian); Léo e Renan Carioca. Técnico: Luis Carlos. Gols: Celsinho (22’ 1º T) e Fábio Bala (46 do 1º T); Expulsão: Júnior Bahia (34’ do 1º T) Estádio: Floro de Mendonça (Itacoatiara) Árbitro: Marcelo Aparecido de Souza/SP

em contra-ataques, principalmente os que partiam dos pés do volante Amaral. Mas o gol da vitória surgiu, antes do fim do primeiro tempo, aos 46 minutos, em cobrança de

������������������������ ��������������������� ������������������������� ��������������

escanteio. A zaga do Plácido vacilou e Fábio Bala, quase de ‘peixinho’ marcou de cabeça. No segundo tempo, o placar não foi alterado. Reforço no time Logo depois da vitória contra o Plácido, a diretoria do Penarol anunciou ontem a contração do lateral esquerdo Daniel Lopes dos Santos, 28, que estava atuando no futebol Goiano, na equipe do Jataiense.

Nacional sai na frente no Amazonense de Juniores O Nacional venceu no último sábado a primeira partida da final do Campeonato Amazonense de Juniores 2011. O Leão da Vila Municipal derrotou o Fast/Ulbra por 3 a 1, no Centro de Treinamento (CT) Barbosa Filho, no Aleixo, Zona

Centro-Sul. Foi a primeira derrota no Fast Clube/Ulbra na competição, o qual perdeu a invencibilidade de 10 jogos. Os times realizam a última partida da decisão no próximo sábado (20/08), no CT do Ulbra/Fast, no Japiim, na Zona Sul.


����������������� �������������������������������������������

Garotada sabe bater pênalti

�����������������

Time de Ney Franco tem 100% de aproveitamento e mostra aos comandados de Mano Menezes como cobrar penalidades máximas. O Brasil pega o México, nesta quarta-feira Haja coração. O Brasil esteve na frente duas vezes, cedeu o empate, mas mostrou à seleção profissional como se bate pênalti. Com aproveitamento de 100%, o time de Ney Franco venceu a Espanha por 4 a 2 após 2 a 2 no tempo regulamentar e se garantiu na semifinal do Mundial Sub-20. O adversário será o México, nesta quartafeira (17), em Pereira. A Espanha mostrou, nos 20 minutos iniciais, o tão falado gosto pela posse de bola. Com viradas de jogo, toques curtos, a Fúria foi mais perigosa no início. O atacante brasileiro naturalizado espanhol Rodrigo chamou o jogo para si e entrou com facilidade na defesa brasileira, pelo menos, três vezes com perigo. Sorte do time de Ney Franco que Gabriel foi muito seguro quando exigido. Outro jogador perigoso é Canales, assim como o filho do ex-jogador Adalberto, formado nas categorias de base do Real Madrid. O Brasil começou a engrossar a vida da Espanha quando Coutinho iniciava as jogadas ou quando o esfera caia sobre os pés de Oscar. Mais ajustado do que no início, a seleção teve uma boa trama de ataque. Coutinho deu a bola para Henrique, que chutou. A bola beijou a trave e sobrou para William, em posição irregular, anotar o primeiro gol da partida. O mito dos toques primorosos da Espanha começou a cair por terra. O time se assustou e por pouco não saiu para o intervalo perdendo de 2 a 0. Bastou o intervalo para uma mudança do panorama. A Fúria voltou a tomar conta do jogo. O que o Brasil considerava

BRASIL

2 (4)

ESPANHA 2 (2) BRASIL - Gabriel, Danilo, Bruno Uvini, Juan e Gabriel Silva; Fernando, Casemiro, Oscar (Allan, 7’/1ºT P), P.Coutinho (Dudu, 34’/2ºT); Henrique e William José (Negueba, 16’/2ºT). T: Ney Franco ESPANHA - Fernando Pacheco, Mallo, Amat, Bartra e Planas; Romeu, Canales (Daniel Pacheco, 1º/T P)e Koke; Isco, Rodrigo (Vasquez, 37’/2ºT) e Tello (Sergio Roberto, Intervalo). T: Julen Lopetegui Local: Ramirez Villega, em Pereira (COL) Data e hora: 14 de agosto de 2011, às 20h (horário de Brasília) Árbitro: Walter Lopes (GUA) Cartão Amarelo: William José, Henrique (BRA); Isco, Vasquez (ESP)

normal pelo resultado. Só que Bruno Uvini deixou Rodrigo se antecipar na pequena área e o brasileiro naturalizado espanhol empatou o prélio. A seleção passou a jogar de igual para igual com a Espanha. Não se intimidou com o gol e passou até a jogar melhor em determinado momento do segundo tempo. Só não teve a valorização da bola no meio de campo. Jogou mais em ligações com os homens de frente. Qualquer uma das equipes poderia ser brindada com as vitórias, mas a partida se arrastou até a prorrogação. No tempo extra, Dudu tabelou com Henrique e colocou o time canarinho na frente. Só que os jogadores de Ney Franco foram comemorar e esqueceram-se de voltar para a marcação. Vasquez, um minuto depois, recolocou a Espanha no jogo. Nos pênaltis, brilhou a estrela de Gabriel, que pegou dois pênaltis e colocou o Brasil na semifinal.

��������������������������� ��������������������������������� ������������������������������� ���������������

França e Portugal nas semifinais O México se classificou, no sábado, para as semifinais do Mundial Sub-20, realizado na Colômbia, após derrotar por 3 a 1 os donos da casa, com dois gols do atacante Edson Rivera. O resultado deixou em silêncio mais de 40 mil torcedores que foram ao Estádio Nemesio Camacho “El Campín”, de Bogotá. Com a vitória, o México

pega o Brasil na semifinal, nesta quarta-feira (17). A outra semifinal do Mundial Sub-20 também acontecerá nesta quartafeira, em Medellín. A França se classificou ontem, ao vencer a Nigéria na prorrogação, e vai enfrentar Portugal, que tinha eliminado a Argentina, na noite do último sábado, após a decisão por pênaltis.

Na classificação francesa, neste domingo, em Cali, houve empate de 1 a 1 no tempo normal, quando Lacazette abriu o placar e Ejike empatou para a Nigéria já nos acréscimos. Depois, a França venceu por 2 a 1 na prorrogação, com gols de Lacazette e Fofana — o mesmo Ejike descontou para os nigerianos.


����������������� ������������������������������������������ �������������������������������������������

Timão leva gol no fim e O Corinthians perdeu, ontem à tarde, a chance de se isolar na liderança do Brasileiro, já que o Flamengo também empatou na rodada

EMPATA

�����������������

O empate em 2 a 2 entre Corinthians e Ceará na tarde de ontem, no Pacaembu, é daqueles que serão lembrados no fim do Campeonato Brasileiro, caso o Timão não se sagre campeão nacional. Após um bom primeiro tempo, em que o Corinthians dominou amplamente, o Timão conseguiu construir a vantagem de 2 a 1. Na segunda etapa, no entanto, o Timão recuou demais e levou um sufoco do Ceará. Para piorar, o Flamengo, que tinha o mesmo número de pontos do alvinegro paulista, também empatou em 2 a 2 com o Figueirense fora de casa. O Timão perdeu a chance de se isolar na liderança. Com o resultado, contudo, o Timão se mantém na liderança com 34 pontos. Já o Ceará se manteve na 12ª colocação, mas agora possui 19 pontos ganhos. Domínio O primeiro tempo foi praticamente todo do Corinthians. O Timão voltou a demonstrar uma marcação incisiva, fazendo pressão na defesa do Ceará e a criar boas chances de gol. Destaque para o meio de campo do Timão que tinha grande movimentação de Jorge Henrique, Alex e Danilo. O Vozão se fechava e esperava pelo contra-golpe. Após boas chances criadas, com direito a um gol incrível perdido por Jorge Henrique, o Timão chegou ao primeiro gol com Paulinho, aos 24. O volante tabelou com Danilo, recebeu na entrada da área e

��� �������� ����� ��������� �� �������� ���� ��� ������������ ���� ��� ������������� ��� �������

chutou, o goleiro Diego se atrapalhou para defender. Após o gol, o Vozão saiu para o jogo e adiantou sua marcação. Após uma roubada de bola, Heleno foi lançado na direita e ajeitou a bola de cabeça para o ataque. Chicão e Leandro Castán se atrapalharam e Osvaldo ficou livre para apenas completar a gol. A resposta do alvinegro paulista foi imediata. Alex recebeu boa bola na intermediária, encheu o pé e a bola foi no ângulo direito, sem chance para Diego. Retomada a vantagem, o Timão seguiu dominando e

administrou a partida até o apito do árbitro. Ceará sufoca no retorno Na segunda etapa, o jogo mudou de figura. O Ceará voltou muito melhor no jogo. Novamente adiantando a marcação e insistindo em bolas aéreas o Vozão praticamente não deu chance ao Corinthians durante quase todo o segundo tempo. Com exceção de chances esporádicas, o Timão criava pouco. Com tanta insistência, era quase que natural que o Timão levasse o gol de empate.

Após cruzamento na área, a zaga do Timão não conseguiu afastar e o volante Rudnei ficou livre para apenas empurrar e dar o empate ao time cearense. Próximos jogos O Corinthians volta a campo na próxima quarta-feira, às 21h50, quando enfrenta o Atlético-MG em Ipatinga. Já o Vozão, joga na mesma data, mas um pouco antes, às 19h30, e recebe o Grêmio no Presidente Vargas. As partidas são válidas pela 17ª rodada do Brasileirão.

Corinthians

2

Ceará

2

Corinthians - Júlio César; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Ramon (Welder, 9’/2ºT); Ralf, Paulinho, Danilo (Emerson, 41’/2ºT), Alex e Jorge Henrique; Willian (Liedson, 15’/2ºT). Técnico: Tite. Ceará - Diego; Boiadeiro, Fabrício, Anderson Luís (Edmílson, 33’/2ºT) e Egídio; Michel, Heleno, Rudnei e Felipe Azevedo (Marcelo Nicácio, 30’/2ºT); Osvaldo e Roger (Washington, 21’/2ºT). Técnico: Vágner Mancini Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP) Data/hora: 14/8/2011 - 16h Árbitro: Paulo Godoy Bezerra Cartões amarelos: Fabrício, Heleno, Michel (CEA); Chicão (COR) Cartões vermelhos:GOLS: Paulinho, 24’/1ºT (1-0); Osvaldo, 29’/2ºT (1-1); Alex, 30’/1ºT (2-1); Rudnei, 39’/2ºT (2-2)


����������������� �������������������������������������������

Fla bobeia e fica no 2 a 2 com o Figueirense

Com Deivid, o time carioca abriu 2 a 0 sobre a equipe adversária, mas deixou os catarinenses empatarem no segundo tempo �������������������������

O Flamengo deu a impressão de que venceria sem problema o Figueirense ontem, no estádio Orlando Scarpelli. Deivid abriu a vantagem, mas o time catarinense correu atrás do placar no segundo tempo e conseguiu empatar a partida em 2 a 2. Os gols do time da casa foram marcados por Somália e Edson. Com o resultado, o time rubro-negro continua em segundo com o mesmo número de pontos do Corinthians. O Timão empatou com o Ceará no Pacaembu e continua com o mesmo número de pontos do time carioca. Tem uma vitória a mais. Próximo jogo do Flamengo será nesta quinta-feira (18), às 21h (de Brasília), no Engenhão, contra o Atlético-GO. Já o Figueirense viaja para o Rio de Janeiro para encarar o Fluminense, às 19h30 (de Brasília), no Engenhão. Ambos válidos pela 17ª rodada do Brasileiro. As principais chances do primeiro tempo foram criadas pelo Figueirense. O time catarinense teve mais volume de jogo e teve um gol corretamente anulado. O Flamengo se limitou a esperar durante toda a etapa inicial o adversário no campo de defesa. Pouco o time carioca conseguiu chegar à intermediária do Figueira. Renato e Willians também estiveram muito mal na etapa inicial. Erraram muitos passes, proporcionando alguns contragolpes do time catarinense. Mas a qualidade do time fez a diferença. E Ronaldinho apareceu na hora certa e o rubro-negro começou na frente o duelo no Orlando Scarpelli. Dúvida até a véspera da

Figueirense

2

Flamengo

2

Figueirense - Wilson; Bruno, João Paulo, Edson Silva e Juninho; Jackson (Wilson 10’/2ºT), Túlio, Maicon e Fernandes (Somália - intervalo); Júlio César e Elias (Leandro Chaves (40’/2ºT). Técnico: Jorginho. Flamengo - Felipe; Léo Moura, Welinton, Ronaldo Angelim e Junior Cesar; Aírton (Bottinelli 33’/2ºT), Willians, Renato, Thiago Neves e Ronaldinho; Deivid. Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Local: Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis (SC) Data/hora: 14/8/2011 - 16h (de Brasília) Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR) Cartões amarelo: Figueirense: / Flamengo: Willians (23’/1ºT), Aírton (26’/2ºT), Renato (33’/2ºT), Deivid (38’/2ºT), Welinton (40’/2ºT) Gols: Figueirense: Somália (8’/2ºT), Edson (25’/2ºT)/ Flamengo: Deivid (36’/1ºT, 5’/2ºT)

partida, Thiago Neves se recuperou da lesão na panturrilha e começou a partida. Mas pouco foi notado em campo. A primeira chance foi criada pelo time Figueirense. Em cobrança rápida de escanteio, Fernandes apareceu sozinho e tocou para o gol. O assistente marcou impedimento de maneira correta. Quando o Flamengo conseguiu trocar bons passes no ataque, saiu uma boa jogada. Ronaldinho Gaúcho tocou de calcanhar para Deivid. O atacante foi calçado. Falta. Ronaldinho bateu com categoria no canto esquerdo e o goleiro Wilson se esticou todo para defender. Mas, no momento em que o Figueirense era melhor no jogo veio o castigo. Aos 36, Ronaldinho partiu para cima, passou por um adversário e viu Léo Moura aberto para

No jogo em que Deivid brilhou ao cabecear duas bolas no gol adversário, o Flamengo deixou escapar a liderança do Brasileiro

direita. O camisa 10 tocou para o companheiro que fez um cruzamento na medida para Deivid cabecear no cantinho esquerdo de Wilson: 1 a 0 Flamengo. Figueirense buscou empate Ao contrário do primeiro tempo, o Flamengo começou tomando a iniciativa. Jogando a sua característica, o time trocou muitos passes na intermediária e não demorou muito para ampliar o placar no Orlando Scarpelli. Ronaldinho cobrou a feição a bola na segunda trave, aos 5 minutos, e Deivid cabeceou

sozinho para o fundo do barbante: 2 a 0. Mas o Flamengo não teve nem tempo de comemorar a vantagem. Como resposta, Somália, que entrou no intervalo apareceu e diminuiu para o Figueirense. Juninho cruzou na medida para o atacante, que ajeitou e mandou para o fundo da rede: 2 a 1. Depois do gol, o Figueirense passou a pressionar o Flamengo. O time do Flamengo soube suportar a pressão imposta pelo Figueira. Mas depois de uma série de chances, Edson deixou tudo igual no Orlando Scarpelli. O jogador subiu

junto a Felipe e conseguiu cabecear para o fundo do barbante. E tudo igual novamente: 2 a 2. Na tentativa de ganhar o jogo e preservar Aírton que já tinha cartão amarelo, Vanderlei Luxemburgo pôs o argentino Bottinelli. Antes, Ronaldinho e Renato tomaram cartão amarelo. O camisa 10 foi por reclamação e chegou ir até o treinador avisar que o árbitro ameaçar tirar o jogador do Flamengo de campo. Até o fim do jogo os donos da casa tentaram o gol, mas não conseguiram virar o placar.


����������������� �������������������������������������������

� �����������������

Virou

����������������������� ������������������ ������������������������� ��������������������������� ��������������������

FREGUÊS Em menos de uma semana, o Palmeiras amargou duas derrotas para o Vasco. A primeira, pela Sul-Americana, a segunda, na tarde de ontem, por 1 a 0 pelo Brasileirão O reencontro deste domingo entre Vasco e Palmeiras, que haviam se enfrentado na última quinta-feira (11) pela Sul-Americana, caminhava para um desfecho sem graça, após uma partida sem emoções. Mas eis que Bernardo, o 12º jogador do time carioca nesta temporada, entrou na etapa final e fez o gol da vitória por 1 a 0, em São Januário, em bela cobrança de falta. Sem Diego Souza, o Vasco, vestindo nas costas a homenagem ao Dia dos Pais, tinha em casa Felipe e Juninho na criação, meias mais passadores do que condutores de bola. Os dois deveriam estar protegidos pelos volantes Eduardo Costa e Rômulo. Deveriam. Isso porque foi o Verdão que se impôs no começo do jogo. Scolari organizou o time com seus volantes, Chico e Márcio Araújo, bem adiantados na marcação, sufocando os arma-

dores vascaínos. Dinei e Luan se movimentavam bastante pelos lados e Valdívia se aproximava de Kleber. Ao contrário da vitória de quinta-feira sobre o mesmo adversário — só que pela SulAmericana — o time carioca pouco criava e muito errava. Se chegava, era com as tradicionais e venenosas cobranças de falta de Juninho. Sorte que o Palmeiras desperdiçava as oportunidades. Uma equipe que saber melhor se defender que atacar. O domínio alviverde caiu junto com o sol e a sombra no campo de São Januário cresceu junto com o futebol cruz-maltino, muito sob a batuta de Juninho. Mas nada foi capaz de alterar o placar inaugural da equilibrada partida, mais truncada que fluída. Equilíbrio até o gol O Vasco voltou um pouco

VASCO

1

PALMEIRAS

0

Vasco - Fernando Prass, Fagner, Renato Silva, Anderson Martins e Julinho; Rômulo, Jumar, Juninho Pernambucano (Leandro, 16’/2ºT) e Felipe (Victor Ramos, 41’/2ºT); Eder Luis (Bernardo, 11’/2ºT) e Elton. Técnico: Ricardo Gomes Palmeiras - Deola; Cicinho, Henrique, Thiago Heleno e Gerley; Chico, Márcio Araújo (Vinícius, 40’/2ºT) e Valdivia; Dinei (Patric, 29’/2ºT), Luan (Maikon Leite, 26’/2ºT) e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari. Local: São Januário / Data: 14/8/2011 Árbitro: Marcio Chagas da Silva (RS) Cartões amarelos: Dinei (PAL), Henrique (PAL), Luan, (PAL), Cicinho (PAL); Bernardo (VAS), Fagner (VAS), Julinho (VAS), Renato Silva (VAS) e Victor Ramos (VAS) Gol: Bernardo, 35’/2ºT (1-0)

melhor do intervalo, mas ainda carecia de velocidade no ataque. Juninho e Felipe não têm a mesma explosão de outrora,

Eder Luis não foi bem e Elton pareceu não ter entrado em campo. Além disso, os laterais, preocupados em impedir os avanços de Cicinho e Luan pelo lados, pouco ajudaram. A bola na trave de Chico parecia ser um sinal de que o Palmeiras teria mais de capricho nas finalizações na etapa final, mas foi só impressão. A movimentação intensa do primeiro tempo não voltou dos vestiários, o que facilitou a marcação adversária — exagerada em cima de Kleber. A torcida vascaína só teve sentiu emoção no belo lance de Rômulo em cima de Henrique. O volante driblou o zagueiro com estilo e bateu de canhota, empolgando as arquibancadas de São Januário. Por outro lado, o ânimo dos jogadores em campo foi elevado durante as diversas discussões que

minaram o confronto. Nos 15 minutos finais, as coisas melhoraram. Felipe, que até incríveis 28 minutos do segundo tempo nada de relevante havia feito, deu lindo passe para Bernardo, que incrivelmente desperdiçou a chance. Logo depois, Maikon Leite retribuiu o favor. Apesar da falha bizarra anterior, Bernardo, que havia sido pedido pela torcida, se redimiu aos 35 minutos. Ele cobrou falta de longe com muita categoria, a la Juninho Pernambucano, e garantiu o triunfo cruzmaltino em casa. Foi o quinto gol do meia na competição. Na próxima rodada do Brasileirão, o Vasco - que retorna ao G4 - vai até Florianópolis encarar o Avaí, na Ressacada. Já o Palmeiras segue com 27 pontos, volta a jogar em São Paulo na semana que vem e recebe o Bahia, no Canindé.


����������������� �������������������������������������������

Coxa goleia o Galo no Couto Pereira

Cuca estreia com o pé esquerdo no Brasileirão, acumula segunda derrota em dois jogos e Galo foi presa fácil para o Coxa ����������������������

O Coritiba goleou o Atlético-MG por 3 a 0, ontem à tarde, no Couto Pereira. Com gols de Bill, Rafinha e Leonardo, o Coxa impediu que o técnico Cuca, do Galo, estreasse com triunfo no Brasileirão — perdeu no meio de semana para o Botafogo pela Sul-Americana. Apesar de adotarem o esquema com apenas um atacante, Coritiba e Atlético tiveram posturas bem diferentes nos primeiros 45 minutos. Enquanto Bill, único centroavante do Coxa foi um dos mais participativos, André, ponto de referência do Galo, quase não tocou na bola. O time mineiro, nas poucas vezes que foi à frente, investiu pela direita. O meio de campo, pouco participativo, deixou a desejar, principalmente com Caio, que não chamou a responsabilidade. Já o jovem Bernard mostrou nervosismo. Aproveitando a fragilidade atleticana, os paranaenses apareciam por todos os setores do campo. Rafinha era o principal nome de criação e todas as bolas passavam por seus pés antes de chegar a Bill. E, de tanto insistir, o Coxa foi premiado aos 32 minutos. Tcheco fez boa jogada pela esquerda, cruzou rasteiro para Rafinha, que pegou mal na bola. Mas foi o suficiente para a mesma sobrar para Bill, que se esticou para empurrar para a rede. Mudanças no 2º tempo Como que combinado, as equipes voltaram do intervalo com substituições

Coritiba

����� ��� ���� ��� ���� ����� ��������� ��� ������� ����� ���������� �� �������� ��� ��������� �

3

Atlético-MG 0 Coritiba - Edson Bastos, Jonas, Jeci, Emerson e Lucas Mendes; Leandro Donizete, Tcheco, Rafinha, Everton Costa (Marcos Aurélio, intervalo) e Anderson Aquino (Geraldo, 9’/2T); Bill (Leonardo, 37’/2T). Técnico: Marcelo Oliveira. Atlético-MG - Renan Ribeiro, Serginho, Réver, Werley e Guilherme Santos; Toró, Fillipe Soutto (Wesley, 19’/2T), Richarlyson, Caio (Neto Berola, intervalo) e Bernard; André (Guilherme, intervalo). Técnico: Cuca. Estádio: Couto Pereira, Curitiba (PR) Data/hora: 13/8 - 16h (de Brasília) Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS) Cartões amarelos: Caio, Werley, Guilherme Santos, Serginho, Toró (ATL) Cartões amarelos: Serginho (ATL) GOLS: Bill, 32’/1T (1-0); Rafinha, 31’/2T (2-0); Leonardo, 44’/2T (3-0)

idênticas. Marcelo Oliveira colocou mais um atacante: Marcos Aurélio na vaga de Everton Costa. E a mesma tática foi adotada por Cuca, que trocou André, machucado, por Guilherme, e lançou Neto Berola no lugar de Caio. Apesar de estar mais ofensivo, o Coxa optou por priorizar a marcação, saindo nos contra-ataques. Já Berola, com seis minutos em campo, fez mais do que André em todo o primeiro tempo. O atacante obrigou Edson

Bastos a ótima defesa pelo lado direito e ainda investiu em jogadas individuais. Mas o empenho de apenas um jogador em uma equipe com 11 peças não foi suficiente. Toró, para complicar mais o Atlético, derrubou Rafinha na área. Na cobrança, Renan Ribeiro defendeu o chute de Rafinha, mas, no rebote, o meia tirou onda ao olhar para trás antes de completar para a rede. E, merecidamente, o Coritiba ampliou. Serginho, que não fez uma partida ruim,

derrubou Leonardo na área, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Na cobrança, o próprio Leonardo cobrou e marcou. Dessa vez, Renan Ribeiro para um lado e bola para o outro. Cuca acumula a segunda derrota em dois jogos no comando do Atlético. O time mineiro vai precisar de muito trabalhar para não reviver o pesadelo de 2010, quando lutou contra o rebaixamento. Já o Coritiba, se evitar as oscilações de resultados, não deve passar sufoco.


����������������� �������������������������������������������

MARQUINHOS brilha na vitória do Grêmio

��������������

Meia da equipe gaúcha marca duas vezes e garante a virada. Capitão do Flu volta a marcar novamente, mas não evita derrota Com Fred de volta — e marcando gol —, o Fluminense parecia que ia sair vitorioso do Olímpico ontem. Porém, o temor do técnico Abel Braga se confirmou. A chuva se fez presente em Porto Alegre, assim como o brilho da estrela de Marquinhos, que com dois gols (um deles uma obra-prima) garantiu a virada e a vitória do Grêmio por 2 a 1. Mesmo sem vencer há cinco jogos (quatro empates e uma derrota), o Grêmio veio com uma postura um tanto quanto defensiva, com somente um atacante à frente, André Lima. O jovem Leandro estava por demais recuado, enquanto que Lúcio, pela esquerda, e Marquinhos, pela direita, por demais abertos - algo que mudou com o passar do tempo. Já o Fluminense, com o retorno de seu novo terceiro uniforme, além de Fred, tinha dois homens de frente quando atacava, mas quando não tinha a bola Rafael Sobis recompunha o meio de campo. Souza e Marquinho se movimentavam bastante e trocavam de posição constantemente. O Tricolor carioca insistiu diversas vezes pela lateral direita, a maioria sem sucesso. Na primeira vez que trocou de lado, deu certo. Carlinhos chegou à linha de fundo e cruzou. O goleiro saiu mal o vento e Fred, de cabeça, abriu o placar para o Flu.

Mas o que o técnico Abel Braga temia aconteceu no meio da etapa inicial: a chuva deu o ar da graça no Olímpico. Com o campo mais escorregadio, a defesa carioca não conseguiu interceptar o passe de Lúcio para Marquinhos, que entrou na área em velocidade e empatou o jogo para os gaúchos. A água que caía em Porto Alegre trazia bons fluídos para o Grêmio, principalmente para Marquinhos. O camisa 19 marcou seu segundo gol na partida, o da virada, em magistral cobrança de falta sofrida por Leandro, não tão próximo assim da entrada da área. Com isso, o Imortal foi para o vestiário em vantagem. Segundo tempo pega fogo Preocupado com o baixo rendimento de Souza na criação das jogadas, Abel Braga sacou o meia e promoveu a estreia do argentino Martinuccio, ex-Peñarol (URU). E não foi só isso: pouco depois, colocou Araújo, deixando o time com uma formação bem ofensiva (três atacantes). O técnico Celso Roth não deixou por menos e substituiu André Lima por outro estreante na noite deste domingo: Brandão, de passagem apagada pelo Cruzeiro. Logo em seguida, quem entrou foi Mirales, na vaga do pouco inspirado Leandro.

����������� ���� �� ������� ����� ��� ��������� ��� ������� ��� ����� ����� ��� �������� ��� ��������� ������

Grêmio

2

Fluminense

1

Grêmio -Victor, Adilson, Saimon, Vilson e Bruno Collaço; Gilberto Silva, Fábio Rochemback, Marquinhos (William Magrão, 34’/2ºT) e Lúcio; Leandro (Mirales, 22’/2ºT) e André Lima (Brandão, 16’/2ºT). Técnico: Celso Roth. Fluminense - Diego Cavalieri; Mariano, Digão, Márcio Rosário e Carlinhos; Valencia, Fernando Bob, Souza (Martinuccio, intervalo) e Marquinho (Araújo, 23’/2ºT); Rafael Sobis (Rafael Moura, 37’/2ºT) e Fred. Técnico: Abel Braga. Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS) Data/hora: 14/8/2011 Árbitro: Paulo César de Oliveira (Fifa-SP) Cartões Amarelos: Adilson, (GRE), Brandão (GRE), Fábio Rochemback (GRE), Leandro (GRE) e Marquinhos (GRE); Digão (FLU), e Fernando Bob (FLU) Gols: Fred, 24’/1ºT (0-1); Marquinhos, 30’/1ºT (1-1) e 45’/1ºT (2-1)

As diversas alterações de caráter mais ofensivo deixaram o jogo mais aberto, mais movimentado e, consequen-

temente, com mais chances de gol, para ambos os lados. Algo potencializado com as inseguras saídas pelo alto de Victor, que não atravessa no momento a melhor fase de sua carreira. Mesmo com três atacantes “e meio” (Martinuccio pode ser considerado como tal), o Fluminense não conseguiu tirar proveito dos vacilos do goleiro gremista, nem empatar o jogo no Olímpico. A equipe

gaúcha até teve alguns bons contra-ataques nos minutos finais, mas tampouco ampliou sua vantagem. Após o apito final, o irregular Flu deixou o estádio com nova derrota debaixo do braço. Na próxima rodada, encara o Figueirense, no Engenhão. Já o Grêmio volta a vencer após um mês e tem pela frente na semana que vem o Ceará, no Presidente Vargas.


��

����������������� �������������������������������������������

Em Pituaçu, jogo termina em 1 a 1 Na despedida do técnico interino Osmar Loss do comando do Internacional — Dorival Júnior será apresentado amanhã —, o Colorado cedeu à pressão do Bahia e não passou de um empate em 1 a 1, ontem, em Pituaçu. Leandro Damião, que chegou aos 30 gols no ano, e Jobson marcaram. O Inter se manteve na sétima posição, com 23 pontos. E o Bahia permanece em 13º, com 19. O Bahia volta a atuar pelo Campeonato Brasileiro na próxima quinta-feira (18), quando terá como adversário o Palmeiras, no Canindé, às 21h (de Brasília). Já o Internacional recebe, um dia antes, o embalado Botafogo no Beira-Rio, às 21h50 (de Brasília). O primeiro lance de perigo em Pituaçu veio após belo passe de Zé Mário, que substituiu os lesionados Kléber e Fabrício. O camisa 6 do Inter lançou Jô, que de primeira, finalizou em cima de Marcelo Lomba, aos cinco minutos. Refeito do susto, o Bahia abriu o placar, mas o gol não valeu. Após cobrança de falta de Ricardinho, Muriel espalmou e Carlos Alberto, segundo a arbitragem em posição ilegal, completou para o gol, aos sete. Após os gols anulados, o jogo caiu e muito de nível em Pituaçu. Enquanto que o Bahia oferecia muitos espaços para os contra-ataques do Inter, a equipe gaúcha só chegava com perigo ao gol de Marcelo Lomba em falhas individuais dos defensores do de Bahia. Última partida Dorival ocorreu no sábado,

Erros contribuem quando o Galo perdeu Epara foioem um erro de Thiego Figueirense que o Colorado abriu o placar. Aos 41 minutos, o camisa 9 do

Bahia

O Internacional saiu na frente com Leandro Damião, que chegou ao seu trigésimo gol em 2011. O atacante Jobson fez o do tricolor baiano ���������������������������������

1

Internacional 1 Bahia - Tiago, Gabriel, Thiego, Paulo Miranda e Ávine; Fahel, Fabinho, Carlos Alberto (Lulinha, aos 23’2T) e Ricardinho; Jobson e Reinaldo (Jones, aos 23’2T). Técnico: René Simões. Internacional - Muriel, Nei, Bolívar, Índio e Zé Mário; Elton, Wilson Mathias (Glaydson, aos 31’2T), Tinga (Augusto, aos 34’2T) e João Paulo; Jô (Rodrigo Moledo, aos 34’2T) e Leandro Damião. Técnico: Osmar Loss. Local: Estádio Pituaçu, em Salvador Data/hora: 14/8/2011 às 17h30 Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ) Cartões amarelos: Fabinho (BAH); Tinga, Índio, Leandro Damião, Jô, Wilson Mathias, Bolívar e Zé Mário. (INT) Cartões vermelhos: Fabinho (BAH), aos 15’2T e Índio (INT), aos 33’2T Gols: Leandro Damião, aos 41’1T(01) e Jobson, aos 33’2T(1-1)

Inter aproveitou a displicência do zagueiro do Bahia e finalizou na saída de Marcelo Lomba, após um belo lançamento que começou com o goleiro Muriel. Inter 1 a 0 e trigésimo gol de Damião na temporada. Aos 48, mais um erro do Bahia. Carlos Alberto perdeu a bola e cometeu a falta. Elton cobrou, a barreira do Tricolor abriu, Marcelo Lomba espalmou para frente e Tinga, sem qualquer marcação, errou o gol. Etapa final Pressão do Bahia. Os primeiros cinco minutos da etapa final foram de duas grandes oportunidades de gol para a equipe de René Simões. A primeira veio após cobrança de falta de Ricardinho. Logo na sequência, Jobson fez bela jogada e serviu Carlos Alberto.

����������������� ����������������������� �������������������� �����������

����������

O camisa 19, que vinha muito mal em campo, passou por dois e finalizou com força para a bela defesa de Muriel. Mas a pressão do Bahia mingou após a expulsão do volante Fabinho, que já tinha cartão amarelo e recebeu o segundo aos 15 minutos. E foi o que aconteceu. Mesmo tendo um jogador a menos em campo, a ‘justiça’ foi feita. Melhor no jogo, o Bahia chegou ao empate. Índio segurou Thiego dentro da pequena área. Pênalti para o Bahia e expulsão para Índio, que já tinha o cartão amarelo. Jobson cobrou e marcou. E o camisa 11 fez questão de abraçar Carlos Alberto, com quem tinha se desentendido na última quinta-feira. Nos minutos finais, tanto o Bahia quanto o Inter se lançaram ao ataque, mas a força de vontade não foi suficiente para um novo gol em Pituaçu. Aos 47 minutos, o Inter ainda se queixou de um pênalti não marcado em Rodrigo Moledo.

������������������������

Depois de ter dois gols anulados, o Bahia finalmente marcou ponto com Jobson


����������������� �������������������������������������������

��

BOTA bate o Coelho de virada

O Botafogo contou com os garotos da base para vencer de virada o América-MG, por 4 a 2. O Coelho abriu o placar, mas Elkeson, Antônio Carlos e Alex, duas vezes, viraram para o Glorioso, no Engenhão ��������

Após tomar 2 a 0 nos dez primeiros minutos de jogo, o Botafogo virou sobre o lanterna América-MG e venceu o rival por 4 a 2, no Engenhão, em jogo válido pela 16ª rodada do Brasileiro. Alessandro e Rodriguinho fizeram os gols dos visitantes. Elkeson, Antônio Carlos e Alex (2) viraram para a equipe carioca. Com este resultado, o Botafogo chegou aos 28 pontos e assume a quinta colocação da competição. O América-MG começou surpreendendo o Botafogo no Engenhão. Logo aos 2 minutos, o ala direito Marcos Rocha, da equipe mineira, cobrou o lateral na área. O volante Marcelo Mattos, do clube carioca, desviou contra a própria meta e a bola bateu no travessão de Jefferson. No rebote, o atacante Alessandro, de cabeça, completou para o gol vazio. No lance seguinte, Kempes

BOTAFOGO

4

AMÉRICA-MG 2 BOTAFOGO - Jefferson, Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira, Cortês, Marcelo Mattos, Renato, Maicosuel (Cidinho), Elkeson, Herrera (Alex), Loco Abreu (Felipe Menezes). Técnico: Caio Júnior AMÉRICA-MG - Neneca, Gabriel Santos, Otávio, William Rocha, Marcos Rocha, Dudu, Amaral, Rodriguinho, Gilson, Alessandro (Fábio Júnior), Kempes (Netinho). Técnico: Givanildo Oliveira Estádio: Engenhão Árbitro: André Luiz Castro (GO) Cartões amarelos: Amaral e Otávio (A); Elkeson e Renato (B) Gols: Alessandro, aos 2min, Rodriguinho, aos 6min, e Elkeson, aos 31min da etapa inicial; Antônio Carlos, aos 16min, e Alex, aos 30min e aos 33min do segundo tempo

invadiu a área botafoguense, driblou Antônio Carlos e chutou sobre o arqueiro do time de General Severiano. Mas, três

Antônio Carlos e Alex comemoram o resultado do jogo, que deixou o Botafogo em quinto na tabela

minutos depois, o mesmo Kempes recebeu um lançamento na ponta direita e tocou para o meia Rodriguinho na área. O atleta dominou e bateu no canto esquerdo de Jefferson. América-MG 2 a 0, aos 6 minutos da primeira etapa.

O Botafogo cresceu na partida e criou boas chances. De tanto insistir, aos 31minutos, o meia Elkeson recebeu na intermediária, girou sobre o volante Amaral e chutou no ângulo de Neneca — golaço. Na segunda etapa, o jogo co-

meçou morno. Mas na cobrança realizada por Renato, aos 16 minutos, Antônio Carlos cabeceou firme e empatou o confronto. Quatorze minutos depois, Alex driblou William Rocha na intermediária e bateu forte. Virada botafoguense.

São Paulo arranca empate aos 45 minutos ����������������������

O São Paulo voltou a decepcionar em casa e empatou com o Atlético-PR por 2 a 2 sábado à noite, no Morumbi, pela 16ª rodada do Brasileiro. Fransérgio e Edigar fizeram os gols dos paranaenses. Ilsinho e Rivaldo, aos 45 minutos da segunda etapa, marcaram para os mandantes. Com este resultado, o São Paulo perdeu a oportunidade de assumir a liderança provisória e chegou aos 32 pontos. A partida no primeiro tempo foi truncada e sem muitas oportunidades de gol. Aos 20min, o meia Marcinho, do Atlético-PR, bateu falta na área e o volante Fransérgio cabeceou livre. Sem chances

para Rogério Ceni. AtléticoPR 1 a 0. Quatro minutos depois, o meia Ilsinho driblou o mesmo Fransérgio e chutou de fora da área. Golaço sãopaulino. O atacante Morro Garcia, do Atlético-PR, desperdiçou a chance mais clara do primeiro tempo. Após falta batida por Marcinho, a bola sobrou para o uruguaio. Ele, porém, na pequena área, chutou para fora. Na etapa final, o São Paulo tinha mais posse de bola, mas errava o último passe. Aos 32 minutos, Marcinho escorou de cabeça um lançamento da zaga. A bola sobrou para o atacante Edigar, que entrara

SÃO PAULO

2

ATLÉTICO-PR 2 SÃO PAULO - Rogério Ceni; Iván Piris, João Filipe, Zé Vitor, Juan (Fernandinho), Wellington, Denílson (Jean), Ilsinho (Rivaldo), Cícero, Lucas, Dagoberto. Técnico: Adilson Batista ATLÉTICO-PR - Renan Rocha; Edilson, Fabrício, Manoel, Paulinho, Deivid, Robston (Wendel), Madson (Gustavo), Fransérgio, Marcinho, Santiago Garcia (Edigar). Técnico: Renato Gaúcho Rivaldo saiu no banco para marcar, aos 45 minutos, o gol de empate

no lugar de Morro Garcia. O atleta driblou dois adversários na entrada da área e chutou forte de esquerda, no canto de Rogério Ceni.

Atlético-PR 2 a 1. Mas, aos 45 minutos finais, Rivaldo escorou um cruzamento de Cícero e empatou a partida.

Estádio: Morumbi Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG) Gols: Fransérgio, aos 20min, Ilsinho, aos 24min do primeiro tempo; Edigar, aos 32min, e Rivaldo, aos 45min da etapa final Cartões amarelos: Piris e João Filipe (SP); Edilson (CAP)


��

����������������� ������������������������������������������ �������������������������������������������

Cruzeiro goleia o Avaí por 5 a 0 Na volta a Uberlândia, o Cruzeiro goleou o Avaí. O placar de 5 a 0 colocou fim a uma sequência de quatro derrotas seguidas O Cruzeiro goleou o Avaí por 5 a 0 sábado à noite, e pôs fim à série de quatro derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro. Com a vitória, o time mineiro chegou a 21 pontos e segue na briga por uma vaga entre os times que garantem vaga para a Copa Libertadores. O Avaí, no entanto, se complica na competição, já que perde mais uma e permanece na zona do rebaixamento, com apenas 13 pontos. É a terceira derrota por goleada que o Avaí sofre nesta edição do Brasileiro. Na primeira rodada perdeu para o Flamengo, por 4 a 0, e na quinta, para o Palmeiras, por 5 a 0. O time tem a pior defesa da competição, com 32 gols sofridos. Nesta quarta-feira (17), o Cruzeiro encara o AtléticoPR, na Arena da Baixada, enquanto o Avaí recebe o Vasco, na Ressacada, pela 17ª rodada do Brasileiro. O Cruzeiro controlou a partida, contanto também com os erros do Avaí. O gol, no entanto, só saiu aos 26 minutos, quando Roger lançou Fabrício, que invadiu a área em velocidade e tocou na saída do goleiro, abrindo o placar.

������������������������

CRUZEIRO

5

AVAÍ

0

Cruzeiro - Fábio, Vítor, Léo, Naldo, Diego Renan, Fabrício (Leandro Guerreiro), Marquinhos Paraná, Roger (Thiago Ribeiro), Montillo, Anselmo Ramon, Wellington Paulista (Ortigoza). Técnico: Joel Santana Avaí - Felipe, Bruno, Dirceu, Welton Felipe, Daniel, Batista, Acleisson (Thiago Sales), Fabiano (Diogo Orlando), Cleverson, Romano, Rafael Coelho (Maurício Alves). Técnico: Alexandre Gallo Gols: Fabrício, aos 26min, Anselmo Ramon, aos 34min, Montillo, aos 42min do primeiro tempo; Thiago Ribeiro, aos 36min, e Ortigoza, aos 28min

Oito minutos depois, o Cruzeiro ampliou. Após rápida cobrança de falta e cruzamento de Vitor, Anselmo Ramon apareceu para dividir com o zagueiro e tocar para as re-

����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������

des. Aos 42 minutos, o time mineiro fez mais um, de pênalti, cobrado por Montillo, e só não marcou o quarto porque o argentino desperdiçou outra penalidade anotada

pelo árbitro aos 45 minutos do primeiro tempo. No segundo tempo, o Cruzeiro manteve o bom desempenho, enquanto o Avaí sofria para tentar diminuir. Aberto

Com Neymar e Ganso, time da Vila perde Mesmo com suas estrelas em campo, o Santos não conseguiu vencer o Atlético-GO e perdeu por 2 a 0, no sábado, no estádio Serra Dourada, pela 16ª rodada do Brasileiro. Com a vitória, a equipe de Goiânia deixa a zona de rebaixamento, somando 16 pontos, que o leva para a 14ª posição. O Santos ocupa a 15ª colocação, com

15 pontos. Com o resultado negativo, o Santos segue sem vencer fora de casa. Neymar e Ganso participaram de quatro jogos e sofreram quatro derrotas. O primeiro tempo foi fraco, de pouca qualidade técnica. A dura marcação do Atlético-GO anulou o Santos, que teve poucas chances de marcar. A me-

lhor delas foi aos 32 minutos, quando Agenor errou passe e deu a bola nos pés de Neymar, que não aproveitou. O Atlético-GO demorou para abrir o placar porque jogou nos erros do adversário. O primeiro gol saiu aos 24 minutos do segundo tempo. Após receber a bola dentro da área, o atacante Anselmo tocou na saída do goleiro

Rafael e abriu o placar. O Santos continuou sem conseguir jogar pela marcação cerrada até que o Atlético-GO ampliou a vantagem. Diogo Campos fez o segundo aos 34 minutos. A jogada partiu de Anselmo, que arrancou pela esquerda e levou até a linha de fundo. Ele cruzou rasteiro para a chegada de Diogo Campos completar.

e desanimado, o time catarinense sofreu ainda mais gols. Aos 36 minutos, com Thiago Ribeiro, e aos 38 minutos, com Ortigoza. Final: Raposa 5, Avaí 0.

ATLÉTICO-GO 2 SANTOS

0

Atlético-GO - Márcio; Adriano, Gilson, Anderson e Thiago Feltri; Agenor, Pituca, Bida e Thiaguinho (Diogo Campos); Juninho (Ernandes) e Anselmo (Leonardo) T.: Jairo Araújo Santos - Rafael; Pará, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Adriano, Arouca, Henrique (Diogo) e Paulo Henrique Ganso (Felipe Anderson); Neymar e Borges (Alan Kardec) T.: Muricy Ramalho Gols: Anselmo, aos 24min, e Diogo Campos, aos 34min do segundo tempo


����������������� �������������������������������������������

Manchester vence e sai na frente pelo título Foi difícil, mas o Manchester United conseguiu uma vitória suada, fora de casa, por 2 a 1, diante do West Bromwich, ontem, pela primeira rodada do Campeonato Inglês. Rooney e Young fizeram os gols dos Reds. Long descontou. O Manchester começou melhor a partida. Não demorou e abriu o placar em chute preciso de Wayne Rooney da entrada da área. O United poderia até ter ampliado, mas Nani perdeu duas grandes chances de marcar. O West Bromwich, então, resolveu sair para o jogo e chegou ao empate numa falha do

goleiro De Gea, que vinha bem até então. Long bateu da entrada da área sem muita força, mas o goleiro caiu em câmera lenta e deixou a bola passar por debaixo dele. Na volta para a segunda etapa, o jogo caiu em qualidade. As duas equipes encontravam muita dificuldade para criar lances de perigo. O gol da vitória do United saiu quase que por acaso. Ashley Young avançou pela direita e cruzou, no meio do caminho, a bola bateu em Reid, do West Bromwich, e foi para a rede decretando a vitória do Manchester. ������������������

�� ������������������

��������������������������� ������������������������������ ��������������������������� �������������

Tudo igual entre

REAL E BARÇA O Real Madrid saiu na frente. Os catalães foram buscar a virada, mas acabaram cedendo o empate ao arquirrival Barcelona

Rooney e Young foram os responsáveis pelos gols do Manchester United

Time de Leonardo leva empate no final O Paris Saint-Germain ficou apenas no empate contra o Rennes, no sábado, e somou seu primeiro ponto no Campeonato Francês. A equipe de Leonardo, que é diretor na equipe francesa, é a grande aposta para a temporada, já que conta com grandes investimentos de um fundo no Qatar, mas em duas rodadas, ainda não venceu. Com o empate, o Paris SaintGermain fica na 14ª posição na tabela do Francês e ainda impede o Rennes de assumir a liderança da competição, já

que a equipe dona da casa soma quatro pontos e cai para a quarta colocação. Jogando na casa do adversário, O Paris Saint-Germain abriu o placar aos 28 minutos do segundo tempo, com uma das apostas da equipe para a temporada: o jovem atacante Kevin Gameiro. O Rennes empatou nos minutos finais da partida, Pitroipa, aos 43 minutos. Na próxima rodada, o Paris Saint-Germain encara o Vallenciennes, em casa. Já o Rennes visita o Montpellier.

Empate em 2 a 2, no Santiago Bernabéu, no primeiro duelo entre Real Madrid e Barcelona pela Supercopa da Espanha-2011 (choque entre o campeão nacional e o vencedor da Copa do Rei da temporada passada). O próximo duelo será nesta quarta-feira (17), no Camp Nou. O Real Madrid teve seu melhor momento no jogo quando soube adiantar suas linhas de marcação e não deixar o Barcelona trocar sua interminável troca de passes. Logo no começo, Valdés foi obrigado a trabalhar. Só não conseguiu evitar o gol de Özil, aos 12 minutos do primeiro tempo. A postura do time da casa era bem diferente daquela da última Liga dos Campe-

ões, quando ficou na sua intermediária esperando o Barcelona para tentar matar o jogo no contraataque. O Barcelona começou a entrar na partida. E quando os catalães resolvem jogar, Villa deixou tudo igual aos 34 minutos. Nove minutos depois, foi a vez do craque Messi fazer jogada individual e virar o prélio a favor do time blaugrana. Na segunda etapa, quando o adversário era melhor, Pepe arrumou um jeito de colocar Xabi Alonso para chutar e deixar tudo igual novamente. O gol animou o Madrid, que passou a pressionar mais o Barcelona. No final, prevaleceu o empate. A decisão vai para o Camp Nou.

Real Madrid 2 Barcelona Real Madrid -Casillas; Sergio Ramos, Pepe, Ricardo Carvalho e Marcelo; Xabi Alonso e Khedira (Callejón); Di María (Coentrão), Özil e Cristiano Ronaldo; Benzema (Higuaín). T: José Mourinho Barcelona - Valdés; Dani Alves, Mascherano, Abidal e Adriano (Piquè); Keita, Thiago Alcântara (Xavi) e Iniesta; Messi, Villa (Pedro) e Sánchez. T: Guardiola Local: Santiago Bernabéu, em Madri (ESP) Data e hora: 14 de agosto de 2011, às 17h (horário de Brasília) Árbitro: Fernando Vitienes (ESP) Cartão Amarelo: Khedira, Xabi Alonso, Coentrão (REA); Sánchez, Daniel Alves (BAR) Gols: Özil, 12’/1ºT (1-0); Villa, 34’/1ºT (1-1); Messi, 44’/1º (1-2); Xabi Alonso, 8’/2ºT (2-2)

2


��

����������������� ������������������������������������������


����������������� �������������������������������������������

Vôlei de praia fatura ouro

e bronze em Londres

No evento-teste do vôlei de praia na arena olímpica de Londres-2012, o Brasil levou ouro e bronze. Ângela e Lili foram as campeãs, com Taiana e Vivian faturando o terceiro lugar na Horse Guards Parade, tradicional praça de cerimônias militares da capital britânica. Apesar do desempenho, as duas duplas brasileiras têm pouca chance de estar nas Olimpíadas, no ano que vem. Pelo ranking que totaliza pontos pelo Circuito Mundial, que decidirá as duas representantes do país, as favoritas do Brasil a ir para Londres, em 2012, são Juliana/Larissa e Talita/ Maria Elisa, em primeiro e segundo na lista olímpica, com 6.000 e 5.800 pontos. Ângela e Lili, campeãs ontem, são apenas a quinta dupla nacional na corrida olímpica, com 1.140 pontos. Taiana e Vivian são as quartas colocadas, com 1.480. Cada país tem o limite de duas duplas classificadas. Na decisão, Ângela e Lili bateram as americanas Kessy e Ross por 2 sets a 1 (10/21, 21/15 e 15/13). Ângela e Lili somaram seis

triunfos e uma derrota — na primeira fase, para as mexicanas Candelas e García, na estreia. Pelo bronze, Taiana e Vivian superaram as locais Boulton e Johns — que jamais tinham ficado num top 4 no vôlei de praia — por 2 a 0 (21/19 e 21/18). Final No confronto brasileiro pelas semifinais, Ângela e Lili surpreenderam Taiana e Vivian, vencendo por 2 sets 0, com parciais de 22/20 e 21/16. No outro duelo, as favoritas americanas levaram a melhor sobre a zebra britânica: Kessy e Ross, mesmo com dificuldade, bateram Boulton e Johns por 2 a 1 (21/13, 17/21 e 15/10). O evento-teste do vôlei de praia em Londres, na arena olímpica, reuniu 24 duplas. Dessas, apenas três teriam vaga nas Olimpíadas se os Jogos fossem disputados hoje: Xue/Zhang Xi, Kessy/Ross e Dampney/ Mullin - as britânicas, apesar do 32º do ranking atualizado do Circuito Mundial de Vôlei de Praia, se garantiriam por serem do país-sede. ����������

Ângela e Lili são campeãs enquanto Taiana e Vivian ficam em 3º. Duas duplas, porém, têm poucas chances de obter vaga para os Jogos de 2012

��

BRASIL

quebra invencibilidade da Itália Com grande participação de Tandara no segundo set, seleção se despede de Almaty com 100% de aproveitamento: vitória por 25/23, 24/26, 25/18 e 25/18 ���������������

Detalhes geralmente são decisivos em grandes clássicos. Mas, no dia em que a maior estrela do time não brilhou como de costume, o Brasil mostrou que tem uma constelação inteira para fazer a diferença. Com Sheilla discreta, Zé Roberto contou com todas as titulares e jovens talentos do banco para quebrar a invencibilidade da Itália no Grand Prix. Cinco jogadoras pontuaram na casa dos dois dígitos e, por 3 sets a 1, parciais de 25/23, 24/26, 25/18 e 25/18, a seleção se despediu do Cazaquistão com sua sexta vitória em seis partidas no torneio. Agora a delegação verde e amarela viaja para a Tailândia. O primeiro confronto, nesta sexta-feira (19), será contra Cuba. Para o clássico, Zé Roberto Guimarães promoveu o retorno de Paula Pequeno, que na véspera fora substituída por Natália. Mas foi Mari quem brilhou no início da partida. A ponteira foi eficiente no ataque e, com um bom serviço, deixou o Brasil com três pontos de vantagem. Costagrande e Ortolani, porém, assumiram a responsabilidade na Itália, que passou à frente no placar em erro de Sheilla. A alegria das europeias não durou muito. Paula Pequeno conseguiu uma boa sequência que furou o ataque junto à rede. Mari, após três tentativas, e Thaísa, no bloqueio simples, garantiram o set: 25/23. Itália empata o jogo A seleção voltou irreconhecível no segundo set. Mari e

����������������������������� ��������������������������� ����������������������������� �����������������������������

Sheilla pararam em sequência no bloqueio rival e a oposto foi substituída por Tandara pela primeira vez na competição. A seleção reagiu, mas voltou a cair de rendimento. Com a jogada marcada, Dani Lins voltou a acionar Fabiana e Mari. Em uma bola para fora, o Brasil igualou o placar em 23/23. Apesar de muita luta, Del Core venceu a disputa na rede e empatou a partida: 26/24. Sheilla voltou ao time titular no terceiro set a seleção abriu quatro pontos de vantagem antes da primeira parada técnica. As italianas tentaram reagir,

mas o Brasil conseguiu administrar a margem variando bem as jogadas. Quando o marcador apontou 19/11, Barbolini pediu tempo. O time europeu melhorou, mas não teve força para virar. Natália, de bloqueio, encerrou a parcial em 25/18. Na base do tudo ou nada, a Itália tentou se impor no início do quarto set. Mas com o bom trabalho de Dani Lins junto às centrais, o Brasil seguiu forte e com ligeira folga no placar. Fabiana marcou três pontos seguidos e, no bloqueio, garantiu a invencibilidade da equipe no Grand Prix: 25/18.


��

����������������� �������������������������������������������

Três recordes em três dias

��������������������������

De sexta-feira a domingo, a base aérea de Manaus foi palco da conquista do recorde Norte, masculino e feminino, e roraimense ����������� ������������������ �������������������������

Nos últimos três dias (12,13 e 14), das 8h às 18h, o céu de Manaus foi palco da conquista de três recordes de paraquedismo: dois da Região Norte e um de Roraima. Para as conquistas, foram reunidos os melhores paraquedistas do Norte, um juiz da Confederação Brasileira de Paraquedismo e um dos capitães do recorde mundial, o americano Tom Jenkine, que foi o técnico. O recorde da regional foi obtido apenas na tarde de ontem, quando 37 paraquedistas conseguiram a formação de uma figura secular. “Conseguimos, na tarde de ontem, realizar o recorde que não era batido desde 2009, quando aqui mesmo em Manaus, tinha sido feito com 21 paraquedistas”, ressaltou o

organizador do evento, Robson Custódio. Ontem também foi batido o recorde roraimense, com a formação de 18 paraquedistas. A marca anterior era de 12 atletas. Já entre as mulheres, a conquista da maior formação da Região Norte foi feita na última sexta-feira (12), com 9 mulheres. O recorde anterior era de seis paraquedistas. Para concretizar as conquistas foram utilizados três aviões modelo Caravan. Durante os três dias de eventos, estiveram presentes paraquedistas de Roraima, Pará, Acre, Rondônia e Amazonas. “O evento está sendo organizado há seis meses e conseguimos juntar os melhores atletas profissionais da Região Norte”, informou Robson, o qual lembrou que o evento teve o apoio da Federação Amazonense de Paraquedismo. Para ser feito o recorde, �����������������

Ao vencer o Catar, do Alvorada, por 3 sets a 0, a Sérvia conquistou o 1º Grand Prix

Por três dias, o céu de Manaus foi colorido por paraquedistas da Região Norte

principalmente o masculino da Região Norte, Robson Custódio explicou que as maiores dificuldades foram técnicas, pois tiveram pouco tempo de treinamento. “Mas conseguimos superar”, ressaltou, ao lembrar que a formação é sempre treinada no chão, pois após o salto são em média 45 segundos de queda livre.

Ontem, foi obtido o recorde com a formação de 37 paraquedistas

Sérvia vence o 1º Grand Prix de LGBT A Sérvia, equipe do Nova Esperança, foi a campeã do 1º Grand Prix de Voleibol de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis (LGBT). O time derrotou o Catar, do Alvorada, na tarde de ontem pelo placar de 3 sets a 0. A partida foi disputa na quadra esportiva do Centro de Desenvolvimento Comunitário (CDC) do Coroado. O terceiro lugar do torneio ficou com a equipe da Ucrânia (Cidade Nova), que derrotou a equipe do Brasil (Coroado) por 3 sets a 1. O 1º Grand Prix de Vôlei LGBT é mais uma ativida-

de da Super Liga Gay. De acordo com o coordenador do evento, Daniel Coelho, a atividade é uma atividade paralela à comepetição principal (Super Liga) que dá oportunidade para novas equipes. “O exemplo é a equipe do Catar, uma das equipes novas que conseguiu vencer o Brasil, um dos favoritos, e chegou à final”, explicou. Segundo Daniel, o evento também é uma ferramenta de combate à homofobia. “Até porque chamamos a comunidade e aqui no Coroado fomos bem recebidos e o ginásio do CDCC desde

ontem (sábado) lotou”, disse. “O evento foi um sucesso e vamos repetir no próximo ano”, completou, ao agradecer ao apoio à Secretaria Municipal de Desporto e Lazer (SEMDEJ). Daniel adiantou ainda que o calendário para o segundo semestre já está definido. No dia 10 do próximo mês será realizado o 4º Top Vôlei. Em dezembro, de 1º a 03 de dezembro será realizado a 20ª edição da Super Liga Gay e, na segunda quinzena do mesmo mês, as divas da areia, campeonato de vôlei de praia com quartetos.

Pódio - 15 de agosto de 2011  

Caderno de esportes do jornal Amazonas EM TEMPO www.emtempo.com.br

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you