Page 1

A partir desta segunda-feira no

EM TEMPO

ANO XXIV – N.º 7.616 – MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES - DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO - PREÇO DESTA EDIÇÃO: R$ 2,00

Deputados querem ser prefeitos no interior. Por quê? O primeiro objeto de desejo, claro, é a Prefeitura de Manaus, uma das cinco maiores arrecadadoras entre as capitais brasileiras. Mas existem parlamentares que se lançam ao “sacrifício” de disputar cidades interioranas, onde nem médico recém-formado quer trabalhar. Política A5

GANHE mais de R$ 6 mil

HUDSON FONSECA

MAGUILA

‘UFC é briga de rua’ Lance! 2 e 3

EDUCAÇÃO

REPRODUÇÃO

Jornal vai ajudar a ler nas escolas Grupo Raman Neves de Comunicação engaja-se em projeto com a Semed para incentivar hábito da leitura. Dia a Dia C7

DATA

Filarmônica do Amazonas: até parece que foi ontem PLATEIA 3

RELIGIÃO

GIOVANNA CONSENTINNI

Caderno segue os caminhos da fé IONE MORENO

Especial desta edição de domingo mostra a Páscoa, ou Passagem, de acordo com a experiência e o ponto de vista das várias expressões religiosas, que têm apenas um objetivo: encontrar um caminho para chegar à sabedoria e à paz.

MALHAÇÃO

Políticos não são mais os únicos ‘traidores’ do povo Última Hora A2


A2

Opinião/Última Hora

Contexto 3090-1017/8115-1149

contexto@emtempo.com.br

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

População mantém velha tradição e ‘malha Judas’ Embora a malhação já não seja a mesma de alguns anos atrás, o Judas continua sendo o bode expiatório para aliviar as frustrações da maioria das pessoas SHANA REIS

IVE RYLO E ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

D MPF investiga verba do BNDES ao Bolsa Floresta O Ministério Público Federal (MPF) investiga supostas irregularidades no pagamento do programa Bolsa Floresta pela Fundação Amazônia Sustentável (FAS). A portaria assinada pelo procurador da República Thales Messias Pires Cardoso diz que há “notícias de possíveis irregularidades” na fundação, que recebe repasses oriundos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O MPF instaurou inquérito civil público e expediu ofício ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) para que informe sobre o exame dos recursos destinados à FAS e ao programa Bolsa Floresta. A fundação também terá que se explicar ao MPF quanto à execução do programa e suas diferentes modalidades. O Bolsa Floresta foi criado na gestão de Eduardo Braga (PMDB) no governo do Estado e tem o objetivo de recompensar e melhorar a qualidade de vida das populações tradicionais em troca da manutenção da floresta. RAMOS QUER AUDIÊNCIA O deputado estadual Marcelo Ramos (PSB) está incansável. Agora ele quer propor audiência pública para debater o atendimento aos hansenianos na Colônia Antônio Aleixo. Segundo ele, o atendimento nas unidades de saúde é precário. VISITINHA Ramos, que já visitou a FCecon e comerciantes do bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste de Manaus, foi à Colônia Antônio Aleixo, na última quinta-feira (5), acompanhado do vereador Elias Emanuel (PSB) e representantes do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Mohan). ITINERANTE A Defensoria Pública da União (DPU) anunciou, no Diário Oficial da União (DOU) da última quinta-feira (5) a abertura de processo de seleção para quatro vagas para defensores públicos federais no Amazonas. Eles vão atuar em Manaquiri, no projeto DPU Itinerante. NEGOCIAÇÃO O líder do governo no Senado, senador Eduardo Braga (PMDB), esteve no centro de uma negociação política importante para os Estados. Ele costurou um acordo, na última terça-feira (3), para que o governo federal troque renegociar dívidas dos Estados por apoio em projetos fiscais. REUNIÃO Braga esteve reunido, na terça, com a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, Walter Pinheiro (BA), líder do PT, e o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Eunício Oliveira (PMDB-CE).

UNIVERSIDADE Já está na Casa Civil do governo do Estado um projeto suplementar que vai transformer a Universidade Aberta da Terceira Idade (Unati) em Fundação Universidade. Após a conclusão da Casa Civil, o projeto será enviado à Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) para que seja votado. NOVA SEDE Ainda assim, o governo já liberou recursos para a construção da nova sede da Unati. O presidente da entidade, Euler Ribeiro, anunciou a liberação da verba durante o lançamento da campanha “Envelhencendo em Manaus”. NOVA LEI A Prefeitura de Manaus sanciounou a lei 1.652, que proíbe que o atendimento aos idosos, gestantes e deficientes físicos em agências bancárias seja realizado no segundo piso. A multa para quem infringir a lei será de 50 UFMs por dia. Resta apenas saber quem irá fiscalizar a aplicação da nova lei.

APLAUSOS

VAIAS

Plano Real

Homicídios

Para o Plano Real, que completa 18 anos. A moeda brasileira conseguiu reduzir gradualmente as taxas de inflação.

Para o índice de homicídios entre jovens, em Manaus. Foram 32 mortos, de janeiro a março deste ano, diz a DEHS.

esde as primeiras horas da manhã de ontem, algumas esquinas da cidade “colecionaram desafetos”. Seguindo a tradição de “malhar o Judas”, mais que chamar a atenção, os bonecos de pano simbolizaram o descontentamento da população acerca da conduta de representantes políticos e personalidades da cidade. No bairro Praça 14, Zona Sul, o “homenageado” da vez foi o presidente do Grêmio Recreativo Escola de Samba Vitória Régia. A rua Jonathas Pedrosa foi cenário de um “velório”, com direito a velas, flores, as cores da escola cobrindo o caixão e, inclusive, uma placa denunciando o “mandante”. Há pelo menos 25 anos os moradores do bairro se reúnem para eleger e confeccionar o Judas. O morador Alberto Monteiro, 55, explicou que a escolha desse ano foi inspirada na baixa popularidade da presidência da escola. “Resolvemos fazer uma sátira com o presidente da escola, porque todo ano a escola tem ficado em sexto lugar. O pessoal

colocou o apelido dele de ano bissexto’”, disse. A reunião, que iniciou na Sexta-Feira Santa, teve direito a galinhada e pagode. “Sempre fazemos essa confraternização, unimos toda a rua, fizemos uma cota para fazer um panelão de galinhada e é uma festa sadia”, comentou. Nem mesmo os vizinhos são excluídos de ter o nome no Judas. “Aqui, os vizinhos que fazem muito barulho e os bêbados chatos correm o risco de ter um Judas. Nada escapa”, disse o mecânico Paulo de Souza, 33. O bairro da Compensa 1, Zona Oeste, também teve o Judas que segurava a placa “Alex e Karlinha: amor eterno”. A vizinhança resolveu homenagear um dos famosos casais do bairro que se separou. Na compensa 2, a comunidade usou a brincadeira para reivindicar mais segurança no local. Ao lado do boneco de pano foi confeccionada uma placa, “Ronda no Bairro aqui não chegou”. Segundo o padre José Albuquerque, o costume não nasceu na Igreja Católica e o sábado deve ser marcado pela espera da ressurreição e não pela malhação do Judas. “Judas representa os que não acreditam na promessa”, disse..

ZONA OESTE

ATO DE FÉ

Servente morre vítima de tiros na Sexta-Feira Santa ALITA MENEZES Equipe EM TEMPO

Nem durante o feriado da Sexta-Feira Santa a violência na cidade de Manaus dá uma trégua, por volta das 18h30, o servente de pedreiro Maurício Nogueira de Miranda, 27, foi assassinado nas proximidades de sua casa, localizada na rua 28 de Agosto, no bairro Compensa 2, Zona Oeste. Maurício foi atingido com dois tiros no tórax enquanto caminhava pela rua 27 de Novembro, próximo ao 5º BPM. Ele foi socorrido por populares e encaminhado ao SPA Joventina Dias, onde não resistiu aos ferimentos e veio a óbito. Até o fechamento desta edição os suspeitos do homicídio ainda não haviam sido identificados e a suspeita é que o jovem tenha envolvi-

Até o amor eterno foi alvo da ironia dos “malhadores”

mento com drogas. Criança atropelada O pequeno Francisco Assis Marciel, 9 anos, morreu às 22h40, da última sexta-feira,

HOMICÍDIO

Maurício Nogueira de Miranda foi assassinado com dois tiros no tórax. Ele ainda foi encaminhado ao SPA, mas não resistiu aos ferimentos. A polícia suspeita de envolvimento com drogas vítima de múltiplas fraturas, decorridas de um atropelamento na comunidade da Sharp, avenida Grande Circular, Zona Leste. O acidente ocorreu por volta das 14h, sem testemunhas.

Milhares de peregrinos celebram em Jerusalém Milhares de peregrinos e cristãos locais celebraram em Jerusalém o Sábado de Aleluia, com cerimônias centradas em torno da basílica do Santo Sepulcro, na Cidade Antiga cercada por muros. Os atos começaram na primeira hora da manhã de ontem, com uma vigília pascal na igreja, onde centenas de pessoas oraram e lembraram a crucificação de Jesus, um dia antes da ressurreição. À tarde, uma procissão solene visitou o Santo Sepulcro, que abrigou também uma oração noturna diante do local onde, segundo a tradição cristã, ficou há mais de 2 mil anos o túmulo de Jesus. Depois da meia-noite, foi realizada a Li-

turgia das Horas, oficiada pelo custódio dos locais cristãos na Terra Santa, o frei franciscano Pierbattista Pizzaballa. Na Basílica da Anunciação, em Nazaré, foi realizada, ontem, uma vigília solene e à tarde foi celebrada a missa da ressurreição. Em Jerusalém, os católicos marcarão neste domingo a ressurreição no Santo Sepulcro com uma missa dirigida pelo patriarca latino, Fouad Twal, e uma procissão. O último ato pascal ocorrerá amanhã, na aldeia palestina a 11 quilômetros de Jerusalém, onde frades franciscanos, custódios dos Santos Lugares há 800 anos, lembrarão a aparição de Jesus diante dos discípulos de Emaús. DIVULGAÇÃO

Uma procissão solene visitou o Santo Sepulcro ontem à tarde


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

A3

Fala leitor

Editorial

falaleitor@emtempo.com.br

www.emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

Jesus Cristo entre ovo de chocolate e coelhos Páscoa é, na concepção da palavra em hebraico, passagem. Remonta ao período em que o povo judeu sofreu os horrores da tirania dos faraós, no Egito, e pelo legado descrito no livro sagrado para os cristãos, a Bíblia, aconteceu na última praga enviada por Deus para forçar o Ramsés a libertar os hebreus. Nos capítulos de 7 a 12 do Êxodo, há uma minuciosa descrição do acerto entre Moisés, o libertador, e o anjo da morte – responsável em tirar a vida dos primogênitos (a 10ª praga) em que uma mancha de sangue, nos umbrais das portas, significaria o sinal para o luto não passar por aquela habitação. Só faraó, é claro, não foi avisado da trama bíblica, o que resultou, obviamente, na morte de seu filho mais velho. Esse rito, em que Deus permitiu a salvação dos israelitas das mãos de faraó é celebrado até os dias de hoje pelos judeus como a síntese de livramento e o fim das tormentas egípcias que duraram quase seis séculos. Sobre os episódios que se sucederam logo após a saída dos hebreus do Egito e o período de 40 anos que vagaram no deserto já é outra história! Por essa ótica, justificada na Bíblia sobre a pessach (Páscoa), e que deu origem a uma série de outras comemorações paralelas, elementos como coelho e ovo de chocolate se dissociam da narrativa cristã. Como em toda data festiva religiosa o significado natural é esquecido e o que prevalece são as crendices que pouco ou nada contribuem para que a essência das lembranças permaneça viva. Ao falar de vida, vale ressaltar que as comemorações da Páscoa tiveram realce com o sofrimento e morte de Jesus, na cruz do calvário. O fato é considerado pelos cristãos como ápice da fé com o apogeu assinalado na crucificação de Cristo. Mas, desde essa época, e lá se vão quase três mil anos, povo é povo e a realidade é a mesma: ninguém ao certo lembra ou faz questão de lembrar do passado que mudou a história presente. Enquanto isso, a verdadeira Páscoa, que deveria ser celebrada como a passagem para uma vida melhor, fica relegada aos despojos da indústria que empanturra o povo de chocolate.

É Páscoa. Não simplesmente ovos e coelhos de chocolate, festa, presentes. A palavra Páscoa vem do hebraico e significa “passagem”. Os judeus comemoravam esse dia antes mesmo do nascimento de Cristo, desde há muito tempo, então com outro sentido: o de liberdade, ou seja, a libertação de anos de escravidão no Egito. Para os

cristãos, a Páscoa passou a celebrar o renascimento de Cristo, a passagem d’Ele deste mundo para o Pai. Páscoa, então, é renascimento, renovação, a festa da libertação. Época de repensar a vida e renová-la, de refletir sobre o Menino que se tornou homem, morreu e ressuscitou, elevando-se ao céu, provando aos homens que

há uma força divina, maior, regendo nossos destinos. Luiz Carlos Amorim, por e-mail Quero aproveitar o espaço do jornal EM TEMPO para reclamar da operadora Oi, que até hoje não veio resolver o problema com as linhas fixas da rua Jacareúbas, no conjunto Kíssia 1, no Dom Pedro. Vários morado-

res estão com as linhas cruzadas e impossibilitados de fazer ligações há mais de duas semanas. Parece que a única eficiência da Oi é enviar as contas de telefone com antecedência e rapidez. Espero que publiquem meu protesto. Rosa Silva, por e-mail

Charge elvis@emtempo.com.br

Olho da Rua

Dora Kramer

opiniao@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br RICARDO OLIVEIRA

Essa é a avenida Pedro Teixeira, uma das mais movimentadas de Manaus. Lá circulam, diariamente, milhares de veículos, pessoas e... dezenas de urubus. Sim, lá estão eles todos os dias em busca do lixo jogado irresponsavelmente na via. Por falar nisso, onde está mesmo o depósito de lixo?

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

Editores-Chefes Aldisio Filgueiras — MTB 213 aldisio@emtempo.com.br Náis Campos — MTB 033 nais@emtempo.com.br Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa michelegouvea@emtempo.com.br

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

3090-1001

Diretor Administrativo Maurício Alves mauricio@emtempo.com.br Diretor de Marketing/Comercial Renato Bassile renatobassile@emtempo.com.br

circulacao@emtempo.com.br Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

Diretor de Arte Kyko Cruz kykocruz@emtempo.com.br EM TEMPO Online Yndira Assayag — MTB 041 yndiraassayag@emtempo.com.br

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

www.emtempo.com.br

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

@emtempo_online

/amazonasemtempo

/ /tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Corda no pescoço O senador Pedro Simon ressalva que tem receio de confundir sua posição pessoal com a análise fria da situação, mas na percepção dele desta vez o Senado não tem outra saída. Ou põe para funcionar o Conselho de Ética e dá prosseguimento ao processo de cassação de Demóstenes Torres por quebra de decoro ou estará irremediavelmente em rota de colisão com a sociedade. Diferentemente de outras ocasiões em que mandatos aparentemente condenados foram salvos pela força do compadrio, agora não há recuo possível. “A opinião pública está mobilizada, manifesta-se por todos os meios e não há como ignorar essa pressão”, diz ele, cuja avaliação é compartilhada por outros políticos. Simon faz uma comparação com o clima que levou à aprovação da lei da Ficha Limpa. Se dependesse só da vontade dos partidos e dos políticos estaria até hoje em alguma gaveta da Mesa Diretora ou das comissões. Mas, quando a sociedade pôs a faca no peito do Parlamento, não houve jeito. “Vivemos, nesse caso, algo semelhante: a completa impossibilidade de tomar outra atitude a não ser seguir adiante porque o Congresso deve isso a si”, diz, lembrando que a alta popularidade da presidente Dilma Rousseff deve-se em boa medida à imagem que passa de intransigência em relação aos políticos e à falta de ética na política. Nesse cenário, o Senado agiria agora menos por deferência à preservação do decoro e mais por uma questão de autodefesa diante da pressão da sociedade e da contraposição estabelecida entre o que é percebido como austeridade da presidente e o que

é creditado como licenciosidade do Congresso. Pela beirada – A demora na nomeação dos integrantes da Comissão da Verdade é atribuída à necessidade de adoção de critério cirúrgico na escolha dos nomes. É um dado, mas não o único e, nessa altura, nem o principal. O atraso parece obedecer a um roteiro estratégico a fim de dar tempo ao tempo na dissipação das reações entre os militares. A formação de uma comissão da verdade “paralela” na Câmara e as propostas de criação de colegiados semelhantes em diversos Estados ajudaria no processo de tornar o levantamento de informações sobre agressões aos direitos humanos durante a ditadura, um fato natural e, sobretudo, consumado. Pássaros na mão – Loucos pela vaga de vice na chapa de José Serra para a Prefeitura de São Paulo, o PSD e o DEM oficialmente dizem que não farão exigências ao PSDB. Na prática pressionam pesado, cada qual com seus argumentos. O PSD invoca a afinidade com os tucanos, a fidelidade de Gilberto Kassab a Serra e a preferência do candidato pelo nome do ex-secretário municipal de Educação, até o ano passado filiado ao PSDB, Alexandre Schneider. O DEM fala da possibilidade de apoiar Gabriel Chalita, do PMDB, recorre à proximidade com o governador Geraldo Alckmin e alega que seu tempo de televisão (1min40s) pode fazer diferença. Se o PSD não ganhar na Justiça direito a espaço próprio no horário eleitoral o partido será um peso para a coalizão, pois os tucanos teriam de dividir o tempo com os candidatos a vereador de Kassab.

Dora Kramer, jornalista, escreve simultaneamente no jornal “O Estado de S. Paulo”

Diferentemente de outras ocasiões em que mandatos aparentemente condenados foram salvos pela força do compadrio, agora não há recuo possível”


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Quando a perda do talento Páscoa cristã é passagem também é perda da graça da morte para a vida Há poucos dias ficou bem mais difícil rir, mas rir com inteligência, neste Brasil, após a morte do Chico Anysio. Chico nasceu em Maranguape, no Ceará, e de lá, como costuma acontecer aos nordestinos, migrou para o Sudeste, para o Rio de Janeiro, que adotou como seu novo domicílio. Além de humorista, aquele que produz o humor ao criar personagens e situações, onde Chico foi um mestre, também exerceu com total competência o papel de comediante, ou seja, o ator que assumia o personagem criado, lhe conferia o status de real e assim lhe dava vida. Muito importante destacar no processo de criação a sensibilidade e o oportunismo indispensáveis no primeiro momento, quando se faz a escolha do personagem, antes mesmo de materializá-lo em suas características pessoais. Só terá vida própria o personagem que tenha tudo a ver com a sociedade, com a cultura, com a ambiência e com o tempo que se vive, ainda quando esse personagem se encaminhe para adquirir eternidade. Aí estava um dos pontos em que mais fortemente se manifestava o talento de Chico. Se, como agora se sabe, foram ao todo 209 personagens criados e que se revezavam constantemente nos programas de TV, cada um de nós inevitavelmente acabava por eleger seus preferidos, pelas razões mais diversas. Mas todos tinham a marca da criatividade inesgotável e falavam diretamente a todos os brasileiros. Onde mais, senão no Brasil, poderia existir o deputado Justo Veríssimo, caricatura do nosso político profissional? Onde, senão nas favelas do Rio poderia ter nascido o malandro Azambuja? E o coronel Pantaleão, nordestino contador de histórias e mentiras? Ainda chorávamos a perda de Chico Anysio, quando fomos surpreendidos pela morte súbita do grande Millôr Fernandes. Millôr foi humorista, enquanto criador, e aí se detinha porque, diferente de Chico, não colocava a própria figura em exposição. Assim, durante décadas extasiou a todos nós com seu humor poético e satírico naquelas duas páginas inesquecíveis do “Pif-Paf”, na revista “O Cruzeiro”, onde se revelou um dos maiores “frasistas” da língua. E quantas frases inesquecíveis a revelar o seu gênio. Millôr foi insuperável como chargista, cartunista, tradutor de Shakespeare e de Molière, autor de talento sobretudo na área do teatro. Dava para perceber que a visão que Millôr tinha do ser humano não lhe era benfazeja e favorável. Nas charges, nas frases, nas tiradas plenamente filosóficas, não escondia certo amargor na percepção que tinha de todos nós, enquanto detratores e destoantes do mundo e da própria humanidade. No plano político Millôr atuou como jornalista e foi um dos fundadores de “O Pasquim”, importantíssima trincheira da oposição aos governos autoritários. Com certeza é demais, para qualquer nação, para qualquer povo, perder num mesmo momento duas figuras como Chico e Millôr, precisamente da linhagem dos que nos mostram e nos fazem rir das nossas próprias mazelas.

João Bosco Araújo Diretor-executivo do Amazonas EM TEMPO

Só terá vida própria o personagem que tenha tudo a ver com a sociedade, com a cultura, com a ambiência e com o tempo que se vive, ainda quando esse personagem se encaminhe para adquirir eternidade”

Vivemos hoje a Páscoa e muitos perguntam que se pode dizer aos homens e mulheres do século 20 e um uma festa cuja existência ultrapassa quatro mil anos. Tanto para judeus como para cristãos a Páscoa lembra os mais impressionantes acontecimentos da humanidade. Para os judeus celebra a libertação de um povo que fora escravizado durante anos. Deus o tirou do pesadelo de perder a liberdade e ter de assassinar os filhos recém-nascidos. É uma festa de libertos, não de escravos. Para os cristãos, a Páscoa tem um significado a mais. Foi numa festa pascal que prenderam, condenaram e mataram a Jesus, mas o Pai o ressuscitou. Para quem acredita, esse acontecimento foi mais surpreendente que a saída do Egito porque, em Jesus Cristo, Deus se fez humano, morreu e ressuscitou vitorioso sobre o poder do mal para tornar-nos seus filhos e herdeiros. A Páscoa cristã celebra a passagem da morte para a vida. Como consequência, recorda com força que todos os homens e mulheres possuem uma dignidade a ser respeitada em qualquer circunstância. Como dizia o papa Leão Magno em homilia de Natal: “Lembra-te, cristão, de tua dignidade”. Vivemos tempos de crises econômicas, políticas, culturais e, pior de tudo, éticas. A corrupção pública atingiu a todos e escancarou as vísceras podres de um mundo no qual tudo gira em volta do dinheiro. Para coibir a violência, invadem a nossa privacidade. Câmeras de televisão nos seguem os passos até nas ruas. A liberdade está em perigo. As drogas e a criminalidade arrasam tudo o que encontram pela frente e nos condenam à prisão do medo. Dói perguntar se ainda existe alguém que seja livre. A Páscoa judaica é um grito a favor da liberdade contra qualquer tipo de tirania. Só a fé no Deus verdadeiro dá coragem para lutar pela libertação própria e dos outros. Ninguém pode negar que a vida humana está ameaçada por uma série de atitudes, todas elas geradas pelo tipo de desenvolvimento econômico que escolhemos. Crianças por nascer, meninos e meninas, idosos e doentes, mulheres e outros excluídos pela sociedade de bem estar são as grandes vítimas oferecidas ao deus Moloque do dinheiro. Estamos mergulhados numa verdadeira cultura de morte. A Páscoa cristã é um grito a favor da vida e da dignidade da pessoa humana. Jesus veio trazer vida e vida em abundância (Jo 10,10). Sua passagem da morte para a vida é o instrumento dessa missão. Todas as pessoas de boa vontade são convocadas a promover e defender a vida. Ainda há tempo para reverter a situação de violência e de morte. A fé no Ressuscitado abre horizontes e da coragem para ajudar o mundo a ser melhor. É a tarefa de todos. Na tarde do Domingo de Páscoa, Jesus ressuscitado saudou os seus amedrontados discípulos com o desejo de paz. Podemos ter a paz desde que em Jesus encontremos os caminhos de liberdade e vida. Feliz Páscoa!

Nana Caymmi, cantora, anunciando a aposentadoria

É como um dono de uma festa que te convida e depois informa que acha que a festa será chata Sérgio Leitão, diretor do Greenpeace Brasil, sobre a frase de Dilma, “ninguém aceita discutir fantasia” na Rio+20.

RENATA LO PRETE

Ataque especulativo

Dom Luiz Soares Vieira Arcebispo Metropolitano de Manaus

O Planalto já identificou no bloco PR-PTB do Senado um movimento organizado para ocupar uma vaga na Esplanada. O principal alvo é o Ministério de Desenvolvimento e Indústria, de Fernando Pimentel. O senador Blairo Maggi (MT) é o nome do grupo para o cargo. Como Dilma Rousseff se recusa a dar o Ministério dos Transportes para o PR, a solução seria oferecer outra pasta para esse grupo que é maior, com 14 senadores. Integrantes do bloco confirmam o objetivo. “Não temos pressa. Se Dilma pedir, temos um estoque de opções para lugares nos quais estão sentados nomes menores que as cadeiras”, alfineta um senador. Combo Os partidos querem ampliar o bloco com o PSC, do senador Eduardo Amorim (SE). A ideia é passar a bancada do PT e, no ano que vem, pleitear a primeira vice-presidência da casa.

Ninguém pode negar que a vida humana está ameaçada por uma série de atitudes, todas elas geradas pelo tipo de desenvolvimento econômico que escolhemos”

Nova chance O advogado Márcio Thomaz Bastos deve impetrar nesta semana novo habeas corpus para tentar a soltura de seu cliente Carlinhos Cachoeira, preso desde fevereiro por acusação de contravenção como resultado da operação “Monte Carlo”. Manancial O senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), agora às voltas com Cachoeira, destinou R$ 1 milhão em emenda ao Orçamento de 2005 para a construção de um lago artificial de 44 mil metros em Barro Alto, próxima ao entorno do DF, que tem 6 mil habitantes. Cotada A pequena Barro Alto atrai negócios. Foi lá o primeiro contrato de consultoria da Sabesp, em 2010. A cidade tem grande jazida de níquel, que levou uma mineradora multinacional a investir R$ 2 bilhões. Luxo Em uma conversa interceptada pela PF, Cachoeira conversa com um interlocutor a respeito da compra de um imóvel em Miami. O empresário pede uma casa com saída para o mar, mesmo advertido de que o preço chegaria a R$ 7,5 milhões. Lula... Marcos Cláudio Lula da Silva, filho do expresidente Lula, será candidato a vereador em São Bernardo. Ele deixou o cargo de diretor de Turismo da

prefeitura na quinta-feira. Sua candidatura foi acertada entre Lula e o prefeito Luiz Marinho. ... lá Marcos Lula já pleiteou uma vaga na Câmara da cidade em 2008, mas teve a candidatura impugnada às vésperas da eleição por ser filho do presidente. Ainda assim teve mais de 3 mil votos. Médio prazo Pré-candidato ao governo paulista em 2014, Paulo Skaf protagonizará as inserções regionais do PMDB no interior de São Paulo a partir de terça-feira. Bonde O PMDB gravou 40 programas diferentes e, além do dirigente da Fiesp, aparecerão o presidente estadual, Baleia Rossi, e os nomes da sigla para as eleições nas maiores cidades. Parabólica Em ano eleitoral, câmaras de 39 cidades da Grande São Paulo montam estrutura para veiculação de programação em sinal aberto e digital de TV. Parabólica 2 Após aval da Anatel, as sessões poderão ser transmitidas pelo canal 61. O consórcio de legislativos quer contratar a EBC para a produção de conteúdo e confecção da grade. Razões Aqueles que aconselharam o governador Geraldo Alckmin a nomear Márcio Rosa para o cargo de procurador-geral do Estado argumentaram que o primeiro colocado na eleição interna, Felipe Locke, havia assumido muitos “compromissos corporativos” na campanha.

Tiroteio

Não sei o que é pior: um prefeito que abandona a cidade deixando o cargo no meio do mandato ou um prefeito que abandona a cidade ficando na cadeira.

Frases Já dei o que tinha que dar. Sou artista há 50 anos e ganhei um disco de ouro. Quero que o mundo exploda

Painel

Hoje, meu pensamento é de voltar a jogar futebol. Mas tudo vai depender da forma como vai ser esse período. Caso contrário, vou ter que pensar em outra situação

Adriano, jogador, depois de Adriano saber que terá de passar por nova cirurgia no tendão de Aquiles do pé esquerdo. A recuperação não será, segundo Runco, inferior a três meses.

DO PRÉ-CANDIDATO DO PT À PREFEITURA DE SÃO PAULO, FERNANDO HADDAD, aproveitando para atacar tanto o adversário José Serra quanto o atual prefeito e aliado do tucano, Gilberto Kassab (PSD).

Contraponto

Fuga em massa O vice-presidente da República, Michel Temer, participava de evento na casa do deputado Newton Cardoso (PMDBMG) para comemorar a viagem feita ao Líbano, no final do ano passado. Enquanto os deputados jantavam, duas dançarinas do ventre entraram no ambiente. Surpresos, os parlamentares se entreolharam e aguardaram o término da primeira dança para sair de fininho pela cozinha, guiados por Temer. Quando as dançarinas voltaram para concluir o show, uma delas indagou: – Gente, cadê todo mundo? Cadê o vice? Publicado simultaneamente com o jornal ‘Folha de S.Paulo’


Política

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

A5

Ser prefeito é objeto de desejo de parlamentares CAMILA CARVALHO Equipe EM TEMPO

E

les já têm mandato no Senado Federal, na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), mas pretendem “dar um tempo” nas atividades legislativas para alçar voo e disputar os Executivos municipais. Nas próximas eleições, o Amazonas poderá ter seis dos 11 parlamentares federais disputando a Prefeitura de Manaus, além de nove dos 24 deputados estaduais no páreo pelo Executivo de municípios do interior do Estado. Por trás da tentativa de abocanhar o voto dos 1,8 milhão de manauenses, estão os interesses em administrar a capital mais populosa do Norte, entre as seis com o maior Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e a quarta capital em arrecadação de impostos, além de ser o “prefeito da Copa” responsável por administrar a cidade no período do Mundial. Segundo os parlamentares, o interesse em ir para as prefeituras do interior do Estado é uma tentativa de se reaproximar das bases políticas. Dentre os parlamentares estaduais, Chico Preto (PSD), Marcos Rotta (PMDB), Marcelo Ramos (PSB) e Sinésio Campos (PT), são virtuais pré-candidatos a se enfrentar pelo comando da prefeitura da capital pelos próximos quatro anos. O líder da bancada oposicionista da Aleam, Marcelo Ramos (PSB), já “bateu o pé” e definiu, junto com a sigla, que será o vice candidato a prefeito de Manaus na chapa encabeçada pelo também socialista e ex-prefeito Serafim Corrêa. Entre os governistas, ainda paira a indefinição. Enquanto o líder do governo na casa, Sinésio Campos (PT), enfrenta resistência dentro da legenda para seguir com a pré-candidatura, os deputados Marcos Rotta (PMDB)

LEONARDO PRADO/AG CAMARA

Somente para disputar a Prefeitura de Manaus, 15 correm para ser o ‘escolhido’, e cinco deputados cobiçam o interior e Chico Preto (PSD) não descartam participar da disputa, mas são cautelosos. O vice-líder do PSD na Assembleia, Chico Preto, já colocou seu nome à disposição do partido e vem defendendo veementemente a candidatura própria e, inclusive, afirmou que a sigla tem musculatura e nomes para disputar o cargo. Na tentativa de abocanhar o Executivo municipal, vale marchar sozinho, promover rachas internos nas legendas e até mesmo pedir licença dos trabalhos no Legislativo para se dedicar integralmente à campanha. Disputa no Congresso Em Brasília, entre os oito deputados federais cinco Sabino Castelo Branco (PTB), Henrique Oliveira (PR), Pauderney Avelino (DEM), Rebbecca Garcia (PP) e Francisco Praciano (PT) - já são virtuais pré-candidatos. Sabino, Rebecca e Praciano estão aguardando as definições do arco de alianças que tem como base o PSD, PMDB e PT para decidir se mantém as candidaturas “de pé”. “O PP tem força o suficiente para lançarmos um candidato próprio, inclusive pode ser eu, e não vamos ser coadjuvantes nas eleições”, avaliou a líder do PP no AM, Rebbeca Garcia. Os deputados que atualmente fazem oposição à atual administração municipal - Henrique Oliveira (PR) e Pauderney Avelino (DEM) também garantiram que serão os respectivos pré-candidatos dos partidos. Eles informaram que a intenção é coligar com outras siglas, mas que as definições serão anunciadas em julho. “A população poderá escolher se quer ‘de novo’ ou ‘o novo’. Nós (PR) representamos ‘o novo’ e estamos na disputa para vencer em Manaus”, argumentou Henrique. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), é a virtual pré-candidata ao Executivo de Manaus por sua legenda. Entretanto, ela aguarda a definição de Eduardo Braga (PMDB).

Líder do PP, deputada Rebecca Garcia disse que seu partido não será coadjuvante nestas eleições

Interior também é cobiçado Enquanto a maioria dos parlamentares corre para disputar a Prefeitura de Manaus, os deputados estaduais Wilson Lisboa (PCdoB), Sidney Leite (DEM) e Luiz Castro (PPS) querem ser prefeitos mais uma vez, só que de prefeituras do interior do Estado. Eles já estiveram à frente, respectivamente, dos municípios de Fonte Boa, Maués e Envira, e contarão com o eleitorado “cativo” para retornar às bases. O comunista conta com o auxílio do pai, Sebastião Lisboa, que também já foi

prefeito do município, mas pode ser barrado pela Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº135/2010) por ter tido sete prestações de contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM). “Cabe ao PCdoB ‘fazer’ meu sucessor para a Aleam porque meu objetivo é retornar para o comando de Fonte Boa”, disse o deputado. Enquanto Lisboa tem “passe-livre” dentro do partido para as próximas eleições, os deputados Sidney Leite e Luiz Castro estão enfrentando dificuldades

dentro das legendas para ingressar na disputa. Em Maués, o DEM articula uma aliança com o PR para pré-candidatura de Humberto Michiles, tendo como possível vice o deputado Sidney Leite. O PPS também já tem outros planos para o deputado Luiz Castro. Cotado para disputar a prefeitura de Envira, ele tem enfrentado resistência de alguns militantes da legenda e pode optar em disputar o Executivo de Eirunepé. “Tudo ainda está muito cedo e não há nada definido”, desconversou Castro.

O sonho de chegar à prefeitura Tendo como plataforma de campanha projetos apresentados no Legislativo, os deputados estaduais Vicente Lopes (PMDB) e Francisco Souza (PSC) devem disputar as prefeituras de Presidente Figueiredo e Iranduba. O peemedebista já se candidatou uma vez para comandar a “terra das cachoeiras” e desistiu outras três vezes antes da campanha iniciar. Segundo ele, seu nome está na disputa tendo como projeto melhorar a área de saúde do município. “Na nossa gestão, não haverá descaso”, disse ao anunciar sua candidatura. O deputado Francisco Souza (PSC) vem anunciando a virtual précandidatura à Prefeitura de Iranduba desde antes da inauguração da ponte Rio Negro. Autointitulando-se “o pai da ponte” por ter defendido a ideia há mais 10 anos, o deputado aposta na popularidade alcançada com a inauguração da obra para abocanhar a prefeitura daquele município. Mas, a disputa não vai ser fácil, pois dentro de seu grupo político há outros pré-candidatos, como o ex-deputado estadual Liberman Moreno (PHS); com o presidente da Câmara do município, vereador Paulo Bandeira (PSDC), e os secretários municipais Rose Ebling (PSD) e Hermes Maramalgo (PSD).


A6

Política

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

ARQUIVO EM TEMPO/BRENO FREITAS

Cláudio Humberto COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS

www.claudiohumberto.com.br

É impossível ser este ano” PRESIDENTE DA INFRAERO, Gustavo Vale, descartando novo leilão de aeroportos em 2012

Governadores querem abafar CPI de Cachoeira Com as ramificações do escândalo envolvendo Carlinhos Cachoeira se estendendo a outros partidos, governadores e prefeitos têm acionado lideranças na Câmara na tentativa de abortar a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigará as tratativas do bicheiro. Eles temem que a “politização das investigações” prejudique candidatos e alianças fechadas para as eleições municipais deste ano. Nome sujo Autor do requerimento para criar a CPI, Protógenes Queiroz (PCdoB) garante ter amplo apoio dos líderes: “A Câmara precisa limpar o nome”. Segundo inquérito Disputam a relatoria da CPI de Cachoeira os tucanos Fernando Francischini, delegado da PF, e Carlos Sampaio, promotor de Justiça. Interessados No PMDB, já declararam interesse em participar da CPI os deputados Fábio Trad (MS), Íris de Araújo (GO) e Francisco Escórcio (MA). DEM tá dentro O deputado Pauderney Avelino, um dos primeiros do DEM a assinar requerimento pela criação da CPI, também quer uma vaga. DF: PM finge que trabalha e engana comando O governo petista do DF enfrenta grave problema de falta de comando e até de indisciplina na Polícia Militar, e a Secretaria de Segurança Pública já percebeu: a pretexto da ”operação-tartaruga” que pressiona por melhores salários, embora já sejam os mais bem pagos do Pais, os PMs ficam aquartelados quan-

do estão escalados, e saem às ruas apenas os que recebem adicional de R$ 250 por dia para trabalhar na folga. Como estes são minoria, quase não se vêem policiais nas ruas. Enganação A PM não registra ausência de policiais ao trabalho, e divulga que “tudo está dentro da normalidade”, mas na prática a teoria é outra. Celebração do crime A cada recorde na criminalidade, os chefes da ”operaçãotartaruga” da PM-DF insulta a população com emails de comemoração aos jornais. Coisa de bandido O secretário de segurança do DF, Sandro Avelar, não se conforma com PMs comemorando a criminalidade no DF: “Isso é coisa de bandido”. Decadência A indicação de Marta Suplicy para embaixada em Washignton revoltou diplomatas de carreira, que sem padrinho levam 15, 20 anos para alcançar posto tão cobiçado, e já teve nomes como Joaquim Nabuco, Oswaldo Aranha, Roberto Campos e Marcílio Marques Moreira. Família estatal O nepotismo voa na Infraero: documentos em poder da Coluna mostram filhas, irmãos e sobrinhos de diretores e gerentes em meteóricas promoções salariais de quase 100%. A contratação de consultoria para reestruturação dorme há 1 ano na gaveta. Ponto de encontro Para o vice-presidente da Caixa, Geddel Vieira Lima (PMDB), o deputado Antônio Imbassahy (PSDB) pode ser o “ponto de encontro” das oposições nas eleições municipais para a capital baiana.

PODER SEM PUDOR

Confissão a jato Joaquim Felizardo era um velho militante e foi logo preso, no golpe de 1964. Aguardava a vez de ser interrogado no corredor do Dops, ao lado de outro suspeito de ser comunista, um advogado gay, quando o delegado gritou: - Tragam o pederasta e o comuna! Progressista, mas nem um pouco politicamente correto, Felizardo deu um salto à frente para confessar rapidinho: - Doutor, o comunista sou eu, hein?

Jornalista

Na torcida Líder do PSD, Guilherme Campos (SP) diz estar “bem encaminhado” o acordo para o secretário de Educação, Alexandre Schneider, ser o vice de José Serra em São Paulo: “Ele tem a confiança do candidato”. Cerco no tráfico O vice-presidente Michel Temer e os ministros Celso Amorim (Defesa) José Eduardo Cardoso (Justiça) organizam para os dias 14 e 15 de maio a operação Ágata 4, que combaterá o tráfico de drogas em Oiapoque (AP), Tiriós (PA), Boa Vista e Surucucu (RR) e Manaus (AM). Na caixinha A Secretaria de Direito Econômico, do Ministério da Justiça, vai investigar cinco fabricantes de laticínios do Rio Grande do Sul por suposto cartel do leite C: preços iguais e aquele gosto de água... Paradise lost Diante da avalanche de pedidos de vistos, a embaixada dos EUA decidiu dificultar um pouco para os brasileiros, além de subir o preço: antes em português, o formulário on-line DS-160 voltou a ser em inglês. Preconceito amarelo Empresários brasileiros voltaram à China certos de que os US$ 1,4 trilhões depositados no Banco de Desenvolvimento local para investimentos no exterior teriam o Brasil como preferência não fosse o preconceito do governo pela compra de terras por chineses. Façam suas apostas... Carlinhos Cachoeira garante: neste domingo de Páscoa, vai dar coelho.

Deputado estadual Chico Preto mudou sete vezes de partido em 19 anos de carreira política

Políticos do AM ignoram a infidelidade partidária Apesar de decisões rígidas para barrar o troca-troca, a classe política segue mudando de sigla conforme a conveniência MEG ROCHA Equipe EM TEMPO

M

esmo com resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 22.610/2007, que disciplina o processo de perda de cargo eletivo e de justificação de desfiliação partidária, ou por causa dela, o troca-troca de partido ainda é uma realidade nas casas legislativas do Estado. No Parlamento estadual e municipal metade dos deputados e vereadores já mudaram de “habitat político” pelo menos três vezes no decorrer da carreira política, conforme informações disponibilizadas nos sites das instituições e do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM). Na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), dos 24 deputados estaduais, 11 se desfiliaram dos partidos originais, e na Câmara Municipal de Manaus (CMM), dos 38 vereadores, 15 também já o fizeram. Dos legisladores estaduais, Marco Antônio Chico Preto atualmente filiado ao PSD -, passou por sete partidos em 19 anos de carreira política: PCN, PSC, PFL, PPS, PMDB, PP. Para o governista, o fato de ter mudado de partido várias vezes não modifica a visão do eleitor em relação ao político, pois, ele acredita que as pessoas votam na conduta do parlamentar e no contraponto que este faz. “Não vejo

como inconstância as minhas saídas dos partidos, apenas acompanho o grupo político a que pertenço. As desfiliações e filiações fazem parte das composições partidárias do momento e, em algumas circunstâncias, é uma questão de sobrevivência”, admitiu. Ele ressaltou que nunca se filiou em legendas contrárias às ideologias que fundamentam sua vida política. O deputado Josué Neto (PSD) é o segundo no ranking de “pula-pula” de partidos. Ele

CONVENIÊNCIA

O deputado estadual Josué Neto, hoje no PSD, entrou na vida política pelo extinto PFL. Após se eleger vereador, ele ingressou no PSB, que tem uma ideologia diferente. Depois foi para o PMN iniciou sua carreira partidária no extinto PFL e, em 2006, quando era vereador de Manaus, num giro de 360 graus, ingressou no PSB de Serafim Corrêa, que era o prefeito à época. Nesse mesmo ano, ele se elegeu deputado estadual pelo PSB. Menos de quatro anos depois, em 2009 filiou-se ao PMN – antigo partido a que pertencia o atual governador do Estado. Quando Omar Aziz resolveu fundar o PSD no Amazonas,

no ano passado, Josué Neto também o acompanhou e hoje integra a base de sustentação do governador na Assembleia Legislativa. Dentre os que trocaram de partido em uma média de duas a três vezes, na Aleam, está o deputado Belarmino Lins (Belão), que trocou o PFL pelo o PTB, e por fim, se fincou no PMDB, e a deputada Conceição Sampaio (PP), que em 2004 candidatou-se pelo PTdoB a uma vaga na CMM, tendo sido eleita com quase 8 mil votos. A deputada em abril de 2005 filiou-se ao Partido Progressista (PP), tornandose sua líder na CMM. Câmara No Parlamento Municipal, o vereador Mário Frota (PSDB), que mudou de partido por seis vezes - MDB, PMDB, PSB, PSDB, PDT e PSDB -, disse que o fez por coerência política, tendo em vista, que as legendas pelas quais passou eram todas de esquerda. “Mudei por coerência ideológica esquerdista e sempre enfrentei os caciques, porém, a maioria dos políticos muda para ficar mais perto do poder porque é duro estar na oposição”, disse. Para a vereadora Mirtes Sales (PPL), os princípios de um partido motivam os pretensos filiados a se alistarem à causa, mas, as alianças firmadas com os outros, dificultam a permanência neles. A vereadora foi do PPS, PP e agora está no PPL.

Partidos viram moeda de troca O vereador, Luiz Alberto Carijó (PDT), observou que as constantes trocas de partidos confirmam a natureza temporária das siglas, denominados pelo governista de ‘partidos de aluguéis’. “As filiações são arranjos eleitorais por aqueles que guiam os demais. Os partidos políticos não são ideológicos, e estão longe de ser, porque as modificações nesse meio só irão ocorrer quando a militância for democrática”, disse. Ele acrescentou que os eleitores votam em um representante, em uma pessoa, e não, necessariamente, numa bandeira. O governista transitou pelo PPB, PFL, PTB, e agora está no PDT. Carijó alertou ainda que a fidelidade partidária será

um dos resultados da reforma política, pois, depois de executados os ajustes, os partidos serão fortalecidos. “Pergunto: quantos candidatos leem o estatuto de seu partido? Porque os próprios partidos precisam consolidar suas diretrizes, mas não como uma ditadura partidária, mas, de forma que o indivíduo queira adequar seu projeto individual ao partidário”, atentou. O líder da bancada governista na CMM, vereador Leonel Feitoza (PSD), disse que sua decisão de mudar de partido se deu por simpatia ideológica com a legenda ou com o fundador. Ele lembrou que, quando foi do PDT seguiu o senador Jefferson Péres, no PSDB, o ex-senador Arthur

Neto, e no PSD – partido a que pertence atualmente -, se guiou pelo governador Omar Aziz, de quem se disse amigo pessoal. Cautela Para o especialista em legislação eleitoral, Leland Barroso de Souza, com a resolução do TSE nº 22.610/2007, as trocas de partidos por mera conveniência tendem a resultar na perda de mandato, pois, nem todas as justificativas são interpretadas como ‘justa causa’. “É preferível ser expulso do partido do que perder o cargo, por conta disso, os políticos precisam ficar preocupados com as idas e vindas dentro dos partidos”, atentou.


Com a palavra

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

A7

FOTOS: ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Caso BRUNO

‘Nunca IREMOS perdoá-lo’ ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

Q

uinze dias após perder os filhos vítima de um crime passional, os pais de Bruno Menezes de Souza e de Everton Marreiros Dias, ambos com 18 anos de idade, receberam a equipe do EM TEMPO onde falaram pela primeira vez sobre os assassinatos. Ainda abalados com a situação, o autônomo Sebastião Pereira de Souza, 45 e a dona de casa Francinete Olímpio Menezes, 42, pais de Bruno; e Francisco de Assis dos Anjos, 36 e Eugênia Silva Marreiros, 35, pais de Everton, revelaram que as famílias não se conformam com as perdas, e que a prisão do acusado, o policial militar Marcos Marques, 27, não foi o suficiente para aliviar o sofrimento. Na busca por justiça, as duas famílias ressaltam que não irão se calar até que todos os culpados sejam presos, julgados e condenados. Os jovens, que foram sequestrados e assassinados no dia 25 de março na rua Comendador Clementino no Centro, Zona Sul, foram mortos com requintes de crueldade e sem direito a defesa.

Não temos mais ânimo para viver. Depois do crime jamais conseguimos ter uma noite tranquila. O Bruno morava na casa da avó paterna, mas éramos muito unidos e presentes na vida dele. Quando entramos em casa sentimos um vazio grande. Não conseguimos comer ou ir ao trabalho”

EM TEMPO - As duas famílias estão enfrentando uma situação difícil com a perda de Bruno e Everton. O que mudou na rotina de vocês após o crime? Pais de Bruno – Não temos mais ânimo para viver. Depois do crime jamais conseguimos ter uma noite de sono tranquila. O Bruno morava na casa da avó paterna, mas éramos muito unidos e presentes na vida dele. Quando entramos em casa sentimos um vazio grande. Não conseguimos comer ou ir ao trabalho. Vivemos dias longos e difíceis, e se não fossem os outros dois filhos que temos nada mais valeria a pena. Pais de Everton – Faltam forças para levantarmos da cama. Também não temos mais alegria para nada. O Everton era o homem da casa e nosso apoio. Rapaz trabalhador, estudioso, esforçado e um bom filho. Morreu vítima de uma covardia sem tamanho. Nossa meta agora é lutar para que a justiça seja feita e esse assassino pague pelo crime que cometeu. Destruiu duas famílias, e nada que aconteça trará nossos meninos de volta. EM TEMPO - Investigações preliminares da polícia apontam que Bruno foi vítima de um crime passional, pois mantinha um relacionamento amoroso com a ex-mulher de um policial e

Everton “morreu de graça” porque estava na companhia do amigo. Vocês sabiam desse relacionamento? Pais de Bruno – Não, nosso filho era um garoto fechado, jamais falava sobre namoradas em casa. Sabíamos que ele paquerava e ficava com meninas, como todo rapaz dessa idade. A avó dele sempre o via conversando ao telefone, mas não questionava. Se soubéssemos que ele tinha esse relacionamento com a ex-mulher de um policial, teríamos proibido. Só depois do crime soubemos que, na véspera do dia em que eles foram sequestrados, o Bruno passou a noite na casa dessa mulher chamada Joseane. Pais de Everton – Apesar dos nossos filhos serem muito amigos, o Everton nunca comentou nada em casa. Também não sabíamos sobre esse relacionamento do Bruno. Realmente, o nosso filho morreu sem ter nada a ver com essa história. No dia do crime, falamos com o Everton por volta de 21h30, e ele disse que estava na quadra da Escola Estadual Ribeiro da Cunha, mas que voltaria logo para casa. Horas depois recebemos a notícia de que nosso menino tinha sido assassinado. EM TEMPO - Vocês sabiam de alguma ameaça que eles estariam recebendo do suposto assassino? Pais do Bruno – Não. Nunca nem soubemos que nosso filho tinha relacionamento com essa mulher. Ninguém nunca nos avisou que ela tinha sido casada com um policial militar. Jamais imaginávamos que o Bruno estava correndo esse perigo. Na tarde do dia do crime roubaram o celular do Bruno quando ele jogava bola em uma quadra de futebol aqui perto de casa. Temos suspeitas de que isso já era armação do Marcos para evitar que o Bruno entrasse em contato com a Joseane. Esse homem, de mente doente, ficou rondando a quadra onde os meninos se divertiam, e, em seguida os sequestrou. Ficamos durante quatro dias à procura do corpo do nosso filho, sem saber se ele estava vivo ou morto. E, quando o encontramos assassinado daquela forma, em uma estrada do Distrito Industrial, foi um choque. Ficamos imaginando o quanto ele sofreu e foi torturado. Pais de Everton – Não sabíamos de nada, apesar de conversarmos muito com o Everton, ele jamais mencionou algo sobre o assunto. Esse policial agiu de forma covarde e achou que, por se tratar de famílias humildes, faria um crime perfeito, mas não iremos nos calar

diante dessa tragédia. Iremos buscar justiça até quando tivermos forças. EM TEMPO - Com essa tragédia na vida de vocês, as famílias pretendem sair da cidade ou se mudar de casa? Temem ameaças de amigos do acusado? Pais do Bruno – A casa onde ele morava com a avó está sem alegria, assim como os nossos corações. Ninguém consegue mais entrar naquele local sem que sinta a presença do Bruno em todos os cantos. A avó dele, de 85 anos, chora dia e noite chamando pelo neto. Todos nós estamos desolados, ninguém sabe mais o que fazer da vida. Tudo ficou um vazio. A única certeza que temos é que não iremos deixar esse crime cair no esquecimento. Vamos fazer passeatas e manifestações pedindo que a morte dos meninos seja investigada com rigor. Tememos, sim, pela nossa segurança. Logo após o sequestro do Bruno, vimos carros descaracterizados rondando a entrada da vila. Tememos pela segurança dos nossos outros dois filhos, mas entregamos tudo nas mãos de Deus. Pais do Everton - O cheiro do Everton ainda está aqui nesta casa. Entrar no quarto dele e ver a cama vazia nos faz sentir uma dor muito grande. Não temos força para trabalhar ou dar continuidade à vida. O Everton tem uma irmã menor de idade e, essa responsabilidade é que nos tem feito levantar todos os dias. A pretensão é que a família se mude de casa, por conta da lembrança que temos dele, e também por questões de segurança. EM TEMPO - Na opinião de vocês, como estão sendo tratadas as investigações sobre o crime. Acreditam na imparcialidade da polícia? Pais do Bruno – Até o momento estamos sendo bem recebidos nas delegacias e locais aonde estamos indo pedir ajuda. Também não temos o que questionar sobre o trabalho da polícia. Nossa maior alegria depois dessa tragédia foi saber da prisão do Marcos, mas esperamos que essa atitude seja mantida de forma rígida e a justiça prevaleça. Também queremos que os outros comparsas, que estavam com ele no carro no dia em que levaram nossos filhos, também paguem pelo mal que cometeram a todos. Pais de Everton – Estamos confiantes no trabalho da polícia, mas queremos que esse policial seja exonerado da corporação e pague pelo crime como o criminoso que ele é. A perícia da polícia foi feita no

carro dele e ficou comprovado que o sangue encontrado na mala do veículo era do Bruno. Já está mais do que provado o envolvimento dele no caso. EM TEMPO - Logo após a morte dos jovens, a Joseane se mudou do local escoltada por policiais militares e teria supostamente retomado o relacionamento com o ex-marido. Como vocês estão acompanhando essa situação? Pais do Bruno – Ela está tão envolvida nessa história tanto quanto o Marcos, e também deveria estar presa, afinal foi por culpa dela que ocorreu essa tragédia. Soubemos por intermédio de vizinhos que ela saiu de casa logo após o crime em um carro da polícia e nunca mais voltou. Não sabemos se ela voltou para o ex-marido, mas todos viram que ela saiu de casa na companhia dele e por livre e espontânea vontade. Pais de Everton – Estávamos em casa velando o nosso filho quando ela desceu a rua escoltada por duas viaturas. Ela estava com o filho, que ela tem com o policial, nos braços. Pegou um táxi e saiu acompanhada por dois carros da PM. Foi embora como se nada tivesse acontecido, mesmo sabendo que o tinha sido o “pivô” da morte de dois jovens. No dia seguinte, a viatura da polícia VTR – 256171 foi até a casa da Joseane e fez a mudança dela. Sendo que esse serviço foi realizado em horário de expediente com policiais fardados e usando o carro da instituição. EM TEMPO - Se vocês pudessem ficar frente a frente com o Marcos o que falariam para ele. Seria possível perdoá-lo? Pais do Everton – Não queremos passar por esse momento. A dor que esse homem nos causou foi tão grande que temos medo da nossa reação, caso tivéssemos a oportunidade de ficarmos cara a cara com ele. Logo após o crime pensamos em fazer justiça com as próprias mãos, mas hoje percebemos que Deus não irá nos falhar e queremos ter força para estarmos no julgamento desse policial. Queremos vê-lo na cadeia pagando pelos crimes. Pais do Everton – Nunca iremos perdoá-lo. Sabemos que esse sentimento de ódio é ruim, mas é isso que sentimos. Tirou a vida de dois jovens que estavam começando a vida. Se encontrássemos com ele iríamos apenas perguntar por que ele fez isso com o nosso filho. Sabemos que nada irá trazer o Everton de volta para casa, mas nos conforta em saber que o acusado irá ficar na prisão.

Nosso filho morreu sem ter nada a ver com essa história. No dia do crime, falamos com Everton por volta das 21h30 (...). Horas depois recebemos a notícia de que tinha sido assassinado”

A dor que esse homem nos causou foi tão grande que temos medo de nossa reação, caso tivéssemos a oportunidade. (...) Queremos ter força para estarmos no julgamento desse policial”


A8

Política

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Legisladores têm como meta cargos no Executivo Já se tornou comum vereadores ou deputados se elegerem de olho em uma secretaria na administração pública MOARA CABRAL Equipe EM TEMPO

A

alternância de políticos, ora no legislativo ora em algum cargo do executivo, tem se tornado comum no campo político amazonense, principalmente na capital. Dos atuais secretários municipais, pelo menos três já exerceram funções no Legislativo municipal e pretendem disputar o pleito novamente. Outros seis, embora atuantes em seus partidos, como é o caso do exsecretário Vital Melo (PT) e do secretário da Juventude André Souza (PSDC) devem entrar na disputa pela primeira vez. Os secretários municipais de Educação, Mauro Lippi, de Inclusão Socioeducacional (Bolsa Universidade) Rony Siqueira, da Juventude, André Souza, da Saúde Francisco Deodato, e de Assistência Social, a subsecretária Marlúcia Souza, até a última sextafeira ainda aguardavam suas exonerações para disputarem estas eleições. Arlindo Júnior e Thomé Mestrinho (Manaustur), Fabrício Lima (Semdej) e Sildomar Abtibol (Semasdh) já foram exonerados dos car-

gos e devem disputar as próximas eleições. Não é exagerado dizer que os cargos servem como trampolim para os políticos, uma vez analisada a história da política local, em que em um determinado momento o político exerce o cargo de legislador e num outro de executor, como acontece com o ex-secretário municipal Sildomar Abtibol, que já ocupou por quatro vezes uma vaga no Legislativo municipal: nos anos de 1991-1992 como suplente e, em 1996, 2001 e 2005 como vereador. Ele não conseguiu se reeleger nas eleições de 2008, mas como consolo faturou a direção da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh). Função que exerceu até a semana passada, quando foi exonerado do cargo a pedido para participar do processo eleitoral mais uma vez. Assim como Abtibol, Thomé Mestrinho (PMDB), ex-vice-diretor da Fundação Municipal de Turismo (Manaustur), também sonha em conseguir uma vaga no Legislativo. Em 2010, ele disputou o pleito para a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), sem sucesso.

HUDSON FONSECA

Falta pressão da sociedade

Abtibol sonha em reaver sua cadeira no Legislativo municipal

Expectativas de última hora O secretário de Educação, Mauro Lippi, ainda não confirmou sua candidatura, mas há especulações de que ela ocorra de fato. Diferentemente dos políticos acima citados, Lippi, que é médico, começou sua trajetória como diretor-geral do Hospital Geral Adriano Jorge, além de dirigir o serviço de Assistência a Saúde dos Servidores Públicos do Município de Manaus (ManausMed) entre 2009 e 2010.

Logo em seguida assumiu a secretaria de Educação. A subsecretária da Semasdh e pré-candidata a vereadora de Manaus, Marlúcia Souza – irmã dos deputados Carlos e Fausto Souza - já trabalhou como assessora parlamentar no Legislativo estadual de 1999 a 2008, sendo que entre 2006 e 2008 exerceu a função de secretária na Secretaria Geral do Legislativo estadual. Também foi subsecretária da Defesa Civil do Município.

Para o analista político Celso Corsino esse círculo, ora no Legislativo ora no Executivo, se dá pelos inúmeros cargos de confiança que são criados, onde o Plano de Cargos e Carreira vai aos poucos sumindo da administração pública. Outro fator analisado por Corsino é a falta de pressão da sociedade, que por estar despolitizada confunde algumas ações mal intencionadas, como algo em prol da população realmente, “o que está longe de ser”. Segundo ele, os parlamentares estão deixando de exercer sua função como legislador de fiscalizar o Executivo. “Estão deixando de ser representantes do povo, que os elegeu, e estão passando a ser representantes do Executivo, por isso, essas mudanças ficam difíceis de acontecer, como a queda da quantidade de cargo

de confiança”, alertou. De acordo com a análise do cientista político Almir Menezes, o parlamentar quando passa a assumir uma secretaria, por exemplo, ganha muita visibilidade, enquanto legislador ele pode fiscalizar e até direcionar uma verba pública com emendas. Mas, enquanto secretário ele pode criar uma ligação direta com o eleitor, direcionar a verba de forma instantânea. Segundo ele, assumir uma secretaria é muitas vezes uma estratégia de deixar o suplente no cargo de vereador, mas continuar tomando as decisões e “como um secretário tem um poder muito grande nas mãos, e após sua gestão, em meio a um ano eleitoral, ele volta à Câmara Municipal com uma visibilidade política eleitoral, é uma posição bastante cômoda”, explicou o analista.


Caderno B

Economia MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

economia@emtempo.com.br

(92) 3090-1045

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Azeite tem ingrediente amazônico

Economia B3 DIVULGAÇÃO/STCK

Linhão vai operar a partir de outubro Conforme a Manaus Transmissora de Energia, a obra, que segue a todo o vapor, promete ser a redenção para os problemas energéticos da região ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

A

seis meses de começar a operar comercialmente, o Linhão de Tucuruí, que vai fazer a ligação de Manaus ao Sistema Interligado Nacional (SIN), avança a todo vapor com 64% de suas obras concluídas. A empreitada promete ser a redenção para os problemas energéticos da região. Segundo informações da responsável pela obra, Manaus Transmissora de Energia, a construção do linhão encontra-se em pleno andamento, com atividades em todo o seu trecho e nas subestações, onde 3,7 mil funcionários diretos se desdobram para concluir o empreendimento. “A obra está com 100% dos equipamentos e materiais comprados. O período de chuvas está bastante acentuado este ano e interfere no andamento das atividades, mas estamos trabalhando para equalizar essa diferença no período seco que se aproxima. A projeção é de que o linhão entre em operação comercial em outubro

de 2012”, afirma o diretor técnico da empresa, Paulo Sérgio de Oliveira. O trecho que integra Manaus ao SIN tem 586 quilômetros de extensão de linha em circuito duplo de 500 quilovolts (kV), vindo da cidade de Oriximiná, no Pará, e vai até o quilômetro 22 da rodovia estadual AM010, que liga o município de Itacoatiara à capital. Além de Manaus e Itacoatiara, o projeto vai beneficiar o sudeste do Amazonas, inclusive os municípios de Silves, São Sebastião do Uatumã, Rio Preto da Eva, Urucará e Nhamundá. Em 2011, o governador Omar Aziz defendeu, durante a presença do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, a possibilidade da rede de energia dos municípios do Baixo Amazonas ser integrada ao Linhão de Tucuruí. Na ocasião, o ministro acenou positivamente à proposta. “Vamos procurar rebaixar essa energia, procedimento extremamente caro, para atender aquela região e tudo mais que puder ser feito, nós vamos fazer”, enfatizou, à época, o ministro.

Sistema pode ser estabilizado A estimativa da Manaus Transmissora de Energia é de que, com a interligação de Manaus ao SIN, o sistema elétrico da capital amazonense seja estabilizado. Segundo a empresa, o fim do sistema isolado traz maior confiabilidade no fornecimento de energia e aumenta o potencial de ampliação do parque industrial nos municípios amazonenses. Ao todo, o Linhão de Tucuruí terá

mais de 1,8 mil quilômetros de extensão e custará em torno de R$ 1,3 bilhão. Das oito subestações que estão previstas, duas serão construídas no Amazonas, sendo uma em Manaus e a outra em Silves, ambas com 500 quilovolts (kV). Desde o início das obras, a construção gerou mais de 4 mil empregos diretos e 5 mil indiretos, conforme dados da Manaus Transmissora de Energia.

Torres mais altas do país Considerada como atípica para os padrões normais e de extrema complexidade técnica, a obra de implantação do Linhão de Tucuruí “força” a adoção de estratégias audaciosas para vencer os desafios característicos de se construir na Amazônia. Uma delas foi a construção de torres de 180 metros de altura, as mais altas do Brasil em transmissão de energia, para poder superar as travessias sobre os rios amazônicos. Outro obstáculo foi a falta de estrutura local e de logística apropriadas que levou a implantação dos canteiros de obras

para dentro da selva. O regime das águas (chuvas e nível dos rios) também interferiu para aumentar a complexidade da obra. “Estamos falando de um empreendimento na Amazônia e que atravessa regiões isoladas. Essa obra demonstra o elevado nível da engenharia brasileira”, destaca o diretor técnico da Manaus Transmissora, Paulo Sérgio de Oliveira. Segundo Oliveira, a empresa tem preocupação constante com a questão ambiental e com resgate do patrimônio cultural, empregando pessoas especializadas na área de arqueologia.


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Real chega à maioridade Prestes a completar 18 anos, a “jovem” moeda brasileira conseguiu reduzir gradualmente as taxas de inflação de 1.800% para 6%, ao ano, o que fez com que a classe “C” conquistasse o seu espaço no mercado e, com isso, poder de consumo REPRODUÇÃO

ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

V

isto como um “divisor de águas” na história econômica do Brasil, ao completar 18 anos, em 2012, o Plano Real chega à maioridade com características pouco inerentes à idade. Jovem e valorizada, a moeda nacional ganhou o respeito e a confiança de quem conseguiu dar conta do recado de reduzir a inflação e se tornar a principal “estrela” da estabilidade financeira do país. Para especialistas em finanças públicas, economistas e empresários do Amazonas, o Plano Real cumpriu com o seu objetivo, que foi o de combater a inflação “galopante” que assolou o país por décadas. Graças ao Real, o Brasil conseguiu reduzir gradualmente as taxas de inflação de 1.800% para 6% ao ano. Segundo os especialistas, essa estabilidade econômica proporcionou a distribuição de renda e a inclusão da classe “C” no mercado de consumo. “O Plano Real foi a base de toda a estruturação da economia. Ele teve e ainda tem seus desafios. O governo brasileiro está buscando unir o sistema de controle da inflação a um projeto de desenvolvimento econômico”, afirma o presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-AM), Ailson Rezende. O presidente da Federação do Comércio do Estado do Amazonas (Fecomércio-AM), Roberto Tadros, enfatiza que o Plano Real foi um marco na história econômica do país, que sofria com índices crônicos de inflação desde o governo de Juscelino Kubistchek (1956-1961). Ele destaca que o fortalecimento da moeda brasileira só foi possível graças a um processo que aliou a maturidade econômica à política. Tadros ressalta que um trabalho de vigilância é fundamental para a manutenção da moeda forte.

Crise mundial valoriza a moeda A crise econômica internacional, que tem atingido os países desenvolvidos há quase quatro anos, contribui para fortalecer o Real frente às moedas estrangeiras. Isso porque, segundo o economista e ex-secretário Mu-

nicipal de Finanças, Edson Fernandes, para enfrentar a crise, os governos dos países desenvolvidos “despejaram” uma grande quantidade de dinheiro, inundando o mercado com cédulas para estimular o consumo e as vendas

- estratégia que levou a desvalorização da moeda estrangeira diante da brasileira. Benefícios Conforme o especialista, o fortalecimento do Real, em curto prazo, beneficiou a mo-

dernização e a ampliação da indústria com a importação de maquinários novos e de grande volume de insumos. Porém, a valorização gerou outro problema, do qual praticamente todos os setores da economia reclamam hoje:

a concorrência dos importados com a produção nacional. “O Real está sobre valorizado e mais forte do que deveria de fato custar, ou seja, um valor acima de R$ 2 em relação ao dólar”, explica Edson Fernandes.

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

Hidrovias – uma assombrosa intuição Aconteceu em Brasília, nesta semana, o II Seminário Brasil - Bélgica sobre Hidrovias, um assunto da maior relevância, que nos interessa/afeta de muito perto, e que exigiria maior envolvimento da representação parlamentar da região na arena federal das discussões/decisões políticas para o setor. O Amazonas, historicamente, tem seus ciclos de economia associados intrinsecamente à cabotagem e depende do balizamento/ dragagem de sua malha hidroviária para usufruir das vantagens socioeconômicas e ambientais dessa modalidade logística. Com as hidrelétricas do Rio Madeira, para ilustrar a questão, haverá redução da correnteza e, por consequência, maior quantidade de areia no leito do rio, comprometendo sua navegabilidade por embarcações de carga. Em todo o território nacional, a despeito das vantagens nos custos de

frete, eficácia da integração modal e eficiência ambiental, apenas 13 mil quilômetros de hidrovias estão em funcionamento num potencial econômico/logístico que supera os 40 mil. Foi a navegação fluvial/marítima adaptada às especificidades regionais que viabilizou a pujança econômica do Ciclo da Borracha e pode ser fator vital de competitividade do modelo econômico da Zona Franca de Manaus, com a integração inteligente da cadeia logística de todos os modais de transporte. Ano após ano, o Plano Nacional de Logística Portuária (PNLP) anuncia investimentos nas hidrovias da Amazônia, e que vai incrementar o modal hidroviário na matriz de transporte do Brasil de 13% para 25%. Ficamos, desde então, literalmente, a não ver navios. O governo da Bélgica, co-promotor do evento, descobriu a obviedade infraestrutural das hidrovias desde o

século XIII, data da construção de seus primeiros canais. Por isso, são os maiores especialistas do mundo no assunto, à vista de seu Produto Interno Bruto, beneficiários da inteligente opção de transporte. O Brasil priorizou o modal rodoviário, com estradas esburacadas e mal sinalizadas, onde opera 67% de sua infraestrutura de transportes, para carregar sua capacidade de produzir 50% de toda a alimentação que é consumida no mundo. Mesmo assim, o governo federal não pretende adotar o sistema de concessão nos rios brasileiros. Opta pelos caminhos viciados e ineficientes da gestão pública, admitindo, assim, o descaso ou desconhecimento com relação à História da navegação no Brasil com o Barão de Mauá, e da Amazônia com os investimentos milionários e decisivos dos estaleiros escoceses e belgas na região.

Os argentinos se anteciparam e contrataram uma companhia belga especializada em dragagem, desde 1992, que assegura por contrato e segurança a navegabilidade do Rio Paraná, desde Santa Fé até o Oceano Atlântico, por onde escoa 82% da exportação de produtos agrícolas locais, o maior tráfego siderúrgico do país, e atende a todo o movimento de carga e contêineres com origem e destino de Buenos Aires. Lá o modal hidroviário se integrará ao ferroviário para a logística competitiva de transportes da produção de potássio, a partir da prospecção de silvinita na terra do tango, fruto de investimento da Vale, uma empresa da terra do samba. As mesmas oportunidades de polo mineral de que dispomos e que nos impõe permanecer marcando passo enquanto o governo federal, desde FHC a nossos dias, renova suas boas

intenções de balizamento e dragagem das hidrovias regionais. Nesse vai e vem, elege seus aliados com promessas de revitalização da rodovia de integração do Amazonas ao resto do país. Tenha santa paciência! Contando com a conivência e/ou omissão da representação federal, seguimos com o modal precário e caro da infraestrutura de improvisação logística atual, intimamente relacionada ao boicote orquestrado de órgãos federais empenhados em impedir as iniciativas de modernização da estrutura logística e portuária local. Há 350 anos, o bandeirante Raposo Tavares descobriu os cursos dos rios Mamoré, Madeira e Amazonas. E se espantou com as oportunidades de conectar negócios a partir da imensidão de oportunidade amazônicas para os países do Atlântico Norte. Até hoje o Brasil não despertou para essa assombrosa intuição.

Alfredo MR Lopes, Filósofo e consultor ambiental

O governo federal não pretende adotar o sistema de concessão nos rios brasileiros. Opta pelos caminhos viciados e ineficientes da gestão pública”


Economia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

B3

Azeite agrega sabor amazônico LUANA GOMES Equipe EM TEMPO

P

roduto bastante utilizado na culinária brasileira, o azeite ganhou um toque amazônico com a produção a partir da pimenta murupi. Em um processo artesanal, o idealizador da iguaria, chef Fábio Silva, inicia os preparativos para industrializar o produto e “espalhar” o sabor regional para o resto do país. Com um plano de profissionalizar o processo, a partir de uma estrutura a ser construída em Iranduba até 2013, Silva considera que, com a microindústria será possível sustentar o rótulo de licença para vender o produto nas prateleiras locais. O chef diz que ainda não pode revender o azeite em larga escala, porque não possui certificações do Ministério da Agricultura e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Mesmo vendendo para proprietários de restaurantes, o produto não é usado como rótulo no estabelecimento, mas apenas como tempero. Com a industrialização e certificação do produto, Silva pretende exportar o azeite para, ao menos, seis capitais brasileiras. Segundo idealizador do azeite amazônico, em novembro e dezembro passados, foram vendidas em torno de 140 garrafas pelo valor de R$ 50, o litro, por conta das ceias natalinas. No

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Chef amazonense iniciou a fabricação do tempero a partir da pimenta murupi início do ano, o número teve uma queda, mas ressurgiu por conta da Páscoa. A vice-presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amazonas (Abrasel-AM), Lílian Guedes, a iniciativa vem em um momento de elaboração de projetos para apresentar um cardápio com a cara do Amazonas nos restaurantes locais, na tentativa de atrair os turistas

META

Até 2013, o chef amazonense Fábio Silva pretende construir uma microindústria, em Iranduba, para produzir em larga escala o “azeite amazônico” e atender, ao menos, seis capitais brasileiras estrangeiros com “sede” de provar as iguarias regionais. Divulgação Fábio Silva destaca o apoio da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) para realizar exposições do produto e divulgar a marca, hoje chamada de Amigos da Floresta. O próximo passo é alavancar o negócio a partir de financiamento junto à Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam).

Iguaria regional no processo Fábio Silva explica que, para chegar ao azeite de murupi, ele iniciou outras produções com a utilização de ingredientes regionais. Em 2009, ele deu início ao processo de desenvolvimento do sorvete de tacacá, a partir do qual ele foi agregando ingredientes para chegar ao seu objetivo – um produto com sabor amazônico. “A pimenta foi o principal obstáculo, então eu tentei usar várias alternativas”, diz. À época, Silva procurou potencializar seu conhecimento sobre azeite ao participar de cursos na região paulista. Após os cursos, ele conseguiu encontrar a pimenta para seu sorvete e uma nova fórmula: o azeite de murupi. Segundo ele, o produto, ela-

borado para complementar sua primeira idealização, acabou se sobressaindo e ganhou a própria identidade. Nesse processo, de acordo com o chef, foram investidos em torno de R$ 5 mil. Atualmente, Silva analisa a produção de um óleo estritamente regional, fabricado a partir da palmeira, mas ainda com o uso do murupi. “Existem testes nutricionais sendo elaborados em parceria com a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) para estudar os valores de alguns óleos de palmeira e verificar se eles atendem na cozinha”, explica, ao salientar que o azeite de palmeira passaria pelo mesmo processo do azeite de murupi.

INVESTIMENTO

5

MIL REAIS

É o valor gasto até agora pelo chef Fábio Silva no processo de produção do azeite de murupi


B4

Economia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

DIVULGAÇÃO

Setor de bebidas ‘aquece’ para atender à Copa 2014 Indústria local projeta alta de até 7% na produção de refrigerantes, água e bebidas alcoólicas para atender ao Mundial REPRODUÇÃO

RICHARD RODRIGUES Equipe EM TEMPO

C

om a proximidade da Copa do Mundo de 2014, a indústria local de bebidas começa a preparar o meio de campo para “fazer um gol de placa” no período. A projeção das empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM) é uma alta de até 7% na produção de refrigerantes, água e bebidas alcoólicas para atender à demanda aquecida do Mundial. Conforme a Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), a Copa, assim como os eventos que ocorrem no Estado, deverão favorecer a produção de bebidas nas indústrias locais, tanto que algumas unidades fabris, como é o caso da Coca-Cola, deram o “start” para atender à demanda pelo produto fabricado em Manaus. “Diante do bom momento, esperamos um avanço entre 5% e 7% para as indústrias do segmento”, projeta o presidente da entidade, Antônio Silva. Silva diz que neste ano a produção deve dar os primeiros sinais de alta na atividade, quando as empresas intensificarão suas produções para abastecer o mercado. “O segundo semestre de cada ano sempre é promissor no que diz respeito à produção de bebidas, por isso acreditamos que com o Festival de Parintins e demais eventos que o Estado vai sediar, as atividades no setor alcancem entre 5% e 7%, mesmo desempenho esperado para o ano da Copa”, salienta. A Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) também está otimista com os benefícios que a Copa do Mundo pode trazer à indústria amazonense. “O segmento de bebidas tem registrado aumento de faturamento, ano a ano e, a julgar por essa

tendência e com base ainda na Copa, é possível fazer uma projeção otimista quanto aos indicadores de produção, faturamento e geração de empregos”, observa o superintendente adjunto de Projetos Industriais da autarquia, Gustavo Igrejas. O superintendente destaca, ainda, que a Suframa intensificará o processo de busca por novos investimentos para o PIM, o que inclui a prospecção de novas empresas do ramo de bebidas em território amazonense. ‘Saltos’ do setor No período de 2007 a 2011, o

Diante do bom momento, esperamos um avanço entre 5% e 7% para as indústrias do segmento de bebidas de Manaus Antônio Silva, presidente da Fieam

setor de bebidas do Polo Industrial de Manaus (PIM) registrou aumento no faturamento de mais de 211%. O segmento saltou de US$ 84 milhões em 2007 para US$ 262 milhões no ano passado, segundo dados divulgados pela Suframa. A produção de concentrados para bebidas não alcoólicas também apresentou crescimento expressivo no período analisado (89,14%). Quanto aos trabalhadores empregados nas indústrias do setor, em janeiro deste ano, o segmento registrou 1.634 empregos. Somando-se às fábricas que produzem os concentrados, a estimativa é de quase 3 mil empregos.

Setor de bebidas local registrou aumento de 211%, entre 2007 e 2011, conforme indicadores divulgados pela Suframa

Aporte bilionário para indústria de Manaus A indústria nacional de bebidas vai receber aporte bilionário até 2016. A Coca-Cola vai investir R$ 16 bilhões no país na construção de novas fábricas em território nacional. O volume apresentado para o período é 50% superior ao total destinado ao país nos últimos cinco anos. Do total, em torno de R$ 3 bilhões serão investidos ainda neste ano. O presidente da multinacional para a América Latina,

José Octavio Reyes, espera um crescimento “único” nos próximos anos, como resultado das Olimpíadas e da Copa no país, já que a multinacional é patrocinadora de ambos os eventos. O Grupo Simões, responsável pela produção dos produtos da Coca-Cola em Manaus, está otimista com as possibilidades de negócios que a Copa pode proporcionar na fabricação de bebidas da marca na capital

amazonense. Além disso, o grupo está entre as fábricas que deverão “abocanhar” parte do investimento bilionário que a multinacional vai destinar para o Brasil. “Após a Copa ainda teremos as Olimpíadas no Rio de Janeiro. Esses eventos estão atraindo investidores e turistas para nosso país, e Manaus também tende a ser beneficiada por esses movimentos. Para atender essa expectativa positiva,

alguns investimentos estão em nossos planos, tanto para aumento da nossa capacidade produtiva, como também de entrega e visibilidade no mercado para estarmos preparados para um novo patamar de demanda”, observa o diretor-geral de Bebidas do Grupo Simões, Ronaldo Pelaes, ao assegurar que o grupo também será beneficiado com o aporte bilionário, anunciado pelo presidente da Coca-Cola.


MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Economia

B5


B6

País

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

ONU denuncia diretores de cadeias públicas brasileiras O Subcomitê de Prevenção à Tortura das Nações Unidas visitou cadeias e conheceu a realidade da administração carcerária

R

elatório da Organização das Nações Unidas (ONU) encaminhado ao governo federal mostra que diretores de unidades prisionais brasileiras tentaram cercear as atividades do Subcomitê de Prevenção à Tortura (SPT). O grupo, vinculado ao Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, visitou o país em dezembro do ano passado. O SPT fiscalizou 23 unidades em São Paulo, Rio, Goiás e Espírito Santo. Documento, ao qual a reportagem teve acesso, revela que em Bangu 7, no Rio, o chefe de segurança do sistema penitenciário foi “particularmente agressivo com a delegação”. Segundo o pré-relatório, o funcionário (não identificado pelo nome) gritou com integrantes do subcomitê. No Presídio Ary Franco, também no Rio, o grupo afirma ter recebido “informações contraditórias e confusas” dos funcionários. Para os representantes da ONU, o presídio precisa ser fechado, totalmente reformado ou reestruturado. Os integrantes afirmam que a atmosfera no local é “altamente repressiva” e caracterizada pelo tratamento degradante com internos. Em nota, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) do Rio informou que desconhece qualquer tipo de dificuldade por parte do SPT. “A Seap informa ainda que o mesmo tem prerrogativa para acesso à todas unidades prisionais”, explica. A secretaria disse que recebe constantemente visitas de outros órgãos, como a Anistia Internacional e a Pastoral Carcerária. Na Polinter Grajaú, na Zona Norte do Rio, o SPT colheu denúncias da venda de serviços: “banho de ar” por R$ 5, visitas de familiares entre R$ 20 e R$ 50 e a transferência para o Ary Franco entre R$ 500 e R$ 2 mil.

DIVULGAÇÃO

Sem evolução Para a ONU, a situação no Brasil só piora. “Infelizmente, com poucas exceções, notamos os mesmos problemas identificados em outras visitas das Nações Unidas. O fato de nossas conclusões e recomendações serem similares não torna as situações de 2000, 2005 e 2011 iguais. Torna 2011 pior”. A delegação se diz preocupada com a superlotação e os casos recorrentes de tortura. O texto afirma ainda que essas sistemáticas violações são consequência as dificuldades do governo em controlar as unidades. Muitas ações de combate à tortura, segundo o documento, estão estagnadas. Para o subcomitê, ainda que a implementação de prisões

TABELAS

O SPT colheu denúncias da venda de serviços: “banho de ar” por R$ 5, visitas de familiares entre R$ 20 e R$ 50 e a transferência para o Ary Franco entre R$ 500 e R$ 2 mil seguindo o modelo americano “supermax” - penitenciárias gigantes - resolva o problema da superlotação, tais centros têm um regime extremamente rigoroso e repressivo, como acontece no Espírito Santo. Ao contrário de outros países, o governo brasileiro ainda não tornou público o relatório final do SPT. Entidades de direitos humanos cobraram uma posição das autoridades, mas o pedido foi ignorado. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, responsável pela divulgação, o documento ainda está sob sigilo porque não foi analisado por todas as autoridades competentes. O governo brasileiro recebeu o documento em 8 de fevereiro.

GUERRA

Para o SPT, ainda que o Brasil siga o modelo americano e resolva o problema da superlotação, não atingirá a repressão aos presos

DIVULGAÇÃO

Judiciários federal e estadual trocam acusações no Amapá De um lado, o juiz João Bosco Costa Soares da Silva, da Segunda Vara Federal do Amapá. Do outro, a Procuradoria da República, o Ministério Público Estadual e o chefe da Advocacia Geral da União (AGU) no Estado. As partes abriram uma guerra no Judiciário, com denúncias de favorecimento a uma multinacional e de tentativas de grampos ilegais, que já alcançou a Corregedoria da Justiça Federal e o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A crise foi deflagrada no ano passado, quando os procuradores levaram ao corregedor do TRF 1, desembargador Cândido Ribeiro, um dossiê apontando inúmeros casos de demora excessiva do juiz João Bosco para o julgamento de processos cíveis e criminais. A representação cita retenção indevida de autos; omissões processuais e até reiterado descumprimento de decisões liminares das instân-

cias superiores. O magistrado não deixou barato: denunciou, neste mês, nove de seus adversários ao CNMP, com acusações graves contra a chefe do MPE, procuradora Ivana Franco Cei. João Bosco acusa a procuradora de manter relação promíscua com a Anglo American, uma multinacional do setor de mineração que assumiu os negócios da MMX, de Eike Batista. E põe em dúvida um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), firmado pelo MP em 2007, que assegurou à MMX licença ambiental para operar no Estado sob a condição de repassar R$ 6 milhões. O chefe da Procuradoria da República no Amapá, Antônio Marques Cardoso, contesta a versão: “Houve decisões transitadas em julgado que ainda não foram cumpridas. Quanto ao TAC com a MMX, ele parece que está aborrecido com uma decisão que atendeu a todas as partes.

SAÚDE

Tese de irmão de Bussunda defende a amamentação

Para Vianna, aleitamento diminui riscos à saúde e o ambiente

Todas as evidências científicas são favoráveis. O aleitamento materno diminui riscos de obesidade, diabetes e câncer e evita prejuízos ambientais com rótulos, latas, vacas no pasto e litros de vapor de água necessários para a produção e a entrega do leite em pó. “É um ato artístico, ético. Não só uma questão da saúde, mas sim da sociedade. É proibido, por exemplo, deixar bicos substitutos, mamadeiras e chupetas em locais visíveis no comércio. A coisa é tão bizarra que há doações de leite em pó para maternidades, o que é ilegal”. É assim que o pediatra, pesquisador e professor Marcos Besserman Vianna, de 52 anos, resume o objeto da tese de doutorado que defenderá, em dois anos, no programa de pós-graduação em História

das Ciências e das Técnicas e Epistemologia HCTE/UFRJ. O estudo é apenas mais uma etapa da carreira que Besserman construiu. Dedicou grande parte de sua vida profissional à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), sempre ligado à saúde pública. Filho do angiologista e intelectual Luiz Guilherme Vianna e da psicanalista Helena Besserman, Marcos é o irmão mais novo que Sérgio Besserman - o economista e ambientalista que fez carreira no BNDES e presidiu o IBGE - e mais velho que Cláudio, o Bussunda - humorista famoso do “Casseta & Planeta”, que morreu durante a Copa de 2006, vítima de um ataque cardíaco. O pediatra sustenta ideias moldadas por debates ferrenhos que teve ao longo da vida, dentro e fora de casa.


País

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

BEBIDAS

Produtor lança vodca para jovens De olho num novo filão de mercado e com foco no consumidor jovem, o grupo Ypióca, tradicional produtor de cachaça, lançou um novo produto: a vodca Hypnose. A empresa afirma que pesquisou durante três anos e investiu R$ 1 milhão em sua mais nova aposta para concorrer com as similares importadas, que invadiram os bares e supermercados do país, barateadas pelo câmbio favorável à entrada de produtos estrangeiros. A companhia passa a concorrer também com o grupo Petrópolis (cuja marca líder é a cerveja Itaipava), que colocou no mercado em março do ano passado a vodca Blue Spirit Unique. Segundo o grupo Ypióca, a nova vodca é destilada três vezes, o que assegura “mais pureza e qualidade”. O produto será vendido em garrafas de um litro. Para o lançamento, ocorrerão campanhas na TV, em outdoor, em redes sociais, além promoções em bares, restaurantes e supermercados. “Tivemos o cuidado de trabalhar a imagem do novo produto e da campanha para expressarmos toda a inovação e modernidade que a Hypnose representa. Estamos confiantes de que será um verdadeiro sucesso”, complementa Cynthia Serretti, gerente da marketing da companhia.

B7

Museu no Chile apresenta obra igual de Aleijadinho O Museo Merced possui uma escultura de um autor anônimo, mas com traços da obra do mestre

U

ma imagem em madeira de um santo católico, encontrada por acaso pela reportagem no último dia 3 de março em Santiago, Chile, atiçou a curiosidade dos especialistas e revolveu a terra sedimentada das atribuições. Mas o que credencia um Aleijadinho a se tornar um Aleijadinho? É uma questão complexa. A atribuição de uma obra do maior mestre do barroco brasileiro tem percorrido caminhos sinuosos e controversos desde sua assunção como unanimidade nacional no governo Getúlio Vargas, por intermédio dos esforços de Rodrigo Melo Franco de Andrade (18981969), primeiro diretor do Serviço do Patrimônio Histórico Nacional, em 1936. A imagem, segundo a curadoria do pequeno Museo Merced, de Santiago, representa San Pedro Pascual e seria de autor anônimo de Lima, no Peru. Mas mesmo um exame leigo na estátua, no entanto, mostra um gigantesco leque de coincidências com aquilo que se convencionou chamar de estilemas do Aleijadinho (detalhes da escultura que funcionam como uma assinatura do autor). Já em São Paulo, o empre-

DIVULGAÇÃO

sário Renato Whitaker Machado, maior colecionador privado de obras do Aleijadinho do país, ao ver as fotos do santo do museu chileno, ficou entusiasmado. “Eu diria que tem 95% de chance de ser um Aleijadinho”, afirmou. “Os sapatos saindo das vestes, certos ângulos retos, as sobrancelhas, a barba bifurcada, o nariz: tudo leva a crer que é um Aleijadinho, mas tem de fazer alguns testes, trazer uma lasca da madeira para o Instituto de Pesquisas Tecnológicas para definir a procedência”, diz o colecionador. “Mexe com a gente, falar que não mexe é mentira”, diz o especialista Marcelo Coimbra, de Itu, que também examinou as fotos e até se dispõe a ir a Santiago para examinar a imagem. Coimbra acha que “o rosto é muito expressivo, tem muitos estilemas próprios do Aleijadinho; as orelhas são muito boas, mas aquela repintura muito grossa pode estar escondendo estilemas”. Ele vê o corpo da imagem como mais próxima do barroco espanhol. Pela foto, ele ainda não aposta na possibilidade, mas salienta: “Uma discussão sobre o barroco brasileiro nunca está liquidada”.

Segundo o Museo Merced, a imagem que representa San Pedro Pascual seria de autor peruano

Imagem chilena é exuberante “Não é só dizer que tem todos os estilemas de uma obra do Aleijadinho, tem de encaixar em uma das fases da vida dele”, disse o expert Márcio Jardim, que (com Coimbra) acaba de concluir o “Catálogo Geral” da obra do escultor. “É uma análise de mão dupla, tem de ver se ela se encaixa em alguma das cinco fases

da obra do Aleijadinho”. Jardim é peremptório: não pode ser um Aleijadinho. Isso porque, embora hajam as coincidências, a peça não se encaixa nas fases que ele mesmo definiu como determinantes. O problema da imagem chilena é justamente sua exuberância. “Ela não tem defeitos, é absolutamente bar-

roca e equilibrada. É exuberante, não é triste, e tem uma roupagem muito rica, mística. Está viva, parece se mexer.” Pela maturidade, pertenceria às quarta ou quinta fases da obra do Aleijadinho, mas isso seria impossível. “Nessa fase, ele é contido, as linhas retas predominam, é mais triste. E é mais rococó”, disse.


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Malvinas x Falklands: uma história e duas versões Após 30 anos, a polêmica estremece a relação entre Argentina e Reino Unido, que recusam a negociar a soberania do local

D

o ponto de vista dos britânicos, a história das Malvinas é bem outra. A começar, obviamente, pelo nome do arquipélago, chamado de Falklands Islands. A visão do Reino Unido contrasta fortemente com a posição da Argentina e de outros países da América Latina sobre todos os conflitos que cercam os territórios. Enquanto a Argentina reclama da militarização na região, o governo britânico alega que seu único objetivo é defender os cidadãos que habitam as ilhas. Guia-se, assim, pelo princípio da autodeterminação, já que a população local quer continuar sob o comando do Reino Unido. Recusa-se categoricamente a negociar a soberania dos territórios, pela qual alega ter direito desde 1765, antes da independência argentina. Argumenta que a Argentina tem feito ameaças constantes e recuado de acordos bilaterais acertados na década de 1990, causando ansiedade aos moradores das ilhas. Para dar subsídios aos seus argumentos, o Ministério das Relações Exteriores distribuiu um folheto na tentativa de mostrar que a paz, a esta-

DIVULGAÇÃO

bilidade e o bem-estar imperam no arquipélago, onde os moradores falam inglês e possuem status completo de cidadãos britânicos. “A Argentina se recusa a reconhecer os direitos da população”, afirma um porta-voz do governo. O argumento é que, em 2008, as Malvinas aprovaram uma Constituição que inclui o direito de decidir sobre o próprio futuro. O papel britânico seria fornecer segurança e defesa para as ilhas, algo com custo anual de 200 milhões de libras (cerca de R$ 600 milhões). Isso entra em contradição com a postura adotada em relação à Escócia, que pretende realizar um plebiscito para consultar a população sobre o desejo de independência do Reino Unido, a contragosto do governo do primeiro-ministro David Cameron. O aumento das pressões da Argentina para reaver o arquipélago é tratado como “ameaça” à economia local. As restrições de acesso aéreo e marítimo e da exploração dos recursos naturais na região teriam potencial para prejudicar o turismo e a pesca e seriam contrárias aos acordos bilaterais fechados na década de 1990.

ECONOMIA DIVULGAÇÃO

Para o governo inglês, a Argentina não reconhece o direito da população local, que quer continuar sob domínio do Reino Unido

ONU deve se isentar de tomar partido Segundo oficiais do ministério de Relações Exteriores, discutir a soberania das ilhas na Organização das Nações Unidas (ONU) está absolutamente fora de cogitação. “Se a questão com a Argentina importa? Sim, levamos a sério. Se vamos negociar a soberania? Não, a resposta é muito

clara”, afirma um membro do governo. O Reino Unido concordaria apenas em tratar de outras questões com a Argentina na ONU, relacionadas à pesca, exploração de petróleo e acesso às ilhas, temas de acordos bilaterais já fechados no passado. As tensões com a Argentina,

às vésperas do aniversário de 30 anos da guerra, chegam num momento de mudanças da política externa britânica. O governo definiu a América Latina como uma de suas prioridades diplomáticas em razão do sucesso econômico da região e do potencial de novos negócios.

Posições dos países A posição dos países da região sobre as Malvinas - Brasil inclusive - é historicamente consolidada a favor da Argentina e não mudará. Ainda assim, o governo britânico acredita que a disputa pelas ilhas não afetará sua relação com a América Latina.

ESPECIAL

Cuba decreta feriado santo

População foi às ruas do país contra a queda do padrão de vida

Oferta de emprego cai pela metade para os americanos Os EUA abriram 120 mil postos de trabalho em março, ante 240 mil em fevereiro (dado revisado), segundo o Departamento de Trabalho americano. A cifra divulgada veio abaixo das expectativas do mercado -analistas projetavam um número na faixa em torno dos 207 mil para o mês de março de 2012. Também foi inferior à estimativa calculada para março do ano passado, quando foram criados 246 mil postos de trabalho. A taxa de desemprego cedeu de 8,3% para 8,2%, abaixo das projeções dos especialistas. A geração de empregos e a estimativa das taxas de desocupação seguem metodologias diferentes: o primeiro é verificado a partir de informações fornecidas pelas empresas, enquanto o segundo, por levantamento junto às residências. Ainda segundo o Departamento de Trabalho, o setor privado foi o principal responsável pela abertura de vagas em março, com destaque para os segmentos de produção de bens duráveis e prestação de

serviços - saúde e educação, notadamente. Em compensação, os segmentos de construção civil, e principalmente, do varejo, despediram mais do que contrataram em março, bem como o setor público, onde a folha de pagamento encolheu mil registros no mês passado. Um dos indicadores mais preocupantes do mercado de trabalho americano - o montante de desempregados de longa duração (27 semanas ou mais) - teve relativamente pouca mudança: esse contingente de trabalhadores desocupados caiu de 5,42 milhões para 5,30 milhões (cerca de 42% do total de desempregados) entre fevereiro e março. Outro dado monitorado com atenção por especialistas - a taxa de desemprego entre os mais jovens - também não mostrou melhoras, pelo contrário: entre 16 e 19 anos, a taxa de desemprego aumentou de 23,8% para 25% entre fevereiro e março. Esse dado também é pior na comparação com março do ano passado, quando estava em 24,5%.

O primeiro feriado de Sexta-Feira Santa em Cuba em mais de cinco décadas teve ruas vazias, como se esperava, mas igrejas não tão movimentadas quanto se previa. Ao mesmo tempo em que muitos, mesmo não católicos, comemoravam o dia livre do trabalho, outros pediam que a decisão do regime — um quase gesto de cortesia após a visita do papa Bento 16 — se repetisse nos próximos anos. O feriado foi suprimido pelo regime cubano após a Revolução de 1959, que levou Fidel Castro ao poder. Quando anunciou, no fim de março, o restabelecimento da data como dia festivo, um pedido pessoal de Bento 16 ao presidente Raúl Castro, o governo

deixou claro, no entanto, que seria em caráter excepcional. “Sem perdão, não pode haver relações interpessoais saudáveis,

PEDIDO

O feriado foi suprimido pelo regime cubano após a Revolução de 1959, que levou Fidel Castro ao poder. Um pedido pessoal de Bento 16 restabeleceu a data que voltou a ser um dia festivo vida familiar, convivência social, nem relação entre povos”, disse o cardeal Jaime Ortega, arcebispo de Havana, numa mensagem

incomum retransmitida pela TV estatal. Ortega tem papel importante neste princípio de entendimento entre a igreja e um Estado que, desde a revolução, se autoproclama ateísta. Foi ele que, em 2010, abriu o diálogo com o regime que culminou na libertação e expatriação de dezenas de presos políticos. Por isso, durante a mais de uma hora em que se dirigiu aos fiéis cubanos, fez questão de centrar sua mensagem de Páscoa na reconciliação. “É necessário um reino de Justiça, paz, amor e liberdade. Quanto nos custa perdoar?”, continuou Ortega, que antes da visita do papa também enviara uma mensagem na TV estatal.

A reconciliação pedida por Ortega caminha em Cuba, ainda que a passos curtos. O ativista católico Oswaldo Payá, Prêmio Sakharov de Direitos Humanos do Parlamento Europeu em 2002, fez hoje com a família o mesmo percurso que faz pelas igrejas de Havana toda Sexta-Feira Santa. Payá, de 60 anos, faz parte dos cerca de 10% de cubanos católicos praticantes — estima-se que entre 70% e 80% da população pratique religiões de origem africana, como a santeria. Durante anos, enfrentou um “ambiente de terror” para exercer sua fé e acredita que isso ainda impede que, em dias como a Sexta-Feira Santa, mais pessoas vão à igreja.

DIVULGAÇÃO

Celebração e crise mundial Houve celebrações similares à da Catedral de Havana em outras dez dioceses cubanas, também sem arrastar um público muito maior que nos anos anteriores. Para evitar o calor, a procissão de Via Crucis, a principal do dia, foi feita durante a noite. Procissões católicas também foram proibidas após a revolução, mas acabaram liberadas novamente - junto com o Natal - após a visita do Papa João Paulo 2º, em 1998. Aparentando cansaO papa Bento 16 e o presidente cubano, Raul Castro

ço após duas viagens desgastantes — além de Cuba, visitou o México — o papa Bento 16 participou da tradicional procissão de Sexta-Feira Santa, ao redor do Coliseu, em Roma, para recordar o martírio e a crucificação de Cristo. Diante das milhares de pessoas que, com velas nas mãos, o observavam, refletiu sobre, família, divórcio, aborto e infidelidade. “A situação de muitas famílias piorou com a crise global” disse o papa.


Caderno C

Dia a dia MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

diadia@emtempo.com.br

(92) 3090-1041

HUDSON FONSECA

Diabetes não atrapalha a Páscoa Dia a dia C3

DIVULGAÇÃO

Nem tudo que parece velho, é lixo É entre os móveis que seriam jogados fora que algumas pessoas encontram móveis que podem mobiliar suas casas. Elas dizem ter na reciclagem uma forma de economia

HUDSON FONSECA

WILLIAM GASPAR Equipe EM TEMPO

S

abe aquele móvel que está encostado em um canto da sala e que muitos jogam fora por achar que não tem mais utilidade ou por terem algum tipo de avaria? Existem pessoas que não têm a mesma visão. Elas reaproveitam o que muitos julgam como lixo, consertando, dando novas formas e até mesmo multiplicando esses objetos, transformando uma estante quebrada em uma ótima cômoda, por exemplo. O limite das possibilidades de reaproveitamento é o da imaginação. Uma dessas pessoas é o técnico em manutenção, Jorge Filho, que frequentemente reaproveita esses objetos em sua própria casa. “Os vizinhos jogam fora ou me oferecem algum móvel quebrado. Eu sempre aceito e dou um jeito de consertar o que puder para não desperdiçar nada. Eu sempre fui bom com ferramentas e sempre gostei de trabalhar com isso, a minha profissão constata isso”, conta. Ele lembra, ainda, a primeira vez em que teve a ideia de reaproveitar. “Meu vizinho ia jogar fora uma estante grande de madeira. Ela estava toda “estourada” e velha, mas eu disse que queria. Dei um jeito, aproveitei o que ainda prestava e, depois disso, fiz um ótimo armário com seis portas. Ainda deu para fazer

uma cômoda com o que sobrou”, afirma Jorge. Na opinião do técnico em manutenção, em Manaus se desperdiça muito porque a população tem o costume de simplesmente descartar objetos que ainda podem ser utilizados. “Muita gente apenas joga coisas boas fora. Se perde muito com isso. Se der para eu consertar, eu conserto mesmo, e saio ganhando. Esses dias fiz uma bela cômoda

Muita gente joga coisas boas fora. Se perde muito com isso. Se der para consertar, eu conserto mesmo, e saio ganhando com isso Jorge Filho, técnico em manutenção

para a minha filha de um guarda-roupa que iam jogar fora”, opina. “Aprendiz” de reciclagem A aposentada Maria Célia Nunes também tem esse tipo de iniciativa. Ela que é viúva, diz que começou a reaproveitar os móveis antigos com seu marido. “Ele era marceneiro e trabalhava com esse tipo de coisa. Ele nunca me deixou jogar nada

fora e sempre disse que dava para aproveitar. Eu acabei me adaptando. Hoje em dia, sou eu quem não quer jogar nada fora”, diz, ao reforçar que mais da metade de seus utensílios são reaproveitados. “Lembro que uma vez eu ganhei uma cristaleira com duas portas de vidro. Estava tão danificada que nem meu marido queria. Mesmo enfrentando resistências aqui em casa, pintei ela, usei tinta branca e depois de comer poeira por três horas lixando, ela ficou pronta. Fiz com os detalhes coloridos e troquei os puxadores antigos por novos de ferro. Tudo com coisas que eu já tinha”, relembra a aposentada. Ela explica ter tomado gosto por sua produção, o que a fez buscar mais peças para sua casa. “Eu acabei gostando de fazer aquilo. Certa vez eu fiz uma mesinha de trabalho para guardar minhas coisas, lixei toda ela e depois fiz algo bem rústico. Nem sei o nome direito desse trabalho, mas já vi algumas peças assim nas lojas, só que bem mais caras”, comenta Maria Célia. Impedida de continuar a atividade por motivos de saúde, a aposentada diz ainda guardar o último móvel que seu marido produziu. “Ele fez uma espreguiçadeira para nossa filha, a partir de um pallet velho que encontrou na rua. Para ele era tão fácil e divertido que parecia brincadeira”, disse emocionada.

Contribuição válida para a cidade A Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), responsável por recolher os resíduos de grande porte deixados nas ruas pelos moradores, não chega a contabilizar a quantidade de móveis ou outros objetos reaproveitados. Porém, o subsecretário da pasta, Túlio Kniphoff, reconhece como “valiosa” a contribuição dessas pessoas que recuperam objetos. “Não é a quantidade que faz a diferença neste caso, mas a atitude. O exemplo que essas pessoas dão, quando buscam reaproveitar o que seria descartado, é que deve ser visto como importante”. A reutilização de objetos é um dos tripés da política dos 3Rs, que direciona as iniciativas da Semulsp. Reutilizar, Reaproveitar e Reciclar (3Rs) são atitudes que servem para reduzir a quantidade de lixo gerada em cada casa e na cidade. Jorge transformou em novos, móveis que seriam jogados no lixo


C2

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Literatura em braille ainda é precária para deficientes Apesar de possuir uma biblioteca específica, portadores de limitação visual dizem que a produção de livros é precária

N

o dia em que é comemorado o Dia Nacional do Braille — sistema que possibilita a leitura para pessoas com deficiência visual — ainda são muitos os portadores de limitação visual que apontam como grande a carência, quando o assunto são esses recursos para o uso de linguagem. A turismóloga Luzia Nara Cruz, 30, formada pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), alerta que são necessárias mudanças no que se refere ao acesso às diferentes didáticas e maneiras de ofertar a linguagem. “Nós temos algumas dificuldades, principalmente em relação à leitura. Existem livros em braille e até em áudio, para facilitar, mas o conteúdo ainda é muito fraco se compararmos com o normal”, opina. Ela conta que teve muitas dificuldades durante a elaboração de sua monografia, devido à falta de diversidade. Para Luzia, é necessário inovar em muitas coisas voltadas para o braille. “Meu projeto foi sobre a acessibilidade, mas existem outras coisas, principalmente relacionadas à educação, que

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

precisam ser feitas. Exemplo disso é que existem escolas voltadas para essas pessoas, mas faltam profissionais capacitados”, comenta. O representante da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped), José Wallace Araújo, também deficiente visual, reforça a “deficiência” na oferta de material intelectual, tanto no Estado quanto no município. Segundo ele, mesmo que os órgãos competentes já tenham feitos trabalhos em braille, outros avanços, como a produção de livros sobre o Amazonas e a nossa região, deviam estar em produção. Ele alerta que grande parte do que existe hoje no Estado vem de fora. “Nossa dificuldade é a produção de livros em braille. Deveriam regionalizar mais a literatura aos deficientes”, diz. O professor de informática Luiz Gonzaga diz que há programas em que um deficiente visual tem facilidade em fazer pesquisas e aprender, mas por conta de dificuldades financeiras das pessoas que necessitam do auxílio, ainda estão longe da realidade da maioria.

História do surgimento do braille

Turismóloga Luzia Cruz teve dificuldades em encontrar livros em braille para produzir trabalhos

Espaço para pesquisa e leitura Em 1999, o governo do Estado implantou, na Biblioteca Pública do Estado, o setor braille, com o objetivo de integrar e incluir o portador de deficiência visual na sociedade. No local, além de uma acervo diversificado

de livros, os usuários podem encontrar vários livros em áudio, tanto no formato cassete quando no MP3. O gerente do local, Gilson Mauro Pereira, diz que cerca de 150 a 200 pessoas frequentam, por mês,

a biblioteca que funciona atualmente em um setor do Centro de Convenções. Segundo ele, além de pessoas com deficiência visual, muitos estudantes procuram livros para pesquisa sobre a linguagem.

O braille é um sistema de leitura para cegos por meio do tato, criado pelo francês Louis Braille, que perdeu a visão aos três anos de idade. Sua escrita é baseada na combinação de 6 pontos, dispostos em duas colunas de 3 pontos, que permitem a formação de 63 caracteres diferentes, que representam as letras do alfabeto, números, simbologia aritmética, fonética e informática. A escrita pode ainda obter-se por meio de impressoras braille ligadas a computadores, assistidos por software apropriados, a partir da digitação do texto ou do seu reconhecimento óptico.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

C3

HUDSON FONSECA

Chocolate de ‘mentirinha’ para fugir da tentação Quem não pode consumir chocolate precisa fazer um grande esforço para driblar essa vontade no período de Páscoa IVE RYLO Equipe EM TEMPO

C

om variedades de sabores e propagandas por todos os lados, fica difícil resistir à tentação e fugir dos chocolates nesta Páscoa. A situação ainda é pior quando a iguaria deve ser evitada por crianças portadoras de diabetes. Dados do Ministério da Saúde apontam que a doença afeta cerca de 246 milhões de pessoas em todo o mundo e esse número pode chegar a 380 milhões em 2025. Administrar a dieta de uma criança com diabetes não é tarefa fácil. A arquiteta Elene Coêlho, descobriu há um ano e meio que a filha dela, a pequena Giovana, 8, possuía a doença. Para Elene as proximidades de datas comemorativas, como a Páscoa, requer atenção dobrada com a alimentação. “Desde março ela vem me perguntando se vai poder comer ovo de chocolate. Então ficamos pensando em o que fazer para substituir o ovo, porque isso aumenta muito o açúcar dela. Quando uma pessoa normal come o doce, a glicose de 110 pode subir para 140, a dela sobe para 500. E, se ela não tomar medicamento começa a ter muita sede e prejudica os rins, podendo até morrer”, comenta. Nesta Páscoa, Elene contou que o plano foi substituir os tradicionais ovos de chocolate por doces diets ou bolos com menor quantidade de açúcar para não excluir a menina da festa. “Vamos trocar o ovo por tabletes de chocolates dietéticos. Trocamos os doces também por bolos e frutas. Montamos uma cesta diferente, bem bonita e natural que ela possa comer. Geralmente a festa de Páscoa é na casa da minha mãe, que já preparou coisas diferentes para a Gio-

vana comer. Para uma criança é difícil entender esse tipo de situação, elas não entendem que se comerem chocolates ou coisas doces podem ter a saúde prejudicada”, explica. As adaptações na nutrição não foram direcionadas apenas a Giovana, mas, se estenderam por toda a família. “Todo mundo virou diet, tudo que a gente faz para ela, acabamos consumindo. Isso faz com que ela não se sinta diferente. E também nos fez melhorar nossa alimentação. Tudo gira em torno dela, estamos sempre atentos e vigiando a alimentação”, afirma. Porém, mais do que contro-

Nesta Páscoa vamos substituir os tradicionais ovos de chocolate por doces e ovos diets, além de bolo com recheio de frutas Elene Coêlho, arquiteta

lar os gostos da criança, Elene conta que o problema maior está na hora de encontrar os produtos para diabéticos nos supermercados da cidade. “É muito difícil encontrar comida diet. Quando vamos ao supermercado ela chora e diz ‘mãe não tem nada para mim aqui’. É muito triste, mas é muito difícil encontrar, por exemplo, cereal, iogurte e chocolate. Além do que não existe variedade e o preço é superior ao de um produto normal. Um sorvete de casquinha normal custa R$ 1,50 e o diet, R$ 8”. Sobre diabetes Segundo a presidente regio-

nal da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Yee Chen Pang Takanami, na infância o tipo de diabetes mais comum é do tipo 1 e possui relação com a autoimunidade. “Diabetes tipo 1 pode estar relacionado a infecções, principalmente virais em pessoas predispostas a doença. Alguns pesquisadores acreditam que crianças que deixam de ser amamentadas precocemente podem estar mais expostas à doença. Não existe prevenção até hoje para o diabetes do tipo 1”, esclarece a especialista. Yee explica que nas últimas duas décadas, porém, tem sido descrito o diabetes tipo 2 em crianças, principalmente nos Estados Unidos, e que a doença está diretamente relacionada com o aumento da obesidade infantil decorrente da má alimentação e do sedentarismo. Para a endocrinologista, unir atividades físicas regulares, alimentação balanceada, com pouca gordura e açúcar e, ingerir bastante água são hábitos essenciais para prevenir diabetes tipo 2. Nesta Páscoa, a orientação é oferecer às crianças chocolates diets, porém com moderação, para evitar diarréia. A médica explica que os produtos diets tem um alto valor no mercado, porque o açúcar é substituído pelo aspartame ou sacarina e com pouco carboidrato. “Sempre orientamos aos pacientes para que não cometam excessos em datas comemorativas. Oriento aos pais e familiares, os avós por exemplo, que optarem por comprar ovos de páscoa diet, adquiram um ovo menor. E que tal uma lembrancinha de Páscoa sem ser de doce? Um coelhinho de pelúcia, um livrinho? Pode ser igualmente divertido”, sugere.

Procura é grande pelos diets Mesmo reforçando os pedidos para corresponder a grande procura, algumas lojas de doces da cidade tiveram os estoques de chocolates diets esgotados três dias antes do domingo de Páscoa. A loja Cacau Show, que oferece opções de ovos sem lactose e glúten e diet, teve que solicitar novas remessas para atender a demanda. “O ovo para quem tem restrição ao leite terminou um semana antes da Páscoa”, afirma a vendedora Fernanda Albuquerque. Segundo Albuquerque não há grande diferença de preço entre o chocolate comum e o diet. “O diet trufado dreams com 400 gramas é R$ 49,90 e o trufado tradicional está em torno de R$ 45,50. A loja da Kopenhagen oferece quatro opções de chocolates diets, que são ovo de 150 gramas, os ovinhos de 300 gramas, a língua de gato e tabletes. “No ano passado a procura foi tanta que uma semana

antes da Páscoa não tinha mais nenhum chocolate diet. Foi uma surpresa, por isso dobramos o pedido para atender a todos”, comentou a gerente Mônica Ortiz. Já a loja Oiram investiu

INVESTIMENTO

A loja Cacau Show, que vende ovos da Páscoa diets, precisou solicitar novas remesas de pedidos, pois o estoque esgotou a uma semana da Páscoa. Em outras lojas especializadas, a situação foi semelhante em chocolates diets com sabores diversos como castanha, cupuaçu, açaí, araçá, jenipapo e bacuri. Chocolate e a Páscoa Segundo o padre Anselmo Dias, a tradição de comer chocolate na Páscoa surgiu por volta do século 17,

na América, quando foram substituídos os ovos cozidos de galinha — trocados pelos europeus — por ovos de chocolate. “O ovo de Páscoa feito de chocolate foi popularizado no século 20, antes, era uma iguaria caríssima, que só os ricos consumiam. Depois começou a produção em larga escala”, ressalta. Dessa forma, uniu-se o costume do povo do leste europeu que reconhecia o ovo como símbolo da vida, o coêlho como símbolo da fertilidade e a iguaria de grande aceitação da época, o chocolate. “Era costume presentear amigos e a comunidade com ovos de galinha pintados”, lembra. O padre observa que hoje perdeu-se muito o simbolismo e o significado da Páscoa, que remete à ressurreição de Cristo. “Por outro lado ainda se preserva a alegria, a confraternização e o desejo de estar em família, isso é positivo. O problema é o exagero com o consumismo, que é negativo”, afirma o paróco.

Ovos diets são a sensação nesta Páscoa. Consumidores acabaram os estoques nas lojas


C4

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Trinta e dois adolescentes são mortos em três meses

O descaso dos pais, segundo autoridades e especialistas da área, colocam em risco a vida de crianças e dos adolescentes ERLON RODRIGUES/AGORA

NILSON BELÉM Equipe EM TEMPO

A

O corpo de Lucas, que com apenas 12 anos, já era viciado

negligência dos pais tem sido um dos fatores responsáveis pelo aumento dos casos de violência praticada contra crianças e adolescentes em Manaus, segundo afirmam autoridades e especialistas. De janeiro a março deste ano, 32 crianças e adolescentes foram mortas vítimas de armas de fogo, de arma branca, overdose, agressões físicas e outras situações de risco em Manaus. A estatística é do Instituto Médico Legal (IML) e da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Isso ocorre, de acordo com as autoridades, porque os pais não estão dando a devida atenção e cuidados, permitindo que os filhos sejam expostos à situação de risco. Foi o que aconteceu com o menino Lucas Miranda Campos, de 12 anos, assassinado com quatro facadas na rua França, bairro Nova Vitória, Zona Leste da capital, no dia 25 de março. Outra vítima foi o menino Eduardo Monteiro de Almeida, 12, atingido com

um tiro na cabeça durante tiroteio na noite do dia 27 de março. O menor foi atingido ao ser feito de escudo por um traficante em frente ao quartel do 5º Batalhão da Polícia Militar, onde funciona o Comando de Policiamento da Área Oeste (CPA). O coordenador-geral dos Conselhos Tutelares, João Furtado, confirma o crescente atendimento de casos de violência sexual, fuga do lar e envolvimento de crianças e adolescentes com entorpecentes denunciados pelos pais e responsáveis. “Isso decorre da falta de cuidados dos pais e responsáveis. Muitas dessas situações ocorrem dentro de casa ou são praticadas por pessoas próximas da família”, afirma Furtado. O pai de Lucas, Emerson Silva Campos, 32, afirmou que apesar de ser quase uma criança, o filho era usuário de drogas e morava com a mãe no Nova Vitória. Ele disse que o filho não obedecia mais a mãe, vivia frequentemente nas ruas e se relacionava com viciados e traficantes. “Ele era apenas um menino de 12 anos. Merecia ter outras oportunidades e apoio da família, disse uma tia.

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Lucas estava brincando quando foi atingido com uma bala

Vereador quer mais recursos O Mapa da Violência publicado no mês de março pelo Instituto Sangari indicou que o Estado do Amazonas ocupa o 2º lugar da Região Norte e o 6º do Brasil em casos de violência contra crianças e adolescentes. Os números chamaram a atenção do vereador Elias Emanuel, presidente da Comissão de Direitos da Criança da Câ-

mara Municipal de Manaus. Ele pretende convencer os parlamentares a constar na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e LO (Lei Orçamentária) do próximo ano, recursos para o Fundo Municipal dos Direitos das Crianças e do Adolescente. Outra medida, segundo ele, será buscar parcerias, a fim de fazer funcionar a rede de proteção às crianças.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

C5

FOTOS: SHANA REIS

Cruzamentos de ruas são novos aliados de acidentes Acidentes que eram exclusivos de grandes vias tornam-se constantes nas ruas localizadas em bairro da capital MÔNICA FIGUEIREDO Equipe EM TEMPO

O

s cruzamentos das vias são considerados pelas autoridades e estudiosos do trânsito do Brasil os locais onde são registrados os maiores casos de acidentes e atropelamentos. Em Manaus, cada vez mais esses tipos de ocorrências estão presentes nas ruas dos bairros. A falta de sinalização e o desrespeito dos condutores são os principais motivos dos acidentes. Moradores da rua Senador Cunha Melo, no São Jorge, Zona Oeste, revelam que, toda semana, pelo menos três acidentes são registrados no cruzamento da rua com a avenida Brasil. Os motociclistas são as principais vítimas. O último registrado ocorreu na última terça-feira (3), quando um motociclista tentava cruzar a avenida Brasil para ter acesso à Senador Cunha Melo e foi atingido por um veículo que trafegava em alta velocidade. “Ele estava de capacete, mesmo assim ao cair bateu e quebrou a cabeça. Ele foi levado para o hospital. Toda semana acontece isso”, comenta o morador Rudney Santos, 37. Moradora da mesma rua, a doméstica Sílvia Fonseca, 47, disse que a situação fica mais complicada durante o horário de pico, quando aumenta o fluxo de veículos e ninguém respeita a passagem. “A única alternativa para tentar mudar essa situação aqui é colocar um semáforo”, sugere. As sinalizações horizontal e vertical também foram defendidas pela dona de casa Jackeline Rodrigues, 26. “Isso porque do outro lado da rua tem o Centro de Convivência da Família e vários idosos precisam realizar a travessia. Mas como não tem sinal de trânsito, os motoristas não param. Às vezes os idosos passam mais de 15 minutos para atravessar”, revela. Os moradores das ruas 9 e K, no Alvorada 2, Zona Centro-Oeste, também acumulam

relatos de acidentes que ocorrem com frequência no cruzamento dessas ruas. Morando na esquina, a dona de casa Valdete Lurdes Mendonça, 78, teve de fazer uma mureta para evitar que durante os acidentes, os carros atingissem sua casa. “Antes de eu colocar a mureta, um veículo invadiu a área da minha casa”. Há dois meses, outro acidente movimentou a rua. “Um carro que vendia açaí colidiu com uma condução escolar. As crianças se machucaram e os açaís “voaram” pela rua. O pessoal aproveitou para pegar os sacos de açaí. Parecia sangue, de tanto que espalhou pelas ruas”, lembrou a dona de casa Maria Damiana Costa, 50. Os mesmos problemas foram relatados por moradores da Cidade Nova 1, Zona Norte.

ATENÇÃO

Especialistas reforçam a necessidade não só de intensa sinalização, mas também de consciência de condutores de veículos quanto ao excesso de velocidade ao trafegar nessas vias No cruzamento entre as ruas Rouxinol e Fênix, os envolvidos em acidentes são os ônibus e não há placas de sinalização. O doutor em Engenharia de Transportes e professor das disciplinas Técnica e Economia de Transporte e Planejamento dos Transportes na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Augusto César Barreto Rocha, disse que a sinalização é fundamental para evitar esse tipo de acidente. Placas como a de “Parada Obrigatória” precisam estar presentes em toda a cidade e não apenas em algumas áreas. As causas dos acidentes estão ligadas não só a falta de atenção e cuidado dos condutores, mas também ao excesso de velocidade e a falta de sinalização apropriada.

Manaustrans inicia revitalização

Esquinas são consideradas áreas de risco para moradores, que vez ou outra têm casas invadidas

Na há sintonia entre elementos Augusto César Barreto Rocha explicou que a sinalização, educação e atenção dos condutores são os principais fatores que contribuem para um trânsito seguro. “Os quatro elementos do tráfego são: via, homem, veículos e ambiente. Quão melhor for a qualidade deles, menor será a chance de acidentes. Assim, boas e bem sinalizadas vias, motoristas bem-educados, veículos bem mantidos e ambiente adequados são

elementos que minimizam os riscos de acidente”. A segurança depende diretamente da postura do condutor. Um motorista que pratique direção defensiva tem menos chance de se envolver em acidentes. “Entretanto, se em um cruzamento não há sinalização em nenhuma das esquinas, o acidente só não acontecerá por sorte ou por zelo dos motoristas”, afirmou. Para o especialista, o melhor seria que todas as

interseções fossem sinalizadas adequadamente, o que não acontece, não só pela falta de instalação nas esquinas, mas também porque as placas são arrancadas por vândalos ou destruídas por acidentes. Rocha comentou que existe um problema crônico de falta de manutenção das sinalizações. “É necessário consciência para obedecer às leis. Todavia, cerca de 60% das pessoas seguem as regras, às vezes”.

O que diz o código: Artigo 3 - quando veículos, transitando por fluxos que se cruzem, se aproximarem de local não sinalizado, terá preferência de passagem: No caso de apenas um fluxo ser proveniente de rodovia, aquele que estiver circulando por ela; No caso de rotatória, aquele que estiver circulando por ela; Nos demais casos, o que vier pela direita do condutor; Fonte: Código de Trânsito Brasileiro (CTB)

O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) está revitalizando a sinalização em vários pontos da cidade. Nos dias 2 e 3, por exemplo, o órgão fez a sinalização horizontal (pintura de linhas brancas e amarelas) ao longo das avenidas Carlota Joaquina, Maneca Marques e Grande Otelo, bairro Parque 10, Zona Sul. Neste fim de semana, o trabalho está sendo feito na rotatória da Samsung (bairro Armando Mendes), com a instalação de dez placas; na Delegacia Geral de Polícia (em frente ao sambódromo) com a sinalização do estacionamento; no Centro de Operações Ribeirinhas – antigo Batalhão de Fuzileiro Naval (Distrito Industrial de Manaus), com a instalação de 19 placas de sinalização; entre outros. As zonas Centro-Sul e Norte começam a ganhar nova sinalização viária horizontal a partir desta quarta-feira. O trabalho será realizado durante a noite e madrugada. Inicialmente, vão ser implantadas faixas e linhas para sinalizar ruas com indicação de mão dupla e mão única. O Manaustrans tem os telefones 0800 092 1188 e 0800 092 1199 para receber sugestões de sinalização. As indicações também podem ser feitas pelo: twitter @manaustrans.


C6

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Velho hábito de passar nas locadoras ‘está vivo’ Apesar da pirataria, muitos mantém o costume de frequentar as locadoras de Manaus em busca filmes originais SHANA REIS

LUCAS PRATA Equipe EM TEMPO

A

pesar de o mercado cinematográfico ter sido invadido por falsificadores e da facilidade de baixar filmes por meio da internet, muitas pessoas ainda frequentam, assiduamente, as tradicionais locadoras de vídeo. Em Manaus, há quem tenha o velho hábito de ir às locadoras em busca de filmes originais, que atualmente são minoria. Outro fator que está provocando o retorno das pessoas às locadoras é a nova tecnologia blu-ray, com qualidade do som e da imagem melhor em relação ao DVD, e por isso muito mais cara. O estudante de jornalismo Antônio Barros, 27, frequenta as locadoras desde os 9 anos de idade, quando sua mãe o levava para escolher os filmes. “É um hábito que eu tenho desde criança quando ainda eram fitas videocassetes. Como os filmes deixaram de ser reproduzidos em fita, eu tive que passar a assistir os filmes em DVD. Mas como ainda tenho uma televisão dual (videocassete e televisão em um só aparelho), às vezes

gosto de relembrar os velhos tempos e assisto alguns filmes que tenho e até mesmo filmagens antigas da minha família, considero isso uma terapia”, destaca. O universitário diz que prefere alugar os filmes originais, do que comprar piratas e ter dor de cabeça posteriormente por conta da má qualidade dos produtos. “Moro no Campos Elíseos e vou ao Parque Dez, em uma locadora que frequento há mais de oito anos. Vou lá ao menos duas vezes por semana e alugo uns dez filmes a cada visita”, disse ele, que é contra a pirataria e gosta de filmes de boa qualidade. “Só compro filmes se gostar muito”, afirma, ao ressaltar que com a tecnologia blu-ray, o melhor é alugar. O médico Gastão Dias, 45, explica que mantém o hábito de alugar filmes na locadora, por questões éticas e políticas. “Frequento a locadora desde jovem. E procuro filmes no lugar certo por questão de honestidade. Sou contra a pirataria e tenho que ser coerente com a causa que defendo. Eu era adolescente quando adquiri o hábito de frequentar a locadora”, explica.

Garantia de filmes com qualidade Segundo o engenheiro Emerson Amâncio, 36, de todas as mídias que já usou o blu-ray é a mais completa. “Eu sou da época da fita videocassete, depois passei pelo DVD, e tenho o hábito de ir à locadora por só gostar de produtos originais. Apesar de alugar filmes esporadicamente, agora eu alugo mais os DVDs com a tecnologia blu-ray pela qualidade do som e da imagem”, explica. De acordo com o funcionário de uma locadora localizada na Zona Centro-Sul, Railson Campos, muita gente ainda procura os serviços prestados pela locadora. No período de férias, a procura é muito grande. O hábito de alugar filmes nas locadoras da cidade vem sendo mantidado pelos cinéfilos


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

C7

Projeto nutre hábito de leitura nas salas de aula Atividades com jornais têm concentrado a atenção de crianças, que descobrem encantamento também por livros SHANA REIS

AURIANE CARVALHO Equipe EM TEMPO

C

om a proposta de incentivar o hábito da leitura e a aquisição do conhecimento, o grupo Raman Neves de Comunicação, por meio do EM TEMPO, firmou parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semed) e implantou o programa “EM TEMPO na Educação”, um projeto da Associação Nacional de Jornais (ANJ), que usa o jornal como ferramenta pedagógica dentro da sala de aula para melhorar o ensino dos alunos. O coordenador do programa, o pedagogo Waldir dos Santos, informa que o projeto vai atender, inicialmente, aos alunos do Programa de Aceleração de Aprendizagem (PAA) de 19 escolas da Divisão Regional de Educação 2 (DR2), das zonas Oeste e CentroOeste de Manaus. Ao todo, segundo ele, mil alunos em distorção escolar em idade e série participam do PAA. “O EM TEMPO na Educação” é um projeto social que usa o jornal dentro da sala de aula, proporcionando aos alunos, professores e comunidade educacional o processo

de leitura e escrita com a diversidade de gêneros textuais presentes no jornal. Acreditamos muito que esse projeto fará a diferença para os alunos do PAA”, declara. A coordenadora da Divisão Regional de Educação 2 (DR2), professora Neice de

Pais, alunos e professores apoiam ideia

INICIATIVA

Parceria do grupo Raman Neves e Semed tem como objetivo utilizar recortes de jornal como ferramenta pedagógica. Despertar o senso crítico dos menores também está entre as metas Criançada parece ter “mergulhado” na iniciativa e descoberto interesse pela leitura de jornais

Sena Pereira, aposta muito na implantação do programa, uma vez que considera o jornal uma importante ferramenta pedagógica. “Eu acredito que quem lê jornal sabe mais. Por isso acreditamos muito que esse projeto fará a diferença. Nossa intenção é que nossos alunos sejam mais conscientes do seu papel na sociedade e se aproximem de outras formas de leitura”, conclui.

Muito além do horário escolar Segundo o pedagogo Waldir dos Santos, o programa não restringe o trabalho apenas às salas de aula, mas promove a realização de atividades culturais, palestras e debates com professores e alunos. Os

encontros oferecem metodologias diversificadas de como trabalhar o jornal. “Ele promove a formação continuada dos professores, por meio de reuniões pedagógicas, oficinas e encontros periódicos. No próximo

dia 20, realizaremos a primeira oficina com os professores. E como as escolas da divisão já realizavam um trabalho semelhante, o “EM TEMPO de Leitura”, os professores não terão dificuldades”, destaca.

A dona de casa Mima Clemente Alves da Silva, 29, diz acreditar que o projeto fará a diferença no aprendizado do filho Adrian Alves, 10. O menino é aluno do Programa de Aceleração de Aprendizagem (PAA), da Escola Municipal Irmã Serafina Cinque, Tarumã, Zona Oeste. Ela diz que o garoto se interessou mais pela leitura, depois que a professora passou a utilizar recortes de jornal em sala de aula. “Eu percebi que esse simples trabalho estimulou mais o Adrian a se voltar para a leitura. Apesar de ainda ter dificuldade em ler, ele busca mais os livros para mostrar que já conhece as sílabas. Acredito muito que ele vai melhorar mais na sala de aula”, destaca.


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012


Caderno D

Plateia MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

plateia@emtempo.com.br

(92) 3090-1042

SHANA REIS

Arthur Egrácio e as obras sobre a Amazônia Plateia D3

OAF: 15 anos de história Orquestra Amazonas Filarmônica celebra sua criação com a aquisição, ao longo dos anos, de 19 musicistas amazonenses. Atualmente, ela espera novos integrantes que passaram, em 2011, em concurso realizado pela Secretaria de Cultura IONE MORENO

PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

C

om 15 anos de atuação e reconhecimento internacional, a Orquestra Amazonas Filarmônica (OAF) – responsável pelo tom certo no Festival Amazonas de Ópera -, tem uma formação equilibrada entre músicos locais e estrangeiros, muitos com histórias de coragem e determinação ao deixar o seu país de origem. “Todo grupo musical passa por reformulações, o que é normal. E, no nosso caso, não é diferente. Na primeira fase da orquestra recebemos artistas de vários países e hoje, estamos esperando os músicos concursados, que também vêm de diversos Estados brasileiros e outras nacionalidades”, afirma Marcelo de Jesus, maestro adjunto. De acordo com o maestro, o grupo foi criado para suprir a necessidade artística local, quando muitos músicos migraram para o Brasil. “Ao iniciarmos a orquestra, em 1997, tínhamos um quadro integrado por 33 músicos e mais da metade eram de estrangeiros com poucos amazonenses. Hoje, esse número está bem dividido. Muitos artistas locais descendem do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio

Santoro”, explica Jesus, ao citar que estão aguardando os novos integrantes, selecionados no último concurso realizado em 2011. Atualmente, a orquestra é composta por 29 músicos estrangeiros e 35 brasileiros, dentre eles, 19 talentos amazonenses. Curiosidade Diferentemente do que se possa pensar, não foi a falta de oportunidade que motivou a saída dos músicos de seus países de origem e nem os baixos salários, mas, em alguns casos, a curiosidade de conhecer o Amazonas, que segundo os próprios artistas, é falada mundialmente. Esse foi o caso de Irina Libka, violinista natural da Ucrânia, que é uma das veteranas na orquestra, integrando o grupo desde o início. Ela afirma que sempre teve curiosidade em saber como era o Estado, mais especificamente a capital. “Muitas pessoas acham que saímos de nossos países por falta de trabalho, mas isso não é verdade. Existem propostas com salários quase equiparados aos daqui”, explicou. Libka ainda enfatizou que ao conhecer a capital teve as expectativas superadas e, hoje, não pensa em sair da cidade. Outro caso de coragem é o da pianista Irina Kazak, natural

JOEL ROSA

Irina Kazac recebeu o convite durante o ano de 1999

DIVULGAÇÃO

Bárbara Soares é amazonense e integra a orquestra

do Azerbaijão, e que veio para Manaus acompanhar o esposo, também é músico. “Em nosso país não faltava trabalho, mas meu esposo queria vir para Manaus porque achava que aqui seria melhor. Após o envio de alguns vídeos, ele foi convidado e acabei vindo junto com ele. Gostei muito da cidade e em 1999 recebi o convite para integrar a filarmônica”, relata, ao contar que ao chegar a cidade fez algumas apresentações e logo surgiu o convite. Kazak também considera que o quadro cultural local teve um desenvolvimento expressivo nos dez últimos anos. Ela explica que após a criação da OAF e de centros de ensinos, como o liceu e o curso superior de música na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), houve um aumento no número de artistas locais, que passaram a ter interesse pelo estudo e profissionalização na área musical. “Acredito que daqui há 20 anos poderemos ter uma melhor visualização desse crescimento, mas é possível ver que de 1997 até hoje, muita coisa aconteceu. Víamos que a orquestra não tinha a predominância de brasileiros e agora vemos que são muitos, principalmente amazonenses, que já são considerados profissionais”. JOEL ROSA

Irina Libka é uma das veteranas da orquestra local

Artistas locais ganham espaço A exemplo da profissionalização local citada por Kazak, a jovem amazonense Bárbara Soares, que é violinista, cresceu tendo contato com as partituras e ensinamentos musicais. A musicista aprendeu a tocar o instrumento aos dez anos de idade no Liceu Cláudio Santoro, até então Centro Cultural. Ela lembra que começou a atuação profissional na Orquestra Jovem Encontro das Águas, regida pelo maestro Gustavo Medina e logo cursou o nível superior de música na UEA, onde teve bom desempenho. “Sempre tive bom desempenho, por isso sempre os maestros me davam oportunidades de participar em festivais e outras apresentações. Ao concluir a faculdade fiz um teste para a filarmônica e passei, como já estava acostumada com

a rotina de ensaios e apresentações não estranhei”, recorda, ao dizer que para manter o ritmo ensaia durante três horas por dia com a orquestra e em casa.

DESTAQUE

A musicista Bárbara Soares é uma das integrantes da Orquestra Amazonas Filarmônica (OAF) e aprendeu a arte de tocar violino no Liceu Cláudio Santo, antigo Centro Cultural Outro caso de artista local que alcançou a profissionalização é o do flautista Cláudio Abrantes. Ele iniciou os estudos musicais na antiga Escola Técnica Federal do Amazonas (Etfam), hoje,

conhecida como Instituto Federal de Educação Tecnológica do Amazonas (Ifam) e lembra que a banda escolar deu origem aos músicos regionais. “Manaus não tinha uma escola especializada em música e na ETFAM tinha uma banda, onde podíamos tocar e estudar. Mesmo de forma autodidata cheguei a cursar música fora do Brasil e em 1998 iniciei no Cláudio Santoro, etapa fundamental para chegar à orquestra”, explica, Abrantes. Ele lembra, ainda, que a concepção do título “músico” mudou consideravelmente há alguns anos, deixando de ser considerado como pessoa sem ocupação. “Antes éramos tachados como vagabundos e hoje essa mentalidade mudou. Acredito que isso se deva ao investimento na área cultural”, conclui. A Orquestra Amazonas Filarmônica (OAF) é a anfitriã do Festival Amazonas de Ópera


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

>> Objeto de desejo

>> Niver . O deputado Sidney Leite faz aniversário hoje.

Fernando Coelho Jr.

. Comemora a data ao lado da família. Ele aproveita o dia para curtir a companhia da mulher Daniele e dos filhos Ciro e Luna.

fernando.emtempo@hotmail.com - www.conteudochic.com.br

FOTOS: BARROS

>> Carrossel

>> Ação

. Camila e Leandro Lins de Albuquerque orquestraram um festão comemorando o primeiro ano da fofíssima filha Maria, no Dulcila da Ponta Negra.

. Estreia na França, mês que vem, a exposição Stars in Dior, que revela a união entre estrelas de Hollywood e a grife nesses mais de 60 anos.

. Natalie Portman, embaixadora da Dior, escolheu o batom Rouge Dior’s Nude Grège para representar a marca filantropicamente. Portanto, a partir de agora, parte da renda angariada com a venda do produto será revertida para a “Free the Children Foundation”, instituição que luta para libertar crianças da exploração e pobreza.

. A festa tinha como tema ‘Circo’, e que resultou numa linda e coloridíssima noite, que deixou deslumbrada a turma de bambinos presentes. Uma das festas infantis mais bonitas da temporada.

. O palco será a Villa Les Rhumbs, casa do século XIX, onde Christian Dior viveu durante sua infância em Granville. Fotos de Elizabeth Taylor, Sophia Loren, Marion Cottillard e Charlize Theron, mais os vestidos que fizeram parte das campanhas estarão na exposição. Charlize, a garota-propaganda de um dos perfumes mais conhecidos da Dior, o J’Adore, estampa a capa do livro, com o mesmo nome da mostra, e que já virou item disputado por colecionadores.

Maria do Carmo e Wellington Lins, com a aniversariante Maria e seus pais Camila e Leandro Lins de Albuquerque, no Dulcila Nílio Portela, Fabiana Costa e Nilinho e Milcia Portela

Juliana e Wellington Jr., Maria Eugênia Seffair Lins de Albuquerque e André Catunda

. Toda supersticiosa, Natalie escolheu o Nude Grège por ter o número 169 como referência: “6 é o número que representa o mês de junho, no qual toda a minha família nasceu, 9 é mágico e 1 é o número do meu filho - Aleph, em hebraico, representa o numeral”, finalizou. Mística, vegetariana e do bem.

>> Passarela

>> Palco

. Zenilda Castelo Branco prepara um evento especial para comemorar os 4 anos de sucesso de sua Zen Maison.

. O lançamento de Thiaguinho solo e os 15 anos de Sorriso Maroto atiçaram mesmo os fãs dos artistas. Tanto que o show marcado para o próximo dia 13, no sambódromo, engatou o 2º lote de ingressos.

. A festa será no dia 19 deste mês, com moda, obviamente. O evento será um encontro com o estilista Danillo Uitch, que estará lançando sua nova coleção de vestidos de noiva, além da mostra de serviços e gastronomia para casamento. Promete ser encontro de socialites.

Julia e George Lins de Albuquerque

. Procura geral ainda pelo Camarote Stage Cia. Athletica outro point disputado do evento.


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

D3

A simplicidade amazônica retratada pela literatura O ano de 2012 marca os 15 anos da morte do escritor amazonense Arthur Engrácio, conhecido por enfatizar o regional FOTOS: DIVULGAÇÃO

GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

U

m acervo cultural de pelo menos 15 obras literárias é a herança mais importante deixada pelo escritor amazonense Arthur Engrácio,morto no dia 2 de abril de 1997. Natural do município de Manicoré, Engrácio também atuou como jornalista e crítico. Seu livro de estreia foi “Histórias do submundo”, de 1960. Embora tenha contribuído para refletir sobre realidades amazônicas, por meio de romances e contos, o escritor é raramente encontrado nas prateleiras das livrarias. Para o professor e também escritor, Tenório Telles, lembrar da lacuna deixada por Arthur Engrácio na produção artística literária amazonense há uma década e meia, é uma espécie de homenagem. “É um reconhecimento pelo trabalho literário de um dos maiores nomes da literatura contemporânea do Amazonas. Engrácio realizou uma obra que resgata a vida e a realidade social dos homens e mulheres que habitam os muitos beiradões da Amazônia, ao mesmo tempo em que denuncia as injustiças e os sofrimentos vividos pelos ribeirinhos”, comenta. Simplicidade é a palavra que melhor traduz o perfil de Arthur Engrácio para o historiador Abrahim Baze, que compartilha da opinião de Tenório e afirma que o Estado não possui, ainda, outro personagem que assuma posição semelhante à

LÍRICO

Festival de ópera inicia dia 20 Faltam menos de duas semanas para o início da 16ª edição do Festival Amazonas de Ópera (FAO) que será realizado de 20 de abril a 27 de maio, em diversos espaços culturais da cidade e no interior. Com uma vasta programação, o 16º FAO vem com 22 apresentações, seis óperas, quatro convivências da ópera, três recitais, três vesperais líricas, dois municípios do interior, um concerto/balé e um espetáculo de música e balé. A abertura acontecerá no Teatro Amazonas, no dia 20 de abril, às 20h, com a ópera inédita “Lulu”, de Alban Berg (1885-1935). Como nas demais edições, o festival também terá apresentações em locais como Centro Cultural Palácio da Justiça, Teatro da Instalação, entre outros. Uma das novidades desta edição é a realização do festival em municípios. Manacapuru receberá a ópera “La Bohème”, de Giacomo Puccini (1858 – 1924), no dia 26 de maio, e Rio Preto da Eva, a ópera “Carmen”, de Georges Bizet (1838-1875), dia 27 de maio. O evento, realizado pelo governo do Amazonas por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), conta com patrocínio do Banco Bradesco.

de Engrácio. “Além de ter sido excelente escritor, me atrevo a dizer que ele foi o maior critico literário que tivemos em toda a nossa história. Sutil nas palavras, mas preciso nas colocações. Ele não necessitava de pobreza de linguagem para

Obras de Arthur Engrácio Contos: •Histórias de submundo, 1960; •Antologia do novo conto amazonense, 1971; •Restinga, 1976; Ajuste de contos, 1978; •Contos do Mato, 1981; Estórias do rio, 1984; •20 contos amazônicos, 1986; •Outras estórias de submundo, 1988; •A vingança do boto, 1995.

A obra de Arthur Engrácio resgata a vida e a realidade social dos homens e mulheres que habitam os beiradões da Amazônia Tenório Telles, escritor

dizer o que queria. O conhecimento sobre a obra que criticava era fundamental para a construção dos seus textos, uma vez que criticar não é falar mal, mas sim apresentar o que há de bom e os seus vacilos”, diz Abrahim. A mencionada simplicidade de Arthur Engrácio no modo seu de vida era facilmente refletida nas obras. O escritor Zemaria Pinto, em publicação no seu blog oficial, analisa a característica denotando que “apesar de original, e de manter uma constante unidade temática, Engrácio nunca foi um inventor de formas, mas foi, sem dúvida, um desbravador dos caminhos da literatura regionalista que se pratica hoje no Amazonas”.

Apesar da relevância da obra de Arthur Engrácio, poucos livros estão à venda ao público

Das páginas para a tela da TV A profundidade do talento de Arthur Engrácio chegou a atingir, em junho de 2001, os televisores do povo brasileiro, quando sua obra “A vingança do boto” (1995) serviu de base para a criação do 15º episódio da segunda temporada da série de contos “Brava Gente”, da TV Globo, adaptado por Lúcio Manfredi e dirigido por Jayme Monjardim e Teresa Lampreia, batizado de “As aventuras de Chico Norato contra o boto vingativo”, com o ator

Gero Camilo interpretando a personagem-título e Humberto Martins como a personificação do boto. Apesar de toda a influência cultural das obras do escritor caboclo, ter acesso aos seus escritos não é tão fácil assim, contrapondo ao que o poeta Thiago de Mello declarou dias depois da morte do amigo, quando disse que “é na obra de Arthur Engrácio (...) que as gerações futuras se informarão sobre a vida e os costumes do interior do Amazonas”. A

razão dessa realidade é uma indecisão familiar sobre o que fazer do legado do escritor. Infelizmente, com isso, ficam duplamente órfãos estudantes, pesquisadores e leitores em geral. Órfão desde os quatro anos de idade, que no dia 16 de abril completaria 85 anos de idade se estivesse vivo, foi praticamente autodidata e chegou a estudar até o último ano do curso de direito, pela então Universidade do Amazonas (atual Ufam).

Romance: •Áspero chão de Santa Rita, 1986. Crítica: •A berlinda literária, 1976; •Um olho no prato outro no gato, 1981; •Os pingos nos ii, 1983. Ensaio: •Afrânio de Castro o quadro sem retoque, 1993; •Poetas e prosadores contemporâneos do Amazonas - súmula biobibliográfica, 1994.

MÚSICA

Cileno prepara disco inédito DIVULGAÇÃO

Com 30 anos de carreira, Cileno se preparar para gravar mais um disco ainda este mês

O cantor e compositor Cileno entra em estúdio para gravar o 11º álbum da carreira, ainda neste mês de abril. Apostando predominantemente no estilo romântico, o músico regional pretende produzir um disco apenas de voz e violão, com canções de autoria própria e em parceria com outros artistas da região. De fato, este será o segundo disco da história de Cileno neste formato acústico. Anteriormente, por volta do ano de 2004, o músico já havia lançado “Dialética”, que apresentava regravações de suas próprias obras. Na época, o disco contou com produção no Rio de Janeiro, por Adonai Pereira, marido da cantora Eliana Printes. “A minha intenção é atender as pessoas que gostam de ouvir um CD limpo, valorizando a voz e também para atender os colegas intérpretes, porque dá a possibilidade de cada um “viajar” nos arranjos que quiserem colocar”, declara o artista. O novo disco de Cileno ainda não tem nome definido e virá com dez faixas inéditas, sendo algumas criadas em parceria com os compositores Sérgio Souto (acriano radicado no Rio de Janeiro, autor de sucessos como “Fal-

sa alegria” e com histórico que inclui letras gravadas por Eliana Printes e Pereira, entre outros), Oscar Filho e José Cardoso (artista local, com quem Cileno já gravou obras como “Olhar de um cais” e “Silêncio”). Somente a última faixa do disco ainda não foi escolhida por Cileno. As demais do novo repertório “Sol de Amsterdã” e “Mania nacional”, que é uma espécie de homenagem à modelo Larissa Riquelme. “Aquiescendo com a sugestão de alguns amigos, resolvi compor algo “pra cima”, então saiu um samba-rock devido toda essa euforia em torno dessa modelo paraguaia, que por sinal é belíssima. Eu criei uma coisa meio (Jorge) Ben Jor”, explica. Além destas, o disco traz, ainda, “Gosto de gostar” (com Sergio Souto), “Doze”, “Pores do sol”, “Balanço da alma” (com José Cardoso), “Saudade seresteira” (com Oscar Filho), “A B C do chicote” e “Infância”. Cileno pretende entrar em estúdio, efetivamente, na segunda quinzena deste mês. “Como a gravação é simples, apenas voz e violão, acredito que em no máximo dois meses depois do início do processo, concluo”, afirma o cantor. O cantor tem mais de 30 anos de carreira (GC).


D4

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Diante do Trono inscreve coristas a partir do dia 10 Candidatos ao coral, que vão participar da gravação do DT, em junho, devem preencher cadastro na página da banda gospel na internet e pagar taxa de R$ 10

N

a próxima terçafeira, 10, a banda de música gospel Diante do Trono abre as inscrições para os interessados em participar do coral do grupo, que grava no dia 9 de junho o seu 15º CD e DVD, no final da Marcha para Jesus, em Manaus. Para participar, os candidatos precisam preencher um cadastro disponível no site do grupo de louvor evangélico, no www.diantedotrono.com e pagar uma taxa simbólica no valor de R$ 10. De acordo com os organizadores do evento, o participante não precisa ter experiência em canto, mas deve se esforçar para aprender as letras das músicas que vão compor o novo álbum musical do grupo. “A expectativa da direção do ministério é de que pelo menos sete mil pessoas possam participar do coral no dia da gravação, fato que será considerado o maior recorde de participantes em toda a história do DT”, adianta o produtor local da gravação, o empresário Nailton Campos. A pastora Ana Lúcia Câmara, líder do grupo de louvor Boas Novas, da Igreja Assembleia de Deus do Amazonas (Ieadam) será a responsável

DIANTE DO TRONO/DIVULGAÇÃO

pelos ensaios que ainda não têm data para iniciar, mas vão acontecer no auditório Canaã, em frente ao campus da Ufam, no Japiim, Zona Sul. Outros detalhes sobre entrega de credencial, horário de chegada dos coristas e acesso ao local da gravação também serão disponibilizados no site do Diante do Trono, em breve. “Será um privilégio para todos os integrantes do coral, pois vão aprender, em primeira mão, as canções inéditas e ainda com a vantagem de estarem posicionados bem próximo aos cantores que fazem parte do DT”. Gravação Para coincidir a gravação do CD e DVD do Diante do Trono e com o evento da Marcha para Jesus em Manaus, a direção do grupo de louvor alterou, pela primeira vez, a data em que anualmente grava seus trabalhos, no mês de julho. Pelo acerto entre o DT e a Ordem dos Ministros Evangélicos do Amazonas (Omeam), a gravação, ao vivo, acontece no final da Marcha para Jesus, no sambódromo. “Temos a expectativa de reunir 1 milhão de pessoas para prestigiar os dois eventos”, afirma o presidente da Omeam, o pastor Valdiberto Rocha.

UEA

Edital para publicação de livros encerra dia 24 Professores e pesquisadores de qualquer instituição brasileira de ensino e pesquisa em nível superior têm até 24 de abril para inscrever-se na segunda chamada de edital com R$ 170 mil para publicação de trabalhos acadêmicos de mestrado, doutorado, pós-doutorado e coletâneas. O edital é oferecido pela Editora Universitária da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e deve contemplar 22 projetos, informa o diretor da editora, Otávio Rios. “O edital é direcionado apenas às pesquisas inéditas. Esta é a segunda chamada, e o resultado das propostas será anunciado a partir do dia 23 de junho”, alerta o diretor. A chamada vai contemplar, ainda, publicação de dicionários, enciclopédias e revistas acadêmicas que tenham atingido o terceiro número de sua publicação seriada. A publicação dos materiais tem fomento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). O resultado da primeira chamada, encerrada em 1º de março, será divulgado a partir de 1º de maio. Os interessados de-

vem entregar os materiais de pesquisa, conforme as regras estabelecidas no edital, à sede da Editora Universitária da UEA, localizada na reitoria da universidade, situada à avenida Djalma Batista, nº 3.578, Flores, Zona Centro-Oeste.

DESTAQUE

Professores e pesquisadores de todo o País têm até 24 de abril para se inscrever na segunda chamada de edital com R$ 170 mil para publicação de trabalhos acadêmicos Outras cidades Os residentes em outras cidades precisam encaminhar os originais, via Sedex, serviço dos Correios, e com confirmação de recebimento, para o mesmo endereço e adicionar o CEP 69050-010, específico para essa situação. O edital está disponível no portal da UEA, cujo o endereço do site é www. uea.edu.br. Está prevista a publicação de 22 itens, entre revistas e livros, com tiragem de 500 exemplares cada um.

Ana Paula Valadão incentiva pessoas a participar do coral

SHOW

Ingressos chegam ao 2º lote Um dos shows de samba mais esperados do mês, que reúne o “príncipe do pagode”, Thiaguinho (exvocalista da banda Exaltasamba), e Sorriso Maroto, que apresenta o show em comemoração aos 15 anos de carreira, já está com ingressos no segundo lote. A apresentação dos artistas será no próximo dia 13, no sambódromo, a partir das 22h. Ao custo de R$ 40 (meia) e R$ 80 (inteira), os fãs dos artistas podem adquirir os ingressos nas lojas Ótica Veja, Mika’s Chopp, Picanha’s Burguers, Minds English School, Fuga de Lula e estande de vendas da Fábrica de Eventos. Quem prefere ficar no camarote, o valor é R$ 120

(meia-entrada) e R$ 240 (inteira) por pessoa. Já na Área VIP, com front stage (em frente ao palco) e open bar até às 3h, o ingresso custa R$ 150 (meia-entrada) e R$ 300 (inteira) e ainda podem ser parcelados em até duas vezes no cartão de crédito. Outra vantagem exclusiva é com o Camarote Stage Companhia Athlética, um espaço construído bem próximo do palco, para ficar pertinho do artista. De quebra, a “festa dentro da festa” conta com bebida liberada até às 4h. Os ingressos custam R$ 250 (meia) e R$ 500 (inteira). Alunos da academia ainda ganham 20% de desconto. Blitz Uma grande chance para faturar ingressos e brindes DIVULGAÇÃO

exclusivos e totalmente de graça é com as blitze e esquentas especiais do evento que têm rodado toda a cidade para dar prêmios. A próxima blitz vai acontecer no dia 11, das 16h às 18h, nas dependências da loja Fuga de Lula, no Centro. E na véspera da festa, dia 12, de 10h às 12h, a programação da blitze finaliza na loja Apa Móveis do São José, na Zona Leste de Manaus. Para ganhar os prêmios, os participantes têm que ser bom no “gogó”. Cada candidato precisa cantar um trecho de um dos artistas da noite. Quem cantar melhor as canções, leva o ingresso de brinde.

SERVIÇO

SORRISO MAROTO E THIAGUINHO Quando 13 de abril Onde sambódromo Ingressos R$ 40 (pista), R$ 120 (camarote); R$ 150 (Área VIP) e R$ 500 (Camarote Stage). Todos os valores são de meia-entrada. Parcelamento em 2x no cartão de crédito. Vendas Estande da Fábrica de Eventos (2º. Piso Amazonas Shopping), Óticas Veja, Mika’s Chopp, Picanha’s Burgers (avenida Djalma Batista, 337, Chapada), Minds English School (rua Acre, 40, Vieralves) e Fuga de Lula (Centro).

Thiaguinho se apresentará, pela primeira vez, sozinho


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

D5

Samba domina a ‘Virada’ Os cantores Beth Carvalho, Dudu Nobre, Diogo Nogueira e a bateria da escola de samba Grande Rio estão confirmados para o palco Eldorado, localizado na praça do Caranguejo, para a “Virada Cultural” que acontece dias 26 e 27 de maio FOTOS: DIVULGAÇÃO

PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

O

O cantor Diogo Nogueira participa do encerramento

A primeira noite contará com show de Dudu Nobre

FOTOS: DIVULGAÇÃO

palco que será montado no conjunto Eldorado,Parque 10, na edição da “Virada Cultural de 2012”, terá a presença confirmada de grandes nomes do samba. A festa, que acontece nos dias 26 e 27 deste mês, receberá os cantores Beth Carvalho e Dudu Nobre, na primeira noite, e Diogo Nogueira, juntamente com o Grêmio Recreativo Escola de Samba (Gres) Acadêmicos do Grande Rio, no encerramento. O local é uma das seis opções disponibilizadas pela Fundação Municipal de Cultura e Artes (ManausCult), que também oferece entretenimento por meio da música local e nacional em estruturas montadas em várias Zonas da cidade. Localizado na Praça do Caranguejo, na Zona Centro-Sul da capital, o evento acontece, como em todos os anos, a partir das 20h. Os outros palcos serão distribuídos nas seguintes localidades: no Centro Social Urbano do bairro Parque 10, na avenida Itaúba, no São José, na Ponta Negra, Praça dos Bilhares e Praça da Saudade, no Centro. Na última edição, o público que compareceu à famosa Praça do Caranguejo, assistiu às performances da cantora de Música Popular Brasileira

(MPB) Preta Gil e a afro-baiana Margareth Menezes. Além da participação de atrações nacionais, o evento também tem a finalidade de dar oportunidade aos artistas locais, incluindo nesse grupo profissionais do teatro, dança e circo. História A Virada Cultural é um evento inspirado na “Nuit Blanche” de Paris, que agita anualmente a capital francesa. No Brasil,

MPB

O cantor Lenine é outra atração confirmada para esta edição do evento, segundo a diretora-presidente da ManausCult, Lívia Mendes. O palco onde ele se apresentará ainda não foi divulgado. teve a sua primeira edição no ano de 2005, promovida pela prefeitura de São Paulo (SP). A Virada ocorre anualmente e tem o objetivo de promover cultura e arte pela cidade, durante 24 horas ininterruptas, proporcionando espaços com vários tipos de eventos culturais como, espetáculos musicais, peças de teatro, exposições de arte, esporte, entre outros, tudo, simultaneamente em diferentes pontos da cidade.

Ícone do samba nacional, Beth Carvalho foi confirmada ontem

NACIONAIS

Shows com ingressos à venda Os ingressos para o show do cantor Jorge Aragão, velho conhecido do público amazonense, que acontece no dia 5 de maio, na piscina Vitória-Régia do Tropical Hotel, começam a ser vendidos amanhã. Os espaços de vendas são as Óticas Vejas, lojas Shop do Pé (Amazonas Shopping e Manauara) e Atlética Athenas do Olímpico Clube. Os valores dos ingressos são R$ 40 (pista/estudante) R$ 100 (área VIP com direito a camiseta exclusiva, além de bares, banheiros e praça de alimentação). Mais informação: (92) 3088- 5420.

No repertório que Jorge Aragão apresentará em Manaus, e que terá a participação da banda Cuka Fresca e bateria da escola de samba Aparecida, deve constar músicas como “Vou festejar”, “Enredo do meu samba”, “Eu e você sempre”, “Coisa de pele” e uma versão para cavaquinho da clássica “Ave Maria”, de Gounod. As vendas dos ingressos para o show “Nos braços da emoção” de Alcione, que acontece no dia 31 de maio, no Dulcila’s da Ponta Negra, começam a ser vendidos somente no dia 10 de

ESGOTADOS

O show da Los Hermanos será realizado na Arena Amadeu Teixeira. Os passaportes da pista premium estão esgotados e os somente de pista ainda estão disponíveis ao preço de R$ 40. abril, segundo informações da produção. Só serão vendidos lugares à mesa no valor de R$ 100 com direito a bufê com 13 tipos de salgados.

A cantora Alcione faz show no dia 31 de maio, no Ducila’s

Los Hermanos com bilhetes esgotados Já no dia 27 de abril, Manaus entra na rota da nova turnê da banda Los Hermanos. O show será realizado na Arena Amadeu Teixeira. Os passaportes da pista premium estão esgotados e somente de pista ainda estão disponíveis ao preço de R$ 40. Os pontos de vendas são as lojas Granada Beach e Sandálias & Tal, localizadas no Amazonas Shopping e no Manauara. A compra também pode ser realizada no www.bilheteriavirtual.com, com cartão de credito em até duas vezes. Jorge Aragão é a atração no dia 5 de maio, no Tropical

Os passaportes podem ser encontrados nas lojas Levi’s do Amazonas Shopping e Way Shopping do Manauara. O show da Marrom é o primeiro do projeto “Rio, Samba Show” que promete trazer, ainda este ano, as cantoras Maria Betânia, Martinho da Vila e Fundo de Quintal. Para informações: (92) 36425545.

SHOWS

JORGE ARAGÃO Quando: 5 de maio Onde: Piscina VitóriaRégia do Tropical Hotel Quanto: R$ 40 (pista/estudante) e R$ 100 (área VIP com direito a camiseta exclusiva, além de bares, banheiros e praça de alimentação)

LOS HERMANOS Quando: 27 de abril Onde: Arena Amadeu Teixeria (av. Constantino Nery, Alvorada) Quanto: R$ 40 (pista)

ALCIONE

A banda traz a turnê comemorativa dos 15 anos

Quando: 31 de maio Onde: Dulcilla da Ponta Negra Quanto: R$ 100 (lugar à mesa)


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Programação de TV SBT 05h00 – Aventura Selvagem – reprise 06h00 – Pesca Alternativa 07h00 – A Grande Ideia 07h30 – VRUM 08h00 – PGM Manazinha – local 08h30 – Chaves 09h00 – Sorteio Amazonas dá Sorte (Local) 10h00 – Domingo Legal 14h00 – Eliana 18h00 – Roda a Roda Jequiti 18h55 – Sorteio da Telesena 19h00 – Programa Sílvio Santos 23h00 – De Frente com Gabi 00h00 – Série: O Mentalista/ The Mentalist 01h00 – Série: Divisão Criminal / The Closer 02h00 – Série: Os Esquecidos/ The Forgotten 03h00 – Encerramento da Programação

GLOBO 04h47 – Santa Missa em Seu Lar 05h47 – Sagrado: Compacto – Origem 06h00 – Amazônia Rural 06h30 – Pequenas Empresas – Grandes Negócios 07h00 – Globo Rural 07h58 – Auto Esporte 08h30 – Esporte Espetacular (Superliga Masculino de Vôlei) 11h35 – As Aventuras de Didi 12h10 – Os Caras de Pau 12h55 – Temperatura Máxima. Filme: O Terno de 2 Milhões de Dólares 15h00 – Futebol 2012: Campeonato Carioca – Botafogo x Friburguense 17h00 – Domingão do Faustão 19h45 – Fantástico 22h05 – Programete UFC 22h10 – UFC - Em Busca de Campões 23h10 – Domingo Maior. Filme: O Confronto 00h45 – Sessão de Gala. Filme: Trama Internacional 02h45 – Corujão I. Filme: Ricky Bobby - A Toda Velocidade

Horóscopo GREGÓRIO QUEIROZ

04h28 – Festival de Desenhos

RECORD 05h30 – Desenhos Bíblicos 07h20 – Record Kids – Pica-Pau 09h00 – Amazonas dá Sorte – Bingo - local 10h00 – Record Kids – Pica-pau 11h30 – Tudo é Possível – PGM 348 15h30 – Programa do Gugu – PGM 137 19h30 – Domingo Espetacular – PGM 416 22h15 – Repórter Record – Sobreviventes 23h30 – Série: Casais Perfeitos (1ª Temporada – inédita) 00h00 – Programação IURD

REDE TV 06h30 – Igreja Internacional da Graça – local 08h25 – Programa: Viva Amazônia – local 08h55 – Campeonato Italiano – Lazio x Cagliari 11h00 – Igreja Universal da

Graça – local 12h00 – Programa: Fique Ligado – local 13h00 – Programa: Esporte Performance – local 14h00 – Programa: Semeando Bênçãos – local 14h30 – Programa: Amigos do Volante – local 15h00 – Sabores & Ideias – local 15h30 – Programa: Fé e Milagres – local 16h00 – Programa: Luta Tribal (reprise) 16h30 – Olhar Digital (gravado) 17h15 – Ritmo Brasil 17h45 – Belas na Rede 18h30 – O Encantador de Cães 19h15 – O Último Passageiro 20h45 – Sessão Especial 22h30 – Programa: Amazon Trip – local 23h10 – Dr. Hollywood Brasil 00h10 – É Notícia 01h10 – Igreja Internacional da Graça – local

BAND 05h00 – Igreja Mundial 06h00 – Sol Brilhante

Cinema

06h30 – Santa Missa no Seu Lar 07h30 – Fé na Verdade 08h30 – Conexão Cargas 09h00 – Desenho 09h30 – Brasil Caminhoneiro 10h00 – Informecial 11h00 – Auto + 11h30 – Band Clássicos 12h00 – Band Esporte Clube 12h30 – Futebol 2012 – Botafogo x Friburguense 17h00 – Terceiro Tempo 19h00 – Segurança Especial 20h00 – Polícia 24h 21h00 – Pânico na TV 22h30 – Canal Livre 00h30 – Isto é Manaus 01h30 – Show Business – reap. 00h45 – Cine Band 03h10 – Igreja Mundial

TV CULTURA 05h55 – Abertura da Estação/ Hino Nacional 06h00 – Via Legal 06h30 – Brasil Eleitor 07h00 – Palavras de Vida 08h00 – Santa Missa 09h00 – Viola, Minha Viola

09h15 – Curta Criança 09h30 – Janela Janelinha 10h00 – Escola Pra Cachorro 10h15 – Meu Amigãozão 10h30 – Turma do Pererê 11h00 – ABZ do Ziraldo 11h30 – Anima TV Tromba Trem 11h45 – Anima TV Carrapatos e Catapultas 12h00 – Turma do Pererê 13h00 – Dango Balango 13h30 – TV Piá 14h00 – Stadium 15h00 – Amazônia com Bruce Parry 16h00 – Ver TV 17h00 – De Lá Pra Cá 17h30 – Cara e Coroa 18h00 – Papo de Mãe 19h00 – Conexão Roberto D’Ávila 20h00 – Esportvisão 21h30 – MPTV – Reprise – local 22h00 – Roda Viva Amazônia – local ao vivo 23h00 – Lado B – local ao vivo 23h30 – Cine Ibermédia 00h00 – Doc. Especial 00h30 – Hino Nacional / Encerramento da Emissora

Cruzadinhas

PRÉ-ESTREIA

DIVULGAÇÃO

ÁRIES - 21/3 a 19/4 O modo como conduz seus anseios no trabalho precisa mudar. Não adianta teimar numa direção que se mostra inadequada. É preciso ter flexibilidade e saber quando mudar. TOURO - 20/4 a 20/5 No amor, o que parecia firme e forte mostra que precisa de nova base. Seus desejos e sentimentos são reformados e modificados aos poucos. Tenha paciência consigo mesmo. GÊMEOS - 21/5 a 21/6 É tempo de reconsiderar sua atuação em meio às relações familiares. Um novo tratamento é exigido ao que parecia resolvido na vida doméstica. CÂNCER - 22/6 a 22/7 Sua rotina começa a ter mais atritos, pois sua maneira de agir está em descompasso com as obrigações. Não adianta forçar as situações, é preciso mudar a organização pessoal. LEÃO - 23/7 a 22/8 Marte em tensão com o Sol, seu regente, indica que é preciso mudar a maneira de lidar com questões materiais e financeiras. Nem tudo pode ser forçado como estava fazendo. VIRGEM - 23/8 a 22/9 Marte retrógrado em tensão com o Sol indica que as resoluções tomadas com assuntos pessoais e financeiros precisam ser melhor ponderadas. Não ache que você pode tudo. LIBRA - 23/9 a 22/10 Quando parecia pronto para superar um entrave, é preciso retroceder, refletir melhor para, adiante, avançar de outro modo As relações pessoais e afetivas devem ser respeitadas. ESCORPIÃO - 23/10 a 21/11 Os verdadeiros motivos da insatisfação com o trabalho e os amigos podem agora estar mais claros. Mas é preciso mudar os planos de longo prazo, para conseguir avançar. SAGITÁRIO - 22/11 a 21/12 Certos encaminhamentos profissionais precisam ser modificados. Talvez tenha que voltar atrás, e encaixar novamente suas ações dentro do que a realidade lhe permite. CAPRICÓRNIO - 22/12 a 19/1 É tempo de rever a direção de vida. Os estudos e as aspirações de crescimento precisam ser conduzidos de outra forma, o que pode custar tempo até compreender direito como. AQUÁRIO - 20/1 a 18/2 As crises que pareciam estar terminando, voltam atrás e teimam em exigir outro tratamento. Dinheiro e amor são as áreas mais críticas nesta reformulação. PEIXES - 19/2 a 20/3 As tensões na vida a dois voltam a prevalecer. O que parecia resolvido precisa de outra solução, pois aquela dada não abrangeu tudo o que precisava.

•Titanic 3D: USA. 10 anos. Jack Dawson (Leonardo DiCaprio) é um jovem aventureiro que, na mesa de jogo, ganha uma passagem para a primeira viagem do transatlântico Titanic. No navio apaixona-se por Rose Bukater (Kate Winslet), noiva de um homem rico e arrogante, Caledon Hockley (Billy Zane), com quem vive um amor proibido. Mas a viagem ganha contornos trágicos quando o navio se choca com um iceberg. Cinemais Millennium 1 – 21h10 (3D/leg/sextafeira,sábado e domingo), Cinemark 4 – 21h40 (3D/dub/sexta-feira, sábado e domingo).

ESTREIAS •Espelho, espelho meu: USA. Livre. Lily Collins vive a princesa exilada Branca de Neve e é perseguida pela Rainha Má, que governa o reino sem piedade. Na sua luta para conquistar o trono a que tem direito e também para ganhar o coração do príncipe encantado, Branca de Neve contará com a ajuda dos leais e destemidos sete anões nessa aventura fantástica cheia de romance, rivalidade e muito humor. Cinemark 1 - 12h, 14h20, 16h40, 19h, 21h30 (dub/diariamente); Cinemais Plaza 6 – 14h50, 17h, 19h10, 21h20 (dub/diariamente); Cinemais Millennium 4 – 15h10,

17h20, 19h30, 21h40 (leg/diariamente); Cinemais Millennium 8 - 14h10, 16h20, 18h40, 21h (dub/diariamente); Cinemas Amazonas 4 - 16h55, 19h05, 21h15 (dub/diariamente); Playarte 6 - 12h30, 14h40, 16h50, 19h, 21h10 (dub/diariamente) e 23h20 (dub/sexta-feira, sábado e feriado); Playarte 7 - 12h31, 14h41, 16h51, 19h01, 21h11 (dub/diariamente) e 23h21 (dub/sextafeira, sábado e feriado). •Xingu: BRA. 12 anos. Os irmãos Orlando (Felipe Camargo), Cláudio (João Miguel) e Leonardo Villas Bôas (Caio Blat) resolvem trocar o conforto da vida na cidade grande pela aventura de viver nas matas. Para isso, resolvem se alistar no programa de expansão na região do Brasil central, incentivado pelo governo. Com enorme poder de persuasão e afinidade com os habitantes da floresta, os três se tornam referência nas relações com os povos indígenas, vivenciando incríveis experiências, entre elas a eterna conquista do Parque Nacional do Xingu. Cinemark 7 - 13h10, 15h30, 17h50, 20h10, 22h30 (diariamente); Cinemais Plaza 7 - 14h30, 16h40, 19h, 21h30 (diariamente); Cinemais Millennium 6 - 14h50, 17h, 19h20, 21h50 (diariamente); Cinemas Amazonas 5 - 14h30, 16h40, 18h50, 21h (diariamente).

CONTINUAÇÕES •Lorax: Em busca da trúfula perdida - Livre. Cinemark 3 – 12h50, 15h (dub/diariamente); Cinemark 4 – 13h, 15h20, 17h30, 19h30, 21h40 (dub/diariamente) e 11h (dub/somente sexta-feira, sábado e domingo); Playarte 1 – 13h45 e 15h45 (3D/dub/diariamente); Playarte 3 – 12h30, 14h30, 16h30, 18h30, 20h30 (dub/diariamente) e 22h30 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza 1 – 14h40 e 16h50 (3D/dub/ diariamente); Cinemais Plaza 8 – 15h20, 17h30, 19h30 (dub/diariamente); Cinemais Millennium 1 – 13h5015h, 17h10, 19h e 21h10 (3D/dub/diariamente) e 15h, 17h10, 19h (3D/dub/sexta-feira, sábado e domingo); Cinemais Millennium 2 – 14h20, 16h30, 18h30 (dub/ diariamente). •Fúria de Titãs 2 - 12 anos. Cinemark 6 – 12h40, 14h50, 17h20, 19h50, 22h10 (dub/3D/diariamente); Cinemark 8 – 14h, 16h20, 18h40, 21h (dub/diariamente), 11h40 (dub/sexta-feira, sábado e domingo) e 23h20 (dub/somente sexta-feira e sábado); Playarte 1 – 17h45, 19h45 (3D/dub/diariamente), 21h45 (3D/leg/diariamente) e 23h45 (3D/dub/somente sexta-feira, sábado

e feriado); Playarte 10 – 12h45, 14h45, 16h45, 18h45, 20h45 (leg/diariamente) e 22h45 (leg/sexta-feira, sábado e feriado); Cinemais Plaza 1 –19h40 e 21h40 (3D/ dub/diariamente); Cinemais Plaza 2 – 14h20, 16h30, 18h40, 21h (dub/diariamente); Cinemais Millennium 3 – 15h20 (3D/dub/diariamente), 17h30, 19h40, 22h (3D/leg/diariamente); Cinemais Millennium 5 – 14h40, 16h40, 18h50, 21h20 (leg/diariamente). •O artista - 12 anos. Playarte 8 – 13h45, 15h55, 18h05, 20h15 (diariamente) e 22h25 (somente sextafeira e sábado). •Guerra é guerra – 12 anos: Cinemark 2 – 12h30, 15h10, 17h40, 20h, 22h20 (dub/diariamente); Cinemais Plaza 4 – 15h10, 17h20, 19h40, 22h (dub/diariamente); Cinemais Millennium 7 – 14h30, 16h50, 19h10, 21h30 (leg/diariamente). •Cada um tem a gêmea que merece – 10 anos: Cinemais Plaza 5 – 15h, 17h10, 19h15, 21h15 (dub/ diariamente). •Jogos vorazes – 14 anos: Cinemark 3 – 17h10, 20h20 (dub/ diariamente) e 23h20 (dub/somente sexta-

feira e sábado); Cinemark 5 – 12h05, 15h05, 18h10, 21h20 (dub/diariamente); Playarte 5 – 12h30, 15h20, 18h10, 21h (dub/diariamente) e 23h50 (dub/somente sexta-feira e sábado); Playarte 4 – 14h20, 17h10, 20h (leg/diariamente) e 22h50 (leg/somente sextafeira e sábado); Playarte 5 – 12h30, 15h20, 18h10, 21h (leg/diariamente) e 23h50 (leg/somente sextafeira, sábado e feriado); Cinemais Plaza 3 – 15h30, 18h50, 21h50 (dub/diariamente); Cinemais Millennium 2 – 21h15 (leg/diariamente); Cinemas Amazonas 6 – 14h (dub/diariamente). Pequenos espiões 4 – Livre: Playarte 2 – 13h50, 15h50, 17h50, 19h50, 21h50 (dub/diariamente) e 23h50 (dub/somente sexta-feira, sábado e feriado). A saga molusco – Amanhecer – 14 anos: Playarte 9 - 14h, 15h50, 17h40 e 19h30 (dub/diariamente) e 23h10 (dub/sexta-feira, sábado e feriado). Anjos da noite – O despertar – 16 anos: Cinemais Plaza 8 – 21h35 (dub/diariamente);


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

::::: Sala de Espera O deputado Sidney Leite (DEM), está trocando de idade hoje. Os cumprimentos da coluna. O samba também invade a animação da próxima ‘Sexta Feira 13’, com show de Thiaguinho e Sorriso Maroto, no sambódromo. Aliás, Sorriso Maroto está mesmo em ritmo de comemoração, uma vez que completou 15 anos de carreira, mais precisamente, no último dia 1º, com a gravação do seu DVD.

vido pelo hotel Quality Manaus, no Adrianópolis, e do café da manhã no Sleep Inn Manaus, no Distrito Industrial. Ambos estão oferecendo tarifa especial para hoje, Domingo de Páscoa. Mais informações, somente pelos 3321-8801 e 3182 0999.

A administração Aziz é quem assina, no Manauara Shopping, a exposição em comemoração aos 175 anos da Policia Militar do Amazonas.

A presidente da Associação Amigos da Catedral, Carmen Novoa Silva, convida para conferir a homenagem ao seu presidente de honra dom. Luiz Soares Vieira, pela passagem de seus 20 anos de episcopado em Manaus. O evento acontecerá no próximo dia 12, às 19h, no endereço da Jonathas Pedrosa.

A Vivo trouxe mais uma novidade para os seus clientes. Foi lançado esta semana o 3G Plus, mais um serviço de internet móvel. O 3G Plus é a evolução de 3G com uma velocidade até três vezes maior. Para adquirir o serviço, o aparelho (smartphone, tablet e modem) precisa estar apto a receber essa tecnologia. São 19 modelos à disposição do cliente. Comemorar a páscoa, em harmonia com sua família, é a proposta do almoço que será promo-

O Instituto Socio Cultural e Ambiental Reino do Amanhã pilotará, junto a outros parceiros, na quadra da escola de samba Reino Unido da Liberdade, uma palestra batizada de “Educar e Poupar, Desafie-se”. Participe e organize sua vida financeira, será no próximo dia 14, das 15h às 17h. É grátis.

Em dia de lançamento da Tucunaré Turismo – no Amazon River – rumo ao festival parintinense: Adriana, Cristina e Jorge Abrahão repartindo os holofotes com Márcia Baranda – atuante presidente do Caprichoso

Jander Vieira

jandervieira@hotmail.com - www.jandervieira.com.br HERICK PEREIRA/AGECOM

D7

Esbanjando charme e elegância na dosagem certa, quem tem a receita é a doce Valdenice Garcia. Dúvidas?

::::: Em silêncio Quem vai ao aeroporto Eduardo Gomes não percebe, mas as obras de reestruturação do terminal internacional de Manaus estão a pleno vapor. São galerias sendo construídas por baixo da velha estrutura e a ampliação corre a passos largos. Na verdade, segundo a Infraero, o andamento das intervenções segue em um ritmo silencioso para que não perturbe o público que utiliza o aeroporto. Segundo olheiros, em 2013 as obras serão entregues. Acredite, é possível. Oremos! Hoje, no Dia Mundial de Combate ao Câncer, a primeiradama Nejmi Jomaa Aziz inicia a semana intensificando suas campanhas sociais de saúde, orientando as mulheres a fazer o exame de mamografia e a acessarem os serviços da rede pública estadual de saúde

::::: Cruzes! Dando uma “zapeada” na TV ,em uma dessas madrugadas da vida, é impossível não parar para assistir o incrível duelo entre os pastores de duas igrejas neopetencostais para arrebanhar fiéis e suas generosas doações. Gente, o povo convoca até o capeta para acusar a igreja tal de “roubar” seus seguidores. Fala-se tanto “no coisa ruim” que a impressão é que a congregação adora o sujeito errado. E toda essa guerra é para garantir a “fé” em sua plenitude, monetária, inclusive. Se é que me entendem....

::::: Mímica Os haitianos já são parte do cotidiano de Manaus, mas não é por isso que temos de fechar os olhos para certas situações. Não adianta empregá-los sem antes dar noções de português. Ganhando seu dinheiro honestamente em alguns estabelecimentos, as pobres criaturas têm de atender o público e é ai que o bicho pega. Para se fazer entender alguns clientes tem que fazer malabarismos com as mãos, mímicas e tudo o que for possível.

::::: Lançamento A Associação para o Desenvolvimento Integrado e Sustentável vai promover, na próxima terça-feira, o lançamento do Projeto Mobiliza – uma estratégia de prevenção à violência sexual contra crianças e adolescentes. Esse projeto recebeu R$ 70 mil da ONG Childhood Brasil e da rede Atlantica Hotels para desenvolver ações em Manaus.


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 8 DE ABRIL DE 2012

Ambulante-cantor chega a vender 50 CDs por dia

Com bom humor, o cantor J. Solimões faz com que os clientes comprem, além de água e refrigerante, o disco dele SHANA REIS

PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

O

sonho que se tornou realidade. Foi a definição usada pelo cantor amazonense, que também é vendedor ambulante, José de Castro, 50, mais conhecido como J. Solimões, ao falar da vontade de gravar músicas que pudessem transmitir alegria e entusiasmo às pessoas. Com letra e estilo simples, a fórmula que une trabalho diário e hobby já resultou em mais de 400 músicas compostas, dois CDs gravados e oito mil cópias vendidas. “Meu trabalho é uma ponte para a comercialização dos CDs e é nas vendas que nascem as músicas”, afirmou o cantor. Com um chapé, estilo country, Solimões trabalha diariamente na área do viaduto da avenida Constantino Nery (em frente ao Olímpico Clube), vestido a caráter e tocando suas músicas. Além de vender bebidas (água e refrigerante), ele vende seus discos. “Eles são contagiados com a alegria dos ritmos. Vendo cerca de 50 discos por dia. Acredito que a diferença está no cantar e dançar”, explica. De acordo com o cantor,

a iniciativa de entrar para a área musical começou há sete anos, durante visita à cidade de São Paulo (SP). Ele relata que ao entrar em um estúdio de uma gravadora pediram que ele cantasse uma música, foi quando a direção da empresa lhe aconselhou gravar o próprio material. “Já escrevia músicas desde os 10 anos de idade, então não foi difícil

DESTAQUE

A fórmula de “sucesso”, que une trabalho diário de ambulante com hobby de cantar, já resultou em mais de 400 músicas compostas, dois CDs gravados e oito mil cópias vendidas no local reunir as melhores em um primeiro álbum. A gravação foi uma experiência ímpar”. Hoje, o cantor tem dois CDs gravados, o primeiro com a predominância do forró, intitulado “Laine”, e o segundo, em estilo country, denominado “Carrão e Mulherão”, ambos gravados pela D&N Produções. O terceiro

trabalho deverá ser lançado ainda em abril e o tema ainda será definido. De acordo com Solimões, as músicas mais pedidas pelo público são “Coca-cola” e “Silvinha”, do segundo disco. “A música tema do segundo CD nasceu durante uma venda. Uma mulher bonita parou em um carro chique e pediu uma coca-cola bem gelada. Achei aquela situação interessante e logo a letra veio à mente”, disse. O cantor ainda explicou que fez uma pesquisa para saber qual o grupo é adepto do seu estilo musical e ficou feliz ao saber que desde as crianças até aos idosos é bem quisto com seus ritmos. “Minha pesquisa envolveu pessoas com idade entre 5 e 60 anos e o resultado foi que eles gostam do ritmo alegre e as letras empolgantes”. Outro ponto enfatizado por Solimões é a autoria improvisada e inesperada. “Quando sou convidado a festas, como aniversário, as músicas são compostas na hora e tudo dá certo”, lembra. Os CDs podem ser adquiridos ao valor de R$ 10 no ponto de venda na área do viaduto ou pelo telefone (92) 8223-6237.

O cantor e ambulante já tem dois discos gravados e já prepara o terceiro para este ano

INFANTIL

‘Galinha Pintadinha’ terá apresentação no sábado Quem não se lembra de ter escutado pelo menos alguma vez cantigas populares como a “Canoa virou”, “O cravo brigou com a rosa”, ou “Sapo cururu”? Os hits que embalaram várias gerações de crianças chegam a Manaus na turnê oficial do espetáculo “A Galinha Pintadinha”, que acontece dia 21 de abril, a partir das 17h, no Studio 5 Festival Mall. Para quem ainda não conhece, a Galinha Pintadinha é um personagem de DVD infantil que resgata o cancioneiro popular brasileiro e que traz novas interpretações de clássicos da música infantil. Baseada nos vídeos e canções de seus dois DVDs, o show segue valorizando o cancioneiro popular com uma roupagem moderna para a cultura tradicional brasileira, trazendo para o palco os personagens favoritos da criançada: a Galinha Pintadinha, o Pintinho Amarelinho, a Baratinha, a Borboletinha, o Galo Carijó, o Galinho, o Sapo, entre outros. A trilha sonora, composta pelas vozes originais dos ví-

deos e o cenário, que recria as paisagens dos clipes que as crianças tanto adoram, ficam completos com um telão onde serão exibidas versões montadas especialmente para o espetáculo musical. Os ingressos já estão à venda.

SERVIÇO

A GALINHA PINTADINHA

Quando: Sábado, 21/4, às 17h Onde: Studio 5 Mall (Distrito Industrial) Quanto: Cadeira Premium: R$ 30 (cadeira lateral), R$ 35 (frisas), R$ 40 (cadeira Premium) e R$ 60 (área VIP). Todos os valores de meia-entrada. Crianças só pagam a partir de 2 anos Vendas: Studio 5 Informações: (92) 3216-3518 / 9219-5099 / 8264-1435

DIVULGAÇÃO

A apresentação em Manaus faz parte da turnê oficial

EM TEMPO - 8 de abril de 2012  

EM TEMPO - Caderno principal do jornal Amazonas EM TEMPO www.emtempo.com.br

Advertisement