Issuu on Google+

R$ EXEMPLAR

2,00 DE ASSINANTE

VENDA PROIBIDA PREÇO DESTA EDIÇÃO

O JORNAL QUE VOCÊ LÊ ANO XXVI – N.º 8.221 – DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES – DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO

SUPLEMENTOS

ARTHUR NETO

REPRODUÇÃO

RICARDO OLIVEIRA

Rituais e superstições não faltam para receber o novo ano com boas vibrações. Personalidades dão as dicas de como garantir prosperidade em 2014. Elenco 16 e 17

‘TIVEMOS QUE IMPROVISAR NAS FINANÇAS’ Prefeito Arthur Virgílio Neto (foto) faz balanço do primeiro ano de sua gestão, marcada pelo resgate da autoestima do manauense e pela execução de dezenas de obras, mesmo com aperto financeiro, que o levou a contingenciar verbas e enxugar secretarias. Apesar de achar precipitado falar em eleições, Arthur antecipa: “Está claro o perfil de quem não irei apoiar em 2014”. Com a Palavra A7

DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

Há cem anos, Sigmund Freud (foto), o fundador da psicanálise, publicava um de seus mais célebres textos, “Totem e Tabu”. Ilustríssima G2 e G3

Ativista brasileira já está em casa

Pesquisas de três universidades do Reino Unido apontam que ingerir frutas e verduras com frequência deixa as pessoas mais jovens e atraentes. Saúde F2

DIOGO NOGUEIRA DIVULGAÇÃO

O mercado imobiliário, em 2014, será pontuado por compradores mais cautelosos em função de eventos como a Copa do Mundo e as eleições. Salão Imobiliário 3

8177-2096 DENÚNCIAS • FLAGRANTES

DIVULGAÇÃO

Ana Paula Maciel (foto) chegou ontem ao país após passar três meses na Rússia, onde foi presa por participar de um protesto em uma plataforma de petróleo no Ártico. Última Hora A2

Réveillon na cadência do samba

MEGA-SENA

Quem quer ser um milionário?

O sonho de se tornar milionário tem lotado as 85 casas lotéricas de Manaus por conta da Mega-Sena da Virada, que vai sortear mais de R$ 200 milhões nesta terça-feira. Economia B1

Diogo Nogueira (foto) volta a Manaus para se apresentar no Réveillon da cidade, na Ponta Negra. “Teremos até a Companhia de Dança Carlinhos de Jesus. Ninguém vai ficar parado”, garante. Plateia D1

CORRIDA

INSTABILIDADE

Amazonenses rumo à ‘São Silvestre’

Zona Franca em estado de alerta

Um dos eventos esportivos mais aguardados do ano, a “Corrida Internacional São Silvestre”, em São Paulo, contará com a participação de amazonenses como Fabrício Pinheiro (foto). Pódio E2

O economista José Laredo traça um panorama da Zona Franca de Manaus e afirma que o modelo está definhando, além de não ter atrativos suficientes para novas fábricas. Economia B2

FALE COM A GENTE - ANÚNCIOS CLASSITEMPO, ASSINATURA, ATENDIMENTO AO LEITOR E ASSINANTES: 92 3211-3700 ESTA EDIÇÃO CONTÉM - ÚLTIMA HORA, OPINIÃO, POLÍTICA, ECONOMIA, PAÍS, MUNDO, DIA A DIA, PLATEIA, PÓDIO, SAÚDE, ILUSTRÍSSIMA, ELENCO E CONCURSOS.

TEMPO EM MANAUS

MÁX.: 33

MÍN.:

23


A2

Última Hora

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Três mil pessoas atuarão em conjunto no Réveillon

Força-tarefa com policiais militares, civis, guarda municipal e profissionais da saúde pronta para as festas da virada na cidade IONE MORENO

IVE RYLO Equipe EM TEMPO

M

ais de três mil trabalhadores entre bombeiros, policiais, agentes de trânsito, conselheiros tutelares, e profissionais da saúde se preparam para oferecer segurança e comodidade as cerca de 600 mil pessoas que devem aproveitar as festas em comemoração à chegada de 2014, na capital. A Polícia Militar irá disponibilizar um contingente de 1.434 policiais que serão distribuídos nas três grandes festas organizadas pela Prefeitura de Manaus e governo do Estado, no complexo turístico Ponta Negra, Zona Oeste; no Amarelinho, bairro Educandos, Zona Sul; e na avenida Itaúba, Jorge Teixeira, Zona Leste. Somente para a festa na Ponta Negra, que deve reunir cem mil pessoas, estão confirmados 686 policiais militares. Segundo informações repassadas pela assessoria de imprensa do órgão, o policiamento será reforçado com dez policiais montados da cavalaria, uma aeronave que realizará patrulhamento

aéreo e uma lancha. Para a festa no bairro de Educandos, serão enviados 298 policiais e na avenida Itaúba, serão 450 PMs. A ação desenvolvida pela polícia irá testar estratégias de segurança integrada que serão utilizadas na Copa do Mundo de 2014. Em parceria com a Polícia Militar, 140 guardas municipais serão deslocados para a Ponta Negra. Quarenta ho-

MISSÃO

Força-tarefa tem a missão de manter a paz e a segurança às pessoas que forem receber o novo ano nos três lugares que terão festas de Réveillon na cidade de Manaus. Três mil pessoas estão envolvidas mens atuarão nas festas das Zonas Leste e Sul. Um efetivo de 382 homens do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM) também irão prestar atendimento durante os festejos de Réveillon. Também serão disponibilizadas oito embarcações e 39 viaturas entre carros,

motos e Unidades de Resgate. Também haverá plantão nos 14 postos espalhados pela capital e nos municípios de Parintins, Itacoatiara, Tabatinga, Manacapuru e Tefé. Para auxiliar os condutores, 279 agentes do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito de Manaus (Manaustrans) serão distribuídos nas principais avenidas e ruas de acesso às festas. Samu a postos Também serão disponibilizadas oito unidades do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) que irão atuar nas áreas de grande concentração popular. Sendo duas no Amarelinho, duas na avenida Itaúba e oito na Ponta Negra. Segundo a Semsa, o complexo também contará com uma unidade móvel de pronto atendimento, com oito leitos, sendo um de U.T.I. Quinze servidores da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh), em parceria com conselheiros tutelares e o juizado da infância, realizarão panfletagem na Ponta Negra, informando os visitantes sobre a proibição do trabalho e exploração infantojuvenil.

RELÂMPAGO

Complexo da Ponta Negra terá todo um aparato de segurança para quem for prestigiar o Réveillon

AO BRASIL

Trio é preso após realizar sequestro ‘Voo da liberdade’ traz ativista Trio acusado de realizar sequestro relâmpago na noite da última sexta-feira, foi preso momentos após liberar a vítima, uma mulher que não teve o nome divulgado. Eles foram encaminhados à cadeia pública Raimundo Vidal Pessoa.

Segundo informações repassadas pela Polícia Civil, os homens usaram uma arma de pressão para ameaçar a condutora de um veículo, na avenida Djalma Batista e tentar forçá-la a sacar dinheiro em uma agência bancária. Deyvison de Almeida,

18, o primo, Rodrigo Pinho, 27 e o amigo Geibson de Souza, 19, foram presos em frente à Arena da Amazônia. Segundo a PC, Deyvison teria confessado que planejou o sequestro para conseguir dinheiro para comprar roupas para a namorada.

Ana Paula Maciel, a bióloga do Greenpeace que ficou dois meses presa e depois mais 40 dias sob custódia do governo russo, voltou enfim neste sábado, ao Brasil. Ela desembarcou no aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo, às 7h05, vinda de Frankfurt, na Alemanha. Ainda atordoada da viagem, que levou 12 horas, Ana Paula posou para os fotógrafos com um urso polar de pelúcia e uma bandeira com a frase “salve o Ártico” estampada. Ela falou com a imprensa, que a aguardava em Guarulhos, e disse que o voo foram as “12 horas para sua liberdade”. “Foram 12 horas de viagem no avião da minha liberdade. Eu passei tantas vezes 12 horas na solitária, que 12 horas no avião foi barbada dessa vez”, afirmou a bióloga ao desembarcar. Ela deixou a Rússia cem dias após a

realização de um protesto contra a exploração de petróleo no Ártico que levou à prisão de 28 ativistas e dois jornalistas, em 19 de setembro. A bordo do navio Artic Sunrise, eles haviam se aproximado de uma plataforma de petróleo da empresa Gazprom e tentado colocar uma faixa no local. Na época, o Greenpeace alegou que o protesto foi pacífico e que o navio estava em águas internacionais. Ana Paula garantiu que, apesar do desgaste da prisão, o protesto valeu a pena. “Muitas mais pessoas sabem os problemas que estão acontecendo no Ártico e a gente (do Greenpeace) vai continuar denunciando. Continuar mostrando”, afirmou. Acusações A promotoria russa acusou os ativistas de pirataria, o que podia gerar até 15 anos

de prisão. Depois a acusação foi aliviada para vandalismo, que poderia levar a 7 anos de prisão. Por causa da reação internacional, os “30 do Ártico”, como ficaram conhecidos os 28 ativistas e dois jornalistas detidos, começaram a ser libertados em 20 de novembro. Ana Paula foi a primeira a sair da prisão e obteve o visto para regressar ao Brasil na sexta-feira. “A minha vida mudou, foi uma tremenda injustiça o que aconteceu, uma tentativa frustrada de calar os protestos pacíficos e a liberdade de expressão”, declarou no desembarque em São Paulo. “Recebi a anistia por um crime que eu não cometi e espero que o mundo tenha aprendido com isso. A gente não vai parar até eles nos devolverem o nosso navio”. Ela seguiu ontem para Porto Alegre, onde passará o Réveillon com a família.

HUMAITÁ

Plano para resgatar desaparecidos Iniciou ontem, as buscas aos três homens desaparecidos na BR-230, sul do Amazonas, desde o dia 16 de dezembro. Eles foram vistos, pela última vez, próximo à reserva indígena Tenharim, no quilômetro 85 da rodovia, já no município de Humaitá (distante a 590 quilômetros da capital). O subcomandante do Policiamento do Interior, tenente coronel Everton Cruz, informou à reportagem que, na manhã de ontem, uma equipe realizou um sobrevoo na área da reserva indígena em busca dos desaparecidos. Além disso, desembarcaram no município 40 policiais da

Polícia Rodoviária Federal (PRF). “Na sexta-feira chegaram a Humaitá oito policiais federais, juntamente com o delegado Alexandre Alves”, informou Everton Cruz. Da Polícia Militar já estão em Humaitá 40 homens de tropas especializadas que se juntaram aos outros 180 que já atuam no município, além do secretário de Segurança do Estado, coronel Paulo Roberto Vital, que acompanha o caso pessoalmente. “Tivemos uma reunião na sexta-feira, às 18h, com o pessoal da PF e do Exército para definir as estratégias da operação”, salientou.

Tensão A área está sob tensão devido à desconfiança de amigos e familiares dos desaparecidos de que eles tenham sido sequestrados e mortos por indígenas da reserva, que não seriam amigáveis, segundo afirmam moradores do local. Na última quarta-feira, moradores e parentes dos desaparecidos do município de Humaitá, revoltados com a lentidão das investigações, teriam incendiado as sedes da Fundação Nacional do índio (Funai), Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Casa do Índio (Casai) e 16 veículos durante os protestos.


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Contexto 3090-1016

A3

Editorial

contexto@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

Meninos não ficam grávidos O jornalismo impresso, falado e televisado – assim, por ordem de chegada ao mundo – do país, está perplexo e boquiaberto: Sandy está grávida. Qualquer interesse que ainda suscitem o Natal e o Ano-Novo, não impactam mais do que a boa-nova: Sandy está grávida – ora, Natal tem todos os anos, mas Sandy grávida... quanta diferença. Mas quem é Sandy, afinal? Para os que chegaram agora ao planeta Terra: é uma cantora pop, seja lá o que seja isso. Antes de ser isso, é filha de Durval Lima, o Chororó, mais destacado entre os representantes do gênero musical conhecido como sertanejo de garagem, um tipo de canção feita por quem só conhece o sertão pelo canal GNT. Chororó forma dupla com Chitãozinho (sertanejo de garagem só existe em dupla). Sandy ficou famosa desde cedo, cantando como menina-prodígio (a presidente exigiria a forma prodígia) ao lado do irmãozinho, conhecido genericamente por Júnior, também pop, até que ficou adolescente demais para permanecer junto com ele, no mesmo no palco e no mesmo DVD/CD. Mas o que chamou atenção para ela não foi a interpretação de cançãozinhas água com açúcar, mas a audaciosa revelação de que sexo anal também é muito legal. Todo mundo achou que ela tinha ficado adulta. Talvez adulta demais. Aí, ela casou. Agora, ela voltou ao cartaz, como uma senhora grávida de três meses, na esteira do bom exemplo de Ivete Sangalo, que também, acreditem, ficou grávida, e na contramão de Daniela Mercury que, para não ficar grávida, casou com uma jornalista, no melhor estilo até que a morte as separe. A importância de um fato está sofrendo mutação. Deve ser o aquecimento global. Mulheres engravidam desde que o mundo é mundo, como não existe nada mais importante e os homens teimam em não engravidar, Sandy é notícia. Meninos não ficam grávidos. É o fim do ano.

Comandante experiente Recém-empossado como presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Josué Filho disse que sua gestão será “a viagem do comandante experiente” e que ele vai buscar auxílio junto aos conselheiros decanos para navegar com menos tormentas possíveis. Discreto nas críticas à gestão do filho Josué Neto à frente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), Josué pai deu um leve puxão de orelha no filho ao dizer que em uma semana já mudou mais coisas no TCE do que Neto, durante 1 ano na gestão da casa legislativa. “Ele é muito manso no jeito de gerir a casa. Se escutasse mais os meus conselhos seria diferente”. Calibrando a arma Perguntado se o TCE deve continuar rígido quanto à aplicação de multas vultosas aos maus gestores, Josué Filho disse ser a favor da aplicação de multas num valor menor e que serão pagas em curto prazo pelo gestor punido do que protelar essa quitação. “Há de se calibrar a arma, conforme a caça”. Título Em 2014, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, vai receber o título de cidadão do Amazonas, após a propositura do deputado estadual Marcelo Ramos (PSB) ter sido aprovada na Assembleia. Campos também é conhecido por ser pré-candidato à Presidência da República. Parceiro A homenagem, segundo Marcelo Ramos, é um reconhecimento a Eduardo Campos, que firmou acordo com o governador Omar Aziz (PSD), criando o entreposto de Ipojuca, que centraliza a distribuição dos produtos da Zona Franca de Manaus para todo o Nordeste. Atendimento normal Por falar na Assembleia, o atendimento ao cidadão feito pela Ouvidoria da casa segue funcionando normalmente durante todo o recesso parlamentar, por orientação do ouvidor, deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD).

Mais quatro As empresas que pagam tributos com base no lucro real, grupo que engloba grandes companhias, ganharam mais 4 anos para investir em projetos de desenvolvimento no Norte e no Nordeste com dedução no Imposto de Renda. Recursos A medida provisória 634, publicada no Diário Oficial da União, prorroga até 31 de dezembro de 2017 os benefícios fiscais para as empresas que destinam recursos aos Fundos Fiscais de Investimentos da Amazônia (Finam) e do Nordeste (Finor). Fluxo O incentivo fiscal acabaria nesta terça-feira (31). De acordo com a Receita Federal, a prorrogação evita que o fluxo de recursos para os dois fundos seja interrompido. Vai dar briga A Câmara dos Deputados analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 270/13, do deputado Augusto Coutinho (DEM-PE), que garante direito de propriedade ao morador de imóvel urbano público ocupado há mais de 10 anos, sem contestação do poder público. É proibido A Constituição Federal proíbe o direito de posse a quem utilizou um bem por determinado tempo, sem ser o proprietário. O proje-

APLAUSOS

regi@emtempo.com.br

to acrescenta artigo ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias garantindo o direito de moradia a esse cidadão. Ora, pois! O rebaixamento da Portuguesa, decretado em segunda instância pela perda dos pontos no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), continua dando o que falar. Tanto é que torcedores da Lusa têm convocado nas redes sociais para a “missa de sétimo dia” por conta do descenso. Indignados “Missa de sétimo dia. Pela moralidade do futebol brasileiro” é a frase estampada no “convite” para a missa. Nos comentários, muitos torcedores deixaram clara a indignação com a diretoria da própria Portuguesa (pelo erro na escalação) e com o Fluminense, que foi beneficiado com a queda do time paulista. Pois é... A coisa está tão feia, que tem torcedor do tricolor carioca deixando a camisa em casa para não ser insultado. Um dos admiradores da Lusa chegou a escrever que “os demais times deviam fazer W.O. contra o Fluminense” em todos os jogos e dar o título de 2014 ao time carioca. “Seria o melhor jeito de sentirem a verdadeira vergonha que são”, esbravejou o torcedor. Em ano de Copa do Mundo, esse Brasileirão ainda vai dar muito o que falar.

VAIAS

Solidariedade

Regi

Mau atendimento DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

Para quem se dedica a suprir as necessidades de pessoas carentes. No Natal, muitos anônimos abriram mão da ceia para oferecer refeição e presentes a moradores de rua e famílias sem recursos.

Para vendedores que atendem o consumidor, em algumas lojas de Manaus, como se estivessem fazendo um grande favor, tamanha é a falta de compromisso com o próprio emprego.

João Bosco Araújo opiniao@emtempo.com.br

Jornal nosso de cada dia O jornal é como um vício para quem se acostumou a ele e até há quem o compare ao pão matinal de cada dia que, como ele, goza de vida curta e depois das 9h perde o sabor e a validade. Este jornal tem procurado ser um jornal para ser lido de verdade, uma fonte de leitura, como diz o seu dístico: “O jornal que você lê”. Dito assim, até parece uma redundância, uma tautologia, pois os jornais são adrede feitos para isso mesmo, para oferecerem leitura aos que os compram. Cabe, entretanto, uma explicação. Se um jornal se detém exclusivamente no plano factual e se coloca apenas como noticiador do que acontece à sua volta, na sua cidade, no seu país e mesmo no mundo, de pronto será superado pela maior velocidade da chamada mídia eletrônica, constituída pelo rádio, pela televisão e pela internet. A sobrevida do jornal impresso há, pois, de se fundamentar no oferecimento de matérias especiais, criadas pelo talento de jornalistas também especiais, que tenham a sensibilidade para perceber as pautas realmente originais e capazes de despertar o interesse do leitor. Esta é hoje a espinha dorsal de um bom jornal. A ela se somarão as colunas, os editoriais e os artigos, onde o veículo se tornará “formador de opinião” e onde exercerá sua atividade crítica, naturalmente orientada por uma postura ideológica, que sempre desejamos seja o respeito ao Estado de Direito e à Democracia. Os fatos que constituem o dia a dia da cidade, do país e do

mundo, evidentemente precisam compor e integrar a pauta diária de uma redação, mas não haverão de deter a importância maior e muito menos a exclusividade dessa pauta. As matérias especiais, diferentemente, são aquelas que jazem por trás dos fatos explícitos e que muitas vezes até os geram e explicam. São essas matérias especiais que costumam receber os grandes prêmios do jornalismo. Às vezes, são matérias que apenas se dirigem à curiosidade natural do leitor. Ainda há poucos dias publicamos excelente material coletado e produzido pelos nossos jornalistas a respeito do mais belo dos nossos pássaros, conhecido Galo da Serra, habitante das encostas do norte do Estado. Também produziram ótimo material de economia, enfocando os resíduos ou restos da floresta sacrificada pela construção do campus da UEA e aí ultrapassaram o domínio da pura curiosidade. No Brasil, como em praticamente todos os países ocidentais, os veículos de comunicação que detêm a maior penetração social estão em mãos de pessoas físicas, de empresas familiares, o que para uns é motivo de críticas, mas, quando comparados aos que mantêm a condição de órgãos estatais, se justificam plenamente. Importa sim que essas pessoas ou famílias tenham consciência de que controlam as empresas, mas não os veículos, que passam a ser propriedade social, necessariamente a serviço da sociedade em que se inserem, ou estarão fadados a uma vida curta, imposta pela precária credibilidade.

João Bosco Araújo Diretor Executivo do Amazonas EM TEMPO

A sobrevida do jornal impresso há, pois, de se fundamentar no oferecimento de matérias especiais, criadas pelo talento de jornalistas também especiais, que tenham a sensibilidade para perceber as pautas realmente originais e capazes de despertar o interesse do leitor”


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Frase

Painel VERA MAGALHÃES

Réveillon em Brasília

O Renan diz que o dinheiro provém de negócios agropecuários. É sim, vem de uma vaquinha. Vaquinha entre as empreiteiras (...) Eu quero ter uma filha com o Renan Calheiros. Mudo até de sexo! É que o Renan teve uma filha com uma jornalista (Mônica Veloso) e o lobista é quem paga a pensão. De R$ 16,5 mil!

Dilma Rousseff despachou com Gleisi Hoffmann antes de partir para o recesso na Bahia. Dentre as recomendações, uma taxativa: nada de férias agora para ministros que tenham responsabilidade de dar respostas aos desastres naturais, como as chuvas no Espírito Santo e em Minas. Estão no grupo Alexandre Padilha (Saúde), Ideli Salvatti (Relações Institucionais), Marco Antônio Raupp (Ciência e Tecnologia), Francisco Teixeira (Integração Nacional) e Miriam Belchior (Planejamento). Castigo Também estão suspensas, por enquanto, as folgas dos ministros responsáveis por serviços essenciais durante as festas de fim de ano e início das férias. Castigo 2 É o caso de Moreira Franco (Secretaria de Aviação Civil), e de José Eduardo Cardozo (Justiça), cujas pastas são responsáveis por cuidar dos aeroportos e da segurança nas rodovias federais, respectivamente. Doação Rubens Menin, dono da MRV, uma das maiores construtoras do país, acertou no fim da semana com o governador Renato Casagrande (PSB-ES) que, quando as águas das enchentes baixarem, vai doar material de construção necessário à reconstrução das cidades. Interesses A empreiteira não fixou limites para a doação, que incluirá materiais como tijolo, cimento e telhas. A MRV tem empreendimentos imobiliários espalhados por várias cidades do Estado, o mais atingido até aqui pelas chuvas de verão. Para já A Casa Civil deve enviar ainda esta semana ao Tribunal de Contas da União os esclarecimentos pedidos pela ministra Ana

Arraes sobre os arrendamentos do porto de Santos (SP) e vários terminais portuários no Pará. Para depois Já o questiona à contratação da EBP (Empresa Brasileira de Projetos), ligada a bancos, para realizar projetos sobre as concessões será respondido pela Secretaria dos Portos na volta do recesso do TCU, em fevereiro. Tamo junto Dilma aceitou prorrogar a Comissão Nacional da Verdade e disse ao grupo que reivindique tudo o que precisa do governo para executar seu trabalho. É com vocês Mas a presidente deixou claro que cobrará do grupo um relatório consistente das investigações no final do novo prazo. Ilustre O escritor Ariano Suassuna, 86 anos, recuperado de infarto sofrido em agosto, colabora na elaboração da política cultural e educacional para o esboço de programa de governo de Eduardo Campos (PSB) à Presidência. Gerações Suassuna, que foi secretário de Cultura de Campos e hoje é seu assessor especial, pretende resgatar, no texto, ideias do Movimento de Cultura Popular, do primeiro governo de Miguel

Arraes, nos anos 60, que reunia nomes como Paulo Freire e teve apoio de Darci Ribeiro, então ministro da Educação. Palanque O escritor paraibano também promete ir para a rua fazer campanha para o neto João Suassuna, que será candidato a deputado federal pelo PSB de Pernambuco.

José Simão, colunista da “Folha de S.Paulo”, comentando, em 2007, outro dos delitos do presidente do Senado, que usou, agora em dezembro de 2013, mais uma vez de forma irregular, avião da FAB para ir ao Recife fazer implante de dez mil fios de cabelo, um exemplo raro de pavulagem.

Olho da Rua opiniao@emtempo.com.br

De dentro O economista Mansueto Almeida, dos quadros do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), vinculado ao Ministério da Fazenda, colaboradora na formulação da proposta econômica do presidenciável tucano Aécio Neves (MG).

DIEGO JANATÃ

Complicou O governo adiou para o primeiro trimestre a votação do projeto de lei que amplia os benefícios para quem participa do Simples, sistema de recolhimento integrado de impostos e contribuições de empresas com receitas de até R$ 3,6 milhões. Onde pega A medida, que tramita no Congresso, causaria perdas imediatas na arrecadação de tributos justamente no momento em que o governo se esforçava para dar sinais de austeridade fiscal para encerrar o ano.

Tiroteio

O olho do Natal incrustado na cúpula do Teatro Amazonas, na noite gloriosa em que o melhor produto dos amazonenses, a capacidade inventiva, está posto para o mundo ver, mira mais de cem mil pessoas que migraram dos seus lares distantes para fazer uma festa de luz no meio da cidade – sem piscar uma só vez de tão perplexo

Dom Sergio Eduardo Castriani opiniao@emtempo.com.br

Pimentel cuida de tudo, menos de acelerar o PIB e reduzir o déficit externo. Em Minas, por votos, distribui trator e usa o drama da chuva.

Surpresas

DE MARCUS PESTANA (PSDB-MG), deputado federal, sobre o ministro do Desenvolvimento, précandidato ao governo, que visitou Minas com Dilma.

Ainda estamos em festa, ainda é Natal. Luzes, cores, sons, nos ajudam a entrar num novo ano carregado de esperanças. Morremos prematuramente quando nos roubam nossos sonhos. A vida missionária me deu o privilégio de viver o Natal em muitas partes do mundo. De uma noite de Natal me lembro muito bem. Estava no nordeste da Nigéria, na cidade de Makurdi, que tem uma forte presença muçulmana. Na noite de Natal, participei da missa e da ceia em um hospital dirigido pelas irmãs filhas da caridade. Estavam presentes na celebração irmãs, religiosas missionárias de várias nacionalidades, funcionários, médicos, médicas e alguns pacientes. O padre que presidiu a celebração era um missionário inglês há longos anos na região. O que ficou gravado na minha mente foi a sua afirmação de que o nosso Deus, o Deus de Israel é um Deus de surpresas. A ação de Deus nem sempre segue a lógica humana, tendo seu fundamento na misericórdia e não no sacrifício, e o mistério do Natal é uma manifestação desta lógica divina que nos surpreende e até pode nos amedrontar, mas que quando aceita nos enche de alegria e se torna boa nova, Evangelho. Naquele lugar viviam pessoas que seguiam a lógica do Evangelho. Um grupo de mulheres que tudo tinham deixado por amor ao reino de Deus, vivendo em comunidade internacional num contexto hostil e cheio de perigos a serviço de pessoas que provinham de tradições religiosas e culturais diferentes das suas. O nosso Deus surpreende, mas também surpreendem os que crendo nele ultrapassam os limites do bom senso e vivem

Contraponto

Cada um na sua Conhecedor de uísque, o ministro aposentado do STF Sepúlveda Pertence, hoje de volta à advocacia, recebeu certa vez de presente uma garrafa especial. - Pertence, trouxe para você um uísque fabricado no Japão -- anunciou o amigo. Pertence olhou ressabiado para a garrafa e disse: - Você tem certeza que é bom? O amigo assegurou a qualidade do uísque. Ainda assim, o ministro saiu pela tangente: - Vamos fazer o seguinte: se você conseguir comprar um bom transistor escocês, eu prometo que tomo uma dose desse seu uísque japonês. Publicado simultaneamente com o jornal “Folha de S.Paulo”

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

3090-1001 circulacao@emtempo.com.br

Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

www.emtempo.com.br

@emtempo_online

Diretor de Redação Mário Adolfo marioadolfo@emtempo.com.br Editora-Executiva Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa — MTB 626 michelegouvea@emtempo.com.br Diretor Administrativo Leandro Nunes administracao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

Gerente Comercial Gibson Araújo comercial@emtempo.com.br EM Tempo Online Yndira Assayag — MTB 041 yndiraassayag@emtempo.com.br

/amazonasemtempo

/tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

uma vida plenamente humana, porque livre e entregue no serviço aos outros, considerados como irmãos e irmãs. Neste ano que está terminando, fomos surpreendidos por muitos acontecimentos que lidos a luz da fé nos mostram que o Senhor continua a caminhar com o seu povo. A eleição do papa Francisco foi uma destas surpresas. Quando pensávamos que a igreja vivia uma crise sem fim, quando experimentávamos uma espécie de baixa estima institucional, eis que surge um homem que voltando à radicalidade do Evangelho, à simplicidade da verdade, à beleza e atração de encontros humanos sem segundas intenções, mostra um rumo a seguir, transcende os limites da própria igreja, e não por acaso torna-se a personalidade do ano. Prestes a se tornar o arcebispo emérito de Buenos Aires, Bergóglio torna-se Francisco para restaurar a igreja, para devolver o sonho e a esperança, para apontar caminhos, e cheio do Espírito anuncia uma boa notícia aos humilhados da terra, e afirma a todos que a alegria não só é possível, mas que é a característica principal daquele que acredita. No Brasil nos surpreendemos com a juventude nas ruas, mostrando a sua cara, reivindicando, mas também dando testemunho da sua fé. Nada está perdido, tudo pode ser recuperado, os sonhos continuam latentes, Deus pode nos surpreender ainda mais. Sufocados pela lógica do mercado, amedrontados pela violência difusa, nos confortam as surpresas de Deus que anunciam a vitória final. Feliz Ano-Novo.

Dom Sergio Eduardo Castriani Arcebispo Metropolitano de Manaus

Bergóglio torna-se Francisco para restaurar a igreja, para devolver o sonho e a esperança e cheio do espírito anuncia uma boa notícia aos humilhados da terra e afirma a todos que a alegria não só é possível, mas que é a característica principal daquele que acredita”


Política

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

A5

Famílias poderosas do AM Pelo menos 13 grupos familiares dominam os bastidores da política e da vida pública no Estado, com ramificações nos três poderes constituídos: Executivo, Judiciário e Legislativo. Inclusive, ocupando os mais altos cargos destas esferas

N

o passado, a palavra mais correta para definir a inserção de famílias no poder constituído era “oligarquia”. No presente, essa é uma realidade cada vez mais comum no Amazonas, onde a hegemonia no poder e na política local é centrada em grupos e, pelo menos, 13 famílias têm dado suas contribuições para isso, sob o argumento de promover a renovação das forças e massificar seus herdeiros no controle. Carmo Ribeiro, Lins, Castelo Branco, Sampaio, Souza, Nicolau, Moutinho, Reis, Garcia, Serafim, o casal Bezerra-Grazziotin, e ainda a família Braga, representados pelos irmãos Robério Braga (secretário de Estado da Cultura) e o Lourenço Braga, chefe do gabinete civil da Prefeitura de Manaus. Estas são alguns exemplos de famílias, cujos filhos nasceram e cresceram em um ambiente cercado por tios, primos, avós que “fizeram carreira” na política do Amazonas. Um dos exemplos é o prefeito Arthur Neto e o filho, deputado estadual Arthur Bisneto, ambos do PSDB. Após ver o pai fazer carreira como deputado federal, prefeito e senador da República, Bisneto decidiu entrar na política e está em seu terceiro mandato como deputado estadual, depois de ter exercido meio mandato de vereador de Manaus e com forte apelo de sair candidato em 2014 à Câmara Federal. Outro membro da família que também se tornou político foi o cunhado de Arthur, Frank Bi Garcia (PSDB), ex-prefeito do município de Parintins. Na família Nicolau, já são três membros fazendo carreira política: o pai, Luis Fernando,

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO/ALEAM

que até o dia 15 deste mês era deputado federal, após assumir a suplência da titular da vaga, Rebecca Garcia (PP). O filho mais velho, Ricardo Nicolau, como deputado estadual e Hiran Nicolau, que aos 25 anos de idade estreou este ano na carreira pública como vereador da Câmara Municipal de Manaus (CMM). Todos são filiados no PSD. Para Ricardo Nicolau, que já presidiu a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam),

HERANÇA

A tradição de iniciar filhos e parentes no poder do Amazonas é traduzida como a continuidade da hegemonia política e a perpetuação de pensamentos já consolidados nos bastidores ‘baré’ Com 40 anos na vida pública, o presidente do TCE, Josué Filho (1º à dir.) se diz orgulhoso dos passos do filho (à esq), na política

essa questão de seguir os passos do patriarca foi uma sucessão natural. “Quando tinha 10 anos meu pai já era político, eu e meu irmão tivemos isso como referência. Claro que, o apoio dele nos ajudou muito a entrar nesse setor, mas hoje caminhamos com as próprias pernas, mas estamos sempre conversando sobre política e recebendo os conselhos dele”, disse o deputado. Outra tradicional família do poder são os Moutinho: Ari Moutinho e Ari Moutinho Júnior, que ocupam atualmente altos cargos de dois poderes diferentes. O pai é o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), e o filho, assumiu no último dia 18, a vice-presidência do Tribunal de Contas do Estado (TCE) para um mandato de 2 anos.

Josué tem orgulho da trajetória do filho A mesma situação ocorre com o recém empossado presidente do TCE, conselheiro Josué Cláudio de Souza Filho, pai do deputado estadual Josué Neto (PSD), que também ocupa cargo de extrema importância no poder local: ele é o presidente da Assembleia Legislativa. “Eu já fui presidente daquele poder e ver o meu filho seguir os passos dá vontade de ficar lambendo a cria. Vejo o crescimento dele com muito orgulho. E isso ele fez com as próprias pernas, assim como meu pai fez comigo. Mas é claro que eu ainda dou muito conselho a ele, pena que algumas ve-

zes o Neto não me escuta”, comentou o conselheiro. Com menos tempo na política local, mas com grande inserção no poder amazonense, os Castelo Branco conseguiram, em pouco mais de uma década, delimitar seus espaços neste círculo. Atualmente, três integrantes da família possuem mandatos legislativos, além de um outro que engatinha no Poder Executivo, mas com um cargo de alta responsabilidade. Todos do PTB, o pai, Sabino Castelo Branco, está em seu segundo mandato na Câmara Federal, sendo o deputa-

‘A política nos casou’, diz Eron sobre Vanessa

ARQUIVO EM TEMPO

do mais votado nas eleições de 2006, quando se elegeu pela primeira vez. Antes, ele tinha assento na Câmara Municipal de Manaus. Neste mesmo ano (2006), ele conseguiu eleger sua esposa à época, Vera Castelo Branco, deputada estadual. Os dois, em 2008, elegeram o filho mais velho, Reizo Castelo Branco, como vereador e, no ano passado, quando se reelegeu, foi o mais votado do pleito, com 18.109 votos. O filho do meio do clã, Reinner Castelo Branco, foi nomeado em março de 2013, vice-presidente da Junta Comercial do Estado

do Amazonas (Jucea). Também no segmento pai e filho no poder estão o ex-deputado estadual e atual superintendente da Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental (Ahimoc), Sabá Reis, e o presidente do Fundo de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Fumipeq), o vereador licenciado David Reis (PSDC), além do ex-prefeito Serafim Corrêa com o vereador Marcelo Serafim, ambos do PSB e ainda a deputada federal Rebecca Garcia e o pai Francisco Garcia, os dois do PP, que foi vice-governador e deputado federal.

Origem vem das oligarquias O sociólogo e professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Ademir Ramos, diz que a família na política, na verdade, tem origem na família patriarcal colonial, matriz da formação do Estado brasileiro. “Essa questão de transferir poderes é coisa de

oligarquia e se formou na Velha República e agora é uma questão de patrimonialismo”. Segundo Ramos, a questão da cultura dos bacharéis também existe em outras cidades, como no Pará, com a oligarquia de Jader Barbalho e no Maranhão, com a família do senador José Sarney. DIVULGAÇÃO

Casal juntos há mais de 30 anos possuem hoje uma sólida carreira na política local: ele secretário de Estado e ela, senadora

O casal formado pela senadora Vanessa Grazziotin e o titular da Secretaria de Produção Rural do Amazonas (Sepror), o ex-deputado estadual Eron Bezerra, ambos do PCdoB, discorda desta situação de que herdaram força política de parentes. Segundo Eron, ele e Vanessa se conheceram na década de 1970, em movimentos sindicais e cada um trilhou o seu caminho na área. “Não vejo

nada de extraordinário em quem lança um parente para concorrer a um cargo político. Esse segmento existe em qualquer profissão. Mas, no meu caso e de Vanessa foi diferente, a política nos casou. Ninguém serviu de exemplo. Temos uma filha que optou por não nos acompanhar nesta trajetória. É médica e nos orgulhamos muito dela”, disse. Já os irmãos, Carlos e Faus-

to Souza (PSD), entraram para o ramo após o ex-deputado estadual Wallace Souza, morto em 2010, trilhar este caminho. No ano passado, os irmãos Souza, como são conhecidos nos bastidores do poder, tentaram emplacar a irmã, Marluce como vereadora, mas sem êxito. Os irmãos Lins são outro exemplo nesta trajetória. O deputado estadual Belarmino Lins (PMDB), divide holo-

fotes com o irmão, Átila Lins (PSD), na Câmara Federal. Ambos estão na política há mais de duas décadas. A vereadora Socorro Sampaio também decidiu entrar na política após ver a irmã, a deputada estadual Conceição Sampaio, se eleger a um mandato na Câmara Municipal e, sem seguida, na Assembleia Legislativa. As duas são filiadas no partido progressita (PP).

Sociólogo diz que famílias no poder têm origem oligárquica


A6

Política

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

TSE prevê proibições a partir de 1º de janeiro

Cláudio Humberto COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS

www.claudiohumberto.com.br

“Gosto de separar as coisas” GLEISI HOFFMANN (CASA CIVIL), sobre o cargo de ministra e seu próximo trabalho: ser candidata

Empresas representam no TCU e MP contra ANTT Prejudicadas no leilão das linhas de ônibus do transporte rodoviário de passageiros, empresas menores e de fretamento decidiram representar no Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União contra a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). O grupo conseguiu suspender a licitação na Justiça Federal após denunciar que alterações feitas de última hora no edital favoreceram as grandes empresas. Só as poderosas A ANTT mudou o edital em dezembro, limitando a licitação a empresas que fizeram transporte regular com ônibus nos últimos anos. Ficaram de fora Com a medida, foram excluídas do processo todas as empresas de fretamento e as que fazem transporte regular com veículos urbanos. Processo aleatório Como as antigas permissões venceram em agosto de 2008, a ANTT concedeu autorizações especiais a quem quis, nos últimos 5 anos. Outro lado ANTT disse que foi intimada e está tomando providências para revogar decisão da Justiça, mas que não há previsão de reformulação do edital. Livro-bomba agora está disponível na internet Para enfrentar o esquema que tenta impedir a circulação do seu livro-bomba, pressionando livrarias ou comprando estoque dos exemplares, o delegado Romeu Tuma Júnior disponibilizou a obra na livraria virtual Amazon.com. “Assassinato de reputações”

(Ed. Topbooks, Rio, 557 pp, R$ 69) revela que na ditadura o então sindicalista Lula foi informante do Dops, polícia política chefiada por seu pai, o lendário Romeu Tuma. Fábrica de dossiês Com autoridade de exsecretário nacional de Justiça, Tuma Júnior também revelou a fábrica de dossiês no governo Lula para destruir adversários. Estado policial Alem dos dossiês, o governo Lula usou o aparelho de Estado até para montar operações policiais para destruir os críticos, acusa Tuma Júnior. Blindagem Tuma Júnior conta que descobriu a conta do mensalão nas Ilhas Cayman, mas o governo Lula e a Polícia Federal não quiseram investigar. Imperdoável Cesar Borges (Transportes) e Moreira Franco (Aviação Civil), que conseguiram destravar os leilões para concessão de estradas e aeroportos, entraram na mira de Gleisi Hoffman (Casa Civil), que fracassou na missão. Falar mal deles é o esporte favorito da ministra. Afinando discurso Membros do PSDB aproveitam o recesso de fim de ano para “mastigar” a cartilha do senador Aécio Neves (MG) com as bases das suas propostas de governo para as eleições à Presidência em 2014. Triste repeteco Em 2009, o governo federal anunciou com toda a pompa um convênio de R$ 21 milhões com a Prefeitura de Vila Velha (ES) para realizar obras de aduação no Canal do

PODER SEM PUDOR

Muy amigos Durante o governo Lula, o então senador Arthur Neto (AM), líder do PSDB, tinha relações cordiais com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, um ex-tucano. Havia sido fiador de uma espécie de pacto segundo o qual Meirelles seria poupado pela oposição. Mas, diante das primeiras denúncias contra Meirelles, Arthur mandou um recado por um amigo comum: - Sinto muito, mas o pacto está rompido. Prepare a carcaça.

Jornalista

O alvo principal são os gestores públicos, que ficarão impedidos de praticar algumas condutas já na próxima quarta NELSON JR/ASICS/TSE

Congo. Nunca aconteceram. É o canal que transbordou na semana passada e deixou o município alagado. Bancada intacta O PSDB só vê vantagens na candidatura de Cássio Cunha Lima ao governo da Paraíba. Além de favorito, caso saia vitorioso assumiria sua vaga no Senado outro tucano, José Sobrinho, o Deca do Atacadão. Vai rolar a festa A Swot Serviço de Festas e Eventos levará quase R$ 2,7 milhões da Secretaria de Direitos Humanos. Destinados a “apoio logístico, promoção e execução de eventos” no Nordeste. Cadê a renovação? No Acre com a família, o senador boliviano Roger Molina aproveita os últimos 2 meses garantidos no Brasil: o refúgio provisório conquistado em agosto passado vence em 24 de fevereiro, pertinho do Carnaval. Para lembrar Há exatos 25 anos o intelectual e dramaturgo Vaclav Ravel chegava à Presidência da Checoslováquia. Ele foi o líder da chamada “Revolução de Veludo”, que elegeu o primeiro governo democrático desde 1948, após 40 anos de regime comunista. Vaclav Ravel faleceu em 2011. Nova onda Inspirado na filiação da ministra Eliana Calmon ao PSB, o presidente do SSD-MA, Simplício Araújo, convidou o juiz Márlon Reis, criador da Lei da Ficha Limpa, para disputar ao Senado pela sigla em 2014. Pensando bem… …ao estilo Dilma, a única previsão para o início de 2014 é que vai chover.

Ministro Marco Aurélio (no meio) com os colegas Luciana Lóssio e João Noronha, membros do TSE

E

m 5 de outubro do próximo ano, serão realizadas eleições gerais para escolha de presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Os agentes públicos, estão proibidos de praticar algumas condutas já a partir de 1º de janeiro de 2014. Para o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio, essas proibições visam ao equilíbrio da disputa. As vedações “são necessárias no que se busca o equilíbrio de uma disputa eleitoral que ocorrerá no ano e aí houve uma opção política normativa do legislador, fixando prazos para certos procedimentos”, destaca o ministro. A partir de quarta-feira, fica proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da administração pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior, casos em que o Ministério Público Eleitoral poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa. Também ficam vedados os programas sociais executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por esse mantida, ainda que autorizados em lei ou em execução orçamentária no exercício anterior.

Já a partir de 8 de abril, até a posse dos eleitos, é proibido aos agentes públicos fazer, na circunscrição do pleito, revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição. A maioria das ações estão proibidas a partir de 5 de julho, quando faltarão três meses para as eleições. Os agentes públicos não podem, por exem-

FISCALIZAÇÃO

O ministro Marco Aurélio explica que a fiscalização de possíveis irregularidades deve ser feita pelos partidos políticos e pelo Ministério Público, a quem o eleitor deve recorrer para denunciar plo, nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex-ofício, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito, até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito. No entanto, há exceções. É permitido, por exemplo, haver nomeação ou exoneração de

cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República; e nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até 5 de julho de 2014. A partir de 5 de julho, com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, também é vedado aos agentes públicos das esferas administrativas cujos cargos estejam em disputa na eleição autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais e estaduais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral. Também não se pode fazer pronunciamento em cadeia de rádio e de televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo. Outra proibição é a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos na realização de inaugurações e o comparecimento de qualquer candidato a inaugurações de obras públicas.


Com a Palavra

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

A7

Arthur NETO

‘Canto MÚSICA DE ninar para A SEMINFH’ FOTOS: SEMCOM/DIVULGAÇÃO

RAPHAEL LOBATO Equipe EM TEMPO

F

Quando pensei em me candidatar a prefeito, o fiz por duas razões: primeiro porque foi inevitável, as pessoas queriam e eu não podia decepcioná-las. A segunda, foi a oportunidade de servir a cidade. Passei muito tempo pensando nisso, meditando”

renético, o prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB) termina o primeiro ano de gestão em que a mensagem de “urgência” foi o balizador de suas ações. O calendário apontando diretamente para a Copa de 2014 fez da pasta de Infraestrutura e Habitação a mais demandada da prefeitura, que, sem apoio financeiro do governo federal, precisou economizar e articular recursos dentro do próprio cofre para financiar o pacotão de obras da capital. Arthur não nega que foi um ano com apertos financeiros, teve que liquidar mais da metade de uma dívida de R$ 365 milhões herdada da gestão passada, cortar gastos do custeio, enxugar secretarias e contingenciar verbas. A rotina apertada, com vistorias de obras até de madrugada, rendeu ao tucano uma piora no seu quadro de artrose em um dos joelhos. O prefeito tem um procedimento cirúrgico marcado para o próximo dia 10 de janeiro, mas não fala em se afastar para se dedicar a tratamentos de fisioterapia. Se intitulando um homem “desinformado”, o tucano diz que não se sentiu atacado pelas manifestações de julho de 2013 e que devolveu a Manaus uma autoestima que há anos não era sentida pela população. Distante do assunto eleições, Arthur Neto diz que em 2014, quando completará 69 anos de vida, terá uma extensa agenda de realizações antes de falar do assunto e determina ainda que seu secretariado terá que cumprir 100% das metas propostas. EM TEMPO – Este ano, todos os manauenses tiveram alguma experiência com obras da prefeitura nas ruas. Foi, claramente, a maior demanda da gestão. O orçamento de meio bilhão de reais para a pasta de Infraestrutura e Habitação foi o suficiente

para atender a demanda? Arthur Neto - Tivemos que improvisar muito financeiramente. Fizemos contingenciamentos, poupamos inicialmente R$ 20 milhões, depois aumentamos a economia para R$ 25 milhões e terminamos 2013 com R$ 30 milhões para a execução das obras de inverno. Geralmente se espera que um prefeito diga que encontrou a casa arrumada, mas tive que liquidar dívidas passadas, fazer poupanças. Tudo isso sem nenhum centavo da União. EM TEMPO – O primeiro semestre de 2014 ainda trará muitas demandas de infraestrutura à capital, visto que a casa terá que correr para realizar o pacote ações para a Copa do Mundo. Tendo em vista que orçamento da Seminfh será menor, de R$ 449,6 milhões, o montante será o suficiente? AN - Talvez eu aperte ainda mais em 2014, principalmente em custeio, que tem que ser mínimo. Os investimentos devem ser maiores. Eu dificilmente vou escapar de precisar deixar verba em poupança, como fiz neste ano em 12% e 15%. A economia será para suplementar os investimentos nos projetos da Seminfh. EM TEMPO – O senhor tem afirmado que seus secretários cumpram 100% das metas estabelecidas para 2014, diferente do teto de 85% alcançado em 2013. Na área de infraestrutura, o seu vice-prefeito, Hissa Abrahão (PPS), fez um bom trabalho? AN - As realizações da Seminfh não são méritos de Hissa, meu vice, afinal há uma equipe por trás disso tudo, cuidada por mim, de muito perto. Eu sempre tratei a Seminfh muito intimamente, canto música de ninar para ela antes de dormir. Por conta disso, a pasta funcionou bem em 2013 e funcionará ainda melhor em 2014, na gestão do engenheiro civil Luiz Filho Silva Borges, que tem extre-

mo potencial. EM TEMPO – O secretário de finanças, Ulisses Tapajós, tem falado que vai a Brasília pleitear a verba de R$ 150 milhões para obras na capital e que há outros projetos do município encalhados no Planalto, que somam R$ 1 bilhão. Onde serão aplicados esses recursos? O senhor está animado com a possibilidade de receber este apoio? AN - No dia que esse dinheiro sair, eu espero que seja numa sexta-feira, para que possa tomar um porre à noite e só acordar domingo de tanta felicidade. Eu gosto muito de contar com o que tenho em mãos. Sem apoio da União ou não, Manaus estará pronta para a Copa. O que vier do governo federal será bem-vindo, mas não estamos contando com isso. Esse montante é a totalidade de projetos que temos no Planalto, espero que deem atenção a eles. É até perverso não se investir em uma cidade como a nossa. EM TEMPO – Protestos também marcaram este ano, na capital. Cerca de cem mil pessoas foram às ruas em junho e a principal reclamação foi o transporte público. O senhor avalia que foi alvo dessas vozes? A N - Não me senti atingido pelas manifestações. Acredito que fui o prefeito que passou pelos protestos de forma mais tranquila. Se eu não fosse prefeito, eu também teria ido às ruas, afinal seria um tolo se dissesse que o transporte é uma maravilha, mas seria tolo também se dissesse que um prefeito é capaz de consertar em um ano um sistema viciado há décadas. Melhorei a qualidade das ruas, entrego o T5 (terminal de ônibus no bairro São José, Zona Leste) no fim deste mês e vou entregar em fevereiro de 2014 o T3 (Cidade Nova, Zona Norte) e T4 (Jorge Teixeira, Zona Leste) finalizados. Vou extinguir o

terminal da Cachoeirinha (T2, Zona Sul) e estabeleci o sistema de consórcio operacional. Então, melhor do que antes, sem dúvida, está. EM TEMPO – O senhor tem uma cirurgia de artrose em um dos joelhos marcada pra janeiro de 2014. O seu ritmo frenético, com vistorias em obras até de madrugada, prejudicou a sua saúde? AN - Eu tenho um joelho lesionado, que machuquei por duas vezes. A piora no quadro fez com que meu médico pedisse para eu realizar a cirurgia imediatamente, mas eu não pude, em razão do calendário de obras. A cirurgia será feita em 10 de janeiro para retirada de fragmentos prejudiciais do joelho. Confesso que tem sido sofrido e não tenho me cuidado como o aconselhado pelo médico. Eu deveria praticar musculação e pedalar, mas a agenda não deixa. Ele também pediu para eu não andar em ritmo esportivo, mas não faço outra coisa. Deverei sair usando muletas até me recuperar inteiramente fazendo rigorosas fisioterapias, mas não vou me afastar da prefeitura enquanto isso. EM TEMPO – Em um cenário em que o PSDB descarta apoiar a possível candidatura de Hissa ao governo em 2014, o PP se aproxima do DEM e sinaliza interesse em compor com os tucanos, oferecendo palanque para o presidenciável Aécio Neves. A sua relação com a progressista e pré-candidata, deputada Rebecca Garcia tem se estreitado? AN - Eu não tenho como entrar nesse assunto agora. É desrespeitoso com o meu governo. Sem dúvida, está claro o perfil de quem eu não irei apoiar em 2014. Segundo pesquisas, 90% dos manauenses não votariam em um candidato mal relacionado com a prefeitura. Esse é o maior recado que eu posso dar ao pré-cenário estabelecido.

Confesso que tenho medo a respeito da minha saúde. Não quero ampliar a minha artrose, nem precisar usar prótese, muito menos ter uma recuperação demorada. Tem sido sofrido”

Tenho muito orgulho do trabalho da CMM neste ano. Votaram matérias muito importantes. Os oposicionistas, às vezes equivocados, também merecem parabenizações”


A8

Política

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Ano de conquistas para os servidores da PMM N

este ano os parlamentares da Câmara Municipal de Manaus (CMM) votaram no plenário várias mensagens do Executivo municipal que beneficiaram milhares de servidores municipais com reajustes salariais de até 15%, incluindo profissionais da área da educação, saúde, trânsito e transporte. Os servidores estatutários e celetistas do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) foram os últimos beneficiados com os reajustes aprovados na casa na última sessão do ano, no último dia 18, com a aprovação do projeto de lei 525/20163, do Executivo municipal. O PL fixou os níveis salariais dos funcionários do Manaustrans, estabeleceu o quantitativo de cargos e empregos, criou funções e vantagens, reivindicações feitas há 14 anos. O projeto aprovado pela CMM garantiu um ganho real de, aproximadamente, R$ 700 para os funcionários estatutários e R$ 1,5 mil para os celetistas. Os profissionais do magistério e o vencimento dos servidores administrativos do quadro de pessoal da Se-

cretaria Municipal de Educação (Semed) também foram reajustados neste ano, com a aprovação do projeto de lei nº 240/2013, em maio. De acordo com o documento vindo da prefeitura, o subsídio dos profissionais do Magistério e o vencimento dos servidores administrativos da Semed ficaram reajustados – se-

DISCUSSÃO

A reforma do Plano de Cargos, Carreira e Subsídios (PCCS) dos mais de 12 mil profissionais da Educação municipal foi um dos temas mais discutidos pela Comissão de Educação do Legislativo municipal guindo o regime estatutário das categorias – em 10%, em duas parcelas. A primeira parcela de reajuste correspondeu a 6,59%, retroativa ao dia 1º de maio de 2013 e a segunda em 3,41%, correspondente a 1º de dezembro do mesmo ano. A CMM também aprovou, por unanimidade, em junho, a mensagem nº 16/13 que fixa ní-

veis salariais dos servidores da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU). Os vereadores também aprovaram no dia 6 de novembro o projeto de lei nº 451/2013, de autoria do Executivo municipal, que concede o reajuste salarial de 7,22% aos servidores da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), entre médicos, efetivos, celetistas e contratados em Regime de Direito Administrativo (RDA). Oitenta e cinco cirurgiõesdentistas da Saúde da Família da Semsa foram beneficiados com a correção das tabelas de subsídios aprovada pela CMM. O projeto de lei nº 450/13, de autoria do Executivo e sancionado pelo prefeito, corrigiu os salários dos ‘dentistas da casinha’ e do médico com prorrogação da carga horária do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Serviço de Pronto Atendimento (SPA) e maternidade. Também passou pelo plenário, o PL que reestruturou o quadro de pessoal da Procuradoria Geral do Município (PGM), que alterou e acrescentou dispositivos à lei nº 1.012 de 14 de julho de 2006.

TIAGO CORRÊA/DIRCOM/CMM

Diversas categorias de várias secretarias e órgãos municipais foram beneficiados com projetos de lei aprovados na CMM

Dirigentes da cooperativa de cirurgiões-dentistas ‘brigaram’ na CMM pela correção de subsídios


Caderno B

Economia MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

economia@emtempo.com.br

(92) 3090-1045

DIEGO JANATÃ

Empresas do AM participam mais de licitações Economia B4 e B5

Amazonenses sonham com a Mega-Sena da Virada Apostadores do Estado fazem planos antecipados para os mais de R$ 200 milhões que serão sorteados no Ano-Novo

ARQUIVO EM TEMPO

I

LUANA GOMES Especial EM TEMPO

magine gastar R$ 2 e ganhar em troca R$ 200 milhões? O sonho dos apostadores que lotaram as filas das 85 casas lotéricas manauenses para participar da Mega-Sena da Virada, pode se realizar às 20h25 (horário de Brasília) da próxima terça-feira (31). O “sortudo” que ganhar a bolada vai garantir uma renda mensal de R$ 1,2 milhão caso aplique o prêmio na poupança, o equivalente a R$ 40 mil por dia, conforme dados da Caixa Econômica Federal. O gasto de R$ 2 se refere a aposta simples, com seis números jogados. Nesta situação, a chance de acertar a sena, com base em probabilidade feita pelo próprio banco, é de uma em quase 50 milhões. O comerciante José Matias Pereira, 58, decidiu lutar contra a matemática e fazer a aposta com apenas seis números. Confiante, ele já tem uma lista de itens a comprar com a possível aquisição do prêmio: uma casa para os pais, um carro para ele e outro para a esposa, um apartamento para o filho mais velho, pacotes para viagens em família e o restante seria guardado na poupança do filho mais novo. A dona de casa Elídia Brandão, 26, resolveu participar da sua primeira aposta na Mega-

Sena da Virada junto com a sogra. Com pouca experiência, ela acabou fazendo seis jogos, três a mais do que estava disposta a pagar. Apesar da falha, que comprometeu a compra do dia, a dona de casa segue esperançosa. A sogra dela, Lúcia Maria Ferreira, 61, comenta que a quantia deve ser utilizada para quitar as dívidas, fazer uma casa para os três filhos no terreno da família, pagar

RENDA O ganhador que levar os R$ 200 milhões da Mega-Sena da Virada e aplicar o montante na poupança vai garantir uma renda mensal de R$ 1,2 milhão, de acordo com a Caixa Econômica Federal a faculdade dos outros dois que ainda não contam com o diploma e comprar um carro para cada um. “Agora, resta só esperar”, destaca. Costume Apostador nato, o professor Eduardo Costa investiu mais na compra de cartelas, realizando pelo menos dez jogos por semana desde o início das apostas da Mega Sena da Virada, no dia 11 de novembro, o que já totalizou 70 senas e um gasto de R$ 140. Com parte da letra da mú-

sica “Mais uma vez” em mente, ele argumenta que “quem acredita sempre alcança”, por este motivo, confia que o investimento deve garantir retorno a qualquer momento. A universitária Olívia Martins detalha que não costuma acreditar muito na sorte, mas decidiu fazer um jogo com sete números, o que lhe custou R$ 14 e aumentou sua probabilidade de acerto em relação as apostas regulares. A previsão da Caixa é que um jogador que aposte com sete números garante uma chance em 7.151.980.

Aumento no número de apostas Embora o prêmio esteja na faixa de R$ 200 milhões, há quem acredite que os valores devem ultrapassar os R$ 250 milhões. Funcionário da lotérica da família, a Loteca Feliz, localizada no Vieiralves, Alexandre Virgílio, comenta que a Mega-Sena da Virada aumenta em 100% a procura por apostas, especialmente, quando neste ano, a realização de jogos foi muito pequena.

Luana Santos, 33, funcionária da loteria Las Vegas, no bairro Aleixo, acredita que o número deve ser bem superior a previsão normal. Em virtude da Casa Lotérica ter sido o lugar de onde saiu um dos quatro jogos vencedores do prêmio Loto Fácil, anunciado na semana passada, que rendeu R$ 475 mil ao apostador, a procura pela Mega-Sena da Virada aumentou. “Nossa demanda

cresceu bastante. As pessoas acreditam que a sorte deverá aumentar por conta de já ter saído um ganhador daqui”, pontua. Distribuição A composição do prêmio na primeira faixa de premiação, ou seja, na sena, representa uma fatia de 65% da arrecadação do respectivo concurso, informou a Caixa Econômica Federal. IONE MORENO

Procura A previsão nacional, de acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores Lotéricos do Estado do Amazonas (Sinrel/AM), Samuel Azevedo, é que o volume de apostadores aumente nos três últimos dias que antecede o sorteio da Mega-Sena da Virada, cujo prêmio estipulado é livre de impostos. A aposta poderá ser feita até às 14h (horário de Brasília) do próximo dia 31. O presidente explica que o prêmio da Mega-Sena da Virada não acumula, e caso não haja ganhador com as seis dezenas sorteadas, o valor será somado ao rateio dos acertadores de cinco números. Se não houver ganhadores nessa faixa, os acertadores da quadra dividirão todo o prêmio e assim sucessivamente. *Colaborou Jucélio Paiva

Movimento nas casas lotéricas do Estado deverá aumentar até o dia 31 de dezembro


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

‘PIM está definhando’, diz especialista em ZFM LUANA GOMES Especial EM TEMPO

F

altam dez anos para o término da vigência do modelo, mas a Zona Franca de Manaus (ZFM) está em estado de alerta. Nos últimos oito anos, de 2005 a 2013, a média de projetos de implantação (entre plenos e simplificados) teve queda de 3,35%, mostrando que os índices positivos no faturamento e no quantitativo de empregos não são atrativos suficientes para novas fábricas a região. A “radiografia” do modelo foi elaborada pelo economista José Laredo, proprietário da Controle Consultoria. Em entrevista ao Amazonas Em Tempo, Laredo expôs o estudo baseado nas pautas de reuniões do Conselho de Administração da Suframa (CAS) e nos indicadores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). Conforme o presidente da Associação dos Consultores Econômicos do Amazonas (Ascon), além da redução de

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

De acordo com o economista José Laredo, taxa de natalidade de empresas no parque fabril de Manaus está negativa 3,35% na evolução dos projetos de implantação, o estudo mostra que em média a taxa de natalidade de empresas no polo fabril representou saldo negativo de 1,22%. “Nasce menos empresas em média por ano no Polo Industrial de Manaus (PIM), que está decli-

RETRAÇÃO Comportamento dos projetos de serviços deixa a desejar, com queda média de 15,36%, desaquecimento na implantação das atividades como transportadoras e armazenagem de cargas nando, definhando”, pondera. A tese aponta ainda que as fábricas instaladas na região não estão motivadas a desenvolver em diversificações, ampliações e atualizações das linhas de produção, com queda de 2,81% na criação de projetos com este objetivo.

Instabilidade influencia queda Uma série de fatores influencia as estatísticas, segundo Laredo, dentre as quais a crise americana que refletiu na Europa a partir de 2008 e o prazo de prorrogação do PIM, que vence em 2023. “É difícil uma fábrica vir para cá para durar nove anos. Há retração no desejo de investir dinheiro”, destacou. Com base em informações enviadas pela assessoria da Suframa, o superintendente da Zona Franca de Manaus, Thomaz Nogueira, diz não acreditar que haverá qualquer prejuízo com o atraso na aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 506/10, que presume a prorrogação do modelo por mais 50 anos, pelo fato de não existir qualquer questão política por trás do

atraso, apenas questões de rito legislativo. A despeito da prorrogação, a ausência de integração entre os três poderes executivos na promoção e venda sistemática do modelo também impacta na radiografia negativa. Neste caso, o município parece ser o que mais falha na parceria. Segundo Laredo, a prefeitura está de “costas ao modelo há 46 anos”. Município O titular da Secretaria Municipal de Finanças (Semef), Ulisses Tapajós, comenta que ainda não existem medidas específicas para o Distrito Industrial, porém, a prefeitura pretende se aproximar cada vez mais do Polo, estabelecendo canais de diálogos com o setor.

José Laredo elaborou “radiografia” sobre a Zona Franca

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

ZFM: 2015 vem aí! O que acontecerá em 2014, além da folia do Carnaval, da imprevisibilidade do futebol e da barganha eleitoral que definirá os rumos deste país ? A resposta está contida na pergunta e ela ironiza o debate da procura por novas saídas ou matrizes econômicas do modelo econômico da ZFM, cuja única garantia é que permanecerá sob bombardeio. Prorrogar seus benefícios exigirá muitas reflexões sobre os desafios que lhe são inerentes. No ano velho, por vários caminhos, através de debates, envolvendo todos os setores acadêmicos, empresariais e órgãos públicos, a ZFM ensaiou a definição de um novo plano, alternativo, adicional e complementar, para a revisão de sua economia. A “base ecológica” se consubstanciou num mote que sugere aproveitar as riquezas da biodiversidade, da aquicultura, da mineração sustentável, entre outras obviedades, que para diversificar e interiorizar negócios e oportunidades. Essa prosa não terá agenda nem merecerá muita trela antes de 2015. Isso, porém não impede – muito pelo contrário - a aproximação entre institutos de pesquisa e universidades, sob

o bordão que reclama a aplicação, por exemplo, dos recursos do Fundo Amazônia em projetos chancelados pelos atores locais. Dá razões, igualmente, para amaldiçoar a burocracia federal, distante e indiferente, que trava recursos e ações sintonizados com a demanda do beiradão. Um poder difuso, confuso e insolente que não entende o sentido em manter a floresta em pé necessariamente vinculada ao assegurar a dignidade do IDH das pessoas. Nesse contexto, cabe ainda pautar as verbas de Pesquisa e Desenvolvimento, e outras taxas recolhidas no âmbito da Suframa, incluindo o Fundo de Turismo, que precisam ser alvo de estudos e debates na perspectiva do ano que vem depois da Avenida, da Bola e do Voto. Cabe, enfim, entender, apoiar e viabilizar as Cadeias Produtivas da Afeam, a agência que conseguiu vislumbrar a urgente interatividade entre extrativismo do látex, das fibras vegetais, do açaí e do buriti e seu contraponto em biotecnologia, um caminho promissor e irreversível. Nesse ensaio da expectativa, o tema da hora e de todas as horas é a Educação, onde o Brasil

está retrocedendo a patamares de constrangimento. Ali, nos dos últimos lugares da corrida global da competitividade, na Ciência, na Economia, estamos na rabiola de tudo que daí decorre. Avançar na qualificação dos recursos humanos se tornou condição de sobrevivência. Desassossega saber, porém, que há recursos de monta, mais do que os países centrais utilizam, para o setor. Um nível elevado de corrupção se atrela à escassez gerencial e à desarticulação entre os atores diretamente envolvidos. A academia, para ilustrar a assertiva, não conversa amiúde com os professores do ensino fundamental e médio, onde se revela e agrava o cenário educacional. Sem dúvida este é o maior de todos os gargalos que embaraçam o modelo ZFM. É alvissareira e altruísta a iniciativa do pacto pela Educação, surgido no âmbito das entidades que gerenciam as empresas da ZFM, as que padecem da escassez de recursos humanos na rotina do setor produtivo. O Sistema S, Fieam à frente, acaba de instalar uma estrutura educacional arrojada em Parintins, articulando Senai, Sesi e parceiros, neste monumental

desafio que urge enfrentar. São alvissareiros, ainda, os indicadores de interatividade entre o Polo Industrial e a UEA, após 13 anos de fundação desta Instituição, cujos alunos foram em 2013 para a rua, antes do movimento nacional, a fim de exigir professores na área de Tecnologia e Inovação (SIC!) Em 2015, não teremos mais desculpas para seguir esperando a definição do modelo de gestão do CBA (Centro de Biotecnologia da Amazônia). Tomara que a Suframa abdique da insensatez de conduzir a Instituição – não há expertise nem pessoal qualificado para tal na autarquia - e a entregue para quem sabe o que com ela fazer. Cabe, sim, à Superintendência levar adiante a revisão das Verbas de P&D. São 1,3 bilhão por ano desembolsado pelas empresas de informática, uma verba que tende a aumentar e que precisa ser revista em seus benefícios. “Qualquer país do mundo faria uma revolução tecnológica com este recurso”. As entidades da indústria formularam uma proposta que precis a ser tornada pública. O CAPDA, o órgão colegiado a quem compete gerenciar a dinheirama, depois da insensatez de remeter

ao agronegócio algumas dezenas de milhões destinados a projetos de Biotecnolgia, em sua última reunião do ano, pôs a mão na cabeça para não perder o juízo e deliberou com unanimidade pela adoção do Documento do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, uma entidade ligada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, denominado Diretrizes Estratégicas para o Fundo Setorial Amazônia - CT-Amazônia - proposta para discussão e deliberação. Este foi um trabalho coordenado pela geógrafa Bertha Becker, depois de três décadas de pesquisa e intervenção na região. Um trecho aqui transcrito sugere o tema e o problema a ser, então, pauta de uma grande prosa que não dá mais para adiar: “No caso da Amazônia, um projeto de desenvolvimento sustentável exige a superação do falso dilema desenvolvimento X conservação. Ao lado das áreas protegidas, é urgente conceber e implementar um novo modelo de desenvolvimento capaz de utilizar – sem destruição – o seu capital natural para gerar e distribuir riqueza para as populações regionais, a região e o país.” Feliz 2015!

Alfredo MR Lopes Filósofo e ensaista

A academia, para ilustrar a assertiva, não conversa amiúde com os professores do ensino fundamental e médio, onde se revela e agrava o cenário educacional


Economia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

B3

Como entrar 2014 sem pendências do ano velho Especialistas consultados pelo EM TEMPO garantem que é possível deixar para trás dívidas do passado. Mas, para que isso ocorra, empregar o dinheiro de forma correta é fundamental JULIANA GERALDO Equipe EM TEMPO

A

proximidade do fim de ano inspira planos também no campo financeiro. Começar 2014 no “azul”, livre de dívidas e manter as finanças equilibradas durante os próximos 12 meses constitui um desafio para a maior parte das famílias. Para economistas ouvidos pelo EM TEMPO, “limpar” o nome logo nos primeiros meses do ano, controlar o orçamento doméstico e evitar compras a prazo são algumas das atitudes que devem ser tomadas para entrar e sair de 2014 com o pé direito. O primeiro passo, de acordo com o economista Martinho Azevedo, é consultar as dívidas em entidades como o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Serasa para iniciar uma negociação logo nos primeiros dias do ano. “É importante frisar que esses órgãos servem apenas para a consulta da dívida por Cadastro de Pessoa Física (CPF). As negociações devem ser feitas diretas com o credor, sem intermediários”, destaca. Segundo o especialista, a melhor atitude do devedor é, com

a lista de pendências em mãos, procurar os credores – lojas ou instituições bancárias – e demonstrar interesse em quitar os débitos. “Especialmente no início do ano, os credores têm todo interesse em limpar o nome e liberar o crédito para que os devedores voltem a consumir. Para nenhuma empresa é vantagem gastar com interceptação judicial e contratação de terceirizadas para cobrar as dívidas. Por esse motivo, a melhor saída é sentar de frente para o credor”, ressalta Azevedo. O economista diz ainda que até para pagar as dívidas é necessário saber calcular o orçamento mensal. “Na pressa de limpar o nome, um erro recorrente de quem está devendo é parcelar a dívida em montantes impossíveis de serem pagos. Nesses casos, o trabalhador paga uma parcela da dívida e não consegue arcar com as demais, voltando a se endividar, agora com juros maiores”, alerta. Equilíbrio financeiro Com as dívidas quitadas, o trabalhador deve, conforme sugere o economista Herlon Paes, iniciar um planejamento para os 12 meses do ano com

o objetivo de evitar que a situação se repita. A definição de prioridades para o ano que começa, deixando a aquisição de bens de consumo mais caros para o futuro é uma das estratégias apontadas. Para executar o plano, a sugestão do especia-

lista, é que cada chefe de família adote uma planilha com os grandes gastos que pretende fazer no ano. “Se a ideia para 2014 for modernizar a sala, por exemplo, ele pode comprar uma estante em

um mês, um sofá em outro e a televisão LCD em outro, ou seja, dividir os gastos. Se um imprevisto ocorrer, a planilha pode ser replanejada. O importante é que os gastos mensais como comprar, em especial no cartão de crédito, não ultrapasse 30% da renda por mês”, sugere.

Mais dicas para manter o equilíbrio Manter um orçamento doméstico controlado não significa viver sobre regras rígidas de economia. O presidente do Conselho Regional de Economia no Amazonas (CoreconAM), Marcus Evangelista, explica que não é preciso abrir mão do lazer familiar. Com bom senso e uma poupança mensal de pelo menos 10% do total da renda da família é possível usufruir sem “aperto”. “Não comprar a prazo, não assumir compromissos de última hora, comprar somente o necessário e pagar com dinheiro, abrindo mão, sempre que possível, de utilizar cartões e cheques. As dicas são antigas, mas se aplicadas, podem garantir um futuro tranquilo”, aconselha Evangelista.


B4

Economia

MICRO E PEQUE

Presença em licitaçõe Aumento foi favorecido pelo esforço conjunto que governo do Estado, prefeituras do interior e entidades privadas como o Sebrae realizaram para incrementar a participação de pequenos empresários nas compras públicas ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

O

esforço conjunto do governo do Estado, das prefeituras do interior e das entidades privadas para estimular a participação de micro e pequenas empresas em licitações tem surtido efeito positivo no Amazonas. Dados mais recentes mostram que até outubro de 2013, micro e pequenos empresários representavam 28,2% das compras públicas do governo amazonense, índice que equivale a R$ 316 milhões de tudo o que foi adquirido por meio de pregão eletrônico pela Comissão Geral de Licitação (CGL). Em 2012, essa participação foi de apenas 13%, com volume comprado de R$ 260 milhões. A tendência é que esse porcentual tenha um aumento em função de alguns projetos adotados no Amazonas que vão incrementar as aquisições governamentais das empresas de pequeno porte nos próximos anos, inclusive, nos municípios do interior do

Estado. “É preciso preparar o empresário para estar apto para participar das licitações, em especial, por causa do grande volume da compra”, afirma o diretor-técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) no Amazonas, Maurício Seffair.

PERFIL

No Amazonas, existem em torno de 75,6 mil empresas, sendo 3.025 de pequeno porte, 34.942 micros empresas e 37.676 empreendedores individuais, conforme dados colhidos pelo Sebrae A meta é elevar a participação para 30%, considerado ideal pelo Sebrae. O índice pode ser alcançado se os governos estaduais e municipais aplicassem com mais zelo o artigo 48 da Lei Geral das Micros e Pequenas Empresas - LC n º 123/2006, dispositivo que permite a reali-

zação de licitação diferenciada no valor de até R$ 80 mil voltada exclusivamente para as micro e empresas de pequeno porte. União Na esfera federal, a participação nas compras públicas neste ano chegou a 80%, aproximadamente 25% a mais do que o índice registrado em 2011 (65%) e 10 pontos porcentuais a mais do que no ano passado, quando foi verificado que 70% das aquisições da União eram provenientes de micro e pequenas empresas. Apesar do crescimento, os empresários ainda enfrentam alguns gargalos como o acesso à internet e a logística que dificulta o deslocamento do interior para a capital do Estado para poder participar das licitações governamentais. “Precisamos ampliar o cadastro de micro e das empresas de pequeno porte ativas como fornecedores do governo federal”, avalia a gerente da Unidade de Articulação em Políticas Públicas (UAPP) do Sebrae no Amazonas, Lamisse Said da Silva Cavalcanti.

Prefeitura compra apenas 1% De acordo com dados obtidos junto ao Sebrae, a Prefeitura de Manaus adquire somente 1% de suas compras das microempresas, empresas de pequeno porte e empreendedores individuais. Conforme a gerente da UAPP do Sebrae no Amazonas, Lamisse Cavalcanti, a administração municipal tem dado mais

prioridade para a realização de obras que permitem maior participação de grandes empresas. Em 2012, a prefeitura licitou em torno de R$ 64,5 milhões, economia de em torno 19,38% em relação a 2011. A gestão municipal promove licitações até R$ 80 mil, em respeito a Lei Complementar n.º 123/2006, contudo o

índice de participação dos empreendedores de pequeno porte ainda é baixo. O Tribunal de Contas do Estado (TCE) informou, por sua vez, que o órgão tem feito recomendações aos entes governamentais para implantar leis que beneficiam os micros e pequenos empresários nas licitações públicas.


B5

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

ENAS EMPRESAS

Apesar de representarem quase metade das empresas registradas no Amazonas, os micros e pequenos empreendedores enfrentam alguns gargalos para se tornarem fornecedores de órgãos federais, estaduais e municipais. Para “desatar o nó”, o Sebrae tem ajudado a mudar essa realidade.

Um dos projetos da entidade é o “Fomenta”, que consiste na realização de seminários, na capital e no interior do Estado, com palestras, cursos e oficinas que esclarecem sobre temas relacionados a legislação e ao conhecimento técnico dos certames públicos. Com as informações, os empresá-

rios se capacitam para as oportunidades do mercado de compras públicas. Conforme o Sebrae, em 2013, foram realizados 11 Seminários “Fomenta”, no interior do Estado, com a participação de 1.827 pessoas entre gestores públicos estaduais e municipais, empresários e consultores.

Expansão no interior do Estado Ao se preparar para vender para o governo do Amazonas, o micro e pequeno empresário adquire a experiência necessária para se tornar apto também para usufruir das compras das prefeituras do interior do Estado. De acordo com a gerente da UAPP do Sebrae Amazonas, Lamisse Cavalcanti, a Lei Geral das Micros e Pequenas Empresas já foi implantada, atualmente, em 11 cidades amazonenses. Porém, segundo ela, a meta é dobrar esse número, com a adoção da lei geral em Manaus, onde a legislação foi regulamentada, mas não implantada, e em ao menos outros dez municípios. São eles: Barcelos, Boa Vista dos Ramos, Boca do Acre, Itacoatiara, Maués, Parintins, Santa Isabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença

e Urucará. Em Presidente Figueiredo (a 107 quilômetros de Manaus, onde a lei geral foi implementada neste ano, as compras públicas das micro e pequenas empresas giram em torno de 22%. Para o prefeito do município, Neilson Cavalcante, o índice é significativo, pois se já aproxima dos 30%, que é o porcentual ideal das aquisições governamentais.

“Quando a administração pública direciona, por meio da legislação, as compras governamentais para atender esse nicho de empresários, com certeza, ela faz circular mais fácil os recursos dentro do próprio município, favorecendo a economia local”, explica Cavalcante. De acordo com dados da Prefeitura de Presidente Figueiredo, somente em 2013, o município realizou 166 contratos com micros e pequenas empresas escolhidas por meio de licitações, que juntas receberam em torno de R$ 17,1 milhões em 2013. Compras de pequenas empresas são 22% em Presidente Figueiredo, diz prefeito Neilson Cavalcante O

Dono de um empreendimento de pequeno porte, o empresário Jander Filgueras, 45, está “de olho” em uma oportunidade para poder vender seus serviços e produtos para o Estado, negócio que considera como um “filão”. Ele ficou otimista depois que o governo sinalizou com a adoção de medidas que facilitaram as aquisições governamentais vindas das micro e pequenas empresas. Filgueras prevê que a partir do próximo ano, ele começará a participar de licitações públicas para poder expandir os horizontes da Solalux, empresa de sua propriedade situada na Zona Centro–Sul, que é especializada na comercialização de soluções para a parte de iluminação, incluindo, as obtidas diretamente da energia solar. “Estou buscando informações, pois temos produtos interessantes que conseguem baixar o valor da conta de luz em até 80%”, afirmou. O empresário Ricardo Collyer, 34, que é sócio-proprietário da PAD, empresas do ramo de vendas de artefatos de concreto e pisos de alta resistência, afirma que possui interesse em desenvolver o seu portfólio de clientes. “O Estado faz compras com volumes elevados”, declara.

Sebrae ‘desata’ os gargalos

GAÇÃ

Jander Filgueras tem planos para participar do “filão” das licitações para vender seus serviços e produtos para o governo

Empresários se planejam para o futuro

DIVUL

DIEGO JANATÃ

es é ampliada no AM


B6

País

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Jovens de áreas pacificadas não estudam ou trabalham Pelo menos em sete comunidades onde existem Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), pesquisa revela que há, entre os jovens, baixa escolaridade e desemprego

MARCELLO CASAL JR/ABR

De acordo com a pesquisa da Federação das Indústrias do Rio, grande parte dos jovens que moram nas favelas são carentes de escolas

C

erca de 34% dos jovens de 18 a 29 anos de idade que moram em comunidades pacificadas do Rio de Janeiro, não trabalham, nem estudam. O dado consta do estudo Somos os Jovens das UPPs, divulgado pelo Sistema Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro). Na faixa de 15 a 18 anos, o percentual dos jovens que não estudam, nem trabalham cai para 12%. O levantamento foi feito com 1.652 jovens de 15 a 29 anos de sete comunidades com unidades de Polícia Pacificadora (UPPs): Jacarezinho, Manguinhos, Mangueira, Prazeres/Escondidinho, São Carlos, Vidigal e Coroa/Fallet/Fogueteiro. São áreas nas quais a Firjan desenvolve o Programa Sesi Cidadania. De acordo com a Firjan, os números apontados no estudo mostram a necessidade de investimento em educa-

ção nessas comunidades. Um dos dados revela que 46% dos jovens entre 15 e 17 anos ainda não chegaram ao ensino médio, e dos que têm 18 anos ou mais, 57% não conseguem completar o ensino regular escolar. Responsabilidades Outros dados apontados no estudo mostram a precocidade com que os jovens das comunidades pesquisadas assumem responsabilidades de adultos: 17% dos que têm entre 15 e 29 anos tiveram filhos entre os 12 e os 17 anos, e 13% dos que estão na faixa de 15 a 17 anos já ajudam financeiramente suas famílias. Segundo a Firjan, um fator positivo apontado no diagnóstico é o grande avanço dos jovens de hoje em relação à geração anterior. Enquanto 48% dos maiores de 21 anos pesquisados no estudo têm

pelo menos o ensino médio completo, entre seus pais e mães a escolaridade é bem menor, de 14% e 16%, respectivamente. Com relação ao ensino superior, apenas 3% dos pais chegaram à universidade, contra 12% de seus filhos maiores de 21 anos. O estudo aponta ainda a importância dada à educação pelos jovens de hoje das comunidades contempladas com UPPs, mesmo entre aqueles que não conseguiram chegar ao ensino médio. Valorizado por 94% dos jovens, o fato de ter um diploma é considerado por 20% deles o aspecto mais importante para o mercado de trabalho. Números Em novembro, o IBGE divulgou o “Síntese de Indicadores Sociais – Uma Análise das Condições de Vida dos Brasileiros”, onde um em cada cinco jovens brasileiros de 15

a 29 anos não trabalhava, nem frequentava a escola em 2012, sendo que cerca de 70% eram mulheres. O grupo, chamado de “nem-nem”, reúne 9,6 milhões de pessoas e era maior entre os jovens de 18 a 24 anos de idade (23,4%). No subgrupo de 15 a 17 anos, a proporção foi 9,4%. Entre as mulheres “nemnem”, 58,4% tinham pelo menos um filho. A proporção cresce com a idade: 30% das meninas com idade entre 15 e 17 anos, 51,6% entre 18 a 24 anos e 74,1% do grupo entre 25 e 29 anos. De acordo com a coordenadora-geral da pesquisa, Ana Lúcia Saboia, não é possível atestar uma causa direta entre ter filho e não trabalhar nem estudar. “Precisamos ter uma estrutura melhor de creches, por exemplo. Nós mulheres sabemos como é difícil conciliar trabalho com filho”, comentou ela.

AEROPORTOS

Juizados especiais estão funcionando no recesso Apesar da interrupção de fim de ano dos trabalhos do Poder Judiciário, os juizados especiais instalados em sete dos principais aeroportos brasileiros funcionarão durante o recesso forense, que começou no final de semana. Criados em 2007 para tentar agilizar a resolução de problemas relatados por usuários do transporte aéreo, os juizados são operados pelos tribunais de Justiça estaduais e pelos tribunais regionais federais (TRFs). Eles atendem a queixas cujo valor da causa não ultrapasse 20 salários mínimos, ou, atualmente, R$ 13.560. Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a decisão visa a atender adequadamente aos usuários durante as festas de fim de ano, quando aumenta o número de pessoas viajando de avião. Os problemas mais relatados são violação, furto e extravio de bagagens, atraso e cancelamento de voos e também overbooking, ou seja, a venda de passagens além da capacidade da aeronave.

Conflitos O objetivo de conciliadores e juízes é tentar solucionar os conflitos entre usuários, empresas aéreas e administradores portuários por meio de um acordo amigável. Quando a conciliação não é possível, o processo é encaminhado e redistribuído ao Juizado Especial Cível da comarca de residência do passageiro. Em São Paulo, as equipes do juizado do aeroporto internacional de São Paulo/Guarulhos – Governador André Franco Montoro, atenderão das 11h às 22h, entre segunda-feira e sexta-feira. Aos sábados, domingos e feriados, o atendimento será oferecido das 15h às 22h. Já no aeroporto de Congonhas, o juizado funcionará de segunda a sexta, das 10h às 19h e das 14h às 19h, aos sábados, domingos e feriados. Ambos vão funcionar nas vésperas e nos feriados de Natal e Ano-Novo. No Rio de Janeiro, o juizado do aeroporto internacional do Rio de Janeiro/Galeão-Antonio Carlos Jobim funcionará 24 horas por dia. DIVULGAÇÃO

CNJ determinou um sistema de mutirão nos aeroportos

PORTAL ABR

Ministra Gleisi Hoffmann afirma que o cidadão vai poder monitorar os programas do governo

Cidadão vai ‘vigiar’ programas sociais O governo federal disponibilizará, em janeiro, um portal que vai permitir à população monitorar os programas sociais, é o mesmo instrumento usado pela presidente Dilma Rousseff e pela Casa Civil para fiscalizar as ações. Segundo a chefe da Casa Civil, ministra Gleisi Hoffmann, dos cerca de 40 programas monitorados atualmente, com mapas referenciados, três estarão no portal a partir do próximo mês: Mais Médicos, Minha Casa, Minha Vida e Desastres Naturais. “Queremos esses programas disponíveis agora em janeiro porque é importante a população nos ajudar a fiscalizar e acompanhar os programas”,

disse Gleisi. A ministra ressaltou que muitos dados estão no Portal da Transparência e no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), mas nem sempre de uma forma gerencial, que permita à população ajudar na fiscalização. O sistema disponibilizado traz um mapa do país com pontos marcados em cada município onde os programas são executados e dá uma visão geral na qual o cidadão poderá selecionar um local para mais detalhamento. Segundo Gleisi, no programa Mais Médicos, será possível obter o número de profissionais com nome e dados de cada um, bem como do tutor responsável, além de

um mapa com a localização da unidade de saúde onde eles atendem. As informações são atualizadas a cada envio de profissionais. No Minha Casa, Minha Vida, serão disponibilizados dados de todos os empreendimentos registrados, os nomes das construtoras, a data de início e término das obras e o número de unidades. O cidadão também poderá acessar fotos das obras. De acordo com a ministra, o sistema com dados sobre desastres naturais ainda precisa ser mais bem estruturado porque muitos dados de estados e municípios chegam desencontrados ao sistema.


Mundo

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

B7

Relatório da ONU tem afegã de 13 anos vendida pelo pai Nações Unidas lançou, em relatório, as experiências de mulheres violentadas no Afeganistão nos últimos 30 anos

A

“ONU Mulheres” lançou um relatório sobre experiências violentas vividas por afegãs durante 30 anos, entre 1978 e 2008. Os depoimentos foram colhidos pela agência das Nações Unidas em sete províncias, incluindo Cabul e Kandahar. Para a ONU Mulheres, o relatório “Como um Pássaro com Asas Quebradas” dá voz às civis afegãs que “foram negadas a um lugar na História”. Nos depoimentos, elas relembram episódios de violência física ou sexual e falam sobre seu trauma psicológico. A agência nota que as mulheres ficaram especialmente vulneráveis durante o regime Talebã, com medo de que seus filhos fossem sequestrados. Muitas afegãs contaram que não acreditam em justiça para os criminosos. Segundo a ONU Mulheres, pelo código penal do Afeganistão, estupros são muitas vezes tratados como adultério e tanto o responsável como a vítima podem enfrentar sanções criminais. Em alguns casos, as mulheres são obrigadas a se casar com o estuprador para “manter sua honra.”

NYTIMES

Medo Outro destaque do relatório vai para os casamentos forçados. Uma mulher conta que aos 14 anos, foi obrigada pelo próprio pai a se casar com um homem de 65 anos. O pai tinha medo de que a filha fosse sequestrada pelo Talebã. O marido morreu cinco anos depois, a deixando com dois filhos. Já uma moradora de Kandahar relata que aos 13 anos, foi vendida para um homem estranho para que seu pai pudesse saldar suas dívidas. Outra afegã foi obrigada a se casar com um comandante do Talebã. Recomendações Segundo a ONU Mulheres, metade das entrevistadas tinham entre 10 e 14 anos de idade quando foram forçadas a se casar. O relatório conclui que estupros e outras formas de violência sexual foram usados como arma de guerra e que o conflito exacerbou os casamentos forçados. A ONU Mulheres pede ao governo do Afeganistão que ponha um fim imediato à cultura da impunidade e garanta que os autores de crimes de violência contra mulheres e meninas sejam responsabilizados por seus atos.

No relatório da ONU, meninas relatam os episódios de violência física ou sexual e falam sobre os traumas dessas experiências

CRISE DIVULGAÇÃO

Crise política, vira conflito étnico e deixa Sudão próximo a um colapso e guerra civil

Sudão do Sul à beira da guerra civil O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou por unanimidade uma resolução para reforçar com 5.500 capacetes azuis a missão no Sudão do Sul (UNMISS), o que eleva o número de soldados na região para 12,5 mil. “Não há solução militar para este conflito. É uma crise política que requer uma solução pacífica”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, após agradecer ao Conselho de Segurança pela pronta resposta. Os soldados serão transferidos das missões de Congo, Darfur, Costa do Marfim, Libéria e da região sudanesa de Abyei para ajudar a frear a escalada de violência que deixou milhares de mortos nos últimos dias.

O embaixador do Sudão do Sul na ONU, Francis Deng, saudou a resolução. “Eu asseguro que meu governo está fazendo todo o possível, nessas difíceis circunstâncias, para restabelecer a ordem e a estabilidade.” Guerra civil O ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, também elogiou a resolução. “Precisamos evitar que o conflito se torne uma guerra civil motivada por razões étnicas”, disse. A correspondente da DW Hannah McNeish disse que no país já se fala em guerra civil. “A situação escalou de um conflito político para assassinatos étnicos generali-

zados”, disse McNeish, que está na capital do Sudão do Sul, Juba. Segundo ela, civis armados se juntaram a várias facções militares e estão atacando etnias rivais. Os tumultos no país começaram quando o presidente Salva Kiir acusou o ex-vicepresidente Riek Machar de uma tentativa de golpe de Estado. A disputa política entre eles está por trás do conflito, já que ambos pertencem a etnias diferentes. Kiir faz parte da etnia Dinka, o maior grupo étnico do Sudão do Sul, enquanto Machar pertence à comunidade étnica Lou Nuer. Ambas as tribos têm travado violentos conflitos desde a independência do Sudão do Sul, em 2011.


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013


Caderno C

Dia a dia MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

diadia@emtempo.com.br

(92) 3090-1041

IONE MORENO

Vem mais chuva por aí, afirma Inmet Dia a dia C3

Moradores reivindicam melhoria no transporte

JOE; ROSA / ARQUIVO EM TEMPO

Investimentos em veículos e alteração de rota à capital integram as reclamações de moradores de Iranduba e Cacau-Pirêra

Com a construção da ponte Rio Negro, moradores que habitam a sede de Iranduba e o distrito de Cacau-Pirêra reclamam que as rotas de ônibus praticadas não atendem as suas necessidades

Moradores do Cacau-Pirêra, distrito do município de Iranduba (há 22 quilômetros da capital) reivindicam melhorias no transporte intermunicipal. Além de investimentos nos veículos, eles solicitam modificações na rota, que passe a levar os passageiros da vila até o centro de Manaus, e não somente até o bairro da Compensa, Zona Oeste, como acontece. A integrante da associação dos moradores do Cacau-Pirera, a secretária Marta Helena Andrade, explicou que tanto o ônibus que parte da sede do município, quanto o que sai do Cacau-Pirêra com destino à capital, desembarca no bairro da Compensa. “Tem muita gente que sai daqui e trabalha como doméstica no Centro, ou nos bairros de Educandos, na Chapada e na Cidade Nova. Então essas trabalhadoras tem que sair mais cedo de casa, e pegar dois, às vezes, três ônibus para chegar ao destino. Se a rota fosse até o Centro, seria melhor para distribuir os trabalhadores”, defendeu. Segundo ela, além de perderem menos tempo - com a extensão da rota até o Centro - os trabalhadores ainda gastariam menos com as passagens. “Da sede do Iranduba a tarifa de ônibus custa R$ 3,50 e do Cacau R$ 2,50. E, o trabalhador ainda tem que pagar mais uma ou

duas passagens só de ida”, pontuou a secretária. Andrade ressaltou também as condições dos veículos responsáveis pelo transporte entre os municípios, que segundo ela merecem manutenção. “Não tem conforto”, ressaltou. Por meio de nota, a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) informou que a criação de um serviço de transporte que possa atender essa demanda está em discussão, visto que

MANUTENÇÃO

Segurança pública e estrutura em terminal Afora os transtornos de locomoção, os usuários de transporte coletivo do entorno da ponte também reclamam da falta de segurança na área. O estudante universitário Átila Salles, 21, que mora no município de Manacapuru e estuda em Manaus, reclama da falta de estrutura no local. Segundo ele, antes os coletivos deixavam os estudantes no porto de São Raimun-

do e, agora, com a ponte, eles estão ficando na Compensa, próximo à ponte. Conforme Átila, a estação onde o ônibus fica em Manaus não tem uma iluminação adequada. Essa falta de iluminação é, segundo ele, extremamente prejudicial não só à classe estudantil mas a toda a população que necessita do transporte coletivo, uma vez que no período da noite,

os usuários ficam expostos à ação de assaltantes. “De vez em quando passa uma viatura da Polícia Militar aqui nas proximidades, mas mesmo assim, não é garantia de que estamos em segurança”, declara. Para a estudante universitária Perla Novo, 22, que também estuda em Manaus, o ideal seria que os usuários pudessem contar com terminal e um posto

de polícia, pois somente assim a população que se utiliza do serviço poderia ficar menos preocupada com a ação de bandidos no local e não ficaria sobressaltada, com medo, e muitas vezes receosa de ficar aguardando um coletivo. “Tem que ter uma estrutura decente aqui, pois, o ônibus nos deixa na rua, em um ponto de ônibus que não tem nem cobertura”, disse. JOEL ROSA/ ARQUIVO EM TEMPO

IVE RYLO Equipe EM TEMPO

Além de reclamarem da rota dos ônibus, os moradores também pedem que seja dada manutenção aos veículos que saem de Cacau-Pirêra ou da sede de Iranduba com destino à capital se trata de um transporte intermunicipal e por isso envolve órgãos das prefeituras e o governo do Amazonas. Além da criação de linhas de ônibus, estuda-se a possibilidade de haver um meio de transporte fluvial até o porto de Manaus, no Centro. A SMTU informou também que existe um projeto de construção de cinco terminais de integração, construído após a construção da ponte Rio Negro, para servir de ponto de apoio aos viajantes.

Sem um terminal adequado, com abrigo coberto, população aguarda pelos coletivos em locais sem o mínimo de estrutura


C2

Dia a dia

Portos compro Numa região onde boa parte dos moradores dependem das estradas fluviais, os portos instalados em alguns municípios deixam a desejar ADRIANA PIMENTEL Especial EM TEMPO

A

necessidade de tornar os rios amazônicos mais viáveis à navegação, resultou nos últimos anos na instalação de vários portos, em alguns municípios da região, por parte do poder público federal e estadual. Mais de 20 portos foram entregues para operar nos municípios, entretanto a maioria continua com problemas devido a má qualidade nas obras executadas e a falta de mão de obra qualificada para neles operar. A responsável pela gestão desses portos é a Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental (Ahimoc). O órgão é vinculado ao Ministério dos Transportes, responsável pela promoção e desenvolvimento das atividades de execução, acompanhamento e fiscalização de estudos, obras e serviços de hidrovias, dos portos

ABANDONO A hidrovia do SolimõesAmazonas é umas das principais hidrovias brasileiras. Porém o transporte é subaproveitado. O seu significado econômico e social é de grande importância, pois permite um transporte de baixo custo fluviais e que lhe venham a ser atribuídos pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Alguns portos são obras problemáticas como é o caso do porto do município de Humaitá - localizado a 590 quilômetros de Manaus -, na região do rio Madeira, inaugurado em 2010. A obra que custou R$ 12,8 milhões aos cofres públicos foi danificada pela cheia dos rios. Pedaços de madeira foram lançados contra a estrutura que foi arqueada. No porto de Itacoatiara situado a 176 quilômetros da capital -, a ponte que dá acesso ao cais cedeu dificultando o acesso dos passageiros. De acordo com o deputado Sidney Leite (DEM), este porto é de suma importância, pois faz transbordo de cargas de madeira e grãos, o que movimentava a economia do município. O porto de Parintins - a 369 quilômetros de Manaus -, está operando com permissão da autoridade marítima, mas com algumas restrições. Uma delas é a de só poder receber 2,5 mil toneladas de porte bruto. No município de Tefé - a 523 quilômetros da capital -, o convênio foi cancelado devido à demora no processo de efetivação, assim como em Fonte Boa - a 678 quilômetros -, que está com as obras paradas, pois passa por uma avaliação técnica, e tem a previsão de entrega para março de 2014.

Portos instalados no Amazonas apresentam problemas como infraestrutura, segurança e material humano

Lei versus apadrinhamentos De acordo com a lei nº 8.630/93, que regulamenta o regime de trabalho no porto organizado, com o objetivo principal de regular procedimentos que permitam uma gestão sem riscos aos trabalhadores portuários. O profissional deve ter a prévia habilitação, mediante treinamento realizado em entidade indicada para conhecer a legislação, os controles documentais, planilhas, bem como níveis de segurança. Entretanto, somente os

portos de Tabatinga e Parintins, possuem profissionais treinadas, ou seja, portuários. Os demais, operam com pessoas sem qualquer qualificação ou mesmo noção da legislação. De acordo com o deputado estadual Sidney Leite, a concessão da administração dos portos é realizadas por meio de critérios políticos. “Eu andei sabendo que o Sabá Reis (Superintendente da Ahimoc) faz acordos políticos para administrar o porto”, informa. ARQUIVO EM TEMPO

Ponte que dá acesso ao porto cedeu, em Itacoatiara

Na terra do boi-bumbá, Parintins, o porto local opera com restrições, recebendo apenas 2,5 toneladas de porte


MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

C3

metidos no AM ARQUIVO EM TEMPO

ARQUIVO EM TEMPO

Porto de Tabatinga é um dos poucos no Amazonas, onde os trabalhadores são portuários, conforme determina a lei, que regula o regime de trabalho no local

Melhorias previstas em 2014 Para o deputado estadual Sidney Leite (DEM) existem vários gargalos tanto para as empresas navais, indústria e comércio, como para os passageiros. Alguns portos ainda não são suficientes para serem considerados seguros. Em virtude de posicionamento dos novos portos, alguns tiveram que operar em terra. Entretanto de acordo com o engenheiro naval Pedro Nunes, este não seria um problema, pois é necessário verificar a capacidade do convés para operar, existem estruturas capazes de operar em terra e na água. “Tem que cobrar quem construiu para que possa dar condições de atender mesmo em períodos de seca“, afirma. Providências Conforme a representante da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), Ivete Coelho, todos os portos licitados entre 2005 e 2008 para o interior estão em fase de revisão do projeto. Se-

SATISFAÇÃO A equipe do EM TEMPO, fez contato com o superintendente da Ahimoc, Sabá Reis, pelo telefone xxxx- 7340, mas não obteve respostas sobre a situação dos portos do Amazonas, até o fechamento desta edição gundo Coelho, os mesmos deverão ser entregues até o final de 2014. O Dnit sinalizou também um investimento de R$ 180 milhões que deverão resolver, a situação de 13 portos no interior do Amazonas. Na última sexta-feira (27), mais um porto foi entregue, o do município de Coari - a 363 quilômetros de Manaus -, que é também um importante porto de escoação de mercadoria para o interior do Amazonas. A obra recebeu verba do governo federal e custou R$ 11,2 milhões, sendo R$ 3,8 milhões de contrapartida do governo do Estado. REPRODUÇÃO

Porto de Humaitá também apresenta problemas


C4

Dia a dia

Estudos dobrados para vi Planos para a idade adulta, incluindo-se aí um posto de trabalho, ainda que seja sob influência do pai ou da mãe, levam crianças a definir seus papéis no futuro

F

oi-se o tempo em que “ser grande” era a única resposta de uma criança ao ser questionada sobre seus planos para o futuro. Hoje muitas delas sabem o que querem e, mais, arquitetam planos para viabilizar os desejos. “Eu pretendo seguir carreira de juíza, que acho legal, ou carreira militar, porque minha mãe gosta disso. Também vou me esforçar para, mais para frente, tentar uma vaga na Nokia, no curso de mecatrônica porque envolve matemática, e é coisa que gosto. Acho muito legal mexer com robótica”, disse a estudante Mayla Catarina Ribeiro Campos, 12, que cursa o 7º ano da escola estadual Waldock Fricke de Lyra, o 3º Colégio Militar da Polícia Militar (CMPM), localizado no bairro Parque São Pedro, Zona Norte de Manaus. Em 2013, ela conquistou uma das 11 medalhas de bronze abocanhadas pelo colégio durante a 9ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa). Foram 11

medalhas de bronze, uma de prata e 23 menções honrosas. Em 2012, foram três medalhas e 16 menções, sendo que uma delas também foi conquistada pela menina. Mayla conta que sempre foi incentivada pela mãe a gostar de matemática e, na escola encontrou nos professores a atenção suficiente e motivação para vencer as

VITÓRIA

A estudante Mayla não acreditava que poderia ter uma boa colocação na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, mas no fim de novembro de 2013 o resultado confirmou sua conquista questões. “Para a olimpíada, o professor Maxuel sempre fazia dinâmica e nos passava provas já aplicadas. Ele sempre falava ‘raciocínio lógico, pensamento rápido’. A minha professora Elisandra Rosa também me incentivou bastante”, lembrou-se. Apesar de não acreditar que poderia ter uma boa colocação no concurso nacional, a estudante tentou manter a calma e

dar o melhor de si no momento da avaliação. “Tentei fazer até o último momento. Não imaginei que ia ganhar, não me empenhei muito. Me esforcei, mas não com o objetivo de ganhar nada”, disse. No fim de novembro, o resultado da prova foi divulgado e Mayla soube da conquista pela mãe. “Minha mãe me ligou muito feliz, foi demais. A minha mãe sempre me incentivou, me cobrava muito, ela fala que é para eu ser exemplo para minha irmã”, apontou. Para a menina, mais que o título de fera em matemática, a medalha é importante porque pode ser o passaporte para voos maiores, podendo garantir, inclusive, uma bolsa em outras escolas da capital. Por isso, Mayla nem esperou o ano terminar para programar os compromissos para 2014. No próximo ano, a agenda da estudante está tomada com a escola, cursos preparatórios e de inglês. “Meu objetivo é ganhar uma medalha de prata ou ouro. Minha mãe vai me colocar no cursinho preparatório. Também vou estudar inglês para participar do programa Jovem Embaixador, tudo para facilitar o acesso a vagas em outros colégios”, revelou a estudante.

O sucesso nas olimpíadas tem levado estudantes do Colégio Militar da Polícia Militar (CMPM) a inves

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

IVE RYLO Equipe EM TEMPO

Desempenho é comemorado Além das conquistas na olimpíada de matemática, o diretor do 3º Colégio Militar da Polícia Militar (CMPM), o tenente-coronel Rudney Caldas comemorou o bom desempenho das turmas que pode ser constatado na redução de estudantes de recuperação. A escola comporta 2,5 mil alunos nos três turnos. Contudo, há 2 anos o oficial lembra que a fama da escola se resumia ao baixo desempenho dos alunos - que alcançaram a nota 3.1, na avaliação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em 2011 - e a frequente ameaça do tráfico de drogas na redondeza. A estrutura do prédio também assustava, segundo o diretor, a pichação se estendia da parede até no teto. “Os meninos tinham uma apresentação pessoal horrível e havia casos de droga. A primeira

providência que tivemos foi uma intervenção nos banheiros, todos os vasos eram entupidos e quando tentamos desentupir alguns, não conseguimos. Quando desobstruímos os vasos encontramos carteiras. Eu acho que eles furtavam as carteiras e enfiavam nos vasos, deu muito trabalho”, lembrou-se. Se a estrutura degrada fosse a única preocupação, o choque da nova administração não teria sido tão grande. “Nossa realidade foi bem dura, quando chegamos. No primeiro diagnóstico percebemos que tínhamos alunos no 7º ano analfabetos”, revelou. A realidade foi transformada após a demanda dos próprios moradores que após mobilização, abaixoassinado e inúmeros pedidos de intervenção, conseguiram que a metodologia da escola fosse alterada.

Tenente-coronel Rudney Caldas, diretor do 3º Colégio Militar da Polícia Militar, comemora as vitórias alcançadas pelos alunos


MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

C5

Superação garante vitória Fã de matemática, Kelly Laisse Viana, 12, aluna do 7º ano do CMPM, venceu o nervosismo e arrebatou uma medalha de bronze, já na primeira participação da olimpíada. “Foi muito difícil, estudei bastante, mas achei que não estava preparada porque estava difícil e estava nervosa. Achei que não tinha passado. Nem quis olhar no site”, revela. Acreditando que não tinha se saído bem, a menina nem procurou saber o resultado. “Minha mãe chegou tremendo, e me falou que eu tinha ganhado a medalha de bronze”, recorda. O resultado positivo no concurso escolar incentivou Kelly Viana a planejar nova maratona de estudos para poder participar da próxima olimpíada que deve acontecer no ano de 2014. Apesar da pouca idade, ela revela acreditar na importância dos estudos para a garantia de um futuro melhor.

Empolgação para participar das olimpíadas Ciente da visibilidade que ganha um estudante que se destaca na olimpíada, a aluna Glenda Ribeiro da Silva, 14, que cursa a 9º série na mesma escola, também pretende investir no concurso. No primeiro ano em que a menina participou da olimpíada, já arrebatou uma menção honrosa. “Acho que em 2014 vou tentar novamente, eu me empolguei um pouco. Não esperava nada e já que consegui. Penso no meu currículo, no

meu futuro, na facilidade de entrar na universidade, nas escolas”, avalia. Apesar da pouca idade e da fala mansa, Glenda também já analisou as possibilidades e inclusive já ponderou o que pretende fazer profissionalmente. “O que eu estudo ajuda em tudo, na universidade, no currículo, no futuro e tudo mais. Penso em tentar uma vaga na Nokia, mas quero passar no CMM (Colégio Militar de Manaus). Penso em

ser anestesista, acho que tem a ver comigo. Desde criança queria qualquer área da medicina. Antes pensava em pediatria, mas fui pensando e acho que anestesista é melhor”, ressalta. Esforçada, a menina cultiva um boletim invejável e diz ter facilidade tanto nas matérias que envolvem cálculos, como em outras áreas. “Me dou bem em todas as matérias, não tenho dificuldade. Não tenho ainda uma maté-

ria preferida”, destaca. Apesar de ter facilidade em aprender e o interesse pelos estudos, a menina duvidava que pudesse conseguir uma boa colocação na competição. Ao contrário de alguns pais, o dilema da mãe de Glenda, Maria Clênice Ribeiro da Silva, 44, é tentar frear um pouco o envolvimento da menina pelos estudos. “Não cobro, procuro deixá-la tranquila, mas ela sempre quer perfeito, não aceita um erro”, conta. ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

ALBERTO CÉDSR ARAÚJO

abilizar sonhos e desejos

Glenda Ribeiro da Silva, estudante da 9ª série do CMPM, planeja ingressar em uma universidade e sonha em ser anestesista

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

r, desde cedo, em estudos e carreiras

Motivação ajudou estudantes De carrasco para o queridinho dos estudantes. Para o coronel, o gosto dos alunos pelo estudo da matemática surgiu após a motivação. “Começamos com concurso interno de matemática. Verificamos os meninos que tinham mais habilidade e colocamos como representante da turma. Fazíamos aos sábados sabatina de matemática, bingo e percebemos que os meninos se animaram e resolvemos inscrevê-los na Olimpíada de Matemática. Para nossa surpresa ganhamos em 2012, uma medalha de prata e duas de bronze”, afirmou. O desempenho dos estudantes na olimpíada chamou a atenção das escolas particulares. E, o aluno que conquistou medalha de prata ganhou uma bolsa em outra escola. “Se a gente conseguiu desenvolver esse menino para

chamar atenção do mercado é isso que a gente quer”, afirmou. Com um pouco mais de estudo, incentivo e esperança renovada no ano que entra, não será surpresa ver

CONQUISTA

A estudante Mayla não acreditava que poderia ter uma boa colocação na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, mas o resultado confirmou sua conquista o sucesso dos estudantes. “Estávamos batalhando para a medalha de ouro, não conseguimos, mas chegamos muito perto. Vamos tentar em 2014, quem sabe não será o nosso ano?”, sugere o coronel.

Com o incentivo dos professores, estudantes do 3º Colégio Militar passaram a ter mais motivação para estudar matemática


C6

Dia a dia

Atenção com crianças Sair com os pequenos pode se tornar uma grande dor de cabeça, caso ocorra um desaparecimento ISABELLE VALOIS Equipe EM TEMPO

A

s compras de final de ano podem se tornar um pesadelo, para algumas famílias, em virtude da grande concentração de pessoas, nas ruas do Centro e também nos shopping centers da cidade. Entre a população que se encontra nas lojas é possível presenciar situações complicadas com famílias que vão juntas e não prestam atenção às crianças, e o que ocorre é o desaparecimento dos pequenos. Quando o caso ocorre, o desespero e as compras terminam no exato momento em que foi confirmada a ausência da criança. Muitos não sabem o que fazer, e outros até aguardam um prazo de 24 horas para realizar a denúncia do desaparecimento. A delegada titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Linda Gláucia de Moraes, salienta que o cuidado com as crianças deve ser contínuo nesta época do ano. “Os familiares devem ter precaução em qualquer momento, e nesse tempo de festas, não é aconselhável levar as crianças para esses lugares ou em algum tipo de aglomeração, pois corre riscos, principalmente quando uma criança é deixada com outra criança, pois os sequestradores procuram esse tipo de caso”, salienta. Caso ocorra algum sumiço, Linda Gláucia explica que a família não deve esperar passar 24 horas para a realização da denúncia, e sim ir com urgência a qualquer delegacia para comunicar o ocorrido. “Assim podemos fechar todos os meios de saídas e entradas da cidade e realizar a divulgação da imagem do menor na imprensa e termos um resultado positivo”, observa. Entre o trabalho da Depca está por primeiro a identificação do local do crime, para saber se há testemunhas que viram o sequestro, câmeras que filmaram o momento da ação, além do fechamento de todas as saídas da cidade, por meio de ofícios comunicando que a criança desaparecida não saia do município. A questão de trote também atrapalha o período de investigação. “Isso é um trabalho sério e a família está sofrendo sem a criança perto dela, então pedimos que a população não faça os trotes, pois prejudica o nosso trabalho”, salienta a titular da Depca. Ocorrências Caso recente aconteceu com a menina Tamara de Oliveira da Silva, 3, que foi sequestrada na tarde do último dia 24, no momento em que se encontrava com o irmão de 13 anos, em uma loja de departamentos, localizada na avenida Floriano Peixoto, no centro de Manaus. Uma mulher morena, de altura baixa e cabelos ruivos, abordou o irmão da vítima perguntando se eles tinham ganhado presentes de Natal e pediu que ele escolhesse, pois iria comprar o brinquedo que desejasse. Na ocasião, a suspeita entregou uma nota de R$ 20 e pediu que o irmão da vítima comprasse uma boneca para Tamara na loja ao lado, en-

quanto ela aguardava com a menina o retorno do garoto. Quando o irmão da vítima retornou, sua irmã e a suspeita haviam desaparecido. Na manhã do dia seguinte, um motorista de táxi não identificado foi abordado nas proximidades do bairro Mauazinho, Zona Leste, por uma mulher morena, cabelo encaracolado e alta, que estava com uma criança, e pediu que ele as levassem até o Morro da Catita, localizado no bairro Jorge Teixeira, quarta etapa. Quando chegaram ao destino final, a mulher desceu do carro deixando Tamara e informou ao taxista que iria a sua casa buscar o dinheiro, pois a corrida estava dando o valor de R$ 80. Após uma hora e meia de espera o taxista resolveu procurar a mulher que não foi encontrada. Por volta das 13h30 o mo-

AÇÃO Trabalho da Depca busca identificar o local do crime, além de imagens e testemunhas, seguido do fechamento de todas as saídas da cidade, para evitar que a criança desaparecida, porventura possa deixar o município torista de táxi procurou a 13ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) e apresentou a criança e relatou os fatos. Por causa do desaparecimento de Tamara, uma guarnição achou que a criança tinha as mesmas características de Tamara e a levou para a sede da Depca. Na delegacia os pais reconheceram a filha, e detalharam que o cabelo da criança havia sido cortado, como também as roupas que ela vestia não eram as mesmas que ela trajava no momento em que desapareceu. Um dia depois de Tamara ser entregue à família, o taxista José Roberto Souza Maia retornou à delegacia e revelou ser marido da suposta sequestradora e procurou a polícia pelo fato de o caso ter repercutido em toda a cidade. A suposta sequestradora, Paloma Priscila de Oliveira, 21, também esteve na Depca, onde disse ter encontrado as crianças com fome e por isso resolveu comprar um lanche e em seguida levou na loja para comprar uns brinquedos, mas quando procurou o irmão de Tamara, ele não se encontrava mais no local e por isso resolveu levar a menina para casa. A suspeita foi indiciada pelos crimes de lesão corporal e sequestro, enquanto o marido taxista vai responder pelo crime de favorecimento pessoal. Outro caso aconteceu com o autônomo Francisco Martins, 35, que foi ao shopping com a família e no momento em que sua esposa, a dona de casa Letícia Moreira, 32, entrou em uma loja, deixou o carrinho em que estava o filho do casal em posse do pai. Ao continuar a andar no shopping Francisco se distraiu com o preço de alguns aparelhos celulares e deixou o carro com o filho nos corredores do estabelecimento. Quando se atentou ao que havia acontecido, se deslocou imediatamente para o local em que havia deixado o filho, e vários curiosos rodeavam o carrinho do bebê.

Autoridades policiais, acostumadas a lidar com a recuperação de crianças desaparecidas, orientam aos pais para evitar a distração ao olhar uma vitrine ou mesmo parar para falar com um conhecido

Dicas para não perder os filhos de vista Algumas dicas para evitar transtornos como os dos casos relatados ao lado, são bem simples de serem seguidas, e que servem não apenas para ser utilizadas no final de ano, mas também no período de férias, quando ocorrerem viagens ou em outras situações. Procure colocar pulseira de identificação nos pequenos, com o nome da criança e um telefone de contato. Evite deixar seu filho sozinho, mesmo que você acredite que a criança se encontra em um local seguro. Crianças maiores e adolescentes têm mais facilidades para decorar telefones dos pais. Se pos-

sível, deixe com eles um aparelho celular. Vista a criança com cores fáceis de serem localizadas, pois em locais de muita aglomeração será mais fácil ele ser identificado. Evite se distrair. Às vezes o simples gesto de olhar uma vitrine, atender a um celular ou mesmo parar para falar com um conhecido pode fazer com que a criança se distancie e acabe sumindo de suas vistas. Segure firme a mão da criança, principalmente em locais públicos. Isso torna difícil para eles se perderem como eles podem segui-lo muito facilmente e evita que os pequenos fiquem vagando

ORIENTAÇÃO Há muitas coisas que você pode fazer quando o seu filho se perde, mas se medidas preventivas forem adotadas, vai garantir que o seu filho não se perca em algum local, evitando transtornos para você por conta própria. Tenha uma conversa com seu filho em casa, antes de sair, e explique porque ele deve permanecer perto de você e também sobre onde você vai passear. As crianças pequenas quando são perdidas muitas vezes choram e não sabem o que

fazer nessa situação. Saber como pedir ajuda pode significar que se uma criança está perdida, pode pedir ajuda sem hesitar e assim se tornar mais fácil para você encontrá-los. Caso a criança tenha sumido identifique imediatamente se o lugar tem câmeras de segurança, que monitorem o local. Não hesite em pedir ajuda especializada, caso comprovado o desaparecimento da criança. A polícia está aí para ajudar. Há muitas coisas que você pode fazer quando o seu filho está perdido, mas se você tomar medidas preventivas, vai garantir que o seu filho não se perca em algum lugar.

Delegada Linda Gláucia de Moraes salienta que atenção aos filhos deve ser redobrada, durante compras em locais movimentados


MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

C7

deve ser constante

Imagem de circuito de loja mostra o momento em que mulher aborda menino e a irm達, fugindo em seguida com a menina


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013


Caderno D

Plateia MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

plateia@emtempo.com.br

DIVULGAÇÃO

Governo assina lei que limita meia-entrada (92) 3090-1042

Plateia 3

Diogo NOGUEIRA

‘Faremos um REPERTÓRIO para ninguém FICAR PARADO’

FOTOS: WASHINGTON POSSATO/DIVULGAÇÃO

GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

P

ouco mais de 1 ano depois, o cantor de samba Diogo Nogueira está de volta a Manaus para se apresentar em outro evento público, dessa vez nada menos do que o Réveillon da cidade. O show da virada com o artista nacional e internacionalmente conhecido, segundo o próprio falou ao EM TEMPO, é composto de músicas animadas e contará com a presença de bailarinos da companhia do dançarino mais famoso do Brasil, Carlinhos de Jesus. Há pelo menos 3 anos, o artista comparece à capital amazonense para fazer shows. Nogueira esteve em Manaus em agosto de 2011, quando veio apresentar a performance da turnê “Sou Eu”. Uma das características da cidade que mais marcaram o artista é a receptividade do público. “Sempre fui muito bem recebido em Manaus e adoro fazer shows na cidade”, destacou. Filho do músico João Nogueira, que também representa sua principal influência artística, ele é admirador de outros nomes consagrados como os compositores Monarco, Nelson Sargento, Dona Ivone Lara, Cartola, Nelson Cavaquinho e Candeia, além de Chico Buarque, Paulinho da Viola, Martinho da Vila, Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Jorge Aragão, Ar-

lindo Cruz e tantos outros bambas que fazem a história da música brasileira. O Réveillon da cidade é uma promoção da Fundação Municipal de Artes e Cultura (ManausCult). Diogo Nogueira é a atração principal, no anfiteatro da Ponta Negra. Contudo, a prefeitura anunciou que o axé da banda Oz Bambaz vai agitar um palco montado na Zona Leste e que, além das atrações nacionais, haverá show de artistas amazonenses e diversas atrações distribuídas em espaços voltados para todo o tipo de público.

a felicidade de ter o Zeca Pagodinho cantando comigo, é um sucesso, e em janeiro vou gravar o clipe dela.

EM TEMPO – O que significou 2013 para a sua carreira? Diogo Nogueira – Estou muito feliz e 2013 foi um ano de muitas realizações. Gravei um CD em homenagem às mulheres, que tanto admiro e que tem importância enorme na minha vida. Foi um ano de muito trabalho, muita dedicação, fiz shows importantes no Brasil e no exterior, conheci nossa “mãe” África, e aproveitei para fazer uma homenagem a esse continente no meu show atual.

O cantor carioca afirma que, embora tenha vários álbuns lançados tanto gravados em estúdio quanto ao vivo, não preferência por um formato ou outro, porque ambos possuem seus atrativos

EM TEMPO – Como está a repercussão de “Mais Amor” (mais recente álbum lançado)? DN – O CD teve ótima repercussão e vejo as pessoas cantando direto durante os shows. A música “Quem Vai Chorar Sou Eu”, que eu tive

EM TEMPO – Você tem um certo equilíbrio na quantidade de álbuns lançados que foram gravados em estúdio e ao vivo. Existe preferência por algum desses formatos em detrimento ao outro? DN – Não teve nenhuma estratégia. Apenas deixei que os fatos acontecessem

REGISTRO

na minha carreira. Gosto de gravar discos em estúdio, ir para a estrada com o show desse disco, amadurecendo, cantando outras músicas novas, e depois registrando a turnê em um DVD. Foi assim que aconteceu, até mesmo no DVD de Cuba (de 2012), que foi um desvio de percurso, mas que é um registro fiel do show que eu já vinha apresentando pelo Brasil. EM TEMPO – O show previsto para a festa

de Réveillon de Manaus é semelhante ao que foi apresentado em meados de 2012 por aqui? DN – Vamos apresentar um show completo, com “bandão”, Companhia de Dança Carlinhos de Jesus, e vamos fazer um repertório especial para ninguém ficar parado. Vamos celebrar este ano de 2013 e a chegada de um ano especial. EM TEMPO – Aliás, ano passado você estava trabalhando bem a divulgação do disco gravado em Cuba. Como está essa ligação da sua música com o mercado e o público estrangeiro? DN – Continuo indo ao exterior, levando o nosso samba para todos os lugares, e este ano fiz cinco shows na África. Ano que vem devemos fazer uma nova turnê na Europa e nos Estados Unidos.

Sempre fui muito bem recebido em Manaus e adoro fazer shows na cidade (...) Vamos apresentar um show completo, ao lado de bailarinos da Cia de Dança Carlinhos de Jesus”

EM TEMPO – Está produzindo algo novo em estúdio neste momento? DN – Estamos viajando todo o Brasil com esse CD novo e vamos preparar um DVD para gravar em 2014. EM TEMPO – Réveillon sempre lembra simpatias, oferendas etc. Você é supersticioso? DN – Sou bem tranquilo, sem maiores superstições, mas sempre entro no palco com o pé direito.

Estou viajando por todo o Brasil com o último CD lançado e pretendo preparar um DVD para gravar em 2014 mesmo. (...) Sou bem tranquilo, e sempre entro com o pé direito no palco”

O ano de 2013 trouxe muitas alegrias e realizações. Gravei um álbum em que faço homenagem às mulheres que tanto admiro e que tem enorme importância na minha vida. Enfim, foi um ano de muito trabalho e de muita dedicação”

Diogo Nogueira, uma das vozes contemporâneas do samba mais conhecida no Brasil, vem anualmente a Manaus, desde 2011


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

FO

>> Réveillon chic

TO S: DI VU

Fernando Coelho Jr.

LG AÇ ÃO

fernando.emtempo@hotmail.com - www.conteudochic.com.br

>> Christmas . Angela e Juarez Bulbol de Lima foram anfitriões da tarde do dia 25, orquestrando o tradicional almoço de Natal no endereço do condomínio Ephigênio Salles. Luccas e a mãe, Sueli Nascimento, ele aniversariante do dia 31, comemorando a data em Londres

Angela e Juarez de Lima, anfitriões no tradicional almoço de Natal

. Tarde cheia de charme, comemorando a data mais bonita e iluminada do ano! Delicias no lunch, iguarias finíssimas regadas a vinho e champanhe. Tarde ótima!

Gisele Maranhão, Rebecca Garcia e Emanuelle Gil

>> Royal gourmet

O bonitón João Gabriel Bulbol de Lima

Moisa Guerreiro

Marcelinho e Emanuelle Gil emoldurando Bárbara Lins de Queiróz

>> Show pirotécnico

. A Paradise Turismo está lançando em Manaus um cruzeiro sensacional que vai agradar os amantes da boa mesa.

. Mais de 15 mil pessoas são esperadas para o Réveillon, que será realizado pela primeira vez na orla do Amarelinho, no Educandos, Zona Sul.

. A primeira edição do Royal Gourmet está marcada para o dia 4 de abril de 2014, a bordo do Splendour of the Seas, em um cruzeiro que visitará Buenos Aires, Montevidéu e Punta Del. Este saindo de Santos.

. As bandas Guetto e Vai Garotão são as principais atrações da festa, que inicia às 19h30, e também terá shows de boi, forró, samba e pagode, entre outros gêneros musicais. A festa é uma realização da Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (ManausCult). Esta será uma das festas de Réveillon da cidade, além do principal evento da virada, na Ponta Negra, com o cantor Diogo Nogueira de atração principal.

. Dentre as atividades, workshops de vinho, drinks, aulas práticas de culinária e degustação dos pratos preparados pelos chefs convidados, além de atividades gastronômicas para toda a família.

. A ilha caribenha de Saint Barthélémy – St. Barth para os íntimos - será palco de uma série de atrações especiais para comemorar a chegada de 2014, e uma das mais esperadas é a exibição do projeto solo do bailarino, ator e fotógrafo russo Mikhail Baryshnikov, que fica aberta ao público até o dia 4 de janeiro na galeria de arte contemporânea Space SBH. . Além da mostra do bailarino, outras atrações são muito aguardadas, como a tradicional Champagne Lounge do hotel Isle de France, que acontece hoje e irá oferecer as melhores safras de champanhe ao redor da piscina em um sunset que acompanha a exposição do famoso fotógrafo de moda Marco Glaviano, conhecido por suas magníficas obras de nu realizadas em St. Barth. . Já no dia 30, o centro da ilha receberá o lançamento do novo livro de Djordje Varda, um dos maiores designers de flores do mundo. O evento acontecerá no charmoso restaurante Le Carre, entre a Cartier e Hermés, junto com a festa Snow Ball organizada pela agência de locação de casas Si Barth, pertencente à Ashley Lacour, de uma das famílias mais antigas e tradicionais da ilha. No dia 31 é a vez do famoso DJ David Guetta animar a festa da virada de ano em um dos clubes mais descolados do mundo, o Nikki Beach, e logo depois, no dia 4 de janeiro, é a vez do Brasil invadir a famosa ilha, quando o Conexão St. Barth, junto com Carole Gruson, um dos grandes nomes da alta sociedade do balneário, realizarão a festa “Conexão Brazil” no restaurante Le Ti St Barth, o preferido das celebridades francesas e americanas. O DJ Paulo Boghosian animará a noite que tem decoração com obras da artista plástica brasileira Beatriz Chachamovits e outras atrações surpresas. Para mais informações acesse www.conexaostbarth.com. Temporada très chic.


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

D3

Entra em vigor nova lei que limita meia-entrada As regras não valerão para a Copa do Mundo de 2014 nem para as Olimpíadas de 2016. Nestes eventos, a venda de ingressos é regulada pela Lei Geral da Copa. Emissão de carteiras de estudante fica restrita a poucas entidades ARQUIVO EM TEMPO/HUDSON FONSECA

O texto da lei publicada anteontem, que estabelece regras para a emissão de meia-entrada no Brasil e limita a venda de ingressos pela metade do preço, ainda precisa de regulamentação

O

governo federal publicou sexta-feira, no Diário Oficial da União (DOU), a lei que estabelece regras para a emissão de meia-entrada no país e limita a 40% a venda de ingressos pela metade do preço. O texto ainda precisa ser regulamentado. De acordo com a nova lei, terão direito ao benefício estudantes, jovens de baixa renda e deficientes. A lei determina que os estabelecimentos comerciais e culturais deverão disponibilizar em local visível ao público as informações atualizadas sobre o número total de ingressos e a quantidade disponível para venda pela metade do preço. No entanto, o texto não informa qual órgão público fiscalizará os produtores de eventos. Isso deverá ser formalizado na regulamentação da lei, que ainda não tem data para acontecer. As regras não valerão para a Copa do Mundo de 2014 nem para as Olimpíadas de 2016. Nestes eventos, a venda de ingressos é regulada pela Lei Geral da Copa. A cota de 40% era uma antiga reivindicação de produtores culturais, que afirmaram, durante a tramitação do projeto no Congresso, que os

preços dos ingressos poderão sofrer uma redução com a vigência da lei. Associações O texto determina que apenas a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), a União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), os diretórios centrais dos estudantes (DCEs) e os diretórios acadêmicos poderão emitir as carteirinhas de estudante. No entanto, em caso de fraude, a presidente amenizou as sanções previstas ao vetar a perda definitiva de autorização para emissão do documento estudantil. Ficam estabelecidas apenas multas e suspensão temporária da autorização para quem emitir irregularmente as carteirinhas. Na justificativa do veto, a presidente explica que a composição das entidades estudantis é “dinâmica por sua própria natureza” e por isso uma pena definitiva “prejudicaria, de um lado, dirigentes da associação que jamais participaram de quaisquer irregularidades e, de outro, os próprios estudantes filiados, que teriam mais dificuldades para obter a sua carteira”.

Veto para descontos em transporte público Outros dois vetos foram feitos ao texto da lei. Um acaba com a possibilidade de desconto no transporte público local e o outro retira do texto a meia-entrada para idosos. Segundo o governo, o benefício já está garantido no Estatuto do Idoso e não entra na

cota de 40% estabelecido na nova lei. No caso dos deficientes, quem os acompanhar também poderá utilizar a meiaentrada. No entanto, a lei não especifica as regras para os acompanhantes. Já os jovens que podem ter acesso ao benefício de-

vem ter entre 15 e 29 anos e possuir renda familiar de até dois salários mínimos. Eles têm ainda que estar inscritos no Cadastro Único para programas sociais do governo (CadÚnico). A lei da meia-entrada determina também que as entidades estudantis

deverão manter e disponibilizar um banco de dados com o registro de todos os estudantes que possuem a carteirinha. Os estabelecimentos comerciais deverão ter acesso a essas informações. Por Mariana Haubert DIVULGAÇÃO

Acompanhantes de deficientes também poderão utilizar a meia-entrada, segundo a lei, mesmo sem especificar regras


D4

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

RESENHA

PERFIL

Bruno Mazieri Editor do caderno Salão Imobiliário

lho “I Am... Sacha Fierce” – que contém o sucesso “Single Ladies” – Beyoncé parece que faz questão de contar e cantar por meio de suas músicas, cenas do cotidiano vivido por ela mesma e por pessoas que a cercam. Um desses casos é a décima terceira faixa do atual CD intitulada “Heaven”, onde descreveu com todo sentimento que lhe é peculiar, o sofrimento da perda de uma amiga de sua mãe, Tina Knowles. Seguindo no mesmo caminho, a faixa “Pretty Hurts”, uma dessas baladas sofridas de dar dó, mostra a eterna busca para ser uma mulher perfeita e o quanto isso causa um sofrimento. Já com um lado mais sensual, surge “Drunk in Love”, onde divide os vocais com o marido Jay-Z. Repetindo a parceria que já permeou os inúmeros trabalhos da cantora. “Embriagada”, ela canta o amor de uma maneira que poucas cantoras de sua geração conseguem fazer. Ainda no quesito parceria, ela dá espaço para outros dois cantores: o rapper Drake em “Mine”, onde questiona a situação de uma relação amoros e; a lenta “Superpower”, com Frank Ocean que compôs “Miss You”, presente no CD “4”. Vale lembrar que

REPRODU

A

cantora norte-americana Beyoncé é dessas artistas mundiais que pouco precisa provar algo para alguém, seja para gravadoras ou fãs – que vale ressaltar são muitos. Com uma série de Grammys adquiridos ao longo de anos de carreira, importantes experiências cinematográficas (“Dreamgirls” e “Motown”) e, acreditem ou não, até mesmo na moda com a grife House of Deréon, ela se firmou e promete ficar no mercado por muito tempo. Prova disso, foi o sucesso na vendagem do seu mais recente álbum homônimo – batendo a marca de mais de 1 milhão de cópias via iTunes - e que foi lançado em uma madrugada de uma sexta-feira, quando todos menos esperavam. Contendo 14 faixas, o disco “Beyoncé” é, sem dúvida, o momento mais maduro da cantora. Não apenas pelo fato de arriscar uma estratégia diferenciada para seu lançamento, mas pela qualidade sonora. Indo na contramão de todos os seus outros trabalhos, no qual o “bate cabelo”, por assim dizer, era predominante, o novo disco vem cheio de um R&B poderoso e, claro, com pitadas de pop, para não dizer que não falamos de flores. Desde seu terceiro traba-

ÇÃO

A maturidade de Beyoncé

ainda tem a dançante “Flawless”, mostrando todo seu lado feminista com a presença da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie. Porém, a que promete ser o grande sucesso deste álbum é “XO”. Uma balada melosa, mas que é gostosa de ouvir repetidamente. Para selar o trabalho, Beyoncé foi buscar inspiração em sua filha, Blue Ivy Carter, batizando a composição somente de “Blue”. Demonstrando todo o sentimento de mãe, a artista canta aos quatro cantos o quanto se sente abençoada e o quan-

to é feliz ao lado de sua “cria”. E quem acha que acaba por aí está muito enganado. Juntamente com o CD, Beyoncé lançou 17 clipes que contam a assinatura de importantes nomes como Todd Turso – que também é diretor criativo da cantora – e Terry Richardson. Entre erros e acertos – mais acertos do que erros, por favor – a cantora fechou 2013 do jeito que o povo e os fãs gostam: com boas novidades. E como os próprios críticos da Billboard decidiram, foi o melhor álbum do ano.

Contendo 14 faixas, o disco “Beyoncé” é, sem dúvidas, o momento mais maduro da cantora. Não apenas pelo fato de arriscar uma estratégia diferenciada para seu lançamento, mas também pela qualidade sonora”


Plateia D5

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Canal 1 plateia@emtempo.com.br

Bate-rebate

TV Tudo Bem diferente – 1 Na Globo de hoje tem pouca coisa de um ou dois anos atrás. Hoje, no caso dos atores, por exemplo, muito poucos ficam um tempo maior parados. Só por absoluta estratégia. Bem diferente – 2 Adriana Esteves e Débora Falabella são exemplos clássicos das que, estrategicamente, foram de forma proposital excluídas das escalações mais recentes das novelas ou séries. Ambas tiveram papéis muito marcantes em “Avenida Brasil” e ainda precisam de um tempo maior para que Carminha e Nina caiam definitivamente no esquecimento. Trabalhos corretos “Amor à Vida” tem atuações muito boas. Paolla Oliveira, por exemplo, tem na Paloma muito provavelmente o seu melhor trabalho na televisão. Ela sabe usar suas cenas, às vezes só na base da expressão ou do olhar. Aposta nela Sabe-se, no entanto, que a atuação de Vanes-

DIVULGAÇÃO

Por outro lado... Sabe-se que João Emanuel Carneiro, o autor de “Avenida Brasil”, já tem, pelo menos, o rascunho da sua próxima novela na Globo. Uma história, de acordo com pessoas próximas, emaranhada de mistérios e trabalho que, segundo as previsões, só estará no ar no primeiro semestre de 2015. sa Giácomo é uma das que mais agrada ao autor Walcyr Carrasco. Ele, o Walcyr, não fala nada, mas algumas pessoas revelam que a grande quantidade de cenas da personagem Aline não acontece por obra do acaso. Aliás, os dois já fizeram vários trabalhos juntos. Pé da situação

Luciano Borges, o novo diretor de esportes da Rede TV!, só agora completa um mês à frente do departamento. Um período que ele usou para tomar contato com os diversos setores da emissora. O seu trabalho, efetivamente, começará em janeiro, inclusive com a possibilidade de acertar algumas contratações.

Márcio Braz

Flávio Ricco Colaboração: José Carlos Nery

C’est fini A Rede TV! terá em 2014 os direitos de transmissão do campeonato brasileiro da Série B, com a participação de clubes com grandes torcidas. Além de Ceará, Joinville, Santa Cruz, América MG e tantos outros, a eles irão se juntar Vasco, Náutico e Ponte Preta que caíram este ano. Ficamos assim. Mas amanhã tem mais. Tchau!

Manu estreia no horário nobre

A mudança em novos tempos está partilhando poder, você está partilhando oportunidades de ter bons contratos”, e isto certamente quer dizer que contratos não se limitam apenas a transações econômicas entre políticos/partidos, empresas e licitações do governo. Contratos de natureza simbólica que assegurem um futuro promissor para filho de um, contratos que assegurem a permanência no poder de outros, prebendas relacionadas a favores sexuais na forma de agenciamentos, enfim, são algumas das estratégias que marcam a identidade política nacional e que FHC não deixa de sugerir. Portanto, em primeiro lugar, temos que compartilhar informações. As redes sociais são as principais ferramentas de acesso e que tem cumprido papel decisivo nesta questão. Um segundo ponto é mantermos um discurso afiado, competente e racional que faça valer um plano de metas que se julgue eficiente e que desestabilize a política reacionária das altas esferas. Em terceiro, nada nos impede de continuarmos protestando das mais diferentes formas seja através de passeatas, caras pintadas, artigos e utilizando alguns recursos da boa mídia - ou o que sobrou dela – cada um a seu modo. É possível imaginarmos um Brasil verdadeiramente republicano e democrático, um plano de ações sociais que fuja da quase inevitável tentação do populismo à la PT, mas sempre observando a coerência e a destreza de um povo forte capaz de enfrentar obstáculos e mudanças decisivas.

Até bem pouco tempo se reclamava da falta de bons humorísticos na televisão. Eram a “Praça” e o “Zorra Total” de sempre e mais nada. Como não existiu um trabalho mais consistente, os grandes redatores de humor foram desaparecendo e sem reposição. Hoje, verifica-se, a situação já é outra. “Praça” e “Zorra” continuam, mas a comédia voltou ao cartaz em seriados muito bons.

TV

plateia@emtempo.com.br

O ano de 2013 foi recheado de acontecimentos importantes, geradores de importantes reflexões sobre a conjuntura política nacional, fatores considerados imprescindíveis para o pensamento histórico-político brasileiro. Fomos acossados pela quebra de todos os tipos de violação, de todos os tipos de direito, dos civis aos direitos políticos e deste para os direitos humanos. Policiais militares subjugaram os estudantes da capital pernambucana com gás lacrimogêneo e bombas de “efeito moral”; Pinheirinho (SP) fora invadida de forma brutal por policiais a base de cacetetes, revólveres, sprays de pimenta e muita boçalidade agredindo mulheres, crianças e ferindo nossa dignidade. A invasão na Cracolândia também se utilizou deste mesmo ato truculento de extrema direita provando a todos os brasileiros que muitos dos nossos políticos são desprovidos de inteligência, sem qualquer lampejo intelectual, adotando medidas paliativas que apenas empurram a sujeira para debaixo do tapete. Fomos surpreendidos pelos telejornais com a declaração de políticos caçoando de nosso regime democrático, jornalistas ameaçados por autoridades públicas e os ditos policiais rechaçando protestos pacíficos, nos advertindo que as formas autocráticas de poder estão em jogo e de que está na hora de tomarmos algumas providências. Fernando Henrique Cardoso (FHC) já disse em entrevista que “todos sabem que quando você organiza um governo você tem que partilhar poder com os partidos. Mas você não

•Rogério Ceni e a Globo terão um novo encontro ainda na primeira ou segunda semana de janeiro. •Mesmo com contrato renovado no São Paulo, a sua participação na cobertura da Copa do Mundo não pode ser descartada. •Fala-se, inclusive, que o Central da Copa seria uma das opções. •A Globo vai levar “Além do Horizonte” até o fim, conforme os planos traçados. •E nem poderia ser diferente, porque a substituta no horário, “Geração Brasil”, também só agora ganhará maior embalo na sua produção. •O movimento nas emissoras de televisão, entre o Natal e a chegada do Ano Novo, é quase nenhum. •Apenas as novelas continuam sendo gravadas e o jornalismo trabalhando a meia marcha.

A reação do humor

Márcio Braz *ator, diretor, cientista social e membro do Conselho Municipal de Política Cultural

Fomos surpreendidos pelos telejornais com a declaração de políticos caçoando de nosso regime democrático, jornalistas ameaçados por autoridades públicas e os ditos policiais rechaçando protestos pacíficos”

A cantora pop teen Manu Gavassi, 20, jura que não caiu de paraquedas no mundo das novelas. Segundo ela, desde pequena tem vontade de ser atriz. Fez o curso de teatro Célia Helena por seis anos e o de Wolf Maya por três meses, “para ter noção de TV”. Além disso, os pais eram atores quando se conheceram. Tanta preparação para estrear no horário nobre da Globo como Paulinha, uma jovem... cantora. Fará parte do elenco de “Em Família”, novela das 21h de Manoel Carlos, que estreia em fevereiro e fala sobre o universo

da música, erudita e pop. Manu já gravou cenas da personagem em Goiânia, mas em nenhuma delas cantou. “Ainda estamos conversando, mas a ideia é que eu interprete músicas de minha autoria mesmo”, afirma. Esta não é a primeira vez que a cantora atua na TV. Em 2011, fez uma participação no seriado infantojuvenil “Julie e os Fantasmas”, coprodução da Band e da Nickelodeon. Prestes a completar 21 anos, Manu diz que não pretende mudar de estilo, como fizeram os cantores teen de sua geração

Justin Bieber e Miley Cyrus que adotaram uma atitude radical para tentar conquistar um público mais velho. “Respeito muito o público que começou comigo, não quero atravessar ninguém, nem mostrar que ‘agora eu cresci’.” Antes de gravar sua primeira cena na novela, ela disse que estava nervosa e chegou a ouvir do diretor, Jayme Monjardim, que estava muito magra. “Já comeu, Manu?”, perguntou o diretor. “Sim, bastante”, respondeu, com a reverência de funcionário em primeiro dia no emprego. Por Isabelle Moreira Lima


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Programação da TV

REPRODUÇÃO

12h Fique Ligado

9h Domingo Legal

13h En Circuito

13h Eliana

14h30 A Questão É

17h Roda A Roda Jequiti

15h Ad & D

17h45 Sorteio Da Telesena

15h30 Tv Kids

18h Programa Sílvio Santos

15h45 Vídeo Mania

22h De Frente Com Gabi

7h30 Esporte Espetacular

16h15 Ritmo Brasil

23h Série

10h45 Cinema Especial

17h Mornigng Show – Melhores Momentos

0h Série 2

12h05 Temperatura Máxima

18h30 Te Peguei Na Tv

1h Série 3

14h05 Divertics

20h15 Teste De Fidelidade

2h20 Big Bang

15h25 Domingão Do Faustão

21h35 Tv Shopping Manaus

3h Igreja Universal

GLOBO

4h Santa Missa Em Seu Lar 5h Amazônia Rural

5h30 Pequenas Empresas, Grandes Negócios 6h05 Globo Rural 6h55 Auto Esporte

18h45 Fantástico

22h35 Dr Hollywood

21h10 Junto E Misturado

23h30 Fique Ligado (Reprise)

21h55 Domingo Maior 1h25 Corujão

1h30 Bola Na Rede

2h45 Havaii Five - 0.

2h Good News Especial

3h40 Festival De Desenhos

2h30 Igreja Int. Da Graça

REDE TV

O programa humorístico “Divertics” vai ao ar todos os domingos na faixa das 14h, na Rede Globo

Horóscopo GREGÓRIO QUEIROZ ÁRIES - 21/3 a 19/4 As mudanças na carreira profissional podem ser maiores do que aquilo que esperava ou imaginava. Mas uma verdade com relação a ela estará mostrando que precisa ser assim. TOURO - 20/4 a 20/5 Você está em fase nova, em especial para os planos de trabalho e de vida. Momento de morrer para certas convicções morais. Não há porque se prender a antigos dogmas. GÊMEOS - 21/5 a 21/6 É preciso aceitar transformações que estão inexoravelmente em curso. Momento de encerrar de vez os ciclos e as situações que já perderam completamente o sentido. CÂNCER - 22/6 a 22/7 Parcerias e associações podem passar hoje por crise profunda. As formas antigas devem dar lugar a novas essências, na vida a dois e nas associações formadas por você. LEÃO - 23/7 a 22/8 Hoje é o dia certo para se desfazer de velhas rotinas - e talvez isso aconteça até contra sua vontade. Há coisas e situações na vida doméstica que não têm mais razão de ser. VIRGEM - 23/8 a 22/9 Momento de morrer para certos sentimentos no amor, florescendo outros, de essência renovada. Não fique achando que a alegria vai de roldão nesse morrer. Novas nascerão. LIBRA - 23/9 a 22/10 Mágoas antigas e velhas ambientações emocionais negativas devem ser transformadas radicalmente. Pare de alimentar sentimentos velhos, simplesmente mude-se para outros. ESCORPIÃO - 23/10 a 21/11 Há aspectos de seu jeito de se comunicar que talvez se mostrem, até de súbito, fora do tempo e da ordem pretendida. E você se dará conta de que algo deve mudar. SAGITÁRIO - 22/11 a 21/12 Momento de especial revelação para você, em particular quanto aos desejos voltados à materialidade e quanto aos valores a partir dos quais avalia a sua vida. CAPRICÓRNIO - 22/12 a 19/1 Momento de morrer para certos aspectos de sua personalidade que não deseja mais cultivar nem manter. Você tem passado por isso algumas vezes, pois lhe é necessário. AQUÁRIO - 20/1 a 18/2 Hoje é dia de você abrir mão daquilo que é ruim e lhe faz mal. Deixe de teimar com convicções que só atrapalham a vida. Deixe também de alimentar seus problemas. PEIXES - 19/2 a 20/3 Novos sonhos podem então passar a habitar sua mente. Mas, para isso acontecer, é preciso que antes caiam por terra os sonhos que não mais correspondem a você.

RECORD

0h30 É Notícia

23h35 Sessão De Gala

3h45 Bíblia Em Foco 4h Santo Culto Em Seu Lar 4h30 Desenhos Bíblicos 7h Desenhos Bíblicos 7h30 Record Kids 8h Amazonas Da Sorte 9h Record Kids 10h Domingo Da Gente 13h15 O Melhor Do Brasil 17h20 Domingo Espetacular 21h15 Tela Máxima 22h15 50 Por 1 23h10 Programação Iurd

SBT

3h15 Jornal Da Semana Sbt 4h Igreja Universal 5h Pesca Alternativa 6h Brasil Caminhoneiro 6h30 Aventura Selvagem 7h30 Vrum 8h Amazonas Da Sorte

6h30 Igreja Int.da Graça 7h30 Igreja Int.da Graça 8h30 Amazonas Dragway Na Tv 9h Rompendo Barreiras 10h Tv Kids 10h30 A Questão É 11h Igreja Da Graça

Cinema

Cruzadinhas

PRÉ-ESTREIA Confissões de Adolescente: BRA. 12 anos. Baseado no livro homônimo de Maria Mariana, que também originou a peça teatral e a série televisiva. O filme mostra agora, em 2013, as confissões e confusões de irmãs adolescentes que vivem os amores, dúvidas, decisões e aventuras de sua geração. O difícil rito de passagem dos 13 aos 19 anos. Cinemark 1 – 14h40 (somente sexta-feira e sábado); Cinépolis 10 – 18h15 (exceto terçafeira); Cinemais Millennium – 19h (somente sexta-feira, sábado, domingo e segunda-feira); Cinemais Plaza – 21h (somente sexta-feira, sábado, domingo e segunda-feira).

ESTREIA Frozen, Uma Aventura Congelante: EUA. Livre. Acompanhada por um alpinista, a jovem Anna parte numa jornada por perigosas montanhas de gelo na esperança de encontrar a lendária Rainha da Neve e acabar com a terrível maldição de inverno eterno que assola o reino. de 11 anos de idade, com dificuldades em se adaptar no condomínio de minhocas onde vive. Um dia, ele é acidentalmente escavado e levado para fora da terra. Começa uma série de aventuras, nas quais o garoto deve enfrentar o vilão BigWig até conseguir voltar para casa. Cinemark 5 - 14h50 (dub/diariamente), 19h30 (dub/exceto terça-feira); Cinépolis 4 – 14h15 (3D/dub/exceto quarta-feira); Playarte 1 -12h50, 15h05 (3D/dub/diariamente); Cinemais Millennium – 14h, 16h10 (3D/dub/diariamente); Cinemais Plaza – 14h10, 16h20 (3D/dub/diariamente). Até Que a Sorte Nos Separe 2: BRA. 10 anos. Juntos novamente, Tino e Jane mais uma vez estão em dificuldades financeiras. O saldo bancário do casal é salvo graças ao inesperado falecimento de tio Olavinho, que deixou para eles uma herança de R$ 50 milhões. Como o último desejo do tio foi que suas cinzas sejam jogadas no Grand Canyon, Tino e família aproveitam a viagem para dar uma esticada até Las Vegas. Cinemark 6 – 12h50 (exceto quarta-feira), 15h20 (diariamente), 17h50, 20h30 (exceto terça-feira), 23h10 (somente sexta-feira e sábado), Cinemark 7 – 11h30, 13h50 (exceto quarta-feira), 16h20, 18h50, 21h30 (exceto terça-feira), 0h (somente sexta-feira e sábado); Cinépolis 5 – 14h (exceto quarta-feira), 16h30 (diariamente), 19h, 21h30 (exceto terça-feira), Cinépolis 7 – 13h (exceto quarta-feira), 15h30 (diariamente), 18h. 20h40 (exceto terça-feira), Cinépolis 9 – 14h30, 17h (diariamente), 19h30, 22h (exceto terça-feira); Playarte 5 – 12h50, 15h (somente terça-feira), 12h50, 15h, 17h10, 19h15, 21h20 (exceto terça-feira), 17h10, 19h15, 21h20 (somente quarta-feira), 23h25 (somente sexta-feira e sábado), Playarte 6 – 13h30, 15h40 (somente terça-feira), 14h, 16h10, 18h20, 20h30 (exceto terça-feira), 18h20, 20h30 (somente quarta-feira), 23h25 (somente sexta-feira e sábado); Playarte 7 – 20h31 (exceto terça-feira); Cinemais Millennium – 15h10, 17h20, 19h30, 21h40 (exceto terça-feira), 14h20, 16h30, 18h40, 20h50 (exceto terça-feira). Cinemais Plaza – 14h50, 17h, 19h10, 21h20 (exceto terça-feira), 14h, 16h10, 18h20, 20h30 (exceto terça-feira). Álbum de Família: BRA. 10 anos. Baseado no livro de mesmo nome, August: Osage County conta a história de três irmãs que são obrigadas a voltar para casa e cuidar da mãe viciada em drogas (Meryl Streep), depois que o pai alcoólatra as abandona. O encontro provoca diversos conflitos e revela segredos do passado de cada um. Cinépolis 2 – 14h50 (leg/diariamente), 21h10 (leg/exceto terça-feira); Cinépolis 6 – 16h15 (leg/diariamente), 22h15 (leg/exceto terça-feira). Cinemais Millennium – 14h30, 17h, 19h35, 22h (leg/exceto terça-feira).

CONTINUAÇÕES Questão de Tempo: Reino Unido. 12 anos. Cinépolis 10 – 15h (leg/diariamente); Cinemais Millennium – 16 h40, 19h20, 21h50 (leg/exceto terça-feira). Ender´s Game - O jogo do exterminador: EUA. 10 anos. Cinemark 8 – 13h10 (dub/exceto quarta-feira), 15h50, 18h30, 21h10 (dub/exceto terça-feira), 23h50 (dub/ somente sexta-feira e sábado); Cinépolis 10 – 20h45 (leg/exceto terça-feira); Playarte 4 – 14h, 16h20 (dub/somente terça-feira), 14h, 16h20, 18h40, 21h (dub/exceto terça-feira), 18h40, 21h (dub/somente quarta-feira), 23h20 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Millennium – 14h25, 16h45 (dub/ diariamente), 19h (dub/somente terça-feira, quarta-feira e quinta-feira); Cinemais Plaza – 14h15, 16h25, 18h40, 21h (dub/ somente terça-feira, quarta-feira e quinta-feira). A Vida Secreta de Walter Mitty: EUA. 10 anos. Cinemark 2 – 18h20, 21h (dub/exceto terça-feira), 23h40 (dub/somente sexta-feira e sábado), Cinemark 3 – 13h40 (dub/exceto quarta-feira), 16h30, 19h10, 22h (dub/exceto terça-feira); Cinépolis 2 – 17h50 (leg/exceto terça-feira); Cinépolis 6 – 13h30 (leg/exceto uarta-feira), 19h15 (leg/exceto terça-feira);

Playarte 9 – 18h30, 20h50 (dub/exceto terça-feira), 18h30, 20h50 (dub/somente quarta-feira), 23h10 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Millennium – 16h50, 21h10 (dub/exceto terça-feira); Cinemais Plaza – 19h, 21h35 (dub/exceto terça-feira). Minhocas: BRA. Livre. Cinemark 2 – 11h50, 14h (exceto quarta-feira), 16h10 (exceto terça-feira); Cinépolis 10 - 13h15 (exceto quarta-feira); Cinemais Millennium – 14h40 (diariamente); 14h20 (diariamente). O Hobbit – A Desolação de Smaug: EUA. 12 anos. Cinemark 1 – 11h10 (dub/exceto quarta-feira), 14h40 (dub/exceto sexta-feira e sábado), 18h10, 21h50 (dub/exceto terça-feira); Cinemark 4 – 13h30 (dub/exceto quarta-feira), 17h10, 20h50 (dub/exceto terça-feira); Cinépolis 1 – 13h05 (3D/leg/exceto quarta-feira), 16h45, 20h30 (3D/leg/exceto exceto terça-feira), Cinépolis 4 – 17h15 (3D/ dub/exceto terça-feira), 21h (3D/leg/exceto terça-feira); Playarte 1 – 17h20 (3D/dub/ exceto terça-feira), 17h20, 20h30 (3D/leg/ somente quarta-feira), 20h30 (3D/leg/exceto terça-feira), 23h40 (3D/leg/somente sextafeira e sábado); Playarte 9 – 12h, 15h05 (dub/somente terça-feira), 12h10, 15h20

(exceto terça-feira), Playarte 10 – 13h30 (leg/somente terça-feira), 13h30, 16h40, 19h50 (leg/exceto terça-feira), 16h40, 19h50 (leg/somente quarta-feira), 23h (leg/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Millennium – 14h10, 17h30, 20h40 (dub/exceto terçafeira), 18h30, 21h30 (3D/dub/exceto terça-feira); Cinemais Plaza – 18h30, 21h40 (3D/dub/exceto terça-feira), 14h30, 17h40, 20h50 (dub/exceto terça-feira). Um Time Show de Bola: ARG/ESP. Livre. Cinemark 3 – 11h20 (dub/exceto quarta-feira). Carrie, a Estranha: EUA. 16 anos. Playarte 8 – 13h15, 15h20 (dub/somente terça-feira), 16h, 21h (dub/exceto terça-feira), 21h (dub/somente quarta-feira), 23h05 (dub/ somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 17h10, 19h40, 21h50 (dub/exceto terça-feira). Última Viagem a Vegas: EUA. 12 anos. Playarte 2 – 19h10, 21h20 (dub/somente quarta-feira), 19h10, 21h20 (dub/exceto terça-feira), 23h30 (dub/somente sexta-feira e sábado).

Crô: BRA. 12 anos. Cinemark 5 – 12h40 (exceto quarta-feira), 17h20 (exceto terçafeira), 22h10 (exceto terça-feira e quartafeira); Playarte 3 – 13h30, 15h30 (somente terça-feira), 13h30, 15h30, 17h30, 19h30, 21h30 (exceto terça-feira), 17h30, 19h30, 21h30 (somente quarta-feira), 23h25 (somente sexta-feira e sábado); Cinemais Millennium – 14h50, 19h10 (exceto terça-feira); Cinemais Plaza – 15h20, 17h30, 19h30, 21h30 (exceto terça-feira). Vovô Sem Vergonha: EUA. 14 anos. Playarte 7 – 12h30, 14h30, 16h30 (leg/ exceto terça-feira), 13h, 15h (leg/somente terça-feira), 17h, 19h, 21h (leg/somente quarta-feira). Jogos Vorazes – Em Chamas: EUA. 14 anos. Playarte 8 – 13h10, 18h05 (dub/exceto terça-feira), 18h05 (dub/somente quartafeira); Cinemais Plaza – 15h10 (dub/diariamente). Bons de Bico: EUA. Livre. Playarte 2 – 13h10, 15h10 (dub/somente terça-feira), 13h10, 15h10, 17h10 (dub/exceto terçafeira).


Plateia

MANAUS,, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

::::: Branco sempre!

Jander Vieira

Receber o Ano-Novo vestindo branco é preciso, já que é a cor da paz e traz bons fluidos. O que não se pode é vestir branco e manter o coração “escuro” feito nuvem carregada. A você que passou 2013 desejando o mal alheio, desejo que o branco não fique só no guarda-roupa, mas na alma inteira, viu? Dê uma chance a você mesmo e faça o bem em 2014. É bom e Papai do céu pode lhe perdoar. Amém!

jandervieira@hotmail.com - www.jandervieira.com.br

::::: Réveillon Tudo pronto para o megashow de Réveillon no revitalizado parque Ponta Negra. Com atrações locais e artistas convidados, a ManausCult espera um grande público assim como foi na inauguração da segunda etapa do complexo turístico. O sambista-colírio Diogo Nogueira é o chamariz para a grande festa da virada. Que venha 2014!

HERICK PEREIRA

::::: Perfeito!

::::: Feliz Ano-Novo? A julgar pela disputa acirrada pelo palco do Réveillon em Parintins, 2014 promete ser um ano quente para os rumos da Ilha Tupinambarana. Na festa dividida entre prefeitura e uma associação folclórica, rolam todos os mexericos dignos de um “fofocário” popular. De suposta doença grave da cantora Joelma a possíveis quedas “acidentais” de energia, vale tudo para esvaziar a festa do outro. Pela fé!

::::: Planta já! A coluna fica feliz com os espaços revitalizados como a praça do Congresso, Ponta Negra e a Djalma Batista, que está recebendo finalmente calçadas decentes, mas é preciso dotar ou mesmo revitalizar a arborização desses locais. A praça do Congresso, por exemplo, possui árvores esquálidas e outras semimortas. É preciso replantar também em partes do boulevard Álvaro Maia e isso tem que ser feito logo, porque afinal, as plantas levam um bom período para crescer.

::::: Expectativa Para 2014 nada mais causa expectativa do que o futuro do centro histórico de Manaus. O local é um teste e tanto para o poder público e deverá ser um dos mais visitados destinos de turistas que vêm a Manaus por ocasião da Copa.

D7

Realmente a equipe de comunicação do governador Omar Aziz está de parabéns. As peças publicitárias vinculadas na TV aberta sobre os feitos para o homem do interior são lindas e merecem aplausos. Com estética de cinema, os comerciais encantam e mostram as obras desse que é o mais bem avaliado governador de Estado no Brasil. Aplausos ao Omar Abdel Aziz – o meu, o seu, o nosso administrador nota mil.

O estilo sem igual da nossa primeiradama Nejmi Jomaa Aziz, que, neste ano, realizou grandes ações em prol das famílias amazonenses. Sua dedicação e trabalho com o Fundo de Promoção Social continuam alegrando a vida de milhares de pessoas em nosso Estado. Aplausos e felicitações para 2014!

::::: Não faça assim... Exemplos que este colunista mostra sobre como “não fazer” em matéria de obras para o ano que se aproxima. Na iniciativa pública a “bola do Mindu”, que recebeu um “canhão nuclear”; as paradinhas com formato de “cabo de guarda-chuva”, que são “medonhas”. Na iniciativa privada os estacionamentos dotados de palmeirinhas, que não dão sombra; e os estacionamentos sem árvore alguma. Oremos.

::::: Piorando Como nem tudo são flores é impossível não observar o crescimento acelerado no preço dos estacionamentos alternativos em Manaus. Como se não bastassem os estacionamentos oficiais que cobram caro, os espaços no Centro estão cada vez mais disputados e o valor mais ácido. É a tendência, já que a indústria automobilística não para de vender e o transporte público é caótico. Fazer o quê?

::::: Noite agradabilíssima

FOTOS: JANDER VIEIRA

Assim foi a inauguração do gazebo e lounge Zeca Nascimento na laje chique de Pedrinho Aguiar. O evento do tipo seleto contou com a presença dos amigos mais chegados do anfitrião, da boa MPB ao vivo e do serviço de comidinhas das grifes gastronômicas do Zefinha Bistrô, Barbacoa, Palazzolo e Buffet Denise Coelho, sob os cuidados da fiel escudeira Cleide Souza. Confira os confetes-com-flashes de hoje. Aliás, hoje, a coluna entra em férias merecidas e retorna em janeiro – revigoradíssima. Um feliz 2014!

Manoel Netto e Anilton Silva

Pedrinho Aguiar e a primeira-dama de Manaus, Goreth Garcia Ribeiro

Liduína Magalhães e Zeca Nascimento

Antônio Serra e sua Eliana

Marilza Mascarenhas

Raual Sampaio, Odenir Machado, Ana Rebelo e Rita Bacuri

Janete Fernandes e Arlindo Paiva

Rodrigo e Cleide Souza com Pedrinho Aguiar

Zeca com Hamida Yacub

Marco Antônio Villela e sua Gracinha

Julinho e Zenaldo Mota Menga Junqueira, Cid Soares e Lúcia Viana


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Tayna Pimentel é atração do Réveillon do Lappa Bar A

cantora Tayna Pimentel é uma das atrações do Réveillon do Lappa Bar, cuja direção preparou uma festa especial para a celebração da chegada de 2014. Segundo o socioproprietário Alex Cavalcante Júnior, uma das principais preocupações dos organizadores do evento é com relação ao conforto e a segurança. Localizado no Vieiralves, o local contará com uma série de atrações musicais, open bar das 22h às 6h (cerveja Stella Artois, vodca, caipirinha, caipirosca e água), mesa de frios e salgados e, meia-noite, uma queima de fogos especial. Os ingressos já podem ser adquiridos ao preço de R$ 80 (mulher) e R$ 120 (homem). “Sabemos que as pessoas que procuram festas na Virada do Ano, sempre priorizam espaços que possam oferecer algo de qualidade. Portanto, o manauense que for até o Lappa Bar contará com todas as regalias necessárias para uma diversão segura e com conforto”, explica Júnior. Ele destaca também as atrações musicais como parte essencial da festa. “Contaremos com a presença da Tayna Pimentel que foi uma das grandes revelações da música

local de 2013. Apesar de ser do Ceará, ela adotou Manaus como sua cidade para viver e se firmar profissionalmente”,diz. Além dela, a casa vai contar, ainda, com a presença do grupo Calçada do Samba que firmou parceria com o Lappa desde o início de suas atividades. E, já nas primeiras horas do primeiro dia de 2014, o público recebe a bateria de uma escola de samba surpresa. Responsável por uma das vozes mais bonitas da cidade atualmente, Tayna Pimentel que é exclusiva da casa e, recentemente lançou novo CD, promete agitar a noite do local. Tudo porque a cantora

SERVIÇO RÉVEILLON DO LAPPA BAR Quando Terça-feira, dia 31, a partir das 22h Onde Lappa Bar (rua Rio Mar, 98, Vieiralves) Quanto R$ 80 (mulher) e R$ 120 (homem) Informações (92) 3584-3567

está preparando um repertório “para cima”, como ela mesma fez questão de ressaltar. “Por se tratar de uma festa de final de ano, nada mais justo do que levar animação para o público. Então selecionamos canções de Ivete Sangalo, Chiclete com Banana e outras atrações da Bahia. Vamos tocar muito axé e swingueira”, comenta. Ela estará devidamente acompanhada de sua banda formada por Misael Moda, Anderson de Oliveira e Tiago Cavalcante – todos na percussão –, Ronaldo Bass (baixo), Josias Júnior (bateria) e Neto Luz (guitarra, violão e produção). Presença garantida desde a inauguração do local, a banda Calçada do Samba mudará o seu repertório – sempre ligado ao pagode e ao samba – para apresentar as tradicionais marchinhas de Carnaval, muito comuns nessa época do ano e que já é uma prévia para o evento mais aguardado de 2014. Porém, vale destacar, o samba de raiz estará presente com composições do Fundo de Quintal, por exemplo. A noite encerrará com uma escola de samba surpresa apresentando o melhor dos sambas de enredo das últimas décadas.

REPRODUÇÃO

A festa contará com atrações musicais, bufê de frios e salgados, open bar e meia-noite uma queima de fogos especial

A cantora Tayna Pimentel será uma das atrações da noite do Réveillon do Lappa Bar, dia 31


MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

opiniao@emtempo.com.br

(92) 3090-1010

1

A nova origem das espécies. De Freud

Famoso ensaio ‘Totem e Tabu’ completa cem anos. Págs. 2 e 3

2

Um poema que não se esforça para conversar A imaginação de Matilde Campilho. Pág. 4


G2

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Reportagem

RESUMO No final de 1913, Sigmund Freud publicou um de seus mais célebres textos, “Totem e Tabu”. Nesse ensaio, o fundador da psicanálise visava recontar a história da formação do homem, tomando como mito fundador da cultura e símbolo do mecanismo sacrificial de nossa sociedade um parricídio antropofágico.

3

“Eu sou todo ‘Totem e Tabu’” (Freud em carta a Sándor Ferenczi, em 11/8/1911)

Freud e uma nova origem da espécie MÁRCIO SELIGMANN-SILVA ILUSTRAÇÃO ESTELA SOKOL

Pode-se dizer que a recepção do ensaio “Totem e Tabu”, de Sigmund Freud, condensa de modo exemplar a história da recepção da psicanálise. Se esta foi recebida, desde o seu início, de maneira ambígua, com detratores radicalmente destrutivos e leituras entusiásticas, esse ensaio, escrito a partir de 1912 e publicado em 1913, até hoje divide seus leitores. “Totem e Tabu”, esse trabalho que procurava um público mais amplo, para além dos psicanalistas, como escreveu Freud na apresentação ao livro, visava formular nada menos do que uma nova “cosmologia”: Freud se coloca, assim, não só ao lado de Sófocles, como escreveu Lévi-Strauss, mas ao lado de Hesíodo, autor da “Teogonia”. Os homens, na era de Darwin, não descendem mais de deuses, mas, sim, de macacos. Freud assume a tarefa de narrar a origem da hominização a partir de um passo fundante, que o jogou dentro da vida em sociedade, regida por regras (tabus) e não mais apenas pela força do patriarca despótico (figura cuja força

se manifesta nos totens). Essa narrativa do pacto social já tinha sido feita por inúmeros filósofos modernos: mas Freud foi o primeiro a realizá-la na era de Darwin, ou seja, após a “queda” de nossa origem nobre e divina e no contexto da modernidade avançada. Foi justamente um pensador que, aos olhos da Europa antissemita, “veio de fora”, ainda que tenha vindo de seu interior mais profundo (nasceu no antigo Império Austríaco, em cidade que hoje integra a República Tcheca), quem tomou sua pena para redigir novamente a história de nossa origem. Se Darwin tornara “indigna” e abjeta nossa origem, Freud deu um passo a mais, ao colocar no centro da cultura um assassinato e um repasto antropofágico. Para ele, tornamo-nos humanos após uma insurreição dos filhos, membros da horda primeva, que, revoltados contra o despotismo do pai, tomaram-lhe o poder, o mataram e o devoraram. Essa história estaria esquecida, enterrada na origem da humanidade. Mas, do ponto de vista de Freud, não existe esquecimento. Essa verdade está apenas recalcada. Sua sombra se lança sobre toda nossa história e o complexo de Édipo é a atualização individual de um drama social. Essa narrativa sintetizava todo um saber antropológico,

etnológico, filosófico, histórico, social e psicanalítico. A partir da sua ciência e de sua posição histórica, Freud teve a possibilidade aberta de redesenhar nossa origem e, assim, nossa identidade. De seu lugar deslocado, dentro e fora, ele se sentiu à vontade para realizar pontes entre diversas áreas, pôr em circulação um saber que tendia a se cristalizar em disciplinas estanques, alienadas de seu objeto: o ser humano. De representante de um grupo social que era vítima de uma razão monológica e cega à diferença que tendia, por meio de uma identificação mecânica com o próprio e de uma rejeição feroz do “outro”, a excluir e matar o “diferente”, Freud conseguiu dar uma virada histórica e se tornar um

ORIGEM

A partir da sua ciência e de sua posição histórica, o estudioso Sigmund Freud teve a possibilidade aberta de redesenhar toda nossa origem e, assim, nossa identidade enquanto ser

designer da nova humanidade pós-Darwin. Outrofóbico Seu design, no entanto, era tudo menos uma teoria monológica. Ao invés de uma antropologia calcada na exclusão, Freud vai descrever e desconstruir esse mecanismo outrofóbico e a razão genocida tanto em “Totem e Tabu” quanto em ensaios como “Psicologia das Massas e Análise do Eu” ou “O Mal-estar na Cultura”. Sua percepção crítica do mecanismo sacrificial na base da costura do amálgama social leva-o a sair do local do sacrificado (o judeu como bode expiatório) para galgar a posição de um analista desconstrutor desse mecanismo. Sua busca incessante pela aceitação da psicanálise deve ser posta em paralelo com a sede de aceitação dos judeus em meio a uma sociedade de gentios. Freud e seu desejo de “ocupar o lugar do pai” – pai de uma nova ciência, mas também pai e criador da imagem desse novo humano, caracterizado por seus traumas e faltas – respondeu assim também à demanda dos judeus de reconhecimento e integração na cultura iluminista europeia. Sua obra testemunha sua época e a posição dos judeus na sociedade austro-húngara. Aquele que “vem de fora” (desse

fora de dentro) tem a vantagem de possuir uma outra mirada, uma visão crítica que lhe faculta uma análise da sociedade e de seus mecanismos. Desse local outro, dentro e fora, Freud se debruça sobre a humanidade para novamente narrar sua história. Seu mito fundador – ao lado da descrição darwinista da origem da humanidade – se tornou a pedra de toque de nossa autoimagem. Se existe uma noção recorrente na obra freudiana é a que remete à estrutura temporal complexa, multiestratificada tanto da construção de nossa psique como da cultura. Um termo-chave para a compreensão do sujeito e da cultura como complexos que reúnem convergindo diversas temporalidades em um ponto é, sem dúvida, o conceito de trauma, que atravessa toda a história da psicanálise. Se existem traumas que nos constituem individualmente, Freud, sobretudo a partir da Primeira Guerra Mundial, enfatiza também os desastres e catástrofes que deixam nossa cultura e sua memória como uma paisagem comparável a um acúmulo de escombros. Ao abordar, em “Totem e Tabu”, a origem da nossa espécie, ele vai justamente destacar nosso trauma constitutivo, aquilo que nos humaniza: um assassinato, um parricídio.

Freud pretendia iluminar os “paralelos do desenvolvimento ontogenético e filogenético da vida anímica”. Pacientes que sofriam de demência precoce teriam criações fantasiosas que apresentam concordâncias com cosmogonias mitológicas dos povos antigos. A vida anímica infantil, que é comum aos “primitivos” e aos pacientes com doenças psicológicas, deveria explicar essa proximidade. A infância da humanidade se cruza com nossa infância ontogenética. Como Freud formula no prefácio de “Totem e Tabu”: “Faz-se neste livro uma tentativa de deduzir o significado original do totemismo dos seus vestígios [‘Spuren’] remanescentes na infância – das insinuações dele que emergem no decorrer do desenvolvimento de nossos próprios filhos” (1). Observamos aqui uma complexa estrutura temporal, com várias camadas, que faz com que se vislumbre irrompendo no ser humano adulto moderno tanto o “primitivo”, que ainda viveria dentro dele, como sua infância, que o estruturaria psicologicamente. Os que sofrem de doenças psíquicas servem como exemplos privilegiados, já que neles nossa estrutura “traumática” estaria como que exposta à luz do dia. Apesar de, ao tratar dos povos ditos “primitivos”, Freud


G5

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

não ter conseguido se livrar da visão linear, evolucionista e eurocêntrica, suas conclusões são totalmente sustentáveis ainda hoje. Toda a leitura que Freud realiza de nosso passado tem a ver com uma dupla necessidade. Por um lado, ele buscava comprovar a psicanálise com base na história da humanidade – e consequentemente afirmar sua verdade e validade. Por outro lado, sua leitura do passado da espécie humana deriva de uma nova possibilidade de interpretação desse passado comum que apenas a psicanálise poderia nos abrir. Essa interpretação se dá na chave do trauma. Choques Freud fez na ciência aquilo que, antes dele, Baudelaire havia feito na poesia e na literatura: a construção do indivíduo moderno como aquele que tem de conviver com choques, traumas e catástrofes. A modernidade é traumática, arranca o indivíduo da tradição e o lança no desabrigo, no “Unbehagen”, mal-estar que nos define. A esse indivíduo, Baudelaire e Freud fornecem uma nova mitologia. A experiência prosaica do homem moderno está repleta de choques, de embates com o perigo. Freud, nesse ensaio brilhante, está todo o tempo traçando e apagando as fronteiras entre o pensamento mágico e o científico. Para ele, “um sistema é mais bem caracterizado pelo fato de pelo menos duas razões poderem ser descobertas para cada um de seus produtos: uma razão baseada nas premissas do sistema (uma razão, que pode ser, então, delirante) e uma razão oculta, que devemos julgar como sendo a verdadeiramente operante e real [‘eigentliche wirksame und reale’].” Com relação a “Totem e Tabu” caberia-nos perguntar, para além do motivo sistêmico evidente, por que o mito do parricídio teve que ser descrito? Qual a razão verdadei-

ramente operante e real para sua existência? Creio que o determinante desse mito violento é o próprio século de catástrofes que deu luz a esse mito – e Freud o projetou no alvorecer da humanidade. Tem como fundo real a realidade da violência: Freud publicou “Totem e Tabu” às vésperas da Primeira Guerra Mundial e seu texto “irmão”, “Moisés e o Monoteísmo”, às vésperas da Segunda Guerra. Mera coincidência? Os dois maiores rituais violentos e sacrificiais do século 20 foram de certo modo antecipados teoricamente por esses ensaios – que contêm a ideia e sacrifício no seu centro. O “delírio” tem de fato uma função mais do que sistêmica, ele também deve expressar um “real” que estava ali se anunciando, irrompendo. Grande estilo Quando, no terceiro item do quarto capítulo, Freud anuncia a visada psicanalítica como aquela que poderia esclarecer os debates em torno do totemismo, ele o faz em grande estilo, com um pequeno parágrafo de uma linha: como o anúncio de um grande espetáculo. Após ter apresentado no item anterior a descrição que Darwin deu da horda primeva, com a exogamia sendo imposta pela força do macho mais forte que tomava para si todas as fêmeas

CHOQUES

Freud fez na ciência aquilo que Baudelaire havia feito na poesia: a construção do indivíduo moderno como aquele que tem de conviver com choques e traumas diversos durante sua existência

do bando, e após ter apontado para uma confusão quanto à origem dessa exogamia com relação ao totemismo, Freud inicia assim sua narrativa: “Nessa obscuridade, um raio de luz isolado é lançado pela observação psicanalítica”. Ele passa então, em um movimento típico do método de “Totem e Tabu” (e de seus ensaios sobre teoria da cultura), para os exemplos e descobertas advindos dos estudos de caso na psicanálise: Freud lança luz no arquivo da cultura a partir dos esclarecimentos que a psicanálise obteve no estudo do arquivo-indivíduo. O microcosmo é a chave do macrocosmo, como na tradição cabalística. Assim como, segundo Aristóteles, no centro da tragédia devemos ter a ação, o mesmo se passa com a cena de nossa origem narrada por Freud. “No início foi o ato (2)” é a frase que ele utiliza para concluir esse ensaio, citando as palavras do “Fausto”, de Goethe. As tragédias são para ele irrupções do histórico, da violência e (re)encenação de sua força destruidora em um presente. Devemos ver como também a própria construção freudiana deve ao seu presente de guerras, de antissemitismo, de autoafirmação dos judeus europeus, de ruptura com a tradição – e com os pais. “Certo dia, os irmãos que tinham sido expulsos retornaram juntos, mataram e devoraram o pai, colocando assim um fim à horda patriarcal.” Como em uma história dos irmãos Grimm, ou em um mito, a narrativa de nossa origem inicia-se com a expressão “Certo dia”. Uma ciência lastreada em um mito? Sim, mas qual não o é, perguntaria Freud. A diferença é que a psicanálise como ciência “sui generis” permite-nos assumir esse elemento mítico-imagéticonarratológico no interior do pensamento mais rigoroso. Com essa imagem em mãos, Freud apresenta a chave de leitura de toda a história da cultura:

“Todas as religiões posteriores são vistas como tentativas de solucionar o mesmo problema. [...] todas têm o mesmo fim em vista e constituem reações ao mesmo grande acontecimento com que a cultura começou e que, desde que ocorreu, não mais concedeu à humanidade um momento de descanso (3)”. Também as tentativas de organização social são fundamentalmente determinadas por aquele evento. Afinal, “um acontecimento como a eliminação do pai primevo pelo grupo de filhos deve inevitavelmente ter deixado traços inerradicáveis [‘unvertilgbare Spuren’] na história da humanidade”. Trata-se do inapagável por excelência, da fundação da cultura, por mais profunda na noite do tempo que ela se encontre. Freud reatualiza toda uma tradição hobbesiana que vê na política uma arte de controlar o outro pela violência, assim como introduz na ciência política, com energia, uma potente teoria do sacrifício, que vem sendo reatualizada nos últimos anos por autores como Giorgio Agamben e sua figura do “homo sacer” (figura essa que pode ser muito bem lida/construída a partir de “Totem e Tabu”). Grosso modo, Freud nos apresenta dois modelos básicos de organização social: o despótico, vertical, da horda, que depois é reatualizado na família, e, por outro lado, o do clã fraterno, horizontal, criado pelos filhos. Mas a crise sacrificial habitaria o coração da sociedade. A religião de Deus surge em resposta à saudade do pai – sendo que a ambiguidade com relação a essa figura atravessa toda a história da espécie. A sequência sanguinolenta das gerações de deuses da Grécia Antiga recebe uma explicação a partir dessa imagem freudiana, bem como a história das religiões, tema desenvolvido mais tarde no artigo sobre Moisés. Já em 1913 Freud vê que, por exemplo, no cristianismo “uma religião filial substituía a religião paterna” (4).

FORMATO

Ele nos apresenta dois modelos de organização social: o despótico, que depois é reatualizado na família, e o do clã fraterno, horizontal, criado pelos somente filhos, independente Retomar hoje esse texto de Freud (que ele considerava, ao lado de “A Interpretação dos Sonhos”, sua melhor obra) permite não só frequentar um dos maiores e mais inteligentes ensaios do século 20, mas também repensar o local da violência e do dispositivo sacrificial hoje. O início do século passado, com as novas tecnologias industriais, políticas e de guerra, já indicava a Freud o futuro destruidor que esses tempos teriam. A dialética do progresso e da razão instrumental iluminista é posta a nu por ele em ensaios como “Totem e Tabu”. Cabe a nós, no centenário dessa obra, restituir-lhe também o local que merece em nosso pensamento crítico. Notas 1. “Totem e Tabu” já foi traduzido inúmeras vezes no Brasil. Duas das versões mais recentes chegaram às livrarias neste ano, pela Companhia das Letras (trad. Paulo César de Souza, R$ 14,90, 176 págs.) e pela L&PM (trad. Renato Zwick, R$ 35,90, 256 págs.). No texto acima, Márcio Seligmann-Silva tomou como base a edição lançada pela Imago em 1999 (trad. Órizon Carneiro Muniz, esgotada). Todas as citações presentes no texto, exceto quando indicado, são desse volume. 2, 3 e 4. A tradução foi modificada pelo autor a partir da edição citada.


G4

MANAUS, DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2013

Imaginação

4

PROSA, POESIA E TRADUÇÃO

Um poema MATILDE CAMPILHO ILUSTRAÇÃO MANUELA EICHNER

We never did too much talking anyway Por exemplo esqueça Coney Island e as trezentas peças de metal que compõem o jogo mágico de Coney Island no mês de agosto Lembre da palavra sushi sendo gritada no metrô quando tudo o que alguém queria gritar era sua devoção por pedacinhos de prata Lembre de meu fascínio profundo por desportistas noturnos que sincronizam a respiração com o batimento dos dedos da amante morta Esqueça o comprimido composto de estearato de magnésio e macrogol receitado por doutor Roberto quando o pobre doutor Roberto não sabia mais o que tentar ou então tinha mais o que fazer naquela tarde de quarta-feira na emergência de São Vicente Lembre que quarta-feira

é dia de jogo de pebolim e sobre isso não tem discussão Lembre do quanto me iluminam os animais talhados no marfim principalmente aquela baleia de oito centímetros e meio minha única herança minha única esperança Esqueça talvez a manobra repetida de lamber envelopes no silêncio de um quarto quando já faz sol nas praças Somos feitos para o relento Lembre que por vezes você tem muita razão e que outras vezes não Esqueça vá esqueça o inverno em Ipanema e o tubarão nadando nas veias da besta de Ipanema gelada Lembre de meu desejo muitas vezes certo muitas vezes não Lembre a descoberta daquele excerto que dizia nós subimos os degraus a correr e saímos do frio brilhante para o frio escuro E se puder não esqueça o rosto calmo do tigre que está parado na porta esperando para entrar e para depois nos atravessar.


EM TEMPO - 29 de dezembro de 2013