Page 1

DENÚNCIAS • FLAGRANTES

981163529 R$

2,00 PREÇO DESTA EDIÇÃO

O JORNAL QUE VOCÊ LÊ

IONE MORENO

ANO XXVIII N.º 8.951  DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015  PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES  DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO

MOBILIDADE URBANA

Plano vai transformar Manaus

1

Com previsão de investimentos estimados em R$ 2,6 bilhões, o Plano de Mobilidade Urbana (PlanMob-Manaus) é considerado por especialistas em engenharia de trânsito um projeto de alta complexidade e grandiosidade.

2

Dividido em dois volumes de 442 páginas, o PlanMob-Manaus contempla o alargamento e a duplicação das principais vias da capital, pretende adotar o sistema BRT (Bus Rapid Transit) e prevê a ampliação e construção de novos terminais de integração.

3

O PlanMob, que já está tramitando na Câmara Municipal, também vai implantar corredores preferenciais, novos pontos de embarques e desembarques de passageiros e ciclovias, desde a implantação do estacionamento do bicicletário até a construção das próprias vias exclusivas. Política A5 IONE MORENO

Novos pontos de embarque e desembarque de passageiros – hoje feito com muita dificuldade em Manaus – estão incluídos no projeto de Plano de Mobilidade Urbana

RETIFICAÇÃO

O real motivo da licença do juiz Luís Carlos Valois

EMPREGO

Profissão Papai Noel Na pele de Papai Noel, amazonenses chegam a faturar até R$ 231 mil para representar o “bom velhinho”, no período do Natal. Economia B1

DIVULGAÇÃO

MÁRCIO MELO

Ao contrário do que foi publicado na capa do EM TEMPO, o TJAM autorizou o afastamento do juiz Luís Carlos Valois, a pedido do próprio magistrado, para conclusão de sua tese de doutorado na USP. Tal afastamento foi deferido há seis meses, portanto, antes da série de matérias envolvendo o nome do juiz. Última hora A2

Noel faz a festa nos shoppings

PÃO DA AMAZÔNIA

Tapioca, a queridinha no café da manhã No café da manhã do amazonense, a tapioca é um dos itens preferidos Valois já está licenciado há seis meses, o que descarta qualquer medida punitiva

FALE COM A GENTE - ANÚNCIOS CLASSITEMPO, ASSINATURA, ATENDIMENTO AO LEITOR E ASSINANTES: 92 3211-3700 ESTA EDIÇÃO CONTÉM - ÚLTIMA HORA, OPINIÃO, ECONOMIA, PAÍS, MUNDO, DIA A DIA, PLATEIA, PÓDIO, ELENCO, CURUMIM E IMÓVEIS&DECOR.

Incorporada à mesa do amazonense há décadas, a tapioca é sempre a predileta no café da manhã. Quentinha, ela pode ser recheada até com tucumã. Dia a dia C4 e C5

TEMPO EM MANAUS

MÁX.: 37

MÍN.:

26


A2

Ultima hora

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

O real motivo da licença do juiz Luís Carlos Valois A

pedido do próprio juiz Luís Carlos Valois, o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) autorizou o afastamento do magistrado de seu cargo na Vara de Execuções Penais (VEP) para que ele possa concluir sua tese de doutorado. Em nota, enviada pela Associação dos Magistrados do Amazonas (Amazon), a entidade reitera que o presidente interino do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), desembargador Aristóteles Lima Thury, concedeu o afastamento do magistrado para que Valois pudesse concluir sua tese de doutorado em Direito Penal na Universidade de São Paulo (USP). O documento explica ainda que o afastamento autorizado no último dia 24, e publicado pela portaria 1.969/2015, no último dia 27, na edição do Diário Oficial do TJAM, foi deferido antes mesmo da publicação na mídia de supostas conversas entre líderes criminosos sobre a permanência do titular da VEP.

Na portaria, o afastamento de Valois teve início ainda no último dia 20 de outubro. O magistrado deve ficar de licença por seis meses. Segundo o próprio juiz da VEP, o afastamento de suas funções para concluir a tese de doutorado já está sendo cumprido. “Pedi o afastamento (das funções) em agosto deste ano. Eu já estou afastado há duas semanas, desde que soube que ele (desembargador Aristóteles Thury) tinha autorizado. Isso (publicação no Diário Oficial do TJAM) é só a publicação e foi coincidência (com a publicação da matéria jornalística)”, disse Valois. Interpretação Em declarações concedidas à imprensa, Valois destacou que tem trabalhado para preservar os direitos de todos os presos do sistema penitenciário do Estado. Essas afirmações levaram a uma má interpretação de que o juiz estaria favorecendo presos, entre eles, membros da FDN, o que foi negado reiteradamente pelo magistrado.

ARQUIVO EM TEMPO

Afastamento por seis meses foi concedido pelo TJAM a pedido do próprio magistrado, que vai concluir tese do doutorado

Juiz Luís Carlos Valois solicitou afastamento para concluir sua tese de doutorado em São Paulo, pedido que foi concedido pelo TJAM

Nota de Esclarecimento Na sexta-feira, 27, este jornal, Amazonas Em Tempo, divulgou que o afastamento do juiz Luís Carlos Valois, foi uma medida disciplinar por conta do suposto envolvimento com uma facção criminosa. Entretanto, o presidente em exercício do Tribunal de Justiça do Amazonas autorizou o afastamento do juiz, a pedido do próprio juiz, para conclusão da tese de seu doutorado na USP. Tal afastamento foi deferido antes da série de matérias que tentava desqualificar o colega. Tanto que Valois já está licenciado há algum tempo. A portaria faz menção a finalidade do afastamento e ao fato de que foi deferida a pedido do juiz. Não é crível que o jornalista, que apurou e escreveu a matéria, tenha cometido um equivoco. Daí, outra não pode ser a conclusão: houve ma-fé na produção deste material, pois, sob o manto do direito de informar, se maculou a imagem de uma pessoa. Não atacamos a liberdade de expressão. O que fazemos, como entidade, que representa os magistrados do Amazonas, é vir a público afirmar que esta matéria falta com a verdade. O repórter não soube interpretar uma portaria de uma lauda. Ao colega, juiz Luis Carlos Valois, prestamos nossa solidariedade e colocamos a sua disposição o corpo jurídico da Amazon para as providências jurídicas pertinentes.

Cássio André Borges dos Santos Presidente da Associação dos Magistrados do Amazonas (Amazon)

ELEIÇÕES 2016

SEM JUSTIFICATIVA

CECÍLIA SIQUEIRA

O Partido da Mobilização Nacional (PMN) afirmou ontem (28), durante encontro com a militância, que terá candidato próprio para disputar a Prefeitura de Manaus nas Eleições de 2016. O diretório conta com pelo menos três nomes disponíveis para a pré-candidatura, sendo que o de maior destaque é Bruno Rafael. Segundo o presidente do diretório estadual do PMN, Chico Preto, o encontro também discutiu as apresentações de todas as précandidaturas para vereador e também possíveis coligações com o partido Rede Sustentabilidade, Partido Socialista Brasileiro (PSB) e Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). “O partido ainda analisa e não será feito o anúncio de pré-candidato a prefeito,

IONE MORENO

PMN terá candidato a prefeito neste momento. A gente sabe que o processo vem amadurecendo e, no momento certo, o partido tomará a decisão quanto ao nome. Todos estão não só alinhados com a ideologia, mas com o projeto que o partido defende para a cidade de Manaus”, disse. Workshop O Partido Popular Socialista (PPS) realizou ontem o workshop “Um Novo Caminho” com 150 afiliados da Região Metropolitana de Manaus (RMM). “Tentaram esvaziar o nosso partido, mas estamos respondendo com um partido renovado, que vem se revigorando”, explicou o presidente estadual do PPS, Guto Rodrigues. Participaram do evento o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (ES), e os deputados federais Hissa Abraão (AM) e Marcos Abrão (GO).

Além do PMN, PPS também fez ontem reunião com sua militância

Comissão da OAB é contra o impeachment de Dilma Por três votos a dois uma comissão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) emitiu parecer contrário a um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff com base na reprovação das contas de 2014 do governo federal pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O parecer terá que ser submetido ao Conselho Federal da OAB, que, na próxima quarta-feira (2), decidirá se segue ou não a recomendação da comissão. Na avaliação da comissão, formada por cinco conselheiros federais da OAB, cada um representando uma região do país, por se tratar de práticas ocorridas em mandato anterior, as irregularidades nas contas não podem justificar o processo político do impeachment. “Por mais importante que seja o acórdão da Corte de Contas”, observa o documento, “não é bastante

para firmar um juízo definitivo sobre irregularidades administrativas ou de execução financeira e orçamentária, a ponto de sustentar, autonomamente, a recepção de um pedido de impeachment, sem a aprovação do parecer pelo Congresso Nacional”. “A sociedade espera que a OAB tenha uma posição fundamentada sobre o impeachment da presidente. De forma técnica e imparcial, a OAB vai adotar uma posição e divulgá-la à nação. A Constituição prevê o impeachment e apresenta seus requisitos. O plenário da OAB irá dizer se estão ou não presentes tais pressupostos”, afirmou o presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho. Segundo ele, a Ordem poderá analisar eventuais fatos novos que venham a aparecer e embasar novos pedidos de impeachment.

DROGAS

Tráfico executa quatro pessoas IVE RYLO

A capital amazonense viveu mais uma noite de violência com quatro homicídios registrados, inclusive de um jovem de 15 anos. De acordo com a polícia, as mortes têm relação com o tráfico de drogas. Dois homens foram executados enquanto jogavam bola no bairro Cidade de Deus, Zona Norte. O autônomo Josenildo Lima da Silva, 22, levou três tiros na cabeça e o ajudante de pedreiro, Weleson Lucas Ribeiro Duque, 19,

recebeu um tiro enquanto participavam de uma partida de futebol no campo da Chácara do Joca, na travessa Amapá, por volta das 21h30 da sexta-feira (27). De acordo com informações repassadas pela polícia, quatro pessoas em duas motos entraram na chácara já a procura de Josenildo. Dois homens desceram da moto, invadiram o campo e efetuaram os disparos contra da dupla. Agentes da polícia acreditam que o alvo era Josenildo, mas que durante a

ação, houve corre-corre e um projetil atingiu o ajudante de pedreiro Weleson. Os assassinos não foram identificados. O caso foi registrado no 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Investigadores da Delegacia Especializada de Homicídios e Sequestros (DEHS) acreditam que a ação foi motivada por disputa pelo comando do tráfico de drogas no local. Na Zona Sul, o autônomo Egleson Evelym da Silva Grosso, 33, foi assassinado com sete tiros por volta das 2h da

madrugada de ontem (28). De acordo com informações repassadas pela DEHS, Egleson estava próximo de casa, na rua Boa Sorte, no bairro Matinha, quando foi abordado por dois homens em uma moto. A dupla teria disparado contra o autônomo que não resistiu aos ferimentos e morreu no local. No bairro São José, 2, na Zona Leste, um adolescente de 15 anos foi assassinado com quatro tiros na cabeça quando saiu de casa para encontrar a namorada.


Opinião A3

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Editorial

Contexto 3090-1017/8115-1149

marioadolfo@emtempo.com.br | contexto@emtempo.com.br

De acordo com o colunista Lauro Jardim, de “O Globo”, além dos nomes de Sérgio Cabral e Edison Lobão, conforme publicado pela “Folha de S. Paulo” de hoje, outros dois políticos têm que botar as barbas de molho agora que os 11 executivos (e ex -executivos) da Andrade Gutierrez fecharam suas delações premiadas na Lava Jato.

“São eles, o atual ministro de Minas e Energia, ex-senador e governador pelo Amazonas, Eduardo Braga; e o ex-governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz”, escreveu o colunista.

Olha nós aí Acabou aquele papo furado de que o Amazonas não desmata. Os Estados do Amazonas (54%), Rondônia (41%) e Mato Grosso (40%) impulsionaram o aumento da taxa de desmatamento.

Vem chumbo grosso O raciocínio é lógico. Foi a Andrade Gutierrez que construiu a Arena da Amazônia? Então preparem–se que podem jogar lama no ventilador. A empresa assumiu ter pago propina em troca de contratos com a Petrobras e também em obras da Copa do Mundo. Só para lembrar Na Copa do Mundo, a Andrade Gutierrez atuou em diversas obras, tanto sozinha quanto em consórcio, financiada com recursos públicos. Alguns exemplos são a reforma do estádio Mané Garrincha, em Brasília, e a construção da Arena Amazonas, em Manaus (AM).

Além da reforma do estádio do Maracanã, no Rio, onde dividiu a obra com a Odebrecht, também acusada na operação Lava Jato.

E isso num ano em que o governo aumentou os recursos para controlar o desmatamento ilegal. Árvores no chão É o que aponta o relatório do Ministério do Meio Ambiente, divulgado ontem; Ficamos mal na fita, porque o Brasil, que quer eliminar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030, registrou um aumento de 16% da derrubada de árvores no último ano. Vexame em Paris Os dados foram divulgados às vésperas da Conferência do Clima de Paris (COP-21), para onde o Brasil leva a meta de reduzir as emissões de gases poluentes em 37% até 2025 e 43% até 2030, em comparação aos níveis de 2005. Então, tá! O Brasil também chega a Paris com a promessa de

APLAUSOS

Para a nova tecnologia Li-Fi, abreviação para “Light Fidelity” (Fidelidade da Luz, em tradução literal), que vai transmitir 1GB de dados por segundo. Isto representa uma velocidade 100 vezes maior que o atual Wi-Fi. Os testes estão sendo realizados em laboratórios na Universidade de Oxford.

arteurucum@gmail.com

Isso não basta? A operação Lava Jato já fez 360 buscas e apreensões, 116 mandados de prisão, 35 acordos de delação premiada, pedido de restituição de R$ 14,5 bilhões – sendo que R$ 1,8 bilhão já foram recuperados –, 75 condenações que somam penas de 626 anos, 5 meses e 15 dias. Todos estão surdos Isso seria suficiente para despertar na sociedade e no Brasil de que alguma coisa está mudando. Mas, apesar dessas revelações e de todo o impacto desse processo, parece que o país continua adormecido. Voz no deserto O juiz Sérgio Moro, que comanda a Lava Jato, parece que a operação é “uma voz pregando no deserto.”

— Apesar dessas revelações e de todo o impacto desse processo, não assisti a respostas institucionais relevantes por parte do nosso Congresso e do nosso governo. Parece que a operação Lava Jato é uma voz pregando no deserto – desabafa o grande juiz.

Viadutos pichados DIVULGAÇÃO

GILMAL

eliminar o desmatamento ilegal na Amazônia.

VAIAS

Internet super-rápida

O simbolismo da ‘lei é para todos’ A prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) em pleno exercício do mandato é, em princípio, um ponto fora da curva. Primeiro, porque é a primeira prisão de um parlamentar federal no cumprimento do mandato. Segundo, porque a prisão de poderosos é, por tradição, a exceção à lei e não a regra da norma. Na cultura política partidária do Brasil o crime de colarinho branco é apenas um simples desvio de conduta, punível quase sempre com um puxão de orelha, e a prisão de um senador pode ser encarada também como um aviso de que não há soberanos no Estado de direito. Todos estão sujeitos à ser responsabilizados perante a lei. A detenção de Delcídio seguiu o rito policial e judicial da investigação da Polícia Federal (PF) que reuniu as provas necessárias para a Justiça autorizar a prisão. Um caso raro, também, porque a história política está cheia de exemplos de caciques do colarinho branco que são pegos com a boca na botija, mas se valem da posição política para escapar da lei. No atual cenário de acabar, ou reduzir ao mínimo possível, a impunidade de políticos e empresários flagrados no crime e, até então, com reputação acima de qualquer suspeita, o caso Delcídio representa, em princípio, um basta à impunidade. Não se deve, conduto, comemorar. O amplo direito de defesa costuma ser mais amplo do que manda a lei e os advogados sabem utilizá-los com maestria quando se trata de clientes com alto poder aquisitivo. De qualquer forma, o episódio é mais um divisor de águas na história da República, já abalada por outras prisões nos escândalos do mensalão e petrolão. O caso Delcídio serve para renovar as esperanças de uma sociedade em que a lei vale para todos, independentemente de ser uma autoridade ou um cidadão comum.

Barbas de molho

Braga citado

opiniao@emtempo.com.br

DIVULGAÇÃO

Para pichadores que estão sujando os viadutos de Manaus, construído em concreto aparente. Alguns podem até ser chamados de “grafite” , mas, na maioria das vezes são borrões com frases que evidenciam o besteirol.

João Bosco Araújo opiniao@emtempo.com.br

A lama que mata Tamanha tem sido a divulgação do desastre que ora assola Minas Gerais e o Espírito Santo, que talvez seja supérfluo, inócuo e puramente repetitivo um esforço no sentido de explicitar os fatos num artigo que, por natureza, mais do que um relatório factual, busca ser uma análise e uma crítica do acontecido. Mesmo assim, nunca será demais manter vivos, na memória e na retina, os seres humanos mortos na tragédia, os animais, capital vivo dos homens do campo, dizimados e perdidos como sustentação e como riqueza, as casas e todas as benfeitorias arrasadas, o meio ambiente físico, com toda a flora e a fauna que o constituíam, agora degradado a um ponto em que já não é meio para nada e nem ambiente adequado para receber e alimentar qualquer tipo de vida. Disso, todo o mundo já sabe e com todos os detalhes e as minudências que os jornais, as rádios e as televisões têm sido capazes de transmitir. Agora, o que realmente interessa é identificar e entender as causas que levaram à ocorrência de tamanha catástrofe. Numa sub-região em que o solo todo se constitui numa enorme reserva de minério de ferro, exatamente em função dela, instala-se uma poderosa companhia mineradora, a Samarco, resultante da junção de uma multinacional e da nossa bem conhecida Vale de Rio Doce, criada no Governo Getúlio Vargas e Estatal até a sua privatização em 1977. Como pôde, então uma empresa com tamanha experiência no ramo da mineração e com toda a tradição das suas raízes nacionais, pelo menos pelo lado da Vale, incorrer, ou no mínimo permitir, que um desastre de tamanhas proporções viesse a acontecer nas suas barbas e com a aparência de inaceitável imprevisibilidade? Muito simples. O descaso foi total,

chegando ao ponto de voltar as costas e negligenciar até os evidentes sinais que, segundo muita gente do lugar, as represas dos dejetos davam, de que seus limites de segurança já se tinham esgotado. Como teria dito o poeta Camões, um valor mais alto se alevantava, e esse valor não eram as vidas humanas, nem a ambiência, nem os animais e plantas, nem o rio em si. O valor que ditava as regras e tudo decidia era exclusivamente o valor do faturamento que a Samarco poderia ter, a qualquer custo, pela produção e venda do minério de ferro, pura “commodity” a alimentar os fornos do grande e insaciável Dragão Chinês. Ironicamente, talvez, o Dragão depois até devolveria boa parte desse minério, então já manufaturado e a um preço muito mais alto, que pagaríamos com a simploriedade dos incautos. Um Estado que não cuida da sua gente, que gasta, de modo irresponsável, mais do que arrecada, que, para manter um grupo no poder, é insaciável na sua fome de recursos, que não fiscaliza o capital que a nada respeita, inevitavelmente será um Estado permissivo e indigno da sua própria gente. Se a atividade mineradora da Samarco fosse pautada pela responsabilidade social que a nenhuma empresa honesta pode faltar e, ainda mais, se os órgãos do Estado, responsáveis pela fiscalização, em nome da nação e da sociedade, tipo DNPM, Ibama etc., cumprissem seus papeis, o desastre não teria ocorrido e a lama estaria contida, para oportunamente receber o tratamento que lhe conviesse. Ali não aconteceu um acidente, inesperado e inevitável, e sim um crime doloso que a boa responsabilidade poderia ter evitado. Quem o diz, não sou eu apenas, mas a própria Organização das Nações Unidas.

João Bosco Araújo Diretor Executivo do Amazonas EM TEMPO

Um Estado que não cuida da sua gente, que gasta, de modo irresponsável, mais do que arrecada, que, para manter um grupo no poder, é insaciável na sua fome de recursos, que não fiscaliza o capital que a nada respeita, inevitavelmente será um Estado permissivo e indigno da sua própria gente


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Frase

Dom Sérgio Eduardo Castriani opiniao@emtempo.com.br Dom Sérgio Eduardo Castriani

Clima Hoje na Igreja matriz, como é carinhosamente chamada pelo povo, tem início a novena de preparação da festa da padroeira, a Imaculada Conceição. Neste ano, este começo de festividades coincide com o primeiro domingo do Advento, tempo litúrgico nos prepara para a celebração do Natal, primeira vinda do Senhor, nos lembrando que um dia, na plenitude dos tempos, ele vai voltar e recordando que ele vem continuamente a nós. A virtude que se espera de quem tem fé é a vigilância que possibilita discernir a presença do Senhor e a sua manifestação nos acontecimentos da vida e da história que sempre é de salvação. Vivemos um momento dramático desta história. A humanidade parece estar sendo chamada a prestar contas de erros cometidos pelas gerações que nos antecederam e pela nossa que continuou nos mesmos caminhos e comportamentos que levam à destruição e à morte. O terror com todos os seus tentáculos que se revelam nos atentados irracionais, mas também na violência difusa e na banalização da vida provocando medo e desesperança, é fruto de opções políticas que tiveram como critério o lucro desenfreado e a dominação que levou a humilhação, a raiva e ao ressentimento que hoje alimentam grupos extremistas que parecem ter prazer em matar e destruir. A única resposta que parece ser possível é mais violência. O perdão e a reconciliação, condição para a paz, saiu do horizonte das possibilidades e a eliminação do diferente parece ser o único caminho. Corrupção, mentira, engano dominam o cenário. Quando olhamos para a casa comum,

a terra, ficamos impressionados com a degradação da natureza e a ciência nos alerta que a ação humana, o nosso estilo de vida provoca mudanças climáticas em ritmo acelerado colocando em risco a própria continuidade da espécie humana no planeta. Sentimos todos que chegou a hora de reagir. É agora a hora. A responsabilidade desta geração é imensa. Em Paris, no mês que vem, as nações reunir-se-ão para tratar do assunto, traçar metas, fixar objetivos e estratégias. Mas será preciso uma mudança de rota. Não haverá cuidado pela casa comum enquanto a guerra for o caminho da resolução de conflitos, o lucro for critério absoluto, a vida humana for um detalhe, as culturas forem vistas como entrave, as desigualdades sociais crescentes um mal necessário. Necessitamos de um novo marco civilizatório, uma outra noção de progresso e de desenvolvimento, enfim de uma nova visão do que é o ser humano. Por coincidência combinamos para a celebração deste domingo a adesão da Arquidiocese a uma campanha de iniciativa popular que quer uma Manaus mais verde e como ação concreta propõem que plantemos árvores. No final da celebração serão distribuídas mudas para os que desejarem. Parece pouco, mas não é. Oxalá este gesto nos leve a mudar hábitos, produzindo menos lixo, gastando menos energia, usando menos o carro e assim por diante. Para quem tem fé a criação é dom de Deus e consequência do Amor. Cuidar da criação é uma exigência da fé. Recusar toda forma de violência, respeitando o outro e cuidando dele, é apressar a vinda do Reino, é viver o Natal.

Arcebispo Metropolitano de Manaus

Vivemos um momento dramático desta história. A humanidade parece estar sendo chamada a prestar contas de erros cometidos pelas gerações que nos antecederam e pela nossa que continuou nos mesmos caminhos e comportamentos que levam à destruição e à morte

O Michel conversou com o Gilmar também. Porque o Michel tá muito preocupado com o Zelada De Delcídio Amaral, em depoimento à Polícia Federal, quando afirmou que o vice-presidente Michel Temer tem “relação próxima” com Jorge Zelada, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras que é acusado de receber propina e teria chegado ao cargo com apoio do PMDB de Minas

OLHO DA RUA

opiniao@emtempo.com.br MÁRCIO MELO

Claro, todos devemos atravessar na faixa de pedestres ou na passarela. É uma questão de segurança muito cobrada pelas autoridades, via mídia. Mas vamos observar essa imagem. Em muitos bairros de Manaus, a realidade é essa: o cidadão precisa se arriscar para atravessar a rua. Fica a dica: a cidade não se restringe aos bairros centrais

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

Diretor de Redação Mário Adolfo marioadolfo@emtempo.com.br

3090-1031 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

Editoras-Executivas Jeane Glay — MTB 001/02 jeaneglay@emtempo.com.br Michele Gouvêa — MTB 626 michelegouvea@emtempo.com.br

REDAÇÃO

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

3090-1001 circulacao@emtempo.com.br

Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

Chefe de Reportagem Cleber Oliveira — MTB 00146/ JP cleberoliveira@emtempo.com.br Diretor Administrativo Leandro Nunes administracao@emtempo.com.br Gerente Comercial Gibson Araújo comercial@emtempo.com.br Gerente de Marketing Aline Nobre alinenobre@emtempo.com.br EM Tempo Online Yndira Assayag — MTB 041 yndiraassayag@emtempo.com.br

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

www.emtempo.com.br

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

@emtempo_online

/amazonasemtempo

/tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.


3090-1019

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

politica@emtempo.com.br

MÁRCIO MELLO

Política

A5

TCEAM

Moutinho promete boa gestão Política A8

Plano de Mobilidade Urbana, entre o sonho e a realidade ROBERVALDO ROCHA/DIRCOM/CMM

Tramitando na CMM, projeto estima investimentos de R$ 2,6 bilhões, mas discussões e votação devem durar apenas 18 dias

O superintendente municipal de Transportes Urbanos, Pedro Carvalho, apresentando oficialmente o PlanMob-Manaus na última semana aos vereadores e entidades civis, no plenário da Câmara Municipal de Manaus HENDERSON MARTINS

C

om previsão de investimentos estimados em R$ 2,6 bilhões, o Plano de Mobilidade Urbana (PlanMob-Manaus) é considerado por especialistas em engenharia de trânsito um projeto de alta complexidade e grandiosidade. O projeto já começou a tramitar na Câmara Municipal de Manaus (CMM) e a meta da Comissão Especial que analisa o projeto é aprová-lo dentro de 18 dias. Dividido em dois volumes de 442 páginas, o Planmob-Manaus contempla o alargamento e a duplicação das principais vias da capital, pretende adotar o sistema BRT (Bus Rapid Transit), prevê a ampliação e construção de novos terminais de integração, a construção de corredores preferenciais, novos pontos de embarques e desembarques de passageiros e ciclovias, desde a implantação do estacionamento do bicicletário até a construção das próprias vias exclusivas. Entretanto, com toda essa “dimensão”, surgiu a dúvida entre especialista e engenheiros de trânsito consultados pela reportagem sobre o valor estimado pela Prefeitura de Manaus para a implantação do projeto. Para o ex-presidente do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea-AM), o engenheiro civil Marco Aurélio de Mendonça, o PlanMob elaborado pela prefeitura não condiz ao valor de investimento de R$ 2,6 bilhões. Segundo o diretor administrativo do conselho, que representa o Crea-AM nas discussões do Plano na Câmara, apesar da dimensão do projeto, possivelmente os recursos para

a concretização sejam empecilhos maiores, tanto pela crise econômica que o país enfrenta quanto pelo valor que será destinado para sua construção. “Esse valor não corresponde nem à quantia que deverá ser aplicado em desapropriação. Talvez o maior custo seja pela desapropriação, pois o projeto prevê alargamento de vias importantes. Na estrada dos Franceses está prevista a duplicação. Dessa forma, quantos imóveis não serão atingidos para que isso aconteça?”, questionou Marco Aurélio. Procurado pela reportagem, o prefeito Arthur Neto (PSDB) reconhece que os valores previstos na minuta do PlanMob são uma estimativa e que poderá, sim, faltar recursos. Segundo ele, para o grande sucesso do projeto, a prefeitura vai depender da colaboração do governo federal. Prazo curto Marco Aurélio conta que outras audiências públicas já haviam acontecido para tratar sobre o Plano de Mobilidade Urbana. Entretanto, a estrutura do plano em si não havia sido debatida, uma vez que o projeto foi entregue há pouco tempo o que inviabilizou o acesso. A oposição da Câmara também critica o pouco tempo para análise e votação da matéria, prevista para entrar em pauta no plenário no dia 18 de dezembro. Conforme o engenheiro, os próprios vereadores reclamaram durante audiência pública que aconteceu na sede da CMM, na tarde da última quarta-feira durante a apresentação do Plano pelo superintendente da SMTU, Pedro Carvalho, sobre a falta do projeto.

Marco Aurélio conta que o PlanMob é bastante complexo e tem uma plenitude muito grande e criticou o curto prazo entre as audiências públicas e a votação final da matéria. Discordando do engenheiro, Arthur Neto explicou que o projeto foi elaborado em meio a muitas discussões e consultas técnicas e que agora o que é primordial é dar celeridade para aprovação e implantação do Plano de Mobilidade Urbana. Entretanto, o engenheiro Marco Aurélio explica que o projeto é de uma engenharia complexa e que precisava ser

BRT O sistema Bus Rapid Transit (BRT) foi criado em Curitiba na década de 70, mas já foi implantado em mais de 80 cidades do mundo. O Brasil possui 32 desses projetos, 20 fizeram parte do PlanMob da Copa debatido com um maior tempo. Segundo ele, o PlanMob será um processo de sobrevivência para a cidade de Manaus e se o poder público não tiver o cuidado de seguir o que o plano estabelece, Manaus pode parar, uma vez que o número de veículos não diminui e que as dificuldades no transporte de massa continuam aumentando cada vez mais. Atraso Ao ser questionado sobre Manaus andar na contramão de outras capitais brasileiras que já dispõem de um Plano de Mobilidade, Arthur Neto explica que a cidade não está completa-

mente atrasada quando se fala em mobilidade urbana e que outras capitais tiveram investimentos federais maiores, como o Rio de Janeiro e São Paulo, isso devido a estas regiões terem sido sedes da Copa 2014 e também das Olimpíadas. Para o líder do prefeito na CMM, vereador Elias Emanuel (PSDB), das 27 capitais brasileiras apenas nove tem o Plano de Mobilidade e Manaus precisava de um estudo detalhado e de um projeto abrangente que pensasse bem os próximos 25 anos da cidade. Ele afirma que não deu para cumprir o prazo que era em abril, mas que a prefeitura pretende vencer esse debate ainda em 2015. “O PlanMob é uma necessidade não apenas de Manaus, mas do país como um todo. Ele obedece a preceitos do Plano Diretor de 2014 e também da Lei de Política Nacional da Mobilidade Urbana, a lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012. A cidade tem que planejar o seu futuro e ver o que quer em relação ao modal do transporte coletivo, qualificar as suas calçadas, estabelecer um critério de respeito e construção de ciclovias e também, temos que perceber que essa é uma capital com 2,3 milhões de habitantes, mas que tem uma frota de veículos partículas com quase de 700 mil carros. Se não abrimos novas vias, a cidade para em pouco tempo”, disse Elias. O vereador explicou que a Faixa Azul é o primeiro passo para o BRT, que por meio de estudos foi constatado que onde o transporte coletivo trafega em faixa exclusiva, a velocidade do ônibus aumenta 60%, com isso, a satisfação do passageiro será maior.

Crea vai apresentar emendas Preocupado com o desinteresse da população e entidades em discutir o PlanMob, o Crea-AM resolveu criar uma comissão para discutir e apresentar propostas de emendas e propor algumas mudanças dentro o projeto de mobilidade. Marco Aurélio observou que no projeto apresentado pela prefeitura ainda existem pontos que precisam ser contemplados, como o entroncamento da avenida São Jorge com o início da estrada da Ponta Negra e o entroncamento da avenida Pedro Teixeira e toda a região da avenida Temário Pinto da Costa, que é prolongamento da Darcy Vargas e também na avenida Coronel Cirilo. “Todos esses trechos devem surtir uma intervenção municipal para proporcionar o acesso à ponte Rio Negro, uma vez que para chegar até lá, a população faz manobras pouco recomendadas”, explicou o engenheiro. Ele antecipou que o conselho também vai propor um alargamento da avenida Torquato Tapajós. O último alargamento aconteceu na gestão do ex-governador Eduardo Braga (PMDB), há mais de 10 anos. “Temos que ganhar lá de uma a duas faixas de tráfego para cada lado da via, isso desde o trecho do terminal rodoviário até o entroncamento com a BR-174”, disse. O engenheiro chamou atenção para a ruptura que

existe entre a prefeitura e o Estado quando se trata em estrutura viária. Segundo ele, os dois entes não deveriam trabalhar de forma independente e citou como exemplo a avenida das Torres, em que, segundo ele, em uma falta de entendimento, acabou por se criar um caos no trânsito em horas de pico na avenida. “O projeto é bom, o que ele precisa apenas é ser aprimorado e ser mostrado para a sociedade de forma mais aberta no que se pretende fazer”, disse. Núcleos O PlanMob prevê também no prazo de 12 meses, a criação de três instituições dentro do município que vão organizar o plano. Essas vêm por meio de uma Câmara Temática de Mobilidade Urbana, que vai reunir apenas órgãos da administração municipal, entre secretarias, autarquias e ela terá o poder decisório o poder de voto, isso apenas com órgãos da própria prefeitura. Já o Conselho de Mobilidade Urbana de Manaus, que abre o espaço para que outras entidades participem, é apenas um órgão consultivo e por último, um observatório da mobilidade urbana de Manaus, vai envolver as entidades técnicas, as universidades, possivelmente o conselho de engenharia, mas isso sem poder de decisão, vai ser um órgão apenas consultivo.


Política

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

DIVULGAÇÃO/ SENADO

A6

Cláudio Humberto Com Ana paula Leitão e Teresa Barros

www.claudiohumberto.com.br Cláudio Humberto

Distribuiu ministérios como se distribui bananas vencidas”

Jornalista

PRESIDENTE DO PSDB, AÉCIO NEVES, sobre a “terceirização” do governo Dilma

Caixa inventa fraude de apenas 25% de licitação A Caixa cancelou contrato da agência Borghi Lowe Propaganda, após a condenação do seu diretor Ricardo Hoffmann a 12 anos e 10 meses de prisão, na Lava Jato. A empresa foi acusada de fraudar a licitação que declarou vencedoras mais três agências – a Artplan, a Nova SB e Heads. As quatro dividiam a verba anual para publicidade da Caixa, de R$ 400 milhões. A Borghi detinha algo como 25% do contrato global. Conta outra Virou piada no mercado a decisão da Caixa de considerar que houve fraude somente na parte da Borghi. Mas a licitação foi única.

‘Cumpanhêros’ A prisão de Delcídio pode ser renovada inúmeras vezes. Ocorre a Marcelo Odebrecht, preso há cinco meses, e José Dirceu, há três.

A ‘licitação’ que valia Condenado por Sergio Moro a 14 anos e 4 meses, o ex-deputado petista André Vargas é acusado de escolher agências para a Caixa.

Todos temos gravador Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que está preso na Lava Jato, gravou a trama usando o próprio celular.

Influência política Consta na denúncia do Ministério Público Federal que André Vargas teria indicado o diretor de Marketing da Caixa, Clauir dos Santos.

O mesmo de sempre Quem conhece o líder do governo não se surpreendeu: a gravação mostra um Delcídio malandro, fanfarrão, arrotando vantagens.

Mudou de nome Com um dos seus principais executivos condenados à prisão, a Borghi Lowe Propaganda foi rebatizada para Mullen Lowe Brasil.

Doutor em malandragem O líder do governo sempre foi metido a malandro, e os senadores não gostavam disso. Sobretudo Renan Calheiros, em cujo colo Delcídio tentou colocar o protegido Nestor Cerveró, no início do escândalo.

Líder de Dilma não tem data para sair da cadeia Preso por tentar subornar o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró a não citá-lo em delação, além de propor fuga para a Espanha, o líder do governo Dilma, senador Delcídio do Amaral (PT) não tem prazo para sair da cadeia. Para Luis Henrique Cesar Prata, perito em direito penal, é caso clássico de prisão preventiva por obstrução da “instrução criminal” e o petista pode ficar preso até o fim das investigações da Lava Jato.

Sem garantia A vitória apertada do veto ao reajuste do Judiciário - por só 6 votos – acendeu o alerta vermelho no Palácio do Planalto. Há dúvidas sobre a solidez da base aliada para segurar um processo de impeachment. Lula, o inimputável Fernando Baiano diz que Bumlai cobrou R$ 3 milhões para o então presidente Lula receber o gestor da Sete Brasil,

do petrolão. E que R$2 milhões eram para a nora de Lula. E Lula não é considerado suspeito? Lenço no bolso A nota livrando o PT até de solidariedade ao senador Delcídio, preso por obstruir investigações da Lava Jato, fez com que senadores se irritassem muito com o presidente do PT, Rui Falcão. Tinha senador tão nervoso que recorreu a lenço branco para aplacar o suor na sessão. Tributação abusiva A Comissão de Trabalho da Câmara aprovou projeto do deputado Laércio Oliveira (SD-SE), que propõe a anistia da cobrança de multas para contabilistas. Contrário, o governo alegava perda de arrecadação. Rombo pode piorar O TCU questionou a Infraero sobre se a empresa já avaliou o impacto econômico provocado pelos leilões dos aeroportos de Florianópolis, Salvador, Fortaleza e Porto Alegre. O prazo para resposta é dia 1º. Galhofeiros Uma rodinha de deputados ironizava a ação da Polícia Federal no Senado e não na Câmara, outro palco de escândalos. Diziam que ‘a cada senador preso, a PF terá que prender outros seis deputados’. Longo alcance Dois membros da CPI dos Fundos de Pensão, que ouviria o agora encarcerado André Esteves (BTG Pactual), foram beneficiados com grana do banqueiro na campanha eleitoral: Paulo Teixeira (PT-SP) levou R$ 47,5 mil e Índio da Costa (PSD-RJ) outros R$ 200 mil. Pensando bem... ...o governo anunciou “contingenciamento” para não quebrar em 2016, mas não explicou como R$ 10 bi cobrem um rombo de R$ 120 bilhões.

PODER SEM PUDOR

Consumidor distraído Participando de uma excursão parlamentar a Nova York, o deputado Germano Rigotto (PMDB-RS) chamou os colegas para acompanhá-lo à conhecida loja Macy’s. Queria comprar umas roupas. Vaidoso, Rigotto acabou impacientando os deputados com a demora na escolha. Decidiu ir embora. Já de saída, ele se voltou para o atônito vendedor, cheio de roupas penduradas nos braços, e gritou em bom sotaque gaúcho: - Guarda tudo que volto amanhã, tchê! O vendedor nada entendeu, nem os colegas de Rigotto, que até hoje não sabem se ele brincava ou esqueceu que ali o idioma era outro.

VOTAÇÃO

MP tranca a pauta do Senado A pauta do plenário do Senado desta terça-feira (1º) está trancada pela medida provisória (MP) 697/2015, que libera R$ 950,2 milhões a cinco ministérios. A MP liberou R$ 610 milhões para o Ministério da Integração Nacional para atendimento a vítimas de desastres naturais. Ao Ministério das Relações Exteriores, foram destinados R$ 300 milhões para pagar aluguéis de imóveis e auxílio-moradia. Ao Ministério da Justiça, foram des-

tinados R$ 15 milhões, para assistência a refugiados. Ao Ministério dos Transportes foram destinados R$ 19 milhões para obras emergenciais em terminais fluviais no Amazonas. Ao Ministério da Defesa foram destinados R$ 6,2 milhões, para a manutenção da ordem em municípios do Mato Grosso do Sul. Depois de destrancada a pauta, o plenário poderá votar o projeto de lei da Câmara (PLC) 77/2015 que promove uma série de ações para o

incentivo à pesquisa, à inovação e ao desenvolvimento científico e tecnológico. O texto tramita em regime de urgência e, se aprovado, irá à sanção presidencial. Além de regulamentar parcerias de longo prazo entre os setores público e privado, o projeto abre, por exemplo, a possibilidade de dispensa de licitação, pela administração pública, nas contratações de serviços ou produtos inovadores de empresas de micro, pequeno e médio portes.

Oito parlamentares afirmaram, na última sexta-feira (27), serem favoráveis à apresentação

Senadores decidirão sobre relatório da CPI do HSBC Parlamentares devem se reunir na próxima terça-feira (1º) para decidir se apresentam o relatório final da comissão

A

Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do HSBC fará reunião na próxima terça-feira, para votar um pedido de imediata apresentação do relatório final. O prazo final de funcionamento da CPI é até 30 de abril do ano que vem. O pedido para antecipar foi apresentado por oito senadores: Acir Gurgacz (PDT-RO), Sérgio Petecão (PSD-AC), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Ciro Nogueira (PP-PI), Blairo Maggi (PMDB-MT), Otto Alencar (PSD-BA), Paulo Bauer (PSDB), e Regina Sousa (PT-PI). Eles argumentam que não se justifica estender por tanto tempo os trabalhos, já que a CPI

não conseguiu receber das autoridades francesas a lista oficial dos clientes que teriam se beneficiado das vantagens ofertadas pelo HSBC para a abertura de contas irregulares. Além disso, de acordo com os parlamentares, a comissão não consegue mais ter acesso a Hervé Falciani, o funcionário da HSBC cujas denúncias deram origem ao caso. Hervé chegou a participar de uma videoconferência com os integrantes da CPI, mas desde agosto não é mais localizado. Há ainda a alegação de que a Câmara dos Deputados já aprovou — e está em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ)

do Senado - o projeto (PLC 186/2015) que cria o Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária. Outra justificativa apresentada pelos defensores da antecipação do relatório final é que o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a Receita Federal estão investigando o caso. “E, considerando que a CPI do HSBC não consegue avançar nos trabalhos a que se propôs por absoluta impossibilidade material [ausência dos dados], é que requeremos seja apresentado imediatamente o relatório final dos trabalhos da presente comissão parlamentar de inquérito”, pedem os oito senadores.


Política A7

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Deputados driblam governo e legalizam ‘supersalários’ A

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara driblou a proposta do governo federal que impedia que a remuneração dos servidores públicos ultrapassasse o teto do funcionalismo público, que é a remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), atualmente R$ 33.763. Um substitutivo apresentado pelo deputado André Fufuca (PEN-MA) ao projeto de lei 3.123/15, do Executivo, legaliza os chamados supersalários, valores muito além do limite constitucional. O projeto do governo, que faz parte do ajuste fiscal, está na pauta do plenário da Câmara dos Deputados, da próxima semana. Caso a versão aprovada pela CCJ seja referendada pelos demais deputados federais, um servidor de alta função, como um magistrado, por exemplo, poderá receber até mais que o dobro do teto, ou seja, mais de R$ 67,5 mil mensais. Isso porque o substitutivo prevê que, além do vencimento permanente do servidor, será estabelecido o mesmo teto para as chamadas parcelas transitórias, como cargos comissionados e outros pagamentos circunstanciais.

Esse valor ainda poderá ser acrescido de verbas indenizatórias, montante sobre o qual o limite constitucional não incidirá. Além disso, pelo substitutivo, um servidor poderá acumular até dois tetos originários da mesma fonte de recursos – prática hoje proibida.

MANOBRA Câmara dos Deputados pode votar, a partir de terça-feira(1º), o projeto de lei sobre a remuneraççao do serviço público. Com urgência constitucional, projeto pode trancar a pauta de votação da casa A proposta original foi alterada na CCJ após pressão de magistrados, integrantes do Ministério Público e servidores do Legislativo, categorias que tendem a ser beneficiadas com as novas regras. O substitutivo prevê a remuneração de cargos comissionados como parcelas de caráter transitório, ou seja, poderão se somar ao teto da remuneração permanente.

DIVULGAÇÃO

Proposta aprovada na CCJ da Câmara prevê que servidores recebam até mais que o dobro do teto do funcionalismo A manobra, aprovada pelos membros da comissão, contraria decisão do Tribunal de Contas da União (TCU). Em 2013, a corte de contas determinou que valores pagos para remunerar horas extras e cargos de comissão deveriam ser somados à remuneração permanente e, juntos, não poderiam superar o teto constitucional. O acórdão foi publicado para encerrar as discussões sobre o assunto. Votação O Plenário da Câmara dos Deputados pode votar, a partir de terça-feira (1º), o projeto de lei sobre a regulamentação do teto de remuneração do serviço público. Com urgência constitucional desde o começo do mês, o PL 3.123/15 tranca os trabalhos e fixa novas normas para o cálculo do teto, tanto para o servidor público quanto para os agentes políticos. O projeto determina que a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios instituam sistema integrado de dados relativos às remunerações, proventos e pensões pagos aos servidores e militares (ativos e inativos) e pensionistas, para fins de controle do teto.

Um substitutivo apresentado na CCJ legaliza os chamados supersalários para o funcionalismo público


A8

Com a Palavra

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

FOTOS: MÁRCIO MELLO

Ari MOUTINHO

‘Vai ser UMA PRESIDÊNCIA cidadã’ “Eu me achava um vocacionado para a política quando venci minha primeira eleição, isso com 19 anos”. O trecho é parte da entrevista concedida ao EM TEMPO pelo novo presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), Ari Moutinho da Costa Júnior, 43, eleito na semana passada ao cargo e cuja posse está marcada para o dia 22 de dezembro. Se Moutinho foi um “garoto prodígio” ao se eleger vereador, cujo mandato perdurou por 16 anos em quatro legislaturas, ele agora está sendo considerado o mais jovem presidente de um Tribunal de Contas do país. Em sua trajetória na carreira pública, ele já exerceu a função de secretário de Estado até ser escolhido conselheiro do TCE, em 2008, na cota pessoal do ex-governador Eduardo Braga (PMDB). Atual vice-presidente do TCE, Moutinho também já foi ouvidor-geral e corregedor-geral da instituição. HENDERSON MARTINS

Eu recebo isso com responsabilidade e compartilhando com toda essa corte de contas. A nossa presidência vai ser uma presidência cidadã, onde eu vou precisar da colaboração dos sete conselheiros, dos dez procuradores, dos dois auditores e de todos os funcionários dessa corte. Nós temos, acima de tudo, boa vontade e respeito ao Estado do Amazonas”

EM TEMPO – Tão novo, o senhor ingressou na carreira pública, ao se eleger vereador aos 19 anos. Agora, aos 43, o senhor é eleito presidente do Tribunal de Contas. Como recebe esse novo desafio? Ari Moutinho - Eu recebo isso com responsabilidade e compartilhando com toda essa corte de contas. A nossa presidência vai ser uma presidência cidadã, onde eu vou precisar da colaboração dos setes conselheiros, dos dez procuradores, dos dois auditores e de todos os funcionários dessa corte. Nós temos, acima de tudo, boa vontade e respeito ao Estado do Amazonas. Entendemos que estamos num momento de reflexão em que a crise econômica bate à porta de todos e temos que fazer com que os recursos rendam, e como que os recursos podem render? Isso, com uma boa aplicação. Nós temos os 61 municípios, temos as secretarias do Estado, a Prefeitura de Manaus e nós queremos fazer parcerias por meio da Escola de Contas para melhor qualificar os servidores. Isso, com relação aos processos licitatórios e à gestão pública, estendendo essa parceria aos vereadores, às associações de bairros, aos Conselhos Tutelares, para que o cidadão saiba o direito que ele tem, para que saibam o que é um orçamento, saibam os recursos alocados nesse orçamento, para que assim possam cobrar dos seus ges-

tores uma boa aplicação dos recursos públicos. EM TEMPO – O senhor vai suceder gestões exitosas. Qual vai ser o diferencial em seu mandato? AM - Eu vejo que o TCE se modernizou muito. Quando eu cheguei aqui eram 56 mil processos por julgamento. Hoje nós não temos 10 mil processos. Houve o avanço da votação eletrônica, houveram contratações de uma mão de obra para repor vagas por meio do concurso público e isso fez com que uma boa remuneração e as datas-bases fossem repostas aos servidores. Tudo isso incentivou ao servidor, para que tenham os bons resultados que essa corte de contas precisa. Graças a Deus, vem surtindo efeito. Mas sabemos que tem de melhorar e vamos correr atrás dessas melhorias. EM TEMPO – E o que tem de ser melhorado? AM - Nós vamos estreitar parcerias com o Ministério Público Federal (MPF). Traremos para cá, para nosso controle interno, um delegado federal. Inclusive, já estamos solicitando ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para que nós possamos dar uma nova roupagem ao nosso controle externo e usarmos técnicas modernas na boa gestão e fiscalização dos recursos públicos. EM TEMPO – E quanto a processos pendentes no TCE, qual tática o senhor

vai utilizar para agilizar esses julgamentos? AM - Hoje nós não temos mais aqueles processos que se arrastavam por anos. Essa semana (dia 25) nós julgamos a conta da Prefeitura de Iranduba de 2014 e estamos em 2015, ou seja, estamos julgando sempre um ano anterior. Eu vejo de forma muito clara que não existem processos nas gavetas na corte de contas. Atualmente, nós estamos julgando sempre do ano anterior. EM TEMPO – O TCE é uma das poucas instituições públicas do Amazonas que ainda têm “gordurinha” financeira em tempos de crise econômica. Como o senhor pretende fazer para que essa crise não afete o órgão? AM - Essa “gordurinha” vai ter que fazer frente a demandas dessa corte, que está a cada dia tendo um repasse menor por parte do governo

do Estado, que também está recolhendo menos. Nós vivemos à custa dos duodécimos. A situação financeira da corte de contas é melhor do que de outros, sim, mas não nos damos direito a extravagâncias. Hoje em dia temos um nível de funcionários e de despesas muito equilibrados e essas reservas vão fazer frente a esse custeio nos anos seguintes. Nós estamos concluindo 2015. Quando concluímos 2014, todo mundo dizia que seria um ano difícil, que o Brasil iria encolher de 1,5% a 2% e a realidade é que estamos diminuindo quase 4%. Para 2016, o governo já anuncia que o PIB já será negativo em mais de 2%. Então eu pergunto? Quem é que sabe quando se passa essa crise? Será que em 2017 ou 2018? E esse cenário nos sinaliza para termos muita cautela para que não tenhamos nenhuma redução e possamos continuar prestando um serviço satisfatório a todos os nossos jurisdicionados. EM TEMPO – Para manter o equilíbrio, há previsão de cortes no TCE? AM - Nós vamos suceder a um grande gestor, que é o conselheiro Josué Cláudio de Souza Filho, um homem testado por onde passou e deixando uma marca de austeridade. Ele passou pela presidência da Assembleia Legislativa, pela Seduc, como secretário. O Josué é um grande gestor, que conseguiu reduzir custos de xerox, custos de passagens, custos da luz. Ou seja, se nós mantivermos esse nível de austeridade, iremos com toda certeza atravessar todas as adversidades e passaremos com tranquilidade por esse momento de readequação que o Brasil está vivendo. EM TEMPO – Há planos em

sua gestão de realizar um concurso público no tribunal? AM - Eu entendo que há necessidade de concurso público. Existe um alto nível de aposentadoria dos servidores dessa corte e nós temos que repor essas vagas em aberto até para que possamos fazer frente às necessidades do Tribunal de Contas. EM TEMPO – Com uma trajetória na vida pública, no Legislativo e no Executivo e, agora à frente do TCE, como o senhor vai conduzir o papel de agente fiscalizador? AM - Eu fui vereador por 16 anos, em quatro mandatos. Fui secretário de Governo e estamos na corte de Contas há 7 anos. Aqui, passamos pela ouvidoria, pelas Câmaras, pelas corregedorias, pela vice-presidência. E se Deus quiser, a partir do dia 22 de dezembro, estaremos na presidência. Eu já estive dos dois lados da mesa e isso nos dá uma visão, primeiro de conhecer a realidade do interior do Amazonas. Nós vivemos em um Estado continental, de 1,5 milhão de quilômetros quadrados. Isso é um continente e não um Estado. Nós entendemos que a realidade do Purus é diferente da realidade do Alto Solimões; a realidade do Juruá é diferente da Prefeitura de Manaus. Então, eu conheço praticamente os 61 municípios e sei das dificuldades enfrentadas, sei das necessidades da população e vou tentar colocar essa nossa experiência de vida a serviço de uma presidência cidadã, que tenha a sensibilidade de ter ações pedagógicas por meio da Escola de Contas, mas também tenha o compromisso e o respeito na cobrança da boa aplicação dos recursos públicos.


MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

3090-1019

economia@emtempo.com.br

DIVULGAÇÃO

Economia

B1

CAPACITAÇÃO

Curso forma pizzaiolos em Manaus Economia B4

‘gordo’ Um Natal

para o Papai-Noel

MÁRCIO MELO

Amazonenses chegam a ganhar grandes somas para representar o Papai-Noel

Amazonenses chegam a embolsar até R$ 21 mil para representar o “bom velhinho” durante o período natalino CECÍLIA SIQUEIRA

N

esta época do ano, além de distribuir brinquedos para as crianças, amazonenses que trabalham como Papai-Noel também ganham um “gordo” presente em Manaus. Para representar o “bom velhinho” com o seu “barrigão”, barba e roupa vermelha, eles chegam a faturar

até R$ 21 mil em um período aproximado de até 40 dias. Em Manaus, a atividade é muito requisitada por shoppings e grupos de lojas para atrair a clientela. Alguns centros de compras chegam a fazer contratos de exclusividade e incluem cláusulas que mantêm em segredo o valor pago pelo serviço. Quando não conseguem encontrar mão de obra local, shoppings da capital chegam a importar o Papai-Noel de outros Estados. Demanda Segundo a empresária Ana Nogueira, responsável pela agência AC Promoções & Eventos, neste ano, grandes centros requisitaram pacotes com a presença de serviços com três Papais-Noéis, além das famosas ajudantes de um dos principais símbolos natalinos, as “noeletes”. “O mercado está bom neste período. É bem difícil os shoppings não inves-

tirem nesse tipo de ação. Eles atuam principalmente na captação de clientes e stands de trocas. Geralmente, o Papai-Noel inicia o período de contrato no dia 15 de novembro e fica no centro até 24 de dezembro”, explicou Ana. No Amazonas Shopping, um amazonense de 42 anos, que pediu para não ter o nome divulgado, encarna o papel do “bom velhinho” há pelo menos 15 anos. Segundo ele, quando começou, encarnava a figura natalina com barba de verdade. Ele conta que iniciou a vida alegrando crianças e adultos ainda jovem. “Minha primeira roupa de Papai-Noel foi com 21 anos, quando eu trabalhava em uma escola particular, onde trabalhei e fazia vários eventos com os jovens. Tinha uma pessoa que ganhava dinheiro comigo, quando eu era aquele Papai-Noel. Eu nunca ganhei, só queria alegrar o pessoal e meu objetivo é esse até hoje”, revela o “Santa Claus baré”.

Investimento para comprar roupa original Para incorporar o Papai-Noel, o amazonense afirma que conseguiu o primeiro contrato com uma marca de refrigerantes, antes de ser contratado pelo Amazonas Shopping. Ele frisa que a maratona de até sete horas não é fácil e que sempre procura inovar em suas ações com aperfeiçoamentos para ficar mais parecido com o personagem. “Trouxe uma indumentária dos Estados Unidos, revestida e própria de frio, original. Estou acostumado com os trajes, mas é muito calor. Hoje os Papais-Noéis que vêm de outros Estados não têm todos esses adereços”, pondera. Importação O Shopping Ponta Negra fez uma seletiva no primeiro semestre e acabou trazendo um Papai-Noel do Rio de Janeiro para trabalhar sete horas por dia. Após esse período, o contratado, que ganha mais de R$ 10 mil, deve posar para fotos e conversar com os frequentadores por até nove horas por conta do fluxo de clientes.


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Pão de frutos amazônicos é a nova aposta do setor J

á imaginou um pão com seis meses de validade, sem glúten, açúcar, lactose ou gorduras, e que conta com um sabor irresistível de açaí ou castanha? O produto já existe. E é produzido no Amazonas, com apoio do governo do Estado via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) pela empresa Sabores de Tradição. Os pães são feitos a partir das fibras do caroço do açaí e do ouriço da castanha e são ideais para dietas alimentares de pessoas com restrição a glúten, lactose ou gordura. De acordo com o empresário Jorge Carlos Neves, a empresa não pretende criar simplesmente pães integrais ou lights. Ele trabalha em novas formulações com processos para desenvolver alimentos naturais, saudáveis, funcionais, sem glúten, açúcar, lactose ou gorduras. “Queremos novos sabores, mas que sejam naturalmente nutritivos com novos ingredientes. Iniciamos com o de açaí e castanha, mas pretendemos utilizar o caroço do cupuaçu para produção de fibras e outros frutos da Amazônia também”, diz o empresário.

Com os pães, a empresa atende uma carência do mercado que ainda não conta com uma variedade de produtos nesse segmento. “Nos últimos anos, o número de pessoas que possuem algum tipo de restrição a determinados alimentos aumentou, por isso, é importante pensar nesse público. Os produ-

TECNOVA O Tecnova apoia projetos de inovação tecnológica, associados às oportunidades de mercado, na busca de desenvolver produtos (bens ou serviços) e processos inovadores para setores econômicos estratégicos tos vão atender esses nichos de mercado”, afirma Neves. Atualmente, os pães à base de frutos amazônicos são comercializados com um prazo de validade de quatro dias. O desafio da Sabores de Tradição, segundo Neves, é aumentar a validade para seis meses, que possibilitará a exportação do produto amazônico para o mercado nacional e internacional.

O empresário informou que os pães são resultado do projeto de pesquisa “Pães Inovadores com Insumos Amazônicos”, que conta com recursos da Fapeam, por meio do Programa de Subvenção Econômica à Inovação (Tecnova/AM). A empresa expôs os produtos durante a 8ª Feira Internacional da Amazônia (Fiam), que ocorreu entre os dias 18 e 21 de novembro. A empresa recebeu propostas de empresários de São Paulo, da Inglaterra e das cidades de Orlando e Dubai. “Oito lojas de São Paulo se interessaram pelo ‘Bolo Amazônico’ e já trocamos os contatos. A feira nos proporciona a possibilidade de conhecer novos contatos. Nas rodadas de negócios realizamos reuniões com novos compradores e temos boas perspectivas. Estamos dando um passo de cada vez e o próximo é a exportação”, aponta Neves. De acordo com ele, a empresa agora busca de certificação ISO, para dar mais garantias ao comprador dos seus produtos amazônicos. “Temos um caminho a percorrer, mas a expectativa é que a atividade comece entre os meses de março e abril de 2016”, diz.

DIVULGAÇÃO

Feita à base da fibra do caroço do açaí e do ouriço da castanha, a produção do pão amazônico tem apoio da Fapeam

Dono da Sabores de Tradição diz que o produto despertou interesse de empresas de São Paulo e da Inglaterra

Marx Alexandre Corrêa Gabriel marx@mbconsultoria.com

Crise, valores e atitudes Apesar do Brasil e do Mundo gerarem assuntos negativos todo o tempo, ainda continua imbatível a liderança da “crise” como o mais falado e discutido no mundo empresarial. E não é para menos. Ontem mesmo tivemos uma reunião do Copom aonde apesar de termos a taxa de juros mantida, já temos perspectiva de aumento da mesma na próxima reunião, o que significa o agravamento da recessão. Acredito que, porém, o que mais assusta aos empresários, executivos e a todos nós, é a enorme incerteza deste momento. Não sabemos se o fundo do poço está perto, se ainda demora e se vamos conseguir em algum momento sair do poço. E esta enorme incerteza tem uma consequência nefasta: a paralisia. Hoje temos o mundo produtivo, de forma geral em uma espécie de letargia completa, esperando que, por um milagre, a economia possa melhorar à curto e médio prazos. Sabemos que isso não vai acontecer. Todos os indicadores econômicos atuais e de tendências apontam para um 2016 (e 2017) com inflação alta (e taxa de juros) e recessão econômica, a perversa equação que petismo construiu. Esta incerteza é legítima. Mas esta paralisia tem que findar. Uma crise política e econômica é terrível e causa desemprego, perda de riqueza, fechamento de empresas, etc. Mas há situações muito piores, como a guerra. Será que há algo mais incerto, inseguro e imponderável que viver num país em guerra? Pessoalmente acredito que não. E mesmo nas piores situações, a história nos mostra que as pes-

soas seguiram suas vidas. Hoje temos guerras no Oriente Médio, África e praticamente situações de conflitos armados em todos os recantos do planeta. Imagina se todos ficassem esperando melhorar .... esperando a paz para poder seguir. Na faixa de Gaza os comerciantes fecham e abrem seus negócios todo o tempo porque precisam sobreviver. Israel vive sob contínua ameaça e continua criando conhecimento, produzindo e vivendo. Na Síria, Líbia, Afeganistão a situação não é diferente. As indústrias, comércio e serviço, funcionam, mesmo sob o pavor de mais uma bomba. Durante cem anos a Europa esteve envolvida numa guerra. De 1337 a 1453, Inglaterra e França estiveram em uma guerra que matou milhares dos seus cidadãos. Estamos falando de quase quatro gerações com seus países em guerra! E mesmo com este cenário de horror que a guerra mergulhou suas vidas, ingleses e franceses continuaram a empreender, produzir, trabalhar e gerar trabalho e riqueza. A crise brasileira é seríssima. Mas ficar esperando que ela passe não vai salvar empresas e empregos. Precisamos ter mais coragem e força emocional para acreditar que temos capacidade de sair deste buraco que nos colocaram. E a partir desta nova atitude, forte, firme e corajosa, unir nossas equipes para buscarmos encontrar soluções aonde todos só enxergam problemas. Precisamos de criatividade, força de vontade, trabalho e muita resiliência. Estamos numa crise, não numa guerra, graças à Deus.

Consultor de Empresas, diretor da MB Consultoria e Conselheiro de Administração

Uma crise política e econômica é terrível e causa desemprego, perda de riqueza, fechamento de empresas, etc. Mas há situações muito piores, como a guerra. Será que há algo mais incerto, inseguro e imponderável que viver num país em guerra? Pessoalmente acredito que não”


Economia B3

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Mercado cervejeiro cresce no campo artesanal no AM FOTOS: DIVULGAÇÃO

Bebida que o brasileiro consome, aproximadamente, 70 litros por ano, ganhou ares de sofisticação na produção caseira

São inúmeras as marcas de cervejas artesanais consumidas em Manaus, inclusive de produção local

ASAFE AUGUSTO

Q

uem sofre com a crise vai beber e quem vende bebida não tem crise. Mesmo irônica, a afirmação é uma das lógicas do mercado cervejeiro, que cresce em Manaus, tanto na indústria quanto no campo artesanal. No Brasil, conforme dados do Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindcerv), o brasileiro consome em média 70 litros de cerveja por ano. E apesar de mais cara, pela sofisticação, a cerveja artesanal no país é um mercado que cresce em média 10% ao ano, enquanto em Manaus a expectativa de crescimento é de 50%. O setor cervejeiro tende a se expandir durante os próximos anos na capital e interior do Estado. De acordo com o proprietário da cervejaria Rio Negro, José Pereira Lima, o mercado da cerveja artesanal ainda “engatinha” em Manaus. Contudo, as possibilidades estão abertas para que haja um grande crescimento em produção e vendas da “boa cerveja”. Segundo Lima, mesmo que a cerveja artesanal tenha um valor mais alto que a tradicional, os amantes da bebida continuam comprando e aquecendo o mercado. “O consumidor de cerveja passou a não gostar mais daquela industrializada, pois ela mudou completamente. Por isso que surgiu a tal da ‘original’”, comenta. “O cervejeiro passou a produzir em panelas na própria residência, da mesma forma como começou na Europa, passou pelos Estados Unidos da América (EUA) e somente depois chegou ao Brasil”, conta. O empresário explica que o grupo de pessoas que que-

Os empresários Thiago Corrêa e David Noronha investiram num bar e pensam na produção da própria cerveja

rem beber a boa cerveja foi crescendo, e a falta de tempo para produzir também. Segundo ele, foi nessa falta de tempo que surgiu uma forma melhor de se fazer a boa cerveja. “Os equipamentos são industriais, porém o processo é o mesmo de antigamente. Tempo de fermentação, de maturação - que é de 30 dias -, não misturando produtos químicos. Usamos apenas produto natural, por isso a cerveja artesanal tem um preço mais elevado, pois o tempo de preparo e a qualidade é maior”, observa.

Para atestar o crescimento da cerveja artesanal em Manaus, Lima afirma que vê o exemplo na própria empresa. Hoje a cervejaria Rio Negro já abastece 25 casas de bebidas em Manaus e uma em Manacapuru. A capacidade de produção é de 150 mil litros por mês, e o empresário pretende chegar aos 300 mil litros ao mês. Segundo o empresário, a crise não existe no setor cervejeiro, e por essa segurança neste setor, Lima conta que pretende expandir ainda mais o negócio

e projeta trabalhar também com engarrafados especiais, além de estar ampliando o espaço que começou pequeno. Segundo ele, além da cerveja artesanal o cliente poderá ouvir a boa música, comer uma boa comida e até levar a família para a cervejaria que, segundo ele, preza pelo fator amazônico, dando ênfase no que é da terra. Beer A cerveja artesanal não traz resultados apenas para quem há muito tempo já trabalha com bebidas. O médico Thiago

Miranda Corrêa e o sócio, o farmacêutico David Noronha, fizeram um investimento de médio porte, abrindo a Cent Beer, e já conseguem ver bons resultados obtidos com a cerveja artesanal. Os sócios apenas comercializam, porém, a intenção é expandir e fabricar uma cerveja com a própria logomarca. Para o médico, o crescimento do mercado de cerveja artesanal em Manaus é de 50% em 2 anos. A cerveja artesanal cresce tanto em Manaus que em dois meses de funcionamento a Cent

Beer tem dobrado seu faturamento a cada semana. Além da renda extra aos sócios, o negócio gerou empregos para 14 funcionários. Segundo Thiago Corrêa, independente do período de crise, o interesse pelo que é gourmet já alcançou a culinária, passou pelo vinho e começa a invadir o universo das cervejas. “Hoje, o cliente quer experimentar os sabores, as texturas, os aromas e começam a perceber que cerveja também pode ser harmonizada com bons pratos”, destaca.


B4

Economia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Com a mão na massa, de olho no mercado de pizzas N

a busca pela qualificação profissional e reinserção no mercado de trabalho, o centro de reabilitação em dependência química Ismael Abdel Aziz concluiu com seus pacientes o curso de pizzaiolo. A unidade de tratamento vinculada à Secretaria de Estado de Saúde (Susam) oferece também mais nove cursos profissionalizantes. Pelo menos 15 pacientes, que estão concluindo o tratamento, se formaram em pizzaiolo, na última quartafeira (25), por meio do curso de panificação e confeitaria do centro de reabilitação. “Já estou pensando em montar a minha pizzaria. Vejo que é possível iniciar a atividade com pouco recurso financeiro e aproveitar o espaço que tenho em minha casa e inaugurar minha pizzaria”, diz o paciente Thiago da Costa Queiroz, 36. Ele percebeu que no bairro onde reside, no município de rio Preto da Eva (a 88 quilômetros de Manaus), existe uma carência de comércios desta iguaria. “Não terei concorrentes neste início do meu empreendimento, pois não existe pizzarias aqui no bairro e com isso poderei fazer sucesso com

minhas pizzas”, finalizou o futuro empreendedor. No curso que teve duração de 60 horas, os alunos aprenderam a produzir, além do carro-chefe, que é a massa, vários sabores. Entre elas estão as pizzas com bordas recheadas, tradicionais como portuguesa, calabresa, mus-

RECOMEÇO O titular da Susam, Pedro Elias, explica que o centro tem um leque de oficinas terapêuticas, cujo objetivo é mostrar aos residentes que existem oportunidades para começar uma nova etapa em suas vidas sarela, e as especiais como a de frango com catupiry, palmito, bacon com cheddar. O diretor do centro, Pablo Gnutzmann, destaca que o mercado para pizzaiolos é promissor e é de olho nele que a unidade de tratamento passou a oferecer a formação aos seus pacientes. “O curso de panificação e confeitaria com ênfase em produção de pizzas propõe ao paciente uma

DIVULGAÇÃO

Como terapia ocupacional, o centro de reabilitação em dependência química formou 15 pacientes em pizzaiolos maneira de ter uma profissão e também uma geração de rendada”, avalia. Panificação Além de receberem a formação em pizzaiolo, os pacientes também terão a oportunidade de aprender a fazer pães doces, salgados, bolos, tortas e outras iguarias da culinária local. Outra novidade da oficina é que os pacientes, ao finalizarem o curso, receberão dois certificados, sendo um de pizzaiolo e outro de panificação e confeitaria. O conteúdo programático do primeiro curso de panificação e confeitaria com ênfase em pizzaiolo dará ao residente, também noções sobre o mercado de trabalho na área da culinária de pizzas. Participaram do curso pacientes com tempo mínimo de internação de 70 dias. Todos os pacientes são incentivados a participar da atividade terapêutica. “É importante mostrar aos alunos, além do processo de produção, a visão de mercado, como eles podem atuar e até investir como autônomo nesse mercado que está em expansão”, explica a professora do centro de reabilitação, Dulcirene Rodrigues dos Santos.

Após 60 horas/aula, pacientes do centro de reabilitação já planejam até mesmo montar a própria pizzaria


MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Economia B5


MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

3090-1019

economia@emtempo.com.br

Tratamento de Aids aumenta

DIVULGAÇÃO

País

B6

AVANÇO

Mundo B8

Amazônia tem aumento de 16% no desmatamento O

Ministério do Meio Ambiente divulgou os dados oficiais do desmatamento da Amazônia do sistemas Prodes, medidos entre agosto de 2014 e julho de 2015 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Houve aumento de 16% em comparação ao ano anterior (crescimento de 5.012 quilômetros quadrados para 5.831 quilômetros quadrados), e os Estados de Amazonas (54%), Rondônia (41%) e Mato Grosso (40% de aumento) foram os que mais puxaram para cima esse aumento. Segundo a ministra Izabella Teixeira, há ilegalidades acontecendo em determinadas regiões do Amazonas e a pasta estuda a criação de novas unidades de conservação para conter as derrubadas. O Pará, que é o Estado que mais desmata a Amazônia em números absolutos, manteve seu índice estável em relação ao ano anterior, ainda que em um patamar alto (1881

quilômetros quadrados). A ministra disse que notificará os governos de MT, AM e RO para darem explicações sobre o que está acontecendo. O anúncio do aumento do desmatamento acontece às vésperas da Conferência do

ÍNDICE O Pará é o Estado que mais desmata a Amazônia em números absolutos, e manteve seu índice estável em relação ao ano anterior. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) Clima da ONU, a COP-21, em Paris, onde o Brasil participará das negociações por um acordo global de redução das emissões dos gases de efeito estufa. O desmatamento, historicamente, é o maior fator causador de

emissões no Brasil. Somente este ano anunciou-se que a geração de energia pode ter chegado ao mesmo patamar da devastação. Existem diferentes sistemas de monitoramento do desmatamento da Amazônia. Todos eles são feitos por técnicos que observam imagens de satélite seguindo diferentes metodologias. O Prodes, divulgado nesta quinta, é o dado oficial anual, mais preciso. O Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real) é produzido mensalmente pelo Inpe e, como é mais rápido, não se destina a medir áreas, mas detectar focos de derrubadas de floresta para que as autoridades sejam acionadas a tempo. Na semana passada, foram divulgados pelo governo os dados do Terraclass Cerrado 2013, projeto destinado ao mapeamento do uso da terra e da cobertura vegetal desse outro bioma, também com dados coletados pelo Inpe.

DIVULGAÇÃO

Medido entre agosto de 2014 e julho de 2015, índice apresentou um crescimento em relação ao ano anterior

O anúncio do aumento do desmatamento acontece às vésperar da Conferência do Clima da ONU


País B7

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Brasil pode ganhar em breve 30 novos santos O

Brasil deverá ganhar em breve 30 novos santos de uma vez só. O arcebispo de Natal, dom Jaime Vieira Rocha, pediu ao papa Francisco que canonize logo dois padres e 28 fiéis que foram massacrados em Cunhaú e Uruaçu, no Rio Grande do Norte, por tropas a serviço dos calvinistas em 1645, durante a ocupação holandesa. “O papa manifestou interesse na canonização, que poderá ser feita por decreto, sem exigência de milagres, porque os mártires foram mortos por confessarem a fé católica”, disse dom Jaime após uma audiência com Francisco em Roma. O arcebispo informou que o papa confirmou seu interesse em conversa com o cardeal d om Cláudio Hummes, prefeito emérito da Congregação para o Clero. Os mártires de Cunhaú e Uruaçu foram beatificados por João Paulo 2º em 2000, na praça de São Pedro, no Vaticano, com a presença de cerca de mil brasileiros. O papa chamou os novos beatos de protomártires e afirmou que eles eram um exemplo de fé cristã. “Consta, pelos relatos da época, que foram assassinadas mais umas 70 pessoas, mas a Congregação para as Cau-

sas dos Santos só reconhece o martírio daqueles cujos nomes foram identificados”, disse o arcebispo de Natal. Os massacres ocorreram em 15 de julho de 1845 em Cunhaú, atualmente município de Canguaretama, e no dia 3 de outubro, em Uruaçu, município de São Gonçalo do Amarante. Além dos padres André de Sandoval e Ambrósio Ferro, foram massacrados 28 leigos, cujos nomes são conhecidos. Os massacres foram executados por índios tapuias e potiguares e tropas holandesas, sob o comando de Jacob Rabbi, um alemão violento e sanguinário contratado pela Companhia das Índias Ocidentais Holandesas. Os mártires de Cunhaú foram mortos num domingo durante a missa celebrada pelo padre Ambrósio Ferro. Após a consagração da hóstia e do vinho, os soldados holandeses trancaram as portas da igreja e, a um sinal de Rabbi, os índios tapuias chacinaram os fiéis. Com a notícia das atrocidades em Cunhaú, o medo se espalhou pelo território do Rio Grande do Norte e capitanias vizinhas. Com razão, porque outra vez sob as ordens de Jacob Rabbi um grupo calculado em 80 pessoas, entre as quais padre André de Sove-

DIVULGAÇÃO

Arcebispo de Natal esteve em encontro com o papa Francisco para pedir a canonização de dois padres e 28 fiéis

Papa teria demonstrado interesse na canonização, que poderá ser feita por decreto, sem exigência de milagre, segundo arcebispo de Natal

ral, foi massacrado. Emissários do governo holandês enviados para investigar os massacres constataram a prática de violência, atrocidade e crueldade. A história dos massacres foi pesquisada na Torre do Tombo, em Portugal, e no Museu de Ajax, na Holanda. “Segundo documentos sobre o episódio, os holandeses sob o comando

de Jacob Rabbi ofereceram aos católicos a opção de salvar a vida, se eles se convertessem aos calvinismo, mas eles se recusaram”, disse o padre Júlio César Souza Cavalcante, da Arquidiocese de Natal. Os relatos são contraditórios e parciais, o que dificultou a apuração da história para a beatificação e canonização. O

martírio dos católicos coincidiu com uma de revolta de brasileiros e portugueses contra a ocupação holandesa. O papa recomendou que a Congregação para as Causas dos Santos dê andamento ao processo para depois ele assinar o decreto que vai declarar santos os 30 mártires do Rio Grande do Norte. Dom Jaime levanta a hipóte-

se de a canonização ser feita em outubro de 2017, quando Francisco pretende vir ao Brasil por ocasião da comemoração dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida nas águas do rio Paraíba. Se o papa não puder ir ao Rio Grande do Norte, como seria desejável, a cerimônia poderia ser feita no Vaticano, em outra data.


MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

3090-1019

economia@emtempo.com.br

A família do menino sírio Aylan Kurdi, cuja foto depois de morrer afogado em uma praia turca provocou comoção no mundo, recebeu asilo no Canadá. A família da criança comoveu o mundo ao tentar entrar no Canadá como migrantes. Além de Aylan, outros dois irmãos morreram.

DIVULGAÇÃO

Mundo

B8

TRAGÉDIA

Tratamento contra HIV mais que dobrou no mundo À

s vésperas do Dia Mundial de Luta contra a Aids, lembrado no próximo 1º de dezembro, a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para a doença, Unaids, divulgou um relatório que destaca os avanços no seu combate nos últimos anos rumo ao objetivo de acabar com a epidemia até 2030, uma das Metas de Desenvolvimento Sustentável estabelecidas pela instituição multilateral internacional. Segundo a Unaids, as últimas estimativas indicam que até junho deste ano 15,8 milhões de pessoas em todo mundo contavam com acesso a terapias antirretrovirais, mais do dobro das 7,5 milhões registradas em 2010 e sete vezes as 2,2 milhões atendidas em 2005. Além disso, até o fim do ano passado a Unaids calcula que o número de novas infecções pelo HIV, o vírus causador da Aids, caiu 35% desde o pico registrado em 2000 para cerca de dois milhões, enquanto as mortes relacionadas à doença recuaram 42% do auge observado em 2004 para aproximadamente 1,2 milhão. “A cada 5 anos, mais que dobramos o número de pessoas que recebem tratamentos que salvam suas vidas”, comemorou Michel Sidibé, diretor-executivo da Unaids. “Precisamos fazer isso apenas mais uma vez para interromper a epidemia de Aids e evitar que ela retorne”, completou. Ainda de acordo com a Unaids, os avanços no acesso a tratamentos antirretrovirais estão fazendo com que os soropositivos tenham vidas mais longas e saudáveis, o que contribuiu para o aumento no número total de pessoas que convivem com o HIV. Também até o fim do ano passado, a agência estima que

DIVULGAÇÃO

Organização das Nações Unidas (ONU) destaca avanços na meta de acabar com a epidemia de Aids até fim de 2030 36,9 milhões tinham o vírus. Isso, no entanto, significa que, mesmo com o maior acesso às terapias, atualmente menos da metade dos infectados com o HIV estão recebendo os remédios necessários para manter a doença sob controle. Para mudar este quadro e novamente dobrar o número de pessoas contaminadas que recebem os antirretrovirais até 2020, a Unaids aposta numa estratégia apelidada de 9090-90, segundo a qual pelo menos 90% das pessoas vivendo com o HIV sejam diagnosticadas e saibam que têm o vírus, ao menos 90% destas tenham

ESTATÍSTICAS Segundo a Unaids, as últimas estimativas indicam que até junho deste ano 15,8 milhões de pessoas em todo o mundo contavam com acesso a terapias antirretrovirais

acesso ao tratamento e, em razão disso, 90% delas tenham sua carga viral praticamente suprimida. Assim, o relatório da agência destaca diversas iniciativas bem-sucedidas em vários países, inclusive o Brasil, neste sentido. Segundo a Unaids, o Brasil exibe um “forte compromisso” com a estratégia 90-90-90, tendo sido um dos primeiros países do mundo a implementar a distribuição de antirretrovirais a todos contaminados pelo HIV a despeito de sua contagem de um tipo de célula de defesa do organismo, batizada CD4, usada para avaliar a gravidade da infecção.

Segundo estatísticas, o número de novas infecções pelo HIV, vírus causador da Aids, caiu 35% desde o pico da doença registrado em 2000


MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

3090-1041

diadia@emtempo.com.br

IONE MORENO

Dia a dia

C1

TAPIOCA

Iguaria versátil e saborosa Dia a dia C4 e C5

Mal conservados, veículos comprometem o trânsito

FOTOS: GERSON FREITAS

Pneus carecas e sistema de sinalização comprometido são alguns dos problemas verificados e que podem oferecer riscos

Falta de recursos para realizar os reparos necessários é o principal argumento apresentado pelos donos de carros mal conservados e que, eventualmente, acabam abandonados na rua, atrapalhando o trânsito GERSON FREITAS

D

a frota de 829.341 veículos registrados em Manaus, 1.609 foram retirados de circulação somente este ano por apresentar mal estado de conservação, conforme o Departamento Estadual de Trânsito (Detran–AM). No mesmo período do ano passado, 1.094 veículos inaptos a trafegar foram retirados das ruas. Levantamento da autarquia dá conta de que a cada cem veículos parados nas blitze, de 15% a 20% dos carros apresentam algum tipo de irregularidade em relação às condições físicas ideais para circulação. De acordo com o diretor-presidente do Detran-AM, Leonel Feitoza, pneus carecas, mecânica, lataria e sistema de sinalizações são alguns dos problemas frequentemente encontrados nos veículos automotivos abordados pelos agentes de trânsito. “O parqueamento está lotado desses carros, que na maioria dos casos chegam a ser leiloados. Sempre realizamos campanhas educacionais informando o risco de circular com veículos em condições precárias. Só que falta a conscientização do condutor em contribuir no combate à redução de acidente de trânsito”, comenta. Para combater a circulação dos veículos que não apresentam condições físicas de circulação, a autarquia vem realizando diariamente operações em pontos estratégicos da cidade, segundo Feitoza. “Estamos intensificando essas ações para garantir a segurança, tanto do condutor do veículo como a dos pedestres. Esses automóveis que circulam em péssimas condições são riscos constantes à população, uma espécie de bomba-relógio, pronta para provocar um acidente a qualquer momento”, observa. Conforme a resolução 558/1980, do Conselho Nacio-

nal de Trânsito (Contran), o artigo 230 dá conta de que conduzir o veículo em mau estado de conservação, comprometendo a segurança, ou reprovado na avaliação de inspeção de segurança e de emissão de poluentes e ruído, gera multa grave de R$ 127,69 e retenção do veículo para regularização. Além da perda de 5 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Orçamento apertado O feirante Aldemir Santos, 45, que possui uma Kombi, com ano de fabricação de 1982, em condições físicas não muito adequadas para circular nas ruas de Manaus, afirma que a maior dificuldade de manter o veículo dentro das normas de segurança determinadas pelo Código Brasileiro de Trânsito (CBT) é a questão financeira. “Para deixar o carro adequado, que para mim serve como instrumento de trabalho, eu precisaria ter no mínimo uns R$ 3 mil. Esse valor para um feirante é considerado alto demais. Ou trabalho para sustentar a família ou trabalho para reformar o carro, que neste momento não é prioridade, mesmo sabendo que estou andado irregular pelas ruas. Sei que posso ser penalizado, mas esse é o preço que qualquer cidadão na minha situação está exposto a pagar”, avalia. O vendedor de frutas Francisco Pereira compartilha da mesma situação do feirante. Ele afirma que comprar um novo carro neste momento de crise é quase impossível e que a manutenção da sua Chevy, modelo 1980, custa mais caro que manter um filho. “Quando conserto uma coisa, quebra outra. Não posso todo mês ficar investindo em manutenção, carro novo então, está fora dos planos. Já desisti de arrumar o carro e quando apreenderem ficarei sem meu trabalho”, declara.

Projeto vetado resolveria problema Aprovado em maio do ano passado pelo plenário da Câmara Municipal de Manaus (CMM), o projeto de lei (PL) 225/2013 de autoria da vereadora Rosi Matos (PT) prevê a retirada dos veículos em condições físicas precárias e que por algum motivo foram abandonados em via pública.

Entretanto, ao ser enviado à sanção do prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB), o mesmo foi vetado pelo executivo municipal. Na época, a alegação dada pelo prefeito de Manaus foi a de que medida que seria executada pelo município acarretaria despesas aos cofres municipais.

O referido PL estabelece a retirada da via pública dos veículos abandonados por mais de 30 dias, além de notificar o proprietário para remover o veículo no prazo de cinco dias ou, justificar o motivo de não fazê-lo. Caso não haja motivo justo para a permanência do veículo na

rua, o mesmo será removido e o proprietário arcará com os custos de multas e remoção. Transcorrido o prazo de 90 dias da apreensão e o proprietário não tenha apresentado justificativas, o veículo irá a leilão público, pregão eletrônico ou o equivalente.

Veículos pesados e em mau estado de conservação também são comuns circulando e já causaram acidentes em algumas ocasiões


C2

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Áreas do Prosamim em estado de degradação MICHELLE FREITAS

C

oncebido para servir de modelo de urbanização em áreas de ocupação no leito dos igarapés, o Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim) dá sinais de abandono. Os conjuntos de apartamentos, antes referência de organização arquitetônica de espaços, agora apresentam indícios de degradação. Na área conhecida como “Sapolândia”, no bairro Alvorada, Zona Oeste, e no Parque Residencial Manaus, no Centro, as praças e quadras esportivas estão sem iluminação e esburacadas, além das estruturas de ferro comprometidas. O lixo se acumula, o mato cresce nas calçadas e os moradores se queixam da falta de segurança. A dona de casa Cleidilene Ferreira, 47, diz que pelo menos uma vez por mês a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) passa no local e retira o lixo acumulado. “Já teve um tempo que tivemos que pagar para que a área fosse capinada e o lixo retirado. Eu acredito que se a prefeitura enviasse mais de uma vez no mês o serviço de limpeza pública, a situação seria melhor. Mas, como isso

não acontece, o igarapé e a praça ficam assim, cheios de mato e lixo”, declara, apontando para o igarapé. Morador do Alvorada há 8 anos, Júlio da Silva, 27, reclama da falta de manutenção na iluminação. Segundo ele, há pelo menos cinco meses as lâmpadas estão queimadas e à

SÃO RAIMUNDO Em 2012, iniciou a terceira etapa do Prosamim, com a execução de obras na Bacia do São Raimundo, na Zona Oeste. A primeira fase de entrega dos apartamentos do local ocorreu em junho do ano passado noite o local fica muito escuro. “É complicado, porque a gente tem que ficar andando na rua escura, não consegue enxergar algum buraco, pedra ou objetos cortantes e pode acabar se machucando”, observa. Também morador da área, André Souza Bezerra, 39, chama a atenção para o fato de que as lâmpadas eram novas, mas foram furtadas junto com os fios. Ele conta que os mo-

radores já teriam entrado em contato com a prefeitura para resolver a situação, mas não tiveram retorno. “As lâmpadas estavam todas certinhas, não tinham defeito nenhum. Mas, devido a esse problema de furto, a gente acabou ficado às escuras”, salienta. A falta de segurança é outra queixa dos moradores. Eles alegam que as viaturas da Polícia Militar não passam mais com frequência no local. “A gente não gosta muito de falar sobre isso, porque tem sempre alguém que acaba descobrindo quem fez a denúncia. Então, a gente prefere fingir que não está acontecendo nada. Aqui na área tem bastante assalto e algumas pessoas que vendem droga descaradamente”, informa uma moradora, que prefere não se identificar, por temer represálias. Tráfico No Parque Residência Manaus, moradores ouvidos pelo EM TEMPO dizem viver com medo. Alegam que o tráfico de drogas corre livremente no local. Os moradores falam receosos sobre o assunto, mas preferem não se identificar. “Aqui, o trabalhador tem que ficar calado, não pode falar nada

MÁRCIO MELO

Falta de manutenção, limpeza e segurança são algumas das reclamações dos moradores do Centro e Alvorada

Ferrugem corrói estrutura metálica na ponte do Prosamim da Alvorada, que padece com lixo e escuridão

porque tem sempre alguém que conta para os vendedores de drogas o que estamos falando ou pensando em fazer. Gostaria que a polícia passasse mais vezes por aqui e tomasse uma providência”, disse uma moradora, que preferiu o anonimato. A aposentada Araci Vieira da Costa, 70, reclama apenas da sujeira nas ruas. O local é bom para morar, mas tem muito lixo, o que deixa a área com um as-

pecto desagradável. “Antes eu mesma limpava aqui perto de casa, mas agora estou doente eu não tenho mais forças. Às vezes, eu pago alguém para fazer esse trabalho, já que a limpeza pública não vem sempre por aqui”, comenta. Providências A Casa Civil do governo do Estado informou que uma equipe da Unidade Gestora de Abas-

tecimento de Energia Elétrica (UGPM- Energia) irá, esta semana, verificar a iluminação pública do Prosamim/Alvorada. A manutenção será feita assim que for detectado o problema. A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar e com a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) sobre a falta de patrulhamento e o acúmulo o lixo, respectivamente, mas não obteve resposta.


Dia a dia C3

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

AM não tem licença para novas rádios comunitárias GERSON FREITAS

A

importância das rádios comunitárias no Amazonas volta a ser discutida por profissionais da área, após o Ministério das Comunicações excluir o Estado do novo processo de regularização, realizado na primeira quinzena deste mês, que disponibilizou concessões a 86 municípios das regiões Norte e Nordeste. Dados do órgão dão conta de que no Amazonas pelo menos 44 entidades estão autorizadas a funcionar, distribuídas entre capital e interior. De acordo com o edital que estabelece a implantação de novas rádios comunitárias, as disputas nas regiões Norte e Nordeste ficaram abertas apenas para os Estados de Pernambuco (38), Piauí (33), Rio Grande do Norte (8), Amapá (1), Rondônia (5) e Roraima (1). Para o apresentador do programa “Fala Caboclo”, da primeira rádio comunitária legalizada do Brasil e do Amazonas, A voz das Comunidades, Ivan Brito, 32, a decisão do Ministério das Comunicações impede o desenvolvimento deste meio de comunicação em alguns municípios do Amazonas, inclusive em Manaus, onde já existe há

alguns meses solicitações de análise para a implantação de novas rádios comunitárias. Ele ressalta que a decisão chega a afetar uma estrutura que serve de apoio à população. “É lamentável que um Estado como o Amazonas ainda sofra com esse tipo de exclusão. Não sei se a motivação é política ou apenas tecnicista, para a exclusão do nosso Estado do edital. Seja qual for o motivo, quem sai perdendo nessa tomada de decisão são os cidadãos. E no que pese a democratização da informação, que é fundamental para fugirmos dos oligopólios midiáticos existente, este edital é um passo atrás”, avalia. O industriário José Alberto Pereira chama a atenção para o fato de que o impedimento do Ministério das Comunicações, que tirou da disputa o Amazonas, prejudica não somente um meio de comunicação que vem crescendo nas periferias das principais cidades do país, mas afeta principalmente uma classe da população menos favorecida. “Sabemos que ainda é grande o número de pessoas que não consegue ter acesso à informação por meio da internet e até mesmo pelo jornal impresso, devido à condição fi-

IVAN BRITO/DIVULGAÇÃO

Edital divulgado pelo Ministério das Comunicações deixou o Estado de fora das 86 concessões que serão concedidas

Mantidas por meio de doações, as rádios comunitárias são veículos essenciais nas áreas de periferia

nanceira. O rádio, por sua vez, é o único meio que preenche essa deficiência, entrando diariamente nas nossas casas sem cobrar um centavo. É triste ver que milhares de pessoas foram vetadas de terem essa oportunidade”, observa. Esclarecimentos Procurado pela reportagem do EM TEMPO, o Ministério das Comunicações não informou o motivo da exclusão do

Amazonas no último edital, mas enviou uma nota informando que um total de 11 municípios do Estado será contemplado no 3º Edital de Seleção Pública do Plano Nacional de Outorgas (PNO) de Radiodifusão Comunitária. A publicação no DOU está prevista para ocorrer em fevereiro de 2016. O órgão ressaltou que, a partir da publicação do DOU, as entidades dos municípios beneficiados terão o prazo de 60 dias para

encaminhar a documentação necessária para a habilitação no processo seletivo. O ministério informou ainda que os interessados no processo poderão acessar o site do Minicom http://www.comunicacoes. gov.br/espaco-do-radiodifusor/ radio-comunitaria/plano-nacional-de-outorga para obter o Plano Nacional de Outorgas, com todas as informações sobre os municípios contemplados e a data de publicação dos editais.

Interação direta com a comunidade Ivan destaca que esse meio de comunicação, além de proporcionar uma interatividade direta com a sociedade, é um suporte de voz da população aos poderes públicos. Para ele, a importância da rádio se dá pela característica que é intrínseca a ela: ser comunitária. “Não é comunitária apenas pelo fato de ter comunidade específica em sua abrangência. É comunitária por permitir que a comunidade deixe de ser mera ouvinte e passe, mediante capacitação, a ser produtora de conteúdo. Essa produção reflete sua cultura, tradições e hábitos”, frisa. Sobre a manutenção do veículo, ele destaca que as rádios comunitárias sobrevivem por meio de doações de pessoas física e jurídicas e de apoios culturais.


C4

Dia a dia

Pão’da Amazônia

Incorporada à mesa do amazonense há décadas, a goma de tapioca é sempre a pedida predileta para o café da manhã ou lanche da tarde. Quentinha, ela pode ser recheada com vários ingredientes, já que a iguaria regional tem o sabor da Amazônia

GALERIA Veja outras imagens deste evento aqui

EMERSON QUARESMA E MICHELE GOUVÊA

Patrocínio

Q

uentinha, não há quem resista ao sabor que produz. Simples mesmo, só com manteiga e um pouco de sal ela já é saborosa, mas pode ficar ainda melhor se estiver envolvendo outros ingredientes amazônicos. Tucumã e queijo coalho quase sempre são a pedida mais frequente, mas pode-se acrescentar ainda banana frita e uma infinidade de outros ingredientes para deixá-la com mais “sustância” ou ainda torná–la doce. Se o desejo for de deixar a goma de tapioca ainda mais gostosa e um tanto crocante, pode-se acrescentar também castanha da Amazônia. Um dos mais tradicionais e conhecidos cafés regionais do Estado, o café da Priscila possui em seu cardápio 35 recheios diferentes de goma de tapioca, dentre os quais estão: queijo e filé; carne de sol; queijo, ovo e filé; filé, queijo e banana frita; jabá e queijo; queijo, banana frita e leite condensado; leite condensado e coco, entre outros. Diante de tantas possibilidades de sabores, o cliente pode nista A nutricio Eliana aconselha para uma pedir ainda que boa dieta, sem passar fome, uma a tapioca seja reconcha de goma e uma colher de cheada com dois fibras, principalmente no café da sabores, metadeto nhamen acompa manhã. Como metade. Filha de ela sugere ainda o tucumã, que é rico em fibras e tem agricultores e hoje alto valor nutricional. empresária, Prescila Silva Carvalho,44, é uma das pioneiras na exploração comercial de goma de tapioca na Região Metropolitana de Manaus. Residente no Rio Preto da

DE A D I OS CURI

Eva (distante 78 quilômetros de Manaus), Priscila deu início à atividade que sustenta irmãos, filhos e pais em 1993 na feira municipal do município. “Tinha uma casa de farinha na feira que estava inutilizada e como eu e minha mãe não tínhamos banca para expor nossa produção agrícola, pedimos para usar o local. Começamos a fazer farinha no local e depois comecei a fazer tapioca, mas por encomenda. Fazia tapiocas grandes e bem recheadas para viagem, só que algumas pessoas começaram a pedir para comer na hora. Aí coloquei uma mesa e umas cadeiras, depois veio o café com leite, depois mais mesas e cadeiras e os novos recheios a pedido dos clientes”, recorda. Com o passar do tempo o improviso precisou dar lugar a algo mais organizado e amplo. Foi então que um ponto foi alugado e a família começou a ajudar no que viria a se transformar no projeto financeiro de todos. Com o nome patenteado, o empreendimento cresceu ainda mais e hoje os cinco irmãos e a filha mais velha de Priscila trabalham com café regional. Somente na sede do Rio Preto da Eva estão empregados 14 funcionários. “Foi pelo trabalho com a goma de tapioca, juntamente com os demais produtos regionais, que a minha e a história da minha família ganhou um novo rumo. Sou muito grata por ter encontrado no fruto da terra um caminho promissor para todos nós. Além da tapioca temos diversos outros produtos à disposição do cliente e isso nos enche de orgulho e felicidade. Os produtos da floresta nos fizeram prosperar”, afirma.

‘Goma r Famoso pelo queijo coalho, que há 25 anos comercializa no Mercado Municipal Adolpho Lisboa, Centro, o feirante Raimundo Mendonça da Silva, 49, reconhece que o “rei” da banca perdeu a majestade. “Comecei na feira com queijo e tucupi. Com o tempo passei a vender a goma e a farinha de tapioca. E depois que saiu na TV que ela (a goma) era melhor que o pão no café da manhã e que servia para dieta porque não engorda, as vendas aumentaram consideravelmente. E aqui no mercado a venda cresceu principalmente para turistas brasileiros, que vêm a Manaus a passeio e aproveitam para levar a nossa goma regional original”, conta Dilo do Queijo. O termo “goma regional original” é usado pelo permissionário do Mercado Municipal por conta da concorrência sulista que, segundo ele, comercializa a


FOTOS: IONE MORENO

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

em diversos sabores

gional original’ é a preferida

fécula de mandioca como se fosse goma de tapioca. “Tem muita gente que vende a fécula de mandioca dizendo que é a nossa goma original. Mas, essa fécula que vem principalmente de Estados do Sul do país, como o Paraná, é meio sem graça”, avalia. Amazonense nascido na comunidade do rio Curarizinho, município Careiro da Várzea (a 25 quilômetros de Manaus), Raimundo diz que a goma regional tem um cheiro e um gosto muito peculiar amazônico. “A original tem o gostinho e o cheiro do nosso tucupi. Com todas aquelas misturas que colocam numa tapioca vendida

em bancas de cafés da manhã, a pessoa já não sabe mais identificar se é realmente a goma regional”, comenta. Ele observa que entre a original e a fécula, há dois pesos e duas medidas. A primeira é a cor da fécula, que é “mais branquinha”, e o tom mais creme da goma. “A original vem mais molhadinha”, aponta Raimundo. Mas, é no preço do quilo das concorrentes que é mais fácil identificar a principal diferença entre elas. Enquanto a goma original custa de R$ 4 a R$ 5, a fécula é vendida por R$ 3, em média, explica ele. Para a dona de casa Dalva Carvalho Coimbra, 52, o preço não é problema se a pessoa quer realmente o sabor original da verdadeira goma de tapioca. “Já comprei fécula de mandioca achando que era a nossa goma. Não é o mesmo gosto. Agora eu tomo todo o cuidado do mundo para não ser mais enganada”, diz. Pessoas como dona Dalva

fazem com que o permissionário venda em média 700 quilos de goma por semana. Ele conta que o seu produto chega nos dias de segunda e sexta-feira direto do Lago do Janauacá, no Careiro Castanho (a 102 quilômetros de Manaus). Nas suas contas, geralmente ele vende um saco de 70 quilos por dia, mas aos sábados chega a vender até 200 quilos. Filho de dona Raimunda Mendonça, 75, moradora de Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus), Dilo do Queijo afirma que ela faz tapioca com a goma que ele manda para ela praticamente todos os dias. Mas, é na sua casa, no bairro Santo Antônio, Zona Oeste da cidade, que ao lado da sua esposa Marluce Monteiro, 50, que ele guarda uma receita secreta, que aprendeu em um barco regional, há 7 anos, com um carpinteiro do município de Autazes (a 113 quilômetros de Manaus).

C5

Tapioca na dieta alimentar Para quem busca na café com leite ou suco goma de tapioca um forte de polpa de fruta pode aliado para a dieta ali- chegar a 1,5 mil calorias mentar não basta fazer num café da manhã, de estoque em casa e trocar o acordo com a nutricionispãozinho francês no café ta. “Essa bomba calórica da manhã, por exemplo. A é de alto risco, princinutricionista Eliana Fer- palmente para pessoas reira alerta para alguns sedentárias”, comenta. cuidados como evitar as A especialista suge“bombas calóricas” que, re a goma de tapioca costumeiramente, a culi- para a dieta alimentar nária amazonense elabo- se for acompanhada de ra com a tapioca. Ela sementes como girassol, aponta ainda os riscos gergelim e chia, ou até do consumo da tapioca, mesmo com a castanha sem acompanhamentos, do Amazônia ralada. Seque pode fazer dela uma gundo ela, estes itens são bela de uma vilã. fontes de vitaminas do Segundo Eliana, sozi- complexo B, cálcio, vinha, a tapioca “branqui- taminas A, E, ômega 3 nha” com um “salzinho” e e 6 e fibra. Com esses uma “manteiguinha”, já é acompanhamentos, Eliaum “veneno” para quem na diz que o processo diquer emagrecer. “Ela não gestivo é mais lento, além tem glúten, mas tudo que de o organismo absorver é branco e refinado tem mais nutrientes. “O esvaum certo índice de carga ziamento gástrico é mais glicêmica, uma vez que lento e por ser mais lento o seu consumo no orga- é mais saudável, uma vez nismo se torna açúcar que a pessoa está saciada no sangue, o que não é com as fibras”, afirma. bom para o diabético”, explica. “Comer uma tapioca branca é como se estivesse consumindo um pão francês que, dentro do organismo, com o A goma peneirada, alto índice glicêmico, aliada ao queijo coalho em peautomaticamente quenos cubos e à castanha do Brasil fará a pessoa sentir amassada, fica uma delícia. Depois é mais fome logo em só colocar a mistura numa frigiseguida”, observou. deira quente com um pouco de A tradicional tapiomanteiga. Atenção para não ca com queijo coalho, queimar e bom apetite. tucumã, banana frita ou ovo somam até 1,2 mil calorias e ainda com um

IA? B A S VOCÊ


C6

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Projeto poderá auxiliar os paratletas visuais ANDRÉ TOBIAS

A

utonomia é o desejo de qualquer ser humano. Andar, nadar, correr, pular, realizar qualquer atividade, a qualquer momento, sem depender de nada ou ninguém. Pensando nisso o Centro de Inovação em Controle e Automação em Robótica Industrial (Cicari) está desenvolvendo o projeto “Meu Guia”, inicialmente voltado para atletas com deficiência visual que disputam competições atléticas. De acordo com o engenheiro de controle e de automação, Renan Baima, a ideia surgiu a partir de pesquisas que revelam altos índices de erros envolvendo guia e atletas cegos durante provas de atletismo. Como são unidos apenas por uma corda, o desempenho em competições acaba ficando comprometido por eventuais “queimadas” ou até mesmo quedas durante o trajeto do percurso. O Cicari vem desenvolvendo um sistema que orienta o atleta cego durante a execução da prova ou treinamento por meio de vibrações. Esse sistema é costurado com tecnologia especial na roupa do atleta com deficiência visual, permitindo que ele possa correr sozinho, sem a necessidade do guia ao seu lado. “Nossa proposta é fazer com que o atleta cego tenha uma maior autonomia durante o desenvolvimento da corrida”, informa Baima. Segundo o engenheiro, o principal objetivo do projeto é garantir autonomia aos atletas deficientes visuais do atletismo, que com os sensores espalhados pela roupa de sua preferência poderão disputar qualquer prova sem guia. A princípio, o mecanismo seria utilizado somente em atividades desportivas, treinamento, provas olímpicas e paralímpicas de corrida. “Desenvolvemos uma roupa com um dispositivo adaptável em qualquer traje. Durante a corrida nós vamos

FOTOS: RICARDO OLIVEIRA

O “Meu Guia” utiliza sistema de vibração para orientar o indivíduo a se locomover sem o auxílio de orientadores GALERIA Veja outras imagens deste evento aqui

Patrocínio

passar, por meio de sistemas de triangulação, onde o atleta está, consequentemente saberemos onde ele deve ir e nós vamos dar essa informação por meio do nosso sistema. São vibrações, controles que o atleta vai ter uma noção de saber onde ele está e onde tem que ir”, explica o engenheiro de controle e de automação. Testes A equipe de reportagem do EM TEMPO pôde testar um pouco da nova tecnologia. Com dois braceletes vibratórios (um em cada braço) e os olhos vendados, foi montado um minipercurso dentro do estande da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), durante a exposição do projeto “Meu Guia”, na 12ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT). As vibrações emitidas para cada bracelete indicavam que direção deveria ser seguida. Desta forma, o trajeto de pouco mais de dez metros foi completado em, aproximadamente, cinco minutos. Conforme Baima, o protótipo está pronto para a encarar um nova fase do projeto, contudo, ainda aguarda a resolução de algumas burocracias. “Estamos esperando a aprovação do comitê de ética de pesquisa. A partir desse momento, nós levaremos o estudo para pesquisa humana, aplicar e testar o sistema que foi desenvolvido no atleta deficiente visual ou de baixa visão”, pontua.

Sistema é testado por portadora de deficiência visual, durante exposição do projeto, no estande da UEA, na 12ª SNCT do Amazonas

Equipe comemora a conquista do prêmio Santander Universidades como o melhor na categoria “Tecnologia da informação, comunicação e educação”

Além das pistas de paratletismo A princípio, o projeto tem o objetivo de assistir atletas deficientes visuais de atletismo. Contudo, o engenheiro admite que a intensão é contemplar não só os corredores, como também levar a tecnologia para o dia a dia daqueles que não enxergam. “Essa proposta é o passo 1, como a gente diz. Quando a gente concluir isso poderemos dizer que temos um produto e pensar no próximo passo”, avalia.

Limitados por conta do recurso, Baima destaca que Cicari possui uma gama de projetos que contemplam todas as áreas da sociedade. “Nós temos propostas de levar para outros esportes, quem sabe até para a segurança, para resgate de pessoas pelos bombeiros quando entram num prédio. Então, tudo isso são opções que nós podemos trabalhar a partir desse princípio”, destaca.

Para a socióloga Emília Leal, seria maravilhoso caso o projeto pudesse ser implantado e utilizado pelos cegos no dia a dia, mas para isso seria necessário todo um plano arquitetônico diferente, já que o percurso seria mais amplo, neste caso o espaço urbano. Para este primeiro passo, ela afirma que o recurso vai precisar de uma linguagem que será passada ao atleta, com o desenvolvimento de um có-

digo linguístico para que seja feita a interpretação. “Ele vai receber uma vibração. Essa vibração vai ser projetada tipo um alfabetizado. Então, ele vai aprender toda essa sequência para ter um domínio desse percurso. Você já imaginou um atleta desde criança praticando isso, o domínio que ele vai ter enquanto adulto. Quando ele tiver nos jogos não vai precisar de um guia”, aposta Emília.


Dia a dia C7

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Novenário contará com distribuição de mudas Q

uem participar do tradicional novenário em honra à Nossa Senhora da Conceição, padroeira do Amazonas, que será aberto oficialmente a partir deste domingo, às 7h30, na Catedral Metropolitana de Manaus, no Centro, com missa celebrada pelo arcebispo metropolitano de Manaus, dom Sérgio Castriani, contará com um ingrediente extra: mudas de plantas ornamentais e frutíferas serão distribuídas aos fiéis. A proposta pretende incentivá-los a participar do grande movimento em favor de uma cidade mais verde, coordenado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), com participação da sociedade civil. Aproximadamente 300 mudas de plantas produzidas pelo programa Manaus Verde e Viva estarão disponíveis para doação ao público. “A prefeitura vem realizando um trabalho intenso de distribuição de mudas, em toda a cidade, por acreditar que o envolvimento da população é fundamental para ampliar os índices de arborização. Com o apoio de movimentos

sociais, acreditamos que poderemos promover o incremento da cobertura vegetal da nossa área urbana, seja nas áreas públicas seja nos quintais das residências”, afirma o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Itamar de Oliveira Mar.

centrais, passeios públicos, praças e logradouros públicos. As mudas são produzidas no Viveiro Municipal instalado, provisoriamente, em área cedida pelo Instituto Federal de Educação do Amazonas (Ifam), no bairro Colônia Antônio Aleixo, Zona Leste.

REPOSIÇÃO

Mobilização mundial A celebração de abertura do novenário de Nossa Senhora da Conceição será voltada a temas ambientais defendidos pelo papa Francisco na Encíclica Laudato Si, aproveitando que nesse mesmo dia haverá a Mobilização Mundial pelo Clima, que tem por objetivo pressionar os líderes mundiais a adotar medidas mais ambiciosas no combate ao aumento da temperatura global. A mobilização acontece dias antes da 21ª Conferência Pelo Clima (COP - 21), em Paris, que pretende costurar um novo acordo entre os países para diminuir a emissão de gases de efeito estufa, diminuindo o aquecimento global e, em consequência, limitando o aumento da temperatura global em 2° C até 2100.

No último dia 12, a Semmas iniciou o trabalho de reposição de mudas, ao longo da avenida Djalma Batista, onde estão plantadas e em crescimento, aproximadamente, mil árvores De janeiro de 2013 a setembro deste ano, a Semmas já distribuiu 283,5 mil mudas em todas as zonas da cidade, como parte da estratégia do programa Manaus Verde e Viva. Com isso, é possível intensificar o plantio de espécies, principalmente frutíferas e ornamentais. As espécies arbóreas são destinadas à arborização urbana, com plantio em canteiros

DIVULGAÇÃO

Abertura das celebrações em honra à padroeira do Amazonas, Nossa Senhora da Conceição, terá ação ambiental

Mudas frutíferas e ornamentais distribuídas aos fiéis neste domingo foram produzidas no viveiro municipal


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015


APOIO

Filme educativo em 3D fica para 2017

Plateia MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

3090-1042

D1

DIVULGAÇÃO

Plateia D3

plateia@emtempo.com.br

Mostra de teatro e música traz diversidade artística LUIZ OTAVIO MARTINS

D

oze montagens teatrais e nove números musicais, com banda ao vivo, compõem a programação da Mostra Artecena, cuja oitava edição será apresentada de 1º a 4 de dezembro, no Teatro Manauara. Os diretores gerais do evento, Kamila e Roger Barbosa, avisam que a plateia poderá conferir produções para todos os gostos e públicos, incluindo adaptações do dramaturgo inglês William Shakespeare e musicais inspirados em espetáculos da Broadway. Realizada de seis em seis meses, a Mostra Artecena é o momento de exibir ao público de Manaus o trabalho de conclusão de curso das turmas da escola de interpretação. Kamila Barbosa lembra que os dois meses que antecedem o evento são de ensaios intensos e o resultado é um esforço de todos os envolvidos nas produções. “Na escola desenvolvemos um trabalho em conjunto. O professor ensina o conteúdo pré-estabelecido, mas existe uma troca com o aluno, que pode levar uma sugestão para estudo e, se a turma e o professor abraçam essa ideia, é colocada em prática”, explica a diretora executiva. O ator e diretor Roger Barbosa destaca o aprimoramen-to das turmas e, no palco, durante a mostra, todos os alunos têm o seu momento para colocar em prática o que aprenderam nos cursos. E, especificamente nesta edição, a turma de adultos participará de uma adaptação que exige bastante esforço dramático. Trata-se de “Sonho de uma noite de verão”, de William Shakespeare. “É uma dramaturgia difícil e fizemos a adaptação de um texto grande para meia hora”, observa Roger. “A mostra tem esse ponto positivo, que é levar para o público conhecer uma obra de Shakespeare em 30 minutos”. Além de “Sonho de uma noite de verão”, o ator assina também a direção de “Boletim de Ocorrência”. Outro destaque na preparação da mostra citado por Roger é o interesse dos alunos em participar de todo o pro-cesso que envolve as montagens. “Como são mais de dez cenários, temos que usar nos espetáculos o máximo de criatividade, com uma verba restrita e a ajuda de amigos”, comenta. A maioria dos cenários foi desenhada pelo próprio ator e diretor. Desafios Da primeira edição da Mostra Artecena até a atual, Ro-ger Barbosa cita entre os obstáculos superados a questão do uso do espaço para

as encenações. “Nós temos poucos teatros adequados na cidade. Já apresentamos o evento no Teatro Jorge Bonates e o Teatro Manauara foi o que mais nos acolheu”. Outro desafio que a equipe precisou enfrentar foi a questão da acústica do teatro. “A partir da sexta edição fizemos uma pesquisa para descobrir como superar esse problema, já que participam da mostra crianças a partir de 5 anos, e criança não fala alto”, conta o diretor. “Realizamos um estudo do teatro e, em parceria com uma empresa de som, foi colocada uma caixa de acrílico em cada microfone para o som não reverberar”. A equipe da 8ª Mostra Artecena é formada por 30 profissionais entre técnicos, maquiadores, cenógrafo, aderecista, equipe de som e luz especializada. Kamila Barbosa diz que o elenco traz uma média de 190 pessoas – cerca de 180 alunos e alguns atores convidados. A diretora executiva revela que, no próximo ano, o evento passará a ser anual, pois a cada edição o nível artístico das montagens cresce. “A mostra se tornou um evento grande e, de forma anual, vamos conseguir trabalhar mais detalhadamente questões como, por exemplo, a cenografia”. Incentivo A Artecena Produções existe há 11 anos e a escola completou 3 anos. Kamila atribui o sucesso dessa inciativa – inserida num mercado em crescimento, que é o mercado cultural de Manaus – a fatores como o treinamento do corpo docente e o incentivo à carreira artística dos alunos. “E como trabalhamos com sonhos e melhoria de vida, a base desse sucesso é o amor de todos os envolvidos à profissão”, destaca. A escola de interpretação Artecena oferece os cursos “Teatro musical”, “Canto”, Vivência teatral para desenvolvimento pessoal e profissional”, “Curso livre de interpretação em TV e Cinema”, “Interpretação em teatro” e “Teatro para crianças”. O telefone para informações é o (92) 3342-2425.

SERVIÇO 8ª MOSTRA ARTECENA QUANDO: dias 1º, 2, 3 e 4/12, sempre às 19h ONDE: Teatro Manauara (Piso Buriti do Manauara Shopping) QUANTO: convites em número limitado disponíveis na secretaria da Escola Artecena (avenida Tancredo Neves, 619, Par-que 10)

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Oitava edição da Mostra Artecena será realizada a partir da próxima terça-feira, com montagens infantis e adultas

Segundo a diretora geral do evento, Kamila Barbosa, a equipe de profissionais para fazer funcionar a mostra é composta por 30 pessoas

Mostra funciona como incentivo ao surgimento de novas produções culturais

PROGRAMAÇÃO: 1º/12 “Macaco Malaquias” (teatro infantil) – dir. Aline Cassiano “O nascer do dia” (teatro infantil) – dir. Hellen Bessa “Operação flúor” (teatro infantil) – dir. Aline Cassiano “No final tudo dá certo” (teatro infantil) – dir. Hellen Bessa 2/12 “Piquinique no front” (teatro do absurdo) – dir. Aline Cassia-no “Os Saltimbancos” (teatro adolescente adaptado do texto de Chico Buarque) – dir. Emillie Nóbrega “Lei é lei e está acabado” (teatro adulto) – dir. Leonel Worton 3/12 “One thousand years” (música) – dir. Davy Chaves “For the first time and forever” (Lívia, música) – dir. Patrícia Botelho “Defying gravity” (Renata, música) – dir. Patrícia Botelho “Sonho de uma noite de verão” (teatro) – dir. Roger Barbosa “Cinderela” (Fernanda, Mirna e João, música) – dir. Patrícia Botelho “Como vai a loucura?” (teatro) – dir. Leonel Worton “All about jazz” (Heide, música) – dir. Patrícia Botelho “All about that bass” (música) – dir. Davy Chaves “Mary Poppins” (Thalita, música) – dir. Patrícia Botelho 4/12 “A revolução das notas musicais” (adaptação do texto de Alessandra Bourdot) – dir. Emille Nóbrega “Mania de explicação” (teatro adolescente) – dir. Aline Vasconcelos “Boletim de ocorrência” (teatro adulto) – dir. Roger Barbosa


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

‘Cabaré’ oferece espaços com mordomia na capital

O camarote exclusivo para 15 pessoas é uma novidade para este show no Studio 5, com lugares limitados e exclusivos DIVULGAÇÃO

N

o dia 12 de dezembro, Leonardo e Eduardo Costa prometem levar os manauenses a um passeio nostálgico entre as canções que marcaram as décadas de 1980 e 1990. A turnê assinada pelos cantores leva o nome de “Cabaré” que, desde o ano passado, é sucesso de público em todo o Brasil. No show, uma estrutura impecável e mordomias que só a Fábrica de Eventos oferece. Toda essa mistura não poderia resultar em outra coisa senão em um espetáculo belíssimo e inesquecível. Os cantores se apresentam no pavilhão do Studio 5 Festival Mall, na festa que encerra o calendário de eventos da Fábrica, que volta em 2016 com novas propostas e outros desafios.

Show de Leonardo e Eduardo Costa chega a Manaus no dia 12 de dezembro, com direito a corpo de baile

Estrutura Entre os diferenciais deste show no Studio 5, a produtora investiu na montagem dos espaços privilegiados. Além da pista, o “Cabaré de Leonardo & Eduardo Costa” conta ainda com uma Área Vip cheia de regalias. O front stage “de lei” soma-se a um lounge exclusivo e climatizado, com telões que transmitirão, além do me-

gashow dos sertanejos, a luta do campeão amazonense José Aldo contra Conor McGregor, no UFC 194. O famoso open bar também não poderia faltar na Área Vip, com água, refrigerante, caipirinha, caipiroska e cerveja liberada até as 3h. Entradas diferenciadas, bares e banheiros exclusivos também são obrigações desse espaço. No palco, a cenografia carre-

SERVIÇO CABARÉ  COM LEONARDO E EDUARDO COSTA QUANDO: dia 12 de dezembro (sábado) ONDE: pavilhão do Studio 5 (avenida General Rodrigo Otávio - Distrito Industrial) QUANTO: Pista 1° Lote R$ 60; Área Vip 2° Lote R$ 220 com Open Bar de água, refrigerante, cerveja, caipirinha e caipiroska até às 3h. Entrada diferenciada. Bares e banheiros exclusivos. Acesso ao Front Stage. Vendas somente para maiores de 18 anos; MESAS: OURO, PRATA e BRONZE. Para 4 pessoas. Espaço diferenciado. Open Bar de água, refrigerante, cerveja, caipi-rinha e caipiroska até o fim do show. Entrada diferenciada. Bares e banheiros exclusivos. Pre-ços sob consulta. (preços de meia-entrada) CENTRAIS DE VENDA: Stand da Fábrica de Eventos no Amazonas Shopping e Lojas da Fábrica do Shopping Cidade Leste e Sumaúma Park Shopping. VENDAS ONLINE: www.fabricaingressos.com. INFORMAÇÕES: 3303-0100

ga os tons de vermelho, letreiros luminosos, o que lembra os cabarés dos filmes antigos de Hollywood. O Cabaré de Leonardo & Eduardo Costa conta ainda com um bailado fixo de seis bailarinas e coreografia assinada por Andréa Santos, com danças são bem sensuais, inspiradas nas apresentações de dançarinas dos mais famosos cabarés do mundo, como

o Moulin Rouge. Novos setores O camarote exclusivo para 15 pessoas é uma novidade para este show no Studio 5. Com lugares limitados e exclusivos, o espaço ainda oferece entrada diferenciada, banheiros exclusivos e bares. Divididas em três categorias (Ouro, Prata e Bronze), mesas

para quatro pessoas também foram disponibilizadas para vendas. Limitadas, o espaço das mesas vai contar com um open bar exclusivo de cerveja, Whisky 8 anos, água e refrigerante até o fim do show. Os ingressos já estão sendo vendidos no Stand da Fábrica de Eventos, no Amazonas Shopping e, a partir do dia 1º de dezembro, estarão disponíveis na bilheteria do Studio 5. Consulte o mapa e escolha o melhor lugar para curtir o Cabaré.

Muita irreverência Referências do sertanejo de raiz, Leonardo e Eduardo Costa criaram o projeto Cabaré. A turnê que reúne músicas românticas dos anos de 1980 e 1990 já é sucesso em todo o Brasil, com shows esgotados e premiações em vendas. No Cabaré, Leonardo e Eduardo Costa conquistam o público pela simpatia. Conhecidos pela irreverência, os sertanejos conversam e contam piadas durante toda a noite.


Plateia D3

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Andréa Nóbrega e Kleber Lopes divertem n’A Praça que o Moacyr Franco elogiou o meu trabalho. O próprio seu Carlos diz que está contente com minha atuação. Fui muito bem acolhido”, comenta ele. A sintonia com Andréa também deu certo. “Ela é muito divertida e é do povão. Nos demos bem logo na primeira gravação”. Lopes se recorda do quanto era fã do humorístico. Em Guarulhos (Grande SP), aos 13 anos, ele montava peças de teatro na escola e, em uma delas, fez homenagem à “Praça”. “Eu era o Carlos Alberto. Sempre gostei de teatro e, mesmo sendo na escola, levava muito a sério”, lembra ele, que é apaixonado por musicais. “É algo que, assim como novelas e cinema, tenho muita vontade de fazer”. Embora seja um rosto novo na TV, Lopes tem 15 anos de carreira. Ele começou dançando em uma turnê do cantor Leonardo, em 1999. “Em casa, sempre recebi apoio para seguir na carreira, tanto que, com a dança, cheguei a participar de turnês internacionais. Hoje, além de trabalhar na televisão, tenho minha produtora, e meus pais trabalham comigo”, fala. Lopes também é sortudo,

DIVULGAÇÃO

S

ÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Aos 33 anos, o ator e bailarino Kleber Lopes está colhendo os frutos de sua dedicação à vida artística. Ele tem sido elogiado por dar vida a Gigi, o personal faz-tudo da Nova Rica (Andréa Nóbrega), no humorístico “A Praça É Nossa” (SBT). “Entrei na “Praça” em 2005 para fazer parte do grupo de bailarinos. Foi quando o seu Carlos [Alberto de Nóbrega, apresentador] me chamou para coreografar a valsa de 15 anos da filha dele e, durante os ensaios, me convidou para fazer o Gigi no programa”. No quadro, o ajudante tem que aturar as excentricidades da patroa, quando não embarca nos delírios dela. “O Gigi é o companheiro dela 24 horas por dia. O seu Carlos queria um personagem gay na “Praça”, que teve tipos memoráveis como a Vera Verão”, fala ele, referindo-se ao personagem de Jorge Lafond (1952-2003). “Mas o Gigi é menos espalhafatoso e, às vezes, dá em cima do seu Carlos”. Lopes encara como uma grande responsabilidade estar em um programa tão querido pelo público e diante de feras do humor. “Teve um dia em

DIVULGAÇÃO

Ator e bailarino fala sobre a experiência de atuar ao lado de seus ídolos e como conseguiu vaga no humorístico do SBT

Atriz Andréa Nóbrega interpreta a “nova-rica” sempre acompanhada

“Gigi” é o personagem de Kleber Lopes, que dá pinta de homossexual

pois realizou o sonho de conhecer seus grandes ídolos: os apresentadores Silvio Santos e Xuxa. “Eu paralisei diante do Silvio. Eu o vi pela

grama dele e quase desabei quando ele falou comigo”, lembra. “Conheci a Xuxa na época em que trabalhei como dançarino da cantora Wanes-

primeira vez no programa “Rei Majestade” [2006-2007] e, na época, não conseguia olhá-lo de frente. Depois, participei de um concurso no pro-

sa. Ela foi muito carinhosa. Sou sortudo por ter conhecido meus ídolos”, complementa. Por Alex Francisco

EDUCATIVO

HOJE

SEC apoia produção de filme 3D Com exibição destinada a percorrer 300 museus de todo o mundo, a produção com tecnologia Imax tem apoio dos Ministérios da Cultura e do Turismo e da Agência Brasileira de Cinema. Um documentário educativo, com objetivo de mostrar ao mundo imagens fantásticas da Amazônia relacionadas ao mimetismo dos animais e ao processo de evolução da vida é a proposta de “Amazon Adventure 3D”, filme que receberá o apoio de produção do governo do Amazonas/Secretaria de Estado de Cultura. Durante encontro realizado com a secretária executiva da Secretaria de Estado de Cultura, Elizabeth Cantanhede, na tarde desta sexta-feira (27), os produtores Yuri Sanada, da em-

presa Aventuras Produções e Edições Educativas, e Jonathan Barker exibiram a proposta de execu-ção do filme, sua importância para a região bem como para o Brasil e solicitaram apoio ao governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura. “Amazon Adventure 3D” é uma coprodução Brasil – Inglaterra – Cana-dá que retratará os 11 anos de aventuras, no Amazonas, do inglês Henry Walter Bates (1825-1892), um dos mais importantes cientistas da biologia evolutiva. O filme é uma ficção, com previsão de lançamento para agosto de 2017. Na região amazônica, as gravações deverão ter início em fevereiro de 2016, com apoio técnico-logístico da Amazonas Film Commission da Secretaria de Estado

de Cultura. “É uma proposta fascinante poder unir educação à arte cinematográfica e com a ampliação dessas exibições para museus, o que significa um grande ganho para as novas gerações. Uma verdadeira experiência imersiva no conhecimento”, declarou o secretário de Estado de Cultura, Robério Braga. A obra trará para a região a tecnologia Imax, formato de filme de altíssima resolução, próprio para imagens projetadas em telas “gigantes”. O “Amazon Adventure 3D” O documentário contará as aventures do naturalista inglês Henry Walter Bates, na Amazônia Brasileira, no período de 1848 a 1859 e os registros realizados por ele: 14 mil espécies, das quais 8 mil eram desconhecidas,

com duração de 45 minutos. Bates teve como mérito a descoberta do fenômeno natural da camuflagem e do mimetismo, adaptação na qual um organismo possui características que o confundem com um indivíduo de outra espécie, que propiciou a Charles Darwin criar a Teoria da Evolução das Espécies por meio da seleção natural. Para Yuri Sanada, o filme possui conteúdo que alia ciência, entretenimento e alta tecnologia para educação. “Além de percorrer museus ao redor do mundo, o filme percorrerá escolas e projetará uma importante imagem do Brasil para aproximadamente 50 milhões de pessoas. Dessa forma, temos a intenção de aproveitar ao máximo os talentos locais”, ressaltou. DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

‘Birdman’ é destaque na tela do Telecine Pipoca

Michael Keaton protagoniza longa vencedor de quatro Oscars

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Qualquer um se identifica à questão posta por Riggan (Michael Keaton) em “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” (2014, 16 anos, TC Pipoca, 18h), ganhador de quatro Oscars, como melhor filme e direção (Alejandro González Iñárritu). No entanto, o centro é o ator: a estrela de Hollywood que deve fazer uma peça em Nova York para provar que é mais que uma “celebridade”. Talvez falte originalidade à proposta ou

Iñárritu tenha querido compensar essa falta com uma “mise-em-scène” pernóstica, que busca se sobrepor com uma série de efeitos. O que não falta a “Birdman” são admiradores. Pergunto se daqui a dez anos eles serão tão fiéis quanto os fãs de, digamos, de “Vampiros de John Carpenter” (1998, 16 anos, MaxPrime, 10h35) ou “Chinatown” (1974, 12 anos, TCM, 1h35 da segunda), de Roman Polanski. POR INÁCIO ARAUJO

Filme educativo aposta em tecnologia de alta resolução, adequada para telas “gigantes” e somente deve ser lançado em agosto de 2017


D4

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Boni e amigos mortos em primeiro livro de ficção S

ÃO PAULO, SP Boni, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, é ateu. Se acreditasse em vida após a morte, porém, o paraíso seria algo parecido com um desfile de escola na samba no Carnaval. Pela “avenida” do ex-vice-presidente de operações da TV Globo, todo poderoso da emissora por mais de 30 anos, desfilariam personalidades como Roberto Marinho, Chacrinha, Dercy Gonçalves, Janete Clair, Ayrton Senna, Chico Anysio. Em resumo, são grandes amigos com quem Boni busca acertar as contas no livro “Unidos do Outro Mundo”, que lança no início de dezembro. Escrito em dois meses, o título reúne uma coleção de diálogos em reencontros, ao percorrer os capítulos como quem atravessa um bloco de Carnaval. Houve tempo de incluir o diretor Carlos Manga, que morreu em setembro, e Luiz Carlos Miele e Yoná Magalhães, que partiram em outubro. “Perdi meus companheiros. Fiquei com vontade de encontrar com eles e, como eles não podem vir para cá, eu fui para lá”, diz o autor. Para tanto, ele mata a si mesmo, na ficção, em um acidente de carro. Do lado de cá, no entanto,

Boni segue vivinho da Silva e recebe a reportagem em sua cobertura duplex nos Jardins, bairro nobre paulistano. Preparava-se para começar, a série de comemorações de seus 80 anos, a se cumprirem na segunda-feira (30). “Quero tomar um vinhozinho hoje”, planejava. Sentado com a coluna ereta em um amplo sofá de couro, ele conta que a vocação literária, iniciada com a autobiografia “O

SERVIÇO UNIDOS DO OUTRO MUNDO AUTOR Boni EDITORA Estação Brasil QUANTO 288 págs. (R$ 39,90) Livro do Boni” (2011), deve se estender a um romance policial sobre um publicitário. Também tem conversado com a apresentadora Ana Maria Braga sobre um potencial livro de receitas. Fora da Globo desde 1997, ele comanda desde 2003 a TV Vanguarda -transmissora do canal dos Marinho no Vale do Paraíba. Dialogando no além Em “Unidos de Outro Mundo”

ele quis esclarecer desentendimentos, como os que teve com Walter Clark, com quem ditou os parâmetros que a Globo equilibra jornalismo, produção e entretenimento até hoje. Ele dá sua versão para a saída de Walter Clark (1936-1997) da emissora nos anos 1970, que aconteceu após um desentendimento envolvendo o contrato com uma afiliada no Paraná. No livro, o autor relata que Roberto Marinho “preferia perder a Globo” a ficar com Clark. Já Clark encerra o papo na ficção dizendo “não haver, no mundo, melhor produtor de televisão” do que Boni. Ele aproveita os encontros para dar seus pitacos na programação: em conversa com a novelista Janete Clair, critica a falta de boas histórias e o excesso de violência das novelas contemporâneas. “O público sente quando estão querendo pegar pela violência, pelo sexo”, diz Boni. Ele alude ao caso de “Babilônia”, que exibiu um beijo entre mulheres no primeiro episódio, em março. “Duas velhinhas se beijando no primeiro capítulo é apelação. O público tem que saber as razões psicológicas para aquilo acontecer”. Por Gabriela Sá Pessoa

Boni aproveita para criticar o conteúdo atual da televisão brasileira

DIVULGAÇÃO

Para dialogar com seus amigos mortos, o autor mata a si mesmo em um acidente de carro, na nova obra literária


Plateia D5

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Canal 1 Bate – Rebate

Arremate O fato é que a dupla Otaviano Costa e Monica Iozzi funcionou muito bem desde o início e houve inclusive o reconhecimento do público quanto a isso. O problema é que daqui a pouco o “Vídeo Show” vai ter que remar tudo de novo. Complicado. Vento a favor A coluna já havia noticiado que, por causa da boa fase de “Cúmplices de Um Resgate”, o SBT prolongou o contrato do elenco até junho de 2016. Pois bem, agora surge a informação que o vínculo poderá ser estendido mais um mês. Ibope “Cúmplices”, vale destacar, não ganhou nem perdeu, após a Record encerrar a exibição de “Os Dez Mandamentos”. A novelinha de Larissa Manoela, como se observa, possui um público fiel. Sem parar Tiago Leifert vai com a atual edição do “The Voice Brasil” até 25 de dezembro. Há o intervalo entre o “TVB” e o “The Voice Kids”, que também terá sua apresentação, será bem pequeno. A versão

MÁRIO ADOLFO

GLOBO/DIVULGAÇÃO

TV Tudo

Musical Paula Fernandes será uma das atrações do “Festeja Brasil”, especial que a Globo vai exibir no dia 16 de dezembro, uma quarta-feira. Também estarão no programa Luan Santana, Bruno e Marrone, Jads e Jadson, Henrique e Juliano, além de outros nomes da música sertaneja. infantil irá de 3 de janeiro a 20 de março. Festival Cauã Reymond As fãs de Cauã Reymond certamente vão curtir esta: entre 12 e 15 de janeiro, a Globo exibirá o longa “Alemão”, no qual ele faz um traficante. Dose dupla, portanto, uma vez que ele ainda estará no ar, em “A Regra do Jogo”. A Globo possui também um outro trabalho inédito do ator, a série “Dois Irmãos”, sem data de estreia marcada. Segue o jogo Apesar do silêncio em torno do novo projeto de

Christiane Pelajo, falado após sua saída da bancada do “Jornal Globo”, ganha força o seu retorno à GloboNews, em 2016. Em relação ao “projeto”, há o comentário de que se trata de um novo formato de telejornal. Sobre a questão, apresentadora e canal não se pronunciam. Convidados André Marques, Chris Vianna e Paolla Oliveira participaram das primeiras gravações da nova temporada de “Amor & Sexo” na Globo. O programa, mais uma vez comandado por Fernanda Lima, voltará ao ar em 23 de janeiro.

• A direção da Globo está muito satisfeita com os resultados da novela “Totalmente Demais”... • ...E também porque alguns tipos caíram rapidamente nas graças do público... • São os casos dos personagens de Felipe Simas, Marina Ruy Barbosa, Orã Figueiredo e Juliana Paiva... • ...Juliana, a Paiva, que vai ganhar bastante destaque na história, como vilã atrapalhada e ingênua. • Caio Castro não estará em “Haja Coração”, a substituta de “Totalmente Demais”... • ...O ator já foi comunicado oficialmente pela Globo e ficará no aguardo de um próximo convite... • ...Entendeu-se que não tinha muito sentido em ele fazer dois vilões seguidos.

plateia@emtempo.com.br Flávio Ricco

Despedida de Mônica Iozzi do ‘Vídeo Show’

Colaboração: José Carlos Nery

A Globo trabalha com a data de 29 de janeiro, uma sexta-feira, para a despedida de Monica Iozzi do “Vídeo Show”, que deixará a atração por causa das novelas, filmes e teatro. Esta é a informação transmitida há poucos dias para o pessoal do programa e, caso não haja uma outra alteração, a nova companheira de bancada de Otaviano Costa deverá ser conhecida em 1º de fevereiro.

C’est fini O especial “Isso Eu Faço”, no ar em 16 de dezembro na Record, sob o comando de Rodrigo Faro, vai reunir Marcos Mion, Pérola Faria, Ricky Tavares, Sérgio Loroza, Israel Novaes, Scheila Carvalho, Fabíola Gadelha e Nathalia Guimarães. Esse é o time. Faro que viajou a Nova York quinta-feira para uma sequência de gravações do seu programa de domingo. Só volta ao Brasil dia 1º e grava o último da temporada no dia 3. Então é isso. Mas amanhã tem mais. Tchau!

Márcio Braz plateia@emtempo.com.br

O surgimento do quarto mundo

GILMAL

ELVIS

Com o presente título o sociólogo espanhol Manuel Castells pretende sugerir que além das configurações político-espaciais existentes e formuladas sobre o mundo - mundo dos países ricos, mundo dos países em desenvolvimento e mundo dos países pobres – houve, no último quarto do milênio passado, importantes transformações de ordem tecnológica e informacionais que obrigaram os países socialistas e capitalistas a adaptarem-se às novas tendências da chamada “Nova Era” o que acabou culminando naquilo que ele chama de “Quarto Mundo”. O autor pretende analisar as conseqüências ad-vindas deste novo mundo, o mundo do informacionalismo, da Era da Informação, onde, já de cara nos deixa uma advertência: “(...) as novas condições tecnológicas e organizacionais da Era da Informação (...) provocam uma grande reviravolta no velho modelo da procura do lucro como substituto da procura da alma ou do divino”. É importante pensarmos o Quarto Mundo como um espaço de incluídos e excluídos. Quem não estiver “conectado” de forma global com as diferentes atividades humanas, naturalmente se encontrará excluído da nova or-dem. A exclusão não se limita apenas a indivíduos; espaços e territórios também se encontram no jogo macabro de vencedores e perdedores. A titulo de exemplo vejamos o caso da África. É contraditório e ao mesmo tempo fascinante pensarmos em como a região que “pariu” a humanidade é hoje o território mais pobre e “desconectado” do mundo. A falta de mão-de-obra qualificada além

das redes de telecomunicações serem parcas e de tecnologia precária é um exemplo claro da falta de atrativos que a região exerce em outros países do ponto de vista de investimentos. Portanto, se as políticas públicas locais e internacionais não oferecem interesse na solução desses e de outros problemas, os indivíduos fazem de tudo para incluírem-se na Nova Era. Ditadores, pequenos grupos políticos regionais e “alguns nós de gestão financeira e internacional” procuram se aproveitar ao máximo das vantagens oferecidas pelo poder e acabam por fazer parte de redes de conexão como o caso das redes do crime, das drogas, dos grupos de extermínio etc. Segundo alguns dados de especialistas, mais da metade da população africana não tem acesso à internet. O domínio do computador se restringe a pequenas atividades de rotina burocrática; a quantidade de energia consumida na região é pequena o que acaba por não favorecer a rede elétrica e sem eletricidade como fazer parte da revolução informacional? Embora hajam países como a África do Sul que se destaca substancialmente dos seus vizinhos, porém, este acaba por sofrer o estigma e o preconceito de ser “africano”, essa gente exótica, pobre e em extremo estado de beligerância. O que não se difere muito das ideias sobre a Amazônia, condenada a ser uma região eminentemente “primitiva”. Como o próprio autor afirma, a humanidade produz seus próprios anjos e demônios, portanto, já podemos imaginar quando e como o nosso lado mau ataca.

Márcio Braz ator, diretor e cientista social

A exclusão não se limita apenas a indivíduos; espaços e territórios também se encontram no jogo macabro de vencedores e perdedores”


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

DIVULGAÇÃO

Programação de TV SBT

GLOBO

3H45 JORNAL DA SEMANA SBT 5H BRASIL CAMINHONEIRO 5H30 TURISMO & AVENTURA 6H15 ACELERADOS 7H CHAVES 9H15 PEQUENOS CAMPEÕES 10H MUNDO DISNEY 11H DOMINGO LEGAL 13H ELIANA 17H RODA A RODA JEQUITI 17H45 SORTEIO DA TELESENA 18H PROGRAMA SILVIO SANTOS 22H CONEXÃO REPÓRTER 23H SÉRIE: ARQUEIRO 0H15 SÉRIE: TRUE BLOOD 1H BIG BANG

A série “Arqueiro” ganha destaque na programação do SBT aos domingos, com cenas de ação e aventura

Cinema

2H30 IGREJA UNIVERSAL

Bem Casados: BRA. 10 anos. Heitor (Alexandre Borges) é um solteirão convicto que ganha a vida filmando festas de casamento. Durante os preparativos para cobrir mais um casamento ele conhece Penélope (Camila Morgado), uma mulher sensual e independente que está determinada a acabar com a festa antes mesmo que ela comece. A missão de Heitor é garantir que o casamento saia exatamente como os noivos querem. Já para Penélope, a cerimônia é a oportunidade perfeita para executar o seu plano. Juntos, essa dupla surpreendente, e um tanto atrapalhada, dará aos noivos muito mais emoção do que eles jamais imaginaram. Afinal, bem casados só os doces. Cinépolis Millennium 2 – 19h40, 21h45 (somente quarta-feira), Cinépolis Millennium 7 – 22h20 (somente quarta-feira); Cinépolis Plaza 7 – 18h45, 20h50 (somente quartafeira); Kinoplex 2 – 18h50 (somente quarta-feira); Playarte 2 – 19h15, 21h15 (somente quarta-feira).

Victor Fr a n k e s tein: EUA. 12 anos. O cientista Victor Frankenstein e seu brilhante assistente, Igor Strausman, dividem a nobre ideia de ajudar a humanidade com uma recente descoberta sobre imortalidade. Entretanto, o experimento de Victor passa dos limites e sua obsessão gera consequências horríveis. Apenas Igor conseguirá trazer seu amigo de volta a sanidade e salvá-lo de sua criação monstruosa. Cinépolis Millennium 5 – 14h20, 16h50, 19h20 (dub/diariamente), 22h (leg/diariamente), Cinépolis Plaza 6 – 13h50, 16h30, 19h, 21h45 (dub/diariamente; Kinoplex 1 – 16h45, 19h05, 21h30 (dub/ diariamente); Playarte 6 – 14h45, 17h, 19h15, 21h35 (dub/diariamente), 21h30 (leg/diariamente).

ESTREIAS mente), Playarte 7 – 18h40, 21h35 (leg/diariamente), Playarte 10 – 14h, 17h, 20h (dub/diariamente). Como Sobreviver a um Ataque Zumbi: EUA. 14 anos. Cinépolis Plaza 4 – 20h (dub/diariamente), Cinépolis Plaza 8 – 13h (dub/diariamente); Kinoplex 1 – 14h45 (dub/ diariamente); Playarte 8 – 15h20, 19h35, 21h20 (dub/diariamente). O Reino Gelado 2: RUS. Livre. Cinépolis Millennium 7 – 14h (dub/ somente sábado e domingo), 16h (dub/diariamente); Cinépolis Plaza 3 – 13h30 (3D/dub/diariamente); Kinoplex 5 – 13h10 (dub/diariamente). 007 Contra Spectre: EUA. 14 anos. Cinépolis Millennium 6 – 18h10 (dub/diariamente), 15h10, 21h20 (leg/diariamente), Cinépolis Plaza

3 – 21h (dub/diariamente); Kinoplex 4 – 14h, 18h55 (dub/diariamente); Playarte 3 – 16h, 21h (dub/diariamente). O Último Caçador de Bruxas: EUA. 14 anos. Cinépolis Plaza 3 – 15h40, 18h10 (dub/diariamente); Kinoplex 2 – 16h45, 21h (dub/diariamente); Playarte 8 – 17h20, 21h35 (dub/diariamente). Atividade Paranormal – Dimensão Fantasma: BRA. 14 anos. Playarte 9 – 13h15, 15h15, 17h15, 19h15, 21h20 (dub/diariamente). SOS Mulheres ao Mar 2: BRA. 14 anos. Cinépolis Millennium 2 – 15h, 17h20 (diariamente); Cinépolis Plaza 7 – 13h45, 16h20 (diariamente); Playarte 2 – 12h45, 14h55, 17h05 (diariamente).

Horóscopo ÁRIES - 21/3 a 19/4 O dia favorece as questões amorosas e afetivas. Mas, se quiser mes-mo aproveitar esse astral romântico com a companheira, será preciso se abrir para os imprevistos, o amor não vem com bula é preciso ir ta-teando e acertando, esqueça a teoria é hora de viver na pratica. Dedi-que-se de corpo e alma à arte de amar e terá bons motivos para ficar orgulhoso. TOURO - 20/4 a 20/5 O dia pode começar com alguns mal-entendidos que precisam ser es-clarecido, seja o mais verdadeiro possível, e acima de tudo preste atenção no que está atrás de toda esta situação. Não acredite intei -ramente nas boas intenções de algumas pessoas que se esforçam de-mais para te agradar. Tire o dia para ter contato com a natureza, abrace uma árvore, deixe que teus pés tenha contato com a terra. A noite se entregue ao romance. GÊMEOS - 21/5 a 21/6 Compartilhe o que acontece no seu interior, antes que a emoção fale de por si e você fale demais, escolha bem a pessoa para confidenciar suas necessidades. Assuma seus desejos com arte e sedução crie condições favoráveis para que aconteça o que quer. Saiba colocar seus sentimentos com suavidade, mas também firmeza. Se desconhecer o coração por muito tempo, a emoção suas origens e com emoções im-portantes do seu passado. CÂNCER - 22/6 a 22/7 Neste momento a sua necessidade de segurança material e emocional tende a crescer. Estará mais impulsivo (a) com relação aos gastos, e este pode ser o seu calcanhar de àqueles. Nos assuntos do coração, a sua generosidade pode vir à tona. É tempo de se comprometer a viver de acordo com seus valores, com o que você descobriu ser valioso. Evite exageros, seja simples.

4H SANTO CULTO EM SEU LAR 4H30 DESENHOS BÍBLICOS 5H55 DESENHOS BÍBLICOS 6H55 RECORD KIDS · SÉRIE: TODO MUNDO ODEIA O CHRIS 9H DOMINGO SHOW 13H30 HORA DO FARO 17H30 DOMINGO ESPETACULAR 21H A FAZENDA 21H45 REPÓRTER EM AÇÃO 22H30 ROBERTO JUSTUS + 23H15 PROGRAMAÇÃO IURD

ESTREIA

PRÉESTREIA

Jogos Vorazes: A Esperança – O Final: EUA. 14 anos. Cinépolis Millennium 1 – 14h45, 17h45, 20h45 (3D/dub/diariamente), Cinépolis Millennium 3 – 15h30, 18h30, 21h30 (3D/dub/diariamente), Cinépolis Millennium 4 – 14h, 17h (dub/diariamente), 20h (leg/diariamente), Cinépolis Millennium 8 – 19h10 (3D/dub/ diariamente), 16h15, 22h15 (3D/ leg/diariamente); Cinépolis Plaza 1 – 13h15, 16h15, 19h15 (3D/dub/ diariamente), Cinépolis Plaza 2 – 14h45, 17h45, 20h40 (3D/dub/diariamente), Cinépolis Plaza 4 – 14h, 17h (3D/dub/diariamente), Cinépolis Plaza 5 – 15h30, 18h30, 21h30 (dub/ diariamente); Kinoplex 3 – 15h45, 18h30, 21h15 (3D/dub/diariamente), Kinoplex 5 – 15h, 17h50 (3D/ dub/diariamente), 20h40 (3D/leg/ diariamente); Playarte 5 – 12h50, 15h35, 18h20, 21h05 (dub/diaria-

4H07 SANTA MISSA 5H08 AMAZÔNIA RURAL 5H36 PEQUENAS EMPRESAS, GRAN· DES NEGÓCIOS 6H12 GLOBO RURAL 7H09 AUTO ESPORTE 7H45 ESPORTE ESPETACULAR 9H FÓRMULA 1: GRANDE PRÊMIO DE ABU DHABI 10H54 ESPORTE ESPETACULAR ¾CON· TINUAÇÃO¿ 11H20 ESQUENTA 12H50 CINEMA ESPECIAL. FILME: A LENDA DO TESOURO PERDIDO 15H FUTEBOL 2015: CAMPEONATO BRASILEIRO À VASCO DA GAMA X SANTOS 17H TEMPERATURA MÁXIMA. FILME: O APRENDIZ DE FEITICEIRO 18H52 DOMINGÃO DO FAUSTÃO 20H52 FANTÁSTICO 23H10 DOMINGO MAIOR. FILME: COWBOYS & ALIENS 0H46 SESSÃO DE GALA. FILME: BONS COSTUMES 2H23 CORUJÃO. FILME: QUERO 3H49 MENTES CRIMINOSAS 4H11 SÉRIE

RECORD

LEÃO - 23/7 a 22/8 Mudanças são necessárias, livre-se de suas preocupações tomando atitudes positivas para solucioná-las. O período se apresenta positivo para os negócios arriscados e às empresas precipitadas. Viagens, con-tatos com pessoas de lugares distantes e tudo o que estiver relacio-nado com novidades, estará favorecido para você neste dia. Reveja amigos e fique mais tempo ao lado da pessoa amada VIRGEM - 23/8 a 22/9 Quanto mais otimista for, mais fácil será, para que supere o mau hu-mor, assim, evitará atritos, que poderiam terminar em discussões inú-teis. Evite isso, porque muitas serão suas chances de sucesso, no fi-nanceiro. Necessidade de ser mais amado e mais compreendido se mostra neste dia. A expectativa e a ansiedade estarão invadindo o seu interior, controle-se! LIBRA - 23/9 a 22/10 Enormes probabilidades de realizar suas mais antigas esperanças e desejos se apresentarão neste dia. Terá também, aumentos de lucros e muito progresso profissional. Ótimo às novas amizades e ao amor. Aproveite as vibrações dos astros para reforçar seus contatos pesso-ais. ESCORPIÃO - 23/10 a 21/11 Ótimo período para tratar de questões financeiras, profissionais e as-sociativas. Fluxo benéfico para os exames, os concursos, os testes vo-cacionais e os assuntos amorosos, estão protegidos pelos astros. Evi-te ambientes e pessoas com quem você não se sinta bem, pois estará sensível a muitas coisas e o fluxo de energia é alto. SAGITÁRIO - 22/11 a 21/12 Não tenha medo de avançar na vida, é preciso mesmo necessário! Se houver obstáculos, não lhes dê

atenção exagerada, simplesmente siga em frente, pule se for necessário. Faça o mínimo para contorná-los, mas não os enfrente. Quanto mais lutar, mais sua energia se transfe-rirá e mais se perderá. Invista na pessoa amada, carinho, gera carinho CAPRICÓRNIO - 22/12 a 19/1 O dia tende a ser intenso com muito trabalho e atividades não pro-gramadas, coisa que irá te aborrecer, não esqueça que tem um com-promisso no fim do dia poderá retê-lo além do expediente na rua. Em um encontro com amigos poderá ser surpreendido (a) com uma nova paquera e se você se permitir poderá ser muito mais. Dedique um pouco mais de tempo para a família. AQUÁRIO - 20/1 a 18/2 Os problemas de saúde, que vem ocorrendo podem ser resolvidos com medicina alternativa, para relaxar, faça uma sessão de “Reflexologia”. Um bom momento está para começar, a poupar, não se importe com a quantidade e sim com o resultado final. Aja com sabedoria deve rapi-damente pôr fim as situações duvidosas que envolvam sócios, ou par-ceiros. O Cultivo da harmonia deve fazer parte do seu dia a dia! PEIXES - 19/2 a 20/3 É dia de inspiração mental e o resultado será bom, aproveite para es-crever textos profissionais ou colocar a correspondência em dia. Terá um bom desempenho em reuniões. Gaste as suas energias com exercí-cios físicos. Uma mudança no visual virá bem, levante a autoestima com um novo corte e cor nos cabelos. A pessoa amada evita assumir compromissos e isso pode te aborrecer, tenha uma conversa séria.

A Visita: EUA. 14 anos. O filme retrata a história perturbadora de dois irmãos que vão passar férias na fazenda de seus avós e, assim que descobrem que o casal de idosos está envolvido em algo assustador, percebem que as chances de voltar para a casa e à vida normal estão cada vez menores. Cinépolis Plaza 8 – 15h15, 17h30, 19h45 (diariamente); Kinoplex 2 – 14h30 (dub/diariamente), Kinoplex 4 – 16h55, 21h55 (dub/diariamente); Playarte 3 – 14h, 19h (dub/ diariamente); Playarte 7 – 16h30 (dub/diariamente), 21h25 (leg/diariamente).

Cruzadinhas


Plateia D7

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Guto Oliveira gutomosaico@hotmail.com

Moda, negócios e charme

***

Militante do Movimento Pela Legalização da Maconha, Thiago Tomazine

Semana passada foi especial por causa do Dia Internacional do Combate à Violência contra a Mulher. E, nessa data tão importante, uma campanha chamou a atenção: a #StopViolenceAgainstWomen (“pare a violência contra as mulheres”, em tradução livre), do artista satírico e ativista social Alexsandro Palombo. Para conscientizar a população sobre como é muito importante denunciar as agressões sofridas pelas mulheres e sobre o quanto os homens que as praticam são covardes, Palombo criou, dentro dessa campanha, a série #Coward (covarde). São 7 imagens de personagens femininas de desenhos animados (desde Marge Simpson, queridinha do artista, até as princesas da Disney) com os rostos machucados e segurando uma placa com a foto do seu agressor que, no caso, são os seus maridos ou príncipes. *** A presidente Dilma Rousseff vai publicar amanhã um decreto de contingenciamento de R$ 10 bilhões. A medida tornou-se necessária devido a não aprovação da nova meta fiscal deste ano pelo Congresso Nacional. De acordo com a Secretaria de Comunicação Social da Presidência, o mais recente posicionamento do Tribunal de Contas da União obrigou o governo a contingenciar as verbas discricionárias em caso de não aprovação da revisão da meta. A secretaria informou que este não é um problema financeiro, e sim orçamentário. Segundo o Palácio do Planalto, esta é uma situação “absolutamente momentânea”, e uma vez que a revisão da meta for aprovada, a utilização de despesas poderá voltar ao normal.

A jornalista e consultora Maria Prata esteve circulando por Manaus, para apresentar uma palestra com tema, “Moda: Glamour X Carreira e Negócios”. O evento é promovido pelo shopping Ponta Negra, em conjunto com a ABL Consultoria, de Ângela Bulbol de Lima. A jornalista de moda é apresentadora da série Mundo S/A, da Globo News, e com passagem pelas principais revistas de moda do Brasil. Na foto, a jornalista Mazé Mourão, Maria Prata e a anfitriã Ângela Bulbol. A recessão econômica não foi suficiente para reduzir o desmatamento na Amazônia, registrado entre agosto de 2014 e julho de 2015. Em comparação com o período 2013-2014, foi registrado um aumento de 16%. Os dados são do Programa de Monitoramento de Desmatamentos (Prodes), divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente. No ano passado, o desmatamento tinha caído. Nos doze meses, foram derrubados 5.800 quilômetros quadrados da floresta, o equivalente a cerca de quatro cidades de São Paulo. O aumento no desmatamento já vinha sendo apontado por outros levantamentos independentes, como o da ONG Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia).

Câncer é uma das doenças que podem ser tratadas com substâncias extraídas da maconha. Resolvemos fazer a manifestação no mesmo dia, pois assim teríamos outro evento seis meses depois da Marcha da Maconha. Dois atos por ano, para fortalecer o movimento”

No dia 12 de dezembro, Leonardo e Eduardo Costa prometem levar os manauenses a um passeio nostálgico entre as canções que marcaram as décadas de 80 e 90. A turnê assinada pelos cantores leva o nome de ‘Cabaré’ que, desde o ano passado, é sucesso de público em todo o Brasil. No show, uma estrutura impecável e mordomias que só a Fábrica de Eventos oferece. Toda essa mistura não poderia resultar em outra coisa senão em um espetáculo belíssimo e inesquecível. Os cantores se apresentam no pavilhão do Studio 5 Festival Mall, na festa que encerra o calendário de eventos da fábrica, que volta em 2016 com novas propostas e outros desafios. *** A banda Reconnect e o vocalista do

grupo Moinhos de Vento, Caio Camargo, são as atrações deste sábado e domingo, respectivamente, na programação do projeto “Música na Praça”, do Manaus Plaza Shopping. Os shows acontecem na praça de alimentação, com acesso livre, de 19h às 21h.

***

Ainda sobre a palestra no shopping Ponta Negra, as queridas Lúcia Viana, Zenilda Castelo Branco e Adlidez Moreno. ***

*** Atenção, fãs de Quentin Tarantino! Vai ter lançamento de filme em janeiro e o diretor esteve em São Paulo nesta semana para divulgar. O longa se chama “Os Oito Odiados” e estreia no Brasil no dia 7de janeiro. Durante sua passagem pela cidade, Tarantino provou que é bom de garfo – marcou presença nos restaurantes Chez Oscar, D.O.M. e Figueira Rubayat. ***

DIVULGAÇÃO

NOVELA

Destaque na pele de mulherengo SÃO PAULO, SP (FOLHA PRESS) - Em “A Regra do Jogo” (REde Globo), basta tocar “Aonde eu chego é assim / Safadim, safadim / Elas me chamam é assim / Safadim, Safadim” para o público ficar atento ao mulherengo Oziel (Fábio Lago). O perueiro traiu a mulher, Indira (Cris Vianna), com Tina (Monique Alfradique), mulher de seu melhor amigo, Rui (Bruno Mazzeo). “Ele é movido por sentimentos, não pela razão. Ele é orgulhoso e machista. Nem ficar longe dos filhos, que ele tanto ama, pode impedir o Oziel de viver esse amor pela Tina”, fala Lago. “Mas se ela não der o valor que ele acha que merece, ele sai fora também. Oziel se ama”, complementa.

abrir mão.” Enquanto um casal provoca ciúme no outro, o público conhece as verdadeiras intenções dos personagens. Oziel, por exemplo, lida muito bem com as diferenças entre ele e Tina. “Ela é uma patricinha sem grana, e ele é um homem bem-sucedido da comuni-

Veneno Agora, o mulherengo está provando do próprio veneno, pois Indira está se relacionando com Rui. “O Oziel não se importaria de o Rui ficar com a Indira se o amigo não fosse morar na casa que é dele, junto dos filhos dele. Só por isso o Oziel não vai

dade. Oziel tem certeza de que pode fazê-la feliz, mesmo com todas as diferenças. A Tina é atraída mais pelo humor, pela leveza e pela pegada que Oziel tem”, comenta Lago.

DESAFIO O intérprete do perueiro Oziel, Fábio Lago, considera esse papel um desafio e revela que precisou engordar seis quilos para viver o mulherengo. “É um galã que não segue os padrões de beleza”, observa

Sedutor Segundo o ator, o perueiro é um homem comum

com um lado sedutor muito forte. “É um galã que não segue os padrões de beleza, mas que acredita no seu poder de sedução, tem autoestima elevada, sabe as qualidades que tem e como se garantir entre quatro paredes”, diz Lago, que acredita que é esse perfil de homem de que as mulheres gostam mais. “Sou o exemplo vivo e real! O que seria das mulheres sem um cafuçu ou um bom baiano com dendê nas veias e suingue no quadril?”, diverte-se. Fama Nas ruas, Lago é chamado de garanhão, pegador e, segundo ele, há quem peça a receita de Oziel para atrair tanta mulher bonita. “Esse papel é um desafio, e a diretora Amora Mautner e o autor João Emanuel Carneiro confiaram que eu poderia dar empatia e carisma a um homem comum que não malha e tem barriguinha acentuada. Para isso, engordei seis quilos. Oziel não é culto, mas é inteligente e sedutor nato.” Por Alex Francisco

Fábio Lago interpreta o perueiro Oziel na novela “A Regra do Jogo”, e destaca a autoestima do seu personagem


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 29 DE NOVEMBRO DE 2015

EM TEMPO - 29 de novembro de 2015  

EM TEMPO - Caderno principal do jornal Amazonas EM TEMPO