Page 1

R$ EXEMPLAR

2,00 DE ASSINANTE

VENDA PROIBIDA PREÇO DESTA EDIÇÃO

O JORNAL QUE VOCÊ LÊ ANO XXVI – N.º 8.215 – DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES – DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO

CNJ DETERMINA QUE AMAZONAS DESATIVE CADEIA

RICARDO OLIVEIRA

O relatório final do Mutirão Carcerário do CNJ aprovou, por unanimidade dos conselheiros, documento recomendando às autoridades do Amazonas prazo de um ano para a desativação da cadeia pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa. Dia a dia C4

A Ponta Negra é revitalizada e muda a paisagem urbana da cidade. A inauguração deve atrair milhares de pessoas

CARTÃO-POSTAL

O Complexo Turístico da Ponta Negra será entregue hoje com uma grande festa. O calçadão passa a ter 2 mil metros de extensão, ganhando ainda três quadras de vôlei de areia, futvôlei e skatepark. Dia a dia C1 DIEGO JANATÃ

SEGURANÇA

Ronda no Bairro chega a Itacoatiara O município é o segundo a receber o programa de segurança baseado no interior do Estado. Última Hora A2

DIVULGAÇÃO

Circo a céu aberto Um truque de mágica instantânea nos sinaleiros é o artifício do colombiano Carlos Chaves (foto), 55, para ocupar o tempo livre e faturar uma grana extra. Em férias no Brasil, ele chama atenção de forma bem humorada para a importância de conservar os recursos naturais. Dia a dia C2 e C3

8177-2096 DENÚNCIAS • FLAGRANTES

Gisele

Gisele Bündchen (foto) não tem apenas um rosto e um corpo bonito: a modelo brasileira está mostrando sua habilidade como designer de interiores, ajudando na construção e desenho da nova casa de 5 quartos da família, em Brookline, Massachusetts, nos Estados Unidos. Última Hora A2

FALE COM A GENTE - ANÚNCIOS CLASSITEMPO, ASSINATURA, ATENDIMENTO AO LEITOR E ASSINANTES: 92 3211-3700 ESTA EDIÇÃO CONTÉM - ÚLTIMA HORA, OPINIÃO, POLÍTICA, ECONOMIA, PAÍS, MUNDO, DIA A DIA, PLATEIA, PÓDIO, SAÚDE, ILUSTRÍSSIMA, ELENCO E CONCURSOS.

HUDSON BARROS

O outro talento de

HOJE É DOMINGO Formaturas, casamentos e até mesmo as celebrações de Natal e Ano Novo pedem um look mais chic. É essa a proposta da butique do Cagin, que traz toda uma proposta sexy.

PLATEIA A banda mineira Jota Quest é a grande atração da festa de inauguração da Ponta Negra, que contará também com a voz da cantora amazonense Márcia Siqueira.

O Senado do Uruguai aprovou a liberação da maconha no país, que terá a produção e venda controlada pelo Estado. Mas a polêmica continua. Até onde isso é bom ou ruim?

TEMPO EM MANAUS

MÁX.:

35

MÍN.:

23


A2

Última Hora

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Homem assalta coletivo após saída temporária A

pós receber induto de Natal – benefício temporário concedido pela Justiça do Amazonas -, o detento do sistema prisional do Estado, Luan do Carmo Cruz, de 21 anos - o ‘Carapanã’ como é conhecido, foi preso na noite da última sexta-feira (20), ao tentar assaltar um ônibus na rodovia Manoel Urbano (AM010), que levava passageiros de Manaus para o município de Manacapuru, distante 68 quilômetros da capital, Nas ruas à cerca de quatro dias, por conta do bom comportamento na cadeia, onde já cumpre pena por roubo, Luan foi preso por Policiais Militares da 8ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), por volta das 23h. Segundo informações da PM, ele e outros dois homens teriam roubado passageiros do ônibus nas proximidades do quilômetro 6 da rodovia. Porém a tentativa de assalto teria sido frustrada, após passageiros do próprio coletivo mobilizarem o assaltante e controlarem a situação. Os outros dois suspeitos do crime, teriam percebido a ‘reviravolta’

e conseguiram escapar. Por volta das 23h da última sexta-feira, também foi presa uma dupla que conduzia uma moto roubada e portava arma de fogo no bairro Amazonino Mendes 2, Zona Leste de Manaus, por policiais da 27ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Na direção do veículo, da marca CG Honda, placa NOU6858, de cor preta estava Marcos André Fragata da Silva, 19, que levava na garupa, um menor de 16 anos, ambos com passagem anterior pela Justiça. Fuga em Humaitá No município de Humaitá (675 quilômetros da capital), quatro detentos que cumpriam pena em regime fechado aproveitaram uma confraternização de Natal para fugir do presídio. A festa, que foi promovida pela Comissão de Direitos Humanos, começou no fim da tarde, e por volta de 19h30 de sexta-feira, dia 20, faltou energia elétrica no local. Segundo a Polícia Militar, os detentos aproveitaram a oportunidade para pular o muro do presídio. Os detentos cumpriam pena por tráfico de drogas, roubo e homicídio.

Marcos André Fragata da Silva foi preso na noite de sexta-feira, 20, conduzindo uma motocicleta roubada no Amazonino Mendes

ITACOATIARA

PROTESTO

ALEX PAZUELLO / AGECOM

Omar Aziz lança Ronda no Bairro

Itacoatiara é o segundo município do Amazonas a receber o programa, ressaltou o governador

O governador Omar Aziz lançou, neste sábado (21), o Ronda no Bairro no município de Itacoatiara (a 265 quilômetros de Manaus), o segundo a receber o programa de segurança baseado no conceito de polícia comunitária no interior do Estado. Na segunda-feira, 23, o Ronda no Bairro chegará a Parintins (a 369 quilômetros de Manaus). Em Itacoatiara, o governador também destacou os investimentos que o Estado está fazendo na cidade, da ordem de R$ 80 milhões. “Este era um compromisso que eu tinha com o interior. Eu sei que só com viaturas e equipamentos não seria possível fazer o programa funcionar e trazê-lo para o interior. Isso só é possível porque fizemos

todo um planejamento”, afirmou Omar Aziz. A solenidade de implantação do programa aconteceu no 2º Batalhão de Polícia Militar, no bairro Tiradentes. Com 86.839 habitantes, o município recebeu investimento de R$ 2.468.845,80 para capacitação policial, armamentos, equipamentos, radiocomunicação, viaturas, tecnologias e sistemas de informação e mais R$ 1.603.151,35 para construção e reforma das unidades das polícias civil e militar. O efetivo também foi reforçado, passando a contar com 220 policiais, sendo 196 militares e 24 civis, bem como o número de viaturas, que chegou a 33, sendo 14 carros e 19 motocicletas. O governador também entregou ao mu-

nicípio uma nova ambulância do Corpo de Bombeiros. Com a chegada do programa, Itacoatiara está dividida em nove setores, com cobertura tanto do perímetro urbano quanto rural. Na próxima segunda-feira, dia 23, o lançamento acontecerá em Parintins, na praça da Catedral Nossa Senhora do Carmo. Na Ilha Tupinambarana, o efetivo é de 202 policiais, dos quais 182 militares e 20 civis. Foram investidos R$ 3.267.219,04 para construção e reforma das unidades policiais e mais R$ 2.326.788,29 para viaturas, capacitação, equipamentos, armamentos, tecnologias e sistemas e radiocomunicação. O município passa a contar com 30 viaturas.

Mulheres realizam ‘toplessaço’ Com atraso de mais de uma hora, apenas cinco mulheres participaram do toplessaço na manhã deste sábado na praia de Ipanema, na Zona Sul. A primeira participante retirou a parte de cima do biquíni, sob os olhares, assobios e até palavras de baixo calão, durante o protesto, em frente à rua Joana Angélica. Cerca de 200 curiosos acompanharam o ato, que foi marcado pelo Facebook. Uma das participantes foi a estudante de Ciências Sociais Carolina Jovino, de 18 anos. Ela escreveu no corpo a palavra liberdade.”Não tenho como esconder uma parte do meu corpo. Quero que as pessoas me digam por que o meu peito é mais chamativo do que os outros. Estou me sentindo reprimida. Ninguém anda pela praia perseguida por 50 pessoas”. Uma amiga de Carolina, Maria Suprani, de 17 anos, que cursa o ensino médio, ficou preocupada com o assédio, mas não desistiu do topless. “É um preço que se paga. Não há nada que eu possa fazer. Quero liberdade”. A engenheira Denise Limpias disse que é a favor da bandeira. “Essa causa é justa. Acredito que esteja atrasado, porque no Brasil tudo atrasa. Somos o país do peito e da bunda. A gente vê meninas sem calcinha dançando funk. Então, por que não podemos mostrar o peito na praia?”, indaga.

INVESTIMENTO

Gisele Bündchen constrói casa avaliada de R$ 92 mi Gisele Bündchen não tem apenas um rosto e um corpo bonito: a modelo brasileira está mostrando sua habilidade como designer de interiores. Ela está ajudando na construção e desenho da nova casa de 5 quartos da família, em Brookline, Massachusetts, nos Estados Unidos. De acordo como site “US Weekly”, Gisele planeja construir uma sala de ioga e um spa. “Ela sabe como cada quarto vai olhar”, afirmou uma fonte do veículo, sobre a casa de 14 mil metros quadrados. A modelo ainda fala ao arquiteto pela internet para trocar ideias. Para a construção da mansão, a modelo e o marido, o jogador Tom Brady, contrataram cem homens para trabalhar na obra, de acordo com o site “TMZ”. O imóvel será construído em um espaço de 22 mil metros quadrados e será equipado com um spa, estúdio de ioga, piscina, biblioteca e adega. A família Bündchen-Brady já é proprie-

tária de uma casa avaliada em US$ 40 milhões, cerca de R$ 92 milhões, localizada em Los Angeles. Além disso, eles acabaram de comprar um apartamento de três andares em Nova York no valor de US$ 14 milhões (R$ 32 milhões), no condomínio de luxo One Madison Park, na área nobre de Manhattan. De acordo como site “US Weekly”, Gisele planeja construir uma sala de ioga e um spa. “Ela sabe como cada quarto vai olhar”, afirmou uma fonte do veículo, sobre a casa de 14 mil metros quadrados. A modelo ainda fala ao arquiteto pela internet para trocar ideias. Giseli é a modelo mais bem paga do mundo. Na última quinta-feira, 19, publicou uma foto em seu perfil no Instagram da nova campanha que fotografou para a grife Louis Vuitton. A brasileira faturou US$ 42 milhões no último ano, segundo a revista “Forbes”. Gisele ocupa o posto de modelo mais bem paga há 7 anos. DIVULGAÇÃO

JULIANA GERALDO Equipe EM TEMPO

DIVULGAÇÃO PM

Detento estava quatro dias em liberdade e na noite de ontem foi preso após assaltar um ônibus que vinha de Manacapuru

Nova casa da top brasileira Giseli será em Los Angeles


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Contexto 3090-1017/8115-1149

A3

Editorial

marioadolfo@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

Premeditando o breque Não se poderá dizer, em junho de 2014, o que se disse do governo, em junho de 2013: que lhe faltou inteligência para ler, nas redes sociais, o anúncio dos protestos que inundaram as ruas das principais capitais brasileiras. O governo e seus aparelhos foram tomados de surpresa e reagiram com a prepotência do poder de 500 anos de tradição. A violência da primeira reação apenas aumentou a potência das reivindicações e ainda tiraram da escuridão agentes provocadores identificados como black blocs, expressão do neonazismo que se articula no país (sem que a inteligência do governo saiba do que se trata). O governo federal se antecipa e está enviando para as 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 representantes para monitorar demandas de movimentos sociais, pois espera manifestações como as de junho, durante os jogos da Copa. Mas não é só a Copa que estaria ameaçada: o temor do Planalto é que situações de extrema violência, como as ocorridas em São Paulo em outubro passado, ponham em risco a realização do evento, que ocorre às vésperas do início oficial da campanha eleitoral. Segundo o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, o foco do governo é agir, por exemplo, junto a grupos de pessoas e famílias atingidas por remoções forçadas por conta de obras de estádios e mobilidade urbana. Carvalho disse, neste final de semana, que o “plano A” do governo é dialogar. “Nós achamos que nós podemos encontrar uma via de entendimento para evitar os protestos violentos”. A melhor via teria sido atender às reivindicações que inundaram o país, foram proteladas e até desdenhadas pelos Três Poderes da República. O governo e seus agentes vão precisar de um plano B, que não seja a polícia armada na rua.

O presente de Natal dos rodoviários O Sindicato dos Rodoviários está prometendo greve no sistema de transporte coletivo para segunda-feira, 23, às vésperas do Natal. Falta bom senso aos sindicalistas. Paralisação às vésperas do Natal prejudica o comércio inteiro, além da população que se prepara para a festa. A decisão dos rodoviários chega até a ser desumana, se for levado em consideração o fato de que as camadas mais necessitadas da população precisam de ônibus para realizar suas compras natalinas e passar o Natal com seus familiares. Arthur é o alvo No momento em que todos vêm lutando por uma cidade melhor, rodoviários desconhecem o princípio básico do diálogo. A categoria deixa claro que a luta não é por melhores salários ou condições de trabalho, mas sim para desestabilizar a administração do prefeito Arthur Neto. Sem apoio O Sindicato dos Rodoviários passou todo o ano de 2013 ameaçando parar o sistema nas datas mais importantes para a sociedade. Com isso, perde o apoio e o respeito da sociedade, que passa a vê-lo como uma ameaça e não como uma entidade de classe. Ele voltou O ex-governador Amazonino Mendes tem sido visto com frequência em eventos públicos. Ele compareceu à posse de Josué Filho como presidente do TCE e, no dia seguinte, esteve na entrega da Medalha de Honra ao Mérito da Esmam, no TJAM. Atencioso, conversou com amigos. Muitos ficaram até surpresos ao ver Amazonino. Nem tanto, mestre! Na entrega de medalhas NO TJAM, o vice-governador José Melo fez uma verdadeira ode ao ex-aliado Amazonino Mendes, com quem esteve junto em grandes e memoráveis batalhas eleitorais.

Explode coração Melo foi tão convincente no discurso, que Amazonino se emocionou. Ao abraçar o conterrâneo de Eirunepé, o ex-governador soltou a emoção: — Melinho, é muita ternura para meu velho coração! Elton John vem... Os promotores da turnê do cantor Elton John no Brasil confirmaram cinco shows no Brasil em 2014. De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, a primeira apresentação está marcada para o estádio Serra Dourada, em Goiânia, no dia 21 de fevereiro. Ele também passará por Fortaleza (CE), Salvador (BA), Manaus (AM) e Rio de Janeiro (RJ). ...Ou não vem? O problema está justamente aí. Enquanto os organizadores confirmam Manaus, alguns noticiários veiculados em jornais brasileiros dão conta que a produção teria excluído o show de Manaus. Perguntar não ofende Será que até Elton John embarcou na onda (contra o calor) do técnico da Inglaterra, Roy Hodgson?

APLAUSOS

No hospital De acordo com a pesquisa do IBGE, os hospitais do Amazonas registraram 86,1% dos nascimentos no Estado em 2012. Cinema em casa Fortes concorrentes no mercado de televisores, a Samsung e a LG estão lançando TVs de tela curva de 105 polegadas com resolução 4K (também chamada de Ultra HD). A Samsung diz que o seu aparelho é o “primeiro do mundo, o maior e o mais curvado”.

A televisão da Samsung tem resolução de 5.120 por 2.160 pixels (21:9), o que totaliza 11 milhões de pixels. Cinema em casa 2 A televisão da LG não é muito diferente. O modelo chamado 105UB9 tem 105 polegadas, com resolução 4K de 5.120 por 2.160 pixels (21:9), o que totaliza 11 milhões de pixels, exatamente como o aparelho da Samsung.

O display também é curvo para que seja possível assistir a TV quando a pessoa não estiver de frente para o aparelho.

VAIAS

Nova Ponta Negra

regi@emtempo.com.br

hospitais. Mas, no Amazonas, 6,5% dos bebês do Amazonas nasceram em casa em 2012, garante o IBGE.

Bebê em casa O Amazonas tem a maior proporção de nascimentos em residências do Brasil. Em todo o país, 98% dos nascimentos ocorreram em

Regi

Tarifa de táxis RICARDO OLIVEIRA

REPRODUÇÃO

À obra executada na praia da Ponta Negra, que resgata a maior área de lazer de Manaus. O que outros governantes não fizeram em 4 anos, a nova administração fez em um.

Para a tarifa de táxi dos aeroportos e hotéis de Manaus, uma verdadeira exploração. No caso do Tropical Hotel, por exemplo, o preço de uma corrida para qualquer lugar da cidade – até para as zonas mais próximas –, é de R$ 75. Um absurdo.

João Bosco Araújo opiniao@emtempo.com.br

Uma coisa é o que é José Genoíno, nos tempos do autoritarismo militar, pegou em armas como atuante membro da Guerrilha do Araguaia. Ali esteve e agiu em função da sua pessoal ideologia, que o fazia assumir o sonho de fazer do Brasil uma república socialista, como uma Cuba da América do Sul. Muitos estiveram na mesma situação e por lá morreram. Outros conseguiram sobreviver à aventura, longe da possibilidade de virem a derrubar o governo militar. Mesmo sem tomar parte na luta armada, não foram poucos os que se insurgiram contra o poder que não fora instituído sobre a legitimidade democrática, aí incluídos políticos, intelectuais, artistas, líderes sindicais e simples cidadãos. Os mais visados e atuantes, detentores maiores do poder de influir sobre a opinião pública, foram obrigados a recorrer ou a aceitar o instituto de exílio como único meio de lhes assegurar segurança pessoal. Exemplares os casos de Fernando Henrique Cardoso, que mais tarde chegou a presidir a República, de José Serra, de José Dirceu, dos artistas Caetano Veloso, Gilberto Gil, Chico Buarque de Holanda e tantos mais. A opção pela luta armada foi fruto da decisão pessoal de muitos, até porque outros caminhos de luta se ofereciam e foram fartamente adotados. Muito mais eficientes do que as armas de Genoíno, de Dirceu e outros mais, foram as ações políticas de Ulisses Guimarães, de Tancredo Neves, de Teotônio Villela, de Mário Covas, de Fernando Henrique Cardoso e de outros, que, ao fim e ao cabo, com forte apoio popular, nos trouxeram o restabelecimento do Estado Democrático. Hoje

Genoíno, como José Dirceu, se apresenta como autêntico herói nacional e pretende que consideremos sua condenação como vinculada a crimes políticos. Acontece que as sentenças que os atingiram são explicitamente vinculadas a crimes comuns, previstos no Código Penal brasileiro e se referem a ações de corrupção passiva, formação de quadrilha, peculato e outras mais. Ou seja, Genoíno & Companhia não foram condenados, agora, por terem feito oposição, armada ou desarmada, aos governos de exceção. Se assim fosse, com eles estariam também cumprindo pena uma enorme massa de cidadãos, onde se incluiria até a atual presidente da República, que já se admitiu como ex-guerrilheira. O tal processo 470, que ora ainda tramita no Supremo Tribunal Federal, tem como exclusivo objeto o uso abjeto (coincidência semântica) de recursos públicos para conspurcar e desmoralizar um dos poderes da República, o Legislativo, que passou a atuar, na sua maioria, pela força do suborno e não por convicção moral e política. Os crimes de Genoíno, de Dirceu e de toda a caterva só possuem uma dimensão política enquanto visavam vantagens políticas para o grupo que, desde 2002, detém o poder de governo no país e afrontou o Código Penal brasileiro em função da específica motivação de consolidar e de manter por longo tempo esse poder em suas mãos, mas as matérias das ações foram simplesmente criminosas e é apenas por elas que foram julgados e condenados. Para mim, suas intenções teriam que ser consideradas como agravantes. Apenas isso.

João Bosco Araújo Diretor Executivo do Amazonas EM TEMPO

O tal processo 470, que ora ainda tramita no Supremo Tribunal Federal, tem como exclusivo objeto o uso abjeto (coincidência semântica) de recursos públicos para conspurcar e desmoralizar um dos poderes da República, o Legislativo, que passou a atuar, na sua maioria, pela força do suborno”


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Frase

Painel VERA MAGALHÃES

Feliz Natal

A grande dificuldade é que o Judiciário não tem poder de construir prisões, de melhorar prisões. Tudo isso é tarefa do Poder Executivo. O Poder Executivo pelo visto não tem interesse em nada disso. Eu acho que há exemplos no direito comparado que exigiriam uma ação bem mais enérgica e atenta por parte do Ministério Público

Dilma Rousseff fará seu último pronunciamento em rede nacional de rádio e TV amanhã à noite. A presidente fará balanço otimista de 2013, apesar de terminar o ano com aprovação (41%) bem abaixo do pico de março (65%). Vai ressaltar o recorde da menor taxa de desemprego e os cinco pactos propostos após os protestos de junho. Segundo auxiliares, orientada por pesquisas qualitativas, a petista irá falar do Mais Médicos, o programa mais popular criado em seu governo. Tucanos que acompanharam a novela atribuem a Andrea Neves, irmã de Aécio Neves, a decisão final de romper a parceria do presidenciável tucano com o marqueteiro Renato Pereira. ... do ouvido Aliados de Aécio dizem que Andrea, que cuida da imagem do senador mineiro e coordena as questões de comunicação de suas campanhas, reclamou em várias ocasiões da tentativa de Pereira de “impor sua visão” sobre a pré-campanha. Próspero... Chamou a atenção da cúpula petista artigo do ex-governador Paulo Hartung (PMDBES) com críticas ao governo federal e previsões pessimistas para o desempenho da economia nacional em 2014. ... Ano Novo? O ex-presidente Lula e o vice-presidente, Michel Temer, tentam convencer Hartung a ser candidato ao governo capixaba, com apoio do PT, contra Renato Casagrande (PSB). O tom das críticas indica que ele não vai topar entrar na bola dividida com o aliado. Trinca O PT procura alguém para ser responsável pela criação de TV da propaganda de Alexandre Padilha na campanha. Essa pessoa, que deverá passar pelo crivo de João Santana, dividirá o comando da comunicação com os jornalistas Eduardo Oinegue e Valdemir Garreta.

Habitué Colaboradores garantem que Geraldo Alckmin (PSDB) ainda não escolheu Nelson Biondi como seu marqueteiro. Mas, entre segunda e sexta-feira, o publicitário esteve três vezes no Palácio dos Bandeirantes. Às claras Biondi, que tem contrato com o PSDB, mas nenhum vínculo formal com o governo, circula com desenvoltura pelo palácio. Poço Em conversa recente com um governista, a presidente da Petrobras, Graça Foster, se queixou dos ruídos na definição da política de preços dos combustíveis. Cotação Graça demonstrou insatisfação com o desfecho do episódio e confessou que teme que haja nova onda de rebaixamento da classificação de risco da empresa nos próximos meses. Dois em um Às vésperas da reforma ministerial, a cúpula do PMDB diz que indicar Vital do Rêgo (PB) para a Integração Nacional atenderá às duas bancadas do Congresso. A mãe do senador, Nilda Gondim, é deputada federal.

Joaquim Barbosa, presidente do STF, considera que o Ministério Público deveria atuar de forma mais “enérgica” para garantir investimentos em penitenciárias e lembra que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos cobrou providências do governo brasileiro em relação às mortes em presídio do Estado do Maranhão.

“Melhor e mais econômico”, diz um cacique. Clima... Durante confraternização no Palácio da Alvorada, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reclamou com Ideli Salvatti, diante de testemunhas, que a ministra garante a deputados a liberação de emendas, mas não avisa os titulares das pastas.

Olho da Rua opiniao@emtempo.com.br

FOTO LEITOR

... quente Irritados com o ruído, parlamentares se queixam ao líder do partido, e atribuem a culpa aos ministros, que não têm recursos do Orçamento para fazer a liberação. A estratégia é chamada por parlamentares de “cheque sem fundo’’. Que tal? Em tentativa de aproximação com o PR, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, indicou recentemente a dirigentes do partido que abrirá espaço para a sigla em seu governo na reforma do secretariado que deve fazer no início do ano. Hoje, não A legenda se reuniu e decidiu que não quer cargos por enquanto, mas aceita reabrir o debate a partir de fevereiro. O objetivo é incluir na negociação a aliança para a eleição estadual.

Mas era só o que faltava. Depois de tanto dinheiro público investido (desta vez, sim, investido) no tratamento dos “divãs do estresso”, que já estão aparecendo bem na foto, vem um motoqueiro suado aproveitar a fresca desse módulo que fica na avenida Constantino Nery, com a maior cara limpa, quer dizer, não esconde nem a placa

Dom Sergio Eduardo Castriani

Tiroteio

opiniao@emtempo.com.br

Lula quer morar no Recife porque o IPTU e a passagem de ônibus dos governos do PSB são mais baratos que os de Haddad, do PT. DO LÍDER DO PSB NA CÂMARA, BETO ALBUQUERQUE (RS), sobre o ex-presidente dizer que vai se “mudar” para Pernambuco para enfrentar Eduardo Campos.

Contraponto

Apertem os cintos Fernando Collor (PTB-AL) contou aos colegas da Comissão de Infraestrutura do Senado, no dia 12, sobre a viagem que fez à África do Sul com Dilma Rousseff e outros ex-presidentes. Collor revelou que um dos assuntos do avião presidencial foi a proibição de doações eleitorais por empresas, mas evitou dar detalhes sobre a conversa. “Estivemos 23 horas voando, conversando sobre assuntos os mais variados. Naturalmente, assuntos que, por mim, ninguém jamais ficará sabendo!” disse Collor, rindo. Publicado simultaneamente com o jornal “Folha de S.Paulo”

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

3090-1001 circulacao@emtempo.com.br

Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

www.emtempo.com.br

@emtempo_online

Diretor de Redação Mário Adolfo marioadolfo@emtempo.com.br Editora-Executiva Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa — MTB 626 michelegouvea@emtempo.com.br Diretor Administrativo Leandro Nunes administracao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

Gerente Comercial Gibson Araújo comercial@emtempo.com.br EM Tempo Online Yndira Assayag — MTB 041 yndiraassayag@emtempo.com.br

/amazonasemtempo

/tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Bárbara e Luzia Em dezembro, a igreja celebra estas santas, duas jovens assassinadas brutalmente pelo fato de serem cristãs e de terem rompido com as tradições romanas colocando em primeiro lugar e de forma radical a sua adesão a Jesus Cristo. Quase meninas derramaram o seu sangue e aqueles que as mataram o fizeram por ódio a fé que professavam. A igreja nasce e cresce não só pelo testemunho dos apóstolos, pela reflexão dos doutores, pela ação dos que curam e fazem milagres, mas também pelo sangue dos mártires. O seu culto atravessa séculos e chega até os nossos dias. A elas foram sendo associadas situações humanas que tem necessidade do auxilio do alto, uma a proteção durante os temporais, a outra a cura das doenças dos olhos. Caminhando nas procissões feitas em honra destas heroínas da fé sente-se em primeiro lugar a piedade popular, a confiança no auxilio que vem do céu, uma fé com mais sentimento que razão, com raízes culturais profundas. Ao mesmo tempo os cantos, as reflexões colocam o pé no chão da realidade. Nas procissões que participei, a palavra de Deus foi proclamada, a fé foi testemunhada, e os grandes temas da evangelização no mundo de hoje foram relembrados. Fizeram-se orações pela juventude, que no ano que está terminando foi protagonista da ação da igreja. Foram lembrados os jovens que morrem prematura e violentamente, mas também os jovens que sonham com um mundo melhor e se lançam na luta por ele. A presença de um grande número deles nestas manifesta-

ções de fé mostra o presente, mas também o futuro da igreja. Outros temas e situações foram lembrados. Paramos em frente a postos de saúde e casas de idosos e rezamos pelos doentes e pelos que cuidam deles. Fizemos reflexões sobre o meio ambiente diante de lixo acumulado, rezamos pelas nossas comunidades tão ameaçadas pelo individualismo, pelo consumismo e, sobretudo, pela violência que brota do crime organizado, invisível, mas atuante. O povo rezou também pelas autoridades, pelos que tem poder, para que o exerçam em vista do bem comum. Pedimos pelo fim da corrupção, da prepotência, do autoritarismo e da injustiça. Tudo termina ou começa pela Eucaristia, memória da morte e ressurreição de Jesus, sacramento do amor e da aliança entre Deus e a humanidade, certeza de que o Cordeiro imolado é o vencedor. É preciso participar destas manifestações de fé para vislumbrar para onde e por onde caminhamos. Somos um povo religioso, para nós a presença de Deus é evidente e se manifesta de diversas maneiras. Mas é, sobretudo, na fidelidade radical dos inocentes que a força e poder de Deus transformam. Bárbara, Luzia e junto com elas, Cecília, Agueda e centenas de outras mulheres são símbolos que atravessam gerações de cristãos, protegendo, intercedendo, curando, mas acima de tudo inspirando vidas que querem ser vividas plenamente no seguimento de Jesus. Natal é celebração do mistério do amor que se encarna e se faz história, a ponto de derramar o sangue que redime e salva. Feliz Natal.

Dom Sergio Eduardo Castriani Arcebispo Metropolitano de Manaus

Bárbara, Luzia e junto com elas, Cecília, Agueda e centenas de outras mulheres são símbolos que atravessam gerações de cristãos, protegendo, intercedendo, curando, mas acima de tudo inspirando vidas que querem ser vividas plenamente no seguimento de Jesus”


Política

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

A5

A ‘síndrome’ que afeta o cargo de vice-prefeito

Há uma década que a dobradinha vem azedando antes mesmo do primeiro ano de gestão. O que está acontecendo? ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Arthur Neto e Hissa Abrahão, prefeito e vice-prefeito de Manaus, respectivamente, viviam, até o primeiro semestre deste ano, em harmonia e comunhão com o mandato. Mas, a relação azedou DIEGO JANATÃ

ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

N

a semana passada um desentendimento político entre o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), e o seu vice-prefeito, Hissa Abrahão (PPS), levantou a questão sobre as sucessivas desavenças que as duas funções vêm demonstrando nos últimos 12 anos. O choque de gestões iniciou-se na administração de Alfredo Nascimento (PR), que tinha como vice o atual Omar Aziz (PSD), seguida por Serafim Corrêa (PPS) e Mário Frota (PSDB), passando por Amazonino Mendes (PTB) e Carlos Souza (PSD), e chegando até a gestão atual. O slogan “Experiência e Juventude”, lançada por Arthur Neto e Hissa Abrahão durante a campanha eleitoral de 2012 começou a mostrar falência na semana passada, quando o tucano determinou que todos os seus secretários que desejassem se candidatar em 2014 deixassem o cargo até o último dia 15. Hissa era secretário municipal de Infraestrutura, e chegou a lançar seu nome para disputar o governo no ano que vem, mas não quis deixar a pasta. A situação gerou um desconforto dentro do Executivo, e Arthur exonerou o vice-prefeito do cargo. Apesar das afirmativas de Arthur em ressaltar que a situação não ocasionaria um incômodo entre os poderes, o que se viu durante a semana foi um clima tenso. O prefeito chegou a declarar que a atitude de Hissa em querer sair candidato era “imatura”. Na última terça-feira, 17, durante coletiva de imprensa para posse de novos secretários, Arthur foi mais ameno e disse que Hissa foi exonerado do cargo, mas que antes de tomar a decisão conversou várias vezes com o vice-prefeito e até chegou a achar que ele permaneceria

no governo. “Essa medida de sair candidato foi um desejo dele e eu respeito inclusive, lhe envio toda sorte do mundo, que caminhe com segurança e faça disso um mecanismo de crescimento. Mas a regra é inflexível e eu cumpri. Quero ao meu lado gestores, e aqueles que planejam sair candidatos deixo livres para começarem suas articulações”. O prefeito ressaltou também que Hissa permanece na função de vice-prefeito e a opção por afastá-lo da Seminf foi por questões organizacionais. “Quero deixar claro que isso não atrapalha em nada nosso trabalho na administração da cidade. Hissa é um rapaz jovem, sagaz e que fez um excelente

RACHA

Em 1996, Omar Aziz, foi eleito vice-prefeito na chapa com Alfredo Nascimento. Em 2000, foram reeleitos. Mas, ambos tiveram um atrito e, em 2002, Omar deixou a PMM para disputar a vice-governança trabalho da pasta de infraestrutura”, declarou Arthur. No dia seguinte, Hissa realizou outra coletiva de imprensa alegando que foi mal-interpretado pela imprensa quando foi à Câmara Municipal de Manaus, em julho deste ano apresentar o cronograma de obras. “Eu não disse que seria candidato. Apenas fui questionado sobre possíveis eleições”. Na mesma coletiva, Hissa ocasionou um desconforto quando declarou que não era subalterno politicamente de nenhum político, e sua possível candidatura dependeria de uma conversa com o partido. Cabo de guerra Antecessor ao governo de

Arthur e Hissa, os políticos Amazonino Mendes e Carlos Souza também se desentenderam na administração de Manaus. Em 2011, Carlos entregou sua carta-renúncia após passar 2 anos no cargo. À época, o atual deputado federal comentou a interlocutores próximos que Amazonino não lhe deu espaço para trabalhar dentro da prefeitura, e também não lhe estendeu a mão durante o episódio do “Caso Wallace”, quando seu irmão, o ex-deputado estadual Wallace Souza foi acusado de chefiar um grupo de extermínio na cidade. Para evitar maiores complicações, Carlos se lançou candidato a deputado federal, ganhou e decidiu deixar o Executivo. Já na administração de Serafim Corrêa e Mário Frota, a situação foi bem mais complicada. Explosivo, Mário deixou às claras todo o desentendimento que ocorria dentro da Prefeitura de Manaus à época, e declarou que até hoje a relação com Serafim é fria e formal. “O meu desentendimento com o Serafim foi porque durante a campanha recebi a promessa de que iríamos fazer uma administração parceira, mas quando assumimos, ele não me deu espaço para nada. Não participei de nenhuma escolha de secretário ou diretor”. Hissa, precipitado Para Mário Frota, a situação dele com Serafim é bem diferente da que ocorre hoje, onde de acordo com o tucano, Hissa agiu de forma precipitada ao querer alçar voos mais altos. “Paciência é um exercício, e Hissa deveria saber esperar. O Arthur deu a ele a secretaria de maior visibilidade, o que poderia lhe render uma boa experiência. Diferentemente de mim que quando estava na prefeitura me resumi a uma sala com poucos móveis e uma garrafa de café”, declarou.

Deputado federal Carlos Souza se sentiu “esquecido” e sem espaço na prefeitura de Amazonino

Tefé vive dilema parecido No município de Tefé (a 674 quilômetros de Manaus), a situação também é complicada. A vice-prefeita da cidade, Icleia Rego Pessoa (PTN), nos últimos meses vem travando uma briga com o prefeito, Anderson Paz (PSD), o acusando de corrupção e desvio de verbas. Durante dois dias em que ocupou o cargo

de prefeita, na ausência de Anderson, Icleia exonerou a primeira-dama de Tefé, que ocupava o cargo de secretária de Finanças e Administração do município. Ao tomar conhecimento do caso, Anderson retornou à cidade e como represália exonerou todos os assessores da vice-prefeita e mandou

passar uma corrente com cadeado na sala que Icleia ocupava na prefeitura. “Estamos travando uma guerra de foice naquela região. Tentei conversar com o prefeito por várias vezes para saber o que estava ocorrendo, mas ele dizia que quem administrava a cidade era ele, eu só era a vice”, contou. TIAGO CORRÊA/DIRCOM/CMM

Vereador Mário Frota (PSDB) foi vice-prefeito na chapa de Serafim Corrêa e os dois brigaram


A6

Política

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR

Cláudio Humberto COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS

www.claudiohumberto.com.br

Não ofereci trabalho para o ministro, mas para o presidiário” JOSÉ GERARDO GROSSI, advogado que está disposto a empregar José Dirceu

Congresso não pode anular ato do STF, diz ministro O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Marco Aurélio, advertiu que o Congresso não tem poder de cassar ato jurisdicional. Ele se referiu a ameaça do presidente da Câmara, deputado Henrique Alves, de anular decisão do Supremo Tribunal Federal por meio de um decreto legislativo, caso os ministros confirmem a tendência de proibir doações financeiras de empresas privadas para campanhas políticas, Lição de Direito Marco Aurélio explicou que a decisão do TSE redefinindo o número de deputados, derrubada por decreto legislativo, era um ato administrativo. Torre de Babel O presidente do TSE não crê em crise entre os poderes: “A não ser que vingue a Babel, e aí veremos o estágio democrático em que estamos”. Papel do Supremo Marco Aurélio chama de “arroubo de retórica” as críticas de Henrique Alves: “O STF cumpre seu dever de guardião da Constituição”. Quem legisla Além de Henrique Alves, Renan Calheiros criticou o STF e também o TSE, reclamando da “usurpação” do papel legislativo do Congresso. Coreia do Norte quer os velhos Mirage do Brasil O surrealismo é parte do cotidiano cruel na ditadura comunista da Coreia do Norte, agora interessada nos caças Mirage “aposentados” pela FAB e que serão substituídos pelos suecos Gripen. Quem garante é o jornalista

francês Franck Guillory, da revista on-line JOL Press, de Paris. O ditador Kim Jong-un quer montar um “esquadrão kamikaze” à moda japonesa, com suicidas levando bombas nos caças franceses. ‘Segredo de Estado’ A negociação, diz ainda o site, é “sigilo total”, por conta das sanções da ONU contra a Coreia do Norte, desafiando Washington e Moscou. Feira da pechincha Um general representante do maluco-filho da Coreia do Norte viria a Brasília nos próximos dias, para oferecer US$ 7 milhões por 12 caças. Panela de pressão Pyongyang não revelou ao Brasil o objetivo da aquisição, mas exigiu a preservação dos sistemas de voo e ataque dos caças para lá de usados. Copa importa Quando os entrevistadores do Instituto Paraná Pesquisas perguntaram a 2.250 brasileiros se apoiariam protestos durante a Copa do Mundo, eles se dividiram: 47% para cada lado, com indecisão de apenas 6%. A pesquisa foi feita entre os dias 3 e 7, em 158 municípios de todo país.

Soberba Líder do PTB, Jovair Arantes (GO) critica a “soberba do governo” que, para ele, pode levar Dilma a perder apoio: “Eles dizem querer nossa participação, mas não adianta dar ministério um mês antes da eleição”. Autistas na política O ex-presidente Lula já nem se surpreende: escuta de ministros, lideranças partidárias, movimentos sociais e sindicalistas reclamações sobre a falta de diálogo no governo Dilma Rousseff. Remédio salvador O especialista em turismo Geraldo Bentes ficou preocupado quando o barbeiro, em Brasília, disse que seus cabelos estão caindo. Mas caiu na gargalhada com o “remédio” sugerido: “Use boné do Fluminense...”

Flutuando em 2014 Lá vêm os pisos flutuantes da Presidência da República, “que, desgastados, afetam a saúde dos usuários e não condizem com a nobreza dos

Na Morales Já invejamos a Bolívia, que lançou um satélite segurado contra micos explosivos e exibiu o lançamento. O Brasil nem sabe onde caiu o seu.

Cassado por falta de decoro, após se deixar fotografar vestindo apenas cueca e casaca, Baeta Neves, do PTB, ouviu do colega de partido, Segadas Vianna: – Ô Baeta, como é que você se deixou fotografar assim? – Sacanagem do fotógrafo. Disse que a foto era só da cintura para cima e agora olha eu aí, sem calças e sem mandato – lamentou o ex-deputado.

sxsx

Contradição O senador Paulo Bauer (PSDB) ironiza o fato de o PT ter perdido as últimas eleições em SC, onde o comércio responde por 59% do PIB: “Onde tem gente trabalhando, Partido dos Trabalhadores não tem vez”.

Bem na fita O líder do PRB, George Hilton (MG), é cotado no Planalto para o cargo de vicelíder do governo em 2014 após defender, nas reuniões, a ordem da presidente Dilma de engavetar projetos que custam caro.

Olha o passarinho!

sxsx

palácios”: R$ 203 mil foram reservados para trocá-los.

Dirceu, o bibliotecário José Dirceu, 67, terá que trabalhar até os 150 anos para pagar a multa imposta pelo STF no processo do mensalão, com os 30% recolhidos do salário de bibliotecário no escritório do advogado José Gerardo Grossi.

PODER SEM PUDOR

sxsx

Jornalista

No início do segundo semestre de 2013, Brasília foi palco de diversas manifestações de ruas

Congresso adia pauta das ruas para ano que vem Propostas consideradas prioritárias pelos parlamentares durante as manifestações de junho e julho ficam no papel

A

s manifestações de junho e julho, que levaram cerca de 2 milhões de pessoas às ruas em todo o país, não surtiram o efeito desejado nos deputados e senadores. Quase seis meses após as mobilizações populares, boa parte dos projetos diretamente ligados às reivindicações não virou lei e, com alguma sorte e boa vontade dos congressistas, só será votada em 2014. O prognóstico não é dos melhores: em ano eleitoral, o Legislativo não costuma votar temas delicados. Propostas como transformar corrupção em crime hediondo e a instituição do passe livre estudantil nacional, que embalaram os protestos, ainda não saíram do papel. O Senado diz que fez sua parte e culpa a Câmara, que joga a responsabilidade para o Planalto, acusando-o de monopolizar a pauta. No auge das manifestações, a Câmara e o Senado aprovaram uma série de projetos. No entanto, com o fim das manifestações pelo país – em especial em Brasília -, o sentimento de urgência dos parlamentares diminuiu. Enquanto os deputados lidam com uma pauta trancada por urgências constitucionais desde agosto – primeiro com o Código de Mineração, depois com o Marco Civil da Internet

-, os senadores, que tiveram postura mais ativa no primeiro semestre, mudaram o foco para outras propostas, como a minirreforma eleitoral e a restrição à criação de partidos políticos. Diretor de documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antonio Augusto de Queiroz avalia que o Congresso não ouviu a voz das ruas na dimensão que se esperava. Ele

OBSTÁCULO

Para o presidente da Câmara, deputado Henrique Alves (PMDBRN), a culpa é das urgências constitucionais que trancaram a pauta como o principal obstáculo para o avanço da pauta das ruas citou projetos como a ficha limpa para servidor público, a transformação da corrupção em crime hediondo, o passe livre para estudantes de modo geral no transporte coletivo e o fim das aposentadorias de juízes e promotores punidos administrativamente como temas que ficaram pendentes. “Tem uma agenda grande de pendências enviadas pelo governo e propostas de parlamentares para dar

resposta às ruas”, afirmou. De julho para cá, deputados e senadores avaliam como avanços o fim do voto secreto para análise de vetos presidenciais e processos de cassação de parlamentares, por exemplo. Também consideram que a minirreforma eleitoral aprovada vai diminuir o custo das eleições e o projeto que limita a criação de partidos deve ajudar a moralizar a política. “Este vigor legislativo voltado para a sociedade e não para grupos também foi verificado logo após a volta do civismo no meio do ano. Aprovamos mais de 40 propostas em menos de 20 dias, dando respostas às demandas das ruas, muitas delas, como todos sabem, ainda tramitam na Câmara dos Deputados”, afirmou o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Em balanço feito em plenário, Renan listou uma série de projetos aprovados pelo Senado que ainda estão parados na Câmara. Entre eles, o Código de Proteção do Usuário de Serviço Público, a proposta que torna hediondo o crime de corrupção, a ficha limpa para servidores dos três poderes, o Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano de Passageiros (Reitup), para desonerar o custo do transporte coletivo, e a perda automática do mandato de parlamentar.


Política

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

A7

Mirza TELMA

‘Procuro CONCILIAR JUSTIÇA, Direito e bom senso’

FOTOS: IONE MORENO

LUANA GOMES Especial EM TEMPO

A

Desde criança, quando nem entendia o que era ser juiz e perguntavam: ‘O que você vai ser quando crescer?’, sempre repondia: juíza. Então, à medida que amadurecia, a decisão de estudar Direito e me tornar magistrada foi definida”

pesar dos 24 anos como magistrada, a juíza Mirza Telma de Oliveira Cunha, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri do Amazonas, mostra que o tempo de experiência não ‘congelou seu coração’. Nos anos de carreira, ela contabiliza vários julgamentos marcantes, como o caso da menina Ana Vitória Ramos Mota, vítima de espancamento e violência sexual em março de 2010; do menino Mateus Alves Gomes, atropelado no mesmo ano enquanto assistia à procissão de Santo Antônio na calçada da casa da avó; e mais recentemente, envolvendo a família Belota, onde três pessoas da mesma família foram mortas a mando de um parente. De acordo com Mirza Telma, é preciso “conciliar Justiça, Direito e bom senso” para despachar uma sentença com imparcialidade. No currículo, ela conta com a graduação em Direito e pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), além da pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil pelo Centro Universitário de Ensino Superior pelo Amazonas (Ciesa). A vida como magistrada é corrida – tanto que ela concedeu a entrevista ao Amazonas EM TEMPO por e-mail – e muitas vezes dificulta a conciliação da vida pessoal com a profissional, mas a juíza garante que a família compreende, respeita e apoia sua escolha em trabalhar na área. EM TEMPO - Em que momento da sua vida a senhora decidiu pelo ramo do Direito e pela carreira na magistratura? Mirza Telma - Desde criança, quando nem entendia o que era ser juiz e perguntavam: ‘O que você vai ser quando crescer?’, sempre respondia: juíza. Então, à medida que amadurecia, a decisão de estudar Direito e me tornar magistrada foi definida. EM TEMPO - Durante sua graduação, a senhora já havia definido seu foco jurídico ou isso só ocorreu quando foi necessário sair da teoria para a prática? MT - Quando passei no concurso público, em 1989, fui trabalhar em comarcas do interior do Amazonas e atuava em todas as áreas. Em 1995, fui provida para a capital e designada para atuar na 4ª Vara Criminal, quando me apaixonei pela área Penal. Fiquei nessa Vara por 10 anos. Requeri remoção para o 14º Juizado Especial Criminal, entretanto, apesar de

gostar de trabalhar no Juizado (que trata de crimes de menor potencial ofensivo), sentia falta da agitação e da dinâmica da Vara Criminal Comum. Desde que fui promovida, muitas vezes respondi por uma das Varas do Tribunal do Júri e me encantei pelo trabalho, passando a dizer que quando vagasse uma das Varas iria pedir remoção. Em 2008, o tribunal transformou o 14º Juizado Especial Criminal, no hoje 15º Juizado Especial Civil, logo a seguir, em dezembro de 2009, o então juiz titular do 1º Tribunal do Júri, Aristóteles Thury, foi promovido a desembargador. Assim, pude realizar meu desejo e pedi remoção, assumido a Vara em março de 2009. EM TEMPO - É possível dizer que o curso de graduação consegue atender todas as areas necessárias para a carreira da magistratura? O que não se aprende em sala de aula? MT - A graduação, por melhor que seja, nunca poderá dar a experiência que você adquire ao longo dos anos passando por todas as etapas, dentre as quais viver no interior. O convívio com os processos, réus, vítimas, familiares e advogados nos ensina a saber como lidar com o trabalho diário, sem permitir envolvimento da vida familiar. Também vale citar a amizade e companheirismo com os funcionários, afinal, passamos o dia todo juntos e sem eles não conseguiria fazer meu trabalho de forma tranquila, segura e, na medida do possível, agradável para todos. Tudo isso se aprende e amadurece no dia a dia do trabalho da Vara. É claro que, por meio da faculdade, obtive o conhecimento necessário para alcançar o objetivo hoje concretizado, salientando que os anos de estudo na minha saudosa ‘Jaqueira’ (antigo prédio da Faculdade de Direito, Centro de Manaus) foram um dos períodos mais felizes da minha vida. EM TEMPO - Quais os maiores obstáculos enfrentados na profissão? MT - O maior obstáculo enfrentado foi no início da carreira, onde permaneci, no período de um ano, longe da minha família, em uma comarca distante no interior, em Santo Antonio do Içá, no Alto Solimões. Entretanto, foi muito gratificante, pois até os dias de hoje mantenho contato e amizade com pessoas que lá conheci. EM TEMPO - Qual julgamento marcou a sua carreira? E qual apresentou fatos mais curiosos? MT - Tive vários julgamentos que marcaram minha carreira.

Dentre os mais recentes, posso ressaltar o caso de uma criança de cerca de um ano e quatro meses, que foi torturada e morta pela mãe; o acidente de trânsito que matou uma criança e feriu mais quatro mulheres, que assistiam a uma procissão; e o do dia 21 do mês passado (julgamento dos réus Jimmy Robert Brito, Rodrigo Alves e Ruan Pablo acusados pelos assassinatos em janeiro deste ano da coordenadora de Relações Internacionais da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), Maria Gracilene Belota, 59; da filha dela, Gabriela Belota, 26; e de Roberval Roberto de Brito, 63, pai de Jimmy Robert). Quanto a fatos curiosos, lembro de alguns, como um dos primeiros júris que presidi, quando ainda atuava no interior, em que o advogado de defesa gastou quase todo seu tempo falando das formigas de Novo Airão. EM TEMPO - Como conciliar a vida pessoal e profissional? Houve momentos que a senhora viu sua família ser ameaçada devido a sua postura nos tribunais? MT - É difícil conciliar, tanto pelo tipo de atividade quanto pelo volume de trabalho, mas minha família, apesar de todos se preocuparem, compreende, respeita e apoia minha escolha em trabalhar nesta área. Quanto a ameaças, já passei por isso. Foi e é muito difícil, pois, apesar de atualmente não ter conhecimento de nenhuma ameaça direta, sei que existem pessoas que não compreendem que apenas cumpro meu dever e, ao cumpri-lo, procuro fazê-lo de forma justa, sensata e dentro do Direito. EM TEMPO - A senhora já mostrou extrema sensibilidade nas leituras de sentença. Alguma vez essa emoção foi alvo de críticas? MT - Sim, um blog, que prefiro não citar o nome, divulgou que, ao chorar durante a leitura da sentença do julgamento do caso do atropelamento de uma criança que assistia a uma procissão, não sabia se eu chorei pela criança ou pelo réu. Isto me magoou profundamente. Só uma pessoa inteiramente insensível não se comoveria com a morte tão trágica de uma criança e com o sofrimento dos seus pais e familiares. EM TEMPO - Como despachar uma sentença com imparcialidade? MT - Quando instruo os processos, tenho contato direto com réus, famílias, vítimas – quando sobreviventes – e testemunhas. Assim, tenho a oportunidade de melhor avaliar as pessoas e o fato, sentir a

prova. Isto ajuda quando vou proferir minhas decisões, não esquecendo de analisar todos os tipos de provas existentes nos autos. Desta forma, procuro conciliar Justiça, Direito e bom senso. EM TEMPO - Quais as competências de quem assume o Tribunal do Júri? O que o diferencia de outras Varas? MT - A competência do Tribunal do Júri é julgar crimes dolosos contra vida, aqueles crimes em que a pessoa tem a intenção de cometer um homicídio, podendo este ser tentado ou consumado. A diferença fundamental é que quem julga é o povo, representado pelo Conselho de Sentença, formado por sete pessoas, escolhidas a cada júri. Esta é a maneira mais democrática de julgar, porque o crime que se julga é o mais grave que existe, por tratar-se do bem maior do ser humano: a vida. E são os representantes do povo que decidem se condenam ou absolvem o réu. EM TEMPO - O que motiva a impunidade? MT - A questão da impunidade não se restringe unicamente ao Amazonas, mas sim a todo o país. Na minha opinião, vários fatores contribuem para isso, desde questões estruturais nas secretarias de segurança, no Judiciário e sistema prisional. EM TEMPO - Quais medidas devem ser adotadas para que a sociedade, como um todo, confie no Poder Judiciário? MT - Isso depende de vários fatores. Entretanto, acredito que a aproximação do Judiciário com a população contribui bastante para isso, sendo exatamente o que a atual administração do nosso tribunal vem fazendo, mostrando o trabalho dos juízes e servidores, utilizando-se da inteira transparência em todas as ações. EM TEMPO - Que conselho a senhora daria a quem cursa Direito e pretende ingressar na magistratura? MT - Quem pretende investir na carreira da magistratura deve, em primeiro lugar, analisar se é realmente o que almeja, pois para se tornar magistrado, além de muito estudo, precisará ter estrutura para lidar com o emocional e sabedoria para conviver e julgar as mais diversas situações. Deve saber que viverá no interior do Estado, até ser promovido para a capital. Ressalto que, apesar de difícil às vezes, tem muita coisa boa no interior e, sabendo aproveitar o que tem de melhor, a vida será bem mais fácil e gratificante.

É difícil conciliar, tanto pelo tipo de atividade quanto pelo volume de trabalho, mas minha família, apesar de todos se preocuparem, compreende, respeita e apoia minha escolha”

Só uma pessoa inteiramente insensível não se comoveria com a morte tão trágica de uma criança e com o sofrimento dos seus pais e familiares”


A8

Política

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Interior do AM no roteiro de ‘férias’ dos deputados Pelo menos 14 parlamentares deverão viajar pelas calhas do Estado para fortalecer suas bases eleitorais, em janeiro RAPHAEL LOBATO Equipe EM TEMPO

C

om a proximidade das eleições e a preocupação em amarrar eleitores para garantir a renovação do mandato legislativo, seja na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), seja para a Câmara Federal, a maioria dos deputados estaduais consultados pelo EM TEMPO vão aproveitar o recesso parlamentar para visitar suas bases eleitorais no interior do Estado. As “férias” legislativas iniciaram na última sexta-feira e termina dia 6 de fevereiro de 2014. Pelo menos 14 deputados declararam que vão realizar inúmeras viagens ao interior em janeiro; quatro irão para outros Estados do Brasil e; mais quatro revelaram que terão roteiros internacionais. Quanto às festas de Natal e Réveillon, boa parte passará em Manaus com a família, antes de iniciar caravanas aos municípios e demais roteiros de viagens.

Na caravana rumo às bases eleitorais, 14 parlamentares deverão se dividir entre as regiões do Alto Solimões, rio Purus, rio Madeira, Alto Rio Negro, Parintins e Região Metropolitana de Manaus. São eles os deputados Belarmino Lins (PMDB), Arthur Bisneto (PMDB), Wilson Lisboa (PCdoB), Vera Lúcia Castelo Branco (PTB), Cabo Maciel (PR), Chico Preto (PMN), David Almeida (PSD), Fausto Souza (PSD), Francisco Souza (PSC), José Ricardo (PT), Orlando Cidade (PTN), Sidney Leite (DEM), Tony Medeiros (PSL) e Vicente Lopes (PMDB). De olho nas eleições de 2014, os deputados deverão aproveitar o momento para estreitar relações com grupos políticos interioranos e fortalecer suas bases municipalistas. A deputada Vera Castelo Branco, por exemplo, foi eleita no primeiro mandado, em 2006, com 90% dos votos na capital. Ao se reeleger, em 2010, no entanto, o interior já representava 70% do seu eleitorado. Para o seu proje-

to de reeleição em 2014, a deputada afirmou que deverá percorrer todos os municípios do interior, a começar pelo período de janeiro. Nesse grupo, os parlamentares declararam que irão executar as agendas a partir de janeiro próximo e, até o fim de dezembro deste ano, permanecerão com suas famílias em férias. Sete desses deputados deverão encaixar viagens de férias na agenda pelo interior. Belarmino Lins declarou que passará por Fortaleza (CE) em janeiro, viagem que faz com a família há 30 anos, e Vicente Lopes por João Pessoa (PB). Cabo Maciel confirmou que sairá do Estado neste período, mas não informou o destino. O presidente da Assembleia Legislativa, Josué Neto (PSD), não cumpri-

rá agenda em municípios e sairá em viagem de férias com a família. Também sem previsão de agenda municipalista, Marcos Rotta (PMDB) afirmou que aproveitará o recesso para r e -

ver familiares e fará uma viagem ao Mato Grosso do Sul. Depois ter percorrido diversos municípios durante as atividades da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Telefonia – que ocupou sua agenda durante todo o segundo semestre deste ano - Rotta declarou que já cumpriu sua meta de visitas de 2013. Novos ares Dar um “pulinho” fora do país está programado por quatro deputados. Fausto Souza declarou que ficará até 10 de janeiro em San Diego, na Califórnia, em viagem familiar. Na volta, o deputado afirmou que percorrerá a Região Metropolitana de Manaus. Antes de cumprir agenda de 20 municípios em janeiro, Chico Preto afirmou que sairá do país, sem revelar roteiros. O mesmo posicionamento foi tomado pelo tucano, Arthur Bisneto, que afirmou que voltará em janeiro para passar por 20 municípios. Acusado pelo Ministério Publico

do Estado (MPE) de suposto superfaturamento de R$ 4,9 milhões na obra do edifício-garagem da Assembleia, inaugurada em fevereiro de deste ano, o ex-presidente Ricardo Nicolau (PSD) afirmou que será o único parlamentar que aproveitará “cada minuto” das férias. Sem previsão de agenda municipalista, Nicolau afirmou que irá para os Estados Unidos (UEA), onde ficará até o início de fevereiro. “Só volto quando começarem as atividades”, declarou. Três deputados declararam que não sairão da capital amazonense durante o recesso. Conceição Sampaio (PP) disse que aproveitará o tempo para arquitetar projetos para 2014 e Sinésio Campos (PT), adiantou que se dedicará ao projeto do partido para as eleições do próximo ano. Washington Régis (PMDB) afirmou que se dedicará exclusivamente aos tratamentos de saúde. Os deputados Marcelo Ramos (PSB), Adjuto Afonso (PP) e Abdala Fraxe (PTN) não foram encontrados pela reportagem para falar sobre o assunto.


Caderno B

Economia MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

economia@emtempo.com.br

(92) 3090-1045

DIEGO JANATÃ

Jogo otimiza aprendizado sobre produção Economia B5

Investimentos garantem entrega dentro do prazo

Grandes lojas de Manaus melhoraram a logística para deixar o produto na casa do cliente no tempo previsto por lei ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Com os estoques cheios, a Ramsons foi um dos estabelecimentos comerciais que investiu na ampliação da estrutura para cumprir a meta de entregar as compras dos clientes em até três dias ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

JULIANA GERALDO Equipe EM TEMPO

O

aumento dos pedidos a domicílio, típico na época natalina, obrigou as grandes lojas de departamento em Manaus a adotarem algumas medidas para atender a alta demanda e satisfazer a clientela com a entrega do produto dentro do prazo exigido por lei. Entre os investimentos adotados estão à ampliação da frota de caminhões e a contratação de serviços terceirizados, tudo para não deixar o consumidor literalmente “na mão”. O autônomo Kleber Alves de Castro e Costa, de 35 anos, casou em outubro e marcou a entrega dos presentes escolhidos numa grande loja de departamento da cidade para o início de novembro. No entanto, segundo ele, a data escolhida coincidiu com o início do aquecimento das vendas do Natal, situação que teria prejudicado o prazo inicialmente estipulado. “As pessoas que adquirem eletrodomésticos e móveis novos começam a comprar em novembro e, desta forma, as entregas acabam atrasando pelo aumento da demanda”, comenta. Ele lembra que o serviço de entrega da loja foi seis vezes até sua casa e entregou os presentes do casal “aos pedaços”. “Terminamos de receber os presentes quase no final de novembro e para isso tivemos que ir à loja. Vários produtos chegaram trocados, repetidos e muitos cartões de felicita-

ções foram perdidos pela loja”, lembra o autônomo. Segundo Kleber, que preferiu não citar o nome da empresa, Manaus possui lojas boas, mas sofre com a falta de infraestrutura física e recursos humanos. “Falta estrutura física nas lojas, mais funcionários, organização e cuidado. Se em novembro a situação foi essa imagine agora”, questiona. Crescimento Para suprir o aumento de

Caso a empresa falhe mais uma vez com o consumidor, ela será punida com multas que podem chegar até R$ 50 mil Silvana Miranda Corrêa, presidente do Procon-AM

demanda, as grandes lojas procuraram se adaptar ao período natalino. O gerente de novos projetos da Ramsons, Marcelo Salum, conta com uma frota de 20 caminhões e serviços terceirizados de entrega. “Aumentamos o nosso pessoal interno, que atua desde a embalagem até a saída do produto da loja, em aproximadamente 15% em relação ao número de pessoas empregadas no final do ano passado”, detalha. O gerente, que garante a

entrega dos itens comprados em até 72 horas, relata que a loja tem realizado em média, 4 mil entregas por semana, no período natalino, em Manaus. Embora os campeões de venda nas unidades da loja sejam o smartphone, quando se trata de receber o item em casa, os produtos de linha branca – fogão e geladeira e mobiliários para casa estão disparados na lista dos funcionários do estabelecimento. “Estamos com estoque abastecido, não tem jeito de faltar produtos e a medida que a demanda for aumentando vamos nos reorganizando para que o produto seja entregue dentro do prazo”, diz ele. O subgerente da Hitech Import do Manauara Shopping, Denis Cavalcante concorda que a demanda está acima da média. “Em períodos normais trabalhamos apenas nessa unidade, com uma média de 50 entregas por semana. Agora, chegamos a 80 encomendas entregues semanalmente, um aumento de 60% na demanda”, aponta. Para não desagradar os clientes e sem contratação de profissionais adicionais, a loja adotou outra política. “Mudamos o prazo de entrega de 48 horas para 72 horas, para evitar descumprir os prazos com os compradores. Por outro lado, pedimos alguns cuidados dos clientes que podem agilizar os serviços como ficar no aguardo no dia marcado e informar endereços corretamente. Dessa forma, os dois saem ganhando”, pondera Cavalcante.

Segundo lojistas, demanda no período natalino está acima da média de outras épocas do ano

Empresas podem ser multadas A diretora-presidente do Programa Estadual de Proteção, Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-AM), Silvana Miranda Corrêa, esclarece que as lojas têm até cinco dias para realizar a entrega do produto comprado na casa do consumidor. Caso a entrega não ocorra, o cliente deve ligar para o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) da loja

em questão e informar o problema. “Se ainda assim, a entrega não for efetuada, o consumidor pode se dirigir à sede do Procon-AM munido de documentos de identificação, comprovante de residência e nota fiscal do produto”, detalha. Penalidade Silvana explica que após acionado, o órgão procura a empresa para esclareci-

mentos. Nesta situação, a loja pode optar por dar um novo prazo ao consumidor, devolver o valor integral do produto ou ainda efetuar a entrega imediatamente. “Caso a empresa falhe mais uma vez com o consumidor, ela será punida com multas que podem chegar até R$ 50 mil”, alerta. Para reclamar com o Procon-AM, o número do órgão é o 3215-4002.


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Encomendas para a ceia natalina estão esgotadas DIVULGAÇÃO

Empresas têm recusado pedidos dos clientes que não possuem tempo para preparar o tradicional jantar de Natal

Alguns estabelecimentos que fornecem alimentos para a ceia natalina esgotaram o prazo de encomendas por receio de não poderem atender a alta demanda registrada no ramo neste ano LUANA GOMES Especial EM TEMPO

S

em tempo necessário para preparar a ceia natalina devido à correria do dia a dia ou por comodidade, consumidores amazonenses que querem manter a tradição recorrem à mão de obra terceirizada para cuidar da culinária típica da festa. A procura foi tão grande, neste ano, que as empresas que disponibilizam o serviço esgotaram o prazo das encomendas. Desde o dia 12 de dezembro, o restaurante Sabor a Mi, que atua há 18 anos no mercado, não aceita mais pedidos, iniciados desde o final de novembro. Na véspera do feriado, os 30 funcionários da empresa devem trabalhar pesado para atender aos 60 pedidos anotados, alguns deles contemplando lista de presença com até 80 pessoas. No restaurante, os valores dos pratos para a ceia natalina são calculados a partir do quilo e podem ser escolhidos a critério do cliente, conforme explica a sócia-proprietária, Cristiane Felicori. No cardápio com mais de 50 opções apa-

recem o bacalhau, o pernil, o tender e o peru, este último orçado em R$ 60 o quilo. “Cada prato tem um preço variado. O quilo do bacalhau, por exemplo, é R$ 85. Nossas ceias são personalizadas. Temos clientes que até pediram carneiro”, pontua. No caso das sobremesas, este orçamento depende do tamanho da taça,

CONSULTA

Os consumidores que deixaram para última hora terão que pesquisar os preços dos produtos da ceia natalina para tentar achar preços mais em conta e, desta forma, garantir a mesa de Natal saindo geralmente a R$ 90. Cristiane avalia que a cada ano, a procura tem sido maior, justamente porque as pessoas não dispõem mais do mesmo tempo livre. “Hoje as pessoas não querem mais ter trabalho na cozinha”, destaca. Em três anos na ativa, o proprietário do Buffet Mestre Pereira, Tadeu Pereira, chegou

a mudar a estratégia de venda em virtude das sugestões clientes. Nos anos anteriores, a empresa dele vendia por pacotes, que variavam com base no número de pessoas da festa, de 10 a 20 pessoas. “Neste ano, deixamos o pacote em aberto. Hoje, cobramos por pessoa”, detalha. Na ceia tradicional, que contém peru à Califórnia, pernil à brasileira e bacalhau à portuguesa ou Zé do Pipo (outra opção no lugar seria salada de bacalhau), acompanhado de arroz colorido, farofa natalina, mais sobremesa (desde os cremes à taça da felicidade) e vinho frisante ou espumante, os valores ficam entre R$ 120 a R$ 150 por cabeça. Porém, se o cliente desejar retirar as receitas com bacalhau da lista, por exemplo, optando por um filé ao molho madeira, o preço sofre uma redução. “Vamos incluir encomendas até amanhã (23), estourando. Há pessoas que desde outubro começaram a nos ligar, mas não podemos pegar muitos pedidos porque contamos com uma equipe reduzida composta por um cozinheiro e três ajudantes”, revela Pereira.

Empresária aposta nos doces Embora o peru seja tradição, as sobremesas também não podem faltar na mesa do Natal. Há 22 anos trabalhando com Buffet, Lourdes Rodrigues, decidiu atender neste ano apenas a demanda de doces, em virtude do alto índice de encomendas. Com equipe composta por três filhos e uma neta, a empreendedora se prepara para entregar os pedidos de

tortas e cupcakes (bolinhos de origem inglesa) dos clientes para a ceia natalina. “Eu costumava trabalhar na preparação de peru, bacalhau, salada de bacalhau, pirarucu à casaca, mas aumentou a demanda de doces e eu não tive tempo para aceitar estas encomendas”, afirma, ao ressaltar que os pedidos começaram desde o início de dezembro, mas dez dias

antes do Natal a lista de encomendas foi finalizada. Os pedidos compõem tortas de ovomaltine, sonho de valsa, néctar dos deuses, com preços que variam conforme o tamanho: grande (R$ 70), média (R$ 50) e pequena (R$ 30). Os cupcakes são os doces da moda e não passam batido na hora de elaborar o cardápio da ceia natalina, saindo a R$ 3 a unidade. ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Doces e panetones são itens que, geralmente, compõem a ceia natalina da família amazonense


Economia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

B3

Captura de pirarucu de manejo tem alta no AM Aumento foi de 7,9%, em 2013, devido a pesca de 693,4 toneladas, parte das quais foram para subsistência dos pescadores CHICO BATATA/AGECOM

JULIANA GERALDO Equipe EM TEMPO

O

uso racional de recursos naturais gerou bons resultados na geração de emprego e renda para pescadores amazonenses neste ano. Em 2013, o manejo do pirarucu rendeu a captura de 693,4 toneladas, dividido entre a comercialização e subsistência de comunidades no interior do Amazonas. O volume é 7,9% superior ao total de pescado manejado, em 2012, e 29,6% maior em relação a 2008, ano em que o uso sustentável dos recursos pesqueiros começou a ser praticado na região. Segundo a Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS), 1,9 mil pescadores foram beneficiados pelo manejo da espécie, incremento de 0,6% sobre o ano passado e 23,5% sobre 2008, quando a atividade atingiu 1.546 pescadores. Conforme dados da secretaria, a pesca monitorada rendeu R$ 3,3 milhões em faturamento bruto e ganho médio de R$ 1,7 mil por trabalhador. Em 2012, o faturamento bruto foi de R$ 3,1 milhões com ganho médio de R$ 1,6 mil e, em 2008, o ganho

global foi de R$ 2 milhões e, o médio, de 1,3 mil. O chefe do departamento de manejo e geração de renda do Centro Estadual de Unidades de Conservação (Ceuc)/ SDS, João Bosco Ferreira, explica que o manejo proporciona a recuperação dos estoques da espécie nas Unidades de Conservação (UCs) e geração de renda para

PACTOS

Desde 2011, cinco acordos de pesca foram firmados no Estado para manejo de pirarucu, sendo que o da pesca do lago de Balbina e o do município de Japurá devem ficar prontos em 2014

populações usuárias e comunidades tradicionais localizadas em áreas protegidas. “A metodologia é permitir remoção de no máximo 30% dos peixes adultos contados nos lagos dessas localidades e poupar os 70% do restante como forma de assegurar a reprodução e a continuidade da população, garantindo a atividade econ6omica

por trempo indefinido e não de forma predatória”, esclarece. A titular da SDS, Kamila Amaral ressalta que o Estado possui cinco unidades de conservação, sendo a maior a de Mamirauá, entre os municípios de Fonte Boa e Maraã, a de Amanã, entre Maraã e Barcelos, a PiagaçuPurus, em Beruri, a Uacari, em Carauari, e a de Cujubim, no município de Jutaí. “O pescado manejado em Maraã é 100% disponibilizado para a indústria de processamento do bacalhau da Amazônia. O restante é comercializado pelas cooperativas nas comunidades e municípios próximos”, detalha. O coordenador de acordos de pesca da comunidade Nossa Senhora de Fátima da ilha da Paciência, em Iranduba, Ivan Santos, avalia a atividade como positiva para geração de renda na comunidade em que vive. “Há oito anos, fechamos o lago para inibir a pesca predatória. Quatro anos depois, assinamos acordo de pesca para manejar o pirarucu. Agora podemos colher os resultados”, destaca o pescador, que contabilizou 1,5 tonelada do pescado no lago da comunidade e projeta a captura de até 10 toneladas para 2014, entre pirarucu e curimatã.

Segundo SDS, 1,9 mil pescadores foram beneficiados pelo manejo do pirarucu neste ano


B4

Economia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Cresce inadimplência por causa de dívidas pequenas Conforme SPC Brasil, 33,15% dos brasileiros entraram na ‘lista suja’ do crédito por não pagarem valores de até R$ 250

A

inadimplência de dívidas com valores de até R$ 250 aumentou no país, segundo o indicador de novembro do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). No mês anterior, os inadimplentes nessa faixa representaram 33,15% dos registros em atraso contra 32,98% registrados em outubro. É a primeira vez desde julho que o SPC identifica aumento da participação de dívidas com valores mais baixos em sua base de registros. Na avaliação da economista do SPC Brasil, Luiza Rodrigues, o movimento ainda pode ser considerado pontual, mas também pode indicar que os brasileiros estão começando a ter dificuldades para pagar dívidas

DIVULGAÇÃO

de menor valor em virtude da inflação, que tem se mantida em patamares elevados ao longo deste ano. Os dados mostram ainda que houve queda na participação de registros de maior valor, em especial, por conta da desaceleração do mercado automotivo no Brasil. A participação das dívidas entre R$ 1 mil e R$ 7,5 mil, caiu de 43,04% em outubro para 42,77% em novembro, segundo o levantamento do SPC Brasil. “Pode ser que a inflação esteja prejudicando as pessoas de renda mais baixa, que geralmente têm dívidas de menor valor. Vale lembrar, que estamos falando de dívidas com atraso há mais de 90 dias, o que mostra que as pessoas estão com dificuldade para pagar”,

explica a economista. Mulheres Assim como ocorreu nos meses anteriores, as mulheres continuam representando a maior parte dos inadimplentes: 55,48%% dos casos de negativados em novembro, ao passo que os homens representam 44,52%. O levantamento também revela que a maior parte dos cadastros negativos concentra-se em CPFs de consumidores entre 25 e 59 anos, representando 62,5% dos casos. “Essa parcela de adultos já é mais da metade da população brasileiras. São pessoas inseridas em um perfil comumente atribuído a chefes de família, que arcam mensalmente com compromissos frequentes e

pesados como aluguel, água, luz, telefone e mensalidade escolar. Esse fato, aliado à falta de planejamento financeiro ou a imprevistos, pode acarretar no atraso de parcelamentos”, explica a economista Luiza Rodrigues. Metodologia O indicador de inadimplência ampliado do SPC Brasil detalha como se comporta o número de calotes no comércio brasileiro, segundo os critérios de gênero, idade e valor das dívidas em atraso há mais de 90 dias. No mês de novembro, a inadimplência apresentou uma retração de -3,22% na comparação com o mesmo mês de 2012 e um aumento de +0,75% na comparação com outubro de 2013.

Inadimplência recorde não era registrada desde julho deste ano

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

A burocracia, o embargo e o desacato Os representantes do setor produtivo da ZFM foram surpreendidos na semana passada com a suspensão do debate – sem razão plausível – que marcaria a retomada dos esclarecimentos sobre os embargos sistemáticos do PPB, o processo produtivo básico que licencia o início da produção de um item, a partir da qual as empresas passam a usufruir dos benefícios fiscais da ZFM. Mais uma vez ficou evidenciado o estrago que a burocracia do Planalto Central impõe à economia, desenvolvimento e prosperidade do país. O cancelamento do debate confirmou aquilo que todos sabem e nada fazem. A burocracia abalam a vida do cidadão e a competitividade das empresas. O embargo do PPB é um dos exemplos mais gritantes do embar aço à segurança jurídica dos investidores. Recentemente, à revelia da instrução legal, foi estabelecido prazo (sic!) para as empresas apresentarem pedidos de análise de Processo Produtivo Básico. Mais um prejuízo causado aos investidores locais, comprometendo planejamento, o crescimento e a própria arrecadação fiscal subsequente. É oportuno e necessário resgatar o Decreto n. 6.008/2006 que dispõe em seu Artigo 1, que “...os Ministros de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e da Ciência e Tecnologia estabelecerão os processos produtivos básicos no prazo máximo de cento e vinte dias, contado da

data da solicitação fundamentada da empresa interessada, devendo ser publicados em portaria interministerial os processos aprovados, bem como os motivos determinantes do indeferimento.”. É importante sublinhar que o citado Decreto manteve o Grupo técnico de Processo Produtivo Básico – GT/PPB, composto por representantes dos Ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, da Ciência e Tecnologia e da Suframa, com a finalidade de examinar, emitir parecer e propor a fixação, alteração ou suspensão de etapas dos PPB , para os produtos industrializados na Zona Franca de Manaus. Observe-se que o Grupo Técnico é dedicado à Zona Franca de Manaus. E, ao que se sabe, as únicas politicas industriais concebidas e desenvolvidas pelo MDIC consistem em tentar a co-gerência inibidora das empresas fabris da Zona Franca de Manaus e a contínua viabilização das frágeis montadoras de automóveis em outras praças. Dois pesos e duas medidas que carecem de elucidação e motivo. Além deste paradoxo, não ficam claras as razões que dão suporte aos termos da Portaria Interministerial Mdic/MCT nº 170, de 2010, o GT-PPB, com o indisfarçável objetivo de restringir a implantação de novos empreendimentos na Zona Franca de Manaus, como se confirma adiante: “Art. 6º Na análise prévia, deverão ser observados os seguintes critérios básicos: I

- busca do equilíbrio inter-regional, evitando-se o deslocamento de indústrias de regiões tradicionais produtoras do bem em análise ou a simples transferência de plantas industriais da empresa pleiteante já instaladas no País; II - agregação de valor nacional à produção, por meio da atração de investimentos, que efetivamente, gerem níveis crescentes de produtividade e de competitividade, incorporem tecnologias de produtos e de processos de produção compatíveis com o estado da arte e da técnica e contemplem a formação e capacitação de recursos humanos para o desenvolvimento científico e tecnológico; III - contribuição para o atingimento das macro-metas contidas na Política de Desenvolvimento Produtivo - PDP e em futuras políticas governamentais que promovam o desenvolvimento científico e tecnológico; e IV - incremento de oferta de emprego na região envolvida.” Fica muito evidente e fácil descrever a dificuldade a ser enfrentada por uma empresa, que pretenda implantar um empreendimento em Manaus, se tiver que ajustar-se, em termos de projetos de fabricação e de PPB, a futuras políticas governamentais que promovam o desenvolvimento científico e tecnológico. Antes de contratar executivos, engenheiros, pesquisadores, deveria ela contratar numerologistas ou matemáticos com extrema qualificação acadêmica em cálculos

de probabilidades. É inaceitável e inconstitucional, em face do disposto nos Arts. 3º, inciso III, e 43, § 2º, da Constituição, submeter a técnicos desses Ministérios, o poder arbitral de apreciarem uma proposta de PPB, indispensável à implantação de empreendimento industrial na Zo na Franca de Manaus - no limite de impor-lhe um veto ou uma protelação que chega a ultrapassar os quatro anos - a pretexto de que violaria o equilíbrio inter-regional. Que significado, relevância ou respeito merece, Senhores Ministros, o Artigo 40 do ADCT que dá autonomia para produzir em Manaus qualquer produto à exceção de armas e munições, perfumes, fumo, bebidas alcoólicas e automóveis de passageiros? Há casos de empresas com PPB negado, apesar de já possuir estabelecimento fabril na Zona Franca de Manaus. O empreendedor apenas pretendia diversificar a produção, mas sua proposta “não atendeu ao critério estabelecido no inciso I do art. 6º da Portaria Interministerial nº 170, de 2010, uma vez que existem diversos fabricantes para os produtos mencionados, instalados nas demais regiões do País”. Tão grave quanto a inconstitucionalidade dessa sentença é o fato do aviso de indeferimento ter sido assinado e expedido pelo Coordenador do Grupo Técnico de Processo Produtivo Básico – GT/PPB. As entidades seguirão no aguardo da manifestação de quem de direi-

to, e na expectativa das medidas adequadas ao equacionamento dessas questões. Apostamos no bom senso, e temos disposição de continuar em busca de caminhos fluidos, efetivos e proativos para o desenvolvimento do país e para a redução das desigualdades regionais que tantos prejuízos têm causado à brasilidade, em nome da Constituição e do direito universal ao desenvolvimento e à prosperidade. Vesga, ou mal intencionada, a burocracia virou instituição e razão de ser em si mesma, mercadoria valiosa de favor e louvor de uso e troca para seus atores e beneficiários afins. É válido repetir a inépcia burocrática da distribuição dos recursos do Fundo Amazônia, um importante mecanismo de cooperação internacional para promover crescimento e sustentabilidade na economia regional. Virou um constrangimento junto à opinião pública mundial. Burocratização com mais de duas centenas de consultores e culto à inércia que inibe novas doações, enquanto cresce o volume de projetos, alguns deles de segurança alimentar e promoção humana das populações tradicionais. Um cardápio de sugestões, compromissos e luta, em favor da Amazônia, da ZFM, de sua autonomia e indignação com o imperativo federal, para se contrapor ao discurso político da servidão voluntária em que se transformou a representação política e parlamentar.

Alfredo MR Lopes Filósofo e ensaísta

Antes de contratar executivos, engenheiros, pesquisadores, deveria ela contratar numerologistas ou matemáticos com extrema qualificação acadêmica em cálculos de probabilidade


MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Economia

B5

Novo jogo facilita ensino sobre a produção fabril DIEGO JANATÃ

‘Lean Board Game’ foi desenvolvido por grupo empresarial com a ajuda do professor amazonense Giancarlo Pessoa

Empresas como, por exemplo, Toyota e AmBev adotaram o jogo para capacitar funcionários LUANA GOMES Especial EM TEMPO

D

iante dos indicadores positivos anotados desde o fim da Segunda Guerra Mundial, a fábrica de automóveis Toyota mostra que a produção enxuta pode ser a melhor alternativa para quem deseja elevar a produtividade. Com a filosofia em mente, o Grupo Engenho, que trabalha com soluções para otimizações e aumento de lucratividade, idealizou o “Lean Board Game”, jogo de tabuleiro para o ensino do Sistema Toyota de Produção. Demanda é o que não falta, especialmente quando em 2012 a produtividade média do brasileiro ficou em 18,4% do desempenho médio de um trabalhador norte-americano, conforme o levantamento anual do centro de pesquisas “Conference Board”. Embora o uso do jogo como método de capacitação tenha sido adotado principalmente por multinacionais, empresas brasileiras buscam a fórmula para aplicar em seu processo de produção, como a AmBev. Respondendo há um ano como um dos quatro sócios-

proprietários do Grupo Engenho, o mestre em engenharia de produção, Giancarlo Pessoa, explica que o jogo é uma patente do grupo que trabalha o conceito de forma lúdica, na tentativa de quebrar “a ideia do aluno onipresente e do professor onipotente”. Segundo ele, os conceitos abordados no “Lean Board Game”

GESTÃO

As micros e pequenas empresas podem ser beneficiadas com a aplicação de projetos destinados à produção enxuta, em especial, pela forma de abordagem desempenhada pelo Grupo Engenho não podem ultrapassar os 40 minutos de aula teórica sem ter paradas práticas. O treinamento varia de um a cinco dias, dependendo da finalidade das empresas solicitantes. Conforme o engenheiro, que atua como professor no Centro Universitário UniSEB - onde a ferramenta também foi implantada -, o jogo é

dividido em sete etapas, com máquinas que devem ser compradas pelos participantes a partir de orçamento previamente estipulado. Capacitação Durante o treinamento, as equipes – que variam de oito a dez participantes -, planejam o layout da fábrica, identificam os desperdícios (superprodução, estoque, transporte, retrabalho, processo extra, movimentação e espera) e elaboram planos de melhoria. “O jogo aumenta a absorção. Não quer dizer que a pessoa sai 100% preparada, porém, é como se tivesse feito treinamento em outra abordagem”, afirma. Em cinco anos de aplicação, o jogo sofre modificações anualmente e chega a sua quinta versão. Conforme o sócio-proprietário, o retorno das avaliações dos treinamentos mostra que o sistema tem retorno, já que as notas são sempre elevadas. Giancarlo ressalta que o conceito pode ser utilizado em vários segmentos, até mesmo hospitais. Atualmente, o jogo é utilizado em pelo menos 600 fábricas ao redor do mundo.

Solução para máquinas antigas

DIEGO JANATÃ

Com elaboração de projetos para melhoria da eficiência, o Grupo Engenho conseguiu êxitos em treinamentos, dentre os quais um que envolvia máquina romena utilizada na segunda guerra para fabricação de canhões e que foi trazida ao Brasil para processar tubos e barros. “O interessante para a produção enxuta é que não existe máquina velha, mas sim máquina mal-cuidada. Aplicando os conceitos nós desenvolvemos projetos de melhoria”, salientou Giancarlo. A máquina contemplava um setup, equivalente ao pit stop da Fórmula 1, de 36 horas. Este período foi reduzido para quatro horas e, segundo o engenheiro, ainda precisa ser melhorado. O sócio-proprietário explica que, a exemplo do avião, quanto menor o tempo de permanência dele no solo, maior a disponibilidade do aparelho em agregar valor, ou seja, se conseguir reduzir pelo menos três horas por mês, significa dizer que ganhou, sem grandes esforços, uma viagem de Manaus a São Paulo, por exemplo.

Giancarlo Pessoa é um dos sócios do Grupo Engenho


B6

País

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Mudanças no meio ambiente pós-morte de Chico Mendes Assassinato do líder sindicalista no Acre completa 25 anos e mudou a forma de o Brasil pensar as questões ambientais

A

luta pela preservação da Amazônia, em especial pela manutenção das atividades extrativistas, sofria um duro golpe há 25 anos. Em 22 de dezembro de 1988 foi assassinado, no interior do Acre, Francisco Alves Mendes Filho, o Chico Mendes. A morte do líder sindicalista repercutiu mundialmente e provocou mudanças na forma como o Brasil passou a lidar com as questões relacionadas ao meio ambiente. De vida simples, Chico Mendes era enfático na defesa dos seus princípios. Ele conquistou o apoio dos companheiros seringueiros, de políticos, de artistas e de ativistas das causas ambientais em todo o mundo. “O Chico era uma pessoa que sabia respeitar todo mundo, sabia se relacionar com todo mundo e sabia construir a amizade e a confiança das pessoas”, descreveu à Agência Brasil Raimundo Mendes Barros, primo de Chico. “Ele era uma pessoa simples, sem ambição, e que tinha como único objetivo defender os interesses daqueles menos favorecidos tanto em termos de informação como em ter-

ABR

mos econômicos”, acrescentou a vice-presidenta do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri, Dercy Teles. Primeira mulher a presidir uma entidade sindical trabalhista no Brasil, Dercy esteve ao lado de Chico Mendes na criação da entidade em Xapuri. Atraídos pelo ouro branco, milhares de nordestinos come-

FAMA

Chico Mendes era enfático na defesa dos seus princípios. Ele conquistou o apoio dos companheiros seringueiros, de políticos, de artistas e de ativistas das causas ambientais em todo o mundo

çaram a migrar para a Floresta Amazônica no final do século 19. Em meio a mais de 5 milhões de metros quadrados de floresta, começava uma história de disputas econômicas, conflitos por terra e luta pela preservação da selva. Foi nesse cenário que Chico Mendes se tornou símbolo da luta pela manutenção da floresta e da cultura do seu povo.

Ícone As lutas do seringueiro ultrapassam as fronteiras do Brasil. Ele é reconhecido como uma liderança mundial da luta pelas causas ambientalistas e recebe vários prêmios internacionais. Com a cabeça a prêmio, em 1988, Chico Mendes pede proteção policial e passa a ser escoltado por soldados da Polícia Militar. Contudo, sete dias após completar 44 anos, é assassinado na própria casa, com o tiro de espingarda no peito, em casa. Os policiais que faziam a segurança dele fugiram. Chico, que casou duas vezes, deixou três filhos: Ângela (do primeiro casamento), Sandino e Elenira. Dois anos depois do crime, os fazendeiros Darly e Darci Alves foram condenados a 19 anos de prisão como mandante e executor do assassinato. Principal testemunha do caso, o menino Genésio Ferreira da Silva, então com 13 anos, disse que ouviu pai e filho planejando o crime. Para tentar inocentar o pai, Darci confessou o crime. Os dois, que chegaram a fugir da cadeia e depois foram recapturados, cumpriram pena e estão em liberdade. Darly continua morando em Xapuri.

Sindicalista e a esposa, Ilsamar Mendes, enfrentaram os donos dos latifúndios de Xapuri, no Acre


País

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

B7

Estados recebem R$ 12,8 mi para dar segurança à mulher Em 12 Estados, governo vai investir nas delegacias especializadas para dar segurança às mulheres vítimas de violência

A

s delegacias especializadas de Atendimento à Mulher (Deams) de 12 Estados receberão recursos para melhorar o serviço de atendimento a mulheres vítimas de violência. O montante de R$ 12,8 milhões será aplicado pelo Ministério da Justiça em parceria com a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), por meio do Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Uma das metas do pacto determina que 10% dos municípios devem oferecer serviços especializados à mulher em situação de violência. Os recursos, destinados para aquisição de equipamentos, mobiliário e veículos, serão aplicados nos seguintes estados: Acre, Alagoas, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e Tocantins. Para o Acre, estão destinados R$ 362 mil a fim de melhorar o funcionamento da unidade da Deam do município de Cruzeiro do Sul. Em Alago-

DIVULGAÇÃO

as, os municípios de Arapiraca e Maceió receberão R$ 1,2 milhão. No Espírito Santo as delegacias terão investimentos de R$ 624 mil. Em Goiás, serão alocados cerca de R$ 1,5 milhão. Mato Grosso receberá R$ 1,8 milhão, a ser distribuído nas Deams de Barra do Garças, Cáceres, Cuiabá, Rondonópolis,

Investimentos em mobiliário nas cidades No Paraná, R$ 667 mil serão destinados para aquisição de mobiliário e adequação à norma técnica de atendimento em sete cidades: Apucarana, Campo Largo, Colombo, Jacarezinho, Paranaguá, Pinhais e Piraquara. A segurança pública do Rio Grande do Sul terá apoio de R$ 1,2 milhão, para fortalecer as Deams, prevenir e reduzir a criminalidade de gênero. Em Rondônia, R$ 465 mil serão aplicados no planejamento e execução de ações de enfrentamento à violência contra as mulheres, inclusive no campo e na floresta. Em Santa Catarina, os recursos somam R$ 1,8 milhão para o reforço na cobertura das Deams no Estado.

RECURSOS

Uma das metas do pacto determina que 10% dos municípios devem oferecer serviços especializados à mulher em situação de violência. Recursos serão destinados às delegacias especializadas

Sinop e Várzea Grande. Mato Grosso do Sul vai receber R$ 1,08 milhão para quatro municípios: Corumbá, Dourados, Naviraí e Três Lagoas. Na Paraíba, R$ 1,3 milhão serão aplicados nas delegacias de seis municípios: Bayeux, Cabedelo, Campina Grande, João Pessoa, Patos e Santa Rita.

Ideia do governo é aparelhar as delegacias para intensificar atenção à violência contra a mulher


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

‘Revelações de Snowden foram desnecessárias’

PAPA

Francisco defende catadores de papel em vídeo amador

Em sua última entrevista coletiva do ano, o presidente americano Barack Obama afirmou que o vazamento de informações prejudicou seu país AFP

O

presidente norteamericano Barack Obama fez sua última entrevista coletiva do ano na Casa Branca, e disse, em relação ao vazamento de informações sobre a espionagem praticada pelos Estados Unidos, que “o meio como as coisas aconteceram foram prejudiciais aos EUA e a nossa capacidade de inteligência”. Perguntado sobre um possível perdão a Edward Snowden, o ex-colaborador da NSA (agência de segurança nacional dos EUA) que denunciou detalhes sobre os programas de monitoramento e coleta de dados usados pelo país, o presidente afirmou que precisava “ter cuidado” sobre o que responder, já que Snowden é formalmente acusado de crimes nos EUA, e que deixaria para a Justiça levar isso em consideração. O evento na Casa Branca, organizado para que Obama respondesse a perguntas de jornalistas, marca o encerramento de um ano considerado o mais difícil para o presidente, cuja popularidade caiu aos piores níveis desde que assumiu o comando do país. Boa parte dos questionamentos feitos a Obama tratou do prejuízo causado a sua credibilidade pelas denúncias de que o país bisbilhota os governos mundo afora.

Em um vídeo caseiro, o papa Francisco defendeu o trabalho dos cartoneros, os catadores de papel, destacando sua contribuição em um trabalho ecológico necessário e criticando a cultura do desperdício. O vídeo foi gravado no último dia 5, durante um encontro de Francisco com membros do Movimento dos Trabalhadores Excluídos, da Argentina, terra natal do Pontífice. Mas, somente esta semana as imagens foram divulgadas, durante um en-

contro anual da categoria. Nelas, o papa ressalta que os catadores desempenham um trabalho digno, que ajuda na reciclagem de materiais. Ele chama ainda a atenção para o desperdício de comida, enquanto tantas pessoas passam fome no mundo. O relacionamento de Francisco com os catadores argentinos vem da época em que era arcebispo de Buenos Aires. Ele costumava celebrar missa para eles e convidá-los para as celebrações do Dia Mundial da Juventude.

MEDIDAS

Espanha limitará aborto a casos de estupro e risco A guerra de informações entre Snowden e Barack Obama ganhou as manchetes mundiais

Medos e garantias de privacidade Obama reconheceu que existem dúvidas e temor do povo norte-americano sobre o respeito e a garantia de sua privacidade, mas afirmou estar confiante de que a NSA “não está invadindo a privacidade doméstica”. Ao responder sobre a real utilidade dos programas es-

piões ao país, o presidente foi cauteloso em dizer que vai avaliar, nas próximas semanas, todas as 46 recomendações entregues a ele por uma equipe independente, nos últimos dias, que revisou como esses programas têm sido aproveitados pelo governo. A resposta final de Obama sobre essas

recomendações será apresentada em janeiro do ano que vem. Quanto à ocorrência de excessos, o presidente continua a afirmar que a espionagem é necessária para a segurança dos EUA e que “não há evidência de que (os programas) foram usados com abuso”.

O governo de centro-direita da Espanha tomou medidas para limitar o direito ao aborto, ao apresentar um projeto de lei que eliminará a possibilidade de mulheres se submeterem ao procedimento nas primeiras 14 semanas de gestação, em uma tentativa de ganhar mais apoio dos eleitores conservadores. A reforma converteria a Espanha em um dos países menos permissivos em relação ao aborto na Europa e vai contra a tendência regional de conceder um maior acesso, depois de a Irlanda legalizar a prática sob circunstâncias limitadas neste

ano. A nova lei, semelhante à primeira normativa sobre o tema aprovada na Espanha em 1985, permitirá o aborto apenas em dois casos: estupro em um prazo de 12 semanas ou quando existe risco para a saúde física ou psíquica da mulher até a 22ª semana de gestação. Além disso, para fazer um aborto, a mulher terá que ter um relatório de dois médicos especialistas que comprovem o grave perigo e que trabalhem em um centro independente do local onde será praticado o procedimento, exceto em casos de urgência por perigo vital.


Caderno C

Dia a dia MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

diadia@emtempo.com.br

(92) 3090-1041

DIEGO JANATÃ

Artistas na rua contra o estresse Dia a dia C2-C3

Segunda etapa da Ponta Negra será aberta hoje ALTEMAR ALCÄNTARA/SEMCOM

Complexo ganha mais espaço e melhor estrutura para garantir o conforto dos frequentadores, como iluminação nova

Operário trabalha nos últimos ajustes de chafariz na segunda etapa da Ponta Negra, que será entregue hoje à população: revitalização do principal espaço público de lazer da cidade

“orgânico”, para alimentos e produtos perecíveis. Também serão reforçadas as campanhas permanentes de conscientização e bom uso do balneário, para evitar sua depredação, poluição (lixo jogado na areia e no calçadão) e atenção para os horários de funcionamento para o banho no rio, até as 17h, e o que é proibido na praia: levar objetos cortantes, como copos e garrafas de vidro; animais na área praiana; soltar papagaio, em razão do cerol; levar alimentos (para não

Praia ainda não está liberada para banho O prefeito Arthur Virgílio Neto informou que a praia para banho ainda não será liberada, pois a prefeitura está tomando todos os cuidados possíveis para evitar os problemas ocorridos na primeira etapa, quando, em decorrência do surgimento de buracos na areia sob a água, ocorreram alguns afogamentos. “Pedimos paciên-

cia à população, pois não vale a pena correr riscos”, disse Neto. Primeira etapa Enquanto os preparativos seguem intensos na segunda etapa, a primeira ganha uma boa limpeza e tratamento de manutenção, com reparos no anfiteatro, incluindo pintura, lavagem do

calçadão, replantio de novas mudas, embelezamento paisagístico e arborização. Na faixa de areia foram instaladas 30 lixeiras também com identificação “reciclado” e “orgânico”. O trabalho foi feito pela Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp). Mil e cem mudas de arbustos e de forrações rasteiras

foram plantadas no calçadão e no canteiro central da primeira etapa do Complexo Turístico Ponta Negra, serviço a cargo da Semulsp como parte da revitalização da área. Segundo o responsável pelo serviço, Wenderson Castro, foram utilizadas na plantação das mudas mais de duas toneladas de adubo de compostagem. ALEXANDRE FONSECA/SEMINF

D

epois dos últimos reparos e ajustes finos, a segunda etapa do Complexo Turístico da Ponta Negra será entregue hoje, com uma grande festa e novidades para a população amazonense e turistas. Com a entrega da segunda fase da obra, o calçadão da Ponta Negra passa a ter 2 mil metros de extensão, 20 mil metros quadrados em pedra portuguesa, ganhando, ainda, três quadras de vôlei de areia e futvôlei, o skatepark, espaço para a praça do artesanato, dois banheiros, dois novos pontos de ônibus e uma rotatória na saída da avenida do Turismo - para melhorar o tráfego de acesso e saída à Ponta Negra. A iluminação do local também foi trocada. As lâmpadas amareladas deram lugar a luminárias de vapor metálico, que por serem brancas, acabam iluminando muito mais as ruas. Este procedimento também vem acontecendo em todas as zonas da cidade. Com a inauguração da segunda fase, a população terá acesso a uma nova identidade visual criada especialmente para o parque, que será unificada em toda a extensão. Com totens, sinalização e placas de orientação, o espaço ganha em informação para os frequentadores e turistas. A preocupação com o lixo e sua destinação também não ficou de fora e na obra. No local as lixeiras estarão identificadas com selos de “reciclado”, para papel, vidro, papelão, plástico em geral, e

MUDANÇA

As lâmpadas amareladas deram lugar a luminárias de vapor metálico, que por serem brancas, acabam iluminando muito mais as ruas, o que vem acontecendo em todas as zonas da cidade contaminar a areia); e não entrar no rio se não souber nadar. Não é permitida a venda de bebidas por ambulantes na praia, conforme determina a legislação, e as bebidas alcoólicas só poderão ser comercializadas em pontos fixos. “As medidas tomadas visam a segurança dos usuários da praia e demonstram o zelo com o bem público”, diz o presidente do Implurb, Roberto Moita. Em caso de dúvida ou em qualquer situação de risco, é recomendado que se procure os colaboradores do Implurb.

Vinte mil metros quadrados de pedra portuguesa foram colocados em toda a extensão do calçadão da nova Ponta Negra


C2

Dia a dia

Sobrevivendo nas av FOTOS: DIEGO JANATÃ

Quem são os malabaristas e mágicos que abordam motoristas nos cruzamentos das ruas da capital amazonense na busca de uns trocados por alguns segundos de distração e diversão, aliviando o estresse do dia a dia

Em Manaus há um ano, onde veio visitar o filho e o neto, o colombiano Carlos Chaves, 55 anos, faz mágicas nos cruzamentos das ruas divertindo motoristas em troca de alguns trocados IVE RYLO Equipe EM TEMPO

C

om os braços abertos e postura terna - semelhante aos atores consagrados em fim do espetáculo - ele retira a cartola da cabeça e agradece ao público que retribui com discretos sorrisos, moedas em valores mais discretos ainda, ou buzinadas - nem que sejam para alertar ao perigo do trabalho entre os veículos. Com nariz vermelho e uma gravata verde, o estrangeiro colore as esquinas de uma capital opaca, em plena véspera de Natal. É assim, fazendo mágica instantânea nos sinaleiros, que há dois meses o colombiano Carlos Chaves, 55, tem ocupado o tempo livre. Em férias no Brasil, onde veio conhecer o netinho e matar as saudades do filho, e em Manaus há um ano, ele aproveita o descanso para mais que conseguir uma graninha extra: chamar atenção de maneira bem humorada da importância de conservar os recursos naturais, aos vizinhos da maior fonte de água doce do planeta. “Minha mensagem é que vivemos pela água. Mas ela está acabando e é vida. Então, é preciso cuidar agora”,

preocupa-se. “Aqui em Manaus, em certos lugares não se nota o Natal, em meu país tem Natal por todo o lado. A gente passa nas ruas e ouve ‘feliz Natal, feliz Natal’. É a primeira vez que venho para cá. Gosto de brindar a alegria às pessoas quando vêm um pouco preocupadas, estressadas e espantar a tristeza. Eu vendo alegria, se gosta,

MOMENTO

É fazendo mágica instantânea nos sinaleiros que há dois meses o colombiano Carlos Chaves, 55, tem ocupado o tempo livre em férias no Brasil, onde veio conhecer o netinho

compra, se não, tudo bem. Felicidade não vendo, porque felicidade esta dentro de cada um”, desmistifica. Mas quem vê tanta intimidade com o público e tamanha habilidade capaz de surpreender os motoristas mais estressados, mal desconfia que o colombiano leva uma vida dupla. O “experiente ilusionista” foi boa parte da vida motorista em Bogotá, onde mora com a

esposa, e foi em Manaus que descobriu o fascínio pela mágica e arte circense. “Meu filho me ensinou. É a primeira vez que faço mágica”, reconhece. Ele revela que atrás dos volantes em Bogotá, recebe um salário mínimo, correspondente a cerca de R$ 500 por mês. Já nas ruas de Manaus, segundo ele, o lucro não chega a R$ 300 mensais. “As pessoas de bom coração dão. Já ajuda para comer e pagar o aluguel”, afirma. Novidades Mesmo com o ganho ainda tímido, a descoberta fez o motorista “desembaçar” os horizontes e acreditar que poderia realizar coisas novas, que nunca fizeram parte do roteiro imaginado. “Agradou-me muito ter descoberto a mágica. Vou procurar aprender mais para me apresentar em eventos, aniversários. De repente, no futuro, quem sabe posso vir a morar aqui. Há mais oportunidade no Brasil”, observa Carlos Chaves. Em busca de voos mais altos, Chaves engata uma rotina rigorosa de treinos e descoberta das diversas facetas da arte circense. Tudo sob supervisão do mestre: o próprio filho.

Charme e alegria acima de tudo Nas ruas, Carlos Chaves encanta e surpreende os espectadores não somente pelas habilidades manuais, mas também pela preocupação com a apresentação: sapato bem engraxado, calça preta e camisa branca de mangas compridas, que parecem ter sido engomadas. O charme fica por conta da

“discreta” gravata borboleta verde, acompanhada da cartola preta, com detalhes combinando. E, claro, o nariz de palhaço. “Eu gosto que pessoas me vejam agradável, limpo. Não é porque estou na rua que tenho que estar sujo, e sim agradável”, salienta. No primeiro Natal distan-

te de casa, o colombiano comemora a descoberta de uma nova paixão. E, como ele mesmo disse, o importante é brindar a alegria. “Espero que meu Natal seja como sempre: em paz, tranquilo, nas mãos do senhor Jesus Cristo, com minha família. Sem álcool, com comida e presentes”, deseja.

Em sua atividade, Carlos sempre cuida de sua imagem. Será o primeiro Natal longe de casa


MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

C3

avenidas de Manaus Um picadeiro armado nas ruas Distante das experiências de Carlos Chaves, do outro lado da cidade, um susto. Um casal resolveu trancar a rua. Sim, nada muito surpreendente para a cidade que se orgulha em engolir as calçadas e sonegar o espaço público. Segundos depois, tudo explicado: o artista caminha a cerca de dois metros do chão, sobre a corda que obstruía a passagem e, com ajuda de uma cúmplice, dão um

show de equilíbrio e graça. No melhor do malabarismo, o casal se apressa para encerrar o devaneio e “apaga as luzes do picadeiro”. Tudo muito rápido, afinal, o tempo não espera. “É difícil as pessoas compreenderem que não estamos na rua porque não temos outra coisa para fazer. Estamos porque queremos, abraçamos de coração. A música e a arte são nossa vida. Isso é o mais difícil de

fazer com que as pessoas entendam”, informa o colombiano Puener Sanches, 43, que assim como escolheu as ruas para difundir a arte circense - junto à esposa, também artista Alessandra Duran, 21 - optou por Manaus para o local em que sua filha nascesse. “Temos uma filha e queríamos que ela nascesse em Manaus, que tem um ambiente muito legal, muito tranquilo”, revela Sanches.

O casal Sanches e Duran em momento de descanso: novos projetos rumo a Belém (PA)

‘Independência com disciplina’

Puenas Sanches e Adriana Duran em ação em rua da capital amazonense: muita agilidade

Contudo, a estada na capital, que já alcançou um ano e meio, esta com os dias contados, em breve a família de artistas segue para Belém (PA) para encantar outra plateia. Em suas andanças, eles já conheceram Peru e o Equador até desembocar no Amazonas. A escolha desse estilo de vida não foi fácil e, a princípio, causou desconfiança e dúvidas nos familiares. “Não gostamos de ter hora

para entrar no trabalho, sair, comer. Não gostamos de ficar presos, gostamos de independência, mas com disciplina. Demorou um tempo para a família assimilar. A mãe dele achava ruim, queria que trabalhasse numa loja. Ela veio a Manaus, se deu conta de como morávamos e mudou um pouco o pensamento. Ela pensava que passávamos fome, mas viu que era diferente”, pontua Alessandra.

Para a artista, o sucesso depende da dedicação aos estudos e treinos. “Nós estudamos a arte circense e esta é a nossa profissão. Estamos buscando sempre coisas novas”, afirma. Todo esse investimento tem tornada a família conhecida na capital. “Às vezes estamos caminhando na rua e ouço alguém chamar: ‘ei rapaz, tudo bem? Parabéns’. Pergunto quem é e, ele diz ‘é um fã’”, diverte-se Duran.


C4

Dia a dia

MANAUS, SÁBADO, 21 DE DEZEMBRO DE 2013

Aziz destaca investimentos na segurança pública local Estados do país que mais investem em segurança pública. “O resultado disso nós vemos na queda dos índices de violência e no aumento da produtividade dos policiais”, frisou o governador. A implantação do Ronda no Bairro em todas as zonas da capital, e agora a ampliação do programa, que está sendo estendido para o interior do Estado, também foi destacado pelo governador durante o seu discurso de agradecimento aos gestores do Sistema de Segurança Pública. Omar Aziz confirmou ainda a visita aos municípios de Itacoatiara, hoje, e Parintins, na próxima segunda-feira (23), para o lançamento do programa nesses locais e disse que, até o primeiro semestre do ano que vem, o Ronda no Bairro deverá está instalado em 14 municípios do interior. “Segurança pública é uma área muito delicada, que muda o tempo todo. Ela também é um setor que não prioriza classe. Quando uma pessoa humilde precisa registrar uma ocorrência, ela vai ao mesmo lugar (delegacia) que uma pessoa com poder aquisitivo maior”, observou o governador.

SAÚDE

ZONA SUL

TÁCIO MELO/SEMCOM

Dvisa realiza nova blitz do Fim de Ano Saudável

Na operação, Dvisa inutilizou 3,3 mil quilos de alimentos

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), por meio do Departamento de Vigilância Sanitária (Dvisa), realizou na última quinta-feira (19), a edição da operação Fim de Ano Saudável. Trinta fiscais do Dvisa participaram da ação de fiscalização, que nesta etapa atingiu cinco supermercados de Manaus. O secretário municipal de Saúde, Evandro Melo, explica que a operação foi lançada no dia 14 de novembro com o objetivo de oferecer uma resposta imediata às demandas do consumidor durante o período de final de ano, quando há um aumento no consumo de alimentos. “A operação já atingiu 24 grandes supermercados de Manaus, tanto com ações de orientação junto ao consumidor, quanto com a aplicação de multas e com a apreensão de produtos em caso de risco iminente à saúde pública”, informou Evandro Melo. Durante as ações da operação, o Dvisa autuou 18 esta-

belecimentos, inutilizou 3,3 mil quilos de alimentos, aplicou 14 autos de infração e 19 autos de inutilização de produtos. De acordo com o diretor do Dvisa, Fernando Branco, durante a operação, os fiscais avaliam questões como a validade dos produtos, o condicionamento, a manipulação e características dos alimentos a serem consumidos. “A falta de refrigeração adequada de produtos alimentícios e a identificação de mercadorias em promoção com prazo de validade muito próximo foram os principais problemas identificados durante a operação”, informou Fernando Branco. A operação Fim de Ano Saudável também tem como objetivo estimular uma maior interação dos consumidores com as ações desenvolvidas pelo Dvisa. Em cada ação, fiscais do Dvisa permanecem nos locais de fiscalização para ouvir as demandas do consumidor, oferecendo resposta imediata.

No evento realizado na noite de quinta-feira, o governador Omar Aziz falou sobre os avanços da segurança pública no Estado

Dupla é suspeita de arrastão J. PEDRO FIGUEIREDO Equipe do AGORA

Dois homens suspeitos de fazerem assaltos nos bairros Japiim e Petrópolis, Zona Sul, foram presos na noite de quinta-feira (19) por policiais militares da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam). A prisão ocorreu na rua Terra Preta, no bairro São José, Zona Leste. Com os presos, identificados como Carlos Silva Santos, 24, e Gilson Alves de Almeida Filho, 20, foram apreendidos dois revólveres calibre 38, municiados, além de sete celulares, que de acordo com a polícia são roubados. Segundo a polícia, os crimes foram praticados na tarde da última terçafeira (17). Para isso, eles usavam uma moto preta, placa JXS-4945. A dupla foi reconhecida pelas vítimas na delegacia. Gilson confessou que quando foram presos estavam tentando roubar um carro de uma locadora de veículos, mas não conseguiram porque uma funcionária ativou a função de segurança do GPS do carro fazendo com que parasse de funcionar. Segundo o investigador Geraldo Filho, do 3º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Gilson já havia sido preso semana passada pelo crime de roubo.

EDUCAÇÃO

Projeto permite inclusão digital A Secretaria Municipal de Educação (Semed), em parceria com o Centro Tecnológico do Amazonas (Cetam), realizou na manhã de ontem a certificação da terceira etapa do projeto Comunidade Digital. Ao todo, mais de três mil pessoas já concluíram cursos de informática por meio do projeto em 2013. Nesta fase, foram 948 alunos certificados. O projeto é desenvolvido pela Semed e Cetam, nos Telecentros de 79 escolas municipais espalhadas por todas as zonas geográficas da cidade. O objetivo é proporcionar a inclusão digital à população por meio dos cursos básico e avançado de informática, que têm carga

ALCANCE

O projeto Comunidade Digital é desenvolvido pela Semed e Cetam, nos Telecentros de 79 escolas municipais espalhadas por todas as zonas geográficas da capital amazonense horária de 80h. A gerente de educação tecnológica da Semed, Rosa Eulália, que representou o secretário municipal de Educação, Humberto Michiles, no evento, lembrou que a ação é vitoriosa pelo número de alunos certificados e que para 2014, a meta

é aumentar o quantitativo de atendimento. “Esse é um momento muito importante. Levar as pessoas à inclusão digital é um passo importante. Ano que vem, nós queremos ampliar o projeto e levá-lo, inclusive, para a zona rural e ribeirinha”, falou. Importância Para Edinelton Ferreira, que é cadeirante, receber este certificado tem muita importância. “Estou feliz em poder estar recebendo este certificado, isso mostra que, mesmo com esta deficiência, eu ainda posso dar continuidade aos meus estudos e avançar na minha faculdade, que pretendo entrar em 2014”, disse o jovem na solenidade. CLEOMIR SANTOS/SEMCOM

A

s conquistas na segurança pública do Amazonas, fruto dos investimentos da atual gestão do governo do Estado, foram destacadas na noite da última quintafeira (19), pelo governador Omar Aziz, durante evento de confraternização que reuniu os representantes dos órgãos da Segurança Pública do Amazonas – a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), a Polícia Civil (PC), a Polícia Militar (PM) e o Corpo de Bombeiros (CBMAM). A confraternização foi realizada no salão de eventos do Manaus Plaza Shopping, na Chapada, Zona Centro-Sul de Manaus, e contou também com a presença do vice-governador José Melo. Omar Aziz mencionou a ampliação nos investimentos na área de segurança, que saíram de pouco mais de R$ 600 milhões em 2010 para mais de R$ 1,1 bilhão em 2013, com previsão de chegar a R$ 1,3 bilhão em 2014, representando quase 10% de toda a receita orçamentária do Estado. Os números colocam o Amazonas entre os três primeiros

ALEX PAZUELLO/AGECOM

Em evento realizado na noite da última quinta-feira, ele confirmou lançamento do Ronda no Bairro em Itacoatiara hoje

Edinelton Ferreira, um dos certificados: continuidade nos estudos até chegar à faculdade


MANAUS, Sテ。ADO, 21 DE DEZEMBRO DE 2013

Dia a dia

C5


C6

Dia a dia

Uma história de trist ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Humilhados e chamados sempre de vagabundos, pedintes nas ruas de Manaus relatam seus dramas e as motivações que os impulsionaram a depender da boa vontade alheia para sobreviver, enfrentando até mesmo problemas de saúde

Valdenilson Oliveira Nascimento, trabalhador autônomo que passou a pedir dinheiro na rua Miranda Leão: impossibilitado de procurar um médico e de conseguir obter a aposentadoria

A

s ruas estão cheias de pedintes em busca de uma moeda, um trocado, uma ajuda. Em cada esquina, uma história diferente. Algumas pessoas param e outras passam e ignoram aqueles que imploram por poucos trocados. Difícil traçar um perfil de quem faz da mendicância um negócio e o que levou a pessoa a esse estágio. Durante dois dias, a equipe do EM TEMPO foi às ruas do Centro e acompanhou a rotina dessas pessoas.Não se trata de miseráveis, apenas de pessoas que não encontram outra forma de viver. Valdenilson Oliveira Nascimento, 46, há 15 anos tem uma doença ainda não diagnosticada devido a sua condição social que o impede de consultar um médico. A enfermidade culminou em uma necrose extensa nos pés e úlceras nas pernas. A patologia não o impede de

pegar dois ônibus quase todos os dias para pedir dinheiro na rua Miranda Leão. Como se não bastasse a dificuldade natural de mobilidade, o autônomo se submete a ficar sob sol e chuva em condições totalmente desumanas.

ENFERMIDADE

Valdenilson Oliveira Nascimento há 15 anos tem uma doença ainda não diagnosticada devido a sua condição social que o impede de consultar um médico, culminando em uma necrose extensa Segundo Valdenilson, que há 3 anos tenta se aposentar sem sucesso, a burocracia é um dos problemas enfrentados. O autônomo, natural de Parintins, conta que perdeu a sua certidão de nascimento, e em razão disso não conse-

gue a aposentadoria. “Para tirar a segunda via tenho que pagar R$ 180, mas como vou conseguir, se não tenho dinheiro? Moro alugado com a minha filha e minha companheira”, afirma. Depois de passar por muitas humilhações, Nascimento mostra-se desolado. “O que eu mais quero é sair daqui, sou muito humilhado, escuto as pessoas me chamarem de vagabundo, dizem que estou fingindo. Muitas vezes choro muito e me sinto incapaz. Queria tanto mudar de vida“, disse Valdenilson. De acordo com a assistente social do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), Socorro Vieira, vários órgão estaduais e federais estão desenvolvendo, juntamente com o INSS, um trabalho que leva o serviço até as pessoas. Um exemplo foi o abrigo Moacyr Alves, onde 100 % dos internos estão recebendo beneficio assistencial. “Enquanto serviço social, nós vamos até eles”, disse.

Necessidade de mais dinheiro A assistente social Socorro Vieira explica que cada caso deve ser analisado. “Primeiramente verificamos se a pessoa se encaixa no direito previdenciário, caso não seja possível, a gente providencia um beneficio assistencial”. Já a deficiente física Maria Dolores Santana, 56, que tem

membros atrofiados, relata que, apesar de receber o benefício, acabou voltando às ruas. “Diga-me se dá para eu comer um mês todo com um salário mínimo”, conta. A deficiente relata que pede em vários pontos da cidade, mas sempre é obrigada a sair do local. “Preciso

do dinheiro das ruas para completar a minha renda. Sou maltratada muitas vezes pelas assistentes sociais que me obrigam a sair da rua dizendo que, se eu não sair, vão me denunciar, mas preciso do dinheiro para comer. Tenho que pagar água, luz, e o dinheiro não dá”, afirma. ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

ADRIANA PIMENTEL Especial para o EM TEMPO

Maria Dolores Santana relata que é obrigada a sair dos locais onde pede dinheiro


MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

C7

teza em cada esquina como pedintes. Ao analisar a situação das pessoas que pedem nas ruas, o cientista social Ademir Ramos afirma que muitos transformam essa condição de imoralidade em um serviço. “A pessoa perdeu a dignidade. A miséria reduz o homem à condição de coisa. Nesse momento as pessoas vêm à rua e são gratificadas pela condição em que vivem”, enfatiza o cientista. CRÉDITO DO FOTÓGRAFO

Segundo Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), a maioria dos pedintes e moradores de rua (79%) consegue fazer pelo menos uma refeição por dia com seu dinheiro. 58,6% dos 1,8 milhão de pessoas que vivem nas ruas das cidades brasileiras trabalham no mercado informal e apenas 15% vivem

JOEL ROSA/ARQUIVO EM TEMPO

Perda da dignidade humana

Mendigo em praça de Manaus: ausência de políticas públicas e falta de gestão do governo aceleram o problema

‘Uma condição de total exclusão social’

Ademir Ramos, cientista social: miséria reduz o homem

“O pedinte é na verdade um impotente ou é imoral. Essa é uma condição de total exclusão social”, explica Ademir Ramos. Segundo ele, aquele homem que pede ou perdeu a vergonha ou está lá por inteira necessidade. Um exemplo claro aconteceu com o próprio Ramos. Quando estava cursando o mestrado na Universidade

de São Paulo (USP), precisou de apenas 50 centavos e não tinha ninguém a quem recorrer. Foi quando lembrou-se do dono da banca de revistas que ele frequentava, um certo senhor Antônio. “Para eu pedir esse dinheiro foi um sacrifício”, lembra o cientista. “Isso denuncia a ausência de política públicas, a

falta de gestão do governo que não tem controle dessa população, crianças e adolescentes abandonados, em situação de crises, muitos possuem inclusive uma política nacional, mas que não está sendo realizada”, enfatiza. A Constituição Brasileira, no seu artigo 6, diz que a assistência aos desampa-

rados é um direito social, porém o Código Civil não menciona os abandonados ou moradores de rua. Para a assistente social Sônia Cunha, muitos pedintes têm histórias de muito sofrimento, e é preciso um trabalho consciente e técnico para ajudá-las de forma eficiente, dando-lhes mais oportunidades.


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013


Caderno D

Plateia plateia@emtempo.com.br

(92) 3090-1042

DIVULGAÇÃO

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

O grupo mineiro Jota Quest será a atração principal do evento de entrega da segunda fase da Ponta Negra, hoje

Ponta Negra reinaugura com programação cultural A banda mineira Jota Quest será a atração principal do evento que contará com músicos locais e intervenções artísticas BRUNO MAZIERI Especial EM TEMPO

A

pós 2 anos, a segunda etapa da Ponta Negra finalmente será entregue hoje. Para comemorar a data, a Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura e Artes (ManausCult), preparou uma vasta programação ao longo de todo o dia. Shows musicais, intervenções artísticas e, até mesmo, atividades recreativas para crianças poderão ser conferidas das 9h às 22h. Ao todo, mais de 300 profissionais estão ligados diretamente ao evento que terá mais de 15 atrações em quatro palcos espalhados por toda a orla. Para Dyego Monnzaho, diretor do departamento de difusão cultural, a ideia deste evento é valorizar o projeto arquitetônico do Complexo Turístico Ponta Negra, como foi batizado o local. “Procuramos mostrar as belezas naturais daquela área da cidade e, juntamente com isso, deixar exposta toda a parte de infraestrutura após a revitalização.

Portanto, não usaremos estruturas grosseiras no palco justamente para não prejudicar ou de alguma maneira, sujar o ambiente”, explica. O profissional destaca, ainda, que a parte de escolha dos artistas foi feita com o intuito de mostrar os destaques deste ano e também dar a oportunidade para novos talentos. “Claro que nunca vamos conseguir contemplar todos os músicos, dançarinos e artistas de Manaus ao mesmo tempo. Porém, usamos desse critério que é uma iniciativa do secretário de cultura Bernardo Monteiro de Paula, de valorizar quem é da terra”, comenta. Dentre eles estão personalidades como Zezinho Corrêa, Lucilene Castro, Márcia Siqueira, Karine Aguiar, Lucinha Cabral, Serginho Queiroz e bandas importantes como Casulo, Johnny Jack Mesclado e Soda Billy. “Um artista que não poderia ficar de fora é o Elias Moreira, que teve uma belíssima passagem pelo “The Voice Brasil”, da Rede Globo”, argumenta. Ele será o responsável por encerrar o evento às 22h. DIVULGAÇÃO

Elias Moreira participante do “The Voice” encerrará o evento

Palcos para todas as tribos

DIVULGAÇÃO

Rock-pop nacional em destaque E é justamente a banda mineira que será a atração principal do evento. Monnzaho afirma que a escolha do Jota Quest se deu pelo engajamento que eles possuem com relação a preservação do meio ambiente, o carinho por Manaus e a relação de amizade com o prefeito da cidade Artur Neto. “Eles possuem um expressivo público na capital. Além disso, tiveram todo o carinho de abrir uma data dentro da turnê pela relação que existe da banda com o prefeito ainda enquanto senador. São conhecidos

por um vasto repertório de sucesso e prometem uma grande apresentação”. O grupo subirá ao palco do anfiteatro às 19h30. E o ponto principal, sem dúvida, será a queima de fogos marcada para as 18h30 quando o prefeito fará a entrega do local para a população. “Estamos felizes de participar de um momento tão importante para Manaus. Estamos com a certeza de que essa festa de hoje será um grande sucesso e que conseguiremos agradar todos os manauenses”, finaliza Monnzaho. DIVULGAÇÃO

A cantora Márcia Siqueira será uma das atrações da festa

Monnzaho acredita que outra preocupação por parte da ManausCult foi tentar reunir em um único espaço manauenses de várias idades, classes sociais e “tribos”. “Por ser um complexo voltado para a família e para a população no geral, pensamos que era necessário agregar o máximo de valor possível em toda a extensão da orla. Para isso, montaremos quatro palcos, sendo o do anfiteatro um grande mix”, salienta. Portanto, a divisão ficou da seguinte maneira. O palco Nossa Família (mirante) terá programação voltada ao público infantil

e shows no estilo luau. No palco Sempre Ao Seu Lado (recuo dos restaurantes), o público poderá conferir grupos de dança e as baterias das escolas de samba de Manaus como Aparecida, Reindo Unido e Vitória-Régia. No palco Espaço Jovem (pista de skate), a atração ficará por conta do revezamento de DJs, Bboys, artistas de hip hop, grafiteiros e skatistas. Ainda na área do skate, será montado o palco Nossa Tribo, que reunirá um público mais alternativo. E no anfiteatro será o Espaço Nossa Gente que contará com o show do Jota Quest.

Karine Aguiar apresentará seu repertório com músicas locais DIVULGAÇÃO

A banda Johnny Jack Mesclado apresenta músicas de reggae


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

>> Primeira sessão

>> Palestra

. O presidente do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas, conselheiro Josué Filho, já agendou a primeira sessão ordinária e administrativa do órgão em 2014.

. O vice-governador do Amazonas, José Melo, recebeu na sexta-feira, na sede do governo do Estado, estudantes da Universidade de Stanford, da Califórnia, nos Estados Unidos, para ministrar uma palestra sobre aspectos e desafios da economia amazonense.

. Será no próximo dia 16 de janeiro.

Fernando Coelho Jr. fernando.emtempo@hotmail.com - www.conteudochic.com.br

. No período de recesso do TCE-AM, que vai do dia 23 de dezembro de 2013 ao dia 12 de janeiro de 2014, setores estratégicos do TCE vão funcionar normalmente, conforme portaria nº 617, de 2013, assinada pela presidência, e publicada no Diário Oficial Eletrônico da corte do último dia 18.

>> Posse

Os belos irmãos Yasmin e Yasser Aziz, desembarcando hoje na cidade, aproveitando a temporada de férias dos estudos, para o Natal com o pai, Amin Aziz

>> Cantata

. A auditora fiscal Jeroniza Albuquerque tomou posse, na manhã de sexta-feira, como presidente da Associação dos Funcionários Fiscais do Estado do Amazonas (Affeam). . O evento aconteceu no auditório da Sefaz, sendo a primeira mulher a assumir o cargo.

. O coral infantil da Igreja Batista Peniel, no bairro São Jorge, promoveu ontem e segue ainda hoje, a partir das 18h, apresentando a cantata “É Natal no Egito”, com a participação de mais de 25 crianças e adolescentes. Adriane Antony Gonçalves, Alexandre Prata e Renatinha Braga, no encontro de fim de ano, de um grupo very special do society local

Liz Lange, Alê Brandão e Ana Carolina de Miranda Leão, na noite descolada e chic, brindando a temporada de Natal

. O grupo realiza a cantata desde 2003 e há três anos a encenava no parque dos Bilhares. Além disso, o coral ainda participa constantemente do concerto de Natal realizado anualmente no Teatro Amazonas. Vale aplaudir!

Guilherme e Ilnah Cunha, ele comemorando seu aniversário, em reuniãozinha de amigos, no meio da semana

. O grupo, formado por alunos do segundo ano do curso de MBA em administração de empresas e por representantes do Centro de Inovação Social da Universidade, está no Brasil para conhecer iniciativas de cunho econômico, social e ambiental com a finalidade de analisar de que forma o país pode manter o ritmo de crescimento econômico e inclusão social. Além da palestra com o vice-governador, os estudantes conheceram em Manaus projetos na área educacional e de economia sustentável, desenvolvidos pelo governo do Amazonas. . A viagem educacional organizada pelos estudantes começou no último sábado (14) pelo Rio de Janeiro e se encerra no Amazonas, neste domingo.

Alessandra e Cristiano Brandão durante get-together de fim de ano, no endereço do Parque Residências

>> Objeto de desejo . Joias assinadas estão mesmo em alta. . Na linha das chamadas ‘altas joalherias’, a Maison Gucci apresenta uma coleção moderna e chic, como esse anel de prata com a poderosa logo da marca. Atraente!


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

D3

Cineclube Cinemartecultura retorna no mês de janeiro O projeto experimental da Sec encerrou suas atividades deste ano com a sétima edição da “Vernissage de Cinema”

A

ção experimental de difusão cultural da Secretaria de Estado da Cultura (Sec), o Cineclube Cinemartecultura encerrou suas atividades neste ano, com mais uma “Vernissage de Cinema”. A iniciativa, que já faz parte do calendário da secretaria, destacou ontem os trabalhos de cinco novos cineastas da região, e a retomada das sessões está marcada para o dia 3 de janeiro de 2014. O local é o Cineteatro Guarany, que fica na avenida Sete de Setembro, 1.546, Vila Ninita, anexo ao Centro Cultural Palácio Rio Negro. A entrada é gratuita e, no ano que vem, há planos para que a ação seja realizada no Teatro da Instalação, em março, com exibições noturnas. Com a existência de poucos cineclubes pela cidade, o Cinemartecultura promove sessões de obras para narrar a história da sétima arte, desde o início do século 20 até a década de 1970. Desde que teve início, em abril deste ano, a iniciativa já destacou longas-metragens de diretores importantes como Federico Fellini, Akira Kurosawa, Jean Renoir e Charles Chaplin, de dramas estrela-

DIVULGAÇÃO

dos por atores como Marlon Brando e mostras temáticas como filmes sobre o Conde Drácula e épicos religiosos. Além de obras conhecidas mundialmente, o cineclube também abre as suas portas para a divulgação do cine-

PROJETO

O Cinemacultura promove sessões de obras para narrar a história da sétima arte, desde o início do século 20 até a década de 70. A iniciativa já destacou longas de diretores como Kurosawa e Renoir Agenor Vasconcelos participou pela primeira vez do projeto e afirmou que ficou feliz com a experiência na Sétima Arte

ma contemporâneo produzido por novos cineastas do Amazonas. Essa iniciativa recebe o nome de “Vernissage de Cinema”, e está na sétima edição. Ontem, o público conferiu os curtas “A Música das Cachoeiras: Do Alto Rio Negro ao Monte Roraima”, de Agenor Vasconcelos e Davi Escobar; “Tempo Leva e Traz”, de Hadna Abreu; “Do Matadouro à Glória”, de Heraldo Daniel; e “Um Braço de Rio no Quintal”, de Dheik Praia.

Difundido o cinema na Região Norte Depois da exibição dessas obras, o público tem a oportunidade de participar de um debate com a presença de profissionais envolvidos nos filmes. Agenor Vasconcelos conta que participou pela primeira vez da ação ex-

perimental. “Fiquei muito feliz com o convite, pois o projeto está difundindo os trabalhos da região”, comenta um dos diretores de “A Música das Cachoeiras”, projeto de pesquisa e documentação musical. Agenor explica que essa

iniciativa recebeu financiamento do projeto “Natura Musical” e é formada por dez vídeos de dois a três minutos cada, lançados em princípio para a internet. “É um resultado bem eclético que abrange vários tipos de músicas da região”, afirma.

O objetivo é elaborar um registro das músicas dos festejos populares da Amazônia ocidental e preparar um livro-CD com o material resultante da expedição realizada por ele ao Alto Rio Negro e à região do Monte Roraima.


D4

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

RESENHA

PERFIL

César Augusto Oliveira jornalista e editor do caderno Dia a dia

como redatora de uma coluna sobre dicas domésticas no jornal de Jackson e procura em Aibileen sua fonte de informações. No entanto, a jovem aspirante a jornalista enxerga na empregada de Celia uma chance de tentar algo novo e desafiador para o racista Mississipi: mostrar a situação dos negros na cidade a partir do ponto de vista dos próprios segregados. Assim, vencendo aos poucos a resistência de Aibileen em contar sua própria vida, Skeeter consegue, com o passar dos dias e com novos fatos ligados a conflitos raciais, agregar em seu projeto a resoluta Minny (Octavia Spencer, que levou o Oscar, o Globo de Ouro e outras premiações pelo seu desempenho), que ao ser flagrada por sua patroa, Hilly Halbrook (Bryce Dallas Howard), usando o banheiro dos patrões – o que era uma afronta aos racistas -, é demitida e ainda por cima difamada pela mulher, impedindo-a de obter outro emprego. Nessa empreitada de Skeeter, Hilly será a maior antagonista do grupo, uma hipócrita infeliz e rancorosa que apela a todo momento a uma suposta

“superioridade ariana” para inferiorizar os negros. O mérito do filme é revelar no microcosmo de Jackson todo o fervor de uma era de segregação fadada ao fracasso. Os agitos que marcaram aquela época – a ascensão de Martin Luther King, o assassinato do presidente John Kennedy – são vistos como pano de fundo para a serenidade conformista da pequena cidade do Mississipi. O livro que Skeeter consegue publicar e as consequências dele – não tão favoráveis a todos os envolvidos – é que

ÃO

N

a década de 1960, os movimentos pelos direitos humanos fervilhavam nos Estados Unidos. Na pequena cidade de Jackson, no Mississipi, os negros usam banheiros separados e são segregados no fundo dos ônibus, só conseguem subempregos e são tratados como inferiores pela população branca. Enquanto o fim das barreiras sociais entre as duas raças não chega, a amarga Aibileen (Viola Davis) cuida da casa e da filha pequena – e rejeitada – de Celia Foote (Jessica Chastain), criança a quem direciona todos os cuidados e carinhos que poderia ter dado ao filho, morto aos 24 anos em um acidente de trabalho. Assim é o ponto de partida de “Histórias Cruzadas” (“The Help”, EUA, 2011), dirigido por Tate Taylor e que conseguiu grande destaque por concorrer ao Oscar em três categorias (Melhor Filme, Melhor Atriz e duas indicações para Melhor Atriz Coadjuvante) no ano seguinte. Quando Skeeter (Emma Stone) volta para a cidade, após concluir os estudos em …, consegue um emprego

DIVULGAÇ

Drama e riso na medida certa

significam o rompimento com a mentalidade ainda escravagista daquela época. Aibileen aos poucos desperta com o auxílio de Skeeter, estendendo essa conscientização a Minny e, posteriormente, às outras mulheres negras que passam – ou passaram – pela mesma humilhação imposta por causa de sua cor. Emocionante sem ser piegas e com ótimos lances de comédia por parte da personagem de Octavia Spencer – principalmente o episódio da “torta da vingança” -, “Histórias Cruzadas” é um daqueles filmes que deixa o gosto de “quero mais” após a última cena.

Emocionante sem ser piegas e com ótimos lances de comédia por parte da personagem de Octavia Spencer, “Histórias Cruzadas” deixa um gosto de “quero mais””


Plateia D5

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Canal 1 plateia@emtempo.com.br

Bate–Rebate

TV Tudo

DIVULGAÇÃO

Iris não interessa Fica esclarecido, portanto, que o “Pânico” irá mesmo buscar essa nova integrante fora. Não será ninguém do seu elenco, como se especulou. E Iris Stefanelli, atualmente na Rede TV!, também não faz parte dos planos, apesar de todo barulho de uma torcida organizada nas redes sociais. Ratinho de férias Carlos Massa, o Ratinho, entrou em férias. O seu programa, porém, continuará no ar normalmente com edições inéditas gravadas e no velho e bom esquema dos melhores momentos. A direção do SBT, desta vez, decidiu não colocar séries americanas no horário do apresentador. Ratinho voltará, ao vivo, no dia 20 de janeiro. Teatro “Meu Deus”, é o título do espetáculo com Irene Ravache e Dan Stulbach, a partir de março, no Teatro FAAP, em São Paulo. A peça está em fase de captação. Entenda-se em busca de patrocinadores interesados. Retomada Miguel Falabella deixou

REGI

Ponto de vista Juliana Paiva, Lili, tem sido poupada do festival de críticas à novela “Além do Horizonte”, da Globo. Na opinião de muitos, o problema encontra-se mesmo no roteiro. Mas há quem entenda também que o par romântico de Lili e William (Thiago Rodrigues) não empolga. Está meio que tromba de geladeiras. avisado para o elenco de “Pé na Cova” que as gravações da 3ª temporada da série serão iniciadas em março. O último episódio da segunda, exibido terça-feira, registrou recorde de audiência na Grande

São Paulo, com média de 18 pontos e 43% de share – que é a participação no número de ligados. Falabella, só como detalhe, poderá ainda emplacar dois novos programas na Globo em 2014.

• Amanhã, o SporTv exibe a última edição ao vivo do “Bem, Amigos!” desta temporada. • SporTv que também confirma a mobilização de 600 profissionais durante a cobertura da Copa do Mundo. • Millena Machado, apresentadora do “Auto Esporte”, tem sido muito requisitada para comandar eventos corporativos. • Ainda sobre o “Auto Esporte”, o programa é uma das principais audiências da Globo nas manhãs de domingo. • “Malhação”, da próxima temporada, ainda é um segredo na Globo. • Sabe-se que há 3 projetos na disputa, mas a direção de entretenimento só deverá se manifestar sobre o escolhido entre janeiro e fevereiro. • Jackeline Dalabona comemora a marca de 8 anos como voz padrão da rádio Band News – FM. • Já o âncora Augusto Xavier, do “Rede TV News”, festeja 14 anos de trabalho na Rede TV!.

‘Pânico’ vai ignorar Sabrina Sato Por mais estranho que possa parecer, a ideia do “Pânico”, em relação a Sabrina Sato, daqui pra frente é: virar a página e ignorar que ela existe. A saída da apresentadora deixou feridas que não serão cicatrizadas tão cedo. Entende-se o direito de cada um em buscar novos desafios. Mas em nenhum momento houve o cuidado de levar esse desejo ao conhecimento da parceria Jovem Pan-Band.

Flávio Ricco Colaboração: José Carlos Nery

C’est fini Eduardo Moscovis está novamente na mira da Globo para a área de novelas. Afastado deste tipo de trabalho desde “Alma Gêmea”, em 2005, ele poderá integrar o elenco da próxima novela de Aguinaldo Silva com estreia prevista para o segundo semestre de 2014.

Márcio Braz * E-mail: novoasilva@yahoo.com.br

Tu nunca serás Liverpool

MÁRIO ADOLFO

GILMAL

ELVIS

A polêmica levantada pelo técnico inglês a respeito do temor pelo time de seu país jogar em Manaus, na verdade não passa de um mal-entendido. Primeiro pelo fato de que, tecnicamente, fatores como o clima e a umidade realmente interferem no condicionamento dos jogadores. Segundo – e neste caso não vi ninguém ressaltar – não é de hoje que temos relações com os ingleses. A Amazônia, por exemplo, também foi colonizada por ingleses, e a orgulhosa cidade dos Baré tem em sua estrutura física, belas e excelentes galerias para o escoamento de água e esgoto, sem contar serviços como o de transporte em tempos outros administrados pelos próprios. Quando o time brasileiro vai jogar em países como a Bolívia, sabe-se bem que o ritmo de treinamento é intensificado, as horas na academia são estendidas e o tempo de treino tático são avolumados. Tudo isto por conta da altíssima altitude de La Paz, por exemplo, altitude esta que é parte característica da cidade onde várias manifestações culturais estão ligadas a isso. O técnico inglês errou na forma de falar e pensar. A segunda etapa da Ponta Negra, a ser inaugurada hoje, ressalta – num desses grandes momentos de lucidez – um aspecto importante da nossa identidade manauara: o rio. O arquiteto e urbanista Roberto Moita privilegiou o passeio e a contemplação paisagística, ou seja, o que antes estava encoberto por bares e cortiços, hoje são declarados livres tornando o rio e a natureza, a rua para os olhares e lazer da

população. Quero dizer, portanto, que são estes os aspectos a serem evidenciados e não negados da nossa identidade. Somos úmidos sempre. Seja pelo suor originado do calor sol, seja pela água das chuvas. O turista, ao chegar aqui, deve ser recebido ou com muita chuva ou com muito sol. Isso é nosso e nos orgulhamos disso. Quando falamos da cultura de um povo estamos nos referindo à sua identidade e esta é revelada por meio de sua organização burocrática, de seus meios de locomoção, de sua educação, de seu patrimônio material e imaterial, de suas artes, tradições e de sua hospitalidade, os modos de receber e apresentar ao visitante o conjunto de suas idiossincrasias. Embora tenhamos nos esquecido disso por vezes pelo fato de que as políticas públicas para o turismo, até então, vilipendiava o conceito traduzindo-o como sinônimo de eventos, hoje já se pode notar a tentativa de promoção de nossos valores como matéria-prima do setor turístico, o que antes não feito. Portanto, Manaus, tu nunca serás Liverpool! Mesmo que alguns arrivistas queiram transformá-la no quintal da mediocridade, é certo que sua gente e muitos de seus gestores acreditam piamente na sua transformação para algo melhor e muito “além do arco-íris”. Uma nova política de turismo já deita sobre a cidade o signo da valorização de suas características e de sua identidade. E que venham os ingleses! Serão recebidos muito bem, com muito sol ou muita chuva, ok?

Márcio Braz *Ator, diretor, cientista social e membro do Conselho Municipal de Política Cultural

Quando falamos da cultura de um povo estamos nos referindo à sua identidade e esta é revelada por meio de sua organização burocrática, de seus meios de locomoção, de sua educação”


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Programação da TV

REPRODUÇÃO

RECORD 3:45 Bíblia em Foco 4:00 Santo Culto em Seu Lar 4:30 Desenhos Bíblicos 7:00 Desenhos Bíblicos 7:30 Record Kids 8:00 Amazonas da Sorte 9:00 Record Kids 10:00 Domingo da Gente 13:15 O Melhor do Brasil 17:30 Domingo Espetacular 21:15 Especial Fim de Ano 22:15 50 por 1 23:10 Programação IURD

GLOBO

Eliana apresenta programa todos os domingos no SBT

Horóscopo GREGÓRIO QUEIROZ ÁRIES - 21/3 a 19/4 Intuição precisa e luminosa, em especial para se livrar de problemas. Um dia para agir certo, tanto na vida em geral quanto particularmente nas questões profissionais.

4:00 Santa Missa em Seu Lar 5:00 Amazônia Rural 5:30 Pequenas Empresas, Grandes Negócios 6:05 Globo Rural

6:55 Auto Esporte 7:30 Esporte Espetacular 10:45 Especial: Didi, O Peregrino 11:55 Temperatura Máxima 13:45 Divertics 14:55 Domingão do Faustão 18:45 Fantástico 21:10 Junto e Misturado 21:50 Domingo Maior 23:35 Sessão de Gala 1:42 Corujão 1 2:55 Havaii Five-0 3:40 Festival de Desenhos

REDE TV 6:30 Igreja Internacional da Graça 7:30 Igreja Internacional da Graça 8:30 Amazonas Dragway na TV 9:00 Rompendo Barreiras 10:00 TV Kids

Cinema

10:30 A Questão É 11:00 Igreja Internacional da Graça 12:00 Fique Ligado 13:00 Encircuito 14:30 A Questão É 15:00 AD & D 15:30 TV Kids 15:45 Vídeo Mania 16:15 Ritmo Brasil 17:00 Morning Show – Melhores Momentos 18:30 Peguei na TV 20:15 Teste de Fidelidade 21:35 TV Shopping Manaus 22:35 Dr. Hollywood 23:30 Fique Ligado 0:30 É Notícia 1:30 Bola na Rede 2:00 Good News Especial 2:30 Igreja Internacional da Graça

SBT 3:15 Jornal da Semana SBT 4:00 Igreja Universal 5:00 Pesca Alternativa 6:00 Brasil Caminhoneiro 6:30 Aventura Selvagem 7:30 Vrum 8:00 Amazonas da Sorte 9:00 Domingo Legal 13:00 Eliana 17:00 Roda a Roda Jequiti 17:45 Sorteio da Telesena 18:00 Programa Sílvio Santos 22:00 De Frente com Gabi 23:00 Série 0:00 Série 2 1:00 Série 3 2:20 Big Bang 3:00 Igreja Universal

Cruzadinhas

ESTREIA

TOURO - 20/4 a 20/5 Ideias elevadas e de alta compreensão vagueiam por sua mente. Facilidade em aprender e concluir a respeito da verdade. Em especial, as verdades que lhe dizem respeito. GÊMEOS - 21/5 a 21/6 A consonância e o favorecimento estão hoje presentes em assuntos práticos: no trabalho e em acordos financeiros. Bom dia para os negócios e encontrar os apoios certos. CÂNCER - 22/6 a 22/7 O idealismo estimula o espírito romântico na vida a dois. Em suas associações, há hoje pontos de convergência e interesses a serem desenvolvidos em conjunto. LEÃO - 23/7 a 22/8 O convívio dentro dos afazeres da vida a dois é hoje fonte de grandes alegrias, por aproximá-lo da pessoa querida. Coisas pequenas reverberam grandes sentimentos. VIRGEM - 23/8 a 22/9 O Sol em bom aspecto com Netuno estimula o espírito místico e religioso, tanto quanto estimula os sentimentos amorosos idealistas e talvez de caráter platônico. LIBRA - 23/9 a 22/10 Boa oportunidade de experimentar o sentimento místico de união a algo maior, por meio da dedicação à família e às tarefas ligadas a ela. A vida prática pode ter algo de mágica. ESCORPIÃO - 23/10 a 21/11 Encontro de um encanto especial em alguém ou algo que antes não lhe dizia muito. Tendência a idealizar demais as situações. Sua comunicação está mais magnética. SAGITÁRIO - 22/11 a 21/12 A realidade prática pode ter algo de mágica ou ainda alguma graça especial. Há sinais importantes a serem lidos nas coisas mais simples. Também é boa a sorte nos negócios. CAPRICÓRNIO - 22/12 a 19/1 Momento de se encontrar com pessoas especiais e de mostrar ser alguém especial às pessoas queridas. A comunicação ocorre em um nível elevado de inspiração e intuição. AQUÁRIO - 20/1 a 18/2 O momento favorece compreender algo das limitações materiais que tem encontrado. A compreensão traz melhor relação com as condições materiais em que está. PEIXES - 19/2 a 20/3 Disposição sonhadora bastante estimulada. Um amigo ou alguém especial pode ser a fonte desse estímulo. Tendência a se enlevar com os sonhos e com os sorrisos.

A Vida Secreta de Walter Mitty: EUA. 10 anos. Walter Mitty é o gerente de uma loja de produtos fotográficos. Ele é um homem tímido, levando uma vida simples, perdido em seus sonhos. Quando um negativo desaparece, Walter é obrigado a embarcar em uma verdadeira aventura. Cinemark 1 – 11h30, 14h10 (dub/exceto quarta-feira), 16h50, 19h30 (dub/somente 20 e 26 de dezembro), 22h10 (dub/exceto terça-feira e quarta-feira); Cinépolis 2 – 16h10 (leg/diariamente), 22h15 (leg/exceto terça-feira), Cinépolis 6 – 14h (leg/exceto quarta-feira), 19h30 (leg/exceto terça-feira); Cinemais Millennium 3 – 18h30, 20h50 (leg), Cinemais Millennium 8 – 14h40, 17h, 19h20, 21h40 (dub); Cinemais Plaza 3 – 14h20, 16h40, 19h, 21h20 (dub); Playarte 10 – 13h10, 15h30 (dub/terça-feira), 13h10, 15h30, 17h50, 20h10 (dub/sexta-feira, sábado, domingo, segunda, quinta), 17h50, 20h10 (dub/quarta-feira), 22h30 (dub/ somente sexta-feira e sábado). Minhocas: BRA. Livre. Júnior é uma minhoca de 11 anos de idade, com dificuldades em se adaptar no condomínio de minhocas onde vive. Um dia, ele é acidentalmente escavado e levado para fora da terra. Começa uma série de aventuras, nas quais o garoto deve enfrentar o vilão BigWig até conseguir voltar para casa. Cinemark 3 – 11h, 13h10 (dub/exceto quarta-feira), 15h20 (dub/diariamente), Cinemark 5 – 12h30 (dub/exceto quarta-feira), 15h10 (dub/diariamente), 17h50, 20h30 (dub/exceto terçafeira), 23h10 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinépolis 9 – 13h15 (dub/exceto quarta-feira), 15h30 (dub/diariamente), 17h40, 20h (dub/exceto quarta-feira); Cinemais Millennium 4 – 14h30, 16h30 (dub); Cinemais Plaza 5 – 14h10, 16h10 (dub). Ender´s Game - O jogo do exterminador: EUA. 10 anos. Em um futuro próximo, extraterrestres hostis atacaram a Terra. Com muita dificuldade, o combate foi vencido, graças ao heroísmo do comandante Mazer Rackham. Desde então, o respeitado coronel Graff e as forças militares terrestres treinam as crianças mais talentosas do planeta desde pequenas, no intuito de prepará-las para um próximo ataque. Ender Wiggin, um garoto tímido e brilhante, é selecionado para fazer parte da elite. Na Escola da Guerra, ele aprende rapidamente a controlar as técnicas de combate, por causa de seu formidável senso de estratégia. Não demora para Graff considerá-lo a maior esperança das forças humanas. Falta apenas um treinamento com o grande Mazer Rackham, e depois garoto estará pronto para a batalha épica que decidirá o futuro da Terra e da humanidade. Cinemark 7 – 12h50 (dub/exceto quarta-feira), 15h30 (dub/diariamente), 18h10, 20h50 (dub/exceto terça-feira), 23h30 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinépolis 7 – 13h30 (dub/exceto quarta-feira), 18h50 (dub/exceto terça-feira), 16h (leg/diariamente), 21h45 (leg/exceto terça-feira); Cinemais Millennium 5 – 14h20, 16h40, 19h, 21h30 (dub); Cinemais Plaza 7 – 14h, 16h20, 18h40, 21h (dub); Playarte 5 – 14h, 16h20 (dub/terça-feira), 14h, 16h20, 18h40, 21h (dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 18h40, 21h (dub/quartafeira), 23h20 (dub/somente sexta-feira e sábado). Questão de Tempo: Reino Unido. 12 anos. Ao completar 18 anos, Tim (Domhnall Gleeson) é surpreendido com a notícia dada por seu pai (Bill Nighy) de que pertence a uma linhagem de viajantes no tempo. Ou seja, todos os homens da família conseguem viajar para o passado, bastando apenas ir para um local escuro e pensar na época e no local para onde deseja ir. Cético a princípio, Tim logo se empolga com o dom ao ver que seu pai não está mentindo. Sua primeira decisão é usar esta capacidade para conseguir uma namorada, mas logo ele percebe que viajar no tempo e alterar o que já aconteceu pode provocar consequências inesperadas. Cinépolis 2 – 13h10 (leg/exceto quarta-feira), 19h10 (leg/exceto terça-feira), Cinépolis 6 – 16h45 (leg/diariamente), 22h20 (leg/exceto terça-feira); Cinemais Millennium 6 – 14h10, 16h50, 19h30, 22h (leg).

CONTINUAÇÕES O Hobbit – A Desolação de Smaug: EUA. 12 anos. Cinemark 3 – 18h50 (dub/exceto terça-feira), 22h20 (dub/exceto terça-feira e quarta-feira), Cinemark 4 – 21h50 (dub/exceto terça-feira), 11h10 (dub/exceto quarta-feira), 14h50 (dub/diariamente), 18h20 (dub/exceto terça-feira); Cinemark 6 – 13h50 (dub/exceto quarta-feira), 17h30, 21h10 (exceto terça-feira); Cinépolis 1 – 14h10 (3D/leg/ exceto quarta-feira), 17h55, 21h35 (3D/leg/exceto terça-feira); Cinépolis 4 – 16h30 (3D/leg/diariamente), 13h (3D/dub/exceto quarta-feira), 20h30 (3D/dub/exceto terça-feira); Cinemais Millennium 1 – 15h, 18h10 (3D/dub), 21h20 (3D/leg), 14h, 17h20, 20h30 (dub); Cinemais Plaza 1 – 14h30,

17h40, 20h50 (dub), 15h20, 18h30, 21h40 (3D/ dub); Playarte 1 – 14h10 (3D/dub/somente terça-feira), 14h10, 17h20 (3D/dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 17h20, 20h30 (3D/leg/ quarta), 20h30 (3D/leg/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 23h40 (3D/leg/somente sextafeira e sábado); Playarte 4 – 13h30 (leg/terça-feira), 13h30, 16h40, 19h50 (leg/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 16h40, 19h50 (leg/quarta-feira), 23h (leg/somente sexta-feira e sábado); Playarte 6 – 12h, 15h05 (dub/terça-feira), 12h10, 15h20, 18h30 (dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 17h, 20h05 (dub/quarta-feira), 21h40 (dub/ somente sexta-feira e sábado); Playarte 7 – 18h31

(dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 18h31 (dub/quarta-feira), 21h41 (dub/somente sexta-feira e sábado).

(sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 17h30, 19h30, 21h30 (quarta-feira), 23h25 (somente sexta-feira e sábado).

Carrie, a Estranha: EUA. 16 anos. Cinemark 2 – 16h30, 19h, 21h30 (dub/ exceto terça-feira); Cinépolis 10 – 21h55 (leg/exceto terça-feira); Cinemais Millennium 4 – 18h50, 21h10 (leg); Cinemais Plaza 8 – 15h10, 17h20, 19h30, 21h50 (dub); Playarte 8 – 19h05, 21h10 (leg/ quarta-feira), 19h05, 21h10 (dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 23h15 (dub/somente sexta-feira e sábado).

Vovô Sem Vergonha: EUA. 14 anos. Cinépolis 9 – 22h10 (leg/exceto quartafeira); Playarte 7 – 12h30, 14h30, 16h30 (leg/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 13h, 15h (leg/terça-feira).

Última Viagem a Vegas: EUA. 12 anos. Cinépolis 10 – 15h (leg/diariamente); Playarte 2 – 19h10, 21h20 (dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta), 19h10, 21h20 (dub/quarta-feira), 23h30 (dub/somente sexta-feira e sábado). Crô: BRA. 12 anos. Cinemark 8 – 12h20 (exceto quarta-feira), 14h40 (diariamente), 17h10, 19h20, 21h40 (exceto terça-feira), 23h50 (somente sexta-feira e sábado); Cinépolis 10 – 17h30, 19h40 (exceto terça-feira); Cinemais Millennium 7 – 15h20, 17h30, 19h40, 21h50; Cinemais Plaza 4 – 15h, 17h10, 19h20, 21h25; Playarte 3 – 13h30, 15h30 (terça-feira), 13h30, 15h30, 17h30, 19h30, 21h30

Jogos Vorazes – Em Chamas: EUA. 14 anos. Cinemais Millennium 3 – 15h10 (dub); Cinemais Plaza 6 – 14h50, 18h20, 21h10 (dub); Playarte 9 – 17h50, 20h50 (dub/quarta-feira), 23h45 (leg/somente sexta-feira e sábado). Bons de Bico: EUA. Livre. Playarte 2 – 13h10, 15h10 (dub/terça-feira), 13h10, 15h10, 17h10 (dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta). Thor 2 – O Mundo Sombrio: EUA. 10 anos. Cinemais Plaza 5 – 19h10, 21h30 (dub); Playarte 9 – 13h, 15h25 (dub/terça-feira), 13h, 15h25 (dub/sexta, sábado, domingo, segunda, quinta). Meu Passado Me Condena: BRA. 12 anos. Playarte 8 – 12h50, 14h55, 17h (sexta, sábado, domingo, segunda, quinta).


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

FOTOS: JANDER VIEIRA

::::: Páginas Foi bastante prestigiado, o lançamento “Páginas de Uma Vida” de autoria do padre João Mendonça, na Academia Amazonense de Letras. O evento que aconteceu na Casa de Letras teve como anfitrião o presidenteinterino Abrahim Baze e a acadêmica Carmen Novoa Silva as honrarias de apresentação da obra literária. Patrocinado pela Faculdade Salesiana de Manaus os convivas se encantaram com a apresentação do coral salesiano. Aliás, o encontro serviu de cortina para o pré-lançamento do livro comemorativo “Canção de fé e esperança” de Álvaro Maia organizado pela abalizada Carmen – que este ano A primeira-dama de Manaus, Goreth Garcia Ribeiro, e a completa 90 anos como teximortal Carmen Novoa Silva to-poético do Amazonas mais inspirado do século 20.

O presidente-interino Abrahim Baze e a acadêmica Carmen Novoa Silva repartindo os confetes-com-flahes com os diretores da Faculdade Salesiana de Manaus SILVIA CASTRO

No concorrido coquetel da Diesel, do Manauara Shopping: o competente cerimonialista Alberto Chã Filho

É uma sensação de alívio dirigir pelas ruas e avenidas asfaltadas desta Manaus de meu Deus, motoristas sentem a melhoria e não é exagero dizer que as vias estão ficando um “tapete”, agora resta saber se a qualidade do material resistirá ao rigoroso regime das chuvas que começaram a castigar a capital amazonense.

::::: Chave de ouro

Jander Vieira jandervieira@hotmail.com - www.jandervieira.com.br

::::: Aplausos de pé Para o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da CMM, vereador Álvaro Campelo (PP), que em dois dias de blitze, conseguiu aplicar aos principais bancos de Manaus uma multa de R$ 218.338,00 por descumprimento da lei municipal nº 1.389/2009, chamada de “Lei dos Biombos” e por desrespeito à lei municipal nº 167/2005, conhecida como a “Lei das Filas”. As multas foram aplicadas nas agências do Itaú, da Floriano Peixoto, e a do Bradesco, na 7 de Setembro.

O desembargador Ari Moutinho, presidente do TRE, com o empresário Alberto Martins durante solenidade que movimentou a ala puro-poder da cidade

::::: Tapete

D7

::::: Expansão

Depois de um ano frutífero, o secretário de Cultura Robério Braga prepara o “Glorioso” concerto de Natal no largo de São Sebastião. O evento que é um espetáculo promete encher mais uma vez os olhos do público que for conferir o evento no próximo dia 25. O evento natalino já é uma tradição da cidade e uma das marcas da gestão de Robério à frente da SEC.

O Sesi Amazonas, que tem como presidente o competente Antônio Silva, inaugura, amanhã, o Centro Integrado de Educação Pe. Francisco Luppino, em Parintins. O centro conta com diversos serviços que levarão mais conforto aos moradores da Terra dos Bumbás, como por exemplo, consultórios médicos, psicológicos e odontológicos.

::::: Verdadeiro absurdo Assim estão os preços das passagens aéreas por esse Brasil. Recado importante: se você é cardíaco ou mesmo desconfie que seu coração não anda bem, passe longe de certas agências de viagens. Os preços das passagens aéreas estão de dar medo. Um trecho lhe deixa tonto e de dois lhe põe em coma. Oremos!

::::: Sala de espera Hoje a querida Christiane Barbosa é quem recebe os cumprimentos pela troca de idade. O visionário e inquieto Ricardo Atala inaugurou a deliciosa Sopas & Sabores. Trata-se de uma casa de sopas com os mais variados tipos, do light ao que dá “sustança” fincada na Rio Purus em frente a Cia Atala. Vale conferir! Nos próximos dias, a 7 Camicie, a escola de idiomas Skill, Gizmagic, Hobby Brinquedos, Via Mia e a Shop do Pé Sport iniciam as suas operações no Shopping Ponta Negra. O Espaço Garden será palco da festa de confraternização da Jacc Produções, hoje. Além das bandas que pertencem ao staff da produtora, o encontro estará aberto para artistas das variadas manifestações culturais. A programação

também vai marcar o encerramento do Festival Até o Tucupi, com a apresentação do grupo Cordão do Marambaia e da DJ Naty Veiga. A Associação dos Funcionários Fiscais do Estado do Amazonas, a Affeam terá o toque feminino na sua nova direção. A auditora fiscal Jeroniza Albuquerque tomou posse, em uma cerimônia concorrida, no auditório da Sefaz, sendo a primeira mulher a assumir o cargo. Hoje, a partir das 9h, o ginásio Renné Monteiro será cenário da segunda etapa do 3º Open NV/Nova União de Jiu-Jítsu. O evento conta com o apoio da administração Aziz, por meio da Sejel. Hoje, com show imperdível da banda Jota Quest, o atuante prefeito Arthur Neto entrega a segunda parte da novíssima Ponta Negra.

::::: Celebração

A missa de Ação de Graças pelos 15 anos de Giovanna Aziz, na Igreja Nossa Senhora de Nazaré, transpirou emoção. A debutante, mais linda do que tudo, era o retrato da felicidade ao lado de seus pais Andréa e Mansur Aziz. Familiares e amigos cantaram e rezaram ao Senhor agradecendo pela vida da querida Giovanna. Creia: a cerimônia contou com a presença do divino Espírito Santo de tão linda e emocionante que foi!

Adilton Gentil, Guilherme Lunière e Atila Yurtserver Jr.

Samara e Ismael Aziz com Terezinha Ismail

Amin Aziz e sua Kamilla Jenifer

Nazareth e Vânia Lustosa

Marilene Lopes e Andréa Aziz Ticiana Tossol, Juliana Alves e Laura Luna

Mansur e Andréa Aziz com Giovanna Maher, Carla, Labib Ismail com Giovanna

Mazarello Vargas mais Larissa e Cibele Ferreira

Sandra Dantas e Andréa Aziz

Letícia Ferreira, Camila Martins e a debutante

Lúcia Viana e Vera Bulbol

Adson, Gleide, Rapahel, Tarcisio, Mael Pinto com Giovanna e Andréa Aziz


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Espetáculo de Natal realiza intercâmbio cultural inédito Em troca de toda a técnica que faz dos americanos, os amazonenses têm ensinado à equipe o “jeito caboclo” de emocionar

O

intercâmbio entre os produtores e artistas norte-americanos do “Glorioso 2013 – O Desejo de Natal” tem sido cada vez mais mão dupla em troca de conhecimentos, cultura, crescimento profissional. O espetáculo é uma realização do governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e será exibido, em quatro palcos entorno do Teatro Amazonas, no dia de Natal, quarta-feira, dia 25. Tendo no currículo superproduções mundiais, como em Walt Disney World, Studios Universal, Superbowl, na China, no Japão e vários outros países, a norte-americana Hardrive Productions, especializada em entretenimento e espetáculos artísticos, foi a contratada pelo governo para fortalecer junto aos produtores e artistas amazonenses o concerto de Natal. Em troca de toda a expertise, técnica e aperfeiçoamento que faz dos americanos serem referência em shows como da Broadway, os amazonenses têm ensinado à equipe internacional o “jeito caboclo” de fazer acontecer maravilhas que emocionam, surpreendem e que são referência para a plateia, graças ao calor huma-

DIVULGAÇÃO

no e à aprendizagem, para os americanos, de correr riscos. “Chegamos a um ponto, juntos, de ter a qualidade extraordinária de uma produção que não se vê no Brasil. Somos referência cultural em produção em boa parte do país. E trabalhando com nossa equipe, os americanos aprenderam a arriscar, coisa que eles não estão acostumados. Damos a cara para o risco, para a surpresa, aquilo que nos arrepia”, explica o diretor técnico de “Glorioso”, o amazonense Marcos Apolo Muniz. ‘Dobradinha’ Na equipe técnica norteamericana referente a Apolo está o John Haupt. É que, para cada um diretor artístico e executivo amazonense, há uma dobradinha americana ou mesmo para cada equipe local, há outra internacional. “Os espetáculos americanos são belíssimos, mas tudo é mecânico, tem o tempo exato, no que diz respeito ao método, não tem erro, é perfeito. Não há surpresa, já que treinam tudo e revelam tudo. Aqui a gente tem que ter adrenalina, as surpresas. Tem que ter alguém pendurado em algum canto. Até brincamos dizendo que para se carregar um piano, lá fora,

se demonta ele, embala, carrega em partes. Aqui não, pegamos o piano e colocamos debaixo do ombro e vamos”, diz o diretor amazonense. John Haupt é só elogios para Apolo e sua equipe incrível, por realizarem ideias e sonhos, em realidade, com trabalhos bem feitos, e estarem sempre dispostos a ajudar. “O Apolo nunca tem um ‘não’ para falar e mostra os caminhos que tornam possível realizar, acontecer. Agora que nos conhecemos melhor, é mais fácil o trabalho. Os brasileiros pegaram o nosso jeito, como gostamos de trabalhar, e aprendemos como os amazonenses gostam de fazer. A troca de informação e experiência flui com mais rapidez e tudo é dissipado para o grupo envolvido na produção”, disse o americano. Questionado sobre como é estar no meio da floresta para passar o Natal, em Manaus, depois de tantos anos viajando mundo afora, dos Estados Unidos até a China, Haupt diz que se sente em casa: “Fico muito bem de trabalhar com os profissionais locais, sentimos muito o calor humano. Isso é incrível, porque todos se mostram abertos a fazer amizades, e facilita tudo”.

As experiências são debatidas diariamente entre os norte-americanos e os amazonenses

Música como linguagem universal Assinando a quatro mãos a direção musical de “Glorioso – O Desejo de Natal”, os maestros Marcelo de Jesus e Joe Alfuso já tem em comum o benefício da música ser uma linguagem universal. Este ano, segundo o maestro adjunto da Amazonas Filarmônica e da Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA), De Jesus, este ano a parte musical está com folga, com as orquestras todas prontas para o espetáculo, há cinco dias da data. “Isso foi possível porque

eu e o Joe conseguimos nos afinar bastante. Desde o começo, quando ele enviou as partituras, já sabia como ele queria e ano passado vencemos a etapa do processo de gravação e de ter o ‘click’ que avisa as mudanças. Tudo o que era novidade e inovação em 2012 foi aprendido e apreendido pelas orquestras e bandas, além dos solistas. O resultado foram gravações tranquilas e uma parceria consolidada, que até parece que vem de anos”, explica o maestro brasileiro.

Para o americano Joe Alfuso, como a música é uma linguagem universal, o que tem crescido é o conhecimento entre as equipes, o que resulta num trabalho de qualidade superior entre os corpos artísticos e os maestros. “O intercâmbio criou sincronia, camaradagem, amizade entre nós. E o melhor de tudo isso é que notamos que os músicos, mesmo sendo profissionais, se divertem com a música, sentem ela profundamente e gostam do que fazem”, declara.


MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

opiniao@emtempo.com.br

(92) 3090-1010

1

2

Quando Jesus foram dois

A imaginação de Quim Monzó em texto inédito. Pág 2

Mandiba por Nadine Gordimer

Um ícone de carne e osso por uma Nobel. Pág. 3

3

Marco no horror do cinema faz 40 anos ‘O Exorcista’: um filme de virar a cabeça. Pág. 4


G2

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Imaginação PROSA, POESIA E TRADUÇÃO

1

Natal branco Quando Jesus foram dois RESUMO Inédito em português, este conto de Quim Monzó integra a coletânea “Tres Nadals” (Três Natais), lançada em 2003 pela Quaderns Crema, selo da editora Acantilado para livros em catalão. Considerado um dos principais prosadores de seu idioma, o autor de Barcelona teve títulos editados em mais de 20 idiomas.

QUIM MONZÓ TRADUÇÃO RONALD POLITO ILUSTRAÇÃO DANIEL BUENO

No princípio tudo continuava normal, se por normal se entende que um ser fabuloso, de cabelos encaracolados louros até os ombros e asas de pena de ganso, como as que às vezes escapolem pelas costuras dos edredons, descesse até a casa de Maria e, lá, no átrio de colunas românicas – isso sim é que era estranho: colunas românicas em Nazaré – lhe anunciasse a boa-nova. Mas, de fato, tudo continuava exatamente desse jeito: o ser fabuloso, de cabelos encaracolados louros até os ombros e asas de pena de ganso, com olhos amendoados entre o azul, o verde e o rosa, e de uma beleza, mais que inenarrável, assexuada, desceu até a casa

de Maria – uma casa humilde, mas limpa e bem cuidada, com vasos de gerânio ao longo do átrio de colunas, românicas tal como dissemos – para anunciar-lhe a boa-nova: que era cheia de graça e bendita entre todas as mulheres. Maria ficou boquiaberta. O arcanjo, vendo a perturbação da mulher, entendeu que o aparato cênico tinha sido realmente impressionante; talvez tivesse pesado um pouquinho a mão. Para tranquilizá-la disse que não precisava ter medo, que somente tinha vindo anunciarlhe que teria um filho que se chamaria Jesus. A mulher – claro – aceitou a notícia de bom grado, e o arcanjo desapareceu instantaneamente, com a mesma desenvoltura com que havia aparecido. Horas mais tarde, quando o marido, José, voltou da oficina – era carpinteiro –, Maria lhe contou o que havia acontecido. José ficou pasmo. Também fica dentro da normalidade mais absoluta a disposição do imperador Augusto,

que ordenava que todos os súditos do Império Romano se recenseassem, cada um no povoado ou na cidade de onde a família fosse originária. Por isso, José e Maria pegaram o burro e seguiram rumo a Belém. Maria ia sobre o animal, sentada de lado, e José a pé, puxando as rédeas. O que – como as colunas românicas – também não era nada normal era aquela história toda de neve. Quando chegaram a Belém viram que o povoado inteiro estava coberto de neve, até o horizonte, sobre o qual pairava um céu negro e com estrelas de cinco e seis pontas, imóveis e como que recortadas. Na Palestina a neve era um fenômeno meteorológico quase ignorado. Gerações e gerações de cidadãos nasciam e morriam sem tê-la conhecido, sem que isso os preocupasse nem um pouco. E se já tinham ouvido falar, era por viajantes de países distantes, que mencionavam até mesmo montanhas onde a neve é eterna. Os nativos os

escutavam encantados, mas, assim que os viajantes terminavam a narrativa, voltavam ao trabalho sem que a neve lhes tirasse nem uma hora de sono. Por outro lado, agora tudo estava nevado: as montanhas, as ruas, os terraços das casas, a barraca da vendedora de castanhas... Era neve em pó, tão em pó que parecia farinha. Por causa da afluência de gente para se recensear, não encontraram nenhum quarto livre em toda Belém. Os habitantes não eram muito acolhedores; nem a imagem de uma mulher grávida os movia à piedade. Por isso se viram forçados a instalar-se em um estábulo abandonado. Limparam um canto, perto de um boi adormecido e do burro que levavam. Foi lá que, no dia 25 de dezembro, Maria deu à luz. Era um menino lindo, saudável e chorão. José pegou-o nos braços para limpá-lo. Mas Maria reclamou novamente sua atenção. Estava nascendo um segundo menino. Eram dois meninos lindos, e cada um com sua auréola

tipo holograma sobre a cabeça. Depois de alimentá-los e pôr as fraldas – sorte que Maria tinha previsto algumas de reserva –, deitaram-nos sobre um monte de palha, um ao lado do outro. Moviam as mãos. O boi e o burro contemplavam a cena com o rabo do olho. – Você tem certeza de que ele falou em um menino? Será que não eram dois e você não prestou atenção? José não entendia o que tinha acontecido. Que fossem dois perturbava todos os planos. Até mesmo uma coisa tão pouco importante como a questão do nome. O arcanjo tinha noticiado que havia de se chamar Jesus. Era um nome que não os desagradava: tampouco os entusiasmava, se temos de ser sinceros. Naquela época, os nomes predominantes eram Sandra, Vanessa, Kevin, Jonathan e mesmo Sue Ellen, que lhes pareciam frívolos e pretensiosos. José e Maria haviam considerado outros nomes e até tinham feito uma lista.


MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

2

Um ícone de carne e osso Sobre uma amizade com Nelson Mandela RESUMO A escritora sul-africana Nadine Gordimer, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura em 1991, comenta sua convivência com o compatriota Nelson Mandela e sublinha como o líder político, morto no dia 5 deste mês, era, no dia a dia, muito mais doce e bem-humorado do que o retrato corrente dele dá a entender.

NADINE GORDIMER TRADUÇÃO CLARA ALLAIN ILUSTRAÇÃO PAULO MONTEIRO

Ter vivido ao mesmo tempo e no mesmo país de Nelson Rolihlahla Mandela representou um norte e um privilégio que nós, sul-africanos, compartilhamos. Eu tive ainda o privilégio de tornar-me amiga dele. Nos conhecemos em 1964, durante o julgamento de Rivonia, no qual ele estava sendo julgado por atos de sabotagem contra o governo, e eu estava presente no tribunal quando ele foi sentenciado à prisão perpétua. Em 1979 escrevi um romance, “A Filha de Burger”, sobre o tema da vida familiar dos filhos de revolucionários, uma vida governada pela fé política de seus pais e pela ameaça diária do encarceramento. Não sei como o livro, proibido na África do Sul logo após ser publicado, foi levado clandestinamente até Mandela na prisão de Robben Island. Mas ele, o leitor mais rigoroso que eu poderia ter desejado, me escreveu uma carta demonstrando profunda aceitação e compreensão do livro. Mesmo quando não vinha a público nenhuma notícia a respeito dele nem havia qualquer indicação sobre o que ele estaria pensando ou planejando para continuar a luta pelo fim do apartheid, resguardávamos suas convicções, os discursos que ele fizera enquanto estava fisicamente presente entre nós. Para um espírito como o dele, “muros não fazem uma prisão”; seu espírito não podia ficar sob a custódia do apartheid. Ainda tínhamos presente sua mentalidade política. Pude manter contato com Mandela durante esse período graças ao notável George Bizos, seu mais-do-queadvogado, que ficou ao lado dele mesmo durante o isolamento de Robben Island. Em 1985, P. W. Botha, presidente do regime do apartheid, ofereceu a Mandela a liberdade, desde que ele renunciasse incondicionalmente a toda violência como instrumento político. A resposta de Mandela foi lida por sua filha Zindzi num estádio enorme em Soweto: “Que ele renuncie à violência. Que ele diga que vai desmontar o

apartheid. Que ele desfaça a proibição da organização do povo, o Congresso Nacional Africano. Não posso e não vou assumir qualquer compromisso enquanto eu e vocês, o povo, não formos livres”. Até ele ser transferido, em 1982, da prisão de Robben Island para outra, destinada a presos comuns, na porção continental da Cidade do Cabo, Winnie Madikizela-Mandela, com quem ele era casado, e por quem nutria um amor escancaradamente apaixonado, só podia visitá-lo sob severas restrições. Finalmente, em 1990, Nelson Mandela seria visto em liberdade, de mãos dadas com sua mulher. Força esgotada Em 1990, o presidente F. W. de Klerk, um tipo muito particular de realista, viu que o apartheid era uma força que se esgotara. Ele revogou a proibição ao CNA e a seus aliados e filiados e libertou os prisioneiros políticos remanescentes. Reagi com alguma descrença quando George Bizos me disse que Mandela, recém-libertado, queria me ver. Acho que, com certa vaidade de escritora, pensei que o grande homem quisesse conversar comigo sobre “A Filha de Burger”. Alguns dias depois, estávamos a sós em Johannesburgo. Não foi sobre meu livro que ele falou, mas sobre o fato de ter descoberto, em seu primeiro dia de liberdade, que Winnie Mandela tinha um amante. Essa notícia devastadora só seria levada a público no divórcio deles, seis anos mais tarde. Eu nunca antes havia falado nisso porque acredito que a dimensão de seu sacrifício, a força que ele demonstrava na forma como vivia, não era reservada somente ao seu “éthos” político. Seu modo de viver era viver pela liberdade dos outros. A Convenção para a África do Sul Democrática, ou Codesa, que se reuniu pela primeira vez no ano seguinte, foi realizada num prédio chamado World Trade Centre, mas, em alguns momentos, os participantes, entre eles membros do CNA, precisavam ter conversas em âmbito privado. Havia acordos de vida e morte a serem selados, sob a liderança suprema de Mandela, disposto a ouvir aquele que, no momento, representava o poder do povo contra as forças fortemente armadas do apartheid, financiadas por aliados ocidentais. Camaradas de diferentes campos de batalha, à frente de partidos como o Comunista sul-africano, o Congresso PanAfricanista e o da Liberdade Inkatha, cada um com ideias próprias sobre como deveria ser criada a democracia, queriam se reunir com a CNA a salvo dos espiões de De Klerk. Um líder do CNA escolheu a casa em que eu vivia com meu marido, Reinhold Cassirer, num subúrbio branco de Johannesburgo, como local de encontro. É claro que não tínhamos conhecimento do que era dito. Eu levava uma bandeja de chá até a varanda onde o grupo se reuniu diversas vezes. Apenas em uma

G3 ocasião Mandela esteve entre eles. Eu não ficava ouvindo de soslaio. A Codesa foi tema de reportagens e análises exaustivas na imprensa, inclusive a africâner, que engoliu em seco, tentando, por lealdade aos líderes do apartheid envolvidos, ser indulgente com aquele processo inacreditável. Mandela não era – não àquela altura – um ícone nem para os negros sul-africanos nem para os brancos que integraram a luta. Alguns africâneres que passaram a condenar o regime racista sentiram um alívio tingido de culpa, torcendo por algum acordo de forças que suavizasse a condenação do apartheid pelo mundo. Mandela: não uma figura esculpida em pedra, mas um homem alto, de carne e osso, que o sofrimento não fez vingativo, e sim ainda mais humano – mesmo em relação aos criadores da prisão que era o apartheid. Ele seria capaz de manter um diálogo natural com aqueles que haviam impedido milhões de sul-africanos negros de exercer o papel de cidadãos em seu país. Conforme a Codesa prosseguiu, as negociações estancaram, e a certa altura se viram ameaçadas por um confronto violento entre a polícia e um grupo de extremistas pró-apartheid na entrada do edifício onde transcorriam as discussões. A Codesa se concluiria meses mais tarde, sob impasse. Sua maior realização foi, sem dúvida, o fato de ter aberto o caminho para a nova Constituição, estabelecendo direitos iguais para todas as pessoas na África do Sul. Em 1993, quando anunciouse que Nelson Mandela receberia o Nobel da Paz, nossa alegria foi levemente abalada pela decisão do comitê de dar o prêmio também a De Klerk. Haveria uma cerimônia em Oslo para os dois laureados. George Bizos e eu fomos convidados a integrar a comitiva de Mandela. Viajamos para a Noruega ao lado dele e de outros líderes do CNA e tivemos a experiência inesquecível de vê-lo receber a honraria. Depois da cerimônia, tivemos outro tipo de experiência. Como participantes da comitiva, saímos à sacada do hotel onde todos nós, incluindo Madiba (como Mandela era conhecido), estávamos hospedados. Diante de nossos olhos, uma enorme multidão, composta de pessoas de diferentes nacionalidades, o saudava cantando temas de libertação do CNA. George e eu notamos De Klerk e sua mulher numa sacada adjacente e não pudemos crer no que vimos a seguir. Os De Klerk deram as costas à multidão exultante que ocupava a rua e se retiraram para dentro do hotel. Teria De Klerk percebido apenas então que as canções não eram para ele? Nos últimos anos de vida de Madiba, eu o visitei vez e outra na casa grande, elegante e confortável, que lhe tinha sido dada em um subúrbio de alto padrão de Johannesburgo. George e eu tomávamos o café da manhã com ele ali. Mandela se levantava tarde, numa concessão à idade avançada, de modo que era mais como um “brunch”. Ele presidia a mesa em seu lugar habitual na cabeceira, como chefe da casa. Da cozinha ali ao lado, empregados cordiais traziam uma fartura de comidas simples. Mostravam um prato e outro a Mandela, ouvindo suas perguntas e ordens. O café da manhã era sua refeição favorita e era também a hora em que gostava de receber pessoas. Depois disso, íamos à sala de estar, onde Madiba se sentava em sua cadeira especial. De vez em quando, estendia a mão para segurar a de George, que havia enfrentado com ele questionamentos.


G4

MANAUS, DOMINGO, 22 DE DEZEMBRO DE 2013

Cinema

3

Um filme de virar a cabeça ‘O Exorcista’, marco do horror, faz 40 anos RESUMO Lançado no final de 1973, “O Exorcista”, filme de William Friedkin baseado em best-seller de William Blatty, foi o primeiro blockbuster de horror de Hollywood. Sucesso da história da menina possuída pelo demônio foi propelido em parte pelo espírito da época, em que o ideal “paz e amor” cedia lugar a experimentos com o oculto.

ANDRÉ BARCINSKI

Em 1973, William Friedkin era a própria encarnação do diabo para os executivos do estúdio Warner. Consagrado pelo sucesso de “Operação França” (1971), o diretor levou ao cinema o best-seller “O Exorcista”, de William Peter Blatty. O filme estreou no dia seguinte ao Natal daquele ano, data não exatamente propícia para exibir uma menina se masturbando com um crucifixo. Mas a Warner tinha mais a temer. O perfeccionismo paranoico de Friedkin apavorava os produtores. A filmagem, calculada em 85 dias, passou de 220, e o orçamento mais que dobrou em relação ao previsto. Os métodos de Friedkin eram bem peculiares. Ele disparou armas dentro do estúdio para captar as reações de choque do elenco e mandou

aumentar a força do dispositivo de cordas que arremessava Ellen Burstyn pelo quarto em uma cena – a atriz acabou machucando seriamente a coluna. Para registrar o momento do exorcismo, o diretor transformou o estúdio num imenso frigorífico; aparelhos de ar-condicionado deixavam a temperatura abaixo de zero e permitiam às câmeras filmar a respiração dos atores. A equipe era obrigada a trajar roupas de neve. Na célebre cena em que a menina Regan (Linda Blair), possuída pelo demônio, vomita no padre Karras (Jason Miller), Friedkin mandou o chefe de efeitos especiais mirar na cara de Miller, mas não avisou ao ator: sua expressão de nojo com a gosma é real. Para gravar a voz do demônio que domina o corpo da menina, Friedkin chamou a atriz Mercedes McCambridge (1916-2004). Veterana de trabalhos em rádio com Orson Welles, ela foi amarrada a uma cadeira e submetida a uma dieta de ovos crus e uísque

Jack Daniel’s, para fazer sua voz soar mais gutural. Muito religiosa, ela caía em prantos nos intervalos e era consolada por dois padres, contratados como consultores. Friedkin não gostou de como o reverendo William O’Malley, escalado para viver o padre Dyer, interpretou a cena em que ministrava a unção dos enfermos a Karras. Pegando O’Malley pelos ombros, olhou fixamente em seus olhos e perguntou: “Bill, você confia em mim? Você me ama?”. Quando ouviu “sim”, Friedkin o esbofeteou no rosto e mandou a câmera rodar. O padre completou a cena tremendo e chorando. A aparente loucura de Friedkin seguia um método e um objetivo. Ele intuía que “O Exorcista”, para ser um sucesso, precisava de intensidade e realismo inéditos. Deu certo: foi o primeiro longa de terror campeão de bilheteria da história de Hollywood. É o nono filme mais rentável dos EUA, segundo o site Box Office Mojo. Em valores atualizados,

faturou US$ 890 milhões (cerca de R$ 2 bilhões), superando até mesmo “Avatar” (US$ 782 milhões, R$ 1,8 bilhão). Gerou um fenômeno social e cultural que capturou, melhor que qualquer outro, o espírito de sua época. “Estávamos na era do antiherói”, define Friedkin em sua recém-lançada autobiografia, “The Friedkin Connection: A Memoir” [Harper, R$ 53, 512 págs.]. “O clima era de medo irracional e paranoia, dois velhos conhecidos meus [...]. Os filmes dos anos 70 começaram a abordar a ambiguidade moral que reconhecíamos em nós mesmos”, escreve o cineasta, hoje com 78 anos e ainda na ativa. Desde o fim dos anos 1960, o mundo vivia uma fase de conflitos bélicos e existenciais. O Vietnã e a Guerra Fria chegavam a seus picos dramáticos. Tanques soviéticos esmagaram a Primavera de Praga. Os assassinatos de Bobby Kennedy e Martin Luther King, os massacres da gangue de Charles Manson, as mortes de ídolos do

rock como Jimi Hendrix, Brian Jones, Jim Morrison e Janis Joplin e o fim dos Beatles sepultaram o sonho hippie de paz, amor e união. O “sistema” tinha vencido. Havia uma impressão de que o mundo estava prestes a enfrentar um desastre apocalíptico. Não à toa, foi uma época de grande interesse pelo oculto e sobrenatural. Na música, isso ficou claro quando os Beatles incluíram a foto do ocultista inglês Aleister Crowley (1875-1947) na capa do LP “Sgt.Pepper’s Lonely Hearts Club Band”. Crowley virou um ídolo da contracultura: Jimmy Page, do Led Zeppelin, comprou um castelo que fora do bruxo, e Mick Jagger, dos Rolling Stones, atuou no filme “Invocation of My Demon Brother”, dirigido por um discípulo de Crowley, Kenneth Anger. David Bowie era outro popstar obcecado por Crowley. Citou o ocultista em músicas (“Quicksand”, 1971) e fez um disco inspirado em sua filosofia, “Station to Station” (1975/76).


EM TEMPO - 22 de dezembro de 2013  

EM TEMPO - Caderno principal do jornal Amazonas EM TEMPO

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you