Page 1

SLIMLIPO

Promessa de corpo magro em 24 horas

Saúde e bem-estar E7

ANO XXIV – N.º 7.630 – MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES - DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO - PREÇO DESTA EDIÇÃO: R$ 2,00

Belém não desiste da Copa 2014

Frente de trabalho do governo do Pará prepara a capital, Belém, para ser Centro de Treinamento de uma ou mais seleções. Orçamento para as obras ultrapassa os R$ 105 milhões.

Rede hoteleira, infraestrutura de hospitais, turísticas e de mobilidade estão sendo pensadas para atender a demanda de pessoas caso a cidade seja escolhida.

Comitiva da Fifa já sondou as instalações disponibilizadas na cidade e, amanhã, Comitê Organizador da Copa desembarca em Belém para nova rodada de reuniões. Dia a dia C1

Vagas com salários de até R$ 12.960 MERCADO

Genéricos estão 400% mais caros

ICMS PRORROGADO

CARIOCA

Flamengo e Vasco em jogo de rivalidades na semifinal Lance! 6

Omar beneficia atingidos pelas cheias dos rios Governador do Amazonas anunciou que empresários terão mais prazo para recolher o imposto em razão das enchentes no interior. Contexto A2

ALEX PAZUELLO/AGECOM

LIVIA VILLAS BOAS-AGIF/AE

ELZA FIUZA/ABR

Levantamento realizado pelo EM TEMPO revela que nas drogarias da capital o consumidor pode descobrir que o preço de alguns genéricos é superior aos medicamentos de referência. Procon recomenda pesquisar. Economia B4 e B5

CENÁRIO

Oposição no AM perde o fôlego e a força política Semelhante ao declínio das siglas de oposição no país, com a ascensão do PT ao poder, política estadual segue mesmo critério. Política A8


Opinião/Última Hora

A2

Contexto 3090-1017/8115-1149

contexto@emtempo.com.br

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Moradores pedem paz e justiça durante passeata Objetivo era chamar a atenção das autoridades para a falta de segurança e outros problemas da Zona Leste

SHANA REIS

Omar dá atenção especial aos municípios do interior Ao mesmo tempo em que começou uma séria de visitas a municípios das calhas do Juruá e Purus, o governador do Estado, Omar Aziz (PSD), determinou um benefício que deixa os empresários do interior afetados pela enchente dos rios aliviados. Omar prorrogou os prazos para o pagamento do ICMS dos contribuintes localizados em municípios que enfrentam estado de calamidade pública, ou seja, aqueles atingidos gravemente pela cheia dos rios amazônicos. Os contribuintes terão dois meses a mais, após a data do vencimento, para recolher o ICMS. Estão contemplados os municípios de Envira, Eirunepé, Guajará, Ipixuna, Carauari e Juruá. Também Boca do Acre, Lábrea, Pauini, Canutama, Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Tabatinga, São Paulo de Olivença e Borba. Com isso, os contribuintes não serão considerados inadimplentes. CONTRA O BC Serafim Corrêa (PSB), pré-candidato à Prefeitura de Manaus, abriu o verbo contra o Banco Central, sobre as novas regras para o financiamento de campanha.

“O BC é gozado, todo preocupado com os recebimentos de doações dos partidos, o fundo irrisório dos partidos, e não viu as movimentações volumosas de Carlinhos Cachoeira. É gozado isso!” Serafim Corrêa, sobre financiamento de campanha

ADIADO DE NOVO O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) adiou pela 21ª vez o julgamento do processo administrativo disciplinar (PAD)contra o expromotor do MPE-AM, Vicente Cruz. Ele é acusado de pagar irregularmente gratificações de produtividade aos servidores do Ministério Público do Amazonas. O PAD tramita desde 2008 no CNMP. ‘CRUZ CREDO’ O titular da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), Dermilson Chagas, não quer ouvir falar do presidente da Fepesca, Walzenir Falcão. Quando ouve falar o nome de Falcão, Chagas faz um sinal da cruz, seguido de um “cruz credo”. CONTRATO Dois meses após iniciar as obras de reforma e revitalização da segunda fase da Ponta Negra, a prefeitura assina o contrato com a ganhadora da licitação, Mosaico Engenharia. Segundo a Seminf, a

empresa assinou um termo de responsabilidade para iniciar as obras antes de oficializá o contrato, que tem valor de R$ 27,4 milhões. PRESENTINHO A Câmara Municipal de Manaus (CMM) deu um presente ao vereador Jaildo dos Rodoviários. Menos de dez dias após a paralisação do transporte coletivo de Manaus, em que os irmãos do parlamentar são suspeitos de liderar, Jaildo participará do 2º Seminário Nacional de Mobilidade Urbana, em São Paulo, de 8 a 10 de maio. Ele receberá passagens aéreas e quatro diárias, mas terá que apresentar relatório. SUBSTITUTOS A Prefeitura de Manaus já escolheu a pessoa que vai substituir Vital Melo na Semtrad. Será Maria Francinete Correia de Lima. Na Manaustur também foi definido o nome a substituir Arlindo Júnior. Será Idage Maria Abrahim Fernandes. Antes, ela era diretora de área do órgão.

APLAUSOS

VAIAS

Fisco

Eike Batista

Para o Fisco, que intimou 158 mil contribuintes com indícios de fraude no Imposto de Renda.

Para Eike Batista, dono das empresas OGX e MPX, que amargaram os maiores prejuízos da América Latina, em 2011.

Apoiados pela Igreja Católica e evangélicos, moradores foram às ruas da Grande Circular MONICA FIGUEIREDO Equipe EM TEMPO

C

erca de 500 pessoas participaram de uma caminhada por justiça e paz na Zona Leste de Manaus na manhã de ontem (21). A passeata, que percorreu a avenida Grande Circular e chegou à feira do Produtor, no Jorge Teixeira, é realizada há cinco anos e reúne movimentos sociais, igrejas católicas e evangélicas. Segundo os moradores, o objetivo da caminhada é chamar a atenção das autoridades para os diversos tipos de violência a que estão expostas as famílias da

Zona Leste e, também, as mazelas da saúde pública e do transporte coletivo. Eles pretendem conscientizar as pessoas da importância do voto neste ano de eleições. Um dos organizadores do evento, Dantas Silva, explicou que a população iniciou a caminhada quando, há 5 anos, uma jovem conhecida como Luciana, 19, foi assassinada após uma tentativa de assalto, quando voltava de um curso. “Os moradores se sensibilizaram e todos os anos a gente se reúne para vir para a rua lutar por justiça e paz”, comentou. Dantas afirmou que, além da questão da segurança, a

população vê como violência a precariedade que bairros como Cidade de Deus, Armando Mendes, Jorge Teixeira, São José, Tancredo Neves, têm enfrentado. “Não ter água na torneira é uma forma de violência. É um direito que nós temos. Além disso há o abandono, as ruas estão esburacadas e ninguém olha por nós”. No movimento de ontem, além dos moradores da Zona Leste, representantes das comunidades da Zona Norte também estiveram presentes. A iniciativa teve a participação do Movimento S.O.S Encontro das Águas, pastoral, entre outros.

Dois homicídios na madrugada Dois industriários foram assassinados na capital amazonense em menos de 24 horas. O primeiro crime ocorreu na rua Pérsia, no bairro São Lázaro, Zona Sul de Manaus, e teve como vítima Anderson Marinho de Souza, de 20 anos. Ele levou um tiro na cabeça à 1h20 da última sexta-feira (20), segundo registros da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). A autoria do crime ainda é desconhecida. O segundo homicídio ocorreu também na última sexta-feira, às 21h30. A vítima foi o industriário André Farias de Jesus, 24, atigido por duas facadas na Zona Leste de Manaus. O crime ocorreu na rua 23, no bairro do São José,

Acidente aéreo sem sobrevivente Não há sobreviventes entre os 127 passageiros do Boeing 737-200 da Bhoja Air que caiu no Paquistão, na noite do última sexta-feira (20), de acordo com fontes médicas e da aviação civil do país. Segundo a companhia aérea, o acidente ocorreu devido ao mau tempo na hora do pouso na capital Islamabad. O porta-voz de aviação civil, Junaid Jan, afirmou que os corpos puderam ser identificados, contrariando a versão de que o avião teria incendiado após o acidente. Segundo o Instituto Paquistanês de Ciências Médicas, 73 dos 127 corpos foram identificados. Hoje, o governo do país bloqueou a saída para o exterior do presidente da Bhoja Air, Farooq Bhoja, durante as investigações do acidente. De acordo com o ministro do Interior, Rehman Malik, o avião envolvido na queda “era muito velho, pelo que ordenaram a investigação sobre a navegabilidade da aeronave”. O diretor administrativo da Bhoja Air, Javed Ishaq, afirmou, na sexta-feira (20), que o avião da empresa estava em boas condições de funcionamento e que se envolveu em acidente devido a fortes ventos que atingiam a região durante uma tempestade. O acidente ocorreu às 18h40 locais (9h40 em Brasília), enquanto ocorria uma tempestade em Islamabad. Testemunhas que moram próximas ao local do acidente afirmam que o piloto foi forçado a descer a aeronave para evitar as nuvens e os raios. A aeronave partiu de Karachi com destino à capital.

ZONA LESTE

VIOLÊNCIA

RICHARD RODRIGUES Equipe EM TEMPO

PAQUISTÃO

Zona Leste, em frente ao Bar do Chagas. De acordo com registro da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), André foi socorrido e levado ao Hospital

VÍTIMA

Uma das mortes ocorreu na Zona Sul de Manaus e teve com vítima o jovem André Farias. Ele morreu após ser atingido por duas facadas, na rua 23 do São José

e Pronto-Socorro Platão Araújo, Zona Leste da capital amazonense, porém, não resistiu aos ferimentos e morreu duas horas depois de ser alvejado em via pública.

A causa da morte do industriário, segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML), apontou vítima de ferimento perfurante no tórax e coração, além de choque hemorrágico. A autoria do crime, que está sendo investigado pela DEHS, também segue desconhecida. Cadáver encontrado Um homem, não identificado, foi assassinado por arma de fogo, às 2h de ontem, no bairro do São lLázaro, Zona Sul de Manaus. Segundo registros do IML, o corpo da vítima, que aparenta idade entre 20 e 25 anos, tem aproximadamente 1,70m. O homem é magro e possui cabelos curtos. O crime foi registrado no 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e o corpo da vítima está no IML aguardando reconhecimento.

Preso pela terceira vez por furto O desempregado Edney Albuquerque Queiroz, 22, foi preso pela terceira vez por furto. O infrator foi detido às 11h15 da última sextafeira (20), no beco Damião, no bairro do Jorge Teixeira, Zona Leste, após roubar eletroeleletrônicos de uma casa no bairro. Com o desempregado foram apreendidos um videogame Playstation, um notebook da marca Accer, um HD externo, um modem da Claro e uma mochila. A apreensão foi realizada por policiais do 13º Distrito de Polícia Integrado (DIP) após denúncia. O infrator ficou detido até a manhã de ontem no 13º DIP, de onde foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito e em seguida foi conduzido à cadeia pública.


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

A3

Fala leitor

Editorial

falaleitor@emtempo.com.br

www.emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

Um espectro ronda a CPI do Cachoeira: é Lula Instalada na quinta-feira, para investigar possíveis práticas criminosas cometidas pelo bicheiro Carlos Cachoeira, com a participação de agentes públicos e privados, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito está sitiada por declarações de apoio (há quem jure que apoia a CPI desde criancinha) e de juras de não intervenção ou interferência: quanto mais distante melhor. Nesse clima, a CPI estaria destinada a não terminar em pizza, ou em samba, ou simplesmente em nada, como é tradição no Planalto Central do Brasil. A presidente Dilma Rousseff evitou, na sexta-feira, comentar sua expectativa sobre a CPI do Cachoeira. Após participar de evento no Palácio Itamaraty, a presidente afirmou que “a CPI é algo afeito ao Congresso. O governo federal terá uma posição absolutamente de respeito ao Congresso nessa área”. Sobre a necessidade de instalação de “mais uma” CPI e a disposição de tantos em levá-la adiante, Dilma manteve o tom: “Acho que todas as coisas têm que ser apuradas, mas não me manifesto sobre a CPI. Eu não me manifesto sobre outro poder, de maneira alguma”. No mesmo diapasão, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, negou que a CPI levasse preocupação ao Palácio do Planalto. “O governo não tem com o que se preocupar a não ser em cumprir o nosso papel, que é trabalhar, produzir, conduzir o país. O Legislativo cuida da pauta dele e nós cuidamos da nossa. E vamos seguindo assim”. Como diria uma personalidade sempre presente em tudo o que acontece ou deixa de acontecer no país, nunca existiu um clima de tanta (auto)confiança diante de uma CPI que, sem dúvida, vai mexer com grandes e pequenas arrogâncias da República. |Não fora assim, o que faria Luiz Inácio Lula da Silva faltar a uma sessão de quimioterapia, em São Paulo, e aparecer em Brasília com a mesma disposição de quando era presidente e desdenhava do escândalo do mensalão, mais de uma vez desqualificado por ele. Muita calmaria não recomenda senão que se procure um porto seguro, porque os ventos vão soprar forte. É uma boa oportunidade de Dilma Rousseff sacar da vassoura e retomar a faxina (alguém lembra?).

Estão abertas as inscrições para o 6 º Prêmio Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários de Jornalismo. Não perca esta oportunidade de intervir na realidade brasileira. Podem concorrer à premiação, jornalistas atuantes na imprensa nacional que tenham produzido matérias sobre ferrovias, veiculadas no período de 28 de novem-

bro de 2010 a 6 de agosto de 2012, em jornal impresso, revista impressa, rádio, televisão e internet. O prazo para inscrições inicia-se no dia 20 de abril de 2012 e se encerra em 6 de agosto de 2012. O objetivo da premiação é valorizar o trabalho realizado pelos veículos de comunicação e seus profissionais, além de destacar matérias

jornalísticas de qualidade, e incentivar a divulgação de informações relevantes sobre o setor ferroviário. Os vencedores de cada categoria receberão uma premiação no valor de R$ 5 mil, durante o evento “V Brasil nos Trilhos 2012”, no dia 4 de setembro, em Brasília. Participe! Acesse o site da Associação Nacional dos Transpor-

tadores Ferroviários para conhecer o regulamento e encaminhe sua inscrição. Cláudia Borges imprensa@antf.org.br

Charge elvis@emtempo.com.br

Olho da Rua

Dora Kramer

opiniao@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

É uma pena que a livraria Nobel do Shopping Millenium bateu asas e voou, às vésperas da Bienal do Livro, a primeira desta terra de Ajuricaba. Nos muros surrados da avenida Getúlio Vargas, próximo à Ramos Ferreira, um herói da resistência. A propósito, o sebo mais conhecido da cidade, Arqueólogo, também fechou, naquela vizinhança.

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

Editores-Chefes Aldisio Filgueiras — MTB 213 aldisio@emtempo.com.br Náis Campos — MTB 033 nais@emtempo.com.br Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa michelegouvea@emtempo.com.br

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

3090-1001

Diretor Administrativo Maurício Alves mauricio@emtempo.com.br Diretor de Marketing/Comercial Renato Bassile renatobassile@emtempo.com.br

circulacao@emtempo.com.br Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

Diretor de Arte Kyko Cruz kykocruz@emtempo.com.br EM TEMPO Online Yndira Assayag — MTB 041 yndira@emtempo.com.br

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

www.emtempo.com.br

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

@emtempo_online

/amazonasemtempo

/ /tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Baixeza na corte Nunca foi tão apropriado um chamamento quanto o feito pelo ministro Carlos Ayres Britto, em seu discurso de posse na presidência do Supremo Tribunal Federal: “Mais que impor respeito, o Judiciário tem que se impor ao respeito”. Os desaforos distribuídos pelo antecessor Cezar Peluso em suas entrevistas de despedida do posto, bem como o revide de um de seus alvos, o ministro Joaquim Barbosa, acusando-o de manipular resultados de julgamentos, evidenciam a carência do atributo invocado pelo novo presidente da Corte. As brigas, ao molde de ambientes desatinados, não são novidades no Supremo. Vira e mexe um ministro se indispõe publicamente com outro. Não quer dizer que sejam condutas aceitáveis. A repetição as torna mais condenáveis. Mas, agora, a ausência de cerimônia chegou ao ápice, levando a credibilidade da Corte rumo ao declínio. O ministro Peluso disse o que quis sobre a presidente Dilma Rousseff, sobre um senador da República, sobre a corregedora do Conselho Nacional de Justiça, sobre a independência jurisdicional do Supremo. Acabou ouvindo o que não deve ter gostado de ouvir de um de seus pares, a quem chamou de temperamental, complexado e permeável a pressões da opinião pública por insegurança. Em entrevista ao jornal “O Globo”, Joaquim Barbosa deu o troco com juros e, como se dizia antigamente, correção monetária. Nos trechos amenos chamou Peluso de “ridículo”, “brega”, “caipira”, qualificou sua passagem pela presidência do STF como “desastrosa” e o acusou de ter “incendiado o

Judiciário inteiro com sua obsessão corporativista”. Alguns adjetivos nem precisavam ser ditos por outrem, pois o próprio Cezar Peluso tratou, recente e anteriormente, de expô-los ao escrutínio público em posições assumidas nos votos ou declarações. Joaquim Barbosa, contudo, foi muito além: acusou Peluso de manipular resultados de votações, usar das prerrogativas do cargo para fazer valer sua vontade, criar “falsas questões processuais” e, na imputação mais grave de todas, referiuse a roubo e prevaricação. Ou há outra interpretação possível para o trecho em que o ministro diz que o então presidente aproveitou a ausência dele do STF para “surrupiar” processo em que era relator a fim de “ceder facilmente” a pressões? Se os ministros do Supremo não estivessem fora da jurisdição do Conselho Nacional de Justiça seria um caso de se proceder a averiguações. Não se discute as razões do ministro Barbosa, até compreensivelmente agastado com o que considera tratamento desrespeitoso por parte de Cezar Peluso, em relação às limitações impostas por seus problemas de saúde. A questão aqui é o conteúdo: ou bem as acusações de Barbosa são verdadeiras ou decorrem de destempero e teríamos um juiz desprovido da serenidade indispensável ao ofício. Em quaisquer das hipóteses, sai ferida a instituição. Nivelada ao clima geral de torpeza, atingida em sua credibilidade. Seja pela ausência de qualificação pessoal ou por suspeições inadmissíveis em integrantes da corte conceitualmente Suprema.

Dora Kramer Jornalista, escreve simultaneamente no jornal “O Estado de S.Paulo”

Barbosa foi muito além: acusou Peluso de manipular resultados de votações, usar das prerrogativas do cargo para fazer valer sua vontade, criar ‘falsas questões processuais’”


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

O proselitismo é apenas a porta do controle externo

Santuário de Aparecida abriga encontro da CNBB

Ponho-me a pensar nas razões que levam as pessoas a estarem, permanentemente, em busca de convencer os outros a respeito das suas próprias convicções, trazê-las para o seu estilo de vida, impingir-lhes seus hábitos e costumes, como se fossem ovelhas a serem arrebanhadas e submetidas à tutela de um só pastor. Se a cada um compete seu livre-arbítrio e a cada um, como afirmou Descartes, foi concedido o bom-senso e o discernimento, sem que alguém reclame de ser pouco dotado nessa área, não há porque tentar dirigir a vida alheia. Quando muito, admite-se que alguém que se julgue mais sabedor em algum assunto passe seu conhecimento a outro, mas apenas a título de subsídio para que esse, em seguida, exerça seu direito e seu dever de deliberar por si. Se for verdade que somente a ação humana pode ser qualificada moralmente, porque somente nela é possível a distinção entre a matéria (o que efetivamente se faz) e a forma (o que se pretendia fazer, a intenção) e se apenas a forma deve receber a qualificação moral, vale a inferência de que a moralidade reside na vontade e, para isso, ela precisa ser livre. Uma vontade heterônoma, governada por outrem, transfere o mérito ou o demérito das suas escolhas para essa outra pessoa, que na verdade é a autora das opções. Não estou aqui a incidir na ingenuidade de julgar que o ser humano goza de plena liberdade na definição dos seus caminhos. Acredito que nas ocasiões em que se apresentam as grandes decisões a serem tomadas, aquelas de maior peso existencial, a liberdade de escolha muito se reduz e se submete aos condicionamentos do fundo da personalidade, sobre os quais bem pouco influímos, diferente das escolhas triviais, quando a liberdade se expande consideravelmente. Por isso somos tão pouco livres para a escolha do cônjuge ou da profissão e bem mais quando se trata da escolha de uma gravata. Mas, mesmo assim persiste uma enorme diferença entre uma vontade que se submete à vontade de outrem, perdendo autonomia, e a vontade que se preserva, ainda que sofra as influências e as pressões internas, do próprio inconsciente. Não há como desconhecer que não é fácil, para o homem, expandir sua consciência e ampliar a autonomia da sua vontade e a consequente liberdade. No meio de tudo isso, além do esforço pessoal pela abertura da consciência, como se não bastasse, nas esquinas da vida, vamos encontrar aqueles que não nos respeitam e, sem nenhum pudor, pretendem usurpar nosso direito à autodeterminação e tentam nos doutrinar no sentido de que aceitemos sua religião, ou ideologia, ou filosofia de vida, ou seus hábitos e, desse modo, assumir as decisões que não devem ser alienadas de cada um de nós. É o detestável proselitismo de pastores pentecostais, de políticos, de líderes sindicais, de ideólogos etc. Que bom se cada um de nós recebesse apenas os nutrientes da educação e fosse deixado livre para conduzir sua própria vida.

D. Mário Pasqualotto, d. Mário Antônio da Silva e eu estamos em Aparecida desde quarta-feira, 18 de abril. Participamos da assembléia geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que acontece anualmente nesta época do ano. Esta é a 50ª assembleia. Em 1983, um ano antes de minha nomeação para bispo de Macapá, para administrar a Diocese de Apucarana, tive a primeira experiência desse tipo de encontro. A partir de 1984, faltei somente à assembleia acontecida em Porto Seguro, em 2000. Sem dúvida são dias de muito proveito espiritual, cultural e pastoral. Confesso que aprendi muitas coisas. Até recentemente, o lugar onde se realizavam as assembleias era uma grande casa de retiros pertencente aos jesuítas, localizada em Itaici, periferia da cidade paulista de Indaiatuba. Com o crescimento do número dos bispos, o local ficou pequeno e decidiu-se que, a partir de 2011, tudo se daria ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. A experiência do ano passado mostrou que a decisão fora acertada, apesar de haver necessidade de improvisações até estarem prontas as instalações definitivas. Dormir num lugar, comer em outro, reunir num ginásio de esportes e celebrar no santuário exigem muitas movimentações e paciência. O contato com peregrinos vindos de várias partes do Brasil foi um fator positivo porque ajudou aos bispos terem um olhar mais atento à vida de nossa gente. Devido a vários fatores, inclusive econômico, a duração da assembleia foi encurtada para oito dias, o que acarreta trabalhos mais intensos. Na tarde de 18 e na manhã de 19, fizemos um retiro espiritual que é orientado pelo bispo emérito de Mogi das Cruzes, D. Paulo Mascarenhas Roxo. Aliás, um ponto alto da assembleia são as celebrações e orações, muito bem preparadas e realizadas. Elas nos chamam a atenção para o motivo de estarmos reunidos. Muitos me perguntam qual o tema deste encontro. São vários, mas o tema principal é “Ministros e Servidores da Palavra de Deus e Missão da Igreja Hoje”. Debruçamo-nos sobre os últimos documentos eclesiais, especialmente “Exortação Apostólica Pós-Sinodal Verbum Domini (Palavra do Senhor)” de Bento 16, e sobre estudos por nós realizados nos últimos anos. A Palavra de Deus é fundamento de nossa fé e deve ser a alma de todo esforço evangelizador ou pastoral. Ela é “lâmpada para meus passos e luz no meu caminho” (Salmo 119,105). O grande perigo nas atividades da igreja é pregar não as coisas divinas, mas nossos interesses. Todos sem exceção, bispos, padres, diáconos, religiosos e povo, devemos nos colocar perante a palavra de Deus como servidores. É terrível servir-nos dela para interesses menores. Teremos ainda assuntos relacionados com aprovação de textos do Missal, relatórios, prestação de contas. Durante a assembleia haverá também a celebração solene dos 50 anos do Concílio Vaticano 2º. Esperamos que nossos trabalhos produzam muitos frutos para a igreja, com reflexos positivos para a sociedade.

João Bosco Araújo Diretor-executivo do Amazonas EM TEMPO

Se a cada um compete seu livre arbítrio e a cada um, como afirmou Descartes, foi concedido o bom-senso e o discernimento, não há porque tentar dirigir a vida alheia”.

Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão no STF e futuro presidente da corte, chamando seu colega de tribunal, Cezar Peluso, de brega, corporativista e desleal, escancarando a crise entre os dois.

Estão todos mais conscientes e atentos aos perigos das restrições ao acesso à informação. Existe um esforço para, usando meios legais, intimidar a mídia e ameaçar economicamente os meios de comunicação Milton Coleman, presidente da Sociedade Interamericana de Imprensa, diz que vai fazer de tudo para defender a causa da liberdade de expressão e cita Equador, Venezuela e Argentina onde os meios de comunicação estão sob ameaça.

RENATA LO PRETE

Pior dos mundos

Dom Luiz Soares Vieira Arcebispo de Manaus

Além de todos os inconvenientes que pode trazer para o governo federal, a CPI do Cachoeira provoca urticárias também nos candidatos a prefeito do PT, a despeito do empenho da cúpula do partido em instalá-la. Se um dos objetivos da comissão era tirar o foco do julgamento do mensalão, o efeito foi o oposto: externa e internamente, no Supremo Tribunal Federal aumentou a pressão para que o caso entre em pauta ainda neste semestre. Para petistas como João Paulo Cunha, réu no processo e candidato a prefeito de Osasco (SP), a combinação de uma CPI com o julgamento de proporção inédita é desastrosa. Tentáculos Já circula entre parlamentares que além das ramificações previsíveis para investigar o PAC e o Dnit, a CPI poderá ter um braço na área da saúde, devido aos negócios do do grupo de Carlinhos Cachoeira com laboratórios farmacêuticos.

O grande perigo nas atividades da igreja é pregar não as coisas divinas, mas nossos interesses. Todos sem exceçãodevemos nos colocar perante a palavra de Deus como servidores”.

Frases As pessoas guardarão a imagem de um presidente do STF conservador, imperial, tirânico, que não hesitava em violar as normas quando se tratava de impor à força a sua vontade

Painel

O sentimento é de estarrecimento. Estou perplexo. Vamos ver o que o acontece agora. É péssimo, porque todos nós estamos de passagem. A instituição é perene. Essa autofagia acaba enfraquecendo a instituição

Marco Aurélio Mello, ministro do STF, classifica como “autofagia” a crise entre o ex-presidente da corte Cezar Peluso e Joaquim Barbosa, empossado nesta quinta como vicepresidente do tribunal.

Tentáculos 2 Na bancada do PMDB, há quem aposte que, se a CPI mergulhar nos contratos da saúde, atingirá em cheio o já enrolado governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), que chefiou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Fogo... Além disso, veteranos de Congresso identificam sinais de que uma ala da bancada do PT, ligada ao líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), estaria disposta a ver o ministro Alexandre Padilha (Saúde) lançado no olho do furacão. ...amigo A briga entre os dois petistas começou quando Padilha, então coordenador político do governo, não indicou Dirceu Raposo, apadrinhado de Chinaglia, para continuar à frente da Anvisa no ano passado. O duelo nos bastidores também explicaria em parte a disputa na bancada pela relatoria da CPI. Alvos Um dos primeiros nomes na lista que a oposição quer convocar para depor no Congresso é o do ex-chefe do Dnit Luiz Pagot, degolado pela presidente Dilma Rousseff na “faxina” dos Transportes. Mágoa Diante de evidências de que o grupo de Cachoeira agiu para derrubá-lo,

a oposição espera que Pagot continue botando a boca no trombone sobre pressões da Delta para ser beneficiada no órgão que ele comandava. Emplumada As boas notícias do Datafolha para Dilma Rousseff se estendem à seara tucana. Entre os que declaram ter votado em José Serra para presidente em 2010, a presidente tem 52% de avaliação ótima ou boa. Ela é aprovada por 60% dos simpatizantes do PSDB. Penetra Alvo preferencial de ONGs ligadas ao meio ambiente pelo fato de ter sido o relator do Código Florestal, o ministro Aldo Rebelo (Esporte) brinca quando questionado se pretende participar da Rio+20: “Se coincidir com uma vistoria da obra do Maracanã, posso aparecer”. Vital De todas as contrapartidas que o PSB pede para o PT para apoiar Fernando Haddad em São Paulo, a aliança em João Pessoa (PB), onde o partido de Eduardo Campos tem a prefeitura e o governo, é questão de honra. Mapa O PSDB quer ampliar de 793 para mil o número de prefeituras. O foco serão cidades situadas nos oito Estados governados pelo partido. Em São Paulo, a intenção é elevar de 205 para 230 municípios administrados. Giro No final do mês, líderes tucanos, Aécio Neves à frente, iniciarão uma série de encontros regionais com candidatos a prefeito que vão às urnas em outubro. O primeiro será em Recife (PE).

Tiroteio Essa história de que o governo não vai interferir é puro jogo de cena. Após as denúncias atingirem o Planalto, estão querendo é criar a CPI da Cascata. DO LÍDER DO PPS NA CÂMARA, RUBENS BUENO (PR), sobre a afirmação da presidente Dilma de que o Planalto não vai interferir nos rumos da da CPI do Cachoeira no Congresso.

Contraponto

Na alegria e na tristeza Em evento do PMDB em Belém, na semana passada, o senador Jader Barbalho discursava sobre os seus 46 anos de filiação ao partido, cercado, entre outras pessoas, pela sua ex-mulher, a deputada federal Elcione Barbalho, e pela atual, a deputada estadual Simone Morgado. - Eu só tive um partido. A única coisa que mudei mais de uma vez foi de mulher. Diante da cara de poucos amigos de sua mulher com a piada, Jader tentou remediar: Mas em matéria de fidelidade ninguém ganha de mim! Publicado simultaneamente com o jornal ‘Folha de S.Paulo’


Política

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

A5

A reeleição criou um novo mandato: o de oito anos Desde que foi aprovada no Senado, há 15 anos, os políticos brasileiros se elegem pensando numa segunda gestão

SHANA REIS

CAMILA CARVALHO Equipe EM TEMPO

N

os últimos 18 anos, o Estado do Amazonas foi governado por três políticos: Amazonino Mendes (PDT), Eduardo Braga (PMDB) e agora Omar Aziz (PSD), que deve permanecer no cargo até 2014. No mesmo período, o governo federal foi polarizado entre duas forças políticas, o PSDB e PT, representados pelos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, além de sua sucessora, Dilma Roussef, que deve governar o país até o final de 2014. Esse cenário é o reflexo do projeto de reeleição no Brasil, cuja emenda constitucional nº 16, aprovada em 1997 pelo Senado Federal, permitiu que os governantes se candidatassem para mais um mandato consecutivo. Desde então, os políticos brasileiros se convencionaram a “sonhar” com uma administração de oito anos, em vez do tradicional mandato de quatro anos. O atual prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PDT), o primeiro político do Estado a se beneficiar com a reeleição, vem contrariando esse “costume” de exercer o mandato por oito anos, ao declarar que não deve disputar estas eleições. Caso a “renúncia” em participar do pleito se confirme,

Mendes quebrará um ciclo que ele mesmo construiu, quando defendeu, há 15 anos, o projeto de reeleição no Senado. À época, ele que era governador do Amazonas, afirmou que em “quatro anos não era possível fazer um mandato eficiente, ainda mais em um Estado com dimensões tão grandes como o Amazonas”. Na avaliação do cientista político Gilson Gil, a partir da aprovação da reeleição,

PEC 16

A reeleição se tornou o ‘vício’ dos políticos que conseguiram se eleger para um cargo majoritário. Aprovada em 1997, a PEC 16 foi alvo de várias denúncias, como a compra de votos dos congressitas os políticos ficaram “reféns” dos oito anos de mandato. Segundo ele, a possível renúncia do prefeito de Manaus em disputar as próximas eleições pode ser apenas uma estratégia para ganhar tempo e evitar aproximações indesejadas. “Ao negar a reeleição, ele (Amazonino) ganha mais tempo e evita ataques de possíveis adversários”, avaliou. Para o novo presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), desembargador

Flávio Pascarelli, a alternância no poder é necessária até para manter o fôlego da administração, mas a alteração tem de ser prevista na Constituição Federal. “A alternância de administrações é importante para que projetos que não estejam dando certo sejam modificados e novas ideias sejam implantadas. Porém, como não há previsão legal e nem iniciativa para modificação, cabe à população decidir se um determinado mandato durará quatro ou oito anos”, defendeu. Serafim não se reelegeu Enquanto a disputa pelo governo do Estado e Presidência da República se mantém com os mesmos entes políticos, na Prefeitura de Manaus somente o hoje senador Alfredo Nascimento (PR) gozou de um mandato de oito anos. O republicano, que saiu do grupo de Amazonino, se elegeu prefeito no pleito de 1996. No último ano de mandato, em 2004, Alfredo renunciou ao cargo para ocupar o de ministro dos Transportes no primeiro ano do governo Lula. O ex-prefeito Serafim Corrêa (PSB) foi o único político do pós-reeleição que não conseguiu êxito num mandato de oito anos. Ao término do quadriênio de sua administração, ele foi derrotado nas urnas pelo atual prefeito, Amazonino Mendes.

JOSÉ CRUZ/ABR

30 prefeitos querem se reeleger

O ex-presidente Itamar Franco apoiou o fim da reeleição

Tentativa de mudança em vão Em 2011, durante o encaminhamento de propostas para a Reforma Política no Congresso, o PPS sugeriu o fim da reeleição. O ex-presidente da República e então senador Itamar Franco apoiou a iniciativa e sugeriu que fosse um mandato único de cinco anos. “Pode ter mandato de cinco anos, tudo bem. Mas quebrar a tradição constitucional brasileira? É uma linha invisível entre estar no cargo e na campanha. Leva o país à corrupção”, defendeu. A iniciativa ganhou corpo e se transformou na Proposta de Emenda a Constituição (PEC) 39/2011 que começou a ser analisada em julho do ano passado. A PEC restabelecia a redação original do parágrafo 5º do artigo 14 da Constituição Federal para proibir a reeleição do pre-

sidente da República, dos governadores do Estado e dos prefeitos no período subsequente ao mandato. A proposta foi vetada ainda na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado. O relator da PEC, senador Renan Calheiros (PMDBAL), argumentou que a reeleição é um “prêmio” que os eleitores dão aos bons governantes. “O eleitor tem o poder de premiar os bons governantes com um mandato adicional e punir os maus governantes com a recusa desse mandato”, explicou. Os senadores oposicionistas, que defendiam o fim da reeleição, tentaram provar que ao acumular a condição de candidato e governante, o líder do Executivo compete na campanha em condições favoráveis quanto aos demais.

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) elencou 30 prefeitos no Amazonas que pretendem disputar a reeleição. Destes, Autazes, Barcelos, Boa Vista do Ramos, Carauari, Codajás, Japurá e Novo Airão, tiveram as contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCEAM), mas recorreram das decisões e até que os recursos sejam julgados estão aptos a disputar. Entre os aptos a disputar estão os atuais prefeitos de Alvarães, Amaturá, Anamã, Anori, Apuí, Atalaia do Norte, Barcelos, Barreirinha, Beruri, Boca do Acre, Canutama, Careiro da Várzea, Careiro, Humaitá, Itapiranga, Novo Aripuanã, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença,Tabatinga, Tonantins e Uarini. De acordo com o levantamento feito pela confederação, as últimas eleições municipais têm se caracterizado pelo número de prefeitos que buscam o segundo mandato. Em todo o país, dos 5.563 municípios, em 3.302, o equivalente a 59,35% os atuais prefeitos podem concorrer a um novo mandato.

Amazonino Mendes foi o primeiro político do Estado a ser reeleito no Executivo regional


A6

Política

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Em dez anos, Rio pagou R$ 450 milhões à Delta

Cláudio Humberto COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS

www.claudiohumberto.com.br

Estou preparado para pedir quebras de sigilo” DEPUTADO RUBENS BUENO (PPS-PR) ansioso pelo trabalho na CPI do Cachoeira

Cachoeira pode ser o ‘laranja’ dos ‘laranjas’ O bicheiro Carlos Cachoeira pode ser o “cérebro”, mas dificilmente seus negócios prosperariam nas mãos dos “subs”, interlocutores que parecem atores de chanchada, deslocados em gabinetes oficiais. Por trás do poder do “chefão” estariam máfias da Ásia, Espanha e da Itália – esta ainda sob implacável perseguição judicial. Estudo do Instituto Brasileiro Giovani Falconi – homenagem ao célebre juiz antimáfia – derruba a teoria de que o goiano age sozinho, controlando milhõe$. Que droga O IBGF lembra que o Cartel de Cali deu R$ 6 milhões ao então presidente Ernesto Samper, através de um “arrecadador” oculto. Carteira diversificada O modus operandi das máfias inclui a coleta de lixo, jogo eletrônico e construção civil. Cachoeira tinha parceiro coreano na loteria do Rio. Crime organizado A subcontratação de “laranjas” oficializa o dinheiro, redirecionado ao financiamento de campanhas políticas, corrompendo o poder decisório. CPI on line Escolhido pelo PTB para integrar a CPI de Cachoeira, Silvio Costa (PE) prevê: “Se antes era uma loucura, agora, com internet, o bicho pega”. Líder do PDT admite ‘esvaziamento’ do Trabalho O líder do PDT, André Figueiredo (CE), acusa o governo de “sucatear” o Ministério do Trabalho, transferindo quase todas as suas atribuições políticas à Secretaria-Geral

da Presidência, chefiada pelo ministro Gilberto Carvalho. Ele e seu assessor José Lopez Feijoo, um espanhol que foi dirigente da CUT, exercem na prática o papel do Ministério do Trabalho, na articulação política e com as centrais sindicais. Culpa de Lupi O esvaziamento do Ministério do Trabalho ocorreu quando Carlos Lupi ainda era ministro, e foi revelado nesta coluna. Para escanteio O Ministério do Trabalho ficou fora do comitê-gestor do Plano Brasil Maior, e da comissão que estuda desoneração da folha de pagamento. Lipoaspiração Antes atribuição do Trabalho, o programa de qualificação profissional Pronatec foi repassado para o Ministério da Educação. Trabalhador do Brasil Citado na CPI dos Bingos por suposto envolvimento na doação de R$ 1 milhão à campanha de Lula, o português Rui Mendes Francisco – ex- sócio, segundo a CPI, de dois angolanos em empresas de caça-níqueis e diamantes, ganhou visto permanente de trabalho no país, em 2011. QG da voz A fonoaudiologia de Lula é tão importante que ele não pode fazer o tratamento em casa, em São Bernardo (SP) com um especialista, como qualquer mortal que passou por sérios problemas nas cordas vocais. Duas hipóteses O líder do governo, Eduardo Braga (PMDB-AM), trabalhava com duas datas para votação da Lei Geral da Copa

Jornalista

no Senado: a otimista, até 15 de maio; a pessimista, só em junho. Mas, com a CPI, só Deus sabe. Tucanou Vice-presidente da Câmara, Rose de Freitas (PMDBES) declarou apoio ao tucano Luiz Paulo Velloso na disputa pela Prefeitura de Vitória. Para ela, “falta capilaridade” nos candidatos do seu partido. Soldados da oposição Os tucanos Carlos Sampaio (SP) e Fernando Francischini (PR), Rubens Bueno (PPS-PR) e o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) estão entre os que enfrentarão a “patrolagem” petista na CPI. Ainda no DEM Apesar de ter saído do DEM há quase três semanas, Demóstenes Torres (GO) ainda aparece na Ordem do Dia do Senado como integrante do partido e do bloco da minoria, composta por DEM-PSDB. Tentando acordo Relator do projeto dos royalties, o deputado Carlos Zarattini (PT-SP) propõe que os produtores recebam cota fixa da arrecadação, e sejam compensados pelos demais Estados em caso de baixa na produção. Ê, vidão Pesquisa Gallup revela que os brasileiros (77%) superaram os chineses (72%) em satisfação com o nível de vida em 2011. Mas em 2012, a animação desce a 65%. Os russos continuam na lanterninha. Voilà Os franceses, tão atrasados que nem têm urna eletrônica, poderão votar no exterior para presidente, neste domingo, pela internet.

PODER SEM PUDOR

Velho conhecido O presidente do Senado, José Sarney, conversava com amigos, dia antes de sua internação no Hospital Sírio-Libanês, quando alguém mencionou a tese de que a cirurgia bariátrica que emagreceu Demóstenes Torres mexeu com sua cabeça, alterou o comportamento do senador goiano. Sarney discordou, lembrando que Demóstenes, antes da cirurgia, foi um opositor duríssimo do líder do PMDB, Renan Calheiros, e, já magro, também foi implacável contra ele próprio. Exibindo seu melhor sorriso mona lisa, Sarney sacramentou: - Renan e eu conhecemos o Demóstenes gordo e o Demóstenes magro…

PT VERSUS PSDB

Esquenta pré-campanha em SP O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, acusou o PSDB na última sexta-feira de tentar privatizar e “desmontar” o sistema de saúde pública na capital paulista. Ele criticou a proposta do governador Geraldo Alckmin de reservar 25% dos leitos dos hospitais estaduais a usuários de planos de saúde e indicou que usará o tema em nova ofensiva contra o rival José Serra (PSDB). “A ameaça do governo do Estado de privatizar 25% dos

leitos ainda paira sobre nós. Se isso acontecer, vai ser um desastre. A saúde na capital vai viver momentos dramáticos”, disse Haddad. Na sexta-feira passada, Haddad acusou o prefeito Gilberto Kassab (PSD), também aliado de Serra, de descumprir a promessa de construir três hospitais em áreas mais pobres da cidade. “A gestão atual prometeu os hospitais e sequer os licitou”, disse. Ele ainda prometeu, se eleito, erguer três unidades de saúde anunciadas por

Marta Suplicy nas eleições de 2008. A campanha deve investir na comparação da gestão atual do setor com os governos de Paulo Maluf (19931996) e Celso Pitta (19972000), como as Unidades Básicas de Saúde, vitrines eleitorais dos tucanos. “A opção pelo pronto-atendimento voltou a ser prioridade nessas gestões, como na época do Maluf e do Pitta”, criticou o vereador Carlos Neder, que coordena o programa de Haddad para a área.

A construtora loca, também, veículos e equipamentos de limpeza urbana para a prefeitura carioca desde 2008

C

om funcionários investigados pela Polícia Federal e alvo de processo administrativo por suspeita de fraude na licitação de coleta de lixo no Distrito Federal, a Delta Construções loca veículos e equipamentos de limpeza urbana para a Prefeitura do Rio desde 2008. O contrato com a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) vale até novembro de 2013. O valor corrigido do serviço é de R$ 163,5 milhões. Além do aluguel de veículos e equipamentos, a construtora firmou acordo com a prefeitura carioca para a operação do Centro de Tratamento de Resíduos Sólidos de Gericinó, na Zona Oeste. Entre 2007 e 2009, foram estabelecidos quatro contratos emergenciais com dispensa de licitação, no total de R$ 19,9 milhões. Em dez anos, os serviços prestados pela construtora consumiram R$ 450 milhões dos cofres municipais. Os valores previstos nos contratos ainda em vigência com o município devem elevar essa cifra para R$ 830 milhões. A prefeitura carioca mantém hoje quatro contratos com a Delta. Além da locação de veículos para limpeza, a construtora está encarregada de obras de urbanização.

ROOSEVELT PINHEIRO/ABR

O bicheiro Carlinhos Cachoeira é ligado à construtora Delta

Cabral mantém contrato A Delta Construções tem ainda contrato com o programa “Morar Carioca”, orçadas em R$ 116,2 milhões; de melhorias e construção de viaduto na Estrada do Inhoaíba, com previsão de R$ 69,5 milhões, e da criação do parque Madureira, com contrato de R$ 70,9 milhões - todos os valores corrigidos pelo IPCA. Levantamento feito pelo gabinete da vereadora Andrea Gouvêa Vieira (PSDB) mostra que a empresa fa-

turou R$ 117,8 milhões por ano, em média, em contratos assinados nos três anos de governo Eduardo Paes (PMDB). Paes, candidato à reeleição em outubro, é afilhado político do governador Sérgio Cabral (PMDB) - amigo do presidente do Conselho de Administração da Delta, Fernando Cavendish. Em cinco anos de gestão no Estado, Cabral pagou R$ 1,49 bilhão em obras e serviços para a empresa.


A7

Edmílson BARREIROS

Estamos fazendo uma pesquisa preliminar porque leva tempo. Não para identificar os nomes e sim colecionar documentos. Estamos fazendo uma pesquisa antecipada (...). Iremos receber do TCE a listagem dos ‘fichas sujas’”

nosso trabalho, para quando for necessário entrarmos com as ações. Iremos receber do TCE a listagem dos (políticos) “fichas sujas” para em seguida darmos procedimento às ações.

ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

P

rocurador regional eleitoral pela segunda vez consecutiva, Edmílson da Costa Barreiros Júnior, 33, é conhecido no meio jurídico por sua atuação firme e imparcial nos processos em que atua. Apontado como “braço de ferro” do Ministério Público Federal no Amazonas (MPFAM), o procurador é temido no meio político, devido a diversas ações implantadas a parlamentares e mandatários no combate ao abuso de poder econômico, corrupção e dupla filiação partidária. Reservado em seus atos, ele revela que procura fazer seus trabalhos de forma correta, pois afirma que essa é a obrigação legal de um procurador. Amazonense, Barreiros passou, aos 22 anos, para o concurso de promotor no Ministério Público Federal, além de outros cargos públicos, mas optou pela cadeira na procuradoria, de onde diz não ter planos para sair. O procurador recebeu a equipe do EM TEMPO na tarde da última sexta-feira, no Ministério Público e falou um pouco desses 11 anos de carreira na instituição. Leia a seguir alguns trechos da sua entrevista

EM TEMPO - Seu trabalho tem sido atuante como Procurador Regional Eleitoral, o que tem gerado algum desconforto a políticos do “alto escalão” do Estado. O senhor teme algum tipo de represália? EB - Políticos são pessoas que saíram da vida privada para ter uma carreira pública, com isso sabem que serão alvos de críticas dos adversários, das autoridades e do povo em geral. Esse tipo de debate é normal em todos os países. É um passo da liberdade que todos temos que exercer. Faço meu trabalho dentro da lei e tenho garantias de que estou agindo da forma correta. Não temo represália e nem acho que elas ocorram. Hoje, os políticos vivem da boa imagem que o povo tem deles e a população não aceita mais aqueles parlamentares corruptos, autoritários, caciquistas e que roubam descaradamente. Política não é caso de polícia, e sim de um bom serviço público. EM TEMPO - Advogados de alguns políticos que têm processos em suas mãos alegam que muitas atitudes suas acontecem porque o senhor está “querendo aparecer na mídia”. Como o senhor recebe essas críticas? EB – Eu prefiro não responder a isso. Não quero dar assas a um debate sem sentido.

EM TEMPO - A Procuradoria Regional Eleitoral do Amazonas e o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) se uniram para barrar a candidatura de políticos “fichas sujas” na eleição deste ano. Como será esse processo? Edmílson Barreiros – Estamos fazendo uma pesquisa preliminar, porque leva tempo. Não para identificar os nomes, mas sim colecionar os documentos. Essa pesquisa antecipada irá adiantar

EM TEMPO - No meio jurídico o senhor é conhecido por manter uma ARQUIVO EM TEMPO/MICHELL MELLO

FOTOS: ARQUIVO EM TEMPO/ALEXANDRE FONSECA

‘Política NÃO É caso DE POLÍCIA’ conduta firme nos casos em que atua e também por manter uma postura reservadas no convívio com os demais colegas. O senhor acredita que isso incomoda as pessoas? EB – Não, acho que cada profissional do Direito tem a sua postura, ao trabalhar. E a um membro do Ministério Público convém ter uma conduta reservada para ter uma atitude firme nos momentos necessários. EM TEMPO- Muitos dos processos que o senhor analisa envolvem políticos de todo o Estado. O senhor já recebeu alguma tentativa de suborno ou algum tipo de ameaça? EB - Nunca passei por nenhuma situação dessas. E se Deus continuar me acompanhando não irei precisar enfrentar esse tipo de situação. EM TEMPO - Algumas de suas ações são barradas na esfera nacional, e abrem brechas para que políticos cassados voltem a ocupar o cargo. Isso lhe causa a frustração de um trabalho em vão? EB - Essas coisas acontecem em todos os Estados do Brasil. O debate na Justiça eleitoral é muito aguerrido. Se o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Amazonas cassar o mandato de alguém aqui, e vem uma ação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que ele retorne, temos que aceitar. Não é demérito nem do Ministério Público e nem do TRE, isso faz parte do jogo. EM TEMPO - Na última eleição, em 2010 a PRE lançou uma campanha para combater a venda de votos no Amazonas. Como a população pode colaborar para que tenhamos um pleito seguro?

EB - Nosso trabalho já começou. Fizemos uma campanha inicial para que jovens retirassem o primeiro título. Para ajudar no combate à corrupção, vamos continuar com a campanha do voto consciente. Fazer uma parceria com a população é a melhor opção para democracia. Se o eleitor estiver consciente e melhor instruído irá fazer um voto correto. Para ajudarmos a ter um pleito consciente, o eleitor pode ajudar não aceitando suborno e afastando qualquer tentativa de compra de voto. Outra boa ajuda é investigar o passado do seu candidato, vendo se ele fez um bom mandado anterior para, em seguida, garantir o voto. O eleitor precisa ter a consciência que, se o candidato dele não tiver apto a receber o voto, ele tem o livre arbítrio de escolher outro candidato. E, caso o eleitor seja vítima de uma tentativa de suborno, o correto é fazer a denúncia a um órgão competente, sem temer. EM TEMPO - Qual o principal obstáculo à implementação da Lei da Ficha Limpa? EB - Um obstáculo prático é a questão da lei eleitoral, que é do ano de 2007 e a lei da Ficha Limpa, que é de 2010. Então, a Lei da Ficha Limpa criou novas proibições, mas o legislador não mudou a lei de 1997, para exigir que os candidatos entreguem determinados documentos, como certidões civis e declarações de conselhos profissionais. Isso vai criar uma certa dificuldade. A lei eleitoral, não sendo atualizada para exigir os mesmo documentos, que demonstrariam os ilícitos da Ficha limpa. Estamos fazendo um trabalho preventivo para poder fiscalizar essa lei.

Cada profissional do Direito tem a sua postura ao trabalhar. E a um membro do MPF convém ter uma conduta reservada para ter uma atitude fime nos momentos necessários”

O debate na Justiça eleitoral é muito aguerrido. Se o TRE cassar o mandato de alguém aqui e vem uma ação do TSE para que ele retorne, temos que aceitar (...). Isso faz parte do jogo”

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Com a palavra

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012


A8

Política

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Oposição no Brasil entra em processo de declínio Iniciou-se ao longo da última década e, mesmo o PSDB e o DEM, que representam esse lado, hoje não avançam ROBERTO STUCKERT FILHO/PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

MOARA CABRAL Equipe EM TEMPO

D

esde que o Partido dos Trabalhadores (PT) chegou ao poder, há quase dez anos, o movimento da oposição no Brasil e, por tabela, nos Estados, foi perdendo voz e o espaço na política nacional. Conforme dados levantados pela reportagem do EM TEMPO, hoje, a oposição no Senado representa apenas 25% dos 81 senadores, enquanto que na Câmara dos Deputados, esse percentual cai mais um pouco, vai para 22%. Dos 513 deputados federais, 115 integram a oposição. No Amazonas, esses números não divergem muito. Na Câmara Municipal de Manaus (CMM), o grupo que faz oposição ao prefeito da cidade, Amazonino Mendes (PDT), é composto de 13, dos 38 vereadores. Na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), o número é mais curioso ainda: dos 24 deputados estaduais, apenas três se autointitulam oposicionistas, o que representa 12,5%. O PSDB, representado pelo deputado Arthur Bisneto se apresenta com um discurso neutro na casa.

Para o cientista político Celso Corsino, a oposição política no Brasil está sem alternativas. Ele confirma que a causa desse “declínio” foi a chegada do PT ao poder, visto que o partido era o maior em oposição, não em quantidade, mas em representatividade. “O PT mobilizava todo o sindicalismo e os movimentos sociais, os quais tinham o poder, em massa, de fiscalizar e denunciar a administração pública. Agora com o PT no comando, esses seguimentos não têm pauta”, explicou. Ele também observou que os partidos de direita, além de terem perdido o poder, não têm essa prática na política, nem entrada nos movimentos sociais e sindicatos, a exemplo do PSDB. Na avaliação do cientista, o definhamento da oposição ainda deve minguar mais se a sociedade não se posicionar e cobrar dos políticos uma postura correta. Um terceiro fator, apontado pelo cientista, e que contribui para a autoanulação da oposição, é a troca de interesses e citou como exemplos a CMM e a Aleam, em que políticos se aliam à base dos governos, em troca de secretarias.

Reforma política se faz urgente Para o deputado Marcelo Ramos (PSB), a Aleam ganhou em qualidade no trio que compõe a oposição, visto que esses parlamentares “trabalham duro, fiscalizando e cobrando ações”. “Independentemente de estar ou não na oposição, o parlamentar precisa fiscalizar o Executivo e isso pode ser feito tanto quando a oposição está no governo ou fora”, observou. Luiz Castro (PPS), diz que o grupo trabalha com temas importantes que acabam ajudando a identificar problemas e apresentar propostas de solução. “Se não houver uma reforma política, a oposição terá sua voz abafada pela situação”, alertou. Ícone da oposição do país, Lula também conseguiu aglutinar vários partidos da situação


MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

economia@emtempo.com.br

(92) 3090-1045

DIVULGAÇÃO

Caderno B

Economia

Genéricos até 400% mais ‘salgados’ Economia B4 e B5

Bancos impõem condições aos consumidores no acesso às alíquotas reduzidas, anunciadas na última semana

A

s taxas de juros menores - anunciadas pelos bancos - atiçaram o interesse de muitos amazonenses para realizar aquele empréstimo de longa data ou fazer o financiamento do veículo novo. Entretanto, as pechinchas ofertadas podem representar uma “faca de dois gumes”, conforme alerta de especialistas. Para ter acesso às alíquotas reduzidas, não basta uma simples ida à agência de preferência. O consumidor também é obrigado a aceitar uma série de imposições das instituições financeiras se quiser usufruir das baixas taxas. Na Caixa Econômica Federal, por exemplo, o primeiro obstáculo para ter juros mais baratos na hora de obter crédito para comprar um veículo é ser correntista do banco. Além disso, embora a agência tradicionalmente “ceda” 90% do valor do carro, de acordo com os atendentes consultados pelo EM TEMPO, para o consumidor conseguir a menor taxa estipulada (0,98%, na última semana) é preciso desembolsar 50% do montante necessário e reduzir o financiamento a um período

de, no máximo, 12 meses. Em simulação em uma das agências da Caixa, essa operação apresentou uma taxa que variava de 0,98% a 2,25%, sendo estipulada a partir de requisitos como prazo, cota de financiamento, idade do veículo e o “famoso” relacionamento com o cliente. Para os não correntistas, o “sonho” do automóvel zero quilômetro teria de ser adiado, pois, mesmo com a aber-

tura de conta ou portabilidade bancária, a proposta de financiamento estaria disponível em julho, no terceiro mês após a migração de agência. No caso do Banco do Brasil, as exigências eram parecidas e o consumidor só pode contar com a taxa de juros de 0,99%, ao mês, se realizar o pagamento do empréstimo

em até um ano. Conforme a instituição, a exigência busca privilegiar os clientes com melhor relacionamento. Itaú e Bradesco também aderem aos cortes nas taxas a partir de amanhã. No financiamento do carro zero, a taxa mínima será de 0,99%, ao mês, mas

para correntistas há um ano, que entrem com 50% do valor para 24 meses de parcelamento.

MÁRIO OLIVEIRA

LUANA GOMES Especial EM TEMPO

Banco do Brasil e Caixa mostram uma nova tabela após redução da Selic

Prazo define alíquota

Recomendação é que o cliente pesquise na hora de solicitar o crédito bancário

HUDSON FONSECA

Barreiras travam acesso às taxas de juros baixas

E m bora o período de financiamento curto seja considerado desvantajoso para quem quer tomar empréstimo, o corretor financeiro da Acción MicroFinanças, Otávio Jucá, explica que, por pressão do governo, a medida tem sido

conversada há algum tempo pelas agências, para que o consumidor consiga “se livrar” mais cedo das dívidas. “Quanto menos tempo ele usar para pagar, menos juros ele vai ter”, garante. O especialista diz que a redução de juros bancários, liderada pelas instituições ligadas ao governo federal, motiva as instituições financeiras particulares a elaborarem a redução de suas taxas. Segundo ele, os

índices continuarão caindo, embora a exigência dos mesmos pré-requisitos para aquisição dos serviços, como a análise de crédito. Pressão do cliente O vice-presidente da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel Oliveira, diz que o consumidor deve pressionar os bancos a reduzir as taxas, mesmo que isso signifique mudar de instituição. Um dos sócios da Vip Investimentos, Arthur Alva-

renga, ressalta que a ordem de mercado para o consumidor é procurar as melhores taxas disponíveis, tendo em vista que, após determinação do governo na redução das taxas, a proposta dos bancos é impor limitações para que haja perdas com a liberação. “Há uma série de exigências para reduzir esses juros, especialmente com os números relacionados à inadimplência. O banco precisa ter garantias para reduzir suas taxas”, ressalta o executivo.

Mudança na tabela das instituições Corretores financeiros indagados pelo EM TEMPO afirmam que a competição entre os bancos é benéfica para os consumidores, especialmente a partir desta semana. Amanhã, Caixa e Banco do Brasil mostram uma nova tabela, em virtude da redução na taxa de Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Em 2012, Mattel decola na produção de jogos no PIM Em parceria com a Copag, a indústria se prepara para produzir quatro milhões de itens de entretenimento no polo local RICHARD RODRIGUES Equipe EM TEMPO

P

arceiras em produção no Polo Industrial de Manaus (PIM), a Mattel e a Copag se preparam para decolar na fabricação de jogos de cartas neste ano. As duas empresas devem produzir 4 milhões de itens de entretenimento no parque fabril local até dezembro, volume 122% superior ao registrado nos 12 meses do ano passado. O diretor de Operações da Mattel no Brasil, Ricardo Roschel, diz que o salto produtivo se dará pelos planos de ampliação de negócios que a multinacional tem para o país, o que inclui investimentos na fabricação de jogos de carta e quebra-cabeça. “A Mattel produz jogos de cartas no Brasil, em parceria com a Copag, desde 2004. Inicialmente foram produzidas 50 mil peças e o volume foi aumentando ano a ano. Em 2009, a Copag produziu 1,8 milhão de unidades de jogos de cartas e em 2012, diante da expansão dos negócios no Brasil, serão produzidas 4 milhões de unidades”, anuncia.

Embora não tenha divulgado o valor do aporte destinado para a empreitada, Roschel assegura que os investimentos a serem realizados pela Mattel no PIM a partir deste ano superarão todo o montante aplicado desde que a empresa firmou parceria com a Copag. Ainda conforme a “gigante” do entretenimento, foram 12 meses de intenso trabalho, encontros com representantes do governo e reuniões com potenciais parceiros em todo o Brasil, o que levaram a investir “pesado” nas operações em território brasileiro. Exportação Os jogos fabricados em Manaus, que até então são destinados apenas ao mercado interno, também poderão ser comercializados para outros países. “Inicialmente a produção atenderá a demanda local, mas estão sendo feitos estudos de viabilidade para exportação”, salienta o executivo. Além do estudo para exportação, a expansão da Mattel no país prevê ainda novas contratações da mão de

obra direta e indireta no PIM, que segundo Ricardo Roschel, se dará pela complexidade para distribuição dos produtos nas fábricas e nos processos logísticos utilizados na produtividade da Copag.

Investimentos em território brasileiro Além da Copag, a Mattel também vai estreitar laços com a Grow, fabricante de quebra-cabeças instalada em São Paulo. A partir deste mês, todos os quebra-cabeças que fazem parte do portfólio da empresa passam a ser fabricados em parceria com a Grow, em São Bernardo do Campo. Conforme a multinacional, o Brasil é o maior mercado consumidor de quebra-cabeças da Mattel no mundo, por isso será dado o “start” na produção do item em território nacional. Esse é o primeiro passo para tornar a Mattel a maior produtora de brinquedos do país, segundo a direção da empresa.


Economia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

B3

Portadores de deficiência estão fora do ‘comando’ Donos de uma pequena fatia no mercado de trabalho, PCDs têm lugar quase nulo na chefia das empresas no Amazonas

REPRODUÇÃO

ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

B

eneficiadas por leis que facilitam a inserção no mercado de trabalho, Pessoas com Deficiência (PCDs) ainda enfrentam barreiras para ingressar nas empresas do Amazonas e, quando entram, passam longe dos cargos de chefia. Conforme a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Amazonas (SRTE-AM) é praticamente zero o número de casos desses trabalhadores no comando das empresas locais. Por lei, as empresas com mais de 100 funcionários devem empregar um percentual de pessoas com deficiência, índice que varia de 2% a 5%, conforme o porte do empreendimento. Mesmo assim, as empresas não observam a legislação e excluem as PCDs de seus quadros, algo que se torna mais tangível quando o assunto é cargo de chefia. “Praticamente é nula a presença de pessoas com deficiência na gerência ou administração de uma empresa. Geralmente, elas

são contratadas para postos operacionais”, afirma o superintendente da SRTE, Dermilson Chagas. De acordo com levantamento do site vagas.com.br, há poucos postos exclusivos para pessoas com deficiência em cargos de coordenação, gerência, supervisão e direção no Brasil. Segundo dados do site,há somente

MERCADO

Levantamento do site vagas.com.br mostra que dos 1,6 mil postos de trabalho disponíveis para pressoas portadoras de deficiência apenas dois são para o Amazonas, ambos para cargos operacionais 1,6 mil vagas disponíveis para pessoas com deficiência, das quais apenas duas são para o Amazonas, ambas para funções operacionais. Do total de vagas disponíveis no site às PCDs, 80% são para postos operacionais, auxiliares e técnicos, enquanto que só 3% são para os cargos de coordenação, supervisão,

gerência e direção. “Esse levantamento mostra que há uma discrepância entre as ofertas para pessoas com deficiência e demais públicos. E, ainda, que algumas empresas estão utilizando a Lei da Cota para preencher cargos operacionais”, explica Luís Testa, gerente de vendas da Vagas Tecnologia, proprietária do site vagas.com.br. Barreira A qualificação profissional é um dos grandes empecilhos para a inserção dessas pessoas no mercado. Conforme levantamento do vagas.com. br, dos 27,2 mil currículos cadastrados de pessoas portadoras de deficiência, apenas 6% possuem curso superior e 0,9% frequentam algum curso de especialização. Segundo Dermilson Chagas, a STRE realiza atualmente um levantamento junto à Prefeitura de Manaus para saber quantas PCDs estão inscritas no programa “Bolsa Universidade”. A partir das informações obtidas, a superintendência poderá traçar um plano de inserção dessa categoria de universitários no mercado de trabalho local.

Com restrição, mas sem diferença Portador de deficiências no ombro e braço direitos que restringem alguns movimentos, o gerente de Engenharia da Nokia, Moisés do Vale, pode ser considerado como uma exceção. Ele é uma das poucas pessoas com deficiência em cargos de chefia em empresas no

Amazonas. “A minha limitação é relativamente pequena e tive poucas restrições, principalmente no início da carreira”, declara, ao ressaltar que está há sete anos empregado na Nokia. O gerente diz que, de modo geral, há falta de preparo no tratamento das

empresas com as pessoas com deficiência. Conforme o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, Valdemir Santana, praticamente todos os ônibus que fazem o transporte de trabalhadores do Distrito Industrial não possuem elevadores para cadeirantes.


B4

Economia

Genérico até 400% mais caro na capital Remédio de marca chega a sair mais em conta no mercado ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

C

omprar remédios genéricos achando que vai pagar menos do que os medicamentos de marca nem sempre é possível nas farmácias de Manaus. Levantamento feito pelo EM TEMPO revela que nas drogarias da cidade o consumidor pode até “adoecer” ao descobrir que o preço de alguns genéricos chega a ser 400% mais caro em relação aos medicamentos de referência. É o caso do antibiótico Astro 500 miligramas com três comprimidos, da Eurofarma, que custa R$ 10,82, enquanto o genérico Azitromicina, da EMS, sai por R$ 43,93, ou seja, 406% a mais do que o

remédio de referência. Outro exemplo é o genérico Lansoprazol com 30 comprimidos, da Prati, que é 80,87% mais caro do que o de marca. Nas farmácias da cidade, esse remédio é encontrado a R$ 41,60 se comparado ao de referência Prazol, usado no tratamento de úlceras, por exemplo, custa R$ 23. Preços tabelados De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Drogas do Amazonas (Sindidrogas), os preços dos medicamentos são tabelados pelo governo e, portanto, encontrar genéricos com o valor mais caro do que o dos remédios de marca é algo que pode ser verificado em todas as farmácias do Estado. Segundo o presidente

do Sindidrogas, Armando Reis, entre os fatores que contribuem para a discrepância entre os preços é a quebra da patente de uma fórmula medicinal, o que leva ao barateamento dos remédios de marca em relação aos genéricos. Segundo uma empresária do setor, que pediu para não ter o nome divulgado, existem alguns medicamentos de marca que, hoje, não são os originais de referência, ou seja, já saiu de linha, mas seu princípio ativo continua sendo usado em outros medicamentos que não podem ser considerados de referência. Conforme dados do Sindidrogas, os genéricos hoje representam 30% de todas as vendas de medicamentos das drogarias do Amazonas.

Mercado estabelece valores De acordo com o diretor do Departamento do Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Con-

sumidor (Procon-AM), Guilherme Frederico, por não haver “nenhum produto tabelado” no país, a única arma que o cliente possui é a pesquisa de preço.

“Quem quiser, vende com o preço que bem entender. O consumidor, nesse caso, deve fazer a pesquisa de preço para encontrar o produto mais barato”, afirma.

Diferença gera insatisfação A arquivista Marlúcia Ferreira, 54, ficou indignada quando foi a uma farmácia, na semana passada, e lhe ofereceram um remédio genérico que custa 157% a mais do que o medicamento de referência que usa, todo mês, para combater o colesterol e que naquele momento estava em falta

no estabelecimento. O remédio Sinvastacor custa em torno de R$ 14, enquanto o genérico está na faixa de R$ 36 na farmácia, localizada no bairro Ponta Negra. “Acho um absurdo o genérico ser mais caro. Só não me indignei mais porque prefiro os medicamentos de referência”. salienta.


B5

DIVUL GAÇÃ

O

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

Genéricos representam 30% das vendas de medicamentos nas drogarias do Amazonas

FOTOS: ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Antibiótico de marca garante economia de R$ 33,11

Política dos laboratórios A diferença de preços nos medicamentos genéricos e de referência faz parte de uma política de vendas adotada pelos laboratórios fabricantes, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos, a Pró-Genéricos. Conforme o coordenador técnico da entidade, Luciano Lobo, com a chegada dos genéricos houve uma queda nas vendas dos remédios de marca, o que levou os laboratórios a fazer uma operação de

vendas agressiva, devido à perda de mercado. Segundo a associação, os genéricos já representam 25% dos remédios comercializados no país. As vendas movimentam US$ 6 bilhões por ano. Legislação A Lei dos Genéricos (9.787), sancionada em 1999 no governo de Fernando Henrique Cardoso, veio com o intuito de oferecer o mesmo medicamento com preço mais baixo.

Hidrovias – uma assombrosa intuição - Parte 2 A intuição visionária de Raposo Tavares, um bandeirante de origem luso-judaica, alucinado pela antevisão de negócios e promessas da Amazônia, presenteada pela natureza por hidrovias exuberantes e estratégicas, decididamente, permanece atual há 350 anos. Uma visão que provoca e convoca a determinação do país e gestores regionais em adotar as hidrovias – com rigor belga e profissionalismo escocês - essa infraestrutura coerente e promissora nas dificuldades logísticas regionais de transporte. A proposição foi entendida pelos portugueses na assinatura do Tratado de Santo Idelfonso, que desfez o de Tordesilhas, em 1777. Eles logo trataram de proibir a navegação estrangeira na região, cuidando de promover a Viagem Filosófica, pelas capitanias do GrãoPará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá, do naturalista baiano, Alexandre Rodrigues Ferreira, na década seguinte. A metafísica luso-brasleira se fundava - sem adoção do materialismo dialético - na demarcação do território, a Amazônia conquistada, e na identificação de bio e minero negócios, incluindo o charme de levantamentos botânicos e zoológicos espetaculares, registrados por seu staff de desenhistas geniais com seus traços inimitáveis na tradução do fascínio amazônico. Foram essas obviedades hidroviárias que levaram os ingleses a investir em torno de 100 milhões de libras esterlinas nos próprios estaleiros do Reino Unido, a construir embarcações, portos e treinar recursos humanos pra viabilizar a economia da goma elástica. De nada valeria a Hevea sem essa infraestrutura coerente de negócios. Ainda por conta da economia do látex, o norte-

americano Percival Faquar, há 100 anos, inaugurou a MadeiraMamoré, a ferrovia da morte e da inabilidade em empreender na região. Ele queria encurtar o percurso recomendado por Raposo Tavares de integração continental, pelas hidrovias amazônicas desde os Estados Unidos a La Paz, de 59 dias, a partir do Atlântico, contra a opção pelo Pacífico que demorava 180 dias. Daí a ferrovia. Depois, à parte o 2º Ciclo da Borracha, com a Grande Guerra, o projeto ferroviário foi abandonado pela concorrência da borracha asiática, dando lugar à abertura da BR-364, no regime militar, que liga, hoje e precariamente, alguns pontos da Amazônia ao Sudeste do Brasil, na campanha nacionalista do “interar para não entregar”, nas décadas de 60 e 70. Ainda aí, para o transporte dos maquinários dos projetos predatórios, as hidrovias cumpriram seu papel com pujança, economia e eficácia. As hidrovias, portanto, mais do que uma intuição de pródigas promessas, comprovadamente são as únicas artérias, no sentido da anatomia humana, que oferecem eixos, rumos e alternativas de distribuição e pulsação de vidas, coerentes com um modelo de desenvolvimento inteligente para uma Amazônia que se descobre competitiva sem abrir mão sua identidade e biodiversidade. Foi retomada no início deste mês a discussão da hidrovia Manaus-Manta, uma teimosia da Suframa e do governo equatoriano, para juntar negócios de Atlântico e Pacífico, no padrão logístico das eclusas belgas. E foi essa obviedade hidroviária para a rgião que virou bússola e o critério do projeto “Norte Competitivo”, o maior levantamento de toda a história dos gargalos logísticos da região.

Nascido de discussões no âmbito da Federação das Indústrias do Amazonas, que, juntamente com o Centro da Indústria promovera em 2005 um rigoroso estudo no setor, visando racionalizar os altos custos logísticos da região, no patamar assustador de R$ 17 bilhões/ano. Para os Estados da região, carentes de integração de transportes com características multimodais, foram sugeridos e estão à espera de providências efetivas, 71 projetos emergenciais de in fraestrutura. Para o Amazonas, entretanto, coube a recomendação prioritária de balizamento e trafegabilidade da hidrovia do Madeira e da combinação hidro-rodoviária de Manaus-Belém-Brasília. A estimativa total dos projetos é de que R$ 14,3 bilhões, para equacionamento de todos os problemas de logística da região para os próximos dez anos, com retorno de investimentos assegurado em quatro anos, pela redução do custo logístico e aumento da competitividade. É temerário deixar nas gavetas da inércia a proeza dessas proposições. Mãos à obra, pelo menos, na recuperação e modernização da logística das hidrovias. À academia e aos órgãos de fomento, cabe assumir o desafio da qualificação de recursos humanos e ordenamento de investimentos no setor portuário e naval, seus ajustes e adaptações geográficas e suas intersecções na interdisciplinaridade de conceitos e negócios. Ao poder público e à classe política, beneficiários cativos do regime de exceção tributária, a convicção e um alerta de que jamais navegaremos nas hidrovias da sustentabilidade - e história nos será implacável como profetizou o mestre Samuel Benchimol - se perenizarmos a dependência compulsiva dessa embarcação passageira dos privilégios fiscais. A hora tem que ser agora!

Alfredo MR Lopes Filósofo e consultor ambiental

As hidrovias, portanto, mais do que uma intuição de pródigas promessas, comprovadamente são as únicas artérias, no sentido da anatomia humana, que oferecem eixos, rumos e alternativas”


B6

País

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Cidade natal se orgulha do empresário ‘Cachoeira’ Mesmo com a investigação federal que o acusou de comandar a máfia dos caça-níqueis, ser amigo do suposto bicheiro em Anápolis é bilhete premiado

N

a terra de Carlinhos “Cachoeira”, a polícia ainda dá de ombros ao jogo do bicho escancarado no centro da cidade, e políticos enchem o peito de orgulho para reafirmar a amizade com o bicheiro, acusado pela Polícia Federal de comandar a máfia dos caça-níqueis. A contravenção prosperou entrelaçada a atividades lícitas e desenvolveu braços na política local e na alta sociedade. Ser amigo de “Cachoeira” em Anápolis é um bilhete premiado: até nas bancas de apostas, em época de campanha, a ordem é apoiar o candidato com a benção do grupo. Apesar da visibilidade causada pelo escândalo, o jogo do bicho e das máquinas caçaníqueis rola solto na praça Bom Jesus, a principal de Anápolis, sob a vigilância da Polícia Militar, que ao constatar a presença de repórteres resolveu agir para coibir a videoloteria e, como não fazia apreensões até estourar o escândalo, as máquinas estão empilhadas em corredores e salas da delegacia-geral de Anápolis. Questionada sobre a inexistência de um local para armazenar as apreensões, a delegada de plantão, que pediu para não ser

MARCELLO CASAL ABR

identificada, admitiu que, até “tudo isso acontecer”, a falta de espaço para armazenar “maquininhas apreendidas” não causava transtorno. O trinômio negócio lícitos, poder político e de comunicação consolidou a força de Carlinhos “Cachoeira”. Ao casar com a primeira mulher, Andréia, da tradicional família Aprígio, “Cachoeira” deu ares

REALIZAÇÕES

Em 2004, obteve o sonho de um contraventor: associou o nome da família Ramos a uma fundação de responsabilidade social administrada pela família Aprígio, e criada pelo laboratório de legalidade para sua desenvolta atuação no mundo dos negócios sujos. O laboratório Vitapan, de medicamentos genéricos e similares, fortalecia a imagem de empresário bem sucedido. Em 2004, obteve o sonho de um contraventor: associou o nome da família Ramos a uma fundação de responsabilidade social administrada pela família Aprígio, e criada pelo laboratório.

Policiais na operação Monte Carlo, que chegou em Cachoeira

Ex-sogra tem cargo municipal “A fundação está em reforma, mas já fizemos cursos da capacitação de culinária, bordado. Realmente, nunca teve muito movimento lá, até porque não recebemos dinheiro público. Era outra época. Agora, a família está sofrendo muito”, conta Gabriela Campos de Souza, ex-sogra, ex-diretora da fundação e atual subsecretária estadual de Educação de Goiás, que nega a interferência de Carlinhos em sua indicação no gover-

no Marconi Perillo (PSDB): “Sou educadora há 30 anos. Gosto de fazer educação”, afirma. Carlinhos Cachoeira nunca se arriscou como candidato, mas sabe bem como se relacionar com o poder. É íntimo do homem forte da comunicação em Anápolis, Carlos Nogueira, o “Butina”, diretor do Canal 5 e do jornal “Estado de Goiás”, que ignoram completamente o escândalo nacional. “Butina” é tido pela Polícia Federal como um de seus laranjas.

RIO DE JANEIRO

União homoafetiva foi convertida em casamento Os desembargadores da 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio decidiram - por unanimidade - converter em casamento a união estável de um casal homossexual que vive junto há oito anos. A decisão é inédita no Judiciário fluminense. Eles entraram com o pedido de conversão em outubro do ano passado, mas foi indeferido pelo juízo da Vara de Registros Públicos da Capital. De acordo com o relator do processo, o desembargador Luiz Felipe Francisco, o ordenamento jurídico não veda expressamente o casamento entre pessoas do mesmo sexo. “Portanto, ao se enxergar uma vedação implícita ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, estar-se-ia afrontando princípios consagrados na Constituição da República, quais sejam,

os da igualdade, da dignidade da pessoa humana e do pluralismo”. O desembargador disse ainda que se a Constituição Federal determina que seja facilitada a conversão da união estável em casamento, e se o Supremo Tribunal Federal determinou que não fosse feita qualquer distinção entre uniões hétero e homoafetiva, “não há que se negar aos requerentes a conversão da união estável em casamento, máxime porque consta dos autos a prova de convivência contínua, estável e duradoura”. Para o presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), Toni Reis, esse é o sonho de todas as pessoas que querem se casar, que essa medida adotada pelo Judiciário fluminense seja seguida por outros tribunais do país. FABIO POZZEBOM ABR

Manifestantes nas ruas pela regularização das uniões


Mundo

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

CARDIOLOGIA

Fumantes são alvo de pesquisa sobre doenças O hábito de fumar não é associado às doenças cardiovasculares como um fator de risco por muitas pessoas em diversos países, segundo estudo apresentado no Congresso Mundial de Cardiologia, que aconteceu em Dubai, neste fim de semana. Encomendada pela Federação Mundial do Coração e executada pelo Projeto Internacional de Controle do Tabaco (ITC Project, em inglês) e pela Iniciativa contra o Tabaco da Organização Mundial da Saúde (OMS), a pesquisa apresentada mostra que 70% dos fumantes chineses, 50% dos indianos e 40% dos holandeses, desconhecem que o fumo contribui para o infarto. Os dados são referentes a 2009 e 2010. Em relação ao Brasil, 24,6% dos fumantes adultos, em 2008, não acreditavam ou não sabiam que

o cigarro pode levar ao infarto, segundo pesquisa divulgada na página do ITC na internet. No Reino Unido, nos Estados Unidos, na Austrália e no Canadá – considerados avançados em sistema de saúde e legislação antitabagista –, quase 50% de pessoas que fumam afirmaram não saber que os fumantes passivos (pessoa que convive com o fumante) também estão sujeitos a um ataque do coração quando expostos ao cigarro. Apesar das mensagens de advertência nos produtos, nenhum país implantou programa de avisos que alertam a população sobre a elevação do risco de uma doença cardíaca no caso de fumantes passivos, disse o chefe de pesquisa do ITC Project, o professor da Universidade de Waterloo, no Canadá, Geoffrey Fong. DIVULGAÇÃO

Muitos desconhecem que o fumo pode causar infarto

B7

Emergentes dão apoio à barreira anticrise do FMI Brasil, Rússia, Índia e China doaram dinheiro para apoiar recursos que estão acima de US$ 430 bilhões, para o FMI ajudar os países desenvolvidos em crise

A

pós meses de negociação, o Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciou sua barreira de proteção anticrise com mais de US$ 430 bilhões (R$ 804 bilhões) para amortecer futuros choques. “É uma demonstração da comunidade internacional de que eles confiam em nós”, afirmou em entrevista coletiva a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde. Na avaliação da chefe do Fundo, os recursos anunciados esta semana são suficientes para amortecer futuras turbulências. O Brasil, assim como a Índia e a China, não declarou um valor específico de aporte, embora o ministro Guido Mantega tenha dito que o mecanismo é essencial para lidar com uma crise que ainda não terminou. O quarto país que forma o BRICs, a Rússia, informou que ofereceria US$ 10 bilhões. Na lista de países que contribuíram, o Brics são listados como nota de rodapé, enfatizando que eles endossam a barreira anticrise, mas ainda não anunciaram valores. O mesmo acontece com Indonésia, Malásia e Tailândia. A indicação do Fundo, porém, é esperar ao menos US$ 60 bilhões (R$ 112 bilhões) desses países juntos. No caso do Brasil, a expectativa é que Brasília ao

RICARDO STUCKERT/ABR

menos empate com a contribuição russa, com US$ 10 bilhões (R$ 18 bilhões). “Gostaria de expressar minha gratidão a todos os países que já anunciaram contribuições específicas, e à China e à Rússia e outros que me deram compromissos específicos sólidos”, declarou Lagarde. “Também sou grata ao Brasil, à Índia, à Indonésia, à Malásia, à Tailândia e a todos aqueles que indicaram que estarão entre os contribuintes, elevando o valor futuro”, completou, enfatizando o racha entre do BRICs. O valor total ficou ligeiramente acima das expectativas mais baixas, de US$ 400 bilhões (R$ 748,8 bilhões), mas ainda abaixo dos US$ 500 bilhões (R$ 936 bilhões) inicialmente almejados. Nas últimas semanas, o FMI já vinha dizendo que a melhora do cenário permitiria revisar para baixo o montante total. O novo fundo ficará disponível para todos os países-membros e servirá de amortecedor para o caso de uma nova crise. Os recursos poderão ser sacados em forma de empréstimos bilaterais. Brasília condiciona seu aporte ao avanço das reformas no sistema de cotas do Fundo para ampliar o peso dos emergentes.

Dilma, Medvedev (Rússia), Singh (Índia), e Hu Jintao (China)

Doações feitas pelos europeus A União Europeia contribuiu com quase US$ 200 bilhões para o Fundo. O Japão participou com US$ 60 bilhões (R$ 112 bilhões); os países escandinavos (Suécia, Dinamarca e Noruega), com mais US$ 26 bilhões (R$ 48,6 bilhões) e a Coreia do Sul, Reino Unido e Arábia Saudita darão US$ 15 bilhões (R$ 28 bilhões) cada um. A Suíça com US$

10 bilhões (R$ 18,7 bilhões), a Polônia com US$ 8 bilhões, a Austrália, com US$ 7 bilhões (R$ 13 nilhões). Cingapura dará US$ 4 bilhões (R$ 7,4 bilhões) e a República Tcheca, US$ 2 bilhões (R$ 3,7 bilhões). “Isso mostra a resolução da comunidade internacional em ter disponíveis as ferramentas anticrise”, observou Lagarde.


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012


Caderno C

Dia a dia MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

diadia@emtempo.com.br @emtempo.com.br

(92) 3090-1041

Belém, preparada para a Copa 2014 Mesmo sem ser escolhida cidade-sede do Mundial, a capital paraense se estrutura e busca uma “janela” da Fifa

B

elém, no Pará, não está entre as 12 cidades-sedes que receberão os jogos da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, mas os trabalhos para preparar a capital paraense estão a todo o vapor. Os projetos vão além da reforma e adaptações do estádio de futebol. Eles avançam para as áreas de infraestrutura, mobilidade urbana e, principalmente, para as atividades turísticas. O objetivo do governo do Estado é deixar a cidade “pronta para a Copa” em meados de 2013. Atualmente, a meta do Pará é ser escolhida como Centro de Treinamento (CT) de uma ou mais seleções. Segundo o secretário de Estado de Esporte e Lazer do Pará, Marcos Eiró, o governo tem se preocupado em preparar a cidade para além de 2014, deixando um legado para a população, por isso a necessidade de apresentar a potencialidade do Pará para o mundo. O projeto para que a cidade seja escolhida pela Federação Nacional do Futebol (Fifa) como CT, está orçado em aproximadamente R$ 105 milhões. “A governadora anterior perdeu a Copa do Mundo para nosso Estado. Costumamos dizer aqui que não perdemos para o Amazonas e sim para Natal. Hoje o que estamos fazendo é tentando trazer um CT ou mais de um para cá, a fim de que a população paraense também seja beneficiada”, afirmou o secretário. A intenção do governo, explicou Eiró, é tornar o Estádio Olímpico do Pará, o “Mangueirão”, em um CT. Para isso, uma série de ações já foram planejadas, sendo uma das principais a criação de uma praça olímpica no Mangueirão, visando outros eventos esportivos

que poderão ser realizados em Belém. “Estamos fazendo todo um preparativo com obra para engrandecer o estádio. Além da capital, estamos querendo que Santarém também tenha um CT”. Para o secretário, Belém vai entrar na competição para que os CTs sejam criados na capital ou Santarém. “Ou quem sabe nos dois. O “Colosso do Tapajós” está sendo preparado para isso. Não há distância para uma Copa do Mundo. Santarém fica no “meio”. Quem sabe uma seleção que vá jogar no Amazonas não fique aqui? Estamos abrindo uma janela com a Fifa”. O governo do Pará já participou de reuniões com membros da Fifa e com o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL) e novos encontros estão agendados para a partir de amanhã (23). Eiró afirmou não acreditar na possibilidade de a Fifa trocar uma cidade-sede por Belém, mas ressaltou que se houvesse “uma nova janela”, certamente Belém seria escolhida devido à sua preparação. “A Ana Júlia (ex-governadora), perdeu a Copa. Então a gente vai tentar trazer para Belém ou Santarém o centro de treinamento da seleção. O governador Simão Jatene está lutando por isso. Não queremos tomar a Copa de ninguém. Não sei c o m o está em Manaus, mas há todo

um procedimento da Fifa”. Eiró destacou que o atual governo se preocupa com o cenário que deverá ser herdado da Copa. É com essa visão que os projetos para as redes hoteleira, hospitalar e turística estão em fase de elaboração. Para os próximos meses, os trabalhos deverão ser desenvolvidos com maior atuação da prefeitura, que tem como um dos principais projetos de mobilidade urbana a implantação do BRT, com mais de 20 quilômetros. Segundo informações da Coordenadoria Municipal de Turismo de Belém, técnicos de turismo realizam inventário dos polos turísticos.

HUDSON FONSECA

LUCAS PRATA E MÔNICA FIGUEIREDO Equipe EM TEMPO

Serviços focados nos turistas O secretário de esportes do Pará, Marcos Eiró, frisou que Belém quer estar preparada para receber os turistas que deverão assistir aos treinos da seleção. “A Fifa vai divulgar os CTs somente ano que vem, mas o Pará está se preparando. O governo se preocupa com os turistas e com os setores de conveniência. Quanto à mobilidade, além do BRT da prefeitura, o governo tem um projeto desenvolvido pela secretaria de infraestrutura e que vai contribuir para desafo g a r

o trânsito de Belém. Quanto à qualificação profissional, a população deverá ser preparada para desenvolver os trabalhos diretos e indiretos em todos os setores. “Hoje, em Belém, existe um pessoal qualificado, mas vai aumentar empregos diretos e indiretos. Precisamos investir em capacitação”. De acordo com o Portal da Copa 2014 do governo federal, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) elabora projetos básicos de engenharia e estudos de modernização das torres de controle e de aproximação de 29 aeroportos.

Novos pilares da Arena Amazônia surgem a cada dia

Em Manaus, obras e licitações A 781 dias da Copa do Mundo de 2014, em Manaus, uma das 12 cidadessedes, a Unidade Gestora do Projeto Copa em Manaus (UGP-Copa) afirma que tudo será entregue no prazo. De acordo com o coordenador da UGP-Copa, Miguel Capobiango, as obras em andamento em Manaus para a revitalização e modernização dos principais instrumentos, estão dentro do prazo de execução. “A copa não é só a Arena da Amazônia. Estamos trabalhando todos os setores que estarão envolvidos durante o evento”, afirmou. Em relação aos centros de treinamento, Capobiango disse que os projetos de construção estão prontos. “Faltam apenas a liberação dos recursos por parte do governo federal. Como são obras de menor

proporção, estarão prontas dentro do prazo”. Quanto à mobilidade urbana, o monotrilho passa pelos estudos técnicos para que sejam iniciadas as obras. Já o BRT está em fase de contratação das empresas para a execução. “Vamos trazer a população para usar o transporte coletivo durante o evento, e assim tentar melhorar o fluxo no trânsito na cidade”. Quanto à qualificação, o coordenador afirmou que haverá programação de cursos profissionalizantes para que as pessoas, que vão trabalhar diretamente com o turista, possam realizar um bom trabalho. “Na segurança, os policiais estão recebendo o treinamento para atuar durante o evento. Então, acredito que até 2014 estará tudo preparado para Manaus receber a Copa”, assegurou.


C2

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Olho ‘vivo’ nas bagagens Infraero lança projeto de instalação de câmeras na área de desembarques dos aeroportos do Amazonas. Medida permite que passageiros acompanhem o trajeto de suas bagagens e vejam como elas são manuseadas por funcionários SHANA REIS

ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

O

Aeroporto Internacional Eduardo Gomes deve implantar, ainda neste semestre, um sistema de monitoramento das bagagens na área de desembarque. Passageiros que estiverem chegando à cidade poderão acompanhar, por meio de monitores, a movimentação de suas malas, desde a saída do avião até a esteira. O serviço vai dar transparência ao atendimento. Até o fim deste semestre, esses aparatos deverão ser implantados nos aeroportos de Manaus, Porto Velho, Belém, Altamira, Santarém e Carajás, além de São Luís e Imperatriz, no Maranhão. Segundo o coordenador regional da Infraero, Rubem Ferreira, está sendo feito um levantamento do material necessário para que o sistema seja instalado do aeroporto Eduardo Gomes (Terminal 1 e 2). “Inicialmente pensamos em instalar o projeto apenas após a reforma geral, em andamento nos aeroportos, mas repensamos e decidimos fazer a execução agora. Iremos instalar quatro aparatos de monitoramento nos terminais 1 e 2. A previsão é de que esteja em uso até o mês de junho”, disse Ferreira. Até o momento, seis aeroportos da Região Norte já têm equipamentos. No Amazonas, Tefé e Tabatinga receberam o monitoramento na primeira semana de abril. Os outros aparelhos estão em Marabá (PA), Macapá (AP), Rio Branco (AC) e Boa Vista (RR). A iniciativa faz parte do projeto “De Olho na Mala”, desenvolvido pela Superintendência de Segurança Aeroportuária (Dosa)

da Infraero, que visa à implantação destes aparatos de monitoramento nos principais aeroportos do país. “Esse sistema deve garantir maior segurança aos passageiros, que assim poderão acompanhar a forma como sua mala é manuseada pelos funcionários. As imagens também podem servir para evitar fraudes em bagagens e como prova para possíveis falhas”, ressalta o coordenador. A ideia é vista com “bons olhos” pelos passageiros. O empresário Cristiano Reis Aragão, 32, costuma viajar de três a quatro vezes por ano, e apesar de nunca ter tido problemas com a bagagem, afirma ficar receoso quando

Dicas de como proceder nesses casos

CAUTELA

Por receio de perder a mala, ter a bagagem extraviada ou encarar outros transtornos, alguns passageiros optam por realizar, sempre que possível, viagens levando apenas a bagagem de mão Mahira Maia teve o lacre da sua mala rompido e vários objetos roubados durante viagem

entrega sua mala no check-in. “Diariamente ouvimos pessoas reclamando do sumiço de suas bagagens, principalmente em viagens internacionais. Infelizmente é um risco que corremos, mas me sentiria mais confortável se pudesse viajar com a mala próxima a mim”, revela. O universitário Kleber Alves de Castro e Costa, 34, sempre que pode, opta por viajar apenas com a bagagem de mão. “Quando faço viagens nacionais levo uma mochila, porque além de segurança com as minhas coisas facilita na hora do desembarque”, diz.

Engano, lacre rompido e furto A servidora pública Janúbia Lima, 37, teve sua mala levada por engano por uma outra passageira, quando fazia uma viagem a trabalho para Cruzeiro do Sul (AC). “Quando saí da aeronave fui para esteira esperar a minha mala, mas não a recebi. Procurei um funcionário da companhia aérea e fiz a reclamação. Horas depois minha baga-

gem foi encontrada. Outra passageira tinha levado ela por engano”, lembra. Já a assessora parlamentar Mahira Maia, 31, não teve a mesma sorte. Ao retornar de uma viagem internacional, percebeu que o lacre de sua maleta havia sido rompido e vários objetos pessoais roubados. “Ao chegar em casa e abrir a mala, percebi que produtos

que havia comprado não estavam dentro dela. Não sei onde ocorreu a situação, pois fiz várias escalas. Acabei não fazendo nenhuma reclamação à companhia e dei por perdido os objetos. Agora, toda vez que vou viajar procuro levar os objetos mais importantes na bagagem de mão, para que não aconteça a mesma coisa”, revela.

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), somente em 2011, 4.933 passageiros de todo país protocolizaram reclamações no órgão sobre manuseio incorreto ou sumiço de mala. Neste ano, já foram 827 registros de reclamações. Segundo o inspetor de aviação, Weden Cardoso, em caso de extravio, dano ou furto na bagagem, o passageiro, ainda na sala de desembarque, deve procurar a empresa aérea e preencher o Registro de Irregularidade de Bagagem (RIB), ou, em até sete dias após o desembarque, encaminhar protesto à empresa aérea, mediante comunicação escrita. A bagagem só pode permanecer extraviada por no máximo 30 dias em voos nacionais, e 21 dias em internacionais. Após esse prazo, a empresa deve indenizar o passageiro. Se as obrigações não forem cumpridas, o passageiro deverá dirigir-se à ANAC. Se a empresa não encontrar a bagagem, as companhias aéreas devem procurar o passageiro e indenizá-lo por quilo de bagagem. “Nesses casos, geralmente o passageiro saí prejudicado, pois não tem como provar o que tinha na bagagem”, comenta.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

C3

Terceirização do sistema prisional está em ‘xeque’ Diante de escândalos que tiveram como sede os presídios da capital, efietividade da empresa administradora é questionada ARQUIVO EM TEMPO/ BRENO FREITAS

NILSON BELÉM Equipe EM TEMPO

O

governo do Amazonas empenhou, no ano passado, R$ 61,4 milhões na Companhia Nacional de Administração Prisional (Conap), empresa terceirizada responsável por administrar três presídios na capital: a Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), Zona Leste, o Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) e o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), ambos localizados na BR-174 (Manaus-Boa Vista). De janeiro a março, mais R$ 31,7 milhões foram empenhados por meio de convênio e contratos assinados com a Secretaria de Justiça, e Direitos Humanos (Sejus). Os dados costam no portal da transparência do governo. Apesar de implantada desde 2003, a chamada “terceirização dos presídios” em Manaus, começou a ser questionada no início deste ano, devido os últimos episódios que colocaram em “xeque” o modelo. O mais grave foi a festa promovida por 12 detentos da UPP, regado a churrasco, bebida, além de TV de Led. O episódio

levou o secretário Lélio Lauria a pedir exoneração do cargo, pedido aceito pelo governador Omar Aziz. A cúpula da Sejus defende a parceria público-privada de administração dos presídios, modelo adotado por outros Estados há alguns anos e que, segundo o secretário em exercício, coronel Bernardo

O que dizem os convênios

SERVIÇOS

A Companhia Nacional de Administração Prisional é responsável por administrar a UPP, o Ipat e o Compaj. Sem sede em Manaus — está localizada na Bahia — empresa já obteve R$ 31 milhões Encarnação, tem dado certo no Amazonas. Já o presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado do Amazonas (Sinspeam), Antônio Jorge Albuquerque, afirma que o caminho é o modelo antigo com administração do presídio feita pelo poder público. A realização de concurso, também, é imprescindível, segundo ele.

Presídios de Manaus têm protagonizado ínumeras escândalos

Justificativas para a medida A assessoria da Sejus informou que o processo de terceirização no Estado do Amazonas foi iniciado no ano de 2003, em caráter emergencial, devido a ocorrência de várias rebeliões na época, nas unidades penitenciárias do Estado. A escassez de servidores públicos no referido sistema é outro fator apontado como decisivo para terceirização.

Entretanto, de imediato, foi realizado procedimento licitatório, em âmbito nacional, repetido a cada período de encerramento contratual, conforme licitações publicadas em Diário Oficial do Estado (DOE). A Sejus ressalta que toda a documentação orçamentária, com dispêndio financeiro, se submete à análise anual do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas.

Nos contratos e convênios consta que o compromisso das empresas terceirizadas, principalmente a Conap, é de operacionalizar as unidades licitadas, ou seja, seus servidores devem garantir a segurança nos presídios. A Sejus explica, no entanto, que não podia informar a quantidade de agentes de disciplina que a empresa dispõe na UPP, Ipat e Compaj, mas disse que esse efetivo é suficiente para garantir a segurança e a integridade física dos presos. Os servidores terceirizados são, também, responsáveis pela movimentação dos presos, banhos de sol e controles. Nos contratos, a Conap se compromete, ainda, em oferecer assistência nas áreas jurídica, de saúde, educacional e social. Quanto à educação, a Sejus mantém parceria com a Secretaria de Es-

tado de Educação e Qualidade de Ensino (Seduc) voltada para os detentos. As instituições têm cumprido com o compromisso, segundo a Sejus. Os valores A Sejus não confirma, mas até o fim de 2012, os repasses para as empresas terceirizadas podem chegar, ou até mesmo ultrapassar, R$ 61,4milhões, montante repassado pelo governo, por meio da Sejus, em 2011. Os valores do ano passado corresponderam a 24 contratos e convênios firmados com o governo. A empresa Conap, que recentemente mudou sua razão social para empresa Auxílio, não possui escritório em Manaus, e se situa apenas em Fortaleza (CE). O EM TEMPO tentou contato por telefone com a empresa na capital cearense no número (85) 3452 xx10, mas as ligações não foram atendidas.


C4

Dia a dia


MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

C5


C6

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Presídios locais mantêm estrangeiros condenados Cerca de cem presidiários de outros países cumprem pena no Estado. OAB critica falta de atenção das embaixadas

FOTOS: ALBERTO CESAR ARAÚJO

ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

O

sistema carcerário do Amazonas abriga presos de pelo menos 15 nacionalidades. A situação contraria a legislação, que determina a expulsão de detentos condenados para que eles possam cumprir as sentenças em seus respectivos países. A Secretaria de Estado e Justiça (Sejus) afirma que no Estado esses detentos recebem acompanhamento do consulado, mas que não há nenhum atendimento diferencial dentro das cadeias. O maior número de estrangeiros presos no Estado está em Tabatinga (a 1.606 quilômetros de Manaus). De acordo com o secretário executivo-adjunto da Sejus, coronel Bernardo Encarnação, o crescimento é resultante da ampliação de fiscalizações na fronteira do país para combater o tráfico de drogas. “Todos os presos foram detidos por tráfico de drogas. São pagos para entrar no Brasil com entorpecentes, mas acabam sendo descobertos pela polícia. Nos últimos meses temos intensificado um trabalho de fiscalização, por isso tivemos um crescimento nas prisões”, comenta. Segundo a Sejus, presos de outros países recebem atendimento semelhante aos brasileiros e são inseridos em celas comuns. A maioria dos detentos tem conhecimento básico de português ou espanhol. O consulado de cada país ajuda na orientação e na obtenção de advogados. A Lei de Execuções Penais prevê que é responsabilidade do Estado dar assistência material ao preso, com suporte à saúde, as-

sistência jurídica, educacional, social e religiosa. Porém, não há nenhuma orientação sobre a obrigatoriedade de tradutores para viabilizar a comunicação do preso dentro das penitenciárias. A única regulamentação trata da presença de um intérprete durante interrogatórios. As embaixadas O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Sec-

LEGISLAÇÃO

Legislação detemina que o preso estrangeiro deve ser encaminhado para cumprir pena em seu país de origem. Atualmente, a maior quantidade deles está presa em Tabatinga, interior do Estado cional Amazonas (OAB-AM), Epitácio Almeida, ressaltou que as embaixadas precisam se engajar mais no amparo aos presos de seus países. “Temos o caso de um estrangeiro que está no Complexo Penitenciário Anísio Jobim e sofre de problemas mentais. O consulado do seu país quase não aparece para prestar socorro”, denuncia. Já a Pastoral Carcerária do Amazonas afirma que não há comissão internacional da pastoral.

Longe da família, estrangeiros ficam sem receber visitas. Não transferência para o país de origem se torna dolorosa com o tempo

Solidão é o maior problema O colombiano Jaime Múrcia, 44, está preso no Instituto Prisional Antônio Trindade (Ipat) há dois anos. Acusado de tráfico de drogas, ele revela que foi contratado em Florência para ser “mula” em um transporte de drogas até o Brasil, mas foi preso em flagrante quando chegava à cidade. Múrcia revela que as primeiras semanas na peni-

tenciária foram complicadas porque nunca tinha estado no Brasil e falava poucas palavras em português. “Sofri por estar sendo preso em um país onde não conhecia ninguém, longe da minha família. Hoje vivo bem dentro de um sistema prisional. Nunca sofri discriminação por ser estrangeiro. O maior sofrimento é quando chega o domingo e todos recebem visitas de parentes e eu fico sozinho”, desabafa. Outro colombiano, Elkin Nunes, 40, também preso por tráfico de drogas, diz ter se arrependido do crime que cometeu e admite

que a maior dificuldade é a distância da família. “Meus parentes sabem que estou preso. Nossa comunicação é feita por cartas porque eles não têm condições financeiras para vir ao Brasil. A única visita que recebo uma vez ao mês é do consulado. Cometi um erro e estou pagando, por isso, me arrependo muito”, lamenta. Segundo os dados mais recentes do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça, havia 3.191 estrangeiros sob custódia no país em junho de 2011. Entre todos os continentes, os presos vindos de países americanos eram maioria.

Estrangeiros presos no Amazonas País

Quantidade Colômbia

61

Peru

15

Chile

1

Bolívia

1

Espanha

3

Venezuela

2

África do Sul

1

Nigéria

1

Croácia

1

República Tcheca

1

Argentina

2

Grécia

1

Jamaica

1

Guiana

3

Holanda

1


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

C7

Diploma, com ou sem ‘A’, o que importa é graduar Universitários ou graduados ressaltam a existência de assuntos mais importantes que a mudança de gênero nos diplomas DIVULGAÇÃO

IZABEL GUEDES Equipe EM TEMPO

U

ma lei sancionada no início do mês pela presidente Dilma Rousseff, onde fica determinado que as instituições de ensino públicas e privadas deverão expedir diplomas e certificados com a flexão de gênero correspondente ao sexo da pessoa diplomada, abriu uma discussão entre acadêmicos, profissionais da educação e pessoas já graduadas. Isso porque, para muitos, a obrigatoriedade da mudança da flexão de gênero nos diplomas e certificados não interfere em nada na vida profissional e, muito menos, na vida pessoal. Em Manaus, as pessoas dizem que a sanção da lei é meramente propicia para a atual presidente da República. Essa é a opinião da administradora Nágila Roberta Fonseca, 32, que se formou no ano de 2009 no Centro Universitário do Norte, e não pretende, pelo o que oferece a lei, fazer a mudança da flexão de gênero do masculino para o feminino no seu diploma. “Eu acho que não tem relevância alguma, visto

que não vai trazer benefício para mim como profissional e nem aumentar ou diminuir meus direitos como mulher. Administradora ou bacharel em administração têm o mesmo peso para mim”, opina. A opinião os universitários ainda em processo de formação é semelhante. A es-

EDUCAÇÃO

Segundo o professor Antônio Silva, a medida se reflete na flexão do gênero de presidente para presidenta, o que não dificulta o uso da palavra no sentido feminino no ensino das escolas

tudante de biblioteconomia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Samanta Pedrosa, 22, se forma no fim deste ano e já vê a medida como algo irrelevante. “Sinceramente esse negócio de só porque eu sou mulher ter que ter o gênero modificado no meu diploma não quer dizer nada. Quando eu me formar nem pretendo solicitar isso”, afirma.

Medida longe da escola Para o professor de língua portuguesa, especialista em leitura e produção textual, Antônio Silva, do ponto de vista gramatical não há nenhum impedimento para tanto. Segundo ele, a intenção é, deliberadamente, destacar a figura feminina da presidente. Isso, segundo ele, se reflete na flexão do gênero de “presidente” para “presidenta”, o que não dificulta, no caso do uso da palavra no gênero feminino, o ensino nas escolas. “É preciso, nesse sentido, que haja clareza dentro das instituições de ensino para a possibilidade desse uso. Agora, como forma de ampliar o conhecimento, também seria válido entender aqueles que defendem o nome presidente como um substantivo uniforme, em comparação com nomes como suplente, adolescente, dentre outros”. O professor afirma que a discussão é válida e importante . De acordo com ele, o importante é a vontade de discutir as relações que o uso da palavra estabelece, mas no caso específico da presidente da República, a intenção deliberada é de reforçar o papel feminino, da mulher, em cargo tão importante.

Sem danos para a universidade A lei nº 12.605/12 diz que as pessoas diplomadas poderão requerer das instituições a reemissão gratuita dos diplomas com a devida correção, segundo regulamento do respectivo sistema de ensino de algumas unidades. No caso da Ufam, segundo informações da pró-reitora da entidade, Rosana Parente, os diplomas expedidos pela unidade de ensino não vão necessitar de alteração. “A mudança não interfere em nada, pois nos diplomas já expedidos pelo órgão a graduação em que o aluno se formou vai fixada de acordo com a profissão e não relacionado com o gênero feminino ou masculino”, explica. Mulheres graduadas dizem não se importar com nomenclatura


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012


Caderno D

Plateia MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

plateia@emtempo.com.br

REPRODUÇÃO

PEC da Música gera debates Plateia D3

(92) 3090-1042

‘Vestido de Noiva’,

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

por João Fernandes Obra escrita pelo dramaturgo Nelson Rodrigues será encenada na capela do antigo hospital Santa Casa de Misericórdia REPRODUÇÃO

PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

O

centenário do dramaturgo, escritor e jornalista Nelson Rodrigues será comemorado de forma singular em Manaus. Em homenagem à data, a Companhia de Ideias, dirigida por João Fernandes, levará uma das maiores obras do pernambucano, intitulada “Vestido de Noiva”, para um lugar inimaginável e surpreendente: a capela situada no terreno do antigo hospital Santa Casa de Misericórdia, a partir do dia 20 de julho. Além da celebração, o espetáculo irá inaugurar um projeto idealizado pelo grupo com o objetivo de externar as performances artísticas que envolvem teatro, dança e projeção de imagens. De acordo com João Fernandes, a iniciativa de desenvolver uma montagem dentro da capela nasceu no ano passado, quando criaram o projeto “Lugares que o dia não me deixa ver” para concorrer ao Prêmio Funarte Artes na Rua, promovido pelo Ministério da Cultura (MinC). Ele afirma que a ideia principal é levar o teatro, assim como as demais vertentes, aos prédios antigos, comumente não frequentados. “Essa apresentação vem agregar arte à questão cultural. Era algo que já existia dentro da companhia e como neste ano comemoram-se os cem anos de Nelson Rodrigues e os cinco anos de nossa atuação, resolvemos unir tudo em um pacote e abrir a temporada com essa grandiosa obra”. Ele informa, ainda, que estão buscando parcerias com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para obter apoio quanto à disponibilização do local e no uso das fachadas. Direitos autorais Outro quesito que está sendo liberado em primeiríssima mão é com relação a compra

dos direitos autorais. O diretor explica que conheceu a filha de Nelson Rodrigues, Sônia Rodrigues, há três meses, e ela aprovou a iniciativa e está averiguando o processo, junto à Associação Brasileira de Música e Artes (Abramus). “Conheci a Sônia durante uma viagem, falei sobre o projeto e ela gostou. Então, começamos a negociar sobre a questão dos direitos sobre a obra. Algo que nos deixou muito felizes é que ela demonstrou ter interesse em vir assistir ao espetáculo, o que será uma satisfação”, completou. A dramatização, que contará com nove artistas em atuação, será encenada pela primeira vez em Manaus. No

Esse é um dos textos mais completos na questão de dramaturgia e personagens. O teatro jamais perde a essência porque é vivo Carlos Germano, deputado estadual

Brasil, o público teve acesso à peça pela primeira vez em 1943. Segundo Fernandes, apesar de quase 70 anos terem se passado, os escritos de Nelson Rodrigues não ficaram atrasados no tempo e continuam retratando temas vivenciados pelos brasileiros da atualidade. “O contexto de Nelson é muito atual. Ele é um dos autores que conseguem transmitir, em qualquer linhagem do tempo, os problemas vivenciados pela sociedade, como os conflitos, os desejos, as traições, as soberbas, os desejos reprimidos e a questão do manter as aparências. Tudo isso acontece em “Vestido de Noiva” e é vivido por muitos brasileiros”.

O jornalista, escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues é um dos nomes mais conhecidos nacionalmente por textos realistas

Atores estão sendo escolhidos

Psicológia permeia a história

De acordo com o diretor da Cia. de Ideias, o horário dos espetáculos ainda não foi definido. O projeto, que traz uma iniciativa inovadora no campo da arte local. ainda está em fase de determinação do elenco que deve compor a dramaturgia. Fernandes relata que o grupo está em fase de testes e seleção para a escolha dos integrantes. “Já fizemos a primeira audição e selecionamos 16 pessoas que deverão passar por ofici-

Em “Vestido de Noiva”, Nelson Rodrigues criou um texto dando ênfase ao fator psicológico, apresentando cenários que se intercalam entre alucinação, realidade e plano da memória. O enredo narra a história de Alaíde, que morre ao ser atropelada por um automóvel, e enquanto passa por uma cirurgia, em um hospital, relembra o conflito vivido com a irmã, Lúcia, de quem “roubou” o namorado, Pedro. Ao mesmo tempo, imagina

nas de interpretação, corpo e voz. A partir daí, faremos a escolha dos atores”. Ao falar sobre a preparação do figurino, Fernandes explicou que ainda não definiram quem será o contribuinte dos bastidores, mas que estão fazendo estudos para essa definição. Ele adiantou que provavelmente a direção de iluminação ficará sob o comando de Dyego Monzzaho, assunto que também ainda será confirmado.

como seria seu encontro com a cafetina, Madame Clessi. “Nelson mostra em seus trabalhos que todas as situações vivenciadas pelo homem têm um final e que se arrumam. As coisas podem acabar mal, mas sempre maquiamos e damos um jeito. Vamos usar índices psicológicos, conforme o texto”, disse Fernandes. Além da encenação, o tema também já foi utilizado para a realização de um filme, veiculado em 2006.


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

>> Números

>> Workshop

. O Estado do Amazonas, em 2011, registrou um fluxo de 755.058 turistas residentes no Brasil e no exterior. O registro do ano passado representa um crescimento de 12% em relação a 2010, quando o Estado recebeu 675.713 turistas.

. A Prefeitura de Manaus irá promover o 1º Workshop de Mobilidade Urbana e Acessibilidade, como parte do Programa Municipal de Capacitação para a Copa de 2014.

. Esses dados são baseados no Boletim de Ocupação Hoteleira (BOH), na Ficha Nacional de Registro de Hóspedes (FNRH) e na movimentação de passageiros do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. . Do total de turistas que o destino recebeu no ano passado, 400.466 eram turistas nacionais e, 266.254 eram estrangeiros. Nesse fluxo ainda foi registrado um volume de 88.338 pessoas que não especificaram sua procedência. De acordo com dados da Infraero, a movimentação doméstica de passageiros no Aeroporto Internacional de Eduardo Gomes no ano passado foi de 3.228.621 passageiros, o que representou um crescimento de 16% em relação a 2010, quando foi registrado 2.787.657.

Fernando Coelho Jr. fernando.emtempo@hotmail.com - www.conteudochic.com.br

>> B-day . Graça e Nelson Azevedo pilotaram jantar em casa, comemorando o aniversário do anfitrião, com evento cheio de alegria e alto astral. . Além do cardápio caprichadíssimo, o karaokê animou a turma presente. Noitada das boas!

. O evento reunirá, na próxima quarta-feira, servidores do município e do Estado envolvidos na execução de obras públicas ou que atuam na área de atendimento ao cidadão, além de especialistas em arquitetura e urbanismo e representantes de entidades de classe. . O evento é uma das ações desenvolvidas pela Fundação Escola do Serviço Público Municipal, desde o início de março.

>> Made in Manaus Graça e Nelson Azevedo, anfitriões de uma festa animadíssima Gaitano e Carminha Antonaccio

>> Objeto de desejo

Amazonina e Renato Telles

Margô Góes

. Seis artesãos do programa “Artesanato Amazonense”, desenvolvido pela Secretaria de Estado do Trabalho (Setrab), irão representar o Amazonas na 76ª Mostra Internacional de Artesanato, na Itália. . O tradicional evento ocorre de 21 a 29 de abril, em Florença, onde os amazonenses apresentarão, entre outros produtos, representações típicas da fauna e da flora amazônica, confeccionados em palha, madeira certificada e sementes.

A sociedade manauense anda conectada no Facebook e estende para o mundo virtual seus grupos de amizades. No topo da lista dos perfis mais interativos e badalados da rede, está a fanpage da primeira-dama Nejmi Aziz, que soma mais de 121 mil pessoas. Através do endereço facebook.com/nejmiaziz, ela faz uma agenda de suas atividades com publicações que promovem o Amazonas para a parcela de amigos virtuais de outras localidades, que acompanham seu trabalho inclusive em outros países, além de ampla interação com os facebookeiros amazonenses

>> Vitrine . A joalheira e designer austríaca Mesi Jilly é o novo hit da moda internacional. . Suas peças são inspiradas no mar, usando conchas, pedras preciosas, ouro e prata. Os resultados são lindos e surpreendentes. Anotem esse nome.

>> Kalina e Marco Cohen irão pilotar festa pelos aniversários das filhas gêmeas. >> O presidente da Academia Amazonense de Letras, Arlindo Porto, está convidando para o lançamento

do livro, “Andrômaca”, de Péricles Moraes, (obra póstuma) sob a organização da acadêmica Carmem Nóvoa Silva, no próximo dia 27 na sede da Academia. >> No jantar de quinta do Village, nomes do society

local, entre eles Alexandre Prata, Luana Lobo, Waltinho Oliva Pinto, Alessandra e Cristiano Brandão, Alex Deneriaz, Ilnah e Guilherme Cunha. >> Cristina Cruz estará aniversariando na próxima segunda-feira.

>> Com boas expectativas de fluxo e vendas para os próximos dias, o Amazonas Shopping lançou uma superpromoção para o Dia das Mães. O centro de compras está sorteando um big carro modelo Kia Sportage e mais R$ 10 mil

em vale-compras. A campanha segue até o dia 16 de maio. O superintendente Marcos Gnnechi espera um incremento de 10%. >> O empresário Wilson Brito também estreia idade nova amanhã.


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

D3

PEC da Música em foco

Proposta em apreciação no Senado Federal, de autoria do deputado federal Otávio Leite, do Rio de Janeiro, pode desnacionalizar produção de CDs e DVDs e confunde artistas locais com relação à sua importância para a classe GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

R

eduzir os custos da produção de um disco ou um DVD é sempre uma notícia boa para qualquer artista do mundo da música. Partindo dessa premissa, muitos cantores locais desconhecem que a proposta de emenda à Constituição (PEC) 123/2011, a chamada PEC da Música, que pretende conceder imunidade tributária a produções fonográficas com música de autores nacionais, pode significar a desnacionalização da fabricação do produto. A visão sobre a proposta, que atualmente encontra-se sob os olhos da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, por parte dos artistas, é limitada e parcial. Em um primeiro momento, a justificativa de que a PEC da Música pode resultar na redução do preço dos produtos ao consumidor, enfraquecendo o mercado pirata, parece ser atrativa, mas a consciência sobre os processos que encarecem o preço do produto logo acusa a insipiência da proposta. “O que torna caro um CD ou um DVD não é o valor da mídia em si. Todos os componentes de produção é que refletem nesse resultado, como o aluguel do estúdio, o valor com músicos e técnicos. Além disso, a PEC da Música, por mais bem intencionada que seja, não

será a solução para o problema da pirataria, mesmo porque a redução do preço ainda seria ínfima diante do que se pratica no mercado informal”, reflete a cantora Lucilene Castro, que participa do Fórum Permanente de Música do Amazonas. A m a i o ria dos músicos locais, contudo,

O que torna caro um CD ou um DVD não é o valor da mídia em si. Todos os componentes de produção é que refletem no resultado Lucilene Castro, cantora

entrevistado pelo EM TEMPO, desconhecem a própria proposta como um todo. Pelo texto da PEC da Música, originado ainda em 2007, tendo como autor o deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ), estariam livres de impostos CDs e DVDs produzidos com obras musicais de autores brasileiros. Essa medida, se apro-

vad a , nada teria de benefício real ao consumidor ou mesmo aos artistas nacionais, e seria causadora de impactos negativos que iriam além das ameaças à fabricação do produto no Polo Industrial de Manaus (PIM), bandeira já levantada, inclusive, pelos senadores Vanessa Grazziotin (PCdoB), Eduardo Braga (PMDB) e Armando Monteiro (PTB-PE). Para o doutor em desenvolvimento socioambiental, professor adjunto do Departamento de Economia e Análise, da Faculdade de Estudos Sociais da Universidade Federal do Amazonas (FES-Ufam), José Alberto Machado, o maior custo pago pelo consumidor por um CD ou DVD é de merchandising. “A

Prensa poderá ser feita ‘fora’ divulgação daquele produto, em rádios, TVs etc, é o que encarece. A fabricação não representa sequer 20%. Mas as maiores consequências dessa medida são a desnacionalização da produção artística e a abertura de mercado para CDs e DVDs de qualquer lugar do mundo, sem a devida fiscalização. Uma vez que se fala em imunidade tributária, não é possível atribui-la apenas a um grupo restrito. Ou seja, estamos falando de um texto que desconhece o conceito do próprio termo empregado. Imunidade tributária não é o mesmo que isenção tributária. Não há como concedê-la apenas para os CDs de artistas nacionais, somente para o produto CD”, diz.

Na prática, com a imunidade tributária sobre CDs e DVDs, José Alberto exemplifica dizendo que o artista poderia gravar todas as suas músicas, enviá-las por e-mail para a China e fabricar suas cópias lá, com custos ainda menores. A facilidade com a qual os discos entrariam aqui seria a mesma para qualquer outro, abrindo o mercado para a produção do exterior. “Com a imunidade, não precisaria mais fazer declarações, desnacionalizando a produção em grande escala. Seria uma invasão de CDs e DVDs de fora”, afirma

o professor. Requerimento Na última quarta-feira (18), os três senadores contrários à PEC da Música encaminharam requerimento ao presidente da CCJ do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que foi acatado para que seja realizada uma audiência pública antes da votação da matéria. Segundo o texto dos parlamentares, a proposta elimina as vantagens das indústrias instaladas no PIM, onde se concentram 95% da produção nacional desses produtos.


D4

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Orquestra apresenta obras inéditas de música erudita A orquestra Barroca do Amazonas tem o propósito de resgatar composições clássicas “desconhecidas” do público ARQUIVO EM TEMPO/REINALDO OKITA

GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

N

este domingo, a Orquestra Barroca do Amazonas apresenta repertório de uma hora de duração, dentro de uma igreja, incluindo peças inéditas da música erudita, resultado de pesquisa e restauro de composições clássicas. Entretanto, o set traz no programa obras conhecidas como o “Concerto nº 9” de Arcângelo Corelli e a obra coral “Die Himmel Erzahlen”, de Franz Joseph Haydn. A apresentação está marcada para as 11h, na Igreja Batista Memorial. Segundo o diretor da orquestra, flautista Márcio Páscoa, apresentações em igrejas já vêm sendo realizadas há algum tempo pelo grupo, e que a ideia é difundir ainda mais essa prática pela cidade. “A igreja é um espaço que valoriza a música desde que foi criada. Chegamos a realizar dezenas de concertos dentro de igrejas na Europa, sobretudo na Itália, onde participamos de festivais. O público frequenta bastante e entende que ali é um local de contemplação, não só religiosa como também ar-

tística. Além disso, a música erudita tem um envolvimento espiritual e trata-se de um outro tipo de comunhão”, explica o músico. Diversas óperas Criada a partir de um projeto de pesquisa realizado com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e aplicado no curso de música da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), a orquestra tem o propósito de resgatar e apresentar composições clássicas até então “desconhecidas”, que praticamente ou de fato nunca saíram do papel, partituras que nunca se tornaram som. Esse trabalho de restauro é executado em um espaço interno, chamado de laboratório de musicologia e história cultural da UEA, subsidiado pela Fapeam. Para esta montagem, o ineditismo está na execução de um conjunto de árias de diversas óperas de David Perez e da serenata “Gli eroi spartani”, de Antônio Leal Moreira, ambos compositores que produziram no século 18. Entre instrumentistas e cantores, a orquestra é integrada por, aproximadamente, 15

músicos. “São pessoas que no início do projeto estavam praticamente no meio da formação acadêmica e que agora estão graduados e alguns até possuem estudos em mestrado, por exemplo”, diz Márcio. Segundo ele, não há previsão para o ingresso de novos musicistas na orquestra, sob a justificativa de que não existe uma pretensão profissional para o trabalho exercido pelos seus membros, isto é, ninguém tem vínculo empregatício com a orquestra. A orquestra toca em cópias fiéis de instrumentos de época barroca, feitos sob encomenda, obedecendo a modelos pesquisados. “Todo esse processo de pesquisa com o qual nos envolvemos, inclui desde os instrumentos e sua sonoridade até as composições propriamente ditas. Em 2009, identificamos três “luthiers” brasileiros e dois estrangeiros para confeccionar os produtos”, conta o diretor. Os violinos e violas da orquestra, por exemplo, foram feitos sob modelo de Alessandro Gagliano (1725), Antonio Stradivarius (1730) e Grancino (1745), mas com cordas, pressão das cordas e outros, do fim do século 18.

O diretor da orquestra, flautista Márcio Páscoa, defende as apresentações nas igrejas


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

D5

‘Cinema pela Verdade’ tira o ‘véu’ da ditadura militar A exibição de filmes que retratam os anos do regime militar será seguida de debates entre estudantes e políticos FOTOS: REPRODUÇÃO

CHRIS REIS Equipe EM TEMPO

P

rogramado para ser realizado de 15 de maio até 15 de junho, o projeto “Cinema pela Verdade”, que acontecerá simultaneamente em 80 universidades de todo o país, terá sua versão em Manaus com a participação de Universidade do Estado do Amazonas (UEA) por meio da pró-reitoria de extensão; Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com o Núcleo de Antropologia e o Cine Vídeo Tarumã, e a Faculdade Martha Falcão, por meio da pósgraduação de publicidade e propaganda e jornalismo. O evento, que é realizado pelo Instituto Cultura em Movimento (Icem) e Ministério da Justiça - Comissão da Anistia -, tem como proposta debater a ditadura, por meio do cinema. “O objetivo do projeto é realizar um festival de cinema sobre o período da ditadura militar no Brasil e suas consequências, aliado a exibições de filmes e realização de debates em universidades nacionais ao longo do ano de 2012”, diz Zeudi Souza, agente mobilizador do evento, em Manaus.

Segundo ele, a coordenação espera que aproximadamente 3 mil pessoas participem dos debates e das exibições somente em Manaus. Primeiramente serão vistos filmes ligados ao tema e, posteriormente, haverá debates entre estudantes com políticos que participaram da luta contra a ditadura militar, além de haver a participação de poetas, políticos, historiadores e jornalistas. Do dia 30 a 1º de junho, o evento acontece na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), no auditório Tarumã, que fica no Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL). Na Faculdade Martha Falcão, o projeto ocorre nos dias 11, 12 e 13 de junho e na Universidade do Estado do Amazonas (UEA) a programação será nos dias 4, 5 e 6 de junho. Zeudi adianta, ainda, que os filmes já foram definidos e serão: “Cidadão Boilsen”, “Condor”, “Hércules 56”, “Marighella”, “Uma Longa Viagem” e “Diário de uma Busca”. Ele explica que os nomes que participarão das mesas de debates, ainda não foram definidos e avisa que se alguém estiver interessado em participar pode enviar e-mail para zeudi. souza@gmail.com

Sinopse dos filmes exibidos “Cidadão Boilesen” Um capítulo sempre subterrâneo dos anos de chumbo no Brasil, o financiamento da repressão violenta à luta armada por grandes empresários, ganha contornos mais precisos nesse perfil daquele que foi considerado o mais notório deles. As ligações de Henning Albert Boilesen (1916-197), presidente do grupo Ultra, com a ditadura militar. “Hércules 56” e o sequestro do embaixador Charles Elbrick

“Condor” - Condor foi o nome dado à cooperação entre governos militares sul-americanos que resultou no sequestro e assassinato de milhares de pessoas e no exílio de tantas outras. “Hércules 56” - Na semana da independência de 1969 o embaixador americano no Brasil, Charles Burke Elbrick, foi sequestrado. Em sua troca foi exigida a divulgação de um manifesto revolucionário e a libertação de

“Cidadão Boilesen”, o financiamento da repressão à luta armada

15 presos políticos. “Marighella” – Carlos Marighella (1911-1969), quadro histórico do Partido Comunista e dirigente da ALN (Ação Libertadora Nacional), era tio de Isa. À reconstrução histórica da figura do militante mesclam-se recordações afetivas da diretora, que fala de um tio carinhoso, porém cercado de mistérios, que aparecia de vez em quando e, em seguida, sumia do mapa. “Diário de uma busca” - O primeiro longa-metragem da diretora Flávia Castro sonda possíveis respostas para um drama: a morte de seu pai, Celso Afonso Gay de Castro em 1984, nos últimos lampejos da ditadura militar no Brasil. “Uma longa viagem” - O documentário fala da vida da própria diretora, na época em que era presa política do regime militar.


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

Programação de TV SBT 05h00 – Aventura Selvagem – reprise 06h00 – Pesca Alternativa 07h00 – A Grande Ideia 07h30 – VRUM 08h00 – PGM Manazinha – local 08h30 – Chaves 09h00 – Sorteio Amazonas dá Sorte (local) 10h00 – Domingo Legal 14h00 – Eliana 18h00 – Roda a Roda Jequiti 18h55 – Sorteio da Telesena 19h00 – Programa Sílvio Santos 23h00 – De Frente com Gabi 00h00 – Série: O Mentalista/ The Mentalist 01h00 – Série: Divisão Criminal / The Closer 02h00 – Série: Os Esquecidos/ The Forgotten 03h00 – Encerramento da Programação

GLOBO 04h37 – Santa Missa em Seu Lar 05h37 – Sagrado: Compacto

– Origem 05h50 – Amazônia Rural 06h20 – Pequenas Empresas – Grandes Negócios 06h50 – Globo Rural 08h00 – Mundial Fórmula 1: Grande Prêmio do Bahrein 09h50 – Auto Esporte 10h10 – Esporte Espetacular 11h35 – As Aventuras de Didi 12h10 – Os Caras de Pau 12h58 – Temperatura Máxima. Filme: Todo Poderoso 15h00 – Futebol 2012: Campeonato Carioca – Flamengo x Vasco da Gama 17h00 – Domingão do Faustão 19h45 – Fantástico 22h05 – Programete UFC 22h10 – Reality UFC - Em Busca de Campões 23h10 – Domingo Maior. Filme: Força de Ataque 00h50 – Sessão de Gala. Filme: Quando Você viu seu Pai pela última vez? 02h20 – Corujão I. Filme: Extermínio 04h05 – Festival de Desenhos

RECORD 05h30 – Desenhos Bíblicos 07h20 – Record Kids – Pica-Pau 09h00 – Amazonas dá Sorte – Bingo - local 10h00 – Record Kids – Pica-pau 11h30 – Tudo é Possível – PGM 350 15h30 – Programa do Gugu – PGM 139 19h30 – Domingo Espetacular – PGM 418 22h15 – Repórter Record 23h30 – Série: Casais Perfeitos (1ª Temporada – inédita) 00h00 – Programação IURD

REDE TV 06h30 – Igreja Internacional da Graça – local 07h30 – Igreja Internacional da Graça – local 08h40 – Programa: TV Comunidade – local – estreia 09h15 – Programa: Viva Amazônia – local 09h45 – Break Obrigatório

10h00 – Campeonato Italiano 12h00 – Programa: Fique Ligado – local 13h00 – Programa: Esporte Performance – local 14h00 – Programa: Semeando Bênçãos – local 14h30 – Programa: Amigos do Volante – local 15h00 – Sabores & Ideias – local 15h30 – Programa: Fé e Milagres – local 16h00 – Programa: Despertar – local 16h30 – Break Obrigatório 16h50 – Ritmo Brasil 17h20 – O Encantador de Cães 18h10 – O Último Passageiro 19h40 – Mega Senha 21h00 – Sessão Especial 22h30 – Programa: Amazon Trip – local 23h00 – Dr. Hollywood Brasil 00h00 – É Notícia 01h00 – Bola na Rede – 2º Tempo 01h30 – Igreja Internacional da Graça – local

BAND 05h00 – Igreja Mundial 06h00 – Sol Brilhante

06h30 – Santa Missa no Seu Lar 07h30 – Fé na Verdade 08h30 – Conexão Cargas 09h00 – Esporte Total 09h30 – Popcorn TV 10h00 – Informecial 11h00 – Auto + 11h45 – Band Clássicos 12h15 – Band Esporte Clube 14h00 – Gol, O Grande Momento 14h30 – Futebol 2012 17h00 – Terceiro Tempo 19h00 – Um Tio da Pesada 20h00 – Polícia 24h 21h00 – Pânico na TV 23h30 – Canal Livre 00h00 – Show Business – reap. 00h45 – Cine Band 03h10 – Igreja Mundial

TV CULTURA 05h55 – Abertura da Estação/ Hino Nacional 06h00 – Via Legal 06h30 – Brasil Eleitor 07h00 – Palavras de Vida 08h00 – Santa Missa 09h00 – Viola, Minha Viola 09h15 – Curta Criança 09h30 – Janela Janelinha

10h00 – Viola Minha Viola 09h15 – Curta Criança 09h30 – Nova Amazônia – local – reprise 10h00 – Escola Pra Cachorro 10h15 – Meu Amigãozão 10h30 – Turma do Pererê 11h00 – ABZ do Ziraldo 11h30 – Anima TV Tromba Trem 11h45 – Anima TV Carrapatos e Catapultas 12h00 – Turma do Pererê 13h00 – Dango Balango 13h30 – TV Piá 14h00 – Stadium 15h00 – Os Protetores do Planeta 16h00 – Ver TV 17h00 – De Lá Pra Cá 17h30 – Cara e Coroa 18h00 – Papo de Mãe 18h30 – Entrelivros Bienal Brasília 2012 19h00 – Conexão Roberto D’Ávila 20h00 – Esportvisão 21h30 – MPTV – Reprise – local 22h00 – Roda Viva Amazônia – local ao vivo 23h00 – Doc. Especial 00h00 – Hino Nacional / Encerramento da Emissora

Cinema REPRODUÇÃO

PRÉ-ESTREIA

Os Vingadores 3D: EUA. 12 anos. Quando um inimigo inesperado surge ameaçando a segurança global, Nick Fury, diretor da agência internacional de paz conhecido como SHIELD, recruta uma equipe para livrar o mundo de uma possível destruição, e com isso ele reúne Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Capitão América (Chris Evans), Thor (Chris Hemsworth), Hulk (Mark Ruffalo), Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), Viúva Negra (Scarlett Johansson) e outros. Cinemark 6 – 23h55 (3D/leg/somente quinta-feira); Cinemas Amazonas 4 – 23h59 (dub/somente quinta-feira).

ESTREIAS • American Pie: O Reencontro: EUA. 14 anos. Era verão de 1999 quando quatro rapazes do interior do Michigan se lançaram na missão de perder a virgindade. Nos anos seguintes, Jim e Michelle se casaram, enquanto Kevin e Vicky disseram adeus. Oz e Heather se distanciaram, mas Finch ainda cobiça a mãe de Stifler. Stifler continua o mesmo de sempre. Agora, esses amigos de longa data voltaram às origens, como adultos, para lembrar - e homenagear - os adolescentes hormonais que foram. Cinemais

Plaza 5 – 14h30, 16h50, 19h10, 21h30 (dub/diariamente); Cinemais Millennium 5 – 14h50, 17h10, 19h30, 21h50 (leg/diariamente); Cinemark 6 – 13h20, 16h, 18h30, 21h (dub/diariamente) e 23h30 (dub/somente sexta e sábado); Playarte 1 – 13h, 15h20, 17h40 (dub/diariamente) 20h (leg/diariamente) e 22h20 (leg/somente sexta e sábado); Cinemas Amazonas 5 - 14h, 16h25, 18h50, 21h15 (dub/diariamente). • A Perseguição: EUA. 14 anos. Um grupo de petroleiros está voltando para casa após

uma longa temporada de trabalho no Alasca. Uma falha mecânica acaba derrubando o avião que os transportava. Os sobreviventes, lutarão contra ferimentos mortais, o intenso frio e a fome voraz. Mas o grupo não poderia nem desconfiar que a principal ameaça ainda está por vir. Cinemais Plaza 8 – 15h, 17h20, 19h45, 22h (leg/diariamente); Cinemais Millennium 4 – 14h40, 17h, 19h20, 21h40 (leg/diariamente); Cinemark 3 – 12h40, 15h20, 18h, 20h40 (leg/diariamente) e 23h20 (leg/somente sextafeira e sábado). REPRODUÇÃO

CONTINUAÇÕES Como agarrar meu exnamorado - 12 anos. Cinemais Plaza 4 – 14h40, 17h, 19h40, 21h50 (dub/diariamente); Cinemais Millennium 6 – 15h, 17h20, 19h25, 21h30 (leg/diariamente); Cinemark 1 – 13h, 15h10, 17h20, 19h40, 21h50 (dub/ diariamente) e 00h (dub/ somente sexta e sábado); Playarte 5 – 12h30, 14h30, 16h30, 18h30, 20h30 (leg/ diariamente) e 22h30 (leg/ somente sexta e sábado). 12 horas - 14 anos. Cinemais Plaza 7 – 17h10 e 21h15 (dub/diariamente); Cinemais Millennium 2 – 14h30 e 19h10 (leg/ diariamente); Cinemark 2 – 12h20, 14h40, 16h50, 19h (dub/diariamente); Playarte 3 – 13h15, 15h15, 17h15, 19h15, 21h15 (leg/diariamente) e 23h15 (leg/somente sexta e sábado). A toda prova - 14 anos. Cinemais Millennium 2 – 16h50 e 21h20 (leg/diariamente); Cinemark 4 – 15h, 17h10, 21h40 (leg/diariamente) e 23h50 (leg/somente sexta e sábado); Playarte 4 – 13h30, 15h30, 17h30, 19h30, 21h30 (leg/diariamente) e 23h30 (leg/somente sexta e sábado). Fúria de titãs 2 – 12 anos: Cinemais Plaza 1 – 18h50 (3D/dub/diariamente); Cinemais Plaza 2 – 15h10, 17h30, 19h30, 21h40 (dub/ diariamente); Cinemais Millennium 3 – 15h10 (3D/dub/ diariamente), 17h30, 19h40 e 22h (3D/leg/diariamente); Cinemais Millennium 7 – 14h10, 16h30, 19h, 21h15 (leg/diariamente); Cinemas Amazonas 6 – 15h, 17h10, 19h20, 21h30 (dub/diaria-

Titanic 3D - 10 anos. Cinemais Millennium 1 – 14h, 17h40, 21h10 (3D/leg/diariamente); Cinemais Plaza 1 - 15h20 e 20h50 (3D/dub/diariamente); Cinemark 7 – 13h30, 17h30, 21h30 (3D/dub/diariamente). mente); Cinemark 4 – 12h30 e 19h20 (3D/dub/diariamente); Cinemark 5 – 13h10, 15h30, 17h40, 20h, 22h20 (dub/diariamente); Playarte 1 – 17h45, 19h45 (3D/dub/ diariamente), 21h45 (3D/leg/ diariamente) e 23h45 3D/ leg/somente sexta e sábado); Playarte 10 – 12h45, 14h45, 16h45, 18h45, 20h45 (leg/ diariamente) e 22h45 (leg/somente sexta e sábado). O Lorax: Em busca da trúfula perdida – Livre: Cinemark 7 – 11h20 (3D/ dub/somente sábado e domingo); Playarte 8 – 12h35 e 14h45 (diariamente). Área Q - 10 anos: Playarte 8 – 16h55, 19h15, 21h35 (leg/ diariamente) e 23h55 (leg/somente sexta e sábado). Jogos vorazes – 14 anos: Cinemais Plaza 3 – 15h30, 18h40 e 21h45 (dub/diariamente); Cinemark 2 – 22h (dub/diariamente); Playarte 9 – 12h40, 15h30, 18h20 (dub/ diariamente), 21h10 (leg/dia-

riamente) e 23h59 (leg/somente sexta e sábado). Espelho, espelho meu – Livre: Cinemais Plaza 6 – 14h, 16h20, 19h e 21h20 (dub/diariamente); Cinemais Millennium 8 – 14h20, 16h40 e 18h50 (dub/diariamente), 21h (leg/diariamente); Cinemark 8 – 13h40, 16h10, 18h40, 21h10 (dub/diariamente) e 23h40 (dub/somente sexta e sábado); Playarte 6 – 12h, 14h10, 16h20, 18h30, 20h40 (dub/diariamente) e 22h50 (dub/somente sexta e sábado). Xingu – 12 anos: Cinemais Plaza 7 - 14h50 e 19h15 (diariamente). Pequenos espiões 4 – Livre: Playarte 2 – 13h40 e 15h30 (dub/diariamente). A saga molusco: Anoitecer – 14 anos: 17h40, 19h30, 21h20 (dub/diariamente) e 23h10 (dub/somente sexta e sábado).


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

::::: Exemplo

::::: Sala de Espera Hebert Souza, Ana Paula Henriques, Daniela Tipiti e Dioney Coronel estão trocando de idade hoje. Amanhã, Izane Torres Barros e Cristina Cruz estão aniversariando. Os cumprimentos da coluna. Estudantes, professores e técnicos administrativos da faculdade Fucapi, em parceria com a comunidade, vão poder mostrar seus talentos artísticos nas áreas de dança, música e pintura. Estão abertas as inscrições para a Mostra Cultural da instituição, que acontece no próximo dia 4, a partir das 20h. Além das performances dos participantes, o evento já tem confirmada a presença do cantor e compositor Nicolas Júnior. A Faculdade Martha Falcão abre a sua temporada de Cursos de Extensão. A partir desse mês, estão sendo oferecidas 24 oportunidades de aperfeiçoamento profissional, entre elas, Desenho de Moda, Design Editorial, Atendimento e Vendas, Marketing, Illustrator, Comércio Exterior, entre outros. Mais informações: 21210952/0931. Na próxima sexta-feira, Manaus vai receber a nova turnê nacional dos Los Hermanos que marca o aniversário de 15 anos e o retorno da banda aos palcos após um período de recesso. O evento ocorrerá a partir das 22h, na arena Amadeu Teixeira.

A Babioli está em festa. A grife fará aniversário de dois aninhos na cidade. E para comemorar a data e o sucesso de venda entre a ala feminina teen antenada, a empresária Cileide Moussallem armou (durante toda a próxima semana) um festival de bossas para suas fieis clientes e amigos das lojas do Manauara e Amazonas Shopping.

Jander Vieira

jandervieira@hotmail.com - www.jandervieira.com.br HERICK PEREIRA/AGECOM

No próximo dia 26, às 19h30, no Blue Tree Premium Manaus, a rede de drogarias Santo Remédio estará realizando a solenidade de apresentação do novo Sistema de Gestão voltado à qualidade, o qual concedeu o título de única drogaria da região norte com a Certificação ISO 9001:2008. Na ocasião a rede estará reafirmando a qualidade e excelência dos seus serviços. O documento confirma a capacidade que a organização tem para atender aos requisitos de clientes e regulamentadores legais, atestando o nível de excelência dos serviços prestados. A juíza Lúcia Viana em performance entrevistadoraarticulista com o presidente do TJ/AM, João de Jesus Abdalla Simões, como colaboradora da Revista Bossa

No próximo dia 26, no Lar São Francisco de Assis, em Santa Etelvina, o Grupo Simões, fabricante de CocaCola na Região Norte, promove a formatura da segunda turma do programa Coletivo, da Coca-Cola Brasil. Cento e dezesseis jovens da unidade do Coletivo em Santa Etelvina e outros 80 do Lar Fabiano de Cristo, na Redenção, estarão sendo formados. O evento terá início às 18h.

::::: Outlet das mães Norma Araújo fará uma grande festança de celebração no próximo Outlet dedicado ao Dia das Mães, juntamente com Sônia Jinkings. Quando? Nos próximos dias 3 e 4, no Manaus Plaza Convenções, que servirá de encontro das irresistíveis promoções de cem lojas grifadas da cidade, como também, cenário para as comemorações dos 18 anos do programa Manazinha. Agende, viu?

Ontem, durante o lançamento do CD do Caprichoso, no Bar do Boi, Mazé Mourão recebeu os convidados da coluna em um espaço para lá de VIP. Comidinhas do Empório dos Reis, bebidas honestas e muita diversão não faltaram. Conferindo o novo-delicioso Village Restaurante durante a semana: Menga Junqueira, Lúcia Viana, Cláudia e Raphael Bernardino comandavam mesadas mais animadas do templo chique gastronômico da antiga Recife.

D7

::::: Samba no pé

O toque feminino da primeira-dama Nejmi Jomaa Aziz tem sido emprestado aos trabalhos de arborização de alguns conjuntos habitacionais, construídos pelo governo do Amazonas. Após o incentivo do plantio de mudas na avenida das Torres e Prosamim do Mestre Chico, Nejmi também levou o exemplo para Conjunto Cidadão 10 que em breve receberá arborização e se prepara para realizar a mesma ação no conjunto Ozias Monteiro 1, obras habitacionais na gestão Omar Aziz

O pacote oferecido pelo Tropical Hotel Manaus para quem quiser assistir ao show Samba & Raiz, com o cantor e compositor Jorge Aragão, está dos mais atraentes. O ingresso com direito a hospedagem, café da manhã e ainda uma refeição sairá a R$ 198. E ainda podendo desfrutar dos outros atrativos do hotel. Os ingressos já estão à venda e reservas podem ser feitas pelo: manaus@tropicalhotel.com.br.

::::: Ambev no boi Tudo fechado entre os bumbás de Parintins e a gigante Ambev. A maior fábrica de cervejas da América Latina entrará, a partir de 2012, no maior festival folclórico do mundo. A cervejaria tira, assim, a Kaiser da jogada e passa a dominar os currais com seus produtos de ponta como Skol, Brahma e Antártica. É uma grande novidade na seara bovina.


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 22 DE ABRIL DE 2012

EM TEMPO - 22 de abril de 2012  

EM TEMPO - Caderno principal do jornal Amazonas EM TEMPO www.emtempo.com.br

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you