Page 1

O JORNAL QUE VOCÊ LÊ ANO XXV – N.º 7.962 – DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO - PREÇO DESTA EDIÇÃO: R$ 2,00

100 DIAS

DIVULGAÇÃO/SEMCOM

E AGORA, ARTHUR? 1

Ao assumir a prefeitura, dia 1º de janeiro, Arthur Virgílio Neto pediu cem dias para arrumar a casa. O prazo vence quarta-feira. Nesta edição, o EM TEMPO faz um balanço sobre a Manaus que Arthur encontrou e o início das mudanças – ainda que tímidas – que começam a acontecer. O embate com a Manaus Ambiental, para tentar corrigir o problema crônico da falta d’água, tem sido um dos mais difíceis problemas enfrentados pelo prefeito. O mesmo vem acontecendo no sistema de transporte coletivo, onde o recente aumento da tarifagem tem gerado focos de protestos.

2 3 MEMÓRIAS DOS ANOS DE CHUMBO

Na política, Arthur trabalha a reforma administrativa para “enxugar” a máquina. A versão definitiva da reforma deve ser publicada no Diário Oficial do Município (DOM) até dia 10. Política A5, Economia B5 e Dia a dia C4 e C5

DOMINGO FOLHAPRESS

IONE MORENO

Arthur fará reforma que consiste em 25 decretos, um para cada uma das 17 secretarias e oito entidades da administração

Lula é o pai dos chavistas, diz Maduro

Protagonista da história política nos anos 60, o ex-ministro do Trabalho de João Goulart e deputado cassado, Almino Afonso, conta pela primeira vez as 12 horas que antecederam o golpe militar de 1964. Política A8

Ilustríssima G4 e G5

Maestro Gustavo Medina (foto) diz que é preciso encontrar um caminho para os jovens músicos na América Latina. Plateia D1

Em sua visita a Manaus, Almino Afonso aproveitou para conhecer a ponte Rio Negro

ARQUIVO PESSOAL

DIVULGAÇÃO

Lutador amazonense de muay thai, Renan Mendes vai treinar na academia do brasileiro Wanderley Silva (foto), nos EUA. Pódio E2

‘Ensino de música à deriva’

JOEL ROSA

O mais novo pupilo de Wanderley Silva

FALE COM A GENTE - ANÚNCIOS CLASSITEMPO, ASSINATURA, ATENDIMENTO AO LEITOR E ASSINANTES: 92 3211-3700 ESTA EDIÇÃO CONTÉM - ÚLTIMA HORA, OPINIÃO, POLÍTICA, ECONOMIA, PAÍS, MUNDO, DIA A DIA, PLATEIA, PÓDIO, SAÚDE, ILUSTRÍSSIMA, ELENCO E CONCURSOS.

Alimentos essenciais para os olhos Saúde & Bem-estar 2

TEMPO EM MANAUS

MÁX.:

34

MÍN.:

25


A2

Última Hora

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Amazonas terá companhia de ração para piscicultura O anúncio da criação do órgão foi feito ontem pelo governador do Estado, Omar Aziz, durante visita aos municípios de Boa Vista dos Ramos e Parintins ALEX PAZUELLO/AGECOM

DIPLOMACIA

Itamaraty avalia saída de embaixador da Coreia do Sul O Itamaraty acompanha com preocupação a situação da Embaixada do Brasil na Coreia do Norte, disse o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota. “Nós seguimos com preocupação e estamos em permanente contato com o embaixador. Estamos em contato também com outras embaixadas. Avaliaremos antes de tomar uma decisão sobre a permanência dele”, afirmou. Em meio ao crescimento da tensão militar entre Coreia do Norte, Coreia do Sul e Estados Unidos, a embaixada brasileira recebeu, na última sexta-feira, a comunicação

do governo norte-coreano instruindo as representações diplomáticas a informarem sobre a necessidade de apoio logístico para a saída de seus funcionários do país. O Ministério das Relações Exteriores se manifestou informando que o assunto está sob análise. A embaixada foi aberta em 2009 e nela estão o embaixador, Roberto Colin, e um funcionário. Patriota deu as declarações sobre a Coreia do Norte em entrevista coletiva sobre a visita ao Brasil do ministro de Assuntos Estrangeiros e da Justiça de Cingapura, K Shanmugan. VALTER CAMPANATO/AG BRASIL

A intenção, que faz parte do programa “Amazonas Rural”, visa baratear o custo do insumo para piscicultores amazonenses

M

ais um passo foi dado para promover o setor primário amazonense. Ontem, o governador do Amazonas, Omar Aziz, anunciou, durante visita aos municípios de Parintins e Boa Vista do Ramos, a criação de uma companhia estadual para a compra e venda de ração de peixe com o objetivo de atender os piscicultores do Estado. Segundo o governador, a criação da companhia, que será vinculada à Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS), terá a missão de baratear os preços da ração, atualmente a maior despesa para a criação de pescado em cativeiro. “Determinei a criação da companhia

que vai comprar essa ração pelo preço mais barato no país e vai levar aos municípios pelo mesmo preço aos produtores, ao preço de custo. O grande problema para você produzir peixe em cativeiro é justamente o preço da ração. É muito caro”, ressaltou o governador, ao assegurar que o insumo será vendido a preço de custo aos produtores Os produtores amazonenses adquirem a ração por atravessadores, o que tem elevado o valor do insumo. O saco de 40 quilos, que geralmente é adquirido por R$ 30 no mercado nacional, não chega por menos de R$ 70 ao interior. Com foco no desenvolvimento da piscicultura por meio do programa “Amazonas Rural”,

Aziz garantiu a preparação de uma área de mais de 700 hectares, em Manacapuru, para a criação exclusiva de peixe. “Determinei que os equipamentos do Estado entrem lá, façam as lâminas de água e todos os arranjos produtivos necessários para entregar às famílias. Mais de 500 famílias vão trabalhar nessa área. A mesma coisa eu quero fazer em Parintins. Subsidiando a ração para que a gente possa produzir”, disse. Outra prioridade do governo, segundo Omar, é a mecanização dos produtores de mandioca do Estado. Para baratear o preço da farinha, que em alguns mercados de Manaus pode ser encontrada por R$ 10 o quilo, o único cami-

SRTE realiza ação em Manaus A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Amazonas (SRTEAM), por meio da Seção de Economia Solidária, em parceria com órgãos públicos federais realizou, ontem, a programação “Ação de Cidadania”, no bairro Colônia Antônio Aleixo, na Zona Leste de Manaus. Na ocasião foram oferecidos serviços gratuitos nas áreas de trabalho, saúde e auxílio profissional, bem como, a emissão de documentos (Carteira de Trabalho e Previdência Social, Registro de Nascimento, Carteira de Identidade,

Visita Durante agenda de viagem aos municípios do Baixo Amazonas, o governador também inspecionou a obra de reforma e ampliação do bumbódromo, reinaugurou a Escola Estadual São José Operário e entregou implementos agrícolas a produtores rurais do Parintins e Boa Vista do Ramos. Omar também anunciou a implantação do “Ronda no Bairro” na “terra do boi-bumbá”.

Antônio Patriota disse que o Itamaraty acompanha o caso

MAIS UMA VEZ

CIDADANIA

IZABEL SANTOS Equipe EM TEMPO

nho é aumentar a produção, conforme o governante. “Para isso, estamos preparando um plano de mecanização para o setor, com a doação de casas de farinha, aumento das áreas de cultivo, entre outras ações”, destacou.

CPF, Carteira de Trabalho e Titulo de Eleitor, todos 1ª e 2ª via), orientação para pescador artesanal, atendimento psicossocial e atendimento de higiene bucal. De acordo com o Superintende Regional do Trabalho e Emprego no Amazonas, Dermilson Chagas, o evento busca, por meio da parceria entre diversos órgãos, públicos e privados, prestar serviços e levar conhecimento às comunidades não atendidas pelo serviço público ou com deficiência desses serviços. “Ao unir seus esforços, as instituições buscam exercer seu papel social, na perspectiva da ampliação dos valores da democracia, da

cidadania e dos direitos humanos”, enfatizou. Beneficiados Para Maria do Carmo Maciel, moradora da comunidade, ações como essa facilitam a vida do comunitário. “Acho importante eles estarem aqui hoje, porque é muito difícil para a gente que mora distante do centro da cidade sair do bairro”, disse. Maria trabalha como cozinheira e estava solicitando a segunda via da Carteira de Trabalho. Outra moradora que aprovou a iniciativa foi a dona de casa Maria das Dores Araújo, para ela, ações como essa deveriam ocorrer com mais frequência na comunidade.

Adutora rompe na Zona Norte Mais uma adutora de água rompeu na capital amazonense. Dessa vez, o rompimento ocorreu na noite da última sexta-feira, na avenida Torquato Tapajós, Zona Norte, em frente à empresa Tumpex, no sentido bairroCentro. O abastecimento de água nas imediações foi interrompido para que a empresa concessionária de água Manaus Ambiental pudesse realizar o conserto

da tubulação de água. Segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação (Seminfh), a responsabilidade pelos danos causados pelo rompimento da adutora cabe tão somente à empresa Manaus Ambiental. Por meio de assessoria, a pasta informou que a prefeitura presta total apoio ao que for necessário. No entanto, não é de competência da administração municipal

solucionar o ocorrido. Acompanhamento A secretaria também informou que está acompanhando de perto a ação das equipes da Manaus Ambiental para que o fornecimento de água seja normalizado o mais breve possível. O EM TEMPO entrou em contato com a Manaus Ambiental, mas não obteve sucesso. (IS) DIEGO JANATÃ

Trabalhadores da Manaus Ambiental realizaram intervenções no local durante a manhã de ontem


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Contexto 3090-1017/8115-1149

A3

Editorial

marioadolfo@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

No entanto, é assim Na cadeia alimentar do processo eleitoral, o vereador ocupa a primeira demanda; ele é o contato com a sociedade em estado bruto; depois vêm os deputados, os senadores, os governadores, os presidentes. Na prática, sabe-se que quanto mais se avança em direção aos cargos majoritários, mais se emancipam do social os candidatos e os eleitos. A realidade vira discurso e sua representação política um manipulador de interesses, que converge para a própria ambição. Não deveria ser assim, claro, nem esse é o espírito republicano. Mas é assim que é. A representação política delegada pelo voto por toda a sociedade transformou-se numa disputa histérica por emprego, renda... e concentração de riqueza; isso é próprio de sociedades atrasadas, muito atrasadas, incapazes de um mínimo de discernimento, até das próprias demandas. Não é à toa que a ressaca pós-voto leva ao esquecimento do que se praticou nas urnas. A lógica do eleito é: “Se eu sou o representante do povo, eu sou o povo”. Uma legalidade é criminosamente distorcida para destruir a legitimidade que, em tese (sempre em tese) deveria garantir. O processo pervertido se sustenta na cultura do favor, um tipo de prostituição que o país desenvolveu desde a descoberta e se fortaleceu na desesperança treinada: “Afinal, o ser humano sempre foi assim”; “O homem sempre foi o lobo do homem”, com a conclusão, também desesperançada, de que nada muda ou se transforma sobre a face da terra. De uma situação estratégica no concerto político, o vereador vira o leva-e-traz das categorias superiores da cadeia alimentar. E é no município que tudo acontece e onde se começa a escrever a história.

A escolha de José Melo Quem conhece José Melo garante que o vice-governador está entre a cruz e a espada. Se sair do PMDB, racha definitivamente com o senador Eduardo Braga, com quem ele ficou oito anos no governo. Mas se contar 1992, quando ele estava na escola política de Amazonino Mendes, a convivência vai para mais de 20 anos. Por outro lado, se ficar no PMDB, racha com o governador Omar Aziz (PSD) porque é quase certo que, em 2014, o governador não marchará com Braga. Mello corre ainda o risco de não assumir os seus meses de governo, se Omar decidir não disputar o Senado. Eu que fiz Por conta da encruzilhada, Melo já começou a ser torpedeado de tudo que é lado. Recentemente, o senador Eduardo Braga disparou à queimaroupa que Melo não chegou aonde chegou por obra do acaso. – Se Melo está onde está é por causa do PMDB!

mana, é pai do roqueiro Sérgio Brito, da banda Titãs. Ao ser perguntado pelo repórter do EM TEMPO se assistia aos concertos de rock do filho, o deputado que foi cassado pela ditadura, respondeu: – Se você prometer que não conta para ninguém eu respondo.

Jabuti Quer dizer, para alfinetar o seu ex-braço direito, Eduardo foi buscar um velho ditado da selva, que diz mais ou menos assim: – Jabuti não sobe em árvore. Se ele aparecer lá, alguém o colocou.

E sapecou: – Vou uma vez por ano, ao concerto de dezembro. Mas é muito barulhento, prefiro a música clássica!

Sonho meu Aparentemente, as coisas estavam tranquilas para o lado de José Melo. Omar deveria sair para disputar o Senado, ele assumiria o cargo de governador e aí poderia sonhar, até quem sabe, com a prefeitura. Inferno zodiacal Mas aí, José Melo deu uma entrevista ao EM TEMPO, onde disse em alto e bom som que seu grande sonho era ser governador, e não abriria mão da próxima disputa. E aí começou o inferno zodiacal. Tríplice aliança O que Melo também não contava é que Amazonino, Eduardo e Alfredo ressuscitariam a “tríplice aliança” para tentar impedir o inevitável crescimento do governador Omar. E aí, quando Omar bate na pedra, quem apanha é o caranguejo. Papai do Titã O ex-ministro Almino Afonso, que esteve em Manaus esta se-

Carretas A partir de amanhã, o Manaustrans vai começar a autuar os motoristas que desobedecerem a Zona Máxima de Restrição de Circulação de Carretas, no Centro. O órgão concluiu a instalação das placas de sinalização nesta sexta-feira e a multa para o infrator é superior a R$ 85. Carga e descarga As proibições referem-se à tonelagem do veículo, e não da carga. Cada carreta tem uma tonelagem específica. Acontece que o nosso maior problema é a carga e descarga em horário impróprio. Tranca rua Isto significa dizer que, pelo menos uma das pistas de ruas e avenidas continuarão obstruídas, engarrafando o trânsito, enquanto um caminhão vende uma grade de refrigerante para a lanchonete da esquina. Onde está a racionalidade nisso? Zona restrita A restrição do Manaustrans é de segunda a sexta-feira, entre 6h e 20h.

regi@emtempo.com.br

No sábado, de 6h às 17h. Veículos com peso superior a oito toneladas ficam proibidos de circular na avenida Leonardo Malcher, ruas Luiz Antony, Governador Vitório, Tamandaré, Marquês de Santa Cruz e as avenidas Floriano Peixoto, Sete de Setembro e Joaquim Nabuco, fechando o circuito. Carga pesada No mesmo horário, os veículos com mais de 17 toneladas ficam impedidos de circular na rua Marquês de Santa Cruz, avenida Lourenço Braga, rua dos Andradas, avenidas Floriano Peixoto, Joaquim Nabuco e rua Quintino Bocaiúva. Agentes de trânsito estarão nas principais ruas para impedir que ocorram as infrações. Barrada no baile A blogueira, jornalista e professora da Universidade de Havana, Elaine Díaz Rodrígues, foi impedida de viajar aos Estados Unidos, onde participaria do 31º Congresso Internacional de Estudos Latino-Americanos, um dos maiores eventos de ciências sociais do mundo. Intransigência O visto de entrada para Elaine Diáz entrar nos EUA foi negado na quarta-feira (3). A intransigência marca mais um episódio nas controversas relações entre Estados Unidos e Cuba. Que democracia? A jornalista e professora levanta a pergunta sobre “quem trabalha para cercear a liberdade?”. – Não tive nenhum problema com Cuba para sair, nunca. É humilhante que neguem vistos a acadêmicos enquanto recebem de braços abertos a Yoani (Sanchez).

APLAUSOS

VAIAS

RENAN LUTADOR

MANAUS AMBIENTAL JOEL ROSA

Para o amazonense Renan Mendes, que foi selecionado para treinar na academia do campeão Wanderley Silva, em Las Vegas.

Charge

Para a Manaus Ambiental, pelo rompimento de mais uma adutora. É a quinta, só em 2013. Algo inconcebível!

João Bosco Araújo opiniao@emtempo.com.br

E a Xuxa fez 50 anos Passei mais de uma semana a me sentir bombardeado, sempre que sintonizei a TV Globo, pelos noticiários e vários programas que fizeram em torno do aniversário da Xuxa, o grande acontecimento do momento, capaz até de competir com a eleição do papa Francisco. No sábado, dia 30 de março, véspera do domingo pascal, o programa dela mesma foi transformado numa enorme “surpresa”, somente para ela, sob a regência do brilhante jornalista Pedro Bial, hoje reduzido a apresentador-animador do inteligente e edificante “Big Brother Brasil”. Nada contra a pessoa da Maria da Graça Meneghel, cujos direitos de cidadania vigem plenamente e lhe asseguram a liberdade de fazer da sua vida o que lhe aprouver, apenas respeitados os ditames das leis e, se possível, nossas pobres inteligências. Há, entretanto, uma fundamental diferença entre a Maria da Graça e a Xuxa, na medida em que esta última não é uma pobre mortal como todos nós, mas pessoa pública, e de um tipo muito especial, pois inserida no mundo artístico. Precisamente num mundo em que somente uma credencial deveria legitimar quem nele tenta ingressar, a saber, o talento. Somente quem traz em si o talento, em qualquer das suas variedades, se credencia a lugar de destaque em alguma atividade artística. Desprovidos desse essencial tempero, tornam-se aqueles personagens meramente secundários e figurativos, que apenas servem para emoldurar e fazer realçar o brilho dos verdadeiramente talentosos.

Restringindo ao cenário apenas brasileiro, é só olhar o que acontece nas artes cênicas, teatro, cinema e televisão, nas demais artes, inclusive na música, para pôr em realce aquilo que mais motiva o público, sem esquecer aí também o esporte. O que distinguiu Pelé da multidão de outros jogadores com que convivia e disputava nada foi senão o seu talento, cuja origem e razão de ser continuam a ser mistérios, apenas cercados de inúmeras conjecturas. Os prêmios, as distinções e a remuneração astronômica que Lionel Messi aufere são apenas consequências do seu incomum talento. Tom Jobim, Caetano Veloso, Chico Buarque, João Bosco, Aldir Blanc, Milton Nascimento, Elizeth Cardoso, Elis Regina, Maria Betânia, Gal Costa, Jorge Ben Jor, Tim Maia, para citar uns poucos, são o que são, ou foram, exclusivamente porque dotados dessa centelha mágica e resplandecente que apenas nomeamos com a palavra talento, sem conhecer realmente sua explicação. Na televisão, casa da Xuxa, temos que tirar o chapéu para os realmente talentosos, como Paulo Gracindo, Lima Duarte, Tony Ramos, Fernanda Montenegro, Glória Pires... E agora, com todo o respeito, voltamos à vaca fria, perguntando onde se encontra o “talento” da Xuxa, que deveria ser imenso para justificar a imensa divulgação midiática que a criou e a sustenta no ambiente público. Atriz? Cantora? Bailarina? Compositora? Como diria Shakespeare, é mais um dos inúmeros mistérios que se perdem e se ocultam entre o Céu e a Terra.

João Bosco Araújo Diretor Executivo do Amazonas EM TEMPO

E agora, com todo o respeito, voltamos à vaca fria, perguntando onde se encontra o “talento” da Xuxa, que deveria ser imenso para justificar a imensa divulgação midiática que a criou e a sustenta no ambiente público. Atriz? Cantora? Bailarina? Compositora?”.


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Frase

Painel VERA MAGALHÃES

Direto no bolso

Numa época em que temos um (deputado Marco) Feliciano desrespeitando os direitos humanos, grito o meu amor aos sete ventos. Quem sabe haja ainda alguma lucidez no Congresso brasileiro!

No bojo do pacote pró-consumidor lançado por Dilma Rousseff no mês passado, o governo estuda incluir na lista de produtos com devolução ou troca imediata em caso de defeito, além do telefone celular, o trio fogão, geladeira e televisão. A ideia será discutida com o mercado nesta semana e, se aprovada, constará em decreto previsto para ser publicado no próximo dia 15. Segundo interlocutores da presidente, a lista terá poucos itens, todos imprescindíveis à vida cotidiana. Operação... Com a bênção do Planalto, Michel Temer negocia para que o empresário Júnior Batista, troque o PSB pelo PMDB. Júnior é um dos trunfos de Eduardo Campos no CentroOeste, já que deve disputar o governo de Goiás no ano que vem. ... palanque Temer almoçou na quinta-feira, em São Paulo, com Josué Gomes da Silva, filho do ex-vice-presidente José Alencar. Cortejado por vários partidos, o empresário pode ser candidato ao governo de Minas, se Fernando Pimentel (PT) decidir ficar no ministério e atuar na campanha de Dilma à reeleição. Vai ter bolo Depois da incursão pelo eixo Rio-SP, Eduardo Campos irá amanhã ao aniversário de 50 anos de seu líder na Câmara, Beto Albuquerque, em Porto Alegre. Entre os 2.000 convidados esperados estará Carlos Lupi, presidente do PDT, partido cortejado pelo pessebista. Prévia 1 Quatro cidades de Minas realizam hoje novas eleições para prefeito: Diamantina, São João do Paraíso, Biquinhas e Cachoeira

Dourada. Todas reeditam o confronto entre aliados de Aécio Neves (PSDB) e Dilma. Prévia 2 Os tucanos esperam vencer nas três primeiras cidades. Em Cachoeira Dourada, o favorito é do PTB, mas aliado do presidenciável tucano, que monitora as novas disputas como parte da estratégia de garantir uma maioria folgada de votos em seu Estado em 2014. Colegas Servidores do cerimonial do Planalto foram notificados para testemunhar em processo interno contra Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência exonerada em 2012 após ser incluída em investigação da Polícia Federal. Tartaruga Na Justiça, as investigações decorrentes da operação “Porto Seguro” estão paradas, aguardando a apresentação das defesas administrativas de servidores acusados de beneficiar quadrilha que praticava tráfico de influência em órgãos federais. Não desistem... Advogados dos réus do mensalão vão apresentar nos próximos dias novo recurso ao

Daniela Mercury, cantora, depois de revelar que está “casada” com a jornalista Malu Verçosa, “minha esposa, minha família, minha inspiração pra cantar”, divulgou nota oficial, declarando guerra ao pastor Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, acusado de racista e homofóbico.

STF. Querem impedir que o presidente da corte, Joaquim Barbosa, seja o relator dos embargos do processo. ... nunca Segundo o entendimento dos criminalistas, após a publicação do acórdão do mensalão deveria haver uma redistribuição dos embargos, que ficariam, então, com o ministro sucessor de Carlos Ayres Britto, ainda não designado por Dilma.

Olho da Rua opiniao@emtempo.com.br DIEGO JANATÃ

Tá escrito O novo recurso dirá que há jurisprudência determinando que embargos não se enquadram nas hipóteses do artigo 75 do regimento interno do STF, que determina os casos em que um ministro eleito presidente mantém a relatoria de processos. Calendário Fernando Haddad não fará balanço de cem dias à frente da prefeitura de São Paulo, mas pretende marcar a efeméride com uma maratona de audiências sobre o plano de metas. Calendário 2 Serão 16 no próximo sábado, dia 13, e 16 no dia 20, em todas as subprefeituras. Outros quatro encontros temáticos serão realizados até o final do mês.

Tiroteio

São Pedro, o padroeiro desse lugar na periferia de Manaus, abre as torneiras e ajuda a compor a paisagem mais recorrente da cidade: um buraco, dois buracos, três buracos... Como (quase) todo mundo tem carro em Manaus (quem não tem senta à beira do caminho), o buraco é uma questão da maior prioridade. Ora, se não.

Dom Sérgio Eduardo Castriani opiniao@emtempo.com.br

Parece ameaça da Coreia do Norte: rende manchetes, mas nada acontece na prática. A biografia de Lula é um escudo antinuclear.

Para não esquecer

DO SENADOR LINDBERGH FARIAS (PT-RJ), sobre decisão do Ministério Público de pedir investigação sobre denúncias de Marcos Valério contra o petista.

Na segunda feira de Páscoa quando a Igreja ainda celebrava solenemente a ressurreição de Jesus, foi celebrada uma Eucaristia, junto ao Cruzeiro da avenida Timbiras, na Cidade Nova. A intenção é que ali seja construído, além de um velório e uma capela, um memorial para lembrar as vitimas da violência. Acidade foi crescendo e às vitimas da história da Amazônia; indígenas, seringueiros, mulheres e crianças exploradas, foram se juntando as vitimas de uma urbanização em geral não planejada e feita num ritmo alucinante. São crianças que crescem sem escolas de qualidade, famílias desagregadas, mortos no trânsito, vitimas do crime organizado com queima de arquivos e violência para garantir pontos de venda e de tráfico de influências. A história está cheia de vitimas. Em todos os tempos, homens, mulheres, jovens e crianças morrem prematuramente vitimas inocentes de sistemas que se sustentam pela eliminação de opositores e indesejados. A história dos grandes impérios, seu poderio e grandes realizações sempre se fizeram à custa de muito sangue derramado. Muitas vezes as vitimas nem tem consciência da razão de seu sofrimento e morte. Hoje às vitimas de sistemas de poder que querem se perpetuar indefinidamente se ajuntam as vitimas da violência urbana. Não podemos esquecê-los. Não se trata de vingança, mas de restauração da verdade para que a violência não se perpetue

Contraponto

Novos tempos Durante lançamento de programa de atendimento de emergências médicas em Curitiba, na semana passada, Beto Richa (PSDB) abriu o discurso pedindo desculpas por sua mulher, que teria de deixar a solenidade: — Vou dispensar a Fernanda, que está impaciente porque ela precisa fazer o almoço do Rodrigo--disse o governador, se referindo ao filho caçula. Fazendo referência indireta à emenda constitucional que amplia os direitos trabalhistas das empregadas domésticas, Richa arrematou: — E não é brincadeira. Estamos sem empregada... Publicado simultaneamente com o jornal “Folha de S.Paulo”

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

Diretor de Redação Mário Adolfo marioadolfo@emtempo.com.br

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

redacao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

3090-1001 circulacao@emtempo.com.br

Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

www.emtempo.com.br

@emtempo_online

Editora-Chefe Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa — MTB 626 michelegouvea@emtempo.com.br

3090-1010

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

Diretor Administrativo Leandro Nunes administracao@emtempo.com.br Gerente Comercial Gibson Araújo comercial@emtempo.com.br Gerente de Marketing Clodoaldo Reis marketing@emtempo.com.br EM Tempo Online Yndira Assayag — MTB 041 yndiraassayag@emtempo.com.br

/amazonasemtempo

/ /tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

e não se repita indefinidamente como se não houvesse outra saída para os seres humanos senão submeter-se aos instintos mais perversos de quem tem a possibilidade de torturar e matar, quer seja o Estado, o crime organizado, ou mesmo seres humanos dominados pelos que de pior existe em nós. As pessoas que morreram e que morrem de forma violenta partilham conosco a humanidade. Por natureza somos solidários a elas. Seu destino é também o nosso. Aquilo que sofreram nos atinge e devemos às vitimas muito daquilo que temos de maneira especial a democracia, consciência dos direitos humanos e muito mais. Como cidade, não podemos esquecê-los. Mesmo porque a violência continua. Não podemos nos acostumar aos seus horrores e sua insensatez. Por isso apoiamos a ideia de ter um lugar, um memorial onde todos os que morreram violentamente sejam lembrados, onde possamos rezar por eles, e através deles, onde possamos pedir perdão pela nossa omissão e possamos sonhar com um mundo sem violência construído sobre outros valores. Será também um memorial da Paz. Toda primeira segunda feira do mês, estamos convidados a fazer esta memória e oxalá se concretize o sonho deste lugar onde a semelhança de outros memoriais no mundo fique guardada a memória de seres humanos que vitimas da própria humanidade tiveram suas vidas transformadas em semente de uma nova sociedade.

Dom Sérgio Eduardo Castriani Arcebispo Metropolitano de Manaus

Não podemos esquecê-los. Não se trata de vingança, mas de restauração da verdade para que a violência não se perpetue e não se repita indefinidamente como se não houvesse outra saída para os seres humanos senão submeter-se aos instintos mais perversos”.


Política

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

A5

O balanço dos cem dias Na próxima quarta-feira, Arthur Neto entra no centésimo dia de gestão na Prefeitura de Manaus e, mesmo com todo o apelo em torno da data, ele afirma que “isso não é um fetiche”. Proposta é revolucionar no modo de administrar a cidade JOEL ROSA

Poupança e metas de arrecadação Segundo informações da Secretaria Municipal de Finanças, Planejamento e Tecnologia da Informação (Semef), a prefeitura espera, até dezembro de 2013, poupar o equivalente a R$ 149 milhões com a implementação do programa de gestão “Todos Juntos por Manaus”. As metas foram acordadas na quarta-feira da semana passada. De acordo com o secretário da pasta, Ulisses Tapajós, o momento ainda é de contenção e ajustes de despesas. “Considero de suma importância essa interação com os diretores, pois precisamos detalhar os nossos objetivos e motivá-los a colaborar com a saúde financeira do município”, declarou. O programa, que deverá ser aplicado ainda este mês, deverá contemplar ações para o aumento de receita, redução de gastos, a criação de licitação única e a desburocratização de processos.

IZABEL GUEDES Equipe EM TEMPO

N

a próxima quarta-feira, o prefeito Arthur Neto (PSDB) completa cem dias à frente da gestão municipal. Nos últimos anos, esse período inicial das gestões públicas ganhou importância. Na opinião do economista Rodemarck Castelo Branco, que coordenou a transição do governo tucano, esse período é importante para resolver problemas detectados durante o intervalo de transição e dar início às atividades prioritárias da nova gestão. “Os cem dias servem para sanar problemas inadiáveis. Também é a oportunidade que o novo gestor e a população têm para se familiarizarem”, analisou. Desde janeiro, Arthur vem pondo em prática uma reforma administrativa para “enxugar” a máquina pública, em sua maioria traduzida em mudanças na estrutura de algumas secretarias municipais. A versão definitiva da reforma deve ser publicada no Diário Oficial do Município (DOM) até dia 10 e consistirá em 25 decretos, ou seja, um para cada uma das 17 secretarias e oito entidades da administração indireta. Reforma O chefe do Gabinete Civil, Lourenço Braga, explicou que a reforma definirá a nova estrutura administrativa do município, com a extinção de algumas secretarias e a aglutinação de outras, como já vem ocorrendo. O número de pastas e autarquias foram reduzidos de 33 para 25, anunciadas ainda em dezembro de 2012 pelo então prefeito eleito Arthur Neto. As subsecretarias foram reduzidas de 42 para 35. Com a Lei Delegada em vigor, todas essas medidas poderão ser consolidadas sem a autorização da Câmara Municipal de Manaus (CMM). Entre as medidas também está a contenção de despesas que começou com a revogação do aumento de vencimentos concedidos ao prefeito, vice-prefeito, secretários e subsecretários. Com essa redução a prefeitura espera economizar até R$ 2,4 milhões por mês. Arthur também quer transformar a prefeitura em uma ‘fábrica de projetos’, como divulgou tão logo assumiu. “Precisamos ter projetos em todos os lugares, usar todas as possibilidades, vamos aproveitar financiamentos da Caixa Econômica, BNDES e de onde mais surgir para armazenar recursos e poder investir em nossas necessidades”. Na busca por estes investimentos, ele já realizou três viagens a Brasília. Ele também revelou, por meio de relatório feito nas contas do município, que herdou uma dívida de R$ 350 milhões. Além disso, o Fundo Único de Previdência do Município de Manaus (Manausprev) também precisou de medidas emergenciais para sanar um déficit de R$ 300 milhões, que poderia comprometer a liberação de recursos para o município. Para resolver estes problemas financeiros, a prefeitura recorreu ao Ministério da Previdência para realizar o parcelamento da dívida que possui com o Fundo.

Desde que assumiu, em 1º de janeiro, o prefeito Arthur Neto tem atendido uma intensa agenda nas ruas e bairros de Manaus IONE MORENO

IONE MORENO

JOEL ROSA

MANOEL VAZ/SEMCOM

DIVULGAÇÃO

Serviços de infraestrutura, inspeção em obras, alianças com o Estado, reuniões com secretários. O balanço dos três meses

Otimismo Para Tapajós, este primeiro trimestre de gestão resultou em muitos progressos, haja vista que o prefeito montou uma “equipe competente”. “Pudemos atacar prioridades, como a renegociação da dívida, leilão reverso, elaboração de um plano de gestão e treinamento de toda a equipe”, enfatizou o secretário. Ele acrescentou que a economia que a prefeitura já conseguiu fazer, resultado de todas as medidas administrativas e de contenção, fará frente às obras de revitalização da cidade de Manaus para a Copa do Mundo de 2014. “A partir de junho, Manaus será um grande canteiro de obras”, adiantou. Ao ser questionado sobre estes primeiros cem dias, Arthur se limitou a dizer que “não são um fetiche”. Ele também revelou que essa semana, fará reuniões com o secretariado para avaliação dos relatórios individuais para estabelecer novas metas até o mês de dezembro. Aliança Outro fator deste primeiro trimestre é o discurso alinhado entre o prefeito e o governador do Estado, Omar Aziz (PSD). Ambos evitam em classificar a aliança de “ação conjunta” – termo idealizado em 1994 pelo então governador à época, Amazonino Mendes (PDT) com o prefeito da ocasião, Eduardo Braga (PMDB) – e preferem chamá-la de “parceria”.


A6

Política

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

ELZA FIÚZA/ABR

Cláudio Humberto COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS

www.claudiohumberto.com.br

Eu não sou o Feliciano. E não mereço” SENADOR BLAIRO MAGGI (MT) e a pressão de mensaleiros do PR para ele deixar o partido

Dilma ajuda Lula a indispor ministro e governador Orientada por Lula, a presidente Dilma resolveu tratar a pão de ló o ministro Fernando Bezerra (Integração), que há poucos meses andava pela bola sete, só para cutucar o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), provável rival na disputa presidencial de 2014. Afilhado político de Campos, Bezerra é filiado ao PSB. Lula tenta levar o ministro para o PT a fim de fazê-lo disputar o governo de Pernambuco. A vida como ela é Além de garantir palanque para Dilma no Estado, o vingativo Lula quer usar Bezerra para que Eduardo Campos sinta o “sabor da traição”. Estratégia Lula quer Dilma polarizando com Eduardo Campos para esvaziar a força de Aécio Neves (PSDB), candidato que ele considera mais forte. Conservador Impondo Fernando Bezerra ao PT-PE, Lula criará outra confusão no partido, que o tem como herdeiro da oligarquia dos Coelho, no interior. Ele foi PDS Fernando Bezerra Coelho já foi filiado ao PDS, que apoiava a ditadura, e também ao PFL, PMDB, PPS e ultimamente no PSB. Encrenca na Bolívia é jogo esperto de Morales Embaixador na Bolívia e protegido do aspone Marco Aurélio top-top Garcia, Marcelo Biato está no Brasil se “aconselhando” com Lula no caso dos doze corintianos presos em Oruro. Se as “dificuldades” não gerarem “facilidades” para o governo

Evo Morales, a Bolívia poderá pedir a extradição do “di menor” que confessou haver jogado o rojão assassino. Será inútil: a Constituição proíbe a extradição de brasileiros. Segredo de Estado Marcelo Biato também procura em sigilo no Itamaraty a solução para o senador de oposição Roger Pinto, asilado na embaixada há meses. Armadilha O jogo de Morales é recuperar o opositor se o Brasil quiser os 12 de volta, ignorando a decisão judicial que os mantém presos na Bolívia. Gente fina A Federação Boliviana de Futebol não convidou o pai de Kevil Beltran, jovem boliviano para o amistoso com o Brasil em benefício da família. Meia trava Dilma se inclinava pelo pernambucano Heleno Tores para a vaga de Carlos Ayres Brito no Supremo Tribunal Federal, até o recebeu na quinta (4). Mas ficou irritada quando soube que ele já estaria contando a todo mundo que fora o escolhido. Por isso suspendeu o anúncio. Apropriação Dilma vetou emenda do deputado Alfredo Kaefer (PSDB-PR), aumentando o teto de faturamento de empresas em regime de lucro presumido para, dois dias depois, editar a MP 612, de igual teor. Estrutura O deputado Sandro Mabel (GO) nega que a filiação de “Junior do Friboi” ao PMDB objetive quebrar a campanha de Eduardo Campos (PSB): “Ele quer mais estrutura para disputar o

Jornalista

governo de Goiás”. Feliciano 2014 Vice-presidente do PSC, pastor Everaldo cogita a candidatura de Marco Feliciano (SP), celebridade do partido, para disputar, creia, a sucessão de Dilma. A ideia é valorizar o passe em eventual 2º turno. Que ‘autossuficiência’... Mais uma lorota de Lula se foi: o Brasil poderá ficar sem gasolina em 2017, diz a agência Bloomberg, se não investir logo em refinarias ou na produção de etanol, e liberar a venda de carros leves movidos a diesel. Assédio financeiro Funcionários locais do Itamaraty vão denunciar em Brasília o descumprimento de leis trabalhistas no exterior. Após 40 anos de serviço, um funcionário espera há 15 meses a grana da aposentadoria. Palavras secas Nem Graciliano Ramos ousou superar sua confessa leitora Dilma sobre a seca do Nordeste: “O futuro está em cima, em cima no sentido de que o futuro é sempre uma exigência maior que a gente se faz a nós mesmos.” (sic) Vou de FAB Políticos do DEM-RN lideram a disputa dos que viajam de carona no jatinho da FAB a serviço do presidente da Câmara, Henrique Alves (RN), na ponte Brasília-Natal-Brasília: o senador José Agripino, seu filho deputado Felipe Maia e até a governadora Rosalba Ciarlini. Pensando bem... ...um passarinho contou que Nicolás Maduro ganhou a eleição na Venezuela.

PODER SEM PUDOR

Um ataque elogioso Ex-secretário-geral da Presidência da República, Eduardo Jorge cultivava o hábito da discrição, evitando declarações fortes desde a época de poder. Mas certa vez surpreendeu um interlocutor que queria saber sua opinião sobre o governo do PT. Ferrenho defensor da era FHC, EJ surpreendeu: - Eles têm muitas idéias boas e novas... Confundindo o comentário com elogio, o interlocutor não se conteve: - Dr. Eduardo, o senhor “lulou”? Com seu estilo de sempre, o ex-ministro esclareceu: - Não. O problema é que as idéias boas não são novas, e as idéias novas não são boas.

LUIZ FUX

Mutirão de conciliação no STF O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), realizará amanhã, a partir das 18h, um mutirão de conciliação em seu gabinete, com a participação de representantes de Estados, municípios, empresas públicas e sociedades de economia mista. A iniciativa tem por objetivo encerrar demandas nas quais a administração pública consta como parte, e envolvem controvérsias que

podem ser objeto de conciliação ou de desistência pelos órgãos estatais. De acordo com Fux, o projeto do mutirão de conciliação é inspirado em uma iniciativa conduzida no âmbito do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com a finalidade de promover a solução pacífica e célere dos conflitos submetidos ao Judiciário. Em seu gabinete, a iniciativa começou no fim de 2012, quando foram

contatadas dezenas de procuradorias de órgãos e entidades públicas, com o objetivo de encerrar as ações pacificamente. “Há uma perspectiva concreta de um cenário muito positivo de extinção de dezenas de ações em tramitação neste gabinete no próprio dia do mutirão, o que será fruto do esforço conjunto do Poder Judiciário e das procuradorias envolvidas”, afirma o ministro.

O presidente do STF discursou na aula magna da Universidade de Brasília, na última sexta-feira

Barbosa diz que PEC 37 é péssima para a sociedade A “PEC da Impunidade” tira do Ministério Público o poder de investigar, ficando a cargo somente das polícias Civil e Federal

O

presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, fez críticas na última sextafeira à Proposta de Emenda à Constituição 37/2011, a PEC 37, que atribui exclusivamente às polícias Federal e Civil a competência para a investigação criminal, além de determinar que o Ministério Público não tem como atribuição conduzir apurações sobre indícios de crime. A proposta foi aprovada em comissão especial, com relatoria do deputado Fábio Trad (PMDB-MS). Joaquim Barbosa condenou o propósito da PEC 37, de autoria do deputado Lourival Mendes

(PTdoB-MA), ao participar de aula magna na Universidade de Brasília (UnB). “Acho péssimo, péssimo. A sociedade brasileira não merece uma coisa dessas”, afirmou o magistrado, em rápida entrevista a jornalistas que o abordaram no evento, sem explicar as razões para tal opinião. Defendida principalmente pelos delegados de polícia, a PEC 37 sofre forte oposição tanto do Ministério Público quanto de diversas entidades da sociedade civil, que a batizaram de “PEC da Impunidade”. Eles entendem que a emenda, se aprovada, aumentará a interferência política em inquéritos policiais (já que

as polícias Federal e Civil são subordinadas ao Executivo); retirará da investigação um organismo – o MP – que em praticamente todo o mundo civilizado participa da apuração criminal; e representará um retrocesso no combate ao crime. Os delegados rebatem, argumentando que o Ministério Público brasileiro acumulou poderes excessivos, e que não pode, ao mesmo tempo, investigar e oferecer a denúncia criminal à Justiça. A investigação, alegam os defensores da PEC 37, fica contaminada quando exercida por quem tem a incumbência legal de acusar.


Com a palavra

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

A7

Lafayette JÚNIOR

‘Não SE deve MISTURAR rapidez COM sentenças MOLDADAS’ FOTOS JOEL ROSA

Izabel Santos Equipe EM TEMPO

O

Não devemos misturar rapidez com sentenças moldadas. Os juízes, hoje, estão submetidos a um índice de produtividade estabelecido pelo Conselho Nacional de Justiça. Essa meta de produtividade não prejudica, mas impõe uma pressa que discordo”

novo membro da mais alta corte do Judiciário amazonense, Lafayette Carneiro Vieira Júnior, foi empossado desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), no dia 14 de março, após 23 anos de magistratura. Neste período, ele ingressou em diversas áreas da Justiça, como a cível e eleitoral, respondeu também pelas Varas da Fazenda Pública Municipal e de Crimes contra o Idoso e Adolescente da comarca de Manaus. Lafayette atuou ainda na comarca do município de Urucurituba. De uma família de magistrados – ele é filho do desembargador aposentado Lafayette Carneiro Vieira, ex-presidente do TJAM, e possui dois irmãos juízes – o novo integrante do pleno fala, nesta entrevista, sobre sua carreira, os obstáculos da profissão e sobre suas expectativas em relação ao futuro. EM TEMPO - Um dos grandes dilemas do Judiciário, hoje, é adequar a rapidez que a sociedade exige com a qualidade nas decisões. Isso é possível? Lafayette Júnior - Só com um estudo aprofundado dos magistrados. Mas não devemos misturar rapidez com sentenças moldadas. Os juízes, hoje, estão submetidos a um índice de produtividade estabelecido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Essa meta de produtividade não prejudica, mas impõe uma pressa que discordo. É bem verdade que hoje em dia os juízes dispõem de assessorias que auxiliam os magistrados elaborando relatórios, cabendo ao juiz apenas a fundamentação e a decisão. Mas cada processo é um caso e possui as suas particularidades. Acredito que essa exigência de produtividade pode afetar a qualidade de uma sentença, não de maneira indelével, mas pode afetar. EM TEMPO - Então o senhor acha que o conceito de produtividade deveria ser revisto? LJ - Até certo ponto, sim. Se compararmos a estrutura do TJAM com a estrutura da instância de 1º grau chegaremos à conclusão de que aqui a meta de produtividade pode ser alcançada com relativa facilidade. Falo sobre essa realidade porque já vivi. O juiz de 1º grau não tem hora para sair da vara e, em casos mais complexos, até leva processos para casa. Quando afirmo que essa rotina pode afetar

a qualidade da sentença não me refiro ao resultado. Para não ser parcial, precisamos de tempo para esclarecer pontos obscuros, marcar audiências e ouvir as partes, isso é essencial e prioritário e nós fazemos. Permita-me citar um exemplo: Eu, pessoalmente, gosto muito de escrever. Mas infelizmente com essa exigência de produtividade, não posso me dedicar a escrever da maneira como gostaria. Acho que quando não tenho esse tempo, perco um pouco da minha identidade. Existem várias maneiras de rever esse conceito de produtividade. Uma delas é através da realização de concursos para juiz. EM TEMPO – Então essa insuficiência de juízes é que dá a ‘impressão’ que o interior do Amazonas está fora do alcance da Justiça? LJ – Não. Veja bem. Não é o interior que está fora do alcance da Justiça. É o Judiciário que está fora do alcance do interior. Tenho mais de 20 anos de magistratura. Já cheguei a responder por mais de uma vara, mas as duas estavam localizadas no mesmo prédio. Têm colegas que respondem por três comarcas em cidades diferentes. Você faz ideia do que isso significa? O juiz de Itapiranga normalmente também responde por Silves e São Sebastião do Uatumã, que são municípios próximos, mas não têm outra maneira de se deslocar que não seja de barco a jato, um percurso que consome no mínimo 1h de viagem. Esse não é o mais penoso. Mas e quem acumula comarcas em Manaus, Manaquiri e Rio Preto da Eva? Se responder por uma vara já é difícil imagine por três cidades diferentes. No interior, o juiz é como um clínico geral: também atua como juiz de família, de menor, cível, criminal, trabalhista, previdenciário, assistente social, psicólogo, conciliador enfim, tudo o que for necessário. O número de juízes deve aumentar, isso é urgente. EM TEMPO - O senhor acha que o “Pacto Republicano” é bom para o Judiciário? LJ - Sim. Tudo o que vem para ajudar é de bom alvitre. Desde servidores até novas leis. O que tem que se mudar, a meu ver, são as nossas leis atuais que dão razão a muitos recursos. A celeridade tem um limite, nossas leis têm muitas brechas para recursos e isso aumenta a duração dos litígios. EM TEMPO - Em 2011, o então presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE),

o ex-ministro Cezar Peluso, propôs a execução de um controle prévio de constitucionalidade de leis. O senhor concorda? LJ - Concordo em número, gênero e grau. Se nenhuma atitude for tomada nesse sentido, passaremos o resto da vida julgando processos referentes a inconstitucionalidades de leis. Se você fizer um levantamento, vai ver que o Judiciário, em todas as suas instâncias, possui demandas desse tipo. Muitas leis são criadas priorizando o mérito social em vez do mérito jurídico. Nós, juízes, além do conhecimento das leis, devemos ter bom senso de estar a par dos assuntos que estão sendo discutidos pela sociedade. Nada impede o Legislativo de consultar o Judiciário em caso de dúvidas. EM TEMPO - Mas as procuradorias não existem justamente para orientar o Legislativo e o Executivo nesse sentido? LJ - Sim, mas as procuradorias são parciais. Elas existem para defender os interesses da Câmara Municipal de Manaus, da Assembleia Legislativa do Estado, da prefeitura e do Estado. Acho que órgãos imparciais como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Ministério Público e o Judiciário poderiam ser consultados sobre a elaboração de leis. Apesar das nossas ocupações nós podemos sim contribuir. EM TEMPO - O senhor foi indicado pelo CNJ para ser coordenador do Judiciário amazonense na Copa das Confederações e de 2014. Quais as suas expectativas? LJ - O objetivo primordial da iniciativa é que a população possa ir aos estádios de futebol com segurança. Teremos a competência de proibir a entrada de torcidas organizadas, julgar todos os tipos de processos, como extravio de documentos, furtos e tudo o que acontecer nas imediações do estádio. Dentro dos estádios haverá um determinado número de juízes com um corpo de funcionários para receber o processo e julgá-los na hora. Acredito que seja de bom alvitre a presença da OAB, do Ministério Público e da Defensoria Pública também. A lei estará dentro dos estádios. Como o Amazonas não sediará a Copa das Confederações, durante essa competição, iremos para Fortaleza ou Belo Horizonte. A experiência neste período será um ensaio para a atuação durante a Copa em Manaus. EM TEMPO - Em 2012, o senhor foi prefeito in-

terino de Manaus três vezes, totalizando 15 dias de exercício. Com essa rápida experiência, quais as maiores dificuldades que o senhor enfrentou? LJ - A maior dificuldade que encontrei é que não concordo com juízes responderem como prefeito na ausência deste. Juízes são talhados para julgar e não para administrar municípios ou Estados. Seria a mesma coisa que me afastar do meu cargo e colocar um procurador de Justiça para julgar os processos de minha competência. Em algumas ocasiões, fiz uso da prerrogativa que me cabia e recusei assumir a prefeitura. Não por existir impedimento legal, mas por impedimento moral. Como posso julgar processos que envolvem secretarias municipais e o próprio prefeito e assumir o lugar dele? Eu expedia liminares contra e depois sentava na cadeira dele. Não era certo. Hoje esse dispositivo foi modificado. Certa vez falei para o João Coelho Braga, que não concordava com essa situação. Ele entendeu e modificou a norma. De acordo com a nova redação da Lei Orgânica do Município (Lomam), em caso de impedimento do presidente da Câmara, do 1º, 2º e 3º vices, além 1º, 2º e 3º secretários da mesa, do corregedor e do ouvidor, quem assume é o procuradorgeral do município e, somente na ausência de todos esses, quem assume é o juiz mais antigo da comarca. EM TEMPO - O senhor respondeu pelas varas de Crimes contra o Idoso e Adolescente, onde há um grande número de processos de crimes de pedofilia. Quais os maiores obstáculos nesta vara? LJ - É um trabalho que machuca muito e exige demais do juiz, pois a maior parte dos casos é de pedofilia. Em primeiro lugar, muitas mulheres se negam a denunciar o companheiro que cometeu o crime. Segundo, é difícil você convencer uma criança com menos de 7 anos contar o abuso que sofreu. A pior parte é ter que escutar essas crianças relatando esse tipo de situação. Ainda mais alguém como eu, que tem netos pequenos. É duro ouvi-los relatarem abusos por parte de pessoas que deveriam zelar por eles. Mas, depois que a criança se abre, o processo prossegue. Não costumava sentenciar menos de 15 anos de prisão. Em minha opinião, pedófilo e traficante têm que receber penas severas.

Como posso julgar processos que envolvem secretarias municipais e o próprio prefeito e assumir o lugar dele? Eu expedia liminares contra e depois sentava na cadeira dele. Não era certo”

É duro ouvilos relatarem abusos por parte de pessoas que deveriam zelar por eles. Mas, depois que a criança se abre, o processo prossegue. Pedófilo e traficante têm que receber penas severas”


Política

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013 IONE MORENO

A8

ALMINO AFONSO

O senhor

DA HISTÓRIA Em seu reencontro com Manaus, Almino Afonso fez questão de conhecer a ponte Rio Negro

MÁRIO ADOLFO Equipe EM TEMPO

“E

xatamente no dia 31 de marco de 1964, ao meio-dia, eu fui à Câmara dos Deputados. Naquela época só havia sessões à tarde e à noite, nunca pela manhã. E lá eu fui ver qualquer coisa em meu gabinete. Chego lá encontro um tumulto, dezenas de parlamentares, grupos a falar ao mesmo tempo, a discutir. E eu perguntei: – O que é que há? – Então você não sabe? É a tropa do general Mourão que já vem vindo. – Não é possível... Então, volto para casa e ligo para o senador Arthur Virgílio Filho (PT-AM), que era líder do Governo no Senado? – Arthur, já começou essa história do golpe?

EM TEMPO – No dia 6 de dezembro de 2012, a Câmara dos Deputados corrigiu uma injustiça praticada pela ditadura militar, devolvendo, simbolicamente, o mandato a deputados cassados em 1964, entre eles Almino Afonso, Gilberto Mestrinho, Bernardo Cabral, Lígia Doutel de Andrade, Plínio de Arruda Sampaio, Marco Antonio Tavares Coelho e Ney Maranhão. Como o senhor analisa o país que tenta corrigir sua própria história? ALMINO AFONSO – Eu acho que, gradualmente, o pais está tomando consciência de duas coisas: o quanto foi dramático para o povo, o quanto foi terrível para a nossa história o golpe de 64. Porque durante muito tempo a grande imprensa ficou – ou por oposição direta ao governo Jango ou por um certo temor – um pouco silente. Eu diria mais do que isso, calada, em relação ao significado trágico do golpe de 64. Então, muito do que aconteceu de pior, ficou no desconhecimento geral. Não apenas nas cassações, nas prisões, na tortura – e no meio da tortura, quantos morreram? Isso tudo ficou meio calado, salvo uma minoria que continuou militante, até por suas relações pessoais e de amizade, relembrando a dor daquele instante e a revolta por tudo que aquilo havia significado. EM TEMPO – O senhor acredita que hoje existe uma retomada de consciência, que tira a história da escuridão? AA – Acho que são dois aspectos que marcam essa retomada de consciência que eu estou dizendo. Uma, os primeiros livros que vão surgindo. Durante anos a fio a figura de João Goulart era simplesmente ignorada na imprensa. E eu ficava fazendo comparação desse tipo: enquanto em Santiago do Chile, onde eu estava quando se deu o golpe de Pinochet (general Augusto, ex-ditador do Chile), que foi um divisor de água profundo – eu diria

Relatei e ele respondeu: – Mas eu não estou sabendo. Venha aqui na minha casa. Vamos ligar para o presidente. A casa de Arthur era ao lado da minha. De lá ele ligou para o presidente João Goulart que estava no Rio de Janeiro. Arthur ligou e Almino ficou ouvindo pela extensão telefônica. – Presidente, estou sabendo pelo Almino sobre a marcha do general Mourão. Era o dia 31 de março ao meio-dia, anote esse aspecto. O presidente diz lá: – Arthur, isso é uma falsidade. Esse é o clássico tumulto da oposição querendo criar um clima de insegurança nacional, não é real. Naquele momento passava pelo gabinete dele o general Argemiro de Assis Brasil, que era o chefe da Casa Militar. Jango o chama:

– General, o senador Arthur está me dizendo tal coisa, o que há? Eu ouvi, não foi de terceiros, o general respondeu:. – Presidente, é uma falsidade. A chamada marcha do general Mourão é uma manobra de rotina militar, sem nenhum outro alcance. Jango insistiu: – Não há nada, portanto? – Nada, presidente. Essa é a verdade dos fatos. Eu ouvi, não foi ninguém que me contou. Jango volta para o telefone e diz para o Arthur: – Tu ouvistes, Arthur (ele usava o tu)? – Ouvi, presidente! – Pois é, esta é a verdade. Arthur Virgílio prossegue: – Presidente, hoje é inevitável que eu vá à tribuna do Senado dizer uma palavra sobre isso, porque é pública a marcha do general Mourão. Posso dizer o que o senhor acaba de informar?

– Podes não, deves! Saímos dali, é falso, não há nada. Fui para casa, almocei. E às três da tarde voltei para a Câmara e o tumulto era maior. Qual era a verdade, a que eu ouvi do presidente ou essa que corre aqui? Entrei numa roda e desmenti, dando o testemunho do que tinha ouvido do presidente. O sobrinho do Juscelino Kubitschek, o à época deputado Murilo Filho, me tira da roda: – Almino, se o presidente está dando essa versão para atenuar o clima de nervosismo e de inquietação, até que ele tenha condições de retomar as rédeas, não sei se vale. Mas, se ele diz isso como verdade para vocês, está perdido, porque desde a madrugada Minas já está em pé de guerra, o governador Magalhães Pinto já assumiu o comando civil da revolução (eles chamavam de revolução), portanto é real. E eu disse, não é possível. Voltei

para casa e hoje, 49 anos depois, me espanto. O presidente só tomou conhecimento da marcha do general Mourão, que desaguaria no golpe militar, às 6 da tarde do dia 31 de março, quando ela tinha começado na madrugada”. O relato é do amazonense Almino Afonso, ex-ministro do Trabalho do governo João Goulart e deputado federal pelo PTB, cassado pelo golpe militar de 64. Almino, que já recuperou seu mandato, simbolicamente, em sessão especial na Câmara dos Deputados, veio a Manaus para participar de sessão da Assembleia Legislativa do Amazonas, dia 3, que também devolveu o mandato de deputado estadual ao jornalista Arlindo Porto. Na sexta-feira, depois de um café da manhã na estrada, onde se reencontrou com a pupunha, o tucumã e a tapioca, Almino veio à redação do EM TEMPO, onde concedeu a entrevista. Veja:

até que mais profundo do que aqui, porque a visão ideológica lá era mais definida –, apesar disso, do ódio que foi pela forma como se deu o golpe, lá está em frente ao palácio de La Moneda, a estátua de Allende (Salvador, ex-presidente do Chile cassado pelo golpe), já elevada durante o período militar. E eu fazia a seguinte comparação: como aquele país com um golpe tão mais profundo do que o nosso – tomando em conta o significado ideológico –, pode aceitar a convivência dos contrários, e entre nós, figuras importantes daquele período pré-64 - e eu ponho João Goulart apenas como símbolo – eram ignorados?

discurso de improviso que me coube fazer, que isso ao mesmo tempo que era uma homenagem ao Arlindo por sua história política, pessoal, é também para a própria Assembleia Legislativa uma forma de se penitenciar daquilo que foi dramaticamente pobre na sua iniciativa de cassar, ela própria, o mandato de um de seus membros. Se houver no tempo uma forma de a Assembleia Legislativa dizer, de maneira simbólica “foi um erro”, “foi mais que um erro”, “foi um ato de vilania”, “inaceitável, nós condenamos aquilo”. “E porque condenamos reconhecemos simbolicamente o deputado Arlindo Porto como sendo o deputado do povo”, eu acho um fato da maior significância política e da evolução de uma sociedade que gradualmente reclama que a democracia se consolide para sempre.

categoria profissional e não mais. Cada qual fazia a sua luta. Naquela época surgiram os chamados “Pactos Intersindicais”. Era o sindicato dos petroleiros, dos metalúrgicos, enfim, juntavam-se em uma, duas, três, sete categorias e iam para uma campanha reivindicatória com uma força muito maior. Exemplo disso é a famosa greve em São Paulo, de 700 mil trabalhadores. Não era graça, era a representação de 17 categorias profissionais. E pela primeira vez houve confronto com a Federação das Indústrias. Era poder contra poder e ali nasce de fato o CGT (Comando Geral dos Trabalhadores), portanto foi o embrião de uma central operária que nós não tínhamos até então.

nossas relações econômicas no plano internacional. Não ficávamos dependendo pura e simplesmente do comando dos Estados Unidos. Por exemplo, podíamos negociar com a União Soviética a importação de petróleo e pagando em café. Era um salto qualitativo enorme.

EM TEMPO – Mas agora, essa história começa a ser resgatada, com a Comissão da verdade, por exemplo. AA – E também por meio dos livros que estão surgindo agora. E são vários, alguns bons, outros medíocres, dão-me a ideia desse ressurgimento. Esse é um ponto. E da mesma natureza a imprensa que passou a dar a essa problemática uma presença em suas crônicas e reportagens cada vez maior. No bojo disso, esses atos públicos têm a maior significação. O da Câmara dos Deputados, projeto da deputada Luiza Erundina, permitiu aquele momento muito bonito. Só não foi tão mais bonito porque coincidiu com o dia da morte de Oscar Niemayer. Isso é uma brincadeira de mau gosto, mas o Niemeyer disputou conosco as honrarias de Brasília, EM TEMPO – O Legislativo amazonense também acaba de fazer justiça, resgatando o mandato de deputado estadual do jornalista Arlindo Porto. AA – Aqui em Manaus, por iniciativa do jovem deputado Arthur Virgílio Bisneto (PSDB), levou a Assembleia Legislativa, por Lei, a reconhecer em Arlindo Porto a condição de deputado ainda que simbolicamente, não importa que seja simbólico. Eu dizia no meu

EM TEMPO – Qual seria o Brasil de hoje se Jango não tivesse sido cassado pelo golpe militar? AA – Às vezes tenho feito essa pergunta a mim mesmo. Eu diria que teríamos dado um salto de qualidade. Claro que eu tenho consciência de que, se não tivesse havido o golpe, o processo dos avanços das reformas sociais – que o Jango chamava de reformas de base –, não teria sido fácil de levar adiante, porque havia o contraditório real. A reforma agrária, por exemplo, ninguém a colocaria em marcha sem resistência – compreensíveis de um lado, inevitáveis de outro –, dos grandes proprietários de terras. Estávamos avançando na extensão dos direitos sociais ao campo, numa época que não havia direito social nenhum . E não é no Nordeste, é em São Paulo. Qual era o quadro dramático que explicava o porquê da resistência – inaceitáveis, mas que já havia – contra essas medidas todas? Na área sindical, por exemplo, o que havia de fato novo na história do sindicalismo é admirável. Para se ter uma disputa reivindicatória, o sindicato representava aquela

EM TEMPO – As reformas de Jango atiçaram a resistência e apressaram o golpe? AA – Todas essas coisas que estavam no embrião, pondose em marcha naquele tempo, iriam prosseguir. Eu sei que não seriam facilmente consolidadas porque as resistências existiam. Entretanto, isso teria dado uma dimensão nova para a sociedade. Inclusive para um detalhe que poucas vezes é destacado. Com toda a resistência que havia a João Goulart, com toda a crítica cruel que muitas vezes havia em determinados jornais, a liberdade de imprensa foi mantida absoluta. Não houve um gesto sequer do governo João Goulart que tolhesse a importância da liberdade de imprensa. Isso para uma democracia é chave, não é verdade? EM TEMPO – O que pegou também é que Jango era acusado de ser comunista. AA – O fato de nós termos tido condições de fazer – pela audácia de João Goulart –, o reatamento das relações diplomáticas com a União Soviética, não pela questão ideológica, fez com que dissessem que Jango estava submetido ao comunismo. É uma bobagem total. Nossas relações diplomáticas com os russos nos permitiam uma alternância nas

EM TEMPO – Pela sua experiência, o prefeito Arthur Virgílio (PSDB), que é seu amigo pessoal, teria chances de se eleger governador em 2014? AA – Eu tenho pouquíssimo conhecimento hoje do quadro do Amazonas. Primeiro, ele acaba de ter uma votação consagradora, 70%. Segundo, ele tem chance por conta de sua personalidade e pela herança do velho Arthur, que era um combatente, com um discurso respeitado. Isso é um dado positivo numa campanha eleitoral. Resumindo, Arthur tem um lastro de 70% e com a garra e o talento que tem é um candidato – se vier a ser –, potencialmente forte. EM TEMPO – Se candidato, Arthur teria que enfrentar o senador Eduardo Braga. AA – Exato. Dizem-me que o atual senador, Eduardo Braga (PMDB-AM) , que hoje é uma figura de relevo no governo federal, até porque é o líder do governo no Senado, tem a favor dele o fato de que tem pela frente mais quatro anos de mandato depois da possível eleição. Isto é, não tem nada a perder em disputar a eleição. Então, se eu não sou totalmente ignorante em política, acho que ele é um dos candidatos, porque não tem nada a perder . Disputa a eleição, se perde está no Senado para mais quatro anos. Bom, ele deixou um lastro porque fez uma carreira política de lastro, aqui. Agora, para o Arthur ser candidato precisa que a aliança vá além do partido dele, não é verdade? E eu não sei que capacidade de composição haverá. Se houver, é um candidato forte. E se eu ainda tiver voz e garganta, e ele eventualmente quiser, eu virei para a praça pública.

Se houver composição, Arthur é um candidato forte. E se eu ainda tiver voz e garganta, e ele eventualmente quiser, eu virei para a praça pública

Não houve um gesto sequer do governo João Goulart que tolhesse a importância da liberdade de imprensa. Isso para uma democracia é chave, não é verdade?


MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

economia@emtempo.com.br

(92) 3090-1045

Mineração: a riqueza que vem do solo Economia B2 e B3

O FUTURO ECONÔMICO DO AMAZONAS

MP

OS

IÇÃ

OV IS

UA

L/

JUN

IOR

FO

NS

ECA

SO

BR

EA R

QU

I VO

EM

TEM

PO

Diante das constantes ameaças à Zona Franca de Manaus (ZFM), que é o principal modelo de desenvolvimento da região, o Estado tem procurado outras alternativas para alavancar a economia local

CO

Caderno B

Economia

DIVULGAÇÃO

ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

A

polêmica sobre a unificação da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas operações interestaduais, que se aprovada em 4% para todos os Estados poderá atingir “em cheio” a indústria amazonense, acendeu o sinal verde para uma discussão importante. As constantes ameaças que rondam o Amazonas desencadearam um debate sobre as outras alternativas econômicas viáveis que podem vir a substituir a dependência em relação a Zona Franca de Manaus (ZFM) - modelo que emprega hoje quase 120 mil pessoas e fatura mais de US$ 40 bilhões por ano -, e fomentar o desenvolvimento da região. O EM TEMPO ouviu o governo, secretários estaduais, empresários, economistas e especialistas sobre o assunto para aprofundar a questão e lançar luz sobre um tema que vem dominando as rodas de discussão

no Estado. Apesar de as alternativas serem diversas, há pelo menos cinco atividades em que as apostas são maiores: turismo, mineração, produção de peixes, polo naval e logística. Só as riquezas minerais existentes debaixo do solo superam a casa dos “trilhões de reais”. Por sua vez, o novo polo naval, que desponta no Estado, promete gerar 30 mil novos empregos. Porém, uma das grandes apostas é na produção de peixes, atividade em que o Amazonas pode se tornar uma espécie de “viveiro do mundo”. “A produção de peixes é uma variante econômica fantástica que desponta no Amazonas, uma vez que o mundo tem fome. O governo do Estado estabeleceu esta atividade como prioridade, pois ela tem uma capacidade infinita”, afirma o vice-governador José Melo. Conforme dados da Secretaria de Estado da Produção (Sepror), o Amazonas produz, hoje, em torno de 150 mil toneladas de peixes por ano.

Turismo A expansão do turismo é um dos projetos que o Amazonas tem olhado com especial interesse. Considerado como um dos quatro destinos turísticos mais importantes do país, o Estado poderá alcançar a marca recorde de 1 milhão de turistas até 2014, um incremento estimado de 12% em relação ao período anterior. Ciente de que somente as belezas naturais não são suficientes para ampliar o número de visitantes, o governo e empresários têm discutido formas de criar novos atrativos que podem impulsionar o turismo na região. Conforme a diretora-presidente da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Oreni Braga, existe hoje um leque de projetos turísticos prontos para serem executados, incluindo, a construção de um aquário com peixes regionais. “O aquário é um projeto viável e oportuno, que está previsto no Biopark (o Parque Estadual do Amazonas, que deverá ser construído em uma área sugerida de 70 mil metros quadrados)”, destaca.

Políticas de incentivos ao turismo O turismo é apontado como uma das principais alternativas ao modelo Zona Franca de Manaus (ZFM), na avaliação da diretora-presidente da Amazonastur, Oreni Braga. Segundo ela, o Estado possui os insumos disponíveis (natureza, cultura e a nossa gente), agregados a um projeto que não precisa e nem depende de prorrogação. “Basta apenas oferecer os mesmos incentivos que são dados às empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), assim como fez, por exemplo, a

República Dominicana, que criou políticas de incentivos para o turismo e hoje é um dos principais destinos internacionais”, acrescenta Oreni Braga. Além do aquário, está em estudo a implantação de outros projetos que poderiam surgir para somar com a floresta amazônica, o Teatro Amazonas e o Encontro das águas. Entre as ideias que estão em fase de discussão está a criação de um jardim botânico, novos zoológicos e parques ecológicos com teleférico.

Esportes Outro atrativo para região que o governo estuda implantar é o turismo esportivo. Com um território cortado por rios, praias e natureza exuberante, o Amazonas é um lugar com potencial para comportar eventos esportivos nacionais e internacionais como triátlon, rallyes, rapel e esqui aquático. Para a Copa do Mundo de 2014, o Ministério do Turismo listou produtos e destinos turísticos em 11 municípios do Amazonas.


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

A riqueza que Com trilhões de reais sob a terra, atividade mineral é uma das principais alternativas econômicas em relação à ZFM ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

A

pesar do paradoxo, o Amazonas tem pensado no futuro com os olhos voltados para o chão. Mais especificamente para o solo, onde há uma riqueza em minérios avaliada em trilhões de reais, que pode ser a redenção econômica para municípios do interior do Estado. Somente com a extração do potássio, o potencial é de R$ 1 trilhão. Embora exista uma riqueza imensurável, a exploração do solo amazonense ainda está aquém de sua capacidade, que se bem aproveitada poderá dobrar o número atual de vagas no setor que é de aproximadamente 8 mil empregos. Conforme o secretário de Estado de Mineração, Geodiversidade e Recursos Hídricos (SMGRH), Daniel Nava, no Amazonas há apenas duas minas principais em operação: uma em Pitinga (a 130 quilômetros de Manaus), que lavra e concentra minério de estanho, nióbio e tântalo, e outra em Jatapu, em Urucará (a 344 quilômetros da capital), com potencial de 1,2 milhão de toneladas de calcário para uso agrícola. “É difícil estimar toda a riqueza mineral do Amazonas. Nossa potencialidade ainda está na forma de jazidas. Mas riqueza no subsolo sem exploração na forma de mina, não tem valor algum. Porém, temos um século pela frente para crescer”, afirma. Nos próximos cem anos, oportunidades é o que não vão faltar. Além do calcário, potássio, estanho e nióbio, o Amazonas possui ferro, gipsita para indústria de cimento, ouro, argila vermelha (polo cerâmico), caulim, areia, brita, seixo e agregados para a construção civil, água mineral, óleo e gás em abundância para

extrair nas próximas décadas. Zona Franca A exploração mineral irá beneficiar o Estado, não somente com renda e empregos, mas também com investimentos em logística e infraestrutura, assim como na redução do déficit habitacional e de saneamento no Amazonas e no Brasil. Para alguns, a mineração e o setor petrolífero podem se tornar um importante polo de desenvolvimento econômico paralelo à Zona Franca de Manaus (ZFM). “A potencialidade da geodiversidade do Amazonas contribuirá nos próximos anos para nos tornarmos menos dependentes dos incentivos fiscais e mais atrativos de um novo perfil ao PIM; “o da indústria de transformação mineral e refino”, enfatiza Daniel Nava. Investimentos Até 2016, a indústria mineral deverá investir em torno de R$ 56 bilhões na região da Amazônia, segundo previsão do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram). A meta do governo do Estado é tentar abocanhar pelo menos 10% deste total, conforme revela o secretário da SEMGRH, Daniel Nava. “Se acrescentarmos o que a indústria petrolífera poderá contribuir, principalmente, na proposta para a consolidação no Polo Industrial de Manaus (PIM) de um pólo gás-químico, tenho certeza que nossa riqueza poderá ser superior ao que atualmente representa ao nosso Estado”, salienta. Conforme dados da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), o setor mineral e o de óleo e gás contribuem com aproximadamente 20% da economia do Amazonas. AGÊNCIA PETROBRÁS

Potássio é estratégico para país

DIVULGAÇÃO

Encontrado em abundância no Amazonas, o potássio tem uma importância estratégica não só para o Estado, mas para o Brasil como um todo. Para o governo federal, o minério da região contribuirá para a autossuficiêcia brasileira quanto à demanda nacional por esta matéria-prima, utilizada pelas indústrias de alimentos e de biocombustíveis. Hoje, o país importa 92% do potássio que necessita. Porém, essa dependência poderá chegar a 100% depois que for encerrada, em 2019, a mina de Sergipe, que é a única em operação no Brasil. “Com o início das atividades da primeira mina em Autazes previsto para 2018, poderemos naquele ano contribuir como Estado produtor com 20% das demandas brasileiras pelo bem mineral”, revela o secretário Daniel Nava. As reservas do Amazonas são estimadas em valores superiores a 1 bilhão de toneladas de potássio. Potássio: pesquisas geram 100 empregos diretos e indiretos Com marco regulatório de exploração mineral, óleo e gás, arrecadação de royalties subirá no AM


Economia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

B3

vem do solo DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO

Tântalo: do interior para o mundo

Um dos principais minérios extraídos hoje no AM é o tântalo

Caulim pode gerar 2 mil empregos Atividade que deverá receber investimentos de R$ 200 milhões, a exploração do caulim, quando iniciada em grande escala, irá gerar 2 mil novos empregos no Amazonas. Esse contingente de trabalhadores atuará na mina prevista para funcionar na futura área do novo polo naval que desponta no Estado. Atualmente, a atividade está ainda na fase de pesquisas e emprega somente 20 pessoas. Conforme a SMGRH, o tempo de vida útil da mina de caulim é superior a 80 anos. As reservas conhecidas hoje estão localizadas em Manaus e no município de Rio Preto da Eva (a 57 quilômetros da capital).

Conforme dados do Departamento Nacional da Produção Mineral (DNPM), a mina do Pitinga abriga reservas de 88 mil toneladas de tântalo, um dos produtos que lideram a pauta de exportação dos municípios do interior. De acordo com a Gerência de Sustentabilidade e Gestão da Mineração Taboca, os países importadores transformam a liga de tântalo no metal que é usado na fabricação de produtos de alta tecnologia para indústrias como a de eletrônica, automobilística, de

UTILIDADE

Em pó metálico, tântalo é usado para fabricar capacitores que regulam fluxo de eletricidade nos circuitos integrados da indústria eletrônica, em telefones celulares, laptop e câmeras equipamentos médicos e a espacial. A mina do Pitinga gera em torno de 1,5 mil empregos diretos e indiretos.

Exploração do ouro beneficiada

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Aprovadas em 2012, as novas regras para o licenciamento da produção de ouro no Amazonas fomentará a busca da regularização das atividades pelos garimpeiros, na avaliação do secretário da SEMGRH, Daniel Nava. Segundo ele, a expansão será favorecida porque o monitoramento e fiscalização dessa atividade serão ampliados pelos governos no âmbito estadual, municipal e federal. Expansão A SEMGRH tem discutido a possibilidade de criar uma agência em Humaitá (a 965 quilômetros de Manaus) credenciada a receber e comprar a produção do ouro no rio Madeira, onde hoje atuam mais de 3 mil famílias.

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

Barbas de molho O governo está colhendo os frutos de seus anúncios otimistas e em breve será compelido a revisar as apologias de eventuais acertos que deixaram de considerar a objetividade dos fatos. É que a sociedade não pode concordar que – com atores tão determinantes em crise – a economia brasileira seja um mar refratário de tranquilidade e proteção contra sobressaltos. E mais: a gerência do país não pode seguir a reboque do critério político sob pena de arruinar a própria credibilidade e sustento. Declarações escatológicas, por exemplo, que priorizem o crescimento com descuido das altas de preços, isto é, da inflação, têm o poder de provocar – interpretações distorcidas à parte - o salve-se quem puder, a pior sinalização que poderia nortear o momento de incertezas e temerárias surpresas para uma economia singular como a

do Brasil. Na última terça-feira, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, tentou remediar o estrago, sublinhando frases em defesa do controle da inflação. É o mínimo que se impõe fazer antes das medidas mais efetivas para afugentar o estrago. O remédio, na falta de investimento pontual, racional e eficaz na competitividade do setor produtivo, e do corte do gasto público, é a alta da taxa de juros. Tombini, pisando em ovos para evitar mais confusão, assumiu publicamente que o Banco Central não está tranquilo com o atual nível de preços, o que significa uma taxa inflacionária inquietante e fora do necessário controle. Nesse caso, mentiras sinceras não interessam, pior, são verdadeiras bombas de efeito retardado. Os juros vão subir. O BC pode decidir antecipar a alta da taxa de

juros na próxima reunião, nos dias 16 e 17 de abril, segundo analistas, como reação aos ruídos de comunicação dentro do governo sobre a condução da política monetária. Depois de se mostrar intervencionista, o que afastou a saudável interatividade e troca de propostas e sugestões com o setor produtivo, e constatar que o investimento público sob sua gerência se mostrou ineficaz, o governo Dilma ajudou o país a descobrir rapidamente que o crescimento de 7,5% ao ano baseado no consumo iria fazer água. Com descuido da infraestrutura, portanto da competitividade do país, e chamando pra briga o mercado financeiro – ninguém baixa taxas de juros por decreto – o governo achava que o PAC e o pré-sal seriam o alvorecer mágico de uma nova economia planificada. Não faltou quem lembrasse os planos

equivocados da antiga União Soviética, em que o Politburo, a mais alta conjunção de poder político do país, impunha planos e medidas à sociedade “sem combinar com os russos”. Nesta semana o Brasil foi uníssono ao reconhecer seus gargalos. Por todo canto uma inquietação emergiu contra a negligência e o atraso. Estamos assistindo à chegada da Copa da Fifa e flagramos que nem isso foi capaz de alimentar a expectativa de curto prazo de equacionamento dessa tragédia. Teremos um país em 2015 apinhado de arenas desocupadas, com uma dívidarombo a saldar, com aeroportos improvisados, mobilidade urbana catastrófica, e outras frustrações consolidadas num desfecho trágico e equivocado de gestão pública. O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), lançado em

2007 por Lula e Dilma, atribuído a ela desde sempre, com vista ao fator eleitoral, não entregou o combinado. Os portos do Amazonas costumam ir a pique, a modernização portuária de Manaus contou com agentes públicos para ser impedida e outras contradições do jogo gerencial versus eleitoral que explica e arrepia a omissão de responsabilidades. De quebra, Petrobras, explicitamente avaliada pela atual gestão, como detonada pela administração anterior, não transforma o discurso do o pré-sal em benefícios efetivos do pré-sal. Um estatismo estéril que afugenta o papel, o palpite e a bagagem do investidor privado, focado na gestão enxuta e nos resultados objetivos. Outro não poderia ser o resultado, e outra não pode ser a atitude senão colocar as barbas de molho.

Alfredo MR Lopes Filósofo e ensaísta

Nesta semana, o Brasil foi uníssono ao reconhecer seus gargalos. Por todo canto uma inquietação emergiu contra a negligência e o atraso.”


Economia

B4

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Polo naval abre novos horizontes na economia

Mais de 35 mil empregos deverão ser criados no Estado quando o projeto de modernização do setor for finalizado DIVULGAÇÃO

De acordo com dados do Sindnaval-AM, cada estaleiro demandará investimentos de quase R$ 10 bilhões, em média, recursos que deverão alavancar a indústria naval no Amazonas JULIANA GERALDO Especial EM TEMPO

A

pós muitas idas e vindas nos planos de estruturação do polo naval no Amazonas, uma longa espera iniciada em 2006 pode terminar em breve. A modernização do setor está perto de sair do papel. A finalização do projeto técnico, que atualmente está em execução pela Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Ciama) e pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra-AM), vai coincidir com o início das obras de terraplanagem do acesso ao Distrito 3, previstas para junho deste ano, enquanto que o “start” da obra do novo polo é aguardado

para 2014. Quando o novo polo naval estiver em pleno funcionamento, o setor deverá empregar 35 mil pessoas, mais que o dobro do contingente de trabalhadores que atua hoje nas empresas do setor. Para tornar o polo naval uma atividade rentável para a economia do Estado, os investimentos chegarão à ordem de R$ 10 bilhões por cada estaleiro. “Quando o polo se tornar realidade, o Amazonas terá um novo fôlego, somando-se ao segmento de exploração de petróleo em nossa região bem, como ao Distrito Industrial, que hoje é responsável por mais de 80% de faturamento”, afirma o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção

FUTURO

O projeto do novo polo naval para o Amazonas é audacioso. Além de fabricar novas embarcações civis e militares, o Estado tem planos para se tornar referência na manutenção de grandes navios Naval, Náutica, Offshore e Reparos do Amazonas (Sindnaval-AM), Matheus Araujo. A expectativa da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) é de que o novo polo transforme o Amazonas em uma referência na construção e no reparo de

navios no país. “As indústrias do Polo Industrial de Manaus (PIM) não olham paras as potencialidades regionais. A construção do polo naval é uma nova matriz que dará um impulso enorme para a economia do Estado”, avalia o vice-presidente da Fieam, Nelson Azevedo. Perfil Atualmente, sete estaleiros de médio porte (sendo quatro europeus e três brasileiros, entre eles um para construir embarcações militares) estão confirmados para ocupar a área de aproximadamente 32 quilômetros lineares no bairro do Puraquequara. Além dessas empresas, 60 pequenos estaleiros também devem ocupar o espaço.

AM desperta interesse mundial Ao menos mais quatro novas missões internacionais de prospecções de negócios, ou seja, visitas de interesse para instalação de estaleiros no futuro polo, estão previstas para este ano. “Eles querem conhecer o nosso sistema de incentivos fiscais federais e estaduais e a política de criação do Distrito 3”, conta o presidente do Sindnaval-AM, Matheus Araújo. Segundo ele, apenas nos últimos dois meses duas missões chinesas, uma norueguesa e uma holan-

DIVULGAÇÃO

TRANSPORTES

Logística receberá investimentos O segmento de logística do Amazonas também demonstra interesse na área do chamado Distrito 3, onde será instalado o polo naval. Até julho deste ano, um estudo de viabilidade idealizado por representantes do setor logístico e pelas empresas de navegação do Estado deve ser entregue à Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (Seplan-AM). O documento permitirá a integração dos dois polos e tirar a área de logística do “status” de gargalo para alternativa de grandes negócios no Estado. Conforme o presidente do Sindicato das Empresas de Navegação do Estado do Amazonas (Sindarma), Claudomiro Carvalho, a ideia é criar um centro logístico para recolher a carga do Polo Industrial de Manaus (PIM) em um único espaço, facilitando o trânsito de mercadorias e a dinâmica

desa estiveram no Estado para conhecer o novo polo naval. “No próximo dia 13 vamos receber 11 empresas do setor náutico da Finlândia. Uma visita que demonstra o potencial que o Amazonas tem para receber investimentos internacionais”, comemora Matheus Araújo. O presidente do sindicato informou, ainda, que encontros com estaleiros dos Estados Unidos, Espanha, Inglaterra e Canadá também estão previstos para 2013.

da atividade no parque fabril. O hub iria também atrair empresas de fora de Manaus para escoar produtos para outros lugares por meio do centro. “A logística representa um bom negócio, se for estruturada.

PORTOS

Para o empresariado, o desenvolvimento econômico do Estado vai depender da construção de novos terminais portuários e da revitalização dos já existentes na região Com a área disponibilizada, poderemos recolher toda a carga (insumos e produtos) em um único local e dar a destinação devida, que pode ser por meio de modal aéreo ou hidroviário”, detalha o empresário.

Vantagens Segundo Claudomiro, uma das principais vantagens é que o centro desafogaria os pátios das indústrias, aumentando a área das empresas que hoje sofrem com problemas de terreno. “Um centro distribuidor com dimensão suficiente para acolher todos os produtos e insumos sem ocupar espaço faria essa função com eficiência, dando agilidade ao escoamento e, portanto, um maior faturamento para as empresas”, frisa. Outra vantagem, segundo o secretário executivo da Seplan-AM, Ronney Peixoto, é transformar Manaus num polo de escoamento de produtos. “Apenas com o porto da Hermasa, em Itacoatiara, que escoa grão do Mato Grosso, o Amazonas é o terceiro maior movimentador de produtos agrícolas do país. Significa que temos grande potencial para negócios logísticos”, avalia.

Atividade tem alguns gargalos Para logística se tornar alternativa viável, são necessários grandes investimentos portuários e um tratamento adequado por parte do governo federal. Quase R$ 600 milhões foram investidos nos portos da Siderama e das Lajes, mas nenhum foi inaugurado. “Todos os problemas precisam ser pensados antes de estabelecer a logística como alternativa”, diz o vicepresidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Nelson Azevedo. Precariedade da logística é um dos principais desafios do AM


Economia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

B5

IPTU veio com reajuste médio de 20% em 2013

Segundo a prefeitura, aumento ocorreu em função da correção da planta de valores imobiliários prevista pela lei 1.628/2011 IONE MORENO

JULIANA GERALDO Especial EM TEMPO

O

reajuste médio de 20% sobre os valores pagos no ano anterior no Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) deste ano foi um dos destaques nesses cem dias de mandato do prefeito Arthur Neto. A distribuição dos novos carnês para os 510,4 mil contribuintes efetuarem o pagamento do imposto vem sendo efetuada desde o último dia 1º de abril. Segundo a Secretaria Municipal de Finanças, Planejamento e Tecnologia (Semef), o principal motivo do reajuste foi a correção na planta de valores imobiliários prevista na lei 1.628 de 2011. A legislação que atualizou a base de cálculo do IPTU dividiu a correção em aumentos de 20% distribuídos em 5 anos, com o início da aplicação no ano passado. A Unidade Fiscal do Município (UFM) também sofreu reajuste de 5,9%, passando de R$ 70,44 para R$ 74,59. Conforme a nova base de cálculo, A UFM é multiplicada pela área do imóvel e do terreno formando o valor a ser pago

e refletindo no aumento da cobrança de tributos. Outro fator apontado pela Semef para o aumento foram as 39 mil atualizações de contribuintes, entre janeiro e março deste ano, que não pagavam o tributo correto devido a erros cadastrais. “Aqueles contribuintes que realizaram modificações nas suas propriedades também devem re-

REGISTRO

Para 2013, 551 mil inscrições foram registradas. Deste total, 40,6 mil são isentos ou imunes. Em 12 meses, 150 mil contribuintes que não recebiam a cobrança tiveram seus cadastros atualizados

ceber o boleto com reajustes”, informou o subsecretário da Semef, Armínio Sousa. Com as alterações, a expectativa da secretaria é de que a arrecadação do imposto seja de R$ 214,3 milhões. Em 2012, no primeiro ano de correções, o valor pago pelo contribuinte, dependendo do terreno e da localização da

propriedade, ultrapassou os 100% de aumento sobre o ano anterior. Pagamento A regulamentação do IPTU, por meio do decreto n.º 2.210 de 2013 definiu o pagamento em cota única ou sete parcelas mensais. A data do primeiro vencimento foi fixada no dia 10 de maio e a última parcela pode ser paga até o dia 8 de novembro. Os contribuintes que optarem pela cota única terão descontos de 20% no pagamento caso estejam em dias com o Fisco municipal, e de 10% em caso de inadimplência. O Documento de Arrecadação Municipal (DAM) está disponível no site da Prefeitura de Manaus - www.manaus. am.gov.br -, e as entregas dos carnês devem ser concluídas até o final deste mês. Caso haja problema na entrega dos carnês, o contribuinte deve procurar os Postos de Atendimento ao Cidadão (PACs) ou imprimir o boleto na internet com cinco dias de antecedência do vencimento da primeira parcela. O contribuinte pode procurar o atendimento do Manaus Fácil, na rua Japurá, 488, Praça 14.

Conforme a Semef, a entrega dos carnês deverá ser concluída até o final deste mês de abril


B6

País

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Caso Nardoni faz 5 anos e defesa quer anulação do júri A

defesa do casal condenado pela morte de Isabella Nardoni, ocorrida há 5 anos, ainda aguarda o resultado dos recursos impetrados em instâncias judiciais superiores pedindo a anulação do júri por impossibilidade de defesa em virtude do alegado pré-julgamento midiático e pela proibição de transmissão televisiva do julgamento, além da adequação da pena considerada muito alta. A expectativa do advogado Roberto Podval, que representa Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, é que as decisões sejam julgadas pelo Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal até o final do ano. “A gente está aguardando e temos esperanças, lógico, que se conserte um dos maiores erros jurídicos desse país”, disse o defensor. Segundo ele, o julgamento do caso Isabella já começou “resolvido”. O pai e a madrasta de Isabella foram condenados, respectivamente, a 26 anos e oito meses e a 31 anos de detenção no dia 27 de março de 2010. “Não acredito que tenha tido chance de defendêlos porque tamanha foi a exposição que todo mundo sabia o resultado antes de começar o

AE

Defesa do casal acusado de matar a filha, Isabella Nardoni, alega o fato de que houve pré-julgamento midiático júri. Foi só uma etapa formalmente cumprida”, avaliou. O promotor que cuidou do caso, Francisco José Cembranelli, não crê que haja alguma reviravolta no caso. “Os recursos estão previstos em lei e como ele (advogado) diz, ainda há esperança, mas não acredito na alteração porque os tribunais vêm firmando

CRÍTICAS

O promotor que cuidou do caso, Francisco José Cembranelli, não crê que haja alguma reviravolta no caso e critica o fato de serem permitidos recursos que não constam mais no Código Penal Brasileiro O pai e a madrasta de Isabella Nardoni foram condenados a 26 anos e oito meses e a 31 anos de detenção, respectivamente

a mesma posição”, reiterou. Cembranelli criticou o fato de serem permitidos recursos que não constam mais no Código Penal Brasileiro (CPB). Segundo ele, o protesto por novo júri no caso de sentenças acima de 20 anos deixou de existir em 2008, com a reforma no CPB. “Só no Brasil que ficam recorrendo a instâncias mais elevadas discutindo um dispositivo que não existe mais”, salientou.

Casal se dedica a atividades atrás das grades Alexandre e Anna Carolina têm dedicado cerca de oito horas diárias, de segunda a sextafeira, ao trabalho nas oficinas da Fundação Professor Doutor Manoel Pedro Pimentel (Funap) nas penitenciárias onde

cumprem pena em Tremembé (SP). Segundo a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (SAP), enquanto a madrasta de Isabella se dedica exclusivamente à confecção, o pai participa de mais de

uma oficina. De acordo com a legislação, a cada três dias trabalhados na prisão é descontado um dia da pena. Ou seja, o detento que trabalhar 365 dias, terá uma remissão de quatro meses na punição.

No entanto, eles precisam cumprir dois quintos da pena para ter direito ao benefício. Ambos se correspondem por meio de cartas e recebem a visita dos dois filhos na prisão.


País

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

B7

Defensor público federal pode atuar em conciliação Ministério da Justiça vai propor criação de comissão para regular a atividade de defensor público federal em pequenas causas

A

mediação para resolução dos conflitos mais comuns do cidadão com o objetivo de evitar que se transformem em processos na Justiça foi pauta no 3º Encontro Nacional dos Defensores Públicos Federais, encerrado no final de semana, em Brasília. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, vai assinar portaria, na próxima semana, instituindo comissão para propor a regulação da atividade por parte dos membros da Defensoria Pública da União (DPU). O objetivo é garantir a participação de defensores públicos federais nas atividades de mediação e conciliação, segundo informou o secretário de Reforma do Poder Judiciário, do Ministério da Justiça, Flávio Caetano. A capacitação dos defensores públicos federais vai começar no início do ano que vem, por intermédio da Escola Nacional de Mediação e Conciliação (Enam), lançada em dezembro passado pelo Ministério da Justiça. A comissão do Ministério da Justiça deverá trabalhar junto com outra, formada

WALTER CAMPANATO_ABR

ontem no Senado, composta por juristas, que vai apresentar proposta de reforma da Lei de Arbitragem para fortalecimento da alternativa como solução para resolver conflitos, segundo informou o secretário. O resultado do trabalho de ambas será a formulação de anteprojeto de lei a ser

ATUAÇÃO

Os 479 defensores públicos em atuação no país prestam serviço em 56 cidades nos 26 Estados e no Distrito Federal. Em dezembro de 2012, foi sancionada a lei que criou 789 novos cargos de defensores

elaborado no prazo de 180 dias. Para o diretor da Escola Superior da Defensoria Pública da União, Alexandre Oliveira, “os cidadãos confundem as atribuições do Ministério Público, da Defensoria Pública e das varas dos juizados especiais”. Segundo ele, “em certas

atividades, os interesses da DPU se confundem com as funções do Ministério Público, que tem a função de defender os interesses da coletividade, da sociedade como um todo, abrangendo cada cidadão, mas de forma coletiva”. De acordo com Alexandre Oliveira, a missão da DPU é mais particularizada, especificamente para atender aos necessitados, às pessoas pobres que não têm condições de pagar advogados para resolver suas questões. Os 479 defensores públicos em atuação no país prestam serviço em 56 cidades nos 26 Estados e no Distrito Federal. Em dezembro de 2012, foi sancionada a lei 12.763, que criou 789 novos cargos de defensores, e que ainda serão preenchidos. Foram atendidas pelos defensores públicos federais no ano passado 565.215 pessoas, com acompanhamento de 515.871 processos. O número de atendimentos em 2012 foi 17,6% superior a 2011 (480.538) e o acompanhamento de processos cresceu 26,6% em relação aos 407.429 de 2011.

José Eduardo Cardozo vai assinar portaria instituindo comissão para regular atividade de defensor DIVULGAÇÃO

GRÃOS

LICITAÇÃO

Caos logístico faz encarecer o custo e afeta exportações

Petróleo brasileiro desperta o interesse de 18 países

Os atrasos nos embarques de soja, provocados por problemas nas estradas e nos portos, já afetam a comercialização do grão e reduzem o preço pago aos produtores. Nas duas últimas semanas, em pleno auge da colheita, as “tradings”, empresas que compram a matéria-prima dos produtores e a vende para os importadores, reduziram o ritmo das compras. “As empresas dizem que pararam de vender porque não têm condições de levar a soja ao mercado externo”, afirma Daniel Latorraca, gestor da área técnica do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea). “Elas querem evitar o descumprimento de contratos, como o ocorrido nesta semana com a China”, diz. A Sunrise, grande “trading” chinesa de soja, cancelou anteontem a compra de 2 milhões de toneladas do grão do Brasil.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) declarou que 71 empresas de 18 países e três territórios ultramarinos entregaram documentação de qualificação para se habilitarem a participar da 11ª rodada de licitação de áreas para exploração e produção de petróleo nas bacias sedimentares do país. Segundo nota da ANP, deste total, 19 empresas são do Brasil (país com maior número de pretendentes); oito são dos Estados Unidos; seis, do Reino Unido; cinco, do Canadá. Austrália, Ilhas Cayman e Colômbia participam com três empresas cada. Já a China tem duas empresas habilitadas, mesmo número de outros cinco países: Bermudas, Espanha, França, Noruega e Panamá. A 11ª rodada vai licitar 289 blocos em 23 setores,

Segundo dados do Imea, ao final de fevereiro 73% da atual safra de soja do Mato Grosso, principal Estado produtor, havia sido comercializada, embora a colheita tenha atingido 43% da área. A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), acrescenta que os problemas com o transporte da safra elevaram substancialmente o custo interno de movimentação dos grãos. “O frete entre Sorriso (MT) e Santos (SP) já chegou a R$ 300 por tonelada. Além disso, tem exportador pagando US$ 20 mil por dia de atraso para navios que aguardam nos portos”, afirma Daniel Furlan Amaral, gerente de economia da Abiove. Com a queda do preço internacional da soja - 4% em uma semana- e dos prêmios para estímulo à exportação, os ganhos foram reduzidos.

Estrutura precária de portos e estradas encarecem o custo Brasil

totalizando 155,8 mil quilômetros quadrados, distribuídos em 11 bacias sedimentares: Barreirinhas, Ceará, Espírito Santo, Foz do Amazonas, Pará-Maranhão, Parnaíba, Pernambuco-Paraíba, Potiguar, Recôncavo, Sergipe-Alagoas e Tucano Sul. Segundo a ANP, dos 289 blocos, 166 estão localizados no mar, sendo 94 em águas profundas, 72 em águas rasas, e 123 em terra. A 11ª rodada será realizada nos dias 14 e 15 de maio, no Rio de Janeiro. “O objetivo da 11ª rodada é promover o conhecimento das bacias sedimentares, desenvolver a pequena indústria petrolífera e fixar empresas nacionais e estrangeiras no país, dando continuidade à demanda por bens e serviços locais, à geração de empregos e à distribuição de renda”, informa a ANP.


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Vacina contra a Aids é a esperança para 34 milhões Pesquisa abriu um caminho complexo para alcançar a sonhada vacina contra o HIV e ajudar 34 milhões de infectados no mundo

O

mundo recebeu com expectativa a notícia de que pesquisadores americanos monitoraram uma poderosa resposta imune de um indivíduo ao HIV para ver como uma série de mutações levaram a um anticorpo que pode derrotar muitas variantes do vírus. A possibilidade pode ser um passo importante na direção de uma futura vacina contra a Aids. A vacina ainda permanece longe, mas a pesquisa abriu um caminho complexo que pode algum dia ser seguido para alcançar esse objetivo distante. Trinta e quatro milhões de pessoas no mundo vivem com o HIV, e 2,5 milhões são infectadas a cada ano, 50 mil deles nos EUA. “A beleza disso é que é uma grande pista para os passos sequenciais do vírus e dos anticorpos à medida que eles evoluem”, disse Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, que financiou a pesquisa. Os vírus da gripe sofrem mutações com tanta frequência que vacinas contra a doença devem ser reformuladas a cada ano; o HIV sofre mutações em um dia no mesmo nível que o vírus da gripe em 1 ano. O estudo analisou amostras de sangue de um homem africano desde que ele foi infectado até cerca de 2 anos depois, quando ele começou a produzir anticorpos “amplamente neutralizantes”. Os anticorpos são proteínas em forma de Y que neutralizam partículas do vírus por se agarrar a todos os receptores de superfície que eles usam para se ligar às células. Esses anticorpos desenvolvidos pelo paciente foram chamados de “amplamente neutralizantes” porque eles foram capazes de bloquear cerca de 55% das diferentes cepas conhecidas do HIV. Os cientistas têm isolado

DIVULGAÇÃO

anticorpos amplamente neutralizantes há vários anos. Cerca de 20% das pessoas com HIV produzem esses anticorpos amplamente neutralizantes, explicou Fauci, mas isso só acontece de 2 a 4 anos depois da infecção, quando elas já carregam uma quantidade grande demais de mutações. Em teoria, se tais anticorpos pudessem ser clonados em grandes quantidades, um coquetel antiviral contendo variantes suficientes para corresponder a todas as cepas conhecidas do HIV poderia ser dado a pacientes recém-infectados. Isso é o equivalente a uma vacina de imunoglobulina, como as que já foram o único tratamento para algumas doenças como a hepatite.

INFECTADOS

Somente nos Estados Unidos 50 mil pessoas são infectadas anualmente pela Aids. No mundo vivem com o HIV 34 milhões, e 2,5 milhões são infectadas a cada ano Mas isso seria muito caro, e o tratamento teria de ser dado para a vida toda. E medicamentos antirretrovirais, que custam centavos para serem produzidos, fazem a mesma coisa: impedem a replicação do vírus. No entanto, se um paciente saudável recebesse uma vacina que induzisse suas células de defesa a produzir esses anticorpos, eles poderiam nocautear a infecção futura. Como as células que produzem anticorpos têm que passar por até cem mutações antes de fazer outras amplamente neutralizantes, disse Fauci, uma vacina para induzir isso exigiria muitas aplicações, mês após mês, para “empurrar” as células através dessas mutações. DIVULGAÇÃO

Cientistas até agora não conseguiram produzir uma vacina contra a Aids, porque o HIV sofre mutação muito rapidamente

CRUZ VERMELHA

TRAGÉDIA

Tensão política na Argentina aumenta após fortes chuvas

Críticos afirmam que Cristina tratou a tragédia com miopia

As fortes chuvas que causaram pelo menos 59 mortes nas cidades de Buenos Aires e em La Plata aumentaram a tensão política na Argentina. A tragédia tem motivado uma troca de farpas entre a presidente Cristina Kirchner e dois pré-candidatos à sua sucessão nas eleições de 2015, o prefeito da capital argentina, Mauricio Macri, e o governador da província, Daniel Scioli. A tragédia ocorreu primeiro em Buenos Aires, onde houve oito mortes e cortes de luz em vários bairros. No dia seguinte, atingiu La Plata, onde causou 51 mortes. As acusações começaram na terça-feira, quando Buenos Aires foi atingida. Membros da cúpula kirchnerista fizeram críticas a Macri por não reagir a tempo e não realizar as

obras que permitiriam o escoamento das águas. “O temporal foi anunciado 20 horas antes pelo Serviço Meteorológico Nacional, e a prefeitura não tomou providências. O que acontece é que Macri está de férias”, disse o ministro do Planejamento, Julio De Vido. O prefeito estava em Trancoso, na Bahia, mas voou nas primeiras horas para Buenos Aires. As posições se inverteram, porém, no dia seguinte, quando La Plata, importante reduto político kirchnerista e cidade-natal de Cristina, foi atingida. A presidente, que não havia se pronunciado sobre a tragédia, viajou ao local de helicóptero, onde foi duramente vaiada. Ali, manteve uma fria reunião com Scioli, com quem está atritada.

Crise humanitária piora rapidamente na Síria A situação humanitária na Síria está se agravando rapidamente, com alguns cenários de “devastação e destruição”, disse a Cruz Vermelha no final de semana, após um mês que os ativistas disseram ter sido o mais sangrento até agora no conflito. Cerca de 70 mil pessoas foram mortas e milhões deslocadas durante o levante que já dura 2 anos, segundo a ONU. Os civis tiveram cortados os fornecimentos de água, eletricidade e suprimentos médicos vitais, especialmente em áreas controladas pelos rebeldes que são alvo de ataques aéreos e de mísseis balísticos. Restrições do governo sírio sobre comboios de ajuda significam que a maioria dos suprimentos é distribuída somente em áreas controladas pelo governo. Peter Maurer, presidente do

Comitê Internacional da Cruz Vermelha, disse que os trabalhadores humanitários tinham sido capazes de fazer mais viagens para áreas mantidas pela oposição nas últimas duas semanas, indicando que Damasco pode estar suavizando sua posição sobre a incursão de comboios humanitários nesses territórios. Ele disse que os trabalhadores não ficaram “surpreendidos agradavelmente” com o que encontraram em áreas acessíveis pela primeira vez, com uma maior necessidade de alimentos, água, saneamento e medicina. “Nós vimos devastação e destruição”. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos afirmou, semana passada, que março foi o mês mais sangrento no conflito entre opositores ao regime de Bashar al-Assad, com mais de 6 mil pessoas mortas, sendo um terço de civis.


Caderno C

Dia a dia MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

diadia@emtempo.com.br

(92) 3090-1041

ARQUIVO EM TEMPO/ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Desafios dos cem dias de gestão Páginas C4 e C5

Pesquisa mostra índices sobre mobilidade urbana MANOEL VAZ/SEMCOM

Levantamento dos dados foi realizado pelo portal Mobilize, da Oscip Associação Abaporu, entre as capitais brasileiras

Terminal de integração da avenida Constantino Nery, Centro: pesquisa do portal Mobilize mostrou que renda mensal do manauense lhe permite comprar somente 332 passagens mensais IVE RYLO Equipe EM TEMPO

M

anaus conquistou as piores colocações nos indicadores de mobilidade urbana, segundo pesquisas divulgadas pelo portal Mobilize, organizado pela Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Associação Abaporu. Os quesitos que analisam a existência de calçadas, placas de rua, arborização e a quantidade de “passes de ônibus” que podem ser adquiridos com a renda média mensal da população, renderam à capital a última colocação. Os dados foram contestados por alguns ges-

tores municipais. Segundo a pesquisa, a renda mensal do manauense o permite adquirir 332 passagens de ônibus ao mês. O dado deixou a capital na última colocação, atrás de Salvador (BA), com 402, e Campo Grande (MS), com 437. O primeiro lugar ficou com Brasília (DF), com 1.049, seguido de Florianópolis (SC), com 777, e Porto Alegre (RS), com 746. Segundo pesquisa, 50,4 % dos domicílios de Manaus possuem calçada no entorno. A penúltima colocação foi de Florianópolis, com 62,3%. As capitais com maior quantidade de domicílios servidos de calçadas foram Belo Horizonte (MG), com 93,7%, e São

NÚMEROS

332 PASSAGENS

É o que a renda mensal do manauense permite adquirir, segundo levantamento do portal Mobilize Paulo (SP), com 92,6%. A ausência de placas de rua também foi constatada no levantamento. Segundo o portal, apenas 41,5% dos domicílios possuem identificação de logradouro no entorno. As cidades mais bem

colocadas foram Goiânia (GO), com 93,9%, e Curitiba (PR), com 93,2%. Até na avaliação da arborização, Manaus foi enquadrada na última posição. Apenas 23,9% dos domicílios possuem arborização nas proximidades. O ouro foi para Campo Grande, com 96,3%, e a prata, para Goiânia, com 89,3%. No indicador que mede a quantidade de domicílios com rampa para cadeirantes nas proximidades, Manaus também ocupou a antepenúltima posição, com 2,4 a cada 40 domicílios. Os últimos lugares são de Salvador, com 2,2, e Fortaleza (CE), com 1,6. Campo Grande ocupa a primeira posição, com 24,7. ARQUIVO EM TEMPO/ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Poucas calçadas e árvores Manaus também ocupa a última posição entre as capitais que possuem domicílios com calçadas no entorno. A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação (Seminfh) informou por meio de nota que a partir de junho começa a executar o projeto “Calçada Feliz”, que vai reparar, reformar e construir calçadas na capital. Também está programado para 2014 o início do projeto “Nova Manaós”, que vai restaurar o centro de Manaus, as marinas e tudo o que diz respeito à mobilidade urbana.

Semmas Manaus também foi citada como a cidade menos arborizada, com 23,9% de domicílios com arborização no entorno. Em nota, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) ressaltou que somente nesses cem primeiros dias de gestão quase 2 mil árvores foram plantadas, dentro do padrão de tamanho e espécie adequada à arborização em vias públicas. Também informou que a nova secretária, Kátia Schweickardt, tem a arborização urbana como a preocupação número 1. Problemas enfrentados pela cidade foram tratados na pesquisa

Desigualdade econômica Para o titular do Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Pedro Carvalho, o indicador que posiciona Manaus na última posição, em número de passes que podem ser adquiridos com o valor da renda mensal, denuncia a desigualdade salarial entre os Estados brasileiros. “Na minha opinião essa comparação está levando em consideração a renda do amazonense. Uma das coisas que a pesquisa mostra é que aqui, em termos salariais, se ganha menos que em outras cidades. Dá para perceber que quanto mais para o sul do país, a média salarial é mais alta, e quanto mais para o norte, é mais baixa”, aponta. Ele também salientou que a pesquisa não levou em consideração variáveis importantes como a integração temporal e as meias-passagens. “Eles não consideram que 27% dos usuários têm valetransporte e outra porcentagem utiliza o passe estudantil”, declarou. “Deve-se considerar também que em muitas cidades as pessoas, para se deslocar, usam mais de uma tarifa. Não é o caso de Manaus, que tem integração temporal. A pesquisa não retrata o prático”, acrescentou.

Implurb Sobre o indicador apontado pelo portal Mobilize que classifica Manaus como a antepenúltima cidade que possui domicílios com rampa para cadeirantes na proximidades, o Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb) informou que uma das prioridades da atual gestão é mudar a realidade apontada pela pesquisa com o projeto

DIVERGÊNCIA

Segundo Pedro Carvalho, diretor da SMTU, os dados denunciam as desigualdades salariais que ocorrem entre os Estados brasileiros, aumentando em relação ao sul do país

“Calçada Livre” - construção de novas calçadas dentro de padrões já previstos, que incluem qualidade do piso, entre outros. Acerca do estudo que aponta que apenas 41,5% dos domicílios possuem placas de rua, o órgão ressaltou que a prefeitura irá abrir licitação para buscar empresas interessadas em explorar publicidade na sinalização das vias de Manaus.


C2

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Ponta Negra será ‘point’ da saúde neste domingo Pelo menos 5 mil pessoas são esperadas para atividades do Dia Mundial da Saúde, simultâneas nas 12 cidades-sede da Copa

ARQUIVO EM TEMPO/MÁRIO OLIVEIRA

O complexo da Ponta Negra se transformará em ponto de encontro da população para diversas atividades físicas alusivas ao Dia Mundial da Saúde, com iniciativas da prefeitura e do Estado

A

programação organizada pela Prefeitura de Manaus para comemorar o Dia Mundial da Saúde deve reunir 5 mil pessoas na Ponta Negra neste domingo, de 8h30 às 12h. A comemoração vai ocorrer simultaneamente nas 12 cidades que receberão jogos da Copa do Mundo de 2014 e faz parte das estratégias do Ministério da Saúde para promover e incentivar a prática de atividades físicas e a alimentação saudável. A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), em parceria com outras secretarias e instituições, montou uma programação que pretende atender crianças, adolescentes, adultos e idosos. Serão montados 11 estandes para a abordagem de ações de prevenção e controle do tabagismo e de orientação nutricional, educação no trânsito e cuidados com o meio ambiente, além de orientações sobre a prevenção ao câncer de pele e contra doenças como hipertensão e diabetes. A população terá acesso à atividade lúdica com teatro de fantoche, cantinho da leitura, desenho, jogos pedagógicos sobre educação no trânsito, shantala para bebês e atividades físicas para gestantes. Serão desenvolvidas ainda ações de educação ambiental com a doação de mudas frutíferas e artesanais e orientação sobre a correta destinação de resíduos sólidos e líquidos. A Prefeitura de Manaus vai oferecer também atividades recreativas como jogos de dominó, xadrez e tênis de mesa e atrações culturais com os Palhaços da Alegria, Boi Garantido e Boi Caprichoso, e

apresentação do Grupo de Teatro Rio Nascer. Haverá a oportunidade para a população participar de ginástica laboral, caminhada, dança de rua, passeio ciclístico, atividade física para a melhor idade, capoeira e macroginástica. Todas as 12 cidades que realizarão o evento irão contar com a presença de um atleta de destaque. Manaus vai receber o atleta parintinense Jander Cardoso Nunes, um dos principais nomes do atletismo amazonense e que conquistou a medalha de bronze no Troféu

INICIATIVA

A comemoração simultânea do Dia Mundial da Saúde nas 12 cidades que irão receber os jogos da Copa de 2014 é uma estratégia do Ministério da Saúde para promover e incentivar a prática saudável

Brasil de Atletismo 2011. Da parte do governo estadual, haverá gratuitamente quatro atividades esportivas e duas recreativas durante a programação. De acordo com o Departamento de Eventos da Secretaria de Estado da Juventude, Desporto e Lazer (Sejel), as atividades esportivas são ginástica laboral, caminhada orientada, gerontocapoeira e macroginástica. Já o conteúdo recreativo terá dança da terceira Iidade, sob a responsabilidade do Centro de Convivência do Idoso de Aparecida, e swingueira, com participação dos jovens do Programa Galera Nota 10.

Contribuição do Estado no programa

Serviços variados para todos

A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) também prestará a sua contribuição com a programação. Os alunos da Universidade Aberta da Terceira Idade (Unati) farão apresentação do Grupo de Teatro Rio Nascer. O combate ao tabagismo será o tema principal das encenações que serão realizadas. Na ocasião, alunos dos cursos de medicina, odontologia e enfermagem – que integram o projeto “UEA Cidadã”, também estarão no local para orientar a respeito de saúde e bem-estar nutricional de crianças, jovens e adultos. Os interessados poderão consultar dados como altura, peso, medicação de circunferência abdominal e receber instruções que os ajude a evitar sobrepeso, obesidade, entre outros. As gestantes poderão contar com informações sobre aleitamento materno. “Nossa expectativa é a melhor possível. Também levaremos um teatro de fantoches que será feito por nossos alunos”, informa a coordenadora do “UEA Cidadã”, professora Márcia Costa.

Para destacar o tema do Dia Mundial da Saúde 2013, “Viver com saúde é uma grande vitória”, a Semsa também vai montar na Ponta Negra um estande para oferecer teste de glicemia capilar para a detecção de diabetes, aferição de pressão arterial e avaliação do índice de massa corporal com verificação do peso e altura. De acordo com o secretário municipal de Saúde, Evandro Melo, uma das prioridades é o combate às doenças crônicas não transmissíveis, como o diabetes e a hipertensão, que podem ser evitadas e controladas através de uma alimentação saudável e da prática regular de exercícios físicos. “A participação da população em eventos como o Dia Mundial da Saúde é importante para que se possa conscientizar contra a hipertensão e a diabetes, doenças que trazem sérias complicações para a saúde das pessoas e que podem levar à morte”, destacou Evandro Melo.

Programação Semsa Coordenação geral do evento, apoio logístico, envolvimento nas atividades educativas e assistenciais nos estandes de saúde. Manauscult Apresentação dos Palhaços da Alegria e boibumbás. Esporte e lazer Xadrez, dominó, tênis de mesa e caminhada orientada. Meio ambiente Orientação e exposição para sensibilização de utilização dos resíduos, como óleo de cozinha, garrafas PET e distribuição de mudas. Manaustrans Palestras de segurança no trânsito, tapete pedagógico, jogos pedagógicos e controle do trânsito durante o evento. Detran Oficina lúdica e teatro de fantoches. Secretaria de Estado da Juventude, Desporto e Lazer (Sejel) Ginástica laboral, atividade cultural, caminhada orientada e capoeira. Faculdades Ciesa e Martha Falcão Conscientização sobre

câncer de pele e prevenção. Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) Espaço lúdico com a Semsa (Disas), estande com teatro de fantoches, corrida e orientação sobre doenças e espaço mãe/bebê. Universidade do Estado do Amazonas (UEA/Unat) Apresentação do Grupo de Teatro Rio Nascer, adesivagem de carros, orientação de combate ao fumo e saúde bucal. Grupo Pedala Manaus Orientação e exposição de bicicletas. Polícia Militar Segurança pública. Samu Assistência em saúde em conjunto com o SOS Vida. Exército Cessão e montagem de estandes. Implurb Acompanhamento da infraestrutura do evento e manutenção do anfiteatro. Semulsp Manutenção da limpeza no local.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

C3

Tecnologia surge a favor da pesquisa na Suframa Projeto de informatização do Poder Judiciário será enviado à autarquia com as devidas adequações para classe de p&d

O

projeto de informatização das comarcas e serventias extrajudiciais implantado pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) será levado à Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) com adequações necessárias para a classe de “pesquisa & desenvolvimento” (p&d) podendo usufruir do fundo gerenciado pela autarquia. Esta semana, em reunião com o corregedor-geral de Justiça, desembargador Yedo Simões, que coordena a Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) do TJAM, o superintendente da Zona Franca de Manaus, Thomás Nogueira, afirmou que a ação de tecnologia que está transformando as unidades judiciárias em comarcas digitais e visa dotar os cartórios extrajudiciais com o sistema desenvolvido pela equipe de tecnologia da informação do TJAM, vem ao encontro da responsabilidade da própria Suframa com o desenvolvimento regional. “Temos condições favoráveis para uma grande parceria, visto a importância, repercussão social, alcance e valores do projeto do Judiciário”, afirmou o superintendente da Sufra-

MÁRIO OLIVEIRA/TJAM

ma, após ouvir a exposição do desembargador Yedo Simões sobre os resultados e benefícios das ações de tecnologia postas em prática no interior do Estado. Parcerias Segundo o desembargador Yedo Simões, as parcerias são de extrema importância e o planejamento do TJAM é interligar todas as 59 unidades judiciárias do Estado até outubro de 2013. “É um projeto de inclusão social e cidadania. O Poder Judiciário está indo até a população desassistida do nosso interior e faremos melhor unindo esforços”, afirmou. A economia para os cofres do TJAM será em torno de R$ 24 milhões por ano, a partir dos convênios firmados com o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) e a empresa de Processamento de Dados do Amazonas (Prodam). “Geramos os dados dos processos virtuais nas unidades judiciárias digitais por meio das antenas do Sipam e utilizamos a fibra óptica da Prodam no caso de Presidente Figueiredo, que foi nossa primeira comarca totalmente virtualizada”, explicou o desembargador Yedo.

Benefícios para as empresas

Reunião entre corregedoria e Suframa mostrou as vantagens do projeto de informatização

Virtualização que reduz gastos A redução de gastos gerada pela virtualização das comarcas para os cofres do TJAM afeta também as correições no interior do Estado, cujo acesso na maioria das vezes precisa ser por via aérea. Somente para abastecer a aeronave para o deslocamento da equipe, o Poder Judiciário

gasta R$ 15 mil, além da despesa no pagamento das diárias de juízes e servidores da capital que precisam permanecer trabalhando em outro município. Outra economia citada pelo corregedor-geral de Justiça se refere ao Projudi, que está totalmente adaptado à realida-

de da rotina de movimentação processual podendo ser utilizado em qualquer sistema. “É um programa que vem ao encontro das metas do próprio Conselho Nacional de Justiça em termos de tecnologia para o Poder Judiciário como um todo”, afirmou o desembargador Yedo Simões.

As empresas beneficiadas com os incentivos fiscais do modelo ZFM por lei precisam disponibilizar 5% dos recursos arrecadados para investimentos que visam o desenvolvimento da Amazônia. Um percentual de 10% da arrecadação é gerenciado pela Suframa, o que possibilita parcerias com Estados e municípios, instituições de ensino e pesquisa e cooperativas. O fundo também financia projetos de apoio à infraestrutura econômica, produção, turismo, pesquisa & desenvolvimento e de formação de capital intelectual com objetivo de minimizar o custo amazônico, entre outras ações.


C4

Dia a dia MÁRIO OLIVEIRA/SEMCOM

O prefeito Arthur Virgílio Neto completa seus primeiros 100 dias de gestão

Atendimento a autistas: um dos avanços da gestão atual na área de saúde

A cidade se tr Perto de completar os primeiros 100 dias de gestão, Arthur Neto mostrou que pelo menos boa vontade não falta para tentar resolver os problemas que assolam a capital amazonense às vésperas da Copa do Mundo de 2014, da qual será subsede LUCIANO LIMA Equipe EM TEMPO

O

abastecimento e a qualidade da água distribuída em Manaus são dois grandes desafios lançados ao atual prefeito Arthur Virgílio Neto, prestes a completar 100 dias à frente do comando na capital amazonense na próxima quarta-feira (10). Um dos principais agravantes - e diga-se de passagem o maior desafio - é o atual cenário do abastecimento na cidade, que arrola antigos problemas, frutos da herança de gestões anteriores. Indispensável à vida humana, a água na torneira do povo manauense acabou virando um verdadeiro “folclore”, deixando quase que conformado dia após dia o consumidor, principalmente das Zonas Norte e Leste de Manaus. O rompimento de algumas adutoras desde o início do ano, em diversos pontos da capital, tem tirado a paciência e o sono da população, e nesse mesmo ritmo testado de todas as maneiras o preparo da prefeitura e secretarias para situações de crise. O segurança Waldir Soares, 46, morador do conjunto Nova Cidade (Zona Norte), é um dos milhares que sofrem com a falta de água. “Sou morador aqui do Nova Cidade há 10 anos e sempre tivemos grandes problemas em relação à água. Antes tínhamos horário programado para tê-la nas torneiras, e hoje isso é bem difícil, nunca sabemos quando que teremos que aparar o líquido para tomar banho ou lavar louça”, falou. “No final de semana fica ainda mais complicado, pois é o momento que queremos estar em casa e descansar, e sem água fica complicado. A tarifa chega e se atrasarmos

chega o aviso de corte que chega até ser irônico, já que nem chega água nas torneiras”, falou Soares. No controle e também no descontrole da situação, a Manaus Ambiental, que é atual concessionária de abastecimento de água e esgotamento sanitário, de fato é uma das responsáveis pelos transtornos causados. A falta de água, a ausência de saneamento e o descumprimento das cláusulas acordadas em contrato com a prefeitura tornam-se qualificadoras para que o fato seja considerado altamente grave em uma cidade rodeada por grandes bacias hidrográficas. A concessionária, que atualmente passa por auditoria, tenta reverter o pesadelo diário de milhares de pessoas que sofrem com a qualidade dos serviços oferecidos pela mesma. Saúde E como não falar de água e não associar à saúde do manauense? A cidade, como qualquer outra capital, padece ainda com alguns entraves na área da saúde e atendimento básico, claro que com menos agravantes que marcaram anos anteriores. O alerta sobre a dengue e o número de casos de pessoas infectadas pelo mosquito Aedes aegypti gerou estado de atenção na capital nesses três primeiros meses. Entre fevereiro e março, foram registradas três mortes pela doença e um aumento de 77,4% no número de notificações em relação ao mesmo período de 2012, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Em contrapartida, a prefeitura vem demonstrando total atenção, apresentando programas junto à Semsa de sensibilização e combate ao mosquito.

Camelôs no Centro: nova gestão abriu diálogo para, enfim, resolver a situação


MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

ALTEMAR ALCÂNTARA/SEMCOM

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Transporte público: problema que se repete e é um dos desafios da prefeitura

ransforma MÁRCIO JAMES/SEMCOM

Diálogo direto com a população Em quase 100 dias, Arthur tem mantido diálogo direto com a população, que clama providências no contexto geral da qualidade de vida em Manaus. Por outro lado, a classe do comércio informal, os camelôs, também buscam uma maneira digna e viável para garantir a sobrevivência por meio do sustento na venda e comercialização dos seus produtos. A estratégia da prefeitura para requalificação é garantir conforto com a realocação das bancas cadastradas para os shoppings populares. Arthur tem colocado o Centro também como foco analítico para grandes mudanças, tanto na parte urbanística quanto humana. Em tempos de Copa do Mundo, isso também tem sido recorrente. Os camelôs vivem um

grande dilema quanto ao destino do comércio informal naquela área. Socorro Freitas, 45, é camelô desde pequena e também uma das mães de família que lutam por uma solução que beneficie tanto a requalificação do Centro quanto aos informais ali alocados. “Nós somos amazonenses e merecemos um espaço que nos proporcione dignidade. O Centro está bagunçado, mas parte dessa culpa também é do poder público”, declarou. Visto que a roda de negociações com esse nicho de comerciantes está longe de acabar, o que se espera, no mínimo, é o diálogo tranquilo e pacífico, como de fato tem sido junto às secretarias já estabelecidas e as comissões formadas para auxiliar na reestruturação das áreas públicas na competência da gestão.

Vista aérea do Centro de Manaus, cuja parte histórica recebe maior atenção IONE MORENO

Transporte público é o desafio O exaustivo e caótico sistema de transporte público é outro fator que tem desanimado milhares de usuários na capital, que somado aos gargalos formados no trânsito e o aumento gradativo na frota de carros, transformou-se no pesadelo de quem espera uma cidade pronta para a Copa do Mundo. A mobilidade urbana e o problema da água podem ser os grandes trunfos da atual gestão, e o sistema que pode garantir maior trafegabilidade talvez seja o BRT (Bus Rapid Transit), em fase licitatória. A cabeleireira Ray Lima, 58, usuária do sistema de transporte coletivo, torce para que o problema seja um dos diversos que serão solucionados. “Confesso

que fico triste quando vejo ônibus superlotados na cidade. Muitas pessoas não têm condições de ter um carro ou pagar um

FUTURO

A mobilidade urbana e o problema da água podem ser os grandes trunfos da atual gestão, e o sitema que pode garantir maior trafegabilidade talvez seja o BRT, em fase de licitação

táxi. Mas qual grande capital não tem problemas? Por isso tenho esperança que esse problema será resolvido, seja com BRT ou com o tão sonhado monotrilho”, contou.

C5


C6

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

RICARDO OLIVEIRA

Lucas Smith e seus alunos do Centro Educacional Adalberto Vale: método simples de utilizar o desejo dos estudantes para inserir conhecimento de diversas disciplinas sem parecer chatice

Transformar a educação é o novo papel da juventude

Projeto de egresso do ensino médio alia o ensino à escolha de fatos pelos próprios alunos, gerando interesse dos estudantes GUILHERME ALVES Equipe EM TEMPO

O

s índices educacionais não apenas têm se desenvolvido a passos lentos como também são considerados baixos quando comparados a outros Estados. Foi com essa preocupação que um estudante do ensino médio decidiu inovar na maneira de ensinar os assuntos considerados difíceis em sala de aula. Ex-aluno do Centro Educacional Adalberto Vale, Lucas Smith Ferreira de Vasconcelos, que foi orientado pelos professores Marçal Leal e Marcel Siqueira, apresenta em seu projeto uma maneira inovadora de ministrar as aulas. Nela, os alunos são quase tão atuantes quanto o professor na hora de definir a maneira como um assunto seria ensinado. Para isso, o jovem pesquisador propôs que 50 minutos semanais de aulas fossem disponibilizados para os alunos realizarem uma pesquisa sobre o que mais lhes interessasse, não importava a escolha, contanto que apresentassem um relatório explicando o motivo da seleção, as fontes da pesquisa e detalhando a opinião sobre o assunto. Com o resultado obtido, escolhe-se o tema mais comum citado pelos alunos e apresenta-se aos professores para que encontrassem uma maneira de ministrá-lo em sala de aula. Com o título “Motivação na escola: uma análise dos resultados de motivações intrínsecas e extrínsecas em diversas tarefas acadêmicas”, o projeto já garantiu ao autor o terceiro lugar na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace) de 2012 na área de ciência humanas e mais um certificado de reconhecimento internacional da Escola Mu Alpha Theta, da Universidade de Oklahoma, nos Estados Unidos. O propósito do projeto é dar uma nova perspectiva aos alu-

nos que têm dificuldade em uma determinada matéria, mas que podem aprender por meio daquilo que mais gostam, além de incentivar os professores a se renovarem na maneira de ensinar. Na primeira aplicação da ideia, em fevereiro deste ano, a maioria dos alunos apresentou um relatório sobre o meteorito que atingiu a Rússia no dia 15 daquele mês. De acordo com o coordenador do ensino médio do Adalberto Vale, professor Marçal Leal, os educadores toparam o desafio e os resultados foram surpreendentes. ”Foi muito interessante, o professor de física apresentou a trajetória do asteroide, o professor de química ministrou sobre a composição química do

ENTENDA

Lucas Smith propôs que 50 minutos semanais de aula fossem disponibilizados para os alunos realizarem pesquisas sobre o que lhes interessasse, a partir daí utilizando o tema para ministrar aulas

meteoro, e no caso da disciplina geografia, os alunos estudaram os impactos ambientais e econômicos caso o objeto espacial caísse no Brasil. O aluno que não gostava de química, gostou e aprendeu sobre o assunto porque estava relacionado ao meteoro”, explicou. Em seu período experimental, o projeto é aplicado apenas para os alunos do 2º ano do ensino médio da escola e até o momento tem apresentado resultados satisfatórios. “O projeto ainda está em fase de experiência, mas até agora não foi encontrado nada necessário para mudar e o rendimento dos alunos tem sido bom, eles têm prestado mais atenção”, acrescentou.

O amor pela tarefa de ensinar outros Recém-formado no ensino médio, Lucas Smith passou nos vestibulares da Universidade Federal do Amazonas (UEA) para engenharia, Universidade Federal de Viçosa (UFV) em engenharia elétrica, direito na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e medicina também na Ufam, opção que decidiu cursar, porém seu sonho é ser professor. Baseado nesse desejo, o jovem pesquisador aceitou o convite para dar aula junto com os professores da escola onde se formou enquanto as aulas do curso não iniciam. “Dos cursos por que passei, medicina é o único que me agrada um pouco. Mas meu sonho mesmo é ser professor, é ensinar pessoas e formar cidadãos. Eu adoro ver no rosto dos meninos que eles estão adorando a aula”, afirmou Smith. De avós analfabetos e de mãe pedagoga, Lucas acredita ainda que os problemas do ensino estão exatamente na área onde gostaria de atuar: na educação de base. “Se formássemos bons alunos do 1º ao 9º ano, seria muito melhor do que apenas formar doutores e mestres. Teremos não apenas um bom profissional, mas um bom cidadão”, comentou.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

C7

Fazenda da Esperança vai abrir unidade em Portugal ISABELLE VALOIS Equipe EM TEMPO

A

Fazenda da Esperança do Amazonas será a responsável pela implantação de uma nova unidade de auxílio à recuperação de viciados em drogas em Fátima, Portugal, no dia 31 de julho. A escolha foi feita ano passado, em assembleia geral da entidade em São Paulo, por conta do exemplo de trabalho e dedicação da unidade amazonense. De acordo com um dos coordenadores da Fazenda da Esperança do Amazonas, Marcelo Augusto Jansen Sodré, a implantação do sistema em Portugal terá como base a ida de 15 pessoas que se reabilitaram em Manaus. “Esse grupo tem como finalidade a abertura da nova unidade, preparando a propriedade onde funcionará a nova fazenda para poder receber os primeiros jovens que irão se recuperar em Portugal”, explicou. A unidade em Portugal inicialmente atenderá 30 pessoas. “A missão de abertura da fazenda consiste no exercício de atividades de jardinagem, limpeza, capinação da propriedade, reparos e até mesmo o manejo de

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Grupo do Amazonas será responsável pela implantação, com previsão de inauguração para o próximo dia 31 de julho hortas, plantações e criações de animais. Tudo para que a propriedade rural tenha “cara de fazenda” e possa receber os internos. Outra vertente da missão é o trabalho de divulgação feito na diocese onde a fazenda está sendo implantada, para que a comunidade possa conhecer o trabalho e apoiar a instituição”, informou o coordenador. Para ajudar os missionários que vão iniciar o trabalho, a coordenação de Manaus realiza eventos sociais para arrecadar recursos, como uma feijoada no próximo dia 14 de abril.

SERVIÇO FEIJOADA DA ESPERANÇA Quando: dia 14 de abril Onde: quadra da Paróquia Sagrado Coração de Jesus - rua Ferreira Pena, 1.285, Centro Ingressos: R$ 10 Informações: (92) 9299-5530 Grupo que está à frente da unidade amazonense da Fazenda da Esperança: exemplo de trabalho e dedicação permitiram escolha

Experiência começou em 1983

Iniciativa do próprio interno

A primeira Fazenda da Esperança surgiu em 1983. Naquela ocasião, o pároco da Igreja Nossa Senhora da Glória, de Guarantinguetá, interior de São Paulo, frei Hans Stapel, pediu para que um dos seus paroquianos, o office boy Nelson Giovaneli, se aproximasse de um grupo de jovens que se encontravam todos os dias próximo a sua casa para consumir e vender drogas. Incentivado pelo frei a viver concretamente a palavra de Deus, Nelson se aproximou do grupo e conquistou a confiança daqueles dependentes químicos. Um deles, chamado Antônio Eleutério, foi o primeiro a pedir ajuda para se libertar das drogas. Motivados com as mudanças que notaram na vida de Antônio, seus companheiros também buscaram ajuda com o jovem paroquiano que os propôs

Para ingressar na Fazenda da Esperança, o dependente químico precisa manifestar vontade de ter uma vida livre das drogas e do álcool, pedindo uma segunda chance em carta escrita de próprio punho para ser acolhido, explicando os motivos que o levaram a solicitar ajuda. Cada jovem é responsável por sua própria recuperação. A comunidade terapêutica só acolhe as pessoas que pedem ajuda, pois os internos não ficam em locais fechados por muros ou portões. Tudo é aberto e dá acesso à rua. Os responsáveis pela internação explicam os procedimentos, documentos necessários e regras a serem cumpridas para aceitá-lo como interno. “Nos primeiros quatro meses não há vínculo nenhum com os familiares. A família participa de todo o processo, como deveria fazer em qualquer outra decisão de vida

a viverem radicalmente a Palavra de Deus. Durante a noite, em vez de se encontrarem na esquina, o destino era a igreja para trocarem as experiências vividas a cada dia. Com o passar do tempo, o grupo sugeriu a Nelson que alugassem uma casa para viverem juntos. O aluguel e as despesas seriam pagas com o próprio trabalho. As primeiras atividades foram com a limpeza de jardins, enquanto o paroquiano continuaria em seu emprego. Tudo que ganhavam colocavam à disposição do grupo para se sustentarem. Assim surgia a primeira Fazenda da Esperança. Em 1992, frei Hans recebeu sua liberação integral para continuar com o trabalho de recuperação. Atualmente são mais de 90 fazendas em mais de 11 países, distribuídos em seis continentes. O trabalho da Fazenda começou a ser executado em 1983

de seu ente querido. Os pais e irmãos são acompanhados e frequentam reuniões separadas do interno antes do primeiro encontro com ele, no terceiro mês da recuperação. As famílias são responsáveis por vender os produtos confeccionados pelos internos, assim contribuem diretamente no seu retorno à vida familiar”, detalhou o coordenador Marcelo Augusto Jansen Sodré. Após a igreja católica lançar a Campanha da Fraternidade do ano de 2001, cujo tema era “Vida sim, drogas não”, os bispos da Arquidiocese de Manaus iniciaram a implantação das comunidades terapêuticas para abrigarem jovens dependentes químicos. No mesmo ano, a arquidiocese recebeu do então governador, Amazonino Mendes, a doação de um terreno onde foi criada a primeira Fazenda da Esperança do Estado do Amazonas.


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Festival de ópera se torna modelo de inclusão social Ó

pera para todos os públicos. Este é o objetivo do governo do Amazonas que, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, oferece o serviço de audiodescrição e tradução em Libras no 17º Festival Amazonas de Ópera, para aproximar as pessoas com deficiência desse grande evento cultural do Estado. Ao todo, cinco óperas serão apresentadas com linguagem para cegos e surdos, sendo que quatro serão no Teatro Amazonas. No dia 20 de abril, “Rei Roger” inicia as apresentações; “Um Baile de Máscaras”, no dia 1º de maio; “As Aventuras da Raposa Astuta”, no dia 2 de maio; o aclamado “Parsifal”, no dia 19 de maio e por fim, “O Morcego”, no dia 26 de maio, no Centro Cultural Largo de São Sebastião. Além da audiodescrição e tradução em Língua Brasileira de Sinais (Libras), os espaços onde as óperas serão apresentadas disponibilizam rampas de acesso, banheiros acessíveis e lugares reservados para cadeirantes. O sistema de audiodescrição, que foi lançado no 13º Festival Amazonas de Ópera, funciona por meio de fones de ouvidos,

ARQUIVO EM TEMPO/ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Serviço de audiodescrição e tradução em Libras será utilizado na 17ª edição do evento, que começa no dia 20 de abril através dos quais é feita a descrição simultânea do que acontece em cena. Já a tradução pelo sistema de Libras será feita por meio de projeção em tela. Esse serviço foi implantado pela Secretaria de Estado de Cultura no Concerto de Natal de 2009. Desde a 14º edição do festival esses sistemas funcionam em conjunto, fazendo com que toda a grandiosidade artística da ópera chegue à população. Diferentes públicos A edição deste ano do Festival Amazonas de Ópera vai alcançar diferentes públicos no Estado, do Centro até a Zona Norte, além do interior. Em Manaus, os moradores do bairro Cidade Nova ganharão uma vesperal lírica, uma montagem de ópera mais enxuta, mas com direito a figurino original, solistas e em vez da orquestra, piano. A apresentação será no dia 4 de maio, no Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola, na Cidade Nova, Zona Norte, com a ópera “La Traviata”, do bicentenário e homenageado do FAO, Giuseppe Verdi. O local é frequentado por moradores do bairro de todas as idades. A maioria, jamais assistiu a uma ópera.

A 17ª edição do Festival Amazonas de Ópera poderá ser apreciada por portadores de deficiência, significando inclusão social


Caderno D

Plateia teia MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

plateia@emtempo.com.br @emtempo.com.br

DIVULGAÇÃO

Entrevista com Aline Barros (92) 3090-1042

Plateia 3

‘Música não é um ato mecânico’ Radicado no Amazonas, maestro venezuelano Gustavo Medina critica o ensino de música na América Latina GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

A

realidade do ensino regular de música na América Latina, baseada na criação de conservatórios que oferecem prática de instrumentos populares diversos, está à deriva (ainda). A opinião é do violinista e maestro venezuelano Gustavo Medina, que acredita na necessidade de encontrar um caminho para prover crianças e jovens de subsídios que melhorem o desempenho de técnicas relevantes, sobretudo para a consolidação de orquestras jovens. Residente há exatos 13 anos em Manaus, Gustavo Medina, que chegou a ser diretor da Sinfônica Nacional Infantil da Venezuela, afirma que embora exista no Amazonas curso superior já estruturado como tal (que inclusive ajudou a criar o da Universidade do Estado do Amazonas – UEA), o ensino artístico não está contemplado nos cursos regulares acadêmicos e, portanto, é uma formação que tem que ser procurada no que chama de sistema paralelo. “Na Venezuela, bem como na América Latina, o modelo de ensino musical que ainda persiste é o europeu, na criação de conservatórios. Abre-se uma escola, matricula-se pessoas em todos os instrumentos, mas a realidade sociocultural é diferente. As crianças, por exemplo, querem tocar o que veem mais facilmente, como a guitarra, o baixo elétrico. É óbvio que não vão procurar um instrumento que não conhecem. Essa é uma realidade vista em vários lugares. Em nossos países, quando estuda-se música é porque existe alguma coisa pregressa, como ter nascido em uma família de músicos. O fato é que os conservatórios se transformam em escolas populares de música, e não sabem como interferir na sociedade”, diz. Para ele, a decisão de aprender a tocar teclados, como exemplo, deveria ser preterida pelo aprendizado do piano. “Os instrumentos acústicos oferecem oportunidades específicas

para o desenvolvimento de técnicas. O piano soa o que você tocar. Os teclados soam a intensidade que você selecionar no aparelho”, comenta sobre as exigências técnicas comparativas. Com a experiência de quem já criou um punhado de orquestras jovens, Gustavo Medina afirma que as deficiências supramencionadas se refletem a cada vez que se cria um conjunto musical desses. “Criar uma orquestrar jovem vai além de reunir um monte de jovens que toquem instrumentos. A primeira pergunta é sobre o que tocar. Como a prática é pouca ou nula no

CRÍTICA

Residente há exatos 13 anos em Manaus, Gustavo Medina lamenta que o ensino artístico não está contemplado nos cursos regulares acadêmicos, o que seria ideal para a melhoria do ensino artístico repertório clássico, o que se faz muitas vezes é adaptar arranjos, simplificando-os. E isso tem inconvenientes, pois uma orquestra jovem tem que ter um propósito pedagógico, um estágio formativo para que o aluno ganhe uma experiência e capacitação. É importante adotar um repertório que faça o grupo crescer musicalmente. Há um caminho de formação que tem que ser progressivo, com desafios técnicos cada vez maiores”, explica o maestro sobre a questão de que, assim como no desenvolvimento individual, é preciso desenvolver em grupo. “Sincronia, entrosamento, saber responder à visão interpretativa do maestro, enfim. Música não é um ato

mecânico. Assim como ocorre no curso de idioma na faculdade, o aluno não vai aprender aquele idioma ali, isso é requisito básico. A gente fala português, mas a distância entre isso e ser um poeta é muito grande”, pondera. O repertório ideal Mestrando em música pela própria UEA, Gustavo Medina está debruçado na construção do trabalho dissertativo “Proposta de repertório para conjuntos musicais infantojuvenis”, cujo objetivo é sugerir e adotar uma lista de obras que reflitam todas as questões pertinentes ao engrandecimento da performance artística dos musicistas jovens e influencie na vida do integrante. “Até mesmo o público de uma orquestra jovem é diferenciado, tendo em vista os laços entre as famílias desses novos músicos. Na maioria das vezes, é pela orquestra que se aproxima essas pessoas de compositores clássicos. O trabalho vem, portanto, para contribuir e deixar um estudo fundamentado de quais seriam os caminhos para isso”, diz. Para ele, do ponto de vista social, os jovens que passam por uma orquestra com esse perfil, independentemente de seguir ou não a carreira profissional, ficam marcados pela sensibilidade estética diferenciada.

Clássicas e inéditas em repertório O repertório composto pelo maestro está em fase final. Ao todo, são seis peças criadas para esse propósito, sendo três delas inéditas. As demais (“O meu violino”, “Suíte a la barroca” e “O saci”) já foram testadas e apresentadas pelo menos uma vez pela orquestra jovem Encontro das Águas, com a qual trabalha no Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro (Laocs). “A sexta música ainda

será composta. É uma obra com características modernas, que é difícil até mesmo para algumas orquestras profissionais, geralmente acostumadas com repertório clássico romântico”, diz. A obra “O saci” merece um adendo, pois ela é uma espécie de medley de temas de Villa-Lobos, cujas partituras não existem mais e foi necessário um esforço de Medina para ouvir e trans-

crever as mesmas a partir do filme homônimo. Como a obra extraída faz sentido apenas acompanhada da película, o maestro compôs melodias para ligar um tema ao outro para que pudesse apresentar com a orquestra jovem na última edição do Amazonas Film Festival, a convite da organização. A dissertação deve ser defendida ainda neste primeiro semestre de 2013. FOTOS: JOEL ROSA

O maestro Gustavo Medina está realizando um projeto de pesquisa voltado para conjuntos musicais infantojuvenis


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Programação da TV

DIVULGAÇÃO

SBT 6:00 Arnold 6:30 Pesca Alternativa 7:30 Brasil Caminhoneiro 8:00 Aventura Selvagem 8:30 Vrum 9:00 Amazonas da Sorte 10:00 Domingo Legal 14:00 Eliana 18:00 Vamos Brincar de Forca 18:45 Sorteio da Telesena 19:00 Programa Sílvio Santos 23:00 De Frente com Gabi 0:00 True Blood 1:00 O Mentalista 2:00 Rizzoli & Isles 4:30 Igreja Universal

RECORD 4:45 Bíblia em Foco 5:00 Santo Culto em Seu Lar 5:30 Desenhos Bíblicos 8:00 Record Kids 9:00 Amazonas da Sorte

Eliana faz a alegria da tarde de domingo no SBT

Horóscopo GREGÓRIO QUEIROZ ÁRIES Por ocorrer em seu signo, essa conjunção é especialmente importante para redefinir seus gostos e amores na vida. Novas afinidades pessoais estão surgindo com grande vigor. TOURO Suas paixões têm agora algo de secreto. Você começa a se interessar por aspectos ocultos da alma humana. Um ciclo de afastamento de antigos amores e afinidades. GÊMEOS Os novos valores, afinidades e paixões surgem com relação aos amigos e ao ambiente social. Você será motivado pelo convívio com pessoas com quem nutre afinidades.

10:00 Record Kids 12:00 Tudo a Ver 14:00 Programa do Gugu 18:30 Domingo Espetacular 22:15 Tela Máxima 0:15 Programação IURD

BAND

2:45 Corujão – Dinheiro Sujo 4:20 Festival de Desenhos

REDE TV

GLOBO 4:40 Sagrado - compacto 4:55 Santa Missa em Seu Lar 5:55 Amazônia Rural 6:25 Pequenas Empresas, Grandes Negócios 7:00 Globo Rural 7:55 Auto Esporte 8:30 Esporte Espetacular 11:30 Esquenta! 12:50 Temperatura Máxima - Encantada 15:00 Futebol 2013 - Campeonato Carioca - Botafogo x Olaria 17:00 Domingão do Faustão 19:45 Fantástico 22:05 TUF - Em Busca de Campeões. 23:05 Domingo Maior – Missão Impossível 3 1:10 Sessão de Gala – Provas e Trapaças

Cinema

6:30 Igreja Internacional da Graça 7:30 Igreja Internacional da Graça 8:30 TV Kids 9:00 TV Shopping Manaus 10:00 Super Oferta 10:30 A Questão É 11:00 Igreja Internacional da Graça 12:00 Fique Ligado 13:00 Esporte Performance 14:00 Encircuito 15:30 A Questão É 16:00 TV Kids 16:45 Video Mania 17:30 Ritmo Brasil 18:10 O Último Passageiro 19:30 Te Peguei 20:30 Teste de Fidelidade 22:30 TV Shopping Manaus 23:30 Dr. Hollywood 0:30 É Notícia 1:30 Bola na Rede 2:30 Igreja Internacional da Graça

5:00 Igreja Mundial 5:50 Popcorn TV 6:30 Santa Missa no Seu Lar 7:30 Fé na Verdade 8:30 Desenho 9:00 Expressão Esportes 9:30 Mackenzie em Movimento 9:45 Infomercial 10:30 Campeonato Brasileiro de Marcas 11:30 Gol, O Grande Momento do Futebol 12:00 Fórmula Truck 13:30 Terceiro Tempo 14:30 Futebol 2013 16:50 Terceiro Tempo 18:20 Polícia 24h 19:10 As Detetives 20:10 Os Simpsons 21:00 Pânico na Band 0:00 Fórmula Indy - compacto 0:15 Canal Livre 1:15 Las Vegas 1:35 Show Business 3:00 Igreja Mundial

Cruzadinhas

ESTREIA Invasão à Casa Branca: EUA. 12 anos. A Casa Branca foi invadida por terroristas, que mantêm o presidente dos Estados Unidos preso. Sua única chance de ser salvo é através de Mike Banning (Gerard Butler), um ex-integrante da segurança presidencial que caiu em desgraça. Banning por acaso ficou preso na Casa Branca durante a invasão, sendo o único contato da segurança nacional dentro do local. O problema é que, devido ao seu histórico, os integrantes da segurança não acreditam que ele seja a pessoa certa para esta tarefa. Só que, sem outra opção, precisam apostar que ele seja capaz de cumpri-la. Cinemark 4 – 13h05, 15h50, 18h50 e 21h40 (dub/diariamente); Playarte 5 – 13h30, 16h, 18h30, 21h (leg/diariamente), 23h30 (leg/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 14h50, 17h10, 19h40 e 22h (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 14h25, 16h50, 19h15, 21h40 (leg/diariamente).

CÂNCER Você nutre um novo ânimo e entusiasmo com a carreira profissional. Há novos valores a serem conquistados. Trabalhar com paixão é, a partir de agora, fundamental para você. LEÃO As paixões, para você, começam a nascer no âmbito filosófico e das aspirações de crescimento pessoal. Você pode se apaixonar por alguma cultura em particular. VIRGEM A paixão amorosa é uma das formas que os valores novos podem assumir. Mas também o forte interesse por conquistas materiais é estimulado neste ciclo de Vênus e Marte. LIBRA Um novo interesse e afinidades especiais e atraentes tendem a surgir no relacionamento a dois. Um acaloramento dos sentimentos irá aproximá-los e a gerar maior fecundidade. ESCORPIÃO As afinidades serão vividas em meio aos afazeres práticos. O conforto material é uma conquista a ser realizada. Fazer o que gosta é algo a ser desenvolvido em sua rotina. SAGITÁRIO Começa um novo ciclo para as paixões amorosas em sua vida. É no amor que irão surgir afinidades fortes e valores novos a serem conquistados. Momento para viver o amor. CAPRICÓRNIO Suas novas lutas se referem a conquistas junto aos familiares, à moradia e à constituição de um ambiente pessoal de acordo com novas necessidades, afinidades e valores.. AQUÁRIO É no estilo de vida, nos ambientes em que transita e quanto às pessoas que encontra que irão surgir as novas paixões e afinidades pelas quais lutar. Viva intensamente as relações. PEIXES Novos interesses financeiros começam a ser despertados. Você irá desejar adquirir uma condição ou objeto material novo, e terá uma longa luta para conquistá-lo. Boa sorte!

Mama: ESP/CAN. 14 anos. Quando o pai de Victoria e Lilly mata a mãe das garotas, as crianças fogem assustadas para uma floresta. Durante 5 anos, ninguém tem notícia do paradeiro delas, até o dia em que elas reaparecerem, sem explicarem como sobreviveram sozinhas. Os tios das duas, Lucas (Nikolaj Coster-Waldau) e Annabel (Jessica Chastain) adotam Victoria e Lilly e tentam dar uma vida tranquila às duas, mas logo eles percebem que existe algo errado. As duas conversam frequentemente com uma entidade invisível, que chamam de “Mama”. Lucas e Annabel não sabem se acreditam nas meninas, ou se devem culpá-las pelos estranhos acontecimentos na casa. Cinemark 8 – 11h30 (dub/somente sábado e domingo), 13h50, 16h10, 18h30, 21h10 (dub/diariamente), 23h40 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 15h10, 17h20, 19h25, 21h30 (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 14h50, 17h, 19h, 21h10 (leg/diariamente).

CONTINUAÇÕES A Hospedeira: EUA. 12 anos: Cinemark 3 – 19h, 22h (dub/diariamente), Playarte 4 – 13h45, 16h15, 18h45, 21h15 (leg/diariamente), 23h45 (leg/ somente sexta-feira e sábado); Playarte 7 – 12h45, 15h15, 17h45, 20h15 (dub/ diariamente), 22h45 (somente sextafeira e sábado); Playarte 9 – 13h30, 16h, 18h30, 21h (dub/diariamente), 23h30 (somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 14h, 16h30, 19h10 e 21h40 (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 13h40, 16h10, 18h50, 21h20 (dub/diariamente), 14h20, 16h45, 19h20, 21h50 (leg/diariamente). GI Joe – A Retaliação: EUA. 14 anos: Cinemark 5 - 11h40 (dub/somente sábado e domingo), 14h10, 16h40, 19h10 e 21h50 (dub/diariamente); Cinemark 6 – 13h10, 15h40, 18h10, 20h50 (3D/

dub/diariamente), 23h30 (3D/dub/somente sexta-feira e sábado); Playarte 1 – 16h40 (3D/dub/diariamente); Playarte 1 – 21h05 (3D/leg/diariamente), 23h20 (3D/leg/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 16h20, 21h (3D/ dub/diariamente), 14h40, 17h, 19h20, 21h45 (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 15h, 19h40 (dub/diariamente), 17h20, 22h (leg/diariamente). Os Croods: EUA. LIVRE. Cinemark 2 – 12h30 (dub/somente sábado e domingo, 15h, 17h30, 20h, 22h30 (dub/diariamente); Cinemark 7 – 12h20 (3D/dub/somente sábado e domingo); Playarte 1 – 12h20, 14h30, 18h55 (3D/ dub/diariamente); Playarte 6 – 13h30, 15h40, 17h50, 20h (dub/diariamente), 22h10 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 14h10,

18h40 (3D/dub/diariamente); Cinemais Millennium – 14h30, 16h40 (dub/diariamente). Oz, O Mágico e Poderoso – Livre: Cinemark 3 – 12h50, 16h (dub/diariamente). Jack - o Caçador de Gigantes: EUA. 10 anos. Cinemark 7 – 15h10, 17h50, 20h30 (dub/diariamente), 23h10 (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 14h20, 16h40, 19h, 21h20 (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 14h, 16h20, 18h40, 21h (dub/diariamente), 19h10, 21h30 (3D/dub/diariamente). Vai que dá certo: BRA. 12 anos. Cinemark 1 – 13h, 14h50, 17h10, 19h20, 21h30 (diariamente), 23h50 (somen-

te sexta-feira e sábado); Playarte 2 – 13h30, 15h30, 17h30, 19h30 e 21h30 (diariamente), 23h30 (somente sextafeira e sábado); Playarte 3 – 14h30, 16h30, 18h30 e 20h30 (diariamente), 22h30 (somente sexta-feira e sábado); Playarte 10 – 13h55, 15h55, 17h55, 19h55, 21h55 (diariamente), 23h55 (somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 14h30, 16h50, 18h50, 21h10 (diariamente); Cinemais Millennium – 15h20, 17h30, 19h30, 21h35 (diariamente). A Fuga – 16 anos: Playarte 8 – 20h25 (leg/diariamente), 22h25 (leg/somente sexta-feira e sábado). Inatividade Paranormal – 16 anos: Playarte 8 – 14h25, 16h25, 18h25 (dub/diariamente).


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE ABRIL DE 2013

Políticas públicas para a dança é tema de plenária Profissionais, estudantes e interessados na área se reúnem hoje para discutir melhorias para a categoria artística HUDSON FONSECA

PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

A

pós um mês da reunião com a Secretaria de Estado de Cultura (SEC), a Associação dos Profissionais de Dança do Amazonas (Aprodam) mobiliza a categoria por meio de uma sessão plenária que será realizada hoje. No encontro, os profissionais discutem melhorias para o setor e também organizam a agenda de atividades anual, com a ideia de dar andamento aos temas tratados junto à administração estadual. Entre os assuntos inclusos na pauta estão: a organização da quinta edição do Festival Amazonas de Dança (FAD); discussão sobre a criação de editais; o processo seletivo da Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC) para o segmento da dança , entre outros. De acordo com o presidente da Aprodam, Augusto Domingos, o encontro é regimental e acontece anualmente. Ele afirma que até a próxima semana a associação deve elaborar um relatório que vai apresentar os encaminhamentos obtidos no debate. O

documento será enviado às pastas estadual e municipal, e ainda será divulgado por meio da imprensa. “É uma forma de prestar contas com a categoria e isso demonstra transparência e lisura nos procedimentos. Por meio dos encontros podemos verificar os avanços e retrocessos da dança e ainda elaborar estratégias para o diálogo com os gestores”, explica. Festival Quanto ao FAD, Domingos adianta que a ideia, para este ano, é tornar o festival conhecido nacionalmente. Ele planeja trazer quatro companhias de dança nacionais, atuantes no eixo Rio de Janeiro-São Paulo e uma do cenário internacional, que segundo o presidente, deve encerrar a programação. Como de costume, o evento está programado para acontecer no mês de agosto. “Pensamos em alguns nomes, mas ainda não podemos divulgar porque precisam ser confirmados. Queremos promover algo que cause repercussão nacional. Até o último ano, só recebíamos uma companhia de outro Estado”, acrescenta.

Artistas apontam problemas

SERVIÇO SESSÃO PLENÁRIA DA APRODAM Quando: Hoje, às 9h Onde: Escola Superior de Artes e Turismo (Esat) da UEA – rua Leonardo Malcher, 1.728, Centro Quanto: Entrada gratuita Profissionais, estudantes e público em geral podem participar

Para o diretor da Companhia de Intérpretes Independentes, Ricardo Risuenho, todo o debate tem caráter positivo no processo de desenvolvimento de qualquer área. Porém, ele afirma que mais importante é a concretização das propostas. “Os pontos resultantes de um senso comum devem ser postos em prática. O debate se concretiza ao se tornar instrumento de desenvolvimento de uma política cultural”, opina. Risuenho destaca que hoje o artista amazonense não consegue ter autonomia para trabalhar, porque sempre precisa estar atrelado a meios externos, como o governamental, para poder dar andamento em seus projetos. “Tanto os grupos como os profissionais independentes ficam impossibilitados de desenvolver seus trabalhos porque sempre

necessitam de um apoio mediador”, expressa. Outro fator negativo citado pelo diretor é a falta de leis de incentivo à cultura por meio do Estado e prefeitura. “A questão de captação de recursos também é complicada. Só temos acesso a Lei Rouanet, que é federal. Precisamos de mais leis”, reclama. Para a coordenadora da Companhia Balé da Barra, Marta Marti, o mais importante é que a categoria instigue a SEC sobre a implementação das diretrizes determinadas pelo MinC. “Após a reunião com a SEC ficou a pergunta: será que estamos satisfeitos com os prêmios oferecidos para a classe? Os editais são bons? Até que ponto ao artista pode ser beneficiado dentro do seu próprio Estado?”, questiona. O credenciamento para poderá ser feito na hora da reunião.

EM TEMPO - 7 de abril de 2013  

EM TEMPO - Caderno principal do jornal Amazonas EM TEMPO

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you