Issuu on Google+

ANO XXIV – N.º 7.815 – MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO - PREÇO DESTA EDIÇÃO: R$ 2,00 JOEL ROSA

A praia

que mata

A Ponta Negra, neste feriadão de Finados, também foi de surpresa para os banhistas. Mais de uma dezena de cruzes lembraram o número exagerado de mortes que tem sido registrado, depois de iniciada a construção de uma praia perene no lugar. Dia a dia C4 e C5

ENERGIA ELÉTRICA

GOVERNO

Ausência de investimentos dá em apagão

Omar não fechará portas para Artur

Nem só de tempestades de verão sustentam-se os apagões vividos pela cidade. Falta de investimentos na infraestrutura ajuda a apagar a luz. Dia a dia C1

Ao contrário do que se divulgou com exaustão durante os dois turnos da eleição para a Prefeitura de Manaus, o governo do Estado vai colaborar com o prefeito eleito Artur Virgílio. Com a palavra A7

ENEM JOEL ROSA

Boatos na rede confundem muitos alunos

COMPORTAMENTO

Política e religião, relação perigosa

Não bastasse a confusão rotineira com o horário de verão, o Twitter divulgou que a prova do Enem teria sido cancelada. Última Hora A2

Política A5

L E I A

M A I S

CINEMA

FÓRMULA 1

‘Rota da ilusão’ representa o Amazonas

Alonso tenta hoje, retomar primeira posição

Plateia D1

37.790

vagas de emprego

DIVULGAÇÃO

Pódio E8

BRASILEIRÃO

SA LY AL

AN NT

A I/

AP

W

Flu quer o título e São Paulo a Libertadores Pódio E5

FALE COM A GENTE - ANÚNCIOS CLASSITEMPO, ASSINATURA, ATENDIMENTO AO LEITOR E ASSINANTES: 92 3211-3700 ESTA EDIÇÃO CONTÉM - ÚLTIMA HORA, OPINIÃO, POLÍTICA, ECONOMIA, PAÍS, MUNDO, DIA A DIA, PLATEIA, PÓDIO, SAÚDE, ILUSTRÍSSIMA, ELENCO E CONCURSOS.

PRODUÇÃO

Nunca foi tão bom descascar um abacaxi Economia B1 TEMPO EM MANAUS

MÁX.: 34

MÍN.:

23


A2

Opinião/Última Hora

Boato e atrasos marcam primeiro dia do Enem

Contexto 3090-1017/8115-1149

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

marioadolfo@emtempo.com.br

O horário de verão e o engarrafamento nas ruas foram os principais transtornos para os candidatos amazonenses DIEGO JANATÃ

PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

O

Vanessa telefona para o Jô A briga entre a senadora Vanessa Grazziotin (POCdoB) e Ricardo Noblat está engrossando o caldo. A senadora não gostou nada da entrevista de Noblat no “Programa do Jô”. E da tribuna disse que lamentava o fato de um jornalista, com a sua experiência, ter ido ao programa de Jô Soares para “falar inverdades em cadeia nacional”. ― Não admito que um jornalista vá a um programa tão importante quanto o “Programa do Jô” falar inverdades e que estas passem por verdades. “Vitimizada” Em seu blog, Noblat acusou Vanessa de ter montado uma farsa para “se vitimizar” e mudar o quadro eleitoral no episódio em que ela foi agredida por um militante do adversário, o tucano Artur Virgílio Neto, quando chegava para o debate organizado pela TV EM TEMPO, retransmissora do SBT. Ovo na mídia No quiproquó entre Vanessa e Noblat, a história do ovo pode ir parar em cadeia nacional, pela Rede Globo. Isto porque Vanessa conversou por telefone com o apresentador Jô Soares, e disse que enviará as explicações e provas das denúncias que fez na Justiça Eleitoral e à Polícia do Amazonas. Segundo ela, as “provas” mostram o que teria acontecido no debate. Pataquada Agora, convenhamos, jogar a pataquada do ovo em rede nacional poderá soar meio que ridículo. Ou não? Multado Vanessa pediu ao Jô que, se possível, reparasse tudo aquilo que foi dito pelo jornalista Ricardo Noblat, que não corresponde à realidade. ― Tanto é que, baseado em uma denúncia-crime apre-

sentada por mim junto ao Tribunal Regional Eleitoral, esse senhor, esse jornalista, foi multado em R$ 65 mil.

cional dos Municípios (CNM) manterá a conversa com a ministra Ideli Salvatti, dia 13, na capital federal.

“Conserto” tucano Depois de garantir junto ao governador Omar Aziz que o Estado não estará de portas fechadas à sua administração, o prefeito eleito de Manaus Artur Virgílio Neto viajou, ontem, a São Paulo, para resolver dois “ruídos” de comunicação com o seu partido, o PSDB. Primeiro: a insistência em denegrir o polo industrial da Zona Franca de Manaus, mantendo o nível da política tucana em nível estritamente paulistano.

Senzala A República Federativa do Brasil não tem se comportado assim. Estados e municípios são mantidos como senzalas da casa grande do governo federal.

□ Segundo: a retumbante derrota de José Serra diante do petista Fernando Haddad, outra “invenção de Lula, é um sinal claro de que o partido precisa renovar o discurso, a liderança, e se aproximar do “resto” do Brasil que existe além das divisas de São Paulo. República Federativa Por falar em olhar para fora de São Paulo, Brasília também precisa pisar no freio e entender que ao redor do Planalto Central tudo é Brasil. É mais ou menos nesse tom que a Confederação Na-

APLAUSOS

Detratores Do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), ao comentar a decisão do STF favorável à Zona Franca de Manaus, na questão da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4.635). ― É mais uma vitória do trabalhador de Manaus contra seus inimigos e detratores, que lutam com todas as armas para esvaziar a Zona Franca – comemorou o senador. Harmonia Braga disse que os incentivos servem para superar os obstáculos de um isolamento físico enorme e as dificuldades de logística próprias da região. ― O Estado do Amazonas vem defendendo o maior projeto de preservação ambiental do mundo, que permite a convivência pacífica da produção industrial com a floresta.

VAIAS

Limpeza

Insegurança DIEGO JANATÃ

REPRODUÇÃO

Para os laranjinhas da prefeitura, que, finalmente, ontem, invadiram Manaus para fazer a capina dos canteiros da cidade, que nos últimos meses estavam cobertos de mato cerrado.

Para empresas transportadoras de combustível, que permitem a circulação de seus gigantescos carros-pipa a qualquer hora do dia, colocando em risco a cidade e seus cidadãos.

primeiro dia de aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em Manaus foi marcado por atrasos. Dois minutos após às 11h, horário em que os portões foram fechados, candidatos ainda tentavam entrar nas dependências das escolas, mesmo sem sucesso. Momentos antes da realização do certame, o Ministério da Educação (MEC) ainda divulgou uma nota, por meio do Twitter, desmentindo a possível notícia de que as provas haviam sido canceladas. O mototaxista Lucas Gabriel Silva, 19, reside no bairro Jorge Teixeira, e iria prestar o exame em uma das salas do Instituto de Educação do Amazonas (IEA), no Centro. Por um atraso de apenas dois minutos, Silva não pôde fazer a prova. O motivo, segundo ele, foi o trânsito congestionado e ainda a demora do transporte coletivo. “Saí de casa às 9h e mesmo assim perdi o horário por conta do trânsito”, reclama. Para a estudante Jéssica Bruce, 20, a má distribuição dos locais de provas atrapalhou. “Moro no bairro São José e fui selecionada para uma instituição no Centro. Isso é injusto”, reivindica.

POLÍCIA

Homens são assassinados com tiros O ajudante de pedreiro Otacílio Pereira Brilhante, 24, foi assassinado com três tiros no bairro Novo Israel, Zona Norte de Manaus. O crime ocorreu às 18h de sexta-feira, na rua Jordão, na comunidade Celebridade, segundo a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Os tiros atingiram a cabeça, o tórax e o baço da vítima, que ainda foi levada ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Galileia com vida, mas não resistiu e morreu. A autoria do crime é desconhecida. O office boy Leandro Macambeira Moraes, 24, atingido por um tiro na cabeça, morreu às 2h30 de ontem no Hospital e Pronto-Socorro Dr. João Lúcio, Zona Leste. Ele morreu em frente a casa na qual residia, localizada na rua 1, Alvorada, Zona Centro-Oeste.

No centro de Manaus, muitos candidatos chegaram atrasados

Provas começam 11h hoje Hoje, os futuros universitários enfrentam o segundo dia de avaliação. Com início às 11h no horário de Manaus, os candidatos passam por mais cinco horas e meia de provas, onde respondem a um questionário com questões de linguagens e códigos, matemática e redação.

Nesta edição, o Enem teve um custo total de R$ 266 milhões. A prova tem mais de 5,7 milhões de inscritos e será aplicada em 15.076 endereços de 1.615 municípios brasileiros. reportagem tentou falar com a equipe representante do MEC em Manaus, mas não teve sucesso.

CRIMES

Tentativa de suborno e tráfico acabam em prisão RICHARD RODRIGUES Equipe EM TEMPO

Na noite da última sexta-feira, por volta das 20h, três pessoas foram presas por tráfico de drogas, porte ilegal de arma e corrupção ativa no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus. Entre os detidos estavam Jack Diolino Sousa, Wagner Wada Rondon e Daiana Sales Sousa, segundo informações divulgadas pelo 14º Distrito de Polícia Integrada. A prisão, realizada por policiais militares da Força Tática Leste, ocorreu após denúncia anônima de que Jack estaria comercializando entorpecentes em frente a casa na qual residia, localizada na rua Samambaia. Após os poli-

ciais chegarem ao local, o infrator estava com duas trouxinhas de maconha e assumiu que comercializava drogas. Logo em seguida, os policiais entraram na residência do infrator e encontraram uma pistola 9 milímetros, que é de uso exclusivo da polícia, em uma parede falsa. Jack pediu para “conversar” com os policiais e tentou suborná-los dizendo que poderia dar R$ 1 mil. Segundo registro do distrito de polícia, Jack ligou para Wagner solicitando a quantia, que foi entregue ao traficante por Daiana, que portava apenas R$ 550. Os policiais anunciaram a prisão dos três envolvidos na situação, que foram encaminhados ao 14º DIP.


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

A3

Fala leitor

Editorial

falaleitor@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

Do Congresso à Papuda é só um pulinho, Genoino Reza a cartilha de filiação do PT que, caso um de seus membros seja condenado “por crime infamante ou por práticas administrativas ilícitas, com sentença transitada em julgado” terá expulsão sumária. A regra, é claro, não se aplica a todos, ainda mais se o filiado tiver o nome iniciado por José e terminado por Genoino. Esse cidadão-mensaleiro foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa e formação de quadrilha e, de quebra, tem direito a assumir uma cadeira na Câmara dos Deputados por ser o primeiro suplente do PT paulista. Isto porque com a eleição do deputado Carlinhos Almeida (PT-SP) para a Prefeitura de São José dos Campos, Genoino, réu no julgamento do mensalão, assumiria a vaga em aberto. O petista seria beneficiado pelas famigeradas “brechas” da lei que tão somente são complacentes com aqueles quem têm e podem. A Constituição, por exemplo, decreta que Genoino pode assumir, pois a sentença ainda não tramitou em julgado, o que só ocorrerá depois da publicação do acórdão com a decisão final e a análise dos diversos embargos que sua defesa deve impetrar junto ao STF. Pelos cálculos dos juristas, essa tramitação só começa a valer com pelo menos seis meses após o fim do julgamento e das definições das penas. Soma-se a esse imbróglio o recesso de final de ano do Judiciário. Resultado? Se, de fato, Genoino tiver que provar os dissabores de uma cela de penitenciária (no caso dele será bem perto do local de trabalho, uma vez que a Papuda fica nos arredores de Brasília) esse fato só terá o seu desfecho a partir de agosto do ano que vem. Ah, e voltando ao assunto sobre expulsão, ninguém da cúpula do PT, muito menos seu presidente, Rui Falcão, admite a saída do seu ente querido que, pelo andar da carruagem, e mesmo condenado, vai engrossar as fileiras do partido no Congresso. O presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), e o líder do partido na Câmara, Jilmar Tatto (PT-SP) também já bateram o martelo e estão com Genoino e não abrem. Ponto!

O escritor, professor e historiador Celestino Sachet acaba de lançar a terceira edição do seu livro sobre a literatura produzida pelos escritores de Santa Catarina, Literatura dos Catarinenses Espaços e Caminhos para uma Identidade Poema, prosa, teatro com o selo da editora Unisul. O professor Celestino é um grande pesquisador da

www.emtempo.com.br

produção literária dos catarinenses. Nada do que é publicado em nosso Estado lhe passa despercebido, tudo é lido e apreciado por ele. Por isso, este livro passa a ser, a partir de agora, a maior referência da literatura produzida pelos escritores catarinenses ou radicados em Santa Catarina. Se procurarmos um documento que nos dê o registro de quem

escreve em nosso Estado, com certeza é o livro do professor Celestino Sachet que devemos consultar. A primeira edição do livro, com modestas 291 páginas, saiu nos anos 70, com o o título de “A literatura de Santa Catarina”, segundo o próprio autor da obra, em artigo que será publicado na edição de dezembro do Suplemento Literário “A Ilha”.

Lá ele apresentava os escritores das principais cidades catarinenses. Em 1985, saiu a segunda edição, ampliada, com 350 páginas, muito mais informação sobre a nossa literatura e um título diferente, por sugestão do editor, o saudoso Odilon Lunardelli: a literatura catarinense. Luiz Carlos Amorim, por e-mail

Charge regi@emtempo.com.br

Olho da Rua

Dora Kramer

opiniao@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br IONE MORENO

A ocupação irregular de calçadas em Manaus perdeu a vergolha e o controle. Depois ninguém entende por que pedestre anda no meio da rua. “Para uma civilização, não é a técnica que representa o verdadeiro perigo, é a inércia das estruturas” (Louis Armand – escritor)

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

Diretor de Redação Mário Adolfo marioadolfo@emtempo.com.br

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

3090-1001 circulacao@emtempo.com.br

Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

Editores-Chefes Aldisio Filgueiras — MTB 213 aldisio@emtempo.com.br Náis Campos — MTB 033 nais@emtempo.com.br Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa — MTB 626 michelegouvea@emtempo.com.br Diretor Administrativo Leandro Nunes administracao@emtempo.com.br Diretor de Marketing/Comercial Renato Bassile comercial@emtempo.com.br EM Tempo Online Yndira Assayag — MTB 041 yndiraassayag@emtempo.com.br

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

www.emtempo.com.br

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

@emtempo_online

/amazonasemtempo

/ /tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Longe dos olhos Os votos das eleições municipais ainda estavam sendo apurados quando um político, que além de governista é ministro, em conversa reservada chamou atenção para o detalhe: “Vocês (jornalistas) não estão percebendo a jogada”. Ele se referia ao noticiário sobre a possível candidatura à Presidência da República do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, saudado como liderança emergente na política nacional. O ministro falava mais especificamente da leitura que se faz do afastamento de Campos do ex-presidente Lula e seu provável alinhamento ao campo da oposição mais adiante, se a economia e os humores do eleitorado criarem dificuldades para a reeleição da presidente Dilma Rousseff. Segundo ele, não é assim que o panorama é visto em algumas rodas de governo. Nelas se conversa o seguinte: Lula estaria adorando e de alguma maneira até incentivando os festejos em torno de Eduardo Campos. Quem conhece bem os anseios e o modo de agir do ex-presidente aposta que o plano dele é realmente tentar voltar ao Palácio do Planalto em 2014. A primazia é a recandidatura de Dilma que Lula, no entanto, não teria dificuldade de afastar. Mas, ponderam os analistas palacianos, faria isso muito melhor se tivesse uma boa justificativa. É aí que entra em cena o fortalecimento da figura do governador. Quanto mais viável ele se apresentar como alternativa ao campo governista, mais argumentos Lula e o PT terão para alegar que só a volta do ex-presidente seria capaz de assegurar a vitória e a preservação do projeto de poder. Nesse caso, consideram aqueles autores, ofereceria o lugar de vice para o pernambucano e reforçaria a presença do PMDB no Ministério como forma de compensação. É o que vai acontecer? Não necessariamente, mas é o que os observadores engajados no processo entendem que Lula engendra. E

também o que alguns espectadores da oposição acham provável partindo do princípio de que seria muito difícil Eduardo Campos, um situacionista, mudar radicalmente o discurso para buscar votos na condição de oposicionista. Moto próprio. O PT tem autonomia para aplicar seu estatuto como bem entender. Nisso o presidente do partido, Rui Falcão, diz o óbvio ao justificar a decisão de não punir os condenados pelo Supremo: “Quem aplica o estatuto somos nós”. O PT só não pode insistir em dizer que o partido não se confunde com os crimes cometidos “por alguns” quando os protege alegando que a previsão de expulsão para condenados “por crime infamante ou práticas administrativas ilícitas” nesse caso “não se aplica”. A interpretação é discricionária e casuística. Se de um lado evidencia uma unidade rara – senão inexistente - em outros partidos, de outro elimina a possibilidade de qualquer separação entre a ação de um grupo e o pensamento do coletivo, neste aspecto representado pelo presidente. Com a agravante de autorizar a conclusão de que para o PT as leis e regras não requerem obediência irrestrita. Dependem da conveniência. Meia volta. Se arrependimento matasse não sobraria um deputado federal do PT para contar a história do acordo de rodízio na presidência da Câmara firmado com o PMDB. É grande a inquietação na bancada, que não acha a menor graça em ficar de fora do comando do Congresso, ainda mais em ano de sucessão. Na Câmara o acerto é em prol do líder pemedebista Henrique Eduardo Alves e no Senado vale o critério da escolha de um representante do maior partido. No caso, o PMDB. Os deputados petistas alegam que não foram ouvidos sobre o acordo, cujos termos estão bem postos por escrito, assinados e devidamente guardados na gaveta do vice-presidente Michel Temer.

Dora Kramer Jornalista, escreve simultaneamente no jornal “O Estado de S.Paulo”

Quem conhece bem os anseios e o modo de agir do expresidente Luiz Inácio Lula da Silva aposta que o plano dele é realmente tentar voltar ao Palácio do Planalto em 2014”


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Além de decisão, eleição é também uma lição política

Todos somos chamados a viver de bem com Deus

Arthur Virgílio está eleito prefeito de Manaus e, ao considerar os atributos, o talento, a competência política e a sua história pessoal, nada há de surpreendente no fato e, na sua trajetória, revezes eventualmente sofridos, não têm maiores significações e nada de definitivo. Assim, após a vitória eleitoral, nada há a especular ou a conjecturar a seu respeito. Mais interessante será certamente refletir sobre o desempenho e o insucesso da senadora Vanessa Graziottin, até pela grande distância que o número de votos ao fim a separou de Arthur. A hipótese levantada pelo senador Eduardo Braga, de que teria havido um Calabar oculto, poderoso traidor da candidatura do PCdoB, a nada leva, numa suposição que parece até coisa de Jânio Quadros, quando outros fatos bem relevantes se apresentam. Em primeiro lugar ressalte-se que Vanessa, o ex-deputado Eron Bezerra, marido e camarada, e o próprio partido em que sempre atuaram como líderes e ideólogos lamentavelmente perderam sua identidade política, quando abriram mão do papel de fiscais vigilantes, sempre prontos a, corajosamente, denunciar as irregularidades surpreendidas nos atos dos que se achavam encarapitados no poder. Gravitar na corte e pagar vassalagem aos poderosos, a todos nós fez-nos ficar nostálgicos do Eron e da Vanessa de outrora. A candidatura de Vanessa foi produto de uma jogada política, por sinal, fadada ao fracasso desde a sua concepção, até porque decorrente de uma presunçosa suposição de que ao povo tudo se pode impor de cima para baixo, quando a arrogância e a vaidade enganam e fazem alguém pensar que a todos pode manobrar. Arthur perdeu a cadeira que teve no Senado, pela votação oriunda do interior do Estado, a despeito da vontade do eleitorado da capital, que sempre o teve como um senador atuante e vibrante na defesa dos nossos interesses. A derrota sofrida em 2010 foi vivenciada pela maioria da população, pelo menos de Manaus, como uma perda, além de ter gerado um sentimento de nostalgia e dívida a exigir compensação. Quando foi manobrada a defenestração da deputada Rebeca Garcia e posta em seu lugar Vanessa Graziottin, mais um grosseiro erro foi cometido, pois foi dada ao povo a oportunidade de compensar Arthur, levando-o a derrotar precisamente aquela que havia “tomado” o seu lugar. Caiu a sopa no mel. Como se não bastasse, candidatar-se à prefeitura trazia implícita a disposição de, se vitoriosa, renunciar a mais de seis anos de um mandato senatorial conquistado recentemente, o que dava a impressão de que se tratava de carreirismo político, onde o povo não passava de massa de manobra e o Senado da República nada além de um degrau a ser pisado e ultrapassado. Ao fim, apenas resta torcer pelo êxito da gestão municipal de Arthur Virgílio e pela madura reflexão que leve Vanessa Graziottin de volta aos velhos tempos das suas lutas políticas.

Você já viu um santo ou uma santa andando por aí, conversando com todo mundo e vivendo a seu lado? Talvez seja uma pergunta estranha, principalmente quando fazemos ideias fantásticas dessas pessoas. É verdade que há exemplos de extremo radicalismo de alguns que viveram no deserto, de outros que se flagelavam ou comiam quase nada. Mas nada disso é o importante na santidade. Você deve ter conhecido alguém que amou a todos, que viveu o caminho de Deus, que cumpriu seus compromissos. Tinha lá seus defeitos, mas o amor superou tudo. Basta abrir a biografia de São Paulo para ver que ele era um homem de caráter complicado. A briga, que teve com São Barnabé, chegou quase às vias de fato (Atos 15, 36-40). Nem por isso deixou ele de ser um homem apaixonado por Deus e pelo anúncio do evangelho de Jesus. São Pedro também teve seus defeitos mesmo depois de ter recebido o Espírito Santo. Arrojado nas decisões, era vacilante frente a dificuldades. São Paulo o enfrentou e repreendeu por isso, como se lê na Carta aos Gálatas (Gl 2, 11-14). O fato é que vivemos esbarrando em santos e santas sem nos darmos conta. Deveríamos tirar momentos para descobrir como há gente de Deus por aí. No Dia de Finados lembramos mortos e que saudades nos vieram de seus bons exemplos. Hoje é hora de notar os vivos que são verdadeiros santos e é oportunidade de recordar que todos somos chamados a viver de bem com Deus, com os outros e com a natureza. A Igreja Católica, ao incentivar o culto dos santos falecidos e ao colocá-los na lista (cânon) dos santos, jamais perdeu de vista a afirmação bíblica: “Há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus que se entregou em resgate por todos” (1 Tim 2,5). Os santos são manifestações do que Deus pode fazer de maravilhas em pessoas que se abrem à ação divina. O grande Agostinho de Hipona escreveu que, ao vê-los, surge em nós a pergunta: “Se eles e elas puderam, por que eu não poderei também?”. São heróis da vida cristã, sinais e testemunhas da fé, Evangelho vivido, encorajamento a algo maior em nossas existências. São também irmãos e irmãs do Cristo e lhes pedimos que orem por nós junto a Deus. Não precisam ser canonizados para os admirarmos e pedirmos intercessão. Já encontrei em Manaus muitos santos e santas que estão na Casa do Pai. Também encontro em Manaus muitos santos e santas que vivem entre nós. Como não lembrar mães e pais que se amam e mostram aos filhos os caminhos de Jesus? Evangelizam com exemplos mais do que com palavras. Como não lembrar tantos que se preocupam com a felicidade dos outros e se doam no atendimento a enfermos e idosos? A sociedade será transformada não por revolucionários, mas pelos santos! Essa afirmação é comprovada pela história da humanidade. As revoluções tem seu papel, mas degeneram com o passar do tempo. A santidade arrasta para os valores que permanecem e se resumem na palavra “amor”.

João Bosco Araújo Diretor executivo do Amazonas EM TEMPO

Arthur perdeu a cadeira que teve no Senado, pela votação oriunda do interior do Estado, a despeito da vontade do eleitorado da capital, que sempre o teve como um senador atuante e vibrante na defesa dos nossos interesses”

Painel RENATA LO PRETE

Caldo de cultura

Dom Luiz Soares Vieira Arcebispo Metropolitano de Manaus

Como não lembrar tantos que se preocupam com a felicidade dos outros e se doam no atendimento a enfermos e idosos! A sociedade será transformada não por revolucionários, mas pelos santos”

Em conversas recentes com Fernando Henrique Cardoso, Aécio Neves foi aconselhado a se aproximar de setores que podem dar fôlego a seu projeto presidencial. Para FHC, essa incursão tem de se dar de forma direta, sem intermediação do PSDB. Os segmentos que Aécio deveria focar são empresários, jovens economistas, artistas e esportistas. O senador já deu início à estratégia e tem feito encontros regulares com expoentes dessas áreas em São Paulo, em Brasília e no Rio. Calçada da fama Entre os habitués dos convescotes no Rio estão celebridades como o ex-jogador Ronaldo Nazário, o apresentador Luciano Huck – que ofereceu jantar para Aécio em sua casa – e a atriz Carolina Dieckmann. Vai passar A ideia é resgatar o clima da campanha das Diretas-Já, quando artistas e atletas ajudaram a lotar comícios em apoio à candidatura do avô do mineiro, Tancredo Neves, à Presidência. Dia D O primeiro encontro entre Dilma Rousseff e o governador Eduardo Campos (PSB-PE) após as eleições será na reunião do Conselho Deliberativo da Sudene, em Salvador, na sexta-feira. Ribalta A presidente inaugura uma adutora em Guanambi (BA) e depois vai à reunião. Virtual presidenciável em 2014, Campos pretende empunhar a bandeira da pauta dos Estados do Nordeste com o governo federal. Tudo... Embora oposicionistas tenham apresentado emendas para acelerar a implantação do Bilhete Único Mensal e o fim da taxa de inspeção veicular, o QG de Fernando Haddad está tranquilo quanto à tramitação do Orçamento de 2013 na Câmara. ...dominado Relatores da peça, Eduardo Trípoli (PV) e Wadih Mutran (PP) sinalizaram à equipe do prefeito eleito que negociarão diretamente com ele os aditivos que serão contemplados no projeto. Turbulência... Depois de centralizar o comando da aviação comercial no país, a Secretaria de Aviação Civil pretende agora dar mais po-

der para a Anac. A mudança será feita por medida provisória, que já está pronta. ... à vista A agência baixará normas e regulamentos, cuidará das questões administrativas e será a instância máxima para discussão de multas. O teto das sanções às companhias aéreas, que já tinha aumentado mais de mil vezes, passará de R$ 20 milhões para R$ 50 milhões. Bê-a-bá Dilma e o ministro Aloizio Mercadante (Educação) lançam na quinta-feira o Pacto Nacional da Idade Certa, no Palácio do Planalto, com a presença de governadores, prefeitos e secretários. 2 + 2 = 4 O objetivo da ação é fazer com que todas as crianças dominem as quatro operações matemáticas, leiam e interpretem um pequeno texto até os oito anos. Em alguns Estados, mais de 30% dos alunos nessa idade não têm essas habilidades. Vai vém Além da reforma do secretariado, prevista para dezembro, Geraldo Alckmin pretende mudar o comando de órgãos e empresas estatais paulistas. Entre as prioridades estão a FDE, braço operacional da Secretaria da Educação, e a CPOS, ligada ao Planejamento. Desabafo Mulher de José Dirceu, Evanise Santos afirma que sua condenação foi “injusta”. “O Zé nunca foi chefe de quadrilha ou se envolveu com qualquer acordo financeiro entre partidos”. No ar Ela diz que a família não discute a possível prisão de Dirceu. “Estamos mais juntos que nunca, mas não é assunto em pauta. Ele sempre repete: ‘Fique firme’”.

Tiroteio

Frases

Todo mundo sabe o amor que sempre tive pelo Flamengo. Mas, tipo assim... Uma coisa que ninguém vai tirar: eu sou da favela, p...! Podem falar o que quiser de mim!

Estar atuando é fantástico porque geralmente, quando a mulher envelhece na indústria do cinema, ela não recebe mais tantos papéis. É raro porque a maioria dos papéis, especialmente na TV, é para mulheres jovens que não estão interessadas em interpretar, somente em aparecer

Adriano, jogador, que passou a madrugada de sextafeira, 2, curtindo funk e pagode na casa Barra Show, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e subiu no palco para desabafar no microfone.

Claudia Cardinale, atriz italiana, de 73 anos, que se diz sortuda porque costuma fazer de três a quatro filmes por ano.

A vitória de Antônio Carlos Magalhães Neto (ACM Neto) em Salvador, na Bahia, mostrou que a pobreza sabe pensar

José Agripino, presidente do DEM, comentando a vitória do candidato de seu partido para a Prefeitura de Salvador.

O objetivo do governo é meramente político. As UPPs que eles querem trazer para São Paulo são as Unidades de Política Petista. DO EX-GOVERNADOR ALBERTO GOLDMAN (PSDB), sobre a ideia de implantar em São Paulo as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do Rio de Janeiro.

Contraponto

Tradução simultânea Em viagem oficial à Argentina, na semana passada, o ministro Aldo Rebelo (Esporte) conversava com Daniel Scioli, governador da província de Buenos Aires, que perguntou sobre as obras dos estádios para a Copa. – Ministro, e “la hierba”? –, questionou. Aldo entendeu que ele se referia à verba para obras – já que, em português, “erva” é gíria para dinheiro – e respondeu que os repasses estavam em dia. – Ele perguntou sobre a grama –, soprou alguém. – Ah, a erva estará pronta também –, respondeu Aldo, como sempre em bom português. Publicado simultaneamente com o jornal “Folha de S.Paulo”


A5

Cobiçados, evangélicos descartam ‘dominação’

Bastante disputados nestas eleições municipais, fiéis que representam 429,5 mil eleitores disseram não à orientação

Dos nove candidatos a prefeito de Manaus no primeiro turno, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) foi a que mais apelou na caça desses votos. No segundo turno, ela intensificou campanha CAMILA CARVALHO Equipe EM TEMPO

N

a disputa eleitoral para a Prefeitura de Manaus deste ano, o voto dos fiéis evangélicos virou um cabo de guerra entre alguns prefeituráveis chegando, inclusive, a contrariar uma das determinações legais previstas na Constituição Federal, em que afirma que o Estado tem de ser laico, ou seja, neutro em relação às questões religiosas, não apoiando e nem se opondo às religiões. Entretanto, a busca insana pelo apoio de líderes religiosos de matriz evangélica não foi exatamente pelo fator religião, mas sim o que esses fiéis representavam em votos, principalmente no segundo turno da disputa. Segundo o Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os evangélicos de Manaus representam 429,5 mil votos, ou 23,8% do total do eleitorado manauense, que é de 1,2 milhão de eleitores. O número poderia ser determinante para a vitória nas urnas. De um lado, o ex-senador e então candidato Artur Neto (PSDB) informou ter recebido o apoio de 600 pastores evangélicos e aproveitou para fazer

um clipe, veiculado durante o período eleitoral, no qual um coral cristão enaltecia as qualidades do então candidato tucano. Do outro, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) realizava reuniões com diversas congregações religiosas e apresentava propostas específicas para o segmento cristão. Por pelo menos dois momentos a senadora promoveu encontros com líderes do Ministério Internacional

O próprio eleitorado evangélico me pareceu um pouco cansado da forma como seus líderes lidam com eles, tratando-os como propriedade Gilson Gil, cientista político

da Restauração (MIR) e com pastores da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Amazonas (Ieadam). Evangélicos Apesar da “briga” por esses voto, chegando inclusive a transparecer uma imposição aos moldes do “voto de cabres-

to” do período coronelista, o comprometimento dos líderes religiosos com alguns candidatos, como a “aliança” feita com Vanessa por membros da Restauração e Assembleia de Deus, parece não ter feito diferença entre os fiéis. O resultado das urnas demonstrou que os evangélicos não levaram em conta a “determinação” de seus pastores e apóstolos e escolheram seus próprios candidatos. Um dos líderes do MIR que preferiu não se identificar contou que os fiéis chegaram a cogitar votar na candidata comunista, mas acabaram não se identificando com suas propostas e a aproximação repentina ao ministério. “Nós seguimos o que os líderes nos dizem, mas nesse caso específico, Deus ministrava em nossos corações para fazer outra coisa”, contou. Na avaliação do cientista político da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Gilson Gil, nas últimas eleições se formou uma teoria de que os fiéis possuem uma força eleitoral uma vez que agem de forma ordenada, seguindo seus líderes. “O próprio eleitorado evangélico me pareceu um pouco ‘cansado’ da forma como seus líderes lidam com eles, tratando-os como uma espécie de propriedade”.

Comunista reúne com religiosos Vanessa Grazziotin iniciou a campanha eleitoral dizendo ser católica praticante e crente em Deus. De acordo com ela, a fé cristã sempre esteve presente na vida de sua família. Apesar disso, foi constante a sua busca por apoio dentro das congregações de matriz evangélica em Manaus. Ao longo da campanha ela negou que tivesse votado favorável a projetos de lei que, segundo afirmava, contrariam os preceitos de família, como o projeto de lei 122/2010, que criminaliza a homofobia. “Sou temente a Deus e no meu governo católicos, evangélicos e cristãos terão total liberdade religiosa”, garantiu. Na reta final do período eleitoral, a senadora participou de reuniões com cem líderes do MIR. O evento foi comandando pelo apóstolo do ministério, Renê Terra Nova, que garantiu aos fiéis que Vanessa era o melhor para Manaus. “Nem sempre a vitória está com a maioria e nem

sempre a maioria tem razão. O que vale na vida do indivíduo não é o que ele fala, mas o que ele é. Os discursos impressionistas não mais tocam a nossa vida, o nosso testemunho é melhor do que qualquer discurso. Quem faz tem mais êxito do que quem discursa, e

ENCONTROS

Tanto no primeiro turno quanto no segundo, a então candidata a prefeita Vanessa Gazziotin realizou diversas reuniões com líderes e fiéis de inúmeras igrejas evangélicas você Vanessa é do tipo que faz”, disse Renê aos fiéis do MIR. No penúltimo sábado antes das eleições, a senadora também participou de reuniões com fiéis da Ieadam. “Deve ser a terceira reunião com ela”, contou José Juscelino Freitas, na saída do evento.

Artur garante que governo será laico Ainda durante a campanha, o ex-senador Artur Neto repudiou o que chamou de “evangelização repentina” de sua adversária e garantiu que, se eleito, daria liberdade de expressão a todas as manifestações religiosas. Ele disse ser católico, não ser contra qualquer outra congregação religiosa, mas repudiar quem utiliza a palavra de Deus em vão. “Eu converso com Deus no íntimo do meu ser. Não preciso ficar por aí, preocupado para que em cada dez palavras que eu fale, nove envolvam Deus”, disparou. Após eleito, ele disse que agradeceu a Deus. “No meu governo, iremos trabalhar para desmitificar certos pensamentos e daremos liberdade a todas as manifestações religiosas”, garantiu.

DIVULGAÇÃO

Política

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012


Política

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

CNJ realiza 6º Encontro Nacional do Judiciário

Cláudio Humberto COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS

www.claudiohumberto.com.br

“Já pagamos nossos pecados” LÍDER DO PT, JILMAR TATTO, sobre suposto depoimento de Marcos Valério citando Lula

PT se divide sobre acordo com PMDB na Câmara Apesar do discurso unívoco da bancada petista sobre manter o acordo de revezamento com o PMDB na presidência da Câmara, ala da sigla já reclama, nos bastidores, do “desconforto” em entregar o cargo ao líder peemedebista, Henrique Alves (RN). O grupo alega que o PT compõe a maior bancada e que será difícil aprovar projeto de interesse do governo com o PMDB no poder, a exemplo do Código Florestal. Decisão isolada Os petistas reclamam também que o acordo foi feito por Cândido Vaccarezza (SP), à época em campanha pela presidência da casa. Vontade de trair Dentro do PT, já se levanta a hipótese de traições, caso o partido insista em manter o acordo: o voto para o comando da casa é secreto. Tertius O líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP), confidenciou a roda de políticos interesse em voltar à psresidência. Nem que seja como Tertius. Boquinhas O deputado Wellington Luiz (PPL) estimula a greve dos policiais civis contra o governo do DF, mas não abre mão dos cargos que ocupa. CNJ: corregedor quer juiz em tempo integral Apesar do apoio dos desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado, dos membros do Ministério Público e da OAB, a Associação dos Magistrados da Paraíba se recusa a apoiar a campanha “Presença do juiz na comarca”, de segunda à sextafeira, liderada pelo corregedor nacional de Justiça, ministro

Francisco Falcão. A atitude dá força à acusação de que juízes somente ficam na comarca até quinta-feira. Em paz O líder do PSB na Câmara, Givaldo Carimbão (AL), nega que o PT tente cortar as asas do partido: “É intriga da oposição. Estamos juntos”. PSB com Dilma Givaldo Carimbão descarta a candidatura presidencial de Eduardo Campos, em 2014. “Daremos apoio ao projeto de Dilma”, garante. Em alta no Senado O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) é o mais cotado para líder do governo. Ou para presidir a Comissão de Constituição e Justiça. Zzzzzz Concluso para decisão, dorme há dois meses na Justiça Federal o processo de improbidade administrativa, obrigando Lula e o ex-ministro Almir Lando (Previdência) a devolver R$ 9,5 milhões dos empréstimos consignados do INSS no BMG, banco citado no mensalão. Estamos aí A CUT se articula para mais uma “defesa da sociedade”: implantar conselheiros nas novas prefeituras de médio e pequeno portes para “acompanhar os mandatos”. Basta não exigir carteirinha do PT... Dupla chance Defensores da candidatura do senador Lindbergh Faria (PT) ao governo do Rio alegam que ele tem dupla chance em 2014: em eventual segundo turno contra Anthony Garotinho (PR), ele teria apoio de Sérgio Cabral. Já contra Luiz Pezão, lucraria a ajuda do Garotinho.

Jornalista

Exame da Ordem O presidente da OAB, Ophir Cavalcante, acha que o exame de ordem livra o país de advogados desqualificados: “A profissão não se mede pelo número, exame de ordem não é jabuticaba brasileira”. Água e óleo O ex-governador do DF, Joaquim Roriz, disse a interlocutores que tem recusado encontros com assessores do governador Agnelo Queiroz (PT), que buscariam uma aproximação entre os dois grupos políticos. Treinar virou ‘escravidão’ O sindicato dos atletas gaúchos denunciou o time do Juventude, de Caxias do Sul, por “trabalho escravo”: os jogadores treinam 8 horas ao dia sem receber horas extras e não podem reclamar. Nem Romário, que sempre detestou os treinos, classificava-os de “trabalho escravo”. Cartolagem O senador Mário Couto (PSDB-PA) diz ter documentos provando que a Federação Paraense de Futebol é dominada há doze anos por um esquema corrupto liderado por seu presidente, coronel Nunes. “Um ditador que não mostra a arrecadação da entidade”, afirma. Mineração se expande Parlamentares acompanharão de perto o 3º Congresso Brasileiro da Amazônia, a partir desta segunda, em Belém, em que mineradores e poder público debaterão a expansão da indústria mineral na região. Pensando bem... ...é mais fácil Lula acertar todos os plurais que José Dirceu se matar na cadeia.

PODER SEM PUDOR

Só com retrato Um vereador de Araci, no norte baiano, foi à “Tribuna da Bahia” pedir para divulgar uma notícia importante: o ministro do Interior da época, Mário Andreazza, havia liberado recursos para o saneamento da cidade. Trazia até a foto que registrara o encontro, mas havia um problema: só aparecia metade do rosto de Andreazza. “Não dá para publicar”, informou o editor. O vereador perdeu o interesse: - No interior, notícia sem retrato é mentira.

JUSTIÇA LOCAL

Pernambuco tem muitos processos As maiores taxas de congestionamento de processos na Justiça estadual são as de Pernambuco (84,2%), Amazonas (82,5%), Mato Grosso (81,3%) e Piauí (81,1%), apesar da pequena quantidade de casos recebidos em comparação com outros tribunais. O fluxo foi retratado na publicação “Justiça em Números”, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Os dados mostram que Amapá (19,7%), Acre (31%),

Maranhão (49,3%) e Rondônia (46,2%) têm os menores congestionamentos. Utilizando como critério, além dos números de magistrados e de sentenças, as médias nacionais de ambos, o órgão colocou no topo do ranking as cortes de Roraima (48 magistrados e 636 decisões para cada um), Acre (65 magistrados e 1.392 decisões para cada um) e Rio de Janeiro (790 magistrados e 2.913 decisões por cada). Acre, Ama-

zonas, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Espírito Santo, que têm número de julgadores abaixo da média nacional (1.392), registraram produção de sentenças por magistrado acima da média. Em recomendações aos tribunais, o relatório do CNJ afirma que os juízes mineiros precisam quase dobrar sua produção para dar conta da demanda, passando de 1.041 decisões por magistrado para 2 mil.

Evento começa amanhã em Aracaju (SE) e deve reunir os presidentes dos 91 tribunais do país e conselheiros do CNJ O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ayres Britto, faz a abertura do 6º Encontro Nacional do Judiciário, amanhã, às 19h, no auditório do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), em Aracaju. O evento reúne os presidentes dos 91 tribunais do país e os conselheiros do CNJ, com o objetivo de definir ações prioritárias para aprimorar a gestão nos tribunais e garantir um melhor atendimento aos cidadãos. O ministro do STF e futuro presidente do órgão e do CNJ, ministro Joaquim Barbosa, também participará do encontro. Realizado anualmente sob a coordenação do CNJ, os encontros nacionais do Judiciário buscam avaliar a estratégia nacional estabelecida para a Justiça e divulgar o desempenho dos tribunais no cumprimento de projetos e metas nacionais. Este ano, os dirigentes das cortes vão discutir as metas traçadas para 2013 e devem fixar novos objetivos voltados ao planejamento de comunicação e ao combate à improbidade administrativa e à corrupção. Em sua sexta edição, o encontro deste ano contará, pela primeira vez, com participantes que não integram o mundo jurídico, como o empresário Jorge Gerdau.

LUIZ SILVEIRA/AGÊNCIA CNJ

A6

Ministro Ayres Britto vai abrir o encontro amanhã, em Aracaju

Evento terá reuniões setoriais O secretário de ações estratégicas da Presidência da República, Ricardo Paes de Barros, vai participar do painel “O olhar do administrador”, a partir das 10h30. Já a jornalista Eliane Cantanhêde e o advogado e professor da UERJ, Gustavo Binenbojm, apresentarão “O olhar da sociedade”, às 11h40. Outra inovação do evento deste ano são as reuniões setoriais, divididas por ramo da Justiça (Estadual, Federal, Traba-

lhista, Eleitoral e Militar) em que os dirigentes do Judiciário poderão discutir questões específicas enfrentadas em cada segmento. Os conselheiros do CNJ participarão da coordenação desses grupos. Todas as propostas aprovadas nas discussões setoriais serão levadas à plenária final, quando os presidentes vão definir as metas a serem perseguidas pelo Judiciário nos próximos anos.


Com a palavra

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

A7

Omar AZIZ

‘Eu acredito que o ARTUR vai fazer uma GRANDE GESTÃO’

ALEX PAZZUELO/AGECOM FOTOS: JOEL ROSA

MÁRIO ADOLFO Equipe EM TEMPO

C

om uma grande aceitação popular, o governador do Amazonas, Omar Aziz (PSD), deixou claro de que não vai fazer linha dura com o prefeito eleito de Manaus, o ex-senador Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro Neto (PSDB). Pelo contrário, ele – que apoiou a candidatura da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) à prefeita de Manaus - afirmou que acredita que o tucano irá fazer uma grande gestão e que o Estado estará à disposição da Prefeitura de Manaus. Em entrevista ao EM TEMPO, Omar projetou ainda que a presidente da República, Dilma Rousseff (PT), vai receber o prefeito eleito com “muita civilidade” e de que não irá criar barreiras para a gestão do tucano.

“Eu já fui a reuniões com ela e os governadores de oposição e o carinho e respeito que tem com todos eles muitas vezes a gente não vê (essa civilidade) aqui em Manaus, mas eu vejo por parte dela. Então eu não tenho dúvidas de que vai receber o Artur muito bem, com muita civilidade”

EM TEMPO – De que forma o senhor vai poder ajudar o prefeito eleito a resolver alguns “nós” na administração da cidade que, no momento, se encontra muito degradada? Omar Aziz – A campanha acabou. Quem decide, eu sempre digo, é a vontade de Deus e do povo, que tem que ser respeitada. O poder público, por sua vez, tem que respeitar as pessoas que acreditam na gestão do Artur. E eu sou uma pessoa que sigo na direção em que o povo aponta. E acredito que o Artur fará uma grande gestão e espero contribuir para isso. EM TEMPO – No dia da eleição o senhor disse que existe tempo para a prefeitura resgatar a cidade para a Copa do Mundo, mas disse que não sabe se vai ter é dinheiro. O senhor e o prefeito eleito já sabem aonde ir buscar esse dinheiro? OA – A pergunta que você me fez lá, no dia da eleição do segundo turno, foi esta: “Governador, dá para resolver os problemas da cidade até a Copa de 2014?” Eu respondi que dá. Dá para tapar buracos, recolher o lixo, resolver a água, a mobilidade urbana. Agora, não sei se tem dinheiro para tudo. Se você for analisar a cidade em que vivemos, vai observar que só transitamos pelas principais avenidas, mas, nos bairros da periferia, as ruas estão cheias de crateras. E não são poucas. São quilômetros de ruas que têm que ser recuperadas. Tempo nós temos, não sei se vamos ter dinheiro, porque se você pegar hoje o orçamento da prefeitura, vai comprovar

que o poder de investimento da receita corrente líquida é em torno de 8% a 10%. Isso dá pouco mais de R$ 200 milhões para investimentos que, numa cidade do porte de Manaus não é um recurso que você possa resolver tudo em um ano. É muito pouco dinheiro, por isso o Estado tem que ajudar. EM TEMPO – Então o senhor confirma que o Estado vai socorrer a prefeitura de Artur? OA – O Artur com certeza vai procurar ajuda do governo federal. Eu acredito que a presidente Dilma tem compromisso com o povo amazonense, com a cidade de Manaus. Ela também não vai se negar a ajudar naquilo que for necessário. A bancada de deputados e senadores também vai ajudar a cidade de Manaus. EM TEMPO – A ausência da atual prefeitura no projeto Copa não atrapalhou o desenvolvimento das obras. O BRT, por exemplo, que tem mais tempo para ser implantado.... OA – O Estado está financiando uma Copa, mas não é pelos quatro jogos que teremos. Sempre se pensou no legado que isso pode deixar para a cidade de Manaus. Até porque quatro jogos você assiste com muito mais tranquilidade na sua casa, não precisa enfrentar o trânsito. E mais, a Copa do Mundo não pode ser vista apenas pelo custo da Arena, que vai ser de R$ 527 milhões. Só no entorno, vamos ter que gastar alguns outros milhões. Tem mais o estacionamento que eu vou ter que construir ao lado da Vila Olímpica, naquele cartódromo. Manaus tem eventos quase semanalmente, que reúnem mais de 50 mil a 60 mil pessoas e ninguém reclama de trânsito. A capacidade da Arena é de 42 mil pessoas. Isso comporta qualquer público de festa grande no sambódromo e ninguém reclama da mobilidade. No dia da Copa, se tem jogo aqui se decreta feriado municipal e acabou, não vamos ter problema na mobilidade. EM TEMPO – O que deverá ficar de bom para Manaus depois da Copa do Mundo? OA – Algumas obras para a cidade serão financiadas de forma diferenciada, como a questão da mobilidade. Por isso se criou o PAC da Copa. E aí o Estado se compromete a construir o monotrilho e há 2 anos o projeto está na Caixa Econômica Federal para ser

aprovado. Dois anos e não saiu um tostão ainda. A prefeitura se compromete a fazer o BRT, mas não tem recursos para fazê-lo. O Estado vai e pega R$ 200 milhões emprestados para a Prefeitura de Manaus. Na última reunião que eu tive com o ministro das Cidades, disse a ele que, além de pegar os R$ 200 milhões para o BRT, eu assumia o compromisso da contrapartida da prefeitura, para não perder esse dinheiro e a oportunidade de fazer o BRT. Só que o BRT não são só esses R$ 290.230,40. Existem desapropriações que precisam ser feitas que demandam tempo e dinheiro. E não é desapropriação em áreas onde o custo do metro quadrado é pequeno. Tem área onde o valor é bem acima do praticado em regiões que antes eram periféricas e hoje não são. Se você pegar a região da Grande Circular, no São José, naquela rua principal, o metro quadrado não custa menos que R$ 200. As pessoas vão para a Zona Leste como se fosse um bairro periférico. Não é. Hoje existe ali um comércio muito forte. Houve uma valorização imobiliária muito grande e não houve planejamento. EM TEMPO – Como implantar um sistema de transporte moderno na cidade, esbarrando em problemas que se arrastam há anos, além da falta de tempo e de dinheiro? OA – Alguém vai pagar esse ônus todo. O prefeito Artur acabou de falar. Quando ele foi prefeito a última vez, Manaus tinha problemas de ônibus velho, mas não tinha engarrafamento na cidade. Com o crescimento do poder aquisitivo, todo mundo adquiriu carros. Então houve um crescimento do número de veículos e a cidade não acompanhou. E os últimos prefeitos que passaram pela Prefeitura de Manaus, nenhum fez uma grande via na cidade. E eu estou falando em mais de 12 anos, que não teve uma grande avenida aberta nesta cidade, que cortasse de leste a oeste, de norte a sul. Pelo contrário, as mesmas vias utilizadas na década de 90 são utilizadas hoje, só que com um volume dez vezes maior de carros. Foi isso que aconteceu com a cidade de Manaus. EM TEMPO – Sim, mas qual será o legado da Copa do Mundo? OA – O legado que ficará para a gente será um aeroporto renovado e bonito, que já está sendo feito. O porto que, agora, se Deus quiser, com essa decisão tomada

pelo governo federal de retomá-lo dessas pessoas que, há anos não fizeram nada, é possível que nós possamos reformar, reestruturar e deixar aquilo uma área digna para as pessoas visitarem, porque é um ponto turístico muito bonito. E a mobilidade urbana. São essas coisas que ficarão como legado. EM TEMPO – E o Fanpark do Encontro das Águas, também não avançou porque não há mais tempo? OA – Naquela área estamos tendo muitos problemas com o Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan). É que agora tudo virou sítio arqueológico. Outro dia li no jornal que na área da Siderama apareceram uns desenhos. Aquela pedras são arenito, qualquer pessoa chega lá, risca, faz um desenho e vira um sitio arqueológico. E até provar que vermelho não serve para luto, é isso. Sinceramente, quando eu era menino que nadava lá na beira do rio Negro, toda vez que surgiam aquelas pedras a gente fazia desenhos. E não tem nenhum trabalho indígena feito por mim. Mas quem sou eu para estar discutindo essa questão que o prefeito vai enfrentar também? Hoje não é tão simples mexer com uma fachada no Centro, onde também nós tivemos um problema sério com o Iphan. O instituto pediu o tombamento do centro da cidade inteiro. Ele não pediu o tombamento dos prédios, ele pediu do Centro todo. Agora, até em terreno baldio a gente não pode mexer. EM TEMPO – O prefeito vai precisar muito do apoio do governo federal. O governador vai ajudar a fazer essa ponte para o prefeito conseguir o apoio da presidente Dilma? OA – Vou dizer uma coisa: pelo o que eu conheço da presidente Dilma, ela não vai criar qualquer barreira. Hoje por exemplo, se você chegar com o governador do Paraná, Beto Richa, que é um jovem e é meu amigo e perguntar qual o tratamento que ele recebe da presidente Dilma, mesmo sendo do PSDB, ele vai lhe dizer. Pode perguntar a outros gestores do DEM, e eles vão responder que é o melhor possível. Eu já fui a reuniões com ela e os governadores de oposição e o carinho e respeito que tem com todos eles muitas vezes a gente não vê (essa civilidade) aqui em Manaus, mas eu vejo por parte dela. Então eu não tenho dúvidas de que vai receber o Artur muito bem, com muita civilidade.

A campanha acabou. Quem decide é a vontade de Deus e do povo, que tem que ser respeitada. O poder público tem que respeitar as pessoas que acreditam na gestão do Artur”

O legado que ficará para gente será um aeroporto renovado e bonito, que já está sendo feito. O porto, que poderemos reformar e deixar aquilo uma área digna para as pessoas”


A8

Política

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

TCE terá revezamento na presidência por 10 anos Dos sete conselheiros, quatro ainda possuem um longo período para atuar no cargo, o que causaria um rodízio entre eles ARQUIVO EM TEMPO

Ari Moutinho Filho tem mais de 30 anos pela frente na função ÁQUILA SICSÚ Equipe EM TEMPO

D

os sete atuais conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), quatro deles possuem ainda pela frente mais de 10 anos de atividades na corte. Isso quer dizer que eles podem se revezar por várias vezes na presidência do órgão nesse período. Um deles é o conselheiro Ari Moutinho Filho, último a ser incorporado no quadro do tribunal, que tem ainda mais 30 anos de serviço na função de conselheiro do TCE-AM. Isso porque, quem se torna conselheiro, tem a opção de só deixar o posto aos 70 anos de idade, mediante aposentadoria compulsória. Depois de Moutinho, aparecem o conselheiro Érico Desterro com ainda 22 anos de serviço, Júlio Pinheiro com 19 anos, Júlio Cabral com 12 anos, Josué Filho, com 8 anos,

Raimundo Michiles, com 3 anos e Lúcio Albuquerque, próximo a completar 70 anos, com ainda 2 anos de serviço pelo frente. Concurso O atual presidente do TCEAM, Érico Desterro, que tem sete anos como conselheiro, disse que ingressou no tribunal na função de procurador de contas por meio de concurso público, a vitaliciedade do cargo é uma garantia que o conselheiro e o auditor tem para exercer sua atividade. “Acho que vitaliciedade do cargo cria as condições para que o conselheiro e o auditor tenham independência no exercício de suas funções, não recebam qualquer espécie de pressão sobre a sua atividade. Porque ele tem a garantia que não perderá seu cargo mesmo que contrarie eventualmente o interesse de alguém. É uma garantia, a favor do cargo e não da pessoa”, argumenta. CARLOS HUMBERTO/TSE

DIVULGAÇÃO

Conselheiro Júlio Pinheiro fica no cargo por mais 19 anos

DIVULGAÇÃO

Josué Filho ainda tem mais 12 anos como conselheiro do TCE

Cargo vitalício e salário alto

Ingresso é por indicação

O TCE-AM julga contas de administradores e demais responsáveis por dinheiro, bens e valores públicos da administração direta e indireta, incluídas as fundações e sociedades instituídas e mantidas pelo Poder Público federal, e as contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário público. Conforme o artigo 95 da Constituição Federal de 1988, são garantias dos magistrados: a vitaliciedade; a inamovibilidade e a irredutibilidade de subsídio. Por outro lado, é-lhes vedado o exercício de outro cargo ou função, salvo de magistério; receber custas ou participação em proces-

Os conselheiros ingressam no Tribunal de Contas por meio de indicação, sendo quatro da Aleam e três da escolha do governador do Estado. Destes últimos, uma é de escolha pessoal do governador e as outras duas, após o envio de lista com nomes para a função pelo Ministério Público de Contas e pela auditoria de Contas do órgão. No atual quadro de conselheiros do TCE-AM, as escolhas da Assembleia Legislativa foram: Júlio Cabral, Raimundo Michiles, Júlio Pinheiro e Josué Filho. Ari Moutinho foi escolha pessoal do governador, enquanto Érico Desterro e Lúcio Albuquerque foram indicações do Ministério Público e da au-

so; dedicar-se à atividade político-partidária; receber auxílios ou contribuições de pessoas físicas e de entidades públicas ou privadas; e exercer a advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou, antes de decorridos três anos do afastamento por aposentadoria ou exoneração. Outro argumento sedutor, além da vitaliciedade do cargo, é o salário para os integrantes da corte: R$ 24.117,62, uma das remunerações mais altas da administração pública, atrás apenas dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que ganham R$ 26,7 mil, e de funcionários dos Tribunais Superiores, cujo teto salarial é de R$ 25,3 mil.

ditoria, respectivamente. Presidência Empossado como presidente do TCE em dezembro do ano passado, Desterro fica na função até dezembro de 2013, quando deve assumir o cargo o vice-presidente do órgão, conselheiro Josué Filho. A escolha para o presidente do tribunal acontece por meio de um rodízio decrescente estabelecido pelos próprios conselheiros, ou seja, do que possue mais tempo como conselheiro para o que apresenta menos tempo de casa. Se essa ordem for seguida pela corte nos próximos anos, depois de Josué Neto, deve assumir a função Ari Moutinho.

ELEIÇÕES OAB

TSE não poderá ceder urnas Ministra Cármen Lúcia disse que não poderá ceder urnas

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia, comunicou ao presidente da OAB do Rio de Janeiro (OABRJ), Wadih Damous, que não poderá ceder à seccional as urnas eletrônicas para

a escolha do próximo presidente da entidade no dia 26 de novembro. As seccionais da OAB irão escolher seus presidentes regionais em datas diferentes durante a segunda quinzena de novembro. No pleito an-

terior da seccional do Rio de Janeiro, o TSE emprestou as urnas eletrônicas para a coleta de votos. Desta vez, os votos serão depositados em urnas convencionais, de lona. A lei não permite a desprogramação e a retirada dos

lacres das urnas eletronicas em prazo logo posterior ao pleito. Cármen Lúcia explicou que, nas eleições anteriores, não houve problema em emprestá-las porque a escolha anterior não coincidiu com eleições oficiais.


Caderno B

Economia MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

economia@emtempo.com.br

REPRODUÇÃO

Aumenta a demanda por turismo exótico Economia B4

(92) 3090-1045

ARQUIVO EM TEMPO/GIOVANNA CONSENTINI

Estado vai beneficiar produção de abacaxi Oitavo maior produtor de abacaxi do país, Amazonas vai investir na industrialização da fruta ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

D

epois de ser considerada a oitava maior do país, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção de abacaxi do Amazonas desperta o interesse do segmento agrícola do Estado na agregação de valor à fruta. Uma das ideias debatidas é a industrialização do abacaxi para a fabricação de produtos como sucos ou geleias. “Com o processo de beneficiamento, evitaríamos o desperdício da fruta no pico de safra e também eliminaríamos o risco do mercado consumidor não absorver a demanda ofertada”, salienta o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faeam), Muni Lourenço. Segundo ele, o projeto para industrializar o abacaxi ainda está na fase de estudo. O dirigente destaca que o beneficiamento da fruta irá gerar renda e empregos no

Estado, onde a tendência é que o cultivo de abacaxi continue com essa trajetória de crescimento. “Os agricultores entenderam que a produção do abacaxi é adaptável às condições climáticas da região e que o sabor da fruta produzida no Estado tem grande aceitação no mercado consumidor local”, afirma o presidente da Faeam. O governo, por sua vez, tem se mostrado favorável à industrialização de várias culturas produzidas no Estado. A Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror), por meio da assessoria de imprensa, informa que tem adotado diversas estratégias para fomentar o setor primário no Amazonas como as ações de crédito rural, assistência técnica e escoamento da produção por meio da revitalização de estradas vicinais. De acordo com

a secretaria, o governo tem projetos para tornar o Estado autossuficiente nos alimentos. Responsável por 10,5% de todas as culturas temporárias cultivadas, em 2011, no Amazonas, a produção do abacaxi tornou o Estado como o oitavo maior produtor da fruta do país. Há dez anos, o Amazonas ocupava a 15ª posição. Essa realidade se transformou graças ao esforço dos produtores e o apoio de políticas públicas, que facilitaram a concessão de financiamentos, assistência técnica, acesso à tecnologias e a comercialização do produto. No ano passado, o Amazonas

produziu a marca inédita de 62,3 milhões de abacaxis, 63% a mais do que no mesmo período do ano anterior. Em 2011, o setor movimentou em torno de R$ 87,3 m i lhões.

Destaque nacional Na avaliação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), órgão que fez o levantamento dos dados da Produção Agrícola Municipal (PAM) 2011, o abacaxi é uma “cultura que se estabeleceu no campo amazonense e que já tem destaque no cenário nacional”. Grande parte do desempenho positivo do Estado pode ser atribuída ao trabalho dos produtores da região de Novo Remanso, em Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus).

Os agricultores itacoatiarenses são responsáveis por 71% de toda a produção de abacaxi, com uma colheita de 44 milhões frutos em 2011. De acordo com a Sepror, há 226 produtores de abacaxi em todo o Amazonas. “Todos os produtos cultivados nos municípios servem primeiramente para atender a demanda local, mas o maior mercado consumidor é Manaus ou localidades próximas aos próprios municípios”, destaca a Sepror, por meio da assessoria.

Madioca tem alta de 244% Outra lavoura temporária em destaque é da mandioca, que se mantém como uma das mais importantes do Amazonas, embora o Estado seja o sétimo maior produtor do país. No ano passado, a produção de mandioca cresceu em torno de 244%, no

Amazonas, onde é cultivada por 3.386 produtores espalhados em todos os municípios do interior, mas com potencial maior em Manacapuru, Manicoré e Tefé. “A produção de mandioca é bastante expressiva na região, onde os agricultores usam a raiz para o beneficiamento de outros produtos como a farinha”, afirma o gerente

do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) de Manacapuru, Reginaldo Lima. Segundo o IBGE, em 2011, foram produzidas mais de 1 tonelada de mandioca, no valor aproximado de R$ 520 milhões. Melancia Outro produto em as-

censão é a melancia. Conforme o IBGE, 22,7% da melancia produzida na Região Norte é cultivada no Amazonas, em particular, no município de Manicor��. No ano passado, a produção de melancia foi de 72,5 toneladas, no valor de R$ 74,5 milhões. “A melancia é outra aposta do setor para o futuro”, comenta o presidente da Faeam, Muni Lourenço.


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 7 DE OUTUBRO DE 2012

Demanda por seguros em alta na capital amazonense Preocupados com fenômenos da natureza, manauenses investem em seguros, principalmente os de vida e patrimônio DIEGO JANATÃ

ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

A

o invés de esfriarem os ânimos, os fenômenos naturais aqueceram o mercado de seguros, em Manaus, onde corretoras registram crescimento de 20% em relação ao mesmo período de 2011. A procura por seguro de vida também “pegou carona”, devido à “revolta” da natureza. “O mercado está em expansão por causa dos fenômenos naturais. Este ano tem sido bom para o setor”, afirma o presidente do Sindicato dos Securitários do Amazonas, Arlindo Lima. Com medo das consequências das chuvas torrenciais e dos fortes ventos, a população tem procurado se resguardar de possíveis desastres naturais. A psicóloga Elizabeth Pinheiro, 42, decidiu fazer seguro de vida depois que sua residência, no conjunto Shangrilá, no bairro Parque Dez, Zona Centro-Sul, foi atingida por pedaços de telha durante um temporal em setembro deste ano. Apesar das telhas de zinco não terem machucado os moradores da casa, onde ela reside com o filho de 16 anos, e os estragos terem sido pequenos para ela, o susto foi suficiente para aprender a lição. A partir daquele dia, a profissional investiu mais de R$ 1 mil para fazer o seguro de vida. “A área onde moro é

sempre afetada pelos fortes ventos quando acontece um temporal causando destelhamento e queda de postes. É melhor prevenir do que remediar”, conta. A atitude semelhante foi tomada pelo empresário Roberto Moraes, 49, depois que os efeitos de um terremoto de forte intensidade que ocorreu em um país vizinho, em 2007, fez tremer o prédio onde morava na avenida André Araújo, Zona Centro-Sul. Além de mudar de casa, aque-

REAIS

1,2 MIL

É o valor máximo desembolsado por uma pessoa por ano em contrato de seguro de imóveis le episódio foi o suficiente para fazer seguro de vida. “Pensamos que moramos em segurança. Porém, a qualquer momento pode acontecer um fenômeno natural e afetar a vida de muitas pessoas na região”, avalia. Mercado Conforme corretores ouvidos pelo EM TEMPO, o valor do seguro de vida depende do acordo feito entre a corretora

e a pessoa interessada. Com 18 anos de profissão, o corretor Mário Médici, da Amen-Rá Corretora de Seguros, destaca que fatores como a idade da pessoa, a existência de vícios (cigarro e bebidas) e a condição financeira são levados em consideração na hora de avaliar o preço do seguro. Segundo ele, homens jovens e solteiros possuem a probabilidade maior de pagar por um seguro de vida mais caro porque são considerados como “grupo de risco”. Por outro lado, mulheres casadas de idade média são as que estão mais propensas a terem o valor do serviço avaliado para baixo. “Elas são mais cuidadosas”, explica Mário Médici. No caso dos imóveis, geralmente, o seguro cobre incêndios causados por raio ou explosão. Porém, perdas com fenômenos naturais precisam ser acordadas em contratos à parte. “Os valores dos danos com temporais ou terremoto, por exemplo, devem ser especificados em acordos no contrato”, salienta Mário Médici. Valores de mercado mostram que uma pessoa pode desembolsar em média de R$ 300 a R$ 1,2 mil por ano pelo seguro de imóveis. A Caixa Econômica Federal oferece oito modalidades de seguro de vida, e pagam indenizações que vão de R$ 30 mil a R$ 1 milhão. Conforme o site da instituição bancária, todos os tipos de seguro cobrem mortes causadas por acidente.

Segurança é a maior preocupação Embora os fenômenos naturais estejam contribuindo para “aquecer” o mercado, o roubo de carro continua sendo o principal motivo da grande procura pelas corretoras de seguro. Conforme o corretor Mário Médici, os contratos relacionados ao furto de veículos dobraram na capital. “Este ano, os seguros fe-

chados aumentaram 100% em relação ao ano passado por conta dos casos de roubo de carro”, enfatiza. Quando acontecem perdas com o carro, sejam parciais ou totais, para pedir a cobertura do seguro, o primeiro passo é fazer um Boletim de Ocorrência em qualquer delegacia. Em seguida, o documento é envia-

do à corretora, que toma as medidas necessárias para resguardar o direito do cliente. “Dependendo do caso, é autorizado o reparo ou o ressarcimento quando há perda total do veículo”, frisa. O seguro de carro pode variar de R$ 1,4 mil, no caso dos modelos populares, a R$ 12 mil, valor pago para os automóveis de luxo. MARIO OLIVEIRA

Seguro de veículos pode variar de R$ 1,4 mil a R$12 mil nas seguradoras da cidade


Economia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Um contingente de 110 mil aposentados no AM Número de aposentados no Estado apresentou um crescimento de até 2% em relação ao ano passado RICHARD RODRIGUES Equipe EM TEMPO

N

este ano, a quantidade de aposentados no Amazonas atingiu 110.777 mil pessoas. O número registrado, somente nos seis primeiros meses de 2012, superou em pouco mais de 2% o volume computado no acumulado de 2011, quando 108.658 pessoas recebiam o benefício, que varia entre R$ 644,80 e R$ 1.951, segundo dados da Previdência Social. De acordo com a Previdência, o benefício é pago por meio de quatro tipos de aposentadorias: a aposentadoria por tempo de contribuição, invalidez, especial e por idade, que é a modalidade que mais cresce no Amazonas e demais Estados brasileiros. “A aposentadoria por idade responde pela maior parte do benefício pago no Amazonas por ter um crescimento natural não só no Estado, mas em todo o país”, observou a chefe do Serviço do Benefício no Amazonas, Iguacy Cunha. Ainda segundo Iguacy, a aposentadoria é o benefício que substitui a renda do trabalhador quando ele não pode mais trabalhar por causa da idade avançada ou pela invalidez definitiva. “Vale ressaltar que quem contribui para a Previdência tem direito à aposentadoria desde que cumpra as condições para recebê-la”, informou. No que diz respeito à aposentadoria por idade, Iguacy informou que tem direito ao benefício trabalhadores do sexo masculino com idade a partir de 65 anos, e do sexo feminino a partir de 60 anos. “Esse perfil só não se enquadra para os trabalhadores da zona rural, que podem solicitar o serviço por idade com 5 anos a menos do que o estabelecido. No caso das mulheres o benefício pode ser solicitado aos 55 anos, e homens a partir de 60 anos”, destacou. No caso da aposentadoria por tempo de contribuição, a chefe do Serviço de Benefício da Previdência no Estado informou que o benefício pode ser solicitado por trabalhadores do sexo masculino ao completarem 35 anos de contribuição, enquanto as mulheres podem pleitear a aposentadoria aos

Modalidades de benefícios Por idade: têm direito os trabalhadores urbanos do sexo masculino a partir dos 65 anos e do sexo feminino a partir dos 60 anos. Os trabalhadores rurais podem pedir aposentadoria por idade com cinco anos a menos. Invalidez: benefício concedido aos que, por doença ou acidente, forem considerados pela perícia médica da Previdência Social incapacitados para exercerem suas atividades. Tempo de contribuição: pode ser igual ou proporcional. Para ter direito à aposentadoria integral, o trabalhador homem deve comprovar, pelo menos, 35 anos de contribuição e a mulher, 30 anos. Especial: benefício concedido ao segurado que tenha trabalhado em condições prejudiciais à saúde ou integridade física. Para garantir essa aposentadoria, o trabalhador terá de comprovar, além do tempo de trabalho, a exposição a situações prejudiciais a qual foi submetido.

30 anos de contribuição. “Nesta modalidade, a aposentadoria independe da idade do contribuinte”, observou. Já a aposentadoria especial pode ser requerida por quem executa trabalhos de risco. “Nesse caso, é necessário que o segurado tenha um número mínimo de contribuição que pode ser de 15 anos, 25 anos ou 30 anos, dependendo do

grau de risco que a atividade oferece ao trabalhador. Já a por invalidez, deve ser solicitada desde que o contribuinte esteja incapacitado, definitivamente, para qualquer atividade, seja em virtude de doença ou acidente. Se a causa for doença, a carência para solicitar o benefício é de 12 meses, enquanto não há carência em caso de acidente.

Valores pagos e como solicitar Em relação aos valores médios pagos por aposentadoria no Estado, a Previdência informou que os valores vão de R$ 644,80, no caso da aposentadoria por idade, a R$ 1.951,55 (aposentadoria especial). O benefício pago em casos de invalidez vai de R$ 953,11 a R$ 1.599 nos casos de aposentadoria por tempo de contribuição. Para requerer qualquer tipo de aposentadoria, o segurado da Previdência deve ligar para o número de telefone 135, que funciona de segunda a sábado, de 7h às 21h, e agendar o seu atendimento. Nesse momento, o segurado vai ter programado o local, o dia e

MONTANTE

No caso de aposentadoria por idade, o benefício mensal varia de R$ 644,80 a R$ 1.951,55. Por invalidez, o recurso vai de R$ 953,11 a R$ 1.599, conforme informações do INSS a hora do seu atendimento. “Além disso, o solicitante também terá a praticidade de, ao chegar na agência, ter um funcionário com horário reservado para o seu atendimento e com seus dados cadastrais já identificados”, garantiu Iguacy.

Caso o segurado tenha todos os documentos necessários para se aposentar (que são informados pelo atendente da Central 135), poderá sair da agência aposentado. Portanto, o tempo médio do processo depende exclusivamente da documentação de cada segurado. “Atualmente, são muitos os casos em que o segurado se aposenta na hora do seu primeiro atendimento. Ele sai da agência sabendo o valor da aposentadoria, o dia do seu primeiro pagamento e a agência bancária onde receberá o seu benefício”, finalizou a chefe do Serviço do Benefício no Estado.

B3


B4

Economia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Destinos exóticos atraem interesse de amazonenses Países até então desconhecidos pelos turistas apresentam expansão de procura e viram “alvo” de pacotes em agências

ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

S

omados aos Estados “queridinhos” dos amazonenses, como Fortaleza e Rio de Janeiro, destinos nada convencionais prometem “fazer a cabeça” dos turistas locais nas próximas férias. Vietnã, Tailândia, Azerbaijão, Egito e Índia estão entre as novas ofertas das agências de turismo do mercado. “O amazonense está investindo cada vez mais em viagens. E, atualmente, o custo de viagem para o exterior está mais em conta do que viajar para um destino brasileiro. Em nossa agência montamos pacotes para qualquer lugar do mundo”, enfatiza o ge-

rente-geral da empresa CVC, Eduardo Mesquita. Apesar de não ter estatísticas do número de amazonenses que procuraram roteiros “exóticos”, a empresa garante que esses produtos têm despertado o interesse dos clientes locais e, com isso, a CVC tem fechado parcerias com empresas internacionais de roteiros para atender essa demanda. Embora a compra dos pacotes sejam feitas em Manaus, a maioria das saídas ocorre em São Paulo. Entre um dos pacotes mais atraentes está o cruzeiro Indochina Sails Cruise, do Vietnã. “Queremos apresentar a esse público a baía de Halong, no Vietnã, um lugar exótico a 170 quilômetros de Hanói, com várias ilhas e ilhotas e con-

siderado patrimônio mundial da Unesco”, salienta a diretora de Vendas e Marketing da Indochina Sails Cruise, Le Phuong Nhi. O cruzeiro da empresa é feito em um luxuoso navio de madeira que remete à antiguidade com o conforto da época atual. “Temos grande interesse em conhecer o mercado brasileiro e, se possível, nos estender ao sul-americano. É com prazer promover um pedaço do Vietnã ao mundo. Um lindo país da Ásia, rico em patrimônio e cultura, que oferece incrível beleza natural e pessoas amáveis e hospitaleiras”, conclui Le Phuong. A Tailândia desconhecida Recentemente, Kulpramote Wannalert, diretora de turis-

mo da Tailândia veio ao Brasil com a finalidade de aumentar os negócios. O país, localizado no continente asiático e dividido entre a Indochina e a península Malaia, tem interesse explícito do governo tailandês em conscientizar os agentes de viagens brasileiros acerca das oportunidades que encontram em seu país. Roteiros como Uzbequistão, na Ásia Central, também estão entrando no mercado nacional. “Oferecemos nossos passeios para Ásia Central ou destinos da Rota da Seda, que somos especialistas. Vemos que o Brasil tem grande interesse nesses destinos. Já trabalhamos com países de língua portuguesa e espanhola”, frisa Temur Khaitov, diretor da El Mundo Tour.

Egito cotado para ‘queridinho’ A expectativa das agências de viagens com roteiro para as férias do verão dos brasileiros será o Egito. A empresa egípcia é a primeira operadora do Egito que montou escritório em São Paulo e não oferece apenas viagens ao país. Segundo Aline Giarelli, roteirista internacional da empresa, o novo catálogo da operadora vem com um leque de opções para os mais inusitados destinos do Egito. Em 2012, a operadora tem crescido consideravelmente com demandas

de pedidos de produtos e por isso, dobrou seu time. “O Brasil é um mercado em expansão no turismo, por isso montamos base no país. Esperamos aumentar em 30% o mercado de turistas brasileiros no Egito até julho de 2013”, comenta. Com saídas de São Paulo, o destino “exótico” pode sair para o turista por R$ 3 mil (nove dias) a mais de R$ 6 mil (16 dias), incluindo hospedagem com café da manhã, passagens aéreas e translado do aeroporto para o hotel.

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

Os buracos do poraquê Depois de visitar, neste Dia dos Finados, o herbário de Wyllis Souza, o jornalista que largou a redação para virar orquidólogo/botânico, e checar o estrago feito pelo tufão baré, na última terça-feira, em sua coleção preciosa de Cattylea Eldorado Linden, em época de exuberante florada, fui ao lago do Puraquequara, atrás do lendário tambaqui escabeche, para degustar essa referência de gastronomia regional que nos descreve e identifica. A culinária ainda preserva o sabor, mas o serviço não poderia ser mais precário e decepcionante. Um completo despreparo da cozinha para fora, com atendimento de péssima qualidade, instalações improvisadas, sem noções de higiene, trato e cortesia, num amadorismo desolador. E o lamento não se agrava ou acentua à vista do despre-

paro em relação à Copa da Fifa. É um lamento mais amplo e dolente, independente da má impressão dos visitantes. Um pesar nativo, em nome dos usuários locais que já sabem o que é qualidade de serviços nas dimensões on-line da aldeia globalizada. Falta a presença do poder público, da educação fundamental, elementar, do código de posturas, das boas maneiras que as famílias (não mais) ensinam. E se não o fazem é porque cada um só dá o que tem. Falta fiscalização, estímulo, treinamento e clientes conscientes de seus direitos e obrigações. Esse despreparo aparece na defasagem educacional do Amazonas, que já foi uma das melhores do país e hoje ocupa a rabeira do constrangimento, a despeito de sermos uma das capitais mais aquinhoadas com

recursos. Puraquequara, o buraco onde se esconde o poraquê na língua geral, é o bairro mais antigo de Manaus, o Pesqueiro Real, desde o Lugar da Barra, no Século 17, designado pela Coroa Portuguesa para oferecer proteína piscosa e deliciosa para alimentar os trabalhadores que edificaram a fortaleza real. O tempo corroeu, na omissão da gestão pública, a nobreza do trato na preparação educacional das gerações. A paisagem permitiria uma referência igual ou mais bucólica do que o balneário da Ponta Negra, para acolher a população das zonas Leste e Norte, ávida de alternativas sadias de entretenimento e descontração. Não haverá recurso, prontidão e talento para construir o Monumento Encontro das Águas, sugerido para alternativa de lazer

e referencial amazônico no evento da bola, apesar de tantos recursos que a ZFM produz. O despreparo perpassa as classes sociais, os gestores e sua representação parlamentar. É muito discurso e muita bravata, escassos resultados na materialização de proposições, projetos, promessas, num desencanto sem parar. Nesta semana a Suprema Corte, em mais uma ação de inconstitucionalidade do governo estadual na guerra fiscal travada com outros Estados, especialmente o de São Paulo, deu ganho de causa ao Amazonas. Respiramos um fôlego adicional a favor da Zona Franca de Manaus na questão dos tablets, que a bancada federal, a mais insossa de nossa história, deixou passar. Até quando? E até onde precisamos aguardar para

desencadear as iniciativas locais que nos empurrem ao patamar da maturidade fiscal e gerencial? Chega de carregar o país nas costas recolhendo mais de 50% de nossa receita para a União omissa. Chega de subserviência parlam entar e temor de exigir reinvestimento de parte dessa arrecadação em educação e qualificação dos jovens e trabalhadores locais. Há um dever de casa a ser feito, a começar pelo investimento continuado no senso crítico das novas gerações para que escolham uma representação politica mais atenta e coerente aos interesses locais. Para tirar a todos do buraco em que nos enfiaram os peixes tenebrosos do oportunismo e do mandonismo patológico. (*) Alfredo é filósofo e consultor ambiental.

Alfredo MR Lopes Filósofo e consultor ambiental

Respiramos um fôlego a favor da zona franca na questão dos tablets, que a bancada federal deixou passar”.


MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Economia

B5


B6

País

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Policiais de São Paulo fazem rodízio de coletes

Por causa da falta da proteção individual, os PMs do interior do Estado estão sem o equipamento à prova de balas. O comando espera por uma licitação

O

s policiais militares do Estado de São Paulo estão sendo obrigados a fazer um “rodízio” no uso de coletes à prova de balas no horário de serviço. Isso ocorre porque o equipamento de proteção individual está em falta e o comando da PM ainda não conseguiu fazer a reposição das peças. Uma licitação em andamento prevê a entrega de 35 mil peças - 60% na região de Araçatuba. Até o ano passado, cada PM tinha um colete exclusivo, de uso individual. Mas recentemente eles foram retirados dos soldados porque muitos estavam com data de validade vencida e a quantidade que sobrou não era suficiente para atender toda a tropa. Outro problema foi uma determinação do comando da PM que obrigou a tropa a usar colete com capa azul por baixo da farda. Mas o uso foi rejeitado porque causava imobilidade, desconforto e até micose. O comando revogou a medida, mas já tinha retirado da corporação as capas de cor marrom e, como é proibido usar colete com capas da mesma cor da farda, a falta do equipamento se agravou mais ainda. Para evitar que homens ficassem sem a proteção, os comandos da PM recolheram os coletes, adotando a chamada “operação arma-desarma”.

DIVULGAÇÃO

Até o ano passado, cada PM tinha um colete exclusivo à prova de balas, de uso individual

Corporação confirma problemas Em nota, a corporação confirmou o problema ocorrido na licitação, mas não deu detalhes. “Tendo em vista a abertura de processo licitatório para compra de novos coletes, pela Polícia Militar do Estado de São Paulo (Diretoria de Logística), ocorreu um problema em relação à entrega dos novos coletes pela empresa ganhadora da licitação”, diz a nota, assina-

da pelo chefe da seção de Comunicação do Comando de Policiamento do Interior -10 (CPI-10), tenente Marcos Sorato Berti. “Assim, o Comando, visando a manter a segurança e a integridade física do policial militar, determinou a recolha de todos os coletes válidos para o uso, para que os mesmos sejam utilizados somente quando os policiais militares estejam

trabalhando, numa forma de utilização que chamamos de ‘arma e desarma’.” A assessoria da PM não informou quantos comandos no Estado estão enfrentando a falta do equipamento, mas a informação de um oficial, que pediu para não ser identificado, é de que apenas um lote, dos três da licitação, seria entregue em 16 de outubro.

EM BRASÍLIA

Escola passa a monitorar estudantes usando chips Fugir da sala de aula sem deixar vestígio está se tornando uma tarefa mais difícil para os alunos das escolas públicas de Samambaia, município no entorno de Brasília. O Centro de Ensino Médio Samambaia 414, do governo do Distrito Federal, adotou há duas semanas um chip que, costurado ao uniforme dos estudantes, identifica a entrada e saída dos adolescentes. Assim que ele entra na escola, uma mensagem SMS é enviada ao celular do pai ou responsável - outra mensagem é encaminhada na saída. Ainda em fase de testes, a experiência tem a participação de 37 alunos de uma turma do primeiro ano do ensino médio. O modelo é o mesmo já adotado em escolas da rede municipal de Vitória da Conquista (BA). “(Isso) é dizer ao pai: “A responsabilidade também é sua””, diz Remísia Tavares, diretora da escola, que têm cerca de 1.600 alunos do ensino médio. Ela conta que muitas vezes o pai só toma conhecimento das ausências sucessivas do filho quando busca o boletim. “Não há invasão de privacidade, o pai é que fica tranquilo.” Entre os alunos, a reação não foi tão positiva. “No primeiro momento, ninguém gostou”, diz Gabriela Sousa, 15.

Ela reconhece, porém, que já houve redução no número de faltosos, especialmente na última aula do dia, quando muitos deixam o colégio antes do horário previsto. Os pais, de outro lado, comemoram. “Na frente da gente, é uma coisa. Pelas costas, pode ser outra”, diz Irismar de Sousa, 41, mãe de Gabriela. Maria Dulce Martins, 56, mãe de outro aluno, também só vê benefícios. “Lista eletrônica” Sócio da empresa que instalou o dispositivo, Charles Vasconcelos diz que o chip só substitui um controle que ocorre de forma mecânica e mais lenta, como as listas de frequência lidas em sala de aula. A empresa estima um custo mensal de R$ 13 a R$ 16 por aluno - além da implantação do chip, o valor prevê pacote de SMS e a instalação e manutenção do aparelho que registra a presença na escola. Por enquanto, o colégio não está desembolsando a quantia. A intenção da empresa é, com a experiência, sugerir o mesmo modelo para toda a rede de ensino público do Distrito Federal, de 653 unidades. O professor da Universidade de Brasília Antonio Flávio Testa avalia que o tema precisa ser melhor debatido ou mesmo regulamentado.


Mundo

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

B7

Cubanos vão às urnas em eleições municipais Pelo menos 413 mil eleitores votarão, hoje, no segundo turno, para escolher 14.537 conselheiros, equivalentes aos vereadores DIVULGAÇÃO

A

passagem da Tempestade Sandy, que chegou a ser considerada furacão, castigando a maior parte de Cuba, não afetará as eleições em 168 municípios do país. Domingo (4), 413 mil eleitores irão às urnas, no segundo turno das eleições municipais, para escolher 14.537 conselheiros, que equivalem aos vereadores no Brasil.

Nas regiões de Santiago de Cuba e Holguín, no oriente de Cuba, no entanto, as eleições foram adiadas devido aos efeitos causados pela passagem de Sandy. Em Holguín, as eleições ocorrerão no dia 11. Em Santiago de Cuba ainda não foi marcada a nova data. As duas áreas foram as mais afetadas do país. Cuba, que sofre com o embargo econôDIVULGAÇÃO

mico imposto pelos Estados Unidos, teve as dificuldades aumentadas porque a tempestade destruiu plantações, impedindo as colheitas. Em Cuba, Sandy provocou ventos de 175 quilômetros por hora. Ao passar pelo Caribe, Sandy deixou um rastro de, pelo menos, 71 mortos. As eleições municipais em Cuba ocorrem a cada dois anos e meio. Em 2013, haverá

eleições para representantes nas assembleias provinciais e no Parlamento. O voto é livre, secreto e voluntário. Não há obrigatoriedade de voto no país. Em Cuba, além das plantações, casas e prédios públicos que ficaram destruídos, também houve queda de energia e da rede de comunicação em parte do país.Vários governos latino-americanos,

como o Brasil, a Venezuela e Bolívia anunciaram ajuda para os cubanos. Apesar da gravidade dos prejuízos, a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Cuba confirmou que as eleições de amanhã estão mantidas na maior parte do país. O primeiro turno das eleições municipais ocorreu no último dia 21. As zonas eleitorais, localizadas em escolas, se-

rão abertas às 7h e fechadas às 18h. A vice-presidenta da CNE, Rosa Charroó, disse que foram tomadas providências para facilitar a votação daqueles que estão em dificuldades devido aos prejuízos causados pela tempestade. Rosa disse ainda que vai garantir o “fluxo das informações” sobre as eleições, embora o país ainda esteja em dificuldades.

EM NOVA YORK

Falta de gasolina causa revolta

População formou longas filas para abastecer seus veículos

A irritação tomou conta da população dos Estados de Nova York e New Jersey, dias depois da passagem do ciclone pós-tropical Sandy, que provocou a morte de pelo menos 90 pessoas. Motoristas enfrentaram filas de até 30 quarteirões em postos de combustível para abastecer. O porto que guarnece a cidade e Nova Jersey está fechado e em alguns postos

que têm gasolina as bombas não funcionam porque não há energia. Em Nova Jersey, mais de mil postos não operaram. O governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, garantiu que um carregamento com 2 milhões de barris de gasolina chegou ao porto às 4h da sexta-feira (horário de Brasília). As longas filas de carros começaram a se formar no começo da ma-

nhã de sexta-feira. “Não há combustível em lugar algum. Um carro com identificação diplomática tentou furar a fila e um dos taxistas reclamou tanto que um policial teve que intervir”, disse o advogado Steven Golub, 53, que esperou horas para abastecer em Manhattan. No Queens, um homem que tentava furar a fila foi multado após ameaçar outro motorista com um

revólver. Como a rede de energia ainda não foi reestabelecida totalmente na cidade, muitos nova-iorquinos usaram tomadas de agências bancárias e energia produzida com a pedalada de bicicletas para carregar celulares e tablets. Alguns moradores com energia elétrica em casa colocaram extensões na rua para que outros também pudessem usá-la.


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012


Caderno C

Dia a dia MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

diadia@emtempo.com.br

(92) 3090-1041

JOEL ROSA

Mortes na Ponta Negra assustam Página C4 DIEGO JANATÃ

Manaus, a metrópole da escuridão WILLIAM GASPAR E IVE RYLO Equipe EM TEMPO

A

falta de energia elétrica começou a virar rotina em Manaus. Com uma rede frágil, basta chover para que várias zonas fiquem sem eletricidade. Equipamentos eletrônicos são danificados, e, com a demora na manutenção, as famílias, também, perdem alimentos e acumulam prejuízos. Exemplo disso foi a tempestade que atingiu a cidade na noite da última terça-feira, quando mais de 30 bairros ficaram sem o fornecimento de eletricidade. Quanto mais tempo sem o serviço, mais a comunidade acumula prejuízos. Foi o que aconteceu na casa do estudante Antônio Florêncio Júnior, no bairro Alvorada, Zona CentroOeste, que chegou a ficar mais de 24 horas sem energia. “Aqui é sempre assim: basta uma chuva para apagar tudo”, reclama. Segundo ele, além da falta de energia em dias chuvosos, o serviço é interrompido diversas vezes durante o mês, sem nenhum motivo. “Às vezes, a energia simplesmente vai embora. Nenhum transformador queima e não aparece nenhum outro motivo. Ela simplesmente vai”, alega. Com a falta do abastecimento elétrico, surge outro problema: o aumento da criminalidade. O aposentado João Moreira já foi vítima de bandidos, em uma noite de “apagão”, no mês passado. “Era um

pouco tarde e a chuva já havia passado, mas ainda estava tudo escuro quando aconteceu”, diz. Além destes problemas, as quedas de energia também são responsáveis pela queima de equipamentos eletrônicos. “Já perdi duas televisões por causa dessas quedas de energia. Basta começar a chover para ter que tirar tudo das tomadas”, ressalta a recepcionista Milcah Cortez, que teve prejuízos por causa do problema de estrutura na rede elétrica. Na opinião dela, a Eletrobras Amazonas Energia,

REVOLTA

No bairro Nova Esperança, onde houve um protesto dos moradores por conta do apagão, na última quinta-feira, a falta de energia tem mudado a rotina dos moradores responsável pelo abastecimento em Manaus, não investe o suficiente. “A cidade cresceu muito e a empresa não acompanhou. O investimento não cresceu junto”, opina. Protesto No bairro Nova Esperança, na Zona Centro-Oeste, onde houve um protesto dos moradores por conta do apagão, na última quinta-feira, a falta de energia tem mudado a rotina dos moradores. Quando começa a anoitecer, por volta das 18h, as famílias

estão em casa para evitar serem assaltadas ou atropeladas, por conta da escuridão. “Seis horas (18h) todo mundo já começa a se recolher. ‘Tá’ parecendo interior. E como o calor é imenso, todo mundo dorme de portas e janelas abertas e nas varandas, correndo o risco de ser assaltado, porque nessas horas os bandidos se aproveitam. Moro há 26 anos aqui e nunca vi uma coisa dessas”, disse o motorista, Cláudio Bezerra, 59. Os moradores contam que já tiveram muitos prejuízos, sobretudo com a comida, que tem estragado pela ausência de conservação adequada. “Carne, peixe, estragou tudo. Água gelada não existe mais. Jogamos tudo fora e estamos comprando a quantidade certa de cada refeição”, disse a dona de casa Rosiane Torres, 34. Os moradores reclamaram da falta de atenção da empresa. “Ligamos e não completa ligação. Quando uma equipe vem, não consegue resolver o problema. Eu me sinto excluída, agora se um de nós fizer um ‘gato’ (ligação clandestina), as equipes chegam rápido”, afirmou a universitária Lilian Rolim, 27. Muitas escolas do bairro também não funcionaram nesses dias, como a Escola Estadual Marechal Hermes. “Teve aula na quartafeira, mas foi muito ruim, porque fez muito calor. Não tem como estudar direito desse jeito”, disse o estudante Victor Lucas, 11, que cursa 5ª série na escola Marechal Hermes.

Prejuízos materiais se acumulam e população teme pela própria segurança em meio aos blecautes por conta da falta de investimentos e desvios de energia

Ressarcimento para todos Segundo o Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Consumidor (Procon), para os casos de prejuízos causados por falta de energia, as empresas de energia são obrigadas, como fornecedores de serviço, a reparar e ressarcir o consumidor por danos em equipamentos causados por descarga elétrica. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publicou a resolução 360/09, com os prazos e os procedimentos para atendimento pelas concessionárias de energia

nesses casos. Pela regra, o consumidor deve fazer o seu pedido de ressarcimento ou conserto do equipamento danificado em até 90 dias da data da ocorrência. Direitos Apesar de conhecer a legislação e seus direitos, Milcah diz que nunca procurou a Eletrobras para cobrar os prejuízos. “Nunca tive paciência porque sei que não se resolve de imediato e não tem uma solução favorável para o consumidor. Tenho uma amiga que procurou o Procon e não deu em

nada”, lamenta. De acordo com o gerente de Operação da Distribuição, Eduardo Vieiralves, os clientes que tiverem prejuízos causados por quedas de energia têm o direito de pedir o ressarcimento, porém a empresa não é obrigada a custear os danos causados por desastres naturais, como os temporais. “Somos uma empresa regulada pela Aneel, que prevê em suas resoluções os ressarcimentos por danos causados apenas pela empresa”, completa. (WG/IR)

Ausência de investimentos Para o engenheiro elétrico Armando Lima Guimarães, falta investimento em tecnologia para melhorar a rede distribuidora de energia em Manaus. De acordo com ele, em muitos bairros a fiação é insuficiente. “Em muitos locais parece que a capital ainda é uma pequena cidade do interior”, afirma. ‘Gatos’ Porém o especialista disse que a fragilidade não é apenas de responsabilidade da empresa responsável. “O

SOLUÇÃO

Armando Guimarães diz que o ideal seria a implantação de uma rede elétrica subterrânea, para garantir que não haveria prejuízos com a queda de árvores que mais se observa por aí são grandes emaranhados de fios, os famosos ‘gatos’. Eles são também grandes vilões na hora de prejudicar a

rede”, salienta. Armando diz que o ideal seria a implantação de uma rede elétrica subterrânea, para garantir que não haveria prejuízos com a queda de árvores nos postes. “Isso é muito comum de acontecer, já que em Manaus existem muitas árvores”, argumenta. Segundo o gerente de Operação da Distribuição, Eduardo Vieiralves, a Eletrobras possui estudos para desenvolver o cabeamento subterrâneo na cidade. (WG/IR)


C2

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Universitários da área de saúde começam desafios Longe de suas famílias, acadêmicos de saúde partem para o interior em busca de conhecimento e troca de experiências ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

IVE RYLO Equipe EM TEMPO

N

o início, a proposta parece assustadora. A ideia de abandonar a zona de conforto, longe dos mimos da família e do comodismo da vida na capital incita insegurança e desconfiança em muitos. Contudo, apesar de aparentemente dolorosa, a experiência pode ajudar a mudar o rumo dos futuros profissionais da saúde e elucidar coisas que só acontecem nas longínquas comunidades perdidas na imensidão das terras amazônicas. A partir de amanhã, acadêmicos finalistas dos cursos de saúde da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) aventuramse no berço de 10 municípios do Estado em busca de conhecer e trocar experiências acerca da saúde primária implantada nas localidades. A tal experiência que pode marcar a vida dos acadêmicos de medicina, enfermagem e odontologia é chamada de Estágio Rural em Saúde Coletiva (ERSC) e faz parte da grade curricular dos estudantes no final do curso. Ela proporciona atividades pedagógicas e práticas supervisionadas na área da atenção básica à saúde, ou seja, nessa hora os acadêmicos têm oportunidade de, sob orientação de professores e preceptores, colocar em prática tudo o que viram durante seis anos de estudos. Em seis anos de existência, mil alunos já passaram pelo estágio, como a finalista de enfermagem Ellen Albuquerque de Freitas, 22, que foi enviada ao município de Borba (a 151 quilômetros da capital). “Lá não tinha pai para ajudar,

nem mãe ou amigo, muitas vezes o telefone não funcionava, nem a internet. Foi preciso se descobrir como profissional e aprender a lidar com situações quando não tem ninguém a quem recorrer. Foi uma experiência muito importante nesse sentido”, comentou. Diferentemente de grande parte dos municípios ou mesmo da capital, Borba - segundo

OBJETIVO

O Estágio Rural em Saúde Coletiva faz parte da grade curricular dos estudantes no final do curso, proporcionando atividades pedagógicas e práticas supervisionadas na área de atenção à saúde a acadêmica - fornece um serviço de saúde caprichado à população, que preza sobretudo a prevenção e a melhoria da qualidade de vida. “Borba é uma cidade bem estruturada, e eu imaginava um interior com tudo muito distante. A saúde funciona de maneira maravilhosa. A atenção básica é uma referência para os acadêmicos”, disse. Ter a chance de trabalhar com profissionais de diferentes ciências foi uma das vantagens que Albuquerque pode experimentar. “Pude ver onde o enfermeiro se insere, realmente, na atenção básica. As dificuldades que encontra na gerência de uma unidade básica não são fáceis. Pude aprender a lidar com profissionais e ver a importância de cada um no papel da atenção básica”, analisou.

Expectativa e malas prontas

Estágio e interdisciplinaridade

A inquietude em revelar diferentes realidades foi, sem dúvida, o questionamento unânime entre os acadêmicos durante o curso preparatório. “Todo mundo está nessa ansiedade de ir para um município e enfrentar uma realidade que não conhecemos. Daí a importância do internato rural para conhecer o Estado em suas diferentes realidades”, revelou o finalista do curso de medicina, Elmênio Rodrigues Junior, 25. Para o estudante, a experiência deverá oportunizar a troca de conhecimentos

Com o foco na atenção primária, os alunos deverão desenvolver atividades voltadas a atenção básica, prevenção, promoção e assistência junto a equipes da família. Além da assistência, com ações programáticas de saúde bucal, saúde do homem, da mulher, hipertensão, diabetes e câncer de colo de útero, e ainda terão oportunidade de vivenciar experiências junto a comunidades indígenas e ribeirinhas. Também poderão trabalhar junto às escolas temas de relevância para o município, tra-

entre os acadêmicos e as populações oriundas de localidades distantes, que carecem de assistência de saúde. “A ansiedade do que vamos enfrentar e aprender é muito grande. Estamos em face de aprendizagem acima de tudo. Trabalhamos na capital uma realidade bem diferente do que imaginamos encontrar nos municípios mais longínquos. Nessa troca de conhecimento, vamos ensinar e sobretudo aprender com a população, saber aquilo que eles utilizam como forma de promoção de saúde”, projetou.

Conhecimento e experiência Mas, engana-se quem acredita que a experiência dos acadêmicos se resumirá a acompanhar consultas nos prontos-socorros. “Vamos às unidades básicas de saúde, fazer visita domiciliar e ter o primeiro contato com a saúde primária, a prevenção e perceber o que esses municípios enfrentam e como estão trabalhando”, disse. A finalista do curso de enfermagem, Grey Ângela Freitas, 32, também prepara-se para conhecer as técnicas utilizadas na saúde primária no município de Novo Airão (a 115 quilômetros

da capital). Ela percebe a viagem como uma oportunidade de empregar o que tem aprendido em sala de aula. “A expectativa é muito positiva pela quantidade de experiência que eu vou ter, visto que estou em Manaus e nunca trabalhei em nenhum município do interior do Estado. É uma oportunidade de aprender”, salientou. Nesse momento de ansiedade e descobertas, ela aponta que o apoio da família é importante. “Tenho apoio 100% deles, porque sabem que vou ter experiência valiosa para minha profissão”, apontou.

balhar junto à secretaria de saúde, entender um pouco de gestão e envolvimento comunitário. Uma das coordenadoras do Estágio Rural, a odontóloga Márcia Gonçalves Costa, salientou a importância da interdisciplinaridade durante as visitas aos municípios. “Quando os alunos vão aos municípios, também trabalham intersetorialidade, que visa todo o sistema de saúde. Trabalham nas rádios, TV e na parte de editoração com a composição de artigos de jornais”, explicou.

Sobre o Núcleo de Telessaúde Além do auxílio de preceptores, os grupos contarão com o apoio dos profissionais da capital por meio do Telessaúde. O núcleo existe desde 2005 e está presente nos 62 municípios. Por meio dele, são atendidos uma média de mil casos por anos e cerca de 4 mil alunos participam das aulas oferecidas. A instituição trabalha hoje com internet rural, estágio rural e saúde coletiva utilizando a Telessaúde como instrumento. Tanto para educação permanente em saúde, quanto para assistência. “No momento em

que os alunos identificam situações de doentes no interior, podem ter o apoio do especialista aqui pela universidade. Isso melhorou a qualidade e, ao mesmo tempo, que ampliou as ações do internato rural”, disse o coordenador do Núcleo Amazonas de Telessaúde, Cleinaldo de Almeida Costa. A tecnologia também auxiliou na fixação do profissional no interior. “Conseguimos tratar problemas graves na ponta, que não estariam ao alcance da atenção primária, basta orientação do médico a distância”, explicou.


MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Dia a dia

C3

Mais mulheres sob risco

Segundo estimativa do Instituto Nacional de Câncer, casos de câncer de mama podem chegar a 304 no Amazonas até o final de 2012. No país, o instituto calcula que surjam quase 53 mil casos diagnósticados da doença este ano IVE RYLO Equipe EM TEMPO

T

rezentos e quarenta são os casos de câncer de mama estimados pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) a serem registrados no Amazonas até o fim deste ano. No Brasil, são esperados até o término de 2012, 52.680 casos da doença. Em 2011 foram 50 mil, segundo dados repassados pelo Centro de Integração Amigas da Mama (Ciam). A estimativa, segundo representantes do centro, é que em 2013 haja aumento do número de casos. Na tentativa de evitar o avanço no número de vítimas, a presidente do Ciam, Joana Massulo, alerta para a

RISCOS

A presidente do Centro de Integração Amigas da Mama (Ciam), Joana Massulo, disse que há estimativa de casos de câncer de mama em 2013, daí a necessidade de obtenção do diagnóstico precoce necessidade da obtenção do diagnóstico precoce do câncer. “É de suma importância a realização da mamografia no diagnóstico precoce, porque é um melhores exames que vai buscar o nódulo ainda bem pequeno, com menos um centímetro. Nesse estado, temos 95% de chance de cura”, disse. Massulo informou que, no Brasil, cerca de 80% dos nódulos encontrados durante os exames possuem cinco centímetros. “É preciso desmistificar o câncer, para termos nossas mulheres saudáveis. Se se descobre mais cedo, o tratamento é mais ‘light’, com a retirada apenas do nódulo. O diagnóstico precoce é o melhor remédio”, alertou.

Exames de rotina são ignorados Joana Massulo apontou que uma das principais dificuldades hoje ainda é convencer as mulheres a realizar os exames de rotina. “É preciso investigar, fazer exame clínico das mamas, mamografia e o autoexame. A mamografia não dói. Mas, a própria mulher não vai atrás do exame. Se tiver algum problema e o posto de saúde não esteja marcando, é preciso ir novamente, persistir. A vida é muito importante”, afirmou. Estimativas Dos 340 casos de câncer de mama estimados pelo Inca para o Amazonas, 290 são para a capital. Entre os tipos da doença entre as mulheres, essa modalidade perde somente para o câncer do colo do útero, com 600 novos casos estimados, sendo 490 somente em Manaus até fim do ano.


C4

Dia a dia

Quem é que vai Cruzes lembraram, no Dia de Finados, as 12 mortes ocorridas na praia da Ponta Negra. Um manto de mistério cai sobre o caso, e até hoje ninguém explica o que está acontecendo MÁRIO ADOLFO Equipe EM TEMPO

N

o Dia de Finados, por volta das 7h30, 12 cruzes foram fincadas na praia da Ponta Negra para lembrar as 12 vidas que foram sacrificadas no balneário, urbanizado para levar somente alegrias aos banhistas, mas que acabou gerando dor, tristeza e muita revolta. O grupo que fincou as cruzes com tabuletas, onde se lia os nomes das pessoas mortas e as datas de seus afogamentos, chamou a atenção dos primeiros frequentadores que chegavam à praia. Para muitos, o “buraco da morte”, como foi batizado pelos populares, não trouxe somente dor, mas também cobriu a Ponta Negra de mistério. O que, afinal, está matando as pessoas? O secretário do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Manoel Ribeiro, da autoridade de exprefeito da cidade, afastado por intervenção em 1988, resolveu sintetizar, de forma insensível, o problema. - Os caras bebem e vão mergulhar. É claro que vão morrer afogados, e a prefeitura não pode ser babá de bêbados disse, revoltando quem ouviu ou leu a pérola. Outros procuram uma explicação mais plausível, mas tudo à base do “chutômetro”. - Dizem que tem uma tubulação, por baixo da praia artificial, feita para drenar a praia, que está sugando as pessoas - tenta explicar Muniz de Souza, que frequenta a praia para cuidar da forma física caminhando diariamente em suas areias. Mas não se pode achar que a explicação de Muniz coloque fim ao mistério do “buraco da morte”. Para outros frequentadores da Ponta Negra, a Prefeitura de Manaus tentou imitar o que

foi feito no Rio de Janeiro, na praia de Copacabana, na década de 1960, e também no aterro do Flamengo. - Mas lá tem mar, e as ondas, ao invés de levarem, trazem a areia para a praia e acabam, com a força da água, compactando o volume de areia. Já no rio, a coisa é ao contrário. A correnteza que não é forte, mas é constante, arrasta aos poucos o que foi jogado artificialmente, deixando crateras profundas. E aí as pessoas às vezes estão nadando em locais que dá pé e, de repente, caem em buracos profundos. É isso - resume Edemberg Júnior. — O senhor é engenhei-

DÚVIDAS

Para muitos, o “buraco da morte”, como foi batizado pelos populares, não trouxe somente dor, mas também cobriu a Ponta Negra de mistério. O que, afinal, está matando as pessoas? ro? – pergunta o repórter do EM TEMPO. — Não, mas não é preciso ser engenheiro para sacar o que está rolando. A cozinheira Carmem Alencar, que no feriado de Finados nadou bem cedinho nas águas do rio Negro, disse que qualquer versão técnica que surja para incriminar a Prefeitura de Manaus seria infundada. E dá razão ao secretário Manoel Ribeiro: — Estão morrendo porque água não tem cabelo, e cachaça com água são coisas que não combinam. — Mas também morreram crianças — observa o repórter. — Mas aí é porque os pais são irresponsáveis. ARQUIVO EM TEMPO/IONE MORENO

Obras na praia da Ponta Negra antes da reabertura: trabalho questionado pela população

O lazer que terminou em tragédia As pessoas que chegam à praia cedo, deitam os olhos sobre as cruzes e param por alguns instantes para ler os nomes das vítimas e conferir as datas em que elas morreram. Algumas se benzem, franzem a testa. Outras se limitam a fazer comentários curtos e continuam sua caminhada em busca do lazer do feriado. — Rapaz, já morreu tudo isso? – pergunta um. — Já reparou que só morreram homens? – questiona outro. — É porque os homens são mais irresponsáveis – deduz um terceiro. O certo é que no prazo de cinco meses, 12 pessoas tiraram o dia para viver horas de lazer na praia e acabaram perdendo a vida, deixando uma pergunta no ar: a praia artificial que foi implantada na Ponta Negra tem sido a principal causa das mortes?

E quem é que vai pagar por isso? Ou podemos chamar de “acidente” a morte de 12 pessoas, no mesmo lugar, em um prazo tão curto? Esta semana, o Poder Legislativo municipal realizou uma

MORTES

No prazo de cinco meses, 12 pessoas tiraram o dia para viver horas de lazer na praia e acabaram perdendo a vida, deixando a pergunta no ar: a praia artificial tem sido a principal causa das mortes? audiência pública para discutir as mortes na praia da Ponta Negra, confirmando que neste domingo, vereadores e representantes da prefeitura irão visitar a praia. As mortes por afogamento

foram debatidas exaustivamente na Câmara. De acordo com a vereadora Socorro Sampaio, presidente da Comissão de Serviços Públicos da Câmara Municipal de Manaus, para conter as mortes será preciso resolver todos os erros que ocorreram nas obras da praia. — O que a gente está precisando é de respostas para o que vem ocorrendo, afinal, são vidas humanas. A prefeitura também precisa fazer uma campanha de conscientização. Se houve alguma falha no estudo de engenharia da área, então nós precisamos rever tudo isso – cobrou a parlamentar. O Corpo de Bombeiros que também participou da audiência pública, culpa a falta de conscientização dos banhistas, que não respeitam o horário de funcionamento da praia e os limites permitidos. (MA)


MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

C5

pagar por isso? JOEL ROSA

Imprudência leva à fatalidade WILLIAM GASPAR Equipe EM TEMPO

Para o comandante dos bombeiros da capital, responsável pela equipe de salva-vidas da Ponta Negra, tenente-coronel Dinanci Almeida dos Santos, a imprudência dos banhistas tem sido a principal causa de afogamento. De acordo com ele, além das mortes, os salva-vidas presentes no local frequentemente resgatam pessoas embriagadas das águas. “Nós só lemos as mortes nos jornais, mas a verdade é que por imprudência, muitos banhistas correm riscos desnecessários. Alguns chegam a invadir áreas já sinalizadas com

placas de interdição. Isso só aumenta os riscos. A bebedeira também influencia muito”, argumentou. Descuido Ainda segundo o tenente, além do álcool, há o descuido dos adultos com as crianças pequenas, que brincam e nadam longe da supervisão dos pais, e a água escura, que impede uma boa visibilidade do fundo e dos desníveis causados pelas obras que ainda acontecem na praia permanente. Diariamente, 12 salvavidas atuam no local. Nos fins de semana e feriados, uma equipe de 30 homens garante a segurança dos banhistas. DIEGO JANATÃ

Placas recentes orientam os banhistas na área da praia

JOEL ROSA

Salva-vidas monitoram a praia em dia movimentado: cuidados com atitudes imprudentes

Segurança ainda é questionada Após 12 mortes desde a sua inauguração em junho deste ano, a segurança da praia da Ponta Negra vem sendo constantemente questionada pela sociedade de Manaus. Quantas vidas ainda serão tomadas pelas águas até a administração municipal tome as devidas providências? Do total de mortes, quatro ocorreram em julho, uma em agosto, outras quatro em setembro e mais três no mês de outubro. A primeira vítima foi o vendedor Cleiton Cristiano dos Santos, 27, que desapareceu na noite do último dia 2 de julho. Seu corpo foi encontrado já sem vida. Segundo testemunhas, ele estava embriagado e se banhava sozinho. No dia 7 do mesmo mês, por volta das 6h, Bruno Ferreira de Moraes, 24, morreu afogado na praia da Ponta Negra. Testemunhas disseram que o avistaram

entrando na água, e ao mergulhar teria se afogado. Cerca de uma semana depois, no dia 15 de julho, morreram Fabrini Ribeiro Ferraz, 28, e Márcio Roberto da Silva, 27. Ambos estavam tomando banho na praia da

ESTATÍSTICAS

Do total das mortes por afogamento na praia da Ponta Negra desde a primeira abertura, quatro ocorreram em julho, uma em agosto, quatro em setembro e três em outubro Ponta Negra, quando por volta das 6h desapareceram. Mergulhadores do Corpo de Bombeiros encontraram os corpos submersos. A quinta vítima foi Ailton Benício da

Silva, 18, o único a morrer no mês de agosto. Outras quatro pessoas morreram em setembro. A dona de casa Dulce Maria Aquino de Lima, 46, se afogou às 6h30 do dia 1º de setembro, enquanto André Souza Ribeiro, 33, industriário, morreu por volta de 7h20 do dia 2, mesma data da morte de Randerson Menezes Nascimento, 18. O adolescente Jemez Veras da Costa, 17, foi o último a se afogar naquele mês. As três últimas mortes ocorreram no mês passado. Na tarde do dia 14, morreu Lucivaldo Cruz da Silva. Já no dia 23, o garoto Maurício Nóbrega de Oliveira, 11, foi encontrado morto pelo Corpo de Bombeiros. Por fim, o estudante Erison da Silva Costa, 18, foi a 12ª vítima, encontrado após a linha de proteção da praia. (WG)


C6

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Busca pelo saber supera as diferenças religiosas Escola espírita abre espaço para famílias de religiões diversas com a finalidade de trabalhar o conhecimento cristão IONE MORENO

MÔNICA FIGUEIREDO Equipe EM TEMPO

V

alorizar o ensinamento cristão investindo em educação e conhecimento. Essa é uma das principais missões do grupo Sementeira de Luz, que realiza obras sociais com a comunidade Colônia Santo Antônio, na Zona Norte de Manaus. Entre esses trabalhos estão a Escola Espírita Professor Ney Lobo, Projeto Semeando o Amanhã, Projeto de Apoio Nutricional, Projeto Gente Feliz e Jovem Aprendiz. Na escola professor Ney Lobo, 150 alunos estão matriculados no ensino infantil e fundamental, que vai do primeiro ao quinto ano. A escola é particular, mas o ensino é gratuito. O gerente de aprendizagem do Sementeira de Luz, Salim Alencar, contou que o grupo existe há, aproximadamente, 15 anos, e desde então vem realizando uma série de atividades com os moradores da comunidade. “O grupo existia no Japiim, mas cresceu bastante. A partir da doação de um terreno aqui no bairro, nos mudamos para cá e pudemos expandir as atividades”. Na rua Geraldo Nascimento, na Colônia Santo Antônio,

o grupo começou o trabalho numa casa de madeira, até ser construída uma sede para que as atividades pudessem ser realizadas. Hoje há também a escola onde os alunos frequentam. Salim explicou que, mesmo pertencendo a um grupo espírita, nem todos os alunos são da doutrina. “O que trabalhamos aqui é a ideia do conhecimento cristão. Tanto que nem todos os alunos daqui são de família espírita. A maioria é católica, e temos evangélicos também. Dentro da sala de aula não costumamos impor nada, apenas ensinamos valores”. A maioria dos alunos está na faixa etária entre 4 e 5 anos. As salas de aulas são climatizadas e, além dos professores titulares, há os professores auxiliares. As crianças recebem ainda acompanhamento de assistentes sociais e psicólogos. Para aqueles alunos que apresentam um baixo desempenho é oferecido um reforço escolar e ainda acompanhamento odontológico. Salim disse que a matrícula é feita anualmente e a preferência são para os alunos da própria comunidade. A rematrícula é feita em novembro.

Outras iniciativas sociais

Grupo Sementeira de Luz proporciona projetos sociais para a comunidade em geral de Manaus

Projeto prepara adolescentes Outro projeto que beneficia os moradores é o Jovem Aprendiz, que prepara e encaminha os adolescentes para o mercado de trabalho local por meio de cursos profissionalizantes. Atualmente, 300 jovens estão sendo atendidos. O projeto é amparado pela lei 10.097/00, a Lei da Aprendizagem, que indica

a necessidade das empresas de terem entre 5% e 15% de aprendizes no seu quadro de funcionários. Os jovens são cadastrados e aguardam ser chamados nas empresas. Os que são encaminhados para as empresas recebem meio salário mínimo e dividem suas atividades entre horas no

trabalho e também no curso realizado no grupo. As inscrições para Jovem Aprendiz são feitas sempre na última quinta-feira do mês. Os empresários que desejarem contratar um dos aprendizes podem entrar em contato com o Obras Sociais Sementeira de Luz pelos números 3581-0511 / 8111-1049.

O Obras Sociais Sementeira de Luz mantém ainda o projeto Semeando o Amanhã, com atividades voltadas para as moradoras da comunidade em geral para ensinar técnicas economicamente viáveis que possam proporcionar o aumento da renda familiar. Durante o projeto são organizadas palestras sobre higiene, saúde e de ordem moral e ética. Já o projeto de Apoio Nutricional pretende contribuir para a melhoria do estado nutricional de crianças e adultos carentes, diminuindo a desnutrição e a marginalização infantil causada pelo abandono familiar, por meio de cursos sobre alimentação alternativa e higiene ambiental.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

C7

Legislação sobre poluição sonora ainda é ignorada

Casos de barulho excessivo que geram até brigas entre vizinhos podem ser minimizados por ações pouco utilizadas ARQUIVO EM TEMPO/ALEXANDRE FONSECA

ISABELLE VALOIS Equipe EM TEMPO

O

volume alto do som sempre prejudica ou atrapalha alguém. Pode ser seu vizinho, no trânsito, na parada de ônibus ou até mesmo dentro do próprio transporte coletivo. Uma boa parte desses casos acontece por falta de respeito das pessoas com as orientações sobre o volume adequado na sonorização de um carro, bar ou até mesmo em sua própria residência. Um breve descuido pode ocasionar uma briga até fatal entre vizinhos. Um caso como esse acontece com a turismóloga Náthalin Priscila da Silva, 25. Durante cerca de seis meses, ela teve problemas sérios com o próprio vizinho, que exagerava no volume do som durante as tardes de domingo. “Logo que ele começou a usar o som, sempre falava com meu pai que se algo estivesse incomodando, era apenas para avisá-lo que ele iria baixar o volume, mas há alguns meses não é isso que vem acontecendo”, conta. Segundo a turismóloga, por trabalhar durante a noite, seu único horário de descanso é o dia. “Certo dia, por volta do

meio-dia, o meu vizinho colocou a caixa de som amplificadora para fora de sua casa, em direção à janela do meu quarto, parecendo que estava no último volume. Foi quando resolvemos pedir que ele baixasse um pouco o volume, mas por estar sob efeito de álcool, ele começou uma discussão”, explica. Após este dia, o vizinho de

IRRITAÇÃO

A turismóloga Náthalin Priscila da Silva já teve problemas com um vizinho que colocava som muito alto em sua caixa amplificadora, mas nunca utillizou mecanismos legais para resolver a situação

Náthalin, todos os dias, no mesmo horário, repetia o abuso, colocando a caixa para fora de sua casa, voltada para a janela do quarto da turismóloga. “Se eu soubesse que outra forma resolveria, não teria ido pedir pessoalmente que ele baixasse o volume, pois passei uma semana sem dormir direito com o vizinho colocando som todos

os dias bem alto”, lembra. A salvação legal De acordo com o titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Marcelo Dutra, a criação de dois instrumentos jurídicos serviu para ampliar os mecanismos de controle da poluição sonora. “Após as blitze realizadas, tivemos uma diminuição referente aos casos de sonorização dos carros. Atualmente para ser utilizada uma caixa amplificadora, é preciso haver autorização pela secretaria. Caso não seja, o cidadão irá responder a processo”, explica. Em julho deste ano, a Semmas publicou no Diário Oficial do Município (DOM) a criação de dois instrumentos jurídicos para ampliar os mecanismos de controle da poluição sonora, a resolução que amplia as zonas sensíveis de ruído na cidade. A resolução, de número 025/2012, inclui nessas zonas os terminais de ônibus, residências, postos de combustíveis e suas imediações, todas onde existem grandes concentrações de pessoas. Atualmente, o artigo 109, da lei 605/2001, define essas áreas sensíveis de ruído como sendo escolas, hospitais e abrigos, entre outros.

Apesar da legislação mais rigorosa quanto à poluição sonora, sua aplicação é pouco reivindicada

Exageros que criam conflitos Marcelo Dutra explica que a desobediência da forma correta de utilização da sonorização pode ser autuada em flagrante. “No momento que é colocada uma caixa de som nas paradas de ônibus, terminais e até mesmo dentro dos ônibus, se incomodar a população, recomendo que chamem a polícia, para que esse caso seja encaminhado

a alguma delegacia para que o denunciado possa responder pelo crime de poluição sonora”, informa. Já para os casos das residências, se houver reincidência, é feita a autuação e até apreensão do equipamento sonoro. Em casos de estabelecimentos como bares e casas de show, pode haver até a interdição do local.

Qual é o limite de som? Tem horário? Noturno - 45 decibéis, e diurno - 50 decibéis para áreas residenciais; Áreas com corredor de trânsito noturno - 55 decibéis e diurno 70 decibéis. Como é a multa? A multa pode variar de 50 a 500 UFMs (Unidades Fiscais do Município). Hoje, o valor de uma UFM está em R$ 70,44. Fonte: Semmas


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012


Caderno D

Plateia MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

plateia@emtempo.com.br

DIVULGAÇÃO

‘Ópera na rua’ prevê retorno em 2013 (92) 3090-1042

Plateia 3

Cineasta local é destaque no Amazonas Film Festival Com roteiro premiado na edição de 2011, Dheik Praia representa o Amazonas na categoria Curta Brasil do evento

FOTOS: DIVULGAÇÃO

GUSTAV CERVINKA E VICTOR AFFONSO Equipe EM TEMPO

D

entre os curtas-metragens selecionados para a mostra Curta Brasil do 9º Amazonas Film Festival (AFF), há apenas uma produção amazonense. Trata-se de “Rota da Ilusão”, escrita e dirigida pela cineasta local Dheik Praia, que teve na última edição do evento, inclusive, esse mesmo roteiro premiado. “Todo filme que vence o Concurso de Roteiro do ano anterior tem grande probabilidade de entrar nessa mostra, mas só se a qualidade do curta como um todo fizer jus à categoria”, afirma a diretora. Inspirado em uma história real de um caminhoneiro que Dheik, de 23 anos, conheceu durante um “mochilão” pelo Brasil, a trama de “Rota da Ilusão” gira em torno de uma mulher que vêm do interior do Pará para trabalhar no Polo Industrial de Manaus mas, ao chegar à capital, sofre com a paixão grotesca de um dono de garimpo. O curta, com 20 minutos de duração, é o quarto trabalho profissional da cineasta, e também o mais longo: “Faça o que Eu Digo” (2009) tem um minuto de duração, “Buenos Dias” (2010) dura seis minutos e meio e “Jorge” (2011) tem, aproximadamente, 19 minutos. Dheik Praia diz que não pretende, com essa obra, fazer algo diferente, desconstruindo alguma escola do cinema, por exemplo. “Até porque ainda preciso construir muito antes disso”, brinca, com seu bom-humor habitual. “O filme tem um aspecto documental, tanto na direção de fotografia, que foi feita pelo Yure Cesar,

quanto nos elementos que são apresentados no decorrer da história”, ressalta. Mesmo assim, ela procurou tanto atores profissionais quanto pessoas comuns para compor o elenco. “Aqui no Amazonas nós temos talentos que muitas vezes só esperam uma oportunidade para se desenvolver. Justamente por esse motivo decidi fazer uma seleção de elenco com atores e não atores, o que acabou resultando em uma oficina de preparação de elenco, que durou três meses e foi ministrada por Zeudi Souza, na Casa do Cinema”, lembra. Seleção Durante a oficina, foram selecionados os personagens principais do filme, entre eles a Kamila Assem, que interpreta a Núbia, e o Wander Braga, que dá vida a Raimundo. Juntos formam o casal romântico do curta, e Dheik frisa a importância do minicurso: “A Kamila não tinha experiência nenhuma com interpretação, mas no decorrer do processo ela se mostrou uma pessoa dedicada e competente para o papel. Quanto ao Wander, ele já tinha um pequeno histórico com interpretação, mas foi na oficina que ele entendeu como funcionava a dinâmica de como conduzir um personagem”. Depois disso, veio a fase de captação de apoio, locação,filmagem, edição (realizada na 602 Filmes) e a última etapa de finalização, que neste caso foi feita no Rio de Janeiro: de imagem na Link Digital e áudio na Rob Filmes.

Dificuldades e aprendizado Sobre as dificuldades encontradas durante a produção de “Rota de Ilusão”, a diretora acredita que falar desses encalços “é algo muito complexo, porque por trás de toda dificuldade conseguimos abstrair algum aprendizado”. Mesmo assim, ela destaca a mais marcante, que foi a cheia história do rio Negro. “Filmamos nos mês de junho, no ápice da cheia, e confesso que enfrentamos grandes proble-

mas no processo de pesquisa de locação, visto que pelo nosso calendário o rio já estaria secando, mas não... No fim das contas encontramos o lugar ideal lá no Puraquequara, chamado Céu das Águas, cedido gentilmente por Chester Gontijo”, conta, aproveitando cada oportunidade para agradecer aos seus colaboradores. Para Dheik, a produção audiovisual no Amazonas ressurgiu há 12 anos, com destaque para as produções do cineasta local Júnior Rodrigues que, segundo ela, voltou a movimentar a cena que estava praticamente parada desde a década de 60. “Essa semente plantada em 2000 está em processo de amadurecimento desde então. Podemos observar que antes o intuito era a quantidade de filmes, mas hoje percebo que os realizadores estão interessados mesmo na qualidade, tanto técnica quando da narrativa”, acredita. Ela se encaixa nesta geração, que está aprendendo por meio de trabalhos in loco, ou “com a mão na massa”, como prefere descrever. “Temos muito a caminhar, mas as etapas que estão se cumprindo me faz crer que é trilhando este caminho que vamos conquistar nosso espaço no cenário nacional. Vida longa ao cinema amazonense!”, branda, entre risadas.


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Fernando Coelho Jr. fernando.emtempo@gmail.com - fernando.emtempo@hotmail.com - www.conteudochic.com.br

>> Workshop O diretor da Natura na Região Norte e Nordeste, Daniel Silveira, a gerente de Marketing da Natura, Mariana Amazonas, e o artista plástico Rui Machado no jantar sensorial armado pela marca de beleza, no Morada Buffet

>> Gold Christmas . Vem aí a temporada de fim de ano! Que é sempre aberta com a festa desta coluna, que dá o start para as principais badalações do fervido e alegre mês de dezembro.

. Estão abertas as inscrições para um dos maiores encontros empresariais da Região Norte, o 3º Workshop Internacional de Inovação do Amazonas – InovAmazonas 2012, que acontece de 6 a 8 de novembro no auditório do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-AM). . Os interessados podem se inscrever gratuitamente no site www.inovamazonas.com.br. Neste ano, o InovAmazonas está sendo realizado por meio de uma parceria entre a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti-AM) e o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA). Também foi estabelecida uma parceria com os “Criativos” - empresas competitivas que possuem um selo de diferencial mercadológico-, objetivando estimular a criação de um Fundo de Capital de Risco (FCR) e a geração de uma Carteira de Investidores Anjos para o Estado, além da realização do 2º Fórum de Investidores na Amazônia. MAURO SMITH

. Na versão 2012, o jantar promovido por esta coluna será no dia 6 de dezembro, no Diamond, com cardápio cinco estrelas, os principais nomes do society local presentes e show do cantor sertanejo Edu Guedes, que por si só já faz um festão de total alto astral, que não deixa ninguém ficar parado!

>> Nasceu José Elias, o primeiro filho de Ana Beatriz e Elias Nóvoa Silva. Primeiro neto de Carmem e Ricardo Silva.

grande show de Jorge & Mateus e Cecília & Rodolfo no sambódromo de Manaus. Balada sertaneja da Fábrica de Eventos.

>> A society de Manaus estará em peso na festa orquestrada por Márcia e Serginho Martins comemorando os 15 anos da filha Camila, na próxima sexta-feira, no Diamond.

>> No dia 8 no Morada Buffet, evento filantrópico das Bordadeiras de Maria, durante todo o dia.

>> Geyna e Valdo Garcia receberam grupo de amigos na quinta-feira numa reuniãozinha no endereço do Parque das Laranjeiras. >> No dia 24 de novembro acontece o

>> Amanhã, João Mello estreia idade nova. Cumprimentos da coluna. >> No dia 14 de novembro, no píer do Tropical Hotel, o melhor DJ do mundo – James Jones, está confirmado para mostrar seu estrelado set list em Manaus.

>> Objeto de desejo

. A festa terá o sorteio de duas passagens para Nova York entre a turma que estará por lá. Aguardem!

. As joias usadas por Giovanna Antonelli, que interpreta a delegada Heloisa na novela “Salve Jorge” já começa a fazer moda. Ela está sempre protegida por são Jorge em seus acessórios. Luis Margarido e Gigi Cunha circulando pela cena social da cidade

David e Jéssica Tayah, Andréa e Marcos Cavalcanti no jantar orquestrado pela Natura

>>Noite fashion . A empresária Carla Krishanã será anfitriã, na próxima quinta-feira, no evento Chocolate & Champagne, que estará lançando a nova coleção da Calvin Klein. . O evento reunirá a turma fashion da cidade em noite regada ao som do deejay Pratinha. Cantor sertanejo Edu Guedes

>> Vitrine

. A coleção da Calvin Klein que será lançada no evento tem itens da linha internacional voltada para as festas de fim de ano.

. Um dos itens que mais chama a atenção é o bracelete com a oração do santo gravada. A peça faz parte da coleção “Armadura de Deus”, criada pela designer Lygia Durand, em homenagem a diversos santos da cultura brasileira. A peça, em prata, traz a imagem do santo montado em seu cavalo. Virou hit absoluto.


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

D3

‘Ópera na rua’ retornará com novidades em 2013

Após o hiato de 2 anos, projeto será retomado, em novo formato, e será levado para todas as zonas da cidade

DIVULGAÇÃO

PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

A

partir do próximo ano, a comunidade manauense vai estar mais próxima da música clássica. O projeto “Ópera na rua” retorna e, nessa nova fase, será estendida para todas as zonas da capital. Locais para ensaios, contatos com os professores de música e estruturas para as apresentações devem fazer parte da rotina dos jovens e adolescentes a serem atendidos pelo programa social, que tem como idealizador o tenor Miquéias Williams em parceria com o escritor e compositor Celdo Braga. De acordo com o tenor, o projeto teve início em 2008, com a proposta de formar corais em todos os bairros da cidade. Porém, os moradores do bairro Compensa foram os únicos a serem atendidos e chegaram a realizar quatro musicais. Williams explica que

a dificuldade em conseguir parcerias inviabilizou os trabalhos. “Não tínhamos suporte para as apresentações. Faltava palco, em algumas vezes local para ensaiar e demais ítens estruturais. As 30 vozes que tínhamos se distanciaram, até que o grupo foi desfeito”, conta o músico. A última apresentação feita pelo coral foi em 2010. Williams comenta que deve procurar o novo prefeito da cidade, a ser definido no pleito de domingo (28), para expor o projeto, com novas reformulações. O músico espera ter apoio para inserir um núcleo do programa em cada Zona do município. “Temos público para participar porque as pessoas gostam de estudar música. Espero poder contar com a nova administração. Temos mão de obra só falta recursos para viabilizar os trabalhos”, expressa. O conjunto deve se apresentar em dez musicais durante o próximo ano. Segundo o cantor, o conta-

to com a música pode exercer influência na educação de um adolescente. Williams afirma que durante os encontros musicais alguns meninos deixaram de estar nas ruas ou em casas de jogos, como as lan houses,

DESTAQUE

Locais para ensaios, contatos com os professores de música e estrutura para as apresentações devem fazer parte da rotina dos jovens e adolescentes a serem atendidos pelo programa para ingressar no mundo artístico. “Eles não se tornam profissionais, mas passam a ter uma nova rotina. Consequentemente o rendimento escolar melhora, assim como o comportamento e o contato pessoal”, explica. Já marDIVULGAÇÃO

caram presença nos musicais a cantora Márcia Siqueira, o maestro Cláudio Abrantes e alguns integrantes da Orquestra Amazonas Filarmônica. Segundo o tenor, outra proposta, que ele afirma ser um sonho, é levar o “Ópera na rua” para as comunidades do interior do Estado. A primeira etapa chegou a ser implantada em Manacapuru, a 79 quilômetros de Manaus, onde foi instituído o coral “Vozes da Floresta”, com pouco mais de 40 vozes. O grupo atuou até o final de 2011, com encontros semanais sob a liderança de Williams e do maestro Everaldo Barbosa. O projeto contou com a parceria da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e da prefeitura de Manacapuru. Um dos momentos considerados pelo tenor como marcante foi o musical realizado no final do último ano, quando os jovens manacapuruenses dividiram o palco junto aos cantores do Coral do Amazonas e os instrumentistas da

Orquestra Amazonas Filarmônica. “Foi uma noite especial e que marcou nossa história. Poder reunir grandes artistas com novos cantores é uma oportunidade ímpar”, celebra. De acordo com Miquéias Williams, o concerto de Natal deve acontecer novamente no final de 2012, m e s m o que por c o n t a própria. “ V a m o s n o s reunir no

mês de novembro para marcar novos ensaios em preparação para um especial de final de ano”, anuncia.

O tenor Miquéias Willians é o idealizador do projeto

FESTIVAL

Artistas locais em Boa Vista VICTOR AFFONSO Equipe EM TEMPO

A cantora Elisa Maia é uma das atrações do Amazonas que participará do festival

A quinta edição do Festival TomaRRock, que insere Boa Vista (RR) na rota do Circuito de Festivais Independentes da rede Fora do Eixo, segue até o próximo dia 9, com intervenções cênicas, audiovisuais, musicais e de formação. Dentro dos shows, que ganham a capital de Roraima neste fim de semana, estão uma cantora e quatro bandas amazonenses se revezando nos palcos da cidade. Elisa Maia, Cabocrioulo, Alaídenegão, Mezatrio e Tudo Pelos Ares são os representantes do Amazonas no Estado vizi-

nho, mostrando o melhor da nossa música autoral. Está é a terceira vez da banda Cabocrioulo em Boa Vista, que já conquistou um público fiel na cidade por passagens em 2009 e 2011. “Agora estamos indo em um evento da nossa diretriz, participando de um evento mais alternativo”, afirma o vocalista Milton Cunha, adiantando que o repertório vai misturar canções do primeiro álbum com músicas novas que aparecerão no CD que eles devem lançar ainda este ano. Esta também é a terceira vez da Alaídenegão em Roraima. O cantor Davi Escobar conta que, além do

TomaRRock, o grupo fará outros dois shows na cidade. Já Gustavo, da Mezatrio, diz que a base de fãs em Boa Vista – para onde eles retornam pela segunda vez - é boa e vários pedidos por meio do Facebook do público de lá fez com que a banda acrescentassem mais uma música no setlist, que agora terá três canções antigas e o resto de novidade. Elisa Maia e Tudo Pelos Ares, que estavam em trânsito até o fechamento da matéria, completam o lineup regional. A amazonense Michelle Andrews, uma das fundadoras do Coletivo Difusão, ministrará um seminário sobre Economia Criativa.


Plateia

D4

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

RESENHA

Poligamia entre mórmons é tema de obra literária

Pegando a história real de Ann Eliza Young, David Ebershoff cria romance que aborda a relação amorosa nesta religião REPRODUÇÃO

VERA LIMA Equipe EM TEMPO

U

m relato vigoroso do início e do fim da poligamia nos Estados Unidos que levanta questões profundas sobre o poder da fé, a manipulação da crença para se obter vantagens pessoais e a influência religiosa na implantação de determinados hábitos sociais. Assim é a trajetória do romance de David Ebershoff, “A Décima Nona Esposa”, uma obra de ficção histórica, que traz como pano de fundo a história real de Ann Eliza Young. Embora o livro de Ann Eliza esteja longe de ser uma biografia, ainda assim é interessante conhecer a sua vida, tanto por partes de seu livro autobiográfico, no qual o autor se baseia para fundamentar seu romance, quanto pela própria história – limitada, é claro – da poligamia entre os mórmons. Ann Eliza é uma figura controversa e você acaba sensibilizado pela coragem que ela teve – na sua época – de denunciar uma situação que milhares de mulheres suportaram em silêncio

resignado em nome de uma dedicação exemplar e cega. Outra presença marcante no livro – como não poderia deixar de ser – é a do profeta Brighan Young, sua força espiritual dentro da comunidade mórmon, seu comportamento difícil de compreender e aceitar nos dias de hoje com suas mulheres e a comunidade “familiar” e suas tendências egomaníacas. Caminhos tortuosos A história de Ann Eliza é tão envolvente que esse não é o primeiro livro que envereda pelos caminhos tortuosos de desvendar a história da poligamia entre os mórmons. O livro “A Vigésima Sétima Mulher”, de Irwing Wallace (1961), também é inspirado em suas memórias. A apostasia da igreja de Ann Eliza Young está documentada e pode ser pesquisada por quem estiver interessado em conhecer um mais sobre a sua vida. Mas ao ler o livro de Ebershoff não espere exatidão histórica. Como o autor mesmo diz: “qualquer um que tente escrever sobre a história da Igreja de Jesus Cristo dos

Santos dos Últimos Dias vai se deparar com a dificuldade de exatidão”. Nem por isso ele deixa de ser interessante. Quanto a Ann Eliza, ele complementa que desde sua apostasia da igreja, em 1873, ela foi uma figura controversa, tanto entre os mórmons como entre os não mórmons. Uma das razões para que a controvérsia tenha perdurado é que Eliza deixou um registro importante de suas experiências como esposa de um polígamo, tanto em sua autobiografia quanto em suas palestras. Ann Eliza Young chegou a ser uma das mulheres mais famosas da América em seu tempo e mudou a vida de milhares de outras mulheres quando decidiu combater a poligamia. Foi desprezada por muitos e defendida por poucos e ao combater o casamento plural esteve próxima de arruinar a Igreja Mórmon. Para concluir devo salientar que “A Décima Nona Esposa” é um livro de ficção baseado em pessoas e fatos reais que está entre os meus preferidos desse ano. É daqueles que você começa a ler e não quer mais parar.

O escritor americano David Ebershoff é o responsável pelo livro “A Décima Nona Esposa”

INTERNACIONAL

ARTE

Tesc abre vagas para novo curso O Teatro Experimental do Sesc (Tesc) está com inscrições abertas para o curso gratuito de formação de empreendedores individuais em animação cultural, com o apoio do Sebrae Amazonas, que será realizado a partir de amanhã até o dia 10 de novembro, das 19h às 22h, com uma turma no Sesc Ler Cidade Nova e outra no Sesc Centro, na rua Henrique Martins. O curso oferece um conjunto de matérias capaz de conduzir os alunos ao conhecimento inicial das técnicas e recursos das artes cênicas aplicadas à animação cultural. De acordo com o diretor do Tesc, o dramaturgo Márcio Souza, as aulas serão eminentemente práticas,

ENTENDA

O curso de formação de empreendedores individuais em animação cultural será dividido em módulos ministrados pelo dramaturgo Márcio Souza, além de consultoria com Stanley Widde nas quais os participantes aprenderão sobre linguagem cênica, expressão corporal, clown, elementos de vídeo, além de noções de empreendedorismo. “O objetivo é de não somente habilitar animadores de eventos, mas também de ensiná-los a se

organizarem como empreendedores individuais e a pensarem as políticas públicas para o setor”, observou. As inscrições acontecem nos locais dos cursos hoje, às 17h. Para participar, é necessário ter o ensino médio completo ou finalista. Os interessados devem levar documento de identidade e a carteira do Sesc no ato da inscrição. Para quem ainda não possui a carteira, o documento é confeccionado na hora em qualquer uma das unidades do órgão. O curso é dividido em módulos que serão ministrados por Márcio Souza, além do consultor de cultura e de elaboração de projetos Stanley Widde e dos atores do Tesc. Para mais infor-

mações, o telefone para contato é (92) 9112-7580 (Robson Medina).

SERVIÇO CURSO DO TESC AMAZONAS Quando: A partir de amanhã até o dia 10 de novembro, das 19h às 22h Onde: Sesc Ler Cidade Nova e Sesc Centro Informações: (92) 91127580 (Robson Medina) MARCELL MOTA/ARQUIVO EM TEMPO

George Lucas pretende criar fundação educacional A maior parte dos US$ 4 bilhões (cerca de R$ 8 bilhões) que George Lucas vai receber após a finalização da venda da LucasFilm para a Disney será utilizada em uma fundação voltada à resolução de problemas educacionais. A informação foi publicada pela revista “The Hollywood Reporter”, que recebeu a confirmação de um porta-voz da LucasFilm. “George Lucas manifestou sua intenção, caso o acordo seja fechado, de doar a maioria do dinheiro a seus projetos filantrópicos”, afirmou o porta-voz. Segundo ele, a decisão de Lucas está de acordo com um discurso feito por ele em 2010, quando disse que usaria a maior parte do seu dinheiro para melhorar a educação, que é “a chave para a sobrevivência dos homens”. A LucasFilm engloba a empresa de efeitos especiais Industrial Light &

Magic, o estúdio de som Skywalker Sound, a produtora de games LucasArts e, principalmente, os direitos de uma das sagas cinematográficas mais lucrativas da história: “Star Wars”. Venda O comunicado da aquisição do conglomerado pela Disney foi feito nesta terça-feira. “Pelos últimos 35 anos, um dos meus grandes prazeres tem sido ver “Star Wars” passar de uma geração para a seguinte”, disse Lucas no release oficial da Disney. “Agora chegou a hora de passar ‘Star Wars’ para uma nova geração de cineastas.” “Por 41 anos, a maior parte de meu tempo e de meu dinheiro foi colocada na companhia”, continuou. “Ao começar um novo capítulo em minha vida, é gratificante ter a oportunidade de dedicar mais tempo e recursos para a filantropia.” REPRODUÇÃO

O dramaturgo amazonense e diretor do Tesc, Márcio Souza, afirma que todas as aulas serão, eminentemente, práticas George Lucas vendeu sua produtora para a Disney


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

D5

Fábio PUENTES

‘A hipnose NÃO é UM fenômeno EXTRANATURAL, não É religião’ FOTOS: DIVULGAÇÃO

Victor Affonso Equipe EM TEMPO

P

A apresentação demonstra de forma explicativa como as pessoas podem desbloquear sua imaginação, deixando despertar e assomar seu lado engraçado naturalmente”

ela primeira vez em Manaus, o famoso hipnólogo espanhol Fábio Puentes realiza um show-palestra no próximo dia 7 de novembro, no Teatro Direcional. No palco, além de realizar sessões de hipnose com o público da plateia, criando uma atmosfera descontraída e ao mesmo tempo interativa, Puentes também abordará as técnicas mais modernas de comunicação hipnótica, que podem ser usadas em todo momento, consigo mesmo e com os outros. Em entrevista ao EM TEMPO, ele – que já realizou mais de 600 apresentações pelo Brasil e mundo afora – conta que começou a aperfeiçoar a técnica aos 11 anos de idade, quando ganhou um livro sobre o tema, e de certa forma assume parcela da culpa quanto à desinformação das pessoas quando se fala de hipnose. EM TEMPO - Como você entrou em contato pela primeira vez com a hipnose? Fábio Puentes - Aos 11 anos de idade, quando ganhei o primeiro livro sobre hipnoDIVULGAÇÃO

se de um padre jesuíta, em um colégio onde fui criado. É também herança genética de meu avô materno, que já fazia hipnose. EM TEMPO - Como foi o processo de aperfeiçoamento da técnica? FP: Fui autodidata e sempre estive pesquisando e estudando os fundamentos, funcionamento e estrutura da mente e do cérebro. Li livros de neurologia e também fui estagiário em consultório psiquiátrico. Hoje ministro cursos e dou palestras em faculdades de medicina, odontologia e psicologia, principalmente. EM TEMPO - Como funciona este formato de show-palestra? FP - A apresentação demonstra de forma explicativa como as pessoas podem desbloquear sua imaginação, deixando despertar e assomar seu lado engraçado naturalmente, por exemplo, de forma limpa, gostosa e divertida. Como resultado desta soma, os participantes vão descobrir como expandir o poder de sua mente, reduzindo o estresse, eliminado hábitos nocivos. Aprenderão, também, a multiplicar seu magnetismo, aumentando assim seu potencial

pessoal e profissional. Farei também um show de hipnose para descontração e divertimento dos participantes. EM TEMPO - As pessoas realmente podem “acionar” partes do cérebro por meio da hipnose? Como a hipnose pode ajudar alguém a ser uma pessoa e/ou profissional melhor? FP - As pessoas por meio da auto-hipnose aprendem a superar limites, controlar suas reações e impulsos, e vão usar mais seu potencial, além do que elas acham que conseguem. É uma questão de mudança de crenças. Você vai fazer melhor o que já faz bem, ou seja, não vou lhe dar nada que não possua, simplesmente se incrementa e potencializa o que já se sabe. EM TEMPO - É apenas natural que algumas pessoas sejam céticas quanto à hipnose. O que você tem a dizer sobre isso? FP- Isso é totalmente natural e compreensível, porque às vezes não se tem toda a informação necessária e o que se tem é errado. A hipnose não é um fenômeno extranatural, não é religião e nem poderes especiais, são técnicas de comunicação bem

apuradas onde se consegue instalar uma sugestão sem crítica alguma. Muitas vezes eu me sinto culpável por fazer essas induções na televisão muito rápidas e aí isso se confunde com poderes ou magia. O melhor é participar da palestra . EM TEMPO: Se alguém quiser se aventurar na carreira de hipnólogo, qual seria seu conselho? FP: Fazer um bom curso, bem estruturado e com embasamento acadêmico e científico ministrado por especialistas no tema. Pesquisar, antes de engajar-se.

SERVIÇO SHOW-PALESTRA COM FÁBIO PUENTES Quando: Quarta-feira, às 20h Onde: Teatro Direcional (Manauara Shopping) Quanto: R$ 120 e R$ 60 (meia-entrada), à venda na bilheteria do teatro Informações: (92) 3342-8030

Muitas vezes eu me sinto culpável por fazer essas induções na televisão muito rápidas e aí isso se confunde com poderes ou magia. O melhor é participar da palestra e tirar suas próprias conclusões”

LANÇAMENTO

Peça teatral vira obra literária PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

“Nós Atados” é o segundo livro de Nereide Santiago

A atriz Nereide Santiago concluiu os preparativos para a publicação do segundo livro que será intitulado “Nós Atados”. A obra traz a narração de quatro personagens que, separados, falam sobre questões existenciais e relacionamento humano. O lançamento será no próximo sábado, às 10h, na livraria Valer. Nereide Santiago, que também é diretora da Cia teatral A Rã Qi Ri, explica que a obra é resultado de pesquisas teatrais. O texto foi escrito em 2001 e encenado nos palcos de Manaus em 2007. Após o amadurecimento do projeto e adaptações voltadas à publicação impressa, a atriz lança a obra. “Elaboro textos teatrais há algum tempo e ver o trabalho nos palcos já é interessante, e agora em livro, é melhor ainda”, comemora. O primeiro livro recebe o nome “Espanto, Vida e Morte de um Voyeur”, apresentado

na Bienal do Livro Amazonas, em abril deste ano. De acordo com a escritora, o texto é dividido em quatro quadros, entre monólogos, onde as personagens Ulises, Sabrina, Lia e Jonas, discutem aspectos pessoais, com um tom de pensamentos filosóficos. “Eles expressam opiniões sobre frustrações, a constatação da inutilidade após um período de batalha. Temas como violência e banalidade quanto a problemas públicos também estão presentes no livro”, cita a autora. “Nos Atados” não traz uma história sequenciada, mas cortes de narrativas e diálogos cruzados. O livro tem 49 páginas e contém ilustrações dos espetáculos encenados. Segundo Nereide, o título da obra pode ter dois significados: “Nós Atados”, relativo ao pronome pessoal, e em um conjunto, indica um grupo de pessoas impossibilitadas de resolver algo; ou, “Nos Atados”, de problemas difíceis de serem solucionados. “A interpretação fica a

cargo do leitor, que destinará o termo correto ao próprio entendimento”, cita. Para ela, uma publicação deve sempre ter o objetivo de

DESTAQUE

O livro, que será lançado no próximo sábado, tem 49 páginas e contém ilustrações dos espetáculos encenados pela companhia pertencente a autora Nereide Santigo, a Cia teatral A Rã Qi Ri

impactar o leitor, além de contribuir com o enriquecimento cultural sobre o mundo. “Senti a necessidade de tentar colaborar com a dramaturgia e literatura local. Acredito que todos ganham com um novo trabalho lançado, o escritor, a população e os artistas, então, a cultura amazonense”. Ao falar sobre o retorno do trabalho aos palcos, a autora descartou a possibilidade,

com a justificativa de ter outros projetos em desenvolvimento. “O período de amadurecimento, discussão e produção é muito demorado. Somente a partir desse nível podemos pensar em encenar. Quem sabe em outra oportunidade o público volte a ver a dramatização, mas por enquanto, não”, frisa.

SERVIÇO LANÇAMENTO DO LIVRO “NÓS ATADOS” Quando: Sábado, às 10h Onde: Livraria Valer, situada na avenida Ramos Ferreira, 1195, Centro Quanto: Entrada Gratuita Valor do livro: R$ 20 Páginas: 58


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

Programação de TV SBT 5:00 Aventura Selvagem – Reprise 5:30 Pesca Alternativa 6:30 Brasil Caminhoneiro 7:00 A Grande Ideia 7:30 Vrum 8:00 Programa da Manazinha – Local 8:30 Chaves 9:00 Sorteio Amazonas da Sorte – Local 10:00 Domingo Legal 14:00 Eliana 18:00 Vamos Brincar de Forca 18:40 Sorteio da Telesena 18:45 Programa Sílvio Santos 23:00 De Frente com Gabi 0:00 Série - O Mentalista 1:00 Série – Alvo Humano 2:00 Série – Chase 3:00 Encerramento de Emissora

RECORD O seriado “Chase” é uma das atrações na grade do SBT

Horóscopo GREGÓRIO QUEIROZ ÁRIES - 21/3 a 19/4 Momento para reafirmar os relacionamentos e as parcerias formadas ao longo do mês. A atuação conjunta com as pessoas deve ter um sentido de cooperação, e não de disputa. TOURO - 20/4 a 20/5 Existem barreiras fáceis de serem vencidas, mas que por preguiça ou comodismo pode se deixar ficar nelas. É necessário um balanço a respeito de sua rotina de vida e trabalho. GÊMEOS - 21/5 a 21/6 A criatividade deve ser incorporada, em definitivo, em seu trabalho. A amorosidade deve permear o convívio cotidiano com a pessoa amada e permear toda a sua pessoa. CÂNCER - 22/6 a 22/7 As facilidades materiais podem mudar algo em seu cotidiano, mas procure não ir longe demais com isso. Momento para usufruir a casa e as melhorias que nela possa ter feito. LEÃO - 23/7 a 22/8 Um pouco mais de liberdade você deve ter conquistado em seu cotidiano. É tempo de curtir esses espaços de liberdade. Atenção aos gastos exagerados com outras pessoas. VIRGEM - 23/8 a 22/9 A atividade excessiva ou entregar-se à lassidão mais indolente são formas de se prejudicar. Momento para usufruir as condições materiais que lhe são disponibilizadas. LIBRA - 23/9 a 22/10 Momento positivo para confirmar as decisões e direcionamentos de vida. Mas você está facilmente seduzível, talvez até de modo especial por coisas que não lhe façam bem. ESCORPIÃO - 23/10 a 21/11 A agitação social, apesar de agradável, pode lhe incomodar um pouco, tirando-o de sua privacidade. Momento para você começar uma recuperação física, mental e espiritual. SAGITÁRIO - 22/11 a 21/12 Momento positivo para curtir os amigos e o ambiente social. Os sonhos e projetos devem se tornar mais bem definidos. Não se proponha trabalhos com muita severidade. CAPRICÓRNIO - 22/12 a 19/1 Momento para confirmar as direções profissionais definidas anteriormente. Você está disposto a investir mais do que pode em projetos ou coisas que lhe agradem. AQUÁRIO - 20/1 a 18/2 É tempo de fortalecer as direções que estão definidas, diminuindo as contradições e investindo na convergência de esforços. O apoio material pode vir em seu auxílio. PEIXES - 19/2 a 20/3 Um dia favorável para o usufruto das condições materiais e os apoios que você recebe. Não é por você ter mais poder ou mais força que as outras pessoas vão lhe amar mais.

4:45 5:00 5:30 7:00

Bíblia Em Foco Nosso Tempo Desenhos Bíblicos Voto na Record – Local

11:15 Tudo É Possível 14:00 Top Model – HD 15:00 Programa do Gugu 19:30 Domingo Espetacular – HD 22:15 Repórter Record 23:15 Série – Todo Mundo Odeia o Chris 0:15 Programação IURD

GLOBO 4:45 Santa Missa em Seu Lar 5:45 Sagrado: Compacto 5:55 Amazônia Rural 6:25 Pequenas Empresas, Grandes Negócios 7:05 Globo Rural 8:05 Auto Esporte 8:38 Esporte Espetacular 11:30 Temperatura Máxima 13:53 The Voice Brasil 15:17 Domingão do Faustão 19:30 Fantástico 21:50 Domingo Maior 0:05 Sessão de Gala 1:48 Corujão 3:15 Sob Medida 4:00 Festival de Desenhos

Cinema

REDE TV

TV CULTURA

6:30 Igreja Internacional da Graça – Local 7:30 Igreja Internacional da Graça – Local 8:55 Break obrigatório 9:00 TV Shopping Manaus – Local 10:00 Show de Ofertas da Cidade – Local 10:30 TV Kids – Local 11:00 Igreja Internacional da Graça – Local 12:00 Fique Ligado – Local 13:00 TV Kids – Local 14:00 Encircuito – Local (Reprise) 15:30 Amazonas Mix – Local 16:00 Break obrigatório 16:05 TV Kids 16:45 Ritmo Brasil 17:20 O Último Passageiro 18:40 Super Bull Brasil 19:40 Star Trek 21:00 TV Shopping Manaus – Local (Reprise) 22:00 Cine Total 23:30 Dr. Hollywood 0:15 É Notícia 1:15 Bola na Rede 1:45 Igreja Internacional da Graça – Local

5:55 Abertura da Emissora/Hino Nacional 6:00 Via Legal 6:30 Brasil Eleitor 7:00 Palavras da Vida 8:00 Santa Missa 9:00 Viola, Minha Viola 9:30 Nova Amazônia – Local 10:00 Escola Pra Cachorro 10:15 Meu Amigaozão 10:30 Turma do Pererê 11:00 ABZ do Ziraldo 11:30 Anima TV Tromba Trem 11:45 Anima TV Carrapatos e Catapultas 12:00 Turma do Pererê 13:00 Dango Balango 13:30 TV Piá 14:00 Stadium 15:00 Os Protetores do Planeta 16:00 Ver TV 17:00 De Lá, Pra Cá 17:30 Cara e Coroa 18:00 Papo de Mãe 19:00 Conexão 20:00 Esportvisão 21:30 MPTV – Local (Reprise) 22:00 Roda Viva Amazonas – Local (Reprise) 23:00 Doc Especial 0:00 Encerramento da Emissora/Hino Nacional

Cruzadinhas

ESTREIAS O Mar Não Está Pra Peixe 2 EUA/COR. Livre. Pi e Cordelia são pais e têm um filho chamado Júnior. Quando eles descobrem que os tubarões estão soltos novamente, começam a treinar os habitantes do recife para defenderem o lugar. Playarte 1 – 13h, 14h50, 16h40, 20h20 (3D/dub/diariamente) e 22h10 (3D/dub/somente sexta-feira, sábado e domingo); Cinemark 2 – 13h10, 15h15 e 17h30 (dub/diariamente). Magic Mike EUA. 16 anos. Ambientado no mundo dos strippers masculinos, “Magic Mike” acompanha Mike, um stripper que abriga um jovem dançarino chamado The Kid, para lhe ensinar tudo o que sabe, a fim de que ele ganhe dinheiro facilmente. Playarte 7 – 14h05, 16h20, 18h35, 20h50 (leg/somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira, quarta-feira e quinta-feira) e 23h05 (leg/somente sexta-feira e sábado); Playarte 7 – 14h05, 16h20, 18h35, 20h50 (leg/somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira) e 23h05 (leg/somente sexta-feira e sábado). Diário de Um Banana 3 EUA/CAN. Livre. A terceira adaptação da série de livros “Diário de um Banana” mostra o protagonista durante as férias de verão. Cinemark 1 – 12h40, 14h40, 16h50, 19h e 21h20 (dub/diariamente). Marcados Para Morrer EUA. 14 anos. Taylor e Zavala são dois jovens policiais de Los Angeles. Eles arriscam suas vidas todos os dias patrulhando a cidade. Após uma operação rotineira, os oficiais confiscam uma pequena quantia em dinheiro que pertencia a um traficante local. A apreensão faz com que os tiras se tornem alvo da máfia. Cinemark 1 – 21h20 (dub/diariamente) e 23h30 (dub/somente sexta-feira e sábado). Frankenweenie EUA. 10 anos. A história centra-se em Victor, um pequeno rapazinho que vê o seu cão, Sparky, ser mortalmente atropelado enquanto brincava com ele na rua. Ao ler o livro “Frankenstein”, Victor tem a ideia de utilizar os ensinamentos de Victor Frankenstein para dar vida ao seu cão, no entanto, essa sua ideia acaba por não surtir os efeitos desejados. Cinemark 6 – 12h20 (3D/dub/somente sexta-feira, sábado e domingo), 14h30, 16h40, 18h50, 21h (3D/dub/diariamente) e 23h10 (3D/ dub/somente sexta-feira e sábado).

CONTINUAÇÕES 007 – Operação Skyfall – 14 anos: Playarte 5 – 15h, 18h, 21h (leg/somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira) e 23h59 (leg/somente sexta-feira e sábado); Playarte 6 – 14h, 17h, 20h (dub/somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira) e 23h (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemark 4 – 17h20 (dub/diariamente), 20h20 (dub/não será exibido terça-feira) e 23h20 (dub/somente sexta-feira); Cinemark 7 – 12h50, 16h, 19h10 e 22h30 (dub/diariamente). A Entidade – 14 anos: Playarte 2 – 18h20, 20h40 (leg/somente sextafeira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira) e 23h (leg/somente sextafeira e sábado). E A Vida Continua... – 10 anos: Playarte 2 – 12h50, 15h, 17h10, 19h20, 21h30 (somente terça-feira e quintafeira), 14h e 16h10 (somente sextafeira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira).

Gonzaga – De Pai Para Filho – 12 anos: Playarte 3 - 12h30, 15h05, 17h40, 20h15 (somente terça-feira e quintafeira), 12h30, 15h05, 17h40, 20h15 (somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira, quarta-feira) e 22h50 (somente sexta-feira e sábado); Cinemark 3 – 12h10 (dub/somente sextafeira, sábado e domigo), 15h, 17h50, 20h50 (dub/diariamente) e 23h40 (dub/ somente sexta-feira e sábado). Billi Pig – 12 anos: Playarte 4 – 12h50, 15h, 17h10, 19h20 e 21h30 (somente terça-feira e quinta-feira). Possessão – 14 anos: Playarte 4 – 13h10, 15h10, 17h10, 19h10, 21h10 (leg/somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira) e 23h10 (leg/somente sexta-feira e sábado); Cinemark 8 – 13h40, 15h50, 18h, 20h10 e 22h20 (leg/diariamente); E Aí, Comeu? – 14 anos: Playarte 5 – 12h50, 15h, 17h10 e 19h20 (somente terça-feira e quinta-feira).

Na Estrada – 16 anos: Playarte 6 – 13h, 15h45, 18h30 e 21h15 (somente terça-feira e quinta-feira). As Aventuras de Agamenon – O Repórter – 14 anos: Playarte 7 – 14h, 15h45, 17h30, 19h15 e 21h (somente terça-feira e quinta-feira). Os Intocáveis – 14 anos: Playarte 8 – 18h, 20h30 (leg/somente sextafeira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira) e 23h (leg/somente sexta-feira e sábado). O Diário de Tati – Livre: Playarte 8 – 14h, 16h (somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira e quartafeira), 14h, 16h, 18h e 20h (somente terça-feira e quinta-feira). Até Que a Sorte Nos Separe – 12 anos: Playarte 9 – 14h, 16h15, 18h30, 20h45 (somente sexta-feira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira), 14h, 16h15, 18h30, 20h45 (somente terça-feira e quinta-

feira) e 23h (somente sexta-feira e sábado); Playarte 10 – 12h30, 14h45, 17h, 19h15, 21h30 (somente sextafeira, sábado, domingo, segunda-feira e quarta-feira), 12h30, 14h45, 17h, 19h15, 21h30 (somente terça-feira e quinta-feira) e 23h45 (somente sábado); Cinemark 2 – 19h50 e 22h10 (diariamente). Hotel Transilvânia – Livre: Cinemark 4 – 13h e 15h (3D/dub/diariamente); Cinemark 8 – 11h30 (dub/somente sexta-feira, sábado e domingo). Led Zeppelin – 12 anos: Cinemark 4 – 23h55 (somente sábado). Queen – Hungarian Rhapsody – 12 anos: Cinermark 4 – 21h (somente terça-feira). Atividade Paranormal – 12 anos: Cinemark 5 – 12h45, 14h50, 17h10, 19h30, 21h40 (leg/diariamente) e 23h50 (leg/somente sexta-feira e sábado).


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012

D7

Jander Vieira jandervieira@hotmail.com - www.jandervieira.com.br Formando par dos mais queridos nos domínios do Le Rêve: Elma e o deputado Francisco Souza, o grande aniversariante da temporada. Ontem, o parlamentar comemorou a data especial em família. Os cumprimentos da coluna.

Marco Antonio Villela mais Gracinha e Raphael

::::: Viva, Dudu! Foi para celebrar mais um niver do inteligente Eduardo que seus pais do coração, Gracinha e Marco Antônio Villela organizaram festa intimista no endereço do condomínio Nice, do Riviera da Ponta Negra. Noite divertida, que contou com o bufê impecável da querida Asnah Barbosa regado a altas doses de alto astral e alegria. Confira os confetes-com-flashes.

Lourival Souza e sua Dinair

Sérgio e Janice Nogueira com o filhote Juan

Gê e Ariela Castelo Branco

Eduardo Guerra

Luzia Evans e a bambina Ana Luísa

Maria Rodrigues, Lúcia Rabelo e Aglae Caliri

Glaucius e Guilherme Braga

Diogo, Rosália mais Manoella Laborda

Gê mais Alberto Castelo Branco, só amores

Thaís Corvel

::::: Sala de Espera Margareth Queiroz está trocando de idade amanhã. O carinho da coluna. Com o incondicional apoio da Bemol, Fapeam, Fogás e UEA, acontece amanhã, no Centro de Visitação do Musa no Jardim do Botânico, na Cidade de Deus, a abertura das exposições: “Peixe e Gente” e “Sapos, peixes e musgos”, às 16h.

O Manauara Shopping convida para conferir o lançamento do seu Natal, no próximo dia 13, às 10h, no Waku Sese. A Prime Assessoria e Mídia está assinando a assessoria de imprensa da It Beach em Manaus. A franquia de sandálias de praia inaugura sua loja, no próximo dia 8, no Amazonas Shopping. Ele-

LITERATURA

O hotel Park Suites Manaus criou um pacote especial de hospedagem para quem vai curtir o Seven Music Festival, no

próximo dia 14. Há pacote com hospedagem, café da manhã, estacionamento gratuito para o evento e ainda uma refeição no restaurante Aupabá. Que tal? Mais informações: 3306-4500. O competente chef do Barbacoa Manaus, Anilton Silva, promoveu jantar regional no shopping Iguate-

mi, em São Paulo, e contou com a presença de todos os outros chefs e donos da rede. Com sucesso para lá de memorável, mais uma vez nossas iguarias conquistam amantes. Aplausos! O documentário “Do Matadouro à Glória”, de Heraldo Daniel Moraes, vai ser lançado na próxima quarta-feira, no Repúbli-

ca Real, às 22h. Com o nome de Palafita Chic, o evento contará com shows musicais das bandas que fizeram parte da trilha sonora do documentário como Alaídenegão e Os Tucumanos, além de DJs e exibição de curtas. O filme aborda a história do bairro Glória, construída pelos seus moradores ao longo de 100 anos.

MINC

Palestra aborda o livro ‘O Pequeno Príncipe’, terça A Associação Cultural Nova Acrópole promove terça-feira, às 20h, uma aula demonstrativa gratuita de “O Essencial é Invisível aos Olhos”, baseada nas ideias contidas na obra “O Pequeno Príncipe”, do escritor e piloto Antoine de Saint-Exupéry. A aula ocorrerá na sede da instituição, localizada na rua Teresina, 75, Adrianópolis - próximo ao restaurante Banzeiro, e é uma cortesia da organização oferecida com o intuito de aproximar o público dos clássicos, despertar a curiosidade e gosto pela leitura e demonstrar como a filosofia pode ser simples e útil. A aula será ministrada pela professora Kelly Aguiar que conta que o livro, aparentemente simples, recolhe ideias profundas, como a que leva o título da palestra: “O Essencial é Invisível aos Olhos”. O evento apresentará um breve resumo da obra e suas ideias principais abordadas, apresentando o contexto simbólico tão presente na narrativa poética à maneira de uma filoso-

onora Dantas e Klausenner Souza são os franqueados da marca que, além do Brasil, já é sucesso em vários países da Europa como França, Itália, Portugal, Grécia e Inglaterra.

Marta pede apoio do Senado

DIVULGAÇÃO

fia simples que nos ajuda a compreender e trazer essas verdades para a vida. O livro apresenta uma visão mais limpa, demonstrada neste caso pela narrativa de uma criança - sem tantos preconceitos e complicações - que permite que se vejam a vida, as pessoas, as coisas como são de fato e não por meio de uma carapaça de valores que lhe atribuímos. Esse reencontro com essa “visão infantil”, sugerido pelo livro, é feito para enxergar todas as coisas da vida, o resgate de anseios e questionamentos adormecidos. Filosofia Kelly Aguiar é diretora da Nova Acrópole e ministra aulas de filosofia e cursos voltados para o desenvolvimento humano em várias capitais brasileiras. O evento será promovido pela Nova Acrópole, uma organização internacional sem fins lucrativos, que há 54 anos realiza uma cultura ativa, que desperta as capacidades do homem e promove o resgate de valores atemporais, por meio da filosofia. REPRODUÇÃO

A obra de Antonie Saint-Exupéry será debatida na terça

A atual ministra da Cultura, Marta Suplicy, foi ao Senado pedir apoio para emendas e dinheiro para novos projetos

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, esteve na manhã de quinta-feira, dia 1º, no Senado para pedir apoio dos parlamentares a projetos da pasta, que assumiu há pouco mais de um mês. Como prioridades, a ex-senadora apontou o Procultura - substituto da Lei Rouanet -, o Vale Cultura e a nova Lei de Direitos Autorais, que ainda precisa ser enviada pelo ministério ao Congresso. Os três projetos têm que ser aprovados primeiramente na Câmara. O Procultura deve ser votado ainda neste ano e em seguida mandado ao Senado. A ministra pediu que o presidente da Casa, José Sarney, relate o projeto. Marta pediu que os senadores retomem e aprovem o

texto do Vale Cultura originalmente enviado ao Congresso, que prevê concessão de R$ 50 mensais, para gastos em cultura, a quem ganha até cinco salários mínimos. O gasto do empregador seria reembolsado pelo governo via renúncia fiscal. Na Câmara, foram incluídos os servidores públicos e os aposentados, o que elevaria os gastos do governo e levaria ao veto da presidente Dilma. Marta vem articulando um acordo com o presidente da Casa, deputado Marco Maia. A ministra mencionou ainda a implantação de 360 CEUs (Centros Educacionais Unificados) da cultura e esporte no país, projeto que, segundo Marta, Dilma quer transformar

em “marca” de sua gestão. O CEU é uma das principais bandeiras do PT na cidade de São Paulo, pois foi iniciado pela administração de Marta. Emendas A ministra pediu ainda que os senadores destinem mais emendas a projetos culturais, com foco principalmente nos Pontos de Cultura, questão que foi duramente criticada na gestão de sua antecessora, Ana de Hollanda. “Peço emendas nessa área, que pode ser muito incrementada, mas ainda recebe pouco recurso. É um trabalho que vai conectar os Estados à cultura”, afirmou Marta. As emendas, juntamente com o dinheiro destinado à Roua-

net, duplicaram o orçamento do ministério nesse ano. A execução dos projetos financiados pelas emendas, entretanto, foi criticada pela ministra, que prometeu a criação de uma força tarefa para resolver o problema. Outro ponto apontado como prioritário pela ministra foi o equilíbrio entre os direitos autorais e a cultura digital. “O criador tem todo o direito de viver de sua arte, mas a obra também precisa estar no mundo. O grande desafio é como compensar o autor que tem seu trabalho exposto na internet, para que ele não seja vilipendiado. Estamos no século 21, não tem mais volta”, disse. Por Nádia Guerlenda


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE NOVEMBRO DE 2012


EM TEMPO - 4 de novembro de 2012