Issuu on Google+

MOTOVELOCIDADE

Excesso de mimo atrasa fala do bebê

Piloto mirim compete entre profissionais

A falta de estímulo à fala do bebê, com excesso de “dengo” pelos pais, retarda emissão das primeiras palavras. Saúde e bem-estar E6

Amazonense de 13 anos é considerado a revelação do campeonato que tem sua primeira corrida hoje, no kartódromo de Manaus. Lance! 8

DIEGO JANATÃ/FREELANCER

AP

COMPORTAMENTO

29 mil vagas de trabalho

ANO XXIV – N.º 7.581 – MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES - DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO - PREÇO DESTA EDIÇÃO: R$ 2,00 GIOVANA CONSENTINNI

Aeroclube não ameaça a cidade, declara Peixoto Na semana em que mais um avião de pequeno porte caiu na capital, presidente do Aeroclube de Manaus, Luiz Mário Peixoto, diz que local é um dos mais seguros. Com a Palavra A7

ARTHUR CASTRO/AGORA

“CARTÃO-POSTAL”

Bondes voltam à rotina do centro histórico da capital ALEXANDRE FONSECA/ARQUIVO EM TEMPO

Projeto do governo do Estado vai recuperar os traços do antigo meio de transporte, extinto em 1957, bem como a reposição das calçadas, arborização, substituição e padronização dos equipamentos urbanos. Dia a dia C5

TENDÊNCIA

Cortes de cabelo que ‘fazem a cabeça’ das mulheres no verão Visual da moda realça os traços do rosto feminino e é apontado por profissionais de beleza como uma boa pedida para a temporada. Elenco 27 e 28

CONFLITOS

GIOVANA CONSENTINNI

Crises familiares levam menores a morar nas ruas Morando debaixo de viadutos e pontes, meninos e meninas vagam pela cidade em busca da identidade perdida entre os conflitos familiares. Roubos e furtos acabam fazendo parte da rotina. Dia a dia C6


A2

Opinião/Última Hora

Contexto 3090-1017/8136-7324

contexto@emtempo.com.br

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Tiroteio entre traficantes no São Geraldo mata um Moradores afirmam ter sido acordados pelos tiros, por volta das 8h. Uma das vítimas, Waldenício Lopes Mendes, 18, foi atingida fatalmente na boca FOTOS: MÁRIO OLIVEIRA

Sabino diz que quer ser candidato a prefeito Com o diploma de deputado federal cassado recentemente pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Sabino Castelo Branco (PTB) afirmou que será candidato à Prefeitura de Manaus no pleito deste ano. O deputado disse que está tranquilo quanto à decisão do TRE e ressaltou que seus advogados já estão estudando um recurso para reverter a decisão. Sabino classificou a cassação do seu mandato como perseguição política e se justificou com a seguinte frase: “eles sabem que sou candidato à prefeitura e eles querem me tirar da concorrência, por isso esta decisão”. O parlamentar ficará no cargo até o julgamento do embargo de declaração no TRE. Se for confirmada a cassação, quem deverá assumir o cargo é Luiz Fernando Nicolau (PRP). CRÍTICAS À CAPACIDADE HOTELEIRA O secretário geral da Fifa, Jerome Valcke, não poupou Manaus ao criticar o Brasil sobre a capacidade hoteleira das cidadessede para receber os turistas durante a Copa de 2014:

“Não tem hotéis suficientes em todos os lugares. Você tem mais do que suficiente em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas se você pensar em Manaus, você precisa de mais” secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke

PROVAS Quem vai elaborar, aplicar e corrigir as provas a que serão submetidos os candidatos a conselheiros tutelares de Manaus é a Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Para isso, a Semasdh dispensou licitação para contratar a instituição.

AUTORIZADO O Diário Oficial da União (DOU) já publicou, na edição da última sexta-feira (2), a resolução que autoriza o Amazonas a contratar operação de crédito externo junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no valor de US$ 280 milhões.

DECISÃO NA WEB A juíza de Manacapuru, Rosália Guimarães Sarmento, divulga em seu site, na web, as suas decisões jurídicas. Foi por lá que ela informou sobre a cassação do diploma do prefeito Edson Bessa. Além disso, ela divulga estatísticas e todos os processos que julga.

PROSAMIM 3 Os recursos são para as obras do Prosamim 3. O governo federal é quem dá as garantias para a operação de crédito.

OBRAS A empresa PR Construções e Terraplanagem Ltda. tem mais 60 dias, a partir de 9 de janeiro, para concluir os serviços de recuperação dos pavimentos e drenagens nas comunidades Jorge Teixeira 1 e 2, Santa Inês, João Paulo e conjunto São Camilo. O prazo acaba nesta semana.

PROCEDIMENTO A Defensoria Pública do Estado (DPE) abriu procedimento administrativo para apurar a responsabilidade do Instituto Cidades na inexecução do contrato de realização do concurso público do órgão, em abril do ano passado. DEFENSORES A DPE nomeou os defensores Clóvis Barreto, Péricles Duarte Júnior e Eduardo Ituassú para comporem a comissão que investiga o caso.

APLAUSOS

VAIAS

Bovespa

Enade

Para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) encerrou o pregão de sexta-feira (2) com alta de mais de 1%.

Para a Universidade Paulista (Unip), que está sendo investigada pelo MEC por irregularidades nas notas do Enade.

A discussão entre os dois homens iniciou no beco Pico das Águas. A polícia trabalha com a hipótese de acerto de contas NÁDUA MOURA Equipe EM TEMPO

U

m tiroteio na manhã de ontem, no bairro São Geraldo, Zona Centro-Sul, entre supostos traficantes, deixou um homem morto, outro ferido e o autor dos disparos foragido. De acordo com testemunhas, por volta das 8h um

REAÇÃO

Policial mata bandido após ser assaltado O soldado da Polícia Militar Cleper Alan Serrão, 25, foi atingido por cinco tiros durante uma tentativa de roubo. Mesmo ferido, o militar conseguiu matar um dos suspeitos e o outro foi preso. De acordo com informações da polícia, por volta das 23h de sexta-feira, o policial que havia acabado de sair da faculdade, foi abordado por dois homens armados, na rua Duque de Caxias, bairro Praça 14 de Janeiro, Zona Sul. Os suspeitos pediram que o policial entregasse a motocicleta dele, uma XR 300, de placa não identificada. Quando

ESTADO GRAVE

O soldado da Polícia Militar Cleper Alan Serrão está internado em estado grave no Hospital ProntoSocorro João Lúcio, Zona Leste, segundo a polícia. Ele foi atingido com cinco tiros percebeu que era um assalto, o policial sacou uma arma e efetuou vários disparos contra os infratores. Eles revidaram e conseguiram atingir o soldado com cinco tiros. Um dos bandidos, Jones Souza Marques, 24, foi atingido com dois tiros, um no pescoço e outro no peito, e morreu no local. O outro suspeito foi encaminhado para o 1º Distrito Integrado de Polícia e deverá ser indiciado por tentativa de homicídio e roubo. O soldado baleado foi levado ao PS João Lúcio, Zona Leste, fez uma cirurgia e permanece internado em estado grave.

homem, identificado como Alexandre Soares, chegou armado no beco Pico das Águas e começou uma discussão com Waldenício Lopes Mendes, 18. Após o desentendimento, Alexandre teria sacado um revólver e efetuado dois tiros, que atingiram a boca e o peito de Waldenício. Em seguida, o primo da vítima, que não foi identificado pela polícia, também sacou

uma arma e atirou contra Alexandre, que foi atingido por dois tiros na perna direita. Os moradores, que foram acordados com o barulho dos disparos, contaram que o trio trocou tiros durante cinco minutos. Os dois feridos foram levados por familiares ao Serviço de Pronto Atendimento do bairro São Raimundo, Zona Oeste. De acordo com infor-

mações da unidade de saúde, Waldenício já chegou sem vida. Alexandre recebeu atendimento médico e permanece internado. O terceiro envolvido no tiroteio fugiu do local. A polícia informou que o motivo do crime seria por acerto de contas pelo tráfico de drogas. O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros, DEHS, que deverá investigar.

ÍNDIOS

Lideranças querem parlamento PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

Líderes e representantes de organizações indígenas se reuniram na manhã de ontem para discutir a proposta de formação de um parlamento que viabilize as opiniões e necessidades dos índios. A reunião, que começou na última sextafeira, aconteceu na sede da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) e teve a participação do dirigente do Centro Indígena de Estudos e Pesquisas (Cinep), localizado em Brasília (DF), Gersem Baniwa. De acordo com a vicecoordenadora da Coiab, Sônia Guajajara, a proposta é definir um grupo que possa representar as etnias. Ela explica que atualmente, os indígenas têm pouca repre-

sentatividade por falta de designação de lideranças, o que poderá ser resolvido com a constituição do parlamento. “A ideia é que haja lideranças nas comunidades,

FÓRUM

Este projeto está sendo discutido e a ideia é que a criação desse parlamento seja instalado em quatro anos. A meta é ter lideranças das comunidades, do Estado e do país num fórum próprio no Estado e posteriormente, no país. Trabalhando dessa forma, poderemos fazer parte das articulações políticas com mais intensidade, transpondo muitas barreiras”, explicou. Ela acrescentou

que os integrantes do parlamento serão responsáveis pelas demandas e tomadas de decisões. Segundo Baniwa, a organização por meio do parlamento resolverá um problema nacional, que é considerado crítico no meio indígena. Ele defendeu a necessidade de um fórum próprio, onde possam estar integrados com os povos de todo o Brasil. “O parlamento irá viabilizar nossas discussões e a constituição de um fórum nacional permitirá estreitar relações dos indígenas com o Estado e governo”, enfatiza. O Conselho Deliberativo da Coiab é composto por 46 conselheiros dos nove Estados da Região Amazônica. O projeto está sendo discutido e a previsão é que, no máximo, em quatro anos seja instaurado.

FIFA

Aldo não quer Valcke na Copa O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, vai pedir à Fifa que afaste seu secretário-geral, Jérôme Valcke, das negociações sobre a Copa do Mundo de 2014 com o Brasil. A decisão foi anunciada pelo ministro, ontem, um dia depois de Valcke fazer duras críticas à preparação do país para o Mundial. “O secretário-geral da Fifa não pode ser nosso interlocutor”, afirmou Rebelo, em entrevista coletiva convocada após as críticas de Valcke. “As declarações do secretário da Fifa são inaceitáveis”, acrescentou. Segundo Rebelo, as de-

clarações de Valcke sobre a preparação do Brasil são intempestivas e infundadas. São também ofensas ao país. Por tudo isso, na opinião do ministro, ele não pode ser mais o interlocutor entre a Fifa e o governo brasileiro. Críticas Na última sexta-feira, Valcke elevou o tom das críticas ao Brasil. Ele disse que “não há muita coisa se mexendo” e que os organizadores precisavam levar “um chute no traseiro”. “Não podemos receber um comentário de ofensa pessoal. Imagina alguém dizer que

vai fazer isso (chute no traseiro) com sua família, com seu clube, com sua sociedade. Imagina com um país”, respondeu Rebelo. “Não pode”. Rebelo ainda afirmou que o Brasil está se empenhando para honrar os compromissos que assumiu com a Fifa. Disse também que não vê chance da Copa do Mundo de 2014 não acontecer no país. “Não há razão e motivo pra isso (uma possível transferência da Copa)”, disse o ministro. “O Brasil tem infraestrutura e logística. Temos aeroportos internacionais em todas capitas.


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

A3

Fala leitor

Editorial

falaleitor@emtempo.com.br

www.emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

Serra tem candidatura tardia e recebe críticas A falta de rumo, de discurso, de foco nas ações do governo, têm colocado o que se chama, ainda, de “oposição brasileira” na pauta dos melhores analíticos políticos do mundo. E numa situação muito pouco promissora. A revista britânica “Economist”, dedica reportagem do dia 1º a analisar que a extemporânea pré-candidatura de José Serra à Prefeitura de São Paulo mostra o fracasso do PSDB em formar uma nova geração de candidatos. José Serra anunciou, na última segunda-feira, sua intenção de participar das prévias do PSDB para disputar a prefeitura paulistana. O tucano foi prefeito de São Paulo entre 2005 e 2006, quando deixou o cargo para concorrer a governador do Estado, eleição que ele venceu. Nessa nova empreitada, seu principal adversário, caso seja aclamado candidato do PSDB, deve ser o ex-ministro da Educação, o petista Fernando Haddad, uma “invenção” do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cada vez mais inventivo desde que fez de Dilma Rousseff a primeira presidente da República Federativa do Brasil (e não Estados Unidos do Brasil, como referiu recentemente o sempre candidato Serra). A intervenção de José Serra na campanha não teria a menor importância nem mereceria nenhuma referência, se não fosse essa insistência a que o PSDB sempre recorre: ser um partido de oposição, afirmação que sempre deixa um sorriso de ironia no rosto do seu nome mais respeitado, Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República, o mais lembrado da equipe que inventou o real, como moeda nacional, debelou a inflação e deixou para os dois governos de Lula alguns dos principais programas sociais de caráter populista. Segundo a “Economist”, Serra obteve a nomeação de seu partido para concorrer à Presidência em 2010 por força de vontade e porque ninguém conseguiu pensar em uma forma de detê-lo”, diz o texto. “A maioria dos ativistas do partido achava que era hora de apresentar (a candidatura) de uma cara nova, e a derrota (de Serra para Dilma) sugere que eles estavam certos. A entrada tardia na corrida à prefeitura pode fazer com que eles (os ativistas contra a candidatura de Serra) levem a melhor na próxima (eleição presidencial)”, conclui a revista.

Antes de deixar minha sugestão de reportagem, gostaria de dizer que nunca mandei um e-mail a outro jornal, mas por gostar do tipo de telejornal que vocês apresentam e, por ler o EM TEMPO é que eu estou enviando este e-mail, uma sugestão em virtude de minha curiosidade: por que foi mais fácil e mais rápido construir uma ponte,

que não traz nenhum benefício ao município, do que reformar uma biblioteca estadual? Já perdi a conta de quantos anos faz que a biblioteca está daquele jeito: em reforma e sempre mudando de cor. Será que é permanente e esqueceram de avisar? Bem, está é minha indagação. Obrigada pelo espaço, pela oportunidade e pelo

trabalho desenvolvido. Professora Thatyana Silva Um absurdo as contas que estão chegando à minha casa, onde só moram três pessoas e só chegam à noite para dormir. A primeiro conta foi de R$ 300, e a segunda, no valor de R$ 634. E tem mais: a própria Águas

do Amazonas trocou o registro, dizendo que eu, a dona da casa, tinha pedido. E o contador é velho e eu tenho certeza de que é do esquema da concessionária. Tereza Christina

Charge regi@emtempo.com.br

Olho da Rua

Dora Kramer

opiniao@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br DIEGO JANATÃ/FREELANCER

São imagens como esta que remetem, de imediato, a situações apocalípticas, reais ou imaginárias como o fim do mundo previsto pelos maias para este ano ainda e outro fim de mundo que foi a bomba atômica sobre duas cidades japonesas. É preciso estar atento e forte.

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

Editores-Chefes Aldisio Filgueiras — MTB 213 aldisio@emtempo.com.br Náis Campos — MTB 033 nais@emtempo.com.br Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa michelegouvea@emtempo.com.br

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

3090-1001

Diretor Administrativo Maurício Alves mauricio@emtempo.com.br Diretor Comercial Márcio Barroso marciobarroso@emtempo.com.br

circulacao@emtempo.com.br Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

Diretor de Arte Kyko Cruz kykocruz@emtempo.com.br EM TEMPO Online Yndira Assayag — MTB 041 yndira@emtempo.com.br

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

www.emtempo.com.br

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

@emtempo_online

/amazonasemtempo

/ /tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Dores do sistema O ministro Carlos Ayres Britto tomou na semana passada uma decisão aparentemente secundária, mas representativa de um debate que voltará à cena principal tão logo o Tribunal Superior Eleitoral dê início ao exame das ações do PSD reivindicando tempo de televisão e parcela do fundo partidário proporcionais à bancada de 47 deputados na Câmara. Em caráter liminar, o ministro do Supremo Tribunal Federal decidiu que o partido do prefeito Gilberto Kassab não tem direito a participar das comissões permanentes da Casa porque “não passou pelo teste das urnas”. Corroborou a posição do presidente da Câmara, Marco Maia, que havia negado o acesso às comissões sob o argumento de que o cálculo de distribuição deve ser feito conforme o tamanho das bancadas saídas das urnas. Problema interno na Câmara? Mais ou menos. O mesmo critério é adotado nas legislações que regem a divisão do fundo partidário e a partilha do tempo de televisão. Tanto a lei 9.096 quanto a 9.054 são claras: estabelecem que a regra da proporcionalidade aplicase conforme os votos obtidos na última eleição. Ora, se o PDS não elegeu nenhum dos deputados que hoje integram sua bancada na Câmara, teoricamente o partido de Kassab teria entrado numa batalha perdida. Problema de Kassab e do PSD? Mais ou menos. A depender das decisões que os colegiados do Supremo e do TSE venham a tomar sobre essas questões, pode vir a ser um problema para um sistema eleitoral sabidamente deformado. Ayres Britto indicou numa direção: a da interpretação absolutamente literal da lei. Mas há divergências quanto à maneira de se abordar essas questões que poderão levar a um debate sobre

legalidade e legitimidade na representação dos partidos. O ministro Marco Aurélio Mello, por exemplo, também integrante do STF e do Tribunal Eleitoral, acha que será preciso levar em conta a realidade. Segundo ele, quando a Justiça resolveu abrir uma brecha na regra da fidelidade partidária admitindo trocas de partido em caso de criação de nova legenda e também quando aprovou o registro definitivo do PSD - duas decisões das quais o ministro discordou e por isso diz estar “a cavaleiro” para opinar - aceitou o conceito da relatividade na aplicação das normas. “Como ignorar a existência de um partido com 47 deputados e punilo até a próxima eleição? A regra beneficia o desempenho eleitoral, mas os fatos mudaram a realidade e, portanto, é preciso levar em conta o relevo maior da representação existente”, argumenta. Na ação sobre o acesso às comissões ainda a ser votada no plenário do Supremo, há chance de o PSD ganhar, uma vez que a Constituição remete a questão ao regimento interno da Câmara e este fala em “sessão legislativa” e não em “legislatura” para efeito de distribuição de postos. A diferença? Legislatura ocorre a cada quatro anos, diz respeito ao mandato todo, e sessão legislativa é aberta duas vezes ao ano (no início de fevereiro e em agosto, depois do recesso). Como o PSD conseguiu registro no ano passado, na sessão em curso estaria apto a integrar comissões. Quanto ao tempo de televisão e o dinheiro do fundo partidário (hoje tem direito a R$ 125 mil ao ano, se ganhar na Justiça passa a receber R$ 19 milhões), a teoria joga contra o PSD, uma vez que os termos da legislação são categóricos: a repartição dar-se-á na proporção dos votos obtidos na última eleição.

Dora Kramer Jornalista, escreve simultaneamente no jornal “O Estado de S.Paulo”

Em caráter liminar, o ministro do STF decidiu que o partido do prefeito Gilberto Kassab não tem direito a participar das comissões permanentes da Casa porque ‘não passou pelo teste das urnas’


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Apesar das diferenças, uma sociedade mantém-se unida

Essa história do número 40 que se lembra tantas vezes

As cenas que se mostraram, ao vivo e em cores, pela televisão, com transmissão para todo o Brasil e mais algumas dezenas de países, no momento em que eram computados os votos que o grupo de julgadores atribuiu às escolas de samba de São Paulo, mais do que estarrecedoras, acredito que são extremamente reveladoras de uma realidade social que nos envolve e na qual somos obrigados a viver, sempre atentos e despertos na busca de tentar neutralizar um indesejável condicionamento nacional. O fato em si mostra que a ética que nos rege como nação é claudicante, relativista e orientada pelo princípio da busca do “melhor para mim e para os meus”, na perspectiva individualista que empurra o social para baixo e para longe. Incrível e típico que uma pessoa, certamente agindo por um grupo, busque por vontade própria, sua e dos seus, participar de um evento, cujas normas e regras conheceu e aceitou previamente, para, tão logo lhe pareça que o resultado não será o que deseja, partir para tumultuar e inviabilizar a expressão do julgamento daqueles que receberam das mesmas escolas os mandatos de juízes. O que não é razoável é pensar-se que ali se tratou de um fato isolado, num ambiente específico e propício, onde imperam “bicheiros” e outros contraventores, portanto à margem do que seria a verdadeira sociedade brasileira. Modus in rebus, ali apareceu uma aberração ética, típica do ambiente em que se deu, como também mantêm sua própria tipicidade as tantas outras que se dão nas agremiações políticas, nas instituições financeiras, nos ministérios governamentais, nas empresas públicas e alhures. O mal é endêmico, está em toda parte com força crescente e, outra manifestação da nossa falimentar moral, a resposta nacional costuma se materializar num coro uníssono, a responsabilizar sempre e diretamente o Estado e o Governo. Os exemplos (maus) se multiplicam, a imprensa é impiedosa na sua divulgação, mas parece que ninguém se mostra disposto a fazer a reflexão que poderia levá-lo a entender que uma sociedade não muda, não evolui e sobretudo não melhora senão pela qualificação daqueles que a constituem, o que somente é possível pelo crescimento cultural que se vincula à educação e ao desenvolvimento da consciência de cada um. A importante quota de responsabilidade que cabe ao Estado é precisamente aquela que se vincula à educação, seu dever inalienável. E para dar cumprimento a esse dever é preciso ter um projeto, investir sobre ele em todos os sentidos, e fugir das posturas permissivas e demagógicas que corrompem a ação educativa pela via do populismo. Há poucos dias, um repórter da BBC fazia matéria sobre o Rio de Janeiro e, ao mostrar um baile funk, como curiosidade, salientou que a música era “tosca e grotesca”. Fosse uma televisão brasileira e a mesma música seria uma “expressão genuína da cultura nacional”. É similar à tolerância com que os pais brasileiros estão a educar os filhos.

A questão dos números na Bíblia chama a atenção, especialmente quando lemos os livros chamados de apocalípticos que falam de realidades futuras através de símbolos. O Apocalipse é o mais famoso desses escritos, mas há outros no antigo testamento. Estudiosos se debruçaram sobre o tema e muita luz foi alcançada para entender seu significado. Não pretendo entrar nesse campo dos estudos bíblicos. Quero somente chamar a atenção para o número quarenta que aparece várias vezes e que peço licença para citar. Noé, quando as águas do dilúvio começaram a baixar, esperou 40 dias para abrir a janela e soltar um corvo. Moisés permaneceu 40 dias no alto do Monte Sinai em jejum e falando com Deus. Durou 40 anos a caminhada do povo a partir da saída do Egito até a Terra Prometida. Elias, em sua fuga da fúria de Jezabel, precisou de 40 dias para chegar ao monte Horeb. Jesus, após seu batismo por João, recolheu-se por 40 dias em jejum e oração no deserto. Dizem os estudiosos que o número 40 significa um tempo longo que é dedicado a preparar acontecimentos importantes. Assim foi com Noé que daria início a uma nova humanidade, com Moisés que entregaria ao povo as tábuas da Lei divina, com o povo de Israel que tomaria posse de Canaã, com Elias que se encontraria com Deus, com Jesus que partiria para sua missão de anunciar o Reino dos céus. Dessa frequência do número 40 na Bíblia é que surgiu a Quaresma, um tempo longo em que se prepara para a Páscoa da Ressurreição, nossa festa mais antiga e importante. E nós a estamos vivendo até o dia 31 de março. Bento 16 enviou-nos mensagem quaresmal em que nos convida a aproveitar este tempo para renovar-nos e encontrarnos com Deus. “A Quaresma oferece-nos a oportunidade para refletir mais uma vez o cerne da vida cristã: o amor. Com efeito este é um tempo propício para renovarmos, com a ajuda da palavra de Deus e dos Sacramentos, nosso caminho pessoal e comunitário de fé. Trata-se de um percurso marcado pela oração e partilha, pelo silêncio e o jejum, com a esperança de viver a alegria pascal”. O papa centra suas reflexões sobre um texto da Carta aos Hebreus 10,24 que diz o seguinte: “Prestemos atenção aos outros para nos estimularmos ao amor e às boas obras”. No final, ele afirma: “Que todos,à vista de um mundo que exige dos cristãos um renovado testemunha de amor e fidelidade ao Senhor, sintam a urgência de esforçar-se por progredir no amor, no serviço e nas boas obras. Este apelo ressoa particularmente forte neste tempo santo de preparação para a Páscoa”. O pensamento do Papa coincide com as idéias e a prática das Dioceses brasileiras que promovem nesta época do ano a Campanha da Fraternidade. É impossível ser cristão sem viver o amor aos outros. Além disso, o amor aos outros precisa realizar-se em ações concretas, como é o caso da saúde pública.

João Bosco Araújo Diretor-executivo do Amazonas EM TEMPO

O mal é endêmico, está em toda parte com força crescente e, outra manifestação da nossa falimentar moral, a resposta nacional costuma se materializar num coro uníssono”.

Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, se irrita com a ausência de representantes das secretarias estaduais no lançamento do programa de economia de gastos públicos. O bom humor habitual deu lugar a uma bronca coletiva.

Será uma prova da capacidade antes de outros eventos de proporção mundial. Eles compreendem algo fundamental, que o investimento no jovem é o melhor que se pode fazer para investir no futuro do Brasil e do mundo Stanislaw Rylko, cardeal, diz que antes de sediar jogos da Copa do Mundo e das Olimpíadas, o Rio terá que provar sua capacidade em receber eventos de grande porte com a Jornada Mundial da Juventude, em 2013.

RENATA LO PRETE

Fator Chalita

Dom Luiz Soares Vieira

Arcebispo de Manaus

Dizem os estudiosos que o número 40 significa um tempo longo que é dedicado a preparar acontecimentos importantes. Assim foi com Noé que daria início a uma nova humanidade”,

O novo Datafolha sobre a corrida eleitoral paulistana evidencia o dano potencial da candidatura de Gabriel Chalita para o PSDB. Ex-tucano e amigo de Geraldo Alckmin, o peemedebista obtém seus mais expressivos índices de intenção de voto exatamente nas faixas do eleitorado em que José Serra também alcança melhor desempenho: as de maior escolaridade e renda. Chalita ocupa a segunda posição nos dois segmentos, embora bem atrás de Serra. Os números fundamentam a estratégia do PT de preservar o candidato do PMDB no páreo para incomodar o ex-governador, já que Fernando Haddad se mantém estacionado. Casa do Saber Chalita oscila entre 15% e 26% no eleitorado de nível superior. Serra vai de 40% a 43% nos cenários testados. No grupo que declara rendimento mensal familiar acima de 10 salários mínimos, o peemedebista pontua de 12% a 21%, contra 42% a 56% do tucano. Ecumênico Ligado à Renovação Carismática da Igreja Católica, Chalita pontua mais entre os espíritas (13%) que entre os católicos (8%). Vestibular Haddad, que vai usar o ProUni como bandeira de campanha, não decola entre o público com formação superior: tem os mesmos 3% nessa faixa que registra no eleitorado em geral. Time 1 Antes de consultar Alckmin sobre a indicação do secretário Edson Aparecido (Desenvolvimento Metropolitano) para coordenação de sua campanha, Serra apresentou ao governador a escalação de seu QG. Time 2 Figuram na lista o ex-governador Alberto Goldman; o senador Aloysio Nunes; Ieda Areias, ex-secretária particular de Serra; o deputado federal Walter Feldman e o vice-governador Guilherme Afif, da cota do PSD. Avança... Quando receberam sinal verde de Eduardo Campos, os dirigentes do PSB da capital ofereceram três nomes para vice de Haddad e discutiram até coligação proporcional com o PT. ... e recua Desde que o prefeito Gilberto Kassab

interveio, quarta-feira, as negociações pararam. Tucanos acreditam que só uma intervenção direta de Campos tira a sigla da órbita serrista. Malha fina 1 O governo acompanha a investigação sobre a compra de um apartamento em dinheiro vivo pelo presidente Aldemir Bendine, iniciada no ano passado, e que tem potencial para ser o próximo lance na briga interna que assola a instituição. Malha fina 2 O imóvel foi declarado na escritura por R$ 150 mil, mas outro apartamento, no mesmo andar, foi avaliado em R$ 310 mil. A avaliação do Planalto é que Bendine não escapa do episódio sem pelo menos uma multa da Receita Federal. Carona Sem conseguir ser recebido por Guido Mantega (Fazenda), o SindiReceita foi bater à porta de José Eduardo Cardozo (Justiça) para pedir para que os fiscais do órgão recebam adicional de fronteira, bem como policiais federais e rodoviários. RH Dilma Rousseff não desistiu de trocar as ministras Ana de Hollanda e Luiza Bairros. Para a Cultura, busca um nome que represente a classe artística, mas não seja político. Para a Igualdade Racial, quer repetir o perfil de uma mulher negra. Celebridade Maria das Graças Foster se queixou a amigos que não pode mais andar incógnita no calçadão sem ser abordada por pessoas com ações da Petrobras, pelo baixo valor dos papéis.

Tiroteio O aparelhamento do PT ultrapassou qualquer limite e agora ameaça minar o desempenho do maior banco público e do maior fundo de pensão estatal do país.

Frases Se fizéssemos uma reunião para gastar, estaria lotado. Mas como é para cortar gastos, nem os secretários vieram. E quem não veio no lançamento, não vai economizar nada. Pode trocar já de cara

Painel

Me parece que estamos falando dos ‘Estados Unidos do Brasil’ e não da República Federativa do Brasil. É algum outro país na cabeça do candidato Serra, não o Brasil Fernando Haddad, pré-candidato a prefeito de São Paulo pelo PT, ironiza José Serra (PSDB), que firmou que o governo Dilma ainda não “deslanchou” e confundiu o nome oficial do Brasil.

DO SENADOR AÉCIO NEVES (PSDB-MG), sobre a briga entre o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, e o presidente da Previ, Ricardo Flores, que recrudesceu com investigação sobre um ex-vice-presidente do BB.

Contraponto

Santo de casa Em visita à Prefeitura de São Bernardo, anteontem, os deputados petistas Jilmar Tatto (SP), Arlindo Chinaglia (SP) e Marco Maia (RS) folheavam informativo do governo Luiz Marinho (PT), que tem carta de Lula abordando as obras no bairro em que vive. Tatto, líder do partido na Câmara, comentou ao notar que as principais realizações do prefeito são fruto de parceria federal: — sswOlha, gente. Vou levar esse folheto aos colegas do Congresso. É por isso que não vai dinheiro para outro lugar. Vem tudo para São Bernardo. Assim não dá! Publicado simultaneamente com o jornal ‘Folha de S.Paulo’


Política

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

A5

Partidos buscam brechas para driblar ‘Ficha Limpa’ Uma das táticas de gestores enquadrados na lei é pedir revisão da condenação no TCE para disputar o pleito de 2012 DIVULGAÇÃO

ARQUIVO EM TEMPO/MICHELL MELLO

MOARA CABRAL Equipe EM TEMPO

A

pesar da Lei da Ficha Limpa ter sido aprovada recentemente e com validade para as próximas eleições, não deverá ser impedimento para que os partidos lancem candidatos que estejam respondendo a processos e nem garantia suficiente para que gestores condenados se enquadrem na regra. O fato é que muitos gestores condenados estão procurando “brechas” na lei para interpor o impedimento e, dessa forma, poder disputar as eleições municipais de outubro próximo. Uma das estratégias apuradas pelo EM TEMPO, é que políticos “fichas sujas” estão entrando com pedido de revisão da condenação junto aos órgãos competentes e, dessa forma, sair desse status. É o caso do ex-prefeito do município do Careiro, Joel Lobo (DEM), que teve suas contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), mas pediu revisão que foi aceito, pelo órgão, na sessão da corte da última quinta-feira. Assim como Lobo tomou essa iniciativa, dirigentes partidários já estão acionando suas assessorias jurídicas e buscando alternativas para driblarem essa condição. “Todos os partidos já sabem lidar com a Lei da Inegibilidade e no PRP vamos analisar os candidatos que passam por esse processo e buscaremos os meios legais para a candidatura”, explicou o presidente do PRP, Jackson Saldanha. Para o presidente regional

do PSB, ex-prefeito Serafim Corrêa, impedir que um filiado que esteja respondendo a um processo concorra às eleições é antecipar uma pena. “Enquanto a pessoa não é julgada, a legenda não toma partido. A questão é dela e até que a Justiça decida o partido não se mete”, disse o dirigente do PMDB, Miguel Capobiango.

Prazo é de três meses O gestor que tem suas contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) tem até 90 dias para entrar com recurso. Ele pode pedir com 30 dias após o julgamento, o recurso de reconsideração, caso o tribunal mantenha a decisão, e recorrer com o recurso de revisão que tem efeito suspensivo, ou seja, se o pedido de revisão for aceito pelo TCE até o julgamento (que hoje, não tem uma data limite pode, até, durar anos) a pessoa torna-se elegível. Por conta dessa morosidade, e com a intenção de dar celeridade ao julgamento das contas municipais é que está em tramitação na Assembleia legislativa do Estado (Aleam), o projeto complementar que pretende reformular a Lei Orgânica do órgão. O presidente do TCE, Érico

“Tudo dentro da lei” Segundo o presidente municipal do PPS, Guto Rodrigues o partido ainda não sabe quantos filiados passam por essa situação, mas que vão buscar soluções dentro da lei, para

O partido vai tentar ajudar o candidato que esteja envolvido em algum processo, claro tudo dentro da lei, mas vamos fazer o possível Guto Rodrigues, presidente do PPS

que seus candidatos sejam elegíveis. “O partido vai tentar ajudar o candidato que esteja envolvido em algum processo, claro, tudo dentro da lei, mas vamos fazer o possível para não prejudicar a candidatura de ninguém que possa enfraquecer a legenda”, justificou. Para o deputado Marcelo Ramos (PSB) o perigo é que o TCE tenha uma enxurrada de prefeitos pedindo recurso e ter que correr pra julgá-los. “O próprio tribunal que condenou, pode livrá-lo”, ironizou.

ESTRATÉGIAS

Para a advogada constitucionalista Paula Valério, depois do pedir o recurso de revisão, o gestor pode tornar-se elegível. Se for condenada, se torna ficha suja de fato Desterro tem pressa na aprovação do projeto. De acordo com a advogada Paula Valério, a pessoa só é enquadrada na Lei da Ficha Limpa, sem poder pedir recurso, depois que já tenha sido julgada e condenada no último recurso, que é o de revisão. “Depois que pediu o recurso de revisão, a pessoa torna-se elegível até que tenha seu processo julgado e se for condenada, é “ficha suja”, disse.

Joel Lobo se antecipou com pedido de revisão junto ao TCE

Lei promete mais agilidade

Recurso de revisão no TCE

O Tribunal de Contas do Estado (TCE/AM) enviou anteprojeto de lei de reforma da Lei Orgânica do tribunal à Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), na última semana. Entre os pontos da reforma da lei, o tribunal quer dar mais agilidade à

De acordo com a Lei Orgânica do TCE-AM, poderá pedir recurso de revisão, nas seguintes condições: • Erro de cálculos nas contas; • Em falsidade ou insuficiência de documento em que se tenha fundamentado a decisão recorrida;

análise e julgamentos de processos de contas de prefeitos e de qualquer gestor que tenha suas contas sob análise do órgão. O presidente do tribunal, conselheiro Érico Desterro, se reuniu na semana passada com deputados para tratar do projeto.

• Na superveniência de documentos novos com eficácia sobre a prova produzida; • Decisão proferida contra expressa disposição da lei; • Em nulidade por falta ou defeito da citação ou notificação.


A6

Política

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Renovação da família Souza na política local

Cláudio Humberto COM TERESA BARROS E LEANDRO MAZZINI

www.claudiohumberto.com.br

A prioridade do Brasil é ganhar o Mundial e não organizá-lo” JÉRÔME VALCKE, secretário-geral da Fifa, ironizando o atraso nos preparativos da Copa

Código Florestal põe líder do PMDB em saia justa Candidato a presidente da Câmara, o líder do PMDB Henrique Eduardo Alves (RN) se colocou em uma saia justa em relação ao projeto do novo Código Florestal, previsto para ser votado na próxima terça. De um lado, o líder peemedebista sofre pressão dos ruralistas para apoiar modificações no texto do Senado, mas também não quer contrariar a presidenta Dilma Rousseff, que se opõe radicalmente a mudanças. Passado ruralista Para se cacifar frente à oposição, de quem precisa dos votos para ser presidente, o líder peitou o governo e votou com os ruralistas em 2011. Relação desgastada Henrique Alves vai só aumentar o desgaste se votar contra Dilma, que já perdeu a confiança nele após ter sido desafiada por cargo no Dnocs. Sem saída Contrariar tanto Dilma quanto a bancada ruralista coloca em risco o projeto do peemedebista da assumir a presidência da Câmara. Dupla personalidade Henrique Alves enfrenta ainda dificuldades dentro da bancada do PMDB, que reclama de suposto jogo duplo do líder peemedebista. Projeto prevê escola de tempo integral até 2022 Está pronta para ser votada uma proposta de emenda constitucional garantindo o ensino fundamental em período integral em todo opaís. O autor, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), considera que esse tipo de escola é a melhor maneira de combater o analfabetismo, a miséria e a criminalidade. Uma emenda

PODER SEM PUDOR

da Comissão de Constituição e Justiça fixa o ano de 2022 como o prazo para sua implantação total no país. Estamos aí A ordem no PT paulista é levar o prefeitável Fernando Haddad até a batizado de boneca. Já nem disfarça a campanha eleitoral antecipada. Grana sobrando O deputado Arthur Lira (AL), novo líder do PP, já reformou seu gabinete na Câmara, mas diz que pagou tudo do próprio bolso: R$ 50 mil. Dinheiro voando A Agência Nacional de Aviação Civil paga o preço do alto custo de vida no Rio: só de aluguel serão R$ 2,3 milhões por sua sede, este ano. Sorte grande A sorte do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), que deseja disputar o governo do Amazonas em 2014, é que a atual primeira-dama estadual, d. Nejmi Aziz, não pode ser candidata. Ela lidera todas as pesquisas. Inclusive para a Prefeitura de Manaus, que ele também ambiciona. Fome de cargos A tapioca está garantida: o ex-ministro Orlando Silva (Esporte) poderá escolher entre a Secretaria Extraordinária da Copa no governo Jaques Wagner (PT-BA) ou a candidatura a vereador em São Paulo. Berge ou Gabas, eis a questão Com a adesão do governador Agnelo Queiroz à facção Construindo um Novo Brasil, majoritária no PT, o influente secretário de Governo do DF, Paulo Tadeu, da facção Democracia Socialista, deve cair. Para o lugar, Agnelo sonha com Carlos Eduardo Gabas ou

Jornalista

A proposta é eleger a subsecretária municipal Marlúcia Souza e, em 2016 Willace Souza, filho de Wallace Souza DIVULGAÇÃO

Swedenberg Barbosa. Boca aberta Do deputado Hugo Leal (PSC) sobre a pressão do seu partido para fazê-lo ministro do governo Dilma: “Merecemos, estamos na base desde o primeiro governo do ex-presidente Lula”. Hora da faxina Admirador de Getúlio Vargas, Lula deve ter lembrado a Dilma a famosa frase atribuída ao ditador. “Ministérios se compõem de dois grupos: um formado por gente incapaz e outro por gente capaz de tudo.” Punição ao turista O aeroporto de Brasília recebe cada vez mais voos internacionais, mas mantém estrutura de rodoviária. Quem desembarca do exterior na capital é submetido a longa espera, de até uma hora, com um ou dois funcionários da Polícia Federal carimbando lentamente os passaportes. Longe daqui No Planalto, a piada é que Luiz Sérgio, monumento à inutilidade, poderá assumir um novo posto no governo Dilma: o de comandante das obras de reconstrução de uma nova base militar. Na Antártida. Teocracia fascista Ministro de Relações Exteriores de um país de maioria cristã, Antônio Patriota pediu informações ao embaixador do Brasil no Irã, Antônio Salgado, sobre o caso de Youcef Nadarkhani, condenado à morte por ter se convertido ao cristianismo. Pensando bem... ...o novo ministro da Pesca terá que pescar com varinha de condão para enfrentar a maré de turbulência.

O jovem Willace Souza, de 16 anos, aspira entrar na vida política e seguir os passos do pai CAMILA CARVALHO Equipe EM TEMPO

Q

uatro anos depois do início dos escândalos envolvendo os Souza, a família se prepara para buscar uma renovação no parlamento de Manaus. Começando por uma candidatura da irmã Marlúcia Souza, os irmãos Carlos e Fausto Souza, ambos do PSD, já se articulam nos bastidores para lançar, em 2016, a candidatura do filho do ex-deputado Wallace Souza, o jovem Willace Souza. Segundo interlocutores próximos à família, a estratégia iniciaria com uma candidatura da subsecretária municipal de administração, Marlúcia Souza (PHS), para a Câmara Municipal de Manaus (CMM), que alçaria voos mais altos em 2014, deixando a cadeira no Legislativo para o sobrinho, Willace Souza (PSD), que hoje tem 16 anos de idade. A articulação política veio à tona em 2011 com a filiação de Willace ao recém-criado PSD, junto com os tios. Na época, apesar de o rapaz afirmar o desejo de ser candidato, os tios parlamentares foram contra a iniciativa. “Ele tem

sangue pela política, mas ainda é jovem. Além disso, esse processo passa obrigatoriamente por mim e pelo Carlos”, argumentou Fausto Souza. Procurado pela reportagem, Willace contou que a vontade de “seguir os passos do pai e lutar por uma Manaus melhor” surgiu desde pequeno, ainda assistindo a atuação de Walla-

PODER

Família quer continuar atuante na política e estuda lançar a irmã Marlúcia Souza e o sobinho Willace Souza para a Câmara, por onde já passaram o trio Wallace, Carlos e Fausto Souza

ce na Câmara e posteriormente na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). Ele revelou que conversou com o tio e deputado estadual Fausto Souza no final de 2011 e que a possível candidatura estaria incerta até janeiro deste ano. “Desde lá não falamos mais sobre isso e eu preferi amadurecer a

ideia para quando for a hora certa estar preparado para contribuir para uma cidade melhor”, revelou. Nas redes sociais, os amigos influenciam o jovem a participar ativamente na política, seguindo os passos da família. Em seu perfil nas mídias sociais, Willace confirma a filiação ao PSD e se denomina “apaixonado por política” com desejo de “seguir os passos do meu pai”. Procurado pela reportagem, o deputado federal Carlos Souza (PSD) não quis se pronunciar. De acordo com fontes, a pré-candidatura de Marlúcia Souza (PHS), depende do aval do prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PDT). A reportagem tentou contato com ela, mas foi informada que estaria em férias na cidade de Belo Horizonte. Fausto Souza contou que o nome da irmã já foi cogitado em outros momentos para disputar uma vaga na CMM, mas que não depende somente de sua vontade, uma vez que campanha para vereador é a mais difícil, disse o deputado. “Vamos definir se ela continua na secretaria e se o Willace espera mais quatro anos”.

O presidente Getúlio Vargas queria fincar o PTB em solo paulista e mandou sua sobrinha Ivete Vargas se candidatar a deputada federal por São Paulo. Eleita com o peso do sobrenome ilustre, ela pegou um avião e seguiu para a capital do Estado. Ao desembarcar, um jornalista logo a provocou: - Como explica votação tão expressiva conhecendo São Paulo tão pouco? - Deve haver algum engano de sua parte – respondeu ela, na bucha – Eu fui candidata a deputada federal e não a chofer de táxi.

ARQUIVO EM TEMPO/FRANCISCO ARAUJO

Táxi getulista

Os deputados Carlos e Fausto Souza, consolam o sobrinho após a morte do pai, em 2010

Escândalo não tirou prestígio A história da família Souza no parlamento amazonense iniciou em com a eleição de Wallace para a CMM em 1996. Dois anos depois, em 1998, ele conseguiu uma vaga na Assembleia Legislativa, onde exerceu três mandatos consecutivos até a sua morte, em 2010.

De outro lado, o irmão Carlos Souza, foi eleito vereador em 2000 e, dois anos mais tarde conquistava uma vaga na Câmara Federal, sendo o mais votado daquele pleito. Em 2008, ainda com grande prestígio, o deputado foi eleito viceprefeito de Manaus na cha-

pa com Amazonino Mendes (PDT). Naquele mesmo ano, mais um integrante da família Souza se confirmava nas urnas, com a eleição de Fausto vereador. Em 2009, Wallace foi cassado, Carlos retornou à Câmara Federal em 2010 e, Fausto foi para a Aleam.


Com a palavra

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

A7

Luiz MÁRIO PEIXOTO

Fechar o AEROCLUBE seria um PREJUÍZO para a CIDADE FOTOS: GIOVANNA CONSENTINI

ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

N

Estamos instalados no local há 72 anos e, mesmo com a expansão urbana da cidade, tomamos medidas necessárias de segurança para o tráfego aéreo. No entorno do aerodromo não existe nenhuma casa, apenas os hangares de empresas que prestam serviços aeroviários”

a semana em que uma aeronave caiu minutos após decolar do aeródromo de Flores, o presidente do Aeroclube do Amazonas (ACA) e administrador do aeródromo, Luiz Mário Peixoto, abriu as portas do complexo aeroviário da Zona Centro-Sul ao EM TEMPO. Em uma conversa franca, o médico cardiologista, que é apaixonado por aviões e se formou piloto profissional na escola de aviação de Manaus, afirma que o complexo é um dos locais mais seguros para pouso e decolagem de voos. Instalado no bairro Parque das Laranjeiras, o aeródromo tem mais de 70 anos no local. Peixoto ressalta que foi a cidade que cresceu em seu entorno e, mesmo após essa expansão urbana, os limites de segurança aéreo são cumpridos à risca. Ele ressaltou, ainda, que o local funciona sob a fiscalização constante da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e fechá-lo seria um grande prejuízo para o desenvolvimento da cidade. EM TEMPO – Há muito tempo existe uma polêmica sobre o aeródromo estar localizado em uma região urbana e central da cidade e várias propostas para retirar o complexo aéreo daquele local foram levantadas. Como o senhor avalia essa situação? Luiz Mário – Primeiramente, é preciso esclarecer que temos a autorização de funcionamento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que é um órgão sério e de credibilidade no setor aéreo. Estamos instalados no local há 72 anos e, mesmo com a expansão urbana da cidade, tomamos medidas necessárias de segurança para o tráfego aéreo. No entorno do aeródromo não existe nenhuma casa, apenas os hangares de empresas que prestam serviços aeroviários. O prédio mais próximo está a dois quilômetros de distância das cabeceiras de pouso e de decolagem. A pista de pouso e decolagem tem 800 metros de comprimento e possui medidas acima do que foi homologado pela Anac. Nas laterais temos uma área gramada de 200 metros para cada lado. Quando ocorre um pouso ou

uma decolagem ficamos a 40 metros do nível da avenida Torquato Tapajós. Fazendo uma comparação com o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, onde pousam aeronaves com peso de decolagem acima de 200 toneladas e que está próximo a bairros bem populosos, como Nova Cidade e Cidade Nova, a cabeceira da pista está quase no nível da estrada do Turismo. Nosso aeródromo não apresenta perigo à população. Estamos dentro dos padrões de segurança e trabalhamos com aviões de pequeno porte. O aeroporto de Congonhas, que fica no centro de São Paulo e tem tráfego de boeings e outras aeronaves de grande porte, apresenta um risco bem maior. EM TEMPO – O Ministério Público Federal abriu um inquérito civil público para investigar o aeródromo de Flores. De acordo com o órgão federal, a presença do complexo compromete a segurança do tráfego de veículos e também de moradores. Os senhores se defendem disso? LM – Não recebemos nenhuma notificação relacionada a esse caso, por isso, não poderemos nos manifestar sobre a situação. Estamos cientes do nosso desempenho e sabemos que apresentamos uma prestação de serviço dentro dos padrões de segurança estabelecidos pela Anac. Quando for necessário apresentar defesa, iremos fazer isso. EM TEMPO - Qual a capacidade técnica de operação do aeródromo? LM – A pista do nosso complexo possui capacidade para comportar aeronaves de até 5,4 mil quilos, mas trabalhamos com aviões com peso inferior, como Bandeirantes e Caravan, que chegam ao peso máximo de 3,9 mil quilos. Trabalhamos também com ultraleves e helicópteros, inclusive, o Grupamento de Radiopatrulhamento Aéreo da Polícia Militar do Amazonas (Graer) tem base dentro do aeródromo de Flores e está se programando para construir um hangar. Se não tivéssemos um local seguro, ou de credibilidade, a Secretária de Segurança Pública do Estado não iria se estabelecer em nossas instalações. EM TEMPO – Em 2007 um avião bimotor caiu sobre

uma casa em construção de um condomínio residencial bem próximo do aeródromo, e em 2009, outra aeronave caiu em cima de duas residências no bairro da União. Esses casos assustam? LM – A queda de um avião assusta todo mundo. Eu tenho mais de 3 mil horas de voo e já fiz viagens viagens até a fronteira dos Estados Unidos com o Canadá, mas confesso que tenho pavor de o avião que eu esteja pilotando, caia. Trabalhamos para que situações como essas não aconteçam. Lamentamos muito quando ocorre um acidente onde há vitimas fatais, ou até mesmo apenas prejuízos materiais. No acidente ocorrido em 2007, o avião saiu do aeroporto Eduardo Gomes e ao sobrevoar próximo ao aeródromo de Flores percebeu que havia uma pane na aeronave e decidiu tentar pousar aqui, mas caiu sobre uma casa. Não temos culpa nenhuma nisso. Esse bimotor que caiu na última semana pertencia à empresa Clayton Táxi Aéreo. Não podemos ser responsáveis pela atuação das empresas instaladas aqui. O aeroclube de Manaus só tem como responsabilidade duas aeronaves, a PT-NZM e a PTNVU, que são usadas para treinamento de pilotos, e durante esses 72 anos que atuamos aqui nunca foi relatado qualquer acidente envolvendo uma aeronave nossa. É preciso deixar claro uma coisa, dentro do aeródromo de Flores existem 16 empresas hangaradas, como a CTA Táxi Aéreo, Amazonaves, Tio Táxi Aéreo, JVC Aerotáxi, entre outros. Cada avião que decola aqui é de responsabilidade da empresa. Ainda dentro desse complexo também temos um restaurante, duas empresas de abastecimento de combustíveis, um terminal de passageiros, clube de paraquedismo, o aeroclube, e a escola de formação de pilotos. EM TEMPO – Sobre a escola de preparação para pilotos. Como é feito esse treinamento? LM – O curso demora três meses. Esse trabalho é feito em duas etapas. Primeiro, a parte teórica, que funciona em um espaço no aeroclube que possui atividades multimídias. Em seguida, os alunos realizam uma prova elaborada pela Anac, e caso sejam aprovados seguem para o curso prático, que é de 40 horas. As aulas práticas são reali-

zadas em um campo de treinamento na área do Careiro Castanho (município), por isso não apresentam nenhum risco à população. Somente após todo esse processo é que o aluno é brevetado para voo. O tempo mínimo para se conseguir uma carta de piloto é de 15 semanas. Atualmente temos formação de turma para pilotos privados, comerciais e de helicóptero, além do curso para comissário de bordo. Os preços são de R$ 1,5 mil para curso de piloto e R$ 1,9 mil para comissário. Estamos com uma turma de 60 alunos em treinamento no momento, mas já formamos mais de 4 mil profissionais. Temos ex-alunos nossos que estão trabalhando em grandes empresas aéreas, como a TAM e a Gol Linhas Aéreas. Outros estão atuando nos Estados Unidos, e um é piloto particular do rei do Marrocos. Temos um grau altíssimo de profissionalismo. O piloto sabe que na aviação só o perfeito é aceitável, se cometer um erro grave paga com a própria vida. EM TEMPO – A Anac anunciou na última semana que irá realizar uma fiscalização em todos os aeródromos do Amazonas. Quando chegar a vez do de Flores será apresentado um bom desempenho? LM - Posso afirmar que não existe um aeroclube mais organizado do que o nosso. Por isso, essa fiscalização não nos assusta, e ela aconteceu na última quarta-feira (29). A fiscalização que a Anac realiza é uma ação de rotina e abrange a escola de aviação. Nossas instalações são próprias e foram adquiridas com recursos nossos e não deixamos nada a desejar a outros aeroclubes do Brasil. O que é preciso deixar claro à população é que o aeródromo de Flores, mesmo estando em um espaço urbano, é um local seguro para a decolagem e pouso e não oferece perigo à população manauense. Ele é de utilidade pública e oferece um ativo importante à população. Todos os voos de resgate aeromédico para o interior do Estado são realizados do aeródromo de Flores, toda a aviação de pequeno e médio portes para o interior do Estado operam nesse aeródromo. Portanto, a permanência do complexo aeroviário é, sim, de suma importância para a população amazonense.

Esse bimotor que caiu na última semana pertencia à empresa Clayton Táxi Aéreo. Não podemos ser responsáveis pela atuação dessas empresas. Só temos duas aeronaves lá no local”

Posso afirmar que não existe aeroclube mais organizado do que o nosso. Por isso, a fiscalização da Anac, que ocorreu na última quarta-feira, não nos assusta. É uma ação de rotina”


A8

Política

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Vereador está ‘de olho’ na vice-prefeitura de Manaus Vereador do PMDB e membro da bancada evangélica na CMM tem o apoio dos fiéis e se ampara em prestígio eleitoral SERGIO OLIVEIRA/CMM

MEG ROCHA Equipe EM TEMPO

V

ice-presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), o vereador Marcel Alexandre (PMDB) está sendo cogitado pelo partido a concorrer à eleição majoritária de outubro como candidato a vice-prefeito da capital. Marcel é representante da bancada evangélica no Legislativo municipal. O vereador confirmou à reportagem que existe um desejo em participar do pleito municipal e que os votos que alcançou nas últimas eleições depõem em seu favor, seja para participar como vice em uma chapa puro-sangue ou em alianças partidárias a ser firmadas pela legenda. “No espírito democrático do PMDB tudo é possível, mesmo porque se for considerada a quantidade votos que consegui nas eleições anteriores, são números que respaldam minha participação no pleito a esse cargo”, ponderou. No pleito de 2008 ele recebeu 11 mil votos e conseguiu uma vaga na Câmara. Já em 2010, na disputa para depu-

tado federal, Marcel alcançou 49,5 mil votos, o que o credenciou a suplente da coligação “Avança Amazonas”. O parlamentar ainda tem em seu favor o fato de ser apóstolo da igreja evangélica Ministério Internacional da Restauração (MIR), que soma aproximadamente 80 mil membros e exercer a vice-presidência da Comissão Executiva Municipal do PMDB, desde a convenção do partido, em 2009. “É de praxe me perguntarem se vou compor com quem? E penso que se o povo acredita que sou representativo para o cargo, e acredito que sou, não tem porque eu não ser lançado”, disse. Ele revelou ainda que, por conta da forte probabilidade em torno do seu nome, está cursando um MBA em Administração de Cidades. O secretário-geral do PMDB regional, Miguel Capobiango, afirmou que a definição relativa a vice por enquanto não está sendo negociada e, que a expectativa sobre o parlamentar é sua reeleição na CMM. As decisões das executivas estaduais e municipais serão apresentadas até junho.

Política como um projeto de conquista

Empolgado com essa possibilidade, Marcel está cursando MBA em Administração de Cidades

Peso da ala religiosa é forte O presidente da empresa Action Pesquisas de Mercado, Afrânio Soares, explica que a ala religiosa sempre teve interferência nas eleições, porém, dependendo do tipo de pleito, o segmento tem mais ou menos impacto

no resultado final. No caso, específico dos evangélicos, a influência é concreta, uma vez que têm como uma das características a “obediência” ao direcionamento dos chamados, mentores espirituais, os pastores.

O especialista esclareceu que em eleições proporcionais o voto dos religiosos define um pleito. Mas na majoritária, que exige um número significativo de votos, o peso dos religiosos é bem menor.

A bancada evangélica da CMM totaliza sete dos 38 vereadores: Amauri Colares (PSC), Luis Mitoso (PSD), Marcel Alexandre, Mário Bastos (PRP), Roberto Sabino (PRTB), Dr. Gomes (PSD) e Vitor Monteiro (PTN). O vereador Mitoso, um dos representantes da Igreja de Assembleia de Deus no Amazonas (Ieadam), afirmou que os candidatos evangélicos entendem que a política como um projeto de conquista de espaço. Na Assembleia de Deus cada político é responsável por determinada zona da cidade. Ele, por exemplo, tem base na Zona Oeste de Manaus.


MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

economia@emtempo.com.br

(92) 3090-1045

ACERVO SUFRAMA

Caderno B

Economia

Setor produtivo em alerta Economia B4

pelo dinheiro Quando o assunto é dinheiro, é comum que casais amazonenses guardem segredo e cometam “infidelidade financeira” ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

Q

zer polimento, além de trocar pneus e outros gastos. Ela acha isso desnecessário e diz que deveria investir mais na nossa casa. Para evitar brigas guardo um dinheiro extra e faço esses reparos sem ela desconfiar”, revela. Profissional da área de contabilidade, que prefere não divulgar o nome, não acha errado esconder o verdadeiro valor do seu salário, porque acredita que a individualidade é necessária em todo relacionamento. “Cada um tem suas necessidades financeiras e não acho que seja uma infidelidade ter seu dinheiro próprio, conta-corrente e cartão de credito”, frisa.

para estourar o orçamento. “Minha esposa não trabalha e as despesas da casa são sempre comigo, porém na hora de prestar as contas com a ‘patroa’ informo que recebi menos para que possa manter uma reserva. Se eu revelar todo o salário que ganho minha mulher arruma uma necessidade, como reformar algo na casa ou comprar algum móvel novo, e assim não sobra nada para guardar”, diz. Santos comenta que, além das despesas da casa, ele também usa o dinheiro para investir no carro. “Preciso do meu táxi para trabalhar, por isso sempre estou trocando peças, mandando lavar e faALBERTO CÉSAR ARAÚJO

uem nunca escondeu da mulher ou do marido aquele inesperado aumento de salário no fim do mês ou aquela compra extra, na maioria das vezes desnecessária? Segundo economistas, embora tenha se tornado comum entre os casais amazonenses, a “infidelidade” financeira pode ser “nociva” à saúde dos casamentos e comprometer o planejamento orçamentário da família. Em busca de independência, a vendedora que se identificou apenas como Carla, 34,

diz que esconde do marido o valor total de quanto ganha, para ter uma reserva em casos de emergência. “Como não tenho um salário fixo, porque ganho por comissão, sempre digo ao meu marido que recebi um valor abaixo do que me foi pago. Essa sobra eu guardo em uma conta poupança para caso ocorra uma eventualidade. Também tenho medo de uma separação repentina e prefiro estar precavida”, revela. O taxista Dilson Santos, 54, confessa que não conta à esposa, a dona de casa Lurdes Santos, 47, a renda total adquirida, porque ela sempre “providencia” um gasto extra

Planejamento é a melhor estratégia O economista Assis Mourão Júnior explica que o planejamento familiar é a melhor opção para rendimento saudável da casa. Para ele, o resultado do “comportamento egoísta” pode ir do endividamento à separação. “Quando você casa passa a ter uma união com outra pessoa e isso requer confiança e respeito. Fazer um planejamento financeiro familiar é a melhor opção para um casal. Com contas juntas é mais fácil economizar e garantir até um desconto maior na compra de produtos à vista”, aconselha.

Casal de empresários planeja as finanças juntos. Hábito saudável, conforme especialistas

Compras feitas na ‘surdina’ Uma publicitária, que também não quis revelar o nome, diz que omite do marido o valor do salário, porque ele reclama dos gastos que ela faz. Para evitar conflitos, quando faz compras a publicitária guarda o objeto na mala do carro ou deixa na casa de alguma amiga. “Não conto

para ele o valor real que ganho. Meu marido diz que gasto demais com coisas fúteis, só que promoção não acontece sempre. Quando compro muita coisa deixo no carro e vou levando para dentro de casa aos poucos. E sempre digo que o valor foi bem inferior ao que paguei”, confessa.

Tática para enriquecer juntos A “infidelidade” financeira não é para todos os casais. Há quem acredita no planejamento para uma condição de vida mais confortável, além de criar uma confiança maior ao relacionamento. Os empresários Victor, 41 e Michele Maciel, 27, são casados há nove anos e todos os meses fazem o orçamento da casa em parceria. “Como somos empresários e não temos salários fixos, há meses que eu tenho um melhor rendimento e arco com a maior parte das despesas, mas tem meses que minha mulher apresenta um saldo melhor e colabora com a maior parte. Essa parceria é saudável para o relacionamento. Tudo que estamos construindo é com por uma qualidade de vida melhor para nós e nosso filho, que chega ao mundo essa semana”, completa o empresário.

Victor reforça que mesmo fazendo um orçamento junto com a esposa, ainda é possível respeitar a necessidade individual do casal. “Todo mês sentamos e mostramos o nosso rendimento, sem esconder nenhum lucro extra. Priorizamos as contas da casa, mas sempre deixamos um dinheiro reserva para cada um gastar com suas necessidades”, salienta. Casados há 20 anos, a aposentada Neuza Peres de Souza e o engenheiro Wilson Cardoso também fazem as contas do mês juntos. “Sempre tivemos essa opção de planejamento e tem dado certo. Quando recebemos, colocamos nosso dinheiro na mesa e avaliamos as prioridades de pagamento das despesas da casa. Depois dividimos o que sobrou. Acho essa parceria saudável e confiamos um no outro”, completa.


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

‘Corrida’ por 2 mil novos trabalhadores até a Copa Setor gastronômico dá a largada pela busca de profissionais para atender os turistas que virão à capital para o Mundial HUDSON FONSECA

LUANA GOMES Especial EM TEMPO

A

menos de dois anos para a Copa do Mundo, proprietários de restaurantes da capital começam a corrida para conseguir mão de obra qualificada para o setor. Só para atender à demanda do Mundial, dois mil trabalhadores capacitados deverão estar “a postos”. A presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amazonas (AbraselAM), Janete Fernandes, afirma que embora não seja uma dificuldade apenas do setor, faltam profissionais capacitados no Amazonas. Segundo ela, atualmente 2 mil vagas estão em aberto pela ausência de mão de obra qualificada. Janete ressalta que, em virtude de benefícios que bares e restaurantes não podem conceder, quem está à procura de emprego prefere ir para o Distrito Industrial, que também exige uma parcela grande de funcionários, e demanda de pouca mão de obra específica nas linhas de produção. Segundo a presidente, a falta de “vantagens” é uma das grandes contribuições para que a mão de obra no Amazonas seja barata em relação a outros Estados, como São Paulo. “Enquanto aqui falta gente para trabalhar, lá faltam empregos. No Amazonas, muitos sequer têm o segundo grau nesse ramo”, frisa. Janete Fernandes aborda que a diferença na remuneração estabelecida em cada região é bastante significativa e pode chegar a 50% em algumas cidades. Segundo ela, a partir deste mês, a entidade deve apresentar seis cursos, dentre os quais para auxiliar de cozinha, de gestão e de barman.

Pela ausência de benefícios que o segmento não pode oferecer, as remunerações para mão de obra específica no Amazonas é inferior a de outros Estados GIOVANNA CONSENTINI

Neste mês, Abrasel vai oferecer cursos como o de barman

Parceria qualifica profissionais O diretor do Departamento Econômico de Trabalho do Sine, Thiago Medeiros, salienta que em 2011, em parceria com a Abrasel, foram ofertadas 300 vagas de qualificação no ramo de gastronomia. Segundo ele, a meta é propor a mesma quantia neste ano. Além disso, Medeiros ressalta que a proposta do Plano Nacional de Qualificação do Sistema para 2012 é impulsionar a qualificação de 500 profissionais a partir

do segundo semestre. Dessa forma, apenas neste ano, 800 cidadãos manauenses devem estar aptos para atender o mercado. Conforme o diretor, a procura por profissionais que possuem qualificação foi motivada pela expansão no volume de negócios instalados no Amazonas, especialmente quando os empresários perceberam a necessidade de contratar funcionários especializados na área de-

terminada, para conseguir competir com o surgimento de novos bares. O coordenador estadual do Sine-AM, Paulo Mendonça, lembra que no próximo dia 7, o governo do Amazonas deve lançar um pacote de cursos para diversos segmentos, com mais de 20 mil vagas, compreendendo o setor de bares e restaurantes. Mendonça explica que a medida é uma forma de preparar o setor para a Copa de 2014.

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

O bioma, o BNDES e as ZPEs A região amazônica abriga 20% dos princípios ativos da vida que borbulha no planeta, o que representa um banco de germoplasma que excitaria a expectativa de lucro de qualquer bioinvestidor, caso o país propiciasse as condições básicas de aplicação de recursos – marco regulatório, energia, transporte e comunicação. Apesar disso, esse monumental portfólio de bionegócios foi barrado no baile do BioBrasil, um superlaboratório nacional que acaba de ser criado com recursos do BNDES. A iniciativa dessa obviedade empresarial vem maturando desde a criação da Bioamazônia, um modelo institucional de gestão das biooportunidades, desenhado no final dos anos 90, do qual surgiu a ideia do CBA, Centro de Biotecnologia da Amazônia, e que integrava em rede todos os grandes laboratórios nacionais. Era o Probem, um programa de ecologia molecular voltado para promover o desenvolvimento da bioindústria na

Amazônia, tendo por base a biodiversidade, a aplicação de biotecnologia e a ampliação das oportunidades de investimento na região. Mas não era um programa regional, posto que implicava em mobilizar a inteligência e o acervo nacional de informação disponível, de Manguinhos, no Rio, ao Inpa de Manaus, passando pelo Butantã de São Paulo e Emílio Goeldi, de Belém e por aí vai. Não foi. É sempre bom recordar que apenas 5% das espécies presumidas no acervo biótico regional foram destrinchadas em laboratório pátrio. E que esses centros de pesquisa tem tudo a ver com as potencialidades infinitas de germoplasma na Amazônia. Quebrada a máfia das patentes na mesma época, os laboratórios nacionais, enfim, começam a poder concorrer com as multinacionais que se locupletaram com a utilização tecno-farmacológica de 25% dos princípios ativos – ironicamente retirados por “estagiários” estrangeiros

– das florestas tropicais. Isso mesmo. De cada quatro medicamentos comercializados pela indústria farmacêutica global, um deles contém princípio ativo do bioma tropical e não há registro de um centavo reassado para os fornecedores do insumo, as populações tradicionais. É promissor e, ao mesmo tempo frustrante do ponto de vista da economia e biologia regional, constatar que Aché, EMS, União Química e a companhia Hypermarcas, os laboratórios nacionais ou nacionalizados, vão anunciar, no início desta semana, a criação da BioBr asil, a megaindústria farmacêutica verde amarela, com apoio financeiro do BNDES, para onde foram repassadas, não esqueçam, as verbas da Suframa, perto de R$ 1 bilhão. O governo entrará com a metade dos investimentos de R$ 400 milhões, para produzir medicamentos biológicos, desenvolvidos a partir de células vivas. Os pesquisadores do CBA, a propósito, não têm

garantia de recebimento dos próprios salários, em 2012. Os Estados do Rio de Janeiro, Bahia e Santa Catarina correram à frente para abrigar a nova farmacêutica, que deverá entrar em operação nos primeiros meses de 2013, tão logo as primeiras patentes dos medicamentos sejam registradas. Enquanto isso, para investir no desenvolvimento regional, e em atendimento à capacidade de articulação de suas representações políticas estaduais, os senadores da República trazem à pauta, neste mês, as discussões do arcabouço legal das Zonas de Processamento de Exportação (ZPE), áreas de livre comércio com o exterior nas quais as empresas instaladas têm isenções fiscais e regime aduaneiro e cambial especial. São 24, espalhadas sobretudo no Norte e Nordeste, todas privilegiadas com legislação similar à Zona Franca de Manaus, exigindo aumentar para de 20 para 40% o percentual

de venda de seus produtos no mercado interno. Seria o começo do fim da ZFM, não há dúvida. À frente das negociações estão dois pesos pesados da definição política, o ministro da Integração Nacional e o do Desenvo lvimento, Fernando Pimentel, aquele ao qual se reporta a Suframa e que nunca pôs os pés por aqui. Uma de suas recomendações é de que o Amazonas, pela fragilidade de sua infraestrutura e baixa competitividade, se volte para sua vocação de “base ecológica”, sem explicitar exatamente o que isso significa. O ecológico, tudo indica, nada tem a ver com o farmacológico, na conformação do BioBrasil, muito menos com a utilização dessa imensurável bagagem genética que a Natureza aqui deixou e que o descuido de nossa representação parlamentar, resaldada na inépcia de alguns gestores federais, vesgos e incautos, esnobou. Se não corrermos, o bicho nos pega...

Alfredo MR Lopes Filósofo e consultor ambiental

É bom recordar que apenas 5% das espécies presumidas no acervo biótico regional foram destrinchadas em laboratório pátrio”


Economia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

B3

Parintins vai beneficiar pescado para exportação Indústria, que recebeu o “sinal verde” do Codam,

vai operar a partir do segundo semestre deste ano RICARDO OLIVEIRA

RICHARD RODRIGUES Equipe EM TEMPO

C

om o aporte de R$ 1,9 milhão a indústria de beneficiamento de pescado do Amazonas se prepara para dar mais um salto. De olho no mercado nacional, a empresa Parintins Pescado destina recurso milionário para implantação de uma indústria na Ilha Tupinambarana (a 420 quilômetros da capital), que deve começar a operar no segundo semestre deste ano. O projeto industrial já obteve o “sinal verde” do Conselho Estadual de Desenvolvimento do Amazonas (Codam) durante a 237ª reunião extraordinária, realizada na última quarta-feira. Com o aval, o projeto deve sair do papel para que a indústria de beneficiamento comece a atuar antes do final deste ano com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado. De acordo com o consultor econômico do projeto, Martinho Azevedo, a empreitada contempla a produção de peixe filetado que abastecerá não só o mercado local, mas também o mer-

cado nacional, que é o foco da indústria. Ele informou que os proprietários da Parintins Pescado já possuem negócios com uma empresa de frango do Sudeste, e vão aproveitar essa oportunidade para destinar os filés do pescado amazônico para os demais Estados brasileiros. “Como os proprietários da Parintins importam o frango do Sudeste, vão aproveitar a logística para enviar para aquela empresa, com a qual possui negócios, os peixes filetados, que deverão ser distribuídos para o mercado nacional”, afirma o consultor. Sobre a matéria-prima a ser adquirida para a produção da indústria, ele destaca que os peixes serão comprados em Parintins e demais municípios das redondezas. Processo e empregos Segundo o consultor econômico do projeto, o processo de construção da unidade fabril já foi iniciado em Parintins. No que diz respeito ao número de empregos gerados, o projeto prevê, de início, a geração de 15 postos de trabalho, número que deverá aumentar, segundo Martinho Azevedo.

Produtos amazônicos em alta A iniciativa da Parintins Pescados reforça o poder que o Amazonas tem para atrair investimento para o interior. Segundo o titular da Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico (Seplan), Airton Claudino, a instalação de unidades fabris no interior é constante. Prova disso é a participação de projetos ligados ao setor primário nas pautas do Conselho Estadual de Desenvolvimento do Amazonas (Codam). Já o secretário de Estado da Pesca e Aquicultura (Sepa), Geraldo Bernardino, vê a instalação da indústria como uma forma dos peixes amazônicos ganharem presença no mercado nacional. Após a pesca dos peixes amazônicos, indústria vai beneficiar e exportar para outros Estados


Economia nomia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012 ACERVO SUFRAMA

B4

‘Sinal vermelho’ para o setor produtivo do AM Mudanças na concessão de recursos do FNO reduzem de 49% para 20% o limite de recursos para projetos ANWAR ASSI Equipe EM TEMPO

O

setor produtivo do Amazonas está em alerta vermelho com as mudanças na concessão de empréstimos do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), do Banco da Amazônia. Aprovadas no final do ano passado, as novas regras podem resultar na perda de investimentos para o segmento, conforme as classes produtivas. Foco principal das reclamações, a redução de 49% para 20% no limite de recursos do FNO para projetos de grande porte é o que mais preocupa os produtores amazonenses, já que em 2012 a verba disponível para toda a região amazônica é da ordem de R$ 4,020 bilhões. “Essa limitação vai impactar no acesso aos recursos do FNO no momento que a economia do Estado precisa de disponibilidade de dinheiro, uma vez que o crédito é principal válvula de incentivos de desenvolvimento econômico da região”, destaca o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faeam), Muni Lourenço. As preocupações com as mudanças no FNO vieram à tona na semana passada, durante a última reunião do Conselho de Administração da Suframa (CAS), na sede da autarquia em Manaus. Na ocasião, Lourenço aproveitou a presença no evento do presi-

dente do Banco da Amazônia, Abidias José de Souza Junior, para expressar, em nome das classes produtoras, a insatisfação com as alterações e cobrar providências para reverter a situação. Segundo ele, historicamente, o FNO tem se apresentado como uma linha de crédito atrativa para os empreendedores rurais no Amazonas. Caso as regras não sejam revertidas, os investimentos no setor poderão ser prejudicados. De acordo com informações divulgadas pelo do Banco da Amazônia, em 2011, empresas do setor rural conseguiram empréstimos no valor de R$ 65 milhões.

Essa limitação vai impactar no acesso aos recursos no momento que a economia do Estado precisa de disponibilidade de dinheiro Muni Lourenço, presidente da Faeam

Grande parte dos empreendimentos pecuários desenvolvidos no sul do Estado é fruto dos investimentos provenientes do FNO ARQUIVO EM TEMPO/ALEXANDRE FONSECA

Mudanças atingem indústria As mudanças nas regras do FNO, além do setor primário, atingem também a indústria amazonense, conforme o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Antônio Silva. Ele e outras lideranças defendem que o Estado promova uma articulação para sensibilizar o governo federal para reavaliar a medida. O governador Omar Aziz afirma que o governo federal já foi alertado sobre as mudanças. “Já

avisamos o governo federal que essas mudanças prejudicam o Amazonas. É absurdo o que fazem com a região, que precisa de tratamento diferenciado”, pontua Aziz. “Entendemos a indignação, uma vez que em Manaus há um polo industrial com mais de 700 indústrias que demanda muito investimento e que vai ser cerceado dos recursos do FNO”, justifica o presidente do Banco da Amazônia, Abidias Junior.

Veto para capital de giro Além de reduzir para 20% o limite de empréstimos dos recursos do FNO destinados para grandes investimentos, o Banco da Amazônia também vetou a concessão de dinheiro para fazer capital de giro aos empreendedores que não apresentarem o projeto. “Agora, tem que ter um investimento para poder pegar o empréstimo. Já o investidor de médio porte só vai pegar o capital de giro se tiver uma operação vigente de investimento

em FNO”, diz o presidente do Banco da Amazônia, Abidias Junior. Segundo ele, as mudanças nas regras de concessão dos recursos do FNO são fruto da orquestração do governo federal, para otimizar a distribuição dos empréstimos. Por conta dessa estratégia, o FNO não poderá mais financiar projetos de energia, o que passará a ser feito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Mudanças nas regras do fundo, além do setor primário, atingem também a indústria amazonense, de acordo com a Fieam

Ampliação de 6% nos recursos em 2012 Conforme a Superintendência Regional do Banco da Amazônia, a instituição bancária, em 2012, ampliou em 6,1% a quantidade de recursos para financiamentos, no Amazonas, frente a 2011.

O montante estimado para aplicação no Estado, este ano, será de R$ 886,3 milhões, sendo 86,18% desse total provenientes do FNO, que será de R$ 4,020 bilhões. Além do FNO, o Banco

da Amazônia opera com outras fontes de financiamento como o Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA), BNDES, Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), Fundo de Amparo

ao Trabalhador (FAT), Fundo da Marinha Mercante, Orçamento Geral da União e também recursos próprios. A instituição oferece prazos de pagamento de até 12 anos, com carência de quatro anos.


MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Economia

B5


B6

País

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

ARQUIVO/ABR

INVISIBILIDADE

Crianças sem atenção adequada em favelas

A reformulação do próprio processo de construir, incluindo a mudança de cultura dos empresários do setor são ítens do projeto

País terá construção com plano de sustentabilidade Brasil prepara, com apoio da ONU, o projeto de construção sustentável para apresentar na Conferência das Nações Unidas, a Rio+20, em junho, no Rio

A

té o próximo dia 30, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) e o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds) deverão concluir o projeto Construção Sustentável, que será apresentado na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, em junho, no Rio. O projeto tem o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), Organização Mundial do Trabalho (OIT) e de bancos multilaterais. A ideia é preparar o projeto e tentar trabalhá-lo no mundo inteiro, disse o presidente da Cbic, Paulo Safady Simão. O projeto de mudança completa do setor da construção no Brasil vem sendo estudado há cerca de três anos. Ele prevê a integração entre as áreas de sustentabilidade e inovação tecnológica. A inspiração veio de experiência feita na Inglaterra que, segundo Simão, tomou para si a responsabilidade de fazer o melhor país sustentável do mundo.

O projeto engloba um conjunto de ações que visa à sustentabilidade do setor em todos os sentidos, disse Simão Para ele, isso implica a substituição de materiais na industrialização e semi-industrialização. “Nós estamos falando de resíduos sólidos, de água, de iluminação, de conforto, de emissão de gases. Isso é conseguido por meio de inovação tecnológica”. A substituição de materiais vai racionalizar a construção, diminuir perdas. A meta é usar equipamentos modernos que se aproximem da emissão zero de carbono. “Nós temos que perseguir isso”. O problema, segundo Simão, é “vender” essa ideia a um parque formado por cerca de 170 mil empresas e produzir uma mudança de comportamento e de cultura significativa. Na opinião dele esse não é um problema só do Brasil., mas universal. A construção sustentável trará benefícios para o planeta, que já enfrenta problemas de alteração do clima, devido à emissão de gases poluentes. De acordo com pesquisa do

Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD, a sigla em inglês), o setor da construção civil responde por 40% da energia consumida em todo o mundo e por 35% das emissões de carbono. “Temos que moderni-

Planejar um projeto e criar condições para que essa construção, ao longo de 50 anos, para que o país seja muito mais sustentável Paulo Simão, presidente da Cbic

zar o processo de construção para reduzir isso. Essa é uma grande contribuição que o setor vai dar”. Ganhos da sociedade Para a sociedade brasileira, Simão disse que além do benefício ambiental, o proje-

to representará ganhos em termos de vida útil de uma construção, estimada em 50 anos. Os custos com energia, água e saúde durante a vida útil de um imóvel serão resolvidos “quando você planejar profundamente um projeto e criar condições para que essa construção, ao longo de 50 anos, seja muito mais sustentável do que é hoje. O ganho para a população é fantástico”. O presidente da Cbic lembrou que o planejamento de uma construção sustentável deve visar à preservação da natureza para as gerações futuras. Para que o Brasil consiga, entretanto, executar o projeto de construções sustentáveis, terá que vencer alguns desafios, entre eles a reformulação dos modelos, de materiais e do próprio processo de construir, incluindo a mudança de cultura dos empresários do setor. A parceria com o Cebic não se esgotará na Rio+20, explicou Paulo Simão. A Cbic vai fazer parte da Câmara Técnica da Construção, do conselho, para a elaboração conjunta de outros projetos.

HOMOSSEXUAL

Casal consegue registrar bebê A Justiça de Pernambuco autorizou um casal homossexual a registrar uma menina nascida a partir de fertilização in vitro como filha de dois homens. Será o primeiro caso do país após o CFM (Conselho Federal de Medicina) alterar normas éticas para reprodução assistida, segundo a SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana). Com a mudança - publicada em janeiro de 2011-, casais homossexuais formados por homens também podem usufruir de técnicas até então restritas a mulheres. Maria Tereza nasceu no dia 29 de janeiro com 3,6 quilos e foi registrada na última terçafeira (28) como filha legítima de Mailton, 35, e Wilson Alves Albuquerque, 40. Os dois vivem juntos há 15 anos. A menina foi gerada a partir de espermatozoides for-

necidos por Mailton a uma clínica, que utilizou óvulos de um banco de doadoras anônimas. O embrião desenvolveuse no útero de uma prima de Mailton. Para registrar Maria Tereza, o casal precisou de um parecer do Ministério Público e da autorização de um juiz, já que há, entre os pais, um não doador de espermatozoide. “Não existe legislação que regulamente o tema. É algo absolutamente novo, que depende da interpretação. Decidi com base nos princípios da não discriminação, da liberdade e do livre planejamento familiar”, disse o juiz Clicério Bezerra e Silva, da 1ª Vara de Família de Recife. Segundo o juiz, também pesou o fato de o casal ter uma relação duradoura. Coincidentemente, ele foi o responsável por converter a união estável do casal em casamento civil, em 2011.

NANDO CHIAPPETTA/DP/D.A PRESS

Mais de 1 bilhão de crianças no mundo vivem em áreas urbanas, mas muitas estão fora das escolas e não têm acesso aos serviços de saneamento básico nem de saúde. As favelas do Brasil foram citadas, por especialistas estrangeiros, como exemplos de falta de qualidade de vida para as crianças. A solução de parte desses problemas, segundo os peritos, está em ações políticas eficientes e na atenção adequada para as crianças mantidas em uma situação que classificam de invisibilidade. A conclusão está no relatório “O Estado das Crianças do Mundo de 2012: Crianças no Mundo Urbano”, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Abid Aslam, que participou das pesquisas para a elaboração do relatório, ressaltou que “mais da metade da população mundial vivem em cidades e vilas”. De acordo com ele, a solução está na “decisão política”: “[Não se pode permitir que] determinados interesses mantenham o problema em segredo, deixando essas crianças invisíveis. Isso é algo que precisa mudar”. Em comunicado divulgado no site do Unicef, o pesquisador destacou que o aumento

de crianças em áreas urbanas é gerado por mudanças de hábitos. Segundo ele, antes as famílias iam para as cidades em busca de melhores oportunidades. Mas, com o crescimento urbano, há mais crianças nascidas nas cidades e os serviços de saneamento e saúde, por exemplo, não acompanham esse movimento. Aslam deu como exemplos as favelas no Quênia e no Brasil. De acordo com ele, a inserção dessas populações nos ambientes urbanos, sem infraestrutura adequada, leva ao aumento da violência e à ausências de itens básicos, como água potável e educação. “Eles [os moradores das favelas e outras regiões sem infraestrutura] não sabem, mas muitas vezes, de uma semana para a outra, de um mês para o outro, de um ano para o outro, estão vivendo cada vez com menos qualidade de vida, pois não têm condições de ir para escola nem água potável”, disse Aslam. Segundo o pesquisador, “o relatório contém evidências de que quando se quer incluir, como direito, os pobres, marginalizados e sem voz no processo decisório, todos se beneficiam”. VLADIMIR PLATONOW/ABR

Alguns locais não oferecem qualidade de vida às crianças

CULTURA

Universidades apoiarão a criação de planos culturais A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, assinou na última sexta-feira (2) protocolo com duas universidades federais para apoio à elaboração de planos de Cultura em 17 Estados e 20 municípios. A iniciativa faz parte do Programa de Fortalecimento Institucional pela Implementação do Sistema de Cultura, que, nesta primeira etapa, vai destinar para os projetos que forem aprovados até R$ 2,9 milhões, no total. A Universidade Federal de Santa Catarina vai participar da formulação de planos culturais para 17

Estados e a Universidade Federal da Bahia, para 20 municípios baianos. Além do estímulo à elaboração dos planos, o ministério quer auxiliar as representações regionais na constituição dos sistemas estaduais e municipais de Cultura, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Outra vertente será apoio à formação de gestores culturais no Nordeste, com a colaboração de equipes técnicas da Fundação Joaquim Nabuco e da Universidade Federal Rural de Pernambuco.

PESQUISA

Quase 45% das gestantes não planejaram a gravidez

Mailton, 35, e Wilson Albuquerque, 40, juntos há 15 anos

Dados preliminares de uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) indicam que 45% das brasileiras que dão à luz não planejam a gravidez. O estudo “Nascer no Brasil: Inquérito sobre Parto e Nascimento” já ouviu 22 mil mulheres, de um total de 24 mil que serão entrevistadas em 191 municípios. O levantamento, de acordo com a Fiocruz, tem como ob-

jetivo conhecer as principais complicações maternas e de recém-nascidos registradas no país, por meio de informações sobre interrupção de gravidez, assistência pré-natal, e local e acompanhamento do parto. Dados aferidos até o momento mostram ainda que 53% dos partos no Brasil são cesarianas, com prevalência nas regiões Centro-Oeste e Sudeste.


Mundo

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

FARMACÊUTICOS

Categoria cria código de ética para vetar indústrias A indústria farmacêutica mundial apertou seu código de boas práticas, em uma tentativa de acabar com o suborno a médicos, especialmente em mercados emergentes. O código foi alterado na última semana. De acordo com a IFPMA (Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas, na sigla em inglês), o objetivo da mudança foi ampliar o código para garantir “padrões éticos e profissionais”. Isso porque “regalias” e subornos a médicos e funcionários feitos pelas far-

macêuticas estão se configurando como uma ameaça ao setor. A Johnson & Johnson, por exemplo, teve de pagar US$ 78 milhões a autoridades britânicas e dos EUA em abril de 2011 após a denúncia de pagamentos a médicos na Grécia, Polônia e Romênia. O novo código da IFPMA estende as regras que regem o comportamento dos laboratórios e inclui itens que tratam de interações com instituições médicas e organizações de pacientes, bem como profissionais de saúde.

MANDATO

Vladimir Putin usa mídia para se reeleger na Rússia Antes mesmo de garantir nas urnas o seu terceiro mandato como presidente da Rússia, o primeiro-ministro Vladimir Putin já pensa no quarto. No capítulo final de uma ofensiva midiática que lhe devolveu a condição de favorito absoluto na eleição de domingo, Putin, em uma entrevista de cerca de três horas a jornalistas estrangeiros transmitida pela TV estatal, afirmou que é “normal” que ele concorra à reeleição em 2018. Somando seus dois primeiros mandatos como presidente, o período atual

como premier e os possíveis futuros dois mandatos, Putin ficaria 24 anos no poder. “Seria normal, se as coisas estiverem correndo bem, e o povo quiser (a candidatura à reeleição). Mas não sei se quero ficar por mais de 20 anos (no poder). Não tomei ainda essa decisão”, afirmou o líder russo, de 59 anos. A legitimidade da hegemonia do partido Rússia Unida, de Putin e do atual presidente, Dmitri Medvedev, foi recentemente posta em xeque por denúncias de fraudes nas eleições parlamentares de dezembro de 2011.

B7

Brasil estreita relações com visita à Alemanha A presidente Dilma Rousseff e a primeira-ministra germânica, Angela Merkel, devem conversar sobre crise financeira mundial nesta segunda-feira (5) ROOSWELT PINHEIRO/ABR

A presidente Dilma Rousseff e a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, encontram-se na segunda-feira (5), na cidade alemã de Hannover, e a crise financeira deve ser o principal assunto da conversa entre as duas chefes de governo. Anteontem (1º), Dilma criticou a estratégia europeia de injetar liquidez nos mercados para sair da crise. “Nós nos preocupamos, sim, com esse tsunami monetário em que os países desenvolvidos, que não usam políticas ficais da ampliação da capacidade de investimento para retomar e sair da crise, estão metidos e que, literalmente, despejam US$ 4,7 trilhões no mundo, ao ampliar (os problemas), de forma muito adversa, perversa para o resto dos países, principalmente os em crescimento, que são os emergentes”, disse Dilma. A presidente vai a Hannover para visitar a Feira Internacional de Tecnologia da Informação, Telecomunicações, Soſtware e Serviços (CeBIT), maior evento do setor, que este ano tem o Brasil como país parceiro. Dilma, que viajou na noite de sábado (3), chegando à Alemanha na tarde de hoje (4), devendo passar o dia sem compromissos oficiais. Na se-

gunda-feira (5), ela participa da abertura da CeBIT, e, em seguida, de um jantar de trabalho oferecido pelo governo alemão. A conversa com Angela Merkel está marcada para depois do jantar. Além da crise, as duas chefes de governo deverão conversar sobre cooperação em ciência e tecnologia, energias renováveis, parcerias educacionais entre os dois países no programa “Ciência sem Fronteiras” e temas internacionais, como a reforma do Fundo Monetário Internacional e os preparativos para a reunião do G20, em junho, no México. Dilma deverá reforçar o convite para que Angela Merkel venha ao Brasil para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, também em junho. Na terça-feira (6), Dilma visita o pavilhão do Brasil na feira e também deve passar por estandes de empresas internacionais de tecnologia, sempre acompanhada por Angela Merkel, anfitriã da visita. As duas devem fazer uma declaração conjunta à imprensa e participar de um almoço, que também reunirá empresários e industriais dos dois países. A Alemanha é o quarto parceiro comercial do Brasil.

A conversa com Angela Merkel está marcada para amanhã (5)

Ministros estarã na comitiva A presidente será acompanhada pelos ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, das Comunicações, Paulo Bernardo, da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, e da Secretaria de Comunica-

ção Social, Helena Chagas. Também estarão na comitiva o assessor especial para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, e os governadores da Bahia, Jaques Wagner, e do Rio Grande do Sul, Tarso Genro. O retorno ao Brasil está previsto para o começo da tarde de terça-feira.


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012


Caderno C

Dia a dia MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

diadia@emtempo.com.br

(92) 3090-1041

SHANA REIS

Cachorros e comida para humanos Dia a dia C3 MÁRIO OLIVEIRA

Pegadores de desmentidura asseguram eliminar dores Alguns aprenderam com os pais, outros atribuem o dom até a sonhos. Os pegadores de desmentidura asseguram curar a dor LUCAS PRATA Equipe EM TEMPO

“C

onsertar desmentidura”, rezar para tirar o mau olhado ou fazer remédios com plantas medicinais. Essas funções podem parecer antigas, mas ainda são recursos reais e muito utilizados na vida de muitas pessoas na capital amazonense. Seja por um costume mantido desde criança ou herdado pelos pais, esses “prestadores de serviços”, que eliminam a dor, mantêm clientes e sobrevivem às tecnologias oferecidas por médicos da atualidade. Mesmo criticados por ortopedistas, eles se tornam o único recurso para quem não tem acesso a médicos especializados, principalmente no interior do Amazonas. O aposentado Antônio Ferreira, 69, explica que aprendeu com o pai, quando ainda era jovem, o dom de consertar desmentiduras, isso há mais de 40 anos. Desde então, realiza o trabalho e faz vários outras tipos de atendimento a fim de eliminar a dor alheia. “O meu pai pegava desmentidura e eu o observava enquanto cuidava das pessoas que o procuravam. Desde então fui aprendendo. Quando as pessoas me procuram e se queixam de alguma dor, eu olho e passo a mão em cima do local para saber se há algo diferente. Quando há, passo um óleo sobre a região lesionada e massageio até colocar no lugar. Eu pego qualquer tipo de desmentidura, mas a pessoa tem que ter fé, porque quem cura é Deus, Ele só me deu o dom”, comenta. Ferreira comenta, ainda, que muitos procuram seus “préstimos” com frequência. Ele diz não cobrar pelo serviço, mas recebe o que o doente decidir pagar. “Quase todos os dias vêm pessoas aqui comigo para que eu conserte alguma

contusão. Há algumas semanas, um conhecido trouxe a mulher dele comigo para que eu colocasse o braço dela no lugar. Ela estava lavando roupa, escorregou e caiu por cima do braço. Ele estava muito inchado. Foi quando eu pedi que ela sentasse em um banco. Comecei a massagear o braço e, lentamente, fui colocando ele no lugar. Recomendei a ela uma “garrafada” de remédios e disse que ela deveria tomar até quando estivesse se sentindo melhor. Com três dias, o meu amigo me ligou e disse que ela já estava bem”,

Sem idas aos médicos, eles confiam no serviço A técnica em enfermagem Samara Coelho, 21, já morou no interior do Estado. Tendo por hobby as partidas de futebol, vez ou outra ela acabava vítima de torções no tornozelo E em outras partes do corpo. Como não tinha médico especialista na região, ela sempre recorria aos préstimos dos “consertadores”.

“No interior, nem sempre tem especialistas nessa área de fratura ou luxação. Então, a única solução era um senhor que morava próximo a minha casa e que fazia esse tipo de trabalho. Quando aconteciam incidentes, minha mãe sempre me levava com ele. Das vezes em que eu fui consultada por ele, eu sempre tive os problemas so-

lucionados. Como o método que eles usam é um pouco rústico, às vezes doía um pouco”, ressalta. O aposentado Isaac Repolho, 85, conta que desde jovem utiliza os serviços de “pegadores” porque, na época, era difícil encontrar um médico no interior. Em caso de problemas de saúde, ele recorria aos pegadores de

desmentidura e rezadores. “Quando eu era jovem e morava no interior, não tinha médico especializado para essas doenças. Quando nos machucávamos, trabalhando ou jogando bola, nós recorríamos a um senhor que morava perto da nossa casa. Nunca precisei ir ao prontosocorro por conta disso, só vou se a coisa for grave”.

LUCAS PRATA

CONTRA

Ortopedistas contrariam efeitos

Mesmo com a confirmação de pessoas que já utilizaram o serviço de curandeiros e se dizem curados, ortopedistas asseguram que quem recorre a esses serviços corre risco de agravar fraturas comemora. A dona de casa Marice Pereira, 50, diz que começou a pegar desmentidura depois de sonhar com uma pessoa que ensinava a consertar qualquer parte do corpo. “Há 18 anos, eu sonhei com uma mulher que me chamava para consertar a desmentidura do filho dela, que tinha caído e chorado a noite toda. Quando foi na manhã do dia seguinte, uma vizinha minha me disse que o filho dela tinha caído e perguntou se eu conhecia alguém que pegasse desmentidura. Eu me lembrei do sonho e expliquei a ela que a mulher do sonho tinha me ensinado a agir em situações como essa. Pedi então para ver a criança e falei que ia tentar. Massageei e coloquei da mesma forma que estava o outro osso. A partir daí, eu comecei a fazer esses trabalhos”, explica.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Amazonas, Francisco Mateus, as pessoas que usam esse tipo de “consulta”, correm o risco de terem os problemas agravados. Ele recomenda que nos casos de contusão, deve-se imediatamente imobilizar o local e levar para um prontosocorro, a fim que um especialista examine. “Muitas pessoas chegam com pequenas lesões no pronto-socorro, que poderiam ter tratamento simples, mas por deixarem alguém “mexer” antes, a pequena contusão vira um procedimento cirúrgico. Quando é um caso que sai do lugar, tem que colocar na hora, mas tem que ser por um especialista”, completa. Aos 85 anos, Isaac lembra que, jovem, sempre recorreu a esse tipo de solução para as torções


C2

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Mulher reinicia busca por filha ‘roubada’ há 27 anos Dona de casa Francisca Rodrigues reacendeu a esperança de descobrir o paradeiro da menina roubada após o parto

MÁRIO OLIVEIRA

MÔNICA FIGUEIREDO Equipe EM TEMPO

H

á 27 anos, a dona de casa Francisca Rodrigues Cardoso, hoje aos 66 anos, veio de Fortaleza, no Ceará, para Manaus. Grávida de três meses, ela e sua família não conheciam nada da cidade. Quase seis meses depois, ela diz ter sido alvo de um crime que mudou a vida dela: sua filha foi roubada da maternidade, dias após o nascimento. Mais de 25 anos depois, a dona de casa decidiu dar início então, ao que chamou de “segunda tentativa” para encontrar a filha, que nem chegou a carregar nos braços. Ela revela que morava no bairro da União, Zona Centro-Sul, quando em março de 1985, sentiu as dores do parto. Na ocasião, sua mãe a levou de táxi para a maternidade Ana Nery. “Lá eu tive a menina. Eu era muito tímida e nem sabia falar direito. Na hora que eu a tive, sangrei bastante e uma enfermeira que me atendeu disse que era para eu parar de fazer força. Como estava deitada, só vi enfermeira com o bebê no braço”, lembra. A única recordação que

Francisca tem é de ver a enfermeira carregando um bebê do sexo feminino de pele branca no colo. Ela lembra de, ao ter visto a neném, ter dito que iria dar para alguém criar, mas desistiu da ideia em seguida. “Lembro que fiquei jogada em uma cama por alguns dias. Minha mãe não sabia informar onde tinha me deixado

INICIATIVA

Francisca diz que nem ao menos carregou ou chegou a ver a criança no hospital. Cansada de tanto chorar, ela decidiu recorrer a um dos filhos dela para, por meio da internet, obter pistas

e o meu marido não conhecia muita coisa aqui. Fiquei abandonada, sem roupa, em uma cama”, recordou. No terceiro dia em que estava na maternidade, uma mulher foi até o local onde a dona de casa estava e se aproximou para puxar conversa. “Era uma mulher negra. Tinha uma filha que era professora e disse que tinha ido me buscar. Levou um

vestido azul de alça e eu vesti. Quando cheguei à portaria da maternidade, a enfermeira me deu um papel e eu assinei meu nome. A mulher me botou em um táxi e me deixou em uma rua que nem era perto da minha casa”. Desorientada e sem informação, Francisca saiu da maternidade sem a filha que acabara de ter. Como promessa, a tal mulher disse que a encontraria no dia seguinte. “Eu estava tão desorientada que eu nem perguntei pela menina, que ninguém nunca nem levou para eu ver”, lamenta. Ao chegar à sua casa, o seu companheiro, hoje marido, perguntou pela criança. “Eu disse que não sabia e fiquei chorando escondida todos esses anos”, desabafou. O drama de Francisca Rodrigues Cardoso é digno de um capítulo de novela. E ela realmente espera que sua história tenha o mesmo desfecho. A dona de casa lembra que há alguns anos uma amiga dela encontrou a mulher que teria levado seu bebê em uma feira, no estádio Vivaldo Lima. “Ela disse que a viu com a filha, que é professora. Pelo que ela sondou, elas moravam no bairro do São Jorge”.

Francisca conta com a ajuda do filho Francinaldo, para encontrar a filha roubada no hospital

Rede social é aliada na procura Além do bebê levado da maternidade, Francisca tem mais cinco filhos. Com a ajuda de um deles ela decidiu, após tantos anos, iniciar nova busca pela filha desaparecida. “Estava na reunião (da igreja) quan-

do começaram a falar de arrependimento, perdão. Eu pensei então, em usar a internet para me ajudar. Voltei para casa e pedi ajuda ao meu filho”. Francinaldo Rodrigues, 33, foi quem decidiu reiniciar

as buscas pela irmã, usando o Facebook. Ele revelou que vários amigos se assustaram ao ler e começaram uma corrente de divulgação. “Até agora, não tivemos resultado, mas vários amigos estão compartilhando”.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

C3

Ração? Que nada! cães só querem comida humana Sem resistir às carinhas pidonas, donos optam por incluir comida da família à refeição dos animais de estimação

N

Vale todo es- forço porque ela corresponde a tudo o que esperava. Ela é uma amiga, tranquila, limpinha, tanto que dorme comigo”, relatou. A criadora observa que a adição da comida caseira na dieta não tem trazido consequências negativas para a saúde da beagle. Pelo contrário, com um visual viçoso, a cadela acumula vários prêmios. “Mesmo sendo fêmea, ela tem um porte físico diferente de muitas cadelas, tem uma pelagem bonita e já ganhou primeiro lugar em várias competições oficiais, como de “Melhor Fêmea da

raça””, conta. Michele lembra que herdou da mãe a paixão por mascotes. Quando criança, Michele tinha pelo menos seis cachorros em casa. “Minha mãe sempre gostou de cachorro. Cresci vendo ela fazer comida especial para eles. Hoje, ela cria um pastor alemão e um vira-lata e trata-os da mesma forma que antes. Ela prepa-

r a todo o dia arroz com frango e tudo que tem direito, sal e tempero. Todos eles são sadios e bonitos”. SHANA REIS

ão dá para negar a preferência de alguns animais de estimação pelo cheiro e gosto da comida caseira. Mesmo sem saber o que ocupa as panelas sobre o fogão, os focinhos já estão atentos, farejando as novidades. A procura por uma dieta mais saudável ainda causa dúvidas em muitos criadores. Alguns não abrem mão do alimento industrializado, outros defendem uma alimentação natural, livre de conservantes, corantes ou aromatizantes. Há, ainda, os criadores que se contentam em reservar aos “melhores amigos” os restos do cardápio servido à família. Mas o que será mais indicado para nutrir o “xodó” da casa? Macarronada com queijo, lasanha, sopa e, para sobremesa, chocolate, doce de leite ou goiabada. Uma pequena quantidade dessas iguarias, misturadas a ração fazem a alegria da beagle Maria Mia, 2. Mas a criadora, a professora Michele Queiróz, garante que tudo é dosado. “A comida caseira é dada só nos fins de semana e é medida uma porção pequena em uma colher japonesa, para evitar a obesidade”, informa. Michele lembra que a nova

dieta foi adotada a fim de auxiliar a digestão da cadela. “Tivemos que montar essa dieta diversificada não por vontade própria, mas sim para ajudar a Mia, porque quando dávamos apenas ração, as fezes dela ficavam muito duras e causavam sangramento. O próprio veterinário aconselhou”, relata. Já os doces, são liberados apenas quando Mia tem que tomar algum remédio. “A Mia adora doce, a gente coloca na colherzinha e dá na boquinha dela.

Bob aderiu a uma dieta “meio humana” por decisão da dona, a artista plástica Sônia. Segundo ela, tudo é dosado

Alguns dos bichinhos adoecem com a farra Se a dieta da Mia permite, mesmo que em pequenas quantidades, umas escapadas, o poodle Bob, 4, segue à risca uma alimentação para “nutricionista nenhum colocar defeito”. “Na verdade, essa dieta não foi orientação médica, fui eu quem tomou a iniciativa. Quando comprei o Bob ele estava meio doentinho, ficou internado e depois que saiu não se acostumou com nenhuma ração. Cheguei à conclusão que uma comida saudável seria a melhor escolha. E ele reagiu muito bem à dieta. O veterinário que o acompanha desde pequeno, disse que se não faz mal, não tem problema”, diz a artista plástica Sônia Sobreira. Proteínas, carboidratos e frutas, muitas frutas. Bob faz quatro refeições diárias e chega a comer aproximadamente 60 maçãs por mês. Além das frutas, ele ingere quantidade variada de carboidratos, como

batata, jerimum, cenoura, cará ou macaxeira. A carne é sempre uma fatia magra de coxa ou sobrecoxa, sem osso e sem gordura. “O Bob nunca teve problema de estômago. Tudo é feito na hora, cozido na água, e sem adição de sal ou tempero. Tenho preocupação de cortar tudo em cubinhos e sem casca ou semente. O frango é sempre desfiado. Também vario, dando um pouco de água de coco. Com esse cuidado, ele não é um cão obeso, pesa 4,5kg”, explica. Contudo, todos esses cuidados dispensam tempo e dinheiro. “Não é barato. Se o Bob comesse só ração sairia mais em conta. Gasto uma média de R$ 250 por mês apenas com a alimentação dele. E essa alimentação não trouxe problemas até agora. O problema muitas vezes é que as pessoas não ligam, ou não têm condição, e dão resto de comida para os animais. Como percebi

que o Bob não gostava da ração e estava definhando, tive que formular uma dieta”, garantiu. Já o mestiço Rex, 2, não teve a mesma sorte. Com pouco tempo em que foi oferecido comida caseira, as consequ-

TENTATIVA VÃ

Após dar comida para humanos aos cachorrinhos, algumas pessoas preferiram adotar, exclusivamente, a ração. Elas alegam terem tido prejuízos com remédios depois da “farra canina” ências foram visíveis. “Ele começou a ficar com mau-hálito e ter ânsia de vômito e vomitar pelo menos uma vez por semana. As fezes também ficaram moles e ele ficou com manchas arrocheadas por todo

corpo, principalmente próximo à genitália”, comenta o criador, o universitário Marcelo Nogueira. Não apenas o cachorro que sofre, mas a adoção de comida caseira junto à ração tem causado diversos atritos na família “Meu pai cresceu vendo fazerem isso. A minha avó dava fubá aos cachorros. Hoje, ele não entende que a ração tem tudo o que o animal precisa, ele não precisa ficar adicionando calabresa, pão, carne cozida, feijão e todo resto de comida para o cachorro. Às vezes acho que ele confunde o prato do Rex com o lixeiro”, salienta. O que a família não gasta em ração, tem investido em remédios para ver o cãozinho melhor. “Dando restos de comida, é preciso comprar remédio para verme e outros. Somente um remédio que ele teve de tomar foi R$ 80. Caro demais”, revela.

Veterinários condenam restos Segundo a veterinária Raquel Gaia, uma alimentação errada resulta em sérias consequências à saúde do animal. Entre os danos está a dermatite, a infecção alimentar, aobesidade e, inclusive, a redução em até 7 anos na expectativa de vida. A médica aconselha que, mesmo sendo menos atraente que a comida caseira, o alimento industrializado é a melhor escolha. “A ração reúne todos os nutrientes adequados ao cão ou ao gato e vem direcionada ao porte do animal. Por exemplo, para os animais com pelo longo, a ração vem com ômega para estimular o crescimento. Para os de porte grande tem uma quantidade adequada de cálcio. E para os animais a partir de sete anos, tem mais oxidantes”, explica. A prática de misturar outros alimentos à ração também pode contribuir para a obesidade e aparição de problemas digestivos. “Há uma linha de

pesquisadores voltados, hoje, para uma alimentação natural, mas na prática o que acontece são pessoas dando restos de comida aos animais. como pedaços de pão, por exemplo, o que não é aconselhável porque o cachorro tem dificuldade em degradar carboidratos. Uma dieta inadequada pode, em alguns casos, gerar alergia, problemas de pele e digestivos”, explicou o médico veterinário Leonardo Fábio Abecassis. Os profissionais apontam que uma dieta sem ração deve seguir à risca as prescrições médicas. “São raros os casos, mas o animal às vezes pode ter uma intolerância a algum corante ou a ração específica. Mas se ele não aceitar nem mesmo a linha terapêutica, o criador deve estar atento para a dieta não ficar pobre”, disse a veterinária Raquel Gaia. A médica também alerta que o consumo exagerado dos quitutes deve contribuir para a obesidade. FOTOS: DIVULGAÇÃO

IVE RYLO Equipe EM TEMPO

A beaglle Maria Mia gosta de goiaba na sobremesa


C4

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Em defesa da autonomia pedagógica nas aldeias Evasão escolar pode estar relacionada às diferenças que precisam ser encaradas por indígenas durante o aprendizado FOTOS:DIEGO JANATÃ/FREELANCER

WILLIAM GASPAR Especial EM TEMPO

C

erca de 30% dos indígenas com idade escolar estão fora das salas de aula no Amazonas, segundo um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Escolas sem infraestrutura, materiais didáticos inadequados e a falta de professores especializados são apontados como as principais causas do problema. A Constituição de 1988 garante aos povos indígenas educação escolar diferenciada, que respeite a cultura e os saberes tradicionais de cada etnia. “Mas 20 anos depois, ainda não se decidiu qual é o modelo de educação adequado para esses povos. Isso apenas agrava a situação”, diz o presidente da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), deputado Sidney Leite. “A educação diferenciada significa que eles têm o direito de utilizar a língua materna nas escolas e introduzir no ambiente escolar seus conhecimentos, práticas e saberes. Em termos de legislação, no plano da educação indígena,

o Brasil é bastante avançado, o que precisa é sair do plano ideal e ser de fato implementada”, avalia Leite. Para o presidente da Aleam, as secretarias de Educação ainda têm “enorme resistência” em aceitar calendários diferenciados propostos pelas comunidades. “A legislação garante que se uma comunidade realiza um grande ritual ou há épocas em que boa parte dos seus membros sai para caçar. A escola teria que se adaptar às atividades cotidianas desses grupos”, explica. Autonomia é preciso Simone Ribeiro, coordenadora do projeto Wajãti, do Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepe), afirma que é preciso garantir a autonomia pedagógica das escolas indígenas. “Isso envolve a questão da proposta curricular, da organização da escola, da formação do professor e efetivar esse protagonismo das lideranças, pais e mães a formular esse projeto político ainda é um desafio. Porque a tradição da nossa educação é de propor padrões muito homogeneizantes, sem considerar as diversidades”, defende.

Indígenas no comando é a solução Para Simone Ribeiro, um dos maiores desafios de hoje é conseguir formar membros das comunidades para que eles possam assumir as salas de aula e a gestão das escolas indígenas. A prática do ensino bilíngue, ou seja, no português e na língua de cada etnia, ainda não é uma prática nesses espaços. “Para isso, seriam necessários materiais didáticos para que essa língua apareça e seja estudada. Existe em pequenas quantidades e não atinge o conjunto dos grupos”, aponta. A Secretaria do Estado de Educação e Qualidade de Ensino (Seduc) informou que no Amazonas existem 939 escolas indígenas com 57 mil alunos. Material didático na língua dos indígenas é quase inexistente e impede autonomia no ensino

No interior, tudo é improvisado A infraestrutura das escolas também é um fator que dificulta a aprendizagem. Segundo o presidente da comissão de Educação da Aleam, Sidney Leite, muitas escolas funcionam de forma improvisada na casa de professores, sem bibliotecas ou equipamentos. “Se realmente formos visitar as escolas indígenas nos municípios do interior, veremos claramente a falta de estrutura”, comenta. Leite afirma que, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, a educação indígena deve ser orientada pelo Ministério da Educação (MEC) e coordenada pelas secretarias estaduais e municipais. Para ele, a descontinuidade

Os problemas não são novos. O que espero é que os governos os tomem como graves e realmente comecem a investir na solução Simone Ribeiro, coordenadora do Wajãti

das políticas, que mudam a cada governo, dificulta a consolidação do processo. “A rotatividade dos técnicos é muito grande”, explica. A coordenadora do pro-

jeto Wajãti, Simone Ribeiro, concorda com a opinião do deputado e diz que o investimento na formação dos técnicos que serão responsáveis pela aplicação das políticas públicas é o fator-chave. “Você tem de qualificar os gestores permanentemente para a diversidade no campo da educação”, afirma. Ela espera que a partir dos novos estudos realizados por seu instituto, o quadro da educação indígena em todo o país melhore significativamente. “Os problemas não são novos e são reincidentes. O que espero é que os governos os tomem como graves e realmente comecem a investir na solução”.

Falta de estrutura e escolas que funcionam no improviso afastam índios dos estudos


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

C5

Manaus vai reviver época áurea com volta de bondes Ainda no dia 24 de fevereiro, licitação foi lançada para empresas interessadas em investir na retomada dos bondes DIVULGAÇÃO

LUCAS PRATA Equipe EM TEMPO

D

esde 1957 sem circular pelas ruas de Manaus, os bondes, meio de transporte dos tempos áureos da borracha, vão ser reintegrados ao cenário do centro histórico da cidade, mas agora como atração turística. O projeto integra o programa “Cartão- Postal”, do governo do Estado e teve convocação de empresas interessadas na iniciativa divulgada no último dia 24 de janeiro. O secretário de Estado de Cultura (SEC), Robério Braga, comenta que o projeto vai recuperar os traços do antigo meio de transporte. Além do bonde, serão recuperadas, também, as calçadas, a arborização, a substituição e a padronização dos equipamentos urbanos. “O bonde vai ter linha única. Vai sair do porto até o Teatro Amazonas. Esse projeto consiste em um conjunto de intervenções urbanas para recuperar o centro histórico, o que representa muito para a história do Amazonas. Vamos mostrar ao turista e à população mais nova como era o

centro histórico no período do ciclo da borracha”, destaca. O “novo bonde” será de acordo com as características físicas e estéticas da época que era utilizado como meio de transporte. Ele terá dez bancos, com capacidade para transportar 40 pessoas. O modelo é elétrico, bidirecional (vai tanto para frente, quanto para trás), padrão Manaus Railway, como os que eram utilizados antigamente. Marco na história De acordo com o historiador Ed Lincon Silva, os bondes foram um marco na história do Amazonas. Com o ciclo da borracha, no início do século 20, a cidade teve de implantar um sistema de transporte que atendesse ao progresso. Daí surgiram os bondes. A população que dependia do transporte coletivo em meados de 1900 só tinha o bonde. Nessa época, a responsabilidade para operar era da Manaus Railway Company, empresa inglesa que ganhou a concessão do governo. “Mas em 1957, a cidade passou por colapso no sistema de energia e o governo federal mandou desativar os bondes”.

Bondinhos voltam à capital amazonense, mas com cunho turístico. Eles circularão e embelezarão algumas ruas do Centro

‘Se estudo for feito, impactos serão nulos’ Para a presidente do Sindicato dos Arquitetos do Amazonas (Sirdarq-AM), Sammya Cury, o projeto não acarretará impactos ambientais, mas estudo de tráfego precisa ser feito com

cautela, para que os veículos que transitam na área não sejam prejudicados. “Se for construída uma via especial que não atrapalhe o fluxo dos carros, não vai haver problemas”, considera.

O trajeto da nova linha vai sair da rua 10 de Julho, atravessar a avenida Eduardo Ribeiro até a esquina do Teatro Amazonas, onde vai virar à esquerda seguindo novamente pela avenida

Eduardo Ribeiro até a rua 24 de Maio. Desse ponto, o bonde vai virar à esquerda e seguir pela rua José Clemente até o ponto final da estação de passageiros e a garagem.


C6

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Falsa independência leva menores a viver nas ruas

Na esperança de obter comida e tudo que precisam, mas não têm em família, crianças e adolescentes escolhem sair de casa FOTOS: ARTHUR CASTRO/AGORA

NÁFERSON CRUZ Equipe EM TEMPO

D

e dia perambulam pelas ruas descalços e sujos em busca de dinheiro ou de comida. À noite, dormem debaixo de viadutos e pontes, juntando o pouco que arrecadaram durante o dia. Quando já não conseguem sensibilizar as pessoas, passam a furtar ou se entregam ao tráfico e às drogas. É desse modo que meninos e meninas, que tiveram problema no seio familiar, tentam sobreviver nas ruas de Manaus. Entregues ao abandono, crianças e adolescentes se debruçam na esperança de terem uma vida mais pacata. Inserido nessa concepção social está Alessandro*, de 13 anos. Ele já estava há dois dias fora de casa quando foi entrevistado pelo EM TEMPO. Ele disse que pretende retornar apenas quando tiver “boa margem de lucro”. “Meus pais são pobres e não têm como comprar comida. O jeito é conseguir pela rua”, revela. Os relatos de Alessandro comprovam pesquisa feita pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável (Idesp). Ela aponta que 59% dos menores têm para onde voltar, mas buscam fora de casa um modo para ganhar dinheiro, por meio de esmolas e venda de produtos. O motivo da fuga do menor para as ruas, o tempo de permanência e as carências são explicadas pela coordenadora do Serviço de Acolhimento Institucional Emergencial (Saie) da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh), Clíssia Franco. Ela, assim como os demais especialistas no assunto, aponta maus-tratos, abandono e o sentimento consumista como as principais causas. “A sociedade tem uma parcela de culpa nessa situação. A maioria das crianças e adolescentes retirada das ruas não tem problema com a família e voltam para o lar. Os que são rejeitados têm problemas com as drogas”, explica Clíssia Franco. Caridade não ajuda Para o presidente do Conselho Tutelar do Amazonas, João Furtado, a sociedade precisa

abandonar a visão de caridade. “Entendemos que não é dessa forma, dando dinheiro nas esquinas, que a situação será resolvida. A falta de estrutura familiar, de políticas públicas e oportunidade no mercado de trabalho, fazem com que crianças e adolescentes sejam explorados”. Furtado ressalta que muitas das crianças e adolescentes que moram nas ruas não têm base familiar forte e, por isso, preferem morar nas ruas. Somente no ano passado, os nove conselhos tutelares de Manaus somaram cerca de 700 denúncias, o que representa média de duas crianças encontradas, por dia, em situação de mendicância, exploração e vulnerabilidade. Do total de denúncias, 50% não chegaram a ser constatadas. “Quando as equipes chegavam ao local, a criança denunciada já havia deixado a área”,

Programas de auxílio ao menor Programas/projetos sociais importantes como o Creas, Cras, Peti, Jovem Cidadão, Jovem Aprendiz, Bom de Bola, atendem diariamente famílias e crianças carentes em Manaus e no Amazonas.

Pesquisa Idesp (Nacional- %) Brigas verbais com pais e irmãos Violência doméstica Alcoolismo/ uso de drogas Busca da liberdade Perda da moradia pela família Violência e abuso sexual

A sociedade tem culpa nessa situação. A maioria dos menores retirados das ruas nem sequer tem problemas familiares

32,2 30,6 30,4 22,8 13,2 8,8

Canais disponíveis à população para denúncia: Clíssia Franco, coordenadora do Saie

0800 0921407 (Denúncia local) • Disk 100 (Denúncia nacional)

informou Furtado. No entanto, a maioria tem um desfecho positivo. É o caso de Jocely dos Santos, 30, mãe de oito filhos, que explorava cinco crianças nos semáforos. Ele foi flagrada em novembro do ano passado, na praça da Matriz, Centro. Na ocasião, alegou expor as crianças porque não tinha experiência no mercado de trabalho e precisava de dinheiro para comprar o que os filhos necessitavam. Jocely foi autuada pelo crime de abandono de incapaz e abandono intelectual, previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ela foi liberada, mas as crianças foram encaminhadas para o Serviço de Acolhimento Institucional.

Sem segurança e higiene, menores se amontoam nas ruas

Falta de política pública eficaz

Esmolas incentivam pedintes

O sociólogo Geandro Pantoja pondera que é cada vez mais comum a presença de crianças nas esquinas e praças de Manaus. “Esse cenário é resultante da insuficiência ou ineficiciência de políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes, geração de renda e inclusão social, educação, esportes, artes e lazer. Emerge como consequência, prejuízo à criança ou adolescente no desempenho escolar, quando não gera evasão”, destaca. Pantoja salienta que a convivência de rua propicia a vulnerabilidade social pe-

Ter uma legislação que vise reeducar a criança é uma das alternativas apontadas pelo assessor do Juizado da Infância e do Adolescente, João Vinícius. “Temos um índice altíssimo de adolescentes sendo utilizados na criminalidade, uma vez que, se detidos, eles têm facilidades e regalias para não serem punidos. Isso se deve a lei, ainda de 1990, com a mesma redação”. Um dos pontos cruciais que culmina para o avanço de crianças e adolescentes pedintes é a falta de medidas socioeducativas. “A partir do mo-

rante o tráfico e consumo de drogas, crime organizado, exploração do trabalho infantil, exploração/abuso sexual, doenças sexualmente transmissíveis, gravidez na adolescência, entre outras mazelas. “O cidadão que se depara com crianças ou adolescentes sejam pedintes, “artistas” ou vendedores, em vez de dar esmola — o que os incentiva a continuar nas ruas — deveria denunciar às autoridades competentes, como o conselho tutelar ou, quando possível, orientá-los a procurar o caminho de volta à escola”, pontuou Pantoja. Comida também é improvisada por menores moradores de rua

mento que você incentiva a criança, ofertando dinheiro nas ruas, no dia seguinte, ela volta. Mas isso se fortalece por falta de ações educativas que deve começar em casa”, completa. De acordo com dados do Saie, houve redução no número de crianças e adolescentes reincidentes. Em 2010, foram 531 casos, sendo 196 a mais do que em 2011, com 335 casos. Atribuímos essa diminuição ao trabalho da equipe técnica do Saie, que aumentou o número de visitas e acompanhamentos familiares, buscando resgatar laços.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

C7

Conquista com sabor de ‘exportação’ de talentos Carlos Montefusco e Sylkes Teles foram os amazonenses que conquistaram bolsas de estudo para especialização no Japão FOTOS: DIEGO JANATA FREELANCER

ISABELLA SIQUEIRA Equipe EM TEMPO

M

uitos profissionais possuem o sonho de cursar uma pós-graduação no exterior, não somente pela qualidade do ensino, mas também pela diversidade cultural e possibilidade de aprimoramento de um idioma. Porém, conseguir uma bolsa de estudos em outro país não é tarefa fácil e exige muito esforço. Em Manaus, dois profissionais já arrumam as malas rumo ao Japão, onde ficarão três anos fazendo especialização. Os dois foram aprovados em um teste nacional promovido pelo consulado japonês. O farmacêutico Carlos Victor Montefusco, 25, embarca no início de abril para a cidade de Sendai, onde vai estagiar na Universidade de Tohoque. A aquisição da bolsa de pós é a realização de um sonho de Montefusco, que vai se especializar em neurociência. “Foi difícil conseguir essa vaga, mas quando recebi a notícia da aprovação foi um dos momentos mais felizes da minha vida. Vou me qualificar em uma área que sempre almejei”, disse. Para ganhar a bolsa, o farmacêutico precisou aprender o japonês, além de passar por um criterioso processo de avaliação, que incluiu análise de currículo, entrevistas, apresentação de projetos e uma prova escrita. Para garantir a vaga, Montefusco participou, ainda, de competição com 60

candidatos. ”Todos os anos os consulados japoneses de todo o país oferecem essa bolsa de estudo a profissionais, mas a seleção é bem criteriosa. São poucas vagas. Me preparei durante seis meses para realizar as provas”, comemora. Nem os fenômenos da natureza assustam o estudante. Em 2010 a cidade de Sendai foi devastada por um tsunami, mas o

É preciso superar a distância O designer Sylker Teles da Silva, 31, também foi um dos beneficiados com a bolsa de estudos no Japão. Ele irá cursar doutorado em designer de interação em uma das melhores universidades do mundo. Teles também pretende voltar a Manaus para aplicar todo o conhecimento adquirido. “Eu fiquei muito feliz quando soube que havia conquistado a bolsa. Não sei como será minha rotina no Japão, mas tenho certeza que terei experiências que irão enaltecer meu conhecimento. Pretendo voltar com um vasto aprendizado para aplicar no Estado”.

Todos os anos, os consulados oferecem bolsas, mas a seleção é bem criteriosa. Me preparei durante meses para as provas

Distância sofrida Casado a menos de um ano, o designer revela que será um sacrifício grande ficar longe da família, principalmente da mullher, mas garante que o apoio está sendo fundamental nesta etapa. “A proposta inicial era que nós dois conseguíssemos passar na prova, mas somente o meu marido foi aprovado. Apesar da saudade que sentirei, estou muito feliz por ele ter a oportunidade de qualificação profissional”, disse Camila Teles. Teles vai morar na cidade de Fukuoka e fazer cursos na Universidade de

Carlos Montefusco, farmacêutico

farmacêutico reforça que gosta de viver aventuras. Em 2010, Montefusco passou três meses fazendo estágio em Israel. Quem ainda não se acostumou com a ideia foi a mãe do estudante, Heloíse Montefusco, que apesar de estar feliz com a vitória do filho, se mostra apreensiva com a viagem. “Minha mãe ficou assustada, mas está me dando todo o apoio”, disse. Nos primeiros seis meses, Montefusco irá frequentar um curso de especialização em japonês, e somente em novembro começará a especialização no laboratório da universidade.

Camila assume a saudade, mas apoia ida do marido Sylker

Kyuhu. “Além da experiência que teremos na universidade, o Japão oferece grandes congressos mundiais de designer. Como profissional, irei voltar com um vasto conhecimento, pois terei acesso a uma cultura diferente”. O vice-cônsul japonês em Manaus, Hiroaki Aizawa, disse que o intercâmbio entre os dois países ocorre há mais de 15 anos. Nesse período, cerca de

CHANCE

Há 15 anos o Brasil mantém intercâmbio de alunos com o Japão. Nesse período, cerca de 70 estudantes já foram beneficiados pela iniciativa e foram estudar no exterior 70 estudantes da Região Norte foram beneficiados. “Temos um número limitado de bolsas de estudos. Porém, todos os profissionais que voltaram para Manaus, atualmente estão em ótimas colocações no mercado de trabalho local. Gostaríamos de mandar mais estudantes, porém o número é realmente limitado”, ressalta.


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 19 DE FEVEREIRO DE 2012


Caderno D

Plateia teia MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

plateia@emtempo.com.br

Tenórios Telles no mundo infanto-juvenil (92) 3090-1042

100 anos do ‘Rei do

Plateia D3

Luiz Gonzaga, popularmente conhecido como Gonzagão, é referência em todo o país pelo estilo musical produzido em sua carreira

BAIÃO’ GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

O

ano de 2012 será marcado, entre outras coisas, pelas comemorações dos 100 anos de nascimento de Luiz Gonzaga, considerado a majestade do baião, cuja coroa ainda está longe de ser retirada. Falecido em 1989, antes de completar seus 77 anos, “Gonzagão” mantém-se vivo até hoje, influenciando carreiras de músicos de diversas regiões do país, sobretudo o próprio Nordeste. Natural de Fortaleza-CE, o sanfoneiro que carrega o instrumento até no nome, Joãozinho do Acordeon, está há mais de 30 anos na estrada musical e reúne algumas boas lembranças do ídolo. “Aos 12 anos, fiz meu primeiro show antes dele, em Mombaça, no interior do Estado, por volta

de 1975. Ali, fui apresentado a ele, juntamente com meu pai, com quem eu tocava. Naquele momento, Luiz Gonzaga perguntou a meu pai se ele poderia me levar para que eu o acompanhasse na sua banda. Mas meu pai declinou da ideia”, diz. Crateús e a própria capital foram as outras duas cidades nas quais Joãozinho teve a oportunidade de rever “Gonzagão”, nos idos de 1984 e 1985, respectivamente. “Nessa época, ele já tocava sentado, visivelmente debilitado”, lembra. Joãozinho reside em Manaus desde 1999, onde mantém o Grupo Xoteado, em apresentações frequentes. “Meu repertório é 70% montado em função das obras de Luiz Gonzaga. Cada show é uma homenagem a ele, praticamente”, afirma o sanfoneiro, que também toca teclados e bateria e exerce a função de produtor musical.

Gonzaga dá nome a prêmio O “rei do baião” dá nome a um prêmio disponibilizado pela Fundação Nacional de Artes (Funarte), vinculada ao Ministério da Cultura, cujas inscrições vão até o dia 19 de março. “Súditos” de todo o país podem inscrever para o Prêmio Centenário de Luiz Gonzaga projetos de criação, produção e difusão de obras, atividades ou produtos de cunho musical que homenageiem o músico pernambucano. O regulamento e a ficha de inscrição podem ser obtidos por meio do site www.brasil.gov.br.

Ao todo, serão premiados 20 projetos, que podem ser composições, arranjos, espetáculos, exposições, obras audiovisuais, cancioneiros, livros, discos, sites, revistas, pesquisas, seminários, ciclos de debates, palestras e oficinas. A Funarte contemplará 12 prêmios de R$ 35 mil, cinco de R$ 50 mil e três prêmios de R$ 100 mil. Todos os projetos que receberem premiação terão de ser realizados até o mês de dezembro deste ano.

DIVULGAÇÃO

Influência na carreira de Joãozinho do Acordeon e Dominguinhos, Gonzagão dá nome a prêmio da Funarte

Dominguinhos, eterno seguidor de Gonzagão

DIVULGAÇÃO

Indiscutivelmente o mais famoso e mais antigo seguidor de Luiz Gonzaga, o também pernambucano José Domingos de Morais, popularmente conhecido como Dominguinhos há pelo menos 50 anos, reforça que sua vida é homenagear o mentor e principal ídolo da música. “Lembro que, ainda aos 8 anos, conheci Luiz Gonzaga, em Garanhuns. Na ocasião, nos deu seu próprio endereço no Rio de Janeiro e até uma quantia em dinheiro. Cinco anos depois, fui lá e ele recebeu a mim e a meus irmãos e meu pai, já com uma sanfona de 80 baixos de presente. Desde então, não me afastei m a i s . Praticamente todo dia

estava lá com ele, mesmo depois que comecei a fazer shows pelas boates, inferninhos e bares, na noite carioca. Comecei a participar das gravações dele três anos depois”, comenta o músico, em entrevista para o EM TEMPO, por telefone. A influência de Luiz Gonzaga na vida artística de Dominguinhos não podia ser menor. Até o visual mantido foi inspirado nele. “De fato, optei pelo chapeuzinho de couro para ficar parecido. Até ele mesmo optou por esse modelo”, diz. Sobre as celebrações do centenário de Luiz Gonzaga, Dominguinhos afirma que tem participado de muitas coisas, mas que não existe mais o que inventar.

MÁRIO OLIVEIRA

Dominguinhos optou, até mesmo, pelo visual usado pelo ídolo Luiz Gonzaga

Joãozinho do Acordeon, que reside em Manaus, conheceu Gonzagão


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

O bonitón Amim Aziz, levando o charme para um evento informal na cidade

>> Vitrine

Fernando Coelho Jr. fernando.emtempo@hotmail.com - www.conteudochic.com.br MAURO SMITH

>> Preciosa

>> Conteúdo chic . O badaladíssimo site Conteúdo Chic volta ao ar a partir de hoje, com shape reformulado e cheio de charme.

. A célebre editora de moda Costanza Pascolato está de viagem marcada para Manaus.

. O site de sociedade e moda mais importante da cidade esteve de férias e volta a ser publicado diariamente com fatos e fotos do beautiful people local. Detalhe importante: O conteúdo é visto diariamente pelas socialites e o time que conta na cidade. Para acessar, o endereço é www. conteudochic.com.br. Confiram.

. Desembarcará na cidade, no mês de maio, à convite da H. Stern para ministrar uma palestra para um grupo da cidade, além de estar presente em um dinner que será orquestrado na loja do Manauara Shopping. . Costanza é uma das mulheres mais sofisticadas do país.

>> New Look Lúcia Viana, Eveline Pessoa, a aniversariante Dacy Venâncio e Rosiane Lima, no coquetel que movimentou a H. Stern na quinta-feira

. O novo sertanejo queridinho do Brasil, Gusttavo Lima, estrela do showzaço que acontece dia 17 de março, no Sambódromo, começou a dar um up no visual e abandonou de vez o look tênis.

>> O disputado restaurante Alentejo, que iniciou a reforma que deverá deixá-lo interessantíssimo, passou a contar com serviço especial de vallet parking. Aliás, na quinta-feira, em mesas diferentes da casa, Renatinho e Tammy Simões, Regina e Paulo Avelino, Luana Amaral, Alexandre Prata, Waltinho Oliva Pinto, entre outros. >> Mariana Nobre Tapajós foi a estrela principal de sessão chá de panela, na sexta-feira no Condomínio Renaissence. Ela subirá ao altar com Luizinho Caldeira. >> O empresário William Abrahim estreia idade nova neste domingo. >> A chiquérrima joalheira Jéssica Sabbá está preparando um lançamento especial para as peças da griffe Ana Rocha & Appolinário, que já começaram a desembarcar no JS Studio. >> Amanhã é a vez de Elisiê Pedrosa receber os cumprimentos por seu aniversário. CÉSAR CATINGUEIRA

. Agora, deixa a barba por fazer e incluiu como item fashion no guarda-roupa uma bota azul de griffe internacional. Vamos conferir no evento assinado pela Fábrica de Eventos.

>> Objeto de desejo Cumprindo agenda em Barcelos, a primeiradama Nejmi Aziz foi recebida pelo prefeito José Ribamar Beleza. Além da entrega de equipamentos à usina de beneficiamento de castanha, fruto de um convênio com o Fundo de Promoção Social, também entregou notebooks aos educadores municipais, atendendo à solicitação do governador Omar Aziz, autor do programa “Professor na Era Digital”

. A pequena bolsa da Kate Spade que imita um livro caiu no gosto das celebs. . Bem divertida, a clutch dá um toque fun ao look, e ainda dá para escolher a capa do livro preferido. As estrelas de Hollywood estão usando até com vestidos de baile para quebrar a formalidade. Copiem.

Samira e Júnior Carvalho em noite de festa no Diamond


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

D3

Tenório Telles aposta nos pequenos em novo livro Depois de 17 publicações com temática para o público adulto, escritor amazonense lança o título infanto-juvenil FOTOS: DIVULGAÇÃO

CHRIS REIS Equipe EM TEMPO

C

om um histórico de 17 livros lançados destinados ao público adulto, o escritor Tenório Telles parte para novos horizontes, agora mirando outros leitores. Na próxima quarta-feira, às 17h, na creche escola Bebê Bombom (rua Franco de Sá, 118, São Francisco), será lançado o livro “Os passarinhos e outros bichos”, destinado ao público infantojuvenil. No mesmo dia, o autor também ministrará a palestra “A importância da leitura na formação das crianças”. A obra, que tem ilustrações de Humberto Rodrigues, é composta de cinco crônicas, que, segundo o escritor, resultam de sua observação diária do mundo das crianças e sua afinidade como os animais. “O livro usa os animais, como passarinhos, cachorros e bem-te-vis para falar sobre esperança e os cuidados que devemos ter com todos os seres. A obra tem como objetivo principal fazer o despertar nas crianças o cuidado com a natureza ”, explica. Tenório esclarece que “Os passarinhos e outros bichos” foi escrito para ser destinado a este público específico porque, normalmente, as crianças têm muita afinidade com os animais. “Eles absorvem a informação melhor quando os animais são os personagens. Além disso, quero despertar em seus corações o sentimento de respeito pela bicharada”, avalia, complementando que os bichos fazem parte de nossas vidas e o convívio com os animais desperta sentimentos de afeto, cuidado e amizade. “A leitura dessa obra é um valioso exercício de afetividade”, conclui. A inspiração para escrever o livro veio da infância de Tenório, quando ele morava na beira do rio Solimões, na casa do avô Francisco. Nessa época, as histórias – que eram povoadas por botos, cobrasgrande e mapinguaris – lhe fascinavam. A ideia de escrever a obra para o público infanto-juvenil, recorda Tenório, surgiu quando ele foi fazer uma palestra na creche Escola Bebê Bombom. Durante o encontro, ele e foi questionado do por

quenunca ter feito uma obra direcionada às crianças e jovens. “A partir dessa experiência fiquei pensando e decidir escrever meu primeiro livro, direcionado a estes leitores, que demorou seis meses para ser finalizado”, conclui. Projetos O autor promete não parar nessa publicação destinada às crianças e adolescentes, e já está escrevendo outras histórias para estes leitores. Ele antecipa que são pequenas narrativas, que farão parte de um livro que terá como título

O livro usa os animais, como passarinhos e bem-te-vis para falar sobre esperança e os cuidados que devemos ter com todos os seres Tenório Telles, escritor

Atualmente, o escritor amazonense Tenório Telles residente em São Paulo, onde já prepara o segundo livro infanto-juvenil

“O jardim”, que provavelmente deve ser lançado até o final do segundo semestre. Tenório promete que se dedicará às publicações infantis com mais ênfase, a partir de agora. “Com certeza haverá outros”, assegura. Morando em São Paulo, Tenório também trabalha em três outras publicações: “Renovação”, conjunto de crônicas; “A nova ortografia da língua portuguesa”, que faz observações sobre a mudança na língua e “Clube da madrugada, tradição e modernidade”, ensaios sobre o Clube da madrugada e seus autores.

Paixão pela literatura e Amazonas Tenório Telles, mesmo após ter se licenciado em Letras e Direito, assumiu sua paixão pela literatura e trilhou os caminhos da poesia, da dramaturgia, da crítica literária e do magistério. Em 1998, publicou seu primeiro livro “Primeiros fragmentos”, e em 2001 tomou posse na Academia Amazonense de Letras. Ele é autor das obras “Estudos de Literatura Brasileira e Amazonense” (ensaio); “O Amazonas em sua Literatura”; “Antologia do conto do Amazonas” (em parceria com o professor Marcos Frederico Krüger); “O Anjo cético e o sentimento do mundo”; “A derrota do mito”, entre outros títulos.

SERVIÇO LANÇAMENTO DE LIVRO DE TENÓRIO TELLES Quando: Quarta-feira, às 17h Onde: creche escola Quanto: Bebê Bombom (rua Franco de Sá, 118 – São Francisco) Informações: (92) 3635-1245 As ilustrações de “Os passarinhos e outros bichos” são assinadas por Humberto Rodrigues ALBERTO CESAR ARÚJO

GRATUITO

Cileno faz show em tacacaria

A apresentação de Cileno será às 19h, na Tacacaria Parintins, no CSU do Parque 10

Dois dos melhores sabores do Amazonas estarão reunidos hoje, a partir das 19h, na Tacacaria Parintins, localizada no CSU do Parque 10 de novembro. O cantor Cileno e suas deliciosas canções estarão acompanhando o sabor do melhor tacacá de Manaus. O evento marca a volta dos shows intimistas no palco da tacacaria depois de dois meses de pausa. Segundo Bruna Iannuzzi, sócia-proprietária da casa, as apresentações musicais voltaram porque o público frequentador do local exigiu. “Mesmo com o inverno chuvoso, o público sempre está presente na

SABOR

Inagurada há quase um ano, a Tacacaria Parintins serve a iguaria genuinamente amazônica em dois estilos: o tacacá ao sabor Manaus e o tacacá ao sabor Parintins, com tucupis diferentes tacacaria e demos a pausa de final de ano apenas para retomarmos a agenda 2012”, explica Bruna. Segundo ela, a reabertura da programação é ape-

nas ocomeço das novidades que estão por vir. “O show do Cileno é apenas a ponta das nossas promoções, estamos preparando um extensa agenda até junho que inclui shows de cantores da MPA e claro, apresentações de artistas da seara do boi bumbá”, adianta. Cileno é um dos artistas mais longevos da música amazonense. Estreou nos palcos locais ainda na década de 1980 com o sucesso “Feira Hippie”, de lá para cá são mais de 15 discos gravados e uma coleção de sucessos radiofônicos entre eles “ Luzis”, “ Mimo de Beija Flor” e outros.


D4

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

DIVULGAÇÃO

GRATUITO

Pagode com o Calçada do Samba no almoço

A dupla composta por dois irmãos goianos ficou em terceiro no ranking da lista de CD e DVD mais vendidos de 2007

César Menotti & Fabiano mostram as novidades Dupla sertaneja apresentará algumas das novas canções durante o “Mega show sertanejo”, realizado pela Fábrica de Eventos, no próximo dia 17

A

dupla César Menotti & Fabiano, chega a Manaus no próximo dia 17 de março, no sambódromo, ancorada pelo hit “Maluco por você”, além de apresentar a nova canção “Bandido do amor”, lançamento deste mês. Na verdade, a música foi cantada pela primeira vez na rede social Orkut, ao vivo. Com CD inédito, a dupla sertaneja César Menotti & Fabiano se une ainda a Gusttavo

Lima para fazer o primeiro “Mega show sertanejo” do ano em Manaus, com assinatura da Fábrica de Eventos. Mais de 20 sucessos dos irmãos estão no repertório, entre eles Caso marcado”, “Paixão mineira” e “leilão”. Carreira Os irmãos César Menotti, paulista de Itapira, e Fabiano, paranaense de Califórnia, em apenas oito anos de carreira, colecionam recordes.

A mistura de moda de viola, música sertaneja de raiz, guitarras elétricas e batida pop emplacou hits como “Leilão”, “Caso marcado” e “Mensagem pra ela”. O CD e DVD já o venderam 350 mil cópias e conquistaram o título de CD e DVDs sertanejos mais vendidos de 2006. De acordo com dados da Associação Brasileira de Produtores de Disco (ABPD), eles ficaram em terceiro no ranking da lista de CDs e DVDs mais

O grupo Calçada do Samba, que tem mais de 20 anos de tradição nas rodas de samba amazonenses, fará, hoje, a primeira de duas apresentações, na praça de alimentação do Manaus Plaza Shopping, no horário de 12h às 14h. Para a estreia, o grupo promete levar um repertório descontraído, tocando as músicas mais conhecidas desse estilo musical. O segundo show irá acontecer no dia 18, no mesmo horário. O vocalista Márcio Melo adianta que o almoço de domingo no Manaus Plaza será embalado pelas músicas dos grupos Fundo de Quintal e Bom Gosto, além de canções de Zeca Pagodinho, Diogo

Nogueira, Beth Carvalho, Dudu Nobre, entre outros grandes sambistas brasileiros. Entre as canções que compõem o repertório e não podem faltar nas apresentações estão “Deixa a vida me levar”, de Zeca Pagodinho; “Fé em Deus”, de Diogo Nogueira; e “O show tem que continuar”, do Fundo de Quintal. Na seleção musical, ganharão destaque sucessos do grupo Bom Gosto como “Patricinha do Olho Azul”. O Calçada do Samba atua, em Manaus, há 22 anos. Tornou-se um dos grupos pioneiros deste estilo na cena musical manauense, quando transformou a roda de samba em um grupo profissional. DIVULGAÇÃO

vendidos de 2007. Bilhetes Os ingressos de 1o lote já estão à venda e custam R$ 35 (pista), R$ 120 (camarote), R$ 150 (Mega Área VIP) e R$ 250 (Mega Camarote Stage”). Todos valores de meia-entrada.Os pontos de venda são Óticas Veja, no Mika’s Chopp, Arco Íris Surf Wear, Pelica e Picanha’s Burger. Mais informações pelo telefone (92) 3303-0100.

O grupo Calçada do Samba foi fundado há 22 anos

PROJETO

Cine & Vídeo retorna amanhã O Cine & Vídeo Tarumã retorna às suas atividades programando a exibição de filmes que trazem à tona uma reflexão sobre o atual papel da mulher, levando em conta o Dia Internacional da Mulher, comemorado quinta-

feira. Os filmes são: “Mulheres – Amizades simples”, “Vidas complicadas”, do português de Luís Galvão Teles, exibido na amanhã; “Revolução em Dagenham”, de Nigel Cole, na quarta-feira; e, para encerrar a semana, os documentários

“Operárias do mundo”, de Marie-France Collard, e “Raimunda, a Quebradeira”, de Marcelo Silva, na sexta-feira. As exibições acontecem às 12h30, no auditório Rio Negro, localizado na Universidade Federal do Amazonas (Ufam).


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

D5

Balé folclórico apresenta especial hoje, no teatro Grupo de dança faz compilação de duas apresentações, destaques de 2011, e aposta em elementos do cotidiano regional DIVULGAÇÃO

GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

“A

mazonas caboclo” e “Flor das águas” são as duas coreografias que receberão tratamento especial pelo Balé Folclórico da Amazônia (Bfam), no palco do Teatro Amazonas, hoje, em duas sessões. Ambas as montagens foram destaque na programação dos espaços públicos no ano passado e, agora, abrem a temporada de espetáculos do grupo de dança para 2012. De acordo com Muriell Gonçalves, que além de bailarina exerce a função de assistente de direção do Bfam, o grupo compactou as duas performances para este dia. “Originalmente, cada uma das coreografias tem 45 minutos de duração, mas com o trabalho que fizemos, reduzimos para 20 minutos cada e o espetáculo será contínuo, isto é, sem pausas entre uma coreografia e outra”, diz. Carro-chefe A coreografia “Amazonas caboclo” é considerada pelo próprio grupo como o carro-chefe do Bfam. “Nessa montagem, a gente procura mostrar as danças regionais como ciranda e jacundá, que é uma dança de roda de origem indígena, por exemplo”, explica Muriell. Por outro lado, a apresentação de “Flor das águas” traz uma performance que retrata a lenda da Vitória Amazônica (antiga Vitória-Régia). Muriell revela que o cenário

será o mesmo para ambas as coreografias. “Vamos compor o cenário com elementos que traduzem a vida cabocla, adornando o ambiente com peneiras e tarrafas, entre outras coisas. O figurino será diferenciado. Em “Flor da águas”, vamos misturar a referência

DIFERENCIAIS

O cenário e o figurino das duas apresentações serão diferentes. No “Amazonas caboclo” serão usados traços indígenas, enquanto no “Flor das águas” usarão aspectos míticos das plantas à cabocla amazonense com o aspecto mítico da planta. Em “Amazonas caboclo”, vamos apostar mais em inserir traços indígenas, mesclando-os com as danças folclóricas, como uma saia característica que representa a ciranda”, exemplifica a bailarina.

SERVIÇO BALÉ FOLCLÓRICO DA AMAZÔNIA Quando: dia 4 de março, domingo, às 11h e às 19h Onde: Teatro Amazonas (Centro) Quanto: entrada gratuita

Uma das montagens será “Amazonas cabloca”, considerada pelo próprio balé folclórico, como o carro-chefe da companhia

Músicas instrumentais darão o tom certo Toda a apresentação está programada para ter a trilha sonora de músicas instrumentais e canções regionais, indígenas e do folclore local. “As obras assinadas pelo grupo Raízes Caboclas, geralmente, são parte desse repertório que usamos”,

lembra Muriell. Programação De fato, o calendário de apresentações do Balé Folclórico ainda está em construção. A próxima data em que farão performance ao público é o dia 2 de maio,

dentro da programação do 16º Festival Amazonas de Ópera (FAO). Sobre esse assunto, até o fim da primeira quinzena deste mês, a direção do Bfam, da Orquestra de Violões do Amazonas (Ovam) e do Coral do Amazonas, definem o repertório, para que

o grupo dê início à concepção das coreografias. Criado em abril de 2001, o Balé Folclórico da Amazônia faz parte dos Corpos Artísticos do governo do Amazonas, administrado pela Secretaria de Estado de Cultura (SEC), e é composto por 30 bailarinos.

TEATRO

Espetáculos infantis em três lugares Histórias que mexem com o imaginário das crianças e que também encantam os adultos estarão em cartaz hoje na Casa da Música Ivete Ibiapina, Teatro Jorge Bonates e Centro Cultural Largo de São Sebastião. As montagens infantis misturam a arte da encenação com um diálogo que repassa aos pequenos lições de vida. A programação é realização da Secretaria de Cultura e tem entrada franca. Às 17h, na Casa da Música Ivete Ibiapina, o teatro de bonecos da Cia de Arte Cristã encena o espetáculo “Rabujentice na floresta”. A história mostra uma árvore que vive rabujenta por estar sozinha, pois toda sua família foi arrancada e cortada por lenhadores. Porém os animais da floresta não a deixam mergulhar nesse sentimento. E, com o desenrolar da conversa, mostram a importância de se relacionar com outras espécies de animais e flora. Com uma ideia ecológica “Rabujentice na floresta” mostra ainda o significado da árvore para a natureza e vida do homem. O público também poderá assistir ao espetáculo na quinta-feira, às 9h, na Casa Emídio Vaz e ainda participar de uma oficina voltada para a reutilização de materiais recicláveis, ministrada pela companhia. A peça tem direção de

SERVIÇO JOEL ROSA

Jaqueline Santos e o elenco conta com os atores Rosineide Chagas, Nathália Lima, Verlene Mesquita. A sonoplastia é assinada Chelly Hamona.

Quando: Hoje às 17h Onde: Casa da Música Ivete Ibiapina (rua 10 de julho, 451, Centro) Quanto: Gratuito

Superação Já às 18h, no Teatro Jorge Bonates, a Associação Artbrasil apresenta “O Cavaleiro da Armadura de Sol” com as técnicas de contação de

“O CAVALEIRO DA ARMADURA DE SOL” Quando: Hoje, às 18h Teatro Jorge Bonates (rua Recife, s/nº, SEAD) Onde: Teatro Jorge Bonates (rua Recife, s/nº, SEAD) Quanto: Gratuito

PEÇAS

As apresentações dos espetáculos infantis acontecerão no Teatro Jorge Bonates, Centro Cultural Largo São Sebastião, Centro, e Casa de Música Ivete Ibiapina, a partir das 17h

“CYRANO DE BERINJELA”

O largo São Sebastião receberá a peça “Cyrano de Berinjela” com texto de Gustavo Bicalho

história e teatro de bonecos. Um cavaleiro que se vê preso em sua armadura descobre que para se livrar dela é preciso passar por determinadas provas. Simbolizando que todos nós temos desafios a ser enfrentados, a história leva ao público uma reflexão de como ultrapassar as barreiras que surgem ao longo do caminho. A direção é de Ana Claudia Motta com sonoplastia de Paulo Marinho.

“RABUJENTICES NA FLORESTA”

Quando: Hoje, às 18h30 Onde: Centro Cultural Largo São Sebastião (Centro) Quanto: Gratuito

Peça é inspirada em “Cyrano de Bergerac” E às 18h30, no Centro Cultural Largo São Sebastião, o teatro infantil da Cia. de Teatro Apareceu a Margarida conta a história do “Cyrano de Berinjela”. Inspirado no clássico de Edmond Rostand – “Cyrano de Bergerac”, a montagem é narrada por

mercadores que contam a história do espadachim que por ter vergonha de seu enorme nariz, não se julga digno do amor de Rosa, sua paixão secreta. O poeta Cyrano prefere então auxiliar seu rival, o belo Cristiano, a conquistá-la através de cartas de amor.

O enredo leve e bem-humorado do espetáculo possui o mesmo espírito da obra original. “Cyrano de Berinjela” tem o objetivo de encantar toda a família. Direção, sonoplastia e iluminação: Michel Guerrero. A adaptação do texto é de Gustavo Bicalho.

No elenco estão Alex Lima, Danilo Reis, Eva Miranda, Fabiana Maquiné, Luiz Antônio Correa, Suanne Pontes, Victor Kaleb. A direção, sonoplastia e iluminação ficam por conta do também ator amazonense Michel Guerrero.


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

Programação de TV SBT 04h00 – Aventura Selvagem – reprise 05h00 – Pesca Alternativa 06h00 – A Grande Ideia 06h30 – VRUM 07h00 – PGM Manazinha 07h30 – Programa Expressão (Local) 08h00 – Sorteio Amazonas dá Sorte (Local) 09h00 – Domingo Legal 13h00 – Eliana 17h00 – Roda a Roda Jequiti 17h40 – Sorteio da Telesena 17h45 – Programa Sílvio Santos 22h00 – De Frente com Gabi 23h00 – Série: O Mentalista / The Mentalist 00h00 – Série: Divisão Criminal / The Closer 01h00 – Série: Os Esquecidos 02h00 – Encerramento da Programação

GLOBO 03h42 – Santa Missa em Seu Lar 04h43 – Sagrado: Compacto – Felicidade 04h54 – Amazônia Rural 05h24 – Pequenas Empresas – Grandes Negócios 05h57 – Globo Rural 06h54 – Auto Esporte 07h30 – Esporte Espetacular (Triatlo Rápido Espetacular) 10h30 – Esquenta 11h48 – Temperatura Máxima. Filme: Bee Movie – A História de Uma Abelha 13h31 – Domingão do Faustão I 15h00 – Futebol 2011: Campeonato Carioca – Flamengo x Nova Iguaçu 17h00 – Domingão do Faustão II 18h45 – Fantástico 21h06 – Big Brother Brasil 21h52 – Domingo Maior. Filme: O Negociador 00h20 – Flash Big Brother Brasil 00h25 – Obrigado Senhor 00h30 – Hino Nacional 00h35 – Encerramento Previsto (Manutenção Mensal)

Horóscopo GREGÓRIO QUEIROZ

RECORD 04h30 – Desenhos Bíblicos 06h20 – Todo Mundo Odeia o Chris – HD 08h00 – Amazonas dá Sorte – bingo - local 09h00 – Record Kids – local 10h30 – Tudo é Possível – PGM 340 14h30 – Programa do Gugu – PGM 129 18h30 – Domingo Espetacular – PGM 407 21h15 – Repórter Record 22h00 – Amazônia – PGM 006 - HD 22h30 – Série: Aprontando na Índia 23h00 – Programação IURD

REDE TV 05h30 – Igreja Internacional da Graça – local 09h15 – Programa Viva Amazônia – local 09h45 – Break Obrigatório 09h50 – Campeonato Italiano – Inter x Novara

12h00 – Igreja Internacional da Graça – local 13h00 – Programa Esporte Performance – local 14h00 – Programa Semeando Bênçãos – local 14h30 – Programa Amigos do Volante – local 15h00 – Break Obrigatório 15h05 – Programa Na Geral – local 15h35 – Programa Fé e Milagres – local 16h05 – Break Obrigatório 16h15 – Ritmo Brasil 16h45 – Belas na Rede 17h50 – O Último Passageiro 19h00 – Pânico na TV 21h30 – Dr. Hollywood 22h30 – É Notícia 23h30 – Bola na Rede 00h00 – Igreja Internacional da Graça – local

BAND 03h45 I 05h00 05h30 06h30

– Espaço Vida Vitoriosa – Sol Brilhante – Santa Missa – Fé na Verdade

07h30 – Conexão Cargas 08h30 – Brasil Caminhoneiro 09h00 – Infomercial 10h00 – Auto + 10h45 – Band Clássicos (HD) 11h15 – Band Esporte Clube (HD) 14h00 – Gol, o Grande Momento do Futebol (HD) 14h30 – Futebol – ao vivo (HD) – 17h00 – Terceiro Tempo 19h00 – Bones (HD) 20h00 – Prision Break (HD) 21h30 – Canal Livre (HD) 22h30 – Isto é Manaus 23h00 – Show Business (HD) 23h45 – Cine Band – Henrique V

TV CULTURA 03h55 – Abertura da Estação/ Hino Nacional 04h00 – Via Legal 04h30 – Brasil Eleitor 05h00 – Palavras de Vida 06h00 – Santa Missa 07h00 – Viola, Minha Viola 08h00 – Curta Criança 08h30 – Janela Janelinha

Cinema

09h00 – Escola Pra Cachorro 09h15 – Meu Amigãozão 09h30 – Turma do Pererê 10h00 – ABZ do Ziraldo 10h30 – Anima TV Tromba Trem 10h45 – Anima TV Carrapatos e Catapultas 11h00 – Turma do Pererê 11h30 – Catalendas 11h45 – Cocoricó 12h00 – Viva Memória – reprise – local 13h00 – Stadium 14h00 – O Planeta Azul 15h00 – Ver TV 16h00 – De Lá Pra Cá 16h30 – Cara e Coroa 17h00 – Papo de Mãe 18h00 – Conexão Roberto D’Ávila 19h00 – Filarmônica de Berlim 20h30 – Curta TV 21h00 – MPTV – Reprise – local 21h30 – Roda Viva Amazonas – Reprise – Local 22h30 – Lado – B – Local – Reprise 23h00 – Programa de Apoio 23h30 – Programa de Cinema

Cruzadinhas

PRÉ-ESTREIA

ÁRIES - 21/3 a 19/4 A tendência ao adiamento de decisões pode ser prejudicial, especialmente no trabalho e na vida sentimental. É preciso atuar quando for hora de atuar.

DIVULGAÇÃO

TOURO - 20/4 a 20/5 É preciso definir o resultado que procura com o seu empenho. Esforços desorganizados ou esparsos de pouco adiantam. Concentre suas forças naquilo que mais importa. GÊMEOS - 21/5 a 21/6 Concentre-se nas ideias que tenham um teor mais prático, se quer aproveitar bem este dia. Anseio por se comunicar com muitas pessoas ao mesmo tempo pode levar à dispersão. CÂNCER - 22/6 a 22/7 Atenção para não gastar à toa seus recursos. O entusiasmo e a empolgação podem torná-lo perdulário com seus recursos ou mesmo com sua própria pessoa. LEÃO - 23/7 a 22/8 Seu temperamento é transbordante e não quer se amoldar nunca a regra alguma. Mas hoje é bom você se disciplinar um pouco diante das tarefas que tem a cumprir. VIRGEM - 23/8 a 22/9 É tempo de organizar sua rotina para trabalhar com eficiência. Defina um ou outro compromisso bem definido para dar conta. Depois use o tempo para se divertir e relaxar. LIBRA - 23/9 a 22/0 Se você pretende realmente realizar alguma parceria ou associação, agora é o momento de ser mais concreto e objetivo, superando as resistências e barreiras. ESCORPIÃO - 23/10 a 21/11 Aquilo que você quer e pretende realizar precisa ser definido em termos concretos. Pegue um aspecto particular do que está idealizando e realize imediatamente. SAGITÁRIO - 22/11 a 21/12 Há a necessidade de você rever o modo de viver os sentimentos. Experimente focalizar algumas situações e pessoas, e aprofundar o sentimento com elas. CAPRICÓRNIO - 22/12 a 19/1 As mudanças em sua maneira de ser precisam ser vividas até o fim, até se tornarem totalmente efetivas em sua vida. Avance para além dos limites antes existentes. AQUÁRIO - 20/1 a 18/2 Não é hora de você se relacionar com todas as pessoas, ou mesmo com muitas pessoas. É tempo de se concentrar nos sentimentos mais densos com algumas poucas pessoas. PEIXES - 19/2 a 20/3 Neste momento não são as grandes realizações as capazes de trazer confiança, mas sim as realizações que, mesmo em pequena escala, representem seus anseios mais altos.

Anjos da noite – O despertar: EUA/RUS. 16 anos. A vampira Selene acorda após ser mantida em estado de coma durante 12 anos e descobre que tem uma filha, chamada Nissa e que precisa defendê-la de um grupo assassino de lobisomens modificados criados pela BioCom. Cinemais Millennium 3 – 15h20 (dub/diariamente), 17h30, 19h40 e 21h50 (leg/diariamente); Cinemais Plaza 7 – 14h e 16h30 (dub/diariamente); Cinemas Amazonas 6 – 15h, 17h, 19h e 21h30 (dub/diariamente); Playarte 1 – 12h30, 14h30, 16h30 (3D/ dub/diariamente), 18h30, 20h30 (3D/leg/ diariamente) e 22h30 (3D/leg/sex e sáb); Cinemark 6 – 12h30, 14h20, 16h40, 18h50, 21h10 (3D/dub/diariamente) e 23h20 (3D/ dub/sex e sáb); Drive: EUA. 16 anos. O filme conta a história de Driver, um dublê de filmes durante o dia e motorista de fugas durante a noite, que está sempre mais confortável atrás de um volante. Cinemais Millennium 2 – 14h40, 16h45, 19h e 21h10 (leg/diariamente); Playarte 2 – 13h30, 16h, 18h30, 21h (leg/diariamente) e 23h30 (leg/sex e sáb); Cinemark 2 – 11h10 (leg/sáb e dom), 13h30, 15h40, 18h10, 20h50 (leg/diariamente) e 23h10 (leg/sex e sáb); A saga molusco – Anoitecer: EUA. 14 anos. O filme é uma sátira da saga Crepúsculo, que mostra Bella, o vampiro branquelo Edward e o lobisomem gorducho Jacob como você nunca viu antes. Bella está às

voltas com o aguardado casamento com Edward, uma possível gravidez e também com as trapalhadas de Jacob. Cinemais Millennium 5 – 14h30, 16h40, 18h50 e 21h (leg / diariamente); Cinemais Plaza 6 – 14h50, 17h, 19h10 e 21h20 (dub/diariamente); Cinemas Amazonas 4 – 14h, 16h, 18h, 19h55 e 21h45 (dub/ diariamente); Playarte 5 – 13h30, 15h20, 17h10, 19h, 20h50 (dub/diariamente) e 22h40 (dub/ sex e sáb); Cinemark 7 – 12h, 13h50, 15h50, 17h50, 19h50, 21h50 (dub/diariamente) e 23h50 (dub/sex e sáb) Billi Pig: BRA. 12 anos. Marivalda sonha ser atriz e Wanderley é um corretor de seguros falido. Ela rotineiramente sonha com Billi, um porco de plástico que guarda desde a infância, até que um dia passa a conversar com ele. Cinemais Millennium 6 – 14h50, 17h, 19h10h e 21h25 (diariamente); Cinemais Plaza 4 – 14h30, 16h40, 18h50 e 21h (diariamente); Playarte 3 – 13h, 15h10, 17h20, 19h30, 21h40 (diariamente) e 23h50 (sex e sáb); Cinemark 5 – 12h40, 14h50, 17h20, 19h40 e 22h (diariamente); O poder sem limites: UK/EUA. 14 anos. Filme de super-herói, criado e contado sob a perspectiva de um garoto de 17 anos, por meio de sua câmera. Cinemais Millennium 8 – 15h10, 17h20, 19h30 e 21h40 (leg/ diariamente); Cinemais Plaza 2 – 15h30, 17h30, 19h50 e 22h (leg/diariamente); Cinemark 8 – 14h10, 16h20, 18h30, 20h30 e 22h30 (leg/diariamente);

CONTINUAÇÕES Motoqueiro Fantasma – Espírito de vingança – 12 anos: Cinemais Millennium 1 – 14h45, 19h20 (3D/dub/diariamente) e 21h30 (3D/leg/diariamente); Cinemais Plaza 1 – 15h20, 17h20, 19h40 e 21h50 (3D/dub/diariamente); Cinemais Plaza 3 – 14h20, 16h20, 18h40 e 20h50 (dub/diariamente); Cinemas Amazonas – 14h30, 16h40, 19h20 e 21h20 (dub/diariamente); Playarte 7 – 14h, 16h, 18h, 20h (leg/diariamente) e 22h (leg/sex e sáb); Cinemark 3 – 12h10, 14h30, 16h50 e 21h40 (dub/ diariamente); Cinemark 4 – 15h10, 17h30, 20h10 e 22h20 (3D/dub/diariamente). A invenção de Hugo Cabret – Livre: Cinemais Millennium 1 – 16h50 (3D/dub/ diariamente); Cinemais Plaza 8 – 14h e 16h30 (diariamente); Cinemark 12h20 (dub/diariamente).

Cada um tem a gêmea que merece – 10 anos: Cinemais Millennium 4 – 15h15, 17h15, 19h15 e 21h20 (leg/diariamente); Cinemais Plaza 5 – 14h40, 16h50, 19h30 e 21h40 (dub/diariamente); Playarte 6 – 13h15, 15h15, 17h15, 19h15, 21h15 (dub/diariamente) e 23h15 (dub/sex e sáb); Cinemark 1 – 12h50, 15h, 17h10 e 19h20 (dub/diariamente). A dama de ferro – 12 anos: Cinemais Millennium 7 – 15h e 19h50 (leg/diariamente); Playarte 10 – 14h, 16h10, 18h20, 20h30 (leg/diariamente) e 22h40 (leg/sex esáb); Cinemark 3 – 19h10 (leg/diariamente) e 00h (leg/sex e sáb). A mulher de preto – 14 anos: Cinemais Plaza 8 - 19h e 21h10 (leg/diariamente); Playarte 9 – 13h10, 15h10, 17h10, 19h10, 21h10 (leg/diariamente) e 23h10

(leg/sex e sáb); Cinemark 1 – 21h30 (dub/ diariamente) e 23h40 (dub/sex e sáb). Viagem 2: A ilha misteriosa – Livre: Playarte 4 – 12h45, 14h45, 16h45, 18h45, 20h45 (dub/diariamente) e 22h45 (dub/sex e sáb). O despertar – 14 anos: Playarte 8 - 13h10, 15h20, 17h30, 19h40 e 21h50 (leg/diariamente). O espião que sabia demais – 14 anos: Playarte 8 – 23h59 (leg/sex e sáb). Alvin e os esquilos 3 – Livre: Playarte 10 – 12h (dub/diariamente). Tão forte e tão perto – 10 anos: Cinemark 8 – 11h30 (leg/sáb e dom).


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012

D7

::::: Renovação Uma das indústrias mais importantes do PIM, a Moto Honda, renovou seu contrato com a Unimed Manaus e é atualmente um dos maiores clientes corporativos da operadora de saúde, com cerca de 30 mil vidas.

::::: Novas sedes

Jander Vieira jandervieira@hotmail.com - www.jandervieira.com.br FOTOS: MANOEL NETTO

O deputado Francisco Souza, presidente do Partido Social Cristão comanda, na próxima sexta-feira, duas inaugurações das novas sedes do partido no Amazonas, a sede regional em Manaus e o diretório municipal em Iranduba. Já confirmaram presença os membros da executiva nacional do partido, além de autoridades estaduais e municipais. O momento é histórico para o partido que tem 30 mil membros em todo Estado e tem como slogan “O ser humano em primeiro lugar”. Souza substituiu Zanele Rocha, atual Ouvidora-geral do governo do Estado, que assumiu a coordenação do PSC Mulher no Amazonas.

José Castro e Daniel Sanchez, em artes Rosa e Rosinha, quem não conhece a dupla humorística mais irreverente deste país? Então, os rosados se apresentarão na primeira atração do projeto Conexão do Riso, no próximo dia 24, no Teatro Direcional. Quem convida são os ótimos Socorro e Jorge Carioca

::::: Pura diversão com conforto

Na badalada Adega do Vieiralves: Marcelo Vieira e sua Marlinda curtindo mais um ano naquele climão nascemos-um-parao-outro

No primeiro showzaço sertanejo do ano, no próximo dia 17, no sambódromo, Bete Dezembro dispõe aos fãs mais exigentes de Gusttavo Lima e da dupla Cesar Menotti & Fabiano o Megacamarote Stage. Na verdade, uma superestrutura onde você fica dentro do palco conferindo (ali de pertinho) a apresentação dos artistas e ainda com open bar dos bebericos mais deliciosos do Empório dos Reis.

As inseparáveis Regina Assi e Carol Assi Alencar, além dos laços de família são grandes amigas e donas de grande simpatia e alto astral, esbanjados na ala fina da cidade. As duas são sempre presenças ótimas!

::::: Sleep Inn Manaus Dos mais de 75 hotéis brasileiros da rede Atlantica Hotels Internacional, o Sleep Inn Manaus foi o que mais contribuiu financeiramente com a ONG Childhood Brasil em 2011. O prêmio de maior contribuição é entregue há três anos consecutivos para a unidade manauense do Sleep Inn. Segundo o gerente geral do hotel, Tiago Mirada, a receita do sucesso é o engajamento da equipe que se empenha diariamente em arrecadar dinheiro por meio de doações dos hóspedes, eventos comemorativos e venda de produtos.

::::: Sala de Espera

El bonitón Salomão Rossy na noite de reinauguração do All Nigth Pub durante o show de Tico Santa Cruz

Ângela Bastos e Marcelo Motta vão comandar noite elegante no próximo dia 9. Onde? Na chique Champanheria “A Viuva”. Motivo? A celebração de suas respectivas troca de idades. O Tropical Hotel ganhou o bar temático Raquetes Bar. O local passou a ser mais uma

opção para quem curte a deliciosa culinária oriental. Sushi, sashimi e temaki para todos os gostos podem ser devorados no lugar pra lá de agradável, ao lado das quadras de tênis e com visual de dar inveja – com vista para a baía do rio Negro e a ponte. Na próxima segundafeira, o presidente da

Comissão de Agricultura, Pecuária, Pesca, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Aleam, deputado Orlando Cidade, vai a Brasília discutir a atual situação de fibras do Amazonas, que vem sofrendo com as importações de sacaria da Índia e Bangladesh. O assunto será tratado diretamente com

representantes do Ministério do Desenvolvimento, Comércio, Indústria e Comércio Exterior, da administração Aziz e Federação de Agricultura do Estado do Amazonas. Leandro do Valle e Priscila Pelassa protagonizaram um dos mais belos casórios da temporada, ontem, durante

cerimônia na igreja São Judas Tadeu. A recepção foi no chique Alphaville Manaus. Pela primeira vez em Manaus a apresentação dos humoristas do grupo “Esse Cego é Ducarvalho”. Eles entram em cartaz em apresentação única no próximo dia 10, às 21h, no Teatro Direcional.


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 4 DE MARÇO DE 2012


EM TEMPO - 4 de março de 2012