Issuu on Google+

O JORNAL QUE VOCÊ LÊ

OM PC /V I ES PIR

Pódio E5

JO

Alternativa de arte e exercício físico para pessoas de todas as idades, o balé clássico é recomendado por médicos, não apenas para as crianças, mas também para o público adulto, como terapia e entretenimento. Plateia D1

MAURO HORITA/AGIF/ESTADAO CONTEÚDO

Pato e Ganso em campo

M

Balé clássico, uma arte sem contraindicação

ÃO

DIVULGAÇÃO

ANO XXV – N.º 7.903 – DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013 – PRESIDENTE: OTÁVIO RAMAN NEVES DIRETOR EXECUTIVO: JOÃO BOSCO ARAÚJO - PREÇO DESTA EDIÇÃO: R$ 2,00

7 pecados capitais

ADMINISTRAÇÃO

DIEGO JANATÃ

Arthur enfrenta as 3 primeiras crises do cargo

motivaram crime

DIVULGAÇÃO/AGECOM

Ao matar o pai, a tia e a prima, Jimmy Robert foi associado, por pesquisadores, à teoria dos sete pecados capitais: ira, luxúria, gula, avareza, inveja, preguiça e vaidade. Para o cientista social e mestre em direito penal, Raimundo Pontes Filho, existem aspectos a serem analisados, como os fatores, circunstâncias e a personalidade do autor dos crimes. Dia a dia C1

Prefeito (foto) enfrentou, na sextafeira, as três primeiras crises de sua administração. Às 5h acordou com a ameaça de greve em uma empresa de ônibus e partiu para o local. Na hora do almoço teve que mediar paralisação dos vigilantes e, à noite, participou de uma longa reunião com secretários e bombeiros para resolver a questão das casas de show da cidade. Contexto A2

PRÉDIOS PÚBLICOS

Vandalismo está com os dias contados DIEGO JANATÃ

Prefeitura faz mapeamento dos prédios públicos que sofrem com a ação de vândalos (foto) e traça um plano para conter os pichadores. Dia a dia C7

Governador Omar Aziz abre, amanhã, o período letivo de 2013 e inaugura um Ceti na Cidade de Deus, com capacidade de atendimento para mil estudantes

1.000 ALUNOS

Abrindo oficialmente o ano letivo de 2013, o governador do Amazonas, Omar Aziz, inaugura nesta segunda-feira, 4, o Centro de Educação de Tempo Integral (Ceti) Prof. Eng. Sérgio Alfredo Pessoa Figueiredo. Com capacidade para atender mil estudantes, este será o 10º Ceti construído em seu Governo. Última Hora A2

Chegou a hora de estudar Revista Elenco traz, em reportagens especiais, os desafios dos estudantes no retorno ao ano letivo. Especial Elenco

SAÚDE

Mães de primeira viagem Médicos alertam sobre os cuidados que as mães jovens precisam ter no pré-natal e no pós-parto. Saúde e bem-estar F1

FALE COM A GENTE - ANÚNCIOS CLASSITEMPO, ASSINATURA, ATENDIMENTO AO LEITOR E ASSINANTES: 92 3211-3700 ESTA EDIÇÃO CONTÉM - ÚLTIMA HORA, OPINIÃO, POLÍTICA, ECONOMIA, PAÍS, MUNDO, DIA A DIA, PLATEIA, PÓDIO, SAÚDE, ILUSTRÍSSIMA, ELENCO E CONCURSOS.

DIVULGAÇÃO

ELENCO

DIVULGAÇÃO

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

SUPLEMENTOS ILUSTRÍSSIMA

Quando as máquinas pensam Claude Shannon e Alan Turing, durante a Segunda Guerra mudaram a forma de ver e pensar as máquinas. Ilustríssima G1

TEMPO EM MANAUS

MÁX.: 33

MÍN.:

25


A2

Opinião/Última Hora

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

IONE MORENO

Contexto 3090-1017/8115-1149

marioadolfo@emtempo.com.br

Voluntários que apoiam a causa compareceram às salas de doação durante todo o dia de ontem

É hora de resgatar nosso arquiteto O arquiteto Severiano Mário Porto viveu 35 anos em Manaus. Em 2001 decidiu deixar a cidade e ir morar em Niterói (RJ), levando na mala um pouco de mágoa. E com razão. Todos os grandes projetos do arquiteto premiado foram varridos por administradores insensíveis e pela especulação imobiliária que jamais respeitou a história. Um dos maiores projetos do arquiteto era o estádio Vivaldo Lima, construído pelo governador Danilo Areosa, que foi derrubado, desnecessariamente, para dar lugar à Arena da Amazônia. Madeira Severiano foi o pioneiro no uso de madeiras (desde que certificadas) nobres da Amazônia em projetos ousados e diferente do ramerrame. É um ferrenho defensor da ideia de que, onde há clima tropical quanto menos parede de concreto, melhor. Chapéu de Palha Outra obra fantástica de Severiano foi o restaurante Chapéu de Palha, que recebeu, em 1967, o Prêmio Nacional de Arquitetura. Localizado no bairro de Adrianópolis, foi colocado abaixo para, em seu lugar, ser construído um posto de gasolina. Nero tropical Com a marca do talento de Severiano Mário Porto restam somente, ainda que totalmente deformado, o campus universitário e a sede da Suframa, que resistiu à sanha assassina de um “Nero dos trópicos”. O prédio da Caixa Econômica no Centro, ainda está de pé. Menos mal. Ruína O Centro de Proteção Ambiental de Balbina ainda está de pé, mas se encontra abandonado e em processo de ruína. Até a casa Por mais incrível que possa parecer, até a “casa inteligente” do arquiteto, que ficava na avenida Recife, foi derrubada de forma mais irracional. Pedido e desculpas CONTEXTO acredita que está na hora de o Amazonas chamar Severiano

Mário Porto de volta, render-lhe uma homenagem e pedir-lhe desculpas pelos estragos. Bem a propósito, o próximo dia 19 de fevereiro é uma boa data. O arquiteto vai estar completando 85 anos. Fica a sugestão. Dia de cão O prefeito de Manaus passou o dia de sexta-feira resolvendo crises e ainda assim terminou o dia com bom humor. Ele acordou por volta das 5h com o anúncio de greve em uma empresa de ônibus da Zona Norte. Se dirigiu para o local para mediar acordo entre o empresário e os trabalhadores. Seguiu do local para inaugurar uma creche, na Zona Leste. Vigilantes No horário do almoço, Arthur teve que mediar paralisação dos vigilantes da cidade. Depois, teve que anunciar apoio ao futebol de base na capital. No final da tarde, uma longa reunião com os secretários e bombeiros para resolver a questão das casas de show da cidade. As discussões seguiram até a noite, quando foi decidido que as com problemas burocráticos seriam reabertas. 3º round Por volta das 23h, quando deixava a prefeitura, Arthur ainda teve tempo para comentar sobre a luta do manauense José Aldo, realizada ontem. Depois de três duros rounds, o prefeito parecia ter disposição para mais.

APLAUSOS

Bazar da Nejmi A mobilização da primeiradama Nejmi Aziz em torno do bazar da “Páscoa Solidária” obteve boa adesão, entre várias pessoas da cidade. Nos dois dias da ação, realizada no MS Casa Shopping, passaram mais de duas mil pessoas para ajudar com o propósito do bazar. Chocolatando Nejmi tem um objetivo nobre. A renda do bazar será revertida para fazer diversas doações de chocolates no período da Páscoa para entidades filantrópicas.

Campanha ‘Solidariedade na Folia’ pretende abastecer a fundação para o período das festas durante o Carnaval

A

Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) pretende arrecadar cerca de 1,5 mil bolsas de sangue até o próximo dia 12. Para que isso aconteça, grupos e instituições sociais se organizam com o intuito de colaborar com o reforço do estoque. A Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Manaus (CMM), presidida pelo vereador Marcelo Serafim (PSB), e a associação desportiva Mult Sport Club (ADMSCAM), formada por moradores do bairro Alvorada 2, compareceram às salas de doação durante todo o dia de ontem. Serafim explicou que

a campanha “Solidariedade na Folia” foi criada na última semana e deve continuar até o dia 9, período em que o parlamentar vai às ruas para convidar os manauenses a fazer suas doações. Segundo o vereador, o período do Carnaval, assim como em outras épocas festivas do ano, pode ser considerado como uma época crítica, em que o banco de sangue sempre sofre baixa e precisa da atuação dos voluntários. “Nossa proposta é o estímulo às doações. Como resultado de uma semana de trabalho recebemos grupos universitários e populares na fila do cadastro para compartilhar o seu sangue”, comenta.

CIDADE DE DEUS DIVULGAÇÃO/AGECOM

Ser humano Sérgio Figueiredo foi um técnico competente, um ser humano ideologista e solidário. Criador da “Escola Viva”, na prefeitura de Eduardo Braga, foi um dos fundadores do Icoti, secretário de Planejamento e presidente do antigo Codeama (Centro de Desenvolvimento do Estado Amazonas). Criador e criativo Sérgio Figueiredo foi também criador do IMA (Instituto de Meio Ambiente do Amazonas) no primeiro governo de Amazonino Mendes e professor da Faculdade de Engenharia da Ufam. Morreu em 2005, com apenas 54 anos.

José Sarney WALDEMIR BARRETO/AE

JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA SENADO

Para a senadora Vanessa Grazziotin, que inspirou o senador Renan Calheiros, novo presidente do Senado, a criar a Procuradoria Especial da Mulher.

Para o senador José Sarney que, em seu discurso de despedida do Senado, disse que para ele, a política é mais importante que a própria vida.

O presidente da ADMSCAM, César Guerreiro, disse que ficou surpreso ao contar com a presença de pessoas que não integram a associação. O líder também anunciou que a mobilização será permanente, a partir de reuniões mensais, onde devem acontecer as divulgações e cadastros para a retirada do sangue. A administradora Maria Raimunda dos Santos, 43, faz parte da Associação Desportiva e afirma estar satisfeita em poder ajudar ao próximo. “É a segunda vez que compareço ao Hemoam e sei que outras pessoas precisam desse sangue. Estou me sentindo importante”, comemora.

SANTA MARIA

Vítimas têm ajuda do Canadá

Omar faz Justiça O governador Omar Aziz está fazendo justiça. Inaugura nesta segundafeira, 4, o Centro de Educação de Tempo Integral (Ceti) e escolheu o nome do engenheiro Sérgio Alfredo Pessoa Figueiredo para batizar o complexo.

VAIAS

Vanessa Grazziotin

Hemoam quer arrecadar 1,5 mil bolsas de sangue

Novo Ceti terá capacidade para atender mil estudantes

Governador inaugura novo Centro de Educação Integral Para abrir oficialmente o ano letivo da rede pública estadual em 2013, o governador do Amazonas, Omar Aziz, inaugura amanhã, 4, às 10h, o Centro de Educação de Tempo Integral (Ceti) Prof. Eng. Sérgio Alfredo Pessoa Figueiredo. Com capacidade para atender a mil estudantes, este será o 10º Ceti construído pelo governo do Estado – outros 27 já estão em andamento e devem ser inaugurados até 2014. O evento contará com a presidente de honra do Fundo de Promoção Social (FPS), a primeira-dama do Amazonas, Nejmi Aziz. “Queremos expandir ao máximo o número de escolas de tempo integral no Estado. Somente para o interior estamos planejando a construção de mais 23 Cetis como este que iremos inaugurar”, disse o governador. Segundo ele, o ano

letivo inicia com grandes novidades para a educação no Amazonas, entre as quais a distribuição de tablets a estudantes do terceiro ano do ensino médio e também para os professores. Outra boa notícia para os professores será a realização de um grande programa de formação profissional, que vai permitir a expansão de vagas de pós-graduação. Serão pelo menos 3 mil novas vagas gratuitas de especialização lato sensu disponibilizadas pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), em universidades públicas e privadas. Ainda estão previstas a expansão do programa de reforço escolar, dentre outras ações, a serem anunciadas pelo governador. O novo Ceti está localizado na rua Uirapuru, s/nº, no bairro Cidade de Deus, Zona Leste, (próximo à reserva Ducke).

Uma equipe da Universidade de Toronto, no Canadá, chegou ontem ao Brasil para avaliar a situação de vítimas do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS). O grupo deve iniciar a aplicação, em pacientes internados, da chamada ventilação extracorpórea. “É como se fosse uma diálise do pulmão, uma filtragem no pulmão, só que é feita com uma máquina que fica fora do corpo” explicou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. De acordo com o ministério, a técnica ajuda a promover uma recuperação pulmonar mais rápida. A equipe canadense será comandada pelo médico Marcelo Cypel, diretor do programa de suporte pulmonar extracorpóreo da universidade. Os equipamentos necessários para a implementação da técnica, de acordo com o governo brasileiro, já estão disponíveis no Estado. Ao todo, 66 voluntários da Força Nacional do Sistema Único de Saúde, entre médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e psiquiatras, trabalham no atendimento às vítimas. O ministério enviou ao Rio Grande do Sul, entre outras ajudas, 22 respiradores e sete ambulâncias de unidade de terapia intensiva (UTI) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.


Opinião

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

A3

Fala leitor

Editorial

falaleitor@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br

A crise aponta que se ponha a barba de molho A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, em meio à crise europeia, teve um olhar cheio de simpatia, quem sabe mesmo de admiração, pelos “focos de bonança econômica” que ela vislumbra na Ásia e América Latina. Segundo o seu ponto de vista, essas regiões agiram nos anos 1980 e 1990 com acerto ao lidar com as fraquezas dos seus sistemas bancário e financeiro. “Os desafios enfrentados durante as crises asiática e latino-americana lhes serviram de lição agora”, acredita Lagarde. No Brasil, a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, comungam da mesma crença e exortam as classes emergentes a consumir, como se o consumo fosse um ritual de exorcismo para afastar as crises e mantê-las em seus territórios de origem, a Europa e os Estados Unidos. No entanto, é de dentro do próprio que, nos últimos dois anos, têm surgido sinais de advertência sobre uma eventual “bolha”, capaz de anuviar esse otimismo com a mesma carga demolidora que deixou de joelhos a economia americana nos anos 2007/2008 e até agora. Só os bancos têm recebido o socorro extraído da poupança dos contribuintes desses dos países globalizadores. A febre consumista brasileira tem-se sustentado em que base sólida econômica, se a própria classe empresarial reclama de uma desindustrialização? Sem indústria, como manter os empregos? Sem empregos, como manter o nível de consumo? A agência oficial francesa de estatísticas prevê que a França, segunda maior economia da Europa, sofra recessão. França, Espanha e Itália enfrentam custos crescentes para obter novos empréstimos no mercado financeiro, já que, para investidores, eles podem ser os próximos a necessitar de um pacote de resgate financeiro. A agência é oficial francesa, não alemã ou britânica. Lagarde não tem dúvidas de que “nenhuma economia no mundo está imune à crise que vemos não apenas avançar, mas escalar”. E espera “que seja resolvida por todos os países, com todos agindo”. Sim, como? É melhor que os “focos de bonança econômica” que ela identifica na Ásia e na América Latina ponham as barbas de molho.

Segundo o governo, até 2011, investiu-se R$ 6,1 milhões na formação de policiais, R$63,6 milhões em ações comunitárias, além de R$ 19 milhões no sistema prisional. Contudo, a significativa injeção de recursos para financiar as ações da segurança pública cidadã, não se traduziu nos resultados esperados. A prova está no número

www.emtempo.com.br

de homicídios que, apesar de ter diminuído de 2009 para 2010, em relação a 2007, ano da criação do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), ainda está longe de alcançar a meta traçada (12 mortes/100 habitantes). Se os dados gerais sobre homicídios são desanimadores, quando desagregados por sexo e raça

a situação é ainda pior. Para as mulheres, assim como para a população negra, o número de homicídios não diminui. Os únicos que se favoreceram da política de segurança pública, ao que tudo indica, foram os homens brancos. O número de vítimas brancas caiu de 18.852 em 2002 para 13.668 em 2010, o que representa uma signi-

ficativa diferença negativa; já entre os negros, o número de vítimas de homicídio aumentou de 26.915 para 33.264 em 2010. O número de vítimas de homicídios em 2002 era de 3.867 mulheres, já em 2010 esse número de mortes femininas saltou para 4.465. Instituto de Estudos Socioeconômicos

Charge regi@emtempo.com.br

Olho da Rua

Leonardo Boff

opiniao@emtempo.com.br

opiniao@emtempo.com.br JOEL ROSA

A família que navega unida chega ao porto unida; sem estresse; sem deficiência de estacionamento; sem flanelinha; sem poluição sonora; sem ímpetos de mandar tudo o mais para o inferno. Estas são algumas diferenças qualitativas, não apenas semântica, entre o rio e a rua.

CENTRAL DE RELACIONAMENTO Atendimento ao leitor e assinante ASSINATURA e CLASSIFICADOS

Diretor de Redação Mário Adolfo marioadolfo@emtempo.com.br

3211-3700 assinatura@emtempo.com.br classificados@emtempo.com.br

REDAÇÃO

3090-1010 redacao@emtempo.com.br

Editores-Chefes Aldisio Filgueiras — MTB 213 aldisio@emtempo.com.br Náis Campos — MTB 033 nais@emtempo.com.br Tricia Cabral — MTB 063 tricia@emtempo.com.br Chefe de Reportagem Michele Gouvêa — MTB 626 michelegouvea@emtempo.com.br Diretor Administrativo Leandro Nunes administracao@emtempo.com.br

CIRCULAÇÃO

3090-1001 circulacao@emtempo.com.br

Norte Editora Ltda. (Fundada em 6/9/87) – CNPJ: 14.228.589/0001-94 End.: Rua Dr. Dalmir Câmara, 623 – São Jorge – CEP: 69.033-070 - Manaus/AM

Gerente Comercial Gibson Araújo comercial@emtempo.com.br Gerente de Marketing Clodoaldo Reis marketing@emtempo.com.br EM Tempo Online Yndira Assayag — MTB 041 yndiraassayag@emtempo.com.br

DO GRUPO FOLHA DE SÃO PAULO

www.emtempo.com.br

Presidente: Otávio Raman Neves Diretor-Executivo: João Bosco Araújo

@emtempo_online

/amazonasemtempo

/ /tvemtempo

Os artigos assinados nesta página são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Rever e reinventar conceitos Nutro a convicção, partilhada por outros analistas, de que a crise sistêmica atual nos deixará como legado e desafio a urgência de repensar a nossa relação para com a Terra, para com os modos de produção e consumo, reinventar uma forma de governança global e uma convivência que inclua a todos na única e mesma Casa Comum. Para isso é forçoso rever conceitos-chaves, que como bússola nos possam apontar um novo norte. Boa parte da crise atual se deriva de premissas falsas. O primeiro conceito a rever é o de desenvolvimento. Na prática ele se identifica com o crescimento material, expresso pelo PIB. Sua dinâmica é ser o maior possível, o que implica exploração desapiedada da natureza e a geração de grandes desigualdades nacionais e mundiais. Importa abandonar esta compreensão quantitativa e assumir a qualitativa, esta sim como desenvolvimento, bem definido por Amartya Sen (prêmio Nobel) como “o processo de expansão das liberdades substantivas”, vale dizer, a ampliação das oportunidades de modelar a própria vida e dar-lhe um sentido que valha a pena. O crescimento é imprescindível; pois, é da lógica de todo ser vivo, mas só é bom a partir das interdependências das redes da vida que garantem a biodiversidade. Em vez de crescimento/desenvolvimento deveríamos pensar numa redistribuição do que já foi acumulado. O segundo é o manipulado conceito de sustentabilidadeque, no sistema vigente, é inalcançável. Em seu lugar deveríamos introduzir a temática, já aprovada pela ONU, dos direitos da Terra e da natureza. Se os respeitássemos, teríamos garantida a sustentabilidade, fruto da conformação à lógica da vida. O terceiro é o de meio-ambiente. Este não existe. O que existe é o ambiente inteiro, no qual todos os seres convivem e se interconectam. Em vez de meio ambiente

faríamos melhor usar a expressão da Carta da Terra: comunidade de vida. Todos os seres vivos possuem o mesmo código genético de base, por isso todos são parentes entre si: uma real comunidade vital. Este olhar nos levaria a ter respeito por cada ser, pois tem valor em si mesmo para além do uso humano. O quarto conceito é o de Terra. Importa superar a visão pobre da modernidade que a vê apenas como realidade extensa e sem inteligência. A ciência contemporânea mostrou e isso já foi incorporado até nos manuais de ecologia, que a Terra não só tem vida sobre ela, mas é viva: um superorganismo, Gaia, que articula o físico, o químico e as energias terrenas e cósmicas para sempre produzir e reproduzir vida. Em 22 de abril de 2010 a ONU aprovou a denominação de Mãe Terra. Este novo olhar, nos levaria a redefinir nossa relação para com ela, não mais de exploração; mas, de uso racional e respeito. Nossa mãe a gente não vende nem compra; respeita e ama. Assim com a Mãe Terra. O quinto conceito é o de ser humano. Este foi na modernidade pensado como desligado, fora e acima da natureza, fazendo-o “mestre e senhor” dela (Descartes). Hoje o ser humano está se inserindo na natureza, no Universo e como aquela porção da Terra que sente, pensa, ama e venera. Essa perspectiva nos leva a assumir a responsabilidade pelo destino da Mãe Terra e de seus filhos e filhas, sentindo-nos cuidadores e guardiães desse belo, pequeno e ameaçado Planeta. O sexto conceito é o de espiritualidade. Esta foi acantonada nas religiões quando é a dimensão do profundo humano universal. Espiritualidade surge quando a consciência se apercebe como parte do Todo e intui cada ser e o inteiro Universo, sustentados e penetrados por uma força poderosa e amorosa.

Leonardo Boff Teólogo, filósofo e escritor

... é forçoso rever conceitoschaves, que como bússola nos possam apontar um novo norte. Boa parte da crise atual se deriva de premissas falsas.


A4

Opinião

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

As tragédias nunca são gratuitas ou fortuitas

O alarma das chacinas que viram banalidades

Cerca de mil e quinhentos jovens resolveram promover um encontro festivo, numa boate, para comemorar alguma coisa, qualquer coisa. O tipo de evento que, desde que o mundo é mundo e os jovens são jovens, lhes é de total agrado. Nesses jovens estão, ainda para uns, e para outros não mais, os investimentos de inúmeras famílias, em sentimentos, projetos e recursos materiais, dinheiro mesmo, e nesse sentido eram também investimentos de toda uma nação, com vistas em um futuro bem próximo. Naquela fatídica noite julgaram que estavam a caminho de uma festa, quando na realidade estavam prestes a entrar numa armadilha, numa verdadeira arapuca, onde se entra, mas de onde não se consegue sair, como no inferno de Dante, em cuja entrada estava vaticinado “deixai fora toda a esperança, vós que entrais”. Ali, entretanto, as Parcas, ou pelo menos duas delas, Décima e Morta, a que conduz o fio da vida e a que o corta ao fim, não se entenderam e muitos ainda lograram escapar do trágico destino. A 235, contudo, a porta daquele inferno, por sinal a única existente, se fechou impiedosamente e cerrou de vez suas alegrias e seus sonhos. Se a um motorista, incontinente no álcool, que tira a vida de alguém se pode, além da culpa, atribuir também o dolo, o que dizer de empresários que constroem, mantêm e operam uma casa de lazer, uma boate, com apenas uma saída, e estreita, ainda obstruída por “leões de chácara”, literalmente inflamável, com extintores de fogo esvaziados e superlotação permitida? Plenamente justificada, portanto, a prisão dos responsáveis pelo estabelecimento. O próximo questionamento há de recair sobre a absurda imprudência de todos os integrantes de uma banda musical, que, sem qualquer discernimento, deliberaram assumir o papel de incendiários, ao queimar artefatos pirotécnicos dentro de uma “boite”, ou seja, de uma lata abarrotada de gente. Como reza a “Lei de Murphy”, se algo tem alguma chance de ocorrer, com certeza vai ocorrer e vai ocorrer no pior momento para isso. E foram tantas as chances oferecidas à fatalidade, que esta veio, aliás literalmente, como um foguete. Muito justo, pois, que também sejam responsabilizados pelo que ajudaram a produzir. Não há, porém, possibilidade de restringir as responsabilidades a esses dois núcleos e deixar de fora pessoas, cujas funções e deveres, se bem cumpridos, poderiam ter evitado a desgraça. David Nasser, jornalista, ao denunciar as arbitrariedades da polícia política de Getúlio Vargas, especificamente do seu chefe, Filinto Müller, o Himmler brasileiro, publicou o livro “Falta Alguém em Nuremberg”, referindo-se ao julgamento dos líderes nazistas. Parodiando o autor, aqui mesmo, neste bizarro país, não falta apenas alguém no processo, mas vários, agora mudos e escondidos, que não cumpriram seu dever de ofício e permitiram a desgraça: o Corpo de Bombeiros, os fiscais municipais, o próprio prefeito e tantos mais, que deveriam prever e prover a segurança dos cidadãos.

Vivemos dias de Caim, o irmão que matou o irmão. Cresce assustadoramente o número de crimes causados pela busca de dinheiro, pela cobiça de heranças e por mil outras razões. O que se vai tornando banalidade no resto do Brasil começa a acontecer entre nós. Filhos assassinam seus pais, dependentes de droga agridem fisicamente suas mães, irmãos brigam com irmãos por causa dos bens paternos. Alguns casos chocam a opinião pública e ocupam páginas e páginas de jornais, os noticiários televisivos e radiofônicos. Infelizmente, depois do impacto inicial, vão eles para a lixeira do esquecimento. Os estudiosos costumam dizer que os autores de tais crimes (os mais violentos) têm perfil doentio e são influenciados por fatores internos como a mágoa e o desejo de vingança ou por fatores externos, como o atrativo de vida luxuosa e droga. O galho é que esse tipo de crime se torna frequente demais e mostra só a ponta de um iceberg de egoísmo e de mesquinharias que desgraçam a sociedade. Está na hora de perguntar qual a causa de fundo de quem provoca atitudes horríveis, nojentas e sanguinárias. Não seria acaso o tipo de sociedade que se construiu sobre o desejo insaciável de comprar, comprar e comprar para ter, ter e ter? Criaram-se e criam-se necessidades sempre novas, que, aliadas à publicidade bem feita, empurram-nos à loucura de colocarmos a felicidade em adquirirmos coisas. É uma sede e fome insaciáveis, um saco sem fundo, uma felicidade passageira que exige outra felicidade passageira. Nós, homens e mulheres, temos horizontes que não podem ser reduzidos a coisas pequenas. Jesus já alertou: “Atenção! Guardai-vos de todo tipo de ganância, pois mesmo que se tenha muitas coisas, a vida não consiste na abundância de bens” (Lc 12,15). A sociedade consumista gera competições exageradas e violência. O erro dos governos consiste em confundir PIB (Produto Interno Bruto) com FIB (Felicidade Interior Bruta). Esqueceram-se de que a finalidade natural não é possuir mas ser feliz. As sociedades mais ricas não são necessariamente mais felizes do que outras mais austeras; os altos números de suicídios no mundo chamado desenvolvidos parecem confirmar esta afirmação, O dinheiro é um meio para viver bem e ajudar a outros viverem bem. Cobertas as necessidades básicas de alimento, teto e ternura, os bens demais são relativos. No dia 28 de março de 1968, o senador Robert Kennedy fez impressionante discurso na Universidade de Kansas, que, a dizer a verdade, eu não conhecia. Vale a pena conhecê-lo. Ele denunciava o que fazia o volume no PIB dos Estados Unidos que então atingia 880 bilhões de dólares: a contaminação do ar, a publicidade de cigarros, as ambulância que limpavam a carnificina das estradas, a destruição da natureza, as armas de guerra. Robert concluía: “Ele (o PIB), em poucas palavras, mede tudo, menos o que faz a vida merecer ser vivida”. A vida realmente é muito mais que comprar, comprar e comprar.

João Bosco Araújo Diretor executivo do Amazonas EM TEMPO

Não falta apenas mais alguém no processo, mas vários, que não cumpriram com seu dever de ofício e permitiram a desgraça: o Corpo de Bombeiros, os fiscais municipais, o próprio prefeito e tantos mais”.

Painel VERA MAGALHÃES

PT saudações

Dom Luiz Soares Vieira Arcebispo Metropolitano de Manaus

O que fazia o volume no PIB dos Estados Unidos que então atingia 880 bilhões de dólares: a contaminação do ar, a publicidade de cigarros, as ambulância que limpavam a carnificina das estradas, a destruição da natureza”.

Embalado pelos recém-divulgados indicadores de emprego e renda, o PT reunirá Lula e Dilma Rousseff no seminário que marcará uma década da sigla no governo federal. Marcado para o dia 20, no Anhembi, em São Paulo, o primeiro grande ato petista pós-julgamento do mensalão será aberto por Rui Falcão, que fará discurso de motivação para a militância. Márcio Pochmann, da Fundação Perseu Abramo, apresentará programação de nove plenárias em capitais até novembro. Recado Mensagem de Dilma que Gleisi Hoffmann (Casa Civil) levará amanhã à tarde ao Congresso lista metas tidas como prioritárias para o governo em 2013. Entre as destacadas no texto estão as de saúde: construção de 900 UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e 4.000 UBSs (Unidades Básicas). Recado 2 O documento contempla ainda vitrines da gestão petista que, embora vinculadas a outros ministérios, têm ligação com a pasta de Alexandre Padilha, como os programas “Crack, é possível vencer” e “Viver sem limites”, de acessibilidade. Para depois Na conversa com Sérgio Cabral, Dilma falou sobre a eleição no Rio em 2014. O PT quer emplacar Lindbergh Farias (RJ) como candidato, mas o governador defende seu vice, Luiz Fernando Pezão (PMDB). Os dois ficaram de aprofundar a discussão mais adiante. Sem limites Quem observa a rotina de Cabral garante que ele se mexe para ganhar visibilidade nacional. Como exemplo, integrantes do governo citam o patrocínio à candidatura de Eduardo Cunha (RJ) à liderança do PMDB na tentativa de ampliar sua influência na Câmara. Questão... Após conversas de Aécio Neves com tucanos paulistas, defensores de sua candidatura ao Planalto saíram frustrados com Geraldo Alckmin. Esperavam que o governador assumisse sua candidatura à reeleição, esvaziando embrionário movimento da ala de José Serra para lançá-lo à Presidência. ... de tempo Embora digam que Alckmin não alimenta pretensão nacional, aliados

do governador não querem antecipar a campanha. “Eleição é em ano par”, diz o governador, em privado. Ruído O primeiro mal-entendido entre o Palácio dos Bandeirantes e a Prefeitura de São Paulo, depois do cordial anúncio de parcerias entre Geraldo Alckmin e Fernando Haddad, ocorreu na sexta-feira depois que o Corpo de Bombeiros do Estado divulgou relação de casas noturnas inseguras na capital. Ruído Depois de uma dura nota da prefeitura respondendo à publicação da lista, assessores diretos de Alckmin e Haddad conversaram sobre a necessidade de comunicação prévia antes de anunciar medidas relacionadas às ações conjuntas entre os dois governos. Em casa Outra coincidência com a crise de 2007 chamou a atenção dos senadores: naquele ano, quando Renan Calheiros (PMDBAL) renunciou à presidência da Casa para não ser cassado, quem assumiu foi Tião Viana (AC). Agora, o primeiro vice-presidente é seu irmão, Jorge. Catarse De um senador petista, sobre a motivação de Renan para voltar à presidência, sob risco de deflagrar nova crise: “É um desafio pessoal. Ele age como o menino que cai na água, quase se afoga, mas pula de novo para provar que sabe nadar’’. Já chega Constrangida pelo apoio tímido a Renan, a bancada do PT acordou que, em caso de recrudescimento das acusações, não vai se expor para defender o presidente do Senado no Conselho de Ética e no plenário.

Tiroteio

Frases Era sobre o presidente e a posse, e eu quis fazer a ele e a meu país orgulhosos, então decidi cantar junto com minha base pré-gravada, o que é muito comum na indústria musical. E eu estou muito feliz por minha performance

Beyoncé, cantora, admitiu neste fim de semana que usou playback em sua apresentação na posse de Barack Obama nos EUA, no dia 21, e disse que não teve tempo de ensaiar com orquestra.

Esse silêncio é o silêncio covarde, o silêncio daquele que tem medo. O silêncio de quem aceita e não resiste. Eu, anunciado perdedor, vou denunciar os exageros do Poder Executivo. Será que o vencedor poderá fazer a mesma promessa? Pedro Taques (PDT-MT), adversário do candidato governista Renan Calheiros (PMDB-AL) à presidência do Senado, afirmou em seu discurso, na sexta-feira (1º) que os “senadores não podem ser leva-e-traz do Poder Executivo”.

Quando eu era um menininho na Áustria, só conseguia pensar em me mudar para os EUA, virar o maior campeão de fisiculturismo do mundo, ganhar milhões de dólares e ser um herói de ação. Meu sonho se tornou realidade Arnold Schwarzenegger, ex-fisiculturista, astro da série “O vingador do futuro” e ex-governador da Califórnia, atribui sua recente conversão ao ativismo ambiental ao fato de ter tido uma criação modesta em meio aos lagos e montanhas da Áustria.

Em vez de dialogar com os sindicatos, Dilma passou janeiro ouvindo tubarões. É o capital vencendo o trabalho também no governo. DO DEPUTADO PAULINHO DA FORÇA (PDT), sobre a presidente ter feito rodada de conversas com grandes empresários no Planalto desde o início do ano.

Contraponto

Junto e misturado Durante solenidade em que entregou casas do programa Minha Casa, Minha Vida, anteontem, em Castanhal (PA), Dilma Rousseff discursou enaltecendo as parcerias do governo federal com Estado e município. O prefeito Paulo Titan, do PMDB, aproveitou a deixa e explicou que conseguira a proeza de governar com os apoios do PT e PSDB na Câmara. Embalado pela confraternização de rivais políticos, o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), completou: - Presidente, eu só tenho dois adversários no Estado: a pobreza e a desigualdade. Publicado simultaneamente com o jornal “Folha de S.Paulo”


Política

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

A5

Aleam e Câmara reiniciam com desafios e pendências ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Presidentes dos Legislativos estadual e municipal prometem uma gestão transparente e atender aos anseios da população

NATHANE DOVALE Equipe EM TEMPO

A

exclusivamente para os servidores ativos, inativos e seus dependentes. O ex-gestor sai do cargo deixando ainda, para seu sucessor, duas obras para serem entregues e R$ 18 mi-

EXPECTATIVA

Pela primeira vez, o presidente do Legislativo estadual, Josué Neto, tem pela frente o desafio de superar seus antecessores, que imprimiram suas marcas durante quase uma década de mandato lhões em caixa. Outro ex-presidente, mais emblemático por suas atitudes paternalistas, Belarmino Lins, adotou medidas que vinham de frente com os desejos dos

DIEGO JANATÃ

s atividades da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) e da Câmara Municipal de Manaus (CMM) retornam esta semana com a leitura das respectivas mensagens do governador Omar Aziz (PSD) e do prefeito Arthur Neto (PSDB) e grandes desafios para os novos presidentes de ambas as casas: o deputado estadual Josué Neto (PSD) e o vereador Bosco Saraiva (PSDB), respectivamente. Ainda que os debates somente comecem, efetivamente, após o Carnaval, os dois presidentes conversaram com o EM TEMPO e adiantaram como enfrentarão desafios e problemas que foram empurrados para este ano. Recém-empossado, o pre-

sidente da Assembleia Legislativa, Josué Neto, tem como meta buscar a “revolução” abraçada pelos seus antecessores, os ex-presidentes da casa Ricardo Nicolau (PSD) e Belarmino Lins (PMDB). Josué sucede duas presidências marcantes da Aleam. O biênio de Ricardo Nicolau (PSD), recém-saído da presidência da casa, teve um misto de obras físicas no Legislativo estadual aliado a um discurso “unilateral”, adotado pelo ex-presidente que, muitas vezes foi contestado pelos seus pares, inclusive os de sua base. Nicolau enveredou pela realização de obras privadas de forma a imprimir a sua “marca” naquele poder. Somou à estrutura física um edifício-garagem com 500 vagas, com elevadores, sala administrativa e refeitório, além de um centro-médico voltado

Bosco Saraiva assumiu em 1º de janeiro pela terceira vez

servidores da instituição. Das conquistas, que vão à construção física da atual prédio da Assembleia, na avenida Mário Ipiranga, Zona Centro-Sul, até o direito a tickets-alimentação, cujo valor à época era de R$ 900 líquidos para os funcionários, “Belão”, popularmente conhecido nos bastidores da casa, conseguiu ser presidente durante três biênios consecutivos, o equivalente a 6 anos à frente de uma instituição poderosa. Aos 37 anos, Josué Neto, que tem em seu currículo 9 anos de Legislativo, sendo 2 anos como vereador na Câmara Municipal de Manaus e 7 anos na Assembleia com dois mandatos consecutivos, disse ao EM TEMPO que pretende conseguir sua popularidade de uma forma diferente dos gestores passados, “com outra tônica”. “Não haverá divisão de presidência”.

Interação com a sociedade O desafio destacado por Neto nesta nova gestão será de criar uma participação maior com a sociedade amazonense, não apenas em reuniões e audiências, mas democraticamente, nas dependências na instituição. “O nosso desafio é manter a Aleam num ritmo que cada vez mais tenha proximidade com a população, para conhecer os problemas, e buscar resolução por meio de requerimentos, indicações, além de fiscalizar o trabalho do Poder Executivo”, respondeu. E, adotando o discurso da democracia, Josué Neto

disse que vai dar garantias à oposição sobre a votação de projetos. Diálogo “O relacionamento do colegiado a qual pertenço, que é a mesa diretora, terá um toque pessoal meu, que é de sempre abrir o diálogo, respeitar os pares, sendo oposição ou situação, e isso será refletido no trâmite e aprovação dos projetos que serão apresentados ou que já foram apresentados”, sinalizou. As duas vão se dedicar à valorização do servidor e à infraestrutura da casa”, afirmou.

GESTÃO

Plano Diretor é a meta da CMM Pela terceira vez presidente do Legislativo municipal, o vereador Bosco Saraiva terá de enfrentar muitos fantasmas deixados pela gestão anterior do ex-presidente Isaac Tayah (PSD). Um deles é a votação do polêmico projeto que pede a extinção do benefício do auxílio-paletó, ingressado pelo coleta tucano, Mário Frota, em 2012. Apesar disso, Saraiva confidenciou à reportagem que seu grande desafio à frente da gestão da Câmara é votar

o Plano Diretor, que está emperrado há 4 anos. O projeto, que está no Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb) desde novembro do ano passado, tem prazo para ser aprovado pela casa até 3 de novembro deste ano. Mas, Bosco já disse que tem urgência e planeja promulgar a Lei do Plano Diretor ainda neste primeiro semestre. “Quando o plano voltar à prefeitura, quero logo iniciar a última fase de debate na revisão, para que enfim, de-

pois desse atraso, possa ser executado”, projetou. Sobre as propostas que ficaram pendentes do ano de 2012, como a do auxíliopaletó, deverão ser votadas neste ano. Bosco Saraiva adiantou que todos devem retornar à pauta. “Vamos dar atenção a esses projetos. Tenho certeza que nesse início de legislatura os vereadores apresentarão muitas propostas, por isso estamos cuidando bem das comissões técnicas”, observou.

O presidente da Câmara informou que o calendário de reuniões das comissões técnicas permanecerão às quintas e sextas-feiras, para que assim as equipes se reúnam e recepcionem os projetos, agilizando as discussões. Sem transição Bosco, que assumiu o cargo no dia 1º de janeiro deste ano, tem sido muito cauteloso, haja vista que não recebeu nenhum documento durante a transição entre a gestão anterior e a sua.


A6

Política

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

Prazo para candidatura termina neste domingo

Cláudio Humberto COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS

www.claudiohumberto.com.br

“Parlamento sofre incompreensão da sociedade” JOSÉ SARNEY (PMDB-AP) ao deixar a presidência do Senado

Nem seguranças aguentam o humor de Dilma Conhecida por seus acessos de fúria, a presidente Dilma não deixa apenas os ministros à beira de um ataque de nervos. Segundo fontes palacianas, o Gabinete de Segurança Institucional tem dificuldades de encontrar oficiais do Exército que aceitem chefiar o serviço de segurança presidencial. Entre os mais estressados estaria o coronel Artur José Solon Neto, que por breve período cobriu as férias do titular. Queria O coronel Neto, hoje secretário-adjunto do Gabinete de Segurança Institucional, queria sair do cargo burocrático e ir mais a campo. Humilhação pública Habituada ao perfil discreto do general Amaro, seu chefe de segurança, Dilma não poupou puxões de orelha públicos em quem o substituia. Chutando o balde Em junho de 2011, a capitã de fragata E.H., oficial brilhante, cansou dos esculachos presidenciais e foi embora. Quase deixou a Marinha. Inclua-me fora dessa O Palácio Planalto também demorou a encontrar quem aceitasse substituir a capitã E.H. como ajudante de ordens. Skaf teme ser atropelado por Chalita em 2014 Preocupado com notícias de que o deputado Gabriel Chalita (PMDB) pode ser candidato ao governo de São Paulo em 2014, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf (PMDB), procurou essa semana o vicepresidente da República Mi-

chel Temer e o presidente do PMDB, Valdir Raupp (RO). O empresário cobrou da cúpula peemedebista o “cumprimento de acordo” segundo o qual ele será o candidato ao governo paulista. Carência de holofote Levado a abrir mão da disputa, Randolfe (PSOL-AP) estava abatido na eleição ao Senado. De certo, não se conformou com a falta de holofote. Relaxa e goza O Detran-DF surpreendeu um leitor de Brasília acessando as multas do carro dele usando o código de segurança “vagina”.

Jornalista

DIVULGAÇÃO

Põe na conta Projeto do deputado Vanderlei Siraque (PT-SP) impõe aos bancos a instalação de divisórias individuais entre os caixas para evitar as “saidinhas” dos assaltantes. Esquece quem paga a conta pelo “extra”. Contra maré Às vésperas da disputa pela presidência da Câmara, Júlio Delgado (PSB-MG) diz que não há possibilidade de retirar sua candidatura: “O Henrique, que descansa nas praias porque é favorito, que se cuide”.

Deixa pra lá Ministros ironizam que a fórmula para conviver com a presidente Dilma é baixar a cabeça e saber que nem sempre a briga é pessoal.

O dono da noite O vice-prefeito de Águas de Lindóia, João Eduardo de Morais (PSD-SP), que teria usado carro oficial no Encontro de Prefeitos em Brasília para visitar boates de strip, deve seu apelido à sua rede de choperias.

Na pista pra negócio O senador Blairo Maggi (PR-MT) se colocou à disposição do bloco PR-PTB-PSC para ser indicado a ministro da Agricultura, caso Dilma queira fazer novo convite: “Dessa vez, garanto que não irei recusar”.

Isolado Presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (PDT) diz que a situação do ministro Brizola Neto (Trabalho) está cada dia pior: “Além de não ter força na bancada, ele fez porcarias com os trabalhadores”.

Vai que cola Secretário do governo de Tocantins, Vicentinho Alves (PR) assumiu cadeira no Senado ontem só para votar pela eleição de Renan (PMDB-AL) a presidente. Saiu da Casa com convite para integrar o PMDB.

Já cansou O prefeito de Cáceres (MT), Francis Cruz, pagou suas despesas para chegar ao Encontro de Prefeitos, em Brasília, onde tomou banho de chuva, sem conseguir táxi para o hotel. Ele doa o salário à cidade, que é pobre, e não tentará reeleição: “Não quero mais nada de política”.

Vassoura O advogado da família de Jânio Quadros notificou a Secretaria de Cultura de Minas a devolver o acervo do falecido ex-presidente, entregue pela família do falecido assessor José Aparecido de Oliveira.

Câmera lenta Desde 19 de janeiro está vazio o banco de dados do Orçamento da União 2013 no site da Câmara dos Deputados. Zero noves fora zero.

PODER SEM PUDOR

Regime ilícito Amigo de Getúlio Vargas e assessor de imprensa de João Goulart, o jornalista gaúcho Rivadávia de Sousa foi preso nos tempos de ira do regime militar, em 1968. O obtuso que o interrogava atacou: - O que o senhor sabe sobre enriquecimento ilícito no governo de Jango? Ele, topetudo e indignado, respondeu na bucha: - Nada. Eu é que quero saber quem é hoje o responsável pelo meu empobrecimento ilícito!

ASCENSÃO

PR promete crescer independente Após ser oficializado, por aclamação, como novo líder do PR na Câmara, o deputado Anthony Garotinho (RJ) prometeu que vai trabalhar para definir rapidamente rumo do partido: se fica com ou governo ou se passa para a oposição. Garotinho disse que seu sentimento é que a bancada quer fazer parte do governo de Dilma Rousseff e que vai trabalhar para isso, mas que, se isso não avançar, não hesitará em partir para

oposição. “Vi que é o desejo da bancada ir para a base do governo. Vou me despir de qualquer vaidade e projeto pessoal para ir para o governo, mas não hesitarei se tivermos que ser oposição”, disse. Ele evitou falar em ministério, mas tem dito que o partido merece o mesmo tratamento e espaço que os demais aliados. Garotinho afirmou que sua missão é aderir ao projeto político que faça o PR maior, já que o

Quatro deputados já anunciaram interesse em disputar a presidência da Câmara. Prazo de inscrição termina às 22h

partido está sem direção. Com denúncias de irregularidades no setor de transportes, o PR perdeu o Ministério dos Transportes em 2011. A presidente Dilma Rousseff indicou o ministro Paulo Sérgio Passos. Ele é filiado à legenda, mas enfrenta resistência do PR e é considerado da cota pessoal da petista. Garotinho vai comandar a quinta maior bancada da Câmara, com 37 parlamentares.

A eleição para presidência da Câmara deverá acontecer no plenário nesta segunda-feira

O

prazo para apresentação de candidaturas à presidência da Câmara termina neste domingo (3), às 22 horas. Até o momento, quatro deputados lançaram suas candidaturas: Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), Rose de Freitas (PMDB-ES), Júlio Delgado (PSB-MG) e Chico Alencar (Psol-RJ). A eleição ocorrerá na segunda-feira (4), às 10 horas. Além do presidente, serão eleitos o primeiro e o segundo vicepresidentes e os ocupantes das quatro secretarias, além de quatro suplentes. A composição dos blocos pode mudar a decisão sobre a distribuição entre os partidos

para os cargos da mesa diretora. Na segunda-feira (4), dia da eleição, as urnas estarão no plenário. São urnas eletrônicas novas e o processo se dará da seguinte forma: o deputado vai à cabine e digita um código e confirma a identidade com a impressão digital. A apuração começará com a definição do novo presidente, que precisa receber a maioria dos votos dos parlamentares, presentes no mínimo 257 deputados, incluídos os votos brancos e excluídos os nulos. Em seguida, o parlamentar é empossado como presidente da Câmara e, já sob seu comando, se apuram os demais cargos. A Mesa Diretora da Câmara

tem uma série de atribuições e prerrogativas. Ela é responsável pela direção dos trabalhos legislativos e também dos serviços administrativos da Casa. Os integrantes da Mesa não podem ser líderes de bancadas nem fazer parte de comissões de qualquer tipo. O presidente coordena os trabalhos legislativos e sua palavra representa a posição oficial da casa. Cabe a ele substituir o presidente da República, na ausência do vice-presidente. Já o primeiro vice-presidente da Câmara substitui o presidente em sua ausência e elabora pareceres sobre requerimentos de informações e projetos de resolução.


Política

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

A7

FOTOS: JOEL ROSA

Carlos ALMEIDA FILHO

‘A reestruturação da Defensoria TEM QUE ACONTECER já’

IZABEL SANTOS Equipe EM TEMPO

D

Temos colegas que trabalham de forma diuturna, com destaque aos que atuam na área criminal, família e cível, que chegam a acumular até cinco varas criminais e que não tem hora para sair do Fórum”

efensor público há 8 anos e atual presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado do Amazonas (Adepam), Carlos Almeida Filho leva ao pé da letra o sentido da sua profissão: vir em defesa dos menos favorecidos e dos injustiçados. Aos 33 anos, o jovem defensor tem se destacado na atuação na defesa do consumidor e demandas coletivas, chamando a atenção da sociedade desde que chegou à Defensoria Pública do Estado. Entre outros temas, ele fala nesta entrevista sobre a atuação da instituição na defesa dos servidores em Regime de Direito Administrativo (RDA) da Prefeitura de Manaus e sobre as discussões em torno do polêmico veto ao Projeto de Lei Provisória 114/2011 e os desafios que a entidade enfrenta no Estado do Amazonas. EM TEMPO - É sabido que o Amazonas opera com um déficit considerável na quantidade de defensores. Como a Defensoria Pública faz para contornar esse problema? Carlos Almeida Filho - A Defensoria Pública vem procurando contornar essa situação de diversas maneiras. Contamos com a abnegação dos nossos colegas defensores, estagiários e servidores que, sem eles, nosso trabalho seria inviabilizado. Nós temos colegas que trabalham de forma diuturna, com destaque aos que atuam na área criminal, família e cível, que chegam a acumular até cinco varas criminais e que não tem hora para sair do Fórum. Também tem os defensores que atuam na Casa de Cidadania que tem um quantitativo crescente de demandas que aparecem e eles não têm como socorrer. A Defensoria Pública procura funcionar em um sistema fordiano: temos o atendimento inicial nas unidades PAC ou Casa de Cidadania, e o atendimento feito nas unidades que funcionam no Fórum. Esse tipo de atendimento tem trazido resultados. Mesmo que tenha produzido um quantitativo de mais de 160 mil pessoas assistidas em 2012, esse número ainda é insuficiente para a po-

pulação total do nosso Estado. No interior, nós simplesmente não possuímos defensores. À exceção da comarca de Presidente Figueiredo, onde temos a colega Eudésia, atuando de forma isolada no município acumulando todas as varas da cidade. EM TEMPO - Esse problema é sanável? Como? CAF - É aí que reside a nossa briga pelo Projeto de Lei Provisório n. 114/2011. Veja, a Defensoria Pública é uma instituição muito jovem, nasceu constitucionalmente em 1988. Em comparação a uma instituição secular como o Ministério Público e milenar como o Judiciário, a Defensoria Pública ainda tem um longo caminho a ser trilhado. Só que a defesa do carente, do cidadão, não pode esperar uma estruturação em longo prazo. Ela precisa ser feita já. Não é muito difícil de imaginar que nos mais distantes rincões do Amazonas e até mesmo na capital, existam pessoas detidas ou acusadas sem a necessária defesa. Possuímos um Ministério Público do Estado com orçamento de R$ 180 milhões, em contrapartida, temos uma Defensoria Pública com orçamento de R$ 39 milhões, que não chega nem a 0,27% da receita líquida do Estado. Precisamos de um orçamento próprio e condição suficiente para promover a cidadania. Isso não podia ter sido feito até antes de 2004, quando a reforma do Judiciário que foi implementada pela emenda 045/2004 e acabou definindo a Defensoria Pública como uma instituição autônoma. Mas para que essa autonomia seja concreta é necessário a implementação no Orçamento e nas leis de responsabilidade fiscal para que haja o necessário repasse para as Defensorias Públicas. O PLP 114/2011 nasceu com o apoio do Executivo Federal e foi aprovado por unanimidade no Congresso Nacional. Mas, quando foi à sanção da presidente Dilma no final do ano passado, qual foi a nossa surpresa quando a presidente, que vinha apoiando esse projeto, o vetou integralmente sob o argumento de que traria prejuízos à manutenção dos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal. Com o veto, o projeto volta para o Congresso. No Amazonas, contamos

com o apoio da gigantesca maioria dos parlamentares para derrubar o veto. Somente com isso a Defensoria Pública poderá decidir quando realizar seus concursos e como lotear o interior com seus defensores para que a população possa finalmente ser atendida com a dignidade. EM TEMPO - O senhor tem se destacado como defensor no caso dos servidores temporários da Prefeitura de Manaus (RDAs). Por que atuar num caso polêmico caracterizado por erros do próprio poder público? CAF - Essa é uma demanda em que atuo desde 2009. Naquele ano tínhamos quase 8 mil servidores. Hoje temos pouco mais de 6 mil. Alguns deles são contratados há mais de 15 anos e muitos têm mais de 50 anos de idade. A grande maioria exerce funções simples, como de gari, e abrange a grande maioria da população e público-alvo da Defensoria Pública. A situação que nos preocupou foi o problema gerado pelo município. A contratação de temporários não é irregular. É garantida pela Constituição Federal em seu artigo 37 que, no inciso IX, permite que ela aconteça. Só que a legislação estabelece tempo determinado. O município, que deveria ser o primeiro a fiscalizar, foi o mesmo que prorrogou essas contratações. Não uma nem duas vezes, mas 17, 18 vezes, por um período infinito de tempo. Para se ter uma ideia, a partir de determinado tempo, deixaram de fazer assinatura de contratos e as prorrogações se fizeram maneira unilateral somente com publicação no Diário Oficial do Município. Aquilo que era para ser temporário se tornou infinito. O pior é que esse mesmo ente resolveu defenestrar essas pessoas jogando-as no olho da rua sem a menor garantia, direito, satisfação ou segurança. Nesse caso nós temos um erro gerado pelo município. Não estou argumentando que um erro justifica o outro. Estou dizendo que os princípios de segurança jurídica estabelecidos na própria Constituição Federal ensejam a necessidade de proteção aos direitos humanos que estão sendo violados. Essa atitude do município pode gerar um problema social gigantesco.

Outro problema sério: constitucionalmente eles deveriam fazer recolhimento previdenciário para o INSS, mas o município vem desde sempre fazendo esse recolhimento para seus próprios cofres, o Manausprev. Quando essas pessoas tentam se aposentar não conseguem nem pelo município nem pelo Manausprev. Isso gera não só um problema social, mas jurídico que demanda solução urgente. A solução simplista de desligamento não é a que a Defensoria Pública defende. Não vamos permitir uma solução como essa para um problema gerado pelo próprio município sem qualquer necessidade de reparação. EM TEMPO - O senhor já disse que a Defensoria não possui unidades no interior, mas quais são as demandas que chegam às suas mãos? CAF - No interior possuímos demandas que não podem ser ignoradas. O caso grave mais recente é o de algumas comunidades que possuem necessidade de regularização fundiária. Já oficiamos o Instituto de Terras no Amazonas (Iteam) para regularização, por meio de usucapião ou mesmo legitimação de posse. No final do ano passado fomos procurados por comunitários e produtores rurais dos municípios do Careiro da Várzea e Autazes nos informando que eles estão sofrendo processo de demarcação de terras para área indígena. Segundo informações que temos, se essa demarcação de terras acontecer, vai implicar no afastamento de uma gigantesca população, provavelmente, de toda a produção de leite do Amazonas, pois está assentada naquela área. Nós estamos atendendo esses comunitários. Também temos a situação gerada pela construção da Cidade Universitária, onde nossa preocupação é tão somente a correta reparação das comunidades envolvidas. No local vivem comunidades tradicionais que pretendem continuar atuando e vivendo de forma tradicional. A solução de remoção ou concessão de casas em áreas urbanas implica em um prejuízo a essas famílias. Assim também existe a possibilidade de surgir um problema social com a remoção delas para outro local.

A solução simplista de desligamento não é a que a Defensoria defende. Não vamos permitir uma solução como essa para um problema gerado pelo município, sem qualquer reparação”

A solução de remoção ou concessão de casas em áreas urbanas implica em um prejuízo a essas famílias e a possibilidade de surgir um problema social com a remoção delas para outro local”


A8

Política

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

Oposição nunca ganhou presidência do Senado Desde a redemocratização do país, em 1985, nome alternativo só chegou a 32 votos, conseguidos por Tião Viana em 2009 FOTOS: ANTÔNIO CRUZ/ABR

A

eleição do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) presidente do Senado, na última sexta-feira, por 56 votos a 18, confirma uma tendência que vem se perpetuando desde a redemocratização do país, em 1985, no Legislativo federal, em que o governista sempre vence. O blog do jornalista Fernando Rodrigues levantou os resultados de todas as eleições para presidente do Senado e da Câmara dos Deputados desde 1985. Nunca um candidato oposicionista venceu entre os senadores. Na Câmara, só houve uma ocasião em que o candidato inicial do establishment não foi eleito. O máximo que um opositor do governo obteve no Senado foram 32 votos, em 2009. Esse foi o resultado obtido por Tião Viana (PT-AC) contra José Sarney (PMDB-AP), que venceu com 49 votos. Já em 2010, Sarney foi reeleito e ganhou a presidência da casa pela 4ª vez com larga vantagem – teve 70 votos contra apenas 8 votos dados a Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). Na eleição da mesa diretora do Senado do biênio 1987-1989, o opositor Nelson Carneiro (PMDB-RJ) recebeu apenas um voto contra 67 do correligionário Humberto Lucena (PMDBPB), que se tornou presidente do Legislativo. No ano de 2001, quando Jader Barbalho (PMDB-PA) elegeu-se presidente do Senado, enfrentou nas urnas dois adversários: o amazonense Jefferson Peres (PDT), já morto, que recebeu 12 votos e o mineiro Arlindo Porto (PTB), que garantiu 28 votos. Baixo clero A Câmara elegerá seu novo

presidente amanhã. Entre os deputados, o hábito é também colocar o indicado pelas forças majoritárias no comando. A tradição só falhou uma vez desde 1985. O caso bem rumoroso ocorreu em 2005, com a vitória de Severino Cavalcanti (PP-PE). O candidato do governo Lula, Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), perdeu porque outro petista, Virgílio Guimarães (PT-MG), também entrou na disputa e dividiu os votos dos aliados. Houve um outro episódio de reviravolta na Câmara, mas foi uma solução dentro da base governista. Em 2001, pela regra geral, deveria ser

Renan teve menos votos que seu antecessor Apesar da votação expressiva obtida na última sexta-feira, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), não alcançou a marca que, segundo seus aliados, atingiria facilmente: superar a barreira dos 60 votos. Com 56 votos, Renan foi reconduzido à presidência do Senado 5 anos após ter renunciado ao posto em meio a uma série de denúncias, no final de 2007. A votação dele também ficou abaixo dos 70 votos obtidos por seu antecessor, José Sarney

(PMDB-AP), 2 anos atrás. O desempenho de Renan é o sexto pior desde a redemocratização do país, em 1985. Ele teve mais votos do que os ex-presidentes José Fragelli (PMDB-MS), Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), em seu primeiro mandato, e Jader Barbalho (PMDB-PA), Ramez Tabet (PMDB-MS) e José Sarney, na terceira de suas quatro gestões. De todos esses candidatos, apenas Jader enfrentou dois adversários. Renan também teve um

desempenho inferior ao obtido na sua primeira eleição. Em 2005, o senador obteve 72 dos 76 votos possíveis. Na época, no entanto, não teve adversário. Em 2007, quando disputou a reeleição, recebeu 51 votos contra 28 do senador José Agripino (DEM-RN). Em oito das últimas 17 eleições no Senado, ou seja, desde a redemocratização, houve apenas um candidato. Nas outras nove, houve senadores com candidaturas independentes. O senador Pedro Taques

(PDT-MT), que ficou com 18 votos, teve o dobro de votos de Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), que, em sua estreia no Senado, recebeu o apoio de nove colegas na disputa contra Sarney, em fevereiro de 2011. No entanto, o desempenho de Taques também foi inferior ao esperado. Os partidos que apoiaram sua candidatura – DEM, PDT, PSB, PSDB e PSOL – têm juntos 25 senadores. Seus apoiadores, porém, contavam com 23 votos.

FORÇA

Em 28 anos de redemocratização do país, nunca um candidato da oposição conseguiu chegar ao poder no Senado Federal. Já na Câmara, Severino Cavalcanti entrou para os anais do Legislativo eleito um candidato do PFL (hoje Democratas), que tinha a maior bancada de deputados. O nome era Inocêncio Oliveira, de Pernambuco (que hoje já nem está mais no partido; filiou-se ao PR). Quem acabou eleito em 2001 foi Aécio Neves (PSDB-MG), mesmo com os tucanos sendo minoria. Essa vitória de Aécio em 2001 para presidir a Câmara não era o desejo inicial do governo, que temia um abalo na sua base de apoio. Mas quando o sucesso do tucano se tornou inevitável, o Planalto acabou abraçando a candidatura e não houve crise.

Na última eleição para o Senado, José Sarney (à dir.) recebeu 70 votos. Na última sexta-feira, Renan alcançou 56 votos


Caderno B

Economia MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

economia@emtempo.com.br

(92) 3090-1045

HUDSON FONSECA

Produção de óleos essenciais em alta no AM Economia B4

Amazonenses ‘apostam’ em fundos imobiliários

A rentabilidade dos recursos investidos e a segurança do negócio favoreceram o aumento pela procura da modalidade ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

JULIANA GERALDO Especial EM TEMPO

A

traídos por uma rentabilidade que pode chegar até 18% ao ano, investidores amazonenses ampliaram as aplicações de dinheiro nos fundos imobiliários na busca de uma forma segura de ganhar uma renda “extra”. Prática comum em outras regiões brasileiras, onde a procura cresceu 80%, no ano passado, a “aposta” nesta modalidade aumentou em função da segurança no retorno dos investimentos. Desde que optou em aplicar dinheiro em fundos imobiliários no final do ano passado, o estudante Thiago Rezende, 22, viu seus rendimentos se multiplicarem por dez. Antes, ele aplicava na poupança e no fundo da Previdência Social, o que garantia um lucro médio de apenas R$ 30. “Hoje, na prática, em dois meses, tenho R$ 600 a mais na minha conta, ou seja, R$ 300 para cada mês, dez vezes mais do que ganhava nas outras aplicações”, conta. Thiago revela que descobriu a “mina de ouro” no ano passado, quando ingressou em um curso para aprender como fazer as economias renderem. “Foi então que percebi que aplicar em fundos ligados ao mercado imobiliário podia ser muito lucrativo”, destaca. O engenheiro Carlos Juliano Okiishi, 29, há seis anos tem o hábito de aplicar dinheiro no mercado financeiro, mas somente no início do ano passado, optou em investir em fundos imobiliá-

rios. “Comecei investindo em títulos do Tesouro, que é uma aplicação segura. Quando optei pelo fundo imobiliário, minhas finanças decolaram”, frisa o engenheiro. Atualmente, do total de aplicações que Carlos Okiishi realiza em fundos, 13% são realizadas neste tipo de modalidade. Se depender dele, este índice vai crescer em breve. “Pretendo aumentar, com certeza, futuramente, o porcentual de investimentos

ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

Ganhos podem chegar a 18% O consultor da Ação Investimentos, Américo Batista, destaca que as aplicações em fundos imobiliários foram o melhor investimento de 2012. Segundo ele, a modalidade se estabeleceu como tendência em todo país, inclusive, no Amazonas. “Da mesma forma que uma pessoa compra imóvel e aluga para viver dessa renda, quem aplica no fundo está fazendo uma compra virtual. O investidor vive do aluguel do imóvel , da mesma forma, mais em uma versão moderna. A diferença é que no imóvel físico, não é possível vender só um cômodo. Já no fundo, você pode possuir 200 cotas e vender duas ou três”, exemplifica.

Comecei investindo em tÍtulos do Tesouro, que é uma aplicação segura. Quando optei pelo fundo imobiliário, minhas finanças decolaram Carlos Okiishi, engenheiro

que faço hoje em fundos imobiliários”, acrescenta. Como funciona? De acordo com especialistas, investir em fundos imobiliários funciona como se o dono de um edifício de salas comerciais fosse o “próprio fundo de investimento”. Quem aplicar, pode comprar cotas. Desta forma, todas as vezes que os inquilinos das salas pagarem o aluguel, o lucro é dividido pelo número de participantes do investimento. Quanto maior o investimento, maior o número de cotas a que o investidor tem direito.

O consultor detalha que a média de ganhos em alugueis é de 0,5% a 0,6% ao mês. Já no fundo imobiliário, o porcentual pula para 0,8%. “Mas existem fundos em que a rentabilidade é de 18%”, complementa. Ele cita a segurança como outro aspecto positivo. A participação é comprada por meio de cotas em imóveis, geralmente, de grande porte, que são administrados por empresas como o Banco do Brasil ou Bradesco. “Como são instituições consolidadas, o risco é menor”, aponta. De acordo com Américo Batista, um grande diferencial de investir em fundos imobiliários reside no fato de que a rentabilidade é livre de imposto de renda.

Tendência no país, nova modalidade atrai adeptos no AM

Fundos registram valorização de até 40% A redução da taxa básica de juros (Selic), fixada hoje em 7,25%, durante todo o ano passado, tornou investimentos populares como, por exemplo, o fundo de renda fixa, menos rentáveis. Este cenário favoreceu a procura pelos fundos imobiliários, que valorizaram entre 15% e 40% no ano passado, conforme explica o consultor Américo Batista. “Em 2011, o inves-

timento nos fundos imobiliários movimentava, em média, R$ 150 mil por dia no mercado financeiro brasileiro. Este ano, o volume passou para R$ 2 milhões diários e a quantidade de investidores cresceu 80% até dezembro de 2012. O crescimento foi tão expansivo que a bolsa de valores criou um índice só para medir os avanços”, ressalta o especialista.

Expectativa Embora a expectativa seja positiva para 2013, Américo Batista salienta que o volume de fundos abertos será menor este ano uma vez que o “boom” ocorreu no ano passado. “A tendência agora é de estabilidade. A previsão é de que no primeiro semestre deste ano sejam abertos uma média de dois fundos por mês. No ano passado,

esse número era de nove ofertas mensais. Porém, a redução não significa que haverá perda de rentabilidade na modalidade”, enfatiza o consultor. Aplicar dinheiro em fundos imobiliários é uma prática comum nas regiões Sul e Sudeste do país. São Paulo é o Estado brasileiro onde se concentra a maior quantidade de oportunidades de investimentos.


B2

Economia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

Parintins no ritmo do ca Produção do crustáceo deverá chegar a 30 toneladas, este ano, no município conhecido por ser a terra do boi-bumbá RICHARD RODRIGUES Equipe EM TEMPO

A

economia de Parintins vai ganhar reforço neste ano. Além dos ganhos obtidos com Caprichoso e Garantido, o município se prepara para lucrar com a produção de camarão, que neste ano deve atingir 30 toneladas, quantidade 50% superior à registrada no acumulado de 2012. Entre os responsáveis pelo crescimento da produção do crustáceo está a execução do projeto “A economia da pesca no município de Parintins”, desenvolvido pelo pesquisador Renato Soares. “O projeto começou a ser desenvolvido ainda em 2011, mas ainda está em uma fase inicial de conhecimento da atividade. Porém, para este ano o projeto terá uma abrangência maior, uma vez que temos o objetivo de desenvolver um pacote tecnológico para a pesca, aquicultura e beneficiamento do recurso pesqueiro local”, afirma Soares. O pesquisador salienta ainda que o camarão constitui uma das comercializações mais rentáveis para os comerciantes parintinenses, que comercializam o litro do crustáceo, dependendo do tamanho, por até R$ 10. “Isso é um ganho a mais

para a economia do município e, principalmente, para as comunidades que vivem da atividade”, observa Soares, ao informar que cinco espécies de camarões são encontradas nas águas doces de Parintins. A presidente do Sindicato dos Pescadores e Pescadoras Artesanais de Parintins (Sindipesca-Parintins), Márcia de Souza, está otimista com os rumos da pesca de camarão na cidade em 2013. Para ela, o projeto refletirá positivamente na atividade, pois conscientiza os pescadores de qual o melhor equipamento a utilizar e do tamanho ideal do crustáceo a ser capturado. “Acreditamos que a produção dê um salto de 20 toneladas para 30 toneladas no acumulado de 2013”, projeta. A dirigente destaca ainda que entre as comunidades beneficiadas com os projetos estão Cá te Espero e Brasília. “É nessas localidades que a pesca de camarão tem maior representatividade e os maiores abastecedores da sede de Parintins, local onde há maior demanda pela produção”, relata. Mais incentivos O Sindipesca está na expectativa do aumento de produção de camarão na terra do boi-bumbá com o projeto “A

economia da pesca no município de Parintins”, mas garante que o município tem potencial para produzir muito mais que 30 toneladas. “Precisamos de mais incentivos para que a cidade atinja uma produção maior do que a esperada para este ano. Porém, seria fundamental maior atenção dos órgãos governamentais para que atingíssemos níveis mais elevados de produção, pois capacidade de atender o mercado Cá te Espero e Brasília têm”, garante Márcia. A dirigente frisa também que, se Parintins tiver atenção “garantida”, o fornecimento de camarão será “caprichoso” no Estado. “O que produzimos é destinado apenas para o mercado parintinense, mas como já garanti, se conseguirmos incentivos poderemos atender até mesmo Manaus, cidade que está em nossos planos”, frisa. Assim como a produção, o número de famílias que passariam a viver da pesca de camarão iria dar um salto, segundo a presidente do Sindipesca. “Atualmente 60 famílias das comunidades de Cá te Espero e Brasília vivem da produção do crustáceo, número que deve crescer neste ano com o projeto que está em execução nas duas localidades”, assegura a presidente do SindpescaParintins, Márcia de Souza

Recursos fortalecem iniciativa O projeto “A economia da pesca no município de Parintins” recebeu recursos financeiros do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio do Programa Institucional de Bolsas

de Iniciação Científica (Pibic). O resultado da pesquisa será publicado na revista científica Acta Scientiarum, da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Porém, o projeto terá continuidade em Parintins,

segundo o pesquisador Renato Soares. “Buscaremos financiamento maior para darmos continuidade nos estudos relacionados à pesca de camarão no município para incentivar a produção do crustáceo”, comenta.


Economia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

marão

B3

Alfredo MR Lopes alfredo.lopes@uol.com.br

Sinergia inadiável - Parte II Iremos a lugar algum, com toda a sinergia que se possa entrelaçar na cumplicidade de um novo paradigma de desenvolvimento - sustentável, diversificado e comprometido com as populações ribeirinhas - se descuidarmos das condições de infraestrutura adequada ao funcionamento, consolidação e distribuição dos resultados das cadeias produtivas. De que servirá às comunidades do beiradão amazônico apropriar-se de avançadas tecnologias que a academia e demais instituições de pesquisa da região venham a oferecer - para as atividades da aquicultura, com produção de proteína a partir da criação racional de tambaqui, matrinxã e pirarucu - se a oferta de ene rgia é intermitente para a refrigeração dos peixes, se a logística é inadequada e se a comunicação com os parceiros de fornecimento e consumo é precária? O Amazonas vive a expectativa da chegada do linhão de Tucuruí, que vai oferecer energia abundante a quase 50% de seus municípios, juntamente com a oferta do gás de Urucu, que ainda aguarda definições políticas e comerciais para viabilizar sua distribuição. Poderemos, no médio prazo, sanear a matriz energética regional, ora focada na opção termelétrica que consome combustível fóssil e poluente, enquanto a matriz logística permanecerá suja e cara, o que fere de morte a competitividade da Zona Franca de Manaus e demais arranjos produtivos regionais. Atualmente, o modal logístico do Polo Industrial de Manaus utiliza carretas sobre balsas e estradas esburacadas. Ninguém merece. O Plano Nacio-

nal de Logística dos Transportes, PNLT, apesar do discurso das promessas de ampliar a cabotagem em 300% nos próximos 10 anos, ainda alimenta a excessiva dependência de rodovias. As tarifas portuárias do Estado, por sua vez, são as mais caras do país, com preços europeus de utilização e padrão africano de serviços, além da burocracia medieval e irracional nos portos e da infraestrutura deficiente nos aeroportos. A ineficiência brasileira na logística dos transportes, incluindo a Zona Franca de Manaus, segundo especialistas, provoca um prejuízo anual de R$ 100 bilhões ao país. E trava todos os prognósticos de crescimento do PIB acima de 3%. O modal aquaviário vigente, por exemplo, responde por 11% da matriz de transportes nacional, a despeito de 8 mil quilômetros de litoral sem engarrafamentos nem convulsões naturais. E dos vinte mil quilômetros de rios navegáveis na Amazônia, onde não há um curso de engenharia naval em funcionamento, muito menos uma indústria de embarcações condizente com a potencialidade de negócios que a cabotagem representa. No Ciclo da Borracha, na virada do século XX, quando a região respondeu por mais de 40% do PIB brasileiro por três décadas, a economia estava fundada na infraestrutura eficiente de transportes, alvo de robustos investimentos da Coroa inglesa em estaleiros da Escócia, cujos navios ainda hoje singram os rios da Amazônia. O PNLT adia ano após ano a construção da hidrovia do rio Madeira - que o tornaria navegável 12 meses por ano – e seria a saída compen-

satória da não recuperação da BR-319, a única conexão viária do Estado com o resto do país, protelada por razões obscuras. A alternativa de transportes da cabotagem, disparado, é, pois, a mais adequada para a Amazônia e a mais eficiente do mundo. Sinergia, nesse contexto, portanto, é reunir a tribo, seus atores associados nas entidades de classe, e na sua representação parlamentar, para exigir novas atitudes do governo federal, na contrapartida justa da arrecadação generosa que o modelo ZFM representa, com mais de dois terços dos impostos de toda a Região Norte. Em vez da bravata política de prorrogar os favores fiscais da Zona Franca, sem focar na diversificação e interiorização de sua economia, ou reduzir crédito para evitar o desmatamento de sua fronteira agrícola, chegou a hora de materializar a compensação em formato de infraestrutura, a contrapartida que também garante a ampliação da generosidade fiscal. É inadiável, portanto, assegurar as condições da diversificação e interiorização do desenvolvimento, com inteligência e racionalidade, como mecanismo eficiente e justo de distribuição de riqueza, numa equação equilibrada entre economia e ecologia. É preciso repetir que a pobreza, no sentido da exclusão educacional, social e ética, polui. No seu contraponto, todos os acertos e arranjos para equilibrar o meio ambiente, ao longo da história, implicaram em conferir à natureza um substrato econômico, a sinergia eficaz da sustentabilidade socioambiental. Não há outra via.

Alfredo MR Lopes Filósofo e ensaísta

O Amazonas vive a expectativa da chegada do linhão de Tucuruí, que vai oferecer energia abundante a quase 50% de seus municípios, juntamente com a oferta de gás de Urucu, que ainda aguarda definições políticas e comerciais para viabilizar sua distribuição no Estado.


Economia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

Produção de óleos ‘made in Amazonas’ em alta

COMMODITIES

Preço de insumos sobem no mercado europeu DIVULGAÇÃO

Cooperativas do interior do Estado ampliaram o cultivo de andiroba e copaíba, que são matérias primas importantes para a indústria de fitocosméticos HENRIQUE XAVIER Equipe EM TEMPO ONLINE

D

e olho no aumento da procura de óleos essenciais extraídos na Amazônia no exterior, cooperativas amazonenses ampliam a produção da andiroba e da copaíba, importantes insumos para a indústria de cosméticos. Após fechar 2012 com 1,1 tonelada de óleo essencial de andiroba, a Cooperativa Mista de Produtores e Beneficiadores de Fitoterápicos e Fitocosméticos de Manaquiri (Coopfitos) quer representar 40% do total de insumos fornecidos ao polo de cosméticos do Estado. “Queremos produzir este ano, pelo menos, 2,5 toneladas de óleo essencial de andiroba. A renda familiar anual para cada uma das 15 famílias associadas será de em torno de R$ 21 mil”, afirma o coordenador da cooperativa, Adonai Ferreira. Segundo ele, a Coopfitos é a única cooperativa local fornecedora do óleo para a produção industrial da empresa Natura Cosméticos, diferencial representado pelas ações do centro de mudas destinadas ao manejo florestal e ao projeto de implantação do núcleo de cosméticos avançado.

Em números fechados, na última semana de dezembro do ano passado, o preço de venda do fixador mais famoso ‘made in Amazonas’ disparou na Bolsa de Valores da Europa em função do apelo ecológico. O insumo fechou custando aproximadamente US$ 89, algo em torno de R$ 176,22 por 50 ml, conforme a cotação do dólar (R$ 1,98) na última sexta-feira. Na rota dos óleos essenciais, a economia extrativista amazonense passa ao largo da crise mundial que impactou várias commodities. Andiroba e copaíba são óleos que vêm batendo seguidamente recordes no preço de venda, sendo comercializados durante

a última semana de janeiro por US$ 25.08 cada 50 ml, ou R$ 49,65 (dólar a R$ 1,98). Já o óleo de castanha, outro item que vem avançando na cultura cooperativa local, foi comercializado a preços superiores a US$ 8.71 o litro no estágio atual de produção, ou aproximadamente R$ 17,24. Mas a valorização mais formidável ficou por conta do óleo de tucumã, que fechou a última semana de dezembro custando US$ 28.94 ou R$ 57,30 cada 50 ml. Para especialistas, a tendência é o valor dos insumos amazônicos continuarem em alta no mercado internacional, devido a demanda de indústrias como fitocosméticos.

Matéria-prima serve de insumo para a produção de empresas de grande porte como a Natura

HUDSON FONSECA

B4

Valor de venda superior a 100% O economista Salomão Neves explica que, diferente das commodities comuns, o seguimento de química fina no Amazonas é identificado pela produção de manufaturados em menor escala e com alto valor agregado, o que confere ao óleo essencial ‘made in Amazonas’ bons preços na Bolsa de

Mercado & Futuros. “Frequentemente, o valor de venda dos óleos supera em mais de 100%, quando comparado com o seu custo de produção. No caso da produção de óleo, seu preço é obtido a partir da seletividade e do grau de pureza dos produtos de interesse, qualidades desejáveis para os

manufaturados”, destaca. Para o especialista, os óleos essenciais amazônicos vêm ampliando sua participação no mercado internacional. Na avaliaçao dele, a grande demana revela a qualidade dos insumos produzidos na região, o que favorece o aumento do preço no mercado externo. Óleos essenciais amazônicos na mira internacional


Economia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

B5

Manauenses se preparam para ‘acerto’ com o Fisco CAROL CASTRO Especial EM TEMPO

A

quase um mês do início do prazo para declarar o Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF 2013), contribuintes amazonenses “correm” contra o tempo para reunir todas as informações necessárias para prestar contas ao Fisco. A ideia é antecipar a declaração e, desta forma, evitar transtornos de última hora. O bancário Hosana Menezes é um dos contribuintes que não quer passar “sufoco” com o imposto de renda. Precavido, ele se preparou ao longo do ano de 2012 para não ser pego de surpresa. “Se vou ao médico, ao dentista ou se faço algum curso, vou separando para não deixar passar nenhum comprovante. Guardo todos os recibos de despesas que devam ser declaradas”, afirma. Hosana conta com o apoio da esposa, a bancária Francisca Menezes, que, apesar de ser economista, virou a contadora da casa. É ela quem praticamente cuida da declaração do marido. Graças à experiência adquirida com o programa usado para declarar o IRPF, Francisca passou a fazer a declaração de amigos, que já começaram a procurá-la para ajudá-los na prestação de contas ao Fisco deste ano. “Na primeira semana, reúno todos os documentos e faço download dos programas necessários. Não posso deixar para a última hora, principalmente, quando decido ajudar algum conhecido”, ressalta a bancária.

DIVULGAÇÃO

A um mês do prazo, contribuintes reúnem documentos para não passar “sufoco” na hora de prestarem conta para a Receita A agente de turismo, Goreth Andrade, tem corrido da “sala para a cozinha” para organizar todos os dados necessários para declarar o Imposto de Renda. “Prefiro tomar o cuidado de guardar os documentos relacionados a mim e aos meus filhos. Gosto de entregar para quem tenha maior domínio do assunto do que me perder e deixar passar informações que são totalmente relevantes para a minha declaração”, revela. Para o contador Amadeu Amâncio, a complexidade da legislação é a principal responsável pela “correria” dos contribuintes. Ele frisa que uma boa opção é buscar ajuda

PREPARATIVOS

A antecipação na coleta de informações é a melhor saída para o contribuinte evitar “dor de cabeça” na hora de apresentar a declaração do IRPF à Receita Federal dentro do prazo A agente de turismo Goreth Andrade está entre os contribuintes que já iniciaram os preparativos para declarar o imposto

de um profissional de contabilidade para dar o suporte necessário. “São inúmeros tipos de documentos que devem ser discriminados. A omissão ou divergência podem resultar em retenção na malha fina”, alerta. Regularizar a situação impede que o contribuinte pague multas ou outras penalidades sobre o imposto de renda retido, que podem chegar até a 225% do valor do devido.

Preço “salgado”para declarar o imposto Recorrer aos serviços de contadores pode custar, em média, entre R$ 100 e R$ 300 para a elaboração da Declaração de Imposto de Pessoa Física (DIPF). O preço é considerado alto por alguns contribuintes. Porém, esses serviços podem aumentar de acordo

com a consultoria exigida pela pessoa que vai fazer a declaração. Conforme dica do contador Ciro Azevedo, para quem não sabe por onde começar, o primeiro passo é resgatar os comprovantes do ano anterior. “É comum que as pessoas deixem a declaração

do Imposto de Renda para a última hora. Por este motivo, sugerimos que as pessoas façam um planejamento tributário”, enfatiza. Segundo ele, algumas pessoas “esquecem” de colocar seus rendimentos. Outra dificuldade apontada pelo especialista ocorre quando o contri-

buinte perde os comprovantes ou deixa de incluir despesas no momento da declaração. O especialista frisou ainda que os contribuintes que fazem o acerto com o Fisco em tempo hábil, podem ser incluídos no primeiro lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física.


País

B6

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

‘Reação da economia do Brasil tem decepcionado’ O

britânico Lloyds Bank diz que a reação da economia brasileira tem sido “decepcionante”. Diante de números abaixo do esperado no crescimento e investimento, a instituição financeira diminuiu a previsão de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) nacional em 2013. A expectativa dos economistas da casa, que era de 4,2%, caiu para 3,7%. Ainda assim, acima dos 3,10% previstos pelo mercado na última pesquisa Focus. Para 2014, o banco inglês prevê aceleração e 4,8% de crescimento no Brasil. Macroeconomia global Esta semana, o banco inglês apresentou o documento “World Economic Quartely”, relatório trimestral sobre a macroeconomia global. No estudo, há uma página dedicada ao Brasil com o título “Recuperação econômica decepcionante”. “Apesar da política de estímulos significativos, a recuperação do crescimento do PIB tem sido decepcionante”, diz o texto. Ao lembrar que a taxa Selic caiu 5,25 pontos porcentuais desde 2011, o banco inglês destaca negativamente que “o investimento das empresas na economia continua em queda devido a uma acentuada

deterioração da confiança”. Em contraste com a falta de ânimo das empresas, a equipe de economistas do banco nota que “o gasto das famílias continua o principal motor do crescimento sustentado por um mercado de trabalho surpreendentemente firme e taxas de juros mais baixas”. O Lloyds entende que esse consumo das famílias deve ser o principal eixo do crescimento da economia em 2013. Segundo o banco, a aposta é “apoiada pela subida dos rendimentos reais disponíveis, sólidas condições do mercado de trabalho e as taxas de juros baixas”.“Estamos preocupados com o aumento do endividamento das famílias nos últimos anos”, destaca o documento. Voltado aos clientes internacionais do banco inglês, o relatório trimestral explica que famílias brasileiras “são capazes de adquirir uma vasta gama de bens e serviços usando planos de parcelamento”. “ Há preocupação de que famílias possam estar gastando excessivamente”, diz o relatório, ao lembrar que as taxas de inadimplência têm aumentado rapidamente desde dezembro de 2010 e, apesar da queda histórica da taxa Selic, “os custos do serviço da dívida estão bem acima da média histórica”.

REPRODUÇÃO

Opinião é do Lloyds Bank, que por conta do crescimento abaixo do esperado diminuiu a previsão do PIB para 2013

A expectativa dos economistas, para o PIB, que era de 4,2% caiu para 3,7%, número acima dos 3,10% previstos pela última pesquisa Focus

VIOLÊNCIA DIVULGAÇÃO

ALUGUEL

Tendência de alta mais forte se baseia na expectativa de melhora nas vendas em 2013

Policiamento é reforçado em SC O governo de Santa Catarina decidiu reforçar o policiamento em áreas identificadas como possíveis alvos de atentados na nova onda de violência, que registra 13 ocorrências desde a última quarta-feira, com ataques a unidades policiais e sete ônibus incendiados. Duas pessoas foram detidas e o Comando Geral da Polícia Militar ativou a sala de situação para mobilizar efetivos em todo o Estado com mais rapidez. Em Florianópolis, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nazareno Marcineiro, disse que a corporação irá fazer a escolta dos ônibus para impedir novos ataques e que unidades como batalhões de Bope (Operações Especiais), Cavalaria, Batalhão de Choque e Canil estão de prontidão para agir quando necessário.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, os ataques são uma resposta dos criminosos ao recrudescimento do trabalho policial, principalmente no

ESCOLTA

Em Florianópolis, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nazareno Marcineiro, disse que a corporação irá fazer a escolta dos ônibus para impedir novos ataques a ônibus e policiais na capital combate ao tráfico de drogas. Outro fator, segundo as autoridades, é o endurecimento de ações dentro do sistema prisional, como o corte de regalias, as prisões efetuadas

no curso das investigações da morte da agente penitenciária Deise Alves e cumprimento da Lei de Execuções Penais. O delegado-geral da Polícia Civil, Aldo Pinheiro D’Ávila, confirmou que há indícios de que a ordem para os novos atentados partiu de lideranças de uma facção criminosa que atua dentro e fora do sistema prisional. O diretor do Deap (Departamento de Administração Prisional), Leandro Lima, disse que a rotina do sistema não foi alterada. Ele não acredita que os ataques tenham sido praticados após a transferência de um preso do Complexo Penitenciário de São Pedro de Alcântara para Criciúma. “Fazemos uma média de 20 transferências por dia em todo o sistema. Quero crer que não tenha sido este o motivo para a nova onda de atentados”.

Após crescer em um ritmo menor ao longo de 2012, o aluguel cobrado dos lojistas de shopping centers deverá ganhar fôlego neste ano. Segundo empresários e consultores do setor, a tendência de alta mais forte se baseia na expectativa de melhora das vendas nos shoppings e de um crescimento maior da economia do país como um todo. “Esperamos em 2013 uma leve melhora no ambiente macroeconômico. Além disso, a ocupação nos shoppings é recorde e vemos demanda aquecida dos lojistas por um espaço nos empreendimentos”, afirmou Leandro Lopes, diretor de Finanças e de Relações com Investidores da BrMalls, companhia com par-

ticipação em 51 shoppings. “É razoável acreditar que os indicadores operacionais estarão saudáveis neste ano”. No ano passado, porém, os dados operacionais prévios divulgados pelas três maiores companhias de shoppings - BrMalls, Multiplan e Aliansce - mostram que houve desaceleração nos alugueis no conceito mesmas lojas (comparação entre as lojas em funcionamento há pelo menos um ano), principal fonte de receita dessas empresas. No quarto trimestre, os aluguéis da BrMalls cresceram 10,2%, resultado abaixo dos 15,2% registrados no mesmo trimestre de 2011. Na Multiplan, foram 8,6% ante 14,5%; na Aliansce, 10,0% ante 12,5%. A desaceleração

REPRODUÇÃO/RIC TV

Lojistas enfrentam reajuste em comparação com o resultados de 2011 foi verificada nas três companhias desde o segundo trimestre de 2012. O crescimento menor dos aluguéis mesmas lojas é explicado por diferentes fatores, sendo que o principal deles foi a expansão mais fraca das vendas dos shoppings. “Muitas pessoas ficaram endividadas e pararam de consumir entre meados do ano passado até o Natal, que não foi tão bom quanto em 2011”, afirma Michel Cutait, dono da consultoria Make it Work, que atua com lojistas e proprietárias de shoppings. Como o contrato de locação embute no valor parte do resultado das vendas, os aluguéis acabaram afetados negativamente. Polícia de Santa Catarina registrou 13 novas ocorrências violentas desde quarta-feira


Mundo

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

B7

Anistia Internacional pede apuração no Mali REPRODUÇÃO

A organização não governamental pediu que as autoridades do país e da França investiguem a morte de civis em ataques aéreos

A ONG recomendou que as investigações sigam critérios de independência e imparcialidade e que todos os suspeitos de envolvimento nas violações de direitos humanos sejam suspensos

A

organização não governamental Anistia Internacional pediu anteontem (1º) que autoridades da França e do Mali investiguem a morte de civis durante ataques aéreos feitos na operação de retirada de grupos extremistas do território africano. De acordo com o relatório divulgado pela organização, o Exército do Mali prendeu e executou cerca de duas dezenas de civis no norte do país. Ataque O porta-voz da Anistia Internacional, Gaëtan Mootoo, destacou o ataque à localidade de Konna, no primeiro dia da intervenção francesa, no último dia 11, quando morreram cinco civis, incluindo uma mãe e os seus três filhos. Segundo ele, os resultados da investigação devem ser divulgados para que a comunidade internacional consiga avaliar se houve violação do direito internacional. Autorida-

des francesas asseguraram que não foram responsáveis pela intervenção militar. Representantes da Anistia Internacional ainda afirmaram que testemunhos feitos à organização revelam que no dia 10 de janeiro o Exército maliano prendeu e executou mais de 20 civis, em Sévaré. A ONG recomendou que as investigações sigam critérios de independência e imparcialidade e que todos os suspeitos de envolvimento nas violações de direitos humanos sejam suspensos. De acordo com o relatório, grupos rebeldes também teriam recrutado crianças para participar das ações de resistência. Uma visita do presidente francês, François Hollande, ao Mali, estava prevista para ontem. Acompanhado pelos ministros da Defesa, Jean Yves Le Drian, e das Relações Exteriores, Laurent Fabius, Hollande pretende se encontrar com o presidente interino do país,

Diocunda Traoré, para avaliar a situação das tropas e o combate aos extremistas. A agenda francesa na África também prevê uma visita à cidade de Tombuctu, uma das últimas províncias liberadas pelos grupos radicais islâmicos. Refugiados As tropas militares francesas permanecem no Mali, ao Norte da cidade de Kidal, onde se refugiaram combatentes da Al Qaeda e extremistas do grupo Ansar Dine. O Exército francês bombardeia posições rebeldes nessa área há vários dias, para destruir depósitos de armas e munição e campos de treinamento dos rebeldes. O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas deve debater nos próximos dias a possibilidade de manter alguns militares franceses no país nos próximos meses para garantir a segurança da população contra os extremistas e a realização de eleições.

PESQUISA

Câmbio a R$ 2 é ‘desconfortável’ O câmbio em um patamar de R$ 2 já é desconfortável para a indústria nacional e caso a banda cambial caia abaixo de R$ 2, como sinalizou nesta semana, a situação de competitividade para a indústria só vai piorar. Avaliação Esta é a avaliação do diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Francini. De acordo com ele, a mudança “de agora” causa pouco impacto na indústria, já que foi baixa (de um patamar de R$ 2,05 para R$ 1,95), mas um rebaixamento ainda maior preocupa. “Nós já estamos desconfortáveis com o R$ 2. Se baixar mais, esse desconforto só cresce”, comentou Francini. “O nível de taxa de câm-

bio não é adequado, porém assistimos o governo na sua gestão de compatibilizar um ambiente econômico onde a taxa de inflação também é um fator importante”, afir-

FIESP

Segundo o diretor do Departamento de Pesquisas da Fiesp, Paulo Francini, a recuperação da indústria não está relacionada à falta de sensibilidade do governo com as demandas do setor mou o economista. A mudança no patamar do câmbio tem sido apontada como uma possibilidade adotada pelo Banco Central para aliviar a inflação, que está acima do centro da meta

do governo. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, contudo, garantiu na quartafeira (30) que o câmbio não é usado como um instrumento para baixar preços. “Tomara que durante o ano de 2013 surja a ocasião de fazer o câmbio andar ao contrário, ou seja, de aprofundar a desvalorização”, disse o economista, que ressaltou que outros países também vivem a necessidade de desvalorização da moeda para dar suporte as suas atividades produtivas, como o Japão mais recentemente. Francini comentou que a trajetória passada de valorização da moeda trouxe danos à indústria que fazem com que a produção nacional continue com dificuldades de retomar seu ritmo de crescimento, mesmo com estímulos do governo federal.


B8

Mundo

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013


MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

diadia@emtempo.com.br

Folia e Aids, uma mistura perigosa Dia a dia C4

(92) 3090-1041

Crimes em família

Tragédia do caso “Belota” expõe uma série de elementos que podem servir de estudo para psiquiatria, psicologia e criminologia, segundo cientista social NILSON BELÉM Equipe EM TEMPO

P

esquisadores afirmam que a tragédia da família Belota – o triplo assassinato que chocou Manaus há quase duas semanas - é interessante e pode se tornar um excelente objeto de estudos e pesquisas desenvolvidas nos campos da psiquiatria, da psicologia e da criminologia. O caso se assemelha a outros que chocaram a sociedade, seja pela forma cruel com que foi praticado, pela motivação e pelo atores envolvidos. Para o cientista social e mestre em direito penal, Raimundo Pontes Filho, existem aspectos a serem analisados, como os fatores, circunstâncias e a personalidade dos autores. Na opinião do pesquisador, os estudos e pesquisas sobre o caso Jimmy ou caso “Belota” podem ser importantes para que, no presente e no futuro, se possam produzir recomendações a fim de prevenir que crimes como estes não mais aconteçam ou, se forem cometidos, não o sejam com frequência. Pontes Filho afirma que Jimmy por si só pode ser um ótimo personagem para pesquisas. O sociólogo afirma que o publicitário Jimmy Robert Queiroz Brito, apontado como o mentor do triplo assassinato dos Belota, pode ser um ator cujo comportamento se torna parâmetro para questionar o nível de discernimento do ser humano. Na opinião do sociólogo, isso ocorre a partir do momento em que Jimmy coloca os valores materiais em um nível superior aos valores da convivência e da própria vida. “Tudo para satisfazer seus desejos físicos

e materiais”, afirma. O comportamento de Jimmy se encaixa em uma teoria bastante discutida no momento por causa de seus efeitos, que é o materialismo e o consumismo. Isso se faz presente quando o ator (Jimmy) busca solucionar de modo rápido o seu desejo e opta

EXPLICAÇÃO

Segundo Raimundo Pontes Filho, o comportamento de Jimmy se encaixa em uma teoria bastante discutida por causa de seus efeitos, que é o materialismo e o consumismo por uma vida ilícita e de riscos. “Importa é o ‘ter’, não importa como”, afirma o sociólogo. Pontes Filho afirma ainda que o caso “Belota” pode ser uma analogia aos setes pecados capitais por ter no roteiro da tragédia todos os elementos do campo deste conceito sociológico. A ira, por

exemplo, se faz presente com o desejo de vingança, o requinte de crueldade com que as vítimas foram assassinadas. A avareza, que é o apego ao dinheiro de forma exagerada, desejo de adquirir bens materiais. Esse pecado capital está implícito quando os suspeitos planejam e praticam o crime para se apossar da herança do pai de Jimmy, o aposentado Roberval Roberto. A luxúria ocorre quando Jimmy e o namorado Rodrigo demonstram o apego à valorização aos prazeres sexuais a ponto de serem cúmplices em um crime. A preguiça, que é a falta de vontade para o trabalho, se configura quando todos os atores envolvidos optam em praticarem o crime do que trabalharem para satisfazerem ao desejo consumista. A vaidade é quando os suspeitos, principalmente Jimmy, demonstram preocupação excessiva com o aspecto físico para conquistar a admiração dos outros. A soberba e a gula, apesar de estarem em menor escala, podem ser ilustrados quando Jimmy diz em seu depoimento que decidiu matar Gabriela “por ela ter tudo e ele não ter nada”.

Relembrando o caso “Ricchtofen” Pontes filho vê muita semelhança - seja pela motivação ou pelos atores envolvidos - entre a tragédia das famílias Belota e Ricchtofen, ocorrida em 2002, em São Paulo, e que chocou todo o país. No caso Ricchtofen, o motivo foi a ganância já que Suzane planejou o crime para se apossar do patrimônio da família, muito rica, motivo este parecido confessado por Jimmy: a obtenção de uma herança de R$ 200 mil com a morte do pai. Suzane teve como cúmplices os irmãos Daniel – seu namorado – e Christian Cravinhos. Jimmy contou com a cumplicidade do namorado Rodrigo de Moraes Alves e do amigo Ruan Pablo Bruno. Drogas, sexo, cumplicidade, manipulação e a falta de sentimentos de humanidade, dentre outros, também, se misturaram às tramas dos dois casos. Segundo a Promotoria de Justiça de São Paulo, Suzane Von teria sido cabeça de toda a ação criminosa que culminou no assassinato de seus pais Manfred Albert e Marísia Von Richthofen, na noite de 31 de outubro de 2002.

Jimmy Robert Queiroz Brito: situações similares ao famoso caso “Ricchtofen”

ARQUIVO EM TEMPO/DANILO MELLO

Caderno C

Dia a dia

ROBERTO CARLOS/AGECOM


C2

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

Expansão da cidade afeta cada vez mais balneários A poluição proveniente do lixo produzido na cidade é a vilã número um das águas, o que causa desconfiança nos banhistas

IONE MORENO

LUCIANO LIMA Especial EM TEMPO

O

s famosos “banhos”, nome popular para os tradicionais balneários na capital - e também no interior do Amazonas - são as opções de lazer mais utilizadas por diversas famílias amazonenses, independentemente da classe social. Hoje, poucos resistem e estão cada vez mais ameaçados pela expansão imobiliária. Em Manaus existem balneários públicos e particulares,

sendo a praia da Ponta Negra mais conhecida por ser considerada cartão-postal da cidade. A praia, que atrai banhistas de diversas áreas da cidade, é pano de fundo para vários empreendimentos imobiliários que ocupam grande parte da orla. Contudo, a concentração de imóveis construídos próximos a esses balneários naturais deixa a dúvida se tais habitações respeitam as normativas ambientais que obrigam a preservação do meio ambiente e o gerenciamento final dos resíduos degradáveis produzidos pelos residentes.

Em 2012, o Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) instaurou pelo menos 16 inquéritos civis para investigar residenciais de luxo na Ponta Negra que supostamente estariam lançando efluentes no rio Negro. O caso tramita na 50ª Promotoria de Justiça de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico (Prodemaph). Qualidade da água De acordo com a assessoria da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), a qualidade da água dos bal-

neários públicos em Manaus passa por um monitoramento de qualidade estabelecido pelas normativas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). A coleta da água é realizada durante cinco semanas ao longo de seis vezes ao ano, prioritariamente na época do verão amazônico, pois as chuvas comprometem a análise devido o comportamento da água nesse período. Para a coleta, são destacados 15 pontos diferentes: Base Fluvial da Prefeitura de Manaus, Educandos, São Raimundo, Prainha (Ponta

POLUIÇÃO

Com o crescimento da área urbana da capital, os famosos balneários, antes frequentados por milhares de pessoas, apresentam hoje queda no público, que questiona a qualidade das águas Negra), anfiteatro (Ponta Negra), próximo ao anfiteatro (Ponta Negra), Escola de Remo (Ponta Negra), praia Dourada, praia da Lua (2

nhecida por lei. O bairro abriga diversos balneários particulares, dentre estes o conhecido Remanso do Boto, muito frequentado nos finais de semana por famílias que buscam belezas naturais e diversão. Como o local do banho está próximo de casas e imóveis, a qualidade da água também passa a ser questionada. De acordo com uma funcionária do local que não quis se identificar, o lugar

é conhecido por não ter problemas em relação à água. “Aqui é um local que famílias frequentam há muitos anos. Como a água é corrente, acredito que isso afasta qualquer possibilidade de sujeira na margem e até na água. Aqui é o local preferido de muitas famílias, principalmente daqui dos bairros próximos à Zona Leste. Oferecemos o que há de melhor em comida e atendimento”, falou a funcionária. IONE MORENO

Com casas e imóveis em áreas próximas, a qualidade dos balneários é questionada

Laudo O órgão também informou que, ao final da coleta, as amostras são encaminhadas ao Departamento de Vigilância Sanitária (DVisa) que expede um laudo com base nos parâmetros estabelecidos na resolução do Conama 274/2000, onde considera que a saúde e o bem-estar humano podem ser afetados pelas condições de balneabilidade. REPRODUÇÃO

Novas opções na Zona Leste Além de balneários públicos como a praia da Ponta Negra, outras opções em áreas particulares podem ser desfrutadas pela população. Alguns desses, antes considerados distantes, hoje graças ao constante crescimento da capital tiveram as distâncias encurtadas, a exemplo alguns balneários localizados no bairro Puraquequara, Zona Leste, a qual faz parte de uma área de preservação ambiental reco-

pontos), praia do Tupé (2 pontos), Tarumã-Açu (Prainha), praia do Arrombado e Marina do Davi.

Com o crescimento da área urbana, banhos e balneários tradicionais foram esquecidos

Espaços que viraram lembranças Alguns banhos eram tradicionalmente conhecidos e muito frequentados antes de serem extintos, e hoje estão somente guardados na memória do amazonense, coamo a cachoeira das Almas, cachoeira Alta e Baixa no Tarumã, além do igarapé do 40, no Distrito Industrial, e a conhecida ponte da Bolívia, localizada no Tarumã, Zona Oeste de Manaus. Um dos primeiros em Manaus foi o balneário do Par-

que 10 de Novembro, construído em meados de 1938 entre as avenidas Recife e Darcy Vargas. Era um dos principais locais de lazer à época, que abrigava além de uma piscina natural abastecida pelas águas do igarapé do Mindu, restaurante e até zoológico. Na década de 1970, com a construção de residenciais, as águas não eram tão límpidas e com o passar dos anos ficaram totalmente impróprias para o

banho. Atualmente o igarapé do Mindu está totalmente poluído, com a passagem de dejetos e de lixo doméstico. A pedagoga Mariângela Lima da Silva, 43, lembra com saudades dos domingos com a família na ponte da Bolívia. “Lembro que passava uma água limpa por baixo da ponte, a música ao vivo animava no restaurante. Íamos muito cedo e só chegávamos pela noite. Não existia tanta poluição”, ressaltou.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

C3

Uma real necessidade ou simplesmente um golpe? Proliferação de pedintes em interior de ônibus estimula a dúvida sobre realidade ou oportunismo de quem diz estar “na pior” FOTOS: REPRODUÇÃO

Cenas comuns nos ônibus das grandes cidades: pedintes com papéis com pedidos de ajuda WILLIAM GASPAR Equipe EM TEMPO

Q

uem nunca pegou um ônibus e lá dentro se deparou com alguém pedindo dinheiro? Com a famosa propaganda, muitas vezes com um texto pronto, essas pessoas utilizam o transporte coletivo para, por meio de um discurso geralmente emotivo - desemprego, deficiência, falta de oportunidades e afins -, pedir ajuda financeira. Em Manaus e em qualquer lugar do mundo, é fato que todos precisam ganhar dinheiro para seu sustento e também é compreensível que os necessitados busquem ajuda, mas eis

que surge a questão: o que os passageiros acham disso? Entre os usuários do transporte coletivo existe uma grande divergência: alguns dizem que as pessoas precisam conseguir algum dinheiro; outros, porém, consideram a atitude imprópria “por atrapalharem a tranquilidade da viagem” e até mesmo arriscada, já que alguns pedintes às vezes se excedem em sua propaganda, a ponto de ameaçá-los psicológica e até fisicamente. “Eu, particularmente, sou completamente contra esses homens que entram com papeizinhos ou falando alto dentro dos ônibus. Não sou contra ajudar, mas às vezes eles incomodam muito e nos deixam

OPINIÕES

Entre os usuários do transporte coletivo existe uma grande divergência: alguns dizem que as pessoas precisam conseguir dinheiro; outros, porém, consideram a atitude imprópria envergonhados quando não temos dinheiro para dar”, disse a aposentada Rubia Cortesão, 63, enquanto aguardava o ônibus da linha 228, no terminal da avenida Constantino Nery. O auxiliar de limpeza Rubens Silva, 26, afirmou que

Outra “estratégia” utilizada é a dos papéis com declarações de alguma deficiência física

Reação de usuários do sistema de transporte coletivo varia da incredulidade à desconfiança

não é contra a presença desses pedintes no transporte coletivo, mas faz uma observação: “Acho somente que deve haver uma certa organização, até como segurança para eles e para a gente”. O motorista Ricardo Silva, 31, também acredita que é preciso respeitar essas pessoas. “Eu, particularmente, não acho errado. É um meio de sobrevivência de cada um. Imagine se cada um dos ambulantes que estão vendendo nos ônibus estivesse roubando?”, ponderou Ricardo. Em relação aos pedintes, entretanto, o motorista afirma que às vezes eles acabam causando certo incômodo e até a desconfiança nos passageiros,

os quais não têm certeza se eles realmente necessitam de ajuda. “Não sabemos quem deles está precisando de verdade. Muitos ali estão pedindo para o consumo de drogas”. ‘Não obrigamos ninguém’ Para Guilherme Nunes Taumaturgo, 30, que pede dinheiro diariamente nos ônibus de Manaus, o que ele e milhares de outras pessoas fazem não é prejudicial. “Nós não obrigamos ninguém, não roubamos, não batemos. O que fazemos é apenas pedir ajuda para as pessoas, já que não conseguimos emprego quando procuramos”, disse ele, que alegou sustentar três pessoas da sua família com o que arrecada.

Apesar disso, Guilherme admite que existem pessoas que abusam da boa fé e pedem dinheiro sem necessidade. “Eu mesmo conheço vários desses caras que não precisam, que têm pai com grana, mas pedem por preguiça de ir trabalhar ou fazer outra coisa”, revelou. De acordo com o Código Penal, no famoso artigo 171, obter para si ou para outrem vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento é crime de estelionato. A pena prevista para quem for pego praticando o crime é de 1 a 5 anos de reclusão.

Muitos dos pedintes apelam para fotos de parentes que estariam passando por necessidades


C4

Dia a dia

Sombra da Aids

Falta de cuidados simples por conta da euforia do Carnaval podem aumentar os números da doença na capital, que o ROBERTO CARLOS/AGECOM

WILLIAM GASPAR Equipe EM TEMPO

C

arnaval é sinônimo de alegria, muita festa e, para os mais afoitos, encontros às escuras e sexo casual. Nesse ponto, a proteção contra doenças como a Aids nem sempre são lembradas nos momentos de euforia. Esse é um dos motivos que coloca o Amazonas em quarto lugar no ranking da taxa de incidência da doença no país. De acordo com o Ministério da Saúde (MS), o Estado apresenta uma taxa de 29,4 casos da doença para cada 100 mil habitantes, ficando atrás apenas dos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Rio de Janeiro, que ocupam o 1º, 2º e 3º lugares, respectivamente. Os dados são do Boletim Epidemiológico 2012 do MS. Um grande aumento no número de incidências também é notado no relatório. Em 2000, ano inicial do levantamento de dados, o Amazonas apresentava uma taxa de 10,8 pessoas portadoras da doença para cada 100 mil habitantes. Em 2011 essa quantidade quase triplicou. Ainda segundo dados do ministério, com 48,6 casos registrados por 100 mil habi-

tantes, Manaus também ocupa uma posição preocupante entre o ranking das capitais, o 3º lugar, sendo a cidade com o maior indicador da doença na Região Norte. Em 2000, a cidade apresentava uma taxa de apenas 19 casos por 100 mil habitantes. Além da capital, dois municípios do interior também aparecem na listagem do órgão

RANKING

Amazonas tem a quarta maior incidência de casos de Aids em todo o país. Manaus fica em primeiro lugar na classificação geral das capitais da Região Norte federal. Tabatinga aparece em 5º lugar na classificação em número de casos da doença na Região Norte. A cidade, que em 2000 apresentava uma média de 5,3 casos, chegou à marca de 39,3 casos por 100 mil habitantes em 2011. Na décima posição entre as cidades do Norte, Tefé teve um aumento de 1,6 caso para 29,4 nos 11 anos avaliados pelo ministério.

A distribuição de preservativos e informativos sobre as doenças sexualmente transmissíveis é feita de forma gratuita


MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

C5

s ronda a folia

ocupa o primeiro lugar em casos na Região Norte, de acordo com o levantamento feito pelo Ministério da Saúde

ARQUIVO EM TEMPO/SHANA REIS

Prevenção ainda é prioridade A coordenadora estadual de DST/Aids e Hepatites Virais, Silvana Lima, disse que a prevenção é um dos pontos de maior empenho da Susam para evitar a proliferação de DST em todo o Estado. “O investimento é pesado no acesso aos preservativos. Também são feitas ações pontuais e campanhas de massa para conscientização. A secretaria fomenta os municípios de material para fazer suas campanhas, ainda mais nesta época. No Carnaval não podemos falar de outra coisa

se não sexo seguro”, afirmou. Equipes de saúde atuam também nas escolas. Para fortalecer o tratamento para os portadores de DSTs, existe no Amazonas o Serviço de Assistência Especializada (Saes). “Esses serviços atendem especificamente a quem já foi diagnosticado com alguma doença. Todo o tratamento é gratuito, o coquetel utilizado no tratamento é adquirido pelo Ministério da Saúde e repassado. Existe uma segunda lista de medicamentos, onde uns são

de responsabilidade do município e outras do Estado”, completou a coordenadora. Existem 17 Saes espalhados por todo o Estado, sendo cinco na capital e outros 12 no interior. Segundo Silvana, quem precisar fazer um exame para diagnosticar a doença, basta procurar uma unidade de saúde. “As pessoas que querem fazer o teste podem chegar em qualquer unidade, e se não estiver disponível no local, ele será indicado a um lugar em que ele possa ser realizado”, ressaltou. MARCELO CAMARGO/ABR

O exame de confirmação da doença pode ser feito nas unidades públicas de saúde

Mesmo com acesso à informação, jovens se expõem desnecessariamente ao vírus da Aids

Os jovens são mais vulneráveis No Amazonas e em todo o país, há uma geração que, embora com amplo acesso a informações, não tem a real percepção dos perigos do sexo sem proteção. Aproximadamente 60% dos jovens entre 18 e 29 anos acham que não correm risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis. De cada 10 jovens, quatro acreditam que não é preciso usar preservativos em relacionamentos estáveis e três desconfiariam da fidelidade do parceiro que propusesse o uso regular da camisinha. Os dados são da

Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e Do Departamento de DST-Aids e Hepatites Virais do MS. De acordo com o ministério, 78% dos jovens responderam que já usaram camisinha, ao menos uma vez, para se proteger contra DSTs. No entanto, 40% não consideraram o uso do preservativo eficaz para evitar infecções ou uma gravidez indesejada. Segundo o coordenador da pesquisa, Miguel Fontes, a pesquisa aponta que os jovens não colocam em prática o que aprendem em

relação a DST. “Os jovens não se acham em perigo de contrair Aids. Eles se sentem fortalecidos no plano do conhecimento, mas, quando puxamos para a realidade, vemos que eles estão em situação de vulnerabilidade. As práticas do uso do preservativo na última relação são baixas”. De acordo com a pesquisa, 36,1% dos entrevistados não usaram camisinha na última relação sexual e 39% disseram que só fazem questão de usar preservativo apenas na primeira relação com um novo parceiro.


C6

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

Insignificância dispende tempo e elimina liberdade Casos de prisão por pequenos furtos mostram a falta de sensibilidade no Poder Judiciário quanto a casos menores

MÁRIO OLIVEIRA/TJAM

NILSON BELÉM Equipe EM TEMPO

P

or causa do furto de 3 quilos de carne no último dia 8 de janeiro, a dona de casa Zózima da Silva Aragão Neta, 22 amargou uma semana de prisão na Penitenciária Feminina. Levada, segundo ela, pela necessidade de alimentar sua família, a mulher foi presa em flagrante no supermercado DB da Colônia Santo Antônia, Zona Norte de Manaus. Mesmo com o princípio da insignificância que rege as ações judiciais, argumento inclusive utilizado pela Defensoria Pública para tentar soltála no dia seguinte à detenção, Zózima foi solta somente no dia 15 de janeiro. O processo foi imediatamente arquivado pela 8ª Vara Criminal, antes mesmo da remessa do inquérito à Justiça. Esse, porém, não é caso único. Passam por delegacias e pelas mãos de promotores de justiça, defensores públicos e juízes processos semelhantes. São situações de pessoas que são presas e ficam “mofando” na prisão por terem sido acusados de crimes simples e banais como roubar chocolate, latas de leite, de conserva e outros tipos de produtos de prateleiras de pequenos comércios e supermercados. Na opinião de juízes, defensores públicos e autoridades especialistas tais casos servem para ilustrar o disparate de questões insignificantes que não deveria nem se tornarem casos de polícia, e muito menos serem analisados pelo

Ministério Público ou julgados pelo Poder Judiciário. O que é mais grave é que por falta de sensibilidade de delegados, de promotores e dos próprios juízes, as pessoas acusadas desses “crimes” são indevidamente punidas permanecendo por um longo tempo privados de sua liberdade. Alguns desses casos foram parar nas mãos do juiz e professor de direito constitucional, Cássio Borges. O magistrado é da opinião que casos como estes - que na linguagem jurídica são chamados de estado de necessidade e pequena bagatela devido à insignificância - são uma afronta ao sistema e ao aparelho policial, ao MPE e à Justiça. Cássio cita um caso em que era o terceiro juiz a atuar em um dos processos que antes já haviam envolvido uma meia dúzia de promotores, dezenas de servidores e gasto algumas centenas de reais na tramitação dos autos e no sustento aos dois encarcerados. “Eu não tive dúvida em inocentar os dois acusados e na sentença eu fiz duras críticas a todo aparelho que manteve desnecessariamente aqueles dois homens por dois anos na prisão. Critiquei o delegado que lavrou o auto de prisão em flagrante, o promotor que opinou favoravelmente para a manutenção da prisão e o juiz que os manteve presos. Nem eu mesmo escapei já que atuava naquela vara desorganizada há três meses e não sabia que tais casos estavam tramitando por lá”, afirmou.

Carlos Zamith apoia a criação de uma lei para a internação de usuários de entorpecentes que cometem pequenos delitos

Juiz defende alternativa eficaz de tratamento O juiz da 8ª Vara Criminal, Carlos Zamith, disse que chegam às suas mãos alguns casos que se enquadram no crime de bagatela e quase sempre são de pequenos furtos. Nesses casos, juízes e o Supremo Tribunal Federal defendem duas cor-

rentes: o primeiro do valor puro e simples do objeto furtado que não ultrapassa um salário mínimo. A outra é do valor do objeto furtado em relação à condição financeira da vítima. Zamith afirma que na maioria dos casos os acusados

são usuários de substância entorpecente que praticam pequenos furtos para sustentarem o vício. Internação No entendimento do magistrado, essas pessoas precisam mais é de tratamen-

to do que serem mandadas para uma prisão. É por esse motivo que Zamith defende que o poder público do Amazonas deve fazer o mesmo que o governo de São Paulo: criar uma lei e condições para a internação compulsória de dependentes químicos.

Casos simples pedem agilidade

ARTHUR CASTRO/AGORA

O defensor público Leonardo Figliuolo, do Núcleo Criminal da Defensoria Pública do Estado (DPE), disse que em alguns casos considera um absurdo uma pessoa ser presa, autuada em flagrante e mandada para a prisão por ter praticado um crime simples. O defensor explica que não só ele como os demais colegas têm como regra pedir o relaxamento ou a liberdade provisória do acusado ou da acusada. Mas, nesse caso, o defensor faz questão de explicar que leva em conta o princípio do estado de necessidade, ou seja, quando o acusado subtrai uma lata de leite, um quilo de carne ou outro tipo de produto para se alimentar ou então para atender uma outra necessidade. Quando o caso segue em frente traz consequências. Uma delas é o gasto de tempo e de recursos desnecessários por envolver trabalho de policiais, servidores de cartórios, de gabinetes de promotores de justiça e defensores públicos. Outro problema é o acúmulo de processos junto aos cartórios de varas criminais que já estão abarrotadas. A superlotação dos presídios é outra consequência.

Zózima ficou presa por uma semana após roubar carne

Algumas situações absurdas Máquina de 150 reais - Neste caso, o réu Abraão Nobre da Silva foi denunciado por Izaías da Silva por furtar uma máquina fotográfica da casa do denunciante. A denúncia era de que a máquina fotográfica era “importada” e valeria uma pequena fortuna, mas o juiz Carlos Zamith verificou que o valor

não ultrapassava R$ 150 e mandou arquivar o caso. DVD Jwin - O réu José Laborda do Nascimento foi denunciado de ter furtado um DVD de marca Jwin do imóvel de Marcelo de Souza Martins. o juiz Carlos Zamith absolveu o réu depois de constatar que o preço no mercado do aparelho era de R$ 90.


Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

C7

Uma esperança contra o vandalismo em Manaus

Soluções para os danos provocados por vândalos no patrimônio público serão estudadas pela nova administração da cidade DIEGO JANATÃ

LUCAS PRATA Equipe EM TEMPO

O

número de logradouros públicos vandalizados em Manaus deverá ser levantado nos próximos meses para que sejam adotadas medidas de resolução do problema. A informação é do subsecretário de Serviços Básicos da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação (Seminfh), Alessandro Cohen. Ele informou que, como houve mudança de gestão na prefeitura, ainda não há um projeto que visa diminuir custos com reformas de praças para reparos aos danos provocados por vândalos. “A preocupação do prefeito nesses primeiros 30 dias são outras operações de urgência, como tapa-buracos e a limpeza da cidade. Nos próximos meses vamos nos reunir com ele e discutir soluções para esses locais. Também é uma preocupação do prefeito diminuir gastos com esse tipo de ato e garantir o bem-estar das pessoas nesses locais”, informa. De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Manaus, a Guarda Municipal já atua nesses espaços públicos, porém com uma equipe reduzida, mas o gabinete trabalha agora para aumentar esse efetivo. Até o ano passado, os espaços eram vigiados por um ou dois guardas municipais, enquanto o projeto em elaboração pelo Gabinete Mili-

tar da Prefeitura de Manaus prevê a colocação de cinco guardas nesses espaços públicos. “Nós vamos concentrar o número de guardas municipais para dar apoio nos terminais de ônibus, nos parques e nas praças. Esse é o nosso foco: aumentar a segurança”, explica o secretário do Gabinete Militar da Prefeitura de Manaus, coronel Fernando Farias. O vandalismo nos logradouros públicos da capital amazonense pode ser visto facilmente em locais como

EXEMPLOS

O vandalismo nos logradouros públicos da capital amazonense pode ser visto facilmente em locais como o parque dos Bilhares e a praça Nossa Senhora de Nazaré, tomados por pichações o parque dos Bilhares, na Zona Centro-Sul, tomado por pichações e com lâmpadas quebradas, e na praça Nossa Senhora de Nazaré, em Adrianópolis, cuja redoma de proteção da estátua da santa está danificada, expondo a imagem à ação dos marginais. Os viadutos da cidade são outros locais preferidos pelos destruidores. Segundo informações da assessoria da prefeitura, entre 2009 e 2012, a administração municipal gastou mais de R$ 3 milhões apenas com a recuperação de

cinco praças nas zonas Sul e Oeste da cidade. População perdeu costumes De acordo com o cientista social e professor Luiz Antônio Nascimento, antigamente as praças serviam para o encontro de pessoas, e esse costume foi perdido por causa do advento dos shopping centers, que passaram a colocar praças em seus empreendimentos. Com os logradouros abandonados, outros grupos sociais adaptam seu estilo nesses locais. “As praças abandonadas dão margens para outros grupos sociais implantarem seus estilos próprios no local, como por exemplo, as pessoas que são adeptas do hip-hop e do skate, que muitas vezes não têm um local adequado para praticarem suas atividades. Muitas vezes isso não se dá apenas por ação dos vândalos, que também existem. Como os locais ficam abandonados também sofrem a degradação do tempo”, comenta. Para o estudioso, antes que esses espaços passassem por reformas, o poder público (prefeitura e governo), deveriam fazer um levantamento para saber o perfil das pessoas que visitam tais locais. “Quando esses lugares passam por reformas, a estrutura é totalmente redefinida de acordo com os interesses das autoridades. A meu ver, os usuários desses locais deveriam ser ouvidos antes dos reparos estruturais”, finaliza.

Na praça Nossa Senhora de Nazaré, marcas do vandalismo evidentes na redoma da santa


C8

Dia a dia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

FCecon lança alerta no Dia Mundial do Câncer totalizou 4.862. São pacientes que receberam diagnóstico na Fundação Cecon, em outras unidades hospitalares do Amazonas e de outros Estados, ou ainda, pessoas que estavam sob suspeita de terem adquirido a doença e necessitavam de exames mais detalhados para confirmar o diagnóstico de câncer ou descartá-lo.

Mudança de hábito para vida melhor Edson de Oliveira Andrade destacou que, afastando os fatores de risco do câncer, reduzse o risco de contrair a doença. “Uma má alimentação, por exemplo, favorece o aparecimento da doença no sistema digestivo. Substituir alimentos enlatados e com alto índice de conservantes por fibras e abandonar o fumo são algumas das medidas preventivas neste caso”, informou o especialista em pneumologia. Ele explica, ainda, que no caso das mulheres, o exame de Papanicolau deve ser realizado anualmente, bem como o de mama a partir dos 40 anos, conforme preconiza a Organização Mundial de Saúde (OMS). “O preventivo pode detectar lesões precursoras da doença, evitando que ela apareça. O câncer de colo de útero, cujo Amazonas é o primeiro em incidência no país, é 100% prevenível”, assegura.

Alta complexidade Dados da Secretaria de Es-

RISCOS

Embora o número represente uma redução no comparativo com 2011 de 26%, há tipos de câncer que ainda preocupam, como o de próstata, o primeiro em incidência entre homens tado de Saúde (Susam) mostram que das 2.223 cirurgias realizadas no ano passado na Fundação Cecon, 70,7% foram de grande porte, ou seja, de alta complexidade. O número representa um aumento de 6,5% frente aos procedimentos cirúrgicos ocorridos em 2011, que totalizaram 2.087. Entre cirurgias e sessões de quimioterapia e radioterapia, os três principais tipos de tratamento contra o câncer oferecidos pela fundação, foram registrados 6.192 atendimentos na unidade (1.767 de quimioterapia e 2.202 de radioterapia). Além deles, 8 mil atendimentos foram realizados pela equipe de Terapia da Dor e Cuidados Paliativos.

Além da FCecon, unidades privadas de saúde também realizam diagnóstico e tratamento do câncer

ALFREDO FERNANDES/AGECOM

E

m alusão ao Dia Mundial do Câncer, instituído no dia 4 de fevereiro, a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Amazonas (FCecon), órgão do governo do Estado, lança um alerta à população para que procure adotar hábitos mais saudáveis de vida, afastando os fatores de risco das neoplasias. Só no ano de 2012 foram registrados na instituição, que é referência no tratamento da doença em toda a Amazônia Ocidental, 943 novos diagnósticos. Embora o número represente uma redução no comparativo com 2011 de 26% (caiu de 1.275 para 943 casos), há tipos específicos de câncer que ainda preocupam. É o caso do de próstata, o primeiro em incidência entre pessoas do sexo masculino, que apresentou um aumento de 24,1% no período, passando de 116 novos diagnósticos em 2011 para 144 no ano passado. Os índices de câncer de colo de útero e de mama, os dois mais comuns na população feminina, também continuam altos. O primeiro teve 107 casos registrados em 2012, e o segundo, 160. Os números correspondem apenas aos casos diagnosticados no Laboratório de Anatomia Patológica da FCecon. O diretor-presidente da fundação, Edson de Oliveira Andrade, explica que o número de casos no Estado é superior ao divulgado pela FCecon, visto que há unidades privadas que também realizam o diagnóstico e tratamento do câncer no Amazonas. Além disso, uma parcela dos pacientes que dão entrada na fundação é oriunda de outros Estados, como Rondônia e Roraima, e até de países fronteiriços. Ele cita como exemplo o número de novos inscritos na instituição, ano passado, que

ARQUIVO EM TEMPO/JOEL ROSA

Mesmo com redução, surgimento de casos da doença incentiva maiores cuidados por parte da população amazonense

Realização de exames periódicos auxilia no diagnóstico precoce da doença, permitindo até mesmo a cura da enfermidade


Caderno D

Plateia MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

plateia@emtempo.com.br

DIVULGAÇÃO

Atriz local em grupo de Celso Martinez (92) 3090-1042

Plateia 3

Balé também é coisa de gente grande Comum entre crianças e adolescentes, estilo de dança atrai adultos que nunca dançaram

P

ara profissionalizar, relaxar, entreter ou mesmo como terapia ou indicação médica, o balé clássico é uma alternativa de arte e exercício físico para pessoas de todas as idades. Comumente associada às crianças, quando o assunto é começar o aprendizado, a dança também desponta como adequada para adultos, mesmo que estes não tenham sequer algum conhecimento prévio sobre o assunto. O professor baiano Álvaro Gonçalves, cujo nome batiza a própria escola de dança em Manaus, afirma que uma exceção para seguir no aprendizado do balé clássico são os casos em que a pessoa apresente problemas de saúde, sobretudo de ordem ortopédica, devidamente diagnosticados. “Em relação à terceira idade também há uma adequação de movimentos e exercícios. Nas demais situações, as aulas são as mesmas para crianças e adultos. A diferença, na prática, está no fato de que em se iniciando as aulas de balé quando pequeno, os estudos completos podem durar aproximadamente 14 anos. Quando o início se dá na fase adulta, algumas etapas podem ser suprimidas, uma vez que entende-se que o mais velho tem uma compreensão melhor

sobre o próprio corpo”, explica, sem excluir a seriedade com a qual o trabalho deve ser encarado. O professor Álvaro Gonçalves afirma que aulas para um público adulto – a partir dos 18 anos de idade - não é um nicho novo de mercado. Há oito anos em atividade docente no cenário manauense, o bailarino baiano enfatiza que sempre atendeu igualmente a todos os públicos. Em

INDICAÇÃO

Para profissionalizar, relaxar, entreter ou mesmo como terapia ou indicação médica, o balé clássico é uma alternativa de arte e exercício físico para pessoas de todas as idades 2012, por exemplo, passaram por sua escola aproximadamente 70 alunos com idades que variavam de 18 a 42 anos, um número equivalente 25% do total de alunos registrados ali, no mesmo período. Homens também procuram o balé. Entre os adultos, cerca de 30 eram do sexo masculino, na faixa de 18 a 30 anos de idade. Há pelo menos 15 anos envolvida com o balé clássico, a bailarina Adriana Góes compõe e dá aulas (desde 2005) no Corpo de Dança do Amazonas (CDA), onde tra-

Na escola Álvaro Gonçalves, há muitos alunos iniciantes com idades entre 18 a 42 anos

SERVIÇO AULA DE BALÉ PARA ADULTOS Onde: Escola Ballet Álvaro Gonçalves Informações: nformações: (92)3234-6045 / 8143-4011

balha exclusivamente com adultos. Estes, claro, com muita bagagem no meio. Mas, paralelamente a essa experiência, Góes tem boas histórias sobre o ensino do balé para adultos que nunca haviam ouvido falar em “plié” ou “relevé” anteriormente. “Há algum tempo, cheguei a dar aulas para três mães de alunas adolescentes. Uma delas quis participar e acabou convencendo as demais. Nesse caso, ministrava a mesma aula para todas ao mesmo tempo. A diferença de idade se refletia na resposta aos comandos. Embora as adolescentes tivessem mais prática de dança (oriundas do jazz), as mães tinham maior compreensão e consciência corporal e absorviam mais rápido o movimento. As aulas, de fato, eram mais simples, mas era possível observar que mesmo sem ter a vivência na dança, as mães conseguiam maior concentração”, lembra. Segundo Adriana Góes, não há contraindicação para quem vai fazer o balé clássico. Para ela, a ressalva é voltada para o profissional que vai dar as aulas. “A visão geral do balé pela sociedade é a da virtuosidade, mas sua prática pode ter outra abordagem e o professor precisa entender isso”, diz. A bailarina aponta que o balé clássico não é de alto impacto quando vai se iniciar o estudo, embora seja bem elaborado na técnica.

É bom para o corpo e a mente A estudante do 5º período de medicina, Paula Oliveira, conta que passou praticamente a vida inteira alimentando a vontade de aprender a dançar balé clássico, mas somente ano passado conseguiu arrumar tempo e dinheiro para investir naquilo que até o momento parecia um sonho, um desejo. Hoje, aos 25 anos de idade, a universitária se diz realizada. “Foi um grande encontro comigo mesma. Não quero largar nunca mais. O balé era exatamente o que imaginava e mais um pouco. Superou minhas expectativas. Achei que não ia conseguir fazer alguns movimentos no início, mas em três meses já estava realizando-os”, conta. Paula admite que gostaria de ter começado antes, mas sempre tinha outra prioridade no momento. “Gostava desde criança,

mas minha família não tinha condições financeiras e depois eu tinha mais tempo. É uma atividade que exige muita disciplina e esforço próprio. Como atividade física, há uma melhora significativa, incluindo na postura. Tem efeitos semelhantes ao yoga”, diz a estudante, que orienta aos interessados não temer o desafio. “É só começar de uma vez”, enfatiza. Sobre os benefícios, a bailarina Adriana Góes lembra que a prática do balé clássico melhora o alinhamento corporal e dá ao indivíduo maior compreensão de musicalidade. A opinião é compartilhada pelo professor Gonçalves. “O balé melhora a socialização da pessoa, sem falar no bemestar adquirido, na flexibilidade corporal ampliada e até na desinibição para se expressar e no desenvol-

vimento do lado criativo, aprendendo a respeitar o espaço de cada um”, diz. Como orientação básica, o professor Álvaro Gonçalves recomenda aos adultos que pensem em aprender e praticar o balé clássico que saibam pesquisar. “É preciso saber escolher a escola adequada às suas necessidades, entender que é necessário buscar superar seus limites. Muitas vezes, os adultos se sentem intimidados porque têm outros na turma que estão há mais tempo na estrada. Mas temos que lembrar que o mais importante é se entregar nas aulas para que venha a acontecer a evolução no desempenho. A pessoa pode não se tornar uma grande bailarina porque talvez não venha a ter a oportunidade de atuar no palco, mas pode ser uma boa coreógrafa ou professora”, alerta.

FOTOS: ARQUIVO EM TEMPO

GUSTAV CERVINKA Equipe EM TEMPO

A bailarina e professora Adriana Góes diz que não há contraindicação para quem vai fazer o balé clássico


D2

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

FOTOS: BARROS E ALBERTO CÉSAR ARAÚJO

>> Bazar chic . Numa bela iniciativa que merece aplausos, a primeira-dama Nejmi Aziz esteve à frente de um bazar solidário com vendas especiais, apresentando lindos modelos, bolsas, sapatos e acessórios usados em eventos oficiais, na MS Casa, que esteve lotadíssimo de mulheres adquirindo as ofertas por preços especiais.

>> Posse . A Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas esteve concorridíssima na manhã de sexta-feira, na solenidade de posse da nova Mesa Diretora da Casa, com o deputado Josué Neto na presidência. . Evento prestigiadíssimo com convidados cumprimentando a nova direção do Poder Legislativo estadual. O querido deputado Josué Neto é um nome especial da nova safra de parlamentares do Amazonas. Manhã reunindo pesos-pesados de várias áreas.

. Os modelos, sapatos e bolsas elegantes terão sua arrecadação revertida para a Páscoa de crianças carentes do Amazonas. As peças arrancaram suspiros da turma feminina antenada que estava presente no local. Na manhã de abertura do evento, na MS Casa lotada, Nejmi foi cumprimentadíssima.

Andrezza e o presidente da Aleam Josué Neto

Graça e Nonato Lopes Sônia Jinkings, Guto Oliveira, Lucimar Moreno, Jéssica Tayah e Adriana Cordeiro O deputado Josué Neto em sua posse na presidência da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas

A primeira-dama do Amazonas, Nejmi Aziz, durante o concorridíssimo Bazar Solidário que movimentou a MS Casa

Gilberto de Paula e Cássio Borges

Fernando Coelho Jr. fernando.emtempo@hotmail.com - www.conteudochic.com.br Marina e Virna Lins

Graça Figueiredo

>> Fantasias

O procurador-geral de Justiça, Francisco Cruz, e o governador Omar Aziz

. Crianças de três a 12 anos podem participar da 9ª edição do tradicional Concurso de Fantasia Infantil, promovido pelo Governo do Estado do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC). . Serão distribuídos 12 prêmios em dinheiro que somam R$ 6 mil, além de troféus. É possível realizar inscrição no dia e local do evento. . A competição acontece hoje às 18h no Centro Cultural Largo de São Sebastião. Há quatro categorias, separadas em duas faixas etárias: originalidade infantil e luxo infantil, ambos para competidores de 3 a 7 anos e de 8 a 12 anos.

>> Tururis Pat Ruiz e Larissa Vieitas

Waltinho Oliva Pinto e Mary Tuma

. O Carnaboi 2013 apresentará 25 atrações que deverão movimentar o sambódromo.

O presidente do TCE-AM, Érico Desterro e Silva

O presidente da Câmara Municipal de Manaus, Bosco Saraiva

. O cantor e compositor Carlinhos do Boi abre em plena Segunda-Feira de Carnaval, a programação do evento promovido pelo governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura, e que neste ano acontece nos dias 11 e 12 de fevereiro com expectativa de reunir até 200 mil pessoas que irão dançar ao som das toadas neste que é considerado o mais amazônico Carnaval do país. . Cada trio terá 40 minutos para atravessar a passarela do samba em um total de 10 desfiles por dia, com início às 20h e final às 3h25.

O deputado Josué Neto, o ministro Mauro Campbell Marques e Josué Filho

>> Celebs . Informações de presença de celebridades internacionais no Carnaval antecipam o clima de expectativa para a folia brasileira. Carla Pacheco e Michele Cunha

Adriane Gonçalves e Norma Araújo

. A linda Megan Fox será a madrinha do Camarote da Brahma, Psy estará nos trios de Salvador. Mas, a notícia mais bombástica é que a Devassa confirmou que está negociando a vinda do rapper Kanye West ao Carnaval do Rio. Com ele, Kim Kardashian deve vir junto! Seria a primeira vez da badalada socialite em solo brasileiro. Vamos aguardar confirmações.

O deputado Adjunto Afonso e Fernando Falabella

>> Em alta . Em temporada de Carnaval os adereços de cabeça voltam com força total e levantam qualquer look. . As cabeças assinadas pelo estilista amazonense Nil Lima com tendência tropical, são as mais procuradas pelas antenadas da cidade. Kátia Sebbem, Lúcia Assayag, Eliane Schneider e Carol Sebbem

Luciana Souza, Josué Filho e Kátia


Plateia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

D3

Atriz local em elenco do grupo de Celso Martinez PRISCILA CALDAS Equipe EM TEMPO

E

la é amazonense, tem 23 anos de idade e integra o grupo de teatro paulista Uzina Uzona, do diretor José Celso Martinez Corrêa, um dos mais respeitados do país. Após 1 ano de trabalho fora de Manaus, a atriz Mayara Dellacarmo, que esteve, na capital para ministrar uma oficina, fala dos bons frutos. A ligação Mayara Dellacarmo com Celso Martinez começou quando ela participou do projeto “Dionisíacas”, um programa de circulação nacional realizado pelo diretor em 2010. A atividade era dividida na exibição de quatro espetáculos e diversas oficinas, todas ministradas pelo próprio artista. Após ser contemplada no Programa de Apoio e Incentivo à Cultura (Paic), em 2011, mudou-se para São Paulo e escreveu um projeto que a fez entrar no grupo paulista, em março de 2012. “A partir daí, senti que passei por um divisor de águas. Descobri o que me movia enquanto artista”, recorda. “Quando cheguei em São Paulo passei a fazer pesquisas

e cheguei a ingressar em um elenco de uma peça chamada ‘Paraíso’, de outro grupo, que ficou em cartaz por um mês. Só um ano depois consegui entrar na Uzina Uzona”, conta. A artista afirma que a primeira montagem da qual fez parte junto ao elenco nacional foi “Macumba Antropófaga”, uma remontagem do espetá-

PERFIL

Aos 23 anos, a atriz amazonense Mayara Dellacarmo representa o Amazonas nos palcos paulistanos, participando do grupo Uzina Uzona, de Celso Martinez, um dos mais respeitados do país culo feita em 2012. Seu segundo trabalho com os paulistas foi “Acordes”, um texto do alemão Bertolt Brecht. “Entre os projetos para este ano está a produção da peça ‘Cacilda’. Também temos viagens pela Europa e demais produções”, lembra a amazonense. Sem comodismo De acordo com Mayara, a

chegada ao nível nacional contou com a colaboração de amigos e profissionais amazonenses. A atriz é formada pelo Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro e passou pelas Companhias de Teatro Lado B, dirigida por Geysa Frohlich; e Amazônia Artes e Mitos, liderada por Narda Telles. “Sem a ajuda dos amigos não teria conquistado esse lugar”, agradece. Segundo a atriz, a experiência de poder receber ensinamentos por parte de um renomado ator é algo honroso. A manauense comenta que é impossível não aprender técnicas e novas metodologias ao lado de Martinez. “Nos sentimos vivos durante nosso trabalho porque Martinez interage o tempo todo e não dá as ordens sentado em sua cadeira. É incrível a forma que atua junto conosco no palco, mesmo durante os espetáculos”, expressa. Mayara também cita que o diretor pode ser considerado como um mestre e ainda um gênio, que ensina e cobra, nos momentos certos. “Ele tem compromisso com tudo o que faz e sempre diz que o público precisa pulsar junto ao elenco. Poder trabalhar ao seu lado é gratificante”, expressa.

DIVULGAÇÃO

A amazonense Mayara Dellacarmo comemora a boa fase em São Paulo, em uma companhia de destaque nacional

Desde 2010, a atriz Mayara Dellacarmo mora em São Paulo para se dedicar a carreira

‘Ainda estamos no comodismo’ Ao lembrar do cenário artístico local, Mayara avalia que os colegas amazonenses precisam sentir a necessidade de aprender algo mais e não “caírem” na zona do comodismo. “Precisamos nos descobrir como pesso-

as e entender o sentido da nossa existência, porque quando isso acontece procuramos crescer. Vejo que durante esses encontros poucos artistas participam e esse seria o momento de aprendizagem”, lamenta.

Mayara relata que chegou a uma conclusão: que os atores locais têm talento e força singulares. “Só nós temos essas características porque estão ligadas às questões regionais como a floresta e os rios”, conclui.


D4

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

DIVULGAÇÃO

RESENHA

O velho novo circo da mídia O apelo grotesco das grandes emissoras de televisão é tema do filme “Rede de Intrigas” de Sidney Lumet. O ano de lançamento foi 1976, mas o tema é tão atemporal que consegue facilmente se encaixar nas ações da atualidade CÉSAR AUGUSTO Equipe EM TEMPO

E

m 1976, não havia Big Brother nem quaisquer reality show que hoje afetam todos os cantos do globo. No entanto, o circo da mídia já era alvo de críticas abertas à espetacularização em detrimento da ética e da qualidade. Esse quadro praticamente imutável é mostrado por Sidney Lumet em “Rede de Intrigas” (Network), uma obra insuperável em seu ataque mordaz e até mesmo satírico ao apelo grotesco das grandes emissoras de televisão. O tema adapta-se bem aos dias de hoje com a profusão de reality shows e programas de auditório de gosto questionável, que não são descartados enquanto manipulam emocionalmente milhões de telespectadores em troca de audiência e muito, muito lucro. O roteiro, por si só, é destruidor: ao saber que seria demitido do telejornal noturno da rede UBS, o apresentador Howard Beale (Peter Finch, vencedor do Oscar por esse papel) anuncia em alto e bom som, ao vivo, que iria cometer suicídio diante das câmeras dali a uma semana, gerando polvorosa nos corredores da emissora. Mas, para a vice-presidente de programação, Diana Christensen

(Faye Dunaway, ganhadora do Oscar de Melhor Atriz), o jornalista em gradual colapso psicológico é uma oportunidade de alavancar os índices de audiência da companhia. Mudança Assim, Howard Beale passa de lunático a uma fonte de renda certa para os cofres da UBS, único objetivo de Diana, um tipo de mulher tão envolvida com a ambição de seu trabalho que não consegue se desligar nem mesmo quando está com seu amante Max Schumacher (William Holden), melhor amigo de Beale e ex-diretor de jornalismo da emissora – vítima de uma “pernada” de Diana para controlar a divisão jornalística e executar seu plano de transformar Howard na sua “galinha dos ovos de ouro”. Tal é a ganância e fascínio dessa workaholic que nem mesmo enquanto faz amor ela consegue parar de se vangloriar das tramoias por trás da luta pela audiência: o orgasmo para Diana é maior quando fala de suas vitórias pelo bem da emissora. Por seu lado, Schumacher deixa a esposa Louise (Beatrice Straight) para viver com a executiva um romance cujo final ele já conhece mas, ainda assim, se deixa levar: incapaz de suportar a falta de humanidade de Diana, acaba por abandoná-la.

Peter Finch dá vida à personagem do apresentador Howard Beale

Falsa seriedade escrachada Transformado em um profeta da mídia e influente que garante audiência, Beale entra em parafuso e passa a falar mais do que devia no programa que a essa altura lidera a audiência da UBS. Ao revelar negócios escusos da CCA, conglomerado empresarial que controla a UBS, passa a incomodar os executivos da emissora. Assim, o apresentador sela o próprio

destino e passa de atração a peça incômoda e descartável nos interesses dos empresários. Ao derrubar os encantos aparentes dos grandes programas de entretenimento, “Rede de Intrigas” escracha com a falsa seriedade com que os executivos de rede tocam sua programação. É um filme que permanece atraente, forte e reflexivo até hoje, valendo a pena sempre ser revisitado.


Plateia D5

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

Canal 1 plateia@emtempo.com.br

TV Tudo

Bate–Rebate REPRODUÇÃO

Boa química Estão todos muito bem impressionados com os desempenhos de Grazi Massafera e Henri Casteli nas cenas gravadas de “Flor do Caribe”. Os dois estão muito bem. Dentro da Globo já se comenta que a gravidez só trouxe benefícios a Grazi. Está mais bonita e se saindo muito bem no trabalho.

Preparem seus corações O SBT vai mexer na sua programação, mas, por enquanto, está tudo meio naquela do “não conta pra ninguém”. Já existe um estudo completo a respeito desta nova grade, cuja implantação passa a depender da aprovação do dono. Isto, em termos de tempo, significa que só após o Carnaval. Nada a respeito Circularam rumores sobre o desejo do SBT em resgatar o “Circo Eletrônico”, pelo menos o título, e criar um novo programa, com chances de ter Rafinha Bastos no seu comando. A direção da emissora não confirma. Como pode? Determinadas senhoras e senhoritas, à disposição de interessados para presenças em eventos, se anunciam como “affair” do jogador Neymar. E, se servem disso para elevar o valor do cachê. O craque, com toda certeza, não sabe nem a metade da missa. Aparências Bárbara Paz é nome confirmado na próxima novela das 21h, do Walcyr Car-

rasco, substituta de “Salve Jorge”. Em um dos principais papéis, ela vai viver a personagem, Edith, casada com Felix, tipo do Mateus Solano - vilão da trama. Ambiciosa, dona de uma butique de roupas, surpreende ao manter um casamento de aparências, após descobrir, por meio de redes sociais, que o marido é gay.

Ainda não “Caminho das Índias”, escrita por Glória Perez, além da grande audiência e de um prêmio Emmy, também chamou atenção, no seu período de exibição, por transformar em bordões algumas expressões dos seus personagens. Razão do seu sucesso junto ao público.

Desperdício Regina Volpato renovou recentemente o seu contrato com a Rede TV! e, agora, com o fim do “Se Liga Brasil”, ficará no aguardo de um novo projeto. Uma pena encostarem uma profissional de valor desta maneira. De qualquer forma, sabe-se que o Bem Simples, da Fox, já manifestou em fazer alguma coisa com ela, se possível, um programa diário.

Ainda não 2 Cada um é cada um, mas em “Caminho das Índias” era normal ouvir nas ruas ou em diferentes locais, as pessoas falando “Are baba”, “tike”, “Atchá”, mesmo sem saber o significado. Um efeito da novela. É algo que ainda falta a “Salve Jorge”. Tem lá as suas expressões, mas nenhuma caiu na boca do povo. Pelo menos até agora.

Outro detalhe observado, em relação ao elenco de “Chiquititas”, dá a entender que o SBT sabe separar bem as coisas. • Não houve qualquer tentativa de bloqueio ao jovem Emílio Eric Surita, filho do número 1 do “Pânico na Band”, Emílio Surita. • Como se sabe, o dono do SBT, Silvio Santos, moveu uma ação contra o programa na Justiça, que impede os humoristas de chegar perto dele, entre outras coisas. • Rebatendo as últimas notícias sobre a sua novela, Walcyr Carrasco falou... • E disse: “Há noticias de que minha novela ainda não está escalada. É engano. Está escalada sim!”. • A partir de hoje, a Globo News estará disponível na Net em alta definição no canal 540. • Carol Minhoto, apresentadora do “Você Bonita”, da TV Gazeta, de São Paulo, sairá de licença-maternidade a partir de março.

C’est fini No meio da semana, em uma reunião em São Paulo, transformada em videoconferência, Walther Negrão apresentou a sua nova novela, “Flor do Caribe”, para representantes de todas as emissoras da Rede Globo. A beleza do material, até o momento, impressionou.

Rede TV! faz outra aposta perigosa A Rede TV!, de todas, é a que mais precisa de dinheiro. Dinheiro em televisão só entra por meio de produtos com qualidade. E aí se pergunta: o que poderá significar em dinheiro os lançamentos de um policial e do João Kleber na faixa da manhã? Os investimentos nesta faixa são bem proporcionais ao número de ligados. Tanto o programa policial quanto João Kleber, terão que forçosamente tirar de alguém, no que diz respeito a índices de audiência.

Flávio Ricco Colaboração: José Carlos Nery


D6

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

REPRODUÇÃO

Programação de TV SBT 5:00 Aventura Selvagem – Reprise 5:30 Pesca Alternativa 6:30 Brasil Caminhoneiro 7:00 A Grande Ideia 7:30 Vrum 8:00 Programa da Manazinha – Local 8:30 Chaves 9:00 Sorteio Amazonas da Sorte – Local 10:00 Domingo Legal 14:00 Eliana 18:00 Vamos Brincar de Forca 18:40 Sorteio da Telesena 18:45 Programa Sílvio Santos 23:00 De Frente com Gabi 0:00 Série - O Mentalista 1:00 Série – Alvo Humano 2:00 Série – Chase 3:00 Encerramento de Emissora

GLOBO Faustão apresenta programa todos os domingos na Globo

Horóscopo

4:45 Santa Missa em Seu Lar

5:45 Sagrado: Compacto 5:55 Amazônia Rural 6:25 Pequenas Empresas, Grandes Negócios 7:05 Globo Rural 8:05 Auto Esporte 8:38 Esporte Espetacular 11:30 Temperatura Máxima 13:53 Esquenta 15:17 Domingão do Faustão 19:30 Fantástico 21:50 Domingo Maior 0:05 Sessão de Gala 1:48 Corujão 3:15 Sob Medida 4:00 Festival de Desenhos

RECORD 4:45 Bíblia Em Foco 5:00 Nosso Tempo 5:30 Desenhos Bíblicos 7:00 Voto na Record – Local 11:15 Tudo É Possível 14:00 Top Model – HD 15:00 Programa do Gugu 19:30 Domingo Espetacular – HD 22:15 Repórter Record 23:15 Série – Todo Mundo Odeia o Chris 0:15 Programação IURD

Cinema

REDE TV

TV CULTURA

6:30 Igreja Internacional da Graça – Local 7:30 Igreja Internacional da Graça – Local 8:55 Break obrigatório 9:00 TV Shopping Manaus – Local 10:00 Show de Ofertas da Cidade – Local 10:30 TV Kids – Local 11:00 Igreja Internacional da Graça – Local 12:00 Fique Ligado – Local 13:00 TV Kids – Local 14:00 Encircuito – Local (Reprise) 15:30 Amazonas Mix – Local 16:00 Break obrigatório 16:05 TV Kids 16:45 Ritmo Brasil 17:20 O Último Passageiro 18:40 Super Bull Brasil 19:40 Star Trek 21:00 TV Shopping Manaus – Local (Reprise) 22:00 Cine Total 23:30 Dr. Hollywood 0:15 É Notícia 1:15 Bola na Rede 1:45 Igreja Internacional da Graça – Local

5:55 Abertura da Emissora/Hino Nacional 6:00 Via Legal 6:30 Brasil Eleitor 7:00 Palavras da Vida 8:00 Santa Missa 9:00 Viola, Minha Viola 9:30 Nova Amazônia – Local 10:00 Escola Pra Cachorro 10:15 Meu Amigaozão 10:30 Turma do Pererê 11:00 ABZ do Ziraldo 11:30 Anima TV Tromba Trem 11:45 Anima TV Carrapatos e Catapultas 12:00 Turma do Pererê 13:00 Dango Balango 13:30 TV Piá 14:00 Stadium 15:00 Os Protetores do Planeta 16:00 Ver TV 17:00 De Lá, Pra Cá 17:30 Cara e Coroa 18:00 Papo de Mãe 19:00 Conexão 20:00 Esportvisão 21:30 MPTV – Local (Reprise) 22:00 Roda Viva Amazonas – Local (Reprise) 23:00 Doc Especial 0:00 Encerramento da Emissora/Hino Nacional

Cruzadinhas

GREGÓRIO QUEIROZ ÁRIES - 21/3 a 19/4 Procure estar próximo dos amigos e das pessoas que possam lhe dar boa acolhida e proteção. Esta é a melhor maneira de contornar os problemas que lhe afligem. TOURO - 20/4 a 20/5 As tensões afetivas podem ser equilibradas se você se mantiver dentro das responsabilidades que lhe cabem em cada relacionamento. Procure ser justo. GÊMEOS - 21/5 a 21/6 Você pode dar grande contribuição quanto a harmonizar e equilibrar as situações no trabalho e no ambiente familiar. Uma atitude ética e conciliadora fará bem a todos. CÂNCER - 22/6 a 22/7 Procure ser receptivo e ouvir o que o outro tem a dizer. Mais do que se comunicar direito, a questão agora é considerar as necessidades e prioridades das outras pessoas. LEÃO - 23/7 a 22/8 É encontrando um ponto de equilíbrio nas relações humanas que você conseguirá contornar as tensões na vida material e financeira. Procure se entender com as pessoas. VIRGEM - 23/8 a 22/9 Organize as ações de modo que você seja cooperativo com as demais pessoas. Cooperar de modo prático é hoje a melhor maneira de beneficiar os relacionamentos. LIBRA - 23/9 a 22/10 A criatividade e o espírito lúdico favorecem a boa solução de problemas de trabalho, ou mesmo de saúde. Não fique se lamuriando, mas procure se divertir no dia de hoje. ESCORPIÃO - 23/10 a 21/11 Um ambiente harmonioso e agradável é a base necessária e fundamental para as relações afetivas. Procure você mesmo gerar um bom ambiente, antes de tudo. SAGITÁRIO - 22/11 a 21/12 As tensões no ambiente familiar ou de trabalho são atenuadas se você caprichar na maneira de se comunicar. Mais do que precisão dê sua afetuosidade e compreensão. CAPRICÓRNIO - 22/12 a 19/1 Se os pensamentos e conceitos estão cada vez mais bagunçados, hoje você pode encontrar chão mais firme nos objetos e limites dados pela realidade concreta. AQUÁRIO - 20/1 a 18/2 Sua disposição afetuosa é fundamental para encontrar algum equilíbrio nos negócios e nas relações que envolvem bens comuns. Você pode contribuir positivamente. PEIXES - 19/2 a 20/3 A sensibilidade deve ser colocada a serviço do entendimento com aqueles que estão ao seu lado. Saiba ler o que se passa nas entrelinhas das relações humanas.

ESTREIA DIVULGAÇÃO

Os Miseráveis: ING. 14 anos. Os Miseráveis conta uma envolvente história de sonhos desfeitos e amor não correspondido, paixão, sacrifício e redenção - um testemunho eterno da sobrevivência do espírito humano. Hugh Jackman interpreta o ex-prisioneiro Jean Valjean, perseguido por décadas pelo implacável policial Javert (Russel Crowe) depois que ele viola sua liberdade condicional. Quando Valjean concorda em cuidar de Cossete, a jovem filha de Fantine (Anne Hathaway) que é funcionária de uma fábrica, suas vidas mudam para sempre. Cinemark 3 – 15h30, 18h50, 22h10 (leg/ diariamente); Cinemais Millennium – 15h20, 18h30 e 21h30 (leg/diariamente). Caça aos Gângsteres: EUA. 16 anos. Los Angeles, 1949. O mafioso implacável, nascido no Brooklyn, Mickey Cohen (Sean Penn) comanda o show nessa cidade, recebendo os ganhos desonestos das drogas, armas, prostituição e, se tudo ocorrer conforme ele deseja, de todas as apostas feitas a oeste de Chicago. E ele faz tudo isso com a proteção não só dos seus capangas, mas também dos policiais e políticos que estão sob seu controle. Isso é o suficiente para intimidar até mesmo o tira mais corajoso e esperto... a não ser que ele faça parte da pequena equipe secreta de policiais forasteiros do Departamento de Polícia de Los. Cinemark 2 – 11h40 (somente no sábado, 2, e no domingo, 3), 14h10, 16h40, 19h10, 21h50 (dub/diariamente); Cinemais Plaza – 14h30, 16h45, 19h10 e 21h30 (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 15h (leg/não será exibido sábado e domingo), 17h20, 19h40 e 22h (leg/diariamente). Inatividade Paranormal: EUA. 10 anos. O casal Malcolm e Keisha se muda para a casa dos seus sonhos, mas não demora até que ambos descubram que mais alguém anda morando por lá. Tratase, no caso, de um demônio que possui a esposa de Malcolm e transforma a vida sexual deles em um inferno. Entra em

cena, então, um grupo de caçadores de fantasmas para ver se ajuda a limpar o ambiente. Cinemark 8 – 12h10 (somente no sábado, 2, e no domingo,3), 14h20, 16h30, 19h, 21h10 (dub/diariamente), 23h20 (dub/somente na sexta-feira, 1º, e no sábado, 2); Playarte 1 – 13h30, 15h30, 17h30, 19h30 (dub/diariamente), 21h30 (leg/diariamente), 23h30 (leg/somente sexta-feira e sábado), Playarte 5 – 13h, 15h, 17h, 19h, 21h (leg/diariamente), 23h (leg/somente somente sexta-feira e sábado), Playarte 6 - 14h, 16h, 18h, 20h (dub/diariamente), 22h (dub/somente sexta-feira e sábado), Playarte 7 – 14h, 16h, 18h, 20h (dub/diariamente), 22h (dub/somente sexta-feira e sábado); Cinemais Plaza – 15h30, 17h30, 19h30 e 21h35 (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 15h10, 17h10, 19h10 e 21h20 (leg/diariamente). O Lado Bom da Vida: EUA. 12 anos. Após passar quatro anos internado numa instituição para tratamento de deficientes mentais, um ex-professor pretende consertar os erros do passado, por meio da reaproximação com sua mãe e reconciliação com sua ex-esposa. Cinemark 5 – 14h, 16h50, 19h30, 22h20 (leg/diariamente); Cinemais Plaza – 14h20, 16h40, 19h e 21h20 (leg/diariamente); Cinemais Millennium – 14h40, 17h, 19h20 e 21h40 (leg/diariamente).

CONTINUAÇÕES O Resgate – 14 anos: Cinemark 1 – 16h10, 21h40 (dub/diariamente), 0h (dub/somente sexta-feira, 1º, e sábado, 2), Playarte 9 – 14h, 16h, 18h, 20h (dub/ diariamente), 22h (dub/somente sextafeira e sábado), Playarte 10 – 13h, 15h, 17h, 19h, 21h (leg/diariamente), 23h (leg/somente sexta-feira e sábado). Lincoln – 12 anos: Cinemark 1 – 13h, 18h30 (leg/diariamente); Cinemais Millennium – 14h e 21h10 (leg/diariamente). A Viagem – 16 anos: Playarte 4 – 14h, 17h20, 20h40 (leg/diariamente), 23h59 (leg/somente sexta-feira e sábado). Detona Ralph – Livre: Cinemark 3 – 13h10 (dub/diariamente). Sammy 2 – A Grande Fuga - Livre:

Cinemark 5 – 11h20 (dub/somente no sábado, 2, e no domingo, 3), Playarte 3 – 14h (dub/diariamente). De Pernas Pro Ar 2 – 12 anos: Cinemark 4 – 12h40 (exceto no sábado, 2), 15h, 17h20 (exceto no domingo, 3), 19h40, 22h (diariamente); Cinemais Plaza – 15h10, 17h20, 19h50 e 22h (diariamente); Cinemais Millennium – 16h50 e 19h (diariamente). João e Maria: Caçadores de Bruxas – 14 anos: Cinemark 6 – 12h50, 14h50, 17h10, 19h20, 21h30 (dub/diariamente), 23h40 (dub/somente sexta-feira, 1º, e sábado, 2); Cinemais Plaza – 14h50, 16h50, 18h50 e 20h50 (3D/dub/diariamente); Cinemais Plaza – 13h40, 15h40, 17h40, 19h40 e 21h40

(dub/diariamente). João e Maria: Caçadores de Bruxas – 3D - 14 anos: Cinemark 7 – 11h30 (somente sábado, 2, e domingo, 3), 13h40, 15h50, 18h, 20h20, 22h30 (dub/ diariamente); Cinemais Millennium – 15h30 e 19h50 (3D/dub/diariamente); Cinemais Millennium – 17h30 e 21h50 (3D/leg/diariamente); Cinemais Millennium – 14h30, 16h40, 18h50 e 21h (leg/diariamente). O Mar Não Está Pra Peixe – Livre: Playarte 2 – 14h20, 16h20 (dub/diariamente). Os Penetras – 14 anos: Playarte 2 – 18h20, 20h20 (diariamente), 22h20 (somente sexta-feira e sábado). O Homem Mais Procurado do Mun-

do ��� 14 anos: Playarte 3 –16h05, 18h10, 20h15 (diariamente), 22h20 (somente sexta-feira e sábado). A Sombra do Inimigo – 14 anos: Playarte 8 – 13h25, 15h30, 17h35, 19h40, 21h45 (dub/diariamente), 23h50 (dub/somente sexta-feira e sábado). O Último Desafio – 14 anos: Cinemais Plaza – 15h, 17h10, 19h20 e 21h50 (dub/diariamente). Uma Família em Apuros – Livre: Cinemais Plaza – 14h10, 16h30, 18h40 e 21h10 (dub/diariamente); Cinemais Millennium – 14h50 (dub/diariamente). Django Livre – 16 anos: Cinemais Millennium – 18h10 e 21h25 (leg/diariamente).


Plateia Pla

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

D7

FOTOS: MANOEL NETTO

Jander Vieira jandervieira@hotmail.com @hotmail.com - www.jandervieira.com.br

::::: Solidariedade é a palavra de ordem Nejmi em sessão entrevista com Sérgio Frota e Tio Adão Gomes

Foi para arrecadar recursos por uma Páscoa digna e mais feliz aos menos-afortunados, que a extraordinária Nejmi Jomaa Aziz comandou o concorrido “Bazar da Páscoa Solidária”, movimentando por dois dias a loja Artefacto da MS Casa com vaivém de sobrenomadas. Simplesmente um sucesso.

Mônica Mendes, Leonel Feitosa e Glória Carratte

Gizella Bolognese, Terezinha Cadais e Samira Carvalho

Lúcia Assayag, Sídia Góes e Lourdes Buzaglo

A embaixadora da “Rede Solidária” era só felicidade

Caroline e Kátia Sebben com Débora Braga

Baby Rizzato

Ingrid com Yasmin e Aminzinho Aziz

Norma Araújo e Charufe Nasser Nejmi com Adriana Cidade

Liza Melo, uma explosão de chiqueria com o seu Missoni, by Nejmi Jomaa Aziz

Lúcia Viana Johara, a joinha rara dos Jomaa Aziz, com sua mamma Nejmi

Ana Rebelo e Mirian Laredo Lúcia Barros e Aline Pontes

Nejmi com Katia Sebben e sua Gucci

Eduardo Brandão

Jéssica Sabbá Tayah

Chrystie Karam, Marília Zuazo e Gisele Alfaia

Taiko Fernandes e Mishelly Carratte Cunha

Marianna Rebelo e sua linda Lola

Tatiana Braga

Nazaré Limongi

Lucimar Augusto e Soninha Jinkings

Isabelly e Pollyanna Freitas

Troca de carinho da anfitriã com Eliane Schneider

Ângela Bastos

Mary Tuma

Ceiça e Milena Reis

Luppi Pinheiro e Mazé Tudo


D8

Plateia

MANAUS, DOMINGO, 3 DE FEVEREIRO DE 2013

‘League of Legends’ vira febre entre amazonenses Mais do que diversão, game que já conquistou o Brasil é levado a sério por jogadores que lucram em Manaus BRUNO IZIDRO Equipe EM TEMPO

N

as lan houses ou em casa mesmo, o “jogo do momento” que mantém jovens e adolescentes na frente do computador por horas a fio é o “League of Legends (LoL)”, um game online que chegou há menos de um ano no Brasil, mas que já é uma “febre” entre os brasileiros. Aqui no Amazonas a situação não é diferente. A prova disso foi a realização do primeiro campeonato de “League of Legends” na região, durante a Manaus Game Party, nos dias 26 e 27 de janeiro. Mesmo com a presença de outros games “de peso”, como “Counter Strike”, era evidente pelo número de pessoas aglomeradas em volta da competição, que LoL é a mais nova vedete dos gamers de Manaus. Segundo a organização do evento, o torneio de LoL foi o mais procurado e, no total, 16 times com cinco jogadores cada, disputaram o prêmio de um mil reais. Um desses times presentes era o “Call of Cthulu”, formado por Eduardo Andrade, Eduardo Marques, Luana Geissler, Yeltsen Melo e Tarcísio Paixão. Eles têm entre 19 e 29 anos e já jogam o game há pelo menos um ano, mas só há um mês

decidiram se reunir para formar um time. “A gente sempre jogou, mas era só diversão mesmo, só quando ficamos sabendo que ia ter esse torneio aqui decidimos começar a treinar mais a sério e competir”, afirma Eduardo Andrade. Como LoL é um game online, Andrade diz que eles treinavam cada um em sua própria

FOTOS: DIVULGAÇÃO

GAME

“League of Legends” é um jogo do tipo Mboa (Multiplayer Online Battle Arena - Arena de Batalha Multiplayer Online) que pode ser jogado por dois times de até cinco jogadores de cada lado O jogo foi lançado oficialmente no Brasil em agosto de 2012, com personagens dublados, e logo se tornou popular

casa e se falavam pela internet. “Não treinávamos todo o dia, era mais no sábado e domingo e duas fezes por semana. Disputávamos duas ou três partidas, isso dá umas 3 horas”, conta. As partidas de LoL foram tão disputadas que os dois dias do evento não foram suficiente para terminar o toneio e, de acordo com os organizadores, as finais serão realizadas hoje, em uma lan house da cidade.

Em Manaus, grupo se reúne para competir nos torneios

O primeiro campeonato ocorreu no Manaus Game Party

Competição com prêmios de até R$ 25 mil

O game mais jogado do Brasil

Se o cenário de competições com o game ainda está começando por aqui, no resto do Brasil os torneios de LoL já estão entre os mais disputados e são levados bem a sério. O primeiro torneio oficial de “League of Legends”, realizado pela Riot Game, empresa criadora do jogo, aconteceu em outubro do ano passado, em São Paulo, e premiou o time campeão com R$ 25 mil reais. Já neste fim de semana, durante o evento de tecno-

“League of Legends” é um jogo do tipo Mboa (Multiplayer Online Battle Arena - Arena de Batalha Multiplayer Online) que pode ser jogado por dois times de até cinco jogadores de cada lado. As partidas são jogadas em um mapa que serve como “arena de batalha”, cada time inicia o jogo em um lado desse mapa e o objetivo é destruir a base do adversários. O jogo foi lançado oficialmente no país (e traduzido para o português, com di-

logia Campus Party, a Riot está apoiando a realizando de outro torneio de LoL, o Intel Extreme Masters – São Paulo (IEM-SP), competição que dará o prêmio de R$ 50 mil para o time vencedor e ainda uma vaga para a final mundial da IEM, que acontecerá na Alemanha. “O cenário de e-Sports (esportes eletrônicos) é um dos principais focos da Riot Games. Por isso, nós oferecemos todo o suporte necessário para as organizações que desejarem rea-

lizar campeonatos oficiais de ‘League of Legends’ no Brasil”, explica o gerente de e-Sports da Riot Games Brasil, Bruno Vassone. O representante da Riot Games também diz que muito mais ainda virá para os jogadores de LoL este ano. “Pretendemos anunciar novidades sobre a próxima temporada competitiva brasileira ainda no início de 2013. Claro que isso não quer dizer que nada acontece até lá: os torneios amadores não param nunca,

a Go4LoL continua a todo vapor”, comenta. É justamente em competições como a “Go4LoL” que o time amazonense ‘Call of Cthullu’ pretende se focar daqui pra frente. “Independente do resultado no torneio daqui, nós vamos continuar treinando para as nacionais”, afirma Eduardo. No Manaus Game Party, a equipe de Eduardo jogou três, ganhando duas e perdendo uma, mas ainda assim o time tem chances de ganhar o prêmio de mil reais.

reito a personagem dublados) em agosto de 2012 e logo se tornou popular. Uma das razões para esse sucesso pode ser pelo fato dele ser gratuito, exigindo apenas uma conexão de internet para ser jogado. Segundo a criadora do jogo, a Riot Game, hoje o Brasil possui a 6ª maior base de jogadores de ‘League of Legends’ do mundo. A empresa não divulga números, mas afirma que LoL é o game mais jogado do Brasil.

DIVULGAÇÃO

CINEMA

Nuno Leal Maia em ‘Tainá 3’ Nuno Leal Maia, aos 65 anos, é um ator em paz com a carreira e a vida. Ícone da pornochanchada da década de 1970, paparicado por bicheiros nos anos 1980 e técnico de futebol amador em meados dos 1990, ele volta aos cinemas de forma humilde (após uma ausência de cinco anos) para viver um avô em “Tainá 3 - A Origem”, filme da série da indiazinha. “Se não estiver fazendo cinema, faço outra coisa, como natação. Vou lutar sempre para não virar um velho reclamão”, diz ele. A rotina relaxada de um exgalã perseguido pelas mulheres, hoje casado há 12 anos e com raras aparições recentes no cinema -na TV, participou da novela “Amor Eterno Amor”- tem um segredo: o

taoismo, corrente filosófica originária da China. “Eu virei taoísta por causa da série ‘Kung Fu’, protagonizada por David Carradine [ator morto em 2009]”, confessa sem cerimônia. O ator nascido em Santos era tão fascinado pelo programa exibido entre 1972 e 1975 que, ao visitar o Festival de Cannes em 1981, divulgando o filme “Ato de Violência”, de Eduardo Escorel, ele não resistiu e abordou o ídolo. “Encontrei com ele e falei da admiração pelo trabalho. O Tao me ajudou muito”, disse. Em um país como os Estados Unidos, um diretor de cinema faria (ou teria feito) com Maia o que Quentin Tarantino fez com John Travolta em “Pulp Fiction”. Maia começou no cinema em “Anjo Loiro” (1973),

de Alfredo Sternheim. Encarou logo uma cena de nudez com a musa da época, Vera Fischer, e uma briga com Mário Benvenutti (1926-1993).

FUTEBOL

Nos anos 1990, Nuno Leal Maia decidiu virar técnico de futebol. Treinou o Botafogo da Paraíba, mas largou o time no meio da final, por desentendimentos com o presidente do clube

“A cena com Vera foi a que mais deu problema na censura, porque os dois apareciam pelados. Homem, naquela época, não podia aparecer nu.

O general [Antônio] Bandeira dizia que meu filme era imundo”, recorda Sternheim. Em seguida, o ator virou alvo de disputa dos diretores da Boca do Lixo por seu “porte e sensualidade”. Estrelou o sucesso “O Bem Dotado - O Homem de Itu” (1978), cujo título resume bem a comédia, e fez “Mulher Objeto” (1981), um dos filmes mais controversos do gênero - Helena Ramos vive uma mulher frígida que só sente prazer quando o personagem de Nuno a pega à força. “A pornochanchada era filme para quem matava trabalho para se masturbar”, avalia. “O Cinema Novo era tão sério que ficou chato, então descobriram que mulher pelada vendia”, comenta o ator da Rede Globo.

Após uma ausência de cinco anos, ator volta a fazer cinema

Da televisão para o gramado Nos anos 1980, Maia pegou papéis mais mansos na televisão. Fez as novelas “A Gata Comeu” (1985) e “Mandala” (1987), em que interpretava o bicheiro Tony Carrado, do bordão “Minha deusa”. Nos anos 1990, decidiu virar técnico de futebol. Treinou o Botafogo da Pa-

raíba, mas largou o time no meio da final, porque o presidente do clube queria colocar em campo um jogador punido por ele. “O cara pediu para descer do ônibus do time em uma cidade que estava tendo uma micareta. Nada contra festa, mas tem de ser profissional”, disse.


EM TEMPO - 03 de fevereiro de 2013