Issuu on Google+

MARÇO


SEX E SÁB, 7 E 8 . 21H30

CAMILA

ESTREIA

Texto e Direção de Pascal-Emmanuel Luneau Camila Montenegro matou. Muito! Demasiado! Só homens! Uns quinze, sem dúvida… Desde que a detiveram, Camila foi imediatamente enviada para um centro hospitalar penitenciário. Uma equipa de psiquiatras acompanha-a. Jonas (psiquiatra) e Odília (assistente), não procuram, num primeiro momento, curar as pessoas que são internadas numa zona do hospital de alta segurança. A justiça espera deles, primeiramente, um veredicto. No que a Camila diz respeito, é simples: estará ou não suficientemente sã de espírito para ser acusada de homicídio e ser julgada? Camila esquece depressa os seus homicídios. Que importância têm? Esses homens estão mortos! Prefere falar de sexo, de sedução e relações humanas… Pascal-Emmanuel Luneau Direção Pascal-Emmanuel Luneau Autor Pascal-Emmanuel Luneau Tradução Luísa Mariante Intérpretes Márcia Lima, Sara Barbosa, Tiago Correia, Rafael Costa Cenografia Paulo Capelo Cardoso Assistência de cenografia Catarina Braga Araújo Figurinos Sara Barbosa Vídeo Sara Augusto Luz Rui Monteiro e Pedro Correia Produção Pedro Barbosa Apoios Q-Better, Absolut Tribute, Sítio do Cano Amarelo, Panmixia O Cão Danado é uma estrutura financiada por:

GRANDE AUDITÓRIO . TEATRO 6 euros (Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 3 euros) . M/12 . 70 m 2


SÁB, 8 . 22H30

TRALHAS MELÓDICAS Com José Aguiar e Pedro Moniz e como convidado, o músico/ ambientalista, kika. Com a partilha de ideais metaforizados em atmosferas oriundas do Harém que a música alberga, cujos dois elementos deste projecto “José Aguiar; Pedro Moniz” coabitam nos seus retiros artísticos, musicais, deu-se a natividade deste projeto (Tralhas Melódicas) que tem como objectivo complementar os escapes diversificados, em que a música é composta por uma melodia estruturada em detalhes harmoniosos como também agrestes. Coabitando na perfeição com os rasgos vocais que as palavras expostas obedecem, sendo as mesmas apuradas de poemas alienados ao escape mental tendo como missão superar o complemento da astúcia humana, contraindo desta forma, uma perfeita simbiose de várias tonalidades melódicas, sendo a maior delas impelidas pela guitarra do Pedro Moniz, outras obedecem a um realismo em que por vezes a frontalidade tem contornos estonteantes, mas acima de tudo simples que o José Aguiar contém nestes panoramas alternativos. CAFÉ CONCERTO . PERFORMANCE | MÚSICA E POESIA 5 euros (Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2,5 euros) . M/3 . 70 m

QUA, 12 . 15H00 . 16H00

AUTO DA BARCA DO INFERNO Companhia de Teatro Andaime Será que a maledicência, o orgulho, a usura, a concupiscência, a venalidade, a petulância, o fundamentalismo, a inveja, a mesquinhez, o falso moralismo cristão… têm entrada direta no Paraíso? Ou terão de passar pelo Purgatório? Ou vão diretamente ao Inferno? E a pé, de pulo ou voo? Aliás, onde fica e como designamos o lugar onde estamos? E que paraíso buscamos? Uma demanda da modernidade sobre o texto Vicentino e o prazer do jogo teatral. Um espetáculo sobre a nossa memória identitária. Encenação Fernando Silvestre Figurinos Joana Vilaça Cenografia Rodrigo Machado e Paulo Lima Interpretação João Amorim, João Teixeira, Rodrigo Machado, Luís Nicolau, Elda Costa, Ana Azevedo, Leonor Matos, Marco Andrade, Luísa Costa, Rafael Carvalho e Diogo Santos GRANDE AUDITÓRIO . TEATRO 4 euros (Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 euros) . M/3 . 45 m 3


QUI E SEX, 13 E 14 . 10H00 . 11H00 . 14H30 CASA DAS ARTES E ENVOLVENTE

OPUS I Opus 1 é uma peça músico-teatral dirigida à infância, concretamente aos meninos(as) de três anos. Companhia de Música Teatral

QUI, 13 | FUNDAÇÃO CASTRO ALVES . FREGUESIA DE BAIRRO SEX, 14 | PEQUENO AUDITÓRIO . CASA DAS ARTES Máximo de 25 meninos(as) por turno (inscrição prévia) . M/3 . 40 m

Opus 1 é uma peça músico-teatral dirigida à infância, especialmente concebida para estimular os sentidos e a comunicação dos mais pequeninos. Opus 1 começa com uma brincadeira de comboios e bichos estranhos. Depois vem um furacão que nos leva para uma ilha misteriosa com praias de areia fina, flores coloridas, sereias, leões e piratas. Tudo coisas que acontecem frequentemente quando se brinca com violoncelos. Esta obra faz parte do Peça a Peça, um ciclo de peças de música-teatral concebido no âmbito do Projecto Opus Tutti para chegar a muitas crianças, através de apresentações em teatros, creches, jardins de infância e outros equipamentos sociais. Linguagem principal: música (violoncelo, voz) e dança. Intérpretes Hugo Fernandes e Alena Dittrichová Concepção e produção Companhia de Música Teatral Apoio DGArtes e Fundação Calouste Gulbenkian/Opus Tutti OPUS TUTTI Opus Tutti é um projecto educativo e artístico que tem como finalidade a criação de boas práticas sociais dirigidas à infância e primeira infância. É uma parceria da Companhia de Música Teatral e do Laboratório de Música e Comunicação na Infância (LAMCI – CESEM) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (UNL). Tem o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

4


SEX E SÁB, 14 E 15 . 21H30

RUI VELOSO TRIO Na companhia dos músicos Alexandre Manaia e Berg Rui Veloso apresenta o seu espectáculo em trio na Casa das Artes de Famalicão, nos dias 14 e 15 de Março. Na companhia dos músicos Alexandre Manaia e Berg, Rui Veloso apresenta, num formato intimista e de grande cumplicidade entre músicos e público, os seus grandes êxitos e outros temas que há muito não sobem a palco. Tudo grandes canções, até porque só as grandes canções resistem a tal ‘nudez’. Uma oportunidade única para ouvir as grandes canções de Rui Veloso como nunca as ouviu.

GRANDE AUDITÓRIO . MÚSICA 20 euros (Cartão Quadrilátero Cultural: 10 euros) . M/3 . 80 m 5


QUI E SEX, 20 E 21 . 21H30

ONE MAN ALONE

ESTREIA

Coprodução Teatro da Didascália e Casa das Artes de Famalicão One man alone é um espetáculo a solo, literalmente a solo. Sem contracena, nem operador de luz nem som, o ator vê-se assim obrigado a prosseguir o seu espetáculo interpretando e operando ao mesmo tempo a própria luz que o ilumina e a música que acompanha a cena. Tudo acontece numa padaria, naquelas horas da noite em que o padeiro faz pão e o resto do mundo sonha com ele. A ação desenrola-se através do jogo entre o padeiro rodeado por baguetes, papo seco, broas de milho, os seus instrumentos de trabalho e os sonhos que o fazem viajar pelo universo da imaginação e o catapultam para um mundo só seu, a altas horas da noite, e que o acompanham no amassar do pão. Talvez por uma necessidade de escape ele sonhe acordado. Talvez seja esse o fermento que faz crescer o seu pão. Todo o espetáculo assenta no virtuoso jogo físico do ator, na capacidade de se multiplicar nas várias personagens que dão vida às suas fantasias, nas várias funções do seu ofício, e na sua capacidade de surpreender através dum espetáculo onde a magia é aliada da simplicidade. Criação, interpretação e cenografia Bruno Martins Direção Sérgio Agostinho Figurinos Joaquim Azevedo Desenho de luz e som Bruno Martins e Valter Alves Design Gráfico Rui Verde Coprodução Teatro da Didascália e Casa das Artes de Famalicão

PEQUENO AUDITÓRIO . TEATRO 5 euros (Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2,5 euros) . M/12 . 60 m 6


Fotografia de Marco Pires

SÁB, 22 . 21H30

THE TRAP de MARIANA TENGNER BARROS / EIRA Espetáculo vencedor do prémio Europeu de Jovem \CoreografiaPRIX JARDIN D’EUROPE 2013 - AUDIENCE AWARD A galardoada bailarina e coreógrafa famalicense, Mariana Tengner Barros vai apresentar THE TRAP na Casa das Artes em Famalicão. Naquele que foi o espectáculo vencedor do prémio Europeu de Jovem Coreografia- PRIX JARDIN D’EUROPE 2013 - AUDIENCE AWARD atribuído pelo público no âmbito da 30ª edição do ImPulsTanz - Vienna International Dance Festival em Viena - Áustria, Mariana Tengner Barros habita os “corpos do velho glamour‘ - divas do cinema e estrelas burlescas do nosso passado - para ter uma conversa com Deus sobre a arte e os mercados financeiros numa peça onde as coisas nunca são realmente o que parecem ser. Direção, conceção e interpretação Mariana Tengner Barros Consultoria artística Mark Tompkins Assistência à criação António MV e Nuno Miguel Vídeo António MV e Mariana Tengner Barros Textos Mariana Tengner Barros e Nuno Miguel Figurinos António MV Cenografia Nuno Miguel, António MV e Mariana Tengner Barros Música original Filipe Lopes Apoio dramatúrgico João Manuel de Oliveira Produção EIRA

GRANDE AUDITÓRIO . DANÇA 8 euros (Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 4 euros) . M/12 . 80 m 7


SEX E SÁB, 28 E 29

FESTIVAL HARMOS - CLASSICAL VILA NOVA DE FAMALICÃO

SEX, 28 . 21H30 Musikhochschule Lübeck – Alemanha Analogue Ensemble Violino Daniel Abrunhosa Violoncelo Sina Lützenkirchen Flauta Christine Pöche Clarinete Roman Gerber Piano Yuye Yang Percussão David Cariano Timme

SÁB, 29 . 19H00 Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo do Porto – Portugal KONTAKTEduo Piano Patrícia Martins Percussão Carlos Puga

PEQUENO AUDITÓRIO . MÚSICA Entrada livre à lotação da sala 8


SÁB, 29 . 21H30

A ELEGANTE MELANCOLIA DO CREPÚSCULO Nas fronteiras entre o teatro e o cinema, baseia-se no tríptico Luzes da cidade, O grande ditador e Luzes da ribalta, de Charles Chaplin. A Elegante Melancolia do Crepúsculo, que interpela (e transpõe) as fronteiras entre o teatro e o cinema, baseia-se no tríptico Luzes da cidade, O grande ditador e Luzes da ribalta, de Charles Chaplin: três marcos da História do cinema, que constituem três exemplos máximos do seu génio e nos quais o célebre realizador fala da vida, do amor, da sobrevivência e da solidariedade. Calvero, o derradeiro personagem de Chaplin procura, como o Fausto de Goethe, a juventude perdida através da memória musical. Neste projecto com dramaturgia de Roberto Merino, centro-me na relação entre estas duas áreas de criação; teatro/cinema, com o objectivo de despertar no espectador duas percepções da ação: a imediata vista pelo público no momento em que a ação decorre e a vista em projeção. Os atores contracenam com a tela, entrando e saindo da mesma, em presença corporal e virtual por esta forma multimédia, é como se o dispositivo cénico estivesse dentro do olhar de uma câmara. Também a música está presente em todo o espectáculo, à semelhança do cinema mudo, o piano narra a ação como se de um segundo texto se tratasse. Na criação dos curtos filmes que acrescem ao texto escrito, participam enquanto figuração especial funcionários e colaboradores do Cine Teatro Constantino Nery e do Departamento da Cultura da Câmara Municipal de Matosinhos oferecendo a este projecto um sentimento genuíno de partilha. Luísa Pinto *As cenas dos filmes foram filmadas em Matosinhos Encenação Luísa Pinto Dramaturgia Roberto Merino Direção musical Bernardo Soares Interpretação Isabel Carvalho, João Costa e Valdemar Santos Músico Bernardo Soares Conceito e dramatização vídeo Luísa Pinto Cenografia Graça Diogo Figurinos Elisabete Pinto Desenho e operação de luz Bruno Santos Vídeo, imagem promocional, grafismo e operação Miguel Santiago Miranda Sonoplastia e operação Pedro Lopes Moreira Assistente de encenação Raquel Coelho Produção executiva e coordenação gráfica Joana Filipa Produção Cine Teatro Constantino Nery / Câmara Municipal de Matosinhos

GRANDE AUDITÓRIO . TEATRO/CINEMA 8 euros (Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 4 euros) . M/12 . 1h20m (aprox.) 9


Até DOM, 30

OBLIO ALESSANDRA D’AGNOLO Apoio: Associazione Socio Culturale Italiana del Portogallo Dante Alighieri FOYER . EXPOSIÇÃO Entrada livre

SEG, 24 . 21H30

CAPITÃO PHILLIPS De: Paul Greengrass Com:Tom Hanks, Barkhad Abdi, Barkhad Abdirahman PEQUENO AUDITÓRIO . CINEMA Entrada livre à lotação da sala . M/12 . 134 m . EUA, 2013

QUI, 6 | 21H30 PELAS SOMBRAS (P.A) De: Catarina Mourão M/12 . 83 m . PT, 2010

QUI, 13 | 21H30 O GANGUE DE HOLLYWOOD (G.A) De: Sofia Coppola M/12 . 90 m . EUA/Japão/França/Grã-Bretanha/Alemanha, 2013

QUA, 19 | 21H30 TERRA EM TRANSE (G.A) De: Glauber Rocha M/16 . 105 m . Brasil, 1967

QUI, 20 | 21H30 VIAGEM DE FINALISTAS (G.A) De: Harmony Korine M/16 . 94 m . EUA, 2012

QUI, 27 | 21H30 NO NEVOEIRO (P.A) De: Sergei Loznitsa M/16 . 127 m . Rússia/Holanda/Alemanha, 2012 PEQUENO AUDITÓRIO (P.A.) . GRANDE AUDITÓRIO (G.A) . CINEMA CINECLUBE 10


CARTÃO QUADRILÁTERO CULTURAL

O Cartão Quadrilátero Cultural é um cartão de fidelização, pessoal e intransmissível, para o acesso, com benefícios e em condições vantajosas, a equipamentos e eventos culturais nas quatro cidades do Quadrilátero (Theatro Gil Vicente de Barcelos, Theatro Circo de Braga, Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão e Centro Cultural de Vila Flor de Guimarães), face ao pagamento de uma anuidade e com validade por 12 meses desde a sua ativação, e com possibilidade de renovação. Para mais informações, por favor, consulte: http//www.bilheteiraonline.pt/quadrilátero.aspx

CASA DAS ARTES

Parque de Sinçães 4760-103 Vila Nova de Famalicão Reservas: T. 252 371 297/8 F. 252 371 299 Bilheteira Online: www.casadasartesvnf.bilheteiraonline.pt www.casadasartes.org www.vilanovadefamalicao.org facebook.com/casadasartesvnfamalicao Horário da bilheteira da Casa das Artes: Terça a quinta das 10h00 às 19h00 Sexta das 10h00 às 19h00 e das 20h30 às 22h30 Aos sábados, domingos e feriados (dias de espetáculo) abre uma hora antes do espetáculo e encerra uma hora depois.

APOIO

MECENAS

ORGANIZAÇÃO


CASA DAS ARTES PARQUE DE SINÇÃES 4760-103 VN FAMALICÃO

VILA NOVA DE FAMALICÃO


Ca agendamarço