Page 1

JUNHO ‘18


PRESIDENTE Paulo Cunha VEREADOR DA CULTURA Leonel Rocha DIRETOR/PROGRAMADOR Álvaro Santos ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Sérgio Ferreira Rosa Costa PRODUÇÃO Daniela Santos Manuela Ferreira Marta Couto Rita Ferreira Sérgio Neto APOIO À PROGRAMAÇÃO Vitor Ribeiro

CARTÃO QUADRILÁTERO CULTURAL O Cartão Quadrilátero Cultural é um cartão de fidelização, pessoal e intransmissível, para o acesso, com benefícios e em condições vantajosas, a equipamentos e eventos culturais nas quatro cidades do Quadrilátero (Theatro Gil Vicente de Barcelos, Theatro Circo de Braga, Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão e Centro Cultural de Vila Flor de Guimarães), face ao pagamento de uma anuidade e com validade por 12 meses desde a sua ativação, e com possibilidade de renovação. Para mais informações, por favor, consulte: www.quadrilatero.bilheteiraonline.pt

SERVIÇOS EDUCATIVOS Daniela Santos DESIGN GRÁFICO Antonieta Martins BILHETEIRA E FRENTE DE CASA Marta Torrinha Pedro Marão EQUIPA TÉCNICA Andrade Lobo Bruno Marques Fernando Almeida Joaquim Dinis Tiago Araújo HIGIENE E LIMPEZA Susana Ferreira

CASA DAS ARTES: Parque de Sinçães 4760-103 Vila Nova de Famalicão T. 252 371 297/8 . 252 371 304/6 E-mail: casadasartes@vilanovadefamalicao.org www.casadasartes.org facebook.com/casadasartesvnfamalicao Bilheteira Online: https://casadasartesvnf.bol.pt/ www.vilanovadefamalicao.org Coordenadas GPS: N: 41º 24’ 50’’ W: 08º 31’ 03’’

EDIÇÃO Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão IMPRESSÃO Tipografia Mota e Ferreira TIRAGEM 8500 exemplares FOTOGRAFIA CAPA THE BLACK MAMBA


01

sexta-feira

21h30 GRANDE AUDITÓRIO CINEMA 2 € | 1 € Estudantes e Cartão Quadrilátero M/12 . 156’

Cinema Digital na Casa das Artes

VINGADORES: GUERRA DO INFINITO de Anthony Russo e Joe Russo O planeta Terra enfrenta mais um inimigo: Thanos, um tirano intergaláctico que ali chega com o objetivo de reunir as seis Joias do Infinito, artefactos de poder inimaginável capazes de lhe dar o controlo sobre a realidade. Para o enfrentar, os Vingadores têm de fazer uma aliança improvável com Star-Lord, Rocket Raccoon, Groot, Gamora e Drax, os excêntricos membros dos Guardiões da Galáxia. Conter tanta divergência de feitios, poderes e personalidades não será fácil, mas será fundamental para conter os terríveis poderes do adversário. Realizado pelos irmãos Joe e Anthony Russo (a dupla responsável por “Capitão América: O Soldado do Inverno” e “Vingadores: Guerra Civil”), este é o terceiro episódio da saga os “Vingadores”. Título original: Avengers: Infinity War (EUA, 2018, Cores, 156 min.) Realização: Anthony Russo, Joe Russo Interpretação: Robert Downey Jr., Josh Brolin, Scarlett Johansson, Zoe Saldana, Chris Evans

02

sábado

15h00 e 17h30 PEQUENO AUDITÓRIO CINEMA 2 € | 1 € Estudantes e Cartão Quadrilátero M/6 . 91’

Cinema Digital na Casa das Artes

ASAS PELOS ARES de Christopher Jenkins (versão portuguesa)

Penca é um ganso solteirão que não se prepara para a próxima viagem de migração. Numa das muitas acrobacias aéreas com que ocupa o seu tempo, algo corre mal e acaba por partir uma asa. Incapaz de voar e rejeitado pela família, encontra os irmãos Ping e Pong, dois patinhos que se perderam da família e que adotam Penca como sua mãe. Perdidos, inseguros e ameaçados pelo gato Banzou, os patinhos depressa se afeiçoam a Penca, em busca de proteção, para grande aborrecimento deste. Mas quando percebe que eles lhe podem ser muito úteis, concorda acompanhá-los na procura da sua família. Título original: Duck Duck Goose (EUA/China, 2018) Realização: Christopher Jenkins Interpretação: Jim Gaffigan (Voz), Zendaya (Voz), Lance Lim (Voz), Greg Proops (Voz)

CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO . JUNHO ’18 .3


VILA NOVA DE FAMALICÃO

02

sábado

21h30 GRANDE AUDITÓRIO MÚSICA 10 € | 5 € Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural M/6 . 80’

THE BLACK MAMBA Maio de 2010 fica marcado na história pela junção de Pedro Tatanka, Ciro Cruz e Miguel Casais enquanto grupo. “The Black Mamba”, nome que batiza o trio e o disco da estreia, foi a inspiração encontrada para em conjunto provarem do seu próprio veneno. A química e a experiência destes grandes músicos, permitiu-lhes percorrer o universo do blues, soul e funk, numa adaptação ao seu habitat natural. Em Janeiro de 2017, The Black Mamba estrearam-se no Coliseu do Porto, com casa cheia. Neste concerto contaram com convidados especiais: António Zambujo, Diana Martinez, Diogo Brito e Faro, Miguel Araújo e Rui Veloso, que ajudaram a tornar a noite ainda mais memorável. Em Fevereiro de 2018 irão repetir a dose, desta vez no Coliseu dos Recreios, mais uma vez com convidados especiais: Miguel Araújo, Áurea, Marisa Liz e Tiago Pais Dias (Amor Electro), Silk e Skyler Jett. 2017 marca também a estreia da banda no Reino Unido, com um concerto no Under The Bridge, em Junho. Skyler Jett foi um dos convidados especiais deste espetáculo. Foi também o ano do regresso da banda ao festival NOS Alive, no mesmo dia em que subiram ao palco, entre outros, os Depeche Mode. The Black Mamba encontram-se a trabalhar no sucessor de “Dirty Little Brother”, sendo “Stronger” a primeira amostra daquele que será o terceiro álbum de originais da banda.

4. JUNHO ‘18 . CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO


MÚSICA PARA FAMÍLIAS 2018 VILA NOVA DE FAMALICÃO

03

domingo

11h30 GRANDE AUDITÓRIO MÚSICA 4 € | 2 € Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural M/6 . 70’

ATÉ

31JUL

terça-feira

FOYER EXPOSIÇÃO Entrada livre

3º CICLO DE CONCERTOS PROMENADE DA CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

DANÇAS ORQUESTRAIS: DO BARROCO AO SÉCULO XX ORQUESTRA SINFÓNICA ESPROARTE Sob a direção do maestro Gustavo Delgado e apresentação de Jorge Castro Ribeiro Não obstante o facto de serem artes autónomas, a música e a dança firmaram uma intrínseca relação que está perpetuada desde os primórdios da humanidade, estabelecendo, desde então, uma relação dialética entre o homem, a cultura e a sociedade. Ao longo da história, a música e a dança foram compreendidas enquanto dádivas divinas atribuídas aos mais virtuosos, parte integrante das festividades das cortes medievais e renascentistas, presença obrigatória na convivência cerimoniosa da nobreza e símbolos identitários de cariz popular e nacionalista a partir dos finais do século XIX. O magnificente programa executado pela Orquestra Sinfónica Esproarte revisita incontornáveis danças orquestrais que assinalaram o reportório da história da música ocidental desde o barroco ao princípio do século XX: a Suite Orquestral N.3, BWV 1068, de J. S. Bach (1685 – 1750), que evoca os padrões rítmicos das sumptuosas danças sociais setecentistas, a Dança das Fúrias, que nos transporta para o desfecho trágico do herói derrotado da ópera Orfeo ed Eurídice, de C. W. Gluck (1714 – 1787) e o cariz tradicional e nacionalista da música afirmado nas Danças Sinfónicas, op.64, do mais célebre compositor norueguês, E. Grieg (1843 – 1907), bem como na célebre e sublime Valsa Triste, op. 44, de J. Sibelius (1865 – 1957). CASA DAS ARTES organiza em coprodução com a APROARTE Associação das Escolas Profissionais de Música os Concertos para as Famílias 2018.

“O MEU PORTO”

Exposição de Fotografia de Pedro Couto Vejo no porto uma cidade romântica, quente e acolhedora, que revela nos seus recantos, uma intimidade única. Gosto de a explorar nos tempos livres, com tempo para descobrir as histórias que as suas paredes guardam. CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO . JUNHO ’18 .5


08 e 09

sexta-feira e sábado

21h30 GRANDE AUDITÓRIO TEATRO 6 € | 3 € Cartão Quadrilátero Cultural M/12 . 90’ FICHA TÉCNICA Tradução Nuno Júdice Encenação João Paulo Costa Figurinos Paula Cabral Desenho de Luz Mário Bessa Sonoplastia Rui Vieira Cenografia (design e montagem) Alunos de Mestrado da ESAD*- Escola Superior de Artes e Design Acompanhamento e Coordenação de Cenografia Ana Gormicho Assistente de Encenação Luís Barreto Registo Fotográfico Daniel Rodrigues Direção de Produção Glória Cheio Produção: Pedro Barbosa Interpretação Adriana Frasco, Ana Pinheiro, Ana Ramos, Ana Barbosa, Ana Costa, Ana Mendes, Ana Martins, Beatriz Sousa, Cristiana Sousa, Catarina Pais, Débora Lopes, Diana Gonçalves, Eliana Oliveira, Francisca Fernandes, Francisca Ferraz, José Oliveira, Mafalda Costa, Mariana Martins, Nuno Brandão, Pedro Costa e Vânia Timóteo. Alunos do 2º ano do Curso Profissional de Artes do Espetáculo-Interpretação da Academia Contemporânea do Espetáculo – Famalicão

Created by Kjpargeter - Freepik.com

A ILUSÃO CÓMICA de Pierre Corneille

Encenação de João Paulo Costa. Coprodução da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão / ACE Escola de Artes – Famalicão. Alunos do 2º ano do Curso Profissional de Artes do Espetáculo-Interpretação da Academia Contemporânea do Espetáculo – Famalicão Pierre Corneille, dramaturgo do séc. XVII, é, a par com Molière e Racine, uma das mais importantes figuras do teatro clássico francês. Autor de inúmeras tragédias e comédias, Corneille parece, com “A Ilusão Cómica”, querer mostrar (aos espectadores e aos seus pares) um exercício de virtuosidade, utilizando formalmente uma “quase” enciclopédia histórica do teatro, até ao momento em que a escreveu. Explora uma técnica muito comum à altura: o “teatro dentro do teatro” e o desenrolar do argumento proporciona um verdadeiro quebra-cabeças, que o espectador só descobre no final. Aproveita, também, para subverter as regras do teatro aristotélico (unidade de tempo espaço e ação) recorrendo ao estratagema da Caverna de Alcandro, artifício com que traz de volta à ordem as referidas regras. Seria, certamente, uma indelicadeza desvendar o enredo da peça, que vive precisamente da surpresa e de um suspense à Hitchcock.

6. JUNHO ‘18 . CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO


16

sábado

21h30 GRANDE AUDITÓRIO TEATRO 6 € | 3 € Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural M/12 . 60’ FICHA TÉCNICA Direção Manuel Tur Texto Rui Manuel Amaral Vozes Gravadas Mário Santos, Raquel Rosmaninho, Rodrigo Santos e Teresa Arcanjo Cenografia Ana Gormicho Ilustrações Inês Gomes Ferreira Figurinos Anita Gonçalves Desenho de Luz Cárin Geada Desenho de Som Joel Azevedo Assistência de Projeto Joana Mesquita

LIVRO DE HORAS

Uma peça para um ator e um conjunto de vozes gravadas Coprodução: A Turma, Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão e Teatro Municipal do Porto

“Todo o mundo é um palco”, diz Jacques em “Como vos Aprouver”, reproduzindo a mais universal das ideias, a de que a vida é uma sucessão interminável de palcos: camas, quartos, salas, corredores, casas, ruas, bairros, cafés, escritórios, jardins, hospitais, lugares desconhecidos e outros que nos são familiares. O que revelamos e o que ocultamos quando subimos ou descemos o pano; que truques, gestos e artifícios usamos nas longas e também nas breves cenas da vida social? E mais importante ainda: que personagens e papéis representamos para nós mesmos, no interior da nossa cabeça? O que revelamos e o que ocultamos na solidão dos nossos palcos interiores? O que acontece nos bastidores, debaixo da pele? E o que resta no fim? Talvez a resposta seja o vazio mais profundo, a mais profunda solidão. Talvez as ficções que criamos para nós e para os outros sejam o que existe de mais real. Talvez o nosso show solitário seja a única realidade possível.

Registo Gráfico Joel Faria

JOEL FARIA

CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO . JUNHO ’18 .7


25.26.27.28 segunda a quinta-feira

SOLOS

2º Ano do Curso de Artes do Circo do INAC Coprodução: Instituto Nacional de Artes do Circo e Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

21h30 . GRANDE AUDITÓRIO CIRCO 4 € | 2 € Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural . M/6

25

segunda-feira

1º SOLO

ENTROPIÉ

Interpretação: Carolina Vasconcelos Música: Luca Argel . 25’ O que devo entender por fim? Como uma flor, partimos de uma semente. Nascemos, crescemos, transformamo-nos e morremos. A morte é algo que será vivido, ficando em vida apenas as sementes que deixámos plantadas ao longo do caminho. Numa viagem de regresso ao ponto de partida por alguém que apenas aprecia a arte de morrer. intervalo 15’

2º SOLO

MINGUANTE

Interpretação: Lia Sara . 25’ A natureza é complexa na sua funcionalidade por ser variante e constante, assim somos nós. O contraste de dois mundos, separados por uma corda. Duas etapas que percorreremos no sentido inverso. Em fase minguante. A procura para crescer faz parte da nossa aprendizagem. Pertencente a um mundo redondo, que influencia o caminhar, e do qual resultam pequenos movimentos, ações e limitações de espaço, a única hipótese de fuga é na vertical. 8. JUNHO ‘18 . CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO


26

terça-feira

1º SOLO

A FÁBRICA DA MENTIRA Interpretação: Elvis Mendes . 25’

Da necessidade veio a ação, do resultado a repetição. E foi nela que a mente adormeceu. O corpo, sem dono, parece preso aos caminhos que conhece, fechado no quadrado que habita. Eis que o espírito se cansa, e na mente viaja uma ideia. Haverá ainda como escapar? intervalo 15’

2º SOLO

CORPO ELEITO

Interpretação: Mafalda Albuquerque . 15’ Uma viagem singular que chega fundo na carne, nas vísceras mais profundas da matéria. Metamorfoses únicas a cada eleição. Não obstante, esta viagem é igual e imensamente vivida nos corpos mais subtis da mulher. intervalo 15’

3º SOLO

MULTILATUS

Interpretação: Sofia Encarnação . 25’ Olho, vejo, presencio, assusto-me. Tanta clareza em mim estando eu sempre a pensar na cor escura e naquela mão presunçosa. Não gosto! Não gosto nada disto! Prefiro-me sozinha no mundo a ter que vos ver a toda a hora. A mão, o dedo, aquela cara, aquele triste circulo numa constante alegria. Assim me escondo, assim te procuro.

CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO . JUNHO ’18 .9


27

quarta-feira

1º SOLO

ENSAIO SOBRE O BELO Interpretação: Denise Lomelí . 25’

Belo; que tem forma ou aparência agradável, perfeita, harmoniosa. Faz despertar sentimentos de admiração, de prazer: o belo nas artes; a procura do belo. O espetáculo retrata o ensaio; a rotina de dois parceiros de trabalho, representados pela artista e seu monociclo. Já não se sabe se é o monociclo a dar vida à personagem ou se é ela que o personifica. De forma cómica e subtil são contadas as desavenças e conquistas dos dois.

intervalo 15’

2º SOLO

LIBERDADE ATROZ Interpretação: Douglas Guedes . 25’

Espetáculo de circo contemporâneo que espelha uma problemática do existencialismo, a liberdade do ser. Através do equilíbrio sobre a corda e da dança surge um ensaio sobre a angústia do ser humano com relação ao peso da responsabilidade por ser totalmente livre. Encarando essa liberdade de escolha, o homem se angustia, pois a liberdade implica fazer escolhas que só o próprio pode tomar. O ser torna-se paralisado diante da dúvida, agir ou não agir? Dessa forma, há uma grande abstenção em fazer as escolhas necessárias o que resulta muitas vezes num adiar da existência. Porém o não agir também é uma escolha. O equilíbrio entre esses dois polos faz parte do caminho pessoal que o homem contemporâneo deve empreender e encontrar em si mesmo. 10. JUNHO ‘18 . CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO


28

quinta-feira

1º SOLO

CAMOUFLAGE

Interpretação: Sabeth Dannenberg . 25’ “Eu acredito no amor. Eu acredito na justiça. Eu acredito na vida. Eu acredito em direitos iguais. Eu acredito em dignidade. Eu acredito no bem nas pessoas. Eu acredito na paz. Eu acredito na não-violência. Eu acredito na coragem. Eu acredito na utopia. Eu quero lutar por este mundo. Estou pronta para dar a minha vida por ele. Uma mulher na luta. Devoção total. Lutando e defendendo a vida por uma ideia e arriscando a morte. Um ciclo de uma mulher, de uma planta, de um movimento, de uma revolução, da vida. Na versão curta da peça CAMOUFLAGE, Sabeth Dannenberg corre o risco de colocar em foco o tópico “feminilidade e destrutividade”. Num confronto teatral com a radicalidade feminina e a avaliação que a sociedade faz de si, o artista do Teatro Físico questiona se poderá haver uma ideia pela qual valha a pena ou que exija a morte. A revolução é uma questão de injustiça? De amor? De vontade? Da situação social? A performance CAMUFLAGEM desdobra-se através de transformações físicas e vegetais no Polo Chinês, fragmentos de texto e mostra o conflito interno de uma jovem no desejo de dar vida a uma criança e na necessidade de lutar por um mundo melhor.

intervalo 15’

2º SOLO

PRINCIPIO 90\10 Interpretação: Ariana Silva . 25’

Nasci, cresci, esperei e morri. Acordo num sítio novo, que não é novo nem é sítio. E dou por mim à espera eternamente por algo ou talvez nada, alheia à vida, e esta a ser totalmente estranha para mim pois não me pertence. E assim perdi-me entre o passado, o presente e o futuro sem nunca me aperceber do porquê desta relação estranha com o Tempo, mas o tempo não existe. O tempo e o Homem nunca se deram bem, o tempo é a fraqueza do Homem tal como as memórias que enterra, essas acompanham sempre na sua bagagem, esteja o Homem de chegada ou de partida. Ação e reação, causa e efeito, escolha e consequências são fruto das nossas reações aos 10% que estão fora do nosso controlo. Uma viagem ambígua, paradoxal e irónica, onde a paródia é uma autobiografia expressada através da exaltação dos sentidos. CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO . JUNHO ’18 .11


CRESCER E DANÇAR | EDGE ON TOUR 2018 De 30 de junho a 7 de julho na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão com espetáculos e workshops. ATÉ 29

sexta-feira

INSCRIÇÕES PARA OS WORKSHOPS

EDGE | London Contemporary Dance School - 30 de JUNHO a 7 de JULHO 2018

WORKSHOP 10 € Dos 11 aos 25 anos Máximo de 25 participantes por cada grupo.

Está previsto a realização de dois workshops, em dois espaços diferentes - pequeno auditório e sala de ensaios, para participantes entre os 11 e os 25 anos, a realizar na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. As inscrições encontram-se abertas até ao dia 29 de Junho, máximo de 25 participantes por cada grupo, e têm o custo 10 euros (os participantes dos workshops têm um bilhete de oferta para o espetáculo do EDge do dia 30 de Junho). Não é necessário possuir qualquer experiência na área da dança, pois este projeto será baseado na experiência “real e individual de cada formando”. No final, 7 de julho, será apresentado ao público, juntamente com a companhia inglesa, o resultado dos workshops. Uma oportunidade a não perder! Participa!

30

COMPANHIA DE DANÇA CONTEMPORÂNEA DE LONDRES - EDge

sábado

21h30 GRANDE AUDITÓRIO DANÇA 8 € | 4 € Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural M/6 . 70’

Serão apresentadas, por 14 bailarinos do Edge, coreografias dos coreógrafos: Philippe Blanchard, coreógrafo independente; Ben Wright, diretor artístico da CoCo Dance Company, diretor artístico / coreógrafo da bgroup e coreógrafo associado da Skånes Dansteater da Suécia; Tamsin Fitzgerald, diretor artístico / coreógrafo e fundador da 2Faced Dance; Athina Vahla, coreógrafa, professora e investigadora honorária do Departamento de Teatro da Universidade de Rhodes, Holanda. A tour de 2018 apresenta uma residência criativa em Portugal, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

12. JUNHO ‘18 . CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

FOTOGRAFIA CHRIS NASH DESIGN MARK PEPPER

CASA DAS ARTES


CASA DAS ARTES E ENVOLVENTE 06

quarta-feira

10h30 CALENDÁRIO - CENTRO SOCIAL TEATRO Entrada gratuita à lotação da sala

M/4 . 50’

FICHA TÉCNICA Texto e Encenação Luiz Oliveira Interpretação Luiz Oliveira, Rita Calatré, Vítor Fernandes Música Original e Pianista Rui Souza Bonifrates e Figurinos Susana Morais Coreografia Daniela Ferreira Cenografia Xico Alves Grafismo Fedra Santos Desenho de Luz FM e Fernando Oliveira

14

quinta-feira

10h30 e 14h30 ESMERIZ E CABEÇUDOS CASA DE ESMERIZ TEATRO Entrada gratuita à lotação da sala M/3 . 30’ FICHA ARTÍSTICA Criação e interpretação Neusa Fangueiro Apoio à criação e música Rui Alves Leitão Figurino Cláudia Ribeiro Costureira Carmo Alves Cartaz Nuno Lopes Produção Fértil

PEDRO E O LOBO Musical com marionetas

Pedro era um brincalhão, só fazia asneiras. Não respeitava nada nem ninguém, chegando a enganar o seu melhor amigo, o bode velho. Um dia, enquanto guardava as ovelhas na serra, pôs-se a gritar: – Lobo! Lobo! Lobo! – A aldeia em peso foi em seu socorro. Mas, não viram qualquer animal. Pedro fica a rir-se por tê-los enganado. Na semana seguinte, repetiu-se a cena e, como uma vez mais, não havia lobo nenhum, os aldeãos foram-se embora chateados com a brincadeira de Pedro. Passados tempos, aparece na serra um lobo. Este lobo, bem-falante, seduz o rebanho, explicando que é um lobo solitário, em vias de extinção e de como as alterações na natureza o empurraram para longe do seu habitat natural. Pedro, não encontrando o rebanho, grita aflito por socorro, ao qual ninguém acode.

EU É QUE CONTO Uma senhora que coleciona livros sabe-se lá onde, vem para contar uma história. Mas como é muito distraída chega atrasada, acaba por tropeçar em tudo e sem querer entra numa outra dimensão, a da imaginação. Confusa e com outros personagens a invadi-la constrói uma história diferente, divertida e cheia de criatividade. Baseando-se nos contos dos irmãos Grimm e histórias tradicionais portuguesas esta senhora dá-nos um momento de teatro surpreendente.

CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO . JUNHO ’18 .13


07

quinta-feira

Extensão do Indie Lisboa – exibição de filmes premiados Os títulos a exibir serão anunciados nas páginas: www.cineclubejoane.org www.facebook.com/cineclubejoane/

21h45 PEQUENO AUDITÓRIO CINEMA CINECLUBE DE JOANE 4 € | Grátis para associados

14

quinta-feira

CUSTÓDIA PARTILHADA de Xavier Legrand Título original: Jusqu’à la garde (França, 2017) Realização: Xavier Legrand Interpretação: Léa Drucker, Denis Ménochet, Thomas Gioria, Mathilde Auneveux

21h45 PEQUENO AUDITÓRIO CINEMA CINECLUBE DE JOANE 4 € | Grátis para associados M/12 . 93’

21

quinta-feira

READY PLAYER ONE: JOGADOR 1 de Steven Spielberg Título original: Ready Player One (EUA, 2018) Realização: Steven Spielberg Interpretação: Letitia Wright, Hannah John-Kamen, Simon Pegg, T.J. Miller, Ben Mendelsohn

21h45 PEQUENO AUDITÓRIO CINEMA CINECLUBE DE JOANE 4 € | Grátis para associados M/12 . 140’

26

terça-feira

21h45 PEQUENO AUDITÓRIO

Sessão comemorativa do 50.º aniversário da Secção de Cinema do FAC promovida pela Casa das Artes e Cineclube de Joane

O CARTEIRISTA de Robert Bresson

Título original: Pickpocket (França, 1959) Realização: Robert Bresson Interpretação: Martin La Salle, Marika Green, Jean Pelegri, Dolly Scal, Pierre Leymarie, Kassagi

CINEMA CINECLUBE DE JOANE Entrada livre M/12 . 75’

28

quinta-feira

NO INTENSO AGORA de João Moreira Salles

21h45 PEQUENO AUDITÓRIO CINEMA CINECLUBE DE JOANE 4 € | Grátis para associados M/12 . 125’

14. JUNHO ‘18 . CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

Título original: No Intenso Agora (Brasil, 2017) Realização: João Moreira Salles Montagem: Eduardo Escorel e Laís Lifschitz


GRANDE AUDITÓRIO Lotação de 494 lugares PEQUENO AUDITÓRIO Lotação de 124 lugares CAFÉ CONCERTO Lotação de 75 lugares

PARQUE ABERTO 108 lugares PARQUE FECHADO 98 lugares

www.casadasartes.org

VENDA DE BILHETES:

RESERVAS:

HORÁRIOS:

Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Só é possível reservar bilhetes até uma semana antes da data do espetáculo pretendido. A reserva de bilhetes, após registo confirmado, tem uma validade de 48 horas. Não havendo levantamento da reserva, esta é anulada, passando automaticamente para venda. Contatos para reservas: T. 252 371 297/8 E-mail: bilheteira.casadasartes@ vilanovadefamalicao.org

Terça a quinta-feira: 10h00 - 19h00

Bilheteira online: https://casadasartesvnf.bol.pt/ Centro Cultural Vila Flor Theatro Circo Lojas CTT, Fnac e El Corte Inglês Posto de Turismo de Vila Nova de Famalicão

ORGANIZAÇÃO

APOIO

MECENAS

Sexta-feira: 10h00 - 19h00 e das 20h30 - 22h30 Sábados, Domingos e Feriados abre 1 hora antes do início e encerra 1 hora depois do início do espectáculo.


CASA DAS ARTES PARQUE DE SINÇÃES 4760-103 VN FAMALICÃO

Agenda da Casa das Artes - Junho´18  

Agenda da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Agenda da Casa das Artes - Junho´18  

Agenda da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Advertisement