Page 1

jornal das

Agrupamento de Escolas de Esgueira Janeiro de 2014— nº 1


Página 1 Equipa: Educadora Sara Carvalho, Professor Isaque Tomé, Professora Celeste Vieira, Professora Isabel Branco, Luísa Rodrigues (5ªF), Martim Tavares (5º F), Lara Cruz (5ºF) e Maria Rodrigues (6ºC).

Editorial

INDICE

Direitos e deveres: as duas faces da liberdade na Escola

Falar de direitos e de deveres é falar da essência da liberdade, da democracia, da vida em sociedade. Quando falamos de direitos e de deveres numa Escola é dessa essência que falamos, pois a Escola é uma organização social e, como tal, reprodutora das leis sociais. Todos os dias, os direitos e os deveres marcam a vida na Escola. É na sala de aula, quando os alunos e o professor devem cumprir determinadas regras, consabidas por todos. É no recreio, quando o direito de uns é o dever de outros, é na ida ao bufete, na hora da refeição na cantina, na entrada da escola, na utilização da biblioteca que os direitos dos seus utentes se cruzam com os deveres desses mesmos utentes. É a consciência dos nossos direitos e dos nossos deveres que faz de nós livres. Livres, porque ao conhecer os nossos direitos e os nossos deveres, podemos fazer as nossas opções, as nossas escolhas e é essa capacidade de escolher que nos determina livres. Mas a assunção dessa liberdade encerra em si as consequências das nossas escolhas. Assim, quando na escola alguém não respeita os deveres (os seus) e os direitos (os dos outros), é uma escolha, mas essa escolha tem como consequência a sanção imposta pela sociedade, de acordo com o seu entendimento de bem comum, e com os valores morais e sociais que assume. É aqui que surgem as regras que balizam o comportamento na Escola, de que destaco o Regulamento Interno.

(Continua na página seguinte)

Editorial

Pg 1

Atividades

Pg 3

Projetos e Parcerias

Pg 39

Nós e o Mundo

Pg 46

Fazemos História

Pg 48

A Seguir...

Pg 51


Página 2

Direitos e deveres: as duas faces da liberdade na Escola (Continuação)

O Regulamento Interno não é um instrumento vazio de conteúdo e de significado, não é um mero “calhamaço” de artigos e pontos. Para que todos se sintam livres e respeitados na Escola é necessário que, antes de mais, conheçam os seus direitos e os seus deveres. Depois, é preciso interiorizar que a um direito corresponde um dever e que o nosso direito é também o direito do outro.

Nota explicativa: Este é o primeiro número do Jornal do Agrupamento de Escolas de Esgueira que integra as Escolas do JI de Cabo Luís, as do JI e 1º ciclo da Quinta do Simão, Alumieira e Esgueira, a Escola do 2º e 3º ciclo Aires Barbosa e a Escola do 3º ciclo e secundário Dr Jaime de Maga-

Dito isto, importa referir a principal missão da escola: educar, na sua dupla vertente de ensinar/aprender conhecimentos e de socializar as crianças e os jovens. E o que tem isto a ver com direitos e deveres? Tudo! Pois o maior direito de um aluno na Escola é a Educação nessa dupla vertente. Mas se esse é o seu grande direito, o seu dever individual é respeitar esse mesmo direito individual relativamente a cada um dos outros alunos.

lhães Lima = 6 Escolas (o Jornal das 6).

O direito à Educação não é algo de abstrato que não dependa, para além da ação coletiva do Estado, da Escola – dos que têm o dever de a garantir – da ação individual de cada aluno e que consiste no dever de respeitar todas as regras que lhe permitam receber livremente esse direito.

deveres dos alunos, de acordo com a Lei

Em suma, conhecer o Regulamento Interno e cumpri-lo fará da Escola um espaço de exercício de liberdade, um espaço de cidadania, um espaço de aprendizagem e de crescimento individual e coletivo. Cumprir os direitos e os deveres por todos consolida a missão da Escola.

O presente trabalho resulta da participação de todos. Desde o título, proposto pela assistente Ana Gorete, passando pelos trabalhos enviados por professores, pais e alunos. Cada número trimestral terá um tema. No presente Jornal explicitam-se os direitos e os 51/2012. O próximo nº abordará a questão do Desperdício Alimentar.

O Jornal das 6 apresenta as seguintes seções :

-Atividades (o que se vai fazendo pelas 6), - Projetos e Parcerias (em cada nº se destacam alguns projetos e um parceiro das 6),

Dedico este texto às alunas e alunos das escolas que frequentam o Agrupamento de Escolas de Esgueira. Aos restantes agentes educativos – professores, pais e não docentes – deixo o reconhecimento por todos os dias contribuírem para a sua Educação.

- Nós e o Mundo (textos produzidos por alunos, pessoal docente e não docente, pais e outros ), - Fazemos História ( seguimos o percurso de antigos alunos), - A Seguir (atividades previstas para o período

Helena Libório Diretora do Agrupamento de Escolas de Esgueira

seguinte). Colaborem, através do mail jornal@esjml.edu.pt


Página 3

Substituição das telhas com amianto

A escola EB2,3, Aires Barbosa, durante o período de interrupção de aulas, entrou em obras com o objetivo de retirar telhas com amianto. Segundo o professor Mário Lopes, não havia perigo para os alunos, professores e pessoal não docente, mas com as obras há o risco de quebrar o material e os produtos nocivos espalharem-se no ar. Por isso a escola Aires Barbosa ficou encerrada ao público durante este período. Ao retirar esse material há risco para quem entrar em contacto com ele por este motivo os trabalhadores e os funcionários usarão máscaras sempre que se encontrarem no exterior. Os trabalhadores têm que possuir formação específica para retirar este material. Há décadas que se sabia que o amianto era prejudicial para a saúde, embora só recentemente os cientistas tenham descoberto o mecanismo pelo qual este causa cancro. O amianto é um grupo de minerais cujas fibras são muito resistentes ao calor e foram usadas durante muitos anos. A sua utilização está hoje praticamente proibida na União Europeia, embora ainda exista amianto aplicado em construções antigas.

As fibras de amianto podem provocar doenças graves, entre as quais se destaca o cancro do pulmão, devido à inalação mais ou menos prolongada de partículas de amianto. Luísa Rodrigues (5ªF) e Maria Rodrigues (6ºC)


Página 4

É Natal

Mensagem de Natal Aires Barbosa

Eu queria ser Pai Natal e ter um carro com renas, para pousar nos telhados mesmo ao pé das antenas.

Aires Barbosa

JI de Esgueira

Descia com o meu saco Ao longo da chaminé, Carregado de brinquedos E roupas, pé ante pé.

Em cada casa trocava Um sonho por um presente. Que profissão mais bonita Jaime Magalhães Lima

Fazer a gente contente.

Luísa Ducla Soares Sala A do JI de Esgueira Educadora Júlia Mortágua

Quinta do Simão

Cabo Luís

Aires Barbosa


Página 5

É Natal

Tive um sonhe de Natal

O Jornal das 6 deseja a todos um Bom Ano com Saúde e Paz.

Eu vi toda a Humanidade A viver um mundo de paz Cheio de Justiça e Verdade. Turma 9ºCEF Cooperar em vez de competir. Vi repartir a riqueza produzida,

Jaime Magalhães Lima

Sem deixar ninguém sem pão.

Vi os filhos a cuidar dos pais, Quando os pais já são velhinhos, Como se fossem seus filhos,

Aires Barbosa

Com mil atenções e carinhos. Quinta do Simão

Vi o salário pagar o empenho Que a todo o empregado deve. Vi o patrão a partilhar o lucro Com quem o ajudou a criar.

Turma 9ºCEF Aires Barbosa


Página 6

DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR O NATAL VISTO PELAS CRIANÇAS DA SALA A DO JI DE ESGUEIRA GUILHERMEEU GOSTAVA DE VER O PAI NATAL.

CATARINA- FESTEJAMOS EM FAMILIA E RECEBEMOS PRENDAS.

JUCELINE- FAZEMOS A ÁRVORE DE NATAL. A MÃE FAZ BOLOS E TEMOS VISITAS EM CASA.

LAURAVER O NATAL.

É PAI

ROBERTO - TER ALEGRIA. FAZER COISAS DIFERENTES. ÀS VEZES VEM O PAI NATAL.

.RODRIGO- PARTILHAR OS PRESENTES COM OS AMIGOS.

MARTIM- É TER AMOR E FAMILIA.

JOÃO FRANCISCO- VOU A CASA DOS MEUS AVÓS E COMO CHOCOLATES.

AFONSO- O PAI NATAL É MUITO BOM PARA MIM. ELE É MEU AMIGO.

GONÇALOEU GOSTO DO NATAL EM CASA DA MÃE.

TOMÁS- VOU A CASA DA TIA E O PAI NATAL PASSA LÁ. NO NATAL HÁ NEVE NA SERRA DA ESTRELA.

VICENTEO NATAL É UMA FESTA.

BEATRIZÉ RECEBER PRESENTES.

Educadora Júlia Mortágua


Página 7

DEPARTAMENTOS DO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO Mãos dadas pela cidadania Foi na EB Quinta

do

Simão

que

alunos, docentes, pais, assistentes operacionais e o projeto EntreSendas estiveram de “Mãos dadas pela cidadania”. Saber o que é a cidadania, conhecer os direitos e deveres de cada cidadão, levou-nos (meninos e meninas do 1º e 4º ano) a construir um lema. Depois pintamos letra a letra, cortámos e montámos num plástico grande, para colocar no meio de um círculo que íamos criar, ao darmos as mãos. Queríamos tirar uma fotografia que mostrasse este cordão humano pela cidadania. Esta ideia surgiu porque no dia 17 de

Escreve o teu desejo de Ano Novo

outubro comemorou-se o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza. Uma vez que estamos no Ano Europeu dos Cidadãos, a EAPN Portugal e a Rede Social de Aveiro desafiaram as respostas do meio a participarem na iniciativa “SER cidadão, FAZER a inclusão” e, nós colocámos mãos à obra. Porque “SER cidadão, FAZER inclusão” foi o tema destas Jornadas pela Cidadania, nós na EB Quinta do Simão, soubemos SER e FAZER algo para assinalar este dia, 17 de Outubro de 2013, não acham? Educadoras Sara Carvalho e Fátima Matas e Professoras Fátima Santos e Joana Branco

Os meninos do Jardim de Infância da Quintado Simão estão a vivenciar a época Natalícia com muito entusiasmo e como é próprio desta idade com muita ilusão; Por isso, empenharam-se ao máximo em todas as atividades e na elaboração de pequenos trabalhos para enfeitarem a nossa árvore de Natal. Eis alguns dos trabalhos por eles realizados:


Página 8

DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR

Olá, somos as crianças do jardim de infância de Cabo Luís e fazemos muitas atividades no nosso jardim. No dia da alimentação fizemos gelatina de vários sabores e foi muito divertido. Falámos dos alimentos que devíamos comer e que nos fazem bem. Também fizemos um jogo: “qual o teu fruto preferido?”. Cortámos uma abóbora e falámos do significado do Halloween.

Fizemos um magusto com castanhas assadas na fogueira e ouvimos a lenda de S. Martinho. Agora está a chegar o Natal, de que gostamos muito. Durante o mês de Dezembro andamos muito atarefados a fazer postais de natal, árvores de natal com caixas de cereais e enfeitamos a nossa sala com estrelas, pinheiros, anjinhos e desenhos bonitos. E assim despedimo-nos até ao próximo ano: FELIZ NATAL e um BOM ANO NOVO.

Educadora Maria Paula Almeida JI do Cabo Luís


Página 9

DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR À Descoberta do Mundo Do projeto “À descoberta de Portugal” ao projeto “À descoberta de outros Países” O projeto “À descoberta de Portugal” surgiu a partir do interesse das crianças em conhecer algumas terras onde tinham famílias. Inicialmente foi explorado com eles o mapa de Portugal e as cidades que as crianças já conheciam. Posteriormente foram abordadas quatro cidades de Portugal, nomeadamente Porto (Norte), Guarda (Interior), Lisboa (Capital) e Faro (Sul) e dentro de cada cidade foram abordadas as seguintes categorias: Gastronomia típica; Fruta típica; Doçaria típica; Casas típicas; Estádios de futebol; Rios; Completa o nome do País: Monumentos históricos. GU_ _ É Do nosso país passou-se para a descoberta de outros de onde as nossas crianças eram oriundas, Brasil, Guiné e França, com a exceção do Egipto pelo qual as crianças mostraram um interesse muito peculiar. Trabalhamos a localização no mapa-mundo, percursos de viagens, a habitação, a gastronomia, os rios, o clima, danças típicas, usos e costumes e a língua. Com este projecto puderam-se desenvolver vários objetivos dos quais destaco: - Educar para a Cidadania; - Sensibilizar para a diversidade linguística e cultural; - Proporcionar o contacto com realidades cultural e linguisticamente diversificadas; - Fomentar o desenvolvimento da competência plurilingue e intercultural; - Favorecer o desenvolvimento da expressão oral e do conhecimento do mundo; - Promover atitudes de respeito e curiosidade pelo outro e pela(s) sua(s)língua(s) e cultura(s); - Favorecer projetos e atividades da iniciativa das crianças; Completa o nome do País: - Concorrer para o desenvolvimento de capacidades de pesBR_ S _ _ quisa e de trabalho colaborativo; - Proporcionar a vivência de um clima democrático e participativo na tomada de decisões; - Fomentar o desenvolvimento da autonomia e da reflexão sobre as aprendizagens. Da pesquisa, à partilha de saberes com a comunidade fomos co-construindo saberes, explo- Completa o nome do País: rando técnicas e exercitando capacidades. E_IP _ _

Completa o nome do País:

_RA_ _ A

Educadora Cristina Cação Sala B do JI de Esgueira


Página 10

Festa na Escola da Alumieira Comemoração dos 50 anos da escola da Alumieira

No dia quatro de outubro a escola da Alumieira comemorou os seus 50 anos juntamente com os ex-alunos, os ex-professores e também os alunos, os encarregados de educação e os professores atuais. Na primeira parte da comemoração os alunos do terceiro e quarto anos jogaram ao “Jogo dos Arcos “ e ao “Jogo do Gato e do Rato”, com o professor Hélder dos Escuteiros. Também os mais pequenos brincaram com elementos dos Escuteiros. A comemoração teve a presença da Dra. Romana, presidente da Junta de Freguesia de Esgueira em exercício, que fez um pequeno discurso sobre a nossa escola. Antes da Dra. Romana retirar a Bandeira para mostrar a placa que dizia “ Comemoração dos 50 anos da Escola Básica de Alumieira”, as crianças cantaram o hino nacional e a professora São Evangelina também fez um pequeno discurso em nome do Agrupamento. Antes da Dra. Romana retirar a Bandeira para mostrar a placa que dizia “ Comemoração dos 50 anos da Escola Básica de Alumieira”, as crianças cantaram o hino nacional e a professora São Evangelina também fez um pequeno discurso em nome do Agrupamento. Depois fomos todos para as barraquinhas de comes e bebes, onde era preciso tirar senha, havia: caldo verde, bifanas, pão com chouriço, bebidas e doces. Ainda havia um bolo de aniversário delicioso e cantámos os parabéns à escola. Ao lado do bolo estava um livrinho para desejar felicidades à escola e muitas pessoas escreveram o que lhes ia na alma. A festa foi muito divertida e sobretudo houve muito convívio entre as pessoas. Francisca Nicolau e Diogo Cunha Alunos do 4º ano

Para pintar

(em suporte papel)


Página 11

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS O Halloween invadiu a Escola Aires

Halloween

Barbosa. Da biblioteca à Sala de professores, o dia fez-se notado.

halloween ? filmes de Tim Burton? Nao podemos perder!

halloween? surpresas? Sweet poison...


Pรกgina 12

DEPARTAMENTO DE LรNGUAS Halloween

O Professor Carlos, numa pausa do trabalho.

A Biblioteca da Aires Barbosa ficou linda!

Para pintar (em suporte papel) http://www.riscosedesenhos.com.br/


Página 13

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Halloween Na Jaime Magalhães Lima o Halloween foi celebrado em sala de aula, nas turmas de sétimo ano, com a projeção de um powerpoint e realização de palavras cruzadas com vocabulário sobre a festividade. Todos os alunos receberam um chocolate e um aluno por turma recebeu um prémio simbólico de participação nas atividades. Alguns alunos das turmas da docente Alexandra Ferreira aceitaram o desafio da professora e realizaram trabalhos manuais sobre o tema “Pumpkins”, tendo sido premiado o mais original.

Para pintar (em suporte papel) http://www.riscosedesenhos.com.br/


Página 14

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

3ºLugar no Concurso Spelling Bee

da Embaixada dos Estados Unidos

A Escola JML, do Agrupamento de Escolas de Esgueira, participou no concurso “Spelling Bee”, organizado pela Embaixada dos Estados Unidos em Portugal com o objetivo de ajudar os estudantes portugueses, que frequentam o 9º e o 10º ano, a melhorar as suas competências na língua Inglesa, de forma descontraída. A prova decorreu durante a manhã do dia 13 de dezembro, no anfi-

André Alves, num total de 7 alunos que, depois de

teatro do Departamento

uma competição renhida e com um maior grau de difi-

de Ambiente e Ordena-

culdade em cada prova, conseguiu um honroso tercei-

mento da Universidade de Aveiro, e contou com a presença de diversas escolas secundárias do distrito de Aveiro. Helena Lopes, Miguel Flores, Ana João Ferreira, Ana Sofia Fernandes, Afonso Carvalho, Adélia Costa e André Alves representaram muito bem a escola. No primeiro round foram apurados 26 alunos, sendo três da JML (Afonso Carvalho, Adélia Costa e André Alves).

ro lugar e foi contemplado com um iPod. Foi uma experiência divertida, de comunicação com native speakers, que permitiu melhorar o vocabulário, aprender novos conceitos e desenvolver o uso correto da Língua Inglesa. Mas foi, sobretudo, uma mais valia pelo convívio, respeito dos deveres e direitos de todos os envolvidos, partilha e espírito de equipa que estes alunos, oriundos de turmas diferentes, desenvolveram nas sessões de preparação para o concurso (a cargo da docente Alexandra Ferreira) e durante as provas prestadas na UA. A professora acompanhante: Alcina Sardo

Alínea h) do artigo 7º da Lei 51/2012: O aluno tem direito No segundo round, continuaram apurados os 3 alunos, num total de 13. No terceiro round foi apurado o aluno

a usufruir de prémios ou apoios e meios complementares que reconheçam e distingam o mérito;


Página 15

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Visita de Estudo a Mafra

O convento, que é palácio, Fomos nós a Mafra visitar. De manhã, bem cedo, tivemos de acordar Para o "Memorial do Convento" irmos estudar. Uns ao teatro foram, Outros o palácio exploraram. A meio já apertava a fomita Então passámos à marmita. Blimunda e Baltasar fomos escutar E a sua história era de encantar, Com a passarola a sobrevoar E as mil vontades a suportar. No fim do espetáculo, todos aplaudimos, Uns de pé, outros sentados, A obra de Saramago Que deliciosamente apreciámos. Mil corredores percorremos E o palácio conhecemos Com a ajuda da guia e com animação Percebemos o ritual da função.

Grandiosas salas luxuosas Onde homens e mulheres se divertiam separados, São costumes que caracterizam Uma realeza de tempos passados.

Numa biblioteca com prestígio Os morcegos protegem os livros De diferentes áreas e artigos Onde pormenores históricos deixam de ser mitos. No fim do dia Já um pouco cansados Voltámos para casa Muito gratificados. Os Lindos (heterónimo de Eduardo, João, Margarida, Matilde, Sara) - 12ºA

Memorial do Convento É uma obra literária escrita por José Saramago., onde são narradas duas histórias: A primeira história leva-nos ao tempo da construção do Convento de Mafra, cuja edificação foi feita por D. João V e oferecida a Deus, para que este lhe desse um herdeiro, uma vez que o rei era casado já há dois anos com D. Maria e até então não tinham tido filhos. Saramago fala e critica a opressão que os nobres e o clero exerciam sobre o povo, uma vez que esta grandiosa construção custou muitos sacrifícios e originou muitas mortes dos populares. A segunda história é a história de amor entre Blimunda e Baltazar, pessoas pobres e humildes. Blimunda tem o dom de ver por dentro das pessoas, mas para isso tem que estar em jejum. São ambos amigos do padre Lourenço, um homem perseguido pela inquisição, Nobel da Literatura que tem o desejo de voar e que, para isso, desenhou uma máquina, à qual chamou passarola. Pede a ajuda de Baltasar para a construir e este, após algumas hesitações, aceita. Com a ajuda da amada, mudam -se para a quinta do Duque de Aveiro, em S. Sebastião da Pedreira, para iniciarem a obra. Entretanto, com a partida do padre para a Holanda, o casal parte também para Mafra, que é a terra de Baltasar. Estiveram sem se ver durante 3 anos, até que Baltasar recomeça a construção da máquina. Num desses dias, consegue voar e nunca mais aparece. Blimunda procura-o durante nove anos, até que um dia, num auto-de-fé, encontra-o. Ele fora condenado à fogueira. Até esse ponto, Blimunda nunca tinha visto Baltasar por dentro, pois mal se levantava comia sempre um pouco de pão, para não estar em jejum. No entanto, instantes antes de morrer ela olhou-o, recolheu a sua vontade, porque ele lhe pertencia. José Saramago, prémio


Página 16

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

Olimpíadas de Português As Lusíadas - Olimpíadas do Português são uma atividade didática, dirigida a todas as turmas do 9º ano de português. Tem como principais objetivos estimular os alunos para a aprendizagem, de forma lúdica; verificar a sua cultura geral e conhecimentos no âmbito da disciplina de português; sensibilizá-los para a aprendizagem desta língua, cultivando o gosto pela mesma; promover o conhecimento e a cultura geral; fomentar o trabalho em equipa e o espírito de competição. É da responsabilidade dos professores estagiários João Henriques e Maria José Santos, do mestrado em Ensino do Português e de Língua Estrangeira (Espanhol), no Ensino Básico e Secundário, da Universidade de Aveiro, com a orientação e supervisão da Professora Betina Martins, orientadora cooperante. As Lusíadas desenvolvem-se em torno de um conjunto de perguntas, registadas em cartões e organizadas em quatro categorias - todas no âmbito da disciplina de Português e adequadas ao nível de ensino a que se dirigem: Lusofonia; Provérbios e Expressões idiomáticas; Gramática e P9 (manual de Português adotado). Após as eliminatórias semanais, a final decorreu entre as equipas vencedoras de cada turma, no dia 16 de dezembro, na biblioteca da escola. Dr Jaime Magalhães Lima . Foto de http://vemlercamoes.blogspot.pt/

Quem encontra palavras alojadas na vertical, na horizontal e na diagonal em todos os sentidos relativas a Os Lusíadas?


Página 17

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS EL ESPAÑOL EN PALABRAS LAS QUIJOTADAS OLIMPÍADAS DEL ESPAÑOL Las Quijotadas – Olimpíadas del Español son una actividad didáctica, dirigida a todos los alumnos de los 10º y 11º cursos de Español. Tiene como objetivos principales: estimular a los alumnos para el aprendizaje, de forma lúdica; verificar su cultura general y conocimientos relacionados con la asignatura de español; sensibilizarlos para el aprendizaje de esta lengua, cultivando el interés por la misma; promover el conocimiento La actividad parte de un conjunto de preguntas, y la cultura general; fomentar el trabajo en equipo y el espíri- registradas en cartones y organizadas en cuatro tu de competición. Es responsabilidad de los profesores en categorías – todas relacionadas con la asignatura prácticas João Henriques y Maria José Santos, del master en de Español y adecuadas al nivel de enseñanza al Ensino do Português e de Língua Estrangeira (Espanhol), no Ensino que se dirigen: Hispanidad; Vocabulario; GramátiBásico e Secundário, de la Universidade de Aveiro y orientada y ca y Contrastes. Debido a los diferentes niveles, supervisada por la profesora Isabel Miranda, orientadora serán ejecutadas entre las clases de los 10º y 11º cooperante. cursos, separadamente. Tras las eliminatorias semanales, la final se realizará el día 16 de diciembre, en la biblioteca de la escuela, entre los equipos vencedores de cada clase. El equipo vencedor de la final recibirá un premio que será anunciado en el final de la actividad.


Página 18

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS EL ESPAÑOL EN PALABRAS

Me llamo Mariana y soy alumna del 11ºA. Estoy cursando el segundo año de español y me gusta muchísimo. Por eso he participado en la actividad que las profesoras de español han organizado para conmemorar el día 12 de octubre, Día de La Hispanidad. Este es un día muy importante para España y para los países hispanohablantes pues, en 1492, en este mismo día, Cristóbal Colón llegó a América. El concurso consistía en responder a las preguntas que las profesoras colgaban en el polivalente. Las respuestas eran colocadas en una tómbola. Yo fui la vencedora porque contesté a todas las preguntas correctamente y gané un libro y un bolígrafo. Me ha encantado este concurso y me alegré mucho con el premio. Mariana Matos (11ºA )

Para pintar (em suporte papel)

http://infantil20.com/dia-de-la-hispanidad-para-colorear

Día de La Hispanidad.


Página 19

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ¡Adiós Madiba!

EL ESPAÑOL EN PALABRAS

Hay personas que no nos gustaría ver desaparecer y Nelson Mandela es una de ellas.

«La

educación es el gran motor del

Al escuchar la noticia de su muerte sentimos que habíamos

desarrollo personal. Es a través de la

perdido una gran fuente de inspiración y un ejemplo de justi-

educación como la hija de un campe-

cia. Cuando hablamos de DERECHOS Y DEBERES, segura-

sino puede convertirse en una médi-

mente hablamos de este hombre como uno de sus más gran-

ca, el hijo de un minero puede con-

des defensores.

vertirse en el jefe de la mina, o el hijo

Pasó 27 años preso por perseguir un sueño, por defender sus

de trabajadores agrícolas puede llegar

ideales y por creer que todos los hombres son iguales y tienen

a ser presidente de una gran nación».

los mismos derechos. A pesar de todas las injusticias que sufrió, salió de la cárcel con deseos de tolerancia y paz. Trajo la igualdad a su pueblo, asumiendo el respecto por todos, comprendiendo el otro y alejando de si sentimientos de venganza. Su impresionante historia de vida justifica la fascinación que sentimos todos por una de las grandes personalidades de nuestra época. 11ºE (Formação específica de espanhol)

Alínea d) do artigo 10º da Lei 51/2012: O aluno tem o dever de tratar com respeito e correção qualquer membro da comunidade educativa, não podendo, em caso algum, ser discriminado em razão da origem étnica, saúde, sexo, orientação sexual, idade, identidade de género, condição económica, cultural ou social, ou convicções políticas, ideológicas, filosóficas ou religiosas.

Nelson Mandela, 1994.


Página 20

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

Encontro de Ténis de Mesa na Escola Magalhães Lima

O Agrupamento de Esgueira foi o anfitrião de mais um encontro de Ténis de Mesa. Parabéns aos participantes!

Alíneas p) e r) do artigo 7º da Lei 51/2012: O aluno tem o direito de organizar e participar em iniciativas que promovam a formação e ocupação de tempos livres; e de participar nas demais atividades da escola, nos termos da lei e do respetivo regulamento interno

Para pintar (em suporte papel)

http://coloriredivertido.blogspot.pt/2010_03_19_archive.html


Página 21

DEPARTAMENTOS DE EXPRESSÕES A Música através do Universo… Como se conseguirá fazer com que um extraterrestre compreenda o que significa um ser humano?

Esta questão foi posta a uma comissão de especialistas, em 1997, quando as naves Voyager I e Voyager II, transportando mensagens destinadas a qualquer forma de vida inteligente que pudessem encontrar, estavam prestes a ser lançadas para o espaço. Na opinião desses especialistas, uma das melhores maneiras de comunicar com um extraterrestre, em vez de palavras ou de imagens, era através da música, opinião esta que deixou muita gente surpreendida! Porquê escolher a Música? Primeiro, porque a sua estrutura é baseada em números e a harmonia musical pode ser analisada em termos matemáticos. Os cientistas também concordaram que a matemática é a linguagem mais universal e que os eventuais extraterrestres talvez compreendessem melhor a estrutura matemática da nossa música do que qualquer outra coisa. De facto, a música exprime os sentimentos humanos melhor do que quaisquer outros meios e representa a variedade total da cultura humana. Nunca houve uma sociedade sem a sua música específica para exprimir a tristeza e a dor, a felicidade e a paz. Assim, foi preparado um disco contendo os «maiores êxitos musicais da Terra», com a duração de 87 minutos. Este disco, feito de cobre chapeado a ouro, foi instalado na nave Voyager II e foi preparado para tocar durante mil milhões de anos. Fonte: Sabia que…? (Texto adaptado) Professora Áurea Carvalho

Alínea u) do artigo 10º da Lei 51/2012: O aluno tem o dever de respeitar os direitos de autor e de propriedade intelectual.


Página 22

DEPARTAMENTOS DE EXPRESSÕES Encontro de Boccia na Escola Aires Barbosa Desporto Escolar: Encontro de Boccia na Escola Aires Barbosa

O 8º B também esteve presente com 4 alunos que arbitraram com muito cuidado os jogos e

No dia 10 de dezembro de 2013 realizou-se um encontro de Boccia onde estiveram presentes as Escolas Básicas de Estarreja, Murtosa, Esmoriz, Aires Barbosa de Esgueira e a Escola Secundária Jaime Magalhães Lima.

até participaram como jogadores. Estes alunos conhecem bem a modalidade pois já colaboraram em atividades similares em anos anteriores.

No total participaram 57 alunos de diferentes idades.

Para eles _ Alexandre Rodrigues, João Vicen-

Os alunos primaram pelo desportivismo demonstrado e

te, Daniel Ferreira e Pedro Torres _ vai um

os resultados das equipas de Esgueira foram muito

sincero agradecimento pela capacidade que

bons, estando assim, todos os alunos, de parabéns.

sempre demonstraram em colaborar e ajudar o próximo.

A responsável pelas equipas de Boccia da Escola Aires Barbosa, Professora Graça Magalhães

Alíneas g) e i) do artigo 7º da Lei 51/2012: O aluno tem o direito a beneficiar, no âmbito dos serviços de ação social escolar, de um sistema de apoios que lhe permitam superar ou compensar as carências do tipo sociofamiliar, económico ou cultural que dificultem o acesso à escola ou o processo de ensino; e beneficiar de outros apoios específicos, adequados às suas necessidades escolares ou à sua aprendizagem, através dos serviços de psicologia e orientação ou de outros serviços especializados de apoio educativo http://mundinhodacrianca.blogspot.pt/2009/10/labirinto-de-natal.html


Página 23

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES E DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

O que é o Boccia

Encontro de Boccia na Escola Aires Barbosa

O Boccia tem O influências do jogo tradicional, petanca,

Antes de começar a partida, o árbitro sorteia através

oriunda das civilizações gregas e romanas, tornando-se

de moeda ao ar, a escolha da cor das bolas com que

uma modalidade Paralímpica em 1984, nos jogos de No-

cada equipa vai competir, contudo dá o direito aos

va Iorque. Esta é a modalidade principal para atletas por-

participantes de escolher se quer competir com as

tadores de paralisia cerebral.

bolas de couro vermelhas ou azuis. O lado que escolhe as vermelhas inicia a disputa, jogando primeiro

É um desporto indoor, de precisão, em que sã o arremessadas bolas, seis de couro azuis e seis vermelhas, com o objetivo de as colocar o mais perto possível de uma bola branca chamada de “jack” ou bola alvo. É permitido o uso das mãos, dos pés ou de instrumentos de auxílio para atletas com grande comprometimento nos membros superiores e inferiores. Está modalidade pode ser disputada

o “jack” e uma bola vermelha. Depois é a vez da bola azul entrar em acção. A partir de então, os adversários se revezam a cada lance para ver quem consegue posicionar as bolas o mais perto possível do “jack”. As partidas ocorrem em quadras cobertas, planas e com demarcações no piso. A área de jogo mede 6m de largura por 12,5m de comprimento.

de forma individual, pares ou por equipas. Para ganhar um ponto, o atleta tem de jogar a bola o mais próximo do “jack”. Caso este mesmo jogador tenha colocado outras bolas mais próximas do alvo, cada uma delas também vale um ponto. Se duas bolas de cores diferentes ficam à mesma distância da esfera branca (Jack), os dois lados recebem um ponto. Vence quem acumula a maior pontuação. http://www.fpdd.org/pt/boccia

Selos alusivos aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos

Londres 2012


Página 24

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

No sentido de desenvolver uma escola onde todos os alunos possam ser incluídos e lhes assista a possibilidade de resposta individual, foi criada na Escola Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima, uma Unidade de apoio especializado para alunos com Currículos Específicos Individuais. No dia 16 de dezembro, as docentes desta Unidade, a título de oferta de chá e café, promoveram a atividade ”Chá, café e outras coisas” dirigida à comunidade educativa adulta da escola, com o objetivo de divulgar o espaço e os trabalhos produzidos pelos alunos nas áreas práticas. É da envolvência de toda a comunidade escolar que resultará a qualidade da educação que desejamos para estes jovens.

As Professoras Prazeres e Angelina


Página 25

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Palestra “Educação Sexual—como educar na diferença? No âmbito do plano anual de atividades do agrupamento de Escolas de Esgueira, o Departamento de Educação Especial promoveu uma Ação de formação sobre o tema Educação Sexual “Como Educar na Diferença” dinamizada pela Dr.ª Judite Alves Pinheiro, psicóloga clinica e formadora. O evento decorreu no auditório da Escola Aires Barbosa, no dia 12 de dezembro. Estiveram presentes a Diretora do Agrupamento, Dr.ª Helena Libório, a Subdiretora, Dr.ª Isabel Branco, docentes de vários agrupamentos do concelho, assistentes operacionais, pais e encarregados de educação, num total de 51 pessoas. A ação visou sensibilizar para a importância de uma intervenção contextualizada e refletir sobre as práticas educativas de uma educação para a sexualidade em alunos com e sem Necessidades Educativas Especiais, promotora de uma consciência reflexiva que conduza a uma ética sexual baseada em valores universalmente aceites de liberdade, responsabilidade e respeito pelo outro, numa perspetiva inclusiva. Foram abordados os seguintes conteúdos: - O que é a sexualidade; - Como e quando intervir; - A importância do diálogo aberto e da proximidade emocional para possibilitar a intervenção; - Os riscos inerentes a uma sexualidade irresponsável; - A promoção da autoestima e da literacia emocional como base da saúde afetiva e sexual e da prevenção de riscos.

A formadora conseguiu cativar a atenção dos presentes pela forma simples e espontânea como expôs a temática, referenciando ao longo do seu discurso algumas formas de intervenção. A avaliação do evento, no entender do Departamento de Educação Especial, foi positiva e mostrou que contribuiu para uma melhor informação e esclarecimento das questões ligadas à educação para a sexualidade, sublinharam, ainda, a importância de se realizarem mais ações dentro desta temática na modalidade “oficina de formação” para grupos mais pequenos. Professora Guilhermina Almeida


Página 26

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS O 1º de Dezembro de 1640

Histórias da História No passado dia 4 de dezembro, no auditório da Escola Aires Barbosa, pelas onze horas, a turma B do 6º ano, teve o prazer de recontar de uma forma dramática a colegas do 5º e do 6º o que realmente aconteceu no dia 1 de dezembro de 1640, em Portugal. Os alunos, com a ajuda da professora de História e Geografia de Portugal, leram textos, recriaram diálogos mostrando os retratos das principais personagens envolvidas, apresentaram um vídeo que reconstituía os acontecimentos relevantes, adaptaram músicas e manusearam o som e o computador. Todos estiveram empenhados e aprenderam com gosto o que era trabalhar em grande grupo e como foi divertido partilhar essa experiência e divulgar à escola o que foi a Restauração da Independência. ( continua na pag seguinte)

Dia Internacional dos Direitos Humanos 10 de dezembro - 3.ª feira.

Os professores e as turmas das disciplinas do Departamento de Ciências Sociais e Humanas realizam, no dia 10 de dezembro, terça-feira, duas atividades simbólicas, no âmbito da comemoração do dia internacional dos direitos humanos:

1. Maratona de cartas, em colaboração com a Amnistia Internacional, sensibilizando os alunos do agrupamento a enviar cartas de apelo ao cumprimento dos direitos humanos em situações concretas, dirigidas a entidades responsáveis pela sua aplicação. 2. Árvore de Natal com cartões feitos pelos alunos, relativos aos direitos humanos.


Página 27

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Histórias da História O 1º de Dezembro de 1640

No primeiro de dezembro do ano de 1640, ocorreu um golpe de estado em Portugal que terminou o período de 60 anos em que o nosso Reino esteve unido politicamente à Espanha, isto é, tiveram o mesmo rei, o chamado domínio filipino. Nesse dia, um grupo de nobres desiludidos com o não cumprimento das promessas dos monarcas espanhóis decidem revoltar-se e vão ao Paço da Ribeira, matam o Secretário Estado Português, D. Miguel de Vasconcelos, e prendem a Duquesa de Mântua, que era a representante do rei Filipe III, em Portugal. Passados quinze dias da revolta, realizaram-se Cortes em Lisboa, para aclamar João Duque de Bragança, rei de Portugal tendo sido restaurada a nossa independência. Professora Eugénia Cunha

Lê o resto da BD em

http://www.eb23-revelhe.rcts.pt/1dez1640/1dez1640.htm

Alíneas i) e j) do artigo 10º da Lei 51/2012: O aluno tem o dever de respeitar a integridade física e psicológica de todos os membros da comunidade educativa, não praticando quaisquer atos, designadamente violentos, independentemente do local ou dos meios utilizados, que atentem contra a integridade física, moral ou patrimonial dos professores, pessoal não docente e alunos e prestar auxílio e assistência aos restantes membros da comunidade educativa, de acordo com as circunstâncias de perigo para a integridade física e psicológica dos mesmos.


Página 28

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Parlamento dos Jovens O Agrupamento de Escolas de Esgueira (2º, 3º ciclos e Secundário) participa, uma vez mais, no Parlamento dos Jovens - um projeto da responsabilidade da Assembleia da República - destinada a alunos dos ensinos Básico e Secundário, e que tem como um dos seus principais objetivos o desenvolvimento dos jovens e aprendizagens no exercício da cidadania. Os temas de referência para o ano letivo 2013-14 são: Drogas - evitar e enfrentar as dependências, para o 2º e 3º Ciclos; e Crise Demográfica -emigração, natalidade, envelhecimento, para o Secundário.

Alínea p) do artigo 10º da Lei 51/2012: O aluno tem o dever de não possuir e não consumir substâncias aditivas, em especial drogas, tabaco e bebidas alcoólicas, nem promover qualquer forma de tráfico, facilitação e consumo das mesmas;

O Jornal precisa de si

Tem um texto interessante? Um desenho bem feito? Gosta de desporto, música, cinema … ? Gostaria de ver publicado um artigo sobre o seu tema favorito? Colabore !!

jornal@esjml.edu.pt


Página 29

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Palestra “Como a Matemática ajudou os aliados a ganhar a II Guerra Mundial”.

No dia 17 de dezembro, no Auditório da Escola Básica Aires Barbosa, o Professor Dr. Jaime Carvalho e Silva, professor associado do Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra, apresentou a Palestra “Como a Matemática ajudou os aliados a ganhar a II Guerra Mundial (1939-1945)”. Devido ao grande número de alunos do ensino secundário, a palestra decorreu em dois momentos, às 10h30 e às 12h. A palestra debruçou-se sobre um dos períodos mais trágicos da História da Humanidade, a II Guerra Mundial e de como a Matemática foi utilizada, nomeadamente, na deteção da rota dos “invisíveis” submarinos inimigos. Os alunos que assistiram puderam constatar como a Matemática está presente em algumas áreas da atividade humana. Sem dúvida uma palestra interessante e uma aula de matemática … diferente. Agradecemos à D. Esmeralda Freitas por todo o apoio que prestou para que fosse possível a realização da Palestra, bem como a todos os alunos que participaram. Um agradecimento especial ao orador, professor Jaime Carvalho e Silva!

Professora Ana Fraga


Página 30

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Alíneas j) e l) do artigo 7º da Lei 51/2012: O aluno tem o direito de ver salvaguardada a sua segurança na escola e respeitada a sua integridade física e moral, beneficiando, designadamente, da especial proteção consagrada na lei penal para os membros da comunidade escolar e ver garantida a confidencialidade dos elementos e informações constantes do seu processo individual, de natureza pessoal ou familiar;

Bulling Violência Doméstica Violência On-Line Violência no Namoro Violência Sexual Violência em Locais de Diversão

http://www.apavparajovens.pt/pt


Página 31

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Serviços de Psicologia e Orientação do Agrupamento de Escolas de Esgueira - Bloco A - Sala 5 da Escola Dr. Jaime Magalhães Lima Estes serviços desenvolvem o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto escolar específico, segundo um levantamento de necessidades e de acordo com uma planificação que integra o Plano Anual de Atividades da escola. Fazem parte destes serviços a Psicóloga (Dra. Paula Sousa) e Estagiárias (Dra. Verónica Crespo e Dra. Ana Crisóstomo).

São três os domínios considerados para a sua intervenção: 1. Apoio ao Desenvolvimento do sistema de relações da Comunidade educativa (colaborar, na sua área de especialidade, com outros serviços/projetos da comunidade escolar; bem como, articular a sua ação com outros serviços especializados da comunidade envolvente); 2. Orientação Escolar e Profissional 9º e 12º anos de escolaridade (ações de informação escolar e profissional e de aconselhamento vocacional, apoiando o processo de tomada de decisão e de construção do projeto de vida, principalmente, dos alunos em anos terminais de ciclo/ensino; bem como promovendo a articulação da escola como o mundo de oportunidades das profissões e do trabalho);

9º ano Os alunos que frequentam o 9º ano de escolaridade deparam-se, pela 1ª vez, com a necessidade de decidir que curso querem seguir. Isto é, optar por um Curso Científico-Humanístico, um Curso Tecnológico, por um Curso Profissional, por um Curso de Ensino Artístico Especializado ou por um curso de Educação Formação. Esta escolha tem repercussões na vida futura de cada aluno, tanto a nível escolar como profissional; tornandose por isso, fundamental que esta escolha seja o mais autónoma, consciente e responsável possível. Este ano letivo estão inscritos aproximadamente 100 alunos, distribuídos por 12 grupos de O.E.P. com sessões semanais, tendo sido organizado um programa que consta de 18 sessões por grupo e com entrevistas individuais com alunos e pais. O programa prevê visitas de estudo, organização de sessões com profissionais, desde, médicos, enfermeiros, advogados, cozinheiro, polícia e outros. Os alunos têm participado com empenho e motivação em todas as atividades. 12º ano Há muito para fazer este ano. A preparação para os exames de ingresso e a decisão sobre o rumo a seguir depois do Ensino Secundário. O programa de orientação vai iniciar-se no 2º período, com uma sessão geral para todos os alunos dos mesmos cursos cientificohumanísticos, com o objetivo de esclarecer e informar os alunos relativamente à candidatura ao ensino superior, bem como ajudá-los na tomada de decisão pós 12º ano. Também se irão realizar sessões em pequenos grupos para os alunos que revelem interesse em fazer uma exploração vocacional mais personalizada.

(Continua na página seguinte)


Página 32

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO 3. Apoio Psicopedagógico (apoio de natureza psicológico e psicopedagógico a alunos, professores, pais e encarregados de educação, no contexto das atividades educativas, tendo em vista o sucesso escolar, a efetiva igualdade de oportunidades e a adequação das respostas educativas). Neste âmbito realizam-se Avaliações Psicológicas, de modo a planear e implementar estratégias psicopedagógicas e psicológicas; Faz-se o Acompanhamento Psicológico de alunos (do 1º ao 12º ano de escolaridade), de modo a contribuir para a solução de problemas, tanto ao nível do processo ensino – aprendizagem, como ao nível do seu desenvolvimento psicológico global; Para além disso participa na equipa pluridisciplinar, fazendo avaliações das situações, de modo a planear e implementar o Plano Educativo Individual em colaboração com todos os elementos da equipa. Os serviços trabalham com os Diretores de Turma e Professores de modo a analisar os problemas dos alunos e planificar atividades, implementar estratégias e programas; Ações já desenvolvidas no 1º período do ano letivo 2013/2014 Programa PES - Organizou e colaborou nas atividades para o Dia Mundial do Não Fumador, desde a passagem de um Powerpoint, aula de aeróbica, folhetos e decoração do polivalente. - Organização e colaboração de várias atividades para o dia Mundial de Luta Contra a SIDA (PowerPoint, filmes, material, jogos, laços, fitas, panfletos, questionário, guiões, decoração do polivalente e ficha de inscrição da turmas). Métodos de Estudo para os 8ºanos de Escolaridade Já foi realizada uma sessão de métodos de estudo para os 8º anos de escolaridade por turma, com uma apresentação em PowerPoint, com a distribuição de uma ficha, de um horário de estudo e por fim uma atividade intitulada: devagar se vai ao longe, com o objetivo de alertar para a necessidade de estarem mais atento e concentrados na leitura de testes e perguntas.

Ações ainda a desenvolver este ano letivo 20131014

Realizar Visitas de Estudo a vários locais desde, Universidades, Centros de Formação, Jornais e Escolas Profissionais e a outros locais. Organizar sessões anti-bullying nas turmas Organizar a Feira Vocacional. Participação no dia do Agrupamento de Escolas de Esgueira. Organização de sessões sobre relações interpessoais para turmas do 7º ano na biblioteca, com a colaboração da professora bibliotecária. Sessão de sensibilização para a gestão de conflitos e relações interpessoais. Colaborar na organização do Dia Mundial da Não Violência Escolar e Educação para a Paz. Participação no projeto “ Conta, Peso e Medida”, em colaboração com o Centro de Saúde de Aveiro.

Psicóloga Paula Sousa


Página 33

Bibliotecas do Agrupamento Semana da alimentação No âmbito da semana da alimentação, foi dinamizada, pela Professora Bibliotecária Brígida Varanda, uma atividade na Biblioteca Aires Barbosa, nos dias 17 e 18 de outubro, com as 3 turmas do 4º ano de escolaridade. A professora começou por propor aos alunos um jogo "O que é que eu tenho aqui?". Um aluno retirava um legume da caixa e sem o mostrar aos colegas e sem o nomear descrevia-o. Em cima da mesa encontrava-se um cartão com pistas para a descrição. O aluno não podia, em caso algum, nomear o alimento. Os colegas tentavam adivinhar o que era. No final, a partir dos objetos expostos, os alunos anteciparam a trama da história. (cont. na pag seguinte)

S. Martinho, na BE da Aires Barbosa


Página 34

Bibliotecas do Agrupamento Semana da alimentação No âmbito da semana da alimentação, foi dinamizada, pela Professora Bibliotecária Brígida Varanda, uma atividade na Biblioteca Aires Barbosa, nos dias 17 e 18 de outubro, com as 3 turmas do 4º ano de escolaridade. A professora começou por propor aos alunos um jogo "O que é que eu tenho aqui?". Um aluno retirava um legume da caixa e sem o mostrar aos colegas e sem o nomear descrevia-o. Em cima da mesa encontrava-se um cartão com pistas para a descrição. O aluno não podia, em caso algum, nomear o alimento. Os colegas tentavam adivinhar o que era. No final, a partir dos objetos expostos, os alunos anteciparam a trama da história. Depois a professora apresentou o livro "O menino que não gostava de sopa" de Cidália Fernandes e fez-se uma análise da capa e uma nova previsão acerca da história com base nesta. De seguida procedeu-se à leitura da história em voz alta. Por fim, a partir da história aferiu-se alguns hábitos alimentares dos alunos: se gostavam ou não de sopa; como podiam também ser comidos os alimentos que entram na sopa (crus, em saladas, noutros pratos...); pratos preferidos dos alunos; se são ou não saudáveis,… A atividade decorreu conforme o planeado, tendo os alunos participado ativamente no desenvolvimento das tarefas propostas. Na nossa opinião promoveu-se a leitura e a prática de hábitos alimentares saudáveis. Da análise da ficha de avaliação da atividade, apresentada aos alunos, constatou-se que estes gostaram e que o jogo "O que é que eu tenho aqui" foi a sua tarefa preferida. Professora Bibliotecária, Brígida Varanda

Feira do Livro No mês de dezembro realizou-se uma Feira do Livro em cada uma das Bibliotecas Escolares do Agrupamento.

EB1 Esgueira

Jaime Magalhães Lima

Aires Barbosa


Página 35

Bibliotecas do Agrupamento Visita da escritora e ilustradora Maria Sousa

No dia 31 de outubro de 2013, a escritora/ilustradora Maria Sousa, natural do distrito de Aveiro, visitou a Biblioteca Escolar Aires Barbosa, para apresentar o seu livro “Os Guardiões do Reino do Sol”. Os alunos do 4º ano receberam a escritora cantando com entusiasmo a canção “As Cores da Montanha”, acompanhados ao órgão pela professora Margarida Bontempo, que os havia ensaiado. Maria Sousa mostrou-se sensibilizada com a receção e agradeceu todo o carinho demonstrado. A escritora começou por contar a história, recorrendo à sua apresentação multimédia, mostrando simultaneamente as pinturas a óleo sobre madeira, que fazem parte da ilustração do livro. A história fala da aventura de dois amigos que habitam num reino povoado por seres mitológicos e passa mensagens de cidadania, pois incentiva a preservação da natureza. Pretende transmitir também uma lição de bondade, onde os "maus" não têm de ser aniquilados, mas sim mudar os seus comportamentos... No final da história houve um diálogo, onde os alunos puderem intervir, partilhando também eles as suas histórias e esclarecendo as suas dúvidas. Para terminar desenvolveu-se uma atividade de pintura, em que os alunos produziram uma paisagem marítima a óleo, tendo o quadro ficado exposto na Biblioteca. Esta atividade decorreu conforme o planeado e cumpriu o seu objetivo principal que era o de desenvolver o gosto pela leitura. Foi uma atividade do agrado de todos… Brígida Varanda e Maria José Silva, Professoras Bibliotecárias


Página 36

Bibliotecas do Agrupamento Concurso—A Biblioteca é... No âmbito da comemoração do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, este ano subordinada ao tema “Biblioteca escolar – uma porta para a vida”, foi lançado pela

1º Prémio—Jaime M. Lima A Biblioteca é uma porta para a vida, um refúgio para a mente, outra origem do sorriso. Inês da Silva Tavares da Cruz, 12ºC

equipa da biblioteca o concurso de frases "

ram convidados a escrever uma frase que traduzisse o que este espaço representa para eles. Depois de selecionadas as melhores frases, foram divulgadas na biblioteca pela

palavras que quando se come crescemos no aprender.

Pedro Palavra, 5ºF

2º Prémio—Aires Barbosa A biblioteca é … Pelos livros viajar,

Uma Biblioteca é..." Os alunos, utentes da biblioteca, durante o mês de outubro, fo-

1º Prémio—Aires Barbosa A biblioteca é uma cantina de

2º Prémio—Jaime M. Lima A Biblioteca é um labirinto autêntico, misterioso e empolgante. Uma vez que entramos, é praticamente impossível encontrar uma saída. Karla Pereira, 10ºA

equipa responsável.

Dando a volta ao mundo, Com jogos, podemos aprender, Com o computador, pesquisar, A biblioteca tem de tudo, É mais do que sonhar! Começamos a ser criativos, E a ter gosto por ler, Para mim isto é tudo, O que uma biblioteca pode ser! Marta Matos, 6ºA

Professora Lúcia Azevedo 3º Prémio—Jaime M. Lima A biblioteca é um lugar onde posso voar sem tirar os pés da terra. É um lugar de contos de fadas, crimes, amores perdidos e paixões proibidas, onde existem leões voadores e pássaros marinhos...

3º Prémio—Aires Barbosa Biblioteca escolar é viajar no tempo pelos livros, computadores e filmes de uma forma educativa. Margarida Oliveira, 6ºA

Íris Campos, 10ºC

A biblioteca é um livro gigante com muitas palavras. (Guilherme Grifo, 8º F) A biblioteca é a guardiã de todo o nosso conhecimento e uma porta para a vida como a desejamos e conhecemos, sem ela a vida humana ficaria reduzida a um reviver de descobertas. (Vítor Hugo Silva, 12ºA) A biblioteca é um mundo de palavras, rimas e paz, um mundo de silêncio, onde todos podemos trabalhar. (Marlene Lopes, 9ºCEF)

Concorrentes da Jaime Magalhães Lima

Menções Honrosas


Página 37

Associação de Pais e Encarregados de Educação

As Associação de pais e encarregados de educação das escolas de Aveiro realizam um ciclo de Seminários de Reflexão Prospetiva intitulado “Nós e a escola com um olho posto no futuro” Trata-se de uma reflexão prospetiva numa linha temporal de 5 anos para a comunidade diretamente envolvida nos alunos que agora ingressam o 7º ano, e de 10 anos para os que agora ingressam o ensino básico. O objetivo é contribuir, quer para a construção dos cenários socioculturais, económicos e educativos que mais interessam às nossas comunidades educativas, quer para a conceção das estratégias e medidas que, em cada um dos casos, se julgam mais adequadas ao bom desempenho das famílias e da escola e ao êxito dos alunos" O 1º Seminário ocorreu no dia 28 de novembro, na Assembleia Municipal de Aveiro e contou com a presença do Prof. Doutor Jorge Arroteia e da Prof.ª Doutora Maria João Valente Rosa

Território - competitividade, funcionamento e organização ( EB 23 S. Bernardo)

Famílias – famílias e estudante, como serão? ( EB 2.3 Aradas)

Cidadania – Conhecimento, Saber e Cidadania ( Jaime Magalhães Lima)

Comunidades – comunidades qualificadas e felizes ( Eb1 da Vera Cruz e Barrocas)

Estudantes – estudantes e escola, como serão ( colégio D. José I)

Atividades – a vida, o trabalho e cultura e o lazer (Universidade de Aveiro)

Escola – escola e comunidades, desafios e apostas ( Mário Sacramento) Nota: datas e oradores a confirmar

ASSOCIA-TE !!

A S S O C I A T E


Página 38

Associação de Estudantes No dia 12 de novembro a Jaime Magalhães Lima ganhou uma nova Associação de Estudantes. Bom trabalho, meninos!

ASSOCIATIVISMO CIDADANIA CULTURA DESPORTO EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO EMPREGO E EMPREENDEDORISMO HABITAÇÃO SAÚDE E SEXUALIDADE TECNOLOGIA TURISMO E TEMPOS LIVRES VOLUNTARIADO

http://juventude.gov.pt/Paginas/default.aspx

Alíneas m) e n) do artigo 7º da Lei 51/2012: O aluno tem o direito a participar, através dos seus representantes, nos termos da lei, nos órgãos de administração e gestão da escola, na criação e execução do respetivo projeto educativo, bem como na elaboração do regulamento interno e a eleger os seus representantes para os órgãos, cargos e demais funções de representação no âmbito da escola, bem como ser eleito, nos termos da lei e do regulamento interno da escola;


Página 39

Projeto Promoção e Educação para a Saúde Dia Mundial do Não Fumador - ESCOLA AIRES BARBOSA

PROGRAMA PROGRAMA 18 a 22 de novembro ESCOLA Dr.JAIME MAGALHÃES LIMA

15 de novembro– 6ª feira

- Aula de Aeróbica para alunos e restante comuni-

- Elaboração de um texto alusivo aos malefícios do tabaco, na disciplina de Língua Portuguesa, nas turmas do 4º e 5º e 6º ano em que for possível.

dade escolar

-Colocação de uma tarja à entrada da escola com frase de sensibilização para os fumadores.

-Avaliação da Condição Física dos Professores e Funcionários

-Exposição de um painel de sensibilização junto ao bufete dos alunos.

-Deixa a tua mensagem alusiva ao tema

-Afixação de cartazes.

-Experiência: “A Garrafa Fumadora”

Vizualização e exploração de powerpoint e ou vídeo, sobre os malefícios do tabaco, nas aulas de Educação para a Cidadania e Ciências, onde for possível.

- Caixa para os fumadores deixarem os cigarros -Sessão de Prevenção do Tabagismo, para as turmas do 7º ano. - Passagem vídeos

- Passagem de PowerPoint

Equipa de Promoção e Educação para a Saúde e os Serviços de Psicologia e Orientação

Equipa de Promoção e Educação para a Saúde e os Serviços de Psicologia e Orientação

E Dia Mundial da Luta Contra a SIDA


Página 40

Projeto Eco Escolas “Arte e Ambiente” Como reutilizar com arte, pensando no ambiente... Cartões, folhas de revistas, restos de cartolinas e de outros materiais. Flores e folhas secas prensadas. Opiniões dos alunos

Combinação de cores e estilos. Trabalho artesanal com cheiro a natureza…

Professoras Celeste Caleiro e Paula Gouveia “Eu acho que o projeto é muito bom, porque ajudamos a preservar os jardins da escola.” Ana Santos, 6ºE ————————————————————————— “Também gosto muito deste projeto, pois as molduras, caixas e cadernos são muito bonitos. Ajudamos o clube do ambiente para se comprarem plantas e terra.” Beatriz Martins, 6ºE ————————————————————————— “Gosto muito deste projeto, porque além de ajudarmos, podemos ficar com uma boa recordação: cadernos, molduras ou caixas.” Constança Miranda, 6ºE ————————————————————————— “Eu gosto do projeto, porque ajudamos a criar flores para a escola e a comprar adubos, etc. E os cadernos são muito bonitos e todas as coisas que estão na biblioteca.” Luís, 6ºE,


Página 41

Projeto Eco Escolas Amigos do Ambiente

Criação do logótipo do Clube. Dinamização de campanhas de redução, reciclagem e reutilização de resíduos Participação em atividades no âmbito de projetos de Educação Ambiental Comemoração de algumas efemérides Construção de “papelões”. No dia dezasseis de dezembro o clube de jornalismo da EB

Realização de Feiras de Plantas e de produtos hortícolas biológicos.

2,3 Aires Barbosa foi ver o que andavam a fazer os alunos do clube do ambiente.

Colaboração no Jornal de Parede de Ciências.

Fomos encontrá-los no canteiro entre o bloco B e o C. À sua volta estavam imensas ferramentas para os ajudar.

Execução da técnica de reciclagem de papel. Fabrico de sabão/sabonete natural.

Dois alunos estavam a arranjar a cerca, pois alguns dos nossos colegas não têm cuidado e estragam-nas. Os outros

Realização de visitas de estudo.

estavam a cortar as folhas velhas de um dos arbustos e a limpar o jardim.

Construção de objetos com materiais reciclados reutilizados.

Segundo uma das participantes este projeto permite “aprender mais sobre o ambiente e sobre a sua importân-

Visualização/discussão de filmes sobre o Ambiente. Criação de sacos de compras amigos do Ambiente.

cia”. Identificação de árvores do jardim da Escola. Ao observá-los verificámos o seu empenho, colaboração e entusiasmo nas tarefas que estavam a desenvolver.

Colaboração na manutenção do canteiro das plantas aromáticas

Graças a este clube podemos contar com espaços verdes limpos e preservados.

Realização de trabalhos da horta pedagógica.

Luísa Rodrigues (5ªF), Martim Tavares (5º F) Maria Rodrigues (6ºC)

Recolha de materiais orgânicos para a produção de composto. Requalificação de espaços exteriores e interiores da Escola. Execução de trabalhos utilizando técnicas aprendidas.

Professoras Teresa Casau e Virgínia Vaz


Página 42

Projeto Eco Escolas Projeto Amigos do Ambiente

Nós, os Amigos do Ambiente, queremos ajudar a cuidar do Ambiente na Escola. Este ano já cuidámos do canteiro das plantas aromáticas que fica entre os Blocos B e C da escola Aires Barbosa, consertando a cerca, tirando as ervas, enterrando as folhas secas e cavando o solo. Também limpámos o bebedouro que existe junto a esse canteiro, tirando o lixo e a água poluída. Já semeámos salsa, coentros e “Ninguém cometeu mai-

cenoura. Iniciámos a limpeza do espaço da horta biológica, podámos

or erro do que aquele

algumas roseiras nesse espaço e colocámos nos compostores os resí-

que não fez nada só por-

duos orgânicos recolhidos. Inscrevemos a Escola no programa de re-

que podia fazer muito

colha de rolhas de cortiça. Também recolhemos cápsulas de café Nes-

pouco.”

presso para reciclagem. Edmund Burke

No futuro pensamos fazer um novo “Rolhinhas”; sensibilizar todos os alunos, professores e funcionários para a recolha de rolhas de cortiça e recolher as rolhas; colocar uma cerca nova na horta; plantar plantas aromáticas no canteiro das aromáticas e semear e plantar hortícolas na horta, depois da preparação dos terrenos.

Vamos continuar a trabalhar em todas as atividades de preservação do Ambiente que nos propusemos no projeto “Amigos do Ambiente. Alguns alunos do Projeto “Amigos do Ambiente”: Bruna Abreu (5ºC); Camila Castro (5ºC); Carolina Silva (5ºE); Natacha Albuquerque (5ºE); Bruno Maia (6ºB); Bárbara Alves (6ºB); Leonor Crujeiro (6ºB); Rita Martins (6ºC); João Ferreira (6ºC)

Alínea k) do artigo 10º da Lei 51/2012: O aluno tem o dever de zelar pela preservação, conservação e asseio das instalações, material didático, mobiliário e espaços verdes da escola, fazendo uso correto dos mesmos;


Página 43

Projeto EntreSendas

O Espaço do Aluno é um espaço lúdicopedagógico, que funciona na Escola Aires Barbosa, de segunda a quinta-feira nos tempos da hora de almoço. Este espaço é dinamizado pelo Projeto EntreSendas-E5G, (promovido pela Cáritas Diocesana de Aveiro, ao abrigo do Programa Escolhas) e pretende ocupar os tempos livres dos alunos, possibilitando-lhes desenvolver atividades por eles propostas e realizar desafios lançados pelo projeto. Tem disponível, também, diversos jogos, tempo para desenho, pintura e, claro muita diversão. Durante este primeiro período, foram vários os jovens que vieram conhecer este espaço, verificando-se que muitos o frequentam regularmente, dando sugestões para atividades e respondendo aos desafios que lhes foram e vão sendo lançados. No próximo período escolar iremos dar especial atenção às propostas feitas enquanto neste que agora termina, incidimos mais nos desafios que foram sendo lançados. Um deles foi a organização da nossa sessão de Encontro(s), “Ser criança, ser cigana”, no âmbito da Comemoração da Convenção sobre os Direitos das Crianças. Com esta sessão demos a conhecer a toda a comunidade escolar o que é a Convenção e, ao mesmo tempo, algumas características/tradições da cultura cigana.

Um outro desafio que foi lançado, já relacionado com a época natalícia em que nos encontramos, foi a participação no Concurso de Postais “N” de Natal – 11ª edição, organizado pelo IPDJ, com o tema do Natal desportivo. Todos foram convidados a participar neste concurso e esperamos em breve ter notícias do júri que irá avaliar os trabalhos realizados. Ainda neste âmbito, aderimos à comemoração organizada pelo Agrupamento da Declaração Universal dos Direitos Humanos, com a construção de um enfeite que continha o direito escolhido por todos (2º).

O Entresendas é um dos projetos de intervenção comunitária junto das comunidades ciganas de Ervideiros (Senda Gitana, Novas Sendas e MultiSendas), dinamizado pela Cáritas Diocesana de Aveiro, no âmbito do Programa Escolhas. Desenvolve trabalho junto de crianças e jovens a frequentar a escola, jovens que abandonaram a escola e seus pais, cuidadores e restantes familiares das comunidades ciganas de Ervideiros. Andreia Andrade ( Educadora Social) e Catarina Gilo (Psicóloga)


Página 44

Projeto EntreSendas O Espaço do Aluno

“O EntreSendas é um local muito divertido, onde podemos conviver. Pode-se participar em diferentes atividades e podemos encontrar conforto.” Sónia Monteiro (5ºD) e Bruna Ribeiro (6ºD)

“O Espaço do Aluno é muito fixe porque fazemos muitas atividades, fazemos desenhos, jogamos diferentes jogos e ajudamos na dinamização das atividades.” Ricardo Miranda (5ºD)

“Eu adoro o Espaço do Aluno porque é engraçado cá estar.” – Maria Nizhynets (5ºE)

“Eu conheci o projeto este ano e acho-o muito giro porque fazemos diversas atividades.” Miguel Vaz


Página 45

Parcerias

No ano em que a Universidade de Aveiro completa 40 anos, apresentamos o Centro de Competência da Universidade de Aveiro. Este Centro é constituído por uma equipa multidisciplinar, integrante da estrutura da Equipa de Recursos e Tecnologias Educativas da Direcção-Geral da Educação, vocacionada para o desenvolvimento de projetos transversais específicos, no âmbito da integração das TIC no processo de Ensino e de Aprendizagem.

Conta com a colaboração e os contributos de investigadores na área de exploração educativa das TIC do Departamento de Educação e do Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores da UA, nomeadamente do Laboratório de Conteúdos Digitais, no sentido de rentabilizar competências e promover a diversificação de iniciativas. Tem constituído uma mais – valia no apoio à formação de Pessoal Docente das Escolas da região. Para mais informação, consulte http://www.ua.pt/cctic/PageText.aspx?id=12302 Doutora Maria José Loureiro, membro do Centro de Competências TIC

Alíneas q) , r) s) e t) do artigo 10º da Lei 51/2012: O aluno tem o dever de não transportar quaisquer materiais, equipamentos tecnológicos, instrumentos ou engenhos passíveis de, objetivamente, perturbarem o normal funcionamento das atividades letivas, ou poderem causar danos físicos ou psicológicos aos alunos ou a qualquer outro membro da comunidade educativa; não utilizar quaisquer equipamentos tecnológicos, designadamente, telemóveis, equipamentos, programas ou aplicações informáticas, nos locais onde decorram aulas ou outras atividades formativas ou reuniões de órgãos ou estruturas da escola em que participe, exceto quando a utilização de qualquer dos meios acima referidos esteja diretamente relacionada com as atividades a desenvolver e seja expressamente autorizada pelo professor ou pelo responsável pela direção ou supervisão dos trabalhos ou atividades em curso; não captar sons ou imagens, designadamente, de atividades letivas e não letivas, sem autorização prévia dos professores, dos responsáveis pela direção da escola ou supervisão dos trabalhos ou atividades em curso, bem como, quando for o caso, de qualquer membro da comunidade escolar ou educativa cuja imagem possa, ainda que involuntariamente, ficar registada; não difundir, na escola ou fora, nomeadamente, via Internet ou através de outros meios de comunicação, sons ou imagens captados nos momentos letivos e não letivos, sem autorização do diretor da escola.


Página 46

O Mundo Depois da Escola Professor Francisco Teixeira-Homem

A CONFISSÃO DE UM (professor) REFORMADO !!!! Não há bela sem senão mas acho que valeu a pena ter optado pela reforma antecipada e com penalização As vantagens acabam por ser maiores que os danos que, não sendo fáceis de esquecer, me obrigam a ir convivendo com eles. O tempo fará o resto. Aquilo que, no imediato, mais notei foi ter ganho o domingo que era o dia normalmente destinado a preparar as aulas para a semana que se aproximava já que, por opção, o sábado era, em regra, o meu dia de descanso. Ganhei igualmente a perda de um stress diário, árduo e tempestuoso, pese embora lhe reconheça a força necessária para dar e manter um certo tónus e postura no que respeita ao trabalho para o dia seguinte. Dele, apesar de tudo, ainda guardo uma certa saudade … Ganhei muitas, muitas outras coisas, é verdade, particularmente onde haja a liberdade, em cada dia, de poder ser eu a decidir a meu bel prazer o que vou fazer, o que quero fazer e, acima de tudo, o que me apetece fazer. Não há dinheiro que pague esta liberdade. Cada pessoa diferencia-se individualmente no que respeita aos prazeres do seu passado, à intensidade com que pretende viver o presente e ao que ambiciona fazer do futuro cortando ou não definitivamente as amarras que a ligaram ao mundo de tantos anos de trabalho. Há quem nunca mais regresse à escola.

Há valores que em quase 40 anos de trabalho na Escola eu sinto terem-me fugido de um dia para o outro. Uma vida nova e repentina, desligada abruptamente de um horário regrado, dos amigos diários e amizades verdadeiras, da convivência de colegas, do carinho das funcionárias, das confidências e da estima que os alunos partilhavam, são para mim um manancial de perda tremenda que tem de ser bem gerida à medida que o tempo vai passando Sempre senti a Escola como um espaço de prazer onde fazia aquilo que mais gostava e que, como pessoa privilegiada, ainda por cima me pagavam para fazer o que era do meu agrado. Não foi fácil o dia em que recebi a informação definitiva de que o final do mês de Janeiro seria o meu último dia de quase 40 anos de trabalho na escola. Não por que não tivesse feito esse pedido de livre e inteira vontade mas porque … PERCEBI que tinha realmente chegado a hora.. Percebi que tinha chegado ao fim de linha, ia mudar de vida, entrava numa recta final sem retorno à felicidade de quase quatro décadas como professor. Tenho uma enorme dádiva de gratidão para com as pessoas com quem tive o privilégio de conviver e fizeram o favor de serem minhas amigas nas escolas por onde passei desde Luanda, Vila Real de Santo António, Viseu, Gouveia e Aveiro (José Estêvão e Jaime Magalhães Lima). (Continua na pag seguinte)


Página 47

O Mundo Depois da Escola Momentos inesquecíveis, momentos bons e maus, de festa e de luta, de alegria e tristeza. Passei naturalmente por tudo como é de imaginar. O momento da reforma, aparte o momento conturbado de penalizações sucessivas a que temos sido sujeitos, veio, para mim, na melhor altura. Tive a felicidade extrema de poder acompanhar e dedicar grande parte do meu tempo a dois netos acabados de nascer, que me enchem a vida. Tenho ainda o privilégio de manter um permanente contacto, com os ex-colegas, funcionários e alunos deslocando-me quase diariamente à escola que mais anos me acolheu para o café da manhã e outras atividades desportivas que mantive com regularidade anos a fio. Mantenho ainda a felicidade de ser estimado e me sentir estimado por todos de quem guardo as maiores e melhores recordações. Pese embora alguma timidez e reserva que sempre tive e que por vezes consigo esconder, reconheço que nem sempre fui uma pessoa fácil com a escola no processo de avaliação, particularmente na forma como ressoou a injustiça de todo um processo de enxovalho aos professores desde o tempo da ministra Maria de Lurdes. Passei também pela primeira vez por alguns processos de luta e confronto, de que não me arrependo, porque gosto de me sentir como efetivamente sou. A Escola deu-me tudo e ensinou-me o que eu sei, à Escola devo mesmo tudo. Há episódios que nos marcam indelevelmente. Há cerca de 15 anos, como Diretor de Turma, nesta escola, organizei um processo disciplinar que levou à penalização de uma turma inteira do 12º ano desde a suspensão das aulas por vários dias e para vários alunos até à repreensão registada pelos restantes. Um processo penoso mas inteiramente justo que também serviu para unir ainda mais os alunos, particularmente com o Diretor de Turma. Na verdade, desde então, em cada Natal, juntamo-nos todos para um jantar onde se trocam prendas e onde nos revemos com saudade. E o mais engraçado é que já alguns deles levam os filhos aumentando assim o rol de presenças, recebemos telefonemas de alguns ausentes a viver noutras terras e, brincamos sempre com o episódio que levou ao castigo de todos eles. Fazem-me recordar que valeu a pena ter mantido o papel e a função de educador e levar a nossa relação com seriedade, com verdade com justiça. Foi uma enorme lição que soubemos aprender e um excelente exemplo de aprendizagem para todos. Ninguém nasce professor, é necessário aprender-se a ser. Além de muitos anos de estudo e trabalho não deixamos de nos sacrificar. Um professor tem que aprender o que ensina, o modo de ensinar e tudo (mesmo tudo) sobre os alunos que vão ser sujeitos à sua atividade profissional. Mas não se iludam: depois de tudo isso um professor nunca está formado. Tem que aprender sempre. Um professor carrega para toda a vida o fardo de ter que ser aluno de si próprio. De se cuidar, de estar sempre atento, viver o presente com os olhos no futuro. Mas vale a pena ser professor. Valeu a pena ter sido professor, ai se valeu! Um abraço de saudade a todos

Alíneas e), f) e g) do artigo 10º da Lei 51/2012: O aluno tem o dever de guardar lealdade para com todos os membros da comunidade educativa; respeitar a autoridade e as instruções dos professores e do pessoal não docente e contribuir para a harmonia da convivência escolar e para a plena integração na escola de todos os alunos;


Página 48

Fazemos História Sou a Liliana Pinho e tenho 22 anos. Entrei na Jaime Magalhães Lima no ano letivo de 2003/2004 e sai no de 2008/2009. Foi um dos melhores períodos da minha vida, por isso, a ti que estás a ler isto, deixo-te um conselho: aproveita muito bem, vale a pena! Claro que o que vem a seguir também é ótimo – e as bases que levas da escola farão toda a diferença. No meu caso, foi a faculdade. Entrei para o curso de Ciências da Comunicação da Universidade do Porto. Nunca tinha ponderado ser jornalista, mas é o que sou hoje, com muito orgulho e realização profissional. Mas já lá vamos. A escolha do curso não foi fácil, como muitos de vocês devem estar a perceber, neste momento. É estranho termos de decidir o que vamos fazer o resto da vida, quando ainda só temos 17 anos. Ainda assim, a maior parte escolhe bem – eu sei que o fiz. Ainda durante o curso, apaixonei-me pela profissão e comecei a colaborar com jornais do Porto, com jornais universitários, com a rádio do curso... é importante que experimentem. Lembrem-se que não Liliana Pinho, Jornalista, antiga aluna do Agrupamento

está tudo nos livros!

Os três anos passaram a voar. Na altura das aulas parece que tudo passa demasiado devagar, mas a verdade é que num ápice estamos no final do curso. No fim, porém, levam conhecimento, um canudo, experiências e amigos para a vida. No meu caso, o último ano do curso permitiu-me ainda uma experiência sem igual: um estágio, que eu escolhi ser na SIC. Sempre achei que as imagens falam mais do que mil palavras e esse poder sempre mexeu com o bichinho da televisão que eu tinha dentro de mim.

O JornalismoPortoNet venceu este ano o Prémio de Ciberjornalismo Académico 2013, atribuído

pelo

ObCiber.

Públi-

co, Renascença e Jornal de Notíciastambém foram distinguidos. Ver mais em: http:// goo.gl/emoVfl


Página 49

Fazemos História Sou o Nuno Lima e fui aluno da Escola Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima do 7º ao 12º ano. Seis dos mais importantes anos da minha adolescência foram parcialmente passados entre dezenas de salas de aula, o bar, a biblioteca, o campo ou o poço, onde no básico passava os intervalos com a turma inteira. Da ESJML guardo memórias de momentos e de pessoas que marcaram de forma importante a minha vida: professores que souberam dar o empurrão certo no momento mais apropriado, amizades que se construíram entre lágrimas e sorrisos, concursos em que participei, as Escoliadas, os anos em que fui membro da AE, … . Tenho a agradecer muito do que sou à ESJML e ao pessoal docente e não docente que sempre me acompanhou e apoiou durante esse tempo. Agradeço especialmente a oportunidade que me proporcionaram quando um dia me apresentaram uma das melhores experiências iniciáticas que qualquer jovem de 16 anos pode ter: a Ruta Quetzal BBVA (atualmente Ruta BBVA). Graças à minha professora de espanhol do 10º ano tive conhecimento desta aventura cultural, declarada de "Interesse Universal" pela Unesco e reconhecida pela União Europeia, e após todo o processo burocrático de seleção fui contemplado com uma bolsa para participar numa expedição ao Panamá e a Espanha (um mês em cada lado do oceano) juntamente com outros 350 jovens de 50 países. Pratiquei o meu espanhol e o meu inglês intensamente, vivi uma semana com uma tribo indígena, ganhei gosto por trekking e uma consciência ambiental e social, peguei em crocodilos ao colo, vi preguiças e macaquinhos bebés, mergulhei em locais paradisíacos, conheci e conversei com os reis de Espanha e outros diplomatas, fui eu mesmo representante de Portugal por um dia.

Quando voltei era outra pessoa. Via o mundo de forma muito mais clara e tinha muito mais certezas do que queria para o meu futuro. Dois anos e algumas viagens depois mudei-me para o Porto e entrei no curso de Línguas e Relações Internacionais da Universidade do Porto. Viver sozinho pela primeira vez foi um desafio a que me habituei a gostar. A faculdade não era o bicho papão que sempre me tinham feito pensar que era, ir fazer as minhas compras diárias sozinho até tinha mais piada e viver com amigos não podia ser mais interessante. Porém, há que admiti-lo, demorou algum tempo até que tudo encaixasse na perfeição. No primeiro semestre a adaptação da exigência do secundário à exigência universitária trouxe-me algumas noites mal dormidas (não, não estou a falar de noitadas com amigos e uns copos a mais. Estas eram mesmo a estudar). Não é que as matérias fossem difíceis de acompanhar ou que me sentisse mal preparado. O ritmo de ensino era apenas diferente e demora sempre algum tempo até que te habitues que os teus novos professores não vão repetir a matéria duas vezes para tirares apontamentos ou que os 18s e 19s do secundário são agora muito mais difíceis de alcançar (mas alcançáveis). Mas não te preocupes com isso. No máximo isto aconteceu-me até à primeira época de exames. Com o tempo percebes os truques todos e quando vais a dar por ti já nem te lembras dos dias em que tinhas tais dificuldades (eu tive que reescrever este parágrafo todo quando me lembrei!). (Continua na pagina seguinte)


Página 50

Fazemos História Durante os dois anos que vivi no Porto ocupei o meu tempo com algumas atividades extracurriculares e participei em diferentes atividades académicas: fui voluntário na APPACDM e no GAS Porto, cofundei o núcleo de estudantes do meu curso, organizei uma MUN (uma simulação de uma sessão de um órgão das Nações Unidas), participei noutras tantas, fui a debates, workshops e palestras e aproveitei para tirar o CAP. Não perdi o meu interesse pelos idiomas e por outras culturas e por isso fui também buddy de estudantes Erasmus de diferentes países (Estónia, Itália, Espanha, Eslováquia, Brasil, Inglaterra, …). Conviver com a comunidade Erasmus deixou-me ainda mais curioso em relação às experiências de mobilidade e no meu terceiro ano acabei por fazer não um mas sim dois intercâmbios: estive seis meses no Rio de Janeiro com uma bolsa de mérito do banco Santander e regressei em fevereiro à Europa para ir fazer o meu Erasmus em Barcelona. Foram experiências extraordinárias a nível pessoal e académico e a networking que fiz será de extrema utilidade no meu futuro profissional. Aconselho-vos vivamente a, mal entrem na Universidade, irem-se informar junto dos gabinetes de relações internacionais sobre todos os programas de mobilidade existentes e a fazerem pelo menos um. Mesmo que à primeira vista vos pareça difícil por significar passar uns meses longe dos amigos, da/o namorada/o, da família, a experiência de viverem por vossa conta num outro país (e rodeados de outros jovens que estão a fazer o mesmo) é das melhores coisas que alguma vez poderão vivenciar. É uma experiência que vos marcará para a vida. Depois de Barcelona voltei a Portugal este verão, concluí a licenciatura com mérito e decidi que o melhor a fazer era tirar um ano antes de prosseguir os estudos para mestrado. Viajei um pouco, ora a visitar ora a conhecer novos amigos, e estou agora de malas feitas para outra experiência internacional, desta feita uma experiência profissional. É uma nova fase com mais responsabilidades e menos brincadeira. Mas como tudo o resto, não seria possível se não me tivesse empenhado também aí, nessa mesma cadeira onde te encontras, quando por aí passei no ensino básico e no secundário.

Dia do Diploma

No dia 12 de setembro os nossos finalistas de 2012/2013 receberam o seu diploma. São um motivo de orgulho. Parabéns!!


Pรกgina 51

A Seguir...

Continua na pรกgina seguinte ...


Pรกgina 52

A Seguir...

Continua na pรกgina seguinte ...


Página 53

A Seguir...

DIA DO AGRUPAMENTO—24 de abril

Nota: as atividades anteriormente referidas, a ter lugar durante o 2º período são as que constam, neste momento, no Plano de Atividades. Outras poderão ainda ter lugar.

Jornal das 6 - nº1  
Jornal das 6 - nº1  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Esgueira

Advertisement