Page 1

A FOLHA DO GRAGOATÁ Ano 3 • Nº 3

CARTA DO EDITOR Há poucas questões capazes de colocar um freio na pluralidade que decidimos ter aqui na Folha. Não foi muito difícil mapeá-las: são as questões que envolvem a disseminação de sofrimento imerecido. Entre elas, está a do machismo e o preconceito de gênero, capaz de transformar metade da população em “minoria”. Quando decidimos elaborar uma edição voltada para a discussão de questões de gênero, sabíamos que seria impossível adotar uma abordagem exaustiva da questão – o tamanho de nosso jornal é insuficiente e, mais significativamente, a quantidade de coisas que vem sendo produzida sobre o tema é infindável. Sendo assim, o critério que escolhemos na seleção dos que escreveriam foi bastante idiossincrático. Nossa equipe entrou em contato com pessoas que, sabíamos, se dedicam a estudar este assunto e pedimos para que escrevessem sobre o que quisessem dentro do grande conjunto dos “estudos de gênero”. Os resultados foram surpreendentes. Na parte reservada aos professores, conseguimos contribuições de duas pesquisadoras com trajetórias e temas completamente diferentes, mesmo se unidas por curiosidades semelhantes. A primeira que convidamos foi a professora Rachel Soihet, do departamento de História da UFF. Seu artigo traça a trajetória da historiografia sobre as mulheres, mostrando sua evolução como objeto de estudo. Já Maria Díaz-Benítez, antropóloga do Museu Nacional/UFRJ, explora a liberdade que sua área lhe proporciona para falar sobre as mulheres em um ambiente pouco discutido: os filmes pornôs. Díaz-Benítez explora as semelhanças entre os perigos e prazeres do pornô e do sexo “normal”, lançando mão para isso de alguns conceitos que criou para se aproximar de algo que para muita gente é completamente estrangeiro. Os artigos da seção reservada aos alunos discutem várias das questões relacionadas ao gênero. Sem que isso fosse pedido, todas eles se referem a aspectos da vida cotidiana em que o machismo se faz presente: Luciana Vasconcellos discute as cantadas de rua, ou street harassment, e seu efeito sobre a capacidade das mulheres terem uma boa experiência com o espaço público; Brena O’Dwyer fala sobre a representação de mulheres em filmes de sucesso, como 50 tons de cinza, Jogos Vorazes e Crepúsculo. O artigo de Juliana Streva funciona como uma apologia desta edição: se você tem alguma dúvida sobre a necessidade de se discutir sobre feminismo... o texto de Streva é um excelente começo para o leitor que vir a Folha e pensar “machismo? Isso não existe”. ●

"Desde 2012, o melhor jornal de Niterói."

Edição especial: Gênero

História das Mulheres e Relações de Gênero: debatendo algumas questões Rachel Soihet é professora do departamento de História da UFF. É uma das mais importantes historiadoras da cultura do Brasil. Entre os assuntos que já discutiu, destacam-se a história das mulheres e a história do samba. Publicou diversos livros, como Feminismos e antifenismos (2013), A subversão pelo riso (1998) e Condição Feminina e formas de violência (1989). Esta é uma versão editada por Hugo Arruda; o texto integral pode ser encontrado no blog da Folha.

As contribuições recíprocas decorrentes da explosão do feminismo e das transformações na historiografia, a partir da década de 1960, foram fundamentais na emergência da História das Mulheres. Ressaltam-se as contribuições da História Social, da História das Mentalidades e, posteriormente, da História Cultural, articuladas ao crescimento da antropologia, que tiveram papel decisivo nesse processo, em que as mulheres são alçadas à condição de objeto e sujeito da História. Fato relevante, se considerarmos a despreocupação da historiografia dominante, herdeira do iluminismo,

com a participação diferenciada dos dois sexos, já que polarizada para um sujeito humano universal. A partir da década de 1970, “gênero” tem sido o termo usado - inicialmente pelas feministas americanas - para teorizar a questão da diferença sexual. A ênfase no caráter fundamentalmente social, cultural, das distinções baseadas no sexo, afastando o fantasma da naturalização; a precisão emprestada à idéia de assimetria e de hierarquia nas relações entre homens e mulheres, incorporando a dimensão das relações de poder; o relevo ao aspecto relacional entre as mulheres e os homens, ou seja, de que nenhuma compreensão de qualquer um dos dois poderia existir através de um estudo que os considerasse totalmente em separado, constituem-se em algumas dessas contribuições. Acresce-se a significação, emprestada por esses estudos, à articulação do gênero com a classe e a raça/etnia. Interesse indicativo não apenas do compromisso com a inclusão da fala dos oprimidos, como da convicção de que as desigualdades de poder se organizam, no mínimo, conforme estes três eixos. A polêmica entre Joan Scott e as historiadoras Louise Tilly e Eleni Varikas oferece um panorama da pluralidade de concepções acerca da questão do gênero. Ao reforçar a necessidade de se ultrapassar os usos descritivos do gênero, buscando a utilização de formulações teóricas, Scott afirma a impossibilidade continua na página 2

O sexo sempre é culpável?

Notas sobre prazeres, perigos e fissuras na sexualidade

Maria Elvira DíazBenítez é professora de Antropologia Social no Museu Nacional/ UFRJ. Dedica-se ao estudo de diversos temas ligados à sexualidade, pesquisando temas como “Corpo e sexo bizarros”, identidade sexual, além de articulações entre raça, classe, gênero, corpos e sexualidade. Entre os livros que publicou, destacam-se Nas redes do sexo: Os bastidores do pornô brasileiro (2010) e Prazeres dissidentes (2009), com C. Figari. As notas de rodapé deste texto estão disponíveis no blog da Folha.

O dia que Antonio Kerstenetzky me convidou para escrever uma reflexão para a Folha de Gragoatá eu acabava de receber uma mensagem de minha amiga Berenice Bento pelo Facebook. Ela me dizia: você viu isso? E adicionava o link que levava a um depoimento da ex-atriz pornô norteamericana Shelley Lubben “Roxy”: http://bit.ly/1blAckX.

1

Ao longo desse dia a mesma notícia passou a ser compartilhada por diversas pessoas na rede e um grande número de comentários veio à tona. A maioria deles condenava a indústria pornográfica por ser um mercado que permite (e até promove) o estupro das mulheres. Nisso havia um consenso: o pornô é ruim. Houve, contudo, um comentário dissidente: uma atriz brasileira que se desempenhou ao redor de cinco anos na indústria e afirmou nunca ter sido objeto de abusos. Seu depoimento virou alvo de respostas do tipo “me engana que eu gosto” ou “acorda, menina, você foi abusada todo esse tempo e não quer aceitar”. A julgar pelas reações, não havia dúvida de que ninguém ali acreditava na possibilidade de que uma mulher pudesse ter algum tipo de prazer ou de agência dentro desses mundos, pois a ideia da opressão feminina intrínseca nesse trabalho ocupava toda primazia no discurso do coletivo. Isso me fez lembrar as vezes que tenho sido interpelada em seminários e congressos quando tenho apresentado minha etnografia sobre o universo continua na página 3


História das Mulheres e Relações de Gênero: debatendo algumas questões de uma tal conceitualização efetuar-se no domínio da história social, segundo ela, marcado pelo determinismo econômico. Salienta a necessidade de utilizar-se uma “epistemologia mais radical”, encontrada no âmbito do pós-estruturalismo, particularmente em certas abordagens associadas a Michel Foucault e Jacques Derrida, capazes de fornecer ao feminismo uma perspectiva analítica poderosa. Nesse sentido, segundo Scott, os estudos sobre gênero devem apontar para a necessidade da rejeição do caráter fixo e permanente da oposição binária "masculino versus feminino" e a importância de sua historicização e "desconstrução" nos termos de Derrida - revertendo-se e deslocando-se a construção hierárquica, em lugar de aceitá-la como óbvia ou como estando na natureza das coisasi. Louise Tilly contrapõe-se a tal postura, com o que concorda Eleni Varikas, ao afirmar que a vontade política de conceder às mulheres o estatuto de sujeitos da história contribuiu para o encontro das historiadoras feministas com as experiências históricas das mulheres. E, para muitas, este encontro teve lugar no terreno da história social, do que resultaram análises notáveis de relações entre gênero e classes sociais. Desse modo, as críticas formuladas por Joan Scott contra a história social, quanto à marginalização das experiências femininas, a redução do gênero a um subproduto das forças econômicas, a indiferença pela influência do gênero na constituição do sentido na cultura e na ideologia política foi, segundo Varikas, o que desapareceu nas tentativas bem sucedidas de re-escrita feminista da história. Scott propõe a política como domínio de utilização do gênero para análise histórica. Justifica a escolha da política e do poder no seu sentido mais tradicional, no que diz respeito ao governo e ao Estado Nação. Especialmente porque a história política teria se constituído na trincheira de resistência à inclusão de materiais ou de questões sobre as mulheres e o gênero, vistos como categorias de oposição aos negócios sérios da verdadeira política. Acredita que o aprofundamento da análise dos diversos usos do gênero para justificativa ou explicação de posições de poder fará emergir uma nova história que oferecerá novas perspectivas às velhas questões; redefinirá as antigas questões em termos novos - introduzindo, por exemplo, considerações sobre a família e a sexualidade no estudo da economia e da guerra. Tornará as mulheres visíveis como participantes ativas e estabelecerá uma distância analítica entre a linguagem aparentemente fixada do passado e a nossa própria terminologia. Além do mais, essa nova história abrirá possibilidades para a reflexão sobre as atuais estratégias feministas e o futuro utópico.

A análise de Scott incorpora contribuições das mais inovadoras no terreno teórico, como no do próprio conhecimento histórico. Considero, porém, que, a partir do modelo de análise proposto, alguns elementos essenciais ao desvendamento da atuação concreta das mulheres tornam-se dificilmente perceptíveis. Importa, portanto, examinar contribuições de outras historiadoras, entre elas Michelle Perrot e Arlette Farge que, com esse objetivo, não se limitam a abordar o domínio público. Recorrem a outras esferas, como o cotidiano, no afã de trazer à tona as contribuições femininas. Os estudos sobre a sociabilidade feminina que deram lugar a importantes trabalhos sobre o lavadouro, o forno, o mercado, a casa, assim como os estudos sobre os tempos marcantes da vida, tomando como objetos o nascimento, o casamento e a morte são destacados. Daí não se aterem unicamente à esfera pública - objeto exclusivo, por largo tempo, do interesse dos historiadores impregnados do positivismo e de condicionamentos sexistas. Explicase, assim, a emergência do privado e do cotidiano, nos quais emergem com toda força a presença dos segmentos subalternos e das mulheres. Longe está o político, porém, de estar ausente dessa esfera, na qual se desenvolvem múltiplas relações de poder. Tais historiadoras evitam o binômio dominação/ subordinação como terreno único de confronto. Apesar da dominação masculina, a atuação feminina não deixa de se fazer sentir, através de complexos contrapoderes: poder maternal, poder social, poder sobre outras mulheres e "compensações" no jogo da sedução e do reinado feminino. Sua proposta metodológica é estudar o privado e o público como uma unidade, assaz renovadora frente ao enfoque tradicional "privado versus público". Advertem que tais conclusões não devem dar lugar a enganos em termos de uma perspectiva conciliadora de justaposição de culturas ao mesmo tempo plurais e complementares esquecendo-se da violência e da desigualdade que marcam a relação entre os sexos. Inúmeros exemplos são apresentados, assinalando-se a presença da complementaridade na divisão sexual das tarefas, o que não exclui uma hierarquização dos papéis exercidos por homens e mulheres. Assim, reiteram a existência da dominação masculina, instrumento indispensável para captar a lógica do conjunto de todas as relações sociais. Entretanto, na perspectiva que adotam, a “dominação masculina” não é mais uma constante sobre a qual toda reflexão tropeçaria, mas a expressão de uma relação social desigual que pode desvendar engrenagens e marcar especificidades de diferentes sistemas históricosii.

Um breve suspiro sobre estereótipos de gênero e a contracultura queer Os estereót ipos de gênero podem ser compreendidos como a construção social que atribui comportamentos e características ao sexo feminino e masculino, em uma oposição binária entre homem e mulher, generalização ainda muito presente nos dias de hoje. Neste sentido, a mulher ainda é vista como uma pessoa sensível, frágil, cuidadosa, vaidosa, que dirige mal, que gosta de falar ao telefone e fofocar, sonha em se casar e ser mãe e que não deve ter uma liberdade sexual (vide xingamentos sexistas que visam reprimir tal tipo de comportamento - puta, vadia, etc). Já o homem, como um ser viril, forte, carismático, que joga futebol com os amigos, gosta de carro, cerveja e que sua liberdade sexual é tida como “mais do que natural” (é, não há xingamento algum referente a isto, pois não há repressão). Esta fôrma comportamental gera e enraíza uma profunda intolerância e violência contra as pessoas que rompem com tais padrões segregadores e limitantes, sobretudo em relação às mulheres, que sofrem historicamente a opressão patriarcal responsável por colocar o homem em uma condição privilegiada no seio social.

i

ii

SCOTT, Joan W.”Prefácio a Gender and Politics of History” Cadernos Pagu (3)1994: pp.11-26. FARGE, Arlette, PERROT, Michelle et allii. “A História das Mulheres. Cultura e Poder das Mulheres: Ensaio de Historiografia” Gênero. Revista do Núcleo Transdisciplinar de Estudos de Gênero – NUTEG. V2, n.1. Niterói: EdUFF, 2000, PP.7-30.

Juliana Streva é mestranda em Direito pela PUC

Mas, como muitos falam por aí, as mulheres já conquistaram espaço na sociedade, podem trabalhar fora de casa (receber menos que os homens), e até mesmo ser presidente (ainda se recusam o “presidenta”, mas a questão da linguagem é também para um outro momento). Afinal, qual seria então o sentido do movimento feminista: fazer com que as mulheres tenham acesso às estruturas inalteradas deste sistema patriarcal ou reformular essas estruturas de opressão? Muito além de fazer parte deste sistema opressor, há o intuito de revolucionar a construção social de gênero (uma estrutura opressora), transgredindo suas categorias através da ressignificação do termo “feminino”, assim como do “masculino”, ou até mesmo a sua radical extinção. Estes termos passariam a ser entendidos como adjetivos e não mais categorias dos sexos, rompendo, portanto, com a lógica dual das oposições, recusando-se a alternativa da exclusão (ou, ou) em favor da inclusão (e, e). Desta forma, o feminino transcende a alternativa dual do sexo e do gênero e pode ser assumido por homens e por mulheres, assim como o masculino. Como já firmado por Judith Butler, filósofa teórica de gênero e feminismo

2

Scott não abre espaço para que emerjam as diversas sutilezas presentes nas relações entre os sexos, das quais não estão ausentes as alianças e consentimentos por parte das mulheres. Roger Chartier utiliza-se do conceito de violência simbólica, que ajuda a compreender como a relação de dominação - que é uma relação histórica, cultural e linguisticamente construída - é sempre afirmada como uma diferença de ordem natural, radical, irredutível, universal. Outrossim, alerta Chartier, uma tal incorporação da dominação não exclui a presença de variações e manipulações por parte dos dominados. As fissuras à dominação masculina não assumem, via de regra, a forma de rupturas espetaculares, nem se expressam sempre num discurso de recusa ou rejeição. Definir os poderes femininos permitidos por uma situação de sujeição e de inferioridade significa entendê-los como uma reapropriação e um desvio dos instrumentos simbólicos que instituem a dominação masculina, contra o seu próprio dominador. A noção de resistência torna-se fundamental nas abordagens sobre as mulheres, revelando sua presença e atuação no seio de uma história construída pelos homens, com vistas a reagir à opressão que sobre elas incide. Historiadoras, como aquelas mais uma vez citadas, M. Perrot, Natalie Davis, A Farge, Silva Dias, eu própria, têm se baseado nesse referencial na obtenção de pistas que possibilitem a reconstrução da experiência concreta das mulheres em sociedade, que no processo relacional complexo e contraditório com os homens têm desempenhado um papel ativo na criação de sua própria história. Importa esclarecer que tais observações não visam excluir a abordagem das mulheres do terreno da política formal, sem dúvida da maior importância no estudo da movimentação feminina, na luta por direitos e de sua participação como sujeitos na sociedade. Afinal, penetrar na esfera pública foi um velho anseio por longo tempo vedado às mulheres. Passavam as mulheres, segundo Hannah Arendt, a garantir sua transcendência, pois o espaço público, afirma aquela filósofa, não pode ser construído apenas para uma geração e planejado somente para os que estão vivos: deve transcender a duração da vida dos homens mortais, aos quais acrescentamos, também, a das mulheres mortais. ●

dos Estados Unidos, o sexo identificado social ou morfologicamente não é determinante (!). Os pensamentos feministas foram responsáveis pelo desenvolvimento do movimento queer vinculado à revolução das identidades sexuais. O termo queer, antes tido como pejorativo e ofensivo, transforma-se em uma afirmação orgulhosa da multiplicidade. Este movimento permitiu o surgimento do camp, um fênomeno popular de contracultura produtor de estranhamento relativo às categorias como a feminilidade e a masculinidade, buscando a sua completa desnormatização. No meio cinematográfico, esta contracultura se desvincula do cinema hegemônico - produtor e difusor de normatividade (cis e heteronormativa, ou seja, que promulga a visão padronizada de que as pessoas agem conforme o estereótipo de gênero relacionado ao seu sexo biológico, e se interessam sexualmente, em regra, por pessoas do gênero oposto) – e vai muito além do Bechdel Test, por exemplo. Para quem não conhece, explico: é um teste no qual se apresenta três perguntas básicas, com o intuito de analisar a participação (mínima) de mulheres em filmes. As perguntas são: i) há mais de duas mulheres no filme,


O sexo sempre é culpável? Notas sobre prazeres, perigos e fissuras na sexualidade de produção de pornografia, acerca da “realidade” das mulheres. Elas gostam? O que elas acham sobre essa carreira? Como é que elas se relacionam moralmente com essa ocupação? Por que é que, realmente, elas ingressam? Grande parte de minha pesquisa foi dirigida a responder alguns desses interrogantes. Eu apresentei trajetórias onde a escolha das mulheres era evidente e onde a pornografia se apresentava como um meio para a realização de alguns projetos pessoais, ou, simplesmente, um meio de adquirir certos status sociais e estilos de vida associados à juventude, a boemia, o hedonismo numa dinâmica que denominei Ética do Instante. Nesses mundos, pude observar que as gramáticas do poder se apresentavam de maneiras flexíveis e o suficientemente complexas como para desafiar as noções básicas e estereotipadas de “mundos onde homens oprimem mulheres”. Contudo, há um incómodo que me persegue e há um incómodo em algumas pessoas em relação a meus argumentos. Estaria eu colocando tanta ênfase no prazer e a escolha ao ponto de obliterar a possibilidade de, efetivamente, enxergar a violência que pode estar acompanhando certas práticas e representações? Como entender a denúncia da Roxy sem satanizar a indústria pornográfica e, ao mesmo tempo, sem acreditar que queixas como aquelas são falsas ou produto de mulheres arrependidas que encontraram os caminhos da “boa” moral e por isso empreendem cruzadas contra seu passado, como forma de redenção? Esta é uma discussão de velha data que já protagonizou aquilo que ficou conhecido como sex wars. O sexo foi o culpável para o movimento feminista anti-pornográfico dos anos 70. Naquele momento, organizações como Women Against Pornography (WAP), Feminist Fighting Pornography, a Nacional Coalition Against Pornography, e a Women against violence in Pornography and Media atribuíram à pornografia as causas da violência contra as mulheres, os crimes de misoginia, a discriminação sexual e a propagação das desigualdades hierárquicas de gênero. Para eles, a submissão das mulheres se evidenciaria ao serem representadas em atos de humilhação, espancamentos, suplícios ou mostrando-as ajoelhadas fazendo sexo oral, sexo com animais ou em todo tipo de cenas onde cabia ao corpo feminino (ou efeminado, deve-se acrescentar) o lugar do violentado. A década dos oitenta, por sua vez, trouxe novas reflexões teóricas surgidas de outros olhares feministas que criticaram a interpretação das anteriores.

Antropólogas como Carol Vance, Gayle Rubin e Pat Califia estariam na cabeceira deste pensamento. Para elas, as anti-pornografia ofereciam uma imagem simplificada do poder e uma visão rígida dos gêneros gerada no determinismo da relação dominador-dominado. A nova perspectiva desassocia a ideia da dominação e coerção como modelo único relativo à sexualidade, e criticaria as restrições ao comportamento sexual das mulheres que se colocaram nos posicionamentos das feministas radicais. Nesse feminismo pró-sex (onde o sexo não era culpável de antemão) corpo, pornografia e sexo poderiam ser lugares de resignificação política para mulheres e outras minorias sexuais, e o prazer virou objeto de reflexão, assim como as maneiras alternativas e as escolhas sexuais que levam a consegui-lo. Em poucas palavras, esta postura abriu janelas preciosas para outras formas de interpretação do prazer, erotismo e escolha. Contudo, um problema persistiria. Adiro-me à crítica feita pela antropóloga brasileira, Maria Filomena Gregori, de que há de fato na bibliografia do “contra-ataque” um não tratamento do problema da violência. Isto se deve, explica a autora, ao fato de que grande parte da literatura relativa a estas vertentes do feminismo se concentrou em enfatizar as práticas sexuais dentro do terreno do lesbianismo. Tomando como ponto de partida o prazer feminino nas relações de mulher a mulher, estes estudos dão por certo que o consentimento é garantido de antemão e a violência e o perigo são transpostos para a arena dos prazeres. Quer dizer, o perigo não é (nem pode ser) tudo o que explique a sexualidade feminina, mas o prazer, por si só, tampouco dá conta. Embora Carol Vance argumentasse que o que caracteriza a vida sexual das mulheres é uma tensão – citando “na vida sexual das mulheres a tensão entre o perigo sexual e o prazer sexual é muito poderosa. A sexualidade é, por sua vez, um terreno de constrangimento, de repressão e perigo, e um terreno de exploração, prazer e atuação” – a ideia de tensão, nas análises, parecesse ter se convertido em uma fronteira divisória mais do que em uma linha que une, de modo intricado, duas pontas de um mesmo contínuo. As imagens do vídeo apresentado por Roxy são francamente chocantes. E se me perguntassem se eu acredito que sejam reais, eu diria: sim. Mas não quero com isto dizer que o que se esconde por trás da indústria pornográfica é o abuso e a violência como a ex-atriz argumenta e como foi intitulada a matéria. Pornografia não é sinônimo de maltrato e

opressão contra a mulher. Contudo, a violência e o abuso podem vir a acontecer. Como? Em meio daquilo que eu venho denominando de fissura. Fissuras seriam aqueles instantes de fronteira em que as emoções extrapolam o sentido dado de antemão às práticas, são momentos em que, em meio a um ato sexual, transpassa-se do consentimento ao abuso. As fissuras acontecem durante as filmagens mesmas, naqueles instantes em que a pessoa (porque as fissuras não são exclusivas das mulheres) sente em sua própria pele um certo medo, angústia ou dor que não logrou prever no momento da negociação. Ou seja, houve consentimento, mas a prática trouxe uma intensidade que não é possível de prever ou de antecipar e que rompe com o pacto empreendido com o outro e consigo mesmo, ocasionando emoções que evocam mais perigo do que prazer. A fissura é a evidencia de que a prática extrapolou a expectativa da dor, é uma fenda onde o ato (ou representação do ato) se torna violência, embora logo a fissura possa se refazer por meio da sociabilidade ou a amizade que envolve a dinâmica de grupo nos sets de filmagem. As fissuras no pornô acontecem dentro de um ambiente controlado: certos excessos nas práticas sexuais nessa indústria, especialmente aquelas que evocam fetiches de dor e humilhação, fazem alusão a descontrole controlado, para usar os termos de Featherstone. Trata-se de violências regradas onde são utilizadas técnicas corporais para suportar a dor física, mas não por isso é menos violento. A pornografia se baseia no exagero, e nesse tipo especifico de sexo duro se testam os limites e nesse testar se produzem fissuras. Assim, fazer pornografia poderia ser entendido como um prazer perigoso tal como o entende Gregori. Há práticas ali que podem ser interpretadas como empreendimentos de risco, nos termos da mesma autora. São situações e negociações delicadas onde nada está resolvido nem garantido de antemão. Experiências que se bem implicam prazer, operam simultaneamente com tensores que podem ser transgressores dependendo da negociação, que por momentos podem ser paródicos e que potencialmente podem se aproximar do abuso. Agora, no pornô nem sempre acontecem fissuras, e as fissuras não são exclusivas do pornô. Elas também podem vir a acontecer em nosso leito, nos encontros sexuais dos mais corriqueiros e longe do mercado. O mercado do sexo tampouco é culpável ou perigoso de antemão assim como as sexualidades que evocam afetos e amor romântico nem sempre são exclusivamente prazerosas. ●

com nomes? ii) elas falam uma com a outra? iii) sobre algo que não seja um homem? Essas perguntas que beiram a máxima simplicidade e que se pensada para homens o “sim” para todas as perguntas seria mais do que evidente, acaba não sendo tão simples assim tendo em perspectiva as mulheres. Anita Sarkeesian, responsável pelo site Feminist Frequency, expõe que muitos dos filmes de grande bilheteria dos Estados Unidos não conseguem responder “sim” a estas três perguntas, como por exemplo, X Men, Pulp Fiction, grande parte do James Bond, todos da trilogia d'O senhor dos anéis, Shrek, Up, Clerks, Piratas do Caribe, M.I.B, Clube da Luta, etc etc etc. Muito além disso, o cinema de contracultura é responsável por subverter a ordem hegemônica sexista. John Waters trouxe ao mundo, em 1972, uma ilustração icônica do camp com seu filme Pink Flamingos protagonizado pela drag queen Divine. Este filme, reconhecido até hoje como um dos mais trash, quiçá controversos, já produzidos, apresenta uma forma transgressora, irônica e cômica da sociedade. Juntamente com seu ulterior Female Trouble, produzido em 1974, Waters afronta a decência e toda a noção de bons costumes. Cabe destacar que, Judith Butler se baseou no título deste

filme (Female Trouble), para intitular sua obra Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity, mostrando o caminho de mão dupla entre a arte e a teoria de gênero. Outra ilustração cinematográfica deste rompimento do cinema cis e heteronormativo é trazido com o clássico de 1975 Dog Day Afternoon, dirigido por Sidney Lumet. Este filme conta a história de um assalto a banco realizado pelo personagem homossexual, representado por Al Pacino. Ele, desempregado, (atenção: spoiler necessário) recorre ao crime para pagar operação de mudança de sexo de seu namorado. Este anti-herói consegue cativar a simpatia do público que torce por ele no desenrolar da trama e, ao mesmo tempo, torna visível uma questão pouquíssimo explorada e debatida pelo cinema e pela sociedade, até então. Em 1980, influenciado pelos filmes de John Waters, o diretor Pedro Almodóvar apresenta o seu primeiro longa, Pepi, Luci, Bom y Otras Chicas Del Montón. O filme apresenta personagens, com forte predominância de mulheres, que, em diversas situações, se rebelam contra a normatividade comportamental, demonstrando que toda performatividade social é passível de ridicularização. Almodóvar participa, desta forma, também do cenário subversido do camp através

do absurdo, do grotesco, do descanso com a moral, em uma postura desafiadora e questionadora. O movimento feminista queer extendeu o seu questionamento e o seu rompimento do sistema de repressão através do devir-minoritário por meios artísticos (como o cinematográfico mencionado, como também em outros campos artísticos, como o musical, com o glam rock de Bowie na fase andrógina e New York Dolls, com a pintura de Frida Kahlo e com os quadrinhos de Laerte, por exemplo), assim como também pelos meios acadêmico (com a já mencionada Butler, dentre outros e outras) e social (por exemplo, a marcha das vadias). Afinal de contas, este movimento questionador que subverte o mecanismo de opressão, transforma a vida de qualquer pessoa em minoritária no sentido de permitir ao indivíduo ser múltiplo, amplo e o mais livre possível em sua performance, autodeterminação e identidade pessoal-social. Buscamos, assim, não mais repetir este modelo opressor, ignorante e intolerante de “estereótipos limitantes” ou se inserir nele, mas repensá-lo, questionálo e abrir espaço para a manifestação de toda a multidão que nos habita. E lá se foi o breve suspiro. ●

3

A bibliografia utilizada está disponível na versão online deste artigo.


50 tons de feminismo: um olhar sobre a cultura pop Olhar para os papéis de gênero na cultura pop a partir de um ponto de vista feminista é, no geral, deprimente. Metade dos ingressos de cinema vendidos nos EUA são comprados por mulheres, mesmo que elas estejam subrepresentadas nas telas: entre 2007 e 2012, elas foram apenas 30% dos personagens com falas nos filmes de Hollywood. Mas não só – são representadas ainda de forma estereotipada por personagens hiperssexualizadas e hiper-romantizadas, se nos ativermos a uma descrição mínima dos clichês a que são submetidas. Essa contradição é só uma das muitas que aparecem quando se olha mais de perto a relação entre os personagens femininos e a realidade. O filme mais visto nos EUA no ano passado foi “Jogos Vorazes: Em chamas”, filme cuja protagonista é uma mulher. Poderia ser um fato banal, mas não é, porque a última vez que tal façanha aconteceu foi em 1973, 40 anos atrás, com o filme “O Exorcista”. “Jogos Vorazes: Em chamas” é a adaptação de um livro. Vale notar que apesar de o livro e o filme terem sido escritos por uma mulher, o filme foi dirigido por um homem. Outras sagas literárias com protagonistas mulheres, que após terem vendido milhares de livros foram adaptadas ao cinema são “Crepúsculo” e “50 tons de cinza” (o filme está em produção e será lançado no começo de 2015). São três bestsellers, escritos por mulheres, com protagonistas mulheres e adaptados ao cinema. Pensando superficialmente parece louvável o simples fato de serem escritos e protagonizados por mulheres, mas é preciso problematizar essa questão. Dizer que um livro é feminista ou que quebra com ideias tradicionais de gênero só porque a personagem principal é uma mulher é um tanto ingênuo. Bella Swan, protagonista da saga “Crepúsculo”, é uma menina que muda de cidade para morar com seu pai e acaba se apaixonando pelo menino mais desejado da escola, Edward Cullen, para depois descobrir que ele é um vampiro. Edward também se apaixona por ela, mas ao longo dos livros percebe que ser o namorado de Bella a põe em perigo e acaba deixando-a para protegê-la. Logo em seguida, a moça conhece Jacob, um lobisomem. Assim se forma o triângulo amoroso. Poderíamos pensar que é um livro feminista por tratar de forma natural

Brena O’Dwyer é mestranda pelo Instituto de Medicina Social (UERJ)

a relação de uma mulher com dois homens, sem taxá-la de vadia. Apesar de essa abordagem ser de fato uma espécie de avanço, a personagem é o perfeito exemplo de donzela em perigo, à procura de um homem que a proteja, uma personagem vulnerável, de baixíssima autoestima e num relacionamento abusivo com Edward. O garoto chega a dizer que ela é como sua própria marca de heroína, numa prova de sua obsessão e não de seu amor. Outro indício desse caráter abusivo é a noite de sexo que a faz acordar machucada, no dia seguinte, devido à superforça do personagem vampiro; não obstante, a moça não vê nenhum problema nisso. É por isso que “Crepúsculo” pode ser considerado como um atraso para a obra feminista, já que, apesar de a protagonista ser feminina ela vive uma relação que não é igualitária em termos de poder, sofre abusos e tudo isso é romantizado como se isso fosse o epítome do amor verdadeiro. “50 tons de Cinza” começou como uma fanfic baseada em Crepúsculo e depois do sucesso na internet acabou virando livro. A personagem principal, Anastasia Steele, é uma estudante que se apaixona pelo jovem megaempresário e milionário Christian Grey. Grey quer transformá-la em sua escrava sexual por meio de um contrato em que ela permite que ele controle toda a sua vida. Por fim, ele obviamente se apaixona por ela. Assim como em Crepúsculo, o relacionamento dos dois é abusivo: Grey quer controlar toda a vida de Anastasia: o que ela come, se ela se exercita, onde ela trabalha, etc. A justificativa para o comportamento dele é seu passado cheio de abusos, Ou seja: a partir do momento que existe uma “justificativa” para seu comportamento, tudo está resolvido. O amor que ela sente por ele vai salvá-lo da situação. Não é preciso dizer que isso é um péssimo exemplo de relacionamento, porém o interessante sobre os livros da trilogia é que eles mostram muitas, muitas, muitas cenas de sexo. Ao mesmo tempo que o livro gira em torno de um relacionamento machista ele revela uma demanda: pornografia feita por mulheres e para mulheres. Uma demanda, diga-se de passagem, muito importante na quebra de papéis tradicionais de gênero, afinal, espera-se que mulheres sejam somente objeto de desejo e nunca sujeitos desejantes. É impressionante que um bestseller mundial

As Cantadas e o Espaço da Mulher na Rua

gire em torno de sexo e que esse sexo seja escrito de forma erótica para mulheres. É um contrassenso, já que, apesar do sexo, o livro também é um atraso para a obra feminista. Mas pelo menos abre espaço para que outros livros eróticos para mulheres – de preferência mais feministas- entrem na lista dos mais vendidos. “Jogos Vorazes” pode ser considerado o livro mais feminista entre os três. Katniss Everdeen, a protagonista, vive em um mundo com 12 distritos e uma capital. A cada ano, um menino e uma menina são selecionados para participar de um reality show em que os jovens devem se matar até restar somente um vencedor. É interessante notar que meninos e meninas competem de igual para igual na arena. O clichê do triângulo amoroso está presente, mas a trama não gira em torno das relações amorosas da personagem, e sim da revolução social que se desenrola depois que Katniss vence os jogos. Katniss, ao contrário de Bella e Anastasia, não precisa ser protegida. É esperta, sabe caçar e não se submete à vontade dos homens, ao mesmo tempo é extremamente emocional e faz de tudo para cuidar de sua irmã mais nova. Katniss é uma personagem contraditória que ajuda a entender que gênero não é algo tão essencializado e binário, passível de ser pensado mais como uma gradação e menos como dois opostos. Claro que ainda há muito esforço a ser feito. Não quero nem falar da sub-representação de personagens negras e negros, gays (mesmo com o sucesso de “Azul a cor mais quente”) e transexuais. Mesmo assim, é importante entender as contradições na indústria pop porque ela representa e simultaneamente constrói o mundo em que vivemos. Isto é, ao mesmo tempo em que esses livros e filmes representam algumas características da nossa realidade e da forma como vivemos, eles também ajudam a construir essa realidade por meio do exemplo, tomando-o como um meio de legitimar essas características. Assim, um livro ou filme pode ajudar a legitimar os papéis tradicionais de gênero, mas também pode desconstruí-los. Entendendo as tensões entre os papéis de gênero na cultura pop podemos entender um pouco melhor que esses papéis não são tão opostos e essenciais nas nossas próprias vidas e podemos tentar transitar mais entre eles. E que nunca podemos deixar de criticá-los. ●

Luciana Vasconcellos é graduanda em direito pela PUC

Andar pelas ruas de uma cidade grande como o Rio de Janeiro é ter a certeza que seu caminho não será um de silêncio e contemplação. Inevitavelmente você irá encontrar pedintes, pessoas oferecendo panfletos e até turistas pedindo informação – situações cotidianas em que estranhos interferem na sua vida privada. Acontece que, se você é mulher, as interferências no seu espaço particular ultrapassam as experiências de civilidade e assumem um aspecto de assédio no espaço público – as cantadas vulgares que se mascaram de elogios, os gritos e buzinadas de homens que realmente acham que estão agradando, sem imaginar o quão desconfortável ou o quão ameaçador aquela situação se coloca nos nossos dias. O assédio sexual no espaço público (street harassment) ocorre quando uma mulher em um espaço público é vitima de uma intromissão por um ou mais homens desconhecidos que fazem comentários, barulhos ou gestos, frequentemente com conotação sexual, assegurando seu alegado direito de obter a atenção desta mulher, definindo-a como um objeto sexual e forçando-a a interagir com eles. Esse tipo de assédio é vivenciado por mulheres de todas as idades em seu cotidiano e, muitas vezes, por esse motivo, é tido como um fato mundano na vida delas, uma realidade infortuna que se coloca como trivial e não parece ser digna de uma resposta por qualquer autoridade pública, pondo-se como impossível de se prevenir. Nesse sentido, o assédio sexual no espaço público funciona como um obstáculo ao acesso e à permanência da mulher a esse espaço, utilizando-se do gênero como ferramenta para definir, classificar e discriminar membros da sociedade, impactando o momento, a freqüência e a duração da convivência da mulher na sua vida cívica. O street harassment, por seu caráter predominantemente sexual, transforma-se em uma lembrança permanente de como a mulher é vulnerável sexualmente. Enquanto um simples comentário não causa danos físicos, ele faz parte de um espectro contínuo de atenção sexual indesejada, o qual não pode ser ignorado e que pode significar o início de uma

ameaça de violência sexual. Isso se torna uma verdade ainda maior quando consideramos que o assédio sexual público pode ir além do aspecto verbal e envolver contato físico forçado. Por meio de comentários sobre a aparência de uma mulher que está apenas seguindo seu caminho, o homem reforça o entendimento de que ela não pode existir em público como uma igual. Ele transforma seu gênero e seus atributos físicos no aspecto primário de sua existência no espaço público. O street harassment não permite que a mulher exerça sua subjetividade na escolha de como e quando seu gênero será um fator de definição de sua identidade e individualidade O assédio sexual no espaço público muda o modo como a mulher experiencia a vida pública e sua consequente perspectiva sobre sua segurança na rua e seu sentimento de pertencimento àquele espaço. Nesse sentido, pode-se entender que o street harassment implica na ratificação dos papéis tradicionalmente exercidos por cada gênero, uma vez que, para evitá-lo completamente, a única opção que a mulher tem é permanecer em casa e não conviver nos espaços públicos. Por vezes, a responsabilidade pela ocorrência do assédio é atribuída à mulher, a qual estaria “querendo chamar atenção” ou “pedindo por aquilo”. A cultivação da cultura do estupro faz com que as mulheres criem estratégias para tentar amenizar as ocorrências do assédio, seja alterando o modo como se vestem, mudando o trajeto que percorrem ou usando homens como “guarda-costas”, reforçando a concepção tradicional do lugar de cada gênero – se a mulher decide entrar no espaço público, ela deve fazê-lo na companhia de um defensor masculino. Street harassment é uma forma de vitimização da mulher, tornando-a impotente para combater um sistema generalizado de desigualdade sexual pelo grande alcance e insídia do problema. O assédio sexual no espaço público também tem um significante efeito no discurso sobre o espaço urbano. Quem pode acessar o espaço público?, por quê?, e o que isso significa?, são questões centrais no crescimento e desenvolvimento de cidades. A inexistência do street harassment no discurso

público demonstra a falta de prioridade que a questão assume perante o poder público, o que corrobora como o espaço urbano é construído para ser mais receptivo e próspero para determinados cidadãos. Por exemplo, o fato de que urinar em público e jogar papel no chão são matérias tratadas por políticas públicas e dignas de atendimento legal e consequente punição, enquanto o assédio sexual no espaço público é uma questão completamente ignorada, mostra quais são as prioridades na formação do espaço urbano. Obviamente, a poluição das ruas deve ser combatida e merece a atenção do poder público, mas por que a dignidade sexual das mulher também não é alvo dessa preocupação? Os quadros políticos são construídos para fazer parecer que o assédio sexual no espaço público é um infeliz, porém inevitável, fato da vida moderna, nomeá-lo e defini-lo representa um grande valor estratégico e político. Definir um fenômeno é o primeiro passo para a compreensão de seu escopo e de suas conseqüências. Porém, quando os próprios agentes do Estado não estão preparados para lidar com esse assunto, por vezes agindo como autores dessas ofensas, a mensagem passada para vítimas, agressores e espectadores é a de que o street harassment é, no mínimo um problema tão leve que deve ser tolerado. A pouca freqüência com que a expressão é utilizada para descrever a experiência feminina cria uma nebulosidade sobre os danos causados e corrobora a trivialização do street harassment. Em termos de reforma política, é difícil aprovar leis que possam impedir o assédio sexual no espaço público se há pouca consciência do próprio conceito. O assédio sexual no espaço público impõe-se como uma barreira física e metafórica ao acesso da mulher a uma sociedade mais igualitária, reforçando sua sensação de impotência e de vulnerabilidade sexual, fazendo com que a ameaça de violência sexual pareça constante. Por isso devemos nos esforçar para fazer com que o street harassment torne-se visível culturalmente, para que os danos por ele causado possam, um dia, ter tratamento legal. ●

APOIO

+ FOLHA

EQUIPE

Já curtiu nossa página no Facebook? facebook.com/afolhadogragoata Achou a letra muito pequena? Todos os nossos textos estão disponíveis em afolhadogragoata.blogspot.com

Editor Responsável Antonio Kerstenetzky

Revista Tempo

Gostaria de escrever para A Folha do Gragoatá? Mande seu artigo, comentário, peça de opinião, poema, crônica, foto, quadrinho, charge, etc para afolhadogragoata@gmail.com. Devido a nossas limitações de espaço, as contribuições não devem passar de uma página e meia em Times New Roman, tamanho 12.

4

Editor Assistente Hugo Arruda Comitê Editorial Paula Justen Pérola Lannes Victor Tiribás Design Gráfico Beatriz Reis

Edicao genero  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you