Page 1

Palavrinha Jornal Escolar — Escola EB 2,3/S de Caminha — Trimestral — Nº33 — Fevereiro de 2009

Editorial

Festa de Natal

Por mais que digam o contrário, é na escola que muitas carreiras começam, fruto de estímulos, muitas vezes ocultos, de professores que nos marcam para toda a vida. Dos afectos da escolinha primária até ao final do curso secundário, primeiro queremos ser professores, depois vivemos num mundo de indecisões entre o médico que os avós afirmam ser o futuro e o bombeiro que se aproxima das figuras de acção das nossas brincadeiras. Mais tarde não queremos ser nada, divididos entre projectos de ciências com espectros e explosões e as fugas com o grupo de amigos para partir vidros ou pintar paredes na irreverência da nossa “aborrescência”. Acordamos mais tarde entre prazos de exame e escolhas difíceis, que nos obrigam por momentos a voltar à terra e a recordar com dificuldade o percurso que queríamos ter realizado e que, geralmente por falta de tempo – à falta de melhor justificação, não conseguimos cumprir. A escola, sempre presente neste processo, vai acompanhando os sonhos, canalizando os entusiasmos, orientando as atitudes. E dando conta, através deste jornal escolar, do percurso de muitos alunos que com o seu entusiasmo decidem partilhar os seus projectos connosco.

Decorreu no passado dia 18 de Dezembro de 2008, na EB 2,3/S de Caminha, a tradicional Festa de Natal, marcando assim o final do primeiro período. A festa realizou-se na sala de convívio a partir das 10h30 e encheu o resto da manhã de muita alegria e sorrisos! Desporto na Escola — pág. 10 e11

Teatro — pág. 8 e 9

Feira do Livro De 24 a 28 de Novembro, decorreu, no Polivalente da Escola EB 2,3/ S de Caminha, mais uma Feira do Livro

www.caminhapalavrinha.blogspot.com


Página 2

Palavrinha nº33

Festa de Natal No passado dia 18 de Dezembro de 2008, decorreu na nossa escola a tradicional Festa de Natal, marcando assim o final do primeiro período. A festa realizou-se na sala de convívio a partir das 10h30 e encheu o resto da manhã de muita alegria e sorrisos! Foi uma manhã de muita animação, marcada principalmente pelo talento dos nossos alunos. Não faltaram as danças, as peças de teatro escritas e interpretadas pelos alunos, a declamação de poemas e, claro, muita música. Esta festa contribuiu, uma vez mais, para promover a participação dos alunos e professores envolvidos nestas actividades, devendo-se por isso valorizar todo o seu trabalho

Uma vez mais, a Escola em festa abriu-se à Comunidade

e empenho.

Caminhense

JORNAL “A PALAVRINHA” Nº 33

FEVEREIRO DE 2009

FICHA TÉCNICA Edição: Escola EB 2,3/S de Caminha

600 Exemplares

Redacção: Luís Magalhães, Arsénio Calheiros, Cláudia Moreira, Eduarda Silva, Paulo Bento, Paulo Grilo e Dora Joana Serra Colaboradores: Prof. José Araújo, Luis Vilas, Márcia Martins, Ana Luís Vasconcelos, Bruna Quarteu, Ana Maria Alves, Renata Magalhães, Paulo Costa, Maria Manuel Ramos, Damiana Pires Grupos Disciplinares que colaboraram nesta edição: Língua Portuguesa, Línguas, Filosofia, Clube de Desporto Escolar. Convidado / Opinião: Jorge Fão (Deputado Assembleia da República) Na web: www.caminhapalavrinha.blogspot.com ; www.caminhapalavrinha.webnode.com Contactos: caminha1@gmail.com ; caminhapalavrinha@hotmail.com


Jornal Escolar — Escola EB 2,3/S de Caminha — Trimestral — Nº33 — Fevereiro de

Página 3

PROGRAMA DA FESTA DE NATAL Dança – Clube de Alemão Dança (Bob Sinclair) – 5ºB Música (White Christmas) – Ana Alves (9ºC) Teatro – “Vício da Internet” – 6ºA Poesia – 5ºB Música – A Origem do Natal – 5ºA,C,D e 6ºB Música – O rap dos Reis Magos – 5ºA,C,D e 6ºB Dança – Hasta la Vista – 6ºA Música – Homem do Leme – 7ºA Dança – Natal diferente – 6ºD Teatro – “O médico e D. Ignorância) – 6ºA Música – Who Knew? – 9ºC Canção – Stille Nacht – Sónia 12º Dança – Simple the best – 8ºC e 8ºD Música – Jingle Bell’s rock – 6ºD Música – Santa Claus – 6ºD Teatro – “Momento da verdade” – 6ºD Poesia – 7º D Teatro – 9º D Expressão Dramática - 9ºA Dança – Delfine 10º Música – À volta do pinheiro – 6ºA Teatro de formas animadas—Alunos do Ensino Especial Dança – Clube de Alemão (7ºD e 6ºD) Música – André 11ºD


Página 4

Palavrinha nº33

Tradições de Natal O Tronco de Natal Hoje o tronco é, em alguns países, simbolizado por um bolo. Outrora era um enorme tronco de árvore, que ardia na lareira ou no largo da aldeia. Devia ser de madeira bem rija, para arder durante muito tempo. Antes de ser levado para casa, era decorado com folhas e fitas. Depois de colocado na lareira e benzido pelo chefe de família, com azeite ou aguardente, o fogo era ateado pelo mais velho e pelo mais novo da família.

A Tradição do Presépio Durante a quadra de Natal, em todas as igrejas e na maioria das casas onde se festeja o Natal, é armado um presépio. Este costume, muito antigo, terá tido origem com S. Francisco de Assis. Conta a lenda que, numa noite de Natal, em Grecchio, aldeia próxima de Assis, em Itália, o santo organizou, com a participação de pessoas e animais da terra, uma representação cujo tema era o nascimento de Jesus. Um bebé, que fazia o papel de Menino Jesus, estava deitado numa manjedoura cheia de palha, ladeado por um burro e por uma vaca. Todos os habitantes da aldeia empunhavam archotes e grandes velas, iluminando a noite. Este costume foi retomado por outros religiosos e acabou por se espalhar por todas as igrejas. A pouco e pouco, as pessoas foram sendo substituídas por figuras de cera ou de barro.

As verduras de Natal Durante o Natal, todas as famílias enfeitam as casas para lhes dar um ar de festa: o verde e o vermelho são as cores tradicionais desta quadra. O hábito de enfeitar as casas com verduras é muito antigo. Mesmo antes de se festejar o Natal, em Dezembro, as casas eram enfeitadas para se comemorar o fim das noites mais longas do ano.. O azevinho, com os seus picos, representa a coroa de espinhos de Jesus Cristo e, as bolas vermelhas, os pingos de sangue. O visgo atrai a boa sorte, o alecrim a amizade e a hera a afeição.

A

origem

do

Pinheiro

As primeiras descrições da árvore típica do Natal surgiram na Alsácia, em França. Ao longo da noite, os espectáculos iam-se sucedendo em frente das igrejas: as pessoas dançavam à volta da árvore do paraíso, um pinheiro com muitas maçãs penduradas.


Jornal Escolar — Escola EB 2,3/S de Caminha — Trimestral — Nº33 — Fevereiro de

Página 5

Tradições de Natal A Consoada A consoada, ou ceia de Natal, é uma refeição que se faz por volta da meia-noite. Consoante as tradições, pode-se comer antes ou depois da Missa do Galo.

O Pai Natal __ Ceia de Natal portuguesa: bacalhau cozido com batatas e couves, podendo também incluir peru ou outras carnes assadas. Á sobremesa, rabanadas, filhós, coscorões e bolo-rei. __Ceia de Natal espanhola: sopa de amêndoas, dourada no forno e torrão de Alicante. __Ceia de Natal em França: ostras, salmão, foie gras, enchidos, peru recheado e bolos. __ Ceia de Natal inglesa: presunto assado, peru recheado com couves de Bruxelas ou ervilhas, batatas assadas, Christmas pudding e tarte de frutos secos. __Ceia de Natal alemã: salada de arenques, ganso grelhado com couve vermelha e verde, maçãs e ameixas. Os doces: bolos de especiairias, de mel e brioches. __ Ceia de Natal italiana: enguias, peru com castanhas e bolos (panettone ou zelten). __Ceia de Natal sueca: arenques de escabeche, almôndegas, presunto assado com couve, arroz cozido e bolinhos de especiarias. __Ceia de Natal americana: milho verde, peru recheado, tarte de abóbora acompanhada com gelado de baunilha.

.

Turmas de 6º A e D na disciplina de Língua Portuguesa

O Pai Natal não conhece fronteiras. Tem origem em São Nicolau. Sob influência dos americanos, a personagem foi-se modificando e acabou por tomar a aparência de um homenzinho rechonchudo, vestido de vermelho, com longas barbas brancas, que voava pelos ares, conduzindo um trenó puxado por renas. Assim nasceu o Pai Natal.


Página 6

Palavrinha nº33

Feira do Livro De 24 a 28 de Novembro, decorreu, no Polivalente da Escola EB 2,3/ S de Caminha, mais uma Feira do Livro. Esta iniciativa, organizada pelo coordenador da Biblioteca Escolar em colaboração com a Representante de Língua Portuguesa do 2ª Ciclo, contou com a participação activa dos professores dos Departamentos de Línguas e de Ciências Sociais e Humanas e de professores de outros Departamentos a título individual, bem como com a colaboração da Câmara Municipal de Caminha que, à semelhança de anos anteriores, disponibilizou as “barraquinhas”, onde se expuseram os livros. No decurso desta semana, toda a comunidade escolar teve oportunidade de contactar com uma variedade considerável de obras de autores nacionais e estrangeiros que, para além de poderem ser adquiridas, fizeram as delícias, sobretudo, dos alunos mais novos que as desfolhavam, avidamente, durante os intervalos. Embora do ponto de vista financeiro, se vivam momentos difíceis, foram vendidos trezentos e quinze livros, no valor de dois mil seiscentos e sessenta euros, o que nos leva a afirmar, sem receio de faltar à verdade, que, na comunidade em que a Escola está inserida, o livro é cada vez mais apreciado até como prenda de Natal. E porque ler é essencial, para o ano cá estaremos, de novo, com livros, muitos livros para todos.

Campanha eleitoral trouxe à escola inúmeras actividades aliciantes

EB 2,3/S de Caminha elegeu a Associação de Estudantes Durante uma semana, os corredores da EB 2,3/S de Caminha estiveram irreconhecíveis, repletos de mensagens eleitorais e manifestos, todos eles construtivos, apresentados pelas três listas candidatas à Associação de Estudantes da escola. Uma semana inteira de expediente, contactos intensos nos intervalos com os alunos indecisos, propaganda mais ou menos sofisticada sob a forma de autocolantes ou folhetos nos locais mais inimagináveis, foram os ingredientes da campanha que literalmente animou a escola e que não deixou ninguém indiferente. As listas escolheram a designação com que se identificavam mais: Lista A, Lista E e Lista P, com propostas criativas, promessas de tertúlias, torneios e diversos eventos, com a responsabilidade de quem quer fazer o melhor na sua escola. Em muitos anos, foi a eleição m ais dis putada pelos alunos (tradicionalmente concorriam apenas uma ou duas listas). Na passada segunda feira, dia 13, foi tempo de colocar as urnas em cima da

mesa e proceder à votação. Nesse dia, de uma forma ordeira e esquecendo os concursos de consolas de vídeo, as fes-

tas promovidas na campanha, os rebuçados e autocolantes distribuídos, os alunos do 5º ao 12º ano votaram na sua lista preferida. E no final do dia, feitas as contagens, a lista A venceu com a maioria dos votos, renovando assim a sua permanência na Associação de Estudantes. Também desta vez com a responsabilidade de cumprir as promessas e de melhorar, sob o olhar atento dos concorrentes, a sua prestação executiva. O mais duro foi a limpeza de todos os vestígios da campanha, para que toda a escola sofresse nova metamorfose e regressasse à vida normal. Aqui, juntos na tarefa, todos os concorrentes prestaram também um bom serviço. Parabéns a todos, vencedores e dignos vencidos, por manterem, desde o início, o espírito cordato e elevado neste processo eleitoral. Luís Magalhães


Jornal Escolar — Escola EB 2,3/S de Caminha — Trimestral — Nº33 — Fevereiro de

Página 7

Nos espaços do Museu Municipal de Caminha

II Exposição de Presépios No âmbito da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica realizou-se a 2º exposição de presépios que decorreu numa sala do Museu Municipal de Caminha entre 9 de Dezembro e 4 de Janeiro de 2009. A iniciativa, integrada no Plano de Actividades do Agrupamento de Escolas Coura e Minho, visou dar a conhecer um vigoroso convívio e uma produtiva interacção de todos os membros da comunidade educativa deste Agrupamento com as instituições de solidariedade social existentes nas freguesias que o constituem. A cerimónia de abertura solene contou com a participação do Vereador da Educação da Câmara Municipal de Caminha, Flamiano Martins, do Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Caminha, Paulo Pereira, de duas docentes do Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas Coura e Minho, as professoras Conceição Rodrigues e Paula, do Coordenador de Projectos, Arsénio Calheiros, das professoras Filomena Cruz e Carla Moreno, que acompanharam as turmas D e C, do 5º ano e ainda do Jardim de Infância de Lanhelas e do Jardim de Infância de Santo António, que marcaram presença com um grupo de meninos. Estiveram também presentes toda a equipa do Museu Municipal de Caminha e o seu Director, Dr. Sérgio. A exposição deu a conhecer ao público 49 presépios que foram vistos por cerca de trezentos visitantes entre crianças e adultos. Os trabalhos já foram devolvidos aos participantes e todos receberão um certificado de participação, até ao final do presente período lectivo. A equipa organizadora, ao fazer a avaliação da actividade, sente-se feliz por ter conseguido concretizar o sonho de muitos e agradece reconhecidamente: - aos participantes pelo facto de terem aderido à ideia, pela criatividade, qualidade e apresentação dos trabalhos; - à Câmara Municipal de Caminha pela cooperação em termos de espaço e apoio logístico; - a toda a equipa do Museu pela disponibilidade sem limites; - aos estabelecimentos comerciais e casas particulares que permitiram a divulgação do evento.

De 9 de Dezembro a 4 de Janeiro, 49 presépios construídos pelos alunos da EB 2,3/S Caminha, estiveram patentes no Museu Municipal de Caminha


Página 8

Palavrinha nº33

Alunos do 9º ano no Teatro

“Miséria”, Espectáculo de Marionetas

O espectáculo “Miséria” é baseado num conto popular. Um pobre ferreiro engana a Morte e assim é condenado à eternidade

“… Maravilhoso foi ouvi-lo… Mas ainda mais maravilhoso e brilhante foi vê-lo actuar à noite, no espectáculo de marionetas, no Teatro Sá de Miranda.(…) Bem, não há mesmo palavras para explicar o quanto foi lindo. Por momentos, fiquei “colada” à história, fiquei sem reacção. No final, nem sabia o que fazer, mas aplaudi, aplaudi muito…” (Maria João, 9ºD). A disciplina de Teatro, nomeadamente, no 9º ano de escolaridade, pretende, sempre que possível, facultar aos alunos apreciações de formas performativas diversas, para que possam desenvolver análises e juízos críticos dessas produções artísticas. Contando com a colaboração da Câmara Municipal de Caminha, que cedeu o seu autocarro, foi possível levar no dia 21 de Novembro, pelas 21.00 horas, 29 alunos e duas Encarregadas de Educação a ver a peça “Miséria”, pelo Teatro de Marionetas do Porto, mais concretamente pelo actor João Paulo Seara Cardoso, no Teatro Sá de Miranda. Este evento estava inserido no Festival “Festafife”, e por isso, antes de entrar na sala, todos puderam assistir a um espectáculo de animação de rua, com um actor brasileiro, que dançava maravilhosamente com a sua “boneca”. O espectáculo “Miséria” é baseado num conto popular. Um pobre ferreiro engana a Morte e é assim condenado à eternidade. “Falou então a Morte do alto da nogueira e fez com o velhinho um contrato: poupar-lhe a vida enquanto o mundo fosse mundo. O velhinho consentiu e a Morte desceu. Por isso, enquanto o mundo for mundo, a miséria existirá sobre a Terra”. “Depois daquele espectáculo fantástico, ainda tivemos o direito de subir ao palco. Que emoção estar ali dentro daquele edifício. Todos os truques dos bastidores, as pequenas peças e marionetas do “Miséria”, ali debaixo dos meus olhos. Apetecia-me tocar naquelas peças e brincar com elas. Recriar eu própria a história! Deveria ser uma sensação fantástica. A Gisela sugeriu que fôssemos aos camarins. Fomos e, assim, conversámos com o João Paulo… “Somos fãs”! Ele gostou de nos ver. Acho que ficou surpreendido por nos despertar tão facilmente o gosto pelas suas marionetas.” (Marta Silveira, 9ºD).

À conversa com os alunos

João Paulo Seara na EB 2,3/S Caminha “Para uma formação e aprendizagem diversificada, o professor da disciplina teve a amabilidade e o bom-senso de convidar João Paulo Seara Cardoso a visitar a nossa escola. Como poucas outras, esta permite-nos beneficiar de fantásticas instalações para palestras e apresentações, no auditório da jovem biblioteca. (…) É necessário compreender a carreira do convidado e quais as suas dimensões, para conciliar uma boa palestra e uma boa plateia de espectadores” (Marta Silveira, 9ºD). Inserido no projecto pedagógico “À Conversa com…” da disciplina de Teatro e aproveitando a vinda do Teatro de Marionetas do Porto a Viana do Castelo, foi possível convidar João Paulo Seara Cardoso, para conversar com os alunos do 9º ano de Teatro e com mais três turmas do 8º ano. Assim, no dia 21 de Novembro e durante hora e meia, perante uma plateia de 96 alunos, foi possível ouvir alguém que “afirma que a marioneta é um duplo do homem, é uma obra de arte, uma escultura.” Muitas páginas seriam precisas para falar deste artista, “ (…) Porque para além do Teatro, da escrita e de muitas outras áreas, este homem dos sete ofícios dedicou-se com afinco às marionetas, talvez por ser a área que mais o seduziu, ou então que mais lhe dava

prazer.” (Marta Silveira, 9ºD), “(…) Ele esclareceu-nos muitas dúvidas que assolavam o nosso pensamento, sobre o interesse pelas marionetas, as peças realizadas, as séries televisivas em que participou, as tarefas realizadas pelos bonecreiros… “ (Maria Manuel, 9ºD). “ Quem me dera ter lido “Dá-me um tesouro” (livro escrito pelo João Cardoso) antes de fazer a biografia deste homem. É tão sensível a sua escrita, mas tão rica, completa e adulta que me enterneceu. Quem me dera ter adormecido a ouvir na voz de João

Paulo estas histórias quando era criança. Têm uma magia, uma cumplicidade com o leitor cativante. Não conhecia a sua obra literária e descobri mais uma das grandes facetas deste homem. Compreendi melhor o seu percurso de vida depois de ler as suas informações no final do livro, e afirmo: também gostaria de ter sido uma aprendiza de bonecreiro. E preciso ter uma sensibilidade imensamente criativa para fazer o que ele fez…” (Marta Silveira 9ºD). Falar de João Paulo Seara Cardoso é falar do melhor actor no campo do teatro de formas animadas deste País. O seu trabalho é enorme, contando com um sem número de experiências que vão desde a escrita, à televisão, ao ensino, à direcção de uma companhia de teatro de marionetas e muitas outras áreas. Com a colaboração da Livraria Bertrand de Viana do Castelo, colocaram-se alguns livros do escritor à venda, resultando numa animação acrescida a esta iniciativa, até porque todos os que adquiriram livros aproveitaram a presença do autor para os autografar. Neste “À Conversa com…” esteve também presente o Sr. Vereador do Pelouro da Educação da Câmara Municipal de Caminha.


Jornal Escolar — Escola EB 2,3/S de Caminha — Trimestral — Nº33 — Fevereiro de

Página 9

Centro Dramático de Viana encena “Anja Azul”

Alunos foram ao Teatro

públicos atentos e críticos. É importante que os alunos entendam que não existe Teatro sem o público, sendo importante que esse público tenha “arte” na observação do que vê e que entre no jogo do actor. Possibilitar aos alunos o direito de conhecer várias manifestações culturais e artísticas é proporcionar um crescimento pedagógico e intelectual e um factor integrador de diferentes saberes. A disciplina de Teatro, dentro do seu projecto “Vamos ao Teatro…”, possibilitou a ida das turmas “C” e “D” do 7º ano e “A” e “D” do 9º e ainda dos alunos, Ana Lúcia (9ºB) e Carlos Araújo (7ºB) de Currículo Especifico Individual, ao Centro Dramático de Viana para assistirem à peça “A Anja Azul”. Repartidos por três dias (12, 17 e 19 de Novembro, de acordo com a disponibilidade do autocarro da Câmara Municipal de Caminha), 88 alunos e 5 professores puderam assistir a um trabalho, com uma componente visual forte, em que os cenários e o desenho de luz se “casavam” harmoniosamente e onde “o maravilhoso e o fantástico eram contados às crianças a partir de um céu de praia e de um homem conhecido como fazedor de lágrimas (…)” “…Fiquei surpreendida, quando entrei na tribuna, maravilhada. (…) Quando a Anja falou pela primeira vez entonteceume, era fantástica aquela dicção e intensidade da fala…

(Marta Silveira, 9ºD); “Quando comecei a ver, parecia-me uma história com um fim brilhante, baseando-se tudo no lado mais luminosos da vida: o sonho. Existiram momentos de serenidade e de beleza. Apreciei e reflecti sobre algumas cenas representadas…” (Maria João, 9ºD). “Uma peça encantadora para adultos e crianças, médicos e varredores, pobres e senhores, simplesmente fascinante.” (Madalena Almeida, 9ºA). Em duas ocasiões, os alunos ouviram a encenadora Elisabete Pinto explicar como construiu o trabalho. Além disso, puderam realizar uma visita técnica ao palco, sub-palco e bastidores, contanto com a colaboração do Director Técnico, Rui Gonçalves (que também desenhou a luz da Anja Azul) e que, desde a primeira hora, se disponibilizou para realizar conversas com os alunos e explicar como funciona o edifício. “(…) Subir ao palco foi muito bom, parecia que éramos actores e que estávamos a pisar outro chão.” (Jeremy Curto, 7ºD); “(…) Eu nunca tinha estado em cima de um palco e isso foi muito interessante.” (Catarina Branco, 7ºD); “Subimos ao palco e pudemos observar a teia lá em cima e também ver o cenário

por detrás e como estava organizado” (António Mendonça, 7ºC). São opiniões como estas que servem para justificar tais iniciativas e perceber o quanto é importante para a Escola desenvolver estratégias culturais e artísticas. O nosso agradecimento ao Vereador do Pelouro da Educação da Câmara Municipal de Caminha, pela cedência do transporte.

Continua

A Educação Artística é uma componente curricular de todos os níveis e ciclos de ensino. O Teatro, enquanto disciplina artística, procura abordar a criatividade, mas também criar


Página 10

Palavrinha nº33

Alunos da EB 2,3/S Caminha visitam exposições

Sporting Clube Caminhense

Simultânea de Xadrez na EB 2,3/S de caminha Decorreu a 19 de Novembro a habitual simultânea no Polivalente da Escola EB 2,3/S de Caminha, com a presença do Mestre João Carlos Rodrigues, que mais uma vez de bom grado se disponibilizou para o desafio. A actividade decorreu ao longo de duas horas, tendo havido uma boa participação, principalmente dos alunos que fazem parte do Clube de Xadrez, os quais se esmeraram em demonstrar o seu valor. Todos os participantes ofereceram muita “luta”, tendo alguns jogadores prolongado o jogo por mais de uma hora. O mais importante para todos os alunos foi a experiência de jogar com um “Mestre” da modalidade.

As turmas do 2º Ciclo (5º/6º anos), 3º Ciclo (7º/8º anos) e CEF – Electricistas de Instalações, da Escola Básica 2,3 / S de Caminha, realizaram nas duas últimas semanas dos meses de Outubro e Novembro, do corrente ano, uma visita de estudo à exposição sobre o “Sporting Clube Caminhense, patente no Museu Municipal de Caminha, e também às instalações físicas do referido Clube. Os alunos demonstraram bastante interesse, colocando várias questões ao guia sobre a origem e conquista de alguns troféus que se encontravam em exposição. Esta iniciativa teve como principal objectivo proporcionar aos alunos conhecimentos sobre a modalidade de remo e, ao mesmo tempo, dar a conhecer a origem e desenvolvimento de um clube desportivo, existente no meio envolvente à escola. Nas instalações do Clube, os alunos tiveram oportunidade de observar todo o material que se utiliza para a prática do remo, assim como a sala de musculação utilizada pelos atletas. Na parte final da visita, realizaram uma pequena prova prática nos ergómetros, revelando entusiasmo e vontade de obterem os melhores resultados. Esta iniciativa pretendeu fomentar e motivar a Comunidade Escolar para a prática da modalidade, no sentido de desenvolver os seus interesses, proporcionando também uma forma de convívio entre todos, assim como a troca de ideias e de conhecimentos. Profª. Dora Cepa

Desporto escolar

Torneio de Ténis de Mesa Na Escola E.B.2,3/S de Caminha teve início, no dia 11 de Novembro de 2008, o Torneio de Ténis de Mesa, com final a 11 de Março de 2009, inserido na actividade interna do Desporto Escolar. Estão inscritos alunos dos 6º, 7º, 8º, 10º e 12º anos e serão realizados 110 jogos. O Torneio está a ser disputado em jogos de singulares, todos contra todos a duas voltas. Os jogos decorrem às terças e quartas-feiras das 13.30min às 14.30min. Paralelamente a este Torneio, está a decorrer um outro de professores contra os mesmos alunos inscritos. Até ao dia 21 de Janeiro de 2009, disputaram-se 64 jogos. O Aluno, Ricardo Câmara, encontra-se em 1º lugar. CLASSIFICAÇÃO 1º Ricardo Câmara 12ºC 2º Rafael Ribas 10ºB 3º Márcio Valadares 10ºB 4º Edgar Castro 7ºA 5º João Gonçalves 8ºB 6º Miguel Valadares 6ºB 7º Miguel Alves 8ºA 8º Rodrigo Ribeiro 8ºC 9º Joaquim Pedro 10ºB 10º Daniel Pinto 7ºA


Jornal Escolar — Escola EB 2,3/S de Caminha — Trimestral — Nº33 — Fevereiro de

Corrida de S. Martinho teve enorme participação

CORTA-MATO ESCOLAR

Página 11

CLASSIFICAÇÕES Infantil A

Na maior participação dos últimos anos, centenas de alunos correram no Corta-Mato da EB 2,3/S de Caminha

No passado dia 12, a Escola EB 2,3/S de Caminha viveu a primeira grande manhã

Fem.—Diana Oliveira Masc.—João Reis

Infantil B

desportiva do ano lectivo. Alunos de todos os anos de escolaridade participaram

Fem.—Soraia Afonso

nas diversas corridas (organizadas por escalões) propostas pelo grupo de Educa-

Masc. Rafael Calvão

ção Física desta escola com o apoio do Clube de Desporto Escolar.

Iniciados

Ao contrário do habitual, os

Fem.—Ana Carvalho

prémios não se resumiram

Masc. José Vau

aos três primeiros classifica-

Juvenis

dos em cada escalão: dando Fem.—Ana Seixo

expressão à velha máxima

Masc.—Rafael Ribas

que afirma que “no Desporto

Juniores

o principal é participar”, a organização deste ano fez

Fem.—Ana Seixo

questão de sortear, entre

Masc.—José Costa

todos os participantes que

Volta mais rápida

cruzaram a linha de chegada, uma bicicleta de montanha. A expectativa no final de todas as provas era gran-

24,7 Km/h—José Pedro Costa

de, mantendo-se todos os alunos junto do pódio e enriquecendo o clima de festa e de convívio do evento. No apoio à iniciativa, estiveram os alunos do Curso Tecnológico de Desporto do 10º e

Premiado com Bicicleta de Montanha

11º anos, divididos entre a zona de balneários, zona de aquecimento, câmara de chamada, distribuição de reforços alimentares, entrega de prémios, controlo de percurso, cronometragem e registo de chegadas. Um esforço que ajudou ao êxito da Corrida de São Martinho e que contribuiu, sobretudo na fase de preparação, para a participação em massa dos alunos desta escola. Ao todo, foram cerca de 230 alunos que cruzaram a linha de chegada, tornando esta iniciativa a mais concorrida dos últimos anos. Um facto que traz uma responsabilidade acresci-

Rodrigo Miguel Verde Ribei-

da para a realização do futuro evento, que terá lugar por altura do próximo 11 de

ro - 8º Ano

Novembro de 2009, comemorando, assim no desporto, o S. Martinho.


PALAVRAS ACERCA DO “PALAVRINHA” Foi com muita satisfação que recebi o convite do Sr. Prof. Arsénio Calheiros para escrever uma pequena mensagem para o “Palavrinha”. Cá estou, com prazer, a honrar o meu compromisso.

OPINIÃO Por Jorge Fão (Deputado Assembleia da República)

Reconheço e confesso que tenho estado pouco atento à edição do Vosso Jornal que noticia as actividades do Agrupamento de Escolas Coura e Minho. Contudo, a oportunidade que agora tive de “ver” e ler, através do Google, o último número publicado (nº 32) faz com que actualize a minha informação, confirme a importância deste boletim escolar e elogie a sua qualidade. Deixo como sugestão que, via correio electrónico, seja mais divulgado, para o que desde já me inscrevo jfao@ps.parlamento.pt A Escola é um “território” físico e social onde se aprofundam e aperfeiçoam aprendizagens e se trabalha quotidianamente na formação académica, cultural, profissional e cívica dos alunos, tentando construir personalidades, moral e eticamente bem estruturadas, preparando dessa forma os jovens para o sucesso numa cada vez mais exigente e competitiva vida em sociedade, com constante apelo ao exercício da cidadania activa e responsável.

vo, o Agrupamento de Escolas Coura – Minho, pelo que conheço da dedicação dos seus Professores Dirigentes, do empenho dos colegas Docentes e do brio dos seus funcionários, promove todos os dias esse trabalho para alcançar o objectivo do sucesso dos seus alunos. Mais uma vez confirmo esta opinião através da leitura do conteúdo do Vosso Jornal. O “Palavrinha” desempenha um papel fundamental na Informação sobre as actividades do Agrupamento, no reforço da unidade da Comunidade Escolar, na promoção da participação de professores e alunos e na divulgação das boas práticas educativas. Quero, por isso, aqui registar um elogio a esta publicação e felicitações aos que a “constroem” e dirigem. Como cidadão, como professor e também como deputado da Assembleia da República, dirijo aos alunos uma mensagem de incentivo e apelo ao seu empenhamento nas tarefas escolares e a uma participação entusiástica em todas as actividades da Escola. Felicidades Jorge Fão, Deputado da Assembleia da República

Através da concretização do seu projecto educati-

Dia Mundial da Alimentação No passado dia 16 de Outubro, comemorou-se o Dia Mundial da Alimentação. E como é hábito, na nossa escola, não deixámos passar este dia em branco! Os alunos do 6º ano de escolaridade, nas disciplinas de Área de Projecto, EVT e Ciências da Natureza, elaboraram panfletos alusivos à prática de uma alimentação saudá-

vel e distribuíram-nos pela comunidade escolar, tentando sensibilizá-la para a necessidade da escolha adequada dos alimentos. Era nossa intenção distribuir também os panfletos no centro da Vila, mas São Pedro pregou-nos uma partida e tivemos que ficar mesmo pela escola pois choveu o dia todo! De qualquer forma, esperamos

que a lição tenha sido aprendida pelos alunos da nossa escola e que estes tenham transmitido os seus conhecimentos em casa! Chegou a vez de os alunos serem os professores!

Jornal "A Palavrinha"  

Edição de Fevereiro de 2009

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you