Page 1

Este post é uma série de imagens inspiradoras selecionadas para serem divulvagas nas redes sociais (AEmeBe) e mídias digitais como forma de inspiração à todos que curtem arte e o bom design criativo. The Virtual também está disponível no issuu.com/aemebedesign

the virtual issuu.com/aemebedesign

EDIÇÃO 71 . NEWSPAPER AEMEBE Entretenimento visual . Rio de Janeiro / Brasil

a eme be

aemebe.weebly.com |

W aemebemagazine |

B @aemebedesign

DESIGN | INSPIRAÇÃO | ARTE

# daniel kordan Vamos falar de fotografia


índice photo daniel kordan .4 poético branco & preto . 30 casaquistão constantes & boas mudanças . 40 2016 iPhone Photography Awards . 58 fukushima cidade devastada . 72 hospedados do lado de fora . 92 design &arquitetura escritório flutuante . 98 espirais surreais composições fotográficas . 110 nem lá, nem cá uma terceira cultura . 132 a rua mais íngreme do mundo . 152 R

a eme be DESIGN |INSPIRAÇÃO |ARTE

the virtual Contatos:

R

h aemebe@outlook.com.br aemebe.weebly.com w aemebemagazine b @aemebedesign EDITOR:

André Aemebe

Ano 3, edição 71.


photo daniel kordan VAMOS FALAR DE FOTOGRAFIA


o

Daniel nasceu em Moscovo região. Em sua infância, ele se formou na escola de arte. Depois disso, ele foi estudar em Moscou, no Instituto de Física e Tecnologia, tornando-se um físico ótico. Durante o estudo, ele ganhou experiência não só na física, mas também em alpinismo e caminhadas, guiando grupos de turistas no inverno e no verão nas montanhas russas. Logo após a formatura, ele se tornou um guia de foto-oficinas e editor chefe da revista “Continent expedition”. Esta revista é sobre viagens e aventuras em todo o mundo. Ele tem vários prêmios de fotografia: vencedor Golden Turtle ‘2013, National Geographic Rússia concurso de 2013 e 2014 como finalista, Best of Russia’2013 e vencedor no ano de 2014, melhor fotógrafo finalistas em 2013 e outros. Ele está passando a maior parte de seu tempo na Noruega, ilhas Lofoten e na Toscana no Villa Gaia, como guia de grupos de fotógrafos.


Para mais:

instagram.com/kpunkka


poético preto & branco

Disparado em um filme preto e branco, a série de Joanna Chudy é um romance visual poético sobre as fraquezas humanas e a experiência de tristeza, desamparo e dor.


“É uma história pessoal, naturalmente independente, na sua individualidade, que, ao revelar algum fragmento do mundo, não oferece a sua imagem intemporal e objetiva”. A série, chamada “‘The pictures of emotions and other ailments of a sensitive human’ (As imagens de emoções e outras doenças de um ser humano sensível- tradução livre), é um retrato melancólico de pessoas que, incapazes de encontrar o seu lugar na realidade, lidam com emoções dolorosas. Ao invés de revelar a identidade de seus personagens, Chudy se concentra em criar o clima especial para os sentimentos que experimentam - sonolência, tédio, perda de auto-consciência. “É uma história pessoal, naturalmente independente, na sua individualidade, que, ao revelar algum fragmento do mundo, não oferece a sua imagem intemporal e objetiva. Esta natureza pessoal da narrativa, tirado de Roland Barthes, parece determinar a forma como a história é contada, com destaque para a identificação do narrador com o protagonista”, diz Chudy. Embora nós não sabemos muito sobre o tempo ou o lugar da história, podemos ver que o herói principal é um jovem solitário que, como o fotógrafo descreve, está em um estado de anomia. “Juventude e sua energia parecem contrastar fortemente com o estado de anomia. E este é exatamente uma combinação que oferece uma verdadeira representação do ser humano e os seus humores”.


Para mais:

joannachudy.pl


Cazaquistão constantes e boas mudanças Fotógrafo documentar os antigos e novas capitais do Cazaquistão, Ryan Koopmans conseguiu capturar as constante mudança na paisagem urbana do país, com suas enormes torres e jardins públicos peculiarmente simétricos.


A nona maior massa de terra do mundo, o Cazaquistão ganhou a independência apenas 25 anos atrás. No final de 1997, a capital do país foi transferida de Almaty para Akmola, e o centro passou de montanhas Trans-Ili Alatau no sul aos campos lisos de Kazakh deserto no norte do país. A localização não é a única diferença significativa entre as duas cidades, no entanto. A nova capital, com o nome Astana (‘capital’ em cazaque), tem uma população de apenas algumas centenas de milhares de pessoas. Koopmans trabalhou no Cazaquistão ao longo dos últimos quatro anos, visitando as duas capitais antigas e as novas e observando o contraste entre as duas cidades.


All images Š Ryan Koopman

Para mais:

ryankoopmans.com


2016 iPhone Photography Awards IPPAWARDS

As melhores fotos do iPhone de 2016   Como se vê, você não precisa de uma máquina fotográfica cara para capturar belas fotos. Você só precisa de um smartphone! Os vencedores dos 2016 Photography Awards iPhone (IPPAWARDS) foram anunciados. A competição, que mostra o melhor da fotografia móvel, recebeu milhares de inscrições de 139 países em 19 categorias.


Siyuan Niu de Xinjiang, China ganhou o grande prêmio. Sua entrada, intitulado ‘Man and the Eagle’ (O homem e a águia), mostra um senhor de 70 anos de idade e sua águia dourada num momento de ternura entre os dois. De acordo com Niu, ele estava tirando fotos de paisagem quando o homem se aproximou dele no cavalo, com a águia empoleirada em seu braço. “A águia deve ter me notado como começou a bater as asas e guinchando, muito agitada e vigilante”, disse Niu à revista TIME. “O velho usou a mão e sua voz para acalmá-la. Eles estavam se tocando face a face. Foi nesse momento que, com o meu iPhone na mão, eu tirei a foto”. Você pode ver mais sobre no site da IPPAWARDS. www.ippawards.com


Imagem: Shiyang Han


Imagem: Patryk Kuleta


Imagem: Robin Robertis


Imagem: Junfeng Wang


Imagem: Xia Zhenkai


Imagem: Fugen Xiao


Imagem: Donghai Xia


Imagem: Erica Wu


Imagem: Carolyn Mara Borlenghi


Imagem: Jian Wang

Para mais:

/www.ippawards.com


FUKU SHIMA DEVASTADA, CIDADE FANTASMA


Imagens incríveis de uma cidades fantasma abandonada Como Chernobyl, a zona de exclusão nuclear de Fukushima alimenta a imaginação, entre revoltante e fascinante zona sem lei de um desastre ecológico. O fotógrafo da Malásia Keow Wee Loong decidiu atravessar as barricadas da zona de exclusão nuclear em Fukushima, para fotografar Okuma, Namie, Futaba ou Tamioka, cidades fantasmas abandonados depois do tsunami e do desastre nuclear de Fukushima, acontecido em março de 2011. Fotografias surpreendentes da qual emerge uma verdadeira atmosfera de desgraça.


Todas as imagens, Keow Wee Loong aemebe.weebly.com/fukushima-fantasma.html


HOSPEDADOS DO LADO DE FORA O bom de viajar é conhecer culturas diferentes e as mais belas paisagens. Algumas são tão surpreendestes que dá vontade de ficar eternamente naquele lugar, deitado na grama, nas montanhas ou, quem sabe, num jardim colorido como os das pinturas de Monet. Agora é possível, sim. Ir para um hotel e “entrar” num quarto completamente dentro do ambiente que nos cerca. Não há janelas, paredes ou portas. Se a brisa do ar e o verde das montanhas te convidam para fora, não precisa mais sair, você já está lá. Para os fundadores do Hotel, o conceito é “dar aos hóspedes a experiência de concentrar-se no intangível, onde tudo ao mínimo”, menos a sensação de integrar-se com a natureza e a paisagem.


um hotél à céu aberto


NULL STERN HOTEL null-stern-hotel.ch


ESCRITÓRIO FLUTUANTE


Na China, pode-se trabalhar na água. ​DESIGN & ARQUITETURA CURVO, ALONGADO, ​TODO EM CONCRETO, MAS CONSTRUÍDO NA ÁGUA

Localizado na província de Jiangsu da China, o ‘Building On The Water’ (Edifício On The Water - tradução livre) foi construído pelos arquitetos portugueses Álvaro Siza e Carlos Castanheira. Localizado em um lago artificial de 100.000 metros quadrados em New Salt Industrial Park, o escritório flutuante é formado na forma de uma curva de 300 metros alongada e é principalmente feito de concreto. Levou quatro anos para projetar e construir o edifício.


Via Carlos Castanheira​ www.carloscastanheira.pt Imagens (All images) Š Fernando Guerra | FG + SG ultimasreportagens.com


ESPIRAIS COMPOSIÇÕES FOTOGRÁFICAS SURREAIS


S S​ URREAIS Uma seleção surrealista do fotógrafo profissional australiano Nate Hill, que publica suas experiências visuais no Instagram. Para criar essas composições, Nate combina várias aplicações disponíveis em Apps.


PARA MAIS: www.natehillphotography.com.au


the virtual


the virtual


NEM LÁ, NEM CÁ. TERCEIRA CULTURA Artista sudanês explora a “aculturação”, a falta de cultura ou “Qual seria a minha cultura?” em fotos de adolescentes que mantêm suas raízes, porém com uma forte carga do ambiente em que se vive. O lar adotivo se mescla com a própria herança cultural. Atong Atem é escritor, estudante de artes plásticas e fotógrafo na Austrália. Na série ‘Third Culture Kids’ (A terceira cultura jovem, numa tradução livre), Atong tentar mostrar os quanto pode um africano sentir-se confuso entre a cultura de origem e a cultura do meio em que se vive.

“Sinto-me não do Sudão do Sul o suficiente e nem australiano suficiente.” ​ Configurações pre-estabelecidas em muitas partes da África por colonizadores britânicos, perceptíveis nos retratos, nos quais vemos muito colorido, texturas e padrões em tecidos. Tais elementos não são apenas decorativos, eles atuam como pano de fundo e adereços introduzidos pelos colonizadores, já se tornaram uma parte integrante da identidade Africana. “Ser um jovem com uma “terceira cultura” significa reconhecer que há um espaço existente entre a cultura que somos e a cultura em que estamos vivendo. Sinto-me não do Sudão do Sul o suficiente nem australiano suficiente. Eu tenho que aceitar que eu nunca vou ser ambos”. Diz Atem.


Para mais:

atongatem.tumblr.com


Make lINDA


LINDA HALLBERG

AEMEBE ASSUNTO MODA #34 Free post-magazine disponĂ­vel para leitura via

issuu.com/aemebedesign

click here clique e leia


curiosidades

Baldwin Street

R


the virtual R

a eme be DESIGN |INSPIRAÇÃO |ARTE

Textos, design, projeto gráfico e direção de arte por AMB Design. Todas as fotos, textos e designs com direitos reservados de seus respectivos autores. Ano 3, edição 71 Todas as fotografias contidas com direitos reservados. Rio de Janeiro, Brasil.

Contatos: h aemebe@outlook.com.br aemebe.weebly.com w aemebemagazine b @aemebedesign


A RUA

MAIS ÍNGREME DO MUNDO Na Nova Zelândia, uma rua é destaque no mundo todo. O motivo? A que mais cansa, não por ser a mais longa ou cheia de obstáculos, mas sim numa (cansativa) subida. Baldwin Street é reconhecida pelo Guinness Book como a rua mais íngreme do mundo.


Na Nova Zelândia, uma rua é um ponto turístico conhecida mundialmente, não por algum tipo de paisagem natural, escultura artística ou por abrigar alguma residência famosa. O seu atrativo é por ser íngreme demais. Baldwin Street, em Dunedin, não é uma rua tão extensa. Ela mede apenas 350 metros de comprimento, mas para cada 2,86 metros horizontais, há um aumento de um metro. Em outras palavras, na medida em que sobe, você por pouco não anda de quatro.


Via aemebe.weebly.com Imagens: reprodução


THKS GRACIAS OBRIGADO

Quanto mais criativo melhor

amb design

Direção de arte e design: AEmeBe

w aemebe

|

b@aemebedesign

|

h aemebe@outlook.com.br

THE VIRTUAL #71  

THE VIRTUAL #71 AEMEBE . THE VIRTUAL Arte . Design . Ilustração . Fotografia . Inspiração e muito mais. www.aemebe.weebly.com fb.com/aeme...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you